Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "WWW.PORTAL-ENERGIA.COM"

Transcrição

1 estatísticas rápidas Setembro/Outubro Nº 55/56 1/22

2 Índice A.Resumo B. As energias renováveis na produção de electricidade 1. Energia e potência por fonte de energia 2. Energia e potência por distrito 3. Comparação internacional C. O sector hídrico nacional (grandes centrais > 3 MW) 1. Produção mensal 2. Produção e potência por tipo de aproveitamento e bacia hidrográfica D. O sector eólico nacional 1. Caracterização da potência eólica instalada 2. Produção de energia eléctrica 3. Distribuição geográfica da potência e produção eólica E. Licenciamento de renováveis e perspectivas para o sector 1. Evolução dos licenciamentos de produção de energia eléctrica a partir de renováveis 2. Caracterização da potência licenciada por distrito 2/22

3 A - Resumo Considerações iniciais Face aos importantes objectivos para 21, prossegue-se com o acompanhamento da evolução da participação das energias renováveis na produção de energia eléctrica. A informação disponível tem um carácter provisório para e e, nesta fase, apenas incide sobre. O relatório deverá evoluir, ajustando-se às necessidades de informação do sector. Assim, agradecem-se eventuais comentários com vista à melhoria da informação prestada pela Direcção Geral de Energia e Geologia nesta área. 15 de Janeiro de 21 Destaques do mês O total da potência instalada renovável atingiu 8 98 MW, no final de Outubro de. Em Setembro e Outubro, verificaram-se aumentos na potência instalada eólica, fotovoltaica, biomassa com cogeração e biogás. A produção total de energia eléctrica, a partir de FER, regista um acréscimo de 13% de Janeiro a Outubro de, relativamente a igual período de. Verifica-se,agora, uma ligeira aceleração do crescimento, atendendo a que, em Outubro, a produção da sua componente hídrica foi superior à verificada no mês homólogo do ano anterior (+13%), o que não acontecia desde Março. A produção eólica, de Janeiro a Outubro de, cresceu 22% relativamente a igual período de. Em Outubro a produção foi 27% superior à verificada no mês homólogo do ano anterior. Salienta-se que a produção e a potência instalada em fotovoltaica já inclui a microprodução. Esta tecnologia representa, actualmente, cerca de 96% do total instalado em microprodução. 3/22

4 A - Resumo As energias renováveis na produção de electricidade No final de Outubro de, Portugal tinha 8 98 MW de capacidade instalada para produção de energia eléctrica a partir de fontes de energia renováveis (FER). O acréscimo de potência instalada verificado no final do mês de Outubro, relativamente a Agosto, deveu-se à entrada em funcionamento de três novas centrais, uma fotovoltaica, uma de biogás e outra de biomassa com cogeração e a um reforço de potência em três das centrais eólicas já existentes. A incorporação de FER no consumo bruto de energia eléctrica, para efeitos da Directiva*, foi de 43% em. Portugal continua a ser, em 27, o terceiro país da União Europeia (UE15) com maior incorporação de energias renováveis. A produção de energia eléctrica a partir de FER cresce, acompanhando a evolução da sua componente hídrica (59% da potência instalada em ). Comparando a produção de Janeiro a Outubro de com a registada em igual período de, verifica-se um acréscimo da produção (12,13 TWh vs 13,72 TWh), enquanto a produção hídrica cresce 9%. A produção de energia eléctrica a partir de FER está concentrada no Norte, principalmente nos distritos de Viana do Castelo, Bragança, Viseu, Coimbra, V.Real, Braga e C.Branco (162, 16, 976, 912, 74, 644 e 69 MW). Excluindo a grande hídrica, Viseu, Coimbra, C.Branco, V.do Castelo, V.Real, Lisboa, Guarda, Leiria, Braga e Porto são os principais distritos em termos de potência instalada (726, 645, 499, 397, 36, 353, 263, 233, 23 e 166 MW), correspondendo a potência destes dez distritos a 83% do total, em Outubro de. O sector eólico nacional A potência eólica instalada no final de Outubro de situava-se em MW, distribuída por 191 parques, com um total de aerogeradores ao longo de todo o território Continental. 38% da potência instalada situa-se em parques com potência igual ou inferior a 25 MW. Neste momento já se encontra ligada toda a potência eólica que obteve financiamento através do programa MAPE. A produção, em, situou-se nas horas equivalentes por MW, com 82% da energia gerada em instalações com mais de 2 25 horas em. Os distritos com maior potência instalada, em Outubro de, são Viseu, C.Branco, Coimbra, V.do Castelo, Lisboa, V.Real Leiria, Santarém, Braga e Guarda (59, 457, 428, 334, 286, 269, 23, 159, 15 e 148 MW). Os distritos com maior recurso vento, em, foram Lisboa, Guarda, Santarém, Leiria, Faro, Coimbra, V. Real, Aveiro e C.Branco (2644, 2617, 2561, 245, 2413, 2315, 2272, 223 e 223 horas equivalentes). Licenciamento de renováveis e perspectivas para o sector Até Outubro de foram já licenciados ~1 221 MW de instalações electroprodutoras a partir de FER (+15% relativamente à potência instalada actualmente). Em 23 e 24 registou-se um aumento muito significativo do licenciamento de parques eólicos (+8 MW/ano.) Nos três anos seguintes foram licenciados MW. Em foram licenciados 41 MW de potência eólica. De Janeiro a Julho de foram licenciados 548 MW, não se tendo verificado novos licenciamentos nos meses de Agosto, Setembro e Outubro. Até Outubro de, foram licenciados MW de potência eólica, prevendo-se que até final de estejam instalados 3 8 MW de potência eólica no sistema eléctrico nacional. O total de potência licenciada renovável está concentrado no norte do país, essencialmente devido à localização das grandes hídricas e de um número significativo de parques eólicos. Os distritos de Lisboa, Leiria, Castelo Branco e Viseu * As metas indicativas da Directiva 21/77/CE são para a parte da electricidade produzida a partir de fontes de energia renováveis no consumo bruto de electricidade em 21 (Produção bruta + saldo importador). O cumprimento é calculado assumindo a mesma hidraulicidade do ano base relativamente à qual foi definida a meta (1997), em linha com as declarações no anexo e a posição nacional assumida durante a discussão da Directiva. 4/22

5 B As energias renováveis na produção de electricidade 5/22

6 B1- Energia e potência por fonte de energia Gráfico B.1 - Evolução da energia produzida a partir de fontes renováveis (TWh) Fotovoltaica PCH Hidrica (>1MW) Eólica Biomassa/RSU Total Corrigido Quadro B.1 - Evolução histórica da energia eléctrica produzida através de renováveis (GWh) Out. * Hídrica Total Grande Hídrica (>3MW) PCH (>1 e <=3 MW) PCH (<= 1 MW) Eólica Biomassa (c/ cogeração) Biomassa (s/ cogeração) Resíduos Sólidos Urbanos Biogás 2,2 2,5 2, Fotovoltaica 1,6 1,8 2,6 2,9 3,8 4,1 23,6 41,4 145,2 Ondas/Marés Total IPH (ano base da Directiva ),975,623 1,9,664,336,8,627,461,51 Hídrica Total Corrigida (IPH=1) Total Corrigido Produção Bruta + Saldo Imp. (GWh) % de renováveis (Real) 35,4% 21,8% 37,3% 25,2% 16,8% 3,6% 31,1% 27,8% 31,5% % de renováveis (Directiva) 36,2% 32,3% 34,6% 35,3% 35,9% 36,% 42,7% 43,3% 45,9% * Ano Móvel de Novembro de a Outubro de. O valor da Produção Bruta + Saldo Importador para é provisório. Para, estima-se uma quebra de 2% no valor da Produção Bruta + Saldo Importador. Quadro B.2 - Evolução histórica da potência total instalada em renováveis (MW) Out. * Out. TCMA Hídrica Total ,7% Grande Hídrica (>3MW) ,6% PCH (>1 e <=3 MW) ,3% PCH (<= 1 MW) ,% Eólica ,7% Biomassa (c/ cogeração) ,5% Biomassa (s/ cogeração) ,% Resíduos Sólidos Urbanos ,% Biogás 1, 1, 1, 7, 8,2 8,2 12,4 12,4 17,3 43,3% Fotovoltaica 1,3 1,5 2,1 2,7 2,9 3,4 14,5 58,5 84,3 72,3% Ondas/Marés 4,2 4,2 Total ,7% TCMA - Taxa de Crescimento Média Anual entre 22 e A potência instalada e produção fotovoltaica inclui a microprodução 6/22

7 B1- Energia e potência por fonte de energia Gráfico B.2 - Evolução do peso da produção das energias renováveis na produção bruta + saldo importador [%] PCH (<= 1 MW) Eólica Biomassa + RSU + Biogás [%] 4 Total de renováveis Hídrica (>1 MW) Out. * Quadro B.3 - Evolução do peso da produção das energias renováveis na produção bruta + saldo importador % Out. * Hídrica Total 31,3 17,4 33, 2,1 9,7 21,5 19,5 13,3 14,5 Hídrica (>1 MW) 29,9 16,1 31,4 19,1 9,1 2,1 18,7 12,4 13,7 Grande Hídrica (>3MW) 28,3 14,8 29,7 18,1 8,6 18,8 17,8 11,6 12,8 PCH (>1 e <=3 MW) 1,5 1,3 1,7 1,,5 1,3 1,,9,9 PCH (<= 1 MW) 1,5 1,3 1,6 1,,5 1,4,8,8,8 Eólica,5,7 1, 1,6 3,4 5,5 7,6 1,6 12,6 Biomassa + RSU + Biogás 3,5 3,7 3,4 3,5 3,7 3,7 3,9 3,8 4,2 Biomassa (c/ cogeração) 2,3 2,5 2,2 2,4 2,5 2,5 2,6 2,6 2,6 Biomassa (s/ cogeração),,1,1,1,1,1,3,3,5 Resíduos Sólidos Urbanos 1,1 1,1 1,1,9 1,1 1,,9,8,9 Biogás,,,,,1,1,1,1,1 Fotovoltaica,,,,,,,,1,3 Total de renováveis 35,4 21,8 37,3 25,2 16,8 3,6 31,1 27,8 31,5 Quadro B.4 - Evolução do peso da produção de cada tecnologia no total da produção de energia renovável % Out. * Hídrica Total 88,6 79,6 88,3 79,8 57,7 7,1 62,9 47,7 45,9 Hídrica (>1 MW) 84,4 73,9 84, 75,9 54,4 65,6 6,3 44,8 43,4 Grande Hídrica (>3MW) 8,1 67,8 79,5 72, 51,4 61,2 57,2 41,6 4,5 PCH (>1 e <=3 MW) 4,3 6, 4,6 3,9 3,1 4,3 3,1 3,2 2,8 PCH (<= 1 MW) 4,1 5,8 4,3 4, 3,2 4,5 2,7 2,9 2,6 Eólica 1,5 3,4 2,6 6,3 2,1 17,9 24,4 38,3 4, Biomassa + RSU + Biogás 9,9 17, 9,1 13,9 22,2 12, 12,5 13,7 13,2 Biomassa (c/ cogeração) 6,6 11,5 5,9 9,6 14,8 8,1 8,3 9,3 8,4 Biomassa (s/ cogeração),1,4,2,4,7,5,9 1, 1,6 Resíduos Sólidos Urbanos 3,2 5,1 2,9 3,8 6,3 3,3 3, 3, 2,8 Biogás,,,,1,4,2,3,5,5 Fotovoltaica,,,,,,,1,3,9 Total de renováveis 1, 1, 1, 1, 1, 1, 1, 1, 1, /22

8 B1- Energia e potência por fonte de energia Gráficos B.3 a B.8 - Evolução das horas anuais médias de produção equivalente por tecnologia Grande Hídrica (>3MW) Eólica (corrigida) Residuos Sólidos Urbanos PCH (>1 e <=3 MW) Biogás PCH (<=1 MW) Biomassa (c/ cogeração) Fotovoltaica Biomassa s/ cogeração /22

9 B1- Energia e potência por fonte de energia Gráfico B.9 - Produção mensal de energia eléctrica a partir de fontes de energia renováveis (GWh) Gráfico B.1 - Produção de energia eléctrica a partir de fontes de energia renováveis - Ano Móvel (GWh) GWh GWh Jan Fev Mar Abr Mai Jun Jul Ago Set Out Nov Dez Biomassa + Biogás + RSU Eólica Hídrica Quadro B.5 - Situação actual da produção de energia eléctrica a partir de energias renováveis Produção (GWh) 4ºTri 27 1ºTri 2ºTri 3ºTri 4ºTri 1ºTri 2ºTri 3ºTri Out Hídrica Total Grande Hídrica (>3MW) PCH (>1 e <=3 MW) PCH (<= 1 MW) Eólica Biomassa (c/ cogeração) Biomassa (s/ cogeração) Resíduos Sólidos Urbanos Biogás Fotovoltaica Ondas/Marés Total Total (s/ Grande Hídrica) Agosto/ relativamente a Agosto/ Out/8 Nov/8 Dez/8 Jan/9 Fev/9 Mar/9 Abr/9 Mai/9 Jun/9 Jul/9 Ago/9 Set/9 Out/9 +8% +29% +6% 9/22

10 B2 - Energia e potência por distrito Mapa B.1 - Produção de energia eléctrica a partir de fontes renováveis por distrito em (GWh) Aveiro Beja Braga Bragança Castelo Branco Coimbra Évora Faro Guarda Leiria Lisboa Portalegre Porto Santarém Setúbal Viana do Castelo Vila Real Viseu Quadro B.6 - Evolução da energia eléctrica produzida através de renováveis (GWh) (exclui pequena fotovoltaica) Distritos Total Continente Aveiro Beja,7 2,9 1,1, Braga Bragança Castelo Branco Coimbra Évora,6 1,3 Faro Guarda Leiria Lisboa Portalegre Porto Santarém Setúbal Viana do Castelo Vila real Viseu Hídrica Eólica Biomassa Fotovoltaica 2.3 1/22

11 B2- Energia e potência por distrito Quadro B.7 - Evolução histórica da Potência Instalada total de renováveis por distrito (MW) (exclui pequena fotovoltaica) Distritos Out. Total Continente Aveiro Beja 1,4 1,4 1, Braga Bragança Castelo Branco Coimbra Évora 1,2 1,2 1,2 1,2 1, 1,2 1,2 1,2 1,2 Faro Guarda Leiria Lisboa Portalegre Porto Santarém Setúbal Viana do Castelo Vila Real Viseu Quadro B.8 - Evolução da Potência Instalada total de renováveis, excluindo a grande hídrica > 3 MW e peq. fotovoltaica (MW) Distritos Out. Total Aveiro Beja Braga Bragança Castelo Branco Coimbra Évora 1,2 1,2 1,2 1,2 1, 1,2 1,2 1,2 1,2 Faro Guarda Leiria Lisboa Portalegre Porto Santarém Setúbal Viana do Castelo Vila Real Viseu /22

12 B3 - Comparação internacional Gráfico B.11 - Peso da produção de energia eléctrica a partir de energias renováveis na produção bruta + saldo importador, em 27 Áustria Suécia Dinamarca Finlândia Espanha Itália Alemanha França Irlanda Grécia Holanda Reino Unido Bélgica Luxemburgo % 5% 1% 15% 2% 25% 3% 35% 4% 45% 5% 55% 6% 65% 7% Quadro B.9 - Comparação internacional entre países da OCDE Peso das FER na UE 15 Hidrica Eólica Biomassa/Biogás Outras Peso (%) em 27 Total 27 FER 1999 FER 27 % FER % FER Biomassa Hídrica Eólica TWh GWh GWh Biogás Outros Áustria 7, ,9 56,8 85, 5,1 9,9, Suécia 15, ,8 5,4 87, 1,9 11,1, 53, ,4 29,9 63, 25,3 11,5,2 Dinamarca 38, ,3 27,4,3 68,4 31,3, Finlândia 93, ,7 26,6 56,8,8 42,4, Espanha 3, ,3 19,7 46,3 45,5 7,3,8 Itália 36, , 13,6 68,5 8,5 11,5 11,5 Alemanha 62, ,7 14,4 22,7 44,1 29,3 3,9 França 513, ,5 12,9 87,6 6,1 5,5,8 Irlanda 29, ,1 9,2 25, 7,4 4,6, Grécia 68, ,4 7,2 59,6 37,3 3,1, Holanda 12, ,6 6,2 1,5 45,9 52,2,5 Reino Unido 42, ,4 5,7 22,2 26,9 5,9, Bélgica 96, ,2 3,5 11,1 15,6 73,2,1 Luxemburgo 7, ,6 3,3 44,3 24,4 23,3 8, Total UE , ,2 16,2 57,7 21,9 18,2 2,2 Nova Zelândia 43, ,2 65,4 81,9 3,3 2,7 12,1 Canadá 6, ,5 63,5 96,8,7 2,6, Turquia 189, ,5 19,3 98,1 1,,5,4 México 256, ,2 14,5 72,8,7 6,6 19,9 Austrália 259, ,9 8,5 76,1 12,5 11,,4 Japão 1.154, ,4 8,5 76,5 2,8 17,5 3,1 Estados Unidos 4.419, ,8 8,2 68,8 8,9 17,5 4,8 Coreia 438, ,4 1, 85,9 8,7 4,7,7 Notas: Neste comparativo excluem-se a bombagem na produção hídrica e os resíduos sólidos urbanos considerados não renováveis. O Total 27 corresponde à produção bruta de energia eléctrica + saldo importador. Outros inclui geotérmica, solar, ondas e marés 12/22

13 C Grande Hídrica (centrais com potência Instalada >3MW) 13/22

14 C1 - Produção mensal Gráfico C.1 - Produção mensal de energia eléctrica (GWh) GWh Jan Fev Mar Abr Mai Jun Jul Ago Set Out Nov Dez Gráfico C.2 - Produção de energia eléctrica por bacia hidrográfica - Ano Móvel (GWh) GWh produção média anual nas 6 bacias hidrográficas de 1995 a 24 (1 473 GWh) Cávado 5. Lima Out/8 Nov/8 Dez/8 Jan/9 Fev/9 Mar/9 Abr/9 Mai/9 Jun/9 Jul/9 Ago/9 Set/9 Out/9 Douro Mondego Tejo Guadiana 14/22

15 C2 - Produção e potência instalada por tipo de aproveitamento e bacia hidrográfica Quadro C.1 - Produção de energia eléctrica e potência por tipo de aproveitamento e bacia hidrográfica 4ºTri 27 1ºTri 2ºTri 3ºTri 4ºTri 1ºTri 2ºTri 3ºTri Out. Out. Grande Hídrica Total Albufeira Lima Cávado Douro Mondego Tejo Guadiana Fio de água Lima -,2,8 1,5,, 2 42 Douro Tejo Gráfico C.3 - Produção mensal de energia eléctrica por bacia hidrográfica (GWh) Lima J F M A M J J A S O N D Cávado Tejo J F M A M J J A S O N D J F M A M J J A S O N D Lima Cávado Douro Mondego Tejo Guadiana Produção (GWh) Douro J F M A M J J A S O N D Mondego Guadiana J F M A M J J A S O N D J F M A M J J A S O N D Pot. (MW) 15/22

16 D O Sector Eólico Nacional 16/22

17 D1 - Caracterização da potência eólica instalada Gráfico D.1 - Evolução da potência instalada em (MW) MW Jan/ Mai/ Set/ Dez/ Abr/1 Ago/1 Dez/1 Quadro D.1 - Caracterização da potência eólica instalada em Out. TCMA Potência instalada (MW) ,7% Nº parques instalados ,4% Nº de aerogeradores instalados ,1% Potência média (MW) dos parques 7,1 7,3 6, 7,6 1,2 12,1 13,9 16,1 18,1 12,4% dos aerogeradores instalados,7,8,9 1,2 1,5 1,7 1,9 1,9 1,9 15,9% dos aerogeradores instalados em cada ano,5 1,5 1,2 1,7 2, 2,1 3,3 1,8 2, 2,3% TCMA - Taxa de Crescimento Média Anual entre 21 e Quadro D.2 - Caracterização dos parques por potência instalada em Nº de parques Potência (MW) MW Out. % Out. % Total % % % % > % % > % % > % % > % % Gráfico D.2 - Evolução mensal da produção eólica em GWh /: % Abr/2 Ago/2 Dez/2 Abr/3 Ago/3 Dez/3 Abr/4 Ago/4-5% -4% -4% +53% +16% +54% +7% +54% +27% Dez/4 27 Abr/5 Ago/5 Dez/5 Abr/6 Ago/6 Nov/6 Mar/7 Jul/7 Nov/7 Mar/8 Jul/8 Nov/8 Mar/9 Jul/9 Nov/ Jan Fev Mar Abr Mai Jun Jul Ago Set Out Nov Dez Nota: Os valores em percentagem correspondem à variação relativamente ao mês homólogo do ano anterior. 17/22

18 D2 - Produção de energia eléctrica Quadro D.3 - Caracterização da produção e horas de produção equivalente Jan-Out TCMA Totalidade dos parques Produção (GWh) ,3% Potência instalada (MW) ,7% Horas de produção equivalente Parques com potência instalada estabilizada Produção (GWh) ,4% Potência instalada (MW) ,3% Horas de produção equivalente TCMA - Taxa de Crescimento Média Anual entre 21 e Quadro D.4 - Caracterização dos parques por horas de produção equivalente Com potência instalada estabilizada Pot. Instalada (MW) Produção (GWh) Horas Out % Jan-Out % Total % % > % % > % % > % % > % % > % % > % % % % Gráfico D.3 - Evolução da produção eólica em (GWh) GWh Ano Móvel Mensal Jan/4 Jul/4 Jan/5 Jul/5 Jan/6 Jul/6 Jan/7 Jul/7 Jan/8 Jul/8 Jan/9 Jul/9 18/22

19 D3 - Distribuição geográfica da potência e produção eólica Quadro D.5 - Evolução da potência instalada eólica, produção e horas de produção equivalente Distritos 27 Out. Jan-Out. Potência Produção Horas 27 MW GWh Equiv. TOTAL Continente Aveiro Beja Braga Bragança Castelo Branco Coimbra Évora Faro Guarda Leiria Lisboa Portalegre Porto Santarém Setúbal Viana do Castelo Vila Real Viseu * Corrigido: apenas com as centrais cuja potência instalada estabilizou durante o ano. Mapa D.1 - Distribuição das horas de produção equivalente (Outubro/ a Outubro/) Horas O N D J F M A M J J A S O Horas de Prod. Equivalente: 1936 Horas de Prod. Equivalente: 196 Nº de Parques: 2; Potência: 431 MW Nº de Parques: 31; Potência: 334 MW Horas O N D J F M A M J J A S O Horas de Prod. Equivalente: 2118 Horas de Prod. Equivalente: 2211 Nº de Parques: 52; Potência: 494 MW Nº de Parques: 58; Potência: 1455 MW Nota: Para esta análise consideraram-se apenas os parques eólicos, cuja potência instalada estabilizou entre Outubro/ e Outubro/ (163 parques, totalizando 2747 MW). Desta forma atenuou-se o efeito do aumento de potência nos parques em instalação ou em expansão. Potência (MW) Produção (GWh) (corrigido*) Horas O N D J F M A M J J A S O Horas O N D J F M A M J J A S O Horas O N D J F M A M J J A S O Horas de Prod. Equivalente: 1279 Nº de Parques: 2; Potência: 33 MW 19/22

20 E Licenciamento de renováveis e perspectivas de futuro 2/22

21 E1 - Evolução dos licenciamentos e atribuição de potência Gráfico E.1 - Evolução da potência licenciada MW Eólica Fotovoltaica Total Biomassa Mini-Hídrica T1 T2 T3 T4 T1 T2 T3 T4 T1 T2 T3 T4 T1 T2 T3 T4 T1 T2 T3 T4 T1 T2 T3 T4 T1 T2 T3 T4 T1 T2 T3 T4 T1 T2 T3 T4 Gráfico E.2 - Evolução acumulada da potência licenciada (MW) MW Fotovoltaica Biomassa Eólicas Mini-Hídricas Grandes Hídricas (>1MW) T1 T2 T3 T4 T1 T2 T3 T4 T1 T2 T3 T4 T1 T2 T3 T4 T1 T2 T3 T4 T1 T2 T3 T4 T1 T2 T3 T4 T1 T2 T3 T4 T1 T2 T3 T4 Quadro E.1 - Potência licenciada (desde atribuição de Ponto de Recepção) Até 27 1ºTri 2ºTri 1.2 Ampliação: Biomassa e Fotovoltaica Grande Hídrica (> 1MW) Hídrica (PCH <= 1MW) 453 1,6 2,4,1 2,7 1,8 461 Eólica ,1 165,5 3,6 26,8 244,1 33, Biomassa (c/cogeração) 481,3 64,5 2,6 548 Biomassa (s/cogeração) 1 25, 3, 37,8 6, 2,3 1,1 175 Resíduos Sólidos Urbanos Biogás 43 4,9 1,6 6, 5,1 5,1 66 Fotovoltaica 16,1 1,3 16,6 124 Ondas/Marés 4,2 4,2 Total ,9 237,1 68,4 28,2 255,4 33,3 6,2 5, ºTri 4ºTri 1ºTri 2ºTri 3ºTri Out MW Total 21/22

22 E2 - Caracterização da potência licenciada e atríbuida por distrito Gráfico E.3 - Potência licenciada por distrito (MW) Aveiro Beja Braga Bragança Castelo Branco Coimbra Évora Faro Guarda Leiria Lisboa Portalegre Porto Santarém Setúbal Viana do Castelo Vila Real Viseu Quadro E.2 - Evolução da potência acumulada licenciada por distrito Hídrica Eólica Biomassa Fotovoltaica MW Eólica Total Grande Distritos Hídrica Out Out TOTAL Continente Aveiro Beja Braga Bragança Castelo Branco Coimbra Évora Faro Guarda Leiria Lisboa Portalegre Porto Santarém Setúbal Viana do Castelo Vila Real Viseu /22

estatísticas rápidas dezembro 2013

estatísticas rápidas dezembro 2013 estatísticas rápidas dezembro 213 Nº 16 Índice A. Resumo B. As energias renováveis na produção de eletricidade 1. Energia e potência por fonte de energia 2. Energia e potência por distrito 3. Comparação

Leia mais

I Feira Ibérica de Sustentabilidade Urbana Ecoenergia. Roteiro Nacional das Energias Renováveis

I Feira Ibérica de Sustentabilidade Urbana Ecoenergia. Roteiro Nacional das Energias Renováveis I Feira Ibérica de Sustentabilidade Urbana Ecoenergia Aplicação da Directiva 2009/28/CE Apresentação das previsões da APREN desenvolvidas no âmbito do Projecto Europeu REPAP 2020 63% 31% 85% Enquadramento

Leia mais

A Biomassa Florestal como Fonte de Energia Renovável

A Biomassa Florestal como Fonte de Energia Renovável A Biomassa Florestal como Fonte de Energia Renovável Seminário: Biomassa Florestal, Energia e Desenvolvimento Rural João Bernardo, DGGE Índice Enquadramento do Sector Energético As fontes de Energia Renovável

Leia mais

ÍNDICE 1. QUEM SOMOS 2. A ENERGIA EM PORTUGAL 3. CONTRIBUIÇÃO DAS RENOVÁVEIS PARA O DESENVOLVIMENTO NACIONAL

ÍNDICE 1. QUEM SOMOS 2. A ENERGIA EM PORTUGAL 3. CONTRIBUIÇÃO DAS RENOVÁVEIS PARA O DESENVOLVIMENTO NACIONAL ÍNDICE 1. QUEM SOMOS 2. A ENERGIA EM PORTUGAL 3. CONTRIBUIÇÃO DAS RENOVÁVEIS PARA O DESENVOLVIMENTO NACIONAL 4. O PAPEL DE PORTUGAL NAS ENERGIAS RENOVÁVEIS 2 1. QUEM SOMOS 3 A APREN A APREN - Associação

Leia mais

79.3 75.9. Irlanda. Luxemburgo. Dinamarca. Irlanda. Portugal

79.3 75.9. Irlanda. Luxemburgo. Dinamarca. Irlanda. Portugal 1 159.6 87.3 75.6 66.7 75.9 79.3 89.9 102.7 49.6 47.4 39.0 33.3 28.5 24.5 20.9 Média UE-15 = 44.9 14.9 13.2 10.9 1.5 Dinamarca R.U. Holanda Suécia França Finlândia Alemanha Grécia Áustria Bélgica Espanha

Leia mais

estatísticas rápidas - nº junho de 2014

estatísticas rápidas - nº junho de 2014 estatísticas rápidas - nº 112 - junho de Índice Destaque 3 4 Produção global 4 Produção por região 5 Produção mensal 6 Potência instalada 7 Potência instalada por região 8 Microprodução 9 Hídrica 1 Eólica

Leia mais

a 2015 Conferência Industria Automóvel: Contributo para uma mobilidade sustentável. Projecto Eco-condução ACAP, Lisboa, 24-05-2010

a 2015 Conferência Industria Automóvel: Contributo para uma mobilidade sustentável. Projecto Eco-condução ACAP, Lisboa, 24-05-2010 Reciclagem de Veículos em Fim de Vida (VFV) rumo a 2015 Conferência Industria Automóvel: Contributo para uma mobilidade sustentável. Projecto Eco-condução ACAP, Lisboa, 24-05-2010 Tópicos Empresa Sistema

Leia mais

Elbia Melo. Presidente Executiva ABEEólica

Elbia Melo. Presidente Executiva ABEEólica Cenário e Perspectivas para o Segmento de Energia Eólica Elbia Melo Presidente Executiva ABEEólica 84 Associados 2 84 Associados 3 Energia Eólica no Mundo 4 Ranking Mundial 1 China 75,56 2 EUA 60,01 3

Leia mais

G PE AR I Gabinete de Planeamento, Estratégia, Avaliação_ e Relações Internacionais. Boletim Mensal de Economia Portuguesa. N.

G PE AR I Gabinete de Planeamento, Estratégia, Avaliação_ e Relações Internacionais. Boletim Mensal de Economia Portuguesa. N. Boletim Mensal de Economia Portuguesa N.º 9 setembro 211 Gabinete de Estratégia e Estudos Ministério da Economia e do Emprego G PE AR I Gabinete de Planeamento, Estratégia, Avaliação_ e Relações Internacionais

Leia mais

IV JORNADAS IBERO-ATLÂNTICAS DE ESTATÍSTICAS REGIONAIS 22 e 23 de junho de 2012 ESTATÍSTICAS FINANCEIRAS REGIONAIS. João Cadete de Matos

IV JORNADAS IBERO-ATLÂNTICAS DE ESTATÍSTICAS REGIONAIS 22 e 23 de junho de 2012 ESTATÍSTICAS FINANCEIRAS REGIONAIS. João Cadete de Matos 22 e 23 de junho de 2012 ESTATÍSTICAS FINANCEIRAS REGIONAIS João Cadete de Matos 1ª Parte Estatísticas do Banco de Portugal Estatísticas Financeiras Regionais 2 Evolução da difusão Estatística no Banco

Leia mais

Relatório Anual de Atividades

Relatório Anual de Atividades Direção de Serviços de Recrutamento e Assuntos do Serviço Militar DIVISÃO DE ASSUNTOS DA PROFISSIONALIZAÇÃO DO SERVIÇO MILITAR Centro de Informação e Orientação para a Formação e o Emprego Relatório Anual

Leia mais

ELEIÇÃO DA ASSEMBLEIA DA REPÚBLICA

ELEIÇÃO DA ASSEMBLEIA DA REPÚBLICA Círculo eleitoral dos Açores Aliança Açores Partido Social Democrata Partido Democrático do Atlântico CDS-PP. PPD/D PDA Círculo eleitoral de Aveiro Partido Cidadania e Democracia Cristã PPV/CDC PPD/D.

Leia mais

ESTRUTURA EMPRESARIAL NACIONAL 1995/98

ESTRUTURA EMPRESARIAL NACIONAL 1995/98 ESTRUTURA EMPRESARIAL NACIONAL 1995/98 NOTA METODOLÓGICA De acordo com a definição nacional, são pequenas e médias empresas aquelas que empregam menos de 500 trabalhadores, que apresentam um volume de

Leia mais

PRÓ-TRANSPORTE - MOBILIDADE URBANA - PAC COPA 2014 - CT 318.931-88/10

PRÓ-TRANSPORTE - MOBILIDADE URBANA - PAC COPA 2014 - CT 318.931-88/10 AMPLIAÇÃO DA CENTRAL DE Simpl Acum Simpl Acum jul/10 a jun/11 jul/11 12 13 (%) (%) (%) (%) 1.72.380,00 0,00 0,00 0,00 361.00,00 22,96 22,96 1/11 AMPLIAÇÃO DA CENTRAL DE ago/11 Simpl Acum Simpl Acum Simpl

Leia mais

REQUEST aproveitamento da energia solar na reabilitação

REQUEST aproveitamento da energia solar na reabilitação REQUEST aproveitamento da energia solar na reabilitação US Tile request aproveitamento da energia solar na reabilitação apisolar@ FIL 10out12 Índice apisolar apresentação e intervenção no projecto sistemas

Leia mais

Em termos nominais, as exportações aumentaram 2,1% e as importações diminuíram 3,5%

Em termos nominais, as exportações aumentaram 2,1% e as importações diminuíram 3,5% Estatísticas do Comércio Internacional Fevereiro 2015 09 de abril de 2015 Em termos nominais, as exportações aumentaram 2,1% e as importações diminuíram 3,5% As exportações de bens aumentaram 2,1% e as

Leia mais

ENERGIA EÓLICAE. Álvaro Rodrigues Viana do Castelo - Setembro de set 07

ENERGIA EÓLICAE. Álvaro Rodrigues Viana do Castelo - Setembro de set 07 ENERGIA EÓLICAE Álvaro Rodrigues Viana do Castelo - Setembro de 2007 Enquadramento (Convenção Quadro NU Alterações Climáticas) Electricidade Directiva UE para as renováveis Actividade humana Gases c/efeito

Leia mais

Transporte de mercadorias aumenta por via rodoviária e marítima

Transporte de mercadorias aumenta por via rodoviária e marítima Atividade dos Transportes 3º Trimestre de 215 14 de janeiro de 216 Transporte de mercadorias aumenta por via rodoviária e marítima Movimento de passageiros nos aeroportos continua a crescer mas com ligeira

Leia mais

O SECTOR ELÉCTRICO EM PORTUGAL CONTINENTAL

O SECTOR ELÉCTRICO EM PORTUGAL CONTINENTAL O SECTOR ELÉCTRICO EM PORTUGAL CONTINENTAL CONTRIBUTO PARA DISCUSSÃO 31 de Março de 2011 O presente documento resume as principais conclusões do Estudo O Sector Eléctrico em Portugal Continental elaborado

Leia mais

gabinete de estratégia e estudos

gabinete de estratégia e estudos Gabinete de Estratégia e Estudos Síntese Estatística gabinete de estratégia e estudos INVESTIMENTO DIRECTO Exterior em Portugal e Portugal no Exterior Agosto de 26 Índice Tratamento e análise dos dados

Leia mais

rotulagem de energia eléctrica

rotulagem de energia eléctrica rotulagem de energia eléctrica ROTULAGEM DE ENERGIA ELÉCTRICA A produção e a distribuição de energia eléctrica são fundamentais para o desenvolvimento das sociedades. A rotulagem de energia eléctrica pretende

Leia mais

A Gestão dos Recursos Humanos em Saúde:Situação e Perspectivas (*)

A Gestão dos Recursos Humanos em Saúde:Situação e Perspectivas (*) A Gestão dos Recursos Humanos em Saúde:Situação e Perspectivas (*) Covilhã, 18 de Maio de 2007 (*) Manuel Delgado 1 AGENDA I Breve Caracterização dos Recursos Humanos da Saúde II As Despesas com Pessoal

Leia mais

O papel da AICEP na Internacionalização das Empresas Portuguesas

O papel da AICEP na Internacionalização das Empresas Portuguesas O papel da AICEP na Internacionalização das Empresas Portuguesas Porto, 28 de Janeiro de 2014 Índice 1. Enquadramento 2. A aicep Portugal Global 3. Produtos e serviços AICEP Enquadramento Enquadramento

Leia mais

CICLO DE CONFERÊNCIAS ENGENHARIA EM MOVIMENTO

CICLO DE CONFERÊNCIAS ENGENHARIA EM MOVIMENTO CICLO DE CONFERÊNCIAS ENGENHARIA EM MOVIMENTO Estratégia para o Crescimento Verde A ELETRICIDADE RENOVÁVEL EM PORTUGAL António Sá da Costa 22 de Janeiro de 2015 ÍNDICE 1. A ENERGIA EM PORTUGAL 2. CONTRIBUIÇÃO

Leia mais

A HIDROELETRICIDADE EM PORTUGAL

A HIDROELETRICIDADE EM PORTUGAL Ciclo de Mesas Redondas A APREN e as Universidades A HIDROELETRICIDADE EM PORTUGAL Comemoração do Dia nacional da Água 1 de outubro de 2014 2 A HIDROELETRICIDADE EM PORTUGAL PROGRAMA 10:30 10:50 Sessão

Leia mais

A QUALIDADE E A CERTIFICAÇÃO

A QUALIDADE E A CERTIFICAÇÃO A QUALIDADE E A CERTIFICAÇÃO Em 1977 foi criada no Ministério da Indústria e Energia, a Direcção Geral da Qualidade, actualmente denominada por IPQ, cujo objectivo era o desenvolvimento e divulgação dos

Leia mais

Eólicas aceitam mudanças, solares na expecativa

Eólicas aceitam mudanças, solares na expecativa Eólicas aceitam mudanças, solares na expecativa Tiragem: 14985 Pág: 4 Área: 27,11 x 32,99 cm² Corte: 1 de 5 São conhecidas algumas medidas, mas não todas. O sector sente-se parado, mas tem esperança que

Leia mais

DEMONSTRATIVO DE CÁLCULO DE APOSENTADORIA - FORMAÇÃO DE CAPITAL E ESGOTAMENTO DAS CONTRIBUIÇÕES

DEMONSTRATIVO DE CÁLCULO DE APOSENTADORIA - FORMAÇÃO DE CAPITAL E ESGOTAMENTO DAS CONTRIBUIÇÕES Página 1 de 28 Atualização: da poupança jun/81 1 133.540,00 15,78 10,00% 13.354,00 10,00% 13.354,00 26.708,00-0,000% - 26.708,00 26.708,00 26.708,00 jul/81 2 133.540,00 15,78 10,00% 13.354,00 10,00% 13.354,00

Leia mais

RELATÓRIO DO ESTADO DO AMBIENTE 2008 INDICADORES

RELATÓRIO DO ESTADO DO AMBIENTE 2008 INDICADORES RELATÓRIO DO ESTADO DO AMBIENTE 28 1 INDICADORES ÁGUA 8 Evolução do número de análises em cumprimento do valor paramétrico 1, Análises (n.º) 7 6 5 4 3 2 1 591 65 64 278 97,48% 97,53% Fonte: ERSAR, 29 623

Leia mais

Hotelaria manteve crescimento de dois dígitos mas com desaceleração particularmente no mercado interno

Hotelaria manteve crescimento de dois dígitos mas com desaceleração particularmente no mercado interno Atividade Turística Novembro de 2014 19 de janeiro de 2015 Hotelaria manteve crescimento de dois dígitos mas com desaceleração particularmente no mercado interno As dormidas na hotelaria fixaram-se em

Leia mais

OBSERVATÓRIO INFOTRUST CONSTITUIÇÕES

OBSERVATÓRIO INFOTRUST CONSTITUIÇÕES CONSTITUIÇÕES OBSERVATÓRIO INFOTRUST CONSTITUIÇÕES O Observatório Infotrust disponibiliza a evolução diária do número de Constituições registadas em território nacional, com segmentação Geográfica e por

Leia mais

Nota introdutória. PME em Números 1 IAPMEI ICEP

Nota introdutória. PME em Números 1 IAPMEI ICEP PME em Números PME em Números 1 Nota introdutória De acordo com o disposto na definição europeia 1, são classificadas como PME as empresas com menos de 250 trabalhadores cujo volume de negócios anual não

Leia mais

OBSERVATÓRIO INFOTRUST PER S

OBSERVATÓRIO INFOTRUST PER S PER S OBSERVATÓRIO INFOTRUST PER S O Observatório Infotrust disponibiliza a evolução diária do número de PER s registadas em território nacional, com segmentação Geográfica e por Sector de Atividade e

Leia mais

Microgeração de Energia Enquadramento Legal

Microgeração de Energia Enquadramento Legal Microgeração de Energia Enquadramento Legal Inês Saraiva Azevedo Junho 2008 Enquadramento Legislativo Decreto-Lei n.º 363/2007 Benefícios Fiscais Confidencial 2 Enquadramento Legislativo Confidencial 3

Leia mais

Título da comunicação: A Situação Profissional de Ex-Bolseiros de Doutoramento

Título da comunicação: A Situação Profissional de Ex-Bolseiros de Doutoramento Título da comunicação: A Situação Profissional de Ex-Bolseiros de Doutoramento Evento: Local: Data: CONFERÊNCIA REGIONAL DE LISBOA E VALE DO TEJO Centro de Formação Profissional de Santarém 10 de Março

Leia mais

Em termos nominais, as exportações aumentaram 0,9% e as importações diminuíram 1,8%

Em termos nominais, as exportações aumentaram 0,9% e as importações diminuíram 1,8% Estatísticas do Comércio Internacional Janeiro 2015 12 de Março de 2015 Em termos nominais, as exportações aumentaram 0,9% e as importações diminuíram 1,8% As exportações de bens aumentaram 0,9% e as importações

Leia mais

PRÓ-TRANSPORTE - MOBILIDADE URBANA - PAC COPA 2014 - CT 318.931-88/10

PRÓ-TRANSPORTE - MOBILIDADE URBANA - PAC COPA 2014 - CT 318.931-88/10 AMPLIAÇÃO DA CENTRAL DE Simpl Acum Simpl Acum jul/10 a jun/11 jul/11 12 13 (%) (%) (%) (%) 0,00 0,00 0,00 0,00 0,00 0,00 1/11 AMPLIAÇÃO DA CENTRAL DE ago/11 Simpl Acum Simpl Acum Simpl Acum 14 set/11 15

Leia mais

Hotelaria mantém crescimento mas com desaceleração no número de hóspedes e de dormidas

Hotelaria mantém crescimento mas com desaceleração no número de hóspedes e de dormidas Atividade Turística Fevereiro de 20 15 de Abril de 20 Hotelaria mantém crescimento mas com desaceleração no número de hóspedes e de dormidas Os estabelecimentos hoteleiros registaram cerca de 2 milhões

Leia mais

Energias Renováveis O ponto de vista da edp distribuição

Energias Renováveis O ponto de vista da edp distribuição Energias Renováveis O ponto de vista da edp distribuição A edp em várias geografias Situação Portuguesa As metas da renovável A edp A produção em regime especial O Operador da Rede de Distribuição e a

Leia mais

O ESTADO ATUAL DO SETOR DAS ENERGIAS RENOVÁVEIS EM PORTUGAL. António Sá da Costa

O ESTADO ATUAL DO SETOR DAS ENERGIAS RENOVÁVEIS EM PORTUGAL. António Sá da Costa O ESTADO ATUAL DO SETOR DAS ENERGIAS RENOVÁVEIS EM PORTUGAL António Sá da Costa 1. A ENERGIA EM PORTUGAL E NO MUNDO A ENERGIA NO MUNDO Existe uma nova realidade no setor da energia a nível mundial Consumo

Leia mais

O TURISMO NO ESPAÇO RURAL 2005

O TURISMO NO ESPAÇO RURAL 2005 O TURISMO NO ESPAÇO RURAL 2005 Elaborado por: Maria Julieta Martins Coordenado por: Teresinha Duarte Direcção de Serviços de Estudos e Estratégia Turísticos Divisão de Recolha e Análise Estatística Índice

Leia mais

Residentes no estrangeiro sustentam ligeiro aumento nas dormidas

Residentes no estrangeiro sustentam ligeiro aumento nas dormidas Atividade Turística Dezembro de 2012 14 de fevereiro de 2013 Residentes no estrangeiro sustentam ligeiro aumento nas dormidas As dormidas na hotelaria atingiram 1,7 milhões em dezembro 2012, mais 1,9%

Leia mais

CATÁLOGO ESTUDOS DE MERCADO II TRIMESTRE DE 2015 GABINETE DE ESTUDOS APEMIP

CATÁLOGO ESTUDOS DE MERCADO II TRIMESTRE DE 2015 GABINETE DE ESTUDOS APEMIP Nº 30 APEMIP ASSOCIAÇÃO DOS PROFISSIONAIS E EMPRESAS DE MEDIAÇÃO IMOBILIÁRIA DE PORTUGAL PUBLICAÇÃO TRIMESTRAL II TRIMESTRE DE 2015 PARCEIROS: Nº GABINETE DE ESTUDOS APEMIP CATÁLOGO ESTUDOS DE MERCADO

Leia mais

Projecto HidroValor. Avaliação dos Impactos Económicos, Sociais e Ambientais de Novos Médios e Grandes Aproveitamentos Hídricos na Região Centro

Projecto HidroValor. Avaliação dos Impactos Económicos, Sociais e Ambientais de Novos Médios e Grandes Aproveitamentos Hídricos na Região Centro Projecto HidroValor Avaliação dos Impactos Económicos, Sociais e Ambientais de Novos Médios e Grandes Aproveitamentos Hídricos na Região Centro 11 Agradecimentos Os autores do presente estudo, querem

Leia mais

ANO de 2013. Sinistralidade Rodoviária. Observatório de Segurança Rodoviária 23-06-2014. Relatório - Anual

ANO de 2013. Sinistralidade Rodoviária. Observatório de Segurança Rodoviária 23-06-2014. Relatório - Anual ANO de Sinistralidade Rodoviária Observatório de Segurança Rodoviária -- ÍNDICE DEFINIÇÕES... EVOLUÇÃO GLOBAL.... Acidentes com : /... ACIDENTES E VÍTIMAS........... Acidentes Acidentes Acidentes Acidentes

Leia mais

www.ccee.org.br Nº 011 Novembro/2014 0800 10 00 08 Nº de usinas

www.ccee.org.br Nº 011 Novembro/2014 0800 10 00 08 Nº de usinas Introdução O Boletim de Operação das Usinas é uma publicação mensal que apresenta os principais resultados consolidados de capacidade, garantia física e geração das usinas, tendo como referência a contabilização

Leia mais

Hotelaria com aumentos nos hóspedes, dormidas e proveitos

Hotelaria com aumentos nos hóspedes, dormidas e proveitos Atividade Turística Janeiro de 2014 19 de março de 2014 Hotelaria com aumentos nos hóspedes, dormidas e proveitos A hotelaria registou 1,7 milhões de dormidas em janeiro de 2014, valor que corresponde

Leia mais

'DWD 7HPD $FRQWHFLPHQWR

'DWD 7HPD $FRQWHFLPHQWR 'DWD 7HPD $FRQWHFLPHQWR 22/01 Economia 25/01 Comércio Internacional 26/01 Taxas de Juro 29/01 Economia 31/01 Desemprego 31/01 Investimento Banco de Portugal divulgou Boletim Estatístico Janeiro 2007 http://epp.eurostat.ec.europa.eu/pls/portal/docs/page/pgp_prd_cat_prerel/pge_cat_prerel_year_2007/pge_

Leia mais

CRÉDITO À HABITAÇÃO ENDIVIDAMENTO E INCUMPRIMENTO EM PORTUGAL

CRÉDITO À HABITAÇÃO ENDIVIDAMENTO E INCUMPRIMENTO EM PORTUGAL CRÉDITO À HABITAÇÃO ENDIVIDAMENTO E INCUMPRIMENTO EM PORTUGAL CENTRO DE ESTUDOS SOCIAIS DA FACULDADE DE ECONOMIA DA UNIVERSIDADE DE COIMBRA Fevereiro de 2002 1 1. Crédito à habitação 1.1. Crédito à habitação

Leia mais

ERSE. Inserção da energia eólica na matriz elétrica brasileira

ERSE. Inserção da energia eólica na matriz elétrica brasileira ERSE Mesa Redonda Energia Eólica Inserção da energia eólica na matriz elétrica brasileira Prof. Nivalde J. de Castro Roberto Brandão 1 Sumário 1. Matriz de geração brasileira: perfil e tendências. 2. O

Leia mais

As dividas das empresa à Segurança Social disparam com o governo de Sócrates Pág. 1

As dividas das empresa à Segurança Social disparam com o governo de Sócrates Pág. 1 As dividas das empresa à Segurança Social disparam com o governo de Sócrates Pág. 1 AS DIVIDAS DAS EMPRESAS À SEGURANÇA SOCIAL DISPARAM COM O GOVERNO DE SÓCRATES: - só em 2006 a Segurança Social perdeu

Leia mais

Em termos nominais, as exportações aumentaram 8,2% e as importações aumentaram 7,4%

Em termos nominais, as exportações aumentaram 8,2% e as importações aumentaram 7,4% Estatísticas do Comércio Internacional Abril 215 9 de junho de 215 Em termos nominais, as exportações aumentaram 8,2% e as importações aumentaram 7,4% As exportações de bens aumentaram 8,2% e as importações

Leia mais

Fevereiro 2009 ASSOCIAÇÃO INDUSTRIAL PORTUGUESA CONFEDERAÇÃO EMPRESARIAL

Fevereiro 2009 ASSOCIAÇÃO INDUSTRIAL PORTUGUESA CONFEDERAÇÃO EMPRESARIAL INQUÉRITO AO CRÉDITO Fevereiro 2009 ASSOCIAÇÃO INDUSTRIAL PORTUGUESA CONFEDERAÇÃO EMPRESARIAL Introdução O Inquérito ao Crédito Fevereiro 2009, realizado pela AIP-CE, teve como base uma amostra constituída

Leia mais

PQS GLOBAIS. (c). Tempo de estabelecimento de chamada para chamadas nacionais (segundos) que correspondem ao percentil 95% das chamadas mais rápidas

PQS GLOBAIS. (c). Tempo de estabelecimento de chamada para chamadas nacionais (segundos) que correspondem ao percentil 95% das chamadas mais rápidas PQS GLOBAIS Anacom Objetivo SU Ano1 SU PQS 1 PQS 1 (a) PQS1. Prazo de fornecimento da ligação inicial (a) Demora no fornecimento das ligações, quando o cliente não define uma data objetivo (dias) PQS 1

Leia mais

AS RENOVÁVEIS EM PORTUGAL ABRIL DE 2013

AS RENOVÁVEIS EM PORTUGAL ABRIL DE 2013 AS RENOVÁVEIS EM PORTUGAL ABRIL DE 2013 ÍNDICE 1. QUEM SOMOS 2. DADOS GERAIS 3. A CONTRIBUIÇÃO DAS RENOVÁVEIS PARA O DESENVOLVIMENTOS NACIONAL 4. O IMPACTO DAS RENOVÁVEIS NA FACTURA DE ELECTRICIDADE E

Leia mais

Encontro Nacional do Turismo no Espaço o Rural

Encontro Nacional do Turismo no Espaço o Rural Encontro Nacional do Turismo no Espaço o Rural Convento de Refoios Ponte de Lima 21 de Junho de 2003 Distribuição Espacial do TER (SIR) Unid: Euros Distritos Nº Projectos Investimento Total Incentivo Aveiro

Leia mais

Na Cidade é de Scoo. u-scoot, 2015 1

Na Cidade é de Scoo. u-scoot, 2015 1 Na Cidade é de Scoo u-scoot, 2015 1 Porquê a Scooter? u-scoot, 2015 2 u-scoot, 2015 3 u-scoot, 2015 4 u-scoot, 2015 5 Pode circular na autoestrada e atravessar as pontes Permite transportar 2 pessoas Tem

Leia mais

Atividade dos Transportes 1º Trimestre de 2015

Atividade dos Transportes 1º Trimestre de 2015 Atividade dos Transportes 1º Trimestre de 215 14 de julho de 215 Transporte de mercadorias mantém crescimento por via marítima e aérea. Continua a diminuir no modo rodoviário Transporte de passageiros

Leia mais

A APREN. A APREN é associada das seguintes entidades:

A APREN. A APREN é associada das seguintes entidades: 1. QUEM SOMOS 2 A APREN A APREN - Associação Portuguesa de Energias Renováveis, é uma associação sem fins lucrativos, constituída em Outubro de 1988, com a missão de coordenação, representação e defesa

Leia mais

CATÁLOGO ESTUDOS DE MERCADO I TRIMESTRE DE 2015 GABINETE DE ESTUDOS APEMIP

CATÁLOGO ESTUDOS DE MERCADO I TRIMESTRE DE 2015 GABINETE DE ESTUDOS APEMIP Nº 29 APEMIP ASSOCIAÇÃO DOS PROFISSIONAIS E EMPRESAS DE MEDIAÇÃO IMOBILIÁRIA DE PORTUGAL PUBLICAÇÃO TRIMESTRAL I TRIMESTRE DE 2015 PARCEIROS: Nº GABINETE DE ESTUDOS APEMIP CATÁLOGO ESTUDOS DE MERCADO I

Leia mais

A taxa de variação média do IPC foi -0,3% em 2014 e a taxa de variação homóloga situou-se em -0,4% em dezembro

A taxa de variação média do IPC foi -0,3% em 2014 e a taxa de variação homóloga situou-se em -0,4% em dezembro 13 de janeiro de 2015 ÍNDICE DE PREÇOS NO CONSUMIDOR Dezembro de 2014 A taxa de variação média do IPC foi -0,3% em 2014 e a taxa de variação homóloga situou-se em -0,4% em dezembro Em 2014, o Índice de

Leia mais

ELETRICIDADE ELETRICIDADE SETEMBRO 2013. LIBERALIZAÇÃO DO MERCADO ELÉTRICO Mudança de comercializador. 3. Contratar o fornecimento

ELETRICIDADE ELETRICIDADE SETEMBRO 2013. LIBERALIZAÇÃO DO MERCADO ELÉTRICO Mudança de comercializador. 3. Contratar o fornecimento SETEMBRO 2013 LIBERALIZAÇÃO DO MERCADO ELÉTRICO Mudança de comercializador Todos os consumidores de energia elétrica em Portugal continental podem livremente escolher o seu fornecedor desde setembro de

Leia mais

Area (km 2 ): 31.604,9 Hab/Km 2 : 23,7 População (Nº): 749.055 (2010)

Area (km 2 ): 31.604,9 Hab/Km 2 : 23,7 População (Nº): 749.055 (2010) As Regiões de - Região O Território Porquê? Com a maior área territorial de Continental 31.605,2 km2 (1/3 do território nacional) a região do apresenta 179 km de perímetro de linha de costa e 432 km de

Leia mais

O Grupo EDP e a Concorrência no Contexto MIBEL

O Grupo EDP e a Concorrência no Contexto MIBEL O Grupo EDP e a Concorrência no Contexto MIBEL 1ª Conferência Luso-Espanhola de Direito da Concorrência Lisboa, 01 e 02 de Julho de 2010 O Grupo EDP tem presença significativa no mundo E.U.A Capacidade

Leia mais

INFORMAÇÃO ESTATÍSTICA SERVIÇO DE SERVIÇO DE ACESSO À INTERNET ATRAVÉS DE BANDA LARGA

INFORMAÇÃO ESTATÍSTICA SERVIÇO DE SERVIÇO DE ACESSO À INTERNET ATRAVÉS DE BANDA LARGA http://www.anacom.pt/template12.jsp?categoryid=168982 INFORMAÇÃO ESTATÍSTICA DO SERVIÇO DE SERVIÇO DE ACESSO À INTERNET ATRAVÉS DE BANDA LARGA 3º TRIMESTRE DE 2005 NOTA: O presente documento constitui

Leia mais

Sines 06.05.2009. João Martins da Silva. Direcção de Marketing Corporativo

Sines 06.05.2009. João Martins da Silva. Direcção de Marketing Corporativo Sines 06.05.2009 João Martins da Silva Em resposta ao desafio global, a UE definiu um Plano Energético Europeu assente em 3 pilares Sustentabilidade Desenvolvimento de renováveis e fontes de baixo teor

Leia mais

Graf. 1 - Índices de preços no consumidor e de inflação subjacente (taxa de variação homóloga e média dos últimos 12 meses) Jun-07. Mar-07.

Graf. 1 - Índices de preços no consumidor e de inflação subjacente (taxa de variação homóloga e média dos últimos 12 meses) Jun-07. Mar-07. ÍNDICE DE PREÇOS NO CONSUMIDOR Dezembro de 2009 13 de Janeiro 2010 Em 2009 a taxa de variação média diminuiu para -0,8 0,8% e em Dezembro a taxa t de variação homóloga situou-se se em -0, 0,1% Em 2009,

Leia mais

Inquérito Diplomados Ciências Farmacêuticas 2011/2012 O E OBSERVATÓRIO DA EMPREGABILIDADE N O S E C T O R F A R M A C Ê U T I C O

Inquérito Diplomados Ciências Farmacêuticas 2011/2012 O E OBSERVATÓRIO DA EMPREGABILIDADE N O S E C T O R F A R M A C Ê U T I C O Inquérito Diplomados Ciências Farmacêuticas 2011/2012 O E OBSERVATÓRIO DA EMPREGABILIDADE N O S E C T O R F A R M A C Ê U T I C O INQUÉRITO AOS DIPLOMADOS EM CIÊNCIAS FARMACÊUTICAS 2011/2012 traçar o perfil

Leia mais

O indicador de sentimento económico melhorou em Novembro, quer na União Europeia (+2.0 pontos), quer na Área Euro (+1.4 pontos).

O indicador de sentimento económico melhorou em Novembro, quer na União Europeia (+2.0 pontos), quer na Área Euro (+1.4 pontos). Nov-02 Nov-03 Nov-04 Nov-05 Nov-06 Nov-07 Nov-08 Nov-09 Nov-10 Nov-12 Análise de Conjuntura Dezembro 2012 Indicador de Sentimento Económico O indicador de sentimento económico melhorou em Novembro, quer

Leia mais

NATALIDADE, MORTALIDADE INFANTIL, FETAL E PERINATAL 2006/2010

NATALIDADE, MORTALIDADE INFANTIL, FETAL E PERINATAL 2006/2010 ESTATÍSTICAS NATALIDADE, MORTALIDADE INFANTIL, FETAL E PERINATAL 2006/2010 D I R E C Ç Ã O - G E R A L D A S A Ú D E L I S B O A ESTATÍSTICAS NATALIDADE, MORTALIDADE INFANTIL, FETAL E PERINATAL 2006/2010

Leia mais

ELETRICIDADE ELETRICIDADE DEZEMBRO 2013. LIBERALIZAÇÃO DO MERCADO ELÉTRICO Mudança de comercializador. 3. Contratar o fornecimento

ELETRICIDADE ELETRICIDADE DEZEMBRO 2013. LIBERALIZAÇÃO DO MERCADO ELÉTRICO Mudança de comercializador. 3. Contratar o fornecimento DEZEMBRO 2013 LIBERALIZAÇÃO DO MERCADO ELÉTRICO Mudança de comercializador Todos os consumidores de energia elétrica em Portugal continental podem livremente escolher o seu fornecedor desde setembro de

Leia mais

Desafios da gestão de resíduos sólidos urbanos em Portugal. Pedro Fonseca Santos pedrofs@esb.ucp.pt

Desafios da gestão de resíduos sólidos urbanos em Portugal. Pedro Fonseca Santos pedrofs@esb.ucp.pt Desafios da gestão de resíduos sólidos urbanos em Portugal Pedro Fonseca Santos pedrofs@esb.ucp.pt Evolução da gestão de resíduos na Europa Evolução da capitação de RSU vs. PIB em Portugal e na UE-, 1995-2000

Leia mais

Uma das maiores áreas territoriais de Portugal, com uma fronteira terrestre internacional de 568 km e um perímetro da linha de costa de 142 km

Uma das maiores áreas territoriais de Portugal, com uma fronteira terrestre internacional de 568 km e um perímetro da linha de costa de 142 km As Regiões de - Região O Território Porquê o? Uma das maiores áreas territoriais de, com uma fronteira terrestre internacional de 568 km e um perímetro da linha de costa de 142 km Area (km 2 ): 21.286

Leia mais

Internacionalização da Economia Portuguesa e a Transformação da Indústria Portuguesa. Coimbra, 19 de Novembro de 2010

Internacionalização da Economia Portuguesa e a Transformação da Indústria Portuguesa. Coimbra, 19 de Novembro de 2010 Internacionalização da Economia Portuguesa e a Transformação da Indústria Portuguesa Coimbra, 19 de Novembro de 2010 Enquadramento Enquadramento A importância da Internacionalização na vertente das exportações

Leia mais

A Rede de Ensino Superior em Portugal e a sua cobertura geográfica com critérios de distância e temporais

A Rede de Ensino Superior em Portugal e a sua cobertura geográfica com critérios de distância e temporais A Rede de Ensino Superior em Portugal e a sua cobertura geográfica com critérios de distância e temporais Maria Cristina Canavarro Teixeira Instituto Politécnico de Castelo Branco Escola Superior Agrária,

Leia mais

Políticas Públicas. Lélio de Lima Prado

Políticas Públicas. Lélio de Lima Prado Políticas Públicas Lélio de Lima Prado Política Cambial dez/03 abr/04 ago/04 dez/04 abr/05 ago/05 Evolução das Reservas internacionais (Em US$ bilhões) dez/05 abr/06 ago/06 dez/06 abr/07 ago/07 dez/07

Leia mais

INATEL TURISMO PARA TODOS 267 A PREÇOS ECONÓMICOS

INATEL TURISMO PARA TODOS 267 A PREÇOS ECONÓMICOS www.inatel.pt FUNDAÇÃO INATEL TURISMO PARA TODOS PORTUGAL 2013 Desde 267 INCLUI: TRANSPORTE TERRESTRE + 5 NOITES ALOJAMENTO, REFEIÇÕES, PASSEIOS, ANIMAÇÃO E SEGURO. Descubra o que Portugal tem de melhor

Leia mais

Perfil das Ideias e dos Empreendedores

Perfil das Ideias e dos Empreendedores Perfil das Ideias e dos Empreendedores I - Considerações gerais A análise que se segue tem como referência um painel 115 ideias de negócio, com proposta de desenvolvimento por 214 empreendedores, candidatos

Leia mais

Crédito ao sector privado não financeiro (taxas de variação homóloga)

Crédito ao sector privado não financeiro (taxas de variação homóloga) G1 Crédito ao sector privado não financeiro (taxas de variação homóloga) 35 3 25 Em percentagem 2 15 1 5 Jan-91 Jan-92 Jan-93 Jan-94 Jan-95 Jan-96 Jan-97Jan-98 Jan-99 Jan- Jan-1 Sociedades não Financeiras

Leia mais

MINISTÉRIO DAS FINANÇAS

MINISTÉRIO DAS FINANÇAS 4696 Diário da República, 1.ª série N.º 151 7 de agosto de 2013 MINISTÉRIO DAS FINANÇAS Portaria n.º 252/2013 de 7 de agosto A 2.ª edição do Programa de Estágios Profissionais na Administração Pública

Leia mais

Exportar, Exportar, Exportar A Experiência dos Principais Clusters Regionais

Exportar, Exportar, Exportar A Experiência dos Principais Clusters Regionais Lanheses Exportar, Exportar, Exportar A Experiência dos Principais Clusters Regionais Especializações Inteligentes e Clusters Regionais: como exportar, com que apoios e para que mercados? Viana do Castelo

Leia mais

Condições SMQVU Ambientais

Condições SMQVU Ambientais Condições SMQVU Ambientais O estado do ambiente condiciona decisivamente a qualidade de vida das pessoas. No inquérito realizado à população residente no Porto, em 23, foi pedido aos entrevistados que

Leia mais

Dados mensais. Barómetro sectorial. Análise fenómeno a fenómeno. Barómetro distrital. Análise de tendências. Constituições

Dados mensais. Barómetro sectorial. Análise fenómeno a fenómeno. Barómetro distrital. Análise de tendências. Constituições Dados mensais Análise fenómeno a fenómeno Análise de tendências Barómetro sectorial Barómetro distrital Constituições Constituições vs dissoluções naturais Mensal Acumulado Mensal Acumulado Dissoluções

Leia mais

DATA DIA DIAS DO FRAÇÃO DATA DATA HORA DA INÍCIO DO ANO JULIANA SIDERAL T.U. SEMANA DO ANO TRÓPICO 2450000+ 2460000+

DATA DIA DIAS DO FRAÇÃO DATA DATA HORA DA INÍCIO DO ANO JULIANA SIDERAL T.U. SEMANA DO ANO TRÓPICO 2450000+ 2460000+ CALENDÁRIO, 2015 7 A JAN. 0 QUARTA -1-0.0018 7022.5 3750.3 1 QUINTA 0 +0.0009 7023.5 3751.3 2 SEXTA 1 +0.0037 7024.5 3752.3 3 SÁBADO 2 +0.0064 7025.5 3753.3 4 DOMINGO 3 +0.0091 7026.5 3754.3 5 SEGUNDA

Leia mais

Os Cursos de Especialização Tecnológica Em Portugal Nuno Mangas

Os Cursos de Especialização Tecnológica Em Portugal Nuno Mangas Os Cursos de Especialização Tecnológica Em Portugal Nuno Mangas Fórum novo millenium Nuno Mangas Covilhã, 22 Setembro 2011 Índice 1 Contextualização 2 Os CET em Portugal 3 Considerações Finais 2 Contextualização

Leia mais

Dados mensais. Barómetro sectorial. Barómetro distrital. Análise fenómeno a fenómeno. Análise de tendências. Nascimentos. Mensal

Dados mensais. Barómetro sectorial. Barómetro distrital. Análise fenómeno a fenómeno. Análise de tendências. Nascimentos. Mensal Período 2009-2013 Dados mensais Análise fenómeno a fenómeno Análise de tendências Barómetro sectorial Barómetro distrital Nascimentos Nascimentos vs encerramentos Mensal Acumulado Mensal Acumulado Encerramentos

Leia mais

ANET-ASSOCIAÇÃO NACIONAL DOS ENGENHEIROS TÉCNICOS

ANET-ASSOCIAÇÃO NACIONAL DOS ENGENHEIROS TÉCNICOS ANET-ASSOCIAÇÃO NACIONAL DOS ENGENHEIROS TÉCNICOS GRUPO 1 CURSOS REGISTADOS E ANALISADOS PELA ANET, CONSIDERADOS HABILITANTES PARA A REALIZAÇÃO DE TODOS OS ACTOS DA ESPECIALIDADE CURSOS REGISTADOS -GRUPO

Leia mais

ANET - ASSOCIAÇÃO NACIONAL DOS ENGENHEIROS TÉCNICOS

ANET - ASSOCIAÇÃO NACIONAL DOS ENGENHEIROS TÉCNICOS ANET - ASSOCIAÇÃO NACIONAL DOS ENGENHEIROS TÉCNICOS GRUPO 2 CURSOS DE LICENCIATURA EM ENGENHARIA REGISTADOS MAS AINDA NÃO ANALISADOS PELA ANET COLÉGIO DE ENGENHARIA CIVIL. Universidade Católica Portuguesa

Leia mais

Em nome da energia hidroeléctrica Da memória centenária ao futuro sustentável. António Eira Leitão

Em nome da energia hidroeléctrica Da memória centenária ao futuro sustentável. António Eira Leitão Em nome da energia hidroeléctrica Da memória centenária ao futuro sustentável António Eira Leitão RESUMO Apresenta-se uma síntese sobre a história da energia hidroelétrica em Portugal e perspectivase o

Leia mais

EVOLUÇÃO DA ATIVIDADE ECONÓMICA... 2. Atividade global... 2. Atividade setorial... 3. - Produção... 3. - Volume de negócios... 4

EVOLUÇÃO DA ATIVIDADE ECONÓMICA... 2. Atividade global... 2. Atividade setorial... 3. - Produção... 3. - Volume de negócios... 4 SÍNTESE DE CONJUNTURA Mensal janeiro 2015 - Newsletter ÍNDICE EVOLUÇÃO DA ATIVIDADE ECONÓMICA... 2 Atividade global... 2 Atividade setorial... 3 - Produção... 3 - Volume de negócios... 4 Comércio internacional...

Leia mais

ENERGIA em Portugal. maio de 2015

ENERGIA em Portugal. maio de 2015 213 ENERGIA em Portugal maio de 215 [página em branco] Índice 1. Sumário Executivo 1 2. Principais Indicadores Energéticos 2 2.1 Dependência Energética 2 2.2 Intensidade Energética 3 2.3 Indicadores per

Leia mais

Atribuições e competências dos vários níveis de administração pública Competências e financiamento das Autarquias locais

Atribuições e competências dos vários níveis de administração pública Competências e financiamento das Autarquias locais Sumário Atribuições e competências dos vários níveis de Competências e financiamento das Autarquias locais Níveis de administração Administração Central/Nível Nacional Administração Local/Nível Municipal

Leia mais

SÍNTESE DE CONJUNTURA

SÍNTESE DE CONJUNTURA SÍNTESE DE CONJUNTURA Mensal novembro 2015 - Newsletter ÍNDICE EVOLUÇÃO DA ATIVIDADE ECONÓMICA... 2 Atividade global... 2 Atividade setorial... 3 - Produção... 3 - Volume de negócios... 5 Comércio internacional...

Leia mais

Dados mensais. Barómetro setorial. Barómetro distrital. Análise fenómeno a fenómeno. Análise de tendências. Nascimentos. Mensal

Dados mensais. Barómetro setorial. Barómetro distrital. Análise fenómeno a fenómeno. Análise de tendências. Nascimentos. Mensal Período 2010-2014 Dados mensais Análise fenómeno a fenómeno Análise de tendências Barómetro setorial Barómetro distrital Nascimentos Nascimentos vs encerramentos Mensal Acumulado Mensal Acumulado Encerramentos

Leia mais

Em maio de 2014, o indicador de sentimento económico aumentou quer na União Europeia (+0.2 pontos) quer na Área Euro (+0.7 pontos).

Em maio de 2014, o indicador de sentimento económico aumentou quer na União Europeia (+0.2 pontos) quer na Área Euro (+0.7 pontos). Mai-04 Mai-05 Mai-06 Mai-07 Mai-08 Mai-09 Mai-10 Mai-11 Mai-12 Análise de Conjuntura Junho 2014 Indicador de Sentimento Económico Em maio de 2014, o indicador de sentimento económico aumentou quer na União

Leia mais

MOVIMENTO DE CARGA E DE NAVIOS NOS PORTOS DO CONTINENTE

MOVIMENTO DE CARGA E DE NAVIOS NOS PORTOS DO CONTINENTE MOVIMENTO DE CARGA E DE NAVIOS NOS PORTOS DO CONTINENTE Página 1 de 35 ÍNDICE Factos mais relevantes do movimento portuário no período janeiro-dezembro de 2014 0. Movimento por Tipo de Carga e por Porto

Leia mais

Estatística Via Navegável do Douro (VND) 2014

Estatística Via Navegável do Douro (VND) 2014 Estatística Via Navegável do Douro (VND) 214 1. Introdução A Delegação do Douro do IMT, I.P., no âmbito das suas atribuições e competências no que concerne à navegabilidade do douro, da responsabilidade

Leia mais

Desafios da Internacionalização O papel da AICEP. APAT 10 de Outubro, 2015

Desafios da Internacionalização O papel da AICEP. APAT 10 de Outubro, 2015 Desafios da Internacionalização O papel da AICEP APAT 10 de Outubro, 2015 Internacionalização - Desafios Diversificar Mercados Alargar a Base Exportadora 38º PORTUGAL TEM MELHORADO A SUA COMPETITIVIDADE

Leia mais

PORTUGAL - INDICADORES ECONÓMICOS. Evolução 2005-2011 Actualizado em Setembro de 2011. Unid. Fonte 2005 2006 2007 2008 2009 2010 2011 Notas 2011

PORTUGAL - INDICADORES ECONÓMICOS. Evolução 2005-2011 Actualizado em Setembro de 2011. Unid. Fonte 2005 2006 2007 2008 2009 2010 2011 Notas 2011 Evolução 2005-2011 Actualizado em Setembro de 2011 Unid. Fonte 2005 2006 2007 2008 2009 2010 2011 Notas 2011 População a Milhares Hab. INE 10.563 10.586 10.604 10.623 10.638 10.636 10.643 2º Trimestre

Leia mais