Universidade Federal do Rio de Janeiro. Escola Politécnica. Departamento de Eletrônica e de Computação

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "Universidade Federal do Rio de Janeiro. Escola Politécnica. Departamento de Eletrônica e de Computação"

Transcrição

1 Universidade Federal do Rio de Janeiro Escola Politécnica Departamento de Eletrônica e de Computação Simulador de redes de computadores para treinamento em atividades cibernéticas Autor: Orientador: Oliver von Behr Kuster Examinador: Prof. Marcelo Luiz Drumond Lanza Examinador: Prof. Luís Henrique Maciel Kosmalski Costa Prof. Miguel Elias Mitre Campista DEL Março 2014

2 UNIVERSIDADE FEDERAL DO RIO DE JANEIRO Escola Politécnica - Departamento de Eletrônica e de Computação Centro de Tecnologia, bloco H, sala H-217, Cidade Universitária Rio de Janeiro - RJ CEP Este exemplar é de propriedade da Universidade Federal do Rio de Janeiro, que poderá incluí-lo em base de dados, armazenar em computador, microfilmar ou adotar qualquer forma de arquivamento. É permitida a menção, reprodução parcial ou integral e a transmissão entre bibliotecas deste trabalho, sem modificação de seu texto, em qualquer meio que esteja ou venha a ser fixado, para pesquisa acadêmica, comentários e citações, desde que sem finalidade comercial e que seja feita a referência bibliográfica completa. Os conceitos expressos neste trabalho são de responsabilidade do(s) autor(es) e do(s) orientador(es). ii

3 AGRADECIMENTO Dedico esse trabalho aos meus pais, pela oportunidade que me deram para chegar a esse ponto. Agradeço aos meus amigos e professores que me apoiaram e me auxiliaram no caminho. Também tenho em mente que, sem nenhuma das pessoas que participaram na história de nossa tecnologia, nada disso teria sido possível. iii

4 RESUMO Este projeto apresenta o desenvolvimento e a metodologia usada para criar um simulador de redes de computadores voltado para treinamentos cibernéticos, em especial os na área de segurança de redes. Através desses treinamentos serão fornecidas redes virtuais para alunos executarem suas tarefas. O objetivo do projeto é prover uma ferramenta para geração automática de redes virtualizadas, com acesso via Web. Nele, deve ser possível configurar redes virtuais com suas máquinas e serviços de forma flexível e modular, permitindo reúso de conteúdo. Toda criação de redes virtuais será feita exclusivamente através da interface Web do sistema, portanto não será necessária a intervenção manual na preparação de redes virtuais. Tendo especificada a rede no sistema, é então possível a criação repetida e automatizada dela, de acordo com a necessidade para a quantidade de alunos que estão sendo treinados. Estes podem ter suas redes individualmente, preparando uma rede por aluno, ou podem estar todos conectados na mesma rede. O projeto foi desenvolvido em Java para Web Server, utilizando o VMware como sistema virtualizador de máquinas e redes. A contribuição no projeto inclui a implementação do uso das APIs do VMware para gerenciamento das máquinas virtuais e a configuração das máquinas virtuais através dessas APIs. Palavras-Chave: simulador, redes, computadores, virtualização, treinamento. iv

5 ABSTRACT This project explains the development and methodology of creating a computer network simulator focused on cybernetic training. The main goal of the project is to provide a tool for automatic network creation, using a web interface. It will be possible to configure virtual networks and their machines and services flexibly and in a modular way, allowing for content reuse. All configuration of the virtual networks will be made through the web interface, so no manual intervention will be required in the creation of the networks. After having specified the desired network, the system will be able to automatically create it repeatedly, fulfilling the need for the number of students to be trained. The students can have their individual networks, creating one identical network for each student, or they can share the same network. The system was developed in Java for Web Server, using VMware as the machine and network virtualizer. The contribution of this project includes the use of the VMware APIs for virtual machine management and the configuration of these virtual machines. Key-words: simulator, networks, computers, virtualization, training. v

6 SIGLAS AD - Active Directory ADSL - Asymmetric Digital Subscriber Line AJP - Apache JServ Protocol API - Application Programming Interface ASCII - American Standard Code for Information Interchange BGP - Border Gateway Protocol DHCP - Dynamic Host Configuration Protocol DLL - Dynamic Link Library DNS - Domain Name System DWR - Direct Web Remoting HTTP - Hypertext Transfer Protocol HTTPS - Hypertext Transfer Protocol Secure IDE - Integrated Development Environment IP - Internet Protocol JIT - Just-in-time JSP - JavaServer Pages JVM - Java Virtual Machine vi

7 MAC - Medium Access Control NAT - Network Address Translation OSI - Open Systems Interconnection OSPF - Open Shortest Path First RIP - Routing Information Protocol SOAP - Simple Object Access Protocol SSH - Secure Shell SQL - Structured Query Language UFRJ - Universidade Federal do Rio de Janeiro VLAN - Virtual Local Area Network VM - Virtual Machine XSD - XML Schema Definition XML - extensible Markup Language WSDL - Web Services Description Language vii

8 Sumário Lista de Figuras xi 1 Introdução Tema Delimitação Justificativa Objetivos Metodologia Organização do texto Tecnologias Usadas Java Tipos de linguagens Bytecode A linguagem Apache Tomcat PostgreSQL VMware VMware ESXi VMware vsphere VMWare vcenter Formatos de VMs VMware Tools VMware vmotion Conexões Virtuais viii

9 2.3.8 APIs de acesso ao VMware Escolha do VMware Hardware Outras ferramentas Eclipse Jira Bibliotecas O Sistema Objetos de rede Treinamento Interface do sistema Criar e editar redes Execução de eventos Instanciação e configuração das máquinas Máquinas virtuais VMware vsphere Management API Configuração de rede Protocolos usados Elementos clientes Elementos roteadores Outros elementos Execução de scripts Motor de execução O funcionamento Threads Agendamento Unidade de tempo Eventos Métricas ix

10 6 Análise do resultado do treinamento Banco de dados Análise Conclusão Limitações e Dificuldades Resultados Trabalhos futuros Conclusão Bibliografia 60 A Interface Vix 63 x

11 Lista de Figuras 2.1 Java JIT[1] Arquitetura do Tomcat[2] Infraestrutura do VMWare vsphere[3] VMWare vcenter[4] Infraestrutura de produção Lista e classificação dos elementos de rede Interface de associação de elementos de rede Lista de eventos de configuração Lista de eventos xi

12 Capítulo 1 Introdução 1.1 Tema O projeto apresentado neste documento visa solucionar a deficiência de treinamentos cibernéticos, notadamente na área de segurança de redes de computadores, quando realizados utilizando um ambiente físico. O sistema discutido faz uso de máquinas virtuais (computadores e dispositivos de rede) para o processo de treinamento. As máquinas virtuais desejadas para uma rede serão selecionadas e relacionadas na forma em que a rede deverá ser montada. Para a criação da rede é possível especificar configurações em forma de scripts, que serão executados nas máquinas virtuais. Todos os elementos usados na criação de rede são modulares, possibilitando a reutilização e facilitando a expansão do conteúdo disponível. Este trabalho se enquadra na área de computação. Mais especificamente, serão abordados conhecimentos de desenvolvimento de software, de redes de computadores e de virtualização. 1.2 Delimitação Tendo em vista os recentes acontecimentos globais relacionados a ameaças digitais, foi criada uma demanda pelo Exército Brasileiro para treinamentos em operações cibernéticas. Este projeto é parte da solução desenvolvida pela empresa Minds at Work contratada pela empresa Decatron, vencedora da licitação para o desenvolvimento e entrega do sistema. 1

13 O sistema foi elaborado com fim de operações cibernéticas, com foco em ataque e defesa. Contudo, por ser um simulador de redes, pode ser adaptado para treinamentos em diversas áreas que utilizam tecnologia da informação. Isso se dá, pois todas as configurações são modulares, que permite serem editadas pelo usuário e que resulta em uma flexibilidade maior na gama de redes possíveis a serem criadas. 1.3 Justificativa Por mais que existam muitas soluções para a criação de máquinas virtuais, não encontramos uma solução de gerenciamento integrado para redes de computadores. Quando existem, são gerenciamentos pontuais e não facilmente replicáveis. Um treinamento, para ser executado, necessita de máquinas ligadas em rede configuradas para acesso. Nisso é incluída a configuração de IP da rede e a configuração de serviços que serão acessados. Toda vez que for executado um treinamento, será necessária a manutenção manual ou até individual dos computadores no treinamento, como por exemplo a reversão das máquinas para o estado inicial ou a configuração de máquinas novas. Também seria dificultada a criação de novas funcionalidades, sem ter que modificar a configuração existente, perdendo a configuração utilizada. Assim o treinamento em redes de computadores se torna limitado e custoso, dependendo de configurações fixas para que alunos possam usá-las recorrentemente. Isso limita a diversidade de treinamentos que podem ser oferecidos. Para oferecer flexibilidade é necessário configurar individualmente os componentes do treinamento para cada aluno, aumentando o custo do treinamento. A quantidade de alunos que podem ser treinados ao mesmo tempo é limitada por essas características do sistema de gerenciamento integrado. 1.4 Objetivos A ideia do projeto é criar uma ferramenta de gerenciamento de redes para organizar e modularizar o conteúdo para criação de redes virtuais. As redes terão como foco treinamentos em atividades cibernéticas, sendo possível, porém, criar redes genéricas de usos diversos, que envolvam redes de computadores e serviços. 2

14 Não existe atualmente uma grande preocupação em poder criar redes préconfiguradas sem ter a necessidade de implementar as configurações manualmente ou sem estar limitado a máquinas préviamente configuradas. Mesmo que redes sejam parcialmente ou exclusivamente em ambientes virtualizados, suas configurações são feitas de maneira efêmera, descartando a possibilidade de serem reaproveitadas de outra forma ou em outro ambiente. O projeto almeja oferecer uma mecânica integrada para a criação e para a execução de treinamentos em redes. A criação deve ser o mais flexível possível, mantendo-se ao mesmo tempo simples, de forma que seja necessário pouco conhecimento específico sobre o sistema. Assim, é apenas necessária a configuração de modelos de máquinas virtuais existentes através de scripts. Através do uso de um virtualizador de máquinas, neste caso o VMware, será feita a preparação de máquinas virtuais a partir de Templates, que são máquinas virtuais modelo. Estas máquinas virtuais criadas serão configuradas pelo sistema de acordo com a definição da rede criada para o treinamento. Utilizando o sistema, um mesmo treinamento poderá ser reexecutado quantas vezes necessário, sem a necessidade de intervenção manual nas máquinas virtuais ou reconfiguração de conteúdo no sistema. Esses treinamentos fornecerão máquinas virtuais pré-configuradas para os alunos acessarem, através das quais deverão executar as tarefas especificadas. No treinamento será possível monitorar os alunos, bem como criar scripts que interajam com as máquinas virtuais e possam coletar informações. A execução dos treinamentos deve oferecer acesso a um número adequado de alunos, individualmente ou em grupo. Os instrutores deverão poder acompanhar os treinamentos de modo que possam monitorar os alunos e/ou o sistema como um todo através de regras configuráveis. O material para estudar e analisar o resultado do treinamento após a sua execução deverá ficar disponível, possibilitando discussões e avaliações do processo, bem como das soluções elaboradas pelos alunos. 3

15 1.5 Metodologia Como o sistema é complexo e necessita de várias soluções de terceiros para se tornar viável, foi conduzida uma pesquisa para a avaliação dos componentes a serem usados. Isso se torna importante para a adequação dos termos dados ao sistema pela sua licitação. Também será feita uma análise quantitativa da usabilidade do sistema em questão de criação de redes. O projeto será apresentado em quatro fases, permitindo que o seu andamento possa ser verificado e principalmente se as especificações iniciais estejam sendo atendidas. A validação oficial foi realizada através do uso do sistema em testes e através do primeiro uso após a sua entrega. A contribuição neste projeto está no gerenciamento de máquinas virtuais através do sistema desenvolvido. Isso é implementado através do uso das APIs do VMware, usando o controle de máquinas virtuais e a interação com o sistema operacional virtualizado. Nisso são incluídas as funcionalidades de clonar, iniciar e reconfigurar as máquinas virtuais, assim como a criação, modificação e execução de arquivos no sistema operacional virtualizado. Também são fornecidos os scripts e as configurações internas nas máquinas virtuais que são usados para adequar as máquinas à rede definida. Essencialmente desenvolveu-se a utilização do VMware, os scripts e as configurações das máquinas e a maneira que o sistema gerencia ambos. 1.6 Organização do texto No capítulo 2 serão apresentadas as tecnologias usadas e detalhes relevantes sobre cada uma delas. O capítulo 3 apresenta a geração de conteúdo, o próprio treinamento e como ele pode ser gerenciado através da interface. No capítulo 4 é discutido o uso e a configuração de máquinas virtualizadas. O capítulo 5 contém informações sobre o decorrer do treinamento, realizado pelas ações do motor de execução. No capítulo 6, serão apresentadas as funcionalidades de análise dos treinamentos executados. 4

16 O capítulo 7 encerra com os resultados e a conclusão do trabalho. 5

17 Capítulo 2 Tecnologias Usadas Neste capítulo serão descritas as tecnologias utilizadas no funcionamento do sistema. Essas tecnologias concentram-se em dois pontos, o primeiro sendo a linguagem Java e como ela pode ser usada para gerar um portal Web através do Webserver Tomcat. O segundo ponto é a integração entre o desenvolvimento e a ferramenta de virtualização escolhida, ou seja, o VMware. 2.1 Java Java é uma linguagem de programação orientada a objetos cuja grande vantagem é a portabilidade entre plataformas. Inicialmente criada para televisão interativa, não teve difusão por ser avançada demais em 1991 [5]. Seu nome inicial era Oak, depois foi trocado para Green até chegar em Java. A linguagem se tornou popular quando navegadores incorporaram a habilidade de executar Java Applets em páginas Web, tornando-as interativas. De acordo com sua criadora, a Sun Microsystems [6], Java é um código do tipo Write once, run anywhere (WORA). Isto é, o código fonte de uma aplicação Java pode ser executado em diversos hardwares e em sistemas operacionais diferentes sem maiores modificações. Com isso, projetos podem ser difundidos entre usuários de diversos dispositivos. Há também a consideração de que desenvolvedores não precisam aprender a usar uma ferramenta totalmente nova para cada plataforma, facilitando novos projetos. Atualmente, o Java tem usa principal implementação pertencente à Oracle, pela aquisição da Sun Microsystems em

18 Essa linguagem é usada em uma grande quantidade de dispositivos, desde aparelhos de som de carros a televisões, e têm tido grande uso no sistema operacional de smartphones, o Android, desenvolvido pela Google. A linguagem foi usada nesse projeto por que está de acordo com as técnicas de desenvolvimento atuais, sendo orientada a objetos e amplamente difundida. A sintaxe da linguagem Java é de fácil entendimento e usada por padrão em projetos da empresa na qual o projeto foi desenvolvido Tipos de linguagens As linguagens de programação são executadas normalmente de duas formas. Da primeira, é compilada do código fonte para a linguagem de máquina do hardware alvo e a segunda é interpretada direto do código fonte em tempo de execução. Compilar nada mais é que traduzir o código fonte para a linguagem de máquina. Com isso, podem ser feitas diversas otimizações para a arquitetura alvo, baseadas nas instruções implementadas no processador em questão. Essas instruções podem conter comandos específicos para diversas aplicações amplamente usadas, como encriptação, que seriam executadas de forma mais rápida. Implementações a nível de hardware tendem a ser mais rápidas pois reduzem o número de comandos necessários para implementar os mesmos cálculos. Ao compilar, o binário torna-se dependente do ambiente alvo onde será executado. Traduzir o binário para todos os sistemas operacionais e arquiteturas é custoso e dificulta a sua distribuição. Para superar esse problema existem linguagens interpretadas, onde o código fonte é lido em tempo de execução e implementado nativamente por um interpretador. O interpretador também teria que ser compilado para cada ambiente. Isso é feito apenas uma vez, enquanto que cada aplicativo teria que ser compilado para cada combinação sistema operacional e arquitetura. Existem desvantagens. Uma delas é a necessidade de analisar o código toda vez que for executado, verificando a sua léxica. Certamente os interpretadores são compilados com as otimizações, melhorando o desempenho dos comandos lidos do código fonte do aplicativo a ser executado. Porém é muito mais custoso ler um arquivo texto, onde cada instrução pode relacionar várias linhas e comandos diferentes. 7

19 As instruções nada mais são que comandos da linguagem que executarão uma atividade, como executar outros comandos, atribuir valores a variáveis, etc. Os comandos nas linguagens interpretadas devem ser analisados para confirmar se a sintaxe está correta. A seguir devem ser traduzidos pelo interpretador para as instruções equivalentes do ambiente de execução. É muito mais eficiente ler instruções já no formato correto, compostas por alguns bytes, que serão passados diretamente para o sistema operacional e para o processador Bytecode Java é um comprometimento entre os dois tipos de linguagens. Nela, o código fonte é compilado para uma linguagem de máquina chamada bytecode, que garante a compatibilidade entre diferentes sistemas operacionais. Para conciliar as duas formas, Java cria uma espécie de linguagem de máquina própria. O resultado ainda precisa ser interpretado, no entanto é menos custoso que uma linguagem puramente interpretada. Verificações léxicas não precisam ser feitas a cada execução e o gerador de bytecode pode otimizar o código. Esse código é então executado em uma Java Virtual Machine (JVM). A JVM executa código de arquivos com extensão.class ou.jar. O primeiro contém uma classe Java, enquanto que o segundo contém um conjunto comprimido de classes, o que facilita a sua distribuição. A cada vez que forem executados, será realizada uma análise para verificar se o binário está com os dados em posições válidas, sempre inicializados e com tipos compatíveis, e se as regras de acesso aos métodos são seguidas. Em tempo de execução, a máquina virtual pode usar um Just-in-time compiler (JIT), que converte pedaços do bytecode em linguagem de máquina corresponde à arquitetura em questão, otimizando aqueles trechos. Essa ferramenta é usada na maioria das implementações de máquinas virtuais de Java. Sendo que a mais difundida é a HotSpot, da Oracle Corporation [7]. O nome vem da procura por pontos quentes no código, que são partes executadas repetidamente, necessitando de otimização do desempenho. Na figura 2.1 é possível ter uma visão geral dessa funcionalidade. 8

20 Figura 2.1: Java JIT[1] A linguagem A sintaxe da linguagem é, em grande parte, derivada de C++. Todo o código é contido em classes e todas as variáveis são objetos, com exceção dos tipos básicos, como inteiros, números de ponto flutuante, booleanas e caracteres. Java não suporta sobrecarga de operadores, que pode ser usada em C++ para definir comportamentos alternativos para operações de soma, divisão, atribuição, etc. Essa decisão foi tomada, pois não é possível garantir a lógica da implementação desses operadores para objetos complexos. Por isso, devem ser chamadas sempre funções cujo nome identifique o seu comportamento. Também não são suportadas heranças de múltiplas classes e tipos sem sinal (unsigned) de variáveis numéricas, que restringem seus valores apenas para números positivos. Essas limitações são estabelecidas tendo em mente manter a simplicidade da linguagem [8]. O uso de comentários é parecido com C/C++: // para comentar apenas uma linha de conteúdo após as duas barras e / para comentar conteúdo até o próximo /. Difere porém na existência do comentário iniciado por / que indica ser um Javadoc, terminado por /. Esse comentário é necessário para gerar a documentação do código e deve ser usado para descrever classes, métodos e seus parâmetros Apache Tomcat O Tomcat é um Webserver de código aberto, desenvolvido pela Apache Software Foundation, e está na versão 7. Nesse projeto foi utilizada a versão , pois fornece maior estabilidade e compatibilidade com as ferramentas utilizadas. Esse 9

21 serviço é usado para gerar um portal Web gerenciado por binários em Java. Existem outros serviços que têm a mesma funcionalidade, como por exemplo o WebSphere da empresa IBM, que porém não é de código aberto. O Tomcat foi usado no projeto por ser livre e de código aberto, suportado em Linux, Windows e Mac OS. Também é usado como padrão da empresa. Um concorrente válido seria o IBM WebSphere, que é pago porém. Existem diversas outras maneiras de desenvolver sistemas Web, porém para uso da linguagem Java estas são as mais adequadas. Três partes constituem o Tomcat: Catalina, Coyote e Jasper. Coyote é o responsável por receber conexões Web e responder com conteúdo para os clientes. Jasper compila arquivos de código fonte Java, as JavaServer Pages (JSP), que são gerenciadas pelo Catalina, que também incorpora elementos de segurança e de permissões. As conexões que o serviço suporta são configuradas em um arquivo extensible Markup Language (XML), localizado no caminho da instalação. Neste arquivo podem ser definidos diversos conectores, como Hypertext Transfer Protocol (HTTP), Hypertext Transfer Protocol Secure (HTTPS) e Apache JServ Protocol (AJP). O HTTP e sua forma encriptada, o HTTPS, são os formatos padrões de conteúdo Web. O AJP é um protocolo para integração com outros servidores Apache, para que tarefas possam ser distribuídas internamente de maneira transparente. Isso é representado de maneira abstrata na figura 2.2, onde é mostrada a arquitetura do Tomcat. Também é suportada a execução em cluster, onde o processamento do serviço é dividido entre várias máquinas para atender melhor à grande quantidade de requisições. 2.2 PostgreSQL O Bancos de dados são uma coleção organizada de dados, contendo estruturas para armazenar informações de um ou de vários sistemas. Para essas coleções de dados serem acessadas e gerenciadas, são necessários sistemas gerenciadores de bancos de dados. As ações que um sistema gerenciador pode tomar em um banco de 10

22 Figura 2.2: Arquitetura do Tomcat[2]. dados se enquadram em quatro tipos. O primeiro é a definição de dados, que define a estrutura que será utilizada no banco para armazenar as informações. Em seguida é necessário popular o banco, inserindo, modificando ou apagando informações. Buscas poderão ser realizadas sobre essas informações. Por fim, o sistema gerenciador também pode administrar o banco, isto é, configurar usuários para limitar acessos indevidos e garantir a segurança das informações, monitorar o desempenho, garantir integridade do banco e recuperá-lo em caso de falha. Para armazenar as informações, os bancos usam normalmente o modelo relacional. Nele, os dados são armazenados em tabelas, que devem ter um índice único para aquela entrada de dados. Cada entrada de dados é uma linha na tabela, também chamado de tupla, podendo conter vários atributos, que são as colunas. Os índices são chamados de chaves primárias. Essas chaves primárias podem ser referenciadas por chaves estrangeiras de outras tabelas, relacionando tuplas diferentes. Existem três tipos de relacionamentos usando chaves estrangeiras. Os dois mais simples são Um para um e Um para muitos. Nesses dois tipos, uma tupla é referenciada apenas por uma ou mais tuplas de outra tabela. Em Um para um não é diferenciado qual contém a chave estrangeira. Na outra, entretanto, a chave primária da Um deve estar referenciada nas chaves estrangeiras dos muitos, para evitar complexidades desnecessárias no banco. Várias entradas de uma tabela podem referenciar uma única entrada da outra tabela, mas cada entrada 11

23 referencia apenas uma outra tupla. O terceiro tipo é Muitos para muitos, onde é necessária a criação de uma nova tabela para fazer a refêrencia cruzada entre as chaves primárias das tabelas relacionadas. Um exemplo simples para esse tipo seria uma tabela de publicações e autores. Um autor pode ter várias publicações, assim como uma publicação pode ter mais de um autor. Nesse caso seria criada uma tabela que relaciona cada índice de publicação com o índice do autor correspondente. O banco de dados objeto-relacional PostgreSQL, ou simplesmente Postgres, foi desenvolvido em 1990 na Universidade da Califórnia para avançar no campo de bancos de dados. A ideia era desenvolver um sistema com o mínimo de funcionalidades necessárias para conseguir implementar relacionamentos de objetos. Isso permitiria a exploração de conceitos novos, como a tecnologia objeto-relacional[9]. O Postgres suporta grande parte do padrão SQL e possibilita várias opções modernas, tal como consultas complexas, chaves estrangeiras, gatilhos entre outros[10]. Com consultas complexas é possível buscar por entradas usando mais de um filtro e múltiplas tabelas. O uso de chaves estrangeiras permite que sejam impostas regras entre tabelas para manter a integridade dos dados contidos em mais de uma tabela. A refêrencia de outra tabela não pode ser removida enquanto alguma outra entrada a estiver usando, ou que ao remover uma informação, todos os pontos que são referenciados somente por ela também sejam removidos. O Postgres foi usado no projeto pois estava nos requisitos do edital. Além disso é um banco de dados maduro e seguro, suportado em diversas plataformas, e uma solução gratuita. 2.3 VMware Por mais que o Java execute código em JVM, isso não é o suficiente para executar sistemas operacionais inteiros em ambientes simulados. Para conseguir gerenciar isto, foi usada a solução de virtualização da VMware. A solução se divide em três aspectos principais, que em sua totalidade são denominados VMware vsphere. sistema operacional VMware ESXi que é instalado nos servidores de virtua- 12

24 lização gerenciador dos servidores, chamado VMware vcenter software cliente que permite o acesso a essa infraestrutura Figura 2.3: Infraestrutura do VMWare vsphere[3] VMware ESXi O VMware ESXi é um sistema operacional criado a partir do Linux e não possui uma interface gráfica, apenas uma interface limitada para acesso emergencial. A vantagem de ser um sistema específico para virtualização é conseguir prover o maior desempenho para as máquinas virtuais que são executadas nele. Idealmente, essas máquinas virtuais conseguem ser executadas com velocidade próxima a que conseguiriam se estivessem em uma máquina física com hardware equivalente. Idealmente, pois é feita uma distribuição de recursos entre cada máquina quando é necessário, o que pode resultar em uma redução dos recursos necessários para as outras máquinas. 13

25 2.3.2 VMware vsphere A solução vsphere da VMware é a visão geral de todos os elementos da empresa, desde servidores, a serviços e gerenciamento de máquinas. A figura 2.3 engloba muitas das tecnologias disponíveis, a principal sendo o VMware vsphere, como centro das funcionalidades. A partir do vsphere é possível acessar e gerenciar diferentes funcionalidades e ferramentas disponíveis pela VMware VMWare vcenter O vcenter, figura 2.4, é uma ferramenta de gestão integrada de múltiplos servidores de virtualização. Nele são integrados diversos servidores ESXi sobre um único ponto de gerenciamento, fornecendo acesso ao VMware vsphere e integração de APIs de gerenciamento, que são usadas no projeto. Ele é um serviço com suporte apenas para Windows, com banco de dados próprio e pode ser instalado dentro de uma das máquinas virtuais gerenciadas por ele. Figura 2.4: VMWare vcenter[4]. 14

Processos (Threads,Virtualização e Migração de Código)

Processos (Threads,Virtualização e Migração de Código) Processos (Threads,Virtualização e Migração de Código) Roteiro Processos Threads Virtualização Migração de Código O que é um processo?! Processos são programas em execução. Processo Processo Processo tem

Leia mais

Virtualização - Montando uma rede virtual para testes e estudos de serviços e servidores

Virtualização - Montando uma rede virtual para testes e estudos de serviços e servidores Virtualização - Montando uma rede virtual para testes e estudos de serviços e servidores Este artigo demonstra como configurar uma rede virtual para ser usada em testes e estudos. Será usado o VirtualBox

Leia mais

Linguagem de Programação JAVA. Professora Michelle Nery Nomeclaturas

Linguagem de Programação JAVA. Professora Michelle Nery Nomeclaturas Linguagem de Programação JAVA Professora Michelle Nery Nomeclaturas Conteúdo Programático Nomeclaturas JDK JRE JEE JSE JME JVM Toolkits Swing AWT/SWT JDBC EJB JNI JSP Conteúdo Programático Nomenclatures

Leia mais

The Eucalyptus Open- source Cloud-computing System. Janaina Siqueira Lara Wilpert Marcelo Scheidt Renata Silva

The Eucalyptus Open- source Cloud-computing System. Janaina Siqueira Lara Wilpert Marcelo Scheidt Renata Silva The Eucalyptus Open- source Cloud-computing System Janaina Siqueira Lara Wilpert Marcelo Scheidt Renata Silva Sumário Introdução Trabalhos Correlatos Eucalyptus Design Conclusões Visão Geral Introdução:

Leia mais

Universidade Federal do Acre. Centro de Ciências Exatas e Tecnológicas

Universidade Federal do Acre. Centro de Ciências Exatas e Tecnológicas Universidade Federal do Acre Centro de Ciências Exatas e Tecnológicas Universidade Federal do Acre Centro de Ciências Exatas e Tecnológicas Pós-graduação Lato Sensu em Desenvolvimento de Software e Infraestrutura

Leia mais

Cisco Intelligent Automation for Cloud

Cisco Intelligent Automation for Cloud Dados técnicos do produto Cisco Intelligent Automation for Cloud Os primeiros a adotarem serviços com base em nuvem buscavam uma economia de custo maior que a virtualização e abstração de servidores podiam

Leia mais

Redes. Pablo Rodriguez de Almeida Gross

Redes. Pablo Rodriguez de Almeida Gross Redes Pablo Rodriguez de Almeida Gross Conceitos A seguir serão vistos conceitos básicos relacionados a redes de computadores. O que é uma rede? Uma rede é um conjunto de computadores interligados permitindo

Leia mais

Virtualização. O conceito de VIRTUALIZAÇÃO

Virtualização. O conceito de VIRTUALIZAÇÃO Virtualização A virtualização está presente tanto no desktop de um entusiasta pelo assunto quanto no ambiente de TI de uma infinidade de empresas das mais variadas áreas. Não se trata de "moda" ou mero

Leia mais

Cloud Computing. Andrêza Leite. andreza.lba@gmail.com

Cloud Computing. Andrêza Leite. andreza.lba@gmail.com Cloud Computing Andrêza Leite andreza.lba@gmail.com Roteiro O que é cloud computing? Classificação O que está 'por traz' da cloud? Exemplos Como montar a sua? O que é cloud computing? Cloud Computing O

Leia mais

CLOUD COMPUTING. Andrêza Leite. andreza.leite@univasf.edu.br

CLOUD COMPUTING. Andrêza Leite. andreza.leite@univasf.edu.br CLOUD COMPUTING Andrêza Leite andreza.leite@univasf.edu.br Roteiro O que é cloud computing? Classificação O que está 'por traz' da cloud? Exemplos Como montar a sua? O que é cloud computing? Cloud Computing

Leia mais

INTERNET = ARQUITETURA TCP/IP

INTERNET = ARQUITETURA TCP/IP Arquitetura TCP/IP Arquitetura TCP/IP INTERNET = ARQUITETURA TCP/IP gatewa y internet internet REDE REDE REDE REDE Arquitetura TCP/IP (Resumo) É útil conhecer os dois modelos de rede TCP/IP e OSI. Cada

Leia mais

GUIA DE INSTALAÇÃO NETDEEP SECURE COM HYPER-V

GUIA DE INSTALAÇÃO NETDEEP SECURE COM HYPER-V GUIA DE INSTALAÇÃO NETDEEP SECURE COM HYPER-V GUIA DE INSTALAÇÃO NETDEEP SECURE COM HYPER-V 1- Visão Geral Neste manual você aprenderá a instalar e fazer a configuração inicial do seu firewall Netdeep

Leia mais

Kaspersky Security for Virtualization. Overview

Kaspersky Security for Virtualization. Overview Kaspersky Security for Virtualization Overview Idéia da Virtualização Executar um sistema operacional como um programa dentro de outro sistema operacional Executar vários sistemas operacionais no mesmo

Leia mais

Intranets. FERNANDO ALBUQUERQUE Departamento de Ciência da Computação Universidade de Brasília 1.INTRODUÇÃO

Intranets. FERNANDO ALBUQUERQUE Departamento de Ciência da Computação Universidade de Brasília 1.INTRODUÇÃO Intranets FERNANDO ALBUQUERQUE Departamento de Ciência da Computação Universidade de Brasília 1.INTRODUÇÃO As intranets são redes internas às organizações que usam as tecnologias utilizadas na rede mundial

Leia mais

4 Estrutura do Sistema Operacional. 4.1 - Kernel

4 Estrutura do Sistema Operacional. 4.1 - Kernel 1 4 Estrutura do Sistema Operacional 4.1 - Kernel O kernel é o núcleo do sistema operacional, sendo responsável direto por controlar tudo ao seu redor. Desde os dispositivos usuais, como unidades de disco,

Leia mais

REDES DE COMPUTADORES

REDES DE COMPUTADORES CURSO TÉCNICO DE INFORMÁTICA Módulo A REDES DE COMPUTADORES Equipamentos de Rede ATIVOS E PASSIVOS Além dos dispositivos que atuam na borda da rede (computadores, tablets, smartphones, etc), uma rede é

Leia mais

AGENTE PROFISSIONAL - ANALISTA DE REDES

AGENTE PROFISSIONAL - ANALISTA DE REDES Página 1 CONHECIMENTO ESPECÍFICO 01. Suponha um usuário acessando a Internet por meio de um enlace de 256K bps. O tempo mínimo necessário para transferir um arquivo de 1M byte é da ordem de A) 4 segundos.

Leia mais

Modelo de referência OSI. Modelo TCP/IP e Internet de cinco camadas

Modelo de referência OSI. Modelo TCP/IP e Internet de cinco camadas Modelo de referência OSI. Modelo TCP/IP e Internet de cinco camadas Conhecer os modelo OSI, e TCP/IP de cinco camadas. É importante ter um padrão para a interoperabilidade entre os sistemas para não ficarmos

Leia mais

REDES ESAF. leitejuniorbr@yahoo.com.br 1 Redes - ESAF

REDES ESAF. leitejuniorbr@yahoo.com.br 1 Redes - ESAF REDES ESAF 01 - (ESAF - Auditor-Fiscal da Previdência Social - AFPS - 2002) Um protocolo é um conjunto de regras e convenções precisamente definidas que possibilitam a comunicação através de uma rede.

Leia mais

PREFEITURA MUNICIPAL DE LAGOA SANTA COMISSÃO PERMANENTE DE LICITAÇÃO CEP 33400-000 - ESTADO DE MINAS GERAIS

PREFEITURA MUNICIPAL DE LAGOA SANTA COMISSÃO PERMANENTE DE LICITAÇÃO CEP 33400-000 - ESTADO DE MINAS GERAIS ERRATA E REABERTURA PROCESSO LICITATÓRIO N 097/2011 MODALIDADE: PREGÃO PRESENCIAL RP N 061/2011 OBJETO: AQUISIÇÃO DE SISTEMA DE ARMAZENAMENTO DE DADOS CENTRALIZADOS (STORAGE) E DE SISTEMA DE CÓPIA DE SEGURANÇA

Leia mais

APLICAÇÕES EM SISTEMAS DISTRIBUÍDOS Prof. Ricardo Rodrigues Barcelar http://www.ricardobarcelar.com

APLICAÇÕES EM SISTEMAS DISTRIBUÍDOS Prof. Ricardo Rodrigues Barcelar http://www.ricardobarcelar.com - Aula 6 - ALGORÍTIMOS PARALELOS MPI - Parallel Virtual Machine e PVM - Parallel Virtual Machine 1. INTRODUÇÃO Inicialmente é necessário conceber alguns conceitos para entendimento dos algoritmos paralelos:

Leia mais

Tecnologia Java. Daniel Destro do Carmo Softech Network Informática daniel@danieldestro.com.br

Tecnologia Java. Daniel Destro do Carmo Softech Network Informática daniel@danieldestro.com.br Tecnologia Java Daniel Destro do Carmo Softech Network Informática daniel@danieldestro.com.br Origem da Tecnologia Java Projeto inicial: Oak (liderado por James Gosling) Lançada em 1995 (Java) Tecnologia

Leia mais

Sistemas Operacionais

Sistemas Operacionais UNIVERSIDADE BANDEIRANTE DE SÃO PAULO INSTITUTO POLITÉCNICO CURSO DE SISTEMAS DE INFORMAÇÃO Sistemas Operacionais Notas de Aulas: Tópicos 7 e 8 Estrutura do Sistema Operacional São Paulo 2009 1 Sumário

Leia mais

Introdução à Linguagem Java

Introdução à Linguagem Java Introdução à Linguagem Java Histórico: Início da década de 90. Pequeno grupo de projetos da Sun Microsystems, denominado Green. Criar uma nova geração de computadores portáveis, capazes de se comunicar

Leia mais

Ambientes Visuais. Ambientes Visuais

Ambientes Visuais. Ambientes Visuais Ambientes Visuais Inicialmente, apenas especialistas utilizavam os computadores, sendo que os primeiros desenvolvidos ocupavam grandes áreas e tinham um poder de processamento reduzido. Porém, a contínua

Leia mais

Termo de Referência. Anexo II - Especificações Técnicas - Requisitos Funcionais. Diretoria Técnica-Operacional. Gerência de Tecnologia da Informação

Termo de Referência. Anexo II - Especificações Técnicas - Requisitos Funcionais. Diretoria Técnica-Operacional. Gerência de Tecnologia da Informação Diretoria Técnica-Operacional Gerência de Tecnologia da Informação Termo de Referência Anexo II Especificação Técnica 1 - INTRODUÇÃO Página 2 de 9 do TR-007-3700 de Este anexo tem por objetivo detalhar

Leia mais

ATIVIDADE 1 MÁQUINAS VIRTUAIS. 1.1 Arquiteturas não virtualizadas

ATIVIDADE 1 MÁQUINAS VIRTUAIS. 1.1 Arquiteturas não virtualizadas ATIVIDADE 1 MÁQUINAS VIRTUAIS Existem hoje diversas tecnologias e produtos para virtualização de computadores e ambientes de execução, o que pode gerar uma certa confusão de conceitos. Apesar disso, cada

Leia mais

FACSENAC. Versão:1.5. Identificador do documento: Projeto Lógico de Redes. Versão do Template Utilizada na Confecção: 1.0. Histórico de revisões

FACSENAC. Versão:1.5. Identificador do documento: Projeto Lógico de Redes. Versão do Template Utilizada na Confecção: 1.0. Histórico de revisões FACSENAC ECOFROTA Documento de Projeto Lógico de Rede Versão:1.5 Data: 21/11/2013 Identificador do documento: Projeto Lógico de Redes Versão do Template Utilizada na Confecção: 1.0 Localização: FacSenac

Leia mais

Aplicações. Sistema Operacional Hardware. Os sistemas de computadores são projetados com basicamente 3 componentes: Máquinas Virtuais e Emuladores

Aplicações. Sistema Operacional Hardware. Os sistemas de computadores são projetados com basicamente 3 componentes: Máquinas Virtuais e Emuladores Máquinas Virtuais e Emuladores Marcos Aurelio Pchek Laureano Sistemas de Computadores Os sistemas de computadores são projetados com basicamente 3 componentes: hardware sistema operacional aplicações Sistemas

Leia mais

Ferramentas Web para controle e supervisão: o que está por vir

Ferramentas Web para controle e supervisão: o que está por vir Artigos Técnicos Ferramentas Web para controle e supervisão: o que está por vir Marcelo Salvador, Diretor de Negócios da Elipse Software Ltda. Já faz algum tempo que ouvimos falar do controle e supervisão

Leia mais

Protocolo. O que é um protocolo? Humano: que horas são? eu tenho uma pergunta

Protocolo. O que é um protocolo? Humano: que horas são? eu tenho uma pergunta Protocolo O que é um protocolo? Humano: que horas são? eu tenho uma pergunta Máquina: Definem os formatos, a ordem das mensagens enviadas e recebidas pelas entidades de rede e as ações a serem tomadas

Leia mais

FTIN Formação Técnica em Informática Módulo Sistema Proprietário Windows AULA 04. Prof. André Lucio

FTIN Formação Técnica em Informática Módulo Sistema Proprietário Windows AULA 04. Prof. André Lucio FTIN Formação Técnica em Informática Módulo Sistema Proprietário Windows AULA 04 Prof. André Lucio Competências da aula 3 Servidor de DHCP. Servidor de Arquivos. Servidor de Impressão. Aula 04 CONCEITOS

Leia mais

MANUAL DE CONFIGURAÇÃO

MANUAL DE CONFIGURAÇÃO MANUAL DE CONFIGURAÇÃO CONTMATIC PHOENIX SUMÁRIO CAPÍTULO I APRESENTAÇÃO DO ACESSO REMOTO... 3 1.1 O que é o ACESSO REMOTO... 3 1.2 Como utilizar o ACESSO REMOTO... 3 1.3 Quais as vantagens em usar o PHOENIX

Leia mais

Softwares de Sistemas e de Aplicação

Softwares de Sistemas e de Aplicação Fundamentos dos Sistemas de Informação Softwares de Sistemas e de Aplicação Profª. Esp. Milena Resende - milenaresende@fimes.edu.br Visão Geral de Software O que é um software? Qual a função do software?

Leia mais

Guia de Introdução ao Symantec Protection Center. Versão 2.0

Guia de Introdução ao Symantec Protection Center. Versão 2.0 Guia de Introdução ao Symantec Protection Center Versão 2.0 Guia de Introdução ao Symantec Protection Center O software descrito neste documento é fornecido sob um contrato de licença e pode ser usado

Leia mais

Capítulo 8 - Aplicações em Redes

Capítulo 8 - Aplicações em Redes Capítulo 8 - Aplicações em Redes Prof. Othon Marcelo Nunes Batista Mestre em Informática 1 de 31 Roteiro Sistemas Operacionais em Rede Modelo Cliente-Servidor Modelo P2P (Peer-To-Peer) Aplicações e Protocolos

Leia mais

Estudo comparativo entre tecnologias Java: Applet e JWS.

Estudo comparativo entre tecnologias Java: Applet e JWS. Estudo comparativo entre tecnologias Java: Applet e JWS. Clara Aben-Athar B. Fernandes¹, Carlos Alberto P. Araújo¹ 1 Centro Universitário Luterano de Santarém Comunidade Evangélica Luterana (CEULS/ULBRA)

Leia mais

Programação de Computadores - I. Profª Beatriz Profº Israel

Programação de Computadores - I. Profª Beatriz Profº Israel Programação de Computadores - I Profª Beatriz Profº Israel A linguagem JAVA A linguagem Java O inicio: A Sun Microsystems, em 1991, deu inicio ao Green Project chefiado por James Gosling. Projeto que apostava

Leia mais

MINICURSO WINDOWS SERVER 2008 UTILIZANDO O VMWARE PLAYER

MINICURSO WINDOWS SERVER 2008 UTILIZANDO O VMWARE PLAYER MINICURSO WINDOWS SERVER 2008 UTILIZANDO O VMWARE PLAYER TÁSSIO JOSÉ GONÇALVES GOMES tassiogoncalvesg@gmail.com MINICURSO WINDOWS SERVER 2008 TÁSSIO GONÇALVES - TASSIOGONCALVESG@GMAIL.COM 1 CONTEÚDO Arquitetura

Leia mais

ETEC RAPOSO TAVARES GESTÃO DE SISTEMAS OPERACIONAIS I. Máquina Virtual. Instalação de S.O. em dual boot. 1º Semestre 2010 PROF.

ETEC RAPOSO TAVARES GESTÃO DE SISTEMAS OPERACIONAIS I. Máquina Virtual. Instalação de S.O. em dual boot. 1º Semestre 2010 PROF. ETEC RAPOSO TAVARES GESTÃO DE SISTEMAS OPERACIONAIS I Máquina Virtual Instalação de S.O. em dual boot 1º Semestre 2010 PROF. AMARAL Na ciência da computação, máquina virtual é o nome dado a uma máquina,

Leia mais

SISGEP SISTEMA GERENCIADOR PEDAGÓGICO

SISGEP SISTEMA GERENCIADOR PEDAGÓGICO FACSENAC SISTEMA GERENCIADOR PEDAGÓGICO Projeto Lógico de Rede Versão: 1.2 Data: 25/11/2011 Identificador do documento: Documento de Visão V. 1.7 Histórico de revisões Versão Data Autor Descrição 1.0 10/10/2011

Leia mais

SISTEMAS OPERACIONAIS. Apostila 03 Estrutura do Sistema Operacional UNIBAN

SISTEMAS OPERACIONAIS. Apostila 03 Estrutura do Sistema Operacional UNIBAN SISTEMAS OPERACIONAIS Apostila 03 Estrutura do Sistema Operacional UNIBAN 1.0 O Sistema Operacional como uma Máquina Virtual A arquitetura (conjunto de instruções, organização de memória, E/S e estrutura

Leia mais

HOW TO Alterando o tipo de interface de rede na VmWare para uso no Aker Firewall 6.7

HOW TO Alterando o tipo de interface de rede na VmWare para uso no Aker Firewall 6.7 Página: 1 de 6 Introdução Este documento auxiliará na configuração das interfaces do VmWare. Solução Por padrão ao adicionar uma interface na VmWare ele configura como E1000 ou E1000e, mas em alguns casos

Leia mais

GLOSSÁRIO. ActiveX Controls. É essencialmente uma interface usada para entrada e saída de dados para uma aplicação.

GLOSSÁRIO. ActiveX Controls. É essencialmente uma interface usada para entrada e saída de dados para uma aplicação. GLOSSÁRIO Este glossário contém termos e siglas utilizados para Internet. Este material foi compilado de trabalhos publicados por Plewe (1998), Enzer (2000) e outros manuais e referências localizadas na

Leia mais

Redes de Computadores

Redes de Computadores Redes de Computadores 3º Ano Sistemas de Informação 2008 Aula 05A: Hub/Switch/Gateway Servidores e Virtualização Prof. Msc. Ricardo Slavov ricardo.slavov@aes.edu.br Roteiro Pedagógico HUB Switch Bridge

Leia mais

SISTEMAS OPERACIONAIS. Maquinas Virtuais e Emuladores

SISTEMAS OPERACIONAIS. Maquinas Virtuais e Emuladores SISTEMAS OPERACIONAIS Maquinas Virtuais e Emuladores Plano de Aula Máquinas virtuais Emuladores Propriedades Benefícios Futuro Sistemas de Computadores Os sistemas de computadores são projetados com basicamente

Leia mais

CA Server Automation. Visão geral. Benefícios. agility made possible

CA Server Automation. Visão geral. Benefícios. agility made possible FOLHA DE PRODUTOS: CA Server Automation agility made possible CA Server Automation O CA Server Automation é uma solução integrada de gerenciamento de data center que automatiza o provisionamento, a aplicação

Leia mais

O que há de novo no VMware vcenter 5.0

O que há de novo no VMware vcenter 5.0 O que há de novo no VMware vcenter 5.0 Gerenciamento eficiente da virtualização DOCUMENTAÇÃO TÉCNICA DE MARKETING V 1.0/ATUALIZADO EM ABRIL DE 2011 Índice Introdução... 3 vsphere Web Client.... 4 Recursos

Leia mais

INSTALAÇÃO PRINTERTUX Tutorial

INSTALAÇÃO PRINTERTUX Tutorial INSTALAÇÃO PRINTERTUX Tutorial 2 1. O Sistema PrinterTux O Printertux é um sistema para gerenciamento e controle de impressões. O Produto consiste em uma interface web onde o administrador efetua o cadastro

Leia mais

Gabriel Oliveira do Nascimento Rogério Libarino Aguilar. UFF - Universidade Federal Fluminense

Gabriel Oliveira do Nascimento Rogério Libarino Aguilar. UFF - Universidade Federal Fluminense Gabriel Oliveira do Nascimento Rogério Libarino Aguilar 1 Introdução Mododelo: Hardware -> Sistema Operacional -> Aplicações Aplicação desenvolvida para um SO. Capacidade de processamento aumentando bastante

Leia mais

Integração entre o IBM HTTP SERVER, APACHE WEB Server e IBM Websphere Application Server

Integração entre o IBM HTTP SERVER, APACHE WEB Server e IBM Websphere Application Server Integração entre o IBM HTTP SERVER, APACHE WEB Server e IBM Websphere Application Server Índice Resumo sobre este documento... 3 Integrando o IBM HTTP Server com o IBM WebSphere Application Server... 3

Leia mais

Considerando-se a especificação de requisitos de um software, é INCORRETO afirmar que esse documento

Considerando-se a especificação de requisitos de um software, é INCORRETO afirmar que esse documento QUESTÕES DE TI QUESTÃO 16 Considerando-se o número de pontos de função para a estimativa do tamanho de um software, é INCORRETO afirmar que, na contagem de pontos, leva-se em consideração A) as compilações

Leia mais

Windows 2008 Server. Windows 2008 Server IFSP Boituva Prof. Sérgio Augusto Godoy. www.profsergiogodoy.com sergiogutogodoy@hotmail.

Windows 2008 Server. Windows 2008 Server IFSP Boituva Prof. Sérgio Augusto Godoy. www.profsergiogodoy.com sergiogutogodoy@hotmail. Windows 2008 Server IFSP Boituva Prof. Sérgio Augusto Godoy www.profsergiogodoy.com sergiogutogodoy@hotmail.com Serviços DHCP Server: O DHCP ("Dynamic Host Configuration Protocol" ou "protocolo de configuração

Leia mais

Professor(es): Fernando Pirkel. Descrição da(s) atividade(s):

Professor(es): Fernando Pirkel. Descrição da(s) atividade(s): Professor(es): Fernando Pirkel Descrição da(s) atividade(s): Definir as tecnologias de redes necessárias e adequadas para conexão e compartilhamento dos dados que fazem parte da automatização dos procedimentos

Leia mais

Sistemas de Informação Processamento de Dados

Sistemas de Informação Processamento de Dados Sistemas de Informação Processamento de Dados Ferramentas e serviços de acesso remoto VNC Virtual Network Computing (ou somente VNC) é um protocolo desenhado para possibilitar interfaces gráficas remotas.

Leia mais

Capítulo 11 - Camada de Transporte TCP/IP e de Aplicação. Associação dos Instrutores NetAcademy - Julho de 2007 - Página

Capítulo 11 - Camada de Transporte TCP/IP e de Aplicação. Associação dos Instrutores NetAcademy - Julho de 2007 - Página Capítulo 11 - Camada de Transporte TCP/IP e de Aplicação 1 Introdução à Camada de Transporte Camada de Transporte: transporta e regula o fluxo de informações da origem até o destino, de forma confiável.

Leia mais

Virtualização e Criação de uma rede Virtual utilizando Virtual Box Professor: João Paulo de Brito Gonçalves

Virtualização e Criação de uma rede Virtual utilizando Virtual Box Professor: João Paulo de Brito Gonçalves Virtualização e Criação de uma rede Virtual utilizando Virtual Box Professor: João Paulo de Brito Gonçalves Anatomia de uma máquina virtual Cada máquina virtual é um sistema completo encapsulado em um

Leia mais

Capítulo 5 Noções sobre TCP/IP

Capítulo 5 Noções sobre TCP/IP Capítulo 5 Noções sobre TCP/IP Endereços IP Arquitetura TCP/IP DHCP Redes classe A, B e C Protocolos TCP/IP Estudos complementares 3 Estudos complementares Consulte os capítulos 5 e 12 do livro: Capítulo

Leia mais

Sistemas Operacionais 2014 Introdução. Alexandre Augusto Giron alexandre.a.giron@gmail.com

Sistemas Operacionais 2014 Introdução. Alexandre Augusto Giron alexandre.a.giron@gmail.com Sistemas Operacionais 2014 Introdução Alexandre Augusto Giron alexandre.a.giron@gmail.com Roteiro Sistemas Operacionais Histórico Estrutura de SO Principais Funções do SO Interrupções Chamadas de Sistema

Leia mais

Programação Orientada a Objetos

Programação Orientada a Objetos Programação Orientada a Objetos Universidade Católica de Pernambuco Ciência da Computação Prof. Márcio Bueno poonoite@marciobueno.com Fonte: Material da Profª Karina Oliveira Introdução ao Paradigma OO

Leia mais

Universidade de Brasília

Universidade de Brasília Universidade de Brasília Introdução a Microinformática Turma H Redes e Internet Giordane Lima Porque ligar computadores em Rede? Compartilhamento de arquivos; Compartilhamento de periféricos; Mensagens

Leia mais

Interface Homem Máquina para Domótica baseado em tecnologias Web

Interface Homem Máquina para Domótica baseado em tecnologias Web Interface Homem Máquina para Domótica baseado em tecnologias Web João Alexandre Oliveira Ferreira Dissertação realizada sob a orientação do Professor Doutor Mário de Sousa do Departamento de Engenharia

Leia mais

GUIA DE INSTALAÇÃO NETDEEP SECURE COM VMWARE WORKSTATION

GUIA DE INSTALAÇÃO NETDEEP SECURE COM VMWARE WORKSTATION GUIA DE INSTALAÇÃO NETDEEP SECURE COM VMWARE WORKSTATION GUIA DE INSTALAÇÃO NETDEEP SECURE COM VMWARE WORKSTATION 1- Visão Geral Neste manual você aprenderá a instalar e fazer a configuração inicial do

Leia mais

Unidade III FUNDAMENTOS DE SISTEMAS. Prof. Victor Halla

Unidade III FUNDAMENTOS DE SISTEMAS. Prof. Victor Halla Unidade III FUNDAMENTOS DE SISTEMAS OPERACIONAIS Prof. Victor Halla Conteúdo Arquitetura de Processadores: Modo Operacional; Velocidade; Cache; Barramento; Etc. Virtualização: Maquinas virtuais; Gerenciamento

Leia mais

William Stallings Arquitetura e Organização de Computadores 8 a Edição

William Stallings Arquitetura e Organização de Computadores 8 a Edição William Stallings Arquitetura e Organização de Computadores 8 a Edição Capítulo 7 Entrada/saída Os textos nestas caixas foram adicionados pelo Prof. Joubert slide 1 Problemas de entrada/saída Grande variedade

Leia mais

BOLETIM TÉCNICO NComputing Brasil - #110502 Instalando o Oracle Virtualbox 4.0.2 e Criando uma VM Windows Server 2008 no Virtualbox O que é virtualbox? O virtualbox é um aplicativo de virtualização multi-plataforma

Leia mais

3 Serviços na Web (Web services)

3 Serviços na Web (Web services) 3 Serviços na Web (Web services) 3.1. Visão Geral Com base na definição do Word Wide Web Consortium (W3C), web services são aplicações autocontidas, que possuem interface baseadas em XML e que descrevem

Leia mais

GUIA DE INSTALAÇÃO NETDEEP SECURE COM VIRTUAL BOX

GUIA DE INSTALAÇÃO NETDEEP SECURE COM VIRTUAL BOX GUIA DE INSTALAÇÃO NETDEEP SECURE COM VIRTUAL BOX NETDEEP SECURE COM VIRTUAL BOX 1- Visão Geral Neste manual você aprenderá a instalar e fazer a configuração inicial do seu firewall Netdeep Secure em um

Leia mais

Roteamento e Comutação

Roteamento e Comutação Roteamento e Comutação Uma estação é considerada parte de uma LAN se pertencer fisicamente a ela. O critério de participação é geográfico. Quando precisamos de uma conexão virtual entre duas estações que

Leia mais

Virtualização Gerencia de Redes Redes de Computadores II

Virtualização Gerencia de Redes Redes de Computadores II Virtualização Gerencia de Redes Redes de Computadores II *Créditos: baseado no material do Prof. Eduardo Zagari Virtualização - Introdução Introduzido nos anos 60 em Mainframes Em 1980 os microcomputadores

Leia mais

Um guia para soluções de rede CLARiSUITE TM

Um guia para soluções de rede CLARiSUITE TM Perguntas Técnicas Frequentes Segurança do Código CLARiSUITE Um guia para soluções de rede CLARiSUITE TM Visão geral Segurança, integridade e estabilidade da infraestrutura de TI são as principais preocupações

Leia mais

Linguagem de Programação JAVA

Linguagem de Programação JAVA Linguagem de Programação JAVA Curso Técnico em Informática Modalida Integrado Instituto Federal do Sul de Minas, Câmpus Pouso Alegre Professora: Michelle Nery Agenda JAVA Histórico Aplicações Pós e Contras

Leia mais

Introdução à Linguagem Java. Departamento de Informática Prof. Anselmo C. de Paiva

Introdução à Linguagem Java. Departamento de Informática Prof. Anselmo C. de Paiva Introdução à Linguagem Java Departamento de Informática Prof. Anselmo C. de Paiva Breve Histórico Sun Microsystems, 90/91: projeto de uma linguagem de programação pequena que pudesse ser usada em dispositivos

Leia mais

Sistemas Operacionais 1/66

Sistemas Operacionais 1/66 Sistemas Operacionais 1/66 Roteiro Máquinas virtuais Emuladores Propriedades Benefícios Futuro 2/66 Sistemas de Computadores Os sistemas de computadores são projetados com basicamente 3 componentes: hardware

Leia mais

Sistemas Distribuídos

Sistemas Distribuídos Sistemas Distribuídos Computação Aula 01-02: Introdução 2o. Semestre / 2014 Prof. Jesus Agenda da Apresentação Definição e surgimento de Sistemas Distribuídos Principais aspectos de Sistemas Distribuídos

Leia mais

Prof. M.Sc. Fábio Procópio Prof. M.Sc. João Maria Criação: Fev/2010

Prof. M.Sc. Fábio Procópio Prof. M.Sc. João Maria Criação: Fev/2010 Prof. M.Sc. Fábio Procópio Prof. M.Sc. João Maria Criação: Fev/2010 Primeira Dica Afirmação O que é Java? Características do Java Como Java Funciona Plataforma Java Edições Java Java SE Java EE Java ME

Leia mais

Prof. Luís Rodolfo. Unidade III REDES DE COMPUTADORES E TELECOMUNICAÇÃO

Prof. Luís Rodolfo. Unidade III REDES DE COMPUTADORES E TELECOMUNICAÇÃO Prof. Luís Rodolfo Unidade III REDES DE COMPUTADORES E TELECOMUNICAÇÃO Redes de computadores e telecomunicação Objetivos da Unidade III Apresentar as camadas de Transporte (Nível 4) e Rede (Nível 3) do

Leia mais

Symantec Backup Exec 2014 V-Ray Edition

Symantec Backup Exec 2014 V-Ray Edition Visão geral O Symantec Backup Exec 2014 V-Ray Edition destina-se a clientes que possuem sistemas total ou parcialmente virtualizados, ou seja, que moveram os servidores de arquivos, servidores de impressão,

Leia mais

Sistemas Operacionais. Roteiro. Sistemas de Computadores. Os sistemas de computadores são projetados com basicamente 3 componentes: Marcos Laureano

Sistemas Operacionais. Roteiro. Sistemas de Computadores. Os sistemas de computadores são projetados com basicamente 3 componentes: Marcos Laureano Sistemas Operacionais Marcos Laureano 1/66 Roteiro Máquinas virtuais Emuladores Propriedades Benefícios Futuro 2/66 Sistemas de Computadores Os sistemas de computadores são projetados com basicamente 3

Leia mais

Virtualização Avançada com VMware Sphere 5.0 (ESXi)

Virtualização Avançada com VMware Sphere 5.0 (ESXi) Virtualização Avançada com VMware Sphere 5.0 (ESXi) Treinamento Preparatório para Certificação O que é o Virtualização? É uma camada de gerenciamento entre o Hardware e Software, ou seja, é divisão de

Leia mais

Voltar. Placas de rede

Voltar. Placas de rede Voltar Placas de rede A placa de rede é o dispositivo de hardware responsável por envio e recebimento de pacotes de dados e pela comunicação do computador com a rede. Existem placas de rede on-board(que

Leia mais

Conteúdo do pacote de 03 cursos hands-on

Conteúdo do pacote de 03 cursos hands-on Conteúdo do pacote de 03 cursos hands-on Windows Server 2012 Virtualização Hyper-v Firewall Pfsense C o n t e ú d o d o c u r s o H a n d s - on 2 Sumário 1 Conteúdo Windows 2012... 3 2 Conteúdo Virtualização...

Leia mais

Symantec Backup Exec 2012

Symantec Backup Exec 2012 Melhor Backup para todos Data Sheet: Backup e recuperação após desastres Visão geral O é um produto integrado que protege ambientes físicos e virtuais, simplifica o backup e a recuperação após desastres

Leia mais

MANUAL DE INSTRUÇÕES

MANUAL DE INSTRUÇÕES MANUAL DE INSTRUÇÕES 1 Conteúdo 1. LogWeb... 3 2. Instalação... 4 3. Início... 6 3.1 Painel Geral... 6 3.2 Salvar e Restaurar... 7 3.3 Manuais... 8 3.4 Sobre... 8 4. Monitoração... 9 4.1 Painel Sinóptico...

Leia mais

MAPEAMENTO E LOCALIZAÇÃO DE REGIÕES DE INTERESSE UTILIZANDO REALIDADE AUMENTADA EM DISPOSITIVOS MÓVEIS COM PLATAFORMA ANDROID

MAPEAMENTO E LOCALIZAÇÃO DE REGIÕES DE INTERESSE UTILIZANDO REALIDADE AUMENTADA EM DISPOSITIVOS MÓVEIS COM PLATAFORMA ANDROID MAPEAMENTO E LOCALIZAÇÃO DE REGIÕES DE INTERESSE UTILIZANDO REALIDADE AUMENTADA EM DISPOSITIVOS MÓVEIS COM PLATAFORMA ANDROID Alessandro Teixeira de Andrade¹; Geazy Menezes² UFGD/FACET Caixa Postal 533,

Leia mais

REDES DE COMPUTADORES

REDES DE COMPUTADORES Conteúdo 1 Topologia de Redes 5 Escalas 5 Topologia em LAN s e MAN s 6 Topologia em WAN s 6 2 Meio Físico 7 Cabo Coaxial 7 Par Trançado 7 Fibra Óptica 7 Conectores 8 Conector RJ45 ( Par trançado ) 9 Conectores

Leia mais

Sistemas Operacionais I Parte III Estrutura dos SOs. Prof. Gregorio Perez gregorio@uninove.br 2007. Roteiro. Componentes do Sistema

Sistemas Operacionais I Parte III Estrutura dos SOs. Prof. Gregorio Perez gregorio@uninove.br 2007. Roteiro. Componentes do Sistema Sistemas Operacionais I Parte III Estrutura dos SOs Prof. Gregorio Perez gregorio@uninove.br 2007 Roteiro Serviços Estrutura dos Sistemas Operacionais Funções do Sistema Operacional Chamadas do Sistema

Leia mais

Tecnólogo em Análise e Desenvolvimento de Sistemas

Tecnólogo em Análise e Desenvolvimento de Sistemas Tecnólogo em Análise e Desenvolvimento de Sistemas O conteúdo deste documento tem como objetivos geral introduzir conceitos mínimos sobre sistemas operacionais e máquinas virtuais para posteriormente utilizar

Leia mais

Sistemas Operacionais Aula 03: Estruturas dos SOs. Ezequiel R. Zorzal ezorzal@unifesp.br www.ezequielzorzal.com

Sistemas Operacionais Aula 03: Estruturas dos SOs. Ezequiel R. Zorzal ezorzal@unifesp.br www.ezequielzorzal.com Sistemas Operacionais Aula 03: Estruturas dos SOs Ezequiel R. Zorzal ezorzal@unifesp.br www.ezequielzorzal.com OBJETIVOS Descrever os serviços que um sistema operacional oferece aos usuários e outros sistemas

Leia mais

Aula 03 Regras de Segmentação e Switches

Aula 03 Regras de Segmentação e Switches Disciplina: Dispositivos de Rede II Professor: Jéferson Mendonça de Limas 4º Semestre Aula 03 Regras de Segmentação e Switches 2014/1 19/08/14 1 2de 38 Domínio de Colisão Os domínios de colisão são os

Leia mais

1 TCI/IP... 3 1.1 MODELO TCP/IP... 3 1.1.1 Camada de Aplicação... 4

1 TCI/IP... 3 1.1 MODELO TCP/IP... 3 1.1.1 Camada de Aplicação... 4 TCP/IP Brito INDICE 1 TCI/IP... 3 1.1 MODELO TCP/IP... 3 1.1.1 Camada de Aplicação... 4 1.1.1.1 Camada de Transporte... 4 1.1.1.2 TCP (Transmission Control Protocol)... 4 1.1.1.3 UDP (User Datagram Protocol)...

Leia mais

SISTEMA DE GESTÃO DE PRODUÇÃO DE EVENTOS

SISTEMA DE GESTÃO DE PRODUÇÃO DE EVENTOS SISTEMA DE GESTÃO DE PRODUÇÃO DE EVENTOS Rodrigo das Neves Wagner Luiz Gustavo Galves Mählmann Resumo: O presente artigo trata de um projeto de desenvolvimento de uma aplicação para uma produtora de eventos,

Leia mais

Sistemas Operacionais Cap 3 Estruturas de Sistemas Operacionais. Podemos analisar um sistema operacional sob diversos aspectos:

Sistemas Operacionais Cap 3 Estruturas de Sistemas Operacionais. Podemos analisar um sistema operacional sob diversos aspectos: Estruturas de Sistemas Operacionais Podemos analisar um sistema operacional sob diversos aspectos: Os serviços que o sistema operacional oferece. A interface que o sistema operacional torna disponível

Leia mais

ESPECIFICAÇÃO TÉCNICA

ESPECIFICAÇÃO TÉCNICA ANEXO II Pregão nº 003/2014 ESPECIFICAÇÃO TÉCNICA A empresa CONTRATADA deverá ser comprovadamente qualificada para os itens ofertados, deve entregar toda a estrutura de hardware e software adquirida em

Leia mais

Figura 01 Kernel de um Sistema Operacional

Figura 01 Kernel de um Sistema Operacional 01 INTRODUÇÃO 1.5 ESTRUTURA DOS SISTEMAS OPERACIONAIS O Sistema Operacional é formado por um Conjunto de rotinas (denominado de núcleo do sistema ou kernel) que oferece serviços aos usuários e suas aplicações

Leia mais

ENTERPRISE JAVABEANS 3. Msc. Daniele Carvalho Oliveira

ENTERPRISE JAVABEANS 3. Msc. Daniele Carvalho Oliveira ENTERPRISE JAVABEANS 3 Msc. Daniele Carvalho Oliveira Apostila Servlets e JSP www.argonavis.com.br/cursos/java/j550/index.html INTRODUÇÃO Introdução Enterprise JavaBeans é um padrão de modelo de componentes

Leia mais

SISTEMAS DISTRIBUÍDOS Prof. Ricardo Rodrigues Barcelar http://www.ricardobarcelar.com.br

SISTEMAS DISTRIBUÍDOS Prof. Ricardo Rodrigues Barcelar http://www.ricardobarcelar.com.br - Aula 5 PROCESSOS 1. INTRODUÇÃO Em sistemas distribuídos é importante examinar os diferentes tipos de processos e como eles desempenham seu papel. O conceito de um processo é originário do campo de sistemas

Leia mais

Introdução. 1.1. Âmbito do Documento

Introdução. 1.1. Âmbito do Documento Introdução Embora o conceito de virtualização, não seja um conceito novo, o uso desta tecnologia vem crescendo exponencialmente nas infra-estruturas de TI. Este crescimento deve-se sobretudo aos benefícios

Leia mais