UNIVERSIDADE CANDIDO MENDES PÓS-GRADUAÇÃO LATO SENSU INSTITUTO A VEZ DO MESTRE

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "UNIVERSIDADE CANDIDO MENDES PÓS-GRADUAÇÃO LATO SENSU INSTITUTO A VEZ DO MESTRE"

Transcrição

1 UNIVERSIDADE CANDIDO MENDES PÓS-GRADUAÇÃO LATO SENSU INSTITUTO A VEZ DO MESTRE Motivando seus Funcionários Por: Danielle Motta Pingitore Papa Orientador Prof. Ana Claudia Morrissy Rio de Janeiro 2009

2 2 UNIVERSIDADE CANDIDO MENDES PÓS-GRADUAÇÃO LATO SENSU INSTITUTO A VEZ DO MESTRE Motivando seus Funcionários Apresentação de monografia ao Instituto A Vez do Mestre Universidade Candido Mendes como requisito parcial para obtenção do grau de especialista em Comunicação Empresarial. Por: Danielle Motta Pingitore Papa

3 3 AGRADECIMENTOS Aos amigos e parentes que me ajudaram neste trabalho.

4 4 DEDICATÓRIA Dedico aos meus amigos que me ajudaram neste trabalho.

5 5 RESUMO Este trabalho visa discutir o que fazer para melhorar a comunicação entre os funcionários, gerentes e até o alto escalão da empresa e, conseqüentemente, melhorando a produtividade do funcionário. Porque, atualmente, algumas organizações não escutam as idéias e reclamações dos seus funcionários, desperdiçando essas idéias que poderiam gerar algo de produtivo para a empresa. Uma solução para isso pode ser usar ferramentas do endomarketing que podem fazer com que essa informação chegue a todos na empresa, como o caso da intranet, blogs voltados para o público interno e reuniões periódicas com os funcionários da empresa.

6 6 METODOLOGIA Este trabalho se baseou em livros, revistas e sites que tratam de comunicação empresarial e administração, mais precisamente sobre comunicação corporativa. Usou conceitos de autores referentes ao tema.

7 7 SUMÁRIO INTRODUÇÃO 08 CAPÍTULO I - Públicos 10 CAPÍTULO II - Por que motivar? 15 CAPÍTULO III Como motivar? 19 CONCLUSÃO 47 BIBLIOGRAFIA 37 ÍNDICE 40 FOLHA DE AVALIAÇÃO 41

8 8 INTRODUÇÃO Este trabalho visa discutir sobre o que fazer para melhorar a comunicação entre os funcionários, gerentes e o alto escalão da empresa e, conseqüentemente, melhorar a produtividade do funcionário. Hoje em dia, muitas empresas ainda permanecem com uma política antiquada com relação à comunicação entre ela (organização) e seus colaboradores. Muitas organizações deixam de escutar suas idéias e reclamações, desperdiçando essas idéias que poderiam gerar algo de produtivo para a empresa. Além disso, essas queixas não levadas em consideração podem acabar fazendo com que o funcionário trabalhe desmotivado, prejudicando a harmonia da empresa. Uma solução antecipada para esse problema de comunicação é ter vontade de escutar o funcionário. Muitas vezes, em determinadas ocasiões, os ocupantes de cargos mais elevados acabam se fechando nos seus níveis hierárquicos e só enviam a informação de cima para baixo sem dar a oportunidade para uma resposta. Aliadas a essa vontade de escutar, poderiam ser usadas ferramentas que fizessem com que essas informações chegassem a todos na empresa, como o caso da intranet, blogs voltados para o público interno e reuniões periódicas com os funcionários da empresa. Além disso, poderiam ser criados programas de relacionamento entre os funcionários, criando um clima mais afetuoso dentro da empresa, como café da manhã com o presidente da organização, algumas reuniões entre as famílias dos funcionários, entre outros. Portanto, este tema é importante para mostrar, através de conceitos de teóricos, que saber ouvir os funcionários pode sim melhorar a harmonia dentro da empresa, fazendo com que o colaborador interno se sinta motivado e passe a produzir mais. Conseqüentemente, esse investimento no funcionário, traria mais lucratividade para a organização.

9 9 Este trabalho tratará sobre esse assunto em três capítulos. O primeiro deles explicará o conceito de público interno, que corresponde aos funcionários e seus dependentes, e misto, uma mistura de públicos interno e externo. No segundo capítulo será discutido sobre o que é o Endomarketing, que constitui em ações de marketing voltado para os públicos interno e externo. Assim, a partir da discussão sobre o tema, será explicado sobre o porquê da importância da comunicação dentro da empresa entre os funcionários e em que ela influencia na produtividade deles. Já o terceiro capítulo tratará sobre Comunicação interna e sobre programas de ações que poderão ser utilizados para melhorar a comunicação dentro da empresa.

10 10 CAPÍTULO I Públicos Este capítulo visa explicar o conceito de público, na visão de alguns teóricos, e separar as definições referentes a cada tipo, principalmente entre os públicos interno e misto. A explicação e a diferenciação desse dois serão úteis para fazer com que o leitor entenda sobre quem faz parte da empresa e qual a função deles na organização. Com isso será mais fácil a explicação do foco central deste trabalho, que é discutir uma melhora na comunicação entre o funcionário e o alto escalão para, conseqüentemente, melhorar a produtividade do colaborador. 1.1 O que é público Segundo o dicionário Luft (1996, p.509), um dos significado de público é o povo em geral e é muito comum que as pessoas entendam dessa forma. Ou quando ao dizer sobre público de uma empresa é comum também associar logo àquelas pessoas do lado de fora da organização, vendo o seu crescimento e a sua progressão na comunidade. Mas, na realidade, público nada mais é do que pessoas. Só que cada grupo de pessoas tem uma relação diferente com a organização. A organização depende de diferentes públicos para manter sua produtividade e lucratividade e os públicos dependem ou podem depender dela de maneira essencial ou não-essencial. (KUNSCH OU FRANÇA, 2006, p.11) Para Andrade (2003), o público sempre será como um elemento da empresa e não um estranho. Ele é o principal elemento de contribuição da empresa. O público é a razão de ser da empresa. O público precisa ser transformado de mero espectador em autêntico público, com todas as

11 11 características desse agrupamento espontâneo, objeto formal das relações públicas. (ANDRADE, 2003, p.82) De acordo com Kunsch (2006), três são os critérios para se diferenciar as categorias de público e a relação entre eles e a organização: o grau de dependência, o grau de participação e o grau interferências. O primeiro determina se o público é essencial ou não e o segundo, na participação, maior ou menor, dos públicos nos empreendimentos empresariais, na defesa de seus interesses ou na sua promoção institucional ou mercadológica. Já o terceiro fala sobre a interferência dos públicos sobre a organização e os seus negócios. Segundo os autores: A determinação dessas características é fundamental para se poder estabelecer quais diretrizes que devem orientar a relação organização/públicos e como se deve estruturar a rede de comunicação entre esses dois pólos. (KUNSCH, 2006, p.12) De acordo com Fortes (2003), um grupo de funcionários só fará parte de um público se houver um trabalho de Relações Públicas, ou seja, um programa que os faça fazer parte de um público para que por meio desse a organização possa dirigir trabalhos que os façam se envolver mais com os demais funcionários, trabalhadores de outros setores e até mesmo com a própria empresa. Nas palavras do autor: 1.2 Quem é o público interno Resulta que os funcionários de uma empresa, por exemplo, vão constituir o seu público interno quando for posta em prática uma programação de Relações Públicas dedicadas a essa meta; sem isso, continuarão sendo um simples agrupamento amorfo, seguirão sendo somente funcionários. (FORTES, 2003, p.71) Ao entrar em uma empresa, as pessoas logo se deparam com muitas outras pessoas passando de um lado para o outro com muitos papéis, às vezes indo para reuniões ou então nos telefones negociando algo. Fica obvio

12 12 de que se trata dos funcionários da instituição. Funcionários que antigamente eram tratados apenas como números, agora são tratados como peças importantes para o sucesso da empresa. Segundo Carlson (in ANDRADE, 2003, p.95): Os empregados constituem naturalmente e sempre deverão constituir o corpo mais importante de embaixadores da boa vontade de uma organização. Os usuários de uma instituição ou organização e os membros da comunidade em geral mais facilmente acreditarão no que diz um funcionário com relação à organização em que trabalha, do que nas reações de qualquer outra pessoa. Ou seja, é esse funcionário que será uma espécie de porta-voz da empresa dizendo tudo sobre ela, como é o trabalho lá, como é o relacionamento dentro da organização. Em momentos de crise, tem muito mais credibilidade escutar o que diz o funcionário da organização do que dizem pessoas que nunca trabalharam na organização ou nem ser quer entraram nela e viram como é o ambiente corporativo. E esse funcionário ou colaborador que faz parte desse público interno. Segundo Fortes (2003), todo e qualquer empregado que trabalha na empresa ou para ela é considerado público interno. Ou seja, mesmo aquele que tenha um contato pequeno com a organização é agregado a este tipo de público. Não importa se todos os colaboradores da organização estão ou não sob o mesmo teto; existindo o vínculo da venda do trabalho por algum tipo de remuneração, será estabelecida a relação que caracteriza o público interno (ANDRADE, 2003, p.95) De acordo com Fortes (2003), os funcionários pertencem a grupos segmentados. Há os fixos, que são os executivos de infra-estrutura, grupos de escritório, funcionários de filiais ou subsidiárias; os fixos que prestam serviço em outras organizações, a única diferença entre essa classe e a primeira é que esses são colocados no espaço físico de seus clientes. Há ainda os temporários e os estagiários, trainees e bolsistas remunerados pela empresa.

13 13 Mas o público interno não é só composto pelos funcionários, mas sim por seus familiares e dependentes, os quais devem receber atenção por parte dos setores que cuidam dos colaboradores da organização. Para Fortes (2003), qualquer decisão da empresa pode afetar o funcionário e logo atingir seus familiares e dependentes, abalando seu modo de vida. Ou seja, atingindo pessoas de sua família, conseqüentemente o funcionário será atingido. Logo, isso poderá influenciar, tanto de forma positiva ou negativa, no relacionamento entre o colaborador e a empresa, prejudicando ou melhorando a produtividade do funcionário. Assim, se refletindo nos resultados da organização. Outros que também devem ser considerados dentro do público interno são os aposentados e ex-empregados, assim como suas associações e seus clubes. Para Fortes (2003), eles são igualmente lembrados pelas programações de relacionamento com o público interno da empresa. 1.3 Quem é o público misto Quantas vezes não sabemos de determinado funcionário dentro de uma empresa e achamos que ele realmente trabalha para aquela organização, mas depois descobrimos que tal colaborador não trabalha para a tal empresa mas está lá prestando serviço mas é contratado de outra empresa para exercer certas funções dentro da organização contratante. Esse funcionário é um terceirizado. Essa prática não nova e, sinceramente, isso já é muito comum no universo empresarial. Segundo Drucker (1996), há 40 anos atrás, a terceirização não era utilizada, mas hoje em dia, já podem ser encontradas empresas que fornecem programadores de computador, contadores, engenheiros e assim por diante. Todos esses funcionários, que embora trabalham na empresa, mas são contratados de outra, fazem parte do público misto. Agrupamento oriundo do grupo-clientela, perfeitamente identificável, que tem, ao mesmo tempo, feições de público interno e externo. (FORTES, 2003, p.209). Ou seja, eles fazem

14 14 parte do público interno por trabalharem dentro da empresa, mas externo por não serem contratados da empresa na qual exercem suas funções. Segundo Fortes (2003), fazem parte do público misto: os fornecedores, investidores, intermediários e cooperados. O primeiro deles foi o mencionado acima. São aqueles que prestam seus serviços a diversas empresas. São empresas que normalmente fornecem matéria-prima, máquinas, equipamentos e serviços, que muitas vezes são praticados dentro da organização contratante. Ainda de acordo com o autor, as concessionárias de serviço público também são consideradas como empresas fornecedoras. O segundo, de acordo com Fortes (2003), dependem de uma empresa como fonte de remuneração e lucro do capital investido, ou seja, injetam dinheiro na determinada organização esperando um retorno. Os investidores podem ser bancos, estabelecimentos de créditos, grupos e agentes financeiros, se detiverem posições econômicas fortes na empresa, poderão render uma linha de investidores. (FORTES, 2003, p.75). Já os intermediários são organizações colocadas ao longo de um canal de distribuição indireta, delegada pelo fabricante que transfere algum controle sobre como e a quem os produtos são vendidos. (FORTES, 2003, p.76). Estão nesse grupo: agentes, atacadistas, comissários, concessionários, corretores, distribuidores, entre outros. O quarto e último são os cooperados. Na descrição de Fortes (2003), os cooperados são: Grupos, sociedades ou empresas erigidas por membros de entidades econômicas ou sociais que cumprem, em benefício comum, atividades de caráter amplo ou restrito, como os filiados a federações e confederações sindicais e esportivas. (FORTES, 2003, p.76)

15 CAPÍTULO 2 Por que motivar? Este capítulo visa discutir sobre o endomarketing ou marketing interno, que são ações de marketing voltadas para público interno e o misto. Tratar desse assunto será fundamental para explicar a importância de se ter uma política de comunicação interna que melhorará o relacionamento entre os colaboradores da empresa e aumentará a produtividade dos funcionários. 2.1 O Endomarketing Quantas vezes as pessoas vão a um estabelecimento comercial e um funcionário vem atendê-las bem, de forma gentil e com aquele sorriso no rosto, deixando os clientes muito satisfeitos com esse ato. Mas muitos vão a outros estabelecimentos e, talvez, não sejam tão bem atendidos assim e se perguntam por que em certos estabelecimentos são bem recebidos e em outros não. Uma outra situação semelhante pode acontecer dentro de uma empresa. O funcionário de uma hierarquia mais alta de uma empresa pode perceber que em determinada organização os funcionários trabalham mal humorados e desmotivados. Mas ao visitar outra empresa, os funcionários dessa trabalham muito dispostos, com força de vontade, como se fossem os próprios donos da instituição para a qual trabalham. E aí está o dilema. Por que em determinado negócio os clientes foram bem atendidos e na outra não? Por que na primeira empresa os funcionários trabalham de má vontade e na outra estão bem dispostos? Uma das possíveis explicações para isso pode estar no que se chama endomarketing ou Marketing Interno. Segundo Spiller, Plá, Luz e de Sá (2006), o marketing interno é tratar os funcionários como clientes internos. Além disso, de acordo com os autores, no endomarketing é oferecido um ambiente interno motivador, atraindo e retendo talentos, ou seja, com essas ferramentas o

16 16 funcionário pode se sentir mais motivado, rendendo mais e, consequentemente, produzindo mais para a empresa. Segundo Cahen (2005, p. 116), (...) é evidente que se os funcionários se mantiverem positivamente motivados terão atitudes que certamente se refletirão na produtividade da empresa e em seu ambiente psicológico em geral. Em um artigo escrito por De Carvalho, o autor descreve as 25 leis do Endomarketing, premissas que mostram conceitos sobre o tema. ((http://www.administradores.com.br, acessado em 19/05/2009) No caso deste trabalho só serão discutidos alguns deles, pois são os que têm relação com a comunicação entre os funcionários da empresa. São eles: Lei da Motivação, Lei do Desempenho Esperado, Lei da Gestão do Endomarketing, Lei da Escada Limpa, Lei da Constante da Comunicação e Lei da Capacidade dos Canais Internos. O primeiro deles é Lei da Gestão do Endomarketing. O endomarketing é um processo gerencial, cíclico, contínuo, e baseado em ferramentas multidisciplinares de activação, com o objectivo de promover a motivação das pessoas com o seu trabalho e garantir o seu compromisso com os objectivos estratégicos, contribuindo assim à obtenção de melhores resultados a partir de desempenhos superiores. (http://www.administradores.com.br, acessado em 19/05/2009) A segunda é a Lei da Motivação. Segundo o autor, a motivação só pode ser estimulada, e não gerada, por fatores que farão com que os funcionários percebam o que os motivam dentro do serviço. Outra Lei do Endomarketing citada por De Carvalho (2009) é a Lei do Desempenho Esperado: quanto menos a empresa oferece em troca do trabalho (e aqui não falamos apenas de dinheiro), maior será a diferença entre o desempenho que ela espera e o desempenho que efetivamente recebe do colaborador. Ou seja, às vezes a empresa dá pouco ao funcionário (não necessariamente dinheiro, mas talvez pouco reconhecimento) e esse se sente injustiçado, porque ele pôde ter

17 17 trabalhado muito e não ter recebido tanto em troca como acha que seria o merecido. A terceira de acordo com o autor, é Lei da Escada Limpa que trata sobre hierarquia na organização. Isto é, os diretores da empresa, ou seja, os altos escalões da instituição têm que aceitar o endomarketing e praticá-lo. Esses devem servir de exemplo para os demais funcionários, pois senão esses colaboradores não seguiram também. O endomarketing não teria credibilidade perante os funcionários já que os seus chefes não o seguem. É a mesma coisa que pensar na educação de uma criança. O que iria pensar um filho ou uma filha que sobre as obrigações que seus pais a impõem se os mesmos não as seguem? A penúltima é a Lei da Constante da Comunicação. Segundo o autor, a empresa que não tenha uma comunicação interna (assunto do próximo capítulo), ela sempre irá existir dentro da organização. Isso acontece através de processos informais entre os colaboradores, como por exemplo, rádio corredor ou rede boato. Isso seria prejudicial para a empresa, pois através desses processos informais poderiam circular falsas informações que atrapalhariam o bom relacionamento, a harmonia, dentro da empresa. Por fim, há a Lei da Capacidade dos Canais Internos. De acordo com De Carvalho (2009), a empresa não tem uma boa comunicação interna só por ter muitos canais de comunicação. Ou seja, quantidade não é o mesmo que qualidade. Cada canal interno de comunicação possui uma capacidade limitada e específica de gerar relevância, transmitir informações e promover conteúdos, devendo a empresa perceber a sua demanda ideal de canais. (http://www.administradores.com.br, acessado em 19/05/2009)

18 18 Ou seja, os responsáveis pela comunicação interna não podem informar colaboradores pela intranet, se no trabalho deles, isto é, se suas funções não exigem o uso de um computador. Nesse caso, talvez o uso de um mural, por mais simples que possa ser, seja mais útil e atinja o máximo de gente. Segundo Spiller, Plá, Luz e de Sá (2006), no endomarketing podem ser empregados ferramentas como o empowerment, B2E (business-to-employee) e intranet (ver capítulo 3). O empowerment significa dar poder e autonomia ao funcionário para tomar decisões. Neste tipo de gestão, a diretoria estabelece as metas, mas quem coloca em prática é o colaborador, isto é o funcionário tem autonomia para agir por conta própria. É, claro, que este tipo de gestão gera riscos, pois ao delegar decisões aos funcionários, esses podem sofrer de insegurança na hora de decidir algo ou sofrer avaliações injustas por parte dos outros. Assim sendo, para que essas coisas não aconteçam o colaborador deve ser muito bem treinado para tomar decisões sem consultar superiores, como no modelo de gestão ODS (organizar delegar supervisionar). Nesse a alta gerência decidia o que e como fazer e passava aos funcionários, que apresentavam suas sugestões a diretoria que decidia o que fazer. Depois essa decisão voltava para os colaboradores que as colocavam em prática. Ou seja, um sistema lento, pois depende da decisão de vários setores da empresa. Já o B2E (business-to-employee) nada mais é que a interatividade entre os funcionários da organização, feita através, principalmente, da intranet (ver capítulo 3). Com ela, pode-se disseminar informações para todos na empresa ou para alguns setores específicos de forma ágil e estratégica.

19 19 CAPÍTULO 3 Como motivar? Como já foram discutidas, no capítulo dois, as razões para motivar seus colaboradores, neste será discutido como motivar o funcionário. Nesta parte da monografia será tratada sobre as maneiras ou ferramentas que podem ser usadas para promover a comunicação e, assim, a motivação entre os colaboradores de empresas, ou seja, os públicos interno e misto. Segundo Fortes (2003), nessa motivação deverão ser usados programas de relações públicas compatíveis com cada universo de cada tipo de público da empresa. Ou seja, de nada adiantaria informar através de uma intranet, determinado setor no qual trabalham funcionários que não necessitam de computadores para exercer suas funções. Agora, ainda de acordo com o mesmo autor, as linhas gerais de relacionamento sempre se manterão, isto significa dizer que a base será a mesma. Será elaborado um programa com a mesma base, mas levando em consideração as diferenças de cada público para poder alcançá-los com o máximo de eficiência. Por exemplo, para o público interno; incluindo funcionários, seus familiares e dependentes, de acordo com Fortes (2003), o programa visa à integração destes com a empresa através de diversos canais de comunicação. Isso permite a participação de todos nas discussões que se promovem diante das controvérsias levantadas. (FORTES, 2003, p.209) Assim, o colaborador se sente mais valorizado ao ter a sensação que está sendo escutado por outros setores e até mesmo por funcionários do alto escalão que poderão resolver o problema de tal empregado ou de tal setor, que trabalhará melhor e mais motivado. Com isso, aumentaria a produtividade do colaborador e, conseqüentemente, a da empresa. Mas antes de se iniciar qualquer projeto de motivação desse público interno e do misto, é necessário conhecer bem quem é esse público, ou seja,

20 20 quem faz parte dele. Segundo Valsani ou Kunsch (2006), há de ter um contato pessoal com cada um desses públicos para construir uma relação de confiança. Assim depois de ter os conhecido, é necessário, segundo Cahen (2005), ter um Plano Integrado de Comunicação Empresarial. Mas é claro que esse plano atingirá a todos os públicos interno, misto e externo. Esse último não será tratado neste trabalho. Ainda de acordo com Roger Cahen, para colocálo em prática é necessário ter vontade, ou seja, desejo de realmente ter um plano de comunicação; contratar um profissional capaz ou uma assessoria externa e participar dele, explicando o briefing, passando informações que o profissional de comunicação precisar. Também no mesmo processo devem ser colocados os benefícios que esse plano trará para a empresa e para cada funcionário. Um dos objetivos desse plano, mencionado acima, está em motivar os funcionários. Para Cahen (2005), um dos portadores das mensagens da empresa é o funcionário e seus dependentes. Uma empresa que trate bem e tenha consideração pelos seus colaboradores cria uma imagem positiva perante os seus funcionários que servirão de mensageiros e defensores da empresa para a qual trabalham. Isso ajuda manter uma imagem positiva da instituição para os demais setores formadores da opinião pública. Ou seja, esse colaborador sempre contará como é o bom funcionamento da empresa, ajudando a construir uma boa imagem da empresa. Se este público estiver bem informado e, principalmente, positivamente motivado, aqueles setores receberão as mensagens preferenciais da empresa de forma positiva, com um mínimo de interferências e distorções, criando e mantendo abertos os canais de comunicação. (CAHEN, 2005, p.116) Segundo o mesmo autor, a organização ainda deve considerar nessa mesma política de motivação os futuros colaboradores, pois a empresa, através da criação de uma imagem positiva, conseguirá os melhores

21 21 profissionais, já motivados, pois entrariam para a empresa com um bom conceito dela. Mas um dos meios de motivação do público interno é o de abrir canais de comunicação interna entre os funcionários e os demais setores, principalmente os de alto escalão. Antigamente, as empresas não possuiam canais para se comunicar com seus funcionários. Esses eram muitas vezes tratados como números dentro das grandes organizações. Segundo Valsani ou Kunsch (2006, p.210), as relações patrão/empregado baseavam-se no paternalismo. Todos formavam uma grande família cujos problemas eram resolvidos pelos patrões e os funcionários teriam somente que cumprir suas funções. Mas, na realidade, não havia um retorno dos empregados para os seus patrões para se ter uma noção de que os problemas foram realmente resolvidos. As ações vinham de cima para baixo. Portanto, mais recente mente esse tipo de política foi dando lugar a canais de comunicação. Os funcionários podiam entender mais a política da empresa, sua forma de agir e não mais aquele trabalho mecânico, aquele em que os funcionários entravam na instituição, recebia as ordens, cumpria suas funções. Hoje, já é possível notar programas caixas de sugestões, murais informativos, jornaizinhos com notícias da empresa Sobre a Comunicação Interna Esses programas fazem parte do se chama comunicação interna. Entende-se por Comunicação Interna o esforço de comunicação desenvolvido por uma empresa, órgão ou entidade para estabelecer canais que possibilitem o relacionamento, ágil e transparente, da direção com o público interno (na verdade, sabe-se que há vários públicos internos em uma organização) e entre os próprios elementos que integram este público. (http://www.comunicacaoempresarial.com.br, acessado em 26/05/2009)

22 22 Segundo Clemen (2005), a Comunicação Interna deve ter importância, pois ela é a base de sustentação para qualquer processo bem-sucedido de Comunicação Integrada. Mas o que é Comunicação Integrada? Comunicação Integrada consiste no conjunto articulado de esforços, ações, estratégias e produtos de comunicação, planejados e desenvolvidos por uma empresa ou entidade, com o objetivo de agregar valor à sua marca ou de consolidar a sua imagem junto a públicos específicos ou à sociedade como um todo. (http://www.comunicacaoempresarial.com.br, acessado em 26/05/2009) Ou seja, Nesses públicos está incluído o público interno e o misto, que embora não sejam funcionários da organização, trabalham para ela. Isto é, a Comunicação Integrada é um conjunto de ações que visam cuidar da imagem da empresa e a Comunicação Interna está inserida nela para tratar dessa imagem com os colaboradores da organização. O que é de grande importância, pois é esses públicos, interno e misto, que trabalham pelo menos oito horas por dia dentro da organização para fazer um bom trabalho e sustentar uma marca positiva para os demais públicos, como o externo. Além disso, esses mesmos colaboradores funcionam como uma espécie de porta-voz da empresa perante as demais pessoas, ou seja, qualquer informação positiva ou negativa da empresa, são eles que vão confirmar ou negar tais afirmações para o público externo. Clemen (2005) explica mais detalhadamente o que é a Comunicação Integrada e a Comunicação Interna. Segundo o autor, a Comunicação Integrada é formada por três elementos: Comunicação Interna, Comunicação Institucional e Comunicação Mercadológica. Ainda de acordo com Clemen (2005), a Comunicação Interna é a base de todo o processo, é realizada somente e exclusivamente com quem constrói a marca da empresa. Ou seja, é realizada para o público interno. Na Comunicação Institucional, a marca é consolidada para mais públicos, só que o foco da mensagem é sobre as ações

23 23 de responsabilidade social da empresa. E a Comunicação Mercadológica tem o foco voltado para o público consumidor da organização. A Comunicação interna compreende diversas atividades. De acordo com Clemen (2005), a primeira é identificar as necessidades de comunicação dos colaboradores, analisá-las e montar um briefing com possíveis resoluções para os problemas. Depois de definir as ações, deve rever prazos para a conclusão e recursos financeiros para implantá-las. A próxima etapa, e talvez a mais óbvia, é colocá-las em prática e acompanhá-las, medindo seus resultados. Isso acontece porque se as ações não funcionarem, os responsáveis pela Comunicação Interna têm como reforçar ou propor novas ações para a empresa. Agora, um ponto que deve ser ressaltado é que ao elaborar um plano de comunicação interna, os profissionais responsáveis por isso devem deixar claro, aos clientes interno e também misto (quando forem envolvidos no projeto), todas as ações do plano, assim como as soluções de comunicação encontradas. Isso faz também entrar em outro ponto da Comunicação Interna que é a transparência. Para Kunsch (2006, p.211), isso implica ter um discurso coerente com as ações. Significa dar espaço à iniciativa alheia.. Ou seja, os responsáveis pela Comunicação Interna devem estimular os colaboradores a participar do processo, passando confiança ao funcionário. Mas, é claro, que não adianta fazer o colaborador participar se o profissional da Comunicação Interna não faz o mais simples: escutar o funcionário e resolver seus problemas de comunicação. Com relação a isso, Clemen (2005) descreve princípios da Comunicação Interna que pode fazer entender melhor sobre transparência, escutar os funcionários e resolver os seus problemas. O primeiro deles diz respeito a Confiança nos Canais de Comunicação, ou seja, mostra aos colaboradores a utilidade e os benefícios de se ter implantada uma Comunicação Interna. Assim, gera uma credibilidade para o funcionário da

24 24 instituição. Credibilidade que faz com que os colaboradores utilizem e participem de todo o processo de comunicação. Aliado a esse princípio, o autor cita um outro: Verdade da Informação, que significa que toda informação divulgada deve ser verdadeira. Assim, informações divulgadas erroneamente podem trazer prejuízos para a harmonia nos relacionamentos dos funcionários da organização. Imagina o colaborador receber uma notícia divulgada por algum veículo interno e depois não é nada daquilo que foi passado para os públicos da empresa. Onde fica a credibilidade. Isso acaba desmotivando o funcionário a participar do processo de Comunicação Interna. Outro princípio descrito Clemen (2005) é a Comunicação Face a Face e por Multiplicadores, ou seja, a empresa deve sempre ter abertos os seus canais de comunicação com os funcionários. Os gerentes (multiplicadores) são treinados para o contato face a face. Mas segundo Neves( in Clemen, 2005, p. 37,38) É fundamental que o profissional de comunicação interna sempre se posicione a serviço da organização, sem estrelismos ou impaciência com os demais pares. É preciso que ele tenha a humildade positiva de compreender que nem sempre o seu cliente interno sabe exatamente o que precisa e como comunicar, mas que certamente conhece mais profundamente o assunto a ser comunicado. Ou seja, esses gerentes que devem escutar face a face os clientes interno e misto precisam fazem isso sem demonstrar superioridade aos demais. Saber informar, ter paciência e humildade são virtudes que criam confiança e passam credibilidade aos funcionários para eles poderem expor os problemas de comunicação da empresa. Os outros dois princípios estão relacionados ao próximo assunto deste capítulo - os produtos da Comunicação Interna. São eles: Otimização dos Recursos e Compromisso com a linguagem. O primeiro diz respeito a utilizar os canais de Comunicação Interna que sejam estritamente necessários,

Comunicação Interna e Externa

Comunicação Interna e Externa Comunicação Interna e Externa Comunicação A origem da palavra comunicar está no latim communicare, que significa pôr em comum. Ela implica em compreensão, pressupondo entendimento entre as partes e, não

Leia mais

Unidade II COMUNICAÇÃO EMPRESARIAL. Profa. Ma. Andrea Morás

Unidade II COMUNICAÇÃO EMPRESARIAL. Profa. Ma. Andrea Morás Unidade II COMUNICAÇÃO EMPRESARIAL Profa. Ma. Andrea Morás Comunicação empresarial Envolve todas as ferramentas de comunicação. Atividade multidisciplinar. Envolve conflitos, emoções, potencialidades e

Leia mais

COMUNICAÇÃO EMPRESARIAL INTERNA UM ESTUDO DE CASO RESUMO

COMUNICAÇÃO EMPRESARIAL INTERNA UM ESTUDO DE CASO RESUMO COMUNICAÇÃO EMPRESARIAL INTERNA UM ESTUDO DE CASO Fábio William da Silva Granado 1 Marluci Silva Botelho 2 William Rodrigues da Silva 3 Prof Ms. Edson Leite Lopes Gimenez 4 RESUMO Realizou-se uma análise

Leia mais

GUIA DE SOCIAIS EM REDES BOAS PRÁTICAS EM GESTÃO DO ATENDIMENTO E RELACIONAMENTO MELHORES PRÁTICAS. MELHORES RESULTADOS.

GUIA DE SOCIAIS EM REDES BOAS PRÁTICAS EM GESTÃO DO ATENDIMENTO E RELACIONAMENTO MELHORES PRÁTICAS. MELHORES RESULTADOS. GUIA DE BOAS PRÁTICAS EM GESTÃO DO ATENDIMENTO E RELACIONAMENTO EM REDES SOCIAIS MELHORES PRÁTICAS. MELHORES RESULTADOS. APRESENTAÇÃO OBJETIVO A ABA - Associação Brasileira de Anunciantes, por meio de

Leia mais

A pluralidade das relações públicas

A pluralidade das relações públicas A pluralidade das relações públicas Carolina Frazon Terra Introdução Sétima colocada no ranking "As profissões do futuro" segundo a Revista Exame de 13 de abril de 2004, as relações públicas se destacam

Leia mais

Blogs Corporativos como instrumentos de comunicação nas empresas: uma análise prático-teórica.

Blogs Corporativos como instrumentos de comunicação nas empresas: uma análise prático-teórica. Blogs Corporativos como instrumentos de comunicação nas empresas: uma análise prático-teórica. Além de tornar-se fundamental para a difusão do conhecimento e geração das relações interpessoais, a Internet

Leia mais

SISTEMAS DE INFORMAÇÃO - SI

SISTEMAS DE INFORMAÇÃO - SI SISTEMAS DE INFORMAÇÃO - SI Elaborado e adaptado por: Prof.Mestra Rosimeire Ayres Sistemas Colaborativos Empresariais (ECS) Os sistemas colaborativos nas empresas nos oferecem ferramentas para nos ajudar

Leia mais

ENDOMARKETING: Utilização como ferramenta de crescimento organizacional

ENDOMARKETING: Utilização como ferramenta de crescimento organizacional ENDOMARKETING: Utilização como ferramenta de crescimento organizacional Carlos Henrique Cangussu Discente do 3º ano do curso de Administração FITL/AEMS Marcelo da Silva Silvestre Discente do 3º ano do

Leia mais

Política de. [ comunicação] Forluz

Política de. [ comunicação] Forluz Política de [ comunicação] Forluz Índice Apresentação...4 Missão da Forluz...5 Condições para aplicação deste documento...6 Objetivos da Política de Comunicação...7 Diretrizes da Política de Comunicação...8

Leia mais

Política de Comunicação Integrada

Política de Comunicação Integrada Política de Comunicação Integrada agosto 2009 Política de Comunicação Integrada 4 1 Objetivos Promover a comunicação integrada entre as empresas Eletrobras e dessas com os seus públicos de relacionamento,

Leia mais

Programa de Comunicação Interna e Externa

Programa de Comunicação Interna e Externa Programa de Comunicação Interna e Externa Aprovado na Reunião do CONASU em 21/01/2015. O Programa de Comunicação Interna e Externa das Faculdades Integradas Ipitanga FACIIP pretende orientar a execução

Leia mais

UNIVERSIDADE TECNOLÓGICA FEDERAL DO PARANÁ PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO EM PLANEJAMENTO E GOVERNANÇA PÚBLICA ALINNE SILVA E QUADROS

UNIVERSIDADE TECNOLÓGICA FEDERAL DO PARANÁ PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO EM PLANEJAMENTO E GOVERNANÇA PÚBLICA ALINNE SILVA E QUADROS UNIVERSIDADE TECNOLÓGICA FEDERAL DO PARANÁ PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO EM PLANEJAMENTO E GOVERNANÇA PÚBLICA ALINNE SILVA E QUADROS BLOG DA COHAB: A SOLUÇÃO PARA A COMUNICAÇÃO INTERNA DA EMPRESA RELATÓRIO

Leia mais

PROGRAMA COMPLIANCE VC

PROGRAMA COMPLIANCE VC Seguir as leis e regulamentos é ótimo para você e para todos. Caro Colega, É com satisfação que compartilho esta cartilha do Programa Compliance VC. Elaborado com base no nosso Código de Conduta, Valores

Leia mais

Sistemas Colaborativos Simulado

Sistemas Colaborativos Simulado Verdadeiro ou Falso Sistemas Colaborativos Simulado 1. Todos os tipos de organizações estão se unindo a empresas de tecnologia na implementação de uma ampla classe de usos de redes intranet. Algumas das

Leia mais

Política de Comunicação Integrada

Política de Comunicação Integrada Política de Comunicação Integrada agosto 2009 Política de Comunicação Integrada Política de Comunicação Integrada 5 1. Objetivos Promover a comunicação integrada entre as empresas Eletrobras e dessas

Leia mais

Comunicação Empresarial

Comunicação Empresarial Comunicação Empresarial MBA em Gestão Empresarial MBA em Logística MBA em Recursos Humanos MBA em Gestão de Marketing Prof. Msc Alice Selles 24/11 Aula inicial apresentação e visão geral do módulo. Proposição

Leia mais

A Comunicação Organizacional e a Mídia o papel dos meios de comunicação na construção da imagem empresarial para o público externo 1

A Comunicação Organizacional e a Mídia o papel dos meios de comunicação na construção da imagem empresarial para o público externo 1 A Comunicação Organizacional e a Mídia o papel dos meios de comunicação na construção da imagem empresarial para o público externo 1 Bárbara Fernandes Valente da Cunha 2 * Palavras-chaves: Comunicação

Leia mais

1 Campanhas da Confederação

1 Campanhas da Confederação 1 Campanhas da Confederação 1.1 - Divulgação: Divulgar, através dos canais disponíveis na Central, as apresentações e arquivos das peças das campanhas sistêmicas; Prestar orientação às cooperativas, motivando

Leia mais

ASSESSORIA DE COMUNICAÇÃO **Material elaborado por Taís Vieira e Marley Rodrigues

ASSESSORIA DE COMUNICAÇÃO **Material elaborado por Taís Vieira e Marley Rodrigues Faccat Faculdades Integradas de Taquara Curso de Comunicação Social Publicidade e Propaganda Disciplina: Planejamento e Assessoria em Comunicação Profª Me. Taís Vieira ASSESSORIA DE COMUNICAÇÃO **Material

Leia mais

A empresa não é uma ilha

A empresa não é uma ilha A empresa não é uma ilha Relacionamento implica em comunicação. A empresa com as rédeas da sua comunicação. Comunicação social tem ferramentas que ajudam na construção de empresas de alta performance.

Leia mais

Sistema de Gerenciamento da Informação. Mais informação, mais conteúdo, em menos tempo. Mais negócios, mais sucesso profissional.

Sistema de Gerenciamento da Informação. Mais informação, mais conteúdo, em menos tempo. Mais negócios, mais sucesso profissional. Sistema de Gerenciamento da Informação Mais informação, mais conteúdo, em menos tempo. Mais negócios, mais sucesso profissional. O tempo sumiu-1 8 horas dormir; 8 horas trabalhar; 1,5 hora no trânsito;

Leia mais

A INFLUÊNCIA DA COMUNICAÇÃO NO DESENVOLVIMENTO DE AÇÕES DE RESPONSABILIDADE SOCIAL NO BRASIL

A INFLUÊNCIA DA COMUNICAÇÃO NO DESENVOLVIMENTO DE AÇÕES DE RESPONSABILIDADE SOCIAL NO BRASIL A INFLUÊNCIA DA COMUNICAÇÃO NO DESENVOLVIMENTO DE AÇÕES DE RESPONSABILIDADE SOCIAL NO BRASIL Introdução A partir da década de 90 as transformações ocorridas nos aspectos: econômico, político, social, cultural,

Leia mais

Gestão de iniciativas sociais

Gestão de iniciativas sociais Gestão de iniciativas sociais Leia o texto a seguir e entenda o conceito do Trevo e as suas relações com a gestão organizacional. Caso queira ir direto para os textos, clique aqui. http://www.promenino.org.br/ferramentas/trevo/tabid/115/default.aspx

Leia mais

Visão Geral sobre Gestão de Projetos e Iniciação de Projetos Aula 2

Visão Geral sobre Gestão de Projetos e Iniciação de Projetos Aula 2 Visão Geral sobre Gestão de Projetos e Iniciação de Projetos Aula 2 Miriam Regina Xavier de Barros, PMP mxbarros@uol.com.br Agenda Bibliografia e Avaliação 1. Visão Geral sobre o PMI e o PMBOK 2. Introdução

Leia mais

Diretrizes da Comissão Regional de Imagem e Comunicação Dos Escoteiros do Brasil. Região do Rio Grande do Sul

Diretrizes da Comissão Regional de Imagem e Comunicação Dos Escoteiros do Brasil. Região do Rio Grande do Sul Diretrizes da Comissão Regional de Imagem e Comunicação Dos Escoteiros do Brasil Após um mais de ano de trabalho e experiências adquiridas a CRIC apresenta à diretoria regional as diretrizes que regem

Leia mais

POLÍTICA DE COMUNICAÇÃO E ENGAJAMENTO COM PÚBLICOS DE INTERESSE DAS EMPRESAS ELETROBRAS

POLÍTICA DE COMUNICAÇÃO E ENGAJAMENTO COM PÚBLICOS DE INTERESSE DAS EMPRESAS ELETROBRAS POLÍTICA DE COMUNICAÇÃO E ENGAJAMENTO COM PÚBLICOS DE INTERESSE DAS Versão 2.0 09/02/2015 Sumário 1 Objetivo... 3 1.1 Objetivos Específicos... 3 2 Conceitos... 4 3 Princípios... 5 4 Diretrizes... 5 4.1

Leia mais

1 Introdução. 1.1 A Nova Era Digital

1 Introdução. 1.1 A Nova Era Digital 11 1 Introdução Com o advento da nova era da internet, conhecida com web 2.0, e o avanço das tecnologias digitais, o consumidor passa a ter maior acesso à informação bem como à facilidade de expressar

Leia mais

EDITAL DO LEILÃO Nº 2/2011 ANEXO 9 DO CONTRATO PLANO DE TRANSFERÊNCIA OPERACIONAL (PTO)

EDITAL DO LEILÃO Nº 2/2011 ANEXO 9 DO CONTRATO PLANO DE TRANSFERÊNCIA OPERACIONAL (PTO) EDITAL DO LEILÃO Nº 2/2011 CONCESSÃO PARA AMPLIAÇÃO, MANUTENÇÃO E EXPLORAÇÃO DOS AEROPORTOS INTERNACIONAIS BRASÍLIA CAMPINAS GUARULHOS EDITAL DO LEILÃO Nº 2/2011 ANEXO 9 DO CONTRATO PLANO DE TRANSFERÊNCIA

Leia mais

Câmara Municipal de Barueri. Conheça a Norma SA8000. Você faz parte!

Câmara Municipal de Barueri. Conheça a Norma SA8000. Você faz parte! Câmara Municipal de Barueri Conheça a Norma SA8000 Você faz parte! O que é a Norma SA 8000? A SA 8000 é uma norma internacional que visa aprimorar as condições do ambiente de trabalho e das relações da

Leia mais

6 Considerações Finais

6 Considerações Finais 6 Considerações Finais Este capítulo apresenta as conclusões deste estudo, as recomendações gerenciais e as recomendações para futuras pesquisas, buscadas a partir da análise dos casos das empresas A e

Leia mais

A Dehlicom tem a solução ideal em comunicação para empresas de todos os portes, sob medida.

A Dehlicom tem a solução ideal em comunicação para empresas de todos os portes, sob medida. A Dehlicom Soluções em Comunicação é a agência de comunicação integrada que busca divulgar a importância da comunicação empresarial perante as empresas e todos os seus públicos, com atendimento personalizado

Leia mais

remuneração para ADVOGADOS advocobrasil Uma forma mais simples e estruturada na hora de remunerar Advogados porque a mudança é essencial

remuneração para ADVOGADOS advocobrasil Uma forma mais simples e estruturada na hora de remunerar Advogados porque a mudança é essencial remuneração para ADVOGADOS Uma forma mais simples e estruturada na hora de remunerar Advogados advocobrasil Não ter uma política de remuneração é péssimo, ter uma "mais ou menos" é pior ainda. Uma das

Leia mais

Questão em foco: Colaboração de produto 2.0. Uso de técnicas de computação social para criar redes sociais corporativas

Questão em foco: Colaboração de produto 2.0. Uso de técnicas de computação social para criar redes sociais corporativas Questão em foco: Colaboração de produto 2.0 Uso de técnicas de computação social para criar redes sociais corporativas Tech-Clarity, Inc. 2009 Sumário Sumário... 2 Introdução à questão... 3 O futuro da

Leia mais

KIT ONLINE PARA SEU SALÃO DE BELEZA Como criar um blog de sucesso para seu salão de beleza e triunfar nas redes sociais

KIT ONLINE PARA SEU SALÃO DE BELEZA Como criar um blog de sucesso para seu salão de beleza e triunfar nas redes sociais KIT ONLINE PARA SEU SALÃO DE BELEZA Como criar um blog de sucesso para seu salão de beleza e triunfar nas redes sociais INTRODUÇÃO Em plena era 2.0 é imprescindível que as empresas estejam presentes na

Leia mais

Apresentação da FAMA

Apresentação da FAMA Pós-Graduação Lato Sensu CURSO DE ESPECIIALIIZAÇÃO 444 horras/aulla 1 Apresentação da FAMA A FAMA nasceu como conseqüência do espírito inovador e criador que há mais de 5 anos aflorou numa família de empreendedores

Leia mais

Universidade Federal de Uberlândia Diretoria de Comunicação Social (Dirco) Políticas Públicas de Comunicação

Universidade Federal de Uberlândia Diretoria de Comunicação Social (Dirco) Políticas Públicas de Comunicação Universidade Federal de Uberlândia Diretoria de Comunicação Social Políticas Públicas de Comunicação...a presença ativa duma universidade, revigorada ao contato de seu núcleo mais vivo e ciosa do seu espaço

Leia mais

Planejamento Estratégico de Comunicação Interna Comunica Pirelli A Pirelli mais perto de você Versão resumida

Planejamento Estratégico de Comunicação Interna Comunica Pirelli A Pirelli mais perto de você Versão resumida Planejamento Estratégico de Comunicação Interna Comunica Pirelli A Pirelli mais perto de você Versão resumida Análise do contexto da organização A Pirelli é a quinta maior empresa do mundo no mercado de

Leia mais

PESQUISA DE CLIMA MOTIVACIONAL

PESQUISA DE CLIMA MOTIVACIONAL PESQUISA DE CLIMA MOTIVACIONAL Relatório e Análise 2005 Introdução: ``Para que a Construtora Mello Azevedo atinja seus objetivos é necessário que a equipe tenha uma atitude vencedora, busque sempre resultados

Leia mais

Imagem corporativa e as novas mídias

Imagem corporativa e as novas mídias Imagem corporativa e as novas mídias Ellen Silva de Souza 1 Resumo: Este artigo irá analisar a imagem corporativa, mediante as novas e variadas formas de tecnologias, visando entender e estudar a melhor

Leia mais

CÓDIGO DE ÉTICA E CONDUTA

CÓDIGO DE ÉTICA E CONDUTA CÓDIGO DE ÉTICA E CONDUTA REV. 01-28/08/2009 Sumário Sumário... Erro! Indicador não definido. 1 Introdução e Princípios Gerais... 3 2 Relações da Empresa... 3 2.1 Com os colaboradores... 3 2.2 Com os clientes...

Leia mais

Planejamento Estratégico PLANEJAMENTO ESTRATÉGICO. Histórico de elaboração Julho 2014

Planejamento Estratégico PLANEJAMENTO ESTRATÉGICO. Histórico de elaboração Julho 2014 Planejamento Estratégico PLANEJAMENTO ESTRATÉGICO Histórico de elaboração Julho 2014 Motivações Boa prática de gestão Orientação para objetivos da Direção Executiva Adaptação à mudança de cenários na sociedade

Leia mais

Fácil e comum é se ouvir uma empresa levantar a bandeira do fluxo de informação com seus diversos públicos, inclusive o interno. A este, a maioria das empresas enaltece com orgulho um setor específico,

Leia mais

Portal Contador Parceiro

Portal Contador Parceiro Portal Contador Parceiro Manual do Usuário Produzido por: Informática Educativa 1. Portal Contador Parceiro... 03 2. Acesso ao Portal... 04 3. Profissionais...11 4. Restrito...16 4.1 Perfil... 18 4.2 Artigos...

Leia mais

ASSESSORIA DE IMPRENSA 1 Felipe Plá Bastos 2

ASSESSORIA DE IMPRENSA 1 Felipe Plá Bastos 2 ASSESSORIA DE IMPRENSA 1 Felipe Plá Bastos 2 RESUMO: O presente trabalho tem como objetivo saber como é desenvolvido o trabalho de Assessoria de Imprensa, sendo um meio dentro da comunicação que através

Leia mais

Atendimento pós-venda: gestão estratégica da ex...

Atendimento pós-venda: gestão estratégica da ex... Atendimento pós-venda: gestão estratégica da ex... (/artigos /carreira/comopermanecercalmosob-pressao /89522/) Carreira Como permanecer calmo sob pressão (/artigos/carreira/como-permanecer-calmosob-pressao/89522/)

Leia mais

MEDIA TRANNING. Giovana Cunha. Coordenadora de Rádio e TV - TST giovana.cunha@tst.jus.br

MEDIA TRANNING. Giovana Cunha. Coordenadora de Rádio e TV - TST giovana.cunha@tst.jus.br MEDIA TRANNING Giovana Cunha COMO AGIR DIANTE DA IMPRENSA É muito comum o entrevistado se queixar que o jornalista não reproduziu corretamente as informações fornecidas na entrevista. O jornalista normalmente

Leia mais

GESTÃO POR COMPETÊNCIAS Metodologia de implantação

GESTÃO POR COMPETÊNCIAS Metodologia de implantação GESTÃO POR COMPETÊNCIAS Metodologia de implantação Maria Rita Gramigna A gestão por competências é um programa executado através de blocos de intervenção, que se sucedem de forma simultânea ou passo-a-passo.

Leia mais

Como deixar seu negócio on-line. Tendências e a força das mídias sociais no VAREJO!

Como deixar seu negócio on-line. Tendências e a força das mídias sociais no VAREJO! Como deixar seu negócio on-line Tendências e a força das mídias sociais no VAREJO! A palavra de ordem das redes sociais é interação. Comparando a internet com outros meios de comunicação em massa como

Leia mais

e) visa estabelecer diretrizes aplicáveis ao posicionamento estratégico de comunicação e marketing das entidades integrantes do Sicoob.

e) visa estabelecer diretrizes aplicáveis ao posicionamento estratégico de comunicação e marketing das entidades integrantes do Sicoob. 1. Esta Política Institucional de Comunicação e Marketing: Política Institucional de Comunicação e Marketing a) é elaborada por proposta da área de Comunicação e Marketing da Confederação Nacional das

Leia mais

E-books. Introdução às Mídias Sociais. Sebrae

E-books. Introdução às Mídias Sociais. Sebrae E-books Sebrae Marketing e Vendas Introdução às Mídias Sociais O que fazer com as mídias sociais Tipos de ações As principais mídias sociais Dicas e considerações finais Autor Felipe Orsoli 1 SUMÁRIO 1

Leia mais

A contribuição da comunicação interna na construção e

A contribuição da comunicação interna na construção e A contribuição da comunicação interna na construção e fortalecimento da imagem corporativa O QUE É IMAGEM CORPORATIVA? Para fazer uma comunicação interna que fortaleça a Imagem Corporativa é preciso entender

Leia mais

Sumário. Apresentação...7

Sumário. Apresentação...7 Sumário Apresentação................................7 1. CONCEITOS BÁSICOS.........................11 Delimitação de funções..................... 12 2. ORIGENS E DESENVOLVIMENTO...................21 3.

Leia mais

Aula 3. Comunicação Organizacional

Aula 3. Comunicação Organizacional Aula 3 Comunicação Organizacional Comunicação Interna (Endomarketing) Profa. Ms. Daniela Cartoni Comunicação Organizacional Comunicação Externa Comunicação Organizacional Comunicação Interna Comunicação

Leia mais

Oficina Gestão da Comunicação Interna segundo a NBR ISO 9001:08

Oficina Gestão da Comunicação Interna segundo a NBR ISO 9001:08 FORMAÇÃO DE RDs Oficina Gestão da Comunicação Interna segundo a NBR ISO 9001:08 www.standardconsultoria.com Tubarão, 28 de julho de 2010. FORMAÇÃO DE RDs CURSO DATA NUMERO DE EMPRESAS PARTICIPANTES NUMERO

Leia mais

UM NEGÓCIO PRODUTIVO NO

UM NEGÓCIO PRODUTIVO NO UM NEGÓCIO PRODUTIVO NO Objetivos do treinamento Conhecer o potencial que as Redes Sociais tem no mundo e a aplicabilidade no seu Negócio Amway. Aprender como criar e administrar uma conta no FACEBOOK.

Leia mais

Redes Sociais Em Apoio À Tomada De Decisão

Redes Sociais Em Apoio À Tomada De Decisão Redes Sociais Em Apoio À Tomada De Decisão Este assunto normalmente é tratado quando se aborda a coleta de dados no ciclo de Inteligência. No entanto, o fenômeno das redes sociais, atualmente, cresceu

Leia mais

O PLANEJAMENTO DE COMUNICAÇÃO COMO DIFERENCIAL COMPETITIVO

O PLANEJAMENTO DE COMUNICAÇÃO COMO DIFERENCIAL COMPETITIVO O PLANEJAMENTO DE COMUNICAÇÃO COMO DIFERENCIAL COMPETITIVO Josiane Corrêa 1 Resumo O mundo dos negócios apresenta-se intensamente competitivo e acirrado. Em diversos setores da economia, observa-se a forte

Leia mais

apresentação de serviços

apresentação de serviços apresentação de serviços Nos últimos 50 anos a humanidade gerou mais informações do que em toda sua história anterior. No mercado corporativo, o bom gerenciamento de informações é sinônimo de resultados.

Leia mais

Apresentação da Disciplina

Apresentação da Disciplina Mídia - 2015.1 Nilmar Figueiredo 1 2 3 4 Calendário Acadêmico Comentários Apresentação da Disciplina Sistema de Avaliação 1 - Apresentação da Disciplina O que é Mídia? Departamento de Mídia - Organização

Leia mais

GANHE DINHEIRO FACIL GASTANDO APENAS ALGUMAS HORAS POR DIA

GANHE DINHEIRO FACIL GASTANDO APENAS ALGUMAS HORAS POR DIA GANHE DINHEIRO FACIL GASTANDO APENAS ALGUMAS HORAS POR DIA Você deve ter em mente que este tutorial não vai te gerar dinheiro apenas por você estar lendo, o que você deve fazer e seguir todos os passos

Leia mais

Coordenação-Geral de Comunicação e Editoração (CGCE) Diretoria de Comunicação e Pesquisa (DCP) Maio/2015

Coordenação-Geral de Comunicação e Editoração (CGCE) Diretoria de Comunicação e Pesquisa (DCP) Maio/2015 Coordenação-Geral de Comunicação e Editoração (CGCE) Diretoria de Comunicação e Pesquisa (DCP) Maio/2015 A proposta de plano de comunicação elaborada pela Coordenação- Geral de Comunicação e Editoração

Leia mais

Com a sua atuação pró-ativa a SUCESU trouxe diversos benefícios em prol do setor que representa no Brasil, podendo destacar:

Com a sua atuação pró-ativa a SUCESU trouxe diversos benefícios em prol do setor que representa no Brasil, podendo destacar: Introdução É grande a parcela da população das nações mais desenvolvidas do mundo que está se organizando em sociedades e associações civis que defendem interesses comuns. Essas pessoas já perceberam que

Leia mais

História Diferenciações Assessoria o que é? Estrutura Comunicação x Imprensa Papéis e funções Planejamento Conteúdo Processamento interno x externo

História Diferenciações Assessoria o que é? Estrutura Comunicação x Imprensa Papéis e funções Planejamento Conteúdo Processamento interno x externo Morgana Hamester História Diferenciações Assessoria o que é? Estrutura Comunicação x Imprensa Papéis e funções Planejamento Conteúdo Processamento interno x externo Contexto atual Modelização digital contemporaneidade;

Leia mais

DESAFIOS DA GESTÃO DAS PARTES INTERESSADAS DE UM PROJETO

DESAFIOS DA GESTÃO DAS PARTES INTERESSADAS DE UM PROJETO DESAFIOS DA GESTÃO DAS PARTES INTERESSADAS DE UM PROJETO João Souza Neto, Dr. joaon@ucb.br Diana L. N. dos Santos, MSc. dianas@mpdft.mp.br www.twitter.com/govtiapf http://govtiapf.com.br/blog/ Agenda Relacionamento

Leia mais

Sistemas de Remuneração Tradicionais e a Remuneração Estratégica

Sistemas de Remuneração Tradicionais e a Remuneração Estratégica Sistemas de Remuneração Tradicionais e a Remuneração Estratégica por Camila Hatsumi Minamide* Vivemos em um ambiente com transformações constantes: a humanidade sofre diariamente mudanças nos aspectos

Leia mais

2.1. COMPETINDO COM TECNOLOGIA DA INFORMAÇÃO

2.1. COMPETINDO COM TECNOLOGIA DA INFORMAÇÃO 1 2.1. COMPETINDO COM TECNOLOGIA DA INFORMAÇÃO Fundamentos da Vantagem Estratégica ou competitiva Os sistemas de informação devem ser vistos como algo mais do que um conjunto de tecnologias que apoiam

Leia mais

endereço eletrônico) OPCIONAL: http://www.coacavo.com.br/gestao_pdf/avaliacao_desempenho_360grau s.pdf

endereço eletrônico) OPCIONAL: http://www.coacavo.com.br/gestao_pdf/avaliacao_desempenho_360grau s.pdf AV1 Estudo Dirigido da Disciplina CURSO: Gestão de Recursos Humanos DISCIPLINA: Ferramentas de Gestão de Recursos Humanos ALUNO(A):Aline de Souza MATRÍCULA:51811 Ribeiro da Rocha NÚCLEO REGIONAL: DATA:

Leia mais

EMPREENDEDOR. Aqui está a oportunidade certa para seu sucesso.

EMPREENDEDOR. Aqui está a oportunidade certa para seu sucesso. EMPREENDEDOR Aqui está a oportunidade certa para seu sucesso. Introdução O que é a DIVULGGARE A micro franquia DIVULGGARE Como funciona o sistema de micro franquia DIVULGGARE Fórmula para o sucesso Produtos

Leia mais

1 MINUTA DO PLANO DE COMUNICAÇÃO E PARTICIPAÇÃO SOCIAL

1 MINUTA DO PLANO DE COMUNICAÇÃO E PARTICIPAÇÃO SOCIAL 1 MINUTA DO PLANO DE COMUNICAÇÃO E PARTICIPAÇÃO SOCIAL 1.1 APRESENTAÇÃO O Plano de Comunicação e Participação Social subsidiará a elaboração do Plano Diretor de Mobilidade Urbana, criando as bases para

Leia mais

A importância do design nos negócios

A importância do design nos negócios A importância do design nos negócios SUMÁRIO Apresentação 4 A importância do Design 5 Design de Comunicação 13 A Escada do Design 6 Design Gráfico 14 O processo do Design 7 Logomarca 15 Design & Inovação

Leia mais

Curso Empreendedorismo Corporativo

Curso Empreendedorismo Corporativo Curso Empreendedorismo Corporativo Todos os fatores relevantes atuais mostram que a estamos em um ambiente cada vez mais competitivo, assim as pessoas e principalmente as organizações devem descobrir maneiras

Leia mais

Integrada de Marketing. UNIBAN Unidade Marte Disciplina: Planejamento de Campanha Prof. Me. Francisco Leite Aulas: 31.03.11

Integrada de Marketing. UNIBAN Unidade Marte Disciplina: Planejamento de Campanha Prof. Me. Francisco Leite Aulas: 31.03.11 O Planejamento de Comunicação Integrada de Marketing UNIBAN Unidade Marte Disciplina: Planejamento de Campanha Prof. Me. Francisco Leite Aulas: 31.03.11 Agenda: Planejamento de Comunicação Integrada de

Leia mais

ARTIGOS AÇÕES MOTIVACIONAIS

ARTIGOS AÇÕES MOTIVACIONAIS ARTIGOS AÇÕES MOTIVACIONAIS ÍNDICE em ordem alfabética: Artigo 1 - ENDOMARKETING: UMA FERRAMENTA ESTRATÉGICA PARA DESENVOLVER O COMPROMETIMENTO... pág. 2 Artigo 2 - MOTIVANDO-SE... pág. 4 Artigo 3 - RECURSOS

Leia mais

TÍTULO: O CRM NA FIDELIZAÇÃO DE CLIENTES EM UMA EMPRESA DE MATERIAL PARA CONSTRUÇÃO

TÍTULO: O CRM NA FIDELIZAÇÃO DE CLIENTES EM UMA EMPRESA DE MATERIAL PARA CONSTRUÇÃO TÍTULO: O CRM NA FIDELIZAÇÃO DE CLIENTES EM UMA EMPRESA DE MATERIAL PARA CONSTRUÇÃO CATEGORIA: CONCLUÍDO ÁREA: CIÊNCIAS SOCIAIS APLICADAS SUBÁREA: ADMINISTRAÇÃO INSTITUIÇÃO: FACULDADE DE AURIFLAMA AUTOR(ES):

Leia mais

A sala virtual de aprendizagem

A sala virtual de aprendizagem A sala virtual de aprendizagem Os módulos dos cursos a distância da Faculdade Integrada da Grande Fortaleza decorrem em sala virtual de aprendizagem que utiliza o ambiente de suporte para ensino-aprendizagem

Leia mais

5 dicas incríveis de Facebook Ads para iniciantes. 1 INTRODUÇÃO

5 dicas incríveis de Facebook Ads para iniciantes. 1 INTRODUÇÃO 5 dicas incríveis de Facebook Ads para iniciantes. 1 INTRODUÇÃO Este e book foi criado após ter percebido uma série de dúvidas de iniciantes em Facebook Ads. O seu conteúdo é baseado na utilização da plataforma

Leia mais

VAMOS DAR INICIO A MAIS UMA AULA DO CURSO DE PROPAGANDA E MARKETING- 4 MÓDULO COMO GANHAR DINHEIRO COM MALA DIRETA

VAMOS DAR INICIO A MAIS UMA AULA DO CURSO DE PROPAGANDA E MARKETING- 4 MÓDULO COMO GANHAR DINHEIRO COM MALA DIRETA VAMOS DAR INICIO A MAIS UMA AULA DO CURSO DE PROPAGANDA E MARKETING- 4 MÓDULO COMO GANHAR DINHEIRO COM MALA DIRETA 4 E ÚLTIMO MÓDULO: Como Ganhar dinheiro com Mala Direta APRESENTAÇÃO PESSOAL Edileuza

Leia mais

Sociedade e Tecnologia

Sociedade e Tecnologia Unidade de Aprendizagem 15 Empresas em Rede Ao final desta aula você será capaz de inovações influenciam na competitividade das organizações, assim como compreender o papel da Inteligência Competitiva

Leia mais

Política de Recursos Humanos do Grupo Schindler

Política de Recursos Humanos do Grupo Schindler Política de Recursos Humanos do Grupo Schindler 2 Introdução A política corporativa de RH da Schindler define as estratégias relacionadas às ações para com seus colaboradores; baseia-se na Missão e nos

Leia mais

SISTEMAS DE NEGÓCIOS. a) SISTEMAS DE APOIO EMPRESARIAIS

SISTEMAS DE NEGÓCIOS. a) SISTEMAS DE APOIO EMPRESARIAIS 1 SISTEMAS DE NEGÓCIOS a) SISTEMAS DE APOIO EMPRESARIAIS 1. COLABORAÇÃO NAS EMPRESAS Os sistemas colaborativos nas empresas nos oferecem ferramentas para nos ajudar a colaborar, comunicando idéias, compartilhando

Leia mais

A REPUTAÇÃO ONLINE DOS HOTÉIS

A REPUTAÇÃO ONLINE DOS HOTÉIS A REPUTAÇÃO ONLINE DOS HOTÉIS Descubra a importância da reputação online do seu hotel na rentabilidade. Perceba qual a melhor maneira de tirar partido das ferramentas digitais. O PORQUÊ DE LER ESTE EBOOK!

Leia mais

ADMINISTRAÇÃO. Funções administrativas ADMINISTRAÇÃO. Revisão de véspera Técnico INSS ADMINISTRAÇÃO ADMINISTRAÇÃO ADMINISTRAÇÃO ADMINISTRAÇÃO

ADMINISTRAÇÃO. Funções administrativas ADMINISTRAÇÃO. Revisão de véspera Técnico INSS ADMINISTRAÇÃO ADMINISTRAÇÃO ADMINISTRAÇÃO ADMINISTRAÇÃO Funções administrativas Revisão de véspera Técnico INSS Planejamento Organização Direção Controle 1 2 Funções administrativas Planejamento: Planejamento é a função administrativa que estabelece os objetivos

Leia mais

Portfolio de Produtos

Portfolio de Produtos Introdução O Guia de Produtos e Serviços da Assessoria de Comunicação (ASCOM) da Universidade Federal do Recôncavo da Bahia (UFRB) foi elaborado com o objetivo de apresentar os produtos e serviços prestados

Leia mais

E-books. Guia completo de como criar uma Página no Facebook. Sebrae

E-books. Guia completo de como criar uma Página no Facebook. Sebrae E-books Sebrae Marketing e Vendas Guia completo de como criar uma Página no Facebook Como começar Criando uma Página Conhecendo a Página Configurações iniciais Estabelecendo conversas Autor Felipe Orsoli

Leia mais

Educação Financeira e Previdenciária Case - Fundação CEEE. Magdarlise Dal Fiume Germany Gerente Relações Institucionais

Educação Financeira e Previdenciária Case - Fundação CEEE. Magdarlise Dal Fiume Germany Gerente Relações Institucionais Educação Financeira e Previdenciária Case - Fundação CEEE Magdarlise Dal Fiume Germany Gerente Relações Institucionais Programa de Educação Financeira e Previdenciária - Criação Aprovado pela PREVIC em

Leia mais

PROJETO TEMÁTICO Campanha de divulgação Do Programa de Responsabilidade Socioambiental do TJDFT VIVER DIREITO

PROJETO TEMÁTICO Campanha de divulgação Do Programa de Responsabilidade Socioambiental do TJDFT VIVER DIREITO PROJETO TEMÁTICO Campanha de divulgação Do Programa de Responsabilidade Socioambiental do TJDFT VIVER DIREITO OBJETIVO A campanha teve por objetivo implantar na Instituição a cultura da responsabilidade

Leia mais

CONSULTORIA DE DESENVOLVIMENTO ORGANIZACIONAL

CONSULTORIA DE DESENVOLVIMENTO ORGANIZACIONAL CONSULTORIA DE DESENVOLVIMENTO ORGANIZACIONAL Somos especializados na identificação e facilitação de soluções na medida em que você e sua empresa necessitam para o desenvolvimento pessoal, profissional,

Leia mais

Equipe da GCO: 1. Carlos Campana Gerente 2. Maria Helena 3. Sandro 4. Mariana

Equipe da GCO: 1. Carlos Campana Gerente 2. Maria Helena 3. Sandro 4. Mariana Gerência de Comunicação GCO tem por finalidade planejar, organizar, coordenar e controlar as atividades de comunicação e editoriais do Confea. Competências da GCO 1. Organizar e executar projetos editoriais:

Leia mais

MÍDIAS SOCIAIS. Manual de Conduta

MÍDIAS SOCIAIS. Manual de Conduta MÍDIAS SOCIAIS Manual de Conduta Apresentação O Sistema Ocemg, atento às mudanças de mercado e preocupado em estar sempre próximo de seus públicos de interesse, assume o desafio de se posicionar também

Leia mais

e das pessoas; conceitos e informações socialmente responsável funcionais e institucionais; estimular o comportamento divulgar aos colaboradores

e das pessoas; conceitos e informações socialmente responsável funcionais e institucionais; estimular o comportamento divulgar aos colaboradores Levar todas as informações decisivas da empresa, de forma rápida e simples; jornalmural divulgar aos colaboradores conceitos e informações funcionais e institucionais; reconhecer o trabalho das áreas e

Leia mais

Catálogo de Merchandising

Catálogo de Merchandising Catálogo de Merchandising 1 Feira SALA DE IMPRENSA O canal perfeito para sua empresa falar com um público sempre bem informado e formador de opinião, composto por jornalistas dos mais conceituado veículos

Leia mais

O Papel dos Meios de Comunicação na Formação da Imagem Empresarial importância do Assessor de Imprensa neste processo 1

O Papel dos Meios de Comunicação na Formação da Imagem Empresarial importância do Assessor de Imprensa neste processo 1 O Papel dos Meios de Comunicação na Formação da Imagem Empresarial importância do Assessor de Imprensa neste processo 1 Evelyn Nascimento Bastos 2 Palavras-chaves: Meios de Comunicação; Imagem Empresarial;

Leia mais

Identificação da Experiência: Gestão do Clima Organizacional Processo A Palavra é Sua.

Identificação da Experiência: Gestão do Clima Organizacional Processo A Palavra é Sua. Identificação da empresa: Viação Santa Cruz S/A Identificação da Experiência: Gestão do Clima Organizacional Processo A Palavra é Sua. Data: Implantação em 2009 aos dias atuais Categoria: Adesão dos Colaboradores

Leia mais

ACOMPANHAMENTO GERENCIAL SANKHYA

ACOMPANHAMENTO GERENCIAL SANKHYA MANUAL DE VISITA DE ACOMPANHAMENTO GERENCIAL SANKHYA Material exclusivo para uso interno. O QUE LEVA UMA EMPRESA OU GERENTE A INVESTIR EM UM ERP? Implantar um ERP exige tempo, dinheiro e envolve diversos

Leia mais

EMPREENDEDORISMO: POR QUE DEVERIA APRENDER?

EMPREENDEDORISMO: POR QUE DEVERIA APRENDER? EMPREENDEDORISMO: POR QUE DEVERIA APRENDER? Anderson Katsumi Miyatake Emerson Oliveira de Almeida Rafaela Schauble Escobar Tellis Bruno Tardin Camila Braga INTRODUÇÃO O empreendedorismo é um tema bastante

Leia mais

Política de Comunicação do Serviço Federal de Processamento de Dados (Serpro) - PCS

Política de Comunicação do Serviço Federal de Processamento de Dados (Serpro) - PCS Política de Comunicação do Serviço Federal de Processamento de Dados (Serpro) - PCS POLÍTICA DE COMUNICAÇÃO DO SERVIÇO FEDERAL DE PROCESSAMENTO DE DADOS (SERPRO) - PCS A Política de Comunicação do Serviço

Leia mais

PROPOSTA DE ESTRUTURAÇÃO

PROPOSTA DE ESTRUTURAÇÃO U N I R I O UNIVERSIDADE FEDERAL DO ESTADO DO RIO DE JANEIRO REITORA MALVINA TUTTMAN PROPOSTA DE ESTRUTURAÇÃO COORDENAÇÃO DE COMUNICAÇÃO SOCIAL (COMSO) Fernanda Soares Coordenadora Gabriel Melo Assistente

Leia mais

Professora Débora Dado. Prof.ª Débora Dado

Professora Débora Dado. Prof.ª Débora Dado Professora Débora Dado Prof.ª Débora Dado Planejamento das aulas 7 Encontros 19/05 Contextualizando o Séc. XXI: Equipes e Competências 26/05 Competências e Processo de Comunicação 02/06 Processo de Comunicação

Leia mais

Tutorial 7 Fóruns no Moodle

Tutorial 7 Fóruns no Moodle Tutorial 7 Fóruns no Moodle O Fórum é uma atividade do Moodle que permite uma comunicação assíncrona entre os participantes de uma comunidade virtual. A comunicação assíncrona estabelecida em fóruns acontece

Leia mais

Guião de apoio para divulgação junto da Comunicação Social

Guião de apoio para divulgação junto da Comunicação Social Semana da Liberdade de Escolha da Escola / School Choice Week & I Conferência da Liberdade de Escolha da Escola / 1st School Choice Conference Guião de apoio para divulgação junto da Comunicação Social

Leia mais