Avaliação do potencial produtivo em montados de sobro com recurso a redes neuronais artificiais

Save this PDF as:
 WORD  PNG  TXT  JPG

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "Avaliação do potencial produtivo em montados de sobro com recurso a redes neuronais artificiais"

Transcrição

1 Avaliação do potencial produtivo em montados de sobro com recurso a redes neuronais artificiais Susana Dias (Investigadora/Colaboradora da Universidade de Évora e Docente do Instituto Politécnico de Elvas) Nuno Neves (Prof. Auxiliar da Universidade de Évora) Resumo Os montados de sobro constituem uma das mais importantes formações florestais do nosso país, não só pela área que ocupam mas, também, pela sua importância ecológica, social e económica, principalmente a sul do Tejo. Com este trabalho procurou-se fornecer um contributo metodológico para a avaliação do potencial de produtividade de cortiça, principal produção dos montados de sobro. Foi desenvolvida uma metodologia para a definição do potencial de produtividade a partir de variáveis de fácil obtenção e que não dependem da presença da espécie para essa avaliação. O modelo foi desenvolvido com recurso a redes neuronais artificiais, associadas aos sistemas de informação geográfica, considerando quatro factores que influenciam a produção de cortiça; o solo, a altitude, a orientação e o declive. A combinação destes factores procurou ter em consideração a sua interdependência, nem sempre facilmente quantificável ou conhecida. Considerando que as redes neuronais artificiais permitem a modelação de funções não lineares, mesmo quando a forma como os diversos factores se relacionam não é conhecida, este trabalho procurou demonstrar que a sua utilização, em conjunto com os sistemas de informação geográfica, potencia as capacidades de modelação dos fenómenos espaciais. Recorrendo a um simulador de redes neuronais artificiais foi modelada uma Rede Perceptron Multicamada para estimar a produção de cortiça a partir das variáveis referidas. Como variável independente para a modelação da rede é utilizado o peso de cortiça por unidade de superfície descortiçada (PCM 2 ), uma vez que segundo González (1988), este parâmetro depende, quase exclusivamente, da qualidade da estação. Palavras-chave: Sobreiro, Sistemas de Informação Geográfica, Redes Neuronais Artificiais, Produtividade, Modelação. Modelo de dados espaciais

2 Os sistemas de informação geográfica funcionam, neste estudo, como a base para a estruturação das bases de dados geográficas, geração de nova informação e visualização dos resultados produzidos pela rede. A preparação e estruturação de uma base de dados geográfica é uma fase crucial no desenvolvimento de qualquer projecto em sistemas de informação geográfica (Neves, 1996). O modelo de dados consiste numa definição formal dos dados a utilizar no projecto SIG, com o objectivo de criar uma estrutura para a organização, armazenamento e utilização desses dados, de forma a extrair conhecimento. A figura 1 apresenta o modelo geral em sistemas de informação geográfica representando os processos de análise espacial. Hipsometria Solos Área de estudo Parcelas de amostragem Reestruturação e Geoprocessamento Modelos de avaliação Relevo (GRID) Análise espacial Temas finais Figura 1 Modelo Geral em Sistemas de Informação Geográfica O desenvolvimento de um projecto baseado em redes neuronais artificiais pode ser dividido em cinco etapas, como descrito em Openshaw e Openshaw (1997): obtenção de dados; pré-processamento de dados; definição da arquitectura da rede; treino da rede, validação e teste; pós-processamento de dados.

3 As duas primeiras etapas, obtenção e pré-processamento de dados, correspondem a um conjunto de operações que é necessário realizar sobre os dados antes de serem apresentados à rede. Arquitectura da Rede Na definição da arquitectura da rede foi projectada uma rede de dupla camada que consiste numa camada de entrada, uma camada de saída e uma camada intermédia. O número de unidades de entrada é fixo correspondendo ao número de variáveis independentes incluídas no modelo (solo, altitude, orientação e declive), assim como o número de unidades de saída, correspondendo à variável dependente (PCM 2 ). O número de unidades na camada intermédia foi definido testando diferentes topologias (figura 2). O objectivo é utilizar o número mínimo de unidades de processamento, mantendo a capacidade da rede para aprender as relações existentes entre os dados. O algoritmo de aprendizagem utilizado foi o Backpropagation (Zell et al., 1995). Altitude h 1 Declive Orientação. PCM 2 Solo h n Camada de entrada Camada intermédia Camada de saída Figura 2 Modelo da rede neuronal Para o treino da rede foi utilizado uma base de dados referentes a 61 parcelas de estudo, aleatoriamente dividido em três conjuntos: padrão de treino, padrão de teste e padrão de validação: 2/3 dos vectores no conjunto de treino (41 observações), 1/3 no conjunto de teste (10 observações) e 1/3 no conjunto de validação (10 observações). Os padrões de treino e validação são apresentados ciclicamente à rede, sendo executado um ciclo de validação por cada 10 ciclos de treino, até minimizar o valor do erro de validação.

4 Fixados os pesos apresenta-se à rede um novo conjunto de dados, o conjunto de teste, para avaliar o seu desempenho perante um conjunto de padrões nunca antes utilizados. A avaliação do desempenho da rede foi efectuada recorrendo a parâmetros estatísticos como o erro quadrático médio (EQM), erro absoluto médio (EAM), Percentagem de Erro e coeficiente de correlação (R) (McGinnis, 1994; Twomey e Smith, 1997; Chai, 1998; Scrinzi, 2000). A arquitectura de rede que apresentou o menor valor de erro de validação foi seleccionada como a que melhor aprendeu as relações implícitas (figura 3). Figura 1 Representação esquemática da rede seleccionada A análise dos parâmetros de erro calculados para o conjunto de teste (quadro 1), permite-nos afirmar que a rede seleccionada apresenta um desempenho considerado satisfatório. Quadro 1 Medidas de desempenho da rede Parâmetro Valor EQM erro quadrático médio EAM erro absoluto médio R coeficiente de correlação Percentagem de Erro Resultados

5 Uma vez a rede treinada é possível apresentar um conjunto de padrões para os quais se desconhece a saída desejada, para que a rede possa prever esses valores de saída. Assim, a rede seleccionada foi utilizada para estimar a produtividade para toda a área de estudo (figura 4). N Metros PCM2 (Kg/m2) Figura 4 Produtividade de cortiça estimada pela RNA para a área de estudo A utilização de sistemas de informação geográfica em processos de avaliação territorial é por demais reconhecida, sendo também reconhecidas as vantagens decorrentes da realização de operações de análise espacial visando a produção de informação derivada para objectivos específicos. Considera-se que a utilização de redes neuronais artificiais operando sobre variáveis espaciais produzidas em ambiente de sistemas de informação geográfica poderá constituir uma fecunda base de desenvolvimento de novos métodos e processos de análise espacial e representação de conhecimento. Para além dos objectivos de funcionalização sistémica alcançados, o trabalho realizado permitiu constatar o potencial da utilização de redes neuronais artificiais na identificação de lacunas de estruturação associadas a uma avaliação empírica do contexto de modelação estudado. Esta componente prospectiva poderá contribuir para o desenvolvimento de processos de estruturação e formalização de novos modelos de análise espacial. Referências bibliográficas

6 CHAI, A. (1998). Application of Neural Networks to the Modelling of Water Treatment Particulate Removal Process. Master thesis. University of Toronto. GONZÁLEZ, G. M. (1988). Modelos para Cuantificar la Producción de Corcho en Alcornocales (Quercus suber L.) en Función de la Calidad de Estación y de los Tratamientos Selvicolas. Tesis doctorales, Instituto Nacional de investigaciones Agrarias. Madrid. MCGINNIS, D. L. (1994). Predicting Snowfall from Synoptic Circulation: a Comparison of Linear Regression and Neural Networks Methodologies. In: HEWITSON, B. C. E CRANE, R. G., Neural Nets: Applications in Geography. Kluwer Academic Publishers. Dordrecht, Netherlands pp. NEVES, N.(1996). Aplicação de Sistemas de Informação Geográfica em Planeamento Municipal - Desenvolvimento de Modelos de Simulação e Decisão. Tese de Doutoramento, Barcelona, Universidade de Barcelona. OPENSHAW, S. E OPENSHAW, C. (1997). Artificial Intelligence in Geography. John Wiley & Sons. West Sussex. SCRINZI, G. (2000). Reti Neurali. Intelligenza Artificiale e Foreste. Dendronatura, 20: 2. TWOMEY, J. M. E SMITH, A. E. (1997). Validation and Verification. In. KARTAM, N., FLOOD, I. E GARRETT J., Artificial Neural Networks for Civil Engineers: Fundamentals and Applications, ASCE press, pp. ZELL, A., MAMIER, G., VOGT, M., MACHE, N., HUEBNER, R., HERRMANN, K.-U., SOYEZ, T., SCHMALZL, M., SOMMER, T., HATZIGEORGIOU, A., DOERING, S., POSSELT, D. E SCHREINER, T. (1995). SNNS, Stuttgart Neural Network Simulator, User manual, Version 4.2, University of Stuttgart, Comp. Science Dept., Report No. 6/95.

G-Évora: Análise exploratória de relações espaciais na construção de um modelo geográfico de escoamento superficial. Marco Freire Nuno de Sousa Neves

G-Évora: Análise exploratória de relações espaciais na construção de um modelo geográfico de escoamento superficial. Marco Freire Nuno de Sousa Neves G-Évora: Análise exploratória de relações espaciais na construção de um modelo geográfico de escoamento superficial Marco Freire Nuno de Sousa Neves A gestão dos recursos naturais requer um conhecimento

Leia mais

Identificação de Caracteres com Rede Neuronal Artificial com Interface Gráfica

Identificação de Caracteres com Rede Neuronal Artificial com Interface Gráfica Identificação de Caracteres com Rede Neuronal Artificial com Interface Gráfica João Paulo Teixeira*, José Batista*, Anildio Toca**, João Gonçalves**, e Filipe Pereira** * Departamento de Electrotecnia

Leia mais

MLP (Multi Layer Perceptron)

MLP (Multi Layer Perceptron) MLP (Multi Layer Perceptron) André Tavares da Silva andre.silva@udesc.br Roteiro Rede neural com mais de uma camada Codificação de entradas e saídas Decorar x generalizar Perceptron Multi-Camada (MLP -

Leia mais

IN0997 - Redes Neurais

IN0997 - Redes Neurais IN0997 - Redes Neurais Aluizio Fausto Ribeiro Araújo Universidade Federal de Pernambuco Centro de Informática - CIn Departamento de Sistemas da Computação aluizioa@cin.ufpe.br Conteúdo Objetivos Ementa

Leia mais

APLICAÇÃO DE RNA NA ÁREA DA SIMULAÇÃO ENERGÉTICA DE EDIFÍCIOS

APLICAÇÃO DE RNA NA ÁREA DA SIMULAÇÃO ENERGÉTICA DE EDIFÍCIOS APLICAÇÃO DE RNA NA ÁREA DA SIMULAÇÃO ENERGÉTICA DE EDIFÍCIOS RICARDO ALMEIDA (Departamento de Engenharia Civil do Instituto Politécnico de Viseu e CONSTRUCT-LFC, Faculdade de Engenharia da Universidade

Leia mais

MODELAGEM DO CUSTO MARGINAL DA ENERGIA ELÉTRICA EM FUNÇÃO DO NÍVEL DE ARMAZENAMENTO NOS RESERVATÓRIOS

MODELAGEM DO CUSTO MARGINAL DA ENERGIA ELÉTRICA EM FUNÇÃO DO NÍVEL DE ARMAZENAMENTO NOS RESERVATÓRIOS SNPTEE SEMINÁRIO NACIONAL DE PRODUÇÃO E TRANSMISSÃO DE ENERGIA ELÉTRICA GOP - 17 16 a 21 Outubro de 2005 Curitiba - Paraná GRUPO IX GRUPO DE ESTUDO DE OPERAÇÃO DE SISTEMAS ELÉTRICOS - GOP MODELAGEM DO

Leia mais

Automatização do processo de determinação do número de ciclos de treinamento de uma Rede Neural Artificial

Automatização do processo de determinação do número de ciclos de treinamento de uma Rede Neural Artificial Automatização do processo de determinação do número de ciclos de treinamento de uma Rede Neural Artificial André Ricardo Gonçalves; Maria Angélica de Oliveira Camargo Brunetto Laboratório Protem Departamento

Leia mais

CONHECENDO O ALGORITMO GARP. Adair Santa Catarina Curso de Informática Unioeste Campus de Cascavel PR

CONHECENDO O ALGORITMO GARP. Adair Santa Catarina Curso de Informática Unioeste Campus de Cascavel PR CONHECENDO O ALGORITMO GARP Adair Santa Catarina Curso de Informática Unioeste Campus de Cascavel PR INPE Set/2006 Roteiro Introdução Algoritmos Genéticos (AG) GMS e DesktopGARP Avaliação dos Modelos Ajustados

Leia mais

PROTÓTIPO DE SOFTWARE PARA APRENDIZAGEM DE REDES NEURAIS ARTIFICIAIS

PROTÓTIPO DE SOFTWARE PARA APRENDIZAGEM DE REDES NEURAIS ARTIFICIAIS Anais do XXXIV COBENGE. Passo Fundo: Ed. Universidade de Passo Fundo, Setembro de 2006. ISBN 85-7515-371-4 PROTÓTIPO DE SOFTWARE PARA APRENDIZAGEM DE REDES NEURAIS ARTIFICIAIS Rejane de Barros Araújo rdebarros_2000@yahoo.com.br

Leia mais

Ferramenta computacional para implementação de redes neuronais optimização das capacidades gráficas

Ferramenta computacional para implementação de redes neuronais optimização das capacidades gráficas INEB- PSI Technical Report 2007-2 Ferramenta computacional para implementação de redes neuronais optimização das capacidades gráficas Alexandra Oliveira aao@fe.up.pt Professor Joaquim Marques de Sá December

Leia mais

Inteligência Artificial. Redes Neurais Artificiais

Inteligência Artificial. Redes Neurais Artificiais Curso de Especialização em Sistemas Inteligentes Aplicados à Automação Inteligência Artificial Redes Neurais Artificiais Aulas Práticas no Matlab João Marques Salomão Rodrigo Varejão Andreão Matlab Objetivos:

Leia mais

ANÁLISE DE PRÉ-PROCESSAMENTO NO DESEMPENHO DE PREVISÃO DE SÉRIES TEMPORAIS FINANCEIRAS

ANÁLISE DE PRÉ-PROCESSAMENTO NO DESEMPENHO DE PREVISÃO DE SÉRIES TEMPORAIS FINANCEIRAS Universidade Federal de Pernambuco Centro de Informática Graduação em Ciência da Computação ANÁLISE DE PRÉ-PROCESSAMENTO NO DESEMPENHO DE PREVISÃO DE SÉRIES TEMPORAIS FINANCEIRAS PROPOSTA DE TRABALHO DE

Leia mais

Figura 5.1.Modelo não linear de um neurônio j da camada k+1. Fonte: HAYKIN, 2001

Figura 5.1.Modelo não linear de um neurônio j da camada k+1. Fonte: HAYKIN, 2001 47 5 Redes Neurais O trabalho em redes neurais artificiais, usualmente denominadas redes neurais ou RNA, tem sido motivado desde o começo pelo reconhecimento de que o cérebro humano processa informações

Leia mais

REDES NEURAIS PARA PREDIÇÃO DE VARIÁVEIS CLIMÁTICAS RELEVANTES PARA A AGRICULTURA 1

REDES NEURAIS PARA PREDIÇÃO DE VARIÁVEIS CLIMÁTICAS RELEVANTES PARA A AGRICULTURA 1 ISSN 1413-6244 Empresa Brasileira de Pesquisa Agropecuária Centro Nacional de Pesquisa e Desenvolvimento de Instrumentação Agropecuária Ministério da Agricultura e do Abastecimento Rua XV de Novembro,

Leia mais

3. REDES DE CAMADA ÚNICA

3. REDES DE CAMADA ÚNICA 3. REDES DE CAMADA ÚNICA Perceptron Forma mais simples de RN Utilizado para classificação de padrões (linearmente separáveis) Consiste em um único neurônio, com pesos sinápticos ajustáveis e bias 3.1 Funções

Leia mais

REDES NEURAIS ARTIFICIAIS EM COLHEITA DE CANA-DE-AÇÚCAR RESUMO

REDES NEURAIS ARTIFICIAIS EM COLHEITA DE CANA-DE-AÇÚCAR RESUMO REDES NEURAIS ARTIFICIAIS EM COLHEITA DE CANA-DE-AÇÚCAR THIAGO RAMOS TRIGO 1 PAULO CESAR DA SILVA BATISTA JÚNIOR 1 FERNANDO BUARQUE DE LIMA NETO 2 RESUMO Este artigo apresenta um maneira de implementar

Leia mais

PREVISÃO DE TEMPERATURA ATRAVÉS DE REDES NEURAIS ARTIFICIAIS

PREVISÃO DE TEMPERATURA ATRAVÉS DE REDES NEURAIS ARTIFICIAIS PREVISÃO DE TEMPERATURA ATRAVÉS DE REDES NEURAIS ARTIFICIAIS Alexandre Pinhel Soares 1 André Pinhel Soares 2 Abstract : The temperature monitoring is a quasi-continuous and judicious task that gives a

Leia mais

Mineração de Dados Meteorológicos pela Teoria dos Conjuntos Aproximativos para Aplicação na Previsão de Precipitação Sazonal

Mineração de Dados Meteorológicos pela Teoria dos Conjuntos Aproximativos para Aplicação na Previsão de Precipitação Sazonal Anais do CNMAC v.2 ISSN 1984-820X Mineração de Dados Meteorológicos pela Teoria dos Conjuntos Aproximativos para Aplicação na Previsão de Precipitação Sazonal Juliana Aparecida Anochi Instituto Nacional

Leia mais

5º CONGRESSO BRASILEIRO DE PESQUISA E DESENVOLVIMENTO EM PETRÓLEO E GÁS

5º CONGRESSO BRASILEIRO DE PESQUISA E DESENVOLVIMENTO EM PETRÓLEO E GÁS 5º CONGRESSO BRASILEIRO DE PESQUISA E DESENVOLVIMENTO EM PETRÓLEO E GÁS TÍTULO DO TRABALHO: REDES NEURAIS APLICADAS EM INDÚSTRIAS PETROQUÍMICAS DE FABRICAÇÃO DE FIBRAS DE POLIÉSTER. AUTORES: Lívia Maciel

Leia mais

Complemento II Noções Introdutória em Redes Neurais

Complemento II Noções Introdutória em Redes Neurais Complemento II Noções Introdutória em Redes Neurais Esse documento é parte integrante do material fornecido pela WEB para a 2ª edição do livro Data Mining: Conceitos, técnicas, algoritmos, orientações

Leia mais

Características do texto Académico-Científico

Características do texto Académico-Científico Características do texto Académico-Científico Algumas noções breves Ana Leitão Mestre em Língua e Cultura Portuguesa Essencial para uma adequada indexação posterior em bases de dados; Nem muito abrangentes

Leia mais

Projeto de Redes Neurais e MATLAB

Projeto de Redes Neurais e MATLAB Projeto de Redes Neurais e MATLAB Centro de Informática Universidade Federal de Pernambuco Sistemas Inteligentes IF684 Arley Ristar arrr2@cin.ufpe.br Thiago Miotto tma@cin.ufpe.br Baseado na apresentação

Leia mais

Estudo de Caso no Mercado Imobiliário de Castelo Branco

Estudo de Caso no Mercado Imobiliário de Castelo Branco 23 Estudo de Caso no Mercado Imobiliário de Castelo Branco Maria Cristina Canavarro Teixeira Escola Superior Agrária, Quinta da Sra. de Mércules, 6001-909 Castelo Branco, Portugal ccanavarro@ipcb.pt Sumário

Leia mais

Previsão do Mercado de Ações Brasileiro utilizando Redes Neurais Artificiais

Previsão do Mercado de Ações Brasileiro utilizando Redes Neurais Artificiais Previsão do Mercado de Ações Brasileiro utilizando Redes Neurais Artificiais Elisângela Lopes de Faria (a) Marcelo Portes Albuquerque (a) Jorge Luis González Alfonso (b) Márcio Portes Albuquerque (a) José

Leia mais

REDES NEURAIS ARTIFICIAIS EM COLHEITA DE CANA-DE- AÇÚCAR

REDES NEURAIS ARTIFICIAIS EM COLHEITA DE CANA-DE- AÇÚCAR REDES NEURAIS ARTIFICIAIS EM COLHEITA DE CANA-DE- AÇÚCAR THIAGO RAMOS TRIGO 1 PAULO CESAR DA SILVA BATISTA JÚNIOR 1 FERNANDO BUARQUE DE LIMA NETO 2 RESUMO Este artigo apresenta um maneira de implementar

Leia mais

Nathalie Portugal Vargas

Nathalie Portugal Vargas Nathalie Portugal Vargas 1 Introdução Trabalhos Relacionados Recuperação da Informação com redes ART1 Mineração de Dados com Redes SOM RNA na extração da Informação Filtragem de Informação com Redes Hopfield

Leia mais

Reconhecimento de Padrões. Reconhecimento de Padrões

Reconhecimento de Padrões. Reconhecimento de Padrões Reconhecimento de Padrões 0.9 0.8 0.7 0.6 0.5 0.4 0.3 0.2 0.1 0.1 0.2 0.3 0.4 0.5 0.6 0.7 0.8 0.9 Escola Superior de Tecnologia Engenharia Informática Reconhecimento de Padrões Prof. João Ascenso e Prof.

Leia mais

Aprendizagem de Máquina

Aprendizagem de Máquina Aprendizagem de Máquina Alessandro L. Koerich Programa de Pós-Graduação em Informática Pontifícia Universidade Católica do Paraná (PUCPR) Horários Aulas Sala [quinta-feira, 7:30 12:00] Atendimento Segunda

Leia mais

TÓPICOS AVANÇADOS EM ENGENHARIA DE SOFTWARE

TÓPICOS AVANÇADOS EM ENGENHARIA DE SOFTWARE TÓPICOS AVANÇADOS EM ENGENHARIA DE SOFTWARE Engenharia de Computação Professor: Rosalvo Ferreira de Oliveira Neto Estudos Comparativos Recentes - Behavior Scoring Roteiro Objetivo Critérios de Avaliação

Leia mais

Automatização do processo de determinação do número de ciclos de treinamento de uma Rede Neural Artificial

Automatização do processo de determinação do número de ciclos de treinamento de uma Rede Neural Artificial Automatização do processo de determinação do número de ciclos de treinamento de uma Rede Neural Artificial André Ricardo Gonçalves 1, Maria Angélica de Oliveira Camargo Brunetto 2 1,2 Laboratório de Pesquisa

Leia mais

Redes neurais aplicadas na identificação de variedades de soja

Redes neurais aplicadas na identificação de variedades de soja Redes neurais aplicadas na identificação de variedades de soja Fábio R. R. Padilha Universidade Regional do Noroeste do Estado do Rio Grande do Sul - UNIJUÍ Rua São Francisco, 5 - Sede Acadêmica, 987-,

Leia mais

SIG APLICADO AO MEIO AMBIENTE

SIG APLICADO AO MEIO AMBIENTE SIG APLICADO AO MEIO AMBIENTE Prof. Luciene Delazari Grupo de Pesquisa em Cartografia e SIG da UFPR SIG Aplicado ao Meio Ambiente - 2011 GA020- SIG APLICADO AO MEIO AMBIENTE Prof. Luciene S. Delazari -

Leia mais

Previsão do Índice da Bolsa de Valores do Estado de São Paulo utilizandoredes Neurais Artificiais

Previsão do Índice da Bolsa de Valores do Estado de São Paulo utilizandoredes Neurais Artificiais Previsão do Índice da Bolsa de Valores do Estado de São Paulo utilizandoredes Neurais Artificiais Redes Neurais Artificiais Prof. Wilian Soares João Vitor Squillace Teixeira Ciência da Computação Universidade

Leia mais

TÍTULO: PROPOSTA DE METODOLOGIA BASEADA EM REDES NEURAIS ARTIFICIAIS MLP PARA A PROTEÇÃO DIFERENCIAL DE TRANSFORMADORES DE POTÊNCIA

TÍTULO: PROPOSTA DE METODOLOGIA BASEADA EM REDES NEURAIS ARTIFICIAIS MLP PARA A PROTEÇÃO DIFERENCIAL DE TRANSFORMADORES DE POTÊNCIA TÍTULO: PROPOSTA DE METODOLOGIA BASEADA EM REDES NEURAIS ARTIFICIAIS MLP PARA A PROTEÇÃO DIFERENCIAL DE TRANSFORMADORES DE POTÊNCIA CATEGORIA: CONCLUÍDO ÁREA: ENGENHARIAS E ARQUITETURA SUBÁREA: ENGENHARIAS

Leia mais

Uma aplicação de Inteligência Computacional e Estatística Clássica na Previsão do Mercado de Seguros de Automóveis Brasileiro

Uma aplicação de Inteligência Computacional e Estatística Clássica na Previsão do Mercado de Seguros de Automóveis Brasileiro Uma aplicação de Inteligência Computacional e Estatística Clássica na Previsão do Mercado de Seguros de Automóveis Brasileiro Tiago Mendes Dantas t.mendesdantas@gmail.com Departamento de Engenharia Elétrica,

Leia mais

PRODUÇÃO INDUSTRIAL DE SUÍNOS E O USO DE REDES NEURAIS ARTIFICIAIS PARA PREDIÇÃO DE ÍNDICES ZOOTÉCNICOS NA FASE DE GESTAÇÃO E MATERNIDADE RESUMO

PRODUÇÃO INDUSTRIAL DE SUÍNOS E O USO DE REDES NEURAIS ARTIFICIAIS PARA PREDIÇÃO DE ÍNDICES ZOOTÉCNICOS NA FASE DE GESTAÇÃO E MATERNIDADE RESUMO PRODUÇÃO INDUSTRIAL DE SUÍNOS E O USO DE REDES NEURAIS ARTIFICIAIS PARA PREDIÇÃO DE ÍNDICES ZOOTÉCNICOS NA FASE DE GESTAÇÃO E MATERNIDADE RESUMO HÉLITON PANDORFI 1 IRAN JOSÉ OLIVEIRA DA SILVA 2 JEFFERSON

Leia mais

MÓDULO DE VALIDAÇÃO CRUZADA PARA TREINAMENTO DE REDES NEURAIS ARTIFICIAIS COM ALGORITMOS BACKPROPAGATION E RESILIENT PROPAGATION

MÓDULO DE VALIDAÇÃO CRUZADA PARA TREINAMENTO DE REDES NEURAIS ARTIFICIAIS COM ALGORITMOS BACKPROPAGATION E RESILIENT PROPAGATION CDD:006.3 MÓDULO DE VALIDAÇÃO CRUZADA PARA TREINAMENTO DE REDES NEURAIS ARTIFICIAIS COM ALGORITMOS BACKPROPAGATION E RESILIENT PROPAGATION CROSS VALIDATION MODULE FOR THE TRAINING OF ARTIFICIAL NEURAL

Leia mais

Relatório Iniciação Científica

Relatório Iniciação Científica Relatório Iniciação Científica Ambientes Para Ensaios Computacionais no Ensino de Neurocomputação e Reconhecimento de Padrões Bolsa: Programa Ensinar com Pesquisa-Pró-Reitoria de Graduação Departamento:

Leia mais

3 Metodologia de Previsão de Padrões de Falha

3 Metodologia de Previsão de Padrões de Falha 3 Metodologia de Previsão de Padrões de Falha Antes da ocorrência de uma falha em um equipamento, ele entra em um regime de operação diferente do regime nominal, como descrito em [8-11]. Para detectar

Leia mais

PROBABILIDADES E PROBABILIDADES CONDICIONAIS EM HIDROGEOLOGIA. Luís RIBEIRO 1

PROBABILIDADES E PROBABILIDADES CONDICIONAIS EM HIDROGEOLOGIA. Luís RIBEIRO 1 PROBABILIDADES E PROBABILIDADES CONDICIONAIS EM HIDROGEOLOGIA Luís RIBEIRO 1 RESUMO Nos problemas de poluição de águas subterrâneas, interessa mais a detecção dos valores anormais e o estudo da sua conectividade

Leia mais

XIX CONGRESSO DE PÓS-GRADUAÇÃO DA UFLA 27 de setembro a 01 de outubro de 2010

XIX CONGRESSO DE PÓS-GRADUAÇÃO DA UFLA 27 de setembro a 01 de outubro de 2010 DETERMINAÇÃO DA UMIDADE DO SOLO NA CAPACIDADE DE CAMPO E NO PONTO DE MURCHA PERMANENTE COM BASE EM ATRIBUTOS FÍSICOS DO SOLO CAMILA CRISTINA ALVARENGA 1, CARLOS ROGÉRIO DE MELLO 2 ; LÉO FERNANDES ÁVILA

Leia mais

Oficina de Multimédia B. ESEQ 12º i 2009/2010

Oficina de Multimédia B. ESEQ 12º i 2009/2010 Oficina de Multimédia B ESEQ 12º i 2009/2010 Conceitos gerais Multimédia Hipertexto Hipermédia Texto Tipografia Vídeo Áudio Animação Interface Interacção Multimédia: É uma tecnologia digital de comunicação,

Leia mais

Relatório de uma Aplicação de Redes Neurais

Relatório de uma Aplicação de Redes Neurais UNIVERSIDADE ESTADUAL DE MONTES CLAROS CENTRO DE CIÊNCIAS EXATAS E TECNOLÓGICAS DEPARTAMENTO DE CIÊNCIAS DA COMPUTACAÇÃO ESPECIALIZAÇÃO EM ENGENHARIA DE SISTEMAS DISCIPLINA: REDES NEURAIS PROFESSOR: MARCOS

Leia mais

A metodologia utilizada neste trabalho consiste basicamente de três etapas: ensaio, pré-processamento e simulações.

A metodologia utilizada neste trabalho consiste basicamente de três etapas: ensaio, pré-processamento e simulações. SNPTEE SEMINÁRIO NACIONAL DE PRODUÇÃO E TRANSMISSÃO DE ENERGIA ELÉTRICA GCE 20 14 a 17 Outubro de 2007 Rio de Janeiro - RJ GRUPO XIV GRUPO DE ESTUDO DE CONSERVAÇÃO DE ENERGIA ELÉTRICA UTILIZAÇÃO DE REDES

Leia mais

Atualização de um Simulador de Cenários Sísmicos em ambiente WebSIG

Atualização de um Simulador de Cenários Sísmicos em ambiente WebSIG Atualização de um Simulador de Cenários Sísmicos em ambiente WebSIG Nuno AFONSO 1, Alexandra CARVALHO 1 1 Laboratório Nacional de Engenharia Civil (nuno.fnvs.afonso@gmail.com; xana.carvalho@lnec.pt) Palavras-chave:

Leia mais

PROGRAMA. Curso: Mestrado em Educação e Comunicação Multimédia. diurno. Ciclo: 2º. pós-laboral. Ano: 1º Semestre: 1º

PROGRAMA. Curso: Mestrado em Educação e Comunicação Multimédia. diurno. Ciclo: 2º. pós-laboral. Ano: 1º Semestre: 1º PROGRAMA Ciclo: 2º Curso: Mestrado em Educação e Comunicação Multimédia diurno pós-laboral Ano: 1º Semestre: 1º Unidade Curricular: FUNDAMENTOS DE LÓGICA E ALGORITMOS DE PROGRAMAÇÃO Código: Departamento:

Leia mais

Do neurônio biológico ao neurônio das redes neurais artificiais

Do neurônio biológico ao neurônio das redes neurais artificiais Do neurônio biológico ao neurônio das redes neurais artificiais O objetivo desta aula é procurar justificar o modelo de neurônio usado pelas redes neurais artificiais em termos das propriedades essenciais

Leia mais

MESTRADO EM PSICOLOGIA SOCIAL E DAS ORGANIZAÇÕES GUIA DE ORGANIZAÇÃO E DE FUNCIONAMENTO DOS ESTÁGIOS

MESTRADO EM PSICOLOGIA SOCIAL E DAS ORGANIZAÇÕES GUIA DE ORGANIZAÇÃO E DE FUNCIONAMENTO DOS ESTÁGIOS INSTI INSTUTO SUPERIOR DE CIÊNCIAS DO TRABALHO E DA EMPRESA DEPARTAMENTO DE PSICOLOGIA SOCIAL E DAS ORGANIZAÇÕES MESTRADO EM PSICOLOGIA SOCIAL E DAS ORGANIZAÇÕES GUIA DE ORGANIZAÇÃO E DE FUNCIONAMENTO

Leia mais

Redes Neurais. Profa. Flavia Cristina Bernardini

Redes Neurais. Profa. Flavia Cristina Bernardini Redes Neurais Profa. Flavia Cristina Bernardini Introdução Cérebro & Computador Modelos Cognitivos Diferentes Cérebro Computador Seqüência de Comandos Reconhecimento de Padrão Lento Rápido Rápido Lento

Leia mais

OTIMIZAÇÃO DE REDES NEURAIS PARA PREVISÃO DE SÉRIES TEMPORAIS

OTIMIZAÇÃO DE REDES NEURAIS PARA PREVISÃO DE SÉRIES TEMPORAIS OTIMIZAÇÃO DE REDES NEURAIS PARA PREVISÃO DE SÉRIES TEMPORAIS Trabalho de Conclusão de Curso Engenharia da Computação Adélia Carolina de Andrade Barros Orientador: Prof. Dr. Adriano Lorena Inácio de Oliveira

Leia mais

Sistemas de Apoio à Decisão

Sistemas de Apoio à Decisão Sistemas de Apoio à Decisão Data Mining & Optimização Victor Lobo Objectivos gerais Abrir horizontes em temas actuais Aprender técnicas usadas em Sistemas de apoio à decisão ou Business Intelligence Métodos

Leia mais

MODELAGEM DE UMA ESTAÇÃO DE TRATAMENTO DE ESGOTOS UTILIZANDO REDES NEURAIS: CONCEITUAÇÃO E AVALIAÇÃO PRELIMINAR

MODELAGEM DE UMA ESTAÇÃO DE TRATAMENTO DE ESGOTOS UTILIZANDO REDES NEURAIS: CONCEITUAÇÃO E AVALIAÇÃO PRELIMINAR MODELAGEM DE UMA ESTAÇÃO DE TRATAMENTO DE ESGOTOS UTILIZANDO REDES NEURAIS: CONCEITUAÇÃO E AVALIAÇÃO PRELIMINAR Werner Siegfried Hanisch () Engenheiro Químico pela Universidade Federal de São Carlos, Mestre

Leia mais

O QUE É E COMO FUNCIONA O CREDIT SCORING PARTE I

O QUE É E COMO FUNCIONA O CREDIT SCORING PARTE I O QUE É E COMO FUNCIONA O CREDIT SCORING PARTE I! A utilização de escores na avaliação de crédito! Como montar um plano de amostragem para o credit scoring?! Como escolher as variáveis no modelo de credit

Leia mais

MODELAGEM DIGITAL DE SUPERFÍCIES

MODELAGEM DIGITAL DE SUPERFÍCIES MODELAGEM DIGITAL DE SUPERFÍCIES Prof. Luciene Delazari Grupo de Pesquisa em Cartografia e SIG da UFPR SIG 2012 Introdução Os modelo digitais de superficie (Digital Surface Model - DSM) são fundamentais

Leia mais

Aplicação de Redes Neurais Artificiais na Caracterização de Tambores de Rejeito Radioativo

Aplicação de Redes Neurais Artificiais na Caracterização de Tambores de Rejeito Radioativo Aplicação de Redes Neurais Artificiais na Caracterização de Tambores de Rejeito Radioativo Ademar José Potiens Júnior 1, Goro Hiromoto 1 1 Av. Prof. Lineu Prestes, 2242 05508-000, Brasil apotiens@ipen.br,

Leia mais

Matlab - Neural Networw Toolbox. Ana Lívia Soares Silva de Almeida

Matlab - Neural Networw Toolbox. Ana Lívia Soares Silva de Almeida 27 de maio de 2014 O que é a Neural Networw Toolbox? A Neural Network Toolbox fornece funções e aplicativos para a modelagem de sistemas não-lineares complexos que não são facilmente modelados com uma

Leia mais

Relatório da Aula Prática sobre Redes Neurais Artificiais

Relatório da Aula Prática sobre Redes Neurais Artificiais Relatório da Aula Prática sobre Redes Neurais Artificiais Instituto de Informática UFRGS Carlos Eduardo Ramisch Cartão: 134657 INF01017 Redes Neurais e Sistemas Fuzzy Porto Alegre, 16 de outubro de 2006.

Leia mais

A INSOLAÇÃO COMO PARÂMETRO DE ENTRADA EM MODELO BASEADO EM REDES NEURONAIS PARA PREVISÃO DE SÉRIE TEMPORAL DO TURISMO

A INSOLAÇÃO COMO PARÂMETRO DE ENTRADA EM MODELO BASEADO EM REDES NEURONAIS PARA PREVISÃO DE SÉRIE TEMPORAL DO TURISMO Ref: CLME 211_75A A INSOLAÇÃO COMO PARÂMETRO DE ENTRADA EM MODELO BASEADO EM REDES NEURONAIS PARA PREVISÃO DE SÉRIE TEMPORAL DO TURISMO João Paulo Teixeira* 1, Paula Odete Fernandes 2 1 Escola Superior

Leia mais

MINERAÇÃO DE DADOS PARA DETECÇÃO DE SPAMs EM REDES DE COMPUTADORES

MINERAÇÃO DE DADOS PARA DETECÇÃO DE SPAMs EM REDES DE COMPUTADORES MINERAÇÃO DE DADOS PARA DETECÇÃO DE SPAMs EM REDES DE COMPUTADORES Kelton Costa; Patricia Ribeiro; Atair Camargo; Victor Rossi; Henrique Martins; Miguel Neves; Ricardo Fontes. kelton.costa@gmail.com; patriciabellin@yahoo.com.br;

Leia mais

Relações mais harmoniosas de convívio com a natureza; O mundo como um modelo real que necessita de abstrações para sua descrição; Reconhecimento de

Relações mais harmoniosas de convívio com a natureza; O mundo como um modelo real que necessita de abstrações para sua descrição; Reconhecimento de Relações mais harmoniosas de convívio com a natureza; O mundo como um modelo real que necessita de abstrações para sua descrição; Reconhecimento de padrões espaciais; Controle e ordenação do espaço. Técnicas

Leia mais

Base de Dados para Administrações de Condomínios

Base de Dados para Administrações de Condomínios Base de Dados para Administrações de Condomínios José Pedro Gaiolas de Sousa Pinto: ei03069@fe.up.pt Marco António Sousa Nunes Fernandes Silva: ei03121@fe.up.pt Pedro Miguel Rosário Alves: alves.pedro@fe.up.pt

Leia mais

Ajuste de modelos de redes neurais artificiais na precipitação pluviométrica mensal

Ajuste de modelos de redes neurais artificiais na precipitação pluviométrica mensal Ajuste de modelos de redes neurais artificiais na precipitação pluviométrica mensal 1 Introdução Antonio Sergio Ferraudo 1 Guilherme Moraes Ferraudo 2 Este trabalho apresenta estudos de série de precipitação

Leia mais

RESUMO. José Rocha. Capítulo 2: Geotecnologias aplicadas à análise e gestão de riscos

RESUMO. José Rocha. Capítulo 2: Geotecnologias aplicadas à análise e gestão de riscos Cartografia Municipal de risco com recurso ao MODEL BUILDER José Rocha Departamento de Geografia, Instituto de Ciências Sociais da Universidade do Minho jmanuelfrocha@sapo.pt RESUMO A cartografia municipal

Leia mais

Figura 1: Bosque de Casal do Rei, alguns meses após o incêndio que ocorreu no Verão de 2005.

Figura 1: Bosque de Casal do Rei, alguns meses após o incêndio que ocorreu no Verão de 2005. Estudo da vegetação 1. Introdução A intensa actividade humana desenvolvida na região Centro ao longo dos últimos milénios conduziu ao desaparecimento gradual de extensas áreas de floresta autóctone, que

Leia mais

Alisamento Exponencial (EWMA) e Holt-Winters

Alisamento Exponencial (EWMA) e Holt-Winters Alisamento Exponencial (EWMA) e Holt-Winters 1 - Alisamento Exponencial Simples Admita-se que pretendemos prever os valores futuros da série representada no gráfico 1. Gráfico 1 - esta série não apresenta

Leia mais

tipos de métodos, técnicas de inteligência artificial e técnicas de otimização. Por fim, concluise com as considerações finais.

tipos de métodos, técnicas de inteligência artificial e técnicas de otimização. Por fim, concluise com as considerações finais. 1. Introdução A previsão de vendas é fundamental para as organizações uma vez que permite melhorar o planejamento e a tomada de decisão sobre o futuro da empresa. Contudo toda previsão carrega consigo

Leia mais

SIG. Uma plataforma para introdução de técnicas emergentes no planejamento urbano, regional e de transportes

SIG. Uma plataforma para introdução de técnicas emergentes no planejamento urbano, regional e de transportes SIG Uma plataforma para introdução de técnicas emergentes no planejamento urbano, regional e de transportes SIG Uma plataforma para introdução de técnicas emergentes no planejamento urbano, regional e

Leia mais

Reconhecimento Automático de Placas Veiculares

Reconhecimento Automático de Placas Veiculares Reconhecimento Automático de Placas Veiculares Luismar Sebastião Ferreira * * UniverCidade (Centro Universitário da Cidade do Rio de Janeiro) Núcleo de Projetos e Pesquisa em Aplicações Computacionais

Leia mais

Data Mining II Modelos Preditivos

Data Mining II Modelos Preditivos Data Mining II Modelos Preditivos Prof. Doutor Victor Lobo Mestre André Melo Mestrado em Estatística e Gestão de Informação Objectivo desta disciplina Fazer previsões a partir de dados. Conhecer os principais

Leia mais

REDES NEURAIS APLICADAS À PREVISÃO DE SÉRIES TEMPORAIS

REDES NEURAIS APLICADAS À PREVISÃO DE SÉRIES TEMPORAIS REDES NEURAIS APLICADAS À PREVISÃO DE SÉRIES TEMPORAIS BATTAGELLO, Vinícius Antonio *, CORDEIRO, Marciso Xavier, DAL PINO Jr, Arnaldo Divisão de Ens. Fundamental - Instituto Tecnológico de Aeronáutica

Leia mais

Introdução a Datamining (previsão e agrupamento)

Introdução a Datamining (previsão e agrupamento) Introdução a Datamining (previsão e agrupamento) Victor Lobo Mestrado em Estatística e Gestão de Informação E o que fazer depois de ter os dados organizados? Ideias base Aprender com o passado Inferir

Leia mais

Gestão do Risco e da Qualidade no Desenvolvimento de Software

Gestão do Risco e da Qualidade no Desenvolvimento de Software Gestão do Risco e da Qualidade no Desenvolvimento de Software Questionário Taxinómico do Software Engineering Institute António Miguel 1. Constrangimentos do Projecto Os Constrangimentos ao Projecto referem-se

Leia mais

A QUALIFICAÇÃO PROFISSIONAL NA ÁREA DE COLHEITA FLORESTAL MECANIZADA

A QUALIFICAÇÃO PROFISSIONAL NA ÁREA DE COLHEITA FLORESTAL MECANIZADA A QUALIFICAÇÃO PROFISSIONAL NA ÁREA DE COLHEITA FLORESTAL MECANIZADA Edna Ap Esquinelato da Silva 1 Eliete Santana 1 Elton Dias da Paz 1 Priscila Alves da Silva 1 RESUMO Colheita Floresta é o processo

Leia mais

Proposta de Dissertação de Mestrado na área de Gestão

Proposta de Dissertação de Mestrado na área de Gestão Proposta de Dissertação de Mestrado na área de Gestão I NTERNET M ARKETING: DA COMUNICAÇÃO AOS PRODUTOS Flávio Gomes Borges Tiago Mestrado em Gestão (MBA) Universidade dos Açores 1 Autor Flávio Gomes Borges

Leia mais

Palavras-chave: self-organizing maps, p-median, construção de regiões

Palavras-chave: self-organizing maps, p-median, construção de regiões somgis: UMA FERRAMENTA PARA CONSTRUIR REGIÕES Roberto Henriques, Fernando Bação, Instituto Superior de Estatística e Gestão de Informação, Universidade Nova de Lisboa, Campus de Campolide 1070-312 Lisboa,

Leia mais

ESPAÇO PÚBLICO, VIDA PÚBLICA

ESPAÇO PÚBLICO, VIDA PÚBLICA ESPAÇO PÚBLICO, VIDA PÚBLICA o caso do Parque das Nações Francisco Manuel Camarinhas Serdoura (Professor Doutor) tópicos da aula apresentação de objectivos 01 breve enquadramento teórico caracterização

Leia mais

IMPLEMENTAÇÃO DE UM MODELO DE PREVISÃO DE VAZÃO EM TEMPO REAL COM REDES NEURAIS

IMPLEMENTAÇÃO DE UM MODELO DE PREVISÃO DE VAZÃO EM TEMPO REAL COM REDES NEURAIS IMPLEMENTAÇÃO DE UM MODELO DE PREVISÃO DE VAZÃO EM TEMPO REAL COM REDES NEURAIS Cristiane Pires Andrioli 1 e Mario Thadeu Leme de Barros 2 RESUMO Este trabalho trata de um novo esquema de previsão de vazões

Leia mais

AVALIAÇÃO DA SITUAÇÃO TOPOGRÁFICA DOS VINHEDOS NO VALE DOS VINHEDOS, RIO GRANDE DO SUL, BRASIL

AVALIAÇÃO DA SITUAÇÃO TOPOGRÁFICA DOS VINHEDOS NO VALE DOS VINHEDOS, RIO GRANDE DO SUL, BRASIL AVALIAÇÃO DA SITUAÇÃO TOPOGRÁFICA DOS VINHEDOS NO VALE DOS VINHEDOS, RIO GRANDE DO SUL, BRASIL ELISEU WEBER, ELIANA CASCO SARMENTO, HEINRICH HASENACK Universidade Federal do Rio Grande do Sul, eweber@portoweb.com.br

Leia mais

PREVISÃO DO PREÇO DA SOJA UTILIZANDO REDES NEURAIS

PREVISÃO DO PREÇO DA SOJA UTILIZANDO REDES NEURAIS PREVISÃO DO PREÇO DA SOJA UTILIZANDO REDES NEURAIS 1 William Hajime Yonenaga e 2 Reginaldo Santana Figueiredo 1 Programa de Pós-Graduação em Engenharia de Produção, 2 Departamento de Engenharia de Produção

Leia mais

EGEA ESAPL - IPVC. Orçamentos Anuais Parciais de Actividade

EGEA ESAPL - IPVC. Orçamentos Anuais Parciais de Actividade EGEA ESAPL - IPVC Orçamentos Anuais Parciais de Actividade Elaboração de Orçamentos Os resultados de uma empresa, ou de qualquer uma das suas actividades, podem ser apurados (ou calculados de forma previsional)

Leia mais

NECESSIDADES DE PREVISÃO DA CADEIA DE SUPRIMENTOS. Mayara Condé Rocha Murça TRA-53 Logística e Transportes

NECESSIDADES DE PREVISÃO DA CADEIA DE SUPRIMENTOS. Mayara Condé Rocha Murça TRA-53 Logística e Transportes NECESSIDADES DE PREVISÃO DA CADEIA DE SUPRIMENTOS Mayara Condé Rocha Murça TRA-53 Logística e Transportes Setembro/2013 Introdução Estimativas acuradas do volume de produtos e serviços processados pela

Leia mais

FORMAÇÃO EM TÉCNICAS DE PLANEAMENTO DE REDES PRIMÁRIAS DE FAIXAS DE GESTÃO DE COMBUSTÍVEL FASE II ELABORAÇÃO DE PLANOS DE RPFGC

FORMAÇÃO EM TÉCNICAS DE PLANEAMENTO DE REDES PRIMÁRIAS DE FAIXAS DE GESTÃO DE COMBUSTÍVEL FASE II ELABORAÇÃO DE PLANOS DE RPFGC FORMAÇÃO EM TÉCNICAS DE PLANEAMENTO DE REDES PRIMÁRIAS DE FAIXAS DE GESTÃO DE COMBUSTÍVEL FASE II ELABORAÇÃO DE PLANOS DE RPFGC Tecnologias SIG Sistemas de Informação Geográfica Centro de Operações e Técnicas

Leia mais

6. AGRICULTURA DE PRECISÃO. EXEMPLO DA AVALIAÇÃO DO EFEITO DA TOPOGRAFIA E DA REGA SOBRE A VARIABILIDADE ESPACIAL E TEMPORAL DA PRODUTIVIDADE DO MILHO

6. AGRICULTURA DE PRECISÃO. EXEMPLO DA AVALIAÇÃO DO EFEITO DA TOPOGRAFIA E DA REGA SOBRE A VARIABILIDADE ESPACIAL E TEMPORAL DA PRODUTIVIDADE DO MILHO 6. AGRICULTURA DE PRECISÃO. EXEMPLO DA AVALIAÇÃO DO EFEITO DA TOPOGRAFIA E DA REGA SOBRE A VARIABILIDADE ESPACIAL E TEMPORAL DA PRODUTIVIDADE DO MILHO José Rafael Marques da Silva (1) e Luís Leopoldo Silva

Leia mais

IC Inteligência Computacional Redes Neurais. Redes Neurais

IC Inteligência Computacional Redes Neurais. Redes Neurais Universidade Federal do Rio de Janeiro PÓS-GRADUAÇÃO / 2008-2 IC Inteligência Computacional Redes Neurais www.labic.nce.ufrj.br Antonio G. Thomé thome@nce.ufrj.br Redes Neurais São modelos computacionais

Leia mais

Informação Geográfica (SIG) Inês Pinto Instituto de Investigação Cientifica Tropical

Informação Geográfica (SIG) Inês Pinto Instituto de Investigação Cientifica Tropical Introdução aos Sistemas de Informação Geográfica (SIG) Inês Pinto Instituto de Investigação Cientifica Tropical DEFINIÇÃO DE SIG As definições são condicionadas pelo ambiente em que surgem e pela realidade

Leia mais

F I C H A D A D I S C I P L I N A

F I C H A D A D I S C I P L I N A Pós-Graduações MBA Master em Gestão F I C H A D A D I S C I P L I N A I D E N T I F I C A Ç Ã O D A D I S C I P L I N A Curso: Disciplina: Docente: e-mail: MBA e PGE Tecnologias Avançadas de Multimédia

Leia mais

MONITORAMENTO QUANTITATIVO E QUALITATIVO DO VAPOR GERADO EM UMA CALDEIRA DE RECUPERAÇÃO QUÍMICA

MONITORAMENTO QUANTITATIVO E QUALITATIVO DO VAPOR GERADO EM UMA CALDEIRA DE RECUPERAÇÃO QUÍMICA MONITORAMENTO QUANTITATIVO E QUALITATIVO DO VAPOR GERADO EM UMA CALDEIRA DE RECUPERAÇÃO QUÍMICA 1 Gilberto D. M. Filho, 2 Marcelardoso, 3 Gustavo M. de Almeida 1 Aluno de Iniciaçãientífica/UFMG, discente

Leia mais

TECNOLOGIAS WEBSIG NO PLANEAMENTO MUNICIPAL DA DEFESA DA FLORESTA CONTRA INCÊNDIOS

TECNOLOGIAS WEBSIG NO PLANEAMENTO MUNICIPAL DA DEFESA DA FLORESTA CONTRA INCÊNDIOS 1 Auditório da Reitoria Universidade de Coimbra TECNOLOGIAS WEBSIG NO PLANEAMENTO MUNICIPAL DA DEFESA DA FLORESTA CONTRA INCÊNDIOS Susana CASO DE ESTUDO: CONCELHO DE GOUVEIA quinta-feira, 9 de Setembro

Leia mais

Simulador de Redes Neurais Multiplataforma

Simulador de Redes Neurais Multiplataforma Simulador de Redes Neurais Multiplataforma Lucas Hermann Negri 1, Claudio Cesar de Sá 2, Ademir Nied 1 1 Departamento de Engenharia Elétrica Universidade do Estado de Santa Catarina (UDESC) Joinville SC

Leia mais

Hashing. Estruturas de Dados. Motivação

Hashing. Estruturas de Dados. Motivação Estruturas de Dados Hashing Prof. Ricardo J. G. B. Campello Parte deste material é baseado em adaptações e extensões de slides disponíveis em http://ww3.datastructures.net (Goodrich & Tamassia). Motivação

Leia mais

Indice. Prefácio... 15. CAPÍTULO 1 - Introdução à gestão da qualidade

Indice. Prefácio... 15. CAPÍTULO 1 - Introdução à gestão da qualidade " Indice Prefácio........................... 15 CAPÍTULO 1 - Introdução à gestão da qualidade 1. Introdução.... 2. Conceitos da qualidade. 3. Origem dos principais problemas da qualidade 4. Alguns dos

Leia mais

AGRUPAMENTO VERTICAL DE ESCOLAS DE FRAGOSO

AGRUPAMENTO VERTICAL DE ESCOLAS DE FRAGOSO (A PREENCHER PELA COMISSÃO DO PAA) Atividade Nº AGRUPAMENTO VERTICAL DE ESCOLAS DE FRAGOSO Clube de adrez Professor Responsável Carlos Magalhães Ano letivo 2014/2015 Índice 1. Introdução 3 2. Objetivos

Leia mais

RECONHECIMENTO DE ACORDES MUSICAIS: UMA ABORDAGEM VIA PERCEPTRON MULTICAMADAS

RECONHECIMENTO DE ACORDES MUSICAIS: UMA ABORDAGEM VIA PERCEPTRON MULTICAMADAS Mecánica Computacional Vol XXIX, págs 9169-9175 (artículo completo) Eduardo Dvorkin, Marcela Goldschmit, Mario Storti (Eds) Buenos Aires, Argentina, 15-18 Noviembre 2010 RECONHECIMENTO DE ACORDES MUSICAIS:

Leia mais

Regressão Linear com Excel

Regressão Linear com Excel 1 MÉTODOS ESTATÍSTICOS DE PREVISÃO 110 108 106 104 102 100 98 96 94 92 90 0 5 10 15 20 Breve Tutorial Bernardo Almada-Lobo 2 3 possibilidades: 1. Via gráfico 2. Via funções do Excel 3. Via Analysis ToolPack

Leia mais

RECURSOS HUMANOS Avaliação do desempenho

RECURSOS HUMANOS Avaliação do desempenho RECURSOS HUMANOS ? Origem,conceitos e definição Origem: Surge como analogia ao trabalho das máquinas e ao aumento da sua eficiência; Com a aplicação de determinado tipo de princípios era possível obter

Leia mais

O uso da modelagem como ferramenta ecológica na estratégia de conservação das espécies. Dr. Eduardo Bezerra de Almeida Jr.

O uso da modelagem como ferramenta ecológica na estratégia de conservação das espécies. Dr. Eduardo Bezerra de Almeida Jr. O uso da modelagem como ferramenta ecológica na estratégia de conservação das espécies Dr. Eduardo Bezerra de Almeida Jr. DISTRIBUIÇÃO GEOGRÁFICA 2 Estudos relacionados à distribuição geográfica das espécies

Leia mais

Introdução a Datamining (previsão e agrupamento)

Introdução a Datamining (previsão e agrupamento) E o que fazer depois de ter os dados organizados? Introdução a Datamining (previsão e agrupamento) Victor Lobo Mestrado em Estatística e Gestão de Informação Ideias base Aprender com o passado Inferir

Leia mais

SISTEMA DE POSICIONAMENTO LOCAL BASEADO EM REDES WI-FI

SISTEMA DE POSICIONAMENTO LOCAL BASEADO EM REDES WI-FI SISTEMA DE POSICIONAMENTO LOCAL BASEADO EM REDES WI-FI Pedro Claro Departamento de Electrónica, Telecomunicações e Informática Universidade de Aveiro 4 de Janeiro de 27 1 1 Introdução 6 Conclusões 2 1

Leia mais

REDES NEURAIS PARA IDENTIFICAÇÃO DE PADRÕES NA DETECÇÃO DE QUEIMADAS NA FLORESTA AMAZÔNICA

REDES NEURAIS PARA IDENTIFICAÇÃO DE PADRÕES NA DETECÇÃO DE QUEIMADAS NA FLORESTA AMAZÔNICA REDES NEURAIS PARA IDENTIFICAÇÃO DE PADRÕES NA DETECÇÃO DE QUEIMADAS NA FLORESTA AMAZÔNICA Luiz Pinheiro Duarte Neto 1, Lauro Yasumasa Nakayama 2, Juliano João Bazzo 3 1 Instituto Nacional de Pesquisas

Leia mais

Posição da SPEA sobre a Energia Eólica em Portugal. Sociedade Portuguesa para o Estudo das Aves

Posição da SPEA sobre a Energia Eólica em Portugal. Sociedade Portuguesa para o Estudo das Aves Posição da SPEA sobre a Energia Eólica em Portugal Sociedade Portuguesa para o Estudo das Aves 1. Introdução A energia eólica é a fonte de energia que regista maior crescimento em todo o mundo. A percentagem

Leia mais