Relatório de atividades e prestação de contas

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "Relatório de atividades e prestação de contas"

Transcrição

1 1 Relatório de atividades e prestação de contas 2013

2 2 23/01 03/04 MESA REDONDA DE ECONOMIA 20/04 MESA REDONDA DE PREVIDÊNCIA CERTIFICADO DE ISENÇÃO DO ITCMD 16/05 RODA DE CONVERSA SOBRE AGRONEGÓCIO 16/05 LANÇAMENTO DO LIVRO DO PROFESSOR JOSÉ ELI DA VEIGA 05/06 RODA DE CONVERSA SOBRE DESENVOLVIMENTO RURAL SUSTENTÁVEL 17/07 PUBLICAÇÃO SUBEIXO AÇÃO COM BASE EM PRINCÍPIOS E VALORES 08/08 RODA DE CONVERSA SOBRE RESÍDUOS SÓLIDOS 03/09 APROVAÇÃO DA NOVA IDENTIDADE VISUAL DO IDS 11/09 RODA DE CONVERSA SOBRE CONTROLE SOCIAL DOS GASTOS PÚBLICOS 16/09 RENOVAÇÃO DO CERTIFICADO DE OSCIP 17 e 18/10 PLANEJAMENTO ESTRATÉGICO EXECUTIVO 01/11 PUBLICAÇÃO DE 2 ARTIGOS DA EQUIPE EXECUTIVA NO I CONGRESSO INTERNACIONAL DE NET-ATIVISMO 21/11 RODA DE CONVERSA SOBRE CULTURA PARA A SOCIEDADE

3 3 29/04 CONTRATAÇÃO DE COORDENADORA PARA A PLATAFORMA 06/05 REUNIÃO DO CONSELHO 07/05 ASSEMBLEIA DO IDS E REELEIÇÃO DOS MEMBROS DO CD 27/06 RODA DE CONVERSA SOBRE TERRITÓRIOS INDÍGENAS 16/08 RODA DE CONVERSA SOBRE PATRIMÔNIO GENÉTICO 28/06 MESA REDONDA ANÁLISE DE CONJUNTURA POLÍTICA 19/08 RODA DE CONVERSA SOBRE SAÚDE 17/07 RODA DE CONVERSA SOBRE REFORMA DO SISTEMA POLÍTICO 20/08 RODA DE CONVERSA SOBRE ENERGIA 24/09 RODA DE CONVERSA SOBRE ECONOMIA INTERNACIONAL, CÂMBIO E COMPETITIVIDADE 08/10 LAÇAMENTO DO NOVO SITE (PLATAFORMA COLABORATIVA) E DA INTRANET 10/10 REUNIÃO DO CONSELHO 28/11 RODA DE CONVERSA SOBRE SEGURANÇA PÚBLICA 29/11 RODA DE CONVERSA SOBRE MARCO CIVIL DA INTERNET

4 4

5 Sumário 07 Mensagem da Gestão 09 Apresentação 10 Contextualização 14 Plataforma 38 Comunicação 46 Arquitetura corporativa 50 Administrativo 52 Financeiro 56 Governança

6 6

7 7 Mensagem da Gestão O Instituto Democracia e Sustentabilidade foi fundado, em 2009, com a missão de convergir e potencializar ideias e propostas que contribuam para aprofundar a democracia e colocar a sustentabilidade como valor central para a vida no século 21. A missão, visão e objetivo geral do IDS, estão refletidos em um conjunto de diretrizes e propostas organizadas na Plataforma Brasil Democrático e Sustentável, um canal de participação, agregação e valorização de iniciativas para a construção de uma nova visão de Brasil sob o prisma da democracia e da sustentabilidade. Para tornar a Plataforma dinâmica e gerar um resultado que seja uma efetiva contribuição para além de um conjunto literário de conteúdos, nos colocamos três metas: - Ampliar a rede de colaboradores capazes de contribuir para o aprofundamento e detalhamento da Plataforma, envolvendo de forma ampla e plural todos os setores da sociedade, como membros da academia, especialistas, ONGs, empresários, movimentos sociais, técnicos de governo, parlamentares e demais interessados; - Organizar e coordenar os processos de revisão, aprofundamento e detalhamento dos temas da Plataforma, através de sistemas virtuais (intranet, chats, redes de discussão), mesas de diálogos, rodas de conversa aberta a convidados e seminários abertos ao público; e, - Produzir documentos preparatórios, com diagnósticos sobre os diferentes temas e sínteses das discussões, disponibilizando-os a todos os participantes da rede de colaboradores e público em geral. Revisitando esses desafios e analisando os resultados obtidos, acreditamos que avançamos de forma significativa. No ano de 2013 remodelamos a metodologia de trabalho, o site, a intranet, os eventos e realizamos diversas rodas de conversas, algumas mesas redondas e entrevistas, onde conseguimos reunir especialistas e personalidades antes não envolvidas com o nosso projeto. Hoje temos um acúmulo importante de informações sistematizadas em nosso novo site, que possui um conceito de construção colaborativa da Plataforma, além de diversos vídeos com entrevistas e análises de vários colaboradores, disponíveis em nosso canal no Youtube. O presente Relatório, que é uma continuidade do esforço empreendido nos anos anteriores, pois se trata de um trabalho cumulativo e crescente, apresenta os resultados obtidos nesse último ano. Esperamos que sua leitura nos ajude a refletir sobre o trabalho acumulado e nos inspire na busca de novas formas de aprimorar nossa atuação, a fim de sermos cada vez mais eficientes em contribuir para o enorme desafio que, juntos, nos propusemos a enfrentar. Boa leitura. João Paulo R. Capobianco Presidente do Conselho Diretor;

8 8

9 9 Apresentação Este relatório tem como objetivo apresentar as atividades desenvolvidas pelo Instituto Democracia e Sustentabilidade no ano de 2013, que priorizou o aprofundamento e complementação da Plataforma Brasil Democrático e Sustentável. As atividades neste relatório serão apresentadas em 6 tópicos gerais. 1 2 Contextualização Institucional: principais ações e o modelo de estruturação necessário para trabalharmos ao longo do ano e para atingirmos os resultados descritos neste relatório. Plataforma Brasil Democrático e Sustentável: destaca-se as atividades, como Roda de Conversa, elaboração de textos publicações, atividades transversais, articulações e parcerias, bem como os resultados dessas ações. 3 Comunicação e Arquitetura Corporativa: destaca-se as ações referentes à comunicação institucional do IDS, bem como a apresentação da nova identidade visual, ou seja, a nova logo e as cores da Plataforma Brasil Democrático e Sustentável e de cada um dos eixos; o novo site agora mais interativo e integrado à intranet. 4 Estrutura Administrativa e RH: destaca-se as ações referentes à estruturação das áreas do IDS, parecer da auditoria, estruturações internas e equipe. 5 Financeiro: balanço financeiro do ano de 2013 e demonstrativo de captação de recurso. 6 Governança e modelo de gestão

10 10 Contextualização Para que as informações que constam neste relatório sejam compreendidas, achamos que seria interessante contextualizar algumas ações que foram feitas e que geraram os resultados apresentados a seguir. 1º trimestre: momento de reformulação da equipe e foco; 2º trimestre: contratações e assembleia; 3º trimestre: contratações e conquistas através das Rodas de Conversa; 4º trimestre: Planejamento de 2014, publicação de textos, fechamento do ano; 1º trimestre Neste 1º semestre, o IDS passou por um processo de reestruturação interna e de reformulação das atividades a serem desenvolvidas no ano de A partir de então, passou-se a fazer um levantamento de tudo que havia sido produzido para a Plataforma Brasil Democrático e Sustentável. Este levantamento foi importante para que pudéssemos ter uma visão de onde deveríamos focar e quais seriam as ações a serem feitas. Este levantamento começou com a organização da reunião de planejamento do ano de 2013, que aconteceu no dia 24 de janeiro de A proposta de trabalho foi a de expor eixo por eixo através de painéis, destrinchando-os, reorganizando, propondo novos subeixos. Enfim, um trabalho que levou aos seguintes passos (todos eles foram aplicados a cada subeixo): Porém, durante este processo o IDS passou por reestruturação da equipe executiva e reformulação de algumas áreas, o principal motivo da mudança foi dar foco para a construção e atualização da Plataforma Brasil Democrático e Sustentável. A comunicação seria basicamente institucional e fomentadora da plataforma pelas redes sociais. Assim, finalizou-se o levantamento em um documento chamado Planejamento Executivo 2013 Plano de Ação e a partir deste foi possível identificar as atividades inerentes às necessidades de desenvolvimento dos eixos e subeixos. Em resumo, este planejamento mostrou a necessidade de diversificar e aperfeiçoar os COMOS para atualização da plataforma, as Rodas de Conversa continuaram sendo o principal meio de trazer novas contribuições, porém outros meios foram incorporados como

11 11 estratégicos para podermos avançar, sendo: Pesquisa, Entrevistas, Curador, Benchmarking, Criação de Grupo de especialistas, Paper, Termo de Referência. Passado o 1º trimestre, a equipe conseguiu desenvolver e finalizar o Planejamento Executivo 2013 Plano de Ação para que este fosse usado de referência para os novos membros contratados. figura 1 fluxo de atualização IDENTIFICAÇÃO DA ATIVIDADE plataforma continua no fluxo geral de aprovação REVISÃO DO TEXTO não LEVANTAMENTO DE MATERIAL EXISTENTE Wiki? sim não ESTADO DA ARTE APROVADO? sim 2º trimestre Passado o 1º trimestre, a equipe conseguiu desenvolver e finalizar o Planejamento Executivo 2013 Plano de Ação para que este fosse usado de referência para as novas atividades. figura 2 fluxo de curador Identificação da atifidade pesquisa de potenciais curadores escolha do curador - convite aceito? sim ids passa informações do conteúdo para o curador curador estabelece plano de trabalho plano de trabalho ver fluxo de trabalho da atividade escolhida pelo curador O documento foi fundamental porque deu base para a construção da Metodologia de construção da Plataforma, auxiliou na comunicação e norteou o ano de Além disso, a Assembleia definiu temas de máxima atenção sobre os quais se decidiu fazer as Rodas de Conversa, sendo: Saúde, Educação, Segurança pública, Economia (agronegócio), Infraestrutura (energia), Qualidade de vida (mobilidade urbana), Contas públicas, Previ- não Roda de Conversa Pesquisa Entrevista Criação de grupo de especialistas Benchmark Sistematização/Atualização

12 12 dência, Justiça social, Cultura e Questões de comportamento (drogas, direitos humanos). 3º e 4º trimestre Com a proporção que as Rodas de Conversa tomaram, as redes sociais precisaram cada vez mais serem fomentadas para trazer mais e novas pessoas para contribuírem na Plataforma em um modelo wiki. O IDS sentiu a necessidade de aumentar o seu quadro. Foi neste período que o IDS concentrou o maior número de Rodas, Entrevistas e reuniões para poder alcançar os resultados apresentados a seguir. Conseguimos evoluir de forma consistente e com credibilidade nos temas deliberados pela assembleia (Vide quadro a seguir) além dos outros subeixos que compõem a Plataforma. Foi neste período que o IDS concentrou o maior número de Rodas, Entrevistas e reuniões para poder alcançar os resultados apresentados a seguir. Conseguimos evoluir de forma consistente e com credibilidade nos temas deliberados pela assembleia (Vide quadro a seguir) além dos outros subeixos que fazem compões a Plataforma. Ficou nítido que todo o processo de estruturação metodológica, a criação de fluxos e processos, ter um plano de ação e uma equipe comprometida foi fundamental para atingirmos os resultados de 2013 que podem ser acompanhados neste relatório, mas também em nossa Intranet e no site.

13 13 Demanda da Assembleia 2013 Demanda Atendida Economia Economia (03.04) Economia Internacional, câmbio e competitividade (24.09) Previdência Previdência (20.04) Economia - agronegócio Agronegócio (16.05) Desenvolvimento Rural (05.06) Cultura Territórios indígenas: desafios para a proteção, gestão e uso sustentável (27.06) Cultura para a sociedade (21.11) Qualidade de vida Resíduos Sólidos (08.08) Saúde Saúde (19.08) Infraestrutura - Energia Energia (22.08) Contas públicas Controle Social dos Gastos Públicos (11.09) Segurança pública Segurança (28.11) Qualidade de vida mobilidade urbana As rodas aconteceram em Educação As rodas aconteceram em Análise sobre a Conjuntura Política (28.06) - Reforma do Sistema Político (17.07) - Acesso ao Patrimônio Genético (16.08) - Roda de Conversa sobre Marco Civil da Internet (29.11) Demanda da Assembleia não atendida Justiça social - Questões de comportamento - drogas - Questões de comportamento direitos humanos - O que faz o ano de 2013 um ano de grande conquista para a Plataforma Brasil Democrático e Sustentável.

14 14 2Plataforma POLÍTICA EXTERNA PARA O SÉC 21 JOVENS METODOLOGIA A Metodologia do Instituto Democracia e Sustentabilidade (IDS) tem como objetivo indicar, descrever e orientar todas as etapas e estratégias estabelecidas para o desenvolvimento da Plataforma Brasil Democrático e Sustentável. A metodologia é a escolha de métodos e técnicas. De acordo com Andrade (2007) (...) método é o caminho a ser percorrido, as etapas a serem vencidas para alcançar os objetivos propostos; técnicas dizem respeito aos instrumentos e as estratégias utilizadas para a aplicação do método.(...). Sendo assim a metodologia adotada pelo Instituto é dividida em 2 grandes partes: Métodos e Técnicas. A seguir SISTEMA IDS: CULTURA E FORTALECIMENTO DA DIVERSIDADE QUALIDADE DE VIDA E SEGURANÇA PARA TODOS OS BRASILEIROS vozes: grupos territoriais, grupos sociais liberdade INOVAÇÃO

15 15 Legenda Círculo maior central: Ideias centrais do IDS e que permeiam todos os eixos. Círculo menor central: Enfoques (valores norteadores) que devem ser dados no decorrer dos textos da Plataforma. Quadrado: Eixos que permeiam a Plataforma Brasil Democrático e Sustentável ilustração 1 Sistema IDS proposto por Maria Alice Setúbal POLÍTICA CIDADÃ BASEADA EM PRINCÍPIOS E VALORES REDE EDUCAÇÃO PARA A SOCIEDADE DO CONHECIMENTO DEMOCRACIA: EQUIDADE RESPEITO SUSTENTABILIDADE DIÁLOGO ECONOMIA PARA UMA SOCIEDADE SUSTENTÁVEL CRIATIVIDADE COOPERAÇÃO PROTEÇÃO SOCIAL

16 16 plataforma O IDS tem como objetivo a elaboração de propostas para cada um dos 7 eixo: Política Cidadã Baseada em Princípios e Valores; Educação para a Sociedade do conhecimento; Economia para uma Sociedade Sustentável; Proteção Social: Saúde, Previdência e Terceira Geração de Programas Sociais; Qualidade de Vida e Segurança para Todos os Brasileiros; Cultura e Fortalecimento da Diversidade e Política Externa para o século 21, da Plataforma Brasil Democrático e Sustentável por meio da sistematização de informação produzida por colaboradores e parceiros e pela elaboração de textos pela Equipe Executiva. O Instituto tem como caminho a criação colaborativa para que toda a sociedade civil se aproprie dessas propostas. Isso é o método, ou seja, o caminho a ser percorrido e as etapas a serem vencidas. O IDS tem como método a elaboração de 3 documentos principais: Estado da arte: Pesquisa e mapeamento de atores e projetos relacionados ao eixo proposto. Levantamento bibliográfico. Documento inicial do eixo/tema proposto. Texto Publicação: É o documento final do eixo/subeixo proposto. Texto Propostas: Texto contendo somente as propostas em formato de bullets que ficará disponível no site ou perguntas norteadoras para o debate que também acontecerá na Plataforma wiki (site).

17 17 Para construção do Texto publicação e do Texto Propostas poderão ser utilizados os seguintes INSTRUMENTOS: Sistematização/ Atualização: Para determinados eixos será feito somente uma atualização do texto ou uma sistematização do que já existe. No caso da sistematização alguns textos não serão necessários como os textos preparatórios para as Rodas de conversa. Porém serão necessários fichamentos para servir de subsídio para a criação do texto Publicação e Propostas; rodas de conversa: Diálogos entre pessoas relacionadas aos eixos propostos; Entrevistas: Diálogo direcionado a algum colaborador relacionado ao eixo proposto. Após a Roda de Conversa ou após a sistematização da informação, poderão surgir pontos a serem discutidos futuramente. Esses pontos poderão ser aprofundados por meio de uma entrevista com um especialista que responderá as perguntas previamente preparadas; Grupo de especialistas: É um grupo gerenciado pela equipe executiva formado por especialistas. NOTA: Vale lembrar que o Estado da Arte é o início e o Texto Publicação é o final. A utilização de um instrumento não exclui o uso de outro ou outros.

18 18 plataforma As ESTRATÉGIAS do IDS para a configuração deste cenário são: Wiki (Confluence) Mídias sociais (Facebook e Twitter) Minuto IDS (Ferramenta de comunicação) Os temas a serem abordados variam de acordo com a conjuntura atual e as indicações dos associados em assembleia geral. Para cada tema é escolhido um instrumento que será apresentado no plano de trabalho executivo anual do IDS. A abordagem do tema deve ser orientada pelos temas centrais propostos pelo IDS, ou seja, o cruzamento dos eixos em relação à Democracia e Sustentabilidade. X política cidadã educação economia proteção social qualidade de vida cultura política externa Ilustração 2 - G demoracia sustentabilidade Y

19 19 POLÍTICA CIDADÃ BASEADA EM PRINCÍPIOS E VALORES analítico O ano de 2013 foi um divisor de águas na política brasileira. Os preparativos para a Copa e as manifestações em junho deram a tônica no debate sobre a política no Brasil e fortaleceram as críticas ao sistema político vigente. Foi, portanto, inevitável que o Instituto Democracia e Sustentabilidade (IDS) produzisse amplo material sobre o tema, seja devido à importância do mesmo para a sociedade, como também pela Plataforma Brasil Democrático e Sustentável. No ano passado, foram realizadas quatro Rodas de Conversa dentro do eixo de Política Cidadã, contando com a participação de mais de 100 convidados apenas neste eixo. As Rodas de Conversa serviram de insumo para a elaboração da Plataforma, seguindo a metodologia consolidada no início do ano, levando a propostas, textos síntese e à produção de textos para atualização da plataforma. O ano começou com a Roda de Conversa para Análise da Conjuntura Política, na esteira dos acontecimentos do mês de junho. Assim como o mês, a roda ocorreu de maneira extraordinária, sem contar com a participação de expositores e restrita ao IDS, uma conversa aberta e franca sobre os acontecimentos então recentes. Temas delicados e há muito tempo na pauta de discussões sobre política no país foram tocados, como o voto secreto no parlamento rechaçado por todos aqueles presentes e a possibilidade de se implantar o sistema distrital. Embora o tema não tenha atingido nenhum consenso, foi extensivamente debatido; demonstrando o quanto a sociedade brasileira ainda deve avançar no debate. A primeira Roda de Conversa de 2013 aberta ao público sobre um tema do eixo Política Cidadã Baseada em Princípios e Valores foi sobre a Reforma do Sistema Político. Contando com a participação de 72 pessoas recorde de participação do IDS a Roda trouxe figuras importantes do cenário político brasileiro como expositores. Foram expositores: Eugênio Bucci, Carlos Nepomuceno, José Moroni, Vladmir Safatle e Marina Silva. João Paulo Capobianco foi o mediador. Ficou evidente no evento a crise de representatividade existente no sistema político brasileiro e a necessidade por uma reforma estrutural da forma como os cidadãos brasileiros são representados. A valorização da democracia participativa não só ditou o tom do debate como demonstrou que ela segue lado a lado, segundo os expositores, com mecanismos de financiamento de campanha que reflitam os interesses da sociedade e não interesses econômicos específicos. Obviamente que um tema tão proeminente na política brasileira quanto corrupção não deixaria de ser analisado pelo Instituto. A corrupção no Brasil corrói as bases da democracia brasileira e compromete sua qualidade. Foi com esse prognóstico que, em setembro, o IDS realizou, a roda sobre Controle Social dos Gastos Públicos, cuja finalidade foi discutir sobre os mecanismos de controle para a sociedade civil

20 20 plataforma e de seu empoderamento e os mecanismos de responsabilização do corrupto e do corruptor. Participaram dessa conversa como expositores: Caio Magri, Claudio Weber Abramo, Jovita Rosa e Roberto Antonio de Almeida Costa. Bazileu Alves Margarido Neto foi o mediador. De imediato, tornou-se claro que corrupção envolve uma complexa rede de incentivos e custos à transgressão da lei. Duras críticas foram feitas à falta de comunicação entre órgãos fiscalizadores e de controle, o que acaba por comprometer a eficácia e eficiência do combate à corrupção. Além disso, a grande quantidade de cargos públicos escolhidos por nomeação, a pressão política incipiente produzida pela sociedade e a ausência de condições objetivas impedem a construção de um sistema de integridade robusto. Isto é, os altos índices de corrupção são justificados, em parte, pela pobreza brasileira entendidos como condições objetivas por alguns expositores. A última roda do ano, já em novembro, se debruçou sobre o Marco Civil da Internet. Depois das manifestações do primeiro semestre, o escândalo de espionagem de Edward Snowden foi o acontecimento político do ano, o que reacendeu o debate sobre a chamada constituição da internet. Buscando a neutralidade da rede, liberdade de expressão e privacidade ao usuário, o marco ainda não foi votado e discutiu-se os obstáculos à sua aprovação. Sua importância não está depositada apenas na aprovação de seus artigos, mas na forma com que foi construído. O projeto é em si mesmo um símbolo de construção compartilhada. Sua redação foi resultado de uma série de debates que envolveram parlamentares, organizações não governamentais e cidadãos em geral. Por essa razão que o projeto foi tão bem elogiado por outros países e é defendido com tanto afinco por seu relator, Alessandro Molon, que também participou da Roda de Conversa como expositor, além da participação de Juliana Nolasco Ferreira, Ronaldo Lemos e Pablo Ortellado como expositores. João Paulo Capobianco foi o mediador.mas as rodas não foram tudo. O IDS também buscou produzir conteúdo e publicá-lo em diferentes meios. No mês de novembro, dois artigos da equipe executiva do Instituto foram aprovados no I Congresso Internacional de Net-Ativismo, realizado pela ECA-USP. O evento internacional contou com a participação de nomes como o de Pierre Lévy e Massimo Di Felice. Em um desses artigos, a própria Plataforma Brasil Democrático e Sustentável foi objeto de análise, sob o prisma de sua arquitetura informacional. Por sua vez, o outro tratou da crise de representatividade existente no Brasil, especificamente, e nas democracias ocidentais, em geral. Além da crise de representatividade, o artigo explorou as perspectivas oferecidas pela internet e pelos mecanismos de comunicação digital para reduzir este déficit representacional. Mais uma vez foi analisado, portanto, o potencial que esta tecnologia tem para fomentar instrumentos de democracia direta.

21 21 Tratando-se de publicações fruto do conteúdo produzido para Plataforma, em julho foi publicado o primeiro subeixo do eixo de Política Cidadã. Coordenado por Bazileu Margarido, o documento contou com a participação de associados e parceiros do IDS. E por fim, no mês de dezembro, a primeira versão do texto base para atualização do subeixo de Novo Pacto de Gestão Territorial Federativo foi apresentado à coordenadoria de conteúdo da equipe executiva. Atualmente, o documento encontra-se em revisão para publicação. rodas de conversa Data Tema da RC expositores Mediador Público presencial + online (números) 28/06 Análise de Conjuntura Política Todos aqueles presentes /07 Reforma do Sistema Político - Eugênio Bucci - Carlos Nepomuceno - Marina Silva - José Moroni - Vladimir Safatle João Paulo Capobianco 72 11/09 Controle Social dos Gastos Públicos - Claudio Weber Abramo - Caio Magri - Jovita José Rosa - Dr. Roberto Antonio de Almeida Costa - Natalia Paiva Bazileu Margarido 29 29/11 Marco Civil da Internet - Alessandro Molon - Ronaldo Lemos - Juliana Nolasco Ferreira - Pablo Ortellado João Paulo Capobianco 36

22 22 Publicações Política Cidadã baseada em princípios e valores 17 de julho de 2013 (subeixo) Novo Pacto de Gestão Territorial Federativo primeira versão finalizada e sob revisão da Coordenadoria de Conteúdo da Plataforma Dois artigos aprovados para apresentação no I Congresso Internacional de Net-Ativismo 6, 7 e 8 de novembro de Daniela Ades e Eduardo Alves Lazzari: Crise de Representatividade e o uso de tecnologias digitais. Link: com/2013/11/artigos-gt6.pdf Atividades transversais por eixo Relação entre Novo Pacto de Gestão Territorial Federativo e o eixo de Política Externa: - Subeixo de Cooperação e Solidariedade. Relação entre Participação Democrática e Controle Social da Gestão Pública e o eixo de Cultura e Fortalecimento da Diversidade: - Subeixo de Gestão Cultural, acesso e fomento à Cultura (Roda de Conversa de Cultura, 21/11) e Implementar a política nacional de povos e comunidades tradicionais (Roda de Conversa de Territórios Indígenas, 27/06). Mariana Bittencourt, Juliana Cassano Cibim e Stephanie Lorenz: Net-ativismo o modelo da plataforma Brasil democrático e sustentável. Link: com/2013/11/artigos-gt4.pdf

23 23 EDUCAÇÃO PARA A SOCIEDADE DO CONHECIMENTO Analítico Foi elaborado no ano de 2013 o compilado de propostas apresentado na publicação denominada Educação para a Sociedade do Conhecimento que faz parte da contribuição do IDS para a ampliação do debate com a sociedade brasileira sobre a construção do modelo de desenvolvimento sustentável baseado em valores éticos e profundamente comprometido com a democracia e a sustentabilidade. Fica claro na publicação que este horizonte será alcançado na medida em que as políticas públicas forem pensadas e aplicadas de forma transversal e integrada em todo contexto e conjuntura política, ou seja, como políticas de Estado para a efetiva qualidade de vida de todos os cidadãos brasileiros. Para promover o desenvolvimento sustentável e estabelecer uma ponte entre o Brasil do presente e do futuro, é imprescindível uma educação de qualidade, formadora de cidadãos comprometidos com uma vida social solidária e preparados para os desafios de uma sociedade cada vez mais demandante de informação e conhecimento. Neste sentido, foram apresentados no documento, ainda em fase de revisão final, 11 temas estruturadores para o debate sobre o eixo Educação para a Sociedade do Conhecimento: (1) Gestão do Sistema Educacional e Governança; (2) Equidade: Combate às desigualdades educacionais e Atenção Integrada à Primeira Infância; (3) Educação Integral; (4) Novos Conhecimentos, tecnologias e novas formas de ensinar e aprender; (5) Melhoria da qualidade da Educação Básica de modo a garantir aprendizagem a todos alunos na idade correta; (6) Letramento: as práticas de leitura e escrita nos diversos domínios da sociedade; (7) Diversidade Cultural e Valores; (8) Valorização dos profissionais da Educação; (9) Juventudes; (10) Ensino Superior. A elaboração do conteúdo do texto que compõe a Plataforma Brasil Democrático e Sustentável foi elaborado por Maria Alice Setúbal e Ana Carolina Ayres e teve como base os vídeos e transcrições produzidos a partir das Rodas de Conversa, marcos legais, documentos norteadores de políticas públicas, artigos acadêmicos e publicações de organizações-referência na área da Educação formal e não formal no Brasil. Rodas de Conversas Uma série de Rodas de Conversas foram realizadas no ano de 2010 e 2012, e tiveram como objetivo discutir os temas relacionados com Educação em diversos níveis, sendo: 1ª e 2ª Rodas de Conversa sobre Educação, no ano de 2010; Rodas de Conversa Educação para São Paulo: Uma cidade sustentável; Roda de Conversa sobre Meio Ambiente, no ano de 2012, e Roda de Conversa - Reflexões para pensar, ouvir e falar sobre Cultura de Paz, com Arun Gandhi, em parcerias As parcerias que aconteceram foram para a edição dos vídeos Educar para a Cidade, parceria IDS e Centro de Estudos e Pesquisas em Educação, Cultura e Ação Comunitária - CENPEC

24 24 ECONOMIA PARA UMA SOCIEDADE SUSTENTÁVEL Analítico Ao longo de 2013, o IDS conduziu uma série de discussões e estudos acerca da política econômica adotada pelo Brasil na atualidade e as mudanças necessárias para transição a um modelo sustentável e democrático. Internacionalmente, o ano marcou a recuperação parcial da economia de países desenvolvidos. No Brasil, por consequência, temas como o baixo crescimento econômico, a elevação do déficit em conta corrente e a escalada da inflação ganharam ainda mais importância na pauta da política econômica nacional, diante deste cenário desafiador que se desenha. Assim, o IDS realizou, em 24 de setembro de 2013, Roda de Conversa intitulada Economia Internacional: Câmbio, Juros e Competitividade, com a presença de Eduardo Giannetti, doutor em Economia pela Universidade de Cambridge, filósofo e professor do Insper, e Eliana Cardoso, Ph.D em Economia pelo Massachussets Institute of Technology MIT e ex-economista do Banco Mundial e FMI, sob mediação do associado do IDS e economista Samir Cury. O cenário apresentado pelos expositores aponta para necessidade de ajustes que aumentem a produtividade e, consequentemente, a competitividade do país no mercado externo, tais como investimentos e reforma no sistema educacional. No âmbito da política monetária, um aperto é inevitável para conter a inflação e aliviar o efeito da desvalorização cambial sobre os preços internos, devendo ser mantido o regime de câmbio flutuante. Medidas microeconômicas eventuais devem ser horizontais, isonômicas e de melhoria de ambiente de ne- gócios para todos, com alguma correção da dimensão ambiental, o que é pertinente, e favorecidas por um sistema tributário que deve ser simplificado. O ano de 2013 marcou, ainda, crises da política de campeões nacionais do BNDES, materializada pela quebra de companhias do conglomerado empresarial de Eike Batista, bem como críticas às renúncias fiscais do Governo em benefício de setores retrógrados e não sustentáveis da economia nacional. Nesta linha, o IDS realizou uma Roda de Conversa no início do ano, com a presença dos economistas André Lara Rezende e Pedro Passos como expositores, sob mediação do Professor de Economia da USP, Ricardo Abramovay, para discutir os rumos da política econômica do país. Alguns consensos que emergiram seguem a pauta da falta de reformas estruturantes para lidar com os problemas do país, a baixa competitividade da economia brasileira, impactada pela baixa qualidade da área da educação, e o esgotamento do modelo econômico vigente, que negligencia o desenvolvimento sustentável. A discussão voltou-se, então, a setores com grande potencial de indução da sustentabilidade. O IDS procurou, primeiramente, discutir o desenvolvimento do meio rural brasileiro, onde a conciliação dos interesses econômicos, sociais e ambientais têm sido particularmente difícil. A Roda de Conversa sobre Agronegócio Sustentável ocorreu em maio de 2013, e contou com a presença de Roberto Rodrigues, ex- -ministro da Agricultura, e Marcos Jank, então

LANÇAMENTO DA PLATAFORMA IDS MESA 3 DESAFIOS DO DESENVOLVIMENTO ECONÔMICO E AS RELAÇÕES INTERNACIONAIS

LANÇAMENTO DA PLATAFORMA IDS MESA 3 DESAFIOS DO DESENVOLVIMENTO ECONÔMICO E AS RELAÇÕES INTERNACIONAIS LANÇAMENTO DA PLATAFORMA IDS MESA 3 DESAFIOS DO DESENVOLVIMENTO ECONÔMICO E AS RELAÇÕES INTERNACIONAIS Local: Sala Crisantempo Data : 12/12/2014 Horário: 9h30 às 13h30 Expositores: Eduardo Viola - Professor

Leia mais

PROGRAMAÇÃO DO EVENTO

PROGRAMAÇÃO DO EVENTO PROGRAMAÇÃO DO EVENTO Dia 08/08 // 09h00 12h00 PLENÁRIA Nova economia: includente, verde e responsável Nesta plenária faremos uma ampla abordagem dos temas que serão discutidos ao longo de toda a conferência.

Leia mais

introdução Trecho final da Carta da Terra 1. O projeto contou com a colaboração da Rede Nossa São Paulo e Instituto de Fomento à Tecnologia do

introdução Trecho final da Carta da Terra 1. O projeto contou com a colaboração da Rede Nossa São Paulo e Instituto de Fomento à Tecnologia do sumário Introdução 9 Educação e sustentabilidade 12 Afinal, o que é sustentabilidade? 13 Práticas educativas 28 Conexões culturais e saberes populares 36 Almanaque 39 Diálogos com o território 42 Conhecimentos

Leia mais

Reforma do Sistema Político

Reforma do Sistema Político Reforma do Sistema Político Texto preparatório e questões norteadoras Data: 17/07/2013 Local: Centro de Estudos Helênicos, Areté. Roda de Conversa: Reforma do Sistema Político Data: 17.07.2013 Espaço Areté

Leia mais

Escola de Políticas Públicas

Escola de Políticas Públicas Escola de Políticas Públicas Política pública na prática A construção de políticas públicas tem desafios em todas as suas etapas. Para resolver essas situações do dia a dia, é necessário ter conhecimentos

Leia mais

LANÇAMENTO PLATAFORMA IDS MESA 2 DESAFIOS PARA A DEFESA DA VIDA E DO BEM-ESTAR DO CIDADÃO

LANÇAMENTO PLATAFORMA IDS MESA 2 DESAFIOS PARA A DEFESA DA VIDA E DO BEM-ESTAR DO CIDADÃO LANÇAMENTO PLATAFORMA IDS MESA 2 DESAFIOS PARA A DEFESA DA VIDA E DO BEM-ESTAR DO CIDADÃO Local: Sala Crisantempo Data : 12/12/2014 Horário: 9h30 às 13h30 Expositores: Ricardo Paes de Barros - Subsecretário

Leia mais

SOMOS TOD@S UFRB. Síntese da Proposta de Trabalho

SOMOS TOD@S UFRB. Síntese da Proposta de Trabalho SOMOS TOD@S UFRB Síntese da Proposta de Trabalho Chapa SOMOS TOD@S UFRB Reitor: Silvio Soglia Vice-Reitora: Georgina Gonçalves "Aquele que quer aprender a voar um dia precisa primeiro aprender a ficar

Leia mais

Mestrados Profissionais em Segurança Pública. Documento do Workshop Mestrado Profissional em Segurança Pública e Justiça Criminal

Mestrados Profissionais em Segurança Pública. Documento do Workshop Mestrado Profissional em Segurança Pública e Justiça Criminal I- Introdução Mestrados Profissionais em Segurança Pública Documento do Workshop Mestrado Profissional em Segurança Pública e Justiça Criminal Este documento relata as apresentações, debates e conclusões

Leia mais

PROGRAMA DE EDUCAÇÃO AMBIENTAL

PROGRAMA DE EDUCAÇÃO AMBIENTAL Prefeitura Municipal de Cachoeiro de Itapemirim - ES PROGRAMA DE EDUCAÇÃO AMBIENTAL Introdução O Programa Municipal de Educação Ambiental estabelece diretrizes, objetivos, potenciais participantes, linhas

Leia mais

Rede de Responsabilidade Social Empresarial pela Sustentabilidade

Rede de Responsabilidade Social Empresarial pela Sustentabilidade Rede de Responsabilidade Social Empresarial pela Sustentabilidade Existe a compreensão evidente por parte das lideranças empresariais, agentes de mercado e outros formadores de opinião do setor privado

Leia mais

PROTEÇÃO INTEGRAL EM REDES SOCIAIS

PROTEÇÃO INTEGRAL EM REDES SOCIAIS PROTEÇÃO INTEGRAL EM REDES SOCIAIS ENCONTRO DE GRUPOS REGIONAIS DE ARTICULAÇÃO- ABRIGOS - SÃO PAULO O QUE É UMA REDE DE PROTEÇÃO SOCIAL? sistemas organizacionais capazes de reunir indivíduos e instituições,

Leia mais

TEXTO BASE PARA UM POLÍTICA NACIONAL NO ÂMBITO DA EDUCAÇÃO PATRIMONIAL

TEXTO BASE PARA UM POLÍTICA NACIONAL NO ÂMBITO DA EDUCAÇÃO PATRIMONIAL TEXTO BASE PARA UM POLÍTICA NACIONAL NO ÂMBITO DA EDUCAÇÃO PATRIMONIAL Eixos Temáticos, Diretrizes e Ações Documento final do II Encontro Nacional de Educação Patrimonial (Ouro Preto - MG, 17 a 21 de julho

Leia mais

Política de Sustentabilidade das empresas Eletrobras

Política de Sustentabilidade das empresas Eletrobras Política de Sustentabilidade das empresas Eletrobras 1. DECLARAÇÃO Nós, das empresas Eletrobras, comprometemo-nos a contribuir efetivamente para o desenvolvimento sustentável, das áreas onde atuamos e

Leia mais

Fórum do CB27 em Natal Medidas para a redução do efeito estufa

Fórum do CB27 em Natal Medidas para a redução do efeito estufa 11 Fórum do CB27 em Natal Medidas para a redução do efeito estufa Alex Régis Ana Lúcia Araújo Assessora de Comunicação da SEMURB Considerado um dos mais participativos, desde a sua criação, o VI Encontro

Leia mais

Planejamento Estratégico PLANEJAMENTO ESTRATÉGICO. Formação dos grupos de trabalho e Detalhamento das estratégias do Plano de Ação Julho 2014

Planejamento Estratégico PLANEJAMENTO ESTRATÉGICO. Formação dos grupos de trabalho e Detalhamento das estratégias do Plano de Ação Julho 2014 Planejamento Estratégico PLANEJAMENTO ESTRATÉGICO Formação dos grupos de trabalho e Detalhamento das estratégias do Plano de Ação Julho 2014 Grupos de trabalho: formação Objetivo: elaborar atividades e

Leia mais

CARTA DO COMITÊ BRASILEIRO DE DEFENSORAS/ES DOS DIREITOS HUMANOS À MINISTRA DA SECRETARIA DOS DIREITOS HUMANOS DA PRESIDÊNCIA DA REPÚBLICA

CARTA DO COMITÊ BRASILEIRO DE DEFENSORAS/ES DOS DIREITOS HUMANOS À MINISTRA DA SECRETARIA DOS DIREITOS HUMANOS DA PRESIDÊNCIA DA REPÚBLICA CARTA DO COMITÊ BRASILEIRO DE DEFENSORAS/ES DOS DIREITOS HUMANOS À MINISTRA DA SECRETARIA DOS DIREITOS HUMANOS DA PRESIDÊNCIA DA REPÚBLICA Brasília,12 de Dezembro de 2012. O Comitê Brasileiro de Defensoras/es

Leia mais

FÓRUM DAS ESTATAIS PELA EDUCAÇÃO Diálogo para a Cidadania e Inclusão

FÓRUM DAS ESTATAIS PELA EDUCAÇÃO Diálogo para a Cidadania e Inclusão FÓRUM DAS ESTATAIS PELA EDUCAÇÃO Diálogo para a Cidadania e Inclusão 1. OBJETIVO DO FÓRUM O Fórum das Estatais pela Educação tem a coordenação geral do Ministro Chefe da Casa Civil, com a coordenação executiva

Leia mais

Princípios ref. texto nº de votos N

Princípios ref. texto nº de votos N Princípios N G A E Estimular os processos de articulação de políticas públicas nos territórios, garantindo canais de diálogo entre os entes federativos, suas instituições e a sociedade civil. Desenvolvimento

Leia mais

SERVIÇO PÚBLICO FEDERAL MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO UNIVERSIDADE FEDERAL DO RIO GRANDE SECRETARIA EXECUTIVA DOS CONSELHOS

SERVIÇO PÚBLICO FEDERAL MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO UNIVERSIDADE FEDERAL DO RIO GRANDE SECRETARIA EXECUTIVA DOS CONSELHOS SERVIÇO PÚBLICO FEDERAL MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO UNIVERSIDADE FEDERAL DO RIO GRANDE SECRETARIA EXECUTIVA DOS CONSELHOS RESOLUÇÃO Nº xx/xxxx CONSELHO UNIVERSITÁRIO EM dd de mês de aaaa Dispõe sobre a criação

Leia mais

VERSÃO APROVADA Tradução de cortesia ANEXO 4

VERSÃO APROVADA Tradução de cortesia ANEXO 4 ANEXO 4 RELATÓRIO PRELIMINAR DO CEED AO CONSELHO DE DEFESA SUL- AMERICANO SOBRE OS TERMOS DE REFERÊNCIA PARA OS CONCEITOS DE SEGURANÇA E DEFESA NA REGIÃO SUL- AMERICANA O é uma instância de conhecimento

Leia mais

Participação Social como Método de Governo. Secretaria-Geral da Presidência da República

Participação Social como Método de Governo. Secretaria-Geral da Presidência da República Participação Social como Método de Governo Secretaria-Geral da Presidência da República ... é importante lembrar que o destino de um país não se resume à ação de seu governo. Ele é o resultado do trabalho

Leia mais

Brasil em Ação (Investimentos Básicos para o Desenvolvimento)

Brasil em Ação (Investimentos Básicos para o Desenvolvimento) Brasil em Ação (Investimentos Básicos para o Desenvolvimento) Nos dois últimos anos, vimos construindo as bases de um crescimento sustentável e socialmente benéfico para a grande maioria dos brasileiros.

Leia mais

ONG BRASI O DIÁLOGO ABRE CAMINHOS PARA O DESENVOLVIMENTO. Marco Regulatório das Organizações da Sociedade Civil

ONG BRASI O DIÁLOGO ABRE CAMINHOS PARA O DESENVOLVIMENTO. Marco Regulatório das Organizações da Sociedade Civil ONG BRASI 2012 O DIÁLOGO ABRE CAMINHOS PARA O DESENVOLVIMENTO Marco Regulatório das Organizações da Sociedade Civil Marco Regulatório das Organizações da Sociedade Civil Dezembro de 2013 3 EXPEDIENTE Presidenta

Leia mais

Desenvolvimento e Desigualdades: cenários e perspectivas para a saúde no mundo

Desenvolvimento e Desigualdades: cenários e perspectivas para a saúde no mundo Ciclo de Debates sobre Bioética, Diplomacia e Saúde Pública Desenvolvimento e Desigualdades: cenários e perspectivas para a saúde no mundo Samira Santana de Almeida 1 RELATÓRIO 1. Apresentação O presente

Leia mais

BRICS Brasil, Rússia, Índia, China e África do Sul

BRICS Brasil, Rússia, Índia, China e África do Sul MECANISMOS INTER-REGIONAIS BRICS Brasil, Rússia, Índia, China e África do Sul O que faz o BRICS? Desde a sua criação, o BRICS tem expandido suas atividades em duas principais vertentes: (i) a coordenação

Leia mais

LEI Nº 4.791 DE 2 DE ABRIL DE

LEI Nº 4.791 DE 2 DE ABRIL DE Lei nº 4791/2008 Data da Lei 02/04/2008 O Presidente da Câmara Municipal do Rio de Janeiro nos termos do art. 79, 7º, da Lei Orgânica do Município do Rio de Janeiro, de 5 de abril de 1990, não exercida

Leia mais

POLÍTICA DE SUSTENTABILIDADE

POLÍTICA DE SUSTENTABILIDADE POLÍTICA DE SUSTENTABILIDADE 1. OBJETIVO E ABRANGÊNCIA Esta Política tem como objetivos: Apresentar de forma transparente os princípios e as diretrizes de sustentabilidade que permeiam a estratégia e direcionam

Leia mais

o pensar e fazer educação em saúde 12

o pensar e fazer educação em saúde 12 SUMÁRIO l' Carta às educadoras e aos educadores.................5 Que história é essa de saúde na escola................ 6 Uma outra realidade é possível....... 7 Uma escola comprometida com a realidade...

Leia mais

GRATUITO CURSO COMPLETO DO SUS 17 AULAS 500 QUESTÕES COMENTADAS. Professor Rômulo Passos Aula 08

GRATUITO CURSO COMPLETO DO SUS 17 AULAS 500 QUESTÕES COMENTADAS. Professor Rômulo Passos Aula 08 1 www.romulopassos.com.br / www.questoesnasaude.com.br GRATUITO CURSO COMPLETO DO SUS 17 AULAS 500 QUESTÕES COMENTADAS Professor Rômulo Passos Aula 08 Legislação do SUS Completo e Gratuito Página 1 2 www.romulopassos.com.br

Leia mais

Documento referencial: uma contribuição para o debate

Documento referencial: uma contribuição para o debate Documento referencial: uma contribuição para o debate desenvolvimento integração sustentável participação fronteiriça cidadã 1. Propósito do documento O presente documento busca estabelecer as bases para

Leia mais

Gestão e Sustentabilidade das Organizações da Sociedade Civil. Alfredo dos Santos Junior Instituto GESC

Gestão e Sustentabilidade das Organizações da Sociedade Civil. Alfredo dos Santos Junior Instituto GESC Gestão e Sustentabilidade das Organizações da Sociedade Civil Alfredo dos Santos Junior Instituto GESC QUEM SOMOS? INSTITUTO GESC - IGESC Fundação da AMBA, pelos alunos do primeiro curso de MBA. Serviços

Leia mais

Planejamento Estratégico PLANEJAMENTO ESTRATÉGICO. Histórico de elaboração Julho 2014

Planejamento Estratégico PLANEJAMENTO ESTRATÉGICO. Histórico de elaboração Julho 2014 Planejamento Estratégico PLANEJAMENTO ESTRATÉGICO Histórico de elaboração Julho 2014 Motivações Boa prática de gestão Orientação para objetivos da Direção Executiva Adaptação à mudança de cenários na sociedade

Leia mais

POLÍTICAS DE GESTÃO PROCESSO DE SUSTENTABILIDADE

POLÍTICAS DE GESTÃO PROCESSO DE SUSTENTABILIDADE POLÍTICAS DE GESTÃO PROCESSO DE SUSTENTABILIDADE 1) OBJETIVOS - Apresentar de forma transparente as diretrizes de sustentabilidade que permeiam a estratégia e a gestão; - Fomentar e apoiar internamente

Leia mais

Especialização em Gestão Estratégica de Projetos Sociais

Especialização em Gestão Estratégica de Projetos Sociais Especialização em Gestão Estratégica de Apresentação CAMPUS COMÉRCIO Inscrições Abertas Turma 02 --> Início Confirmado: 07/06/2013 últimas vagas até o dia: 05/07/2013 O curso de Especialização em Gestão

Leia mais

ILUMINADO DE AMARELO PROPOSTA DO FÓRUM PARANAENSE, INCORPORADA NA DISCUSSÃO DO FÓRUM EJA/RJ DE 17/6/2013

ILUMINADO DE AMARELO PROPOSTA DO FÓRUM PARANAENSE, INCORPORADA NA DISCUSSÃO DO FÓRUM EJA/RJ DE 17/6/2013 LEGENDA: EM VERMELHO O QUE INCLUÍMOS NO FÓRUM EJA / RJ DE 17/6/2013 ILUMINADO DE AMARELO PROPOSTA DO FÓRUM PARANAENSE, INCORPORADA NA DISCUSSÃO DO FÓRUM EJA/RJ DE 17/6/2013 ILUMINADO DE VERDE PROPOSTA

Leia mais

Instituto Ethos. de Empresas e Responsabilidade Social. Emilio Martos Gerente Executivo de Relacionamento Empresarial

Instituto Ethos. de Empresas e Responsabilidade Social. Emilio Martos Gerente Executivo de Relacionamento Empresarial Instituto Ethos de Empresas e Responsabilidade Social Emilio Martos Gerente Executivo de Relacionamento Empresarial Missão do Instituto Ethos Mobilizar, sensibilizar e ajudar as empresas a gerir seus negócios

Leia mais

POLÍTICA DE SEGURANÇA, MEIO AMBIENTE E SAÚDE - SMS. Versão Data Histórico Aprovação 00 20/10/09 Emissão de documento Aldo Guedes

POLÍTICA DE SEGURANÇA, MEIO AMBIENTE E SAÚDE - SMS. Versão Data Histórico Aprovação 00 20/10/09 Emissão de documento Aldo Guedes POLÍTICA DE SEGURANÇA, MEIO AMBIENTE E SAÚDE - SMS. Elaboração Luiz Guilherme D CQSMS 10 00 Versão Data Histórico Aprovação 00 20/10/09 Emissão de documento Aldo Guedes Avaliação da Necessidade de Treinamento

Leia mais

UNIDADE II METODOLOGIA DO FORMAÇÃO PELA ESCOLA

UNIDADE II METODOLOGIA DO FORMAÇÃO PELA ESCOLA UNIDADE II METODOLOGIA DO FORMAÇÃO PELA ESCOLA Quando focalizamos o termo a distância, a característica da não presencialidade dos sujeitos, num mesmo espaço físico e ao mesmo tempo, coloca se como um

Leia mais

Plataforma por uma Economia Inclusiva, Verde e Responsável

Plataforma por uma Economia Inclusiva, Verde e Responsável 2 Plataforma por uma Economia Inclusiva, Verde e Responsável Fevereiro de 2011 1 2 Plataforma por uma Economia Inclusiva, Verde e Responsável 1Apresentação Esta plataforma expressa a visão e os objetivos

Leia mais

FÓRUM MUNDIAL DE DIREITOS HUMANOS. Data: 10 a 13 de Dezembro de 2013 Local: Brasília

FÓRUM MUNDIAL DE DIREITOS HUMANOS. Data: 10 a 13 de Dezembro de 2013 Local: Brasília FÓRUM MUNDIAL DE DIREITOS HUMANOS Data: 10 a 13 de Dezembro de 2013 Local: Brasília Nome do Evento: Fórum Mundial de Direitos Humanos Tema central: Diálogo e Respeito às Diferenças Objetivo: Promover um

Leia mais

Anexo PROPOSTA DOCUMENTO BASE. Versão Consulta Pública SISTEMA NACIONAL DE PROMOÇÃO DA IGUALDADE RACIAL - SINAPIR

Anexo PROPOSTA DOCUMENTO BASE. Versão Consulta Pública SISTEMA NACIONAL DE PROMOÇÃO DA IGUALDADE RACIAL - SINAPIR 1 Anexo PROPOSTA DOCUMENTO BASE Versão Consulta Pública SISTEMA NACIONAL DE PROMOÇÃO DA IGUALDADE RACIAL - SINAPIR A Definição e organização do sistema: 1 O Sistema Nacional de Promoção da Igualdade Racial

Leia mais

Carta-Compromisso pela. Garantia do Direito à Educação de Qualidade. Uma convocação aos futuros governantes e parlamentares do Brasil

Carta-Compromisso pela. Garantia do Direito à Educação de Qualidade. Uma convocação aos futuros governantes e parlamentares do Brasil 1 Carta-Compromisso pela Garantia do Direito à Educação de Qualidade Uma convocação aos futuros governantes e parlamentares do Brasil Para consagrar o Estado Democrático de Direito, implantado pela Constituição

Leia mais

TERMO DE REFERÊNCIA (TR) GAUD 4.6.8 01 VAGA

TERMO DE REFERÊNCIA (TR) GAUD 4.6.8 01 VAGA INSTITUTO INTERAMERICANO DE COOPERAÇÃO PARA A AGRICULTURA TERMO DE REFERÊNCIA (TR) GAUD 4.6.8 01 VAGA 1 IDENTIFICAÇÃO DA CONSULTORIA Contratação de consultoria pessoa física para serviços de preparação

Leia mais

PROJETO SEMANA CULTURA VIVA 10 ANOS DE CIDADANIA E DIVERSIDADE CULTURAL

PROJETO SEMANA CULTURA VIVA 10 ANOS DE CIDADANIA E DIVERSIDADE CULTURAL MINISTÉRIO DA CULTURA SECRETARIA DA CIDADANIA E DA DIVERSIDADE CULTURAL PROJETO SEMANA CULTURA VIVA 10 ANOS DE CIDADANIA E DIVERSIDADE CULTURAL Brasília, Novembro de 2014. APRESENTAÇÃO A primeira Semana

Leia mais

PANORAMA EMPRESARIAL DO TURISMO RURAL BRASILEIRO 2010 TENDÊNCIAS E OPORTUNIDADES

PANORAMA EMPRESARIAL DO TURISMO RURAL BRASILEIRO 2010 TENDÊNCIAS E OPORTUNIDADES PANORAMA EMPRESARIAL DO TURISMO RURAL BRASILEIRO 2010 TENDÊNCIAS E OPORTUNIDADES Organizador Patrocínio Apoio PANORAMA EMPRESARIAL DO TURISMO RURAL BRASILEIRO 2010 O Turismo é uma das maiores fontes de

Leia mais

V Encontro das Agências no Brasil 18 e 19 de março de 2001. Mudanças na Cultura de Gestão

V Encontro das Agências no Brasil 18 e 19 de março de 2001. Mudanças na Cultura de Gestão 1 V Encontro das Agências no Brasil 18 e 19 de março de 2001. Painel: Desenvolvimento Institucional Mudanças na Cultura de Gestão Roteiro: 1. Perfil das organizações do PAD. 2. Desenvolvimento Institucional:

Leia mais

Síntese da POLÍTICA DE DESENVOLVIMENTO DO BRASIL RURAL

Síntese da POLÍTICA DE DESENVOLVIMENTO DO BRASIL RURAL Síntese da POLÍTICA DE DESENVOLVIMENTO DO BRASIL RURAL Apresenta à sociedade brasileira um conjunto de estratégias e ações capazes de contribuir para a afirmação de um novo papel para o rural na estratégia

Leia mais

MINISTÉRIO DO MEIO AMBIENTE SECRETARIA EXECUTIVA DEPARTAMENTO DE POLÍTICAS PARA O COMBATE AO DESMATAMENTO

MINISTÉRIO DO MEIO AMBIENTE SECRETARIA EXECUTIVA DEPARTAMENTO DE POLÍTICAS PARA O COMBATE AO DESMATAMENTO MINISTÉRIO DO MEIO AMBIENTE SECRETARIA EXECUTIVA DEPARTAMENTO DE POLÍTICAS PARA O COMBATE AO DESMATAMENTO Resposta ao Observatório do Clima sobre suas considerações ao Sumário de informações sobre como

Leia mais

Apresentação Plano de Integridade Institucional da Controladoria-Geral da União (PII)

Apresentação Plano de Integridade Institucional da Controladoria-Geral da União (PII) PRESIDÊNCIA DA REPÚBLICA CONTROLADORIA-GERAL DA UNIÃO Secretaria-Executiva Diretoria de Planejamento e Desenvolvimento Institucional Plano de Integridade Institucional (PII) 2012-2015 Apresentação Como

Leia mais

Política de Sustentabilidade das Empresas Eletrobras

Política de Sustentabilidade das Empresas Eletrobras Política de Sustentabilidade das Empresas Eletrobras Setembro de 2010 Política de Sustentabilidade das Empresas Eletrobras DECLARAÇÃO Nós, das empresas Eletrobras, comprometemo-nos a contribuir efetivamente

Leia mais

Contextos da Educação Ambiental frente aos desafios impostos. Núcleo de Educação Ambiental Instituto de Pesquisas Jardim Botânico do Rio de Janeiro

Contextos da Educação Ambiental frente aos desafios impostos. Núcleo de Educação Ambiental Instituto de Pesquisas Jardim Botânico do Rio de Janeiro Contextos da Educação Ambiental frente aos desafios impostos pelas mudanças climáticas Maria Teresa de Jesus Gouveia Núcleo de Educação Ambiental Instituto de Pesquisas Jardim Botânico do Rio de Janeiro

Leia mais

DIRETRIZES GERAIS PARA ELABORAÇÃO DE UM PLANO DE GOVERNO

DIRETRIZES GERAIS PARA ELABORAÇÃO DE UM PLANO DE GOVERNO DIRETRIZES GERAIS PARA ELABORAÇÃO DE UM PLANO DE GOVERNO POR UM CEARÁ MELHOR PRA TODOS A COLIGAÇÃO POR UM CEARA MELHOR PRA TODOS, com o objetivo de atender à Legislação Eleitoral e de expressar os compromissos

Leia mais

V Encontro Nacional de Fortalecimento dos Conselhos Escolares

V Encontro Nacional de Fortalecimento dos Conselhos Escolares V Encontro Nacional de Fortalecimento dos Conselhos Escolares Programa Nacional de Fortalecimento dos Conselhos Escolares: uma política de apoio à gestão educacional Clélia Mara Santos Coordenadora-Geral

Leia mais

ENCONTRO DE MINISTROS DA AGRICULTURA DAS AMÉRICAS 2011 Semeando inovação para colher prosperidade

ENCONTRO DE MINISTROS DA AGRICULTURA DAS AMÉRICAS 2011 Semeando inovação para colher prosperidade ENCONTRO DE MINISTROS DA AGRICULTURA DAS AMÉRICAS 2011 Semeando inovação para colher prosperidade DECLARAÇÃO DOS MINISTROS DA AGRICULTURA, SÃO JOSÉ 2011 1. Nós, os Ministros e os Secretários de Agricultura

Leia mais

DIÁLOGOS PARA A SUPERAÇÃO DA POBREZA

DIÁLOGOS PARA A SUPERAÇÃO DA POBREZA PARTE III DIÁLOGOS PARA A SUPERAÇÃO DA POBREZA Gilberto Carvalho Crescer distribuindo renda, reduzindo desigualdades e promovendo a inclusão social. Esse foi o desafio assumido pela presidente Dilma Rousseff

Leia mais

DOS OBJETIVOS DE DESENVOLVIMENTO DO MILÊNIO (ODM) PARA OS OBJETIVOS DE DESENVOLVIMENTO SUSTENTÁVEL (ODS)

DOS OBJETIVOS DE DESENVOLVIMENTO DO MILÊNIO (ODM) PARA OS OBJETIVOS DE DESENVOLVIMENTO SUSTENTÁVEL (ODS) DOS OBJETIVOS DE DESENVOLVIMENTO DO MILÊNIO (ODM) PARA OS OBJETIVOS DE DESENVOLVIMENTO SUSTENTÁVEL (ODS) INTRODUÇÃO A Organização das Nações Unidas (ONU) está conduzindo um amplo debate entre governos

Leia mais

ANEXO IV PROPOSTAS APROVADAS NA CONFERÊNCIA ESTADUAL. Eixo MOBILIZAÇÃO IMPLEMENTAÇÃO MONITORAMENTO

ANEXO IV PROPOSTAS APROVADAS NA CONFERÊNCIA ESTADUAL. Eixo MOBILIZAÇÃO IMPLEMENTAÇÃO MONITORAMENTO PROPOSTAS APROVADAS NA CONFERÊNCIA ESTADUAL ANEXO IV Eixo MOBILIZAÇÃO IMPLEMENTAÇÃO MONITORAMENTO 1-Promoção dos Direitos de Crianças e Adolescentes Buscar apoio das esferas de governo (Federal e Estadual)

Leia mais

Política Ambiental das Empresas Eletrobras

Política Ambiental das Empresas Eletrobras Política Ambiental das Empresas Eletrobras Versão 2.0 16/05/2013 Sumário 1 Objetivo... 3 2 Princípios... 3 3 Diretrizes... 3 3.1 Diretrizes Gerais... 3 3.1.1 Articulação Interna... 3 3.1.2 Articulação

Leia mais

Associação sem fins lucrativos, fundada em 1998, por um grupo de 11 empresários; 1475 associados: empresas de diferentes setores e portes.

Associação sem fins lucrativos, fundada em 1998, por um grupo de 11 empresários; 1475 associados: empresas de diferentes setores e portes. Instituto Ethos Associação sem fins lucrativos, fundada em 1998, por um grupo de 11 empresários; 1475 associados: empresas de diferentes setores e portes. MISSÃO: Mobilizar, sensibilizar e ajudar as empresas

Leia mais

O Dia D. 12º Prêmio Destaque em Comunicação SINEPE. e a culturalização de um. posicionamento estratégico

O Dia D. 12º Prêmio Destaque em Comunicação SINEPE. e a culturalização de um. posicionamento estratégico O Dia D e a culturalização de um posicionamento estratégico 12º Prêmio Destaque em Comunicação SINEPE Centro Universitário Franciscano uma universidade para suas aspirações Santa Maria é um polo educacional

Leia mais

TRANSVERSALIDADE. 1 Educação Ambiental

TRANSVERSALIDADE. 1 Educação Ambiental TRANSVERSALIDADE Os temas transversais contribuem para formação humanística, compreensão das relações sociais, através de situações de aprendizagens que envolvem a experiência do/a estudante, temas da

Leia mais

Arqueologia em construção

Arqueologia em construção Carta produzida pelo Grupo de Trabalho Arqueologia de Contrato Coletivo de estudantes do PPGARQ- MAE-USP Arqueologia em construção A Semana de Arqueologia tem como objetivos o debate, a troca de informações

Leia mais

Plataforma Ambiental para o Brasil

Plataforma Ambiental para o Brasil Plataforma Ambiental para o Brasil A Plataforma Ambiental para o Brasil é uma iniciativa da Fundação SOS Mata Atlântica e traz os princípios básicos e alguns dos temas que deverão ser enfrentados na próxima

Leia mais

MEIO AMBIENTE E SUSTENTABILIDADE

MEIO AMBIENTE E SUSTENTABILIDADE MEIO AMBIENTE E SUSTENTABILIDADE Sustentabilidade significa permanecer vivo. Somos mais de 7 bilhões de habitantes e chegaremos a 9 bilhões em 2050, segundo a ONU. O ambiente tem limites e é preciso fazer

Leia mais

Promover um ambiente de trabalho inclusivo que ofereça igualdade de oportunidades;

Promover um ambiente de trabalho inclusivo que ofereça igualdade de oportunidades; POLÍTICA DE SUSTENTABILIDADE OBJETIVO Esta Política tem como objetivos: - Apresentar as diretrizes de sustentabilidade que permeiam a estratégia e a gestão; - Fomentar e apoiar internamente as inovações

Leia mais

Ensino Vocacional, Técnico e Tecnológico no Reino Unido

Ensino Vocacional, Técnico e Tecnológico no Reino Unido Ensino Vocacional, Técnico e Tecnológico no Reino Unido Apoiar a empregabilidade pela melhora da qualidade do ensino profissionalizante UK Skills Seminar Series 2014 15 British Council UK Skills Seminar

Leia mais

A preparação do Brasil para a Conferência Rio+20 Sugestões para contribuições

A preparação do Brasil para a Conferência Rio+20 Sugestões para contribuições A preparação do Brasil para a Conferência Rio+20 Sugestões para contribuições I. Informações preliminares sobre a Conferência das Nações Unidas sobre Desenvolvimento Sustentável ( Rio+20 ) De 28 de maio

Leia mais

O PAPEL DO GESTOR COMO MULTIPLICADOR

O PAPEL DO GESTOR COMO MULTIPLICADOR Programa de Capacitação PAPEL D GESTR CM MULTIPLICADR Brasília 12 de maio de 2011 Graciela Hopstein ghopstein@yahoo.com.br Qual o conceito de multiplicador? Quais são as idéias associadas a esse conceito?

Leia mais

4. CURSO DE EDUCAÇÃO NA DIVERSIDADE E CIDADANIA. 4.1. Apresentação

4. CURSO DE EDUCAÇÃO NA DIVERSIDADE E CIDADANIA. 4.1. Apresentação 4. CURSO DE EDUCAÇÃO NA DIVERSIDADE E CIDADANIA 4.1. Apresentação O Curso de Educação na Diversidade e Cidadania é um curso de formação continuada de professores de educação básica, com carga horária de

Leia mais

DIRETRIZES DE FUNCIONAMENTO DO MOVIMENTO NACIONAL PELA CIDADANIA E SOLIDARIEDADE/ NÓS PODEMOS

DIRETRIZES DE FUNCIONAMENTO DO MOVIMENTO NACIONAL PELA CIDADANIA E SOLIDARIEDADE/ NÓS PODEMOS 1 DIRETRIZES DE FUNCIONAMENTO DO MOVIMENTO NACIONAL PELA CIDADANIA E SOLIDARIEDADE/ NÓS PODEMOS DISPOSIÇÕES PRELIMINARES E OBJETIVO DO MOVIMENTO 2 Artigo 1º O Movimento Nacional pela Cidadania e Solidariedade/Nós

Leia mais

A Construção de Categorias e Indicadores para Avaliação Institucional de Cursos, Projetos e Atividades de Extensão Universitária

A Construção de Categorias e Indicadores para Avaliação Institucional de Cursos, Projetos e Atividades de Extensão Universitária Anais do 2º Congresso Brasileiro de Extensão Universitária Belo Horizonte 12 a 15 de setembro de 2004 A Construção de Categorias e Indicadores para Avaliação Institucional de Cursos, Projetos e Atividades

Leia mais

RESPONSABILIDADE SOCIAL: a solidariedade humana para o desenvolvimento local

RESPONSABILIDADE SOCIAL: a solidariedade humana para o desenvolvimento local RESPONSABILIDADE SOCIAL: a solidariedade humana para o desenvolvimento local 1 Por: Evandro Prestes Guerreiro 1 A questão da Responsabilidade Social se tornou o ponto de partida para o estabelecimento

Leia mais

III CONGRESSO DE EDUCAÇÃO CATÓLICA DA ANEC

III CONGRESSO DE EDUCAÇÃO CATÓLICA DA ANEC III CONGRESSO DE EDUCAÇÃO CATÓLICA DA ANEC GRUPOS DE TRABALHO EIXO 01 ENSINO RELIGIOSO, PASTORAL E RESPONSABILIDADE SOCIAL GT: ENSINO RELIGIOSO NA ESCOLA CATÓLICA Ementa: A identidade do ensino religioso

Leia mais

Catálogo do Curso de Especialização em Educação Ambiental com Ênfase em Espaços Educadores Sustentáveis

Catálogo do Curso de Especialização em Educação Ambiental com Ênfase em Espaços Educadores Sustentáveis Catálogo do Curso de Especialização em Educação Ambiental com Ênfase em Espaços Educadores Sustentáveis 1. Dados Gerais 1. Área Temática: Educação Ambiental 2. Nome do curso: Educação Ambiental com Ênfase

Leia mais

Estratégia Nacional de Educação para o Desenvolvimento. (2010-2015) ENED Plano de Acção

Estratégia Nacional de Educação para o Desenvolvimento. (2010-2015) ENED Plano de Acção Estratégia Nacional de Educação para o Desenvolvimento (2010-2015) ENED Plano de Acção Estratégia Nacional de Educação para o Desenvolvimento (2010-2015) ENED Plano de Acção 02 Estratégia Nacional de

Leia mais

DIRETRIZES DO FUNCIONAMENTO DO MOVIMENTO NACIONAL PELA CIDADANIA E SOLIDARIEDADE/NÓS PODEMOS. (aprovada em 2010 e 1ª revisão em agosto de 2012)

DIRETRIZES DO FUNCIONAMENTO DO MOVIMENTO NACIONAL PELA CIDADANIA E SOLIDARIEDADE/NÓS PODEMOS. (aprovada em 2010 e 1ª revisão em agosto de 2012) DIRETRIZES DO FUNCIONAMENTO DO MOVIMENTO NACIONAL PELA CIDADANIA E SOLIDARIEDADE/NÓS PODEMOS (aprovada em 2010 e 1ª revisão em agosto de 2012) Artigo 1º O Movimento Nacional pela Cidadania e Solidariedade/Nós

Leia mais

CRONOGRAMA DE IMPLEMENTAÇÃO DO PDI

CRONOGRAMA DE IMPLEMENTAÇÃO DO PDI CRONOGRAMA DE IMPLEMENTAÇÃO DO PDI A implementação do Plano de Desenvolvimento Institucional, envolve além dos objetivos e metas já descritos, o estabelecimento de indicadores, como forma de se fazer o

Leia mais

Formação de Recursos Humanos na área de fármacos e medicamentos

Formação de Recursos Humanos na área de fármacos e medicamentos Formação de Recursos Humanos na área de fármacos e medicamentos A formação em Farmácia Seminário do BNDES 7 de maio de 2003 Por que RH para Fármacos e Medicamentos? Fármacos e Medicamentos como campo estratégico

Leia mais

CONSULTORIA PARA SISTEMATIZAÇÃO E ELABORAÇÃO DE TEXTO DE BOA PRÁTICA NA PRODUÇÃO DE ALGODÃO PELA AGRICULTURA FAMILIAR NA PARAÍBA, BRASIL

CONSULTORIA PARA SISTEMATIZAÇÃO E ELABORAÇÃO DE TEXTO DE BOA PRÁTICA NA PRODUÇÃO DE ALGODÃO PELA AGRICULTURA FAMILIAR NA PARAÍBA, BRASIL Projeto GCP/RLA/199/BRA: Fortalecimento do Setor Algodoeiro por meio da Cooperação Sul-Sul Termos de Referência: ESPECIALISTA EM SISTEMATIZAÇÃO DE EXPERIÊNCIAS (01 Consultor/a): CONSULTORIA PARA SISTEMATIZAÇÃO

Leia mais

Política de Responsabilidade Socioambiental

Política de Responsabilidade Socioambiental Política de Responsabilidade Socioambiental SUMÁRIO 1 INTRODUÇÃO... 3 2 OBJETIVO... 3 3 DETALHAMENTO... 3 3.1 Definições... 3 3.2 Envolvimento de partes interessadas... 4 3.3 Conformidade com a Legislação

Leia mais

O BRASIL SEM MISÉRIA APRESENTAÇÃO

O BRASIL SEM MISÉRIA APRESENTAÇÃO APRESENTAÇÃO O BRASIL SEM MISÉRIA O Ministério do Desenvolvimento Social e Combate à Fome decidiu organizar este livro por vários motivos. Um deles é evitar que o histórico da construção do Plano Brasil

Leia mais

Observatórios Socioambientais

Observatórios Socioambientais Observatórios Socioambientais Angelo José Rodrigues Lima Programa Água para a Vida Superintendência de Conservação WWF Brasil Uberlândia, 18 de setembro de 2014 Missão do WWF-Brasil Contribuir para que

Leia mais

PNDH - 3 DECRETO Nº 7.037, DE 21 DE DEZEMBRO DE

PNDH - 3 DECRETO Nº 7.037, DE 21 DE DEZEMBRO DE CURSO NEON PNDH - 3 DECRETO Nº 7.037, DE 21 DE DEZEMBRO DE 2009. Profª Andréa Azevêdo Disciplina: DIREITOS HUMANOS E PARTICIPAÇÃO SOCIAL ANDRÉA AZEVÊDO Professora. e-mail: professoraandreaazevedo@yahoo.com.br

Leia mais

Perfil dos Participantes Compilação das Respostas dos Questionários

Perfil dos Participantes Compilação das Respostas dos Questionários Perfil dos Participantes Compilação das Respostas dos Questionários Dezembro/2011 Instrumentos da Política SocioAmbiental Linhas de Instituições Financiamento participantes da pesquisa Participação de

Leia mais

PLANEJAMENTO ESTRATÉGICO 2008/2011. Fórum das Agências Reguladoras Intercâmbio Interno de Experiências em Planejamento e Gestão Abril/2009.

PLANEJAMENTO ESTRATÉGICO 2008/2011. Fórum das Agências Reguladoras Intercâmbio Interno de Experiências em Planejamento e Gestão Abril/2009. PLANEJAMENTO ESTRATÉGICO 2008/2011 Fórum das Agências Reguladoras Intercâmbio Interno de Experiências em Planejamento e Gestão Abril/2009. Premissas para a Construção do Planejamento Estratégico Início

Leia mais

Brasil: Cenário Atual

Brasil: Cenário Atual Encontro ILSI Brasil São Paulo, 10 de Dezembro de 2012 Brasil: Cenário Atual 8 milhões de quilômetros quadrados 194 milhões de habitantes 84% em cidades com crescimento desordenado 6ª maior economia mundial,

Leia mais

Música nas escolas: uma análise do Projeto de Resolução das Diretrizes Nacionais para a operacionalização do ensino de Música na Educação Básica

Música nas escolas: uma análise do Projeto de Resolução das Diretrizes Nacionais para a operacionalização do ensino de Música na Educação Básica Música nas escolas: uma análise do Projeto de Resolução das Diretrizes Nacionais para a operacionalização do ensino de Música na Educação Básica Luis Ricardo Silva Queiroz Presidente da ABEM presidencia@abemeducacaomusical.com.br

Leia mais

CidadesDigitais. A construção de um ecossistema de cooperação e inovação

CidadesDigitais. A construção de um ecossistema de cooperação e inovação CidadesDigitais A construção de um ecossistema de cooperação e inovação CidadesDigitais PRINCÍPIOs 1. A inclusão digital deve proporcionar o exercício da cidadania, abrindo possibilidades de promoção cultural,

Leia mais

Agenda Regional de Desenvolvimento Sustentável Eixo 4: Gestão Regional Integrada

Agenda Regional de Desenvolvimento Sustentável Eixo 4: Gestão Regional Integrada Agenda Regional de Desenvolvimento Sustentável Eixo 4: Gestão Regional Integrada 1 O Projeto Litoral Sustentável 1ª Fase (2011/2012): Diagnósticos municipais (13 municípios) Diagnóstico regional (Já integralmente

Leia mais

PORTARIA NORMATIVA INTERMINISTERIAL Nº- 17, DE 24 DE ABRIL DE 2007

PORTARIA NORMATIVA INTERMINISTERIAL Nº- 17, DE 24 DE ABRIL DE 2007 PORTARIA NORMATIVA INTERMINISTERIAL Nº- 17, DE 24 DE ABRIL DE 2007 Institui o Programa Mais Educação, que visa fomentar a educação integral de crianças, adolescentes e jovens, por meio do apoio a atividades

Leia mais

REFERENCIAIS ESTRATÉGICOS. PLANO NACIONAL DE EDUCAÇÃO 2011-2020: metas que envolvem a Educação Profissional

REFERENCIAIS ESTRATÉGICOS. PLANO NACIONAL DE EDUCAÇÃO 2011-2020: metas que envolvem a Educação Profissional REFERENCIAIS ESTRATÉGICOS Projeto de Lei nº 8.035, de 2010 PLANO NACIONAL DE EDUCAÇÃO 2011-2020: metas que envolvem a Educação Profissional O PNE é formado por: 10 diretrizes; 20 metas com estratégias

Leia mais

MINISTÉRIO DA SAÚDE GRUPO HOSPITALAR CONCEIÇÃO

MINISTÉRIO DA SAÚDE GRUPO HOSPITALAR CONCEIÇÃO MINISTÉRIO DA SAÚDE GRUPO HOSPITALAR CONCEIÇÃO AGENDA ESTRATÉGICA DA GESTÃO (2012-2015) AGENDA ESTRATÉGICA DA GESTÃO (2012-2015) Este documento tem o propósito de promover o alinhamento da atual gestão

Leia mais

FDC E SUA RESPONSABILIDADE COMO UMA ESCOLA DE NEGÓCIOS

FDC E SUA RESPONSABILIDADE COMO UMA ESCOLA DE NEGÓCIOS FDC E SUA RESPONSABILIDADE COMO UMA ESCOLA DE NEGÓCIOS IV CONFERÊNCIA INTERAMERICANA DE RESPONSABILIDADE SOCIAL EMPRESARIAL RIAL Cláudio Boechat Fundação Dom Cabral 12 DE DEZEMBRO, 2006 F U N D A Ç Ã O

Leia mais

Lei N X.XXX de XX de XXXXX de XXX

Lei N X.XXX de XX de XXXXX de XXX Lei N X.XXX de XX de XXXXX de XXX Dispõe sobre a Educação Ambiental, institui a Política Estadual de Educação Ambiental e dá outras providências. A GOVERNADORA DO ESTADO DO RIO GRANDE DO NORTE: FAÇO SABER

Leia mais

APRESENTAÇÃO. Dois temas centrais foram selecionados para o debate na conferência de 2012:

APRESENTAÇÃO. Dois temas centrais foram selecionados para o debate na conferência de 2012: Comércio + Sustentável APRESENTAÇÃO A Rio+20, como é chamada a Conferência das Nações Unidas sobre o Desenvolvimento Sustentável, vai ser realizada no Rio de Janeiro em junho de 2012. Exatos vinte anos

Leia mais

Carta da Indústria 2014 (PDF 389) (http://arquivos.portaldaindustria.com.br/app/conteudo_18/2013/06/06/481/cartadaindstria_2.pdf)

Carta da Indústria 2014 (PDF 389) (http://arquivos.portaldaindustria.com.br/app/conteudo_18/2013/06/06/481/cartadaindstria_2.pdf) www.cni.org.br http://www.portaldaindustria.com.br/cni/iniciativas/eventos/enai/2013/06/1,2374/memoria-enai.html Memória Enai O Encontro Nacional da Indústria ENAI é realizado anualmente pela CNI desde

Leia mais

Política de Comunicação do Serviço Federal de Processamento de Dados (Serpro) - PCS

Política de Comunicação do Serviço Federal de Processamento de Dados (Serpro) - PCS Política de Comunicação do Serviço Federal de Processamento de Dados (Serpro) - PCS POLÍTICA DE COMUNICAÇÃO DO SERVIÇO FEDERAL DE PROCESSAMENTO DE DADOS (SERPRO) - PCS A Política de Comunicação do Serviço

Leia mais

PRESIDÊNCIA GRUPO DE MULHERES PARLAMENTARES DAS AMÉRICAS DO FIPA

PRESIDÊNCIA GRUPO DE MULHERES PARLAMENTARES DAS AMÉRICAS DO FIPA RELATÓRIO 2009-2011 PRESIDÊNCIA GRUPO DE MULHERES PARLAMENTARES DAS AMÉRICAS DO FIPA Linda Machuca Moscoso Membro da Assembléia Nacional do Equador RESUMO EXECUTIVO DO RELATÓRIO 2009-2011 Este resumo executivo

Leia mais

ANEXO III CONDIÇÕES E CRITÉRIOS DE AVALIAÇÃO PARA APOIO A ESTUDOS, PESQUISAS E PROJETOS INOVADORES

ANEXO III CONDIÇÕES E CRITÉRIOS DE AVALIAÇÃO PARA APOIO A ESTUDOS, PESQUISAS E PROJETOS INOVADORES ANEXO III CONDIÇÕES E CRITÉRIOS DE AVALIAÇÃO PARA APOIO A ESTUDOS, PESQUISAS E PROJETOS INOVADORES I ÁREAS DE INTERESSE Criança e Adolescente Apoio a Estudos e Pesquisas e Projetos Inovadores para promoção,

Leia mais

PLANO NACIONAL DE EDUCAÇÃO EM DIREITOS HUMANOS

PLANO NACIONAL DE EDUCAÇÃO EM DIREITOS HUMANOS PLANO NACIONAL DE EDUCAÇÃO EM DIREITOS HUMANOS EDUCAÇÃO BÁSICA ENSINO SUPERIOR EDUCAÇÃO NÃO-FORMAL EDUCAÇÃO DOS PROFISSIONAIS DO SISTEMA DE JUSTIÇA E SEGURANÇA EDUCAÇÃO E MÍDIA Comitê Nacional de Educação

Leia mais