TRADE MARKETING. UM ESTUDO EXPLORATÓRIO JUNTO A EMPRESAS DE PRODUTOS ALIMENTÍCIOS.

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "TRADE MARKETING. UM ESTUDO EXPLORATÓRIO JUNTO A EMPRESAS DE PRODUTOS ALIMENTÍCIOS."

Transcrição

1 TRADE MARKETING. UM ESTUDO EXPLORATÓRIO JUNTO A EMPRESAS DE PRODUTOS ALIMENTÍCIOS. FRANCISCO J. S. M. ALVAREZ FAAP-SP - SÃO PAULO- SP BRASIL LUCIANO AUGUSTO TOLEDO PUC SÃO PAULO SP BRASIL SIDNEY MAÇAZZO CAIGAWA FEA - USP SÃO PAULO SP BRASIL THIAGO ROCHA JORDÃO FEA-USP SÃO PAULO- SP BRASIL 1

2 TRADE MARKETING. UM ESTUDO EXPLORATÓRIO JUNTO A EMPRESAS DE PRODUTOS ALIMENTÍCIOS. O presente trabalho, por meio da interdisciplinaridade entre Marketing e Trade Marketing, foi desenvolvido com o objetivo de fornecer uma análise da utilização do Trade Marketing em empresas do setor de alimentos. O trabalho apresenta-se sob a modalidade de pesquisa exploratória, complementado empiricamente por um estudo de caso, e se compõe de uma revisão do referencial teórico, mediante uma análise conceitual crítica de alguns aspectos pertinentes ao assunto Marketing e Trade Marketing. A Pesquisa exploratória concentrou-se no estudo de três empresas do setor alimentícios no Brasil. Chegou-se a conclusão de que a utilização do Trade Marketing amplia as estratégias de Marketing e orienta as empresas a buscar a satisfação do consumidor final, por meio de suas relações com os clientes varejistas. Palavras-chave: Trade Marketing, distribuição, Marketing Mix 2

3 1. Introdução Conforme Céspedes (1996), o ambiente de negócios está passando por transformações que afetam os mercados consumidores e as ações das empresas sobre esses mercados. Ainda segundo o mesmo autor, essas mudanças no ambiente empresarial produzem efeitos sobre o que está sendo vendido, sobre o que está sendo comprado, sobre como e sob quais condições competitivas é realizada a venda; e possuem ainda impacto significativo sobre as exigências de Marketing. O conceito de Marketing que considera o canal de distribuição como uma variável controlável da indústria, no seu esforço de conquista do consumidor final, já não pode ser aceito integralmente em todos os setores do mercado (Kotler, 2002). O pressuposto domínio da indústria sobre o canal de distribuição que está implícito no conceito acima, não está ocorrendo em todos os setores de negócios. O poder de negociação está passando das mãos dos produtores para as mãos dos varejistas, que buscam suas próprias ações mercadológicas e criam sua própria imagem junto ao consumidor final. Ao realizar um estudo do varejo europeu, Toledo, Neves e Machado (1997) afirmam que entre o fabricante e o varejista existem diversas forças que impactam o diminuído com o tempo. Atualmente a situação está se revertendo, com o aumento de poder da rede varejista. O canal de distribuição passa a ser um elemento de alta influência sobre as relações dos fabricantes com os consumidores finais. A comercialização dos produtos não é feita para o varejista, mas por meio do varejista. Para conquistar o consumidor final, o fabricante deve conquistar em primeiro lugar o seu cliente varejista. O novo cenário força as empresas produtoras a buscar novas alternativas de negociação e de relacionamento com os participantes do canal de distribuição, uma vez que estes terão forte influência sobre as estratégias e ações de Marketing das mesmas. Este novo modelo de interação de mercado em geral, e de relacionamento com os clientes em particular; está sendo fundamentado no conceito de Trade Marketing, que é o planejamento e controle das ações de venda, de mercado e dos benefícios oferecidos ao consumidor (Marketing), por meio do gerenciamento e controle das relações de vendas e Marketing estabelecidas com o canal de distribuição (Trade) (Kotler, 2002). Segundo Gronroos (2004), as empresas mais bem orientadas passam a encarar e tratar o revendedor não apenas como um cliente ou participante do mercado, mas como um componente fundamental de sua própria equipe, reforçando com essa afirmação a visão de que os fabricantes devem definir novas formas de relacionamento com os seus clientes, buscando uma integração de objetivos e de ações comerciais e de Marketing. Nesse contexto, é pertinente um estudo sobre a aplicação dos conceitos de Trade Marketing no âmbito de atuação das empresas de produtos alimentícios de consumo. 2. Objetivo e Método do Estudo O objetivo deste estudo é identificar a aplicação do conceito de Trade Marketing em empresas produtoras de produtos de consumo do setor de alimentos e, para isso foi escolhido o método de estudo de caso. De acordo com Bonoma (1985), o estudo de caso é uma descrição de uma situação gerencial, que envolve um ciclo de revisão de teoria-dados-teoria, o que o torna passível de ser utilizado na situação da empresas estudadas no presente trabalho. A escolha da indústria de alimentos para o estudo se deve às características propícias deste setor para a aplicação do conceito de Trade Marketing, quais sejam: alto número de empresas, de produtos e marcas sendo ofertados e distribuição realizada por intermédio de canais independentes que apresentam uma alta concentração da rede varejista. A investigação foi realizada mediante uma pesquisa exploratória com a aplicação do método de estudo de casos. Farina (1997) observa que a elaboração de um estudo de caso deve ser feita em estreita colaboração com a instituição objeto de estudo, visando apresentar 3

4 uma situação problema que exija tomada de decisão, pois é necessário o levantamento de dados que somente serão obtidos na empresa pesquisada. Foram pesquisadas três empresas do setor de alimentos; que tinham uma ampla linha de produtos voltados para o consumidor final; marcas que tinham relevância em volume de faturamento no setor e que estivessem em estágios diferentes de aplicação do conceito de Trade Marketing. Este método de investigação apresenta algumas limitações, sendo que a impossibilidade de projetar o resultado da pesquisa para o mercado como um todo, talvez seja a principal delas. Para aumentar a fidedignidade da investigação foi utilizado um protocolo de pesquisa. Isso deve atuar como facilitador para a coleta de dados dentro de formatos apropriados e reduzindo a necessidade de se retornar ao local onde o estudo foi realizado (Yin, 2001). 3. Referencial Teórico 3.1. Marketing O Marketing é o processo social e gerencial por meio do qual, indivíduos e grupos obtêm aquilo de que necessitam e desejam (Kotler, 2002). Para Cobra (1993), algumas pessoas relacionam Marketing apenas com propaganda ou com venda. O Marketing é mais do que propaganda ou venda simplesmente é mais do que um exercício de negociação entre produtores e distribuidores, é, sobretudo uma filosofia de trabalho, em que todos na empresa necessitam refletir e agir sob a ótica do Marketing. O Marketing é a ciência que trata do conjunto de atividades voltadas para a satisfação das necessidades e desejos dos consumidores, sejam eles indústrias ou pessoas (El-Check, 1991) e seu objetivo é descobrir o desejo do cliente e satisfazê-lo para obter lucro (Morris, 1991). McDonald e Dunbar (1995) afirmam que é vantagem para as empresas terem conhecimento das necessidades de seus clientes, pois esta seria a chave para o sucesso da gestão do Marketing. Conforme Kotler (2002), o Marketing é relevante tanto para os mercados industriais como para os de consumo final; tanto para os de indústrias de serviços como para os de indústrias de bens; tanto para pequenas como para grandes empresas; tanto para empresas que não visam ao lucro como para aquelas que o visam; e tanto para compradores como para vendedores. O aumento da concorrência global e as demandas dos clientes, dos cidadãos e do próprio ambiente, estão induzindo a mudança por todas as empresas e para se acompanhar as transformações são necessárias criar estratégias com base no que mercado exige (Grönross, 2004). Nesse contexto, é imperativo as empresas se manterem lucrativas por meio das vantagens competitivas (Zeithaml e Bitner, 2003). O conceito de vantagem competitiva consiste no conjunto de características ou atributos inerentes a um produto ou marca, os quais lhe conferem certa superioridade sobre os concorrentes imediatos segundo (Lambin, 2000) Composto de Marketing (Marketing Mix) O composto de Marketing, segundo Waterschoot (1992) foi introduzido por Neil Borden em 1953, com base no trabalho de James Culliton. Para James Culliton apud Waterschoot (1992), o gestor de negócios era alguém que combinava diferentes ingredientes. Desse momento em diante, a expressão composto de Marketing assumiu a conotação de composição de ingredientes para obtenção de uma resposta do mercado. Vários autores utilizam uma lista de variáveis (variáveis controláveis de Marketing) ou ferramentas, e de atividades relacionadas a elas para facilitar a explicação do conceito de Composto de Marketing. Dessa forma, para McCarthy (1960), o composto de Marketing compreende decisões que a empresa precisa tomar sobre as variáveis controláveis, com o intuito de atingir o mercado-alvo. Ainda segundo o mesmo autor, para organizar e simplificar as decisões, as variáveis controláveis de Marketing podem ser divididas em quatro grupos, conhecidos como os quatro P s do Marketing: Produto, Preço, Promoção e Praça (Distribuição). 4

5 Kotler (2002) considera o composto de Marketing como um conjunto de ferramentas de Marketing que a empresa utiliza para perseguir seus objetivos de Marketing no mercado alvo. Ainda segundo o mesmo autor, o composto de Marketing encerra a idéia de um conjunto de instrumentos ou de parâmetros decisórios O conceito de Canal de Distribuição Os consumidores finais têm literalmente milhares de locais onde podem encontrar os produtos que estão necessitando ou desejando. Esta disponibilidade de locais e produtos é resultado de um esforço de Marketing de atender o consumidor não apenas em suas necessidades de produtos e serviços, mas principalmente na disponibilização de tempo, local e formas de aquisição destes produtos. Esta presença dos produtos junto ao consumidor final é realizada por meio dos canais de distribuição ou canais de Marketing. Segundo Rrosenbloom (2002), os canais de Marketing podem ser definidos como um sistema organizado de empresas e agentes que, em conjunto, desenvolvem todas as atividades necessárias para unir os produtores aos consumidores finais, cumprindo com os objetivos e ações de Marketing. Ainda segundo o mesmo autor, a função dos canais de Marketing é, portanto processos ativos, não apenas de disponibilização, mas principalmente de motivação e de facilitação do processo de compras do consumidor final e que são realizados por organizações independentes e com objetivos próprios. Estas organizações formam um sistema onde necessitam trabalhar em conjunto de uma maneira integrada e coordenada. Por exemplo, os membros do canal devem ter posturas semelhantes com relação à imagem do produto e do serviço junto ao consumidor. Os participantes de um canal de distribuição são os consumidores finais; os intermediários compostos por varejistas, atacadistas, distribuidores, produtores, fornecedores; e os facilitadores que são compostos por empresas de transporte, armazenamento, agencias de propaganda, agencias de promoção e bancos (Kotler, 2002). Ainda segundo o mesmo autor, é pertinente destacar o papel exercido pelos atacadistas e pelos varejistas: Estão envolvidos com a compra e manipulação de produtos para a revenda a outras organizações, varejistas ou outros atacadistas, mas não vendem volumes significativos para consumidores finais. Estão envolvidos na compra e manipulação de produtos para a venda ao consumidor final; famílias, indivíduos e uso doméstico. É o elo final de ligação com o consumidor, na cadeia de distribuição. O papel do varejo na cadeia de distribuição consiste em vender produtos e serviços para os consumidores finais, indivíduos que compram algo para uso pessoal ou doméstico. Segundo Morgenstein e Strongin (1995), a função de varejo pode ser exercida pela própria empresa produtora, quando esta vende diretamente aos consumidores finais; como é o caso da Avon, empresa que vende produtos diretamente ao consumidor final de porta a porta ou como acontece na maioria das vezes por meio de empresas independentes especializadas em varejo. Embora busquem o mesmo objetivo; conquistar o consumidor final, e para tal tarefa necessitem um do outro, tanto os produtores como os varejistas sempre buscaram aperfeiçoar seus ganhos individuais em suas negociações, estabelecendo-se uma situação de conflito nas relações. O conflito pode ser visto como positivo no processo, pois segundo Rosenbloom (2002), o conflito ao menos significa que o relacionamento existe e se o custo de abandono da relação for alto, então as áreas críticas do conflito devem ser resolvidas. Nestas relações de conflito, onde se deve buscar uma alternativa de solução, o poder aparece como um forte influenciador na busca desta solução. O poder aqui é entendido como a habilidade de controlar a estratégia de outros membros do canal e de torná-los dependentes. Quanto mais dependente for o membro do canal, menor será o seu poder e mais suscetível estará a conceder favores aos desejos dos outros membros do canal. De acordo com 5

6 Rosenbloom (2002), o poder de mercado é a capacidade que os vendedores ou compradores podem ter de exercer influência no preço de uma mercadoria, e ainda segundo os mesmos autores um mercado é altamente concentrado quando apenas algumas empresas são responsáveis pela maior parte das vendas que nele ocorrem. Ainda segundo os autores a questão básica a ser avaliada, é como se deu a mudança de poder nas relações de negociação entre fabricantes e varejistas. A empresa produtora, por meio de um grande volume de produção e de reduções de preço, foi capaz de conquistar seu lugar junto ao canal de distribuição. No entanto, quando o conjunto de empresas da indústria adota a mesma ação, há um abastecimento excessivo do ponto de venda, tornando-se necessário que a empresa se diferencie individualmente de tal forma que o consumidor final identifique e procure o seu produto especificamente e não apenas o produto genérico de qualquer outro produtor. A marca que segundo Weilbacher (1994), é um nome, termo, símbolo ou desenho, ou uma combinação, que visa identificar os bens ou serviços de uma entidade vendedora ou grupo de entidades vendedoras e para diferenciando-os dos concorrentes, é um elemento de diferenciação que o produtor pode estabelecer junto ao consumidor final. Segundo Rosenbloom (2002), a marca é uma forma fácil para permitir que o consumidor identifique o produto ou o serviço. Através da marca os compradores estarão seguros que poderão ter o mesmo tipo de produto e a mesma qualidade quando fizerem a recompra. Portanto, se estratégias de Marketing do produtor criar na mente do consumidor uma identificação única para a marca, que a distingui das demais a ponto deste consumidor demandá-la no ponto de venda, estará estabelecida aí uma relação favorável ao fornecedor, de influência e poder nas negociações com o varejista (Kotler, 2002). Por meio de uma marca reconhecida o produtor pode ter um argumento de vendas único que o diferencia do concorrente e que não está vinculado a preço. Conforme Rosenbloom (2002), a marca pode expressar a forma que o fabricante tem de conversar com o consumidor final passando sobre os ombros do varejista e conseguindo o controle do canal de distribuição. Com sua marca, o produtor pode estimular a demanda no final da cadeia de distribuição, originando o chamado efeito de puxar a demanda, onde os varejistas se vêem obrigados a manter o produto daquela marca em suas prateleiras, para atender ao consumidor final. De acordo com Weilbacher (1994), para fixar e diferenciar a marca na mente do consumidor, as empresas têm que investir fortemente em publicidade, propaganda e promoção e ainda assim, em função do grande volume de veiculações a que o consumidor está exposto, não há garantia que a verba aplicada terá efetivamente retorno, pois, para cada categoria de produto, há sempre três ou quatro marcas buscando um posicionamento semelhante na mente do consumidor. Como as empresas produtoras estão lutando constantemente por mais espaço para colocar seus produtos e a proliferação de marcas e suas variantes tornam os produtos cada vez mais parecidos uns com os outros, os varejistas começam a valorizar seus pontos de vendas e só tendem a aceitar produtos que comprovadamente tenham um programa de divulgação e promoção, ou um desconto para atrair o consumidor. Quando não há confiança no giro do produto, os varejistas estão vendendo o espaço na área de vendas, obrigando o produtor que pagar uma taxa para poder colocar seu novo produto na prateleira. Outra situação difícil enfrentada pelos fabricantes é descrita por McCarthy (1996) considerando a influência da quantidade de produtos que estão expostos num grande varejista e a variedade de itens existentes que, por vezes, resultam em quantidades individuais relativamente pequenas; os varejistas sentem que para alguns itens suas vendas são tão inexpressivas, que não podem perder muito tempo escolhendo cada item de produto. Esta situação demonstra que o poder de negociação que, historicamente esteve nas mãos dos atacadistas e dos fabricantes, está passando para os varejistas e estes começam a fortificar seu posicionamento de Marketing, buscando criar uma identidade que se sobreponha 6

7 à própria imagem do produto na cabeça do consumidor. O fornecedor deve buscar novas formas de relacionamento para manter as suas negociações comerciais com o cliente. Não basta apenas a ação de venda do produto, mas é necessário concentrar-se nas ações pós venda como forma de continuidade e de manutenção dos clientes. O Marketing de relacionamento, que busca estas interações pós venda e a manutenção dos clientes como forma de diferenciação competitiva, e que segundo Vavra (1993), pode ser mais bem desenvolvido a partir da perspectiva do cliente, pois o cliente sente um desejo ou necessidade considerável para uma interação continuada com a organização de venda. Kotler (2002) enfatiza que o foco principal e o elemento decisório de Marketing é o consumidor. As políticas e estratégias mercadológicas dos produtores ou dos varejistas são destinadas a conquistar o consumidor final, pois é seu comportamento que irá determinar o sucesso ou fracasso de um produto ou de uma estratégia de vendas. Em sua análise do comportamento do consumidor Weilbacher (1994) afirma que os próprios consumidores, frente a um crescente fluxo de marcas e suas variações cada vez mais parecidas, não estão dispostos a pagar um diferencial de preço por uma marca que é muito parecida com suas concorrentes. Como as maiorias das marcas dentro de uma categoria de produto são, agora, mais ou menos parecidas, o consumidor, em decorrência, faz sua escolha com base em promoções de preço, sob a forma de cupons, ofertas promocionais, descontos de fábrica e outras ações visando o consumidor. O profissional de Marketing não consegue mais controlar os preços pagos pelos consumidores pelas marcas que são oferecidas e, portanto, o Marketing não pode mais livrar essas marcas da competição de preços e de margens O conceito de Trade Marketing No âmbito do Trade Marketing, o cliente varejista não pode ser encarado como um canal de passagem para o consumidor final, mas sim como um cliente, como um consumidor que é independente, que têm seus desejos e necessidades e que deve ser conquistado para que dê preferência ao produto da empresa frente ao produto da concorrência. Esta decisão de ver o varejista como um cliente e não como um canal de distribuição representa uma mudança significativa na orientação do produtor. Frases como gerenciamento do canal de distribuição pressupõem que o produtor detém a posição de poder e que pode se impor como líder no processo de distribuição, o que hoje é cada vez menos verdade. Palavras como intermediário não são apropriadas para descrever o varejista atual, uma vez que pressupõe um paradigma de Marketing, onde o varejista deverá aceitar que o produtor determine os produtos que irão ser comercializados no canal de distribuição. Isto representa uma realidade cada vez menos presente nos mercados de produtos de consumo com marca. Os varejistas deixaram de ter uma escolha limitada para as linhas de produtos que comercializavam, e passaram a ter um grande número de opções na maioria das linhas, podendo assim exercitar seu poder de seleção. Embora as motivações de compra destes varejistas possam ser menos emocionais que as de um consumidor final, as ações de Marketing serão aplicáveis da mesma forma e são essas ações de Trade Marketing, que as empresas produtoras podem utilizar para se diferenciar dos concorrentes (Davies, 1993). A função de Trade Marketing não é totalmente nova, pois as organizações de venda já reconhecem a importância dos principais clientes, que representam uma alta participação no faturamento e algumas já desenvolveram a função do gerente de contas especiais para atendêlos. A novidade está na forma como este atendimento está sendo realizado; com ações mais técnicas e objetivos específicos de participação e rentabilidade por cliente (Kotler, 2002). Os Trade Marketers são gerentes de negócios e não apenas vendedores; são consultores, planejadores e principalmente pessoas com um profundo conhecimento de seus clientes. Dominam todas as informações financeiras e de Marketing necessárias para aperfeiçoar o 7

8 volume de vendas de suas linhas de produtos, entendendo o posicionamento de mercado e as necessidades de seus clientes varejistas. Em função da abrangência de suas atividades, o responsável pela área de Trade Marketing deveria ter uma visão multidisciplinar e capacidade para desenvolver um forte poder de interação social e negociação. Em sua atividade diária, sob o ponto de vista da empresa, estará lidando com diversos assuntos relativos à área de Marketing tais como; produto, promoção, material de ponto de venda, comportamento do consumidor e preços; tratará ainda de aspectos de logística de entregas, de programação de produção, de finanças, de administração de vendas e outros. Para Davies (1993), o Trade Marketing Mix assim como no Marketing Mix, é um termo utilizado para descrever a combinação dos elementos e ações que aplicados, constituem as principais ferramentas da empresa na aplicação do conceito de Trade Marketing. Ainda segundo o mesmo autor, o Trade Marketing reconhece o varejista como um cliente que deve ter seus desejos e necessidades satisfeitas, e acaba considerando a somatória dos varejistas como um mercado a ser conquistado. Existe sempre o risco de que ao concentrar-se demasiadamente no varejo a empresa deixe de acompanhar a evolução do comportamento do consumidor final, o que em longo prazo poderia prejudicar significativamente a competitividade da empresa produtora. Analogamente ao Marketing voltado para o consumidor final, o Trade Marketing também têm seu composto ou Mix de elementos que devem ser administrados em conjunto para atingir os objetivos propostos (Davies, 1993). Os elementos que compõem o Trade Marketing Mix são os seguintes: Promoção onde o principal objetivo é conseguir o balanceamento entre a promoção do produto no ponto de venda e as promoções gerais de preço, buscando ainda o equilíbrio com a propaganda dirigida ao consumidor final, para construir a imagem da marca e do produto. Vendas substituição dos vendedores por Trade Marketers nos principais clientes, que têm uma alta participação no faturamento. Serviço é o principal elemento de negociação e atendimento, normalmente existirão diferenças entre o que o varejista deseja e demanda e o que o produtor pode efetivamente fornecer. Produto procurar diferenciação por meio da inovação ou de produtos dedicados ou exclusivos que ajudem o varejista a manter seu nível de competitividade Preço a concentração neste item como o principal ponto de negociação deve ser evitado, buscando ampliar o conceito para o valor dos produtos e serviços oferecidos. Presença de Mercado buscar a otimização da presença no ponto de venda destinando recursos em função das necessidades demandadas por cada cliente Resultados e Rentabilidade o resultado total da empresa é obtido pela somatória dos resultados individuais, e, portanto o custo de atendimento e as margens obtidas em cada cliente devem ser apurados; devendo ainda ser estabelecidos objetivos individuais de margem e rentabilidade para cada cliente e não apenas de volumes de vendas. O Trade Marketing considera cada cliente como um mercado e a aplicação dos elementos de seu composto serão utilizados para maximizar a participação e a lucratividade em cada cliente individualmente. Nesta mesma linha de desenvolvimento conceitual, Randall (1994) utiliza os 4P s (Produto, Preço, Promoção e Ponto de Venda) do Marketing Mix e os aplica ao Trade Marketing: PRODUTO - deve ser considerado com uma visão ampliada da Marca, uma vez que a importância desta junto ao consumidor final é que determinará o nível de influência do produtor sobre o varejista. PREÇO o preço continuará a ser um ponto crítico da negociação, e somente a 8

9 importância da marca junto ao consumidor final, é que poderá diminuir um pouco a influência deste item no processo de negociação. PROMOÇÃO a avaliação dos gastos de comunicação e promoção deve considerar as demandas e necessidades do ponto de venda PONTO DE VENDA a relação e o posicionamento junto ao mercado varejista deve ser entendido em seus aspectos mais amplos; a inter-relação entre Marketing, vendas, logística, manufatura, compras e desenvolvimento de fornecedores, deve ser entendida e assimilada por toda organização Os elementos do Trade Marketing Mix permitirão que a empresa aplique e desenvolva uma política de mercado voltada para o consumidor final, por meio do desenvolvimento de suas relações de negócios com os varejistas. Segundo Randall (1994), a aplicação dos conceitos de Trade Marketing na organização pode ser feita formalmente com a formação de uma estrutura que contemple a função específica de Trade Marketing, junto às funções de vendas e Marketing ou produto; ou de maneira informal com o estabelecimento das ações de vendas e Marketing e do gerenciamento de contas especiais. Ainda segundo o mesmo autor, a organização pode ser formada com BUSINESS TEAMS, que são grupos formados com a participação de diversos setores para estudar um projeto ou negócio específico, e por gerentes de contas especiais ou nacionais e de categorias, que são funções responsáveis por um grupo pequeno de clientes especiais. As políticas estariam sendo estabelecidas pelo grupo de trabalho, e os gerentes de contas teriam autonomia para tomar decisões táticas de acordo com as políticas estabelecidas. Para a operacionalização do sistema de Trade Marketing a empresa deverá atuar de forma diferenciada, voltada para o cliente em suas diversas áreas (produto, preços, equipe de vendas, serviços e resultados/rentabilidade). As ações e a operacionalização do conceito de Trade Marketing não se contrapõem às ações de vendas e Marketing tradicionais, a sua diferenciação está no fato de tratar o mercado de consumidores finais por meio das ações comerciais desenvolvidas junto ao canal de distribuição em geral e aos principais clientes em particular e em reconhecer a independência e a influência do cliente no processo de decisão de compra junto ao consumidor final (Randall, 1994). 4. Resultado do estudo de campo LECO ALIMENTOS S.A A VIGOR foi fundada em 1918 em São Paulo, para operar no segmento de Leite Condensado e Leite Pasteurizado. Ao longo do tempo a companhia se caracterizou pelo crescimento no setor de leite, principalmente pela expansão de sua coleta, que viabilizaria sua tradição de distribuidora de leite na cidade de São Paulo. Em 1982 adquire a Companhia Leco de Produtos Alimentícios, que na época era a segunda entre as empresas de laticínios. A marca Leco é mantida até hoje, como suporte à estratégia da empresa, de ocupar espaços no mercado. A empresa têm uma linha completa de derivados de leite, tendo produtos nas linhas de leite pasteurizado, leite longa vida, manteiga, iogurtes e queijos que compõem um total aproximado de 70 itens na linha de produtos. Alem disso existem outros 10 itens referentes à linha de óleos e margarinas. O faturamento atual da empresa está na ordem dos R$450 milhões. O sistema de distribuição da empresa é composto pela: pré-venda (auto serviço) que responde por 30% do faturamento, o empreiteiro que vende diretamente às padarias e representa 35% e os mini-distribuidores que vendem para os pequenos supermercados e representam outros 35%. O sistema de distribuição é bastante pulverizado, com uma frota de mais de 700 caminhões circulando na cidade de São Paulo e com o atendimento direto a lares com a marca LECO. Existem 1200 clientes que são atendidos diretamente pelo sistema de pré-venda. Neste 9

10 canal, até como reflexo do mercado, há uma forte concentração, sendo que os 10 principais clientes representam 10% das vendas totais da empresa; e o Carrefour e rede Pão de Açúcar representam, cada um, 10% da venda do auto serviço. A empresa tem a figura do Cliente Especial, que é definido pelo tipo de loja, e se compõem basicamente de hipermercados. Há um tratamento diferenciado para esses clientes em função do alto volume de negócios que são gerados. Em São Paulo esses clientes chegam a representar 30% do faturamento da pré-venda com 49 lojas, e em contrapartida representam algo em torno de 60% das despesas de vendas, em função das necessidades de promotores e serviços diferenciados Empresa: SADIA S/A A SADIA iniciou suas atividades em 1944 com um moinho de trigo e abatedouro - frigorífico de suínos. O nome SADIA tornou-se marca em Os produtos iniciais foram a farinha e farelo de trigo, banha, toucinho, lingüiça, salame, presunto, lombo, pernil e carnes salgadas. A empresa continuou a expandir suas atividades ao longo dos anos, em 1961 inicia a atividade de frangos, em 1964 de bovinos, em 1968 a de perus, em 1969 com o lançamento do hambúrguer entra no segmento de semi-prontos congelados que começa a ser expandido a partir de 1972, em 1974 é lançado o Peru Temperado Sadia, em 1979 inicia o negócio de Soja, em 1984 entra no segmento de empanados semi-prontos congelados, em 1986 lança o óleo de soja, em 1990 lança a linha Califórnia, de industrializados e derivados de Peru, em 1991 lança a margarina Qualy, ainda em 1991 lança a Pratice Line, linha de partes de frango empanadas semi-prontas congeladas, em 1993 seguindo a opção estratégica por produtos de maior valor agregado lança a linha Todo Sabor de pratos prontos congelados, em 1996 inicia a linha de pratos prontos à base de massa e em 1997 lança a pizza congelada. Ainda em 1997 lança a linha Sete Mares Sadia à base de peixe. Em 1998 lança 40 produtos para complementar as linhas existentes e lança a linha de massas frescas. A empresa atua com a Marca Sadia como guarda-chuva para toda a linha; tendo desenvolvido para segmentos específicos marcas diferentes tais como Pratice Line, Sete Mares, Todo Sabor e Qualy, dentre outros. A distribuição é feita por meio de 19 centros regionais, buscando suprir 90% do mercado. A implantação de um sistema informatizado que permite fazer projeções de demanda, completou o grande investimento em redução de custos em todo o processo de distribuição, o que permitiu uma economia de R$30 milhões em Os canais utilizados são os auto-serviços, o varejo tradicional com e sem consumo local e o canal institucional. A empresa atende clientes, diretamente. Esta quantidade permite que a concentração não seja tão representativa, o principal cliente representa 5% do faturamento, apesar de que esse percentual tem crescido, uma vez que representava apenas 3% dois anos atrás. Existem 10 clientes especiais cuja característica é serem nacionais ou multi-regionais, que em conjunto representam algo em torno de 20% do faturamento QUAKER DO BRASIL LTDA A Quaker Oats Company foi fundada em 1877 e hoje com sede em Chicago nos EUA, opera em mais de 20 países. Apesar de estar no Brasil desde o início do século, suas atividades começaram a ganhar força a partir de 1950, com o início de operação da fábrica de aveia no Rio Grande do Sul. A Quaker Brasil Ltda é uma empresa alimentícia que opera nas áreas de cereais, pescados, massas alimentícias, achocolatados e bebidas para esportistas. Nos anos 60 lançou os produtos derivados de milho, Polentina e Milharina. Na década de 70 entrou no segmento de sardinhas em lata. No início dos anos 80 entrou no segmento de achocolatados em pó, com a aquisição da TODDY, e ampliou o segmento de pescados com a introdução do Atum COQUEIRO. Ainda nesta época lançou o leite achocolatado TODDYNHO, e o achocolatado em pó CHOCOMIX, para atuar num segmento diferente do 10

11 Toddy. No final da década de 80 passou a atuar no segmento de bebidas isotônicas, com o GATORADE. Na década de 90 iniciou a ampliação da linha de aveias, com introdução de mais dois novos produtos, lançou ainda três novos produtos na linha de pescados e concretizou a compra da ADRIA, entrando assim no mercado de massas. O composto de produtos possui aproximadamente 120 itens, e todas as marcas são conhecidas, Quaker, Toddy, Coqueiro, Gatorade e Adria, de tal forma que não se coloca a assinatura institucional com o logotipo Quaker, nas marcas. O faturamento anual da Quaker está alcançando 500 milhões de dólares. A distribuição de produtos é feita por meio de Atacadistas que representam 15% das vendas; Distribuidores que atendem as pequenas lojas, padarias, e os pontos de dose e canal frio e que respondem por 45% das vendas e do Auto Serviço que é atendido pela equipe de vendedores e responde por 40% das vendas. A empresa atende diretamente 3000 clientes, que na realidade podem ser definidos como pontos de entrega, uma vez que essa definição de clientes refere se a pontos de entrega; por exemplo, cada loja Carrefour é considerada como um cliente, já o conjunto das lojas do Pão de Açúcar que têm um endereço central de entrega são consideradas, apenas um cliente. No segmento de auto serviço existe uma forte concentração de vendas que vem se acentuando ano a ano; os dois maiores clientes; o Carrefour e o Grupo Pão de Açúcar representam aproximadamente 14% dos negócios. Nas vendas da linha Gatorade, há a figura dos clientes especiais que são atendidos exclusivamente pelo Key Account Manager (Gerente de Contas). Para as vendas das outras linhas não existe essa distinção. 5. Dados Identificados nas empresas pesquisadas As empresas pesquisadas estão participando de mercados altamente competitivos, com uma grande quantidade de concorrentes regionais e alguns de relevância nacional. São empresas tradicionais, de marcas conhecidas e de destaque em seu segmento de negócios. A Sadia e a Quaker são líderes em praticamente todos os segmentos onde atuam e a Vigor têm a liderança em alguns segmentos. A Sadia fatura anualmente mais de dois bilhões de reais e as outras duas encontram-se na faixa dos 500 milhões de reais ao ano, o que as coloca entre as 15 maiores empresas brasileiras do setor de alimentos por volume de faturamento, sendo, portanto empresas importantes e de relevância tanto em termos de consumidores finais quanto de clientes varejistas. As três empresas têm um portfólio de produtos bastante amplo, ultrapassando a marca de 100 itens em diversos segmentos, sendo que a Sadia chega a ter 400 itens. A distribuição é bastante ampla, utilizando-se de diferentes estruturas para atender os pequenos varejistas. Em média o setor de auto-serviço representa entre 30-50% das vendas. Todas reconhecem que o setor de auto-serviços está bastante concentrado e que apresenta uma tendência de ampliação do poder de compra nas grandes redes. Houve uma unanimidade em afirmar que o mercado ficará polarizado entre o Carrefour, o Grupo Pão de Açúcar, o Bompreço e o grupo Sonae. Os dois principais clientes, em geral, o Carrefour e o Grupo Pão de Açúcar, têm uma fatia significativa das vendas e chegam a representar até 15% do faturamento, embora as empresas atendam diretamente quantidade expressiva de clientes (entre 1200, 3000 e ). De diferentes formas todos têm um tratamento diferenciado para os clientes especiais, que são os que representam o maior volume de faturamento, e formariam o nível A da curva ABC. Houve concordância quanto à concentração de poder das grandes redes e à dificuldade crescente nas relações de negociação e quanto à necessidade de desenvolver novos 11

12 instrumentos para orientar esse processo. As empresas e os mercados acima caracterizados apresentam um ambiente favorável para a implantação do conceito de Trade Marketing O conceito de trade marketing na organização As empresas pesquisadas encontram-se em estágios diferentes quanto ao conhecimento e aplicação dos conceitos de Trade Marketing. A Sadia é a que mais avançou, tendo uma estrutura formal para toda a organização, apesar da mesma ter sido oficializada há apenas seis meses; a Quaker têm o conceito implantado em uma das divisões (Gatorade) e está no processo de ampliar esta implantação para as demais e a Vigor não implantou ainda o conceito e não tem planos de implantá-lo no momento. A função de Trade Marketing está subordinada à Diretoria Comercial nas duas empresas Aplicação dos conceitos de trade marketing Desenvolvimento de Produtos As duas empresas que estão no processo de aplicação do Trade Marketing, (Sadia e Quaker) consideram de alguma forma as demandas dos clientes no processo de desenvolvimento de novos produtos, no entanto não trabalham com lançamentos de produtos concentrados em clientes específicos, não têm exclusividade de vendas e têm política de não produzir produtos de marcas próprias de varejistas. Já a Vigor, que não implantou o Trade Marketing, desenvolve os produtos sem considerar as demandas ou necessidades do canal de distribuição. Em contrapartida possui uma política de produzir as marcas dos varejistas. Existe uma concordância em estabelecer o mix de produtos por canal de venda, mas não ainda por cliente Políticas Comerciais e de Preços As tabelas de preços são únicas para todos os segmentos. Existem diferenciações nas políticas de descontos e prazos de pagamentos, que são padronizadas por volume de vendas. A diferenciação no preço e condições praticadas ocorre no processo de negociação individual, onde o poder de compra do cliente pode impor condições particulares. A tabela de preços não considera a competitividade entre os clientes, mas sim a concorrência da própria indústria. Os custos dos serviços demandados pelos clientes não são considerados na elaboração dos preços Promoção e Propaganda A separação formal da verba de comunicação entre as ações de propaganda destinadas ao produto e as ações de promoção no canal é bastante clara nas empresas que estão aplicando o Trade Marketing, mas não é realizada na que não aplica o conceito. A evolução dos gastos de promoção com o ponto de venda, em detrimento das ações de propaganda de produto, é comum às três empresas, no entanto apenas a Sadia e a Quaker têm planos anuais formais de ações de promoção e vendas destinados aos principais clientes, e planejamento e quantificação da verba a ser gasta com cada um deles Equipe de Vendas Em geral as equipes de vendas são formadas em função das características e do perfil dos clientes e dos segmentos, e só então ocorre a divisão regional. As empresas que aplicam o Trade Marketing têm pessoas dedicadas a gerenciar os negócios de um cliente específico, podem ser chamados de Key Account Manager ou de vendedores especiais e têm a responsabilidade por toda a operação de vendas, logística e promoção junto ao cliente. Respondem ainda pelos planos de venda e pela rentabilidade 12

13 gerada no relacionamento comercial com o cliente. Estas empresas têm ainda planos formais de marketing para os principais clientes, que especificam os objetivos de vendas e rentabilidade, as ações de promoção de vendas, os serviços que serão prestados e a verba a ser utilizada Logística e Serviços Existe nos principais clientes um serviço de reposição automática que é realizado via EDI e via promotores e repositores. Todas as empresas mantém promotores/repositores dedicados exclusivamente a uma loja nos principais clientes, que administram a exposição e fluxo de produtos no ponto de venda.. Há um entendimento que a indústria tem que se preocupar em assumir a administração do espaço de venda que lhe é destinado pelo cliente. As empresas que estão aplicando o Trade Marketing já estão avançadas ou em processo de implantação acelerado do sistema de EDI (troca eletrônica de dados). A empresa que não aplicou o Trade Marketing está iniciando o processo de forma um pouco céptica, quanto à sua validade e utilidade Resultados e Rentabilidade As três empresas apuram a rentabilidade obtida com cada cliente especial e especificam os custos de vendas, atividades promocionais e serviços prestados. A diferença básica é que as que utilizam o Trade Marketing têm planos formais por cliente onde são estabelecidas as metas e as ações de vendas a serem aplicadas aos clientes e suas respectivas verbas. É interessante frisar a importância que se dá a apuração dos resultados de rentabilidade dos principais clientes Implementação do conceito de trade marketing As duas empresas (Sadia e Quaker) que estão adiantadas no processo de implantação do Trade Marketing reconhecem a necessidade da aplicação do conceito e sua utilidade e importância no relacionamento da empresa com seu canal de vendas, na competitividade de mercado e na rentabilidade das ações comerciais. Já a Vigor que não reconhece a importância, acredita que o mercado brasileiro ainda não está preparado para esse novo sistema de trabalho e atribui à falta de maturidade no relacionamento comercial a impossibilidade de implantação do conceito. Neste processo critica a posição dos clientes, que querem se beneficiar o tempo inteiro, não aplicando corretamente o conceito de parceria. Percebe-se nas empresas que aplicaram o Trade Marketing, que as relações com os clientes estão menos tensas e que já passam por um processo de amadurecimento e de desenvolvimento de um trabalho conjunto de médio e longo prazo. As ações de Trade marketing, aparentemente têm um efeito positivo no relacionamento com os clientes. 6 Considerações Finais O conceito de Trade Marketing se aplica a ambientes de mercado caracterizados por uma alta competitividade entre os fabricantes e uma forte concentração no varejo, onde poucas empresas controlam um grande volume de vendas. O processo de negociação se torna muito mais difícil para os fabricantes, pois os grandes varejistas concentram um grande poder de compra e podem decidir sobre a presença ou não, de determinados produtos no ponto de venda. As empresas produtoras têm que buscar novas formas de relacionamento comercial com seus clientes, uma vez que não podem mais impor a presença de seus produtos. A pesquisa mostrou que as empresas produtoras de bens de consumo no setor de alimentos estão 13

14 participando de mercados altamente competitivos, com uma grande quantidade de concorrentes nacionais e regionais. O canal de distribuição de auto serviço já apresenta uma concentração bastante significativa, com tendência a agravar-se mais ainda e expectativa de que no máximo cinco grandes grupos concentrem um volume significativo de mercado. Ao reconhecer que necessitam buscar alternativas para fazer frente a essa nova realidade de mercado, as empresas iniciam a implantação do conceito de Trade Marketing. Este conceito é algo novo nas empresas, que estão ainda no início ou em fase de implantação do processo. Existe ainda alguma dúvida sobre a efetividade do conceito no mercado brasileiro. Mesmo não tendo uma aplicação formal as empresas têm implantado as ações de Trade Marketing na busca por soluções de melhoria no seu relacionamento com os clientes. O controle de rentabilidade nas negociações com os principais clientes está sendo aplicado, reconhecendo que o volume de vendas não representa mais o sucesso do negócio. A dedicação exclusiva de promotores/repositores da empresa a um ponto de venda que gere alto volume de negócios, atesta o reconhecimento de que o gerenciamento do ponto de venda passa a ser responsabilidade da empresa fornecedora. As equipes de vendas estão sendo definidas por tipo de canal e por clientes. Há equipes dedicadas a um único cliente e que não realizam apenas o trabalho de vendas, mas a gestão integral deste relacionamento, sendo responsáveis pela lucratividade obtida com esse cliente. As negociações tradicionais de compra e vendas são substituídas pelo trabalho desses gestores de contas e pela reposição do ponto de venda que é feita de maneira quase que automática pelos promotores, mas que deverá ser realizada brevemente por meio do sistema de troca eletrônica de dados (EDI), tornando-se totalmente automática. As ações de promoção no ponto de venda começam a ganhar cada vez mais força frente à comunicação de produto. Há um sentimento de que essas ações são mais efetivas e mais mensuráveis, embora não haja ainda um sistema de medição que permita comprovar o fato. O desenvolvimento de produtos começa a sofrer influência das relações comerciais com os principais clientes, incluindo as suas demandas no processo de desenvolvimento. Não há, no entanto disposição para trabalhar com produtos dedicados ou específicos para um cliente em particular. O mix de produto ainda é estabelecido de forma geral, existindo apenas algumas tímidas iniciativas de estabelecer mix diferenciados em função dos clientes. Com relação à formação de preços, houve pouca evolução com a adoção do Trade Marketing. As tabelas em geral são únicas, e as políticas comerciais consideram apenas volumes de vendas. Os preços efetivamente praticados e as condições específicas de negociação são frutos do poder de cada cliente e não de uma estratégia desenhada individualmente pela empresa fornecedora. O conceito de Trade Marketing traz, portanto contribuições para a gestão de negócios das empresas, indicando que se podem estabelecer relacionamentos mais duradouros e estáveis no processo de negociação com os clientes. Os controles de rentabilidade, ocupação de espaço no ponto de venda, automação na reposição de produtos e efetividade das ações de promoção; são elementos que favorecerão o posicionamento competitivo da empresa e permitirão que as decisões sejam tomadas com bases de informação muito mais específicas e que haja uma estrutura preparada para implantar e acompanhar ações diferenciadas de marketing. Por estar ainda no início de sua implantação, não está sendo medida a efetividade e o ganho real da empresa com a aplicação do conceito e da estrutura de Trade Marketing. Acredita-se que o conceito seja muito benéfico para a indústria, mas não a modelos de medição que permitam fazer a comprovação. A implantação do Trade Marketing pressupõe um amadurecimento das relações comerciais entre fornecedores e clientes, que devem estar preparados para negociar em bases distintas das anteriores, valorizando o ganho mútuo de médio e longo prazo. A pesquisa indicou ainda que as empresas que estão aplicando o Trade 14

15 Marketing têm uma relação mais estável com seus principais clientes, o que aponta para indícios de que o Trade Marketing possa favorecer estas relações. O trabalho realizado não teve a intenção de esgotar as possibilidades de estudo do conceito de Trade Marketing, e apresenta as limitações naturais de um estudo exploratório, não podendo afirmar que as conclusões acima descritas sejam válidas para o universo de empresas do setor de alimentos. Porem, este trabalho abre a possibilidade de servir de base para estudos mais específicos sobre a influência da aplicação do conceito Trade Marketing nos canais de distribuição e como estes avaliam o benefício do Trade Marketing que é aplicado pelos fornecedores. Demonstra ainda a necessidade de desenvolver modelos para: estabelecer o mix de produtos por Cliente, mensurar as ações de comunicação no ponto de venda e estabelecer tabelas de preço por cliente. Abre ainda a possibilidade de um estudo mais geral de discussão dos papéis dos compradores e dos vendedores e da própria estrutura comercial e de marketing, quando a empresa evoluir no relacionamento com os clientes aplicando as ações de Trade Marketing. 6. Referencias Bibliográficas ANDRADE, M. M. Como preparar trabalhos para cursos de pós-graduação. Noções práticas. 4. Ed. São Paulo: Atlas, BEISEL, J. L. Contemporary Retailing. New York: MacMillan, 1993 BONOMA, T. V. - Case Research in Marketing: Opportunities, Problems, and Process. Journal of Marketing Research, Vol XXII, May CESPEDES, F. V. Marketing Integrado São Paulo: Futura, 1996 COBRA, M. Marketing competitivo. São Paulo: Atlas, DAVIES, G. I. Trade Marketing Strategy. London : Paul Chapman, 1993 DIZARD JR, W. A Nova Mídia: A Comunicação de Massa na Era da Informação. 2.ed. Rio de Janeiro: Jorge Zahar Ed., EL-CHECK, R. Marketing básico para pequenos e médios empresários. 2. ed. Petrópolis: Vozes, FARINA, S; BECKER, F. S. U. Apresentação de trabalhos escolares. 16 ed. Porto Alegre: Multilivro, GRÖNROOS, C. Marketing gerenciamento e serviços. Rio de Janeiro: Campus, HOFFMAN, K. D.; BATESON J.E.G. Princípios de Marketing de Serviços Conceitos, Estratégias e Casos. 2nd ed.thompson: KOTLER, P. Administração de Marketing: a edição do novo milênio. São Paulo: Prentice Hall, LAMBIN, J.J. Marketing Estratégico. Lisboa: McGraw-Hill, LAS CASAS, A. L. Markenting de Serviços. São Paulo: Atlas, LEVITT, T. A Imaginação de Marketing. São Paulo: Atlas, MATTAR, F. N. e SANTOS, D. G. Gerência de Produtos: como tornar seu produto um sucesso. São Paulo: Atlas, MCCARTHY, J. Basic Marketing - A Global Managerial Approach. USA: McGraw-Hill, MCDONALD, M.; DUNBAR, I. Market segmentation: a step-by-step approach to creating profitable market segments. London: Macmillan Business, MORGENSTEIN, M. e STRONGIN, H. Modern Retailing management, principles and practices. New Jersey: Prentice Hall, 1992 MORRIS, M. J. Iniciando uma pequena organização com sucesso. São Paulo: Makron Books, RANDALL, G. Trade Marketing Strategies: the partnership between manufacturers, brands and retailers. London,

16 ROSENBLOOM, B. Canais de Marketing. Uma Visão Gerencial.São Paulo:Atlas, SCHEWE, C. D. e SMITH, R. M., Marketing: conceitos, casos e aplicações. São Paulo: McGraw-Hill, TOLEDO, G. L., NEVES, M. F. e MACHADO F. Marketing Estratégico e Varejo: o caso europeu. Revista de Administração da USP v32 n2 abril/junho 1997 São Paulo TULL, D.S. e HAWKINS, D.I. Marketing Research: Measurement and Method. New York: Macmillan, VAVRA, T. G. Marketing de Relacionamento: aftermarketing Como manter a fidelidade de clientes através do Marketing de relacionamento. São Paulo: Atlas, WATERSCHOOT, W. V. The 4P Classification of the Marketing Mix Reviwebsited. Journal of Marketing, Vol. 56, Outubro, WEILBACHER, W. M. Marketing de Marcas. São Paulo: Makron, YIN, R. K., Estudo de caso: Planejamento e métodos. Porto Alegre: Bookman, ZEITHAML, V. A.; BITNER, M. Jo. Services Marketing: integrating customer focus across the firm. 2nd ed. Boston: McGraw-Hill,

A aplicação das variáveis do Trade Marketing Mix nas Empresas de Produtos de Consumo no Brasil: um estudo da freqüência de aplicação.

A aplicação das variáveis do Trade Marketing Mix nas Empresas de Produtos de Consumo no Brasil: um estudo da freqüência de aplicação. 1 A aplicação das variáveis do Trade Marketing Mix nas Empresas de Produtos de Consumo no Brasil: um estudo da freqüência de aplicação. Autoria: Francisco Javier Sebastian Mendizabal Alvarez RESUMO O conceito

Leia mais

AS DECISÕES REFERENTES AOS CANAIS DE MARKETING ESTÃO ENTRE AS MAIS CRÍTICAS COM QUE AS GERÊNCIAS PRECISAM LIDAR

AS DECISÕES REFERENTES AOS CANAIS DE MARKETING ESTÃO ENTRE AS MAIS CRÍTICAS COM QUE AS GERÊNCIAS PRECISAM LIDAR KOTLER, 2006 AS DECISÕES REFERENTES AOS CANAIS DE MARKETING ESTÃO ENTRE AS MAIS CRÍTICAS COM QUE AS GERÊNCIAS PRECISAM LIDAR. OS CANAIS AFETAM TODAS AS OUTRAS DECISÕES DE MARKETING Desenhando a estratégia

Leia mais

Prof. Marcelo Mello. Unidade IV DISTRIBUIÇÃO E

Prof. Marcelo Mello. Unidade IV DISTRIBUIÇÃO E Prof. Marcelo Mello Unidade IV DISTRIBUIÇÃO E TRADE MARKETING Trade Marketing é confundido por algumas empresas como um conjunto de ferramentas voltadas para a promoção e a comunicação dos produtos. O

Leia mais

Plataforma da Informação. Finanças

Plataforma da Informação. Finanças Plataforma da Informação Finanças O que é gestão financeira? A área financeira trata dos assuntos relacionados à administração das finanças das organizações. As finanças correspondem ao conjunto de recursos

Leia mais

Canais de marketing. Trade Marketing. Trade Marketing. Trade marketing é uma ferramenta que atua diretamente em três níveis:

Canais de marketing. Trade Marketing. Trade Marketing. Trade marketing é uma ferramenta que atua diretamente em três níveis: Canais de marketing Prof. Ricardo Basílio ricardobmv@gmail.com Trade Marketing Trade Marketing Trade marketing é uma ferramenta que atua diretamente em três níveis: Distribuidores; Clientes; Ponto de venda.

Leia mais

Palavras chave: Trade marketing, marketing, produtos de consumo.

Palavras chave: Trade marketing, marketing, produtos de consumo. 1 Área Temática: Marketing e Comunicação Trade Marketing Mix: um estudo no âmbito das Empresas de Produtos de Consumo no Brasil. AUTORES LUCIANO AUGUSTO TOLEDO NEPEI (MACKENZIE) braincream2000@yahoo.com.br

Leia mais

A Importância do Marketing nos Serviços da. Área de Saúde - Estratégias utilizadas para fidelizar o cliente

A Importância do Marketing nos Serviços da. Área de Saúde - Estratégias utilizadas para fidelizar o cliente A Importância do Marketing nos Serviços da Área de Saúde - Estratégias utilizadas para fidelizar o cliente Hellen Souza¹ Universidade do Vale do Rio dos Sinos UNISINOS RESUMO Este artigo aborda a importância

Leia mais

CONHECIMENTOS ESPECÍFICOS» ADMINISTRAÇÃO (MARKETING) «

CONHECIMENTOS ESPECÍFICOS» ADMINISTRAÇÃO (MARKETING) « CONHECIMENTOS ESPECÍFICOS» ADMINISTRAÇÃO (MARKETING) «21. É falacioso falar que o marketing é filho do capitalismo e, portanto, apenas ajudaria a concentrar a renda satisfazendo necessidades supérfluas

Leia mais

ESTRATÉGIAS MERCADOLÓGICAS UTILIZADAS PELAS OPERADORAS, TIM, CLARO E VIVO.

ESTRATÉGIAS MERCADOLÓGICAS UTILIZADAS PELAS OPERADORAS, TIM, CLARO E VIVO. 1 ESTRATÉGIAS MERCADOLÓGICAS UTILIZADAS PELAS OPERADORAS, TIM, CLARO E VIVO. Juliana da Silva RIBEIRO 1 RESUMO: O presente trabalho enfoca as estratégias das operadoras de telefonia móvel TIM,VIVO e CLARO

Leia mais

A. Conceito de Trade Marketing, responsabilidades, atividades, amplitude de atuação e limites

A. Conceito de Trade Marketing, responsabilidades, atividades, amplitude de atuação e limites 5 Conclusão Trade Marketing é um termo conhecido por grande parte dos profissionais das áreas comercial e de marketing, principalmente entre as indústrias de bens de consumo. Muitas empresas já incluíram

Leia mais

Módulo 5. Composto de Marketing (Marketing Mix)

Módulo 5. Composto de Marketing (Marketing Mix) Módulo 5. Composto de Marketing (Marketing Mix) Dentro do processo de administração de marketing foi enfatizado como os profissionais dessa área identificam e definem os mercados alvo e planejam as estratégias

Leia mais

OS NEGÓCIOS LUCRO = VOLUME PRODUZIDO X PREÇO - CUSTO

OS NEGÓCIOS LUCRO = VOLUME PRODUZIDO X PREÇO - CUSTO OS NEGÓCIOS Odilio Sepulcri* INTRODUÇÃO A sobrevivência dos negócios, dentre outros fatores, se dará pela sua capacidade de gerar lucro. O lucro, para um determinado produto, independente da forma como

Leia mais

CRM - gestão eficiente do relacionamento com os clientes

CRM - gestão eficiente do relacionamento com os clientes CRM - gestão eficiente do relacionamento com os clientes Mais que implantação, o desafio é mudar a cultura da empresa para documentar todas as interações com o cliente e transformar essas informações em

Leia mais

E - Simulado 02 Questões de Tecnologia em Marketing

E - Simulado 02 Questões de Tecnologia em Marketing E - Simulado 02 Questões de Tecnologia em Marketing Questão 01: (ENADE 2009): Um fabricante de sapatos pode usar a mesma marca em duas ou mais linhas de produtos com o objetivo de reduzir os custos de

Leia mais

TÍTULO: O CRM NA FIDELIZAÇÃO DE CLIENTES EM UMA EMPRESA DE MATERIAL PARA CONSTRUÇÃO

TÍTULO: O CRM NA FIDELIZAÇÃO DE CLIENTES EM UMA EMPRESA DE MATERIAL PARA CONSTRUÇÃO TÍTULO: O CRM NA FIDELIZAÇÃO DE CLIENTES EM UMA EMPRESA DE MATERIAL PARA CONSTRUÇÃO CATEGORIA: CONCLUÍDO ÁREA: CIÊNCIAS SOCIAIS APLICADAS SUBÁREA: ADMINISTRAÇÃO INSTITUIÇÃO: FACULDADE DE AURIFLAMA AUTOR(ES):

Leia mais

Unidade II MARKETING DE VAREJO E. Profa. Cláudia Palladino

Unidade II MARKETING DE VAREJO E. Profa. Cláudia Palladino Unidade II MARKETING DE VAREJO E NEGOCIAÇÃO Profa. Cláudia Palladino Preço em varejo Preço Uma das variáveis mais impactantes em: Competitividade; Volume de vendas; Margens e Lucro; Muitas vezes é o mote

Leia mais

GUIA DE ELABORAÇÃO DE PLANO DE NEGÓCIOS

GUIA DE ELABORAÇÃO DE PLANO DE NEGÓCIOS GUIA DE ELABORAÇÃO DE PLANO DE NEGÓCIOS Sumário 1. APRESENTAÇÃO... 2 2. PLANO DE NEGÓCIOS:... 2 2.1 RESUMO EXECUTIVO... 3 2.2 O PRODUTO/SERVIÇO... 3 2.3 O MERCADO... 3 2.4 CAPACIDADE EMPRESARIAL... 4 2.5

Leia mais

MARKETING E VENDAS NA FARMÁCIA

MARKETING E VENDAS NA FARMÁCIA MARKETING E VENDAS NA FARMÁCIA Há muito se discute que o mercado de farmácias é ambiente competitivo e que a atividade vem exigindo profissionalismo para a administração de seus processos, recursos e pessoal.

Leia mais

PLANO DE NEGÓCIOS. Causas de Fracasso:

PLANO DE NEGÓCIOS. Causas de Fracasso: PLANO DE NEGÓCIOS Causas de Fracasso: Falta de experiência profissional Falta de competência gerencial Desconhecimento do mercado Falta de qualidade dos produtos/serviços Localização errada Dificuldades

Leia mais

CONTABILIDADE E GESTÃO DE CONTROLE DE ESTOQUE NA EMPRESA

CONTABILIDADE E GESTÃO DE CONTROLE DE ESTOQUE NA EMPRESA MARCIO REIS - R.A MICHELE CRISTINE RODRIGUES DE OLIVEIRA R.A 1039074 RENATA COSTA DA SILVA SIMIÃO R.A 1039444 Ciências Contábeis CONTABILIDADE E GESTÃO DE CONTROLE DE ESTOQUE NA EMPRESA Orientador: Prof.

Leia mais

EMPREENDEDORISMO Marketing

EMPREENDEDORISMO Marketing Gerenciando o Marketing EMPREENDEDORISMO Marketing De nada adianta fabricar um bom produto ou prestar um bom serviço. É preciso saber colocálo no mercado e conseguir convencer as pessoas a comprá-lo. O

Leia mais

Prof. Marcelo Mello. Unidade III DISTRIBUIÇÃO E

Prof. Marcelo Mello. Unidade III DISTRIBUIÇÃO E Prof. Marcelo Mello Unidade III DISTRIBUIÇÃO E TRADE MARKETING Canais de distribuição Canal vertical: Antigamente, os canais de distribuição eram estruturas mercadológicas verticais, em que a responsabilidade

Leia mais

Conceito de Marketing Considerações Preliminares Atendimento

Conceito de Marketing Considerações Preliminares Atendimento Conceito de Marketing Considerações Preliminares Atendimento Metodologia de Ensino 1) Noções de Marketing 2) Marketing de Serviço 3) Marketing de Relacionamento 1 2 1) Noções de Marketing 3 4 5 6 www.lacconcursos.com.br

Leia mais

A Importância do CRM nas Grandes Organizações Brasileiras

A Importância do CRM nas Grandes Organizações Brasileiras A Importância do CRM nas Grandes Organizações Brasileiras Por Marcelo Bandeira Leite Santos 13/07/2009 Resumo: Este artigo tem como tema o Customer Relationship Management (CRM) e sua importância como

Leia mais

Somente com estratégia, varejo consegue reter clientes

Somente com estratégia, varejo consegue reter clientes Somente com estratégia, varejo consegue reter clientes Márcia Sola O mercado varejista no Brasil tem experimentado uma série de mudanças nos últimos anos. A estabilização da economia, o desenvolvimento

Leia mais

ROTEIRO PARA ELABORAÇÃO DO PLANO DE NEGÓCIOS

ROTEIRO PARA ELABORAÇÃO DO PLANO DE NEGÓCIOS ROTEIRO PARA ELABORAÇÃO DO PLANO DE NEGÓCIOS O plano de negócios deverá conter: 1. Resumo Executivo 2. O Produto/Serviço 3. O Mercado 4. Capacidade Empresarial 5. Estratégia de Negócio 6. Plano de marketing

Leia mais

Apresentação Institucional. Metodologia com alta tecnologia para soluções sob medida

Apresentação Institucional. Metodologia com alta tecnologia para soluções sob medida Apresentação Institucional Metodologia com alta tecnologia para soluções sob medida A empresa que evolui para o seu crescimento A VCN Virtual Communication Network, é uma integradora de Soluções Convergentes

Leia mais

FORMAÇÃO DE PREÇO DE SERVIÇO

FORMAÇÃO DE PREÇO DE SERVIÇO CONTEÚDO DO CURSO DE FORMAÇÃO DE PREÇO DE SERVIÇO PROMOVIDO PELA www.administrabrasil.com.br - CONCEITO DE PREÇO NOS SERVIÇOS - FATORES DETERMINANTES DOS PREÇOS - ESTRATÉGIAS E ASPECTOS IMPORTANTES PARA

Leia mais

REVISANDO O CONCEITO E A EVOLUÇÃO DO MARKETING

REVISANDO O CONCEITO E A EVOLUÇÃO DO MARKETING PROGRAMA PRIMEIRA EMPRESA INOVADORA PRIME GESTÃO MERCADOLÓGICA 2009 REVISANDO O CONCEITO E A EVOLUÇÃO DO MARKETING Todo comprador poderá adquirir o seu automóvel da cor que desejar, desde que seja preto.

Leia mais

O QUE FAZER PARA MELHORAR O PROCESSO DE COMPRAS 1

O QUE FAZER PARA MELHORAR O PROCESSO DE COMPRAS 1 O QUE FAZER PARA MELHORAR O PROCESSO DE COMPRAS 1 Matheus Alberto Cônsoli* Lucas Sciência do Prado* Marcos Fava Neves* As revendas agropecuárias devem considerar não apenas preços, mas também as oportunidades

Leia mais

Um dos objetivos deste tema é orientar as ações sistemáticas na busca satisfazer o consumidor estimulando a demanda e viabilizando o lucro.

Um dos objetivos deste tema é orientar as ações sistemáticas na busca satisfazer o consumidor estimulando a demanda e viabilizando o lucro. PLANO DE MARKETING Andréa Monticelli Um dos objetivos deste tema é orientar as ações sistemáticas na busca satisfazer o consumidor estimulando a demanda e viabilizando o lucro. 1. CONCEITO Marketing é

Leia mais

FUNDAMENTOS PARA A ADMINISTRAÇÃO ESTRATÉGICA

FUNDAMENTOS PARA A ADMINISTRAÇÃO ESTRATÉGICA FUNDAMENTOS PARA A ADMINISTRAÇÃO ESTRATÉGICA Abordagem da estratégia Análise de áreas mais específicas da administração estratégica e examina três das principais áreas funcionais das organizações: marketing,

Leia mais

Unidade IV. Gerenciamento de Produtos, Serviços e Marcas. Prof a. Daniela Menezes

Unidade IV. Gerenciamento de Produtos, Serviços e Marcas. Prof a. Daniela Menezes Unidade IV Gerenciamento de Produtos, Serviços e Marcas Prof a. Daniela Menezes Tipos de Mercado Os mercados podem ser divididos em mercado de consumo e mercado organizacional. Mercado de consumo: o consumidor

Leia mais

Desenvolvimento do Mix de Marketing

Desenvolvimento do Mix de Marketing Desenvolvimento do Mix de Marketing Mix de Marketing O composto de marketing é conhecido no escopo mercadológico como os 4Ps denominados por Jeronme Mc Carthy como: product, price, place e promotion. Na

Leia mais

OS PRINCIPAIS PROBLEMAS DA GESTÃO DA CADEIA DE SUPRIMENTOS

OS PRINCIPAIS PROBLEMAS DA GESTÃO DA CADEIA DE SUPRIMENTOS OS PRINCIPAIS PROBLEMAS DA GESTÃO DA CADEIA DE SUPRIMENTOS Esta seção apresenta alguns dos problemas da gestão da cadeia de suprimentos discutidos em mais detalhes nos próximos capítulos. Estes problemas

Leia mais

GESTÃO ESTRATÉGICA DE MARKETING

GESTÃO ESTRATÉGICA DE MARKETING GESTÃO ESTRATÉGICA DE MARKETING PÓS-GRADUAÇÃO / FIB-2009 Prof. Paulo Neto O QUE É MARKETING? Marketing: palavra em inglês derivada de market que significa: mercado. Entende-se que a empresa que pratica

Leia mais

Vantagens competitivas e estratégicas no uso de operadores logísticos. Prof. Paulo Medeiros

Vantagens competitivas e estratégicas no uso de operadores logísticos. Prof. Paulo Medeiros Vantagens competitivas e estratégicas no uso de operadores logísticos Prof. Paulo Medeiros Introdução nos EUA surgiram 100 novos operadores logísticos entre 1990 e 1995. O mercado para estas empresas que

Leia mais

UNIVERSIDADE DO VALE DO RIO DOS SINOS - UNISINOS CIÊNCIAS DA COMUNICAÇÃO CURSO DE RELAÇÕES PÚBLICAS. Daniela Valdez Rodrigues

UNIVERSIDADE DO VALE DO RIO DOS SINOS - UNISINOS CIÊNCIAS DA COMUNICAÇÃO CURSO DE RELAÇÕES PÚBLICAS. Daniela Valdez Rodrigues UNIVERSIDADE DO VALE DO RIO DOS SINOS - UNISINOS CIÊNCIAS DA COMUNICAÇÃO CURSO DE RELAÇÕES PÚBLICAS Daniela Valdez Rodrigues A RELAÇÃO DO MARKETING DE RELACIONAMENTO COM RELAÇÕES PÚBLICAS São Leopoldo

Leia mais

UM SUPERMERCADO E UM DESAFIO

UM SUPERMERCADO E UM DESAFIO SAIR DO LUGAR-COMUM PÃO DE AÇÚCAR UM SUPERMERCADO E UM DESAFIO Só em São Paulo, a associação que reúne os supermercados tem mais de 50 empresas cadastradas. As lojas se espalham com um volume impressionante.

Leia mais

Unidade II GERENCIAMENTO DE SISTEMAS. Prof. Roberto Marcello

Unidade II GERENCIAMENTO DE SISTEMAS. Prof. Roberto Marcello Unidade II GERENCIAMENTO DE SISTEMAS DE INFORMAÇÃO Prof. Roberto Marcello SI Sistemas de gestão A Gestão dos Sistemas Integrados é uma forma organizada e sistemática de buscar a melhoria de resultados.

Leia mais

Estratégia Competitiva 16/08/2015. Módulo II Cadeia de Valor e a Logistica. CADEIA DE VALOR E A LOGISTICA A Logistica para as Empresas Cadeia de Valor

Estratégia Competitiva 16/08/2015. Módulo II Cadeia de Valor e a Logistica. CADEIA DE VALOR E A LOGISTICA A Logistica para as Empresas Cadeia de Valor Módulo II Cadeia de Valor e a Logistica Danillo Tourinho S. da Silva, M.Sc. CADEIA DE VALOR E A LOGISTICA A Logistica para as Empresas Cadeia de Valor Estratégia Competitiva é o conjunto de planos, políticas,

Leia mais

Resumo Executivo. Modelo de Planejamento. Resumo Executivo. Resumo Executivo. O Produto ou Serviço. O Produto ou Serviço 28/04/2011

Resumo Executivo. Modelo de Planejamento. Resumo Executivo. Resumo Executivo. O Produto ou Serviço. O Produto ou Serviço 28/04/2011 Resumo Executivo Modelo de Planejamento O Resumo Executivo é comumente apontada como a principal seção do planejamento, pois através dele é que se perceberá o conteúdo a seguir o que interessa ou não e,

Leia mais

Exercícios sobre Competindo com a Tecnologia da Informação

Exercícios sobre Competindo com a Tecnologia da Informação Exercícios sobre Competindo com a Tecnologia da Informação Exercício 1: Leia o texto abaixo e identifique o seguinte: 2 frases com ações estratégicas (dê o nome de cada ação) 2 frases com características

Leia mais

INVENÇÃO E INOVAÇÃO INTRODUÇÃO. Desenvolvimento de Novos Produtos: Aspectos Conceituais e Critérios rios de Planejamento. Definição de Produto

INVENÇÃO E INOVAÇÃO INTRODUÇÃO. Desenvolvimento de Novos Produtos: Aspectos Conceituais e Critérios rios de Planejamento. Definição de Produto INTRODUÇÃO Cenário político e econômico da Globalização Desenvolvimento de Novos Produtos: Aspectos Conceituais e Critérios rios de Planejamento Viçosa Novembro de 2012 Ceres Mattos Della Lucia ceresnut@yahoo.com.br

Leia mais

Prof: Carlos Alberto

Prof: Carlos Alberto AULA 1 Marketing Prof: Carlos Alberto Bacharel em Administração Bacharel em Comunicação Social Jornalismo Tecnólogo em Gestão Financeira MBA em Gestão de Negócios Mestrado em Administração de Empresas

Leia mais

Aula 7 Aplicações e questões do Comércio Eletrônico.

Aula 7 Aplicações e questões do Comércio Eletrônico. Aula 7 Aplicações e questões do Comércio Eletrônico. TENDÊNCIAS NO COMÉRCIO ELETRÔNICO Atualmente, muitos negócios são realizados de forma eletrônica não sendo necessário sair de casa para fazer compras

Leia mais

Departamento Comercial e Marketing. Escola Secundaria de Paços de Ferreira 2009/2010. Técnicas de Secretariado

Departamento Comercial e Marketing. Escola Secundaria de Paços de Ferreira 2009/2010. Técnicas de Secretariado Escola Secundaria de Paços de Ferreira 2009/2010 Técnicas de Secretariado Departamento Comercial e Marketing Módulo 23- Departamento Comercial e Marketing Trabalho realizado por: Tânia Leão Departamento

Leia mais

- Buscar novos produtos que proporcionem vantagens em relação à concorrência

- Buscar novos produtos que proporcionem vantagens em relação à concorrência Administração de As responsabilidades da área de (MINADEO, 2008) - Investigar novos nichos de mercado - Identificar o perfil do cliente - Buscar novos produtos que proporcionem vantagens em relação à concorrência

Leia mais

DIFERENTES INTERPRETAÇÕES DO CONCEITO DE SUPPLY CHAIN MANAGEMENT

DIFERENTES INTERPRETAÇÕES DO CONCEITO DE SUPPLY CHAIN MANAGEMENT Artigo para a Revista Global Fevereiro de 2007 DIFERENTES INTERPRETAÇÕES DO CONCEITO DE SUPPLY CHAIN MANAGEMENT O conceito de Supply Chain Management (SCM), denominado Administração da Cadeia de Abastecimento

Leia mais

Quem precisa de metas afinal? Por que ter metas?

Quem precisa de metas afinal? Por que ter metas? Metas e Objetivos Muito se confunde a respeito destes dois conceitos quando se faz um planejamento estratégico do negócio. A diferença entre Meta e Objetivo, no entanto, é bastante clara como será apresentada

Leia mais

Modelo de Briefing de Produto - Roteiro de Coleta de Informações - Completo

Modelo de Briefing de Produto - Roteiro de Coleta de Informações - Completo BRIEFING DE PRODUTO Modelo de Briefing de Produto - Roteiro de Coleta de Informações - Completo Modelo Extraído dos livros: Tudo o que você queria saber sobre propaganda e ninguém teve paciência para explicar

Leia mais

Prof. Jean Cavaleiro. Unidade I LOGÍSTICA INTEGRADA:

Prof. Jean Cavaleiro. Unidade I LOGÍSTICA INTEGRADA: Prof. Jean Cavaleiro Unidade I LOGÍSTICA INTEGRADA: PRODUÇÃO E COMÉRCIO Introdução Entender a integração logística. A relação produção e demanda. Distribuição e demanda. Desenvolver visão sistêmica para

Leia mais

INTRODUÇÃO AO TRADE MARKETING Fazendo a diferença no Ponto de Venda. www.pdvativo.com.br

INTRODUÇÃO AO TRADE MARKETING Fazendo a diferença no Ponto de Venda. www.pdvativo.com.br Fazendo a diferença no Ponto de Venda EBOOK Sumário Revisão O que é Trade Marketing? Entenda o Comportamento de Compra do Consumidor O que é Merchandising? Revisão Para entender sobre Trade Marketing devemos

Leia mais

Modelo para elaboração do Plano de Negócios

Modelo para elaboração do Plano de Negócios Modelo para elaboração do Plano de Negócios 1- SUMÁRIO EXECUTIVO -Apesar de este tópico aparecer em primeiro lugar no Plano de Negócio, deverá ser escrito por último, pois constitui um resumo geral do

Leia mais

CRM Uma ferramenta tecnológica inovadora

CRM Uma ferramenta tecnológica inovadora CRM Uma ferramenta tecnológica inovadora Nelson Malta Callegari (UTFPR) nelson.estudo@gmail.com Prof Dr. João Luiz Kovaleski (UTFPR) kovaleski@pg.cefet.br Prof Dr. Antonio Carlos de Francisco (UTFPR) acfrancisco@pg.cefetpr.br

Leia mais

Palestrante Paulo Gerhardt Inspira, Motiva e Sensibiliza para Resultados Superiores

Palestrante Paulo Gerhardt Inspira, Motiva e Sensibiliza para Resultados Superiores Palestrante Paulo Gerhardt Inspira, Motiva e Sensibiliza para Resultados Superiores Com uma abordagem inovadora e lúdica, o professor Paulo Gerhardt tem conquistado plateias em todo o Brasil. Seu profundo

Leia mais

GERENCIAMENTO DE PORTFÓLIO

GERENCIAMENTO DE PORTFÓLIO PMI PULSO DA PROFISSÃO RELATÓRIO DETALHADO GERENCIAMENTO DE PORTFÓLIO Destaques do Estudo As organizações mais bem-sucedidas serão aquelas que encontrarão formas de se diferenciar. As organizações estão

Leia mais

O PLANEJAMENTO DE COMUNICAÇÃO COMO DIFERENCIAL COMPETITIVO

O PLANEJAMENTO DE COMUNICAÇÃO COMO DIFERENCIAL COMPETITIVO O PLANEJAMENTO DE COMUNICAÇÃO COMO DIFERENCIAL COMPETITIVO Josiane Corrêa 1 Resumo O mundo dos negócios apresenta-se intensamente competitivo e acirrado. Em diversos setores da economia, observa-se a forte

Leia mais

Como lutar em uma guerra de preços

Como lutar em uma guerra de preços Como lutar em uma guerra de preços Juliana Kircher Macroplan Prospectiva, Estratégia e Gestão Julho de 2006 Guerras de preços já são fatos concretos que ocorrem frequentemente em todos os mercados, seja

Leia mais

Case Vital Automação. Planejamento e Execução OLIV Consultoria: 47 9942 8985

Case Vital Automação. Planejamento e Execução OLIV Consultoria: 47 9942 8985 O cenário inicial: Após 10 anos de sucesso e contínuo crescimento, o Grupo Vital composto das duas unidades de negócio EPIs e AUTOMAÇÃO decidiu estrategicamente trabalhar o Marketing no segmento Automação

Leia mais

ADMINISTRAÇÃO FINANCEIRA

ADMINISTRAÇÃO FINANCEIRA UNIVERSIDADE ESTADUAL DE CAMPINAS - UNICAMP INSTITUTO DE FILOSOFIA E CIÊNCIAS HUMANAS - IFCH DEPARTAMENTO DE ECONOMIA E PLANEJAMENTO ECONÔMICO - DEPE CENTRO TÉCNICO ECONÔMICO DE ASSESSORIA EMPRESARIAL

Leia mais

Docente do Curso Superior de Tecnologia em Gestão Comercial UNOESTE. E mail: joselia@unoeste.br

Docente do Curso Superior de Tecnologia em Gestão Comercial UNOESTE. E mail: joselia@unoeste.br Encontro de Ensino, Pesquisa e Extensão, Presidente Prudente, 22 a 25 de outubro, 2012 141 A LOGÍSTICA COMO DIFERENCIAL COMPETITIVO Douglas Fernandes 1, Josélia Galiciano Pedro 1 Docente do Curso Superior

Leia mais

UM MERCADO EM CRESCIMENTO CONHEÇA AS OPORTUNIDADES E COMO PARTICIPAR

UM MERCADO EM CRESCIMENTO CONHEÇA AS OPORTUNIDADES E COMO PARTICIPAR FOOD SERVICE UM MERCADO EM CRESCIMENTO CONHEÇA AS OPORTUNIDADES E COMO PARTICIPAR I-INTRODUÇÃO AO MERCADO DE FOOD SERVICE INTRODUÇÃO Mercado que envolve toda a cadeia de produção e distribuição de alimentos,

Leia mais

Fiorella Del Bianco. Tema: Estágios de introdução e crescimento do ciclo de vida do produto.

Fiorella Del Bianco. Tema: Estágios de introdução e crescimento do ciclo de vida do produto. Fiorella Del Bianco Tema: Estágios de introdução e crescimento do ciclo de vida do produto. Objetivo: Nesta aula, o aluno conhecerá os estágios iniciais do ciclo de vida do produto (CVP), que são de introdução

Leia mais

Respostas da Lista de Exercícios do Módulo 2: Vantagem Competitiva. Resposta do Exercício 1

Respostas da Lista de Exercícios do Módulo 2: Vantagem Competitiva. Resposta do Exercício 1 Respostas da Lista de Exercícios do Módulo 2: Vantagem Competitiva 1 Resposta do Exercício 1 Uma organização usa algumas ações para fazer frente às forças competitivas existentes no mercado, empregando

Leia mais

Balanced Scorecard BSC. O que não é medido não é gerenciado. Medir é importante? Também não se pode medir o que não se descreve.

Balanced Scorecard BSC. O que não é medido não é gerenciado. Medir é importante? Também não se pode medir o que não se descreve. Balanced Scorecard BSC 1 2 A metodologia (Mapas Estratégicos e Balanced Scorecard BSC) foi criada por professores de Harvard no início da década de 90, e é amplamente difundida e aplicada com sucesso em

Leia mais

COMÉRCIO E DISTRIBUIÇÃO DE ALIMENTOS.

COMÉRCIO E DISTRIBUIÇÃO DE ALIMENTOS. COMÉRCIO E DISTRIBUIÇÃO DE ALIMENTOS. A Rio Quality existe com o objetivo de proporcionar a total satisfação dos clientes e contribuir para o sucesso de todos. Essa integração se dá através do investimento

Leia mais

MARKETING DESENVOLVIMENTO HUMANO

MARKETING DESENVOLVIMENTO HUMANO MRKETING DESENVOLVIMENTO HUMNO MRKETING rte de conquistar e manter clientes. DESENVOLVIMENTO HUMNO É a ciência e a arte de conquistar e manter clientes e desenvolver relacionamentos lucrativos entre eles.

Leia mais

Operadores Logísticos : uma tendência nos sistemas de distribuição das empresas brasileiras?

Operadores Logísticos : uma tendência nos sistemas de distribuição das empresas brasileiras? Operadores Logísticos : uma tendência nos sistemas de distribuição das empresas brasileiras? Introdução O Contexto econômico do mundo globalizado vem sinalizando para as empresas que suas estratégias de

Leia mais

AULA 4 Marketing de Serviços

AULA 4 Marketing de Serviços AULA 4 Marketing de Serviços Mercado Conjunto de todos os compradores reais e potenciais de um produto ou serviço. Trata-se de um sistema amplo e complexo, que envolve: FORNECEDORES CONCORRENTES CLIENTES

Leia mais

Pesquisa APAS/LatinPanel mostra as principais marcas na preferência dos consumidores brasileiros

Pesquisa APAS/LatinPanel mostra as principais marcas na preferência dos consumidores brasileiros Pesquisa APAS/LatinPanel mostra as principais marcas na preferência dos consumidores brasileiros Estudo Mais Mais A Escolha do Consumidor aponta que em 79% das 94 categorias de produtos pesquisadas houve

Leia mais

Marketing Estratégico no Agronegócio Brasileiro

Marketing Estratégico no Agronegócio Brasileiro Marketing Estratégico no Agronegócio Brasileiro Prof. Adriano Alves Fernandes DCAB - Departamento de Ciências Agrárias e Biológicas CEUNES - Universidade Federal do Espírito Santo 1- Introdução Uma grande

Leia mais

A IMPORTÂNCIA DO SISTEMA DE INFORMAÇÃO GERENCIAL PARA AS EMPRESAS

A IMPORTÂNCIA DO SISTEMA DE INFORMAÇÃO GERENCIAL PARA AS EMPRESAS A IMPORTÂNCIA DO SISTEMA DE INFORMAÇÃO GERENCIAL PARA AS EMPRESAS Gilmar da Silva, Tatiane Serrano dos Santos * Professora: Adriana Toledo * RESUMO: Este artigo avalia o Sistema de Informação Gerencial

Leia mais

Sobre os autores. Apresentação

Sobre os autores. Apresentação Sobre os autores Apresentação 1 Gestão de marketing, 1 1.1 Estratégia e as forças competitivas, 2 1.1.1 Primeira força: ameaça de entrada de novos concorrentes, 3 1.1.2 Segunda força: pressão dos produtos

Leia mais

Princípios e Conceitos de Marketing. Prof. Felipe A. Pires

Princípios e Conceitos de Marketing. Prof. Felipe A. Pires Princípios e Conceitos de Marketing Prof. Felipe A. Pires O que é Marketing? É a execução de um conjunto de atividades comerciais, tendo como objetivo final a troca de produtos ou serviços entre produtores

Leia mais

LOGÍSTICA Professor: Dr. Edwin B. Mitacc Meza

LOGÍSTICA Professor: Dr. Edwin B. Mitacc Meza LOGÍSTICA Professor: Dr. Edwin B. Mitacc Meza edwin@engenharia-puro.com.br www.engenharia-puro.com.br/edwin Gerenciamento da Cadeia de Suprimentos ... lembrando Uma cadeia de suprimentos consiste em todas

Leia mais

CompuStream Plano de Negócios COMPUSTREAM CONSULTORIA LTDA.

CompuStream Plano de Negócios COMPUSTREAM CONSULTORIA LTDA. CompuStream Plano de Negócios COMPUSTREAM CONSULTORIA LTDA. A CompuStream, empresa especializada em desenvolvimento de negócios, atua em projetos de investimento em empresas brasileiras que tenham um alto

Leia mais

com níveis ótimos de Brand Equity, os interesses organizacionais são compatíveis com as expectativas dos consumidores.

com níveis ótimos de Brand Equity, os interesses organizacionais são compatíveis com as expectativas dos consumidores. Brand Equity O conceito de Brand Equity surgiu na década de 1980. Este conceito contribuiu muito para o aumento da importância da marca na estratégia de marketing das empresas, embora devemos ressaltar

Leia mais

Ementários. Disciplina: Gestão Estratégica

Ementários. Disciplina: Gestão Estratégica Ementários Disciplina: Gestão Estratégica Ementa: Os níveis e tipos de estratégias e sua formulação. O planejamento estratégico e a competitividade empresarial. Métodos de análise estratégica do ambiente

Leia mais

Situação mercadológica hoje: Era de concorrência e competição dentro de ambiente globalizado.

Situação mercadológica hoje: Era de concorrência e competição dentro de ambiente globalizado. TECNICAS E TECNOLOGIAS DE APOIO CRM Situação mercadológica hoje: Era de concorrência e competição dentro de ambiente globalizado. Empresas já não podem confiar em mercados já conquistados. Fusões e aquisições

Leia mais

Unidade de Projetos. Grupo Temático de Comunicação e Imagem. Termo de Referência para desenvolvimento da gestão de Marcas Setoriais.

Unidade de Projetos. Grupo Temático de Comunicação e Imagem. Termo de Referência para desenvolvimento da gestão de Marcas Setoriais. Unidade de Projetos de Termo de Referência para desenvolvimento da gestão de Marcas Setoriais Branding Agosto de 2009 Elaborado em: 3/8/2009 Elaborado por: Apex-Brasil Versão: 09 Pág: 1 / 8 LÍDER DO GRUPO

Leia mais

A Logística de Cargas Fracionadas e Novas Configurações do Mercado de Varejo.

A Logística de Cargas Fracionadas e Novas Configurações do Mercado de Varejo. A Logística de Cargas Fracionadas e Novas Configurações do Mercado de Varejo. Cristian Carlos Vicari (UNIOESTE) viccari@certto.com.br Rua Engenharia, 450 Jd. Universitário C.E.P. 85.819-190 Cascavel Paraná

Leia mais

IMPORTANTES ÁREAS PARA SUCESSO DE UMA EMPRESA

IMPORTANTES ÁREAS PARA SUCESSO DE UMA EMPRESA IMPORTANTES ÁREAS PARA SUCESSO DE UMA EMPRESA SILVA, Paulo Henrique Rodrigues da Discente da Faculdade de Ciências Jurídicas e Gerencias E-mail: ph.rs@hotmail.com SILVA, Thiago Ferreira da Docente da Faculdade

Leia mais

Mídias sociais como apoio aos negócios B2C

Mídias sociais como apoio aos negócios B2C Mídias sociais como apoio aos negócios B2C A tecnologia e a informação caminham paralelas à globalização. No mercado atual é simples interagir, aproximar pessoas, expandir e aperfeiçoar os negócios dentro

Leia mais

5.500 postos de serviço

5.500 postos de serviço 5.500 postos de serviço Em 2009, a Ipiranga manteve sua trajetória de expansão acelerada da escala, com a aquisição das operações da rede de distribuição de combustíveis da Texaco no Brasil e investimentos

Leia mais

DESENVOLVIMENTO DE ESTRATÉGIAS E PLANOS DE MARKETING. Prof. Esp. Lucas Cruz

DESENVOLVIMENTO DE ESTRATÉGIAS E PLANOS DE MARKETING. Prof. Esp. Lucas Cruz DESENVOLVIMENTO DE ESTRATÉGIAS E PLANOS DE MARKETING Prof. Esp. Lucas Cruz Estabelecimento de metas Os objetivos devem atender aos critérios: ser organizados hierarquicamente, do mais importante para o

Leia mais

UNIVERSIDADE DE BRASÍLIA DEPARTAMENTO DE ADMINISTRAÇÃO LOGÍSTICA EMPRESARIAL

UNIVERSIDADE DE BRASÍLIA DEPARTAMENTO DE ADMINISTRAÇÃO LOGÍSTICA EMPRESARIAL UNIVERSIDADE DE BRASÍLIA DEPARTAMENTO DE ADMINISTRAÇÃO LOGÍSTICA EMPRESARIAL ANÁLISE DE ASPECTOS LOGÍSTICOS DE UMA REVENDEDORA DE PRODUTOS AGROPECUÁRIOS INSERIDA EM UMA CADEIA DE PRODUÇÃO AGROINDUSTRIAL

Leia mais

Soluções Simples www.designsimples.com.br solucoes@designsimples.com.br

Soluções Simples www.designsimples.com.br solucoes@designsimples.com.br Soluções Simples www.designsimples.com.br solucoes@designsimples.com.br C1 Introdução Este guia traz noções essenciais sobre inovação e foi baseado no Manual de Oslo, editado pela Organização para a Cooperação

Leia mais

Capítulo 18 - Distribuição

Capítulo 18 - Distribuição Capítulo 18 - Distribuição A escolha dos canais de distribuição é provavelmente a decisão mais complexa em marketing internacional. Em alguns mercados, o que prevalece é a concentração de grandes hipermercados

Leia mais

O termo logística tem sua origem no meio militar, estando relacionado a atividade de abastecimento de tropas.

O termo logística tem sua origem no meio militar, estando relacionado a atividade de abastecimento de tropas. Logística e Distribuição Professor: Leandro Zvirtes UDESC/CCT Histórico O termo logística tem sua origem no meio militar, estando relacionado a atividade de abastecimento de tropas. A história mostra que

Leia mais

MARGEM DE CONTRIBUIÇÃO: QUANTO SOBRA PARA SUA EMPRESA?

MARGEM DE CONTRIBUIÇÃO: QUANTO SOBRA PARA SUA EMPRESA? MARGEM DE CONTRIBUIÇÃO: QUANTO SOBRA PARA SUA EMPRESA? Que nome estranho! O que é isso? Essa expressão, Margem de Contribuição, pode soar estranha aos ouvidos, mas entender o que significa ajudará muito

Leia mais

Testes de Diagnóstico

Testes de Diagnóstico INOVAÇÃO E TECNOLOGIA NA FORMAÇÃO AGRÍCOLA agrinov.ajap.pt Coordenação Técnica: Associação dos Jovens Agricultores de Portugal Coordenação Científica: Miguel de Castro Neto Instituto Superior de Estatística

Leia mais

T2Ti Tecnologia da Informação Ltda T2Ti.COM http://www.t2ti.com Projeto T2Ti ERP 2.0. Bloco Comercial. CRM e AFV

T2Ti Tecnologia da Informação Ltda T2Ti.COM http://www.t2ti.com Projeto T2Ti ERP 2.0. Bloco Comercial. CRM e AFV Bloco Comercial CRM e AFV Objetivo O objetivo deste artigo é dar uma visão geral sobre os Módulos CRM e AFV, que fazem parte do Bloco Comercial. Todas informações aqui disponibilizadas foram retiradas

Leia mais

Objetivos da comunicação

Objetivos da comunicação Prof. Edmundo W. Lobassi Use palavras simples, que todos compreendam, assim todos irão entendê-lo. (Prof. Edmundo W. Lobassi) 1 Estude algumas pesquisas e ouça pessoas experts, pois nada é mais importante

Leia mais

Quais estratégias de crédito e cobranças são necessárias para controlar e reduzir a inadimplência dos clientes, na Agroveterinária Santa Fé?

Quais estratégias de crédito e cobranças são necessárias para controlar e reduzir a inadimplência dos clientes, na Agroveterinária Santa Fé? 1 INTRODUÇÃO As empresas, inevitavelmente, podem passar por períodos repletos de riscos e oportunidades. Com a complexidade da economia, expansão e competitividade dos negócios, tem-se uma maior necessidade

Leia mais

Aula 7: TREINAMENTO E DESENVOLVIMENTO

Aula 7: TREINAMENTO E DESENVOLVIMENTO Aula 7: TREINAMENTO E DESENVOLVIMENTO OBJETIVOS Definir com maior precisão o que é marketing; Demonstrar as diferenças existentes entre marketing externo, marketing interno e marketing de treinamento;

Leia mais

Estratégia De Diferenciação Competitiva Através Do Marketing De Relacionamento. Profa. Dra. Maria Isabel Franco Barretto

Estratégia De Diferenciação Competitiva Através Do Marketing De Relacionamento. Profa. Dra. Maria Isabel Franco Barretto Estratégia De Diferenciação Competitiva Através Do Marketing De Relacionamento Profa. Dra. Maria Isabel Franco Barretto CURRÍCULO DO PROFESSOR Administradora com mestrado e doutorado em engenharia de produção

Leia mais

Curso de Engenharia de Produção. Noções de Engenharia de Produção

Curso de Engenharia de Produção. Noções de Engenharia de Produção Curso de Engenharia de Produção Noções de Engenharia de Produção Logística: - II Guerra Mundial; - Por muito tempo as indústrias consideraram o setor de logística de forma reativa e não proativa (considera

Leia mais

Entendendo custos, despesas e preço de venda

Entendendo custos, despesas e preço de venda Demonstrativo de Resultados O empresário e gestor da pequena empresa, mais do que nunca, precisa dedicar-se ao uso de técnicas e instrumentos adequados de gestão financeira, para mapear a situação do empreendimento

Leia mais