Manual de Procedimentos de Convênios

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "Manual de Procedimentos de Convênios"

Transcrição

1 Manual de Procedimentos de Convênios Esclarecimentos, Orientações e Parâmetros para realização de ações em parceria por meio de convênios com a Apex-Brasil Setembro de 2011

2 Ficha Técnica Apex-Brasil Agência Brasileira de Promoção de Exportações e Investimentos Mauricio Borges Presidente da Apex-Brasil Rogério Bellini Diretor de Negócios Ana Paula Guimarães Diretora de Gestão e Planejamento Manual de Procedimentos de Convênios Setembro de 2011 Produção Técnica Grupo de Trabalho de Revisão Normativa Apex-Brasil Sede: Setor Bancário Norte, Quadra 02, lote 11 Edifício Apex-Brasil CEP: Brasília - DF Tel.: 55 (61) Fax: 55 (61)

3 Sumário Apresentação Introdução MÓDULO 1: Elaboração e apresentação de projetos 1.1 Elaboração de projetos Conceitos principais Política de proporção da participação financeira da Apex-Brasil nos projetos Ações de inovação, design e sustentabilidade Equipe de gestão do projeto Parâmetros orçamentários Esclarecimento sobre despesa inelegível 1.2 Apresentação de projetos MÓDULO 2: Gestão técnica 2.1 Execução 2.2 Critérios e parâmetros de promoção comercial Critérios e parâmetros gerais Feiras no exterior Projeto Comprador Projeto Imagem Projeto Vendedor Missão Eventos promovidos pela Apex-Brasil 2.3 Prestação de contas técnica 2.4 Alterações no projeto MÓDULO 3: Gestão financeira 3.1 Execução financeira Roteiro para a correta execução financeira Orientações específicas sobre documentação comprobatória 3.2 Prestação de contas financeira 3.3 Resumo das principais recomendações ANEXO I: Modelo de pesquisa de avaliação da ação ANEXO II: Modelo de solicitação de proposta de serviço de auditoria externa

4 Apresentação Caro Leitor, Este Manual contém informações que visam orientar a gestão de projetos em parceria com a Apex-Brasil. É destinado às entidades públicas e/ou privadas, com ou sem fins lucrativos, enquanto proponentes ou executoras de tais projetos. Esta versão do documento busca sanar as questões práticas envolvidas nas quatro fases de cada projeto (elaboração, apresentação, execução e encerramento). Trata-se de um conjunto de guias de procedimentos que refletem a política da Agência e têm como fundamento as diretrizes estabelecidas pelo Regulamento de Convênios. Elaborado em grandes módulos, o Manual aborda inicialmente os conceitos de Projeto Setorial e Projeto Apex-Brasil. A intenção da Apex-Brasil é manter o Manual constantemente alinhado com o aprimoramento dos procedimentos e atualizações dos parâmetros, e isso será perceptível a cada nova versão do documento. Nesta versão, no primeiro módulo, são detalhadas as instruções para proposição de um projeto à Apex-Brasil. O texto trata também das políticas para ações de design, sustentabilidade e inovação. O segundo módulo orienta sobre a fase de execução do projeto, com foco maior nos aspectos técnicos. Nesse ponto, são abordadas as questões envolvendo alterações nos termos do convênio, remanejamento de ações e relatórios técnicos para prestação de contas, entre outros. O terceiro módulo refere-se à gestão financeira, aprofundando os conceitos já apresentados no Regulamento de Convênios e, em alguns casos, acrescentando dicas e soluções relacionadas à execução financeira do projeto. O texto traz orientações e boas práticas que podem ser usadas nos processos de contratação, organização dos documentos comprobatórios, apresentação da prestação de contas e auditoria. Por fim, é importante destacar que o Regulamento de Convênios da Apex-Brasil é a principal referência no âmbito de quaisquer parcerias realizadas com a Agência e instruídas por meio de um convênio. Toda orientação contida neste Manual estará guiada primeiramente pelos artigos do referido Regulamento. Boa leitura, Diretoria Executiva Apex-Brasil 3

5 Introdução A atuação da Apex-Brasil por meio de convênios se desdobra em duas vertentes: apoio técnico e/ou financeiro a ações de iniciativa de terceiros, voltadas à promoção da competitividade dos produtos e serviços brasileiros no mercado internacional, e planejamento e/ou execução de ações promocionais de sua própria iniciativa, observadas as regras de parceria constantes do Regulamento de Convênios. As ações se organizam no âmbito de projetos que, por sua vez, se agrupam em duas categorias: Projetos Setoriais PS: são propostos por entidades públicas e/ou privadas, com ou sem fins lucrativos, beneficiando empresas integrantes de um único setor da atividade econômica. Não estão sujeitos a limitações regionais, estaduais ou municipais. A participação de uma empresa nesses projetos independe de vinculação formal à entidade proponente, bastando que pertença ao setor contemplado. As diversas etapas de um PS, abrangendo proposta inicial, análise de viabilidade, execução, prestação de contas e encerramento, são disciplinadas pelo Regulamento de Convênios, e sua formalização se dará mediante a celebração de convênio de cooperação. Projetos Apex-Brasil PA: são de iniciativa da Apex-Brasil, e sua execução poderá ser realizada por terceiros (entidade executora) e/ou pela própria Agência. O processo de formalização de um PA tem início quando a Apex-Brasil elabora uma proposta de projeto, indicando e justificando: O objeto; A ação ou as ações a serem executadas; Os custos; O prazo de execução; e O responsável ou os responsáveis pela execução e prestação de contas. 4

6 MÓDULO 1 Elaboração e apresentação de projetos 1.1 ELABORAÇÃO DE PROJETOS CONCEITOS PRINCIPAIS Ao elaborar uma proposta de projeto a ser apresentada para a Apex-Brasil, é importante abordar ao menos os conceitos elencados a seguir: Público-alvo Descrição do conjunto de empresas e/ou empreendedores que se pretende atender com a execução do projeto, em relação ao qual serão avaliados os seus resultados. A caracterização do público-alvo deve esclarecer a quem o projeto deverá beneficiar (grupos de pessoas, empresas, comunidades, instituições ou setores da atividade econômica), qual a sua abrangência (de forma a assegurar que a cadeia de ações e resultados se estabeleça) e onde esse público-alvo está localizado. Devem ser evitadas generalizações que não correspondam efetivamente ao grupo de empresas ou pessoas alcançadas pelos resultados do projeto. Deve ser incluída uma caracterização do setor ao qual o público-alvo do projeto pertença, principalmente no que se refere aos pontos fortes e fracos do setor, às ameaças e oportunidades em relação ao mercado internacional, à experiência do setor na exportação, às tendências mundiais e outras informações consideradas relevantes sobre o setor. Foco(s) estratégico(s) Levantamento das demandas relevantes das empresas e do setor como um todo, das condições de mercado, das potencialidades, das dificuldades e dos pontos de estrangulamento ou desafios à competitividade, de acordo com sua singularidade. O foco estratégico constitui uma primeira aproximação do escopo do projeto. Representa a escolha das estratégias que devem ser adotadas para conseguir superar os estrangulamentos e aproveitar as potencialidades, no sentido de alcançar os resultados almejados. Objetivo geral Finalidade do projeto em sua totalidade, descrita com concisão e precisão. Deve esclarecer o propósito que se pretende atingir com o projeto, alvo principal de todos os seus resultados. Deve ser desafiador e possuir uma ligação direta com as necessidades do público-alvo. O objetivo geral deve ser descrito em um texto que se inicie por um verbo no infinitivo, indicando a transformação (benefício) almejada, seguido, quando apropriado, da descrição dos meios básicos de implementação do projeto. Mercados-alvo Lista de países (ou mercados regionais dentro de um mesmo país) nos quais se espera que as ações promocionais produzam resultados ou nos quais será aplicada a maior parte dos recursos e concentrado o esforço de promoção comercial, justificando as escolhas. É importante ter clareza da estratégia a ser adotada para cada mercado (prospecção, abertura, posicionamento ou consolidação). Se possível, deve-se indicar e justificar a ordem de 5

7 importância de cada um dos mercados, buscando nortear eventuais situações futuras em que um mercado específico deva ser priorizado. Recomenda-se evitar generalidades como Europa, Ásia, África, etc. Resultados esperados Conjunto dos efeitos esperados junto ao público-alvo. Representam o desdobramento do objetivo geral e dimensionam as transformações reais que a execução do projeto acarretará na realidade do público-alvo. Os resultados devem ser autoexplicativos, iniciados por um verbo no infinitivo (indicando a realização ou transformação que se quer alcançar) seguido do indicador e da meta a ser alcançada num horizonte de tempo específico, como mostra a fórmula abaixo: Resultado = Transformação + Indicador + Meta + Prazo Exemplo: Aumentar o volume de exportações de US$ 10 milhões para US$ 12 milhões até dezembro de Por ser um projeto apoiado pela Apex-Brasil, é desejável que indique resultados conectados aos objetivos institucionais da Agência, tais como o aumento das exportações, a inclusão de novas empresas brasileiras no mercado internacional, a geração de emprego e renda e a diversificação de produtos exportados e mercados de destino. Premissas Descrição das premissas adotadas pelo projeto, ou seja, das hipóteses quanto à evolução de fatores externos ao projeto e não controláveis, principalmente alterações no mercado, que possam modificar substancialmente a capacidade do projeto de alcançar os resultados. As premissas estão intimamente ligadas aos resultados, que só serão alcançados caso as premissas se confirmem; caso contrário, o projeto deverá sofrer as necessárias correções de rumo. Governança Descrição da gestão de Projetos Setoriais em parceria com a Apex-Brasil, que deverá ser acompanhada por um Comitê Gestor de até 12 (doze) integrantes. A composição mínima envolve o gerente do projeto, o gestor da Apex-Brasil, o representante da entidade proponente e um grupo de empresários participantes do projeto (representando não suas próprias empresas, mas o conjunto de empresários do setor). O Comitê Gestor tem os seguintes papéis: Na fase de elaboração do projeto, servir de fórum para validação dos aspectos mais importantes do projeto, como o público-alvo, o objetivo geral, o foco estratégico, as premissas, os resultados propostos e as ações do projeto; Reorientar as ações, caso necessário, na direção que melhor atenda às necessidades dos empresários e do mercado; Avaliar os resultados do projeto; Pensar estrategicamente o futuro do setor no que se refere ao incremento da competitividade dos produtos e serviços brasileiros no mercado internacional. Ainda sobre a governança do projeto, é importante definir: a periodicidade das reuniões do Comitê Gestor, o modo de participação das empresas e de interação com a entidade, os instrumentos para acompanhar o alcance das metas de cada ação do projeto, a estratégia de comunicação entre a entidade e a Apex-Brasil, entre outras funções da gestão. Plano de ações, cronograma e orçamento Plano que mostre coerência com as diretrizes estratégicas e detalhamento de cada ação também no nível de prazo e de recursos necessários para sua execução. 6

8 É importante planejar a sequência de ações ao longo do projeto, demonstrando em que intensidade deverão existir esforços simultâneos para execução de diferentes ações. Para isso, o detalhamento precisa contemplar toda a fase de preparação das ações, passando pela sua realização e chegando à avaliação da mesma. Em suma: deve existir um cronograma e um orçamento total do projeto, composto por cronogramas e orçamentos detalhados de cada ação individualmente POLÍTICA DE PROPORÇÃO DA PARTICIPAÇÃO FINANCEIRA DA APEX-BRASIL NOS PROJETOS Nos casos de Projetos Setoriais, a entidade proponente deverá, ao elaborar a proposta para análise, calcular o montante de recursos financeiros necessários de acordo com a natureza do projeto e com as regras previstas no Regulamento de Convênios. Cabe retomar aqui os conceitos de contrapartida, conforme dispostos no próprio Regulamento: Contrapartida: comprometimento do executor referente à sua participação na execução do convênio, que poderá ser composta de valores aportados pelo próprio executor e/ou pelas empresas participantes, desde que tenham vínculo com o objeto do convênio; Contrapartida financeira: aquela em que o valor será aportado em moeda corrente; Contrapartida econômica: aquela em que não haverá desembolso financeiro direto, sendo considerados serviços, recursos patrimoniais e/ou humanos, desde que mensuráveis economicamente. Ainda conforme o Regulamento, observe que, nos Projetos Setoriais, são aceitas somente contrapartidas financeiras. Sobre a proporção entre o aporte financeiro da Apex-Brasil e o da contrapartida, nos casos de Projetos Setoriais, o percentual mínimo aportado pelo proponente será de 15% (quinze por cento) do total, o que significa afirmar que o aporte da Apex-Brasil poderá ser de até 85% (oitenta e cinco por cento) do valor total do projeto. A Apex-Brasil, a seu exclusivo critério, definirá os valores que aportará aos Projetos Setoriais apresentados pelo proponente. Para os projetos classificados como Projeto Apex-Brasil (PA), a proporção do aporte financeiro da Apex-Brasil será definida de acordo com a avaliação da Agência, e a contrapartida poderá ser financeira ou econômica AÇÕES DE INOVAÇÃO, DESIGN E SUSTENTABILIDADE Caso a entidade parceira apresente, no projeto, ações de inovação, design e/ou sustentabilidade que impactem diretamente a competitividade das empresas participantes no 7

9 mercado internacional, esses recursos poderão ser utilizados como contrapartida financeira ao projeto. Para tanto, o projeto deve conter uma ou mais ações contemplando as seguintes iniciativas: Certificações para produtos; Estudos sobre melhores práticas adotadas pelas empresas participantes nos temas de inovação, design e sustentabilidade; Estudos sobre barreiras técnicas e ambientais no mercado internacional; Capacitação nos temas de inovação, design e sustentabilidade; Instalação de Núcleo de Design, Sustentabilidade ou Inovação, constituído por equipes especializadas do executor. Outras ações aprovadas pela Apex-Brasil EQUIPE DE GESTÃO DO PROJETO Em regime excepcional, para os casos de convênios assinados entre 1º de janeiro de 2009 e 31 de dezembro de 2011, os Projetos Setoriais poderão contar com o apoio de até 3 (três) consultorias, a serem contratadas com dedicação exclusiva para o próprio projeto. O objetivo dessa medida é favorecer o melhor desempenho dos Projetos Setoriais e, assim, alavancar a competitividade internacional dos setores apoiados pela Apex-Brasil. Caberá a cada entidade ou associação setorial convenente a definição da necessidade de contratar uma, duas ou três consultorias nas áreas abaixo indicadas, ou mesmo de não efetuar contratações, se assim julgar mais apropriado. As consultorias em referência deverão ser contratadas para atuar em regime de dedicação exclusiva ao Projeto Setorial, por tempo determinado, envolvendo-se em uma das seguintes áreas: Gerenciamento do projeto Promoção comercial Inteligência comercial As entidades poderão, a seu critério, contratar pessoa física ou jurídica para prestar tal serviço. No entanto, recomenda-se que, na escolha da equipe, seja aferido se os técnicos responsáveis possuem formação e experiência compatíveis com o exercício da função que irão desempenhar junto ao projeto. No intuito de auxiliar nesse fim, foram elaborados, a título informativo, os quadros a seguir. Perfil sugerido Formação sugerida Gerenciamento do projeto Graduação nas áreas exatas ou humanas. Desejável: Certificação Project Management Professional (PMP) 8

10 Experiência sugerida Atribuições Conhecimento técnico Competências Suporte técnico/administrativo; Gerência de projetos, programas e portfólio; Modelagem, definição e acompanhamento de indicadores; Elaboração de relatórios de gestão; Práticas de gestão geral, tais como montagem e gestão de equipes, tomada de decisão, entre outras; Consultoria em gestão de projetos e/ou gestão de processos; Desenvolvimento e monitoramento de plano estratégico; Modelagem de ferramentas de auxílio à gestão de projetos. Desejável ter trabalhos publicados em periódicos, ou ter realizado apresentações em congressos relacionados ao tema. Desenvolver e propor metodologias que facilitem a obtenção dos resultados esperados em sua área de atuação; Estabelecer articulação com grupos de interesse no projeto, com vistas a viabilizar sua execução; Negociar recursos humanos e financeiros e prazos, de modo a garantir a execução dos projetos, programas e ações; Estimar cronogramas e orçamentos de projetos; Implantar ações, soluções e programas de trabalho que garantam os resultados previstos nos projetos e programas; Coordenar ações de forma a garantir o fluxo de trabalho e corrigir eventuais desvios; Monitorar, acompanhar e avaliar projetos ou atividades, garantindo o feedback necessário à revisão do planejamento; Mapear e desenhar processos de gestão de projetos; Especificar e monitorar ferramentas de auxílio à gestão de projetos; Capacitar usuários quanto às metodologias e ferramentas organizacionais. Planejamento estratégico; Gestão de projetos / programas / portfólio; Técnicas de instrução; Monitoramento de carteira de projetos; Avaliação de resultados/indicadores; Ferramentas de gestão; Gestão de processos; Técnicas de condução de grupo; Técnicas de negociação. 1. Orientação para resultados; 2. Geração e disseminação do conhecimento; 3. Visão estratégica do negócio; 4. Gestão de projetos; 5. Foco no cliente; 6. Competência emocional; 7. Competência decisória; 8. Competência de comunicação; 9. Planejamento e organização do trabalho; 10. Conhecimento de normas, processos e fluxos de trabalho. Perfil sugerido Formação sugerida Gestão em promoção comercial Graduação em Administração, Comércio Exterior, Economia, Engenharia, Direito, Gestão Ambiental, Engenharia de Produção, Ciências da Computação, Publicidade e Propaganda, Comunicação Social, Turismo, Design ou Relações Internacionais. Desejável: Pós-graduação lato sensu em Negócios Internacionais ou Comércio Exterior. Idioma Experiência sugerida Inglês e/ou espanhol Prospecção de mercados internacionais e concretização de negócios no mercado externo; Consultoria a empresas na área de comércio exterior, envolvendo: negociação, viabilidade da empresa para exportação e importação, despacho aduaneiro, procedimentos burocráticos (área cambial, modalidades de compra e venda, transporte internacional, procedimentos alfandegários, classificação de mercadorias, tarifas 9

11 Atribuições Conhecimento técnico Competências aduaneiras), formação de preços de importação e exportação; Consultoria a micro e pequenas empresas para a definição de estratégias e modalidades de acesso ao mercado internacional; Articulação com instituições públicas e privadas, nacionais e internacionais, com foco na identificação e segmentação do setor e seus possíveis desdobramentos; Análise de oportunidades, dificuldades e carências do setor. Estruturar estratégias de projeto; Pesquisar o quadro econômico, político, social e cultural; Analisar o mercado; Estabelecer articulações com grupos de interesse no projeto, com vistas a viabilizar sua execução; Negociar recursos humanos e financeiros e prazos, de modo a garantir a execução dos projetos, programas e ações; Definir a estratégia básica de atuação; Orientar empresas brasileiras sobre o mercado na área de atuação da entidade; Buscar permanentemente novas oportunidades comerciais; Confeccionar ou auxiliar na confecção de planos de negócio (business plan); Propiciar a geração de negócios; Orientar a condução das negociações; Identificar, avaliar, propor e coordenar eventos de promoção comercial. Formação econômica do Brasil; Economia nacional e internacional; Comércio exterior; Marketing internacional; Desenvolvimento industrial e econômico do Brasil; Políticas públicas de desenvolvimento tecnológico; Reestruturação produtiva no Brasil; Organização dos setores produtivos brasileiros; Políticas públicas de incentivo à exportação; Normas mercantis, alfandegárias e fiscais de cada país; Conhecimentos dos mecanismos de apoio às exportações. 1. Orientação para resultados; 2. Visão estratégica do negócio; 3. Gestão por projetos; 4. Foco no cliente; 5. Competência intercultural; 6. Competência de inovação e criatividade; 7. Competência de negociação; 8. Competência emocional; 9. Competência decisória; 10. Competência de comunicação. Perfil sugerido Formação sugerida Experiência sugerida Gestão em inteligência comercial Graduação em Administração, Matemática, Engenharia, Comércio Exterior, Economia, Estatística, Direito ou Relações Internacionais. Desejável: Pós-graduação lato sensu nas áreas de Marketing, Comércio Exterior, Relações Internacionais ou Economia. Desejável ser associado a entidades relacionadas aos temas gestão do conhecimento ou inteligência competitiva. Sistemas de inteligência de gestão empresarial; Desenvolvimento e implementação de projetos ou programas de inteligência para a competitividade empresarial; Elaboração, desenvolvimento e análise de cenários mercadológicos; Prospecção de mercados no exterior; Desejável ter trabalhos publicados em periódicos, ou ter realizado apresentações em congressos relacionados ao tema. 10

12 Atribuições Coletar, tratar e disseminar informações sobre o setor; Acompanhar as tendências de mercado; Acompanhar o desempenho das empresas, seus produtos e serviços; Levantar sistematicamente carências e necessidades das empresas; Realizar levantamentos ou estudos sobre as novidades e oportunidades do setor em questão. Conhecimento técnico Competências Marketing; Comércio exterior; Logística; Relações internacionais; Estatística básica; Noções de economia; Noções de metodologia científica; Planejamento estratégico; Apresentação em outros idiomas; Planejamento tributário internacional; Regras de origem; Normas mercantis, alfandegárias e fiscais de cada país. 1. Orientação para resultados; 2. Visão estratégica do negócio; 3. Gestão por projetos; 4. Foco no cliente; 5. Competência intercultural; 6. Competência de inovação e criatividade; 7. Competência de negociação; 8. Competência emocional; 9. Competência decisória; 10. Competência de comunicação; 11. Competência analítica. Não poderão ser contratados profissionais ou empresas que tenham qualquer vínculo familiar com quaisquer membros da diretoria ou do corpo funcional da entidade setorial convenente, do Comitê Gestor do projeto ou de empresas beneficiadas pelo projeto. As consultorias deverão ser contratadas pelas entidades setoriais que tenham projeto de promoção de exportações setoriais em andamento com a Apex-Brasil. As regras de seleção e contratação deverão ser aquelas usadas pela entidade setorial, respeitando-se as políticas internas de contratação e remuneração, conforme se tratar de pessoa jurídica ou física (profissional autônomo ou contratação por prazo determinado). O valor dos serviços prestados por esses profissionais, pessoa física ou pessoa jurídica, deverá estar refletido no Projeto Setorial e poderá ser elencado dentre as despesas a serem arcadas com o aporte financeiro que competirá à Apex-Brasil PARÂMETROS ORÇAMENTÁRIOS Os parâmetros orçamentários são valores de referência para alguns dos tipos de despesa mais comuns em ações de promoção comercial e que, portanto, em geral, têm grande impacto no orçamento dos projetos. Tais tipos de despesa são: passagem aérea, hospedagem e gastos diários com alimentação e transporte, além de contratação de recepcionistas bilíngues. 11

13 Semestralmente, a Apex-Brasil faz uma pesquisa de mercado junto aos fornecedores dos tipos de serviços citados acima para encontrar as médias de preços praticados à época. Em complemento, também é realizado um estudo sobre a projeção da taxa cambial média no semestre. Os valores divulgados nos quadros a seguir, frutos desses estudos, deverão ser utilizados pelos parceiros quando da elaboração do orçamento de suas propostas de projeto, ou mesmo quando da proposição de uma nova atividade no âmbito de um projeto já em andamento. A Apex-Brasil mantém tal política com a finalidade única de harmonizar os orçamentos dos diversos projetos que apoia. Confira aqui os parâmetros orçamentários calculados para o segundo semestre de 2011, que permanecerão válidos até a divulgação de novos valores. As definições dos parâmetros a seguir relacionados foram feitas com base em estudos realizados no mês de junho de Cotações de câmbio Cabe reforçar que os valores abaixo são referência para a constituição das memórias de cálculo dos projetos e alterações. Quando da efetiva realização das despesas, deverá ser utilizada a taxa de câmbio do dia. Moeda Parâmetro DÓLAR R$ 1,70 EURO R$ 2,40 Passagens aéreas Sempre em classe econômica. Os valores abaixo são referentes à tarifa cheia e representam as médias de vários destinos para cada região. Destino Parâmetros ¹ ² América do Sul US$ 1.330,00 América Central US$ 1.250,00 América do Norte ³ US$ 2.450,00 Europa US$ 2.650,00 Oriente Médio/Ásia US$ 3.100,00 África US$ 3.100,00 Brasil ⁴ R$ 850,00 1. Valores referentes ao total de ida e volta. 2. Incluem eventuais conexões/escalas nacionais entre capitais. 3. Canadá, Estados Unidos e México. 4. Trecho Brasil refere-se a São Paulo e Rio de Janeiro. 12

14 Diárias Aplicáveis aos compradores, convidados e técnicos do projeto. Local América do Sul e Central Hospedagem Valores Transporte e Alimentação Totais US$ 200,00 US$ 130,00 US$ 330,00 Europa 250,00 200,00 450,00 Ásia 300,00 200,00 500,00 Brasil R$ 300,00 R$ 200,00 R$ 500,00 Todas as outras regiões US$ 250,00 US$ 200,00 US$ 450,00 Recepcionistas bilíngues para eventos no Brasil e no exterior Valores pagos por período de trabalho de 6 a 8 horas. Local Valores Brasil R$ 150,00 Europa 150,00 Todas as outras regiões US$ 150, ESCLARECIMENTO SOBRE DESPESAS INELEGÍVEIS O Regulamento de Convênios da Apex-Brasil, no capítulo 4, dispõe sobre os tipos de despesa para os quais é vedada a utilização dos recursos financeiros aportados pela Agência. Este espaço do Manual é destinado a esclarecimentos que se fizerem necessários para melhor entendimento sobre o tema despesas inelegíveis. Sempre que a equipe técnica da Apex- Brasil perceber que é preciso acrescentar nova explicação sobre o tema, será, então, publicada versão revisada deste Manual (contendo aqui essas explicações). Nesta versão do Manual, destaca-se esclarecimento sobre a despesa listada no Artigo 4.1 do Regulamento, conforme abaixo: Artigo 4.1, item m : Confecção, aquisição ou distribuição de presentes A aquisição de brindes, quando for referente a material promocional do projeto, não é considerada como confecção, aquisição ou distribuição de presentes, conforme disciplinado no Regulamento de Convênios. Nesses casos, o brinde pode ser pago com recursos da Apex- Brasil (por exemplo, se o projeto entregar para os compradores internacionais um pendrive com logomarca do projeto e informações referentes às empresas participantes). 13

15 1.2 APRESENTAÇÃO DE PROJETOS A Apex-Brasil conta com um sistema informatizado de auxílio à gestão compartilhada dos projetos e prevê níveis de acesso tanto para os parceiros quanto para a própria Agência. Mediante contato prévio com os colaboradores da Apex-Brasil, o proponente terá a oportunidade de ser esclarecido sobre os conceitos básicos anteriormente abordados acerca da elaboração de projetos. A partir daí, é concedida uma senha de acesso ao sistema 1, no qual deverão ser inseridas todas as informações técnicas e orçamentárias da proposta de projeto. A análise da conformidade e da viabilidade técnica e financeira da proposta é feita essencialmente com base nas informações inseridas no sistema. A partir do momento em que o corpo técnico da Apex-Brasil recomendar a aprovação do projeto, o proponente deverá encaminhar toda sua documentação de habilitação jurídica e regularidade fiscal, conforme orientado pelo Regulamento de Convênios. Com toda documentação e o parecer técnico em mãos, a equipe jurídica e a Diretoria Executiva da Apex-Brasil estarão aptas a conceder aprovação final para a celebração do convênio e o início do projeto. A formatação de um projeto no sistema obedecerá aos conceitos básicos apresentados no capítulo 1.1, sobre elaboração de projetos. Além desses conceitos mencionados, o proponente deverá informar também no sistema: Identificação da entidade proponente; Representante(s) legal(is) da entidade proponente; Responsável(is) pela gestão do projeto na entidade; Informar o nome, o perfil e as qualificações da pessoa que exercerá a função de gerente do projeto em tempo integral. O gerente do projeto será o interlocutor entre a entidade e a Apex- Brasil e o responsável por fazer com que os resultados do projeto sejam alcançados. É recomendável que o gerente possua experiência em gestão de projetos e em promoção comercial. Identificação de outros parceiros envolvidos; Histórico da entidade; Destacar os principais fatos que, durante a existência da entidade, influíram em suas atividades e atribuições. Demonstrar que a missão e os objetivos da entidade são compatíveis com o objeto do projeto. Abrangência e representatividade da entidade; Informar se a entidade proponente tem abrangência de atuação nacional, regional, estadual ou municipal; o número de empresas afiliadas e a sua distribuição geográfica; a existência de 1 Junto à senha do sistema informatizado, o proponente terá acesso a um manual contendo todos os conteúdos que auxiliem o usuário da ferramenta a compreender o que motivou o desenvolvimento de cada funcionalidade, incluindo-se menções à Metodologia Apex-Brasil de Gestão de Projetos, bem como informações adicionais sobre os processos envolvidos e os comportamentos esperados em cada tela do sistema. 14

16 escritórios, subsidiárias, representantes ou correspondentes fora de sua sede, inclusive no exterior (caso os tenha, informar o nome e a localização dos mesmos); e se o setor ou parte dele é representado por outras entidades, cujo objeto seja o mesmo ou semelhante ao da entidade proponente. Estrutura organizacional; Descrever a estrutura da entidade, seus órgãos deliberativos, dirigentes e responsáveis, bem como o número de funcionários, destacando aqueles da área técnica e administrativa que estarão envolvidos na realização das ações previstas no convênio. Informar sobre a equipe técnica da entidade com dedicação exclusiva ao projeto. Capacidade financeira; Informar o montante do orçamento anual da entidade nos últimos 5 (cinco) anos, acompanhado do balanço do último exercício social. Indicar suas fontes de recursos financeiros, demonstrando sua capacidade de mobilizar os recursos financeiros correspondentes à contrapartida prevista no projeto. Capacidade de prestação de serviços; Demonstrar que a entidade está habilitada a prestar, para as empresas afiliadas, serviços de apoio técnico em matéria de promoção de exportações, seja por intermédio do seu quadro próprio, seja por meio de terceiros (caracterizar os serviços e a forma de prestação). Demonstrar que a entidade é capaz de mobilizar as empresas e entidades da cadeia produtiva para executar as ações previstas. Ações a serem executadas; Descrever, com clareza, as ações previstas para cada mercado-alvo, de forma a demonstrar a estratégia adotada pelo projeto para cada um deles. Descrever também aquelas ações que contribuirão para o projeto como um todo, apesar de não necessariamente estarem direcionadas a um mercado-alvo específico. Para cada ação, deverão ser relacionados os seguintes itens: Nome e descrição da ação; Coordenador responsável pela execução da ação. O gerente do projeto poderá designar coordenadores para uma ou mais ações específicas; Data de início e término, considerando o início da ação como sendo o início da preparação para a sua realização e o término como sendo a data da liquidação dos últimos compromissos financeiros assumidos para a realização das ações; Cidade e país onde a ação será realizada; Data de realização do evento relacionado à ação, quando for o caso; Marcos críticos para a realização da ação, entendidos como as etapas mais significativas e essenciais ao desenvolvimento de cada ação (demandam grande atenção da equipe gerencial ou grande esforço dos executores). Evitar fazer uma descrição de todas as tarefas a serem executadas; Metas que se propõe alcançar através da execução das ações. Ao prever a data de início das ações, os novos projetos deverão levar em consideração o período necessário até a sua aprovação definitiva, que ocorrerá após conferência dos elementos obrigatórios de identificação, formalização do convênio e posterior liberação dos recursos. Demais elementos obrigatórios para apresentação do Projeto Setorial PS. Junto ao projeto devidamente preenchido e às informações descritas nos parágrafos anteriores, a entidade proponente deverá apresentar também: 15

17 Cadastro das empresas participantes, conforme modelo do SIG; e Códigos SH2, quando existente, de todos os produtos contemplados no projeto. A entidade deverá manter em seus arquivos, para cada empresa cadastrada como participante do projeto, um termo de adesão gerado no sistema do CRM da Apex-Brasil e assinado pelo representante legal da empresa. A análise do projeto avaliará a coerência entre seu objeto, as empresas participantes, os mercados-alvo, as ações propostas e os respectivos custos, podendo propor, justificadamente, as correções cabíveis. 16

18 MÓDULO 2 Gestão técnica 2.1 EXECUÇÃO Por ocasião da assinatura do convênio, o executor nomeará o gerente do projeto, que será responsável pelos trabalhos que se desenvolverão a seguir. A governança do projeto terá como ponto central o Comitê Gestor, formado por representantes das partes envolvidas no processo, que se reunirá periodicamente. Do lado da Apex-Brasil, o gestor que procedeu à análise do projeto ficará encarregado do acompanhamento do projeto e da execução do convênio, trabalhando em coordenação com o gerente. Assim, o gerente e o gestor constituem a dupla de executivos responsáveis pelo acompanhamento do projeto, coordenando, junto às respectivas entidades, as providências que se fizerem necessárias ao seu bom andamento. 2.2 CRITÉRIOS E PARÂMETROS DE PROMOÇÃO COMERCIAL A partir da sistematização de informações colhidas com a análise e execução de projetos e considerando um conjunto de boas práticas adotadas pelas entidades parceiras, a Apex-Brasil sistematizou critérios e parâmetros que, com a utilização continuada, se mostraram de grande utilidade e passaram a ser observados em complementação às regras de parceria. Dessa forma, as disposições a seguir tratam de parâmetros técnicos e orçamentários dos seguintes instrumentos de promoção comercial: as feiras internacionais, o Projeto Comprador, o Projeto Imagem, o Projeto Vendedor, as missões e os eventos promovidos pela própria Apex-Brasil. Na próxima seção, são apresentados alguns parâmetros gerais válidos para todos os instrumentos de promoção e, a seguir, são apresentados os parâmetros específicos para cada instrumento. Critérios e parâmetros técnicos são aqueles que definem a qualidade do instrumento de promoção e as melhores práticas, fruto do conhecimento e da experiência dos colaboradores da Apex-Brasil. Referem-se às formas de acesso e participação das empresas e às fases de preparação, realização e acompanhamento pós-evento dos instrumentos citados. Critérios e parâmetros orçamentários são aqueles utilizados para definir a composição do custo do projeto para cada instrumento. Referem-se à natureza de despesas apoiadas pela Apex-Brasil e aos limites orçamentários de cada componente de custo em cada instrumento. Os parâmetros devem ser observados durante todo o ciclo de vida do projeto, da fase de consulta à fase de avaliação do projeto, passando pela sua estruturação, gerenciamento e monitoramento. 17

19 2.2.1 CRITÉRIOS E PARÂMETROS GERAIS I. Os critérios e parâmetros gerais referem-se a qualquer um dos instrumentos apoiados pela Apex-Brasil. Eles devem ser adotados para efeito de elaboração, gerenciamento, remanejamento de recursos, monitoramento, prestação de contas e avaliação dos projetos de promoção comercial de exportações. II. III. IV. A escolha de um instrumento específico de promoção (feira, Projeto Comprador, etc.) deve ser feita sempre em função das estratégias de inserção nos mercados-alvo e mediante justificativa das escolhas estratégicas. É importante avaliar a quantidade de eventos previstos durante a realização do projeto, que dependerá da segmentação do setor, da quantidade de eventos internacionais nos mercados-alvo e da estrutura de gestão da entidade. Sugere-se a realização de um trabalho integrado com as Unidades de Inteligência Comercial e Competitiva e de Internacionalização da Apex-Brasil no que se refere à escolha dos mercados-alvos do projeto e à elaboração das estratégias comerciais em cada mercado. V. O aporte financeiro da Apex-Brasil ao projeto deve ser menor do que o somatório das metas de negócios gerados, observando uma relação positiva de custo/benefício. VI. VII. Cada ação do projeto possuirá metas compatíveis com o instrumento de promoção empregado. Todas as empresas que participarem de algum evento promovido pelo projeto deverão preencher uma ficha de avaliação, abrangendo alguns dos itens a seguir e outros relevantes para a ação executada: a) Número de contatos realizados; b) Países de origem dos contatos efetivados; c) Volume de negócios realizados no evento, em dólar, euro ou moeda local; d) Países de destino dos negócios realizados no evento; e) Estimativa de negócios em 12 (doze) meses, em dólar; f) Avaliação do evento no que diz respeito aos resultados obtidos, ao suporte prestado pela entidade e à organização do evento, indicando os pontos fortes e fracos. VIII. É responsabilidade da entidade executora consolidar os dados registrados em todas as fichas de avaliação para, em até 20 (vinte) dias após a realização do evento, encaminhar à Apex-Brasil a consolidação dos resultados obtidos. IX. Todo novo material promocional e de divulgação pago com recursos da Apex-Brasil ou em que conste o nome ou a marca da Agência e a Marca Brasil deve ser enviado para a apreciação da Apex-Brasil antes de sua impressão ou confecção. A Agência irá se manifestar formalmente com relação ao referido material em até 48 horas após o recebimento do mesmo. 18

20 X. A execução de qualquer atividade ligada ao projeto fora dos critérios e parâmetros estabelecidos neste documento somente será praticada mediante justificativa formal, previamente autorizada pela Apex-Brasil FEIRAS NO EXTERIOR I. Feiras no exterior são eventos que reúnem diferentes empresas em um mesmo local no exterior com o objetivo de divulgar e comercializar produtos e serviços. Nos projetos de promoção comercial da Apex-Brasil, o tipo mais comum de feira no exterior é a feira setorial, onde as empresas expositoras são de um mesmo setor. II. III. IV. No momento de renovação dos projetos, a reincidência de uma determinada feira deve ser justificada, sempre de acordo com as estratégias do projeto. A escolha de participar de uma feira em um pavilhão do Brasil ou em diversos pavilhões diferentes deve ser considerada, principalmente em função da segmentação dos produtos a serem expostos. Em qualquer caso, a identidade visual deve seguir uma harmonização quanto ao conceito de uso da Marca Brasil e da marca Apex-Brasil em todos os estandes de produtos brasileiros. Todas as feiras no exterior deverão ser avaliadas em função das seguintes metas, sem prejuízo de outras possíveis: a) Volume de negócios no evento; b) Estimativa de negócios em 12 (doze) meses; c) Número de empresas participantes; d) Número de contatos realizados. V. As seguintes informações devem ser prestadas relativamente a cada feira selecionada: a) País e cidade onde será realizada a feira; b) Página da feira na internet; c) Período de realização da feira; d) Informações relativas à feira, tais como número de países participantes, número de expositores e perfil e número de visitantes na(s) edição(ões) anterior(es); e) Quantidade de empresas expositoras; f) Tamanho da área a ser adquirida; g) Se haverá ou não montagem. VI. VII. Para definir o número de representantes do executor que viajam para as feiras no exterior com recursos da Apex-Brasil, as referências são: 2 representantes para até 15 empresas participantes do evento; 3 representantes para um número entre 16 e 25 empresas; e 4 representantes para mais de 25 empresas. Os recursos repassados pela Apex-Brasil poderão ser utilizados para pagar as despesas com passagens aéreas, em classe econômica, para os representantes do projeto nas feiras no exterior, conforme o limite estipulado no item VI acima. VIII. O gerente do projeto encaminhará à Apex-Brasil, sempre que solicitado, antes da realização da feira, a lista de empresas participantes e todas as outras informações pertinentes. 19

EDITAL 01/2015 ABEMEL

EDITAL 01/2015 ABEMEL EDITAL 01/2015 ABEMEL O Presidente da Associação Brasileira dos Exportadores de Mel (ABEMEL), no uso de suas atribuições legais, com base na legislação vigente e no termo do Convênio firmado com a Agência

Leia mais

TERMO DE ADESÃO. Para participação em Projetos de Promoção de Exportação

TERMO DE ADESÃO. Para participação em Projetos de Promoção de Exportação TERMO DE ADESÃO Para participação em Projetos de Promoção de Exportação A empresa..., de CNPJ n.º..., por seu(s) representante(s) legal(is), adere ao projeto BRAZILIAN PUBLISHERS, proposto à APEX-Brasil

Leia mais

Política de Patrocínio

Política de Patrocínio SUMÁRIO APRESENTAÇÃO...02 1. OBJETIVO INSTITUCIONAL...03 2. OBJETIVOS ESTRATÉGICOS...04 3. LINHAS DE ATUAÇÃO...05 3.1 Projetos prioritários...05 3.2 Projetos que não podem ser patrocinados...05 4. ABRANGÊNCIA...06

Leia mais

ESTRATÉGIA DE FIDELIZAÇÃO

ESTRATÉGIA DE FIDELIZAÇÃO ESTRATÉGIA DE FIDELIZAÇÃO PLANEJAMENTO, SEGMENTAÇÃO E AÇÕES DE PROMOÇÃO CASO ABIHPEC EIXOS ESTRATÉGICOS DO PROJETO DE (Resultado do Workshop out 2008) Objetivos Relacionados: 11 - AUMENTAR A DECLARAÇÃO

Leia mais

EDITAL DE SELEÇÃO DE PROJETOS Nº /2012. Anexo II PROGRAMA DE TRABALHO

EDITAL DE SELEÇÃO DE PROJETOS Nº /2012. Anexo II PROGRAMA DE TRABALHO EDITAL DE SELEÇÃO DE PROJETOS Nº /2012 Anexo II PROGRAMA DE TRABALHO Este anexo estabelece o programa de trabalho e resultados para a OSCIP com a fixação de direitos, obrigações, prazos de execução e critérios

Leia mais

BRASIL ARTE CONTEMPORÂNEA. Programa Setorial Integrado de Promoção às Exportações da Arte Contemporânea Brasileira.

BRASIL ARTE CONTEMPORÂNEA. Programa Setorial Integrado de Promoção às Exportações da Arte Contemporânea Brasileira. 1 PROJETO SETORIAL INTEGRADO BRASIL ARTE CONTEMPORÂNEA Programa Setorial Integrado de Promoção às Exportações da Arte Contemporânea Brasileira. 2 Introdução O Ministério da Cultura, sugeriu a Fundação

Leia mais

Portaria nº 64, de 24 de março de 2010

Portaria nº 64, de 24 de março de 2010 Portaria nº 64, de 24 de março de 2010 O PRESIDENTE DA COORDENAÇÃO DE APERFEIÇOAMENTO DE PESSOAL DE NÍVEL SUPERIOR CAPES, no uso das atribuições conferidas pelo art. 26, inciso IX, do Decreto nº 6.316,

Leia mais

Brasil IT Emerging Players

Brasil IT Emerging Players Sua empresa tem um produto competitivo e inovador na área de Tecnologia da Informação e Comunicação? Você tem interesse em expandir sua atuação no mercado externo? Está disposto a qualificar sua empresa

Leia mais

UNIDADE PRESTAÇÃO DE CONTAS

UNIDADE PRESTAÇÃO DE CONTAS UNIDADE PRESTAÇÃO DE CONTAS Fluxo do Processo de Prestação de Contas Workshop de Alinhamento Estratégico São Paulo Maio 2010 PROCESSO DE PRESTAÇÃO DE CONTAS PRESTAÇÃO DE CONTAS TÉCNICA FINANCEIRA Unidade

Leia mais

RESOLUÇÃO Nº 506, DE 28 DE JUNHO DE 2013

RESOLUÇÃO Nº 506, DE 28 DE JUNHO DE 2013 Publicada no DJE/STF, n. 127, p. 1-3 em 3/7/2013. RESOLUÇÃO Nº 506, DE 28 DE JUNHO DE 2013 Dispõe sobre a Governança Corporativa de Tecnologia da Informação no âmbito do Supremo Tribunal Federal e dá outras

Leia mais

INCUBADORAS DE EMPRESAS. EDITAL SEBRAE/ANPROTEC 01/2015 Implantação e Certificação do CERNE

INCUBADORAS DE EMPRESAS. EDITAL SEBRAE/ANPROTEC 01/2015 Implantação e Certificação do CERNE INCUBADORAS DE EMPRESAS EDITAL SEBRAE/ANPROTEC 01/2015 Implantação e Certificação do CERNE Brasília, 2015 O Serviço Brasileiro de Apoio às Micro e Pequenas Empresas SEBRAE, entidade associativa de Direito

Leia mais

Programa de Aprendizagem em Consultoria Acadêmica - CONSAC. Processo de Seleção de Empresas. EDITAL nº 1/2013

Programa de Aprendizagem em Consultoria Acadêmica - CONSAC. Processo de Seleção de Empresas. EDITAL nº 1/2013 Programa de Aprendizagem em Consultoria Acadêmica - CONSAC Processo de Seleção de Empresas EDITAL nº 1/2013 Brasília, 01 de Junho de 2013 Apresentação É com satisfação que a Projetos Consultoria Integrada,

Leia mais

ARRANJO PRODUTIVO LOCAL DO SETOR METAL MECÂNICO DO GRANDE ABC

ARRANJO PRODUTIVO LOCAL DO SETOR METAL MECÂNICO DO GRANDE ABC ARRANJO PRODUTIVO LOCAL DO SETOR METAL MECÂNICO DO GRANDE ABC TERMO DE REFERÊNCIA Nº 002/2009 SERVIÇOS DE CONSULTORIA DE COORDENAÇÃO DO PROJETO Contatos Luiz Augusto Gonçalves de Almeida (Relações Institucionais)

Leia mais

Esse programa visa a organização contínua e a efetividade do Processo Único de Federação, que contará com a inserção de um edital.

Esse programa visa a organização contínua e a efetividade do Processo Único de Federação, que contará com a inserção de um edital. Esse programa visa a organização contínua e a efetividade do Processo Único de Federação, que contará com a inserção de um edital. Esse terá suas etapas e prazos muito bem definidos, garantindo um processo

Leia mais

Índice. O projeto. Público-Alvo do Projeto. Critérios de Participação. Sistema de Convidados. Processo de Participação. Pedidos e Alocação

Índice. O projeto. Público-Alvo do Projeto. Critérios de Participação. Sistema de Convidados. Processo de Participação. Pedidos e Alocação Guideline Copa do Mundo da FIFA 2014 TM Índice O projeto Público-Alvo do Projeto Critérios de Participação Sistema de Convidados Processo de Participação Jogos com Hospitality Pedidos e Alocação As Responsabilidades

Leia mais

MANUAL DE ESTÁGIO - ESCOLA DE NEGÓCIOS. CURSOS: ADMINISTRAÇÃO, COMÉRCIO EXTERIOR e CIÊNCIAS CONTÁBEIS MANUAL DE ESTÁGIO ESCOLA DE NEGÓCIOS

MANUAL DE ESTÁGIO - ESCOLA DE NEGÓCIOS. CURSOS: ADMINISTRAÇÃO, COMÉRCIO EXTERIOR e CIÊNCIAS CONTÁBEIS MANUAL DE ESTÁGIO ESCOLA DE NEGÓCIOS MANUAL DE ESTÁGIO ESCOLA DE NEGÓCIOS CURSO DE ADMINISTRAÇÃO CURSO DE COMÉRCIO EXTERIOR CURSO DE CIÊNCIAS CONTÁBEIS Profª. Dra. Neyde Lopes de Souza Prof. Ms. Luiz Vieira da Costa SUMÁRIO Pág. 1. Apresentação...

Leia mais

INSTRUÇÃO NORMATIVA Nº 77, DE 18 DE MARÇO DE 2014.

INSTRUÇÃO NORMATIVA Nº 77, DE 18 DE MARÇO DE 2014. INSTRUÇÃO NORMATIVA Nº 77, DE 18 DE MARÇO DE 2014. Institui os procedimentos para o gerenciamento de projetos prioritários no âmbito da Agência Nacional de Aviação Civil - ANAC e dá outras providências.

Leia mais

Edital para Exposição de Oportunidades de Negócios na 5ª Edição da SEMANA SEBRAE DE TECNOLOGIA E INOVAÇÃO 2015 I DA CONVOCAÇÃO II DO EVENTO

Edital para Exposição de Oportunidades de Negócios na 5ª Edição da SEMANA SEBRAE DE TECNOLOGIA E INOVAÇÃO 2015 I DA CONVOCAÇÃO II DO EVENTO I DA CONVOCAÇÃO O SERVIÇO DE APOIO ÀS MICRO E PEQUENAS EMPRESAS NO ESTADO DO RIO DE JANEIRO SEBRAE/RJ, entidade associativa de direito privado, sem fins lucrativos, comunica e convida empresas do setor

Leia mais

MANUAL DE PROCEDIMENTOS E ADESÃO AO PROJETO SETORIAL LATITUDE

MANUAL DE PROCEDIMENTOS E ADESÃO AO PROJETO SETORIAL LATITUDE MANUAL DE PROCEDIMENTOS E ADESÃO AO PROJETO SETORIAL LATITUDE Pelo presente instrumento a Associação Brasileira de Arte Contemporânea - ABACT apresenta o Manual de Procedimentos e Adesão referente às regras

Leia mais

DELIBERAÇÃO PLENÁRIA N 20, DE 26 DE MAIO DE 2015.

DELIBERAÇÃO PLENÁRIA N 20, DE 26 DE MAIO DE 2015. DELIBERAÇÃO PLENÁRIA N 20, DE 26 DE MAIO DE 2015. Regulamenta a concessão de apoio institucional pelo Conselho de Arquitetura e Urbanismo de Goiás (CAU/GO), caracteriza as suas modalidades e dá outras

Leia mais

RESOLUÇÃO Nº 57, DE 23 DE MAIO DE 2013

RESOLUÇÃO Nº 57, DE 23 DE MAIO DE 2013 RESOLUÇÃO Nº 57, DE 23 DE MAIO DE 2013 O CONSELHO UNIVERSITÁRIO da Universidade Federal do Pampa, em sua 41ª Reunião Ordinária, realizada no dia 23 de maio de 2013, no uso das atribuições que lhe são conferidas

Leia mais

Este briefing contém atividades que deverão ser desenvolvidas durante o convênio supracitado.

Este briefing contém atividades que deverão ser desenvolvidas durante o convênio supracitado. Briefing Prestação de Serviços de Comunicação e Marketing para o Instituto Nacional do Plástico Programa de Incentivo à Exportação Think Plastic Brazil Introdução Este briefing propõe e organiza as ações

Leia mais

Programa Centros Associados da Pós-Graduação Brasil-Argentina (CAPG-BA)

Programa Centros Associados da Pós-Graduação Brasil-Argentina (CAPG-BA) Programa Centros Associados da Pós-Graduação Brasil-Argentina (CAPG-BA) Processo Seletivo 2009-2010 Edital CGCI nº 3/2010 A Coordenação de Aperfeiçoamento de Pessoal de Nível Superior, CAPES, Fundação

Leia mais

ANEXO XXII POLÍTICA MUNICIPAL DE TURISMO DE FOZ DO IGUAÇU LEI Nº 4.291, DE 31 DE OUTUBRO DE 2014.

ANEXO XXII POLÍTICA MUNICIPAL DE TURISMO DE FOZ DO IGUAÇU LEI Nº 4.291, DE 31 DE OUTUBRO DE 2014. ANEXO XXII POLÍTICA MUNICIPAL DE TURISMO DE FOZ DO IGUAÇU LEI Nº 4.291, DE 31 DE OUTUBRO DE 2014. DISPÕE SOBRE A POLÍTICA MUNICIPAL DE TURISMO, PREVISTA NO CAPÍTULO X, DO TÍTULO V, DA LEI ORGÂNICA DO MUNICÍPIO,

Leia mais

Programa de Aprendizagem em Consultoria Acadêmica - CONSAC. Processo de Seleção de Empresas. EDITAL nº 2/2015

Programa de Aprendizagem em Consultoria Acadêmica - CONSAC. Processo de Seleção de Empresas. EDITAL nº 2/2015 Programa de Aprendizagem em Consultoria Acadêmica - CONSAC Processo de Seleção de Empresas EDITAL nº 2/2015 Brasília, 20 de Novembro de 2015 Apresentação É com satisfação que a Projetos Consultoria Integrada,

Leia mais

TERMO DE REFERÊNCIA PARA LICITAÇÃO DE AGÊNCIA DE EVENTOS

TERMO DE REFERÊNCIA PARA LICITAÇÃO DE AGÊNCIA DE EVENTOS 1. Objeto: 1.1.1. Contratação de empresa para prestação, sob demanda, de serviços de planejamento, organização, coordenação, execução, fiscalização e avaliação de eventos com a viabilização de infra-estrutura

Leia mais

Programa Consórcios em Educação Superior Brasil e Estados Unidos

Programa Consórcios em Educação Superior Brasil e Estados Unidos Programa Consórcios em Educação Superior Brasil e Estados Unidos CAPES/FIPSE Edital Nº 8/2010 CAPES A Fundação Coordenação de Aperfeiçoamento de Pessoal de Nível Superior (CAPES), por meio de sua Diretoria

Leia mais

CESTEC- CENTRO DE SERVIÇOS EM TECNOLOGIA E INOVAÇÃO DO GRANDE ABC

CESTEC- CENTRO DE SERVIÇOS EM TECNOLOGIA E INOVAÇÃO DO GRANDE ABC CESTEC- CENTRO DE SERVIÇOS EM TECNOLOGIA E INOVAÇÃO DO GRANDE ABC TERMO DE REFERÊNCIA Nº 013/2010 PRESTAÇÃO DE SERVIÇOS DE SERVIÇOS DE CONSULTORIA PARA GESTÃO COMERCIAL E VENDAS Contatos Luiz Augusto Gonçalves

Leia mais

Seja um parceiro Xact Tecnologia e ofereça ao mercado nossas soluções, voltadas para gerenciamento total dos processos críticos do negócio.

Seja um parceiro Xact Tecnologia e ofereça ao mercado nossas soluções, voltadas para gerenciamento total dos processos críticos do negócio. Seja um parceiro Xact Tecnologia e ofereça ao mercado nossas soluções, voltadas para gerenciamento total dos processos críticos do negócio. Participe da rede de distribuição dos produtos exclusivos da

Leia mais

CHAMADA PÚBLICA DE PROJETOS 2016 TRANSFORMANDO PESSOAS E IDEIAS.

CHAMADA PÚBLICA DE PROJETOS 2016 TRANSFORMANDO PESSOAS E IDEIAS. CHAMADA PÚBLICA DE PROJETOS 2016 TRANSFORMANDO PESSOAS E IDEIAS. CHAMADA PÚBLICA 2016 A Política de Responsabilidade Social da AngloGold Ashanti define como um de seus princípios que a presença de nossa

Leia mais

Conceitos e tarefas da administração de marketing DESENVOLVIMENTO DE ESTRATEGIAS E PLANOS DE MARKETING

Conceitos e tarefas da administração de marketing DESENVOLVIMENTO DE ESTRATEGIAS E PLANOS DE MARKETING Sumário Parte um Conceitos e tarefas da administração de marketing CAPITULO I MARKETING PARA 0 SÉCULO XXI A importância do marketing O escopo do marketing 0 que é marketing? Troca e transações A que se

Leia mais

Outubro 2009. Carlos Eduardo Bizzotto Gisa Melo Bassalo Marcos Suassuna Sheila Pires Tony Chierighini

Outubro 2009. Carlos Eduardo Bizzotto Gisa Melo Bassalo Marcos Suassuna Sheila Pires Tony Chierighini Outubro 2009 Carlos Eduardo Bizzotto Gisa Melo Bassalo Marcos Suassuna Sheila Pires Tony Chierighini Sustentabilidade Articulação Ampliação dos limites Sistematização Elementos do Novo Modelo Incubação

Leia mais

CHAMADA PÚBLICA Nº 03/2015 EDUCAÇÃO EMPREENDEDORA PARA O ENSINO SUPERIOR

CHAMADA PÚBLICA Nº 03/2015 EDUCAÇÃO EMPREENDEDORA PARA O ENSINO SUPERIOR 1. PREÂMBULO CHAMADA PÚBLICA Nº 03/2015 EDUCAÇÃO EMPREENDEDORA PARA O ENSINO SUPERIOR I. O SERVIÇO DE APOIO ÀS MICRO E PEQUENAS EMPRESAS DO ESTADO DO PARANÁ - SEBRAE/PR, entidade associativa de direito

Leia mais

Experiência: Projeto Rede Nacional de Agentes de Comércio Exterior Redeagentes

Experiência: Projeto Rede Nacional de Agentes de Comércio Exterior Redeagentes Experiência: Projeto Rede Nacional de Agentes de Comércio Exterior Redeagentes Ministério do Desenvolvimento Indústria e Comércio Exterior em parceria com o Ministério do Trabalho e Emprego (através do

Leia mais

MANUAL DE PROCEDIMENTOS MPR/ASCOM-002-R00 ATIVIDADES DE ASSESSORAMENTO, COMUNICAÇÃO INTEGRADA E APOIO À GESTÃO DA ASCOM

MANUAL DE PROCEDIMENTOS MPR/ASCOM-002-R00 ATIVIDADES DE ASSESSORAMENTO, COMUNICAÇÃO INTEGRADA E APOIO À GESTÃO DA ASCOM MANUAL DE PROCEDIMENTOS MPR/ASCOM-002-R00 ATIVIDADES DE ASSESSORAMENTO, COMUNICAÇÃO INTEGRADA E APOIO À GESTÃO DA ASCOM 09/2015 PÁGINA INTENCIONALMENTE EM BRANCO 2 30 de setembro de 2015. Aprovado, Gabriela

Leia mais

INSTRUÇÃO NORMATIVA Nº 66, DE 13 DE NOVEMBRO DE 2012.

INSTRUÇÃO NORMATIVA Nº 66, DE 13 DE NOVEMBRO DE 2012. INSTRUÇÃO NORMATIVA Nº 66, DE 13 DE NOVEMBRO DE 2012. Institui o Programa de Fortalecimento Institucional da ANAC. A DIRETORIA DA AGÊNCIA NACIONAL DE AVIAÇÃO CIVIL - ANAC, no exercício das competências

Leia mais

MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO UNIVERSIDADE FEDERAL DA INTEGRAÇÃO LATINO-AMERICANA RESOLUÇÃO N 016/2014 DE 27 DE MAIO DE 2014

MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO UNIVERSIDADE FEDERAL DA INTEGRAÇÃO LATINO-AMERICANA RESOLUÇÃO N 016/2014 DE 27 DE MAIO DE 2014 RESOLUÇÃO N 016/2014 DE 27 DE MAIO DE 2014 Normatiza os procedimentos para concessão de Afastamentos de Curta Duração, Licença para Capacitação, Afastamentos para Pós- Graduação Stricto Sensu e Pós-Doutorado

Leia mais

Ass.: Programa de Melhoria do Ensino das Instituições de Educação Superior - Programa IES

Ass.: Programa de Melhoria do Ensino das Instituições de Educação Superior - Programa IES CIRCULAR Nº 94/2009 Rio de Janeiro, 27 de agosto de 2009 Ref.: BNDES AUTOMÁTICO Ass.: Programa de Melhoria do Ensino das Instituições de Educação Superior - Programa IES O Superintendente da Área de Operações

Leia mais

REGULAMENTO DE CONVÊNIOS DA APEX-BRASIL 1

REGULAMENTO DE CONVÊNIOS DA APEX-BRASIL 1 REGULAMENTO DE CONVÊNIOS DA APEX-BRASIL 1 1. DAS DISPOSIÇÕES GERAIS 1.1. Este Regulamento normatiza os convênios celebrados entre a Apex- Brasil e as entidades públicas e/ou privadas, com ou sem fins lucrativos,

Leia mais

POLÍTICA DE GOVERNANÇA COOPERATIVA

POLÍTICA DE GOVERNANÇA COOPERATIVA POLÍTICA DE GOVERNANÇA COOPERATIVA 1 1. APRESENTAÇÃO Esta política estabelece os princípios e práticas de Governança Cooperativa adotadas pelas cooperativas do Sistema Cecred, abordando os aspectos de

Leia mais

Byte Software POLÍTICA COMERCIAL. Parceiros Comerciais

Byte Software POLÍTICA COMERCIAL. Parceiros Comerciais Byte Software POLÍTICA COMERCIAL Parceiros Comerciais 2013 1. Apresentação Este guia descreve o Programa de Parceria Byte Software através de uma estrutura básica, incluindo como participar e, ainda, uma

Leia mais

ASSOCIAÇÃO DE AGRICULTORES E IRRIGANTES DA BAHIA AIBA BANCO DO NORDESTE DO BRASIL S.A. BNB

ASSOCIAÇÃO DE AGRICULTORES E IRRIGANTES DA BAHIA AIBA BANCO DO NORDESTE DO BRASIL S.A. BNB ASSOCIAÇÃO DE AGRICULTORES E IRRIGANTES DA BAHIA AIBA BANCO DO NORDESTE DO BRASIL S.A. BNB FUNDO PARA O DESENVOLVIMENTO INTEGRADO E SUSTENTÁVEL DA BAHIA FUNDESIS EDITAL PÚBLICO PARA APRESENTAÇÃO DE PROJETOS

Leia mais

Norma para pagamento de diária a serviço e solicitação de passagem aérea

Norma para pagamento de diária a serviço e solicitação de passagem aérea Norma para pagamento de diária a serviço e solicitação de passagem aérea Objetivo: A presente norma tem por objetivo formalizar e agilizar os pedidos de diária e passagem a serviço da entidade bem como

Leia mais

ANEXO À RESOLUÇÃO Nº /2010 REGIMENTO DA DIRETORIA DE TECNOLOGIA DE INFORMAÇÃO E COMUNICAÇÃO

ANEXO À RESOLUÇÃO Nº /2010 REGIMENTO DA DIRETORIA DE TECNOLOGIA DE INFORMAÇÃO E COMUNICAÇÃO ANEXO À RESOLUÇÃO Nº /2010 REGIMENTO DA DIRETORIA DE TECNOLOGIA DE INFORMAÇÃO E COMUNICAÇÃO Art. 1º - A Diretoria de Tecnologia de Informação e Comunicação DTIC da Universidade FEDERAL DO ESTADO DO RIO

Leia mais

MINISTÉRIO DO MEIO AMBIENTE

MINISTÉRIO DO MEIO AMBIENTE MINISTÉRIO DO MEIO AMBIENTE SECRETARIA DE RECURSOS HÍDRICOS E AMBIENTE URBANO Chamamento para a Elaboração de Acordo Setorial para a Implantação de Sistema de Logística Reversa de Produtos Eletroeletrônicos

Leia mais

Byte Software POLÍTICA COMERCIAL. Parceiros Comerciais/CVB s

Byte Software POLÍTICA COMERCIAL. Parceiros Comerciais/CVB s Byte Software POLÍTICA COMERCIAL Parceiros Comerciais/CVB s 2013 1. Apresentação Este guia descreve o Programa de Parceria Byte Software através de uma estrutura básica, incluindo como participar e, ainda,

Leia mais

Formulário para Solicitação de Patrocínio Edital 001/2015

Formulário para Solicitação de Patrocínio Edital 001/2015 ANEXO II Formulário para Solicitação de Patrocínio Edital 001/2015 Procedimentos para o envio de projeto ao CAU/MS: 1. Após preencher o Formulário para Solicitação de Patrocínio ao CAU/MS, confira os itens

Leia mais

Subvenção aos Núcleos Estaduais ODM do Movimento Nacional pela Cidadania e Solidariedade

Subvenção aos Núcleos Estaduais ODM do Movimento Nacional pela Cidadania e Solidariedade Subvenção aos Núcleos Estaduais ODM do Movimento Nacional pela Cidadania e Solidariedade EDITAL 2015 PROJETO BRA/11/023 Desenvolvimento de capacidades, de justiça econômica sustentável e promoção de boas

Leia mais

EDITAL PARA EXPOSIÇÃO DE OPORTUNIDADES NA FEIRA DO EMPREENDEDOR DO RIO DE JANEIRO Edição 2015 I DA CONVOCAÇÃO

EDITAL PARA EXPOSIÇÃO DE OPORTUNIDADES NA FEIRA DO EMPREENDEDOR DO RIO DE JANEIRO Edição 2015 I DA CONVOCAÇÃO I DA CONVOCAÇÃO SERVIÇO DE APOIO ÀS MICRO E PEQUENAS EMPRESAS NO ESTADO Sebrae/RJ, entidade associativa de direito privado, sem fins econômicos, torna público que promoverá seleção de expositores para

Leia mais

FORMULÁRIO DAS AÇÕES DE EXTENSÃO

FORMULÁRIO DAS AÇÕES DE EXTENSÃO Pró-Reitoria de Pós-Graduação, Pesquisa e Extensão Proppex Supervisão de Extensão 1. IDENTIFICAÇÃO DA ORIGEM FORMULÁRIO DAS AÇÕES DE EXTENSÃO 1.1. TÍTULO: Viagens de Estudos e Visitas Técnicas Internacionais

Leia mais

PROGRAMA INSTITUCIONAL DE PESQUISA DE PÓS-GRADUAÇÃO (PPG)

PROGRAMA INSTITUCIONAL DE PESQUISA DE PÓS-GRADUAÇÃO (PPG) C AM PUS II Pró-Reitoria de Pesquisa e Pós-Graduação Tel: 18 3229 2077 / 2078 / 2079 E-mail: posgrad@unoeste.br www.unoeste.br Campus I Campus II Rua José Bongiovani, 700 Cidade Universitária CEP 19050

Leia mais

Rede CIN CIN MS. Centro Internacional de Negócios FIEMS

Rede CIN CIN MS. Centro Internacional de Negócios FIEMS Rede CIN CIN MS Centro Internacional de Negócios FIEMS O que é a REDE CIN? Coordenada pela Confederação Nacional da Indústria - CNI, e criada com o apoio da Agência Nacional de Promoção de Exportações

Leia mais

REGULAMENTO ESCRITÓRIO DE PRÁTICAS DE GESTÃO CAPÍTULO I DENOMINAÇÃO, SEDE, FINALIDADE E DURAÇÃO

REGULAMENTO ESCRITÓRIO DE PRÁTICAS DE GESTÃO CAPÍTULO I DENOMINAÇÃO, SEDE, FINALIDADE E DURAÇÃO REGULAMENTO ESCRITÓRIO DE PRÁTICAS DE GESTÃO CAPÍTULO I DENOMINAÇÃO, SEDE, FINALIDADE E DURAÇÃO Artigo 1º A unidade acadêmico-gerencial modelo designado Escritório de Práticas de Gestão e com nome fantasia

Leia mais

PROGRAMA DE COOPERAÇÃO TÉCNICA DESCENTRALIZADA SUL-SUL RETIFICADO

PROGRAMA DE COOPERAÇÃO TÉCNICA DESCENTRALIZADA SUL-SUL RETIFICADO PROGRAMA DE COOPERAÇÃO TÉCNICA DESCENTRALIZADA SUL-SUL I. CONTEXTO RETIFICADO Nos anos 90 e início dos 2000, diversas cidades brasileiras e latino-americanas lançaram-se em ações internacionais, prática

Leia mais

PROCESSO SELETIVO 2012 EDUCAÇÃO: CARTÃO INSTITUTO HSBC SOLIDARIEDADE REGULAMENTO

PROCESSO SELETIVO 2012 EDUCAÇÃO: CARTÃO INSTITUTO HSBC SOLIDARIEDADE REGULAMENTO PROCESSO SELETIVO 2012 EDUCAÇÃO: CARTÃO INSTITUTO HSBC SOLIDARIEDADE REGULAMENTO Criado em 2006, o é responsável por gerenciar o investimento social do Grupo HSBC Brasil e tem como missão contribuir para

Leia mais

REGULAMENTO DO NÚCLEO DE INOVAÇÃO TECNOLÓGICA Aprovado pela Resolução nº 01/2013/CONSUP/IFTO, de 7 de março de 2013.

REGULAMENTO DO NÚCLEO DE INOVAÇÃO TECNOLÓGICA Aprovado pela Resolução nº 01/2013/CONSUP/IFTO, de 7 de março de 2013. REGULAMENTO DO NÚCLEO DE INOVAÇÃO TECNOLÓGICA Aprovado pela Resolução nº 01/2013/CONSUP/IFTO, de 7 de março de 2013. PALMAS-TO MARÇO 2013 SUMÁRIO APRESENTAÇÃO... 2 DA CATEGORIA... 2 FINALIDADE E OBJETIVOS...

Leia mais

PROJETO SETORIAL DO POLO DE TI&C DE SÃO CAETANO DO SUL E REGIÃO TERMO DE REFERÊNCIA

PROJETO SETORIAL DO POLO DE TI&C DE SÃO CAETANO DO SUL E REGIÃO TERMO DE REFERÊNCIA PROJETO SETORIAL DO POLO DE TI&C DE SÃO CAETANO DO SUL E REGIÃO TERMO DE REFERÊNCIA Prestação de Serviços em Assessoria e Consultoria Tributária para as empresas do Arranjo Produtivo Local. 1. OBJETIVO

Leia mais

Manual de Gerenciamento de Projetos

Manual de Gerenciamento de Projetos TRIBUNAL REGIONAL DO TRABALHO DA 4ª REGIÃO ASSESSORIA DE GESTÃO ESTRATÉGICA ESCRITÓRIO DE PROJETOS ESTRATÉGICOS (EPE) Manual de Gerenciamento de Projetos SISTEMA DE GESTÃO ESTRATÉGICA Anexo da Portaria

Leia mais

Ministério de Planejamento Orçamento e Gestão Secretaria de Orçamento Federal. Ações Orçamentárias Integrantes da Lei Orçamentária para 2012

Ministério de Planejamento Orçamento e Gestão Secretaria de Orçamento Federal. Ações Orçamentárias Integrantes da Lei Orçamentária para 2012 Programa 2047 - Micro e Pequenas Empresas Número de Ações 10 Tipo: Operações Especiais 0473 - Honra de Aval decorrente de Garantia do Risco das Operações de Financiamento a Micro, Pequenas e Médias Empresas

Leia mais

DECRETO Nº 6.555, DE 8 DE SETEMBRO DE 2008.

DECRETO Nº 6.555, DE 8 DE SETEMBRO DE 2008. DECRETO Nº 6.555, DE 8 DE SETEMBRO DE 2008. Dispõe sobre as ações de comunicação do Poder Executivo Federal e dá outras providências. O PRESIDENTE DA REPÚBLICA, no uso das atribuições que lhe confere o

Leia mais

CHAMADA PÚBLICA DE PATROCÍNIO Nº 01/2014 ANEXO I. Formulário para Solicitação de Patrocínio

CHAMADA PÚBLICA DE PATROCÍNIO Nº 01/2014 ANEXO I. Formulário para Solicitação de Patrocínio CHAMADA PÚBLICA DE PATROCÍNIO Nº 01/2014 ANEXO I Formulário para Solicitação de Patrocínio Procedimentos para o envio de projeto ao CAU/GO: 1. Após preencher o Formulário para Solicitação de Patrocínio

Leia mais

12º CONCURSO BANCO REAL UNIVERSIDADE SOLIDÁRIA

12º CONCURSO BANCO REAL UNIVERSIDADE SOLIDÁRIA 12º CONCURSO BANCO REAL UNIVERSIDADE SOLIDÁRIA :: INTRODUÇÃO :: O Grupo Santander Brasil acredita que a educação é a principal ferramenta para construir um mundo sustentável e melhor. Por isso, investe

Leia mais

Lei do Audiovisual IN 81 de 2008.

Lei do Audiovisual IN 81 de 2008. INSTRUÇÃO NORMATIVA Nº. 81, DE 28 DE OUTUBRO DE 2008. Estabelece procedimentos sobre a apresentação de relatórios de gestão e prestação de contas em Programas Especiais de Fomento. A DIRETORIA COLEGIADA

Leia mais

DETALHAMENTO DO PROCESSO SELETIVO DE PROJETOS DE FORTALECIMENTO DO TURISMO RELIGIOSO NO BRASIL

DETALHAMENTO DO PROCESSO SELETIVO DE PROJETOS DE FORTALECIMENTO DO TURISMO RELIGIOSO NO BRASIL O Ministério do Turismo, por intermédio da Secretaria Nacional de Políticas do Turismo, torna pública a realização de processo seletivo de projetos para apoio ao Fortalecimento do Turismo Religioso no

Leia mais

Federação de Sindicatos de Trabalhadores das Universidades Brasileiras Fundada em 19 de dezembro de 1978

Federação de Sindicatos de Trabalhadores das Universidades Brasileiras Fundada em 19 de dezembro de 1978 GT HUE s e SEMINÁRIO Realizado no período de 12 a 14 de abril de 2010 PROPOSTA PRELIMINAR DE HOSPITAIS UNIVERSITÁRIOS E DE ENSINO E CENTROS HOSPITALARES DE SAÚDE ESCOLA (HUE S) CAPÍTULO I Artigo 1º. Este

Leia mais

CESTEC- CENTRO DE SERVIÇOS EM TECNOLOGIA E INOVAÇÃO DO GRANDE ABC

CESTEC- CENTRO DE SERVIÇOS EM TECNOLOGIA E INOVAÇÃO DO GRANDE ABC CESTEC- CENTRO DE SERVIÇOS EM TECNOLOGIA E INOVAÇÃO DO GRANDE ABC TERMO DE REFERÊNCIA Nº 11/2010 PRESTAÇÃO DE SERVIÇOS DE CONSULTORIA PARA GESTÃO ADMINISTRATIVA E FINANCEIRA DE EMPRESAS DE MICRO, PEQUENO

Leia mais

Conselho Deliberativo Nacional Roberto Simões Presidente. Diretoria Executiva Luiz Barretto Diretor-Presidente

Conselho Deliberativo Nacional Roberto Simões Presidente. Diretoria Executiva Luiz Barretto Diretor-Presidente SISTEMA SEBRAE DIRECIONAMENTO ESTRATÉGICO 2013-2022 1 2 2012 Serviço Brasileiro de Apoio às Micro e Pequenas Empresas Sebrae Todos os direitos reservados. A reprodução não autorizada desta publicação,

Leia mais

EDITAL. Subvenção aos Núcleos Estaduais ODM do Movimento Nacional pela Cidadania e Solidariedade

EDITAL. Subvenção aos Núcleos Estaduais ODM do Movimento Nacional pela Cidadania e Solidariedade EDITAL Subvenção aos Núcleos Estaduais ODM do Movimento Nacional pela Cidadania e Solidariedade 1. Justificativa Geral A Declaração do Milênio deixa clara a importância da participação social ao considerar

Leia mais

MBA Gestão Estratégica de Marketing e Vendas

MBA Gestão Estratégica de Marketing e Vendas Página 1 de 6 MBA Gestão Estratégica de Marketing e Vendas Carga Horária: 360 horas/ aulas presenciais + monografia orientada. Aulas: sábados: 8h30 às 18h, com intervalo para almoço. Valor: 16 parcelas

Leia mais

EDITAL CAPES N 004/2012/ CAPES. Seleção pública de propostas de projetos de eventos voltados ao Programa de Apoio a Eventos no País - PAEP

EDITAL CAPES N 004/2012/ CAPES. Seleção pública de propostas de projetos de eventos voltados ao Programa de Apoio a Eventos no País - PAEP PAEP Programa de Apoio a Eventos no País EDITAL CAPES N 004/2012/ CAPES Seleção pública de propostas de projetos de eventos voltados ao Programa de Apoio a Eventos no País - PAEP A Fundação Coordenação

Leia mais

CONSULTORIA EM NEGÓCIOS EXTERIORES

CONSULTORIA EM NEGÓCIOS EXTERIORES CONSULTORIA EM NEGÓCIOS EXTERIORES Ser Júnior é ser gigante pela própria natureza. Brasil Júnior Mensagem do presidente Capacitar membros, promover o Movimento Empresa Júnior e causar impacto da sociedade,

Leia mais

RESOLUÇÃO Nº 122, DE 26 DE NOVEMBRO DE 2015

RESOLUÇÃO Nº 122, DE 26 DE NOVEMBRO DE 2015 RESOLUÇÃO Nº 122, DE 26 DE NOVEMBRO DE 2015 O CONSELHO UNIVERSITÁRIO da Universidade Federal do Pampa, em sua 69ª Reunião Ordinária, realizada no dia 26 de novembro de 2015, no uso das atribuições que

Leia mais

Este regulamento define e torna públicas as regras gerais para participação no Edital de Projetos da Fundação Aperam Acesita 2014.

Este regulamento define e torna públicas as regras gerais para participação no Edital de Projetos da Fundação Aperam Acesita 2014. 1. Objeto EDITAL DE PROJETOS FUNDAÇÃO APERAM ACESITA 2014 REGULAMENTO GERAL Este regulamento define e torna públicas as regras gerais para participação no Edital de Projetos da 2014. São objetivos do presente

Leia mais

Instruções para Habilitação aos Auxílios e Apoios do PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO EM ENGENHARIA MECÂNICA-UFU PROEX-PPG-EM-UFU

Instruções para Habilitação aos Auxílios e Apoios do PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO EM ENGENHARIA MECÂNICA-UFU PROEX-PPG-EM-UFU Instruções para Habilitação aos Auxílios e Apoios do PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO EM ENGENHARIA MECÂNICA-UFU PROEX-PPG-EM-UFU Documento Básico de Orientações do Programa de Excelência Acadêmica PROEX PROGRAMA

Leia mais

REGULAMENTAÇÃO DAS ATIVIDADES DO NÚCLEO DE INOVAÇÃO E TRANSFERÊNCIA DE TECNOLOGIA DO INSTITUTO FEDERAL FARROUPILHA

REGULAMENTAÇÃO DAS ATIVIDADES DO NÚCLEO DE INOVAÇÃO E TRANSFERÊNCIA DE TECNOLOGIA DO INSTITUTO FEDERAL FARROUPILHA RESOLUÇÃO CS nº xx/2009 REGULAMENTAÇÃO DAS ATIVIDADES DO NÚCLEO DE INOVAÇÃO E TRANSFERÊNCIA DE TECNOLOGIA DO INSTITUTO FEDERAL FARROUPILHA RESOLVE: O Conselho Superior do Instituto Federal Farroupilha,

Leia mais

MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO UNIVERSIDADE FEDERAL DA INTEGRAÇÃO LATINO-AMERICANA RESOLUÇÃO N 008/2014 DE 30 DE ABRIL DE 2014

MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO UNIVERSIDADE FEDERAL DA INTEGRAÇÃO LATINO-AMERICANA RESOLUÇÃO N 008/2014 DE 30 DE ABRIL DE 2014 RESOLUÇÃO N 008/2014 DE 30 DE ABRIL DE 2014 Normatiza os procedimentos para concessão de afastamentos para capacitação de servidores docentes da Universidade Federal da Integração Latino-Americana - UNILA.

Leia mais

INCUBADORA TECNOLÓGICA DE SANTO ANDRÉ - INCTEC-SA CONSULTORIA EM PLANEJAMENTO ESTRATÉGICO TERMO DE REFERÊNCIA Nº 05/2012

INCUBADORA TECNOLÓGICA DE SANTO ANDRÉ - INCTEC-SA CONSULTORIA EM PLANEJAMENTO ESTRATÉGICO TERMO DE REFERÊNCIA Nº 05/2012 INCUBADORA TECNOLÓGICA DE SANTO ANDRÉ - INCTEC-SA CONSULTORIA EM PLANEJAMENTO ESTRATÉGICO TERMO DE REFERÊNCIA Nº 05/2012 Contatos Luiz Augusto Gonçalves de Almeida (Coord. de Relações Institucionais) Fone:

Leia mais

CENTRO UNIVERSITÁRIO UNIVATES

CENTRO UNIVERSITÁRIO UNIVATES CENTRO UNIVERSITÁRIO UNIVATES REGULAMENTO DE ESTÁGIO CURRICULAR NÃO OBRIGATÓRIO CURSO DE ADMINISTRAÇÃO, BACHARELADO Administração LFE em Administração de Empresas Administração LFE em Análise de Sistemas

Leia mais

PORTARIA PGR Nº 198 DE 15 DE ABRIL DE 2011. Regulamenta o Programa de Treinamento, Desenvolvimento e Educação do Ministério Público da União.

PORTARIA PGR Nº 198 DE 15 DE ABRIL DE 2011. Regulamenta o Programa de Treinamento, Desenvolvimento e Educação do Ministério Público da União. PORTARIA PGR Nº 198 DE 15 DE ABRIL DE 2011 Regulamenta o Programa de Treinamento, Desenvolvimento e Educação do Ministério Público da União. O PROCURADOR-GERAL DA REPÚBLICA, no uso de suas atribuições,

Leia mais

Regimento Interno da Associação Terceira Via

Regimento Interno da Associação Terceira Via Regimento Interno da Associação Terceira Via A DIRETORIA EXECUTIVA da Associação Terceira Via, usando das atribuições legais que lhe são conferidas no artigo 5 e artigo 28, incisos VII e IX, do seu Estatuto

Leia mais

PORTARIA SMS Nº 001/2013. A Secretária de Saúde do município de Salgueiro, no uso de suas atribuições legais:

PORTARIA SMS Nº 001/2013. A Secretária de Saúde do município de Salgueiro, no uso de suas atribuições legais: PORTARIA SMS Nº 001/2013 EMENTA: Dispõe sobre o Programa de Qualificação Profissional, no âmbito da Secretaria Municipal de Saúde de Salgueiro, para todos os cargos previstos no ANEXO II da Lei Municipal

Leia mais

PROJETO RODADA DE NEGÓCIOS

PROJETO RODADA DE NEGÓCIOS PROJETO RODADA DE NEGÓCIOS 10 SETEMBRO DE 2013 SUMÁRIO 1. CONCEITO DE RODADA DE NEGÓCIOS 2. OBJETIVO 3. ATORES 4. MODELO E MECÂNICA 5. SEGMENTOS TURÍSTICOS SUGERIDOS 6. ESTRUTURA E RESPONSABILIDADES 7.

Leia mais

EDITAL DE CHAMADA PÚBLICA DE PROJETOS SEPPIR/Nº 001/2008

EDITAL DE CHAMADA PÚBLICA DE PROJETOS SEPPIR/Nº 001/2008 Presidência da República Secretaria Especial de Políticas de Promoção da Igualdade Racial Subsecretaria de Políticas para Comunidades Tradicionais EDITAL DE CHAMADA PÚBLICA DE PROJETOS SEPPIR/Nº 001/2008

Leia mais

ANO 2015. Atenção: Procedimentos para o envio do seu projeto ao SEBRAE:

ANO 2015. Atenção: Procedimentos para o envio do seu projeto ao SEBRAE: Serviço Brasileiro de Apoio às Micro e Pequenas Empresas Pág. 1 de 10 ANO 2015 Atenção: Procedimentos para o envio do seu projeto ao SEBRAE: 1. A solicitação de patrocinio ao SEBRAE deve ser realizada

Leia mais

I - Proposto: pessoa que viaja e presta contas da viagem realizada;

I - Proposto: pessoa que viaja e presta contas da viagem realizada; 1 PORTARIA MEC 403/2009 MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO GABINETE DO MINISTRO PORTARIA Nº 403, DE 23 DE ABRIL DE 2009 Dispõe sobre a solicitação, autorização, concessão e prestação de contas de diárias, passagens

Leia mais

Gerenciamento de Projetos

Gerenciamento de Projetos Gerenciamento de Projetos PMI, PMP e PMBOK PMI (Project Management Institute) Estabelecido em 1969 e sediado na Filadélfia, Pensilvânia EUA, o PMI é a principal associação mundial, sem fins lucrativos,

Leia mais

CONCURSO Nº: 001/2015 PROCESSO Nº: E-11/002/2318/2015 MINUTA DE EDITAL PRÊMIO EMPREENDEDOR 2015

CONCURSO Nº: 001/2015 PROCESSO Nº: E-11/002/2318/2015 MINUTA DE EDITAL PRÊMIO EMPREENDEDOR 2015 GOVERNO DO ESTADO DO RIO DE JANEIRO SECRETARIA DE ESTADO DE DESENVOLVIMENTO ECONÔMICO, ENERGIA, INDÚSTRIA E SERVIÇOS. AGÊNCIA DE FOMENTO DO ESTADO DO RIO DE JANEIRO S.A. CONCURSO Nº: 001/2015 PROCESSO

Leia mais

A PREFEITA DO MUNICÍPIO DE CONTAGEM

A PREFEITA DO MUNICÍPIO DE CONTAGEM DECRETO nº 1098, de 12 de fevereiro de 2009 Dispõe sobre alocação, denominação e atribuições dos órgãos que compõem a estrutura organizacional do Gabinete da Prefeita e dá outras providências. A PREFEITA

Leia mais

-0> INSTRUÇÃO NORMATIVA Nº 65, DE 30 DE OUTUBRO DE 2012.

-0> INSTRUÇÃO NORMATIVA Nº 65, DE 30 DE OUTUBRO DE 2012. -0> INSTRUÇÃO NORMATIVA Nº 65, DE 30 DE OUTUBRO DE 2012. Dispõe sobre os critérios e os procedimentos para promoção, organização e participação da ANAC em eventos internos e externos. A DIRETORIA DA AGÊNCIA

Leia mais

Programa Pará: Trabalho e Empreendedorismo da Mulher. - Assistente Técnico Local -

Programa Pará: Trabalho e Empreendedorismo da Mulher. - Assistente Técnico Local - Programa Pará: Trabalho e Empreendedorismo da Mulher - Assistente Técnico Local - No âmbito do Programa Pará - Trabalho e Empreendedorismo da Mulher, conveniado com a Secretaria Especial de Políticas para

Leia mais

PROGRAMA DE PATROCÍNIO DA COSERN

PROGRAMA DE PATROCÍNIO DA COSERN PROGRAMA DE PATROCÍNIO DA COSERN Resumo das diretrizes e critérios da COSERN/ Grupo Neoenergia para patrocínios a projetos socioculturais e ambientais. Guia Básico do Proponente 1 Índice Introdução 2 1.

Leia mais

CAPÍTULO I DA IDENTIFICAÇÃO

CAPÍTULO I DA IDENTIFICAÇÃO CAPÍTULO I DA IDENTIFICAÇÃO Art. 1º O Laboratório de Línguas é um órgão complementar de fomento ao ensino, pesquisa, extensão, e prestação de serviços vinculado ao Centro de Letras e Ciências Humanas sob

Leia mais

GERAÇÃO DE EMPREGO E RENDA NA ECONOMIA NACIONAL. Mapa de oportunidades para Agências de Viagens

GERAÇÃO DE EMPREGO E RENDA NA ECONOMIA NACIONAL. Mapa de oportunidades para Agências de Viagens GERAÇÃO DE EMPREGO E RENDA NA ECONOMIA NACIONAL Mapa de oportunidades para Agências de Viagens O que é ABAV? Entidade empresarial, sem fins lucrativos, que representa as Agências de Viagens espalhadas

Leia mais

PROJETO SETORIAL DO POLO DE TI&C DE SÃO CAETANO DO SUL E REGIÃO TERMO DE REFERÊNCIA

PROJETO SETORIAL DO POLO DE TI&C DE SÃO CAETANO DO SUL E REGIÃO TERMO DE REFERÊNCIA PROJETO SETORIAL DO POLO DE TI&C DE SÃO CAETANO DO SUL E REGIÃO TERMO DE REFERÊNCIA Prestação de Serviços em Assessoria, Consultoria e Treinamento na área de Recursos Humanos. 1. OBJETIVO Os objetivos

Leia mais

Questionário de Governança de TI 2014

Questionário de Governança de TI 2014 Questionário de Governança de TI 2014 De acordo com o Referencial Básico de Governança do Tribunal de Contas da União, a governança no setor público compreende essencialmente os mecanismos de liderança,

Leia mais

Cód. Ref.: SOFT/EDL039/2012 2ª Chamada Consultoria Especializada PSVs. Campinas, 21 de dezembro de 2012.

Cód. Ref.: SOFT/EDL039/2012 2ª Chamada Consultoria Especializada PSVs. Campinas, 21 de dezembro de 2012. Cód. Ref.: SOFT/EDL039/2012 2ª Chamada Consultoria Especializada PSVs Campinas, 21 de dezembro de 2012. 2º CHAMADA EDITAL DE SELEÇÃO DE CONSULTORIA ESPECIALIZADA PARA APOIO À OPERAÇÃO DOS PORTFÓLIOS DE

Leia mais

DIRETRIZES DO FUNCIONAMENTO DO MOVIMENTO NACIONAL PELA CIDADANIA E SOLIDARIEDADE/NÓS PODEMOS. (aprovada em 2010 e 1ª revisão em agosto de 2012)

DIRETRIZES DO FUNCIONAMENTO DO MOVIMENTO NACIONAL PELA CIDADANIA E SOLIDARIEDADE/NÓS PODEMOS. (aprovada em 2010 e 1ª revisão em agosto de 2012) DIRETRIZES DO FUNCIONAMENTO DO MOVIMENTO NACIONAL PELA CIDADANIA E SOLIDARIEDADE/NÓS PODEMOS (aprovada em 2010 e 1ª revisão em agosto de 2012) Artigo 1º O Movimento Nacional pela Cidadania e Solidariedade/Nós

Leia mais

CONSELHO NACIONAL DE JUSTIÇA RESOLUÇÃO Nº 99, DE 24 DE NOVEMBRO DE 2009

CONSELHO NACIONAL DE JUSTIÇA RESOLUÇÃO Nº 99, DE 24 DE NOVEMBRO DE 2009 CONSELHO NACIONAL DE JUSTIÇA RESOLUÇÃO Nº 99, DE 24 DE NOVEMBRO DE 2009 Institui o Planejamento Estratégico de Tecnologia da Informação e Comunicação no âmbito do Poder Judiciário. O PRESIDENTE DO CONSELHO

Leia mais

PES. 01 TREINAMENTO E INTEGRAÇÃO

PES. 01 TREINAMENTO E INTEGRAÇÃO 1 de 21 6 TREINAMENTO E INTEGRAÇÃO MACROPROCESSO GESTÃO DE PESSOAS PROCESSO TREINAMENTO E INTEGRAÇÃO TREINAMENTO E INTEGRAÇÃO 1. OBJETIVO... 2 2. ABRANGÊNCIA... 2 3. DOCUMENTOS RELACIONADOS... 2 4. PROCEDIMENTOS...

Leia mais