UNIVERSIDADE ESTADUAL DE CAMPINAS FACULDADE DE ENGENHARIA ELÉTRICA E DE COMPUTAÇÃO

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "UNIVERSIDADE ESTADUAL DE CAMPINAS FACULDADE DE ENGENHARIA ELÉTRICA E DE COMPUTAÇÃO"

Transcrição

1 UNIVERSIDADE ESTADUAL DE CAMPINAS FACULDADE DE ENGENHARIA ELÉTRICA E DE COMPUTAÇÃO Investigação de Estratégias de Mitigação de Riscos para a Segurança do Paciente Associados aos Sistemas de Registro Eletrônico de Saúde Orientador: Prof. Dr. Ivan Luiz Marques Ricarte Candidato: Luiz Ap. Virginio Jr Campinas 2014

2 RESUMO A adoção de Sistemas de Registro Eletrônico de Saúde (S-RES) tem trazido impactos para setor de saúde. Um dos principais objetivos do S-RES é dar suporte à continuidade, eficiência e qualidade na assistência à saúde, além de possibilitar redução de erros médicos e aumento da segurança do paciente. Apesar desses benefícios, a literatura também apresenta evidências de que o uso de S-RES também pode trazer riscos à segurança do paciente. Entretanto, existe uma lacuna significativa na existência de iniciativas que tratem dos aspectos de segurança do paciente associados ao uso de S-RES. Neste contexto, o objetivo deste projeto é investigar soluções e estratégias de mitigação de riscos para a segurança do paciente associados aos S-RES. Para tanto, as seguintes etapas de desenvolvimento deste projeto podem ser identificadas: definição do ciclo de vida do S-RES, identificação dos atores envolvidos em cada fase do ciclo de vida, identificação dos riscos para a segurança do paciente associados aos S-RES, investigação de estratégias de mitigação dos riscos e avaliação da cobertura do processo de certificação de S-RES da Sociedade Brasileira de Informática em Saúde e Conselho Federal de Medicina na mitigação dos riscos. A coleta de dados será feita por meio de revisões de literatura e a análise dos dados será dada por meio de análise temática. Este projeto visa contribuir para a identificação do papel de cada um dos atores envolvidos no ciclo de vida do S-RES na mitigação dos riscos para segurança do paciente associados ao uso de S-RES.

3 SUMÁRIO 1 INTRODUÇÃO OBJETIVO Objetivo Geral Objetivos Específicos MATERIAL E MÉTODOS Definição do Ciclo de Vida do S-RES Identificação dos Atores Envolvidos Identificação e Organização dos Riscos Identificação de Estratégias para Mitigação dos Riscos Avaliação do Processo de Certificação SBIS/CFM FORMA DE ANÁLISE DOS RESULTADOS CRONOGRAMA CONSIDERAÇÕES FINAIS REFERÊNCIAS... 14

4 1 INTRODUÇÃO O progresso da tecnologia da informação tem trazido impactos para o setor de saúde. Tais impactos estão relacionados principalmente à adoção dos chamados Sistemas de Registro Eletrônico de Saúde (S-RES) (CHAUDHRY et al., 2006). A International Organization for Standardization (ISO) (2011) define S-RES como qualquer sistema de informação capaz de armazenar, recuperar e manipular informações relacionadas à saúde de indivíduos e processáveis eletronicamente. Um dos principais objetivos do S-RES é dar suporte à continuidade, eficiência e qualidade na assistência à saúde (HÄYRINEN; SARANTO; NYKÄNEN, 2008). Tais sistemas podem oferecer benefícios como facilidade de acesso aos dados dos pacientes, suporte à pesquisa (HOFFMAN; PODGURSKI, 2008) e maior completude e abrangência da documentação (HÄYRINEN; SARANTO; NYKÄNEN, 2008). Adicionalmente, estes sistemas têm mostrado capacidade de reduzir erros médicos e aumentar a segurança do paciente, por meio principalmente de mecanismos de suporte à tomada de decisão (CHAUDHRY et al., 2006). Apesar desses benefícios, a literatura também apresenta evidências de que o uso de S-RES também pode trazer riscos à segurança do paciente (KOPPEL et al., 2005; SITTIG; SINGH, 2011). Risco é qualquer possibilidade de perigo previsível que possa representar uma ameaça de dano à uma pessoa ou coisa (POLITO, 2004). Já a segurança do paciente é definida como uma disciplina que utiliza métodos que visam obter um sistema confiável de assistência à saúde. É ainda um atributo do sistema de atenção à saúde que minimiza a incidência e o impacto de eventos adversos (quaisquer danos ao paciente causados pela assistência médica) (EMANUEL; BERWICK; CONWAY, 2008). 3

5 A título de exemplo, alguns casos reais em que falhas no S-RES colocaram em risco a segurança do paciente podem ser citados (JOHNSON, 2009; MYERS; JONES; SITTIG, 2011; WEBER-JAHNKE; MASON-BLAKLEY, 2011). Um estudo de Johnson (2009) mostrou que, em agosto de 2007, um erro de manutenção na configuração de rede no Veterans Health Administration (VHA), um dos maiores provedores de saúde dos Estados Unidos, tornou seu S-RES inacessível durante um período de mais de nove horas. Como consequência, muitas consultas foram conduzidas sem acesso à nenhuma documentação e cirurgias precisaram ser adiadas, pois os médicos estavam incertos sobre como proceder sem a documentação apropriada. Myers, Jones e Sittig (2011) realizaram uma avaliação do banco de dados de eventos adversos da Food and Drug Administration (FDA), nos Estados Unidos, e identificaram casos de eventos adversos em instituições de saúde americanas decorrentes de falhas em seu S-RES, como perda ou corrompimento de dados, dados apresentados para o paciente incorreto e indisponibilidade de acesso ao S-RES. Entre os eventos adversos notificados encontram-se atrasos no diagnóstico ou tratamento, administração incorreta de medicação e morte. Apesar do número crescente dessas evidências, existe uma lacuna significativa na existência de iniciativas que tratem dos aspectos de segurança do paciente associados ao uso de S-RES (MAGRABI et al., 2013). Neste contexto, torna-se necessária a identificação dos riscos relacionados a esses aspectos, bem como a investigação de como eles surgem ao longo do ciclo de vida do S-RES, quais os principais atores deste processo e como eles interagem entre si. Adicionalmente, a identificação de medidas preventivas contra eventos adversos decorrentes desses riscos exige investigações específicas para cada um dos riscos a fim de identificar estratégias para mitigação dos mesmos (BOWMAN, 2013). A mitigação, por sua vez, 4

6 é definida pelo Project Management Institute (PMI) (2008) como uma estratégia realizada para reduzir, a um nível aceitável, a probabilidade de ocorrência e/ou o impacto de um evento indesejado decorrente do risco. 5

7 2 OBJETIVO 2.1 Objetivo Geral O objetivo deste projeto é investigar soluções e estratégias de mitigação de riscos para a segurança do paciente associados aos Sistemas de Registro Eletrônico de Saúde. 2.2 Objetivos Específicos Este projeto possui os seguintes objetivos específicos: a) apresentar os principais riscos para a segurança do paciente associados ao S-RES; b) contribuir para a identificação do papel de cada um dos atores envolvidos no ciclo de vida do S-RES na mitigação desses riscos; c) possibilitar que a adoção das estratégias de mitigação de riscos a serem propostas possam contribuir para a melhoria da segurança do paciente associada ao uso de S-RES; e d) verificar se o processo de certificação de S-RES da Sociedade Brasileira de Informática em Saúde (SBIS) e Conselho Federal de Medicina (CFM) é suficiente para garantir a mitigação desses riscos. 6

8 3 MATERIAL E MÉTODOS Esta pesquisa possui um caráter qualitativo e a coleta de dados será documental, realizada por meio de revisões de literatura. O desenvolvimento deste projeto se caracterizará pelas seguintes etapas: definição do ciclo de vida do S-RES, identificação dos atores envolvidos em cada fase do ciclo de vida, identificação dos riscos para a segurança do paciente associados aos S-RES, investigação de estratégias de mitigação dos riscos e avaliação da cobertura da certificação de S-RES SBIS/CFM na mitigação dos riscos. 3.1 Definição do Ciclo de Vida do S-RES A primeira etapa do projeto corresponderá à definição do ciclo de vida do S- RES, realizada por meio de uma revisão de literatura. O ciclo de vida do S-RES poderá ser baseado em ciclos de vida já bem estabelecidos de outros produtos, tal como equipamentos médicos. Esta etapa resultará no estabelecimento de todas as fases do ciclo de vida do S-RES, desde o seu desenvolvimento até sua adoção, manutenção e possível descarte por instituições de saúde. 3.2 Identificação dos Atores Envolvidos Esta etapa do projeto será desenvolvida por meio de revisão de literatura e visa à identificação de instituições, órgãos e profissionais envolvidos em cada uma das fases do ciclo de vida do S-RES definido na etapa anterior. Esta etapa resultará na definição de um sistema sociotécnico, em que seus componentes corresponderão a atores inter-relacionados que interagem entre si. 7

9 Os atores desse sistema, por sua vez, corresponderão a quaisquer tecnologias, órgãos, instituições e profissionais envolvidos no ciclo de vida do S-RES. O principal objetivo do estabelecimento de um sistema sociotécnico é possibilitar a análise de como os riscos emergem ao longo da interação entre o S-RES e os atores envolvidos em seu ciclo de vida (SITTIG; SINGH, 2010). 3.3 Identificação e Organização dos Riscos Este processo corresponderá à uma revisão de literatura para identificar os riscos para a segurança do paciente relacionados aos S-RES. A revisão de literatura será conduzida de forma a verificar quais são os riscos para cada uma das fases do ciclo de vida do S-RES. Posteriormente, serão identificados os atores do sistema sociotécnico que interagem para o surgimento de cada um desses riscos. 3.4 Identificação de Estratégias para Mitigação dos Riscos Esta etapa do projeto corresponderá à identificação de soluções e estratégias, por meio de revisões de literatura, para a mitigação dos riscos identificados na etapa anterior. Tais soluções e estratégias resultarão em recomendações elaboradas para cada um dos atores envolvidos no surgimento dos riscos, apresentando qual o papel de cada ator na mitigação desses riscos. As recomendações serão baseadas em normas, padrões e regulamentações nacionais e internacionais, bem como em técnicas de engenharia de fatores humanos e gestão de riscos. Segundo definição da ISO (2004), engenharia de fatores humanos, ou ergonomia, é uma disciplina que estuda as interações entre humanos e outros elementos de um sistema. Esta disciplina propõe projetar sistemas que visam garantir o bem estar humano e o desempenho do sistema como um todo. A gestão de risco, 8

10 por sua vez, é uma área de conhecimento que visa à identificação, análise e controle de riscos (PMI, 2004). 3.5 Avaliação do Processo de Certificação SBIS/CFM Após o estabelecimento de estratégias de mitigação dos riscos, será realizada uma avaliação da cobertura do Processo de Certificação de S-RES SBIS/CFM na mitigação dos riscos identificados nas etapas anteriores. O Processo de Certificação de S-RES SBIS/CFM é uma iniciativa do CFM e da SBIS que consiste na auditoria do S-RES a ser certificado, de forma a verificar se o mesmo está em conformidade a uma série de requisitos que especificam funcionalidades e recursos considerados fundamentais em um S-RES. Tais requisitos são baseados em conceitos, normas e padrões nacionais e internacionais de informática em saúde (CFM; SBIS, 2014). Dessa forma, esta etapa do projeto pretenderá analisar se os requisitos constantes no Processo de Certificação de S-RES SBIS/CFM são suficientes para mitigar os riscos para a segurança do paciente a serem identificados neste estudo. Este procedimento será realizado por meio de uma associação entre os riscos identificados e os requisitos do processo de certificação, verificando quais requisitos possuem exigências que correspondem à soluções e estratégias de mitigação do risco identificadas na etapa anterior do projeto. Vale ressaltar que o processo de certificação avalia apenas as questões tecnológicas do S-RES, sem levar em consideração aspectos relacionados ao processo de implantação ou uso do mesmo. Portanto, para a avaliação do processo de certificação a ser realizada neste projeto, serão selecionados apenas os riscos relacionados especificamente às características tecnológicas do S-RES. 9

11 4 FORMA DE ANÁLISE DOS RESULTADOS O resultado deste projeto compreenderá um conjunto de soluções e estratégias para mitigação de riscos para a segurança do paciente associados aos S-RES. Essas soluções serão organizadas de acordo com cada um dos envolvidos no ciclo de vida do S-RES. Dessa forma, esses envolvidos poderão reconhecer qual o seu papel e sua contribuição no processo de mitigação de riscos relacionados aos S-RES que poderiam acarretar em eventos adversos a pacientes. Os resultados obtidos nas etapas de identificação de riscos e de estratégias para mitigação dos mesmos serão analisados por meio de análise temática. Segundo Boyatzis (1998), a análise temática é um processo para codificação de informações qualitativas. Essa codificação resulta em uma lista de temas que correspondem a padrões encontrados nas informações coletadas. Um tema descreve e organiza as possíveis observações ou interpretam aspectos do fenômeno estudado (BOYATZIS, 1998). 10

12 5 CRONOGRAMA Como esta pesquisa está inserida em um projeto de mestrado, além das etapas de desenvolvimento do projeto citadas anteriormente, ainda haverá atividades relacionadas à realização de disciplinas relevantes para o desenvolvimento do projeto; realização do exame de qualificação; escrita dos relatórios e artigos científicos, redação e defesa da dissertação e apresentação do trabalho em eventos. Até o presente momento, algumas atividades de apoio ao projeto já foram realizadas. Foram cursadas duas disciplinas do programa de pós-graduação em Engenharia Elétrica pela Universidade Estadual de Campinas (UNICAMP): IA364 - Tópicos em Engenharia de Computação I (Métodos de Pesquisa Para Engenharia de Computação) e IA747 - Introdução à Engenharia Hospitalar. As disciplinas possuem 2 e 4 créditos, respectivamente, e foram fundamentais para a concepção deste projeto. Com a disciplina IA364 foi possível adquirir conhecimentos em métodos de desenvolvimento de pesquisas científicas, bem como métodos de revisões de literatura. Esta disciplina ainda apoiou a realização de uma revisão de literatura a fim de verificar o estado da arte do tema segurança do paciente associada aos S-RES. Já a disciplina IA747 foi importante para o aprendizado de técnicas de engenharia de fatores humanos e gestão de riscos aplicadas à assistência à saúde. O período de desenvolvimento do projeto está previsto para 19 meses e seu cronograma de execução é apresentado no Quadro 1. 11

13 Atividades Disciplinas Definição do Ciclo de Vida do S- RES Identificação dos Atores Envolvidos no Ciclo de Vida do S-RES Identificação e Organização dos Riscos Exame de Qualificação Identificação de Estratégias para Mitigação dos Riscos Avaliação do Processo de Certificação de S-RES SBIS/CFM Escrita dos Relatórios Redação da Dissertação de Mestrado Escrita de Artigos Científicos e Apresentação de Trabalhos em Eventos Defesa da Dissertação 12

14 7 CONSIDERAÇÕES FINAIS Ao distribuir os riscos para a segurança do paciente associados ao S-RES ao longo do ciclo de vida do mesmo, este projeto permitirá abordar um conjunto abrangente de riscos, destacando os riscos existentes em cada uma das fases deste ciclo. Adicionalmente, a definição de um sistema sociotécnico permitirá identificar quais os atores envolvidos em cada fase do ciclo de vida de um S-RES. As estratégias de mitigação de riscos a serem propostas serão então orientadas a esses atores. Desta forma, este projeto contribuirá para que cada ator que interage direta ou indiretamente com o S-RES, tais como desenvolvedores, órgão reguladores, instituições de saúde e usuários, possa verificar seu papel na mitigação destes riscos. O projeto ainda propõe verificar se a certificação de S-RES no Brasil, realizada pela parceria entre o CFM e a SBIS, é suficiente para mitigar os riscos relacionados especificamente ao S-RES. Caso sejam encontrados riscos não abordados no processo de certificação, o projeto poderá contribuir para a evolução deste processo ao apontar suas possíveis falhas em relação à mitigação de riscos para a segurança do paciente. O projeto visa ainda contribuir para que a adoção das estratégias de mitigação de riscos possa melhorar a qualidade da assistência à saúde ao permitir o desenvolvimento de um ambiente que tenha como principal objetivo a segurança do paciente. 13

15 REFERÊNCIAS BOWMAN, S. Impact of electronic health record systems on information integrity: quality and safety implications. Perspectives in health information management / AHIMA, American Health Information Management Association, v. 10, p. 1c, jan BOYATZIS, R. E. Transforming qualitative information: Thematic analysis and code development. [s.l.] Sage, CONSELHO FEDERAL DE MEDICINA. SOCIEDADE BRASILEIRA DE INFORMÁTICA EM SAÚDE. Manual de Certificação para Sistemas de Registro Eletrônico em Saúde (S-RES). Brasil, CHAUDHRY, B. Systematic Review: Impact of Health Information Technology on Quality, Efficiency, and Costs of Medical Care. Annals of Internal Medicine, v. 144, n. 10, p. 742, 16 maio EMANUEL, L.; BERWICK, D.; CONWAY, J. What exactly is patient safety. Advances in patient safety: new directions and alternative approaches, v. 1, p. 1 17, HÄYRINEN, K.; SARANTO, K.; NYKÄNEN, P. Definition, structure, content, use and impacts of electronic health records: a review of the research literature. International journal of medical informatics, v. 77, n. 5, p , maio HOFFMAN, S.; PODGURSKI, A. Finding a cure: the case for regulation and oversight of electronic health record systems. v. 22, n. 1, INTERNATIONAL ORGANIZATION FOR STANDARDIZATION. ISO 6385:2004: Ergonomic principles in the design of work systems. Geneva, INTERNATIONAL ORGANIZATION FOR STANDARDIZATION. ISO :2011: Health informatics: Requirements for an electronic health record architecture. Geneva, JOHNSON, C. W. Politics and patient safety don t mix: understanding the failure of large-scale software procurement in healthcare. IET Conference Proceedings, p (1),

16 KOPPEL, R. et al. Role of computerized physician order entry systems in facilitating medication errors. JAMA : the journal of the American Medical Association, v. 293, n. 10, p , 9 mar MAGRABI, F. et al. A comparative review of patient safety initiatives for national health information technology. International journal of medical informatics, v. 82, n. 5, p. e139 48, maio MYERS, R. B.; JONES, S. L.; SITTIG, D. F. Review of Reported Clinical Information System Adverse Events in US Food and Drug Administration Databases. Applied clinical informatics, v. 2, n. 1, p , jan POLITO, André Guilherme. MICHAELIS MODERNO DICIONARIO DA LINGUA PORTUGUESA. 1. ed. São Paulo: Melhoramentos, PROJECT MANAGEMENT INSTITUTE. Um guia do Conhecimento em Gerenciamento de Projetos (Guia PMBoK ) Quarta Edição. Pensilvânia, SITTIG, D. F.; SINGH, H. A new sociotechnical model for studying health information technology in complex adaptive healthcare systems. Quality & safety in health care, v. 19 Suppl 3, n. Suppl 3, p. i68 74, out SITTIG, D.; SINGH, H. Defining health information technology related errors: New developments since To Err Is Human. Archives of internal medicine, v. 171, n. 14, p , 25 jul WEBER-JAHNKE, J. H.; MASON-BLAKLEY, F. The safety of Electronic Medical Record (EMR) systems: What does EMR Safety mean and how can we engineer safer systems? ACM SIGHIT Record, v. 1, n. 2, p , 1 set

IA364M - MÉTODOS DE PESQUISA FACULDADE DE ENGENHARIA ELÉTRICA E DE COMPUTAÇÃO UNIVERSIDADE ESTADUAL DE CAMPINAS

IA364M - MÉTODOS DE PESQUISA FACULDADE DE ENGENHARIA ELÉTRICA E DE COMPUTAÇÃO UNIVERSIDADE ESTADUAL DE CAMPINAS IA364M - MÉTODOS DE PESQUISA FACULDADE DE ENGENHARIA ELÉTRICA E DE COMPUTAÇÃO UNIVERSIDADE ESTADUAL DE CAMPINAS ATIVIDADE 7 ATUALIZAÇÃO REVISÃO BIBLIOGRÁFICA Luiz Ap. Virginio Junior Prof. Dr. Ivan Luiz

Leia mais

A organização flexível do prontuário eletrônico do paciente. Candidata: Roberta Mayumi Matsunaga Orientador: Ivan Luiz Marques Ricarte

A organização flexível do prontuário eletrônico do paciente. Candidata: Roberta Mayumi Matsunaga Orientador: Ivan Luiz Marques Ricarte A organização flexível do prontuário eletrônico do paciente Candidata: Roberta Mayumi Matsunaga Orientador: Ivan Luiz Marques Ricarte Resumo O prontuário eletrônico do paciente é um software que reuni

Leia mais

Análise do Padrão de Troca de Informações em Saúde Suplementar em um Sistema de Registro Eletrônico em Saúde

Análise do Padrão de Troca de Informações em Saúde Suplementar em um Sistema de Registro Eletrônico em Saúde Análise do Padrão de Troca de Informações em Saúde Suplementar em um Sistema de Registro Eletrônico em Saúde Douglas Mendes Geremias 1, Priscyla Waleska Targino de Azevedo Simões 1,2, Paulo João Martins

Leia mais

Introdução à Qualidade de Software. Profº Aldo Rocha

Introdução à Qualidade de Software. Profº Aldo Rocha Introdução à Qualidade de Software Profº Aldo Rocha Agenda O que é Qualidade? O que é Qualidade de Software? Qualidade do Produto e do Processo Normas e Organismos Normativos Qualidade de Software e Processos

Leia mais

ISO/IEC 17799. Informação

ISO/IEC 17799. Informação ISO/IEC 17799 Norma de Segurança da Norma de Segurança da Informação Segurança da Informação Segundo a norma ISO/IEC 17799, é a proteção contra um grande número de ameaças às informações, de forma a assegurar

Leia mais

Segurança da Informação nos Registros Eletrônicos em Saúde

Segurança da Informação nos Registros Eletrônicos em Saúde III Workshop de Informática e Tecnologia em Saúde da SESAB Segurança da Informação nos Registros Eletrônicos em Saúde Marcelo Lúcio da Silva Diretor Executivo e de Certificação da SBIS Salvador-BA, 05

Leia mais

Núcleo de Pós Graduação Pitágoras

Núcleo de Pós Graduação Pitágoras Núcleo de Pós Graduação Pitágoras MBA Gestão em TI Disciplina: Administração de Suporte e Automação Gerenciamento de Suporte Professor: Fernando Zaidan Ago-2009 1 2 Contexto Área de TI lugar estratégico

Leia mais

Políticas de Segurança da Informação. Aécio Costa

Políticas de Segurança da Informação. Aécio Costa Aécio Costa A segurança da informação é obtida a partir da implementação de um conjunto de controles adequados, incluindo políticas, processos, procedimentos, estruturas organizacionais e funções de software

Leia mais

4. PMBOK - Project Management Body Of Knowledge

4. PMBOK - Project Management Body Of Knowledge 58 4. PMBOK - Project Management Body Of Knowledge No Brasil, as metodologias mais difundidas são, além do QL, o método Zopp, o Marco Lógico do Banco Interamericano de Desenvolvimento (BID) e o Mapp da

Leia mais

EXPERIÊNCIA DE USO DE ARQUITETURA CORPORATIVA NO PROJETO DE RES

EXPERIÊNCIA DE USO DE ARQUITETURA CORPORATIVA NO PROJETO DE RES EXPERIÊNCIA DE USO DE ARQUITETURA CORPORATIVA NO PROJETO DE RES Rigoleta Dutra Mediano Dias 1, Lívia Aparecida de Oliveira Souza 2 1, 2 CASNAV, MARINHA DO BRASIL, MINISTÉRIO DA DEFESA, BRASIL Resumo: Este

Leia mais

Prof. Walter Cunha. Segurança da Informação. Não-Escopo. Escopo. Prof. Walter Cunha Rede LFG

Prof. Walter Cunha. Segurança da Informação. Não-Escopo. Escopo. Prof. Walter Cunha Rede LFG Segurança da Informação Prof. Walter Cunha Rede LFG Prof. Walter Cunha Contatos: E-mail: falecomigo@waltercunha.com timasters@yahoogoups.com Atividades: http://www.waltercunha.com/blog/ http://twitter.com/timasters/

Leia mais

efagundes com GOVERNANÇA DE TIC Eduardo Mayer Fagundes Aula 3/4

efagundes com GOVERNANÇA DE TIC Eduardo Mayer Fagundes Aula 3/4 GOVERNANÇA DE TIC Eduardo Mayer Fagundes Aula 3/4 1 CobIT Modelo abrangente aplicável para a auditoria e controle de processo de TI, desde o planejamento da tecnologia até a monitoração e auditoria de

Leia mais

GUIA DO PROTOCOLO SALDANHA PARA AUDITORIA DO PROGRAMA DE CONSERVAÇÃO AUDITIVA

GUIA DO PROTOCOLO SALDANHA PARA AUDITORIA DO PROGRAMA DE CONSERVAÇÃO AUDITIVA GUIA DO PROTOCOLO SALDANHA PARA AUDITORIA DO PROGRAMA DE CONSERVAÇÃO AUDITIVA Odilon Machado de Saldanha Júnior Belo Horizonte 2009 2 GUIA DO PROTOCOLO SALDANHA PARA AUDITORIA DO PROGRAMA DE CONSERVAÇÃO

Leia mais

Prontuário Eletrônico do Paciente

Prontuário Eletrônico do Paciente 10º AUDHOSP - Congresso Nacional de Auditoria em Saúde e Qualidade da Gestão e da Assistência Hospitalar Marcelo Lúcio da Silva Gerente Executivo e de Certificação da SBIS Águas de Lindóia-SP, 16 de setembro

Leia mais

ANÁLISE DOS REQUISITOS NORMATIVOS PARA A GESTÃO DE MEDIÇÃO EM ORGANIZAÇÕES

ANÁLISE DOS REQUISITOS NORMATIVOS PARA A GESTÃO DE MEDIÇÃO EM ORGANIZAÇÕES V CONGRESSO BRASILEIRO DE METROLOGIA Metrologia para a competitividade em áreas estratégicas 9 a 13 de novembro de 2009. Salvador, Bahia Brasil. ANÁLISE DOS REQUISITOS NORMATIVOS PARA A GESTÃO DE MEDIÇÃO

Leia mais

Teoria e Prática. Totalmente de acordo com a 4 a Edição/2009. Rosaldo de Jesus Nocêra, PMP, PMI-SP, MCTS. do PMBOK do PMI. Acompanha o livro:

Teoria e Prática. Totalmente de acordo com a 4 a Edição/2009. Rosaldo de Jesus Nocêra, PMP, PMI-SP, MCTS. do PMBOK do PMI. Acompanha o livro: Gerenciamento de Projetos Teoria e Prática Totalmente de acordo com a 4 a Edição/2009 do PMBOK do PMI Acompanha o livro: l CD com mais de 70 formulários exemplos indicados pelo PMI e outros desenvolvidos

Leia mais

Código de prática para a gestão da segurança da informação

Código de prática para a gestão da segurança da informação Código de prática para a gestão da segurança da informação Edição e Produção: Fabiano Rabaneda Advogado, professor da Universidade Federal do Mato Grosso. Especializando em Direito Eletrônico e Tecnologia

Leia mais

Tecnologias. Universidade do Extremo Sul Catarinense (UNESC) Criciúma SC Brasil

Tecnologias. Universidade do Extremo Sul Catarinense (UNESC) Criciúma SC Brasil Gestão de uma Farmácia Solidária a partir de um Aplicativo Pautado em Normas, Padrões e Requisitos preconizados pela Sociedade Brasileira de Informática em Saúde Osmani José Sadzinski 1, Fabio Duarte 1,4,

Leia mais

Prontuário Eletrônico em MT - estado atual relacionado às exigências do CFM. Cláudio de Souza Corregedor do CRMMG

Prontuário Eletrônico em MT - estado atual relacionado às exigências do CFM. Cláudio de Souza Corregedor do CRMMG Prontuário Eletrônico em MT - estado atual relacionado às exigências do CFM Cláudio de Souza Corregedor do CRMMG Prontuário médico É um documento único constituído de um conjunto de informações, sinais

Leia mais

Helaine Carneiro Capucho, DSc. Rio de Janeiro, 16 de abril de 2013.

Helaine Carneiro Capucho, DSc. Rio de Janeiro, 16 de abril de 2013. Estratégias para a segurança do paciente na terapia medicamentosa Helaine Carneiro Capucho, DSc. Rio de Janeiro, 16 de abril de 2013. Total de Vidas perdidas por ano Serviços de Saúde são seguros?

Leia mais

Gestão Eletrônica de Documentos na Auditoria

Gestão Eletrônica de Documentos na Auditoria 6º Congresso Nacional Unimed de Auditoria em Saúde Marcelo Lúcio da Silva Gerente Executivo e de Certificação da SBIS Búzios-RJ, 17 de junho de 2011 Duke em 1935 2 Slide do Dr. Ed Hammond Duke em 2011

Leia mais

Aula 01 Introdução à Gestão da Segurança da Informação. Prof. Leonardo Lemes Fagundes

Aula 01 Introdução à Gestão da Segurança da Informação. Prof. Leonardo Lemes Fagundes Aula 01 Introdução à Gestão da Segurança da Informação Prof. Leonardo Lemes Fagundes Você vê algumas informações e a maneira como as coisas são formuladas, e então começa a ter alguma compreensão da empresa

Leia mais

Governança. Sistemas de Informação 8º Período Prof: Mafran Oliveira

Governança. Sistemas de Informação 8º Período Prof: Mafran Oliveira Governança Sistemas de Informação 8º Período Prof: Mafran Oliveira 1 Definição de Governança Governança Corporativa: É a Estrutura que identifica os objetivos de uma organização e de que forma pode-se

Leia mais

Desenvolvimento de um software de gerenciamento de projetos para utilização na Web

Desenvolvimento de um software de gerenciamento de projetos para utilização na Web Resumo. Desenvolvimento de um software de gerenciamento de projetos para utilização na Web Autor: Danilo Humberto Dias Santos Orientador: Walteno Martins Parreira Júnior Bacharelado em Engenharia da Computação

Leia mais

Margarida Eiras. margarida.eiras@ensp.unl.pt

Margarida Eiras. margarida.eiras@ensp.unl.pt Qualidade, Gestão do Risco e Segurança do Doente na Prestação de Cuidados de Saúde Margarida Eiras margarida.eiras@ensp.unl.pt Beja, 25 de Março 2009 Índice Conceitos de Qualidade em Saúde da Qualidade

Leia mais

ATIVIDADES TÍPICAS DOS CARGOS DE NÍVEL SUPERIOR

ATIVIDADES TÍPICAS DOS CARGOS DE NÍVEL SUPERIOR ATIVIDADES TÍPICAS DOS CARGOS DE NÍVEL SUPERIOR DENOMINAÇÃO DO CARGO: ANALISTA DE TECNOLOGIA DA INFORMAÇÃO Desenvolver e implantar sistemas informatizados, dimensionando requisitos e funcionalidades do

Leia mais

Gerenciamento de Riscos em Segurança da informação. cynaracarvalho@yahoo.com.br

Gerenciamento de Riscos em Segurança da informação. cynaracarvalho@yahoo.com.br $XWDUTXLD(GXFDFLRQDOGR9DOHGR6mR)UDQFLVFR± $(96) )DFXOGDGHGH&LrQFLDV6RFLDLVH$SOLFDGDVGH3HWUROLQD± )$&$3( &XUVRGH&LrQFLDVGD&RPSXWDomR Gerenciamento de Riscos em Segurança da informação cynaracarvalho@yahoo.com.br

Leia mais

definido por um documento de padronização. A Fig. 1 representa a organização dos Grupos de Processos juntamente com os documentos exigidos.

definido por um documento de padronização. A Fig. 1 representa a organização dos Grupos de Processos juntamente com os documentos exigidos. A GESTÃO DE PROJETOS EXISTENTE NA NORMA DO-178B Matheus da Silva Souza, matheusdasilvasouza@gmail.com Prof. Dr. Luiz Alberto Vieira Dias, vdias@ita.br Instituto Tecnológico de Aeronáutica Praça Marechal

Leia mais

Projeto 2.47 QUALIDADE DE SOFTWARE WEB

Projeto 2.47 QUALIDADE DE SOFTWARE WEB OBJETIVO GERAL Projeto 2.47 QUALIDADE DE SOFTWARE WEB Marisol de Andrade Maués Como objetivo geral, buscou-se avaliar a qualidade de produtos Web, tendo como base o processo de avaliação de qualidade descrito

Leia mais

GARANTIA DA QUALIDADE DE SOFTWARE

GARANTIA DA QUALIDADE DE SOFTWARE GARANTIA DA QUALIDADE DE SOFTWARE Fonte: http://www.testexpert.com.br/?q=node/669 1 GARANTIA DA QUALIDADE DE SOFTWARE Segundo a NBR ISO 9000:2005, qualidade é o grau no qual um conjunto de características

Leia mais

CES-32 e CE-230 Qualidade, Confiabilidade e Segurança de Software. Conceitos de Qualidade. CURSO DE GRADUAÇÃO e DE PÓS-GRADUAÇÃO DO ITA

CES-32 e CE-230 Qualidade, Confiabilidade e Segurança de Software. Conceitos de Qualidade. CURSO DE GRADUAÇÃO e DE PÓS-GRADUAÇÃO DO ITA CURSO DE GRADUAÇÃO e DE PÓS-GRADUAÇÃO DO ITA 2º SEMESTRE 2002 CES-32 e CE-230 Qualidade, Confiabilidade e Segurança de Software Prof. Dr. Adilson Marques da Cunha Conceitos de Qualidade CES-32 / CE-230

Leia mais

Auditoria em Segurança da Informação. Ingresso Janeiro 2015. Informações: (51) 3218-1400 - www.espm.br/cursosdeferias

Auditoria em Segurança da Informação. Ingresso Janeiro 2015. Informações: (51) 3218-1400 - www.espm.br/cursosdeferias Auditoria em Segurança da Informação Ingresso Janeiro 2015 Informações: (51) 3218-1400 - www.espm.br/cursosdeferias AUDITORIA EM SEGURANÇA DA INFORMAÇÃO Na era do conhecimento a informação é um recurso

Leia mais

Uso dos Resultados de um Estudo Baseado em Revisão Sistemática para Elaborar uma Proposta Inicial de Pesquisa

Uso dos Resultados de um Estudo Baseado em Revisão Sistemática para Elaborar uma Proposta Inicial de Pesquisa VII Experimental Software Engineering Latin American Workshop (ESELAW 2010) Uso dos Resultados de um Estudo Baseado em Revisão Sistemática para Elaborar uma Proposta Inicial de Pesquisa Natália Chaves

Leia mais

A Maturidade Organizacional em Gerenciamento de Projetos (OPM3 ) de Informática em Saúde

A Maturidade Organizacional em Gerenciamento de Projetos (OPM3 ) de Informática em Saúde A Maturidade Organizacional em Gerenciamento de Projetos (OPM3 ) de Informática em Saúde Luis Augusto dos Santos 1, Heimar de Fátima Marin 2 1 Engenheiro Eletricista, membro do NIEn e pós-graduando pela

Leia mais

Administração Central Unidade de Ensino Médio e Técnico - CETEC. Plano de Trabalho Docente 2014. Qualificação: Técnico em informática

Administração Central Unidade de Ensino Médio e Técnico - CETEC. Plano de Trabalho Docente 2014. Qualificação: Técnico em informática Plano de Trabalho Docente 2014 Ensino Técnico ETEC RODRIGUES DE ABREU Código: 135 Município: Bauru Eixo Tecnológico: Informação e Comunicação Habilitação Profissional: Técnico em Informática Qualificação:

Leia mais

IECEx DOCUMENTO OPERACIONAL

IECEx DOCUMENTO OPERACIONAL IECEx OD 314-2 Edição 1.0 2013-07 IECEx DOCUMENTO OPERACIONAL Sistema de Certificação da IEC em relação às normas sobre atmosferas explosivas (Sistema IECEx) IEC System for Certification to Standards relating

Leia mais

O Sistema de Registro (Prontuário) Eletrônico em Saúde da AMESP SAÚDE

O Sistema de Registro (Prontuário) Eletrônico em Saúde da AMESP SAÚDE O Sistema de Registro (Prontuário) Eletrônico em Saúde da AMESP SAÚDE Lucia Beatriz de Arêa Leão Alves 1, Pedro Emerson Moreira 1, André Monteiro de Mello 2, James N. Alcantarilla 2, Ernesto Guiães Notargiacomo

Leia mais

Grupo de Trabalho WG3 Privacidade, Segurança e Qualidade

Grupo de Trabalho WG3 Privacidade, Segurança e Qualidade Encontro Sistemas de Informação para a Saúde: Normas e Recomendações Europeias Grupo de Trabalho WG3 Privacidade, Segurança e Qualidade Caparica, 3 de Dezembro de 2015 Comissão Técnica CT199 - Sistemas

Leia mais

CHECK - LIST - ISO 9001:2000

CHECK - LIST - ISO 9001:2000 REQUISITOS ISO 9001: 2000 SIM NÃO 1.2 APLICAÇÃO A organização identificou as exclusões de itens da norma no seu manual da qualidade? As exclusões são relacionadas somente aos requisitos da sessão 7 da

Leia mais

Módulo 3 Procedimento e processo de gerenciamento de riscos, PDCA e MASP

Módulo 3 Procedimento e processo de gerenciamento de riscos, PDCA e MASP Módulo 3 Procedimento e processo de gerenciamento de riscos, PDCA e MASP 6. Procedimento de gerenciamento de risco O fabricante ou prestador de serviço deve estabelecer e manter um processo para identificar

Leia mais

Pós-Graduação em Gerenciamento de Projetos práticas do PMI

Pós-Graduação em Gerenciamento de Projetos práticas do PMI Pós-Graduação em Gerenciamento de Projetos práticas do PMI Planejamento do Gerenciamento das Comunicações (10) e das Partes Interessadas (13) PLANEJAMENTO 2 PLANEJAMENTO Sem 1 Sem 2 Sem 3 Sem 4 Sem 5 ABRIL

Leia mais

Governança de TI Prof. Carlos Henrique Santos da Silva, MSc

Governança de TI Prof. Carlos Henrique Santos da Silva, MSc Governança de TI Prof. Carlos Henrique Santos da Silva, MSc PMP, PMI-RMP, PMI-ACP, CSM, CSPO, ITIL & CobiT Certified Carlos Henrique Santos da Silva, MSc, PMP Especializações Certificações Mestre em Informática

Leia mais

Auditoria e Segurança da Informação GSI536. Prof. Rodrigo Sanches Miani FACOM/UFU

Auditoria e Segurança da Informação GSI536. Prof. Rodrigo Sanches Miani FACOM/UFU Auditoria e Segurança da Informação GSI536 Prof. Rodrigo Sanches Miani FACOM/UFU Políticas de Segurança Tópicos 1. Necessidade de uma Política de Segurança de Informação; 2. Definição de uma Política de

Leia mais

Gestão das Tecnologias da Informação em Saúde: Novas Tecnologias e Novos Rumos. Renato M.E. Sabbatini UNICAMP Instituto Edumed

Gestão das Tecnologias da Informação em Saúde: Novas Tecnologias e Novos Rumos. Renato M.E. Sabbatini UNICAMP Instituto Edumed Gestão das Tecnologias da Informação em Saúde: Novas Tecnologias e Novos Rumos Renato M.E. Sabbatini UNICAMP Instituto Edumed Informações em Saúde Clínicas Administrativas Operacionais Financeiras Os Focos

Leia mais

A visão do modelo MPS.BR para Gerência de Projeto - Nível G. por Adriana Silveira de Souza

A visão do modelo MPS.BR para Gerência de Projeto - Nível G. por Adriana Silveira de Souza A visão do modelo MPS.BR para Gerência de Projeto - Nível G por Adriana Silveira de Souza Agenda Visão Geral do MPS.BR Processos e Capacidade de Processo Níveis de Maturidade Atributos de Processo Processo

Leia mais

Roteiro SENAC. Análise de Riscos. Monitoramento e Controle de Riscos. Monitoramento e Controle de Riscos. Monitoramento e Controle de Riscos

Roteiro SENAC. Análise de Riscos. Monitoramento e Controle de Riscos. Monitoramento e Controle de Riscos. Monitoramento e Controle de Riscos SENAC Pós-Graduação em Segurança da Informação: Análise de Parte 8 Leandro Loss, Dr. loss@gsigma.ufsc.br http://www.gsigma.ufsc.br/~loss Roteiro Análise de Quantitativa Qualitativa Medidas de tratamento

Leia mais

Qualidade de Software

Qualidade de Software Qualidade de Software Prof. Sam da Silva Devincenzi sam.devincenzi@gmail.com ISO International Organization for Standardization Organização não governamental que elabora normas internacionais, que visam

Leia mais

Qualidade de Processo de Software Normas ISO 12207 e 15504

Qualidade de Processo de Software Normas ISO 12207 e 15504 Especialização em Gerência de Projetos de Software Qualidade de Processo de Software Normas ISO 12207 e 15504 Prof. Dr. Sandro Ronaldo Bezerra Oliveira srbo@ufpa.br Qualidade de Software 2009 Instituto

Leia mais

Certificação Digital na Saúde

Certificação Digital na Saúde Marcelo Lúcio da Silva Diretor Executivo e de Certificação da SBIS Brasília, 23 de setembro de 2015 Sobre a SBIS Sociedade científica para o desenvolvimento da Informática em Saúde no Brasil Fundada há

Leia mais

COMUNICAÇÃO, GESTÃO E PLANO DE RECUPERAÇÃO DE PROJETOS EM CRISE CONSULTORIA

COMUNICAÇÃO, GESTÃO E PLANO DE RECUPERAÇÃO DE PROJETOS EM CRISE CONSULTORIA COMUNICAÇÃO, GESTÃO E PLANO DE RECUPERAÇÃO DE PROJETOS EM CRISE CONSULTORIA SOBRE A CONSULTORIA Minimize os impactos de um projeto em crise com a expertise de quem realmente conhece o assunto. A Macrosolutions

Leia mais

livros indicados e / ou recomendados

livros indicados e / ou recomendados Material complementar. Não substitui os livros indicados e / ou recomendados Prof. Jorge Luiz - 203 Pág. SISTEMA DE GESTÃO DA QUALIDADE - SGQ Sistema de Gestão da Qualidade SGQ é a estrutura a ser criada

Leia mais

Prontuário Eletrônico do Paciente (PEP): Hospital sem papel (paperless) Cláudio Giulliano Alves da Costa Presidente da SBIS

Prontuário Eletrônico do Paciente (PEP): Hospital sem papel (paperless) Cláudio Giulliano Alves da Costa Presidente da SBIS Prontuário Eletrônico do Paciente (PEP): Hospital sem papel (paperless) Cláudio Giulliano Alves da Costa Presidente da SBIS 1 Contato Claudio Giulliano Alves da Costa, MD, MSc. claudio.giulliano@gmail.com

Leia mais

O POSICIONAMENTO DA ARQUITETURA DA INFORMAÇÃO NA GOVERNANÇA DE TI

O POSICIONAMENTO DA ARQUITETURA DA INFORMAÇÃO NA GOVERNANÇA DE TI O POSICIONAMENTO DA ARQUITETURA DA INFORMAÇÃO NA GOVERNANÇA DE TI Claudio Gottschalg Duque Professor Departamento de Ciência da Informação Universidade de Brasília (UnB) Brasil Mauricio Rocha Lyra Aluno

Leia mais

sustentável um programa de auditoria única com o foco na supervisão dos fabricantes de produtos para a saúde. Os objetivos do MDSAP são:

sustentável um programa de auditoria única com o foco na supervisão dos fabricantes de produtos para a saúde. Os objetivos do MDSAP são: Fórum Internacional de Reguladores de Produtos para a Saúde Programa de Auditoria Única em Produtos para a Saúde Programa Piloto da Coalizão Internacional Janeiro de 2014 I. Contextualização O Fórum Internacional

Leia mais

Integração de sistemas de gestão na busca de negócios sustentáveis

Integração de sistemas de gestão na busca de negócios sustentáveis Integração de sistemas de gestão na busca de negócios sustentáveis Nigel H Croft Presidente do Conselho APCER Brasil Chairman, ISO/TC 176/SC 2 Quality Systems Membro do Grupo de Coordenação Técnica de

Leia mais

Avaliação de Desempenho das Organizações de Saúde

Avaliação de Desempenho das Organizações de Saúde Avaliação de Desempenho das Organizações de Saúde Segurança do Paciente Camila Sardenberg Associação Congregação de Santa Catarina Curso pré-congresso QUALIHOSP 2015 Para o IOM, qualidade no cuidado de

Leia mais

Estratégias para avaliação da segurança da computação em nuvens

Estratégias para avaliação da segurança da computação em nuvens Academia de Tecnologia da IBM White paper de liderança de pensamento Novembro de 2010 Estratégias para avaliação da segurança da computação em nuvens 2 Proteção da nuvem: do desenvolvimento da estratégia

Leia mais

F.1 Gerenciamento da integração do projeto

F.1 Gerenciamento da integração do projeto Transcrição do Anexo F do PMBOK 4ª Edição Resumo das Áreas de Conhecimento em Gerenciamento de Projetos F.1 Gerenciamento da integração do projeto O gerenciamento da integração do projeto inclui os processos

Leia mais

Pós-Graduação em Gerenciamento de Projetos práticas do PMI

Pós-Graduação em Gerenciamento de Projetos práticas do PMI Pós-Graduação em Gerenciamento de Projetos práticas do PMI Planejamento do Gerenciamento das Comunicações (10) e das Partes Interessadas (13) PLANEJAMENTO 2 PLANEJAMENTO Sem 1 Sem 2 Sem 3 Sem 4 Sem 5 ABRIL

Leia mais

PROJETO PARA INSTALAÇÃO DE LABORATÓRIO DE DIGITALIZAÇÃO E GESTÃO DE REPOSITÓRIOS DE DOCUMENTOS ARQUIVÍSITCOS DIGITAIS AUTÊNTICOS

PROJETO PARA INSTALAÇÃO DE LABORATÓRIO DE DIGITALIZAÇÃO E GESTÃO DE REPOSITÓRIOS DE DOCUMENTOS ARQUIVÍSITCOS DIGITAIS AUTÊNTICOS ARQUIVO CENTRAL DO SISTEMA DE ARQUIVOS PROJETO PARA INSTALAÇÃO DE LABORATÓRIO DE DIGITALIZAÇÃO E GESTÃO DE REPOSITÓRIOS DE DOCUMENTOS ARQUIVÍSITCOS DIGITAIS AUTÊNTICOS 2011 PROJETO PARA INSTALAÇÃO DE LABORATÓRIO

Leia mais

Prof. Dr. Ivanir Costa. Unidade III QUALIDADE DE SOFTWARE

Prof. Dr. Ivanir Costa. Unidade III QUALIDADE DE SOFTWARE Prof. Dr. Ivanir Costa Unidade III QUALIDADE DE SOFTWARE Normas de qualidade de software - introdução Encontra-se no site da ABNT (Associação Brasileira de Normas Técnicas) as seguintes definições: Normalização

Leia mais

Certificado de Boas Práticas de Fabricação em Produtos Para Saúde

Certificado de Boas Práticas de Fabricação em Produtos Para Saúde Certificado de Boas Práticas de Fabricação em Produtos Para Saúde Práticas atuais e perspectivas futuras Novembro 2013 Estrutura do Guia Capítulos 1 e 3 O conteúdo dos Capítulo 1 e 3 foi baseado nas perguntas

Leia mais

PORTARIA TC Nº 437, 23 DE SETEMBRO DE 2015

PORTARIA TC Nº 437, 23 DE SETEMBRO DE 2015 PORTARIA TC Nº 437, 23 DE SETEMBRO DE 2015 Disciplina os procedimentos para gestão de incidentes de segurança da informação e institui a equipe de tratamento e resposta a incidentes em redes computacionais

Leia mais

VISÃO SISTÊMICA EM GERENCIAMENTO DE PROJETOS PARA WEB

VISÃO SISTÊMICA EM GERENCIAMENTO DE PROJETOS PARA WEB VISÃO SISTÊMICA EM GERENCIAMENTO DE PROJETOS PARA WEB Rogério Fernandes da Costa Professor especialista Faculdade Sumaré rogerio.fernandes@sumare.edu.br Resumo: O presente estudo tem como objetivo abordar

Leia mais

1 Introdução. 1.1. A motivação e o problema da pesquisa

1 Introdução. 1.1. A motivação e o problema da pesquisa 1 Introdução O objetivo desse capítulo é propiciar uma visão abrangente do estudo aqui desenvolvido. Dessa forma, ele foi estruturado com as seguintes seções: A motivação e o problema da pesquisa: baseada

Leia mais

CRIAÇÃO DA DISCIPLINA SISTEMA DE GESTÃO AMBIENTAL NO CURSO DE ENGENHARIA CIVIL

CRIAÇÃO DA DISCIPLINA SISTEMA DE GESTÃO AMBIENTAL NO CURSO DE ENGENHARIA CIVIL CRIAÇÃO DA DISCIPLINA SISTEMA DE GESTÃO AMBIENTAL NO CURSO DE ENGENHARIA CIVIL Elias S. Assayag eassayag@internext.com.br Universidade do Amazonas, Departamento de Hidráulica e Saneamento da Faculdade

Leia mais

Qualidade na gestão de projeto de desenvolvimento de software

Qualidade na gestão de projeto de desenvolvimento de software Qualidade na gestão de projeto de desenvolvimento de software [...] O que é a Qualidade? A qualidade é uma característica intrínseca e multifacetada de um produto (BASILI, et al, 1991; TAUSWORTHE, 1995).

Leia mais

Glossário Apresenta a definição dos termos, siglas e abreviações utilizadas no contexto do projeto Citsmart.

Glossário Apresenta a definição dos termos, siglas e abreviações utilizadas no contexto do projeto Citsmart. Apresenta a definição dos termos, siglas e abreviações utilizadas no contexto do projeto Citsmart. Versão 1.6 15/08/2013 Visão Resumida Data Criação 15/08/2013 Versão Documento 1.6 Projeto Responsáveis

Leia mais

Ficha técnica do material. Políticas de Backup 1

Ficha técnica do material. Políticas de Backup 1 Ficha técnica do material Autor: Humberto Celeste Innarelli Origem: Apostila Preservação de Documentos Digitais Páginas: 24 a 28 Mês/Ano: 12/2003 Entidade promotora do curso: UNIVERSIDADE ESTADUAL DE CAMPINAS

Leia mais

fagury.com.br. PMBoK 2004

fagury.com.br. PMBoK 2004 Este material é distribuído por Thiago Fagury através de uma licença Creative Commons 2.5. É permitido o uso e atribuição para fim nãocomercial. É vedada a criação de obras derivadas sem comunicação prévia

Leia mais

Governança de TI Prof. Carlos Henrique Santos da Silva, MSc

Governança de TI Prof. Carlos Henrique Santos da Silva, MSc Governança de TI Prof. Carlos Henrique Santos da Silva, MSc PMP, PMI-RMP, PMI-ACP, CSM, ITIL & CobiT Certified Carlos Henrique Santos da Silva, MSc, PMP Especializações Certificações Mestre em Informática

Leia mais

Gerenciamento de Serviços de TI com base na ITIL

Gerenciamento de Serviços de TI com base na ITIL Gerenciamento de Serviços de TI com base na ITIL Information Technology Infrastructure Library ou Biblioteca de Infraestrutura da Tecnologia da Informação A TI de antes (ou simplesmente informática ),

Leia mais

XIII Encontro Nacional de Pesquisa em Ciência da Informação - XIII ENANCIB 2012 GT 11: Informação e Saúde

XIII Encontro Nacional de Pesquisa em Ciência da Informação - XIII ENANCIB 2012 GT 11: Informação e Saúde XIII Encontro Nacional de Pesquisa em Ciência da Informação - XIII ENANCIB 2012 GT 11: Informação e Saúde CRIAÇÃO DE UM MODELO DE INTERFACE EXTENSÍVEL PARA SISTEMAS DE REGISTRO ELETRÔNICO DE SAÚDE Modalidade

Leia mais

COBIT Um kit de ferramentas para a excelência na gestão de TI. Eduardo Mayer Fagundes e-mail: eduardo@efagundes.com

COBIT Um kit de ferramentas para a excelência na gestão de TI. Eduardo Mayer Fagundes e-mail: eduardo@efagundes.com COBIT Um kit de ferramentas para a excelência na gestão de TI Eduardo Mayer Fagundes e-mail: eduardo@efagundes.com Introdução Atualmente, é impossível imaginar uma empresa sem uma forte área de sistemas

Leia mais

APLICAÇÃO DE BOAS PRÁTICAS DE QUALIDADE DE SOFTWARE NO DESENVOLVIMENTO DE UM PROTÓTIPO DE SISTEMA DE REGISTRO ELETRÔNICO EM SÁUDE ASSISTENCIAL

APLICAÇÃO DE BOAS PRÁTICAS DE QUALIDADE DE SOFTWARE NO DESENVOLVIMENTO DE UM PROTÓTIPO DE SISTEMA DE REGISTRO ELETRÔNICO EM SÁUDE ASSISTENCIAL APLICAÇÃO DE BOAS PRÁTICAS DE QUALIDADE DE SOFTWARE NO DESENVOLVIMENTO DE UM PROTÓTIPO DE SISTEMA DE REGISTRO ELETRÔNICO EM SÁUDE ASSISTENCIAL Cristiane Machado de Vargas 1 Ana Marcia Debiasi Duarte 2

Leia mais

* Categoria I (profissionais com 3º grau completo): 4.500 horas e 36 meses de experiência nos últimos 6 anos;

* Categoria I (profissionais com 3º grau completo): 4.500 horas e 36 meses de experiência nos últimos 6 anos; Desde 1984, o Project Management Institute tem se dedicado ao desenvolvimento e manutenção de um rigoroso Programa de Certificação Profissional, com base em um exame, visando o avanço da profissão de Gerenciamento

Leia mais

Faculdade de Farmácia VALIDAÇÃO DE SISTEMAS COMPUTADORIZADOS

Faculdade de Farmácia VALIDAÇÃO DE SISTEMAS COMPUTADORIZADOS Faculdade de Farmácia VALIDAÇÃO DE SISTEMAS COMPUTADORIZADOS 2012 Relevância: Impacta diretamente na saúde do paciente, na qualidade do produto e na integridade dos dados que devem provar que o sistema

Leia mais

Gerenciamento de Serviços de TIC. ISO/IEC 20.000 / ITIL V2 e V3

Gerenciamento de Serviços de TIC. ISO/IEC 20.000 / ITIL V2 e V3 Gerenciamento de Serviços de TIC ISO/IEC 20.000 / ITIL V2 e V3 Agenda O que é serviço de TIC? O que é Qualidade de Serviços de TIC? O que é Gerenciamento de Serviços de TIC? ISO IEC/20.000-2005 ITIL versão

Leia mais

MASTER IN PROJECT MANAGEMENT

MASTER IN PROJECT MANAGEMENT MASTER IN PROJECT MANAGEMENT PROJETOS E COMUNICAÇÃO PROF. RICARDO SCHWACH MBA, PMP, COBIT, ITIL Atividade 1 Que modelos em gestão de projetos estão sendo adotados como referência nas organizações? Como

Leia mais

CobiT 5. Como avaliar a maturidade dos processos de acordo com o novo modelo? Conhecimento em Tecnologia da Informação

CobiT 5. Como avaliar a maturidade dos processos de acordo com o novo modelo? Conhecimento em Tecnologia da Informação Conhecimento em Tecnologia da Informação CobiT 5 Como avaliar a maturidade dos processos de acordo com o novo modelo? 2013 Bridge Consulting All rights reserved Apresentação Sabemos que a Tecnologia da

Leia mais

Universidade Paulista

Universidade Paulista Universidade Paulista Ciência da Computação Sistemas de Informação Gestão da Qualidade Principais pontos da NBR ISO/IEC 12207 - Tecnologia da Informação Processos de ciclo de vida de software Sergio Petersen

Leia mais

QUALIDADE DE SOFTWARE

QUALIDADE DE SOFTWARE QUALIDADE DE SOFTWARE Luiz Leão luizleao@gmail.com http://www.luizleao.com Questão 1 A ISO 9000-3 é um guia para a aplicação da ISO 9001 para o desenvolvimento, fornecimento e manutenção de software. As

Leia mais

Eliminação do Papel em Saúde

Eliminação do Papel em Saúde Eliminação do Papel em Saúde Luis Gustavo Kiatake kiatake@evaltec.com.br Coordenador GT Segurança do Comitê Informática em Saúde ABNT Representante ABNT TC-215 Health Informatics ISO Membro titular da

Leia mais

Este trabalho tem como objetivo propor um modelo multicritério para a priorização dos modos de falha indicados a partir de uma aplicação do processo

Este trabalho tem como objetivo propor um modelo multicritério para a priorização dos modos de falha indicados a partir de uma aplicação do processo 1 Introdução A atual regulamentação do setor elétrico brasileiro, decorrente de sua reestruturação na última década, exige das empresas o cumprimento de requisitos de disponibilidade e confiabilidade operativa

Leia mais

Cobit e ITIL. Cobit. Planejamento e organização; Aquisição e implementação; Entrega e suporte; Monitoração.

Cobit e ITIL. Cobit. Planejamento e organização; Aquisição e implementação; Entrega e suporte; Monitoração. Cobit e ITIL GOVERNANÇA, GP - RISCO, GP PROJETOS - PMP, SEGURANÇA DAIANA BUENO OUTUBRO 20, 2010 AT 8:00 3.496 visualizações Atualmente, as empresas estão com seus processos internos cada vez mais dependentes

Leia mais

Demais Áreas de Conhecimento do PMBOK

Demais Áreas de Conhecimento do PMBOK Residência em Arquitetura de Software Demais Áreas de Conhecimento do PMBOK Prof. Dr. Sandro Ronaldo Bezerra Oliveira srbo@ufpa.br www.ufpa.br/srbo Gerência de Desenvolvimento 2008.2 Faculdade de Computação

Leia mais

Ricardo Scheurer Sonda Supermercado

Ricardo Scheurer Sonda Supermercado Tema: Apresentador: Plano Diretor de Tecnologia da Informação Ricardo Scheurer Sonda Supermercado Objetivo desta palestra será resolver as seguintes questões: Porque fazer um PDTI? Quais os benefícios

Leia mais

ELABORAÇÃO E ANÁLISE DE PROJETOS MÓDULO 11

ELABORAÇÃO E ANÁLISE DE PROJETOS MÓDULO 11 ELABORAÇÃO E ANÁLISE DE PROJETOS MÓDULO 11 Índice 1. Gerenciamento de riscos do projeto...3 2. Gerenciamento de aquisições do projeto...4 Referências bibliográficas...5 2 1. GERENCIAMENTO DE RISCOS DO

Leia mais

Engenharia de Software

Engenharia de Software Engenharia de Software Roteiro Qualidade de Software Produto de Software Processo de Software Modelo de Qualidade CMM Qualidade Qualidade de Software Na visão popular: Luxo Mais caro, complexo = maior

Leia mais

CobiT 4.01 OBJETIVOS DE CONTROLE PARA INFORMAÇÃO E TECNOLOGIAS RELACIONADAS

CobiT 4.01 OBJETIVOS DE CONTROLE PARA INFORMAÇÃO E TECNOLOGIAS RELACIONADAS CobiT 4.01 OBJETIVOS DE CONTROLE PARA INFORMAÇÃO E TECNOLOGIAS RELACIONADAS METODOLOGIA DE AUDITORIA PARA AVALIAÇÃO DE CONTROLES E CUMPRIMENTO DE PROCESSOS DE TI NARDON, NASI AUDITORES E CONSULTORES CobiT

Leia mais

Auditoria como ferramenta de gestão de fornecedores durante o desenvolvimento de produtos

Auditoria como ferramenta de gestão de fornecedores durante o desenvolvimento de produtos Auditoria como ferramenta de gestão de fornecedores durante o desenvolvimento de produtos Giovani faria Muniz (FEG Unesp) giovanifaria@directnet.com.br Jorge Muniz (FEG Unesp) jorgemuniz@feg.unesp.br Eduardo

Leia mais

UNIVERSIDADE ESTADUAL DE MARINGÁ CENTRO DE TECNOLOGIA DEPARTAMENTO DE INFORMÁTICA CURSO DE ENGENHARIA DE PRODUÇÃO

UNIVERSIDADE ESTADUAL DE MARINGÁ CENTRO DE TECNOLOGIA DEPARTAMENTO DE INFORMÁTICA CURSO DE ENGENHARIA DE PRODUÇÃO UNIVERSIDADE ESTADUAL DE MARINGÁ CENTRO DE TECNOLOGIA DEPARTAMENTO DE INFORMÁTICA CURSO DE ENGENHARIA DE PRODUÇÃO GESTÃO DE PROJETOS: UM ESTUDO DE CASO SOBRE A IMPLANTAÇÃO DE UM SOFTWARE PMIS Área de conhecimento

Leia mais

Critérios para certificação de Sites SciELO: critérios, política e procedimentos para a classificação e certificação dos sites da Rede SciELO

Critérios para certificação de Sites SciELO: critérios, política e procedimentos para a classificação e certificação dos sites da Rede SciELO Critérios para certificação de Sites SciELO: critérios, política e procedimentos para a classificação e certificação dos sites da Rede SciELO Versão Março 2008 1 Introdução Este documento tem por objetivo

Leia mais

Proposta. COBIT Fundamentos. Apresentação Executiva. COBIT - Fundamentos

Proposta. COBIT Fundamentos. Apresentação Executiva. COBIT - Fundamentos COBIT Fundamentos Apresentação Executiva 1 O treinamento de Cobit Fundamentos tem como premissa capacitar o participante a compreender e controlar os riscos associados, mantendo o equilíbrio entre os investimentos

Leia mais

Profa. Celia Corigliano. Unidade IV GERENCIAMENTO DE PROJETOS DE TI

Profa. Celia Corigliano. Unidade IV GERENCIAMENTO DE PROJETOS DE TI Profa. Celia Corigliano Unidade IV GERENCIAMENTO DE PROJETOS DE TI Agenda da disciplina Unidade I Gestão de Projetos Unidade II Ferramentas para Gestão de Projetos Unidade III Gestão de Riscos em TI Unidade

Leia mais

Análise de Risco na Validação de Sistemas Computadorizados

Análise de Risco na Validação de Sistemas Computadorizados Análise de Risco na Validação de Sistemas Computadorizados Meg Lima Andrade Agenda Objetivos; Conceito de Sistemas Computadorizados; Conceito de Risco; Identificação de Riscos; Avaliação de Riscos; Classificação;

Leia mais

3 Metodologia de Gerenciamento de Riscos

3 Metodologia de Gerenciamento de Riscos 3 Metodologia de Gerenciamento de Riscos Este capítulo tem como objetivo a apresentação das principais ferramentas e metodologias de gerenciamento de riscos em projetos, as etapas do projeto onde o processo

Leia mais

A AUTENTICIDADE NA PRESERVAÇÃO DA INFORMAÇÃO DIGITAL

A AUTENTICIDADE NA PRESERVAÇÃO DA INFORMAÇÃO DIGITAL 552 A AUTENTICIDADE NA PRESERVAÇÃO DA INFORMAÇÃO DIGITAL José Carlos Abbud Grácio (UNESP Marília) Bárbara Fadel (UNESP Marília / Uni-FACEF Franca) 1. Introdução O papel surgiu como um dos principais suportes

Leia mais