SistemasdeInformac~aoemFinancas. DuarteTrigueiros. UniversidadedoAlgarve,FaculdadedeEconomia MestradoemFinancas

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "SistemasdeInformac~aoemFinancas. DuarteTrigueiros. UniversidadedoAlgarve,FaculdadedeEconomia MestradoemFinancas"

Transcrição

1 SistemasdeInformac~aoemFinancas DuarteTrigueiros UniversidadedoAlgarve,FaculdadedeEconomia MestradoemFinancas

2 eaprofundadodetopicosjaabordadosemoutrasdisciplinasdamestrado.osexemplosqueseoferecems~aoinspiradoresdeumusomaisousadoeproveitosodosmetodosnumericosnaempresaeem instituic~oesnanceiras.essesexemplosbaseiam-senosexcelenteslivrosdebenninga(1989)[4]ede Schlosser(1989)[34].Oconteudo,porem,foimodicadosnosentidodeummaioraprofundamento. estudados,nomeadamrnteagest~aonanceiradasempresas,agest~aodecarteirasdettulos,opc~oes, ProjectosdeInvestimentoeoutros.Tambempressup~oeoconhecimentodeferramentasinformaticas Agradecimento:Estesapontamentosbeneciaramdassugest~oesecrticasdemuitaspessoas. comunsnasempresas,especialmenteafolhadecalculo. Oaproveitamentoporpartedoalunopressup~oeummnimodefamiliariedadecomosproblemas Oobjectivodestetextoeproporcionarumavis~aoabrangentedosmetodoscomputacionaismais necessariosaotrabalhodogestorouanalistananceiros,sendoaomesmotempoumresumopratico Introduc~ao Particularmenteutilfoiotrabalhodecorrecc~aoeadequac~aoaterminologiacontabilsticaportuguesaqueoEng.JoseNunesMaiatomouaseucargo. ii

3 Indice Introduc~ao INaturezaePapeldaInformac~aonasEmpresas 1AEmpresacomoProcessodeValorAcrescentado ii 1 2DadoseInformac~ao 1.3OAcrescentodeValornasEmpresas Informac~aoeseuPapelnaEmpresa AsActividadesdeumaOrganizac~ao FinseObjectivosdeumaOrganizac~ao Informac~aoProbabilstica,Informac~aoAssimetrica 2.3Func~oesdaInformac~ao Convers~aodeDadosemInformac~ao...13 IISistemasdeInformac~aoFinanceiros 3.3Informac~aoAssimetricaeGanhoEsperado QuantidadedeInformac~ao Numerac~aoBinariaeInformac~ao PlaneamentoFinanceiro 4.1ModeloscomSimultaneidade(Warren Shelton) Exerccios Discuss~ao UmExemplo Implementac~ao Aplicac~aoaAquisic~oes ComoEstimaroPrecodeCompra...39 iii

4 5Endividamento,EconomiaFiscaleLeasing 4.2.5Exerccios CalculodoValorResidual Implementac~ao AjustedoCustodoCapitalSocial OEmprestimoEquivalente AjusteDirectodaAnaliseSimplista AAlternativaCompra{Aluguer CapacidadedeEndividamento:MaisdeUmPerodo CapacidadedeEndividamento:UmSoPerodo AFronteiraEcientedeumaCarteira 5.8Exerccios AAnaliseFinanceiradeLeasesAlavancados AMaximaRendaAceitavel Exerccio AsCarteirasEcientes OGanhoEsperadoeaVari^ancianoCasoGeral ValorEsperadoeVari^anciadeumaCarteira Introduc~ao OComportamentoEstatsticodasCotac~oes 7OsBetas,IncertezaeRobustez 7.4BetaseRobustez SeraaCarteiradoMercadoMeramenteEciente? UmTestedoCAPM ARectaValor-Mercado Determinac~aodosPar^ametrosdeumaDistribuic~ao OsProcessosdeDifus~aoMultiplicativos Caracterizac~aoEstatsticadasCotac~oes ProcessosdeDifus~ao ASimulac~aodeCotac~oes ADistribuic~aoNormal OValordasOpc~oes 9.1Padr~oesdeLucroaDatadeExpirac~ao Exerccios...92 iv 93

5 10ASegurancaDin^amicadasCarteiras 9.4AParidadeCall-Put AEstimac~aodaVolatilidadeImplcitaNumPreco Exerccios AEquac~aodeBlack-Scholes:OPrecodeumaOpc~ao OsFactoresqueInuenciamoPrecodasOpc~oes ASegurancadeCarteirasdeActivosMaisComplicados UmaSimulac~ao:SegurancaDin^amicadeCarteiras PutsImplcitaseoValordosActivos ASegurancadeumGanhoPre-Determinado Exerccios Durac~aoeestrategiasdeImunizac~ao 10.6OutrasEstrategiasdeInvestimentocomOpc~oes Gama:RobustezdeumHedge Delta-NeutralHedge CalculodoYTMcomPerodosIrregulares FormulasAbreviadasParaaDurac~ao Durac~ao ADurac~aoeoGanhoAteamaturidade(YTM) ADurac~aoeaVolatilidadedosPrecos Exerccios EstrategiasdeImunizac~ao AImunizac~aodeSegundaOrdem UmExemplo Imunizac~aocomCarteirasdeBonds v

6 NaturezaePapeldaInformac~aonas Empresas ParteI 1

7 Acrescentado AEmpresacomoProcessodeValor Captulo1 Aolongodestetextofar-se-ausodeconceitosetermospropriosdasci^enciasempresariaisedas organizac~oes.essesconceitosser~aoagorabrevementerecordados. Asorganizac~oesexistemparasatisfazerdeterminadasnecessidadese,subjacenteaoseuaparecimento,estasempreofactodecertastarefassoseremfactveisousetornaremmenoscustosas 1.1FinseObjectivosdeumaOrganizac~ao quandolevadasacaboporumgrupodepessoasemvezdeindividualmente. 1 sejamn~ao-lucrativos. (asempresas).masalgunsdosconceitosaabordaraplicam-setambemaorganizac~oescujosns nizac~oesqueinteressamaesteestudos~aoaquelascujomeoaumentodariquezadosseusdonos Eotipodenecessidadesasatisfazer,osns,aquiloquecaracterizacadaorganizac~ao.Asorga- 2setentaatingi-lospodevariaraolongodotempo,dandoorigemaquiloquesechamamosobjectivos. est~aoausarnessaorganizac~aoparamelhoratingirosseusns. Osobjectivosdeumaorganizac~aos~aoasmedidaseacc~oesconcretasque,numdadoperodo,se Osnsdeumaorganizac~aomant^em-seenquantoessaorganizac~aoexistir.Masaformacomo objectivos: limitados,eporafora. circunscritoseestespodemaindaestarsubordinadosaconsecuc~aodeoutrosobjectivosaindamais deobjectivosgeraisedecisivosimplicaquetenhamsidoatingidosvariosoutrosobjectivosmais Comopartedahierarquiadenidaacima,ecostumedistinguirem-seosseguintesnveisde Podefacilmentereconhecer-seumahierarquiadeobjectivosnasorganizac~oes.Aconsecuc~ao ObjectivosEstrategicos,asgrandesmetasconsideradascomodecisivasparaaconsecuc~aodos nsdeumaorganizac~ao. 2

8 3ObjectivosOperacionais,asetapasconcretas,circunscritasasactividadespropriasdecadaor- ganizac~ao,equesejulguemcapazesdeaproximaressaorganizac~aodasatisfac~aodosseus objectivosestrategicos. Oexitonaconsecuc~aodecertosobjectivosoperacionaisiracondicionarasatisfac~aodeumdado objectivoestrategico.chama-sehierarquiadesubordinac~aodeobjectivosaestaconcatenac~ao. 4 comoobjectivotactico. istoe,otempoquelevamaseratingidos.assim,ter-se-iamos importanteadarnocurtoprazoparaaconsecuc~aodumobjectivoestrategico)tambemeconhecido estrategiadeumaorganizac~ao(istoa,quandoesseobjectivopodeconsiderar-secomoumpasso Eaindacostumedividirosobjectivosdeumaorganizac~aosegundoasuavig^enciaoudurac~ao, Quandoumobjectivooperacionalcontribuidirectamenteeecondic~aoparaosucessoda ObjectivosaLongoPrazo,osquelevammaisde3anosaserematingidos. ObjectivosaMedioPrazo,osquelevamentre1a3anosaserematingidos. ObjectivosaCurtoPrazo,osquelevammenosde1anoaserematingidos. operacionaiscostumamserdeprazomaiscurtodoqueosestrategicos.porsuavez,aexpress~ao defabricoeatedelosoadevendasnumprazomuitomaiscurto.mesmoassim,osobjectivos aosns.naindustriaaeronautica,asdecis~oesquelevamadenic~aodeobjectivosestrategicos podemcomprometerumaempresaparaostrintaanosseguintes.pelocontrario,naindustriade confecc~oesoucalcado,asempresasprecisamdesercapazesdemudarcompletamentedelinha N~aoexisterelac~aoentreotempoqueumobjectivolevaaseratingidoeasuahierarquiaemordem 5 dadedirectamenteligadacomaestrategiadaempresa(vendas,fornecedoresououtrasactividades sensiveis). \melhoriatactica"deveraentende-secomoumavanco,aserconseguidonocurtoprazo,numaactivi- 6 queatingeosseusns.paraarticularassuasactividades,aorganizac~aodisp~oedefunc~oes,cada umadasquaisedesempenhadaaumnveldedecis~aodeterminado. trategicoss~aodenidosaonvelcorrespondentededecis~aoeplanicac~ao.naempresaclassica,esse planicac~ao,jaqueaescolhaentevariospossveisobjectivosrequerumadecis~ao.osobjectivoses- Ahierarquiaeadurac~aodosobjectivosdeumaempresareectemosseusnveisdedecis~aoede Umaorganizac~aodesenvolveasactividadesquelhes~aopropriaseeatravesdestasactividades intermedios.estarelac~aoentrefunc~oesehierarquiadeobjectivosnemsempreseverica. nvelseriaomaiselevadodentrodaorganizac~ao,odoconselhodeadministrac~ao.adeterminac~ao eseguimentodosobjectivosoperacionaisdependetradicionalmentelmentedequadrossuperiorese isso,numaempresaosobjectivoss~aodenidoscomometasmensuraveis.asdimens~oessobreas quaisosobjectivossedenempertencemasseguintescincograndesareas 7.Dimens~oes.N~aoeproveitosodenirobjectivosdeumaformavaga,poucoconcreta.Por 3

9 RendimentoInterno.Seradepoisnecessariotomardecis~oesquantoaformaorganizacionaleaos RendimentoExterno.Eaindaprecisoestabelecerabasedemedidaquemelhoravaliaorendimentodaempresanaconsecuc~aodoobjectivoanterior. deoganharedequemodoseiramediroprogressoemdirecc~aoaesteobjectivo. Competitividade.Umaorganizac~aoprecisadedenirqualomercadoaoqualsedirige,aforma indicadoresqueir~aopermitiravaliaraeci^enciadecadaumadasactividadesdaorganizac~ao. OContextoeoAmbiente.Umaorganizac~aotemaindaquedeniraformacomoseirarelados,poluentes,modicac~oesnatopograa,etc.)comonorelacionamentocomasautoridadecionarcomocontextoondeseinsere,tantonosaspectossimplesmenteecologicos(lixos,rui- Abuscadeindicadoresouvariaveisnumericassimples,capazesdereectirem,comamaiorprecis~ao AsPessoas.Finalmente,eprecisodecidirqualomodofuncionaldentrodoqualostairadaro seucontributoparaosobjectivosdaorganizac~ao. osusosecostumeslocais,etc. (locais,regionais,etc.),eaindacomoseirarelacionarcomossindicatoseoutrasassociac~oes, objectivosdaempresa,existemmuitasareasondeosindicadoressocapturampartedarealidade possvel,aposic~aodeumaempresafaceaosseusobjectivos,temsidoumapreocupac~aocomum, asgrandesforcascomqueumaorganizac~aotemdecontaraodeniretentarchegaraconsecuc~ao desdelongadata.emboraalgunsindicadoresconsigamdefactoquanticaraspectosessenciaisdos dessesobjectivos: Macro-Economia.Ataxadeinac~ao,decrescimentodoproduto,aprodutividadeeodesemprego,entremuitasoutras. ous~aoinuenciadosporvariosfenomenosaomesmotempo,tornando-seassimmenosuteis. 8.Forcas.Outrapossvelformadequalicaradenic~aodeobjectivosconsisteemconsiderar Poltica.Opartidonopodereaformacomoasuapolticasocialoueconomicaafectaaorganizac~aoeoseumercado.Osmass-media,oslobbieseseuscustos. Financas.Taxasdejuro,decambio,impostos,opini~aodomercadodecapitaisedosbancossobre aempresaesobreosect^or,etc. Tecnologias.Velocidadenoavancodatecnologia,capazdeafectarasespecicac~oeseoprecodos Mercado.Tend^enciasdosconsumidores,canaisdedistribuic~ao. Concorr^encia.Precos,capacidade,taxadecrescimento,qualidade,canaisdedistribuic~aoeestrategiadosconcorrentes.Facilidadenaentradadenovosconcorrentes. produtosoudoprocessodefabrico,daestruturadecustos. 4

10 Sociedade.Tipoedesenvolvimento,estrutura,educac~ao,civismo,qualidadedevida.Aexist^encia Demograa.Mudancasnotamanhoenacomposic~aoetariadapopulac~ao. JusticaeLegislac~ao.Asleiseregulamentosexistentesouemestudo,queafectemdirectaou devciossociaisgeneralizados,comoahiper-burocracia,acorrupc~aoeseuscustos. Mecanismosreguladores,corrupc~ao.Orelacionamentocomoscorposreguladores.Apossibilidadeoun~aoderecursoapraticasinaceitaveisemeconomiasmaisevoluidascomooconluio paraxac~aodeprecos,ouofavorecimentoporpartedoestado(concess~oes). indirectamenteasoperac~oesdaorganizac~ao.aatitudedaspessoasperanteapossibilidade rapidezdostribunais. derecorrerematribunalpararesolveremosseuslitgios,bemcomoacredibilidade,custose Ecologia.Osefeitosdasoperac~oesnoambientenatural. 9referidosefeitos.Tallegislac~aoiraintroduzirnovasinteracc~oes,possivelmenteateumdesequilbrio nomercado. aumapress~aopolticaeaumamudancanosregulamentosoulegislac~ao,tendentealimitaros efeitosecologicosdesfavoraveis,osquaisdesencadeiamreacc~oesnasociedade.essefactolevara Estasforcasn~aoactuamisoladamente.Porexemplo,asmudancasnastecnologiaspodemproduzir Ogestorquedisponhadeinformac~aosobreaevoluc~aofuturadestasforcasestaranumaposic~aode emqueumaempresasemoveecomplexo,multi-dimensionaleemmutac~ao.estamutac~aotraz consigo,querasnovasoportunidadesdenegocio,querosriscoseameacasaviabilidadedaempresa. vantagemfaceaconcorr^encia.porem,n~aocostumaserfacilasuaprevis~aooumesmoadescoberta deindicadoresquereictamelmenteaevoluc~aoisoladadecadaumadelas. Devidoaquealgumasdasforcasreferidasacimaseinuenciammutuamente,oambiente 10sensibilidadeasforcasreferidas.Assim,certotipodeempresass~aomuitovulneraveisaaumentos nastaxasdec^ambioporqueimportammuitasmateriasprimas.outras,dependemdeumclima polticofavoravelporqueosseusclientess~aoentidadesquerecebemsubsdiosdoestado.ha empresaspouco,oumuito,sensveisarapidezdasmudancastecnologicas;certasempresasrecorrem habitualmenteaemprestimos,candoassimmaisexpostasaaumentosnastaxasdejuro;outras, Ograueaformacomocadaorganizac~aoeafectadaporesteambientedependeradasua recursosparasatisfazeremahiper-burocraciaeacorrupc~aoaelaassociada.existemempresasque sos~aoviaveisemregimedeconcess~ao(monopolio)ehamuitasoutrascujasmargensmostramos taxasouspreads). asuacotac~aojuntodosinvestidores.hasectores,comoaconstruc~aocivil,quet^emquereservar efeitosdeumaconcorr^enciadomesticada(frutodoconluioentreconcorrentesparaxarprecos, paracresceremdepressa,carecemdeaumentaroseucapitaletornam-seportantomuitosensveis 11c~aoprecisaparaenfrentarcomsucessoamutac~aodoambiente,tirandopartidodasnovassituac~oes Ver-se-anoproximocaptuloqueeprecisamenteainformac~aoorecursodequeumaorganiza- 5

11 Existemdiversaspossveismodelosouformasdeverumaorganizac~ao.Omodelohierarquico,por 1.2AsActividadesdeumaOrganizac~ao positivaserevertendoosentidodasquepoderiamsernegativas,especialmentenoquerespeitaa exemplo,evidenciaascadeiasderesponsabilidadequeporventuratenhamsidoestabelecidasnuma forcasasquaiselaesensvel. previlegiarmodelosqueevidenciemosseusns.daointeresseemestudaromodelosistemicoda empresa.aquelesquedesejarementenderaempresanoquetemdemaisbasico,devemporem organizac~aocomp~oe-sedeumainfrastruturasobreaqualserealizamactividades.existemportanto cincocomponentesnestemodelodeorganizac~ao: queabsorverecursos,transforma-ose,comoresultado,produzoutrosrecursos.noseuinterior,a 12.Aorganizac~aocomoSistema:Podedescrever-seumaorganizac~aocomoumaentidade 4.Asferramentaseastecnicasquetransformamosrecursos. 3.Ainfrastruturasobreaqualaorganizac~aofunciona. 2.Asactividadesquerealizaequelhes~aoproprias. 1.Osrecursosqueumaorganizac~aoabsorve. maisvaliosos(istoe,produtosqueomercadoestadispostoapagarmaiscarodoquepagariapelas devaloracrescentado:osrecursosabsorvidoss~aointegradosetransformados,originandoprodutos Opapeldogestoreodeintegraresteselementosdemodoaconseguirqueosobjectivosdaorganiza- c~aosejamatingidos.numaempresa,oscincocomponentesreferidosacimaconstituemumprocesso 5.Osrecursosques~aoproduzidos:Oprodutoacabado,servicos,osmeioslibertos,ossalarios, partesseparadamente).esteacrescentoemvalorteraquesersucientepararecompensarosdonos dividendos,etc. 13daempresapeloinvestimentoefectuado:oprocessodevaloracrescentadoteraqueserecientede modoalibertardinheiro. Capital.Eorecursoporexcel^enciaporquepermiteaobtenc~aodetodososoutros.Umaorgani- sustentodessasoperac~oes,oinvestimentoemfundodemaneio. mentoemterrenos,edifcios,maquinarias,viaturas),mastambemdodinheironecessarioao zac~aoprecisara,n~aoapenasdocapitalinicialnecessarioaaquisic~aodoimobilizado,(investi- Osprincipaistiposderecursosabsorvidosporumaorganizac~aos~aoosseguintes Pessoas.Fornecemosconhecimentos,habilidadeseexperi^encianecessariosaoprocessodevalor acrescentado.esterecursoeomaisdifcildeobteredegerircomeci^encia. 6

12 Informac~ao.Nocontextoemqueestamos,esterecursorefere-seapenasadadossobreoambiente MateriasprimasoumercadoriaseServicos.S~aoosrecursosbasicosqueumaorganizac~ao absorveetransforma.algunsdestes,comoaenergia,osmateriais,s~aousadosdirectamente seuscustos;adisponibilidadedepessoascomcertashabilitac~oeseoscustosdoseurecrutamentoeretenc~ao;asfontesalternativasondesepodemobtercertosmateriaiseservicos,seus t^emumacontribuic~aomenosdirecta.procedemdeoutrasorganizac~oesoudapropria. acima.porexemplo,umaempresaprecisaradeterinformac~aoreferenteafontesdecapitale exterioraorganizac~ao(verparagrafo8)esobreostr^esoutrostiposderecursosdescritos noprocesso.outros,comofacilidadesdetransporte,cantinas,aconselhamentoeauditoria, 14 meritosemtermosdequalidade,custo,facilidadesdeentrega,etc. Operac~oes.Todasasactividadesdetransformac~aoderecursosdentrodoprocessodeacrescentamentodovalorporte.Asactividadersprimariasest~aodirectamenteligadasatransformac~aoouprocessoeincluem LogsticadeEntrada.Ascompras,orecepcionamento,ocontrolodequalidade,armazenagem, aaquisic~aodeservicos. Quantoasactividadesdeumaorganizac~ao,elaspertencemadoistipos:Primarias,edeSu- Servico.Cumprimentodecompromissosdecorrentesdavenda,comomanutenc~ao,treino,substituic~ao,etc.Costumadizer-seservice). LogsticadeSaidaeExterna.Controlodequalidadedoproduto,suaarmazenagem,distribui- MarketingeVendas.Pesquizademercados,promoc~ao,venda. c~ao,instalac~ao. 15eapoiamasactividadesprimarias.Podemdescrever-secomopertencendoaquatrograndestipos ProcuradeRecursos.Odesenvolvimentodepolticas,processoseaobtenc~aodeconhecimentos Asactividadesdesuportes~aoaquelasn~aodirectamentedirigidasaoprocessomasquefacilitam DesenvolvimentodaTecnologia.Apesquiza,desenvolvimentoedesenhodenovosprocessose actividade. tendentesafacilitaraaquisic~aoderecursos,tantomateriaiseservicoscomocapitalepessoas. Gest~aodosRecursosHumanos.Odesenvolvimentodepolticaseprocessosparaotreino, produtos. Costumadizer-seprocurement.Apolticadefornecedoreseumexemploimportantedesta gest~aoecontrolodaspessoasdentrodaorganizac~ao. 7

13 Capital - ProcessodeValorAcrescentado - - Gest~aodeRecursosHumanos DesenvolvimentoTecnologico InfrastruturaOrganizacional ActividadesdeSuporte Informac~ao Materiais Servicos Pessoas Logistica InternaProduc~aoMarketing ActividadesPrimarias ProcuradeRecursos Vendas LogisticaEx- Service -Empregados Clientes Estado Sociedade Donos Nocaptulo??voltar-se-aaabordaresteassunto. InfrastruturaOrganizacional.Apreparac~aodeplanosestrategicosepolticasdaempresacom organizacionaisesistemasdeplaneamentoecontrolo,atomadadedecis~oes. vistasaobtenc~aodosobjectivosdaorganizac~ao.aimplementac~aodasnecessariasestruturas Figura1:Asactividadesdeumaorganizac~ao. 16deverasert~aoelevadoquecomprometaarendibilidadedaempresa. acrescentodevalor,contribuemdecisivamenteparaaconsecuc~aodosobjectivosdasorganizac~oes. S~aotambemconhecidaspelonomedeactividadesdeinfrastrutura.Oseucusto,porem,nunca Devereconhecer-sequeasactividadesdesuporte,apesarden~aoseremprimariasemtermosde 17comoaassemblagemdepecasnumalinhadefabrico,ocontrolodequalidadeeaarmazenagem. Mastambempodemserpoucorotineiras,exigindoatomadadenovasdecis~oes,comonocasoda determinac~aodeumprecodevenda.aqualidadedainformac~aodisponvelesempreessencialao processodevaloracrescentado. Asferramentaseastecnicasquetransformamosrecursoss~aogeralmenteformasrepetitivas, OsDonosouAccionistas,querecebemopremiodevidoaoinvestimentoquerealizaram(dividendos). Osrecursoslibertosporumaorganizac~aoencontramquatrograndesgruposderecipientes OsEmpregados,querecebemossalarios. OsClientes,quecompramosprodutosacabadoseservicosequedelesdisfrutam. devaloracrescentado.podedescrever-seumaempresademuitasmaneiras.aquelaqueagura1 Agura1(pagina8)ilustraoquefoiditoateaquisobreasactividadesdeumaempresaeoprocesso OEstadoeaSociedade,querdirectamenteatravesdacobrancadeimpostos,querindirectamenteatravesdoaumentoemriquezaoudaobtenc~aodeoutrosbens. 8

14 18ilustraeapenasumdeentrevariospossveismodelosdaempresa,sendoconhecidopelonomede 1.3OAcrescentodeValornasEmpresas sistemasdeinformac~aonelaimplementados. diversasactividadesdentrodeumaorganizac~ao.masesteassuntojadizdirectamenterespeitoaos modelosistemico. Paraalemdoscomponentesedaestrutura,eprecisoaindaconsiderarasligac~oesentreas Omdeumaempresaacriac~aodevalor.Deu-seumacriac~aodevalorquandoovalordetodos maisossacrificiosqueest~aodispostosafazerparaoobter)devechegarparacobriroscustoscom osrecursosdeentradaemaisosdividendos,salarioseimpostos. osrecursosabsorvidoseinferioraototaldosrecursoslibertos. Assim,ovalorqueosclientesatribuemaoprodutoouservico(odinheiroquepagamporele 9

15 DadoseInformac~ao Captulo2 Asempresaspretendematingirdeterminadosnsatravesdeumprocessodevaloracrescentadoonde 2.1Informac~aoeseuPapelnaEmpresa dades,umainfrastrutura,ferramentasetecnicas(conhecimentos).mass~aoaindamaisnecessarias asligac~oesentrecadaactividadeeessasligac~oesestabelecem-secominformac~ao. certosrecursoss~aotransformadosedepoisservidosoudistribuidos.paraisto,s~aonecessariasactivi- 19 fornecerdadosreferentesaprocurapresenteoufuturadeumproduto,ajudaatomardecis~oes essaprocuravenhaaseralta,mediaoubaixa,poderaconstituirinformac~aopoisremoveincerteza contratadosoudispensados,precodevendaeoutras.oconhecimentodasprobabilidadesdeque eassimajudaosgestoresatomaremdecis~oes. sobrequaisasquantidadesaproduzir,materia-primaacomprar,quantosempregadosdever~aoser Chama-seinformac~aoaodadocapazderemoverincerteza.Umdepartamentodevendas,ao Haporemumadiferencacapitalentreeleseparacompreende-lamelhorconviraintroduziralguns conceitoscomplementares. medidas,opini~oesoujuizos,registos,etc.,quesepossamobterdentroeforadasorganizac~oes. 20.TiposdeDadosnaEmpresa.Otermodadoaplica-seaumdomniovastodefactos, Ostermosdadoseinformac~aoaparecemfrequentementemisturadosnaterminologiadeGest~ao. 21DadosPotenciais,osqueumaorganizac~aopoderiaobter,pelomenosemteoria,masdequen~ao comqueosdadosest~aodisponveis.assim,convemdistinguiremprimeirolugar informac~aosetorneevidente. Osdadoss~aoamateriaprimadainformac~ao,istoe,elescont^emaquiloqueogestorprecisade sabermasseraprecisotrabalharsobreessesdados(aplicarumdadoprocessamento)paraqueessa Naopticadogestorinteressamaisconsiderar,antesdomais,osdiferentesnveisdefacilidade disp~oe.osfactoresquelimitamousodestabasededadospotencials~aogeralmente 10

16 DadosExistentes.Apesardeexistirem,nemtodososdadospodemserusadoscomproveitopor partedasorganizac~oes.emcertasaplicac~oes,umusorentavelexigiriaqueosdadosestivessem ocustodessesdados,quandosuperaoseuvalorparaaempresa. problemastecnicosasuperarparaobte-los; odesconhecimentodeondeoucomoseobt^em; negocioqueumaempresaestaaestudar.mas,antesdesebasearnessesdados,elairaprecisardeprocura-los,organiza-losemcheirosetrata-losestatisticamentenumcomputadortosnumerosdeumsuplementoeconomicopodemconterdadosmuitoimportantesparao Assim,conviraconsiderarosdadosexistentescomon~aodisponveisimediatamente,oucomo disponveis. gravadosnamemoriadecomputadores,eobedecendoaumdadoformato.osultimosduzen- 22 totalouparcialmente,aincertezaexistente,easuatransformac~aoemdadosdisponveis. primeiropassoadarquandosepretendetransformarumdadoemalgoutil,capazderemover, Adivis~aoacimajaapontaparaoprocessodeconvers~aodosdadoseminformac~ao,poiso Objectivos,tratamenton~ao-automatico,comoaescrita,odesenho,esquemas,instruc~oese Subjectivo,osqueseencontramapenasnacabecadaspessoas,quersobaformadeconhecimentos ondeseencontram.assim,interessaterpresenteosseguintesnveisdedisponibilidade intuitivos,quersobformasmaisobjectivaveis. Osdadostambemsepodemconsiderarcomomaisoumenosdisponveis,segundoosuporte Note-sequeofactodecertosdadosseencontrarem\metidosnocomputador"n~aogarantequeoseu Dadosobjectivos,tratamentoautomatico,comoosdadosjagravadosemsuportesmagneticos rosos. ouopticos,permitindoasuaconsultaetratamentosemnecessidadedeprocessamentosmo- tudooquesepodemedirmasn~aoseencontraorganizadoegravadoemsuportes. 23queasentidadesqueacomp~oemtenhamsidopreservadas. permitesen~aoasuaduplicac~aoedistribuic~ao.paraqueumaimagemsejaprocessavelenecessario tratamentosepossaefectuarautomaticamente.umaimagemdeumapecaoudeumedifcion~ao entreoselementosdasuaestrutura.eisalgunsexemplostpicos:quantidadedepecasvendidas duranteosultimosmeses;existencias;perldecadaempregado;previs~oesdeprocura;colecc~oesde resultadosdetestesdequalidadefeitosafornecedores;previs~aodenecessidadedefundos;etc. primariasnosentidocontrarioaodoprocesso:osdepartamentosdemarketingevendasprecisam Asligac~oesmaisobviasdentrodeumaempresas~aoasquesed~aonointeriordasactividades Nointeriordeumaorganizac~ao,osdadosmaisrelevantess~aoosqueestabelecemasligac~oes deforneceraproduc~aoealogsticainternainformac~aoquelhespermitamfazerencomendase 11

17 Materiais Pessoas * - STOCKSPRODUC~AO Clientes &% '$ PESSOAL &% '$ QkQQQQQQQQQ XVENDAS &% '$ Figura2:Ossistemasdeinformac~aosobrepoem-seasactividadeseligam-nasentresi.Ouxode produzir.oserviceenviainformac~aoparatodooprocessoqueoantecede,especialmenteparao informac~aomaisobvionaempresaeoquecorrenosentidocontrarioaodoprocesso. existemligac~oesdentrodasactividadesdesuporte:osmesmosdesenvolvimentostecnologicoster~ao geralmenteimplicac~oesparaagest~aodosrecursoshumanosdaempresa. exemplo,osdesenvolvimentostecnologicosdevemserimplementadosnoprocesso.porultimo, ControlodeQualidade(umapartedaLogsticaInterna)eparaasVendas. 24.FluxodeDadoseLigac~oes.Adescric~aofeitanaintroduc~aomostraaempresacomo Existemtambemligac~oesmuitoobviasentreasactividadesdesuporteeasprimarias.Por umconjuntodeactividades,cadaumaligadaadeterminadasoutras,demodoaconstituiremum processodevaloracrescentadocapazdeatingircertosobjectivos.estemododeveraempresae particularmentevaliosoparaodesenvolvimentodosseussistemasdeinformac~ao.defacto,esses entreaempresaeoexterior. sistemasn~aos~aomaisdoqueosuportequefornecedadosecanaisdeligac~aodentrodaempresae 25dadosefornecemoscanaisqueasligamaoutras. \Vendas",etc,sobrepoem-seaoutrastantasactividades(vergura1),s~aooreceptaculodosseus organizac~oeseossistemasdeinformac~aoqueassuportam.ossistemasdenominados\stocks", Agura2eumexemplo.Nela,aparecemalgumasdasmaisobviasligac~oesexistentesnas Dentrodecadaumdestessistemaspoder~aoexistirsub-sistemas. Cadaumadasactividadesprimariasedesuportedeumaempresadeveradesenvolveroseu propriosistemadeinformac~ao.estesistemaserafeitoparasuportarasoperac~oesdessa actividadeeparaaligarcomoutras. Emgeral,valeapenaterpresenteque Certossub-sistemasdeactividadesdesuporteter~aoqueterumaabrang^enciamuitogrande,estendendoassuasligac~oespraticamenteatodasasoutrasactividades(ocontrolodoorcamento 12

18 26 Outrossub-sistemasser~aorelativamenteespecializadoseosdadosnelescontidosfar~aoum percursomaisrotineiro(ocasodasactividadesprimarias). edoplano,acontabilidadeeatesouraria,porexemplo). garantesoporsiqueossistemasdeinformac~aodeumaempresair~aofuncionarbem. menossosticadasdoquecomputadores.maisimportanteainda,ousodecomputadoresn~ao ossistemasdeinformac~aodeumaempresapoderiamteoricamentefuncionarusandoferramentas Porem,devenotar-sedesdejaqueesteconceiton~aotemnadaavercomodecomputador.Alias, Apalavrasistemaagorausada,seraobjectodeumestudomaisdetalhadonocaptulo?? Convers~aodeDadosemInformac~ao Soainformac~aoeutilaumaorganizac~ao.Osdados,emsi,n~aoos~ao.Ver-se-aagoraqualo processogeralmenteseguidoparatransformardadosdemodoaquepossamviraremoverincertezas existentesdentrodaempresaeassimsetorneminformac~ao. 28s~aotratadosdemodoapoderemserusadosdeumaformaconveniente.Istoincluiporexemplo aquiesta-seperantesimplesprocessamentodedados. mudancasdeescalaemmedic~oes,ordenac~aoesumarizac~aodechas,gravac~aoemsuportemagnetico ououtro,etc.oterceiropassoconsistenacomunicac~aodosdadosaospotenciaisutilizadores.ate Ainformac~aoeapenasumsub-conjuntodosdadosdisponveis.Umavezcomunicadosaos Oprimeiropassoeacapturadosdadosembrutoeseuregisto.Aseguir,estesdados utilizadores,umapequenapartedosdadosprocessadospassaaserinformac~ao,poisdiminuiou eliminaaincertezacomqueessesutilizadoressedebatiam.amaiorpartedosdados,porem,e dadoseminformac~ao. postadepartepelosutilizadores.agura3mostraesquematicamenteoprocessodeconvers~aode informac~aofazpassarpelasm~aosdosutilizadoresumgrandecaudaldedadosdesnecessarios,tornaseumfactordeperdaderendimentopoisestesprecisamdetomarconhecimentodemuitosdados paraosutilizadoresdadoscontendoumalargaproporc~aodeinformac~ao.quandoumsistemade paraosseusobjectivos.eapartedosdadosquesemostraapropriadaparaumutilizadorou grupodeutilizadores.ossistemasdeinformac~aoecientess~aoaquelesqueconseguemcanalizar Ainformac~aoeaunicaparceladosdadosquecirculamnumaorganizac~ao,capazdecontribuir 29pessoaparapessoaequeasexplicac~oesfornecidasser~aoessenciaisparaosmenosexperientesmas dadosdequecareceesoesses.n~aoefacilconjugar,numdadosistema,osinteressesdeutilizadores inuteisatedescobriremosquelhesinteressam{ainformac~ao. utilizadorpodemseressenciaisparaoutro.bastapensarqueonveldeexperi^enciadiferemuitode individuaiscomumcertograudegeneralidade.osdadosques~aoporventuraredundantesparaum redundantesparaosoutros. Atarefacentral,aoplanearsistemasdeinformac~ao,econseguirquecadautilizadorrecebaos 13

19 DADOS EM BRUTO76CapturadedadosProcessamentoComunicac~ao XXXXXzXXXXXXz UTILIZADOR Dadosn~aoinformativos 9 Informac~ao? 30informac~aonumaorganizac~ao.Paraqueumanalistatenhasucessonestatarefadevelembrar-se dequeosdadosser~aoinformac~aoconsoanteonveldeconhecimentosa-priorideumutilizador.a deveconstituirumadasprimeirasprioridadesdaquelesqueplaneiameimplementamsistemasde Apesardesetratardeumatarefadifcil,abuscadesoluc~oesajustadasacadautilizador Figura3:Oprocessodeconvers~aodedadoseminformac~ao. umelevadonvelcorresponder~aonecessidadesmaisselectivaseportantomaisdifciletransmitira 31novidadesqueabalamumgestorpodemn~aoterqualquerinteresse. intermedioouaumgestorcompoucotempodecasa.nosnveiselevadosn~aoexisteminformac~oes rotineiras.paraumgestor,orotineirodeixadeserinformativo;paraumadministrador,mesmo gestorexperientedevamterumaespecicidademaiordoqueaquelesquesedestinamaumquadro essesutilizadoresdadosquesejaminformac~ao.daquiqueosdadosapassarparaasm~aosdeum Obterdadosembrutodeboaqualidade.Osdadospodemservagos,poucodetalhadosou informac~aoenfrentaosseguintesdesaos Pondodeparteonveldeconhecimentosa-priori,podedizer-sequeaconvers~aodedadosem Obterapenasosdadosnecessarios.Umerrocomumamuitosanalistaseodepensaremque deconseguirdadosembrutoquesejamdeboaqualidade. malresumidos,erroneos,deinterpretac~aoduvidosaoudicil,baralhados,etc.nocaptulo?? far-se-aumataxonomiadestesproblemas.mesmoumbomprocessamentoposteriorsera incapazderemediarinputsdemaqualidade.portanto,aprimeiratarefadeumsistemaea elixoquesai(paracimadoutilizador).comocorolarioaesteponto,omelhoranalistae narecolhadedados.nuncaesquecer:rubbishin,rubbishout Lixoqueentre(nosistema) quantosmaisdadosmelhor.oexcessodedadosdicultaaselecc~aodainformac~aoporparte dosutilizadores,comojasereferiu.umaregradeouroserapoisadamoderac~aoecriterio aquelequeconheceafundoasnecessidadesdeinformac~aodaempresa. 14

20 Investirnaautomac~aodarecolhadedados.Apesardetodososprogressosrealizadosnesta Terpresenteavidautildosdados.Ecomumencontrarem-sesistemasdeinformac~aoquefazem area,aindacaumlongocaminhoporpercorrerearecolhaetratamentodedadose,em caros,poucoaveis.aqui,uminvestimentoemnovastecnologias,seminimamentecuidadoso, daeventualinformac~ao,quandochegaaoutilizador,japerdeuointeresse.ossistemasde chegaraoutilizadorosdadoscomatrasoemrelac~aoasuavidautil.oresultadoequealguma muitoscasos,ocalcanhardeaquilesdeumsistema.osprocessosexistentess~aolentos,muito podecompensarlargamente. Sabercomunicar.Aspessoas,especialmenteasmaisocupadas,t^emumacapacidadedeatenc~ao muitolimitada.ousodemeiosadequadosnatransmiss~aodosdadosfaracomqueoutilizador ospossaanalizareseleccionar.istoincluiumaapresentac~ao,(userinterface),eciente;n~ao ergonomicaseque,pormelhorquesejaoinvolucro,umprossionalsoseinteressarapelos esquecerporemqueumgestor,nashorasdeservico,tempoucapaci^enciaparaapresentac~oes informac~aodevemserplaneadosparavenceremacorridadotiming. paraoprocessodevaloracrescentado.tantooscustoscomoovalordainformac~aopodemser Ainformac~aotemvaloretemcustos.Precisadesergeridademodoacontribuirpositivamente 2.3Func~oesdaInformac~ao conteudosqueforeminformativos. naajudaatomadadedecis~oes,ovalordeumdadoadicional,capazdedesvendarumasituac~ao incertezasqueiradiminuirousuprimir.assim, calculadosemmuitoscasos.concretamente,oseuvalordependeradafunc~ao,istoe,dotipode nacorrecc~aoatempadadeerros,ovalordainformac~aotambemegrande,porviadosgastos queeconomiza.aqui,aocontrariodopontoanterior,ocustodainformac~aon~aocostumaser elevado; costumamserenormes; futura,podeserenorme.infelizmente,oscustosdeboasinformac~oesdestegenerotambem nacomunicac~aoecientededados,planos,processos,orientac~oesenoseucontrolo,ainformac~ao naformac~ao,notreino,ovalordainformac~aoestaindexadoafactoresexternoseeociosomedi-la teraoscustoseovalordasactividadesdeescritorio.aburocracia(predomniodestasactividades,especialmenteadecontrolo)costumasercaraeinutil.aaus^enciadecontroloe comunicac~ao,tambem; isoladamente; 15

SistemasIntegradosdeApoioaDecis~ao, TEORIADADECIS~AOI MestradoemSIAD ISCTE,DCTI 3deNovembrode2010 DuarteTrigueiros 2 1Estruturaconceptualdatomadadedecis~oes Indice IAdecis~aoempresarialeossistemasqueaapoiam

Leia mais

ADECIS~AOSEQUENCIALEMPROJECTOSDE INVESTIMENTO. DuarteTrigueiros

ADECIS~AOSEQUENCIALEMPROJECTOSDE INVESTIMENTO. DuarteTrigueiros ADECIS~AOSEQUENCIALEMPROJECTOSDE INVESTIMENTO DuarteTrigueiros MestradoemCi^enciasEmpresariais SistemasdeApoioaDecis~ao, INDEG/ISCTE DuarteTrigueiros ccopyright1991 by Estacopiaefornecidasobcondic~aodequequemaconsultarreconhecequeosdireitosdeautorpermanecem

Leia mais

Oslivrosquetratamdemetodologiasdedesenvolvimentodiscutemosconceitosenvol-

Oslivrosquetratamdemetodologiasdedesenvolvimentodiscutemosconceitosenvol- dostopicosabordadosnaareadeengenhariadesoftware.oslivrosdaserieforamescritos porprofessoresdoinstitutodecomputac~aodauniversidadeestadualdecampinas,que ensinamoutrabalhamnessaarea,emalgunscasosemparceriacomprofessoresdeoutras

Leia mais

ASARVORESDEDECIS~AO. DuarteTrigueiros

ASARVORESDEDECIS~AO. DuarteTrigueiros ASARVORESDEDECIS~AO DuarteTrigueiros domestradoemci^enciasempresariais \SistemasdeApoioaDecis~ao" DuarteTrigueiros ccopyright1991 by Estacopiaefornecidasobcondic~aodequequemaconsultarreconhecequeosdireitosdeautorpermanecem

Leia mais

Uma Mensagem Positiva

Uma Mensagem Positiva Uma Mensagem Positiva "O sucesso nasce do querer, da determinação e persistência em se chegar a um objectivo. Mesmo não atingindo o objectivo, quem procura e vence obstáculos, no mínimo fará coisas admiráveis.

Leia mais

CURSOS OFERECIDOS COMUNICAÇÂO, ARTES E DESIGN

CURSOS OFERECIDOS COMUNICAÇÂO, ARTES E DESIGN CURSOS OFERECIDOS COMUNICAÇÂO, ARTES E DESIGN Bacharelado em Design Habilitação em Comunicação Visual Bacharelado em Publicidade e Propaganda Bacharelado em Audiovisual Horário: de segunda a sexta-feira,

Leia mais

As parcerias e suas dinâmicas: considerações a ter em conta para a promoção da mudança

As parcerias e suas dinâmicas: considerações a ter em conta para a promoção da mudança Centro de Recuperação de Menores D. Manuel Trindade Salgueiro Assumar 26 e 27 de Abril de 2013 As parcerias e suas dinâmicas: considerações a ter em conta para a promoção da mudança João Emílio Alves ESE-IPP

Leia mais

SistemasdeArquivos Distribudos. Dissertac~aoApresentadaao FabioKon. AreadeConcentrac~ao:Ci^enciadaComputac~ao

SistemasdeArquivos Distribudos. Dissertac~aoApresentadaao FabioKon. AreadeConcentrac~ao:Ci^enciadaComputac~ao SistemasdeArquivos Distribudos Dissertac~aoApresentadaao FabioKon AreadeConcentrac~ao:Ci^enciadaComputac~ao InstitutodeMatematicaeEstatsticada MestreemMatematicaAplicada paraaobtenc~aodograude UniversidadedeS~aoPaulo

Leia mais

Objectivos. e explicar de que formas as TI podem ser utilizadas para ganhar vantagens competitivas. tecnologias da informação.

Objectivos. e explicar de que formas as TI podem ser utilizadas para ganhar vantagens competitivas. tecnologias da informação. Capítulo 2 1 Enfrentar a concorrência com tecnologias da informação 2 Objectivos ƒ Identificar estratégias de concorrência básicas e explicar de que formas as TI podem ser utilizadas para ganhar vantagens

Leia mais

Nº horas 40. Nº horas 40 Actividades de diagnóstico 45m Desenvolvimento

Nº horas 40. Nº horas 40 Actividades de diagnóstico 45m Desenvolvimento Agrupamento de Escolas João da Silva Correia ANO LETIVO 2014-2015 Escola Secundária João da Silva Correia P L A N I F I C A Ç Ã O - CURSO PROFISSIONAL DE NÍVEL SECUNDÁRIO DISCIPLINA: OTET 12º ANO Técnico

Leia mais

ANEXO I DESRECONHECIMENTO

ANEXO I DESRECONHECIMENTO ANEXO I DESRECONHECIMENTO Parte 1 - Enquadramento 1. As instituições devem considerar na avaliação de desreconhecimento dos títulos os requisitos abaixo indicados. 2. Para efeitos do número anterior, as

Leia mais

SM.PT Sistema de Monitorização do Plano Tecnológico. Apresentação ao Conselho Consultivo do Plano Tecnológico 19 de Julho de 2006

SM.PT Sistema de Monitorização do Plano Tecnológico. Apresentação ao Conselho Consultivo do Plano Tecnológico 19 de Julho de 2006 SM.PT Sistema de Monitoriza do Plano Tecnológico Apresenta ao Conselho Consultivo do Plano Tecnológico 19 de Julho de 2006 Porquê criar um do Plano Tecnológico? Título AAAA/MM/DD 1 Alinhar de forma estratégica

Leia mais

DIÁRIO O FICIAL DO MU N ICÍPIO

DIÁRIO O FICIAL DO MU N ICÍPIO DIÁRIO O FICIAL DO MU N ICÍPIO EXPEDIENTE DIÁRIO O FICIAL DO MU N ICÍPIO 25,*(0 9$/25 '/,%(5 308ñÃ33,Ã'(1*8( 308ñÃ&7$Ã9,1&Ã6$8'(06)16 308ñÃ352*5$0$Ã'($*(17( &2081,7,$5,2Ã'(6$8'( 308ñÃ&7$Ã9,1&Ã6$8'(Ã$&

Leia mais

FUNDAÇÃO CASA DE REPOUSO D. MARIA MADALENA GODINHO DE ABREU PLANO DE ACTIVIDADES DIÁRIAS DOS UTENTES 2008

FUNDAÇÃO CASA DE REPOUSO D. MARIA MADALENA GODINHO DE ABREU PLANO DE ACTIVIDADES DIÁRIAS DOS UTENTES 2008 PLANO DE ACTIVIDADES DIÁRIAS DOS UTENTES 2008 6ª feiras PLANO DE ACTIVIDADES DIÁRIAS DOS UTENTES 2009 6ª feiras 5 de Janeiro de 2009 PLANO DE ACTIVIDADES DIÁRIAS DOS UTENTES 2010 6ª feiras 4 de Janeiro

Leia mais

Folhas de Cálculo Excel Ficha Prática 2 Pág. 2 de 8

Folhas de Cálculo Excel Ficha Prática 2 Pág. 2 de 8 Folhas de Cálculo Excel Ficha Prática 2 Pág. 1 de 8 OBJECTIVOS: FORMATAÇÃO DE FOLHAS DE CÁLCULO. RESOLUÇÃO: Resolva todos os exercícios desta ficha prática num único livro de trabalho, ao qual deve dar

Leia mais

National Meeting on the Mozambique Case Study on Trade in Services and Sustainable Development

National Meeting on the Mozambique Case Study on Trade in Services and Sustainable Development National Meeting on the Mozambique Case Study on Trade in Services and Sustainable Development Venue: VIP Hotel, Maputo, Mozambique 6-7 November 2006 Estrutura da Apresentacao 1. Observacoes sobre a Economia

Leia mais

AVALIAÇÃO IMOBILIÁRIA II

AVALIAÇÃO IMOBILIÁRIA II Indice Fases do Processo de Avaliação Fases do processo de avaliação Fase 1 Fase 2 Fase 3 Fase 4 Fase 5 Fase 6 Negociação dos termos do acordo Recolha de informação sobre o activo Definição dos pressupostos

Leia mais

Sites de Terceiros A presente Declaração de Privacidade não é extensível aos sites de terceiros que estiverem ligados a este web site.

Sites de Terceiros A presente Declaração de Privacidade não é extensível aos sites de terceiros que estiverem ligados a este web site. Declaração de Privacidade Este web site é gerido pela LeasePlan Portugal-Comércio e Aluguer de Automóveis e Equipamentos, Lda. A LeasePlan poderá proceder à recolha dos seus dados pessoais quer directamente

Leia mais

Principais objectivos

Principais objectivos Âmbito A Exponor vai realizar o Time2Export com o objectivo de fomentar networking, partilhar informação e preparar as empresas para melhor explorarem as oportunidades de negócios que a economia global

Leia mais

MBA / Mestrado em Logística 2005/2006 GESTÃO DE PROJECTOS. Exercícios. José Cruz Filipe 1 / 1

MBA / Mestrado em Logística 2005/2006 GESTÃO DE PROJECTOS. Exercícios. José Cruz Filipe 1 / 1 MESTRADO EM LOGÍSTICA MBA / Mestrado em Logística 2005/2006 GESTÃO DE PROJECTOS Exercícios José Cruz Filipe 1 / 1 EXERCÍCIOS PARA AUTO-ESTUDO Elaboração de cronogramas (Gantt) Determinação da duração do

Leia mais

Análise da aplicação da nota técnica que define a metodologia para a monitorização de

Análise da aplicação da nota técnica que define a metodologia para a monitorização de Análise da aplicação da nota técnica que define a metodologia para a monitorização de PM10 em pedreiras Paulo de Pinho Sérgio Lopes Luís Lemos Departamento de Ambiente da Escola Superior de Tecnologia

Leia mais

GAEPC - Gestão Activa de Espaços Protegidos e Classificados MÉRITO DA OPERAÇÃO. Metodologia de Cálculo

GAEPC - Gestão Activa de Espaços Protegidos e Classificados MÉRITO DA OPERAÇÃO. Metodologia de Cálculo GAEPC - Gestão Activa de Espaços Protegidos e Classificados 2º Aviso MÉRITO DA OPERAÇÃO Metodologia de Cálculo Critério A Contribuição para os objectivos do PO, respectivos indicadores e categorização

Leia mais

Em início de nova fase, forumb2b.com alarga a oferta

Em início de nova fase, forumb2b.com alarga a oferta Em início de nova fase, alarga a oferta Com o objectivo de ajudar as empresas a controlar e reduzir custos relacionados com transacções de bens e serviços, o adicionou à sua oferta um conjunto de aplicações

Leia mais

OBJECTIVO Utilização da Função ProcV e listas pendentes

OBJECTIVO Utilização da Função ProcV e listas pendentes ICHA OBJECTIVO Utilização da Função ProcV e listas pendentes Na continuação do exercício anterior voltamos à temática dos orçamentos e, desta vez, vamos elaborar um simulador para um serviço de eventos

Leia mais

Programa de Estímulo à Oferta de Emprego

Programa de Estímulo à Oferta de Emprego Programa de Estímulo à Oferta de Emprego Objectivo: Visa garantir um desenvolvimento das economias locais mais coerente e eficaz das medidas de apoio à criação de emprego Modalidades: Apoios à contratação;

Leia mais

Denominação Social Sogei Engenharia e Construção, SA Sede: Av. Cidade de Lisboa Edifício Águia R/C Chã de Areia Praia Santiago CP 426/A Natureza

Denominação Social Sogei Engenharia e Construção, SA Sede: Av. Cidade de Lisboa Edifício Águia R/C Chã de Areia Praia Santiago CP 426/A Natureza Denominação Social Sogei Engenharia e Construção, SA Sede: Av. Cidade de Lisboa Edifício Águia R/C Chã de Areia Praia Santiago CP 426/A Natureza Jurídica S.A. Sociedade Anónima Telefone: (+238 2602200)

Leia mais

UNIVERSIDADE LUSÍADA DE LISBOA. Programa da Unidade Curricular Demografia e Dinâmicas Territoriais Ano Lectivo 2013/2014

UNIVERSIDADE LUSÍADA DE LISBOA. Programa da Unidade Curricular Demografia e Dinâmicas Territoriais Ano Lectivo 2013/2014 Programa da Unidade Curricular Demografia e Dinâmicas Territoriais Ano Lectivo 2013/2014 1. Unidade Orgânica Serviço Social (1º Ciclo) 2. Curso Serviço Social 3. Ciclo de Estudos 1º 4. Unidade Curricular

Leia mais

Capítulo 8. Introdução UML

Capítulo 8. Introdução UML Capítulo 8. Introdução UML 1/42 Índice Indice 8.1 - Introdução UML 8.2 - Modelação estrutural 8.2.1 - Representação de classes e objectos 8.2.2 - Relações entre objectos 8.2-3 - Relações de associação

Leia mais

Regulamento do concurso para criação do logotipo para projecto ri(age)

Regulamento do concurso para criação do logotipo para projecto ri(age) FNERDM - Federação Nacional das Entidades de Reabilitação de Doentes Mentais Regulamento do concurso para criação do logotipo para projecto ri(age) Parceiros Projecto co-financiado Projecto ri(age) Breve

Leia mais

1ª CONFERÊNCIA SOBRE RESPONSABILIDADE SOCIAL EMPRESARIAL ANGOLA

1ª CONFERÊNCIA SOBRE RESPONSABILIDADE SOCIAL EMPRESARIAL ANGOLA 1ª CONFERÊNCIA SOBRE RESPONSABILIDADE SOCIAL EMPRESARIAL ANGOLA Fórum de Responsabilidade Social Corporativa () das Empresas Petrolíferas em Angola 1 Objectivos da da partes interessadas da final 2 Objectivos

Leia mais

Museu e Memória: os objectos contam a sua história Os objectos que encontras nos museus contam diversas histórias, sobre quem os fez, onde foram

Museu e Memória: os objectos contam a sua história Os objectos que encontras nos museus contam diversas histórias, sobre quem os fez, onde foram 4 Museu e Memória: os objectos contam a sua história Os objectos que encontras nos museus contam diversas histórias, sobre quem os fez, onde foram feitos e quando foram feitos. Queres saber algumas das

Leia mais

Câmara dos Técnicos Oficiais de Contas (CTOC) Formação à Distância

Câmara dos Técnicos Oficiais de Contas (CTOC) Formação à Distância Câmara dos Técnicos Oficiais de Contas (CTOC) Formação à Distância CURSO DIS0709 Curso: FINANÇAS E MERCADOS FINANCEIROS 1 - OBJECTIVOS: Compreender o comportamento dos mercados financeiros, suas implicações

Leia mais

TERMO DE ACEITAÇÃO DA DECISÃO DE APROVAÇÃO

TERMO DE ACEITAÇÃO DA DECISÃO DE APROVAÇÃO DA DECISÃO DE APROVAÇÃO Entidade Beneficiária Principal: Acrónimo e Designação do Projecto: Referência PAD 2003-2006: Considerando que, por despacho do Ministro Adjunto do Primeiro-Ministro, foi aprovada

Leia mais

Plano de Comunicação Reestruturação 2014. Comunicação e Marketing

Plano de Comunicação Reestruturação 2014. Comunicação e Marketing Plano de Comunicação Reestruturação 2014 Comunicação e Marketing Sumário Executivo 1. Conhecer a Macif Portugal Companhia de Seguros, S.A. A. Valores B. Missão C. Visão D. Posicionamento E. Públicos 2.

Leia mais

Plano de Actividades 2009/2010

Plano de Actividades 2009/2010 A ÁGUA É NOSSA AMIGA Nível de ensino: Pré-escolar Duração: 1 h 30 m Objectivo: sensibilizar para a importância da água, introduzir o ciclo da água e usos da água promovendo uma atitude de cuidar e poupar

Leia mais

Página 765 PRESIDÊNCIA DO GOVERNO REGIONAL DOS AÇORES

Página 765 PRESIDÊNCIA DO GOVERNO REGIONAL DOS AÇORES SECRETARIA REGIONAL DOS ASSUNTOS SOCIAIS Despacho Normativo n.º 22/2008: Estabelece as regras da cooperação, no âmbito da toxicodependência, luta contra o HIV-Sida, comportamentos de risco e igualdade

Leia mais

Tecnologias de Informação e Comunicação Unidade 4 Processador de Texto

Tecnologias de Informação e Comunicação Unidade 4 Processador de Texto Tecnologias de Informação e Comunicação Unidade 4 Processador de Texto Sumário: Começar novo paragrafo; Começar nova página; Inserção de símbolos e notas de rodapé; Inserção e formatação de imagens e outros

Leia mais

Curso Aplicação das OHSAS 18001 ao sector da Construção Civil

Curso Aplicação das OHSAS 18001 ao sector da Construção Civil Curso Aplicação das OHSAS 18001 ao sector da Construção Civil Referencial do Curso Objectivos Objectivos Gerais Dar a conhecer os requisitos das OHSAS 18001:2007. Abordar as particularidades de aplicação

Leia mais

Questionário de satisfação para colaboradores

Questionário de satisfação para colaboradores Questionário de satisfação para colaboradores Identificação da Organização: Data: Instruções de resposta ao questionário: Este questionário versa um conjunto de temáticas relativas ao modo como o colaborador

Leia mais

AVALIAÇÃO DA SATISFAÇÃO DE CLIENTES. Relatório de Monitorização. (Versão Resumida)

AVALIAÇÃO DA SATISFAÇÃO DE CLIENTES. Relatório de Monitorização. (Versão Resumida) Relatório de Monitorização 2007 2012 (Versão Resumida) INTRODUÇÃO Em 2006 a empresa NOVA CONSERVAÇÃO deu início à implementação na sua organização de um sistema gestão de qualidade, com vista à futura

Leia mais

Certificação e Acreditação Auditorias. Normalização Processos de certificação Processos de acreditação Auditorias dos sistemas de gestão da qualidade

Certificação e Acreditação Auditorias. Normalização Processos de certificação Processos de acreditação Auditorias dos sistemas de gestão da qualidade Certificação e Acreditação Auditorias Sumário da Aula JN2 Normalização Processos de certificação Processos de acreditação Auditorias dos sistemas de gestão da qualidade 1 Normalização Norma Internacional

Leia mais

1. Acções de sensibilização

1. Acções de sensibilização PROGRAMA DE EDUCAÇÃO AMBIENTAL / 2013-2014 As atividades propostas compreendem diferentes momentos de reflexão, discussão e ação, dirigindo-se a toda a comunidade educativa que contempla diferentes níveis

Leia mais

Plano de Curso Normas de Realização GESTÃO E COORDENAÇÃO DE SEGURANÇA NO TRABALHO DA CONSTRUÇÃO 2ª EDIÇÃO DE FORMAÇÃO AVANÇADA

Plano de Curso Normas de Realização GESTÃO E COORDENAÇÃO DE SEGURANÇA NO TRABALHO DA CONSTRUÇÃO 2ª EDIÇÃO DE FORMAÇÃO AVANÇADA Plano de Curso Normas de Realização GESTÃO E COORDENAÇÃO DE SEGURANÇA NO TRABALHO DA CONSTRUÇÃO 2ª EDIÇÃO DE FORMAÇÃO AVANÇADA 1. Enquadramento O exercício das actividades de gestão e coordenação de segurança

Leia mais

V JORNADAS DE CONTABILIDADE

V JORNADAS DE CONTABILIDADE V JORNADAS DE CONTABILIDADE Título da Comunicação: 1 AS RELAÇÕES ACCIONISTAS-GESTORES SEGUNDO OS TIPOS DE ORGANIZAÇÃO Autora: MARIA HÉLDER MARTINS COELHO (Mestre em Economia (FEP); Professora do ISCAP)

Leia mais

PROCESSO SELETIVO DE DOCENTES, NOS TERMOS DO COMUNICADO CEETEPS N 1/2009, E SUAS ALTERAÇÕES. AVISO DE RESULTADO DA AULA TESTE E CLASSIFICAÇÃO FINAL

PROCESSO SELETIVO DE DOCENTES, NOS TERMOS DO COMUNICADO CEETEPS N 1/2009, E SUAS ALTERAÇÕES. AVISO DE RESULTADO DA AULA TESTE E CLASSIFICAÇÃO FINAL ETEC DONA ESCOLÁSTICA ROSA - SANTOS PROCESSO SELETIVO DE DOCENTES, NOS TERMOS DO COMUNICADO CEETEPS N 1/2009, E SUAS ALTERAÇÕES. AVISO N 122/03/2015 de 29/04/2015. Processo n 2926/2015 AVISO DE RESULTADO

Leia mais

FUNDAÇÃO EDUCACIONAL MACHADO DE ASSIS FACULDADES INTEGRADAS MACHADO DE ASSIS CURSO SUPERIOR DE TECNOLOGIA EM GESTÃO DE RECURSOS HUMANOS

FUNDAÇÃO EDUCACIONAL MACHADO DE ASSIS FACULDADES INTEGRADAS MACHADO DE ASSIS CURSO SUPERIOR DE TECNOLOGIA EM GESTÃO DE RECURSOS HUMANOS 3 cm As medidas em cm são referentes à BORDA SUPERIOR da Folha. A configuração das margens da página deve ser a seguinte: superior e esquerda 3 cm; inferior e direita 2 cm. FUNDAÇÃO EDUCACIONAL MACHADO

Leia mais

INSTRUTIVO N.º xx/20xx de xx de xxxx

INSTRUTIVO N.º xx/20xx de xx de xxxx INSTRUTIVO N.º xx/20xx de xx de xxxx ASSUNTO: DIVULGAÇÕES DE INSTRUMENTOS FINANCEIROS Havendo a necessidade de estabelecer um conjunto de procedimentos na elaboração das divulgações sobre instrumentos

Leia mais

MEDIDAS E PROGRAMAS DE EMPREGO. SESSÃO ABERTA CLAS De Viseu 20/04/2011

MEDIDAS E PROGRAMAS DE EMPREGO. SESSÃO ABERTA CLAS De Viseu 20/04/2011 MEDIDAS E PROGRAMAS DE EMPREGO SESSÃO ABERTA CLAS De Viseu 20/04/2011 1 CONTRATO EMPREGO INSERÇÃO E CONTRATO EMPREGO INSERÇÃO + 2 Contrato Emprego Inserção OBJECTIVO: Promover a empregabilidade dos desempregados

Leia mais

Balanceamento de linhas de produção

Balanceamento de linhas de produção Balanceamento de Linhas Distribuição de actividades sequenciais por postos de trabalho, de modo a permitir uma elevada utilização de trabalho e equipamentos minimizar o tempo em vazio Dado um tempo de

Leia mais

Câmara dos Técnicos Oficiais de Contas (CTOC) Formação à Distância

Câmara dos Técnicos Oficiais de Contas (CTOC) Formação à Distância Câmara dos Técnicos Oficiais de Contas (CTOC) Formação à Distância CURSO FORMD DIS1808 Curso: IRC MATÉRIA COLECTÁVEL, BENEFÍCIOS FISCAIS E IMPOSTOS DIFERIDOS (ASPECTOS CONTABÍLISTICOS E FISCAIS) 1 - OBJECTIVOS

Leia mais

Proposta de Actividades de Animação e de Educação Patrimonial

Proposta de Actividades de Animação e de Educação Patrimonial Proposta de Actividades de Animação e de Educação Patrimonial A presente proposta integra a programação de actividades culturais, didácticas e pedagógicas, a desenvolver pelo Museu de Mértola e Campo Arqueológico

Leia mais

Os Vales de Inovação. Entidade Qualificada no âmbito dos Vales de Inovação do Programa QREN

Os Vales de Inovação. Entidade Qualificada no âmbito dos Vales de Inovação do Programa QREN Os Vales de Inovação Entidade Qualificada no âmbito dos Vales de Inovação do Programa QREN I&DT e Transferência de Tecnologia # Propriedade Industrial # Criação, Moda e Design # Comercialização e Marketing

Leia mais

Guia do formador. Prevenção da criminalidade no transporte. Transporte de mercadorias e passageiros. FIC e FIA

Guia do formador. Prevenção da criminalidade no transporte. Transporte de mercadorias e passageiros. FIC e FIA Guia do formador Prevenção da criminalidade no transporte Transporte de mercadorias e passageiros FIC e FIA Objectivo do módulo: Saber prevenir a criminalidade e o tráfico de clandestinos nos transportes

Leia mais

Gestão da Qualidade. Gestão por Processos. 09-12-2009 11:12 Natacha Pereira & Sibila Costa 1

Gestão da Qualidade. Gestão por Processos. 09-12-2009 11:12 Natacha Pereira & Sibila Costa 1 Gestão da Qualidade Gestão por Processos 09-12-2009 11:12 Natacha Pereira & Sibila Costa 1 Juntar-se é um começo, permanecer juntos é um processo e trabalhar juntos é um sucesso. Henry Ford 09-12-2009

Leia mais

Termos de Referência para Análise das Plataformas das Organizações da Sociedade Civil que trabalham na gestão de recursos naturais em Moçambique

Termos de Referência para Análise das Plataformas das Organizações da Sociedade Civil que trabalham na gestão de recursos naturais em Moçambique Termos de Referência para Análise das Plataformas das Organizações da Sociedade Civil que trabalham na gestão de recursos naturais em Moçambique I. Introdução Nos últimos anos, uma das principais apostas

Leia mais

MÉTODO DO CAMINHO CRÍTICO (CPM)

MÉTODO DO CAMINHO CRÍTICO (CPM) UNIVERSIDADE DO ALGARVE ESCOLA SUPERIOR DE TECNOLOGIA ÁREA DEPARTAMENTAL DE ENGENHARIA CIVIL MÉTODO DO CAMINHO CRÍTICO (CPM) DOCENTE: 2006 1 1. INTRODUÇÃO O planeamento e controlo da produção orientado

Leia mais

Aplicações de Escritório Electrónico

Aplicações de Escritório Electrónico Universidade de Aveiro Escola Superior de Tecnologia e Gestão de Águeda Curso de Especialização Tecnológica em Práticas Administrativas e Tradução Aplicações de Escritório Electrónico Folha de trabalho

Leia mais

Objectivos: Excel; Data: Megaexpansão, Ensino e Formação Profissional em Novas Tecnologias, Lda. Rua Praça de Touros, 26 2500 167 Caldas da Rainha

Objectivos: Excel; Data: Megaexpansão, Ensino e Formação Profissional em Novas Tecnologias, Lda. Rua Praça de Touros, 26 2500 167 Caldas da Rainha 22.Março.2010 Objectivos: Apresentação do programa Microsoft Excel; Características do programa; Vantagens e desvantagens na utilização do programa. Criação, gravação e edição de uma folha de cálculo;

Leia mais

Projecto de Desenvolvimento de Sistemas de Software

Projecto de Desenvolvimento de Sistemas de Software Projecto de Desenvolvimento de Sistemas de Software Grupo 2 Carla Alexandra Marques Gregório, nº51840 Nuno Filipe Cruzeiro de Almeida, nº51822 Rogério Araújo Costa, nº51831 1 Introdução No âmbito da disciplina

Leia mais

Há cada vez mais empresas cidadãs

Há cada vez mais empresas cidadãs + Faça do VER a sua homepage ENTREVISTA Há cada vez mais empresas cidadãs As empresas que lideram no seu mercado são as que apresentam melhores práticas de governação. Foi com base neste pressuposto que

Leia mais

ACORDO DE COOPERAÇÃO PROGRAMA DA REDE NACIONAL DE BIBLIOTECAS ESCOLARES. Preâmbulo

ACORDO DE COOPERAÇÃO PROGRAMA DA REDE NACIONAL DE BIBLIOTECAS ESCOLARES. Preâmbulo ACORDO DE COOPERAÇÃO PROGRAMA DA REDE NACIONAL DE BIBLIOTECAS ESCOLARES Preâmbulo Considerando a criação e o desenvolvimento de uma Rede de Bibliotecas Escolares, assumida como política articulada entre

Leia mais

PORQUÊ UMA PLATAFORMA LOGÍSTICA ASSOCIADA AO PORTO DE LEIXÕES? João Pedro Matos Fernandes Março de 2007

PORQUÊ UMA PLATAFORMA LOGÍSTICA ASSOCIADA AO PORTO DE LEIXÕES? João Pedro Matos Fernandes Março de 2007 PORQUÊ UMA PLATAFORMA LOGÍSTICA ASSOCIADA AO PORTO DE LEIXÕES? João Pedro Matos Fernandes Março de 2007 Crescimento sustentado da carga movimentada 16.000 14.000 12.000 1000 TONELADAS 10.000 8.000 6.000

Leia mais

Acção de Formação Logística (Vendas) - Primavera v8

Acção de Formação Logística (Vendas) - Primavera v8 Acção de Formação Logística (Vendas) - Primavera v8 MoreData, Sistemas de Informação Campo Grande 28, 10º E 1700-093 Lisboa 213520171 info@moredata.pt Índice de Conteúdos Introdução...3 Sobre o Curso...4

Leia mais

1ª Actividade Formativa

1ª Actividade Formativa 1ª Actividade Formativa 1. Foi feito um inquérito a um grupo de 40 compradores de carros novos, de determinada marca, para determinar quantas reparações ou substituições de peças foram feitas durante o

Leia mais

Segurança e Higiene do Trabalho. Volume XX Indicadores de Segurança. Guia Técnico. um Guia Técnico de O Portal da Construção

Segurança e Higiene do Trabalho. Volume XX Indicadores de Segurança. Guia Técnico. um Guia Técnico de O Portal da Construção Guia Técnico Segurança e Higiene do Trabalho Volume XX Indicadores de Segurança um Guia Técnico de Copyright, todos os direitos reservados. Este Guia Técnico não pode ser reproduzido ou distribuído sem

Leia mais

Configuração do Ambiente de Trabalho

Configuração do Ambiente de Trabalho pag. 1 Configuração do Ambiente de Trabalho 1. Utilização da Área de Trabalho Criação de Atalhos: O Windows NT apresenta um Ambiente de Trabalho flexível, adaptável às necessidades e preferências do utilizador.

Leia mais

Newsletter 1. Market Research On-line MARÇO 2012

Newsletter 1. Market Research On-line MARÇO 2012 Newsletter 1 MARÇO 2012 Market Research On-line on-line, URL, market research, computador, amostra, painel, análise, resultados, telefone, plataforma, inquiridos, entrevistadores, laptop, ( ) Índice Editorial

Leia mais

MINI-MBA de Especialização em Relações Públicas, Protocolo Empresarial e Eventos

MINI-MBA de Especialização em Relações Públicas, Protocolo Empresarial e Eventos MINI-MBA de Especialização em Relações Públicas, Protocolo Empresarial e Eventos Índice Duração Total... 2 Destinatários... 2 Perfil de saída... 2 Pré-Requisitos... 2 Objetivo Geral... 2 Objetivos Específicos...

Leia mais

RELATÓRIO MateMática - 3º ciclo

RELATÓRIO MateMática - 3º ciclo RELATÓRIO MateMática - 3º ciclo 1 1. IDENTIFICAÇÃO DA ACTIVIDADE Este documento é o relatório final da Actividade designada (+) Conhecimento, que se insere na Acção nº 4, designada Competência (+), do

Leia mais

19-05-2011. Evolução e Estatísticas Website 2010/2011. www.rabacal.net. Introdução:

19-05-2011. Evolução e Estatísticas Website 2010/2011. www.rabacal.net. Introdução: Rabaçal Aldeia Cultural Evolução e Estatísticas Website 2010/2011 www.rabacal.net Introdução: 1 Conteúdos do Website: 2 Conteúdos do Website: 3 Os Diversos Indicadores: 4 Conteúdos do Website: 5 19-05-2011

Leia mais

Curso de Especialização em

Curso de Especialização em Curso de Especialização em CÁLCULO FINANCEIRO OBJECTIVOS A liberalização dos mercados financeiros, a crescente concorrência entre instituições financeiras, a inovação e diversificação ao nível dos serviços

Leia mais

ECONOMIA DA ENERGIA A Importância da Eficiência Energética

ECONOMIA DA ENERGIA A Importância da Eficiência Energética A Importância da Eficiência Energética Ordem dos Engenheiros Lisboa, 17 de Dezembro de 2013 Principal Objectivo Apresentar alguns dados que caracterizam a nossa economia, do ponto de vista macro energético,

Leia mais

Projecto de Empreendedorismo nas Escolas. ano lectivo 2011/2012

Projecto de Empreendedorismo nas Escolas. ano lectivo 2011/2012 Projecto de Empreendedorismo nas Escolas ano lectivo 2011/2012 As Fases do Projecto ANO LECTIVO 2011/2012 Fase a fase Formação de Professores Disseminação do projecto Ateliers de Criatividade 4 acções

Leia mais

Gabinete de Empresa de Évora PROGRAMA FINICIA. Potenciar Talentos. Não dispensa a consulta da regulamentação específica.

Gabinete de Empresa de Évora PROGRAMA FINICIA. Potenciar Talentos. Não dispensa a consulta da regulamentação específica. Gabinete de Empresa de Évora PROGRAMA FINICIA Potenciar Talentos Não dispensa a consulta da regulamentação específica Objectivos Princípios de implementação Utilizar instrumentos públicos para alavancar

Leia mais

INQUÉRITO AOS GASTOS E SATISFAÇÃO DOS TURISTAS, 2009

INQUÉRITO AOS GASTOS E SATISFAÇÃO DOS TURISTAS, 2009 INQUÉRITO AOS GASTOS E SATISFAÇÃO DOS Praia, 29 de Abril de 2010 Plano de apresentação Introdução. Nota metodológica. Apresentação dos resultados..satisfação..gastos. TURISTAS, 2009 Objectivos do Inquérito

Leia mais

Processamento do Iogurte Gordo Sólido

Processamento do Iogurte Gordo Sólido Escola Superior Agrária De Coimbra Processamento Geral dos Alimentos Processamento do Iogurte Gordo Sólido Trabalho realizado por: Pedro Sá nº20603025 Ana Oliveira nº 20603030 Lénia Belas nº 20603031 Elisabete

Leia mais

Plano de Promoção do Desempenho Ambiental Desempenho Ambiental -- PPDA - ERSE - 20 Maio 2008

Plano de Promoção do Desempenho Ambiental Desempenho Ambiental -- PPDA - ERSE - 20 Maio 2008 Plano de Promoção do Desempenho Ambiental - PPDA - ERSE - 20 Maio 2008 Objectivos do PPDA O PPDA destina-se a promover a realização de acções que melhorem o desempenho ambiental das empresas e evitar que

Leia mais

CURSO CERTIFICAÇÃO/QUALIFICAÇÃO DE AUDITORES INTERNOS DA QUALIDADE ISO 9001:2008

CURSO CERTIFICAÇÃO/QUALIFICAÇÃO DE AUDITORES INTERNOS DA QUALIDADE ISO 9001:2008 CURSO CERTIFICAÇÃO/QUALIFICAÇÃO DE AUDITORES INTERNOS DA QUALIDADE ISO 9001:2008 O curso de Certificação/Qualificação de Auditores Internos é constituído por 2 módulos com avaliação escrita: 1. Interpretação

Leia mais

DELIBERAÇÃO n.º 86 /CD/2010

DELIBERAÇÃO n.º 86 /CD/2010 DELIBERAÇÃO n.º 86 /CD/2010 Assunto: Modelo de Alvará das Farmácias de Dispensa de Medicamentos ao Público nos Hospitais do Serviço Nacional de Saúde. A entrada em vigor do Decreto-Lei n.º 241/2009, de

Leia mais

VOLUNTARIADO CÁRITAS APOIO SOCIAL

VOLUNTARIADO CÁRITAS APOIO SOCIAL APS 01/2013 Professor de Português APS 02/2013 Psicólogo(a) APS 03/2013 Mediação Familiar APS 04/2013 Auxiliar de logística APS 05/2013 Profissional de saúde APS 06/2013 Formador na área do empreendedorismo/coaching/motivação

Leia mais

Os Segredos da Produtividade. por Pedro Conceição

Os Segredos da Produtividade. por Pedro Conceição Os Segredos da Produtividade por Pedro Conceição Em 1950, cada português produzia durante uma hora de trabalho um quinto do que um trabalhador norte-americano conseguia na mesma hora. Em 1999 esta diferença

Leia mais

NCE/10/01746 Relatório preliminar da CAE - Novo ciclo de estudos

NCE/10/01746 Relatório preliminar da CAE - Novo ciclo de estudos NCE/10/01746 Relatório preliminar da CAE - Novo ciclo de estudos Caracterização do pedido Perguntas A.1 a A.10 A.1. Instituição de ensino superior / Entidade instituidora: Instituto Politécnico De Coimbra

Leia mais

IV - 2. LISTA E ÂMBITO DAS CONTAS CLASSE 2 APLICAÇÕES

IV - 2. LISTA E ÂMBITO DAS CONTAS CLASSE 2 APLICAÇÕES Anexo à Instrução nº 6/96 IV - 2. LISTA E ÂMBITO DAS CONTAS CLASSE 2 APLICAÇÕES Nesta classe estão incluídas as aplicações decorrentes das actividades consagradas no RJCAM, nomeadamente a actividade creditícia

Leia mais

A CADEIA DE SUPRIMENTOS SUSTENTÁVEL

A CADEIA DE SUPRIMENTOS SUSTENTÁVEL PROCESSOS DE TRANSPORTE E PRODUÇÃO DE JEANS A CADEIA DE SUPRIMENTOS SUSTENTÁVEL Esta seção foi baseada na palestra proferida pela Prof. Ana Paula Barbosa-Póvoa, Ph.D. do Instituto Superior Técnico - Portugal

Leia mais

Programa de Unidade Curricular

Programa de Unidade Curricular Programa de Unidade Curricular Faculdade Ciências Empresariais Licenciatura Contabilidade Unidade Curricular Gestão de Carteiras e Mercado de Capitais Semestre: 6 Nº ECTS: 3,0 Regente Prof. Doutor Júlio

Leia mais

REGIMENTO PARA O CONSELHO MUNICIPAL DE EDUCAÇÃO DE ÁGUEDA PARTE I. Disposições Gerais. Artigo 1º. Definição e Âmbito

REGIMENTO PARA O CONSELHO MUNICIPAL DE EDUCAÇÃO DE ÁGUEDA PARTE I. Disposições Gerais. Artigo 1º. Definição e Âmbito REGIMENTO PARA O CONSELHO MUNICIPAL DE EDUCAÇÃO DE ÁGUEDA PARTE I Disposições Gerais Artigo 1º Definição e Âmbito 1. O Conselho Municipal de Educação de Águeda, adiante designado de Conselho é uma instância

Leia mais

Pós-Graduação em Sistemas de Informação

Pós-Graduação em Sistemas de Informação Pós-Graduação em Sistemas de Informação Disciplina de Fundamentos de Sistemas de Informação 2004/2005 Representação em UML de um Clube de Vídeo Fernanda Sarmento Miguel Ferreira Fevereiro/2005 Índice 1

Leia mais

Curso de Formação Contínua Execução dos Contratos Administrativos regulados no CCP

Curso de Formação Contínua Execução dos Contratos Administrativos regulados no CCP Curso de Formação Contínua Execução dos Contratos Administrativos regulados no CCP Programa detalhado do curso I - COLABORAÇÃO DE PARTICULARES NA REALIZAÇÃO DE TAREFAS PÚBLICAS A CARGO DA AP: MODOS DE

Leia mais

Manual de Operacionalização

Manual de Operacionalização Manual de Operacionalização Programa de Criação de Espaços Públicos de Acesso à Internet em Bibliotecas Públicas Municipais, Ludotecas, Museus Municipais e Arquivos Municipais Agosto de 2004 Iniciativa:

Leia mais

Educação e Sensibilização Ambiental

Educação e Sensibilização Ambiental Educação e Sensibilização Ambiental Plano de Actividades LIPOR 2006/2007 Gabinete de Informação Lipor Objectivos Incentivar a participação nas actividades e projectos desenvolvidos pela LIPOR; Proporcionar

Leia mais

Reabilitação Térmica de Edifícios Correcção de pontes térmicas com argamassas com granulado de cortiça

Reabilitação Térmica de Edifícios Correcção de pontes térmicas com argamassas com granulado de cortiça Reabilitação Térmica de Edifícios Correcção de pontes térmicas com argamassas com granulado de cortiça ESTBarreiro- Escola Superior de Tecnologia do Barreiro Moita, 2013 ANA ARMADA BRÁS PEDRO MARQUES Qual

Leia mais

3 ao Quadrado - Agenda Web

3 ao Quadrado - Agenda Web 3 ao Quadrado - Agenda Web Relatório de Gestão de Projectos de Software - Grupo A - LEIC 2001/2002 http://gnomo.fe.up.pt/gps01a João Montenegro - ei97023@fe.up.pt André Teixeira - ei97024@fe.up.pt Carlos

Leia mais

Será que as regras de negociação dos mercados têm influência nos preços?

Será que as regras de negociação dos mercados têm influência nos preços? O Impacto da Microestrutura do Mercado na formação de preços Pedro Grilo Maria João Semedo Mariana Bruschy Fernando Silva Será que as regras de negociação dos mercados têm influência nos preços? 1 Área

Leia mais

FICHA DE AVALIAÇÃO DA ATIVIDADE

FICHA DE AVALIAÇÃO DA ATIVIDADE FICHA DE AVALIAÇÃO DA ATIVIDADE Ano letivo 2012 /2013 1. Estrutura educativa: Escola Profissional de Fermil Celorico de Basto 2. Atividade: Visita de Estudo ao Instituto Português do Sangue - Porto 3.

Leia mais

Mestrado em Ensino da Física e da Química

Mestrado em Ensino da Física e da Química Mestrado em Ensino da Física e da Química Mestrado em Ensino da Física e da Química - Faculdade de Ciências da Universidade do Porto 1 5. Estrutura curricular e plano de estudos FORMULÁRIO 1. Estabelecimento

Leia mais

Orientações para desenvolver uma Política de DPC Provas requeridas para a acreditação Acrescentando valor: conjunto de boas práticas

Orientações para desenvolver uma Política de DPC Provas requeridas para a acreditação Acrescentando valor: conjunto de boas práticas CRITÉRIO 2: COMISSÃO DE INTERNA Este capítulo inclui: Visão geral Orientações para desenvolver uma Política de Provas requeridas para a acreditação Acrescentando valor: conjunto de boas práticas VISÃO

Leia mais

Circular nº 36/2014. 06 de Outubro de 2014. Caros Associados,

Circular nº 36/2014. 06 de Outubro de 2014. Caros Associados, Circular nº 36/2014 06 de Outubro de 2014 Assunto: Quadro Técnico das empresas de construção: enquadramento dos Técnicos de Manuseamento de gases fluorados com efeito de estufa face à Portaria n.º 16/2004,

Leia mais

Reabilitação e Prevenção de Sequelas na Criança Queimada

Reabilitação e Prevenção de Sequelas na Criança Queimada Reabilitação e Prevenção de Sequelas na Criança Queimada Isabel Seixo, Dina Nunes, Alexandra Castro Serviço de Medicina Física e de Reabilitação Hospital Dona Estefânia Novembro 2011 Queimadura Agressão

Leia mais