Desenvolvimento de Jogos Eletrônicos

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "Desenvolvimento de Jogos Eletrônicos"

Transcrição

1 Revista Eletrônica da Faculdade Metodista Granbery - ISSN Curso de Sistemas de Informação - N. 7, JUL/DEZ 2009 Desenvolvimento de Jogos Eletrônicos Mônica de Lourdes Souza Batista 1, Sérgio Muinhos Barroso Lima 1 1 Faculdade Metodista Granbery CEP: Juiz de Fora MG Brazil Resumo Como acontece no desenvolvimento de um Sistema de Informação, a produção de um jogo eletrônico, seja ele 2D ou 3D, necessita da adoção de um processo de desenvolvimento. No caso dos jogos eletrônicos, é necessário levar em consideração os aspectos artísticos. O objetivo deste artigo é analisar quais são as etapas do processo de elaboração de um jogo e quais as ferramentas que auxiliam este processo. Palavras-Chave: jogos eletrônicos, desenvolvimento de jogos, ferramentas para jogos, máquinas de jogos. Abstract. As it happens in the development of an Information System, the production of an electronic game, be it 2D or 3D, requires the adoption of a development process. In the case of electronic games, you must take into account the artistic aspects. This article aims to examine wich are the steps of the process drafting a game and what are the tools that help this process. Key-words: eletronic games, game development, game tools, game engines. 1. INTRODUÇÃO O fascínio exercido pelos jogos eletrônicos vem atraindo consumidores e profissionais para as áreas de computação e artes gráficas, tornando a indústria dos jogos eletrônicos tão próspera quanto a do cinema (SANTOS e VALE, 2006). O desenvolvimento de um game torna-se complexo devido a sua natureza interdisciplinar e ao fato de que se espera que games atuais sejam capazes de prover, em

2 tempo real, o maior grau de realismo possível, tanto no aspecto gráfico como no aspecto de simulação. O interesse pelo acréscimo de realismo físico em jogos digitais é suportado, atualmente, pelo aumento de velocidade das CPUs e da evolução das unidades de processamento gráfico que implementam em hardware muitas das funções de visualização. Este trabalho apresenta, então, as etapas do processo de elaboração de um jogo, as máquinas de jogos (game engines), as considerações finais e as referências bibliográficas utilizadas. 2. ETAPAS DO PROCESSO DE ELABORAÇÃO DE UM JOGO Para se desenvolver um jogo eletrônico, é necessário realizar as seguintes etapas: confecção do Design Bible, produção de áudio, produção de imagens 2D (duas dimensões), modelagem 3D (três dimensões) e a escolha do engine que será utilizado ou o desenvolvimento do mesmo. 2.1 Design Bible Design bible (bíblia do projeto) é um documento que possui todas as especificações do jogo, ou seja, é um manual de instruções para quem desenvolverá o game. Este documento é composto por um design document (detalhamento do jogo), game play (jogabilidade) e interface gráfica (CLUA e BITTENCOURT, 2005). O Design document é parecido com o roteiro de um filme (CLUA e BITTENCOURT, 2005). A partir deste documento os artistas irão criar o visual e os programadores desenvolver o produto. Todos os itens da etapa de game design (projeto do jogo) e as perguntas analisadas na fase de detalhamento do jogo são descritas no design document. Este documento é muito trabalhoso e exaustivo de se desenvolver, pois ele detalha tudo o que vai acontecer no jogo. Com ele é possível repensar as decisões tomadas, validar alguns conceitos, suprimir algumas regras e adicionar outras (PERUCIA et al, 2005). O design document é muito requisitado pelos investidores para que eles possam ter uma visão mais precisa de como será o jogo; então, ele é um elemento crucial para convencê-los do potencial de venda (CLUA e BITTENCOURT, 2005). Neste documento se encontra o nome do jogo, uma apresentação resumida, público-alvo, estilo de jogo, história; especificações técnicas de hardware, de sistema 2

3 operacional, gráficos; dispositivos de entrada e sonorização, onde são definidas as músicas nos menus e nas fases (PERUCIA et al, 2005). No detalhamento do jogo é necessário pensar em cada ação do jogador. Para isso deve-se levar em conta algumas perguntas como: o que o jogador fará no jogo? Ele anda, nada ou voa? Como e quando ele realiza cada uma dessas ações? Qual a personalidade do personagem principal? Quantos inimigos o personagem enfrentará? Como são estes inimigos? Quais as armas que o jogador usará para enfrentá-los? Como será o sistema de vida do jogador? Como ele ganhará novas vidas? Qual o objetivo do jogo? Quantas fases o jogador terá que passar para alcançar o objetivo final? Como será o cenário, dificuldades e objetivos destas fases? Quantos jogadores poderão jogar o jogo? Qual será a visualização gráfica? 2D, 3D, primeira pessoa ou terceira pessoa? Qual será a trilha sonora do jogo? (PERUCIA et al, 2005). O Game Play é o documento que descreve as regras do jogo, ou seja, como será a sua jogabilidade. O Game Play é o documento que irá guiar o programador na etapa de scripting, ou seja, na etapa de programação (codificação) do jogo (CLUA e BITTENCOURT, 2005). Na interface gráfica é necessário analisar a interface ingame e outgame. A interface ingame é responsável pela entrada dos dados do jogador para a aplicação. Já a interface outgame é responsável por apresentar a introdução do jogo, a sua configuração, as instruções, carregar um jogo que foi salvo anteriormente, entre outras funções (CLUA e BITTENCOURT, 2005). 2.2 Produção de áudio A ambientação sonora é uma das características mais importantes de um jogo. Um jogo com belos gráficos torna-se incompleto sem uma boa trilha musical e efeitos sonoros bem selecionados. Os recursos de áudio dão mais vida ao jogo, tornando-o muito mais emocionante (SANTEE, 2005). Duas ferramentas comerciais são utilizadas para a produção do áudio: o Cubase e o SoundForge. O Cubase é um software utilizado por músicos, compositores e produtores para a criação de músicas (AUDIOWARE, 2007). Já o Sound Forge é um software que permite a edição de áudio. Ele é muito produtivo, estável e intuitivo. Permite gravar, editar, produzir loops, corrigir e limpar material de áudio, processar 3

4 efeitos, gerar áudio para Internet, entre outros. Este é usado mais para a produção de trilhas e efeitos sonoros; é muito comum no cinema, na televisão e na produção de vinhetas (PEOPLEWARE, 2007). Existe também o Audacity que é um software livre, de código aberto e multiplataforma, compatível com os sistemas operacionais GNU/Linux, Mac OSX e Windows. Este software é utilizado para edição de áudio profissional ou caseiro, no qual pode-se fazer gravações ao vivo, criar vinhetas, mixagem final de arquivos de áudio e muitas outras atividades, tendo para isso os mais diversos recursos e plugins 1 para que o profissional de áudio tenha um bom resultado no seu trabalho (AMARAL, 2007). O Audacity permite (AUDACITY, 2007) transformar fitas cassete em gravações digitais e CD`s; gravações ao vivo; editar arquivos em formato Ogg Vorbis, MP3 e WAV; cortar, copiar, colar e juntar sons e faixas de áudio; alterar a velocidade ou timbre de uma gravação; grava em até 16 canais; efetuar dublagem de faixas sobre outras previamente gravadas; edição e mixagem de infinitas faixas de áudio; alterar o volume de uma faixa suavemente com os envelopes; remove sons de estática, cliques e estalos no som de fundo; mudança de frequência dos sons; incrementar efeitos; alterar a qualidade; e adicionar plug-ins para ampliar a quantidade de formatos de áudios suportados. 2.3 Produção de imagens 2D Na produção de um game, tanto 2D quanto 3D, é necessário compor imagens bidimensionais (SANTEE, 2005). Estas imagens serão utilizadas como texturas para compor a interface gráfica ingame e outgame, como por exemplo, botões, janelas, barra de energia do jogador, munição, dentre outros. Na produção destas imagens são utilizadas algumas ferramentas de editoração gráfica como o Adobe Photoshop e GIMP (CLUA e BITTENCOURT, 2005). O Adobe Photoshop é uma ferramenta de edição de imagens muito usada em computadores com plataforma Macintosh ou Windows. Apesar da forte concorrência entre os mais variados programas ao longo dos anos, as vendas do Photoshop são responsáveis por mais de 80% do mercado de edição de imagens. É importante ressaltar 1 Segundo Portalinfornet (2007), plugin é um software que é acoplado a um aplicativo para ampliar suas funções. 4

5 que esse número está crescendo, fazendo com que esta ferramenta se torne quatro vezes mais usada do que todos os seus concorrentes juntos. O Photoshop possui ferramentas de seleção que são rápidas e que permitem o acabamento das bordas de uma imagem; uma interface bem simples, permitindo que o usuário utilize o aplicativo com mais facilidade; converte imagens que estão em preto para branco, além de possuir um alto processamento de imagens (ADOBE PHOTOSHOP, 2007). O GIMP oferece, basicamente, as mesmas funcionalidades do Photoshop. Ele é uma ferramenta free de edição de imagens que permite a criação e manipulação de imagens. Para isso ele oferece vários recursos, dentre eles, uma série de pincéis que permite trabalhar com várias camadas, converte e salva as imagens em diferentes formatos (BMP, PNG, JPG, TIG, TGA, PCX, GIF, SVG, ICO, PSD, TIF); permite, ainda, o uso de máscaras, oferece grande quantidade de filtros (detecção de bordas, distorções, efeitos de luz), apresenta suporte a macros e permite adicionar novas funcionalidades (filtros e formatos de arquivos) no programa através de plug-ins desenvolvidos em C (CLUA e BITTENCOURT, 2005; SISNEMA, 2007). Esta ferramenta é multiplataforma, ou seja, funciona na plataforma Windows, Unix, Linux e MacOS (SISNEMA, 2007). O GIMP permite que o usuário adicione novas funcionalidades ao programa através de uma extensão que se chama Script-Fu. O Script-Fu interpreta scripts e permite a automatização de certas tarefas do programa, como, por exemplo, executar, para várias imagens, um determinado número de passos para a obtenção de um determinado efeito. Com o Script-Fu é possível escrever um script que realize todos estes passos. Semelhante ao Script-Fu existe o Python-Fu que utiliza o interpretador Python (CLUA e BITTENCOURT, 2005; SISNEMA, 2007). Após o registro do script no GIMP, a nova funcionalidade pode ser usada em outros plug-ins. A possibilidade de criação de scripts faz com que o GIMP seja utilizado no desenvolvimento de jogos, pois se o artista e o desenvolvedor desejam um determinado visual gráfico, ao invés de se preocuparem na criação de uma ferramenta de edição gráfica, procuram desenvolver um script que possa ser integrado na arquitetura do GIMP (CLUA e BITTENCOURT, 2005). 2.4 Modelagem 3D 5

6 Modelagem 3D ou modelagem tridimensional é a área da computação gráfica que tem como objetivo gerar objetos em três dimensões, renderizar cenas, animar imagens, ou seja, a modelagem 3D é responsável pela criação dos personagens, dos objetos e dos cenários das fases do jogo (CLUA e BITTENCOURT, 2005). Existem alguns softwares que auxiliam o processo de modelagem. Atualmente os mais utilizados são o 3D Studio Max, Maya e Blender (CLUA e BITTENCOURT, 2005). O 3D Studio Max permite a renderização de imagens e animação. Ele é utilizado em vinhetas e comerciais para TV, produção de filmes de animação e na criação de mundos virtuais. Sua renderização é de alta qualidade, com luzes, sombras e transparências, sendo possível assim, a criação de imagens realistas e a simulação de ambientes e cenários (AUTODESK, 2007). Figura 1: Renderização de imagem produzida no 3D Studio Max. Fonte: (AUTODESK, 2007) O software Maya possui todas as ferramentas básicas de modelagem, iluminação, textura e animação. O Maya possui simuladores de partículas, conseguindo assim, representar os fluidos de uma forma muito real. Este software possui algumas desvantagens como o preço e a interface, que é pouco intuitiva (MAYA, 2009). O Blender é um programa de modelagem tridimensional que permite a renderização, animações tridimensionais, pós-produção e criação 3D (CLUA e BITTENCOURT, 2005). Ele possui avançadas ferramentas de simulação tais como Rigid Body Dynamics (dinâmica rígida de corpos), Fluid Dynamics (dinâmica de fluidos), e Soft Body Dynamics (dinâmica de corpos macios); avançadas ferramentas de modelagem que permitem ao usuário manipular vértices, faces e arestas; ferramentas de transformação que possibilitam o escalonamento, a rotação e a translação da imagem; ferramentas que permitem o detalhamento da modelagem, possibilitando o 6

7 arredondamento de quinas e a subdivisão de malhas; além de ferramentas que realizam a animação de personagens (CAVALCANTI, 2006). Figura 2: Imagens de jogos criadas no Blender Fonte: (BLENDER, 2007) O Blender se encontra disponível para vários sistemas operacionais, dentre eles, Microsoft Windows, GNU/Linux, MacOS, Solaris, FreeBSD, Irix, dentre outros (BLENDER, 2007). O Blender utililiza Python para a criação de scripts. Sendo assim, é possível desenvolver novos plug-ins que permitem automatizar e ampliar as funcionalidades básicas da ferramenta (CAVALCANTI, 2006). Um exemplo de plug-in livre desenvolvido para o Blender3D é o script MakeHuman, ilustrado nas figuras 3 e 4, que visa a modelagem de personagens humanos. Este script é usado para criar humanóides, de forma rápida e simples, com opções que permitem modificar os músculos de várias partes de corpo, e com isso criar uma série de expressões faciais (GASPAR, 2006). Figura 3: Script desenvolvido para o Blender para modelagem de personagens humanos Fonte: (CLUA e BITTENCOURT, 2005) 7

8 Figura 4: Modelagem de personagens humanos Fonte: (MONTENEGRO, 2008) Este software de modelagem também pode ser utilizado como engine de jogos computadorizados, oferecendo tratamento de colisão, suporte a áudio, e permite que a lógica do jogo seja programada em Python (CLUA e BITTENCOURT, 2005). 3. GAME ENGINES Game engine, ou motor de jogo, pode ser definido como um conjunto de funcionalidades reutilizáveis em alto nível que auxiliam o desenvolvedor a implementar as tarefas mais comuns de um jogo. Um game engine é um ambiente de criação de um jogo, ou aplicação gráfica, que utiliza uma interface gráfica e evita a necessidade de se programar. Os recursos oferecidos pelo engine se baseiam no tipo de jogo que se deseja desenvolver, ou seja, para a criação de jogos 2D, deve-se possuir recursos de desenho que permitam a manipulação de camadas, imagens, animação de sprites, detecção de colisão, entre outros; para jogos 3D, o engine deve-se permitir que o programador realize a manipulação e o posicionamento da câmera, posicionamento de objetos no espaço de coordenadas (x,y,z), recursos para implementação da física, rendering (renderização), entre outros (ENGERS et al, 2004). Uma das vantagens do engine é que ele faz com que o desenvolvimento de jogos seja mais simples e mais ágil (ENGERS el at, 2004). A desvantagem é o fato de que os games com ele contruídos são mais específicos. Nesse contexto, é comum encontrar engines gráficos, engines para jogos de primeira pessoa, engines para jogos 2D, dentre outros (FEIJÓ, PAGLIOSA e CLUA, 2006). Cada engine tem o seu foco e objetivos 8

9 voltados para a resolução de problemas relacionados ao tipo de jogo em questão, como, por exemplo, leis da física, colisões e expressões faciais (SOUZA e ROCHA, 2005). Os principais requisitos que um engine deve possuir são (FEIJÓ, PAGLIOSA e CLUA, 2006); (CLUA e BITTENCOURT, 2005) e (SANTEE, 2005): encapsular da melhor forma possível códigos que podem ser reutilizados para diversos projetos com alguma semelhança entre si; permitir uma perfeita integração entre outros recursos de arte (modelos, imagens, texturas, sons) com a programação; fazer com que o desenvolvimento se torne o mais independente possível de tecnologias e plataformas; fazer com que a aplicação seja capaz de explorar o máximo possível os recursos de hardware disponíveis (GPU Graphic Processor Unit, processamento distribuído, hardware de áudio); permitir um gerenciamento de projeto adequado; lidar com o hardware gráfico; controlar os modelos para serem visualizados; processar o controle de física e colisão da cena; renderização, ou seja, visualização; animação facial; controle de dispositivos de rede; tratar as entradas de dados do jogador; e tratar todo o processamento de baixo nível. 3.1 Arquitetura básica de um engine A arquitetura de um engine se basea em dois níveis de abstração: nível SDK (software development toolkit) e nível ferramental. No nível SDK se encontram todas as bibliotecas de funções básicas, separadas de acordo com suas funções. Nele encontram-se as bibliotecas de Matemática, controladores de recursos, física, visualização, redes e áudio/vídeo (FEIJÓ, PAGLIOSA e CLUA, 2006). A Figura 5 ilustra a arquitetura do SDK. O elemento básico do SDK é a biblioteca de matemática. Conforme visto na Figura 5, esta biblioteca é utilizada por outros módulos. Ela realiza funções matemáticas típicas, como por exemplo, operações com vetores, operações de matrizes, entre outras (FEIJÓ, PAGLIOSA e CLUA, 2006). 9

10 Figura 5: Arquitetura do SDK Fonte: (FEIJÓ, PAGLIOSA e CLUA, 2006) A biblioteca de renderização é responsável por abstrair a etapa de visualização. Nesta biblioteca se encontra implementado todo o pipeline gráfico que é o processo de gerar imagens 2D partindo de modelos 3D. A biblioteca de Física utiliza as funções da biblioteca de Matemática (FEIJÓ, PAGLIOSA e CLUA, 2006). O interpretador de scripts possibilita que o usuário tenha um controle de recursos, objetos e cenário sem ter que utilizar o código fonte do SDK. Para isso, o interpretador permite o acesso e algumas operações com os objetos e variáveis do sistema. A implementação da lógica do jogo e da inteligência artificial dos elementos dinâmicos é realizada sobre scripts e não sobre o Engine Core (Programa que executa a aplicação do jogo, manipula a fase e os objetos, renderiza as cenas. Pode ser considerado como o sistema operacional do jogo). Cada engine possui a sua linguagem de programação script. As linguagens mais utilizadas são JavaScript, Python e Lua (CLUA e BITTENCOURT, 2005). A biblioteca de áudio/vídeo e a de recursos implementam funções para a manipulação de vários formatos de áudio (mp3, wav, midi), de vídeo e imagens (FEIJÓ, PAGLIOSA e CLUA, 2006). A biblioteca de redes implementa funções que permite o tráfego de mensagens. 10

11 Figura 6: Principais componentes da arquitetura ferramental de um engine. Fonte: (FEIJÓ, PAGLIOSA e CLUA, 2006) No nível ferramental (figura 6), o componente editor de fases (level editor) permite a elaboração de uma fase. É nele que são inseridos todos os elementos geométricos que compõem a fase, como por exemplo, elementos estáticos, dinâmicos, terrenos, luzes estáticas, luzes dinâmicas, sprites e câmeras. Os objetos estáticos são pré-processados pelo módulo de renderização do engine. Eles não sofrem nenhuma transformação no decorrer do jogo. Estes objetos podem ser paredes, objetos decorativos, como colunas e vigas, entre outros. Já os objetos dinâmicos possuem scripts associados que definem seu comportamento, ou seja, diferente dos objetos estáticos, os objetos dinâmicos podem sofrer alterações no decorrer do jogo (CLUA e BITTENCOURT, 2005). A Figura 7 ilustra o level editor de vários engines comerciais. O componente editor de terrenos, em geral, pode ser encontrado dentro do editor de fases. Ele permite a geração e manipulação de mapas de altura e de camadas de texturas (FEIJÓ, PAGLIOSA e CLUA, 2006). Os terrenos, também conhecidos como height maps, consistem em imagens com várias tonalidades de cinzas. Os pixels claros correspondem a áreas altas do terreno e os escuros a partes mais baixas. Existem várias ferramentas utilizadas exclusivamente para a edição de terrenos, como o Pandromeda Mojo World Generator, Vue D Espirit, Terragen e o Corel Bryce (CLUA e BITTENCOURT, 2005). Estas ferramentas são mostradas na Figura 8. 11

12 Figura 7: Exemplos de level editor pertencentes a diversos engines Fonte: (CLUA e BITTENCOURT, 2005) Um outro componente é o editor de modelos. Este editor permite a criação e animação de modelos dinâmicos e de terrenos. Ele permite também a adaptação de modelos que foram criados em outras ferramentas (FEIJÓ, PAGLIOSA e CLUA, 2006). O componente de ambiente de teste é um ambiente que permite a execução do jogo. Ele possibilita que o usuário altere variáveis que foram definidas nos scripts em tempo de execução (FEIJÓ, PAGLIOSA e CLUA, 2006). O editor de scripts possibilita um ambiente de programação integrado, permitindo que o usuário associe o código a elementos dinâmicos (FEIJÓ, PAGLIOSA e CLUA, 2006). O componente conversores e exportadores é uma ferramenta que possibilita a leitura de arquivos que foram desenvolvidos em outros programas. Esta ferramenta faz a importação destes arquivos para o formato específico do engine (CLUA e BITTENCOURT, 2005). 12

13 Figura 8: Softwares utilizados para criação de height maps Fonte: (CLUA e BITTENCOURT, 2005) Por último os otimizadores. Através deste componente, o engine executa uma série de etapas de pré-processamento para a otimização do processo de visualização, como por exemplo, a geração de level of details (nível dos detalhes), height maps (mapas de profundidade, figura 8), portais, entre outros. Este componente pode ser encontrado dentro do level editor (FEIJÓ, PAGLIOSA e CLUA, 2006). Existe ainda o motor de execução que é o programa que executa toda a aplicação. A tabela a seguir lista várias engines, jogos famosos nelas produzidos e sua disponibilidade no mercado (COMERCIAL GAME ENGINES, FREE GAMES ENGINES, 2009). 13

14 Engine Jogos Disponibilidade Nebula Device 3 Drakensang: The Dark Eye Livre Project Nomads Far West Railroad Pioneer Tigris & Euphrates Torres SAGE engine Red Alert 3 Generals Tiberium Wars The Battle for Middle-earth II Source engine Half Life 2 Team Fortress 2 Portal Vampire: The Masquerade Bloodlines Sin Episodes Dark Messiah of Might and Magic Dunia Engine Far Cry 2 Essence Engine Company of Heroes Opposing Fronts Warhammer 40,000: Dawn of War 2 Alamo Empire at War Forces of Corruption Universe at War: Earth Assault Unreal Engine 2 Exteel The Chronicles of Spellborn Unreal Engine 3 BioShock BlackSite: Area 51 Gears of War Unreal Tournament 3 Rainbow Six Vegas Lost Odyssey Mass Effect The Last Remnant id Tech 4 Doom 3 Quake 4 Prey Enemy Territory: Quake Wars Neon Engine Operation Flashpoint 2: Dragon Rising Race Driver Grid Riot Engine Drakan: Order of the Flame Drakan: The Ancients' Gates The Lord of the Rings: The Fellowship of the Ring The Suffering The Suffering: Ties That Bind RAGE Midnight Club: Los Angeles 14

15 Grand Theft Auto IV Rockstar Games Presents Table Tennis TGEA Marble Blast Ultra Fallen Empire: Legions Dreamlords Penny Arcade Adventures: On the Rain-Slick Precipice of Darkness Ghajini - The Game HeroEngine Hero's Journey Gamebryo Dark Age of Camelot The Elder Scrolls IV Fallout 3 Tabela 1: algumas das principais engines no mercado e jogos nelas produzidos Fonte: (COMERCIAL GAME ENGINES, FREE GAMES ENGINES, 2009). 4. CONSIDERAÇÕES FINAIS A indústria de jogos está em crescimento acelerado, já superando em volume financeiro a indústria do cinema, tornando-se uma das principais ferramentas de entretenimento atuais. Porém, o desenvolvimento de um jogo eletrônico, não é tarefa simples, envolve profissionais de várias áreas, desde programadores a artistas gráficos, denotando área de extensa interdisciplinaridade. Esta complexidade é inerente ao processo de desenvolvimento de um jogo eletrônico. Envolvendo a análise e projeto do sistema, o roteiro do jogo, a produção de áudio, a produção de imagens 2D, a modelagem 3D, a utilização de game engines, etc. 5. REFERÊNCIAS BIBLIOGRÁFICAS ADOBE PHOTOSHOP. Adobe photoshop Creative Suíte 3. Disponível em <http://www.adobe.com/br/products/photoshop/photoshop/> Acesso em 19 agosto AMARAL, K. Edição de áudio profissional com Audacity AUDACITY. O editor de áudio livre e fácil de usar!. Disponível em: <http://audacity.com> Acesso em 19 agosto AUDIOWARE. Cubase SX Disponível em <http://audioware.cifraclub.terra.com.br/download-140-cubase.html>. Acesso em 03 julho 2007 AUTODESK. Autodesk 3DSutdio Disponível em <http://area.autodesk.com/>. Acesso em 19 agosto

16 BLENDER. Blender Brasil. Disponível em <http://www.blender.org/featuresgallery/gallery/images/>. Acesso em 19 agosto BLENDERFOUNDATION. History. Disponível em <http://www.blender.org/blenderorg/blender-foundation/history/>. Acesso em 09 julho CLUA, E., BITTENCOURT, J. Desenvolvimento de Jogos 3D: Concepção, Design e Programação. Anais da XXIV Jornada de Atualização em Informática do Congresso da Sociedade Brasileira de Computação, pp , São Leopoldo, Brazil, Julho de COMERICAL GAMES ENGINES. 3D Game Development Software. Disponível em: <http://www.3d-animation.com.ar/game_engines_commercial_01.php>. Acesso em fevereiro de FEIJÓ, B., PAGLIOSA, P., CLUA, E. Visualização, Simulação e Games. Anais da XXIV Jornada de Atualização em Informática do Congresso da Sociedade Brasileira de Computação, Campo Grande, Brazil, Julho de FREE GAME ENGINES. Complete and Funcional Game Engines List. Disponível em: <http://www.freegameengines.org/>. Acesso em janeiro de GASPAR, B. Ferramentas Open Source para 3D: MakeHuman ENGERS, Estela Maris Bolzan ; MALFATTI, Silvano M. ; BRANCHER, Jacques ; NUNES, M. A. S. N.. Aplicação de uma propsta pedagócia para a utilização do aplicativo LOGO3D no processo de ensino-aprendizagem da geometria. In: Simposio Brasileiro De Informatica a Educação - SBIE 2004, 2004, Manaus. Simposio Brasileiro De Informatica a Educação - SBIE 2004, 2004 MAYA. Maya Tutorials. Disponível em: Acesso em fevereiro de MONTENEGRO, A. Computação Gráfica 1. Notas de aula, PEOPLEWARE. Sony Sound Forge 9.0 a. Disponível em < > Acesso em 03 julho PERUCIA, A. S.; BERTHÊM, A. C.; BERTSCHINGER, G. L.; MENEZES, R. R. C. Desenvolvimento de jogos eletrônicos. Teoria e prática. São Paulo SP: Novatec, SANTEE, A. Programação de jogos com C++ e DirectX. São Paulo, SP: Novatec, SANTOS,C., VALE, F. Jogos Eletrônicos na Educação: Em Estudo da Proposta dos Jogos Estratégicos. Universidade Federal de Sergipe, São Cristóvão SE, Outubro/2006. SISNEMA. Gimp: Excelente Editor de Imagens Open Source. Disponível em <http://inema.com.br/mat/idmat htm> Acesso em 04 julho

AULA 2. Aspectos Técnicos. Luciano Roberto Rocha. www.lrocha.com. MBA em Marketing Digital SOCIAL GAMES

AULA 2. Aspectos Técnicos. Luciano Roberto Rocha. www.lrocha.com. MBA em Marketing Digital SOCIAL GAMES MBA em Marketing Digital SOCIAL GAMES AULA 2 Luciano Roberto Rocha Aspectos Técnicos Ponta Grossa, 31 de agosto de 2013 ROTEIRO Papéis Processos Plataformas Ferramentas 2 PAPÉIS O desenvolvimento de um

Leia mais

Professor: Ronilson Morais Lobo. Salvador / 2015

Professor: Ronilson Morais Lobo. Salvador / 2015 Professor: Ronilson Morais Lobo Salvador / 2015 Introdução Motivação: Criar uma metodologia, Protótipar cenários reais, Proporcionar jogos divertidos, intuitivos e colaborativos. Tecnologia, Conceitos

Leia mais

Ciências da Computação Disciplina:Computação Gráfica

Ciências da Computação Disciplina:Computação Gráfica Ciências da Computação Disciplina:Computação Gráfica Professora Andréia Freitas 2012 7 semestre Aula 02 (1)AZEVEDO, Eduardo. Computação Gráfica, Rio de Janeiro: Campus, 2005 (*0) (2) MENEZES, Marco Antonio

Leia mais

OpenGL. Uma Abordagem Prática e Objetiva. Marcelo Cohen Isabel Harb Manssour. Novatec Editora

OpenGL. Uma Abordagem Prática e Objetiva. Marcelo Cohen Isabel Harb Manssour. Novatec Editora OpenGL Uma Abordagem Prática e Objetiva Marcelo Cohen Isabel Harb Manssour Novatec Editora Capítulo 1 Introdução A Computação Gráfica é uma área da Ciência da Computação que se dedica ao estudo e ao desenvolvimento

Leia mais

Técnicas para Animação de Imagens em Jogos 2D Utilizando Java

Técnicas para Animação de Imagens em Jogos 2D Utilizando Java Técnicas para Animação de Imagens em Jogos 2D Utilizando Java Silvano Maneck Malfatti 1 1 Faculdade Católica do Tocantins (FACTO) Palmas TO Brasil Malfatti@catolica-to.edu.br Resumo. Um dos recursos que

Leia mais

11/06/2013. O que é Software Aplicativo? Suítes de Software. Adquirindo Software SOFTWARES APLICATIVOS

11/06/2013. O que é Software Aplicativo? Suítes de Software. Adquirindo Software SOFTWARES APLICATIVOS 2 O que é Software Aplicativo? SOFTWARES APLICATIVOS Introdução à Microinformática Prof. João Paulo Lima Software que realiza tarefa útil específica Suítes de aplicativos Softwares empresariais Softwares

Leia mais

Utilizando o 3D Studio Max como Level Editor para Construção de Cenários para Ogre3D

Utilizando o 3D Studio Max como Level Editor para Construção de Cenários para Ogre3D Utilizando o 3D Studio Max como Level Editor para Construção de Cenários para Ogre3D Jorge. L. Salvi, Maikon. C. Santos, Jacques. D. Brancher Departamento de Engenharias e Ciência da Computação Universidade

Leia mais

GNU Image Manipulation Program, mais conhecido pelo acrônimo GIMP.

GNU Image Manipulation Program, mais conhecido pelo acrônimo GIMP. 3 Ferramentas de Autoria em Multimídia Autoria multimídia é a criação de produções multimídia tais como filmes e apresentações. Estas produções buscam interação com o usuário (aplicações interativas).

Leia mais

Utilizando o 3D Studio Max como Level Editor para Construção de Cenários para Ogre3D

Utilizando o 3D Studio Max como Level Editor para Construção de Cenários para Ogre3D Utilizando o 3D Studio Max como Level Editor para Construção de Cenários para Ogre3D Jorge L. Salvi Maikon C. Santos Daniel M. Tortelli Jacques D. Brancher Universidade Regional Integrada do Alto Uruguai

Leia mais

Prof. MSc. João Ricardo Bittencourt

Prof. MSc. João Ricardo Bittencourt Introdução aos Motores de Jogos Prof. MSc. João Ricardo Bittencourt joaorb@unisinos.br www.inf.unisinos.br/~jrbitt www.ludensartis.com.br UNISINOS Sumário 1. Contexto 2. Principais conceitos de motores

Leia mais

Oficina de produção de tutoriais. WALESKA - TUTORIAL Audacity

Oficina de produção de tutoriais. WALESKA - TUTORIAL Audacity Prefeitura de Volta Redonda Secretaria Municipal de Educação Implementação de Informática Aplicada à Educação Oficina de produção de tutoriais WALESKA - TUTORIAL Audacity Oficina de produção de tutoriais

Leia mais

1 Introdução. Sistemas de Autoria

1 Introdução. Sistemas de Autoria 1 Introdução Sistemas de Autoria O momento atual impulsiona a computação a lançar um novo olhar sobre a Educação, focados para as possibilidades da construção de um mundo de inovações onde as tecnologias

Leia mais

ANIMAÇÃO DIGITAL O CURSO

ANIMAÇÃO DIGITAL O CURSO ANIMAÇÃO DIGITAL O CURSO Através dos dois maiores softwares para criação de personagens e edição de filmes aprenda a dar os primeiros passos no universo cinematográfico. Este curso aborda também toda técnica

Leia mais

Formação em game programming: 01 - Introdução à programação

Formação em game programming: 01 - Introdução à programação Formação em game programming: Para que um jogo eletrônico funcione adequadamente como foi projetado, é necessário que ele esteja corretamente programado. Todas as funções de controle de personagens e objetos

Leia mais

O USO DE SOFTWARES PARA O TRATAMENTO DE IMAGENS: APLICAÇÕES NA PROPAGANDA IMPRESSA

O USO DE SOFTWARES PARA O TRATAMENTO DE IMAGENS: APLICAÇÕES NA PROPAGANDA IMPRESSA O USO DE SOFTWARES PARA O TRATAMENTO DE IMAGENS: APLICAÇÕES NA PROPAGANDA IMPRESSA Orientação: Prof. Ms. Sílvio Carvalho Neto Acadêmicos: Lívia Rocha Portugal, Ana Paula de Almeida, Roberta Guidoni Moreira

Leia mais

LEAS ONLINE: PROTÓTIPO DE UM JOGO DE MMORPG

LEAS ONLINE: PROTÓTIPO DE UM JOGO DE MMORPG LEAS ONLINE: PROTÓTIPO DE UM JOGO DE MMORPG Wesllen de Oliveira Delfino, Larissa Pavarini da Luz wesllendelfino@hotmail.com,larissa.luz01@fatec.sp.gov.br Projeto de Iniciação Científica Larissa Pavarini

Leia mais

Trabalhando com arquivos de som. Prof. César Bastos Fevereiro 2008

Trabalhando com arquivos de som. Prof. César Bastos Fevereiro 2008 Trabalhando com arquivos de som Prof. César Bastos Fevereiro 2008 Usando a mídia de som Vamos considerar os programas gratuitos como base de nossas ferramentas nesse curso, assim todos poderão usufruir

Leia mais

Ferramenta de Design Gráfico/ Imagem Digital Adobe Photoshop Fábio Fernandes

Ferramenta de Design Gráfico/ Imagem Digital Adobe Photoshop Fábio Fernandes Ferramenta de Design Gráfico/ Imagem Digital Adobe Photoshop Fábio Fernandes O Adobe Photoshop vem liderando o mercado de imagem digital há anos. Portanto, não podemos deixar de explorar essa ferramenta

Leia mais

Projeto de Jogos Parte II Gráficos

Projeto de Jogos Parte II Gráficos Projeto de Jogos Parte II Gráficos Paulo V. W. Radtke pvwradtke@gmail.com http://www.ppgia.pucpr.br/~radtke/jogos Conteúdo Introdução Vídeo Considerações (PC e celular) O Mundo em Blocos de Imagem Sprites

Leia mais

EVIL ANGEL CHIBI - SCAPE OF DEATH

EVIL ANGEL CHIBI - SCAPE OF DEATH EVIL ANGEL CHIBI - SCAPE OF DEATH RAMARI, L.; FERNANDES, F.N. RESUMO O artigo apresenta o funcionamento de jogos na plataforma 2D, descrevendo os principais tipos de jogos e mostrando os passos básicos

Leia mais

17:47:08. Introdução à Informática com Software Livre

17:47:08. Introdução à Informática com Software Livre 17:47:08 Introdução à Informática com Software Livre 1 17:47:09 Audacity 2 Audacity 17:47:09 Audacity é um Software Livre de edição digital de áudio, disponível principalmente nas plataformas: Windows,

Leia mais

Desenvolvimento de cenários 3D com estereoscopia utilizando a engine de jogos UDK Unreal Development Kit. Hipólito Douglas França Moreira

Desenvolvimento de cenários 3D com estereoscopia utilizando a engine de jogos UDK Unreal Development Kit. Hipólito Douglas França Moreira Desenvolvimento de cenários 3D com estereoscopia utilizando a engine de jogos UDK Unreal Development Kit Hipólito Douglas França Moreira Unreal Development Kit Desenvolvida para a construção de jogos,

Leia mais

J3DTOOL Um Motor para o Desenvolvimento de Jogos Educacionais em Java3D

J3DTOOL Um Motor para o Desenvolvimento de Jogos Educacionais em Java3D J3DTOOL Um Motor para o Desenvolvimento de Jogos Educacionais em Java3D Silvano Maneck Malfatti, Leandro Lorenzet Dihl, Jacques Duílio Brancher Universidade Regional do Alto Uruguai e das Missões URI Campus

Leia mais

Curso Básico de Edição de Vídeo - Windows Movie Maker. Windows Movie Maker

Curso Básico de Edição de Vídeo - Windows Movie Maker. Windows Movie Maker Windows Movie Maker 1.0. Introdução ao Windows Movie Maker O Windows Movie Maker é um programa desenvolvido pela Microsoft para a edição básica de vídeos digitais e está disponível nas versões do Windows

Leia mais

Soluções Autodesk Transferência de Tecnologias. Parcerias tecnológicas, treinamentos e licenciamentos

Soluções Autodesk Transferência de Tecnologias. Parcerias tecnológicas, treinamentos e licenciamentos Soluções Autodesk Transferência de Tecnologias Parcerias tecnológicas, treinamentos e licenciamentos Soluções Autodesk na ENG AutoCAD 2010 - o software AutoCAD para arquitetos. Criação, coordenação e colaboração

Leia mais

Conceitos do Photoshop. Bitmap image Formatos de arquivos Memória Escalas de cores

Conceitos do Photoshop. Bitmap image Formatos de arquivos Memória Escalas de cores Conceitos do Photoshop Bitmap image Formatos de arquivos Memória Escalas de cores Bitmap Image Conceito de pixel Imagem bitmap x imagem vetorial Pixel x bits Resolução de tela e imagem 72 pixel/inch 300

Leia mais

Sumário. Computação Gráfica Illustrator

Sumário. Computação Gráfica Illustrator 1 Sumário Área de trabalho... 2 Barra de tarefas... 5 Menu ajuda... 6 Menu janela... 7 Menu exibir... 8 Menu efeito... 9 Menu selecionar... 10 Menu tipo... 10 Menu objeto... 12 Menu editar... 13 Menu arquivo...

Leia mais

Trabalho GA - Editor de Cenário Parallax

Trabalho GA - Editor de Cenário Parallax Objetivo A tarefa consiste em criar um editor gráfico de cenários para jogos 2D com visão lateral. O editor deve permitir que o usuário trabalhe com camadas, para simular o efeito parallax. O usuário pode

Leia mais

ETI - Edição e tratamento de imagens digitais

ETI - Edição e tratamento de imagens digitais Curso Técnico em Multimídia ETI - Edição e tratamento de imagens digitais 2 Fundamentos "Conserva o modelo das sãs palavras que de mim tens ouvido, na fé e no amor que há em Cristo Jesus." 2 Timóteo 1:13

Leia mais

C D. C) Coleções: é usada para organizar o conteúdo de áudio, vídeo e imagens em pastas, buscando facilitar a montagem do storyboard.

C D. C) Coleções: é usada para organizar o conteúdo de áudio, vídeo e imagens em pastas, buscando facilitar a montagem do storyboard. 1 Windows Movie Maker XP O Windows Movie Maker é um software de edição de vídeos que permite criar e editar filmes caseiros, inserindo efeitos, músicas, legendas e transições. O vídeo pode ser criado a

Leia mais

CTRL-SHIFT DOCUMENTO DE GAME DESIGN DESENVOLVIDO POR HILGAMES

CTRL-SHIFT DOCUMENTO DE GAME DESIGN DESENVOLVIDO POR HILGAMES CTRL-SHIFT DOCUMENTO DE GAME DESIGN DESENVOLVIDO POR HILGAMES 1. Introdução CTRL-SHIFT é um jogo de puzzle, plataforma 2D e 3D ao mesmo tempo. O jogador navega por um cenário de plataformas 2D, e quando

Leia mais

Sistemas Operacionais 2014 Introdução. Alexandre Augusto Giron alexandre.a.giron@gmail.com

Sistemas Operacionais 2014 Introdução. Alexandre Augusto Giron alexandre.a.giron@gmail.com Sistemas Operacionais 2014 Introdução Alexandre Augusto Giron alexandre.a.giron@gmail.com Roteiro Sistemas Operacionais Histórico Estrutura de SO Principais Funções do SO Interrupções Chamadas de Sistema

Leia mais

Hardware e Software. Exemplos de software:

Hardware e Software. Exemplos de software: Hardware e Software O hardware é a parte física do computador, ou seja, é o conjunto de componentes eletrônicos, circuitos integrados e placas, que se comunicam através de barramentos. Em complemento ao

Leia mais

Desenvolvimento de um jogo interativo para plataforma web integrado à rede social Facebook

Desenvolvimento de um jogo interativo para plataforma web integrado à rede social Facebook Desenvolvimento de um jogo interativo para plataforma web integrado à rede social Facebook MAC0499 Trabalho de Formatura Supervisionado Orientador: Professor Marco Dimas Gubitoso novembro de 2013 Instituto

Leia mais

ENG1000 Introdução à Engenharia

ENG1000 Introdução à Engenharia ENG1000 Introdução à Engenharia Aula 03 Game Design Document Edirlei Soares de Lima Game Design Document Um Game Design Document (GDD) é um documento que descreve todos aspectos

Leia mais

TECNÓLOGO EM ANÁLISE E DESENVOLVIMENTO DE SISTEMAS PROGRAMAÇÃO DE COMPUTADORES I Aula 01: Conceitos Iniciais / Sistema Operacional

TECNÓLOGO EM ANÁLISE E DESENVOLVIMENTO DE SISTEMAS PROGRAMAÇÃO DE COMPUTADORES I Aula 01: Conceitos Iniciais / Sistema Operacional TECNÓLOGO EM ANÁLISE E DESENVOLVIMENTO DE SISTEMAS PROGRAMAÇÃO DE COMPUTADORES I Aula 01: Conceitos Iniciais / Sistema Operacional O conteúdo deste documento tem por objetivo apresentar uma visão geral

Leia mais

ENG1000 Introdução à Engenharia

ENG1000 Introdução à Engenharia ENG1000 Introdução à Engenharia Aula 02 Introdução ao Game Design Edirlei Soares de Lima Introdução O que é um jogo? Jogar uma bola contra uma parede pode ser considerado um jogo?

Leia mais

O CMS certo para as suas necessidades! Quadro Comparativo

O CMS certo para as suas necessidades! Quadro Comparativo O CMS certo para as suas necessidades! Quadro Comparativo Prof. Ricardo 1 Um CMS (Content Management Systems) é um Sistema de gerenciamento de Conteúdo de websites, portais e intranet disponíveis para

Leia mais

Informática Software. Prof. Marcos André Pisching, M.Sc.

Informática Software. Prof. Marcos André Pisching, M.Sc. Informática Software Prof. Marcos André Pisching, M.Sc. Objetivos Definir e classificar os principais tipos de softwares Básico Aplicativos Software Categorias Principais de Software Básico Chamado de

Leia mais

Imagem digital. Unidade 3

Imagem digital. Unidade 3 Imagem digital Unidade 3 Objectivos Reconhecer o potencial comunicativo/ expressivo das imagens; Reconhecer as potencialidades narrativas de uma imagem; A criação de sentido nas associações de imagens

Leia mais

Mercados potenciais para workstations

Mercados potenciais para workstations Mercados potenciais para workstations Onde vender workstations e workstations móveis HP Desenvolvimento de produtos Mídia e entretenimento Serviços financeiros Educação Ciências biológicas Petróleo e gás

Leia mais

PÓS-GRADUAÇÃO EM MATEMÁTICA COMPUTACIONAL INFORMÁTICA INSTRUMENTAL Aula 05: Editores de Imagem Paint / GIMP

PÓS-GRADUAÇÃO EM MATEMÁTICA COMPUTACIONAL INFORMÁTICA INSTRUMENTAL Aula 05: Editores de Imagem Paint / GIMP PÓS-GRADUAÇÃO EM MATEMÁTICA COMPUTACIONAL INFORMÁTICA INSTRUMENTAL Aula 05: Editores de Imagem Paint / GIMP Desenho e Edição de Imagem Paint O Paint é um software utilizado para a criação de desenhos simples

Leia mais

GUIA UNITY 3D E SKETCHUP

GUIA UNITY 3D E SKETCHUP GUIA UNITY 3D E SKETCHUP Existe uma demanda pela utilização de modelos tridimensionais estereoscópicos para simular relações presenciais. Os projetos relacionados à esses modelos são conhecidos como CAVES.

Leia mais

Manual do Aplicativo - Rastreamento Veicular

Manual do Aplicativo - Rastreamento Veicular Manual do Aplicativo - Rastreamento Veicular Sumário Apresentação... 2 Instalação do Aplicativo... 2 Localizando o aplicativo no smartphone... 5 Inserindo o link da aplicação... 6 Acessando o sistema...

Leia mais

Soluções Autodesk Transferência de Tecnologias

Soluções Autodesk Transferência de Tecnologias SP I PR I DF Soluções Autodesk Transferência de Tecnologias Parcerias tecnológicas, treinamentos e licenciamentos Soluções Autodesk na ENG Revit 2011 - o software para projetos de edificações para agora

Leia mais

SISTEMAS DISTRIBUIDOS. Prof. Marcelo de Sá Barbosa

SISTEMAS DISTRIBUIDOS. Prof. Marcelo de Sá Barbosa Prof. Marcelo de Sá Barbosa CLUSTER: Um cluster é um conjunto de computadores independentes conectados por rede que formam um sistema único através do uso de software. Um cluster, ou aglomerado de computadores,

Leia mais

Adobe Flex. Cainã Fuck dos Santos Thiago Vieira Puluceno Jonathan Kuntz Fornari Gustavo Nascimento Costa

Adobe Flex. Cainã Fuck dos Santos Thiago Vieira Puluceno Jonathan Kuntz Fornari Gustavo Nascimento Costa Adobe Flex Cainã Fuck dos Santos Thiago Vieira Puluceno Jonathan Kuntz Fornari Gustavo Nascimento Costa O que é Flex? Estrutura de Código aberto para a criação de aplicativos Web Utiliza o runtime do Adobe

Leia mais

Capítulo 2 Introdução à ferramenta Flash

Capítulo 2 Introdução à ferramenta Flash Capítulo 2 Introdução à ferramenta Flash Índice 1. O uso da ferramenta Flash no projeto RIVED.... 1 2. História do Flash... 4 1. O uso da ferramenta Flash no projeto RIVED. É importante, antes de iniciarmos

Leia mais

Versão 3.2. 1. Apresentação. Parte I. Vivaldo Armelin Júnior

Versão 3.2. 1. Apresentação. Parte I. Vivaldo Armelin Júnior Versão 3.2 2010 1. Apresentação Parte I Vivaldo Armelin Júnior Esta é a janela principal do BrOffice Impress. Um programa para edição de apresentações, que é livre, seu código é aberto e ainda... grátis.

Leia mais

Informática Aplicada. Aula 2 Windows Vista. Professora: Cintia Caetano

Informática Aplicada. Aula 2 Windows Vista. Professora: Cintia Caetano Informática Aplicada Aula 2 Windows Vista Professora: Cintia Caetano AMBIENTE WINDOWS O Microsoft Windows é um sistema operacional que possui aparência e apresentação aperfeiçoadas para que o trabalho

Leia mais

Projeto solidário para o ensino de Informática Básica

Projeto solidário para o ensino de Informática Básica Projeto solidário para o ensino de Informática Básica Parte 2 Sistema Operacional MS-Windows XP Créditos de desenvolvimento deste material: Revisão: Prof. MSc. Wagner Siqueira Cavalcante Um Sistema Operacional

Leia mais

Utilização. de Shaders de efeitos realistas para jogos. Bruno Pereira Evangelista. Pontifícia Universidade Católica de Minas Gerais

Utilização. de Shaders de efeitos realistas para jogos. Bruno Pereira Evangelista. Pontifícia Universidade Católica de Minas Gerais Utilização de Shaders para criação de efeitos realistas para jogos Bruno Pereira Evangelista Pontifícia Universidade Católica de Minas Gerais Sumário 2/48 Apresentação pessoal Introdução Pipeline de renderização

Leia mais

LAG. Laboratório de Aplicações Gráficas e Desenvolvimento de Jogos. Professor responsável M. Sc. Will Ricardo dos Santos Machado

LAG. Laboratório de Aplicações Gráficas e Desenvolvimento de Jogos. Professor responsável M. Sc. Will Ricardo dos Santos Machado LAG Laboratório de Aplicações Gráficas e Desenvolvimento de Jogos Professor responsável M. Sc. Will Ricardo dos Santos Machado Linhas de Atuação Computação Gráfica Interação homem-máquina Modelagem Animação

Leia mais

Sistemas Operacionais. Andrique Amorim www.andrix.com.br professor@andrix.com.br. Gerência de Arquivos

Sistemas Operacionais. Andrique Amorim www.andrix.com.br professor@andrix.com.br. Gerência de Arquivos Andrique Amorim www.andrix.com.br professor@andrix.com.br Gerência de Arquivos Gerência de Arquivos Um sistema operacional tem por finalidade permitir que o usuários do computador executem aplicações,

Leia mais

DESENVOLVIMENTO DE JOGOS DIGITAIS. Desmistificando o desenvolvimento de games e mercado de trabalho

DESENVOLVIMENTO DE JOGOS DIGITAIS. Desmistificando o desenvolvimento de games e mercado de trabalho DESENVOLVIMENTO DE JOGOS DIGITAIS Desmistificando o desenvolvimento de games e mercado de trabalho 2 Caravieri Modesto Professor de Programação e Banco de Dados I IFSP (SALTO Analise e Desenvolvimento

Leia mais

Universidade Federal de Santa Maria UFSM Centro de Tecnologia CT. Power Point. Básico

Universidade Federal de Santa Maria UFSM Centro de Tecnologia CT. Power Point. Básico Universidade Federal de Santa Maria UFSM Centro de Tecnologia CT Power Point Básico Santa Maria, julho de 2006 O Power Point é um aplicativo do Microsoft Office direcionado à criação de apresentações.

Leia mais

Ptex e outras ferramentas para modelagem de animação

Ptex e outras ferramentas para modelagem de animação Ptex e outras ferramentas para modelagem de animação Savyo Nóbrega (savyo@dsc.ufcg.edu.br) Agenda Motivação Conceitos Gerais Modelagem Matemática Mapeamento de texturas Softwares e ferramentas para modelagem

Leia mais

Jogos Eletrônicos. Aula 01 Jogos Eletrônicos e Game Design. Edirlei Soares de Lima

Jogos Eletrônicos. Aula 01 Jogos Eletrônicos e Game Design. Edirlei Soares de Lima <edirlei.lima@uniriotec.br> Jogos Eletrônicos Aula 01 Jogos Eletrônicos e Game Design Edirlei Soares de Lima Introdução O que é um jogo? Jogar uma bola contra uma parede pode ser considerado um jogo? Introdução

Leia mais

SENAI São Lourenço do Oeste. Introdução à Informática. Adinan Southier Soares

SENAI São Lourenço do Oeste. Introdução à Informática. Adinan Southier Soares SENAI São Lourenço do Oeste Introdução à Informática Adinan Southier Soares Informações Gerais Objetivos: Introduzir os conceitos básicos da Informática e instruir os alunos com ferramentas computacionais

Leia mais

Plano de Aula - Dreamweaver CS6 - cód.5232 24 Horas/Aula

Plano de Aula - Dreamweaver CS6 - cód.5232 24 Horas/Aula Plano de Aula - Dreamweaver CS6 - cód.5232 24 Horas/Aula Aula 1 Capítulo 1 - Introdução ao Dreamweaver CS6 Aula 2 Continuação do Capítulo 1 - Introdução ao Dreamweaver CS6 Aula 3 Capítulo 2 - Site do Dreamweaver

Leia mais

O que é o Virto ERP? Onde sua empresa quer chegar? Apresentação. Modelo de funcionamento

O que é o Virto ERP? Onde sua empresa quer chegar? Apresentação. Modelo de funcionamento HOME O QUE É TOUR MÓDULOS POR QUE SOMOS DIFERENTES METODOLOGIA CLIENTES DÚVIDAS PREÇOS FALE CONOSCO Suporte Sou Cliente Onde sua empresa quer chegar? Sistemas de gestão precisam ajudar sua empresa a atingir

Leia mais

Pág 31. UC Introdução a Informática Docente: André Luiz Silva de Moraes 1º sem Redes de Computadores. 5 Introdução ao uso do BrOffice Impress

Pág 31. UC Introdução a Informática Docente: André Luiz Silva de Moraes 1º sem Redes de Computadores. 5 Introdução ao uso do BrOffice Impress 5 Introdução ao uso do BrOffice Impress O pacote BrOffice é um pacote de escritório muito similar ao já conhecido Microsoft Office e ao longo do tempo vem evoluindo e cada vez mais ampliando as possibilidades

Leia mais

Sistemas Operacionais Aula 03: Estruturas dos SOs. Ezequiel R. Zorzal ezorzal@unifesp.br www.ezequielzorzal.com

Sistemas Operacionais Aula 03: Estruturas dos SOs. Ezequiel R. Zorzal ezorzal@unifesp.br www.ezequielzorzal.com Sistemas Operacionais Aula 03: Estruturas dos SOs Ezequiel R. Zorzal ezorzal@unifesp.br www.ezequielzorzal.com OBJETIVOS Descrever os serviços que um sistema operacional oferece aos usuários e outros sistemas

Leia mais

Arquitetura de Computadores. Introdução aos Sistemas Operacionais

Arquitetura de Computadores. Introdução aos Sistemas Operacionais Arquitetura de Computadores Introdução aos Sistemas Operacionais O que é um Sistema Operacional? Programa que atua como um intermediário entre um usuário do computador ou um programa e o hardware. Os 4

Leia mais

Aranda SQL COMPARE. [Manual de Uso] Todos os direitos reservados Aranda Software www.arandasoft.com [1]

Aranda SQL COMPARE. [Manual de Uso] Todos os direitos reservados Aranda Software www.arandasoft.com [1] [1] Aranda SQL COMPARE Versão 1.0 Aranda Software Corporation 2002-2007. Todos os direitos reservados. Qualquer documentação técnica fornecida pela Aranda software Corporation é um produto registrado da

Leia mais

Introdução a Computação

Introdução a Computação Sistemas Operacionais: Software Oculto Introdução a Computação Sistemas Operacionais Serve como um intermediário entre o hardware e os softwares aplicativos. Sistema Operacional Software de sistemas Kernel

Leia mais

Informática Aplicada

Informática Aplicada Informática Aplicada SO Windows Aula 3 Prof. Walteno Martins Parreira Jr www.waltenomartins.com.br waltenomartins@yahoo.com 2014 APRESENTAÇÃO Todo computador precisa de um sistema operacional. O Windows

Leia mais

Professor. Thiago Miranda Material: www.thiagomiranda.net. Email: mirandathiago@gmail.com

Professor. Thiago Miranda Material: www.thiagomiranda.net. Email: mirandathiago@gmail.com Microsoft Windows 1 Professor Thiago Miranda Material: www.thiagomiranda.net Email: mirandathiago@gmail.com Conceitos básicos de SO O que é um sistema operacional? É um programa ou conjunto de programas

Leia mais

WORKING PAPERS AVATAR EXPRESS: CREATE, EDIT, ANIMATE

WORKING PAPERS AVATAR EXPRESS: CREATE, EDIT, ANIMATE WORKING PAPERS AVATAR EXPRESS: CREATE, EDIT, ANIMATE Resumo Nos dias de hoje a forma como comunicamos e interagimos com o mundo passa, muitas vezes, por ecrãs. Televisão, computadores, telemóveis e tablets

Leia mais

Tutorial Audacity. Índice

Tutorial Audacity. Índice Tutorial Audacity Índice Apresentação 2 Iniciando o Audacity 2 Gravando seu próprio áudio 2 Produzindo 2 Importando um arquivo de som 3 Editando 3 Efeitos 3 Manipulando seus dados 4 Salvando e Exportando

Leia mais

Seleção Retangular Esta é uma das ferramentas mais usadas. A seleção será indicada pelas linhas tracejadas que fazem a figura de um retângulo.

Seleção Retangular Esta é uma das ferramentas mais usadas. A seleção será indicada pelas linhas tracejadas que fazem a figura de um retângulo. O que é o Gimp? O GIMP é um editor de imagens e fotografias. Seus usos incluem criar gráficos e logotipos, redimensionar fotos, alterar cores, combinar imagens utilizando o paradigma de camadas, remover

Leia mais

Versão 2.2.0 PIMACO AUTOADESIVOS LTDA. Assistente Pimaco + 2.2.0. Ajuda ao Usuário

Versão 2.2.0 PIMACO AUTOADESIVOS LTDA. Assistente Pimaco + 2.2.0. Ajuda ao Usuário Versão 2.2.0 PIMACO AUTOADESIVOS LTDA. Assistente Pimaco + 2.2.0 Ajuda ao Usuário A S S I S T E N T E P I M A C O + 2.2.0 Ajuda ao usuário Índice 1. BÁSICO 1 1. INICIANDO O APLICATIVO 2 2. O AMBIENTE DE

Leia mais

Multidisciplinar - Criação de Cenários 3D para Games utilizando os produtos da Autodesk

Multidisciplinar - Criação de Cenários 3D para Games utilizando os produtos da Autodesk Multidisciplinar - Criação de Cenários 3D para Games utilizando os produtos da Autodesk Luis Leonardo Baratella Revenda Tecgraf Campinas/Santos Especialista em Multimídia Paulo Henrique Giungi Galvão Revenda

Leia mais

Aperfeiçoando o Workflow de Animação com Ferramentas Customizadas

Aperfeiçoando o Workflow de Animação com Ferramentas Customizadas Aperfeiçoando o Workflow de Animação com Ferramentas Customizadas Alex Ferreira Simões Animador Freelance Joaquim Luciano Nazário Gonçalves Vagalume Animation Studios Nessa palestra iremos apresentar um

Leia mais

Cenografia digital. Para a construção desses cenários. Construção de objetos tridimensionais para jogos com o Blender. Comandos básicos GLOSSÁRIO

Cenografia digital. Para a construção desses cenários. Construção de objetos tridimensionais para jogos com o Blender. Comandos básicos GLOSSÁRIO Construção de objetos tridimensionais para jogos com o Blender Cenografia digital Quando o assunto são jogos de computador, lembramos automaticamente de cenários recheados de detalhes para atrair o jogador.

Leia mais

1ª Edição. Vivaldo Armelin Júnior

1ª Edição. Vivaldo Armelin Júnior 1ª Edição 2014 Comparando Editores de Imagem - FotoMBoé - 2014... 2 Introdução Está saindo do forno mais um e-livro grátis oferecido pelo Site FotoMBoé. Neste serão feitas comparações entre os diversos

Leia mais

Controle remoto HP Media (somente em determinados modelos) Guia do Usuário

Controle remoto HP Media (somente em determinados modelos) Guia do Usuário Controle remoto HP Media (somente em determinados modelos) Guia do Usuário Copyright 2008 Hewlett-Packard Development Company, L.P. Windows e Windows Vista são marcas comerciais ou registradas da Microsoft

Leia mais

Apostila para o 7º ano Profª Yandra

Apostila para o 7º ano Profª Yandra Apostila para o 7º ano Profª Yandra INTRODUÇÃO Scratch é uma linguagem de programação desenvolvida por uma conceituada universidade norte-americana (MIT). Através de um sistema inovador que introduz noções

Leia mais

DESENVOLVIMENTO DE SOFTWARE DE VOTAÇÃO WEB UTILIZANDO TECNOLOGIA TOUCHSCREEN

DESENVOLVIMENTO DE SOFTWARE DE VOTAÇÃO WEB UTILIZANDO TECNOLOGIA TOUCHSCREEN DESENVOLVIMENTO DE SOFTWARE DE VOTAÇÃO WEB UTILIZANDO TECNOLOGIA TOUCHSCREEN José Agostinho Petry Filho 1 ; Rodrigo de Moraes 2 ; Silvio Regis da Silva Junior 3 ; Yuri Jean Fabris 4 ; Fernando Augusto

Leia mais

O conjunto é composto por duas seções: o App Inventor Designer e o App Inventor Blocks Editor, cada uma com uma função específica.

O conjunto é composto por duas seções: o App Inventor Designer e o App Inventor Blocks Editor, cada uma com uma função específica. Google App Inventor: o criador de apps para Android para quem não sabe programar Por Alexandre Guiss Fonte: www.tecmundo.com.br/11458-google-app-inventor-o-criador-de-apps-para-android-para-quem-naosabe-programar.htm

Leia mais

Projeto Museu Virtual: Criação de Ambientes Virtuais com Recursos e Técnicas de Realidade Virtual

Projeto Museu Virtual: Criação de Ambientes Virtuais com Recursos e Técnicas de Realidade Virtual Projeto Museu Virtual: Criação de Ambientes Virtuais com Recursos e Técnicas de Realidade Virtual Cristina Jasbinschek Haguenauer 1,2 Gerson Gomes Cunha 2 Francisco Cordeiro Filho 1 Marcos Coutinho Monnerat

Leia mais

Criação e Customização de Avatares Reais leves para Implementação em Ambientes Virtuais Colaborativos 3D

Criação e Customização de Avatares Reais leves para Implementação em Ambientes Virtuais Colaborativos 3D Criação e Customização de Avatares Reais leves para Implementação em Ambientes Virtuais Colaborativos 3D Andouglas Gonçalves da S. Júnior¹, Filipe Gurgel Nóbrega¹, Julio Cesar Paulino de Melo 2, Aquiles

Leia mais

Desvendando Jogos 2D. Por Marcos Romero Setembro / 2008. Cyborg Arena - RHGames

Desvendando Jogos 2D. Por Marcos Romero Setembro / 2008. Cyborg Arena - RHGames Desvendando Jogos 2D Por Marcos Romero Setembro / 2008 Cyborg Arena - RHGames Jogos Casuais Paciência Windows XP Paciência deve ser o jogo mais usado no PC. O mercado de jogos casuais tem um grande potencial,

Leia mais

Tipos de Sistemas Distribuídos (Cluster e Grid)

Tipos de Sistemas Distribuídos (Cluster e Grid) Tipos de Sistemas Distribuídos (Cluster e Grid) Sistemas Distribuídos Mauro Lopes Carvalho Silva Professor EBTT DAI Departamento de Informática Campus Monte Castelo Instituto Federal de Educação Ciência

Leia mais

X3DOM E WEBGL: O 3D INDEPENDENTE NA WEB

X3DOM E WEBGL: O 3D INDEPENDENTE NA WEB X3DOM E WEBGL: O 3D INDEPENDENTE NA WEB Augusto Francisco Ferbonink¹, Willian Barbosa Magalhães 1 Universidade Paranaense (UNIPAR) Paranavaí PR Brasil aferbonink@gmail.com wmagalhães@unipar.com Resumo.

Leia mais

BrOffice Módulo 01 ÍNDICE

BrOffice Módulo 01 ÍNDICE ÍNDICE Vídeo 01: Introdução ao BrOffice Vídeo 02: Componentes Vídeo 03: Outras funções Vídeo 04: Formato de arquivo Vídeo 05: Uso Vídeo 06: Multiplataforma Vídeo 07: Conhecendo a interface Vídeo 08: Experimentando

Leia mais

DESENVOVIMENTO DE GAMES APRESENTAÇÃO. MARCELO HENRIQUE DOS SANTOS http://www.marcelohsantos.com marcelosantos@outlook.com

DESENVOVIMENTO DE GAMES APRESENTAÇÃO. MARCELO HENRIQUE DOS SANTOS http://www.marcelohsantos.com marcelosantos@outlook.com JOGOS DIGITAIS DESENVOVIMENTO DE GAMES APRESENTAÇÃO MARCELO HENRIQUE DOS SANTOS http://www.marcelohsantos.com marcelosantos@outlook.com Bacharel em Sistema de Informação Pós Graduado em Games : Produção

Leia mais

Planificação Anual 2015/2016

Planificação Anual 2015/2016 Planificação Anual 015/01 CURSO: PROFISSIONAL TÉCNICO DE MULTIMÉDIA DISCIPLINA: TÉCNICAS DE MULTIMÉDIA (TM) ANO: 10.º TURMA: I 1º Período º Período 3º Período Set Out Nov Dez Jan Fev Mar Abr Mai Jun 3ª

Leia mais

TECNOLOGIA EM SISTEMAS PARA INTERNET Disciplina:FERRAMENTAS E TÉCNICAS DE ANIMAÇÃO WEB. Professora Andréia Freitas

TECNOLOGIA EM SISTEMAS PARA INTERNET Disciplina:FERRAMENTAS E TÉCNICAS DE ANIMAÇÃO WEB. Professora Andréia Freitas TECNOLOGIA EM SISTEMAS PARA INTERNET Disciplina:FERRAMENTAS E TÉCNICAS DE ANIMAÇÃO WEB Professora Andréia Freitas 2012 3 semestre Aula 03 MEMORIA, F. Design para a Internet. 1ª Edição. Rio de Janeiro:

Leia mais

7.Conclusão e Trabalhos Futuros

7.Conclusão e Trabalhos Futuros 7.Conclusão e Trabalhos Futuros 158 7.Conclusão e Trabalhos Futuros 7.1 Conclusões Finais Neste trabalho, foram apresentados novos métodos para aceleração, otimização e gerenciamento do processo de renderização

Leia mais

Introdução à Tecnologia Web. Tipos de Sites. Profª MSc. Elizabete Munzlinger www.elizabete.com.br

Introdução à Tecnologia Web. Tipos de Sites. Profª MSc. Elizabete Munzlinger www.elizabete.com.br IntroduçãoàTecnologiaWeb TiposdeSites ProfªMSc.ElizabeteMunzlinger www.elizabete.com.br ProfªMSc.ElizabeteMunzlinger www.elizabete.com.br TiposdeSites Índice 1 Sites... 2 2 Tipos de Sites... 2 a) Site

Leia mais

Apresentando o Sistema GeoOffice GPS Profissional

Apresentando o Sistema GeoOffice GPS Profissional Apresentando o Sistema GeoOffice GPS Profissional O Sistema GeoOfficeGPS é uma ferramenta de automação desenvolvida pela Solution Softwares LTDA-ME para auxiliar no armazenamento e manipulação de dados

Leia mais

ETEC RAPOSO TAVARES GESTÃO DE SISTEMAS OPERACIONAIS I. Máquina Virtual. Instalação de S.O. em dual boot. 1º Semestre 2010 PROF.

ETEC RAPOSO TAVARES GESTÃO DE SISTEMAS OPERACIONAIS I. Máquina Virtual. Instalação de S.O. em dual boot. 1º Semestre 2010 PROF. ETEC RAPOSO TAVARES GESTÃO DE SISTEMAS OPERACIONAIS I Máquina Virtual Instalação de S.O. em dual boot 1º Semestre 2010 PROF. AMARAL Na ciência da computação, máquina virtual é o nome dado a uma máquina,

Leia mais

GLOSSÁRIO. ActiveX Controls. É essencialmente uma interface usada para entrada e saída de dados para uma aplicação.

GLOSSÁRIO. ActiveX Controls. É essencialmente uma interface usada para entrada e saída de dados para uma aplicação. GLOSSÁRIO Este glossário contém termos e siglas utilizados para Internet. Este material foi compilado de trabalhos publicados por Plewe (1998), Enzer (2000) e outros manuais e referências localizadas na

Leia mais

PROPOSTA DE SOFTWARE DE INSTALAÇÃO PARA UM AMBIENTE INTEGRADO DE GERÊNCIA DE PROJETOS E DE PROCESSOS DE NEGÓCIOS

PROPOSTA DE SOFTWARE DE INSTALAÇÃO PARA UM AMBIENTE INTEGRADO DE GERÊNCIA DE PROJETOS E DE PROCESSOS DE NEGÓCIOS PROPOSTA DE SOFTWARE DE INSTALAÇÃO PARA UM AMBIENTE INTEGRADO DE GERÊNCIA DE PROJETOS E DE PROCESSOS DE NEGÓCIOS Élysson Mendes Rezende Bacharelando em Sistemas de Informação Bolsista de Iniciação Científica

Leia mais

Aplicações. Sistema Operacional Hardware. Os sistemas de computadores são projetados com basicamente 3 componentes: Máquinas Virtuais e Emuladores

Aplicações. Sistema Operacional Hardware. Os sistemas de computadores são projetados com basicamente 3 componentes: Máquinas Virtuais e Emuladores Máquinas Virtuais e Emuladores Marcos Aurelio Pchek Laureano Sistemas de Computadores Os sistemas de computadores são projetados com basicamente 3 componentes: hardware sistema operacional aplicações Sistemas

Leia mais

CONHECENDO O AUDACITY E O PODOMATIC

CONHECENDO O AUDACITY E O PODOMATIC CONHECENDO O AUDACITY E O PODOMATIC O Audacity (Audio (áudio) + Acity (cilindrada) - (http://audacity.sourceforge.net/) é uma aplicação de Software Livre para gravação e edição de áudio. No Audacity, através

Leia mais

Prof. Daniel Gondim danielgondimm@gmail.com. Informática

Prof. Daniel Gondim danielgondimm@gmail.com. Informática Prof. Daniel Gondim danielgondimm@gmail.com Informática Componentes de um SC Softwares O que é Software? Conjunto de instruções/funções/tarefas que definem o que o computador deve executar para chegar

Leia mais

Guia de Estudo Criação de Apresentações Microsoft PowerPoint

Guia de Estudo Criação de Apresentações Microsoft PowerPoint Tecnologias da Informação e Comunicação Guia de Estudo Criação de Apresentações Microsoft PowerPoint Aspectos genéricos sobre o trabalho com imagens computacionais Imagens computacionais e programas que

Leia mais