Wikis em Educação: potencialidades e contextos de utilização

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "Wikis em Educação: potencialidades e contextos de utilização"

Transcrição

1 Wikis em Educação: potencialidades e contextos de utilização Nome de autor (omitido para revisão) Instituição (omitida para revisão) (omitido para revisão) Resumo Com a mudança de paradigma para a Web 2.0, surge uma enorme e variada gama de aplicativos online que proporcionam ao utilizador um ambiente estimulante para a produção e publicação da informação. Os wikis constituem uma dessas muitas ferramentas que está a ser utilizada com sucesso nas empresas e também nas escolas tanto para a partilha como para a gestão do conhecimento. Em contexto pedagógico, a tecnologia wiki potencia ainda a comunicação e troca de ideias entre os diversos membros de uma comunidade educativa, estimula o desenvolvimento do trabalho colaborativo e cooperativo e daí o interesse crescente que vem despertando junto da comunidade científica das Ciências da Educação. 1. Introdução O perfil dos alunos que termina a escolaridade obrigatória tem vindo a mudar de forma gradual, ou seja, os estudantes de hoje precisam de dominar um leque maior de competências tecnológicas essenciais para a integração no mercado de trabalho e para a formação ao longo da vida. Neste contexto, o curriculo nacional do Ensino Básico passou a valorizar um conjunto de competências transversais relacionadas com a gestão dos processos de aprendizagem pelos próprios aprendentes, a adopção de uma autonomia crescente nos seus percursos escolares e a dotação dos estudantes com um conjunto de ferramentas intelectuais e sociais que lhes permitam uma aprendizagem contínua ao longo da vida (Simão, 2002:72), uma vez que, tal como advertem Cachapuz et al (2004, p. 28), sem aprender a aprender não há aprendizagem ao longo da vida. A primeira geração da Internet teve como principal atributo a enorme quantidade de informação disponível e a que todos podiam aceder. No entanto, o papel do utilizador neste cenário era o de mero espectador da acção que se passava na página que visitava, não tendo autorização para alterar ou reeditar o seu conteúdo (Coutinho & Bottentuit, 2007a). Nesta primeira fase, surgiram e proliferaram a velocidade muito célere os serviços disponibilizados através da rede, criando-se novos empregos e nichos económicos como, por exemplo, o e-commerce que delimitou um novo padrão de negócios para as empresas (Coutinho & Bottentuit Junior, 2007a). Nesta fase, que muitos designam por Web 1.0, os serviços da rede eram bastante onerosos para os utilizadores; a grande maioria dos serviços eram pagos e controlados através de licenças, os sistemas eram restritos a quem detinha poder de compra para custear as transações online e adquirir o software para criação e manutenção de sites. 1

2 A Web 1.0 trouxe grandes avanços no que diz respeito ao acesso à informação e ao conhecimento, porém, a filosofia que estava por detrás do conceito de rede global foi sempre a de um espaço aberto a todos, ou seja, sem um dono que controlasse o acesso ou o conteúdo publicado (Anderson, 2007). Houve sempre uma preocupação por tornar este meio cada vez mais democrático e a evolução tecnológica permitiu que isso fosse possível pelo aumento da largura de banda das redes, pela possibilidade de se publicarem informações na web, de forma fácil, rápida e independente de software específico, linguagem de programação ou custos adicionais. Com a mudança de paradigma para a web 2.0, surge uma grande e variada gama de aplicações online cujo denominador comum é o facto de permitirem que os utilizadores se publiquem e disseminem informação através da rede de forma fácil e rápida. Termos como Blog, Wikipédia, Podcast, Orkut, Del.icio.us, Skype, Messenger, LinkedIn são apenas alguns exemplos de ferramentas que integram a nova geração de sistemas disponíveis na rede global (Richardson, 2006). Nesta comunicação vamos apresentar e discutir as potencialidades educativas de uma das muitas ferramentas da nova geração da internet: os wikis. Definido o conceito, equacionaremos tipos e contextos de utilização da ferramenta que possibilita a construção e gestão da informação por um grupo de utilizadores. Finalizaremos apresentando alguns exemplos concretos de utilização bem sucedida dos wikis em contexto educativo. 2. O que é um Wiki Os termos wiki e wikiwiki são utilizados para designar um tipo específico de páginas de hipertexto que permite que o utilizador da Web, mesmo sem ter necessidade de se registar, possa adicionar, remover ou editar algum do seu conteúdo. No Hawai wiki significa rápido e terá sido essa ideia que levou o programador Ward Cunningham a criar uma página web que generalizasse o conceito de edição aberta e colaborativa, surgindo desta forma, em 1995, o primeiro wiki o WikiWikiWeb (Wikipédia, 2008).Um wiki é pois um espaço na web para o trabalho colectivo de um grupo de autores; a sua estrutura lógica é muito semelhante à de um blog, mas sem organização temporal hierárquica e com a funcionalidade acrescida de permitir a criação e modificação livre das páginas por qualquer um dos seus autores (Schwartz et al, 2004; Tonke, 2005; Qian, 2007). O termo wiki tornou-se bastante popular após o surgimento da Wikipédia, um dos 100 sites mais visitados da Web que cresce a cada dia que passa com os contributos voluntários de wikipedistas das mais diversas áreas do saber. Segundo Schons, Silva & Molossi (2007), a wikipédia contém mais de 3,5 milhões de artigos com mais de 720 milhões de palavras em 205 idiomas e dialectos (ver figura 1). Apesar da falta do controle de qualidade top-down e de uma hierarquia administrativa rígida, muitos artigos desta imensa biblioteca online são de qualidade notável, como pôde ser evidenciado pela revista britânica Nature, que submeteu 50 verbetes científicos da Wikipédia e da Enciclopédia Britânica para avaliação de especialistas, constatandose, desde logo que, mais de 10% dos especialistas ligados à Nature já tinham escrito para a Wikipédia. 2

3 Mesmo admitindo que a grande maioria dos verbetes da Wikipédia são escritos por pessoas sem conhecimentos técnicos, foi possível verificar um retorno de 42 revisões, demonstrando-se uma média de quatro inconsistências por verbete para a Wikipédia, contra três da Britânica. Os cientistas consultados encontraram ainda quatro erros graves em cada uma das enciclopédias. Foram também registadas omissões e afirmações enganosas, sendo 162 oriundas da Wikipédia e 123 da Britânica. Em síntese, os resultados obtidos reflectem que, no que toca a erros e omissões, ambas as enciclopédias estão muito próximas. Figura 1: Wikipédia 3. Tipos de Wikis Os wikis classificam-se em duas categorias: de tipo comercial ou open source (código aberto). A grande maioria das empresas prefere trabalhar com o software comercial, pois desta forma o serviço é instalado em ambiente de Intranet e só os indivíduos registados no wiki podem ter acesso ao conteúdo do mesmo, ficando assim garantida a segurança dos dados nos próprios servidores das empresas. Entre os softwares comerciais mais divulgados temos como exemplos (ver figura 2): Confluence Enterprise Wiki [http://www.atlassian.com/software/confluence/] SocialText [http://www.socialtext.com/] Figura 2: Exemplos de wikis pagos Já no que concerna aos softwares open source apresentamos como exemplos: Wiki.Com [http://wiki.com] que pertence ao Google e funciona como motor de busca de outros wikis bem como um ambiente para criação de wikis gratuitos 3

4 MediaWiki [http://www.mediawiki.org/wiki/mediawiki] Twiki [http://www.twiki.org/] Wikispaces [http://www.wikispaces.com/] Wikia [http://www.wikia.com/wiki/wikia] Figura 3: Exemplos de wikis gratuitos. 4. O potencial do Wiki Leuf & Cunningham (2001, p. 14) definem um wiki como "uma colecção livremente expansível de páginas Web interligadas num sistema de hipertexto para armazenar e modificar informação - um banco de dados, onde cada página é facilmente editada por qualquer usuário com um browser. A ideia central da tecnologia wiki é que qualquer texto original possa ser alterado, de modo a que novos conhecimentos sejam incorporados aos já existentes, ou seja, em wikis abertos, qualquer pessoa pode editar uma página. Já em wikis com acesso restrito para edição, somente os utilizadores cadastrados ou com a permissão do administrador podem contribuir com novos conteúdos ou modificar os existentes. O wiki permite que os membros de uma dada comunidade educativa (uma turma, uma escola, um grupo de investigadores, etc), insiram conteúdos ou modifiquem os textos já publicados; assim que ocorre um novo post no wiki, todos os utilizadores estão aptos a contribuir inserindo complementos ao texto original, ou corrigindo o que foi publicado. Não há necessidade de pedir permissão ao autor porque todos estão sempre convidados a contribuir para um produto final que é sempre colectivo e que está em constante aperfeiçoamento. A procura e construção do conhecimento é o princípio impulsionador da criação de um wiki e, como resultado, torna-se possível a criação de um repositório colectivo de dados com informações que podem ser lidas e modificadas a todo instante por todos aqueles que se interessam e/ou dominam uma dada área do saber. Estes repositórios são importantes para a valorização dos indivíduos que participam na construção do wiki bem como para a troca de conhecimentos entre todos os membros desse mesmo grupo. Os wikis podem ser utilizados em educação para diversos fins e funções. A utilização educativa mais difundida desta tecnologia é designada na literatura por wiks interclase (Santamaria & Abraira, 2006, p. 376) e consiste na criação de um repositório ou base de conhecimento colaborativa desenvolvida por um grupo de estudantes que frequentam uma mesma disciplina ou curso. O wiki pode ser utilizado para que os estudantes desenvolvam um projecto em 4

5 pequenos grupos, trabalhem uma parte de um projecto colectivo da turma ou mesmo para que os estudantes criem e mantenham um sítio web da disciplina ou curso. Santamaria & Abraira (2006) atribuem a esta ferramenta as seguintes potencialidades educativas: Interagir e colaborar dinamicamente com os alunos; Trocar ideias, criar aplicações, propor linhas de trabalho para determinados objectivos; Recriar ou fazer glossários, dicionários, livros de texto, manuais, repositórios de aulas, textos tópicos, reuniões, etc; Gerar estruturas de conhecimento partilhado, colaborativo que potencia a criação de comunidades de interesse; Integração dentro dos edublogs porque ainda que distintos em termos de concepção podem ser integrados de forma complementar. Ver todo o histórico de modificações, permitindo ao professor avaliar a evolução registrada; Os alunos podem colaborativamente criar, editar e apagar um texto existente, assumindo para si a responsabilidade através do registro de acesso; Os wikis podem ser utilizados para criar calendários de trabalho e desenvolver projectos; Com a utilização dos wikis ocorre uma significativa diminuição na utilização de meios de comunicação como o telefone e o , pois antes de perguntar algo o colega poderá fazer uma busca no wiki pela Informação desejada. O ensino a distância e todas as modalidades de ensino e aprendizagem que combinam sessões presenciais com outras online (blended learning),são também áreas de eleição para explorar as potencialidades educativas dos wikis. Os wikis também têm vindo a ser utilizados em muitas outras actividades como seja nos negócios, para a partilha do saber entre os colaboradores, na engenharia e ainda na administração como ferramenta de gestão de projectos (Brand, 1998), entre muitas outras. 5. Aplicações às práticas educativas Para Santamaria & Abraira (2006) as aplicações dos wikis para as práticas educativas podem situar-se a diversos níveis. A primeira delas está no estímulo à escrita, competência muito valorizada nos currículos escolares dos mais diversos níveis de ensino e para as diferentes áreas disciplinares. Os wikis permitem que os indivíduos escrevam tanto para benefício pessoal como para a partilha de saberes/ideias com os companheiros de uma mesma equipa/turma/escola. A criação e desenvolvimento de portfólios é outra área de eleição para a qual os wikis se ajustam muito bem na medida em são ferramentas que possibilitam a organização dos materiais digitais pela criação de conexões e redes de conhecimento hipertextuais. Nas bases de conhecimento colaborativo, os grupos podem usar os wikis para criar uma base de dados de conhecimento compartilhado. Por exemplo, numa turma, os alunos desenvolvem em pequenos grupos uma parte do projecto geral, e o wiki funciona como o site/repositório colectivo para que todos contribuem e onde todos são responsáveis pela manutenção e desenvolvimento. Na coordenação e colaboração em investigação os wikis permitem que pessoas que estão em 5

6 lugares distintos, colaborem para a construção de um espaço digital colectivo de ideias, artigos, dados, documentos e resultados de investigação. Os investigadores também podem utilizar o wiki como bloco de notas das ideias principais. Como meio para coordenação curricular e interdisciplinar. Os wikis permitem e facilitam a todas as pessoas implicadas (professores, directores e colaboradores, etc) a organização conjunta de aulas, horários, avaliações, sem necessidade de cadernetas e registos em livros, bem como a coordenação a distância. A coordenação de eventos via web é outra da funcionalidade dos wikis a referir. De facto, muitas instituições universitárias organizam simpósios e congressos, bem como reuniões científicas e profissionais com o apoio de wikis; a grande vantagem desta ferramenta é que com poucos conhecimentos é possível fazer actualizações e edições no conteúdo e no layout. E, para terminar, resta referir o papel que podem assumir na gestão de tempos e projectos, aspecto sobre o qual nos debruçaremos mais adiante. 6. Contextos de utilização: alguns exemplos concretos Num estudo recente levado a cabo por Coutinho e Bottentuit Junior (2007b), utilizou-se o wiki no âmbito dos trabalhos de uma disciplina de um curso de mestrado em Tecnologia Educativa na Universidade do Minho em Portugal. O Wiki funcionou como repositório de informação da disciplina e foi construído de forma colaborativa por todos os formandos que trabalharam em grupo um tópico específico da disciplina. Na avaliação final da experiência foi possível verificar da importância atribuída ao trabalho colaborativo (os alunos tiveram oportunidade de aprender com os colegas e de consultar o material por eles produzido) e, sobretudo, todos reconheram a qualidade e utilidade do produto final que se constituiu como um repositório de dados que, estando online, poderá ser consultado e utilizado por quem tiver interesse nas temáticas versadas. O repositório [http://claracoutinho.wikispaces.com] serviu ainda como forma de comunicação entre os alunos e a docente, pois os conteúdos postados eram alvo de comentários e avaliações que ficavam disponíveis a toda a turma, possibilitando que os formandos corrigissem erros e melhorassem a qualidade dos seus contributos para a base de conhecimento colaborativa (ver figura 4). A título de curiosidade não queremos deixar de referir que o referido wiki tem recebido inúmeras visitas e que já tem sido citado por indivíduos de outras áreas e instituições que utilizam a informação que contém para apoio à elaboração de relatórios de investigação. 6

7 Figura 4: Página principal do wiki de uma disciplina. Outro exemplo de contexto de utilização bem sucedida de um wiki é para a criação de sites pessoais ou sites de turma ou grupo. O Professor Doutor Paulo Marques do Departamento de Engenharia Informática da Universidade de Coimbra, Portugal, utiliza o wiki como site pessoal [http://pmarques.dei.uc.pt/wiki/paulo_marques]. Neste espaço disponibiliza informações pessoais (formação académica, percurso profissional, publicações, projectos em que está envolvido) bem como informações das disciplinas que lecciona; a vantagem de se ter um site no formato de um wiki é que as palavras chave ficam sempre em hiperligação e os utilizadores podem conferir todas as suas actualizações através do botão related changes ou, se preferirem, através de um agregador RSS (ver figura 5). Figura 5: Página de um wiki utilizado como página pessoal Outro exemplo que queremos destacar é o do wiki concebido para o curso de Cadastro Técnico Multifinalitário e Gestão Territorial na Universidade Federal de Santa Catarina, Brasil [http://geodesia.ufsc.br/wiki-ctm/index.php/p%c3%a1gina_principal]. Este wiki funciona como 7

8 repositório de conteúdos para as diversas disciplinas do curso. Tanto os alunos como os professores participantes do projecto podem consultar e alimentar a base de dados com assuntos do interesse de todos, e, para além disto, há ainda notícias, contactos dos professores, bem como temas de interesse para futuras investigações (ver figura 6). Figura 6: Página do wiki de uma disciplina sendo utilizado como repositório de conteúdo A gestão de eventos e congressos, tal como referido anteriormente, é outro dos contextos de utilização dos wikis. O site do 5th Working IEEE/IFIP Conference on Software Architecture [http://wwwp.dnsalias.org/wiki/5th_wicsa_2005] foi todo desenvolvido a partir de um wiki; nele era possível obter todas as informações do congresso como, por exemplo, os deadlines, o programa do evento, a comissão de organização e comissão científica, os patrocinadores e todas as demais informações referentes ao evento (ver figura 7). Figura 7: Página principal do WICSA 2005 Esta ferramenta não se limita a ser uma nova forma de um grupo realizar uma dada tarefa; o wiki permite que o grupo, independentemente do seu tamanho, seja capaz de organizar um grande fluxo de ideias que se geram de forma livre e espontânea, bem como de as partilhar e criticar. A tecnologia wiki tem vindo a ganhar cada vez mais adeptos entre os educadores que reconhecem o seu potencial para a realização de projectos que solicitem a colaboração entre os membros de um 8

9 grupo e em que participação responsável de muitos leva à obtenção de um produto final que será necessáriamente mais rico, diversificado e rigoroso. 7. Conclusões As tecnologias de informação e comunicação e as novas técnicas computacionais tem influência sobre a sociedade como um todo. A inclusão de tecnologias como os wikis nos processos educacionais, é um caminho natural para que o aluno de hoje, profissional de amanhã, tenha oportunidade de aprender segundo os modelos de aprendizagem que caracterizam a sociedade do conhecimento (Coutinho & Bottentuit Junior, 2007b). Os Wikis fazem muito sucesso porque são simples, eficientes, fáceis de utilizar e implementar, permitindo que os conteúdos estejam acessíveis de forma ubíqua e sem custos pata todos os indivíduos envolvidos na sua construção e desenvolvimento. Para Moura (2006, p.63) trata-se de uma nova forma de encarar o conhecimento numa extraordinária revolução de partilha do conhecimento, deixando de estar nas mãos de alguns para passar a estar na mão de todos. Face aos softwares sofisticados que podem, ou que já estão a ser utilizados em educação, os wikis apresentam enormes vantagens: a) são de código aberto, ou seja, não exigem o pagamento de licenças, b) são muitos simples de usar, e c) permitem que o layout e a estrutura se adaptem ao gosto e estilo do(s) utilizador(es). Em suma, os wikis constituem-se como uma solução barata e simples para incentivar a colaboração e solucionar problemas ou barreiras de comunicação, questões essenciais no contexto da sociedade da informação em que vivemos. Retomando a ideia com que iniciámos esta comunicação, é fundamental que os alunos de hoje adoptem uma autonomia crescente nos seus percursos escolares porque a capacidade de aprender a aprender e de aprender ao longo da vida são vitais num mundo globalizado que valoriza o cidadão informado, capaz de solucionar problemas e de se adaptar à mudança (Coutinho & Bottentuit Júnior, 2007a). Para o desenvolvimento destas competências os wikis são tecnologias que, se bem utilizadas, podem ter um importante contributo para dar. 8. Referências Anderson, P. (2007)What is Web 2.0? Ideas, technologies and implications for Education. Technology & Standards Watch. Disponível em Acesso em 30/08/2007. Brand, J. P. (1998). Direcção e Gestão de Projectos, Lidel Ed. Cachapuz, A., Praia, J. & Jorge, M. (2004b). Da Educação em Ciências às Orientações para o Ensino das Ciências: Um Repensar Epistemológico. Ciência & Educação, v10, n.º 3, p (Consultado na Internet a 26 de Março de 2007). Coutinho, C. P.; Bottentuit Junior, J. B. (2007b) Collaborative Learning Using Wiki: A Pilot Study With Master Students In Educational Technology In Portugal. Proceedings of World Conference on Educational Multimédia, Hypermedia e Telecommunications (ED-MEDIA). Vancouver, Canadá. 9

10 Coutinho, C.P.; Bottentuit Junior, J. B. (2007a). Comunicação Educacional: do modelo unidireccional para a comunicação multidireccional na sociedade do conhecimento. In Actas do 5º Congresso da Sociedade Portuguesa de Ciências da Comunicação (SOPCOM). Universidade do Minho. Braga. Leuf, B. & Cunningham, W. (2001). The Wiki Way: Quick Collaboration on the Web. Addison- Wesley Ed. Boston Moura, A. (2006) Produzir uma webquest num wiki. In A.A.A. Carvalho (org.) Encontro sobre Webquest. Braga: CIED, Universidade do Minho pp Qian, Y. (2007). Meaninful Learning with Wikis: making a connection. In R. Craslen et al (Eds.).Proceedings of the 18th International Conference of the Society for Information Technology & Teacher Education, SITE Chesapeake, VA: AACE, Richardson, W. (2006). Blogs, Wikis, Podcast and other powerful Web tools for classrooms. Thousand Oaks, CA: Corwin Press. Santamaria, F. G.; Abraira, C. F. (2006). Wikis: posibilidades para el aprendizaje colaborativo em Educacion Superior. In L. Panizo et al (Eds.) Proceedings of the 8th International Symposium on Computers in Education, (Vol 2), pp Schons, C. H.; Silva, F. C. C. & Molossi, S. (2007). O uso de wikis na gestão do conhecimento em organizações Revista Biblios, Ano 8, No.27, Jan Mar. Disponível em consultado a: 20/12/2007. Schwartz, L. ; Clark, S.; Cossarin, M. & Rudolph, J. (2004). Educational Wikis: features and selection criteria. The International Journal of Research in Open and Distance Learning, Vol 5 (1). Disponível em 24/01/2007 fhttp://www.irrodl.org/index/irrodl/article/view/163/244. e consultado a 20/03/2008. Simão, A. (2002). Estudo Acompanhado Uma Oportunidade para Aprender a Aprender. In Ministério da Educação, Novas Áreas Curriculares, (pp ). Lisboa: Departamento da Educação Básico. Tonke, E. (2005). Making the case for a Wiki. Ariadne, 42. Disponível em consultado a 28/11/2007. Wikipédia (2008). Ward Cunningham, Disponível em e consultado a 12/4/

João Batista Bottentuit Junior Universidade do Minho Instituto de Educação e Psicologia da Universidade do Minho, Braga, Portugal jbbj@terra.com.

João Batista Bottentuit Junior Universidade do Minho Instituto de Educação e Psicologia da Universidade do Minho, Braga, Portugal jbbj@terra.com. Blog e Wiki: Os Futuros Professores e as Ferramentas da Web 2.0 Clara Pereira Coutinho Universidade do Minho Instituto de Educação e Psicologia da Universidade do Minho, Braga, Portugal ccoutinho@iep.uminho.pt

Leia mais

Website disponível em: Nome de Utilizador: aluno@aluno.pt. Palavra-chave: *aluno*

Website disponível em: Nome de Utilizador: aluno@aluno.pt. Palavra-chave: *aluno* Website disponível em: http://formar.tecminho.uminho.pt/moodle/course/view.php?id=69 Nome de Utilizador: aluno@aluno.pt Palavra-chave: *aluno* Associação Universidade Empresa para o Desenvolvimento Web

Leia mais

Do e-learning tradicional ao e-learning 2.0

Do e-learning tradicional ao e-learning 2.0 Do e-learning tradicional ao e-learning 2.0 João Batista Bottentuit Junior Universidade do Minho jbbj@terra.com.br Clara Pereira Coutinho Universidade do Minho ccoutinho@iep.uminho.pt Resumo Abstract Nesta

Leia mais

APRENDENDO BIOSSEGURANÇA COM O USO DE WIKIS. Janara de Camargo Matos 1 *

APRENDENDO BIOSSEGURANÇA COM O USO DE WIKIS. Janara de Camargo Matos 1 * 1 APRENDENDO BIOSSEGURANÇA COM O USO DE WIKIS Janara de Camargo Matos 1 * RESUMO A internet ou Web 2.0 é um espaço onde se pode criar, editar e transformar páginas de maneira simples. A utilização de tecnologias

Leia mais

Projectos de investigação

Projectos de investigação Teses e Projectos de Investigação 261 Projectos de investigação Software Educativo Multimédia: Estrutura, Interface e Aprendizagem Responsável: Ana Amélia Amorim Carvalho Departamento de Currículo e Tecnologia

Leia mais

Comunicação Educacional: do modelo unidireccional para a comunicação multidirecional na sociedade do conhecimento

Comunicação Educacional: do modelo unidireccional para a comunicação multidirecional na sociedade do conhecimento COUTINHO, Clara Pereira; BOTTENTUIT JUNIOR, João Batista. (2007) Comunicação Educacional: do modelo unidireccional para a comunicação multidireccional na sociedade do conhecimento. Actas do 5º Congresso

Leia mais

Ferramentas de informações e comunicações e as interações possíveis Tecnologias populares para uma Educação à Distância mais Popular.

Ferramentas de informações e comunicações e as interações possíveis Tecnologias populares para uma Educação à Distância mais Popular. Trabalha de Conclusão do Curso Educação a Distância : Um Novo Olhar Para a Educação - Formação de Professores/Tutores em EaD pelo Portal Somática Educar Ferramentas de informações e comunicações e as interações

Leia mais

Índice. Enquadramento do curso 3 Estrutura Programática 4. Primeiros passos com o e-best Learning 6. Actividades e Recursos 11

Índice. Enquadramento do curso 3 Estrutura Programática 4. Primeiros passos com o e-best Learning 6. Actividades e Recursos 11 Índice Parte 1 - Introdução 2 Enquadramento do curso 3 Estrutura Programática 4 Parte 2 Desenvolvimento 5 Primeiros passos com o e-best Learning 6 Como aceder à plataforma e-best Learning?... 6 Depois

Leia mais

O GOOGLE SITES NA APRESENTAÇÃO DO V DE GOWIN DE UMA INVESTIGAÇÃO EXPERIMENTAL EM CIÊNCIAS NATURAIS

O GOOGLE SITES NA APRESENTAÇÃO DO V DE GOWIN DE UMA INVESTIGAÇÃO EXPERIMENTAL EM CIÊNCIAS NATURAIS O GOOGLE SITES NA APRESENTAÇÃO DO V DE GOWIN DE UMA INVESTIGAÇÃO EXPERIMENTAL EM CIÊNCIAS NATURAIS Berta Bemhaja, Elizabeth Ashall, Inês Tavares, Sara Barroca, Zara Baltazar Escola Secundária, com 3º ciclo,

Leia mais

Manual de utilização do Moodle

Manual de utilização do Moodle Manual de utilização do Moodle Iniciação para docentes Universidade Atlântica Versão: 1 Data: Fevereiro 2010 Última revisão: Fevereiro 2010 Autor: Ricardo Gusmão Índice Introdução... 1 Registo no Moodle...

Leia mais

O Recurso a Meios Digitais no Contexto do Ensino Superior. Um Estudo de Uso da Plataforma.

O Recurso a Meios Digitais no Contexto do Ensino Superior. Um Estudo de Uso da Plataforma. O Recurso a Meios Digitais no Contexto do Ensino Superior. Um Estudo de Uso da Plataforma. Universidade de Aveiro Mestrado em Gestão da Informação Christelle Soigné Palavras-chave Ensino superior. e-learning.

Leia mais

Manual de utilização do Moodle

Manual de utilização do Moodle Manual de utilização do Moodle Docentes Universidade Atlântica 1 Introdução O conceito do Moodle (Modular Object Oriented Dynamic Learning Environment) foi criado em 2001 por Martin Dougiamas, o conceito

Leia mais

Os Investigadores da Universidade de Coimbra e as plataformas

Os Investigadores da Universidade de Coimbra e as plataformas Os Investigadores da Universidade de Coimbra e as plataformas & 1 Índice 2 Introdução...3 3 A Plataforma de Curricula DeGóis...3 3.1 É utilizada porque...3 3.2 Com a utilização do DeGóis ganho...4 3.1

Leia mais

ENSINO DE MATEMÁTICA PONTO BLOG

ENSINO DE MATEMÁTICA PONTO BLOG ENSINO DE MATEMÁTICA PONTO BLOG Moema Gomes Moraes 1 RESUMO: Este trabalho faz uma reflexão sobre os aspectos relacionados ao uso de Blogs no ensino de Matemática. Para isto, ele inicia fazendo uma reflexão

Leia mais

Aprender com a experiência Literacia de Informação 2.0 na Rede de Bibliotecas Municipais de Oeiras

Aprender com a experiência Literacia de Informação 2.0 na Rede de Bibliotecas Municipais de Oeiras Aprender com a experiência Literacia de Informação 2.0 na Rede de Bibliotecas Municipais de Oeiras por Maria José Amândio Seminário Bibliotecas Públicas P e de Utilizadores Biblioteca Municipal Orlando

Leia mais

O Digital e o Currículo

O Digital e o Currículo O Digital e o Currículo A INTEGRAÇÃO DO GOOGLE SITES NO PROCESSO DE ENSINO E APRENDIZAGEM: UM ESTUDO COM ALUNOS DE LICENCIATURA EM MATEMÁTICA DA UNIVERSIDADE VIRTUAL DO MARANHÃO João Batista Bottentuit

Leia mais

ANEXO 1 - QUESTIONÁRIO

ANEXO 1 - QUESTIONÁRIO ANEXO 1 - QUESTIONÁRIO 1. DIMENSÃO PEDAGÓGICA 1.a) ACESSIBILIDADE SEMPRE ÀS VEZES NUNCA Computadores, laptops e/ou tablets são recursos que estão inseridos na rotina de aprendizagem dos alunos, sendo possível

Leia mais

Tópicos Especiais em Informática. Msc. Márcio Alencar

Tópicos Especiais em Informática. Msc. Márcio Alencar Tópicos Especiais em Informática Msc. Márcio Alencar Recursos Certamente, um dos atrativos do chamado e- Learning (ou ensino á distância com uso de ferramentas computacionais/eletrônicas), são os novos

Leia mais

Administração da disciplina

Administração da disciplina Administração da disciplina Agrupamento Vertical de Escolas de Tarouca Documento disponível em: http://avetar.no-ip.org 1.Acesso e utilização da plataforma:. Seleccione a opção Entrar, que se encontra

Leia mais

ferramentas e funcionalidades básicas

ferramentas e funcionalidades básicas ferramentas e funcionalidades básicas MOODLE - Tipos de Actividades Núcleo Minerva da Universidade de Évora Referendo A actividade Referendo permite ao professor fazer, por exemplo, uma sondagem de opinião

Leia mais

Relatório Final da Acção de Formação Sustentabilidade na Terra e Energia na Didáctica das Ciências (1 de Julho a 13 de Setembro de 2008)

Relatório Final da Acção de Formação Sustentabilidade na Terra e Energia na Didáctica das Ciências (1 de Julho a 13 de Setembro de 2008) Relatório Final da Acção de Formação Sustentabilidade na Terra e Energia na Didáctica das Ciências (1 de Julho a 13 de Setembro de 2008) Centro de Formação Centro de Formação da Batalha Formando Selma

Leia mais

e Campus do ISPA Instituto Universitário

e Campus do ISPA Instituto Universitário e Campus do ISPA Instituto Universitário Manual de utilização do Moodle Perfil utilizador: Docente Versão: Agosto 2010 Índice Índice... 2 Índice de Figuras... 3 Introdução... 4 1. Primeiros passos... 5

Leia mais

Christiane dos Santos PEREIRA*, Samuel Pereira DIAS, Gabriel da SILVA Centro Federal de Educação Tecnológica de Bambuí-MG

Christiane dos Santos PEREIRA*, Samuel Pereira DIAS, Gabriel da SILVA Centro Federal de Educação Tecnológica de Bambuí-MG A UTILIZAÇÃO DE AMBIENTES VIRTUAIS DE APRENDIZAGEM COMO FERRAMENTA DE APOIO AO ENSINO PRESENCIAL: estudos preliminares e proposta de uma metodologia de implantação no CEFET-Bambuí Christiane dos Santos

Leia mais

Uma Experiência Prática da Utilização da Ferramenta Moodle para Comunidades Virtuais na ENSP - Fiocruz

Uma Experiência Prática da Utilização da Ferramenta Moodle para Comunidades Virtuais na ENSP - Fiocruz Uma Experiência Prática da Utilização da Ferramenta Moodle para Comunidades Virtuais na ENSP - Fiocruz Autores: Ana Paula Bernardo Mendonça Ana Cristina da Matta Furniel Rosane Mendes da Silva Máximo Introdução

Leia mais

Enciclopédias digitais colaborativas

Enciclopédias digitais colaborativas Enciclopédias digitais colaborativas Telma Johnson Panorama geral A emergência de um novo modelo de produção coletiva de enciclopédias gratuitas online, baseadas na filosofia do voluntariado e do livre

Leia mais

HISTÓRIA EM QUADRINHO: A CRIAÇÃO E A EXPRESSÃO NA WEB

HISTÓRIA EM QUADRINHO: A CRIAÇÃO E A EXPRESSÃO NA WEB HISTÓRIA EM QUADRINHO: A CRIAÇÃO E A EXPRESSÃO NA WEB Luzivone Lopes GOMES - PPGFP UEPB luzivone@gmail.com Kennedy Machado OLIVIERA prof.kennedy@hotmail.com RESUMO: Este artigo trata de um relato de experiência

Leia mais

Alfabetização Digital

Alfabetização Digital Ferramentas de interação e sua utilização pedagógica nos Ambientes Virtuais de Aprendizagem evidenciando o papel do professor e do estudante Prof. Ana Carolina de Oliveira Salgueiro de Moura Prof. Antônio

Leia mais

Uma ferramenta de apoio à reflexão continuada

Uma ferramenta de apoio à reflexão continuada portefólio Uma ferramenta de apoio à reflexão continuada Destinado a professores Aqui encontrará um conjunto de sugestões de trabalho para a utilização da metodologia dos portefólios no apoio ao desenvolvimento

Leia mais

USO DA PLATAFORMA DE ENSINO A DISTÂNCIA WEBCT NUMA DISCIPLINA DE MESTRADO

USO DA PLATAFORMA DE ENSINO A DISTÂNCIA WEBCT NUMA DISCIPLINA DE MESTRADO BOTTENTUIT JUNIOR, João Batista; COUTINHO, Clara (2007) Uso da Plataforma de Ensino a Distância Webct numa Disciplina de Mestrado. In: IX Congresso da Sociedade Portuguesa de Ciências da Educação (IX SPCE).

Leia mais

Novas Tendências do Ensino da Geografia no Ensino Superior a Distância. Manuela Malheiro Ferreira. Universidade Aberta

Novas Tendências do Ensino da Geografia no Ensino Superior a Distância. Manuela Malheiro Ferreira. Universidade Aberta Novas Tendências do Ensino da Geografia no Ensino Superior a Distância Manuela Malheiro Ferreira Universidade Aberta A partir dos anos sessenta começou a desenvolver-se o ensino superior a distância, mediante

Leia mais

HÁ NORTE! ACREDITAR E MOBILIZAR

HÁ NORTE! ACREDITAR E MOBILIZAR HÁ NORTE! ACREDITAR E MOBILIZAR Programa da lista candidata à eleição para os órgãos regionais do Norte da Associação Portuguesa de Bibliotecários, Arquivistas e Documentalistas Triénio 2011-2013 25 de

Leia mais

VOLUNTARIADO EM REDE: FORMAÇÃO A DISTÂNCIA COM RECURSO ÀS APLICAÇÕES GOOGLE +

VOLUNTARIADO EM REDE: FORMAÇÃO A DISTÂNCIA COM RECURSO ÀS APLICAÇÕES GOOGLE + VOLUNTARIADO EM REDE: FORMAÇÃO A DISTÂNCIA COM RECURSO ÀS APLICAÇÕES GOOGLE + Ana Miranda, Anabela Ferreira, Isabel Santos, Janina Eyckmann, Vânia Ponte, Lia Oliveira Universidade do Minho mirandaana@sapo.pt

Leia mais

AVALIAÇÃO DE APRENDIZAGENS EM AMBIENTES ONLINE: O CONTRIBUTO DAS TECNOLOGIAS WEB 2.0

AVALIAÇÃO DE APRENDIZAGENS EM AMBIENTES ONLINE: O CONTRIBUTO DAS TECNOLOGIAS WEB 2.0 Avaliação Online AVALIAÇÃO DE APRENDIZAGENS EM AMBIENTES ONLINE: O CONTRIBUTO DAS TECNOLOGIAS WEB 2.0 Eliana Santana Lisbôa Universidade do Minho eslisboa2008@gmail.com João Batista Bottentuit Junior Universidade

Leia mais

Tecnologias Móveis e Ferramentas Web 2.0 no Ensino Superior: algumas possibilidades

Tecnologias Móveis e Ferramentas Web 2.0 no Ensino Superior: algumas possibilidades Tecnologias Móveis e Ferramentas Web 2.0 no Ensino Superior: algumas possibilidades João Batista Bottentuit Junior Universidade Federal do Maranhão UFMA jbbj@terra.com.br 29 de Outubro de 2013 Contexto

Leia mais

1. Introdução. 2. Conceitos. 3. Metodologia. 4. Resultados. 5. Considerações

1. Introdução. 2. Conceitos. 3. Metodologia. 4. Resultados. 5. Considerações Comunidades de Prática Experiências e Contribuições da Tecnologia para a Educação Profissional Lane Primo Senac Ceará 2012 Sumário 1. Introdução 2. Conceitos 3. Metodologia 4. Resultados 5. Considerações

Leia mais

CURSO DE MESTRADO EM SUPERVISÃO UNIVERSIDADE DOS AÇORES

CURSO DE MESTRADO EM SUPERVISÃO UNIVERSIDADE DOS AÇORES CURSO DE MESTRADO EM SUPERVISÃO UNIVERSIDADE DOS AÇORES Disciplina de Metodologia de Ensino das Ciências 2003/04 1º Semestre Docente Responsável: Nilza Costa (*) (nilza@dte.ua.pt) Colaboradores: Luís Marques

Leia mais

O ENSINO DE ESPANHOL COMO LE COM OS RECURSOS EDUCACIONAIS ABERTOS NA PLATAFORMA MOODLE*

O ENSINO DE ESPANHOL COMO LE COM OS RECURSOS EDUCACIONAIS ABERTOS NA PLATAFORMA MOODLE* 1 O ENSINO DE ESPANHOL COMO LE COM OS RECURSOS EDUCACIONAIS ABERTOS NA PLATAFORMA MOODLE* Resumo Este trabalho se propõe a analisar o curso de extensão universitária CESB (Curso de Espanhol Básico) para

Leia mais

Cursos de Formação Financiados

Cursos de Formação Financiados Cursos de Financiados Modular - Nível III Pós-Laboral Porto Área 213 - Audiovisuais e Produção dos Média Bem-Vindo/a à FLAG! A FLAG é uma empresa prestadora de serviços de formação profissional, especializada

Leia mais

MÓDULO MULTIMÉDIA PROFESSOR: RICARDO RODRIGUES. MAIL: rprodrigues@escs.ipl.pt esganarel@gmail.com. URL: http://esganarel.home.sapo.

MÓDULO MULTIMÉDIA PROFESSOR: RICARDO RODRIGUES. MAIL: rprodrigues@escs.ipl.pt esganarel@gmail.com. URL: http://esganarel.home.sapo. MÓDULO MULTIMÉDIA PROFESSOR: RICARDO RODRIGUES MAIL: rprodrigues@escs.ipl.pt esganarel@gmail.com URL: http://esganarel.home.sapo.pt GABINETE: 1G1 - A HORA DE ATENDIMENTO: SEG. E QUA. DAS 11H / 12H30 (MARCAÇÃO

Leia mais

Cognição e Aprendizagem em História e Ciências Sociais. Isabel Barca, Ana Catarina Simão, Júlia Castro, Carmo Barbosa, Marília

Cognição e Aprendizagem em História e Ciências Sociais. Isabel Barca, Ana Catarina Simão, Júlia Castro, Carmo Barbosa, Marília Projectos de investigação Cognição e Aprendizagem em História e Ciências Sociais Coordenador: Isabel Barca Equipa de investigação Isabel Barca, Ana Catarina Simão, Júlia Castro, Carmo Barbosa, Marília

Leia mais

MÓDULO III HELP DESK PARA FORMAÇÃO ONLINE

MÓDULO III HELP DESK PARA FORMAÇÃO ONLINE MÓDULO III HELP DESK PARA FORMAÇÃO ONLINE Objectivos gerais do módulo No final do módulo, deverá estar apto a: Definir o conceito de Help Desk; Identificar os diferentes tipos de Help Desk; Diagnosticar

Leia mais

UNIVERSIDADE FEDERAL DE MINAS GERAIS GIZ/PROGRAD. Tutorial UFMG Virtual Os primeiros passos do docente

UNIVERSIDADE FEDERAL DE MINAS GERAIS GIZ/PROGRAD. Tutorial UFMG Virtual Os primeiros passos do docente UNIVERSIDADE FEDERAL DE MINAS GERAIS GIZ/PROGRAD Tutorial UFMG Virtual Os primeiros passos do docente Nereu Agnelo Cavalheiro contato@nereujr.com Tutorial UFMG Virtual Primeiros passos do docente Este

Leia mais

PÁGINAS WEB. António Ginja Carmo

PÁGINAS WEB. António Ginja Carmo PÁGINAS WEB António Ginja Carmo Índice 1 - Titulo 2 2 Enquadramento 2 3 - Descrição 3 4 - Objectivos 3 5 Público-Alvo 3 6 - Conteúdos 4 7 - Calendário das Actividades 5 8 - Estratégias Pedagógicas 8 9

Leia mais

Ambientação ao Moodle. João Vicente Cegato Bertomeu

Ambientação ao Moodle. João Vicente Cegato Bertomeu Ambientação ao Moodle João Vicente Cegato Bertomeu AMBIENTAÇÃO A O MOODLE E S P E C I A L I Z A Ç Ã O E M SAUDE da FAMILIA Sumário Ambientação ao Moodle 21 1. Introdução 25 2. Histórico da EaD 25 3. Utilizando

Leia mais

SCC207 COMPUTADORES E SOCIEDADE. Material: Renata Pontin, Ma.Cristina, e outros

SCC207 COMPUTADORES E SOCIEDADE. Material: Renata Pontin, Ma.Cristina, e outros ICMC - USP 1 SCC207 COMPUTADORES E SOCIEDADE Turma: Graça Pimentel Material: Renata Pontin, Ma.Cristina, e outros Ementa scc207 2 Objetivos Conscientizar os estudantes de problemas que surgem, para o indivíduo

Leia mais

TUTORIAL. Como criar um blogue/página pessoal no WordPress

TUTORIAL. Como criar um blogue/página pessoal no WordPress TUTORIAL Como criar um blogue/página pessoal no WordPress Índice Criar o blogue... 3 Alterar as definições gerais... 4 Alterar tema... 6 Criar Páginas... 7 Colocar Posts (citações)... 9 Upload de ficheiros...

Leia mais

Guião de utilização da plataforma moodle para Professor

Guião de utilização da plataforma moodle para Professor Guião de utilização da plataforma moodle para Professor http://elearning.up.ac.mz http://www.ceadup.edu.mz E-mail: up.cead@gmail.com info@ceadup.edu.mz Maputo, 2013 Introdução Há alguns anos atrás, para

Leia mais

Modos Diferenciados de Ensinar e Aprender no Ambiente Virtual

Modos Diferenciados de Ensinar e Aprender no Ambiente Virtual Modos Diferenciados de Ensinar e Aprender no Ambiente Virtual Tiago de Souza Lima Gomes 1 (UM, Universidade do Minho) Marcelo Mendonça Teixeira 2 (UM, Universidade do Minho) Resumo: Na actual sociedade

Leia mais

UNIVERSIDADE CATÓLICA PORTUGUESA

UNIVERSIDADE CATÓLICA PORTUGUESA UNIVERSIDADE CATÓLICA PORTUGUESA FACULDADE DE PSICOLOGIA E DE EDUCAÇÃO MESTRADO EM CIÊNCIAS DA EDUCAÇÃO ESPECIALIZAÇÃO EM INFORMÁTICA EDUCACIONAL Internet e Educação Ensaio: A Web 2.0 como ferramenta pedagógica

Leia mais

Universidade Católica Portuguesa

Universidade Católica Portuguesa Universidade Católica Portuguesa Direcção de Sistemas de Informação Serviços disponíveis aos Alunos 2012/2013 Índice Direcção de Sistemas de Informação Pré requisitos e modo de acesso aos sistemas Pré

Leia mais

5. Ler cuidadosamente as mensagens de correio electrónico;

5. Ler cuidadosamente as mensagens de correio electrónico; Segundo o Guia para ambientes de aprendizagem digitais quer alunos, quer professores, precisam de novas competências ao nível da literacia digital à medida que cada vez mais recursos estão presentes na

Leia mais

ued - unidade de ensino a distância instituto politécnico de leiria BlackBoard - Moodle Guia rápido

ued - unidade de ensino a distância instituto politécnico de leiria BlackBoard - Moodle Guia rápido ued - unidade de ensino a distância instituto politécnico de leiria BlackBoard - Guia rápido ued - unidade de ensino a distância instituto politécnico de leiria Unidade de Ensino a Distância Equipa Guia

Leia mais

Indicie. 1.Introdução...1. 2.Como Surgiu...2. 3.Para que serve...3. 4.Instalação...3. 5. Oque ele permite fazer...5. 6. Primeiro Cenário...

Indicie. 1.Introdução...1. 2.Como Surgiu...2. 3.Para que serve...3. 4.Instalação...3. 5. Oque ele permite fazer...5. 6. Primeiro Cenário... Artigo sobre Indicie 1.Introdução....1 2.Como Surgiu....2 3.Para que serve....3 4.Instalação....3 5. Oque ele permite fazer....5 6. Primeiro Cenário....6 7. Segundo Cenário....7 8. Conclusão....8 5. Referencias....9

Leia mais

Centro de Competência de Ciências Sociais. Departamento de Ciências da Educação. 1.º Ciclo em Educação Básica. Programa. Unidade Curricular

Centro de Competência de Ciências Sociais. Departamento de Ciências da Educação. 1.º Ciclo em Educação Básica. Programa. Unidade Curricular Centro de Competência de Ciências Sociais Departamento de Ciências da Educação 1.º Ciclo em Educação Básica Programa Unidade Curricular Teoria e Desenvolvimento Curricular Área Científica Educação Regente

Leia mais

Práticas Pedagógicas em e learning

Práticas Pedagógicas em e learning Instituto de Educação Universidade do Minho Práticas Pedagógicas em e learning Clara Pereira Coutinho ccoutinho@ie.uminho.pt Conceitos Ensino a distância/ Educação a distância/ d learning educação online

Leia mais

Potencialidades Tecnológicas e Educacionais - Parte II

Potencialidades Tecnológicas e Educacionais - Parte II UNIVERSIDADE FEDERAL DO PAMPA V SEMINÁRIO DE DESENVOLVIMENTO PROFISSIONAL DOCENTE Patric da Silva Ribeiro patricribeiro@unipampa.edu.br Maicon Isoton maiconisoton@gmail.com Potencialidades Tecnológicas

Leia mais

Universidade Fernando Pessoa

Universidade Fernando Pessoa Objectivos da cadeira reconhecer, criar e explorar um recurso de informação usar tecnologias de informação emergentes para a gestão eficaz do recurso informação discutir o impacto das tecnologias de informação

Leia mais

LENCASTRE, José Alberto & CHAVES, José Henrique (2006). Uma experiência de b-learning no âmbito da disciplina de tecnologias da imagem do mestrado em

LENCASTRE, José Alberto & CHAVES, José Henrique (2006). Uma experiência de b-learning no âmbito da disciplina de tecnologias da imagem do mestrado em LENCASTRE, José Alberto & CHAVES, José Henrique (2006). Uma experiência de b-learning no âmbito da disciplina de tecnologias da imagem do mestrado em tecnologia educativa da Universidade do Minho. In Alonso,

Leia mais

(Aprovado pelaassembleia Geral a 13/05/2012)

(Aprovado pelaassembleia Geral a 13/05/2012) Regulamento Interno www.tone.pt (Aprovado pelaassembleia Geral a 13/05/2012) Introdução www.tone.pt A Tone Music Lda encontra-se sediada em Coimbra, circunscrevendo actualmente o seu raio de acção a este

Leia mais

1. Introdução ao Campus Virtual 1.1. Introdução

1. Introdução ao Campus Virtual 1.1. Introdução 1. Introdução ao Campus Virtual 1.1. Introdução Este tutorial tem a finalidade de guiar o aluno, dando orientações necessárias para o acesso, navegação e utilização das ferramentas principais. Um ambiente

Leia mais

AS FERRAMENTAS DA WEB 2.0 NO APOIO À TUTORIA NA FORMAÇÃO EM E-LEARNING

AS FERRAMENTAS DA WEB 2.0 NO APOIO À TUTORIA NA FORMAÇÃO EM E-LEARNING AS FERRAMENTAS DA WEB 2.0 NO APOIO À TUTORIA NA FORMAÇÃO EM E-LEARNING BOTTENTUIT JUNIOR, João Batista (jbbj@terra.com.br) Universidade do Minho, Braga, Portugal COUTINHO, Clara Pereira (ccoutinho@iep.uminho.pt)

Leia mais

Apresentação do MOODLE. Educação do século XXI

Apresentação do MOODLE. Educação do século XXI Apresentação do MOODLE Educação do século XXI Software social e e-learning Talvez seja o momento de fazer algo nas suas disciplinas! O que pretende do seu sistema de aprendizagem on-line? Fácil criação

Leia mais

A Influência da Plataforma de Gerenciamento de EAD no Desenvolvimento de Programas de Ensino via Web: uma experiência do LATEC/UFRJ

A Influência da Plataforma de Gerenciamento de EAD no Desenvolvimento de Programas de Ensino via Web: uma experiência do LATEC/UFRJ A Influência da Plataforma de Gerenciamento de EAD no Desenvolvimento de Programas de Ensino via Web: uma experiência do LATEC/UFRJ Telma Pará LATEC/UFRJ telma@coep.ufrj.br Cristina Haguenauer LATEC/UFRJ

Leia mais

PERIVER PLATAFORMA SOFTWARE REQUIREMENT SPECIFICATION. Periver_SoftwareRequirementSpecification_2008-03-31_v1.0.doc. Versão 1.0

PERIVER PLATAFORMA SOFTWARE REQUIREMENT SPECIFICATION. Periver_SoftwareRequirementSpecification_2008-03-31_v1.0.doc. Versão 1.0 PLATAFORMA Versão 1.0 31 de Março de 2008 TABELA DE REVISÕES Versão Autores Descrição da Versão Aprovadores Data António Rocha Cristina Rodrigues André Ligeiro V0.1r Dinis Monteiro Versão inicial António

Leia mais

CURSO DE INTRODUÇÃO À ACESSIBILIDADE EM AMBIENTES VIRTUAIS

CURSO DE INTRODUÇÃO À ACESSIBILIDADE EM AMBIENTES VIRTUAIS CURSO DE INTRODUÇÃO À ACESSIBILIDADE EM AMBIENTES VIRTUAIS (IAAV) Coordenador: Professor Doutor António Quintas Mendes Formadora: Mestre Manuela Francisco Índice 1. ENQUADRAMENTO... 1 2. CARACTERIZAÇÃO

Leia mais

UTILIZANDO O WINDOWS MOVIE MAKER NA PRODUÇÃO DE VÍDEOS EDUCATIVOS PARA O ENSINO E DIVULGAÇÃO DE ASTRONOMIA

UTILIZANDO O WINDOWS MOVIE MAKER NA PRODUÇÃO DE VÍDEOS EDUCATIVOS PARA O ENSINO E DIVULGAÇÃO DE ASTRONOMIA II Simpósio Nacional de Educação em Astronomia II SNEA 2012 São Paulo, SP 749 UTILIZANDO O WINDOWS MOVIE MAKER NA PRODUÇÃO DE VÍDEOS EDUCATIVOS PARA O ENSINO E DIVULGAÇÃO DE ASTRONOMIA USING WINDOWS MOVIE

Leia mais

ACÇÃO DE FORMAÇÃO CARACTERIZAÇÃO DA ACÇÃO. Domínio de Formação. Área de Formação. Modalidade de Formação. Duração: (Número total de horas) 36

ACÇÃO DE FORMAÇÃO CARACTERIZAÇÃO DA ACÇÃO. Domínio de Formação. Área de Formação. Modalidade de Formação. Duração: (Número total de horas) 36 Plano de Formação 2009 ACÇÃO DE FORMAÇÃO Competências em TIC : Curso A nível 1 CARACTERIZAÇÃO DA ACÇÃO Área de Formação Domínio de Formação Tecnologias de Informática e Comunicação Utilização e/ou Manutenção

Leia mais

E GESTÃO DA BIBLIOTECA ESCOLAR

E GESTÃO DA BIBLIOTECA ESCOLAR THEKA Projecto Gulbenkian Formação de Professores Responsáveis pelo Desenvolvimento de Bibliotecas Escolares POLÍTICA DE DESENVOLVIMENTO E GESTÃO DA BIBLIOTECA ESCOLAR A BIBLIOTECA E A ESCOLA O MESMO CAMINHO

Leia mais

MANUAL DE UTILIZAÇÃO DA PLATAFORMA MOODLE

MANUAL DE UTILIZAÇÃO DA PLATAFORMA MOODLE MANUAL DE UTILIZAÇÃO DA PLATAFORMA MOODLE A EQUIPA DO PTE 2009/2010 Índice 1. Entrar na plataforma Moodle 3 2. Editar o Perfil 3 3. Configurar disciplina 4 3.1. Alterar definições 4 3.2. Inscrever alunos

Leia mais

Não é uma tecnologia. É uma atitude! Daniel Gomes xldb.fc.ul.pt/daniel

Não é uma tecnologia. É uma atitude! Daniel Gomes xldb.fc.ul.pt/daniel Não é uma tecnologia. É uma atitude! Daniel Gomes xldb.fc.ul.pt/daniel Objectivos Ser capaz de compreender o paradigma de colaboração Wiki. Ser capaz de criar e editar conteúdos num Wiki. O que é um Wiki?

Leia mais

Relatório Final da Acção de Formação

Relatório Final da Acção de Formação Acção de Formação: Sustentabilidade na Terra e Energia na Didáctica das Ciências Contexto: utilização da Web 2.0 aplicada à didáctica do ensino das Ciências Relatório Final da Acção de Formação Centro

Leia mais

UMA ANÁLISE DA REDE SOCIAL EDUCACIONAL SCHOOLING COMO FERRAMENTA NO PROCESSO DE ENSINO-APRENDIZAGEM

UMA ANÁLISE DA REDE SOCIAL EDUCACIONAL SCHOOLING COMO FERRAMENTA NO PROCESSO DE ENSINO-APRENDIZAGEM UMA ANÁLISE DA REDE SOCIAL EDUCACIONAL SCHOOLING COMO FERRAMENTA NO PROCESSO DE ENSINO-APRENDIZAGEM Ricardo Fidelis Dantas Universidade Estadual da Paraíba richarges@gmail.com Francisco Eudes Almeida da

Leia mais

Aula 10 COMO CONSTRUIR UM BLOG. Patrícia Soares de Lima. META Aprender a construir e utilizar um Blog.

Aula 10 COMO CONSTRUIR UM BLOG. Patrícia Soares de Lima. META Aprender a construir e utilizar um Blog. Aula 10 COMO CONSTRUIR UM BLOG META Aprender a construir e utilizar um Blog. OBJETIVOS Ao final desta aula, o aluno deverá: Através desse tipo de ferramenta, criar um ambiente de socialização de materiais

Leia mais

Papel da SBIS na Educação

Papel da SBIS na Educação I Ciclo de Seminários de Tecnologias de Informação em Saúde Educação Continuada, Certificação Profissional e Título de Especialista: o Projeto da SBIS Prof. Renato M.E. Sabbatini Diretor de Educação e

Leia mais

A Utilização de Mapas Conceituais na Compreensão de Novas Tecnologias na Educação

A Utilização de Mapas Conceituais na Compreensão de Novas Tecnologias na Educação A Utilização de Mapas Conceituais na Compreensão de Novas Tecnologias na Educação Marcos A. Betemps 1, Vitor B. Manzke 1, Vera L. Bobrowski 1,2, Rogério A. Freitag 1,3, Cristiano da S. Buss 1 1 Núcleo

Leia mais

FORMAÇÃO DE PROFESSORES: CONTRIBUTO DE MATERIAIS DIDÁCTICOS PARA A INOVAÇÃO DAS PRÁTICAS

FORMAÇÃO DE PROFESSORES: CONTRIBUTO DE MATERIAIS DIDÁCTICOS PARA A INOVAÇÃO DAS PRÁTICAS FORMAÇÃO DE PROFESSORES: CONTRIBUTO DE MATERIAIS DIDÁCTICOS PARA A INOVAÇÃO DAS PRÁTICAS REBELO 1,DORINDA;MARQUES 2,EVA;MARQUES 3,LUÍS 1 Escola Secundária de Estarreja Estarreja, Portugal. 2 Escola Secundária

Leia mais

Manual de Utilização Moodle@ISPAB

Manual de Utilização Moodle@ISPAB Manual de Utilização Moodle@ISPAB [Estudante] Pedro Valente Gabinete de Avaliação e Qualidade (GAQ) gaq@ispab.pt Criado em: 07/10/2014 Última alteração em: 07/10/2014 Versão: 0.9 1 Sumário O manual de

Leia mais

Realizador por: Prof. José Santos

Realizador por: Prof. José Santos Realizador por: Prof. José Santos Objectivo Este guia tem como objectivo fornecer aos Encarregados de Educação uma breve explicação sobre o funcionamento da Plataforma de Aprendizagem Moodle do Colégio

Leia mais

UTILIZAÇÃO DO PODCAST NUM SITE DE APOIO AO ESTUDO DA MATEMÁTICA: UMA EXPERIÊNCIA NO ENSINO SECUNDÁRIO

UTILIZAÇÃO DO PODCAST NUM SITE DE APOIO AO ESTUDO DA MATEMÁTICA: UMA EXPERIÊNCIA NO ENSINO SECUNDÁRIO UTILIZAÇÃO DO PODCAST NUM SITE DE APOIO AO ESTUDO DA MATEMÁTICA: UMA EXPERIÊNCIA NO ENSINO SECUNDÁRIO Rute Almendra Lopes Escola Secundária D. Sancho I rsavlopes@gmail.com Diogo Novais Machado Escola EB2/3

Leia mais

ENSINO DE CIÊNCIA DOS MATERIAIS, COM AUXÍLIO DA PLATAFORMA MOODLE, A EXPERIÊNCIA DA ESCOLA POLITÉCNICA DA UNIVERSIDADE FEDERAL DO RIO DE JANEIRO

ENSINO DE CIÊNCIA DOS MATERIAIS, COM AUXÍLIO DA PLATAFORMA MOODLE, A EXPERIÊNCIA DA ESCOLA POLITÉCNICA DA UNIVERSIDADE FEDERAL DO RIO DE JANEIRO 1 ENSINO DE CIÊNCIA DOS MATERIAIS, COM AUXÍLIO DA PLATAFORMA MOODLE, A EXPERIÊNCIA DA ESCOLA POLITÉCNICA DA UNIVERSIDADE FEDERAL DO RIO DE JANEIRO MAIO 2008 Ericksson Rocha e Almendra - Escola Politécnica

Leia mais

LABORATÓRIO ABERTO DE EDUCAÇÃO EM CIÊNCIAS: INVESTIGAÇÃO-FORMAÇÃO-INOVAÇÃO NO ENSINO DAS CIÊNCIAS

LABORATÓRIO ABERTO DE EDUCAÇÃO EM CIÊNCIAS: INVESTIGAÇÃO-FORMAÇÃO-INOVAÇÃO NO ENSINO DAS CIÊNCIAS LABORATÓRIO ABERTO DE EDUCAÇÃO EM CIÊNCIAS: INVESTIGAÇÃO-FORMAÇÃO-INOVAÇÃO NO ENSINO DAS CIÊNCIAS MARTINS 1, ISABEL P.; COUCEIRO 2, FERNANDA; RODRIGUES 3, ANA; TORRES 4, ANA CRISTINA; PEREIRA 5, SARA;

Leia mais

ENTIDADE FORMADORA. C406. Ensino e aprendizagem com TIC na Educação pré-escolar e no 1.º ciclo do Ensino Básico.

ENTIDADE FORMADORA. C406. Ensino e aprendizagem com TIC na Educação pré-escolar e no 1.º ciclo do Ensino Básico. ENTIDADE FORMADORA Formadores: Eunice Macedo e Carlos Moedas C406. Ensino e aprendizagem com TIC na Educação pré-escolar e no 1.º ciclo do Ensino Básico. Escola EB 2,3 Irmãos Passos Guifões 5, 7, 12, 14

Leia mais

Blogs na Educação: uma ferramenta de auxilio na aprendizagem 1

Blogs na Educação: uma ferramenta de auxilio na aprendizagem 1 Blogs na Educação: uma ferramenta de auxilio na aprendizagem 1 Andreia Solange Bos 2 Rodrigo Moreira 3 Instituto Federal Farroupilha- Campus Alegrete Universidade Regional do Noroeste do Estado do RS Ijuí,

Leia mais

APRENDER MATEMÁTICA EM AMBIENTES ONLINE

APRENDER MATEMÁTICA EM AMBIENTES ONLINE APRENDER MATEMÁTICA EM AMBIENTES ONLINE Carlos Morais, CIFPEC - Universidade do Minho, ESE - Instituto Politécnico de Bragança, Portugal. Rosa Pereira, Agrupamento de Escolas de Alfena, Portugal. Luísa

Leia mais

3 A plataforma Moodle do Centro de Competência Softciências

3 A plataforma Moodle do Centro de Competência Softciências 3 A plataforma Moodle do Centro de Competência Softciências Dar a cana para ensinar a pescar (adágio popular) 3.1 O Centro de Competência O Centro de Competência Softciências, instituição activa desde

Leia mais

MÓDULO II UTILIZAÇÃO DE SISTEMAS DE GESTÃO DA FORMAÇÃO ONLINE

MÓDULO II UTILIZAÇÃO DE SISTEMAS DE GESTÃO DA FORMAÇÃO ONLINE MÓDULO II UTILIZAÇÃO DE SISTEMAS DE GESTÃO DA FORMAÇÃO ONLINE Objectivos gerais do módulo No final do módulo, deverá estar apto a: Identificar um Sistema de Gestão da Formação Online; Analisar as diversas

Leia mais

Potencialidades Pedagógicas do Windows Live

Potencialidades Pedagógicas do Windows Live Potencialidades Pedagógicas do Windows Live Novembro, 2010 1 O que é o Windows Live 2 Como aceder ao Windows Live 2.1 Criar uma Windows Live ID 2.2 Aceder ao Windows Live 3 Serviços online do Windows Live

Leia mais

Aula 1: Introdução à Disciplina Fonte: Plano de Aula Oficial da Disciplina

Aula 1: Introdução à Disciplina Fonte: Plano de Aula Oficial da Disciplina Programação para Internet Rica 1 Aula 1: Introdução à Disciplina Fonte: Plano de Aula Oficial da Disciplina Objetivo: Identificar os princípios que se destacam como características da Web 2.0. INTRODUÇÃO

Leia mais

Publicação em contexto académico: OJS na prática

Publicação em contexto académico: OJS na prática Publicação em contexto académico: OJS na prática sumário 1. Publicações científicas em ambiente académico: um cenário pouco homogéneo 1.1 o papel das bibliotecas de ensino superior 2. OJS Open Journal

Leia mais

Guia de Depósito Teses

Guia de Depósito Teses Guia de Depósito Teses Descreva o documento que está a depositar Página 1 Se seleccionar todas as opções nesta página, visualizará um formulário diferente, modificado com o intuito de capturar informações

Leia mais

Aprend.e Sistema integrado de formação e aprendizagem

Aprend.e Sistema integrado de formação e aprendizagem Aprend.e Sistema integrado de formação e aprendizagem Pedro Beça 1, Miguel Oliveira 1 e A. Manuel de Oliveira Duarte 2 1 Escola Aveiro Norte, Universidade de Aveiro 2 Escola Aveiro Norte, Departamento

Leia mais

REPOSITÓRIOS DIGITAIS

REPOSITÓRIOS DIGITAIS Repositórios de informação e ambientes de aprendizagem: Criação de espaços virtuais para a promoção da literacia e da responsabilidade social Ana Bela Martins Gabinete da Rede de Bibliotecas Escolares

Leia mais

Reflexão Crítica AÇÃO DE FORMAÇÃO (25 Horas)

Reflexão Crítica AÇÃO DE FORMAÇÃO (25 Horas) Reflexão Crítica AÇÃO DE FORMAÇÃO (25 Horas) A Biblioteca Escolar 2.0 FORMADORA Maria Raquel Medeiros Oliveira Ramos FORMANDA Regina Graziela Serrano dos Santos Chaves da Costa Azevedo Período de Realização

Leia mais

GUÍA PARA UTILIZAR A WEBNODE EDU

GUÍA PARA UTILIZAR A WEBNODE EDU GUÍA PARA UTILIZAR A WEBNODE EDU Imagina que queres criar o teu próprio site. Normalmente, terías que descarregar e instalar software para começar a programar. Com a Webnode não é preciso instalar nada.

Leia mais

ASSOCIAÇÃO CRISTÃ DE MOÇOS DO RIO GRANDE DO SUL DEPARTAMENTO DE TECNOLOGIA DA INFORMAÇÃO

ASSOCIAÇÃO CRISTÃ DE MOÇOS DO RIO GRANDE DO SUL DEPARTAMENTO DE TECNOLOGIA DA INFORMAÇÃO MANUAL MEDIAWIKI Manual Media Wiki Página 2 Sumário O que é MediaWiki... 4 Acesso ao sistema... 5 Criação do índice principal... 7 Criação de página... 14 Bloqueio/Proteção de página... 17 Manual Media

Leia mais

Sistema de Gestão de Recursos de Aprendizagem

Sistema de Gestão de Recursos de Aprendizagem Sistema de Gestão de Recursos de Aprendizagem Ambiente Virtual de Aprendizagem (Moodle) - - Atualizado em 29/07/20 ÍNDICE DE FIGURAS Figura Página de acesso ao SIGRA... 7 Figura 2 Portal de Cursos... 8

Leia mais

UNIVERSIDADE CATÓLICA PORTUGUESA Centro Regional das Beiras Pólo de Viseu Instituto Universitário de Desenvolvimento e Promoção Social

UNIVERSIDADE CATÓLICA PORTUGUESA Centro Regional das Beiras Pólo de Viseu Instituto Universitário de Desenvolvimento e Promoção Social UNIVERSIDADE CATÓLICA PORTUGUESA Centro Regional das Beiras Pólo de Viseu Instituto Universitário de Desenvolvimento e Promoção Social DISCIPLINA Controlo Informático da Gestão LICENCIATURA Informática

Leia mais

Concepção de Roteiros de Formação para a oferta formativa do Programa Aveiro Norte

Concepção de Roteiros de Formação para a oferta formativa do Programa Aveiro Norte Concepção de Roteiros de Formação para a oferta formativa do Programa Aveiro Norte Miguel Oliveira 1, Fátima Pais 1, Pedro Beça 2, Sara Petiz 2, A.Manuel de Oliveira Duarte 2 1 Escola Superior Aveiro Norte

Leia mais

CENTRO UNIVERSITÁRIO ESTÁCIO RADIAL DE SÃO PAULO SÍNTESE DO PROJETO PEDAGÓGICO DE CURSO 1

CENTRO UNIVERSITÁRIO ESTÁCIO RADIAL DE SÃO PAULO SÍNTESE DO PROJETO PEDAGÓGICO DE CURSO 1 SÍNTESE DO PROJETO PEDAGÓGICO DE CURSO 1 CURSO: ANÁLISE E DESENVOLVIMENTO DE SISTEMAS MISSÃO DO CURSO A concepção do curso de Análise e Desenvolvimento de Sistemas está alinhada a essas novas demandas

Leia mais

ANA AEROPORTOS REDES DE CONHECIMENTO

ANA AEROPORTOS REDES DE CONHECIMENTO PARTILHAR PARTILHAR ANA AEROPORTOS REDES DE CONHECIMENTO A ORGANIZAÇÃO O sector da aviação civil, dada a sua natureza, está sujeito a regulamentação internacional, europeia e nacional, que regula e uniformiza

Leia mais