Implementação do protocolo AODVjr no simulador NS2

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "Implementação do protocolo AODVjr no simulador NS2"

Transcrição

1 Implementação do protocolo AODVjr no simulador NS2 Celso Brito Nº /16

2 1. Índice: 1. Índice: Introdução: Software utilizado foi Network Simulator 2: Protocolo AODV: O que é? Tipo de rede em que é utilizado o protocolo AODV Protocolo implementado AODVjr: O que é? O que foi realizado: Simulações realizadas entre AODV e AODVjr: Conclusões: Referências:...15 Celso Brito Nº /16

3 2. Introdução: Este mini-projecto desenvolvido no âmbito da disciplina de Computação Móvel tem como objectivo implementar um novo protocolo, de modo a ser executado no NS-2(Network Simulator 2) e interpretar os resultados da simulação, para isso temos que observar o log (trace) gerado da simulação. Para quem não sabe o Network Simulator 2 (NS) [1] é o simulador de redes mais popular no meio académico e nas grandes empresas de telecomunicações, permitindo criar todo o tipo de topologia de rede e analisar qualquer protocolo. Dos vários temas propostos pelo docente da disciplina optamos pelo tema Routing in Ad-Hoc Nets, dai termos encontrado um protocolo de extensão do protocolo de routing AODV. O protocolo que vamos implementar é o AODVjr, passo então a explicar que o protocolo AODVjr é uma implementação simplificada do protocolo AODV já existente no NS-2. O protocolo AODV Ad-hoc On-Demand Distance Vector é um protocolo de routing que funciona para redes Ad-Hoc. Figura 1 - Rede Ad-Hoc. Celso Brito Nº /16

4 3. Software utilizado foi Network Simulator 2: The Network Simulator 2, ou simplesmente NS-2, é um simulador para pesquisas na área de redes. Sua concepção é baseada no conceito de simulação discreta, o que equivale a dizer que a simulação utiliza uma sequência de eventos para controlar o comportamento do modelo. O NS-2 é um poderoso simulador que oferece recursos para simulações de TCP, routing, protocolos multicast sobre redes com e sem fios. O projecto NS começou em 1989, com como uma variação do REAL network simulator e hoje em dia é um projecto com vida própria, mantido por programadores de diversos lugares do mundo. O NS-2 é escrito nas linguagens C++ e Object Tcl (chamado OTcl). O NS-2 possui um vasto conjunto de directórios sendo eles mostrados na figura 2: Figura 2 Directórios NS-2 A versão do NS-2 instalada para a implementação do protocolo AODVjr foi o pacote <nsallinone-2.31>, ou seja o ns O ns-allinone é um pacote que contém alguns componentes opcionais usados no NS. O pacote contém um script install que automaticamente configura, instala, e compila todos esses componentes. A lista de componentes contidos no pacote é: Tcl release (required component) Tk release (required component) Otcl release 1.13 (required component) TclCL release 1.19 (required component) Ns release 2.31 (required component) Nam release 1.13 (optional component) Xgraph version 12 (optional component) CWeb version 3.4g (optional component) SGB version 1.0 (?) (optional component, builds sgblib for all UNIX type platforms) Gt-itm gt-itm and sgb2ns 1.1 (optional component) Zlib version (optional, but required should Nam be used) Para suportar as redes móveis ad-hoc o ns implementa quatro protocolos de routing: DSDV, DSR, AODV e TORA. Para a sub camada MAC existem duas opções: IEEE ou TDMA. Enquanto que na camada de transporte estão definidos os protocolos TCP e UDP. É possível definir para um nó móvel o tipo de antena (p. ex., omnidireccional), e o esquema de energia, assim como o alcance do seu sinal de rádio, para delimitar os seus vizinhos. O Celso Brito Nº /16

5 endereçamento pode ser de três tipos: flat, hierárquico ou expandido. Os nós móveis são dispostos, através de coordenadas cartesianas, num espaço tridimensional delimitado e gradeado, sendo que a resolução da grade pode ser ajustada. Para movimentar o nó móvel neste espaço é informado as coordenadas de destino e a velocidade com que o nó móvel se deve mover até este destino. 4. Protocolo AODV: 4.1 O que é? AODV - Ad-hoc On-Demand Distance Vector é um protocolo de encaminhamento (routing) e destina-se a ser usado por nós móveis nas redes Ad-Hoc. O seu princípio de funcionamento baseia-se no estabelecimento de rotas a pedido (apenas quando a rota é necessária). Quando uma rota de um nó para um destino se torna necessária, esse nó deverá fazer broadcast de uma mensagem de Route Request (RREQ) para esse destino. Cada nó que receba o RREQ deverá fazer forward da mensagem ou então responder ao pedido de rota (envio de um Route Reply (RREP)) desde que seja o destino, ou desde que seja um nó intermédio que possua uma rota para esse destino, e que obedeça a uma série de regras. De notar ainda que cada nó envia periodicamente mensagens de Hello para os seus vizinhos de modo a verificar se as ligações se mantêm ou não, mantendo assim a sua tabela de routing actualizada. O AODV possui algumas grandes características: Construído para redes móveis; Cria uma rota a pedido; Sem ciclos e com rápida convergência; Ajusta-se facilmente à pilha protocolar existente; 4.2 Tipo de rede em que é utilizado o protocolo AODV O tipo de rede em que é utilizado o protocolo AODV é nas redes Ad-Hoc. O modo Ad- Hoc é um tipo de topologia básica (Independent Basic Service Set - IBSS), assim os terminais remotos fazem trocas de dados sem necessidade de um access point (AP).O tipo de rede que utiliza um Access point para as estações se comunicarem chama-se rede infra-estrutura. Figura 3 Rede Infra-Estrutura. Celso Brito Nº /16

6 As redes móveis Ad-Hoc são tecnologias de comunicação Sem-Fios, onde os dispositivos computacionais móveis são capazes de trocar informação directamente entre si sem a necessidade de uma infra-estrutura de comunicação. Figura 4 Rede Ad-Hoc. 5. Protocolo implementado AODVjr: 5.1 O que é? O AODVjr - Ad-hoc On-Demand Distance Vector junior é uma simplificação do protocolo AODV, logo o objectivo da implementação deste protocolo é a simplicidade. Ao contrário do AODV, este não requer: Mensagens RERR; Números de sequência; Listas de predecessores ou lista de nós já percorridos; RERP Gratuitous; Contagem de saltos; Mensagens de HELLO; No protocolo AODVjr é removido tudo o que é desnecessário, deixando apenas os elementos essenciais do AODV. Para realizar o protocolo AODVjr requer uma operação ligeiramente diferente, quando comparado com o AODV. Remover os números de sequência requer que o destino responda ao RREQ porque com o AODV qualquer nó poderia responder caso tivesse rota para o destino na sua tabela de routing e com o AODVjr só o destino responde (ver na figura 5 a comparação). Isto também elimina a necessidade de RREP injustificados, uma vez que todas as rotas serão bidireccionais. Desde que o destino responda apenas ao primeiro RREQ recebe a melhor (a mais rápida) rota sendo sempre escolhida, não olhando ao numero de saltos. Celso Brito Nº /16

7 Figura 5 Comparação na descoberta de rotas entre AODVjr e AODV. Para executar a manutenção de uma rota, o ciclo de vida da rota é apenas actualizado pela recepção dos pacotes e não no envio dos pacotes. Isto exige que o destino ocasionalmente envie um pacote para a fonte. Se o tráfego dos dados é unidireccional, são enviadas mensagens periódicas (connect message), para manter a rota enquanto que no AODV são utilizadas as mensagens de Hello já faladas (ver na figura 6 a comparação). Figura 6 Comparação na manutenção de rotas entre AODVjr e AODV. Se as comunicações de dados forem bidireccionais não é necessário um overhead complementar utilizando esta estratégia end-to-end, as mensagens hello, RERR e as listas de nós já percorridos deixam de ser necessárias. Quando ocorre uma quebra na rota, a fonte deixará de receber mensagens do destino. Na figura 7 podemos observar a diferença entre o AODVjr e o AODV quando o nó 4 abandona a rota. No AODVjr, depois de um período de tempo o nó 1, detecta a quebra da rota porque não recebeu a mensagem do destino e irá reiniciar a descoberta da rota, se a rota ainda for necessária. Já no AODV, o nó 3 detecta a quebra de ligação e envia uma mensagem RERR de volta. Celso Brito Nº /16

8 Figura 7 Comparação na detecção de quebras de rotas entre AODVjr e AODV. 5.2 O que foi realizado: No desenvolvimento deste protocolo foram implementados em C++ os seguintes ficheiros: aodvjr.cc aodvjr.h aodvjr_packet.cc aodvjr_packet.h aodvjr_rqueue.cc aodvjr_rqueue.h aodvjr_rtable.cc aodvjr_rtable.h Estes ficheiros são semelhantes aos ficheiros do protocolo AODV, com a diferença de que foram retiradas as funcionalidades não essenciais explicadas no ponto anterior, ou seja, mensagens RERR, números de sequência, lista de predecessores, gratuitous RREP, contagem de saltos e mensagens Hello. Depois tivemos que realizar várias alterações a outros ficheiros do ns2 de modo a integrar o nosso código no simulador. Cada uma dessas alterações é ilustrada a seguir: Ficheiro common/packet.h: enum packet_t { PT_TCP, PT_UDP, T_CBR, /*... much more packet types... */ PT_AODVJR, PT_NTYPE // This MUST be the LAST one ; /*... */ p_info() { name_[pt_tcp]= "tcp"; Celso Brito Nº /16

9 name_[pt_udp]= "udp"; name_[pt_cbr]= "cbr"; /*... much more names... */ name_[pt_aodvjr]= "AODVJR"; Ficheiro trace/cmu-trace.h: class CMUTrace : public Trace { /*... definitions... */ private: /*... */ void format_aodv(packet *p, int offset); void format_aodvjr(packet *p, int offset); ; Ficheiro trace/cmu-trace.cc: #include <aodvjr/aodvjr_packet.h> /*... */ void CMUTrace::format_aodvjr(Packet *p, int offset) (por esta função ser algo extensa colocamos aqui apenas o cabeçalho) /*... */ void CMUTrace::format(Packet* p, const char *why) { /*... */ case PT_PING: break; case PT_AODVJR: format_aodvjr(p, offset); break; default: /*... */ Ficheiro tcl/lib/ns-packet.tcl: foreach prot { /*... */ # Mobility, Ad-Hoc Networks, Sensor Nets: AODV # routing protocol for ad-hoc networks AODVJR # simplified AODV /*... */ { add-packet-header $prot Celso Brito Nº /16

10 Ficheiro tcl/lib/ns-default.tcl: (no fim do ficheiro) # Defaults defined for aodvjr Agent/AODVJR set accessible_var_ true Ficheiro tcl/lib/ns-lib.tcl: Simulator instproc create-wireless-node args { #... switch -exact $routingagent_ { #... AODVJR { set ragent [$self create-aodvjr-agent $node] #... #... Simulator instproc create-aodvjr-agent { node { # Create AODVJR routing agent set ragent [new Agent/AODVJR [$node node-addr]] $self at 0.0 "$ragent start"; $node set ragent_ $ragent return $ragent Ficheiro queue/priqueue.cc: void PriQueue::recv(Packet *p, Handler *h) { /*... */ case PT_AODV: case PT_AODVJR: recvhighpriority(p, h); break; default: Queue::recv(p, h); else { Queue::recv(p, h); 5.3. Simulações realizadas para o protocolo AODV: Após não termos conseguido implementar o protocolo de routing AODVjr com sucesso, assim não poderemos fazer a comparação entre os dois protocolos, o AODVjr e o AODV. No entanto resolvemos realizar simulações com vários cenários distintos apenas para o protocolo AODV. Celso Brito Nº /16

11 Fizemos um script TCL para correr no NS de modo a criar alguns ficheiros com informação sobre a simulação, sendo esses ficheiros o out.nam que serve para ser executado no Network Animator como visualizador da simulação testada, depois temos o ficheiro out.tr que é um ficheiro de trace, e por fim temos dois ficheiros criados, o packets_lost.tr e packets_received.tr, onde o primeiro contém informação dos pacotes perdidos e o último dos pacotes recebidos. A informação que estes dois últimos pacotes contêm encontra-se em duas colunas, sendo os pacotes perdidos em cada instante de tempo, estes ficheiro serão utilizados para fazer os gráficos, onde teremos duas linhas, uma correspondente aos pacotes perdidos e outra aos recebidos. Passemos então de demonstrar as nossas simulações realizadas: Simulação do protocolo AODV para 6 nós O cenário de simulação é o seguinte: Número de nós: 6 Topologia: Fonte - no1 - no2 - no3 - no4 - Destino Terreno: 900 X 900 Tempo da simulação: 5 segundos Os nós iniciam todos na posição 0.0 e até ao primeiro segundo (1.0) vão todos tomar as suas posições: Nó 0: 100.0, Nó 1: 250.0, Nó 2: 250.0, Nó 3: 500.0, Nó 4: 500.0, Nó 5: 700.0, Todos com uma velocidade de Ao nó 0 associa-se um agente UDP (fonte de tráfego CBR) que é 'ligado' a um agente Null associado ao nó 5. Gráfico 1 Relação entre os pacotes perdidos/recebidos para rede de 6 nós. Celso Brito Nº /16

12 Com este cenário verifica-se na simulação que depois dos envios do RREQ e recepção dos RREP, a comunicação entre o nó fonte e o nó destino é feita através do caminho no0-no1-no3-no5. Passados 2 segundos, o no5 desloca-se para as coordenadas (600.0, 500.0) ficando fora do alcance do no3. Aí é necessário calcular nova rota, a qual irá ter o caminho fonte-n02-no4-destino. Essa mudança é visível no gráfico onde se verifica uma maior perda de pacotes a seguir aos 2 segundos. Simulação do protocolo AODV para 3 nós O cenário de simulação é o seguinte: Número de nós: 3 Topologia: Fonte - no1 - Destino Terreno: 800 X 800 Tempo da simulação: 10 segundos Os nós iniciam todos na posição 0.0 e até ao primeiro segundo (1.0) vão todos tomar as suas posições: Nó 0: 100.0, Nó 1: 200.0, Nó 2: 600.0, Todos com uma velocidade de Ao nó 0 associa-se um agente UDP (fonte de tráfego CBR) que é 'ligado' a um agente Null associado ao nó 2. Gráfico 2 Relação entre os pacotes perdidos/recebidos para rede de 3 nós. Este é um cenário para uma rede com apenas três nós mas não menos complexa. Aos 0.5 segundos são iniciadas duas tentativas de comunicações, uma do no0 para ao no2 e outra do no2 para o no1. Mas como neste momento o no2 está fora do alcance dos outros nós não é possível estabelecer qualquer ligação. Ao 1 segundo, o no2 deslocase para as coordenadas (200.0, 370.0) ficando assim ao alcance do no1. Pouco depois Celso Brito Nº /16

13 são efectuadas ambas as comunicações com caminhos no0-no1-no2 e no2-no1. No gráfico verifica-se que nesta altura há uma grande quantidade de pacotes perdidos provavelmente devido a colisões entre as duas comunicações. Passado 4.5 segundos a comunicação do no2 para o no1 pára e verifica-se que continua a haver perda de pacotes mas em muito menor quantidade. Simulação do protocolo AODV para 10 nós O cenário de simulação é o seguinte: Número de nós: 10 Topologia: Fonte - no1 - no2 - no3 - no4 - no5 - no6 - no7 - no8 - Destino Terreno: 900 X 900 Tempo da simulação: 10 segundos Os nós iniciam todos na posição 0.0 e até ao primeiro segundo (1.0) vão todos tomar as suas posições: Nó 0: 100.0, Nó 1: 200.0, Nó 2: 300.0, Nó 3: 400.0, Nó 4: 500.0, Nó 5: 600.0, Nó 6: 500.0, Nó 7: 700.0, Nó 8: 600.0, Nó 9: 800.0, Todos com uma velocidade de Ao nó 0 associa-se um agente UDP (fonte de tráfego CBR) que é 'ligado' a um agente Null associado ao nó 9. Gráfico 3 Relação entre os pacotes perdidos/recebidos para rede de 10 nós. Celso Brito Nº /16

14 Com este cenário tentámos criar uma rede um pouco mais complexa, com uma maior quantidade de nós dispersos pelo terreno. Verificou-se então que entre muitas rotas possíveis a melhor encontrada foi através do caminho no0-no2-no4-no6-no9. Passados 2 segundos, o no9 (destino) desloca-se para as coordenadas (400.0, 400.0) ficando mais perto do no0 (fonte). No entanto como o no9 em momento algum ficou fora do alcance do no6 a rota inicial não foi alterada ainda que fosse possível calcular outra rota mais curta. O gráfico mostra uma pequena perda de pacotes quando é iniciada a ligação, mantendo-se estável durante algum tempo e volta-se a verificar perdas de pacotes enquanto o no9 se desloca e mesmo depois de se fixar nas coordenadas (400.0, 400.0). Simulação do protocolo AODV para 6 nós O cenário de simulação é o seguinte: Número de nós: 6 Topologia: Fonte - no1 - no2 - no3 - no4 - Destino Terreno: 800 X 800 Tempo da simulação: 10 segundos Os nós iniciam todos na posição 0.0 e até ao primeiro segundo (1.0) vão todos tomar as suas posições: Nós 0: Nós 1: Nós 2: Nós 3: Nós 4: Nós 5: Todos com uma velocidade de Ao nó 0 associa-se um agente UDP (fonte de tráfego CBR) que é 'ligado' a um agente Null associado ao nó 5. Gráfico 4 Relação entre os pacotes perdidos/recebidos para rede de 6 nós. Celso Brito Nº /16

15 Nesta simulação a comunicação começa ao 1 segundo, notando-se aí uma perda de pacotes muito pequena, provavelmente enquanto era procurada a melhor rota. A rota então encontrada foi através do caminho no0-no1-no3-no5. Após mais 2 segundos, o no5 desloca-se até às coordenadas (100.0, 400.0) e dá-se nessa altura nova perda de pacotes. Com essa deslocação o no5 fica fora do alcance do no3 e por isso é calculada uma nova rota que terá o caminho no0-no1-no5. No entanto, como o no5 está algo distante do no1, tendo provavelmente um sinal fraco, verifica-se no gráfico algumas consideráveis perdas de pacotes alternando com pequenas estabilizações. 6. Conclusões: Depois das simulações realizadas com o protocolo AODV podemos constatar que este protocolo permite o roteamento dinâmico entre nós móveis que compõe uma rede ad hoc. O AODV possibilita a cada nó obter rotas para novos destinos e não requer que os nós mantenham rotas para destinos que não estejam participando de nenhuma comunicação. O protocolo ainda permite que os nós propaguem notificações de quebra de enlaces e de mudanças na topologia da rede aos nós afectados. Com base nas referencias pesquisadas podemos verificar que o protocolo AODVjr tem praticamente o mesmo desempenho que o AODV. Isto origina um estudo do protocolo do AODV, mas como muitos protocolos semânticos proporcionam um reduzido acréscimo de benefícios, de acordo com as condições verificadas neste trabalho. No entanto devido ao erro já anteriormente citado não nos foi possível comprovar esse facto. O AODVjr poderia facilmente ser ampliado para integrar as condições padrão no AODV, por exemplo os números sequenciais, RERR, link layer feedback. Outro aspecto significante do AODVjr é o controlo dos pacotes, contendo uma invariabilidade dos campos, permitindo assim uma maior segurança. Uma qualidade do AODVjr é a sua simplicidade. Pelo que lemos podemos dizer que o AODVjr levará menos de metade do tempo para programar e fazer o debug quando comparado com uma completa implementação do AODV. 7. Referências: [1] Ian D. Chakeres e Luke Klein-Berndt, AODVjr, AODV Simplified, [2] AODV, [3] The Network Simulator - ns-2, [4] The ns Manual, [5] Tutorial for the Network Simulator ns, [6] Ad hoc On-Demand Distance Vector (AODV) Routing, [7] AODV, Celso Brito Nº /16

16 [8] AODVjr A simplified Version of AODV, [9] AODV, [10] Implementing a New Manet Unicast Routing Protocol in ns2 Celso Brito Nº /16

Encaminhamento em redes instáveis. Localização de nós em redes Peer-to-Peer Napster Gnutella Chord

Encaminhamento em redes instáveis. Localização de nós em redes Peer-to-Peer Napster Gnutella Chord Encaminhamento em redes instáveis Encaminhamento em redes Ad Hoc Introdução Descoberta de rotas Manutenção de rotas Localização de nós em redes Peer-to-Peer Napster Gnutella Chord Encaminhamento em redes

Leia mais

Network Simulator ns2

Network Simulator ns2 Network Simulator ns2 Rodolfo W. L. Coutinho rwlc@dcc.ufmg.br Histórico Iniciado em 1989 como uma variante do simulador de redes REAL e atualmente está na versão 2.35 (4 de Nov. 2011). Mantido pelo projeto

Leia mais

Mobile Communications. RedesAd-hoc

Mobile Communications. RedesAd-hoc Ad-hoc 1 Mobile Communications RedesAd-hoc Manuel P. Ricardo Faculdade de Engenharia da Universidade do Porto Ad-hoc 2 Redes Ad-Hoc (Nível 3) Rede autoconfigurável Ligações sem fios Nós móveis topologia

Leia mais

Relatório do 2º Guião Laboratorial de Avaliação: Encaminhamento de pacotes. Licenciatura: ETI Turma : ETC1 Grupo : rd2_t3_02 Data: 30/10/2009

Relatório do 2º Guião Laboratorial de Avaliação: Encaminhamento de pacotes. Licenciatura: ETI Turma : ETC1 Grupo : rd2_t3_02 Data: 30/10/2009 Licenciaturas em Informática e Gestão de Empresas, Engenharia de Telecomunicações e Informática e Engenharia Informática Redes Digitais II Relatório do 2º Guião Laboratorial de Avaliação: Encaminhamento

Leia mais

Arquitectura de Redes

Arquitectura de Redes Arquitectura de Redes Routing Dinâmico BGP Arq. de Redes - Pedro Brandão - 2004 1 BGP (Border Gateway Protocol) Os protocolos de encaminhamento exteriores foram criados para controlar o crescimento das

Leia mais

GESTÃO DE SISTEMAS E REDES INTERNET PROTOCOLO VERSION 6

GESTÃO DE SISTEMAS E REDES INTERNET PROTOCOLO VERSION 6 GESTÃO DE SISTEMAS E REDES INTERNET PROTOCOLO VERSION 6 OUTLINE INTERNET PROTOCOL V6 NEIGHBOR DISCOVERY PROTOCOL DYNAMIC HOST CONFIGURATION PROTOCOL V6 INTERNET PROTOCOLO O rápido crescimento da Internet

Leia mais

Estudo comparativo entre dois tradicionais algoritmos de roteamento: vetor distância e estado de enlace.

Estudo comparativo entre dois tradicionais algoritmos de roteamento: vetor distância e estado de enlace. Estudo comparativo entre dois tradicionais algoritmos de roteamento: vetor distância e estado de enlace. Ederson Luis Posselt 1, Geovane Griesang 1 1 Instituto de Informática Universidade de Santa Cruz

Leia mais

Aula 13 Mobilidade 2004-2005

Aula 13 Mobilidade 2004-2005 Aula 13 Mobilidade FCUL 2004-2005 . Encaminhamento em redes ad hoc Permitir que um nó esteja sempre acessível usando o mesmo endereço, independentemente da sua localização física. Problema: O endereço

Leia mais

Primeiro Trabalho: Desempenho de protocolos de encaminhamento em redes ad hoc móveis

Primeiro Trabalho: Desempenho de protocolos de encaminhamento em redes ad hoc móveis Redes Móveis e Ad Hoc 2011/2012 Primeiro Trabalho: Desempenho de protocolos de encaminhamento em redes ad hoc móveis Rodolfo Oliveira e Luís Bernardo lflb@fct.unl.pt 1. Objectivos Neste trabalho pretende-

Leia mais

Arquitectura de Redes 2004/05

Arquitectura de Redes 2004/05 Arquitectura de Redes 2004/05 Introdução ao simulador de redes ns2 Tópicos Arquitectura do simulador de redes ns2 Programação tcl/otcl Componentes de rede ns2 Scripts de simulação ns2 1 NS2? Simulador

Leia mais

Encaminhamento com QoS para Redes Ad Hoc com rotas estáveis

Encaminhamento com QoS para Redes Ad Hoc com rotas estáveis Encaminhamento com QoS para Redes Ad Hoc com rotas estáveis Tiago Coelho Centro Algoritmi a44048@alunos.uminho.pt António Costa Centro Algoritmi & DI costa@di.uminho.pt Joaquim Macedo Centro Algoritmi

Leia mais

Uma tabela de roteamento contém as informações necessárias para que um pacote IP seja encaminhado para o destino certo.

Uma tabela de roteamento contém as informações necessárias para que um pacote IP seja encaminhado para o destino certo. RIP (Protocolo de Informação de Rotemento) como o próprio nome diz é um protocolo de roteamento: isso significa que ele é responsável por manter as tabelas de roteamento entre os roteadores da mesma rede

Leia mais

3 Ferramenta de Simulação

3 Ferramenta de Simulação 3 Ferramenta de Simulação Para definir a ferramenta de simulação a ser utilizada para implementação do protocolo HIP e para coleta dos resultados de simulação com uso desse protocolo, realizou-se um estudo

Leia mais

Aula de introdução ao NS-2

Aula de introdução ao NS-2 Universidade Federal Fluminense Departamento de Engenharia de Telecomunicações Mestrado em Engenharia de Telecomunicações Aula de introdução ao NS-2 Disciplina: Fundamentos de Sistemas Multimídia Professora:

Leia mais

NS-2 Network Simulator

NS-2 Network Simulator Universidade de São Paulo USP Instituto de Ciências Matemáticas e de Computação ICMC Departamento de Sistemas de Computação - SSC NS-2 Network Simulator Prof. Edson dos Santos Moreira Redes de Computadores

Leia mais

Na Figura a seguir apresento um exemplo de uma "mini-tabela" de roteamento:

Na Figura a seguir apresento um exemplo de uma mini-tabela de roteamento: Tutorial de TCP/IP - Parte 6 - Tabelas de Roteamento Por Júlio Cesar Fabris Battisti Introdução Esta é a sexta parte do Tutorial de TCP/IP. Na Parte 1 tratei dos aspectos básicos do protocolo TCP/IP. Na

Leia mais

Network Simulator: Introdução a Simulação das Redes de Computadores. Quem sou eu...

Network Simulator: Introdução a Simulação das Redes de Computadores. Quem sou eu... Network Simulator: Introdução a Simulação das Redes de Computadores Mailson Couto mailson.ifba@gmail.com Quem sou eu Lattes: http://buscatextual.cnpq.br/buscatextual/visualizacv.do?id=k4428508j9 2 1 Sumário

Leia mais

A Camada de Rede. A Camada de Rede

A Camada de Rede. A Camada de Rede Revisão Parte 5 2011 Modelo de Referência TCP/IP Camada de Aplicação Camada de Transporte Camada de Rede Camada de Enlace de Dados Camada de Física Funções Principais 1. Prestar serviços à Camada de Transporte.

Leia mais

Redes Ad-Hoc. Índice. Introdução às redes ad-hoc. Protocolos de encaminhamento. Encaminhamento em redes ad-hoc Breve Introdução

Redes Ad-Hoc. Índice. Introdução às redes ad-hoc. Protocolos de encaminhamento. Encaminhamento em redes ad-hoc Breve Introdução Redes d-hoc Encaminhamento em redes ad-hoc reve Introdução Índice Introdução às redes ad-hoc Protocolos de encaminhamento rquitectura das redes móveis tradicionais Ligação sem fios de 1 hop para a rede

Leia mais

Laboratório - Visualização das tabelas de roteamento do host

Laboratório - Visualização das tabelas de roteamento do host Laboratório - Visualização das tabelas de roteamento do host Topologia Objetivos Parte 1: Acessar a tabela de roteamento de host Parte 2: Examinar as entradas da tabela de roteamento de host IPv4 Parte

Leia mais

Capítulo 10 - Conceitos Básicos de Roteamento e de Sub-redes. Associação dos Instrutores NetAcademy - Julho de 2007 - Página

Capítulo 10 - Conceitos Básicos de Roteamento e de Sub-redes. Associação dos Instrutores NetAcademy - Julho de 2007 - Página Capítulo 10 - Conceitos Básicos de Roteamento e de Sub-redes 1 Protocolos Roteáveis e Roteados Protocolo roteado: permite que o roteador encaminhe dados entre nós de diferentes redes. Endereço de rede:

Leia mais

Redes de Computadores

Redes de Computadores Redes de Computadores Camada de Rede Roteamento IP RIP OSPF e BGP Slide 1 Roteamento Determinar o melhor caminho a ser tomado da origem até o destino. Se utiliza do endereço de destino para determinar

Leia mais

Redes de Computadores Grupo de Redes de Computadores

Redes de Computadores Grupo de Redes de Computadores Redes de Computadores Grupo de Redes de Computadores Interligações de LANs: Equipamentos Elementos de interligação de redes Aplicação Apresentação Sessão Transporte Rede Ligação Física LLC MAC Gateways

Leia mais

Redes de Comunicações Capítulo 6.1

Redes de Comunicações Capítulo 6.1 Capítulo 6.1 6.1 - Técnicas de Comutação 1 WAN s Wide Area Networks Uma WAN é uma rede dispersa por uma grande área física, sob o controlo de uma administração única e baseada em circuitos dedicados (exemplo:

Leia mais

CST em Redes de Computadores

CST em Redes de Computadores CST em Redes de Computadores Dispositivos de Rede I AULA 07 Roteamento Dinâmico / Protocolo RIP Prof: Jéferson Mendonça de Limas Protocolos de Roteamento Dinâmico Em 1969 a ARPANET utilizava-se de algoritmos

Leia mais

5.2 MAN s (Metropolitan Area Network) Redes Metropolitanas

5.2 MAN s (Metropolitan Area Network) Redes Metropolitanas MÓDULO 5 Tipos de Redes 5.1 LAN s (Local Area Network) Redes Locais As LAN s são pequenas redes, a maioria de uso privado, que interligam nós dentro de pequenas distâncias, variando entre 1 a 30 km. São

Leia mais

Redes de Computadores

Redes de Computadores Redes de Computadores Técnicas de comutação Escola Superior de Tecnologia e Gestão Instituto Politécnico de Bragança Maio de 2006 WAN s Wide Area Networks Uma WAN é uma rede dispersa por uma grande área

Leia mais

ANÁLISE DE QUEIMADAS NA REGIÃO AMAZÔNICA ATRAVÉS DE REDES SENSORIAIS

ANÁLISE DE QUEIMADAS NA REGIÃO AMAZÔNICA ATRAVÉS DE REDES SENSORIAIS ANÁLISE DE QUEIMADAS NA REGIÃO AMAZÔNICA ATRAVÉS DE REDES SENSORIAIS Márcio M. Farias, Alex G. de Souza, Diego S. Wanzeller e Afonso J. F. Cardoso. Ciência da Computação Universidade da Amazônia UNAMA

Leia mais

Protocolo de resolução de endereços: ARP

Protocolo de resolução de endereços: ARP Protocolo de resolução de endereços: ARP Introdução, cache ARP, formato do pacote ARP, exemplos de ARP em acção, proxy ARP, ARP "Gratuito, comando arp. Endereço físico Os endereços IP fazem apenas sentido

Leia mais

MPLS MultiProtocol Label Switching

MPLS MultiProtocol Label Switching MPLS MultiProtocol Label Switching Cenário Atual As novas aplicações que necessitam de recurso da rede são cada vez mais comuns Transmissão de TV na Internet Videoconferências Jogos on-line A popularização

Leia mais

Redes de Computadores

Redes de Computadores Redes de Computadores por fldotti@inf.pucrs.br Redes de Computadores Nível de Rede Evolução de Técnicas de Roteamento Redes de Computadores 2 1 Experimentos iniciais instalação e manutenção a mão Crescimento

Leia mais

Eng.ª Informática. Redes de Computadores. Frequência. 4 de Julho de 2006

Eng.ª Informática. Redes de Computadores. Frequência. 4 de Julho de 2006 Eng.ª Informática Redes de Computadores 4 de Julho de 2006 Leia atentamente as perguntas seguintes e responda de forma breve e precisa. Pode acompanhar a suas respostas com figuras de forma a torná-las

Leia mais

ETI/Domo. Português. www.bpt.it. ETI-Domo Config 24810180 PT 29-07-14

ETI/Domo. Português. www.bpt.it. ETI-Domo Config 24810180 PT 29-07-14 ETI/Domo 24810180 www.bpt.it PT Português ETI-Domo Config 24810180 PT 29-07-14 Configuração do PC Antes de realizar a configuração de todo o sistema, é necessário configurar o PC para que esteja pronto

Leia mais

REDES DE COMPUTADORES. Camada de Rede. Prof.: Agostinho S. Riofrio

REDES DE COMPUTADORES. Camada de Rede. Prof.: Agostinho S. Riofrio REDES DE COMPUTADORES Camada de Rede Prof.: Agostinho S. Riofrio Agenda 1. Introdução 2. Funções 3. Serviços oferecidos às Camadas superiores 4. Redes de Datagramas 5. Redes de Circuitos Virtuais 6. Comparação

Leia mais

Arquitetura de Rede de Computadores

Arquitetura de Rede de Computadores TCP/IP Roteamento Arquitetura de Rede de Prof. Pedro Neto Aracaju Sergipe - 2011 Ementa da Disciplina 4. Roteamento i. Máscara de Rede ii. Sub-Redes iii. Números Binários e Máscara de Sub-Rede iv. O Roteador

Leia mais

Redes de Computadores. Trabalho de Laboratório Nº2

Redes de Computadores. Trabalho de Laboratório Nº2 Redes de Computadores Curso de Eng. Informática Curso de Eng. de Electrónica e Computadores Trabalho de Laboratório Nº2 Configuração de TCP/IP numa rede de computadores Utilização de Ipconfig, Ping e Tracert

Leia mais

INSTITUTO SUPERIOR DE ENGENHARIA DE LISBOA

INSTITUTO SUPERIOR DE ENGENHARIA DE LISBOA INSTITUTO SUPERIOR DE ENGENHARIA DE LISBOA ÁREA DEPARTAMENTAL DE ENGENHARIA DE ELECTRÓNICA E TELECOMUNICAÇÕES E DE COMPUTADORES Redes de Computadores (LEIC/LEETC/LERCM) Nome: Nº de aluno: 3ª Ficha de Avaliação

Leia mais

IP Móvel, v4 FEUP MPR. Encaminhamento tradicional de datagramas IP

IP Móvel, v4 FEUP MPR. Encaminhamento tradicional de datagramas IP MIPv4 1 IP Móvel, v4 FEUP MPR MIPv4 2 Motivação Encaminhamento tradicional de datagramas IP Baseado em endereço IP de destino, prefixo de rede Endereço de rede IP Rede física Mudança de rede mudança de

Leia mais

M3 Redes de computadores avançado (36 horas - 48 TL)

M3 Redes de computadores avançado (36 horas - 48 TL) M3 Redes de computadores avançado (36 horas - 48 TL) Redes de Comunicação Ano lectivo 2013/2014 Camada de rede do modelo OSI Routers e portos de interface de routers (I) 2 Nesta camada imperam os routers.

Leia mais

Protocolo OSPF. O p e n S h o r t e s t P at h F i r s t. E s pec i a li s ta

Protocolo OSPF. O p e n S h o r t e s t P at h F i r s t. E s pec i a li s ta Ebook Exclusivo Protocolo OSPF O p e n S h o r t e s t P at h F i r s t E s pec i a li s ta em S e rv i ços G e r e n c i a do s Segurança de de Perímetro Sumário Introdução P.3 Ententendendo o Protocolo

Leia mais

O endereço IP (v4) é um número de 32 bits com 4 conjuntos de 8 bits (4x8=32). A estes conjuntos de 4 bits dá-se o nome de octeto.

O endereço IP (v4) é um número de 32 bits com 4 conjuntos de 8 bits (4x8=32). A estes conjuntos de 4 bits dá-se o nome de octeto. Endereçamento IP Para que uma rede funcione, é necessário que os terminais dessa rede tenham uma forma de se identificar de forma única. Da mesma forma, a interligação de várias redes só pode existir se

Leia mais

Portal AEPQ Manual do utilizador

Portal AEPQ Manual do utilizador Pedro Gonçalves Luís Vieira Portal AEPQ Manual do utilizador Setembro 2008 Engenharia Informática - Portal AEPQ Manual do utilizador - ii - Conteúdo 1 Introdução... 1 1.1 Estrutura do manual... 3 1.2 Requisitos...

Leia mais

Prof. Samuel Henrique Bucke Brito

Prof. Samuel Henrique Bucke Brito - Switch na Camada 2: Comutação www.labcisco.com.br ::: shbbrito@labcisco.com.br Prof. Samuel Henrique Bucke Brito Introdução A conexão entre duas portas de entrada e saída, bem como a transferência de

Leia mais

Algoritmos Distribuídos para Roteamento em Redes Ad Hoc

Algoritmos Distribuídos para Roteamento em Redes Ad Hoc Algoritmos Distribuídos para Roteamento em Redes Ad Hoc Tiago Rodrigues Chaves, Ricardo Augusto Rabelo Oliveira PPGCC - Programa de Pós-Graduação em Ciência da Computação UFOP - Universidade Federal de

Leia mais

Dinâmicas de Acesso ao Espectro

Dinâmicas de Acesso ao Espectro Redes Cognitivas com Oportunidades Dinâmicas de Acesso ao Espectro Defesa de Tese Marcel William Rocha da Silva Orientador: José Ferreira de Rezende Roteiro Introdução e motivação Rádios cognitivos Oportunidades

Leia mais

Endereço Físico (cont.)

Endereço Físico (cont.) O Protocolo ARP Endereço Físico Cada interface de rede (NIC network interface card) vem com um identificador único de fábrica. Este identificador é o endereço físico ou endereço de hardware da interface.

Leia mais

Departamento de Sistemas e Informática. Licenciatura em Engenharia Informática Industrial EDP

Departamento de Sistemas e Informática. Licenciatura em Engenharia Informática Industrial EDP Departamento de Sistemas e Informática Licenciatura em Engenharia Informática Industrial Projecto ARC Ano Lectivo de 2006/2007 EDP Processamento das Leituras dos Contadores de Electricidade dos Consumidores

Leia mais

** Distance Vector - Trabalha com a métrica de Salto(HOP),. O protocolo que implementa o Distance Vector é o RIP.!

** Distance Vector - Trabalha com a métrica de Salto(HOP),. O protocolo que implementa o Distance Vector é o RIP.! Laboratório wireshark Número de sequencia: syn syn ack ack Cisco Packet Tracer Roteador trabalha em dois modos de operação: - Modo Normal - símbolo > - Modo Root - símbolo # ##################################################################

Leia mais

Redes de Computadores II INF-3A

Redes de Computadores II INF-3A Redes de Computadores II INF-3A 1 ROTEAMENTO 2 Papel do roteador em uma rede de computadores O Roteador é o responsável por encontrar um caminho entre a rede onde está o computador que enviou os dados

Leia mais

Instalação do software cygwin

Instalação do software cygwin Instalação do software cygwin O software cygwin permite instalar no sistema operativo Windows um conjunto de programas e ferramentas que reproduzem de forma muito aproximada o ambiente usualmente encontrado

Leia mais

Redes de Computadores

Redes de Computadores Redes de Computadores Camada de Rede Aula 6/2006 UEM/DIN/Elvio/1023-1224 1 Camada de Rede É a camada mais baixa que trata da comunicação fim-a-fim Função de encaminhar os pacotes da fonte até o destino

Leia mais

Redes de Computadores

Redes de Computadores Redes de Computadores Redes de Computadores Nível de Rede Redes de Computadores 2 1 Nível de Rede Internet Nível de Rede na Internet O ambiente inter-redes: hosts conectados a redes redes interligam-se

Leia mais

09/06/2011. Profª: Luciana Balieiro Cosme

09/06/2011. Profª: Luciana Balieiro Cosme Profª: Luciana Balieiro Cosme Revisão dos conceitos gerais Classificação de redes de computadores Visão geral sobre topologias Topologias Barramento Anel Estrela Hibridas Árvore Introdução aos protocolos

Leia mais

Tabela de roteamento

Tabela de roteamento Existem duas atividades que são básicas a um roteador. São elas: A determinação das melhores rotas Determinar a melhor rota é definir por qual enlace uma determinada mensagem deve ser enviada para chegar

Leia mais

Desenvolvimento de uma Ferramenta de Auxílio ao Ensino de Redes de Computadores Roteamento Ad Hoc

Desenvolvimento de uma Ferramenta de Auxílio ao Ensino de Redes de Computadores Roteamento Ad Hoc 1 Desenvolvimento de uma Ferramenta de Auxílio ao Ensino de Redes de Computadores Roteamento Ad Hoc Fernando César Faria Cabral, Luís Augusto Mattos Mendes (Orientador) Departamento de Ciência da Computação

Leia mais

Redes. Pablo Rodriguez de Almeida Gross

Redes. Pablo Rodriguez de Almeida Gross Redes Pablo Rodriguez de Almeida Gross Conceitos A seguir serão vistos conceitos básicos relacionados a redes de computadores. O que é uma rede? Uma rede é um conjunto de computadores interligados permitindo

Leia mais

LW056 SWEEX WIRELESS LAN PC CARD 54 MBPS. O Windows detectará automaticamente o aparelho e aparecerá a seguinte janela.

LW056 SWEEX WIRELESS LAN PC CARD 54 MBPS. O Windows detectará automaticamente o aparelho e aparecerá a seguinte janela. Instalação em Windows 2000 e XP LW056 SWEEX WIRELESS LAN PC CARD 54 MBPS O Windows detectará automaticamente o aparelho e aparecerá a seguinte janela. Seleccione a opção Não, desta vez não ( No, not this

Leia mais

Roteamento na Internet

Roteamento na Internet Roteamento na Internet IntraAS RIP OSPF InterAS BGP RIP Protocolo de informação de roteamento (Routing Information Protocol) Definido nas RFCs 1058 (versão 1) e 2453 (versão 2) RIPng IPv6 Protocolo de

Leia mais

LABORATÓRIO III. ROTEAMENTO ESTÁTICO Documento versão 0.1. Aluno: Paulo Henrique Moreira Gurgel #5634135

LABORATÓRIO III. ROTEAMENTO ESTÁTICO Documento versão 0.1. Aluno: Paulo Henrique Moreira Gurgel #5634135 LABORATÓRIO III ROTEAMENTO ESTÁTICO Documento versão 0.1 Aluno: Paulo Henrique Moreira Gurgel #5634135 Orientado pela Professora Kalinka Regina Lucas Jaquie Castelo Branco Maio / 2010 Laboratório III Roteamento

Leia mais

Comunicando através da rede

Comunicando através da rede Comunicando através da rede Fundamentos de Rede Capítulo 2 1 Estrutura de Rede Elementos de comunicação Três elementos comuns de comunicação origem da mensagem o canal destino da mensagem Podemos definir

Leia mais

Roteamento e Comutação

Roteamento e Comutação Roteamento e Comutação Uma estação é considerada parte de uma LAN se pertencer fisicamente a ela. O critério de participação é geográfico. Quando precisamos de uma conexão virtual entre duas estações que

Leia mais

A camada de rede do modelo OSI

A camada de rede do modelo OSI A camada de rede do modelo OSI 1 O que faz a camada de rede? (1/2) Esta camada tem como função principal fazer o endereçamento de mensagens. o Estabelece a relação entre um endereço lógico e um endereço

Leia mais

ConfigFree - Gestão simplificada de ligações

ConfigFree - Gestão simplificada de ligações ConfigFree - Gestão simplificada de ligações As ligações sem fios tornaram-se essenciais no estabelecimento de comunicações em qualquer parte em qualquer momento, permitindo aos utilizadores manterem-se

Leia mais

Consulte a exposição. Qual declaração descreve corretamente como R1 irá determinar o melhor caminho para R2?

Consulte a exposição. Qual declaração descreve corretamente como R1 irá determinar o melhor caminho para R2? 1. Que duas declarações descrevem corretamente os conceitos de distância administrativa e métrica? (Escolha duas.) a) Distância administrativa refere-se a confiabilidade de uma determinada rota. b) Um

Leia mais

ICORLI. INSTALAÇÃO, CONFIGURAÇÃO e OPERAÇÃO EM REDES LOCAIS e INTERNET

ICORLI. INSTALAÇÃO, CONFIGURAÇÃO e OPERAÇÃO EM REDES LOCAIS e INTERNET INSTALAÇÃO, CONFIGURAÇÃO e OPERAÇÃO EM REDES LOCAIS e INTERNET 2010/2011 1 Protocolo TCP/IP É um padrão de comunicação entre diferentes computadores e diferentes sistemas operativos. Cada computador deve

Leia mais

Introdução à Computação Móvel IP Móvel. Movimentação de Host. Movimentação de Host. Francisco José da Silva e Silva

Introdução à Computação Móvel IP Móvel. Movimentação de Host. Movimentação de Host. Francisco José da Silva e Silva Introdução à Computação Móvel IP Móvel Francisco José da Silva e Silva Francisco Silva 1 Movimentação de Host Francisco Silva 2 Movimentação de Host Se um host não estiver no enlace identificado por seu

Leia mais

Modelo e arquitectura do TCP/IP

Modelo e arquitectura do TCP/IP Modelo e arquitectura do / 3ª aula prática de Engenharia de Redes Resumo Introdução a protocolos de rede Protocolos comuns Introdução ao / Análise protocolar Introdução a protocolos de rede Tipos de protocolos

Leia mais

Padãro 100 VG-AnyLAN(IEEE 802.12

Padãro 100 VG-AnyLAN(IEEE 802.12 Padrão menos utilizado; Padãro 100 VG-AnyLAN(IEEE 802.12 Combina elementos da Ethernet com Token Ring; Velocidade de 100 Mbps; Cabos par Trançado (cat. 3, 4 e 5) ou fibras ópticas. Cabos de Fibra Óptica;

Leia mais

Há dois tipos de configurações bidirecionais usados na comunicação em uma rede Ethernet:

Há dois tipos de configurações bidirecionais usados na comunicação em uma rede Ethernet: Comunicação em uma rede Ethernet A comunicação em uma rede local comutada ocorre de três formas: unicast, broadcast e multicast: -Unicast: Comunicação na qual um quadro é enviado de um host e endereçado

Leia mais

Aula-17 Interconexão de Redes IP (Internet Protocol) Prof. Dr. S. Motoyama

Aula-17 Interconexão de Redes IP (Internet Protocol) Prof. Dr. S. Motoyama Aula-7 Interconexão de Redes IP (Internet Protocol) Prof. Dr. S. Motoyama Encaminhamento IP Exemplo de tabela de roteamento de R: Rede/Sub-rede Mácara de sub-rede Próximo salto 28.96.34.0 255.255.255.28

Leia mais

UMA FERRAMENTA PARA SUPORTE AO ENSINO DO PROTOCOLO AODV

UMA FERRAMENTA PARA SUPORTE AO ENSINO DO PROTOCOLO AODV UMA FERRAMENTA PARA SUPORTE AO ENSINO DO PROTOCOLO AODV DOI: 10.15552/2236-0158/abenge.v34n2p71-81 Karine S. de Almeida, 1 Tassalon F. da Silva, 2 Daniel G. Costa 3 RESUMO Este artigo apresenta o desenvolvimento

Leia mais

i) configurar uma rede local sem fio (WLAN) ii) investigar o funcionamento e desempenho da WLAN iii) criar um enlace sem fio ponto a ponto

i) configurar uma rede local sem fio (WLAN) ii) investigar o funcionamento e desempenho da WLAN iii) criar um enlace sem fio ponto a ponto Laboratório de IER 10 o experimento Objetivo: Introdução i) configurar uma rede local sem fio (WLAN) ii) investigar o funcionamento e desempenho da WLAN iii) criar um enlace sem fio ponto a ponto O padrão

Leia mais

Modelo em Camadas Arquitetura TCP/IP/Ethernet. Edgard Jamhour

Modelo em Camadas Arquitetura TCP/IP/Ethernet. Edgard Jamhour Modelo em Camadas Arquitetura TCP/IP/Ethernet Edgard Jamhour Ethernet não-comutada (CSMA-CD) A Ethernet não-comutada baseia-se no princípio de comunicação com broadcast físico. a b TIPO DADOS (até 1500

Leia mais

A Internet e o TCP/IP

A Internet e o TCP/IP A Internet e o TCP/IP 1969 Início da ARPANET 1981 Definição do IPv4 na RFC 791 1983 ARPANET adota o TCP/IP 1990 Primeiros estudos sobre o esgotamento dos endereços 1993 Internet passa a ser explorada comercialmente

Leia mais

1 Redes de Computadores - TCP/IP Luiz Arthur

1 Redes de Computadores - TCP/IP Luiz Arthur 1 Redes de Computadores - TCP/IP Luiz Arthur TCP/IP O protocolo TCP/IP atualmente é o protocolo mais usado no mundo. Isso se deve a popularização da Internet, a rede mundial de computadores, já que esse

Leia mais

Curso: Redes II (Heterogênea e Convergente) Tema da Aula: Características Roteamento

Curso: Redes II (Heterogênea e Convergente) Tema da Aula: Características Roteamento Curso: Redes II (Heterogênea e Convergente) Tema da Aula: Características Roteamento Professor Rene - UNIP 1 Roteamento Dinâmico Perspectiva e histórico Os protocolos de roteamento dinâmico são usados

Leia mais

Tecnologia de Redes de Computadores - aula 5

Tecnologia de Redes de Computadores - aula 5 Tecnologia de Redes de Computadores - aula 5 Prof. Celso Rabelo Centro Universitário da Cidade 1 Objetivo 2 3 4 IGPxEGP Vetor de Distância Estado de Enlace Objetivo Objetivo Apresentar o conceito de. Conceito

Leia mais

Redes de Computadores Camada de Acesso ao Meio. Prof. MSc. Hugo Souza

Redes de Computadores Camada de Acesso ao Meio. Prof. MSc. Hugo Souza Redes de Computadores Camada de Acesso ao Meio Prof. MSc. Hugo Souza É a camada que intervém prover o acesso lógico e físico para os dispositivos que compõem a malha da rede de acesso em um nível de enlaces

Leia mais

4 Implementação e Ambiente de Simulação

4 Implementação e Ambiente de Simulação 4 Implementação e Ambiente de Simulação Conforme apresentado no capítulo anterior, o protocolo HIP não estava implementado em nenhum framework do OMNeT++. Estudando os frameworks disponíveis para esse

Leia mais

CONFIGURAÇÃO DE ROTEADORES CISCO. Prof. Dr. Kelvin Lopes Dias Msc. Eng. Diego dos Passos Silva

CONFIGURAÇÃO DE ROTEADORES CISCO. Prof. Dr. Kelvin Lopes Dias Msc. Eng. Diego dos Passos Silva CONFIGURAÇÃO DE ROTEADORES CISCO Prof. Dr. Kelvin Lopes Dias Msc. Eng. Diego dos Passos Silva ROTEADOR Roteador CISCO 2600: INTERFACES DE UM ROTEADOR - Interface p/ WAN - Interface p/ LAN - Interface p/

Leia mais

Prof. Wilton O. Ferreira Universidade Federal Rural de Pernambuco UFRPE 1º Semestre / 2012

Prof. Wilton O. Ferreira Universidade Federal Rural de Pernambuco UFRPE 1º Semestre / 2012 Prof. Wilton O. Ferreira Universidade Federal Rural de Pernambuco UFRPE 1º Semestre / 2012 As redes de computadores possibilitam que indivíduos possam trabalhar em equipes, compartilhando informações,

Leia mais

switches LAN (rede de comunicação local)

switches LAN (rede de comunicação local) O funcionamento básico de uma rede depende de: nós (computadores) um meio de conexão (com ou sem fios) equipamento de rede especializado, como roteadores ou hubs. Todas estas peças trabalham conjuntamente

Leia mais

Aula 03 Regras de Segmentação e Switches

Aula 03 Regras de Segmentação e Switches Disciplina: Dispositivos de Rede II Professor: Jéferson Mendonça de Limas 4º Semestre Aula 03 Regras de Segmentação e Switches 2014/1 19/08/14 1 2de 38 Domínio de Colisão Os domínios de colisão são os

Leia mais

PROTOCOLO IP O esgotamento dos endereços IP.

PROTOCOLO IP O esgotamento dos endereços IP. 1 PROTOCOLO IP O IP é o protocolo mais importante na Internet. Ele é quem define as regras através das quais as informações fluem na rede mundial. Uma das principais regras diz que: Cada computador deve

Leia mais

Introdução Introduç ão Rede Rede TCP/IP Roteame Rotea nto nto CIDR

Introdução Introduç ão Rede Rede TCP/IP Roteame Rotea nto nto CIDR Introdução as Redes TCP/IP Roteamento com CIDR LAN = Redes de Alcance Local Exemplo: Ethernet II não Comutada Barramento = Broadcast Físico Transmitindo ESCUTANDO ESCUTANDO A quadro B C B A. DADOS CRC

Leia mais

Módulo 8 Ethernet Switching

Módulo 8 Ethernet Switching CCNA 1 Conceitos Básicos de Redes Módulo 8 Ethernet Switching Comutação Ethernet 2 Segmentação de Redes Numa Ethernet o meio de transmissão é compartilhado Só um nó pode transmitir de cada vez. O aumento

Leia mais

TCP/IP TCP UDP IP HTTP HTTPS FTP TFTP TELNET POP3 IMAP SMTP SNMP DHCP

TCP/IP TCP UDP IP HTTP HTTPS FTP TFTP TELNET POP3 IMAP SMTP SNMP DHCP TCP/IP TCP UDP IP HTTP HTTPS FTP TFTP TELNET POP3 IMAP SMTP SNMP DHCP HTTP (Hypertext Transfer Protocol ) Protocolo usado na Internet para transferir as páginas da WWW (WEB). HTTPS (HyperText Transfer

Leia mais

Prof. Samuel Henrique Bucke Brito

Prof. Samuel Henrique Bucke Brito - Roteamento www.labcisco.com.br ::: shbbrito@labcisco.com.br Prof. Samuel Henrique Bucke Brito Roteamento Roteamento é a técnica que define por meio de um conjunto de regras como os dados originados em

Leia mais

Projeto Liowsn Manual de utilização do sistema

Projeto Liowsn Manual de utilização do sistema Projeto Liowsn Manual de utilização do sistema Autor: Marllus Lustosa - marlluslustosa@gmail.com 0 Índice 1. Introdução... 1 2. Tela de boot... 2 3. Tela de login... 2 4. Ambiente de trabalho... 5 5. Utilizando

Leia mais

Redes e Telecomunicações

Redes e Telecomunicações Redes e Telecomunicações Comunicação Processo pelo qual uma informação gerada num ponto (origem) é transferida para outro ponto (destino) Telecomunicações Telecomunicação do grego: tele = distância do

Leia mais

Redes de Computadores. Guia de Laboratório Configuração de Redes

Redes de Computadores. Guia de Laboratório Configuração de Redes Redes de Computadores LEIC-T 2012/13 Guia de Laboratório Configuração de Redes Objectivos O objectivo do trabalho consiste em configurar uma rede simples usando o sistema Netkit. O Netkit é um emulador

Leia mais

O Manual do Desktop Sharing. Brad Hards Tradução: Pedro Morais

O Manual do Desktop Sharing. Brad Hards Tradução: Pedro Morais Brad Hards Tradução: Pedro Morais 2 Conteúdo 1 Introdução 5 2 O protocolo do Remote Frame Buffer 6 3 Utilizar o Desktop Sharing 7 3.1 Gerir convites do Desktop Sharing............................ 9 3.2

Leia mais

Redes e Serviços Internet (5388)

Redes e Serviços Internet (5388) Ano lectivo 2010/2011 * 2º Semestre Licenciatura em Engenharia Informática Aula 4 1 Agenda Redes e Serviços Internet (5388) Trabalho individual teórico Comunicação na camada de Dados (Data) Adaptação dos

Leia mais

Manual de Utilização Rápida Vodafone Connect Pen. Concebido para a Vodafone

Manual de Utilização Rápida Vodafone Connect Pen. Concebido para a Vodafone Manual de Utilização Rápida Vodafone Connect Pen Concebido para a Vodafone 1 Bem-vindo ao mundo das comunicações móveis 1 2 3 4 5 6 8 9 9 10 13 2 Bem-vindo Configuração da sua Connect Pen Iniciar o software

Leia mais

REDES AD-HOC MARCELO BORGES DE ANDRADE RODRIGO COLLI. Departamento de Engenharia Instituto de Educação Superior de Brasília - IESB

REDES AD-HOC MARCELO BORGES DE ANDRADE RODRIGO COLLI. Departamento de Engenharia Instituto de Educação Superior de Brasília - IESB REDES AD-HOC MARCELO BORGES DE ANDRADE RODRIGO COLLI Departamento de Engenharia Instituto de Educação Superior de Brasília - IESB http://www.iesb.br e-mail: marcelo.andrade@ig.com.br rodrigo.colli@esporte.gov.br

Leia mais

Interconexão de Redes Parte 3. Prof. Dr. S. Motoyama

Interconexão de Redes Parte 3. Prof. Dr. S. Motoyama Interconexão de Redes Parte 3 Prof. Dr. S. Motoyama Protocolo de configuração dinâmica de host - DHCP DHCP proporciona uma estrutura para passar informação de configuração aos hosts (de maneira dinâmica

Leia mais

RC e a Internet: noções gerais. Prof. Eduardo

RC e a Internet: noções gerais. Prof. Eduardo RC e a Internet: noções gerais Prof. Eduardo Conceitos A Internet é a rede mundial de computadores (rede de redes) Interliga milhares de dispositivos computacionais espalhados ao redor do mundo. A maioria

Leia mais

Estudo de Caso 4.1 Coleta de Estatísticas

Estudo de Caso 4.1 Coleta de Estatísticas 4 Estudo de Caso Com o propósito de melhor apresentar a arquitetura NeMaSA, assim como melhor ilustrar seu funcionamento, dois exemplos práticos de testes desenvolvidos sobre a arquitetura proposta serão

Leia mais

Equipamentos de Rede. Prof. Sérgio Furgeri 1

Equipamentos de Rede. Prof. Sérgio Furgeri 1 Equipamentos de Rede Repetidor (Regenerador do sinal transmitido)* Mais usados nas topologias estrela e barramento Permite aumentar a extensão do cabo Atua na camada física da rede (modelo OSI) Não desempenha

Leia mais

Sinalização em redes ATM. Prof. José Marcos C. Brito

Sinalização em redes ATM. Prof. José Marcos C. Brito Sinalização em redes ATM Prof. José Marcos C. Brito 1 Operação com SVC Permite ao terminal estabelecer e desfazer conexões dinamicamente Necessita de protocolo de sinalização. O terminal solicita ao switch

Leia mais