MPLS: Re-roteamento Dinâmico em Redes IP Utilizando Network Simulator

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "MPLS: Re-roteamento Dinâmico em Redes IP Utilizando Network Simulator"

Transcrição

1 MPLS: Re-roteamento Dinâmico em Redes IP Utilizando Network Simulator Esta Série Especial de Tutoriais apresenta os trabalhos premiados no III Concurso Teleco de Trabalhos de Conclusão de Curso (TCC) O conteúdo deste tutorial foi obtido do artigo classificado em primeiro lugar no concurso, de autoria da Christiane Borges Santos, da Dominique Carvalho Fernandes e do Bruno Rangel Borges Marchetti. O objetivo do tutorial é descrever o mecanismo de re-roteamento dinâmico em redes IP de modo eficiente, reduzindo o tempo computacional sem comprometimento da integridade dos dados a serem transmitidos e controle do fluxo de dados (otimização na utilização dos recursos da rede). Para isso, analisa a tecnologia MPLS (Multiprotocol Label Switching) e o monitoramento de sessões LDP (Label Distribution Protocol), com um impacto mínimo na arquitetura da infra-estrutura existente. Bruno Rangel Borges Marchetti É formado em Tecnologia em Redes de Comunicações pelo Centro Federal de Educação Tecnológica de Goiás (CEFET, 2007). Está cursando Engenharia Elétrica na Universidade Federal de Goiás. Atuou como Estagiário na Universidade Federal de Goiás, executando atividades de instalação e configuração de software e de suporte e manutenção de rede de computadores, e como Estagiário na Companhia de Obras e Habitação do Município de Goiânia (COMOB), executando atividades de suporte e manutenção de rede de computadores. Atualmente é Assistente de informática na Secretaria de Estado da Educação GO, executando atividades de monitoramento de links das sub-secretarias, de administração de servidores, de gerência de tráfego e de administração de ambientes operacionais Windows 2003 Server e FreeBSD. 1

2 Christiane Borges Santos É formada em Tecnologia em Redes de Comunicações pelo Centro Federal de Educação Tecnológica de Goiás (CEFET, 2007). Está cursando Mestrado em Engenharia Elétrica e de Computação na Universidade Federal de Goiás. Atuou como Estagiária na Coordenação de Telecomunicações do Centro Federal de Educação Tecnológica, executando atividades de manutenção preventiva e corretiva de equipamentos de telecomunicações e microcomputadores e de instalação e configuração de softwares (ambientes Windows e Linux) e hardwares. Atuou também como Estagiária no Hospital das Clinicas da UFG, executando atividades de suporte ao usuário, manutenção preventiva e corretiva de microcomputadores, instalação e configuração de softwares (ambiente Windows) e hardwares. Dominique Carvalho Fernandes É formado em Tecnologia em Redes de Comunicações pelo Centro Federal de Educação Tecnológica de Goiás (CEFET, 2007). Atuou como Administrador de Redes nas Óticas Brasil Ltda., executando atividades de manutenção, instalação e configuração de servidores de Proxy e Firewall com Linux, servidores DNS, Active Directory, IIS, Media Services e Terminal Services com Windows Server 2003, servidores WEB e Bancos de dados em Linux e manutenção e gerenciamento de ativos de rede. Atualmente é Assistente de Gestão Administrativa de T.I. na Agencia Goiana de Comunicação, executando atividades de manutenção, instalação e configuração de servidores de Proxy e Firewall com Linux, servidores DNS, Active Directory, IIS, Media Services, e Terminal Services com Windows Server 2003, 2

3 servidores WEB e Bancos de dados em Linux e manutenção e gerenciamento de ativos de rede. Categorias: Banda Larga, Infraestrutura para Telecomunicações Nível: Introdutório Enfoque: Técnico Duração: 15 minutos Publicado em: 17/12/2007 3

4 MPLS: Introdução Nos últimos anos, poucas áreas, como as redes de computadores, apresentaram tantas revoluções. A popularização da Internet fez surgir a predominância do protocolo IP (Internet Protocol) sobre outros protocolos e o crescimento da preocupação por novos requisitos de qualidade de serviço (QoS) e a segurança das informações trafegadas, com o objetivo de oferecer garantias de desempenho a determinados usuários e protocolos (TANENBAUM, 2003). A Internet utiliza o mecanismo best effort, todos os pacotes recebem o mesmo tipo de tratamento e a rede tenta encaminhá-los o mais rápido possível. Nem sempre se obtém sucesso, e alguns pacotes podem ser descartados devido ao congestionamento da própria rede. O grande problema da Internet é o aumento expressivo do número de rotas manipuladas pelos roteadores, que geram custos de recursos de roteamento e atrasos altos e variáveis. Os algoritmos de roteamento em uso objetivam minimizar métricas de caminhos mais curtos. Do ponto de vista de QoS, nem sempre o caminho mais curto é o caminho que apresenta o melhor conjunto de recursos necessários a determinada aplicação (DIAS et al, 2004) (OSBORNE et al, 2002). 4

5 MPLS: Protocolo A camada de rede da Arquitetura TCP/IP é responsável por rotear pacotes da máquina de origem para a máquina de destino. Em redes IP com roteamento tradicional, o encaminhamento dos pacotes é feito salto a salto, não é orientado à conexão, antes de qualquer decisão os campos do cabeçalho IP são analisados, consultando protocolos e tabela de roteamento para então encaminhamento dos pacotes. Com o esquema de endereçamento IP os endereços são atribuídos de modo que todas as máquinas conectadas à determinada rede física compartilhem um prefixo comum, e a tabela de roteamento passa a conter apenas os prefixos que identificam a rede, e não o endereço por inteiro. Essa tabela pode ser criada de modo estático (rotas preenchidas manualmente), dinâmico (convergência da rede) ou ambos simultaneamente. A busca na tabela de roteamento, dependendo de vários fatores como extensão, condição e conectividade da rede, ou mesmo do tamanho da tabela de cada roteador, pode exigir grande capacidade de processamento, causando perda de eficiência e aumento no tempo de processamento dos dados que transitam pelo roteador (KUROSE el al, 2006) (SADOK et al, 2000). A partir do ano de 1995, a Internet Engeneering Task Force (IETF) e o ATM (Asynchronous Transfer Mode) Fórum começaram a desenvolver propostas para integrar protocolos baseados em roteamento, como o IP, sobre a estrutura de comutação da tecnologia ATM, buscando uma rede que oferecesse simultaneamente facilidade de gerenciamento, reserva de largura de banda, requisitos de QoS e suporte nativo a multicast. Em 1996 algumas empresas de informática sugeriram as primeiras soluções baseadas em rótulos de tamanho fixo. O grande problema era o fato de que essas tecnologias eram proprietárias e incapazes de interoperarem. Surgiu então a necessidade de um modelo padrão de comutação por rótulos, que veio a ser o protocolo MPLS (MESQUITA, 2006). O MPLS, definido na RFC 3031, de acordo com Rosen et al. (2001), ao adotar um conceito de rótulo (labels) de tamanho fixo, rompe com o conceito de tabela de roteamento adotado nas redes TCP/IP convencionais e possibilita um aumento no desempenho do encaminhamento dos pacotes, como pode ser observado na figura 1. Em redes convencionais, o rótulo MPLS, é uma parte extra colocada no cabeçalho IP, chamado de shim header (cabeçalho de calço /1/), sendo inserido entre o cabeçalho IP e o cabeçalho da camada de enlace, denominado de encapsulamento genérico. Figura 1: Formato genérico do cabeçalho MPLS. Para aumentar a eficiência da rede são utilizados roteadores que trabalhem exclusivamente na leitura de 5

6 rótulos e encaminhamento dos pacotes, fazendo análise e classificação do cabeçalho, e diminuindo o processamento nos roteadores principais da rede, como pode ser visto na figura 2 (KUROSE el al, 2006) (KAMIENSKI et al, 2000). Figura 2: Roteamento com o mecanismo de rótulos do protocolo MPLS. Cada pacote, ao entrar em uma rede MPLS, recebe um rótulo de um determinado roteador (LER - Label Edge Router), é encaminhado através de um caminho comutado por rótulos (LSP Label Switch Path) formado por roteadores de comutação por rótulos (LSRs Label Switch Routers), e cada LSR toma decisões de encaminhamento baseado apenas no rótulo do pacote. Em cada salto, o LSR retira o rótulo existente e aplica um novo rótulo dizendo ao próximo roteador como encaminhar o pacote. A arquitetura MPLS não prevê a utilização de hardware ou tecnologias específicas e tem suporte a várias técnicas de codificação de rótulos, dependendo do tipo de dispositivo utilizado no encaminhamento dos pacotes (FARREL, 2005). O rótulo existente no cabeçalho é visto como índices em tabelas, determinando a decisão de encaminhamento dos pacotes para atingir o próximo nó da rede. Os roteadores pertencentes ao núcleo da rede não fazem a análise do cabeçalho IP e à medida que os pacotes deixam a rede, os rótulos são retirados pelos roteadores de borda da rede (ROSEN et al, 2001). Inicialmente, o que motivou o desenvolvimento do MPLS foi o desempenho no mecanismo de encaminhamento de pacotes da rede IP sobre as demais tecnologias de nível 2 no núcleo das redes. Com a melhoria desses mecanismos e implantação de tecnologias de roteamento em hardware, baseadas em ASICs (Application-Specific Integrated Circuit) e FPGAs (Fieldprogrammable Gate Array), o roteamento IP deixou de ser um fator de redução de desempenho, ocorrendo de forma mais robusta, possibilitando a transmissão da informação em velocidade muito próxima à taxa fornecida pelas linhas. As motivações do MPLS passaram então para prover serviços e ferramentas de gerência de rede, já que a utilização do MPLS aloca mais recursos de rede e processamento para a configuração e armazenamento das informações de controle, e necessita da criação e manutenção das tabelas de mapeamento e equivalência de rótulos (ARAÚJO et al, 2006). A arquitetura MPLS pode utilizar como método para distribuição de rótulos protocolos já existentes, tais como BGP, RSVP, ou outros pré-existentes que têm sido aprimorados para fazer com que o LSR informe aos outros sobre os mapeamentos de rótulos e FECs (Forwarding Equivalence Classes) que ele possui em suas tabelas, assim como o protocolo LDP, destacando- se o MPLS-BGP, ainda em fase draft, e o 6

7 MPLS-RSVP-Tunnels, padronizado através do RFC 3209 e utilizado em diversos projetos para estabelecimentos de VPNs com engenharia de tráfego (ARAÚJO et al, 2006). Quando um LSP é criado, a relação dos rótulos com a interface será armazenada na tabela LFIB (Label Forwarding Information Base). O pacote entra no LSR, este verifica no LFIB para qual interface esse pacote deve ser encaminhado e então realiza a troca do rótulo de entrada por um rótulo de saída, para que o pacote possa alcançar o próximo nó. O processo de preenchimento do LFIB pode ser controlado por meio de configuração ou por meio de protocolos de distribuição de rótulos, e para evitar loops, pacotes com rótulos inválidos são descartados (FARREL, 2005). Os LERs são roteadores de borda responsáveis pelas funções de admissão, associação de FECs e retirada dos pacotes na rede MPLS. Os LSRs são roteadores de comutação por rótulos que recebem o pacote de dados, extraem o rótulo do pacote e o utiliza para descobrir na tabela de encaminhamento qual a porta de saída e o novo rótulo (MESQUITA, 2006, GRECO, 2005). A FEC representa um grupo de pacotes que tem os mesmo requisitos para serem transportados, fornecendo o mesmo tratamento da rota até o seu destino. No roteamento IP convencional, um roteador em particular considera que dois pacotes estão na mesma FEC pela análise do endereço destino do pacote. Quando o pacote percorre a rede, em cada roteador o pacote é novamente examinado e atribuído a outra FEC. No MPLS, a atribuição de um pacote particular a uma FEC é feita apenas quando o pacote entra na rede, no LER, codificada como um valor de comprimento fixo e curto (rótulo), e quando o pacote é encaminhado para o próximo roteador, esse rótulo é enviado juntamente com ele (KUROSE el al, 2006). O protocolo LDP, especificado pela RFC 3036, foi desenvolvido pelo MPLS Working Group do IETF no final da década de 1990 esboçando idéias do TDP e ARIS para sinalização e gerência explícita de distribuição de rótulos MPLS. O LDP define o conjunto de procedimentos e mensagens pelos quais os LSRs estabelecem LSPs através da rede, graças ao mapeamento das informações de roteamento do nível de rede diretamente em caminhos comutados de nível 2, como pode ser observado na figura 3. O LDP possui como características básicas a definição de mensagens discovery, adjacency, label, advertisement, e notification, e o fato de rodar sobre TCP para proporcionar fidelidade de mensagens. 7

8 Figura 3: Funcionamento do protocolo LDP em um domínio MPLS. (ARAÚJO et al, 2006). As mensagens de descoberta (discovery) são periodicamente trocadas para anuncio verificação dos LSRs adjacentes e não adjacentes; as mensagens de adjacência (adjacency) são usadas para estabelecimento, manutenção e encerramento da sessão de comunicação LDP entre dois LSRs adjacentes; mensagens de anúncio (advertisement) são utilizadas para anunciar associações entre rótulos e FECs ou para encerrar essas associações; e mensagens de notificação (notification) são utilizadas para informar avisos e erros (ARAÚJO et al, 2006) (GRECO, 2005). Tolerância a Falhas e Re-roteamento As falhas mais comuns em redes estão relacionadas a fatores como idade dos equipamentos ou de seus componentes, problemas na elaboração do projeto dos equipamentos, acidentes ou mesmo falhas humanas. Tolerância a falhas ou resiliency /2/ é a capacidade que a rede tem de continuar em funcionamento após a ocorrência de falhas, cursando o mesmo tráfego com o máximo de suas características originais preservadas. Os mecanismos individuais de recuperação em caso de falhas normalmente operam em uma camada especifica, tipicamente nas camadas 1, 2 (camadas física e de enlace), que têm capacidade de proteger enlaces individuais, e camada 3 (camada de rede), que tem a capacidade de proteger caminhos completos (paths), envolvendo garantias de continuidade da transmissão após uma situação de degradação ou falha da rede. Esse processo se inicia com a reconfiguração da rede para continuar a atender o tráfego cursado anteriormente durante a situação de falha, terminando somente após recomposição em sua forma original ou em outra considerada estável. (GRECO, 2005). O MPLS provê restauração para a camada IP através de um LSP pré-alocado, que serve de backup para o LSP principal. Quando a falha é detectada, o nó-fonte do fluxo de dados (fonte do LSP) usa seu mecanismo de re-roteamento. O LSP default é descartado temporariamente, sendo o fluxo de dados deste canal desviado para o LSP de backup. Existem duas propostas de mecanismos de recuperação distintos para redes MPLS, de acordo com 8

9 Sharma et al. (2003), o re-roteamento dinâmico (dynamic re-routing) e o chaveamento de proteção (protection switching). O chaveamento de proteção, denominado re-roteamento rápido (fast re-routing) tem como característica principal a pré-sinalizaçao dos LSP s alternativos, fazendo com que a proteção atue mais rapidamente, já que a tarefa do LSP é mudar o encaminhamento do LSP principal para o LSP alternativo, ou seja, basicamente modificar uma entrada na LFIB (SHARMA et al, 2003). O re-roteamento dinâmico é automático e atua localmente, calculando e estabelecendo uma nova rota após surgimento de falhas. Essa rota não deve conter nenhum componente falho e deve ser totalmente separada da rota a ser recuperada. O re-roteamento dinâmico passa por todas as etapas de recuperação (detecção, notificação, calculo, estabelecimento de rotas alternativas e comutação do tráfego para essa nova rota), podendo atuar globalmente, mas gastando um tempo maior ainda para o mecanismo atuar. Isso ocorre devido ao tempo gasto para notificação, mas tem vantagem de garantir que a rota criada é a mais curta possível, o que não é garantido na atuação local (GRECO, 2005). /1/ Material fino e freqüentemente cônico utilizado para preencher espaço com coisas (FARREL, 2005). /2/ Capacidade de determinado objeto restaurar sua forma original após ser modificado ou deformado. 9

10 MPLS: Estudo de Caso O presente trabalho teve como objetivo o estudo do protocolo MPLS e da ferramenta de simulação NS (Network Simulator), para descrever o re-roteamento dinâmico em redes IP de modo eficiente, através do monitoramento de sessões LDP, reduzindo o tempo computacional sem comprometimento da integridade dos dados a serem transmitidos, tendo em vista a otimização na utilização dos recursos da rede. Para desenvolvimento desta pesquisa foi empregado o método o hipotético-dedutivo, utilizando uma política de diferenciação de serviços que depende de um controle de admissão e configuração de largura de faixa dos LSPs, baseadas em parâmetros de prioridade para cada fluxo de dados. Foram utilizadas como técnicas a pesquisa bibliográfica sobre o assunto e as simulações no NS. A análise foi feita a partir de cenários onde os fluxos foram classificados como sendo de alta prioridade e de baixa prioridade. Nesta política, na eminência de congestionamento da rede, os fluxos de baixa prioridade podem ter suas vazões reduzidas até zero (fluxos rejeitados) para garantir os requisitos de QoS dos fluxos de alta prioridade. Para as simulações, foi utilizado um microcomputador AMD Duron 1100 MHz com 256MB de memória RAM, disponibilizado pela Coordenação de Redes de Comunicação do CEFET-GO no Laboratório de Pesquisa Sala S-302. Foram instalados o sistema operacional Linux, distribuição Kurumin versão 5.1 kernel 2.6, e o simulador NS versão 2.1 beta 6 (The Network Simulator, 2006) junto com o módulo MNS (MPLS Network Simulator) versão 2.0. Foram definidos os nós, o tipo de ligação entre eles (enlace) e o tráfego injetado na rede. Foi simulado no NS o re-roteamento dinâmico, em que enlaces que apresentem algum tipo de falha, ficam fora do ar e voltam a operar após re-estabelecimento do enlace. Os enlaces criados entre os nós são conexões bidirecionais (duplex-link), com taxas de 1 Mbit/s ou 10 Mbit/s, com atrasos de 0,1 milissegundos. Como pode ser observado na figura 4, são configurados agentes LDP em todos os nós do ambiente de simulação. Figura 4: Configuração dos agentes LDP. O LSP é responsável por determinar a distribuição de trajetos antes da transmissão, podendo fazer isso através de salto a salto, onde cada LSR seleciona independentemente do próximo salto do pacote aqueles pertencentes a um FEC determinado. Para a presente simulação, foram criados agentes CBR (taxa de bit 10

11 constante) UDP e fontes de tráfego do tipo exponencial. Através das trocas de mensagens e do mecanismo de descoberta de LSPs, o protocolo LDP estabelece a comunicação entre os nós MPLS e começa então a transmissão, como pode ser visto na figura 5. Figura 5: Início da transmissão dos pacotes CBR UDP. Em todos os enlaces emprega-se a fila DropTail, algoritmo de controle de congestionamento semelhante ao FIFO (First In/First Out). Em caso de falha, como acontece na figura 6, quando um enlace deixa de operar, automaticamente o tráfego é re-roteado para outro enlace, minimizando as perdas de pacotes. Figura 6: Queda no enlace e re-roteamento dinâmico do tráfego. Nas figuras seguintes, os pacotes continuam a trafegar na rede, alguns enlaces começam a apresentar falhas e param de operar. Os enlaces em vermelho estão inativos por motivos de falhas e os enlace em verde estão ativos. Figura 7: Falha no segundo enlace. 11

12 Figura 8: Falha no terceiro enlace. Logo em seguida, o roteador analisa e começa então a encaminhar os pacotes através de outro enlace, como pode ser visto na figura 9. Figura 9: Falha nos enlaces e re-roteamento dinâmico do tráfego. Quando os enlaces são re-estabelecidos e estiverem estáveis, se o roteador perceber que é a melhor rota ele volta a encaminhar os pacotes pelo caminho inicial. A figura 10 apresenta a recuperação entre os LSR5 LSR4, e LSR4 LSR7, e a volta do encaminhamento pela rota que passa pelos LSR4 LSR7. Figura 10: Re-estabelecimento das rotas e encaminhamento do tráfego. Como pode ser observado na figura 11, o tempo total da transmissão foi de 1,6 segundos, o tempo que o enlace ficou disponível foi 1,5988 segundos e o tempo de indisponibilidade do enlace foi 0,00118 segundos, que mostra a eficiência do re-roteamento utilizado pelo protocolo MPLS. 12

13 Figura 11: Tempo de simulação. No total, foram enviados 1886,4 pacotes UDP de 50 Bytes durante a simulação. Com a alta disponibilidade obtida pelo enlace, ao final, como pode ser viso na figura 12, apenas 1,4 pacotes UDP foram perdidos, e a grande maioria foi recebida no destino de maneira correta, 1885 pacotes no total, e nenhum foi recebido fora de ordem. Figura 12: Pacotes UDP enviados durante a simulação. A tecnologia MPLS se encaixa tanto no sentido da convergência e integração dos padrões quanto no fornecimento de serviços e facilidades, necessários às novas aplicações, com o advento das redes de nova geração (NGN), permitindo a permanência dos sistemas legados, como é o caso do ATM, sem prejuízo à implantação de novos padrões, como o Gigabit e o Terabit Ethernet, com perfeita interoperabilidade entre eles, além da utilização de esquemas de roteamento baseado em restrições (Constraint-Based Routing) (ARAÚJO et al, 2006, GRECO, 2005). A engenharia de tráfego com MPLS (MPLS -TE), definida na RFC 3346, possibilita o controle do fluxo de tráfego na rede, onde os fluxos de tráfegos de mesmo tipo são mapeados em LSPs que possuem recursos da estrutura física da rede subjacente alocados para si, reduzindo problemas de congestionamento e conseguir uma utilização homogênea dos recursos disponíveis (RESENDE, 2004, SAZIMA, 2004). 13

14 MPLS: Considerações Finais Com as simulações, foi possível comprovar alguns resultados quanto aos grandes benefícios ao utilizar o protocolo MPLS. A estratégia do protocolo MPLS utilizada nas simulações foi o monitoramento de sessões LDP para, em caso de falhas nos enlaces, atuar como mecanismo de recuperação, garantindo que, após uma situação de degradação ou falha na rede, o mecanismo garanta a continuidade da transmissão. No caso do re-roteamento dinâmico, ele calcula e estabelece uma nova rota após surgimento de falhas automaticamente, podendo atuar globalmente, mas com maior tempo gasto devido ao tempo de notificação, mas com a garantia de que a rota criada é a mais curta possível. Com os avanços na área das redes de computadores, houve também a melhoria no desempenho do encaminhamento de pacotes da rede IP sobre as demais tecnologias de nível 2 no núcleo das redes. A utilização do MPLS aloca mais recursos de rede e processamento para a configuração e armazenamento das informações de controle, e necessita da criação e manutenção das tabelas de mapeamento e equivalência de rótulos, mas tem a garantia de prover serviços e ferramentas de gerência de rede. Muitas soluções propostas pelo protocolo MPLS ainda estão em fase de desenvolvimento e pré-implantação. Os principais órgãos normatização de telecomunicações mundiais como o IETF (Internet Engineering Task Force) e o ITU-T (International Telecommunication Union), e grupos mundiais como o MPLS-RC (The MPLS Resource Center) e o ATM-Forum, têm desenvolvido vários estudos visando aprimoramentos das aplicações do protocolo MPLS, como por exemplo a simplificação e melhoria dos meios de transmissão ópticos (SDH) através do uso do protocolo GMPLS (Generalized MPLS MPLS Generalizado), configuração de VPNs (Virtual Private Network Redes Virtuais Privadas), aplicação de técnicas de QoS (Quality of Service Qualidade de Serviço) e de Engenharia de Tráfego (MPLS TE), visando garantir requisitos de qualidade de serviço, confiabilidade, rapidez e desempenho transmissão de dados de novas aplicações que vão surgindo. Referências MARQUES, F. S.; SANTOS, C. B. Alocação Dinâmica em Redes IP sobre MPLS Utilizando o NS (Network Simulator), Pôster -I Jornada da Produção Científica da Educação Profissional e Tecnológica da Região Centro-Oeste. Cáceres MT, Brasil, MARQUES, F. S.; SANTOS, C. B. Alocação Dinâmica Heurística em Redes IP sobre MPLS Utilizando o NS (Network Simulator), Publicação Relatório Final do Programa de Iniciação Científica, Edital nº 001/2006 CEFET-GO (PIBIC CEFET-GO). Maio de 2006 a Fevereiro de MARQUES, F. S.; SANTOS, C. B. Alocação Dinâmica em Redes IP sobre MPLS Utilizando o NS (Network Simulator), Apresentação Oral e Pôster, I Seminário do Programa de Iniciação Científica do CEFET-GO. 29 e 30 de Maio de SANTOS, C. B; FERNANDES, D. C.; MARCHETTI, B. R. B. Re-Roteamento Dinâmico em Redes TCP/IP com MPLS Utilizando NS (Network Simulator). Trabalho de Conclusão de Curso, Coordenação de Telecomunicações. Centro Federal de Educação Tecnológica de Goiás, MARQUES, F. S.; SANTOS, C. B. Alocação Dinâmica em Redes IP sobre MPLS Utilizando o NS (Network Simulator), Pôster -IV Congresso de Pesquisa, Ensino e Extensão -CONPEEX UFG. Goiânia GO, Brasil, DIAS, R. Dias; CAMPONOGARA, E.; FARINES, J. M.; WILLRICH, R.; CAMPESTRINI, A. Otimizacão 14

15 Lagrangeana em Engenharia de Tráfego para Redes IP sobre MPLS. In XXI Simpósio Brasileiro de Redes de Computadores, Natal. Brasil, FARREL, A. A Internet e seus protocolos Uma análise Comparativa. Rio de Janeiro, Rio de Janeiro: Editora Campus, GRECO, L. G. Estudo Comparativo de Mecanismos de Tolerância a Falhas para Redes MPLS. Dissertação de Mestrado Universidade Federal de Brasília. Departamento de Engenharia Elétrica. Brasília, KAMIENSKI C. A.; SADOK, D. Engenharia de Tráfego em uma Rede de Serviços Diferenciados. In XVIII Simpósio Brasileiro de Redes de Computadores, Brasil, KUROSE, J. F.; ROSS, Keith W. Computer Networking, A Top-Down Approach Featuring the Internet. Ed. Pearson Addison Wesley,3th, MESQUITA, M. G. Tutorial de MPLS. Disponível em: Acessado em: set OSBORNE, E.; SIMHA, A., Engenharia de Tráfego com MPLS. 1ª. Edição. Rio de Janeiro: Campus, RESENDE, R. A. Roteamento de Tráfego Adaptativo Baseado em Caminho Mínimo em Redes MPLS. Dissertação de Mestrado. Universidade Estadual de Campinas. Faculdade de Engenharia Elétrica e da Computação, ROSEN, E. et al., RFC Multiprotocol Label Switching Architecture, Disponível em: Acessado em: mai SADOK D.; KAMIENSKI, C. A. Qualidade de Serviço na Internet, Minicurso, In XVIIl SBRC (Simpósio Brasileiro de Redes de Computadores), Belo Horizonte. Brasil, SAZIMA, R., PLEX MPLS Análise, projeto e implementação de uma Plataforma para experimentos com MPLS com Suporte a QoS. Dissertação de Mestrado. Universidade Estadual de Campinas. Faculdade de Engenharia Elétrica e da Computação, SHARMA, V. et al, RFC Framework for Multi-Protocol Label Switching (MPLS)based Recovery, Disponível em: Acessado em: jan TANENBAUM, A. S. Redes de Computadores. Rio de Janeiro, Rio de Janeiro: Editora Campus. 4ª. Edição, The Network Simulator. Disponível em: Acessado em: mai 2ste. Cáceres MT, Brasil,

16 MPLS: Teste seu Entendimento 1. Quais foi o conceito inovador adotado no protocolo MPLS, para as redes TCP/IP? Foi o conceito de rótulo (LABEL) de tamanho fixo, que rompe com o conceito de tabela de roteamento e aumenta o desempenho de encaminhamento de pacotes na rede. Foi o conceito de tabela de roteamento, que rompe com o conceito de rótulo (LABEL) de tamanho fixo e aumenta o desempenho de encaminhamento de pacotes na rede. Foi o conceito de otimização de caminhos, que rompe com o conceito de tabela de roteamento e aumenta o desempenho de encaminhamento de pacotes na rede. Foi o conceito de rótulo (LABEL) de tamanho fixo, que rompe com o conceito de tabela de roteamento e aumenta o desempenho de compactação de pacotes na rede. 2. No contexto deste tutorial, qual é o conceito de tolerância a falhas aplicado a uma rede TCP/IP? Tolerância a falhas é a capacidade que a rede tem de reportar a ocorrência de falhas, mantendo o máximo de suas características originais preservadas. Tolerância a falhas é a que os equipamento da rede têm de continuar em funcionamento após a ocorrência de falhas. Tolerância a falhas (ou resiliency) é a capacidade que a rede tem de continuar em funcionamento após a ocorrência de falhas, cursando o mesmo tráfego com o máximo de suas características originais preservadas. Nenhuma das alternativas anteriores. 3. Quais são as duas propostas de mecanismos de recuperação para redes MPLS? Re-roteamento Dinâmico (Dynamic Re-routing) e o Chaveamento de caminho (Path Switching). Re-roteamento Dinâmico (Dynamic Re-routing) e o Chaveamento de Proteção (Protection Switching). Re-roteamento Estático (Hard Re-routing) e o Chaveamento de Proteção (Protection Switching). Re-roteamento Estático (Hard Re-routing) e o Chaveamento de Proteção (Protection Switching). 16

MPLS MultiProtocol Label Switching

MPLS MultiProtocol Label Switching MPLS MultiProtocol Label Switching Cenário Atual As novas aplicações que necessitam de recurso da rede são cada vez mais comuns Transmissão de TV na Internet Videoconferências Jogos on-line A popularização

Leia mais

PROJETO DE REDES www.projetoderedes.com.br

PROJETO DE REDES www.projetoderedes.com.br PROJETO DE REDES www.projetoderedes.com.br CENTRO UNIVERSITÁRIO DE VOLTA REDONDA UniFOA Curso Tecnológico de Redes de Computadores Disciplina: Redes Convergentes II Professor: José Maurício S. Pinheiro

Leia mais

Este tutorial apresenta os conceitos básicos do Multi Protocol Label Switching (MPLS) utilizado em redes IP.

Este tutorial apresenta os conceitos básicos do Multi Protocol Label Switching (MPLS) utilizado em redes IP. MPLS Este tutorial apresenta os conceitos básicos do Multi Protocol Label Switching (MPLS) utilizado em redes IP. Eduardo Tude Engenheiro de Teleco (IME 78) e Mestre em Teleco (INPE 81) tendo atuado nas

Leia mais

Redes WAN MPLS. Redes de Longa Distância Prof. Walter Cunha

Redes WAN MPLS. Redes de Longa Distância Prof. Walter Cunha Redes WAN MPLS Redes de Longa Distância Prof. Walter Cunha Vantagens do Multiprotocol Label Switching (MPLS) em relação às redes IP puras: Possibilitar a utilização de switches no roteamento Principalmente

Leia mais

MPLS. Redes de Longa Distância Prof. Walter Cunha

MPLS. Redes de Longa Distância Prof. Walter Cunha Redes de Longa Distância Prof. Walter Cunha Vantagens do Multiprotocol Label Switching (MPLS) em relação às redes IP puras: Possibilitar a utilização de switches no roteamento principalmente em backbones

Leia mais

REDES MPLS. Roteiro. Protocolos anteriores ao MPLS. Demanda crescente por largura de banda.

REDES MPLS. Roteiro. Protocolos anteriores ao MPLS. Demanda crescente por largura de banda. REDES MPLS PARTE 1 PROFESSOR: MARCOS A. A. GONDIM Roteiro Protocolos anteriores ao MPLS. Motivações para o uso de Redes MPLS. O Cabeçalho MPLS. Label Switch Router (LSR). Switched Path (LSP). Forwarding

Leia mais

Faculdade Integrada do Ceará FIC Graduação em Redes de Computadores

Faculdade Integrada do Ceará FIC Graduação em Redes de Computadores Faculdade Integrada do Ceará FIC Graduação em Redes de Computadores Disciplina Redes de Banda Larga Prof. Andrey Halysson Lima Barbosa Aula 5 Multiprotocol Label Switching (MPLS) Sumário Definição; Histórico;

Leia mais

MPLS Multi-Protocol Label Switching

MPLS Multi-Protocol Label Switching MPLS Multi-Protocol Label Switching Adilson Eduardo Guelfi Volnys Borges Bernal Luis Gustavo G. Kiatake Agenda Introdução Arquitetura de Rede Conceitos MPLS Conclusões Introdução MPLS is the enabling technology

Leia mais

MPLS MultiProtocol Label Switching. Trabalho de Redes de Computadores I Autor: Fabricio Couto Inácio Período: 01/2002

MPLS MultiProtocol Label Switching. Trabalho de Redes de Computadores I Autor: Fabricio Couto Inácio Período: 01/2002 MPLS MultiProtocol Label Switching Trabalho de Redes de Computadores I Autor: Fabricio Couto Inácio Período: 0/2002 Por que MPLS? Fatores Motivadores O crescimento rápido da Internet e a difusão de redes

Leia mais

PROTOCOLO MPLS. Alexandre Urtado de Assis aua@cbpf.br. Tatiana Lopes Ferraz ferraz@cbpf.br. Marcelo Portes Alburqueque marcelo@cbpf.

PROTOCOLO MPLS. Alexandre Urtado de Assis aua@cbpf.br. Tatiana Lopes Ferraz ferraz@cbpf.br. Marcelo Portes Alburqueque marcelo@cbpf. PROTOCOLO MPLS Alexandre Urtado de Assis aua@cbpf.br Tatiana Lopes Ferraz ferraz@cbpf.br Marcelo Portes Alburqueque marcelo@cbpf.br Márcio Portes Albuquerque mpa@cbpf.br Nilton Alves Jr. naj@cbpf.br RESUMO

Leia mais

Configuração de Roteadores e Switches CISCO

Configuração de Roteadores e Switches CISCO Configuração de Roteadores e Switches CISCO Introdução ao CISCO IOS Protocolo MPLS Módulo - VI Professor do Curso de CISCO Prof. Robson Vaamonde, consultor de Infraestrutura de Redes de Computadores há

Leia mais

MPLS. Multi Protocol Label Switching

MPLS. Multi Protocol Label Switching MPLS Multi Protocol Label Switching Nome: Edson X. Veloso Júnior Engenheiro em Eletrônica Provedor de Internet desde 2002 Integrante da equipe de instrutores da MikrotikBrasil desde 2007 Certificado Mikrotik:

Leia mais

UNIDADE II. Fonte: SGC Estácio e João Bosco M. Sobral

UNIDADE II. Fonte: SGC Estácio e João Bosco M. Sobral UNIDADE II Aula 6 LPCD, Redes IP/MPLS, VPN e Frame Relay Fonte: SGC Estácio e João Bosco M. Sobral MPLS significa Multi Protocol Label Switching. OMPLSé um mecanismo eficiente i de encapsulamento em hardware

Leia mais

Estudo Experimental da Tecnologia MPLS: Avaliação de Desempenho, Qualidade de Serviço e Engenharia de Tráfego

Estudo Experimental da Tecnologia MPLS: Avaliação de Desempenho, Qualidade de Serviço e Engenharia de Tráfego Estudo Experimental da Tecnologia MPLS: Avaliação de Desempenho, Qualidade de Serviço e Engenharia de Tráfego Roberto Willrich (INE-UFSC) Roberto A. Dias (CEFET-SC), Fernando Barreto, Renato D. V. de Oliveira,

Leia mais

Prof. Manuel A Rendón M

Prof. Manuel A Rendón M Prof. Manuel A Rendón M Tanenbaum Redes de Computadores Cap. 1 e 2 5ª. Edição Pearson Padronização de sistemas abertos à comunicação Modelo de Referência para Interconexão de Sistemas Abertos RM OSI Uma

Leia mais

Uma Proposta de Implementação de um Módulo de Reroteamento Dinâmico de Túneis LSPs para a Ferramenta de Simulação GLASS

Uma Proposta de Implementação de um Módulo de Reroteamento Dinâmico de Túneis LSPs para a Ferramenta de Simulação GLASS Uma Proposta de Implementação de um Módulo de Reroteamento Dinâmico de Túneis LSPs para a Ferramenta de Simulação GLASS Klenilmar L. Dias 1,2, Klissiomara L. Dias 2, Antônio J. G. Abelém 1, Kelvin L. Dias

Leia mais

A Camada de Rede. A Camada de Rede

A Camada de Rede. A Camada de Rede Revisão Parte 5 2011 Modelo de Referência TCP/IP Camada de Aplicação Camada de Transporte Camada de Rede Camada de Enlace de Dados Camada de Física Funções Principais 1. Prestar serviços à Camada de Transporte.

Leia mais

Walter Cunha Tecnologia da Informação Redes WAN

Walter Cunha Tecnologia da Informação Redes WAN Walter Cunha Tecnologia da Informação Redes WAN Frame-Relay 1. (FCC/Pref. Santos 2005) O frame-relay é uma tecnologia de transmissão de dados que (A) opera no nível 3 do modelo OSI. (B) tem velocidade

Leia mais

Assumiu em 2002 um novo desafio profissional como empreendedor e Presidente do Teleco.

Assumiu em 2002 um novo desafio profissional como empreendedor e Presidente do Teleco. O que é IP O objetivo deste tutorial é fazer com que você conheça os conceitos básicos sobre IP, sendo abordados tópicos como endereço IP, rede IP, roteador e TCP/IP. Eduardo Tude Engenheiro de Teleco

Leia mais

Arquiteturas de Rede. Prof. Leonardo Barreto Campos

Arquiteturas de Rede. Prof. Leonardo Barreto Campos Arquiteturas de Rede 1 Sumário Introdução; Modelo de Referência OSI; Modelo de Referência TCP/IP; Bibliografia. 2/30 Introdução Já percebemos que as Redes de Computadores são bastante complexas. Elas possuem

Leia mais

Serviços Diferenciados Baseado na Tecnologia MPLS em Redes Heterogêneas

Serviços Diferenciados Baseado na Tecnologia MPLS em Redes Heterogêneas Serviços Diferenciados Baseado na Tecnologia MPLS em Redes Heterogêneas Roberto Alexandre Dias Gerência de Tecnologia de Informações - Centro Federal de Educação Tecnológica de Santa Catarina Av. Mauro

Leia mais

Engenharia de Tráfego em Redes IP sobre Tecnologia MPLS: Otimização Baseada em Heurísticas.

Engenharia de Tráfego em Redes IP sobre Tecnologia MPLS: Otimização Baseada em Heurísticas. Engenharia de Tráfego em Redes IP sobre Tecnologia MPLS: Otimização Baseada em Heurísticas. Tese submetida à Universidade Federal de Sanat Catarina como parte dos requisitos para a obtenção do grau de

Leia mais

Aula-19 NAT, IP Móvel e MPLS. Prof. Dr. S. Motoyama

Aula-19 NAT, IP Móvel e MPLS. Prof. Dr. S. Motoyama Aula-19 NAT, IP Móvel e MPLS Prof. Dr. S. Motoyama 1 NAT Network address translation Resto da Internet 138.76.29.7 10.0.0.4 Rede local (ex.: rede doméstica) 10.0.0/24 10.0.0.1 10.0.0.2 10.0.0.3 Todos os

Leia mais

Qualidade de serviço. Determina o grau de satisfação do usuário em relação a um serviço específico Capacidade da rede de atender a requisitos de

Qualidade de serviço. Determina o grau de satisfação do usuário em relação a um serviço específico Capacidade da rede de atender a requisitos de Qualidade de serviço Determina o grau de satisfação do usuário em relação a um serviço específico Capacidade da rede de atender a requisitos de Vazão Atraso Variação do atraso Erros Outros Qualidade de

Leia mais

Modelagem e Análise de Desempenho de Uma Rede Baseada em Tecnologia MPLS

Modelagem e Análise de Desempenho de Uma Rede Baseada em Tecnologia MPLS Modelagem e Análise de Desempenho de Uma Rede Baseada em Tecnologia MPLS Aujor Tadeu Cavalca Andrade Tadeu@lrg.ufsc.br Carlos Becker Westphall Westphall@lrg.ufsc.br Laboratório de Redes e Gerência LRG

Leia mais

Assumiu em 2002 um novo desafio profissional como empreendedor e Presidente do Teleco.

Assumiu em 2002 um novo desafio profissional como empreendedor e Presidente do Teleco. VPN: Redes Privadas Virtuais O objetivo deste tutorial é apresentar os tipos básicos de Redes Privadas Virtuais (VPN's) esclarecendo os significados variados que tem sido atribuído a este termo. Eduardo

Leia mais

A rede Multiserviços da AcessoLINE Introdução ao MPLS

A rede Multiserviços da AcessoLINE Introdução ao MPLS 2015 1 A rede Multiserviços da AcessoLINE Introdução ao MPLS Marcelo Balbinot marcelo@alt.net.br Acessoline Telecom Agenda 2 Apresentação. A Empresa. Evolução do backbone. A tecnologia MPLS. Os serviços

Leia mais

Capítulo 10 - Conceitos Básicos de Roteamento e de Sub-redes. Associação dos Instrutores NetAcademy - Julho de 2007 - Página

Capítulo 10 - Conceitos Básicos de Roteamento e de Sub-redes. Associação dos Instrutores NetAcademy - Julho de 2007 - Página Capítulo 10 - Conceitos Básicos de Roteamento e de Sub-redes 1 Protocolos Roteáveis e Roteados Protocolo roteado: permite que o roteador encaminhe dados entre nós de diferentes redes. Endereço de rede:

Leia mais

Curso: Sistemas de Informação Disciplina: Redes de Computadores Prof. Sergio Estrela Martins

Curso: Sistemas de Informação Disciplina: Redes de Computadores Prof. Sergio Estrela Martins Curso: Sistemas de Informação Disciplina: Redes de Computadores Prof. Sergio Estrela Martins Material de apoio 2 Esclarecimentos Esse material é de apoio para as aulas da disciplina e não substitui a leitura

Leia mais

Rede de Computadores II

Rede de Computadores II Slide 1 Técnicas para se alcançar boa qualidade de serviço Reserva de recursos A capacidade de regular a forma do tráfego oferecido é um bom início para garantir a qualidade de serviço. Mas Dispersar os

Leia mais

Introdução ao MPLS. Tiago Carrijo Setti Algar Telecom

Introdução ao MPLS. Tiago Carrijo Setti Algar Telecom Introdução ao MPLS Tiago Carrijo Setti Algar Telecom Algar Telecom 60 anos de atuação Mais de 1,5 mil associados Mais de 1 milhão de clientes Companhia de capital aberto* Backbone 13 mil km de rede óptica

Leia mais

Redes de Computadores

Redes de Computadores Departamento de Informática UFPE Redes de Computadores Nível de Redes - Exemplos jamel@cin.ufpe.br Nível de Rede na Internet - Datagramas IP Não orientado a conexão, roteamento melhor esforço Não confiável,

Leia mais

Roteamento IP & MPLS. Prof. Marcos Argachoy

Roteamento IP & MPLS. Prof. Marcos Argachoy REDES DE LONGA DISTANCIA Roteamento IP & MPLS Prof. Marcos Argachoy Perfil desse tema O Roteador Roteamento IP Protocolos de Roteamento MPLS Roteador Roteamento IP & MPLS Hardware (ou software) destinado

Leia mais

MultiProtocol Label Switching - MPLS

MultiProtocol Label Switching - MPLS MultiProtocol Label Switching - MPLS Prof. S. Motoyama Rede IP Tradicional ROT - roteador ROT ROT ROT ROT ROT ROT ROT ROT ROT uvem IP ROT ROT 2 Encaminhamento de pacote na rede tradicional Prefixo Enderereço

Leia mais

REDES DE COMPUTADORES. Camada de Rede. Prof.: Agostinho S. Riofrio

REDES DE COMPUTADORES. Camada de Rede. Prof.: Agostinho S. Riofrio REDES DE COMPUTADORES Camada de Rede Prof.: Agostinho S. Riofrio Agenda 1. Introdução 2. Funções 3. Serviços oferecidos às Camadas superiores 4. Redes de Datagramas 5. Redes de Circuitos Virtuais 6. Comparação

Leia mais

AGENTE PROFISSIONAL - ANALISTA DE REDES

AGENTE PROFISSIONAL - ANALISTA DE REDES Página 1 CONHECIMENTO ESPECÍFICO 01. Suponha um usuário acessando a Internet por meio de um enlace de 256K bps. O tempo mínimo necessário para transferir um arquivo de 1M byte é da ordem de A) 4 segundos.

Leia mais

Modelo de referência OSI. Modelo TCP/IP e Internet de cinco camadas

Modelo de referência OSI. Modelo TCP/IP e Internet de cinco camadas Modelo de referência OSI. Modelo TCP/IP e Internet de cinco camadas Conhecer os modelo OSI, e TCP/IP de cinco camadas. É importante ter um padrão para a interoperabilidade entre os sistemas para não ficarmos

Leia mais

REDES DE COMPUTADORES II. Ricardo José Cabeça de Souza www.ricardojcsouza.com.br

REDES DE COMPUTADORES II. Ricardo José Cabeça de Souza www.ricardojcsouza.com.br REDES DE COMPUTADORES II Ricardo José Cabeça de Souza www.ricardojcsouza.com.br Surgiu final década de 1980 Tecnologia de comutação em infraestrutura redes RDSI-FL(B-ISDN) Recomendação I.121 da ITU-T(1988)

Leia mais

Interconexão de redes locais. Repetidores. Pontes (Bridges) Hubs. Pontes (Bridges) Pontes (Bridges) Existência de diferentes padrões de rede

Interconexão de redes locais. Repetidores. Pontes (Bridges) Hubs. Pontes (Bridges) Pontes (Bridges) Existência de diferentes padrões de rede Interconexão de redes locais Existência de diferentes padrões de rede necessidade de conectá-los Interconexão pode ocorrer em diferentes âmbitos LAN-LAN LAN: gerente de um determinado setor de uma empresa

Leia mais

Apostila 05. MPLS - Definição. MPLS - Definição. MPLS - RFCs

Apostila 05. MPLS - Definição. MPLS - Definição. MPLS - RFCs Apostila 05 Multiprotocol t l Label Switching (MPLS) MPLS - Definição O MPLS ou Multiprotocol Label Switching É uma arquitetura t de rede, que tem como principal i característica a utilização de labels

Leia mais

Email: henriquel.rj@gmail.com 1

Email: henriquel.rj@gmail.com 1 Redes ASON: A Evolução das Redes Óticas Este tutorial apresenta uma breve introdução da arquitetura das Redes ASON (Automatic Switched Optical Network) fazendo uma comparação com o protocolo GMPLS (Generalized

Leia mais

IV. Em uma rede Frame Relay o roteamento dos quadros é de responsabilidade do protocolo IP da família de protocolos TCP/IP.

IV. Em uma rede Frame Relay o roteamento dos quadros é de responsabilidade do protocolo IP da família de protocolos TCP/IP. Exercícios: Redes WAN Prof. Walter Cunha http://www.waltercunha.com/blog http://twitter.com/timasters http://br.groups.yahoo.com/group/timasters/ Frame-Relay 1. (FCC/Pref. Santos 2005) O frame-relay é

Leia mais

1. INTRODUÇÃO AO ATM. O nome ATM vem de ASYNCHRONOUS TRANSFER MODE.

1. INTRODUÇÃO AO ATM. O nome ATM vem de ASYNCHRONOUS TRANSFER MODE. 1. INTRODUÇÃO AO ATM O nome ATM vem de ASYNCHRONOUS TRANSFER MODE. O Protocolo ATM vem se tornando a cada dia que passa o mas importante no meio das Telecomunicações Mundiais. Tudo leva a crer que desempenhará

Leia mais

Uc-Redes Técnico em Informática André Luiz Silva de Moraes

Uc-Redes Técnico em Informática André Luiz Silva de Moraes Roteiro 2: Conceitos Básicos de Redes: parte 1 Neste roteiro são detalhados os equipamentos componentes em uma rede de computadores. Em uma rede existem diversos equipamentos que são responsáveis por fornecer

Leia mais

A EMPRESA. A Future Technology é uma divisão da Do Carmo voltada para o mercado de soluções em tecnologia.

A EMPRESA. A Future Technology é uma divisão da Do Carmo voltada para o mercado de soluções em tecnologia. A EMPRESA A Future Technology é uma divisão da Do Carmo voltada para o mercado de soluções em tecnologia. A experiência da Future Technology nas diversas áreas de TI disponibiliza aos mercados público

Leia mais

Curso: Sistemas de Informação Disciplina: Redes de Computadores Prof. Sergio Estrela Martins

Curso: Sistemas de Informação Disciplina: Redes de Computadores Prof. Sergio Estrela Martins Curso: Sistemas de Informação Disciplina: Redes de Computadores Prof. Sergio Estrela Martins Material de apoio 2 Esclarecimentos Esse material é de apoio para as aulas da disciplina e não substitui a leitura

Leia mais

Há dois tipos de configurações bidirecionais usados na comunicação em uma rede Ethernet:

Há dois tipos de configurações bidirecionais usados na comunicação em uma rede Ethernet: Comunicação em uma rede Ethernet A comunicação em uma rede local comutada ocorre de três formas: unicast, broadcast e multicast: -Unicast: Comunicação na qual um quadro é enviado de um host e endereçado

Leia mais

Prof. Luís Rodolfo. Unidade III REDES DE COMPUTADORES E TELECOMUNICAÇÃO

Prof. Luís Rodolfo. Unidade III REDES DE COMPUTADORES E TELECOMUNICAÇÃO Prof. Luís Rodolfo Unidade III REDES DE COMPUTADORES E TELECOMUNICAÇÃO Redes de computadores e telecomunicação Objetivos da Unidade III Apresentar as camadas de Transporte (Nível 4) e Rede (Nível 3) do

Leia mais

Redes de Computadores I ENLACE: PPP ATM

Redes de Computadores I ENLACE: PPP ATM Redes de Computadores I ENLACE: PPP ATM Enlace Ponto-a-Ponto Um emissor, um receptor, um enlace: Sem controle de acesso ao meio; Sem necessidade de uso de endereços MAC; X.25, dialup link, ISDN. Protocolos

Leia mais

QoS em Redes IP: Arquitetura e Aplicações

QoS em Redes IP: Arquitetura e Aplicações QoS em Redes IP: Arquitetura e Aplicações Mário Meireles Teixeira mario@deinf.ufma.br Motivação Atualmente, funcionam sobre as redes IP aplicações cujos requisitos elas não foram projetadas para atender

Leia mais

Arquitetura e Protocolos de Rede TCP/IP. Modelo Arquitetural

Arquitetura e Protocolos de Rede TCP/IP. Modelo Arquitetural Arquitetura e Protocolos de Rede TCP/IP Modelo Arquitetural Motivação Realidade Atual Ampla adoção das diversas tecnologias de redes de computadores Evolução das tecnologias de comunicação Redução dos

Leia mais

Tecnologias da Rede Multiserviços da Copel Telecom. Joelson Tadeu Vendramin

Tecnologias da Rede Multiserviços da Copel Telecom. Joelson Tadeu Vendramin Tecnologias da Rede Multiserviços da Copel Telecom Joelson Tadeu Vendramin Agenda Evolução da rede óptica da Copel Backbone: (Synchronous Digital Hierarchy) e DWDM (Dense Wavelength Division Multiplexing)

Leia mais

TRABALHO DE TELEFONIA IP

TRABALHO DE TELEFONIA IP 1 Faculdade Lourenço Filho Curso de Redes de Computadores TRABALHO DE TELEFONIA IP QoS - Serviços Diferenciados Equipe: Afonso Sousa Jhonatan Cavalcante Israel Bezerra Wendel Marinho Professor: Fabio Fortaleza/2014.1

Leia mais

Multiprotocol Label Switching. Protocolos em Redes de Dados- Aula 08 -MPLS p.4. Motivação: desempenho. Enquadramento histórico

Multiprotocol Label Switching. Protocolos em Redes de Dados- Aula 08 -MPLS p.4. Motivação: desempenho. Enquadramento histórico Multiprotocol Label Switching Protocolos em Redes de Dados - Aula 08 - MPLS Luís Rodrigues ler@di.fc.ul.pt DI/FCUL Objectivo: Conciliar as tecnologias baseadas em comutação (switching) com o encaminhamento

Leia mais

Instituto Federal de Santa Catarina. Redes de Computadores RES 12502

Instituto Federal de Santa Catarina. Redes de Computadores RES 12502 Instituto Federal de Santa Catarina Redes de Computadores RES 12502 2014 2 O material para essas apresentações foi retirado das apresentações disponibilizadas pela Editora Pearson para o livro Redes de

Leia mais

Uc-Redes Técnico em Informática André Luiz Silva de Moraes

Uc-Redes Técnico em Informática André Luiz Silva de Moraes Roteiro 2: Conceitos Básicos de Redes: parte 1 Neste roteiro são detalhados os equipamentos componentes em uma rede de computadores. Em uma rede existem diversos equipamentos que são responsáveis por fornecer

Leia mais

Arquitetura e Protocolos de Rede TCP/IP. Modelo Arquitetural

Arquitetura e Protocolos de Rede TCP/IP. Modelo Arquitetural Arquitetura e Protocolos de Rede TCP/IP Modelo Arquitetural Agenda Motivação Objetivos Histórico Família de protocolos TCP/IP Modelo de Interconexão Arquitetura em camadas Arquitetura TCP/IP Encapsulamento

Leia mais

CONCEITOS BÁSICOS DE REDES 2 [COMUTAÇÕES / TAXONOMIA]

CONCEITOS BÁSICOS DE REDES 2 [COMUTAÇÕES / TAXONOMIA] CONCEITOS BÁSICOS DE REDES 2 [COMUTAÇÕES / TAXONOMIA] UC: Redes Docente: Prof. André Moraes Curso técnico em Informática Instituto Federal de Santa Catarina Créditos I Instituto Federal de Santa Catarina

Leia mais

Roteamento e Comutação

Roteamento e Comutação Roteamento e Comutação Uma estação é considerada parte de uma LAN se pertencer fisicamente a ela. O critério de participação é geográfico. Quando precisamos de uma conexão virtual entre duas estações que

Leia mais

A camada de rede. A camada de rede. A camada de rede. 4.1 Introdução. 4.2 O que há dentro de um roteador

A camada de rede. A camada de rede. A camada de rede. 4.1 Introdução. 4.2 O que há dentro de um roteador Redes de computadores e a Internet Capitulo Capítulo A camada de rede.1 Introdução.2 O que há dentro de um roteador.3 IP: Protocolo da Internet Endereçamento IPv. Roteamento.5 Roteamento na Internet (Algoritmos

Leia mais

Prof. Samuel Henrique Bucke Brito

Prof. Samuel Henrique Bucke Brito - Switch na Camada 2: Comutação www.labcisco.com.br ::: shbbrito@labcisco.com.br Prof. Samuel Henrique Bucke Brito Introdução A conexão entre duas portas de entrada e saída, bem como a transferência de

Leia mais

Introdução as Redes de Computadores Transparências baseadas no livro Computer Networking: A Top-Down Approach Featuring the Internet James Kurose e Keith Ross Redes de Computadores A. Tanenbaum e Prof.

Leia mais

Camada de Rede. Prof. Leonardo Barreto Campos 1

Camada de Rede. Prof. Leonardo Barreto Campos 1 Camada de Rede Prof. Leonardo Barreto Campos 1 Sumário Introdução; Internet Protocol IP; Fragmentação do Datagrama IP; Endereço IP; Sub-Redes; CIDR Classes Interdomain Routing NAT Network Address Translation

Leia mais

V3PN Voice, Video and Integrated Data IP. Palestra V3PN

V3PN Voice, Video and Integrated Data IP. Palestra V3PN V3PN Voice, Video and Integrated Data IP V3PN Voice, Video and Integrated Data Palestrante André Gustavo Lomônaco Diretor de Tecnologia da IPPLUS Tecnologia Mestre em Engenharia Elétrica Certificado Cisco

Leia mais

Capítulo 9 - Conjunto de Protocolos TCP/IP e Endereçamento. Associação dos Instrutores NetAcademy - Julho de 2007 - Página

Capítulo 9 - Conjunto de Protocolos TCP/IP e Endereçamento. Associação dos Instrutores NetAcademy - Julho de 2007 - Página Capítulo 9 - Conjunto de Protocolos TCP/IP e Endereçamento IP 1 História e Futuro do TCP/IP O modelo de referência TCP/IP foi desenvolvido pelo Departamento de Defesa dos Estados Unidos (DoD). O DoD exigia

Leia mais

Professor(es): Fernando Pirkel. Descrição da(s) atividade(s):

Professor(es): Fernando Pirkel. Descrição da(s) atividade(s): Professor(es): Fernando Pirkel Descrição da(s) atividade(s): Definir as tecnologias de redes necessárias e adequadas para conexão e compartilhamento dos dados que fazem parte da automatização dos procedimentos

Leia mais

Redes de computadores e a Internet. Capitulo 4. Capítulo. A camada de rede

Redes de computadores e a Internet. Capitulo 4. Capítulo. A camada de rede Redes de computadores e a Internet 4 Capitulo 4 Capítulo A camada de rede A camada de rede Objetivos do capítulo: Entender os princípios dos serviços da camada de rede: Roteamento (seleção de caminho)

Leia mais

rr-09-r.01 Introdução UC: Redes de Computadores Docente: Prof. André Moraes

rr-09-r.01 Introdução UC: Redes de Computadores Docente: Prof. André Moraes Introdução UC: Redes de Computadores Docente: Prof. André Moraes Créditos I Créditos II Bibliografia Básica Título Autor Edição Local Editora Ano Redes de computadores TANENBAUM, Andrew S. Rio de Janeiro

Leia mais

Equipamentos de Redes. Placas de Rede, Repetidores, Hubs, Pontes,, Switches, Roteadores, Gateways

Equipamentos de Redes. Placas de Rede, Repetidores, Hubs, Pontes,, Switches, Roteadores, Gateways Equipamentos de Redes Placas de Rede, Repetidores, Hubs, Pontes,, Switches, Roteadores, Gateways Placas de Rede Placas de Rede Preparação dos quadros para que possam ser enviados pelos cabos. A placa de

Leia mais

Avaliação de Desempenho da Engenharia de Tráfego com MPLS Através de Simulações

Avaliação de Desempenho da Engenharia de Tráfego com MPLS Através de Simulações UNIVERSIDADE FEDERAL DE GOIÁS CAMPUS CATALÃO DEPARTAMENTO DE CIÊNCIA DA COMPUTAÇÃO Bacharelado em Ciência da Computação Projeto Final de Curso Avaliação de Desempenho da Engenharia de Tráfego com MPLS

Leia mais

GRUPO XVI GRUPO DE ESTUDO DE SISTEMAS DE INFORMAÇÃO E TELECOMUNICAÇÕES PARA SISTEMAS ELÉTRICOS - GTL

GRUPO XVI GRUPO DE ESTUDO DE SISTEMAS DE INFORMAÇÃO E TELECOMUNICAÇÕES PARA SISTEMAS ELÉTRICOS - GTL SNPTEE SEMINÁRIO NACIONAL DE PRODUÇÃO E TRANSMISSÃO DE ENERGIA ELÉTRICA GTL - 08 16 a 21 Outubro de 2005 Curitiba - Paraná GRUPO XVI GRUPO DE ESTUDO DE SISTEMAS DE INFORMAÇÃO E TELECOMUNICAÇÕES PARA SISTEMAS

Leia mais

Arquitetura do Protocolo da Internet. Aula 05 - Protocolos de Roteamento. Prof. Esp. Camilo Brotas Ribeiro cribeiro@catolica-es.edu.

Arquitetura do Protocolo da Internet. Aula 05 - Protocolos de Roteamento. Prof. Esp. Camilo Brotas Ribeiro cribeiro@catolica-es.edu. Arquitetura do Protocolo da Internet Aula 05 - Protocolos de Roteamento Prof. Esp. Camilo Brotas Ribeiro cribeiro@catolica-es.edu.br Revisão Roteamento; Gateway; Tabelas de Roteamento; Slide 2 de 82 Rotas?!

Leia mais

Redes de Dados. Aula 1. Introdução. Eytan Mediano

Redes de Dados. Aula 1. Introdução. Eytan Mediano Redes de Dados Aula 1 Introdução Eytan Mediano 1 6.263: Redes de Dados Aspectos fundamentais do projeto de redes e análise: Arquitetura Camadas Projeto da Topologia Protocolos Pt - a Pt (Pt= Ponto) Acesso

Leia mais

Camada de Redes Parte II. Fabrício

Camada de Redes Parte II. Fabrício Camada de Redes Parte II Fabrício Algoritmos de controle de congestionamento Quando há pacotes demais presente (em parte) de uma sub-rede, o desempenho diminui. Dentro da capacidade de tranporte Eles serão

Leia mais

Antecedentes. Vantagens potenciais das propostas. Desvantagens das propostas. Baixo atraso em comutação e QoS

Antecedentes. Vantagens potenciais das propostas. Desvantagens das propostas. Baixo atraso em comutação e QoS MPLS Paulo Aguiar Antecedentes Redes NBMA (acesso múltiplo sem difusão): ATM e Frame-Relay Baseiam-se em comutação Usam VPI/VCI (ATM) ou DLCI (Frame Relay) Operação de comutação com atraso duas ordens

Leia mais

REDES VIRTUAIS PRIVADAS

REDES VIRTUAIS PRIVADAS REDES VIRTUAIS PRIVADAS VPN Universidade Católica do Salvador Curso de Bacharelado em Informática Disciplina: Redes de Computadores Professor: Marco Antônio Câmara Aluna: Patricia Abreu Página 1 de 10

Leia mais

Camada de Enlace de Dados - Apêndice. Prof. Leonardo Barreto Campos 1

Camada de Enlace de Dados - Apêndice. Prof. Leonardo Barreto Campos 1 Camada de Enlace de Dados - Apêndice Prof. Leonardo Barreto Campos 1 Sumário Endereço MAC; ARP Address Resolution Protocol; DHCP Dynamic Host Configuration Protocol; Ethernet Estrutura do quadro Ethernet;

Leia mais

Capítulo IV - QoS em redes IP. Prof. José Marcos C. Brito

Capítulo IV - QoS em redes IP. Prof. José Marcos C. Brito Capítulo IV - QoS em redes IP Prof. José Marcos C. Brito Mecanismos básicos Classificação Priorização Policiamento e conformação Gerenciamento de congestionamento Fragmentação Dejjiter buffer Reserva de

Leia mais

1 Introdução. 1.1. Motivação

1 Introdução. 1.1. Motivação 15 1 Introdução Esta dissertação dedica-se ao desenvolvimento de um analisador de erro para Redes Ópticas através da utilização de circuitos integrados programáveis de última geração utilizando taxas que

Leia mais

Redes TCP/IP. Prof. M.Sc. Alexandre Fraga de Araújo. alexandref@ifes.edu.br. INSTITUTO FEDERAL DO ESPÍRITO SANTO Campus Cachoeiro de Itapemirim

Redes TCP/IP. Prof. M.Sc. Alexandre Fraga de Araújo. alexandref@ifes.edu.br. INSTITUTO FEDERAL DO ESPÍRITO SANTO Campus Cachoeiro de Itapemirim Redes TCP/IP alexandref@ifes.edu.br O que é a Internet? Milhões de elementos de computação interligados: hospedeiros = sistemas finais Executando aplicações Enlaces de comunicação: fibra, cobre, rádio,

Leia mais

REDES DE COMPUTADORES II. Ricardo José Cabeça de Souza www.ricardojcsouza.com.br

REDES DE COMPUTADORES II. Ricardo José Cabeça de Souza www.ricardojcsouza.com.br REDES DE COMPUTADORES II Ricardo José Cabeça de Souza www.ricardojcsouza.com.br REDE PÚBLICA x REDE PRIVADA Rede Pública Circuitos compartilhados Rede Privada Circuitos dedicados Interligação entre Dispositivos

Leia mais

Redes de Computadores I Conceitos Básicos

Redes de Computadores I Conceitos Básicos Redes de Computadores I Conceitos Básicos (11 a. Semana de Aula) Prof. Luís Rodrigo lrodrigo@lncc.br http://lrodrigo.lncc.br 2011.02 v1 2011.11.03 (baseado no material de Jim Kurose e outros) Algoritmos

Leia mais

Equipamentos de Rede. Prof. Sérgio Furgeri 1

Equipamentos de Rede. Prof. Sérgio Furgeri 1 Equipamentos de Rede Repetidor (Regenerador do sinal transmitido)* Mais usados nas topologias estrela e barramento Permite aumentar a extensão do cabo Atua na camada física da rede (modelo OSI) Não desempenha

Leia mais

UNIVERSIDADE FEDERAL DE SANTA CATARINA PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO EM CIÊNCIAS DA COMPUTAÇÃO. Renato Cesconetto dos Santos

UNIVERSIDADE FEDERAL DE SANTA CATARINA PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO EM CIÊNCIAS DA COMPUTAÇÃO. Renato Cesconetto dos Santos UNIVERSIDADE FEDERAL DE SANTA CATARINA PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO EM CIÊNCIAS DA COMPUTAÇÃO Renato Cesconetto dos Santos Um estudo do Uso da Tecnologia MPLS em Backbones no Brasil Dissertação submetida

Leia mais

BC-0506: Comunicação e Redes Aula 04: Roteamento

BC-0506: Comunicação e Redes Aula 04: Roteamento BC-0506: Comunicação e Redes Aula 04: Roteamento Santo André, Q011 1 Roteamento Princípios de Roteamento O que é... Sistemas Autônomos Roteamento Interno e Externo Principais Tipos de Algoritmos Distance-Vector

Leia mais

FACULDADE PITÁGORAS. Prof. Ms. Carlos José Giudice dos Santos cpgcarlos@yahoo.com.br www.oficinadapesquisa.com.br

FACULDADE PITÁGORAS. Prof. Ms. Carlos José Giudice dos Santos cpgcarlos@yahoo.com.br www.oficinadapesquisa.com.br FACULDADE PITÁGORAS DISCIPLINA FUNDAMENTOS DE REDES REDES DE COMPUTADORES Prof. Ms. Carlos José Giudice dos Santos cpgcarlos@yahoo.com.br www.oficinadapesquisa.com.br Material elaborado com base nas apresentações

Leia mais

Redes de Computadores

Redes de Computadores 1 Elmano R. Cavalcanti Redes de Computadores Camada de Rede elmano@gmail.com facisa-redes@googlegroups.com http://sites.google.com/site/elmano Esta apresentação contém slides fornecidos pela Editora Pearson

Leia mais

REDES DE COMPUTADORES Prof. Ricardo Rodrigues Barcelar http://www.ricardobarcelar.com.br

REDES DE COMPUTADORES Prof. Ricardo Rodrigues Barcelar http://www.ricardobarcelar.com.br - Aula Complementar - EQUIPAMENTOS DE REDE 1. Repetidor (Regenerador do sinal transmitido) É mais usado nas topologias estrela e barramento. Permite aumentar a extensão do cabo e atua na camada física

Leia mais

Márcio Leandro Moraes Rodrigues. Frame Relay

Márcio Leandro Moraes Rodrigues. Frame Relay Márcio Leandro Moraes Rodrigues Frame Relay Introdução O frame relay é uma tecnologia de chaveamento baseada em pacotes que foi desenvolvida visando exclusivamente a velocidade. Embora não confiável, principalmente

Leia mais

Aula 03 Regras de Segmentação e Switches

Aula 03 Regras de Segmentação e Switches Disciplina: Dispositivos de Rede II Professor: Jéferson Mendonça de Limas 4º Semestre Aula 03 Regras de Segmentação e Switches 2014/1 19/08/14 1 2de 38 Domínio de Colisão Os domínios de colisão são os

Leia mais

MODELOS DE QUALIDADE DE SERVIÇO - APLICAÇÕES EM IP

MODELOS DE QUALIDADE DE SERVIÇO - APLICAÇÕES EM IP MODELOS DE QUALIDADE DE SERVIÇO - APLICAÇÕES EM IP Nilton Alves Júnior naj@cbpf.br Kelly Soyan Pires Dominguez kelly@cbpf.br Resumo Este trabalho tem como função explicitar o conceito de Qualidade de Serviço

Leia mais

Capítulo 5. A camada de rede

Capítulo 5. A camada de rede Capítulo 5 A camada de rede slide slide 1 1 2011 Pearson Prentice Hall. Todos os direitos reservados. Computer Networks, Fifth Edition by Andrew Tanenbaum and David Wetherall, Pearson Education-Prentice

Leia mais

Interligação de Redes

Interligação de Redes REDES II HETEROGENEO E CONVERGENTE Interligação de Redes rffelix70@yahoo.com.br Conceito Redes de ComputadoresII Interligação de Redes Quando estações de origem e destino encontram-se em redes diferentes,

Leia mais

Prof. Samuel Henrique Bucke Brito

Prof. Samuel Henrique Bucke Brito - QoS e Engenharia de Tráfego www.labcisco.com.br ::: shbbrito@labcisco.com.br Prof. Samuel Henrique Bucke Brito Introdução Em oposição ao paradigma best-effort (melhor esforço) da Internet, está crescendo

Leia mais

QoS em roteadores Cisco

QoS em roteadores Cisco QoS em roteadores Cisco Alberto S. Matties 1, André Moraes 2 1 Curso Superior de Tecnologia em Redes de Computadores Rua Gonçalves Chaves 602 96.015-000 Pelotas RS Brasil 2 FACULDADE DE TECNOLOGIA SENAC

Leia mais

Este tutorial apresenta conceitos e recomendações para o planejamento de uma rede multi-serviço.

Este tutorial apresenta conceitos e recomendações para o planejamento de uma rede multi-serviço. O que se deve considerar no planejamento de uma rede multi-serviço? Este tutorial apresenta conceitos e recomendações para o planejamento de uma rede multi-serviço. Jorge Moreira de Souza Doutor em Informática

Leia mais

Interconexão redes locais (LANs)

Interconexão redes locais (LANs) Interconexão redes locais (LANs) Descrever o método de funcionamento dos dispositivos bridge e switch, desenvolver os conceitos básicos de LANs intermediárias, do uso do protocolo STP e VLANs. Com o método

Leia mais

Protocolos em Redes de Dados. Enquadramento histórico. Modo de funcionamento FEC. Antecedentes IP Switching Tag Switching. Exemplo de.

Protocolos em Redes de Dados. Enquadramento histórico. Modo de funcionamento FEC. Antecedentes IP Switching Tag Switching. Exemplo de. Multiprotocol Label Switching Aula 07 FCUL 2005-20056 Objectivo: Conciliar as tecnologias baseadas em comutação (switching) com o encaminhamento IP. Aplicações: Aumentar o desempenho. Engenharia de tráfego.

Leia mais

Aula 08 MPLS 2004-2005 FCUL. Protocolos em Redes de Dados. Luís Rodrigues. Enquadramento. Modo de funcionamento. Antecedentes MPLS.

Aula 08 MPLS 2004-2005 FCUL. Protocolos em Redes de Dados. Luís Rodrigues. Enquadramento. Modo de funcionamento. Antecedentes MPLS. Aula 08 FCUL 2004-2005 Multiprotocol Label Switching Objectivo: Conciliar as tecnologias baseadas em comutação (switching) com o encaminhamento IP. Aplicações: Aumentar o desempenho. Engenharia de tráfego.

Leia mais

P L A N O D E D I S C I P L I N A

P L A N O D E D I S C I P L I N A INSTITUTO FEDERAL DE SANTA CATARINA CAMPUS SÃO JOSÉ SC CURSO TÉCNICO EM TELECOMUNICAÇÕES / REDES DE COMPUTADORES P L A N O D E D I S C I P L I N A DISCIPLINA: Redes de Computadores Carga Horária: 95 HA

Leia mais