PROGRAMA CONECTIVIDADE AMBIENTE VIRTUAL PARA APRENDIZAGEM COLABORATIVA CURSO DE TECNOLOGIAS EM EDUCAÇÃO

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "PROGRAMA CONECTIVIDADE AMBIENTE VIRTUAL PARA APRENDIZAGEM COLABORATIVA CURSO DE TECNOLOGIAS EM EDUCAÇÃO"

Transcrição

1 SESI / SENAIPÉDIA PROGRAMA CONECTIVIDADE AMBIENTE VIRTUAL PARA APRENDIZAGEM COLABORATIVA CURSO DE TECNOLOGIAS EM EDUCAÇÃO Organização e Coordenação Pedagógica: Andréa Amaral Franco Pinto Diretoria de Educação Assessoria de Tecnologias Educacionais Gerência de Educação Básica Gerência de Educação Profissional

2 Sumário 1. Introdução Enciclopédia, Wikis e Wikipédia Repositório de Objetos de Aprendizagem SESI / SENAI pedia Autoria e Direitos Autorais Considerações Finais

3 1. Introdução Para fazer educação de qualidade, da forma como o Sistema Firjan promove, é necessário conhecer e refletir sobre o tempo passado, viver e educar no tempo presente e visualizar e caminhar na direção do tempo futuro. Até o século passado o local privilegiado para obtenção de informação era a biblioteca, tal qual foi concebida, com suas prateleiras lotadas de livros, revistas, periódicos, enciclopédias, etc. Hoje as bibliotecas ainda são este local privilegiado, mas, como em todos os campos de nossa vida incorporou as novas tecnologias e foi incorporada nas escolas e lares pelas novas tecnologias. As tecnologias da informação e comunicação (TICs) transformaram a maneira como construímos conhecimento, especialmente a web. Inicialmente como usuários e, com o advento da web 2.0, passamos a atores desta rede, onde colaboração virou um conceito-chave. Trazer este movimento colaborativo para a educação é a proposta do Sistema Firjan. O primeiro passo foi a implantação da Rede Koiné e o passo seguinte foi o lançamento da SESI / SENAI pedia que será apresentada a seguir. 3

4 2. Enciclopédia, Wikis e Wikipédia A Enciclopédia O termo enciclopédia começou a ser utilizado em meados do século XVI, vem do grego antigo e significa circular educação. É uma coletânea de escritos em larga escala com o objetivo principal de descrever o conhecimento humano e trata de todas as ciências e artes. Em geral é composta por livros de referência para qualquer assunto do domínio humano. Atualmente as enciclopédias são redigidas de forma alternativa, como na internet. O que é um Wiki? Os termos wiki e WikiWiki são utilizados para identificar um tipo específico de coleção de documentos em hipertexto ou o software colaborativo usado para criá-lo. As wikis nasceram no ano de , a partir do trabalho de Ward Cunningham. O termo "Wiki wiki" significa "extremamente rápido" no idioma havaiano. Este software colaborativo permite a edição coletiva dos documentos usando um sistema que não necessita que o conteúdo seja revisto antes da sua publicação. O que faz o "wiki" tão diferente das outras páginas da internet é certamente o fato de poder ser editado pelos usuários que por ele navegam. Por exemplo, essa parte do artigo foi adicionada anos após a criação do próprio, e, com certeza, não será a última edição; ela será modificada por usuários e visitantes ao longo do tempo. É possível corrigir erros, complementar ideias e inserir novas informações. Assim, o conteúdo de um artigo se atualiza graças à coletividade. Os problemas que se podem encontrar em wikis são artigos feitos por pessoas que nem sempre são especialistas no assunto, ou até vandalismo, substituindo o conteúdo do artigo. Porém, o intuito é, justamente, que a página acabe por ser editada por alguém com mais conhecimentos. Como surgiu a Wikipédia? A Wikipédia é um projeto para produzir uma enciclopédia de conteúdo livre que pode ser editada por todos. Começou, formalmente, em 15 de Janeiro de 2001, como um complemento ao seu similar, o projeto Nupedia (escrito por especialistas). Ele acabou substituindo a Nupedia, crescendo até se tornar um projeto de amplitude global. Sendo que em 2009 contava com milhões de artigos e páginas difundidas mundialmente, e 4

5 conta com centenas de milhares de contribuintes ou colaboradores. De acordo com as estatísticas, a wiki da língua portuguesa atingiu no ano de 2011, artigos. 1 O SESI / SENAI pédia surge neste contexto, onde todo o saber acumulado pela duas instituições (SESI e SENAI) necessita de um espaço onde possa ser compartilhado, potencializando seus efeitos benéficos, fazendo circular informação, até então restrita aos elaboradores, seus alunos e, em geral, a um grupo pequeno de professores. Desta forma os usuários são tanto consumidores quanto produtores de informação, que processada se transforma em conhecimento construído, em formação que se constutui no objetivo maior da educação. 1 Acessada em 08/04/2013 5

6 3. Repositório de Objetos de Aprendizagem O que é um Objeto de aprendizagem? Objetivo de Aprenizagem (OA) é uma unidade de instrução/ensino reutilizável. De acordo com o Learning Objects Metadata Workgroup, objetos de aprendizagem (Learning Objects) podem ser definidos por "qualquer entidade, digital ou não digital, que possa ser utilizada, reutilizada ou referenciada durante o aprendizado suportado por tecnologias". Para Audino e Nascimento (2010), objetos de aprendizagem "são recursos digitais dinâmicos, interativos e reutilizáveis em diferentes ambientes de aprendizagem elaborados a partir de uma base tecnológica. Desenvolvidos com fins educacionais, eles cobrem diversas modalidades de ensino: presencial, híbrida ou a distância; diversos campos de atuação: educação formal, corporativa ou informal; e, devem reunir várias características, como durabilidade, facilidade para atualização, flexibilidade, interoperabilidade, modularidade, portabilidade, entre outras. Eles ainda apresentam-se como unidades autoconsistentes de pequena extensão e fácil manipulação, passíveis de combinação com outros objetos educacionais ou qualquer outra mídia digital (vídeos, imagens, áudios, textos, gráficos, tabelas, tutoriais, aplicações, mapas, jogos educacionais, animações, infográficos, páginas web) por meio da hiperligação. Além disso, um objeto de aprendizagem pode ter usos variados, seu conteúdo pode ser alterado ou reagregado, e ainda ter sua interface e seu layout modificado para ser adaptado a outros módulos ou cursos. No âmbito técnico, eles são estruturas autocontidas em sua grande maioria, mas também contidas, que, armazenados em repositórios, estão marcadas por identificadores denominados metadados". Um objeto de aprendizagem pode ser usado em diferentes contextos e em diferentes ambientes virtuais de aprendizagem, para atender a esta característica, cada objeto tem sua parte visual, que interage com o aprendiz separada dos dados sobre o conteúdo e os dados instrucionais do mesmo. A principal características dos objetos de aprendizagem é sua reusabilidade, que é posta em prática através de repositórios, que armazenam os objetos logicamente, permitindo serem localizados a partir da busca por temas, por nível de dificuldade, por autor ou por relação com outros objetos. Para que um objeto de aprendizagem possa ser recuperado e reutilizado, é preciso que esse objeto seja devidamente indexado (preenchimento dos metadados) e armazenado em um repositório

7 Os objetos de aprendizagem se apoiam em diferentes formatos de mídia digital:. Texto;. Imagem Estática;. Vídeo;. Áudio e. Etc. Desta forma são compostos por:. Textos técnicos, publicitários, poéticos, slogans, legendas, etc.. Fotografias; desenhos, gráficos, tabelas; mapas, etc.. Filmes, animações, entrevistas, documentários, etc.. Sons, músicas, trilhas sonoras, etc.. Games, simulações, páginas da web, etc. Os Objetos de Aprendizagem são produzidos, criados e indexados por especialistas da área, disicplina ou componente currícular e exigem critérios para que mantenham suas características e utilidades preservadas: Autoria Os objetos de aprendizagem devem ser originais. Com a grande disponibilidade da internet e uma busca apurada não é impossível encontrarmos o objeto que desejamos e reutilizá-lo, afinal, é para isso que eles estão disponibilizados, neste caso somos usuários e não autores. Para ser autor de um objeto de aprendizagem é necessário criá-lo. Dinamismo, Interatividade e Reutilização O objeto de aprendizagem é descolado de um contexto único, apesar de sua especificidade deve ser dinâmico para poder participar de diversos contextos e estender sua utilidade atendendo a diversas necessidades e interesses de ensino e aprendizagem. Acessado em 17/08/2011. Grifo nosso. 7

8 Um objeto de aprendizagem interativo é aquele que conversa com outros objetos e com os usuários, constituindo uma nova realidade, que compõe um todo maior, assumindo a complexidade e abrangência necessárias para explicar determinados fenômenos e conceitos. Ao ser dinâmico e interativo um objeto de aprendizagem assume a característica de reutilizável, pois pode ser utilizado em diversas situações. O contexto inicial de cada objeto de aprendizagem é criado pelo autor, mas inúmeros contextos são criados pelos usuários. Indexação / Preenchimento de Metadados / Classificação A criação de um objeto de aprendizagem exige a devida classificação para que possa ser acessado. O acesso se dá através de buscas que podem ser por:. Título;. Tema;. Palavras-chave;. Disciplina. Área de Conhecimento;. Componente Curricular;. Tamanho de arquivo;. Formato de arquivo;. Data de criação;. Autor;. Etc. Só o que é bem guardado pode ser facilmente encontrado. Desta forma a indexação é um processo detalhado, podendo haver polêmicas quanto à interpretações, linhas de pensamento, correntes científicas, etc. Daí a necessidade de ser um processo criterioso, preferencialmente realizado, não só pelo autor, mas também por um revisor ou aprovador ou coordenador. 8

9 É importante e válido conhecer, usar e compartilhar os repositórios de objetos disponíveis, pois possuem uma quantidade enorme de objetos de aproendizagem que enriquecem e diferenciam as aulas gerando certamente, um conhecimento mais consistente. Alguns exemplos de repositórios de objetos de aprendizagem: SESIeduca Construído em parceria com o SESI-RJ e mantido pelo SESI-DN. Portal do Professor BIOE 9

10 RIVED Domínio Público Objetos de Aprendizagem a Serviço do Professor 3 LO é a sigla que pode transformar para melhor a forma de ensino-aprendizagem em sala de aula. Abreviatura de learning objects ou, em português, objetos de aprendizagem (OA), a tecnologia já possui boas iniciativas nessa área em escolas do Brasil e do mundo, com resultados promissores. A boa notícia é: professores continuam sendo os protagonistas. Nada de substituí-los por máquinas nem relegá-los a papéis coadjuvantes. Ao contrário, com os objetos de aprendizagem os docentes passam a ter uma ferramenta poderosíssima para transformar o aprendizado em um grande prazer para os alunos

11 Para desvendar esse mundo e descobrir como eles são úteis no dia-a-dia, batemos um papo com César Nunes, educador que está desenvolvendo o projeto Objetos de Aprendizagem na Escola do Futuro da USP. Também conversamos com Alexandre Gallota, que é o especialista em técnicas e processo de orientação desse projeto. Quais as principais vantagens para o aluno em usar objetos de aprendizagem? Nunes: No processo de aprendizagem os alunos passam por várias etapas: relacionam novos conhecimentos com os que já sabiam, fazem e testam hipóteses, pensam onde aplicar o que estão aprendendo, expressam-se por meio de várias linguagens, aprendem novos métodos, novos conceitos, aprendem a ser críticos sobre os limites de aplicação dos novos conhecimentos, etc. A vantagem dos objetos de aprendizagem é que, quando bem escolhidos, podem ajudar em cada uma dessas fases. Existem objetos de aprendizagem muito bons para motivar ou contextualizar um novo assunto a ser tratado, outros ótimos para visualizar conceitos complexos, alguns que induzem o aluno a certos pensamentos, outros ideais para uma aplicação inteligente do que estão aprendendo... Quando os objetos são interativos, consegue-se que o aluno tenha um papel bastante ativo. Permite-se ainda que o aluno se aproprie do objeto e o utilize inserindo em seus próprios trabalhos para comentários, ilustrações, críticas, etc, e assim consegue-se uma aprendizagem ainda mais significativa. Gallotta: Os objetos de aprendizagem permitem a construção de contextos digitais para os conteúdos que serão explorados. Esses contextos fazem uso de uma série de ferramentas midiáticas, tais como música, desenhos, gráficos, simulações, jogos etc. A contextualização permite aos alunos traçar mais facilmente uma relação entre determinado conteúdo e suas aplicações práticas e enxergar a interdependência das várias disciplinas. Uma fórmula de física, por exemplo, deixa de ser uma seqüência de variáveis, operações e números e passa a ser a base para uma atividade cotidiana representada pelo objeto. O aluno de hoje sofre um intenso bombardeio de informações digitais, é um ambiente que ele entende muito bem, nada mais natural do que se utilizar desse mesmo ambiente para incorporar conteúdo e conhecimento. Quais os benefícios dos objetos de aprendizagem para o professor? Nunes: Para o professor o processo é semelhante ao do aluno. Se o professor tem à sua disposição uma grande quantidade de objetos, dos mais diferentes tipos, ele pode planejar suas aulas fazendo uso deles, conseguindo maior flexibilidade para se adaptar ao ritmo e ao interesse dos alunos, mantendo seus objetivos de ensino. Gallotta: Além de encapsular um determinado conteúdo em si, o objeto de aprendizagem é uma ferramenta que permite ao professor chegar mais facilmente no mundo de interesse dos alunos. É uma nova forma de transmissão do conhecimento, 11

12 mais colaborativa e com maior interação do aluno. A passagem do conhecimento deixa de ser unilateral e o aluno passa a ter um papel mais ativo no processo. 12

13 4. SESI / SENAI pedia Como foi criada a SESI / SENAI pédia? Conjugando duas ideias (1) wiki (2) repositório de objetos de aprendizagem, nasce, em Maio / 2011, a SESI / SENAI pedia: Um local de armazenamento de recursos didáticos digitais para que possam ser recuperados, reutilizados e compartilhados por professores, técnicos, pedagogos, especialistas e analistas de educação na construção de novos recursos didáticos, cursos ou ainda, no apoio ao desenvolvimento de aulas nas unidades. 4 Um grupo gestor multidisciplinar (educação, tecnologia, comunicação, e outros) foi constituído, em novembro / 2010, para conceber e implantar o repositório de objetos de aprendizagem SESI / SENAI pedia. A criação da SESI / SENAI pédia consistiu em:. Implantar um sistema informatizado para hospedagem e gerenciamento dos objetos;. Catalogar e organizar os objetos já existentes e disponíveis na / para Educação Básica SESI e Educação Profissional SENAI e. Criar uma sistemática para uso, manutenção e incremento constante do repositório de objetos de aprendizagem. Qual a estrutura de gerenciamento da SESI / SENAI pédia? 4 Projeto SESI SENAI pédia

14 ADM PRODUTO SUPERVISOR AUTOR USUÁRIO CADASTRADO ADMINISTRADOR Concessão de Acesso:. Responsável por toda infra-estrutura do repositório. Responsável pelo Cadastro dos Colaboradores das Áreas de PRODUTO (Educação Básica, Educação Profissional e Educação Superior) Direitos:. Incluir / Consultar / Alterar / Excluir Usuário. Incluir / Consultar / Alterar / Excluir Objeto Concessão de Acesso: PRODUTO. Responsável pelo Cadastro dos SUPERVISORES (Aprovadores de Objetos) de suas áreas. Direitos:. Incluir / Consultar / Alterar / Excluir usuário. Excluir objeto. Consultar todos os objetos 14

15 Produtos: GEB Educação Básica (SESI) Educação infantil, Ensino Fundamental e Ensino Médio GEP Educação Profissional (SENAI) Formação Inicial e Continuada e Habilitação Técnica ISES Educação Superior (SENAI) Graduação e Pós-graduação Concessão de Acesso SUPERVISOR / APROVADOR. Responsável pela aprovação do cadastro do AUTOR (Desenvolvedor de Objetos de Aprendizagem). Responsável pela aprovação dos objetos postados pelos Autores / Desenvolvedores do tema de sua responsabilidade Direitos. Aprovar objetos de seu tema. Orientar Autores / Desenvolvedores. Consultar todos os objetos Temas SESI Disciplinas Língua Portuguesa, Inglês, Espanhol, Arte, Educação Física, Matemática, Ciências, Física, Química, Biologia, História, Geografia, Sociologia e Filosofia SENAI Segmentos Alimentos, Automação, Automotiva, Calderaria, Construção, Eletricidade Industrial, Eletricidade Predial, Eletricidade - Redes e Ramais, Eletrônica, Gestão, Instrumentação Industrial, Marcenaria, Mecânica - Geral e Manutenção, Mecânica Industrial Usinagem, Meio Ambiente, Metalurgia END, Metalurgia Proc. Siderúrgico, Metalurgia Proc. Soldagem, Ourivesaria, Petróleo e Gás, Refrigeração Domiciliar, Refrigeração Industrial, Segurança do Trabalho e Tecnologia da Informação. 15

16 AUTOR / DESENVOLVEDOR Concessão de Acesso. Responsável pelo seu próprio cadastro, que é encaminhado ao Supervisor / Aprovador do Tema selecionado para fins de ativação.. Responsável pela construção dos objetos de aprendizagem dos seus respectivos temas. Direitos. Incluir / Alterar seus objetos. Consultar todos os objetos PROFESSOR USUÁRIOS Concessão de Acesso. Responsável pelo seu próprio cadastro. O sistema realiza sua ativação, desde que seu seja de um dos domínios informado. Direito. Consultar todos os objetos. Fazer dowload dos objetos permitidos ALUNO Concessão de Acesso. Cadastro automático via Rede Koiné. Carga inicial com ativação de todos os membros atuais e ativação concomitante à inscrição na Rede Koiné. Direito. Consultar todos os objetos. Fazer dowload dos objetos permitidos RESUMO dos DIREITOS e CONCESSÕES de ACESSO 16

17 DIREITOS ADMINIS TRADOR PRODUTO SUPERVI SOR AUTOR PROFESSOR ALUNO VISITANTE Incluir Usuários Alterar Usuários Consultar Usuários Excluir Usuários Incluir Objetos Alterar Objetos Excluir Objetos Consultar Objetos Fazer Dowload de Objetos Comentar Objetos Aprovar Objeto CONCESSÃO DE ACESSO ADMINIS TRADOR PRODUTO SUPERVI SOR AUTOR PROFESSOR ALUNO VISITANTE Cadastro Colaboradores Produto Cadastro Supervisores Cadastro Desenvolvedor 17

18 Como é feito o cadastro dos usuários na SESI / SENAI pedia? PROFESSOR Intranet ALUNO Rede Koiné A Página Inicial... 18

19 Antes de iniciar a navegação é importante: 1) Ler o Tutorial para saber como: Acessar Navegar Interagir 2) Explorar o conteúdo da Barra Inferior : Sobre > Ajuda > Fale conosco > Política de inclusão de recursos didáticos A Página de Navegação... 19

20 Que buscas podem ser realizadas no MENU DE NAVEGAÇÃO? Por NÍVEL DE ENSINO EDUCAÇÃO INFANTIL ENSINO FUNDAMENTAL ENSINO MÉDIO FORMAÇÃO INICIAL e CONTINUADA HABILITAÇÃO TÉCNICA EDUCAÇÃO SUPERIOR Por TIPO DE OBJETO ANIMAÇÃO e E-BOOK ÁUDIO FILME GAME IMAGEM SIMULADOR - TEXTO 20

21 Por DISCIPLINAS SESI ARTES BIOLOGIA CIÊNCIAS EDUCAÇÃO FÍSICA ESPANHOL FILOSOFIA FÍSICA GEOGRAFIA HISTÓRIA INFORMÁTICA INGLÊS LEGO MATEMÁTICA PORTUGUÊS QUÍMICA ROBÓTICA SOCIOLOGIA VIVÊNCIAS NO MUNDO DO TRABALHO - XADREZ Por SEGMENTOS SENAI O que mais pode ser visto na página inicial? Objetos mais acessados Temas mais acessados Últimos Objetos Dica do Mês A ferramenta está disponibilizada! Agora é conhecer e usar! 21

22 5. Autoria e Direitos Autorais SESI / SENAI pedia é uma ferramenta que já nasce com o conteúdo até então já estruturado pela Educação Básica, Educação profissional e Educação Superior, mas, traz em sua proposta a construção colaborativa num acréscimo constante de objetos, comentários, autores e usuários, numa perspectiva de crescimento, diversificação, atualização, complexificação, inovação, etc. Surge então a questão da autoria. O autor é aquele que faz, que cria, aquele a quem se deve uma obra, seja artística, literária ou científica. Obras de autoria são sempre obras originais. Podemos pensar em situações muito simples de autoria quando tiramos uma foto de uma maquete feita pelos alunos ou filmamos a demonstração da mesma e, em situações mais complexas, como a escrita de um artigo. O que importa não é a complexidade e sim a originalidade. Para orientar Supervisores / Aprovadores e Professores / Autores a SESI / SENAI pédia conta com a publicação Direitos Autorais: Perguntas e Respostas 5 que deve ser conhecida e consultada por todos quando houver dúvidas em relação ao tema. 5 SENAI DEC GEP,

23 6. Considerações Finais Dividir para Multiplicar... Compartilhar: esta é a ação que possibilita dividir conhecimento para multiplicar conhecimento.... um mais um é sempre mais que dois Sal da Terra Beto Guedes 23

Ferramentas de informações e comunicações e as interações possíveis Tecnologias populares para uma Educação à Distância mais Popular.

Ferramentas de informações e comunicações e as interações possíveis Tecnologias populares para uma Educação à Distância mais Popular. Trabalha de Conclusão do Curso Educação a Distância : Um Novo Olhar Para a Educação - Formação de Professores/Tutores em EaD pelo Portal Somática Educar Ferramentas de informações e comunicações e as interações

Leia mais

Portal de conteúdos Linha Direta

Portal de conteúdos Linha Direta Portal de conteúdos Linha Direta Tecnologias Educacionais PROMOVEM SÃO Ferramentas Recursos USADAS EM SALA DE AULA PARA APRENDIZADO SÃO: Facilitadoras Incentivadoras SERVEM Necessárias Pesquisa Facilitar

Leia mais

CRIAÇÃO DE OBJETOS DE APRENDIZAGEM DIGITAL COMO APOIO À EDUCAÇÃO PARA O TRÂNSITO. São Paulo - SP - 05/2014

CRIAÇÃO DE OBJETOS DE APRENDIZAGEM DIGITAL COMO APOIO À EDUCAÇÃO PARA O TRÂNSITO. São Paulo - SP - 05/2014 1 CRIAÇÃO DE OBJETOS DE APRENDIZAGEM DIGITAL COMO APOIO À EDUCAÇÃO PARA O TRÂNSITO São Paulo - SP - 05/2014 Josefina Giacomini Kiefer - Universidade Presbiteriana Mackenzie - finagk@yahoo.com.br Classe

Leia mais

EaD como estratégia de capacitação

EaD como estratégia de capacitação EaD como estratégia de capacitação A EaD no processo Ensino Aprendizagem O desenvolvimento das tecnologias de informação e comunicação (tics) deu novo impulso a EaD, colocando-a em evidência na última

Leia mais

Unidade 4: Contextualização de Objetos de Aprendizagem

Unidade 4: Contextualização de Objetos de Aprendizagem Coordenação: Juliana Cristina Braga Autoria: Rita Ponchio Você aprendeu na unidade anterior a importância da adoção de uma metodologia para a construção de OA., e também uma descrição geral da metodologia

Leia mais

SISTEMA VIRTUAL PARA GERENCIAMENTO DE OBJETOS DIDÁTICOS

SISTEMA VIRTUAL PARA GERENCIAMENTO DE OBJETOS DIDÁTICOS 769 SISTEMA VIRTUAL PARA GERENCIAMENTO DE OBJETOS DIDÁTICOS Mateus Neves de Matos 1 ; João Carlos Nunes Bittencourt 2 ; DelmarBroglio Carvalho 3 1. Bolsista PIBIC FAPESB-UEFS, Graduando em Engenharia de

Leia mais

Capítulo 3 Gerenciadores de EaD baseada na Internet

Capítulo 3 Gerenciadores de EaD baseada na Internet 57 Capítulo 3 Gerenciadores de EaD baseada na Internet Hoje em dia ter a Internet como aliada é um recurso indispensável para qualquer educador ou responsável por treinamento corporativo que atue em qualquer

Leia mais

APRENDENDO BIOSSEGURANÇA COM O USO DE WIKIS. Janara de Camargo Matos 1 *

APRENDENDO BIOSSEGURANÇA COM O USO DE WIKIS. Janara de Camargo Matos 1 * 1 APRENDENDO BIOSSEGURANÇA COM O USO DE WIKIS Janara de Camargo Matos 1 * RESUMO A internet ou Web 2.0 é um espaço onde se pode criar, editar e transformar páginas de maneira simples. A utilização de tecnologias

Leia mais

PORTAL EDUCACIONAL CLICKIDEIA. Ensino Fundamental (séries finais)

PORTAL EDUCACIONAL CLICKIDEIA. Ensino Fundamental (séries finais) PORTAL EDUCACIONAL CLICKIDEIA Ensino Fundamental (séries finais) O Clickideia é um portal educacional (www.clickideia.com.br), desenvolvido com o apoio do CNPq e da UNICAMP, que apresenta conteúdos didáticos

Leia mais

Disciplina Ofertadas na modalidade Avaliação da Aprendizagem Acesso ao Ambiente Virtual Dúvida e Suporte

Disciplina Ofertadas na modalidade Avaliação da Aprendizagem Acesso ao Ambiente Virtual Dúvida e Suporte Sumário Apresentação O papel do Aluno Ambiente Virtual de Aprendizagem Disciplina Ofertadas na modalidade Avaliação da Aprendizagem Acesso ao Ambiente Virtual Dúvida e Suporte Dúvidas 3 5 6 9 10 11 14

Leia mais

Bem Vindo... 4. A Disciplina de Dependência Interativa... 5. A Organização da Disciplina... 7. O Processo de Ensino e Aprendizagem...

Bem Vindo... 4. A Disciplina de Dependência Interativa... 5. A Organização da Disciplina... 7. O Processo de Ensino e Aprendizagem... 1 2 Sumário Bem Vindo... 4 A Disciplina de Dependência Interativa... 5 A Organização da Disciplina... 7 O Processo de Ensino e Aprendizagem... 10 Sua Semana no Curso... 11 O apoio local ao Ensino Semipresencial...

Leia mais

Aula 1: Introdução à Disciplina Fonte: Plano de Aula Oficial da Disciplina

Aula 1: Introdução à Disciplina Fonte: Plano de Aula Oficial da Disciplina Programação para Internet Rica 1 Aula 1: Introdução à Disciplina Fonte: Plano de Aula Oficial da Disciplina Objetivo: Identificar os princípios que se destacam como características da Web 2.0. INTRODUÇÃO

Leia mais

Como encontrar maneiras de associar um importante conteúdo didático a um software que ensine e divirta ao mesmo tempo? Estão os professores

Como encontrar maneiras de associar um importante conteúdo didático a um software que ensine e divirta ao mesmo tempo? Estão os professores Profª Levany Rogge Os softwares são considerados programas educacionais a partir do momento em que são projetados através de uma metodologia que os contextualizem no processo ensino-aprendizagem; Tajra

Leia mais

Oficina Recursos Educacionais Abertos REA. Débora Sebriam Centro Educacional Pioneiro Julho/2011

Oficina Recursos Educacionais Abertos REA. Débora Sebriam Centro Educacional Pioneiro Julho/2011 Oficina Recursos Educacionais Abertos REA Débora Sebriam Centro Educacional Pioneiro Julho/2011 Objetivos do Encontro Criar uma sólida compreensão dos REA, dos direitos de autor e das licenças abertas

Leia mais

UNIDADE II Conhecendo o Ambiente Virtual de Aprendizagem

UNIDADE II Conhecendo o Ambiente Virtual de Aprendizagem UNIDADE II Conhecendo o Ambiente Virtual de Aprendizagem 2.1 Introdução Caro Pós-Graduando, Nesta unidade, abordaremos o Ambiente Virtual de Aprendizagem (AVA) que será utilizado no curso: o Moodle. Serão

Leia mais

Plano de Trabalho Docente 2015. Ensino Técnico

Plano de Trabalho Docente 2015. Ensino Técnico Plano de Trabalho Docente 2015 Ensino Técnico Etec Etec: Paulino Botelho Código: 091 Município: São Carlos Eixo Tecnológico: Informação e Comunicação Habilitação Profissional: Habilitação Profissional

Leia mais

REFLEXÕES PEDAGÓGICAS

REFLEXÕES PEDAGÓGICAS REFLEXÕES PEDAGÓGICAS A forma como trabalhamos, colaboramos e nos comunicamos está evoluindo à medida que as fronteiras entre os povos se tornam mais diluídas e a globalização aumenta. Essa tendência está

Leia mais

REDES SOCIAIS COMO AMBIENTE VIRTUAL DE APRENDIZAGEM PARA O ENSINO DE CIÊNCIAS DA NATUREZA

REDES SOCIAIS COMO AMBIENTE VIRTUAL DE APRENDIZAGEM PARA O ENSINO DE CIÊNCIAS DA NATUREZA REDES SOCIAIS COMO AMBIENTE VIRTUAL DE APRENDIZAGEM PARA O ENSINO DE CIÊNCIAS DA NATUREZA Guilherme Garcez Cunha, UNIPAMPA Campus Dom Pedrito, guilhermecunha@unipampa.edu.br; Franciele B. de O. Coelho,

Leia mais

PROJETO UCA: FORMAÇÃO BRASIL. Proposta de operacionalização. Formação dos professores na escola

PROJETO UCA: FORMAÇÃO BRASIL. Proposta de operacionalização. Formação dos professores na escola Ministério da Educação Secretaria de Educação a Distância Projeto Um Computador por Aluno PROJETO UCA: FORMAÇÃO BRASIL Proposta de operacionalização Formação dos professores na escola Outubro, 2009 FORMAÇÃO

Leia mais

Elaboração de videoaulas seguindo padrões de objetos de aprendizagem para disponibilização no serviço de educação a distância (EDAD) da RNP

Elaboração de videoaulas seguindo padrões de objetos de aprendizagem para disponibilização no serviço de educação a distância (EDAD) da RNP Elaboração de videoaulas seguindo padrões de objetos de aprendizagem para disponibilização no serviço de educação a distância (EDAD) da RNP Eduardo Barrére Liamara Scortegagna Atualizando o título: Elaboração

Leia mais

EXTERNATO COOPERATIVO DA BENEDITA * Oferta Educativa Ensino Secundário

EXTERNATO COOPERATIVO DA BENEDITA * Oferta Educativa Ensino Secundário 2014 / 2015 Ano Letivo EXTERNATO COOPERATIVO DA BENEDITA * Oferta Educativa Ensino Secundário * Estabelecimento de ensino integrado na rede pública. Financiado pelo Ministério da Educação ao abrigo do

Leia mais

Repositórios no contexto da EaD: O Banco Internacional de Objetos Educacionais

Repositórios no contexto da EaD: O Banco Internacional de Objetos Educacionais Repositórios no contexto da EaD: O Banco Internacional de Objetos Educacionais Seminário Repositórios Institucionais e de Objetos Virtuais de Aprendizagem Florianópolis, Novembro - 2009 Anna Christina

Leia mais

ESCOLA ESTADUAL SENADOR FILINTO MULLER PLANO DE AÇÃO 2015: INSERINDO A TECNOLOGIA NO COTIDIANO ESCOLAR

ESCOLA ESTADUAL SENADOR FILINTO MULLER PLANO DE AÇÃO 2015: INSERINDO A TECNOLOGIA NO COTIDIANO ESCOLAR ESCOLA ESTADUAL SENADOR FILINTO MULLER PLANO DE AÇÃO 2015: INSERINDO A TECNOLOGIA NO COTIDIANO ESCOLAR IVINHEMA/MS DEZEMBRO/2014 ESCOLA ESTADUAL SENADOR FILINTO MULLER PLANO DE AÇÃO 2015: INSERINDO A TECNOLOGIA

Leia mais

AS RELAÇÕES DE ENSINO E APRENDIZAGEM NA EDUCAÇÃO

AS RELAÇÕES DE ENSINO E APRENDIZAGEM NA EDUCAÇÃO AS RELAÇÕES DE ENSINO E APRENDIZAGEM NA EDUCAÇÃO A DISTÂNCIA E O TRABALHO DO TUTOR COMO MEDIADOR DO CONHECIMENTO SOEK, Ana Maria (asoek@bol.com.br) Universidade Federal do Paraná (UFPR) - Brasil HARACEMIV,

Leia mais

Introdução a EaD: Um guia de estudos

Introdução a EaD: Um guia de estudos MÓDULO BÁSICO PROFESSORES FERNANDO SPANHOL E MARCIO DE SOUZA Introdução a EaD: Um guia de estudos Realização: guia de estudo SUMÁRIO UNIDADE 1 ORGANIZAÇÃO DA EDUCAÇÃO A DISTÂNCIA 1.1 Entendendo a EaD 5

Leia mais

ESCOLA ESTADUAL SENADOR FILINTO MULLER PLANO DE AÇÃO 2015: INSERINDO A TECNOLOGIA NO COTIDIANO ESCOLAR

ESCOLA ESTADUAL SENADOR FILINTO MULLER PLANO DE AÇÃO 2015: INSERINDO A TECNOLOGIA NO COTIDIANO ESCOLAR ESCOLA ESTADUAL SENADOR FILINTO MULLER PLANO DE AÇÃO 2015: INSERINDO A TECNOLOGIA NO COTIDIANO ESCOLAR IVINHEMA/MS DEZEMBRO/2014 ESCOLA ESTADUAL SENADOR FILINTO MULLER PLANO DE AÇÃO 2015: INSERINDO A TECNOLOGIA

Leia mais

Como adquirir os materiais didáticos do Moderna.Compartilha

Como adquirir os materiais didáticos do Moderna.Compartilha Como adquirir os materiais didáticos do Moderna.Compartilha MODERNA.COMPARTILHA: INTEGRAR TECNOLOGIA E CONTEÚDOS A FAVOR DO APRENDIZADO. Os alunos deste século estão conectados com novas ideias, novas

Leia mais

EDUCAÇÃO A DISTÂNCIA NA UFMG: EAD E O CURSO DE LETRAS

EDUCAÇÃO A DISTÂNCIA NA UFMG: EAD E O CURSO DE LETRAS Aline Passos Amanda Antunes Ana Gabriela Gomes da Cruz Natália Neves Nathalie Resende Vanessa de Morais EDUCAÇÃO A DISTÂNCIA NA UFMG: EAD E O CURSO DE LETRAS Trabalho apresentado à disciplina online Oficina

Leia mais

PROPOSTA PARA CONSTRUÇÃO DE UMA BIBLIOTECA DIGITAL COMO FERRAMENTA DE AUXÍLIO NO ENSINO À DISTÂNCIA

PROPOSTA PARA CONSTRUÇÃO DE UMA BIBLIOTECA DIGITAL COMO FERRAMENTA DE AUXÍLIO NO ENSINO À DISTÂNCIA PROPOSTA PARA CONSTRUÇÃO DE UMA BIBLIOTECA DIGITAL COMO FERRAMENTA DE AUXÍLIO NO ENSINO À DISTÂNCIA Daniel Gonzaga dos Santos 1 Faculdade Cidade de João Pinheiro Resumo: Este artigo aborda as etapas para

Leia mais

Plataforma. Portal Educacional

Plataforma. Portal Educacional Plataforma Portal Educacional O Grupo Actcon e a Rede Educar Brasil Especializado em soluções que incorporam Tecnologia da Informação à Educação e à Modernização da Administração Pública, o Grupo Actcon

Leia mais

O caminho para o sucesso. Promovendo o desenvolvimento para além da universidade

O caminho para o sucesso. Promovendo o desenvolvimento para além da universidade O caminho para o sucesso Promovendo o desenvolvimento para além da universidade Visão geral Há mais de 40 anos, a Unigranrio investe em ensino diferenciado no Brasil para cumprir com seu principal objetivo

Leia mais

WEB 2.0 NA EDUCAÇÃO: O FACEBOOK COMO AMBIENTE VIRTUAL DE APRENDIZAGEM NA FORMAÇÃO INICIAL DE PROFESSORES

WEB 2.0 NA EDUCAÇÃO: O FACEBOOK COMO AMBIENTE VIRTUAL DE APRENDIZAGEM NA FORMAÇÃO INICIAL DE PROFESSORES ISSN 2316-7785 WEB 2.0 NA EDUCAÇÃO: O FACEBOOK COMO AMBIENTE VIRTUAL DE APRENDIZAGEM NA FORMAÇÃO INICIAL DE PROFESSORES Arlam Dielcio Pontes da Silva Universidade Federal Rural de Pernambuco arllan_dielcio@hotmail.com

Leia mais

CRIAÇÃO DO SITE DA DISCIPLINA DE EXPERIMENTAÇÃO E DA CENTRAL DE ANÁLISES ESTATÍSTICAS NA UTFPR-DV

CRIAÇÃO DO SITE DA DISCIPLINA DE EXPERIMENTAÇÃO E DA CENTRAL DE ANÁLISES ESTATÍSTICAS NA UTFPR-DV CRIAÇÃO DO SITE DA DISCIPLINA DE EXPERIMENTAÇÃO E DA CENTRAL DE ANÁLISES ESTATÍSTICAS NA UTFPR-DV 1. Identificação do proponente Nome: Moeses Andrigo Danner Vínculo com a instituição: Docente permanente

Leia mais

PERSPECTIVAS DO PROJETO DE ENSINO FÁBRICA DE SOFTWARE *

PERSPECTIVAS DO PROJETO DE ENSINO FÁBRICA DE SOFTWARE * PERSPECTIVAS DO PROJETO DE ENSINO FÁBRICA DE SOFTWARE * Hudson Henrique de Souza LOPES 1 ; Wellington Garcia PEREIRA 2 ; Getúlio Antero de DEUS JÚNIOR 3. 1 Bolsista do PET EEEC/UFG hudsonhsl@hotmail.com.

Leia mais

Serviço Nacional de Aprendizagem Industrial Departamento Regional de São Paulo

Serviço Nacional de Aprendizagem Industrial Departamento Regional de São Paulo Serviço Nacional de Aprendizagem Industrial Departamento Regional de São Paulo Formação Inicial e Continuada (Decreto Federal nº 5154/04 e Lei Federal nº 11741/08) PLANO DE CURSO Área Tecnológica: Tecnologia

Leia mais

Ambientação ao Moodle. João Vicente Cegato Bertomeu

Ambientação ao Moodle. João Vicente Cegato Bertomeu Ambientação ao Moodle João Vicente Cegato Bertomeu AMBIENTAÇÃO A O MOODLE E S P E C I A L I Z A Ç Ã O E M SAUDE da FAMILIA Sumário Ambientação ao Moodle 21 1. Introdução 25 2. Histórico da EaD 25 3. Utilizando

Leia mais

Curso de Imposto de Renda da Pessoa Jurídica e Contribuição Social sobre o Lucro Líquido. Manual do Aluno

Curso de Imposto de Renda da Pessoa Jurídica e Contribuição Social sobre o Lucro Líquido. Manual do Aluno Curso de Imposto de Renda da Pessoa Jurídica e Contribuição Social sobre o Lucro Líquido Manual do Aluno Março 2009 Mensagem de boas-vindas! Caro cursista! Seja bem-vindo ao curso de Formação de Tutores.

Leia mais

Apostila Coordenador

Apostila Coordenador Apostila Coordenador Índice Passo-a-passo para acessar... 5 Acesso aos dados do aluno... 6 Consultando o cadastro de alunos... 9 Consultando a matrícula de alunos... 10 Registrando e tratando ocorrências

Leia mais

PROPOSTA DE UM MODELO DE SISTEMA HIPERMÍDIA PARA APRESENTAÇÃO DO CURSO DE CIÊNCIA DA COMPUTAÇÃO

PROPOSTA DE UM MODELO DE SISTEMA HIPERMÍDIA PARA APRESENTAÇÃO DO CURSO DE CIÊNCIA DA COMPUTAÇÃO PROPOSTA DE UM MODELO DE SISTEMA HIPERMÍDIA PARA APRESENTAÇÃO DO CURSO DE CIÊNCIA DA COMPUTAÇÃO Fabiana Pacheco Lopes 1 1 Universidade Presidente Antônio Carlos (UNIPAC) fabipl_21@yahoo.com.br Resumo.Este

Leia mais

Novas Tecnologias Aplicadas à Educação O Ensino e as Novas Tecnologias I. Prof. Hugo Souza

Novas Tecnologias Aplicadas à Educação O Ensino e as Novas Tecnologias I. Prof. Hugo Souza Novas Tecnologias Aplicadas à Educação O Ensino e as Novas Tecnologias I Prof. Hugo Souza Continuando nossas aulas, após verificarmos toda a integração histórica da informática para a educação, veremos

Leia mais

Possibilidades de uso na sala de aula

Possibilidades de uso na sala de aula Capítulo3 Possibilidades de uso na sala de aula As possibilidades de uso da lousa digital são inúmeras. Segundo a Revista Nova Escola, da Editora Abril, o professor pode preparar apresentações em PowerPoint,

Leia mais

Blogs na Educação: uma ferramenta de auxilio na aprendizagem 1

Blogs na Educação: uma ferramenta de auxilio na aprendizagem 1 Blogs na Educação: uma ferramenta de auxilio na aprendizagem 1 Andreia Solange Bos 2 Rodrigo Moreira 3 Instituto Federal Farroupilha- Campus Alegrete Universidade Regional do Noroeste do Estado do RS Ijuí,

Leia mais

Tablet Educacional Possibilidades Pedagógicas

Tablet Educacional Possibilidades Pedagógicas Tablet Educacional Possibilidades Pedagógicas O Tablet 3 3 O Tablet Aplicativos do MEC MEC Mobilidade, TV Escola, Revista TV Escola, E-Proinfo e Portal do Professor (todos necessitam de conexão de internet);

Leia mais

OBJETOS DE APRENDIZAGEM

OBJETOS DE APRENDIZAGEM MEDs e METADADOS OBJETOS DE APRENDIZAGEM O que é um objeto de aprendizagem? Segundo Wiley, D.A.,2000 Qualquer entidade DIGITAL que pode ser usada, reusada ou referenciada durante um processo de aprendizagem

Leia mais

ANA LÚCIA DE OLIVEIRA BARRETO

ANA LÚCIA DE OLIVEIRA BARRETO COLÉGIO MILITAR DO RIO DE JANEIRO GUIA BÁSICO DE UTILIZAÇÃO DA REDE COLABORATIVA Construçãoo de Saberes no Ensino Médio ANA LÚCIA DE OLIVEIRA BARRETO CMRJ - 2010 2 LISTA DE FIGURAS Figura 01: Exemplo de

Leia mais

JUSTIFICATIVA PEDAGÓGICA DA PRODUÇÃO DE CONTEÚDOS DIGITAIS NA FORMATAÇÃO DO SOFTWARE EDUCACIONAL (SIMULAÇÃO E ANIMAÇÃO)

JUSTIFICATIVA PEDAGÓGICA DA PRODUÇÃO DE CONTEÚDOS DIGITAIS NA FORMATAÇÃO DO SOFTWARE EDUCACIONAL (SIMULAÇÃO E ANIMAÇÃO) JUSTIFICATIVA PEDAGÓGICA DA PRODUÇÃO DE CONTEÚDOS DIGITAIS NA FORMATAÇÃO DO SOFTWARE EDUCACIONAL (SIMULAÇÃO E ANIMAÇÃO) De acordo com o Edital de produção de conteúdo digitais multimídia, alguns aspectos

Leia mais

Relatório Técnico de Pesquisa

Relatório Técnico de Pesquisa Projeto 5: Projeto de Pesquisa: Tele-Enfermagem para a América Latina: implantando uma rede de facilitadores em informática em Enfermagem Coordenação: Prof a Drª Maria Madalena Januário Leite Equipe de

Leia mais

PORTAL EAD.SEDUC MANUAL DO USUÁRIO

PORTAL EAD.SEDUC MANUAL DO USUÁRIO PORTAL EAD.SEDUC MANUAL DO USUÁRIO Versão 1.1 Apresentação Seja-bem vindo ao EAD.SEDUC, o Portal de Educação a Distância da Secretaria da Educação do Ceará. Criado para concentrar as ações de formação

Leia mais

Britannica Escola Online. Manual de Treinamento

Britannica Escola Online. Manual de Treinamento Britannica Escola Online Manual de Treinamento 1 ÍNDICE Conhecendo a Britannica Escola Online...3 Como Acessar a Britannica Escola Online...3 Página Inicial da Britannica Escola Online...4 Área de Pesquisa...4

Leia mais

Ambiente Virtual de Aprendizagem TelEduc GUIA DO FORMADOR. Curso de Especialização em Educação Profissional e Tecnológica Inclusiva

Ambiente Virtual de Aprendizagem TelEduc GUIA DO FORMADOR. Curso de Especialização em Educação Profissional e Tecnológica Inclusiva Ambiente Virtual de Aprendizagem TelEduc GUIA DO FORMADOR Curso de Especialização em Educação Profissional e Tecnológica Inclusiva http://teleduc.cefetmt.br Edição 2006/2 Curso de Especialização em Educação

Leia mais

9º Congresso de Pós-Graduação AGENTE PARA MEDIAÇÃO DE APRENDIZAGEM ELETRÔNICA

9º Congresso de Pós-Graduação AGENTE PARA MEDIAÇÃO DE APRENDIZAGEM ELETRÔNICA 9º Congresso de Pós-Graduação AGENTE PARA MEDIAÇÃO DE APRENDIZAGEM ELETRÔNICA Autor(es) MICHELE CRISTIANI BARION FREITAS Orientador(es) CECÍLIA SOSA ARIAS PEIXOTO 1. Introdução A partir de ferramentas

Leia mais

PORTAL EJ@ (www.educacao.org.br/eja)

PORTAL EJ@ (www.educacao.org.br/eja) 1 Videoconferência PORTAL EJ@ (www.educacao.org.br/eja) Setor de Educação de Jovens e Adultos 20/08/2009 Agenda 2 Por que um portal da EJA? Modalidade EAD e integração Portal, SIAE EJA/EAD e Banco de Itens

Leia mais

INFORMAÇÕES AOS CANDIDATOS À DESIGNAÇÃO EM 2015 LEIA ATENTAMENTE

INFORMAÇÕES AOS CANDIDATOS À DESIGNAÇÃO EM 2015 LEIA ATENTAMENTE INFORMAÇÕES AOS CANDIDATOS À DESIGNAÇÃO EM 2015 Nesta página você irá encontrar informações importantes para efetuar sua inscrição com segurança. LEIA ATENTAMENTE 1 Os locais, prazos e horários para inscrição

Leia mais

A PÁGINA DISCIPLINAR DE MATEMÁTICA DO PORTAL DIA A DIA EDUCAÇÃO

A PÁGINA DISCIPLINAR DE MATEMÁTICA DO PORTAL DIA A DIA EDUCAÇÃO A PÁGINA DISCIPLINAR DE MATEMÁTICA DO PORTAL DIA A DIA EDUCAÇÃO Resumo: Dolores Follador Secretaria de Estado da Educação do Paraná e Faculdades Integradas do Brasil - Unibrasil doloresfollador@gmail.com

Leia mais

ENSINO DE MATEMÁTICA PONTO BLOG

ENSINO DE MATEMÁTICA PONTO BLOG ENSINO DE MATEMÁTICA PONTO BLOG Moema Gomes Moraes 1 RESUMO: Este trabalho faz uma reflexão sobre os aspectos relacionados ao uso de Blogs no ensino de Matemática. Para isto, ele inicia fazendo uma reflexão

Leia mais

TECNÓLOGO EM ANÁLISE E DESENVOLVIMENTO DE SISTEMAS PROGRAMAÇÃO DE COMPUTADORES I Aula 01: Conceitos Iniciais / Sistema Operacional

TECNÓLOGO EM ANÁLISE E DESENVOLVIMENTO DE SISTEMAS PROGRAMAÇÃO DE COMPUTADORES I Aula 01: Conceitos Iniciais / Sistema Operacional TECNÓLOGO EM ANÁLISE E DESENVOLVIMENTO DE SISTEMAS PROGRAMAÇÃO DE COMPUTADORES I Aula 01: Conceitos Iniciais / Sistema Operacional O conteúdo deste documento tem por objetivo apresentar uma visão geral

Leia mais

Indicie. 1.Introdução...1. 2.Como Surgiu...2. 3.Para que serve...3. 4.Instalação...3. 5. Oque ele permite fazer...5. 6. Primeiro Cenário...

Indicie. 1.Introdução...1. 2.Como Surgiu...2. 3.Para que serve...3. 4.Instalação...3. 5. Oque ele permite fazer...5. 6. Primeiro Cenário... Artigo sobre Indicie 1.Introdução....1 2.Como Surgiu....2 3.Para que serve....3 4.Instalação....3 5. Oque ele permite fazer....5 6. Primeiro Cenário....6 7. Segundo Cenário....7 8. Conclusão....8 5. Referencias....9

Leia mais

PRODUÇÃO DE MATERIAL DIDÁTICO E ESTUDO PARA REUTILIZAR OBJETOS DE APRENDIZAGEM BUSCANDO POR COMPETÊNCIA

PRODUÇÃO DE MATERIAL DIDÁTICO E ESTUDO PARA REUTILIZAR OBJETOS DE APRENDIZAGEM BUSCANDO POR COMPETÊNCIA 1 PRODUÇÃO DE MATERIAL DIDÁTICO E ESTUDO PARA REUTILIZAR OBJETOS DE APRENDIZAGEM BUSCANDO POR COMPETÊNCIA Florianópolis SC - 05/2015 Giovana Schuelter FabriCO Educare giovana.schuelter@fabrico.com.br Norton

Leia mais

OBJETOS DE APRENDIZAGEM: INVESTINDO NA MEDIAÇÃO DIGITAL DO CONHECIMENTO

OBJETOS DE APRENDIZAGEM: INVESTINDO NA MEDIAÇÃO DIGITAL DO CONHECIMENTO OBJETOS DE APRENDIZAGEM: INVESTINDO NA MEDIAÇÃO DIGITAL DO CONHECIMENTO Simone Carboni GARCIA (Universidade Católica de Pelotas) ABSTRACT: The historical and cultural conception of the relation between

Leia mais

12 Razões Para Usar. Lightroom. André Nery

12 Razões Para Usar. Lightroom. André Nery 12 Razões Para Usar Lightroom André Nery André Nery é fotógrafo em Porto Alegre. Arquitetura e fotografia outdoor, como natureza, esportes e viagens, são sua área de atuação. Há dez anos começou a ministrar

Leia mais

Contribuição das Tecnologias da Informação e Comunicação no Processo Ensino-Aprendizagem

Contribuição das Tecnologias da Informação e Comunicação no Processo Ensino-Aprendizagem Contribuição das Tecnologias da Informação e Comunicação no Processo Ensino-Aprendizagem Prof. Dr. Luis Paulo Leopoldo Mercado Programa de Pós-Graduação em Educação Universidade Federal de Alagoas Conteúdos

Leia mais

MELHORIA DE RECURSOS EDUCACIONAIS DAS DISCIPLINAS DE EXPERIMENTAÇÃO

MELHORIA DE RECURSOS EDUCACIONAIS DAS DISCIPLINAS DE EXPERIMENTAÇÃO MELHORIA DE RECURSOS EDUCACIONAIS DAS DISCIPLINAS DE EXPERIMENTAÇÃO 1. Identificação do proponente 1.1. Nome: Moeses Andrigo Danner 1.2. Vínculo com a instituição: Docente permanente 1.3. Coordenação /

Leia mais

ENSINO DE CIÊNCIA DOS MATERIAIS, COM AUXÍLIO DA PLATAFORMA MOODLE, A EXPERIÊNCIA DA ESCOLA POLITÉCNICA DA UNIVERSIDADE FEDERAL DO RIO DE JANEIRO

ENSINO DE CIÊNCIA DOS MATERIAIS, COM AUXÍLIO DA PLATAFORMA MOODLE, A EXPERIÊNCIA DA ESCOLA POLITÉCNICA DA UNIVERSIDADE FEDERAL DO RIO DE JANEIRO 1 ENSINO DE CIÊNCIA DOS MATERIAIS, COM AUXÍLIO DA PLATAFORMA MOODLE, A EXPERIÊNCIA DA ESCOLA POLITÉCNICA DA UNIVERSIDADE FEDERAL DO RIO DE JANEIRO MAIO 2008 Ericksson Rocha e Almendra - Escola Politécnica

Leia mais

NAVEGANDO NA INTERNET

NAVEGANDO NA INTERNET UNIDADE 2 NAVEGANDO NA INTERNET OBJETIVOS ESPECÍFICOS DE APRENDIZAGEM Ao finalizar esta Unidade você deverá ser capaz de: Definir a forma de utilizar um software de navegação; Debater os conteúdos disponibilizados

Leia mais

MANUAL DO PROFESSOR MODERNO: 15 FERRAMENTAS TECNOLÓGICAS PARA MELHORAR A SUA PRODUTIVIDADE

MANUAL DO PROFESSOR MODERNO: 15 FERRAMENTAS TECNOLÓGICAS PARA MELHORAR A SUA PRODUTIVIDADE MANUAL DO PROFESSOR MODERNO: 15 FERRAMENTAS TECNOLÓGICAS PARA MELHORAR A SUA PRODUTIVIDADE SUMÁRIO >> Introdução... 3 >> Não confie em sua memória: agendas e calendários online estão a seu favor... 5 >>

Leia mais

ÍNDICE O QUE É... 2 COMO FUNCIONA... 3. Acervo... 3. Meus Livros... 4. Livros em destaque... 7. Fórum... 7. Notícias... 8. Ajuda... 9. Suporte...

ÍNDICE O QUE É... 2 COMO FUNCIONA... 3. Acervo... 3. Meus Livros... 4. Livros em destaque... 7. Fórum... 7. Notícias... 8. Ajuda... 9. Suporte... ÍNDICE O QUE É... 2 COMO FUNCIONA... 3 Acervo... 3 Meus Livros... 4 Livros em destaque... 7 Fórum... 7 Notícias... 8 Ajuda... 9 Suporte... 9 POR QUE USAR... 10 EQUIPE RESPONSÁVEL... 12 CONTATO... 13 O

Leia mais

Plano de Trabalho Docente 2015. Ensino Técnico

Plano de Trabalho Docente 2015. Ensino Técnico Plano de Trabalho Docente 2015 Ensino Técnico Etec Etec: Paulino Botelho Código: 091 Município: São Carlos Eixo Tecnológico: Informação e Comunicação Habilitação Profissional: Habilitação Profissional

Leia mais

O ENSINO DE ESPANHOL COMO LE COM OS RECURSOS EDUCACIONAIS ABERTOS NA PLATAFORMA MOODLE*

O ENSINO DE ESPANHOL COMO LE COM OS RECURSOS EDUCACIONAIS ABERTOS NA PLATAFORMA MOODLE* 1 O ENSINO DE ESPANHOL COMO LE COM OS RECURSOS EDUCACIONAIS ABERTOS NA PLATAFORMA MOODLE* Resumo Este trabalho se propõe a analisar o curso de extensão universitária CESB (Curso de Espanhol Básico) para

Leia mais

ESCOLA TÉCNICA ESTADUAL DE ILHA SOLTEIRA ILHA SOLTEIRA

ESCOLA TÉCNICA ESTADUAL DE ILHA SOLTEIRA ILHA SOLTEIRA ILHA SOLTEIRA REQUISITOS PARA INSCRIÇÕES AO PROCESSO SELETIVO DE DOCENTES, OBJETIVANDO A FORMAÇÃO DE CADASTRO PARA CONTRATAÇÃO TEMPORÁRIA DE EXCEPCIONAL INTERESSE PÚBLICO, Nº 065/08/2015 de 19/10/2015.

Leia mais

ELABORAÇÃO DE CATÁLOGO DESCRITIVO DE SITES PARA O ENSINO DE ESPANHOL COMO LÍNGUA ESTRANGEIRA

ELABORAÇÃO DE CATÁLOGO DESCRITIVO DE SITES PARA O ENSINO DE ESPANHOL COMO LÍNGUA ESTRANGEIRA ELABORAÇÃO DE CATÁLOGO DESCRITIVO DE SITES PARA O ENSINO DE ESPANHOL COMO LÍNGUA ESTRANGEIRA Dayane Ribeiro da Silva (PICV/PRPPG/ UNIOESTE), Greice da Silva Castela (Orientadora), e-mail: greicecastela@yahoo.com.br

Leia mais

Projeto Pedagógico do Curso

Projeto Pedagógico do Curso Projeto Pedagógico do Curso Fundamentação Diretrizes curriculares do MEC Diretrizes curriculares da SBC Carta de Princípios da UNICAP Projeto Pedagógico Institucional da UNICAP Diretrizes Curriculares

Leia mais

DESMISTIFICANDO O USO DA LOUSA DIGITAL

DESMISTIFICANDO O USO DA LOUSA DIGITAL DESMISTIFICANDO O USO DA LOUSA DIGITAL Alcione Cappelin alcionecappelin@hotmail.com Cristiane Straioto Diniz cstraioto@gmail.com Eloisa Rosotti Navarro eloisa-rn@hotmail.com Renata Oliveira Balbino rebalbino@yahoo.com.br

Leia mais

CATÁLOGO DE REQUISITOS

CATÁLOGO DE REQUISITOS CATÁLOGO DE REQUISITOS Biologia (Base Nacional Comum) Biologia (LP) Ciências Biológicas (LP) Ciências com Habilitação em Biologia (LP) Ciências da Natureza (LP) Ciências da Natureza com Habilitação em

Leia mais

Guia de Introdução ao Windows SharePoint Services

Guia de Introdução ao Windows SharePoint Services Guia de Introdução ao Windows SharePoint Services - Windows SharePoint Services... Page 1 of 11 Windows SharePoint Services Guia de Introdução ao Windows SharePoint Services Ocultar tudo O Microsoft Windows

Leia mais

Listas Site Secretaria Site Secretaria A imagem a seguir ilustra a diagramação do Site da Secretaria:

Listas Site Secretaria Site Secretaria A imagem a seguir ilustra a diagramação do Site da Secretaria: Listas Site Secretaria Site Secretaria A imagem a seguir ilustra a diagramação do Site da Secretaria: Figura 2: diagramação do Site da Secretaria 42ListasSecretaria - 1 - LISTAS E BIBLIOTECAS DO SITE DA

Leia mais

Programação de Computadores II: Java. / NT Editora. -- Brasília: 2014. 82p. : il. ; 21,0 X 29,7 cm.

Programação de Computadores II: Java. / NT Editora. -- Brasília: 2014. 82p. : il. ; 21,0 X 29,7 cm. Autor José Jesse Gonçalves Graduado em Licenciatura em Matemática pela Universidade Estadual de São Paulo - UNESP, de Presidente Prudente (1995), com especialização em Análise de Sistemas (1999) e mestrado

Leia mais

Arquitetura para Adaptação de Cursos na Modalidade de Educação a Distância empregando Objetos de Aprendizagem

Arquitetura para Adaptação de Cursos na Modalidade de Educação a Distância empregando Objetos de Aprendizagem 266 - Encontro Anual de Tecnologia da Informação Arquitetura para Adaptação de Cursos na Modalidade de Educação a Distância empregando Objetos de Aprendizagem Naidú Gasparetto de Souza1, Sidnei Renato

Leia mais

Meios de Comunicação e Professores: Aproximações Práticas e Distanciamentos Conceituais 1

Meios de Comunicação e Professores: Aproximações Práticas e Distanciamentos Conceituais 1 Meios de Comunicação e Professores: Aproximações Práticas e Distanciamentos Conceituais 1 Charlotte Couto Melo 2 Gláucia da Silva Brito 3 Universidade Federal do Paraná, Curitiba, PR. Resumo As mudanças

Leia mais

Produção de um documentário amador por turmas de ensino médio e EJA, (ensino de jovens e adultos) com o uso do Windows Movie Maker

Produção de um documentário amador por turmas de ensino médio e EJA, (ensino de jovens e adultos) com o uso do Windows Movie Maker Produção de um documentário amador por turmas de ensino médio e EJA, (ensino de jovens e adultos) com o uso do Windows Movie Maker Adriana Oliveira Bernardes UENF (Universidade Estadual do Norte Fluminense

Leia mais

OBJETOS DE APRENDIZAGEM E A ENGENHARIA DE SOFTWARE

OBJETOS DE APRENDIZAGEM E A ENGENHARIA DE SOFTWARE OBJETOS DE APRENDIZAGEM E A ENGENHARIA DE SOFTWARE LEARNING OBJECTS AND SOFTWARE ENGINEERING Bruna Cassilha Chueiri Centro Universitário da Filadélfia de Londrina UniFil Bruno Henrique Coleto Centro Universitário

Leia mais

Conteúdo. Curso de Introdução ao Plone. O que é Plone. Parte I Conceitos básicos

Conteúdo. Curso de Introdução ao Plone. O que é Plone. Parte I Conceitos básicos Curso de Introdução ao Plone Conteúdo Parte I - Conceitos básicos Parte II - Interface do Plone Parte III - Gerenciamento de usuários Modulo A Instrutores Carlos Alberto Alves Meira Laurimar Gonçalves

Leia mais

O emprego da lousa digital no processo de aprendizagem de alunos de licenciatura e do ensino médio

O emprego da lousa digital no processo de aprendizagem de alunos de licenciatura e do ensino médio O emprego da lousa digital no processo de aprendizagem de alunos de licenciatura e do ensino médio Filipe Cesar da Silva Discente da Universidade do Sagrado Coração (USC) felipe_mirc@hotmail.com Melissa

Leia mais

1 O USO DA INTERNET NA PRÁTICA PEDAGÓGICA DO PROFESSOR DE LÍNGUA INGLESA BALADELI, Ana Paula Domingos 1 ALTOÉ, Anair 2

1 O USO DA INTERNET NA PRÁTICA PEDAGÓGICA DO PROFESSOR DE LÍNGUA INGLESA BALADELI, Ana Paula Domingos 1 ALTOÉ, Anair 2 1 O USO DA INTERNET NA PRÁTICA PEDAGÓGICA DO PROFESSOR DE LÍNGUA INGLESA BALADELI, Ana Paula Domingos 1 ALTOÉ, Anair 2 INTRODUÇÃO O presente trabalho tem o objetivo de apresentar os resultados preliminares

Leia mais

ANEXO I - EDITAL Nº 15/2015 QUADRO GERAL DE DISTRIBUIÇÃO DE VAGAS POR DISCIPLINA E CURSOS LICENCIATURA EM FÍSICA

ANEXO I - EDITAL Nº 15/2015 QUADRO GERAL DE DISTRIBUIÇÃO DE VAGAS POR DISCIPLINA E CURSOS LICENCIATURA EM FÍSICA INSTITUTO FEDERAL DO AMAZONAS PRÓ-REITORIA DE ENSINO PROCESSO SELETIVO DO 2º SEMESTRE 205 ANEXO I - EDITAL Nº 5/205 QUADRO GERAL DE DISTRIBUIÇÃO DE VAGAS POR DISCIPLINA E CURSOS LICENCIATURA EM FÍSICA

Leia mais

UNIVERSIDADE FEDERAL DA FRONTEIRA SUL AMBIENTE VIRTUAL INSTITUCIONAL MOODLE/UFFS

UNIVERSIDADE FEDERAL DA FRONTEIRA SUL AMBIENTE VIRTUAL INSTITUCIONAL MOODLE/UFFS UNIVERSIDADE FEDERAL DA FRONTEIRA SUL AMBIENTE VIRTUAL INSTITUCIONAL MOODLE/UFFS Guia Inicial de Acesso e Utilização Para Docentes Versão 1.0b Outubro/2010 Acesso e utilização do Ambiente Virtual de Ensino

Leia mais

Sistema Tutor Inteligente baseado em Agentes. Pedagógicas da Universidade Aberta do Piauí. Prof. Dr. Vinicius Ponte Machado

Sistema Tutor Inteligente baseado em Agentes. Pedagógicas da Universidade Aberta do Piauí. Prof. Dr. Vinicius Ponte Machado Sistema Tutor Inteligente baseado em Agentes na Plataforma MOODLE para Apoio às Atividades Pedagógicas da Universidade Aberta do Piauí Prof. Dr. Vinicius Ponte Machado Parnaíba, 14 de Novembro de 2012

Leia mais

Tecnologias Digitais e Educação a Distância: letramento digital e formação de professores

Tecnologias Digitais e Educação a Distância: letramento digital e formação de professores Tecnologias Digitais e Educação a Distância: letramento digital e formação de professores Prof. Dr. Luís Paulo Leopoldo Mercado Universidade Federal de Alagoas Conteúdos Cenário das práticas pedagógicas

Leia mais

ANEXO VIII PREGÃO PRESENCIAL Nº. 001/15 COTAÇÃO ESTIMADA

ANEXO VIII PREGÃO PRESENCIAL Nº. 001/15 COTAÇÃO ESTIMADA ANEXO VIII PREGÃO PRESENCIAL Nº. 001/15 COTAÇÃO ESTIMADA 1. DO OBJETO Constitui-se como objeto da Ata de Registro de Preço a aquisição de materiais didáticos e paradidáticos em tecnologia educacional para

Leia mais

MANUAL DE UTILIZAÇÃO DO MOODLE 2.6

MANUAL DE UTILIZAÇÃO DO MOODLE 2.6 NÚCLEO DE TECNOLOGIA DA INFORMAÇÃO E COMUNICAÇÃO NTIC MANUAL DE UTILIZAÇÃO DO MOODLE 2.6 PERFIL ALUNO Versão 1.0 2014 NÚCLEO DE TECNOLOGIA DA INFORMAÇÃO E COMUNICAÇÃO NTIC MANUAL DE UTILIZAÇÃO DO MOODLE

Leia mais

Papel da SBIS na Educação

Papel da SBIS na Educação I Ciclo de Seminários de Tecnologias de Informação em Saúde Educação Continuada, Certificação Profissional e Título de Especialista: o Projeto da SBIS Prof. Renato M.E. Sabbatini Diretor de Educação e

Leia mais

SERVIÇO PÚBLICO FEDERAL UNIVERSIDADE FEDERAL DE PERNAMBUCO CENTRO DE INFORMÁTICA DEPARTAMENTO DE CIÊNCIA DA COMPUTAÇÃO

SERVIÇO PÚBLICO FEDERAL UNIVERSIDADE FEDERAL DE PERNAMBUCO CENTRO DE INFORMÁTICA DEPARTAMENTO DE CIÊNCIA DA COMPUTAÇÃO SERVIÇO PÚBLICO FEDERAL UNIVERSIDADE FEDERAL DE PERNAMBUCO CENTRO DE INFORMÁTICA DEPARTAMENTO DE CIÊNCIA DA COMPUTAÇÃO CONCURSO PÚBLICO PARA DOCENTES DO MAGISTÉRIO SUPERIOR Edital nº 1, de 1 de março de

Leia mais

Caracterização da Modelagem de Ambientes de Aprendizagem a distância

Caracterização da Modelagem de Ambientes de Aprendizagem a distância Caracterização da Modelagem de Ambientes de Aprendizagem a distância Adja F. de Andrade adja@inf.pucrs.br 1 Beatriz Franciosi bea@inf.pucrs.br Adriana Beiler 2 adrianab@inf.pucrs.br Paulo R. Wagner prwagner@inf.pucrs.br

Leia mais

UM AMBIENTE ABERTO DE ENSINO À DISTÂNCIA PELA INTERNET

UM AMBIENTE ABERTO DE ENSINO À DISTÂNCIA PELA INTERNET RESUMO UM AMBIENTE ABERTO DE ENSINO À DISTÂNCIA PELA INTERNET Paulo Roberto de Castro Villela Agrosoft - Softex / Universidade Federal de Juiz de Fora Caixa Postal 20.037, Juiz de Fora MG, 36.016-970 Telefone:

Leia mais

O que é a ciência de dados (data science). Discussão do conceito. Luís Borges Gouveia Universidade Fernando Pessoa Versão 1.

O que é a ciência de dados (data science). Discussão do conceito. Luís Borges Gouveia Universidade Fernando Pessoa Versão 1. O que é a ciência de dados (data science). Discussão do conceito Luís Borges Gouveia Universidade Fernando Pessoa Versão 1.3, Outubro, 2015 Nota prévia Esta apresentação tem por objetivo, proporcionar

Leia mais

Círculo Fluminense de Estudos Filológicos e Linguísticos

Círculo Fluminense de Estudos Filológicos e Linguísticos PERSPECTIVAS PARA O ENSINO DE LÍNGUA PORTUGUESA A DISTÂNCIA 15 Cristina Alves de Brito crisalbri@filologia.org.br O foco em que tem estado a Educação a Distância dá a falsa ideia de que tal modalidade

Leia mais

Consultoria para desenvolvimento de estratégias de treinamento on-line

Consultoria para desenvolvimento de estratégias de treinamento on-line 1 2 A HIPOCAMPUS é uma empresa de consultoria em comunicação e ensino digital com foco nos profissionais de saúde. Estamos prontos a auxiliar empresas dos diferentes segmentos da área de saúde a estabelecer

Leia mais

Dicas básicas para disciplinas/atividades na modalidade de educação a distância Mediação Digital Virtual

Dicas básicas para disciplinas/atividades na modalidade de educação a distância Mediação Digital Virtual Dicas básicas para disciplinas/atividades na modalidade de educação a distância Mediação Digital Virtual Escritório de Gestão de Projetos em EAD Unisinos http://www.unisinos.br/ead 2 A partir de agora,

Leia mais

SERVIÇO SOCIAL DA INDÚSTRIA SESI/SP PROCESSO SELETIVO 001 / 2015 PROFESSORES DIVISÃO DE EDUCAÇÃO E CULTURA SESI/SP

SERVIÇO SOCIAL DA INDÚSTRIA SESI/SP PROCESSO SELETIVO 001 / 2015 PROFESSORES DIVISÃO DE EDUCAÇÃO E CULTURA SESI/SP SERVIÇO SOCIAL DA INDÚSTRIA SESI/SP PROCESSO SELETIVO 001 / 2015 PROFESSORES DIVISÃO DE EDUCAÇÃO E CULTURA SESI/SP O Serviço Social da Indústria SESI/SP, por meio do INSTITUTO DE GESTÃO E DESENVOLVIMENTO

Leia mais

O PROCESSO DE ELABORAÇÃO DE UM CURSO DE ESPANHOL EAD PARA PESSOAS COM DEFICIÊNCIA VISUAL: DESAFIOS E POSSIBILIDADES

O PROCESSO DE ELABORAÇÃO DE UM CURSO DE ESPANHOL EAD PARA PESSOAS COM DEFICIÊNCIA VISUAL: DESAFIOS E POSSIBILIDADES O PROCESSO DE ELABORAÇÃO DE UM CURSO DE ESPANHOL EAD PARA PESSOAS COM DEFICIÊNCIA VISUAL: DESAFIOS E POSSIBILIDADES OLIVEIRA, Janio Davila de; 1 FONTANA, Marcus. 2 RESUMO: O presente artigo se propõe a

Leia mais

PALAVRAS-CHAVE Tecnologia da Informação e da Comunicação (TIC). Ambiente Virtual de Aprendizagem (AVA). Meios de Ensino.

PALAVRAS-CHAVE Tecnologia da Informação e da Comunicação (TIC). Ambiente Virtual de Aprendizagem (AVA). Meios de Ensino. 12. CONEX Apresentação Oral Resumo Expandido 1 ÁREA TEMÁTICA: ( ) COMUNICAÇÃO ( ) CULTURA ( ) DIREITOS HUMANOS E JUSTIÇA ( X ) EDUCAÇÃO ( ) MEIO AMBIENTE ( ) SAÚDE ( ) TRABALHO ( ) TECNOLOGIA UTILIZAÇÃO

Leia mais