CALANGOS Game Design Document

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "CALANGOS 2013. Game Design Document"

Transcrição

1 CALANGOS 21 Game Design Document Versão.4 janeiro de 214 Por Almiro Carvalho Junior Equipe: Almiro, Diego e Emanuel Coordenação: Leandro Nunes de Castro LcoN Universidade Presbiteriana Mackenzie Copyright (c) 21 LcoN Universidade Presbiteriana Mackenzie Todos os Direitos Reservados

2 ÍNDICE 1. Histórico de Alterações 2. Introdução. Características 4. Gênero. Público e Plataforma Alvo 6. Fluxo do Simulador 7. Estilo Visual 8. Escopo do Simulador 9. Jogabilidade 9.1 Progressão do Simulador 9.2 Objetivos e Desafios 1.Mecânica 1.1 Terreno e Vegetação 1.2 Escala de Tempo, Calendário e Ciclo Circadiano 1. Clima 1.4 Nutrientes e Alimentação dos Lagartos 1. Lagarto Controlado pelo aluno (PC) 1..1 Movimentação e Posicionamento 1..2 Fisiologia 1.. Alimentação 1..4 Reprodução 1.. Disputa por Território e Recursos 1..6 Visão do aluno 1.6 Lagarto Controlado pelo Computador (NPC) Movimentação e Posicionamento Fisiologia 1.6. Alimentação Reprodução 1.6. Disputa por Território e Recursos Visão do aluno

3 1.6.7 Configuração Predadores Fase 2 Fase Fase 4 Modelos 11.1 Terreno e Vegetação 11.2 Escala de Tempo, Calendário e Ciclo Circadiano 11. Clima 11.4 Nutrientes 11. Fisiologia dos Lagartos Lagarto Controlado pelo Computador (NPC) Perda de Hidratação por Baixa Humidade do Ar Ganho de Hidratação por consumo de Nutrientes Gasto Basal Gasto por Diferencial de Temperatura Gasto por Movimentação Ganho de Energia por consumo de Nutrientes Perda por Desidratação Idade Gráficos Parametrização Inteligência Artificial Parametrização Predadores Inteligência Artificial Parametrização 11.8 Reprodução 11.9 Presets 11.1 População Inicial de Lagartos Interface Gráfica do Usuário Inicialização Fase 1 Fase 2 Fase

4 1. Histórico de Alterações Data Versão 1/12/1 Beta.4 Alterações Correções de erros de reinicialização e modificação do multiplicador do tempo de perseguição dos predadores. 1/1/1 Beta.2.1 Correções, nova direção de arte da interface do usuário Gerador de Gráficos 7/1/1 Beta.2. Correções do gerador Gráfico, inclusão de estatísticas e da funcionalidade de exportação para arquivo texto 8/9/1 Beta.1. Compilação com a versão 4.2 da Unity, correções do gerador de gráficos e controle do Calendário /8/1 Beta 4..2 Balanceamento, correção de erros, verificação do sistema de geração e reprosição de nutrientes. Modificação da mecânica de controle da fronteira. Correção da densidade de plantas no mapa. 24/7/1 Beta 4..1 Tutorial, Balanceamento, correção de erros, verificação do sistema de geração e reprosição de nutrientes (parcial). 17/7/1 Beta 4.2 Aceleração do Ciclo Circadiano na Fase 1 e ajustes da representação visual. Verificação do Gerenciador de Predadores 16/7/1 Beta 4.2 Atualização das animações e ajustes de parametrização dos Predadores. Correções do visual da cena em função da hora. 14/7/1 Beta 4.1 Revisão do mecanismo de reprodução e IA, correções, balanceamento, gravação e recuperação local dos dados do PC. Encapsulamento de gravação de variáveis. Pintura do Terrain e vegetação (densidade). 9/7/1 Beta 4. Reprodução nas Fases 1 e. Gerador de Gráficos. Aceleração da Simulação. 1/6/1 Beta. Sistema de Presets 22//1 Beta 2.1 Melhor Integração da Fase 2. Reposição de Nutrientes 7//1 Beta 2. Habilitação da Fase 2 7//1 Beta 1.4 Melhoria na IA dos Agentes. Melhoria na animação dos Lagartos. Opção de Keybinding WAD 1//1 Beta 1. Melhorias na IA dos Agentes, criação do sistema de Presets /4/1 Beta 1.2 Melhorias na interface, melhoria nos Lightmaps do Terreno. Melhorias no balanceamento da IA dos Agentes. Novo Terreno, novas Plantas, melhorias na ulação do Ciclo Circadiano 2/4/1 Beta 1.1 Melhorias nos algorítmos de IA. Melhorias na apresentação dos dados detalhados de um Lagarto selecionado na Fase. Alteração do sentido do Zoom na Interface da Fase 21/4/1 Beta 1.1 Alterado método de distribuição de NPCs e Predadores de forma que sejam posicionados ao redor do PC (Fases 1 e 2), dentro de um raio parametrizado. Nas Fases e 4 serão distribuidos ao redor do centro do terreno. Implementado controle dos limites do terreno para os Agentes.

5 Criado retardo do início do processamento da IA dos Predadores, para que Predadores próximos do PC no início não ataquem imediatamente. 1/4/1 Beta 1. Melhoria no mecanismo de controle do movimento do Lagarto PC. Disponiblização para testes e validação. 2. Introdução O ulador Calangos é um aplicativo interativo D desenvolvido como objetivo auxiliar o processo de ensino de conceitos de biologia, ecologia e evolução para alunos dos níveis fundamental e médio. A temática do aplicativo está relacionada ao ecossistema da região das dunas do Rio São Francisco, no nordeste brasileiro. Os principais elementos desse ecossistema considerados são: A vegetação e o clima característicos, flores e frutos gerados pelas plantas, os lagartos que vivem na região (também conhecidos como calangos), suas presas e predadores típicos.. Características Como será descrito adiante, o aplicativo possui um perfil híbrido uladorulador e ótima capacidade de parametrização pelo usuário, que facilitam a sua integração com o processo educacional tradicional. Além disso foi construído sobre a ferramenta UnityD, uma plataforma de uladors D altamente capaz e popular, que possibilita um excelente nível de imersão do usuário, adaptação para diversas plataformas e dispositivos, bem como incorporação de novas funcionalidades ou melhorias a um custo relativamente baixo. O desafio padrão do aluno é assumir o papel de um ou mais lagartos, sobreviver às pressões do ecossistema ulado pelo maior tempo possível e tentar se reproduzir o maior número de vezes possível. Essa experiência lúdica apresentará ao aluno alguns conceitos fundamentais de biologia e agirá como motivador do processo de aprendizado das aulas formais. Esse processo exploratório pode ocorrer em vários cenários, que correspondem a diferentes configurações de Parâmetros do aplicativo, como forma de focar e reforçar o aprendizado de conceitos específicos apresentados. Por exemplo, a modificação do Parâmetro que afeta a velocidade dos Predadores tem impacto direto sobre a dinâmica PresaPredador, afeta a importância da camuflagem da vegetação e a dificuldade de sobrevivência dos lagartos. Para facilitar a segmentação do processo de aprendizado, o aplicativo foi dividido em 4 partes, ou Fases: Fase 1 Na primeira fase, o aluno assume o papel de 1 lagarto (PC) e deve, para sobreviver, procurar Nutrientes, fugir de Predadores e administrar os principais parâmetros da sua fisiologia:

6 Energia e Hidratação. Além disso, o PC terá a possibilidade de se reproduzir, que também pode ser considerado como medida de desempenho do aluno. Simultaneamente, lagartos controlados pelo computador (NPC) também tentam sobreviver, são submetidos às mesmas regras e competem pelos mesmos recursos que o PC. Fase 2 Em seguida, o aluno tem a oportunidade de criar um lagarto diferente, de forma controlada, aplicando os conhecimentos que adquiriu na Fase 1, com o objetivo de tornálo mais apto a sobreviver diante dos mesmos obstáculos da Fase 1. Fase Nesta fase, a experiência é transportada do nível de 1 indivíduo para o nível de uma população. Os objetivos e desafios continuam os mesmos e o aluno terá à disposição uma ferramenta gráfica para acompanhamento de diversas estatísticas geradas pelo aplicativo como, por exemplo, número de ataques bem sucedidos de Predadores. Estas estatíscias podem ainda ser exportadas para um arquivo texto, para análise posterior através de outras ferramentas. Fase 4 No momento, a progressão do tempo do Calangos não pode ser rápida o bastante (limitação de recursos computacionais) para possibilitar o estudo de fenômenos evolutivos. Por esse motivo, funcionalidades fundamentais do processo evolutivo como, por exemplo, mutação e seleção natural, ainda não foram implementadas nesta versão. As, a Fase 4 é apresentada através de um ulador desenvolvido em separado e desvinculado do Calangos e da ferramenta Unity. Nela foram incorporados conceitos de reprodução e escala de tempo evolutivo e o aluno estudará a evolução da população inicial de lagartos ao longo de centenas de gerações, considerando diversos cenários, ou níveis de dificuldade do ecossistema. As Fases 1 e 2 ocorrem em um cenário virtual D, criado com o objetivo de aumentar a imersão do aluno e facilitar a captação, pela experiência, dos conceitos de biologia estudados. As Fases e 4 ocorrem através de uma interface gráfica icônica 2D, carregada de recursos informativos, mais adequados à observação das dinâmicas dos grupos e a geração de um número grande de informações. Vale ressaltar que os modelos computacionais aplicados às Fases 1 e são exatamente os mesmos. A diferença está basicamente na presença ou não do lagarto controlado pelo aluno (PC) e na interface do usuário. As, na Fase 1, o PC pode ter contato com apenas alguns lagartos e Predadores, mas pode existir uma centena de agentes espalhados pelo cenário atuando ultaneamente sobre as condições ambientais que, indiretamente, afetarão a capacidade de sobrevivência do PC.

7 4. Gênero Calangos é um aplicativo híbrido uladorulador virtual D, em tempo real, de um ecosistema específico e visão em terceira pessoa.. Público e Plataforma Alvo O Calangos destinase a professores e alunos dos ensinos fundamental e médio. Foi implementado para a plataforma Windows PC e móvel (especialmente tablets). 6. Fluxo do ulador Conforme descrito anteriormente, o aluno experimenta o ulador passando pelas suas 4 fases. Antes do início de cada fase, o usuário (preferencialmente o professor) poderá configurar diversos parâmetros que têm grande influência sobre o resultado da ulação como, por exemplo, as dimensões da área que restringe a movimentação dos agentes. Na Fase 1, o lagarto controlado pelo aluno (PC) possui movimentação livre pelo ambiente virtual, dentro dos limites geográficos impostos pelo cenário. O PC sofrerá influência das condições climáticas, terá necessidade de alimentarse e poderá ser caçado por predadores. Poderá também tentar se reproduzir com outros lagartos. O ulador pode ocorrer em uma escala de tempo real ou acelerada e termina com a morte do lagarto ou após a conclusão de algum objetivo estabelecido pelo professor. Na Fase 2, uma interface permite ao aluno modificar diversos atributos do lagarto como, por exemplo: Tamanho do corpo, velocidade e preferência alimentar. Em seguida o aluno passa pela mesma experiência da Fase 1, com este lagarto personalizado. Na Fase, o aluno passa a observar grupo de lagartos, que competem no ecosistema, sob as mesmas regras da Fase 1. A escala de tempo pode ser acelerada e o aluno dispôe de uma ferramenta gráfica para acompanhar a evolução de diversas estatísticas úteis para o estudo do desempenho do grupo e dos fatores que afetam o seu sucesso, tais como: Idade média dos lagartos, quantidade de energia consumida, quantidade de energia gerada no ambiente, etc. A visão do ulador fica restrita a uma visão geral top down, com opção de zoom. Além disso, o aluno pode conhecer detalhes de um determinado lagarto, predador ou planta, selecionandoo no mapa. O ulador termina automaticamente quando todos os indivíduos do grupo morrerem. No momento a postura do aluno na Fase é passiva pois não foram definidos mecanismos que permitissem a sua intervenção sobre a ulação. A Fase 4 foi desenvolvida em uma outra ferramenta, em separado da Unity, por representar um conceito de ulação e implementação de modelos computacionais completamente

8 diferentes. Nela a escala de tempo foi acelerada para uma escala evolutiva, para que o aluno possa observar a ulação de centenas de gerações de lagartos. A interface apresentada é icônica, ilar à da Fase, e é carregada de informações quantitativas. Tal como a Fase, a postura do aluno é totalmente passiva e o seu objetivo é observar os conceitos evolutivos que foram/serão estudados em sala de aula. Cada fase, com exceção da Fase 4, pode ser acessada diretamente do Menu Principal, que também possui uma opção para Configurações do ulador como: idioma, definição das teclas usadas na movimentação do lagarto PC na Fase 1, se o ulador deverá ou não exportar as estatísticas geradas para um arquivo texto, etc. 7. Estilo Visual A Fase 1 apresenta um cenário virtual D criado com o objetivo de promover a imersão do aluno, uma vez que precisará usar a sua observação para identificar os perigos e oportunidades disponíveis ao redor do lagarto PC. Uma interface gráfica 2D (HUD) complementa a visão do aluno, oferecendo informações quantitativas e qualitativas a respeito do clima, do lagarto PC, de outros agentes e da ulação como um todo. A Fase 2 apresenta uma interface gráfica 2D que permite ao aluno modificar diversos parâmetros do lagarto padrão. A Fase apresenta uma interface gráfica 2D ilar a um painel de controle, com uma vista top down do mapa e uma representação icônica dos lagartos, predadores, plantas e nutrientes. Há ainda uma ferramenta para apresentação de gráficos de curvas de várias estatísticas calculadas e armazenadas pelo ulador e um conjunto de painéis que oferecem informações adicionais sobre alguns elementos, como Plantas e Predadores. 8. Escopo do Simulador As Fases 1, 2 e atuais do ulador Calangos se utilizam de um único cenário virtual, com a mesma topografia e distribuição de plantas. Para promover a variação geográfica, foi implementado um recurso de Fronteira da Simulação, que corresponde a uma subregião da área total disponivel, e restringe o movimento dos agentes. A cada sessão de ulação, as Fronteira é definida em uma posição aleatória do mapa, de modo que a topografia do terreno e a distribuição da vegetação nunca serão exatamente as mesmas. A Fronteira é apresentada como uma faixa vermelha pintada sobre o chão do cenário. Quando um agente se aproxima da Fronteira, ele é imediatamente transportado para uma posição aleatória dentro dela. Dessa forma, é interessante que os alunos recebam um alerta antes da sessão de ulação para que evitem se aproximar da faixa de Fronteira.

9 Cada sessão de ulação pode conter de dezenas a centenas de lagartos e predadores. Existem 6 tipos de predadores disponíveis, cada um com um conjunto de parâmetros específico: colubridae (cobra), jararaca (cobra), teiu (lagarto), raposa, gato e siriema. Existe apenas 1 lagarto PC e uma variedade infinita de lagartos NPCs, uma vez que os seus diversos parâmetros são estabelecidos aleatoriamente para cada indivíduo, dentro de limites préestabelecidos. O calendário (controle de hora, dia, mês e ano) é inicializado em um momento aleatório, o que afeta a inicialização de parâmetros da vegetação, tais como: folhagem e disponibilidade de nutrientes. Isso contribui para a variação de cada cenário de ulação e aumento do escopo do ulador. 9. Jogabilidade 9.1 Progressão do Simulador Cada sessão de ulador é praticamente independente, isto é, a parametrização do ulador é reinicializada a cada partida. No entanto, algumas estatísticas avaliadas na Fase são armazenados entre as sessões, para promover a sensação de progresso do aluno, suportar um processo de aprendizado que pode durar várias sessões e proporcionar um ambiente competitivo saudável entre os alunos: Número total de dias que o PC sobreviveu. Número total de vezes que o PC se reproduziu. Nome do usuário Data da sessão de ulação Em cada partida, o ulador progride conforme a sua escala de tempo. Na Fase 1, a escala de tempo é mas lenta e proporciona ao aluno uma sensação de passagem do dia mais suave, enquanto oferece a possibilidade do aluno passar por vários dias dentro de um período de tempo real razoável. A passagem do tempo na Fase é mais rápida e pode chegar a vários dias virtuais por minuto real. Na Fase 4, a progressão da ulação ocorre em uma escala de tempo superior a da Fase. Em cada uma das fases, a expectativa de vida dos lagartos é respeitada. Os predadores não possuem expectativa de vida e podem permanecer no ulador indefinidamente. 9.2 Objetivos e Desafios

10 Na Fase 1, a menos que um objetivo específico tenha sido estabelecido pelo educador, o objetivo do aluno é basicamente manter o seu lagarto vivo durante toda a sessão de ulador e procurar se reproduzir o maior número de vezes. Os fatores que dificultarão essa tarefa são: As condições climáticas, que poderão impor uma perda de energia e hidratação do lagarto maior ou menor, dependendo dos seus parâmetros fisiológicos. A ação de predadores, que reduzem a energia dos lagartos a cada ataque bem sucedido. A competição dos lagartos NPCs, que consomem os nutrientes disponíveis no ambiente. Na Fase 2, o desafio do aluno será criar um lagarto mais apto à sobrevivência, através da modificação de parâmetros como: temperatura ideal, tamanho do corpo, etc. Na Fase, o objetivo será observar um grupo de lagartos, onde cada indivíduo possui as mesmas necessidades do lagarto PC, e compreender os fatores que determinaram o sucesso ou fracasso da população de lagartos. Na Fase 4, o objetivo do aluno também será o de observar a ulação de uma população de lagartos, desta vez em uma escala de tempo evolutivo, e identificar os fenômenos evolutivos que poderão surgir. As Fases 1 e possuem controle de Nível de Dificuldade, através da seleção ou construção de Presets. Presets são conjuntos de parâmetros que influenciam a dinâmica do ulador e alteram os tipos e os níveis de dificuldade dos desafios apresentados ao aluno. No início da fase, o aluno pode selecionar 1 dentre Presets préconfigurados nos níveis de dificuldade Fácil, Balanceado e Difícil, ou pode modificar qualquer um dos parâmetros, dentro de limites. Um Preset configurado vale somente para a seção de ulação atual, pois os Presets não são gravados. O objetivo deste recurso é facilitar a familiarização do usuário com os parâmetros que regulam os modelos computacionais internos e permitir a sua alteração consciente, sem a necessidade de compreender em detalhe como eles funcionam. 1. Mecânica Antes do estudo das mecânicas implementadas, recomendase a familiarização com as telas e interfaces do jogo, apresentadas no item Terreno e Vegetação O terreno desta versão do Calangos possui topologia e aperência (textura) fixos. A vegetação sobre o terreno também possui distribuição fixa. Porém, algumas características

11 de cada planta são determinadas aleatoriamente no início da ulação, mesmo que essas características não sejam visíveis para o aluno (ex: presença ou não de folhagem). Além disso, a aparência do terreno muda em função da iluminação atual (hora do dia). Todos os agentes se movem sobre o terreno (a coruja seria a exceção, mas ela não foi implementada). Apesar das plantas representarem uma obstrução visual para o aluno, elas não representam um obstáculo real, isto é, os agentes do ulador (Lagartos e Predadores) se movem livremente pela superfície do terreno, através da vegetação. As plantas oferecem sombra para os lagartos, que tem impacto sobre a temperatura do solo nas imediações da planta e também gera um Fator de Camuflagem, com impacto sobre as chances dos lagartos escaparem da detecção de Predadores. O terreno foi criado a partir do objeto Terrain da Unity e possui uma extensão finita de 14 x 14 unidades, que equivalem aproximadamente à 1,96 km2. As vegetação foi distribuida livremente por esta extensão, com densidades bem variadas. Apenas uma subárea quadrada do terreno, denominada Fronteira, é utilizada em cada sessão de ulação. Ela restringe o movimento de todos os agentes do ulador. Quando um agente tenta ultrapassar a Fronteira ele é imediatamente transportado para uma posição aleatória dentro dela. A posição da Fronteira é determinada aleatoriamente antes do início da ulação, a sua extensão é definida a partir das Configurações de Dificuldade (Preset) e é visualmente identificável por uma faixa vermelha projetada sobre o terreno. A visibilidade do terreno é limitada por questão de desempenho, isto é, o aluno não tem a visão plena até o horizonte e o ulador automaticamente esconde ou apresenta elementos do cenário conforme o aluno se aproxima ou se afasta deles. Os aluno deveriam ser alertados desse fato antes do início da sessão. Podem existir no máximo 9 Plantas diferentes no Terreno do Calangos. 1.2 Escala de Tempo, Calendário e Ciclo Circadiano A passagem do tempo ocorre ultaneamente de 2 formas independentes: A primeira referese ao Ciclo Circadiano, que representa a passagem das horas de cada dia e a segunda referese ao Calendário, que representa a cronologia até a escala anual. Cada uma dessas formas possui um controle e uma relação independente com a passagem de tempo real e podem ser alteradas antes do início de cada sessão de ulador, através da tela de configuração de Presets. Na Fase 1, as escalas de tempo padrão do Ciclo Circadiano e do Calendário são iguais a 4 minutos virtuais por minuto real (mv/mr).

12 Na Fase, a escala de tempo padrão do Ciclo Circadiano é igual a 9 mv/mr e a escala padrão do Calendário é 144 mv/mr. O Ciclo Circadiano afeta os parâmetros climáticos que, por sua vez, afetam a fisiologia dos lagartos e afetam a presença de Predadores (mas não o número de indivíduos), função do seu hábito de caça, diurno ou noturno. Além disso, o Ciclo Circadiano ula as condições de iluminação e imagem apresentada como esfera celeste em 4 momentos do dia: manhã, dia, tarde e noite. Durante a noite, as condições de visibilidade são bastantes reduzidas e representam uma dificuldade adicional para o aluno. Por padrão, a hora inicial do dia é determinada aleatoriamente, mas pode ser fixada através da tela de Presets. O Calendário afeta a cronologia do ulador, a fisiologia (incluindo envelhecimento) dos lagartos, a configuração das plantas, em termos de disponibilidade de nutrientes (flores e frutos) e presença ou não de folhagem (função do mês) e o controle da reposição de nutrientes no mapa. 1. Clima A cada hora virtual são atualizados 2 parâmetros climáticos: Umidade Relativa do Ar e a Temperatura do Ar. A partir da Temperatura do Ar é determinada a Temperaturado do Solo, que afeta exclusivamente a fisiologia dos lagartos. A ocorrência de chuva é representada visualmente por uma esfera celeste específica e pelo próprio particulado da chuva, que cai afrente do lagarto PC. A chuva também afeta a Umidade Relativa do Ar, elevandoa para 1%. 1.4 Nutrientes e Alimentação dos Lagartos Os recursos alimentares disponíveis no ulador estão distribuídos na forma de Presas (insetos), Flores e Frutos. Eles podem estar presentes apenas em locais onde existe vegetação. Nesta versão do Calangos os Insetos são imóveis. Apesar da vegetação estar visualmente distribuída de forma contínua sobre o terreno, o armazenamento interno das informações sobre os nutrientes é feito de forma setorizada, através de uma grade de 26 x 26 setores cobrindo a área de 1,96 km2 do mapa. As, cada setor representa aproximadamente um quadrado de, x, metros. Como cada setor pode conter mais de uma planta, até de tipos diferentes, foi feito um trabalho de préprocessamento do terreno, já com a vegetação posicionada, de forma a identificar o tipo de planta predominante em cada setor do mapa. Para todos os efeitos da ulação, é como se cada setor fosse ocupado por apenas 1 tipo de planta, apesar de, visualmente, isso não ser verdade.

13 Os Nutrintes são inicializados de forma aleatória e armazenados em memória, para todas as Plantas do cenário. Porém, para limitar o consumo de memória, apenas os Nutrientes presentes no Setor onde o PC se encontra são criados visualmente no mundo virtual (instâncias). Tanto o PC quanto os NPCs competem pelos mesmos recursos. Porém, o PC é capaz de consumir apenas os nutrientes instanciados. Os NPCs não possuem esta restrição e são capazes de consumir nutrientes da memória do ulador. Apesar disso, quando NPCs estão no mesmo setor do PC, eles procurarão por Nutrientes instanciados, efetivamente competindo com o PC pelos recursos do Setor. Cada planta define uma periodicidade de safra, em que os nutrientes consumidos são repostos, de acordo com o Calendário. A frequência de reposição dos Nutrientes é fator determinante do equilíbrio do ulador e foi estabelecida, por padrão, com o objetivo de proporcionar um cenário equilibrado. Cada nutriente consumido oferece uma quantidade máxima de Energia e Hidratação para o Lagarto. O percentual de Energia e Hidratação que é efetivamente absorvido depende de um parâmetro do lagarto chamado Dieta. A Dieta é um conjunto de percentuais determinados aleatoriamente para todos os lagartos (incluindo o PC) e distribuído entre Flores, Frutos e Presas, com soma total igual a 1%. As, se o PC tiver uma Dieta de % de Frutos e consumir um Fruto com nutrição máxima de 1 pontos de Energia e 1 pontos de Hidratação, absorverá apenas pontos de cada. No momento, os algorítmos de Inteligência Artificial dos lagartos não consideram a Dieta, isto é, os lagartos não procuram preferencialmente os nutrientes mais favoráveis de acordo com a sua Dieta. Quando a Energia ou a Hidratação de um lagarto chegar a zero, o lagarto morre. 1. Lagarto Controlado pelo aluno (PC) O PC é o lagarto controlado pelo aluno (exclusivamente na Fase 1) Movimentação e Posicionamento O PC pode realizar apenas os movimentos de translação à frente e rotação. A posição vertical é determinada em função da topologia do terreno (se move exclusivamente sobre a sua superfície). Por questões de desempenho, a orientação do PC é sempre horizontal, isto é, ele não se alinha à inclinação do terreno. Na versão Windows, o movimento de translação é feito com a seta para cima ou com a tecla W. O movimento de rotação é feito através das setas para esquerda e para a direita ou as teclas A e D. Na versão Mobile, esses movimentos são realizados por um controle específico na tela touchscreen. O lagarto não se move para trás. Durante a uação, o PC se move com uma velocidade normal, mas o aluno tem a opção de dobrar essa velocidade para fugir de Predadores usando o botão esquerdo do mouse, na

14 versão Windows ou um controle específico na tela touchscreen da versão Mobile. A velocidade de rotação é fixa. O uso dessa aceleração aumenta bastante a taxa de consumo de Energia do lagarto. O PC ignora a presença, como obstáculos, de Plantas e de outros agentes, isto é, ele pode se mover livremente através desses elementos Fisiologia A controle da fisiologia do PC considera os parâmetros Idade, Energia, Hidratação e Temperatura Interna. Estes variam continuamente em função das condições climáticas e ambientais, da situação nutricional e do estado de movimentação do lagarto. Ataques bem sucedidos de Predadores também reduzem a Energia do lagarto de uma quantidade fixa, por Predador. Quando a energia chega a zero, o lagarto morre e a ulação termina. Os lagartos envelhecem com o passar do tempo, conforme o Calendário, e morrem quando atingirem sua expectativa de vida. 1.. Alimentação A alimentação do PC com nutrientes é feita automaticamente a partir do contato com o objeto D do nutriente no ambiente virtual. O consumo é imediato. Vale ressaltar que o PC apenas consumirá o nutriente se estiver andando e não correndo. Cada nutriente fornece uma quantidade máxima de Energia e/ou Hidratação, regulada pela Dieta do lagarto, que determina, para os tipos de nutrientes (Presas, Flores e Frutos), o percentual de Energia e Hidratação efetivamente absorvidos Reprodução O lagarto PC (sempre macho) pode se reproduzir na Fase 1. Cada lagarto fêmea fica disponível para reprodução sempre que não estiver em gestação e possui uma duração limitada em que fica disponível para reprodução, chamada de Sessão de Reprodução. Nesta versão do Calangos, não foi implementada a transferência de material genético do pai e da mãe e também não foi implementado o mecanismo de mutação. Para se reproduzir, o PC precisa se aproximar de um lagarto fêmea durante uma Sessão de Reprodução, que é representada visualmente de forma específica, e pressionar a Barra de Espaço, na versão Windows (ou controle específico na tela touchscreen da versão Mobile). A tentativa de reprodução pode ser bem sucedida ou não, dependendo do Nível de Aptidão do lagarto, comparado com os demais lagartos macho que estiverem próximos, também tentando se reproduzir. O Nível de Aptidão é determinado como a soma da Energia e Hidratação atuais do lagarto e quem possuir o maior nível será o selecionado para reprodução. Se a reprodução for bem sucedida, a fêmea entrará em gestão, que resultará na geração de um novo lagarto, clone do pai ou da mãe. Durante a gestação, a fêma não inicia nenhuma

15 Sessão de Reprodução. Os lagartos filhote nascem com uma idade já próxima da idade mínima de reprodução. 1.. Disputa por Território e Recursos O PC e os NPCs disputam pelos mesmos recursos. Como mencionado anteriormente, o PC pode consumir apenas nutrientes que estiverem instanciados na cena, como objetos. Não foi implementado nenhum comportamento de disputa por território Visão do aluno A câmera do ulador (visão do aluno) acompanha o lagarto a uma distância fixa e fica, normalmente, posicionada atrás e no alto (visão em terceira pessoa). Porém, o aluno pode, na versão Windows, utilizar o Mouse para rotacionar a câmera 6 graus ao redor do PC e também variar sua elevação. Na versão Mobile este recurso não está disponível. 1.6 Lagarto Controlado pelo Computador (NPC) Movimentação e Posicionamento Idêntica ao lagarto PC, com exceção de que o seu comportamento é controlado por uma Máquina de Estados Finitos (Inteligência Artificial) e o aluno nunca controla um NPC. Os NPCs também são submetidos à área delimitada pela Fronteira Fisiologia Idêntica a do lagarto PC Alimentação Similar ao do lagarto PC, com a diferença de que o NPC não precisa que o Nutriente esteja instanciado no mundo virtual. O NPC consome o Nutriente diretamente da memória, correspondente ao Setor em que se encontra ou a sua instância, se ela existir Reprodução NPCs que estiverem próximos de uma fêmea com uma Sessão de Reprodução ativa irão parar e se candidatar para a reprodução. Ao final da Sessão, os Níveis de Aptidão dos NPCs são avaliados junto com o do PC para a determinação do vencedor. Uma Sessão de Reprodução pode ser interrompida pelo ataque de um Predador. Se transcorrer normalmente, a fêma entrará no período de gestação. Ao final do período, um novo Lagarto NPC será gerado como um clone do macho ou da fêmea e será colocado no mapa em um ponto aleatório.

16 A idade inicial dos filhotes é determinada da mesma forma que a da população inicial de lagartos: escolhese aleatoriamente uma idade ao redor da Idade Mínima de Reprodução do Lagarto Disputa por Território e Recursos Idem Visão do aluno Na Fase 1, o aluno apenas vê os NPCs se movimentar a câmera na respectiva direção. Na Fase, o aluno vê os NPCs de forma icônica na tela principal ou em terceira pessoa, quando abrir o Painel de Detalhe de um lagarto Configuração Os lagartos NPCs são configurados de maneira aleatória (dentro de limites), conforme são adicionados à ulação. Os parâmetros considerados são os mesmos disponíveis para o aluno na Fase 2, além de outros adicionais. 1.7 Predadores Os Predadores do ulador Calangos possuem as mesmas regras de predação, mas cada Predador possui características exclusivas. Seguem um padrão de movimentação aleatório pelo cenário, com velocidades diferentes, e possuem uma série de parâmetros que regem o seu comportamento de caça. Possuem uma área retangular à sua frente, usada como sensor para detecção de lagartos. Quando um lagarto entra no campo de detecção do Predador, este avalia se o lagarto foi realmente detectado, dependendo de diversos fatores como: distância, acuidade visual do Predador, nível de camuflagem do lagarto, etc. Ao detectar um lagarto com sucesso, o Predador iniciará uma perseguição por tempo limitado. Se alcançar o lagarto, o Predador fará um ataque, sempre bem sucedido, que reduzirá a Energia do lagarto de uma quantidade fixa. Após a realização do ataque, o Predador ficará neutro por um período determinado, antes de voltar a detectar outros lagartos. Um Predador nunca ataca um lagarto que já está sendo perseguido por outro Predador. Os obstáculos visuais representados pela vegetação não são considerados diretamente. Apesar disso, todos os lagartos presentes em um Setor que possui uma Planta recebem um bônus de camuflagem, que reduz a capacidade do Predador de detectálo. Se o Predador estiver perseguindo um lagarto que entrar em um Setor com Planta, poderá perdêlo de vista e interromper a perseguição. Nesta situação, o Predador ficará neutro por um período, até poder voltar a perseguir o mesmo ou outro lagarto.

17 Os Predadores não interrompem a perseguição de um dado lagarto para perseguir outro lagarto mais próximo. Cada Predador pode caçar em horários do dia préestabelecidos. Periodicamente, o ulador faz essa verificação e, se o Predador estiver fora do seu horário de caça, é substituído imediatamente por outro Predador adequado ao horário. O Predador ignora a presença, como obstáculos, de Plantas e de outros agentes, isto é, ele pode se mover livremente através desses elementos. 1.8 Fase 2 Na Fase 1, o Lagarto PC é fixo. Na chamada Fase 2, o aluno é apresentado com uma tela de configuração que permite a modificação de alguns parâmetros do PC, dentro de limites: Parâmetro Limites Tamanho do Corpo 1 cm a 6 cm Tamanho da Cabeça 6% a 1% Velocidade 4 cm/s a 4 cm/s Cor do Corpo Qualquer Cor das Listas do Corpo Qualquer Dieta de Insetos a 1% Dieta de Plantas (Flores e Frutos) a 1% Hábito Noturno / Diurno Temperatura Ideal 1 graus a graus O objetivo da Fase 2 é permitir ao aluno aplicar o conhecimento que adquiriu na experiência da Fase 1 e tentar criar um PC mais apto à sobrevivência. 1.9 Fase A ulação da chamada Fase é praticamente idêntica à da Fase 1, com a diferença de que o aluno não controla mais um lagarto. A visão do aluno também fica restrita à uma visão superior e distante do mapa, para que todo s os indivíduos possam ser observados ultaneamente. Por esse motivo, os agentes e elementos de cenários são apresentados de forma icônica, com algumas opções de investigação de detalhes. 1.1 Fase 4

18 A intenção da Fase 4 é apresentar ao aluno conceitos de Evolução e tornar evidentes os efeitos de fenômenos como, por exemplo, seleção natural. Para isso, a ulação deve ocorrer em uma velocidade muito alta, que possibilite o surgimento de milhares de gerações de lagartos, dentro de um período de tempo real razoável. Por questões técnicas de implementação. A Fase 4 não poderá usar a mesma plataforma de implementação das Fases 1, 2 e. Apesar da Fase ocorrer em uma escala de tempo mais rápida, o limite dea velocidade não é compatível com a necessidade da Fase 4. Por esse motivo, a Fase 4 utilizará o módulo de ulação criado pelo Venyton, que foi criado justamente para abordar os conceitos de Evolução, em uma escala de tempo muito acelerada. A adaptação da plataforma do Calangos para a realização da ulação em uma escala de tempo que permita a observação dos fenômenos evolutivos está no item Pendências e Oportunidades de Melhoria. 11. Modelos 11.1 Terreno e Vegetação A topologia do terreno e a distribuição da vegetação foram estabelecidos de forma arbitrária nesta versão do ulador. O trabalho do Emanuel Maues tem o objetivo de melhorar este quesito e a sua incorporação ao Calangos ainda está pendente. As informações sobre a vegetação são organizadas e armazenadas internamente através de uma grade de setores, com extensão 26 x 26 setores, ordenados em linhas e colunas, onde cada setor corresponde a uma área de aproximadamente, x, unidades Unity. Apesar desta área poder conter mais de um tipo de planta, cada setor armazena informações relativas ao tipo presente em maior número na área. Além disso, a informação da presença de sombra referese ao setor inteiro e não à região de sombra visível no chão em cada planta. Por isso, um lagarto poderá estar na sombra, mesmo que o aluno não esteja ao lado de uma Planta no cenário. Os alunos deveriam ser alertados deste fato antes do início da sessão. Durante a inicialização do ulador, os seguintes parâmetros das plantas de cada setor são configurados: Escala de Tamanho: Por enquanto este parâmetro não possui nenhum efeito visual ou sobre a mecânica do ulador. Presença de Folhagem: Por enquanto esse parâmetro não possui nenhum efeito sobre a mecânica do ulador, mas é apresentado visualmente na Fase, quando o filtro de visualização de Plantas está ativo. Os ícones que representam cada Planta possuem variações de quando ela possui folhagem ou não.

19 Quantidade de Presas, Flores e Frutos: Cada Planta possui uma probabilidade de gerar Presas, Flores e Frutos, que é fixa para cada tipo de Planta. A quantidade de cada nutriente gerada é determinada aleatoriamente, até um valor máximo. A padrametrização padrão atual das Plantas do Calangos está tabelada abaixo: A B C D E F G H I J K L M N O Probabilidade de geração de Frutos Jan,,,,, Fev,,,,, Mar,,,,, Abr,,,,, Mai,,,,, Jun,,,,, Jul,,,,, Ago,,,,, Set,,,,, Out,,,,, Nov,,,,, Dez,,,,, Jan,,,, Fev,,,, Mar,,,, Abr,,,, Mai,,,, Jun,,,, Jul,,,, Ago,,,, Set,,,, Out,,,, Nov,,,, Dez,,,, Probabilidade de geração de Flores Probabilidade de Geração de Presas,,,,,,,,,,,,,,, Quantidade de Frutos gerados por safra Quantidade de Flores gerados por safra Quantidade de Presas

20 geradas por safra Energia/Hidratação de cada Fruto gerado 8/ 8/ 8/ 8/ 8/ 8/ 8/ 8/ 8/ Energia/Hidratação de cada Flor gerada 6. / 2 6. / 2 6. / 2 6. / 2 6. / 6. / 6. / 6. / 6. / Energia/Hidratação de cada Presa gerada 4.2 / / / /.6 Distância máxima de geração dos Frutos Distância máxima de geração das Flores Distância máxima de geração das Presas 8/ 8/ 8/ 8/ 8/ 8/ 6. / 6. / 6. / 6. / / 2 6. / / 4.2 / 4.2 / 4.2 / 4.2 / / 4.2 / 4.2 / 4.2 / / /.6 Jan Fev Mar Abr Mai Jun Jul Ago Set Out Nov Dez Jan,,,,,,,4,,,,,,,1, Fev,4,4,4,4,4,4,,4,4,4,4,4,4,1,4 Mar,,,,,,,2,,,,,,,2, Abr,,,,,,,1,,,,,,,27, Mai,6,6,6,6,6,6,29,6 Jun,6,6,6,6,6,6,2,6,6,6,6,6,6,1,6 Jul,7,7,7,7,7,7,,7 Ago,7,7,7,7,7,7,7,7,7,7,7,7,7,,7 Set,7,7,7,7,7,7 1,7,7,7,7,7,7,7,7 Out,7,7,7,7,7,7,7,9,7 Nov,6,6,6,6,6,6,6,6,6,6,6,6,6,4,6 Dez,,,,,,,,, Flag indicando se Frutos ou Flores podem ser gerados no mês Probabilidade da ocorrênica de folhagem Legenda:,6,7,7,,,7,,6,7,6,7,7,,6,7,7,,6,7,7,,6,7,7,

MANUAL RASTREAMENTO 2013

MANUAL RASTREAMENTO 2013 MANUAL RASTREAMENTO 2013 Visão Geral O menu geral é o principal módulo do sistema. Através do visão geral é possível acessar as seguintes rotinas do sistema: Sumário, localização, trajetos, últimos registros.

Leia mais

Universidade Federal do Rio de Janeiro NCE/PGTIAE. Tutorial SweetHome3D

Universidade Federal do Rio de Janeiro NCE/PGTIAE. Tutorial SweetHome3D Universidade Federal do Rio de Janeiro NCE/PGTIAE Tutorial SweetHome3D Trabalho apresentado ao Prof. Carlo na Disciplina de Software Livre no curso Pós Graduação em Tecnologia da Informação Aplicada a

Leia mais

Version Notes (Notas da versão) Versão 4.10.1.8-05-12-2012

Version Notes (Notas da versão) Versão 4.10.1.8-05-12-2012 Florianópolis, 05 de dezembro de 2012. Abaixo você confere as características e funcionalidades da nova versão 4.10.1.8-05-12-2012 do Channel. Para quaisquer dúvidas ou na necessidade de maiores esclarecimentos,

Leia mais

Vid8 Servidor. Correção da conexão com o GME, quando placa VP-1616F com 32 canais; Correção da conexão com o GME, quando configurado em modo DVR;

Vid8 Servidor. Correção da conexão com o GME, quando placa VP-1616F com 32 canais; Correção da conexão com o GME, quando configurado em modo DVR; Vid8 Servidor Versão 8.13.0411 Correção da conexão com o GME, quando placa VP-1616F com 32 canais; Versão 8.12.0311 Correção da conexão com o GME, quando configurado em modo DVR; Versão 8.11.0311 Correção

Leia mais

Diferentes modos para visualizar gravações no Software HMS Client

Diferentes modos para visualizar gravações no Software HMS Client Diferentes modos para visualizar gravações no Software HMS Client O Software HMS Client permite visualização de imagens de 3 maneiras diferentes: Imagens dos dispositivos (Mini Câmeras e NVRs) gravadas

Leia mais

Sistema topograph 98. Tutorial Módulo Projetos

Sistema topograph 98. Tutorial Módulo Projetos Sistema topograph 98 Tutorial Módulo Projetos Como abrir um projeto existente _ 1. Na área de trabalho do Windows, procure o ícone do topograph e dê um duplo clique sobre ele para carregar o programa.

Leia mais

INE 7001 - Procedimentos de Análise Bidimensional de variáveis QUANTITATIVAS utilizando o Microsoft Excel. Professor Marcelo Menezes Reis

INE 7001 - Procedimentos de Análise Bidimensional de variáveis QUANTITATIVAS utilizando o Microsoft Excel. Professor Marcelo Menezes Reis INE 7001 - Procedimentos de Análise Bidimensional de variáveis QUANTITATIVAS utilizando o Microsoft Excel. Professor Marcelo Menezes Reis O objetivo deste texto é apresentar os principais procedimentos

Leia mais

GUIA DE CAMPO Software. Trimble Digital Fieldbook TM

GUIA DE CAMPO Software. Trimble Digital Fieldbook TM GUIA DE CAMPO Software Trimble Digital Fieldbook TM Versão 2.00 Revisão A Abril de 2006 ÍNDICE INTRODUÇÃO... 4 APLICAÇÕES DE LEVANTAMENTO... 4 Dois Tipos de Levantamento de Campo... 4 Levantamento Estático-Rápido...

Leia mais

Version Notes (Notas da versão) Versão 4.11.1.7-26-02-2013

Version Notes (Notas da versão) Versão 4.11.1.7-26-02-2013 Florianópolis, 26 de fevereiro de 2013. Abaixo você confere as características e funcionalidades da nova versão 4.11.1.7 do Channel. Para quaisquer dúvidas ou na necessidade de maiores esclarecimentos,

Leia mais

INF 1771 Inteligência Artificial

INF 1771 Inteligência Artificial Edirlei Soares de Lima INF 1771 Inteligência Artificial Aula 04 Algoritmos Genéticos Introdução Algoritmos genéticos são bons para abordar espaços de buscas muito grandes e navegálos

Leia mais

Composição de Layout no Terraview

Composição de Layout no Terraview MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO MEC Secretaria de Educação Superior - SESu Departamento de Modernização e Programas da Educação Superior DEPEM MINISTÉRIO DAS CIDADES Secretaria Executiva Diretoria de Desenvolvimento

Leia mais

Superprovas Versão 9

Superprovas Versão 9 Superprovas Versão 9 1. Introdução...2 2. Novos Recursos Adicionados...4 3. Janela Principal...7 4. Janela de Questões...11 5. Janela de Desempenho...12 6. Barras de Ferramentas...13 7. Teclas de Atalho...14

Leia mais

Funções básicas Cronograma Cronograma Funções Básicas

Funções básicas Cronograma Cronograma Funções Básicas Funções Básicas Fevereiro 2015 - 1) Selecionar o menu Portfólio > Projetos, clique para janela projetos abrir. 2) Selecione botão incluir para abrir um projeto. Preencha os campos obrigatórios nos Dados

Leia mais

Event Horizon. Begining of the end. Game Design Document

Event Horizon. Begining of the end. Game Design Document Event Horizon Begining of the end. Game Design Document High Concept Lyra, é uma fugitiva do multiverso, ela escapou do setor 13, um ponto do espaço que onde ficam as bases secretas de pesquisa do império,

Leia mais

Guia do Wattbike Expert Software para Iniciantes

Guia do Wattbike Expert Software para Iniciantes Guia do Wattbike Expert Software para Iniciantes 1 Índice Introdução............................................... 3 Conexão do software ao Computador de Desempenho Wattbike tela padrão Polar e edição

Leia mais

AULA 3 Ferramentas de Análise Básicas

AULA 3 Ferramentas de Análise Básicas 3.1 AULA 3 Ferramentas de Análise Básicas Neste capítulo serão apresentadas algumas ferramentas de análise de dados com representação vetorial disponíveis no TerraView. Para isso será usado o banco de

Leia mais

s em Me d iç d l KlimaLogg Pro SOFTWARE

s em Me d iç d l KlimaLogg Pro SOFTWARE KlimaLogg Pro Ma n In s tr Soluç u çõ s em Me es ão d iç õe d l a u e SOFTWARE Software KlimaLogg Pro Registrador de umidade e temperatura Índice Visão geral...03 Guia Rápido...03 Configuração do dispositivo

Leia mais

AVISO. Treinamento GVcollege Módulo Ficha Complementar

AVISO. Treinamento GVcollege Módulo Ficha Complementar AVISO O conteúdo deste documento é de propriedade intelectual exclusiva da GVDASA Sistemas e está sujeito a alterações sem aviso prévio. Nenhuma parte desta publicação pode ser reproduzida nem transmitida

Leia mais

AULA 3 Ferramentas de Análise Básicas

AULA 3 Ferramentas de Análise Básicas 3.1 AULA 3 Ferramentas de Análise Básicas Nesse capítulo serão apresentadas algumas ferramentas de análise de dados com representação vetorial disponíveis no TerraView. Para isso será usado o banco de

Leia mais

Sistema irá modular até 32 câmeras: Você pode conectar de 1 até 32 câmeras.

Sistema irá modular até 32 câmeras: Você pode conectar de 1 até 32 câmeras. MANUAL DO SISTEMA Introdução Apresentação Requisitos mínimos Instalação do programa Acessando o Secullum DVR Tela Principal Indicador de espaço em disco Disposição de telas Status de Gravação Usuário atual

Leia mais

AULA 1 Iniciando o Uso do TerraView

AULA 1 Iniciando o Uso do TerraView 1.1 AULA 1 Iniciando o Uso do TerraView Essa aula apresenta o software TerraView apresentando sua interface e sua utilização básica. Todos os arquivos de dados mencionados neste documento bem como o executável

Leia mais

Basicão de Estatística no EXCEL

Basicão de Estatística no EXCEL Basicão de Estatística no EXCEL Bertolo, Luiz A. Agosto 2008 2 I. Introdução II. Ferramentas III. Planilha de dados 3.1 Introdução 3.2 Formatação de células 3.3 Inserir ou excluir linhas e colunas 3.4

Leia mais

Guia. PDA e SmartPhones. Windows Mobile, Pocket PC e CE.

Guia. PDA e SmartPhones. Windows Mobile, Pocket PC e CE. Guia PDA e SmartPhones Windows Mobile, Pocket PC e CE. Referência completa para o integrador do sistema Module. Aborda os recursos necessários para a itulização, instalação do software e importação das

Leia mais

Volpe Enterprise Resource Planning

Volpe Enterprise Resource Planning Volpe Enterprise Resource Planning Este manual não pode, em parte ou no seu todo, ser copiado, fotocopiado, reproduzido, traduzido ou reduzido a qualquer mídia eletrônica ou máquina de leitura, sem a expressa

Leia mais

Manual de utilização GDS Touch PAINEL TOUCH-SCREEN CONTROLE RESIDENCIAL INTERATIVO. Versão: 1.0 Direitos reservados.

Manual de utilização GDS Touch PAINEL TOUCH-SCREEN CONTROLE RESIDENCIAL INTERATIVO. Versão: 1.0 Direitos reservados. Bem Vindo GDS TOUCH Manual de utilização GDS Touch PAINEL TOUCH-SCREEN CONTROLE RESIDENCIAL INTERATIVO O GDS Touch é um painel wireless touchscreen de controle residencial, com design totalmente 3D, interativo

Leia mais

Física. Resolução. Q uestão 01 - A

Física. Resolução. Q uestão 01 - A Q uestão 01 - A Uma forma de observarmos a velocidade de um móvel em um gráfico d t é analisarmos a inclinação da curva como no exemplo abaixo: A inclinação do gráfico do móvel A é maior do que a inclinação

Leia mais

BI Gerenciamento e Monitoramento de Informações Processuais

BI Gerenciamento e Monitoramento de Informações Processuais Tribunal de Justiça de Pernambuco Secretaria de Tecnologia da Informação e Comunicação BI Gerenciamento e Monitoramento de Informações Processuais Manual do Usuário Recife - 2014 Histórico de Alterações

Leia mais

AULA 4 Manipulando Tabelas

AULA 4 Manipulando Tabelas 4.1 AULA 4 Manipulando Tabelas Nessa aula serão apresentadas algumas funcionalidades relativas a manipulação de tabelas de atributos no TerraView. Para isso será usado o banco de dados criado nas Aulas

Leia mais

PEDIDO DE COMPRAS AUTOPEÇAS

PEDIDO DE COMPRAS AUTOPEÇAS Apresentação As rotinas de Pedido de Compra do WinThor são utilizadas pelas empresas com objetivo de realizar: o pedido de compra baseado, ou não, em uma sugestão de compra, a cotação de compra entre fornecedores,

Leia mais

Formação em game programming: 01 - Introdução à programação

Formação em game programming: 01 - Introdução à programação Formação em game programming: Para que um jogo eletrônico funcione adequadamente como foi projetado, é necessário que ele esteja corretamente programado. Todas as funções de controle de personagens e objetos

Leia mais

Versão 2.2.0 PIMACO AUTOADESIVOS LTDA. Assistente Pimaco + 2.2.0. Ajuda ao Usuário

Versão 2.2.0 PIMACO AUTOADESIVOS LTDA. Assistente Pimaco + 2.2.0. Ajuda ao Usuário Versão 2.2.0 PIMACO AUTOADESIVOS LTDA. Assistente Pimaco + 2.2.0 Ajuda ao Usuário A S S I S T E N T E P I M A C O + 2.2.0 Ajuda ao usuário Índice 1. BÁSICO 1 1. INICIANDO O APLICATIVO 2 2. O AMBIENTE DE

Leia mais

Otimização de máquinas de papel da SKF

Otimização de máquinas de papel da SKF Otimização de máquinas de papel da SKF Aumentando a eficiência e a produtividade global das máquinas O Poder do Conhecimento em Engenharia Operação mais rápida e eficiente Nunca foi tão difícil operar

Leia mais

MANUAL DO USUÁRIO ARENA 13 CONTROL CENTER

MANUAL DO USUÁRIO ARENA 13 CONTROL CENTER 1 MANUAL DO USUÁRIO ARENA 13 CONTROL CENTER 2 TERMO DE CONFIDENCIALIDADE As informações contidas neste documento são confidenciais e se constituem em propriedade da BLOCKSAT SISTEMAS DE SEGURANÇA LTDA

Leia mais

Sumário. Ambiente de Trabalho... Erro! Indicador não definido.

Sumário. Ambiente de Trabalho... Erro! Indicador não definido. Sumário Ambiente de Trabalho... Erro! Indicador não definido. Introdução ao Project Um projeto é uma seqüência bem definida de eventos, com um início e um final identificável. O foco de um projeto é obter

Leia mais

Introdução Microsoft PowerPoint 2013 apresentações Office PowerPoint 2013 Microsoft PowerPoint 2013 textos planilhas Excel Word

Introdução Microsoft PowerPoint 2013 apresentações Office PowerPoint 2013 Microsoft PowerPoint 2013 textos planilhas Excel Word PowerPoint 2013 Sumário Introdução... 1 Iniciando o PowerPoint 2013... 2 Criando Nova Apresentação... 10 Inserindo Novo Slide... 13 Formatando Slides... 15 Inserindo Imagem e Clip-art... 16 Inserindo Formas...

Leia mais

Tópico: A Terceira Dimensão (Conceitos Básicos)

Tópico: A Terceira Dimensão (Conceitos Básicos) Tópico: A Terceira Dimensão (Conceitos Básicos) Computação gráfica tridimensional Modelagem tridimensional Elaboração de imagens tridimensionais Realidade virtual Formatos tridimensionais: DXF, padrão

Leia mais

Manual do Utilizador. PowerPoint 2013. Carlos Diniz

Manual do Utilizador. PowerPoint 2013. Carlos Diniz Manual do Utilizador PowerPoint 2013 Carlos Diniz Índice 1. Acerca do PowerPoint 2013... 3 1.1. Principais caraterísticas do PowerPoint 2013... 3 2. Trabalhar no interface do PowerPoint 2013... 3 2.1.

Leia mais

Monitores CommandCenter Geração 4

Monitores CommandCenter Geração 4 Observações Importantes: Ao instalar essa versão do software SO 8.12.2500-17 Geração 4, a atualização pode levar até 25 minutos para atingir o mesmo nível porcentual (cerca de 82%) na etapa Instalação

Leia mais

Brasil. Características da Look 312P. Instalação da Look 312P

Brasil. Características da Look 312P. Instalação da Look 312P Características da Look 312P 1 2 3 Lente Foco manual pelo ajuste da lente. Bolso Você pode colocar o cabo no bolso. Corpo dobrável Ajuste a Look 312P em diferentes posições. Instalação da Look 312P 1.

Leia mais

Usando o LiveData V2.0

Usando o LiveData V2.0 Usando o LiveData V2.0 Versão: 1.2 Data: 15.10.2013 Estado: FINAL Autor: M. Wittmann, Dimi Everette Tradutor Nuno Olivença 2013 Adcon Telemetry GmbH Este documento contém informação confidencial para a

Leia mais

M a n u a l d o R e c u r s o Q m o n i t o r

M a n u a l d o R e c u r s o Q m o n i t o r M a n u a l d o R e c u r s o Q m o n i t o r i t i l advanced Todos os direitos reservados à Constat. Uso autorizado mediante licenciamento Qualitor Porto Alegre RS Av. Ceará, 1652 São João 90240-512

Leia mais

mvbuilder - Manual do Usuário

mvbuilder - Manual do Usuário mvbuilder - Manual do Usuário mvbuilder Editor de mapas para o meavox Parte integrante da Suite meavox de comunicação alternativa. Manual do Usuário do mvbuilder Autor: Gustavo Furtado Versão deste documento:

Leia mais

Capítulo 8. Recursos

Capítulo 8. Recursos Capítulo 8 Recursos 138 TRABALHANDO COM RECURSOS CRIANDO A LISTA DE RECURSOS DO PROJETO Para completarmos o planejamento precisamos listar os recursos que serão utilizados no projeto. Esse processo é feito

Leia mais

BrOffice.org - Impress

BrOffice.org - Impress BrOffice.org Impress 1 BrOffice.org - Impress Programa de apresentação, utilizado para criação e manipulação de slides. Os slides criados para uma eletrônica podem conter texto, gráficos, objetos, formas,

Leia mais

Brasil. Características da VideoCAM GF112. Instalação da VideoCAM GF112

Brasil. Características da VideoCAM GF112. Instalação da VideoCAM GF112 Características da VideoCAM GF112 Botão SnapShot 1 (INSTANTÂNEO) 2 Lente 3 Base ajustável Instalação da VideoCAM GF112 1. Instale primeiro o driver e somente então conecte a VideoCAM GF112 à porta USB.

Leia mais

AVISO. O conteúdo deste documento é de propriedade intelectual exclusiva da GVDASA Sistemas e está sujeito a alterações sem aviso prévio.

AVISO. O conteúdo deste documento é de propriedade intelectual exclusiva da GVDASA Sistemas e está sujeito a alterações sem aviso prévio. AVISO O conteúdo deste documento é de propriedade intelectual exclusiva da GVDASA Sistemas e está sujeito a alterações sem aviso prévio. Nenhuma parte desta publicação pode ser reproduzida nem transmitida

Leia mais

Auto Treinamento. Versão 10.05.13

Auto Treinamento. Versão 10.05.13 Auto Treinamento Versão 10.05.13 Sumário 1. OBJETIVO... 3 2. CONCEITO DE BUSINESS INTELLIGENCE... 3 3. REALIZANDO CONSULTAS NO BI-PUBLIC... 4 3.2. Abrindo uma aplicação... 4 3.3. Seleções... 6 3.4. Combinando

Leia mais

Histórico das Versões Full Rally Totem Com Road Book Digital. Full Rally Totem substitui toda a linha NavTotem

Histórico das Versões Full Rally Totem Com Road Book Digital. Full Rally Totem substitui toda a linha NavTotem Histórico das Versões Full Rally Totem Com Road Book Digital Full Rally Totem substitui toda a linha NavTotem [ versão 73 C ] 21/07/2015 (Beta)...2 Novo layout estilo Bobina Térmica - Moto... 2 Saída automática

Leia mais

UFGD FCA PROF. OMAR DANIEL BLOCO 3 RESTAURAÇÃO DE IMAGENS

UFGD FCA PROF. OMAR DANIEL BLOCO 3 RESTAURAÇÃO DE IMAGENS UFGD FCA PROF. OMAR DANIEL BLOCO 3 RESTAURAÇÃO DE IMAGENS Qualquer tipo de tratamento de imagens deve ser efetuado antes de seu registro, ou seja, com a imagem original. As imagens CBERS aparecem com aspecto

Leia mais

Índice de ilustrações

Índice de ilustrações Sumário 1Dez novos recursos do windows 8...2 1.1Interface Metro...2 1.2Internet Explorer 10...4 1.3Gerenciador de Tarefas...5 1.4Painel de Controle...5 1.5Interface Ribbon...6 1.6Menu Iniciar...7 1.7Windows

Leia mais

PÓS-GRADUAÇÃO EM MATEMÁTICA COMPUTACIONAL INFORMÁTICA INSTRUMENTAL

PÓS-GRADUAÇÃO EM MATEMÁTICA COMPUTACIONAL INFORMÁTICA INSTRUMENTAL PÓS-GRADUAÇÃO EM MATEMÁTICA COMPUTACIONAL INFORMÁTICA INSTRUMENTAL Introdução Aula 03: Pacote Microsoft Office 2007 O Pacote Microsoft Office é um conjunto de aplicativos composto, principalmente, pelos

Leia mais

Clique no menu Iniciar > Todos os Programas> Microsoft Office > Publisher 2010.

Clique no menu Iniciar > Todos os Programas> Microsoft Office > Publisher 2010. 1 Publisher 2010 O Publisher 2010 é uma versão atualizada para o desenvolvimento e manipulação de publicações. Juntamente com ele você irá criar desde cartões de convite, de mensagens, cartazes e calendários.

Leia mais

O testo 480 oferece apoio integral a consultores, especialistas,

O testo 480 oferece apoio integral a consultores, especialistas, Compromisso com o futuro Profissionais no fluxo de ar Instrumento de medição para análise de VAC testo 480 O testo 480 lhe oferece: > Sondas digitais de elevada qualidade e conceito inteligente de calibração

Leia mais

Software Control Center

Software Control Center Software Control Center Uma solução empresarial de segurança IP, com capacidade de gerenciamento de vídeos, áudio e alarmes sobre redes IP Soluções completas de segurança em vídeo IP www.indigovision.com

Leia mais

Sistema de Planejamento

Sistema de Planejamento Sistema de Planejamento Copyright 2013 by Softplan Rod. José Carlos Daux, km 1, Nº 10 Centro de Tecnologia Ilhasoft - ParqueTecAlfa João Paulo CEP 88030-000 Florianópolis SC Telefone: (48) 3027-8000 Homepage:

Leia mais

Sistemas Eletrônicos de Apresentação. / NT Editora. -- Brasília: 2013. 47p. : il. ; 21,0 X 29,7 cm.

Sistemas Eletrônicos de Apresentação. / NT Editora. -- Brasília: 2013. 47p. : il. ; 21,0 X 29,7 cm. Autor Ismael Souza Araujo Pós-graduado em Gerência de Projetos PMBOK UNICESP, Graduado em Tecnologia em Segurança da Informação - UNICESP. Professor de concurso da área de informática e consultor em EAD.

Leia mais

MANUAL DO USUÁRIO PORTAL SMART Versão 1.1

MANUAL DO USUÁRIO PORTAL SMART Versão 1.1 MANUAL DO USUÁRIO PORTAL SMART Versão 1.1 1- OBJETIVO Apresentar ao cliente o procedimento de como utilizar o Portal SMART e realizar gestão de ocorrências apresentadas durante o monitoramento. 2- ACESSANDO

Leia mais

Introdução. Geral. Sumário Localização Trajetos Últimos registros Comandos Configurações. Relatórios

Introdução. Geral. Sumário Localização Trajetos Últimos registros Comandos Configurações. Relatórios Introdução Geral Sumário Localização Trajetos Últimos registros Comandos Configurações Relatórios Deslocamentos e paradas Velocidade Telemetria Acessos Falhas de comunicação Cadastro Cliente Subcliente

Leia mais

Manual do Sistema "Vida - Controle Financeiro" Editorial Brazil Informatica

Manual do Sistema Vida - Controle Financeiro Editorial Brazil Informatica Manual do Sistema "Vida - Controle Financeiro" Editorial Brazil Informatica I Vida - Controle Financeiro Conteúdo Part I Introdução 2 1 Vida Controle... Financeiro 2 Part II Novidades Versão 2.9 (Contas)

Leia mais

Anexo III Funcionamento detalhado do Sistema Montador de Autoria

Anexo III Funcionamento detalhado do Sistema Montador de Autoria 1 Sumário Anexo III Funcionamento detalhado do Sistema Montador de Autoria Anexo III Funcionamento detalhado do Sistema Montador de Autoria... 1 1 Sumário... 1 2 Lista de Figuras... 5 3 A Janela principal...

Leia mais

Sumário do Plano de Testes

Sumário do Plano de Testes ICOL Versão 12.1 Plano de Testes Sumário do Plano de Testes 1. Escopo...2 2. Implementações...2 CR3085 Restrição de Ambientes...3 CR3091 Restrição de Intervalos...9 CR3096 Períodos...10 CR3111 Curvas Histórico...11

Leia mais

Projeto P&D. Alerta Raios. Monitoramento de Tempestades MANUAL DO SITE. Coelce Companhia Energética do Ceará. USP Universidade de São Paulo

Projeto P&D. Alerta Raios. Monitoramento de Tempestades MANUAL DO SITE. Coelce Companhia Energética do Ceará. USP Universidade de São Paulo Projeto P&D Alerta Raios Monitoramento de Tempestades MANUAL DO SITE Coelce Companhia Energética do Ceará USP Universidade de São Paulo 1. Página inicial A página inicial apresenta um cabeçalho contendo

Leia mais

Material desenvolvido por Melissa Lima da Fonseca. melissa.mlf@gmail.com.br - (031) 9401-4041. www.melissalima.com.br Página 1

Material desenvolvido por Melissa Lima da Fonseca. melissa.mlf@gmail.com.br - (031) 9401-4041. www.melissalima.com.br Página 1 EXCEL BÁSICO Material desenvolvido por Melissa Lima da Fonseca melissa.mlf@gmail.com.br - (031) 9401-4041 www.melissalima.com.br Página 1 Índice Introdução ao Excel... 3 Conceitos Básicos do Excel... 6

Leia mais

MANUAL. Objetivo: Descrever o procedimento de instalação e uso do equipamento e software.

MANUAL. Objetivo: Descrever o procedimento de instalação e uso do equipamento e software. MANUAL Objetivo: Descrever o procedimento de instalação e uso do equipamento e software. Público alvo: Instaladores, prestadores de serviços, técnicos de manutenção, TI e supervisores. Revisão D 09/02/2011

Leia mais

GLADIADOR INTERNET CONTROLADA v.1.2.3.9

GLADIADOR INTERNET CONTROLADA v.1.2.3.9 GLADIADOR INTERNET CONTROLADA v.1.2.3.9 Pela grande necessidade de controlar a internet de diversos clientes, a NSC Soluções em Informática desenvolveu um novo produto capaz de gerenciar todos os recursos

Leia mais

Ano III - Número 16. Versão 4.6.4

Ano III - Número 16. Versão 4.6.4 Versão 4.6.4 Sexta-feira, 08 de fevereiro de 2008 ÍNDICE 3 4 EDITORIAL NOVAS FUNCIONALIDADES 4 12 13 14 15 16 Novo Cronograma 4 5 5 6 7 8 8 9 9 10 10 Edição Rápida do Cronograma Recurso de Arrastar e Soltar

Leia mais

Instruções. Guia controle com diversos botões que permitem uma livre navegação através do mapa do Estado do Rio de Janeiro, são eles:

Instruções. Guia controle com diversos botões que permitem uma livre navegação através do mapa do Estado do Rio de Janeiro, são eles: Instruções Este tutorial foi desenvolvido para facilitar a realização de consultas no Banco de Dados (BD). Através do mapa do RJ é possível verificar os pontos de coleta dos trabalhos que foram compilados

Leia mais

Manual do usuário. Mobile Client

Manual do usuário. Mobile Client Manual do usuário Mobile Client Mobile Client Parabéns, você acaba de adquirir um produto com a qualidade e segurança Intelbras. Este manual serve como referência para a sua instalação e operação e traz

Leia mais

TerraView. O TerraView está estruturado da seguinte forma: - Modelo de dados

TerraView. O TerraView está estruturado da seguinte forma: - Modelo de dados TerraView O TerraView é um aplicativo desenvolvido pelo DPI/INPE e construído sobre a biblioteca de geoprocessamento TerraLib, tendo como principais objetivos: - Apresentar à comunidade um fácil visualizador

Leia mais

AULA 1 Iniciando o uso do TerraView

AULA 1 Iniciando o uso do TerraView 1.1 AULA 1 Iniciando o uso do TerraView Essa aula apresenta a interface principal do TerraView e sua utilização básica. Todos os arquivos de dados mencionados nesse documento são disponibilizados junto

Leia mais

00 Índice. Manual do usuário. 01 Introdução...3

00 Índice. Manual do usuário. 01 Introdução...3 00 Índice 01 Introdução...3 02 Antes de começar...4 02.1 Requisitos mínimos...4 02.2 O que se inclui...4 02.3 Conexão de EnPathia...4 03 Instalação da aplicação...5 04 Começando a trabalhar...6 04.1 Desbloquear

Leia mais

Agrolaboratory2010 MANUAL DO UTILIZADOR

Agrolaboratory2010 MANUAL DO UTILIZADOR Agrolaboratory2010 MANUAL DO UTILIZADOR INDICE Instalação...... 3 Fertirrega..... 6 Irri System...... 9 Irri Manager... 10 2 Instalação Abra a pasta do programa e execute o Setup.exe (duplo clique em Setup).

Leia mais

ODG Auto Acessórios Ltda www.odginstruments.com.br Versão 2.0 FEVEREIRO 2009

ODG Auto Acessórios Ltda www.odginstruments.com.br Versão 2.0 FEVEREIRO 2009 ODG Auto Acessórios Ltda www.odginstruments.com.br Versão 2.0 FEVEREIRO 2009 1 INDICE 1. Instalação do Software...3 2. Tela Inicial...3 3. Criando arquivo de configurações (Alt + C + C)...4 3.1 Sensores

Leia mais

O Programa Computacional GRAPSI

O Programa Computacional GRAPSI 1 Os Fundamentos do GRAPSI O Programa Computacional GRAPSI Prof. Evandro de Castro Melo, DS A determinação das propriedades psicrométricas do ar é uma tarefa freqüente para muitos profissionais da área

Leia mais

Manual do Usuário Android Neocontrol

Manual do Usuário Android Neocontrol Manual do Usuário Android Neocontrol Sumário 1.Licença e Direitos Autorais...3 2.Sobre o produto...4 3. Instalando, Atualizando e executando o Android Neocontrol em seu aparelho...5 3.1. Instalando o aplicativo...5

Leia mais

Estatística Usando EXCEL

Estatística Usando EXCEL Universidade Federal de Minas Gerais Instituto de Ciências Exatas Departamento de Estatística Estatística Usando EXCEL Distribuição de alunos segundo idade e sexo > =23 60% 40% 21 ---23 67% 33% 19 ---21

Leia mais

UNIVERSIDADE FEDERAL DO PARANÁ FÓRUM DE COORDENADORES DE GRADUAÇÃO Sugestões e Críticas ao SIE em 4 de abril de 2012

UNIVERSIDADE FEDERAL DO PARANÁ FÓRUM DE COORDENADORES DE GRADUAÇÃO Sugestões e Críticas ao SIE em 4 de abril de 2012 UNIVERSIDADE FEDERAL DO PARANÁ FÓRUM DE COORDENADORES DE GRADUAÇÃO Sugestões e Críticas ao SIE em 4 de abril de 2012 01 Para ajuste de matrícula de um aluno é necessário abrir uma janela de busca, então

Leia mais

Manual do Usuário Acesso ao Sistema

Manual do Usuário Acesso ao Sistema Dispositivo de Monitoramento, Rastreamento e Bloqueio por Satélite Manual do Usuário Acesso ao Sistema www.kgk-global.com Conteúdo Conteúdo... 2 Entrar no sistema... 3 Interface... 4 Monitoramento on-line...

Leia mais

Unidade 1: O Painel de Controle do Excel *

Unidade 1: O Painel de Controle do Excel * Unidade 1: O Painel de Controle do Excel * material do 2010* 1.0 Introdução O Excel nos ajuda a compreender melhor os dados graças à sua organização em células (organizadas em linhas e colunas) e ao uso

Leia mais

AULA 02 2. USO DE FERRAMENTAS DE SUPORTE DO SISTEMA

AULA 02 2. USO DE FERRAMENTAS DE SUPORTE DO SISTEMA AULA 02 2. USO DE FERRAMENTAS DE SUPORTE DO SISTEMA 2.1 Desfragmentador de Disco (DFRG.MSC): Examina unidades de disco para efetuar a desfragmentação. Quando uma unidade está fragmentada, arquivos grandes

Leia mais

Guia do Usuário da Ferramenta de Instalação da Câmera Avigilon

Guia do Usuário da Ferramenta de Instalação da Câmera Avigilon Guia do Usuário da Ferramenta de Instalação da Câmera Avigilon Versão 4.10 PDF-CIT-D-Rev1_PT Copyright 2011 Avigilon. Todos os direitos reservados. As informações apresentadas estão sujeitas a modificação

Leia mais

Moodlerooms Instructor Essentials

Moodlerooms Instructor Essentials Moodlerooms Instructor Essentials [Type the company address] 2015 Moodlerooms Índice VISÃO GERAL DO BOLETIM JOULE... 4 Benefícios do Boletim Joule... 4 Documentação do professor no Boletim Joule... 4 Acesso

Leia mais

Aula 1 Introdução, e conhecendo a Área de Trabalho

Aula 1 Introdução, e conhecendo a Área de Trabalho Aula 1 Introdução, e conhecendo a Área de Trabalho Na primeira aula deste curso, mostramos o porquê de começar a trabalhar neste sistema operacional, além das novidades que o sistema possui na sua versão.

Leia mais

Centro de Computação - Unicamp Gerência de Atendimento ao Cliente (e-mail:apoio@turing.unicamp.br) Sumário

Centro de Computação - Unicamp Gerência de Atendimento ao Cliente (e-mail:apoio@turing.unicamp.br) Sumário Sumário Conceitos Microsoft Access 97... 01 Inicialização do Access... 02 Convertendo um Banco de Dados... 03 Criando uma Tabela... 06 Estrutura da Tabela... 07 Propriedades do Campo... 08 Chave Primária...

Leia mais

Especificação técnica de Videodetecção ECD/DAI

Especificação técnica de Videodetecção ECD/DAI Especificação técnica de Videodetecção ECD/DAI 1. Esta Especificação destina se a orientar as linhas gerais para o fornecimento de equipamentos. Devido às especificidades de cada central e de cada aplicação,

Leia mais

Desenhador de Escadas

Desenhador de Escadas Desenhador de Escadas Designsoft Desenhador de Escadas-1 Desenhador de Escadas-2 Desenhador de Escadas O Desenhador de Escadas facilita o desenho e a localização de escadas personalizadas no seu projeto.

Leia mais

Teclado de Controle Manual do Usuário

Teclado de Controle Manual do Usuário Teclado de Controle Manual do Usuário Índice 1. PRECAUÇÕES DE SEGURANÇA...1 2. CARACTERÍSTICAS...2 2. LISTA DE ITENS DA EMBALAGEM...3 4. NOME E FUNÇÃO DE CADA PARTE...4 4.1 Painel Frontal...4 4.2 Painel

Leia mais

Aplicativo da Manifestação do Destinatário. Manual

Aplicativo da Manifestação do Destinatário. Manual Aplicativo da Manifestação do Destinatário Manual Novembro de 2012 1 Sumário 1 Aplicativo de Manifestação do Destinatário...4 2 Iniciando o aplicativo...4 3 Menus...5 3.1 Manifestação Destinatário...5

Leia mais

MANUAL DO ADMINISTRADOR DO MÓDULO

MANUAL DO ADMINISTRADOR DO MÓDULO MANUAL DO ADMINISTRADOR DO MÓDULO ÍNDICE Relatórios Dinâmicos... 3 Requisitos de Sistema... 4 Estrutura de Dados... 5 Operadores... 6 Tabelas... 7 Tabelas x Campos... 9 Temas... 13 Hierarquia Relacionamento...

Leia mais

2013 GVDASA Sistemas Release Notes GVcollege 3.6.7 1

2013 GVDASA Sistemas Release Notes GVcollege 3.6.7 1 2013 GVDASA Sistemas Release Notes GVcollege 3.6.7 1 AVISO O conteúdo deste documento é de propriedade intelectual da GVDASA Sistemas e toda a informação nele contida é confidencial. Nenhuma parte deste

Leia mais

VRM Monitor. Ajuda Online

VRM Monitor. Ajuda Online VRM Monitor pt Ajuda Online VRM Monitor Índice pt 3 Índice 1 Introdução 3 2 Vista geral do sistema 3 3 Getting started 4 3.1 Iniciar o VRM Monitor 4 3.2 Iniciar o Configuration Manager 4 4 Configurar

Leia mais

b 1 Copyright 2008-2012 In9 Mídia Soluções Digitais Inc. All rights reserved.

b 1 Copyright 2008-2012 In9 Mídia Soluções Digitais Inc. All rights reserved. b 1 Conteúdo Capítulo 1... 3 Instalando o Neonews... 3 Neonews no Linux... 6 Capítulo 2... 7 Configurando o NeoNews... 7 Capítulo 3... 13 Teclas de Atalho do NeoNews Player... 13 2 Capítulo 1 Instalando

Leia mais

Manual Digifort Standard Cliente de Monitoramento Versão 6.3.0.0 Rev. A

Manual Digifort Standard Cliente de Monitoramento Versão 6.3.0.0 Rev. A Manual Digifort Standard Cliente de Monitoramento Versão 6.3.0.0 Rev. A 2 Cliente de Monitoramento - Versão 6.3.0.0 Índice Parte I Bem vindo ao Manual do Digifort Standard 5 1 Screen... Shots 5 2 A quem...

Leia mais

Manual do Usuário. Plano de Corte

Manual do Usuário. Plano de Corte Manual do Usuário Plano de Corte Sumário Gigatron Plano de Corte...2 Versão...2 Plano de Corte...2 Edição de Atributos de Peças...3 Atributos de Linhas de Corte...4 Estilos de Entrada e Saída...8 Contorno...8

Leia mais

Manual Ilustrado Marketing Receptivo - HMR

Manual Ilustrado Marketing Receptivo - HMR Manual Ilustrado Marketing Receptivo - HMR Agosto/2014 Índice Título do documento 1. Objetivo... 3 2. Papéis e Usuários... 3 3. Fluxo Geral do HMR... 5 4. Manter Parâmetros Marketing Receptivo... 5 5.

Leia mais

R O B Ó T I C A. Sensor Smart. Seguidor de Linha. Versão Hardware: 1.0 Versão Firmware: 2.0 REVISÃO 1211.19. www.robouno.com.br

R O B Ó T I C A. Sensor Smart. Seguidor de Linha. Versão Hardware: 1.0 Versão Firmware: 2.0 REVISÃO 1211.19. www.robouno.com.br R O B Ó T I C A Sensor Smart Seguidor de Linha Versão Hardware: 1.0 Versão Firmware: 2.0 REVISÃO 1211.19 Sensor Smart Seguidor de Linha 1. Introdução Os sensores seguidores de linha são sensores que detectam

Leia mais

Powered By: IMPORTANTE:

Powered By: IMPORTANTE: Powered By: IMPORTANTE: Este manual contém informações seguras de operação. Por favor, leia e siga as instruções desse manual. Falhas podem resultar em ferimentos pessoais, morte, e/ou danos no Delphi

Leia mais

Computação BioInspirada

Computação BioInspirada Computação BioInspirada Os Engenheiros da Natureza Fabrício Olivetti de França The reasonable man adapts himself to the world; the unreasonable one persists in trying to adapt the world to himself. Therefore

Leia mais

Bem vindos ao Trekking de Regularidade!! Apostila

Bem vindos ao Trekking de Regularidade!! Apostila Amigos e Amigas, Bem vindos ao Trekking de Regularidade!! Apostila O Trekking de Regularidade é uma modalidade esportiva agradável e de esforço moderado. As provas acontecem todo mês e o contato com a

Leia mais

1º No módulo de Gestão Contábil é possível acessar o relatório através do menu Relatórios Razão.

1º No módulo de Gestão Contábil é possível acessar o relatório através do menu Relatórios Razão. Impairment Produto : TOTVS Gestão Contábil 12.1.1 Processo : Relatórios Subprocesso : Razão Data publicação da : 12/11/2014 O relatório razão tem a finalidade de demonstrar a movimentação analítica das

Leia mais