SistemasdeInformac~aoemFinancas. DuarteTrigueiros. UniversidadedoAlgarve,FaculdadedeEconomia MestradoemFinancas

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "SistemasdeInformac~aoemFinancas. DuarteTrigueiros. UniversidadedoAlgarve,FaculdadedeEconomia MestradoemFinancas"

Transcrição

1 SistemasdeInformac~aoemFinancas DuarteTrigueiros UniversidadedoAlgarve,FaculdadedeEconomia MestradoemFinancas

2 eaprofundadodetopicosjaabordadosemoutrasdisciplinasdamestrado.osexemplosqueseoferecems~aoinspiradoresdeumusomaisousadoeproveitosodosmetodosnumericosnaempresaeem instituic~oesnanceiras.essesexemplosbaseiam-senosexcelenteslivrosdebenninga(1989)[4]ede Schlosser(1989)[34].Oconteudo,porem,foimodicadosnosentidodeummaioraprofundamento. estudados,nomeadamrnteagest~aonanceiradasempresas,agest~aodecarteirasdettulos,opc~oes, ProjectosdeInvestimentoeoutros.Tambempressup~oeoconhecimentodeferramentasinformaticas Agradecimento:Estesapontamentosbeneciaramdassugest~oesecrticasdemuitaspessoas. comunsnasempresas,especialmenteafolhadecalculo. Oaproveitamentoporpartedoalunopressup~oeummnimodefamiliariedadecomosproblemas Oobjectivodestetextoeproporcionarumavis~aoabrangentedosmetodoscomputacionaismais necessariosaotrabalhodogestorouanalistananceiros,sendoaomesmotempoumresumopratico Introduc~ao Particularmenteutilfoiotrabalhodecorrecc~aoeadequac~aoaterminologiacontabilsticaportuguesaqueoEng.JoseNunesMaiatomouaseucargo. ii

3 Indice Introduc~ao INaturezaePapeldaInformac~aonasEmpresas 1AEmpresacomoProcessodeValorAcrescentado ii 1 2DadoseInformac~ao 1.3OAcrescentodeValornasEmpresas Informac~aoeseuPapelnaEmpresa AsActividadesdeumaOrganizac~ao FinseObjectivosdeumaOrganizac~ao Informac~aoProbabilstica,Informac~aoAssimetrica 2.3Func~oesdaInformac~ao Convers~aodeDadosemInformac~ao...13 IISistemasdeInformac~aoFinanceiros 3.3Informac~aoAssimetricaeGanhoEsperado QuantidadedeInformac~ao Numerac~aoBinariaeInformac~ao PlaneamentoFinanceiro 4.1ModeloscomSimultaneidade(Warren Shelton) Exerccios Discuss~ao UmExemplo Implementac~ao Aplicac~aoaAquisic~oes ComoEstimaroPrecodeCompra...39 iii

4 5Endividamento,EconomiaFiscaleLeasing 4.2.5Exerccios CalculodoValorResidual Implementac~ao AjustedoCustodoCapitalSocial OEmprestimoEquivalente AjusteDirectodaAnaliseSimplista AAlternativaCompra{Aluguer CapacidadedeEndividamento:MaisdeUmPerodo CapacidadedeEndividamento:UmSoPerodo AFronteiraEcientedeumaCarteira 5.8Exerccios AAnaliseFinanceiradeLeasesAlavancados AMaximaRendaAceitavel Exerccio AsCarteirasEcientes OGanhoEsperadoeaVari^ancianoCasoGeral ValorEsperadoeVari^anciadeumaCarteira Introduc~ao OComportamentoEstatsticodasCotac~oes 7OsBetas,IncertezaeRobustez 7.4BetaseRobustez SeraaCarteiradoMercadoMeramenteEciente? UmTestedoCAPM ARectaValor-Mercado Determinac~aodosPar^ametrosdeumaDistribuic~ao OsProcessosdeDifus~aoMultiplicativos Caracterizac~aoEstatsticadasCotac~oes ProcessosdeDifus~ao ASimulac~aodeCotac~oes ADistribuic~aoNormal OValordasOpc~oes 9.1Padr~oesdeLucroaDatadeExpirac~ao Exerccios...92 iv 93

5 10ASegurancaDin^amicadasCarteiras 9.4AParidadeCall-Put AEstimac~aodaVolatilidadeImplcitaNumPreco Exerccios AEquac~aodeBlack-Scholes:OPrecodeumaOpc~ao OsFactoresqueInuenciamoPrecodasOpc~oes ASegurancadeCarteirasdeActivosMaisComplicados UmaSimulac~ao:SegurancaDin^amicadeCarteiras PutsImplcitaseoValordosActivos ASegurancadeumGanhoPre-Determinado Exerccios Durac~aoeestrategiasdeImunizac~ao 10.6OutrasEstrategiasdeInvestimentocomOpc~oes Gama:RobustezdeumHedge Delta-NeutralHedge CalculodoYTMcomPerodosIrregulares FormulasAbreviadasParaaDurac~ao Durac~ao ADurac~aoeoGanhoAteamaturidade(YTM) ADurac~aoeaVolatilidadedosPrecos Exerccios EstrategiasdeImunizac~ao AImunizac~aodeSegundaOrdem UmExemplo Imunizac~aocomCarteirasdeBonds v

6 NaturezaePapeldaInformac~aonas Empresas ParteI 1

7 Acrescentado AEmpresacomoProcessodeValor Captulo1 Aolongodestetextofar-se-ausodeconceitosetermospropriosdasci^enciasempresariaisedas organizac~oes.essesconceitosser~aoagorabrevementerecordados. Asorganizac~oesexistemparasatisfazerdeterminadasnecessidadese,subjacenteaoseuaparecimento,estasempreofactodecertastarefassoseremfactveisousetornaremmenoscustosas 1.1FinseObjectivosdeumaOrganizac~ao quandolevadasacaboporumgrupodepessoasemvezdeindividualmente. 1 sejamn~ao-lucrativos. (asempresas).masalgunsdosconceitosaabordaraplicam-setambemaorganizac~oescujosns nizac~oesqueinteressamaesteestudos~aoaquelascujomeoaumentodariquezadosseusdonos Eotipodenecessidadesasatisfazer,osns,aquiloquecaracterizacadaorganizac~ao.Asorga- 2setentaatingi-lospodevariaraolongodotempo,dandoorigemaquiloquesechamamosobjectivos. est~aoausarnessaorganizac~aoparamelhoratingirosseusns. Osobjectivosdeumaorganizac~aos~aoasmedidaseacc~oesconcretasque,numdadoperodo,se Osnsdeumaorganizac~aomant^em-seenquantoessaorganizac~aoexistir.Masaformacomo objectivos: limitados,eporafora. circunscritoseestespodemaindaestarsubordinadosaconsecuc~aodeoutrosobjectivosaindamais deobjectivosgeraisedecisivosimplicaquetenhamsidoatingidosvariosoutrosobjectivosmais Comopartedahierarquiadenidaacima,ecostumedistinguirem-seosseguintesnveisde Podefacilmentereconhecer-seumahierarquiadeobjectivosnasorganizac~oes.Aconsecuc~ao ObjectivosEstrategicos,asgrandesmetasconsideradascomodecisivasparaaconsecuc~aodos nsdeumaorganizac~ao. 2

8 3ObjectivosOperacionais,asetapasconcretas,circunscritasasactividadespropriasdecadaor- ganizac~ao,equesejulguemcapazesdeaproximaressaorganizac~aodasatisfac~aodosseus objectivosestrategicos. Oexitonaconsecuc~aodecertosobjectivosoperacionaisiracondicionarasatisfac~aodeumdado objectivoestrategico.chama-sehierarquiadesubordinac~aodeobjectivosaestaconcatenac~ao. 4 comoobjectivotactico. istoe,otempoquelevamaseratingidos.assim,ter-se-iamos importanteadarnocurtoprazoparaaconsecuc~aodumobjectivoestrategico)tambemeconhecido estrategiadeumaorganizac~ao(istoa,quandoesseobjectivopodeconsiderar-secomoumpasso Eaindacostumedividirosobjectivosdeumaorganizac~aosegundoasuavig^enciaoudurac~ao, Quandoumobjectivooperacionalcontribuidirectamenteeecondic~aoparaosucessoda ObjectivosaLongoPrazo,osquelevammaisde3anosaserematingidos. ObjectivosaMedioPrazo,osquelevamentre1a3anosaserematingidos. ObjectivosaCurtoPrazo,osquelevammenosde1anoaserematingidos. operacionaiscostumamserdeprazomaiscurtodoqueosestrategicos.porsuavez,aexpress~ao defabricoeatedelosoadevendasnumprazomuitomaiscurto.mesmoassim,osobjectivos aosns.naindustriaaeronautica,asdecis~oesquelevamadenic~aodeobjectivosestrategicos podemcomprometerumaempresaparaostrintaanosseguintes.pelocontrario,naindustriade confecc~oesoucalcado,asempresasprecisamdesercapazesdemudarcompletamentedelinha N~aoexisterelac~aoentreotempoqueumobjectivolevaaseratingidoeasuahierarquiaemordem 5 dadedirectamenteligadacomaestrategiadaempresa(vendas,fornecedoresououtrasactividades sensiveis). \melhoriatactica"deveraentende-secomoumavanco,aserconseguidonocurtoprazo,numaactivi- 6 queatingeosseusns.paraarticularassuasactividades,aorganizac~aodisp~oedefunc~oes,cada umadasquaisedesempenhadaaumnveldedecis~aodeterminado. trategicoss~aodenidosaonvelcorrespondentededecis~aoeplanicac~ao.naempresaclassica,esse planicac~ao,jaqueaescolhaentevariospossveisobjectivosrequerumadecis~ao.osobjectivoses- Ahierarquiaeadurac~aodosobjectivosdeumaempresareectemosseusnveisdedecis~aoede Umaorganizac~aodesenvolveasactividadesquelhes~aopropriaseeatravesdestasactividades intermedios.estarelac~aoentrefunc~oesehierarquiadeobjectivosnemsempreseverica. nvelseriaomaiselevadodentrodaorganizac~ao,odoconselhodeadministrac~ao.adeterminac~ao eseguimentodosobjectivosoperacionaisdependetradicionalmentelmentedequadrossuperiorese isso,numaempresaosobjectivoss~aodenidoscomometasmensuraveis.asdimens~oessobreas quaisosobjectivossedenempertencemasseguintescincograndesareas 7.Dimens~oes.N~aoeproveitosodenirobjectivosdeumaformavaga,poucoconcreta.Por 3

9 RendimentoInterno.Seradepoisnecessariotomardecis~oesquantoaformaorganizacionaleaos RendimentoExterno.Eaindaprecisoestabelecerabasedemedidaquemelhoravaliaorendimentodaempresanaconsecuc~aodoobjectivoanterior. deoganharedequemodoseiramediroprogressoemdirecc~aoaesteobjectivo. Competitividade.Umaorganizac~aoprecisadedenirqualomercadoaoqualsedirige,aforma indicadoresqueir~aopermitiravaliaraeci^enciadecadaumadasactividadesdaorganizac~ao. OContextoeoAmbiente.Umaorganizac~aotemaindaquedeniraformacomoseirarelados,poluentes,modicac~oesnatopograa,etc.)comonorelacionamentocomasautoridadecionarcomocontextoondeseinsere,tantonosaspectossimplesmenteecologicos(lixos,rui- Abuscadeindicadoresouvariaveisnumericassimples,capazesdereectirem,comamaiorprecis~ao AsPessoas.Finalmente,eprecisodecidirqualomodofuncionaldentrodoqualostairadaro seucontributoparaosobjectivosdaorganizac~ao. osusosecostumeslocais,etc. (locais,regionais,etc.),eaindacomoseirarelacionarcomossindicatoseoutrasassociac~oes, objectivosdaempresa,existemmuitasareasondeosindicadoressocapturampartedarealidade possvel,aposic~aodeumaempresafaceaosseusobjectivos,temsidoumapreocupac~aocomum, asgrandesforcascomqueumaorganizac~aotemdecontaraodeniretentarchegaraconsecuc~ao desdelongadata.emboraalgunsindicadoresconsigamdefactoquanticaraspectosessenciaisdos dessesobjectivos: Macro-Economia.Ataxadeinac~ao,decrescimentodoproduto,aprodutividadeeodesemprego,entremuitasoutras. ous~aoinuenciadosporvariosfenomenosaomesmotempo,tornando-seassimmenosuteis. 8.Forcas.Outrapossvelformadequalicaradenic~aodeobjectivosconsisteemconsiderar Poltica.Opartidonopodereaformacomoasuapolticasocialoueconomicaafectaaorganizac~aoeoseumercado.Osmass-media,oslobbieseseuscustos. Financas.Taxasdejuro,decambio,impostos,opini~aodomercadodecapitaisedosbancossobre aempresaesobreosect^or,etc. Tecnologias.Velocidadenoavancodatecnologia,capazdeafectarasespecicac~oeseoprecodos Mercado.Tend^enciasdosconsumidores,canaisdedistribuic~ao. Concorr^encia.Precos,capacidade,taxadecrescimento,qualidade,canaisdedistribuic~aoeestrategiadosconcorrentes.Facilidadenaentradadenovosconcorrentes. produtosoudoprocessodefabrico,daestruturadecustos. 4

10 Sociedade.Tipoedesenvolvimento,estrutura,educac~ao,civismo,qualidadedevida.Aexist^encia Demograa.Mudancasnotamanhoenacomposic~aoetariadapopulac~ao. JusticaeLegislac~ao.Asleiseregulamentosexistentesouemestudo,queafectemdirectaou devciossociaisgeneralizados,comoahiper-burocracia,acorrupc~aoeseuscustos. Mecanismosreguladores,corrupc~ao.Orelacionamentocomoscorposreguladores.Apossibilidadeoun~aoderecursoapraticasinaceitaveisemeconomiasmaisevoluidascomooconluio paraxac~aodeprecos,ouofavorecimentoporpartedoestado(concess~oes). indirectamenteasoperac~oesdaorganizac~ao.aatitudedaspessoasperanteapossibilidade rapidezdostribunais. derecorrerematribunalpararesolveremosseuslitgios,bemcomoacredibilidade,custose Ecologia.Osefeitosdasoperac~oesnoambientenatural. 9referidosefeitos.Tallegislac~aoiraintroduzirnovasinteracc~oes,possivelmenteateumdesequilbrio nomercado. aumapress~aopolticaeaumamudancanosregulamentosoulegislac~ao,tendentealimitaros efeitosecologicosdesfavoraveis,osquaisdesencadeiamreacc~oesnasociedade.essefactolevara Estasforcasn~aoactuamisoladamente.Porexemplo,asmudancasnastecnologiaspodemproduzir Ogestorquedisponhadeinformac~aosobreaevoluc~aofuturadestasforcasestaranumaposic~aode emqueumaempresasemoveecomplexo,multi-dimensionaleemmutac~ao.estamutac~aotraz consigo,querasnovasoportunidadesdenegocio,querosriscoseameacasaviabilidadedaempresa. vantagemfaceaconcorr^encia.porem,n~aocostumaserfacilasuaprevis~aooumesmoadescoberta deindicadoresquereictamelmenteaevoluc~aoisoladadecadaumadelas. Devidoaquealgumasdasforcasreferidasacimaseinuenciammutuamente,oambiente 10sensibilidadeasforcasreferidas.Assim,certotipodeempresass~aomuitovulneraveisaaumentos nastaxasdec^ambioporqueimportammuitasmateriasprimas.outras,dependemdeumclima polticofavoravelporqueosseusclientess~aoentidadesquerecebemsubsdiosdoestado.ha empresaspouco,oumuito,sensveisarapidezdasmudancastecnologicas;certasempresasrecorrem habitualmenteaemprestimos,candoassimmaisexpostasaaumentosnastaxasdejuro;outras, Ograueaformacomocadaorganizac~aoeafectadaporesteambientedependeradasua recursosparasatisfazeremahiper-burocraciaeacorrupc~aoaelaassociada.existemempresasque sos~aoviaveisemregimedeconcess~ao(monopolio)ehamuitasoutrascujasmargensmostramos taxasouspreads). asuacotac~aojuntodosinvestidores.hasectores,comoaconstruc~aocivil,quet^emquereservar efeitosdeumaconcorr^enciadomesticada(frutodoconluioentreconcorrentesparaxarprecos, paracresceremdepressa,carecemdeaumentaroseucapitaletornam-seportantomuitosensveis 11c~aoprecisaparaenfrentarcomsucessoamutac~aodoambiente,tirandopartidodasnovassituac~oes Ver-se-anoproximocaptuloqueeprecisamenteainformac~aoorecursodequeumaorganiza- 5

11 Existemdiversaspossveismodelosouformasdeverumaorganizac~ao.Omodelohierarquico,por 1.2AsActividadesdeumaOrganizac~ao positivaserevertendoosentidodasquepoderiamsernegativas,especialmentenoquerespeitaa exemplo,evidenciaascadeiasderesponsabilidadequeporventuratenhamsidoestabelecidasnuma forcasasquaiselaesensvel. previlegiarmodelosqueevidenciemosseusns.daointeresseemestudaromodelosistemicoda empresa.aquelesquedesejarementenderaempresanoquetemdemaisbasico,devemporem organizac~aocomp~oe-sedeumainfrastruturasobreaqualserealizamactividades.existemportanto cincocomponentesnestemodelodeorganizac~ao: queabsorverecursos,transforma-ose,comoresultado,produzoutrosrecursos.noseuinterior,a 12.Aorganizac~aocomoSistema:Podedescrever-seumaorganizac~aocomoumaentidade 4.Asferramentaseastecnicasquetransformamosrecursos. 3.Ainfrastruturasobreaqualaorganizac~aofunciona. 2.Asactividadesquerealizaequelhes~aoproprias. 1.Osrecursosqueumaorganizac~aoabsorve. maisvaliosos(istoe,produtosqueomercadoestadispostoapagarmaiscarodoquepagariapelas devaloracrescentado:osrecursosabsorvidoss~aointegradosetransformados,originandoprodutos Opapeldogestoreodeintegraresteselementosdemodoaconseguirqueosobjectivosdaorganiza- c~aosejamatingidos.numaempresa,oscincocomponentesreferidosacimaconstituemumprocesso 5.Osrecursosques~aoproduzidos:Oprodutoacabado,servicos,osmeioslibertos,ossalarios, partesseparadamente).esteacrescentoemvalorteraquesersucientepararecompensarosdonos dividendos,etc. 13daempresapeloinvestimentoefectuado:oprocessodevaloracrescentadoteraqueserecientede modoalibertardinheiro. Capital.Eorecursoporexcel^enciaporquepermiteaobtenc~aodetodososoutros.Umaorgani- sustentodessasoperac~oes,oinvestimentoemfundodemaneio. mentoemterrenos,edifcios,maquinarias,viaturas),mastambemdodinheironecessarioao zac~aoprecisara,n~aoapenasdocapitalinicialnecessarioaaquisic~aodoimobilizado,(investi- Osprincipaistiposderecursosabsorvidosporumaorganizac~aos~aoosseguintes Pessoas.Fornecemosconhecimentos,habilidadeseexperi^encianecessariosaoprocessodevalor acrescentado.esterecursoeomaisdifcildeobteredegerircomeci^encia. 6

12 Informac~ao.Nocontextoemqueestamos,esterecursorefere-seapenasadadossobreoambiente MateriasprimasoumercadoriaseServicos.S~aoosrecursosbasicosqueumaorganizac~ao absorveetransforma.algunsdestes,comoaenergia,osmateriais,s~aousadosdirectamente seuscustos;adisponibilidadedepessoascomcertashabilitac~oeseoscustosdoseurecrutamentoeretenc~ao;asfontesalternativasondesepodemobtercertosmateriaiseservicos,seus t^emumacontribuic~aomenosdirecta.procedemdeoutrasorganizac~oesoudapropria. acima.porexemplo,umaempresaprecisaradeterinformac~aoreferenteafontesdecapitale exterioraorganizac~ao(verparagrafo8)esobreostr^esoutrostiposderecursosdescritos noprocesso.outros,comofacilidadesdetransporte,cantinas,aconselhamentoeauditoria, 14 meritosemtermosdequalidade,custo,facilidadesdeentrega,etc. Operac~oes.Todasasactividadesdetransformac~aoderecursosdentrodoprocessodeacrescentamentodovalorporte.Asactividadersprimariasest~aodirectamenteligadasatransformac~aoouprocessoeincluem LogsticadeEntrada.Ascompras,orecepcionamento,ocontrolodequalidade,armazenagem, aaquisic~aodeservicos. Quantoasactividadesdeumaorganizac~ao,elaspertencemadoistipos:Primarias,edeSu- Servico.Cumprimentodecompromissosdecorrentesdavenda,comomanutenc~ao,treino,substituic~ao,etc.Costumadizer-seservice). LogsticadeSaidaeExterna.Controlodequalidadedoproduto,suaarmazenagem,distribui- MarketingeVendas.Pesquizademercados,promoc~ao,venda. c~ao,instalac~ao. 15eapoiamasactividadesprimarias.Podemdescrever-secomopertencendoaquatrograndestipos ProcuradeRecursos.Odesenvolvimentodepolticas,processoseaobtenc~aodeconhecimentos Asactividadesdesuportes~aoaquelasn~aodirectamentedirigidasaoprocessomasquefacilitam DesenvolvimentodaTecnologia.Apesquiza,desenvolvimentoedesenhodenovosprocessose actividade. tendentesafacilitaraaquisic~aoderecursos,tantomateriaiseservicoscomocapitalepessoas. Gest~aodosRecursosHumanos.Odesenvolvimentodepolticaseprocessosparaotreino, produtos. Costumadizer-seprocurement.Apolticadefornecedoreseumexemploimportantedesta gest~aoecontrolodaspessoasdentrodaorganizac~ao. 7

13 Capital - ProcessodeValorAcrescentado - - Gest~aodeRecursosHumanos DesenvolvimentoTecnologico InfrastruturaOrganizacional ActividadesdeSuporte Informac~ao Materiais Servicos Pessoas Logistica InternaProduc~aoMarketing ActividadesPrimarias ProcuradeRecursos Vendas LogisticaEx- Service -Empregados Clientes Estado Sociedade Donos Nocaptulo??voltar-se-aaabordaresteassunto. InfrastruturaOrganizacional.Apreparac~aodeplanosestrategicosepolticasdaempresacom organizacionaisesistemasdeplaneamentoecontrolo,atomadadedecis~oes. vistasaobtenc~aodosobjectivosdaorganizac~ao.aimplementac~aodasnecessariasestruturas Figura1:Asactividadesdeumaorganizac~ao. 16deverasert~aoelevadoquecomprometaarendibilidadedaempresa. acrescentodevalor,contribuemdecisivamenteparaaconsecuc~aodosobjectivosdasorganizac~oes. S~aotambemconhecidaspelonomedeactividadesdeinfrastrutura.Oseucusto,porem,nunca Devereconhecer-sequeasactividadesdesuporte,apesarden~aoseremprimariasemtermosde 17comoaassemblagemdepecasnumalinhadefabrico,ocontrolodequalidadeeaarmazenagem. Mastambempodemserpoucorotineiras,exigindoatomadadenovasdecis~oes,comonocasoda determinac~aodeumprecodevenda.aqualidadedainformac~aodisponvelesempreessencialao processodevaloracrescentado. Asferramentaseastecnicasquetransformamosrecursoss~aogeralmenteformasrepetitivas, OsDonosouAccionistas,querecebemopremiodevidoaoinvestimentoquerealizaram(dividendos). Osrecursoslibertosporumaorganizac~aoencontramquatrograndesgruposderecipientes OsEmpregados,querecebemossalarios. OsClientes,quecompramosprodutosacabadoseservicosequedelesdisfrutam. devaloracrescentado.podedescrever-seumaempresademuitasmaneiras.aquelaqueagura1 Agura1(pagina8)ilustraoquefoiditoateaquisobreasactividadesdeumaempresaeoprocesso OEstadoeaSociedade,querdirectamenteatravesdacobrancadeimpostos,querindirectamenteatravesdoaumentoemriquezaoudaobtenc~aodeoutrosbens. 8

14 18ilustraeapenasumdeentrevariospossveismodelosdaempresa,sendoconhecidopelonomede 1.3OAcrescentodeValornasEmpresas sistemasdeinformac~aonelaimplementados. diversasactividadesdentrodeumaorganizac~ao.masesteassuntojadizdirectamenterespeitoaos modelosistemico. Paraalemdoscomponentesedaestrutura,eprecisoaindaconsiderarasligac~oesentreas Omdeumaempresaacriac~aodevalor.Deu-seumacriac~aodevalorquandoovalordetodos maisossacrificiosqueest~aodispostosafazerparaoobter)devechegarparacobriroscustoscom osrecursosdeentradaemaisosdividendos,salarioseimpostos. osrecursosabsorvidoseinferioraototaldosrecursoslibertos. Assim,ovalorqueosclientesatribuemaoprodutoouservico(odinheiroquepagamporele 9

15 DadoseInformac~ao Captulo2 Asempresaspretendematingirdeterminadosnsatravesdeumprocessodevaloracrescentadoonde 2.1Informac~aoeseuPapelnaEmpresa dades,umainfrastrutura,ferramentasetecnicas(conhecimentos).mass~aoaindamaisnecessarias asligac~oesentrecadaactividadeeessasligac~oesestabelecem-secominformac~ao. certosrecursoss~aotransformadosedepoisservidosoudistribuidos.paraisto,s~aonecessariasactivi- 19 fornecerdadosreferentesaprocurapresenteoufuturadeumproduto,ajudaatomardecis~oes essaprocuravenhaaseralta,mediaoubaixa,poderaconstituirinformac~aopoisremoveincerteza contratadosoudispensados,precodevendaeoutras.oconhecimentodasprobabilidadesdeque eassimajudaosgestoresatomaremdecis~oes. sobrequaisasquantidadesaproduzir,materia-primaacomprar,quantosempregadosdever~aoser Chama-seinformac~aoaodadocapazderemoverincerteza.Umdepartamentodevendas,ao Haporemumadiferencacapitalentreeleseparacompreende-lamelhorconviraintroduziralguns conceitoscomplementares. medidas,opini~oesoujuizos,registos,etc.,quesepossamobterdentroeforadasorganizac~oes. 20.TiposdeDadosnaEmpresa.Otermodadoaplica-seaumdomniovastodefactos, Ostermosdadoseinformac~aoaparecemfrequentementemisturadosnaterminologiadeGest~ao. 21DadosPotenciais,osqueumaorganizac~aopoderiaobter,pelomenosemteoria,masdequen~ao comqueosdadosest~aodisponveis.assim,convemdistinguiremprimeirolugar informac~aosetorneevidente. Osdadoss~aoamateriaprimadainformac~ao,istoe,elescont^emaquiloqueogestorprecisade sabermasseraprecisotrabalharsobreessesdados(aplicarumdadoprocessamento)paraqueessa Naopticadogestorinteressamaisconsiderar,antesdomais,osdiferentesnveisdefacilidade disp~oe.osfactoresquelimitamousodestabasededadospotencials~aogeralmente 10

16 DadosExistentes.Apesardeexistirem,nemtodososdadospodemserusadoscomproveitopor partedasorganizac~oes.emcertasaplicac~oes,umusorentavelexigiriaqueosdadosestivessem ocustodessesdados,quandosuperaoseuvalorparaaempresa. problemastecnicosasuperarparaobte-los; odesconhecimentodeondeoucomoseobt^em; negocioqueumaempresaestaaestudar.mas,antesdesebasearnessesdados,elairaprecisardeprocura-los,organiza-losemcheirosetrata-losestatisticamentenumcomputadortosnumerosdeumsuplementoeconomicopodemconterdadosmuitoimportantesparao Assim,conviraconsiderarosdadosexistentescomon~aodisponveisimediatamente,oucomo disponveis. gravadosnamemoriadecomputadores,eobedecendoaumdadoformato.osultimosduzen- 22 totalouparcialmente,aincertezaexistente,easuatransformac~aoemdadosdisponveis. primeiropassoadarquandosepretendetransformarumdadoemalgoutil,capazderemover, Adivis~aoacimajaapontaparaoprocessodeconvers~aodosdadoseminformac~ao,poiso Objectivos,tratamenton~ao-automatico,comoaescrita,odesenho,esquemas,instruc~oese Subjectivo,osqueseencontramapenasnacabecadaspessoas,quersobaformadeconhecimentos ondeseencontram.assim,interessaterpresenteosseguintesnveisdedisponibilidade intuitivos,quersobformasmaisobjectivaveis. Osdadostambemsepodemconsiderarcomomaisoumenosdisponveis,segundoosuporte Note-sequeofactodecertosdadosseencontrarem\metidosnocomputador"n~aogarantequeoseu Dadosobjectivos,tratamentoautomatico,comoosdadosjagravadosemsuportesmagneticos rosos. ouopticos,permitindoasuaconsultaetratamentosemnecessidadedeprocessamentosmo- tudooquesepodemedirmasn~aoseencontraorganizadoegravadoemsuportes. 23queasentidadesqueacomp~oemtenhamsidopreservadas. permitesen~aoasuaduplicac~aoedistribuic~ao.paraqueumaimagemsejaprocessavelenecessario tratamentosepossaefectuarautomaticamente.umaimagemdeumapecaoudeumedifcion~ao entreoselementosdasuaestrutura.eisalgunsexemplostpicos:quantidadedepecasvendidas duranteosultimosmeses;existencias;perldecadaempregado;previs~oesdeprocura;colecc~oesde resultadosdetestesdequalidadefeitosafornecedores;previs~aodenecessidadedefundos;etc. primariasnosentidocontrarioaodoprocesso:osdepartamentosdemarketingevendasprecisam Asligac~oesmaisobviasdentrodeumaempresas~aoasquesed~aonointeriordasactividades Nointeriordeumaorganizac~ao,osdadosmaisrelevantess~aoosqueestabelecemasligac~oes deforneceraproduc~aoealogsticainternainformac~aoquelhespermitamfazerencomendase 11

17 Materiais Pessoas * - STOCKSPRODUC~AO Clientes &% '$ PESSOAL &% '$ QkQQQQQQQQQ XVENDAS &% '$ Figura2:Ossistemasdeinformac~aosobrepoem-seasactividadeseligam-nasentresi.Ouxode produzir.oserviceenviainformac~aoparatodooprocessoqueoantecede,especialmenteparao informac~aomaisobvionaempresaeoquecorrenosentidocontrarioaodoprocesso. existemligac~oesdentrodasactividadesdesuporte:osmesmosdesenvolvimentostecnologicoster~ao geralmenteimplicac~oesparaagest~aodosrecursoshumanosdaempresa. exemplo,osdesenvolvimentostecnologicosdevemserimplementadosnoprocesso.porultimo, ControlodeQualidade(umapartedaLogsticaInterna)eparaasVendas. 24.FluxodeDadoseLigac~oes.Adescric~aofeitanaintroduc~aomostraaempresacomo Existemtambemligac~oesmuitoobviasentreasactividadesdesuporteeasprimarias.Por umconjuntodeactividades,cadaumaligadaadeterminadasoutras,demodoaconstituiremum processodevaloracrescentadocapazdeatingircertosobjectivos.estemododeveraempresae particularmentevaliosoparaodesenvolvimentodosseussistemasdeinformac~ao.defacto,esses entreaempresaeoexterior. sistemasn~aos~aomaisdoqueosuportequefornecedadosecanaisdeligac~aodentrodaempresae 25dadosefornecemoscanaisqueasligamaoutras. \Vendas",etc,sobrepoem-seaoutrastantasactividades(vergura1),s~aooreceptaculodosseus organizac~oeseossistemasdeinformac~aoqueassuportam.ossistemasdenominados\stocks", Agura2eumexemplo.Nela,aparecemalgumasdasmaisobviasligac~oesexistentesnas Dentrodecadaumdestessistemaspoder~aoexistirsub-sistemas. Cadaumadasactividadesprimariasedesuportedeumaempresadeveradesenvolveroseu propriosistemadeinformac~ao.estesistemaserafeitoparasuportarasoperac~oesdessa actividadeeparaaligarcomoutras. Emgeral,valeapenaterpresenteque Certossub-sistemasdeactividadesdesuporteter~aoqueterumaabrang^enciamuitogrande,estendendoassuasligac~oespraticamenteatodasasoutrasactividades(ocontrolodoorcamento 12

18 26 Outrossub-sistemasser~aorelativamenteespecializadoseosdadosnelescontidosfar~aoum percursomaisrotineiro(ocasodasactividadesprimarias). edoplano,acontabilidadeeatesouraria,porexemplo). garantesoporsiqueossistemasdeinformac~aodeumaempresair~aofuncionarbem. menossosticadasdoquecomputadores.maisimportanteainda,ousodecomputadoresn~ao ossistemasdeinformac~aodeumaempresapoderiamteoricamentefuncionarusandoferramentas Porem,devenotar-sedesdejaqueesteconceiton~aotemnadaavercomodecomputador.Alias, Apalavrasistemaagorausada,seraobjectodeumestudomaisdetalhadonocaptulo?? Convers~aodeDadosemInformac~ao Soainformac~aoeutilaumaorganizac~ao.Osdados,emsi,n~aoos~ao.Ver-se-aagoraqualo processogeralmenteseguidoparatransformardadosdemodoaquepossamviraremoverincertezas existentesdentrodaempresaeassimsetorneminformac~ao. 28s~aotratadosdemodoapoderemserusadosdeumaformaconveniente.Istoincluiporexemplo aquiesta-seperantesimplesprocessamentodedados. mudancasdeescalaemmedic~oes,ordenac~aoesumarizac~aodechas,gravac~aoemsuportemagnetico ououtro,etc.oterceiropassoconsistenacomunicac~aodosdadosaospotenciaisutilizadores.ate Ainformac~aoeapenasumsub-conjuntodosdadosdisponveis.Umavezcomunicadosaos Oprimeiropassoeacapturadosdadosembrutoeseuregisto.Aseguir,estesdados utilizadores,umapequenapartedosdadosprocessadospassaaserinformac~ao,poisdiminuiou eliminaaincertezacomqueessesutilizadoressedebatiam.amaiorpartedosdados,porem,e dadoseminformac~ao. postadepartepelosutilizadores.agura3mostraesquematicamenteoprocessodeconvers~aode informac~aofazpassarpelasm~aosdosutilizadoresumgrandecaudaldedadosdesnecessarios,tornaseumfactordeperdaderendimentopoisestesprecisamdetomarconhecimentodemuitosdados paraosutilizadoresdadoscontendoumalargaproporc~aodeinformac~ao.quandoumsistemade paraosseusobjectivos.eapartedosdadosquesemostraapropriadaparaumutilizadorou grupodeutilizadores.ossistemasdeinformac~aoecientess~aoaquelesqueconseguemcanalizar Ainformac~aoeaunicaparceladosdadosquecirculamnumaorganizac~ao,capazdecontribuir 29pessoaparapessoaequeasexplicac~oesfornecidasser~aoessenciaisparaosmenosexperientesmas dadosdequecareceesoesses.n~aoefacilconjugar,numdadosistema,osinteressesdeutilizadores inuteisatedescobriremosquelhesinteressam{ainformac~ao. utilizadorpodemseressenciaisparaoutro.bastapensarqueonveldeexperi^enciadiferemuitode individuaiscomumcertograudegeneralidade.osdadosques~aoporventuraredundantesparaum redundantesparaosoutros. Atarefacentral,aoplanearsistemasdeinformac~ao,econseguirquecadautilizadorrecebaos 13

19 DADOS EM BRUTO76CapturadedadosProcessamentoComunicac~ao XXXXXzXXXXXXz UTILIZADOR Dadosn~aoinformativos 9 Informac~ao? 30informac~aonumaorganizac~ao.Paraqueumanalistatenhasucessonestatarefadevelembrar-se dequeosdadosser~aoinformac~aoconsoanteonveldeconhecimentosa-priorideumutilizador.a deveconstituirumadasprimeirasprioridadesdaquelesqueplaneiameimplementamsistemasde Apesardesetratardeumatarefadifcil,abuscadesoluc~oesajustadasacadautilizador Figura3:Oprocessodeconvers~aodedadoseminformac~ao. umelevadonvelcorresponder~aonecessidadesmaisselectivaseportantomaisdifciletransmitira 31novidadesqueabalamumgestorpodemn~aoterqualquerinteresse. intermedioouaumgestorcompoucotempodecasa.nosnveiselevadosn~aoexisteminformac~oes rotineiras.paraumgestor,orotineirodeixadeserinformativo;paraumadministrador,mesmo gestorexperientedevamterumaespecicidademaiordoqueaquelesquesedestinamaumquadro essesutilizadoresdadosquesejaminformac~ao.daquiqueosdadosapassarparaasm~aosdeum Obterdadosembrutodeboaqualidade.Osdadospodemservagos,poucodetalhadosou informac~aoenfrentaosseguintesdesaos Pondodeparteonveldeconhecimentosa-priori,podedizer-sequeaconvers~aodedadosem Obterapenasosdadosnecessarios.Umerrocomumamuitosanalistaseodepensaremque deconseguirdadosembrutoquesejamdeboaqualidade. malresumidos,erroneos,deinterpretac~aoduvidosaoudicil,baralhados,etc.nocaptulo?? far-se-aumataxonomiadestesproblemas.mesmoumbomprocessamentoposteriorsera incapazderemediarinputsdemaqualidade.portanto,aprimeiratarefadeumsistemaea elixoquesai(paracimadoutilizador).comocorolarioaesteponto,omelhoranalistae narecolhadedados.nuncaesquecer:rubbishin,rubbishout Lixoqueentre(nosistema) quantosmaisdadosmelhor.oexcessodedadosdicultaaselecc~aodainformac~aoporparte dosutilizadores,comojasereferiu.umaregradeouroserapoisadamoderac~aoecriterio aquelequeconheceafundoasnecessidadesdeinformac~aodaempresa. 14

20 Investirnaautomac~aodarecolhadedados.Apesardetodososprogressosrealizadosnesta Terpresenteavidautildosdados.Ecomumencontrarem-sesistemasdeinformac~aoquefazem area,aindacaumlongocaminhoporpercorrerearecolhaetratamentodedadose,em caros,poucoaveis.aqui,uminvestimentoemnovastecnologias,seminimamentecuidadoso, daeventualinformac~ao,quandochegaaoutilizador,japerdeuointeresse.ossistemasde chegaraoutilizadorosdadoscomatrasoemrelac~aoasuavidautil.oresultadoequealguma muitoscasos,ocalcanhardeaquilesdeumsistema.osprocessosexistentess~aolentos,muito podecompensarlargamente. Sabercomunicar.Aspessoas,especialmenteasmaisocupadas,t^emumacapacidadedeatenc~ao muitolimitada.ousodemeiosadequadosnatransmiss~aodosdadosfaracomqueoutilizador ospossaanalizareseleccionar.istoincluiumaapresentac~ao,(userinterface),eciente;n~ao ergonomicaseque,pormelhorquesejaoinvolucro,umprossionalsoseinteressarapelos esquecerporemqueumgestor,nashorasdeservico,tempoucapaci^enciaparaapresentac~oes informac~aodevemserplaneadosparavenceremacorridadotiming. paraoprocessodevaloracrescentado.tantooscustoscomoovalordainformac~aopodemser Ainformac~aotemvaloretemcustos.Precisadesergeridademodoacontribuirpositivamente 2.3Func~oesdaInformac~ao conteudosqueforeminformativos. naajudaatomadadedecis~oes,ovalordeumdadoadicional,capazdedesvendarumasituac~ao incertezasqueiradiminuirousuprimir.assim, calculadosemmuitoscasos.concretamente,oseuvalordependeradafunc~ao,istoe,dotipode nacorrecc~aoatempadadeerros,ovalordainformac~aotambemegrande,porviadosgastos queeconomiza.aqui,aocontrariodopontoanterior,ocustodainformac~aon~aocostumaser elevado; costumamserenormes; futura,podeserenorme.infelizmente,oscustosdeboasinformac~oesdestegenerotambem nacomunicac~aoecientededados,planos,processos,orientac~oesenoseucontrolo,ainformac~ao naformac~ao,notreino,ovalordainformac~aoestaindexadoafactoresexternoseeociosomedi-la teraoscustoseovalordasactividadesdeescritorio.aburocracia(predomniodestasactividades,especialmenteadecontrolo)costumasercaraeinutil.aaus^enciadecontroloe comunicac~ao,tambem; isoladamente; 15

SistemasIntegradosdeApoioaDecis~ao, TEORIADADECIS~AOI MestradoemSIAD ISCTE,DCTI 3deNovembrode2010 DuarteTrigueiros 2 1Estruturaconceptualdatomadadedecis~oes Indice IAdecis~aoempresarialeossistemasqueaapoiam

Leia mais

ADECIS~AOSEQUENCIALEMPROJECTOSDE INVESTIMENTO. DuarteTrigueiros

ADECIS~AOSEQUENCIALEMPROJECTOSDE INVESTIMENTO. DuarteTrigueiros ADECIS~AOSEQUENCIALEMPROJECTOSDE INVESTIMENTO DuarteTrigueiros MestradoemCi^enciasEmpresariais SistemasdeApoioaDecis~ao, INDEG/ISCTE DuarteTrigueiros ccopyright1991 by Estacopiaefornecidasobcondic~aodequequemaconsultarreconhecequeosdireitosdeautorpermanecem

Leia mais

Oslivrosquetratamdemetodologiasdedesenvolvimentodiscutemosconceitosenvol-

Oslivrosquetratamdemetodologiasdedesenvolvimentodiscutemosconceitosenvol- dostopicosabordadosnaareadeengenhariadesoftware.oslivrosdaserieforamescritos porprofessoresdoinstitutodecomputac~aodauniversidadeestadualdecampinas,que ensinamoutrabalhamnessaarea,emalgunscasosemparceriacomprofessoresdeoutras

Leia mais

ASARVORESDEDECIS~AO. DuarteTrigueiros

ASARVORESDEDECIS~AO. DuarteTrigueiros ASARVORESDEDECIS~AO DuarteTrigueiros domestradoemci^enciasempresariais \SistemasdeApoioaDecis~ao" DuarteTrigueiros ccopyright1991 by Estacopiaefornecidasobcondic~aodequequemaconsultarreconhecequeosdireitosdeautorpermanecem

Leia mais

A MISSÃO. Satisfazer as necessidades dos nossos clientes, garantindo excelência no serviço prestado. Construímos Soluções

A MISSÃO. Satisfazer as necessidades dos nossos clientes, garantindo excelência no serviço prestado. Construímos Soluções A MISSÃO Satisfazer as necessidades dos nossos clientes, garantindo excelência no serviço prestado. Construímos Soluções PRINCÍPIOS DA EMPRESA Experiência Profissionalismo Qualidade Confidencialidade Ética

Leia mais

SistemasdeArquivos Distribudos. Dissertac~aoApresentadaao FabioKon. AreadeConcentrac~ao:Ci^enciadaComputac~ao

SistemasdeArquivos Distribudos. Dissertac~aoApresentadaao FabioKon. AreadeConcentrac~ao:Ci^enciadaComputac~ao SistemasdeArquivos Distribudos Dissertac~aoApresentadaao FabioKon AreadeConcentrac~ao:Ci^enciadaComputac~ao InstitutodeMatematicaeEstatsticada MestreemMatematicaAplicada paraaobtenc~aodograude UniversidadedeS~aoPaulo

Leia mais

Objectivos. e explicar de que formas as TI podem ser utilizadas para ganhar vantagens competitivas. tecnologias da informação.

Objectivos. e explicar de que formas as TI podem ser utilizadas para ganhar vantagens competitivas. tecnologias da informação. Capítulo 2 1 Enfrentar a concorrência com tecnologias da informação 2 Objectivos ƒ Identificar estratégias de concorrência básicas e explicar de que formas as TI podem ser utilizadas para ganhar vantagens

Leia mais

Comentários à Consulta Pública da CMVM nº 3/2009 sobre Análise Financeira e Certificação da Qualificação Profissional na Intermediação Financeira

Comentários à Consulta Pública da CMVM nº 3/2009 sobre Análise Financeira e Certificação da Qualificação Profissional na Intermediação Financeira Comentários à Consulta Pública da CMVM nº 3/2009 sobre Análise Financeira e Certificação da Qualificação Profissional na Intermediação Financeira I. Art.º 8º (Registo) Na redacção ora proposta para a alínea

Leia mais

Eficiência energética e Certificação no contexto da Reabilitação: barreiras, oportunidades e experiências

Eficiência energética e Certificação no contexto da Reabilitação: barreiras, oportunidades e experiências WORKSHOP Eficiência energética e Certificação no contexto da Reabilitação: barreiras, oportunidades e experiências Os desafios... Como identificar e dar a conhecer aos proprietários as oportunidades de

Leia mais

PERFIL PROFISSIONAL PROGRAMADOR(A) DE INFORMÁTICA. PERFIL PROFISSIONAL Programador/a de Informática Nível 3 CATÁLOGO NACIONAL DE QUALIFICAÇÕES 1/5

PERFIL PROFISSIONAL PROGRAMADOR(A) DE INFORMÁTICA. PERFIL PROFISSIONAL Programador/a de Informática Nível 3 CATÁLOGO NACIONAL DE QUALIFICAÇÕES 1/5 PERFIL PROFISSIONAL PROGRAMADOR(A) DE INFORMÁTICA PERFIL PROFISSIONAL Programador/a de Informática Nível 3 CATÁLOGO NACIONAL DE QUALIFICAÇÕES 1/5 ÁREA DE ACTIVIDADE OBJECTIVO GLOBAL SAÍDA(S) PROFISSIONAL(IS)

Leia mais

FUNDAÇÃO CASA DE REPOUSO D. MARIA MADALENA GODINHO DE ABREU PLANO DE ACTIVIDADES DIÁRIAS DOS UTENTES 2008

FUNDAÇÃO CASA DE REPOUSO D. MARIA MADALENA GODINHO DE ABREU PLANO DE ACTIVIDADES DIÁRIAS DOS UTENTES 2008 PLANO DE ACTIVIDADES DIÁRIAS DOS UTENTES 2008 6ª feiras PLANO DE ACTIVIDADES DIÁRIAS DOS UTENTES 2009 6ª feiras 5 de Janeiro de 2009 PLANO DE ACTIVIDADES DIÁRIAS DOS UTENTES 2010 6ª feiras 4 de Janeiro

Leia mais

DIÁRIO O FICIAL DO MU N ICÍPIO

DIÁRIO O FICIAL DO MU N ICÍPIO DIÁRIO O FICIAL DO MU N ICÍPIO EXPEDIENTE DIÁRIO O FICIAL DO MU N ICÍPIO 25,*(0 9$/25 '/,%(5 308ñÃ33,Ã'(1*8( 308ñÃ&7$Ã9,1&Ã6$8'(06)16 308ñÃ352*5$0$Ã'($*(17( &2081,7,$5,2Ã'(6$8'( 308ñÃ&7$Ã9,1&Ã6$8'(Ã$&

Leia mais

Capítulo 8. Introdução UML

Capítulo 8. Introdução UML Capítulo 8. Introdução UML 1/42 Índice Indice 8.1 - Introdução UML 8.2 - Modelação estrutural 8.2.1 - Representação de classes e objectos 8.2.2 - Relações entre objectos 8.2-3 - Relações de associação

Leia mais

QUALIDADE ORGANIZACIONAL nos Cuidados de Saúde Primários em Portugal

QUALIDADE ORGANIZACIONAL nos Cuidados de Saúde Primários em Portugal QUALIDADE ORGANIZACIONAL nos Cuidados de Saúde Primários em Portugal 10 Anos a monitorizar a qualidade Perspectiva Experiência Evolução Experiência MONIQUOR Primeiro Instrumento de Avaliação e Monitorização

Leia mais

Apresentação da Empresa

Apresentação da Empresa O2a Apresentação da Empresa Objectivo Ser uma empresa de referencia do sector a nível europeu em 2012 Missão Expandir o uso dos nossos produtos oferecendo sempre as melhores e mais apropriadas soluções

Leia mais

Reabilitação de Edifícios na Perspectiva da Nova Regulamentação

Reabilitação de Edifícios na Perspectiva da Nova Regulamentação Reabilitação de Edifícios na Perspectiva da Nova Regulamentação RSECE e Necessidades arquitectónicas José Luís Alexandre FEUP Porto, 11 de Outubro de 2008 Índice Tipo de edifícios alvo Implicações /Necessidades

Leia mais

Problemática da Logística e interoperabilidade

Problemática da Logística e interoperabilidade Workshop Stakeholders Lisboa Problemática da Logística e interoperabilidade João Soares Lisboa, 9 de Maio de 2012 O Sistema Logístico e a sua permanente otimização Workshop Lisboa 2012.05.09 2 Objectivos

Leia mais

AVALIAÇÃO DA SATISFAÇÃO DE CLIENTES. Relatório de Monitorização. (Versão Resumida)

AVALIAÇÃO DA SATISFAÇÃO DE CLIENTES. Relatório de Monitorização. (Versão Resumida) Relatório de Monitorização 2007 2012 (Versão Resumida) INTRODUÇÃO Em 2006 a empresa NOVA CONSERVAÇÃO deu início à implementação na sua organização de um sistema gestão de qualidade, com vista à futura

Leia mais

Gestão da Qualidade. Gestão por Processos. 09-12-2009 11:12 Natacha Pereira & Sibila Costa 1

Gestão da Qualidade. Gestão por Processos. 09-12-2009 11:12 Natacha Pereira & Sibila Costa 1 Gestão da Qualidade Gestão por Processos 09-12-2009 11:12 Natacha Pereira & Sibila Costa 1 Juntar-se é um começo, permanecer juntos é um processo e trabalhar juntos é um sucesso. Henry Ford 09-12-2009

Leia mais

ECONOMIA DA ENERGIA A Importância da Eficiência Energética

ECONOMIA DA ENERGIA A Importância da Eficiência Energética A Importância da Eficiência Energética Ordem dos Engenheiros Lisboa, 17 de Dezembro de 2013 Principal Objectivo Apresentar alguns dados que caracterizam a nossa economia, do ponto de vista macro energético,

Leia mais

Projecto de Desenvolvimento de Sistemas de Software

Projecto de Desenvolvimento de Sistemas de Software Projecto de Desenvolvimento de Sistemas de Software Grupo 2 Carla Alexandra Marques Gregório, nº51840 Nuno Filipe Cruzeiro de Almeida, nº51822 Rogério Araújo Costa, nº51831 1 Introdução No âmbito da disciplina

Leia mais

Caso de Estudo. Kero - Links Wireless e Redes Wi-Fi

Caso de Estudo. Kero - Links Wireless e Redes Wi-Fi Kero - Links Wireless e Redes Wi-Fi ...sendo fundamental para permitir o funcionamento de todos os equipamentos de mobilidade, usados nos vários processos da operação do armazém. Kero O Kero é uma empresa

Leia mais

As parcerias e suas dinâmicas: considerações a ter em conta para a promoção da mudança

As parcerias e suas dinâmicas: considerações a ter em conta para a promoção da mudança Centro de Recuperação de Menores D. Manuel Trindade Salgueiro Assumar 26 e 27 de Abril de 2013 As parcerias e suas dinâmicas: considerações a ter em conta para a promoção da mudança João Emílio Alves ESE-IPP

Leia mais

Vale a pena investir na Logística em tempos de Crise?

Vale a pena investir na Logística em tempos de Crise? Vale a pena investir na Logística em tempos de Crise? APLOG 12-Março-2009 2009 Objectivos da apresentação Apresentar algumas formas de contornar a actual crise com base na criação de valor recorrendo à

Leia mais

Nº horas 40. Nº horas 40 Actividades de diagnóstico 45m Desenvolvimento

Nº horas 40. Nº horas 40 Actividades de diagnóstico 45m Desenvolvimento Agrupamento de Escolas João da Silva Correia ANO LETIVO 2014-2015 Escola Secundária João da Silva Correia P L A N I F I C A Ç Ã O - CURSO PROFISSIONAL DE NÍVEL SECUNDÁRIO DISCIPLINA: OTET 12º ANO Técnico

Leia mais

Gestão de Redes e Sistemas Distribuídos

Gestão de Redes e Sistemas Distribuídos Gestão de Redes e Sistemas Distribuídos Setembro 2006 Ferramentas de Gestão Taxonomia de classificação Sumário???? Módulo III: Ferramentas de Gestão Ferramentas de Gestão Arquitecturas e ferramentas de

Leia mais

Uma Mensagem Positiva

Uma Mensagem Positiva Uma Mensagem Positiva "O sucesso nasce do querer, da determinação e persistência em se chegar a um objectivo. Mesmo não atingindo o objectivo, quem procura e vence obstáculos, no mínimo fará coisas admiráveis.

Leia mais

Utilização pedagógica do catálogo em linha

Utilização pedagógica do catálogo em linha Formação de utilizadores Destinatários: alunos do 3º ciclo + professor da disciplina de Ciências Contexto: Os alunos realizam um trabalho de pesquisa sobre Animais em vias de extinção. O professor bibliotecário

Leia mais

ANEXO I DESRECONHECIMENTO

ANEXO I DESRECONHECIMENTO ANEXO I DESRECONHECIMENTO Parte 1 - Enquadramento 1. As instituições devem considerar na avaliação de desreconhecimento dos títulos os requisitos abaixo indicados. 2. Para efeitos do número anterior, as

Leia mais

a concorrência entre Entidades Gestoras assegurará custos mais baixos e maior qualidade

a concorrência entre Entidades Gestoras assegurará custos mais baixos e maior qualidade a concorrência entre Entidades Gestoras assegurará custos mais baixos e maior qualidade Ricardo Neto 28 de Setembro de 2006 1 ERP 2 Missão ERP 3 Objectivos ERP 4 Obstáculos à Concorrência 5 ERP Portugal

Leia mais

Experiência BPN com o Outsourcing Global do Grupo PT

Experiência BPN com o Outsourcing Global do Grupo PT Experiência BPN com o Outsourcing Global do Grupo PT Miguel Borges Direcção de Sistemas de Informação e Tecnologia Índice 1 Enquadramento (Outsourcing no Mundo) 2 Situação Anterior à Mudança 3 Situação

Leia mais

Efólio A Contabilidade de Gestão

Efólio A Contabilidade de Gestão Efólio A Contabilidade de Gestão Grupo 1 1 A Contabilidade Analítica é obrigatória e visa o apuramento dos custos de produção. A contabilidade analítica não é obrigatória para todas as empresas, logo a

Leia mais

Seminário sobre Energia Eléctrica, Luanda, 8 & 9 Setembro 2011, UAN Produção de Energia eléctrica em Angola O mix actual e perspectivas futuras

Seminário sobre Energia Eléctrica, Luanda, 8 & 9 Setembro 2011, UAN Produção de Energia eléctrica em Angola O mix actual e perspectivas futuras Seminário sobre Energia Eléctrica, Luanda, 8 & 9 Setembro 2011, UAN Produção de Energia eléctrica em Angola O mix actual e perspectivas futuras Por ENE-E.P. ENE-E.P. Empresa Nacional de Electricidade (ENE-E.P).

Leia mais

Circuito Económico e Contabilidade Nacional

Circuito Económico e Contabilidade Nacional Circuito Económico e Contabilidade Nacional Visão das actividades económicas em termos de circuito. Relacionamento dos agentes pelas operações: - relacionamento em termos de equilíbrio ou, - desequilíbrio.

Leia mais

Os Segredos da Produtividade. por Pedro Conceição

Os Segredos da Produtividade. por Pedro Conceição Os Segredos da Produtividade por Pedro Conceição Em 1950, cada português produzia durante uma hora de trabalho um quinto do que um trabalhador norte-americano conseguia na mesma hora. Em 1999 esta diferença

Leia mais

V JORNADAS DE CONTABILIDADE

V JORNADAS DE CONTABILIDADE V JORNADAS DE CONTABILIDADE Título da Comunicação: 1 AS RELAÇÕES ACCIONISTAS-GESTORES SEGUNDO OS TIPOS DE ORGANIZAÇÃO Autora: MARIA HÉLDER MARTINS COELHO (Mestre em Economia (FEP); Professora do ISCAP)

Leia mais

O Controlo Interno no Corporate Governance

O Controlo Interno no Corporate Governance O Controlo Interno no Corporate Governance Aplicação Prática no BCP Uma Perspectiva de Auditoria Direcção de Auditoria 18 de Setembro 2010 Direcção de auditoria Direcção de Auditoria Investigações Reclamações

Leia mais

PROJECTO DE LEI N.º 422/VIII

PROJECTO DE LEI N.º 422/VIII PROJECTO DE LEI N.º 422/VIII OBRIGA À DIVULGAÇÃO, POR ESCOLA E POR DISCIPLINA, DOS RESULTADOS DOS EXAMES DO 12.º ANO DE ESCOLARIDADE, BEM COMO DE OUTRA INFORMAÇÃO COMPLEMENTAR QUE POSSIBILITE O CONHECIMENTO

Leia mais

RELATÓRIO MateMática - 3º ciclo

RELATÓRIO MateMática - 3º ciclo RELATÓRIO MateMática - 3º ciclo 1 1. IDENTIFICAÇÃO DA ACTIVIDADE Este documento é o relatório final da Actividade designada (+) Conhecimento, que se insere na Acção nº 4, designada Competência (+), do

Leia mais

Escola de Condução Colinas do Cruzeiro

Escola de Condução Colinas do Cruzeiro Escola de Condução Colinas do Cruzeiro MANUAL DA QUALIDADE Índice 1. Índice 1. Índice 2 2. Promulgação do Manual da Qualidade 3 3. Apresentação da Empresa 4 3.1 Identificação da Empresa 4 3.2 Descrição

Leia mais

Eixo III _ Desenvolvimento Sustentável. III.3. Gestão Ambiental Sustentável, Conservação da Natureza e Biodiversidade. Tipologia de Investimento

Eixo III _ Desenvolvimento Sustentável. III.3. Gestão Ambiental Sustentável, Conservação da Natureza e Biodiversidade. Tipologia de Investimento Eixo III _ Desenvolvimento Sustentável III.. Gestão Ambiental Sustentável, Conservação da Natureza e Biodiversidade Tipologia de Investimento Eixo III III. CONTROLO DO DOCUMENTO Versão Data Descrição N.

Leia mais

Oficina de Gramática Regência Verbal: Preposição A Conceição Siopa (2015) Guião de Correcção

Oficina de Gramática Regência Verbal: Preposição A Conceição Siopa (2015) Guião de Correcção Oficina de Gramática Regência Verbal: Preposição A Conceição Siopa (2015) Guião de Correcção 1. Texto: elucidaram os cidadãos Estrutura: Verbo - elucidaram; complemento verbal os cidadãos Texto: Alertaram

Leia mais

REFLECTINDO SOBRE A EDUCAÇÃO EM MACAU

REFLECTINDO SOBRE A EDUCAÇÃO EM MACAU Adminisiração. n. 1. vol. I. 1988-1., 13-19 REFLECTINDO SOBRE A EDUCAÇÃO EM MACAU Alexandre Rosa * 1. INTRODUÇÃO A realidade da educação em Macau no final dos anos oitenta é o resultado de um processo

Leia mais

Eficiência e qualidade: mitos e contradições

Eficiência e qualidade: mitos e contradições 1 Eficiência e qualidade: mitos e contradições Colóquio-debate Eficiência e Justiça em Cuidados de Saúde Academia das Ciências, Lisboa, 25 de Maio de 1999 Pedro Pita Barros * 1. Introdução O tema de discussão

Leia mais

PERIVER PLATAFORMA SOFTWARE REQUIREMENT SPECIFICATION. Periver_SoftwareRequirementSpecification_2008-03-31_v1.0.doc. Versão 1.0

PERIVER PLATAFORMA SOFTWARE REQUIREMENT SPECIFICATION. Periver_SoftwareRequirementSpecification_2008-03-31_v1.0.doc. Versão 1.0 PLATAFORMA Versão 1.0 31 de Março de 2008 TABELA DE REVISÕES Versão Autores Descrição da Versão Aprovadores Data António Rocha Cristina Rodrigues André Ligeiro V0.1r Dinis Monteiro Versão inicial António

Leia mais

Trabalho realizado por: Bento Rosa Nº1 João Matoso Nº9

Trabalho realizado por: Bento Rosa Nº1 João Matoso Nº9 Trabalho realizado por: Bento Rosa Nº1 João Matoso Nº9 Introdução Neste trabalho vamos falar sobre o Principio da Hidrostática (Onde surgiu, como surgiu e quem a inventou). Introdução da Hidrostática Hidrostática

Leia mais

Seminário Anual 2013 A NP ISO/IEC 27001:2013 e a certificação de Sistemas de Gestão da Segurança de Informação

Seminário Anual 2013 A NP ISO/IEC 27001:2013 e a certificação de Sistemas de Gestão da Segurança de Informação Seminário Anual 2013 A NP ISO/IEC 27001:2013 e a certificação de Sistemas de Gestão da Segurança de Informação Sub-título da Apresentação Data Seminário Anual 2013 A NP ISO/IEC 27001:2013 e a certificação

Leia mais

INSTALAÇÃO DE SISTEMAS AVAC

INSTALAÇÃO DE SISTEMAS AVAC INSTALAÇÃO DE SISTEMAS AVAC AQUECIMENTO, VENTILAÇÃO E AR CONDICIONADO Método de Soldadura X Método de Ranhurar INSTALAÇÃO DE SISTEMAS AVAC (AQUECIMENTO, VENTILAÇÃO E AR CONDICIONADO) Optimização Económica

Leia mais

Campanha Promocional Microsoft Surface Educação

Campanha Promocional Microsoft Surface Educação Campanha Promocional Microsoft Surface Educação Contexto: Segundo estimativas da analista IDC para o mercado português, a venda de smartphones e tablets vai ao longo deste ano ultrapassar os 500 milhões

Leia mais

Projecto AAL4ALL. Padrão de Cuidados Primários para Serviços AAL. Projeto âncora do AAL4ALL AAL4ALL

Projecto AAL4ALL. Padrão de Cuidados Primários para Serviços AAL. Projeto âncora do AAL4ALL AAL4ALL Projecto Padrão de Cuidados Primários para Serviços AAL 2 Sumário Mudança demográfica em Portugal Ambient Assisted Living (AAL) Porque é necessário? Quais as áreas de aplicação? Quais são os desafios?

Leia mais

Consulta pública relativa aos auxílios à inovação. COM (2005) 436 final. Posição da Região Autónoma dos Açores

Consulta pública relativa aos auxílios à inovação. COM (2005) 436 final. Posição da Região Autónoma dos Açores Consulta pública relativa aos auxílios à inovação COM (2005) 436 final Posição da Região Autónoma dos Açores 1. Como para todas as regiões europeias a problemática de como conseguir níveis adequados de

Leia mais

CONFERÊNCIA INTERNACIONAL CONVENÇÃO SOBRE OS DIREITOS DAS PESSOAS COM DEFICIÊNCIA: UM DESAFIO PARA A IGUALDADE E AUTONOMIA

CONFERÊNCIA INTERNACIONAL CONVENÇÃO SOBRE OS DIREITOS DAS PESSOAS COM DEFICIÊNCIA: UM DESAFIO PARA A IGUALDADE E AUTONOMIA CONFERÊNCIA INTERNACIONAL CONVENÇÃO SOBRE OS DIREITOS DAS PESSOAS COM DEFICIÊNCIA UM DESAFIO PARA A IGUALDADE E AUTONOMIA CENTRO CULTURAL DE BELÉM 3 DE DEZEMBRO DE 2009 MARIA GUIDA DE FREITAS FARIA 1 AGRADEÇO

Leia mais

possibilidade de obter grande quantidade de informação a baixo custo por consumidor

possibilidade de obter grande quantidade de informação a baixo custo por consumidor 333 escolha do local para realizar teste local pode influenciar resultados localização amostragem percepção sensorial podem ocorrer diferenças para um mesmo produto, em diferentes locais, devido a: diferenças

Leia mais

PLANEAMENTO ESTRATÉGICO DE SI/TI

PLANEAMENTO ESTRATÉGICO DE SI/TI (1) PLANEAMENTO ESTRATÉGICO DE SI/TI Docente: Turma: T15 Grupo 5 Mestre António Cardão Pito João Curinha; Rui Pratas; Susana Rosa; Tomás Cruz Tópicos (2) Planeamento Estratégico de SI/TI Evolução dos SI

Leia mais

Organização da Segurança. www.juliosantos.net - js@juliosantos.net

Organização da Segurança. www.juliosantos.net - js@juliosantos.net Organização da Segurança Sumário Objectivo: Tomar conhecimento de uma forma de como organizar a Segurança Patrimonial Temas abordar Política de Segurança Definições e Conceitos Modelo de Segurança Análise

Leia mais

Actividade Experimental 1.3 Determinação da Capacidade Térmica Mássica

Actividade Experimental 1.3 Determinação da Capacidade Térmica Mássica Actividade Experimental 1.3 Determinação da Capacidade Térmica Mássica 1.Que significa dizer que a capacidade térmica mássica do alumínio é 900 Jkg 1 K 1? 2.Se fornecermos a mesma quantidade de energia

Leia mais

Actividade 3: Configuração de VLANs

Actividade 3: Configuração de VLANs Actividade 3: Configuração de VLANs Gestão de Sistemas e Redes 1. Introdução As VLANs operam no nível 2 e permitem segmentar as redes locais em múltiplos domínios de difusão. Isto pode ser feito de forma

Leia mais

PROCESSO SELETIVO DE DOCENTES, NOS TERMOS DO COMUNICADO CEETEPS N 1/2009, E SUAS ALTERAÇÕES. AVISO DE RESULTADO DA AULA TESTE E CLASSIFICAÇÃO FINAL

PROCESSO SELETIVO DE DOCENTES, NOS TERMOS DO COMUNICADO CEETEPS N 1/2009, E SUAS ALTERAÇÕES. AVISO DE RESULTADO DA AULA TESTE E CLASSIFICAÇÃO FINAL ETEC DONA ESCOLÁSTICA ROSA - SANTOS PROCESSO SELETIVO DE DOCENTES, NOS TERMOS DO COMUNICADO CEETEPS N 1/2009, E SUAS ALTERAÇÕES. AVISO N 122/03/2015 de 29/04/2015. Processo n 2926/2015 AVISO DE RESULTADO

Leia mais

UNIVERSIDADE LUSÍADA DE LISBOA. Programa da Unidade Curricular Demografia e Dinâmicas Territoriais Ano Lectivo 2013/2014

UNIVERSIDADE LUSÍADA DE LISBOA. Programa da Unidade Curricular Demografia e Dinâmicas Territoriais Ano Lectivo 2013/2014 Programa da Unidade Curricular Demografia e Dinâmicas Territoriais Ano Lectivo 2013/2014 1. Unidade Orgânica Serviço Social (1º Ciclo) 2. Curso Serviço Social 3. Ciclo de Estudos 1º 4. Unidade Curricular

Leia mais

Análise da aplicação da nota técnica que define a metodologia para a monitorização de

Análise da aplicação da nota técnica que define a metodologia para a monitorização de Análise da aplicação da nota técnica que define a metodologia para a monitorização de PM10 em pedreiras Paulo de Pinho Sérgio Lopes Luís Lemos Departamento de Ambiente da Escola Superior de Tecnologia

Leia mais

O Sistema da Reciclagem em Portugal:

O Sistema da Reciclagem em Portugal: O Sistema da Reciclagem em Portugal: Comparação com outros Estados-Membros Nuno Ferreira da Cruz, Pedro Simões, Sandra Ferreira, Marta Cabral e Rui Cunha Marques CEG-IST Centro de Estudo de Gestão do IST

Leia mais

O SO 2 em Vinificação

O SO 2 em Vinificação O SO 2 em Vinificação José Carvalheira - EVB Resumo da apresentação: 1. Origem da utilização do SO 2 2. Propriedades do SO 2 3. Efeitos fisiológicos 4. Estados em que o SO 2 se pode encontrar 5. Moléculas

Leia mais

PORQUÊ? O tempo de preparação de equipamentos e dispositivos periféricos do posto de trabalho é uma operação sem valor acrescentado para o produto.

PORQUÊ? O tempo de preparação de equipamentos e dispositivos periféricos do posto de trabalho é uma operação sem valor acrescentado para o produto. Contribuir para a redução do tempo de preparação do sistema produtivo para a execução de um dado lote Aumentar a produtividade e a agilidade da resposta ao mercado PORQUÊ? O tempo de preparação de equipamentos

Leia mais

Criação de um Servidor Windows

Criação de um Servidor Windows Laboratório de Processamento de Sinais Laboratório de Sistemas Embarcados Universidade Federal do Pará 30 de janeiro de 2012 Sumário 1 Introdução ao Windows Server 2 Algumas ferramentas 3 Instalação do

Leia mais

OBJECTIVO Utilização da Função ProcV e listas pendentes

OBJECTIVO Utilização da Função ProcV e listas pendentes ICHA OBJECTIVO Utilização da Função ProcV e listas pendentes Na continuação do exercício anterior voltamos à temática dos orçamentos e, desta vez, vamos elaborar um simulador para um serviço de eventos

Leia mais

http://www.empreend.pt empreend@empreend.pt Data 15 Março 2012 Mestre Luis Paisana

http://www.empreend.pt empreend@empreend.pt Data 15 Março 2012 Mestre Luis Paisana http://www.empreend.pt empreend@empreend.pt Data 15 Março 2012 Mestre Luis Paisana Índice Definições de Empreendedorismo e características do Empreendedor de sucesso Leis do Empreendedorismo Passos para

Leia mais

Capítulo 5-Análise das políticas agrícolas

Capítulo 5-Análise das políticas agrícolas Capítulo 5-Análise das políticas agrícolas Políticas de Preços e de Rendimentos Análise das políticas agrícolas Objectivos Analisar os mecanismos de política agrícola: Primeiro classificar os instrumentos

Leia mais

COMENTÁRIOS DA UGT AO DOCUMENTO PACTO PARA O EMPREGO GRUPO DE TRABALHO PARA A QUALIFICAÇÃO E O EMPREGO

COMENTÁRIOS DA UGT AO DOCUMENTO PACTO PARA O EMPREGO GRUPO DE TRABALHO PARA A QUALIFICAÇÃO E O EMPREGO COMENTÁRIOS DA UGT AO DOCUMENTO PACTO PARA O EMPREGO GRUPO DE TRABALHO PARA A QUALIFICAÇÃO E O EMPREGO O documento em apreciação realiza uma síntese adequada da quase totalidade dos temas discutidos na

Leia mais

Apresentação. www.slog.pt

Apresentação. www.slog.pt Apresentação Quem Somos A S-LOG, Serviços e Logística, S.A., é uma empresa do Grupo Entreposto vocacionada para a prestação de serviços de logística nas suas várias componentes. A nossa actividade desenvolveu-se

Leia mais

Programa de Estímulo à Oferta de Emprego

Programa de Estímulo à Oferta de Emprego Programa de Estímulo à Oferta de Emprego Objectivo: Visa garantir um desenvolvimento das economias locais mais coerente e eficaz das medidas de apoio à criação de emprego Modalidades: Apoios à contratação;

Leia mais

Sistemas de Ficheiros. Sistemas de Bases de Dados

Sistemas de Ficheiros. Sistemas de Bases de Dados Sistemas de Bases de Dados Sistemas de Ficheiros Sistemas de Bases de Dados Conceitos Base Dados: são valores discretos que só se transformam em informação quando relacionados ou interpretados de alguma

Leia mais

Os Conceitos Fundamentais da Excelência

Os Conceitos Fundamentais da Excelência Os Conceitos Fundamentais da Excelência Os Conceitos Fundamentais são princípios que estão subjacentes ao Modelo de Excelência e esboçam o alicerce da excelência organizacional. Alcançar Resultados Equilibrados

Leia mais

Iniciativa PE2020. A Engenharia como fator de competitividade Projetos colaborativos. António Manzoni/Vilar Filipe

Iniciativa PE2020. A Engenharia como fator de competitividade Projetos colaborativos. António Manzoni/Vilar Filipe Iniciativa PE2020 A Engenharia como fator de competitividade Projetos colaborativos António Manzoni/Vilar Filipe Novembro 2013 Projeto Engenharia 2020 Preocupações macroeconómicas Papel da engenharia na

Leia mais

Regulamento do concurso para criação do logotipo para projecto ri(age)

Regulamento do concurso para criação do logotipo para projecto ri(age) FNERDM - Federação Nacional das Entidades de Reabilitação de Doentes Mentais Regulamento do concurso para criação do logotipo para projecto ri(age) Parceiros Projecto co-financiado Projecto ri(age) Breve

Leia mais

Metodologia de Diagnóstico e Elaboração de Relatório FASHT

Metodologia de Diagnóstico e Elaboração de Relatório FASHT Metodologia de Diagnóstico e Elaboração de Relatório FASHT Elaboração do relatório Profª Cesaltina Pires cpires@uevora.pt Relatório O objectivo de um relatório é partilhar informação considerada relevante

Leia mais

TECNOLOGIAS DE APOIO ABORDAGEM AO POSICIONAMENTO EM CADEIRA DE RODAS

TECNOLOGIAS DE APOIO ABORDAGEM AO POSICIONAMENTO EM CADEIRA DE RODAS TECNOLOGIAS DE APOIO ABORDAGEM AO POSICIONAMENTO EM CADEIRA DE RODAS Ano lectivo 2011/2012 Posicionamento e Mobilidade Posicionamento em cadeira de rodas: Acto terapêutico que implica a utilização de diversos

Leia mais

069123_RITA CASTRO 9/27/04 7:05 PM Page 1 PESQUISAMOS SOLUÇÕES PARA O SEU CONFORTO.

069123_RITA CASTRO 9/27/04 7:05 PM Page 1 PESQUISAMOS SOLUÇÕES PARA O SEU CONFORTO. 069123_RITA CASTRO 9/27/04 7:05 PM Page 1 S O N D A G E N S E C A P T A Ç Õ E S D E Á G U A S O N D A G E N S B A T A L H A PESQUISAMOS SOLUÇÕES PARA O SEU CONFORTO. 069123_RITA CASTRO 9/27/04 7:05 PM

Leia mais

A importância do Agronegócio no contexto da Economia Nacional. Divanildo Monteiro (divanildo@utad.pt)

A importância do Agronegócio no contexto da Economia Nacional. Divanildo Monteiro (divanildo@utad.pt) A importância do Agronegócio no contexto da Economia Nacional Divanildo Monteiro (divanildo@utad.pt) Complexo Agroflorestal em Portugal Complexo agro-florestal: território, economia e sociedade 70% do

Leia mais

REDES DE DISTRIBUIÇÃO

REDES DE DISTRIBUIÇÃO REDES DE DISTRIBUIÇÃO De uma maneira geral, as redes de distribuição são constituídas por: 1. Um conjunto de instalações que fazem a recepção, armazenagem e expedição de materiais; 2. Um conjunto de rotas

Leia mais

APCER. Associação Portuguesa de Certificação. www.apcer.pt

APCER. Associação Portuguesa de Certificação. www.apcer.pt APCER Associação Portuguesa de Certificação www.apcer.pt CERTIFICAÇÃO UM PASSO PARA A EXCELÊNCIA VANTAGENS: Cultura Organizacional; Confiança; Reconhecimento; Valor Acrescentado. QUEM SOMOS Constituída

Leia mais

Apêndice A A versão completa dos 40 Princípios Inventivos. 1

Apêndice A A versão completa dos 40 Princípios Inventivos. 1 Apêndice A A versão completa dos 40 Princípios Inventivos. 1 1. Segmentação a. Dividir um objecto em partes independentes b. Tornar um objecto facilmente desmontável c. Aumentar o grau de fragmentação

Leia mais

O Manual do Konquest. Nicholas Robbins Tradução: José Pires

O Manual do Konquest. Nicholas Robbins Tradução: José Pires Nicholas Robbins Tradução: José Pires 2 Conteúdo 1 Introdução 5 2 Como Jogar 6 3 Regras do Jogo, Estratégias e Sugestões 9 3.1 Regras............................................ 9 3.2 Estratégias e Dicas.....................................

Leia mais

Reunião Transfonteiriça Espanha Portugal SUMÁRIO. Boletim Informativo n.º 25. Balanço do 25.º Aniversário da Adesão à UE e Desafios para 2012

Reunião Transfonteiriça Espanha Portugal SUMÁRIO. Boletim Informativo n.º 25. Balanço do 25.º Aniversário da Adesão à UE e Desafios para 2012 Boletim Informativo n.º 25 SUMÁRIO REUNIÃO TRANSFONTEIRIÇA ESPANHA- PORTUGAL Pág. 1 MECANISMO INTERLIGAR EUROPA GALILEO SATELITE EUROPEU Pág. 2 FRONTEIRAS INTELIGENTES Pág. 3 LUTA CONTRA AS NOVAS DROGAS

Leia mais

Projeto AAL4ALL. Padrão de Cuidados Primários para Serviços AAL. Projeto âncora do AAL4ALL AAL4ALL

Projeto AAL4ALL. Padrão de Cuidados Primários para Serviços AAL. Projeto âncora do AAL4ALL AAL4ALL Projeto AAL4ALL Padrão de Cuidados Primários para Serviços AAL 2 Sumário Mudança demográfica em Portugal Ambient Assisted Living (AAL) Porque é necessário? Quais as áreas de aplicação? Quais são os desafios?

Leia mais

BPM Business Process Management. Associação Portuguesa dos Profissionais de

BPM Business Process Management. Associação Portuguesa dos Profissionais de Associação Portuguesa dos Profissionais de Gestão de Processos de Negócio 28 de Junho 2011 Há um novo profissional no mundo actual dos negócios, o profissional de processos de negócio. O trabalho que realizam

Leia mais

Logística e Gestão da Distribuição

Logística e Gestão da Distribuição Logística e Gestão da Distribuição Logística integrada e sistemas de distribuição (Porto, 1995) Luís Manuel Borges Gouveia 1 1 Sistemas integrados de logística e distribuição necessidade de integrar as

Leia mais

Programa de Filosofia nos 6 e 7 anos

Programa de Filosofia nos 6 e 7 anos Escolas Europeias Bureau du Secrétaire général du Conseil Supérieur Unité pédagogique Referência: 1998-D-12-2 Orig.: FR Versão: PT Programa de Filosofia nos 6 e 7 anos Aprovado pelo Conselho Superior de

Leia mais

Windows Server 2012: Aprenda a instalar o Active Directory

Windows Server 2012: Aprenda a instalar o Active Directory Windows Server 2012: Aprenda a instalar o Active Directory Date : 26 de Novembro de 2014 O Windows Server 2012 foi desenhado para garantir o melhor desempenho, segurança e para ser simples de utilizar

Leia mais

Certificação de Sistemas de Gestão da Qualidade na Administração Pública. www.apcer.pt

Certificação de Sistemas de Gestão da Qualidade na Administração Pública. www.apcer.pt Certificação de Sistemas de Gestão da Qualidade na Administração Pública www.apcer.pt Hélder Estradas 4 de Novembro de 2005 QUEM SOMOS Constituída em Abril de 1996 (IPQ, AIPortuguesa AIPortuense, actual

Leia mais

PROPOSTA ALTERNATIVA

PROPOSTA ALTERNATIVA PROJECTO DECRETO LEI SOBRE O EXERCÍCIO DA COORDENAÇÃO EM MATÉRIA DE SEGURANÇA E SAÚDE NA ACTIVIDADE DE, PREVISTA NO DECRETO LEI N.º 273/2003, DE 29 DE OUTUBRO, BEM COMO O RECONHECIMENTO DOS RESPECTIVOS

Leia mais

Intercooperação entre Portugal e Brasil no Sector da Habitação Cooperativa. Guilherme Vilaverde

Intercooperação entre Portugal e Brasil no Sector da Habitação Cooperativa. Guilherme Vilaverde Intercooperação entre Portugal e Brasil no Sector da Habitação Cooperativa Guilherme Vilaverde Brasília 26 de Agosto de 2009 Objectivos da Apresentação Caracterizar o Sector Cooperativo de Habitação em

Leia mais

Curso Aplicação das OHSAS 18001 ao sector da Construção Civil

Curso Aplicação das OHSAS 18001 ao sector da Construção Civil Curso Aplicação das OHSAS 18001 ao sector da Construção Civil Referencial do Curso Objectivos Objectivos Gerais Dar a conhecer os requisitos das OHSAS 18001:2007. Abordar as particularidades de aplicação

Leia mais

Guia do formador. Prevenção da criminalidade no transporte. Transporte de mercadorias e passageiros. FIC e FIA

Guia do formador. Prevenção da criminalidade no transporte. Transporte de mercadorias e passageiros. FIC e FIA Guia do formador Prevenção da criminalidade no transporte Transporte de mercadorias e passageiros FIC e FIA Objectivo do módulo: Saber prevenir a criminalidade e o tráfico de clandestinos nos transportes

Leia mais

DETERMINAÇÃO DA CAPACIDADE TÉRMICA MÁSSICA DE UM SÓLIDO PELO MÉTODO DAS MISTURAS

DETERMINAÇÃO DA CAPACIDADE TÉRMICA MÁSSICA DE UM SÓLIDO PELO MÉTODO DAS MISTURAS DETERMINAÇÃO DA CAPACIDADE TÉRMICA MÁSSICA DE UM SÓLIDO PELO MÉTODO DAS MISTURAS 1. OBJECTIVOS Determinação da capacidade térmica mássica de um objecto metálico, pelo método das misturas. Comparação do

Leia mais

Acústica em Reabilitação de Edifícios

Acústica em Reabilitação de Edifícios Reabilitação 009- Parte 1 - Conceitos Básicos 1 Reabilitação 009- Acústica de edifícios / Áreas de Estudo 1 - Condicionamento acústico interior - Isolamento sonoro Sons aéreos Sons de percussão De fachada

Leia mais

ESAPL IPVC. Licenciatura em Engenharia do Ambiente e dos Recursos Rurais. Economia Ambiental

ESAPL IPVC. Licenciatura em Engenharia do Ambiente e dos Recursos Rurais. Economia Ambiental ESAPL IPVC Licenciatura em Engenharia do Ambiente e dos Recursos Rurais Economia Ambiental Tema 2 O MERCADO O Mercado Os Economistas estudam e analisam o funcionamento de uma série de instituições, no

Leia mais

Calibração do Tilecal

Calibração do Tilecal Calibração do Tilecal J. Carvalho P. Martins Departamento de Física & LIP-Coimbra Jornadas do LIP, Braga Janeiro 8, 2009 1 Calibração do TileCal O TileCal é um sistema complexo que exige a monitorização

Leia mais

Aquecimento/Arrefecimento de Sistemas

Aquecimento/Arrefecimento de Sistemas Aquecimento/Arrefecimento de Sistemas Plano de Aula 24 De Março 2009 Sumário: Actividade Laboratorial 1.3: Capacidade Térmica Mássica. A aula iniciar-se á com uma breve revisão sobre o conceito de capacidade

Leia mais

Promoção das exportações de Portugal para a Alemanha. Publicação, road-show com missão empresarial e outros serviços

Promoção das exportações de Portugal para a Alemanha. Publicação, road-show com missão empresarial e outros serviços Promoção das exportações de Portugal para a Alemanha Publicação, road-show com missão empresarial e outros serviços Promoção das exportações de Portugal para a Alemanha Publicação, road-show com missão

Leia mais

USO NÃO PROFISSIONAL

USO NÃO PROFISSIONAL Segurança na aplicação de produtos fitofarmacêuticos - Explorações florestais - Paula Mourão Representante da DGAV USO NÃO PROFISSIONAL Decreto-Lei n.º 101/2009, de 11 de Maio Uso não profissional de Produtos

Leia mais