Perspectivas e desafios do Post Trading Interbolsa A visão do mercado Português

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "Perspectivas e desafios do Post Trading Interbolsa A visão do mercado Português"

Transcrição

1 Perspectivas e desafios do Post Trading Interbolsa A visão do mercado Português Carlos Ferreira Machado Banco BPI Setembro de 2012 Fórum de Bolsa 2012

2 Índice 1. Resenha histórica a. Até finais dos anos 90 b. O investimento em mercados estrangeiros generaliza-se c. A migração para o Euronext Market Model e a introdução da CCP d. A DMIF 2. A evolução do mercado em curso: a. A eliminação das barreiras Giovannini b. Harmonização das práticas a nível Europeu c. T2S d. EMIR e. FATCA f. FTT Francês, Espanhol, Europeu e Português (?) 3. Perspectivas e desafios a. Oportunidades e ameaças Fórum de Bolsa Perspectivas e desafios do Post Trading - Interbolsa A 2 visão do mercado Português 2

3 1. Resenha Histórica Fórum de Bolsa Perspectivas e desafios do Post Trading - Interbolsa A visão do mercado Português 3

4 1. Resenha Histórica Até finais dos anos 90 O investimento, em termos geográficos, era maioritariamente realizado em Portugal. Conhecer a realidade portuguesa (regulação, fiscalidade) e ter os sistemas adaptados a essa mesma realidade era suficiente para estar compliant e ser eficiente. Com as OPV s ocorreu a democratização do investimento em Bolsa O número de pequenos investidores cresceu exponencialmente. Começam a surgir os novos canais de recepção de ordens destinados a clientes de retalho (canais web, telefónicos, plataformas multicanal, Wap ) No início da década, aconteceu a separação do mercado a contado para a Bolsa de Lisboa e surge a Bolsa de Derivados do Porto em Mais tarde, ocorre a fusão da Bolsa de Lisboa com a do Porto e surge a BVLP. O surgimento do mercado de derivados foi uma realidade nova, relativamente à qual os IFs se tiveram que adaptar e formar, assim como os próprios clientes. A procura de investimentos em novas localizações geográficas começou a ganhar significado, mesmo para clientes de retalho. O surgimento do Euro impulsionou o investimento na zona euro de um modo muito significativo, pois eliminou o risco cambial. Fórum de Bolsa Perspectivas e desafios do Post Trading - Interbolsa A visão do mercado Português 4

5 1. Resenha Histórica Até finais dos anos 90 O circuito das ordens de bolsa a contado e a liquidação das operações (clientes com custódia) Balcões Ordem Ordem Ordem Call Center Negócio Broker Negócio Investidor Negócio Internet Sala Negociação Especificação Negócios Sistema de Custódia Registo operação (Liquidação Titulos) Liquidador e Custodiante Liquidação Titulos / Reconciliação Liquidação $ Liquidação de Liquidação $ / Reconciliação mercado CVM Sist. Contas DO Fórum de Bolsa Perspectivas e desafios do Post Trading - Interbolsa A visão do mercado Português 5

6 1. Resenha Histórica O investimento em mercados estrangeiros generaliza-se Criação de redes de subcustodiantes Novas realidades regulamentares, fiscais e operacionais Cliente Ordem Ordem Ordem $ Novos tipos de eventos corporativos Activos cada vez mais exóticos Ciclos de liquidação distintos BPI (broker) Regista Negócio no sistema de Back-Office Custódia e Liquidações Negócio Contratas Fax/mail Broker Negócio Broker s Middle Office Coloca IL DVP/RVP (OTC) Negócio Negócio Stock Exchange Negócio Adaptação dos sistemas à nova realidade é crucial! Necessidade de formação dos RH Recolha e análise de uma quantidade imensa de informação sobre eventos corporativos, regulamentação, fiscalidade, procedimentos operacionais a observar. Maior risco operacional Novos serviços: Tax-reclaim, proxy voting, Qualified Intermediary do IRS Americano. Comunica Negócio (IL) + recebe Status liquidação SWIFT Network Broker s Custodian Envia IL DVP/RVP (OTC) + Recebe Status Liquida operação contra mercado (Titulos) Liquidação Financeira (Mercado) Custodiante do BPI Envia IL DVP/RVP (OTC) + Recebe Status MATCH CSD Liquidação Financeira (Mercado+OTC) $ Central Bank Fórum de Bolsa Perspectivas e desafios do Post Trading - Interbolsa A visão do mercado Português 6

7 1. Resenha Histórica A migração para o Euronext Market Model e a introdução da CCP (2003) A migração para o Euronext Market Model e a introdução da Central Counterparty (CCP): 1. Mudança do modelo de funcionamento, quer no trading, quer no post-trading 2. Mudança do sistema de negociação e no de Back-Office 3. Interacção com uma Clearing House (CCP) no mercado a contado 4. Alteração dos procedimentos e formação de RH para a nova realidade 5. Alinhamento de práticas de post-trading com os standards internacionais (DVP/RVP) 6. Os IFs portugueses passaram a ter a possibilidade de, mais facilmente, se tornarem membros dos outros mercados Euronext e vice-versa. Fórum de Bolsa Perspectivas e desafios do Post Trading - Interbolsa A visão do mercado Português 7

8 1. Resenha Histórica A migração para o Euronext Market Model e a introdução da CCP Investidor Ordem Negócio (Broker) Ordem Negócio Negócio Confirmação do Negócio Instrução de Liquidação (Compensador) Instrução de Compensação Depósito de Margens Reconciliação Gestão de falhas $ Instrução de Liquidação Instrução de Liquidação Custodiante do Investidor Instrução DVP/RVP SLRT (DVP/RVP) MATCH CVM Instrução RVP/DVP (Liquidador e Custodiante) Liquidação($) / Reconciliação Fórum de Bolsa Perspectivas e desafios do Post Trading - Interbolsa A visão do mercado Português Liquidação (Títulos) / reconciliação Liquidação de mercado 8 CVM

9 1. Resenha Histórica A DMIF (Novembro 2007) A DMIF é uma directiva comunitária que obrigou à introdução de novas regras no exercício de actividades de intermediação financeira na União Europeia. A DMIF rege a oferta de serviços de investimento em instrumentos financeiros (designadamente corretagem, consultoria, negociação, gestão de carteiras, etc.) por bancos e empresas de investimento, bem como o funcionamento das bolsas valores tradicionais e das plataformas de negociação alternativas (conhecidas como sistemas de negociação multilateral), que veio permitir e regular. Um dos principais objectivos da DMIF foi o de proporcionar aos investidores um nível de protecção adequado, reforçar a confiança nos mercados, designadamente através da imposição aos IFs de um conjunto de deveres de conduta harmonizados dos quais se destacam: O dever de recolher informação sobre os seus Clientes (KYC - Know Your Costumer) ; A classificação dos Clientes numa de três categorias: Clientes profissionais, Clientes não profissionais e contrapartes elegíveis, com deveres de prestação de informação e verificação de adequação das operações distintos; A prestação de informação mais completa sobre: o próprio intermediário financeiro, os serviços por si prestados, a natureza e os riscos dos instrumentos financeiros, as estruturas de execução de ordens utilizadas e os custos associados; O dever de apreciar previamente a adequação das operações solicitadas pelo Cliente; A definição e divulgação de políticas de boa execução de ordens e o dever de efectuar sua reavaliação periódica; A imposição de regras de transparência na divulgação da informação, antes e após a negociação de instrumentos financeiros, designadamente no que respeita às carteiras de instrumentos financeiros e às transacções realizadas. 1. Mudança do modelo de funcionamento no trading e adaptações no post-trading 2. Adaptações nos sistemas de negociação, websites e Aplicações de Pessoas e Contas, extractos, testes de adequação, etc 3. Alteração dos procedimentos e formação de RH para a nova realidade 4. Alinhamento de práticas a nível Europeu Fórum de Bolsa Perspectivas e desafios do Post Trading - Interbolsa A 9 visão do mercado Português 9

10 2. A Evolução do mercado em curso Fórum de Bolsa Perspectivas e desafios do Post Trading - Interbolsa A visão do mercado Português 10

11 2. A Evolução do mercado em curso Alterações de Mercado e Regulamentares Harmonização europeia de regras mercado (Eliminação das Barreiras de Giovannini) Harmonização de Corporate Actions e de regras de participação em Assembleias Gerais Melhorias na notificação de Eventos coroprativos Outras: FATCA (Jun 2013 Mar 2018) FISCO (estudo viabilidade de um sistema de isenção de retenção na fonte nos pagamentos de rendimentos de instrumentos financeiros) T2S (Jun 2015 Jul 2016) FTT Francês (Agosto 2012) FTT Espanhol (Janeiro 2013) EMIR FTT Português (??) Emitente pode escolher a CSD SD = TD+2 (Janeiro 2015) DMIF II (2013??) OTC Derivatives Report & Clearing (Janeiro 2013) Fórum de Bolsa Perspectivas e desafios do Post Trading - Interbolsa A visão do mercado Português 11

12 2. A Evolução do mercado em curso A eliminação das Barreiras Giovannini O Grupo de Giovannini era um grupo composto por especialistas em mercados financeiros, constituído em 1996 para aconselhar a Comissão Europeia em assuntos relacionados com os mercados financeiros. O trabalho do Grupo de Giovannini consistiu em identificar as barreiras existentes nos mercados financeiros da União Europeia que dificultavam as transacções cross-border e propor soluções práticas para melhorar a integração desses mercados. Os dois relatórios do Grupo identificaram um total de 15 barreiras específicas que impediam a eficiência transfronteiriça nas actividades de clearing e settlement, na União Europeia. A Interbolsa criou o grupo MIG-PT com a função de monitorizar a implementação, a nível nacional, 1. Diferenças nacionais em termos de tecnologias de informação e interfaces; dos standards relativos ao exercício de direitos (Market Standards for 2. Restrições nacionais em termos de clearing e settlement que requeiram a utilização de múltiplos sistemas; Corporate Actions) e às Assembleias Gerais (Market Standards for General 3. Diferenças nas regras nacionais relativas a eventos corporativos, beneficiários finais e custódia Meetings), com o objectivo de 4. Ausência de liquidação intra-day irrevogável eliminar a barreira 3 de Giovannini, 5. Impedimentos, de ordem prática, para aceder remotamente a sistemas nacionais de clearing e settlement 6. Diferenças nacionais nos ciclos de liquidação; 7. Diferenças nacionais no horário de trabalho/deadlines de liquidações 8. Diferenças nacionais de ordem prática na emissão de valores mobiliários 9. Restrições nacionais na localização de títulos 10. Restrições nacionais para a actividade de Primary dealers e market makers 11. Legislações fiscais nacionais, em termos de retenção de imposto, que possam ser desvantajosas para os intermediários estrangeiros; 12. Taxas de transacção cobradas através de uma funcionalidade integrada num sistema de liquidação local 13. A ausência de um quadro comunitário para o tratamento de juros em títulos 14. Diferenças nacionais no tratamento legal das compensações bilaterais para as transacções financeiras 15. Conflitos de legislação entre países O T2S irá ajudar a eliminar algumas das seguintes barreiras: As barreiras realçam diferenças técnicas, legais e fiscais entre Países da EU/EEA, que tornam difícil aos fornecedores de serviços financeiros alargar a sua actividade para lá do seu pais de origem Fórum de Bolsa Perspectivas e desafios do Post Trading - Interbolsa A 12 visão do mercado Português 12

13 2. A Evolução do mercado em curso A eliminação das Barreiras Giovannini O grupo MIG-PT, promovido pela Interbolsa, tem a função de monitorizar a implementação a nível nacional dos standards relativos ao exercício de direitos (Market Standards for Corporate Actions) e às Assembleias Gerais (Market Standards for General Meetings), com o objectivo de eliminar a barreira 3 de Giovannini, harmonizando o mercado de capitais nacional com os demais mercados europeus. 1. Desenvolvimentos recentes efectuados com o objectivo de harmonizar as Corporate Actions do mercado de capital nacional com os demais mercados europeus: a) A conectividade com mensagens electrónicas ISO; b) A notificação de eventos; c) O ajustamento automático (market claims) de direitos, dividendos, juros e amortizações. 2. Próximos desenvolvimentos a efectuar com o objectivo de harmonização das Corporate Actions: a) Implementação das mensagens ISO (Central Emitente->Participantes->cadeia de Custódia); b) Implementação da comunicação em língua inglesa; c) Comunicação das instruções dos investidores utilizando mensagens ISO (Cadeia de Custódia->Central Emitente->Entidade Emitente); d) Implementação dos procedimentos de Buyer Protection. 3. Harmonização das regras de mercado para as Assembleias Gerais a) Primeiro Processo: Notificação da Assembleia Geral notificação ao Investidor Final da Emitente da data de realização da Assembleia-Geral; b) Segundo Processo: Record date e Entitlement Processo para determinar e comunicar a quantidade de acções que são elegíveis para poder participar e votar na Assembleia-Geral; c) Terceiro Processo: Notificação da participação na Assembleia Geral notificação ao Emitente da participação do Investidor Final na Assembleia Geral, bem como dos seus votos. Fórum de Bolsa Perspectivas e desafios do Post Trading - Interbolsa A 13 visão do mercado Português 13

14 2. A Evolução do mercado em curso Target2Securities (T2S) O T2S é um novo sistema europeu de liquidação de valores mobiliários que pretende oferecer centralmente liquidações DVP em Central Bank Money em todos os mercados de valores mobiliários europeus. O Projecto iniciou-se em 2006 e continua em desenvolvimento. Prevê-se a sua entrada em produção em O objectivo fundamental do projecto T2S é integrar e harmonizar a altamente fragmentada infra-estrutura de liquidação de títulos na Europa. Por exemplo, em 2009 ainda existiam 19 CSDs a operar na Zona euro, e quase 40 nos 27 países da União Europeia. O T2S tem como objectivos: 1 - reduzir os custos de liquidação transfronteiriça de títulos na área do euro e de países não-euro participantes, bem como; 2 - aumentar a concorrência entre os prestadores de serviços post-trading. Será, portanto, um passo fundamental na criação de um mercado único de serviços financeiros na União Europeia, cumprindo um dos objectivos da Agenda de Lisboa. Os EUA estavam numa posição muito semelhante à Europa há várias décadas, com uma infra-estrutura altamente fragmentada quer ao nível do trading, quer do post-trading. As ineficiências do sistema nos EUA forçaram o governo a intervir, daí resultando um alto grau de consolidação. Os EUA agora têm agora um ambiente muito linear de trading e liquidação, com a Depository Trust & Clearing Corporation (DTCC), a ser responsável pela compensação e liquidação de todas as acções e obrigações de empresas, e o Sistema de Reserva Federal responsável pelas obrigações soberanas. As autoridades da UE até agora não recorreram a medidas tão drásticas. As iniciativas até agora tomadas têm-se concentrado em remover os obstáculos à concorrência entre infra-estruturas nacionais de mercado, de modo a deixar as forças do mercado trabalhar. O mercado determinará qual a estrutura de mercado ideal, designadamente se deverá existir um fornecedor único em monopólio, como os EUA, ou vários fornecedores. Fórum de Bolsa Perspectivas e desafios do Post Trading - Interbolsa A visão do mercado Português 14

15 2. A Evolução do mercado em curso Target2Securities (T2S) O Cronograma do T2S 3 fases de migração: Jun 2015 Jul fase de contingência: Jan 2017 Fórum de Bolsa Perspectivas e desafios do Post Trading - Interbolsa A 15 visão do mercado Português 15

16 2. A Evolução do mercado em curso Target2Securities (T2S) O Modelo do T2S O T2S é uma plataforma tecnológica para liquidação pan-europeia de Valores mobiliários com liquidação em Central Bank Money Há um outsourcing do sistema de liquidação das CSDs ao T2S As CSDs mantêm o controlo do negócio e o relacionamento legal com os seus clientes e reguladores A Custódia e o Asset Servicing estão fora do âmbito do T2S no entanto: 1 - irá existir inter-operabilidade entre CSDs 2 - As CSDs passarão a prestar serviços de custódia noutras geografias, em concorrência com os custodiantes Fórum de Bolsa Perspectivas e desafios do Post Trading - Interbolsa A 16 visão do mercado Português 16

17 2. A Evolução do mercado em curso Target2Securities (T2S) Os novos horários do T2S T2S liquida em Dedicated Cash Accounts (DCAs), que possuem mecanismos de autocolaterilização (para gerar crédito intradiário, necessário para as liquidações ocorrerem), mas têm que ser monitorizadas. Haverá que rever as operativas. Fórum de Bolsa Perspectivas e desafios do Post Trading - Interbolsa A 17 visão do mercado Português 17

18 2. A Evolução do mercado em curso EMIR (Janeiro 2013) EMIR é um acrónimo para European Market Infrastructure Regulation. A EMIR faz parte de um pacote de legislação europeia que se destina a dar resposta à crise financeira global e que assenta em dois pilares essenciais: 1. Reconhecer e reforçar o papel desempenhado pelas CCPs em mitigar certos aspectos de risco de mercado e risco de contraparte. As CCPs têm sido reconhecidas como um recurso crítico que ajudaram a proteger o sistema financeiro durante a recente crise financeira. 2. A nova legislação deve promover e implementar medidas de transparência sobre os mercados OTC de derivados, passando a ser obrigatória a sua compensação numa CCP (caso seja possível) ou o seu reporte a um trade repository para efeitos de supervisão. Adicionalmente, Os emitentes podem escolher a CSD da sua preferência. A Liquidação passará para TD+2 Aumenta a concorrência entre CSDs Embora a EMIR tenha começado como uma Directiva, rapidamente se tornou num Regulamento, o que faz com que a sua entrada em vigor tenha efeitos imediatos e em todos os Estados Membros. Fórum de Bolsa Perspectivas e desafios do Post Trading - Interbolsa A 18 visão do mercado Português 18

19 2. A Evolução do mercado em curso FATCA (Jun 2013 a Maio 2018) A FATCA representa um conjunto de medidas de natureza fiscal, introduzidas no âmbito do Programa Hire dos EUA, com o objectivo de aumentar a transparência e a receita fiscal relativamente a rendimentos obtidos por sujeitos passivos norte americanos (US Persons), fora dos EUA,. Estas medidas consistem essencialmente na imposição, às Instituições Financeiras Estrangeiras, (FFIs) e às Entidades Estrangeiras Não Financeiras (NFFE s), de um conjunto de obrigações de recolha (due diligence) e reporte de informação, bem como de retenção de imposto relativamente às contas detidas por US Persons (US Accounts). A FATCA obriga à celebração de acordos entre os FFIs e o Internal Revenue Service (IRS) - Acordo FFI. Reporte 1. Elevado esforço que os IFs vão ter de fazer para identificar as contas abrangidas e realizar adaptações nos sistemas. 2. a não celebração do acordo por um IF, implica que os Subcustodiantes reteriam 30% de todos os rendimentos de fonte americana que lhe fossem devidos 3. Relativamente às contas de clientes, em relação às quais haja indícios de poderem ser uma US Account e o respectivo titular recuse o fornecimento de informação ou forneça informação insuficiente, o IF é obrigado a reter 30% dos rendimentos de fonte americana (em 2014, sobre os rendimentos em sentido estrito; a partir de 2015, também sobre as mais valias) Due Dilligence Acordos FFI Retenção Fórum de Bolsa Perspectivas e desafios do Post Trading - Interbolsa A 19 visão do mercado Português 19

20 2. A Evolução do mercado em curso FTT Francês, Espanhol, Europeu, Português (Ago 2012 a ) As autoridades Francesas impuseram a cobrança de um imposto (0.20%) na compra (com netting) de Valores Mobiliários de emitentes Franceses (com um Cap. Bolsista > 1 bi Eur), independentemente do local onde se realizem as transacções. Implica necessidades de reporte de informação e entrega do Imposto ao Euroclear France. A Espanha já anunciou uma medida similar, para entrar em vigor em Janeiro de Já foi aprovado pelo Parlamento Europeu um imposto similar. Em Portugal, existem rumores da criação de um imposto idêntico. 1. Elevado esforço que os IFs fizeram para cobrarem aos Clientes o FTT francês de acordo com as suas especificidades, designadamente o netting, bem como para elaborar os reports exigidos. 2. Deseja-se que o FTT Espanhol, Europeu (?) e Português (?), caso avancem, não possuam particularidades distintas, de modo a reduzir o esforço de desenvolvimento. Fórum de Bolsa Perspectivas e desafios do Post Trading - Interbolsa A 20 visão do mercado Português 20

21 3. Perspectivas e desafios Oportunidades e Ameaças Fórum de Bolsa Perspectivas e desafios do Post Trading - Interbolsa A visão do mercado Português 21

22 3. Perspectivas e desafios Oportunidades e Ameaças 1. O trading e o post-trading estão em constante alteração, requerendo um esforço de adaptação e de desenvolvimentos tecnológicos significativos. 2. O aumento da Regulação e Fiscalidade, quer nacional, Europeia ou estrangeira, implica custos de adaptação significativos, como se acabou de demonstrar, que nem sempre conseguem ser repercutidos nos clientes. Constrangimento à margem do negócio 3. O T2S é sem dúvida a maior alteração do modelo de funcionamento dos mercados e a que tem maior impacto nos IFs e demais stakeholders. Apesar dos custos do projecto terem de ser recuperados, a MLP os objectivos do Projecto serão alcançados: a) a redução dos custos de liquidação crossborder ocorrerá b) haverá maior concorrência entre CSD s, ou mesmo M&A. c) Os emitentes poderão preferir estarem listados e com os títulos centralizados no mercado mais líquido e com menores custos. d) haverá concorrência entre CSD s e Custodiantes globais/regionais e) os Custodiantes locais tenderão a perder os seus clientes institucionais estrangeiros, quer porque estes obtêm acesso à CSD local directamente, quer porque preferem ligar-se a um Major Player da Custódia ao nível Europeu (i.e. um Custodiante Regional na Europa). Restar-lhes-á os clientes de retalho, empresas não financeiras, pequenas empresas financeiras e as carteiras próprias. f) A velocidade a que se processar a harmonização do tratamento das Corporate Actions e da Fiscalidade (Barreiras 3 e 11 de Giovannini, respectivamente) ditarão o ritmo a que ocorrerá o referido na alínea anterior. Mas recordemo-nos, existem iniciativas em curso para eliminar essas barreiras embora demorem o seu tempo; mas o T2S será uma catalisador da mudança! Fórum de Bolsa Perspectivas e desafios do Post Trading - Interbolsa A 22 visão do mercado Português 22

23 3. Perspectivas e desafios Oportunidades e Ameaças 3. g) No entanto, os custodiantes locais poderão também almejar tornarem-se custodiantes regionais da Zona T2S e tentar competir com os Major Players, em determinados segmentos de clientes, através da prestação de serviços mais personalizados e de valor acrescentado superior. h) Os IF nacionais poderão também aproveitar o acesso alargado e a redução de custos que o T2S proporcionará para, partilhando essa redução de custos com os clientes, fomentarem o seu investimento nos mercados mais líquidos (e com uma maior diversidade de sectores listada), cuja maior liquidez e volatilidade normalmente provoca um aumento do número de negócios realizados. 4. Existem assim ameaças, mas também oportunidades, pelo que os IF nacionais deverão desde já analisar este tema e começar a definir estratégias de posicionamento. Fórum de Bolsa Perspectivas e desafios do Post Trading - Interbolsa A 23 visão do mercado Português 23

24 24

Aspetos legais e regulatórios na área de post-trading - Perspetivas de mudança

Aspetos legais e regulatórios na área de post-trading - Perspetivas de mudança Aspetos legais e regulatórios na área de post-trading - Perspetivas de mudança Amadeu Ferreira Vice-Presidente do CD da CMVM Porto, 28 de setembro de 2012 CMVM Comissão do Mercado de Valores Mobiliários

Leia mais

A QUEM PODE DAR ORDENS PARA INVESTIMENTO COMO E ONDE SÃO EXECUTADAS

A QUEM PODE DAR ORDENS PARA INVESTIMENTO COMO E ONDE SÃO EXECUTADAS COMISSÃO DO MERCADO DE VALORES MOBILIÁRIOS COMISSÃO DO MERCADO DE VALORES MOBILIÁRIOS A QUEM PODE DAR ORDENS PARA INVESTIMENTO COMO E ONDE SÃO EXECUTADAS NOVEMBRO DE 2007 CMVM A 1 de Novembro de 2007 o

Leia mais

DESTAQUE. Novembro 2014 I. INTRODUÇÃO

DESTAQUE. Novembro 2014 I. INTRODUÇÃO DESTAQUE Novembro 2014 MERCADO DE CAPITAIS PRINCIPAIS NOVIDADES REGULATÓRIAS EM MATÉRIA DE MERCADO DE INSTRUMENTOS FINANCEIROS, LIQUIDAÇÃO DE TRANSACÇÕES E CENTRAIS DE VALORES MOBILIÁRIOS I. INTRODUÇÃO

Leia mais

Apresentação à Comissão Parlamentar de Inquérito à Celebração de Contratos de Gestão de Risco Financeiro por Empresas do Sector Público

Apresentação à Comissão Parlamentar de Inquérito à Celebração de Contratos de Gestão de Risco Financeiro por Empresas do Sector Público Apresentação à Comissão Parlamentar de Inquérito à Celebração de Contratos de Gestão de Risco Financeiro por Empresas do Sector Público Lisboa, 03 de setembro de 2013 Carlos Tavares Em Milhares de Milhões

Leia mais

A experiência de integração do Grupo Euronext em matéria de Compensação e Liquidação

A experiência de integração do Grupo Euronext em matéria de Compensação e Liquidação A experiência de integração do Grupo Euronext em matéria de Compensação e Liquidação Cartagena, 20 de Maio de 2004 Susana Marques Agenda Modelo de negócio Estrutura do grupo Euronext Supervisão do Grupo

Leia mais

As Novas Formas Organizadas de Negociação de Instrumentos Financeiros

As Novas Formas Organizadas de Negociação de Instrumentos Financeiros Comissão do Mercado de Valores Mobiliários Consulta Pública sobre os Anteprojectos de Transposição da Directiva dos Mercados de Instrumentos Financeiros (DMIF) As Novas Formas Organizadas de Negociação

Leia mais

Implicações da DMIF no Domínio das Instituições de Crédito

Implicações da DMIF no Domínio das Instituições de Crédito Sessão de Esclarecimento Anteprojectos de Transposição da Directiva dos Mercados de Instrumentos Financeiros (DMIF) Pedro Duarte Neves 18 de Dezembro de 2006 1 No plano comunitário Directiva 2004/39/CE,

Leia mais

DE QUE FORMA OS CONHECIMENTOS

DE QUE FORMA OS CONHECIMENTOS COMISSÃO DO MERCADO DE VALORES MOBILIÁRIOS COMISSÃO DO MERCADO DE VALORES MOBILIÁRIOS DE QUE FORMA OS CONHECIMENTOS E A EXPERIÊNCIA DOS INVESTIDORES DETERMINAM O MODO COMO SÃO TRATADOS PELOS INTERMEDIÁRIOS

Leia mais

Bancário e Financeiro. aos derivados - EMIR MARÇO 2013 01 1. O QUE É O EMIR?

Bancário e Financeiro. aos derivados - EMIR MARÇO 2013 01 1. O QUE É O EMIR? Briefing MARÇO 2013 01 Entrada em vigor das novas regras aplicáveis aos derivados - EMIR O Parlamento Europeu e o Conselho da União Europeia adoptaram, em 4 de Julho de 2012, o Regulamento (UE) n.º 648/2012

Leia mais

Obrigações, Fundos Públicos e outros Valores Mobiliários de dívida. 0,5% (min. 7) 0,4% (min. 7) 0,035% (min. 7) > 25.000 e 100.000

Obrigações, Fundos Públicos e outros Valores Mobiliários de dívida. 0,5% (min. 7) 0,4% (min. 7) 0,035% (min. 7) > 25.000 e 100.000 VALORES MOBILIÁRIOS Na contratação de serviços de investimento em valores mobiliários, os investidores devem analisar atentamente o preçário para calcular os encargos totais previsíveis do investimento

Leia mais

NEWSLETTER I SISTEMA FINANCEIRO E MERCADO DE CAPITAIS

NEWSLETTER I SISTEMA FINANCEIRO E MERCADO DE CAPITAIS NEWSLETTER I SISTEMA FINANCEIRO E MERCADO DE CAPITAIS NEWSLETTER SISTEMA FINANCEIRO E MERCADO DE CAPITAIS 2.º Trimestre I SISTEMAS DE GARANTIA DE DEPÓSITOS 2 II Legislação A. Direito Bancário Institucional

Leia mais

ADMIRAL MARKETS UK LTD POLÍTICA DE EXECUÇÃO NAS MELHORES CONDIÇÕES

ADMIRAL MARKETS UK LTD POLÍTICA DE EXECUÇÃO NAS MELHORES CONDIÇÕES ADMIRAL MARKETS UK LTD POLÍTICA DE EXECUÇÃO NAS MELHORES CONDIÇÕES 1. Disposições gerais 1.1. As presentes Regras de Execução nas Melhores Condições (doravante Regras ) estipulam os termos, condições e

Leia mais

Avaliação Global da Regulação do Mercado de Capitais e

Avaliação Global da Regulação do Mercado de Capitais e Avaliação Global da Regulação do Mercado de Capitais e Perspectivas Futuras Fernando Teixeira eira dos Santos Presidente do Conselho Directivo da Comissão do Mercado de Valores Mobiliários Presidente do

Leia mais

Politíca de Execução nas Melhores Condições

Politíca de Execução nas Melhores Condições 1. Aspetos Gerais O objetivo do presente documento é descrever os canais ou vias de execução que são aplicados pelo Deutsche Bank AG - Sucursal em Portugal (o Banco ) na execução de ordens dos seus clientes

Leia mais

AVISO Nº 01/2009 de 24 de Março

AVISO Nº 01/2009 de 24 de Março AVISO Nº 01/2009 de 24 de Março Considerando a necessidade de se regulamentarem as "câmaras de compensação" e os "subsistemas de compensação e liquidação" do- Sistema de Pagamentos de Angola (SPA) visando

Leia mais

FORO SOBRE INTERNET Y LOS MERCADOS DE CAPITALES. Aspectos Regulatorios en Internet

FORO SOBRE INTERNET Y LOS MERCADOS DE CAPITALES. Aspectos Regulatorios en Internet Fernando Teixeira dos Santos FORO SOBRE INTERNET Y LOS MERCADOS DE CAPITALES Aspectos Regulatorios en Internet Buenos Aires, 21 de Setembro de 2001 Prestação de serviços financeiros (maior rapidez e maior

Leia mais

Mercado de Capitais e Investimento de Longo Prazo

Mercado de Capitais e Investimento de Longo Prazo Mercado de Capitais e Investimento de Longo Prazo Alguns Tópicos Essenciais Dia da Formação Financeira 31 de Outubro de 2012 Abel Sequeira Ferreira, Director Executivo Outubro, 31, 2012 Crescimento Económico

Leia mais

6 INTERMEDIÁRIOS FINANCEIROS

6 INTERMEDIÁRIOS FINANCEIROS 6. INTERMEDIÁRIOS FINANCEIROS 6. Intermediários Financeiros O QUE SÃO INTERMEDIÁRIOS FINANCEIROS? Intermediários financeiros são as empresas prestadoras dos serviços que permitem aos investidores actuar

Leia mais

Futuros PRODUTO FINANCEIRO COMPLEXO

Futuros PRODUTO FINANCEIRO COMPLEXO Futuros PRODUTO FINANCEIRO COMPLEXO ADVERTÊNCIA AO INVESTIDOR Risco de perda súbita total, superior ou parcial do capital investido Remuneração não garantida Existência de comissões Possibilidade de exigência

Leia mais

Balcão. 0,58% 0,58% -- -- Mínimo / Máximo 36,23/-- 36,23/-- -- -- Aplica-se o preçário do ponto 1.1. Aplica-se o preçário do ponto 1.

Balcão. 0,58% 0,58% -- -- Mínimo / Máximo 36,23/-- 36,23/-- -- -- Aplica-se o preçário do ponto 1.1. Aplica-se o preçário do ponto 1. Na contratação de serviços de investimento em valores mobiliários, os investidores não qualificados devem analisar atentamente o preçário para calcular os encargos totais previsíveis do investimento a

Leia mais

VALORES MOBILIÁRIOS. Data de Entrada em vigor: 09-Mar-2015. Clientes Particulares e Empresas

VALORES MOBILIÁRIOS. Data de Entrada em vigor: 09-Mar-2015. Clientes Particulares e Empresas Data de Entrada em vigor: 09-Mar-2015 VALORES MOBILIÁRIOS Clientes Particulares e Empresas 21 FUNDOS DE INVESTIMENTO 21.1. Fundos Banif 21.2. Fundos de Terceiros Internacionais 22 TÍTULOS 22.1. Transacção

Leia mais

F.A.T.C.A. Foreign Account Tax Compliance Act Apresentação à ABBC

F.A.T.C.A. Foreign Account Tax Compliance Act Apresentação à ABBC F.A.T.C.A. Foreign Account Tax Compliance Act Apresentação à ABBC Fevereiro/2013 OVERVIEW: HISTÓRICO, FFIS, IMPOSTO NA FONTE, US PERSONS. HISTÓRICO ALVO: FAT CATS. Resposta aos escândalos, envolvendo diversos

Leia mais

Informações Fundamentais Destinadas aos Investidores (IFI)

Informações Fundamentais Destinadas aos Investidores (IFI) Informações Fundamentais Destinadas aos Investidores (IFI) O presente documento fornece as informações fundamentais destinadas aos investidores sobre este Fundo. Não é material promocional. Estas informações

Leia mais

ANÚNCIO DE LANÇAMENTO PELA TEIXEIRA DUARTE, S.A. DE OFERTA PÚBLICA GERAL DE AQUISIÇÃO DE ACÇÕES DA TEIXEIRA DUARTE ENGENHARIA E CONSTRUÇÕES, S.A.

ANÚNCIO DE LANÇAMENTO PELA TEIXEIRA DUARTE, S.A. DE OFERTA PÚBLICA GERAL DE AQUISIÇÃO DE ACÇÕES DA TEIXEIRA DUARTE ENGENHARIA E CONSTRUÇÕES, S.A. TEIXEIRA DUARTE, S.A. Sede: Lagoas Park, Edifício 2, Porto Salvo, Oeiras Capital social: 287.880.799,00 Matriculada na Conservatória do Registo Comercial de Cascais sob o n.º único de matrícula e pessoa

Leia mais

newsletter Nº 85 FEVEREIRO / 2014

newsletter Nº 85 FEVEREIRO / 2014 newsletter Nº 85 FEVEREIRO / 2014 Assuntos em Destaque Resumo Fiscal/Legal Janeiro de 2014 2 IFRS 10 Demonstrações Financeiras Consolidadas 3 Revisores e Auditores 6 LEGISLAÇÃO FISCAL/LEGAL Presidência

Leia mais

III Congresso de Direito Fiscal (IDEFF/Almedina, 11 Outubro 2012, Hotel Altis)

III Congresso de Direito Fiscal (IDEFF/Almedina, 11 Outubro 2012, Hotel Altis) III Congresso de Direito Fiscal (IDEFF/Almedina, 11 Outubro 2012, Hotel Altis) 6º Painel: Benefícios Fiscais e Competitividade A Zona Franca da Madeira: Papel e Ponto de Situação O Sistema Fiscal Português:

Leia mais

Balcão. 0,58% 0,58% -- -- Mínimo / Máximo 36,23/-- 36,23/-- -- --

Balcão. 0,58% 0,58% -- -- Mínimo / Máximo 36,23/-- 36,23/-- -- -- Na contratação de serviços de investimento em valores mobiliários, os investidores não qualificados devem analisar atentamente o preçário para calcular os encargos totais previsíveis do investimento a

Leia mais

Depósito Centralizado, Custódia e Escrituração As novas regras vigentes a partir de julho 2014

Depósito Centralizado, Custódia e Escrituração As novas regras vigentes a partir de julho 2014 Depósito Centralizado, Custódia e Escrituração As novas regras vigentes a partir de julho 2014 Novas regras para depósito centralizado, custódia e escrituração Em 20/12/2013 a CVM editou as Instruções

Leia mais

Mercados e Investimentos Financeiros

Mercados e Investimentos Financeiros Mercados e Investimentos Financeiros Funcionamento dos Mercados de Reporte e Empréstimos de Valores Mobiliários Ana H. Roseiro Ana Luísa Cardoso Newton Chatala Tiago Carvalho APRESENTAÇÃO DO TEMA Objectivo

Leia mais

Conferência Privacidade, Inovação e Internet. 22 de maio de 2013 Sala 2 da Culturgest

Conferência Privacidade, Inovação e Internet. 22 de maio de 2013 Sala 2 da Culturgest Conferência Privacidade, Inovação e Internet 22 de maio de 2013 Sala 2 da Culturgest Com a Colaboração Patrocinadores Globais APDSI Privacidade, Inovação e Internet Enquadramento Nacional e Europeu sobre

Leia mais

REGULAMENTADO SESSÃO ESPECIAL DE MERCADO. Apuramento dos Resultados da Oferta Pública de Subscrição das Obrigações FC PORTO SAD 2014-2017

REGULAMENTADO SESSÃO ESPECIAL DE MERCADO. Apuramento dos Resultados da Oferta Pública de Subscrição das Obrigações FC PORTO SAD 2014-2017 SESSÃO ESPECIAL DE MERCADO REGULAMENTADO Apuramento dos Resultados da Oferta Pública de Subscrição das Obrigações FC PORTO SAD 2014-2017 4 de Junho de 2014 Não dispensa a consulta do prospecto e respectiva

Leia mais

Informação Complementar aos Clientes

Informação Complementar aos Clientes Informação Complementar aos Clientes 1. Classificação dos Clientes O Banco Finantia, S.A. (de ora em diante o BANCO) procede à classificação de cada cliente, de acordo com critérios definidos na lei. Os

Leia mais

2.12.2011 Jornal Oficial da União Europeia L 319/117

2.12.2011 Jornal Oficial da União Europeia L 319/117 2.12.2011 Jornal Oficial da União Europeia L 319/117 DECISÃO DO BANCO CENTRAL EUROPEU de 16 de Novembro de 2011 que estabelece regras e procedimentos detalhados para implementação dos critérios de elegibilidade

Leia mais

Contratos Diferenciais CFDs: Contracts For Difference

Contratos Diferenciais CFDs: Contracts For Difference Contratos Diferenciais CFDs: Contracts For Difference PRODUTO FINANCEIRO COMPLEXO ADVERTÊNCIA AO INVESTIDOR Risco de perda súbita total, superior ou parcial do capital investido Remuneração não garantida

Leia mais

Política de Subcontratação

Política de Subcontratação 1. Introdução O presente documento define a Política de Subcontratação adoptada pelo Banco Espírito Santo de Investimento, S.A. ( BES Investimento ou Banco ). A Política de Subcontratação baseia-se na

Leia mais

Activo subjacente: activo que serve de base a outros instrumentos financeiros, como sejam os futuros, as opções e os warrants autónomos.

Activo subjacente: activo que serve de base a outros instrumentos financeiros, como sejam os futuros, as opções e os warrants autónomos. GLOSSÁRIO Activo subjacente: activo que serve de base a outros instrumentos financeiros, como sejam os futuros, as opções e os warrants autónomos. Assembleia geral: órgão das sociedades anónimas em que

Leia mais

I Fórum Crédito e Educação Financeira

I Fórum Crédito e Educação Financeira 25 de Janeiro de 2012 Pedro Duarte Neves A Importância Estratégica da Formação Financeira 2 A LITERACIA FINANCEIRA É UM PILAR ESTRATÉGICO DA ACTUAÇÃO DO BANCO DE PORTUGAL O Banco de Portugal tem dedicado

Leia mais

RELATO FINANCEIRO DOS MEDIADORES DE SEGUROS OU DE RESSEGUROS

RELATO FINANCEIRO DOS MEDIADORES DE SEGUROS OU DE RESSEGUROS PROJECTO DE NORMA REGULAMENTAR RELATO FINANCEIRO DOS MEDIADORES DE SEGUROS OU DE RESSEGUROS Nos termos da alínea f) do artigo 58.º do Decreto-lei n.º 144/2006, de 31 de Julho, alterado pelo Decreto-Lei

Leia mais

Direcção de Redes Comerciais & Cross Selling Banif Euro Corporates

Direcção de Redes Comerciais & Cross Selling Banif Euro Corporates Direcção de Redes Comerciais & Cross Selling Banif Euro Corporates Fundo de Investimento Mobiliário Aberto de Obrigações Julho de 2014 Banif Euro Corporates porquê? Trata-se de um Fundo de obrigações maioritariamente

Leia mais

Simplificação nas PMEs

Simplificação nas PMEs Simplificação nas PMEs Aproveitamento das Novas Tecnologias DGITA Portal Declarações Electrónicas Dezembro 2007 Simplificação nas PMEs - Aproveitamento das Novas Tecnologias 1 Agenda O que é a DGITA? Estratégia

Leia mais

A DÍVIDA PAGA-SE SEMPRE 1

A DÍVIDA PAGA-SE SEMPRE 1 A Dívida Paga-se Sempre Teodora Cardoso A DÍVIDA PAGA-SE SEMPRE 1 Teodora Cardoso As Duas Faces da Dívida Usada com moderação e sentido do risco, a dívida é um factor de desenvolvimento e promove o bem-estar.

Leia mais

PROJECTO DE LEI N.º 390/XI/1.ª SERVIÇO UNIVERSAL DE ACESSO À INTERNET EM BANDA LARGA

PROJECTO DE LEI N.º 390/XI/1.ª SERVIÇO UNIVERSAL DE ACESSO À INTERNET EM BANDA LARGA Grupo Parlamentar PROJECTO DE LEI N.º 390/XI/1.ª SERVIÇO UNIVERSAL DE ACESSO À INTERNET EM BANDA LARGA Exposição de motivos O acesso à internet assume hoje um papel crucial na nossa sociedade, devendo

Leia mais

Portaria n.º 913-I/2003 de 30 de Agosto

Portaria n.º 913-I/2003 de 30 de Agosto Não dispensa a consulta do diploma publicado em Diário da República. Portaria n.º 913-I/2003 de 30 de Agosto (com as alterações introduzidas pela Portaria nº 1018/2004 (2ª Série), de 17 de Setembro e pela

Leia mais

DOCUMENTO DE TRABALHO DOS SERVIÇOS DA COMISSÃO RESUMO DA AVALIAÇÃO DE IMPACTO. que acompanha a. Proposta de

DOCUMENTO DE TRABALHO DOS SERVIÇOS DA COMISSÃO RESUMO DA AVALIAÇÃO DE IMPACTO. que acompanha a. Proposta de PT PT PT COMISSÃO EUROPEIA Bruxelas, xxx SEC (2010) xxx final DOCUMENTO DE TRABALHO DOS SERVIÇOS DA COMISSÃO RESUMO DA AVALIAÇÃO DE IMPACTO que acompanha a Proposta de REGULAMENTO DO PARLAMENTO EUROPEU

Leia mais

3. A autonomia político-administrativa regional não afecta a integridade da soberania do Estado e exerce-se no quadro da Constituição.

3. A autonomia político-administrativa regional não afecta a integridade da soberania do Estado e exerce-se no quadro da Constituição. TÍTULO VII - Regiões autónomas Artigo 225.º (Regime político-administrativo dos Açores e da Madeira) 1. O regime político-administrativo próprio dos arquipélagos dos Açores e da Madeira fundamenta-se nas

Leia mais

Portaria nº 913-I/2003, de 30 de Agosto

Portaria nº 913-I/2003, de 30 de Agosto Portaria n.º 913-I/2003 de 30 de Agosto * Na sequência do Decreto-Lei n.º 183/2003, de 19 de Agosto, que alterou o Estatuto da Comissão do Mercado de Valores Mobiliários (CMVM), aprovado pelo Decreto-Lei

Leia mais

Política Global de Conflitos de Interesses

Política Global de Conflitos de Interesses Política Global de Conflitos de Interesses Índice 1. DECLARAÇÃO DE PRINCÍPIOS... 3 2. INTRODUÇÃO... 3 3. OBJECTIVO... 3 4. ALCANCE... 4 5. REGRAS E REGULAMENTAÇÕES... 5 6. ORIENTAÇÃO GERAL... 6 7. EXEMPLOS

Leia mais

Aldo Luiz Mendes Diretor de Política Monetária

Aldo Luiz Mendes Diretor de Política Monetária Aldo Luiz Mendes Diretor de Política Monetária Banco Central do Brasil Conferência ICMA no Brasil Hotel Tívoli São Paulo 8.5.2014 1 A regulação europeia e os mercados financeiros no Brasil 2 Compromissos

Leia mais

1. Objectivos do Observatório da Inclusão Financeira

1. Objectivos do Observatório da Inclusão Financeira Inclusão Financeira Inclusão Financeira Ao longo da última década, Angola tem dado importantes passos na construção dos pilares que hoje sustentam o caminho do desenvolvimento económico, melhoria das

Leia mais

Preçário. ENVIO PONTUAL EXTRATO DE MOVIMENTOS (a pedido do cliente)

Preçário. ENVIO PONTUAL EXTRATO DE MOVIMENTOS (a pedido do cliente) 1 CONTAS DE DEPÓSITO 1.1. DEPÓSITOS À ORDEM ENVIO PONTUAL EXTRATO DE MOVIMENTOS (a pedido do cliente) Movimentos efetuados até últimos 31 meses inclusive Envio por email 1,00 Envio por correio 5,00 Movimentos

Leia mais

RELATÓRIO & CONTAS Liquidação

RELATÓRIO & CONTAS Liquidação Fundo Especial de Investimento Aberto CAIXA FUNDO RENDIMENTO FIXO IV (em liquidação) RELATÓRIO & CONTAS Liquidação RELATÓRIO DE GESTÃO DEMONSTRAÇÕES FINANCEIRAS RELATÓRIO DO AUDITOR EXTERNO CAIXAGEST Técnicas

Leia mais

Guia dos Emitentes. Departamento de Supervisão de Emitentes e Auditoria. Data: 17/12/2015

Guia dos Emitentes. Departamento de Supervisão de Emitentes e Auditoria. Data: 17/12/2015 Guia dos Emitentes Departamento de Supervisão de Emitentes e Auditoria Data: 17/12/2015 Agenda Objectivos do Guia dos Emitentes Admissão de Valores Mobiliários nos Mercados Regulamentados Alternativas

Leia mais

27.1.2006 PT Jornal Oficial da União Europeia L 24/5 NORMA INTERNACIONAL DE RELATO FINANCEIRO 7. Instrumentos Financeiros: Divulgação de Informações

27.1.2006 PT Jornal Oficial da União Europeia L 24/5 NORMA INTERNACIONAL DE RELATO FINANCEIRO 7. Instrumentos Financeiros: Divulgação de Informações 27.1.2006 PT Jornal Oficial da União Europeia L 24/5 OBJECTIVO NORMA INTERNACIONAL DE RELATO FINANCEIRO 7 Instrumentos Financeiros: Divulgação de Informações 1 O objectivo desta IFRS é exigir às entidades

Leia mais

DOCUMENTO DE TRABALHO DOS SERVIÇOS DA COMISSÃO. Resumo da Avaliação de Impacto. que acompanha o documento

DOCUMENTO DE TRABALHO DOS SERVIÇOS DA COMISSÃO. Resumo da Avaliação de Impacto. que acompanha o documento COMISSÃO EUROPEIA Bruxelas, 20.10.2011 SEC(2011) 1218 final DOCUMENTO DE TRABALHO DOS SERVIÇOS DA COMISSÃO Resumo da Avaliação de Impacto que acompanha o documento Proposta de Regulamento do Parlamento

Leia mais

Millennium bcp 2 Julho 2011

Millennium bcp 2 Julho 2011 Preçário de Títulos Na contratação de serviços de investimento em valores mobiliários, os investidores devem analisar atentamente o preçário para calcular os encargos totais previsíveis do investimento

Leia mais

DOCUMENTO DE CONSULTA PÚBLICA

DOCUMENTO DE CONSULTA PÚBLICA DOCUMENTO DE CONSULTA PÚBLICA N.º 8/2010 Projecto de Orientação Técnica relativa ao desenvolvimento dos sistemas de gestão de riscos e de controlo interno das entidades gestoras de fundos de pensões 31

Leia mais

F.Q.S. DI - Fundo de Aplicação em Quotas de Fundos de Investimento Financeiro (Administrado pelo Banco Safra S.A.) Demonstrações financeiras em 31 de

F.Q.S. DI - Fundo de Aplicação em Quotas de Fundos de Investimento Financeiro (Administrado pelo Banco Safra S.A.) Demonstrações financeiras em 31 de F.Q.S. DI - Fundo de Aplicação em Quotas de Fundos de Investimento Financeiro Demonstrações financeiras em 31 de março de 2004 e de 2003 e parecer dos auditores independentes Parecer dos auditores independentes

Leia mais

DECISÃO DO BANCO CENTRAL EUROPEU

DECISÃO DO BANCO CENTRAL EUROPEU L 134/22 Jornal Oficial da União Europeia 21.5.2011 DECISÕES DECISÃO DO BANCO CENTRAL EUROPEU de 20 de Abril de 2011 relativa à selecção dos fornecedores do serviço de rede do TARGET2-Securities (BCE/2011/5)

Leia mais

Banking. Estudos de Remuneração 2012

Banking. Estudos de Remuneração 2012 Estudos de 2012 Estudos de Banking 2012 2 Nota preliminar pág. 3 Técnico de Tesouraria pág. 4 Banking Técnico de Controlo de Crédito pág. 5 Analista de Crédito Técnico de Back-Office Técnico de Derivados

Leia mais

FATCA Foreign Account Tax Compliance Act. Junho de 2013

FATCA Foreign Account Tax Compliance Act. Junho de 2013 FATCA Foreign Account Tax Compliance Act Junho de 2013 Aprovação e objectivos Aspectos introdutórios Aprovado pelo Governo norte-americano a 18 de Março de 2010, como parte integrante do Hiring Incentives

Leia mais

Informação Importante

Informação Importante Informação Importante Independentemente das condições de prestação de serviços bancários, de investimento, de recepção e transmissão de ordens por conta de outrem, cujos termos se encontram expressos nas

Leia mais

Enquadramento da atividade bancária

Enquadramento da atividade bancária Enquadramento da atividade bancária Miguel Matias E.S.T.G. Instituto Politécnico de Leiria CET TECNICAS GESTAO E COM INTERNACIONAL EDIÇÃO 2015/16 PROGRAMA 1. Enquadramento da atividade bancária 2. Conta

Leia mais

FRANCISCO MANTERO - PWC - CPLP 23/01/2013. 1. Título "Opções de financiamento para a CPLP" não é meu.

FRANCISCO MANTERO - PWC - CPLP 23/01/2013. 1. Título Opções de financiamento para a CPLP não é meu. FRANCISCO MANTERO - PWC - CPLP 23/01/2013 1. Título "Opções de financiamento para a CPLP" não é meu. Poderia dar ideia que há opções de financiamento específicas para a CPLP em si mesma e para os Estados

Leia mais

NCRF 2 Demonstração de fluxos de caixa

NCRF 2 Demonstração de fluxos de caixa NCRF 2 Demonstração de fluxos de caixa Esta Norma Contabilística e de Relato Financeiro tem por base a Norma Internacional de Contabilidade IAS 7 - Demonstrações de Fluxos de Caixa, adoptada pelo texto

Leia mais

Desafios da Implementação dos Novos. Basileia nos PALOP s. Cidade da Praia, 2014

Desafios da Implementação dos Novos. Basileia nos PALOP s. Cidade da Praia, 2014 Desafios da Implementação dos Novos Acordos de Convergência de Capitais de Basileia nos PALOP s A experiência i do Banco de Moçambique Cidade da Praia, 2014 Estrutura da Apresentação 1. Contexto to do

Leia mais

A implementação do balcão único electrónico

A implementação do balcão único electrónico A implementação do balcão único electrónico Departamento de Portais, Serviços Integrados e Multicanal Ponte de Lima, 6 de Dezembro de 2011 A nossa agenda 1. A Directiva de Serviços 2. A iniciativa legislativa

Leia mais

Conselho Geral e de Supervisão REGULAMENTO INTERNO COMISSÃO DE ESTRATÉGIA E PERFORMANCE

Conselho Geral e de Supervisão REGULAMENTO INTERNO COMISSÃO DE ESTRATÉGIA E PERFORMANCE Conselho Geral e de Supervisão REGULAMENTO INTERNO COMISSÃO DE ESTRATÉGIA E PERFORMANCE Aprovado em 18 de Junho de 2015 REGULAMENTO INTERNO DA COMISSÃO DE ESTRATÉGIA E PERFORMANCE ÍNDICE Artigo 1.º Instituição

Leia mais

TÍTULOS. Entrada em vigor: 29-julho-2015

TÍTULOS. Entrada em vigor: 29-julho-2015 TÍTULOS Entrada em vigor: 29-julho-2015 Na contratação de serviços de investimento em valores mobiliários, os investidores não qualificados devem analisar atentamente o preçário para calcular os encargos

Leia mais

FEDERAÇÃO NACIONAL DAS COOPERATIVAS DE CONSUMIDORES, FCRL

FEDERAÇÃO NACIONAL DAS COOPERATIVAS DE CONSUMIDORES, FCRL COMENTÁRIOS DA FENACOOP PROCEDIMENTOS DE MUDANÇA DE COMERCIALIZADOR As cooperativas de consumo são, nos termos da Constituição e da Lei, entidades legítimas de representação dos interesses e direitos dos

Leia mais

CONDIÇÕES FINAIS. Banco BPI, S.A. (constituído com responsabilidade limitada na República Portuguesa) através do seu escritório em Lisboa

CONDIÇÕES FINAIS. Banco BPI, S.A. (constituído com responsabilidade limitada na República Portuguesa) através do seu escritório em Lisboa CONDIÇÕES FINAIS Banco BPI, S.A. (constituído com responsabilidade limitada na República Portuguesa) através do seu escritório em Lisboa Emissão até EUR 100.000.000 de Obrigações a Taxa Fixa BPI RENDIMENTO

Leia mais

FATCA Próximos Passos

FATCA Próximos Passos FATCA Próximos Passos Falso FATCA The Latest 2 News on FATCA and Voluntary Disclosure Rules in the US 2011 Baker & McKenzie 2 Qual o impacto do FATCA? Minha instituição financeira não será afetada pois

Leia mais

PROJECTO DE LEI N.º /X SERVIÇO UNIVERSAL DE ACESSO À INTERNET EM BANDA LARGA. Exposição de motivos

PROJECTO DE LEI N.º /X SERVIÇO UNIVERSAL DE ACESSO À INTERNET EM BANDA LARGA. Exposição de motivos Grupo Parlamentar PROJECTO DE LEI N.º /X SERVIÇO UNIVERSAL DE ACESSO À INTERNET EM BANDA LARGA Exposição de motivos O enorme atraso na democratização do acesso à internet é um motivo de preocupação para

Leia mais

Aplicação do Direito da Concorrência Europeu na UE

Aplicação do Direito da Concorrência Europeu na UE Aplicação do Direito da Concorrência Europeu na UE Manuel Sebastião Brasília 21 de Maio de 2009 ÍNDICE 1. INTRODUÇÃO 2. MODERNIZAÇÃO DAS REGRAS ARTIGOS 81 e 82 3. O CONTROLO DE CONCENTRAÇÕES 4. CONCLUSÕES

Leia mais

As nossas acções Sonaecom

As nossas acções Sonaecom 3.0 As nossas acções Em 2009, as acções da Sonaecom registaram o segundo melhor desempenho do PSI-20, valorizando cerca de 92,2 %, o que constitui uma prova clara da nossa resiliência e um voto de confiança

Leia mais

Organização do Mercado de Capitais Português

Organização do Mercado de Capitais Português Instituto Superior de Economia e Gestão Organização do Mercado de Capitais Português Docente: Discentes : Prof. Dra. Raquel Gaspar Inês Santos João Encarnação Raquel Dias Ricardo Andrade Temas a abordar

Leia mais

- Reforma do Tesouro Público

- Reforma do Tesouro Público - Reforma do Tesouro Público Em Novembro de 1997 foram definidas as opções estratégicas do Ministério das Finanças para a adopção da moeda Única ao nível da Administração Financeira do Estado. Estas opções,

Leia mais

Instrução n.º 3/2005 Informação Estatística sobre Operações de Day-Trading (revoga a Instrução da CMVM n.º 7/2000)

Instrução n.º 3/2005 Informação Estatística sobre Operações de Day-Trading (revoga a Instrução da CMVM n.º 7/2000) Instrução n.º 3/2005 Informação Estatística sobre Operações de Day-Trading (revoga a Instrução da CMVM n.º 7/2000) A CMVM, no âmbito das suas atribuições de supervisão, carece que os intermediários financeiros

Leia mais

$ $ ETF EXCHANGE TRADED FUND $ $

$ $ ETF EXCHANGE TRADED FUND $ $ ETF EXCHANGE TRADED FUND Investimento para quem busca a possibilidade de melhores retornos, através de uma carteira diversificada e com menor custo. Confira porque os fundos de índices são a nova opção

Leia mais

Lançamento nº 2 - Eliminação de operações internas (VNDs e CMPs) entre A e B

Lançamento nº 2 - Eliminação de operações internas (VNDs e CMPs) entre A e B LEC11 CONTABILIDADE II CAPÍTULO IV CONSOLIDAÇÃO DE CONTAS COMENTÁRIOS À RESOLUÇÃO DO EXERCÍCIO 1 Lançamento nº 1 - Eliminação de saldos entre empresas do grupo As empresas do Grupo efectuaram operações

Leia mais

Secção II 1* Fundos e sociedades de investimento imobiliário para arrendamento habitacional

Secção II 1* Fundos e sociedades de investimento imobiliário para arrendamento habitacional Secção II 1* Fundos e sociedades de investimento imobiliário para arrendamento habitacional Artigo 102.º Objecto É aprovado o regime especial aplicável aos fundos de investimento imobiliário para arrendamento

Leia mais

Restituição de cauções aos consumidores de electricidade e de gás natural Outubro de 2007

Restituição de cauções aos consumidores de electricidade e de gás natural Outubro de 2007 Restituição de cauções aos consumidores de electricidade e de gás natural Outubro de 2007 Ponto de situação em 31 de Outubro de 2007 As listas de consumidores com direito à restituição de caução foram

Leia mais

GESTÃO BANCÁRIA (NOTAS DAS AULAS)

GESTÃO BANCÁRIA (NOTAS DAS AULAS) GESTÃO BANCÁRIA (NOTAS DAS AULAS) ANEXO 3 E S DAS SOCIEDADES FINANCEIRAS Fernando Félix Cardoso Ano Lectivo 2004-05 SOCIEDADES CORRETORAS E FINANCEIRAS DE CORRETAGEM Compra e venda de valores mobiliários

Leia mais

Sistema Especial de Liquidação e de Custódia (Selic) Aspectos Jurídicos Relevantes

Sistema Especial de Liquidação e de Custódia (Selic) Aspectos Jurídicos Relevantes Sistema Especial de Liquidação e de Custódia (Selic) Aspectos Jurídicos Relevantes Agenda 1. Sistema de Pagamentos Brasileiro (SPB) 2. Papeis do Banco Central do Brasil no SPB 3. Sistema Especial de Liquidação

Leia mais

RESPONSABILIDADE SOCIAL DAS

RESPONSABILIDADE SOCIAL DAS ONU - ACÇÃO RSE E OS DIREITOS HUMANOS Lisboa, 13 de NOVEMBRO 2012 ESTRATÉGIA DA UE PARA A RESPONSABILIDADE SOCIAL DAS EMPRESAS ODETE SEVERINO UE: Responsabilidade Social das Empresas 2002 COM - RSE: um

Leia mais

BANCO NACIONAL DE ANGOLA. Workshop sobre EDUCAÇÃO FINANCEIRA. Tema: Consumer Protection and Financial Literacy in the provision of payment services

BANCO NACIONAL DE ANGOLA. Workshop sobre EDUCAÇÃO FINANCEIRA. Tema: Consumer Protection and Financial Literacy in the provision of payment services BANCO NACIONAL DE ANGOLA Workshop sobre EDUCAÇÃO FINANCEIRA Tema: Consumer Protection and Financial Literacy in the provision of payment services Orador: Ramos da Cruz Lisboa, Centro Cultural de Belém,

Leia mais

Circular 05 de Janeiro de 2009 (última actualização 16 de Fevereiro de 2009)

Circular 05 de Janeiro de 2009 (última actualização 16 de Fevereiro de 2009) Circular 05 de Janeiro de 2009 (última actualização 16 de Fevereiro de 2009) Assunto: s às Perguntas Mais Frequentes sobre a Instrução da CMVM n.º 3/2008 - Informação sobre Concessão de Crédito para a

Leia mais

Política Institucional Gerenciamento de Capital

Política Institucional Gerenciamento de Capital P a g e 1 1 P a g e 2 Índice: 1. Objetivos... 2 2. Estrutura... 3 Diretoria BNY Mellon Serviços Financeiros Distribuidora de Títulos e Valores Mobiliários S.A e BNY Mellon Banco S.A... 4 Diretor Responsável

Leia mais

INSTRUÇÃO CVM Nº 531, DE 6 DE FEVEREIRO DE 2013

INSTRUÇÃO CVM Nº 531, DE 6 DE FEVEREIRO DE 2013 Altera dispositivos da Instrução CVM nº 356, de 17 de dezembro de 2001 e da Instrução CVM nº 400, de 29 de dezembro de 2003. O PRESIDENTE DA COMISSÃO DE VALORES MOBILIÁRIOS - CVM torna público que o Colegiado,

Leia mais

Perspectiva de um Emitente Soberano República de Portugal

Perspectiva de um Emitente Soberano República de Portugal Perspectiva de um Emitente Soberano República de Portugal 31 de Janeiro de 2011 Alberto Soares IDENTIDADE FUNDAMENTAL DA MACROECONOMIA ECONOMIA ABERTA Poupança Interna + Poupança Externa Captada = Investimento

Leia mais

Ficha de informação 1 POR QUE RAZÃO NECESSITA A UE DE UM PLANO DE INVESTIMENTO?

Ficha de informação 1 POR QUE RAZÃO NECESSITA A UE DE UM PLANO DE INVESTIMENTO? Ficha de informação 1 POR QUE RAZÃO NECESSITA A UE DE UM PLANO DE INVESTIMENTO? Desde a crise económica e financeira mundial, a UE sofre de um baixo nível de investimento. São necessários esforços coletivos

Leia mais

Conselho da União Europeia Bruxelas, 24 de junho de 2016 (OR. en) Secretário-Geral da Comissão Europeia, assinado por Jordi AYET PUIGARNAU, Diretor

Conselho da União Europeia Bruxelas, 24 de junho de 2016 (OR. en) Secretário-Geral da Comissão Europeia, assinado por Jordi AYET PUIGARNAU, Diretor Conselho da União Europeia Bruxelas, 24 de junho de 2016 (OR. en) 10651/16 EF 206 ECOFIN 654 DELACT 127 NOTA DE ENVIO de: data de receção: 24 de junho de 2016 para: n. doc. Com.: Secretário-Geral da Comissão

Leia mais

EMIR Compensação de Derivados OTC através de Contrapartes Centrais

EMIR Compensação de Derivados OTC através de Contrapartes Centrais Lisboa, 6 de março de 2014 Jerónimo Lopes A OBRIGAÇÃO DE COMPENSAÇÃO/CLEARING ATRAVÉS DE UMA CONTRAPARTE CENTRAL 2 O SIGNIFICADO DE COMPENSAÇÃO/CLEARING NO EMIR O EMIR define COMPENSAÇÃO/CLEARING no art.

Leia mais

LISBOA PORTO FUNCHAL SÃO PAULO LUANDA MAPUTO PRAIA MACAU DILI SÃO TOMÉ PEQUIM SHANGAI. de investimento

LISBOA PORTO FUNCHAL SÃO PAULO LUANDA MAPUTO PRAIA MACAU DILI SÃO TOMÉ PEQUIM SHANGAI. de investimento LISBOA PORTO FUNCHAL SÃO PAULO LUANDA MAPUTO PRAIA MACAU DILI SÃO TOMÉ PEQUIM SHANGAI Portugal como plataforma de investimento LISBOA PORTO FUNCHAL SÃO PAULO LUANDA MAPUTO PRAIA MACAU DILI SÃO TOMÉ PEQUIM

Leia mais

INSTITUCIONAL. Eixo Prioritário 5 GOVERNAÇÃO E CAPACITAÇÃO. Operações no Domínio da Administração em Rede

INSTITUCIONAL. Eixo Prioritário 5 GOVERNAÇÃO E CAPACITAÇÃO. Operações no Domínio da Administração em Rede Eixo Prioritário 5 GOVERNAÇÃO E CAPACITAÇÃO INSTITUCIONAL Operações no Domínio da Administração em Rede Aviso para apresentação de candidaturas - Eixo Prioritário V Governação e Capacitação Institucional

Leia mais

NORMA CONTABILISTICA E DE RELATO FINANCEIRO 2 DEMONSTRAÇÃO DE FLUXOS DE CAIXA. Objectivo ( 1) 2 Âmbito ( 2) 2 Definições ( 3 a 6) 2

NORMA CONTABILISTICA E DE RELATO FINANCEIRO 2 DEMONSTRAÇÃO DE FLUXOS DE CAIXA. Objectivo ( 1) 2 Âmbito ( 2) 2 Definições ( 3 a 6) 2 NORMA CONTABILISTICA E DE RELATO FINANCEIRO 2 DEMONSTRAÇÃO DE FLUXOS DE CAIXA Esta Norma Contabilística e de Relato Financeiro tem por base a Norma Internacional de Contabilidade IAS 7 Demonstrações de

Leia mais

ANEXO VI - OPERAÇÕES SOBRE VALORES MOBILIÁRIOS *

ANEXO VI - OPERAÇÕES SOBRE VALORES MOBILIÁRIOS * ANEXO VI - OPERAÇÕES SOBRE VALORES MOBILIÁRIOS * 1. OPERAÇÕES DE BOLSA Mercado Euronext Lisboa - Mercado Vista 1.1. Ordens de Bolsa - Sobre o valor de transacção de cada espécie Até 2.000 euros 0,50% 6,73

Leia mais

AÇÕES CMVM Comissão do Mercado de Valores Mobiliários OUTUBRO 2012

AÇÕES CMVM Comissão do Mercado de Valores Mobiliários OUTUBRO 2012 AÇÕES CMVM Comissão do Mercado de Valores Mobiliários OUTUBRO 2012 Ações O que são ações? Uma ação é um título que representa uma fração do capital social de uma empresa, constituída sob a forma de uma

Leia mais

Preçário de Títulos Transacções Custódia de Títulos

Preçário de Títulos Transacções Custódia de Títulos Preçário de Títulos Transacções Custódia de Títulos Na contratação de serviços de investimento em valores mobiliários, os investidores não qualificados devem analisar atentamente o preçário para calcular

Leia mais

Home Broker e as novas ferramentas para o investidor. Os desafios de atrair mais investidores Pessoa Física para o Mercado

Home Broker e as novas ferramentas para o investidor. Os desafios de atrair mais investidores Pessoa Física para o Mercado Home Broker e as novas ferramentas para o investidor Os desafios de atrair mais investidores Pessoa Física para o Mercado A Evolução da Bolsa de Valores 1895: Fundação da Bolsa de Fundos Públicos de São

Leia mais