Mobilidade Europeia. Os seus direitos de segurança social no Liechtenstein. Comissão Europeia

Save this PDF as:
 WORD  PNG  TXT  JPG

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "Mobilidade Europeia. Os seus direitos de segurança social no Liechtenstein. Comissão Europeia"

Transcrição

1 9 Mobilidade Europeia Os seus direitos de segurança social no Liechtenstein Comissão Europeia

2

3 Mobilidade Europeia (na União Europeia, no Espaço Económico Europeu e na Suíça) Os seus direitos de segurança social no Liechtenstein Situação em 10 Fevereiro 2006 Comissão Europeia Direcção-Geral do Emprego, Assuntos Sociais e Igualdade de Oportunidades Unidade E.3

4 Nem a Comissão Europeia nem qualquer pessoa que actue em seu nome são responsáveis pelo uso que possa ser feito com as informações contidas nesta publicação. Advertência: A presente brochura foi elaborada com base nas informações comunicadas pelo Liechtenstein em 10 de Fevereiro de É importante assegurar-se de que não houve, entretanto, modificações no direito nacional e de que as presentes informações se mantêm válidas. Para este efeito, queira consultar os organismos e instituições competentes cujas coordenadas figuram na Secção 3. Informações de contacto das instituições e endereços úteis na Internet. Europe Direct é um serviço que o/a ajuda a encontrar respostas às suas perguntas sobre a União Europeia Número verde único (*): (*) Alguns operadores de telecomunicações móveis não autorizam o acesso a números ou podem sujeitar estas chamadas telefónicas a pagamento Encontram-se disponíveis numerosas outras informações sobre a União Europeia na rede Internet, via servidor Europa ( Comunidades Europeias, 2009 Reprodução autorizada mediante indicação da fonte. Uma ficha bibliográfica figura no fim desta publicação. Luxemburgo: Serviço das Publicações Oficiais das Comunidades Europeias, 2009 ISBN

5 Índice 1. Introdução Tipos de prestação Inscrição na segurança social Contribuições Vias de recurso Os ramos da segurança social Prestações de doença e de maternidade Serviços de seguros de saúde Prestações de maternidade Prestações por acidentes de trabalho e doenças profissionais Subsídio por morte Prestações por invalidez Prestações do seguro de invalidez do Liechtenstein (pilar 1) Prestações do regime profissional (pilar 2) Prestações por velhice e sobrevivência Prestações do seguro de velhice e de sobrevivência do Liechtenstein (pilar 1) Prestações do regime profissional (pilar 2) Prestações por desemprego Subsídio de desemprego Subsídio de desemprego parcial Dever de comunicação e de transmissão de informações Obrigações dos beneficiários Outras prestações Prestações por pré-reforma Prestações familiares Prestações pecuniárias especiais de carácter não contributivo Prestações complementares do seguro de velhice, sobrevivência e invalidez Subsídios para grandes inválidos Prestações por maternidade Subsídio para invisuais Informações de contacto das instituições e endereços úteis na Internet

6

7 1 Introdução 1.1. Tipos de prestação O regime de segurança social do Liechtenstein garante as seguintes prestações, financiadas essencialmente pelas contribuições dos beneficiários e/ou respectivas entidades patronais (completadas, eventualmente, por uma participação do Estado): Prestações pecuniárias e em espécie por doença e maternidade Prestações por acidentes de trabalho e por doenças profissionais; Prestações por invalidez, velhice e morte (1º pilar: regime público de protecção social para todas as pessoas com residência e emprego no Liechtenstein; 2º pilar: regime profissional para todos os trabalhadores por conta de outrem abrangidos pela seguro por velhice e sobrevivência do Liechtenstein (Alters- und Hinterlassenenversicherung, AHV); Prestações de desemprego; Prestações familiares. Há que ter ainda em conta as prestações financiadas unicamente pelo Estado, a partir de receitas fiscais: Prestações complementares de velhice, sobrevivência e invalidez Subsídios para grandes inválidos Subsídios de maternidade Subsídios para invisuais 1.2. Inscrição na segurança social A entidade patronal deve cumprir as formalidades necessárias, a fim de garantir que o pessoal ao seu serviço esteja coberto pela segurança social. Os trabalhadores por conta própria e as pessoas inactivas devem cumprir elas próprias as formalidades de inscrição junto dos serviços de segurança social competentes Contribuições A entidade patronal é responsável pelo pagamento das contribuições para a segurança social. A quotização do trabalhador é retida na fonte e paga juntamente com as contribuições patronais à caixa competente. Os trabalhadores independentes, os inactivos e as pessoas inscritas em regimes voluntários devem elas próprias resolver as formalidades de inscrição e pagamento Vias de recurso As decisões emanadas dos organismos de segurança social podem ser objecto de recurso perante uma jurisdição competente. Os meios e os prazos dependem do ramo da segurança social que estiver em causa. As decisões emanadas de um organismo de segurança social são sempre acompanhadas de referência às vias de recurso correspondentes. 5

8

9 2 Os ramos da segurança social 2.1. Prestações de doença e de maternidade O regime geral de segurança social do Liechtenstein garante aos respectivos beneficiários protecção em caso de doença e na maternidade. Concede prestações em espécie, subsídios diários por doença e prestações de maternidade. Seguro obrigatório Todas as pessoas com residência no Liechtenstein ou que ali exercem uma actividade profissional (com excepção dos trabalhadores fronteiriços de países que não integram o EEE) têm de estar inscritas na segurança social. Os interessados devem inscrever-se numa caixa de previdência, sendo o pagamento das quotizações (Prämien) individualizado. A cobertura de seguro é garantida, independentemente de doenças já diagnosticadas ou de gravidez, a partir da data da inscrição na caixa. Todas as pessoas com mais de 15 anos que exercem uma actividade por conta de uma entidade patronal do Liechtenstein ou estabelecida neste país devem estar inscritas no regime de seguro de doença. A inscrição decorre através da entidade patronal, sendo as contribuições calculadas em função da remuneração. No Liechtenstein existem presentemente 4 caixas de seguros de doença (entidades privadas) autorizadas pelo governo, que gerem os seguros de doença nos termos do regime legal Serviços de seguros de saúde Categorias de prestações Exames médicos, tratamentos e outros cuidados de saúde ministrados por médicos, quiropráticos ou, mediante receita médica, por outros profissionais de saúde, (fisioterapeutas ou serviços de auxílio no domicílio), bem como medicamentos, produtos medicinais e análises receitados por um médico. Exames médicos, tratamentos e outros cuidados de saúde ministrados total ou parcialmente em estabelecimentos hospitalares. Curas termais receitadas por um médico Transporte em caso de emergência Cobertura total ou parcial de despesas decorrentes da prestação de cuidados no domicílio, desde que sob receita médica, e sem os quais seria necessária uma hospitalização. Todas as prestações, com excepção de curas termais, são pagas por tempo indeterminado. Consoante a idade e a modalidade do seguro escolhida, o beneficiário deve pagar um montante fixo de 200 francos suíços (obrigatório) por ano civil ou de francos suíços, no máximo, (voluntário) e tomar a seu cargo 10% dos custos que ultrapassarem o montante fixo anual. Esta participação nas despesas não pode ultrapassar o montante anual de 600 francos suíços. Regimes de seguro No Liechtenstein, o regime de seguro de saúde baseia-se em contratos e no princípio da livre escolha do organismo segurador por parte do beneficiário. Quando existe um contrato entre a Associação das caixas de seguros de doença do Liechtenstein e quem ministra os cuidados ambulatórios, as despesas incorridas são reembolsadas a 100%, segundo a tarifa decidida ou legal. Na ausência de contrato, o segurado é responsável pelo pagamento dos honorários, que lhe serão reembolsados na percentagem de 50% segundo a tarifa em vigor. As caixas de seguros de doença propõem um seguro complementar que cobre a outra parte dos custos, segundo a tarifa aplicável. O Governo do Liechtenstein celebra acordos relativos às tarifas com os estabelecimentos que prestam cuidados de saúde. Caso o beneficiário escolha um estabelecimento com o qual existe esse tipo de acordo, as despesas ser-lhe-ão reembolsadas a 100%. Na ausência de acordo quanto às tarifas, o reembolso efectua-se com base numa tarifa de referência. Subsídios de doença Em caso de incapacidade de trabalho por doença, a partir do 2.º dia o interessado tem direito ao subsídio de doença durante todo o período de incapacidade. O subsídio será pago durante um período máximo de 7

10 720 dias num total de 900 consecutivos. O montante do subsídio, em caso de incapacidade total, corresponderá pelo menos a 80% da remuneração. Não é obrigatória a cobertura de seguro para as pessoas com horários de trabalho semanais inferiores a 8 horas, as quais podem, no entanto, à semelhança dos trabalhadores por conta própria, subscrever regimes voluntários de seguro Prestações de maternidade Todas as prestações pagas pelas caixas em caso de doença são garantidas também durante a gravidez. As mulheres que, até à data do parto, tiverem trabalhado 270 dias, têm direito ao subsídio de doença durante 20 semanas, 16 das quais após o parto Prestações por acidentes de trabalho e doenças profissionais Prestações garantidas: acidentes de trabalho, doenças profissionais e acidentes não profissionais. Seguro obrigatório As entidades patronais devem assegurar a cobertura dos trabalhadores que empregam no Liechtenstein contra acidentes de trabalho e doenças profissionais. As pessoas que trabalhem um mínimo de 8 horas semanais para uma mesma entidade patronal deverão ainda estar cobertas por um seguro contra acidentes que não de trabalho. Para os trabalhadores independentes esta cobertura de seguro não é obrigatória, embora possam subscrevê-la voluntariamente. O seguro contra acidentes deve ser subscrito junto de companhias de seguros privadas, autorizadas pelo Governo do Liechtenstein. Os prémios dos seguros contra acidentes de trabalho e doenças profissionais são pagos pela entidade patronal, enquanto os do seguro contra acidentes que não de trabalho, calculados em percentagem da remuneração do trabalhador, são descontados da mesma. Prestações pecuniárias do seguro contra acidentes Prestações garantidas: A prestação de cuidados de saúde inclui tratamento ambulatório por um médico, dentista ou por outros profissionais da saúde desde que os cuidados hajam sido prescritos por um médico; Internamento num estabelecimento de saúde; Curas termais e de reabilitação prescritas por um médico; Equipamentos técnicos para compensar deficiências motoras ou funcionais; Cobertura dos custos decorrentes de operações de busca e salvamento, e de transportes/viagens com finalidade médica; Cobertura dos custos de transporte do corpo para o local do funeral e despesas do mesmo. Prestações pecuniárias do seguro contra acidentes Em caso de incapacidade de trabalho decorrente de acidente, o beneficiário tem direito a receber um subsídio diário a partir do segundo dia subsequente ao acidente. O subsídio corresponde a 80% da remuneração, em caso de incapacidade de trabalho total. Em caso de invalidez decorrente de acidente, o beneficiário tem direito a uma pensão por invalidez. Se a situação de invalidez implicar a necessidade de ajuda quotidiana, é também concedido o subsídio para grandes inválidos (o montante depende do grau de invalidez). Em caso de morte por acidente, os sobrevivos (viúva, viúvo, órfãos) têm direito a uma pensão de sobrevivência Subsídio por morte Modelo de três pilares O seguro de sobrevivência também assenta numa estrutura de três pilares (ver secção 2.4). Prestações do seguro de velhice e de sobrevivência do Liechtenstein (pilar 1) O direito à pensão de sobrevivência pressupõe um mínimo de 1 ano completo de quotizações por parte da pessoa falecida. A pensão de viuvez é concedida por tempo determinado ou indeterminado (em função de diversos factores: filhos, número de anos de casamento, idade); as pessoas que à data da morte do cônjuge já recebiam uma pensão por velhice ou de invalidez, têm direito a um suplemento por viuvez. A pensão de orfandade é concedida aos filhos menores de 18 anos; se os filhos estiverem em formação, a pensão será paga até à conclusão da mesma, desde que tal aconteça antes de completados 25 anos de idade. Prestações do regime profissional (pilar 2) Em caso de morte do segurado antes de atingida a idade da reforma, o cônjuge sobrevivo tem direito a uma pensão anual e vitalícia num montante equivalente a 18% do salário. Há a ter em conta, ainda, uma pensão de orfandade num montante anual de 6% do salário. 8

11 Em caso de morte de uma pessoa já beneficiária de uma pensão por velhice ou de invalidez, a pensão de viuvez eleva-se a 60% e a pensão de orfandade a 20% do valor da última pensão por velhice ou de invalidez paga Prestações por invalidez Modelo de três pilares A protecção na invalidez assenta num modelo de três pilares. O pilar 1 abrange as pessoas que trabalham no Liechtenstein (trabalhadores por conta de outrem e trabalhadores por conta própria) e as pessoas que residem no país embora nele não exerçam qualquer actividade profissional (os domésticos/as domésticas também estão sujeitos ao pagamentos de quotizações). A gestão deste pilar decorre através de uma entidade independente de direito público. O seguro de velhice e de sobrevivência (AHV, ver secção 2.5), o seguro de invalidez (IV) e a Caixa de compensação familiar (FAK, ver secção 2.8) são geridos por uma só entidade (AHV-IV-FAK-Anstalten) tutelada pelo Estado. O pilar 2 (regime profissional) abrange trabalhadores cujo rendimento anual ultrapassa um determinado limite mínimo. Para efeitos de seguro obrigatório, só é considerada a remuneração anual até um determinado limite máximo. Os independentes podem, se o entenderem, aderir ao regime de previdência em que estão inscritos os trabalhadores que exercem a sua actividade profissional por conta desses independentes. No que se refere ao segundo pilar, é deduzido um dado montante da remuneração anual, a fim de evitar duplicações na inscrição em regimes do primeiro e do segundo pilares. A gestão deste regime está a cargo de organismos de previdência (juridicamente independentes da entidade patronal) de acordo com as disposições legais em vigor. Estes organismos encontram-se sob tutela do Estado. O pilar 3 abrange os regimes voluntários (por exemplo sob a forma de um seguro voluntário que vai mais além do que o que prevê o pilar 2, ou ainda sob a forma de um seguro privado) Prestações do seguro de invalidez do Liechtenstein (pilar 1) O seguro de invalidez abrange medidas de integração e pensões. As medidas de integração são o primeiro passo no sentido de tentar reintegrar a pessoa inválida na actividade profissional (ex: reconversão profissional para outra actividade combinada com o pagamento de um subsídio diário, orientação profissional, intermediação, reinserção social progressiva, complementos de ordenado para os empregadores que contratam pessoas com deficiência, equipamentos técnicos, etc.). Caso nenhuma das medidas de reabilitação tenha sucesso, o segurado (desde que tenha pago quotizações durante, no mínimo, um ano inteiro), tem direito : a partir de um grau de invalidez de 40%, a um quarto da pensão, a partir de um grau de invalidez de 50%, a metade da pensão e, a partir de um grau de invalidez de 66,66%, à pensão completa. A determinação do montante da pensão obedece a regras idênticas às que se aplicam ao cálculo das pensões de velhice e de sobrevivência (ver secção 2.5). O direito à pensão por invalidez pressupõe que a incapacidade profissional que lhe está na origem se prolongou durante 1 ano e deverá perdurar Prestações do regime profissional (pilar 2) A pessoa a quem é reconhecida a invalidez tem direito a uma pensão do regime profissional até à idade da reforma, data a partir da qual passará, por via de regra, a ter direito a uma pensão por velhice. Regra geral, trata-se de uma pensão que é paga regularmente, mas o organismo de previdência pode também prever uma indemnização. Em caso de invalidez, o organismo de previdência garante uma prestação mínima correspondente a 30% do salário (mais um subsídio para os filhos). Estes montantes são os devidos em caso de invalidez total. Em caso de invalidez parcial, o montante é reduzido em função do grau de invalidez Prestações por velhice e sobrevivência Modelo de três pilares As prestações de velhice também assentam numa estrutura de três pilares (ver secção 2.4) Prestações do seguro de velhice e de sobrevivência do Liechtenstein (pilar 1) O direito à pensão pressupõe um mínimo de um ano de quotizações pagas. A idade legal de reforma é 64 anos mas existem disposições transitórias aplicáveis às mulheres (para as mulheres que nasceram entre 1941 e 1945, a idade legal é 63 anos). O regime flexível de passagem à reforma permite que cada pessoa decida do momento de se reformar, entre os 9

12 60 e os 70 anos e independentemente da opção do respectivo cônjuge. A pensão de reforma antecipada é progressivamente reduzida (mesmo depois de atingida a idade legal de reforma): redução de 16,5% em caso de passagem à reforma antecipada a partir dos 60 anos; inversamente, o adiamento da passagem à reforma implica um aumento da pensão de reforma de acordo com os métodos actuariais em vigor. A pensão por velhice é calculada em função de dois parâmetros: A carreira contributiva (ex. os períodos de seguro) determina o escalão de reforma do interessado. Dentro de um dado escalão de reforma, o montante da mesma depende do rendimento que serviu de base ao cálculo das quotizações pagas durante toda a carreira contributiva, do número de filhos (créditos de educação) e dos dependentes a cargo (créditos de assistência a dependentes); acresce que para os casais, se os cônjuges estiveram cobertos pelo seguro no Liechtenstein durante o mesmo período de tempo, o montante é dividido em duas partes iguais. À pensão por velhice pode acrescentar-se a pensão para órfãos (para filhos menores de 18 anos ou maiores de 18 anos se estiverem em formação, até à conclusão da mesma, e o mais tardar até atingirem os 25 anos de idade). Durante o período de transição previsto para a plena efectivação da igualdade de tratamento entre os sexos, poderá ser necessário prever suplementos às pensões de velhice do cônjuge se a mulher tiver mais de 55 anos e não tiver ainda direito à sua própria pensão. No Liechtenstein, os beneficiários de pensões de velhice têm ainda direito à comparticipação de equipamentos técnicos como, por exemplo, próteses auditivas, etc Prestações do regime profissional (pilar 2) A inscrição no regime profissional é obrigatória para todos os trabalhadores com mais de 23 anos e mais de 3 meses de actividade profissional. Para cada inscrito é constituído um fundo (Alterskapital) sob a forma de conta individual, na qual é depositada uma parte das contribuições do regime profissional. O valor das prestações de velhice depende em última análise do montante disponível no fundo no momento da passagem à reforma Prestações por desemprego O seguro de desemprego abrange todos os trabalhadores e aprendizes. A verificação e o pagamento das prestações pecuniárias em caso de desemprego processam-se através do Departamento de Economia Nacional (Amt für Volkswirtschaft). Principais prestações: Subsídio de desemprego Subsídio de desemprego parcial O Departamento de Economia Nacional (Amt für Volkswirtschaft) informa os interessados sobre os seus direitos, ofertas de emprego e possibilidades de formação para desempregados Subsídio de desemprego O segurado tem direito ao subsídio de desemprego se, sendo trabalhador por conta de outrem, ficar desempregado e se cumprir os seguintes requisitos (condições cumulativas): apresentar-se pessoalmente na Segurança Social (Office de l économie nationale) no primeiro dia em relação ao qual requer o subsídio de desemprego e seguir o procedimento legal de controlo, reclamando então o subsídio: colocar-se à disposição dos serviços de colocação, ou seja, estar apto para trabalhar e pronto a aceitar qualquer emprego adequado que lhe seja oferecido; tiver cumprido um período de seguro mínimo, isto é, nos últimos 2 anos trabalhou pelos menos 6 meses tendo efectuado os devidos descontos. não poder habilitar-se a uma pensão de sobrevivência. Caso o beneficiário tenha direito a uma pensão por velhice parcial, as indemnizações diárias são reduzidas na proporção do montante dessa pensão; residir no Liechtenstein ou encontrar-se no país devido a uma actividade de duração limitada (por exemplo, se o trabalhador exercer no Liechtenstein uma actividade assalariada por conta de uma entidade patronal cuja sede ou filial se situa no Liechtenstein); tiver sido vítima de um acidente de trabalho comprovado. O período durante o qual é pago o subsídio de desemprego depende da idade. Os desempregados recebem, no mínimo, durante os dois anos a que têm direito por lei a essa prestação o equivalente a 250 dias de remuneração (Taggelder), podendo chegar a 400 dias para os desempregados que tenham entre 50 e 59 anos de idade 500 dias a partir dos 60 anos e até ao momento em que o interessado tiver direito a uma pensão por velhice completa. Em certos casos, durante um determinado período não se concedem prestações de desemprego. Trata-se nomeadamente das seguintes condições: 10

13 Subsídio de desemprego parcial Têm direito a prestações de desemprego-intempérie os trabalhadores que exerçam uma das seguintes profissões : pedreiro, carpinteiro, estucador, trabalhador numa pedreira, construção de estradas, técnico de assentamento de coberturas, calceteiro, canteiro, ladrilhador, jardineiro paisagista, armador de ferro, trabalhador na limpeza de canais, operário afecto à estabilização de taludes e terras, operário especializado em estabilização de terras e operário florestal, desde que os últimos não exerçam a sua actividade numa empresa agrícola. Os trabalhadores que exercem outra profissão podem ser equiparados aos trabalhadores das actividades mencionadas desde que a sua situação de desemprego se deva a uma actividade relacionada com as profissões referidas Dever de comunicação e de transmissão de informações Os segurados e membros da família são obrigados a comunicar fielmente aos serviços da Segurança Social todas as informações pertinentes para a avaliação do pedido e fixação do subsídio de desemprego. Além disso, devem informar espontaneamente a Segurança Social de qualquer alteração da situação pessoal ou económica que possa ter efeitos sobre o direito ao subsídio Obrigações dos beneficiários Os beneficiários que tenham sido vítimas de um acidente de trabalho comprovado devem responder às convocatórias da Segurança Social/centro de emprego para entrevistas regulares de aconselhamento e colocação, respeitar as disposições de controlo previstas na regulamentação, seguir as orientações do centro de emprego relativamente à aceitação de um trabalho razoável ou à frequência de um curso com vista à reconversão profissional ou a um curso de formação contínua, tal como devem esforçar-se por encontrar trabalho activamente Outras prestações Durante o período de desemprego, o seguro paga as quotizações sociais do desempregado (pilar 2, excluindo os planos de reforma). O seguro de desemprego paga também as contribuições patronais para a segurança social. Em caso de doença, o subsídio diário é pago pelo seguro de desemprego durante os primeiros 30 dias. Em caso de falência da entidade patronal ou de não execução dos compromissos assumidos, o beneficiário recebe do seguro de desemprego uma indemnização por insolvência, assim que é decretada a falência da entidade patronal ou quando é recusado um pedido de declaração de falência, na ausência provável de meios suficientes para cobrir as despesas do processo de falência e, nesse momento, o beneficiário tenha salários em atraso; ou, em alternativa, caso o beneficiário tenha instaurado, pelo menos uma vez, um processo de execução contra a sua entidade patronal, com consequências total ou parcialmente vãs, com vista a recuperar os salários em atraso. São cobertos, por um máximo de 3 meses, os salários em atraso dos últimos 6 meses que precedem ou a declaração de falência, ou a recusa de declaração de falência na ausência provável de meios suficientes para cobrir as despesas do processo de falência, ou a concessão de uma moratória, ou a instauração de uma acção em tribunal com vista a recuperar os salários em atraso, para cada mês mas apenas no limite do montante máximo para o cálculo da contribuição Prestações por pré-reforma Não aplicável. A lei não prevê pré-reforma Prestações familiares As prestações familiares são concedidas através de uma entidade independente de direito público, a Liechtensteinische Familienausgleichskasse, FAK, que se encontra sob tutela do Estado. Às prestações familiares têm direito todas as pessoas que residem no Liechtenstein e que não exercem uma actividade profissional e todas as pessoas com emprego (sob reserva de disposições em contrário decorrentes de acordos bilaterais, aplicáveis, por exemplo, quando um dos progenitores trabalha no estrangeiro). Repartição das prestações: Subsídio por nascimento (ou de adopção quando se trata de crianças com menos de 5 anos), Subsídio mensal por filhos a cargo (até aos 18 anos), Subsídio para famílias monoparentais (para filhos até aos 18 anos), Pagamento compensatório anual às pessoas que recebem prestações estrangeiras que se sobrepõem às do Liechtenstein (o montante desse subsídio corresponde à diferença entre a prestação estrangeira e a que é paga pelo Liechtenstein) Prestações pecuniárias especiais de carácter não contributivo Prestações complementares do seguro de velhice, sobrevivência e invalidez A estas prestações têm direito todas as pessoas que atingiram a idade da reforma (assim como as pessoas que se encontram em situação de reforma antecipada), os côn- 11

14 juges ou descendentes sobrevivos, os inválidos (grau de invalidez de pelo menos 50%), os beneficiários de subsídios diários por invalidez ou de subsídios para grandes inválidos (não tem necessariamente de se tratar de beneficiários de pensões de reforma, invalidez etc. do regime do Liechtenstein). As prestações complementares estão subordinadas a condições de residência e de rendimento. O seu montante depende pois da situação individual (composição do agregado familiar) e económica. O financiamento destas prestações é garantido por receitas fiscais. O sistema é gerido pelo seguro de velhice e sobrevivência do Liechtenstein Subsídios para grandes inválidos Quando um seguro de acidente não paga subsídio para grandes inválidos, ainda assim o beneficiário tem direito a receber tal subsídio. A situação de grande invalidez é determinada na medida em que a pessoa em causa, para prover às necessidades do quotidiano (vestir, despir, levantar, deitar, comer, higiene quotidiana, deslocações) necessita da ajuda de terceiros. Consideram-se três grandes categorias de invalidez (grande, média, pequena). As pessoas com mais de 65 anos só poderão ter direito ao subsídio para grandes inválidos se demonstrarem uma invalidez pelo menos média (a não ser que, antes de atingida a idade da reforma, já demonstrassem um pequeno grau de invalidez). O financiamento destas prestações é garantido por receitas fiscais, estando a gestão a cargo do seguro de velhice e de sobrevivência (AHV) ou do seguro de invalidez (IV) Prestações por maternidade As mulheres que não têm direito ao subsídio de doença durante a licença de parto, recebem das autoridades regionais competentes um subsídio por maternidade, pago de uma só vez e isento de impostos. Se o subsídio de doença do regime geral for inferior ao subsídio por maternidade, a interessada recebe ainda a diferença. O direito ao subsídio por maternidade adquire-se com a residência da interessada no Liechtenstein. O subsídio é calculado em função do rendimento colectável do agregado familiar ou da puérpera em caso de famílias monoparentais, O subsídio é pago até determinado limite do rendimento colectável Subsídio para invisuais O montante dos subsídios depende do grau da deficiência visual (cegueira total, parcial, deficiência visual profunda). O direito a esta prestação adquire-se com a residência no Liechtenstein e a partir dos 6 anos de idade. O financiamento destas prestações é garantido por receitas fiscais e a gestão está a cargo do seguro de invalidez (IV). 12

15 3 Informações de contacto das instituições e endereços úteis na Internet Mais informações (por exemplo. prestações da segurança social, carreira contributiva, instrumentos jurídicos e vias de recurso contra decisões dos organismos de segurança social) podem ser obtidas junto das entidades a seguir referenciadas: Prestações em espécie em caso de acidentes de trabalho e doenças profissionais: Departamento de Economia Nacional (Amt für Volkswirtschaft ) Gerberweg 5 Liechtenstein Telefone: (423) Fax: (423) Para qualquer informação complementar sobre o regime de previdência das empresas ou sobre disposições relativas a invalidez, velhice e morte (pilar 2): Autoridade para o Mercado Financeiro do Liechtenstein (Finanzmarktaufsicht Liechtenstein) (FMA) Heiligkreuz 8 Postfach 684 Liechtenstein Telefone: (423) Fax: (423) Para qualquer informação complementar sobre o seguro de velhice e sobrevivência (pilar 1), o seguro de invalidez (pilar 1) e as prestações familiares, e para obter mais informações sobre as prestações complementares no âmbito do seguro de velhice, sobrevivência e de invalidez e os subsídios para grandes inválidos e para invisuais: Seguros de velhice e sobrevivência, seguro de invalidez, caixa de compensação familiar (AHV-IV-FAK-Anstalten) Gerberweg 2 Liechtenstein Telefone: (423) Fax: (423)

16 Comissão Europeia Mobilidade Europeia (na União Europeia, no Espaço Económico Europeu e na Suíça) Os seus direitos de segurança social no Liechtenstein Situação em 10 Fevereiro 2006 Luxemburgo: Serviço das Publicações Oficiais das Comunidades Europeias p. 21 x 29,7cm ISBN

17 Como obter publicações comunitárias? As publicações para venda produzidas pelo Serviço da Publicações estão disponíveis na EU Bookshop ( podendo encomendá-las através do agente de vendas da sua preferência. Também pode solicitar uma lista da nossa rede mundial de agentes de vendas através do fax (352)

18 KE PT-S As publicações da Direcção-Geral do Emprego, Assuntos Sociais e Igualdade de Oportunidades interessam-lhe? Pode descarregá-las em: ou assiná-las gratuitamente pela Internet: ESmail é a carta de informação electrónica da Direcção-Geral do Emprego, Assuntos Sociais e Igualdade de Oportunidades. Pode assiná-la pela Internet em: ISBN

Os seus direitos de segurança social. no Listenstaine

Os seus direitos de segurança social. no Listenstaine Os seus direitos de segurança social no Listenstaine O presente guia foi redigido e atualizado em estreita colaboração com os correspondentes nacionais do Sistema de Informação Mútua sobre a Proteção Social

Leia mais

L 306/2 Jornal Oficial da União Europeia 23.11.2010

L 306/2 Jornal Oficial da União Europeia 23.11.2010 L 306/2 Jornal Oficial da União Europeia 23.11.2010 Projecto DECISÃO N. o / DO CONSELHO DE ASSOCIAÇÃO instituído pelo Acordo Euro-Mediterrânico que cria uma associação entre as Comunidades Europeias e

Leia mais

MARIA JOSÉ BANHA DEZ/ 2014 TRABALHO REALIZADO POR: PAULO ELIAS

MARIA JOSÉ BANHA DEZ/ 2014 TRABALHO REALIZADO POR: PAULO ELIAS FORMADORA: MARIA JOSÉ BANHA DEZ/ 2014 TRABALHO REALIZADO POR: MARIA ANTÓNIA PAULO ELIAS SEGURANÇA SOCIAL A Segurança Social Portuguesa está sob a tutela do Ministério da Solidariedade e da Segurança Social

Leia mais

FICHA TÉCNICA. TÍTULO Guia Prático Pensão de Reforma Antecipada. PROPRIEDADE Instituto Nacional de Segurança Social

FICHA TÉCNICA. TÍTULO Guia Prático Pensão de Reforma Antecipada. PROPRIEDADE Instituto Nacional de Segurança Social FICHA TÉCNICA TÍTULO Guia Prático Pensão de Reforma Antecipada PROPRIEDADE Instituto Nacional de Segurança Social AUTOR Instituto Nacional de Segurança Social MORADA Rua Cirílo da Conceição e Silva, 42,

Leia mais

REGULAMENTO DE BENEFÍCIOS. Capítulo I - Disposições Gerais... 2. Capítulo II... 4. Secção I - Serviços de Saúde... 4

REGULAMENTO DE BENEFÍCIOS. Capítulo I - Disposições Gerais... 2. Capítulo II... 4. Secção I - Serviços de Saúde... 4 REGULAMENTO DE BENEFÍCIOS Capítulo I - Disposições Gerais... 2 Capítulo II... 4 Secção I - Serviços de Saúde... 4 Secção II - Complementos de Reforma... 5 Capítulo III - Benefícios suportados pelo Fundo

Leia mais

Mobilidade Europeia. Os seus direitos de segurança social na Suíça. Comissão Europeia

Mobilidade Europeia. Os seus direitos de segurança social na Suíça. Comissão Europeia 9 Mobilidade Europeia Os seus direitos de segurança social na Suíça Comissão Europeia Mobilidade Europeia (na União Europeia, no Espaço Económico Europeu e na Suíça) Os seus direitos de segurança social

Leia mais

Descontar para a reforma na Suíça e a sua situação em caso de divórcio em Portugal

Descontar para a reforma na Suíça e a sua situação em caso de divórcio em Portugal Descontar para a reforma na Suíça e a sua situação em caso de divórcio em Portugal 1. Fundamento A reforma na Suíça apoia se em três pilares, a saber a AHV ("Eidgenössische Invaliden und Hinterlassenenverswicherung"

Leia mais

PASSAPORTE PARA ANGOLA

PASSAPORTE PARA ANGOLA PASSAPORTE PARA ANGOLA Ana Pinelas Pinto 17 e 18 de Fevereiro 2011 QUESTÕES FISCAIS NA EXPATRIAÇÃO 17 e 18 de Fevereiro 2011 Principais Dificuldades/ Riscos Criação de EE para a entidade empregadora não

Leia mais

CONSELHO DE MINISTROS DECRETO Nº 50/05 DE 8 DE AGOSTO

CONSELHO DE MINISTROS DECRETO Nº 50/05 DE 8 DE AGOSTO REPÚBLICA DE ANGOLA CONSELHO DE MINISTROS DECRETO Nº 50/05 DE 8 DE AGOSTO Considerando que a protecção na morte integra o âmbito de aplicação material da protecção social obrigatória e visa compensar os

Leia mais

GUIA PRÁTICO DOENÇA PROFISSIONAL - CERTIFICAÇÃO

GUIA PRÁTICO DOENÇA PROFISSIONAL - CERTIFICAÇÃO GUIA PRÁTICO DOENÇA PROFISSIONAL - CERTIFICAÇÃO INSTITUTO DA SEGURANÇA SOCIAL, I.P ISS, I.P. Pág. 1/12 FICHA TÉCNICA TÍTULO Guia Prático Doença Profissional - Certificação (N28 v4.09) PROPRIEDADE Instituto

Leia mais

Os seus direitos de segurança social. na Suíça

Os seus direitos de segurança social. na Suíça Os seus direitos de segurança social na Suíça O presente guia foi redigido e atualizado em estreita colaboração com os correspondentes nacionais do Sistema de Informação Mútua sobre a Proteção Social (MISSOC).

Leia mais

GUIA PRÁTICO DOENÇA PROFISSIONAL - PRESTAÇÕES POR MORTE

GUIA PRÁTICO DOENÇA PROFISSIONAL - PRESTAÇÕES POR MORTE GUIA PRÁTICO DOENÇA PROFISSIONAL - PRESTAÇÕES POR MORTE INSTITUTO DA SEGURANÇA SOCIAL, I.P ISS, I.P. Pág. 1/11 FICHA TÉCNICA TÍTULO Guia Prático Doença Profissional Prestações por Morte (N13 v4.06) PROPRIEDADE

Leia mais

GUIA PRÁTICO PENSÃO SOCIAL DE VELHICE INSTITUTO DA SEGURANÇA SOCIAL, I.P

GUIA PRÁTICO PENSÃO SOCIAL DE VELHICE INSTITUTO DA SEGURANÇA SOCIAL, I.P GUIA PRÁTICO PENSÃO SOCIAL DE VELHICE INSTITUTO DA SEGURANÇA SOCIAL, I.P FICHA TÉCNICA TÍTULO Guia Prático Pensão Social de Velhice (7009 v4.15) PROPRIEDADE Instituto da Segurança Social, I.P. AUTOR Centro

Leia mais

VIVER E TRABALHAR NA SUÍÇA. eu gosto particularmente na Suíça.» sobre o lago e os Alpes, é o que. «Um esplêndido nascer de sol

VIVER E TRABALHAR NA SUÍÇA. eu gosto particularmente na Suíça.» sobre o lago e os Alpes, é o que. «Um esplêndido nascer de sol «Um esplêndido nascer de sol sobre o lago e os Alpes, é o que eu gosto particularmente na Suíça.» Claudia Ruisi, parteira, Bélgica VIVER E TRABALHAR NA SUÍÇA + O SISTEMA DE SEGURANÇA SOCIAL NA SUÍÇA +

Leia mais

CONTRATO CONSTITUTIVO DO FUNDO DE PENSÕES DOS ADMINISTRADORES E/OU DIRECTORES DA ROBBIALAC

CONTRATO CONSTITUTIVO DO FUNDO DE PENSÕES DOS ADMINISTRADORES E/OU DIRECTORES DA ROBBIALAC CONTRATO CONSTITUTIVO DO FUNDO DE PENSÕES DOS ADMINISTRADORES E/OU DIRECTORES DA ROBBIALAC CAPÍTULO I (DISPOSIÇÕES GERAIS) 1 A existência do Fundo de Pensões dos Administradores e/ou Directores da Robbialac

Leia mais

GUIA PRÁTICO PORTEIROS DE PRÉDIOS URBANOS E SIMILARES INSTITUTO DA SEGURANÇA SOCIAL, I.P

GUIA PRÁTICO PORTEIROS DE PRÉDIOS URBANOS E SIMILARES INSTITUTO DA SEGURANÇA SOCIAL, I.P GUIA PRÁTICO PORTEIROS DE PRÉDIOS URBANOS E SIMILARES INSTITUTO DA SEGURANÇA SOCIAL, I.P FICHA TÉCNICA TÍTULO Guia Prático Porteiros de Prédios Urbanos e Similares (2025 V4.12) PROPRIEDADE Instituto da

Leia mais

Segundo Acordo Complementar à Convenção entre Portugal e o Luxemburgo sobre Segurança Social, assinada em 12 de Fevereiro de 1965

Segundo Acordo Complementar à Convenção entre Portugal e o Luxemburgo sobre Segurança Social, assinada em 12 de Fevereiro de 1965 Decreto n.º 9/79 de 30 de Janeiro Segundo Acordo Complementar à Convenção entre Portugal e o Luxemburgo sobre Segurança Social, de 12 de Fevereiro de 1965, assinado em Lisboa em 20 de Maio de 1977 O Governo

Leia mais

MINISTÉRIOS DAS FINANÇAS E DA SOLIDARIEDADE, EMPREGO E SEGURANÇA SOCIAL. 6546-(418) Diário da República, 1.ª série N.º 252 31 de dezembro de 2014

MINISTÉRIOS DAS FINANÇAS E DA SOLIDARIEDADE, EMPREGO E SEGURANÇA SOCIAL. 6546-(418) Diário da República, 1.ª série N.º 252 31 de dezembro de 2014 6546-(418) Diário da República, 1.ª série N.º 252 31 de dezembro de 2014 n.º 4 do artigo 98.º ou de o respetivo montante ser levado em conta na liquidação final do imposto, os prazos de reclamação e de

Leia mais

DIREITOS DA PESSOA COM AUTISMO

DIREITOS DA PESSOA COM AUTISMO DIREITOS DA PESSOA COM AUTISMO CARTA DOS DIREITOS PARA AS PESSOAS COM AUTISMO 1. O DIREITO de as pessoas com autismo viverem uma vida independente e completa até ao limite das suas potencialidades. 2.

Leia mais

CONSELHO DE MINISTROS. Decreto n.º 41/08 de 2 de Julho

CONSELHO DE MINISTROS. Decreto n.º 41/08 de 2 de Julho REPÚBLICA DE ANGOLA CONSELHO DE MINISTROS Decreto n.º 41/08 de 2 de Julho Considerando que a protecção social visa assegurar o bem estar das pessoas, das famílias e das comunidades através de acções de

Leia mais

GUIA PRÁTICO DOENÇA PROFISSIONAL - PRESTAÇÕES EM ESPÉCIE

GUIA PRÁTICO DOENÇA PROFISSIONAL - PRESTAÇÕES EM ESPÉCIE GUIA PRÁTICO DOENÇA PROFISSIONAL - PRESTAÇÕES EM ESPÉCIE INSTITUTO DA SEGURANÇA SOCIAL, I.P ISS, I.P. Pág. 1/9 FICHA TÉCNICA TÍTULO Guia Prático Doença Profissional Prestações em Espécie (N27 v4.09) PROPRIEDADE

Leia mais

Sistemas de Protecção Social: experiência de Portugal

Sistemas de Protecção Social: experiência de Portugal Sistemas de Protecção Social: experiência de Portugal José Luís Albuquerque Subdirector-Geral do Gabinete de Estratégia e Planeamento (GEP) do Ministério do Trabalho e da Solidariedade Social (MTSS) VIII

Leia mais

REPÚBLICA DE ANGOLA CONSELHO DE MINISTROS. Decreto n.º 40/08. de 2 de Julho

REPÚBLICA DE ANGOLA CONSELHO DE MINISTROS. Decreto n.º 40/08. de 2 de Julho REPÚBLICA DE ANGOLA CONSELHO DE MINISTROS Decreto n.º 40/08 de 2 de Julho Considerando que o desenvolvimento da Protecção Social Obrigatória deve corresponder, em certa medida, ao contexto económico e

Leia mais

Regime geral dos trabalhadores por conta de outrem

Regime geral dos trabalhadores por conta de outrem Gastos e operações com o pessoal Os recursos humanos implicam gastos: Remunerações fixas e/ou variáveis recebidas pelos trabalhadores vinculados à empresa por contrato individual de trabalho; Remunerações

Leia mais

Glossário sobre Planos e Fundos de Pensões

Glossário sobre Planos e Fundos de Pensões Glossário sobre Planos e Fundos de Pensões Associados Benchmark Beneficiários Beneficiários por Morte CMVM Comissão de Depósito Comissão de Gestão Comissão de Transferência Comissão Reembolso (ou resgate)

Leia mais

Documento de Apoio Simulador de Rendas

Documento de Apoio Simulador de Rendas Documento de Apoio Simulador de Rendas O Município de Lisboa desenvolveu um simulador de Cálculo de Rendas que está disponível para o munícipe na página da internet da CML, no seguinte endereço http://simuladorderenda.cm-lisboa.pt

Leia mais

Decreto-Lei n.º 146/93 de 26 de Abril

Decreto-Lei n.º 146/93 de 26 de Abril Decreto-Lei n.º 146/93 de 26 de Abril (Rectificado, nos termos da Declaração de Rectificação n.º 134/93, publicada no DR, I-A, supl, n.º 178, de 31.07.93) Objecto... 2 Obrigatoriedade do seguro... 2 Seguro

Leia mais

GUIA PRÁTICO BENEFICIÁRIOS DE ACORDOS INTERNACIONAIS VÍTIMAS DE ACIDENTE DE TRABALHO OU DE DOENÇA PROFISSIONAL

GUIA PRÁTICO BENEFICIÁRIOS DE ACORDOS INTERNACIONAIS VÍTIMAS DE ACIDENTE DE TRABALHO OU DE DOENÇA PROFISSIONAL GUIA PRÁTICO BENEFICIÁRIOS DE ACORDOS INTERNACIONAIS VÍTIMAS DE ACIDENTE DE TRABALHO OU DE DOENÇA PROFISSIONAL INSTITUTO DA SEGURANÇA SOCIAL, I.P ISS, I.P. Pág. 1/10 FICHA TÉCNICA TÍTULO Guia Prático Beneficiários

Leia mais

Quais as principais diferenças entre um seguro de vida individual e um seguro de vida de grupo?

Quais as principais diferenças entre um seguro de vida individual e um seguro de vida de grupo? SEGURO VIDA Que tipo de seguros são explorados no ramo vida? A actividade do ramo Vida consiste na exploração dos seguintes seguros e operações: Seguro de Vida, Seguro de Nupcialidade /Natalidade, Seguro

Leia mais

GUIA PRÁTICO SUBSÍDIO POR MORTE INSTITUTO DA SEGURANÇA SOCIAL, I.P

GUIA PRÁTICO SUBSÍDIO POR MORTE INSTITUTO DA SEGURANÇA SOCIAL, I.P GUIA PRÁTICO SUBSÍDIO POR MORTE INSTITUTO DA SEGURANÇA SOCIAL, I.P FICHA TÉCNICA TÍTULO Guia Prático Subsídio por Morte (7011 v4.13) PROPRIEDADE Instituto da Segurança Social, I.P. AUTOR Centro Nacional

Leia mais

Os seus direitos de segurança social na Eslovénia

Os seus direitos de segurança social na Eslovénia Os seus direitos de segurança social na Eslovénia Comissão Europeia Emprego, Assunto Sociais e Inclusão O presente guia foi redigido e actualizado em estreita colaboração com os correspondentes nacionais

Leia mais

2. Que pessoas estão sujeitas a retenção na fonte? 3. Que prestações estão sujeitas a retenção na fonte?

2. Que pessoas estão sujeitas a retenção na fonte? 3. Que prestações estão sujeitas a retenção na fonte? Kanton Zürich Finanzdirektion Folha informativa para trabalhadores sujeitos a retenção na fonte no cantão de Zurique Válido a partir de 1 de Janeiro de 2015 Kantonales Steueramt Dienstabteilung Quellensteuer

Leia mais

GUIA PRÁTICO SUBSÍDIO POR MORTE INSTITUTO DA SEGURANÇA SOCIAL, I.P

GUIA PRÁTICO SUBSÍDIO POR MORTE INSTITUTO DA SEGURANÇA SOCIAL, I.P GUIA PRÁTICO SUBSÍDIO POR MORTE INSTITUTO DA SEGURANÇA SOCIAL, I.P FICHA TÉCNICA TÍTULO Guia Prático Subsídio por Morte (7011 v4.12) PROPRIEDADE Instituto da Segurança Social, I.P. AUTOR Centro Nacional

Leia mais

SEGUROS DE VIDA IRS 2015

SEGUROS DE VIDA IRS 2015 SEGUROS DE VIDA IRS 2015 (Lei n.º 82-B/2014 de 31 de Dezembro e Lei n.º 82-E/2014, de 31 de Dezembro) generali.pt 2 IRS 2015 - Seguros de Vida Índice I II III Seguros de Vida 1. Dedução dos prémios 2.

Leia mais

APOSENTAÇÃO, FÉRIAS, FALTAS E LICENÇAS

APOSENTAÇÃO, FÉRIAS, FALTAS E LICENÇAS ADENDA AO APOSENTAÇÃO, FÉRIAS, FALTAS E LICENÇAS Páginas 19 O artigo 1.º foi revogado pela Lei n.º 60/2005, de 29 de Dezembro: São revogados o artigo 1.º do Estatuto da Aposentação, aprovado pelo Decreto-Lei

Leia mais

Decreto n.º 24/01 De 12 de Abril

Decreto n.º 24/01 De 12 de Abril Decreto n.º 24/01 De 12 de Abril Considerando que pelos serviços prestados pelo Tribunal de Contas e pela sua Direcção dos serviços Técnicos, em conformidade com o disposto no n.º 1 do artigo 43.º,da lei

Leia mais

NEWSLETTER Fevereiro 2014 SEGURANÇA SOCIAL 2014

NEWSLETTER Fevereiro 2014 SEGURANÇA SOCIAL 2014 NEWSLETTER Fevereiro 2014 SEGURANÇA SOCIAL 2014 SEGURANÇA SOCIAL 2014 Índice 1. INTRODUÇÃO 3 2. ALTERAÇÕES SEGURANÇA SOCIAL 4 3. BASES DE INCIDÊNCIA 6 3 1. Introdução Com a entrada em vigor da Lei do Orçamento

Leia mais

Decreto-Lei n.º 142/99 de 30 de Abril

Decreto-Lei n.º 142/99 de 30 de Abril Decreto-Lei n.º 142/99 de 30 de Abril A Lei n.º 100/97, de 13 de Setembro, estabelece a criação de um fundo, dotado de autonomia financeira e administrativa, no âmbito dos acidentes de trabalho. O presente

Leia mais

GUIA PRÁTICO PENSÃO DE VIUVEZ INSTITUTO DA SEGURANÇA SOCIAL, I.P

GUIA PRÁTICO PENSÃO DE VIUVEZ INSTITUTO DA SEGURANÇA SOCIAL, I.P GUIA PRÁTICO PENSÃO DE VIUVEZ INSTITUTO DA SEGURANÇA SOCIAL, I.P FICHA TÉCNICA TÍTULO Guia Prático Pensão de Viuvez (7012 v4.14) PROPRIEDADE Instituto da Segurança Social, I.P. AUTOR Centro Nacional de

Leia mais

Este documento constitui um instrumento de documentação e não vincula as instituições

Este documento constitui um instrumento de documentação e não vincula as instituições 1971R1408 PT 28.04.2006 006.001 1 Este documento constitui um instrumento de documentação e não vincula as instituições B REGULAMENTO (CEE) N. o 1408/71 DO CONSELHO de 14 de Junho de 1971 relativo à aplicação

Leia mais

Aprovado por Despacho do Senhor Secretário de Estado dos Transportes, de 25 de Maio de 2000 e Despacho do Senhor Secretário de Estado do Tesouro e

Aprovado por Despacho do Senhor Secretário de Estado dos Transportes, de 25 de Maio de 2000 e Despacho do Senhor Secretário de Estado do Tesouro e ESTATUTO DO PESSOAL Aprovado por Despacho do Senhor Secretário de Estado dos Transportes, de 25 de Maio de 2000 e Despacho do Senhor Secretário de Estado do Tesouro e das Finanças, de 6 de Julho de 2000.

Leia mais

ALTERAÇÕES AO REGIME DO DESEMPREGO (comparação artigo a artigo) Redacção anterior Nova redação DL 64/2012 Artigo 9.º

ALTERAÇÕES AO REGIME DO DESEMPREGO (comparação artigo a artigo) Redacção anterior Nova redação DL 64/2012 Artigo 9.º ALTERAÇÕES AO REGIME DO DESEMPREGO (comparação artigo a artigo) Artigo 9.º Artigo 9.º Desemprego involuntário Desemprego involuntário 1 - O desemprego considera-se involuntário sempre que a cessação do

Leia mais

GUIA PRÁTICO BOLSA DE ESTUDO

GUIA PRÁTICO BOLSA DE ESTUDO Manual de GUIA PRÁTICO BOLSA DE ESTUDO INSTITUTO DA SEGURANÇA SOCIAL, I.P ISS, I.P. Departamento/Gabinete Pág. 1/11 FICHA TÉCNICA TÍTULO Guia Prático Bolsa de Estudo (4010 v1.12) PROPRIEDADE Instituto

Leia mais

SEGUROS DE VIDA IRS 2014

SEGUROS DE VIDA IRS 2014 SEGUROS DE VIDA IRS 2014 (Lei n.º 66-B/2012 de 31 de Dezembro) generali.pt 2 IRS 2014 - Seguros de Vida Índice 3 Seguros de Vida 1. Dedução dos prémios 2. Tributação dos benefícios 2.1. Indemnizações por

Leia mais

CONSELHO DE MINISTROS. DECRETO Nº 76/05 De 12 DE OUTUBRO

CONSELHO DE MINISTROS. DECRETO Nº 76/05 De 12 DE OUTUBRO REPÚBLICA DE ANGOLA CONSELHO DE MINISTROS DECRETO Nº 76/05 De 12 DE OUTUBRO Considerando que a velhice é uma das modalidades fundamentais da protecção social obrigatória, conforme vem referido no artigo

Leia mais

AJUDAS DE CUSTO E SUBSÍDIOS DE REFEIÇÃO E VIAGEM (2013)

AJUDAS DE CUSTO E SUBSÍDIOS DE REFEIÇÃO E VIAGEM (2013) AJUDAS DE CUSTO E SUBSÍDIOS DE REFEIÇÃO E VIAGEM (2013) Com a entrada em vigor da Lei do Orçamento do Estado para 2013 (n.º 66 -B/2012, de 31 de Dezembro de 2012), procedeu -se à actualização da remuneração

Leia mais

MEDIDAS DE APOIO AO EMPREGO. 23 de outubro de 2014

MEDIDAS DE APOIO AO EMPREGO. 23 de outubro de 2014 MEDIDAS DE APOIO AO EMPREGO 23 de outubro de 2014 APOIOS À CONTRATAÇÃO ESTÍMULO EMPREGO Caracterização Apoio financeiro às entidades empregadoras que celebrem contratos de trabalho com desempregados inscritos

Leia mais

CONVENÇÃO ENTRE A REPÚBLICA PORTUGUESA E A REPÚBLICA DA ÁUSTRIA EM MATÉRIA DE SEGURANÇA SOCIAL

CONVENÇÃO ENTRE A REPÚBLICA PORTUGUESA E A REPÚBLICA DA ÁUSTRIA EM MATÉRIA DE SEGURANÇA SOCIAL Decreto do Governo n.º 44/85 Convenção entre a República Portuguesa e a República da Áustria em Matéria de Segurança Social e o respectivo Protocolo Final, feitos em Viena em 18 de Abril de 1985 O Governo

Leia mais

Regime Fiscal 2013 - Seguros Reais e de Poupança -

Regime Fiscal 2013 - Seguros Reais e de Poupança - Regime Fiscal i) Pessoas Singulares 1. PPR Plano Poupança Reforma pág.2 2. Seguros Vida: Capitalização e Reais pág.4 3. Seguros de Acidentes Pessoais pág.4 4. Seguro de Saúde pág.5 5. Regimes Especiais

Leia mais

GUIA PRÁTICO ACORDO DE SEGURANÇA SOCIAL ENTRE PORTUGAL E O BRASIL INSTITUTO DA SEGURANÇA SOCIAL, I.P

GUIA PRÁTICO ACORDO DE SEGURANÇA SOCIAL ENTRE PORTUGAL E O BRASIL INSTITUTO DA SEGURANÇA SOCIAL, I.P GUIA PRÁTICO ACORDO DE SEGURANÇA SOCIAL ENTRE PORTUGAL E O BRASIL INSTITUTO DA SEGURANÇA SOCIAL, I.P FICHA TÉCNICA TÍTULO Guia Prático Acordo de Segurança Social entre Portugal e o Brasil (N58 v1.1) PROPRIEDADE

Leia mais

Decreto-Lei n.º 140-B/2010. de 30 de Dezembro

Decreto-Lei n.º 140-B/2010. de 30 de Dezembro Decreto-Lei n.º 140-B/2010 de 30 de Dezembro O presente decreto-lei é mais um passo no objectivo do Governo de reafirmar os princípios de convergência e universalização dos regimes de protecção social

Leia mais

Mobilidade Europeia. Os seus direitos de segurança social na Alemanha. Comissão Europeia

Mobilidade Europeia. Os seus direitos de segurança social na Alemanha. Comissão Europeia 9 Mobilidade Europeia Os seus direitos de segurança social na Alemanha Comissão Europeia Mobilidade Europeia (na União Europeia, no Espaço Económico Europeu e na Suíça) Os seus direitos de segurança social

Leia mais

REGULAMENTO INTERNO. CAPÍTULO I Sócios Artigo 1.º

REGULAMENTO INTERNO. CAPÍTULO I Sócios Artigo 1.º REGULAMENTO INTERNO CAPÍTULO I Sócios (Processo de Admissão e Requisitos, Direitos e Deveres, Suspensão, Exclusão e Cancelamento da Inscrição.) 1. São sócios - cooperadores todos os admitidos pela Direcção

Leia mais

Decreto n.º 48/88 Acordo sobre Segurança Social entre Portugal e os Estados Unidos da América

Decreto n.º 48/88 Acordo sobre Segurança Social entre Portugal e os Estados Unidos da América Decreto n.º 48/88 Acordo sobre Segurança Social entre Portugal e os Estados Unidos da América Nos termos da alínea c) do n.º 1 do artigo 200.º da Constituição, o Governo decreta o seguinte: Artigo único.

Leia mais

Os seus direitos de segurança social. em Portugal

Os seus direitos de segurança social. em Portugal Os seus direitos de segurança social em Portugal O presente guia foi redigido e atualizado em estrita colaboração com os correspondentes nacionais do Sistema de Informação Mútua sobre a Proteção Social

Leia mais

Incentivos à contratação

Incentivos à contratação Incentivos à contratação A empresa poderá beneficiar de incentivos quando pretende contratar novos trabalhadores. Os incentivos de que as empresas podem usufruir quando contratam novos trabalhadores podem

Leia mais

GUIA PRÁTICO MEDIDA EXCECIONAL DE APOIO AO EMPREGO - REDUÇÃO DE 0,75 PONTOS PERCENTUAIS DA TAXA CONTRIBUTIVA A CARGO DA ENTIDADE EMPREGADORA

GUIA PRÁTICO MEDIDA EXCECIONAL DE APOIO AO EMPREGO - REDUÇÃO DE 0,75 PONTOS PERCENTUAIS DA TAXA CONTRIBUTIVA A CARGO DA ENTIDADE EMPREGADORA GUIA PRÁTICO MEDIDA EXCECIONAL DE APOIO AO EMPREGO - REDUÇÃO DE 0,75 PONTOS PERCENTUAIS DA TAXA CONTRIBUTIVA A CARGO DA ENTIDADE EMPREGADORA INSTITUTO DA SEGURANÇA SOCIAL, I.P FICHA TÉCNICA TÍTULO Guia

Leia mais

Convenção nº 146. Convenção sobre Férias Anuais Pagas dos Marítimos

Convenção nº 146. Convenção sobre Férias Anuais Pagas dos Marítimos Convenção nº 146 Convenção sobre Férias Anuais Pagas dos Marítimos A Conferência Geral da Organização Internacional do Trabalho: Convocada para Genebra pelo conselho administração da Repartição Internacional

Leia mais

Orçamento do Estado 2014 Saúde e Segurança Social Para Onde Vamos?

Orçamento do Estado 2014 Saúde e Segurança Social Para Onde Vamos? Orçamento do Estado 2014 Saúde e Segurança Social Para Onde Vamos? Fundação Calouste Gulbenkian, Lisboa 18 de Novembro Maria Margarida Corrêa de Aguiar margaridacorreadeaguiar@gmail.com TÓPICOS DEFINIÇÕES

Leia mais

GUIA PRÁTICO PENSÃO SOCIAL DE VELHICE INSTITUTO DA SEGURANÇA SOCIAL, I.P

GUIA PRÁTICO PENSÃO SOCIAL DE VELHICE INSTITUTO DA SEGURANÇA SOCIAL, I.P GUIA PRÁTICO PENSÃO SOCIAL DE VELHICE INSTITUTO DA SEGURANÇA SOCIAL, I.P FICHA TÉCNICA TÍTULO Guia Prático Pensão Social de Velhice (7009 v 09) PROPRIEDADE Instituto da Segurança Social, I.P. AUTOR Instituto

Leia mais

Pessoas abrangidas pelo Seguro Social Voluntário. 1. Quem é abrangido pelo Regime do Seguro Social Voluntário

Pessoas abrangidas pelo Seguro Social Voluntário. 1. Quem é abrangido pelo Regime do Seguro Social Voluntário Pessoas abrangidas pelo Seguro Social Voluntário 1. Quem é abrangido pelo Regime do Seguro Social Voluntário Cidadãos nacionais, e cidadãos estrangeiros ou apátridas residentes em Portugal há mais de um

Leia mais

Parte I: As modalidades de aplicação e de acompanhamento do Código voluntário;

Parte I: As modalidades de aplicação e de acompanhamento do Código voluntário; ACORDO EUROPEU SOBRE UM CÓDIGO DE CONDUTA VOLUNTÁRIO SOBRE AS INFORMAÇÕES A PRESTAR ANTES DA CELEBRAÇÃO DE CONTRATOS DE EMPRÉSTIMO À HABITAÇÃO ( ACORDO ) O presente Acordo foi negociado e adoptado pelas

Leia mais

Perguntas Frequentes sobre Voluntariado

Perguntas Frequentes sobre Voluntariado Perguntas Frequentes sobre Voluntariado Juntos podemos fazer da solidariedade um compromisso Índice 1. O que é o Voluntariado? 3 2. Que organizações podem ser promotoras do Voluntariado? 3 3. O que é ser

Leia mais

GUIA PRÁTICO DOENÇA PROFISSIONAL - PRESTAÇÕES POR MORTE

GUIA PRÁTICO DOENÇA PROFISSIONAL - PRESTAÇÕES POR MORTE GUIA PRÁTICO DOENÇA PROFISSIONAL - PRESTAÇÕES POR MORTE INSTITUTO DA SEGURANÇA SOCIAL, I.P ISS, I.P. Pág. 1/11 FICHA TÉCNICA TÍTULO Guia Prático Doença Profissional Prestações por Morte (N13 v4.07) PROPRIEDADE

Leia mais

INSTITUTO NACIONAL DE PREVIDÊNCIA SOCIAl

INSTITUTO NACIONAL DE PREVIDÊNCIA SOCIAl INSTITUTO NACIONAL DE PREVIDÊNCIA SOCIAl REGIMES de Previdência Social: - Trabalhadores por Conta de Outrem - Trabalhadores por Conta Própria/Independentes - Agentes da Administração Pública Central -

Leia mais

Estímulo Emprego. Promotores

Estímulo Emprego. Promotores Estímulo Emprego Apoio financeiro aos empregadores que celebrem contratos de trabalho a termo certo por prazo igual ou superior a 6 meses ou contratos de trabalho sem termo, a tempo completo ou a tempo

Leia mais

BOLSA INTERNACIONAL DE ENTRADA MARIE CURIE

BOLSA INTERNACIONAL DE ENTRADA MARIE CURIE ANEXO III DISPOSIÇÕES ESPECÍFICAS BOLSA INTERNACIONAL DE ENTRADA MARIE CURIE III. 1 - Definições FASE DE ENTRADA Para além das previstas no artigo II.1, aplicam-se à presente convenção de subvenção as

Leia mais

Acordo Especial de Cooperação no Domínio do Sector Eléctrico entre a República Popular de Moçambique e a República Portuguesa.

Acordo Especial de Cooperação no Domínio do Sector Eléctrico entre a República Popular de Moçambique e a República Portuguesa. Decreto n.º 87/79 de 20 de Agosto Acordo Especial de Cooperação no Domínio do Sector Eléctrico entre a República Portuguesa e a República Popular de Moçambique O Governo decreta, nos termos da alínea c)

Leia mais

GUIA PRÁTICO CARTÃO EUROPEU DE SEGURO DE DOENÇA INSTITUTO DA SEGURANÇA SOCIAL, I.P

GUIA PRÁTICO CARTÃO EUROPEU DE SEGURO DE DOENÇA INSTITUTO DA SEGURANÇA SOCIAL, I.P GUIA PRÁTICO CARTÃO EUROPEU DE SEGURO DE DOENÇA INSTITUTO DA SEGURANÇA SOCIAL, I.P FICHA TÉCNICA TÍTULO Guia Prático Cartão Europeu de Seguro de Doença (N39 - v4.07) PROPRIEDADE Instituto da Segurança

Leia mais

Ministério Federal do Trabalho e dos Assuntos Sociais

Ministério Federal do Trabalho e dos Assuntos Sociais Ministério Federal do Trabalho e dos Assuntos Sociais Directiva para o programa especial da Federação Alemã para o Fomento da mobilidade profissional de jovens interessados em formação e jovens profissionais

Leia mais

CONVENÇÃO SOBRE SEGURANÇA SOCIAL ENTRE A REPÚBLICA PORTUGUESA E A REPÚBLICA DE ANGOLA

CONVENÇÃO SOBRE SEGURANÇA SOCIAL ENTRE A REPÚBLICA PORTUGUESA E A REPÚBLICA DE ANGOLA Decreto n.º 32/2004 Aprova a Convenção sobre Segurança Social entre a República Portuguesa e a República de Angola, assinada em Luanda em 27 de Outubro de 2003 Tendo em conta que a República Portuguesa

Leia mais

GUIA PRÁTICO COMPLEMENTO POR DEPENDÊNCIA INSTITUTO DA SEGURANÇA SOCIAL, I.P

GUIA PRÁTICO COMPLEMENTO POR DEPENDÊNCIA INSTITUTO DA SEGURANÇA SOCIAL, I.P GUIA PRÁTICO COMPLEMENTO POR DEPENDÊNCIA INSTITUTO DA SEGURANÇA SOCIAL, I.P FICHA TÉCNICA TÍTULO Guia Prático Complemento por Dependência (7013 v4.23) PROPRIEDADE Instituto da Segurança Social, I.P. AUTOR

Leia mais

GUIA PRÁTICO BONIFICAÇÃO POR DEFICIÊNCIA

GUIA PRÁTICO BONIFICAÇÃO POR DEFICIÊNCIA Manual de GUIA PRÁTICO BONIFICAÇÃO POR DEFICIÊNCIA INSTITUTO DA SEGURANÇA SOCIAL, I.P ISS, I.P. Departamento/Gabinete Pág. 1/14 FICHA TÉCNICA TÍTULO Guia Prático Bonificação por Deficiência (4002 v4.20)

Leia mais

Código de Conduta Voluntário

Código de Conduta Voluntário O Banif, SA, ao formalizar a sua adesão ao Código de Conduta Voluntário do crédito à habitação, no âmbito da Federação Hipotecária Europeia, e de acordo com as recomendações da Comissão Europeia e do Banco

Leia mais

CONDIÇÕES GERAIS. Tomador do seguro A entidade que celebra o contrato de seguro com a VICTORIA e que assume a obrigação de pagamento do prémio.

CONDIÇÕES GERAIS. Tomador do seguro A entidade que celebra o contrato de seguro com a VICTORIA e que assume a obrigação de pagamento do prémio. CONDIÇÕES GERAIS 1 Definições Para efeitos deste Contrato, entende-se por: 1.1 Partes envolvidas no contrato Empresa de seguros VICTORIA - Seguros de Vida, S.A., entidade que emite a apólice e que, mediante

Leia mais

GUIA PRÁTICO PENSÃO POR VELHICE

GUIA PRÁTICO PENSÃO POR VELHICE Manual de GUIA PRÁTICO PENSÃO POR VELHICE INSTITUTO DA SEGURANÇA SOCIAL, I.P ISS, I.P. Departamento/Gabinete Pág. 1/16 FICHA TÉCNICA TÍTULO Guia Prático Pensão por Velhice (7001 v4.04) PROPRIEDADE Instituto

Leia mais

GUIA PRÁTICO SUBSÍDIO MENSAL VITALÍCIO

GUIA PRÁTICO SUBSÍDIO MENSAL VITALÍCIO Manual de GUIA PRÁTICO SUBSÍDIO MENSAL VITALÍCIO INSTITUTO DA SEGURANÇA SOCIAL, I.P ISS, I.P. Departamento/Gabinete Pág. 1/10 FICHA TÉCNICA TÍTULO Guia Prático Subsídio Mensal Vitalício (4004 v4.16) PROPRIEDADE

Leia mais

Medidas Ativas de Emprego. Junho 2014

Medidas Ativas de Emprego. Junho 2014 Medidas Ativas de Emprego Junho 2014 Intervenção do SPE A intervenção prioritária deve ser o ajustamento entre quem procura e quem oferece emprego. Quem procura o SPE quer acima de tudo um emprego. Quando

Leia mais

VALOR GARANTIDO VIVACAPIXXI

VALOR GARANTIDO VIVACAPIXXI VALOR GARANTIDO VIVACAPIXXI CONDIÇÕES GERAIS CAPÍTULO I GENERALIDADES ARTº 1º - DEFINIÇÕES 1. Para os efeitos do presente contrato, considera-se: a) Companhia - a entidade seguradora,, que subscreve com

Leia mais

Direitos de Parentalidade

Direitos de Parentalidade Direitos de Parentalidade 1 - INFORMAÇÃO POR PARTE DA ENTIDADE EMPREGADORA (Artigos 24.º n.º 4 e 127º nº 4 do Código do Trabalho) O empregador deve afixar nas instalações da empresa, em local apropriado,

Leia mais

Subsídio por cessação de atividade Atualizado em: 07-12-2015

Subsídio por cessação de atividade Atualizado em: 07-12-2015 SEGURANÇA SOCIAL Subsídio por cessação de atividade Atualizado em: 07-12-2015 Esta informação destina-se a Trabalhadores independentes O que é e quais as condições para ter direito O que é É uma prestação

Leia mais

AVISO N.º 15/2011 de 19 de Dezembro

AVISO N.º 15/2011 de 19 de Dezembro AVISO N.º 15/2011 de 19 de Dezembro Havendo a necessidade de se estabelecer os termos e condições que devem obedecer a celebração dos contratos de factoring, de harmonia com o regulamentado no Decreto

Leia mais

UNIVERSIDADE EDUARDO MONDLANE REGULAMENTO DOS CURSOS DE GRADUAÇÃO EM REGIME PÓS-LABORAL

UNIVERSIDADE EDUARDO MONDLANE REGULAMENTO DOS CURSOS DE GRADUAÇÃO EM REGIME PÓS-LABORAL UNIVERSIDADE EDUARDO MONDLANE REGULAMENTO DOS CURSOS DE GRADUAÇÃO EM REGIME PÓS-LABORAL Preâmbulo A necessidade de expandir a informação superior dos profissionais integrados no mercado trabalho constitui

Leia mais

GUIA PRÁTICO INCAPACIDADE TEMPORÁRIA POR DOENÇA PROFISSIONAL

GUIA PRÁTICO INCAPACIDADE TEMPORÁRIA POR DOENÇA PROFISSIONAL GUIA PRÁTICO INCAPACIDADE TEMPORÁRIA POR DOENÇA PROFISSIONAL INSTITUTO DA SEGURANÇA SOCIAL, I.P ISS, I.P. Pág. 1/10 FICHA TÉCNICA TÍTULO Guia Prático Incapacidade Temporária por Doença Profissional (N07

Leia mais

Os seus direitos de segurança social. na Noruega

Os seus direitos de segurança social. na Noruega Os seus direitos de segurança social na Noruega O presente guia foi redigido e atualizado em estreita colaboração com os correspondentes nacionais do Sistema de Informação Mútua sobre a Proteção Social

Leia mais

FIN ESTÁGIO EMPREGO MEDIDA ESTÁGIO EMPREGO Ficha de informação normalizada

FIN ESTÁGIO EMPREGO MEDIDA ESTÁGIO EMPREGO Ficha de informação normalizada FIN ESTÁGIO EMPREGO MEDIDA ESTÁGIO EMPREGO Ficha de informação normalizada Designação Estágios Emprego Considera-se estágio o desenvolvimento de uma experiência prática em contexto de trabalho com o objetivo

Leia mais

FONTES DO DIREITO DA SEGURIDADE SOCIAL

FONTES DO DIREITO DA SEGURIDADE SOCIAL Seguridade Social Profª Mestre Ideli Raimundo Di Tizio p 8 FONTES DO DIREITO DA SEGURIDADE SOCIAL As fontes do Direito da Seguridade Social podem ser material e formal. As fontes formais são as formas

Leia mais

ACORDO SOBRE SEGURANÇA SOCIAL ENTRE PORTUGAL E O CANADÁ

ACORDO SOBRE SEGURANÇA SOCIAL ENTRE PORTUGAL E O CANADÁ Decreto n.º 34/81 Convenção sobre Segurança Social entre a República Portuguesa e o Canadá O Governo decreta, nos termos da alínea c) do artigo 200.º da Constituição, o seguinte: Artigo único. É aprovada

Leia mais

disponibiliza a LEI DO VOLUNTARIADO

disponibiliza a LEI DO VOLUNTARIADO A disponibiliza a LEI DO VOLUNTARIADO Lei n.º 71/98 de 3 de Novembro de 1998 Bases do enquadramento jurídico do voluntariado A Assembleia da República decreta, nos termos do artigo 161.º, alínea c), do

Leia mais

CAIXA DE DOENÇA. Seguro básico

CAIXA DE DOENÇA. Seguro básico CAIXA DE DOENÇA Seguro básico Todas as pessoas que vivam na Suíça têm de ter um seguro de doença e acidentes. Este seguro básico é obrigatório para todos, independentemente da idade, origem e situação

Leia mais

Decreto n.º 33/95 Acordo Adicional à Convenção sobre Segurança Social entre Portugal e a Suíça

Decreto n.º 33/95 Acordo Adicional à Convenção sobre Segurança Social entre Portugal e a Suíça Decreto n.º 33/95 Acordo Adicional à Convenção sobre Segurança Social entre Portugal e a Suíça Nos termos da alínea c) do n.º 1 do artigo 200.º da Constituição, o Governo decreta o seguinte: Artigo único.

Leia mais

RESUMO DAS CONDIÇÕES GERAIS EM PODER DA UNICRE SEGURO ONCOLOGIA APÓLICE Nº 3052 - DOENÇA GRUPO ARTIGO PRELIMINAR

RESUMO DAS CONDIÇÕES GERAIS EM PODER DA UNICRE SEGURO ONCOLOGIA APÓLICE Nº 3052 - DOENÇA GRUPO ARTIGO PRELIMINAR RESUMO DAS CONDIÇÕES GERAIS EM PODER DA UNICRE SEGURO ONCOLOGIA APÓLICE Nº 3052 - DOENÇA GRUPO ARTIGO PRELIMINAR O contrato de seguro estabelecido entre a GROUPAMA SEGUROS, S.A., adiante designada por

Leia mais