Balança Comercial de Mato Grosso do Sul

Save this PDF as:
 WORD  PNG  TXT  JPG

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "Balança Comercial de Mato Grosso do Sul"

Transcrição

1 1

2 2

3 Bilhões (US$) BALANÇA COMERCIAL DE MATO GROSSO DO SUL A IMPORTÂNCIA DO AGRONEGÓCIO NO DESEMPENHO DO SETOR EXTERNO DO ESTADO Com dados consolidados para o ano de 2011, acerca do desempenho da economia Sul-Mato-Grossense no setor externo, destaca-se a relevância do agronegócio no equilíbrio da Balança Comercial do Estado. A atividade agropecuária é forte geradora de divisas, movida pelas exportações de carnes (bovina, aves, suína), produtos do complexo soja, produtos florestais e do complexo sucroalcooleiro, o setor vem apresentando em sua evolução superávits cada vez maiores, enquanto os demais setores da economia acumulam déficits crescentes. Fonte: Agrostat/MAPA,SECEX; Elaboração: UNITEC/FAMASUL 4 3 Balança Comercial de Mato Grosso do Sul AGRONEGÓCIO OUTROS SETORES TOTAL

4 Em 2011 o agronegócio foi responsável por 83% das exportações de Mato Grosso do Sul, gerando receita equivalente a US$ 3,239 Bilhões, as importações do setor, por sua vez, somaram US$ 352,9 Milhões, o que proporcionou um superávit na Balança Comercial do Agronegócio estadual de US$ 2,886 Bilhões, crescimento de mais de 21% em relação ao superávit apresentado pelo setor em O avanço evidencia a expansão contínua do agronegócio, a valorização das commodities agrícolas em paralelo ao bônus cambial contribuíram para maior competitividade, indicando o desempenho record do agronegócio no setor externo em No contexto geral do Estado, contabilizando os demais setores da economia, Mato Grosso do Sul fechou o ano de 2011 apresentando déficit na Balança Comercial na ordem de US$ 552,8 Milhões. Ressalta-se que mesmo com tamanha contribuição do agronegócio o Estado vem apresentando déficit comercial nos últimos anos, tal aspecto justifica-se em grande parte pela significativa importação de gás natural, que em sua maioria é para redistribuição entre os demais estados brasileiros, todavia é contabilizada em território estadual por ser este a via de entrada do produto. 4

5 Análise: BOVINOCULTURA Após o ano de 2010, em que a arroba do boi atingiu preços recordes históricos, o ano de 2011 se iniciou com expectativas otimistas de preços para o mercado do boi gordo. O ritmo acelerado do crescimento populacional e o aumento no nível de renda mundial foram fatores determinantes para fixação dos preços em patamar elevado. Em Mato Grosso do Sul, de janeiro a outubro de 2011, os preços de comercialização da arroba foram superiores aos observados em Ao final de 2011 pode-se observar no Estado uma desaceleração da demanda, com uma retração na venda da carne os preços recuaram e o ano de 2012 se inicia sob uma pressão de baixa nos preços. No atacado e no varejo os preços negociados seguiram o mesmo ritmo. Na ponta da cadeia observou-se que a redução no consumo da carne bovina que se evidenciou ao final de 2011 ocorreu principalmente nos cortes nobres, indicando um consumidor mais cauteloso em relação ao fechamento de Os abates bovinos em 2011 se mantiveram em níveis inferiores aos observados em 2010, apresentando redução de 1,21%, em relação ao último ano. A oferta de machos foi modesta ao longo da maior parte do ano e a demanda de carne foi suprida pela maior oferta de fêmeas. A participação de fêmeas nos abates em Mato Grosso do Sul aumentou significativamente no último ano, saindo de 39% em 2010 para representar cerca de 45% em Dois aspectos fundamentais podem envolver este aumento: primeiro, a falta de pastagem; e o segundo pode ser atribuído aos resultados ruins da última estação de monta, fornecendo um descarte maior de vacas. O crescimento constatado no abate de matrizes compromete a possibilidade de uma inversão no ciclo pecuário, reduzindo a possibilidade de maior oferta de animais em 2012, limitando ainda mais a oferta de animais para reposição, que em 2011 já foi reduzida. A redução no abate de bovinos comprometeu o resultado das exportações do Estado que apresentou desempenho inferior em 2011 na carne bovina in natura. O volume exportado em 2011 foi 32% inferior ao exportado em 2010 e o faturamento caiu cerca de 15% no período. O impacto na receita com exportação do produto só não foi ainda pior devido à desvalorização cambial em consonância com a valorização da mercadoria no mercado internacional. No ranking nacional dos estados exportadores de carne bovina o Mato Grosso do Sul ocupa a 4ª colocação e o principal comprador em 2011 continuou sendo o Irã, o segundo lugar foi assumido pelo Egito que ultrapassou a Rússia e se apresenta como um importante parceiro comercial ao Estado. 5

6 - Cotações Boi Arroba Regiões PREÇO MÉDIO PARA ARROBA DO BOI À VISTA LIVRE EM MATO GROSSO DO SUL NO ANO DE 2011 (R$) Mês Jan Fev Mar Abr Mai Jun Jul Ago Set Out Nov Dez Var. no Ano (%) Sul 93,70 95,00 96,11 95,64 92,43 88,86 91,31 94,00 92,63 93,38 95,38 93,86 0,17 Sudeste 94,00 95,29 96,83 96,00 92,33 89,00 91,29 94,29 92,46 93,67 95,50 92,86-1,22 Centro 94,00 95,00 96,50 96,14 92,43 88,93 91,25 94,25 92,38 93,50 95,38 91,71-2,43 Nordeste 92,67 94,13 95,72 95,36 91,42 89,33 90,64 94,00 91,81 93,63 95,56 95,00 2,52 Norte 92,67 94,63 96,50 96,50 92,57 88,86 91,31 94,38 92,63 93,38 96,06 93,00 0,36 Preço Médio 93,41 94,81 96,33 95,93 92,24 89,00 91,16 94,18 92,38 93,51 95,58 93,29-0,13 Regiões Fonte: UNITEC/FAMASUL. PREÇO MÉDIO PARA ARROBA DA VACA À VISTA LIVRE EM MATO GROSSO DO SUL NO ANO DE 2011 (R$) Mês Jan Fev Mar Abr Mai Jun Jul Ago Set Out Nov Dez Var. no Ano (%) Sul 84,80 85,75 86,89 86,14 83,21 80,14 81,81 85,63 86,69 87,69 89,19 88,43 4,28 Sudeste 85,82 86,21 87,69 86,24 82,81 79,86 82,67 85,54 86,46 88,04 90,42 87,05 1,43 Centro 85,42 86,13 87,06 86,14 82,50 79,86 81,88 85,38 86,63 87,69 89,56 86,57 1,35 Nordeste 85,42 86,38 87,61 85,93 82,93 80,71 82,69 86,06 86,69 88,13 90,38 89,50 4,78 Norte 85,00 85,88 86,83 86,50 82,64 80,00 81,88 84,94 86,63 88,00 90,19 87,64 3,11 Preço Médio 85,29 86,07 87,21 86,19 82,82 80,11 82,18 85,51 86,62 87,91 89,95 87,84 2,99 Fonte: UNITEC/FAMASUL Carne no Atacado PREÇO MÉDIO DA CARNE BOVINA NO ACATADO EM MATO GROSSO DO SUL NO ANO DE 2011 (R$/Kg) CORTES Jan Fev Mar Abr Mai Jun Jul Ago Set Out Nov Dez Var. no ano (%) BOI - TRASEIRO C/ OSSO 7,98 7,91 7,81 7,62 7,91 7,49 7,73 7,60 7,58 7,43 7,55 7,51-5,78 BOI - DIANTEIRO C/ OSSO 4,96 5,23 5,49 5,67 5,60 5,45 5,47 5,44 5,30 5,43 5,51 5,46 10,11 BOI - PONTA DE AGULHA 6,33 5,93 6,53 6,48 6,48 6,23 5,83 6,51 6,45 6,36 6,56 6,51 2,88 BOI - CARCAÇA CASADA 6,77 6,61 6,81 6,86 6,88 6,68 6,35 6,61 6,65 6,61 6,68 6,62-2,15 VACA - CARCAÇA CASADA 6,33 6,19 6,31 6,30 6,19 6,38 6,18 6,34 6,31 6,33 6,43 6,42 1,52 Fonte: UNITEC/FAMASUL. 6

7 Carne no Varejo PREÇO DOS PRINCIPAIS CORTES DE CARNE BOVINA NO VAREJO NO ANO DE 2011 (R$/Kg) Cortes Jan Fev Mar Abr Mai Jun Jul Ago Set Out Nov Dez Var.Nov a Dez (%) Var. no ano (%) Acém Agulha 9,52 9,65 10,47 9,72 9,28 9,18 9,45 10,10 9,45 10,22 10,09 11,50 13,97 20,80 Alcatra 17,98 16,16 16,09 15,92 15,47 15,75 15,31 15,55 16,12 17,13 17,48 19,13 9,44 6,40 Contra - Filé 19,19 17,58 15,76 15,58 15,69 15,07 14,98 15,49 15,90 15,92 17,10 18,56 8,54-3,28 Costela Ripa 7,30 7,52 7,40 7,38 6,83 7,81 7,69 8,00 7,62 8,13 7,50 7,33-2,27 0,41 Coxão Mole 14,65 14,78 14,90 14,47 13,98 14,30 14,65 14,47 14,96 14,83 15,69 17,36 10,64 18,50 Cupim 13,32 13,44 12,54 13,60 14,02 13,95 14,36 14,74 15,21 3,19 14,19 Fígado 8,24 6,96 7,14 6,66 7,27 7,48 7,36 7,25 7,92 8,08 7,91 8,21 3,79-0,36 Filé Mignon 31,22 23,10 20,46 22,13 21,15 21,30 21,22 21,48 22,06 23,97 25,37 30,83 21,52-1,25 Lagarto 13,96 12,63 11,82 12,17 12,48 11,99 12,22 12,84 13,80 14,19 14,46 15,13 4,63 8,38 Músculo 9,02 8,95 9,61 9,27 9,27 8,85 9,07 9,68 9,79 9,59 9,95 10,35 4,02 14,75 Paleta 9,86 10,28 10,47 10,02 9,22 9,91 9,79 10,56 9,79 10,35 10,45 10,73 2,68 8,82 Patinho 13,60 12,82 13,10 13,80 13,47 13,24 13,39 13,79 13,89 13,36 14,71 15,19 3,26 11,69 Peito 10,40 10,55 10,46 9,99 9,64 9,56 9,59 9,83 9,39 10,03 10,42 10,32-0,96-0,77 Picanha 28,55 25,52 20,61 22,44 21,28 21,28 21,20 20,35 21,68 22,60 24,39 26,50 8,65-7,18 Fonte: Núcleo de Estudos e Pesquisas Econômicas e Sociais (NEPES) Universidade Anhanguera/Uniderp; Elaboração: UNITEC/FAMASUL. PREÇO DE VISCERAS DE BOI NO VAREJO NO ANO DE 2011 (R$/Kg) Cortes Jan Fev Mar Abr Mai Jun Jul Ago Set Out Nov Dez Var.Nov a Dez (%) Var. no ano (%) Bucho 5,26 5,59 6,62 7,48 6,91 7,22 8,49 8,46 8,37 7,35 8,66 8,22-5,06 56,30 Lingua 5,64 6,04 5,13 6,06 5,98 6,36 6,43 6,49 6,44 6,48 6,72 7,24 7,66 28,28 Rins 2,53 2,59 2,57 2,87 2,94 2,86 2,83 3,21 3,30 3,40 3,38 3,55 4,99 40,26 Mocotó 4,31 4,23 4,40 4,33 3,94 4,67 5,32 5,35 5,73 5,74 6,04 5,67-6,13 31,71 Rabada 11,83 12,12 12,63 12,50 12,34 11,11 11,95 11,74 12,00 11,36 12,04 13,12 8,97 10,90 Fonte: Núcleo de Estudos e Pesquisas Econômicas e Sociais (NEPES) Universidade Anhanguera/Uniderp; Elaboração: UNITEC/FAMASUL. 7

8 Abate Total ABATE SIF MS BOVINOS MÊS Nº DE ANIMAIS PESO MORTO (Kg) MÉDIA/PESO Janeiro ,67 Fevereiro ,97 Março ,68 Abril ,04 Maio ,59 Junho ,41 Julho ,73 Agosto ,82 Setembro ,76 Outubro ,92 Novembro ,12 Dezembro ,73 TOTAIS ,24 Fonte: SIPOA SFA/MS. Elaboração: UNITEC/FAMASUL. MÊS COMPARATIVO ABATE BOVINO EM MS 2011/2010 Nº DE ANIMAIS 2010 Nº DE ANIMAIS 2011 Var. (%) 2011/2010 Janeiro ,53 Fevereiro ,10 Março ,52 Abril ,11 Maio ,71 Junho ,50 Julho ,83 Agosto ,34 Setembro ,81 Outubro ,01 Novembro ,04 Dezembro ,89 TOTAIS ,21 Fonte: SIPOA SFA/MS. Elaboração: UNITEC/FAMASUL. 8

9 Abate de Fêmeas COMPARATIVO DO ABATE DE FÊMEAS EM MS /2010 (Janeiro a Novembro) FÊMEAS ABATIDAS FÊMEAS ABATIDAS Var. (%) MÊS /2010 Janeiro ,87 Fevereiro ,09 Março ,07 Abril ,83 Maio ,46 Junho ,05 Julho ,44 Agosto ,66 Setembro ,26 Outubro ,42 Novembro ,46 TOTAIS ,25 Fonte: IAGRO MS. Elaboração: UNITEC/FAMASUL. Fonte: IAGRO MS. Elaboração: UNITEC/FAMASUL. 9

10 Período Exportações EXPORTAÇÃO CARNE BOVINA IN NATURA - BRASIL Var. Peso Líquido(Kg) US$ (%) Var.Kg (%) Janeiro , ,78 Fevereiro , ,86 Março , ,72 Abril , ,49 Maio , ,24 Junho , ,40 Julho , ,26 Agosto , ,27 Setembro , ,50 Outubro , ,25 Novembro , ,58 Dezembro , ,71 TOTAL , ,77 Período EXPORTAÇÃO CARNE BOVINA IN NATURA - MATO GROSSO DO SUL Var. Peso Líquido(Kg) US$ (%) Var. Kg (%) Janeiro , ,81 Fevereiro , ,68 Março , ,70 Abril , ,21 Maio , ,92 Junho , ,63 Julho , ,99 Agosto , ,05 Setembro , ,28 Outubro , ,84 Novembro , ,62 Dezembro , ,46 TOTAL , ,03 10

11 EXPORTAÇÃO BRASILEIRA DE CARNE BOVINA IN NATURA - RANKING POR ESTADOS DA FEDERAÇÃO Principais Estados Exportadores Obs.: Ranking de acordo com os valores observados para o ano de 2011 Var. Peso Líquido(Kg) US$ (%) Var. Kg (%) 1º São Paulo , ,18 2º Mato Grosso , ,17 3º Goiás , ,13 4º Mato Grosso do Sul , ,04 5º Minas Gerais , ,50 6º Rondonia , ,44 7º Pará , ,79 8º Tocantins , ,43 9º Rio Grande do Sul , ,00 10º Espírito Santo , ,70 PRINCIPAIS PAÍSES IMPORTADORES DE CARNE BOVINA IN NATURA SUL-MATO-GROSSENSE EM 2011 Descrição: Carcaças e meias-carcaças de bovino, frescas ou refrig. ; Carnes desossadas de bovino, congeladas. Período: Janeiro a Dezembro de 2011 Principais Países Importadores Peso Líquido(Kg) Preço Médio de Exportação (US$/Kg) 1 Irã ,11 2 Egito ,24 3 Rússia ,45 4 Venezuela ,34 5 Hong Kong ,36 PRINCIPAIS PORTOS DE ESCOAMENTO DAS EXPORTAÇÕES SUL-MATO-GROSSENSES DE CARNE BOVINA IN NATURA Descrição: Carcaças e meias carcaças de bovino, frescas ou refrig. ; Carnes desossadas de bovino, congeladas. Principais Portos de Destino Período: Janeiro a Dezembro de 2011 Participação Relativa (% ) Peso Líquido(Kg) Participação Relativa (% Kg) 1 Porto de Santos - SP , ,13 2 Porto de Paranaguá - PR , ,59 3 Porto de Itajaí- SC , ,31 4 Porto de Dionísio Cerqueira - SC , ,17 Outros Portos , ,78 11

12 AVICULTURA Aves Abatidas (R$/Kg) Análise: O setor avícola encerrou o ano de 2011 com expansão notável do frango brasileiro, superando as dificuldades enfrentadas principalmente no segundo semestre, causadas pelo desequilíbrio entre oferta e demanda e pelo alto preço dos insumos com as cotações para o milho atingindo preços recordes no primeiro semestre do ano, pressionando com isso os custos de produção. Entretanto, os preços ao produtor de frango não acompanharam esse incremento. No mercado interno, observou-se aumento da atividade econômica e da renda nacional, que resultaram em demanda aquecida. Em Mato Grosso do Sul os preços tanto do frango para abate como da carne ao consumidor se valorizaram ao longo de 2011 e foram superiores aos preços praticados em Os abates de aves do Estado em 2011 permaneceram praticamente estáveis em relação a Em relação ao cenário externo, as exportações do produto em Mato Grosso do Sul não tiveram forte alteração em volume exportado em relação a 2010, todavia com a valorização do produto no mercado internacional o faturamento cresceu cerca de 27% em 2011, gerando ao Estado receita de US$ 312,7 milhões. Os principais parceiros comerciais do Estado na comercialização da carne de frango exportada foram Japão e Arábia Saudita, que juntos compraram cerca de 63,4 mil toneladas do produto, equivalentes ao pagamento de US$ 171,6 milhões ao Estado. Cotações PREÇO MÉDIO PARA AVES ABATIDAS EM MATO GROSSO DO SUL NO ANO DE 2011 (R$/KG) Mês Jan Fev Mar Abr Mai Jun Jul Ago Set Out Nov Dez Var. no Ano (%) Valor Mínimo 3,62 3,41 3,12 3,05 3,36 2,92 2,83 2,99 2,86 2,89 2,97 3,20-11,47 Valor Máximo 4,30 4,29 4,26 4,64 4,71 4,39 4,04 3,92 4,15 4,23 4,15 4,39 1,98 Preço Médio 3,96 3,85 3,69 3,85 4,03 3,65 3,44 3,45 3,51 3,56 3,56 3,79-4,17 Fonte: CEASA/MS; Elaboração: UNITEC/FAMASUL. 12

13 PREÇO DOS PRINCIPAIS CORTES DE CARNE DE FRANGO NO VAREJO EM MS (R$/Kg) Cortes Jan Fev Mar Abr Mai Jun Jul Ago Set Out Nov Dez Var. (%) Nov/Dez Var. no ano (%) Fran/galin. abat. Copacol 4,50 4,61 4,44 4,59-4,48 3,99-4,62 4,71 4,92 4,79-2,64 6,44 Asas 8,35 8,18 8,95 8,69 7,57 7,63 7,88 7,88 8,39 8,45 7,82 8,21 4,99-1,68 Coxas 6,97 6,74 7,19 6,77 7,01 7,02 7,07 7,10 6,78 7,24 7,75 7,74-0,13 11,05 Coxas/Sobre Coxas 6,69 6,70 6,81 6,86 6,94 6,56 6,90 7,28 7,41 7,42 7,78 7,03-9,64 5,08 Coxinha Da Asa 8,77 8,70 8,66 8,56 8,44 8,73 8,20 8,00 8,53 8,48 8,07 9,12 13,01 3,99 Peito S/ Osso 10,08 9,62 9,73 9,53 9,35 9,51 9,93 10,40 11,14 9,64 10,32 9,48-8,14-5,95 Peito 7,85 7,59 7,70 7,55 7,90 7,70 7,58 7,67 8,40 8,44 7,90 7,97 0,89 1,53 Fran/galin. abat. Ouro 4,55 4,55 4,55-4,55-4,02 4,59 4,49 4,41-4, ,91 Coração de Frango Coração - Perdigão ,99 14,30 12,45 14,25 16,60 14,20 13,75 12, ,85 Coração - Copacol 14,49 16,1 16,25 14,69 16,04 15,33 15,89 15,87 15,80 15,61 15,16 14,05-7,32-3,04 Coração - Sadia 21,09 19,64 19,73 18,60 20,60 17,54 15,09 16,12 13,44 14,74 16,10 15,19-5,65-27,98 Fonte: Núcleo de Estudos e Pesquisas Econômicas e Sociais (NEPES) Universidade Anhanguera/Uniderp; Elaboração: UNITEC/FAMASUL. Abates MÊS ABATE SIF MS AVES Nº DE ANIMAIS (milhões) PESO MORTO (kg) MÉDIA/PESO Janeiro ,262 Fevereiro ,288 Março ,295 Abril ,360 Maio ,349 Junho ,378 Julho ,376 Agosto ,290 Setembro ,322 Outubro ,397 Novembro ,428 Dezembro ,296 TOTAIS ,336 Fonte: SIPOA SFA/MS. Elaboração: UNITEC/FAMASUL. 13

14 MÊS COMPARATIVO ABATES DE AVES EM MS 2011/2010 Nº DE ANIMAIS 2010 (milhões) Nº DE ANIMAIS 2011 (milhões) Var. (%) 2011/2010 Janeiro ,59 Fevereiro ,92 Março ,22 Abril ,65 Maio ,46 Junho ,09 Julho ,54 Agosto ,23 Setembro ,40 Outubro ,57 Novembro ,08 Dezembro ,27 TOTAIS ,03 Fonte: SIPOA SFA/MS. Elaboração: UNITEC/FAMASUL 14

15 Período Exportações EXPORTAÇÃO CARNE DE FRANGO IN NATURA - BRASIL Var. Peso Líquido(Kg) US$ (%) Var. Kg (%) Janeiro , ,74 Fevereiro , ,06 Março , ,98 Abril , ,73 Maio , ,44 Junho , ,15 Julho , ,58 Agosto , ,93 Setembro , ,94 Outubro , ,37 Novembro , ,63 Dezembro , ,68 TOTAL , ,15 Período EXPORTAÇÃO CARNE DE FRANGO IN NATURA - MATO GROSSO DO SUL Var. Peso Líquido(Kg) US$ (%) Var. Kg (%) Janeiro , ,50 Fevereiro , ,94 Março , ,28 Abril , ,75 Maio , ,88 Junho , ,02 Julho , ,26 Agosto , ,87 Setembro , ,82 Outubro , ,00 Novembro , ,91 Dezembro , ,78 TOTAL , ,44 15

16 EXPORTAÇÃO BRASILEIRA DE CARNE DE FRANGO IN NATURA - RANKING POR ESTADOS DA FEDERAÇÃO Principais Estados Exportadores Obs.: Ranking de acordo com os valores observados para o ano de 2011 Var. US$ Peso Líquido(Kg) (%) º Santa Catarina , ,82 2º Paraná , ,99 3º Rio Grande do Sul , ,84 4º São Paulo , ,39 16 Var. Kg (%) 5º Mato Grosso , ,99 6º Goiás , ,27 7º Minas Gerais , ,46 8º Mato Grosso do Sul , ,44 9º Distrito Federal , ,49 10º Espírito Santo , ,30 PRINCIPAIS PAÍSES IMPORTADORES DE CARNE DE FRANGO IN NATURA SUL-MATO-GROSSENSE EM 2011 Descrição: Carnes de galos e galinhas, inteiros, frescos, refrigerados, congelados. Período: Janeiro a Dezembro de 2011 Principais Países Importadores Peso Líquido (Kg) Preço Médio de Exportação (US$/Kg) 1 Japão ,30 2 Arábia Saudita ,10 3 China ,27 4 Holanda ,56 5 Hong Kong ,63 PORTOS DE ESCOAMENTO DAS EXPORTAÇÕES SUL-MATO-GROSSENSES DE CARNE DE FRANGO IN NATURA Descrição: Carnes de galos e galinhas, inteiros, frescos, refrigerados, congelados. Período: Janeiro a Dezembro de 2011 Principais Portos de Destino Participação Relativa (% ) Peso Líquido(Kg) Participação Relativa (% Kg) 1 Porto de Paranaguá - PR , ,22 2 Porto de Itajaí - SC , ,28 3 Porto de São Francisco do Sul - SC , ,21 4 Porto de Imbituba - SC , ,95 Outros Portos , ,33

17 Análise: SUINOCULTURA Seguindo o mesmo ritmo da avicultura, o setor suinícola brasileiro também enfrentou em 2011 uma pressão sobre os custos com o nível elevado nos preços do milho. Em Mato Grosso do Sul, mesmo com os impactos de um custo de produção elevado, o setor vem crescendo significativamente ano após ano apoiado na intensificação da comercialização internacional do produto com bons preços negociados. O setor externo tem garantido uma demanda crescente com a diversificação dos parceiros comerciais e uma boa relação com os países do Mercosul. Sem falar ainda que o ano de 2012 se inicia com uma noticia otimista para o setor com o anuncio dos EUA à abertura de importação para carne suína do Brasil, fato este que além de proporcionar um novo e forte mercado, representa um valioso selo de qualidade à carne brasileira e sem dúvidas colaborará ainda mais para o incremento das exportações do produto. Os números comprovam o crescimento da suinocultura em Mato Grosso do Sul: Os abates tiveram incremento de 14% e a média de peso dos animais abatidos também vem crescendo evidenciando ganhos de produtividade e eficiência produtiva; O volume exportado no Estado cresceu 22% em 2011 e a receita com exportação do produto se elevou em quase 30%. Com o crescimento das exportações Mato Grosso do Sul ultrapassou Mato Grosso em 2011 e agora é o 6 estado brasileiro que mais exporta carne suína. O principal país de destino das exportações Sul-Mato-Grossenses de carne suína in natura em 2011 foi a Argentina, sendo responsável pelo pagamento de US$ 10,3 milhões ao Estado com as compras do produto. Cotações PREÇO MÉDIO PARA SUÍNOS EM MATO GROSSO DO SUL NO ANO DE 2011 Kg. peso vivo e Kg. carcaça Mês Suíno (R$/kg peso vivo) Jan Fev Mar Abr Mai Jun Jul Ago Set Out Nov Dez Var. no Ano (%) Valor Mínimo 2,95 2,10 2,03 2,40 2,34 1,90 2,00 2,29 2,20 2,20 2,39 2,61-11,44 Valor Máximo 2,95 2,26 2,28 2,50 2,45 2,06 2,10 2,39 2,30 2,33 2,48 2,79-5,51 Preço Médio 2,95 2,18 2,15 2,45 2,39 1,98 2,05 2,34 2,25 2,27 2,43 2,70-8,47 Suíno Carcaça (R$/Kg) Mês Jan Fev Mar Abr Mai Jun Jul Ago Set Out Nov Dez Var. no Ano (%) Valor Mínimo 5,50 5,50 4,70 5,00 4,94 4,50 4,63 4,94 4,50 4,50 4,61 4,80-12,73 Valor Máximo 6,00 5,50 5,81 6,00 5,94 5,50 5,50 5,50 5,50 5,50 5,50 5,50-8,33 Preço Médio 5,75 5,50 5,26 5,50 5,44 5,00 5,06 5,22 5,00 5,00 5,06 5,15-10,43 Fonte: CEASA/MS; Elaboração: UNITEC/FAMASUL. 17

18 PREÇO DOS PRINCIPAIS CORTES DE CARNE SUÍNA NO VAREJO EM MS (R$/Kg) Cortes Jan Fev Mar Abr Mai Jun Jul Ago Set Out Nov Dez Var. (%) Nov/Dez Var. (%) Acum. ano Bísteca (kg) 8,55 7,91 8,83 8,38 7,95 7,25 8,18 8,86 8,94 8,33 8,83 9,94 12,57 16,26 Costeleta (kg) 9,39 8,65 9,46 8,59 7,79 8,02 9,22 9,01 9,10 9,48 9,56 9,49-0,73 1,06 Pernil (kg) 8,00 8,41 8,62 8,89 7,47 7,08 7,64 8,15 7,91 8,41 8,32 8,98 7,93 12,25 Fonte: Núcleo de Estudos e Pesquisas Econômicas e Sociais (NEPES) Universidade Anhanguera/Uniderp; Elaboração: UNITEC/FAMASUL. Abates ABATE SIF MS SUÍNOS MÊS Nº DE ANIMAIS PESO MORTO (kg) MÉDIA/PESO Janeiro ,637 Fevereiro ,571 Março ,983 Abril ,233 Maio ,267 Junho ,308 Julho ,118 Agosto ,678 Setembro ,969 Outubro ,839 Novembro ,806 Dezembro ,779 TOTAIS ,807 Fonte: SIPOA SFA/MS. Elaboração: UNITEC/FAMASUL. 18

19 COMPARATIVO ABATE SUÍNO EM MS 2011/2010 MÊS Nº DE ANIMAIS 2010 Nº DE ANIMAIS 2011 Var. (%) 2011/2010 Janeiro ,01 Fevereiro ,23 Março ,79 Abril ,38 Maio ,18 Junho ,49 Julho ,23 Agosto ,78 Setembro ,48 Outubro ,31 Novembro ,13 Dezembro ,55 TOTAIS ,99 Fonte: SIPOA SFA/MS. Elaboração: UNITEC/FAMASUL. Exportações Período EXPORTAÇÃO CARNE SUÍNA IN NATURA - BRASIL Var. Peso Líquido(Kg) US$ (%) Var. Kg (%) Janeiro , ,88 Fevereiro , ,75 Março , ,32 Abril , ,41 Maio , ,18 Junho , ,20 Julho , ,32 Agosto , ,67 Setembro , ,28 Outubro , ,26 Novembro , ,96 Dezembro , ,71 TOTAL , ,95 19

20 Período EXPORTAÇÃO CARNE SUÍNA IN NATURA - MATO GROSSO DO SUL Var. Peso Líquido(Kg) US$ (%) Var. Kg (%) Janeiro , ,93 Fevereiro , ,53 Março , ,13 Abril , ,95 Maio , ,71 Junho , ,70 Julho , ,37 Agosto , ,99 Setembro , ,03 Outubro , ,17 Novembro , ,17 Dezembro , ,66 TOTAL , ,08 EXPORTAÇÃO BRASILEIRA DE CARNE SUÍNA IN NATURA - RANKING POR ESTADOS DA FEDERAÇÃO Obs.: Ranking de acordo com os valores observados para o ano de 2011 Var. Peso Líquido(Kg) Principais Estados Exportadores US$ (%) Var. Kg (%) 1º Santa Catarina , ,64 2º Rio Grande do Sul , ,34 3º Paraná , ,16 4º Goiás , ,32 5º Minas Gerais , ,55 6º Mato Grosso do Sul , ,08 7º Mato Grosso , ,08 8º São Paulo , ,94 20

21 PRINCIPAIS PAÍSES IMPORTADORES DE CARNE SUÍNA IN NATURA SUL-MATO-GROSSENSE EM 2011 Descrição: Carcaças e meias-carcaças de suíno, frescas ou refrig. ; Outras carnes de suínos, congeladas. Período: Janeiro a Dezembro de 2011 Principais Países Importadores Peso Líquido(Kg) Preço Médio de Exportação (US$/Kg) 1 Argentina ,31 2 Hong Kong ,96 3 Venezuela ,18 4 Cingapura ,38 5 Equador ,90 PORTOS DE ESCOAMENTO DAS EXPORTAÇÕES SUL-MATO-GROSSENSES DE CARNE SUÍNA IN NATURA EM 2011 Descrição: Carcaças e meias carcaças de suíno, frescas ou refrig. ; Outras carnes de suíno, congeladas. Principais Portos de Destino Período: Janeiro a Dezembro de 2011 Participação Relativa (% ) Peso Líquido(Kg) Participação Relativa (% Kg) 1 Porto de Itajaí - SC , ,30 2 Porto de Paranaguá - PR , ,73 3 Porto de Dionísio Cerqueira - SC , ,65 4 Porto de Uruguaiana - Rodovia - RS , ,55 Outros Portos , ,78 21

22 Análise: SOJA O ano de 2011 se encerrou com bons resultados para o mercado da soja, os preços foram negociados ao longo do ano por valores bem acima dos praticados em A safra 2010/11 foi projetada e comercializada num cenário otimista de preços, em Mato Grosso do Sul os resultados só não foram melhores por conta do excesso de chuva que se observou no período de colheita, impactando na qua-lidade dos grãos com o excesso de umidade. Seguindo o mesmo ritmo, a safra 2011/12, por sua vez, foi planejada em um momento altista de preços deixando boas expectativas aos produtores, todavia o ano de 2011 se encerrou com as cotações para a oleaginosa em queda e a questão climática assolou mais uma vez o Estado, desta vez a safra teve seu desenvolvimento prejudicado por um longo período de estiagem, as perdas já são consideráveis e as estimativas de produtividade estão sendo revistas para baixo. Referente ao desempenho do Estado no mercado externo com a soja e derivados, Mato Grosso do Sul arrecadou cerca de US$ 695,5 milhões com exportação de soja em grão em 2011, valor 36% superior ao obtido em 2010, números estes que manteve o Estado na sexta posição no ranking dos principais estados brasileiros exportadores da mercadoria. A receita com exportação de óleo de soja totalizou US$ 106,1 milhões em 2011, alta de 75% em relação ao valor gerado no ano anterior. Já as exportações do Estado para o farelo de soja somaram US$ 149,6 milhões, apresentando retração de 13% no comparativo ao ano de Ressalta-se o significativo avanço do Estado que vem sendo observado ano após ano nas exportações do óleo de soja, indicando uma importante agregação de valor ao produto exportado, e mantendo, por conseguinte, maior parcela de renda dentro do Estado. O principal país importador da soja em grão Sul-Mato-Grossense foi a China, que sozinha foi responsável pelo pagamento de US$ 532 milhões ao Estado, referente ao embarque de 1,05 milhões de toneladas da mercadoria. O porto de Santos foi a principal via de saída com participação de 40% no escoamento da soja em grão. 22

23 Cotações PREÇO MÉDIO DA SOJA EM MATO GROSSO DO SUL NO ANO DE EM R$ POR SACA DE 60 KG. Municípios Mês Var. Jan Fev Mar Abr Mai Jun Jul Ago Set Out Nov Dez Ano (%) Amambai 46,88 45,19 41,75 40,38 39,38 39,13 39,06 40,50 43,50 42,29 42,23 40,81-12,93 Caarapó 46,80 45,14 42,24 40,73 39,91 39,75 39,56 40,98 44,06 41,63 41,63 39,63-15,33 Campo Grande 47,73 45,48 43,13 41,74 40,81 40,69 40,81 42,00 44,63 42,35 42,50 40,63-14,88 Chapadão do Sul 46,39 45,01 42,11 39,46 39,28 39,19 39,13 40,81 44,19 41,13 41,24 38,91-16,11 Dourados 47,75 45,81 42,94 41,04 40,73 40,13 40,31 42,04 44,56 42,38 42,25 40,63-14,92 Maracajú 46,41 44,68 41,86 40,60 39,59 39,19 39,25 40,63 43,19 41,41 41,41 39,63-14,62 São Gabriel do Oeste 45,81 43,38 41,78 39,89 38,93 39,13 39,31 40,54 43,81 41,06 41,31 38,94-15,01 Sidrolândia 46,75 44,75 41,99 40,39 40,25 39,34 39,50 40,91 43,50 41,49 41,59 39,85-14,76 Preço Médio 46,81 44,93 42,22 40,53 39,86 39,57 39,62 41,05 43,93 41,72 41,77 39,88-14,82 Fonte: GRANOS Corretora; Elaboração: UNITEC/FAMASUL. 23

24 Período Exportações - Soja em Grão EXPORTAÇÃO DE SOJA EM GRÃO - BRASIL Var. Peso Líquido(Kg) US$ (%) Var. Kg (%) Janeiro , ,66 Fevereiro , ,12 Março , ,42 Abril , ,60 Maio , ,85 Junho , ,72 Julho , ,53 Agosto , ,45 Setembro , ,32 Outubro , ,47 Novembro , ,84 Dezembro , ,31 TOTAL , ,46 Período EXPORTAÇÃO DE SOJA EM GRÃO - MATO GROSSO DO SUL Var. Peso Líquido(Kg) US$ (%) Var. Kg (%) Janeiro , ,00 Fevereiro , ,00 Março , ,84 Abril , ,79 Maio , ,64 Junho , ,45 Julho , ,91 Agosto , ,03 Setembro , ,96 Outubro , ,01 Novembro , ,20 Dezembro , ,56 TOTAL , ,77 24

25 - Óleo de Soja Período EXPORTAÇÃO DE ÓLEO DE SOJA - BRASIL Var. US$ Peso Líquido(Kg) (%) Var. Kg (%) Janeiro , ,78 Fevereiro , ,94 Março , ,72 Abril , ,33 Maio , ,20 Junho , ,97 Julho , ,10 Agosto , ,02 Setembro , ,39 Outubro , ,93 Novembro , ,05 Dezembro , ,70 TOTAL , ,48 Período EXPORTAÇÃO DE ÓLEO DE SOJA - MATO GROSSO DO SUL Var. US$ Peso Líquido(Kg) (%) Var. Kg (%) Janeiro , ,41 Fevereiro , ,44 Março , ,92 Abril , ,18 Maio , ,36 Junho , ,52 Julho , ,01 Agosto , ,74 Setembro , ,61 Outubro , ,11 Novembro , ,72 Dezembro , ,29 TOTAL , ,09 25

26 - Farelo de Soja Período EXPORTAÇÃO DE FARELO DE SOJA - BRASIL Var. US$ Peso Líquido(Kg) (%) Var. Kg (%) Janeiro , ,62 Fevereiro , ,71 Março , ,76 Abril , ,57 Maio , ,06 Junho , ,77 Julho , ,58 Agosto , ,18 Setembro , ,76 Outubro , ,66 Novembro , ,57 Dezembro , ,03 TOTAL , ,02 Período EXPORTAÇÃO DE FARELO DE SOJA - MATO GROSSO DO SUL Var. US$ Peso Líquido(Kg) (%) Var. Kg (%) Janeiro , ,16 Fevereiro , ,96 Março , ,91 Abril , ,00 Maio , ,83 Junho , ,53 Julho , ,72 Agosto , ,53 Setembro , ,32 Outubro , ,62 Novembro , ,29 Dezembro , ,02 TOTAL , ,36 26

27 EXPORTAÇÃO BRASILEIRA DE SOJA EM GRÃO - RANKING POR ESTADOS DA FEDERAÇÃO Principais Estados Exportadores Obs.: Ranking de acordo com os valores observados para o ano de 2011 Var. Peso Líquido(Kg) US$ (%) Var. Kg (%) 1º Mato Grosso , ,77 2º Paraná , ,19 3º Rio Grande do Sul , ,26 4º Goiás , ,07 5º Bahia , ,62 6º Mato Grosso do Sul , ,77 7º Maranhão , ,32 8º São Paulo , ,29 9º Tocantins , ,28 10º Minas Gerais , ,80 PRINCIPAIS PAÍSES IMPORTADORES DE SOJA EM GRÃO SUL-MATO-GROSSENSE EM 2011 Descrição: Soja para semeadura outros grãos de soja, mesmo triturados. Período: Janeiro a Dezembro de 2011 Principais Países Importadores Peso Líquido(Kg) 1 China Tailândia Taiwan Holanda Coréia do Sul PRINCIPAIS PORTOS DE ESCOAMENTO DAS EXPORTAÇÕES SUL-MATO-GROSSENSES DE SOJA EM GRÃO EM 2011 Principais Portos de Destino Descrição: Soja para semeadura outros grãos de soja, mesmo triturados. Período: Janeiro a Dezembro de 2011 Participação Relativa (% ) Peso Líquido(Kg) Participação Relativa (% Kg) 1 Porto de Santos - SP , ,80 3 Porto de Paranaguá - PR , ,41 2 Porto de São Francisco do Sul - SC , ,24 4 Porto de Vitória - ES , ,46 Outros Portos , ,09

28 MILHO Análise: O ano de 2011 se iniciou com o milho sendo comercializado a preços recordes, no segundo semestre os preços declinaram, mas se mantiveram em patamar superior aos níveis praticados em Com o mercado aquecido e bons preços o milho pode deixar de ser apenas uma cultura de rotação e se destacar como uma primeira opção de cultivo aos agricultores. No Mato Grosso do Sul, o milho teve seu maior pico em abril quando o preço médio da saca atingiu R$ 25,90. No setor externo, Mato Grosso do Sul se posicionou como o quarto estado brasileiro que mais exportou milho no ano de 2011, atrás apenas dos estados de Mato Grosso, Paraná e Goiás. Em 2011 o Estado exportou 487,2 mil toneladas de milho em grão que geraram receita na ordem de US$ 138,9 milhões, os números evidenciam uma retração de 25,7% em volume exportado, todavia com a forte valorização do produto no mercado internacional em paralelo a desvalorização do câmbio, a receita com exportação cresceu em 3,4%. Referente aos mercados de destino, os países que se destacaram na compra do milho Sul-Mato-Grossense foram: Japão, Irã e Taiwan. Municípios Cotações PREÇO MÉDIO DO MILHO EM MATO GROSSO DO SUL NO ANO DE Em R$ por saca de 60 kg. Mês Jan Fev Mar Abr Mai Jun Jul Ago Set Out Nov Dez Var. Ano (%) Amambai 22,58 24,28 23,38 25,44 24,25 24,69 23,00 21,56 22,63 21,25 20,81 20,44-9,47 Caarapó 22,63 24,38 23,69 25,84 24,75 25,06 23,00 21,88 23,44 21,94 21,00 20,70-8,51 Campo Grande 23,71 25,70 25,25 27,38 26,13 26,88 25,00 22,88 23,94 22,81 22,00 21,50-9,33 Chapadão do Sul 22,56 23,69 23,95 24,43 23,50 24,69 23,19 21,69 22,88 21,38 20,25 19,81-12,19 Dourados 23,59 25,91 24,81 27,38 26,44 27,38 25,00 22,75 23,94 22,75 22,00 21,31-9,64 Maracajú 22,75 24,69 23,75 25,23 24,24 24,75 23,00 21,50 23,00 21,81 20,81 20,13-11,54 São Gabriel do Oeste 21,73 23,69 23,39 25,01 23,63 24,88 23,25 21,41 22,75 21,63 20,63 19,75-9,09 Sidrolândia 22,73 24,55 24,73 26,70 24,75 25,38 23,00 21,51 22,88 21,75 20,81 20,05-11,77 Preço Médio 22,78 24,61 24,12 25,92 24,71 25,46 23,55 21,90 23,18 21,91 21,04 20,46-10,19 Fonte: GRANOS Corretora; Elaboração: UNITEC/FAMASUL. 28

29 Período Exportações EXPORTAÇÃO DE MILHO EM GRÃO - BRASIL Var. US$ Peso Líquido(Kg) (%) Var. Kg (%) Janeiro , ,22 Fevereiro , ,46 Março , ,69 Abril , ,98 Maio , ,32 Junho , ,00 Julho , ,83 Agosto , ,95 Setembro , ,59 Outubro , ,33 Novembro , ,22 Dezembro , ,63 TOTAL , ,02 Período EXPORTAÇÃO DE MILHO EM GRÃO - MATO GROSSO DO SUL Var. US$ Peso Líquido(Kg) (%) Var. Kg (%) Janeiro , ,93 Fevereiro , ,17 Março Abril , ,09 Maio Junho , ,00 Julho , ,00 Agosto , ,16 Setembro , ,07 Outubro , ,80 Novembro , ,07 Dezembro , ,99 TOTAL , ,73. 29

30 EXPORTAÇÃO BRASILEIRA DE MILHO EM GRÃO - RANKING POR ESTADOS DA FEDERAÇÃO Principais Estados Exportadores Obs.: Ranking de acordo com os valores observados para o ano de 2011 Var. US$ Peso Líquido(Kg) (%) Var. Kg (%) 1º Mato Grosso , ,15 2º Paraná , ,80 3º Goiás , ,64 4º Mato Grosso do Sul , ,73 5º Minas Gerais , ,10 6º Rio Grande do Sul , ,39 7º Rondônia , ,83 8º São Paulo , ,02 9º Santa Catarina , ,97 10º Distrito Federal , ,83 PRINCIPAIS PAÍSES IMPORTADORES DE MILHO EM GRÃO SUL-MATO-GROSSENSE EM 2011 Descrição: Milho em grão, exceto para semeadura. Período: Janeiro a Dezembro de 2011 Principais Países Importadores Peso Líquido(Kg) 1 Japão Irã Taiwan Argélia Malásia PRINCIPAIS PORTOS DE ESCOAMENTO DAS EXPORTAÇÕES SUL-MATO-GROSSENSES DE MILHO EM GRÃO EM 2011 Principais Portos de Destino Descrição: Milho em Grão, exceto para semeadura. Período: Janeiro a Dezembro de 2011 Participação Relativa (% ) Peso Líquido(Kg) Participação Relativa (% Kg) 1 Porto de Paranaguá - PR , ,09 2 Porto de São Francisco do Sul - SC , ,63 3 Porto de Santos - SP , ,89 4 Porto de Corumbá - MS , ,40 Outros Portos 11 0, ,00

31 TECNOLOGIAS APLICADAS NA AGRICULTURA Sistema de Informação Geográfica do Agronegócio do Estado de Mato Grosso do Sul SIGA MS A FAMASUL e APROSOJA-MS dão inicio ao terceiro ano de Mapeamento do Uso e Ocupação do Solo de Mato Grosso do Sul, sendo finalizado o seu segundo ano de realização do projeto SIGA MS no ano 2011, com o fechamento do levantamento de áreas plantadas com as culturas de Algodão, Soja, Milho, Arroz, Mandioca, Cana-de- Açúcar, Eucalipto, Pinus, Seringueira e outros para a Primeira Safra 2010/11 e as culturas de Algodão, Sorgo, Milho, Milheto, Mandioca, Cana-de-Açúcar, Eucalipto, Pinus, Seringueira, Trigo e outros, para Segunda Safra 2010/11. Nas tabelas e imagens a seguir demonstramos a quantidade e localização das culturas levantada para as safras de verão e inverno de 2010/11. O mapeamento das culturas aqui demonstradas é feito com o uso da tecnologia de Geoprocessamento e Sensoriamento Remoto, em um trabalho que consiste na coleta dos dados de campo, aquisição de imagens de satélite, classificação dos usos do solo, analise dos dados e imagens de satélite, validação dos dados a campo, entre outras. 31

32 Tabela 1: Áreas plantadas no período de verão em Mato Grosso do Sul. Cultura Área (ha) Algodão ,1% Soja ,1% Milho ,1% Arroz ,1% Mandioca ,0% Cana-de-Açúcar ,8% Eucalipto ,0% Pinus ,0% Seringueira 250 0,0% Outros ,1% Imagem da distribuição das áreas onde se concentram o plantio de verão em Mato Grosso do Sul. 32

33 Tabela 2: Áreas plantadas no período de inverno em Mato Grosso do Sul. Cultura Área (ha) Algodão ,2% Sorgo ,2% Milho ,0% Milheto ,6% Mandioca ,0% Cana-de-Açúcar ,9% Eucalipto ,2% Pinus ,0% Seringueira 950 0,0% Trigo ,0% Outros ,5% Imagem da distribuição das áreas onde se concentram o plantio de verão em Mato Grosso do Sul. 33

34 Alem de realizar este mapeamento a FAMASUL, se preocupou em compor um banco de dados com Metadados, para serem usados em uma plataforma de SIG Sistema de Informação Geográfica, para que possam ser geradas novas informações servindo de auxilio na tomada de decisões voltadas para o Agronegócio. Com isso temos firmado novas parcerias com empresas que colaboram com o desenvolvimento deste projeto. Dúvidas e informações: Unidade Técnica e Econômica (67)

35 ATIVIDADES DO PROGRAMA ÚTERO É VIDA NO MS Em consonância com os objetivos do Programa, buscou-se realizar uma atuação preferencialmente em áreas rurais, principalmente em locais onde a população não tem acesso às Unidades de Saúde. Com esse posicionamento o SENAR-MS atendeu a trabalhadoras rurais, esposas e filhas de produtores e ou trabalhadores rurais. Os resultados da atuação da Administração Regional - SENAR Mato Grosso do Sul no Programa Útero é Vida - Unidade Móvel, no período de março a dezembro deste ano foi o atendimento a 28 municípios e a realização de exames preventivos, com uma média de 66,7 atendimentos/dia, conforme se observa na tabela abaixo: Município Data de Realização TOTAL Ponta Porã 29 e 30/03 69 Nioaque 01/04 61 Nova Alvorada do Sul 29/04 61 Batayporã 27/04 46 Angélica 28/04 25 Caracol 13/ Juti 15/ Campo Grande 14/05 27 Dourados 16 e 17/05 e 21 e 22/ Costa Rica 25 e 26/05 52 Rio Brilhante 30/06 e 01/ Inocencia 13 e 14/07 41 Terenos 30/07 18 Pedro Gomes 09 e 10/08 17 Douradina 23/08 51 Jardim 30/ Guia Lopes da Laguna 31/ Porto Murtinha 02/ Nioaque 28/09 e 28/10 77 Antônio João 30/09 32 Bela Vista 04/10 71 Figueirão 25/10 37 Rio Negro 18/11 22 Guia Lopes da Laguna 22/11 70 Maracaju 23/11 87 Corumbá 25/11 65 Rochedo 06/12 23 Coxim 08/12 12 Totais Texto: Pauline Cury Analista da Gestão de Educação Profissional do SENAR MS. 35

Preço Médio da Soja em Mato Grosso do Sul - Junho de 2011 - Em R$ por saca de 60 kg.

Preço Médio da Soja em Mato Grosso do Sul - Junho de 2011 - Em R$ por saca de 60 kg. 1 2 NORTE Os preços pagos aos Produtores Rurais na região Norte do Estado neste mês de junho variaram entre a mínima de R$ 38,5 no dia 3/6 no município de São Gabriel do Oeste e a máxima de R$ 4, no dia

Leia mais

Figura 1 Principais índices de inflação, em variação % jul/13 ago/13 set/13 out/13 nov/13 dez/13 jan/14 fev/14 mar/14 abr/14 mai/14 jun/14 jul/14

Figura 1 Principais índices de inflação, em variação % jul/13 ago/13 set/13 out/13 nov/13 dez/13 jan/14 fev/14 mar/14 abr/14 mai/14 jun/14 jul/14 Conjuntura Econômica A conjuntura econômica do último mês e da primeira quinzena de agosto foi marcada por redução do IPCA no Mato Grosso do Sul e estabilidade no Brasil. Além disso, acertou-se a expansão

Leia mais

BOVINOCULTURA DE CORTE

BOVINOCULTURA DE CORTE ISS 36-9 BOVINOCULTURA DE CORTE Os preços médios da arroba do boi e da vaca, em Mato Grosso do Sul, no mês de fevereiro, foram de R$8,8 e R$,99, respectivamente. Em relação ao mês anterior, houve um avanço

Leia mais

Preço médio da Soja em Mato Grosso do Sul Abril de 2013 - Em R$ por saca de 60 kg.

Preço médio da Soja em Mato Grosso do Sul Abril de 2013 - Em R$ por saca de 60 kg. ANÁLISE SOJA MERCADO INTERNO: Nos primeiros dez dias do mês de maio houve valorização nos preços praticados da saca de soja de 6 kg quando comparados aos preços observados em 1 de maio,,38% de aumento

Leia mais

- 300. Saldo BC Importações Importações s/gás Exportações

- 300. Saldo BC Importações Importações s/gás Exportações Carta de Conjuntura nº2 Dezembro de 2015 Setor Externo As cotações do dólar recuaram em relação aos últimos meses, chegando a taxa média em novembro a ficar em R$ 3,77, cerca de 2,77% abaixo da taxa média

Leia mais

Instituto Matogrossense de Economia Agropecuária RETROSPECTIVA DE 2012 E PERSPECTIVAS PARA 2013

Instituto Matogrossense de Economia Agropecuária RETROSPECTIVA DE 2012 E PERSPECTIVAS PARA 2013 Instituto Matogrossense de Economia Agropecuária RETROSPECTIVA DE 2012 E PERSPECTIVAS PARA 2013 dezembro, 2012 Índice 1. Algodão 2. Soja 3. Milho 4. Boi Gordo 5. Valor Bruto da Produção ALGODÃO Mil toneladas

Leia mais

CONJUNTURA ECONÔMICA

CONJUNTURA ECONÔMICA CONJUNTURA ECONÔMICA A conjuntura econômica do último mês foi marcada por aceleração dos principais índices de inflação em todo Brasil. Em janeiro, o IPCA avançou 1,24% em nível de Brasil, esta foi a maior

Leia mais

CONJUNTURA ECONÔMICA

CONJUNTURA ECONÔMICA CONJUNTURA ECONÔMICA O mês de março de 2015 foi marcado pelo anúncio dos principais resultados da economia de 2014 e deste início de 2015. Dentre eles destacaramse o PIB, taxa de desemprego nas principais

Leia mais

Paraná Cooperativo EDIÇÃO ESPECIAL EXPORTAÇÕES Informe Diário nº 2.092 Sexta-feira, 08 de maio de 2009 Assessoria de Imprensa da Ocepar/Sescoop-PR

Paraná Cooperativo EDIÇÃO ESPECIAL EXPORTAÇÕES Informe Diário nº 2.092 Sexta-feira, 08 de maio de 2009 Assessoria de Imprensa da Ocepar/Sescoop-PR Paraná Cooperativo EDIÇÃO ESPECIAL EXPORTAÇÕES Informe Diário nº 2.092 Sexta-feira, 08 de maio de 2009 Assessoria de Imprensa da Ocepar/Sescoop-PR EXPORTAÇÕES DAS COOPERATIVAS NO AGRONEGÓCIO EM 1. RESULTADO

Leia mais

Milho Perspectivas do mercado 2011/12

Milho Perspectivas do mercado 2011/12 MINISTÉRIO DA AGRICULTURA, PECUÁRIA E ABASTECIMENTO SECRETARIA DE POLÍTICA AGRÍCOLA Milho Perspectivas do mercado 2011/12 março de 2012 Milho - Oferta e Demanda - Mundo milhões de t. Safras 2008/09 2009/10

Leia mais

DEPEC Departamento de Pesquisas e Estudos Econômicos CARNE BOVINA NOVEMBRO DE 2015

DEPEC Departamento de Pesquisas e Estudos Econômicos CARNE BOVINA NOVEMBRO DE 2015 DEPEC Departamento de Pesquisas e Estudos Econômicos CARNE BOVINA NOVEMBRO DE 2015 PRODUTOS PARTICIPAÇÃO NA PRODUÇÃO Produção de carnes NACIONAL - USDA - mil ton DO COMPLEXO CARNES - 2014 Carne Bovina

Leia mais

SECRETARIA DE ESTADO DE AGRICULTURA, PECUÁRIA E ABASTECIMENTO SUBSECRETARIA DO AGRONEGÓCIO. PERFIL DO AGRONEGÓCIO BRASILEIRO Janeiro/2015

SECRETARIA DE ESTADO DE AGRICULTURA, PECUÁRIA E ABASTECIMENTO SUBSECRETARIA DO AGRONEGÓCIO. PERFIL DO AGRONEGÓCIO BRASILEIRO Janeiro/2015 SECRETARIA DE ESTADO DE AGRICULTURA, PECUÁRIA E ABASTECIMENTO SUBSECRETARIA DO AGRONEGÓCIO PERFIL DO AGRONEGÓCIO BRASILEIRO Janeiro/2015 2 ÍNDICE 03. Apresentação 04. População Rural 05. Habitantes no

Leia mais

INDÚSTRIA DE ALIMENTAÇÃO ANIMAL

INDÚSTRIA DE ALIMENTAÇÃO ANIMAL INDÚSTRIA DE ALIMENTAÇÃO ANIMAL Em 2011: Registrou incremento de 5,2% Em 2011, o setor cresceu 5,2%, movimentou R$ 40 bilhões em insumos e produziu 64,5 milhões de toneladas de ração e 2,35milhões de suplementos

Leia mais

BOVINOCULTURA DE CORTE

BOVINOCULTURA DE CORTE -mai 3-mai -mai 7-mai 8-mai 9-mai -mai 3-mai -mai 5-mai -mai 7-mai -mai -mai -mai 3-mai -mai 7-mai 8-mai 9-mai 3-jun -jun 5-jun -jun 7-jun -jun BOVINOCULTURA DE CORTE» MERCADO INTERNO Os preços médios

Leia mais

ANÁLISE DAS EXPORTAÇÕES MATO-GROSSENSES Janeiro a Dezembro / 2007

ANÁLISE DAS EXPORTAÇÕES MATO-GROSSENSES Janeiro a Dezembro / 2007 ANÁLISE DAS EXPORTAÇÕES MATO-GROSSENSES / 2007 1- Balança Comercial Mato Grosso continua tendo superávit na Balança Comercial registrando em 2007 um expressivo saldo de US$ 4,38 bilhões valor que representa

Leia mais

Milho: preços elevados mesmo com super-safra norte-americana

Milho: preços elevados mesmo com super-safra norte-americana Milho: preços elevados mesmo com super-safra norte-americana Super-safra norte-americana Em seu boletim de oferta e demanda mundial de setembro o Usda reestimou para cima suas projeções para a safra 2007/08.

Leia mais

Produção de grãos na Bahia cresce 14,64%, apesar dos severos efeitos da seca no Estado

Produção de grãos na Bahia cresce 14,64%, apesar dos severos efeitos da seca no Estado AGROSSÍNTESE Produção de grãos na Bahia cresce 14,64%, apesar dos severos efeitos da seca no Estado Edilson de Oliveira Santos 1 1 Mestre em Economia, Gestor Governamental da SEAGRI; e-mail: edilsonsantos@seagri.ba.gov.br

Leia mais

CRESCIMENTO DO AGRONEGÓCIO SEGUE FIRME NO ANO

CRESCIMENTO DO AGRONEGÓCIO SEGUE FIRME NO ANO CRESCIMENTO DO AGRONEGÓCIO SEGUE FIRME NO ANO O Produto Interno Bruto (PIB) do agronegócio brasileiro estimado pela Confederação da Agricultura e Pecuária do Brasil (CNA) e pelo Centro de Estudos Avançados

Leia mais

Preço médio da Soja em MS Período: 06/03 á 11/03 de 2014 - Em R$ por saca de 60 kg

Preço médio da Soja em MS Período: 06/03 á 11/03 de 2014 - Em R$ por saca de 60 kg SOJA» MERCADO INTERNO Na primeira semana de março houve leve apreciação nos preços da saca de 6 Kg de soja em grãos, estes cresceram em média 1,2% em relação aos preços observados 6/mar. Mas em comparação

Leia mais

Acompanhamento da Safra 2012/13 no MS

Acompanhamento da Safra 2012/13 no MS Acompanhamento da Safra 2012/13 no MS Circular Técnico nº 20 No acompanhamento da cultura do milho 2ª safra de Mato Grosso do Sul foram visitadas 52 propriedades entre os dias 22 e 25 de abril de 2013

Leia mais

Milho - Análise da Conjuntura Agropecuária

Milho - Análise da Conjuntura Agropecuária Milho - Análise da Conjuntura Agropecuária Outubro de 2012. MUNDO O milho é o cereal mais produzido no mundo. De acordo com o Departamento de Agricultura dos Estados Unidos (USDA), a produção média do

Leia mais

CONJUNTURA ECONÔMICA

CONJUNTURA ECONÔMICA CONJUNTURA ECONÔMICA Em março deste ano o IGP-M calculado pela FGV registrou alta de 0,51%, no acumulado de 12 meses a alta chega a 11,57%. O IPCA (índice oficial) subiu 0,43% em fevereiro, recuo de 0,47

Leia mais

Soja - Análise da Conjuntura Agropecuária. Novembro 2015 PARANÁ

Soja - Análise da Conjuntura Agropecuária. Novembro 2015 PARANÁ Soja - Análise da Conjuntura Agropecuária Novembro 2015 PARANÁ A estimativa de área para a safra 2015/16 de soja é recorde no Paraná. Segundo os técnicos de campo serão semeados 5,24 milhões de hectares,

Leia mais

Exportações no período acumulado de janeiro até março de 2015. Total das exportações do Rio Grande do Sul.

Exportações no período acumulado de janeiro até março de 2015. Total das exportações do Rio Grande do Sul. Este relatório tem por objetivo apresentar os principais números referentes ao comércio internacional do agronegócio do Rio Grande do Sul no mês de março de 2015. Total das exportações do Rio Grande do

Leia mais

Exportações no período acumulado de janeiro até abril de 2015. Total das exportações do Rio Grande do Sul. 2015 com abril de 2014.

Exportações no período acumulado de janeiro até abril de 2015. Total das exportações do Rio Grande do Sul. 2015 com abril de 2014. Este relatório tem por objetivo apresentar os principais números referentes ao comércio internacional do agronegócio do Rio Grande do Sul no mês de abril de 2015. Total das exportações do Rio Grande do

Leia mais

Commodities Agrícolas

Commodities Agrícolas Commodities Agrícolas CAFÉ CAFÉ Bolsas BM&F ICE FUTURES Contrato Fechamento Máxima Mínimo Variação Contrato Fechamento Máxima Mínimo Variação SET13 136,80 136,50 135,80-1,80 SET 113,50 115,70 113,25-1,45

Leia mais

Participação da agropecuária nas exportações totais (IPEA)

Participação da agropecuária nas exportações totais (IPEA) Alicia Ruiz Olalde Participação da agropecuária nas exportações totais (IPEA) Exportações Agronegócio (CEPEA) Em 2012, a receita das exportações do agronegócio brasileiro alcançou US$ 97 bilhões. Em 2014,

Leia mais

ISS 2316-1019 I N F O R M AT I VO Casa Rural. edição outubro 2012. Agricultura. Soja - Milho - Insumos Agrícolas

ISS 2316-1019 I N F O R M AT I VO Casa Rural. edição outubro 2012. Agricultura. Soja - Milho - Insumos Agrícolas ISS 2316-119 I N F O R M AT I VO Casa Rural edição outubro 212 Agricultura Soja - Milho - Insumos Agrícolas SOJA Comportamento dos Preços Internos de Mato Grosso do Sul (R$/SC) 75, 74, 73, 72, 71, 7, 69,

Leia mais

Tabela 01 Mundo Soja Área, produção e produtividade Safra 2009/10 a 2013/14

Tabela 01 Mundo Soja Área, produção e produtividade Safra 2009/10 a 2013/14 Soja Análise da Conjuntura Agropecuária Novembro de 2013 MUNDO A economia mundial cada vez mais globalizada tem sido o principal propulsor responsável pelo aumento da produção de soja. Com o aumento do

Leia mais

O IBGE divulgou a pouco o primeiro prognóstico para a safra de 2011: www.ibge.gov.br Em 2011, IBGE prevê safra de grãos 2,8% menor que a de 2010

O IBGE divulgou a pouco o primeiro prognóstico para a safra de 2011: www.ibge.gov.br Em 2011, IBGE prevê safra de grãos 2,8% menor que a de 2010 O IBGE divulgou a pouco o primeiro prognóstico para a safra de 2011: www.ibge.gov.br Em 2011, IBGE prevê safra de grãos 2,8% menor que a de 2010 O IBGE realizou, em outubro, o primeiro prognóstico para

Leia mais

Suinocultura - Análise da Conjuntura Agropecuária

Suinocultura - Análise da Conjuntura Agropecuária Suinocultura - Análise da Conjuntura Agropecuária fevereiro de 2013. 1 - Considerações Iniciais A Suinocultura é uma das atividades da agropecuária mais difundida e produzida no mundo. O porco, espécie

Leia mais

CARNE BOVINA DESEMPENHO DE 2008 E PERSPECTIVAS PARA 2009 17/07/2009

CARNE BOVINA DESEMPENHO DE 2008 E PERSPECTIVAS PARA 2009 17/07/2009 CARNE BOVINA DESEMPENHO DE 2008 E PERSPECTIVAS PARA 2009 17/07/2009 MERCADO INTERNACIONAL O Brasil teve uma performance impressionante na produção de carnes nos últimos anos: tornou-se o maior exportador

Leia mais

Mercado do Boi Gordo

Mercado do Boi Gordo Mercado do Boi Gordo Perspectivas para os próximos anos SIC Esteio - RS Agosto 2006 Fabiano R. Tito Rosa Scot Consultoria Índice 1. Brasil: país pecuário 2. Comportamento dos preços internos 3. Perspectivas

Leia mais

AGROMENSAL CEPEA/ESALQ Informações de Mercado

AGROMENSAL CEPEA/ESALQ Informações de Mercado AGROMENSAL CEPEA/ESALQ Informações de Mercado Mês de referência: MARÇO/2011 CEPEA - SOJA I - Análise Conjuntural II - Séries Estatísticas 1. Diferenciais de preços 2. Estimativa do valor das alternativas

Leia mais

AGROMENSAL CEPEA/ESALQ Informações de Mercado

AGROMENSAL CEPEA/ESALQ Informações de Mercado AGROMENSAL CEPEA/ESALQ Informações de Mercado Mês de referência: ABRIL/2011 CEPEA - SOJA I - Análise Conjuntural II - Séries Estatísticas 1. Diferenciais de preços 2. Estimativa do valor das alternativas

Leia mais

Commodities Agrícolas

Commodities Agrícolas Commodities Agrícolas sexta-feira, 13 de setembro de 2013 CAFÉ CAFÉ Bolsas Venc Ajuste Máx BM&F Mín Variação Venc Ajuste ICE FUTURES Máx Mín Variação SET13 139,70 0,00 0,00-0,55 SET13 116,25 116,10 115,75-0,20

Leia mais

3,8 milhões de hectares de lavouras ruins nos EUA

3,8 milhões de hectares de lavouras ruins nos EUA BOLSA DE CHICAGO 3,8 milhões de hectares de lavouras ruins nos EUA Chuvas diminuíram nesta semana, mas ainda acumularam grandes volumes em pontos já muitos úmidos do Meio-Oeste 3 EUA Lavouras De Soja Ruins

Leia mais

redução dos preços internacionais de algumas commodities agrícolas; aumento dos custos de

redução dos preços internacionais de algumas commodities agrícolas; aumento dos custos de Desempenho da Agroindústria No fechamento do primeiro semestre de 2005, a agroindústria registrou crescimento de 0,3%, taxa bastante inferior à assinalada pela média da indústria brasileira (5,0%) no mesmo

Leia mais

Agronegócio. Realidade e Perspectivas Foco no ARROZ. Araranguá SC, Fevereiro de 2014 Vlamir Brandalizze. 41 3379 8719 brandalizze@uol.com.

Agronegócio. Realidade e Perspectivas Foco no ARROZ. Araranguá SC, Fevereiro de 2014 Vlamir Brandalizze. 41 3379 8719 brandalizze@uol.com. Agronegócio Realidade e Perspectivas Foco no ARROZ Araranguá SC, Fevereiro de 2014 Vlamir Brandalizze 41 3379 8719 brandalizze@uol.com.br GRÃOS Produção (milhões de T. USDA - Fevereiro de 2014; Projeções

Leia mais

ANÁLISE BOVINOCULTURA DE CORTE (1ª semana)

ANÁLISE BOVINOCULTURA DE CORTE (1ª semana) ISS 316-119 ANÁLISE BOVINOCULTURA DE CORTE (1ª semana) MERCADO INTERNO: Os preços da arroba do boi e da vaca, na primeira quinzena de março de 13, apresentaram uma média de R$ 9,75 e R$ 85,6, respectivamente.

Leia mais

A aceleração da inflação de alimentos é resultado da combinação de fatores:

A aceleração da inflação de alimentos é resultado da combinação de fatores: SEGURIDADE ALIMENTARIA: apuesta por la agricultura familiar Seminario: Crisis alimentaria y energética: oportunidades y desafios para América Latina e el Caribe O cenário mundial coloca os preços agrícolas

Leia mais

PANORAMA SEMANAL DO MERCADO SUÍNO DO DF 06/02/2015

PANORAMA SEMANAL DO MERCADO SUÍNO DO DF 06/02/2015 PANORAMA SEMANAL DO MERCADO SUÍNO DO DF 06/02/2015 Cotação Diária do Suíno Vivo, por Unidade da Federação Data MG SP PR SC RS DF MT Carcaça CEPEA 05/02/2015 R$ 3,68 R$ 3,35 R$ 3,17 R$ 3,23 R$ 3,28 R$ 4,01

Leia mais

AGROMENSAL CEPEA/ESALQ Informações de Mercado

AGROMENSAL CEPEA/ESALQ Informações de Mercado AGROMENSAL CEPEA/ESALQ Informações de Mercado Mês de referência: JULHO/2011 CEPEA - SOJA I - Análise Conjuntural II - Séries Estatísticas 1. Diferenciais de preços 2. Estimativa do valor das alternativas

Leia mais

Análise Bovinocultura

Análise Bovinocultura Análise Bovinocultura BOLETIM SEMANAL MÊS PARADO: No primeiro mês do ano de 2013 o preço da arroba do boi gordo à vista em Mato Grosso seguiu firme na casa dos R$ 84/@, registrando na última cotação de

Leia mais

ACOMPANHAMENTO DE SAFRA SOJA 2014/2015

ACOMPANHAMENTO DE SAFRA SOJA 2014/2015 ACOMPANHAMENTO DE SAFRA SOJA 2014/2015 O projeto SIGA MS conclui o acompanhamento do plantio da soja, safra 2014/2015, das principais regiões produtoras do estado. Entre os dias 01 de setembro e 28 de

Leia mais

FACT-SHEET. Cana-de-Açúcar, Milho e Soja. Programa Agricultura e Meio Ambiente. WWF - Brasil

FACT-SHEET. Cana-de-Açúcar, Milho e Soja. Programa Agricultura e Meio Ambiente. WWF - Brasil FACT-SHEET Cana-de-Açúcar, Milho e Soja Programa Agricultura e Meio Ambiente WWF - Brasília Março 28 WWF- Secretaria Geral Denise Hamú Superintendência de Conservação de Programas Temáticos Carlos Alberto

Leia mais

Comércio Exterior BOLETIM. Ribeirão Preto/SP Prof. Dr. Luciano Nakabashi Marcos Hitoshi Endo e Marina Cassiano Ribeiro

Comércio Exterior BOLETIM. Ribeirão Preto/SP Prof. Dr. Luciano Nakabashi Marcos Hitoshi Endo e Marina Cassiano Ribeiro Em fevereiro de 215, o Brasil apresentou um déficit na balança comercial de, aproximadamente, US$ 2,8 bilhões. No acumulado dos últimos 12 meses, o montante é um déficit de US$ 3,8 bilhões (Figura 1),

Leia mais

em números Ministério da Agricultura Pecuária e Abastecimento

em números Ministério da Agricultura Pecuária e Abastecimento agronegócio brasileiro em números Ministério da Agricultura Pecuária e Abastecimento 2010 ranking Ranking Brasileiro da Produção e Exportação Fonte: USDA e Ministério da Agricultura, Pecuária e Abastecimento

Leia mais

Commodities Agrícolas

Commodities Agrícolas Commodities Agrícolas quarta-feira, 18 de setembro de 2013 CAFÉ CAFÉ Bolsas Venc Ajuste Máx BM&F Mín Variação Venc Ajuste ICE FUTURES Máx Mín Variação SET13 133,50 0,00 0,00-4,85 SET13 111,05 114,75 111,10-3,75

Leia mais

JURANDI MACHADO - DIRETOR. Cenário Carnes 2014/2015

JURANDI MACHADO - DIRETOR. Cenário Carnes 2014/2015 JURANDI MACHADO - DIRETOR Cenário Carnes 2014/2015 Oferta e Demanda de Carne Suína CARNE SUÍNA 2014 (a)* no Mundo (Mil toneladas) 2015 (b)* Var % (b/a) PRODUÇÃO 110.606 111.845 1,12 CONSUMO 109.882 111.174

Leia mais

TRIGO Período de 02 a 06/11/2015

TRIGO Período de 02 a 06/11/2015 TRIGO Período de 02 a 06//205 Tabela I - PREÇO PAGO AO PRODUTOR (em R$/60 kg) Centro de Produção Unid. 2 meses Períodos anteriores mês (*) semana Preço Atual PR 60 kg 29,56 35,87 36,75 36,96 Semana Atual

Leia mais

A visão de longo prazo contempla: Produção Exportações líquidas Estoques. Área plantada Produtividade Consumo doméstico (total e per capita)

A visão de longo prazo contempla: Produção Exportações líquidas Estoques. Área plantada Produtividade Consumo doméstico (total e per capita) Fornecer aos agentes envolvidos no agronegócio, notadamente as indústrias de insumos agropecuários e de alimentos, além dos produtores, Governo e academia, informações estratégicas sobre a dinâmica futura

Leia mais

Agronegócio no Brasil e em Mato Grosso

Agronegócio no Brasil e em Mato Grosso Agronegócio no Brasil e em Mato Grosso Índice 1 - Conceito de Agronegócio e a atuação do Imea 2 - Agronegócio no Brasil e em Mato Grosso 2.1 Agronegócio Soja 2.2 Agronegócio Milho 2.3 Agronegócio Algodão

Leia mais

Conjuntura Anual do Sorgo em 2008 e um possível cenário para 2009.

Conjuntura Anual do Sorgo em 2008 e um possível cenário para 2009. Conjuntura Anual do Sorgo em 2008 e um possível cenário para 2009. Para os produtores de sorgo o ano de 2008 pode ser considerado como bom. As condições climatológicas foram favoráveis durante todo o ciclo

Leia mais

PERFIL DO AGRONEGÓCIO MUNDIAL SUBSECRETARIA DO AGRONEGÓCIO

PERFIL DO AGRONEGÓCIO MUNDIAL SUBSECRETARIA DO AGRONEGÓCIO PERFIL DO AGRONEGÓCIO MUNDIAL SUBSECRETARIA DO AGRONEGÓCIO Março/2013 2 ÍNDICE 03. Apresentação 04. População Mundial 05. População ocupada 06. PIB Mundial 07. PIB per capita Mundial 08. Exportação Mundial

Leia mais

Conjuntura Macroeconômica e Setorial

Conjuntura Macroeconômica e Setorial Conjuntura Macroeconômica e Setorial O ano de 2012 foi um ano desafiador para a indústria mundial de carnes. Apesar de uma crescente demanda por alimentos impulsionada pela contínua expansão da renda em

Leia mais

MINISTÉRIO DA AGRICULTURA, PECUÁRIA E ABASTECIMENTO

MINISTÉRIO DA AGRICULTURA, PECUÁRIA E ABASTECIMENTO MINISTÉRIO DA AGRICULTURA, PECUÁRIA E ABASTECIMENTO Secretaria de Relações Internacionais do Agronegócio Balança Comercial do Agronegócio Janeiro/2016 I Resultados do mês (comparativo jan/2016 jan/2015)

Leia mais

Soja: elevação dos preços da convencional/transgênica deve dificultar incremento da orgânica

Soja: elevação dos preços da convencional/transgênica deve dificultar incremento da orgânica Soja: elevação dos preços da convencional/transgênica deve dificultar incremento da orgânica Produção mundial deve recuar em 2007/08 Segundo o relatório de oferta e demanda divulgado pelo Usda em setembro

Leia mais

BOLETIM CUSTOS E PREÇOS Abril de 2014

BOLETIM CUSTOS E PREÇOS Abril de 2014 BOLETIM CUSTOS E PREÇOS Abril de 2014 Milho: Os preços no mercado brasileiro ficaram estáveis e até mesmo um pouco mais baixos em algumas praças. A incerteza dos produtores quanto à produtividade do milho

Leia mais

Agronegócio Sul-mato-grossense

Agronegócio Sul-mato-grossense Agronegócio Sul-mato-grossense (cenário atual, perspectivas e desafios) Eduardo Riedel Presidente do Sistema Famasul Federação da Agricultura e Pecuária do Estado de Mato Grosso do Sul Sistema Sindical

Leia mais

PRODUTO CARNES PERÍODO: 15 a 19/09/2003. Carne bovina

PRODUTO CARNES PERÍODO: 15 a 19/09/2003. Carne bovina PRODUTO CARNES PERÍODO: 15 a 19/09/2003 Carne bovina A estimativa da Conab para a produção brasileira de carne bovina, no ano de 2003, as previsões quanto às importações, exportações e a disponibilidade

Leia mais

Agronegócio no Brasil e em Mato Grosso

Agronegócio no Brasil e em Mato Grosso Agronegócio no Brasil e em Mato Grosso Índice 1 - Agronegócio no Brasil e em Mato Grosso 1.1 Agronegócio Soja 1.2 Agronegócio Milho 1.3 Agronegócio Algodão 1.4 Agronegócio Boi 2 Competitividade 2.1 Logística

Leia mais

RELATÓRIO DE MERCADO JULHO DE 2015

RELATÓRIO DE MERCADO JULHO DE 2015 RELATÓRIO DE MERCADO JULHO DE 2015 COMMODITIES AGRÍCOLAS RESUMO DOS PRINCIPAIS INDICADORES DO MERCADO DE COMMODITIES AGRÍCOLAS SUMÁRIO OFERTA 4 8 VARIAÇÕES HISTÓRICAS E FORECAST 6 DEMANDA 9 CONSIDERAÇÕES

Leia mais

MINISTÉRIO DA AGRICULTURA, PECUÁRIA E ABASTECIMENTO

MINISTÉRIO DA AGRICULTURA, PECUÁRIA E ABASTECIMENTO MINISTÉRIO DA AGRICULTURA, PECUÁRIA E ABASTECIMENTO Secretaria de Relações Internacionais do Agronegócio Balança Comercial do Agronegócio Outubro/2015 I Resultados do mês (comparativo Outubro/2015 Outubro/2014)

Leia mais

Indicadores IBGE. Estatística da Produção Pecuária. Junho de 2015. Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística IBGE

Indicadores IBGE. Estatística da Produção Pecuária. Junho de 2015. Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística IBGE Indicadores IBGE Estatística da Produção Pecuária Junho de 2015 Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística IBGE Presidenta da República Dilma Roussef Ministro do Planejamento, Orçamento e Gestão Nelson

Leia mais

Departamento de Ciências Administrativas, Contábeis, Econômicas e da Comunicação - UNIJUÍ

Departamento de Ciências Administrativas, Contábeis, Econômicas e da Comunicação - UNIJUÍ DACEC Departamento de Ciências Administrativas, Contábeis, Econômicas e da Comunicação - UNIJUÍ Comentários referentes ao período entre 21/06/2013 a 27/06/2013 Prof. Dr. Argemiro Luís Brum 1 Prof. Ms.

Leia mais

A SUSTENTABILIDADE ECONÔMICA E SOCIAL DA PRODUÇÃO DE FRANGOS E SUÍNOS EM SANTA CATARINA E NO BRASIL

A SUSTENTABILIDADE ECONÔMICA E SOCIAL DA PRODUÇÃO DE FRANGOS E SUÍNOS EM SANTA CATARINA E NO BRASIL A SUSTENTABILIDADE ECONÔMICA E SOCIAL DA PRODUÇÃO DE FRANGOS E SUÍNOS EM SANTA CATARINA E NO BRASIL Jonas Irineu dos Santos Filho Pesquisador da Embrapa Suínos e Aves O consumo de proteína animal no mundo

Leia mais

O que esperar do mercado de leite no Brasil e no mundo

O que esperar do mercado de leite no Brasil e no mundo O que esperar Desenvolver do do mercado de de leite no no e fortalecer Brasil e o e no agronegócio no mundo O que esperar do mercado de leite no Rafael Ribeiro de Lima Filho zootecnista Scot Consultoria

Leia mais

Preço Médio da Soja em Mato Grosso do Sul - Fevereiro de Em R$ por saca de 60 kg.

Preço Médio da Soja em Mato Grosso do Sul - Fevereiro de Em R$ por saca de 60 kg. 1 2 NORTE Os preços pagos aos Produtores Rurais na região Norte do Estado neste mês de fevereiro variaram entre a mínima de R$ 41,00, observada no final do mês no município de São Gabriel do Oeste e a

Leia mais

Milho Período: 16 a 20/03/2015

Milho Período: 16 a 20/03/2015 Milho Período: 16 a 20/03/2015 Câmbio: Média da semana: U$ 1,00 = R$ 3,2434 Nota: A paridade de exportação refere-se ao valor/sc desestivado sobre rodas, o que é abaixo do valor FOB Paranaguá. *Os preços

Leia mais

Commodities Agrícolas

Commodities Agrícolas Commodities Agrícolas sábado, 14 de setembro de 2013 CAFÉ CAFÉ Bolsas Venc Ajuste Máx BM&F Mín Variação Venc Ajuste ICE FUTURES Máx Mín Variação SET13 139,00 0,00 0,00-0,70 SET13 115,55 115,70 115,70-0,70

Leia mais

USO E OCUPAÇÃO DO SOLO

USO E OCUPAÇÃO DO SOLO 1 2 USO E OCUPAÇÃO DO SOLO O estado do Mato Grosso do Sul, em sua extensão territorial de 357.145,836 km² (IBGE), possui uma grande diversidade de espécies cultivadas e grande potencial de expansão da

Leia mais

TRIGO Período de 12 a 16/10/2015

TRIGO Período de 12 a 16/10/2015 TRIGO Período de 2 a 6/0/205 Tabela I - PREÇO PAGO AO PRODUTOR (em R$/60 kg) Centro de Produção Unid. 2 meses Períodos anteriores mês (*) semana Preço Atual PR 60 kg 29,5 34,0 35,42 35,94 Semana Atual

Leia mais

Perspectivas de Mercado

Perspectivas de Mercado Perspectivas de Mercado Estratégico Nível Gestão Gerencial Nível Caixa Nível Operacional Pecuária Custos de Corte Tecnologia do uso da informa ção Alcides Torres Insumos Bens de Fabiano R. Tito Rosa Scot

Leia mais

Desempenho Recente e Perspectivas para a Agricultura

Desempenho Recente e Perspectivas para a Agricultura Desempenho Recente e Perspectivas para a Agricultura A safra de grãos do país totalizou 133,8 milhões de toneladas em 2009, de acordo com o Levantamento Sistemático da Produção Agrícola (LSPA) de dezembro,

Leia mais

CONJUNTURA MENSAL JUNHO

CONJUNTURA MENSAL JUNHO SOJA - MATO GROSSO CONJUNTURA MENSAL JUNHO ANO 1 Nº2 O preço mundial da commodity apresenta movimento de alta em nível mundial, impulsionado principalmente pelas condições climáticas adversas nos Estados

Leia mais

Departamento de Ciências Administrativas, Contábeis, Econômicas e da Comunicação - UNIJUÍ

Departamento de Ciências Administrativas, Contábeis, Econômicas e da Comunicação - UNIJUÍ DACEC Departamento de Ciências Administrativas, Contábeis, Econômicas e da Comunicação - UNIJUÍ Comentários referentes ao período entre 03/05/2013 a 09/05/2013 Prof. Dr. Argemiro Luís Brum 1 Prof. Ms.

Leia mais

Atlas Digital de MINAS GERAIS 1 de 18

Atlas Digital de MINAS GERAIS 1 de 18 Atlas Digital de MINAS GERAIS 1 de 18 Características Agropecuárias A sociedade brasileira viveu no século XX uma transformação socioeconômica e cultural passando de uma sociedade agrária para uma sociedade

Leia mais

Economia Brasileira e o Agronegócio Riscos e Oportunidades. Roberto Giannetti da Fonseca Maio 2015

Economia Brasileira e o Agronegócio Riscos e Oportunidades. Roberto Giannetti da Fonseca Maio 2015 Economia Brasileira e o Agronegócio Riscos e Oportunidades Roberto Giannetti da Fonseca Maio 2015 Cenário Macro Econômico Brasileiro 2015 Economia em forte e crescente desequilibrio Deficit Fiscal 2014

Leia mais

CONJUNTURA 24.05.2010 FEIJÃO. João Ruas Gerência de Alimentos Básicos Superintendência de Gestão da Oferta

CONJUNTURA 24.05.2010 FEIJÃO. João Ruas Gerência de Alimentos Básicos Superintendência de Gestão da Oferta CONJUNTURA 24.05.2010 FEIJÃO João Ruas Gerência de Alimentos Básicos Superintendência de Gestão da Oferta MERCADO -Comportamento das principais cultivares plantadas no Brasil; -Situação da Safra 2009/2010;

Leia mais

Milho Período: 19 a 23/10/2015

Milho Período: 19 a 23/10/2015 Milho Período: 19 a 23/10/2015 Nota: A paridade de exportação refere-se ao valor/sc desestivado sobre rodas, o que é abaixo do valor FOB Paranaguá. *Os preços médios semanais apresentados nas praças de

Leia mais

CONJUNTURA ECONÔMICA

CONJUNTURA ECONÔMICA CONJUNTURA ECONÔMICA O principal índice de inflação da economia brasileira, o Índice Nacional de Preços ao Consumidor- Amplo (IPCA) foi -0,23% em junho, taxa muito inferior ao mês de maio e inferior também

Leia mais

Figura 01 - Evolução das exportações de suínos de Santa Catarina no período de 2010 a 2014 - US$ Milhões.

Figura 01 - Evolução das exportações de suínos de Santa Catarina no período de 2010 a 2014 - US$ Milhões. Crise na Ucrânia: dificuldades e potencialidades para o setor de carne suína e milho em Santa Catarina Glaucia Padrão, Dr.ª Analista de Economia, Epagri/Cepa Reney Dorow, Msc. Analista de Mercado, Epagri/Cepa

Leia mais

110,0 105,0 100,0 95,0 90,0 85,0 80,0

110,0 105,0 100,0 95,0 90,0 85,0 80,0 BOI GORDO O ano de 2013 registrou preços elevados para a arroba do boi gordo, em todas as praças pecuárias acompanhadas pelo Sistema FAEB/SENAR. No acumulado do ano, foram verificadas as seguintes valorizações:

Leia mais

Alta do dólar reforça aumento dos custos de produção

Alta do dólar reforça aumento dos custos de produção Alta do dólar reforça aumento dos custos de produção Por Prof. Dr. Sergio De Zen e Graziela Correr; Equipe Pecuária de Corte Se, de um lado, a forte alta do dólar frente ao Real tem contribuído para elevar

Leia mais

O AGRONEGÓCIO DO PALMITO NO BRASIL:

O AGRONEGÓCIO DO PALMITO NO BRASIL: O AGRONEGÓCIO DO PALMITO NO BRASIL: UMA ATUALIZAÇÃO Aníbal Rodrigues - anibal@iapar.br Pesquisador - Área de Sócioeconomia Instituto Agronômico do Paraná IAPAR, Curitiba - PR 1 Introdução 2 Metodologia

Leia mais

Fundação de Economia e Estatística Centro de Informações Estatísticas Núcleo de Contabilidade Social

Fundação de Economia e Estatística Centro de Informações Estatísticas Núcleo de Contabilidade Social Fundação de Economia e Estatística Centro de Informações Estatísticas Núcleo de Contabilidade Social COMENTÁRIOS ACERCA DOS NÚMEROS FINAIS DO PIB DO RS E DAS DEMAIS UNIDADES DA FEDERAÇÃO EM 2010 Equipe

Leia mais

Caminhos da Soja Conquistas da Soja no Brasil

Caminhos da Soja Conquistas da Soja no Brasil Caminhos da Soja Conquistas da Soja no Brasil Francisco Sérgio Turra Presidente Executivo Soja no Mundo Mil toneladas Evolução da produção de soja por país (mil toneladas) 100 75 50 Brasil - 84 EUA - 82

Leia mais

Departamento de Ciências Administrativas, Contábeis, Econômicas e da Comunicação - UNIJUÍ

Departamento de Ciências Administrativas, Contábeis, Econômicas e da Comunicação - UNIJUÍ DACEC Departamento de Ciências Administrativas, Contábeis, Econômicas e da Comunicação - UNIJUÍ Comentários referentes ao período entre 05/07/2013 a 11/07/2013 Prof. Dr. Argemiro Luís Brum 1 Prof. Ms.

Leia mais

Departamento de Pesquisas e Estudos Econômicos

Departamento de Pesquisas e Estudos Econômicos Maio de 2015 Benefício do câmbio mais depreciado sobre as exportações de carnes será limitado pela queda da demanda de mercados relevantes Regina Helena Couto Silva Departamento de Pesquisas e Estudos

Leia mais

BOLETIM CUSTOS E PREÇOS. Novembro de 2013

BOLETIM CUSTOS E PREÇOS. Novembro de 2013 BOLETIM CUSTOS E PREÇOS Novembro de 2013 Milho: Neste mês o mercado de milho registrou comportamento diferenciado. Em algumas localidades ocorreram quedas nos preços, caso do Paraná, e sustentação em outras,

Leia mais

03/10/2014. Roteiro da Apresentação FINANCEIRIZAÇÃO DO MERCADO ANÁLISE TÉCNICA E DE CICLOS OFERTA E DEMANDA

03/10/2014. Roteiro da Apresentação FINANCEIRIZAÇÃO DO MERCADO ANÁLISE TÉCNICA E DE CICLOS OFERTA E DEMANDA OS MERCADOS DE SOJA, MILHO E TRIGO EM 2015 FERNANDO MURARO JR. Engenheiro agrônomo e analista de mercado da AgRural Commodities Agrícolas OCEPAR Curitiba (PR), 02/out/14 www.agrural.com.br A INFORMAÇÃO

Leia mais

Índice de Confiança do Agronegócio

Índice de Confiança do Agronegócio Índice de Confiança do Agronegócio Terceiro Trimestre 2014 Principais Resultados:» Índice de Confiança do Agronegócio» Índice da Indústria (antes e depois da porteira)» Índice do Produtor Agropecuário

Leia mais

Balança Comercial 2003

Balança Comercial 2003 Balança Comercial 2003 26 de janeiro de 2004 O saldo da balança comercial atingiu US$24,8 bilhões em 2003, o melhor resultado anual já alcançado no comércio exterior brasileiro. As exportações somaram

Leia mais

Coletiva de imprensa ESTIMATIVA DA SAFRA 2013/2014

Coletiva de imprensa ESTIMATIVA DA SAFRA 2013/2014 Coletiva de imprensa ESTIMATIVA DA SAFRA 2013/2014 São Paulo, 29 de abril de 2013 ROTEIRO I. Safra 2012/2013 na região Centro-Sul: dados finais Moagem e produção Mercados de etanol e de açúcar Preços e

Leia mais

Capacidade dos Portos Brasileiros Soja e Milho

Capacidade dos Portos Brasileiros Soja e Milho CAPACIDADE DOS PORTOS BRASILEIROS Capacidade dos Portos Brasileiros Soja e Milho 1 Novembro 2012 Esse estudo pretende chegar a um volume máximo de soja, milho e derivados, que pode ser exportado, por meio

Leia mais

2014: Um ano de vitórias para o agronegócio

2014: Um ano de vitórias para o agronegócio Edição 08 - Janeiro de 2015 2014: Um ano de vitórias para o agronegócio Esta edição do Boletim do Agronegócio Internacional dedica atenção especial à análise do comércio exterior do setor em 2014. A agricultura

Leia mais

PARANÁ CONTINUA SENDO O MAIOR PRODUTOR DE GRÃOS

PARANÁ CONTINUA SENDO O MAIOR PRODUTOR DE GRÃOS SECRETARIA DE ESTADO DA AGRICULTURA E DO ABASTECIMENTO DEPARTAMENTO DE ECONOMIA RURAL D E R A L PARANÁ CONTINUA SENDO O MAIOR PRODUTOR DE GRÃOS 20/03/06 O levantamento de campo realizado pelo DERAL, no

Leia mais

Balança Comercial. Manoela Oliveira E-mail: manoela.teixeira@agricultura.mg.gov.br Tel: (31) 3915-8603 - Belo Horizonte/MG

Balança Comercial. Manoela Oliveira E-mail: manoela.teixeira@agricultura.mg.gov.br Tel: (31) 3915-8603 - Belo Horizonte/MG Edição 01 Janeiro Balança Comercial Manoela Oliveira E-mail: manoela.teixeira@agricultura.mg.gov.br Tel: (31) 3915-8603 - Belo Horizonte/MG 3 Exportações As exportações do agronegócio mineiro totalizaram

Leia mais