Suporte de rede para comunicação multimídia

Save this PDF as:
 WORD  PNG  TXT  JPG

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "Suporte de rede para comunicação multimídia"

Transcrição

1 Universidade Federal de São Carlos UFSCar Departamento de Computação DC Grupo de Sistemas Distribuídos e Redes GSDR Disciplina: Estrutura de Aplicações Distribuídas e Multimídia Orientador: Dr. Sérgio Donizetti Zorzo Aluna: Daniele Santini Jacinto São Carlos, 13/09/2005

2 Tópicos abordados Características de redes adequadas à comunicação multimídia Conceitos sobre comunicação de dados Tecnologia de rede FDDI Tecnologia de rede DQDB Tecnologia de rede ATM Redes multimídia e garantia de desempenho Caracterização de tráfego Controle de admissão, negociação de QoS e gerenciamento de tráfego Gerência do planejamento das filas Resumo

3 Introdução

4 Tópicos abordados Características de redes adequadas à comunicação multimídia Conceitos sobre comunicação de dados Tecnologia de rede FDDI Tecnologia de rede DQDB Tecnologia de rede ATM Redes multimídia e garantia de desempenho Caracterização de tráfego Controle de admissão, negociação de QoS e gerenciamento de tráfego Gerência do planejamento das filas Resumo

5 Características de redes adequadas à comunicação multimídia Os 4 critérios que determinam se uma tecnologia de rede é adequada para comunicações multimídias são: A largura de banda deverá ser suficientemente alta para suportar várias aplicações ao mesmo tempo; Os recursos de rede poderão ser compartilhados de forma eficiente entre as aplicações; A tecnologia de rede provê garantias de desempenho quando a aplicação necessitar dessa garantia; A tecnologia de rede deverá ser escalável, A tecnologia de rede implementa comunicação Multicasting.

6 Características de redes adequadas à comunicação multimídia Largura de banda Recursos compartilhados Garantias de desempenho Rede escalável Comunicação multicasting Largura de banda é a capacidade de transmissão de uma rede e é determinada por: Meio de transmissão utilizado (UTP, coaxial, fibra ótica) Protocolos Distâncias entre os nós Velocidade entre os nós intermediários Alta largura de banda é uma característica de aplicações multimídia

7 Características de redes adequadas à comunicação multimídia Largura de banda Recursos compartilhados Garantias de desempenho Rede escalável Comunicação multicasting O compartilhamento eficiente de recursos é obtido quando: Utiliza-se o princípio de largura de banda sobre demanda ou statiscal multiplexing Utiliza-se redes com comutação de pacotes ao invés de comutação de circuitos O tamanho dos pacotes deve ser adequado de forma a não causar overhead (pequenos) ou pacotes not full (grandes) Evita-se a retransmissão de dados; que é causada principalmente pela falta de buffer entre os nós intermediários; utilizando o princípio de prioridade de tráfego

8 Características de redes adequadas à comunicação multimídia Largura de banda Recursos compartilhados Garantias de desempenho Rede escalável Comunicação multicasting A garantia de desempenho será obtida quando: Os pacotes acessam a rede em um tempo especificado e uma vez na rede, chegam no destino em um tempo X também determinado (pode-se notar aqui o problema de se utilizar o protocolo MAC que utiliza o CSMA/CD para acesso ao meio) Os nós intermediários não utilizam o processo de store-and-forward pois o mesmo é indeterminístico (buffer full, canal saída ocupado ou processo ocupado)

9 Características de redes adequadas à comunicação multimídia Largura de banda Recursos compartilhados Garantias de desempenho Rede escalável Comunicação multicasting A rede deve apresentar escalonamento em relação à: Distância (a mesma arquitetura e protocolos podem atuar em LANs e WANs) Largura de banda (a largura de banda cresce de acordo com o crescimento da demanda de largura de banda pelo usuário sem mudar o protocolo de rede) Quantidade de usuários (a largura de banda de um usuário não pode ser afetada pelo número de conexões ativas na rede)

10 Características de redes adequadas à comunicação multimídia Largura de banda Recursos compartilhados Garantias de desempenho Rede escalável Comunicação multicasting Permite que um stream seja distribuído para vários destinos de forma eficiente e rápida pois o mesmo dado não é transmitido em um mesmo link de rede mais do que uma vez.

11 Tópicos abordados Características de redes adequadas à comunicação multimídia Conceitos sobre comunicação de dados Tecnologia de rede FDDI Tecnologia de rede DQDB Tecnologia de rede ATM Redes multimídia e garantia de desempenho Caracterização de tráfego Controle de admissão, negociação de QoS e gerenciamento de tráfego Gerência do planejamento das filas Resumo

12 Conceitos importantes de comunicação de dados Conceitos utilizados em comunicação multimídia Assíncrona Síncrona Isócrona Sincronização

13 Conceitos importantes de comunicação de dados Transmissão de dados assíncrona ou síncrona Assíncrona O clock entre o transmissor e o receptor não é sincronizado; Os dados para serem transmitidos são sinalizados com start bit e stop bit; O tempo de transmissão não é estruturado pois o transmissor pode iniciar uma transmissão a qualquer hora, O termo assíncrono se refere a casualidade do tempo de transmissão dos dados.

14 Conceitos importantes de comunicação de dados Transmissão de dados assíncrona ou síncrona Síncrona O clock entre o transmissor e o receptor são sincronizados e o tempo é dividido em intervalos de comprimento fixo. Um intervalo corresponde à um bit. Os bits de dados são transmitidos constantemente sobre o meio de transmissão sem utilizar start bit ou stop bit. O termo síncrono se refere ao intervalo de tempo fixo.

15 Conceitos importantes de comunicação de dados Multiplexação síncrona ou assíncrona (multiplexação significa compartilhar um meio de transmissão entre conexões distintas) STDM Synchronous Time Division Multiplexing Um meio é compartilhado entre várias conexões ativas Um determinado número de bits é agrupado em um timeslot de comprimento fixo Uma conexão só pode utilizar o timeslot à ela associado.

16 Conceitos importantes de comunicação de dados Multiplexação síncrona ou assíncrona ATDM - Asynchronous Time-Division Multiplexing O timeslot pode ter tamanho fixo ou variável O timeslot não é associado à nenhuma conexão. Uma conexão pode utilizar qualquer timeslot para transmitir se ele não estiver sendo utilizado por outra conexão.

17 Conceitos importantes de comunicação de dados Comunicação isócrona Comunicação isócrona refere-se ao serviço de rede que garante uma largura de banda fixa sem delay jitter para uma conexão. Esse tipo de serviço é normalmente implementado por redes de comutação de circuitos. Áudio e vídeo digital sem compressão geram dados de forma isócrona.

18 Conceitos importantes de comunicação de dados Serviços assíncronos,síncronos e isócronos em FDDI Na terminologia FDDI, os termos assíncrono e síncrono possuem um significado diferentes da definição normal. Serviços assíncronos - não provêm garantia de largura de banda e delay. Serviços síncronos - garantem largura de banda e delay Serviços isócronos - emulam uma rede STDM para prover garantia de largura de banda sem variação de delay.

19 Conceitos importantes de comunicação de dados Sincronização Intramedia e Intermedia Sincronização pode ser vista como a apresentação correta no tempo de dados multimídia (áudio e vídeo) pertencentes a uma aplicação. Sincronização de mídia é conhecida como o relacionamento temporal dentro de um stream de mídia ou entre streams. Sincronização Intramedia - preserva as relações temporais entre frames consecutivos e a continuidade da reprodução dentro de um único stream de mídia. Sincronização Intermedia coordena os diferentes streams de mídia de modo a adquirirem as relações temporais desejadas entre elas (sincronização ao vivo).

20 Tópicos abordados Características de redes adequadas à comunicação multimídia Conceitos sobre comunicação de dados Tecnologia de rede FDDI Tecnologia de rede DQDB Tecnologia de rede ATM Redes multimídia e garantia de desempenho Caracterização de tráfego Controle de admissão, negociação de QoS e gerenciamento de tráfego Gerência do planejamento das filas Resumo

21 FDDI Fiber Distributed Data Interface Visão Geral Topologia de um anel duplo 100 Mbps Passagem de token Extensão máxima de 100 Km tendo a cada 2 Km um repetidor e um total de 500 computadores interligados Cada anel opera em um sentido O segundo anel só é ativado quando há a detecção de um problema com o primeiro anel

22 FDDI Fiber Distributed Data Interface Classes de serviços Síncronos garante largura banda e tempo de resposta (usado para aplicação real-time) Assíncronos compartilha largura de banda (usado para aplicações não real-time) Parâmetros utilizados nas regras de transmissão (essas regras garantem a transmissão de uma qtde de dados a cada 2 TTRT segundos) TTRT Target Token Rotation Time TRT Token Rotation Timer THT Token Holding Timer LC Late counter SAi Synchronous Allocation para estação i

23 FDDI Fiber Distributed Data Interface Regra de transmissão 1 A estação recebe o token e o TokenRotationTime > 0 TokenHoldingTime = resto TokenRotationTime TokenRotationTime = TargetTokenRotationTime A estação pode transmitir: Frames sincronos por um período de tempo igual a SAi Após transmissão síncrona ou se não há transmissão síncrona, TokenHoldingTime é habilitado e começa o count down. A estação poderá transmitir frames assíncronos enquanto TokenHoldingTimer > 0

24 FDDI Fiber Distributed Data Interface Regra de transmissão 2 A estação não recebe o token e o TokenRotatioTime < 0 (o token está atrasado) LateCounter ++ TokenRotationTime = TargetTokenRotationTime TimerRotationTime count down OBS: Se a estação não receber o anel na segunda vez, isto é LateCounter = 2, o anel será reinicializado. Regra de Transmissão 3 A estação recebe o token e LateCounter = 1 LateCounter=0 TokenRotationTime continua count down A estação pode transmitir frames síncronos mas não pode transmitir frames assíncronos.

25 FDDI Fiber Distributed Data Interface FDDI II Como o FDDI transmite frames de tamanho variável que utilizam delimitadores para marcar seu início e fim, FDDI não é adequado a manter continuas taxas de dados entre duas estações. A classe de tráfego síncrono do FDDI garante apenas uma taxa de dados mínima suportada, ele não provê um stream de dados uniforme sem variação. FDDI-II surgiu para dar suporte de serviços isócronos (prover largura de banda sem variação de delay) para os serviços assíncronos e síncronos do FDDI. Provê um serviço de comutação de circuito enquanto mantém o serviço de comutação de pacote para controle do token do FDDI original (modo híbrido ou modo básico).

26 FDDI Fiber Distributed Data Interface Adequação do FDDI e do FDDI-II para comunicações multimídia O serviço síncrono do FDDI pode garantir um limite de delay e uma largura de banda mínima para uma conexão. O limite do delay é igual a 2TTRT e a largura de banda mínima é determinada pelo TTRT e SAi, portanto a seleção desses dois parâmetros é muito importante. Quando são selecionados de forma apropriada, o serviço síncrono pode suportar comunicações de áudio e vídeo digitais. O serviço isócrono do FDDI-II reserva uma quantia específica de largura de banda para uma conexão e emula uma rede de comutação de circuito. Assim largura de banda, delay e delay jitter são garantidos. A maior preocupação de utilizar FDDI (incluindo FDDI-II) para aplicações multimídias é que todas as estações compartilham uma quantia fixa de largura de banda, limitando o número total de sessões que podem ser suportadas.

27 Tópicos abordados Características de redes adequadas à comunicação multimídia Conceitos sobre comunicação de dados Tecnologia de rede FDDI Tecnologia de rede DQDB Tecnologia de rede ATM Redes multimídia e garantia de desempenho Caracterização de tráfego Controle de admissão, negociação de QoS e gerenciamento de tráfego Gerência do planejamento das filas Resumo

28 DQDB Distributed Queue Dual Bus DQDB refere-se a topologia (Dual Bus) e a técnica de controle de acesso empregada (Distributed Queue) Pode operar com uma taxa de dados variável múltipla de Mbps Tempo de transmissão de cada barramento é dividido em um stream constante de slots de tamanho fixo com 53 bytes. Os nós podem receber e tansmitir dados através slots. A Head A gera slots para o barramento A e a Head B para o barramento B

29 DQDB Distributed Queue Dual Bus Há dois tipos de slots QA Queue Arbitrated carrega dados assíncronos PA PreArbitrated carrega dados isócronos Regra de comunicação Quando a estação têm dados a transmitir ela emiti um request. Ela pode transmitir dados em um slot em branco quando um request, emitido por uma outra estação anterior ao request que ela emitiu, tenha sido atendido. A mais importante característica da DQDB para comunicações multimída é seu slot PA. Transmissão através desse slot provê garantia de largura de banda e de delay. O desempenho dele é similar ao provido pelo serviço isócrono do FDDI-II. Outra importante característica da DQDB é que o tamanho do seu slot é o mesmo que o tamanho das células ATM facilitando a interconexão entre as redes DQDB e ATM.

30 Tópicos abordados Características de redes adequadas à comunicação multimídia Conceitos sobre comunicação de dados Tecnologia de rede FDDI Tecnologia de rede DQDB Tecnologia de rede ATM Redes multimídia e garantia de desempenho Caracterização de tráfego Controle de admissão, negociação de QoS e gerenciamento de tráfego Gerência do planejamento das filas Resumo

31 ATM Asynchronous Transfer Mode A palavra chave em ATM é assíncrono. Assíncrono focaliza a diferença entre ATM e STDM tradicional. STDM o tempo é dividido em frames com comprimento fixo os quais são divididos em timeslot de tamanho fixo e esses timeslot são relacionados à uma conexão (se uma conexão necessita enviar mais dados do que um timeslot pode suportar (64 Bbps) ela deve esperar pelo seu timeslot do próximo frame. Se ela necessita enviar apenas 16Kbps os 48Kbps serão perdidos) Em ATM, o tempo é dividido em slots de tamanho fixo e esses slots podem ser utilizados por qualquer conexão Principal vantagem do ATM é banda sobre demanda: cada conexão pode usar tanta largura de banda quando ela necessita dada uma largura de banda máxima. Dessa forma a largura de banda é compartilhada de forma eficiente.

32 ATM Asynchronous Transfer Mode Os pequenos pacotes que são colocados nos timeslots se chamam células. Como é decidido o tamanho da célula? Qtde de overhead Delay na montagem da célula Delay na multiplexação Delay de forwarding

33 ATM Asynchronous Transfer Mode Qtde de overhead Delay na montagem da célula Delay na multiplexação Delay de forwarding Se a célula é muito pequena, por exemplo 16 bytes, e o cabeçalho é de 4 bytes então o overhead é de 25%, isto é, 25% da largura de banda transmiti informações que não são utilizadas pelo usuário. Para o uso da largura de banda de forma eficiente, o tamanho da célula deverá ser maior.

34 ATM Asynchronous Transfer Mode Qtde de overhead Delay na montagem da célula Delay na multiplexação Quanto maior for o tamanho da célula, maior será o tempo de montagem e maior será o delay experimentado. Delay de forwarding

35 ATM Asynchronous Transfer Mode Qtde de overhead Delay na montagem da célula Delay na multiplexação Delay de forwarding Considerando que a célula de dados estáticos chegue no multiplexador um pouco antes do que a célula de áudio, consequentemente a célula de áudio deve esperar até que a célula de dados estáticos seja transmitida. Se a célula é grande, a célula de áudio irá esperar por um tempo maior.

36 ATM Asynchronous Transfer Mode Qtde de overhead Delay na montagem da célula Delay na multiplexação Delay de forwarding O delay de forwarding é similar ao delay de montagem da célula ma ele ocorre nos nós intermediários de interconexão das redes. Corresponde ao período de tempo entre o ponto em que o primeiro byte da célula chega na switch e o ponto em que a switch inicia o forwarding da célula.

37 ATM Asynchronous Transfer Mode Conclusões quanto ao tamanho das células Para reduzir o delay total das células, o tamanho da célula deverá ser pequeno, mas para aumentar o uso da largura de banda, o tamanho da célula deverá ser grande. O tamanho do payload de 48 bytes do ATM foi o resultado de uma parte do grupo de implementação sugerir 128 bytes (para tornar ATM adequado ao tráfego de dados estáticos) enquanto a outra parte sugeriu 16 bytes (para otimizar a comunicação de voz). Após alguma negociação, os dois lados revisaram suas propostas para 64 e 32 bytes. O comitê de implementação adotou a média desses 2 valores para estabelecer o tamanho do payload em 48 bytes.

38 ATM Asynchronous Transfer Mode Modelo de referência do protocolo B-ISDN (Broadband-Integrated Service Digital Network) Layer ATM Adaptation Layer ATM Layer Physical Layer Funções Segmentação Montagem Funções que dependem da aplicação (ex. controle erro) Controle genérico do fluxo Geração/extração do cabeçalho das células Translação do VPI/VCI das célular Multiplexação e demultiplexação das células Transmissão de bits sobre o meio de transmissão (fibra ótica usando Synchronous Optical Network SONET)

39 ATM Asynchronous Transfer Mode Configuração hierárquica de uma rede ATM multimídia

40 ATM Asynchronous Transfer Mode Configuração de uma chamada de conexão Tabela rota da switch 1 Entrada Saída Link h, VPI-1, VCI-1 Link i, VPI-2, VCI-2 Tabela rota da switch 2 Entrada Link j, VPI-2, VCI-2 Saída Link k, VPI-3, VCI-3

41 ATM Asynchronous Transfer Mode Sobre ATM podemos identificar 4 tipos de aplicações e para suportar essas diferentes classes de serviços foram propostos diferentes níveis de adaptação: Aplicações com taxa constante sensível ao tempo AAL 1 Aplicações com taxa variável sensível ao tempo (delay fixo) AAL 2 Aplicações de dados orientada a conexão AAL 3/4 Aplicações de dados não orientada a conexão AAL 3/4

42 ATM Asynchronous Transfer Mode Porque ATM é indicado para comunicação multimídia Largura de banda: 155 Mbps e 622 Mbps Flexibilidade e garantia de QoS (suporta diversos tipos tráfego) Escalabilidade (compartilha UNI) Integração (suporta vários tipos de aplicações em uma mesma UNI) Capacidade de Multicast Padronização

43 Tópicos abordados Características de redes adequadas à comunicação multimídia Conceitos sobre comunicação de dados Tecnologia de rede FDDI Tecnologia de rede DQDB Tecnologia de rede ATM Redes multimídia e garantia de desempenho Caracterização de tráfego Controle de admissão, negociação de QoS e gerenciamento de tráfego Gerência do planejamento das filas Resumo

44 Redes multimídia e garantia de desempenho Garantia de desempenho no nível de rede é obtido quando há: Mecanismo de especificação de QoS por aplicação Controle de aceitação para determinar se uma nova aplicação poderá ser aceita sem afetar o QoS de outra aplicação Processo de negociação de QoS para determinar um conjunto de parâmetros aceitáveis pela aplicação e pelo sistema Políticas de tráfego para ter certeza que a aplicação gera uma quantia de dados de acordo com a especificação aceita.

45 Tópicos abordados Características de redes adequadas à comunicação multimídia Conceitos sobre comunicação de dados Tecnologia de rede FDDI Tecnologia de rede DQDB Tecnologia de rede ATM Redes multimídia e garantia de desempenho Caracterização de tráfego Controle de admissão, negociação de QoS e gerenciamento de tráfego Gerência do planejamento das filas Resumo

46 Caracterização de tráfego Por que usar a caracterização (especificação) de tráfego? A rede pode decidir se ela pode suportar o fluxo baseando-se nessa especificação. A rede pode realizar políticas de monitoramento para verificar se o tráfego está de acordo com o que foi especificado. Os switches dentro de uma rede podem programar filas baseadas nas especificações de tráfego. A caracterização de tráfego pode ser feita através da: Especificação múltiplos parâmetros Modelagem de tráfego

47 Caracterização de tráfego Especificação múltiplos parâmetros Modelagem de tráfego Para descrever um tráfego específico utiliza-se os parâmetros: Taxa pico Taxa média Taxa bit-variável Processos como Poisson e Markov e o modelo D-BIND

48 Caracterização de tráfego Especificação múltiplos parâmetros Modelagem de tráfego Esquema de modelagem de tráfego é utilizado quando é complicado descrever um padrão de tráfego. Têm como objetivo regular o tráfego em certos padrões ou modelos antes de colocá-lo na rede. Modelagem de tráfego balde furado Modelagem de tráfego balde de token Remodelagem de tráfego

49 Caracterização de tráfego Modelagem de tráfego balde furado (usado na UNI) Leaky Bucket B/R determina o delay máximo que um dado permanece no balde. Quando R é escolhido de forma que há uma pequena taxa de descarte de dado, esse valor será chamado de largura de banda efetiva. Vantagens: Implementação simples Buffer FIFO Fácil de descrever em uma política (taxa de transmissão R)

50 Caracterização de tráfego Modelagem de tráfego balde de token (usado na UNI) Token Bucket Aplicação têm que gerenciar o buffer de dados Ocorre o descarte de tokens e não de dados

51 Caracterização de tráfego Remodelagem do tráfego Quando dados vindos de caminhos diferentes chegam em um mesmo instante na switch, os mesmos serão remodelados seguindo uma ordem (prioridade).

52 Tópicos abordados Características de redes adequadas à comunicação multimídia Conceitos sobre comunicação de dados Tecnologia de rede FDDI Tecnologia de rede DQDB Tecnologia de rede ATM Redes multimídia e garantia de desempenho Caracterização de tráfego Controle de admissão, negociação de QoS e gerenciamento de tráfego Gerência do planejamento das filas Resumo

53 Controle de admissão, negociação de Qos e gerenciamento de tráfego Admissão Mediante a caracterização do tráfego recebida, o processo de admissão irá aceitar novas conexões apenas se o QoS da conexão atual não viola o QoS das conexões anteriores (controle de admissão orientado ao desempenho). Negociação de QoS QoS só é garantida se as informações do tráfego estabelecido estiverem disponíveis na rede. Gerenciamento de tráfego São estabelecidas políticas de tráfego. Se detectado excesso de tráfego o pacote é marcado como sendo de baixa prioridade.

54 Tópicos abordados Características de redes adequadas à comunicação multimídia Conceitos sobre comunicação de dados Tecnologia de rede FDDI Tecnologia de rede DQDB Tecnologia de rede ATM Redes multimídia e garantia de desempenho Caracterização de tráfego Controle de admissão, negociação de QoS e gerenciamento de tráfego Gerência do planejamento das filas Resumo

55 Gerência do planejamento das filas O que mais afeta o desempenho de um fluxo são as switches onde os pacotes de diferentes fluxos competem pelo tempo de processamento da switch e pelo link de saída. As switches podem ser modeladas como filas o que permiti a garantia de QoS. Os critérios utilizados para julgar se um esquema de fila é adequado ou não são: Se o esquema provê garantias estatísticas ou determinísticas Quais propriedades do fluxo são garantidas pelo esquema (taxa perda, largura de banda no pior caso, limite máximo de delay, delay jitter) Quais suposições o esquema faz para prover garantias (o esquema pode ser utilizado de forma genérica?) Se o esquema é fácil de implementar.

56 Gerência do planejamento das filas Alguns procedimentos para controle de fila Virtual Clock Weighted Fair Queuing Delay Earliest-Due-Date Jitter Earliest-Due-Date Stop-and-Go Priority Schemes and Graceful Degradation

57 Tópicos abordados Características de redes adequadas à comunicação multimídia Conceitos sobre comunicação de dados Tecnologia de rede FDDI Tecnologia de rede DQDB Tecnologia de rede ATM Redes multimídia e garantia de desempenho Caracterização de tráfego Controle de admissão, negociação de QoS e gerenciamento de tráfego Gerência do planejamento das filas Resumo

58 Resumo Redes multimídias necessitam de largura de banda alta, garantia de QoS, uso eficiente dos recursos de rede, ser escalável e permitir comunicação multicast. FDDI e DQDB Largura de banda alta Tráfego isócrono (banda dedicada) Não são bem escaláveis (meio é compartilhado) ATM Garantia de QoS Caracterização de tráfego Controle de admissão Política de tráfego Planejamento de filas fornecendo garantia de desempenho

59 Protocolos de transporte para suporte à comunicação multimídia Bibliografia Guojun Lu, Communication and Computing for Distributed Multimedia Systems, Artech House Boston London, 1996 Tanembaum Andrew S, Redes de Computadores, Editora Campus, 3a. Edição, 1997 Torres Gabriel, Redes de computadores: curso completo, Axcel Books

REDES DE COMPUTADORES II. Ricardo José Cabeça de Souza www.ricardojcsouza.com.br

REDES DE COMPUTADORES II. Ricardo José Cabeça de Souza www.ricardojcsouza.com.br REDES DE COMPUTADORES II Ricardo José Cabeça de Souza www.ricardojcsouza.com.br Surgiu final década de 1980 Tecnologia de comutação em infraestrutura redes RDSI-FL(B-ISDN) Recomendação I.121 da ITU-T(1988)

Leia mais

REDES DE COMPUTADORES II. Ricardo José Cabeça de Souza www.ricardojcsouza.com.br

REDES DE COMPUTADORES II. Ricardo José Cabeça de Souza www.ricardojcsouza.com.br REDES DE COMPUTADORES II Ricardo José Cabeça de Souza www.ricardojcsouza.com.br REDE PÚBLICA x REDE PRIVADA Rede Pública Circuitos compartilhados Rede Privada Circuitos dedicados Interligação entre Dispositivos

Leia mais

REDE DE COMPUTADORES TECNOLOGIA ETHERNET

REDE DE COMPUTADORES TECNOLOGIA ETHERNET SERVIÇO NACIONAL DE APRENDIZAGEM COMERCIAL REDE DE COMPUTADORES TECNOLOGIA ETHERNET Prof. Airton Ribeiro de Sousa E-mail: airton.ribeiros@gmail.com ARQUITETURA ISDN (Integrated Services Digital Network)

Leia mais

Redes de Dados. Aula 1. Introdução. Eytan Mediano

Redes de Dados. Aula 1. Introdução. Eytan Mediano Redes de Dados Aula 1 Introdução Eytan Mediano 1 6.263: Redes de Dados Aspectos fundamentais do projeto de redes e análise: Arquitetura Camadas Projeto da Topologia Protocolos Pt - a Pt (Pt= Ponto) Acesso

Leia mais

Redes WAN Conceitos Iniciais. Prof. Walter Cunha

Redes WAN Conceitos Iniciais. Prof. Walter Cunha Redes WAN Conceitos Iniciais Prof. Walter Cunha Comutação por Circuito Todos os recursos necessários em todos os subsistemas de telecomunicação que conectam origem e destino, são reservados durante todo

Leia mais

Redes WAN. Prof. Walter Cunha

Redes WAN. Prof. Walter Cunha Redes WAN Conceitos Iniciais Prof. Walter Cunha Comutação por Circuito Todos os recursos necessários em todos os subsistemas de telecomunicação que conectam origem e destino, são reservados durante todo

Leia mais

Estrutura de um Rede de Comunicações. Redes e Sistemas Distribuídos. Tarefas realizadas pelo sistema de comunicação. Redes de comunicação de dados

Estrutura de um Rede de Comunicações. Redes e Sistemas Distribuídos. Tarefas realizadas pelo sistema de comunicação. Redes de comunicação de dados Estrutura de um Rede de Comunicações Profa.. Cristina Moreira Nunes Tarefas realizadas pelo sistema de comunicação Utilização do sistema de transmissão Geração de sinal Sincronização Formatação das mensagens

Leia mais

1. INTRODUÇÃO AO ATM. O nome ATM vem de ASYNCHRONOUS TRANSFER MODE.

1. INTRODUÇÃO AO ATM. O nome ATM vem de ASYNCHRONOUS TRANSFER MODE. 1. INTRODUÇÃO AO ATM O nome ATM vem de ASYNCHRONOUS TRANSFER MODE. O Protocolo ATM vem se tornando a cada dia que passa o mas importante no meio das Telecomunicações Mundiais. Tudo leva a crer que desempenhará

Leia mais

Voz sobre ATM. Prof. José Marcos C. Brito

Voz sobre ATM. Prof. José Marcos C. Brito Voz sobre ATM Prof. José Marcos C. Brito 1 Camada de adaptação Voz não comprimida (CBR) AAL 1 Voz comprimida (VBR) AAL 2 Para transmissão de voz sobre a rede ATM podemos utilizar a camada de adaptação

Leia mais

Equipamentos de Rede. Prof. Sérgio Furgeri 1

Equipamentos de Rede. Prof. Sérgio Furgeri 1 Equipamentos de Rede Repetidor (Regenerador do sinal transmitido)* Mais usados nas topologias estrela e barramento Permite aumentar a extensão do cabo Atua na camada física da rede (modelo OSI) Não desempenha

Leia mais

RCO2. WAN: Frame Relay ATM

RCO2. WAN: Frame Relay ATM RCO2 WAN: Frame Relay ATM 1 WAN WAN: Wide Area Network Cobrem longas distâncias Conectividade provida por operadoras de serviço, cuja infraestrutura é compartilhada pelos clientes; cobrança por largura

Leia mais

REDES DE COMPUTADORES Prof. Ricardo Rodrigues Barcelar http://www.ricardobarcelar.com.br

REDES DE COMPUTADORES Prof. Ricardo Rodrigues Barcelar http://www.ricardobarcelar.com.br - Aula Complementar - EQUIPAMENTOS DE REDE 1. Repetidor (Regenerador do sinal transmitido) É mais usado nas topologias estrela e barramento. Permite aumentar a extensão do cabo e atua na camada física

Leia mais

Márcio Leandro Moraes Rodrigues. Frame Relay

Márcio Leandro Moraes Rodrigues. Frame Relay Márcio Leandro Moraes Rodrigues Frame Relay Introdução O frame relay é uma tecnologia de chaveamento baseada em pacotes que foi desenvolvida visando exclusivamente a velocidade. Embora não confiável, principalmente

Leia mais

Centro Tecnológico de Eletroeletrônica César Rodrigues. Atividade Avaliativa

Centro Tecnológico de Eletroeletrônica César Rodrigues. Atividade Avaliativa 1ª Exercícios - REDES LAN/WAN INSTRUTOR: MODALIDADE: TÉCNICO APRENDIZAGEM DATA: Turma: VALOR (em pontos): NOTA: ALUNO (A): 1. Utilize 1 para assinalar os protocolos que são da CAMADA DE REDE e 2 para os

Leia mais

Qualidade de serviço. Determina o grau de satisfação do usuário em relação a um serviço específico Capacidade da rede de atender a requisitos de

Qualidade de serviço. Determina o grau de satisfação do usuário em relação a um serviço específico Capacidade da rede de atender a requisitos de Qualidade de serviço Determina o grau de satisfação do usuário em relação a um serviço específico Capacidade da rede de atender a requisitos de Vazão Atraso Variação do atraso Erros Outros Qualidade de

Leia mais

Apostilas de Eletrônica e Informática SDH Hierarquia DigitaL Síncrona

Apostilas de Eletrônica e Informática SDH Hierarquia DigitaL Síncrona SDH A SDH, Hierarquia Digital Síncrona, é um novo sistema de transmissão digital de alta velocidade, cujo objetivo básico é construir um padrão internacional unificado, diferentemente do contexto PDH,

Leia mais

1 Lista de exercícios 01

1 Lista de exercícios 01 FRANCISCO TESIFOM MUNHOZ 2007 1 Lista de exercícios 01 1) No desenvolvimento e aperfeiçoamento realizado em redes de computadores, quais foram os fatores que conduziram a interconexão de sistemas abertos

Leia mais

MASSACHUSETTS INSTITUTE OF TECHNOLOGY SLOAN SCHOOL OF MANAGEMENT. Fatores Tecnológicos, Estratégicos e Organizacionais

MASSACHUSETTS INSTITUTE OF TECHNOLOGY SLOAN SCHOOL OF MANAGEMENT. Fatores Tecnológicos, Estratégicos e Organizacionais MASSACHUSETTS INSTITUTE OF TECHNOLOGY SLOAN SCHOOL OF MANAGEMENT 15.565 Integração de Sistemas de Informação: Fatores Tecnológicos, Estratégicos e Organizacionais 15.578 Sistemas de Informação Global:

Leia mais

UNIVERSIDADE ESTÁCIO DE SÁ

UNIVERSIDADE ESTÁCIO DE SÁ UNIVERSIDADE ESTÁCIO DE SÁ PROTOCOLO ATM Asynchronous Transfer Mode Elton Coelho A. Gonçalves - 201301730432 Henry R. X. de andrade - 201201538106 Marvin Thomaz do Nascimento - 201301507271 Rafael Albino

Leia mais

Protocolo Ethernet e Dispositivos de Interconexão de LANs

Protocolo Ethernet e Dispositivos de Interconexão de LANs Protocolo Ethernet e Dispositivos de Interconexão de LANs Prof. Rafael Guimarães Redes de Alta Velocidade Tópico 4 - Aula 1 Tópico 4 - Aula 1 Rafael Guimarães 1 / 31 Sumário Sumário 1 Motivação 2 Objetivos

Leia mais

Redes de Computadores II Prova 3 13/07/2012. Nome:

Redes de Computadores II Prova 3 13/07/2012. Nome: Redes de Computadores II Prova 3 13/07/2012 Nome: 1. Com base na rede mostrada abaixo: i. Assumindo que essa rede use IP, circule as subredes IP que nela devem ser criadas. ii. Identifique um protocolo

Leia mais

Claudivan C. Lopes claudivan@ifpb.edu.br

Claudivan C. Lopes claudivan@ifpb.edu.br Claudivan C. Lopes claudivan@ifpb.edu.br Arquitetura Token Ring Arquitetura FDDI IFPB/Patos - Prof. Claudivan 2 Usada em redes que possuem computadores de grande porte da IBM Opera nas camadas 1 e 2 do

Leia mais

Redes de Computadores I ENLACE: PPP ATM

Redes de Computadores I ENLACE: PPP ATM Redes de Computadores I ENLACE: PPP ATM Enlace Ponto-a-Ponto Um emissor, um receptor, um enlace: Sem controle de acesso ao meio; Sem necessidade de uso de endereços MAC; X.25, dialup link, ISDN. Protocolos

Leia mais

Aula 1 Fundamentos. Prof. Dr. S. Motoyama

Aula 1 Fundamentos. Prof. Dr. S. Motoyama Aula 1 Fundamentos Prof. Dr. S. Motoyama 1 O que é uma Rede de Computadores? Vários tipos de redes: Redes Telefônicas Redes de Satélites Redes Celulares Redes de TV a cabo Internet e intranets Rede Privada

Leia mais

Fundamentos de Redes de Computadores. Camadas física e de enlace do modelo OSI Prof. Ricardo J. Pinheiro

Fundamentos de Redes de Computadores. Camadas física e de enlace do modelo OSI Prof. Ricardo J. Pinheiro Fundamentos de Redes de Computadores Camadas física e de enlace do modelo OSI Prof. Ricardo J. Pinheiro Resumo Camada física. Padrões. Equipamentos de rede. Camada de enlace. Serviços. Equipamentos de

Leia mais

Prof. Wilton O. Ferreira Universidade Federal Rural de Pernambuco UFRPE 1º Semestre / 2012

Prof. Wilton O. Ferreira Universidade Federal Rural de Pernambuco UFRPE 1º Semestre / 2012 Prof. Wilton O. Ferreira Universidade Federal Rural de Pernambuco UFRPE 1º Semestre / 2012 As redes de computadores possibilitam que indivíduos possam trabalhar em equipes, compartilhando informações,

Leia mais

Redes de Computadores IEEE 802.3

Redes de Computadores IEEE 802.3 Redes de Computadores Ano 2002 Profª. Vívian Bastos Dias Aula 7 IEEE 802.3 Padrão Ethernet 10BASE5 É o padrão IEEE 802.3 original, taxa de transmissão de 10Mbps. Utiliza um tipo de cabo coaxial grosso

Leia mais

Figura 1 Taxas de transmissão entre as redes

Figura 1 Taxas de transmissão entre as redes Conceitos de Redes Locais A função básica de uma rede local (LAN) é permitir a distribuição da informação e a automatização das funções de negócio de uma organização. As principais aplicações que requerem

Leia mais

RCO2. LANs, MANs e WANs Visão geral

RCO2. LANs, MANs e WANs Visão geral RCO2 LANs, MANs e WANs Visão geral 1 LAN, MAN e WAN Classificação quanto a alcance, aplicação e tecnologias Distâncias: WAN: : distâncias arbitrariamente longas MAN: : distâncias médias (urbanas) LAN:

Leia mais

Redes de Computadores

Redes de Computadores Redes de Computadores... 1 Mobilidade... 1 Hardware de Rede... 2 Redes Locais - LANs... 2 Redes metropolitanas - MANs... 3 Redes Geograficamente Distribuídas - WANs... 3 Inter-redes... 5 Software de Rede...

Leia mais

Figura 1 - Comparação entre as camadas do Modelo OSI e doieee. A figura seguinte mostra o formato do frame 802.3:

Figura 1 - Comparação entre as camadas do Modelo OSI e doieee. A figura seguinte mostra o formato do frame 802.3: Introdução Os padrões para rede local foram desenvolvidos pelo comitê IEEE 802 e foram adotados por todas as organizações que trabalham com especificações para redes locais. Os padrões para os níveis físico

Leia mais

Redes WAN. Redes de Longa Distância Prof. Walter Cunha

Redes WAN. Redes de Longa Distância Prof. Walter Cunha Redes WAN Frame-Relay Redes de Longa Distância Prof. Walter Cunha Desdobramento da ISDN Alta Velocidade Taxas entre 64 Kbps e 2 Mbps Roteamento na Camada de Enlace Usada p/ interligar: WAN, SNA, Internet

Leia mais

Há dois tipos de configurações bidirecionais usados na comunicação em uma rede Ethernet:

Há dois tipos de configurações bidirecionais usados na comunicação em uma rede Ethernet: Comunicação em uma rede Ethernet A comunicação em uma rede local comutada ocorre de três formas: unicast, broadcast e multicast: -Unicast: Comunicação na qual um quadro é enviado de um host e endereçado

Leia mais

Teleprocessamento e Redes Universidade Católica do Salvador. Aula 04 - Estrutura de Redes de Comunicação. Objetivo : Roteiro da Aula :

Teleprocessamento e Redes Universidade Católica do Salvador. Aula 04 - Estrutura de Redes de Comunicação. Objetivo : Roteiro da Aula : Teleprocessamento e Redes Universidade Católica do Salvador Aula 04 - Estrutura de Redes de Comunicação Objetivo : Nesta aula, vamos começar a entender o processo de interligação entre os equipamentos

Leia mais

Organização de Computadores 1

Organização de Computadores 1 Organização de Computadores 1 SISTEMA DE INTERCONEXÃO (BARRAMENTOS) Prof. Luiz Gustavo A. Martins Arquitetura de von Newmann Componentes estruturais: Memória Principal Unidade de Processamento Central

Leia mais

Tópicos. Introdução Conexão Camadas Roteamento Comutação Células. Interfaces. Características ATM. LANs Virtuais. Categorias de Serviço.

Tópicos. Introdução Conexão Camadas Roteamento Comutação Células. Interfaces. Características ATM. LANs Virtuais. Categorias de Serviço. Redes ATM Tópicos Introdução Conexão Camadas Roteamento Comutação Células Interfaces Características ATM LANs Virtuais Categorias de Serviço LAN Emulation Introdução a ATM ATM = Asynchronous Transfer Mode

Leia mais

REDE DE COMPUTADORES

REDE DE COMPUTADORES REDE DE COMPUTADORES Tipos de classificação das redes de acordo com sua topologia Prof. Airton Ribeiro de Sousa E-mail: airton.ribeiros@gmail.com 1 Ao longo da historia das redes, varias topologias foram

Leia mais

Universidade de Brasília

Universidade de Brasília Universidade de Brasília Introdução a Microinformática Turma H Redes e Internet Giordane Lima Porque ligar computadores em Rede? Compartilhamento de arquivos; Compartilhamento de periféricos; Mensagens

Leia mais

1 Redes de comunicação de dados

1 Redes de comunicação de dados 1 Redes de comunicação de dados Nos anos 70 e 80 ocorreu uma fusão dos campos de ciência da computação e comunicação de dados. Isto produziu vários fatos relevantes: Não há diferenças fundamentais entre

Leia mais

3 Qualidade de serviço na Internet

3 Qualidade de serviço na Internet 3 Qualidade de serviço na Internet 25 3 Qualidade de serviço na Internet Além do aumento do tráfego gerado nos ambientes corporativos e na Internet, está havendo uma mudança nas características das aplicações

Leia mais

Redes e Serviços em Banda Larga

Redes e Serviços em Banda Larga Redes e Serviços em Banda Larga Redes Locais de Alta Velocidade Paulo Coelho 2002 /2003 1 Introdução Fast Ethernet Gigabit Ethernet ATM LANs 2 Características de algumas LANs de alta velocidade Fast Ethernet

Leia mais

UNIDADE II. Fonte: SGC Estácio e João Bosco M. Sobral

UNIDADE II. Fonte: SGC Estácio e João Bosco M. Sobral UNIDADE II Aula 8 Redes ATM Fonte: SGC Estácio e João Bosco M. Sobral A RDSI-FE (Rede Digital de Serviços Faixa Estreita) apareceu como uma evolução das tradicionais redes telefônicas, para redes de tecnologia

Leia mais

Fornecer serviços independentes da tecnologia da subrede; Esconder do nível de transporte o número, tipo e a topologia das subredes existentes;

Fornecer serviços independentes da tecnologia da subrede; Esconder do nível de transporte o número, tipo e a topologia das subredes existentes; 2.3 A CAMADA DE REDE! Fornece serviços para o nível de transporte, sendo, freqüentemente, a interface entre a rede do cliente e a empresa de transporte de dados (p.ex. Embratel).! Sua principal função

Leia mais

Redes de Alta Velocidade

Redes de Alta Velocidade Redes de Alta Velocidade IEEE 802.3z e IEEE 802.3ab Gigabit Ethernet Redes de Alta Velocidade IEEE 802.3z e IEEE 802.3ab Gigabit Ethernet Parte I IEEE 802.3 Ethernet Parte II IEEE 802.3u Fast Ethernet

Leia mais

Aula 03 Regras de Segmentação e Switches

Aula 03 Regras de Segmentação e Switches Disciplina: Dispositivos de Rede II Professor: Jéferson Mendonça de Limas 4º Semestre Aula 03 Regras de Segmentação e Switches 2014/1 19/08/14 1 2de 38 Domínio de Colisão Os domínios de colisão são os

Leia mais

REDES DE COMPUTADORES. Camada de Rede. Prof.: Agostinho S. Riofrio

REDES DE COMPUTADORES. Camada de Rede. Prof.: Agostinho S. Riofrio REDES DE COMPUTADORES Camada de Rede Prof.: Agostinho S. Riofrio Agenda 1. Introdução 2. Funções 3. Serviços oferecidos às Camadas superiores 4. Redes de Datagramas 5. Redes de Circuitos Virtuais 6. Comparação

Leia mais

Software de rede e Modelo OSI André Proto UNESP - São José do Rio Preto andre.proto@sjrp.unesp.br O que será abordado Hierarquias de protocolos (camadas) Questões de projeto relacionadas às camadas Serviços

Leia mais

Redes Locais, Metropolitanas e de Longa Distância

Redes Locais, Metropolitanas e de Longa Distância Redes Locais, Metropolitanas e de Longa Distância Hermes Senger Pós-Graduação Lato Sensu em Redes de Computadores - DC - UFSCar Redes LAN, MAN e WAN - 1 Histórico - até início dos anos 80 Computação baseada

Leia mais

Modelo de referência OSI. Modelo TCP/IP e Internet de cinco camadas

Modelo de referência OSI. Modelo TCP/IP e Internet de cinco camadas Modelo de referência OSI. Modelo TCP/IP e Internet de cinco camadas Conhecer os modelo OSI, e TCP/IP de cinco camadas. É importante ter um padrão para a interoperabilidade entre os sistemas para não ficarmos

Leia mais

Prof. Samuel Henrique Bucke Brito

Prof. Samuel Henrique Bucke Brito - Redes WAN de Circuitos Virtuais www.labcisco.com.br ::: shbbrito@labcisco.com.br Prof. Samuel Henrique Bucke Brito Introdução Na aula de hoje serão apresentadas duas tecnologias de redes de longa distância

Leia mais

TP308 Introdução às Redes de Telecomunicações

TP308 Introdução às Redes de Telecomunicações Unidade IV Controle de Congestionamento TP308 Introdução às Redes de Telecomunicações 204 Tópicos Introdução QoS QoS e Controle de Congestionamento Formatação de Tráfego Gerenciamento de Buffer Descarte

Leia mais

Faculdade Anhanguera de São Caetano do Sul

Faculdade Anhanguera de São Caetano do Sul Faculdade Anhanguera de São Caetano do Sul Redes Locais Curso: Tecnologia em Redes de Computadores Prof:Eduardo M. de Araujo Site-http://professoreduardoaraujo.com A Topologia de uma Rede descreve: A estrutura

Leia mais

Prof. Manuel A Rendón M

Prof. Manuel A Rendón M Prof. Manuel A Rendón M Tanenbaum Redes de Computadores Cap. 1 e 2 5ª. Edição Pearson Padronização de sistemas abertos à comunicação Modelo de Referência para Interconexão de Sistemas Abertos RM OSI Uma

Leia mais

Rede Digital com Integração de Serviços de Banda Larga ATM Asynchronous Transfer Mode

Rede Digital com Integração de Serviços de Banda Larga ATM Asynchronous Transfer Mode Universidade do Minho Escola de Engenharia Departamento de Electrónica Industrial Rede Digital com Integração de Serviços de Banda Larga ATM Asynchronous Transfer Mode Princípios Básicos Mestrado Integrado

Leia mais

REDES DE COMPUTADORES LAN e WAN: Topologias e Equipamentos

REDES DE COMPUTADORES LAN e WAN: Topologias e Equipamentos Administração de Empresas 2º Período Informática Aplicada REDES DE COMPUTADORES LAN e WAN: Topologias e Equipamentos Prof. Sérgio Rodrigues 1 INTRODUÇÃO Introdução Este trabalho tem como objetivos: definir

Leia mais

Redes de computadores e a Internet. Capitulo 4. Capítulo. A camada de rede

Redes de computadores e a Internet. Capitulo 4. Capítulo. A camada de rede Redes de computadores e a Internet 4 Capitulo 4 Capítulo A camada de rede A camada de rede Objetivos do capítulo: Entender os princípios dos serviços da camada de rede: Roteamento (seleção de caminho)

Leia mais

Fundamentos. Prof. Dr. S. Motoyama

Fundamentos. Prof. Dr. S. Motoyama Fundamentos Prof. Dr. S. Motoyama 1 Tipos de Comunicação - Difusão: Rádio e TV - Pessoa-a-Pessoa: Telefonia - Máquina-a-Máquina: Computadores Difusão: Rádio e TV Receptor Receptor Receptor Transmissor

Leia mais

Redes de Computadores

Redes de Computadores Lembrando...desempenho de redes ethernet Instituto de Informátic ca - UFRGS Redes de Computadores Equipamentos de Interconexão de redes Aula 12! Ethernet emprega meio compartilhado para transmitir dados

Leia mais

Redes Locais. Prof. Luiz Carlos B. Caixeta Ferreira

Redes Locais. Prof. Luiz Carlos B. Caixeta Ferreira Redes Locais. Prof. Luiz Carlos B. Caixeta Ferreira 2. Padrões de Redes Locais 2.1 - Criação da Ethernet 2.2 - Padrões IEEE 802.x 2.3 - Especificações 802.3 2.4 - Token Bus 2.5 - Token Ring 2.1 - Criação

Leia mais

Subcamada MAC. O Controle de Acesso ao Meio

Subcamada MAC. O Controle de Acesso ao Meio Subcamada MAC O Controle de Acesso ao Meio Métodos de Acesso ao Meio As implementações mais correntes de redes locais utilizam um meio de transmissão que é compartilhado por todos os nós. Quando um nó

Leia mais

REDES DE COMPUTADORES

REDES DE COMPUTADORES REDES DE COMPUTADORES Prof. Esp. Fabiano Taguchi http://fabianotaguchi.wordpress.com fabianotaguchi@gmail.com RESUMO 1 COMUTAÇÃO DE CIRCUITOS Reservados fim-a-fim; Recursos são dedicados; Estabelecimento

Leia mais

REDE DE COMPUTADORES

REDE DE COMPUTADORES SERVIÇO NACIONAL DE APRENDIZAGEM COMERCIAL REDE DE COMPUTADORES Tecnologias de Rede Arquitetura Prof. Airton Ribeiro de Sousa E-mail: airton.ribeiros@gmail.com 1 A arquitetura de redes tem como função

Leia mais

Rede de Computadores. Carlos Eduardo Pereira GCAR GCAR. IMP= Interface Message Processor. hosts. IMPs. Referência: Tanenbaum - Redes de Computadores

Rede de Computadores. Carlos Eduardo Pereira GCAR GCAR. IMP= Interface Message Processor. hosts. IMPs. Referência: Tanenbaum - Redes de Computadores Redes de Computadores Carlos Eduardo Pereira Referência: Tanenbaum - Redes de Computadores Rede de Computadores hosts IMPs IMP= Interface Message Processor 1 DTE/DCE/DSE Tarefas a serem realizadas pelas

Leia mais

MPLS MultiProtocol Label Switching

MPLS MultiProtocol Label Switching MPLS MultiProtocol Label Switching Cenário Atual As novas aplicações que necessitam de recurso da rede são cada vez mais comuns Transmissão de TV na Internet Videoconferências Jogos on-line A popularização

Leia mais

Exercícios de Redes de Computadores Assuntos abordados: Conceitos gerais Topologias Modelo de referência OSI Modelo TCP/IP Cabeamento 1.

Exercícios de Redes de Computadores Assuntos abordados: Conceitos gerais Topologias Modelo de referência OSI Modelo TCP/IP Cabeamento 1. Exercícios de Redes de Computadores Assuntos abordados: Conceitos gerais Topologias Modelo de referência OSI Modelo TCP/IP Cabeamento 1. (CODATA 2013) Em relação à classificação da forma de utilização

Leia mais

ncia de Redes NGN - NEXT GENERATION NETWORK Hugo Santana Lima hugosl@nec.com.br Porque Telefonia IP?

ncia de Redes NGN - NEXT GENERATION NETWORK Hugo Santana Lima hugosl@nec.com.br Porque Telefonia IP? Convergência ncia de Redes NGN - NEXT GENERATION NETWORK Hugo Santana Lima hugosl@nec.com.br Porque Telefonia IP? O negócio Presença universal do IP Maturação da tecnologia Passagem para a rede de dados

Leia mais

prof.edney@superig.com.br Redes de Computadores

prof.edney@superig.com.br Redes de Computadores prof.edney@superig.com.br Redes de Computadores Apresentação do professor, da disciplina, dos métodos de avaliação, das datas de trabalhos e provas; introdução a redes de computadores; protocolo TCP /

Leia mais

Controle de Tráfego e. Introdução. Controle de Congestionamento. Objetivos. Objetivos. Funções Genéricas CAC

Controle de Tráfego e. Introdução. Controle de Congestionamento. Objetivos. Objetivos. Funções Genéricas CAC e Controle de guelfi@lsi.usp.br kiatake@lsi.usp.br NSRAV - Núcleo de Segurança e Redes de Alta Velocidade Introdução Controle de tráfego e controle de congestionamento são termos que descrevem diferentes

Leia mais

Redes de Computadores I. Gabarito da Lista de Exercícios

Redes de Computadores I. Gabarito da Lista de Exercícios Redes de Computadores I Gabarito da Lista de Exercícios 1) Uma rede comutada por circuitos cobra R$ 0,50 por minuto de utilização, comporta até 1000 circuitos simultâneos com capacidade de 64 kbps (cada)

Leia mais

TÉCNICAS DE ACESSO MÚLTIPLO NO DOMINIO ÓPTICO. José Valdemir dos Reis Junior

TÉCNICAS DE ACESSO MÚLTIPLO NO DOMINIO ÓPTICO. José Valdemir dos Reis Junior TÉCNICAS DE ACESSO MÚLTIPLO NO DOMINIO ÓPTICO José Valdemir dos Reis Junior ROTEIRO Gerações das redes PON Componentes das Redes Ópticas Passivas Técnicas de acesso múltiplo nas redes PON: - Acesso Multiplo

Leia mais

Modelo de Referência OSI

Modelo de Referência OSI Modelo de Referência OSI Hermes Senger Pós-Graduação Lato Sensu em Redes de Computadores - DC - UFSCar Modelo OSI- 1 A necessidade de padronização Década de 70 : Sucesso das primeiras redes de dados (ARPANET,

Leia mais

Redes de Computadores

Redes de Computadores Redes de Computadores Camada de Rede Aula 6/2006 UEM/DIN/Elvio/1023-1224 1 Camada de Rede É a camada mais baixa que trata da comunicação fim-a-fim Função de encaminhar os pacotes da fonte até o destino

Leia mais

Interconexão de redes locais. Repetidores. Pontes (Bridges) Hubs. Pontes (Bridges) Pontes (Bridges) Existência de diferentes padrões de rede

Interconexão de redes locais. Repetidores. Pontes (Bridges) Hubs. Pontes (Bridges) Pontes (Bridges) Existência de diferentes padrões de rede Interconexão de redes locais Existência de diferentes padrões de rede necessidade de conectá-los Interconexão pode ocorrer em diferentes âmbitos LAN-LAN LAN: gerente de um determinado setor de uma empresa

Leia mais

PROJETO DE REDES www.projetoderedes.com.br

PROJETO DE REDES www.projetoderedes.com.br PROJETO DE REDES www.projetoderedes.com.br Curso de Tecnologia em Redes de Computadores Disciplina: Redes I Fundamentos - 1º Período Professor: José Maurício S. Pinheiro Material de Apoio IV TOPOLOGIAS

Leia mais

Prof. Samuel Henrique Bucke Brito

Prof. Samuel Henrique Bucke Brito - Metro-Ethernet (Carrier Ethernet) www.labcisco.com.br ::: shbbrito@labcisco.com.br Prof. Samuel Henrique Bucke Brito - Ethernet na LAN www.labcisco.com.br ::: shbbrito@labcisco.com.br Prof. Samuel Henrique

Leia mais

switches LAN (rede de comunicação local)

switches LAN (rede de comunicação local) O funcionamento básico de uma rede depende de: nós (computadores) um meio de conexão (com ou sem fios) equipamento de rede especializado, como roteadores ou hubs. Todas estas peças trabalham conjuntamente

Leia mais

Fesp - Tópicos Avançados II - Token Ring 1/15 TOKEN -RING

Fesp - Tópicos Avançados II - Token Ring 1/15 TOKEN -RING Fesp - Tópicos Avançados II - Token Ring 1/15 TOKEN -RING INTRODUÇÃO. A topologia em anel utiliza um método de controle de acesso baseado em fichas (token), este método apresenta as seguintes características:

Leia mais

Claudivan C. Lopes claudivan@ifpb.edu.br

Claudivan C. Lopes claudivan@ifpb.edu.br Claudivan C. Lopes claudivan@ifpb.edu.br Por que redes de computadores? Tipos de redes Componentes de uma rede IFPB/Patos - Prof. Claudivan 2 Quando o assunto é informática, é impossível não pensar em

Leia mais

Placa de Rede. Rede de Computadores. Tipos de Redes LAN (Local Area Network) Rede local. Placa de Rede

Placa de Rede. Rede de Computadores. Tipos de Redes LAN (Local Area Network) Rede local. Placa de Rede Rede de Computadores Prof. André Cardia Email: andre@andrecardia.pro.br MSN: andre.cardia@gmail.com Placa de Rede Uma placa de rede (NIC), ou adaptador de rede, oferece capacidades de comunicações nos

Leia mais

MultiProtocol Label Switching - MPLS

MultiProtocol Label Switching - MPLS MultiProtocol Label Switching - MPLS Prof. S. Motoyama Rede IP Tradicional ROT - roteador ROT ROT ROT ROT ROT ROT ROT ROT ROT uvem IP ROT ROT 2 Encaminhamento de pacote na rede tradicional Prefixo Enderereço

Leia mais

ATM. Redes de Longa Distância Prof. Walter Cunha

ATM. Redes de Longa Distância Prof. Walter Cunha Redes de Longa Distância Prof. Walter Cunha Orientado à conexão Modo assíncrono* Comutação por Células ATM Aplicações que requerem classes de qualidade de serviço diferenciadas Pacotes de tamanho fixo

Leia mais

Aula 11 Comutação de pacotes. Prof. Dr. S. Motoyama

Aula 11 Comutação de pacotes. Prof. Dr. S. Motoyama Aula Comutação de pacotes Prof. Dr. S. Motoyama O Problema Como dois hosts que não estão diretamente conectados poderão se comunicar entre si? Algum dispositivo inteligente deve ser colocado entre os hosts

Leia mais

Redes de Computadores e a Internet

Redes de Computadores e a Internet Redes de Computadores e a Internet Magnos Martinello Universidade Federal do Espírito Santo - UFES Departamento de Informática - DI Laboratório de Pesquisas em Redes Multimidia - LPRM 2010 Introdução Redes

Leia mais

Redes de Computadores

Redes de Computadores Redes de Computadores Professor: Rodrigo Caetano Filgueira Tecnologias WAN TECNOLOGIAS WAN Quando uma empresa cresce e passa a ter instalações em várias localidades, é necessário interconectar as redes

Leia mais

General Packet Radio Service (GPRS) Aluna: Marília Veras

General Packet Radio Service (GPRS) Aluna: Marília Veras General Packet Radio Service (GPRS) Aluna: Marília Veras Tópicos O que é GPSR Arquitetura do Sistema Estados Operacionais do Celular GPRS Classes do Celular GSM/ GPRS Protocolos do GPRS Transmitindo Pacotes

Leia mais

Comunicação Comunicação é o ato de transmissão de informações de uma pessoa à outra. Emissor: Receptor: Meio de transmissão Sinal:

Comunicação Comunicação é o ato de transmissão de informações de uma pessoa à outra. Emissor: Receptor: Meio de transmissão Sinal: Redes - Comunicação Comunicação é o ato de transmissão de informações de uma pessoa à outra. Comunicação sempre foi, desde o início dos tempos, uma necessidade humana buscando aproximar comunidades distantes.

Leia mais

Placa de Rede. Tipos de Redes LAN (Local Area Network) Rede local. MAN (Metropolitan Area Network) Rede Metropolitana

Placa de Rede. Tipos de Redes LAN (Local Area Network) Rede local. MAN (Metropolitan Area Network) Rede Metropolitana Rede de Computadores Parte 01 Prof. André Cardia Email: andre@andrecardia.pro.br MSN: andre.cardia@gmail.com Placa de Rede Uma placa de rede (NIC), ou adaptador de rede, oferece capacidades de comunicações

Leia mais

NOME DA DISCIPLINA: TELEMÁTICA BÁSICA NOME DO CURSO: SUPERIOR DE TECNOLOGIA EM PETRÓLEO E GÁS

NOME DA DISCIPLINA: TELEMÁTICA BÁSICA NOME DO CURSO: SUPERIOR DE TECNOLOGIA EM PETRÓLEO E GÁS 1- IDENTIFICAÇÃO CARGA HORÁRIA SEMANAL: 4 HORAS CARGA HORÁRIA SEMESTRAL: 80 HORAS PERÍODO: NOTURNO NOME DA DISCIPLINA: TELEMÁTICA BÁSICA NOME DO CURSO: SUPERIOR DE TECNOLOGIA EM PETRÓLEO E GÁS 2- EMENTA

Leia mais

CAMADA DE REDE. UD 2 Aula 3 Professor João Carneiro Arquitetura de Redes 1º e 2º Semestres UNIPLAN

CAMADA DE REDE. UD 2 Aula 3 Professor João Carneiro Arquitetura de Redes 1º e 2º Semestres UNIPLAN CAMADA DE REDE UD 2 Aula 3 Professor João Carneiro Arquitetura de Redes 1º e 2º Semestres UNIPLAN Modelo de Referência Híbrido Adoção didática de um modelo de referência híbrido Modelo OSI modificado Protocolos

Leia mais

Técnicas de Múltiplo Acesso em Redes sem Fio, LANs, MANs

Técnicas de Múltiplo Acesso em Redes sem Fio, LANs, MANs Técnicas de Múltiplo Acesso em Redes sem Fio, LANs, MANs UERJ-FEN-DETEL Técnicas de Acesso Múltiplo na Comunicação sem Fio Vários esquemas de acesso múltiplo tem sido utilizados para permitir que vários

Leia mais

O que é uma rede industrial? Redes Industriais: Princípios de Funcionamento. Padrões. Padrões. Meios físicos de transmissão

O que é uma rede industrial? Redes Industriais: Princípios de Funcionamento. Padrões. Padrões. Meios físicos de transmissão O que é uma rede industrial? Redes Industriais: Princípios de Funcionamento Romeu Reginato Julho de 2007 Rede. Estrutura de comunicação digital que permite a troca de informações entre diferentes componentes/equipamentos

Leia mais

Aulas 15 & 16. Redes Locais. Eytan Modiano MIT

Aulas 15 & 16. Redes Locais. Eytan Modiano MIT Aulas 15 & 16 Redes Locais Eytan Modiano MIT 1 Acesso Múltiplo com Monitoração de Portadora (Carrier Sense Multiple Access - CSMA) Em certas situações os nós podem ouvir uns aos outros escutando o canal.

Leia mais

SERVIÇO NACIONAL DE APRENDIZAGEM COMERCIAL REDE DE COMPUTADORES LAN MAN WAN

SERVIÇO NACIONAL DE APRENDIZAGEM COMERCIAL REDE DE COMPUTADORES LAN MAN WAN SERVIÇO NACIONAL DE APRENDIZAGEM COMERCIAL REDE DE COMPUTADORES LAN MAN WAN - Prof. Airton / airton.ribeiros@gmail.com - Prof. Altenir / altenir.francisco@gmail.com 1 REDE LOCAL LAN - Local Area Network

Leia mais

Redes de Computadores Conceitos e Arquiteturas

Redes de Computadores Conceitos e Arquiteturas Redes de Computadores Conceitos e Arquiteturas 1 Introdução a Redes de Computadores As empresas têm um número significativo de computadores em operação, freqüentemente instalados em locais distantes entre

Leia mais