Projeto IPN Integração do Pós- Negociação Boletim da 14ª Reunião do GT-Testes 26 de setembro de 2013

Save this PDF as:
 WORD  PNG  TXT  JPG

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "Projeto IPN Integração do Pós- Negociação Boletim da 14ª Reunião do GT-Testes 26 de setembro de 2013"

Transcrição

1 Projeto IPN Integração do Pós- Negociação Boletim da 14ª Reunião do GT-Testes 26 de setembro de 2013 A implantação da integração das clearings da BM&FBOVESPA e do novo sistema de risco CORE (Closeout Risk Evaluation) depende de prévia autorização dos órgãos reguladores

2 RESUMO DAS REUNIÕES A 14ª reunião do GT-Testes foi voltada para a apresentação e dialogo sobre os seguintes pontos: 1. Apresentação do Roteiro de Testes para a Fase 7 2. CORE - Utilização de arquivos relacionados aos cenários de Risco 3. Principais ocorrências monitoradas pela BVMF 4. Dúvidas e dificuldades na realização dos testes (Fases 4, 5 e 6) 2

3 RESUMO 14ª REUNIÃO TÓPICO 1 - APRESENTAÇÃO DO ROTEIRO DE TESTES PARA A FASE 7 AGENDA 14ª Reunião PRINCIPAIS PONTOS TRATADOS 1 Apresentação do Roteiro de Testes Fase 7 Airton Murakami, representando a BVMF, apresentou detalhadamente o Roteiro de Certificação Fase 7 contemplando Telas de Controle de Posições e de Liquidação : Fases de Certificação e detalhamento da Fase 7 Ambiente Massa de contas e vínculos, de operações e de instrumentos Massa de Operações e de Instrumentos Preços de referência Cenários de testes Airton ressaltou os seguintes pontos : As fases são incrementais. Uma fase é pré-requisito para a fase seguinte. Será disponibilizado o catálogo de mensagens no decorrer da Fase 7. O catálogo descreve o fluxo de mensagens e seus respectivos campos. Airton sugere que o grupo A do roteiro de testes seja executado antes do grupo B Na sequencia dos trabalhos foram tratadas as dúvidas dos presentes. Não houveram sugestões de ajustes. A APEL solicitou que as instituições avaliem e enviem à BVMF sugestões de ajustes e complementações ao Roteiro em relação aos seguintes pontos: (i) Falta de cenários, (ii) Cenários desnecessários, (iii) Massa de testes é adequada e (iv) horários, acompanhamento, ambiente, suporte, entre outros. 3

4 RESUMO 14ª REUNIÃO TÓPICO 2 - CORE - UTILIZAÇÃO DE ARQ RELACIONADOS AOS CENÁRIOS DE RISCO AGENDA 14ª Reunião PRINCIPAIS PONTOS TRATADOS Alan De Genaro, representando a BVMF, apresentou o tema ressaltando que a apresentação diz respeito ao tratamento de cenários de risco que são hoje disponibilizados no site da BVMF e que sofrerão alterações ou serão descontinuados. Ressaltou que o objetivo será contextualizar as instituições, apoiar na identificação daquelas que utilizam os arquivos em formato diferente do que a BVFM disponibiliza e garantir que a descontinuidade dos arquivos gere o menor impacto para aos participantes de mercado. 2 CORE Utilização de arquivos relacionados aos cenários de Risco Segundo Alan, hoje muito do que a BVMF disponibiliza no site reflete o modelo atual de riscos onde o calculo de risco é tratado de maneira segregada. No contexto da integração (IPN), o modelo de risco tratará as carteiras de maneira conjunta não fazendo mais sentido a disponibilização de arquivos de maneira individual. Segundo Alan, a BVMF antecipadamente realizou exercício para identificar os usuários dos arquivos e definir alternativas que não implicasse em mudanças abruptas mas, ressaltou, é possível que um grupo particular de usuários faça uso das informações com finalidade distinta da avaliada pela BVMF. Na sequencia Alan apresentou a lista de arquivos relacionados a margem/cenários que serão alterados ou descontinuados. Alan solicitou que as instituições avaliem e informem a BVMF caso identifiquem situações onde os novos arquivos não contemplem as necessidades das instituições. Para isso, as instituições devem enviar suas dúvidas ou sugestões através dos canais já instituídos pela BVMF. Não houveram duvidas ou sugestões dos presentes. Anexo a esta apresentação consta o ppt utilizado. 4

5 RESUMO 14ª REUNIÃO TÓPICO 3 - PRINCIPAIS OCORRÊNCIAS MONITORADAS PELA BVMF AGENDA 14ª Reunião PRINCIPAIS PONTOS TRATADOS Regina Amália e Rodolfo Marun, representando a BVMF, apresentaram visão geral dos principais problemas reportados e qual o encaminhamento estão ocorrendo na BVMF, sendo: 1. Instabilidade da VPN - Processo de migração de todos os participantes já em andamento. Isto diminuirá significativamente a instabilidade. 2. Alguns usuários cadastrados no CAU não conseguiam acessar o RTC - Processo de integração CAU-RTC corrigido. Deverá diminuir significativamente os problemas. 3 Principais ocorrências monitoradas pela BVMF 3. Mensagem de usuário e senha inválido não era amigável - Implantada melhoria nas mensagens de erro. 4. Envio e recebimento de arquivos de teste no MTA - Ocorrências tratadas caso-a-caso pela BVMF 5. Mesmo usuário acessando mais de um código operacional no RTC - Agrupamento feito sob demanda das instituições. Solução definitiva em Novembro. Para aprimorar a comunicação entre BVMF e instituições, o Cert.IPN começou a enviar s informativos sobre a instabilidade do ambiente quando trata-se de uma instabilidade geral para o mercado. Cabendo às instituições a distribuição interna aos pontos focais. Rodolfo Marun ressaltou que os pontos levantados foram os que mais se repetiram mas não afetaram a totalidade das instituições e avalia que o ambiente tem se mantido estável com algumas exceções. Na sequencia dos trabalhos foram tratadas as dúvidas dos presentes (vide próximos slides). Ao final ficou acordado a realização de uma reunião extraordinária para tratar das sugestões apresentadas nesta reunião. 5

6 RESUMO 14ª REUNIÃO TÓPICO 4 - DÚVIDAS E DIFICULDADES NA REALIZAÇÃO DOS TESTES (FASES 4, 5 E 6) AGENDA 14ª Reunião PRINCIPAIS PONTOS TRATADOS Na sequencia dos trabalhos foram debatidas as dúvidas, dificuldades e sugestões das instituições. A seguir apresentamos os principais pontos que foram de interesse comum a todos. Duvidas/Sugestões das instituições Resposta da BVMF 1. Na pesquisa de Prontidão, para as fases já concluídas é necessário informar todos os pontos de problemas encontrados? Não é necessário informar. O foco é informar o que está pendente que poderá impactar os seus prazos. 4 Dúvidas e dificuldades na realização dos testes (Fases 4, 5 e 6) 2. Na pesquisa de Prontidão, para as fases já concluídas é necessário informar todos os pontos de problemas encontrados? 3. Solicitamos o acesso ao SLF e embora apareça como concedido, não conseguimos acessar e visualizar na tela. Aerton - não é necessário informar. O foco é informar o que está pendente que poderá impactar os seus prazos. Rodolfo Marun - houve um problema na semana anterior no acesso ao SLF mas já está solucionado. 4. As fases de testes estão avançando mas algumas sugestões e apontamentos surgidos nos calls e no GT relativos às fases anteriores não são reportados/divulgados. Airton para contribuir com maior visibilidade sobre a sugestões apresentadas pelas instituições, a BVMF colocará no site do IPN arquivo com todas as sugestões e a situação de cada uma delas. Viviane ressalta que na visão da BVMF os problemas impeditivos para os testes estão superados. O que há de pendência são as sugestões e a maior parte delas implicam em desenvolvimento e re-testes. Os re-testes provavelmente ocorrerão no decorrer da Fase 11. Essas sugestões não são consideradas como impeditivas para a realização dos testes. Algumas serão acatadas e outras serão planejadas para um segundo momento. 6

7 RESUMO 14ª REUNIÃO TÓPICO 4 - DÚVIDAS E DIFICULDADES NA REALIZAÇÃO DOS TESTES (FASES 4, 5 E 6) AGENDA 14ª Reunião PRINCIPAIS PONTOS TRATADOS 4 Dúvidas e dificuldades na realização dos testes (Fases 4, 5 e 6) Duvidas/Sugestões das instituições 5. Sugestão para que a BVMF informe às instituições sobre a regularização dos problemas (ex: intermitências ou concessão de acessos), dado que é muito difícil para os pontos focais do projeto nas instituições identificarem onde está o problema. 6. Existe muita proximidade entre as fases e datas de testes dificultando a realização dos testes de forma segura para minha instituição? Resposta da BVMF Viviane informou que considera a sugestão importante na medida em que complementa o informe já adotado pela BVMF e a sugestão será avaliada e deverá ser acatada pela BVMF. Aerton essa situação já era esperada no plano do projeto. O escalonamento, como está, gera uma pressão positiva para os dois lados (instituições e BVMF). Aerton - o GT-Testes é o fórum para tratar as questões que afetam a todos e as instituições que entendem que os prazos de testes são inviáveis devem se manifestar via pesquisa de prontidão ou via articulação no GT-Testes. Aerton - casos específicos de algumas instituições podem também ser tratados de forma especifica seja nos calls com o mercado ou diretamente com a BVMF. Viviane o plano de testes foi construído de forma escalonada para assegurar que as fases mais criticas tenham os grandes problemas já solucionados e possuem intervalos maiores do que o prazo necessário para realizar os roteiros de testes. Isto posto, a BVMF considera que os prazos são factíveis. Aerton sugere que as instituições se articulem para debater dificuldades impeditivas para a realização dos testes nas instituições. Entende que as interação entre as instituições é fundamental neste momento do projeto e ressalta que este é o papel do GT-Testes. 7

8 RESUMO 14ª REUNIÃO TÓPICO 4 - DÚVIDAS E DIFICULDADES NA REALIZAÇÃO DOS TESTES (FASES 4, 5 E 6) AGENDA 14ª Reunião PRINCIPAIS PONTOS TRATADOS Duvidas/Sugestões das instituições Resposta da BVMF 7. Devido às dificuldades de realização dos testes, é possível a avaliação da extensão da grade de testes? É possível liberar a sexta feira para a realização de testes? Viviane nos últimos dias começamos a receber solicitações neste sentido. A BVMF irá avaliar a possibilidade de atendimento. Existem algumas dificuldades técnicas para isto. Exemplo é o horário de funcionamento de ambiente de homologação do BACEN que limita o horário de testes. Viviane - as sextas e os sábados são utilizados pela BVMF para a validação dos ambientes que serão utilizados na semana posterior, por isso, existem limitações para a liberação, mas, a BVMF irá avaliar alternativas. 4 Dúvidas e dificuldades na realização dos testes (Fases 4, 5 e 6) 8. Para agilizar a realização dos testes, é possível liberar a realização da fase 6 sem ter concluído a fase anterior? 9. Seria possível liberar um sábado para realização de esforço concentrado pelas instituições e nivelar todos na fase 6? Viviane a BVMF irá avaliar a liberação da Fase 6. Viviane a BVMF considera a sugestão muito boa inclusive para a BVMF mas terá que avaliar internamente a possibilidade de atender. 10. É possível fazer alocação em lote por meio das telas? Airton primeiramente a BVMF recomenda que grandes movimentos transacionais sejam feitos através de mensageria mas está avaliando a possibilidade de disponibilização desta facilidade. 11. Sobre a lentidão - é possível disponibilizar canal dedicado que não utilize VPN pela internet? Regina Amália existe um manual de acesso publicado no site do projeto IPN que contém as formas de acesso ao ambiente de certificação da BVMF. 8

9 RESUMO 14ª REUNIÃO TÓPICO 5 PRÓXIMOS PASSOS AGENDA 14ª Reunião PRINCIPAIS PONTOS TRATADOS Ao final foram acordados os seguintes pontos: 5 Fechamento da Reunião e próximos passos Realização de uma reunião extraordinária para tratar das sugestões apresentadas nos pontos discutidos, tendo como pauta mínima: (i) Critérios de flexibilização de entradas nas Fases 6 e 7 e (ii) Estratégia para homogeneização do estado de prontidão dos participantes na Fase 6 Roteiro de Testes Fase 7 instituições irão avaliar e enviar sugestões e/ou criticas Mudanças de arquivos CORE instituições devem avaliar e enviar duvidas, sugestões ou criticas 9

10 Material utilizado na 14ª Reunião Tópico 2 - CORE - Utilização de arquivos relacionados aos cenários de Risco 10

11 CORE Arquivos de Risco Alan De Genaro Apresentação para mercado Setembro de 2013 CLASSIFICAÇÃO DA INFORMAÇÃO (MARQUE COM UM X ): CONFIDENCIAL RESTRITA CONFIDENCIAL USO INTERNO X PÚBLICO

12 12 OBJETIVOS Com a introdução do modelo integrado de cálculo de risco, CORE, um conjunto de arquivos atualmente disponibilizados no site da BVMF deixarão de ser produzidos pois hoje refletem o calculo do risco de forma segregada. Garantir que a descontinuidade dos arquivos gere o menor impacto aos participantes de mercado Listamos abaixo os arquivos relacionados a margem/cenários que serão alterados.

13 OBJETIVOS 13

14 14 OBJETIVOS Com a introdução do modelo integrado de cálculo de risco, CORE, um conjunto de arquivos atualmente disponibilizados no site da BVMF deixarão de ser produzidos pois hoje refletem o calculo do risco de forma segregada. Listamos abaixo os arquivos relacionados a margem/cenários que serão alterados.

15 15 ARQUIVOS ALTERADOS/DESCONTINUADOS - Mercado de Derivativos - Áreas para Margem de Ativos Líquidos -Mercado de Derivativos - Parâmetros de Margem para Ativos Líquidos -Mercado de Derivativos - Volatilidade Implícita para Cálculo de Margem de Ativos Líquidos - Mercado de Derivativos - Margem Teórica Máxima para Ativos Líquidos - Mercado de Derivativos - Opções Flexíveis - Parâmetros para Determinação de Limites de Preço e Taxa - Mercado de Derivativos - Preços de Opções nos Cenários de Estresse de Margem para Ativos Líquidos - Mercado de Derivativos - Prêmio de Referência para Opções - Mercado de Balcão - Cenário para os fatores de risco Preço à Vista - Mercado de Balcão - Cenário para os fatores de risco Volatilidade Implícita - Mercado de Balcão - Cenário para o fator de risco Taxa de Juros - Mercado de Balcão - Fatores Delta - Mercado de Derivativos Cenários de Margem para Ativos Líquidos

16 16 NOVOS ARQUIVOS -- Agrupamento de Instrumentos Padronizados -- Parâmetros de Grupos de Instrumentos -- Fórmulas de Risco -- Fatores Primitivos de Risco -- Mapeamento de Grupos de Instrumentos Padronizados -- Mapeamento de Grupos de Instrumentos OTC -- Cenários do Tipo Spot -- Cenários do Tipo Curva -- Cenários do Tipo Superfície -- Margem Teórica Máxima para Posições em Aberto e Valor Mínimo de Ativos Depositados em Garantia Layout: 3/catalogo_geracao_parametros_cenarios_1_0.pdf

17 17 CANAL DE COMUNICAÇÃO Através do Assunto: ARQUIVOS DE RISCO

18 18 Dúvidas? Obrigado

19 Material utilizado na 14ª Reunião Tópico 3 - Principais ocorrências monitoradas pela BVMF 19

20 IPN Certificação: GT Testes Fase 7 Principais ocorrências monitoradas pela BVMF Instabilidade da VPN; Processo de migração em andamento Alguns usuários cadastrados no CAU não conseguiam acessar o RTC Processo de integração corrigido Mensagem de usuário e senha inválido não era amigável Implantada melhoria nas mensagens de erro Envio e recebimento de arquivos de teste no MTA Ocorrências tratadas caso-a-caso Mesmo usuário acessando mais de um código operacional no RTC Agrupamento feito sob demanda. Solução definitiva em Novembro.

21 IPN Certificação: GT Testes Fase 7 Informativo do Ambiente de Certificação IPN enviado aos pontos focais de TI e Negócio, informados pelos Participantes no início da Certificação IPN

Programa IPN Certificação com o Mercado

Programa IPN Certificação com o Mercado Programa IPN Certificação com o Mercado A implantação da integração das clearings da BM&FBOVESPA e do novo sistema de risco CORE (Closeout Risk Evaluation) depende de prévia autorização dos órgãos reguladores

Leia mais

Arquivos de Parâmetros, Cenários e Simulação de Risco Relatório de Definições de Arquivos

Arquivos de Parâmetros, Cenários e Simulação de Risco Relatório de Definições de Arquivos Arquivos de Parâmetros, Cenários e Simulação Relatório de Definições de Arquivos Este documento descreve um conjunto de definições de arquivos desenvolvidos pela BM&FBOVESPA, a serem utilizados no processo

Leia mais

Projeto IPN Integração do Pós- Negociação

Projeto IPN Integração do Pós- Negociação Projeto IPN Integração do Pós- Negociação Boletim 5ª Reunião do GT-Testes 7 de Fevereiro de 2013 A implantação do IPN depende de prévia autorização dos órgãos reguladores A implantação da integração das

Leia mais

Projeto IPN Integração do Pós- Negociação

Projeto IPN Integração do Pós- Negociação Projeto IPN Integração do Pós- Negociação 8ª Reunião do GT-Testes 9 de Maio de 2013 Posição sobre as providências acordadas na realizada em 11-abr-2013 Posição sobre as providências acordadas na realizada

Leia mais

Workshop Certificação Fase 7 Mensagens de alocação, repasse, controle de posições e de liquidação

Workshop Certificação Fase 7 Mensagens de alocação, repasse, controle de posições e de liquidação Workshop Certificação Fase 7 Mensagens de alocação, repasse, controle de posições e de liquidação Outubro de 2013 A implantação da integração das clearings da BM&FBOVESPA e do novo sistema de risco CORE

Leia mais

Telas de controle de posições e de liquidação

Telas de controle de posições e de liquidação Workshop Certificação Fase 5 Telas de controle de posições e de liquidação Agosto de 2013 A implantação da integração das clearings da BM&FBOVESPA e do novo sistema de risco CORE (Closeout Risk Evaluation)

Leia mais

INTEGRAÇÃO DAS CÂMARAS DA BM&FBOVESPA Apresentação para mercado

INTEGRAÇÃO DAS CÂMARAS DA BM&FBOVESPA Apresentação para mercado INTEGRAÇÃO DAS CÂMARAS DA BM&FBOVESPA Apresentação para mercado CLASSIFICAÇÃO DA INFORMAÇÃO (MARQUE COM UM X ): CONFIDENCIAL RESTRITA CONFIDENCIAL USO INTERNO X PÚBLICO AGENDA AMBIENTE DE PÓS-NEGOCIAÇÃO

Leia mais

Projeto de Integração das Clearings

Projeto de Integração das Clearings Projeto de Integração das Clearings Workshop Técnico Fase 2 Clearing de Renda Variável e Renda Fixa Privada A implantação da Fase 2 do Projeto de Integração das Clearings depende da aprovação dos órgãos

Leia mais

CORE CloseOut Risk Evaluation Apresentação para mercado

CORE CloseOut Risk Evaluation Apresentação para mercado CORE CloseOut Risk Evaluation Apresentação para mercado Novembro de 2012 A implantação da integração das clearings da BM&FBOVESPA e do novo sistema de risco CORE (Closeout Risk Evaluation) depende de prévia

Leia mais

Projeto de Integração das Clearings

Projeto de Integração das Clearings Projeto de Integração das Clearings Início da Fase 2 Clearing de Renda Variável e Renda Fixa Privada A implantação da 2ª Fase do Projeto de Integração das Clearings depende da aprovação dos órgãos reguladores

Leia mais

PROJETO DE INTEGRAÇÃO DAS CLEARINGS FASE 2

PROJETO DE INTEGRAÇÃO DAS CLEARINGS FASE 2 PROJETO DE INTEGRAÇÃO DAS CLEARINGS FASE 2 Workshop Empréstimo de Ativos 31/08/2015 Clearing de Renda Variável e Renda Fixa Privada A implantação da Fase 2 do Projeto de Integração das Clearings depende

Leia mais

CALL com Mercado Projeto Integração das Clearings Processos de Liquidação 03/07/2013

CALL com Mercado Projeto Integração das Clearings Processos de Liquidação 03/07/2013 CALL com Mercado Projeto Integração das Clearings Processos de Liquidação 03/07/2013 A implantação da integração das clearings da BM&FBOVESPA e do novo sistema de risco CORE (Closeout Risk Evaluation)

Leia mais

MANUAL DE GERENCIAMENTO DO RISCO DE LIQUIDEZ

MANUAL DE GERENCIAMENTO DO RISCO DE LIQUIDEZ MANUAL DE GERENCIAMENTO DO RISCO DE LIQUIDEZ Introdução O Gerenciamento do Risco de Liquidez no Grupo Didier Levy, considerando as empresas BEXS Banco de Câmbio S/A e BEXS Corretora de Câmbio S/A está

Leia mais

Relato Reunião COPISS Coordenador 19 de abril de 2012, 52ª reunião ANS, Rio de Janeiro 9h00 às 17h00

Relato Reunião COPISS Coordenador 19 de abril de 2012, 52ª reunião ANS, Rio de Janeiro 9h00 às 17h00 Relato Reunião COPISS Coordenador 19 de abril de 2012, 52ª reunião ANS, Rio de Janeiro 9h00 às 17h00 1 Resumo e considerações* A reunião apresentou bastante debate, e deliberações importantes. Alguns pontos

Leia mais

Diagnóstico da troca de informações entre os Participantes

Diagnóstico da troca de informações entre os Participantes Diagnóstico da troca de informações entre os Participantes Ausência de padronização e automação na troca de informações entre os diversos participantes do mercado Corretoras de valores e de mercadorias

Leia mais

Versão 2.0. Data de criação 13/05/2015

Versão 2.0. Data de criação 13/05/2015 Apostila de Treinamento Agendamento Versão 2.0 Data de criação 13/05/2015 Data de efetivação Este documento entra em vigor na sua publicação. Versão do Sistema 2.0.0.0 Índice 1. INTRODUÇÃO... 3 1.1 Objetivo

Leia mais

Workshop Certificação Fase 6. SINACOR Cadastro de Clientes. Janeiro de 2014 CLASSIFICAÇÃO DA INFORMAÇÃO (MARQUE COM UM X ):

Workshop Certificação Fase 6. SINACOR Cadastro de Clientes. Janeiro de 2014 CLASSIFICAÇÃO DA INFORMAÇÃO (MARQUE COM UM X ): Workshop Certificação Fase 6 SINACOR Cadastro de Clientes Janeiro de 2014 CLASSIFICAÇÃO DA INFORMAÇÃO (MARQUE COM UM X ): CONFIDENCIAL RESTRITA CONFIDENCIAL USO INTERNO X PÚBLICO 1 Agenda Alinhamento de

Leia mais

2.1. Risco de Crédito De acordo com resolução 3721 - CMN-, define-se o risco de crédito como:

2.1. Risco de Crédito De acordo com resolução 3721 - CMN-, define-se o risco de crédito como: ESTRUTURA DE GERENCIAMENTO DE RISCO DE CRÉDITO 1. Introdução A Diretoria da Grazziotin em atendimento ã Resolução 3721 de abril/2009, divulga sua Estrutura de Gerenciamento de Risco de Crédito alinhada

Leia mais

Workshop 4 SINACOR Visão Geral

Workshop 4 SINACOR Visão Geral Workshop 4 SINACOR Visão Geral Dezembro de 2012 A implantação da integração das clearings da BM&FBOVESPA e do novo sistema de risco CORE (Closeout Risk Evaluation) depende de prévia autorização dos órgãos

Leia mais

Relatório de Gerenciamento de Riscos. Banco Rodobens. 2º Trimestre 2015

Relatório de Gerenciamento de Riscos. Banco Rodobens. 2º Trimestre 2015 Relatório de Gerenciamento de Riscos Banco Rodobens 2º Trimestre 2015 INTRODUÇÃO O presente Relatório tem por objetivo apresentar as informações do Banco Rodobens para atendimento aos requerimentos do

Leia mais

Relatório de Gerenciamento de Riscos. Banco Rodobens. 1º Trimestre 2015

Relatório de Gerenciamento de Riscos. Banco Rodobens. 1º Trimestre 2015 Relatório de Gerenciamento de Riscos Banco Rodobens 1º Trimestre 2015 INTRODUÇÃO O presente Relatório tem por objetivo apresentar as informações do Banco Rodobens para atendimento aos requerimentos do

Leia mais

Banco Mercedes-Benz RISCO DE MERCADO E LIQUIDEZ Base: Janeiro 2014

Banco Mercedes-Benz RISCO DE MERCADO E LIQUIDEZ Base: Janeiro 2014 Banco Mercedes-Benz RISCO DE MERCADO E LIQUIDEZ Base: Janeiro 2014 INTRODUÇÃO O Banco Mercedes-Benz do Brasil considera a gestão de riscos como um dos pilares de sustentação de seus objetivos estratégicos.

Leia mais

CALL com Mercado Projeto Integração das Clearings

CALL com Mercado Projeto Integração das Clearings CALL com Mercado Projeto Integração das Clearings A implantação da integração das clearings da BM&FBOVESPA e do novo sistema de risco CORE (Closeout Risk Evaluation) depende de prévia autorização dos órgãos

Leia mais

Referências internas são os artefatos usados para ajudar na elaboração do PT tais como:

Referências internas são os artefatos usados para ajudar na elaboração do PT tais como: Plano de Teste (resumo do documento) I Introdução Identificador do Plano de Teste Esse campo deve especificar um identificador único para reconhecimento do Plano de Teste. Pode ser inclusive um código

Leia mais

Registro e Acompanhamento de Chamados

Registro e Acompanhamento de Chamados Registro e Acompanhamento de Chamados Contatos da Central de Serviços de TI do TJPE Por telefone: (81) 2123-9500 Pela intranet: no link Central de Serviços de TI Web (www.tjpe.jus.br/intranet) APRESENTAÇÃO

Leia mais

Mantis Sistema de controle de chamados Versão 1.2.1 Roteiros

Mantis Sistema de controle de chamados Versão 1.2.1 Roteiros Mantis Sistema de controle de chamados Versão 1.2.1 Roteiros Roteiros Versão 1.2.1 by ilab Sistemas Especialistas Sumário I Sumário Roteiros I Introdução 2 Roteiros II Verificar posição dos chamados 4

Leia mais

Parecer Consultoria Tributária Segmentos Novo procedimento de cadastramento dos trabalhadores no cadastro Número de Inscrição Social (NIS)

Parecer Consultoria Tributária Segmentos Novo procedimento de cadastramento dos trabalhadores no cadastro Número de Inscrição Social (NIS) Novo procedimento de cadastramento dos trabalhadores no cadastro 11/09/2014 Sumário Título do documento 1. Questão... 3 2. Normas Apresentadas pelo Cliente... 3 3. Análise da Consultoria... 3 4. Conclusão...

Leia mais

Perguntas e Respostas sobre Gerenciamento de Risco

Perguntas e Respostas sobre Gerenciamento de Risco Perguntas e Respostas sobre Gerenciamento de Risco 36 questões com gabarito FICHA CATALOGRÁFICA (Catalogado na fonte pela Biblioteca da BM&FBOVESPA Bolsa de Valores, Mercadorias e Futuros) GERENCIAMENTO

Leia mais

Manual de Utilização

Manual de Utilização Estamos definitivamente na era digital. Era da velocidade cada vez maior da informação. Era da otimização do tempo. O novo Sistema Integrado de Saúde Amil, SiSAmil, mostra toda a evolução da empresa nesse

Leia mais

Análise e Tramitação de Projetos nos Comitês de Ética em Pesquisa

Análise e Tramitação de Projetos nos Comitês de Ética em Pesquisa Análise e Tramitação de Projetos nos Comitês de Ética em Pesquisa Versão 4.0 1 Histórico de Revisão do Manual Versão Autor Data Descrição Equipe suporte Criação do 1.0 Plataforma Brasil 01/11/2011 Documento

Leia mais

OBJETIVO MATERIAIS NECESSÁRIOS DESCRIÇÃO DAS PRINCIPAIS ATIVIDADES

OBJETIVO MATERIAIS NECESSÁRIOS DESCRIÇÃO DAS PRINCIPAIS ATIVIDADES PROCEDIMENTO OPERACIONAL PADRÃO Padrão N : 7.3 Estabelecido em: 28/06/2011 Revisado em: 28/06/2011 N da Revisão: 00 Setor: NCP (Núcleo de Controle de Produtos) Tarefa: Padronização de procedimentos internos

Leia mais

CALL com Mercado Projeto Integração das Clearings

CALL com Mercado Projeto Integração das Clearings CALL com Mercado Projeto Integração das Clearings Call sobre diversos temas do IPN 19/04/2013 19/04/2013 A implantação da integração das clearings da BM&FBOVESPA e do novo sistema de risco CORE (Closeout

Leia mais

Manual de Utilização Sisamil - Sistema Integrado de Saúde Amil Manual de Utilização 1 54

Manual de Utilização Sisamil - Sistema Integrado de Saúde Amil Manual de Utilização 1 54 Manual de Utilização 1 54 Estamos definitivamente na era digital. Era da velocidade cada vez maior da informação. Era da otimização do tempo. O novo Sistema Integrado de Saúde Amil, SiSAmil, mostra toda

Leia mais

Índice Apresentação... 3 Mensagens... 4 Tickets... 6 Cadastro de Tickets... 6 Acompanhamento de Tickets:...9 Entregas... 11 Storage...

Índice Apresentação... 3 Mensagens... 4 Tickets... 6 Cadastro de Tickets... 6 Acompanhamento de Tickets:...9 Entregas... 11 Storage... Índice Apresentação... 3 Mensagens... 4 Tickets... 6 Cadastro de Tickets... 6 Acompanhamento de Tickets:...9 Entregas... 11 Storage... 12 Apresentação O Pitstop foi desenvolvido pela Interact com o objetivo

Leia mais

Atualização do Sistema T-Car-Win Versão 1.15.5

Atualização do Sistema T-Car-Win Versão 1.15.5 Atualização do Sistema T-Car-Win Versão 1.15.5 O sistema T-Car-Win está sendo atualizado para a versão 1.15.5. Esta versão tem o objetivo de agregar as seguintes funcionalidades ao sistema: Possibilidade

Leia mais

1 MINUTA DO PLANO DE COMUNICAÇÃO E PARTICIPAÇÃO SOCIAL

1 MINUTA DO PLANO DE COMUNICAÇÃO E PARTICIPAÇÃO SOCIAL 1 MINUTA DO PLANO DE COMUNICAÇÃO E PARTICIPAÇÃO SOCIAL 1.1 APRESENTAÇÃO O Plano de Comunicação e Participação Social subsidiará a elaboração do Plano Diretor de Mobilidade Urbana, criando as bases para

Leia mais

Sistema de Supervisão de Mercados 17.06.2015

Sistema de Supervisão de Mercados 17.06.2015 Sistema de Supervisão de Mercados 7.06.205 AGENDA Modelo de Autorregulação da ANBIMA Descrição da ferramenta e seus principais módulos Módulo I Cadastro de Usuários Módulo II Solicitação de Informações

Leia mais

Título: Pensando estrategicamente em inovação tecnológica de impacto social Categoria: Projeto Externo Temática: Segundo Setor

Título: Pensando estrategicamente em inovação tecnológica de impacto social Categoria: Projeto Externo Temática: Segundo Setor Título: Pensando estrategicamente em inovação tecnológica de impacto social Categoria: Projeto Externo Temática: Segundo Setor Resumo: A finalidade desse documento é apresentar o projeto de planejamento

Leia mais

PLANEJAMENTO DO PROJETO

PLANEJAMENTO DO PROJETO PLANEJAMENTO DO PROJETO 1 APRESENTAÇÃO DO PROJETO O presente projeto foi aberto para realizar a gestão de todos os processos de prestação de serviços de informática, fornecimento de licença de uso perpétua,

Leia mais

FORMAÇÃO SÓLIDA E BENEFÍCIOS PARA VOCÊ

FORMAÇÃO SÓLIDA E BENEFÍCIOS PARA VOCÊ A FUNCEX E O ENSINO A DISTÂNCIA Milhões de pessoas aderiram ao Ensino a Distância no Brasil, e a Funcex, acompanhando esta tendência, desenvolveu sua plataforma de ensino para disponibilizar os treinamentos

Leia mais

Sistema de Devolução Web

Sistema de Devolução Web Manual Sistema de Devolução Web Usuário Cliente ÍNDICE Sumário 1. Prazos...3 2. Solicitação de Devolução... 4 3. Autorização de Devolução... 4 4. Coleta de Mercadoria... 4 5. Acompanhamento da Devolução...

Leia mais

Atendimento Virtual Ampla

Atendimento Virtual Ampla 21 a 25 de Agosto de 2006 Belo Horizonte - MG Atendimento Virtual Ampla Carlos Felipe de Moura Moysés Ampla Energia e Serviços S.A cmoyses@ampla.com André Theobald Ampla Energia e Serviços S.A theobald@ampla.com

Leia mais

Manual dos Serviços de Interoperabilidade

Manual dos Serviços de Interoperabilidade MINISTÉRIO DO PLANEJAMENTO, ORÇAMENTO E GESTÃO Secretaria de Logística e Tecnologia da Informação Manual dos Serviços de Interoperabilidade Sumário Lista de Figuras...3 Lista de Tabelas...4 Introdução...5

Leia mais

GUIA DE CURSO. Tecnologia em Sistemas de Informação. Tecnologia em Desenvolvimento Web. Tecnologia em Análise e Desenvolvimento de Sistemas

GUIA DE CURSO. Tecnologia em Sistemas de Informação. Tecnologia em Desenvolvimento Web. Tecnologia em Análise e Desenvolvimento de Sistemas PIM PROGRAMA DE INTEGRAÇÃO COM O MERCADO GUIA DE CURSO Tecnologia em Sistemas de Informação Tecnologia em Desenvolvimento Web Tecnologia em Análise e Desenvolvimento de Sistemas Tecnologia em Sistemas

Leia mais

www.portalfuturum.com.br

www.portalfuturum.com.br www.portalfuturum.com.br GEOGRAFIA Solos GUIA RÁPIDO DO AMBIENTE DE FORMAÇÃO DO PORTAL FUTURUM Prezado(a) cursista, Bem-vindo(a) ao Ambiente de Formação do Portal Futurum (AFPF)!!! A proposta deste material

Leia mais

Integração Sigajuri x RM

Integração Sigajuri x RM Integração Sigajuri x RM Abril/2015 Sumário 1. Contexto de negócio (Introdução)... 3 2. Sistemas Envolvidos... 3 3. Integração... 3 4. Escopo... 6 5. Pré-requisitos instalação/implantação/utilização...

Leia mais

Resultado da Pesquisa

Resultado da Pesquisa Pesquisa de Satisfação do Cliente Resultado da Pesquisa Primeiro e Segundo Semestre de 2012 Nos meses de Junho e Novembro/2012 a Datamace realizou pesquisas para avaliar o grau de satisfação dos serviços

Leia mais

Disponibilização de relatórios de acesso público. RB Capital DTVM

Disponibilização de relatórios de acesso público. RB Capital DTVM Disponibilização de relatórios de acesso público RB Capital DTVM Maio 2011 Objetivo Este documento tem como objetivo estabelecer um guia para a elaboração da descrição da estrutura de gestão de risco de

Leia mais

MANUAL DE ORIENTAÇÕES GERAIS

MANUAL DE ORIENTAÇÕES GERAIS MANUAL DE ORIENTAÇÕES GERAIS IMPORTAÇÃO DE ARQUIVOS XML VIA WEB RECIFE - 2015 1 ÍNDICE 1. ACESSANDO O PORTAL TISS... 3 2. USUÁRIO E SENHA... 5 2.1. Usuário... 5 2.2. Senha... 5 2.3. Alteração de Senha...

Leia mais

ESTRUTURA DE GERENCIAMENTO DE RISCOS

ESTRUTURA DE GERENCIAMENTO DE RISCOS Conselho de Administração Diretoria Geral Gerenciamento de Capital Diretoria de Controladoria, Operações, Jurídico, Ouvidoria e Cobrança Diretoria de Tesouraria, Produtos e Novos Negócios Operações Bancárias

Leia mais

1) Consulta da ANBIMA

1) Consulta da ANBIMA Fórum BC SPB Princípios para Infraestruturas de Mercado Padronização da Comunicação Ref: Consulta do BC sobre Subsídios para a Estratégia de Adoção de Padrões de Comunicação Internacionalmente Aceitos

Leia mais

INSTITUTO DE PREVIDÊNCIA DO ESTADO DO RS ORDEM DE SERVIÇO 01/2011

INSTITUTO DE PREVIDÊNCIA DO ESTADO DO RS ORDEM DE SERVIÇO 01/2011 pg. 1/9 ORDEM DE SERVIÇO 01/2011 Dispõe sobre as regras de auditoria para homologação eletrônica do recadastramento de médicos credenciados no IPERGS. O DIRETOR DE SAÚDE DO INSTITUTO DE PREVIDÊNCIA DO

Leia mais

NOTA FISCAL ELETRÔNICA v3.10

NOTA FISCAL ELETRÔNICA v3.10 ATUALIZAÇÃO DA NOTA FISCAL ELETRÔNICA v3.10 Autor: Hugo Leonardo Villa Lobos 1/8 Introdução De forma geral, as necessidades de alteração de leiaute da NF-e são agrupadas durante um tempo e acabam compondo

Leia mais

1. DOTPROJECT. 1.2. Tela Inicial

1. DOTPROJECT. 1.2. Tela Inicial 1 1. DOTPROJECT O dotproject é um software livre de gerenciamento de projetos, que com um conjunto simples de funcionalidades e características, o tornam um software indicado para implementação da Gestão

Leia mais

Estrutura de Relacionamento:

Estrutura de Relacionamento: 1 Índice Por que ter Guia de Relacionamento e Suporte?... 3 Qual a Estrutura de Relacionamento com o Cliente?... 3 Agente de Atendimento (CAT):... 3 Gerente de Contas (GC):... 3 Gerente de Serviço (GS):...

Leia mais

Consulta de valores para pagamento e geração de boletos via Web Site

Consulta de valores para pagamento e geração de boletos via Web Site Prezados clientes, Através de um projeto de melhoria contínua disponibilizamos ao mercado um importante sistema online para consultas de taxas e emissão de boletos agilizando assim a rotina de liberação

Leia mais

Footprints Service Core. Manual de uso do sistema

Footprints Service Core. Manual de uso do sistema Footprints Service Core Manual de uso do sistema Sumário Acessando o sistema... 3 Visão geral... 4 Criação de chamados... 5 Acompanhamento de chamados... 7 Compartilhamento de chamados... 8 Notificações...

Leia mais

SAC Sistema de Acompanhamento de Concessões Manual do Usuário

SAC Sistema de Acompanhamento de Concessões Manual do Usuário 70040-020 Brasília - DF SAC Manual do Usuário Sumário Assunto PÁGINA 1. Objetivos do Manual 3 2. Perfil do Usuário 3 2.1 Coordenador Institucional 3 3. Acesso ao Sistema SAC 3 3.1 Endereço de acesso 3

Leia mais

MANUAL DO ALUNO 4LEARN

MANUAL DO ALUNO 4LEARN MANUAL DO ALUNO 4LEARN Elaborado : Profª Yara Cristina C. Rocha Miranda Email: ead@fatecguaratingueta.edu.br 1 Instruções de acesso ao 4Learn para o Aluno 1. Acessando o Ambiente 2. Verificando Slides

Leia mais

PO 001 - GESTÃO DE PROCESSOS E DOCUMENTAÇÃO 008

PO 001 - GESTÃO DE PROCESSOS E DOCUMENTAÇÃO 008 1 - OBJETIVO PO 001 - GESTÃO DE PROCESSOS E DOCUMENTAÇÃO 008 Este retrata a forma que deve ser conduzida a gestão dos s da entidade desde a sua concepção até o seu acompanhamento e melhoria. 2 - AUTORIDADE

Leia mais

CORE CloseOut Risk Evaluation

CORE CloseOut Risk Evaluation CORE CloseOut Risk Evaluation Outubro/2012 CLASSIFICAÇÃO DA INFORMAÇÃO (MARQUE COM UM X ): CONFIDENCIAL RESTRITA CONFIDENCIAL USO INTERNO X PÚBLICO AGENDA MODELAGEM DE RISCO EM CÂMARAS MULTIATIVOS E MULTIMERCADOS

Leia mais

ORIENTAÇÃO TÉCNICA SICOM - CONTABILIDADE

ORIENTAÇÃO TÉCNICA SICOM - CONTABILIDADE ORIENTAÇÃO TÉCNICA SICOM - CONTABILIDADE O principal objetivo do SICOM é exercer um controle concomitante dos atos e fatos realizados nas administrações públicas, criando condições para identificar de

Leia mais

ÍNDICE. 1. SAM Sistema de Auto Atendimento Millennium. 2. Apresentação. 3. Acessos 3.1. Via Internet 3.2. Via link direto

ÍNDICE. 1. SAM Sistema de Auto Atendimento Millennium. 2. Apresentação. 3. Acessos 3.1. Via Internet 3.2. Via link direto ÍNDICE 1. SAM Sistema de Auto Atendimento Millennium 2. Apresentação 3. Acessos 3.1. Via Internet 3.2. Via link direto 4. Inclusão de chamados 4.1. Incluindo um novo chamado 5. Analisando chamados em aberto

Leia mais

Sistema de Cadastro Selic

Sistema de Cadastro Selic BM&FBOVESPA S.A. Bolsa de Valores, Mercadorias e Futuros Sistema de Cadastro Selic Diretoria Executiva de Clearings, Depositária e de Risco Versão 2.0 SUMÁRIO 1 ACESSO AO SISTEMA... 3 2 SOLICITAÇÃO DE

Leia mais

Convênio, Contrato de Repasse e Termo de

Convênio, Contrato de Repasse e Termo de MINISTÉRIO DO PLANEJAMENTO, ORÇAMENTO E GESTÃO SECRETARIA DE LOGÍSTICA E TECNOLOGIA DA INFORMAÇÃO DEPARTAMENTO DE SUPORTE À GESTÃO DO SISTEMA DE TRANSFERÊNCIAS VOLUNTÁRIAS DA UNIÃO Portal dos Convênios

Leia mais

Antes de começar, o Solicitante e outros envolvidos dentro do projeto (Orientador, Coordenador ou outro Responsável Técnico) devem verificar:

Antes de começar, o Solicitante e outros envolvidos dentro do projeto (Orientador, Coordenador ou outro Responsável Técnico) devem verificar: SOLICITAÇÃO DE FOMENTO on-line MANUAL DO USUÁRIO 1 CONTATOS... 2 2 ANTES DE COMEÇAR... 2 3 ENTRAR NO SISTEMA INFAPERJ... 3 3.1 ACESSO AO SISTEMA...3 3.2 LOGIN...4 4 APRESENTAÇÃO GERAL DA INTERFACE... 5

Leia mais

PERGUNTAS MAIS FREQÜENTES CERTIFICAÇÃO NBR 16001

PERGUNTAS MAIS FREQÜENTES CERTIFICAÇÃO NBR 16001 PERGUNTAS MAIS FREQÜENTES CERTIFICAÇÃO NBR 16001 As perguntas abaixo têm o propósito de elucidar algumas dúvidas sobre a certificação da NBR 16001. 1. O que é a NBR 16001? A NBR 16001 tem a finalidade

Leia mais

Formador de Mercado DEP Diretoria de Engenharia de Produtos

Formador de Mercado DEP Diretoria de Engenharia de Produtos Formador de Mercado DEP Diretoria de Engenharia de Produtos FORMADOR Março/2015 DE MERCADO Confidencial Restrita Confidencial Uso Interno Público 1 Agenda Papel do Formador de Mercado (FM) Relações de

Leia mais

Portal dos Convênios - SICONV. Acompanhamento e Fiscalização Concedente, Instituição Mandatária e Convenente. Manual do Usuário

Portal dos Convênios - SICONV. Acompanhamento e Fiscalização Concedente, Instituição Mandatária e Convenente. Manual do Usuário MINISTÉRIO DO PLANEJAMENTO ORÇAMENTO E GESTÃO SECRETARIA DE LOGÍSTICA E TECNOLOGIA DA INFORMAÇÃO DEPARTAMENTO DE GESTÃO ESTRATÉGICA DA INFORMAÇÃO Portal dos Convênios - SICONV Acompanhamento e Fiscalização

Leia mais

Projeto de Integração das Clearings

Projeto de Integração das Clearings Projeto de Integração das Clearings Workshop Técnico SINACOR Fase 2 Clearing de Renda Variável e Renda Fixa Privada A implantação da Fase 2 do Projeto de Integração das Clearings depende da aprovação dos

Leia mais

Em 2012, a Prosoft planejou o lançamento da Versão 5 dos seus produtos.

Em 2012, a Prosoft planejou o lançamento da Versão 5 dos seus produtos. VERSÃO 5 Outubro/2012 Release Notes Não deixe de atualizar o seu sistema Planejamos a entrega ao longo do exercício de 2012 com mais de 140 melhorias. Mais segurança, agilidade e facilidade de uso, atendendo

Leia mais

Fundap. Programa de Estágio. Manual de Utilização do Sistema de Administração de Bolsas de Estágio. Plano de Estágio

Fundap. Programa de Estágio. Manual de Utilização do Sistema de Administração de Bolsas de Estágio. Plano de Estágio Fundap Fundação do Desenvolvimento Administrativo Programa de Estágio Programa de Estágio Manual de Utilização do Sistema de Administração de Bolsas de Estágio Plano de Estágio Julho de 2008 SABE - Sistema

Leia mais

Processo de Implementação de um Sistema de Gestão da Qualidade

Processo de Implementação de um Sistema de Gestão da Qualidade 3 Processo de Implementação de um Sistema de Gestão da Qualidade Não existe um jeito único de se implementar um sistema da qualidade ISO 9001: 2000. No entanto, independentemente da maneira escolhida,

Leia mais

PORTAL DE RELACIONAMENTO GROUP

PORTAL DE RELACIONAMENTO GROUP PORTAL DE RELACIONAMENTO GROUP MANUAL DO USUÁRIO Portal de Relacionamento - Manual do usuário... 1 SUMÁRIO 1. Informações gerais... 3 2. Sobre este documento... 3 3. Suporte técnico... 3 4. Visão Geral

Leia mais

FUNCIONAMENTO DOS CURSOS

FUNCIONAMENTO DOS CURSOS 1 SUMÁRIO Funcionamento dos Cursos... 03 Guia de Percurso... 05 Manual Acadêmico... 07 Ambiente Virtual de Aprendizagem... 09 Edição do Perfil... 12 Acessando as Atividades... 14 Iniciando o Semestre...

Leia mais

Reunião de Abertura do Monitoramento 2015. Superintendência Central de Planejamento e Programação Orçamentária - SCPPO

Reunião de Abertura do Monitoramento 2015. Superintendência Central de Planejamento e Programação Orçamentária - SCPPO Reunião de Abertura do Monitoramento 2015 Superintendência Central de Planejamento e Programação Orçamentária - SCPPO Roteiro da Apresentação 1. Contextualização; 2. Monitoramento; 3. Processo de monitoramento;

Leia mais

Esclarecimentos sobre a conta máster Segmento Bovespa

Esclarecimentos sobre a conta máster Segmento Bovespa Esclarecimentos sobre a conta máster Segmento Bovespa Diretoria Executiva das Clearings, Depositária e de Risco 02/03/2011 CLASSIFICAÇÃO DA INFORMAÇÃO (MARQUE COM UM X ): CONFIDENCIAL RESTRITA CONFIDENCIAL

Leia mais

Pesquisa de Satisfação

Pesquisa de Satisfação Pesquisa de Satisfação Anualmente a Visão Prev realiza uma Pesquisa de Satisfação com seus participantes. A ação é uma das ferramentas utilizadas pela Entidade para ouvir a opinião dos participantes e

Leia mais

Perfis de Investimento PrevMais

Perfis de Investimento PrevMais Cartilha Perfis de Investimento PrevMais [1] Objetivo Geral O regulamento do PREVMAIS prevê exclusivamente para o Benefício de Renda Programada a possibilidade de os participantes optarem por perfis de

Leia mais

REGRAS E PARÂMETROS DE ATUAÇÃO DA CM CAPITAL MARKETS CORRETORA DE TÍTULOS E VALORES MOBILIÁRIOS LTDA

REGRAS E PARÂMETROS DE ATUAÇÃO DA CM CAPITAL MARKETS CORRETORA DE TÍTULOS E VALORES MOBILIÁRIOS LTDA REGRAS E PARÂMETROS DE ATUAÇÃO DA CM CAPITAL MARKETS CORRETORA DE TÍTULOS E VALORES MOBILIÁRIOS LTDA A CM Capital Markets Corretora de Títulos e Valores Mobiliários LTDA, em atenção ao disposto no art.

Leia mais

Ambiente Virtual de Aprendizagem (AVA) Guia de Estudos Metodologias Jovem de Futuro

Ambiente Virtual de Aprendizagem (AVA) Guia de Estudos Metodologias Jovem de Futuro Guia de Estudos Metodologias Jovem de Futuro Precisamos reinventar a forma de ensinar e aprender, presencial e virtualmente, diante de tantas mudanças na sociedade e no mundo do trabalho. Os modelos tradicionais

Leia mais

OBJETIVO DO : FORMAÇÃO NAS MELHORES PRÁTICAS DE GERENCIAMENTO DE PROJETOS. Apresentar o caderno;

OBJETIVO DO : FORMAÇÃO NAS MELHORES PRÁTICAS DE GERENCIAMENTO DE PROJETOS. Apresentar o caderno; IRAIR VALESAN (PMP) OBJETIVO DO : FORMAÇÃO NAS MELHORES PRÁTICAS DE GERENCIAMENTO DE PROJETOS Apresentar o caderno; Exemplo de projetos bem sucedidos http://g1.globo.com/minas-gerais/triangulomineiro/noticia/2015/02/produtores-ruraisaprendem-como-recuperar-nascentes-de-riosem-mg.html

Leia mais

POLÍTICA DE RELACIONAMENTO COM CORRESPONDENTES NO PAÍS

POLÍTICA DE RELACIONAMENTO COM CORRESPONDENTES NO PAÍS POLÍTICA DE RELACIONAMENTO COM CORRESPONDENTES NO PAÍS Belo Horizonte, Novembro de 2013. Diretoria de Crédito Consignado Diretoria Executiva Comercial Diretoria Executiva Administrativa e de Atendimento

Leia mais

Secretaria de Estado da Fazenda Guia prático para emissão de Conhecimento de Transporte Eletrônico (CT-e)

Secretaria de Estado da Fazenda Guia prático para emissão de Conhecimento de Transporte Eletrônico (CT-e) Secretaria de Estado da Fazenda Guia prático para emissão de Conhecimento de Transporte Eletrônico (CT-e) Para dar mais agilidade e segurança à administração tributária, os Estados brasileiros, o Distrito

Leia mais

AdminIP. Manual do Usuário Módulo Administrador IES

AdminIP. Manual do Usuário Módulo Administrador IES 2 AdminIP Manual do Usuário Módulo Administrador IES Brasília 2012 SUMÁRIO APRESENTAÇÃO... 4 1 SISTEMA ADMINIP... 4 1.1 O que é o AdminIP?... 4 1.2 Quem opera?... 4 1.3 Onde acessar?... 5 1.4 Como acessar?...

Leia mais

Workshop Requisitos Normativos

Workshop Requisitos Normativos Workshop Requisitos Normativos BM&FBOVESPA Supervisão de Mercados (BSM) Diretoria de Autorregulação 28 e 29 de maio de 2012 CLASSIFICAÇÃO DA INFORMAÇÃO: CONFIDENCIAL RESTRITA CONFIDENCIAL USO INTERNO X

Leia mais

POLÍTICA: ESTRUTURA DE GERENCIAMENTO DE RISCO DE MERCADO

POLÍTICA: ESTRUTURA DE GERENCIAMENTO DE RISCO DE MERCADO POLÍTICA: ESTRUTURA DE GERENCIAMENTO DE RISCO DE MERCADO 1. INTRODUÇÃO A política de Risco de Mercado do Scotiabank Brasil ( Scotiabank ) é baseada na política do grupo de Risk Management Global do Scotiabank

Leia mais

Roteiro Específico OC 046/2010 07/10/2010

Roteiro Específico OC 046/2010 07/10/2010 OC 046/2010 07/10/2010 Índice 1. CAPTAR E MANTER CLIENTES... 4 2. GERENCIAR NEGÓCIO... 5 3. EECUTAR ORDENS... 6 4. COMPENSAR E LIQUIDAR... 6 5. FUNÇÃO TECNOLOGIA DA INFORMAÇÃO... 7 GLOSSÁRIO... 8 2 Definições

Leia mais

SAD SISTEMA DE ATENDIMENTO DATAMACE

SAD SISTEMA DE ATENDIMENTO DATAMACE SAD SISTEMA DE ATENDIMENTO DATAMACE OBJETIVO O SAD foi desenvolvido para aprimorar e permitir o rastreamento dos registros de contatos realizados entre a Datamace e seus clientes. Permite administrar a

Leia mais

MANUAL DE GERENCIAMENTO DO RISCO DE CRÉDITO

MANUAL DE GERENCIAMENTO DO RISCO DE CRÉDITO 1 - INTRODUÇÃO As exposições sujeitas ao risco de crédito são grande parte dos ativos da COGEM. Por isso, o gerenciamento do risco dessas exposições é fundamental para que os objetivos da Cooperativa sejam

Leia mais

Proposta Comercial. Proposta Comercial de prestação de serviços de Desenvolvimento de web site para o Vereador Marcelo Ramos.

Proposta Comercial. Proposta Comercial de prestação de serviços de Desenvolvimento de web site para o Vereador Marcelo Ramos. Proposta Comercial de prestação de serviços de Desenvolvimento de web site para o Vereador Marcelo Ramos. 1 1. APRESENTAÇÃO DA PROPOSTA Brasília, 14 de maio de 2010. A LTDA. vem, por meio deste documento,

Leia mais

Disciplina: Administração de Departamento de TI. Professor: Aldo Rocha. Aula III - 25/08/2011

Disciplina: Administração de Departamento de TI. Professor: Aldo Rocha. Aula III - 25/08/2011 Disciplina: Administração de Departamento de TI Professor: Aldo Rocha Aula III - 25/08/2011 ITIL 1.A Central de Serviços; 1.1 Necessidade da Central de Serviços; 1.2 Dilema do Suporte; 1.3 Evolução do

Leia mais

MERCADO DE OURO. Como investir no mercado a vista

MERCADO DE OURO. Como investir no mercado a vista MERCADO DE OURO Como investir no mercado a vista MERCADO DE OURO Como investir no mercado a vista 3 LIQUIDEZ INTERNACIONAL, DIVERSIFICAÇÃO DE INVESTIMENTO E RETORNO Ativo internacionalmente aceito, o

Leia mais

Consulta de valores para pagamento e geração de boletos via Web Site

Consulta de valores para pagamento e geração de boletos via Web Site A Agência de Vapores Grieg, através de um projeto de melhoria em seus processos, disponibilizará para o mercado, a partir de 14/08/2015, uma importante ferramenta de auxílio aos nossos clientes, o sistema

Leia mais

Guia de Certificação SINCAD para o SINACOR

Guia de Certificação SINCAD para o SINACOR Guia de Certificação SINCAD para o SINACOR Sumário Pré-requisitos... 4 Configurações de Negócio...4 Instituição Financeira...4 Cenário A1.1... 6 Cenário A1.2... 16 Cenário A1.3... 17 Cenário A1.4... 26

Leia mais

Kit de Apoio à Gestão Pública 1

Kit de Apoio à Gestão Pública 1 Kit de Apoio à Gestão Pública 1 Índice CADERNO 3: Kit de Apoio à Gestão Pública 3.1. Orientações para a reunião de Apoio à Gestão Pública... 03 3.1.1. O tema do Ciclo 4... 03 3.1.2. Objetivo, ações básicas

Leia mais

MANUAL DE NAVEGAÇÃO UNICURITIBA VIRTUAL

MANUAL DE NAVEGAÇÃO UNICURITIBA VIRTUAL MANUAL DE NAVEGAÇÃO UNICURITIBA VIRTUAL ACESSANDO O UNICURITIBA VIRTUAL Acesse o site do UNICURITIBA: http://unicuritiba.edu.br Clique no link Portal do Aluno, que fica no canto superior direito. Dentro

Leia mais

Gestão de Riscos e PRE Banco Mercedes-Benz do Brasil S.A. Base: Set/2011 a Dez/2012

Gestão de Riscos e PRE Banco Mercedes-Benz do Brasil S.A. Base: Set/2011 a Dez/2012 Gestão de Riscos e PRE Banco Mercedes-Benz do Brasil S.A. Base: Set/2011 a Dez/2012 Índice Introdução e Perfil 3 Crédito Política de Risco de Crédito 4 Exposição, exposição média e maiores clientes 6 Distribuição

Leia mais

MANUAL FATURAMENTO SERVIÇOS MÉDICOS/CONTAS MÉDICAS

MANUAL FATURAMENTO SERVIÇOS MÉDICOS/CONTAS MÉDICAS MANUAL FATURAMENTO SERVIÇOS MÉDICOS/CONTAS MÉDICAS ÍNDICE 1. INTRODUÇÃO...3 2. INFORMAÇÕES REGULAMENTARES:...3 3. ACESSO AO SISTEMA...3 4. INCLUSÃO DE USUÁRIOS...4 5. FATURAMENTO ELETRÔNICO...5 6. GUIA

Leia mais