PROBLEMAS SOBRE PONTOS Davi Máximo (UFC) e Samuel Feitosa (UFC)

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "PROBLEMAS SOBRE PONTOS Davi Máximo (UFC) e Samuel Feitosa (UFC)"

Transcrição

1 PROBLEMS SOBRE PONTOS Dav Máxmo (UFC) e Samuel Fetosa (UFC) Nível vançado Dstrbur pontos num plano ou num espaço é uma tarefa que pode ser realzada de forma muto arbtrára Por sso, problemas sobre pontos podem ser de dversas naturezas Nesse artgo, trataremos as prncpas técncas para resolver esses tpos de problemas, Fecho Convexo Pense no segunte: dados n pontos num plano, podemos escolher alguns deles formando o únco polígono convexo que contém, junto com seu bordo e seu nteror, todos os n pontos Tal afrmação pode ser provada por ndução (que alas, é uma ferramenta que sempre deve ser lembrada em problemas de matemátca dscreta em geral) Tal polígono é chamado o fecho convexo desses n pontos Vamos ver que tão pouco já nos ajuda bastante em alguns problemas sobre pontos PROBLEM Seja S um conjunto fnto de pontos, não havendo três colneares, tal que dados quasquer 4 pontos de S eles formam um quadrlátero convexo Mostre que S é um conjunto de vértces de um polígono convexo Seja H o fecho convexo de S H C P B Suponha um ponto P de S no nteror de H Escolha uma trangulação de H (assm como o fecho convexo, é smples provar que todo polígono convexo pode ser dvddo por trângulos tendo como lados dagonas ou lados do polígono, tente ndução) ssm, P fca no nteror de algum trângulo BC Logo, o quadrlátero BCP não é convexo, absurdo! Portanto, S não pode ter pontos no nteror do seu fecho convexo, donde S é convexo, já que S não contém três pontos colneares Os próxmos problemas são resolvdos smlarmente PROBLEM Mostre que dados pontos, não três colneares, exste um quadrlátero convexo com vértces nesses pontos PROBLEM Mostre que dado qualquer conjunto fnto de pontos no plano exste uma reta por dos destes pontos que dvde o plano em dos sem-planos de modo que um desses sem-planos não contém nenhum ponto do conjunto PROBLEM 4 (Lsta Cone Sul 00) É possível que a reunão de um número fnto de quadrláteros não convexos seja um polígono convexo? Podemos defnr fecho convexo para um conjunto X qualquer do plano Ele é o menor conjunto convexo que contém X

2 Defnção: O fecho convexo H de X é a nterseção de todos os conjuntos convexos do plano que contém X Dexamos para o letor a verfcação dos seguntes fatos: -) H é convexo -) No caso de um conjunto com um número fnto de pontos esta defnção mplca que H é um polígono convexo cujos vértces pertencem a este conjunto PROBLEM Dado um conjunto de N dscos de raos untáros Esses círculos podem se ntersectar (mas não π concdr) Mostre que exste um arco de comprmento maor ou gual a pertencendo à N crcunferênca de um desses dscos que não é coberto por nenhum outro dsco (IDÉI D SOLUÇÃO) Consderemos o fecho convexo H desse conjunto de dscos Um arco que esteja na borda do fecho convexo não pode ser coberto por outro dsco Mostre que a junção de todos os arco no bordo de H é um círculo de rao untáro Como este círculo tem perímetro π e no máxmo juntamos N arcos, pelo menos um dos arcos da junção é maor π ou gual a N PROBLEM 6 (OBM 96) Exste um conjunto de n pontos ( n ) em um plano tal que: ) não contém três pontos colneares; ) dados quasquer três pontos pertencentes a, o centro da crcunferênca que contém estes pontos também pertence a? Os próxmos dos problemas são de IMO e podem ser resolvdos usando só fecho convexo (na realdade, muta raça também, que é algo mprescndível em qualquer problema, prncpalmente de IMO) PROBLEM 7 (IMO 99/) Determne todos os conjuntos fntos S de pontos do plano com pelo menos três elementos que satsfazem a segunte condção: Para quasquer dos pontos dstntos e B de S, a medatrz do segmento B é um exo de smetra de S (Veja a solução desse problema por Fabríco Squera Benevdes na Eurea! N 6) PROBLEM 8 (IMO 9/) Determne todos os nteros n > para os quas exstem n pontos,,, n no plano, e números reas r, r, rn satsfazendo as condções: não há três pontos, j, colneares; para cada trpla,j, ( < j < n ) o trângulo j tem área r + rj + r Vamos fazer o caso n Consdere, dentre os n pontos, cnco pontos,,,, e seu fecho convexo Temos três casos:

3 Caso: O Fecho Convexo é um trângulo Podemos assumr que tal fecho é o trângulo, 4 e estão no nteror de, com fora de e 4 fora de (faça uma fgura) Podemos supor que os trângulos e têm nterores dsjuntos Segundo nossa notação para áreas, temos: r + r + r = [ ] > [ ] + [ ] = r + r + r + r + r, donde 0 > r + r + r = [ ], absurdo! 4 4 Caso: O Fecho Convexo é um quadrlátero Suponha no nteror do fecho convexo Note que [ ] = [ ] + [ ] = [ ] + [ ] e portanto, ( r + r + r ) + ( r + r ) = ( r + r ) + ( r + r ) r + r = r Logo, [ ] = ( r + r + r + ) Também, 4 r4 [ ] = [ ] + [ ] + [ ] + [ ] Logo, temos r = ( r + r + r ) 8 = [ ] < 0,, quadrláteros, é convexo Dgamos, r + r = r4 + r e portanto, fcamos com r colneares, temos r = r ou r ssm, três dos números, r, r, r4, r gora, observe que como não são colneares, podemos supor um dos lados de < 80 Então, um dos área negatva bsurdo! convexo Então, temos r = nalogamente, usando que,, não são r são negatvos, obtendo uma Caso: O Fecho convexo é um pentágono Suponha que r seja o menor deles Traçando uma paralela l por à reta Como [ ] = r + r r + r = [ ], pertence a l ou ao semplano defndo por l oposto ao e, analogamente 4 Como,, não podem estar todos em l, temos > 80, absurdo! Logo, n 4 Um exemplo para n = 4 é um quadrado de lado com r = r = r = r4 = 6 Fnalzamos essa parte com dos problemas bontnhos PROBLEM 9 (USMO 00) Seja n um ntero postvo maor que Suponha que são dados n pontos no plano, não havendo três colneares Suponha que n dos n são pntados de azul e os outros n de vermelho Uma reta no plano é dta balanceada se passa por um ponto azul e um ponto vermelho, e o número de pontos azus em cada um de seus lados é gual ao número de pontos vermelhos Prove que exstem pelo menos duas retas balanceadas DIC: Prove que cada ponto do fecho convexo dos pontos está em pelo menos uma reta balanceada PROBLEM 0 (Kömal 00) Dado um conjunto qualquer de pontos no plano, não contendo três colneares, prove que é possível colorr os pontos com duas cores (azul e vermelho) tal que todo semplano contendo pelo menos três pontos do conjunto contenha pelo menos um ponto de cada cor

4 Prncípo das Casas dos Pombos O prncípo da casas dos Pombos, PCP, é mportante e deve ser lembrado sempre Ele é usado para provar exstêncas ( se n + pombos estão em n casas, exste pelo menos uma casa contendo pelo menos dos pombos ) Nossos dos prmeros problemas dessa sessão são apenas versões dfcultadas daquele exercíco clássco do PCP : dados cncos pontos num quadrado untáro, exstem dos cuja dstânca entre eles é menor que PROBLEM (Japão 97) Prove que entre quasquer dez pontos no nteror de um círculo de dâmetro, exstem dos cuja dstânca entre eles é menor que PROBLEM (Coréa 97) Prove que entre quasquer quatro pontos no nteror de um círculo untáro, exstem dos deles cuja dstânca é menor que PROBLEM (Roplatense 00) Danel escolhe um ntero postvo n e dz a na Com esta nformação, na escolhe um ntero e dz a Danel Danel traça então n crcunferêncas em um papel e escolhe pontos dstntos com a condção de que cada um deles pertença a alguma das crcunferêncas que traçou Em seguda, apaga as crcunferêncas que traçou, sobrando vsíves apenas os pontos que marcou partr desses pontos, na deve reconstrur pelo menos uma das crcunferêncas que Danel traçou Determnar qual o menor valor de que permte na alcançar seu objetvo ndependente de como Danel escolha as n crcunferêncas e os pontos O valor mínmo é = n + Passo: = n + é sufcente Se são dados n + pontos marcados por Danel, como estes pontos são dstrbuídos em n crcunferêncas, pelo Prncípo das Casas dos Pombos, pelo menos n+ deles estão em uma mesma crcunferênca traçada por Danel Então, se na traça todas as crcunferêncas determnadas por estes n +, haverá uma delas, dgamos Γ, com pelo menos n + dos pontos Como estes n + pontos provém das n crcunferêncas de Danel, três deles estão numa mesma crcunferênca traçada por ele, dgamos ζ Logo, ζ e Γ têm pelo menos três pontos em comum, e portanto, são a mesma crcunferênca (abusando da notação: ζ = Γ ) ssm, na consegue determnar umas das crcunferêncas traçadas por Danel Passo: Se < n +, Danel pode traçar crcunferêncas e escolher pontos de modo a tornar mpossível para na determnar tas crcunferêncas Basta consderar = n :

5 ζ ζ n Γ n ζ Γ Γ Traçamos n crcunferêncas concêntrcas Γ, Γ,, Γn e outras n crcunferêncas ζ, ζ,, ζ n duas a duas dsjuntas, de modo que ζ corta Γ em dos pontos dstntos, para, j =,,,n Há exatamente n pontos de ntersecção Se Danel marca estes pontos e apagas suas crcunferêncas, na não consegurá reconstrur com certeza nenhuma das crcunferêncas, pos Danel pode ter traçado ncalmente tanto Γ, Γ,, Γn quanto ζ, ζ,, ζ n j PROBLEM 4 (Roplatense 999) Dos jogadores e B dsputam o segunte jogo: escolhe um ponto de coordenadas nteras do plano e o pnta de verde; em seguda B escolhe 0 pontos de coordenadas nteras, anda não colordos e os pnta de amarelo O jogo contnua assm com as mesmas regras: e B escolhem um e dez pontos anda não colordos e os pntam de verde e amarelo, respectvamente (a) O objetvo de é obter pontos verdes que sejam as nterseções de retas horzontas e retas vertcas (e, paralelas aos exos de coordenadas) O objetvo de B é mpedr-lhe Determne qual dos jogadores tem uma estratéga vencedora que lhe assegura seu objetvo (b) O objetvo de é obter quatro pontos verdes que sejam vértces de um quadrado de lados paralelos aos exos coordenados O objetvo de B é mpedr-lhe Determne qual dos jogadores tem uma estratéga vencedora que lhe assegura seu objetvo Idéas Extremas Na matemátca em geral, problemas de exstênca são muto comuns e mportantes São aqueles problemas que nos pedem para provar que a exstênca de alguma cosa Na seção anteror, não explctamente, nos deparamos com problemas desse tpo E não fo para vender o artgo que ncamos ambas as seções falando da mportânca dessas déas, mas pelo o fato de que o PCP e o Prncípo Extremal juntos são as ferramentas mas ndspensáves para o ataque desses problemas Mas afnal, que Prncípo Extremal é esse? Dgamos que temos um problema onde nos é peddo para provar a exstênca de um elemento satsfazendo uma certa propredade P Então, nós escolhemos um elemento que satsfaz maxmalmente ou mnmalmente, ou seja, extremalmente (será que acabamos de nventar essas palavras?) uma outra propredade Q, não acdentalmente lgada com a desejada propredade P O que será que sso nos dá? Vejamos alguns problemas PROBLEM (ustrála 9) São dados n pontos no plano tas que a área de um trângulo formado por quasquer três deles é no máxmo Prove que os n pontos estão em um trângulo de área no máxmo 4 Sejam P, P,, Pn os n pontos Dentre os trângulos consderados, seja BC o de maor área (o cara com a propredade Q) Consdere por uma reta a paralela a BC Sendo assm, qualquer outro ponto P

6 Y Z C B c b X deve estar no mesmo semplano de B e C defndo por, pos do contráro teríamos um absurdo [ PBC ] > [ BC] (aqu [X], denota a área de X) nalogamente, consderando as retas b e c por B e C paralelas a C e B, respectvamente, concluímos que todos os pontos P devem estar no trângulo XYZ (acompanhe a fgura ao lado) Como, [ XYZ ] = 4[ BC] < 4 = 4, o resultado segue (sto é, XYZ satsfaz a propredade P) PROBLEM 6 (Putnam 979) Sejam n pontos no plano escolhdos de modo que quasquer não são colneares, n deles são pntados de vermelho e n deles são pntados de azul Prove que é possível parear os pontos usando segmentos lgando cada ponto vermelho a exatamente um ponto azul de modo que esses segmentos não se cortem Exstem n maneras de parear esses pontos É claro que alguns desses pareamentos não cumprem a condção do enuncado Olhemos em cada pareamento a soma dos seus segmentos Escolha o pareamento que tem soma mínma Suponha que nele exstem dos segmentos B e CD que se cortam (com e C vermelhos) Pela desgualdade trangular temos: D O C O + OD > CD B + CD > D + CB OB + OC > CB Logo se trocarmos B e CD por D e CB dmnuremos nossa soma ssm neste pareamento não temos dos segmentos que se cortam B PROBLEM 7 (Teorema de Sylvester) Um conjunto S de pontos no plano tem a segunte propredade: qualquer reta passando por pontos passa também por um tercero Mostre que todos os pontos estão sobre uma reta Consdere o conjunto L das retas que passam por dos pontos de S Cada ponto de S tem uma dstânca assocada a cada reta de L Como L e S são conjuntos fntos então temos um número fnto dstâncas Consdere o par ( l, s) do ponto s S e l L com a menor dstânca não nula assocada Como l passa por dos pontos de S então deverá passar por um tercero Pelo menos dos pontos de S, dgamos e B, deverão estar em um mesmo lado de l determnado por P (pé da perpendcular de s até l )

7 s Suponhamos que esteja entre B e P Seja m a reta que passa por B e s então: dstânca (, m) dstânca ( P, m) < < dstânca ( s, l) bsurdo! l P B m ssm todas as dstâncas assocadas têm que ser zero! Todos os pontos são colneares! segur, veja como usar o Teorema de Sylvester PROBLEM 8 São dados ( N ) pontos no plano, nem todos colneares Mostre que são necessáros pelo menos n retas para unr todos os possíves pares de pontos Vamos tentar usar ndução Se N = os três pontos formarão um trângulo s retas suportes dos três lados desse trângulo satsfazem nossa afrmação Suponha que a afrmação seja válda para N = Consdere um conjunto T de N = + pontos Como nem todos esses pontos estão sobre uma mesma reta decorre do teorema de Sylvester que exste uma reta que passa por apenas dos pontos ( e B) do conjunto Pelo menos um dos conjuntos T \ { } ou T \ { B} não poderá ter todos os seus pontos colneares Então pela hpótese teremos pelo menos retas, mas a reta B não fo contada, assm a afrmação também é verdadera para N = + PROBLEM 9 Dado um conjunto fnto S de pontos no plano onde não exstem quatro sobre um mesmo círculo e nem todos estão sobre uma mesma reta Mostre que exste um círculo que passa por três desses pontos e não contém nenhum ponto de S em seu nteror PROBLEM 0 (Ibero 9) Prove que para qualquer polígono convexo de área, exste um paralelogramo de área dos que o contém PROBLEM (OBM 94) Consdere todos os círculos cujas crcunferêncas passam por três vértces consecutvos de um polígono convexo Prove que um destes círculos contém todo o polígono PROBLEM (Roplatense 97) gustna e Santago jogam o segunte jogo sobre uma folha retangular: gustna dz um número n Santago, então marca n pontos sobre a folha Em seguda, gustna escolhe alguns dos pontos marcados por Santago Santago ganha o jogo se consegue desenhar um retângulo com lados paralelos aos da folha, que contenha todos os escolhdos por gustna e nenhum dos restantes Do contráro, gustna ganha Qual o menor número que deve escolher gustna para assegurar-se da vtóra, ndependente como jogue Santago? PROBLEM

8 (Rússa 000) São dados n + segmentos em uma lnha reta Cada segmento ntersecta pelo menos n outros Prove que um desses segmentos ntersecta todos os outros PROBLEM 4 (Japão 00) É dado um conjunto S de 00 pontos no plano xy, não havendo dos deles com a mesma abscssa x ou ordenada y Para quasquer dos desses pontos P e Q, consdere o retângulo cuja dagonal é PQ e cujos lados são paralelos aos exos Denotemos por W PQ o número de pontos de S no nteror desse retângulo, sem contar com P e Q Determne o maor valor N possível que satsfaz: não mporta como os pontos de S estão arranjados, exste pelo menos um par P e Q deles com W PQ N PROBLEM Dados n + pontos no plano, não havendo três colneares, prove que exstem dos deles que determnam uma reta que, dos n pontos restantes, separa n em um sem-plano e os outros n no outro sem-plano PROBLEM 6 (Banco IMO 9) Dados n + pontos num plano, não havendo três colneares nem quatro concíclcos, prove que podemos escolher três deles de modo o círculo passando por estes tem n dos pontos restantes no seu nteror e n no exteror Basta consderar a fgura abaxo Dexamos os detalhes para o letor n+ n+ = n+ = P Q n+ PROBLEM 7 São dados n pontos num plano Em cada ponto médo de um segmento lgando dos desses pontos, colocamos um marcador Prove que pelo menos n marcadores são utlzados 4 Problemas de Coberturas Nos problemas sobre pontos até agora, fcou claro que um pouco de geometra (sntétca, analítca, trgonométrca ou utlzando o plano complexo) pode ser útl Fnalzaremos esse artgo com uma seção falando um pouco dsso, em partcular, fazendo coberturas com círculos PROBLEM 8 Seja C um círculo de rao 6 e um anel tendo rao nterno e rao externo gora suponha que um conjunto S de 60 pontos é seleconado dentro de C Prove que, não mporta como os pontos de

9 S são seleconados dentro de C, o anel pode ser colocado de modo a cobrr pelo menos 0 pontos de S Queremos mostrar que exste um ponto X no plano que possu uma dstânca maor que e menor que à pelo menos 0 pontos de S Sobre cada ponto de S coloque um anel Basta mostrarmos que exste um ponto X que está no nteror de pelo menos 0 desses anés s nterseções desses anés produzem pequenas regões (veja a fgura) Veja que exstem três pequenas regões que estão em dos anés e uma que está em três Somando as áreas dos três anés contaremos três regões duas vezes e uma três vezes Somando a área de cada anel temos 60 (9π 4π ) = 0π umentando o rao do círculo C para 9 poderemos cobrr todos esses anés Se cada pequena regão fo contada no máxmo 9 vezes contaremos no máxmo 9 vezes a área desse novo círculo, ou seja, 99 π = 49π < 0π ssm exstrá uma pequena regão contda em pelo menos 0 anés Basta escolhermos um ponto X dessa regão PROBLEM 9 (Teste de Seleção da Romêna para a IMO 978) M é um conjunto de n pontos no plano tal que a maor dstânca entre quasquer dos desses pontos é undade Prove que: a Para quasquer 4 pontos de M, a dstânca entre algum par de pontos é pelo menos b lgum círculo de rao cobre todo o conjunto M c Exste algum par entre os n pontos de M cuja dstânca entre eles é no máxmo ( 4 n ) a Vamos tentar arranjar um trângulo não acutângulo em M Consdere o fecho convexo de quatro pontos de M Podemos ter um quadrlátero (degenerado quando três pontos forem colneares) ou um trângulo com um ponto de M em seu nteror No caso do quadrlátero como pelo menos um dos quatro ângulos nternos é 90 basta escolhermos o vértce com este ângulo e os adjacentes a ele No caso do trângulo vamos olhar para o ponto no nteror Esse ponto olha para os três lados do trângulo com ângulos que somados resultam em 60 Pelo menos um deles é 0 Seja XYZ um trângulo com XYZ 90 Pela le dos cossenos temos: y = x + z xz cos XYZ x + z Como y x ou z

10 b Seja r = B a maor dstânca entre dos pontos de M Tracemos círculos de rao r centrados em e B M deverá estar contdo em cada um desse círculos Então M deverá estar contdo na regão de nterseção entre eles Tracemos um círculo de rao r centrado no ponto médo C de B Veja que este novo círculo cobre a regão de nterseção c Vamos usar a mesma déa do problema dos anés Se dos Y ponto de M estão em um círculo de rao r então a dstânca entre eles não pode ser maor ou gual a r Então nosso objetvo é mostrar que exstem dos pontos de M dentro de um C B círculo de rao ( n ) M X Seja C um círculo de rao que cobre M Centrado em cada ponto de M tracemos um círculo de rao r Suponha que Z é um ponto na nterseção de dos desses círculos Então o círculo de centro Z e rao r cobre dos pontos de M(os centros dos círculos que cobram Z) Como mostrar pelo menos dos desses círculos que traçamos rão se ntersectar para r =? Vamos aumentar o rao ( n ) de C e obter um círculo D de rao + r com mesmo centro Todos esses círculos estarão contdos em D Se a área de D for menor que a soma das áreas de cada círculo com certeza pelo menos dos π π deles terão nterseção Mas sso acontece se n r < + r gora basta fazermos o estudo + n + n do snal Como a maor raz é e n > 0 se r> OK! r> (n ) (n ) ( n ) (Veja que podemos melhorar um pouco a cota do problema, pos > ) PROBLEM 0 (Ibero 97) Seja P = { P, P,, P997} um conjunto de 997 pontos no nteror de um círculo de rao, com P sendo o centro do círculo Para =,,, 997, seja x a dstânca de P ao ponto de P mas próxmo de P Mostre que: 997 x + x + + x 9

11 P n P Note que x, para todo Para cada ponto P, consdere uma crcunferênca x centro P e rao Γ de Sendo assm, todos essas crcunferêncas se tocam em no máxmo ponto e estão no nteror de uma crcunferênca de [ Γ ] + [ Γ ] + + [ Γ ] π centro donde: P e rao / Logo, ( ) π x + π x ( ) π x + + n π x 9 + x + + xn PROBLEM (IMO 89) São dados n e nteros postvos e um conjunto S de n pontos no plano tas que () não há três pontos em S colneares, () Para qualquer ponto P de S exstem pelo menos pontos de S eqüdstantes de P Prove que < + n PROBLEM (Ibero 98) Encontre o maor ntero n para o qual exstem pontos reas r,,, r rn tas que a dstânca entre P e P j é r + r j P,,, P Pn no plano e números Referêncas Bblográfcas: [] Revsta Eurea! N 6 [] Ross Honsberger, Mathematcal Gems VolI, The Dolcan Mathematcal Expostons, M [] ndreescu, Feng, Mathematcal Olympads: Olympad problems from around the world, , M 000 [4] Marcn Kuczma, Internatonal Mathematcal Olympads, , M 00 [] wwwmathlnsro

Polos Olímpicos de Treinamento. Aula 10. Curso de Teoria dos Números - Nível 2. Divisores. Prof. Samuel Feitosa

Polos Olímpicos de Treinamento. Aula 10. Curso de Teoria dos Números - Nível 2. Divisores. Prof. Samuel Feitosa Polos Olímpcos de Trenamento Curso de Teora dos Números - Nível 2 Prof. Samuel Fetosa Aula 10 Dvsores Suponha que n = p α 1 2...pα é a fatoração em prmos do ntero n. Todos os dvsores de n são da forma

Leia mais

Escola Secundária Dr. Ângelo Augusto da Silva Matemática 12.º ano Números Complexos - Exercícios saídos em (Exames Nacionais 2000)

Escola Secundária Dr. Ângelo Augusto da Silva Matemática 12.º ano Números Complexos - Exercícios saídos em (Exames Nacionais 2000) Internet: http://rolvera.pt.to ou http://sm.page.vu Escola Secundára Dr. Ângelo Augusto da Slva Matemátca.º ano Números Complexos - Exercícos saídos em (Exames Naconas 000). Seja C o conjunto dos números

Leia mais

ESPELHOS E LENTES ESPELHOS PLANOS

ESPELHOS E LENTES ESPELHOS PLANOS ESPELHOS E LENTES 1 Embora para os povos prmtvos os espelhos tvessem propredades mágcas, orgem de lendas e crendces que estão presentes até hoje, para a físca são apenas superfíces poldas que produzem

Leia mais

Universidade Salvador UNIFACS Cursos de Engenharia Cálculo IV Profa: Ilka Rebouças Freire. Integrais Múltiplas

Universidade Salvador UNIFACS Cursos de Engenharia Cálculo IV Profa: Ilka Rebouças Freire. Integrais Múltiplas Unversdade Salvador UNIFACS Cursos de Engenhara Cálculo IV Profa: Ilka ebouças Frere Integras Múltplas Texto 3: A Integral Dupla em Coordenadas Polares Coordenadas Polares Introduzremos agora um novo sstema

Leia mais

Regressão e Correlação Linear

Regressão e Correlação Linear Probabldade e Estatístca I Antono Roque Aula 5 Regressão e Correlação Lnear Até o momento, vmos técncas estatístcas em que se estuda uma varável de cada vez, estabelecendo-se sua dstrbução de freqüêncas,

Leia mais

Análise Complexa Resolução de alguns exercícios do capítulo 1

Análise Complexa Resolução de alguns exercícios do capítulo 1 Análse Complexa Resolução de alguns exercícos do capítulo 1 1. Tem-se:. = (0, 1) = (0, 1) =. 3. Sejam a, b R. Então Exercíco nº1 = (0, 1).(0, 1) = (0.0 1.1, 0.1 + 1.0) = ( 1, 0) = 1. a + b = a b = a +

Leia mais

NOTA II TABELAS E GRÁFICOS

NOTA II TABELAS E GRÁFICOS Depto de Físca/UFMG Laboratóro de Fundamentos de Físca NOTA II TABELAS E GRÁFICOS II.1 - TABELAS A manera mas adequada na apresentação de uma sére de meddas de um certo epermento é através de tabelas.

Leia mais

Introdução e Organização de Dados Estatísticos

Introdução e Organização de Dados Estatísticos II INTRODUÇÃO E ORGANIZAÇÃO DE DADOS ESTATÍSTICOS 2.1 Defnção de Estatístca Uma coleção de métodos para planejar expermentos, obter dados e organzá-los, resum-los, analsá-los, nterpretá-los e deles extrar

Leia mais

Matemática. Veículo A. Veículo B. Os gráficos das funções interceptam-se quando 50t = 80t

Matemática. Veículo A. Veículo B. Os gráficos das funções interceptam-se quando 50t = 80t Matemátca 0 Dos veículos, A e B, partem de um ponto de uma estrada, em sentdos opostos e com velocdades constantes de 50km/h e 70km/h, respectvamente Após uma hora, o veículo B retorna e, medatamente,

Leia mais

X = 1, se ocorre : VB ou BV (vermelha e branca ou branca e vermelha)

X = 1, se ocorre : VB ou BV (vermelha e branca ou branca e vermelha) Estatístca p/ Admnstração II - Profª Ana Cláuda Melo Undade : Probabldade Aula: 3 Varável Aleatóra. Varáves Aleatóras Ao descrever um espaço amostral de um expermento, não especfcamos que um resultado

Leia mais

Objetivos da aula. Essa aula objetiva fornecer algumas ferramentas descritivas úteis para

Objetivos da aula. Essa aula objetiva fornecer algumas ferramentas descritivas úteis para Objetvos da aula Essa aula objetva fornecer algumas ferramentas descrtvas útes para escolha de uma forma funconal adequada. Por exemplo, qual sera a forma funconal adequada para estudar a relação entre

Leia mais

HOMOTETIAS, COMPOSIÇÃO DE HOMOTETIAS E O PROBLEMA 6 DA IMO 2008 Carlos Yuzo Shine Nível Avançado

HOMOTETIAS, COMPOSIÇÃO DE HOMOTETIAS E O PROBLEMA 6 DA IMO 2008 Carlos Yuzo Shine Nível Avançado HMTETIS, MPSIÇÃ DE HMTETIS E PREM 6 D IM 008 arlos Yuzo Shne Nível vançado ntes de começar a dscussão, vamos enuncar o problema 6 da IM 008, que é a motvação prncpal desse artgo. Problema 6, IM 008. Seja

Leia mais

PROVA DE MATEMÁTICA DA UFBA VESTIBULAR 2010 2 a Fase. RESOLUÇÃO: Profa. Maria Antônia Gouveia.

PROVA DE MATEMÁTICA DA UFBA VESTIBULAR 2010 2 a Fase. RESOLUÇÃO: Profa. Maria Antônia Gouveia. PROVA DE MATEMÁTICA DA UFBA VESTIBUAR a Fase RESOUÇÃO: Proa Mara Antôna Gouvea Questão Um quadrado mágco é uma matr quadrada de ordem maor ou gual a cujas somas dos termos de cada lnha de cada coluna da

Leia mais

Capítulo 1. O plano complexo. 1.1. Introdução. Os números complexos começaram por ser introduzidos para dar sentido à 2

Capítulo 1. O plano complexo. 1.1. Introdução. Os números complexos começaram por ser introduzidos para dar sentido à 2 Capítulo O plano compleo Introdução Os números compleos começaram por ser ntrodudos para dar sentdo à resolução de equações polnomas do tpo Como os quadrados de números reas são sempre maores ou guas a

Leia mais

MATEMÁTICA LISTA DE EXERCÍCIOS NÚMEROS COMPLEXOS

MATEMÁTICA LISTA DE EXERCÍCIOS NÚMEROS COMPLEXOS MATEMÁTICA LISTA DE EXERCÍCIOS NÚMEROS COMPLEXOS PROF: Claudo Saldan CONTATO: saldan.mat@gmal.com PARTE 0 -(MACK SP/00/Janero) Se y = x, sendo x= e =, o valor de (xy) é a) 9 9 9 9 e) 9 0 -(FGV/00/Janero)

Leia mais

TE210 FUNDAMENTOS PARA ANÁLISE DE CIRCUITOS ELÉTRICOS

TE210 FUNDAMENTOS PARA ANÁLISE DE CIRCUITOS ELÉTRICOS TE0 FUNDAMENTOS PARA ANÁLISE DE CIRCUITOS ELÉTRICOS Números Complexos Introdução hstórca. Os números naturas, nteros, raconas, rraconas e reas. A necessdade dos números complexos. Sua relação com o mundo

Leia mais

TEORIA DE ERROS * ERRO é a diferença entre um valor obtido ao se medir uma grandeza e o valor real ou correto da mesma.

TEORIA DE ERROS * ERRO é a diferença entre um valor obtido ao se medir uma grandeza e o valor real ou correto da mesma. UNIVERSIDADE FEDERAL DO ESPÍRITO SANTO CENTRO DE CIÊNCIAS EXATAS DEPARTAMENTO DE FÍSICA AV. FERNANDO FERRARI, 514 - GOIABEIRAS 29075-910 VITÓRIA - ES PROF. ANDERSON COSER GAUDIO FONE: 4009.7820 FAX: 4009.2823

Leia mais

Análise de Regressão. Profa Alcione Miranda dos Santos Departamento de Saúde Pública UFMA

Análise de Regressão. Profa Alcione Miranda dos Santos Departamento de Saúde Pública UFMA Análse de Regressão Profa Alcone Mranda dos Santos Departamento de Saúde Públca UFMA Introdução Uma das preocupações estatístcas ao analsar dados, é a de crar modelos que explctem estruturas do fenômeno

Leia mais

Exercícios de Física. Prof. Panosso. Fontes de campo magnético

Exercícios de Física. Prof. Panosso. Fontes de campo magnético 1) A fgura mostra um prego de ferro envolto por um fo fno de cobre esmaltado, enrolado mutas vezes ao seu redor. O conjunto pode ser consderado um eletroímã quando as extremdades do fo são conectadas aos

Leia mais

Lista de Exercícios de Recuperação do 2 Bimestre. Lista de exercícios de Recuperação de Matemática 3º E.M.

Lista de Exercícios de Recuperação do 2 Bimestre. Lista de exercícios de Recuperação de Matemática 3º E.M. Lsta de Exercícos de Recuperação do Bmestre Instruções geras: Resolver os exercícos à caneta e em folha de papel almaço ou monobloco (folha de fcháro). Copar os enuncados das questões. Entregar a lsta

Leia mais

Associação de resistores em série

Associação de resistores em série Assocação de resstores em sére Fg.... Na Fg.. está representada uma assocação de resstores. Chamemos de I, B, C e D. as correntes que, num mesmo nstante, passam, respectvamente pelos pontos A, B, C e D.

Leia mais

Curvas Horizontais e Verticais

Curvas Horizontais e Verticais Insttução: Faculdade de Tecnologa e Cêncas Professor: Dego Queroz de Sousa Dscplna: Topografa Curvas Horzontas e ertcas 1. Introdução Exstem dversas ocasões na engenhara em que os projetos são desenvolvs

Leia mais

CAPÍTULO VI Introdução ao Método de Elementos Finitos (MEF)

CAPÍTULO VI Introdução ao Método de Elementos Finitos (MEF) PMR 40 - Mecânca Computaconal CAPÍTULO VI Introdução ao Método de Elementos Fntos (MEF). Formulação Teórca - MEF em uma dmensão Consderemos a equação abao que representa a dstrbução de temperatura na barra

Leia mais

Capítulo 24: Potencial Elétrico

Capítulo 24: Potencial Elétrico Capítulo 24: Potencal Energa Potencal Elétrca Potencal Superfíces Equpotencas Cálculo do Potencal a Partr do Campo Potencal Produzdo por uma Carga Pontual Potencal Produzdo por um Grupo de Cargas Pontuas

Leia mais

PROVA DE MATEMÁTICA DO VESTIBULAR 2013 DA UNICAMP-FASE 1. RESOLUÇÃO: PROFA. MARIA ANTÔNIA C. GOUVEIA

PROVA DE MATEMÁTICA DO VESTIBULAR 2013 DA UNICAMP-FASE 1. RESOLUÇÃO: PROFA. MARIA ANTÔNIA C. GOUVEIA PROVA DE MATEMÁTICA DO VESTIBULAR 03 DA UNICAMP-FASE. PROFA. MARIA ANTÔNIA C. GOUVEIA QUESTÃO 37 A fgura abaxo exbe, em porcentagem, a prevsão da oferta de energa no Brasl em 030, segundo o Plano Naconal

Leia mais

Sempre que surgir uma dúvida quanto à utilização de um instrumento ou componente, o aluno deverá consultar o professor para esclarecimentos.

Sempre que surgir uma dúvida quanto à utilização de um instrumento ou componente, o aluno deverá consultar o professor para esclarecimentos. Insttuto de Físca de São Carlos Laboratóro de Eletrcdade e Magnetsmo: Transferênca de Potênca em Crcutos de Transferênca de Potênca em Crcutos de Nesse prátca, estudaremos a potênca dsspada numa resstênca

Leia mais

ENFRENTANDO OBSTÁCULOS EPISTEMOLÓGICOS COM O GEOGEBRA

ENFRENTANDO OBSTÁCULOS EPISTEMOLÓGICOS COM O GEOGEBRA ENFRENTANDO OBSTÁCULOS EPISTEMOLÓGICOS COM O GEOGEBRA André Luz Souza Slva IFRJ Andrelsslva@globo.com Vlmar Gomes da Fonseca IFRJ vlmar.onseca@rj.edu.br Wallace Vallory Nunes IFRJ wallace.nunes@rj.edu.br

Leia mais

Hoje não tem vitamina, o liquidificador quebrou!

Hoje não tem vitamina, o liquidificador quebrou! A U A UL LA Hoje não tem vtamna, o lqudfcador quebrou! Essa fo a notíca dramátca dada por Crstana no café da manhã, lgeramente amenzada pela promessa de uma breve solução. - Seu pa dsse que arruma à note!

Leia mais

CENTRO UNIVERSITÁRIO DO LESTE DE MINAS GERAIS - UnilesteMG

CENTRO UNIVERSITÁRIO DO LESTE DE MINAS GERAIS - UnilesteMG 1 CENTRO UNIVERSITÁRIO DO LESTE DE MINAS GERAIS - UnlesteMG Dscplna: Introdução à Intelgênca Artfcal Professor: Luz Carlos Fgueredo GUIA DE LABORATÓRIO LF. 01 Assunto: Lógca Fuzzy Objetvo: Apresentar o

Leia mais

Curso de extensão, MMQ IFUSP, fevereiro/2014. Alguns exercício básicos

Curso de extensão, MMQ IFUSP, fevereiro/2014. Alguns exercício básicos Curso de extensão, MMQ IFUSP, feverero/4 Alguns exercíco báscos I Exercícos (MMQ) Uma grandeza cujo valor verdadero x é desconhecdo, fo medda três vezes, com procedmentos expermentas dêntcos e, portanto,

Leia mais

Figura 8.1: Distribuição uniforme de pontos em uma malha uni-dimensional. A notação empregada neste capítulo para avaliação da derivada de uma

Figura 8.1: Distribuição uniforme de pontos em uma malha uni-dimensional. A notação empregada neste capítulo para avaliação da derivada de uma Capítulo 8 Dferencação Numérca Quase todos os métodos numércos utlzados atualmente para obtenção de soluções de equações erencas ordnáras e parcas utlzam algum tpo de aproxmação para as dervadas contínuas

Leia mais

INTRODUÇÃO À PROBABILIDADE. A probabilidade é uma medida da incerteza dos fenômenos. Traduz-se por um número real compreendido de 0 ( zero) e 1 ( um).

INTRODUÇÃO À PROBABILIDADE. A probabilidade é uma medida da incerteza dos fenômenos. Traduz-se por um número real compreendido de 0 ( zero) e 1 ( um). INTRODUÇÃO À PROILIDDE teora das probabldade nada mas é do que o bom senso transformado em cálculo probabldade é o suporte para os estudos de estatístca e expermentação. Exemplos: O problema da concdênca

Leia mais

PROVA DE MATEMÁTICA DA UFMG VESTIBULAR 2011 2 a Fase. RESOLUÇÃO: Profa. Maria Antônia Gouveia.

PROVA DE MATEMÁTICA DA UFMG VESTIBULAR 2011 2 a Fase. RESOLUÇÃO: Profa. Maria Antônia Gouveia. PROVA DE MATEMÁTICA DA UFMG VESTIBULAR 0 a Fase Profa Mara Antôna Gouvea PROVA A QUESTÃO 0 Consdere as retas r, s e t de equações, resectvamente, y x, y x e x 7 y TRACE, no lano cartesano abaxo, os gráfcos

Leia mais

Sinais Luminosos 2- CONCEITOS BÁSICOS PARA DIMENSIONAMENTO DE SINAIS LUMINOSOS.

Sinais Luminosos 2- CONCEITOS BÁSICOS PARA DIMENSIONAMENTO DE SINAIS LUMINOSOS. Snas Lumnosos 1-Os prmeros snas lumnosos Os snas lumnosos em cruzamentos surgem pela prmera vez em Londres (Westmnster), no ano de 1868, com um comando manual e com os semáforos a funconarem a gás. Só

Leia mais

01. Em porcentagem das emissões totais de gases do efeito estufa, o Brasil é o quarto maior poluidor, conforme a tabela abaixo:

01. Em porcentagem das emissões totais de gases do efeito estufa, o Brasil é o quarto maior poluidor, conforme a tabela abaixo: PROCESSO SELETIVO 7 RESOLUÇÃO MATEMÁTICA Rosane Soares Morera Vana, Luz Cláudo Perera, Lucy Tem Takahash, Olímpo Hrosh Myagak QUESTÕES OBJETIVAS Em porcentagem das emssões totas de gases do efeto estufa,

Leia mais

Prof. Antônio Carlos Fontes dos Santos. Aula 1: Divisores de tensão e Resistência interna de uma fonte de tensão

Prof. Antônio Carlos Fontes dos Santos. Aula 1: Divisores de tensão e Resistência interna de uma fonte de tensão IF-UFRJ Elementos de Eletrônca Analógca Prof. Antôno Carlos Fontes dos Santos FIW362 Mestrado Profssonal em Ensno de Físca Aula 1: Dvsores de tensão e Resstênca nterna de uma fonte de tensão Este materal

Leia mais

Sistemas Robóticos. Sumário. Introdução. Introdução. Navegação. Introdução Onde estou? Para onde vou? Como vou lá chegar?

Sistemas Robóticos. Sumário. Introdução. Introdução. Navegação. Introdução Onde estou? Para onde vou? Como vou lá chegar? Sumáro Sstemas Robótcos Navegação Introdução Onde estou? Para onde vou? Como vou lá chegar? Carlos Carreto Curso de Engenhara Informátca Ano lectvo 2003/2004 Escola Superor de Tecnologa e Gestão da Guarda

Leia mais

Texto 03: Campos Escalares e Vetoriais. Gradiente. Rotacional. Divergência. Campos Conservativos.

Texto 03: Campos Escalares e Vetoriais. Gradiente. Rotacional. Divergência. Campos Conservativos. 1 Unversdade Salvador UNIFACS Crsos de Engenhara Cálclo IV Profa: Ila Reboças Frere Cálclo Vetoral Teto 03: Campos Escalares e Vetoras. Gradente. Rotaconal. Dvergênca. Campos Conservatvos. Campos Escalares

Leia mais

CQ110 : Princípios de FQ

CQ110 : Princípios de FQ CQ110 : Prncípos de FQ CQ 110 Prncípos de Físco Químca Curso: Farmáca Prof. Dr. Marco Vdott mvdott@ufpr.br Potencal químco, m potencal químco CQ110 : Prncípos de FQ Propredades termodnâmcas das soluções

Leia mais

Aula 7: Circuitos. Curso de Física Geral III F-328 1º semestre, 2014

Aula 7: Circuitos. Curso de Física Geral III F-328 1º semestre, 2014 Aula 7: Crcutos Curso de Físca Geral III F-38 º semestre, 04 Ponto essencal Para resolver um crcuto de corrente contínua, é precso entender se as cargas estão ganhando ou perdendo energa potencal elétrca

Leia mais

1 Princípios da entropia e da energia

1 Princípios da entropia e da energia 1 Prncípos da entropa e da energa Das dscussões anterores vmos como o conceto de entropa fo dervado do conceto de temperatura. E esta últma uma conseqüênca da le zero da termodnâmca. Dentro da nossa descrção

Leia mais

Despacho Econômico de. Sistemas Termoelétricos e. Hidrotérmicos

Despacho Econômico de. Sistemas Termoelétricos e. Hidrotérmicos Despacho Econômco de Sstemas Termoelétrcos e Hdrotérmcos Apresentação Introdução Despacho econômco de sstemas termoelétrcos Despacho econômco de sstemas hdrotérmcos Despacho do sstema braslero Conclusões

Leia mais

RESOLUÇÃO NUMÉRICA DE EQUAÇÕES DIFERENCIAIS

RESOLUÇÃO NUMÉRICA DE EQUAÇÕES DIFERENCIAIS Defnções RESOLUÇÃO NUMÉRICA DE EQUAÇÕES DIFERENCIAIS Problemas de Valor Incal PVI) Métodos de passo smples Método de Euler Métodos de sére de Talor Métodos de Runge-Kutta Equações de ordem superor Métodos

Leia mais

Ministério da Educação. Instituto Nacional de Estudos e Pesquisas Educacionais Anísio Teixeira. Cálculo do Conceito Preliminar de Cursos de Graduação

Ministério da Educação. Instituto Nacional de Estudos e Pesquisas Educacionais Anísio Teixeira. Cálculo do Conceito Preliminar de Cursos de Graduação Mnstéro da Educação Insttuto Naconal de Estudos e Pesqusas Educaconas Aníso Texera Cálculo do Conceto Prelmnar de Cursos de Graduação Nota Técnca Nesta nota técnca são descrtos os procedmentos utlzados

Leia mais

Escolha do Consumidor sob condições de Risco e de Incerteza

Escolha do Consumidor sob condições de Risco e de Incerteza 9/04/06 Escolha do Consumdor sob condções de Rsco e de Incerteza (Capítulo 7 Snyder/Ncholson e Capítulo Varan) Turma do Prof. Déco Kadota Dstnção entre Rsco e Incerteza Na lteratura econômca, a prmera

Leia mais

Professor Mauricio Lutz CORRELAÇÃO

Professor Mauricio Lutz CORRELAÇÃO Professor Maurco Lutz 1 CORRELAÇÃO Em mutas stuações, torna-se nteressante e útl estabelecer uma relação entre duas ou mas varáves. A matemátca estabelece város tpos de relações entre varáves, por eemplo,

Leia mais

Consideraremos agora, uma de cada vez, as equivalentes angulares das grandezas de posição, deslocamento, velocidade e aceleração.

Consideraremos agora, uma de cada vez, as equivalentes angulares das grandezas de posição, deslocamento, velocidade e aceleração. CAPÍTULO 5 77 5.1 Introdução A cnemátca dos corpos rígdos trata dos movmentos de translação e rotação. No movmento de translação pura todas as partes de um corpo sofrem o mesmo deslocamento lnear. Por

Leia mais

Hansard OnLine. Guia Unit Fund Centre

Hansard OnLine. Guia Unit Fund Centre Hansard OnLne Gua Unt Fund Centre Índce Págna Introdução ao Unt Fund Centre (UFC) 3 Usando fltros do fundo 4-5 Trabalhando com os resultados do fltro 6 Trabalhando com os resultados do fltro Preços 7 Trabalhando

Leia mais

CURSO ON-LINE PROFESSOR: VÍTOR MENEZES

CURSO ON-LINE PROFESSOR: VÍTOR MENEZES O Danel Slvera pedu para eu resolver mas questões do concurso da CEF. Vou usar como base a numeração do caderno foxtrot Vamos lá: 9) Se, ao descontar uma promssóra com valor de face de R$ 5.000,00, seu

Leia mais

Cálculo do Conceito ENADE

Cálculo do Conceito ENADE Insttuto aconal de Estudos e Pesqusas Educaconas Aníso Texera IEP Mnstéro da Educação ME álculo do onceto EADE Para descrever o cálculo do onceto Enade, prmeramente é mportante defnr a undade de observação

Leia mais

1 a Lei de Kirchhoff ou Lei dos Nós: Num nó, a soma das intensidades de correntes que chegam é igual à soma das intensidades de correntes que saem.

1 a Lei de Kirchhoff ou Lei dos Nós: Num nó, a soma das intensidades de correntes que chegam é igual à soma das intensidades de correntes que saem. Les de Krchhoff Até aqu você aprendeu técncas para resolver crcutos não muto complexos. Bascamente todos os métodos foram baseados na 1 a Le de Ohm. Agora você va aprender as Les de Krchhoff. As Les de

Leia mais

CAPITULO 02 LEIS EXPERIMENTAIS E CIRCUITOS SIMPLES. Prof. SILVIO LOBO RODRIGUES

CAPITULO 02 LEIS EXPERIMENTAIS E CIRCUITOS SIMPLES. Prof. SILVIO LOBO RODRIGUES CAPITULO 0 LEIS EXPEIMENTAIS E CICUITOS SIMPLES Prof SILVIO LOBO ODIGUES INTODUÇÃO PONTIFÍCIA UNIVESIDADE CATÓLICA DO IO GANDE DO SUL Destnase o segundo capítulo ao estudo das les de Krchnoff e suas aplcações

Leia mais

2010 The McGraw-Hill Companies, Inc. All rights reserved. Prof.: Anastácio Pinto Gonçalves Filho

2010 The McGraw-Hill Companies, Inc. All rights reserved. Prof.: Anastácio Pinto Gonçalves Filho rof.: nastáco nto Gonçalves lho Introdução Nem sempre é possível tratar um corpo como uma únca partícula. Em geral, o tamanho do corpo e os pontos de aplcação específcos de cada uma das forças que nele

Leia mais

PROJEÇÕES POPULACIONAIS PARA OS MUNICÍPIOS E DISTRITOS DO CEARÁ

PROJEÇÕES POPULACIONAIS PARA OS MUNICÍPIOS E DISTRITOS DO CEARÁ GOVERNO DO ESTADO DO CEARÁ SECRETARIA DO PLANEJAMENTO E GESTÃO - SEPLAG INSTITUTO DE PESQUISA E ESTRATÉGIA ECONÔMICA DO CEARÁ - IPECE NOTA TÉCNICA Nº 29 PROJEÇÕES POPULACIONAIS PARA OS MUNICÍPIOS E DISTRITOS

Leia mais

UNIVERSIDADE PRESBITERIANA MACKENZIE CCSA - Centro de Ciências Sociais e Aplicadas Curso de Economia

UNIVERSIDADE PRESBITERIANA MACKENZIE CCSA - Centro de Ciências Sociais e Aplicadas Curso de Economia CCSA - Centro de Cêncas Socas e Aplcadas Curso de Economa ECONOMIA REGIONAL E URBANA Prof. ladmr Fernandes Macel LISTA DE ESTUDO. Explque a lógca da teora da base econômca. A déa que sustenta a teora da

Leia mais

Introdução a Combinatória- Aplicações, parte II

Introdução a Combinatória- Aplicações, parte II Introdução a Combnatóra- Aplcações, AULA 7 7.1 Introdução Nesta aula vamos estudar aplcações um pouco dferentes das da aula passada. No caso estudaremos arranjos com repetção, permutações crculares e o

Leia mais

Estabilidade de Lyapunov e Propriedades Globais para Modelo de Dinâmica Viral

Estabilidade de Lyapunov e Propriedades Globais para Modelo de Dinâmica Viral Establdade de Lyapunov e Propredades Globas para Modelo de Dnâmca Vral Nara Bobko Insttuto de Matemátca Pura e Aplcada 22460-320, Estrada Dona Castorna, Ro de Janero - RJ E-mal: narabobko@gmal.com. Resumo:

Leia mais

Covariância e Correlação Linear

Covariância e Correlação Linear TLF 00/ Cap. X Covarânca e correlação lnear Capítulo X Covarânca e Correlação Lnear 0.. Valor médo da grandeza (,) 0 0.. Covarânca na propagação de erros 03 0.3. Coecente de correlação lnear 05 Departamento

Leia mais

Faculdade de Engenharia Optimização. Prof. Doutor Engº Jorge Nhambiu

Faculdade de Engenharia Optimização. Prof. Doutor Engº Jorge Nhambiu 1 Programação Não Lnear com Restrções Aula 9: Programação Não-Lnear - Funções de Váras Varáves com Restrções Ponto Regular; Introdução aos Multplcadores de Lagrange; Multplcadores de Lagrange e Condções

Leia mais

Energia de deformação na flexão

Energia de deformação na flexão - UNIVERSIDADE FEDERAL FLUMINENSE ESCOLA DE ENGENHARIA INDUSTRIAL METALÚRGICA DE VOLTA REDONDA PROFESSORA: SALETE SOUZA DE OLIVEIRA BUFFONI DISCIPLINA: RESISTÊNCIA DOS MATERIAIS Energa de deformação na

Leia mais

GUSTAVO TERRA BASTOS COMPARAÇÃO DE TÉCNICAS PARA O CÁLCULO DE IDEMPOTENTES GERADORES DE CÓDIGOS ABELIANOS

GUSTAVO TERRA BASTOS COMPARAÇÃO DE TÉCNICAS PARA O CÁLCULO DE IDEMPOTENTES GERADORES DE CÓDIGOS ABELIANOS GUSTAVO TERRA BASTOS COMPARAÇÃO DE TÉCNICAS PARA O CÁLCULO DE IDEMPOTENTES GERADORES DE CÓDIGOS ABELIANOS Dssertação apresentada à Unversdade Federal de Vçosa, como parte das exgêncas do Programa de Pós-Graduação

Leia mais

CAPÍTULO 4 - Variáveis aleatórias e distribuições de probabilidade

CAPÍTULO 4 - Variáveis aleatórias e distribuições de probabilidade CAPÍTULO 4 - Varáves aleatóras e dstrbuções de probabldade Conceto de varável aleatóra Uma função cujo valor é um número real determnado por cada elemento em um espaço amostral é chamado uma varável aleatóra

Leia mais

a) 3 c) 5 d) 6 b) i d) i

a) 3 c) 5 d) 6 b) i d) i Colégo Marsta Docesano de Uberaba ª Lsta de eercícos de Compleos Prof. Maluf Se é a undade magnára, para que a b seja um número real, a relação c d entre a, b, c e d deve satsfaer: 0 - (UNESP SP/00) a)

Leia mais

www.obconcursos.com.br/portal/v1/carreirafiscal

www.obconcursos.com.br/portal/v1/carreirafiscal www.obconcursos.com.br/portal/v1/carrerafscal Moda Exercíco: Determne o valor modal em cada um dos conjuntos de dados a segur: X: { 3, 4,, 8, 8, 8, 9, 10, 11, 1, 13 } Mo 8 Y: { 10, 11, 11, 13, 13, 13,

Leia mais

Apostila de Estatística Curso de Matemática. Volume II 2008. Probabilidades, Distribuição Binomial, Distribuição Normal. Prof. Dr. Celso Eduardo Tuna

Apostila de Estatística Curso de Matemática. Volume II 2008. Probabilidades, Distribuição Binomial, Distribuição Normal. Prof. Dr. Celso Eduardo Tuna Apostla de Estatístca Curso de Matemátca Volume II 008 Probabldades, Dstrbução Bnomal, Dstrbução Normal. Prof. Dr. Celso Eduardo Tuna 1 Capítulo 8 - Probabldade 8.1 Conceto Intutvamente pode-se defnr probabldade

Leia mais

Princípio da Casa dos Pombos II

Princípio da Casa dos Pombos II Programa Olímpico de Treinamento Curso de Combinatória - Nível 2 Prof. Bruno Holanda Aula 8 Princípio da Casa dos Pombos II Nesta aula vamos continuar praticando as ideias da aula anterior, aplicando o

Leia mais

Estatística II Antonio Roque Aula 18. Regressão Linear

Estatística II Antonio Roque Aula 18. Regressão Linear Estatístca II Antono Roque Aula 18 Regressão Lnear Quando se consderam duas varáves aleatóras ao mesmo tempo, X e Y, as técncas estatístcas aplcadas são as de regressão e correlação. As duas técncas estão

Leia mais

Exemplos. representado a seguir, temos que: são positivas. são negativas. i

Exemplos. representado a seguir, temos que: são positivas. são negativas. i 6 Prodto Vetoral Para defnrmos o prodto etoral entre dos etores é ndspensáel dstngrmos o qe são bases postas e bases negatas Para sso consderemos ma base do espaço { } e m obserador Este obserador dee

Leia mais

PLANILHAS EXCEL/VBA PARA PROBLEMAS ENVOLVENDO EQUILÍBRIO LÍQUIDO-VAPOR EM SISTEMAS BINÁRIOS

PLANILHAS EXCEL/VBA PARA PROBLEMAS ENVOLVENDO EQUILÍBRIO LÍQUIDO-VAPOR EM SISTEMAS BINÁRIOS PLANILHAS EXCEL/VBA PARA PROBLEMAS ENVOLVENDO EQUILÍBRIO LÍQUIDO-VAPOR EM SISTEMAS BINÁRIOS L. G. Olvera, J. K. S. Negreros, S. P. Nascmento, J. A. Cavalcante, N. A. Costa Unversdade Federal da Paraíba,

Leia mais

3. Um protão move-se numa órbita circular de raio 14 cm quando se encontra. b) Qual o valor da velocidade linear e da frequência ciclotrónica do

3. Um protão move-se numa órbita circular de raio 14 cm quando se encontra. b) Qual o valor da velocidade linear e da frequência ciclotrónica do Electromagnetsmo e Óptca Prmero Semestre 007 Sére. O campo magnétco numa dada regão do espaço é dado por B = 4 e x + e y (Tesla. Um electrão (q e =.6 0 9 C entra nesta regão com velocdade v = e x + 3 e

Leia mais

Evolução de Curvas em Visão Computacional

Evolução de Curvas em Visão Computacional swp0000 2011/1/15 23:19 page 1 #1 Evolução de Curvas em Vsão Computaconal Ralph Costa Texera Feverero de 2011 swp0000 2011/1/15 23:19 page 2 #2 2 Abstract We are gven a plane curve Q parametrzed by Q (s;

Leia mais

7. Resolução Numérica de Equações Diferenciais Ordinárias

7. Resolução Numérica de Equações Diferenciais Ordinárias 7. Resolução Numérca de Equações Dferencas Ordnáras Fenômenos físcos em dversas áreas, tas como: mecânca dos fludos, fluo de calor, vbrações, crcutos elétrcos, reações químcas, dentre váras outras, podem

Leia mais

5.1 Seleção dos melhores regressores univariados (modelo de Índice de Difusão univariado)

5.1 Seleção dos melhores regressores univariados (modelo de Índice de Difusão univariado) 5 Aplcação Neste capítulo será apresentada a parte empírca do estudo no qual serão avalados os prncpas regressores, um Modelo de Índce de Dfusão com o resultado dos melhores regressores (aqu chamado de

Leia mais

As tabelas resumem as informações obtidas da amostra ou da população. Essas tabelas podem ser construídas sem ou com perda de informações.

As tabelas resumem as informações obtidas da amostra ou da população. Essas tabelas podem ser construídas sem ou com perda de informações. 1. TABELA DE DISTRIBUIÇÃO DE FREQÜÊNCIA As tabelas resumem as normações obtdas da amostra ou da população. Essas tabelas podem ser construídas sem ou com perda de normações. As tabelas sem perda de normação

Leia mais

Termodinâmica e Termoquímica

Termodinâmica e Termoquímica Termodnâmca e Termoquímca Introdução A cênca que trata da energa e suas transformações é conhecda como termodnâmca. A termodnâmca fo a mola mestra para a revolução ndustral, portanto o estudo e compreensão

Leia mais

S.A. 1. 2002; TIPLER, P. A.; MOSCA, G.

S.A. 1. 2002; TIPLER, P. A.; MOSCA, G. Rotação Nota Alguns sldes, fguras e exercícos pertencem às seguntes referêncas: HALLIDAY, D., RESNICK, R., WALKER, J. Fundamentos da Físca. V 1. 4a.Edção. Ed. Lvro Técnco Centífco S.A. 00; TIPLER, P. A.;

Leia mais

Se considerarmos, por exemplo, uma função f real de variável real,

Se considerarmos, por exemplo, uma função f real de variável real, 107 5 Gráfcos 5.1 Introdução Dada uma função real de varável real 16 f, o gráfco desta função é o conjunto de pontos ( x, y), onde x pertence ao domíno da função e f ( x) y =, ou seja, {( x y) x D y f

Leia mais

Motores síncronos. São motores com velocidade de rotação fixa velocidade de sincronismo.

Motores síncronos. São motores com velocidade de rotação fixa velocidade de sincronismo. Motores síncronos Prncípo de funconamento ão motores com velocdade de rotação fxa velocdade de sncronsmo. O seu prncípo de funconamento está esquematzado na fgura 1.1 um motor com 2 pólos. Uma corrente

Leia mais

2 Principio do Trabalho Virtual (PTV)

2 Principio do Trabalho Virtual (PTV) Prncpo do Trabalho rtual (PT)..Contnuo com mcroestrutura Na teora que leva em consderação a mcroestrutura do materal, cada partícula anda é representada por um ponto P, conforme Fgura. Porém suas propredades

Leia mais

58 Textos de Apoio de Análise Matemática IV 2003/2004. Tem-se assim uma decomposição da região rectangular R em mk rectângulos

58 Textos de Apoio de Análise Matemática IV 2003/2004. Tem-se assim uma decomposição da região rectangular R em mk rectângulos 58 Textos de Apoo de Análse Matemátca IV 3/4.3 Integral duplo.3.1 efnção Seja um rectângulo fechado de, sto é, [a, b] [c, d] {(x, y) : a x b e c y d}, com a < b e c < d. Consdere-se uma partção do ntervalo

Leia mais

REGRESSÃO LOGÍSTICA. Seja Y uma variável aleatória dummy definida como:

REGRESSÃO LOGÍSTICA. Seja Y uma variável aleatória dummy definida como: REGRESSÃO LOGÍSTCA. ntrodução Defnmos varáves categórcas como aquelas varáves que podem ser mensurados usando apenas um número lmtado de valores ou categoras. Esta defnção dstngue varáves categórcas de

Leia mais

ELETRICIDADE E MAGNETISMO

ELETRICIDADE E MAGNETISMO PONTIFÍCIA UNIVERSIDADE CATÓLICA DE GOIÁS DEPARTAMENTO DE MATEMÁTICA E FÍSICA Professor: Renato Mederos ELETRICIDADE E MAGNETISMO NOTA DE AULA III Goâna - 2014 CORRENTE ELÉTRICA Estudamos anterormente

Leia mais

Variabilidade Espacial do Teor de Água de um Argissolo sob Plantio Convencional de Feijão Irrigado

Variabilidade Espacial do Teor de Água de um Argissolo sob Plantio Convencional de Feijão Irrigado Varabldade Espacal do Teor de Água de um Argssolo sob Planto Convenconal de Fejão Irrgado Elder Sânzo Aguar Cerquera 1 Nerlson Terra Santos 2 Cásso Pnho dos Res 3 1 Introdução O uso da água na rrgação

Leia mais

Física. Física Módulo 1 Vetores, escalares e movimento em 2-D

Física. Física Módulo 1 Vetores, escalares e movimento em 2-D Físca Módulo 1 Vetores, escalares e movmento em 2-D Vetores, Escalares... O que são? Para que servem? Por que aprender? Escalar Defnção: Escalar Grandea sem dreção assocada. Eemplos: Massa de uma bola,

Leia mais

2 Máquinas de Vetor Suporte 2.1. Introdução

2 Máquinas de Vetor Suporte 2.1. Introdução Máqunas de Vetor Suporte.. Introdução Os fundamentos das Máqunas de Vetor Suporte (SVM) foram desenvolvdos por Vapnk e colaboradores [], [3], [4]. A formulação por ele apresentada se basea no prncípo de

Leia mais

3.1. Conceitos de força e massa

3.1. Conceitos de força e massa CAPÍTULO 3 Les de Newton 3.1. Concetos de força e massa Uma força representa a acção de um corpo sobre outro,.e. a nteracção físca entre dos corpos. Como grandeza vectoral que é, só fca caracterzada pelo

Leia mais

PROBABILIDADE - CONCEITOS BÁSICOS

PROBABILIDADE - CONCEITOS BÁSICOS ROBBILIDD - CONCITOS BÁSICOS xpermento leatóro é um expermento no qual: todos os possíves resultados são conhecdos; resulta num valor desconhecdo, dentre todos os resultados possíves; pode ser repetdo

Leia mais

Representação e Descrição de Regiões

Representação e Descrição de Regiões Depos de uma magem ter sdo segmentada em regões é necessáro representar e descrever cada regão para posteror processamento A escolha da representação de uma regão envolve a escolha dos elementos que são

Leia mais

Resolução das Questões Objetivas

Resolução das Questões Objetivas COMISSÃO PERMANENTE DE SELEÇÃO COPESE PRÓ-REITORIA DE GRADUAÇÃO PROGRAD CONCURSO PISM III - TRIÊNIO 2008-2010 Prova de Matemátca Resolução das Questões Objetvas São apresentadas abaxo possíves soluções

Leia mais

7 - Distribuição de Freqüências

7 - Distribuição de Freqüências 7 - Dstrbução de Freqüêncas 7.1 Introdução Em mutas áreas há uma grande quantdade de nformações numércas que precsam ser dvulgadas de forma resumda. O método mas comum de resumr estes dados numércos consste

Leia mais

Q 1-1,5(Q3-Q1) < X i < Q 3 + 1,5(Q 3 -Q 1 ) Q 3 +1,5(Q 3 -Q 1 ) < X i < Q 3 +3(Q 3 -Q 1 ) Q 1 3(Q 3 -Q 1 ) < X i < Q 1 1,5(Q 3 -Q 1 )

Q 1-1,5(Q3-Q1) < X i < Q 3 + 1,5(Q 3 -Q 1 ) Q 3 +1,5(Q 3 -Q 1 ) < X i < Q 3 +3(Q 3 -Q 1 ) Q 1 3(Q 3 -Q 1 ) < X i < Q 1 1,5(Q 3 -Q 1 ) DIGRM OX-PLOT E CRCTERIZÇÃO DE OUTLIERS E VLORES EXTREMOS Outlers e valores extremos são aqueles que estão muto afastados do centro da dstrbução. Uma forma de caracterzá-los é através do desenho esquemátco

Leia mais

Departamento de Engenharia Civil e Arquitectura MECÂNICA I

Departamento de Engenharia Civil e Arquitectura MECÂNICA I Departamento de Engenhara Cvl e rqutectura Secção de Mecânca Estrutural e Estruturas Mestrado em Engenhara Cvl MECÂNIC I pontamentos sobre equlíbro de estruturas Eduardo Perera Luís Guerrero 2009/2010

Leia mais

Departamento de Informática. Modelagem Analítica. Modelagem Analítica do Desempenho de Sistemas de Computação. Disciplina: Medida de Probabilidade

Departamento de Informática. Modelagem Analítica. Modelagem Analítica do Desempenho de Sistemas de Computação. Disciplina: Medida de Probabilidade Departaento de Inforátca Dscplna: do Desepenho de Ssteas de Coputação Medda de Probabldade Prof. Sérgo Colcher colcher@nf.puc-ro.br Teora da Probabldade Modelo ateátco que perte estudar, de fora abstrata,

Leia mais

Capítulo. Associação de resistores. Resoluções dos exercícios propostos. P.135 a) R s R 1 R 2 R s 4 6 R s 10 Ω. b) U R s i U 10 2 U 20 V

Capítulo. Associação de resistores. Resoluções dos exercícios propostos. P.135 a) R s R 1 R 2 R s 4 6 R s 10 Ω. b) U R s i U 10 2 U 20 V apítulo 7 da físca Exercícos propostos Undade apítulo 7 ssocação de resstores ssocação de resstores esoluções dos exercícos propostos 1 P.15 a) s 1 s 6 s b) U s U 10 U 0 V c) U 1 1 U 1 U 1 8 V U U 6 U

Leia mais

Instituto Latino-Americano de Ciências da Vida e Da Natureza Curso 6 + B 1 ALUNO: 5. Se mnp1 = 3 2mnp, calcule m + n + p.

Instituto Latino-Americano de Ciências da Vida e Da Natureza Curso 6 + B 1 ALUNO: 5. Se mnp1 = 3 2mnp, calcule m + n + p. os esportes? três esportes, quantos pratcam só dos o total de esportstas é 76 e 10 deles pratcam posconados nos círculos pntados 8 pratcam Encontre ofutebol, valor de 3Sbasquete na segunte e 40expressão:

Leia mais

N r força de reação normal P r força peso F r

N r força de reação normal P r força peso F r UNIVRSIDAD DRAL D SANTA CATARINA COMISSÃO PRMANNT DO VSTIBULAR CONCURSO VSTIBULAR-USC/2011 GABARITO DA QUSTÃO DISCURSIVA 1 a) (1,00 ponto) (obs Desenho não está em escala) N r força de reação normal P

Leia mais

Probabilidade nas Ciências da Saúde

Probabilidade nas Ciências da Saúde UNIVERSIDDE ESTDUL DE GOIÁS Undade Unverstára de Cêncas Exatas e Tecnológcas Curso de Lcencatura em Matemátca robabldade nas Cêncas da Saúde Rafaela Fernandes da Slva Santos NÁOLIS 014 Rafaela Fernandes

Leia mais

Influência dos Procedimentos de Ensaios e Tratamento de Dados em Análise Probabilística de Estrutura de Contenção

Influência dos Procedimentos de Ensaios e Tratamento de Dados em Análise Probabilística de Estrutura de Contenção Influênca dos Procedmentos de Ensaos e Tratamento de Dados em Análse Probablístca de Estrutura de Contenção Mara Fatma Mranda UENF, Campos dos Goytacazes, RJ, Brasl. Paulo César de Almeda Maa UENF, Campos

Leia mais

Índices de Concentração 1

Índices de Concentração 1 Índces de Concentração Crstane Alkmn Junquera Schmdt arcos André de Lma 3 arço / 00 Este documento expressa as opnões pessoas dos autores e não reflete as posções ofcas da Secretara de Acompanhamento Econômco

Leia mais

ESCOLA DE APLICAÇÃO DR. ALFREDO JOSÉ BALBI UNITAU APOSTILA PROF. CARLINHOS MATRIZES NOME DO ALUNO: Nº TURMA: blog.portalpositivo.com.

ESCOLA DE APLICAÇÃO DR. ALFREDO JOSÉ BALBI UNITAU APOSTILA PROF. CARLINHOS MATRIZES NOME DO ALUNO: Nº TURMA: blog.portalpositivo.com. ESCOL DE PLICÇÃO DR. LFREDO JOSÉ BLBI UNITU POSTIL MTRIZES PROF. CRLINHOS NOME DO LUNO: Nº TURM: blog.portalpostvo.com.br/captcar MTRIZES Uma matrz de ordem m x n é qualquer conunto de m. n elementos dspostos

Leia mais