INSTITUTO DE CIÊNCIAS DA SAÚDE FUNORTE/SOEBRAS DISFUNÇÃO DA ATM E O TRATAMENTO ORTODÔNTICO

Save this PDF as:
 WORD  PNG  TXT  JPG

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "INSTITUTO DE CIÊNCIAS DA SAÚDE FUNORTE/SOEBRAS DISFUNÇÃO DA ATM E O TRATAMENTO ORTODÔNTICO"

Transcrição

1 INSTITUTO DE CIÊNCIAS DA SAÚDE FUNORTE/SOEBRAS DISFUNÇÃO DA ATM E O TRATAMENTO ORTODÔNTICO LUCIANE ANDRÉIA ORTIZ BOARO Monografia apresentada ao Programa de Especialização em Ortodontia do ICS FUNORTE/SOEBRAS NÚCLEO- MARINGÁ, como parte dos requisitos para obtenção do título de Especialista em Ortodontia. Maringá, 2012

2 INSTITUTO DE CIÊNCIAS DA SAÚDE FUNORTE/SOEBRAS A DISFUNÇÃO DA ATM E O TRATAMENTO ORTODÔNTICO LUCIANE ANDRÉIA ORTIZ BOARO Monografia apresentada ao Programa de Especialização em Ortodontia do ICS FUNORTE/SOEBRAS NÚCLEO- MARINGÁ, como parte dos requisitos para obtenção do título de Especialista em Ortodontia. ORIENTADOR: Dr. Rogério Moreno Lopes Maringá, 2012

3 LUCIANE ANDRÉIA ORTIZ BOARO DISFUNÇÃO DA ATM E O TRATAMENTO ORTODÔNTICO Esta monografia foi julgada adequada à obtenção do título de Especialista em Ortodontia e aprovada em sua forma final pelo Curso de Especialização em Ortodontia da instituição ICS FUNORTE/SOEBRAS NÚCLEO-MARINGÁ. Aprovada em: 22 de agosto de 2012 Banca Examinadora Prof. Dr. Rogério Lopes Moreno ORIENTADOR Prof. Ms. Antonio Aparecido Celória PROFESSOR Prof. Ms. William Bieda de Freitas PROFESSOR

4 Dedico este trabalho aos meus queridos pais José Boaro e Lucinéia Ortiz Boaro pelo apoio e por sempre estarem presente na minha vida não medindo esforços para esta minha conquista.

5 AGRADECIMENTOS A minha assistente de consultório Érica, pelo apoio e por gerenciar meu consultório no período de ausência.

6 AGRADECIMENTOS ESPECIAIS Ao meu marido Leandro e minha filha Lara pelas horas de ausência que estiveram todo o tempo me dando força e coragem para vencer.

7 RESUMO A Articulação temporomandibular (ATM) é a articulação responsável pelos movimentos mastigatórios e pelas atividades mandibulares, como falar, mastigar e deglutir (Matheus et al. 2005). É uma das mais complexas articulações do corpo humano, e é composta por várias estruturas, como músculos, ligamentos e terminações nervosas que a tornam ainda mais difíceis de compreender. Desta forma muitos problemas com sintomatologia dolorosa podem vir deste sistema, e recebe o nome de disfunções temporomandibulares (DTM). O termo DTM compreende uma gama de problemas que podem abranger desde a musculatura mastigatória e a articulação temporomandibular e a associação dessas dores podem ou não estarem vinculados com o tratamento ortodôntico. Palavras chave: Articulação temporomandibular; Tratamento Ortodôntico; Disfunções temporomandibulares.

8 ABSTRACT The Temporomandibular disease is the joint responsibility for the activities and movements masticators jaw, such as talking, chewing and swallowing (Matheus et al, 2005). It is one of the most complex joints in the human body, and consists of several structures such as muscles, ligaments and nerve endings that make it even more difficult to understand. Thus many problems with painful symptoms can come of this system, and receives the name of temporomandibular disorders (DTM). The term DTM comprises a range of problems that can range from the masticators muscles and temporomandibular joint pain and the association of these may or may not be associated with orthodontic treatment. Keywords: Temporomandibular joint; Orthodontic treatment; Temporomandibular diseases.

9 SUMÁRIO 1-Introdução Proposição Revisão de Literatura Discussão Conclusões Referências Bibliográficas...39

10 INTRODUÇÃO A Articulação temporomandibular (ATM), é certamente a mais complexa das articulações do corpo humano, trata-se de um conjunto de estruturas anatômicas, que com a participação de grupos musculares especiais possibilitam a mandíbula executar variados movimentos durante a mastigação (Amanteia et al. 2004). A ATM é responsável pelos movimentos mastigatórios e pelas atividades mandibulares, como falar, mastigar e deglutir (Matheus et al. 2005). A ATM é uma articulação bilateral que permite os movimentos da mandíbula durante a fala e a mastigação. Existem dois tipos básicos de movimentos realizados na articulação pelos seus respectivos músculos: o movimento de deslizamento e o de rotação (Fehrenbach & Herring, 2005). O complexo sistema articular que envolve o sistema estomatognático, pode em muitos casos apresentar problemas, que se caracterizam por uma serie de sinais e sintomas que afetam a ATM, a musculatura mastigatória e, frequentemente, ambas as estruturas, simultaneamente. Já reconhecidamente de caráter multifatorial, os distúrbios da articulação temporomandibular (DTM) dependem de uma serie de fatores que associados, podem desencadear dores, conhecidas como do tipo músculo-esqueletal, entre esses fatores está o tratamento ortodôntico. A DTM como condição específica é causada por inúmeros fatores etiológicos e tem como sintomas primários a dor e a disfunção da articulação temporomandibular (Rendell et al., 1992). Tem características próprias como: manifestar exacerbação dos sintomas com a função normal e ter sensibilidade dolorosa no local da dor, de forma proporcional a pressão de palpação exercida, ainda segundo Conti et al, 1996, as manifestações das DTM podem manifestar-se em grande parte da população. É evidente que a DTM tem origem multifatorial e, assim, o tratamento deve ser multidisciplinar. Implica-se, dessa maneira que fatores oclusais juntamente com a função dos músculos da mastigação e ATM e às condições gerais e emocionais do paciente podem iniciar, manter ou agravar o prognóstico. Greene (1988) avaliou a relação entre ortodontia e a DTM em vários aspectos, entre eles, os riscos do tratamento ortodôntico no desenvolvimento de disfunções temporomandibulares, a necessidade de tratamento em pacientes portadores de DTM visando aliviar sinais e sintomas e avaliou também se pacientes tratados

11 ortodonticamente e finalizados de forma inadequada podem evoluir para formas diversas de DTM. Visando desta forma preparar o ortodontista para uma correta conduta diante de pacientes como sinais e sintomas de DTM, seja antes, durante ou depois do tratamento.

12 PROPOSIÇÃO A proposição deste trabalho é revisar e discutir a atuação do Ortodontista, frente a alterações na articulação temporomandibular, assim como sinais e sintomas referentes a dores na região da ATM, e associar o tratamento ortodôntico com técnicas corretas e discernir os problemas referentes as dores nas articulações temporomandibulares inseridas no tratamento com aparelhos ortodônticos.

13 REVISÃO DE LITERATURA Segundo Tomassi, o termo DTM é utilizado para reunir um grupo de doenças que acomete os músculos mastigatórios, ATM e estruturas adjacentes, é altamente debilitante e altera a perfeita realização de algumas funções essenciais como mastigar alimentos ou falar adequadamente. Sua incidência na população vem aumentando consideravelmente. A distribuição das tensões no interior da ATM é importante para o desenvolvimento da anatomia normal. Essas forças estimulam de forma diferente a formação de osso e cartilagem o que resulta em ATM desenvolvidas. Barbosa e Seraidarian mostraram como a oclusão dentária influencia no processo de adaptação (por modelação e remodelação óssea) da anatomia da ATM tomando como exemplo um padrão de dentes com cúspides mais altas e fossas mais profundas. A primeira descrição detalhada da origem e sintomas dos problemas articulares foi descrito por Costen (1934). Seu estudo baseou-se na descrição dos sintomas de 11 pacientes onde incluíam dor ao redor dos ouvidos, zumbidos, dores de cabeça, secura na boca, garganta e ruídos articulares. Este conjunto de sintomas foi caracterizado como síndrome de Costen. O autor acreditava ainda que a perda dos dentes posteriores causava sobremordida resultando em aumento da pressão dos côndilos nas estruturas retrocondilares e que a compressão destas estruturas, principalmente dos vasos e nervos auriculotemporais e do meato acústico externo, resultava nesta sintomatologia. Schwartz (1955), sugeriu o termo síndrome dor-disfunção da ATM e afirmou que sua causa era principalmente a disfunção dos músculos mastigatórios, considerando as anormalidades oclusais apenas fatores contribuintes e os fatores psicogênicos como primários. Laskin (1969), propôs uma revisão da síndrome dor-disfunção da ATM de Schwartz e observou que o espasmo dos músculos mastigatórios seria o fator primário responsável pelos sintomas passando a utilizar o termo síndrome dor-disfunção mio facial. As causas dessa fadiga muscular seriam hábitos bucais crônicos que agiriam como mecanismos involuntários de alívio de tensão. Assim, considerou a síndrome dordisfunção como uma doença psicológica com alterações orgânicas que mais tarde poderiam ser notadas nos dentes e ATM como um fenômeno secundário. Os fatores como desarmonias oclusais e artrite degenerativa agiriam como perpetuantes do processo.

14 O grande impulso na área dos estudos epidemiológicos se deu com Helkimo (1974), que publicou uma série de trabalhos sobre a função e a disfunção do sistema mastigatório e elaborou um índice anamnético e um índice clínico de disfunção que mede, quantitativamente, a severidade dos sintomas em três níveis (sem sintomas, médio, severo). Ainda em 1974, Helkimo observou que nos indivíduos onde o índice anamnésico mostrava-se severo, 75% apresentavam pelo menos um sinal clínico severo e 44% possuíam dois ou mais. Nos pacientes livres de sintomas, apenas 18% estavam totalmente assintomáticos clinicamente. Concluiu que o índice realmente mede o que é proposto sendo de grande valia na identificação das disfunções do sistema mastigatório. Em outro artigo, ainda em 1974, Helkimo relatou grande diversificação da prevalência dependendo do sintoma estudado, sendo que pacientes entre 15 e 24 anos apresentavam menor frequência de sintomas. Em relação ao gênero, houve a mesma prevalência entre homens e mulheres. O autor concluiu que estes dados em relação ao gênero e idade diferem dos artigos prévios e não são representativos para a população em geral. Da mesma forma, o tratamento ortodôntico não pode ser considerado causador de desordem temporomandibular nas suas diferentes técnicas e procedimentos. Alguns achados clínicos comuns, como o aparecimento de estalos na ATM ou alterações musculares consequentes ao uso de elásticos intermaxilares, provavelmente estão ligados a parafunções da musculatura mastigatória desencadeados pela nova pressão ou pelo desconforto dos elásticos ou outros recursos terapêuticos (Sadowsky, 1992). Magnusson, Eriksson e Carlsson (1986), realizaram um estudo longitudinal dos sintomas de disfunções mandibulares em 135 adolescentes. Os pacientes foram examinados aos 15 anos e posteriormente aos 20. Os autores utilizaram o índice de Helkimo e obtiveram como resultado um aumento na ocorrência dos sintomas subjetivos; porém, o índice clínico de disfunção não se mostrou alterado com o aumento da idade da amostra. Relataram ainda, que em ambas as épocas, os ruídos articulares foram os achados mais frequentes enquanto aos 20 anos, houve aumento nos hábitos para funcionais. Na década seguinte, Fonsêca (1992), propôs-se a verificar a confiabilidade de um questionário anamnésico comparado ao índice clínico de Helkimo, avaliando 120 pacientes com DTM. Foi obtido um índice de confiabilidade de 95% devido à alta correlação entre respostas do questionário e achados clínicos, levando à sugestão da adoção desse índice anamnésico, devido a suas vantagens de menor custo e rapidez, para pesquisas epidemiológicas e em serviços públicos.

15 Por meio de imagem de ressonância magnética, Kircos et al. (1987), examinaram 42 articulações temporomandibulares. Demonstraram que a presença de deslocamento de disco (32% da amostra) não indica, necessariamente, a existência de DTM. Apesar disso, os autores não excluem a possibilidade de haver pacientes assintomáticos que futuramente venham a manifestar disfunção. Bowbeer, 1990, afirma que a extração de pré-molares força toda a mandíbula para posterior e consequentemente também distaliza o côndilo mandibular em direção ao tecido retrodiscal inervado ocasionando algias e agindo como um fator etiológico da DTM. Mcneill (1993), disse que a Academia Americana de Dor Orofacial define as DTM como um termo coletivo que abrange um grande número de problemas clínicos,envolvendo a musculatura mastigatória, ATM e estruturas associadas, caracterizando-se por dor e tensão nos músculos mastigatórios, dor articular, ruído articular durante afunção mastigatória e limitação dos movimentos. A DTM pode ser causada pelo ambiente externo por traumas e internamente por atividade muscular exagerada combinada com stress e tensão. Esses sintomas desencadeariam um agravo nos tecidos moles ao redor do disco e fossa articular levando a deslocamento do disco articular (Okun,1992). Um estudo sobre os sinais clínicos da DTM foi realizado por Magnusson, Carlsson e Erikisson (1994), em uma amostra composta de 84 pacientes, acompanhados longitudinalmente dos 15 aos 25 anos de idade. Não observaram diferenças em nenhum sinal clínico e nenhum paciente apresentou índice severo de disfunção. O sinal mais comum foi a sensibilidade muscular à palpação. Okeson (1995), afirmou que o termo desordens temporomandibulares inclui muitas desordens funcionais das estruturas mastigatórias. Em 1998, esse mesmo autor ratificou essa afirmação num conceito mais analítico, defendendo que as disfunções temporomandibulares constituem uma ampla categoria diagnóstica que engloba alterações clínicas na musculatura mastigatória, na ATM ou em ambas. Conti et al. (1996), avaliaram a prevalência e a necessidade de tratamento de DTM em estudantes de cursos pré-universitários da cidade de Bauru-SP. Foram analisados os fatores psicológicos e oclusais como agentes etiológicos da disfunção em 310 estudantes por meio de questionário anamnésico, exame oclusal, palpação muscular e da ATM. A análise estatística mostrou uma relação entre a presença e o grau de DTM e os aspectos oclusais, psicológicos e sensibilidade à palpação. Concluíram que: a) a

16 prevalência de DTM foi de 49,35% leve, 10,32% moderada e 0.97% severa; b) as mulheres apresentaram uma prevalência de DTM maior que os homens; c) não houve diferença estatística significativa entre os grupos estudados; d) a oclusão não apresentou participação na severidade da DTM; e) a palpação muscular mostrou-se efetiva para detectar a DTM. Apesar de a prevalência ser relativamente alta, a necessidade de tratamento (DTM moderada e severa) para o grupo estudado foi de 11,21%. Carlson et al. (1998), identificaram variáveis psicológicas e fisiológicas que diferenciam pacientes com dor nos músculos da mastigação de indivíduos assintomáticos. Para esse propósito, foram selecionados 35 pacientes com dor facial, 35 sem dor. Toda a amostra respondeu uma série de questionários e se submeteu a uma avaliação laboratorial da quantificação do estresse e de estimulação por meio de pressão em determinados pontos da face (masseter, temporal). Durante a avaliação, a condição emocional e fisiológica dos indivíduos (pressão arterial, respiração, temperatura da pele, atividade muscular) foi monitorada. Os resultados mostraram que pessoas com dor muscular reportaram maior fadiga, distúrbios do sono, depressão, ansiedade, sintoma menstrual e baixo estima em comparação com os indivíduos do grupo controle. Fredriksson, Alstergren e Kopp (2000), compararam os níveis entre limiar de dor à pressão (LDP) em pontos testes (masseter, temporal anterior e aspecto lateral da ATM) e em pontos de referência (protuberância mentual, metacarpo e 1 cm acima da glabela) utilizando um algômero. A amostra estudada constou de 12 homens (média de idade de 29 anos) e 12 mulheres (média de idade de 35 anos) sendo todos livres de sinais e sintomas de DTM. Realizaram 5 exames consecutivos com intervalos de 2 minutos em cada paciente e outro após 6 meses. O limiar de dor diminuiu entre os 5 testes iniciais e aumentou entre o primeiro e o segundo exame. Os homens apresentaram limiares significantes maiores em relação às mulheres. Os autores concluíram que os LDP em indivíduos saudáveis variaram durante as tomadas consecutivas e após 6 meses. Já Kahn et al. (1999), simulou a introdução de contatos no lado de não-trabalho. O autor afirma que alguns indivíduos desenvolveram ambos os sinais e sintomas da disfunção, mesmo quando nenhuma interferência estava presente. Porém, contatos no lado de não-trabalho podem existir e não desenvolver sintomas nos pacientes, a menos que causem alguma interferência durante os movimentos excursivos. Os autores, avaliando a desoclusão pelo canino, afirmaram que este tipo de desoclusão pode não proteger o paciente do desenvolvimento de DTMs intra-articulares.

17 O termo DTM compreende uma gama de problemas que podem abranger desde a musculatura mastigatória e a articulação temporomandibular, e pode assim apresentar sintomas comuns, a principal delas, a dor. Geralmente essa sintomatologia esta relacionada com os músculos mastigatórios, a área pré-auricular ou na ATM, sendo ainda piorada no momento da mastigação e outras funções mandibulares. Pacientes com dor apresentam por vezes limitações em movimentos mandibulares e ainda assimetria e ruídos na articulação. Em alguns casos, quando o paciente apresenta bruxismo, pode ocorrer uma hipertrofia da musculatura mastigatória levando a um desgaste anormal das articulações (Martins et al, 2000). Camparis et al. (2001), realizaram um estudo em que avaliaram a relação existente entre hábitos orais, dor facial e DTM. Os voluntários foram divididos em2 grupos: os que apresentavam dor facial e os que não apresentavam. A dor ou não-dor facial foram definidas por meio de um questionário auto-aplicável bem como a frequência diária de cinco hábitos durante uma semana: bruxismo cêntrico, apoio do queixo na mão, onicofagia, morder os lábios e protrusão do queixo. Esses 2 grupos foram submetidos a exame físico, para determinar a presença de DTM ou ausência. Os dados obtidos foram submetidos à Análise de Variância. Os resultados mostraram que o apertamento dentário foi o hábito mais frequente e o que mais estava relacionado com sintomas dolorosos; os demais não foram significantes. Considerando o hábito bruxismo cêntrico, houve significância para o fator dor e não significância para o fator disfunção bem como para a interação dor/disfunção. Para o hábito onicofagia, houve significância para o fator disfunção, enquanto que para o fator dor e para a interação dor/disfunção, houve não significância. Para os demais hábitos estudados houve não significância, tanto para os fatores dor e disfunção, considerados isoladamente, como para sua interação. Rodrigues et al. (2001), consideraram os hábitos para funcionais fatores importantes na gênese das DTM, ressalvaram, no entanto que, existem poucos estudos sobre esta relação. Dessa forma, os autores realizaram uma pesquisa em que foi avaliada a frequência de hábitos para funcionais e suas manifestações clínicas num grupo de 43 pacientes com DTM, dos quais 32 pacientes (74,4%) relataram hábitos para funcionais durante o exame subjetivo (anamnese) com predominância do gênero feminino (87,5%) e de faixa etária de anos (65,6%). Os hábitos observados foram em ordem decrescente: bruxismo, isolado ou associado a outros hábitos, apertamento dentário, onicofagia, morder objetos e a postura lingual. O exame físico constituiu-se de palpação

18 da musculatura, palpação e ausculta da ATM, inspeção da mucosa bucal, pesquisa de facetas de desgaste e verificação da amplitude dos movimentos mandibulares. Foi observado que sinais comuns às DTM predominaram, havendo dor em músculos como masseter, temporal e cervicais bem como sinais articulares representados por estalos e dor articular. Os movimentos mandibulares máximos mostraram amplitudes normais. Sinais clínicos como hipertrofia da linea alba jugal (43,7%) e língua crenada (37,5%) foram observados. Facetas de desgaste foram frequentes em dentes anteriores (65,8%), em especial caninos (37,6%). Os autores concluíram que a frequência de hábitos para funcionais em disfunções temporomandibulares é alta com predomínio de bruxismo, enquanto que evidências clínicas destes são observadas apenas em parte dos pacientes. Conti et al. (2003), investigaram a prevalência das cefaléias primárias, das DTM e da ocorrência simultânea destas patologias em 286 pessoas com média de idade de 36 anos, por meio de questionários para auto-entrevista com perguntas e opções de respostas acerca das patologias citadas. Os resultados indicaram 34% de prevalência para cefaléias e 60% para a DTM e que cerca de 54% dos portadores de DTM apresentaram cefaléia primária. O gênero feminino e a tensão emocional também se mostraram estatisticamente associadas com tais patologias. Os autores concluíram ainda que a tensão emocional é um fator importante relacionado a estas patologias. Santos (2003), determinou um intervalo de pressão capaz de estimular resposta dolorosa em um grupo de 77 pacientes com DTM quando comparado a um grupo controle de 75 indivíduos livres de qualquer queixa dolorosa compatível com DTM. Os exames de palpação foram realizados por um único examinador nos seguintes pontos: corpo masseter, temporal anterior, temporal médio e temporal posterior. O grupo com DTM apresentou limiar de dor à pressão (LDP) significantemente menor em comparação ao grupo controle. O masseter apresentou menor LDP, seguido pelo temporal anterior, médio e posterior e o lado direito apresentou LDP menor que o lado esquerdo. O autor verificou que o intervalo de pressão mais confiável foi de 1,02 1,5 Kg/cm2, para o temporal anterior e médio foi de 1,51 2 Kg/cm2 e para o temporal posterior 2,01 3 Kg/cm2. Concluiu que a palpação mostrou ser um exame confiável para se detectar sensibilidade muscular em pacientes com DTM. Costa, Guimarães e Chaobah (2004), fizeram estudo objetivando avaliar a prevalência de distúrbios da ATM com uma amostra constituída de 604 estudantes brasileiros (264 homens e 340 mulheres) escolhidos aleatoriamente com idades

19 variando entre 8 e 17 anos. Foram analisadas quatro situações articulares distintas: estalido articular, crepitação articular, desvio e deflexão mandibular (na abertura e no fechamento). A amostra foi dividida em dois grupos distintos: grupo 1- portador de DTM eo grupo 2 assintomático. A oclusão dentária apresentada por toda a amostra foi classificada de acordo com o trabalho de Motegi et al.(1992): trespasse horizontal acentuado, mordida profunda, apinhamento dentário severo, mordida cruzada anterior,mordida cruzada posterior (uni ou bilateral), mordida aberta, mordida topo-atopo, oclusão normal estática (Cl I de molar bilateral com caninos em guia e dentes bem posicionados no arco), má-oclusão de Cl I (Cl I de molar que não pode ser classificada como oclusão normal, devido a más posições dentárias individuais), perda de suporte molar. Os resultados obtidos mostraram que a prevalência de DTM foi de 48,8% sendo mais prevalente no sexo feminino (52,05%) que no masculino (44,69%), mas sem significância estatística; que a prevalência de estalido articular e desvio mandibular foram maiores e com índices superiores a 50%; a deflexão foi de 21% e a de crepitação de 3%; observou-se também uma tendência de aumento de prevalência de tais sinais com o avanço da idade especialmente no sexo feminino. Não foi encontrada uma relação estatisticamente significante entre as diferentes situações oclusais estudadas e a presença de DTM. Embora os índices em geral não tenham sido significantes, algum destaque pode ser dado aos índices associados à mordida profunda na população geral, situação que pode ser entendida como um fator de risco ao aparecimento de DTM. Uma outra conclusão foi que os diferentes tipos de maloclusão dentária estudados não se mostraram como um importante fator etiológico associado com a presença de distúrbios articulares. Contudo, a interpretação destes resultados deve ser realizada cuidadosamente, em virtude do aspecto transversal da pesquisa. Estudos mais amplos e de caráter longitudinal são indicados para que se busque um melhor entendimento do papel da maloclusão dentária na etiologia dos distúrbios da ATM. Camparis (2006), esclareceu que a inabilidade dos cirurgiões-dentistas de identificar precisamente a etiologia nos pacientes com DTM não os impede de aplicar um tratamento frequentemente bem sucedido para a maioria deles. Mesmo sem um perfeito entendimento da etiologia, pode-se tratá-los com procedimentos conservadores, evitando tratamentos irreversíveis, especialmente quando são baseados em conceitos falhos de etiologia. Estudos futuros sobre os mecanismos celulares e moleculares das doenças das ATM s, da fisiopatologia da dor muscular e da dor crônica são ferramentas para se

20 conseguir um progresso nesse campo e para o desenvolvimento de terapias específicas e baseadas em evidências científicas. Os dentistas tem uma forte tendência de procurar uma morfologia ideal e explicar uma DTM como resultado da ausência dessa morfologia. A realidade de que os fatores anatômicos são facilmente vistos e mensurados, enquanto os processos funcionais fisiológicos e psicológicos não o são, com um grande impacto no entendimento da etiologia das DTM. Negreiros et al. (2006), realizaram uma revisão de literatura a respeito da terapia com ajuste oclusal para o tratamento da DTM e bruxismo. Isso porque, as interferências oclusais e maloclusões têm sido apontadas como uma das mais importantes causas das DTM por mais de 70 anos. Os tratamentos envolvendo modificações no padrão oclusal por meio de reabilitações orais, da ortodontia e, principalmente, pelos ajustes oclusais com desgastes seletivos tornaram-se comum na tentativa de aliviar situações de dor orofacial e também na remissão do bruxismo. Entretanto, novas evidências passaram a considerar não apenas a oclusão, ou a maloclusão, como principal fator etiológico, mas um conjunto de fatores contribuintes para a ocorrência das DTM e do bruxismo. Portanto, é questionável a efetividade da terapia com ajuste oclusal para determinadas situações em DTM e para o tratamento do bruxismo, já que os tratamentos conservadores mostram resultados tão ou mais satisfatórios na remissão dos sintomas articulares e musculares. Dessa forma, os autores concluíram que a oclusão não deve ser o único fator a ser avaliado em um paciente com DTM e a terapêutica com ajuste oclusal deve ser sempre muito bem indicada para o tratamento das DTM e desaconselhável para o controle do bruxismo. Uma pesquisa realizada por Theodoro et al.(2006), verificou a ocorrência de DTM e sua associação com a maloclusão. Para isso, foi utilizada uma amostra de 167 pacientes aos quais foi aplicado o questionário anamnésico publicado por Fonseca et al. (1992), para classificá-los como portadores de DTM leve, moderada ou severa. Para os pacientes que foram incluídos naquelas duas últimas categorias, foi investigada a existência de associação com até 5 tipos de maloclusão destacados por McNamara et al. (1995), como fatores etiológicos iniciadores e/ou perpetuadores desta patologia, que são: diferença da RC para MIH maior que 4 mm; mordida cruzada posterior unilateral (MCPU); mordida aberta anterior; sobremordida acentuada; sobressaliência horizontal acentuada. Os resultados mostraram que 46% dos pacientes apresentaram-se sadios, 38% com DTM leve, 11% com DTM moderada e 5% com DTM severa; a relação de causa e efeito entre fatores oclusais e DTM não foi identificada, já que a ocorrência desses fatores nos pacientes

21 com DTM (40%) foi pequena e a do grupo controle apresentou-se maior (60%). Os autores reiteraram que outros fatores (por exemplo, fatores emocionais) sugerem ter relação mais específica com a DTM que os fatores oclusais e devem ser mais estudados. As ações do tratamento ortodôntico sobre o sistema mastigatório não se apresentam totalmente elucidadas e a perspectiva de considerar a má oclusão como fator etiológico primário das disfunções temporomandibulares coloca diversas vezes, a ortodontia como origem dessas disfunções e outras vezes como solução. A relação entre o tratamento ortodôntico e as desordens temporomandibulares se constitui num dos assuntos mais controversos e estudados na odontologia contemporânea (Teixeira & Almeida, 2007). Nomura, Vitti e Oliveira (2007), utilizando o índice de Fonseca (1992), e avaliaram a prevalência dos sinais e sintomas de DTM em 218 estudantes de odontologia. A amostra era constituída de 96 homens e 122 mulheres com idade média de 20 anos. Os resultados mostraram que 53,21% apresentaram algum grau de DTM, sendo 35,78% DTM leve; 11,93% moderada e 5,5% severa. As mulheres foram mais afetadas, 63,11% apresentaram algum grau de DTM contra 40,62% dos homens. Considerando somente DTM severa, as mulheres foram cerca de 9 vezes mais afetadas que os homens. Os estudantes com DTM em qualquer grau apresentaram características marcantes como: 76,72% se consideram pessoas tensas, 71,55% apertam ou rangem os dentes; 65,52% têm ruídos na ATM; 64,66% apresentaram dor de cabeça com frequência e 61,21% dor na nuca ou torcicolo. Concluiu-se que sinais e sintomas de DTM estão presentes em população jovem, sendo estes importantes para o diagnóstico da disfunção. Em um estudo para determinar a relação entre DTM e a ortodontia, foi realizado uma avaliação em 462 pacientes com tratamento ortodôntico em andamento, desses 11 apresentavam algum distúrbio articular. Foram acompanhados por 18 meses, e como resultados observaram que nenhum paciente desenvolveu algum sintoma de DTM, assim como nenhum paciente que já apresenta dor, teve sua sintomatologia exacerbada (Rendell et al. 1992). Em outro estudo, 109 pacientes foram avaliados em relação ao surgimento de dor ou algum sintoma durante e ao término do tratamento ortodôntico. Todos os pacientes receberam tratamento completo e nenhum teve queixa de dor ou DTM, relatando assim que a terapêutica ortodôntica, quando bem executada, não é causa de problemas articulares (Krenemak et al. 1992).

22 Um estudo confrontando 75 pacientes que tinham se submetido a tratamento ortodôntico quando adolescentes, com uma amostra de 75 pacientes que nunca receberam tratamento ortodôntico, e sendo avaliadas a oclusão funcional com a função da ATM, foram encontraram muitas similaridade na prevalência de sinais e sintomas nas articulações têmporo-mandibulares, entre os dois grupos (Sadowsky e Begole, 1980). Em um estudo longitudinal de acompanhamento por 20 anos, examinando-se 1081 crianças entre 11 e 12 anos, e as mesmas foram avaliadas após, 3, 8 e 20 anos. A prevalência aumentou de 3% na avaliação inicial para 17% após 8 anos, e diminui para 10% após 20 anos, com os indivíduos já adultos. Observou-se então que o tratamento ortodôntico em nenhuma forma o aparecimento em nenhum momento das três avaliações, ainda nessa pesquisa, conclui-se que os fatores de risco para DTM foram: gênero feminino e a presença de sinais e sintomas na adolescência. O fato das mulheres serem mais atingidas que os homens, segundo os autores, são as alterações hormonais e a uma maior sensibilidade a estímulos. (Macfarlane et al. 2009). Uma pesquisa foi realizada com a intenção de indicar a correlação entre sinais e sintomas de DTM e o posicionamento do côndilo na fossa mandibular. Os pacientes foram submetidos a exames clínicos e radiográficos das ATMs, revelou-se que 88% dos indivíduos que apresentavam disfunção, tinham assimetria dos espaços articulares, contudo 89,5% dos pacientes sem nenhum problema clínico de ATM também apresentavam desvios de articulação, concluindo assim que o formato condilar alterado não apresenta relação direta com sinais e sintomas de DTM (Mikhail e Rosen, 1979). Em relação à posição condilar nos distúrbios articulares, outro autor avaliou 116 pacientes, dos quais 55 apresentavam algum DTM, e os outros 61 considerados normais clinicamente. Foi observado que a retrusão condilar foi obtida em ambos os grupos pesquisados com frequência parecidas (Weinberg, 1979). Mais pesquisas realizadas nessa área de atuação também foram realizadas, que continuou mostrando que os côndilos não necessariamente encontram-se concêntricos e no meio da fossa articular, encontrando-se diversas vezes, ou para posterior ou para anterior, assim conclui-se que não justifica tentar restabelecer a posição condilar, seja para região anterior ou para posterior por meio de tratamento ortodôntico (Pullinger et al. 1985). Em um estudo sobre DTM em crianças, observou-se que os sinais e sintomas mais frequentes eram: hábitos de ranger os dentes, dores de cabeça e ruídos na ATM, alem da onicofagia e do bruxismo.a verificação de distúrbios desse tipo nas crianças somente pode ser avaliada por meio de entrevista e um apurado exame clinico, revelou

23 ainda a importância da avaliação das ATM das crianças no exame inicial de rotina durante a consulta odontológica (Santos et al. 2006). Conti et al. (2008), pesquisou casos em que aparelhos ortopédicos para correção das más oclusões de Classe II, como o Bionator foram usados, Para obtenção de respostas claras sobre o efeito desses aparelhos ortopédicos na manifestação de sinais e sintomas de DTM, esse estudo propôs-se a avaliar a posição condilar em indivíduos submetidos à protrusão mandibular ortopédica e qual a relação com as diferentes manifestações de DTM. Quando se comparou a presença e severidade de DTM entre os três grupos, não se encontrou uma diferença estatisticamente significante entre eles. Se a prevalência de DTM nos três grupos foi similar, o fato dos indivíduos estarem em tratamento com terapia de avanço mandibular, ou mesmo de já terem finalizado esse tratamento, não aumenta as chances dos mesmos apresentarem sintomas de DTM. Helkimo (1976), enfatizou a necessidade de padronizar as pesquisas nessa área, para esclarecer aspectos ainda obscuros das desordens da articulação temporomandibular. Relatou que os sintomas são muito comuns em uma população aleatória e afirmou que não existem diferenças entre os gêneros em relação à prevalência de sintomas. Ressaltou, ainda, o caráter multifatorial da etiologia das desordens do sistema mastigatório. DTM e o Tratamento Ortodôntico Acreditando na relação da musculatura mastigatória com a interferência oclusal, Dawson (1973), relatou que, ao existir uma interferência oclusal, diversos músculos do sistema mastigatório podem ser envolvidos, principalmente o músculo pterigóideo lateral, apresentando-se com espasmo e sensível à palpação. O autor relatou que o diagnóstico diferencial deve constar da manipulação da mandíbula em relação cêntrica, palpação do músculo pterigóideo lateral e da confecção de front plateu (dispositivo que impede o contato entre os dentes) usado por 24 horas. Quando constatada a interferência em relação cêntrica e cessada a sintomatologia dolorosa do músculo após o uso do front plateu, concluiu-se que as interferências eram as causadoras da sintomatologia apresentada. Neste caso, o autor sugeriu o ajuste oclusal como tratamento para remissão dos sintomas. Solberg, Woo e Houston (1979), avaliaram a prevalência de sinais e sintomas de DTM em 739 jovens da universidade da Califórnia, com aplicação de um

24 questionário anamnésico e exame físico. Os autores observaram que os sinais subclínicos de disfunção são comuns (76%) e constataram que 16,8% apresentavam algum sintoma, 9% tinham dois ou mais sintomas e apenas quatro indivíduos apresentavam 5 sintomas. Os ruídos articulares acometiam 28,3% dos jovens sendo 16,6% estalidos e 11,5% de creptação. Não houve diferença estatística significativa entre os gêneros com relação aos sintomas, contudo, as mulheres apresentaram maior prevalência de sinais. Relataram ainda, que os deslizes de RC para MIH podem estar associados aos sinais de disfunção. Mohlin, Ingerval e Thilander (1980), estudaram a relação entre maloclusão, sintomas de DTM e IO. Examinaram 389 pacientes do gênero masculino de 21 a 54 anos de idade. A má oclusão de Classe III, a mordida cruzada anterior, apinhamento dentário superior e a mordida aberta anterior apresentaram uma correlação positiva aos sintomas de DTM e à IO. Concluíram que a etiologia da DTM é multifatorial, não sendo possível predizer o risco desta em um indivíduo com má oclusão. Ingervall e Carlsson (1982), avaliaram a atividade muscular, comparando com um grupo controle. O estudo não demonstrou influência das interferências oclusais nosmúsculos analisados e estas interferências não representaram um obstáculo ao funcionamento normal dos músculos mastigatórios, ou ainda que os pacientes estavam bem adaptados à situação oclusal e concluíram que o sistema mastigatório apresenta uma capacidade adaptativa. Mohlin (1983), relacionou a má oclusão à prevalência de DTM num grupo de 272 mulheres na Suécia que foram examinadas clinicamente e responderam a um questionário. Os resultados demonstraram uma correlação entre a severidade da disfunção e a necessidade de tratamento ortodôntico e entre a sensibilidade à palpação muscular. O autor concluiu que a etiologia da disfunção é multifatorial. Sadowsky e Polson (1984), realizaram dois estudos longitudinais a fim de investigar a DTM e a oclusão funcional após o tratamento ortodôntico. Um deles ocorreu em lllinois (EUA), utilizando 96 pacientes que receberam tratamento ortodôntico há pelo menos 10 anos previamente ao estudo, sendo 66% deles Classe II e 34% Classe I. O outro estudo ocorreu em Eastman (EUA), utilizando como amostra 111 pacientes sendo 64% Classe I, 30% Classe II e 6% Classe III. Os dois grupos receberam tratamento ortodôntico com aparelho fixo, sendo que 30% do grupo de lllinois e 36% de Eastman foram submetidos a extrações como parte da terapia ortodôntica. Os grupos utilizados como controle eram formados de 103 indivíduos de llliois e 111 de Eastman, adultos com má oclusão, não submetidos a tratamento ortodôntico. Quanto à oclusão

25 funcional, verificou - se uma alta incidência, em todos os grupos, de contatos em lado de não trabalho e de contatos posteriores durante o movimento protrusivo, não havendo diferença estatísticas entre eles. Os achados encontrados nos dois grupos foram similares e sugeriram que o tratamento ortodôntico realizado durante a adolescência geralmente não aumenta nem diminui o risco de desenvolver DTM posteriormente. Egermark-Eriksson, Carlsson e Magnusson (1987), verificaram a relação entre fatores oclusais e DTM em um estudo longitudinal. Foram avaliadas 402 crianças nas faixas etárias de 7, 11 e 15 anos. Um questionário anamnésico foi aplicado em conjunto com um exame clínico para detectar sinais e sintomas de DTM e as condições oclusais, especialmente interferências e desgastes dentários. Os resultados mostraram a presença de diversos tipos de IO, mais da metade dos indivíduos com 11 e 15 anos tinham pelo menos um contato unilateral em RC ou durante o desvio lateral da mandíbula em RC e MIH. Entre 15 e 30% não possuíam interferência do lado de não trabalho quando se registravam movimentos excursivos laterais. Com relação à IO, não houve nenhuma diferença entre meninos e meninas e quanto ao desgaste dentário, não houve aumento significativo de sua severidade durante o período de acompanhamento em todos os grupos de idade e em todas as regiões. Com relação aos sinais de DTM, houve um ligeiro aumento na frequência e na severidade com o aumento da idade. Os ruídos articulares foram positivamente correlacionados com o desvio lateral da mandíbula e contato em RC e MIH em todas as idades. Finalmente, a interpretação dos resultados sugeriu a heterogeneidade e a natureza multifatorial dos distúrbios funcionais do sistema mastigatório. Riolo, Brandt e Tenhave (1987), analisaram a associação entre as características oclusais e os sinais e sintomas de DTM em 1342 jovens de 6 a 17 anos de idade. A amostra foi avaliada quanto à prevalência de tipos específicos de oclusão e sintomas subjetivos e sinais clínicos de DTM. Em relação às condições oclusais e os sinais clínicos, os resultados demonstraram que a mudança funcional não estava associada à dor muscular e na ATM, o overjet excessivo estava mais associado à dor na ATM. A mordida aberta apresentou associação com a dor muscular e na ATM, e os indivíduos com maior idade com mordida de topo ou uma relação molar Classe II estavam mais relacionados com dor muscular e articular e abertura bucal restrita. Os indivíduos com maior idade com mordida cruzada apresentaram maior prevalência de sons articulares. Quanto à oclusão e os sintomas subjetivos, indicaram que a relação de molar Classe II estava associada aos ruídos articulares não grupos de 6 a 8 e 15 a 17 anos. Pacientes com overjet

26 negativo foram os que mais relataram ruídos articulares. Os autores concluíram que existem associações estatísticas entre certas características da oclusão e sinais e sintomas da ATM e estas são maiores nos grupos de maior idade. Greene (1988), avaliou a relação entre ortodontia e a DTM nos seguintes aspectos: 1) A ortodontia representa um risco no desenvolvimento da DTM? 2) O paciente portador de má oclusão com DTM necessita de tratamento ortodôntico para alívio dos sinais e sintomas da DTM? 3) Um tratamento ortodôntico terminado de forma inadequada aumenta o risco de DTM? 4) Qual deve ser a conduta do ortodontista diante de um paciente com sinais e sintomas de DTM antes ou durante o tratamento? O autor sugeriu que a relação DTM e Ortodontia esta envolvida por mitos e baseada em dados subjetivos. Conclui que a DTM é uma disfunção ortopédico-médica bastante complexa e o seu diagnóstico depende do conhecimento multidisciplinar do profissional e do seu domínio sobre o sistema estomatognático. Pullinger, Seligman e Solberg (1988), estudaram a frequência de sintomas de DTM e sua relação com as variáveis oclusais em 222 estudantes com média de idade de 23,9 anos. Os fatores oclusais como a magnitude do desvio em RC e MIH, bem como os contatos dentários foram registrados em RC e MIH bem como os contatos dentários foram registrados em RC através de manipulação passiva, para serem posteriormente relacionados com dor e DTM. Eles observaram que 29% dos pacientes apresentaram ruídos na articulação e 32% dor musculares severos nos músculos temporal anterior e posterior. A amostra apresentou deslize de RC e MIH em 71% sendo que apenas 10% apresentaram deslizes maiores ou iguais a 1 mm. A adolescência é uma fase onde ocorrem muitas mudanças, e ao se diagnosticar uma DTM nesta fase, pode ser um alerta para presença desse distúrbio na vida adulta, precisando assim de controle e cuidados desses sintomas para diminuir riscos em longo prazo, já que a continuidade de dores por longos períodos e com frequência pode acarretar problemas irreversíveis. Ainda assim deve-se ter em mente que o controle desses sintomas de DTM deve ser feitos de maneira não-invasiva e reversíveis (Conti, 2009).Tendo em vista que as causas da DTM são geralmente complexas, deve-se utilizar uma terapia inicial reversível e preventiva (Nelson, 1995). Heikimo et al. (1990), avaliaram, em um estudo longitudinal, a presença de IO e sinais de DTM em 167 pacientes entre 12 e 15 anos avaliando sua importância no diagnóstico ortodôntico. Os sintomas de DTM são comuns, mas inconsistentes no

27 diagnóstico para o tratamento ortodôntico. A abertura bucal aumentou com a idade bem como o número de IO durante os 3 anos de estudos. Diante destes resultados, os autores concluíram que nenhum sinal ou sintoma de DTM, ou uma combinação deles, pode ser utilizada como determinantes para o tratamento ortodôntico. Egermark-Eriksson et al. (1990), examinaram um grupo de crianças e adolescentes com 7, 11 e 15 anos verificando a maloclusão morfológica e sinais e sintomas de DTM. Verificaram que as más oclusões como a mordida aberta anterior, a mordida cruzada, as relações de Classe II e III de Angle podem ser um fator de risco no desenvolvimento da DTM, mas associação entre os diferentes tipos de má oclusão e a DTM foi baixa. Alguns destes indivíduos foram tratados, porém quando comparados aos não tratados, não apresentaram diferenças quanto a sinais e sintomas de DTM e IO. Keb, Bakopulos e Witt (1991), com o objetivo de investigar se pacientes tratados ortodonticamente apresentavam um funcionamento do sistema mastigatório semelhante aos pacientes não tratados, avaliaram 54 pacientes tratados ortodonticamente e 52, não tratados, com idade de 20 a 30 anos. Os autores realizaram avaliação clínica (palpação muscular e da ATM, presença de sons articulares e dor durante o movimento mandibular), avaliação oclusal (número e natureza dos contatos em RC e MIH, guia anterior e lateral) e avaliação instrumental (posição e movimento condilar). Os resultados foram transferidos para um programa de computador que determinava automaticamente os índices de Helkimo. Os achados deste estudo não indicaram o tratamento ortodôntico como causa das desordens do sistema estomatognático, pois os pacientes tratados apresentaram a oclusão e o funcionamento da ATM melhor que o grupo controle. Diante destes resultados os autores concluíram que os sintomas de DTM podem ocorrer em casos individuais, mas não parece haver relação entre os distúrbios funcionais e o tratamento ortodôntico bem realizado. Seligman e Pullinger (1991), revisaram a influência dos contatos nos lados de trabalho e não trabalho, grau de deslize entre a posição retruída e a posição de intercuspidação, padrão de guias oclusais, parafunção e atrição dentária, na DTM. Os autores concluíram que os estudos falham em demonstrar relação direta entre interferências oclusais e DTM e que o deslize entre posição retruída e posição de intercuspidação pode ser um fator de risco para certos pacientes. Afirmaram também que os padrões das guias oclusais influenciam os níveis de atividade muscular, mas não parecem provocar DTM. Em relação à para função e atrição dentária severa, parecem estar mais presentes em homens.

28 Egermark-Eriksson e Thilander (1992), examinaram um grupo de crianças e adolescentes com sinais e sintomas de DTM e avaliaram as diferenças entre os pacientes que receberam tratamento ortodôntico e os nãos tratados. Foram avaliadas nesta pesquisa 402 pacientes divididos, por idade, em três grupos (7, 11, 15 anos), que participaram de um estudo prévio e foram reexaminados dez anos após o estudo inicial. Os pacientes responderam a um questionário e foram examinados clinicamente. Os resultados demonstraram que os pacientes tratados ortodonticamente apresentaram menor prevalência de sintomas e menor índice clínico de disfunção. Com a finalidade de identificar pacientes ortodônticos com DTM, Hans et al. em 1992 realizaram exame clínico, ressonância magnética e aplicação de um questionário em 51 pacientes. Os autores concluíram que a história e o exame clínico são os testes diagnósticos de escolha para pacientes ortodônticos porque juntos, eles são um teste sensível para todas as formas de DTM e que a imagem por ressonância magnética, enquanto específica para desordens de interferência de disco da ATM, não identifica pacientes com DTM resultantes de outras causas. Pullinger, Seligman e Gornbein (1993), realizaram um estudo para calcular a probabilidade e a relação entre DTM e algumas características oclusais comuns. Na DTM eram levadas em consideração, as seguintes situações: deslocamento de disco com redução, sem redução, deslocamento de disco com osteoartrose primária e mialgia. As características oclusais foram: diferença entre RC e MIH maior ou igual a 2 mm, sobremordida profunda, sobressaliência mínima, discrepâncias da linha média, contatos unilaterais em RC, ausência de até 4 dentes, mordida cruzada unilateral. Os resultados mostraram que no mínimo 2 e no máximo 5 variáveis oclusais contribuíram para DTM. Houve aumentos significativos de risco de desenvolvimento de DTM para mordida aberta anterior, mordida cruzada unilateral, sobressaliência maior que 6 mm, perda de 5 ou mais dentes posteriores, diferença entre RC e MIH maior que 2 mm. Os autores explicam que apesar da contribuição oclusal não ser nula para o desenvolvimento da DTM, a maior parte da variação da doença na população, não foi explicada pelos parâmetros oclusais. Assim a oclusão não pode ser considerada fator etiológico único. Keeling et al. avaliaram em 1994, o relacionamento entre os sons articulares (estalidos e crepitação) e as características esqueléticas e dentarias em 3428 estudantes, com idade de 6 a 12 anos, sem história de tratamento ortodôntico. Os examinadores examinaram sons articulares em 10% da amostra e não encontraram associação entre a prevalência dos sons articulares com a idade, gênero, raça e relação molar e concluíram

29 que pacientes com grande abertura bucal, apinhamento anterior e sobremordida profunda tem um risco aumentado de apresentarem estalido ou crepitação na ATM. McNamara et al. (1995), esclareceram que existe uma relação relativamente baixa de fatores oclusais na caracterização da DTM. Esta, por sua vez, não é nula, e os seguintes fatores oclusais devem ser cuidadosamente observados durante o exame clínico inicial: mordida aberta anterior esquelética, sobressaliência maior que 6mm, desvio de RC/MIH maior que 4 mm, MCPU e ausência de 5 ou mais dentes posteriores. Olsson e Lindqvist (1995), avaliaram desvios morfológicos e observaram que os pacientes com relação molar de Cl I, com sobremordida normal, apresentavam pequena prevalência de sinais e sintomas de DTM. Entretanto, relação molar de Cl I associada asobremordida profunda e pacientes com relação molar de Cl II, mordida aberta anterior e/ou mordida cruzada posterior, apresentavam maior prevalência de sinais e sintomas de DTMs se comparados a pacientes cujas oclusões não apresentavam nenhum desvio sagital, vertical ou transversal. Vlachos, em 1995 analisou os objetivos do tratamento ortodôntico em duas partes: oclusão estática e oclusão funcional. Avaliou ainda o tratamento como causa e cura da DTM. O autor evidenciou que o tratamento ortodôntico não representa fator de risco para a DTM, como também não foi comprovada sua participação enquanto causa prevenção ou cura. Em 1990, Egermark-Eriksson e Rönnerman examinaram um grupo de 50 pacientes, tratados ortodonticamente com e sem extrações, analisando sinais e sintomas de DTM, presença de dores de cabeça, bruxismo e interferências oclusais, utilizando questionário e exame clinico, antes, durante e depois do tratamento. Utilizaram como grupo controle comparativo, 135 pacientes. Concluíram não existir diferenças entre sinais e sintomas de DTM, dores de cabeça e bruxismo nos pacientes tratados ortodonticamente. Verificaram que alguns pacientes apresentavam sinais de DTM e interferências no lado de não trabalho e que durante a fase ativa de tratamento e de contenção estas interferências eram bastante reduzidas. Os pacientes apresentaram menos sinais e sintomas de DTM durante, do que antes do tratamento. Em uma revisão de literatura McNamara, Seligman e Okesson em 1995, analisaram a interação das oclusões morfológicas e funcional com a DTM, avaliando os seguintes fatores: mordida aberta anterior esquelética, overjet maior que 6 mm, discrepância entre RC e MIH maior que 4mm, mordida cruzada posterior unilateral e perda de mais de cinco dentes posteriores. Os autores concluíram que os três primeiros fatores estão frequentemente associados a artropatias da ATM e podem ser o resultado

Exame do Sistema Estomatognático usando Análise Oclusal e Índice Epidemiológico para DCMs. Ana Carla Rios

Exame do Sistema Estomatognático usando Análise Oclusal e Índice Epidemiológico para DCMs. Ana Carla Rios Exame do Sistema Estomatognático usando Análise Oclusal e Índice Epidemiológico para DCMs Ana Carla Rios O Exame do Sistema Estomatognático utilizando a análise oclusal é parte importante do processo diagnóstico

Leia mais

FACULDADE DE ODONTOLOGIA DE PIRACICABA CETASE

FACULDADE DE ODONTOLOGIA DE PIRACICABA CETASE FACULDADE DE ODONTOLOGIA DE PIRACICABA CETASE CENTRO DE ESTUDOS E TRATAMENTO DAS ALTERAÇÕES FUNCIONAIS DO SISTEMA ESTOMATOGNÁTICO Área de Prótese Fixa e Escultura Dental FICHA CLÍNICA 1 - Dados Pessoais

Leia mais

CENTRO UNIVERSITÁRIO DE CARATINGA

CENTRO UNIVERSITÁRIO DE CARATINGA CENTRO UNIVERSITÁRIO DE CARATINGA RELAÇÃO DE RESUMOS DE MONOGRAFIAS E ARTIGOS DE PÓS- GRADUAÇÃO Lato sensu - Daniela Cristina dos Santos Alves O Uso do Spray de Fluorometano no Tratamento Prof. D. Sc.

Leia mais

NESTE SITE SERÁ DISPONIBILIZADO PARTES DO TRABALHO ACIMA NOMINADO. Acesso à integra deverá ser solicitado ao autor.

NESTE SITE SERÁ DISPONIBILIZADO PARTES DO TRABALHO ACIMA NOMINADO. Acesso à integra deverá ser solicitado ao autor. 7 LEANDRO RAATZ BOTTURA EFEITOS DA DISFUNÇÃO DA ARTICULAÇÃO TEMPOROMANDIBULAR SOBRE O SISTEMA NERVOSO CENTRAL Monografia apresentada à Fundação para o Desenvolvimento Cientifico e Tecnológico da Odontologia

Leia mais

DTM - Aspectos Clínicos: Odontologia e Fisioterapia

DTM - Aspectos Clínicos: Odontologia e Fisioterapia DTM - Aspectos Clínicos: Odontologia e Fisioterapia Uma parcela da população sempre procura os serviços odontológicos pela presença de dores, porém muitas dessas dores não são de origem dentária, mas sim

Leia mais

- ADITEME - Atendimento Especial de Pacientes com Disfunção da Articulação Temporomandibular. Conceitos Restauradores de Oclusão: - Relação Cêntrica;

- ADITEME - Atendimento Especial de Pacientes com Disfunção da Articulação Temporomandibular. Conceitos Restauradores de Oclusão: - Relação Cêntrica; Universidade Federal de Pelotas Faculdade de Odontologia Extensão Universitária - ADITEME - Atendimento Especial de Pacientes com Disfunção da Articulação Temporomandibular Conceitos Restauradores de Oclusão:

Leia mais

BRUXISMO EXCÊNTRICO COMO FATOR ETIOLÓGICO DE DISFUNÇÃO TEMPOROMANDIBULAR

BRUXISMO EXCÊNTRICO COMO FATOR ETIOLÓGICO DE DISFUNÇÃO TEMPOROMANDIBULAR BRUXISMO EXCÊNTRICO COMO FATOR ETIOLÓGICO DE DISFUNÇÃO TEMPOROMANDIBULAR Gustavo Dias Gomes da Silva(1); Anna Kássia Tavares Alves Chaves Santiago Ana Isabella Arruda Meira Ribeiro (3); Alcione Barbosa

Leia mais

Princípios de OCLUSÃO

Princípios de OCLUSÃO Aperfeiçoamento em Prótese Convencional e sobre Implantes Bibliografia Recomendada HOBO, S. et al. Osseointegração e Reabilitação Oclusal. 1 ed. São Paulo: Quintessence, 1997. Princípios de OCLUSÃO Princípios

Leia mais

Instituto Latino Americano de Pesquisa e Ensino Odontológico. Waleska Trovisco Caldas

Instituto Latino Americano de Pesquisa e Ensino Odontológico. Waleska Trovisco Caldas Instituto Latino Americano de Pesquisa e Ensino Odontológico Waleska Trovisco Caldas Relação entre DTM e tratamento ortodôntico na visão de clínicos gerais, especialistas em Ortodontia e especialistas

Leia mais

Caso clínico: DTM articular

Caso clínico: DTM articular Caso clínico: DTM articular Profa. Ana Cristina Lotaif. São Paulo, SP http://www.clinicaacl.com Descrição: Paciente BXM, sexo feminino, 25 anos, advogada, apresentou-se para exame com queixa de dificuldade

Leia mais

HIPERMOBILIDADE X DISFUNÇÃO TEMPOROMANDIBULAR: CASO CLÍNICO

HIPERMOBILIDADE X DISFUNÇÃO TEMPOROMANDIBULAR: CASO CLÍNICO HIPERMOBILIDADE X DISFUNÇÃO TEMPOROMANDIBULAR: CASO CLÍNICO Gustavo Dias Gomes da Silva(1); Alieny Cristina Duarte Ferreira (2); Ana Isabella Arruda Meira Ribeiro (3); Alcione Barbosa Lira de Farias (4);

Leia mais

A posição correta do côndilo mandibular na cavidade articular (RC) constitui um dos aspectos fundamentais para o perfeito funcionamento de todo o

A posição correta do côndilo mandibular na cavidade articular (RC) constitui um dos aspectos fundamentais para o perfeito funcionamento de todo o 9 1. INTRODUÇÃO A articulação temporomandibular (ATM) constitui um órgão dinâmico, formado por estruturas internas e externas, sendo uma das mais especializadas e diferenciadas do organismo, por ser capaz

Leia mais

INTERVENÇÃO FONOAUDIOLÓGICA NO SERVIÇO DE CONTROLE DA DOR OROFACIAL E DEFORMIDADES DENTOFACIAIS DO HULW/UFPB

INTERVENÇÃO FONOAUDIOLÓGICA NO SERVIÇO DE CONTROLE DA DOR OROFACIAL E DEFORMIDADES DENTOFACIAIS DO HULW/UFPB INTERVENÇÃO FONOAUDIOLÓGICA NO SERVIÇO DE CONTROLE DA DOR OROFACIAL E DEFORMIDADES DENTOFACIAIS DO HULW/UFPB ALVES, Giorvan Ânderson dos santos Alves LOPES SOBRINHO, Paulo Naati LUNA, Anibal Henrique Barbosa

Leia mais

Relato de um Caso Clínico atendido no Projeto ATM

Relato de um Caso Clínico atendido no Projeto ATM Relato de um Caso Clínico atendido no Projeto ATM Paciente: J. B. L. Idade: 27anos Sexo: feminino Profissão: desempregada Tipo Facial : Braquifacial Classificação de Angle: classe I Leucoderma Queixa Principal

Leia mais

Semiologia Ortopédica Pericial

Semiologia Ortopédica Pericial Semiologia Ortopédica Pericial Prof. Dr. José Heitor Machado Fernandes 2ª V E R S Ã O DO H I P E R T E X T O Para acessar os módulos do hipertexto Para acessar cada módulo do hipertexto clique no link

Leia mais

ANEXO IV CONTEÚDO PROGRAMÁTICO

ANEXO IV CONTEÚDO PROGRAMÁTICO Curso de Especialização em: Disfunção Temporomandibular e Dor Orofacial Disciplina: Diagnóstico por Imagem da Articulação Temporomandibular. : I. Conceituar radiografias da ATM, explicando-as; II. Identificar

Leia mais

MOVIMENTOS MANDIBULARES

MOVIMENTOS MANDIBULARES MOVIMENTOS MANDIBULARES Alfredo Julio Fernandes Neto, et al. Univ. Fed. Uberlândia - 2006 Para o entendimento da dinâmica dos movimentos mandibulares, além dos quatro determinantes anatômicos do aparelho

Leia mais

MÁ-OCLUSÃO. Ortodontista: Qualquer desvio de posição do dente em relação ao normal

MÁ-OCLUSÃO. Ortodontista: Qualquer desvio de posição do dente em relação ao normal MÁ-OCLUSÃO Ortodontista: Qualquer desvio de posição do dente em relação ao normal Sanitarista: Inconveniente estético ou funcional de grande magnitude que possa interferir no relacionamento do indivíduo

Leia mais

DISFUNÇÃO TEMPOROMANDIBULAR: UMA ABORDAGEM FISIOTERAPEUTICA RESUMO

DISFUNÇÃO TEMPOROMANDIBULAR: UMA ABORDAGEM FISIOTERAPEUTICA RESUMO DISFUNÇÃO TEMPOROMANDIBULAR: UMA ABORDAGEM FISIOTERAPEUTICA ADRIELE FERNANDA BARBERA BASSI adrielebassi@hotmail.com REGIANE SAYURI MORIMOTO regiane_sayuri@hotmail.com RESUMO ANA CLÁUDIA DE SOUZA COSTA

Leia mais

Capítulo 7 Estudos sobre Causalidade e Etiologia

Capítulo 7 Estudos sobre Causalidade e Etiologia L E I T u R A C R í T I C A D E A R T I G O S C I E N T í F I CO S 105 Capítulo 7 Estudos sobre Causalidade e Etiologia 7.1 Introdução Relembrando o que foi dito no capítulo 1 os estudos randomizados,

Leia mais

FRANCIELI WILVERT REITZ JAQUELINE BEZ BIROLO

FRANCIELI WILVERT REITZ JAQUELINE BEZ BIROLO UNIVERSIDADE DO VALE DO ITAJAÍ CENTRO DE CIÊNCIAS DA SAÚDE CURSO DE ODONTOLOGIA FRANCIELI WILVERT REITZ JAQUELINE BEZ BIROLO NÍVEL DE CONHECIMENTO DO CIRURGIÃO-DENTISTA PARA IDENTIFICAR PACIENTES COM DISFUNÇÃO

Leia mais

Uma vez estando estabelecidos os conceitos de oclusão normal, a etapa. subseqüente do processo de aprendizado passa a ser o estudo das variações

Uma vez estando estabelecidos os conceitos de oclusão normal, a etapa. subseqüente do processo de aprendizado passa a ser o estudo das variações 1 INTRODUÇÃO Uma vez estando estabelecidos os conceitos de oclusão normal, a etapa subseqüente do processo de aprendizado passa a ser o estudo das variações desse padrão. Vale a pena relembrarmos a definição

Leia mais

Mordida Profunda Definição. Trespasse vertical

Mordida Profunda Definição. Trespasse vertical Mordida Profunda Definição Trespasse vertical Mordida Profunda Diagnóstico Os fatores que contribuem variam de acordo com a oclusão: u Em boas oclusões é determinda por fatores dentários: t Comprimento

Leia mais

Cirurgia Ortognática e Estética Facial: Qual sua importância na Odontologia Integrada?

Cirurgia Ortognática e Estética Facial: Qual sua importância na Odontologia Integrada? Cirurgia Ortognática e Estética Facial: Qual sua importância na Odontologia Integrada? A avaliação da estética facial, bem como sua relação com a comunicação e expressão da emoção, é parte importante no

Leia mais

* Disfunção da Articulação Temporo-Mandibular (ATM) e Dores Faciais *

* Disfunção da Articulação Temporo-Mandibular (ATM) e Dores Faciais * * Disfunção da Articulação Temporo-Mandibular (ATM) e Dores Faciais * Para ajudá-lo a tomar decisões corretas sobre sua saúde, saiba um pouco mais sobre esta disfunção. A Disfunção da ATM é o funcionamento

Leia mais

1 INTRODUÇÃO. Diante do exposto, este trabalho reuniu a opinião de diversos pesquisadores para elucidar esse tema.

1 INTRODUÇÃO. Diante do exposto, este trabalho reuniu a opinião de diversos pesquisadores para elucidar esse tema. 10 1 INTRODUÇÃO Uma grande parte da população, inclusive a mais jovem, em alguma fase da vida desenvolve algum sinal ou sintoma relacionado com a Disfunção Temporomandibular (DTM). A avaliação inicial

Leia mais

Tratamento da má oclusão de Classe II divisão 1 a, através de recursos ortodônticos e ortopédicos faciais (funcionais e mecânicos): relato de caso

Tratamento da má oclusão de Classe II divisão 1 a, através de recursos ortodônticos e ortopédicos faciais (funcionais e mecânicos): relato de caso Caso Clínico Tratamento da má oclusão de Classe II divisão 1 a, através de recursos ortodônticos e ortopédicos faciais (funcionais e mecânicos): relato de caso José Euclides Nascimento* Luciano da Silva

Leia mais

Trabalho de Conclusão de Curso

Trabalho de Conclusão de Curso Trabalho de Conclusão de Curso Conhecimento dos cirurgiões-dentistas da Grande Florianópolis sobre a Disfunção Temporomandibular em crianças. Ana Carolina Teixeira Fonseca Ferreira Universidade Federal

Leia mais

ESTUDO EPIDEMIOLÓGICO DA DEMANDA DE TRATAMENTO ODONTOLÓGICO NO MUNICÍPIO DE EMBU DAS ARTES

ESTUDO EPIDEMIOLÓGICO DA DEMANDA DE TRATAMENTO ODONTOLÓGICO NO MUNICÍPIO DE EMBU DAS ARTES ESTUDO EPIDEMIOLÓGICO DA DEMANDA DE TRATAMENTO ODONTOLÓGICO NO MUNICÍPIO DE EMBU DAS ARTES Ligia de Jesus Martins de Oliveira 1 ; Luis Carlos Pires Baptista 2 Estudante do Curso de Odontologia; lih.odonto@gmail.com

Leia mais

OCLUSÃO! ! Posições mandibulares. ! Movimentos mandibulares. ! Equilíbrio de forças atuantes - vestibulolingual

OCLUSÃO! ! Posições mandibulares. ! Movimentos mandibulares. ! Equilíbrio de forças atuantes - vestibulolingual Universidade de Brasília Departamento de Odontologia OCLUSÃO! NOÇÕES DE OCLUSÃO! Estudo das relações estáticas e dinâmicas entre as estruturas do sistema mastigatório!! Movimentos mandibulares Disciplina

Leia mais

ANALISE DO ÍNDICE DE DISFUNÇÕES TEMPOROMADIBULARES NOS ALUNOS DO CURSO DE FISIOTERAPIA DA FAP

ANALISE DO ÍNDICE DE DISFUNÇÕES TEMPOROMADIBULARES NOS ALUNOS DO CURSO DE FISIOTERAPIA DA FAP ANALISE DO ÍNDICE DE DISFUNÇÕES TEMPOROMADIBULARES NOS ALUNOS DO CURSO DE FISIOTERAPIA DA FAP ALMEIDA, A.A; FELIPE, D.M. RESUMO A síndrome da disfunção da ATM causada por processos multifatoriais, entre

Leia mais

O aparelho de Herbst com Cantilever (CBJ) Passo a Passo

O aparelho de Herbst com Cantilever (CBJ) Passo a Passo O aparelho de Herbst com Cantilever (CBJ) Passo a Passo çã APARELHO DE HERBST COM CANTILEVER (CBJ) MAYES, 1994 Utiliza quatro coroas de açoa o nos primeiros molares e um cantilever,, a partir dos primeiros

Leia mais

TÍTULO: CARACTERÍSTICAS DOS IDOSOS COM OSTEOARTROSE EM TRATAMENTO FISIOTERAPÊUTICO EM GRUPO NA CLÍNICA DE FISIOTERAPIA DA UNAERP

TÍTULO: CARACTERÍSTICAS DOS IDOSOS COM OSTEOARTROSE EM TRATAMENTO FISIOTERAPÊUTICO EM GRUPO NA CLÍNICA DE FISIOTERAPIA DA UNAERP TÍTULO: CARACTERÍSTICAS DOS IDOSOS COM OSTEOARTROSE EM TRATAMENTO FISIOTERAPÊUTICO EM GRUPO NA CLÍNICA DE FISIOTERAPIA DA UNAERP CATEGORIA: EM ANDAMENTO ÁREA: CIÊNCIAS BIOLÓGICAS E SAÚDE SUBÁREA: FISIOTERAPIA

Leia mais

INFORMÁTICA ANS GUIA TISS CERTIFICADO DIGITAL TABELA TUSS TABELA DE ATOS ESPECIALIDADES

INFORMÁTICA ANS GUIA TISS CERTIFICADO DIGITAL TABELA TUSS TABELA DE ATOS ESPECIALIDADES INFORMÁTICA ANS GUIA TISS CERTIFICADO DIGITAL TABELA TUSS TABELA DE ATOS ESPECIALIDADES 21/06/2014 A Agência Nacional de Saúde Suplementar (ANS) é a agência reguladora vinculada ao Ministério da Saúde

Leia mais

DAYS DE SOUZA LUIZA KLIPP DE OLIVEIRA

DAYS DE SOUZA LUIZA KLIPP DE OLIVEIRA 1 UNIVERSIDADE DO VALE DO ITAJAÍ CENTRO DE CIÊNCIAS DA SAÚDE CURSO DE ODONTOLOGIA DAYS DE SOUZA LUIZA KLIPP DE OLIVEIRA AVALIAÇÃO DA EFETIVIDADE DO APARELHO DE MICHIGAN NA REDUÇÃO E/OU ELIMINAÇÃO DE SINTOMAS

Leia mais

Avaliação clínica de sinais e sintomas da disfunção temporomandibular em crianças

Avaliação clínica de sinais e sintomas da disfunção temporomandibular em crianças A RTIGO I NÉDITO Avaliação clínica de sinais e sintomas da disfunção temporomandibular em crianças Eduardo César Almada Santos*, Franscisco Antonio Bertoz**, Lilian Maria Brisque Pignatta***, Flávia de

Leia mais

Stomatos ISSN: 1519-4442 ppgpediatria@ulbra.br Universidade Luterana do Brasil Brasil

Stomatos ISSN: 1519-4442 ppgpediatria@ulbra.br Universidade Luterana do Brasil Brasil Stomatos ISSN: 1519-4442 ppgpediatria@ulbra.br Universidade Luterana do Brasil Brasil Pedrotti, Francieli; Mahl, Célia; Mota Freitas, Maria Perpétua; Klein, Gisele Diagnóstico e prevalência das disfunções

Leia mais

UNIVERSIDADE FEDERAL DE SERGIPE PRÓ-REITORIA DE PÓS-GRADUAÇÃO E PESQUISA NÚCLEO DE PÓS-GRADUAÇÃO EM MEDICINA MESTRADO EM CIÊNCIAS DA SAÚDE

UNIVERSIDADE FEDERAL DE SERGIPE PRÓ-REITORIA DE PÓS-GRADUAÇÃO E PESQUISA NÚCLEO DE PÓS-GRADUAÇÃO EM MEDICINA MESTRADO EM CIÊNCIAS DA SAÚDE UNIVERSIDADE FEDERAL DE SERGIPE PRÓ-REITORIA DE PÓS-GRADUAÇÃO E PESQUISA NÚCLEO DE PÓS-GRADUAÇÃO EM MEDICINA MESTRADO EM CIÊNCIAS DA SAÚDE HELOISA PAIXÃO FAISSAL FRANCO SINAIS E SINTOMAS DE DISFUNÇÃO TEMPOROMANDIBULAR

Leia mais

VIII SIMPÓSIO INTERNACIONAL DE CIÊNCIAS INTEGRADAS DA UNAERP CAMPUS GUARUJÁ

VIII SIMPÓSIO INTERNACIONAL DE CIÊNCIAS INTEGRADAS DA UNAERP CAMPUS GUARUJÁ VIII SIMPÓSIO INTERNACIONAL DE CIÊNCIAS INTEGRADAS DA UNAERP CAMPUS GUARUJÁ Disfunção da Articulação Temporomandibular: características do indivíduo relacionadas à sua atuação social José Ivan de Lima

Leia mais

I - Criação das especialidades: 1. ACUPUNTURA Aprovado. 2. HOMEOPATIA Aprovado. 3. HIPNOSE Aprovado. 4. TERAPIA FLORAL Aprovado

I - Criação das especialidades: 1. ACUPUNTURA Aprovado. 2. HOMEOPATIA Aprovado. 3. HIPNOSE Aprovado. 4. TERAPIA FLORAL Aprovado I - Criação das especialidades: 1. ACUPUNTURA Aprovado 2. HOMEOPATIA Aprovado 3. HIPNOSE Aprovado 4. TERAPIA FLORAL Aprovado 5. FITOTERAPIA Aprovado 6. ODONTOLOGIA DO ESPORTE Aprovado II - CRIAÇÃO DE PRÁTICAS

Leia mais

Posturologia e Método Rocabado (ATM)

Posturologia e Método Rocabado (ATM) Posturologia e Método Rocabado (ATM) Josiane de Oliveira Delgado Fisioterapeuta Crefito5/19762F Av. Pres. Franklin Roosevelt, 1461. São Geraldo. POA/RS. Fone: 3222.4005 Artigo: Postura normal e posturas

Leia mais

A INFLUÊNCIA DO TRATAMENTO ORTODÔNTICO NAS DISFUNÇÕES TEMPOROMANDIBULARES

A INFLUÊNCIA DO TRATAMENTO ORTODÔNTICO NAS DISFUNÇÕES TEMPOROMANDIBULARES A INFLUÊNCIA DO TRATAMENTO ORTODÔNTICO NAS DISFUNÇÕES TEMPOROMANDIBULARES THE INFLUENCE OF THE ORTHODONTIC TREATMENT IN THE TEMPOROMANDIBULAR DYSFUNCTION Sabrina Alves Teixeira 1 Flávio Marcos de Almeida

Leia mais

QUEIXAS E SINTOMAS VOCAIS PRÉ FONOTERAPIA EM GRUPO

QUEIXAS E SINTOMAS VOCAIS PRÉ FONOTERAPIA EM GRUPO QUEIXAS E SINTOMAS VOCAIS PRÉ FONOTERAPIA EM GRUPO [ALMEIDA, Anna Alice Figueirêdo de; SILVA, Priscila Oliveira Costa; FERNANDES, Luana Ramos; SOUTO, Moama Araújo; LIMA-SILVA, Maria Fabiana Bonfim] Centro

Leia mais

RELAÇÃO ENTRE TRAUMA OCLUSAL E DOENÇAS PERIODONTAIS

RELAÇÃO ENTRE TRAUMA OCLUSAL E DOENÇAS PERIODONTAIS RELAÇÃO ENTRE TRAUMA OCLUSAL E DOENÇAS PERIODONTAIS Por Carlos Marcelo da Silva Figueredo, DDS, MDSc, PhD cmfigueredo@hotmail.com www.periodontiamedica.com Introdução A associação do trauma oclusal (TO)

Leia mais

A investigação da dor no paciente idoso e ardência bucal. Paulo Pimentel

A investigação da dor no paciente idoso e ardência bucal. Paulo Pimentel A investigação da dor no paciente idoso e ardência bucal Paulo Pimentel Sistema Estomatognático Mastigação, fala, digestão e deglutição Paladar, respiração Defesa e reconhecimento imunológico Estética,

Leia mais

Reginaldo César Zanelato

Reginaldo César Zanelato Reginaldo César Zanelato Nos pacientes portadores da má oclusão de Classe II dentária, além das opções tradicionais de tratamento, como as extrações de pré-molares superiores e a distalização dos primeiros

Leia mais

A gengivite é uma inflamação das gengivas provocada por acumulação de placa bacteriana e tártaro como consequência

A gengivite é uma inflamação das gengivas provocada por acumulação de placa bacteriana e tártaro como consequência Periodontologia É a disciplina da medicina dentária que se dedica à prevenção, diagnóstico e tratamento das doenças das gengivas e das estruturas de suporte dos dentes. A inflamação e o sangramento das

Leia mais

EPIDEMIOLOGIA DAS MÁS OCLUSÕES NA DENTADURA MISTA EM ESCOLARES DE TERESINA PI

EPIDEMIOLOGIA DAS MÁS OCLUSÕES NA DENTADURA MISTA EM ESCOLARES DE TERESINA PI EPIDEMIOLOGIA DAS MÁS OCLUSÕES NA DENTADURA MISTA EM ESCOLARES DE TERESINA PI Marcus Vinicius Neiva Nunes do Rego - NOVAFAPI Olívia de Freitas Mendes - NOVAFAPI Thaís Lima Rocha NOVAFAPI Núbia Queiroz

Leia mais

VERIFICAÇÃO DA AMPLITUDE DOS MOVIMENTOS MANDIBULARES EM CRIANÇAS* RANGE OF MOTION ANALISES IN CHILDREN

VERIFICAÇÃO DA AMPLITUDE DOS MOVIMENTOS MANDIBULARES EM CRIANÇAS* RANGE OF MOTION ANALISES IN CHILDREN 35 VERIFICAÇÃO DA AMPLITUDE DOS MOVIMENTOS MANDIBULARES EM CRIANÇAS* RANGE OF MOTION ANALISES IN CHILDREN Célia Miyuki Hamazaki 1 Raquel Kawaura 1 Esther Mandelbaum Gonçalves Bianchini 2 Vicente José Assencio-Ferreira

Leia mais

FACULDADES UNIDAS DO NORTE DE MINAS (FUNORTE) CAIO HENRIQUE FEITOSA DE SOUZA

FACULDADES UNIDAS DO NORTE DE MINAS (FUNORTE) CAIO HENRIQUE FEITOSA DE SOUZA FACULDADES UNIDAS DO NORTE DE MINAS (FUNORTE) CAIO HENRIQUE FEITOSA DE SOUZA DESORDENS TÊMPORO-MANDIBULARES ARACAJU-SE 2009 CAIO HENRIQUE FEITOSA DE SOUZA DESORDENS TÊMPORO-MANDIBULARES Monografia apresentada

Leia mais

A UTILIZAÇÃO DE PLACAS MIORRELAXANTE NO TRATAMENTO DAS DISFUNÇÕES TEMPOROMANDIBULARES

A UTILIZAÇÃO DE PLACAS MIORRELAXANTE NO TRATAMENTO DAS DISFUNÇÕES TEMPOROMANDIBULARES 5 A UTILIZAÇÃO DE PLACAS MIORRELAXANTE NO TRATAMENTO DAS DISFUNÇÕES TEMPOROMANDIBULARES USE OF MYORELAXANT PLATES ON TREATMENT OF TEMPOROMANDIBULAR DISORDENS VIANA SILVA, Jéssika Pereira 1 ; MIGUITA, Fernanda

Leia mais

DISFUNÇÃO TÊMPORO-MANDIBULAR: ESTUDO INTRODUTÓRIO VISANDO ESTRUTURAÇÃO DE PRONTUÁRIO ODONTOLÓGICO

DISFUNÇÃO TÊMPORO-MANDIBULAR: ESTUDO INTRODUTÓRIO VISANDO ESTRUTURAÇÃO DE PRONTUÁRIO ODONTOLÓGICO CDD: 617.522 DISFUNÇÃO TÊMPORO-MANDIBULAR: ESTUDO INTRODUTÓRIO VISANDO ESTRUTURAÇÃO DE PRONTUÁRIO ODONTOLÓGICO TEMPOROMANDIBULAR JOINT DYSFUNCTION: INTRODUCTORY STUDY STRUCTURING DENTISTRY RECORDINGS Denise

Leia mais

AMANDA GERALDINE GUTIÉRREZ FERNÁNDEZ ANA LUISA PEREIRA PACIENTES COM DOR DE CABEÇA CRÔNICA: COMO RESPONDEM À DESPROGRAMAÇÃO NEUROMUSCULAR?

AMANDA GERALDINE GUTIÉRREZ FERNÁNDEZ ANA LUISA PEREIRA PACIENTES COM DOR DE CABEÇA CRÔNICA: COMO RESPONDEM À DESPROGRAMAÇÃO NEUROMUSCULAR? 1 UNIVERSIDADE DO VALE DO ITAJAÍ CENTRO DE CIÊNCIAS DA SAÚDE CURSO DE ODONTOLOGIA AMANDA GERALDINE GUTIÉRREZ FERNÁNDEZ ANA LUISA PEREIRA PACIENTES COM DOR DE CABEÇA CRÔNICA: COMO RESPONDEM À DESPROGRAMAÇÃO

Leia mais

O IMPACTO DO PROGRAMA DE GINÁSTICA LABORAL NO AUMENTO DA FLEXIBILIDADE

O IMPACTO DO PROGRAMA DE GINÁSTICA LABORAL NO AUMENTO DA FLEXIBILIDADE O IMPACTO DO PROGRAMA DE GINÁSTICA LABORAL NO AUMENTO DA FLEXIBILIDADE UM ESTUDO QUANTO À APLICABILLIDADE DO PROGRAMA PARA COLETORES DE LIXO DO MUNICÍPIO DE NITERÓI ALESSANDRA ABREU LOUBACK, RAFAEL GRIFFO

Leia mais

ÁREA TÉCNICA DE SAÚDE BUCAL

ÁREA TÉCNICA DE SAÚDE BUCAL Prefeitura do Município de São Paulo Secretaria Municipal da Saúde Coordenação de Desenvolvimento da Gestão Descentralizada ÁREA TÉCNICA DE SAÚDE BUCAL DIAGNÓSTICO PRECOCE E PREVENÇÃO DO CÂNCER BUCAL RELATÓRIO

Leia mais

POSSIBILIDADES DE CONTROLE PARA O DESLOCAMENTO DO DISCO ARTICULAR SEM REDUÇÃO DA ARTICULAÇÃO TEMPOROMANDIBULAR

POSSIBILIDADES DE CONTROLE PARA O DESLOCAMENTO DO DISCO ARTICULAR SEM REDUÇÃO DA ARTICULAÇÃO TEMPOROMANDIBULAR UNIVERSIDADE FEDERAL DE SÃO PAULO ESCOLA PAULISTA DE MEDICINA DEPARTAMENTO DE MORFOLOGIA POSSIBILIDADES DE CONTROLE PARA O DESLOCAMENTO DO DISCO ARTICULAR SEM REDUÇÃO DA ARTICULAÇÃO TEMPOROMANDIBULAR EDUARDO

Leia mais

MATERIAL E MÉTODOS. Objetivos:

MATERIAL E MÉTODOS. Objetivos: Rev. FOB V.9, n.3/4, p.139-144, jul./dez. 2001 ALTERAÇÕES OCLUSAIS E A SUA RELAÇÃO COM A DISFUNÇÃO TEMPOROMANDIBULAR OCCLUSAL CHANGES AND THEIR RELATIONSHIP WITH TEMPOROMANDIBULAR DISORDERS Jefferson Ricardo

Leia mais

A importância da Ergonomia Voltada aos servidores Públicos

A importância da Ergonomia Voltada aos servidores Públicos A importância da Ergonomia Voltada aos servidores Públicos Fisioterapeuta: Adriana Lopes de Oliveira CREFITO 3281-LTT-F GO Ergonomia ERGONOMIA - palavra de origem grega, onde: ERGO = trabalho e NOMOS

Leia mais

CIRURGIAS ORTOGNÁTICAS

CIRURGIAS ORTOGNÁTICAS CIRURGIAS ORTOGNÁTICAS Informações ao paciente Contém: 1. Explicação geral sobre cirurgias ortognáticas, 2. Perguntas e respostas, A cirurgia ortognática, também chamada de ortodontia cirúrgica, é um tipo

Leia mais

IGC - Índice do Grau de Complexidade

IGC - Índice do Grau de Complexidade IGC - Índice do Grau de Complexidade Uma medida da complexidade do caso DI -American Board of Orthodontics Autorização American Board of Orthodon1cs- ABO Atualização: 13.05.2013 12. Outros Itens pontuados

Leia mais

UNIVERSIDADE FEDERAL DE UBERLÃNDIA ESCOLA TÉCNICA DE SAÚDE CURSO TÉCNICO PRÓTESE DENTÁRIA FICHA DA SUBFUNÇÃO/COMPONENTE CURRICULAR

UNIVERSIDADE FEDERAL DE UBERLÃNDIA ESCOLA TÉCNICA DE SAÚDE CURSO TÉCNICO PRÓTESE DENTÁRIA FICHA DA SUBFUNÇÃO/COMPONENTE CURRICULAR UNIVERSIDADE FEDERAL DE UBERLÃNDIA ESCOLA TÉCNICA DE SAÚDE CURSO TÉCNICO PRÓTESE DENTÁRIA FICHA DA SUBFUNÇÃO/COMPONENTE CURRICULAR FUNÇÃO: Recuperação / Reabilitação SUBFUNÇÃO OU COMPONENTE CURRICULAR:

Leia mais

Saúde do Paciente. Dados Referentes à Identificação Pessoal do Paciente e Responsáveis

Saúde do Paciente. Dados Referentes à Identificação Pessoal do Paciente e Responsáveis Exame Clínico Em Ortodontia Dados Referentes à Identificação Pessoal do Paciente e Responsáveis Nome Gênero Dt Data de Nascimento; Pêso Altura; Endereço Telefone (recados); Pai Mãe Profissões Telefones;

Leia mais

CRONOGRAMA CURSO ESPECIALIZAÇÃO EM ORTODONTIA. APROVADO: MEC e CFO

CRONOGRAMA CURSO ESPECIALIZAÇÃO EM ORTODONTIA. APROVADO: MEC e CFO CRONOGRAMA CURSO ESPECIALIZAÇÃO EM ORTODONTIA APROVADO: MEC e CFO 1º. MÓDULO: 1º. DIA: Apresentação da Especialização / Aula teórica de Classificação das Más-oclusões 2º. DIA: Aula teórica de Etiologia

Leia mais

UNAERP - UNIVERSIDADE DE RIBEIRÃO PRETO CENTRO DE PÓS-GRADUAÇÃO

UNAERP - UNIVERSIDADE DE RIBEIRÃO PRETO CENTRO DE PÓS-GRADUAÇÃO UNAERP - UNIVERSIDADE DE RIBEIRÃO PRETO CENTRO DE PÓS-GRADUAÇÃO INCIDÊNCIA DA LOMBALGIA DE ACORDO COM IDADE, SEXO E PROFISSÃO EM UMA CLÍNICA DE ORTOPEDIA DE SÃO PAULO ROBERTO ANTONIO ANICHE Trabalho de

Leia mais

DISTÚRBIOS OCLUSAIS. Fig. 01 - Desenho esquematico da distribuição da força oclusal ao longo do dente.

DISTÚRBIOS OCLUSAIS. Fig. 01 - Desenho esquematico da distribuição da força oclusal ao longo do dente. DISTÚRBIOS OCLUSAIS Alfredo Julio Fernandes Neto, et al. Univ. Fed. Uberlândia - 2006 Em uma oclusão fisiológica ou orgânica, no final do fechamento mandibular, a ação dos músculos elevadores promove o

Leia mais

Study of the index of Temporomandibular Disorders (TMD) in children patients from São Paulo City University

Study of the index of Temporomandibular Disorders (TMD) in children patients from São Paulo City University (DTM) em pacientes Study of the index of Disorders (TMD) in children patients from São City University Karyna Martins do Valle-Corotti * Eduardo Guedes Carvalho * Danilo Furquim Siqueira * José Roberto

Leia mais

OTRABALHO NOTURNO E A SAÚDE DO TRABALHADOR: ESTUDO EXPLORATÓRIO EM TAUBATÉ E SÃO JOSÉ DOS CAMPOS

OTRABALHO NOTURNO E A SAÚDE DO TRABALHADOR: ESTUDO EXPLORATÓRIO EM TAUBATÉ E SÃO JOSÉ DOS CAMPOS OTRABALHO NOTURNO E A SAÚDE DO TRABALHADOR: ESTUDO EXPLORATÓRIO EM TAUBATÉ E SÃO JOSÉ DOS CAMPOS Tatiane Paula de Oliveira 1, Adriana Leonidas de Oliveira (orientadora) 2 1 Universidade de Taubaté/ Departamento

Leia mais

Epidemiologia. Profa. Heloisa Nascimento

Epidemiologia. Profa. Heloisa Nascimento Epidemiologia Profa. Heloisa Nascimento Medidas de efeito e medidas de associação -Um dos objetivos da pesquisa epidemiológica é o reconhecimento de uma relação causal entre uma particular exposição (fator

Leia mais

COMO AS CRIANÇAS ENFRENTAM SUAS ALTERAÇÕES DE FALA OU FLUÊNCIA?

COMO AS CRIANÇAS ENFRENTAM SUAS ALTERAÇÕES DE FALA OU FLUÊNCIA? COMO AS CRIANÇAS ENFRENTAM SUAS ALTERAÇÕES DE FALA OU FLUÊNCIA? Autores: ANA BÁRBARA DA CONCEIÇÃO SANTOS, AYSLAN MELO DE OLIVEIRA, SUSANA DE CARVALHO, INTRODUÇÃO No decorrer do desenvolvimento infantil,

Leia mais

PUCPR - O.R.T.O.D.O.N.T.I.A - GRADUAÇÃO E PÓS-GRADUAÇÃO F I C H A C L Í N I C A Nome do/a Paciente: Número: 1.0 IDENTIFICAÇÃO DO PACIENTE 1.1 Nome: 1.2 Data de Nascimento: Sexo: F M Idade: 1.3 Peso: Kg

Leia mais

25 a 28 de Outubro de 2011 ISBN 978-85-8084-055-1

25 a 28 de Outubro de 2011 ISBN 978-85-8084-055-1 25 a 28 de Outubro de 2011 ISBN 978-85-8084-055-1 AVALIAÇÃO E CORRELAÇÃO ENTRE SINTOMAS DE DISFUNÇÃO TEMPORO MANDIBULAR E O ÍNDICE DE ANSIEDADE E DEPRESSÃO EM ALUNOS DO CURSO DE ODONTOLOGIA DO CENTRO UNIVERSITÁRIO

Leia mais

CASO CLINICO. Sexo: Masculino - Peso : 90 KIlos Altura: 1,90m

CASO CLINICO. Sexo: Masculino - Peso : 90 KIlos Altura: 1,90m CASO CLINICO Cliente : A. G - 21 anos - Empresa familiar - Sexo: Masculino - Peso : 90 KIlos Altura: 1,90m Motivo da avaliação: Baixa auto estima, dificuldade em dormir, acorda várias vezes a noite. Relatou

Leia mais

ODONTO IDÉIAS Nº 07. As 100 Melhores Idéias da Odontologia CALIBRADORES DE ESPAÇO INTERPROXIMAL

ODONTO IDÉIAS Nº 07. As 100 Melhores Idéias da Odontologia CALIBRADORES DE ESPAÇO INTERPROXIMAL ODONTO IDÉIAS Nº 07 As 100 Melhores Idéias da Odontologia CALIBRADORES DE ESPAÇO INTERPROXIMAL Nossa intenção com esta coluna é reconhecer o espírito criativo do Cirurgião Dentista brasileiro, divulgando

Leia mais

AVALIAÇÃO DA EPIDEMIA DE AIDS NO RIO GRANDE DO SUL dezembro de 2007

AVALIAÇÃO DA EPIDEMIA DE AIDS NO RIO GRANDE DO SUL dezembro de 2007 AVALIAÇÃO DA EPIDEMIA DE AIDS NO RIO GRANDE DO SUL dezembro de 2007 Notas importantes: O Banco de dados (BD) do Sistema de Informação Nacional de Agravos de Notificação (SINAN) vem sofrendo nos últimos

Leia mais

VERITAE TRABALHO - PREVIDÊNCIA SOCIAL - SEGURANÇA E SAÚDE NO TRABALHO LEX TRABALHO

VERITAE TRABALHO - PREVIDÊNCIA SOCIAL - SEGURANÇA E SAÚDE NO TRABALHO LEX TRABALHO VERITAE TRABALHO - PREVIDÊNCIA SOCIAL - SEGURANÇA E SAÚDE NO TRABALHO LEX TRABALHO Orientador Empresarial Dentistas-Consolidação das Normas para Procedimentos nos Conselhos de Odontologia-Alteração RESOLUÇÃO

Leia mais

ANÁLISE DA DENTIÇÃO MISTA

ANÁLISE DA DENTIÇÃO MISTA 1 ANÁLISE DA DENTIÇÃO MISTA INTRODUÇÃO O período da dentição mista inicia-se por volta dos 6 anos de idade com a erupção dos primeiros molares permanentes, e termina ao redor dos 12 anos de idade, com

Leia mais

ABRA A BOCA CONTRA O CÂNCER BUCAL

ABRA A BOCA CONTRA O CÂNCER BUCAL Protocolo Nº: 002-S. Unidade(s) de aprendizagem ou disciplina de referência: Diagnóstico Bucal ( Unidade de Aprendizagem); Patologia Buco Dental e Estomatologia I e II ( disciplina de referência) Ementa:

Leia mais

CURSO de ODONTOLOGIA - Gabarito

CURSO de ODONTOLOGIA - Gabarito UNIVERSIDADE FEDERAL FLUMINENSE TRANSFERÊNCIA 2 o semestre letivo de 2009 e 1 o semestre letivo de 2010 CURSO de ODONTOLOGIA - Gabarito INSTRUÇÕES AO CANDIDATO? Verifique se este caderno contém : PROVA

Leia mais

Cefaleia Cefaleia tipo tensão tipo tensão

Cefaleia Cefaleia tipo tensão tipo tensão Cefaleia tipo tensão Cefaleia tipo tensão O que é a cefaleia tipo tensão? Tenho dores de cabeça que duram vários dias de cada vez e sinto-me como se estivesse a usar um chapéu muito apertado - mais como

Leia mais

Saúde da mulher em idade fértil e de crianças com até 5 anos de idade dados da PNDS 2006

Saúde da mulher em idade fértil e de crianças com até 5 anos de idade dados da PNDS 2006 Saúde da mulher em idade fértil e de crianças com até 5 anos de idade dados da PNDS 2006 José Cechin Superintendente Executivo Francine Leite Carina Burri Martins Esse texto compara as morbidades referidas

Leia mais

Diretrizes Clínicas Protocolos Clínicos

Diretrizes Clínicas Protocolos Clínicos Diretrizes Clínicas Protocolos Clínicos 043 Avaliação e Monitoramento Fonoaudiológico em Pacientes com Fratura de Côndilo Mandibular Não Cirúrgica Última revisão: 13/08/2013 Estabelecido em: 05/08/2011

Leia mais

DISFUNÇÃO TEMPOROMANDIBULAR

DISFUNÇÃO TEMPOROMANDIBULAR DISFUNÇÃO TEMPOROMANDIBULAR Alfredo Julio Fernandes Neto, et al. Univ. Fed. Uberlândia - 2006 Na presença de distúrbios oclusais, os pacientes suscetíveis à disfunção temporo-mandibular (DTM) apresentam

Leia mais

TRATAMENTO DE BRUXISMO COM A CORRENTE INTERFERENCIAL UM ESTUDO DE CASO Daniela Ramos Bulzing 1 Mara Inês Baptistella Ferão 2

TRATAMENTO DE BRUXISMO COM A CORRENTE INTERFERENCIAL UM ESTUDO DE CASO Daniela Ramos Bulzing 1 Mara Inês Baptistella Ferão 2 TRATAMENTO DE BRUXISMO COM A CORRENTE INTERFERENCIAL UM ESTUDO DE CASO Daniela Ramos Bulzing 1 Mara Inês Baptistella Ferão 2 RESUMO A presente pesquisa trata-se de um estudo de caso (RUDIO, 1998, p. 57)

Leia mais

BOARD BRASILEIRO DE ORTODONTIA E ORTOPEDIA FACIAL

BOARD BRASILEIRO DE ORTODONTIA E ORTOPEDIA FACIAL Montagem das Pastas As pastas devem estar organizadas na seguinte ordem: I- Externo Página Título: colocar na capa frontal da pasta (a capa tem um envelope plástico para esta finalidade). BOARD BRASILEIRO

Leia mais

PALAVRAS-CHAVE: Ciclos mastigatórios; Guia canino; Função de grupo.

PALAVRAS-CHAVE: Ciclos mastigatórios; Guia canino; Função de grupo. 173 DISFUNÇÃO CRÂNIO MANDIBULAR: GUIA CANINO OU FUNÇÃO DE GRUPO? Carlos Henrique Ribeiro Rodrigues * Heron de Abreu Rebelo de Matos** José Boaventura Zumaêta Costa** RESUMO O presente estudo propôs-se

Leia mais

Os pressupostos básicos para a teoria de Bertalanffy foram os seguintes:

Os pressupostos básicos para a teoria de Bertalanffy foram os seguintes: Teoria Geral de Sistemas Uma introdução As Teorias Clássicas (Administração Científica e Teoria Clássica), a Abordagem Humanística (Teoria das Relações Humanas), a Teoria Estruturalista e a Teoria da Burocracia

Leia mais

TÉCNICAS EM AVALIAÇÃO E REEDUCAÇÃO POSTURAL

TÉCNICAS EM AVALIAÇÃO E REEDUCAÇÃO POSTURAL 13. CONEX Pôster Resumo Expandido 1 ISSN 2238-9113 ÁREA TEMÁTICA: ( ) COMUNICAÇÃO ( ) CULTURA ( ) DIREITOS HUMANOS E JUSTIÇA ( ) EDUCAÇÃO ( ) MEIO AMBIENTE (X ) SAÚDE ( ) TRABALHO ( ) TECNOLOGIA TÉCNICAS

Leia mais

Introdução: a homeostase orgânica pode ser alterada pelo exercício físico, através do incremento

Introdução: a homeostase orgânica pode ser alterada pelo exercício físico, através do incremento TCC em Re vista 2009 85 PRADO, Fernanda Peres 13. Análise do estresse oxidativo no plasma sanguíneo através da microscopia óptica em indivíduos submetidos à crioimersão corporal imediata ao esforço físico

Leia mais

Assessoria ao Cirurgião Dentista

Assessoria ao Cirurgião Dentista Assessoria ao Cirurgião Dentista Publicação mensal interna a Papaiz edição V setembro de 2014 Escrito por: Dr. André Simões, radiologista da Papaiz Diagnósticos Odontológicos por Imagem 11 3894 3030 papaizassociados.com.br

Leia mais

CENTRO DE OSTEOPATIA MAÇÃS PLACE

CENTRO DE OSTEOPATIA MAÇÃS PLACE CENTRO DE OSTEOPATIA MAÇÃS PLACE Quem somos A nossa equipa apresenta um atendimento personalizado ao nível da Osteopatia através de uma abordagem multidisciplinar de qualidade, avaliação, diagnóstico e

Leia mais

TÍTULO: ANÁLISE DA ESPESSURA DOS MÚSCULOS MASTIGATÓRIOS POR MEIO DE TOMOGRAFIA COMPUTADORIZADA HELICOIDAL

TÍTULO: ANÁLISE DA ESPESSURA DOS MÚSCULOS MASTIGATÓRIOS POR MEIO DE TOMOGRAFIA COMPUTADORIZADA HELICOIDAL Anais do Conic-Semesp. Volume 1, 2013 - Faculdade Anhanguera de Campinas - Unidade 3. ISSN 2357-8904 TÍTULO: ANÁLISE DA ESPESSURA DOS MÚSCULOS MASTIGATÓRIOS POR MEIO DE TOMOGRAFIA COMPUTADORIZADA HELICOIDAL

Leia mais

TRABALHO DE PESQUISA. PALAVRAS-CHAVE: Desordens temporomandibulares; Análise oclusal; Índice anamnético.

TRABALHO DE PESQUISA. PALAVRAS-CHAVE: Desordens temporomandibulares; Análise oclusal; Índice anamnético. TRABALHO DE PESQUISA Estudo Comparativo Entre Índice Anamnético de DTM e Análise Oclusal Funcional Comparative Study between Anamnetic Index of TM Disorders and Functional Occlusal Analysis Stefan Fiuza

Leia mais

A percepção do handicap em adultos candidatos ao uso de aparelhos. auditivos. Fabiane Acco Mattia Fonoaudióloga Especialização em Audiologia

A percepção do handicap em adultos candidatos ao uso de aparelhos. auditivos. Fabiane Acco Mattia Fonoaudióloga Especialização em Audiologia A percepção do handicap em adultos candidatos ao uso de aparelhos auditivos Fabiane Acco Mattia Fonoaudióloga Especialização em Audiologia Karlin Fabianne Klagenberg Fonoaudióloga Doutorado em Distúrbios

Leia mais

Diminui a mortalidade por Aids no Estado de São Paulo

Diminui a mortalidade por Aids no Estado de São Paulo Diminui a mortalidade por Aids no Estado de São Paulo Em 2012, ocorreram 2.767 óbitos por Aids no Estado de São Paulo, o que representa importante queda em relação ao pico observado em 1995 (7.739). A

Leia mais

O GUIA COMPLETO TIRE TODAS SUAS DÚVIDAS SOBRE ANDROPAUSA

O GUIA COMPLETO TIRE TODAS SUAS DÚVIDAS SOBRE ANDROPAUSA O GUIA COMPLETO TIRE TODAS SUAS DÚVIDAS SOBRE ANDROPAUSA O QUE É ANDROPAUSA? Problemas hormonais surgidos em função da idade avançada não são exclusivos das mulheres. Embora a menopausa seja um termo conhecido

Leia mais

AVALIAÇÃO DA EPIDEMIA DE AIDS NO RIO GRANDE DO SUL dezembro de 2007

AVALIAÇÃO DA EPIDEMIA DE AIDS NO RIO GRANDE DO SUL dezembro de 2007 AVALIAÇÃO DA EPIDEMIA DE AIDS NO RIO GRANDE DO SUL dezembro de 2007 Notas importantes: O Banco de dados (BD) do Sistema de Informação Nacional de Agravos de Notificação (SINAN) vem sofrendo nos últimos

Leia mais

Cuidando da Coluna e da Postura. Texto elaborado por Luciene Maria Bueno. Coluna e Postura

Cuidando da Coluna e da Postura. Texto elaborado por Luciene Maria Bueno. Coluna e Postura Cuidando da Coluna e da Postura Texto elaborado por Luciene Maria Bueno Coluna e Postura A coluna vertebral possui algumas curvaturas que são normais, o aumento, acentuação ou diminuição destas curvaturas

Leia mais

manter um dente recém- período suficientemente prolongado correção ortodôntica que se conceito polêmico.

manter um dente recém- período suficientemente prolongado correção ortodôntica que se conceito polêmico. Introdução CONTENÇÕES EM ORTODONTIA em ortodontia é o procedimento para manter um dente recém- movimentado em posição por um período suficientemente prolongado para assegurar a manutenção da correção ortodôntica

Leia mais

QUEIXA PRINCIPAL: EXAME ESTÉTICO

QUEIXA PRINCIPAL: EXAME ESTÉTICO O texto abaixo é um parte do capítulo I do livro manual simplificado de diagnóstico e planejamento em ortodontia e ortopedia que pode ser adquirido em nosso site. Os colegas que não frequentaram cursos

Leia mais