DANIEL HENRIQUE JOPPI. Implementação do Protocolo de Roteamento AntHocNet no Network Simulator 2

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "DANIEL HENRIQUE JOPPI. Implementação do Protocolo de Roteamento AntHocNet no Network Simulator 2"

Transcrição

1 DANIEL HENRIQUE JOPPI Implementação do Protocolo de Roteamento AntHocNet no Network Simulator 2 Joinville 2011

2 UNIVERSIDADE DO ESTADO DE SANTA CATARINA BACHARELADO EM CIÊNCIA DA COMPUTAÇÃO DANIEL HENRIQUE JOPPI IMPLEMENTAÇÃO DO PROTOCOLO DE ROTEAMENTO ANTHOCNET NO NETWORK SIMULATOR 2 Trabalho de conclusão de curso submetido à Universidade do Estado de Santa Catarina como parte dos requisitos para a obtenção do grau de Bacharel em Ciência da Computação Orientador: Doutor, Claudio Cesar de Sá Joinville 2011

3 DANIEL HENRIQUE JOPPI IMPLEMENTAÇÃO DO PROTOCOLO DE ROTEAMENTO ANTHOCNET NO NETWORK SIMULATOR 2 Este Trabalho de Conclusão de Curso foi julgado adequado para a obtenção do título de Bacharel em Ciência da Computação e aprovado em sua forma final pelo Curso de Ciência da Computação Integral do CCT/UDESC. Banca Examinadora: Orientador: Doutor, Claudio Cesar de Sá Membro: Doutor, Rafael Rodrigues Obelheiro Membro: Doutor, Cristiano Damiani Vasconcellos Joinville, 23 de novembro de 2011

4 A Deus. À minha mãe. Aos meus familiares e amigos. Àqueles que lutam por um mundo melhor.

5 AGRADECIMENTOS Aos professores do Departamento de Ciência da Computação pelos seus ensinamentos, em especial aos professores Claudio Cesar de Sá, Rafael Rodrigues Obelheiro e Roberto Silvio Ubertino Rosso Junior, pelos muitos puxões de orelha, pois sem eles não teria concretizado o trabalho. Aos meus pais, Nelson Luiz Joppi e Lucia Anita Zancanella Joppi, pelo grande incentivo na realização deste trabalho. Ao Bahia (Danilo Gonçalves da Cruz), Bolha (Fernando de Souza Rebelo), Cabelo (Cristian Rossi), Carioca (Fábio Merciris Dutra Thuller), Cavalo (Alessandro Hoss), Cicero (Cicero Gazola), Geladeira (Pedro Roman), Germano (Estevan Eduardo Diedrich), Joelho (Reinaldo Besen), Jogador (Rafael Ledoux Rosa), Julhote (Júlio César Zambonin), Lesko (Silvio Antônio Teston), Pepê (Pedro Lyra de Toledo e Gazel), Piraberaba (Fábio Haertel Kochhann), Sabugo (Fernando Garcia), Tchê (Éverton Da Silva Amorim), Velhão (Marcelo Preis Ferreira), Xunda (Tacio Basso) e demais Rangos Compatriotas pela confiança depositada nessa grande caminhada de realizações e conquistas.

6 Se nós soubéssemos o que estavamos fazendo, isto não seria chamado de pesquisa, seria? - Albert Einstein O único modo de evitar os erros é adquirindo experiência. Contudo, a única maneira de adquirir experiência é cometendo erros. (Autor Desconhecido)

7 RESUMO Neste trabalho será apresentada a implementação do protocolo de roteamento AntHocNet para redes móveis ad hoc (MANET - Mobile Ad hoc NETwork) no simulador de rede Network Simulator 2 (NS-2), pois atualmente não existe uma implementação válida para este protocolo, neste simulador. Com isso, o trabalho reforça o uso da Inteligência de Enxames (SI - Swarm Inteligence) em roteamento de redes. O projeto foi validado ao comparar os resultados obtidos entre o AntHocNet e AODV no NS-2, utilizando as mesmas métricas e cenários aplicados por Di Caro (Di Caro, Ducatelle e Gamberdella 2005), ao usar simulador QualNet. PALAVRAS-CHAVE: AntHocNet, AODV, Inteligência de Enxames, Rede Móvel Ad Hoc, NS-2, Simulação

8 ABSTRACT This work will present the implementation of the routing protocol AntHocNet for Mobile Ad Hoc Networks (MANET) in the network simulator Network Simulator 2 (NS-2), because currently there isn t a valid implementation for this protocol, this simulator. With that, the work reinforces the use of Swarm Intelligence (SI) in routing networks. The project was validated by comparing the results between the AntHocNet and AODV in NS-2, using the same metrics and scenarios applied by Di Caro (Di Caro, Ducatelle and Gamberdella 2005), using QualNet simulator. KEYWORDS: AntHocNet, AODV, MANET, Mobile Ad Hoc Networks, NS-2, Simulation, Swarm Intelligence

9 LISTA DE FIGURAS 2.1 Mobilidade dos nós na MANET Descoberta de rota do AODV na MANET, onde o nó N6 deseja iniciar uma comunicação com o nó N Trilha de Feromônio entre a Colônia e a Fonte de Alimento Trilhas de feromônio entre o nó origem N1 e o nó destino N Gráfico comparativo entre AntHocNet e o AODV, no Cenário 1, verificando a média de delay, proporção de pacotes entregues e a taxa de overhead causado a rede (Di Caro, Ducatelle e Gamberdella 2005) Gráfico comparativo entre AntHocNet e o AODV, no Cenário 2, verificando a média de delay, proporção de pacotes entregues e a taxa de overhead causado a rede(di Caro, Ducatelle e Gamberdella 2005) Gráfico comparativo entre AntHocNet e o AODV, no Cenário 3, verificando a média de delay, proporção de pacotes entregues e a taxa de overhead causado a rede (Di Caro, Ducatelle e Gamberdella 2005) Configuração da Máquina Virtual Interfaces implementadas pelo AntHocNet para interagir com o NS Diagrama da hierarquia das classes de formigas Classe PheromoneTable gerencia as tabelas de feromônio Diagrama de classe de PheromoneTable Trilhas de feromônio gerenciadas pelo formigueiro Algorítimo de atualização de feromônio Diagrama de classe de AntNest

10 4.9 Diagrama de classe de AntHocNet Algorítimo de recebimento de pacotes Movimento dos nós n, representados por vetores n Emissão de formiga proativa por broadcast nos 2 primeiros saltos Gráfico comparativo entre AntHocNet e AODV no Cenário 1, sobre o Atraso Médio Fim-a-Fim Gráfico comparativo entre AntHocNet e AODV no Cenário 1, sobre a Taxa de Pacotes Entregues Gráfico comparativo entre AntHocNet e AODV no Cenário 1, sobre o Overhead de Roteamento Gráfico comparativo entre AntHocNet e AODV no Cenário 2, sobre o Atraso Médio Fim-a-Fim Gráfico comparativo entre AntHocNet e AODV no Cenário 2, sobre a Taxa de Pacotes Entregues Gráfico comparativo entre AntHocNet e AODV no Cenário 2, sobre o Overhead de Roteamento Gráfico comparativo entre AntHocNet e AODV no Cenário 3, sobre o Atraso Médio Fim-a-Fim Gráfico comparativo entre AntHocNet e AODV no Cenário 3, sobre a Taxa de Pacotes Entregues Gráfico comparativo entre AntHocNet e AODV no Cenário 3, sobre o Overhead de Roteamento

11 LISTA DE TABELAS 2.1 Tabela comparativa entre as classificações dos protocolos de roteamentos para MANET (Przybysz e Júnior 2005) Tabela de roteamento do nó N6, antes do deslocamento do nó N Tabela de roteamento do nó N6, após o recebimento da RERR Nova tabela de roteamento do nó N6, após o deslocamento do nó N Nova tabela de roteamento do nó N Tabela com as estruturas de dados do AntHocNet Tabela com as constantes globais disponibilizadas pela classe AntHocNetUtils Tabela metadados da classe AntBasicPacket Tabela metadados da classe AntBackPacket Tabela metadados da classe AntRepairPacket Tabela das estruturas de armazenagem da classe PheromoneTable Tabela das estruturas de dados da classe AntNest Tabela de formigas que são enviadas periodicamente

12 LISTA DE ABREVIATURAS ACO Ant Colony Optimization ANSI Ad Hoc Networking with Swarm Intelligence AODV Ad-hoc On demand Distance Vector ARA Ant-Colony Based Routing Algorithm CBR Constant Bit Rate DSDV Destination Sequenced Distance Vector DSR Dynamic Source Routing IETF Internet Engineering Task Force MANET Mobile Ad-hoc NETwork NS-2 Network Simulator 2 PRBA PRoactive Backward Ant PRFA PRoactive Forward Ants PSO Particle Swarm Optimization REBA REactive Backward Ant REFA REactive Forward Ant RERR Route ERRor RRBA Route Repair Backward Ant RREP Route REPly RREQ Route REQuest RRFA Route Repair Forward Ant RWP Random Waypoint SI Swarm Intelligence TSP Traveling Salesman Problem VM Virtual Machine ZRP Zone Routing Protocol

13 x SUMÁRIO 1 INTRODUÇÃO CONTRIBUIÇÃO DO TRABALHO OBJETIVO GERAL Objetivos Específicos ORGANIZAÇÃO DO TRABALHO Capítulo 1: Introdução Capítulo 2: Roteamento em Rede Ad Hoc Capítulo 3: Inteligência de Enxames Capítulo 4: Implementação da Proposta Capítulo 5: Modelagem dos Cenários Capítulo 6: Simulação do AntHocNet Capítulo 7: Conclusão ROTEAMENTO EM REDE AD HOC PROTOCOLOS Classificação Pró-ativo Reativo Híbrido AODV - Ad-hoc On demand Distance Vector CONSIDERAÇÕES DO CAPÍTULO INTELIGÊNCIA DE ENXAMES PRINCÍPIO BIOLÓGICO

14 3.2 HEURÍSTICA DE COLÔNIA DE FORMIGAS ACO APLICADO A ROTEAMENTO AntHocNet Componente Reativa Componente Pró-ativo Quebras de Conexão Comparativo entre AntHocNet e AODV CONSIDERAÇÕES DO CAPÍTULO IMPLEMENTAÇÃO DA PROPOSTA AMBIENTE DE DESENVOLVIMENTO NETWORK SIMULATOR IMPLEMENTAÇÃO DO ANTHOCNET Estruturas de Dados do AntHocNet Classe AntHocNetUtils: constantes globais Classe AntBasicPacket: formiga Classe PheromoneTable: tabela de feromônio Classe AntNest: formigueiro Classe AntHocNet: protocolo CONSIDERAÇÕES DO CAPÍTULO MODELAGEM DOS CENÁRIOS CRIAÇÃO AUTOMATIZADA DE TCL CENÁRIO 1: AUMENTO DO TEMPO DE PARADA DOS NÓS CENÁRIO 2: AUMENTO DE NÓS CENÁRIO 3: AUMENTO DA ÁREA CONSIDERAÇÕES DO CAPÍTULO xi

15 6 SIMULAÇÃO DO ANTHOCNET IMPLICAÇÕES NA IMPLEMENTAÇÃO SIMULAÇÃO E VALIDAÇÃO Resultado da Simulação no Cenário Resultado da Simulação no Cenário Resultado da Simulação no Cenário CONSIDERAÇÕES DO CAPÍTULO CONCLUSÃO REFERÊNCIAS

16 1 1 Introdução A facilidade de encontrar informações nos dias de hoje, se deve ao grande desenvolvimento das redes de comunicação. Isto é, a troca de informações onde antes seria praticamente impossível, devido às dificuldades de acesso ou mesmo pela complexidade do terreno. Tendo como exemplo um desastre natural ou uma guerra onde facilmente superadas ao se transmitir dados via rede wireless ou rede sem fio (Harte 2004). Esse tipo de rede, diferencia-se a grosso modo, das redes guiadas convencionais, pela simples troca da transmissão de dados física, via cabos, por uma transmissão de dados utilizando ondas de rádio. Essa mudança, ao se utilizar transmissões de dados sem fio possibilita uma grande flexibilidade ao se montar uma rede, mas isso, segundo Johnson (Johnson e Maltz 1996), também proporcionou o surgimento de tipos mais específicos de redes wireless, isto é, de acordo com a sua topologia ela pode ser separada em redes wireless estruturadas e redes wireless não estruturadas. A rede wireless não estruturada, ou rede móvel Ad Hoc (MANET - Mobile Ad hoc NETwork), tema deste trabalho, é caracterizada por não precisar de nenhuma infraestrutura, nem na fase de formação (Haas et al. 2002). Isto é, diferente da rede wireless estruturada, que necessita de pontos de acesso fixos ou de estação base para se poder iniciar uma transmissão de dados. A MANET é formada por um conjunto de nós interligados, com liberdade de movimentação, sendo esta é a causa da constante alteração nas tabelas de roteamento de todo o conjunto (Haas et al. 2002). Assim sendo, a topologia das MANETs proporcionam um desafio para a determinação de rotas, devido à sua forma dinâmica, que pode mudar de maneira imprevisível, afetando as tabelas de roteamento de todo o conjunto. Uma vez que um nó entre ou saia do conjunto da MANET, é gerada uma modificação nas rotas da rede. Essa mudança pode ter consequências significativas, no caso de um nó intermediário desligar-se do conjunto e causar uma quebra de comunicação, e, consequentemente, gerar perdas de pacotes entre nós que dele dependem. Outra característica da MANET, é que o roteamento de pacotes é realizado em cada nó do conjunto.

17 1 Introdução 2 A variação da topologia da MANET, a torna suscetível às quebras de conexões necessitando que os protocolos de roteamento sejam capazes de se adaptar a esse ambiente dinâmico. Os protocolos de roteamento usados na MANET podem ser classificados em: Pró-ativos como o DSDV (Perkins e Bhagwat 1994), que exige que cada nó da rede possua rotas sempre atualizadas para os demais integrantes, o que pode causar uma sobrecarga devido a quantidade elevada de pacotes emitidos, sugerindo altas taxas de overhead. Em contrapartida, os protocolos classificados como Reativos, como por exemplo o AODV (Perkins e Roye 1999) e DSR (Johnson e Maltz 1996), possibilitam uma redução no overhead ao restringir o envio de pacotes broadcast apenas quando houver a necessidade de buscar novos nós ou quando é detectada uma quebra de conexão. Em muitos casos, a MANET necessita da participação de um terceiro nó, ou mais nós intermediários, para encaminhar dados de um ponto a outro na rede. Essa cooperação entre o conjunto de nós interligados da MANET se assemelha ao comportamento coletivo de alguns insetos como abelhas, formigas ou cupins. Isolados, são como agentes com capacidades limitadas de resolver seus problemas, mas quando agrupados, seja na intenção de buscar alimento ou para proteger a colônia, tais insetos, tendem a apresentar um comportamento coletivo inteligente (White, Pagurek e Oppache 1998). Essa observação do comportamento coletivo de certas espécies, possibilitou o desenvolvimento de pesquisas e estudos, inclusive na computação como o Swarm Intelligence (SI) (Beni e Wang 1989) ou Inteligência de Enxames que pode ser divido em duas ramificações: Particle Swarm Optimization (PSO) ou Otimização por Enxames de Partículas, desenvolvida por (Kennedy e Eberhart 2001), cuja heurística é inspirada na observação da coreografia de animais, como a de pássaros voando em bando e de peixes nadando em cardumes; Ant Colony Optimization (ACO) ou Otimização por Colônias de Formigas, desenvolvido por (Dorigo e Stützle 2006), esta heurística é inspirada no comportamento da colônia de formigas em sua busca por alimento. O ACO foi inicialmente utilizado para resolver problemas como do caixeiro viajante, mas hoje é possível encontrar várias aplicações, sendo uma delas no uso do descobrimento de rotas numa rede ao aplicar o uso de agentes móveis (exemplo: formigas) e estigmergia (exemplo: feromônio). Estas propriedades, de acordo com Kassabalidis

18 1 Introdução 3 (Kassabalidis et al. 2001), tornam o SI capaz de atender aos requisitos da MANET. Isto é, conseguem se adaptar muito bem à estrutura dinâmica que essa rede possui, usufruindo do sistema de comunicação indireta, no caso o feromônio, que pode ser utilizado para decidir uma rota adequada até o destino. A escolha da rota é probabilística, geralmente o caminho que contém a maior quantidade de feromônio têm preferência, e é um método comum em protocolos de roteamento que se baseiam em ACO, tais como os protocolos: ARA (Gunes, Sorges e Bouazzi 2002), AntHocNet (Ducatelle 2007), ANSI (Rajagopalan e Shen 2005) e o Termite (Roth e Wicker 2003). Neste trabalho, é proposto uma implementação do protocolo de roteamento AntHoc- Net (Ducatelle 2007). Visto que em comparações feitas com o AODV, o AntHocNet se mostrou mais escalável ao apresentar melhores taxas na entrega de pacotes, atraso médio de delay, num cenário onde a quantidade de nós variava conforme o tempo. Tendo sido testados e simulados no QualNet (QualNet 2011). A proposta é realizar as mesmas simulações, só que desta vez no Network Simulator 2 (NS-2) (NS ). O NS-2 é um simulador de código fonte aberto e gratuito, além de ser muito utilizado nos meios acadêmicos. A validação é feita através da comparação dos protocolos AntHoc- Net e o AODV, após a simulação e análise dos resultados obtidos no NS-2. Os parâmetros para a avaliação seguem os mesmos modelos de cenários e métricas usadas por Di Caro (Di Caro, Ducatelle e Gamberdella 2005) no QualNet. 1.1 Contribuição do Trabalho Dada a importância do protocolo de roteamento AntHocNet para MANET, e a análise dos seus experimentos no QualNet (QualNet 2011), um simulador comercial, neste trabalho é apresentado a implementação do protocolo de roteamento AntHocNet no simulador de rede NS-2 (NS ). O NS-2 é um simulador é livre e gratuito, além de estar difundido nos meios acadêmicos. Atualmente não exitei uma implementação válida para o protocolo de roteamento AntHocNet, em tal simulador. Esta implementação reforça o uso da SI em roteamento de

19 1 Introdução 4 redes, possibilitando que novos estudos possam ser desenvolvidos a partir desse trabalho. 1.2 Objetivo Geral O principal objetivo deste trabalho é implementar o protocolo de roteamento AntHoc- Net no simulador de rede NS-2. Sendo a validação feita ao realizar a comparação dos resultados obtidos entre o AntHocNet e o AODV no NS-2. A análise é realizada seguindo as mesmas configurações de cenários e métricas utilizadas nas simulações feitas por Di Caro no simulador QualNet Objetivos Específicos Os objetivos específicos para a resolução deste trabalho envolvem o estudo dos conceitos que tratam sobe: Embasamento teórico sobre das MANET; Estudado do roteamento numa MANET, dando enfoque à análise do protocolo de roteamento AODV; Embasamento teórico sobre SI; Estudar SI para ambiente de roteamento para MANET, dando enfoque ao estudo do protocolo de roteamento AntHocNet; Implementar o protocolo de roteamento AntHocNet no simulador de rede NS-2; Modelagem dos cenários a serem usados nas simulações no NS-2; Análise das métricas utilizadas no QualNet 4.0, a serem usadas no comparativo dos protocolos no NS-2. Executar as simulações dos cenários modelados no NS-2 para comparar os resultados entre os protocolos: AODV e AntHocNet; Validar a proposta através dos resultados obtidos na simulação do NS-2.

20 1 Introdução Organização do Trabalho A formulação deste trabalho é dividida em sete capítulos. Dos quais as primeiras partes tratam dos levantamentos bibliográficos das definições da MANET e SI. Apresentando as características dos protocolos de roteamento AODV e AntHocNet. O estudo das partes teóricas serve de base para o desenvolvimento das próximas partes, criando capítulos que descrevem a implementação do protocolo AntHocNet no NS-2, assim como a modelagem dos cenários e as métricas a serem usadas nas simulações. A simulação dos protocolos AODV e AntHocNet, é apresentada nas últimas partes do trabalho, onde são gerados gráficos comparativos, proporcionando a análise dos resultados obtidos Capítulo 1: Introdução No Capítulo 1 é apresentada a síntese do trabalho sobre a implementação do protocolo de roteamento AntHocNet. Assim como o objetivo geral do trabalho e seus objetivos específicos para a confecção e organização de cada capítulo Capítulo 2: Roteamento em Rede Ad Hoc No Capítulo 2 são estudados o funcionamento e características da MANET. O levantamento bibliográfico é feito de forma a descrever os diferentes tipos de protocolos de roteamento utilizados nas MANETs. Esse estudo caracteriza a análise dos protocolos pró-ativos, reativos e híbridos, como também, serve de base para apresentar o protocolo de roteamento AODV Capítulo 3: Inteligência de Enxames No Capítulo 3 é apresentado o levantamento bibliográfico da utilização da Inteligência de Enxames no roteamento de redes, dando enfoque à heurística das Colônias de Formigas no descobrimento de rotas.

21 1 Introdução 6 O estudo se baseia na explicação do funcionamento biológico da heurística das Colônias de Formigas, bem como a sua utilização na resolução do problema do caixeiro viajante. Essa base é utilizada para a definição do ACO, aplicado no roteamento de redes, descrevendo o protocolo AntHocNet, onde também é realizado o estudo das análises de resultados de simulação realizadas entre o AntHocNet e o AODV no simulador de rede QualNet Capítulo 4: Implementação da Proposta No Capítulo 4 são apresentados os modelos das classes desenvolvidas para a implementação do protocolo de roteamento AntHocNet no NS-2, descrevendo o funcionamento das principais funções de roteamento da implementação, segundo a arquitetura de classes do simulador Capítulo 5: Modelagem dos Cenários No Capítulo 5 é descrita a modelagem dos cenários utilizados na simulação no NS- 2. Essa modelagem se baseia na estruturação de fórmulas matemáticas para a obtenção das informações do comportamento do cenário e assim, gerar os scripts em TCL com o comportamento semelhante ao descrito na mesma simulação feita por Di Caro (Di Caro, Ducatelle e Gamberdella 2005) no QualNet Capítulo 6: Simulação do AntHocNet No Capítulo 6 é realizada a simulação e validação do AntHocnet no NS-2, tendo como objetivo fundamental verificar os resultados gerados seguindo os mesmos parâmetros e cenários utilizados por Di Caro ao comparar o AntHocNet com o AODV Capítulo 7: Conclusão No Capítulo 7 é elaborada a síntese dos conhecimentos obtidos nas etapas anteriores, em que são apresentadas as conclusões sobre a implementação e os resultados gerados pela simulação dos protocolos AODV e AntHocNet, gerando as propostas de trabalhos futuros

22 1 Introdução 7 sobre possíveis melhorias no AntHocNet.

23 8 2 Roteamento em Rede Ad Hoc As redes wireless, ou redes sem fio, são caracterizadas por facilitarem a montagem de uma rede, pois não necessitam de cabos para conectar os computadores, apenas do ar. Em outras palavras, a transmissão de dados é feita via ondas de rádio. Isto descarta a utilização de switches e hubs, bastando apenas que cada computador possua uma placa de rede que emita e receba ondas de rádio direcionadas a um roteador fixo. Sendo assim, se houver o interesse de um novo nó entrar em determinada rede, este necessariamente precisa estar no raio de transmissão do roteador da mesma. Em seu livro, Tanenbaum (Tanenbaum 2003) descreve uma rede wireless formada por nós móveis, ou ainda: computadores móveis, com liberdade de se movimentarem pelo cenário, sem a necessidade de se prenderem a um roteador fixo para iniciarem uma transmissão de dados com outro membro da rede. Isso possibilita a introdução de um novo problema nos sistemas de comunicação, pois inicialmente é necessária a localização deste nó móvel na rede, para que assim seja gerada a rota e se inicie a transmissão dos pacotes de dados até ele. Esta nova característica de movimento dos nós possibilitou criar redes wireless livres de pontos acesso fixos, proporcionando criar redes sem fio totalmente móveis, também conhecidas como redes móveis Ad Hoc (MANET - Mobile Ad hoc NETwork). Assim segundo Johnson (Johnson e Maltz 1996), pode-se classificar as redes wireless em duas topologias. A primeira diz respeito às redes wireless estruturadas, já que estas necessitam de uma infraestrutura fixa previamente instalada, com por exemplo roteadores fixos. A outra forma são as redes wireless não estruturadas, ou MANETs, sendo que estas não necessitam de infraestrutura. As MANETs diferem significativamente das convencionais redes, pois apresentarem uma topologia dinâmica onde as interligações wireless entre os membros da rede são descentralizadas, isto é, não existem equipamentos que centralizam a função de roteamento, mas sim, um conjunto de indivíduos que cooperam entre si, dividindo as funções de roteamento. Assim, a saída de um dos nós da rede não acarretará no fim da mesma, pois os demais nós se auto-organizam para manter a estrutura de comunicação da rede

24 2 Roteamento em Rede Ad Hoc 9 funcionando. Os protocolos do roteamento utilizados em redes cabeadas podem ser divididos basicamente em protocolos de roteamento baseados em vetor de distância (distance-vector) e baseados em estado do enlace (link state) (Tanenbaum 2003). Qualquer um deles pode ser numa MANET. Ambos permitem que um nó-origem localize pelo menos uma rota para alcançar um determinado destino, mas estudos realizados mostram que ao utilizar protocolos de rede cabeada numa MANET geram inconveniências, como por exemplo na demora para convergirem as novas atualizações sobre a topologia da rede, além de inserirem muitas informações nos pacotes (Perkins e Bhagwat 1994). Devido à capacidade limitada de transmissão numa rede wireless, os pacotes devem possuir o mínimo de informações necessárias para o roteamento, de maneira a não comprometer a estrutura da rede. Uma qualidade da MANET, é que a sua estrutura de rede pode ser criada rapidamente, sem a existência prévia de nenhuma infraestrutura. Isto pode acarretar consequências que, de acordo com Haas et al. (Haas et al. 2002), proporcionam que seus nós possam entrar e sair da estrutura da rede a qualquer momento, muitas vezes sem nenhum aviso, e possibilitando quebras na comunicação entre outros nós da rede. Geralmente, as MANETs são formadas por poucos usuários ao atender uma finalidade específica e, em seguida são desfeitas. São alguns exemplos do uso das MANETs: Operações táticas - para estabelecer rapidamente uma rede militar durante o envio de tropas para um terreno hostil; Missões de resgate - para comunicação em áreas sem a devida cobertura wireless com pontos de acesso; Uso comercial - para uso em conferências ou em reuniões executivas. Esta mobilidade que os nós da rede possuem, podem gerar consequências para a topologia da MANET, como observado na Figura 2.1, onde o nó E é responsável pela comunicação de duas partes distintas da MANET (Figura 2.1a), sendo assim, a sua presença ou ausência, pode alterar a estrutura de comunicação de todo conjunto. Isto é demonstrado quando este nó se desliga da MANET, e causa uma quebra na comunicação entre os demais membros do conjunto. Desta forma, a MANET passará a ser dividida em

25 2 Roteamento em Rede Ad Hoc 10 duas redes distintas (Figura 2.1b): uma com os nós A, B e C (rede 1), e outra com os nós D e F (rede 2). Figura 2.1: Mobilidade dos nós na MANET Há duas situações para que essas redes possam se conectar novamente: a primeira seria o aparecimento de um nó que realize pelo menos uma ligação com as redes 1 e 2. A outra opção é a aproximação dos nós das redes em função do movimento, isto é, as redes poderiam se movimentar, e assim ficarem mais próximas fisicamente uma da outra não necessitando que um novo nó as interligue. Os nós da MANET, segundo Yoshitaka (Yoshitaka et al. 2006), podem se comunicar uns com os outros a qualquer momento, e sem restrições, exceto quando não existir nenhuma rota que os conecte. Essa característica possibilita que a MANET realize uma troca de informações que independe das mudanças na topologia da rede. Em Haas et al. (Haas et al. 2002) é comentado que as diferenças de padrões de hardware e da propagação das ondas eletromagnéticas, tornam as condições variáveis com o tempo, e podem resultar em distintas conexões entre os nós vizinhos, isto é, enviar uma informação de um nó A para um nó B por uma determinada rota, pode não ser a mesma ao enviar o mesmo pacote do nó B para o nó A. O resultado é uma variação de rota, proporcionado, por exemplo, pela diferença na capacidade de transmissão de cada nó, podendo gerar um tempo de resposta variado ao se detectar uma mudança na topologia de rede.

26 2 Roteamento em Rede Ad Hoc 11 Portanto, é necessário que os protocolos de roteamento para a MANET, sejam capazes de detectar estas variações de topologia, e realizarem as alterações nas rotas, de acordo com a necessidade da rede. Aliado a estas características, o protocolo deve ser capaz de lidar com as quebras de comunicação e com o atraso no roteamento de pacotes. Uma classificação bastante usada para dividir os protocolos de roteamento utilizados nas MANETs, podem ser separados em pró-ativos, reativos ou híbridos (Liang e Haas 2006). 2.1 Protocolos Os protocolos de roteamento são protocolos utilizados especificamente para realizar o gerenciamento de rotas numa rede de comunicação, isto é, são responsáveis por garantir que um membro da rede consiga enviar suas mensagens para seu destino, sem se preocupar como, ou por onde ela irá passar (Tanenbaum 2003). Normalmente, numa rede estruturada, existe pelo menos um nó responsável pela função de roteamento na rede, conhecido como roteador. Sendo assim, pode-se afirmar que numa MANET, todos os integrantes acumulam a função dos roteadores. Geralmente, cada roteador ao se conectar na rede, certifica-se de conhecer seus vizinhos, isto é, quais os nós que poderão auxiliá-lo no envio de pacotes, ou também chamados de gateways (Tanenbaum 2003). Dependendo do protocolo de roteamento adotado, o roteador irá procurar mais informações na rede para formar a sua tabela de roteamento, como por exemplo verificar a distância ou o custo da rota até o destino. Os protocolos de roteamento podem ser divididos em: Pró-ativos, Reativos e Híbridos. Um protocolo de roteamento pró-ativo, requer que cada nó mantenha uma tabela de roteamento atualizada, de forma a possuir uma rota sempre disponível para todos os nós da MANET. O DSDV (Perkins e Bhagwat 1994) é um exemplo de protocolo de roteamento pró-ativo. Nos protocolos de roteamento reativos, o nó não tem a responsabilidade de manter uma rota atualizada para um determinado destino, de maneira que quando necessite comunicar-se com tal destino, iniciará um processo de busca por rota. Os protocolos de roteamento AODV (Perkins e Roye 1999) e DSR (Johnson e Maltz 1996) são exemplos de protocolos reativos. Um protocolo reativo evita ficar emitindo pacotes de controle, com isso tentar diminuir

CAP 254 CAP 254. Otimização Combinatória. Professor: Dr. L.A.N. Lorena. Assunto: Metaheurísticas Antonio Augusto Chaves

CAP 254 CAP 254. Otimização Combinatória. Professor: Dr. L.A.N. Lorena. Assunto: Metaheurísticas Antonio Augusto Chaves CAP 254 CAP 254 Otimização Combinatória Professor: Dr. L.A.N. Lorena Assunto: Metaheurísticas Antonio Augusto Chaves Conteúdo C01 Simulated Annealing (20/11/07). C02 Busca Tabu (22/11/07). C03 Colônia

Leia mais

Redes Ad-Hoc. Índice. Introdução às redes ad-hoc. Protocolos de encaminhamento. Encaminhamento em redes ad-hoc Breve Introdução

Redes Ad-Hoc. Índice. Introdução às redes ad-hoc. Protocolos de encaminhamento. Encaminhamento em redes ad-hoc Breve Introdução Redes d-hoc Encaminhamento em redes ad-hoc reve Introdução Índice Introdução às redes ad-hoc Protocolos de encaminhamento rquitectura das redes móveis tradicionais Ligação sem fios de 1 hop para a rede

Leia mais

Algoritmos Distribuídos para Roteamento em Redes Ad Hoc

Algoritmos Distribuídos para Roteamento em Redes Ad Hoc Algoritmos Distribuídos para Roteamento em Redes Ad Hoc Tiago Rodrigues Chaves, Ricardo Augusto Rabelo Oliveira PPGCC - Programa de Pós-Graduação em Ciência da Computação UFOP - Universidade Federal de

Leia mais

Desenvolvimento de uma Ferramenta de Auxílio ao Ensino de Redes de Computadores Roteamento Ad Hoc

Desenvolvimento de uma Ferramenta de Auxílio ao Ensino de Redes de Computadores Roteamento Ad Hoc 1 Desenvolvimento de uma Ferramenta de Auxílio ao Ensino de Redes de Computadores Roteamento Ad Hoc Fernando César Faria Cabral, Luís Augusto Mattos Mendes (Orientador) Departamento de Ciência da Computação

Leia mais

Sistemas Auto-organizáveis BC0005

Sistemas Auto-organizáveis BC0005 Aplicações Sistemas Auto-organizáveis BC0005 Bases Computacionais da Ciência Modelagem e simulação Solução de problemas reais por modelos computacionais (visto na aula anterior) Sistemas auto-organizáveis

Leia mais

Mobile Communications. RedesAd-hoc

Mobile Communications. RedesAd-hoc Ad-hoc 1 Mobile Communications RedesAd-hoc Manuel P. Ricardo Faculdade de Engenharia da Universidade do Porto Ad-hoc 2 Redes Ad-Hoc (Nível 3) Rede autoconfigurável Ligações sem fios Nós móveis topologia

Leia mais

REDES AD-HOC MARCELO BORGES DE ANDRADE RODRIGO COLLI. Departamento de Engenharia Instituto de Educação Superior de Brasília - IESB

REDES AD-HOC MARCELO BORGES DE ANDRADE RODRIGO COLLI. Departamento de Engenharia Instituto de Educação Superior de Brasília - IESB REDES AD-HOC MARCELO BORGES DE ANDRADE RODRIGO COLLI Departamento de Engenharia Instituto de Educação Superior de Brasília - IESB http://www.iesb.br e-mail: marcelo.andrade@ig.com.br rodrigo.colli@esporte.gov.br

Leia mais

Encaminhamento em redes instáveis. Localização de nós em redes Peer-to-Peer Napster Gnutella Chord

Encaminhamento em redes instáveis. Localização de nós em redes Peer-to-Peer Napster Gnutella Chord Encaminhamento em redes instáveis Encaminhamento em redes Ad Hoc Introdução Descoberta de rotas Manutenção de rotas Localização de nós em redes Peer-to-Peer Napster Gnutella Chord Encaminhamento em redes

Leia mais

Análise de desempenho de protocolos de roteamento para redes Ad Hoc sem fio

Análise de desempenho de protocolos de roteamento para redes Ad Hoc sem fio Análise de desempenho de protocolos de roteamento para redes Ad Hoc sem fio Fabrício Lira Figueiredo *, Marcel Cavalcanti de Castro, Marcos Antônio de Siqueira, Heloísa Peixoto de Barros Pimentel, Aníbal

Leia mais

Rede de Computadores II

Rede de Computadores II Rede de Computadores II Slide 1 Roteamento Determinar o melhor caminho a ser tomado da origem até o destino. Se utiliza do endereço de destino para determinar a melhor rota. Roteador default, é o roteador

Leia mais

Tabela de roteamento

Tabela de roteamento Existem duas atividades que são básicas a um roteador. São elas: A determinação das melhores rotas Determinar a melhor rota é definir por qual enlace uma determinada mensagem deve ser enviada para chegar

Leia mais

Há dois tipos de configurações bidirecionais usados na comunicação em uma rede Ethernet:

Há dois tipos de configurações bidirecionais usados na comunicação em uma rede Ethernet: Comunicação em uma rede Ethernet A comunicação em uma rede local comutada ocorre de três formas: unicast, broadcast e multicast: -Unicast: Comunicação na qual um quadro é enviado de um host e endereçado

Leia mais

CAMADA DE REDES. Fabrício de Sousa Pinto

CAMADA DE REDES. Fabrício de Sousa Pinto CAMADA DE REDES Fabrício de Sousa Pinto Introdução 2 Está relacionada a transferência de pacotes da origem para o destino. Pode passar por vários roteadores ao longo do percurso Transmissão fim a fim Para

Leia mais

IA Colônia de Formigas. Prof. Ricardo Britto DIE-UFPI rbritto@ufpi.edu.br

IA Colônia de Formigas. Prof. Ricardo Britto DIE-UFPI rbritto@ufpi.edu.br IA Colônia de Formigas Prof. Ricardo Britto DIE-UFPI rbritto@ufpi.edu.br Sumário Introdução O Experimento da Ponte Binária. Ant System Aplicado ao PCV. Elitist Ant System. Introdução Otimização colônia

Leia mais

Redes de Computadores

Redes de Computadores Redes de Computadores Camada de Rede Aula 6/2006 UEM/DIN/Elvio/1023-1224 1 Camada de Rede É a camada mais baixa que trata da comunicação fim-a-fim Função de encaminhar os pacotes da fonte até o destino

Leia mais

Dinâmicas de Acesso ao Espectro

Dinâmicas de Acesso ao Espectro Redes Cognitivas com Oportunidades Dinâmicas de Acesso ao Espectro Defesa de Tese Marcel William Rocha da Silva Orientador: José Ferreira de Rezende Roteiro Introdução e motivação Rádios cognitivos Oportunidades

Leia mais

Protocolo OSPF. O p e n S h o r t e s t P at h F i r s t. E s pec i a li s ta

Protocolo OSPF. O p e n S h o r t e s t P at h F i r s t. E s pec i a li s ta Ebook Exclusivo Protocolo OSPF O p e n S h o r t e s t P at h F i r s t E s pec i a li s ta em S e rv i ços G e r e n c i a do s Segurança de de Perímetro Sumário Introdução P.3 Ententendendo o Protocolo

Leia mais

Curso: Sistemas de Informação Disciplina: Redes de Computadores Prof. Sergio Estrela Martins

Curso: Sistemas de Informação Disciplina: Redes de Computadores Prof. Sergio Estrela Martins Curso: Sistemas de Informação Disciplina: Redes de Computadores Prof. Sergio Estrela Martins Material de apoio 2 Esclarecimentos Esse material é de apoio para as aulas da disciplina e não substitui a leitura

Leia mais

UNIVERSIDADE ESTADUAL DO CEARÁ JOSÉ ALEX PONTES MARTINS

UNIVERSIDADE ESTADUAL DO CEARÁ JOSÉ ALEX PONTES MARTINS UNIVERSIDADE ESTADUAL DO CEARÁ JOSÉ ALEX PONTES MARTINS A-DYMO: UM ALGORITMO DE ROTEAMENTO BIO-INSPIRADO PARA REDES AD HOC FORTALEZA CEARÁ 2009 JOSÉ ALEX PONTES MARTINS A-DYMO: UM ALGORITMO DE ROTEAMENTO

Leia mais

ANÁLISE DE DESCARTE EM REDES AD HOC: ESTUDO DE ESCALABILIDADE DO PROTOCOLO DE ROTEAMENTO OLSR

ANÁLISE DE DESCARTE EM REDES AD HOC: ESTUDO DE ESCALABILIDADE DO PROTOCOLO DE ROTEAMENTO OLSR ANÁLISE DE DESCARTE EM REDES AD HOC: ESTUDO DE ESCALABILIDADE DO PROTOCOLO DE ROTEAMENTO OLSR Erico Augusto Cavalcanti Guedes (IF AL) ericoifal@gmail.com 1 Patrícia Takako Endo (FAFICA) patriciaendo@gmail.com

Leia mais

Inteligência de Enxame: ACO

Inteligência de Enxame: ACO Inteligência de Enxame: ACO! Otimização colônia de formigas é uma meta-heurística: «baseada em população «inspirada no comportamento forrageiro das formigas.! Muitas espécies de formigas são quase cegas.!

Leia mais

Márcio Leandro Moraes Rodrigues. Frame Relay

Márcio Leandro Moraes Rodrigues. Frame Relay Márcio Leandro Moraes Rodrigues Frame Relay Introdução O frame relay é uma tecnologia de chaveamento baseada em pacotes que foi desenvolvida visando exclusivamente a velocidade. Embora não confiável, principalmente

Leia mais

Inteligência Computacional Aplicada a Engenharia de Software

Inteligência Computacional Aplicada a Engenharia de Software Inteligência Computacional Aplicada a Engenharia de Software Estudo de caso III Prof. Ricardo de Sousa Britto rbritto@ufpi.edu.br Introdução Em alguns ambientes industriais, pode ser necessário priorizar

Leia mais

O que é? Swarm Intelligence. Qual a origem? Cardume. Qualquer tentativa de projetar algoritmos ou técnicas de resolução distribuída de

O que é? Swarm Intelligence. Qual a origem? Cardume. Qualquer tentativa de projetar algoritmos ou técnicas de resolução distribuída de O que é? Swarm Intelligence (Inteligência oletiva) Prof. Luis Otavio lvares Qualquer tentativa de projetar algoritmos ou técnicas de resolução distribuída de problemas inspirada pelo comportamento coletivo

Leia mais

Módulo 8. Professor: Leandro Engler Boçon E-mail: leandro@facear.edu.br Disciplina: Comunicação de dados

Módulo 8. Professor: Leandro Engler Boçon E-mail: leandro@facear.edu.br Disciplina: Comunicação de dados Módulo 8 Professor: Leandro Engler Boçon E-mail: leandro@facear.edu.br Disciplina: Comunicação de dados 1 Roteamento IP (Internet Protocol) 2 Roteamento IP 3 Roteamento IP Tarefa executada pelo protocolo

Leia mais

Encaminhamento com QoS para Redes Ad Hoc com rotas estáveis

Encaminhamento com QoS para Redes Ad Hoc com rotas estáveis Encaminhamento com QoS para Redes Ad Hoc com rotas estáveis Tiago Coelho Centro Algoritmi a44048@alunos.uminho.pt António Costa Centro Algoritmi & DI costa@di.uminho.pt Joaquim Macedo Centro Algoritmi

Leia mais

Protocolos de roteamento RIP e OSPF

Protocolos de roteamento RIP e OSPF Roberto Néia Amaral et al. 75 Roberto Néia Amaral (Mestre) Curso de Ciência da Computação - Universidade Tuiuti do Paraná Ciro de Barros Barbosa (Doutor) Curso de Ciência da Computação - Universidade Tuiuti

Leia mais

Equipamentos de Rede. Prof. Sérgio Furgeri 1

Equipamentos de Rede. Prof. Sérgio Furgeri 1 Equipamentos de Rede Repetidor (Regenerador do sinal transmitido)* Mais usados nas topologias estrela e barramento Permite aumentar a extensão do cabo Atua na camada física da rede (modelo OSI) Não desempenha

Leia mais

A Otimização Colônia de Formigas

A Otimização Colônia de Formigas A Otimização Colônia de Formigas Estéfane G. M. de Lacerda Departamento de Engenharia da Computação e Automação UFRN 22/04/2008 Índice A Inspiração Biológica O Ant System Aplicado ao PCV O Ant System Aplicado

Leia mais

MPLS MultiProtocol Label Switching

MPLS MultiProtocol Label Switching MPLS MultiProtocol Label Switching Cenário Atual As novas aplicações que necessitam de recurso da rede são cada vez mais comuns Transmissão de TV na Internet Videoconferências Jogos on-line A popularização

Leia mais

Roteamento em Redes de Computadores

Roteamento em Redes de Computadores Roteamento em Redes de Computadores José Marcos Câmara Brito INATEL - Instituto Nacional de Telecomunicações INATEL - Instituto Nacional de Telecomunicações 01/08/00 1 Introdução Objetivo Tipos de rede

Leia mais

5.2 MAN s (Metropolitan Area Network) Redes Metropolitanas

5.2 MAN s (Metropolitan Area Network) Redes Metropolitanas MÓDULO 5 Tipos de Redes 5.1 LAN s (Local Area Network) Redes Locais As LAN s são pequenas redes, a maioria de uso privado, que interligam nós dentro de pequenas distâncias, variando entre 1 a 30 km. São

Leia mais

UMA FERRAMENTA PARA SUPORTE AO ENSINO DO PROTOCOLO AODV

UMA FERRAMENTA PARA SUPORTE AO ENSINO DO PROTOCOLO AODV UMA FERRAMENTA PARA SUPORTE AO ENSINO DO PROTOCOLO AODV DOI: 10.15552/2236-0158/abenge.v34n2p71-81 Karine S. de Almeida, 1 Tassalon F. da Silva, 2 Daniel G. Costa 3 RESUMO Este artigo apresenta o desenvolvimento

Leia mais

Interconexão de redes locais. Repetidores. Pontes (Bridges) Hubs. Pontes (Bridges) Pontes (Bridges) Existência de diferentes padrões de rede

Interconexão de redes locais. Repetidores. Pontes (Bridges) Hubs. Pontes (Bridges) Pontes (Bridges) Existência de diferentes padrões de rede Interconexão de redes locais Existência de diferentes padrões de rede necessidade de conectá-los Interconexão pode ocorrer em diferentes âmbitos LAN-LAN LAN: gerente de um determinado setor de uma empresa

Leia mais

A Camada de Rede. A Camada de Rede

A Camada de Rede. A Camada de Rede Revisão Parte 5 2011 Modelo de Referência TCP/IP Camada de Aplicação Camada de Transporte Camada de Rede Camada de Enlace de Dados Camada de Física Funções Principais 1. Prestar serviços à Camada de Transporte.

Leia mais

Interconexão redes locais (LANs)

Interconexão redes locais (LANs) Interconexão redes locais (LANs) Descrever o método de funcionamento dos dispositivos bridge e switch, desenvolver os conceitos básicos de LANs intermediárias, do uso do protocolo STP e VLANs. Com o método

Leia mais

Referências. Roteamento em Redes Ad Hoc (MANETS) Redes Ad hoc: Principais Características. Roteiro

Referências. Roteamento em Redes Ad Hoc (MANETS) Redes Ad hoc: Principais Características. Roteiro Referências Roteamento em Redes Ad Hoc (MANETS) J. Schiller, seção 9.3 Johnson, Malz: Dynamic Source Routing in ad hoc wireless networks, Mobile Computing, (Ed. Imielinski/Koth), Kluwer, 1996. Perkins,

Leia mais

COMPORTAMENTO DO ESCALONAMENTO DE REDES INFRAESTRUTURADA ATRAVÉS DE MÉTODOS COMPUTACIONAIS

COMPORTAMENTO DO ESCALONAMENTO DE REDES INFRAESTRUTURADA ATRAVÉS DE MÉTODOS COMPUTACIONAIS COMPORTAMENTO DO ESCALONAMENTO DE REDES INFRAESTRUTURADA ATRAVÉS DE MÉTODOS COMPUTACIONAIS Ligia Rodrigues Prete 1, Ailton Akira Shinoda 2 1 Faculdade de Tecnologia de Jales, Centro Paula Souza, Jales,

Leia mais

ATIVIDADE 1. Definição de redes de computadores

ATIVIDADE 1. Definição de redes de computadores ATIVIDADE 1 Definição de redes de computadores As redes de computadores são criadas para permitir a troca de dados entre diversos dispositivos estações de trabalho, impressoras, redes externas etc. dentro

Leia mais

Análise de Protocolos de Roteamento Unicast em Redes Ad Hoc Móveis Baseada em um Modelo Realístico de Bateria. José Athayde Torres Costa Neto

Análise de Protocolos de Roteamento Unicast em Redes Ad Hoc Móveis Baseada em um Modelo Realístico de Bateria. José Athayde Torres Costa Neto Universidade Federal de Campina Grande Centro de Engenharia Elétrica e Informática Coordenação de Pós-Graduação em Ciência da Computação Análise de Protocolos de Roteamento Unicast em Redes Ad Hoc Móveis

Leia mais

1 Redes de comunicação de dados

1 Redes de comunicação de dados 1 Redes de comunicação de dados Nos anos 70 e 80 ocorreu uma fusão dos campos de ciência da computação e comunicação de dados. Isto produziu vários fatos relevantes: Não há diferenças fundamentais entre

Leia mais

REDES DE COMPUTADORES Prof. Ricardo Rodrigues Barcelar http://www.ricardobarcelar.com.br

REDES DE COMPUTADORES Prof. Ricardo Rodrigues Barcelar http://www.ricardobarcelar.com.br - Aula Complementar - EQUIPAMENTOS DE REDE 1. Repetidor (Regenerador do sinal transmitido) É mais usado nas topologias estrela e barramento. Permite aumentar a extensão do cabo e atua na camada física

Leia mais

Rede Mesh: topologia e aplicação

Rede Mesh: topologia e aplicação Rede Mesh: topologia e aplicação Tatiana Medeiros Cardoso, Paulo César Furlanetto Marques Faculdade Cenecista de Osório (FACOS) Rua 24 de maio, 141 95520-000 Osório RS Brasil tati.info@gmail.com,pcesar.marques@terra.com.br

Leia mais

Redes de Computadores I Conceitos Básicos

Redes de Computadores I Conceitos Básicos Redes de Computadores I Conceitos Básicos (11 a. Semana de Aula) Prof. Luís Rodrigo lrodrigo@lncc.br http://lrodrigo.lncc.br 2011.02 v1 2011.11.03 (baseado no material de Jim Kurose e outros) Algoritmos

Leia mais

Aula 6 Modelo de Divisão em Camadas TCP/IP

Aula 6 Modelo de Divisão em Camadas TCP/IP Aula 6 Modelo de Divisão em Camadas TCP/IP Camada Conceitual APLICATIVO TRANSPORTE INTER-REDE INTERFACE DE REDE FÍSICA Unidade de Dados do Protocolo - PDU Mensagem Segmento Datagrama /Pacote Quadro 01010101010100000011110

Leia mais

Camada de Redes Parte II. Fabrício

Camada de Redes Parte II. Fabrício Camada de Redes Parte II Fabrício Algoritmos de controle de congestionamento Quando há pacotes demais presente (em parte) de uma sub-rede, o desempenho diminui. Dentro da capacidade de tranporte Eles serão

Leia mais

Prof. Luís Rodolfo. Unidade III REDES DE COMPUTADORES E TELECOMUNICAÇÃO

Prof. Luís Rodolfo. Unidade III REDES DE COMPUTADORES E TELECOMUNICAÇÃO Prof. Luís Rodolfo Unidade III REDES DE COMPUTADORES E TELECOMUNICAÇÃO Redes de computadores e telecomunicação Objetivos da Unidade III Apresentar as camadas de Transporte (Nível 4) e Rede (Nível 3) do

Leia mais

Aula 20. Roteamento em Redes de Dados. Eytan Modiano MIT

Aula 20. Roteamento em Redes de Dados. Eytan Modiano MIT Aula 20 Roteamento em Redes de Dados Eytan Modiano MIT 1 Roteamento Deve escolher rotas para vários pares origem, destino (pares O/D) ou para várias sessões. Roteamento datagrama: a rota é escolhida para

Leia mais

REDES DE COMPUTADORES. Camada de Rede. Prof.: Agostinho S. Riofrio

REDES DE COMPUTADORES. Camada de Rede. Prof.: Agostinho S. Riofrio REDES DE COMPUTADORES Camada de Rede Prof.: Agostinho S. Riofrio Agenda 1. Introdução 2. Funções 3. Serviços oferecidos às Camadas superiores 4. Redes de Datagramas 5. Redes de Circuitos Virtuais 6. Comparação

Leia mais

Redes TCP/IP. Prof. M.Sc. Alexandre Fraga de Araújo. alexandref@ifes.edu.br. INSTITUTO FEDERAL DO ESPÍRITO SANTO Campus Cachoeiro de Itapemirim

Redes TCP/IP. Prof. M.Sc. Alexandre Fraga de Araújo. alexandref@ifes.edu.br. INSTITUTO FEDERAL DO ESPÍRITO SANTO Campus Cachoeiro de Itapemirim Redes TCP/IP alexandref@ifes.edu.br Camada de Redes (Continuação) 2 Camada de Rede 3 NAT: Network Address Translation restante da Internet 138.76.29.7 10.0.0.4 rede local (ex.: rede doméstica) 10.0.0/24

Leia mais

09/06/2011. Profª: Luciana Balieiro Cosme

09/06/2011. Profª: Luciana Balieiro Cosme Profª: Luciana Balieiro Cosme Revisão dos conceitos gerais Classificação de redes de computadores Visão geral sobre topologias Topologias Barramento Anel Estrela Hibridas Árvore Introdução aos protocolos

Leia mais

Protocolos de Roteamento RIP e OSPF

Protocolos de Roteamento RIP e OSPF Protocolos de Roteamento RIP e OSPF Alexandre Urtado de Assis aua@cbpf.br Nilton Alves Jr. naj@cbpf.br http://mesonpi.cat.cbpf.br/naj Resumo Este trabalho aborda alguns protocolos de roteamento, especificamente

Leia mais

Redes Mesh. MUM Brasil Outubro de 2008. Eng. Wardner Maia

Redes Mesh. MUM Brasil Outubro de 2008. Eng. Wardner Maia Redes Mesh MUM Brasil Outubro de 2008 Eng. Wardner Maia Introdução Nome: Wardner Maia Engenheiro Eletricista modalidades Eletrotécnica/Eletrônica/Telecomunicações Provedor de Internet Service desde 1995

Leia mais

ANÁLISE COMPARATIVA DE DESEMPENHO DOS PROTOCOLOS DE ROTEAMENTO EM REDES MÓVEIS AD HOC

ANÁLISE COMPARATIVA DE DESEMPENHO DOS PROTOCOLOS DE ROTEAMENTO EM REDES MÓVEIS AD HOC UNIVERSIDADE TECNOLÓGICA FEDERAL DO PARANÁ DEPARTAMENTO ACADÊMICO DE ELETRÔNICA ESPECIALIZAÇÃO EM TELEINFORMÁTICA E REDES DE COMPUTADORES THIAGO ALEXANDRE HEREK ANÁLISE COMPARATIVA DE DESEMPENHO DOS PROTOCOLOS

Leia mais

REDE DE COMPUTADORES

REDE DE COMPUTADORES SERVIÇO NACIONAL DE APRENDIZAGEM COMERCIAL REDE DE COMPUTADORES Tecnologias de Rede Arquitetura Padrão 802.11 Prof. Airton Ribeiro de Sousa E-mail: airton.ribeiros@gmail.com 1 Arquitetura Wireless Wi-Fi

Leia mais

Capítulo 10 - Conceitos Básicos de Roteamento e de Sub-redes. Associação dos Instrutores NetAcademy - Julho de 2007 - Página

Capítulo 10 - Conceitos Básicos de Roteamento e de Sub-redes. Associação dos Instrutores NetAcademy - Julho de 2007 - Página Capítulo 10 - Conceitos Básicos de Roteamento e de Sub-redes 1 Protocolos Roteáveis e Roteados Protocolo roteado: permite que o roteador encaminhe dados entre nós de diferentes redes. Endereço de rede:

Leia mais

Redes de Dados. Aula 1. Introdução. Eytan Mediano

Redes de Dados. Aula 1. Introdução. Eytan Mediano Redes de Dados Aula 1 Introdução Eytan Mediano 1 6.263: Redes de Dados Aspectos fundamentais do projeto de redes e análise: Arquitetura Camadas Projeto da Topologia Protocolos Pt - a Pt (Pt= Ponto) Acesso

Leia mais

Sistemas distribuídos:comunicação

Sistemas distribuídos:comunicação M. G. Santos marcela@estacio.edu.br Faculdade Câmara Cascudo - Estácio de Sá 16 de abril de 2010 Formas de comunicação Produtor-consumidor: comunicação uni-direccional, com o produtor entregando ao consumidor.

Leia mais

Redes de Computadores

Redes de Computadores Redes de Computadores Camada de Rede Roteamento IP RIP OSPF e BGP Slide 1 Roteamento Determinar o melhor caminho a ser tomado da origem até o destino. Se utiliza do endereço de destino para determinar

Leia mais

Claudivan C. Lopes claudivan@ifpb.edu.br

Claudivan C. Lopes claudivan@ifpb.edu.br Claudivan C. Lopes claudivan@ifpb.edu.br Por que redes de computadores? Tipos de redes Componentes de uma rede IFPB/Patos - Prof. Claudivan 2 Quando o assunto é informática, é impossível não pensar em

Leia mais

Prof. Samuel Henrique Bucke Brito

Prof. Samuel Henrique Bucke Brito - Roteamento www.labcisco.com.br ::: shbbrito@labcisco.com.br Prof. Samuel Henrique Bucke Brito Roteamento Roteamento é a técnica que define por meio de um conjunto de regras como os dados originados em

Leia mais

Packet Tracer 4.0: Overview Session. Conceitos e práticas

Packet Tracer 4.0: Overview Session. Conceitos e práticas Packet Tracer 4.0: Overview Session Conceitos e práticas Processo de Flooding ou Inundação envia informações por todas as portas, exceto aquela em que as informações foram recebidas; Cada roteador link-state

Leia mais

Redes de computadores e a Internet. Capitulo 4. Capítulo. A camada de rede

Redes de computadores e a Internet. Capitulo 4. Capítulo. A camada de rede Redes de computadores e a Internet 4 Capitulo 4 Capítulo A camada de rede A camada de rede Objetivos do capítulo: Entender os princípios dos serviços da camada de rede: Roteamento (seleção de caminho)

Leia mais

Inteligência de Enxames

Inteligência de Enxames Inteligência de Enxames André Ricardo Gonçalves andreric [at] dca.fee.unicamp.br www.dca.fee.unicamp.br/~andreric Sumário 1 Inteligência de Enxames p. 3 1.1 Ant Colony Optimization...........................

Leia mais

COMPARAÇÃO DE DESEMPENHO DOS PROTOCOLOS DE ROTEAMENTO AODV, DSDV, OLSR E DSR EM MANETS

COMPARAÇÃO DE DESEMPENHO DOS PROTOCOLOS DE ROTEAMENTO AODV, DSDV, OLSR E DSR EM MANETS COMPARAÇÃO DE DESEMPENHO DOS PROTOCOLOS DE ROTEAMENTO AODV, DSDV, OLSR E DSR EM MANETS Diego de Lima Nascimento 1, Fagner Roger Pereira Couto 1, Lucas Douglas Rothmund 1, Fahim Elias Costa Ribahne 2, Diógenes

Leia mais

Estudo comparativo entre dois tradicionais algoritmos de roteamento: vetor distância e estado de enlace.

Estudo comparativo entre dois tradicionais algoritmos de roteamento: vetor distância e estado de enlace. Estudo comparativo entre dois tradicionais algoritmos de roteamento: vetor distância e estado de enlace. Ederson Luis Posselt 1, Geovane Griesang 1 1 Instituto de Informática Universidade de Santa Cruz

Leia mais

Capítulo 4 - Roteamento e Roteadores

Capítulo 4 - Roteamento e Roteadores Capítulo 4 - Roteamento e Roteadores 4.1 - Roteamento Roteamento é a escolha do módulo do nó de origem ao nó de destino por onde as mensagens devem transitar. Na comutação de circuito, nas mensagens ou

Leia mais

Prof. Samuel Henrique Bucke Brito

Prof. Samuel Henrique Bucke Brito - Switch na Camada 2: Comutação www.labcisco.com.br ::: shbbrito@labcisco.com.br Prof. Samuel Henrique Bucke Brito Introdução A conexão entre duas portas de entrada e saída, bem como a transferência de

Leia mais

Redes de Computadores

Redes de Computadores Introdução Redes de Computadores Marco Antonio Montebello Júnior marco.antonio@aes.edu.br Rede É um conjunto de computadores chamados de estações de trabalho que compartilham recursos de hardware (HD,

Leia mais

Evolução na Comunicação de

Evolução na Comunicação de Evolução na Comunicação de Dados Invenção do telégrafo em 1838 Código Morse. 1º Telégrafo Código Morse Evolução na Comunicação de Dados A evolução da comunicação através de sinais elétricos deu origem

Leia mais

Roteamento na Internet

Roteamento na Internet Roteamento na Internet IntraAS RIP OSPF InterAS BGP RIP Protocolo de informação de roteamento (Routing Information Protocol) Definido nas RFCs 1058 (versão 1) e 2453 (versão 2) RIPng IPv6 Protocolo de

Leia mais

Aula 03 Regras de Segmentação e Switches

Aula 03 Regras de Segmentação e Switches Disciplina: Dispositivos de Rede II Professor: Jéferson Mendonça de Limas 4º Semestre Aula 03 Regras de Segmentação e Switches 2014/1 19/08/14 1 2de 38 Domínio de Colisão Os domínios de colisão são os

Leia mais

ARP. Tabela ARP construída automaticamente. Contém endereço IP, endereço MAC e TTL

ARP. Tabela ARP construída automaticamente. Contém endereço IP, endereço MAC e TTL ARP Protocolo de resolução de endereços (Address Resolution Protocol) Descrito na RFC 826 Faz a tradução de endereços IP para endereços MAC da maioria das redes IEEE 802 Executado dentro da sub-rede Cada

Leia mais

OTIMIZAÇÃO POR COLÔNIA DE FORMIGAS PARA O ROTEAMENTO E CONSUMO DE ENERGIA EM REDES DE SENSORES SEM FIO

OTIMIZAÇÃO POR COLÔNIA DE FORMIGAS PARA O ROTEAMENTO E CONSUMO DE ENERGIA EM REDES DE SENSORES SEM FIO OTIMIZAÇÃO POR COLÔNIA DE FORMIGAS PARA O ROTEAMENTO E CONSUMO DE ENERGIA EM REDES DE SENSORES SEM FIO RODRIGO C. DA SILVA, ANELISE MUNARETTO, MYRIAM R. DELGADO. Programa de Pós-Graduação em Engenharia

Leia mais

Consulte a exposição. Qual declaração descreve corretamente como R1 irá determinar o melhor caminho para R2?

Consulte a exposição. Qual declaração descreve corretamente como R1 irá determinar o melhor caminho para R2? 1. Que duas declarações descrevem corretamente os conceitos de distância administrativa e métrica? (Escolha duas.) a) Distância administrativa refere-se a confiabilidade de uma determinada rota. b) Um

Leia mais

BC-0506: Comunicação e Redes Aula 04: Roteamento

BC-0506: Comunicação e Redes Aula 04: Roteamento BC-0506: Comunicação e Redes Aula 04: Roteamento Santo André, Q011 1 Roteamento Princípios de Roteamento O que é... Sistemas Autônomos Roteamento Interno e Externo Principais Tipos de Algoritmos Distance-Vector

Leia mais

Interligação de Redes

Interligação de Redes REDES II HETEROGENEO E CONVERGENTE Interligação de Redes rffelix70@yahoo.com.br Conceito Redes de ComputadoresII Interligação de Redes Quando estações de origem e destino encontram-se em redes diferentes,

Leia mais

Mobilidade em Redes 802.11

Mobilidade em Redes 802.11 Mobilidade em Redes 802.11 Prof. Rafael Guimarães Redes sem Fio Aula 14 Aula 14 Rafael Guimarães 1 / 37 Sumário Sumário 1 Motivação e Objetivos 2 O protocolo MAC 802.11 3 Quadro 802.11 4 802.11: Mobilidade

Leia mais

Inteligência de Enxame

Inteligência de Enxame UNIVERSIDADE PRESBITERIANA MACKENZIE Laboratório de Computação Natural LCoN I ESCOLA DE COMPUTAÇÃO NATURAL Inteligência de Enxame Alexandre Szabo Diego Almeida Orientador: Leandro Nunes de Castro Outubro/2012

Leia mais

O Avanço da Tecnologia de Comunicação com o Uso de Simulador para a Modelagem em Redes Mistas Cabeadas e Sem Fio

O Avanço da Tecnologia de Comunicação com o Uso de Simulador para a Modelagem em Redes Mistas Cabeadas e Sem Fio O Avanço da Tecnologia de Comunicação com o Uso de Simulador para a Modelagem em Redes Mistas Cabeadas e Sem Fio LÍGIA RODRIGUES PRETE Centro Estadual de Educação Tecnológica Paula Souza, Faculdade de

Leia mais

UNINGÁ UNIDADE DE ENSINO SUPERIOR INGÁ FACULDADE INGÁ CIÊNCIA DA COMPUTAÇÃO TOPOLOGIAS. Profº Erinaldo Sanches Nascimento

UNINGÁ UNIDADE DE ENSINO SUPERIOR INGÁ FACULDADE INGÁ CIÊNCIA DA COMPUTAÇÃO TOPOLOGIAS. Profº Erinaldo Sanches Nascimento UNINGÁ UNIDADE DE ENSINO SUPERIOR INGÁ FACULDADE INGÁ CIÊNCIA DA COMPUTAÇÃO TOPOLOGIAS Profº Erinaldo Sanches Nascimento Objetivos Examinar as várias maneiras para projetar a infraestrutura de cabo para

Leia mais

A camada de rede. A camada de rede. A camada de rede. 4.1 Introdução. 4.2 O que há dentro de um roteador

A camada de rede. A camada de rede. A camada de rede. 4.1 Introdução. 4.2 O que há dentro de um roteador Redes de computadores e a Internet Capitulo Capítulo A camada de rede.1 Introdução.2 O que há dentro de um roteador.3 IP: Protocolo da Internet Endereçamento IPv. Roteamento.5 Roteamento na Internet (Algoritmos

Leia mais

Comunicação Comunicação é o ato de transmissão de informações de uma pessoa à outra. Emissor: Receptor: Meio de transmissão Sinal:

Comunicação Comunicação é o ato de transmissão de informações de uma pessoa à outra. Emissor: Receptor: Meio de transmissão Sinal: Redes - Comunicação Comunicação é o ato de transmissão de informações de uma pessoa à outra. Comunicação sempre foi, desde o início dos tempos, uma necessidade humana buscando aproximar comunidades distantes.

Leia mais

Tecnologia de Redes de Computadores - aula 5

Tecnologia de Redes de Computadores - aula 5 Tecnologia de Redes de Computadores - aula 5 Prof. Celso Rabelo Centro Universitário da Cidade 1 Objetivo 2 3 4 IGPxEGP Vetor de Distância Estado de Enlace Objetivo Objetivo Apresentar o conceito de. Conceito

Leia mais

Capítulo 3: Implementar a segurança por meio de VLANs

Capítulo 3: Implementar a segurança por meio de VLANs Unisul Sistemas de Informação Redes de Computadores Capítulo 3: Implementar a segurança por meio de VLANs Roteamento e Switching Academia Local Cisco UNISUL Instrutora Ana Lúcia Rodrigues Wiggers Presentation_ID

Leia mais

Redes de Computadores

Redes de Computadores Redes de Computadores Roteamento IP Redes de Computadores Objetivo Conhecer o modelo de roteamento da arquitetura TCP/IP Entender os conceitos básicos de algoritmo, métrica, tabela e protocolos de roteamento

Leia mais

Centro Tecnológico de Eletroeletrônica César Rodrigues. Atividade Avaliativa

Centro Tecnológico de Eletroeletrônica César Rodrigues. Atividade Avaliativa 1ª Exercícios - REDES LAN/WAN INSTRUTOR: MODALIDADE: TÉCNICO APRENDIZAGEM DATA: Turma: VALOR (em pontos): NOTA: ALUNO (A): 1. Utilize 1 para assinalar os protocolos que são da CAMADA DE REDE e 2 para os

Leia mais

1 - Cite o nome dos principais campos de um quadro Ethernet, explicando qual a funcionalidade de cada campo.

1 - Cite o nome dos principais campos de um quadro Ethernet, explicando qual a funcionalidade de cada campo. 1 - Cite o nome dos principais campos de um quadro Ethernet, explicando qual a funcionalidade de cada campo. Endereço de Destino = Endereço MAC de destino Endereço de Origem = Endereço MAC de origem Campo

Leia mais

Arquitetura de Rede de Computadores

Arquitetura de Rede de Computadores TCP/IP Roteamento Arquitetura de Rede de Prof. Pedro Neto Aracaju Sergipe - 2011 Ementa da Disciplina 4. Roteamento i. Máscara de Rede ii. Sub-Redes iii. Números Binários e Máscara de Sub-Rede iv. O Roteador

Leia mais

Redes de Computadores e a Internet

Redes de Computadores e a Internet Redes de Computadores e a Internet Magnos Martinello Universidade Federal do Espírito Santo - UFES Departamento de Informática - DI Laboratório de Pesquisas em Redes Multimidia - LPRM 2010 Introdução Redes

Leia mais

APOSTILA DE REDES DE COMPUTADORES PARTE - III

APOSTILA DE REDES DE COMPUTADORES PARTE - III APOSTILA DE REDES DE COMPUTADORES PARTE - III 1 REDE DE COMPUTADORES III 1. Introdução MODELO OSI ISO (International Organization for Standardization) foi uma das primeiras organizações a definir formalmente

Leia mais

REDES DE COMPUTADORES

REDES DE COMPUTADORES CURSO TÉCNICO DE INFORMÁTICA Módulo A REDES DE COMPUTADORES Equipamentos de Rede ATIVOS E PASSIVOS Além dos dispositivos que atuam na borda da rede (computadores, tablets, smartphones, etc), uma rede é

Leia mais

Prof. Manuel A Rendón M

Prof. Manuel A Rendón M Prof. Manuel A Rendón M Tanenbaum Redes de Computadores Cap. 1 e 2 5ª. Edição Pearson Padronização de sistemas abertos à comunicação Modelo de Referência para Interconexão de Sistemas Abertos RM OSI Uma

Leia mais

Redes de Computadores II INF-3A

Redes de Computadores II INF-3A Redes de Computadores II INF-3A 1 ROTEAMENTO 2 Papel do roteador em uma rede de computadores O Roteador é o responsável por encontrar um caminho entre a rede onde está o computador que enviou os dados

Leia mais

Curso: Sistemas de Informação Disciplina: Redes de Computadores Prof. Sergio Estrela Martins

Curso: Sistemas de Informação Disciplina: Redes de Computadores Prof. Sergio Estrela Martins Curso: Sistemas de Informação Disciplina: Redes de Computadores Prof. Sergio Estrela Martins Material de apoio 2 Esclarecimentos Esse material é de apoio para as aulas da disciplina e não substitui a leitura

Leia mais

Fundamentos de Redes de Computadores. Elementos de Redes Locais

Fundamentos de Redes de Computadores. Elementos de Redes Locais Fundamentos de Redes de Computadores Elementos de Redes Locais Contexto Implementação física de uma rede de computadores é feita com o auxílio de equipamentos de interconexão (repetidores, hubs, pontos

Leia mais

Aula 13 Mobilidade 2004-2005

Aula 13 Mobilidade 2004-2005 Aula 13 Mobilidade FCUL 2004-2005 . Encaminhamento em redes ad hoc Permitir que um nó esteja sempre acessível usando o mesmo endereço, independentemente da sua localização física. Problema: O endereço

Leia mais

Um protocolo de roteamento resistente a ataques blackhole sem detecção de nós maliciosos

Um protocolo de roteamento resistente a ataques blackhole sem detecção de nós maliciosos XXX SIMPÓSIO BRASILEIRO DE TELECOMUNICAÇÕES - SBrT 12, 13-16 DE SETEMBRO DE 2012, BRASÍLIA, DF Um protocolo de roteamento resistente a ataques blackhole sem detecção de nós maliciosos Joilson Alves Junior

Leia mais

M3 Redes de computadores avançado (36 horas - 48 TL)

M3 Redes de computadores avançado (36 horas - 48 TL) M3 Redes de computadores avançado (36 horas - 48 TL) Redes de Comunicação Ano lectivo 2013/2014 Camada de rede do modelo OSI Routers e portos de interface de routers (I) 2 Nesta camada imperam os routers.

Leia mais

Sistemas Operacionais Abertos. Prof. MSc. André Yoshimi Kusumoto andrekusumoto.unip@gmail.com

Sistemas Operacionais Abertos. Prof. MSc. André Yoshimi Kusumoto andrekusumoto.unip@gmail.com Sistemas Operacionais Abertos Prof. MSc. André Yoshimi Kusumoto andrekusumoto.unip@gmail.com Caracterização de Sistemas Distribuídos Coulouris, Dollimore and Kindberg. Distributed Systems: Concepts and

Leia mais