COMÉRCIO EXTERIOR BALANÇA COMERCIAL BRASILEIRA. BRAZILIAN TRADE BALANCE Brazilian trade balance continues to fall and

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "COMÉRCIO EXTERIOR BALANÇA COMERCIAL BRASILEIRA. BRAZILIAN TRADE BALANCE Brazilian trade balance continues to fall and"

Transcrição

1 EXPORTAÇÕES BRASILEIRAS BRAZILIAN EXPORTS BALANÇA COMERCIAL BRASILEIRA A balança comercial brasileira continua em queda e apresentou, até o mês de novembro de 2014, um déficit de US$ 4,22 bilhões, alavancado pelo pior resultado do mês de novembro dos últimos vinte anos. As exportações acumuladas alcançaram US$ 207,61 bilhões (média diária de US$ 906 milhões) e as importações US$ 211,83 bilhões (média diária de US$ 913 milhões). Esse resultado de novembro representa uma queda de 25% nas exportações, com relação a novembro de 2013, enquanto as importações caíram 6%. O fraco desempenho é lastreado, principalmente, na falta de competitividade do manufaturado brasileiro, agravada pela desaceleração programada da China e pela grave crise econômica instalada na Argentina, o que promoveu queda, respectivamente, nos preços das commodities e na exportação de manufaturados brasileiros. BRAZILIAN TRADE BALANCE Brazilian trade balance continues to fall and presented, until the month of November 2014, a US$ 4.22 billion deficit, driven by the worst result of the November comparing to the same month of the last twenty years. The cumulative exports reached US$ billion (daily average of US$ 906 million) and imports reached US$ billion (daily average of US$ 913 million). This result of November represents a 25% fall in exports in relation to November 2013, while imports fell 6%. The poor performance is backed mainly on the lack of competitiveness of Brazilian manufactured product, compounded by the planned slowdown in China and by the severe economic crisis installed in Argentina, which generated the decrease in commodity prices and exports of Brazilian manufactured products, respectively. Revista Courobusiness - novembro / dezembro

2 Com inflação alta, a valorização do dólar, mesmo alcançando o patamar de R$ 2,60, se mostrou insuficiente para alavancar as exportações brasileiras, pois maior a inflação, maior a necessidade de desvalorização cambial para elevar as exportações. Não se pode esquecer que a volatilidade cambial inviabiliza o planejamento da indústria. Certamente, há uma limitação na evolução do comércio exterior brasileiro causada, também e principalmente, pela enorme burocracia nas operações de exportação, pela infraestrutura deteriorada e pela baixa produtividade em diversos segmentos industriais. Tanto é que, desde 2008, as exportações brasileiras cresceram 22%, enquanto as importações evoluíram mais rapidamente e cresceram 38%. Particularizando, o agronegócio mantém o protagonismo no comércio exterior brasileiro, devendo se sustentar, em 2014, no patamar de US$ 100 bilhões exportados. With high inflation, the appreciation of the dollar, even reaching a level of BRL 2.60, proved insufficient to boost Brazilian exports, since the higher the inflation, the greater the need for currency devaluation in order to boost exports. We cannot forget that the exchange rate volatility impedes industry planning. Certainly, there is a limitation in Brazilian foreign trade evolution that is caused also and mainly by the huge bureaucracy in export transactions, by the deteriorated infrastructure and by low productivity in various segments. In fact, since 2008, Brazilian exports grew 22%, while imports have been developing faster and grew 38%. Particularizing, agribusiness keeps the leadership in Brazilian foreign trade and must be sustained in 2014 at around US$ 100 billion in exports. Ao obter crescimento, mesmo pequeno, o agronegócio destoou da queda ocorrida nas exportações dos demais produtos, e elevou para 42% sua participação nas exportações totais do Brasil. Já o complexo carne, segundando o complexo soja nas exportações do agronegócio, deverá fechar 2014 no mesmo patamar de 2013, com US$ 17 bilhões em exportações. Agribusiness had a small growth, unlike the fall that has occurred in exports of other products, and it increased to 42% its share of total exports from Brazil. Regarding the meat domain, following the soy domain in agribusiness exports, should end 2014 at the same level of 2013, with US$ 17 billion in exports Revista Courobusiness -novembro / dezembro 2014

3 EXPORTAÇÕES DE COURO DO BRASIL O mercado interno para o couro brasileiro, não competitivo, estagnado e com tendência de queda pelo crescente endividamento do consumidor, não deixa alternativa para a indústria curtidora nacional, senão o mercado internacional. Até novembro de 2014, o Brasil exportou US$ 2,69 bilhões em couros e peles (19% acima do resultado obtido no mesmo período de 2013), o que equivale a quase três dias das exportações totais brasileiras e manteve em 1,3% a participação das exportações dessa matéria-prima nas exportações totais do Brasil se encerrará com exportações de couro se aproximando de US$ 3,0 bilhões. Se as exportações da matéria-prima couro crescem continuamente, as exportações de manufaturados de couro eternizam a queda livre. LEATHER EXPORTS FROM BRAZIL The internal market for Brazilian leather, which is not competitive, stagnant and trends to declining because of the increasing consumer debt, leaves no alternative to national tanning industry but the international market. Until November 2014, Brazil exported US$ 2.69 billion in hides and skins (19% above the result achieved in the same period of 2013), which is equivalent to almost three days of total Brazilian exports and it maintained at 1.3% the share of exports of this raw material in Brazilian total exports will close with the exports of leather approaching US$ 3.0 billion. If exports of raw leather grow continuously, exports of leather manufactured products perpetuate the free fall. As exportações de calçados (US$ 1,1 bilhão) do Brasil não passam de 41% das exportações de couro (US$ 2,7 bilhões), enquanto as exportações de artefatos (bolsas, cintos, carteiras, etc.) se limitam a ínfimos 2%. Mal comparando, do outro lado do mundo, a China continua aumentando sua produção de calçados (produziu 14 bilhões de pares em 2013) e esse crescimento, obviamente, independe das importações de couro do Brasil. Essa independência vale também para o Vietnâ, um dos maiores exportadores de artigos de couro do planeta. Exports of footwear (US$ 1.1 billion) from Brazil are not higher than 41% of exports of leather (US$ 2.7 billion), while exports of artifacts (bags, belts, wallets, etc.) are limited to only 2%. In addition to that, on the other side of the world, China continues to increase its production of footwear (it produced 14 billion pairs in 2013) and this growth, of course, is independent of leather imports from Brazil. This independence also applies to Vietnam, one of the largest exporters of leather goods on the planet. Revista Courobusiness - novembro / dezembro

4 Há cinco anos, as exportações de calçados (US$ 1,1 bilhão) do Brasil eram 38% superiores às exportações de couro (US$ 791 milhões). Em 2014, as exportações de calçados (US$ 920 milhões) não passam de 41% das exportações de couro (US$ 2,2 bilhões). No mesmo período, as exportações de artefatos passaram de 10% das exportações de couro para menos de 2%. O que ocorreu nesse espaço de tempo que reduziu as exportações de produtos finais em 16% (calçados) e 45% (artefatos)? A resposta está na crescente perda de competitividade do produto brasileiro, resultado de uma política industrial equivocada que se alicerça em desonerações pontuais para setores escolhidos. Essas desonerações, complementadas por encarecimento do produto importado e por taxação de exportação de couros salgado e wet blue não têm a capacidade de fornecer competitividade a esses setores produtivos. Como consequência, a indústria brasileira realiza constante perda de mercado e as commodities se tornam alvos de predadora demanda. A ausência de uma política industrial que priorize a competitividade estrutural da indústria nacional pereniza esse fúnebre cenário. Como o mercado internacional nada tem a ver com isso, demanda nossa matéria-prima couro de forma crescente, proporcionando esse admirável incremento que alcançou 25%, nos últimos dois anos. Five years ago, exports of footwear (US$ 1.1 billion) in Brazil were 38% higher than exports of leather (US$ 791 million). In 2014, exports of footwear (US$ 920 million) are only 41% of leather exports (US$ 2.2 billion). In the same period, exports of artifacts have gone from 10% of the exports of leather to less than 2%. What happened in that space of time that reduced exports of final products in 16% (footwear) and 45% (artifacts)? The answer lies in the increasing loss of competitiveness of Brazilian products, as a consequence of a misguided industrial policy which is grounded in specific exemptions for selected sectors. These exonerations, complemented by enhancement of imported products and by taxation of exports of salted and wet blue leathers, do not have the ability to provide competitiveness to these productive sectors. As a result, Brazilian industry is steadily losing market, and commodities become targets for a predatory demand. The absence of an industrial policy that prioritizes the structural competitiveness of the domestic industry perpetuates this funeral situation. As the international market has nothing to do with it, it demands more and more our leather as raw material, providing this great growth, which reached 25% in the last two years Revista Courobusiness -novembro / dezembro 2014

5 As exportações de couros salgado e wet blue cresceram quase 24% nos últimos dois anos, enquanto as exportações de couros crust e acabados cresceram 17% no mesmo período. Detalhando, verifica-se que o couro crust manteve exportações estáveis, não acompanhando a evolução dos outros estágios da matéria-prima couro. Exports of salted and wet blue leathers increased nearly 24% in the last two years, while exports of crust and finished leathers increased 17% over the same period. In detail, it appears that exports of crust leather remained stable, not following the trend of other stages of the leather as raw material. Revista Courobusiness - novembro / dezembro

6 De qualquer forma o couro crust apresentou, neste ano de 2014, preços muito semelhantes aos do wet blue, reduzindo em muito seu preço médio. A evolução das exportações de couro do Brasil evidencia a importância das economias desenvolvidas para o comércio do couro brasileiro. Desde 2009, as exportações de couro para os países dos blocos econômicos BRICS e NAFTA triplicaram, enquanto duplicaram para os países da União Europeia, todas superando valores de US$ 300 milhões/ano. Either way, crust leather presented, in this year 2014, prices that werer very similar to the wet blue, greatly reducing its average price. The evolution of Brazilian leather exports highlights the importance of developed economies to trade of Brazilian leather. Since 2009, exports of leather to the countries of the economic blocs BRICS and NAFTA tripled, while they doubled for the countries of the European Union, all of them with values that exceeds US$ 300 million/year. Para o couro brasileiro, a relevância mercadológica está na União Europeia, no NAFTA e nos países do BRICS, destinos que há longo tempo vêm se apresentando como alvos preferenciais de possíveis acordos comerciais. Uma das causas da manutenção da descompetitividade da indústria de manufaturados de couro é a atitude do setor em se contentar com a insuficiência das desonerações pontuais e com os apoios paliativos, chegando até a pleitear esses instrumentos que somente lhe fornecem fôlego temporário, mas não lhe permitem galgar a estruturada competitividade. Sem condições de competir, fica o setor, então, sem opção e obrigado a focar o mercado interno que se encontra com demanda em queda e com For Brazilian leather, marketing relevance lies in the European Union, NAFTA and the BRICS countries, destinations that for a long time have been presented as preferred targets of possible trade agreements. One of the causes of maintaining the low competitiveness of the manufacturing industry the segment s attitude to settle for the lack of specific exemptions and palliative support, to the point of claiming that these instruments that only provides with a temporary respite, but do not allow them to climb the structured competitiveness. Unable to compete, the sector has, then, no option and it is forced to focus on the domestic market which presents a decrease in demand and various in Revista Courobusiness -novembro / dezembro 2014

7 diversas atividades industriais cerrando as portas (vide Franca, São Paulo), decorrente da estagnação da economia. Essa indesejável conjuntura deixa a cadeia brasileira do couro submetida ao típico ambiente se correr, o bicho pega, se ficar, o bicho come, levando a matéria- -prima couro brasileiro a ser industrializada alhures. Obviamente que essa situação não interessa à indústria e à economia nacionais, mas as medidas necessárias para proporcionar competitividade à indústria de manufaturados de couro são sempre tangenciadas e carentes de debates. Enquanto a competitividade da cadeia produtiva não deslancha, o couro encontra seu jeito de ser comprado. dustrial activities clenching the doors (see Franca, Sao Paulo), due to the stagnation of the economy. This undesirable situation leaves the Brazilian leather chain subjected to the typical environment which leading the Brazilian leather as raw material to be industrialized elsewhere. Obviously, this situation does not interest to industry and the national economy, but the necessary measures to provide competitiveness to the leather manufacturing industry are always tangential, and there are no debates. While the competitiveness of the productive chain does not take off, the leather finds it s way of being purchased. Nos últimos seis anos China, com 159%, e EUA, com 209%, registraram um forte crescimento na demanda pela matéria-prima couro do Brasil. Já a Itália registrou um pequeno (quando comparado à evolução das demandas chinesa e americana) crescimento de 70%, não acompanhando a evolução da oferta brasileira de couros. Ao mesmo tempo, China e EUA mantiveram suas participações nas exportações brasileiras de couro em 36% e 10%, enquanto a Itália caiu de 22% para 14%, no mesmo período. Over the past six years China with 159%, and USA with 209%, recorded a strong growth in demand for Brazil leather as raw material. Italy recorded a small growth (when compared to the evolution of Chinese and American demands) of 70%, not following the evolution of Brazilian supply of hides. At the same time, China and the USA kept their shares in Brazilian leather exports by 36% and 10%, while Italy fell from 22% to 14% over the same period. Revista Courobusiness - novembro / dezembro

8 COMENTÁRIOS FINAIS Equívocos na gestão do comércio exterior brasileiro vêm excluindo o Brasil de relevantes acordos comerciais bilaterais e deteriorando a balança comercial. Por exemplo, entre 178 países analisados pelo Banco Mundial, o Brasil é o que apresenta o mais baixo Índice de Corrente de Comércio (ICC) e, por conseguinte, identifica o Brasil como o país mais fechado do mundo para o comércio internacional. O ICC mede a relação entre o comércio internacional e a capacidade de geração de renda de um país. Esse baixo índice é resultado de uma política comercial ideologizada que limita os esforços de competitividade à política cambial e ao protecionismo. Sem ações concretas para solucionar o baixo nível de educação formal e a baixa produtividade da indústria nacional, o Brasil passa a ser também um dos países menos competitivos do planeta. FINAL COMMENTS Misconceptions in management of Brazilian foreign trade has been excluding Brazil of relevant bilateral trade agreements and deteriorating the trade balance. For example, out of 178 countries surveyed by the World Bank, Brazil is the one that presents the lowest Trade Current Index (ICC) and therefore it identifies Brazil as the most closed for international trade in the world. The ICC measures the relationship between international trade and the ability to generate income in a country. Such low rate is a result of an ideological trade policy that limits the efforts of competitiveness to exchange rate policy and to protectionism. Without concrete actions to address the low level of formal education and the low productivity of the domestic industry, Brazil becomes also one of the least competitive countries in the world Revista Courobusiness -novembro / dezembro 2014

9 Certamente não podemos comparar o resultado do Brasil com o de Cingapura ou com o de Hong Kong, conhecidos entrepostos comerciais, porém podemos e devemos compará-lo com os resultados apresentados pelos países membros do BRICS, por exemplo, e aí percebemos o inexplicável isolamento comercial do Brasil. Solitário por escolha própria, o Brasil se atrasa em relação aos países articulados comercialmente e capacitados industrialmente. Há uma tendência para fugir do entendimento de que não há como melhorar a competitividade brasileira sem investimento em infraestrutura, sem elevação do nível da educação e sem a efetiva abertura comercial. Todavia, o Brasil insiste em promover competitividade pela instituição de reserva de mercado, modelo reconhecidamente ineficaz. A fase de exportar, independente da ausência de condições para competir, foi encerrada. É preciso reconhecer que os ventos favoráveis ao comércio exterior brasileiro, baseados nos elevados preços das commodities no mercado internacional, são página virada. Esse ambiente internacional que permitiu aquele superávit de US$ 46 bilhões em 2006, não mais existe e, o que é pior, o Brasil não fez o dever de casa, ao não se capacitar para a competição na época das vacas gordas. Hoje, as exportações brasileiras estão em queda, tanto as de produtos básicos quanto as de manufaturados. Para produtos básicos (58% das exportações do Brasil), a demanda mundial está em queda, reduzindo os preços das commodities. Já no caso dos manufaturados (42% das exportações do Brasil), o principal problema é a crônica falta de competitividade do produto nacional, agravado pelo Custo Brasil, pela infraestrutura deteriorada e pela prolongada crise na Argentina, principal comprador dos produtos industrializados brasileiros. Vê-se um Brasil excessivamente caro, com seus principais clientes enfrentando sérios problemas econômicos. Como se os problemas internamente criados não fossem suficientes, uma nova preocupação surge no horizonte com a assinatura pelos EUA e pela China de tratado de liberação comercial para bens de alta tecnologia, acordo que envolve 54 economias e eliminará tarifas na comercialização de US$ 1 trilhão. O Brasil, atrelado a um Mercosul ideológico e decadente, fica à margem desse vibrante ambiente comercial e aprofunda seu isolamento no mercado mundial. A opção pelo multilateralismo e a priorização da política Sul/Sul resultam em que as cadeias globais de valor, no Brasil, participem com somente 40% no comércio internacional, enquanto no mundo a participação é de 80%. O Brasil está na contramão da evolução nas relações comerciais. Portanto, We certainly we cannot compare the results between Brazil and Singapore or Hong Kong, knowing trading posts, but we can and should compare it with the results presented by BRICS member countries for example, and then we realize the inexplicable Brazilian trade isolation. Solitary by choice, Brazil delays regarding commercially articulated and industrially trained countries. There is a tendency that escapes understanding, that there is no way to improve Brazilian competitiveness without investment in infrastructure, without raising the level of education and without an effective trade liberalization. However, Brazil insists on promoting competitiveness through establishment of market reserve, a model that is admittedly inefficient. The export phase, regardless of the absence of conditions to compete, was closed. It is necessary to recognize that the winds that are favorable to Brazilian foreign trade, based on high commodity prices in the international market, have gone. This international environment that allowed a surplus of US$ 46 billion in 2006, no longer exists and, what is worse, Brazil has not done its homework, because it is not trained for the competition at the period of fat cows. Today, Brazilian exports are falling, regarding both basic products and manufactured products. For basic products (58% of Brazilian exports), world demand is falling, reducing commodity prices. In the case of manufactured goods (42% of Brazilian exports), the main problem is the chronic lack of competitiveness of the national product, aggravated by the Brazil Cost, by the deteriorated infrastructure and by the prolonged crisis in Argentina, the main buyer of Brazilian manufactured products. It is clear that Brazil is a very expensive country and its main clients is facing serious economic problems. As if the problems internally created were not enough, a new concern appears on the horizon as the US and China sign a trade liberalization treaty for high technology goods, an agreement that involves 54 economies and that will eliminate taxes in the trade of US$ 1 trillion. Brazil, coupled to an ideological and decadent Mercosur, is on the side of this vibrant business environment and deepens its isolation in the world market. The choice of multilateralism and the prioritization of South/South policy result in the share of only 40% by the global value chains in international trade in Brazil, while in the world the share is 80%. Brazil is in the op- Revista Courobusiness - novembro / dezembro

10 a definição política se transforma em mais uma ação que restringe e isola o comércio exterior brasileiro. De qualquer forma, e com todos os acidentes de percurso, as previsões do Banco Central (Relatório Focus) indicam superávit na balança comercial brasileira de US$ 2,5 bilhões para Já o mercado prevê déficit, que pode ultrapassar US$ 5 bilhões. A atitude de proteger a indústria brasileira utilizando reserva de mercado levou, por exemplo, a União Europeia a pedir, em novembro de 2014, a abertura de um painel na Organização Mundial do Comércio OMC contra os incentivos fiscais oferecidos pelo governo brasileiro aos setores automotivo (Inovar-Auto que eleva em 30% o IPI dos carros importados) e de tecnologia da informação (smartphones e tablets). Esse modelo protecionista resulta em que os automóveis brasileiros tenham preços absurdamente estratosféricos. Contudo, não é animadora a atitude dos setores industriais que não fazem parte deste sistema protecionista e que, no lugar de pressionar por uma política estruturante e globalizada de competitividade, brigam ferozmente para nele ser incluídos. Farinha pouca, meu pirão primeiro. Como o resto do mundo nada tem a ver com as agruras do Brasil, China e Austrália firmaram, em novembro último, um histórico acordo de livre comércio que liberará de impostos 95% das exportações australianas para a China e reduzirá as restrições aos investimentos chineses na Austrália. Considerando que a Austrália tem forte interesse nas exportações de produtos agrícolas, esse acordo pode deslocar as exportações da carne brasileira para a China (principal mercado para a carne bovina brasileira). Porém, como nem tudo é desvantagem, o frigorífico JBS, com unidade em território australiano, certamente se beneficiará desse acordo. Já o mercado russo (segundo mercado para a carne bovina brasileira) deve também se tornar preocupante em A queda no preço do petróleo, sanções do mundo ocidental e a forte desvalorização do rublo reduzirão o poder aquisitivo da população russa, despencando a demanda por carne bovina. E o consumo doméstico de carne bovina deverá também se reduzir em 2015, consequência da inflação, do endividamento da população e do ambiente econômico resultante do ajuste fiscal. Essas movimentações nos mercados doméstico e internacional da carne bovina impactam negativamente posite direction of evolution in trade relations. Therefore, the policy definition becomes one more action that restricts and isolates Brazilian foreign trade. Anyway, with all commuting accidents, the forecasts of the Central Bank (Focus Report) indicate surplus in Brazilian trade balance of US$ 2.5 billion for On the other hand, the market predicts deficit, which may exceed US$ 5 billion. The attitude of protecting Brazilian industry using market reserve has led, for instance, the European Union to ask in November 2014, the opening of a panel at the World Trade Organization WTO against tax incentives offered by the Brazilian government to automotive sector ( Inovar-Auto, which raises by 30% the tax on imported cars) and to information technology (smartphones and tablets). This protectionist model results in absurdly stratospheric prices of Brazilian cars. However, there is no encouragement in the attitude of the industrial sectors that are not part of this protective system and that, instead of pushing for a structural and global competitiveness policy, they fiercely fight to be included in it. I take my part, if there is any part left, you can take yours. As the rest of the world has nothing to do with the hardships of Brazil, China and Australia signed last November, a historic free trade agreement that will release tax of 95% of Australian exports to China and will reduce restrictions on Chinese investment in Australia. Considering that Australia has a strong interest in exports of agricultural products, this agreement can displace exports of Brazilian beef to China (main market for Brazilian beef). However, not everything is a disadvantage, the JBS slaughterhouse, with unit in Australian territory, will certainly benefit from that agreement. The Russian market, (second market for Brazilian beef), on the other hand, should also become worrying in The fall in oil prices, the Western world sanctions and the sharp devaluation of the ruble will reduce the purchasing power of the Russian population, considerably decreasing the demand for beef. And the domestic beef consumption should also be reduced in 2015, a result of inflation, indebtedness of the population as well as the economic environment generated by the fiscal adjustment. These movements in beef domestic and international markets are negatively impacting the slaughtering in Brazil 28 - Revista Courobusiness -novembro / dezembro 2014

11 os abates no Brasil e reduzem a oferta de couros para os curtumes brasileiros que, consequentemente, enfrentarão crescentes dificuldades para atender a demanda internacional. Pelos mesmos motivos, China e Rússia também apresentarão enfraquecimento em seus mercados de luxo, afetando a demanda pelos artigos de couro. Conclusão: projeta-se, para 2015, menor oferta e menor demanda para os curtumes. No geral, todas as projeções para 2015 explicitam grandes dificuldades para o cidadão brasileiro. O enorme desafio reside em promover o crescimento da economia brasileira, reduzir a carga tributária e realizar uma reforma política, tudo isso em um ambiente de inflação no teto da meta e balanço de pagamentos deficitário. Para fazer frente a esse desafio, a Presidente da República reeleita para mais quatro anos de mandato, anunciou os principais membros da nova equipe econômica na tentativa de conquistar maior confiança do mercado, visto os desalentadores resultados econômicos apresentados pelo Brasil em O Ministério da Fazenda será ocupado por Joaquim Levy, respeitado economista de linha ortodoxa, que já declarou um gradual, mas vigoroso, ajuste fiscal para 2015, na busca da estabilidade monetária e do equilíbrio nas contas públicas. A indicação de Levy trouxe inegável alívio ao mercado ao sinalizar para o fim das delirantes experiências econômicas, para o desaparecimento da catastrófica contabilidade criativa e para o retorno da matriz econômica baseada no tripé : superávit primário, metas de inflação e câmbio flutuante. Apesar do alento, persistem dúvidas: até quando o governo dará suporte ao ajuste fiscal e como o administrará? Sinalizando para o controle da inflação (inflação que se mantém girando ao redor do teto da meta, em 6,5% ao ano), o Comitê de Política Monetária COPOM do Banco Central elevou, em novembro último, a taxa de juros para 11,75% ao ano, enfraquecendo a atividade econômica e fortalecendo a atração de capital especulativo. Juros, nesse patamar, mantém o Brasil na liderança mundial da taxa real de juros e, para 2015, a previsão é a elevação da taxa de juros para 12,5% ao ano. Mas, e a política industrial? Para o Ministério do Desenvolvimento, Indústria e Comércio Exterior MDIC foi anunciado Armando Monteiro Neto, ex-presidente da Confederação Nacional da Indústria CNI, que anunciou, and reducing the supply of hides for Brazilian tanneries that consequently will face increasing difficulties to meet the international demand. For the same reasons, China and Russia will also present weakness in its luxury markets, affecting the demand for leather goods. Conclusion: it is projected for 2015 lower supply and lower demand for tanning. Overall, all projections for 2015 explain major difficulties for Brazilian citizens. The high challenge is to promote the growth of the Brazilian economy, as well as reducing the tax burden and make a political reform, all in a context of inflation in the target ceiling and balance of deficit payments. To address this challenge, the President of the Republic, re-elected for another four-year term, announced key members of the new economic team in an attempt to gain greater market confidence, considering the disappointing economic results that the country presented in The Ministry of Finance will be leaded by Joaquim Levy, respected orthodox economist, who has already declared a gradual but vigorous fiscal adjustment for 2015, in the pursuit of monetary stability and balance in the public accounts. Levy s appointment brought an undeniable relief to the market in signaling the end of delusional economic experiences, to the disappearance of the catastrophic creative accounting and to the return of the economic matrix based on the tripod : primary surplus, inflation targets and floating exchange rate. Despite the encouragement, the question remains: how long the government will support the fiscal adjustment and how will they manage it? Signaling to inflation control (inflation that keeps spinning around the target ceiling, at 6.5% per year), the Monetary Policy Committee COPOM of the Central Bank raised last November the interest rate to 11 75% per year, weakening economic activity and strengthening the attraction of speculative capital. Interest, at that level, maintains Brazil leading the global real interest rate and, for 2015, the forecast is the increase of the interest rate to 12.5% per year. But what about industrial policy? Armando Monteiro Neto was announced for the Ministry of Development, Industry and Foreign Trade MDIC, he is former president of the National Confederation of Industry CNI. He declared, correct and solemnly, the pursuit of reduction of Revista Courobusiness - novembro / dezembro

20 - Revista Courobusiness -novembro / dezembro 2014

20 - Revista Courobusiness -novembro / dezembro 2014 Com inflação alta, a valorização do dólar, mesmo alcançando o patamar de R$ 2,60, se mostrou insuficiente para alavancar as exportações brasileiras, pois maior a inflação, maior a necessidade de desvalorização

Leia mais

WWW.ADINOEL.COM Adinoél Sebastião /// Inglês Tradução Livre 14/2014

WWW.ADINOEL.COM Adinoél Sebastião /// Inglês Tradução Livre 14/2014 TEXTO Brazil Leads Decline Among World's Biggest Companies THE losses OF São Paulo's stock market AND THE decline OF Brazil's real made Brazilian companies THE biggest losers among THE world's major companies,

Leia mais

Brazil and Latin America Economic Outlook

Brazil and Latin America Economic Outlook Brazil and Latin America Economic Outlook Minister Paulo Bernardo Washington, 13 de maio de 2009 Apresentação Impactos da Crise Econômica Situação Econômica Brasileira Ações Contra-Cíclicas Previsões para

Leia mais

Gerenciamento de projetos SMART GRID

Gerenciamento de projetos SMART GRID Gerenciamento de projetos SMART GRID OBJETIVO Em razão da (o): Grandiosidade e complexidade dos projetos SMART GRID Contexto econômico local e global vs. QUALIDADE dos serviços públicos. p Exigências de

Leia mais

COSEC. Valorização do Real e Mercado Futuro de Câmbio

COSEC. Valorização do Real e Mercado Futuro de Câmbio COSEC 8 de Agosto de 2011 Valorização do Real e Mercado Futuro de Câmbio Roberto Giannetti da Fonseca Diretor Titular Departamento de Relações Internacionais e Comércio Exterior Mitos e Mistérios do Mercado

Leia mais

O processo de abertura comercial da China: impactos e perspectivas

O processo de abertura comercial da China: impactos e perspectivas O processo de abertura comercial da China: impactos e perspectivas Análise Economia e Comércio / Desenvolvimento Carolina Dantas Nogueira 20 de abril de 2006 O processo de abertura comercial da China:

Leia mais

ECONOMIA BRASILEIRA DESEMPENHO RECENTE E CENÁRIOS PARA 2015. Prof. Antonio Lanzana Dezembro/2014

ECONOMIA BRASILEIRA DESEMPENHO RECENTE E CENÁRIOS PARA 2015. Prof. Antonio Lanzana Dezembro/2014 ECONOMIA BRASILEIRA DESEMPENHO RECENTE E CENÁRIOS PARA 2015 Prof. Antonio Lanzana Dezembro/2014 SUMÁRIO 1. Economia Mundial e Impactos sobre o Brasil 2. A Economia Brasileira Atual 2.1. Desempenho Recente

Leia mais

Qualquer similaridade é mera coincidência? a. Venda doméstica de automóveis na Coréia (y-o-y, %)

Qualquer similaridade é mera coincidência? a. Venda doméstica de automóveis na Coréia (y-o-y, %) Brasil e Coréia: Qualquer similaridade é mera coincidência? a Faz algum tempo que argumentamos sobre as lições importantes que a Coréia oferece ao Brasil. O país possui grau de investimento há muitos anos,

Leia mais

Faturamento - 1966/2008 Revenue - 1966/2008

Faturamento - 1966/2008 Revenue - 1966/2008 1.6 Faturamento 1966/008 Revenue 1966/008 1966 1967 1968 1969 1970 1971 197 1973 1974 1975 1976 1977 1978 1979 198 AUTOVEÍCULOS VEHICLES 7.991 8.11 9.971 11.796 13.031 15.9 17.793 0.78 3.947 6.851 6.64

Leia mais

Adinoél Sebastião /// Inglês Tradução Livre 49/2013

Adinoél Sebastião /// Inglês Tradução Livre 49/2013 TEXTO Brazilian Central Bank Increases Interest Rates Third Consecutive Time In another step to combat high inflation, yesterday the Brazilian Central Bank raised interest rates for the third time in a

Leia mais

O Mercado de Seguros no Brasil no Século XXI

O Mercado de Seguros no Brasil no Século XXI 18º Congresso Brasileiro dos Corretores de Seguros O Mercado de Seguros no Brasil no Século XXI Cenário econômico atual e perspectivas para nosso país Henrique Meirelles 16 de Outubro, 2013 1 Agenda Introdução

Leia mais

Análise Setorial. Fabricação de artefatos de borracha Reforma de pneumáticos usados

Análise Setorial. Fabricação de artefatos de borracha Reforma de pneumáticos usados Análise Setorial Fabricação de artefatos de borracha Reforma de pneumáticos usados Abril de 2015 Sumário 1. Perspectivas do Cenário Econômico em 2015... 3 2. Balança Comercial de Março de 2015... 5 3.

Leia mais

ACFES MAIORES DE 23 ANOS INGLÊS. Prova-modelo. Instruções. Verifique se o exemplar da prova está completo, isto é, se termina com a palavra FIM.

ACFES MAIORES DE 23 ANOS INGLÊS. Prova-modelo. Instruções. Verifique se o exemplar da prova está completo, isto é, se termina com a palavra FIM. ACFES MAIORES DE 23 ANOS INGLÊS Prova-modelo Instruções Verifique se o exemplar da prova está completo, isto é, se termina com a palavra FIM. A prova é avaliada em 20 valores (200 pontos). A prova é composta

Leia mais

A REORIENTAÇÃO DO DESENVOLVIMENTO INDUSTRIAL BRASILEIRO IBGC 26/3/2015

A REORIENTAÇÃO DO DESENVOLVIMENTO INDUSTRIAL BRASILEIRO IBGC 26/3/2015 A REORIENTAÇÃO DO DESENVOLVIMENTO INDUSTRIAL BRASILEIRO IBGC 26/3/2015 1 A Situação Industrial A etapa muito negativa que a indústria brasileira está atravessando vem desde a crise mundial. A produção

Leia mais

101/15 30/06/2015. Análise Setorial. Fabricação de artefatos de borracha Reforma de pneumáticos usados

101/15 30/06/2015. Análise Setorial. Fabricação de artefatos de borracha Reforma de pneumáticos usados 101/15 30/06/2015 Análise Setorial Fabricação de artefatos de borracha Reforma de pneumáticos usados Junho de 2015 Sumário 1. Perspectivas do CenárioEconômico em 2015... 3 2. Balança Comercial de Março

Leia mais

Aspectos recentes do Comércio Exterior Brasileiro

Aspectos recentes do Comércio Exterior Brasileiro Aspectos recentes do Comércio Exterior Brasileiro Análise Economia e Comércio / Integração Regional Jéssica Naime 09 de setembro de 2005 Aspectos recentes do Comércio Exterior Brasileiro Análise Economia

Leia mais

1. THE ANGOLAN ECONOMY

1. THE ANGOLAN ECONOMY BPC IN BRIEF ÍNDICE 1. THE ANGOLAN ECONOMY 2. EVOLUTION OF THE BANK SECTOR 3. SHAREHOLDERS 4. BPC MARKET RANKING 5. FINANCIAL INDICATORES 6. PROJECTS FINANCE 7. GERMAN CORRESPONDENTS 1. THE ANGOLAN ECONOMY

Leia mais

Which model for agriculture? Dual model of Brazilian agriculture

Which model for agriculture? Dual model of Brazilian agriculture Which model for agriculture? Dual model of Brazilian agriculture Sìlvia Helena Galvão de Miranda Professor Department of Economics, Business and Sociology ESALQ/USP Vice-coordinator CEPEA Pre-Conference

Leia mais

Máquinas e Equipamentos de Qualidade

Máquinas e Equipamentos de Qualidade Máquinas e Equipamentos de Qualidade 83 A indústria brasileira de máquinas e equipamentos caracteriza-se pelo constante investimento no desenvolvimento tecnológico. A capacidade competitiva e o faturamento

Leia mais

International Trade and FDI between Portugal-China Comércio Internacional e IDE entre Portugal-China. dossiers. Economic Outlook Conjuntura Económica

International Trade and FDI between Portugal-China Comércio Internacional e IDE entre Portugal-China. dossiers. Economic Outlook Conjuntura Económica dossiers Economic Outlook Conjuntura Económica International Trade and FDI between Portugal-China Comércio Internacional e IDE entre Portugal-China Last Update Última Actualização: 10-02-2015 Prepared

Leia mais

WWW.ADINOEL.COM Adinoél Sebastião /// Inglês Tradução Livre 67/2013

WWW.ADINOEL.COM Adinoél Sebastião /// Inglês Tradução Livre 67/2013 PASSO A PASSO DO DYNO Ao final desse passo a passo você terá o texto quase todo traduzido. Passo 1 Marque no texto as palavras abaixo. (decore essas palavras, pois elas aparecem com muita frequência nos

Leia mais

ADJUSTMENTS IN BRAZIL S ECONOMIC POLICY IN 2015 WILL LIKELY PRODUCE MORE SUSTAINABLE GDP GROWTH RATES GOING FORWARD

ADJUSTMENTS IN BRAZIL S ECONOMIC POLICY IN 2015 WILL LIKELY PRODUCE MORE SUSTAINABLE GDP GROWTH RATES GOING FORWARD PRESENTATION APIMEC BRASÍLIA ADJUSTMENTS IN BRAZIL S ECONOMIC POLICY IN 2015 WILL LIKELY PRODUCE MORE SUSTAINABLE GDP GROWTH RATES GOING FORWARD 1 1 Brasília, February, 5th 2015 Ellen Regina Steter WORLD

Leia mais

Cenário Econômico para 2014

Cenário Econômico para 2014 Cenário Econômico para 2014 Silvia Matos 18 de Novembro de 2013 Novembro de 2013 Cenário Externo As incertezas com relação ao cenário externo em 2014 são muito elevadas Do ponto de vista de crescimento,

Leia mais

O Sistema Expectativas de Mercado: Ferramenta de Suporte à Política Monetária

O Sistema Expectativas de Mercado: Ferramenta de Suporte à Política Monetária O Sistema Expectativas de Mercado: Ferramenta de Suporte à Política Monetária André Marques Março de 2015 I. Histórico II. Características Principais III. Relatórios IV. Uso no Processo de Política Monetária

Leia mais

A Agenda Empresarial da Inovação. Pedro Passos São Paulo - 4/2/2011

A Agenda Empresarial da Inovação. Pedro Passos São Paulo - 4/2/2011 A Agenda Empresarial da Inovação Pedro Passos São Paulo - 4/2/2011 A Agenda Empresarial da Inovação Temos uma oportunidade impar de moldar nosso futuro Ciclo de crescimento virtuoso, com melhoria do perfil

Leia mais

TRIBUNAL DE CONTAS DO DISTRITO FEDERAL II RELATÓRIO ANALÍTICO

TRIBUNAL DE CONTAS DO DISTRITO FEDERAL II RELATÓRIO ANALÍTICO II RELATÓRIO ANALÍTICO 15 1 CONTEXTO ECONÔMICO A quantidade e a qualidade dos serviços públicos prestados por um governo aos seus cidadãos são fortemente influenciadas pelo contexto econômico local, mas

Leia mais

Definição de competitividade

Definição de competitividade TRIBUTAÇÃO E COMPETITIVIDADE VII Jornadas do IPCA 25.11.2006 Claudia Dias Soares Universidade Católica Portuguesa Definição de competitividade EC 2004: a sustained rise in the standards of living of a

Leia mais

Metodologia. Pesquisa Quantitativa Coleta de dados: Público Alvo: Amostra: 500 entrevistas realizadas. Campo: 16 a 29 de Setembro de 2010

Metodologia. Pesquisa Quantitativa Coleta de dados: Público Alvo: Amostra: 500 entrevistas realizadas. Campo: 16 a 29 de Setembro de 2010 Metodologia Pesquisa Quantitativa Coleta de dados: Através de e-survey - via web Público Alvo: Executivos de empresas associadas e não associadas à AMCHAM Amostra: 500 entrevistas realizadas Campo: 16

Leia mais

Processo de exportação de perecíveis aos EUA. (Frederico Tavares - Gerente de Comércio Internacional, UGBP: Union of Growers of Brazilian Papaya)

Processo de exportação de perecíveis aos EUA. (Frederico Tavares - Gerente de Comércio Internacional, UGBP: Union of Growers of Brazilian Papaya) Processo de exportação de perecíveis aos EUA (Frederico Tavares - Gerente de Comércio Internacional, UGBP: Union of Growers of Brazilian Papaya) World Production of Tropical Fruit World production of tropical

Leia mais

In the first five months of 2014, Brazil exported

In the first five months of 2014, Brazil exported EXPORTAÇÕES BRASILEIRAS BRAZILIAN EXPORTS BALANÇA COMERCIAL BRASILEIRA Nos primeiros cinco meses de 2014, o Brasil exportou US$ 90,0 bilhões (redução de 3%, em comparação a igual período de 2013) e importou

Leia mais

Red Econolatin www.econolatin.com Expertos Económicos de Universidades Latinoamericanas

Red Econolatin www.econolatin.com Expertos Económicos de Universidades Latinoamericanas Red Econolatin www.econolatin.com Expertos Económicos de Universidades Latinoamericanas BRASIL Novembro 2012 Profa. Anita Kon PONTIFÍCIA UNIVERSIDADE CATÓLICA DE SÃO PAULO - PROGRAMA DE ESTUDOS PÓS- GRADUADOS

Leia mais

AGRONEGÓCIO E LOGÍSTICA: DICOTOMIA Ivo Manoel Naves

AGRONEGÓCIO E LOGÍSTICA: DICOTOMIA Ivo Manoel Naves AGRONEGÓCIO E LOGÍSTICA: DICOTOMIA Ivo Manoel Naves RESUMO: A produção agrícola brasileira vem apresentando crescimentos acentuados e o agronegócio nacional é um dos setores mais pujantes da economia.

Leia mais

RISCOS E OPORTUNIDADES PARA A INDÚSTRIA DE BENS DE CONSUMO. Junho de 2012

RISCOS E OPORTUNIDADES PARA A INDÚSTRIA DE BENS DE CONSUMO. Junho de 2012 RISCOS E OPORTUNIDADES PARA A INDÚSTRIA DE BENS DE CONSUMO Junho de 2012 Riscos e oportunidades para a indústria de bens de consumo A evolução dos últimos anos, do: Saldo da balança comercial da indústria

Leia mais

SONDAGEM INDUSTRIAL Março de 2015

SONDAGEM INDUSTRIAL Março de 2015 SONDAGEM INDUSTRIAL Março de 2015 A exportação se consolida como perspectiva positiva para os próximos meses A Sondagem industrial, realizada junto a 162 indústrias catarinenses no mês de março, mostrou

Leia mais

Bárbara Rodrigues da Silva 3ALEN, 2015

Bárbara Rodrigues da Silva 3ALEN, 2015 Pets reality There are about 30 millions abandoned pets only in Brazil. Among these amount, about 10 millions are cats and the other 20 are dogs, according to WHO (World Health Organization). In large

Leia mais

Relatório Econômico Mensal Agosto de 2015. Turim Family Office & Investment Management

Relatório Econômico Mensal Agosto de 2015. Turim Family Office & Investment Management Relatório Econômico Mensal Agosto de 2015 Turim Family Office & Investment Management ESTADOS UNIDOS TÓPICOS ECONOMIA GLOBAL Economia Global: EUA: PIB e Juros... Pág.3 Europa: Recuperação e Grécia... Pág.4

Leia mais

TRABALHO DE ECONOMIA:

TRABALHO DE ECONOMIA: UNIVERSIDADE DO ESTADO DE MINAS GERAIS - UEMG FUNDAÇÃO EDUCACIONAL DE ITUIUTABA - FEIT INSTITUTO SUPERIOR DE ENSINO E PESQUISA DE ITUIUTABA - ISEPI DIVINO EURÍPEDES GUIMARÃES DE OLIVEIRA TRABALHO DE ECONOMIA:

Leia mais

BRASIL Perspectivas para o Comércio Exterior

BRASIL Perspectivas para o Comércio Exterior BRASIL Perspectivas para o Comércio Exterior Welber Barral Junho 2012 Brasil: Acordos Internacionais Multilateral Agreements World Trade Organization Agreements. Regional and Bilateral Agreements MERCOSUR

Leia mais

Trends and Business Opportunities in Latin America

Trends and Business Opportunities in Latin America Trends and Business Opportunities in Latin America Hamilton Terni Costa ANconsulting ANconsulting LA overview Latin America is composed of South and Central America, Mexico and Caribbean 20 countries in

Leia mais

Competitividade do Agronegócio Soja. Desafio da Agregação de Valor

Competitividade do Agronegócio Soja. Desafio da Agregação de Valor Competitividade do Agronegócio Soja Desafio da Agregação de Valor Reunião das Câmara Setoriais Agosto de 2013 Fabio Trigueirinho Importância do Agronegócio Soja Ano comercial 2013/2014 Safra 81,6 Processamento

Leia mais

PADRÕES TECNOLÓGICOS E DE COMÉRCIO EXTERIOR DAS FIRMAS BRASILEIRAS RESUMO

PADRÕES TECNOLÓGICOS E DE COMÉRCIO EXTERIOR DAS FIRMAS BRASILEIRAS RESUMO PADRÕES TECNOLÓGICOS E DE COMÉRCIO EXTERIOR DAS FIRMAS BRASILEIRAS CLASSIFICAÇÃO JEL: F12 Fernanda De Negri RESUMO Este artigo analisa a relação entre os padrões tecnológicos e o desempenho externo das

Leia mais

Atividade extra. Questão 01. Lingua Estrangeira Inglês

Atividade extra. Questão 01. Lingua Estrangeira Inglês Atividade extra Questão 01 http://www.sxc.hu/photo/1406799 We hear a list of problems affecting the environment almost every day: pollution, acid rain, global warming, and the destruction of rain forest,

Leia mais

Relatório Econômico Mensal Agosto 2011

Relatório Econômico Mensal Agosto 2011 Relatório Econômico Mensal Agosto 2011 Tópicos Economia Americana: Confiança em baixa Pág.3 EUA X Japão Pág. 4 Mercados Emergentes: China segue apertando as condições monetárias Pág.5 Economia Brasileira:

Leia mais

SAP anuncia resultados do Segundo Trimestre de 2009

SAP anuncia resultados do Segundo Trimestre de 2009 SAP anuncia resultados do Segundo Trimestre de 2009 A SAP continua a demonstrar um forte crescimento das suas margens, aumentando a previsão, para o ano de 2009, referente à sua margem operacional Non-GAAP

Leia mais

CENÁRIOS ECONÔMICOS O QUE ESPERAR DE 2016? Prof. Antonio Lanzana Dezembro/2015

CENÁRIOS ECONÔMICOS O QUE ESPERAR DE 2016? Prof. Antonio Lanzana Dezembro/2015 CENÁRIOS ECONÔMICOS O QUE ESPERAR DE 2016? Prof. Antonio Lanzana Dezembro/2015 1 SUMÁRIO 1. Economia Mundial e Impactos sobre o Brasil 2. Política Econômica Desastrosa do Primeiro Mandato 2.1. Resultados

Leia mais

O PAPEL DA AGRICULTURA. Affonso Celso Pastore

O PAPEL DA AGRICULTURA. Affonso Celso Pastore O PAPEL DA AGRICULTURA Affonso Celso Pastore 1 1 Uma fotografia do setor agrícola tirada em torno de 195/196 Entre 195 e 196 o Brasil era um exportador de produtos agrícolas com concentração em algumas

Leia mais

Relatório Econômico Mensal JANEIRO/13

Relatório Econômico Mensal JANEIRO/13 Relatório Econômico Mensal JANEIRO/13 Índice INDICADORES FINANCEIROS 3 PROJEÇÕES 4 CENÁRIO EXTERNO 5 CENÁRIO DOMÉSTICO 7 RENDA FIXA 8 RENDA VARIÁVEL 9 Indicadores Financeiros Projeções Economia Global

Leia mais

A estratégia para enfrentar o aprofundamento da crise mundial Guido Mantega Ministro da Fazenda

A estratégia para enfrentar o aprofundamento da crise mundial Guido Mantega Ministro da Fazenda A estratégia para enfrentar o aprofundamento da crise mundial Guido Mantega Ministro da Fazenda Câmara dos Deputados Brasília, 23 de novembro de 2011 1 Economia mundial deteriorou-se nos últimos meses

Leia mais

Setor Externo: Triste Ajuste

Setor Externo: Triste Ajuste 8 análise de conjuntura Setor Externo: Triste Ajuste Vera Martins da Silva (*) A recessão da economia brasileira se manifesta de forma contundente nos resultados de suas relações com o resto do mundo.

Leia mais

Conjuntura Global Dá uma Guinada Rumo ao Desenvolvimento

Conjuntura Global Dá uma Guinada Rumo ao Desenvolvimento Volume 11, Number 4 Fourth Quarter 2009 Conjuntura Global Dá uma Guinada Rumo ao Desenvolvimento As economias pelo mundo estão emergindo da recessão, embora em diferentes velocidades. As economias em desenvolvimento

Leia mais

RADAR DA ECONOMIA (semanal) Provocação 08/2016 Grupo de Estudo de Políticas Macroeconômicas e Crescimento Econômico São João del Rei, 14/04/2016.

RADAR DA ECONOMIA (semanal) Provocação 08/2016 Grupo de Estudo de Políticas Macroeconômicas e Crescimento Econômico São João del Rei, 14/04/2016. GRUPO DE ESTUDO DE POLÍTICAS MACROECONÔMICAS E CRESCIMENTO ECONÔMICO DEPARTAMENTO DE CIÊNCIAS ECONÔMICAS (DCECO) - UNIVERSIDADE FEDERAL DE SÃO JOÃO DEL REI - UFSJ RADAR DA ECONOMIA (semanal) Provocação

Leia mais

What is Bullying? Bullying is the intimidation or mistreating of weaker people. This definition includes three important components:1.

What is Bullying? Bullying is the intimidation or mistreating of weaker people. This definition includes three important components:1. weaker people. This definition includes three important components:1. Bullying is aggressive behavior that involves unwanted, negative actions. 2. Bullying involves a pattern of behavior repeated over

Leia mais

Análise CEPLAN Clique para editar o estilo do título mestre. Recife, 17 de agosto de 2011.

Análise CEPLAN Clique para editar o estilo do título mestre. Recife, 17 de agosto de 2011. Análise CEPLAN Recife, 17 de agosto de 2011. Temas que serão discutidos na VI Análise Ceplan A economia em 2011: Mundo; Brasil; Nordeste, com destaque para Pernambuco; Informe sobre mão de obra qualificada.

Leia mais

O SEU NEGÓCIO ESTÁ NA MODA Your Business is in fashion

O SEU NEGÓCIO ESTÁ NA MODA Your Business is in fashion O SEU NEGÓCIO ESTÁ NA MODA Your Business is in fashion Fazemos parte do processo de retalho de moda com o objetivo de aumentar as suas vendas Desde a fundação em 1980 que somos um operador ativo e inovador,

Leia mais

October, 2013. Um Olhar Estratégico para o Setor de Seguros de Automóvel no Brasil

October, 2013. Um Olhar Estratégico para o Setor de Seguros de Automóvel no Brasil October, 2013 Um Olhar Estratégico para o Setor de Seguros de Automóvel no Brasil AGENDA Visão da Industria de Seguros (Brasil x Mundo) Drivers que movem a Indústria Análise da Penetração da Indústria

Leia mais

ANÁLISE DO ALINHAMENTO ENTRE O BALANÇO SOCIAL E O RELATÓRIO DE SUSTENTABILIDADE DOS TRÊS MAIORES BANCOS EM ATIVIDADE NO BRASIL

ANÁLISE DO ALINHAMENTO ENTRE O BALANÇO SOCIAL E O RELATÓRIO DE SUSTENTABILIDADE DOS TRÊS MAIORES BANCOS EM ATIVIDADE NO BRASIL ANÁLISE DO ALINHAMENTO ENTRE O BALANÇO SOCIAL E O RELATÓRIO DE SUSTENTABILIDADE DOS TRÊS MAIORES BANCOS EM ATIVIDADE NO BRASIL ANALYSIS OF ALIGNMENT AMONG SOCIAL BALANCE AND SUSTAINABILITY REPORT OF THREE

Leia mais

Economia Brasileira e o Agronegócio Riscos e Oportunidades. Roberto Giannetti da Fonseca Maio 2015

Economia Brasileira e o Agronegócio Riscos e Oportunidades. Roberto Giannetti da Fonseca Maio 2015 Economia Brasileira e o Agronegócio Riscos e Oportunidades Roberto Giannetti da Fonseca Maio 2015 Cenário Macro Econômico Brasileiro 2015 Economia em forte e crescente desequilibrio Deficit Fiscal 2014

Leia mais

A despeito dos diversos estímulos monetários e fiscais, economia chinesa segue desacelerando

A despeito dos diversos estímulos monetários e fiscais, economia chinesa segue desacelerando INFORMATIVO n.º 42 NOVEMBRO de 2015 A despeito dos diversos estímulos monetários e fiscais, economia chinesa segue desacelerando Fabiana D Atri - Economista Coordenadora do Departamento de Pesquisas e

Leia mais

Multicriteria Impact Assessment of the certified reference material for ethanol in water

Multicriteria Impact Assessment of the certified reference material for ethanol in water Multicriteria Impact Assessment of the certified reference material for ethanol in water André Rauen Leonardo Ribeiro Rodnei Fagundes Dias Taiana Fortunato Araujo Taynah Lopes de Souza Inmetro / Brasil

Leia mais

A CR C IS I E S E MU M N U DI D A I L D O D S ALIM I E M N E TO T S: S O qu q e o B r B asi s l p o p de d f a f ze z r?

A CR C IS I E S E MU M N U DI D A I L D O D S ALIM I E M N E TO T S: S O qu q e o B r B asi s l p o p de d f a f ze z r? A CRISE MUNDIAL DOS ALIMENTOS: O que o Brasil pode fazer? Geraldo Barros USA: Inflation, Interest Rates, GDP Int rates Infl 12 14 16 18 6% 8% 1% GDP -4-2 2 4 6 8 1 198 1981 1982 1983 1984 1985 1986 1987

Leia mais

O COMÉRCIO INTERNACIONAL COMO FONTE GERADORA DE DESENVOLVIMENTO ECONÔMICO E SOCIAL DO PAÍS

O COMÉRCIO INTERNACIONAL COMO FONTE GERADORA DE DESENVOLVIMENTO ECONÔMICO E SOCIAL DO PAÍS O COMÉRCIO INTERNACIONAL COMO FONTE GERADORA DE DESENVOLVIMENTO ECONÔMICO E SOCIAL DO PAÍS RIGHETTI, Renato César. Discente da Faculdade de Ciências Jurídicas e Gerenciais -FAEG renato_righetti@hotmail.com

Leia mais

Os investimentos no Brasil estão perdendo valor?

Os investimentos no Brasil estão perdendo valor? 1. Introdução Os investimentos no Brasil estão perdendo valor? Simone Maciel Cuiabano 1 Ao final de janeiro, o blog Beyond Brics, ligado ao jornal Financial Times, ventilou uma notícia sobre a perda de

Leia mais

ECONOMIA E AGRONEGÓCIO: A IMPORTÂNCIA DAS RELAÇÕES INTERNACIONAIS NO SETOR SUCROALCOOLEIRO

ECONOMIA E AGRONEGÓCIO: A IMPORTÂNCIA DAS RELAÇÕES INTERNACIONAIS NO SETOR SUCROALCOOLEIRO ECONOMIA E AGRONEGÓCIO: A IMPORTÂNCIA DAS RELAÇÕES INTERNACIONAIS NO SETOR SUCROALCOOLEIRO 61 Ana Caroline Veiga Universidade do Oeste Paulista, Curso de Administração, Presidente Prudente, SP. Email:

Leia mais

Estudos sobre a Taxa de Câmbio no Brasil

Estudos sobre a Taxa de Câmbio no Brasil Estudos sobre a Taxa de Câmbio no Brasil Fevereiro/2014 A taxa de câmbio é um dos principais preços relativos da economia, com influência direta no desempenho macroeconômico do país e na composição de

Leia mais

O País que Queremos Ser Os fatores de competitividade e o Plano Brasil Maior

O País que Queremos Ser Os fatores de competitividade e o Plano Brasil Maior O País que Queremos Ser Os fatores de competitividade e o Plano Brasil Maior Alessandro Golombiewski Teixeira Secretário-Executivo São Paulo, agosto de 2012 Introdução 1 Contexto Econômico Internacional;

Leia mais

Informe 05/2011 AS RELAÇÕES COMERCIAIS BRASIL- CHINA NO SETOR DE ROCHAS ORNAMENTAIS E DE REVESTIMENTO: SITUAÇÃO ATUAL E PERSPECTIVAS DE EVOLUÇÃO

Informe 05/2011 AS RELAÇÕES COMERCIAIS BRASIL- CHINA NO SETOR DE ROCHAS ORNAMENTAIS E DE REVESTIMENTO: SITUAÇÃO ATUAL E PERSPECTIVAS DE EVOLUÇÃO Informe 05/2011 AS RELAÇÕES COMERCIAIS BRASIL- CHINA NO SETOR DE ROCHAS ORNAMENTAIS E DE REVESTIMENTO: SITUAÇÃO ATUAL E PERSPECTIVAS DE EVOLUÇÃO Associação Brasileira da Indústria de Rochas Ornamentais

Leia mais

O Mundo em 2030: Desafios para o Brasil

O Mundo em 2030: Desafios para o Brasil O Mundo em 2030: Desafios para o Brasil Davi Almeida e Rodrigo Ventura Macroplan - Prospectiva, Estratégia & Gestão Artigo Publicado em: Sidney Rezende Notícias - www.srzd.com Junho de 2007 Após duas décadas

Leia mais

Teoria Económica Clássica e Neoclássica

Teoria Económica Clássica e Neoclássica Teoria Económica Clássica e Neoclássica Nuno Martins Universidade dos Açores Jornadas de Estatística Regional 29 de Novembro, Angra do Heroísmo, Portugal Definição de ciência económica Teoria clássica:

Leia mais

As variáveis macroeconómicas importantes numa economia aberta incluem:

As variáveis macroeconómicas importantes numa economia aberta incluem: Aula Teórica nº 12 Sumário: Um modelo macroeconómico de economia aberta As variáveis macroeconómicas importantes numa economia aberta incluem: exportações líquidas investimento externo líquido taxas de

Leia mais

ESTRUTURA DE CAPITAL: UMA ANÁLISE EM EMPRESAS SEGURADORAS

ESTRUTURA DE CAPITAL: UMA ANÁLISE EM EMPRESAS SEGURADORAS ESTRUTURA DE CAPITAL: UMA ANÁLISE EM EMPRESAS SEGURADORAS THE CAPITAL STRUCTURE: AN ANALYSE ON INSURANCE COMPANIES FREDERIKE MONIKA BUDINER METTE MARCO ANTÔNIO DOS SANTOS MARTINS PAULA FERNANDA BUTZEN

Leia mais

SINOPSE DE CLIPPING SEMANAL SINDISIDER

SINOPSE DE CLIPPING SEMANAL SINDISIDER SINOPSE DE CLIPPING SEMANAL SINDISIDER 1ª SEMANA DE MARÇO O Press Release divulgado pela SD&PRESS Consultoria, que aborda os números do setor de distribuição de aços planos em fevereiro, recebeu destaque

Leia mais

FDLI s Brazil Conference

FDLI s Brazil Conference Programa Alimentos Seguros: uma experiência brasileira Food Safety Program: a Brazilian experience FDLI s Brazil Conference Zeide Lúcia Gusmão, MSc. National Coordinator PAS SENAI Nacional Department São

Leia mais

Desempenho do Comércio Exterior Paranaense Junho 2010

Desempenho do Comércio Exterior Paranaense Junho 2010 Depenho do Comércio Exterior Paranaense Junho 2010 As exportações em junho apresentaram redução de 8,57% sobre maio após expansão por quatro meses consecutivos. Desta forma, supera a marca de US$ 1 bilhão

Leia mais

Perspectivas 2014 Brasil e Mundo

Perspectivas 2014 Brasil e Mundo 1 Perspectivas 2014 Brasil e Mundo 2 Agenda EUA: Fim dos estímulos em 2013? China: Hard landing? Zona do Euro: Crescimento econômico? Brasil: Deixamos de ser rumo de investimentos? EUA Manutenção de estímulos

Leia mais

Workshop 2 Changes in Automotive Industry: New Markets Different Technologies?

Workshop 2 Changes in Automotive Industry: New Markets Different Technologies? Organization: Cooperation: Workshop 2 Changes in Automotive Industry: New Markets Different Technologies? Volkswagen do Brasil Cologne, August 25 th, 2008 Volkswagen do Brasil Present in Brazil since 1953

Leia mais

Relatório Semanal de Estratégia de Investimento

Relatório Semanal de Estratégia de Investimento 12 de janeiro de 2015 Relatório Semanal de Estratégia de Investimento Destaques da Semana Economia internacional: Deflação na Europa reforça crença no QE (22/11); Pacote de U$1 trilhão em infraestrutura

Leia mais

A AUSTERIDADE CURA? A AUSTERIDADE MATA?

A AUSTERIDADE CURA? A AUSTERIDADE MATA? A AUSTERIDADE CURA? A AUSTERIDADE MATA? 29.Nov.2013 Financiamento Sector público é a principal fonte de financiamento de cuidados de saúde. Apenas EUA e México apresentam menos de 50% de financiamento

Leia mais

NOTAS ECONÔMICAS. Regimes cambiais dos BRICs revelam diferentes graus de intervenção no câmbio

NOTAS ECONÔMICAS. Regimes cambiais dos BRICs revelam diferentes graus de intervenção no câmbio NOTAS ECONÔMICAS Informativo da Confederação Nacional da Indústria Ano 11 Número 2 12 de julho de 2010 www.cni.org.br Regimes cambiais dos BRICs revelam diferentes graus de intervenção no câmbio Brasil

Leia mais

Notícias Economia Internacional. e Indicadores Brasileiros. Nº 1/2 Julho de 2012

Notícias Economia Internacional. e Indicadores Brasileiros. Nº 1/2 Julho de 2012 Notícias Economia Internacional e Indicadores Brasileiros Nº 1/2 Julho de 2012 Sindmóveis - Projeto Orchestra Brasil www.sindmoveis.com.br www.orchestrabrasil.com.br Realização: inteligenciacomercial@sindmoveis.com.br

Leia mais

RELATÓRIO TESE CENTRAL

RELATÓRIO TESE CENTRAL RELATÓRIO Da audiência pública conjunta das Comissões de Assuntos Econômicos, de Assuntos Sociais, de Acompanhamento da Crise Financeira e Empregabilidade e de Serviços de Infraestrutura, realizada no

Leia mais

Produção de Commodities e Desenvolvimento Econômico O Esforço Empresarial Brasileiro Instituto de Economia UNICAMP 29 de março de 2010

Produção de Commodities e Desenvolvimento Econômico O Esforço Empresarial Brasileiro Instituto de Economia UNICAMP 29 de março de 2010 Produção de Commodities e Desenvolvimento Econômico O Esforço Empresarial Brasileiro Instituto de Economia UNICAMP 29 de março de 2010 A produção de commodities e a transformação econômica do Brasil João

Leia mais

Desafios para a Indústria Eletroeletrônica

Desafios para a Indústria Eletroeletrônica Desafios para a Indústria Eletroeletrônica 95 O texto aponta as características das áreas da indústria eletroeletrônica no país e os desafios que este setor tem enfrentado ao longo das últimas décadas.

Leia mais

1. (FGV 2014) A questão está relacionada ao gráfico e ao texto apresentados.

1. (FGV 2014) A questão está relacionada ao gráfico e ao texto apresentados. Brasil e Commodities 1. (FGV 2014) A questão está relacionada ao gráfico e ao texto apresentados. Desde 2007, os produtos básicos sinalizam uma estabilização no quantum importado, apresentando pequena

Leia mais

UNIVERSIDADE CATÓLICA PORTUGUESA. A Reputação e a Responsabilidade Social na BP Portugal: A importância da Comunicação. Por. Ana Margarida Nisa Vintém

UNIVERSIDADE CATÓLICA PORTUGUESA. A Reputação e a Responsabilidade Social na BP Portugal: A importância da Comunicação. Por. Ana Margarida Nisa Vintém UNIVERSIDADE CATÓLICA PORTUGUESA A Reputação e a Responsabilidade Social na BP Portugal: A importância da Comunicação Relatório de estágio apresentado à Universidade Católica Portuguesa para obtenção do

Leia mais

Red Econolatin www.econolatin.com Expertos Económicos de Universidades Latinoamericanas

Red Econolatin www.econolatin.com Expertos Económicos de Universidades Latinoamericanas Red Econolatin www.econolatin.com Expertos Económicos de Universidades Latinoamericanas BRASIL Julho 2012 Profa. Anita Kon PONTIFÍCIA UNIVERSIDADE CATÓLICA DE SÃO PAULO PROGRAMA DE ESTUDOS PÓS GRADUADOS

Leia mais

O Futuro da Indústria Química CARLOS FADIGAS

O Futuro da Indústria Química CARLOS FADIGAS O Futuro da Indústria Química CARLOS FADIGAS A indústria química é relevante para o Brasil... Faturamento da Indústria Química Brasileira (US$ bilhões) +6% a.a. 166 160 162 124 129 101 2008 2009 2010 2011

Leia mais

Agenda. Cenário atual enfrentado pelo exportador. O programa do próximo governo. Política comercial: agenda pendente.

Agenda. Cenário atual enfrentado pelo exportador. O programa do próximo governo. Política comercial: agenda pendente. Agenda Cenário atual enfrentado pelo exportador O programa do próximo governo Política comercial: agenda pendente Parte da resposta Cenário Atual Problemas internos Entraves operacionais Infraestrutura

Leia mais

Projecto: +INOV-custos / Project: +INOV-costs

Projecto: +INOV-custos / Project: +INOV-costs 1 OBJETIVO / OBJECTIVE 2 FASES / PHASES 3 RESULTADOS SUNVISOR / SUNVISOR RESULTS 4 RESULTADOS CARTER / CARTER RESULTS Grupo industrial especializado en la gestión de procesos de alto valor añadido 1 Objetivo

Leia mais

Red Econolatin www.econolatin.com Expertos Económicos de Universidades Latinoamericanas

Red Econolatin www.econolatin.com Expertos Económicos de Universidades Latinoamericanas Red Econolatin www.econolatin.com Expertos Económicos de Universidades Latinoamericanas BRASIL Agosto 2013 Profa. Anita Kon PONTIFÍCIA UNIVERSIDADE CATÓLICA DE SÃO PAULO PROGRAMA DE ESTUDOS PÓS GRADUADOS

Leia mais

Fórum Permanente de Micro e Pequenas Empresas. Comitê de Comércio Exterior. Brasília Julho de 2011

Fórum Permanente de Micro e Pequenas Empresas. Comitê de Comércio Exterior. Brasília Julho de 2011 Fórum Permanente de Micro e Pequenas Empresas Comitê de Comércio Exterior Brasília Julho de 2011 BALANÇA BRASILEIRA DE COMÉRCIO EXTERIOR DE BENS E SERVIÇOS* US$ Bilhões BRAZILIAN FOREIGN TRADE IN GOODS

Leia mais

Cenário Econômico e Produtividade

Cenário Econômico e Produtividade Cenário Econômico e Produtividade junho/2015 Prof. José Pio Martins Economista Reitor da Universidade Positivo Introdução Missões do gestor Gerenciar o dia a dia Preparar a organização para o futuro Dar

Leia mais

Red Econolatin www.econolatin.com Expertos Económicos de Universidades Latinoamericanas

Red Econolatin www.econolatin.com Expertos Económicos de Universidades Latinoamericanas Red Econolatin www.econolatin.com Expertos Económicos de Universidades Latinoamericanas BRASIL Julho 2013 Profa. Anita Kon PONTIFÍCIA UNIVERSIDADE CATÓLICA DE SÃO PAULO - PROGRAMA DE ESTUDOS PÓS- GRADUADOS

Leia mais

FORUM NACIONAL DE EDUCAÇÃO

FORUM NACIONAL DE EDUCAÇÃO FORUM NACIONAL DE EDUCAÇÃO Educação Profissional e Tecnológica Sergio Moreira BRASIL ÍNDICE GLOBAL DE COMPETITIVIDADE 2013/2014 Ranking Global de Competitividade BRICS: 2006 a 2013 Brasil ficou em 56º

Leia mais

O COMÉRCIO EXTERIOR BRASILEIRO NO PERÍODO DE 1985-2009: BÊNÇÃO OU MALDIÇÃO DAS COMMODITIES? Stela Luiza de Mattos Ansanelli (Unesp)

O COMÉRCIO EXTERIOR BRASILEIRO NO PERÍODO DE 1985-2009: BÊNÇÃO OU MALDIÇÃO DAS COMMODITIES? Stela Luiza de Mattos Ansanelli (Unesp) O COMÉRCIO EXTERIOR BRASILEIRO NO PERÍODO DE 1985-2009: BÊNÇÃO OU MALDIÇÃO DAS COMMODITIES? Stela Luiza de Mattos Ansanelli (Unesp) Objetivo Qual padrão de especialização comercial brasileiro? Ainda fortemente

Leia mais

Desempenho do Comércio Exterior Paranaense Março 2013

Desempenho do Comércio Exterior Paranaense Março 2013 Desempenho do Comércio Exterior Paranaense Março 2013 As exportações em março apresentaram aumento de +27,85% em relação a fevereiro. O valor exportado superou novamente a marca de US$ 1 bilhão, atingindo

Leia mais

Resumo Aula-tema 05: Análise Comparativa do Desenvolvimento Econômico da Índia e da China

Resumo Aula-tema 05: Análise Comparativa do Desenvolvimento Econômico da Índia e da China Resumo Aula-tema 05: Análise Comparativa do Desenvolvimento Econômico da Índia e da China Esta aula tratará da análise comparativa do processo de desenvolvimento da China e da Índia, países que se tornaram

Leia mais

RESUMO EXECUTIVO Todos os direitos reservados. Distribuição e informações:

RESUMO EXECUTIVO Todos os direitos reservados. Distribuição e informações: RESUMO EXECUTIVO O Ministro da Fazenda, Guido Mantega, comunicou no dia 27 de dezembro de 2011 que vai mudar o regime de tributação para a importação de produtos têxteis do atual ad valorem, em que no

Leia mais

O COMÉRCIO EXTERIOR DO BRASIL

O COMÉRCIO EXTERIOR DO BRASIL International Seminar & Book Launch of "Surmounting Middle Income Trap: the Main Issues for Brazil" Institute of Latin American Studies (ILAS, CASS) Brazilian Institute of Economics at Getulio Vargas Foundation

Leia mais

Desafios do Segundo Mandato da Presidente Dilma Rouseff

Desafios do Segundo Mandato da Presidente Dilma Rouseff CURRENT ECONOMIC ISSUES BKR Desafios do Segundo Mandato da Presidente Dilma Rouseff José Luis Oreiro* Resumo Este artigo discute os desafios que a Presidente da República, Dilma Rouseff, enfrentará no

Leia mais