Marvila tem muito boa gente

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "Marvila tem muito boa gente"

Transcrição

1 Marvila tem muito boa gente

2 Ficha Técnica Ana Cardoso, Ana Paula Silva, Vanda Neves Moradores e Moradoras entrevistados/as Carlos Ventura, Isilda Jerónimo, Nara Miranda, Rui Fonseca 2 Projecto Espiral

3 Introdução O Projecto Espiral promovido pelo CESIS e financiado ao abrigo do Programa Contrato Local de Desenvolvimento Social definiu como zona de intervenção os bairros da Flamenga e dos Lóios, ambos localizados na freguesia de Marvila. Dizem documentos produzidos pela Câmara Municipal de Lisboa que estes bairros realojaram, no final dos anos 70, famílias de bairros de barracas que se situavam nas proximidades, ou na própria freguesia, mas também em zonas dispersas da cidade de Lisboa. Ainda que estes bairros se mantenham principalmente como áreas de mercado de habitação social, sendo a maioria das edificações da responsabilidade de organismos do estado, a promoção de habitação pelo sector cooperativo tem alguma presença, em particular no bairro dos Lóios, tendo sido um contributo importante para o processo de transformação da imagem urbana da zona. Por outro lado, o regime de propriedade é actualmente bastante mais diversificado do que a estrutura inicial, não só devido à construção privada mas também como consequência de uma política de alienação do património o que leva a um aumento progressivo da propriedade horizontal. Com a Expo98, Marvila conhece uma nova fase e aquilo que era, até então, uma freguesia cortada liga-se, finalmente, à cidade. A construção da Linha Vermelha e respectivas estações de Metro, sendo uma delas a da Bela Vista, que serve, nomeadamente o Bairro da Flamenga; a abertura da Av. Marechal António Spínola que prolonga a Av.Estados Unidos da América até à Av. Infante D.Henrique, passaram a estabelecer ligações essenciais com o resto da cidade. Apesar disso, Marvila e, muito em particular os seus bairros sociais, continuam a ter uma imagem negativa que arrasta consigo a população que aí reside. A alteração da toponímia, há quase 10 anos, permitiu abandonar a identificação despersonalizada dos bairros como zonas, recuperando os nomes das antigas quintas que aí existiram, numa lógica de humanização e dignificação da imagem desta área da cidade. Mas este é um processo que carece de aprofundamento, pois as próprias pessoas residentes ainda baralham as suas referências predominando, no entanto, a memória do zonamento. É no Parque da Bela Vista que tem vindo a ter lugar o grande evento mediático que é o Rock in Rio, mas nem o facto de este parque se situar em pleno Bairro da Flamenga tem contribuído para desmistificar a suposta perigosidade da sua população e colocar o bairro, por razões positivas, no centro das atenções. A este nível, importa evidenciar as limitações que este evento coloca à vida dos/as residentes e a forma colaborante como estas pessoas as aceitam. À semelhança de outras iniciativas do Projecto Espiral, o objectivo deste Livro Digital é precisamente valorizar as pessoas dos Lóios e da Flamenga. Dar-lhes a palavra! Marvila tem muito boa gente 3

4 A intenção é, pois, revelar estas pessoas como cidadãs e cidadãos que contribuem de forma activa para a sociedade, em geral, e para a vida dos seus bairros, em particular. Estando conscientes de alguns dos problemas dos bairros onde vivem sabem ver neles o melhor, e isso desenvolve-lhes uma forte vontade de participar, algo que o Espiral tem potenciando. Foram quatro as pessoas com quem falámos e cujos testemunhos, na primeira pessoa, aqui são relatados. São dois homens e duas mulheres com idades compreendidas entre os 24 e os 52 anos e a palavra é delas 4 Projecto Espiral

5 E estas pessoas dizem sobre si Vejo-me empreendedor Carlos Vejo-me empreendedor, empreendo a cada dia ( ) um empreendedor cria o seu futuro a partir do seu presente. Sou uma pessoa com muita força Isilda Actualmente estou a atravessar uma situação difícil mas sou uma pessoa com muita força, sou uma pessoa muito responsável, sou a trave da família é um bocado isto. Sou uma pessoa em processo de crescimento Nara Sou uma pessoa em processo de crescimento e de aprendizagem; alguém que anseia por ser uma pessoa melhor ( ).Tenho muito ainda que aceitar a meu respeito, de positivo e de menos positivo. Gostaria de aprender a ser mais amável e dócil comigo própria. Sonhador, bom pai e bom cozinheiro Rui Acho que posso dizer que já fui uma pessoa muito mais extrovertida. Agora acho que posso dizer que sou muito sonhador, estou sempre a sonhar ( ). Acho que sou um bom pai, bom cozinheiro e gosto de ajudar. Marvila tem muito boa gente 5

6 6 Projecto Espiral

7 O trabalho como aprendizagem e serviço A actividade profissional não parece ser um elemento importante na sua identidade. Definem-se, como se pode ler, mais pelo ser e não tanto pelo fazer. Rui Sou motorista de táxi profissional. Gosto de conduzir e o táxi dá-me uma espécie de independência, pois não tenho ninguém a dar-me ordens, nem colegas a fazerem coisas que não gosto, nem eu a fazer coisas que eles não gostem. E depois conheço muita gente aprendo muito. Transporto pessoas de todas as classes, de todas as profissões, de todos os países e aprendo muito. Aprendo muito com as pessoas eu gosto muito de falar com as pessoas. Nara Actualmente trabalho no Projecto EIS, um projecto de 6 meses financiado pela Câmara Municipal de Lisboa no âmbito do Programa Bip Zip e promovido pelo CESIS, no Bairro da Flamenga. Trabalho como Animadora Sócio- Cultural. Aquando do processo de candidatura a este posto de trabalho eu já me encontrava desempregada há mais de um ano. Para além disso, era um projecto que também me interessava, pois envolvia trabalhar de perto com as pessoas, com a comunidade: estar ao serviço das pessoas, trabalhar e desenvolver coisas com elas, no sentido de melhorar e valorizar as suas vidas e a vida do bairro. Era um projecto de serviço, contribuição e valorização, e isso atraiu-me. Carlos Trabalho num restaurante italiano. Desde os 11 anos que me apaixonei por esta área. Tendo uma grande amiga que me deixou este bichinho, desde a Expo 98, onde ajudava no seu restaurante. Nada de muito pesado, limpava talheres e cortava cebolas. É preciso fazer alguma coisa! A ideia de acomodação ao desemprego e de dependência face a benefícios sociais não se coaduna com a realidade destas pessoas. E mesmo quando o desemprego, já sem protecção, acontece, manifesta-se uma capacidade para aproveitar saberes e recursos próprios: Neste momento estou desempregada e estou a fazer uns salgadinhos, para ver se a coisa se compõe O subsídio de desemprego já acabou e uma pessoa não vive do ar, nem a roubar! E como tenho actualmente grandes problemas familiares esta é uma forma de conciliar a vida familiar com a necessidade de ganhar algum dinheiro. É preciso fazer alguma coisa!. Conversas e comidas elementos de alguns sonhos profissionais Apesar de serem reconhecidas algumas dificuldades, sobretudo no que diz respeito ao acesso ao crédito, há sonhos profissionais que, em alguns casos, começam a ser concretizados: duas pessoas já fizeram uma formação em empreendedorismo na Santa Casa da Misericórdia de Lisboa e estão a ser acompanhados pelo Espiral, no sentido da elaboração de um plano de negócios. Marvila tem muito boa gente 7

8 Tanto os projectos em curso, como aqueles que ainda ficaram no domínio do sonho, revelam uma vontade de associar a comida ao convívio, tendo subjacente a noção de bem-estar comum o meu e o dos outros. Nestes projectos, subentende-se um sonho de abundâncias (talvez como estratégia para ignorar privações passadas): abundância na mesa mas também abundância de relações, sorrisos e afectos. Carlos Estou a trabalhar, com a ajuda do João Silva, num projecto de restaurante completamente diferente dos que há aqui. Inspirei-me em Espanha onde quando se vai tomar uma bebida se serve também os pinchos. Apaixonei-me pela restauração porque é uma área em que damos a cara ao público, falamos com as pessoas, divertimo-nos, tratamos as pessoas como se fossem praticamente da família. Com o meu projecto também conto mudar um pouco a mentalidade portuguesa, pelo menos a lisboeta: não devemos ser tão agarrados, ou seja, devemos ser mais dados. Nara Gostaria de abrir um negócio próprio. Um negócio que não só contribua para um melhor bem-estar financeiro para mim mas que também tenha em conta a valorização das pessoas e da comunidade à minha volta. Pensei numa casa de pão onde acontecessem algumas iniciativas culturais. Já tomei alguns passos para isso; já fiz formação sobre empreendedorismo e agora terei outros patamares a alcançar, que incluem outras formações mais específicas na área de negócio que considero abrir; finalizar o plano de negócio, pedir financiamento e pôr a ideia a funcionar. 8 Projecto Espiral

9 Rui Gostava de ter um restaurantezinho, uma coisinha pequenina, uma salinha para 15, 20 pessoas, ter uns clientes certinhos Gostava que gostassem da minha comida, sim, que eu gosto de inventar! Gostava de cozinhar e de estar a falar com eles (clientes). Ter uma casinha no Bairro Alto, uma coisinha? Mas pouco a pouco com ajuda talvez de familiares, ou isso, pode ser que o negócio se concretize. Não é impossível. Afinal, no sonho como na vida: trabalhar para podermos ter o nosso luxo que é abrir o frigorífico; é abrir e não nos faltar nada e conseguirmos estar em família. É o nosso luxo. Quem sabe Caminhos para Marvila Os passados destas pessoas são distintos e diversas as razões que as levaram para a freguesia mas é, em geral, a vida em família que as faz estar aqui agora. Nara Vivo na Flamenga desde A minha família foi realojada de um bairro de barracas da zona de Miraflores/Algés mas a terra natal é Guiné- Bissau. Estive fora do bairro e do país de 2001 a Nessa altura morei em Inglaterra. Por motivos familiares, decidi regressar ao país e à casa da minha mãe, no Bairro da Flamenga. Agora vivo com ela e com o meu filho de 14 meses. Marvila tem muito boa gente 9

10 Rui Vivo na Flamenga desde Eu não era de um bairro social, morava no Lumiar junto ao Centro Comercial Mouras, na Quinta das Conchas. Fui um bocado rebelde na minha adolescência, depois sai de casa, andei a saltitar, andei para aí até que conheci a minha mulher e mudei-me aqui para o bairro. Hoje vivo aqui com a minha mulher, a nossa filha e outro que é só da minha mulher. Carlos Vivo no Bairro dos Lóios há sensivelmente ano e meio, pois estive a viver em Espanha. Entretanto, os meus pais que viviam nos Olivais, onde eu também morei até aos 16 anos, mudaram-se para cá. É que os meus pais viviam em casa dos meus avós, mas aos 40 anos quiseram autonomizar-se e vieram para os Lóios, acho que estão cá muito bem! Eu saí para Espanha porque queria mudar de ares. Ou seja, mudança de estratégia pois queria fazer a minha própria vida e como aqui o meio de subsistência é mais baixo que em Espanha Lá fiz um curso de auxiliar administrativo. Regressei há ano e meio, com a intenção de trabalhar por cá e de estar com a minha família, até porque na altura os meus avós estavam doentes e a minha avó acabou por falecer. Agora vivo com os meus pais, o meu irmão, a mulher dele e meu sobrinho. Isilda Vivo aqui, na Flamenga, vai para 15 anos. Até aos 18 anos vivi na província, em Vila de Rei, depois vim para o Restelo, trabalhar como empregada doméstica nessa altura também eram complicados os empregos. Depois ainda fui para Rio de Mouro, para a zona da Rinchoa, e em seguida para Santa Iria da Azóia mas eu e o meu marido trabalhávamos os dois em Lisboa e o trânsito era muito complicado e tínhamos o miúdo pequeno. Por isso, quando tivemos a oportunidade de comprar uma casa que tinha sido do irmão da minha cunhada, acabámos por vir para cá. A vida nos bairros podia ser melhor mas As pessoas que nos falam têm a consciência clara de que a vida nos bairros podia ser melhor. Referem-se, sobretudo, à falta de civismo e à ausência de respeito pelo outro, dimensões que serão como que o reverso da medalha do abandono destes bairros, por parte de algumas entidades públicas. E esse abandono reflecte-se na degradação de algum do edificado; na persistência de terrenos geradores de rupturas e descontinuidades nas vivências dos espaços; na sucessiva não concretização de planos e projectos. Isilda O bairro está sub aproveitado. Lá em cima não há nada e até temos muito espaço que acho que deveria de ser aproveitado. E depois, há muita gente em casa, uns por uma razão, outros por outra e isso acaba por criar pouco desenvolvimento. Muita gente está em casa porque já são velhotes e que vivem sozinhos, uma série de situações. Rui A Flamenga poderia ser muito melhor, muito melhor. Infelizmente há certas pessoas que não conseguem mudar certos hábitos e tornam a vida no bairro complicada, a nível de higiene e de respeito uns pelos outros. Nara Gosto das gentes do bairro, apesar de, às vezes, passar-me com alguns dos seus comportamentos pouco cívicos e de não respeito pelo outro! 10 Projecto Espiral

11 Mas será que estes são problemas específicos desta zona da cidade? Ou são problemas talvez aqui sentidos com particular acuidade, pelos motivos já enunciados, mas que também se podem encontrar noutros locais de Lisboa e do País, onde se verifique a ausência de uma verdadeira cultura de cidadania? são bairros de gente boa e de céu amplo Ora, a ideia fundamental que estas pessoas parecem transmitir é a de que, apesar de tudo, apesar das adversidades que estão presentes na maior parte da vida dos seus residentes; apesar do já mencionado abandono por parte das instituições; apesar da imagem negativa que gozam no exterior, estes são bairros de gente boa! Rui ( ) Mas no fundo o bairro tem muito, muito boa gente. ( ) E estamos numa boa zona, estamos numa zona excelente. Marvila tem muito boa gente 11

12 Fotografia tirada no âmbito do Projecto Intervir Mapas de Mim Isilda Efectivamente com a população que temos, até não temos grandes chatices, e não me parece que haja muita insegurança. Um sítio ou outro mais problemático mas não na generalidade não Depois é um bairro central, calmo, e se houvesse mais locais apropriados espaço onde se fizesse um bocado de ginástica, onde se pudesse beber um café e conviver um bocado se calhar as pessoas acabavam por conviver de forma diferente. E temos uma bela vista que, na minha opinião, está mal aproveitada. Carlos Eu posso dizer que há uns anos atrás, 8 ou 9 anos, a zona de Marvila, Flamenga, Lóios era considerada uma zona de criminosos. Era um sítio com muitos problemas devido às pessoas que vinham das barracas, outros locais de Lisboa. Isto tinha bastante má fama, mas desde que estou aqui, vejo que é um bairro super tranquilo, dos melhores bairros em que se pode viver, porque não há problemas. Estou aqui há um ano e meio e nunca tive nenhum problema dentro do bairro. ( ) Há muito desemprego, isso é óbvio, mas grande maioria das pessoas daqui são pessoas trabalhadoras. ( ). Outro aspecto positivo é ser um bairro bonito e, apesar de tudo, as pessoas são muito unidas. Ou seja, se alguém tem algum problema há muitas pessoas dispostas a ajudar dentro do bairro. São pessoas dadas ao bairro: hoje ajudas-me tu a mim; amanhã ajudo-te eu a ti. Eu acho que se vive no bairro como se fossemos todos uma família. Nara Para mim, o Bairro da Flamenga é um dos bairros mais bonitos de Marvila. Adoro o seu céu amplo, que se vê na sua plenitude, sem casas a tapar a sua vista ou casas umas em cima das outras. Adoro o espaço verde de que o bairro dispõe (o Parque da Belavista) e alguma vista do mar que se pode encontrar em certos pontos. Gosto da simplicidade da sua gente e da 12 Projecto Espiral

13 mistura de casas sociais, casas da cooperativa e casas de custos mais elevados, pois isso ajuda a quebrar o estigma dos bairros sociais e valoriza o bairro. E a cidade? Há um positivo sentimento de pertença em relação à cidade, a uma cidade que se admira pela sua beleza mas onde se reconhece, também, a existência de problemas, de degradação e de falta de investimento público o que, de certa forma, atenuará as diferenças entre Marvila e o resto da cidade. Rui A cidade de Lisboa é muito bonita e eu, com a minha profissão, passo praticamente todo o dia a deslocar-me e a ver a cidade. Temos uma luz única! E a baixa, que não tem edifícios muito altos, com o rio aquilo dá ali uma janela! Cada vez que há o pôr-do-sol, ah! É pena a autarquia, também devido a verbas, não cuidar mais dos edifícios mais emblemáticos da cidade, dos azulejos que são únicos. Temos uma cidade linda. Carlos Lisboa é uma cidade bastante bonita, o que mais chama a atenção na cidade é a luz. Mas também é uma cidade muito degradada e a pobreza é demasiada cada vez se vê mais pessoas na rua ou no metro a pedirem. Há muitos estrangeiros mas isso também vem ajudar a Economia Portuguesa e há mais diversidade de seres humanos. Eu gosto muito de Lisboa. Nara Vejo a cidade de Lisboa como uma cidade lindíssima, da qual muito gosto. Sinto, porém, que tinha a possibilidade de ser ainda mais atraente do que é, no entanto, a falta de verbas do município e do Estado fazem com que haja coisas que deixam muito a desejar Isilda A cidade de Lisboa tem muitos pontos de interesse. É uma cidade boa mas tem algumas zonas muito degradadas e era necessário fazer alguma coisa. A cidade não vê o bairro A cidade imagina o bairro A noção de que a população da cidade constrói uma imagem do bairro sem conhecer, de facto, a sua realidade está muito presente no discurso destas pessoas. É uma imagem assente em preconceitos que nem os/as actuais residentes a eles escapa. E no discurso surge, também, a nítida consciência de que essa imagem lhes é prejudicial e que pode, inclusivamente, afectar as oportunidades de inserção social e profissional. Carlos Eu próprio achava que este bairro era uma coisa má. Mas desde que estou aqui vejo que não é nada assim. Isto deixa-me bastante contente. ( ) Por isso eu sei que há uma tendência de achar que esta é uma zona criminosa e conflituosa, as pessoas continuam a achar isso. Enquanto tivermos o nome de Chelas acho que se tivesse um nome diferente, melhoraria muito mais. É o chavão da criminalidade. Quando vou a uma entrevista de emprego e me perguntam onde vivo digo Olivais, porque acho que se disser Chelas me olham com arrogância, me olham com desconfiança. Sinto sempre esta Marvila tem muito boa gente 13

14 desconfiança. Estou em Portugal há um ano e meio e sinto bastante a diferença dizer que vivo em Chelas ou dizer que vivia nos Olivais. Rui A cidade não vê o bairro, a cidade imagina o bairro porque infelizmente muitas vezes é falado nos noticiários sempre e quase nunca por boas causas sempre por conflitos, problemas então as pessoas têm uma visão disto muito, muito negativa. E não é só do bairro, o que mais me preocupa é que as pessoas têm uma imagem negativa das pessoas do bairro porque se fosse só do bairro era diferente mas também têm má ideia das pessoas do bairro. Eu, sinceramente muitas vezes, em certas situações, digo que moro ao pé das Olaias. Isilda A cidade vê um bocadinho mal o bairro.e as pessoas que cá vivem de alguma forma também. Há pessoas daqui que, pura e simplesmente, tinham vergonha de dizer que moravam em Chelas. E isso quer dizer tudo. Eu cada vez que me perguntavam onde é que morava eu dizia: moro em Chelas. ( ) Antigamente, Chelas, tinha um rótulo feio mas eu continuo a defender que não se deve por rótulos às coisas porque efectivamente nem todas as pessoas são conflituosas, nem todas as pessoas são agressivas. Eu acho que temos um espaço dentro da cidade onde se de facto se pode viver Podíamos ter melhor, porque efectivamente há muita coisa para fazer aqui no bairro, mas é um sítio onde dá para viver sem grandes preocupações. Porque se me perguntarem qual é o sítio totalmente seguro para viver eu digo nenhum! Nara Gostava que o bairro fosse visto de forma mais positiva pelas outras gentes da cidade. Dito isto, também é de se reconhecer que o bairro mudou muito desde que aqui cheguei para morar, pois tem-se investido em infraestruturas em zonas próximas do bairro que, indirectamente, vão afectando o bairro pela positiva, como a requalificação da zona da Expo 98, hoje designado Oriente/Parque das Nações, que trouxe melhorias das vias de acesso, o metropolitano, o Pingo-Doce, etc. O Bairro da Flamenga é um bairro com muito potencial!. Uma visão para o bairro A visão para os bairros (Flamenga e Lóios) aponta no sentido de uma maior integração dos mesmos na cidade, ou seja, implica a eliminação de alguns dos elementos que, de certo modo, contribuem para a tal identificação negativa. Assim, são feitas propostas que passam pela limpeza; fachadas melhoradas; mais actividades ou equipamentos de lazer e recreio; mais comércio, em particular no Bairro da Flamenga; maior dinamismo e participação da população. Oiçamos as ideias: Isilda Para além do Parque da Bela Vista gostava de ver as coisas mais limpas. E de ver o comércio no bairro e não ser todo concentrado no Centro Comercial. ( ). Penso que se as pessoas que estão mais em casa, em vez de estarem em conflito umas com as outras, podiam contribuir mais para a vida do bairro.. Nara Era importante haver um maior interesse e uma maior participação da população nas iniciativas que se organizam no bairro, e para o bairro que, na sua maioria, são uma mais-valia. Para além disso, gostava que houvesse mais comércio e mais animação comercial; mais equipamentos para os jovens; 14 Projecto Espiral

15 Marvila tem muito boa gente 15

16 mais consciência cívica por parte das pessoas, o que implicaria um maior cuidado pelos espaços públicos e comuns. Rui Uma das alterações que gostava de ver está relacionada com a Malha H. A concretização do projecto de que agora se fala seria positivo. Por outro lado, havia que tentar manter o bairro em condições, em termos de pintura, para não ficar com aquele aspecto degradado. É isso que leva, muitas vezes, as pessoas a não ter vontade: vivemos num bairro feio e isso torna-se um espirito também negativo, enquanto que se o bairro estiver bonito, pintado, com espaços verdes ia alterar também o estado de espirito dos moradores. E estes eventos que as associações vão fazendo aqui, para nós está a fazer mexer um bocadinho, também ajudam muito.( ). Eu gostava de voltar a abrir o ginásio da parte da manhã: os adolescentes e os mais novos estão a trabalhar e estão na escola, não podem nesse período e pensei nos mais velhos para se movimentarem, para terem algum exercício, porque eu vejo muita gente que não faz nada: senhoras que têm 50 anos e parecem que têm 80! Cheias de problemas de saúde, articulações, não conseguem andar e era uma boa maneira de as pôr a fazer alguma coisa da parte da manhã uma horinha, que fosse! Fazer dois grupos, dois turnos: das 10h às 11h e depois das 12h à 13h. Depois à tarde, para os jovens, como já houve ali o boxe que 16 Projecto Espiral

17 estava a ter sucesso e tínhamos bastantes crianças, já com os seus 8 anos a começar praticar boxe mas já me disseram que é muito difícil! Que exige um seguro e umas autorizações muito complicadas e que, agora, em princípio, não vai ser possível. E depois outra coisa: era um quiosque para servir esta zona porque as pessoas ali daquela parte de cima têm que se deslocar ao Pingo Doce. Era giro fazer aqui um espaçozinho não sei se já passaram na Av. da Liberdade há uns quiosques! Aquilo é uma coisa espectacular, e não implicada grande obra. É praticamente assentar, fazer uma placa no chão, arranjar uns tubos de esgotos até aqui a baixo, fazer uma abertura no terreno. Também não implica uma verba muito alta e depois é uma coisa que dá rendimento Fazer uma coisinha com umas cadeirinhas. Acho que poderia resultar, mas sabe como é. Carlos Gostaria que o bairro fosse visto como um bairro com classe. ( ). Podia-se também criar um espaço mais dedicado às crianças, um parque de diversões.( ). Ter uma visão para o bairro, é a mesma que ter uma visão para a nossa casa: queremos vê-la limpa e bem estimada e é a mesma coisa que queremos do bairro. ( ).Quem sabe criar um clube de futebol dentro do bairro, já se sabe que o futebol move milhões de pessoas e se move milhões de pessoas, essas pessoas têm uma visão. Era importante, se não mantiverem o Projecto Espiral, criar outro projecto, não digo igual, mas parecido ao Projecto Espiral. ( ). No fundo, todos os residentes do bairro querem ver o bairro mudado. É fundamental dar ideias, participar Para além das suas ideias e propostas, estas são pessoas que têm sido participantes activas naquilo que vai acontecendo nos bairros com o objectivo de melhorar condições e criar autonomias. Carlos Participei no Mercado de Natal, onde fiz animação sociocultural com crianças: malabarismo, swings, pinturas faciais. Também participei numa sessão sobre prevenção de incêndios e na organização de um evento de Carnaval, com um grupo de jovens do bairro, aqui no auditório Fernando Peça. Fizemos a limpeza do bairro e um pequeno Tour pela Flamenga! ( ) Todas as pessoas que lidam com necessidades de empregabilidade têm o Projecto Espiral e eu estou aqui também para contribuir para o Projecto porque a vida é curta demais. Rui Normalmente as iniciativas têm sido entre o Espiral e o Grupo Comunitário. Participei na Festa Comunitária; participei no Mercado de Natal e tenho participado em algumas reuniões sobre os espaços verdes. Participei com a APDES, nas noites de cinema, ajudei mais dois vizinhos e pintámos um ecrã, uma televisão e foi uma experiência muito bonita e era porreiro que se voltasse a fazer.( ). Na Festa Comunitária, no Parque da Bela Vista, ajudei a montar; ajudei um bocadinho na apresentação e um bocadinho a organizar aquilo juntamente com outros moradores e as associações. No Mercadinho de Natal, ainda me disfarcei de Pai Natal e fiquei lá a ajudar os meninos a pintar e a fazer jogos. Nas reuniões tenho tentado dar algumas ideias, porque é importante ouvir as ideias de todos para depois, em conjunto, poder fazer nascer um projecto, e tem sido fundamentalmente isso, dar ideias, participar. Marvila tem muito boa gente 17

18 Isilda Participei no Mercadinho de Natal e tive lá um espaço para fazer as minhas vendas. Por outro lado, continuo a fazer o voluntariado; é uma coisa que gosto e tenho pena de não ter mais disponibilidade. Nara Eu participei em acções de formação; na Pintura dos muretes; Visualização de um dos filmes do projecto Filmenga ; na Festa comunitária da Flamenga e na aplicação de questionário na Malha H (relativo à intervenção do Rock in Rio). Mais tarde integrei a equipa do projecto EIS, promovido pelo CESIS com financiamento do programa BIPZIP da Câmara Municipal de Lisboa. Quero continuar a querer transformar E desta participação surge uma vontade de crescimento; um gosto por ser útil aos outros e de transformação que, curiosamente, é pessoal para poder ser comunitária. E mesmo que se sinta o receio de outros possíveis envolvimentos, pois a política não é o meu forte, há o desejo de se ser um exemplo, uma referência. Nara Preciso de continuar a ter o entusiamo que tenho pelo Bairro da Flamenga e suas gentes, isto é, não ceder à indiferença. Quero continuar a querer transformar o meu mundo, para um mundo melhor, começando pelo local onde habito. Continuar a acreditar que é possível as pessoas interessarem-se e envolverem-se. Pretendo aproveitar todos os recursos que tenha ao meu alcance, sendo um deles as entidades locais que formam o Grupo Comunitário da Flamenga. E muitas outras coisas, estou certa! Continuarei a pensar nisso. 18 Projecto Espiral

19 Isilda Eu dou um contributo fazendo reciclagem, tendo as coisas todas direitinhas e não atirar nada para a rua. Carlos ( ) Já pensei em formar-me em Serviço Social, quem sabe um dia Rui Alguns moradores já falaram comigo para se fazer uma associação de moradores, uma coisa a sério. ( ). Tínhamos que fazer um projecto, apresentar e ser aprovado. Mas o meu forte é entretenimento, paz, convívio politica não é o meu forte ( ). ( ) como tenho uma filha pequena, de 3 anos, é giro que ela veja esta participação e ainda hoje ela diz que o pai é o Pai Natal. Participar para que a minha filha possa ficar com aquela lembrança. Os projectos ajudam a mudar o bairro, dão mais vontade de continuar aqui Os projectos e actividades em que participam são vistas como iniciativas positivas que ajudam a mudar o bairro onde vivemos : criar animação; geram oportunidades e, acima de tudo, representam esperança; esperança de uma vida melhor. Carlos Eu acho que o Projecto Espiral ajuda tanto na entrada do primeiro emprego e na procura de emprego! Ajuda pessoas com necessidades que precisam de preencher alguns documentos, há bastantes apoios. E algumas pessoas são acompanhadas por psicólogos e é sempre bom, termos com quem falar. Se alguma pessoa pode ser ajudada é através do Projecto Espiral! ( ) a Associação Tempo de Mudar, eu acho que fez bastante diferença aqui Marvila tem muito boa gente 19

20 no bairro desde que iniciou a sua prática, mas a mudança que houve no Bairro dos Lóios, para além da Flamenga, foi graças ao Bip-Zip, do CESIS e ao Projecto Espiral. Estou a referir-me a uma mudança social e psicológica das pessoas aqui no bairro. Estes projectos ajudam a mudar o bairro onde vivemos. Rui Para o bairro eu acho que (estas actividades) são bastante positivas, porque isto quebra a rotina que temos ali uma rotina no bairro que é passar ali os dias as crianças muitas vezes estão ali com brincadeiras que nem são as mais adequadas para elas Isto são projectos positivos para eles, como por exemplo, a Festa houve a passagem de modelos, os miúdos cantaram, os miúdos dançaram e foram ali umas horinhas que eles passaram, que se distraíram; aprenderam até com a passagem de modelos da reciclagem, muitos deles não faziam a mínima ideia de que, com os copos de plástico, se poderia fazer um chapéu espectacular. E são coisas que, naquela tarde, um miúdo pode ter gostado daquilo e ter ideias e seguir o exemplo. O Mercado de Natal também foi uma coisa espectacular: as crianças pintaram-se e saíram da rotina. E, para mim, dá-me mais vontade de continuar aqui muitas vezes nós queremos fugir daqui. E, isto aqui é uma esperança que nos dá, que pouco a pouco pode haver mudança. São estas pequenas coisas que, no fundo, se tornam grandes. Quando há estas iniciativas queremos que venham mais, ficamos sempre à espera: qual será a próxima? e que vai ser agora? Em Outubro foi a Festa, depois o Natal, e depois veio o Carnaval e ficamos sempre à espera de qual será a próxima. Isto é muito bom, principalmente para unir os moradores. E se não fossem estas iniciativas eu nunca teria entrado aqui, nunca me teria apercebido da existência do Espiral, nem da APDES, e nem daquilo que vocês tentam fazer aqui pelo bairro e só isso é positivo. Isilda Eu acho que são iniciativas muito boas. É uma mais valia para o bairro, é uma mais valia para as pessoas que acabaram por ter conhecimento de coisas que lhe passavam um bocadinho ao lado. Acho que é por aí Em termos pessoais, é darmo-nos a conhecer mais o que podemos fazer é dar a conhecer que pode ser sempre feito alguma coisa mais. E as pessoas acabarem por se conhecer melhor umas às outras. E a ter alguma tolerância umas com as outras. Nara Valorizo as entidades/instituições que aqui trabalham para apoiar a população mais desfavorecida, no sentido de valorizar as pessoas e o bairro. ( ) A minha apreciação das iniciativas é, e sempre foi, muito positiva, pois são acções que convidam à participação, a um sentimento de comunidade e de pertença. São acções que visam também a valorização do bairro e da sua população. Como moradora, todos estes aspectos são importantes para mim, pois quero viver num bairro melhor e mais bonito, onde os seus habitantes têm consciência cívica e de respeito uns para com os outros, e onde cada um contribui para o bem comum. Em termos pessoais, as acções de formação contribuíram para o meu enriquecimento pessoal e profissional e, com a minha participação nas outras acções, sinto que sou uma moradora activa, participativa e interessada no desenvolvimento do bairro e da sua população. Ainda um outro aspecto também importante: este meu envolvimento com o Projecto Espiral, e a minha participação nas actividades proporcionadas, 20 Projecto Espiral

21 Marvila tem muito boa gente 21

22 abriram portas a um emprego e a uma rede de contactos muito útil, não só a nível de outros moradores que não faziam parte do meu círculo pessoal, mas também a nível de outras entidades que trabalham no bairro. Uma consequência muito positiva da minha participação, como moradora, no Projecto Espiral. Estes gajos a pensar em mim! É porreiro, pá! Talvez uma das consequências mais interessantes deste processo participativo esteja contida nas palavras do Rui que revelam, de facto, como a participação e o envolvimento activo contribuem para uma valorização pessoal e para um reforço da auto-estima quando se sente que gostam de nós, que gostam do contributo que podemos dar. Rui Agradeço por terem pensado em mim, é sempre um privilégio saber que contam comigo para participar sempre que precisarem, estou aqui. É muito 22 Projecto Espiral

23 bom, e positivo, quando me ligam e me dizem: Rui, olha estamos aqui a tratar de um projecto e gostávamos que participasses. E isso é porreiríssimo estes gajos a pensar em mim! É porreiro, pá! Uma pessoa fica a sentir-se bem e ajuda também a melhorar a auto-estima! Às vezes, sentimo-nos ali abandonados no bairro e, de vez em quando, aparecem estas coisinhas, sabemos que há ali alguém que pensa em nós, que gosta de nós e da nossa participação e da ajuda que podemos dar. Continuarei a ajudar dessa maneira, participando. Palavras ditas E estas foram as palavras ditas por algumas das boas gentes de Marvila. Com elas revelam-se talentos, competências e, sobretudo, um carácter de gente solidária, de gente que investe nos seus bairros, que sabe identificar os traços positivos e que neles vê a plenitude de um céu estrelado. É gente que se sente reconhecida quando é ouvida! Fotografia tirada no âmbito do Projecto Intervir Mapas de Mim Marvila tem muito boa gente 23

REPRESENTAÇÕES SOCIAIS DA GRAVIDEZ: A EXPERIÊNCIA DA MATERNIDADE EM INSTITUIÇÃO DADOS SÓCIO-DEMOGRÁFICOS. Idade na admissão.

REPRESENTAÇÕES SOCIAIS DA GRAVIDEZ: A EXPERIÊNCIA DA MATERNIDADE EM INSTITUIÇÃO DADOS SÓCIO-DEMOGRÁFICOS. Idade na admissão. REPRESENTAÇÕES SOCIAIS DA GRAVIDEZ: A EXPERIÊNCIA DA MATERNIDADE EM INSTITUIÇÃO Código Entrevista: 2 Data: 18/10/2010 Hora: 16h00 Duração: 23:43 Local: Casa de Santa Isabel DADOS SÓCIO-DEMOGRÁFICOS Idade

Leia mais

Transcrição de Entrevista nº 5

Transcrição de Entrevista nº 5 Transcrição de Entrevista nº 5 E Entrevistador E5 Entrevistado 5 Sexo Feminino Idade 31 anos Área de Formação Engenharia Electrotécnica e Telecomunicações E - Acredita que a educação de uma criança é diferente

Leia mais

Segmentos da Entrevista do Protocolo 5: Alunos do Pré-Escolar

Segmentos da Entrevista do Protocolo 5: Alunos do Pré-Escolar Segmentos da Entrevista do Protocolo 5: Alunos do Pré-Escolar CATEGORIAS OBJECTIVOS ESPECÍFICOS S. C. Sim, porque vou para a beira de um amigo, o Y. P5/E1/UR1 Vou jogar à bola, vou aprender coisas. E,

Leia mais

Protocolo da Entrevista a Maria

Protocolo da Entrevista a Maria Protocolo da Entrevista a Maria 1 O que lhe vou pedir é que me conte o que é que aconteceu de importante desde que acabou o curso até agora. Eu... ah!... em 94 fui fazer um estágio, que faz parte do segundo

Leia mais

MEU TIO MATOU UM CARA

MEU TIO MATOU UM CARA MEU TIO MATOU UM CARA M eu tio matou um cara. Pelo menos foi isso que ele disse. Eu estava assistindo televisão, um programa idiota em que umas garotas muito gostosas ficavam dançando. O interfone tocou.

Leia mais

R I T A FERRO RODRIGUES

R I T A FERRO RODRIGUES E N T R E V I S T A A R I T A FERRO RODRIGUES O talento e a vontade de surpreender em cada projecto deixou-me confiante no meu sexto sentido, que viu nela uma das pivôs mais simpáticas da SIC NOTÍCIAS.

Leia mais

AJUDA DE MÃE. APOIO DO FUNDO SOCIAL EUROPEU: Através do Programa Operacional da Região de Lisboa e Vale do Tejo (PORLVT)

AJUDA DE MÃE. APOIO DO FUNDO SOCIAL EUROPEU: Através do Programa Operacional da Região de Lisboa e Vale do Tejo (PORLVT) AJUDA DE MÃE APOIO DO FUNDO SOCIAL EUROPEU: Através do Programa Operacional da Região de Lisboa e Vale do Tejo (PORLVT) Objectivos: Informar, apoiar, encaminhar e acolher a mulher grávida. Ajudar cada

Leia mais

Modos de agir na interacção Conteúdos. Aprendizagem dos alunos

Modos de agir na interacção Conteúdos. Aprendizagem dos alunos Modos de agir na interacção Conteúdos Aprendizagem dos alunos Conteúdos a trabalhar 1. [Nas reuniões mensais] Aproveito para fazer uma análise dos conhecimentos que estamos a fazer, dos conteúdos que estão

Leia mais

Anexo 2.1 - Entrevista G1.1

Anexo 2.1 - Entrevista G1.1 Entrevista G1.1 Entrevistado: E1.1 Idade: Sexo: País de origem: Tempo de permanência 51 anos Masculino Cabo-verde 40 anos em Portugal: Escolaridade: Imigrações prévias : São Tomé (aos 11 anos) Língua materna:

Leia mais

a seguir? 1 Gosto de sair de Portu- no final dos projectos, mas sempre com \gal os telemóveis ligados, porque se surgir uma proposta volto

a seguir? 1 Gosto de sair de Portu- no final dos projectos, mas sempre com \gal os telemóveis ligados, porque se surgir uma proposta volto a 'Gracinha' na novela 'Anjo Meu' (TVI). Sendo uma personagem cómica, sente que tem conquistado o público? Pela primeira vez sinto que há Interpreta mesmo um grande carinho do público, porque a 'Gracinha'

Leia mais

O PERCURSO ACADÉMICO NA FBAUL E AS PERSPECTIVAS FUTURAS

O PERCURSO ACADÉMICO NA FBAUL E AS PERSPECTIVAS FUTURAS O PERCURSO ACADÉMICO NA FBAUL E AS PERSPECTIVAS FUTURAS QUE OPORTUNIDADES PÓS-LICENCIATURA ESPERAM? EXPECTATIVAS QUE INQUIETAÇÕES TÊM OS ALUNOS DE DC? MADALENA : M QUAL É A TUA PERSPECTIVA DO MERCADO

Leia mais

Transcriça o da Entrevista

Transcriça o da Entrevista Transcriça o da Entrevista Entrevistadora: Valéria de Assumpção Silva Entrevistada: Ex praticante Clarice Local: Núcleo de Arte Grécia Data: 08.10.2013 Horário: 14h Duração da entrevista: 1h COR PRETA

Leia mais

Colóquio "Desigualdades e Desemprego"

Colóquio Desigualdades e Desemprego Observatório das Desigualdades Colóquio "Desigualdades e Desemprego" Rosário Mauritti (rosario.mautitti@iscte.pt) ISCTE, 11 de Novembro de 2009 A precariedade laboral: uma definição um fenómeno complexo

Leia mais

Entrevista 2.21- Vera

Entrevista 2.21- Vera Entrevista 2.21- Vera (Bloco A - Legitimação da entrevista onde se clarificam os objectivos do estudo, se contextualiza a realização do estudo e participação dos sujeitos e se obtém o seu consentimento)

Leia mais

Português Língua Estrangeira Teste (50 horas)

Português Língua Estrangeira Teste (50 horas) Português Língua Estrangeira Teste (50 horas) Nome: Data: A Importa-se de responder a umas perguntas? Está bem. Obrigado. 1 Como é que se chama? 2 O que é que faz? 3 Vive aqui agora? 4 Há quanto tempo

Leia mais

Entrevista 1.02 - Brenda

Entrevista 1.02 - Brenda Entrevista 1.02 - Brenda (Bloco A - Legitimação da entrevista onde se clarificam os objectivos do estudo, se contextualiza a realização do estudo e participação dos sujeitos e se obtém o seu consentimento)

Leia mais

Unidades de sentido Indicadores Unidades de Sentido Indicadores

Unidades de sentido Indicadores Unidades de Sentido Indicadores das dos tratamentos sobre a Imagem o que me incomodou foi a perda do cabelo quando me começou a cair o cabelo, eu tive 2 ou 3 dias que não me quis ver ao espelho (M1); e custou-me muito, quando o médico

Leia mais

Sinopse II. Idosos não institucionalizados (INI)

Sinopse II. Idosos não institucionalizados (INI) Sinopse II. Idosos não institucionalizados (INI) II 1 Indicadores Desqualificação Não poder fazer nada do que preciso, quero fazer as coisas e não posso ; eu senti-me velho com 80 anos. Aí é que eu já

Leia mais

Em algum lugar de mim

Em algum lugar de mim Em algum lugar de mim (Drama em ato único) Autor: Mailson Soares A - Eu vi um homem... C - Homem? Que homem? A - Um viajante... C - Ele te viu? A - Não, ia muito longe! B - Do que vocês estão falando?

Leia mais

Transcrição de Entrevista nº 14

Transcrição de Entrevista nº 14 Transcrição de Entrevista nº 14 E Entrevistador E14 Entrevistado 14 Sexo Feminino Idade 50anos Área de Formação Engenharia Electrotécnica e dos Computadores Professor Ensino Superior - Investigação E -

Leia mais

Este testemunho é muito importante para os Jovens.

Este testemunho é muito importante para os Jovens. Este testemunho é muito importante para os Jovens. Eu sempre digo que me converti na 1ª viagem missionária que fiz, porque eu tinha 14 anos e fui com os meus pais. E nós não tínhamos opção, como é o pai

Leia mais

CAPÍTULO IV Apresentação, interpretação e análise de dados

CAPÍTULO IV Apresentação, interpretação e análise de dados CAPÍTULO IV Apresentação, interpretação e análise de dados Introdução Tendo explicado e descrito os instrumentos e procedimentos metodológicos utilizados para a realização deste estudo, neste capítulo,

Leia mais

Tendo isso em conta, o Bruno nunca esqueceu que essa era a vontade do meu pai e por isso também queria a nossa participação neste projecto.

Tendo isso em conta, o Bruno nunca esqueceu que essa era a vontade do meu pai e por isso também queria a nossa participação neste projecto. Boa tarde a todos, para quem não me conhece sou o Ricardo Aragão Pinto, e serei o Presidente do Concelho Fiscal desta nobre Fundação. Antes de mais, queria agradecer a todos por terem vindo. É uma honra

Leia mais

Rio de Janeiro, 2 de junho de 2008

Rio de Janeiro, 2 de junho de 2008 Rio de Janeiro, 2 de junho de 2008 IDENTIFICAÇÃO Meu nome é Ivo Barcelos Assumpção, nasci dia 13 do doze de 1954 em Rezende, Estado do Rio de Janeiro. FORMAÇÃO Eu estudei engenharia química na UFRJ, entrei

Leia mais

Era uma vez um menino muito pobre chamado João, que vivia com o papai e a

Era uma vez um menino muito pobre chamado João, que vivia com o papai e a João do Medo Era uma vez um menino muito pobre chamado João, que vivia com o papai e a mamãe dele. Um dia, esse menino teve um sonho ruim com um monstro bem feio e, quando ele acordou, não encontrou mais

Leia mais

Unidades de Análise Registo Contexto

Unidades de Análise Registo Contexto TEMA Estigma CATEGORIA O Estigma nos Doentes Alcoólicos SUB-CATEGORIA Estigma e percurso até ao início do tratamento Unidades de Análise Formal Registo Semântica Contexto Forte influência do álcool na

Leia mais

Carla- Oswaldo é como que você começou a se envolver com as questões sociais?

Carla- Oswaldo é como que você começou a se envolver com as questões sociais? Depoimento de Oswaldo Setti de Almeida Filho Ação Moradia Carla- Bom dia, Oswaldo. Oswaldo Bom dia, meu nome... Carla- Eu gostaria que você me falasse primeiro o seu nome completo, a sua data de nascimento

Leia mais

MELHORES MOMENTOS. Expressão de Louvor Paulo Cezar

MELHORES MOMENTOS. Expressão de Louvor Paulo Cezar MELHORES MOMENTOS Expressão de Louvor Acordar bem cedo e ver o dia a nascer e o mato, molhado, anunciando o cuidado. Sob o brilho intenso como espelho a reluzir. Desvendando o mais profundo abismo, minha

Leia mais

www.jyotimaflak.com Glücks- Akademie mit JyotiMa Flak Academia da felizidade com JyotiMa Flak

www.jyotimaflak.com Glücks- Akademie mit JyotiMa Flak Academia da felizidade com JyotiMa Flak www.jyotimaflak.com Glücks- Akademie mit JyotiMa Flak Academia da felizidade com JyotiMa Flak Entrevista com Ezequiel Quem é você? Meu nome é Ezequiel, sou natural do Rio de Janeiro, tenho 38 anos, fui

Leia mais

Ficha Técnica: Design e Impressão Mediana Global Communication

Ficha Técnica: Design e Impressão Mediana Global Communication Uma Cidade para Todos Ficha Técnica: Design e Impressão Mediana Global Communication Colaboração Nuno Oliveira, coordenador do Serviço de Psicologia do 1º ciclo do Ensino Básico da EMEC - Empresa Municipal

Leia mais

1. COMPLETE OS QUADROS COM OS VERBOS IRREGULARES NO PRETÉRITO PERFEITO DO INDICATIVO E DEPOIS COMPLETE AS FRASES:

1. COMPLETE OS QUADROS COM OS VERBOS IRREGULARES NO PRETÉRITO PERFEITO DO INDICATIVO E DEPOIS COMPLETE AS FRASES: Atividades gerais: Verbos irregulares no - ver na página 33 as conjugações dos verbos e completar os quadros com os verbos - fazer o exercício 1 Entrega via e-mail: quarta-feira 8 de julho Verbos irregulares

Leia mais

Onde você vai encontrar as suas futuras iniciadas?????

Onde você vai encontrar as suas futuras iniciadas????? Há 16 anos quando entrou na MK, a consagrada Diretora Nacional, Gloria Mayfield, não sabia como chegar ao topo, hoje ela dá o seguinte conselho. As lições que eu aprendi na Mary Kay para me tornar uma

Leia mais

Sinopse I. Idosos Institucionalizados

Sinopse I. Idosos Institucionalizados II 1 Indicadores Entrevistados Sinopse I. Idosos Institucionalizados Privação Até agora temos vivido, a partir de agora não sei Inclui médico, enfermeiro, e tudo o que for preciso de higiene somos nós

Leia mais

Dinâmica e Animação de Grupo

Dinâmica e Animação de Grupo Dinâmica e Animação de Grupo Desenvolvimento de Competências Turma G3D Leandro Diogo da Silva Neves 4848 Índice 1. Introdução... 3 2. Planeamento de desenvolvimento individual... 4 2.1 Competências...

Leia mais

R U I P E D R O R E I S

R U I P E D R O R E I S Quem: Rui Pedro Reis Idade: 30 anos Pretexto: É coordenador da SIC Notícias e editor do programa Música do Mundo Outros trabalhos: Foi uma das figuras de uma rádio nacional Imagem: Fanático pelos media

Leia mais

Você sabia que... Alguns fatos sobre o meu país

Você sabia que... Alguns fatos sobre o meu país Brasil Você sabia que... A pobreza e a desigualdade causam a fome e a malnutrição. Os alimentos e outros bens e serviços básicos que afetam a segurança dos alimentos, a saúde e a nutrição água potável,

Leia mais

[Pequenas interrompem, imperceptível]

[Pequenas interrompem, imperceptível] E- A ideia é: vou-vos fazer algumas perguntas e vocês respondem consoante aquilo que quiserem dizer. E a ideia do grupo de discussão não é vocês desatarem todos à porrada mas é se vocês ah sei lá por exemplo

Leia mais

José Epifânio da Franca (entrevista)

José Epifânio da Franca (entrevista) (entrevista) Podemos alargar a questão até ao ensino secundário Eu diria: até à chegada à universidade. No fundo, em que os jovens já são maiores, têm 18 anos, estarão em condições de entrar de uma maneira,

Leia mais

REPRESENTAÇÕES SOCIAIS DA GRAVIDEZ: A EXPERIÊNCIA DA MATERNIDADE EM INSTITUIÇÃO DADOS SÓCIO-DEMOGRÁFICOS. Idade na admissão.

REPRESENTAÇÕES SOCIAIS DA GRAVIDEZ: A EXPERIÊNCIA DA MATERNIDADE EM INSTITUIÇÃO DADOS SÓCIO-DEMOGRÁFICOS. Idade na admissão. REPRESENTAÇÕES SOCIAIS DA GRAVIDEZ: A EXPERIÊNCIA DA MATERNIDADE EM INSTITUIÇÃO Código Entrevista: 5 Data: 21/10/2010 Hora: 11h00 Duração: 40:46 Local: Casa de Santa Isabel DADOS SÓCIO-DEMOGRÁFICOS Idade

Leia mais

Transcrição de Entrevista nº 4

Transcrição de Entrevista nº 4 Transcrição de Entrevista nº 4 E Entrevistador E4 Entrevistado 4 Sexo Masculino Idade 43 anos Área de Formação Engenharia Electrotécnica E - Acredita que a educação de uma criança é diferente perante o

Leia mais

- Então, pai, há alguma notícia importante nos jornais? - Nada de especial. Há muitas notícias sobre a política nacional e internacional e algumas

- Então, pai, há alguma notícia importante nos jornais? - Nada de especial. Há muitas notícias sobre a política nacional e internacional e algumas - Então, pai, há alguma notícia importante nos jornais? - Nada de especial. Há muitas notícias sobre a política nacional e internacional e algumas curiosidades. Se quiseres, depois deixo-te ler. - Tu sabes

Leia mais

I. Complete o texto seguinte com as formas correctas dos verbos ser ou estar. (5 pontos)

I. Complete o texto seguinte com as formas correctas dos verbos ser ou estar. (5 pontos) I. Complete o texto seguinte com as formas correctas dos verbos ser ou estar. Hoje. domingo e o tempo. bom. Por isso nós. todos fora de casa.. a passear à beira-mar.. agradável passar um pouco de tempo

Leia mais

PEÇA DE TEATRO A equipa das REEE

PEÇA DE TEATRO A equipa das REEE PEÇA DE TEATRO A equipa das REEE Personagens: - Capitão Fluxo - Depositrão - Grandão - Fresquinho - Antenas - Vapores - Luzinhas CENA 1- Personagens: Capitão Fluxo, Depositrão Cenário: no espaço. O Capitão

Leia mais

INQ Já alguma vez se sentiu discriminado por ser filho de pais portugueses?

INQ Já alguma vez se sentiu discriminado por ser filho de pais portugueses? Transcrição da entrevista: Informante: nº15 Célula: 5 Data da gravação: Agosto de 2009 Geração: 2ª Idade: 35 Sexo: Masculino Tempo de gravação: 10.24 minutos INQ Já alguma vez se sentiu discriminado por

Leia mais

Você, no entanto, pode nos ajudar!

Você, no entanto, pode nos ajudar! Este livro pode ser adquirido por educação, negócios, vendas ou uso promocional. Embora toda precaução tenha sido tomada na preparação deste livro, o autor não assume nenhuma responsabilidade por erros

Leia mais

Enquanto há vida, há sexualidade! Perspectivas dos profissionais de saúde quanto à comunicação sobre sexualidade em cuidados paliativos

Enquanto há vida, há sexualidade! Perspectivas dos profissionais de saúde quanto à comunicação sobre sexualidade em cuidados paliativos Enquanto há vida, há sexualidade! Perspectivas dos profissionais de saúde quanto à comunicação sobre sexualidade em cuidados paliativos Entrevista de Estudo E06 Sexo Masculino Profissão - Médico Data 6

Leia mais

QUESTÃO 4. Legenda da análise: De que forma vêem.

QUESTÃO 4. Legenda da análise: De que forma vêem. QUESTÃO 4 Reportando-nos ao seu círculo de relacionamentos sociais (colegas, amigos, familiares), de que forma pensa que o (a) vêm agora? Têm novas expectativas sobre si? (pode usar uma ou duas frases

Leia mais

Canadá. Você sabia que... Alguns fatos sobre o meu país. Leia a nossa história e descubra...

Canadá. Você sabia que... Alguns fatos sobre o meu país. Leia a nossa história e descubra... Canadá Você sabia que... Os indivíduos e as comunidades têm o direito a exprimir as próprias opiniões e a participar, com os governos locais, na tomada de decisões e ações que afetem o seu direito à alimentação.

Leia mais

NOS@EUROPE. O Desafio da Recuperação Económica e Financeira. Prova de Texto. Nome da Equipa GMR2012

NOS@EUROPE. O Desafio da Recuperação Económica e Financeira. Prova de Texto. Nome da Equipa GMR2012 NOS@EUROPE O Desafio da Recuperação Económica e Financeira Prova de Texto Nome da Equipa GMR2012 Alexandre Sousa Diogo Vicente José Silva Diana Almeida Dezembro de 2011 1 A crise vista pelos nossos avós

Leia mais

Entrevista A2. 2. Que idade tinhas quando começaste a pertencer a esta associação? R.: 13, 14 anos.

Entrevista A2. 2. Que idade tinhas quando começaste a pertencer a esta associação? R.: 13, 14 anos. Entrevista A2 1. Onde iniciaste o teu percurso na vida associativa? R.: Em Viana, convidaram-me para fazer parte do grupo de teatro, faltava uma pessoa para integrar o elenco. Mas em que associação? Na

Leia mais

Coaching para pessoas disponíveis, ambos

Coaching para pessoas disponíveis, ambos Nota da Autora 1001 maneiras de ser Feliz, é o meu terceiro livro. Escrevi Coaching para mães disponíveis e Coaching para pessoas disponíveis, ambos gratuitos e disponíveis no site do Emotional Coaching.

Leia mais

Catequese nº 13 (4º Catecismo) Jesus presente no irmão. Jorge Esteves

Catequese nº 13 (4º Catecismo) Jesus presente no irmão. Jorge Esteves Catequese nº 13 (4º Catecismo) Jesus presente no irmão Jorge Esteves Objectivos 1. Reconhecer que Jesus se identifica com os irmãos, sobretudo com os mais necessitados (interpretação e embora menos no

Leia mais

O andebol oferece-me coisas que a faculdade não tem é a demonstração de carácter

O andebol oferece-me coisas que a faculdade não tem é a demonstração de carácter O andebol oferece-me coisas que a faculdade não tem é a demonstração de carácter Aos 24 anos Ricardo Pesqueira tem já um longo percurso andebolístico. Cresceu para o desporto no Águas Santas, mas no currículo

Leia mais

08. Camilo Alfredo Faigle Vicari

08. Camilo Alfredo Faigle Vicari 08. Camilo Alfredo Faigle Vicari Nascido em São Paulo, em 1976, é biólogo e estudante de mestrado na UNIFESP. Em 26 de agosto de 2010 recebi Camilo numa sala de reuniões da UNIFESP. Ele chegou às 18h e

Leia mais

Há 4 anos. 1. Que dificuldades encontra no seu trabalho com os idosos no seu dia-a-dia?

Há 4 anos. 1. Que dificuldades encontra no seu trabalho com os idosos no seu dia-a-dia? Entrevista A13 I Experiência no lar Há quanto tempo trabalha no lar? Há 4 anos. 1 Qual é a sua função no lar? Encarregada de Serviços Gerais. Que tarefas desempenha no seu dia-a-dia? O contacto directo

Leia mais

Entrevista com Aires Alves

Entrevista com Aires Alves 1 Entrevista com Aires Alves Hélder Bértolo (Professor da Faculdade de Medicina de Lisboa) e Maria Lúcia Batezat Duarte Transcrição: Maria Lúcia Batezat Duarte 1 38 anos técnico de computador - cego congênito

Leia mais

Fundamentação e Contextualização do Programa de Voluntariado

Fundamentação e Contextualização do Programa de Voluntariado Fundamentação e Contextualização do Programa de Voluntariado O Programa de Voluntariado do Centro Solidariedade e Cultura de Peniche pretende ir ao encontro do ideário desta instituição, numa linha da

Leia mais

Transcrição de Entrevista n º 24

Transcrição de Entrevista n º 24 Transcrição de Entrevista n º 24 E Entrevistador E24 Entrevistado 24 Sexo Feminino Idade 47 anos Área de Formação Engenharia Sistemas Decisionais E - Acredita que a educação de uma criança é diferente

Leia mais

Conhece os teus Direitos. A caminho da tua Casa de Acolhimento. Guia de Acolhimento para Jovens dos 12 aos 18 anos

Conhece os teus Direitos. A caminho da tua Casa de Acolhimento. Guia de Acolhimento para Jovens dos 12 aos 18 anos Conhece os teus Direitos A caminho da tua Casa de Acolhimento Guia de Acolhimento para Jovens dos 12 aos 18 anos Dados Pessoais Nome: Apelido: Morada: Localidade: Código Postal - Telefone: Telemóvel: E

Leia mais

1. Como pensam integrar, no âmbito dos poderes e competências da autarquia, as questões da educação intercultural e do combate ao racismo?

1. Como pensam integrar, no âmbito dos poderes e competências da autarquia, as questões da educação intercultural e do combate ao racismo? Gostaríamos de iniciar a resposta a este questionário com uma nota prévia relativamente às questões que nos foram colocadas: as questões da discriminação e do racismo constituem, desde o surgimento desta

Leia mais

Agrupamento de Escolas Pioneiras da Aviação Portuguesa EB1/JI Vasco Martins Rebolo

Agrupamento de Escolas Pioneiras da Aviação Portuguesa EB1/JI Vasco Martins Rebolo Era uma vez a família Rebolo, muito simpática e feliz que vivia na Amadora. Essa família era constituída por quatro pessoas, os pais Miguel e Natália e os seus dois filhos Diana e Nuno. Estávamos nas férias

Leia mais

Grasiela - Bom à gente pode começar a nossa conversa, você contando para a gente como funciona o sistema de saúde na Inglaterra?

Grasiela - Bom à gente pode começar a nossa conversa, você contando para a gente como funciona o sistema de saúde na Inglaterra? Rádio Web Saúde dos estudantes de Saúde Coletiva da UnB em parceria com Rádio Web Saúde da UFRGS em entrevista com: Sarah Donetto pesquisadora Inglesa falando sobre o NHS - National Health Service, Sistema

Leia mais

Dinorah Anselmo Nasoni, aos 79 anos tem disposição de dar inveja a muita gente jovem Trabalha desde os 13 anos e não pensa tão cedo em se aposentar.

Dinorah Anselmo Nasoni, aos 79 anos tem disposição de dar inveja a muita gente jovem Trabalha desde os 13 anos e não pensa tão cedo em se aposentar. 16 Entrevista Dinorah Anselmo Nasoni, aos 79 anos tem disposição de dar inveja a muita gente jovem Trabalha desde os 13 anos e não pensa tão cedo em se aposentar. Fotos e texto: Alessandra Anselmi Fotos:

Leia mais

CENTRO DE MEMÓRIA DO ESPORTE ESCOLA DE EDUCAÇÃO FÍSICA UNIVERSIDADE FEDERAL DO RIO GRANDE DO SUL PROJETO GARIMPANDO MEMÓRIAS GEÓRGIA BALARDIN

CENTRO DE MEMÓRIA DO ESPORTE ESCOLA DE EDUCAÇÃO FÍSICA UNIVERSIDADE FEDERAL DO RIO GRANDE DO SUL PROJETO GARIMPANDO MEMÓRIAS GEÓRGIA BALARDIN CENTRO DE MEMÓRIA DO ESPORTE ESCOLA DE EDUCAÇÃO FÍSICA UNIVERSIDADE FEDERAL DO RIO GRANDE DO SUL PROJETO GARIMPANDO MEMÓRIAS GEÓRGIA BALARDIN (depoimento) 2014 CEME-ESEF-UFRGS FICHA TÉCNICA Projeto: Garimpando

Leia mais

REPRESENTAÇÃO JURIDICA DAS PESSOAS IDOSAS

REPRESENTAÇÃO JURIDICA DAS PESSOAS IDOSAS DIREITOS E DECISÕES DAS PESSOAS IDOSAS REPRESENTAÇÃO JURIDICA DAS PESSOAS IDOSAS 1 2 ABORDAGEM Questões práticas assentes na realidade de situações; Levantamento de problemas com frontalidade; Panorama

Leia mais

questionários de avaliação da satisfação CLIENTES, COLABORADORES, PARCEIROS

questionários de avaliação da satisfação CLIENTES, COLABORADORES, PARCEIROS questionários de avaliação da satisfação creche CLIENTES, COLABORADORES, PARCEIROS 2ª edição (revista) UNIÃO EUROPEIA Fundo Social Europeu Governo da República Portuguesa SEGURANÇA SOCIAL INSTITUTO DA

Leia mais

017. Segunda-Feira, 05 de Julho de 1997.

017. Segunda-Feira, 05 de Julho de 1997. 017. Segunda-Feira, 05 de Julho de 1997. Acordei hoje como sempre, antes do despertador tocar, já era rotina. Ao levantar pude sentir o peso de meu corpo, parecia uma pedra. Fui andando devagar até o banheiro.

Leia mais

Ensino Português no Estrangeiro Nível A2 Prova B (13A2BA) 70 minutos

Ensino Português no Estrangeiro Nível A2 Prova B (13A2BA) 70 minutos Ensino Português no Estrangeiro Nível A2 Prova B (13A2BA) 70 minutos Prova de certificação de nível de proficiência linguística no âmbito do Quadro de Referência para o Ensino Português no Estrangeiro,

Leia mais

Chantilly, 17 de outubro de 2020.

Chantilly, 17 de outubro de 2020. Chantilly, 17 de outubro de 2020. Capítulo 1. Há algo de errado acontecendo nos arredores dessa pequena cidade francesa. Avilly foi completamente afetada. É estranho descrever a situação, pois não encontro

Leia mais

Transcrição de Entrevista n º 22

Transcrição de Entrevista n º 22 Transcrição de Entrevista n º 22 E Entrevistador E22 Entrevistado 22 Sexo Masculino Idade 50 anos Área de Formação Engenharia Electrotécnica E - Acredita que a educação de uma criança é diferente perante

Leia mais

14-5-2010 MARIA JOÃO BASTOS AUTOBIOGRAFIA. [Escrever o subtítulo do documento] Bruna

14-5-2010 MARIA JOÃO BASTOS AUTOBIOGRAFIA. [Escrever o subtítulo do documento] Bruna 14-5-2010 MARIA JOÃO BASTOS AUTOBIOGRAFIA [Escrever o subtítulo do documento] Bruna Autobiografia O meu nome é Maria João, tenho 38 anos e sou natural da Nazaré, onde vivi até há sete anos atrás, sensivelmente.

Leia mais

Discurso de Sua Excelência o Presidente da República

Discurso de Sua Excelência o Presidente da República Continuarei a percorrer o País, de Norte a Sul, a apelar à união de esforços, a levar uma palavra de esperança e a mostrar bons exemplos de resposta à crise. Discurso de Sua Excelência o Presidente da

Leia mais

Datas das próximas viagens da UFMG. Visitas às casas dos moradores de Lagedo e Riacho

Datas das próximas viagens da UFMG. Visitas às casas dos moradores de Lagedo e Riacho Ano 2 Lagedo, Domingo, 25 de janeiro de 2015 N o 8 Datas das próximas viagens da UFMG Data Casa 8 23 a 25 de janeiro de 2015 Lúcia 9 27 de fevereiro a 1 de março de 2015 Irene/Paulo 10 27 de março a 29

Leia mais

Presidência da República Casa Civil Secretaria de Administração Diretoria de Gestão de Pessoas Coordenação Geral de Documentação e Informação

Presidência da República Casa Civil Secretaria de Administração Diretoria de Gestão de Pessoas Coordenação Geral de Documentação e Informação Presidência da República Casa Civil Secretaria de Administração Diretoria de Gestão de Pessoas Coordenação Geral de Documentação e Informação Coordenação de Biblioteca 68 Discurso na cerimónia de lançamento

Leia mais

[Comentários sobre isso. Não transcrito, mas explicado em diário de campo]

[Comentários sobre isso. Não transcrito, mas explicado em diário de campo] [Visionamento das fotos] [Comentários sobre isso. Não transcrito, mas explicado em diário de campo] E- Então o que é que achaste das fotos? E7- Boas. Tá fixe. E- Faz-te lembrar coisas boas ou más? E7-

Leia mais

P/1 Então por favor, começa com o seu nome completo, local e a data de nascimento.

P/1 Então por favor, começa com o seu nome completo, local e a data de nascimento. museudapessoa.net P/1 Então por favor, começa com o seu nome completo, local e a data de nascimento. R Meu nome é Kizzes Daiane de Jesus Santos, 21 de julho de 1988, eu nasci em Aracaju, no estado do Sergipe.

Leia mais

CONTRATO LOCAL DE DESENVOLVIMENTO SOCIAL (CLDS) ESPINHO VIVO

CONTRATO LOCAL DE DESENVOLVIMENTO SOCIAL (CLDS) ESPINHO VIVO CONTRATO LOCAL DE DESENVOLVIMENTO SOCIAL (CLDS) ESPINHO VIVO EIXO 1 EMPREGO, FORMAÇÃO, QUALIFICAÇÃO E EMPREENDEDORISMO 01 - BALCÃO DE EMPREGABILIDADE; O Balcão de Empregabilidade pretende apoiar os desempregados

Leia mais

Há cabo-verdianos a participar na vida política portuguesa - Nuno Sarmento Morais, ex-ministro da Presidência de Portugal

Há cabo-verdianos a participar na vida política portuguesa - Nuno Sarmento Morais, ex-ministro da Presidência de Portugal Há cabo-verdianos a participar na vida política portuguesa - Nuno Sarmento Morais, ex-ministro da Presidência de Portugal À margem do Fórum promovido pela Associação Mais Portugal Cabo Verde, que o trouxe

Leia mais

I n q u é r i t o a o s J o v e n s A d v o g a d o s

I n q u é r i t o a o s J o v e n s A d v o g a d o s I n q u é r i t o a o s J o v e n s A d v o g a d o s 1) Encontra-se actualmente a trabalhar? 20% 80% Sim Não 2) Se respondeu sim, como descreveria a sua estabilidade profissional? 22% 17% 28% 33% Excelente

Leia mais

Eventos. Eixo I Emprego, Formação e Qualificação. Acção: Bom Porto

Eventos. Eixo I Emprego, Formação e Qualificação. Acção: Bom Porto Eventos Eixo I Emprego, Formação e Qualificação Acção: Bom Porto - Gabinete de Empregabilidade e Empreendedorismo: Uma das acções do projecto consiste na criação de um Gabinete de atendimento na área da

Leia mais

A HISTÓRIA DE UM SOBREVIVENTE

A HISTÓRIA DE UM SOBREVIVENTE A HISTÓRIA DE UM SOBREVIVENTE Lisboa 2014 A HISTÓRIA DE UM SOBREVIVENTE O MEU PAI SANGRA HISTÓRIA E AQUI COMEÇARAM OS MEUS PROBLEMAS Tradução de JOANA NEVES Fui visitar o meu pai a Rego Park. Há muito

Leia mais

Seminário Inverno demográfico - o problema. Que respostas?, Associação Portuguesa de Famílias Numerosas

Seminário Inverno demográfico - o problema. Que respostas?, Associação Portuguesa de Famílias Numerosas Seminário Inverno demográfico - o problema. Que respostas?, Associação Portuguesa de Famílias Numerosas Painel: Desafio Demográfico na Europa (11h45-13h00) Auditório da Assembleia da República, Lisboa,

Leia mais

Como é ser aprovado no vestibular de uma Universidade Pública, em que sabemos da alta concorrência entre os candidatos que disputam uma vaga?

Como é ser aprovado no vestibular de uma Universidade Pública, em que sabemos da alta concorrência entre os candidatos que disputam uma vaga? Abdias Aires 2º Ano EM Arthur Marques 2º Ano EM Luiz Gabriel 3º Ano EM Como é ser aprovado no vestibular de uma Universidade Pública, em que sabemos da alta concorrência entre os candidatos que disputam

Leia mais

A oficina contou com 26 participantes, representando 11 diferentes entidades da sociedade civil local.

A oficina contou com 26 participantes, representando 11 diferentes entidades da sociedade civil local. Relatoria da Oficina de Praia Grande 12 de junho de 2012 A Oficina Desafios para o Desenvolvimento Sustentável de Praia Grande, realizada no dia 12 de julho de 2012, na Associação Comercial de Praia Grande,

Leia mais

10 segredos para falar inglês

10 segredos para falar inglês 10 segredos para falar inglês ÍNDICE PREFÁCIO 1. APENAS COMECE 2. ESQUEÇA O TEMPO 3. UM POUCO TODO DIA 4. NÃO PRECISA AMAR 5. NÃO EXISTE MÁGICA 6. TODO MUNDO COMEÇA DO ZERO 7. VIVA A LÍNGUA 8. NÃO TRADUZA

Leia mais

O presidente falou ontem aos alunos da América

O presidente falou ontem aos alunos da América Publicado em 09 de Setembro de 2009 O presidente falou ontem aos alunos da América Sei que para muitos de vocês hoje é o primeiro dia de aulas, e para os que entraram para o jardim infantil, para a escola

Leia mais

Presidência da República Casa Civil Secretaria de Administração Diretoria de Gestão de Pessoas Coordenação Geral de Documentação e Informação

Presidência da República Casa Civil Secretaria de Administração Diretoria de Gestão de Pessoas Coordenação Geral de Documentação e Informação Presidência da República Casa Civil Secretaria de Administração Diretoria de Gestão de Pessoas Coordenação Geral de Documentação e Informação Coordenação de Biblioteca 42 Discurso no Hotel Tropical MANAUS,

Leia mais

O Renal é um ser humano como todos e tem seu direito de ser respeitado e não ter vergonha de ser renal. Jaderson

O Renal é um ser humano como todos e tem seu direito de ser respeitado e não ter vergonha de ser renal. Jaderson Jaderson é um garoto de 11 anos, portador de insuficiência renal crônica, paciente do Serviço de Hemodiálise Pediátrica do Hospital Roberto Santos em Salvador-BA. É uma criança muito inteligente e talentosa,

Leia mais

Discurso do Presidente da República, Luiz Inácio Lula da Silva, durante visita às obras da usina hidrelétrica de Jirau

Discurso do Presidente da República, Luiz Inácio Lula da Silva, durante visita às obras da usina hidrelétrica de Jirau , Luiz Inácio Lula da Silva, durante visita às obras da usina hidrelétrica de Jirau Porto Velho-RO, 12 de março de 2009 Gente, uma palavra apenas, de agradecimento. Uma obra dessa envergadura não poderia

Leia mais

Área: Cultura, Língua e Comunicação UFCD CLC5 Cultura, Comunicação e Média Formadora: Carla Carreto

Área: Cultura, Língua e Comunicação UFCD CLC5 Cultura, Comunicação e Média Formadora: Carla Carreto 1 No final do verão de 1978, mais precisamente no dia 07 de Setembro, nasceu uma menina no Hospital de Faro, que deram o nome de Eliana viveu nesta cidade até um ano de idade, com um ano mudou-se para

Leia mais

12/02/2010. Presidência da República Secretaria de Imprensa Discurso do Presidente da República

12/02/2010. Presidência da República Secretaria de Imprensa Discurso do Presidente da República , Luiz Inácio Lula da Silva, na cerimônia de inauguração da Escola Municipal Jornalista Jaime Câmara e alusiva à visita às unidades habitacionais do PAC - Pró-Moradia no Jardim do Cerrado e Jardim Mundo

Leia mais

ESCOLA SECUNDÁRIA DO MONTE DA CAPARICA Curso de Educação e Formação de Adultos NS. Tema Princípios de conduta, de igualdade e equidade

ESCOLA SECUNDÁRIA DO MONTE DA CAPARICA Curso de Educação e Formação de Adultos NS. Tema Princípios de conduta, de igualdade e equidade 1 de 5 Princípios de conduta, de igualdade e equidade OBJECTIVO: Assumir condutas adequadas às instituições e aos princípios de lealdade comunitária. Competência e critérios de evidência Reconhecer princípios

Leia mais

PESQUISA DIAGNÓSTICA - SISTEMATIZAÇÃO. - Sim, estou gostando dessa organização sim, porque a gente aprende mais com organização das aulas.

PESQUISA DIAGNÓSTICA - SISTEMATIZAÇÃO. - Sim, estou gostando dessa organização sim, porque a gente aprende mais com organização das aulas. ESCOLA MUNICIPAL BUENA VISTA Goiânia, 19 de junho de 2013. - Turma: Mestre de Obras e Operador de computador - 62 alunos 33 responderam ao questionário Orientador-formador: Marilurdes Santos de Oliveira

Leia mais

INDICE ANEXOS. Anexo I Guião de entrevista --------------------------------------------------------------- 2

INDICE ANEXOS. Anexo I Guião de entrevista --------------------------------------------------------------- 2 INDICE ANEXOS Anexo I Guião de entrevista --------------------------------------------------------------- 2 Anexo II Grelhas de análise de entrevista ---------------------------------------------- 7 Anexo

Leia mais

Cao Guimarães: "Não conseguir ficar sozinho é a maior solidão i

Cao Guimarães: Não conseguir ficar sozinho é a maior solidão i Cao Guimarães: "Não conseguir ficar sozinho é a maior solidão i O cineasta mineiro Cao Guimarães, 41, terá seu filme mais recente "Andarilho" (2006) exibido pela primeira vez na Quinzena de Realizadores,

Leia mais

VISÃO SOBRE QUALIDADE DE VIDA AMBICIONADA PARA OEIRAS 2020

VISÃO SOBRE QUALIDADE DE VIDA AMBICIONADA PARA OEIRAS 2020 VISÃO SOBRE QUALIDADE DE VIDA AMBICIONADA PARA OEIRAS 2020 Habitação, Espaços Exteriores e Equipamentos A minha casa é muito confortável e sossegada. Já está paga porque beneficiei de um programa de requalificação

Leia mais

Tenho um filho. Já tive um marido. Tenho agora um filho

Tenho um filho. Já tive um marido. Tenho agora um filho o príncipe lá de casa Tenho um filho. Já tive um marido. Tenho agora um filho e talvez queira outra vez um marido. Mas quando se tem um filho e já se teve um marido, um homem não nos serve exatamente para

Leia mais

ENTREVISTA A ESTHER LISKA

ENTREVISTA A ESTHER LISKA ENTREVISTA A ESTHER LISKA Mentora dos projetos Glow Branding You/ Glow Lunch De mulheres para Mulheres! IS Gostaria que nos falasse um pouco sobre o seu percurso, a sua carreira, como tudo começou EL -

Leia mais

coleção Conversas #26 Respostas para algumas perguntas que podem estar passando pela sua cabeça.

coleção Conversas #26 Respostas para algumas perguntas que podem estar passando pela sua cabeça. Saí da prisão volto coleção Conversas #26 - setembro 2015 - e estou ou não desempregado, para o crime? Respostas para algumas perguntas que podem estar passando pela sua cabeça. A Coleção CONVERSAS, da

Leia mais

Rio de Janeiro, 18 de junho de 2008

Rio de Janeiro, 18 de junho de 2008 IDENTIFICAÇÃO Rio de Janeiro, 18 de junho de 2008 Meu nome é João Almeida Gonçalves, nasci em Macaé em12 de novembro de 1960. INGRESSO NA PETROBRAS Ingressei na Petrobras, antes de trabalhar na Petrobras.

Leia mais