TONetS: Ferramenta para Avaliação de Desempenho de Redes Ópticas Transparentes

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "TONetS: Ferramenta para Avaliação de Desempenho de Redes Ópticas Transparentes"

Transcrição

1 TONetS: Ferramenta para Avaliação de Desempenho de Redes Ópticas Transparentes André Soares 1,2,, Gilvan Durães 1,, William Giozza 1, Paulo Cunha 2 Grupo de Pesquisas em Redes (GRO) Ópticas Universidade Salvador (UNIFACS) Salvador BA Brasil 1 Centro de Informática (CIn) Universidade Federal de Pernambuco (UFPE) Recife PE Brasil 2 Abstract. This work presents TONetS - Transparent Optical Network Simulator a simulation tool for performance evaluation of all-optical networks. TONetS allows to study the behaviour of a transparent optical network considering together the different options of implementation concerning RWA algorithms, survivability techniques, wavelength conversion architectures and strategies for mitigating unfairness. Keywords: Optical Network; Performance Evaluation; Simulator. Resumo. Este artigo apresenta o TONetS (Transparent Optical Network Simulator) uma ferramenta para avaliação de desempenho de redes ópticas transparentes. O TONetS permite estudar o comportamento de uma dada rede óptica transparente considerando conjuntamente as diferentes alternativas de implementação quanto aos algoritmos RWA, as técnicas de sobrevivência, as arquiteturas de conversão de comprimentos de onda e as políticas de justiça no atendimento da demanda de circuitos ópticos. Palavras-Chave: Redes Ópticas Transparentes, WDM, RWA. 1. Introdução As redes ópticas transparentes vêm sendo fortemente referenciadas como a principal tecnologia para compor os backbones das modernas redes de transportes de telecomunicações [1]. Isto ocorre devido às suas potencialidades em atender à crescente demanda por grandes larguras de banda bem como às exigências cada vez maiores de qualidade de serviço impostas por aplicações mais modernas como aplicações de e- Science. A multiplexação de comprimentos de onda Wavelength Division Multiplexing - WDM é uma tecnologia que permite utilizar melhor a banda passante das fibras ópticas. Dentro de uma única fibra, são estabelecidos, simultaneamente, múltiplos canais ópticos que operam em diferentes comprimentos de onda. Cada comprimento de onda pode Bolsista da Fundação de Amparo a Pesquisa do Estado da Bahia - FAPESB. Aluno de mestrado da UNIFACS, bolsista da CAPES.

2 atingir atualmente taxas de transmissão da ordem de 40 Gbps com equipamentos disponíveis comercialmente. Em redes ópticas WDM transparentes, a comutação de comprimentos de onda é realizada no domínio óptico eliminando a necessidade de conversores OEO (Óptico- Eletro-Óptico) e as suas limitações como atraso de processamento e implicações de custo. As informações dos usuários de uma rede óptica transparente são roteadas da origem até o destino com base nos comprimentos de onda associados aos canais ópticos chamados de circuitos ópticos (lightpaths). Para estabelecer um circuito óptico é necessário alocar e rotear um comprimento de onda para cada enlace (físico) da rota definida. Este problema é conhecido como o problema de roteamento e alocação de comprimento de onda (Routing and Wavelength Assignment - RWA). Após o estabelecimento do circuito óptico, os comprimentos de onda alocados na rota selecionada ficam reservados exclusivamente ao circuito óptico até a sua desconexão. Com o propósito de utilizar melhor os recursos de uma rede óptica sob tráfego dinâmico, os algoritmos RWA têm como objetivo atender as requisições de circuitos ópticos minimizando a probabilidade de bloqueio de futuras conexões [2]. No estudo e dimensionamento de redes ópticas transparentes, o problema RWA deve ser tratado em conjunto com outras questões fundamentais como o dimensionamento e posicionamento de conversores de comprimento de onda [3], o nível de sobrevivência dos circuitos ópticos [4], o nível de justiça (fairness) no atendimento dos circuitos ópticos [5] etc. Para a realização de estudos dessa natureza podem ser utilizadas técnicas de simulação, modelagem analítica e/ou medições. Devido ao difícil acesso aos laboratórios detentores desses sistemas para a realização de medições, à inexistência de protótipos e à complexidade dos modelos analíticos, a solução mais viável para a condução desses estudos tem sido através das técnicas de simulação. Este artigo apresenta o Transparent Optical Networks Simulator - TONetS, uma ferramenta para avaliação de desempenho de redes ópticas transparentes que permite considerar conjuntamente em um mesmo cenário as diferentes alternativas de implementação quanto aos algoritmos RWA, as estratégias de sobrevivência e as arquiteturas de conversão de comprimentos de onda. A ferramenta TONetS possibilita a realização de estudos com diferentes condições de tráfego utilizando topologias genéricas. O manual de instalação e de utilização desta ferramenta está disponível na página do projeto TONetS O restante deste artigo está organizado da seguinte forma: a Seção 2 apresenta os principais simuladores para redes ópticas transparentes já existentes. A ferramenta TONetS é descrita na Seção 3, mostrando seu funcionamento, as métricas utilizadas e a interface gráfica. Na Seção 4 são apresentados alguns dos cenários validados com a ferramenta desenvolvida e as considerações finais são apresentadas na última Seção. 2. Simuladores de Redes de Computadores/Telecomunicações No âmbito das redes ópticas transparentes, a maioria dos estudos é desenvolvida usando modelagem analítica e/ou simuladores devido ao difícil acesso aos laboratórios detentores desses sistemas ou mesmo por ainda não existirem protótipos. Os modelos

3 analíticos propostos na literatura são complexos e limitados a cenários específicos inviabilizando estudos mais genéricos ou que contemplem cenários mais realísticos permitindo a análise de um conjunto rico de métricas. Já existem alguns simuladores disponíveis com um propósito mais genérico dentro do contexto de redes de computadores e telecomunicações. Dentre esses se destacam o Network Simulator - NS-2 [6], o simulador da OPNET Technologies [7]. O NS-2 é um simulador muito abrangente no âmbito de redes de computadores, e para utilizá-lo é necessário o aprendizado de uma linguagem para especificação do cenário de simulação e da própria sintaxe do NS-2. Algumas interfaces gráficas foram propostas para geração de scripts de simulação no NS-2, porém, a principal desvantagem dessas interfaces é a limitação à funcionalidades básicas do NS-2. Em 2001 foi desenvolvido para o NS-2 um módulo chamado Optical WDM network simulator - OWns com o objetivo de adicionar características das redes WDM [8]. O OWns é um módulo com poucas funcionalidades aplicáveis ao estudo das redes ópticas transparentes. Contém basicamente um módulo para roteamento e outro para alocação de comprimento de onda. Para simular cenários mais avançados, por exemplo, considerando diferentes arquiteturas de conversão de comprimento de onda e/ou estratégias de sobrevivência em redes ópticas transparentes, o usuário precisa investir no desenvolvimento de novas funcionalidades. O OPNet Modeler é um simulador de eventos discretos comercial desenvolvido pela OPNET. Essa ferramenta suporta um grande número de protocolos e tecnologias. No âmbito de redes ópticas transparentes, vários trabalhos foram desenvolvidos utilizando o OPNet Modeler como base para o desenvolvimento de experimentos de simulação. Entretanto, em função do alto custo de sua licença, o uso dessa ferramenta é bastante restrito. O GMPLS Lightwave Agile Switching Simulator GLASS é um simulador específico para redes ópticas com o objetivo de avaliar o desempenho dos protocolos de sinalização e controle do Generalized Multiprotocol Label Switching GMPLS [9]. O projeto dessa ferramenta foi iniciado em 2001 como uma evolução do simulador MERLiN desenvolvido em Todavia, o GLASS é relativamente instável e não conta com um serviço de suporte da ferramenta adequado. Apesar dessas deficiências serem esperadas em um simulador com código fonte aberto sem fins comerciais, isto inviabiliza a realização de alguns estudos além de dificultar as estratégias de validação. Portanto, face às deficiências observadas nos simuladores existentes no caso do estudo de redes ópticas transparentes é bastante útil dispor de ferramentas de simulação mais específicas para o contexto com as seguintes características: interface amigável, código fonte aberto, validada e bem documentada. 3. TONetS O TONetS é uma ferramenta de simulação de eventos discretos para avaliação de desempenho de redes ópticas transparentes desenvolvido em JAVA. Tal escolha é justificada por características importantes dessa linguagem de programação tais como portabilidade e orientação a objetos, além da disponibilidade de uma grande variedade de bibliotecas bem documentadas.

4 O TONetS foi inspirado na ferramenta de simulação SimRWA iniciada em No âmbito do projeto SimRWA foi desenvolvida, inicialmente, a versão 1.0 do SimRWA [10] com o objetivo de avaliar apenas o desempenho de algoritmos de alocação e roteamento de comprimento de onda em redes ópticas transparentes comutadas por circuitos. Com a evolução para a versão SimRWA 2.0 [11] foram adicionadas novas funcionalidades que permitiam avaliar de maneira ainda limitada (apenas em termos de probabilidade de bloqueio média da rede e utilização média da rede) algumas técnicas de proteção dedicada de caminho para circuitos ópticos e alguns cenários específicos de redes WDM com conversão de comprimento de onda. O projeto TONetS foi iniciado em 2006 com o objetivo de dar suporte a estudos de redes ópticas transparentes considerando conjuntamente, em um mesmo cenário, aspectos importantes como: soluções para o problema RWA, alternativas para sobrevivência (técnicas de proteção e restauração), arquiteturas e estratégias de conversão de comprimento de onda e políticas para reduzir injustiças no atendimento de conexões. Além disso, a ferramenta TONetS foi projetada de forma flexível e escalável permitindo extensões através da implementação de novas características voltadas ao projeto e dimensionamento de redes ópticas transparentes Funcionamento Para a realização de uma simulação básica é necessário desenhar a topologia da rede óptica, definir parâmetros de tráfego além de escolher as estratégias para otimização de recursos (algoritmo RWA, técnicas de sobrevivência em redes ópticas, arquiteturas de conversão de comprimento de onda) que serão simuladas. A demanda de tráfego é composta por requisições de circuitos ópticos entre pares de nós origem e destino que são geradas pelos nós da rede. Considerando uma topologia com N nós, existem N.(N-1) pares de nós origem e destino. Cada um dos N nós possui um ou mais geradores de requisições de circuitos ópticos com o objetivo de gerar uma demanda de tráfego com origem no nó associado. A geração de requisições é um processo poissoniano de taxa média e o tempo médio de retenção dos circuitos é distribuído exponencialmente com média 1/µ. Essa é a modelagem de tráfego usual para estudos com redes ópticas comutadas por circuito. Entretanto, a ferramenta é flexível o suficiente para incorporar outros modelos de tráfego. A Figura 1 ilustra um exemplo de topologia com 5 nós representados por círculos e os respectivos geradores representados por um quadrado rotulado por Gi, onde i é o número do nó. Note que um dado nó pode requisitar um circuito para qualquer outro nó de destino. Por exemplo, o nó 2 (origem) pode gerar requisições de circuitos ópticos tendo como destinos os nós 1, 3, 4 ou 5. O usuário da ferramenta TONetS precisa definir um número mínimo de requisições de circuitos ópticos a serem geradas até o final da simulação. A geração de requisições de circuitos ópticos é uma estrutura de repetição que fica em execução enquanto o mínimo de requisições não for gerado. Dessa forma, a demanda de tráfego requisitada pelos geradores é função dos valores de e µ definidos para cada um deles. Um bloqueio de circuito óptico será computado se no tempo associado ao evento de uma requisição não for possível o estabelecimento do circuito óptico. Se for possível o estabelecimento do circuito óptico, os recursos alocados ficarão reservados até a

5 liberação do circuito. Portanto, após o estabelecimento do circuito é feito automaticamente o agendamento do evento de finalização do circuito em questão, de acordo com o tempo de retenção 1/µ do gerador do circuito. O tráfego pode ser uniforme ou não-uniforme. Isto é feito com a composição de geradores e de seus respectivos valores de e µ. Figura 1. Agendamento de eventos. Falhas são geradas pelo TONetS para a avaliação de desempenho das estratégias de sobrevivência em redes ópticas transparentes. A ocorrência de falhas também foi modelada como um processo de Poisson com taxa média f, e o tempo médio de reparação da falha é distribuído exponencialmente com média 1/µ f. Para isso o simulador implementa um gerador de falhas similar ao gerador de requisições de circuitos. As falhas são distribuídas uniformemente entre todos os enlaces. A relação entre f e 1/µ f segue uma estatística usual na literatura: em média, a quebra de fibras ocorre a uma taxa de 4,39 vezes a cada Km de extensão durante um ano e o tempo médio para reparação de uma fibra é de 12 horas [4]. Na Tabela 1 são listados os algoritmos RWA implementados atualmente na ferramenta TONetS. As estratégias de sobrevivência e de posicionamento de conversores de comprimento de onda disponíveis no TONetS estão listadas na Tabela 2. Algoritmos de alocação de comprimento de onda - First Fit - Random - Most Used - Least used - Max Sum - Relative Capacity Loss - Fair-Fit [5] Tabela 1 Algoritmos RWA. Algoritmos de roteamento Fixo Fixo -Alternativo Adaptativo - Menor caminho por nº de saltos - Menor caminho por atraso - Manual - K menores caminhos - Manual -Least Loaded Routing (LLR) Em função da limitação de espaço, neste artigo não serão detalhados os algoritmos e estratégias de otimização listados nas Tabelas 1 e 2. Maiores detalhes sobre

6 eles podem ser obtidos na página do projeto TONetS. É importante destacar outras funcionalidades do TONetS como por exemplo a agenda de simulações que permite a criação de uma agenda de simulações que serão executadas em série. Além disso o TONetS tem uma opção para a validação automática da ferramenta. Um conjunto de simulações previamente agendadas é realizado e os resultados são comparados com os respectivos resultados de trabalhos de outros autores e de modelos analíticos para os mesmos cenários simulados. Isso é útil para verificar se o desenvolvimento de novas funcionalidades para o TONetS introduz erros em modelos de cenários já conhecidos, verificados e validados. Tabela 2 Estratégias de sobrevivência e posicionamento de conversores de comprimento de onda. Proteção dedicada de caminho - Two Step - Two Step with Backtracking - One Step Sobrevivência em redes ópticas Restauração de caminho - Restauração dinâmica - Restauração pré-computada - Adaptive Survivability Posicionamento de conversores - First Load Priority - Total Outgoing Traffic - Manual Com a ferramenta TONetS é possível analisar várias métricas, dentre as quais destacam-se: probabilidade de bloqueio de circuitos, utilização média da rede, utilização média por enlace, utilização média por comprimento de onda, nível de restauração, tamanho médio das requisições (atendidas e bloqueadas), quais e quantas rotas utilizam cada enlace da topologia, número de falhas ocorridas em cada enlace, número de requisições geradas para cada par de nós origem e destino, probabilidade de bloqueio para cada combinação de par de nós origem e destino, nível de justiça no atendimento dos circuitos ópticos, capacidade de sobrevivência a falhas etc Interface Gráfica A seguir serão apresentadas algumas telas gráficas da ferramenta TONetS. Outras telas e maiores detalhes da ferramenta desenvolvida estão disponíveis, juntamente com a documentação da ferramenta, em A Figura 2a mostra a tela inicial da ferramenta. Nesta tela o usuário pode desenhar e visualizar a topologia da rede a ser simulada. Os botões disponibilizados no painel à esquerda servem para auxiliar no desenho dos nós e enlaces que irão compor a topologia. Na Figura 2b o usuário visualiza as tabelas e gráficos gerados durante a simulação. Na árvore de métricas, à esquerda, ele escolhe uma métrica e no painel, à direita, visualiza a tabela (botão TABELA ) ou o gráfico (botão GRÁFICO ) referente aos resultados da simulação com a métrica escolhida.

7 a) b) Figura 2. Interface gráfica. 4. Validações A ferramenta TONetS vem sendo parcialmente validada através de comparações com resultados publicados em trabalhos científicos [12], [13], [14] de outros autores e por alguns modelos analíticos [2], [15] propostos para cenários específicos. A Figura 3 mostra um dos experimentos realizados com o objetivo de validação do TONetS. A Figura 3b apresenta os resultados de probabilidade de bloqueio calculados com o modelo analítico apresentado em [15] e os resultados simulados pelo TONetS para a topologia da Figura 3a, na qual estão em destaque (sombreado) os 4 nós com capacidade de conversão de comprimento de onda. Pode-se observar que os resultados obtidos com o TONetS são muito próximos aos resultados obtidos com o modelo analítico apresentado em [15]. a) b) Probabilidade de bloqueio TONetS Modelo Analítico [15] Carga de tráfego Figura 3. Topologia utilizada na validação. 5. Considerações finais Este artigo apresentou a ferramenta de simulação de redes ópticas transparentes TONetS (Transparent Optical Network Simulator). Ela foi desenvolvida para avaliar o desempenho de redes ópticas transparentes considerando conjuntamente os algoritmos RWA, as técnicas de sobrevivência, as arquiteturas e estratégias de conversão de comprimento de onda, além de políticas RWA para tentar minimizar injustiças no atendimento das requisições de conexão. Com o objetivo de acelerar o tempo de resposta da ferramenta para viabilizar

8 estudos mais complexos estamos atualmente aplicando na ferramenta TONetS o framework para processamento distribuído proposto em [16]. Referências [1] Ramaswami, R. e Sivarajan, K. N. (2002). Optical Network - A Practical Perspective. 2ª edição. Morgan Kaufmann Publishers. [2] Zang, H., Jue, J. P. e Mukherjee, B. A Review of Routing and Wavelength Assignment Approaches for Wavelength-Routed Optical WDM Network. Optical Network Magazine, vol. 1, no. 1, pp , Jan [3] Soares, A. J. Maranhão, W. Giozza e P. Cunha. First Load Priority: A Wavelength Converter Placement Scheme for Optical Networks with Sparse-Partial Wavelength Conversion. Simpósio Brasileiro de Redes de Computadores - SBRC 2006, Brasil, Paraná - Curitiba. [4] Jing e B. Mukherjee, A Review of Fault Management in WDM Mesh Networks Basic Concepts and Research Challenges. IEEE Network, pages 41-48, Apr [5] Soares, A., Giozza, W. e Cunha, P. Classification Strategy to Mitigate Unfairness in All- Optical Networks. 15th IEEE International Conference on Networks (ICON2007), November 19-21, Adelaide, Austrália, [6] NsNam. Disponível em: Acessado em 16/01/2008. [7] OPNET Technologies. Disponível em: Acessado em 16/01/2008. [8] Bo Wen, Nilesh M. Bhide, Ramakrishna K. Shenai, and Krishna M. Sivalingam. Optical Wavelength Division Multiplexing (WDM) Network Simulator (OWns). Architecture and Performance Studies in SPIE Optical Networks Magazine Special, March [9] GMPLS Lightwave Agile Switching Simulator. Disponível em: Acessado em 17/01/2008 [10] Soares, A.; J. Maranhão e W. Giozza. SimRWA: Uma Ferramenta para Avaliação de Desempenho de Algoritmos para Alocação de Comprimentos de Onda e Rotas em Redes Ópticas Transparentes. In III Salão de Ferramentas do SBRC, p , Maio [11] Soares, A.; J. Maranhão e W. Giozza. SimRWA 2.0: Uma Ferramenta para Avaliação de Desempenho de Algoritmos RWA e de Técnicas de Sobrevivência em Redes Ópticas Transparentes. In IV Salão de Ferramentas do SBRC, p , Maio [12] Waldman, H.; Campelo, D.; Camelo, R. Dynamic priority strategies for wavelength assignment in WDM rings. In: IEEE Globecom, pages , [13] Anand, V. e Qiao, C. Effect of Wavelength Conversion in Survivable Wavelength. Technical report, Dept. of Computer Science and Engineering. State University of New York at Buffalo, [14] Chu, X.; Liu, J.; Zhang, Z. Analysis of Sparse-Partial Wavelength Conversion in Wavelength-Routed WDM Networks. In: IEEE INFOCOM, pages , [15] Ramamurthy, S. e Mukherjee, B. Fixed-alternate routing and wavelength conversion in wavelength-routed optical networks. In: IEEE Globecom'98, pages , [16] Durães, G. M., Soares, A. C. B., Soares, S. C. B., Giozza, W. F. SimRWA-D: Uma Abordagem Distribuída para Simulação de Redes Ópticas Transparentes. In: 5th International Information and Telecommunication Technologies Symposium - I2TS, 2006, Cuiabá.

TONetS: Simulador para Avaliação de Desempenho de Redes Ópticas Transparentes

TONetS: Simulador para Avaliação de Desempenho de Redes Ópticas Transparentes TONetS: Simulador para Avaliação de Desempenho de Redes Ópticas Transparentes André Soares 1,2, Gilvan Durães 1, William Giozza 1, Paulo Cunha 2 1 Grupo de Pesquisas em Redes (GRO) Ópticas Universidade

Leia mais

Redes Ópticas Transparentes: Tendências e Desafios

Redes Ópticas Transparentes: Tendências e Desafios Capítulo 4 Redes Ópticas Transparentes: Tendências e Desafios André Soares, Gilvan Durães, José Maranhão e William Giozza Abstract Nowadays, all-optical network technology is viewed as the main infrastructure

Leia mais

Manual de Operação do Simulador EONSim - Elastic Optical Networks Simulator

Manual de Operação do Simulador EONSim - Elastic Optical Networks Simulator Manual de Operação do Simulador EONSim - Elastic Optical Networks Simulator Autores: Paulo César Barreto da Silva e Marcelo Luís Francisco Abbade Dezembro de 2012 Versão 1 1. Como executa-lo O EONSim foi

Leia mais

Alocação de Comprimento de Onda em Redes Ópticas Considerando as Degradações de Camada Física

Alocação de Comprimento de Onda em Redes Ópticas Considerando as Degradações de Camada Física XXVIII Simpósio Brasileiro de Redes de Computadores e Sistemas Distribuídos 829 Alocação de Comprimento de Onda em Redes Ópticas Considerando as Degradações de Camada Física José Maranhão 1, André Soares

Leia mais

Estudo de Sobrevivência em Redes Ópticas utilizando a Topologia Hipotética Bahia-Sergipe

Estudo de Sobrevivência em Redes Ópticas utilizando a Topologia Hipotética Bahia-Sergipe Estudo de Sobrevivência em Redes Ópticas utilizando a Topologia Hipotética Bahia-Sergipe Gilvan M. Durães 1, André C. B. Soares, William F. Giozza NUPERC Universidade Salvador UNIFACS R. Ponciano de Oliveira,

Leia mais

Redes Ópticas Transparentes: Tendências e Desafios

Redes Ópticas Transparentes: Tendências e Desafios Capítulo 4 Redes Ópticas Transparentes: Tendências e Desafios André Soares, Gilvan Durães, José Maranhão e William Giozza Abstract Nowadays, all-optical network technology is viewed as the main infrastructure

Leia mais

Dinâmicas de Acesso ao Espectro

Dinâmicas de Acesso ao Espectro Redes Cognitivas com Oportunidades Dinâmicas de Acesso ao Espectro Defesa de Tese Marcel William Rocha da Silva Orientador: José Ferreira de Rezende Roteiro Introdução e motivação Rádios cognitivos Oportunidades

Leia mais

PROJETO DE TOPOLOGIA VIRTUAL ABORDAGEM PARA ASPECTOS DE PROTEÇÃO

PROJETO DE TOPOLOGIA VIRTUAL ABORDAGEM PARA ASPECTOS DE PROTEÇÃO PROJETO DE TOPOLOGIA VIRTUAL ABORDAGEM PARA ASPECTOS DE PROTEÇÃO Kelly C. Cruz UFABC- Universidade Federal do ABC Santo André, SP, Brasil kelly.cruz@ufabc.edu.br Karcius D. R. Assis UFBA Universidade Federal

Leia mais

MODELAGEM MARKOVIANA DE DECISÃO PARA O ROTEAMENTO ADAPTATIVO EM UM NÓ DE UMA REDE WDM TOTALMENTE ÓPTICA

MODELAGEM MARKOVIANA DE DECISÃO PARA O ROTEAMENTO ADAPTATIVO EM UM NÓ DE UMA REDE WDM TOTALMENTE ÓPTICA MODELAGEM MARKOVIANA DE DECISÃO PARA O ROTEAMENTO ADAPTATIVO EM UM NÓ DE UMA REDE WDM TOTALMENTE ÓPTICA Luis Fernando Amorim França Solon Venâncio de Carvalho Rita de Cássia Meneses Rodrigues Instituto

Leia mais

Uma Proposta de Implementação de um Módulo de Reroteamento Dinâmico de Túneis LSPs para a Ferramenta de Simulação GLASS

Uma Proposta de Implementação de um Módulo de Reroteamento Dinâmico de Túneis LSPs para a Ferramenta de Simulação GLASS Uma Proposta de Implementação de um Módulo de Reroteamento Dinâmico de Túneis LSPs para a Ferramenta de Simulação GLASS Klenilmar L. Dias 1,2, Klissiomara L. Dias 2, Antônio J. G. Abelém 1, Kelvin L. Dias

Leia mais

ARQUITETURAS E PROTOCOLOS DE REDES ÓPTICAS

ARQUITETURAS E PROTOCOLOS DE REDES ÓPTICAS ARQUITETURAS E PROTOCOLOS DE REDES ÓPTICAS Prof. William F. Giozza Mestrado em Redes/NUPERC-Depto de Engenharia Universidade Salvador - UNIFACS email: giozza@unifacs.br 1 A UNIVERSIDADE SALVADOR (UNIFACS)

Leia mais

Escalonamento de canais em redes OBS usando informações topológicas

Escalonamento de canais em redes OBS usando informações topológicas 26 Simpósio Brasileiro de Redes de Computadores e Sistemas Distribuídos 623 Escalonamento de canais em redes OBS usando informações topológicas Gustavo B. Figueiredo 1, Nelson L. S. da Fonseca 1 1 Instituto

Leia mais

2 Redes Ópticas: Conceitos

2 Redes Ópticas: Conceitos 2 Redes Ópticas: Conceitos 2.1 Limitação Conversão Óptica-Elétrica-Óptica (O-E-O) Nos últimos anos, mais precisamente na última década, têm-se observado um crescimento exponencial na capacidade de transporte

Leia mais

Estudo comparativo entre dois tradicionais algoritmos de roteamento: vetor distância e estado de enlace.

Estudo comparativo entre dois tradicionais algoritmos de roteamento: vetor distância e estado de enlace. Estudo comparativo entre dois tradicionais algoritmos de roteamento: vetor distância e estado de enlace. Ederson Luis Posselt 1, Geovane Griesang 1 1 Instituto de Informática Universidade de Santa Cruz

Leia mais

DETERMINAÇÃO EXPERIMENTAL DO ÂNGULO DE REFLEXÃO TOTAL EM FIBRAS ÓPTICAS

DETERMINAÇÃO EXPERIMENTAL DO ÂNGULO DE REFLEXÃO TOTAL EM FIBRAS ÓPTICAS DETERMINAÇÃO EXPERIMENTAL DO ÂNGULO DE REFLEXÃO TOTAL EM FIBRAS ÓPTICAS Resumo Neste trabalho será apresentado uma determinação experimental do ângulo de Brewster utilizado em fibras ópticas para que haja

Leia mais

SNPTEE SEMINÁRIO NACIONAL DE PRODUÇÃO E TRANSMISSÃO DE ENERGIA ELÉTRICA

SNPTEE SEMINÁRIO NACIONAL DE PRODUÇÃO E TRANSMISSÃO DE ENERGIA ELÉTRICA SNPTEE SEMINÁRIO NACIONAL DE PRODUÇÃO E TRANSMISSÃO DE ENERGIA ELÉTRICA GTL 16 14 a 17 Outubro de 2007 Rio de Janeiro - RJ GRUPO XVI GRUPO DE ESTUDO DE SISTEMAS DE INFORMAÇÃO E TELECOMUNICAÇÃO PARA SISTEMAS

Leia mais

SERVIÇO DE ANÁLISE DE REDES DE TELECOMUNICAÇÕES APLICABILIDADE PARA CALL-CENTERS VISÃO DA EMPRESA

SERVIÇO DE ANÁLISE DE REDES DE TELECOMUNICAÇÕES APLICABILIDADE PARA CALL-CENTERS VISÃO DA EMPRESA SERVIÇO DE ANÁLISE DE REDES DE TELECOMUNICAÇÕES APLICABILIDADE PARA CALL-CENTERS VISÃO DA EMPRESA Muitas organizações terceirizam o transporte das chamadas em seus call-centers, dependendo inteiramente

Leia mais

Uma Abordagem Unificada para Métricas de Roteamento e Adaptação Automática de Taxa em Redes em Malha Sem Fio

Uma Abordagem Unificada para Métricas de Roteamento e Adaptação Automática de Taxa em Redes em Malha Sem Fio Uma Abordagem Unificada para Métricas de Roteamento e Adaptação Automática de Taxa em Redes em Malha Sem Fio Diego Passos Universidade Federal Fluminense Diego Passos Defesa de Mestrado 1/49 Diego Passos

Leia mais

Prof. Samuel Henrique Bucke Brito

Prof. Samuel Henrique Bucke Brito - Anéis Ópticos em Backbone www.labcisco.com.br ::: shbbrito@labcisco.com.br Prof. Samuel Henrique Bucke Brito Introdução Em 1980 foi formado o grupo de trabalho ANSI X3T9.5 com a finalidade de desenvolver

Leia mais

SISTEMAS DE COMUNICAÇÃO ÓPTICA : INICIAR A PROPOSTA DA DISSERTAÇÃO DE MESTRADO EM DISCIPLINA OPTATIVA, DURANTE PERÍODO DE AQUISIÇÃO DE CRÉDITOS.

SISTEMAS DE COMUNICAÇÃO ÓPTICA : INICIAR A PROPOSTA DA DISSERTAÇÃO DE MESTRADO EM DISCIPLINA OPTATIVA, DURANTE PERÍODO DE AQUISIÇÃO DE CRÉDITOS. SISTEMAS DE COMUNICAÇÃO ÓPTICA : INICIAR A PROPOSTA DA DISSERTAÇÃO DE MESTRADO EM DISCIPLINA OPTATIVA, DURANTE PERÍODO DE AQUISIÇÃO DE CRÉDITOS. Sandra Maria Dotto Stump sstump@mackenzie.com.br Maria Aparecida

Leia mais

Um novo Algoritmo de Roteamento para a Escolha da Melhor Entre as Menores Rotas

Um novo Algoritmo de Roteamento para a Escolha da Melhor Entre as Menores Rotas Anais 121 Um novo Algoritmo de Roteamento para a Escolha da Melhor Entre as Menores Rotas Iallen Gábio S. Santos 1, Gilvan Durães 2, William Giozza 3, André Soares 1 1 Departamento de Computação Universidade

Leia mais

Soluções baseadas no SAP Business One BX PRODUCTION BX PRODUCTION. Software de Gestão para Manufatura Discreta e Repetitiva.

Soluções baseadas no SAP Business One BX PRODUCTION BX PRODUCTION. Software de Gestão para Manufatura Discreta e Repetitiva. Brochura BX PRODUCTION Soluções baseadas no SAP Business One BX PRODUCTION Software de Gestão para Manufatura Discreta e Repetitiva SAP Business One para manufatura discreta e repetitiva A combinação de

Leia mais

2. PROGRESSOS E DESAFIOS DAS REDES ÓPTICAS

2. PROGRESSOS E DESAFIOS DAS REDES ÓPTICAS 2. PROGRESSOS E DESAFIOS DAS REDES ÓPTICAS Como visto anteriormente, as redes ópticas possuem características intrínsecas a de um serviço de excelência. De uma forma geral, podemos dizer que as redes ópticas

Leia mais

Uma Arquitetura Baseada em Políticas para Gerência de VPNs de Camada 1

Uma Arquitetura Baseada em Políticas para Gerência de VPNs de Camada 1 Uma Arquitetura Baseada em Políticas para Gerência de VPNs de Camada 1 Neumar Malheiros 1, Edmundo Madeira 1, Fábio Verdi 2, Maurício Magalhães 2 1 Instituto de Computação Universidade Estadual de Campinas

Leia mais

Avaliação de Desempenho de Sistemas. Conceitos Básicos de Sistemas e Modelos

Avaliação de Desempenho de Sistemas. Conceitos Básicos de Sistemas e Modelos Avaliação de Desempenho de Sistemas Conceitos Básicos de Sistemas e Modelos O que é Desempenho? Webster s? The manner in which a mechanism performs. Aurélio: Conjunto de características ou de possibilidades

Leia mais

Dimensionamento e Engenharia de Tráfego: Optimização de Redes de Telecomunicações

Dimensionamento e Engenharia de Tráfego: Optimização de Redes de Telecomunicações Dimensionamento e Engenharia de Tráfego: Optimização de Redes de Telecomunicações Prof. Amaro F. de Sousa asou@ua.pt, DETI-UA, gab.325 23 de Abril de 2008 Objectivos Desenvolvimento e implementação de

Leia mais

ANEXO 5 PLANEJAMENTO TÉCNICO INTEGRADO E PROVIMENTO DA INTERCONEXÃO

ANEXO 5 PLANEJAMENTO TÉCNICO INTEGRADO E PROVIMENTO DA INTERCONEXÃO ANEXO 5 PLANEJAMENTO TÉCNICO INTEGRADO E PROVIMENTO DA INTERCONEXÃO 1. OBJETIVO 1.1 As Interconexões previstas no presente Anexo 5 serão objeto de planejamento técnico contínuo e integrado entre as Partes,

Leia mais

Projeto Liowsn Manual de utilização do sistema

Projeto Liowsn Manual de utilização do sistema Projeto Liowsn Manual de utilização do sistema Autor: Marllus Lustosa - marlluslustosa@gmail.com 0 Índice 1. Introdução... 1 2. Tela de boot... 2 3. Tela de login... 2 4. Ambiente de trabalho... 5 5. Utilizando

Leia mais

Francisco Tesifom Munhoz X.25 FRAME RELAY VPN IP MPLS

Francisco Tesifom Munhoz X.25 FRAME RELAY VPN IP MPLS X.25 FRAME RELAY VPN IP MPLS Redes remotas Prof.Francisco Munhoz X.25 Linha de serviços de comunicação de dados, baseada em plataforma de rede, que atende necessidades de baixo ou médio volume de tráfego.

Leia mais

Este tutorial apresenta conceitos e recomendações para o planejamento de uma rede multi-serviço.

Este tutorial apresenta conceitos e recomendações para o planejamento de uma rede multi-serviço. O que se deve considerar no planejamento de uma rede multi-serviço? Este tutorial apresenta conceitos e recomendações para o planejamento de uma rede multi-serviço. Jorge Moreira de Souza Doutor em Informática

Leia mais

Redes de Computadores I Conceitos Básicos

Redes de Computadores I Conceitos Básicos Redes de Computadores I Conceitos Básicos (11 a. Semana de Aula) Prof. Luís Rodrigo lrodrigo@lncc.br http://lrodrigo.lncc.br 2011.02 v1 2011.11.03 (baseado no material de Jim Kurose e outros) Algoritmos

Leia mais

CONCORRÊNCIA AA Nº 05/2009 BNDES ANEXO X PROJETO BÁSICO: DESCRIÇÃO DOS PROCESSOS DE TI

CONCORRÊNCIA AA Nº 05/2009 BNDES ANEXO X PROJETO BÁSICO: DESCRIÇÃO DOS PROCESSOS DE TI CONCORRÊNCIA AA Nº 05/2009 BNDES ANEXO X PROJETO BÁSICO: DESCRIÇÃO DOS PROCESSOS DE TI 1. PI06 TI 1.1. Processos a serem Atendidos pelos APLICATIVOS DESENVOLVIDOS Os seguintes processos do MACROPROCESSO

Leia mais

Apostilas de Eletrônica e Informática SDH Hierarquia DigitaL Síncrona

Apostilas de Eletrônica e Informática SDH Hierarquia DigitaL Síncrona SDH A SDH, Hierarquia Digital Síncrona, é um novo sistema de transmissão digital de alta velocidade, cujo objetivo básico é construir um padrão internacional unificado, diferentemente do contexto PDH,

Leia mais

Otimizando o Desempenho do SimRWA 2.0 usando a Técnica de Profiler para Identificação de Gargalos

Otimizando o Desempenho do SimRWA 2.0 usando a Técnica de Profiler para Identificação de Gargalos Otimizando o Desempenho do SimRWA 2.0 usando a Técnica de Profiler para Identificação de Gargalos Gilvan M. Durães 1, André C. B. Soares, William F. Giozza NUPERC Universidade Salvador UNIFACS R. Ponciano

Leia mais

UM ESTUDO SOBRE TIPOS DE ALGORITMOS DE DISPATCHER PARA WEB CLUSTERS

UM ESTUDO SOBRE TIPOS DE ALGORITMOS DE DISPATCHER PARA WEB CLUSTERS REVISTA CIENTÍFICA ELETRÔNICA DE SISTEMAS DE INFORMAÇÃO - ISSN 1807-1872 P UBLICAÇÃO C IENTÍFICA DA F ACULDADE DE C IÊNCIAS J URÍDICAS E G ERENCIAIS DE G ARÇA/FAEG A NO II, NÚMERO, 04, FEVEREIRO DE 2006.

Leia mais

Modelos Matemáticos para Tratamento de Grooming em Redes de Fibra Óptica

Modelos Matemáticos para Tratamento de Grooming em Redes de Fibra Óptica Modelos Matemáticos para Tratamento de Grooming em Redes de Fibra Óptica Rangel Silva Oliveira 1, Geraldo Robson Mateus 1 1 Departamento de Ciência da Computação Universidade Federal de Minas Gerais {rangel,mateus}@dcc.ufmg.br

Leia mais

:: Telefonia pela Internet

:: Telefonia pela Internet :: Telefonia pela Internet http://www.projetoderedes.com.br/artigos/artigo_telefonia_pela_internet.php José Mauricio Santos Pinheiro em 13/03/2005 O uso da internet para comunicações de voz vem crescendo

Leia mais

5.1 Modelo de uma rede óptica com conversores de comprimento de onda

5.1 Modelo de uma rede óptica com conversores de comprimento de onda 5 Trabalho Realizado Na seção 2.3, estabeleceu-se que uma das alternativas sub-ótimas de alocação de conversores de comprimento de onda em redes parciais é fazer uso de simulações para gerar estatísticas

Leia mais

REDES MPLS. Roteiro. Protocolos anteriores ao MPLS. Demanda crescente por largura de banda.

REDES MPLS. Roteiro. Protocolos anteriores ao MPLS. Demanda crescente por largura de banda. REDES MPLS PARTE 1 PROFESSOR: MARCOS A. A. GONDIM Roteiro Protocolos anteriores ao MPLS. Motivações para o uso de Redes MPLS. O Cabeçalho MPLS. Label Switch Router (LSR). Switched Path (LSP). Forwarding

Leia mais

Fault-Tolerant Virtual Private Networks Within an Autonomous System

Fault-Tolerant Virtual Private Networks Within an Autonomous System Fault-Tolerant Virtual Private Networks Within an Autonomous System Junghee Han, G. Robert Malan e Farnam Jahanian 21st IEEE Symposium on Reliable Distributed Systems (SRDS 2002) Fault-TolerantVirtual

Leia mais

DQMA-Fuzzy: Predição de Falhas em Redes de Grades OBS com Plano de Controle GMPLS

DQMA-Fuzzy: Predição de Falhas em Redes de Grades OBS com Plano de Controle GMPLS DQMA-Fuzzy: Predição de Falhas em Redes de Grades OBS com Plano de Controle GMPLS Mariana Bechara 1, Jaime Sousa 1, Fernando Farias 1, Davison Holanda 2, Eduardo Cerqueira 1,2, Antônio Abelém 1,2 Resumo

Leia mais

Equipamentos de Rede. Prof. Sérgio Furgeri 1

Equipamentos de Rede. Prof. Sérgio Furgeri 1 Equipamentos de Rede Repetidor (Regenerador do sinal transmitido)* Mais usados nas topologias estrela e barramento Permite aumentar a extensão do cabo Atua na camada física da rede (modelo OSI) Não desempenha

Leia mais

REDES DE COMPUTADORES II. Ricardo José Cabeça de Souza www.ricardojcsouza.com.br

REDES DE COMPUTADORES II. Ricardo José Cabeça de Souza www.ricardojcsouza.com.br REDES DE COMPUTADORES II Ricardo José Cabeça de Souza www.ricardojcsouza.com.br Surgiu final década de 1980 Tecnologia de comutação em infraestrutura redes RDSI-FL(B-ISDN) Recomendação I.121 da ITU-T(1988)

Leia mais

O capítulo 1 faz um overview sobre o mercado de telecomunicações, suas limitações e desenvolvimentos tecnológicos.

O capítulo 1 faz um overview sobre o mercado de telecomunicações, suas limitações e desenvolvimentos tecnológicos. 1. INTRODUÇÃO A indústria das comunicações tem passado, nos últimos anos, mundialmente, por profundas transformações. A liberação, desregulamentação, expansão global tornaram-se características de todos

Leia mais

Engenharia de Requisitos

Engenharia de Requisitos Engenharia de Requisitos Introdução a Engenharia de Requisitos Professor: Ricardo Argenton Ramos Aula 08 Slide 1 Objetivos Introduzir a noção de requisitos do sistema e o processo da engenharia de requisitos.

Leia mais

Prof. Samuel Henrique Bucke Brito

Prof. Samuel Henrique Bucke Brito - QoS e Engenharia de Tráfego www.labcisco.com.br ::: shbbrito@labcisco.com.br Prof. Samuel Henrique Bucke Brito Introdução Em oposição ao paradigma best-effort (melhor esforço) da Internet, está crescendo

Leia mais

Ferramentas para Simulação e Avaliação de Processadores. de Alto Desempenho

Ferramentas para Simulação e Avaliação de Processadores. de Alto Desempenho Ferramentas para Simulação e Avaliação de Processadores de Alto Desempenho 5 de agosto de 2010 Resumo 1 Apresentação e Justificativa A tarefa de avaliar e comparar experimentalmente projetos em torno de

Leia mais

1 Introdução. 1.1. Motivação

1 Introdução. 1.1. Motivação 15 1 Introdução Esta dissertação dedica-se ao desenvolvimento de um analisador de erro para Redes Ópticas através da utilização de circuitos integrados programáveis de última geração utilizando taxas que

Leia mais

REDES DE COMPUTADORES

REDES DE COMPUTADORES Eriko Carlo Maia Porto UNESA Universidade Estácio de Sá eriko_porto@uol.com.br Última revisão Julho/2003 REDES DE COMPUTADORES TOPOLOGIAS TOPOLOGIA Estrutura geral da rede: Conjunto de módulos processadores;

Leia mais

TRANSMISSÃO DE DADOS Prof. Ricardo Rodrigues Barcelar http://www.ricardobarcelar.com

TRANSMISSÃO DE DADOS Prof. Ricardo Rodrigues Barcelar http://www.ricardobarcelar.com - Aula 5-1. A CAMADA DE TRANSPORTE Parte 1 Responsável pela movimentação de dados, de forma eficiente e confiável, entre processos em execução nos equipamentos conectados a uma rede de computadores, independentemente

Leia mais

Tecnologias da Rede Multiserviços da Copel Telecom. Joelson Tadeu Vendramin

Tecnologias da Rede Multiserviços da Copel Telecom. Joelson Tadeu Vendramin Tecnologias da Rede Multiserviços da Copel Telecom Joelson Tadeu Vendramin Agenda Evolução da rede óptica da Copel Backbone: (Synchronous Digital Hierarchy) e DWDM (Dense Wavelength Division Multiplexing)

Leia mais

Márcio Leandro Moraes Rodrigues. Frame Relay

Márcio Leandro Moraes Rodrigues. Frame Relay Márcio Leandro Moraes Rodrigues Frame Relay Introdução O frame relay é uma tecnologia de chaveamento baseada em pacotes que foi desenvolvida visando exclusivamente a velocidade. Embora não confiável, principalmente

Leia mais

UNIVERSIDADE FEDERAL DE PERNAMBUCO

UNIVERSIDADE FEDERAL DE PERNAMBUCO UNIVERSIDADE FEDERAL DE PERNAMBUCO Mestrado em Ciência da Computação CENTRO DE INFORMÁTICA Análise comparativa entre os diferentes tipos De protocolos para transmissão de dados Grupo: Professora: Disciplina:

Leia mais

Extração de Árvores de Decisão com a Ferramenta de Data Mining Weka

Extração de Árvores de Decisão com a Ferramenta de Data Mining Weka Extração de Árvores de Decisão com a Ferramenta de Data Mining Weka 1 Introdução A mineração de dados (data mining) pode ser definida como o processo automático de descoberta de conhecimento em bases de

Leia mais

Apostila de Gerenciamento e Administração de Redes

Apostila de Gerenciamento e Administração de Redes Apostila de Gerenciamento e Administração de Redes 1. Necessidades de Gerenciamento Por menor e mais simples que seja uma rede de computadores, precisa ser gerenciada, a fim de garantir, aos seus usuários,

Leia mais

REDES DE COMPUTADORES. Camada de Rede. Prof.: Agostinho S. Riofrio

REDES DE COMPUTADORES. Camada de Rede. Prof.: Agostinho S. Riofrio REDES DE COMPUTADORES Camada de Rede Prof.: Agostinho S. Riofrio Agenda 1. Introdução 2. Funções 3. Serviços oferecidos às Camadas superiores 4. Redes de Datagramas 5. Redes de Circuitos Virtuais 6. Comparação

Leia mais

Projeto de Redes Top-Down

Projeto de Redes Top-Down Projeto de Redes Top-Down Referência: Slides extraídos (material de apoio) do livro Top-Down Network Design (2nd Edition), Priscilla Oppenheimer, Cisco Press, 2010. http://www.topdownbook.com/ Alterações

Leia mais

Teleprocessamento e Redes Universidade Católica do Salvador. Aula 04 - Estrutura de Redes de Comunicação. Objetivo : Roteiro da Aula :

Teleprocessamento e Redes Universidade Católica do Salvador. Aula 04 - Estrutura de Redes de Comunicação. Objetivo : Roteiro da Aula : Teleprocessamento e Redes Universidade Católica do Salvador Aula 04 - Estrutura de Redes de Comunicação Objetivo : Nesta aula, vamos começar a entender o processo de interligação entre os equipamentos

Leia mais

Maestro. Arthur Kazuo Tojo Costa 317497. Universidade Federal de São Carlos Campus Sorocaba Bacharelado em Ciência da Computação

Maestro. Arthur Kazuo Tojo Costa 317497. Universidade Federal de São Carlos Campus Sorocaba Bacharelado em Ciência da Computação Maestro Arthur Kazuo Tojo Costa 317497 Universidade Federal de São Carlos Campus Sorocaba Bacharelado em Ciência da Computação Introdução Sistema Operacional de Redes Detalhes do hardware Multiplexação

Leia mais

Gerenciamento de Redes de Computadores. Introdução ao Gerenciamento de Redes

Gerenciamento de Redes de Computadores. Introdução ao Gerenciamento de Redes Introdução ao Gerenciamento de Redes O que é Gerenciamento de Redes? O gerenciamento de rede inclui a disponibilização, a integração e a coordenação de elementos de hardware, software e humanos, para monitorar,

Leia mais

Avaliação de Desempenho de Algoritmos de Alocação de Comprimento de Onda em Redes Ópticas WDM

Avaliação de Desempenho de Algoritmos de Alocação de Comprimento de Onda em Redes Ópticas WDM ++ UNIVERSIDADE FEDERAL DO PARÁ INSTITUTO TECNOLÓGICO PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO EM ENGENHARIA ELÉTRICA PAULO HENRIQUE GONÇALVES BEZERRA Avaliação de Desempenho de Algoritmos de Alocação de Comprimento

Leia mais

PROPOSTA DE SOFTWARE DE INSTALAÇÃO PARA UM AMBIENTE INTEGRADO DE GERÊNCIA DE PROJETOS E DE PROCESSOS DE NEGÓCIOS

PROPOSTA DE SOFTWARE DE INSTALAÇÃO PARA UM AMBIENTE INTEGRADO DE GERÊNCIA DE PROJETOS E DE PROCESSOS DE NEGÓCIOS PROPOSTA DE SOFTWARE DE INSTALAÇÃO PARA UM AMBIENTE INTEGRADO DE GERÊNCIA DE PROJETOS E DE PROCESSOS DE NEGÓCIOS Élysson Mendes Rezende Bacharelando em Sistemas de Informação Bolsista de Iniciação Científica

Leia mais

1 INTRODUÇÃO Internet Engineering Task Force (IETF) Mobile IP

1 INTRODUÇÃO Internet Engineering Task Force (IETF) Mobile IP 1 INTRODUÇÃO Devido ao crescimento da Internet, tanto do ponto de vista do número de usuários como o de serviços oferecidos, e o rápido progresso da tecnologia de comunicação sem fio (wireless), tem se

Leia mais

Introdução a computação móvel. Middlewares para Rede de Sensores sem Fio. Uma avaliação na ótica de Adaptação ao Contexto

Introdução a computação móvel. Middlewares para Rede de Sensores sem Fio. Uma avaliação na ótica de Adaptação ao Contexto Introdução a computação móvel Monografia: Middlewares para Rede de Sensores sem Fio Uma avaliação na ótica de Adaptação ao Contexto Adriano Branco Agenda Objetivo do trabalho O que é uma WSN Middlewares

Leia mais

Avaliação de Desempenho em Sistemas de Computação e Comunicação

Avaliação de Desempenho em Sistemas de Computação e Comunicação Avaliação de Desempenho em Sistemas de Computação e Comunicação Universidade Federal do Espírito Santo - UFES Departamento de Informática - DI Laboratório de Pesquisas em Redes Multimidia - LPRM UFES Objetivos

Leia mais

DYSON PEREIRA JUNIOR

DYSON PEREIRA JUNIOR DYSON PEREIRA JUNIOR PLANEJAMENTO DE REDES WDM RESILIENTES EM MALHA COM COMPARTILHAMENTO DE RECURSOS DE PROTEÇÃO PARA CONEXÕES COM REQUISITOS DE DISPONIBILIDADE SUJEITAS A MÚLTIPLAS FALHAS Tese apresentada

Leia mais

WDM e suas Tecnologias

WDM e suas Tecnologias Universidade Federal do Rio de Janeiro Escola Politécnica Departamento de Eletrônica e Computação EEL 878 Redes de Computadores I Turma EL1-2004/1 Professor: Otto Carlos Muniz Bandeira Duarte Aluna: Mariangela

Leia mais

Aprovisionamento de Lightpath Inter-domínio baseado em PCE

Aprovisionamento de Lightpath Inter-domínio baseado em PCE 552 Anais Aprovisionamento de Lightpath Inter-domínio baseado em PCE Alisson S. L. Pontes 1, Nelson L. S. da Fonseca 1, André C. Drummond 2 1 Instituto de Computação - Universidade Estadual de Campinas

Leia mais

TMS e Roteirizadores. Breno Amorim brenoamorim@hotmail.com

TMS e Roteirizadores. Breno Amorim brenoamorim@hotmail.com TMS e Roteirizadores Breno Amorim brenoamorim@hotmail.com Definição TMS (Transportation Management System) é um produto para melhoria da qualidade e produtividade de todo o processo de distribuição. Este

Leia mais

Test-Module: uma ferramenta para gerenciamento de testes de software integrada ao FireScrum

Test-Module: uma ferramenta para gerenciamento de testes de software integrada ao FireScrum Test-Module: uma ferramenta para gerenciamento de testes de software integrada ao FireScrum Audrey B. Vasconcelos, Iuri Santos Souza, Ivonei F. da Silva, Keldjan Alves Centro de Informática Universidade

Leia mais

PROJETO DE REDES www.projetoderedes.com.br

PROJETO DE REDES www.projetoderedes.com.br PROJETO DE REDES www.projetoderedes.com.br CENTRO UNIVERSITÁRIO DE VOLTA REDONDA UniFOA Curso Tecnológico de Redes de Computadores Disciplina: Redes Convergentes II Professor: José Maurício S. Pinheiro

Leia mais

Francisco Cilião de Araújo Neto (UNICAMP) kiko@densis.fee.unicamp.br Raul Vinhas Ribeiro (UNICAMP) raul@densis.fee.unicamp.br

Francisco Cilião de Araújo Neto (UNICAMP) kiko@densis.fee.unicamp.br Raul Vinhas Ribeiro (UNICAMP) raul@densis.fee.unicamp.br Uma heurística para alocação de divisores de sinais de luz, roteamento e alocação de comprimentos de onda para comunicações multidifusão em redes ópticas Francisco Cilião de Araújo Neto (UNICAMP) kiko@densis.fee.unicamp.br

Leia mais

Análise de Desempenho de Redes Ópticas Transparentes com Roteamento Inteligente

Análise de Desempenho de Redes Ópticas Transparentes com Roteamento Inteligente ESCOLA POLITÉCNICA i Análise de Desempenho de Redes Ópticas Transparentes com Roteamento Inteligente Trabalho de Conclusão de Curso Engenharia da Computação Cristiane Prescila de França Orientador: Prof.

Leia mais

UNIDADE II. Fonte: SGC Estácio e Marco Filippetti

UNIDADE II. Fonte: SGC Estácio e Marco Filippetti UNIDADE II Metro Ethernet Fonte: SGC Estácio e Marco Filippetti Metro Ethernet é um modo de utilizar redes Ethernet em áreas Metropolitanas e geograficamente distribuídas. Esse conceito surgiu pois, de

Leia mais

Notas de Aula 02: Processos de Desenvolvimento de Software

Notas de Aula 02: Processos de Desenvolvimento de Software Notas de Aula 02: Processos de Desenvolvimento de Software Objetivos da aula: Introduzir os conceitos de um processo de desenvolvimento de software Definir os processos básicos Apresentar as vantagens

Leia mais

Curso: Redes II (Heterogênea e Convergente) Tema da Aula: Características Roteamento

Curso: Redes II (Heterogênea e Convergente) Tema da Aula: Características Roteamento Curso: Redes II (Heterogênea e Convergente) Tema da Aula: Características Roteamento Professor Rene - UNIP 1 Roteamento Dinâmico Perspectiva e histórico Os protocolos de roteamento dinâmico são usados

Leia mais

Redes de Computadores

Redes de Computadores Redes de Computadores Técnicas de comutação Escola Superior de Tecnologia e Gestão Instituto Politécnico de Bragança Maio de 2006 WAN s Wide Area Networks Uma WAN é uma rede dispersa por uma grande área

Leia mais

Redes de Computadores e a Internet

Redes de Computadores e a Internet Redes de Computadores e a Internet Magnos Martinello Universidade Federal do Espírito Santo - UFES Departamento de Informática - DI Laboratório de Pesquisas em Redes Multimidia - LPRM 2010 Introdução Redes

Leia mais

Modelagem e Simulação Material 02 Projeto de Simulação

Modelagem e Simulação Material 02 Projeto de Simulação Modelagem e Simulação Material 02 Projeto de Simulação Prof. Simão Sirineo Toscani Projeto de Simulação Revisão de conceitos básicos Processo de simulação Etapas de projeto Cuidados nos projetos de simulação

Leia mais

Conceitos de Telefonia Celular Trafego. Depto. de Engenharia Elétrica Faculdade de Tecnologia Universidade de Brasília

Conceitos de Telefonia Celular Trafego. Depto. de Engenharia Elétrica Faculdade de Tecnologia Universidade de Brasília Conceitos de Telefonia Celular Trafego Depto. de Engenharia Elétrica Faculdade de Tecnologia Universidade de Brasília Objetivos Mostrar primeiros contatos com teoria de despacho e filas Aprender os rudimentos

Leia mais

5.2 MAN s (Metropolitan Area Network) Redes Metropolitanas

5.2 MAN s (Metropolitan Area Network) Redes Metropolitanas MÓDULO 5 Tipos de Redes 5.1 LAN s (Local Area Network) Redes Locais As LAN s são pequenas redes, a maioria de uso privado, que interligam nós dentro de pequenas distâncias, variando entre 1 a 30 km. São

Leia mais

11 Conclusão. 11.1 Descobertas

11 Conclusão. 11.1 Descobertas 97 11 Conclusão 11.1 Descobertas Nesse trabalho apresentamos o McCloud Service Framework, um arcabouço para implementação de serviços baseados na Simulação de Monte Carlo na nuvem, disponibilizamos duas

Leia mais

Aprovisionamento Automático de Circuitos Ópticos Protegidos via Plano de Controle GMPLS Considerando Restrições de Camada Física

Aprovisionamento Automático de Circuitos Ópticos Protegidos via Plano de Controle GMPLS Considerando Restrições de Camada Física Aprovisionamento Automático de Circuitos Ópticos Protegidos via Plano de Controle GMPLS Considerando Restrições de Camada Física G.C. Santos, F.D. Santos, J.C.R.F. Oliveira, R.A. Moreira, M.R. Salvador,

Leia mais

Palavras-chave: aprovisionamento de recursos, redes da próxima geração, redes sensíveis ao contexto, Qualidade de Serviço.

Palavras-chave: aprovisionamento de recursos, redes da próxima geração, redes sensíveis ao contexto, Qualidade de Serviço. UNIVERSIDADE FEDERAL DE GOIÁS INSTITUTO DE INFORMÁTICA MESTRADO EM CIÊNCIA DA COMPUTAÇÃO Título: PROPOSTA DE SOLUÇÃO PARA SOBRE-APROVISIONAMENTO DE RECURSOS SOBRE CAMINHOS HETEROGÊNEOS EM REDES SENSÍVEIS

Leia mais

Uso de Aspectos da Topologia Virtual no Problema RWBA em Redes Ópticas Metropolitanas MB-OFDM

Uso de Aspectos da Topologia Virtual no Problema RWBA em Redes Ópticas Metropolitanas MB-OFDM Uso de Aspectos da Topologia Virtual no Problema RWBA em Redes Ópticas Metropolitanas MB-OFDM E. S. Gama¹, C. M. Oliveira¹, I. E. Fonseca¹, R. C. Almeida Júnior 2, T. M. F. Alves 3, J. P. F. Rosário 3

Leia mais

Redes de Dados. Aula 1. Introdução. Eytan Mediano

Redes de Dados. Aula 1. Introdução. Eytan Mediano Redes de Dados Aula 1 Introdução Eytan Mediano 1 6.263: Redes de Dados Aspectos fundamentais do projeto de redes e análise: Arquitetura Camadas Projeto da Topologia Protocolos Pt - a Pt (Pt= Ponto) Acesso

Leia mais

Multiplexação. Multiplexação. Multiplexação - FDM. Multiplexação - FDM. Multiplexação - FDM. Sistema FDM

Multiplexação. Multiplexação. Multiplexação - FDM. Multiplexação - FDM. Multiplexação - FDM. Sistema FDM Multiplexação É a técnica que permite a transmissão de mais de um sinal em um mesmo meio físico. A capacidade de transmissão do meio físico é dividida em fatias (canais), com a finalidade de transportar

Leia mais

Fundamentos de Redes de Computadores. Elementos de Redes Locais

Fundamentos de Redes de Computadores. Elementos de Redes Locais Fundamentos de Redes de Computadores Elementos de Redes Locais Contexto Implementação física de uma rede de computadores é feita com o auxílio de equipamentos de interconexão (repetidores, hubs, pontos

Leia mais

1 Redes de comunicação de dados

1 Redes de comunicação de dados 1 Redes de comunicação de dados Nos anos 70 e 80 ocorreu uma fusão dos campos de ciência da computação e comunicação de dados. Isto produziu vários fatos relevantes: Não há diferenças fundamentais entre

Leia mais

Referências internas são os artefatos usados para ajudar na elaboração do PT tais como:

Referências internas são os artefatos usados para ajudar na elaboração do PT tais como: Plano de Teste (resumo do documento) I Introdução Identificador do Plano de Teste Esse campo deve especificar um identificador único para reconhecimento do Plano de Teste. Pode ser inclusive um código

Leia mais

Figura 1 Taxas de transmissão entre as redes

Figura 1 Taxas de transmissão entre as redes Conceitos de Redes Locais A função básica de uma rede local (LAN) é permitir a distribuição da informação e a automatização das funções de negócio de uma organização. As principais aplicações que requerem

Leia mais

DIFERENCIAÇÃO DE SERVIÇOS EM REDES DE COMUTAÇÃO DE RAJADAS ÓPTICAS. Igor Monteiro Moraes

DIFERENCIAÇÃO DE SERVIÇOS EM REDES DE COMUTAÇÃO DE RAJADAS ÓPTICAS. Igor Monteiro Moraes DIFERENCIAÇÃO DE SERVIÇOS EM REDES DE COMUTAÇÃO DE RAJADAS ÓPTICAS Igor Monteiro Moraes DISSERTAÇÃO SUBMETIDA AO CORPO DOCENTE DA COORDENAÇÃO DOS PROGRAMAS DE PÓS-GRADUAÇÃO DE ENGENHARIA DA UNIVERSIDADE

Leia mais

F-FORCE A FRAMEWORK FOR COLLABORATIVE ENVIRONMENTS PROPOSTA DE TRABALHO DE GRADUAÇÃO

F-FORCE A FRAMEWORK FOR COLLABORATIVE ENVIRONMENTS PROPOSTA DE TRABALHO DE GRADUAÇÃO UNIVERSIDADE FEDERAL DE PERNAMBUCO GRADUAÇÃO EM CIÊNCIA DA COMPUTAÇÃO CENTRO DE INFORMÁTICA F-FORCE A FRAMEWORK FOR COLLABORATIVE ENVIRONMENTS PROPOSTA DE TRABALHO DE GRADUAÇÃO Aluno: Gabriel Fernandes

Leia mais

Curso: Sistemas de Informação Disciplina: Redes de Computadores Prof. Sergio Estrela Martins

Curso: Sistemas de Informação Disciplina: Redes de Computadores Prof. Sergio Estrela Martins Curso: Sistemas de Informação Disciplina: Redes de Computadores Prof. Sergio Estrela Martins Material de apoio 2 Esclarecimentos Esse material é de apoio para as aulas da disciplina e não substitui a leitura

Leia mais

Consolidação inteligente de servidores com o System Center

Consolidação inteligente de servidores com o System Center Consolidação de servidores por meio da virtualização Determinação do local dos sistemas convidados: a necessidade de determinar o melhor host de virtualização que possa lidar com os requisitos do sistema

Leia mais

Email: henriquel.rj@gmail.com 1

Email: henriquel.rj@gmail.com 1 Redes ASON: A Evolução das Redes Óticas Este tutorial apresenta uma breve introdução da arquitetura das Redes ASON (Automatic Switched Optical Network) fazendo uma comparação com o protocolo GMPLS (Generalized

Leia mais

4 Arquitetura básica de um analisador de elementos de redes

4 Arquitetura básica de um analisador de elementos de redes 4 Arquitetura básica de um analisador de elementos de redes Neste capítulo é apresentado o desenvolvimento de um dispositivo analisador de redes e de elementos de redes, utilizando tecnologia FPGA. Conforme

Leia mais

MPLS MultiProtocol Label Switching

MPLS MultiProtocol Label Switching MPLS MultiProtocol Label Switching Cenário Atual As novas aplicações que necessitam de recurso da rede são cada vez mais comuns Transmissão de TV na Internet Videoconferências Jogos on-line A popularização

Leia mais

PROJETO DE REDES www.projetoderedes.com.br

PROJETO DE REDES www.projetoderedes.com.br PROJETO DE REDES www.projetoderedes.com.br Curso de Tecnologia em Redes de Computadores Disciplina: Redes I Fundamentos - 1º Período Professor: José Maurício S. Pinheiro AULA 6: Switching Uma rede corporativa

Leia mais

Usando a Meta-Heurística Tabu Search para o Planejamento de Redes Ópticas de Telecomunicações

Usando a Meta-Heurística Tabu Search para o Planejamento de Redes Ópticas de Telecomunicações PRÓ-REITORIA DE PESQUISA E PÓS-GRADUAÇÃO DEPARTAMENTO DE PESQUISA PIBIC - PROGRAMA INSTITUCIONAL DE BOLSA DE INICIAÇÃO CIENTÍFICA (CNPq-UFES) PROCESSO SELETIVO 2004-2005 Usando a Meta-Heurística Tabu Search

Leia mais