Hiperprolactinemia: Visão Contemporânea

Save this PDF as:
 WORD  PNG  TXT  JPG

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "Hiperprolactinemia: Visão Contemporânea"

Transcrição

1 Hiperprolactinemia: Visão Contemporânea

2 Hiperprolactinemia: Visão Contemporânea Luíz Antônio de Araújo Diretor do Dpto de Neuroendocrinologia da Sociedade Brasileira de Endocrinologia e Metabologia SBEM Diretor Técnico do Centro de Endocrinologia e Diabetes de Joinville - Endoville

3 Potencial Conflito de Interesses De acordo com a Norma 1595/2000 do Conselho Federal de Medicina e a Resolução RDC 102/2000 da Agência de Vigilância Sanitária, declaro que recebo patrocínio das seguintes empresas e instituições: Pesquisa Clinica: Novartis Oncologia Transporte e/ou estadia em congressos: Novartis Oncologia

4 Agenda Introdução Hiperprolactinemia farmacológica Efeito Gancho Macroprolactinemia Tumores co-secretores Tratamento Prolactinomas e Gestação Prolactinomas e Amamentação Conclusão

5 Introdução A hiperprolactinemia é a alteração endócrina mais comum do eixo hipotálamo-hipofisário. Indicações dosagem: Alterações mentruais, amenorréia, infertilidade, e galactorréia Prestar atenção a algumas armadilhas no diagnóstica da hiperprolactinemia Diagnóstico Incorreto Manuseio inadequado

6 Hiperprolactinemia e Infertilidade Pulsatibilidade GnRH Diminuição LH / FSH Hipoestrogenismo Anovulação Amenorréia / Oligomenorréia Infertilidade Disfunção Sexual (libido) Galactorréia Lubrificação vaginal (diminuição) Osteopenia / Osteoporose McNeilly AS. Prolactin and the control of gonadotrophin secretion. J Endocrinol 1987; 115:1 5.

7 Hiperprolactinemia Causas Melmed S. et al. J Clin Endocrinol Metab, February 2011, 96(2):

8 Hiperprolactinemia Causas Melmed S. et al. J Clin Endocrinol Metab, February 2011, 96(2):

9 Hiperprolactinemia farmacológica Causa não fisiológica mais comum Níveis de prolactina = ng/ml Relatos de PRL >200 ng/ml (sulpirida, metoclopramida) 40-90% dos anti-psicóticos cursam com hiper PRL Mecanismos: Aumento transcrição do gene da dopamina Antagonismo ao receptor da dopamina Depleção de dopamina Inibição da produção central de dopamina (dopamina = PIF = fator inibidor da prolactina) J Clin Endocrinol Metab 96: , 2011)

10 Hiperprolactinemia farmacológica Droga Antipsicóticos: Haloperidol, risperidona, clorpromazina Antidepressivos Triciclicos: Amitriptilina, imipramina Inibidores Serotonina Fluoxetina, Paroxetina, Sertralina Anticonvulsivante: Fenitoína Procinético: Metoclopramida, domperidona Anti-hipertensivos: Verapamil, reserpina, metildopa, atenolol Narcóticos Heroína,morfina, cocaína Outros: estrogênio,isoniazida,metadona, maconha, anfetamina

11 Hiperprolactinemia farmacológica Conduta diante da suspeita de ser droga induzida: Suspensão droga => nova coleta em 3 dias Se a droga não puder ser suspensa => troca Se não puder suspender ou trocar e os sintomas não coincidem com inicio do tto => RNM de sela

12 Hiperprolactinemia farmacológica Conduta diante da suspeita de ser droga induzida: Suspensão droga => nova coleta em 3 dias Se a droga não puder ser suspensa => troca Se não puder suspender ou trocar e os sintomas não coincidem com inicio do tto => RNM de sela Drogas que interferem menos com a PRL: Antipsicóticos: Clozapina, Quetiapina, Ziprazidona, Olanzapina Antidepressivos: Bupropiona, Venlafaxina, Trazodona J Clin Endocrinol Metab 96: , 2011)

13 Hiperprolactinemia farmacológica Anamnese e exame físico Inquérito detalhado de drogas Excluir causas fisiológicas, medicamentosas e sistêmicas Lista medicamentos drogas ilícitas B-HCG, Função renal e hepática, TSH

14 Efeito Gancho PRL< 100ng/ml = não tumorais, não funcionantes ng/ml = microprolactinomas >250ng/ml = macroprolactinomas MACROPROLACTINOMA COM NIVEIS BAIXOS DE PROLACTINA (efeito gancho) X ADENOMA HIPOFISÁRIO NÃO FUNCIONANTE

15 Efeito Gancho

16 Efeito Gancho Artefato do exame Frequência (6-17% dos macroprolactinomas) Literatura: 64, ng/ml (Friez ) Tu áreas císticas Excluída a possibilidade de efeito gancho, a detecção de PRL <100 em um paciente com macroadenoma, é indicativa de pseudoprolactinoma (Não Funcionante). N Engl J Med 2010;362:

17 Efeito Gancho Discrepância entre o tamanho do tumor e o nível de prolactina Efeito Gancho Solicitar diluição da amostra 1:100 para pesquisa de efeito gancho

18 Macroprolactinemia Monômero - 90% Dímero - big prolactin e alto peso molecular Macroprolactina big, big prolactin e + alto peso molecular Consiste complexo antígenoanticorpo de PRL monomérica e IgG Prevalência de 10-22%, pode chegar a 46% Ligação da PRL coma IgG altera suas propriedades funcionais tornando-a menos biodisponível para seu receptor. N Engl J Med 2010;362:

19 Macroprolactinemia Método de triagem: precipitação em polietilenoglicol (PEG) Valor da Recuperacão Interpretação >60% Predomínio formas monoméricas (-) = Exclui macroprolactinemia 30-60% Indeterminado <30% Predomínio formas alto peso (+) molecular = macroprolactinemia

20 Macroprolactinemia Alerta quando paciente assintomática ou oligossintomática e PRL aumentada Pensar em Macroprolactinemia

21 Tumores Co-secretores Tumores Co-secretores 25% dos somatotropinomas são co-secretores Solicitar IGF-1 e cortisol, sobretudo nos macroadenomas

22 Tratamento Agonistas Dopaminérgicos Cirurgia Radioterapia

23 Bromocriptina (Parlodel ) 2,5 e 5 mg Dose: 2,5 10 mg VO por dia Primeiro a surgir 1971 Derivado do ergot que ativa receptores D1 e D2 Normaliza PRL em 80-90% dos casos Redução do tumor: micro - 90% dos casos, macro % dos casos 85% de sucesso para gravidez Efeitos colaterais: 40-70% Intolerância : 10-15% Tumor resistente : 4-18%

24 Cabergolina (Dostinex ) 0,5 mg Dose: 1,5 3,5 mg VO por semana Agonista dopaminérgico para receptores D2; Meia- vida de 65 horas Menor incidência de efeitos colaterais Eficaz no controle de muitos pacientes resistentes a bromocriptina Mais eficaz em pacientes sem tratamento prévio

25 Tratamento Klibannski, A. Diagnosis and Managenent of Hyperprolactinemia Clinical Endocrinology MGH/HMS Vol

26 Management of prolactinomas: what's new in 2012? 26 MEET THE PROFESSOR ENDO 2012 Dopamine Agonists: When Top Use, What To Choose & Safety Issues. Johannes A. Romijn University of Amsterdam Cabergolina x Lesão de Valvulas M/T As diretrizes da Endocrine Society recomendam a realização de ecocardiografia para avaliar lesão valvar em pacientes que fazem uso de altas doses e tempo prolongado de cabergolina. Entretanto em pacientes que fazem uso de doses habituais de cabergolina (1-2 mg/s), não é necessário fazer o screening com ecocardiografia Romijn JA, MEET THE PROFESSOR Clinical Case MANEGEMENT

27 Prolactinomas e gestação Nos microprolactinomas: suspender os agonistas dopaminérgicos quando gravidez é confirmada. Baixo risco. Nos macroprolactinomas: adiar concepção até a RMN mostrar redução tumoral para o interior da sela. Controle com campo visual a cada 4 a 6 semanas com consultas mensais. Se evoluir com comprometimento da visão durante gestação ou se já havia alteração na pré gestação, iniciar bromocriptina. Considerar cirurgia no segundo trimestre.

28 Prolactinomas e gestação CV

29 Prolactinomas e amamentação A amamentação não parece interferir na evolução e no quadro clínico dos prolactinomas. (Speroff C et al. Clinical G. E. and Infertility 2008)

30 Conclusão A hiperprolactinemia deve ser considerada na investigação da infertilidade, com atenção especial as armadilhas diagnósticas e as diferentes causas para indicação do tratamento apropriado.

31 Obrigado pela Atenção

Armadilhas no diagnóstico da Hiperprolactinemia. Julia Appel - Endocrinologista

Armadilhas no diagnóstico da Hiperprolactinemia. Julia Appel - Endocrinologista Armadilhas no diagnóstico da Hiperprolactinemia Julia Appel - Endocrinologista Introdução A hiperprolactinemia é a alteração endócrina mais comum do eixo hipotálamo-hipofisário. Indicações dosagem: Alterações

Leia mais

DIAGNÓSTICO E TRATAMENTO DA HIPERPROLACTINEMIA

DIAGNÓSTICO E TRATAMENTO DA HIPERPROLACTINEMIA DIAGNÓSTICO E TRATAMENTO DA HIPERPROLACTINEMIA SERVIÇO DE ENDOCRINOLOGIA DO HUWC FUC. Clêide Maria Furtado Arruda Pires I INTRODUÇÃO A Prolactina (PRL) é um hormônio polipeptídico de cadeia única, contendo

Leia mais

Revisitando Hiperprolactinemias. Julia Appel

Revisitando Hiperprolactinemias. Julia Appel Revisitando Hiperprolactinemias Julia Appel Contextualizando Paciente feminina, 29 anos, com queixa de infertilidade, galactorréia e amenorréia. Prolactina: 188ng/ml RNM: microadenoma 7 mm a direita Contextualizando

Leia mais

Tumores da hipófise. Avaliação clínica

Tumores da hipófise. Avaliação clínica Tumores da hipófise Avaliação clínica Tumores da hipófise 10-25% de casos não seleccionados de autópsias RMN 10% de indivíduos normais Tumores da hipófise Incidência: 2/100000 Prevalência: 20/100000

Leia mais

Avaliação Funcional da Hipófise

Avaliação Funcional da Hipófise Avaliação Funcional da Hipófise Dr. Luiz Antônio de Araújo Endoville, Joinville (SC) Dr. Cesar Luiz Boguszewski SEMPR, HC-UFPR, Curitiba (PR) Avaliação Funcional da Hipófise Dr. Cesar Luiz Boguszewski

Leia mais

PALESTRA DOGMAS EM RELAÇÃO À PROLACTINA. (Sessão Plenária ocorrida em 22/10/2013)

PALESTRA DOGMAS EM RELAÇÃO À PROLACTINA. (Sessão Plenária ocorrida em 22/10/2013) PALESTRA DOGMAS EM RELAÇÃO À PROLACTINA (Sessão Plenária ocorrida em 22/10/2013) Luiz Augusto Casulari Roxo da Motta Serviço de Endocrinologia do Hospital Universitário de Brasília Academia de Medicina

Leia mais

Medicamentos psicotrópicos e efeitos colaterais/adversos impactantes para atividades laborais.

Medicamentos psicotrópicos e efeitos colaterais/adversos impactantes para atividades laborais. Medicamentos psicotrópicos e efeitos colaterais/adversos impactantes para atividades laborais. Alternativas terapêuticas farmacológicas. Dr. João Luiz da Fonseca Martins Médico Psiquiatra Uniica . Principais

Leia mais

Tratamento da Hiperprolactinemia

Tratamento da Hiperprolactinemia 46º Congresso de Ginecologia e Obstetrícia do Distrito Federal Tratamento da Hiperprolactinemia Quando, Como e até Quando? Érica Correia Garcia Érica Correia Garcia Eixo Hipotálamo Hipófise PRL Introdução

Leia mais

Prolactina e seus excessos em mulheres não-gestantes. Prolactin and its excess in non pregnant women

Prolactina e seus excessos em mulheres não-gestantes. Prolactin and its excess in non pregnant women Prolactina em mulheres não-gestantes Prolactina e seus excessos em mulheres não-gestantes Cristiane Maria Villar Silva 1 Tania Cristina Andrade 2 RESUMO - A prolactina é um hormônio produzido pela hipófise,

Leia mais

cabergolina Medicamento genérico Lei nº 9.787, de 1999

cabergolina Medicamento genérico Lei nº 9.787, de 1999 cabergolina Medicamento genérico Lei nº 9.787, de 1999 APRESENTAÇÕES Comprimidos 0,5 mg: embalagem com 2 ou 8 comprimidos. USO ORAL USO ADULTO COMPOSIÇÃO cabergolina 0,5 mg: Cada comprimido contém 0,5

Leia mais

Preditores de Cura na Acromegalia

Preditores de Cura na Acromegalia Preditores de Cura na Acromegalia Luíz Antônio de Araújo Endoville - Centro de Endocrinologia e Diabetes de Joinville. Declaração de Conflito de Interesses Pesquisa Clinica: Novartis Oncologia Transporte

Leia mais

DOSTINEX cabergolina. COMPOSIÇÃO Cada comprimido de Dostinex contém o equivalente a 0,5 mg de cabergolina. Excipientes: leucina e lactose anidra.

DOSTINEX cabergolina. COMPOSIÇÃO Cada comprimido de Dostinex contém o equivalente a 0,5 mg de cabergolina. Excipientes: leucina e lactose anidra. DOSTINEX cabergolina I - IDENTIFICAÇÃO DO MEDICAMENTO Nome comercial: Dostinex Nome genérico: cabergolina APRESENTAÇÕES Dostinex 0,5 mg em embalagens contendo 2 ou 8 comprimidos. VIA DE ADMINISTRAÇÃO:

Leia mais

Assistência Farmacêutica na Depressão

Assistência Farmacêutica na Depressão Definição Assistência Farmacêutica na Depressão Grupo de atividades relacionadas com o medicamento, destinadas a apoiar as ações de saúde demandadas por uma comunidade, envolvendo o abastecimento de medicamentos

Leia mais

ACROMEGALIA. Manoel Martins

ACROMEGALIA. Manoel Martins ACROMEGALIA Manoel Martins mramartins@gmail.com Acromegalia: definição Doença causada pelo excesso crônico de GH Adultos: acromegalia Crianças/adolescentes: gigantismo A derrota de Golias perante Davi:

Leia mais

Hipogonadismo Feminino

Hipogonadismo Feminino Hipogonadismo Feminino Hipogonadismo Feminino Luíz Antônio de Araújo Diretor do Departamento de Neuroendocrinologia da Sociedade Brasileira de Endocrinologia e Metabologia Presidente do Clube da Hipófise

Leia mais

Hiperprolactinemias. Manoel Martins

Hiperprolactinemias. Manoel Martins Hiperprolactinemias Armadilhas no Diagnóstico Manoel Martins Caso clínico Mulher de 40 anos procura o Serviço de Diabetes e Endocrinologia do HUWC por amenorréia há 15 anos. Refere que se queixava ao ginecologista

Leia mais

CO-SECREÇÃO DO HORMÔNIO DE CRESCIMENTO EM PACIENTES PORTADORES DE PROLACTINOMA 1 CO-SECRETION OF GROWTH HORMONE IN PATIENTS WITH PROLACTINOMA RESUMO

CO-SECREÇÃO DO HORMÔNIO DE CRESCIMENTO EM PACIENTES PORTADORES DE PROLACTINOMA 1 CO-SECRETION OF GROWTH HORMONE IN PATIENTS WITH PROLACTINOMA RESUMO ARTIGO ORIGINAL CO-SECREÇÃO DO HORMÔNIO DE CRESCIMENTO EM PACIENTES PORTADORES DE PROLACTINOMA 1 CO-SECRETION OF GROWTH HORMONE IN PATIENTS WITH PROLACTINOMA Reny Wane Vieira DOS SANTOS 2 ; Sheila Patrícia

Leia mais

AVALIAÇÃO LABORATORIAL DOS HORMÔNIOS SEXUAIS

AVALIAÇÃO LABORATORIAL DOS HORMÔNIOS SEXUAIS AVALIAÇÃO LABORATORIAL DOS HORMÔNIOS SEXUAIS Marcelo Cidade Batista Laboratório de Hormônios LIM/42 Disciplina de Endocrinologia Divisão de Laboratório Central LIM/03 Hospital das Clínicas Faculdade de

Leia mais

AMENORRÉIA Cynthia Salgado Lucena Caso Clínico/ Abril- 2011

AMENORRÉIA Cynthia Salgado Lucena Caso Clínico/ Abril- 2011 AMENORRÉIA Cynthia Salgado Lucena Caso Clínico/ Abril- 2011 ASPECTOS GERAIS: Mamas presentes/ FSH nl/ útero ausente: Agenesia mülleriana e sínd de resistência completa aos androgênios. Dosar testosterona.

Leia mais

Macroprolactinoma invasivo assintomático em paciente do sexo masculino

Macroprolactinoma invasivo assintomático em paciente do sexo masculino Macroprolactinoma invasivo assintomático em paciente do sexo masculino Invasive asymptomatic macroprolactinoma in a male patient Relato de Caso Flávia Regina de Oliveira*, Juliana Dean Gomes*, Luciana

Leia mais

Teste para a Pesquisa de Receptores Hormonais Ilícitos nas Glândulas Supra- Renais Contra-indicações à realização do teste:

Teste para a Pesquisa de Receptores Hormonais Ilícitos nas Glândulas Supra- Renais Contra-indicações à realização do teste: Teste para a Pesquisa de Receptores Hormonais Ilícitos nas Glândulas Supra- Renais O teste consiste na dosagem dos níveis séricos de cortisol e ACTH, após um estímulo hormonal ou farmacológico in vivo

Leia mais

Folha 01/07 DATA: 27/10/2011 DATA:27/10/2011 REVISÕES DATA RESPONSÁVEL 1ª REVISÃO 2ª REVISÃO 3ª REVISÃO 3ª REVISÃO 5ª REVISÃO

Folha 01/07 DATA: 27/10/2011 DATA:27/10/2011 REVISÕES DATA RESPONSÁVEL 1ª REVISÃO 2ª REVISÃO 3ª REVISÃO 3ª REVISÃO 5ª REVISÃO PROTOCOLO CLÍNICO Nº. 06 Folha 01/08 PROTOCOLOS CLÍNICOS Nº. 01/ Serviço de Psiquiatria do Hospital de Clínicas da UFPR. Folha 01/07 : PROTOCOLO CLÍNICO DE TRATAMENTO DO TRANSTORNO DEPRESSIVO SERVIÇO DE:

Leia mais

Hirsutismo / Hiperandrogenismo na adolescente

Hirsutismo / Hiperandrogenismo na adolescente Hirsutismo / Hiperandrogenismo na adolescente Teresa Borges Unidade de Endocrinologia Pediátrica Centro Hospitalar do Porto Curso Inverno Sociedade Portuguesa de Pediatria Caramulo 24/02/2013 Manifestações

Leia mais

SECRETARIA DE CIÊNCIA, TECNOLOGIA E INSUMOS ESTRATÉGICOS

SECRETARIA DE CIÊNCIA, TECNOLOGIA E INSUMOS ESTRATÉGICOS SECRETARIA DE CIÊNCIA, TECNOLOGIA E INSUMOS ESTRATÉGICOS CONSULTA PÚBLICA Nº 4, DE 15 DE SETEMBRO DE 2003. (Publicada no DOU nº 180, de 17 de setembro de 2003). O Secretário de Ciência, Tecnologia e Insumos

Leia mais

Hormônios hipotalâmicos e hipofisários. (somatostatin)

Hormônios hipotalâmicos e hipofisários. (somatostatin) Anatomia Localiza-se na base do crânio sela túrcica Hipófise anterior: derivada da bolsa de Rathke Hipófise posterior: origem neural, formada por axônios e terminções nervosas dos neurônios hipotalâmicos

Leia mais

Saiba mais sobre: Uso de drogas e Aleitamento Materno

Saiba mais sobre: Uso de drogas e Aleitamento Materno Saiba mais sobre: Uso de drogas e Aleitamento Materno Roberto Gomes Chaves*, Joel Alves Lamounier** * Mestre em Ciências da Saúde / Saúde da criança e do adolescente pela Universidade Federal de Minas

Leia mais

No Brasil, a esquizofrenia ocupa 30% dos leitos psiquiátricos hospitalares; Ocupa 2ºlugar das primeiras consultas psiquiátricas ambulatoriais;

No Brasil, a esquizofrenia ocupa 30% dos leitos psiquiátricos hospitalares; Ocupa 2ºlugar das primeiras consultas psiquiátricas ambulatoriais; Curso - Psicologia Disciplina: Psicofarmacologia Resumo Aula 7- Psicofármacos e Esquizofrenia Esquizofrenia Uma das mais graves doenças neuropsiquiátricas e atinge 1% da população mundial; No Brasil, a

Leia mais

O aumento das concentrações de prolactina pode ocorrer em várias situações, sejam elas fisiológicas ou patológicas.

O aumento das concentrações de prolactina pode ocorrer em várias situações, sejam elas fisiológicas ou patológicas. Hiperprolactinemia A hiperprolactinemia é alteração endocrinológica mais comum que ocorre no sistema nervoso central, sendo mais comum no sexo feminino. Além disso, é uma causa freqüente de infertilidade.

Leia mais

Resumo Aula 9- Psicofármacos e Transtornos de Déficit de Atenção e Hiperatividade (TDAH) na infância, na adolescência e na idade adulta

Resumo Aula 9- Psicofármacos e Transtornos de Déficit de Atenção e Hiperatividade (TDAH) na infância, na adolescência e na idade adulta Curso - Psicologia Disciplina: Psicofarmacologia Resumo Aula 9- Psicofármacos e Transtornos de Déficit de Atenção e Hiperatividade (TDAH) na infância, na adolescência e na idade adulta Psicofármacos:Transtorno

Leia mais

Data: 07/04/2014 NTRR 67/2014. Medicamento x Material Procedimento Cobertura

Data: 07/04/2014 NTRR 67/2014. Medicamento x Material Procedimento Cobertura NTRR 67/2014 Solicitante: Juiz Alex Matoso Silva Município de Itaúna - MG Número do processo: 0338.14.003128-1 Data: 07/04/2014 Medicamento x Material Procedimento Cobertura TEMA: Pegvisomanto para acromegalia

Leia mais

DISTÚRBIOS AFETIVOS I) DEFINIÇÃO II) EPIDEMIOLOGIA III) QUADRO CLÍNICO A) DEPRESSÃO

DISTÚRBIOS AFETIVOS I) DEFINIÇÃO II) EPIDEMIOLOGIA III) QUADRO CLÍNICO A) DEPRESSÃO DISTÚRBIOS AFETIVOS I) DEFINIÇÃO II) EPIDEMIOLOGIA III) QUADRO CLÍNICO A) DEPRESSÃO SINTOMAS Emocionais --> tristeza, fossa, baixo astral ansiedade irritabilidade anedonia Psicológicos --> culpa, sensação

Leia mais

Doença de Parkinson Resumo de diretriz NHG M98 (julho 2011)

Doença de Parkinson Resumo de diretriz NHG M98 (julho 2011) Doença de Parkinson Resumo de diretriz NHG M98 (julho 2011) Draijer LW, Eizenga WH, Sluiter A traduzido do original em holandês por Luiz F.G. Comazzetto 2014 autorização para uso e divulgação sem fins

Leia mais

Hipertensão arterial. Casos clínicos. A. Galvão-Teles 22º CURSO NEDO PÓS-GRADUADO DE ENDOCRINOLOGIA ENDOCRINOLOGIA EM CASOS CLÍNICOS

Hipertensão arterial. Casos clínicos. A. Galvão-Teles 22º CURSO NEDO PÓS-GRADUADO DE ENDOCRINOLOGIA ENDOCRINOLOGIA EM CASOS CLÍNICOS 22º CURSO NEDO PÓS-GRADUADO DE ENDOCRINOLOGIA ENDOCRINOLOGIA EM CASOS CLÍNICOS Casos clínicos Hipertensão arterial A. Galvão-Teles Viseu, Outubro de 2012 Caso Clínico 1 Motivo consulta: Bócio Mulher de

Leia mais

FUMARATO DE QUETIAPINA (Portaria 344-C1)

FUMARATO DE QUETIAPINA (Portaria 344-C1) FUMARATO DE QUETIAPINA (Portaria 344-C1) Redução dos sintomas de esquizofrenia. Fórmula Estrutural: Fórmula Molecular: (C 21 H 25 N 3 O 2 S) 2,C 4 H 4 O 4 Peso Molecular: 833,09 g/mol DCB: 07539 CAS: 111974-72-2

Leia mais

Clínica Médica de Pequenos Animais

Clínica Médica de Pequenos Animais V e t e r i n a r i a n D o c s Clínica Médica de Pequenos Animais Pseudociese Introdução A pseudogestação clínica ou manifesta ou pseudoprenhes, falsa gestação, falsa prenhes, gestação psicológica ou

Leia mais

Sumário. Data: 06/12/2013 NT 245 /2013. Medicamento x Material Procedimento Cobertura

Sumário. Data: 06/12/2013 NT 245 /2013. Medicamento x Material Procedimento Cobertura NT 245 /2013 Solicitante: Ilmo Dr RODRIGO DIAS DE CASTRO Juiz de Direito Comarca de Campestre Data: 06/12/2013 Medicamento x Material Procedimento Cobertura Número do processo: 0023168-04.2013.8.13.0110

Leia mais

51 - São causas de hipertireoidismo com bócio difuso: 52 - Os achados ultrassonográficos que sugerem malignidade em um nódulo de tireóide são:

51 - São causas de hipertireoidismo com bócio difuso: 52 - Os achados ultrassonográficos que sugerem malignidade em um nódulo de tireóide são: Questões do TEEM 2009 51 a 75 51 - São causas de hipertireoidismo com bócio difuso: a) RN de mãe com doença tireoideana autoimune, Basedow-Graves e resistência periférica aos hormônios tireoideanos. b)

Leia mais

Domperidona Medicamento genérico Lei nº. 9.787, de 1999

Domperidona Medicamento genérico Lei nº. 9.787, de 1999 Domperidona Medicamento genérico Lei nº. 9.787, de 1999 Comprimido FORMA FARMACÊUTICA E APRESENTAÇÃO Embalagem com 30 comprimidos contendo 10mg de domperidona. USO ADULTO Uso oral Composição: Cada comprimido

Leia mais

Amenorréia. Profª. Keyla Ruzi

Amenorréia. Profª. Keyla Ruzi Amenorréia Profª. Keyla Ruzi Amenorréia Conceito: ausência de menstruação em uma época na qual ela deveria ocorrer. Exclui-se períodos de amenorréia fisiológica, como na gravidez e lactação, antes da menarca

Leia mais

Eixos Hipotálamo-Hipófise- -Glândulas Periféricas

Eixos Hipotálamo-Hipófise- -Glândulas Periféricas Eixos Hipotálamo-Hipófise- -Glândulas Periféricas Seminário Teórico 18 de Janeiro de 2013 Mª Joana Santos, Olinda Marques Serviço de Endocrinologia, Hospital de Braga Hipotálamo e Hipófise Neuroendocrinologia

Leia mais

FO LHENDO RO C HO. Editorial. Resumo das palestras. Caro leitor: aceite o convite para passear pelos resumos científicos!

FO LHENDO RO C HO. Editorial. Resumo das palestras. Caro leitor: aceite o convite para passear pelos resumos científicos! FO LHENDO RO C HO Set embr o 2 0 0 6 Volume 2, Edição 3 Informativo do Serviço de Endocrinologia do Hospital Felício Rocho carbar@uai.com.br Nesta edição Jornalista responsável: Laura Carneiro MG 09410JP

Leia mais

RESPOSTA RÁPIDA 448/2014

RESPOSTA RÁPIDA 448/2014 RESPOSTA RÁPIDA 448/2014 SOLICITANTE NÚMERO DO PROCESSO Dr. Eduardo Tavares Vianna Juiz de Direito de Coronel Fabriciano 0060337-30.2014.8.13.0194 DATA 04 de agosto de 2014 SOLICITAÇÃO Senhor (a) Diretor

Leia mais

HIPOTIROIDISMO INTRODUÇÃO

HIPOTIROIDISMO INTRODUÇÃO HIPOTIROIDISMO INTRODUÇÃO Deficiência hormonal mais comum Produção ou ação deficiente dos hormônios tiroidianos Prevalência de 2 a 3% na população geral Mais comum em mulheres (10:1), idosos e brancos

Leia mais

Osteoporose no Paciente Jovem. R4 André Ricardo Fuck Orientadora: Profª Drª Carolina A. M. Kulak

Osteoporose no Paciente Jovem. R4 André Ricardo Fuck Orientadora: Profª Drª Carolina A. M. Kulak Osteoporose no Paciente Jovem R4 André Ricardo Fuck Orientadora: Profª Drª Carolina A. M. Kulak Incomum em jovens e geralmente devido causa secundária Critérios densitométricos da ISCD e SBDens: Homens

Leia mais

Caso Clínico Dificuldades de interpretação dos testes hormonais em uma paciente com macroadenoma pituitário e insuficiência renal crônica

Caso Clínico Dificuldades de interpretação dos testes hormonais em uma paciente com macroadenoma pituitário e insuficiência renal crônica Caso Clínico Dificuldades de interpretação dos testes hormonais em uma paciente com macroadenoma pituitário e insuficiência renal crônica Francisco Bandeira, MD, Phd, FACE Coordenador Apresentação: Paula

Leia mais

2ª. PARTE CONHECIMENTOS ESPECÍFICOS

2ª. PARTE CONHECIMENTOS ESPECÍFICOS 2ª. PARTE CONHECIMENTOS ESPECÍFICOS ENDOCRINOLOGIA 21. Paciente de 18 anos foi encaminhado ao endocrinologista por apresentar quadro de litíase de repetição. A investigação bioquímica inicial revelou calciúria

Leia mais

Psicoterapia e Psicofarmacologia. Como optar ou associá-las? Hewdy Lobo Ribeiro Psiquiatra Forense e Psicogeriatra AMBULIM e ProMulher IPq - USP

Psicoterapia e Psicofarmacologia. Como optar ou associá-las? Hewdy Lobo Ribeiro Psiquiatra Forense e Psicogeriatra AMBULIM e ProMulher IPq - USP e Psicofarmacologia. Como optar ou associá-las? Hewdy Lobo Ribeiro Psiquiatra Forense e Psicogeriatra AMBULIM e ProMulher IPq - USP Estudo da forma e função dos Psicofármacos Psicofármacos / Psicotrópicos

Leia mais

Depressão diagnóstico e tratamento. Autor: Dr Adriano Simões Coelho Adaptação: Dr Alexandre de Araújo Pereira

Depressão diagnóstico e tratamento. Autor: Dr Adriano Simões Coelho Adaptação: Dr Alexandre de Araújo Pereira Depressão diagnóstico e tratamento Autor: Dr Adriano Simões Coelho Adaptação: Dr Alexandre de Araújo Pereira Depressão maior 1 Sintomas principais: - Humor deprimido + Anedonia + Fadiga ou perda de energia;

Leia mais

Hipogonadismo. O que é Hipogonadismo? Causas 25/02/ 2015. Minhavida.com.br

Hipogonadismo. O que é Hipogonadismo? Causas 25/02/ 2015. Minhavida.com.br Hipogonadismo O que é Hipogonadismo? Hipogonadismo é uma doença na qual as gônadas (testículos nos homens e ovários nas mulheres) não produzem quantidades adequadas de hormônios sexuais, como a testosterona

Leia mais

RESPOSTA RÁPIDA 174/2014 Informações sobre Stelazine, Zoloft na Esquizofrenia e TOC

RESPOSTA RÁPIDA 174/2014 Informações sobre Stelazine, Zoloft na Esquizofrenia e TOC RESPOSTA RÁPIDA 174/2014 Informações sobre Stelazine, Zoloft na Esquizofrenia e TOC SOLICITANTE Dra Herilene de Oliveira Andrade Juíza de Direito Comarca de Itapecerica NÚMERO DO PROCESSO Nº 0335.14.865-7

Leia mais

04/06/2012. Curso Nacional de Atualização em Pneumologia SBPT 2012. Tratamento da dor oncológica. Definição. Dr Guilherme Costa

04/06/2012. Curso Nacional de Atualização em Pneumologia SBPT 2012. Tratamento da dor oncológica. Definição. Dr Guilherme Costa Curso Nacional de Atualização em Pneumologia SBPT 2012 Tratamento da dor oncológica Dr Guilherme Costa Mestre em Pneumologia - UNIFESP Especialista em Pneumologia SBPT Coordenador da Comissão de Câncer

Leia mais

Transtorno do Desejo Sexual Hipoativo (TDSH)

Transtorno do Desejo Sexual Hipoativo (TDSH) Transtorno do Desejo Sexual Hipoativo (TDSH) Deficiência (ou ausência) de pensamentos/fantasias sexuais e/ou desejo para receptividade para o ato sexual desejo responsivo ausente duração 6 meses causando

Leia mais

Atualidades na doença invasiva do colo uterino: Seguimento após tratamento. Fábio Russomano IFF/Fiocruz Trocando Idéias 29 a 31 de agosto de 2013

Atualidades na doença invasiva do colo uterino: Seguimento após tratamento. Fábio Russomano IFF/Fiocruz Trocando Idéias 29 a 31 de agosto de 2013 Atualidades na doença invasiva do colo uterino: Seguimento após tratamento Fábio Russomano IFF/Fiocruz Trocando Idéias 29 a 31 de agosto de 2013 Objetivos do seguimento após tratamento de Câncer Detecção

Leia mais

RESPOSTA RÁPIDA 122/2014 Informações sobre transtorno de ansiedade generalizada e distúrbio de déficit de atenção e hiperatividade

RESPOSTA RÁPIDA 122/2014 Informações sobre transtorno de ansiedade generalizada e distúrbio de déficit de atenção e hiperatividade RESPOSTA RÁPIDA 122/2014 Informações sobre transtorno de ansiedade generalizada e distúrbio de déficit de atenção e hiperatividade SOLICITANTE Dra. Renata Abranches Perdigão Juíza de Direito do JESP da

Leia mais

CINTILOGRAFIA COM 123 I-MIBG

CINTILOGRAFIA COM 123 I-MIBG CINTILOGRAFIA COM 123 I-MIBG PREPARO Para que a medicação não seja absorvida pela sua glândula tireoide, é importante bloqueá-la tomando Iodo, por exemplo, xarope de Iodeto de Potássio. Pacientes que já

Leia mais

O que Sabemos que (não) Dá Certo na Dependência de Metanfetamina?

O que Sabemos que (não) Dá Certo na Dependência de Metanfetamina? O que Sabemos que (não) Dá Certo na Dependência de Metanfetamina? Fernanda de Paula Ramos Psiquiatra diretora da Villa Janus Especialista em Dependência Química pela UNIFESP Especialista em Psicoterapia

Leia mais

Resposta clínico-laboratorial após diferentes terapêuticas em acromegálicos do HC-UFPE

Resposta clínico-laboratorial após diferentes terapêuticas em acromegálicos do HC-UFPE Resposta clínico-laboratorial após diferentes terapêuticas em acromegálicos do HC-UFPE Daiane de Barros Silva 1 ; Lucio Vilar 2 1 Estudante do Curso de Medicina- CCS UFPE. Email: daianebarros@hotmail.com,

Leia mais

Climatério Resumo de diretriz NHG M73 (primeira revisão, abril 2012)

Climatério Resumo de diretriz NHG M73 (primeira revisão, abril 2012) Climatério Resumo de diretriz NHG M73 (primeira revisão, abril 2012) Bouma J, De Jonge M, De Laat EAT, Eekhof H, Engel HF, Groeneveld FPMJ, Stevens NTJM, Verduijn MM, Goudswaard AN, Opstelten W, De Vries

Leia mais

TEMA: Topiramato, Olanzapina, Daforin, Rivotril em paciente com depressão grave.

TEMA: Topiramato, Olanzapina, Daforin, Rivotril em paciente com depressão grave. NOTA TÉCNICA 65/2013 Solicitante Alyrio Ramos Desembargador da 8ª Câmara Cível TJMG RÉU: ESTADO DE MINAS GERAIS E MUNICÍPIO DE ITAPECERICA Data: 05/05/2013 Medicamento x Material Procedimento Cobertura

Leia mais

Emergências Psiquiátricas no Primeiro Episódio Psicótico

Emergências Psiquiátricas no Primeiro Episódio Psicótico Emergências Psiquiátricas no Primeiro Episódio Psicótico Quirino Cordeiro Professor Adjunto e Chefe do Departamento de Psiquiatria da Faculdade de Ciências Médicas da Santa Casa de São Paulo Professor

Leia mais

RESOLUÇÃO SS nº 295, de 04 de setembro de 2007

RESOLUÇÃO SS nº 295, de 04 de setembro de 2007 RESOLUÇÃO SS nº 295, de 04 de setembro de 2007 Aprova a Norma Técnica para inclusão do aripiprazol na relação de medicamentos para tratamento da Esquizofrenia, no âmbito do Estado de São Paulo. O Secretário

Leia mais

TRATAMENTO MEDICAMENTOSO DO DIABETES MELLITUS: SULFONILUREIAS E BIGUANIDAS

TRATAMENTO MEDICAMENTOSO DO DIABETES MELLITUS: SULFONILUREIAS E BIGUANIDAS UNIVERSIDADE DE UBERABA LIGA DE DIABETES 2013 TRATAMENTO MEDICAMENTOSO DO DIABETES MELLITUS: SULFONILUREIAS E BIGUANIDAS PALESTRANTES:FERNANDA FERREIRA AMUY LUCIANA SOUZA LIMA 2013/2 CRITÉRIOS PARA ESCOLHA

Leia mais

Distúrbios da glândula tireóide Resumo de diretriz NHG M31 (julho 2013)

Distúrbios da glândula tireóide Resumo de diretriz NHG M31 (julho 2013) Distúrbios da glândula tireóide Resumo de diretriz NHG M31 (julho 2013) Van Lieshout J, Felix-Schollaart B, Bolsius EJM, Boer AM, Burgers JS, Bouma M., Sijbom M. traduzido do original em holandês por Luiz

Leia mais

Farmacologia clínica do Sistema Nervoso central: Antipsicóticos e Lítio

Farmacologia clínica do Sistema Nervoso central: Antipsicóticos e Lítio Farmacologia clínica do Sistema Nervoso central: Antipsicóticos e Lítio Prof. Dr. Gildomar Lima Valasques Junior Farmacêutico Clínico-Industrial Doutor em Biotecnologia Jequié 2015 Antipsicótico ou neuroléptico

Leia mais

Prolactinoma. revisão INTRODUÇÃO A RESUMO ABSTRACT

Prolactinoma. revisão INTRODUÇÃO A RESUMO ABSTRACT revisão Prolactinoma Prolactinoma Andrea Glezer 1, Marcello D. Bronstein 1 1 Unidade de Neuroendocrinologia, Disciplina de Endocrinologia e Metabologia, Laboratório de Endocrinologia Celular e Molecular

Leia mais

Ansiedade Resumo de diretriz NHG M62 (fevereiro 2012)

Ansiedade Resumo de diretriz NHG M62 (fevereiro 2012) Ansiedade Resumo de diretriz NHG M62 (fevereiro 2012) Lieke Hassink-Franke, Berend Terluin, Florien van Heest, Jan Hekman, Harm van Marwijk, Mariëlle van Avendonk traduzido do original em holandês por

Leia mais

DAPOXETINA CLORIDRATO NOVO AGENTE CONTRA EJACULAÇÃO PRECOCE

DAPOXETINA CLORIDRATO NOVO AGENTE CONTRA EJACULAÇÃO PRECOCE DAPOXETINA CLORIDRATO NOVO AGENTE CONTRA EJACULAÇÃO PRECOCE A ejaculação precoce (EP) permanente não se tornou um sintoma extinto, embora as pesquisas científicas nessa área pareçam ter cessado (Renshaw,

Leia mais

Fibromialgia DOR - USP. Roberto Vlainich 2013

Fibromialgia DOR - USP. Roberto Vlainich 2013 Fibromialgia DOR - USP Roberto Vlainich 2013 1 Dados históricos 1900 Edward Gowers Fibrosite 1970 Smythe tender points 1970 Moldofsky Distúrbio sono 1980 Yunus Fibromialgia 1988 Vaeroy Substância P 1990

Leia mais

MÉTODOS HORMONAIS. São comprimidos que contêm estrogênio e progestogênio associados.

MÉTODOS HORMONAIS. São comprimidos que contêm estrogênio e progestogênio associados. MÉTODOS HORMONAIS 1 - ANTICONCEPCIONAIS HORMONAIS ORAIS (PÍLULAS) É o método mais difundido e usado no mundo. As pílulas são consideradas um método reversível muito eficaz e o mais efetivo dos métodos

Leia mais

DONAREN RETARD. cloridrato de trazodona APSEN. APRESENTAÇÕES Comprimido de liberação prolongada de 150 mg em caixas com 10 e 20 comprimidos

DONAREN RETARD. cloridrato de trazodona APSEN. APRESENTAÇÕES Comprimido de liberação prolongada de 150 mg em caixas com 10 e 20 comprimidos DONAREN RETARD cloridrato de trazodona APSEN FORMA FARMACÊUTICA Comprimidos de liberação prolongada APRESENTAÇÕES Comprimido de liberação prolongada de 150 mg em caixas com 10 e 20 comprimidos USO ORAL

Leia mais

Cloridrato de Ondansetrona

Cloridrato de Ondansetrona BULA DO PACIENTE Cloridrato de Ondansetrona HALEX ISTAR SOLUÇÃO INJETÁVEL 2mg/mL 2mL 2mg/mL 4mL cloridrato de ondansetrona Medicamento genérico - Lei nº 9.787 de 1.999 APRESENTAÇÕES Solução injetável -

Leia mais

Toxicidade tardia da terapia adjuvante: o que não posso esquecer. Maria de Fátima Dias Gaui CETHO

Toxicidade tardia da terapia adjuvante: o que não posso esquecer. Maria de Fátima Dias Gaui CETHO Toxicidade tardia da terapia adjuvante: o que não posso esquecer Maria de Fátima Dias Gaui CETHO Introdução Cerca de 11.7 milhões de sobreviventes de câncer nos EUA em 2007. Destes 2.6 milhões ou 22% são

Leia mais

Protocolo para Tratamento de Carcinoma Diferenciado de Tireoide

Protocolo para Tratamento de Carcinoma Diferenciado de Tireoide Protocolo para Tratamento de Carcinoma Diferenciado de Tireoide Serviços de Endocrinologia e Medicina Nuclear do Hospital das Clínicas da Universidade Federal de Pernambuco Apresentadora: Maíra Melo da

Leia mais

AMENORRÉIA SECUNDÁRIA: DIAGNÓSTICO

AMENORRÉIA SECUNDÁRIA: DIAGNÓSTICO AMENORRÉIA SECUNDÁRIA: DIAGNÓSTICO Autores: Carmen V. Giacobbo Daudt Maria Eugênia B. Pinto Supervisão: Airton Tetelbom Stein Eno Dias de Castro Filho CONFLITO DE INTERESSE: Nenhum conflito de interesse

Leia mais

RESPOSTA RÁPIDA 313/2014 Informações sobre Depressão: Venlafaxina

RESPOSTA RÁPIDA 313/2014 Informações sobre Depressão: Venlafaxina RESPOSTA RÁPIDA 313/2014 Informações sobre Depressão: Venlafaxina SOLICITANTE Drª Kellen Cristini de Sales e Souza Juíza de Direito da Comarca de Paraopeba NÚMERO DO PROCESSO Autos nº 0474.14.001582-4

Leia mais

Vonau cloridrato de ondansetrona. Biolab Sanus Farmacêutica. Solução Injetável 4 mg/2 ml e 8 mg/4 ml

Vonau cloridrato de ondansetrona. Biolab Sanus Farmacêutica. Solução Injetável 4 mg/2 ml e 8 mg/4 ml Vonau cloridrato de ondansetrona Biolab Sanus Farmacêutica Solução Injetável 4 mg/2 ml e 8 mg/4 ml Vonau cloridrato de ondansetrona MEDICAMENTO SIMILAR EQUIVALENTE AO MEDICAMENTO DE REFERÊNCIA. IDENTIFICAÇÃO

Leia mais

TÍTULO COMPORTAMENTO DOS NÍVEIS DE IGF-I EM PACIENTES COM HIPERPROLATINEMIA

TÍTULO COMPORTAMENTO DOS NÍVEIS DE IGF-I EM PACIENTES COM HIPERPROLATINEMIA 1 TÍTULO COMPORTAMENTO DOS NÍVEIS DE IGF-I EM PACIENTES COM HIPERPROLATINEMIA ABRIL - 2005 2 Aos meus pais, Hercberg Zylberberg (in memoriam) e Helena Zylberberg, a quem devo tudo. Perto ou longe estão

Leia mais

(inicia no slide 17) Bipolaridade

(inicia no slide 17) Bipolaridade (inicia no slide 17) Bipolaridade Os Transtornos do Humor Bipolar são transtornos crônicos, recorrentes e, muitas vezes, com remissão incompleta e potencialmente letais. Os pólos de apresentação são: *

Leia mais

Acromegalia - Protocolo Clínico e Diretrizes Terapêuticas

Acromegalia - Protocolo Clínico e Diretrizes Terapêuticas UNIVERSIDADE FEDERAL DO CEARÁ FACULDADE DE MEDICINA HOSPITAL UNIVERSITÁRIO WALTER CANTÍDIO SERVIÇO DE ENDOCRINOLOGIA E DIABETES AMBULATÓRIO DE NEUROENDOCRINOLOGIA Acromegalia - Protocolo Clínico e Diretrizes

Leia mais

Nausedron (cloridrato de ondansetrona)

Nausedron (cloridrato de ondansetrona) Nausedron (cloridrato de ondansetrona) Cristália Produtos Químicos Farmacêuticos Ltda. Comprimidos Revestidos 8 mg Modelo de Bula para Paciente I - IDENTIFICAÇÃO DO MEDICAMENTO Nausedron cloridrato de

Leia mais

ACOMPANHAMENTO DA PUÉRPERA HIV* Recomendações do Ministério da Saúde Transcrito por Marília da Glória Martins

ACOMPANHAMENTO DA PUÉRPERA HIV* Recomendações do Ministério da Saúde Transcrito por Marília da Glória Martins ACOMPANHAMENTO DA PUÉRPERA HIV* Puerpério Imediato Acompanhamento da puérpera HIV* 1. Inibir a lactação através do enfaixamento das mamas com ataduras ou comprimindo-as com um top e evitando, com isso,

Leia mais

Ana Isabel Oliveira. Hipertensão Endócrina Diagnóstico e tratamento SÍNDROMEDE CUSHING

Ana Isabel Oliveira. Hipertensão Endócrina Diagnóstico e tratamento SÍNDROMEDE CUSHING Ana Isabel Oliveira Hipertensão Endócrina Diagnóstico e tratamento SÍNDROMEDE CUSHING Síndrome de Cushing O interesse no SC tem crescido gradualmente especialmente na última década cada vez maior número

Leia mais

ANTIEMÉTICOS. FUCHS; WANNMACHER; FEREIRA, 2010 1 - RANG et al, 2007 2.

ANTIEMÉTICOS. FUCHS; WANNMACHER; FEREIRA, 2010 1 - RANG et al, 2007 2. ANTIEMÉTICOS FUCHS; WANNMACHER; FEREIRA, 2010 1 - RANG et al, 2007 2. O ato do vômito inclui náuseas (sensação de urgência de vomitar, associada com perda de tônus e peristalse gástricos, contração do

Leia mais

PUBERDADE NORMAL E ANORMAL

PUBERDADE NORMAL E ANORMAL PUBERDADE NORMAL E ANORMAL José María Aragüés Serviço de Endocrinologia, Hospital Santa Maria. Hospital CUF Infante Santo, Lisboa Abril de 2009 PUBERDADE MASCULINA Conjunto de modificações que levam a

Leia mais

SÍNDROME DE CUSHING INTRODUÇÃO

SÍNDROME DE CUSHING INTRODUÇÃO SÍNDROME DE CUSHING INTRODUÇÃO Causada pela elevação crônica e inapropriada dos níveis séricos de glicocorticóides livres Incidência: 2,3 por milhão/ano Alta mortalidade 50% em 5 anos - Doenças cardiovasculares

Leia mais