Muito além do jardim, a paisagem desconstruída

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "Muito além do jardim, a paisagem desconstruída"

Transcrição

1 ABR. MAI. JUN. l 2007 l ANO XIII, Nº 49 l INTEGRAÇÃO 127 Muito além do jardim, a paisagem desconstruída SAIDE KAHTOUNI* Resumo l O texto pretende contribuir para a compreensão da paisagem como a materialização dinâmica dos processos naturais e antrópicos, hoje em dia cada vez mais associados. Ao longo do tempo, os conceitos de paisagem, vinculados ao bucolismo dos séculos passados, foram sendo superados, e a compreensão das formas de territorialização paisagística e de sua interação nos processos antrópicos vai sendo trabalhada a partir de novos parâmetros. O texto visa também a esclarecer confusões conceituais ainda bastante recorrentes entre horticultura e arquitetura paisagística, no campo da arquitetura e urbanismo. Palavras-chave l paisagem, paisagismo, arquitetura paisagística. Title l Far Beyond the Garden: the Desconstructed Landscape Abstract l This article aims and contributing for the understanding of landscape as the dynamica materialization of natural and anthropological processes, nowadays extremely connected to one another. Through the ages, the concepts of landscape connected to rusticism in past centuries were gradually surpassed, and the comprehension of landscape spaces and its interaction in the anthropological processes has been dealt with based on new patterns. This article also aims at making clear some conceptual misunderstandings still often found in gardening and landscape architecture, in the fields of architecture and city planning. Keywords l landscape, landscape planning, landscape architecture. 1. paisagem, paisagismo e arquitetura paisagística Retomo aqui alguns conceitos regularmente repetidos por vários anos a meus alunos da graduação, para os quais faço questão de diferenciar a idéia de paisagem da idéia de um jardim. O jardim, criação humana, é parte da paisagem, considerando-se, do ponto de vista geográfico e arquitetônico, o conceito de paisagem de uma forma mais ampla, terreno sobre o qual venho trabalhando desde final da década de 80, a partir dos estudos para a dissertação de mestrado, concluída em 1993 (Kahtouni, 1993). Nesse trabalho, realizado há mais de dez anos, já considero, no estudo da origem da nossa palavra paisagem, a origem latina da palavra pagense, que designava território rural. E sabemos quanto os romanos transformaram e cortaram os territórios conquistados e transformados em campos Data de recebimento: 31/01/2007. Data de aceitação: 09/02/2007. *Doutora pela FAU-USP, professora do Programa de Pós-Graduação em Arquitetura e Urbanismo Stricto Sensu da USJT. agriculturáveis. Ali, há dois mil anos, se implantavam os predios, terrenos divididos e distribuídos a senhores que seriam os responsáveis por sua manutenção e pagamento de tributos das colheitas ao Império. Nada mais artificial do que um campo romano. Suas marcas encontram-se ainda hoje no território europeu. Por sua vez, concentrados nos peristilos, os jardins e fontes privados não teriam relação alguma com a idéia de pagense, do trabalho e da transformação, para a colheita e o crescimento do Império, que se sustentava dessa espécie de organização produtiva. Mesmo na Mesopotâmia, na terra árida que abrigou os primeiros jardins mais próximos dos ocidentais, o estabelecimento de redes de canais para a irrigação das colheitas e o controle da utilização das águas necessárias ao abastecimento das plantações possibilitavam a criação desses locais aprazíveis, de rara beleza e possibilidades estéticosensoriais, reservadas a alguns privilegiados, com tempo para o ócio. Assim, contraditoriamente, a palavra paisagem nasce da idéia de campo trabalhado e repartido em posses, e não de jardim, como se pensa. O jardim ao longo da história caracterizou-se como território recluso, reservado, propício à meditação,

2 128 INTEGRAÇÃO KAHTOUNI l Muito além do jardim ao idílio e às primeiras atividades acadêmicas, na Grécia, reservadas a poucos eleitos. Em sua origem está ligado à nobreza, ao tempo de contemplação e até de dedicação religiosa. Muito diferente do campo trabalhado, por onde todos comumente passavam ou ali viviam. Burle Marx, o grande jardineiro e artista plástico do século XX, de sua extrema sensibilidade, trouxe-nos essa definição contemporânea e aberta de paisagem, coletada dos lingüistas: Refere-se ao sentido da visão e representa tudo aquilo que é possível abarcar com o olhar, tudo aquilo que pode ser descortinado de um determinado lugar, sinônimo de panorama, de vista (Burle Marx, 1987, p. 55). O geógrafo Milton Santos apresenta-nos, em seus inúmeros textos, bastante conhecidos, a paisagem como resultado formal da acumulação de tempos, e que compreende os objetos naturais e os objetos sociais. Retomo um pouco dessa discussão em meu texto Por uma arqueologia da paisagem como instrumento do projeto ambiental (Kahtouni, 2006), tentando traçar uma trajetória, ainda muito superficial- sobre a contribuição das geografias para a redefinição de nosso objeto: a paisagem. Nesse texto faço questão de destacar a singularidade do território americano, com toda a vastidão e riquezas naturais ainda presentes, muito diferente do mundo mais antigo. É nesse novo mundo, que se dá o nascimento do que se chamou arquitetura paisagística nos meados do século XIX 1. Nessa nova nação, construída por imigrantes de orientações religiosas, em sua maioria, protestantes, surge a idéia do jardim trabalhado, da horta, da pequena produção. Algo muito diferente, cultural e historicamente, do jardim idílico dos primórdios. Da necessidade de descoberta de novas fontes alimentícias e da sobrevivência em território novo e rude, surge o interesse pela botânica aplicada, em terras que proporcionaram a descoberta da batata e do milho, alimentos que somente depois se difundiram pela Europa. Mas o mais importante é compreender o deslocamento, a partir do século XX, da idéia de paisagem vinculada ao campo, para a idéia de paisagem urbana, considerando, desde o princípio, as cidades como as grandes edificações do homem, também sinônimos da paisagem cultural. O modernismo, trazendo o desenho-desígnio de uma nova cidade, compartilhada por todos em suas benesses, em seus jardins, não mais reclusos, mas comuns e acessíveis a todos, traz à tona a discussão entre as relações da arquitetura com a natureza dos lugares. Clássica e apolínea em suas proposições, a cidade moderna traz o sonho do paraíso terrestre construído de forma planejada. Trabalha a dualidade da intervenção humana por suas tecnologias e a construção de uma segunda natureza, bela e domesticada, que cerca suas construções. Pensar só os edifícios não mais bastava. Pensar as pontes, ruas, estradas e setores industriais não mais seria suficiente. Era importante conjugar em um gesto único a composição, que agora abarcaria também essa paisagem construída. E, para tanto, intervir sobre a questão fundiária, agrupando e extinguindo o lote privado... Em seu texto que trata das unidades de paisagem, Le Corbusier discorre, na década de 40, a respeito da importância dos fatores da natureza sobre a composição das cidades novas, regidas pelo sol. A presença da vegetação, da luz solar e dos bons ventos era paradigma para seu urbanismo. Em 1925 revelava em sua primeira obra específica de urbanismo, o livro Urbanismo, a sua admiração pela cidade de Istambul, onde brotava, em meio às construções, a vegetação. A partir da década de 20, houve um intenso intercâmbio de nossos jovens intelectuais com as vanguardas européias e americanas do movimento moderno. As informações fluíam consideravelmente, as polêmicas avançavam e havia uma efervescência cultural jamais vista em São Paulo e na capital federal, o Rio de Janeiro. A implantação do projeto do antigo Ministério da Educação e Saúde, entre 1929 e 1938, reunindo jovens arquitetos brasileiros em torno de uma idéia de Le Corbusier, pensada para um outro terreno quando aqui esteve, criou um ícone edificado, mesmo que de forma ainda isolada, a alimentar uma série de discussões, artigos e projetos futuros, como o da nova capital, Brasília, que sucederia, décadas depois. Os anos 30, com o projeto e a construção do Ministério, foram riquíssimos para a formulação de novas políticas e a adequação das leis brasileiras,

3 ABR. MAI. JUN. l 2007 l ANO XIII, Nº 49 l INTEGRAÇÃO 129 da preocupação com o patrimônio ambiental e cultural do país e também no sentido das regulamentações das profissões. Os ideais dessa nova forma de ver a arquitetura e o urbanismo são registrados nesse novo conjunto de leis e regulamentações no governo de Getúlio Vargas. Para os arquitetos, ainda vinculados à engenharia, surge a primeira regulamentação profissional, pelo Decreto Federal nº , de 11 de dezembro de Esse decreto, em seu Capítulo IV. Das Especializações Profissionais, diz: [...] Art. 30 consideram-se da atribuição do arquiteto ou engenheiro-arquiteto: a. o estudo, projeto, direção, fiscalização e construção de edifícios, com todas as suas obras complementares; b. o estudo, projeto, direção, fiscalização e construção das obras que tenham caráter essencialmente artístico ou monumental; c. o projeto, direção e fiscalização dos serviços de urbanismo; d. o projeto, direção e fiscalização das obras de arquitetura paisagística e. o projeto, direção e fiscalização das obras de grande decoração arquitetônica; f. arquitetura legal, nos assuntos mencionados nas alíneas a a c deste artigo. g. perícias e arbitramentos relativos à matéria de que tratam as alíneas anteriores [...] Este texto até hoje é válido, e será provavelmente rediscutido dentro do processo de reagrupamento da classe profissional em torno de um Conselho próprio, iniciado há poucos anos. Na década de 50, Garret Eckbo considerava que o campo da arquitetura paisagística engloba a arquitetura, a natureza, a história e a sociedade, devendo cada qual ser compreendida em seu papel diferenciado, integrada e equilibradamente: A paisagem antrópica é a expressão das forças sociais no mundo natural. Definia a arquitetura paisagística como aquela parte da paisagem que o homem desenvolve e conforma, mais além das edificações, estradas e serviços e até mesmo a natureza selvagem, que em primeiro termo se desenha como um espaço para que viva o homem... (Eckbo, 1950). Então, todas as atividades ligadas à construção de espaços, instalações, infra-estruturas podem ser consideradas participantes e configuradoras da paisagem. A multidisciplinaridade cada vez mais se faz necessária, pelas diversas interfaces deste campo de trabalho projetual (biologia/botânica, agronomia, geologia, geografia, e outras). Estava posta a questão da transdisciplinaridade. No Brasil, vasculhando na década de 80 alguns relatórios técnicos da Cetesb, encontro o termo macropaisagem como explicitação de um conceito que extrapola o domínio somente visual, mas supõe uma unidade maior, caracterizada pelo conjunto dos componentes naturais e sociais, articulados num determinado contexto espacial e temporal. Abarca-se a região, através das possibilidades técnicas trazidas pelos satélites e fotos aéreas mais precisas. A herança dos primeiros trabalhos do geógrafo Aziz Ab Saber e do arquiteto Fernando Chacel estava aí presente, registrada nos primeiros estudos paisagísticos de grande abrangência, para a Companhia de Eletricidade de São Paulo (Cesp) na década de 70. Em 1987, uma professora da Escola de Especialização de Gênova, Annalisa Calcagno, define em apostilas, que me foram cedidas pela profa. Miranda Magnoli: a paisagem seria a manifestação sintética e sistêmica de toda atividade sobre a biosfera, seja esta humana ou natural (aceitando com a devida reserva a tradicional dicotomia Homem x Natureza). 2. a desconstrução da paisagem As cidades, suas arquiteturas e jardins, que remontam a uma Antiguidade imemorial são produtos da manifestação humana em seus desejos mais profundos, que transcendem certamente as necessidades funcionais de uma dada sociedade, associando a essas manifestações seus traços de cultura e crenças. A paisagem urbana deve ser considerada um produto cultural, manifestada como paisagem cultural. Não podemos, de forma alguma, buscar interpretar essas manifestações e atuações sobre a paisagem de uma forma míope, descolada das contextualizações de cada tempo.

4 130 INTEGRAÇÃO KAHTOUNI l Muito além do jardim Nos primeiros tempos, na primeira elaboração dos campos agrícolas, dos quais a cidade era o centro de controle e de poder, os magos-sacerdotes é que conheciam os princípios, da medição de terras (geometria), da construção de canais e dos ciclos da águas, sol e luas. Portanto, a paisagem cultural denunciava a monumentalidade de templos e elementos funéreos das figuras centrais do conhecimento e do comando de multidões de escravos e o contraste entre as arquiteturas sagradas e as cotidianas. A realidade social organizava-se assim. Não se tratava de conspiração, mas sim de uma realidade de um dado tempo... Por isso, o ato de desconstruir a paisagem urbana não parte somente de uma découpage para identificação dos elementos que compõem o todo que se busca, mas necessita, em seu processo integral, de uma inevitável compreensão histórica e antropológica, de sentido dialético, desvendando suas sucessivas relações com as técnicas existentes e aplicadas na realidade da materialização da urbe 2. A palavra paisagem, advinda da idéia de trabalho, traz consigo a idéia de processo dinâmico, da ação dos homens sobre a natureza, e de identidades coletivas através da construção de seus países. Dela também fazem parte os jardins, mas é algo mais amplo, nascido das relações entre a sociedade e a natureza, das transformações engendradas pelo homem no meio, por meio das técnicas. As técnicas, desvendadas como fatos socioculturais, como parte da história das transformações criadoras sobre o ambiente de vida são elementos extraordinariamente ricos para análise, em suas conjunções e contextos em que se inserem. Num sentido mais amplo de abordagem. De maneira alguma significaria estarmos invadindo outros campos ou domínios, que não os da arquitetura e urbanismo, mas sentindo a necessidade de compreensão da atitude criativa do homem, seja a planejada ou a espontânea, em seus processos genéticos mais profundos, resultantes na produção urbanística do espaço habitado. A história deve ser instrumento de trabalho, portanto, alicerce das pesquisas. Ela é o meio, e não o fim. Devemos adotar uma postura bem diversa de uma pretensa historiografia que, por meio de colecionismos iconográficos, constrói histórias, fundamentadas muito mais em ideologias e préconceitos que em pesquisa documental e aprofundamentos necessários para a séria tecitura contextual dos fatos encontrados. Walter Benjamin já dizia sabiamente: A língua tem indicado inequivocamente que a memória não é um instrumento para a exploração do passado; é, antes, o meio. É o meio onde se deu a vivência, assim como o solo é o meio no qual as antigas cidades estão soterradas. Quem pretende aproximar-se do próprio passado soterrado deve agir como um homem que escava. Antes de tudo, não deve temer voltar sempre ao mesmo fato, espalhá-lo como se espalha a terra, revolvê-lo como se revolve o solo. Pois fatos nada são além de camadas que apenas à exploração mais cuidadosa entregam aquilo que recompensa a escavação. Ou seja, as imagens que, desprendidas de todas as conexões mais primitivas, ficam como preciosidade nos sóbrios aposentos de nosso entendimento tardio, igual a torsos na galeria do colecionador. E certamente é útil avançar em escavações segundo planos. Mas é igualmente indispensável a enxadada cautelosa e tateante na terra escura. E se ilude, privando-se do melhor, quem só faz o inventário dos achados e não sabe assinalar no terreno de hoje o lugar no qual é conservado o velho. Assim, verdadeiras lembranças devem proceder informativamente muito menos do que indica o lugar exato onde o investigador apoderou-se delas. A rigor, épica e rapsodicamente, uma verdadeira lembrança deve, portanto, ao mesmo tempo, fornecer uma imagem daquele que se lembra, assim como um bom relatório arqueológico deve não apenas indicar as camadas das quais se originam seus achados, mas também, antes de tudo, aquelas outras que foram atravessadas anteriormente (Benjamin, 2000, p. 239). Desse modo, a desconstrução da paisagem pode realizar-se, a fim de melhor compreender-se a materialização dos processos antrópicos, principalmente na leitura dos objetos construídos a partir do século XIX, quando as invenções, as máquinas, a produção para as massas passa a ser possível, ao

5 ABR. MAI. JUN. l 2007 l ANO XIII, Nº 49 l INTEGRAÇÃO 131 mesmo tempo em que o trabalho humano enseja uma luta pela sua libertação dos regimes de escravidão ou semi-escravidão. A máquina poderia ser, então, um elemento de libertação do trabalho humano para horas de lazer e descanso, nunca antes tão pretendidas e de forma tão organizada pelos movimentos sociais engendrados na crista da Revolução Industrial. Por outro lado, amplia-se a fragmentação do mundo, espelhando-se nas inúmeras nações independentes e emergentes ao final do século XIX, reunindo diversos dialetos e culturas em função tanto de uma atividade produtiva nacional que congregasse economicamente um povo dentro de um território por meio de visões mais organizadoras, consolidadoras de novos estados, quanto de visões mais caóticas e revolucionárias, que visavam, desde o início, as transformações sociais de um novo tempo, que também se refletiram na fragmentação da paisagem, processo hoje potencializado. Essa visão fracionada e competitiva entre nações, que duelavam economicamente, culminou em grandes conflitos. A Primeira Guerra Mundial, de 1914, caracterizou-se pelas infantarias e campos de batalha, e seria apenas o prenúncio do segundo grande conflito... muito maior. Foi esse processo que gerou a modernidade. A capacidade de assistir, obrigatoriamente e de forma passiva, a uma destruição em massa, ocasionada justamente pelo progresso técnico e material, que poderia teoricamente ter trazido a libertação dos homens. O grande dilema da crença na ciência foi a guerra. Foi esse momento que atravessaram as vanguardas artísticas, que tiveram de repensar a destruição e a reconstrução de um novo mundo. Grandes rupturas, renovações e construção de novos modelos para as cidades e para o próprio homem. O espelho da guerra seria a destruição. A visão assombrosa de ruínas e escombros, registrados pela literatura da época, chama a atenção, e, em meio a tudo isso, a discussão do que seriam os patrimônios se fez premente. Quais os testemunhos, os objetos a selecionar e a guardar desse mundo em insólita destruição? Na América, os anseios eram outros. Um deles, pela prosperidade, na imensidão de um território a domesticar. No entanto, a vastidão dos territórios representava uma característica estruturadora das novas ocupações. A natureza não foi aqui lavrada por séculos e séculos de trabalho humano, com tanto aproveitamento, quanto no Velho Mundo. Por algumas situações foi deixada ao largo, seguindo em paralelo com suas dinâmicas próprias. Enquanto a ocupação urbana concentrou-se no litoral, principalmente na América portuguesa (Brasil), vinculando-se, através do Atlântico à cidade-mãe (Lisboa), as novas fronteiras agrícolas iam sendo moldadas sem pressa, distribuindo poucas vilas e povoados pelo interior. Isso seguiu pelo século XX e ainda perdura por nossas regiões. A cartografia em representação plana, dando a idéia de que a América fica longe da Ásia e de que a Europa está no centro me foi apresentada quando criança. E assim foi por longo tempo. Basta ter o privilégio de estudar o texto de Braudel, desvendando o ir-e-vir das embarcações pelo Mediterrâneo, durante séculos, numa velocidade ainda presente em muitos lugares. O Mediterrâneo como centro do mundo antigo e as novas possibilidades transformando áreas de influência ao longo do tempo. A geografia crítica desvendando as relações e a relatividade das geografias tradicionais. O advento da máquina e, por decorrência, das máquinas de transporte (o trem, o avião, o automóvel) modificou a velocidade dos deslocamentos. Mercadorias, coisas e pessoas mudaram suas velocidades. Isso foi visto como uma revolução nas formas de pensar e projetar novas cidades (Le Corbusier). A alteração de dois tempos, o do deslocamento e o do trabalho, traria uma conjugação de novos elementos para a recriação da urbe, espelhada no sonho da reconstrução do grande jardim em harmonia. A visão dionisíaca e sublime das profundas alterações sobre o ambiente urbano, em que se concentraram as percepções e os reflexos de grandes impactos, foi substituída por propostas de cunho social. O ideal da reconstrução evitaria, por sua vez, um passado marcado pelas construções da nobreza e seus jardins confinados, fachadas inspiradas em estilos históricos e cenografias urbanas colossais. Significava também uma liberação estética e uma possibilidade de assepsia para a paisagem urbana.

6 132 INTEGRAÇÃO KAHTOUNI l Muito além do jardim Projetava-se também um novo homem e, conseqüentemente, uma nova paisagem urbana. Nessa nova paisagem projetada, a natureza estaria presente como elemento fundamentador do desígnio humano de forma, o desenho, e compareceria, sutil, como mais uma forma reveladora do novo paraíso terrestre, em que se implantariam as arquiteturas, independentemente de lotes, fachadas e propriedades fundiárias privadas. Nesse aspecto, sob a égide do pensamento moderno, o jardim nada teria de reacionário. Seria parte da revolução. De uma revolução que atravessaria questões sociais, da propriedade da terra e das condutas dessa nova humanidade: pacífica, saudável e produtiva, dotada de horas de lazer, para cultivar o corpo e o espírito. Seria parte de uma nova paisagem urbana, moldada para abrigar uma sociedade perfeita e justa. Este ser humano, estes seres, esta sociedade de hoje estão mergulhados num meio. A evasão seria quimera e logo punida. Portanto, o equilíbrio será procurado entre o homem e seu meio. Porém, de que meio e de que homem se trata? De um homem profundamente modificado pelo artifício dos séculos de civilização; mais especialmente aqui, de um homem terrivelmente enervado por cem anos de maquinismo? De um meio trepidante do tumulto das mecânicas, espetáculo e ambiência às vezes alucinantes? Nem de um, nem de outro. Nesse momento de confusão, voltamos aos princípios verdadeiros que constituem o humano e seu meio. O homem considerado como uma biologia, valor psicofisiológico; o meio explorado de novo em sua essência permanente: que será a natureza [...] Reencontrar a lei da natureza. E levar em consideração o homem e seu meio o homem fundamental e a natureza profunda. Reprocurar, reencontrar, redescobrir a unidade que gera as obras humanas e da natureza. O homem, produto (talvez supremo) da Natureza e, conseqüentemente, espelho desta; Natureza, parte do Cosmo. A fim de que reine a harmonia, impõe-se introduzir nas empresas do espírito o próprio espírito que reside na obra natural... (Le Corbusier, 1971, pp. 48-9). Partes dessa utopia concretizaram-se. Horas de lazer, torres de escritório, parkways, torres multifuncionais, habitações coletivas mais funcionais estão por toda parte. Transformaram-se em mercadorias, valoradas por sua localização, disponibilidade de acesso, de área verde, etc... Foram sendo apropriadas pelo sistema de negócios imobiliários, bem como a própria arquitetura... Henri Lefèbvre profetizava em seu conhecido trabalho de fins da década de 60: A socialização da sociedade, mal compreendida pelos reformistas, barrou o caminho para a transformação urbana (na, pela, para a cidade). Não se compreendeu que essa socialização contém por essência a urbanização. O que é que foi socializado? Os signos, ao entregá-los ao consumo: os signos da cidade, do urbano, da vida urbana, bem como os signos da natureza e do campo, os da alegria e da felicidade, sem que uma prática social efetiva faça com que o urbano entre para o cotidiano. A vida urbana só entra nas necessidades de marcha à ré, através da pobreza das necessidades sociais da sociedade socializada, através do consumo cotidiano e de seus próprios signos na publicidade, na moda e no esteticismo. Assim é que se concebe neste novo momento de análise o movimento dialético que leva as formas e os contornos, os determinismos e as coações, as servidões e as apropriações na direção de um horizonte conturbado (Lefèbvre, 2004, p. 81). Em seu texto anuncia o conflito entre duas escalas de valores num mundo urbano moderno: o conflito entre os valores de uso e os de troca. Quando se fala em paisagem urbana, estamos reforçando os valores de uso da urbanização, sem esquecer, é claro, as inter-relações estabelecidas entre a sociedade e os meios técnicos de transformação de suas realidades em seu cotidiano. Pensar em paisagem é pensar num sujeito que percebe a construção sucessivamente materializada de um processo socioeconômico, considerando

7 ABR. MAI. JUN. l 2007 l ANO XIII, Nº 49 l INTEGRAÇÃO 133 valores de troca e de uso. Pois, enquanto lugar do desejo e ligação dos tempos, o urbano poderia apresentar-se como significante, cujos significados procuramos... Um nova modalidade de vida urbana, imprevista, mas extremamente desejável e conveniente ao sistema capitalista agregou-se ao sonho da cidade perfeita: o consumo e suas derivações. Ele rompe indefinidamente com a assepsia da cidade tecnológica e socialmente resolvida. Ele rompe com as modalidades imaginadas para a utilização dos tempos livres. Ele amplia a fragmentação e a distância social entre os habitantes. Se na Idade Média a cidade surge na periferia dos feudos, nos limites do domínios comunais, onde a caça era livre e livre o acesso à proteína animal, nos dias de hoje os bens de consumo assumem esta categoria como objetivo social. Ser urbano significava ser livre e cidadão. Ser urbano, hoje, significa ter níveis de consumo anteriormente inéditos. A paisagem urbana será, então, um retrato fiel desta situação, quando a arquitetura transforma-se, por exemplo, em mero suporte para a propaganda, os luminosos, a marcas e a pintura escandalosa das vitrines que apelam para a percepção dos passantes. Basta comparar as imagens de Pequim antes e depois da abertura econômica para o Ocidente. O mesmo ocorre na Índia. O mesmo ocorre em São Paulo. O mesmo poderá ocorrer em qualquer outro lugar pasteurizado do mundo. Assim, a aparente dicotomia entre a modernidade e os paradigmas vinculados aos ideais de preservação e valorização da natureza na cidade ou nas proximidades das cidades não existe. Foi criada por uma insuficiência de informações, geradora de desdobramentos que privilegiaram a forma em vez do conteúdo propositivo das idéias pioneiras. Centrou-se no homem, deixando o meio de lado, em virtude da pesquisa incompleta da documentação textual gerada. É, portanto, necessário que se recupere por meio de sérias pesquisas a totalidade das proposições, a fim de devolver aos arquitetos sua importância perante a sociedade, dentro de uma visão transdisciplinar. Descobrir, também, pelo estudo da história e dos processos técnicos, as conseqüências de nossas ações e construções sobre o ambiente urbano e nossas paisagens é uma das grandes questões para um justo balanço que alimente o futuro de nossas cidades. Ainda temos um longo caminho a trilhar... Referências bibliográficas BENEVOLO, L. História da cidade. São Paulo: Perspectiva, BENJAMIN, W. Rua de mão única. Obras escolhidas II. São Paulo: Brasiliense, BRAUDEL, F. Escritos sobre a história. São Paulo: Perspectiva, BURLE MARX, R. Arte e paisagem. Conferências escolhidas. São Paulo: Nobel, KAHTOUNI, S. Por uma arqueologia da paisagem como instrumento para o projeto ambiental. In: KAHTOUNI, S.; MAGNOLI, M. & TOMINAGA. Discutindo a paisagem. São Carlos: RIMA, Jardins e cidades, caminhos do paisagismo, da jardinagem ao projeto ambiental. Projeto, nº 190, outubro de1995, pp KAHTOUNI PROOST DE SOUZA, S. Sistemas de engenharia como fatores de mutação ambiental e paisagística no vale do Tietê. Dissertação de Mestrado. São Paulo: FAU-USP, LE CORBUSIER. Planejamento urbano. São Paulo: Perspectiva, Urbanismo. São Paulo: Martins Fontes, LEFÈBVRE, H. Le droit à la ville. Paris: Antrophos, O direito à cidade. São Paulo: Centauro, MARX, M. Cidade brasileira. São Paulo: Melhoramentos, PEREIRA, M. Arquitetura, texto e contexto. O discurso de Oscar Niemeyer. Brasília: UnB, SANTOS, M. Metamorfoses do espaço habitado. São Paulo: Hucitec, Notas 1 A criação do termo arquiteto-paisagista dá-se nos Estados Unidos, no ano de 1858, graças a Frederick Law Olmsted, profissional que é autor de diversos projetos de saneamento em Boston, Nova York, destacando-se entre eles o Central Park e, em 1865, a ativa participação na campanha de preservação do Yosemite Valley, na Califórnia. Em 1901 dois de seus discípulos, Horace Clevelan e Charles Elliot, criaram o primeiro programa íntegro de arquitetura paisagística no mundo, do qual derivou em 1905 o primeiro diploma de urbanista.

8 134 INTEGRAÇÃO KAHTOUNI l Muito além do jardim 2 O grupo de estudos Urbanização brasileira: Paisagem, cidade e natureza, por mim liderado e sediado na USJT, conta com a valiosa participação do prof. dr. Paulo de Assunção, historiador.

O conceito de parque ainda gera controvérsias. Comumente confundido com o

O conceito de parque ainda gera controvérsias. Comumente confundido com o 1 INTRODUÇÃO O conceito de parque ainda gera controvérsias. Comumente confundido com o jardim público e até mesmo com as praças ajardinadas, o parque público abrange usos e funções das mais complexas,

Leia mais

Paisagista. "Profissional que trabalha com projetos de paisagens naturais e urbanas"

Paisagista. Profissional que trabalha com projetos de paisagens naturais e urbanas Paisagista "Profissional que trabalha com projetos de paisagens naturais e urbanas" Fonte: Dicionário Michaelis O que é ser um paisagista? Paisagista, ou arquiteto paisagista é o profissional que trabalha

Leia mais

Significado do termo Paisagismo ou Arquitetura Paisagística

Significado do termo Paisagismo ou Arquitetura Paisagística Significado do termo Paisagismo ou Arquitetura Paisagística Definição de Paisagem Natural / Cultural 1. Consideramos Paisagem todo o espaço que se abrange num lance de vista, e que é delimitado pela linha

Leia mais

Currículo Referência em Artes Visuais Ensino Médio

Currículo Referência em Artes Visuais Ensino Médio Currículo Referência em Artes Visuais Ensino Médio 1º ANO - ENSINO MÉDIO Objetivos Conteúdos Expectativas - Conhecer a área de abrangência profissional da arte e suas características; - Reconhecer e valorizar

Leia mais

Neoclássico. França: Panteão de Paris (Soufflot) Brasil: Casa França (Montigny) Bruno Maxwel 5715682 Franciele Santana 5935510 Lucas Calixto 5847264

Neoclássico. França: Panteão de Paris (Soufflot) Brasil: Casa França (Montigny) Bruno Maxwel 5715682 Franciele Santana 5935510 Lucas Calixto 5847264 Neoclássico França: Panteão de Paris (Soufflot) Brasil: Casa França (Montigny) Bruno Maxwel 5715682 Franciele Santana 5935510 Lucas Calixto 5847264 Definição Neoclássico Movimento cultural dado no século

Leia mais

PROCESSO SELETIVO VESTIBULAR 2015/2 DIREITO HISTÓRIA

PROCESSO SELETIVO VESTIBULAR 2015/2 DIREITO HISTÓRIA HISTÓRIA Questão 01 (Imagem disponível em: . Acesso em: 02 maio 2015) Leia atentamente o fragmento de texto a seguir:

Leia mais

PAISAGISMO PARQUES E JARDINS. Prof. Eliseu Figueiredo Neto

PAISAGISMO PARQUES E JARDINS. Prof. Eliseu Figueiredo Neto PAISAGISMO PARQUES E JARDINS Prof. Eliseu Figueiredo Neto 1 CONCEITOS PAISAGEM Refere-se ao espaço de terreno abrangido em um lance de vista, ou extensão territorial a partir de um ponto determinado. 2

Leia mais

Presidência da República Casa Civil Secretaria de Administração Diretoria de Gestão de Pessoas Coordenação Geral de Documentação e Informação

Presidência da República Casa Civil Secretaria de Administração Diretoria de Gestão de Pessoas Coordenação Geral de Documentação e Informação Presidência da República Casa Civil Secretaria de Administração Diretoria de Gestão de Pessoas Coordenação Geral de Documentação e Informação Coordenação de Biblioteca Do vosso apoio saio revigorado para

Leia mais

Planejamento Anual. Componente Curricular: GEOGRAFIA Ano: 2º Ano Letivo: 2015. Professor(s): Júlio

Planejamento Anual. Componente Curricular: GEOGRAFIA Ano: 2º Ano Letivo: 2015. Professor(s): Júlio Planejamento Anual Componente Curricular: GEOGRAFIA Ano: 2º Ano Letivo: 2015 Professor(s): Júlio APRESENTAÇÃO: Percebemos ser de fundamental importância que o aluno da 2 Ano do Ensino Fundamental possua

Leia mais

Presidência da República Casa Civil Secretaria de Administração Diretoria de Gestão de Pessoas Coordenação Geral de Documentação e Informação

Presidência da República Casa Civil Secretaria de Administração Diretoria de Gestão de Pessoas Coordenação Geral de Documentação e Informação Presidência da República Casa Civil Secretaria de Administração Diretoria de Gestão de Pessoas Coordenação Geral de Documentação e Informação Coordenação de Biblioteca 36 Discurso por ocasião do jantar

Leia mais

Quinta de São Sebastião Tradição e modernidade às portas de Lisboa

Quinta de São Sebastião Tradição e modernidade às portas de Lisboa HORTO DO CAMPO GRANDE MAGAZINE 14 HORTO DO CAMPO GRANDE MAGAZINE 15 FOTOS: Miguel Serradas Duarte FOTOS: Miguel Serradas Duarte Quinta de São Sebastião Tradição e modernidade às portas de Lisboa HORTO

Leia mais

ENSINO MÉDIO. Data :23/05/2012 Etapa: 1ª Professor: MARCIA C. Nome do (a) aluno (a): Ano:1 º Turma: FG Nº

ENSINO MÉDIO. Data :23/05/2012 Etapa: 1ª Professor: MARCIA C. Nome do (a) aluno (a): Ano:1 º Turma: FG Nº Rede de Educação Missionárias Servas do Espírito Santo Colégio Nossa Senhora da Piedade Av. Amaro Cavalcanti, 2591 Encantado Rio de Janeiro / RJ CEP: 20735042 Tel: 2594-5043 Fax: 2269-3409 E-mail: cnsp@terra.com.br

Leia mais

o Urbanismo tem por objecto com a construção racional da cidade, incluindo a renovação e gestão urbanas.

o Urbanismo tem por objecto com a construção racional da cidade, incluindo a renovação e gestão urbanas. Doc 5. Proposta de Projecto de Lei Sobre a Profissão, a Prática e a Formação do Urbanista A necessidade de implementar uma política consistente de Ordenamento do Território e Urbanismo, tem determinado

Leia mais

CARTA DE FLORENÇA Pág. 1 de7 JARDINS HISTÓRICOS. Carta de Florença 1982. Adoptada pelo ICOMOS em Dezembro de 1982

CARTA DE FLORENÇA Pág. 1 de7 JARDINS HISTÓRICOS. Carta de Florença 1982. Adoptada pelo ICOMOS em Dezembro de 1982 Pág. 1 de7 JARDINS HISTÓRICOS Carta de Florença 1982 Adoptada pelo ICOMOS em Dezembro de 1982 Tradução por António de Borja Araújo, Engenheiro Civil IST Dezembro de 2006 Pág. 2 de7 PREÂMBULO O ICOMOS-IFLA

Leia mais

ARQUITETURA PARAIBANA NA PRIMEIRA DÉCADA DO SÉCULO XXI

ARQUITETURA PARAIBANA NA PRIMEIRA DÉCADA DO SÉCULO XXI ARQUITETURA PARAIBANA NA PRIMEIRA DÉCADA DO SÉCULO XXI Autoria: Manoel Brito de Farias Segundo (orientador) Faculdade de Ciências Sociais Aplicadas (FACISA) Caio Méssala da Silva Faustino - Faculdade de

Leia mais

UNIDADE I Arquitetura e Urbanismo: introdução conceitual Notas de aula Parte 1

UNIDADE I Arquitetura e Urbanismo: introdução conceitual Notas de aula Parte 1 DISCIPLINA: INTRODUÇÃO A ARQUITETURA E URBANISMO PROFESSORA: ELOANE CANTUÁRIA TURMAS: 1ARQV-1 e 1ARQN-1 UNIDADE I Arquitetura e Urbanismo: introdução conceitual Notas de aula Parte 1 MACAPÁ-AP MARÇO/2006

Leia mais

Diferenças entre o mundo rural e o urbano.

Diferenças entre o mundo rural e o urbano. Oficina Urbanização Esta oficina tem como objetivo analisar uma das principais características do mundo atual; a vida em cidades. Pretendemos compreender a evolução das cidades na história e como se configuram

Leia mais

FACULDADE DE ARQUITETURA E URBANISMO DISCIPLINAS DO 1º PERÍODO

FACULDADE DE ARQUITETURA E URBANISMO DISCIPLINAS DO 1º PERÍODO FACULDADE DE ARQUITETURA E URBANISMO DISCIPLINAS DO 1º PERÍODO Disciplina A Disciplina B Código Disciplina C/H Curso Disciplina C/H Código Curso Ano do Currículo 02406 Projeto A 068 FAU Projeto B 136 76074

Leia mais

Rua. olhar texto Rodrigo Apolloni. arquitetura

Rua. olhar texto Rodrigo Apolloni. arquitetura arquitetura Rua do olhar texto Rodrigo Apolloni imagens Rafael dabul Descansar o olhar sobre certas fachadas, sobre certas casas, pode ser uma experiência reveladora em Curitiba. Uma cidade de mil arquiteturas,

Leia mais

HISTÓRIA DO PAISAGISMO

HISTÓRIA DO PAISAGISMO 1 EMENTA Introdução. Aspectos relacionados ao mercado de flores no Brasil; métodos de propagação de flores e plantas ornamentais. Cultivo de flores de corte e vaso (gladíolo, crisântemo, violeta, rosa,

Leia mais

ARBORIZAÇÃO URBANA RESUMO

ARBORIZAÇÃO URBANA RESUMO TERRA E CULTURA, ANO XIX, Nº 36 51 ARBORIZAÇÃO URBANA RESUMO *João Henrique Bonametti 1 No processo de planejamento urbano, a arborização tem um destaque especial no tocante à qualidade de vida e estética

Leia mais

ENSINO DE GEOGRAFIA, CULTURA POPULAR E TEMAS TRANSVERSAIS: uma proposta de transversalidade a partir dos Parâmetros Curriculares Nacionais (PCN s)

ENSINO DE GEOGRAFIA, CULTURA POPULAR E TEMAS TRANSVERSAIS: uma proposta de transversalidade a partir dos Parâmetros Curriculares Nacionais (PCN s) ENSINO DE GEOGRAFIA, CULTURA POPULAR E TEMAS TRANSVERSAIS: uma proposta de transversalidade a partir dos Parâmetros Curriculares Nacionais (PCN s) Kálita Tavares da SILVA 1 ; Estevane de Paula Pontes MENDES

Leia mais

CHÂTELET, A.-M. La naissance de l architecture scolaire. Lês écoles élémentaires parisiennes de 1870-1914. Paris: Honoré Champion, 1999.

CHÂTELET, A.-M. La naissance de l architecture scolaire. Lês écoles élémentaires parisiennes de 1870-1914. Paris: Honoré Champion, 1999. CHÂTELET, A.-M. La naissance de l architecture scolaire. Lês écoles élémentaires parisiennes de 1870-1914. Paris: Honoré Champion, 1999. Ana Paula Pupo Correia* O livro de Anne-Marie Châtelet, 1 O nascimento

Leia mais

ESTUDO PARA INTERVENCAO EM MONUMENTOS E SITIOS HISTORICOS: O Caso do Mercado de Farinha de Caruaru-PE

ESTUDO PARA INTERVENCAO EM MONUMENTOS E SITIOS HISTORICOS: O Caso do Mercado de Farinha de Caruaru-PE ESTUDO PARA INTERVENCAO EM MONUMENTOS E SITIOS HISTORICOS: O Caso do Mercado de Farinha de Caruaru-PE TENORIO, LUCIENE A. (1); CARVALHO, AMANDA B. (2); ZHAYRA, ADELAIDE C. (3) 1. LVF Empreendimentos LTDA.

Leia mais

INSTRUMENTOS DO PLANO DIRETOR CARTILHA LEI DE USO E OCUPAÇÃO DO SOLO LUOS

INSTRUMENTOS DO PLANO DIRETOR CARTILHA LEI DE USO E OCUPAÇÃO DO SOLO LUOS Secretaria Municipal de Urbanismo INSTRUMENTOS DO PLANO DIRETOR CARTILHA LEI DE USO E OCUPAÇÃO DO SOLO LUOS Lei de Uso e Ocupação do Solo: Introdução Estamos construindo uma cidade cada vez melhor A Lei

Leia mais

Arquitetura e Urbanismo na Cidade Brasileira Contemporânea Jacareí

Arquitetura e Urbanismo na Cidade Brasileira Contemporânea Jacareí Arquitetura e Urbanismo na Cidade Brasileira Contemporânea Jacareí A produção literária referente à arquitetura e urbanismo sempre foi caracterizada pela publicação de poucos títulos, baixa diversidade

Leia mais

RESOLUÇÃO Nº 218, DE 29 DE JUNHO DE 1973

RESOLUÇÃO Nº 218, DE 29 DE JUNHO DE 1973 RESOLUÇÃO Nº 218, DE 29 DE JUNHO DE 1973 Discrimina atividades das diferentes modalidades profissionais da Engenharia, Arquitetura e Agronomia. O CONSELHO FEDERAL DE ENGENHARIA, ARQUITETURA E AGRONOMIA,

Leia mais

Apartamentos, Casas e Terrenos.

Apartamentos, Casas e Terrenos. A Urbanização que de planejamento e sustentabilidade. A Riviera de São Lourenço é uma referência mundial em desenvolvimento urbano sustentável. Seu Sistema de Gestão Ambiental, certificado pela norma ISO

Leia mais

Cabo Frio, 1973; foto Beto Felício. ARCOS VOLUME 1 1998 NÚMERO ÚNICO

Cabo Frio, 1973; foto Beto Felício. ARCOS VOLUME 1 1998 NÚMERO ÚNICO Cabo Frio, 1973; foto Beto Felício. 8 ARCOS VOLUME 1 1998 NÚMERO ÚNICO documento O que o desenho industrial pode fazer pelo país? Por uma nova conceituação e uma ética do desenho industrial no Brasil Aloísio

Leia mais

ENTRE A LEI, OS COSTUMES E O DESENVOLVIMENTO: O PROJETO URBANÍSTICO DE 1970 EM MONTES CLAROS/MG.

ENTRE A LEI, OS COSTUMES E O DESENVOLVIMENTO: O PROJETO URBANÍSTICO DE 1970 EM MONTES CLAROS/MG. ENTRE A LEI, OS COSTUMES E O DESENVOLVIMENTO: O PROJETO URBANÍSTICO DE 1970 EM MONTES CLAROS/MG. Michael Jhonattan Delchoff da Silva. Universidade Estadual de Montes Claros- Unimontes. maicomdelchoff@gmail.com

Leia mais

Walter Benjamin - Questões de Vestibulares

Walter Benjamin - Questões de Vestibulares Walter Benjamin - Questões de Vestibulares 1. (Uem 2011) A Escola de Frankfurt tem sua origem no Instituto de Pesquisa Social, fundado em 1923. Entre os pensadores expoentes da Escola de Frankfurt, destaca-se

Leia mais

REGULAMENTO DE VIAGEM DE ESTUDOS

REGULAMENTO DE VIAGEM DE ESTUDOS REGULAMENTO DE VIAGEM DE ESTUDOS CURSO DE ARQUITETURA E URBANISMO Florianópolis (SC), 2013 1 ESTRUTURA ORGANIZACIONAL DA INSTITUIÇÃO Mantenedora: Sistema Barddal de Ensino Grupo UNIESP Mantida: Faculdades

Leia mais

Promover e Valorizar a Paisagem Natural e a Cultura Local por meio de Cartões Postais 1

Promover e Valorizar a Paisagem Natural e a Cultura Local por meio de Cartões Postais 1 Promover e Valorizar a Paisagem Natural e a Cultura Local por meio de Cartões Postais 1 COIMBRA, Bruno Abdala Vieira Di 2 ; ALMEIDA, Maria Geralda 3 Palavras-chave: Kalunga, Paisagem Cultural, Paisagem

Leia mais

A IMAGEM COMO TRANSMISSORA DE CONHECIMENTO. Korina Costa

A IMAGEM COMO TRANSMISSORA DE CONHECIMENTO. Korina Costa Encontro de Ensino, Pesquisa e Extensão, Presidente Prudente, 22 a 25 de outubro, 2012 155 A IMAGEM COMO TRANSMISSORA DE CONHECIMENTO Korina Costa Arquiteta e Urbanista, Especialista em Docência do Ensino

Leia mais

UNIVERSIDADE DO ESTADO DO RIO DE JANEIRO - INSTITUTO DE ARTES ESCOLA DE ARTES VISUAIS DO PARQUE LAGE

UNIVERSIDADE DO ESTADO DO RIO DE JANEIRO - INSTITUTO DE ARTES ESCOLA DE ARTES VISUAIS DO PARQUE LAGE UNIVERSIDADE DO ESTADO DO RIO DE JANEIRO - INSTITUTO DE ARTES ESCOLA DE ARTES VISUAIS DO PARQUE LAGE CURSO DE ESPECIALIZAÇÃO EM ENSINO DA ARTE - TURMA 2015 PÓS-GRADUAÇÃO LATO SENSU EMENTAS DOS CURSOS Arte

Leia mais

Apontamentos das obras LeYa em relação ao Currículo em Movimento do DISTRITO FEDERAL. Geografia Leituras e Interação

Apontamentos das obras LeYa em relação ao Currículo em Movimento do DISTRITO FEDERAL. Geografia Leituras e Interação Apontamentos das obras LeYa em relação ao Currículo em Movimento do DISTRITO FEDERAL Geografia Leituras e Interação 2 Caro professor, Este guia foi desenvolvido para ser uma ferramenta útil à análise e

Leia mais

FLORENÇA. Data do Sec. I a. C.

FLORENÇA. Data do Sec. I a. C. FLORENÇA Data do Sec. I a. C. Cópia do Sec. XIX Pianta della Catena A cidade nasce da política, da observação do que existe, dos levantamentos feitos e da meditação na realidade a cidade não nasce, vai-se

Leia mais

CARTA DA TERRA Adaptação Juvenil

CARTA DA TERRA Adaptação Juvenil CARTA DA TERRA Adaptação Juvenil I TRODUÇÃO Vivemos um tempo muito importante e é nossa responsabilidade preservar a Terra. Todos os povos e todas as culturas do mundo formam uma única e grande família.

Leia mais

MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO CONSELHO NACIONAL DE EDUCAÇÃO CÂMARA DE EDUCAÇÃO SUPERIOR RESOLUÇÃO Nº 6, DE 2 DE FEVEREIRO DE 2006 1

MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO CONSELHO NACIONAL DE EDUCAÇÃO CÂMARA DE EDUCAÇÃO SUPERIOR RESOLUÇÃO Nº 6, DE 2 DE FEVEREIRO DE 2006 1 MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO CONSELHO NACIONAL DE EDUCAÇÃO CÂMARA DE EDUCAÇÃO SUPERIOR RESOLUÇÃO Nº 6, DE 2 DE FEVEREIRO DE 2006 1 Institui as Diretrizes Curriculares Nacionais do curso de graduação em Arquitetura

Leia mais

PLANIFICAÇÃO A LONGO PRAZO HISTÓRIA A. (sujeita a reajustamentos) 1º PERÍODO

PLANIFICAÇÃO A LONGO PRAZO HISTÓRIA A. (sujeita a reajustamentos) 1º PERÍODO PLANIFICAÇÃO A LONGO PRAZO HISTÓRIA A 10º Ano Ano Lectivo - 2012/2013 (sujeita a reajustamentos) Prof. ª Irene Lopes 1º PERÍODO MÓDULO 0 ESTUDAR E APRENDER HISTÓRIA MÓDULO 1 RAÍZES MEDITERRÂNICADA CIVILIZAÇÃO

Leia mais

Novos cenários para o Brasil e o Nordeste 245 TANIA BACELAR

Novos cenários para o Brasil e o Nordeste 245 TANIA BACELAR Novos cenários para o Brasil e o Nordeste 245 TANIA BACELAR Em nome da comissão que organizou este evento agradeço a todos aqueles que convidamos para compor as diversas mesas e a todos vocês que acompanharam

Leia mais

HISTÓRIA E TEORIA ARQ. PAISAGISMO E URBANISMO I

HISTÓRIA E TEORIA ARQ. PAISAGISMO E URBANISMO I HISTÓRIA E TEORIA ARQ. PAISAGISMO E URBANISMO I União Educacional do Norte Faculdade Uninorte Professora: Edinete Oliveira Arquiteta e Urbanista Tema: A ignorância da Arquitetura & As várias idades do

Leia mais

MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO CONSELHO NACIONAL DE EDUCAÇÃO CÂMARA DE EDUCAÇÃO SUPERIOR RESOLUÇÃO Nº 2, DE 17 DE JUNHO DE 2010 (*)

MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO CONSELHO NACIONAL DE EDUCAÇÃO CÂMARA DE EDUCAÇÃO SUPERIOR RESOLUÇÃO Nº 2, DE 17 DE JUNHO DE 2010 (*) MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO CONSELHO NACIONAL DE EDUCAÇÃO CÂMARA DE EDUCAÇÃO SUPERIOR RESOLUÇÃO Nº 2, DE 17 DE JUNHO DE 2010 (*) Institui as Diretrizes Curriculares Nacionais do curso de graduação em Arquitetura

Leia mais

INSTITUTO DE ARQUITETOS DO BRASIL

INSTITUTO DE ARQUITETOS DO BRASIL RETROFIT DO EDIFÍCIO SUL AMÉRICA Autor(es): Fernando Pinheiro Monte Filho e Alessandra Nascimento de Lima O retrofit do edifício Galeria Sul América encontra-se em uma sequência temporal de modificação

Leia mais

Articulando saberes e transformando a prática

Articulando saberes e transformando a prática Articulando saberes e transformando a prática Maria Elisabette Brisola Brito Prado Na sociedade do conhecimento e da tecnologia torna-se necessário repensar o papel da escola, mais especificamente as questões

Leia mais

PROJETO PEDAGÓGICO DO ENSINO FUNDAMENTAL E MÉDIO

PROJETO PEDAGÓGICO DO ENSINO FUNDAMENTAL E MÉDIO PROJETO PEDAGÓGICO DO ENSINO FUNDAMENTAL E MÉDIO APRESENTAÇÃO O Projeto Político Pedagógico da Escola foi elaborado com a participação da comunidade escolar, professores e funcionários, voltada para a

Leia mais

ACERVOS FOTOGRÁFICOS HISTÓRICOS. Organização, Pesquisa e Usos de Documentos Visuais. Aline Lopes de Lacerda alopeslacerda@gmail.

ACERVOS FOTOGRÁFICOS HISTÓRICOS. Organização, Pesquisa e Usos de Documentos Visuais. Aline Lopes de Lacerda alopeslacerda@gmail. ACERVOS FOTOGRÁFICOS HISTÓRICOS Organização, Pesquisa e Usos de Documentos Visuais Aline Lopes de Lacerda alopeslacerda@gmail.com Parte I - Fotografia e valor documentário Parte II - A fotografia nos arquivos:

Leia mais

Presidência da República Casa Civil Secretaria de Administração Diretoria de Gestão de Pessoas Coordenação Geral de Documentação e Informação

Presidência da República Casa Civil Secretaria de Administração Diretoria de Gestão de Pessoas Coordenação Geral de Documentação e Informação Presidência da República Casa Civil Secretaria de Administração Diretoria de Gestão de Pessoas Coordenação Geral de Documentação e Informação Coordenação de Biblioteca VISITA À ARGENTINA Centro Cultural

Leia mais

ENTRE A PALAVRA E O CHAO: MEMÓRIA TOPONÍMICA DA ESTRADA REAL, DESCRIÇÃO, HISTÓRIA E MUDANÇAS LINGUÍSTICAS

ENTRE A PALAVRA E O CHAO: MEMÓRIA TOPONÍMICA DA ESTRADA REAL, DESCRIÇÃO, HISTÓRIA E MUDANÇAS LINGUÍSTICAS ENTRE A PALAVRA E O CHAO: MEMÓRIA TOPONÍMICA DA ESTRADA REAL, DESCRIÇÃO, HISTÓRIA E MUDANÇAS LINGUÍSTICAS Francisco de Assis CARVALHO 1 Desde que o homem existe é que ele nomeia os lugares e os espaços.

Leia mais

Universalização do acesso, com permanência e aprendizagem em tempo adequado no ensino fundamental: ELSIO J. CORÁ

Universalização do acesso, com permanência e aprendizagem em tempo adequado no ensino fundamental: ELSIO J. CORÁ Universalização do acesso, com permanência e aprendizagem em tempo adequado no ensino fundamental: possibilidades a partir do espaço escolar e do espaço habitado ELSIO J. CORÁ JUNHO/ 2015 Universalização

Leia mais

O brincar hoje: da colaboração ao individualismo

O brincar hoje: da colaboração ao individualismo O brincar hoje: da colaboração ao individualismo Profa. Dra. Maria Angela Barbato Carneiro Campo Grande/ Simpósio Internacional da OMEP Jul/ 2012 Este trabalho tem por objetivo discutir sobre o brincar

Leia mais

RESOLUÇÃO. Artigo 3º - O Plano de Implantação, Conteúdo Programático e demais características do referido Curso constam do respectivo Processo.

RESOLUÇÃO. Artigo 3º - O Plano de Implantação, Conteúdo Programático e demais características do referido Curso constam do respectivo Processo. RESOLUÇÃO CONSEPE 59/2001 ALTERA O CURRÍCULO DO CURSO DE ARQUITETURA E URBANISMO, DO CÂMPUS DE ITATIBA, DA UNIVERSIDADE SÃO FRANCISCO. O Presidente do Conselho de Ensino, Pesquisa e Extensão - CONSEPE,

Leia mais

CONSTRUINDO A DEMOCRACIA SOCIAL PARTICIPATIVA

CONSTRUINDO A DEMOCRACIA SOCIAL PARTICIPATIVA CONSTRUINDO A DEMOCRACIA SOCIAL PARTICIPATIVA Clodoaldo Meneguello Cardoso Nesta "I Conferência dos lideres de Grêmio das Escolas Públicas Estaduais da Região Bauru" vamos conversar muito sobre política.

Leia mais

Mercado Municipal do Estado de Sa o Paulo

Mercado Municipal do Estado de Sa o Paulo Mercado Municipal do Estado de Sa o Paulo O Mercado Municipal de São Paulo é uma construção histórica localizada na região central da capital. Obra projetada pelo arquiteto Franscisco de Paula Ramos de

Leia mais

Outubro/2014. Período. 1 a 31 de outubro de 2014

Outubro/2014. Período. 1 a 31 de outubro de 2014 Outubro/2014 Período 1 a 31 de outubro de 2014 Museu da Energia de São Paulo promove curso gratuito sobre Educação Patrimonial Essencial para o desenvolvimento cultural, tema será apresentado em um evento

Leia mais

UFSC. Resposta: 02 + 04 + 16 = 22. Comentário. Resposta: Comentário

UFSC. Resposta: 02 + 04 + 16 = 22. Comentário. Resposta: Comentário Resposta: 02 + 04 + 16 = 22 Resposta: 01. Incorreta. Na região dos Rios Tigre e Eufrates tivemos o desenvolvimento da Civilização Mesopotâmica, que, mesmo enfrentando guerras, desenvolveu atividades artísticas

Leia mais

CADERNO DE CAMPO (GRUPO 13) DO IDEAL À REALIDADE EM TRANSFORMAÇÃO CONSIDERAÇÕES SOBRE A TRAJETÓRIA URBANO-ESTRUTURAL DO DISTRITO FEDERAL

CADERNO DE CAMPO (GRUPO 13) DO IDEAL À REALIDADE EM TRANSFORMAÇÃO CONSIDERAÇÕES SOBRE A TRAJETÓRIA URBANO-ESTRUTURAL DO DISTRITO FEDERAL UNIVERSIDADE DE SÃO PAULO FACULDADE DE FILOSOFIA, LETRAS E CIÊNCIAS HUMANAS DEPARTAMENTO DE GEOGRAFIA FLG0435 - TRABALHO DE CAMPO EM GEOGRAFIA I PROF. DR. TARIK REZENDE DE AZEVEDO CADERNO DE CAMPO (GRUPO

Leia mais

Exercícios de Revisão - 1

Exercícios de Revisão - 1 Exercícios de Revisão - 1 1. Sobre a relação entre a revolução industrial e o surgimento da sociologia como ciência, assinale o que for incorreto. a) A consolidação do modelo econômico baseado na indústria

Leia mais

O Curso de História da Arte na Universidade Federal de São Paulo

O Curso de História da Arte na Universidade Federal de São Paulo O Curso de História da Arte na Universidade Federal de São Paulo Jens Baumgarten UNIFESP Resumo O artigo apresenta o projeto acadêmico-intelectual do novo curso de graduação de História da Arte na Universidade

Leia mais

Karl Marx e a Teoria do Valor do Trabalho. Direitos Autorais: Faculdades Signorelli

Karl Marx e a Teoria do Valor do Trabalho. Direitos Autorais: Faculdades Signorelli Karl Marx e a Teoria do Valor do Trabalho Direitos Autorais: Faculdades Signorelli "O caminho da vida pode ser o da liberdade e da beleza, porém, desviamo-nos dele. A cobiça envenenou a alma dos homens,

Leia mais

Homens da África Ahmadou Kourouma. Edições SM. Cabelos de axé: identidade e resistência Raul Lody. Editora SENAC

Homens da África Ahmadou Kourouma. Edições SM. Cabelos de axé: identidade e resistência Raul Lody. Editora SENAC ÁFRICA Homens da África Ahmadou Kourouma. Edições SM Ricamente ilustrada por fotos e desenhos, esta obra traça um painel detalhado da vida dos habitantes da África do Oeste: sua tradição oral, detalhes

Leia mais

Construção do Espaço Africano

Construção do Espaço Africano Construção do Espaço Africano Aula 2 Colonização Para melhor entender o espaço africano hoje, é necessário olhar para o passado afim de saber de que forma aconteceu a ocupação africana. E responder: O

Leia mais

A educação geográfica na escola: elementos para exercício desafiante da cidadania

A educação geográfica na escola: elementos para exercício desafiante da cidadania A educação geográfica na escola: elementos para exercício desafiante da cidadania Prof. Manoel Martins de Santana Filho[1] Nosso objetivo e desejo face às mediações do trabalho docente A proposta e necessidade

Leia mais

A FOTOGRAFIA COMO INSTRUMENTO DIDÁTICO NO ENSINO DE GEOGRAFIA NA PERSPECTIVA DO CONCEITO DE PAISAGEM ENSINO FUNDAMENTAL II ( ANOS FINAIS )

A FOTOGRAFIA COMO INSTRUMENTO DIDÁTICO NO ENSINO DE GEOGRAFIA NA PERSPECTIVA DO CONCEITO DE PAISAGEM ENSINO FUNDAMENTAL II ( ANOS FINAIS ) Thainá Santos Coimbra Secretaria de Estado de Educação do Rio de Janeiro thainahappy@hotmail.com A FOTOGRAFIA COMO INSTRUMENTO DIDÁTICO NO ENSINO DE GEOGRAFIA NA PERSPECTIVA DO CONCEITO DE PAISAGEM ENSINO

Leia mais

Plano de Trabalho Docente 2014. Ensino Médio

Plano de Trabalho Docente 2014. Ensino Médio Plano de Trabalho Docente 2014 Etec Ensino Médio Etec: PROFESSOR MARIO ANTONIO VERZA Código: 164 Município: PALMITAL Área de conhecimento: CIÊNCIAS HUMANAS E SUAS TECNOLOGIAS Componente Curricular: GEOGRAFIA

Leia mais

Século XIX na Europa as inovações na arte. Predomínio do neoclassicismo ou academicismo

Século XIX na Europa as inovações na arte. Predomínio do neoclassicismo ou academicismo Século XIX na Europa as inovações na arte { Predomínio do neoclassicismo ou academicismo ANTIGUIDADE CLÁSSICA IDADE MÉDIA NEOCLASSICISMO OU ACADEMICISMO ROMANTISMO RENASCIMENTO BARROCO ROCOCÓ NEOCLÁSSICO

Leia mais

INTEIRATIVIDADE FINAL CONTEÚDO E HABILIDADES DINÂMICA LOCAL INTERATIVA. Aula 8.2 Conteúdo: As repercussões da Revolução Industrial no Amazonas

INTEIRATIVIDADE FINAL CONTEÚDO E HABILIDADES DINÂMICA LOCAL INTERATIVA. Aula 8.2 Conteúdo: As repercussões da Revolução Industrial no Amazonas Aula 8.2 Conteúdo: As repercussões da Revolução Industrial no Amazonas Habilidades: Conhecer os principais reflexos da cultura industrial no cotidiano amazonense do início do século XX Manaus na Belle

Leia mais

Impressões sobre o Porto. Maria Zaclis Veiga FERREIRA 1

Impressões sobre o Porto. Maria Zaclis Veiga FERREIRA 1 Impressões sobre o Porto Maria Zaclis Veiga FERREIRA 1 Resumo Utilizando alguns preceitos sobre a fotografia como forma de contextualização do tema, o presente artigo trata da imagem fotográfica enquanto

Leia mais

Arquitetura e Urbanismo

Arquitetura e Urbanismo Aptidão Arquitetura e Urbanismo APTIDÃO EM ARQUITETURA E URBANISMO 1. INTRODUÇÃO Considerando que o trabalho do arquiteto é na verdade a articulação de inúmeras variáveis que se materializam e se configuram

Leia mais

A PRESENÇA NEGRA NO PARÁ: RESENHA DE UM

A PRESENÇA NEGRA NO PARÁ: RESENHA DE UM R E S E N H A A PRESENÇA NEGRA NO PARÁ: RESENHA DE UM TRABALHO PIONEIRO SALLES, VICENTE. O NEGRO NO PARÁ. SOB O REGIME DA ESCRAVIDÃO. 3ª EDIÇÃO. BELÉM: INSTITUTO DE ARTES DO PARÁ, 2005. JOSÉ MAIA BEZERRA

Leia mais

A Dimensão Cultural e o Espaço uma leitura geográfica. Elis Miranda

A Dimensão Cultural e o Espaço uma leitura geográfica. Elis Miranda A Dimensão Cultural e o Espaço uma leitura geográfica Elis Miranda Professora do Mestrado em Planejamento Regional e Gestão de Cidades Universidade Cândido Mendes - Campos. O livro Introdução à Geografia

Leia mais

RELAÇÕES DE TRABALHO DICIONÁRIO

RELAÇÕES DE TRABALHO DICIONÁRIO RELAÇÕES DE TRABALHO Conjunto de normas e princípios que regem a relação entre aquele que detém o poder de contratar outro para desenvolver determinada atividade e aquele que mobilizado para tal executa

Leia mais

EDUCAÇÃO AMBIENTAL E CIDADANIA ELEMENTOS COMPLEMENTARES NO COTIDIANO ESCOLAR

EDUCAÇÃO AMBIENTAL E CIDADANIA ELEMENTOS COMPLEMENTARES NO COTIDIANO ESCOLAR EDUCAÇÃO AMBIENTAL E CIDADANIA ELEMENTOS COMPLEMENTARES NO COTIDIANO ESCOLAR LUZ, Janes Socorro da 1, MENDONÇA, Gustavo Henrique 2, SEABRA, Aline 3, SOUZA, Bruno Augusto de. 4 Palavras-chave: Educação

Leia mais

Fragmentos do Texto Indicadores para o Desenvolvimento da Qualidade da Docência na Educação Superior.

Fragmentos do Texto Indicadores para o Desenvolvimento da Qualidade da Docência na Educação Superior. Fragmentos do Texto Indicadores para o Desenvolvimento da Qualidade da Docência na Educação Superior. Josimar de Aparecido Vieira Nas últimas décadas, a educação superior brasileira teve um expressivo

Leia mais

TCC2036. fevereiro de 2006. Pricila Kohls dos Santos. Pontifícia Universidade Católica do Rio Grande do Sul PUCRS. pricilas.ead@pucrs.

TCC2036. fevereiro de 2006. Pricila Kohls dos Santos. Pontifícia Universidade Católica do Rio Grande do Sul PUCRS. pricilas.ead@pucrs. 1 O PEDAGOGO EM MULTIMEIOS E INFORMÁTICA EDUCATIVA E SUA CONTRIBUIÇÃO PARA A EFICÁCIA DA UTILIZAÇÃO DAS TECNOLOGIAS DE INFORMAÇÃO E COMUNICAÇÃO NA EDUCAÇÃO TCC2036 fevereiro de 2006 Pricila Kohls dos Santos

Leia mais

GABARITO PRÉ-VESTIBULAR

GABARITO PRÉ-VESTIBULAR LINGUAGENS 01. C 02. D 03. C 04. B 05. C 06. C 07. * 08. B 09. A 10. D 11. B 12. A 13. D 14. B 15. D LÍNGUA ESTRANGEIRA 16. D 17. A 18. D 19. B 20. B 21. D MATEMÁTICA 22. D 23. C De acordo com as informações,

Leia mais

Presidência da República Casa Civil Secretaria de Administração Diretoria de Gestão de Pessoas Coordenação Geral de Documentação e Informação

Presidência da República Casa Civil Secretaria de Administração Diretoria de Gestão de Pessoas Coordenação Geral de Documentação e Informação Presidência da República Casa Civil Secretaria de Administração Diretoria de Gestão de Pessoas Coordenação Geral de Documentação e Informação Coordenação de Biblioteca deirantes de ontem, mas dos homens

Leia mais

EXERCÍCIOS ON LINE DE GEOGRAFIA 7º 2º TRI

EXERCÍCIOS ON LINE DE GEOGRAFIA 7º 2º TRI 1. Coloque V para verdadeiro e F para falso: EXERCÍCIOS ON LINE DE GEOGRAFIA 7º 2º TRI ( ) a população economicamente ativa compreende a parcela da população que está trabalhando ou procurando emprego.

Leia mais

PROJETO UNIVERSIDADE ABERTA 2011

PROJETO UNIVERSIDADE ABERTA 2011 PROJETO UNIVERSIDADE ABERTA 2011 Trabalhas sem alegria para um mundo caduco Carlos Drumond de Andrade 1. IDENTIFICAÇÃO DO PROJETO Realização do 6º ano do Projeto Universidade Aberta, com o título Faces

Leia mais

Grupo WTB Experiência e solidez

Grupo WTB Experiência e solidez Grupo WTB Experiência e solidez Fundado em 1999, o Grupo WTB teve um crescimento sustentado e prosperou ao longo dos anos. Hoje, sua marca está presente em vários empreendimentos de sucesso, contando com

Leia mais

Paisagem: Um texto a ser decifrado

Paisagem: Um texto a ser decifrado Paisagem: Um texto a ser decifrado Caroline Pinho de Araújo (UERJ/FFP) Taís de Santana Ferreira (UERJ/FFP) Resumo A paisagem se constitui por uma diversidade de conhecimentos que geralmente são abordados

Leia mais

Programa. Fundamentos de filosofia e Sociologia das Organizações Teorias e modelos de gestão.

Programa. Fundamentos de filosofia e Sociologia das Organizações Teorias e modelos de gestão. Programa UNIDADE 1: UNIDADE 2 Fundamentos de filosofia e Sociologia das Organizações Teorias e modelos de gestão. Funções do administrador no mundo contemporâneo. Arquitetura Organizacional. UNIDADE 3

Leia mais

PLANEJAMENTO ANUAL 2014

PLANEJAMENTO ANUAL 2014 PLANEJAMENTO ANUAL 2014 Disciplina: HISTÓRIA Período: Anual Professor: INÊS PEREIRA Série e segmento: 1º ENSINO MÉDIO 1º TRIMESTRE 2º TRIMESTRE 3º TRIMESTRE Respeitar e entender a importância do patrimônio

Leia mais

PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO EM ARQUITETURA E URBANISMO. Linha de Pesquisa: PLANEJAMENTO E AVALIAÇÃO DO AMBIENTE CONSTRUÍDO

PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO EM ARQUITETURA E URBANISMO. Linha de Pesquisa: PLANEJAMENTO E AVALIAÇÃO DO AMBIENTE CONSTRUÍDO PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO EM ARQUITETURA E URBANISMO PROJETOS DE PESQUISA DOS DOCENTES Linha de Pesquisa: PLANEJAMENTO E AVALIAÇÃO DO AMBIENTE CONSTRUÍDO Docente: Prof. Dr. João Roberto Gomes de Faria

Leia mais

1º Ano Artes 4ª Aula 2015 Prof. Juventino

1º Ano Artes 4ª Aula 2015 Prof. Juventino 1º Ano Artes 4ª Aula 2015 Prof. Juventino Contrapondo-se a Egípcia vida pósmortem. Arte grega fundamenta-se na inteligência Os governantes não eram deuses, mas seres mortais Usavam a razão e o senso de

Leia mais

TORRE DE TV: PROPORCIONANDO BEM ESTAR

TORRE DE TV: PROPORCIONANDO BEM ESTAR TORRE DE TV: PROPORCIONANDO BEM ESTAR Authors: Eliete Araujo¹, Ivana Santos¹, Fabiana Rajão¹, Laura Guerreiro¹ Affiliation: 1 - UniCEUB Keywords: Torre. Requalificar. Inteligente. I. INTRODUÇÃO Este trabalho

Leia mais

CARTA DE NIZHNY TAGIL SOBRE O PATRIMÓNIO INDUSTRIAL The International Committee for the Conservation of the Industrial Heritage (TICCIH) Julho 2003

CARTA DE NIZHNY TAGIL SOBRE O PATRIMÓNIO INDUSTRIAL The International Committee for the Conservation of the Industrial Heritage (TICCIH) Julho 2003 PORTUGUÊS (Obrigado APPI) CARTA DE NIZHNY TAGIL SOBRE O PATRIMÓNIO INDUSTRIAL The International Committee for the Conservation of the Industrial Heritage (TICCIH) Julho 2003 O TICCIH The International

Leia mais

Capítulo 3 CONDOMÍNIOS-CLUBE NA CIDADE DE SÃO PAULO

Capítulo 3 CONDOMÍNIOS-CLUBE NA CIDADE DE SÃO PAULO Capítulo 3 CONDOMÍNIOS-CLUBE NA CIDADE DE SÃO PAULO Vista da Rua Schilling, no ano de 1981 Fonte : Júnior Manuel Lobo Fonte:Vila Hamburguesa sub-distrito da Lapa município da capital de São Paulo Vila

Leia mais

Panorama dos pré-socráticos ao helenismo

Panorama dos pré-socráticos ao helenismo Panorama dos pré-socráticos ao helenismo Heidi Strecker* A filosofia é um saber específico e tem uma história que já dura mais de 2.500 anos. A filosofia nasceu na Grécia antiga - costumamos dizer - com

Leia mais

SEQUÊNCIA DIDÁTICA PODCAST CIÊNCIAS HUMANAS

SEQUÊNCIA DIDÁTICA PODCAST CIÊNCIAS HUMANAS SEQUÊNCIA DIDÁTICA PODCAST CIÊNCIAS HUMANAS Título do Podcast Área Segmento Duração Consumo, consumismo e impacto humano no meio ambiente Ciências Humanas Ensino Fundamental; Ensino Médio 6min29seg Habilidades:

Leia mais

Ao considerar e ao explicitar a representação feita, nota-se sua lógica e o que levou o aluno a tal escolha. A partir dela, o professor pode chegar a

Ao considerar e ao explicitar a representação feita, nota-se sua lógica e o que levou o aluno a tal escolha. A partir dela, o professor pode chegar a 37 Ao trabalhar questões socioambientais e o conceito de natureza, podemos estar investigando a noção de natureza que os alunos constroem ou construíram em suas experiências e vivências. Alguns alunos

Leia mais

História da Arquitetura

História da Arquitetura Subdivisão da História da Arte - estudo da evolução histórica da arquitetura. Seus princípios Idéias Realizações Cronologia 1. Pré-História Arquitetura neolítica 2. Antigüidade Arquitetura egípcia Arquitetura

Leia mais

EXERCÍCIOS SOBRE RENASCIMENTO

EXERCÍCIOS SOBRE RENASCIMENTO EXERCÍCIOS SOBRE RENASCIMENTO TEXTO O termo Renascimento é comumente aplicado à civilização européia que se desenvolveu entre 1300 e 1650. Além de reviver a antiga cultura greco-romana, ocorreram nesse

Leia mais

Catalão nas Fronteiras do Capitalismo: do desenvolvimento produtivo a construção da sociabilidade

Catalão nas Fronteiras do Capitalismo: do desenvolvimento produtivo a construção da sociabilidade Catalão nas Fronteiras do Capitalismo: do desenvolvimento produtivo a construção da sociabilidade Leonardo César PEREIRA 1 ; Revalino Antonio FREITAS (orientador) Palavras-chave: trabalho, migração, fronteira,

Leia mais

SOCIOLOGIA GERAL E DA EDUCAÇÃO

SOCIOLOGIA GERAL E DA EDUCAÇÃO SOCIOLOGIA GERAL E DA EDUCAÇÃO Universidade de Franca Graduação em Pedagogia-EAD Profa.Ms.Lucimary Bernabé Pedrosa de Andrade 1 Objetivos da disciplina Fornecer elementos teórico-conceituais da Sociologia,

Leia mais

MATERIAL DE DIVULGAÇÃO DA EDITORA MODERNA

MATERIAL DE DIVULGAÇÃO DA EDITORA MODERNA MATERIAL DE DIVULGAÇÃO DA EDITORA MODERNA Professor, nós, da Editora Moderna, temos como propósito uma educação de qualidade, que respeita as particularidades de todo o país. Desta maneira, o apoio ao

Leia mais

DIVERSIDADE HISTÓRICA, CULTURAL E LINGUÍSTICA NA EDUCAÇÃO

DIVERSIDADE HISTÓRICA, CULTURAL E LINGUÍSTICA NA EDUCAÇÃO 1 DIVERSIDADE HISTÓRICA, CULTURAL E LINGUÍSTICA NA EDUCAÇÃO INTRODUCÃO Patrícia Edí Ramos Escola Estadual Maria Eduarda Pereira Soldera São José dos Quatro Marcos Este trabalho tem por objetivo uma pesquisa

Leia mais

Características da publicidade

Características da publicidade Nível B1 B2 B3 X Secundário Área de competência chave Cultura, Língua e Comunicação UFCD CLC-5 Cultura, Comunicação e Média Conteúdo O texto publicitário Tema A publicidade Breve história da publicidade

Leia mais