A NATUREZA DO SOM. Diogo Maia

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "A NATUREZA DO SOM. Diogo Maia"

Transcrição

1 A NATUREZA DO SOM Diogo Maia

2 "SE UMA ÁRVORE CAÍSSE NA FLORESTA E NÃO HOUVESSE NINGUÉM LÁ PARA OUVIR, ELA FARIA BARULHO...?

3 "SE UMA ÁRVORE CAÍSSE NA FLORESTA E NÃO HOUVESSE NINGUÉM LÁ PARA OUVIR, ELA FARIA BARULHO...? o Som é composto por 3 elementos essenciais: geração propagação recepção

4 VIBRAÇÕES Sons são produzidos a partir de vibrações. Quando algo vibra uma certa quantidade de vezes no tempo de 1 segundo, ele está produzindo som.

5 Espectro audível VIBRAÇÕES 20 a vibrações por segundo a partir de 12 a partir de 8 até

6 VIBRAÇÕES Vezes por segundo" = HERTZ Heinrich Rudolf Hertz

7 VIBRAÇÕES Presbiacusia Até 17 anos, ouve-se até 20KHz De 18 a 29 anos, ouve-se até 17000Hz, em média De 30 a 39 anos, ouve-se até 15000Hz, em média De 40 a 49 anos, ouve-se até 13000Hz, em média Acima de 50 anos, ouve-se até 12000Hz, em média

8 VIBRAÇÕES Observações 90% dos sons que ouvimos estão dentro da faixa de 100Hz - 10KHz A nota mais alta de um piano é 4KHz Nenhum instrumento de uma orquestra fala mais alto que 7Khz Muitas caixas de som, mesmo de marca excelente tem limite de reprodução de 17KHz ou um pouco mais, sem prejuízo de qualidade nenhum

9 ONDAS SONORAS Frequência Exemplo de um ciclo de onda

10 ONDAS SONORAS Amplitude Amplitude da onda

11 ONDAS SONORAS Fase Soma de ondas de mesma fase Soma de ondas de fases invertidas

12 ONDAS SONORAS Fundamentais e Harmônicos

13 Timbre ONDAS SONORAS

14 Efeito Doppler ONDAS SONORAS

15 Reflexão ONDAS SONORAS

16 Refração ONDAS SONORAS

17 Difração ONDAS SONORAS

18 UNIDADES DE MEDIDA DECIBEL: Medição de áudio WATT: Medição de potência acústica SPL (Sound Pressure Level): 0, Watt = 0dB (limiar do Som) 1Watt = 120dB (limiar da dor)

19 UNIDADES DE MEDIDA Watt SPL (DB) 10 Avião a jato a 30 m Limiar da dor Banda de Rock Alta Trovão Caminhão a 25 m 100

20 UNIDADES DE MEDIDA Watt SPL (DB) 0,001 0,0001 Picos de música muito altos Trânsito de rua movimentada ,00001 Fábrica típica 70 0, Conversação normal a 2m 60

21 UNIDADES DE MEDIDA Watt SPL (DB) 0, Escritório típico 50 0, Residência típica 40 0, Consultório dentário silencioso 30 0, Sussurro a 2m 20

22 UNIDADES DE MEDIDA Watt SPL (DB) 0, Estúdio de gravação - silencioso 10 0, limiar da audição 0

23 EFEITOS PSICOLÓGICOS 0 a 90dB O som de uma música pode nos acalmar, nos alegrar ou até mesmo nos excitar Um som desagradável como o raspar de unha sobre um quadro negro pode arrepiar" O som intermitente de uma gota d água pingando de uma torneira pode nos impedir de dormir O som pode desabar uma avalanche de neve e as encostas de uma montanha quando submetidas ao efeito de ressonância

24 EFEITOS PSICOLÓGICOS 0 a 90dB Pesquisas recentes concluíram que os estados psicológicos de depressão, solidão, ansiedade, etc, têm cada um deles um tratamento adequado através da música clássica. A técnica de relaxamento utilizada pelos seguidores da Meditação Transcendental se vale de um som (denominado mantra ) pronunciado apenas mentalmente para levar a pessoa a um estado de concentração profundo

25 EFEITOS FISIOLÓGICOS E 90 a 120dB FÍSICOS Sons repentinos como o estouro de uma bombinha de São João produzem uma reação de sobressalto e a complexa resposta do organismo a uma ocasião de emergência: a pressão arterial e a pulsação disparam; os músculos se contraem acima de 120dB podem ocorrer numerosas sensações orgânicas desagradáveis: vibrações dentro da cabeça, dor aguda no ouvido médio, perda de equilíbrio e náuseas Próximo aos 140 db pode ocorrer a ruptura do tímpano

26 EFEITOS FISIOLÓGICOS E FÍSICOS 90 a 120dB Sons ainda mais elevados como a explosão de partida de um foguete (até 175dB) pode danificar o mecanismo do ouvido interno causando convulsões e até mesmo a morte imediata

27 EXPOSIÇÃO AO RUÍDO Quanto maior o nível do ruído, e/ou quanto maior o tempo de exposição do ruído, maior será o grau de perda de audição Classe Nome Observações A Normal Sem dificuldades para ouvir voz baixa B Quase Normal Dificuldade apenas para ouvir voz baixa C Perda/dia Dificuldade para voz normal mas não para voz alta D Perda séria Dificuldade mesmo para voz alta E Perda grave Só pode ouvir voz amplificada F Perda profunda Não pode entender nem mesmo a voz amplificada G Perda total Não pode ouvir qualquer som

28 ÁUDIO Reprodução ou gravação de som em um sistema eletrônico (magnética) ou digital (binário), armazenado em um tipo de mídia Tudo que se refere ao Som captado, manipulado, transmitido ou amplificado por meio eletrônico ou digital

29 ÁUDIO Áudio Analógico toda captura de um som dependendo da natureza do material utilizado. frequência de captura além do limite de percepção humana captura feita através de microfone que possui membrana muito sensível que vibra com o deslocamento de ar, decodificando as vibrações em sinal elétrico o sinal passa pelo fio chegando a um amplificador, que trata e leva a voltarem ao alto-falante

30 ÁUDIO Áudio Digital Captura ou execução de um som através de um conversor analógico-digital, que transforma a corrente elétrica em sistema binário. O conversor lê o código binário digitalizando a onda em pontos

31 ÁUDIO Áudio Digital o som digital é bastante claro e preciso na reprodução do original, mas sofre uma limitação, pois os cálculos dos conversores não são tão precisos e eles nos permitem trabalhar na frequência de 20hz até 20kHz

32 PRINCIPAIS FORMATOS wav É o formato padrão de gravação de áudio no ambiente Windows. Wav é um formato lossless, sem perda ou mínimo de perda possível. Em contra partida, o tamanho deste formato é excessivamente grande AIFF Este formato é muito popular nas plataformas da Apple, e é usado nos programas profissionais que processam áudio digital. Semelhante ao Wav, possui um formato lossless

33 PRINCIPAIS FORMATOS flac é outro formato lossless, mas que gera um arquivo 24% menor que o tamanho original (wav). A grande vantagem sobre os outros formatos é que o Flac é totalmente open source Monkey a áudio de forma lossless este padrão se tornou o queridinho entre os audiófilos, pois gera arquivos ainda menores que o Flac com a mesma qualidade, em média 33% menores que o wav

34 PRINCIPAIS FORMATOS ogg vorbis é um padrão open source que concorre com o mp3. O esquema de compressão é semelhante ao do mp3 e o resultado é que o arquivo fica 30% maior wma o Windows Media Áudio é o formato oficial da Microsoft. Agrada principalmente as gravadoras com sua tecnologia DRM (Digital Rights Management) incorpora ao padrão que impede (ou dificulta seriamente) a distribuição não autorizada de arquivos trancados. Quanto à compressão, os arquivos ema são menores que os mp3

35 PRINCIPAIS FORMATOS mp3 o sistema MP3 aproveita, além das técnicas habituais de compressão, o conhecimento das imperfeições ou limitações na audição humana para eliminar certas informações sem afetar o que ouvimos, conseguindo assim níveis de compressão de até 12 vezes! Lembrando, nosso ouvido capta de 20hz a 20Khz, e a região de maior sensibilidade fica em torno de 3 a 3,5Khz

Prof. Daniel Hasse. Multimídia e Hipermídia

Prof. Daniel Hasse. Multimídia e Hipermídia Prof. Daniel Hasse Multimídia e Hipermídia AULA 02 Agenda: Algoritmos de Codificação/Decodificação; Codec de Áudio. Atividade complementar. Algoritmos de Codificação/Decodificação - Comunicação tempo real,

Leia mais

O Ouvido Humano e a Audição

O Ouvido Humano e a Audição 36 Capítulo 4 O Ouvido Humano e a Audição Neste capítulo faremos um estudo sobre o ouvido humano, a fisiologia da audição e a sensibilidade do nosso sistema auditivo. 1. Conceitos básicos sobre a anatomia

Leia mais

Introdução ao Ruído. Vibrações e Ruído (10375) 2014 Pedro V. Gamboa. Departamento de Ciências Aeroespaciais

Introdução ao Ruído. Vibrações e Ruído (10375) 2014 Pedro V. Gamboa. Departamento de Ciências Aeroespaciais Introdução ao Ruído Vibrações e Ruído (10375) 2014 Tópicos Som. Pressão Sonora e Potência Sonora. Níveis Sonoros. 2 1. Som O som pode ser definido como uma manifestação positiva resultante da variação

Leia mais

O que caracteriza um som?

O que caracteriza um som? O que caracteriza um som? As características de uma onda sonora são conectadas com os conceitos físicos originários da observação de Fenômenos Periódicos, tal como o Movimento Circular Uniforme (MCU) e

Leia mais

Ruído. 1) Introdução. 2) Principais grandezas e parâmetros definidores do som

Ruído. 1) Introdução. 2) Principais grandezas e parâmetros definidores do som 1) Introdução A movimentação mecânica de cargas pode ser definida como o conjunto de ações, de materiais e de meios que permitem, de um modo planeado e seguro, movimentar cargas de um determinado local

Leia mais

Propriedades Físicas do Som

Propriedades Físicas do Som 12 Capítulo 2 Propriedades Físicas do Som 1. - Introdução O som é um fenômeno vibratório resultante de variações da pressão no ar. Essas variações de pressão se dão em torno da pressão atmosférica e se

Leia mais

O som é produzido pela propagação de vibrações mecânicas em meio elástico (ar) capaz de excitar o aparelho auditivo. SOM

O som é produzido pela propagação de vibrações mecânicas em meio elástico (ar) capaz de excitar o aparelho auditivo. SOM POLUIÇÃO SONORA O som é produzido pela propagação de vibrações mecânicas em meio elástico (ar) capaz de excitar o aparelho auditivo. SOM SOM É o resultado de movimentos de flutuação de partículas de ar

Leia mais

Esse barulho me deixa surda!

Esse barulho me deixa surda! Esse barulho me deixa surda! A UU L AL A Você já reparou na quantidade de ruídos ao seu redor? Basta ficar dez segundos prestando atenção aos sons para notar o som da TV, um carro passando, um cachorro

Leia mais

SOM. Ruído. Frequência. Ruído. Amplitude da vibração. Ruído. Isabel Lopes Nunes FCT/UNL. Som - produz vibrações (ondas) que entram no ouvido interno

SOM. Ruído. Frequência. Ruído. Amplitude da vibração. Ruído. Isabel Lopes Nunes FCT/UNL. Som - produz vibrações (ondas) que entram no ouvido interno SOM Isabel Lopes Nunes FCT/UNL toda a vibração mecânica que se propaga num meio elástico (ar, metais, líquidos ), desde que as frequências que a compõem se encontrem dentro de uma determinada faixa audível

Leia mais

OSCILAÇÕES E ONDAS E. E. Maestro Fabiano Lozano

OSCILAÇÕES E ONDAS E. E. Maestro Fabiano Lozano OSCILAÇÕES E ONDAS E. E. Maestro Fabiano Lozano Professor Mário Conceição Oliveira índice Oscilações e ondas...1 Tipos de Ondas...2 Tipo de deslocamento das ondas...2 Movimento ondulatório...2 Ondas Mecânicas...3

Leia mais

Resumo sobre o Sistema Auditivo Humano

Resumo sobre o Sistema Auditivo Humano Universidade Federal de Minas Gerais Pampulha Ciências da Computação Resumo sobre o Sistema Auditivo Humano Trabalho apresentado à disciplina Processamento Digital de Som e Vídeo Leonel Fonseca Ivo 2007041418

Leia mais

Introdução... 2. Características das placas de som... 2

Introdução... 2. Características das placas de som... 2 á Placa de som: principais características... 2 Introdução... 2 Características das placas de som... 2 Conversores ADC e DAC... 2 Resolução das placas de som... 2 Taxa de amostragem... 3 Resposta de freqüência...

Leia mais

Computadores VII: Digitalizando Sons - Final

Computadores VII: Digitalizando Sons - Final Computadores VII: Digitalizando Sons - Final A2 Texto 4 http://www.bpiropo.com.br/fpc20050808.htm Sítio Fórum PCs /Colunas Coluna: B. Piropo Publicada em 08/08/2005 Autor: B.Piropo Semana passada vimos

Leia mais

O Sentido da Audição Capítulo10 (pág. 186)

O Sentido da Audição Capítulo10 (pág. 186) O Sentido da Audição Capítulo10 (pág. 186) - Possibilita a percepção de sons diversos (fala, canto dos pássaros, barulho das ondas do mar, chacoalhar das folhas ao vento); - Os sons são transmitidos por

Leia mais

Física experimental - Ondulatória - Conjunto para ondas mecânicas II, adaptador para osciloscópio com sensor e software - EQ181F.

Física experimental - Ondulatória - Conjunto para ondas mecânicas II, adaptador para osciloscópio com sensor e software - EQ181F. Índice Remissivo... 5 Abertura... 7 Guarantee / Garantia... 8 Certificado de Garantia Internacional... 8 As instruções identificadas no canto superior direito da página pelos números que se iniciam pelos

Leia mais

O SOM. 2. Um fenómeno vibratório que produz essa sensação;

O SOM. 2. Um fenómeno vibratório que produz essa sensação; O SOM Segundo a Diciopédia, o som pode ser: 1. Física: sensação auditiva produzida por vibrações mecânicas de frequência compreendida entre determinados valores (20 e 20 000 vibrações por segundo, em média);

Leia mais

Sensores Ultrasônicos

Sensores Ultrasônicos Sensores Ultrasônicos Introdução A maioria dos transdutores de ultra-som utiliza materiais piezelétricos para converter energia elétrica em mecânica e vice-versa. Um transdutor de Ultra-som é basicamente

Leia mais

SOM. Judith Kelner jk@cin.ufpe.br. Samuel Macedo samuel@gprt.ufpe.br

SOM. Judith Kelner jk@cin.ufpe.br. Samuel Macedo samuel@gprt.ufpe.br SOM Judith Kelner jk@cin.ufpe.br Samuel Macedo samuel@gprt.ufpe.br Grupo de Pesquisa em Realidade Virtual Multimídia Universidade Federal de Pernambuco, Centro de Informática 2011-1º.semestre Roteiro!

Leia mais

Para que serve o Alto-Falante? O que é som, intensidade, tom,timbre? Estas e outras respostas você encontra neste trabalho sobre alto-falantes.

Para que serve o Alto-Falante? O que é som, intensidade, tom,timbre? Estas e outras respostas você encontra neste trabalho sobre alto-falantes. Para que serve o Alto-Falante? O que é som, intensidade, tom,timbre? Estas e outras respostas você encontra neste trabalho sobre alto-falantes. 1. PARA QUE SERVE O ALTO-FALANTE? A primeira pergunta que

Leia mais

Som. Judith Kelner Thiago Farias (outros autores)

Som. Judith Kelner Thiago Farias (outros autores) Som Judith Kelner Thiago Farias (outros autores) Roteiro Introdução Digitalização Processamento Compressão e formatos 2 Introdução Som História Pitágoras na Grécia em 500 AC (Monocórdio) Som forma de energia

Leia mais

Multimídia. Conteúdo 1.1. Texto... 3 1.2. Hipertexto... 5 1.3. Hipermídia... 7. 2. Mídia. 2.1. Representação. Copyright

Multimídia. Conteúdo 1.1. Texto... 3 1.2. Hipertexto... 5 1.3. Hipermídia... 7. 2. Mídia. 2.1. Representação. Copyright Sistemas Multimídia Aula 3 Mídia texto e Mídia Conteúdo 1. Texto, Hipertexto, Multimídia, Hipermídia.... 3 1.1. 1.2. 1.3. Texto... 3 Hipertexto... 5 Hipermídia... 7 2. Mídia de... 8 2.1. Representação

Leia mais

EXTERNATO MATER DOMUS. RUA PASCAL, 1403 CAMPO BELO SP CEP 04616/004 - Fone: 5092-5825

EXTERNATO MATER DOMUS. RUA PASCAL, 1403 CAMPO BELO SP CEP 04616/004 - Fone: 5092-5825 EXTERNATO MATER DOMUS RUA PASCAL, 1403 CAMPO BELO SP CEP 04616/004 - Fone: 5092-5825 MATÉRIA: FÍSICA PROFESSORA: RENATA LEITE QUARTIERI ALUNO: Nº Série: 3º TURMA: Única DATA: / /2015 ASSINATURA DO PAI/RESP.

Leia mais

Escola Secundária Emídio Navarro. Fisica e Quimica 11ºano CT3

Escola Secundária Emídio Navarro. Fisica e Quimica 11ºano CT3 Escola Secundária Emídio Navarro Fisica e Quimica 11ºano CT3 Ana Catarina Rato, nº2. Daniel Costa, nº9. Herlander Barreto, nº13. Professora Manuela Teixeira Fevereiro de 2010 0 Índice Introdução 1 Som:

Leia mais

Fisiologia Sentidos Especiais

Fisiologia Sentidos Especiais O Olho Fisiologia Sentidos Especiais Profa. Ana Maria Curado Lins, M.Sc Anatomia do Olho Esclerótica: membrana mais externa do olho, é branca, fibrosa e resistente; mantém a forma do globo ocular e protege-o;

Leia mais

Table of Contents. PT Informações Importantes de Segurança 20 Utilização do Microfone Remoto 23 Conecte, Ouça e Aproveite 25

Table of Contents. PT Informações Importantes de Segurança 20 Utilização do Microfone Remoto 23 Conecte, Ouça e Aproveite 25 USER GUIDE Table of Contents PT Informações Importantes de Segurança 20 Utilização do Microfone Remoto 23 Conecte, Ouça e Aproveite 25 Informações Importantes de Segurança Ouça com Responsabilidade Para

Leia mais

Dicas para um Áudio Mobile. www.mvmob.com.br

Dicas para um Áudio Mobile. www.mvmob.com.br www.mvmob.com.br 1 1. Introdução Este guia foi produzido para auxiliar educandos e educadores durante as ofi cinas oferecidas pelo projeto MVMob - Minha Vida Mobile, como material de subsídio pedagógico.

Leia mais

O vidro na barreira do som

O vidro na barreira do som Maio 2015 O vidro na barreira do som OFERECIMENTO SUPLEMENTO 1 março CONCEITOS BÁSICOS E A EVOLUÇÃO DO USO DO VIDRO SUPLEMENTO 2 abril EXEMPLOS PRÁTICOS DO USO DO VIDRO ACÚSTICO SUPLEMENTO 3 maio ENSAIOS

Leia mais

Ouvir melhor é viver melhor. Descobrindo sua audição

Ouvir melhor é viver melhor. Descobrindo sua audição Ouvir melhor é viver melhor Descobrindo sua audição O mundo o está chamando A capacidade de ouvir é uma parte tão importante da nossa vida e a maioria das pessoas nem se dá conta disso. Ouvir é um dom,

Leia mais

Técnicas de Gravação e Mixagem de Audio. Apostila 3. Psico-Acústica. 1. O Ouvido Humano

Técnicas de Gravação e Mixagem de Audio. Apostila 3. Psico-Acústica. 1. O Ouvido Humano Técnicas de Gravação e Mixagem de Audio Apostila 3 AC Psico-Acústica 1. O Ouvido Humano! O nosso processo auditivo está intimamente ligado as nossas funções de sobrevivência e tem padrões diferentes de

Leia mais

Tópicos Especiais em Computação Gráfica. Realidade Virtual. Som Tridimensional

Tópicos Especiais em Computação Gráfica. Realidade Virtual. Som Tridimensional Tópicos Especiais em Computação Gráfica Realidade Virtual Som Tridimensional Márcio Serolli Pinho Faculdade de Informática PUCRS 5. O Som em ambientes virtuais A adição de sons, em qualquer processo de

Leia mais

Audição e Trabalho. Marcelo Madureira

Audição e Trabalho. Marcelo Madureira Audição e Trabalho Marcelo Madureira Som Qualquer perturbação vibratória em meio elástico, a qual produz uma sensação auditiva Energia transmitida por vibrações no ar (ou outros materiais) e que causa

Leia mais

Mídias Contínuas. Mídias Contínuas

Mídias Contínuas. Mídias Contínuas Mídias Contínuas Processamento da Informação Digital Mídias Contínuas Mídias Contínuas (dinâmicas ou dependentes do tempo) Digitalização de Sinais Áudio Vídeo 1 Digitalização de Sinais Codificadores de

Leia mais

Curso de Caixas Acústicas Parte 4 capacitores, divisores de frequência e atenuadores

Curso de Caixas Acústicas Parte 4 capacitores, divisores de frequência e atenuadores Curso de Caixas Acústicas Parte 4 capacitores, divisores de frequência e atenuadores Autor: Fernando A. B. Pinheiro Entrar em uma loja e escolher os falantes é facílimo. Conseguir um marceneiro para fabricar

Leia mais

Protótipo de uma Ferramenta de Geração de Efeitos Sonoros para Instrumentos Musicais. Prof. Dalton Solano dos Reis Orientador

Protótipo de uma Ferramenta de Geração de Efeitos Sonoros para Instrumentos Musicais. Prof. Dalton Solano dos Reis Orientador Protótipo de uma Ferramenta de Geração de Efeitos Sonoros para Instrumentos Musicais Tarcísio Luís Tamanini Prof. Dalton Solano dos Reis Orientador Roteiro Introdução Sinais de Áudio Representação Digital

Leia mais

5 (FGV-SP) A nota lá da escala cromática musical é tida como referência na afinação dos instrumentos. No violão comum de 6 cordas, a quinta corda

5 (FGV-SP) A nota lá da escala cromática musical é tida como referência na afinação dos instrumentos. No violão comum de 6 cordas, a quinta corda 1 - (UFSCAR-SP) Sabemos que, em relação ao som, quando se fala em altura, o som pode ser agudo ou grave, conforme a sua freqüência. Portanto, é certo afirmar que: a) o que determina a altura e a freqüência

Leia mais

Treinamento de Prot. Auditiva. Treinamento aos usuários de protetores auriculares

Treinamento de Prot. Auditiva. Treinamento aos usuários de protetores auriculares Treinamento de Prot. Auditiva Treinamento aos usuários de protetores auriculares 1 Objetivo Reconhecer o agente físico ruído Conhecer os efeitos à saúde causado por exposição ao ruído Conhecer os tipos

Leia mais

Fonte: Ruído e a Cidade Instituto do Ambiente

Fonte: Ruído e a Cidade Instituto do Ambiente Ruído Como se define Define-se ruído, como sendo um som sem interesse ou desagradável para o auditor. O ruído (som) pode ser mais ou menos intenso, composto por uma só tonalidade ou composto por várias

Leia mais

Proteção Auditiva. Existem coisas que você não precisa perder. A audição é uma delas. Proteja se!

Proteção Auditiva. Existem coisas que você não precisa perder. A audição é uma delas. Proteja se! Proteção Auditiva Existem coisas que você não precisa perder. A audição é uma delas. Proteja se! Conhecendo o Risco O SOM O som é uma vibração que se propaga pelo ar em forma de ondas e que é percebida

Leia mais

Ouvido Externo. Ouvido Médio. Bigorna. Martelo. Canal. Estribo. Tímpano. Figura 1 - Ouvido Humano

Ouvido Externo. Ouvido Médio. Bigorna. Martelo. Canal. Estribo. Tímpano. Figura 1 - Ouvido Humano O Ouvido Humano Eng. Adriano Luiz Spada Attack do Brasil 1- Introdução Neste artigo abordaremos as principais características do ouvido humano, uma das principais ferramentas para quem trabalha com áudio.

Leia mais

TECNOLOGIA EM CONSTRUÇÃO DE EDIFÍCIOS. CONFORTO AMBIENTAL Aula 12

TECNOLOGIA EM CONSTRUÇÃO DE EDIFÍCIOS. CONFORTO AMBIENTAL Aula 12 TECNOLOGIA EM CONSTRUÇÃO DE EDIFÍCIOS CONFORTO AMBIENTAL Aula 12 AUDIÇÃO HUMANA A função do ouvido é captar e converter ondas de pressão em sinais elétricos que são transmitidos ao cérebro para produzir

Leia mais

INFLUÊNCIA DA IMPEDÂNCIA DO ALTO-FALANTE NA POTÊNCIA DO AMPLIFICADOR.

INFLUÊNCIA DA IMPEDÂNCIA DO ALTO-FALANTE NA POTÊNCIA DO AMPLIFICADOR. INFLUÊNCIA DA IMPEDÂNCIA DO ALTO-FALANTE NA POTÊNCIA DO AMPLIFICADOR. A maneira como utilizamos os alto-falantes pode implicar em ganhos ou perdas de potência de um amplificador. Um ganho de potência pode

Leia mais

Sistema Sensorial. Biofísica da Audição

Sistema Sensorial. Biofísica da Audição Sistema Sensorial Biofísica da Audição Falar pelos cotovelos... Ouvir pelos joelhos... SENTIDO DA AUDIÇÃO - FINALIDADE Detectar predadores, presas e perigo Comunicação acústica intra - específica Som propagação

Leia mais

Perda Auditiva Induzida Pelo Ruído

Perda Auditiva Induzida Pelo Ruído Anatomia do Ouvido O ouvido consiste em três partes básicas o ouvido externo, o ouvido médio, e ouvido interno. Perda da audição, por lesão do ouvido interno, provocada pela exposição ao ruído ou à vibração

Leia mais

17:47:08. Introdução à Informática com Software Livre

17:47:08. Introdução à Informática com Software Livre 17:47:08 Introdução à Informática com Software Livre 1 17:47:09 Audacity 2 Audacity 17:47:09 Audacity é um Software Livre de edição digital de áudio, disponível principalmente nas plataformas: Windows,

Leia mais

CARTILHA DE PROMOÇÃO DA SAÚDE DOS PROFISSIONAIS DA VOZ E DA AUDIÇÃO

CARTILHA DE PROMOÇÃO DA SAÚDE DOS PROFISSIONAIS DA VOZ E DA AUDIÇÃO Superintendência de Saúde Segurança e Ambiente do Trabalho CARTILHA DE PROMOÇÃO DA SAÚDE DOS PROFISSIONAIS DA VOZ E DA AUDIÇÃO - Saúde Vocal - Ginástica Compensatória - Saúde Auditiva SINTTEL-Rio CARTILHA

Leia mais

Introdução à perda auditiva

Introdução à perda auditiva Introdução à perda auditiva A importância da audição Ser capaz de ouvir é uma parte importante para uma vida ativa e agradável. A audição normal nos permite conectar-se com o mundo ao nosso redor, para

Leia mais

INTRODUÇÃO À ACÚSTICA

INTRODUÇÃO À ACÚSTICA INTRODUÇÃO À ACÚSTICA 1. Introdução As sociedades industriais com o seu desenvolvimento tecnológico têm contribuído para o aumento dos níveis de ruído, sendo um dos principais factores de risco para a

Leia mais

Ondas sonoras: Experimentos de Interferência e Ondas em Tubos

Ondas sonoras: Experimentos de Interferência e Ondas em Tubos Ondas sonoras: Experimentos de Interferência e Ondas em Tubos Relatório Final de Atividades apresentado à disciplina de F-809. Aluna: Cris Adriano Orientador: Prof. Mauro de Carvalho Resumo Este trabalho

Leia mais

Teoria Básica de Áudio Digital

Teoria Básica de Áudio Digital Teoria Básica de Áudio Digital Audacity Software livre editor e multipista O que é som? Midi & Áudio Os elementos básicos do som Audacity Software livre editor e multipista Dentre os diversos programas

Leia mais

Anatomia e Fisiologia Humana OUVIDO: SENTIDO DA AUDIÇÃO E DO EQUILÍBRIO. DEMONSTRAÇÃO (páginas iniciais)

Anatomia e Fisiologia Humana OUVIDO: SENTIDO DA AUDIÇÃO E DO EQUILÍBRIO. DEMONSTRAÇÃO (páginas iniciais) Anatomia e Fisiologia Humana OUVIDO: SENTIDO DA AUDIÇÃO E DO EQUILÍBRIO DEMONSTRAÇÃO (páginas iniciais) 1ª edição novembro/2006 OUVIDO: SENTIDO DA AUDIÇÃO E DO EQUILÍBRIO SUMÁRIO Sobre a Bio Aulas... 03

Leia mais

Trabalhando com arquivos de som. Prof. César Bastos Fevereiro 2008

Trabalhando com arquivos de som. Prof. César Bastos Fevereiro 2008 Trabalhando com arquivos de som Prof. César Bastos Fevereiro 2008 Usando a mídia de som Vamos considerar os programas gratuitos como base de nossas ferramentas nesse curso, assim todos poderão usufruir

Leia mais

O S OM NAS IGREJAS ÍNDICE

O S OM NAS IGREJAS ÍNDICE ÍNDICE O S OM NAS IGREJAS 1 - O SOM... 2 1.2 - Frequência do Som... 2 1.3 - Pressão Sonora... 2 1.4 - Onda Sonora... 2 1.5 - Decibel... 2 1.6 - Faixa Dinâmica... 3 1.7 - Equipamentos Básicos (caminho do

Leia mais

UNIVERSIDADE FEDERAL DE CAMPINA GRANDE CENTRO DE ENGENHARIA ELÉTRICA E INFORMÁTICA DEPARTAMENTO DE ENGENHARIA ELÉTRICA

UNIVERSIDADE FEDERAL DE CAMPINA GRANDE CENTRO DE ENGENHARIA ELÉTRICA E INFORMÁTICA DEPARTAMENTO DE ENGENHARIA ELÉTRICA UNIVERSIDADE FEDERAL DE CAMPINA GRANDE CENTRO DE ENGENHARIA ELÉTRICA E INFORMÁTICA DEPARTAMENTO DE ENGENHARIA ELÉTRICA SÉRIE DE EXERCÍCIO #A7 () Analise o circuito a seguir e determine V A e V o. V A V

Leia mais

Introdução à multimídia na Web

Introdução à multimídia na Web Aplicações Multimídia Aplicações Multimídia para Web Introdução à multimídia na Web Co-autoria com Profº. Diogo Duarte Aplicações Multimídia para Web Multimídia Multimídia é tudo que você ouve ou vê. Textos,

Leia mais

Ondas II F-228 UNICAMP

Ondas II F-228 UNICAMP Ondas II F-228 UNICAMP http://thenonist.com/index.php/thenonist/permalink/stick_charts/ Superposição de ondas Resumo de ondas mecânicas Superposição de ondas Exemplos Representação matemática Interferência

Leia mais

Sistemas e Conteúdos Multimédia. 4.4. Áudio. Nuno Miguel Gil Fonseca nuno.fonseca@estgoh.ipc.pt

Sistemas e Conteúdos Multimédia. 4.4. Áudio. Nuno Miguel Gil Fonseca nuno.fonseca@estgoh.ipc.pt Sistemas e Conteúdos Multimédia 4.4. Áudio Nuno Miguel Gil Fonseca nuno.fonseca@estgoh.ipc.pt O som é um fenómeno físico causado pela vibração da matéria (p. ex. a pele de um tambor) A vibração provoca

Leia mais

ESPECIALIZAÇAO EM CIÊNCIAS E TECNOLOGIAS NA EDUCAÇÃO ACÚSTICA

ESPECIALIZAÇAO EM CIÊNCIAS E TECNOLOGIAS NA EDUCAÇÃO ACÚSTICA ESPECIALIZAÇAO EM CIÊNCIAS E TECNOLOGIAS NA EDUCAÇÃO ACÚSTICA INTRODUÇÃO É o segmento da Física que interpreta o comportamento das ondas sonoras audíveis frente aos diversos fenômenos ondulatórios. Acústica

Leia mais

Engenharia Automotiva Parte I

Engenharia Automotiva Parte I Engenharia Automotiva Parte I PROF. KEY FONSECA DE LIMA 2 0 1 1 Som Definições Básicas Som Se caracteriza por flutuações em um meio elástico (sólido, líquido ou gasoso). É a parte da vida diária como uma

Leia mais

ASL-1125 DECIBELÍMETRO ANALÓGICO MANUAL DE INSTRUÇÕES

ASL-1125 DECIBELÍMETRO ANALÓGICO MANUAL DE INSTRUÇÕES ASL-1125 DECIBELÍMETRO ANALÓGICO MANUAL DE INSTRUÇÕES Leia atentamente as informações deste Manual de Instruções antes de utilizar o instrumento. ÍNDICE 1. INTRODUÇÃO... 02 2. ESPECIFICAÇÕES... 03 2.1

Leia mais

POLUIÇÃO SONORA. Luís Filipe F. Ferreira DTABN, ESAS, IPS

POLUIÇÃO SONORA. Luís Filipe F. Ferreira DTABN, ESAS, IPS Luís Filipe F. Ferreira DTABN, ESAS, IPS Som é qualquer variação de pressão que o ouvido pode detectar. Quando uma fonte sonora, como um diapasão, vibra, provoca variações de pressão no ar ambiente,, que

Leia mais

-~~ PROVA DE FÍSICA - 2º TRIMESTRE DE 2014 PROF. VIRGÍLIO

-~~ PROVA DE FÍSICA - 2º TRIMESTRE DE 2014 PROF. VIRGÍLIO COl.é. -~~ gio. da Vinci PROVA DE FÍSICA - 2º TRIMESTRE DE 2014 PROF. VIRGÍLIO NOME N 9 ANO --- Olá, caro(a) aluno(a). Segue abaixo uma serre de exercicres que têm, como base, o que foi trabalhado em sala

Leia mais

Introdução ao Aúdio Digital

Introdução ao Aúdio Digital Introdução ao Aúdio Digital O que é o SOM? O som chega aos nossos ouvidos como ondas de pressão de ar variando rapidamente, causadas por vibração de objectos como as cordas de uma guitarra. As cordas de

Leia mais

Caixas Band Pass Em Regime De Potência

Caixas Band Pass Em Regime De Potência Caixas Band Pass Em Regime De Potência Homero Sette Silva, Eng. Rosalfonso Bortoni, MSc UNIVERSIDADE FEDERAL ELETRÔNICA SELENIUM S.A. DE SANTA CATARINA Quatro caixas acústicas para subgraves (três do tipo

Leia mais

Audacity. Os primeiros passos com o Audacity!

Audacity. Os primeiros passos com o Audacity! Audacity Os primeiros passos com o Audacity! João Torres joao.torres@dgidc.min-edu.pt Milena Jorge milena.jorge@dgidc.min-edu.pt Dezembro de 2009 Conteúdo 1 Sobre este documento 2 2 O que é o Audacity?

Leia mais

Relação entre os diversos níveis na amplificação de sinais

Relação entre os diversos níveis na amplificação de sinais Relação entre os diversos níveis na amplificação de sinais Caros amigos, Um sistema de sonorização têm basicamente a função de transformar energias. Capta-se a energia acústica, através dos microfones

Leia mais

16anos A MAGIA GERMÂNICA SUBLIME SONORIDADE EDIÇÃO DE ANIVERSÁRIO. caixa AUDIO PHYSIC AVANTERA. Arte em reprodução eletrônica. TECNOLOGIA DE TVs OLED

16anos A MAGIA GERMÂNICA SUBLIME SONORIDADE EDIÇÃO DE ANIVERSÁRIO. caixa AUDIO PHYSIC AVANTERA. Arte em reprodução eletrônica. TECNOLOGIA DE TVs OLED caixa audio physic avantera, amplificador goldmund telos 350, caixas dynaudio focus 260 e rack solid tech f1 Arte em reprodução eletrônica A MAGIA GERMÂNICA caixa AUDIO PHYSIC AVANTERA 0 0 1 7 1 0 0 1

Leia mais

A MEDICINA DO SOM. O ouvido humano é constituído de três partes: Ouvido externo Ouvido médio Ouvido interno

A MEDICINA DO SOM. O ouvido humano é constituído de três partes: Ouvido externo Ouvido médio Ouvido interno A MEDICINA DO SOM 1 O ouvido humano é constituído de três partes: Ouvido externo Ouvido médio Ouvido interno Figura 1: O sistema auditivo www.corpohumano.hpg.ig.com.br Figura 2: Componentes do sistema

Leia mais

Todos os direitos reservados a Fluxo - Escola de Fotografia Expandida. por Caio Amon. Imagens Sonoras. A Expansão da Imagem pelo Som

Todos os direitos reservados a Fluxo - Escola de Fotografia Expandida. por Caio Amon. Imagens Sonoras. A Expansão da Imagem pelo Som Imagens Sonoras por Caio Amon A Expansão da Imagem pelo Som Todos os direitos reservados a Fluxo - Escola de Fotografia Expandida Aprenda a produzir som e trilha para seus projetos. Imagens Sonoras A Expansão

Leia mais

Apostilas em formato A4 Impressas individualmente

Apostilas em formato A4 Impressas individualmente Apostilas em formato A4 Impressas individualmente Não são cópias Papel e impressão de Alta Qualidade OBS: a qualidade das apostilas impressas é superior à qualidade da amostra que você vê aqui. 23.4 Comparativo

Leia mais

Poluição sonora no município de São Paulo: avaliação do ruído e o impacto da exposição na saúde da população

Poluição sonora no município de São Paulo: avaliação do ruído e o impacto da exposição na saúde da população Poluição sonora no município de São Paulo: avaliação do ruído e o impacto da exposição na saúde da população Introdução O ruído pode ser definido como um som desagradável e indesejável que pode afetar

Leia mais

Imagens Ilustrativas. Proteção Auditiva Pense no que é importante

Imagens Ilustrativas. Proteção Auditiva Pense no que é importante Imagens Ilustrativas Proteção Auditiva Pense no que é importante 1 Proteção auditiva Vivemos em um mundo ruidoso. Não podemos vê-los, porém sabemos que os sons inconvenientes estão presentes diariamente

Leia mais

A música e a voz. A música e a voz. Síntese musical. A música e a voz. 2001 Wilson de Pádua Paula Filho. Tópicos: Definição:

A música e a voz. A música e a voz. Síntese musical. A música e a voz. 2001 Wilson de Pádua Paula Filho. Tópicos: Definição: A música e a voz Tópicos: A música e a voz Técnicas de síntese digital de som Definição: Técnicas de produção de seqüências de áudio a partir de uma seqüência de eventos musicais. Tipos de síntese: tempo

Leia mais

EMISSÕES OTOACÚSTICAS EVOCADAS TRANSIENTES (EOET):

EMISSÕES OTOACÚSTICAS EVOCADAS TRANSIENTES (EOET): EMISSÕES OTOACÚSTICAS EVOCADAS É a energia mecânica produzida vibração de células ciliadas externas na cóclea que voltará de forma reversa pela orelha média e será captada no condutivo auditivo externo.

Leia mais

Espectro da Voz e Conversão A/D

Espectro da Voz e Conversão A/D INSTITUTO SUPERIOR TÉCNICO LICENCIATURA EM ENGENHARIA ELECTROTÉCNICA E DE COMPUTADORES GUIA DO 1º TRABALHO DE LABORATÓRIO DE SISTEMAS DE TELECOMUNICAÇÕES I Espectro da Voz e Conversão A/D Ano Lectivo de

Leia mais

Comunicação da informação a curta distância. FQA Unidade 2 - FÍSICA

Comunicação da informação a curta distância. FQA Unidade 2 - FÍSICA Comunicação da informação a curta distância FQA Unidade 2 - FÍSICA Meios de comunicação É possível imaginar como seria o nosso mundo sem os meios de comunicação de que dispomos? Os * * * * Aparelhos de

Leia mais

Engenharia Biomédica - UFABC

Engenharia Biomédica - UFABC Engenharia de Reabilitação e Biofeedback Deficiência Auditiva Professor: Pai Chi Nan 1 2 1 Ouvido externo Orelha Canal auditivo externo Função Coleta de sons 3 Ouvido médio Tímpano Ossículos Martelo Bigorna

Leia mais

1 Problemas de transmissão

1 Problemas de transmissão 1 Problemas de transmissão O sinal recebido pelo receptor pode diferir do sinal transmitido. No caso analógico há degradação da qualidade do sinal. No caso digital ocorrem erros de bit. Essas diferenças

Leia mais

UNIVERSIDADE FEDERAL DO RIO GRANDE DO NORTE ESCOLA DE MÚSICA CURSO TÉCNICO EM MÚSICA GRAVAÇÃO MUSICAL DISCIPLINA EDIÇÃO DE ÁUDIO I APOSTILA

UNIVERSIDADE FEDERAL DO RIO GRANDE DO NORTE ESCOLA DE MÚSICA CURSO TÉCNICO EM MÚSICA GRAVAÇÃO MUSICAL DISCIPLINA EDIÇÃO DE ÁUDIO I APOSTILA UNIVERSIDADE FEDERAL DO RIO GRANDE DO NORTE ESCOLA DE MÚSICA CURSO TÉCNICO EM MÚSICA GRAVAÇÃO MUSICAL DISCIPLINA EDIÇÃO DE ÁUDIO I APOSTILA ELABORAÇÃO Prof. Alexandre Viana viana@musica.ufrn.br www.musica.ufrn.br/~viana

Leia mais

Redes de Computadores sem Fio

Redes de Computadores sem Fio Redes de Computadores sem Fio Prof. Marcelo Gonçalves Rubinstein Programa de Pós-Graduação em Engenharia Eletrônica Faculdade de Engenharia Universidade do Estado do Rio de Janeiro Programa Introdução

Leia mais

O RUÍDO LABORAL E A SUA PREVENÇÃO

O RUÍDO LABORAL E A SUA PREVENÇÃO O RUÍDO LABORAL E A SUA PREVENÇÃO Humberto J. P. Guerreiro Engenheiro de Minas INTRODUÇÃO O ruído é um dos agentes físicos que gera mais incomodidade. É responsável por conflitos entre pessoas, entre pessoas

Leia mais

CAPÍTULO 08/ MÓDULO 01: ONDAS.

CAPÍTULO 08/ MÓDULO 01: ONDAS. FÍSICA PROF. HELTON CAPÍTULO 08/ MÓDULO 01: ONDAS. MOVIMENTO PERIÓDICO Um fenômeno é periódico quando se repete identicamente em intervalos de tempos iguais. Exemplos: DEFINIÇÕES: Amplitude: distância

Leia mais

Bebê no útero materno visto com uso de ultra som (som de frequência muito alta)

Bebê no útero materno visto com uso de ultra som (som de frequência muito alta) PRODUÇÃO E PERCEPÇÃO DE SONS Autores: Arjuna C. Panzera Dácio G. Moura Bebê no útero materno visto com uso de ultra som (som de frequência muito alta) Tópico Complementar VII do CBC de Ciências Habilidades

Leia mais

competente e registro no Conselho Regional de Engenharia e Arquitetura (CREA).

competente e registro no Conselho Regional de Engenharia e Arquitetura (CREA). EMPRESA BRASIL DE COMUNICAÇÃO (EBC) CONCURSO PÚBLICO PARA PROVIMENTO DE VAGAS E FORMAÇÃO DE CADASTRO DE RESERVA EM CARGOS DE NÍVEL SUPERIOR E DE NÍVEL MÉDIO EDITAL Nº 5 EBC, 26 DE JULHO DE 2011 A DIRETORA-PRESIDENTA

Leia mais

O decibel e seus mistérios - Parte II

O decibel e seus mistérios - Parte II O decibel e seus mistérios - Parte II Autor: Fernando Antônio Bersan Pinheiro Já aprendemos como podemos relacionar decibéis e potências, e já vimos como isso é legal para compararmos potências de sistemas

Leia mais

Redes de Computadores

Redes de Computadores Redes de Computadores Prof. Marcelo Gonçalves Rubinstein Programa de Pós-Graduação em Engenharia Eletrônica Faculdade de Engenharia Universidade do Estado do Rio de Janeiro Ementa Introdução a Redes de

Leia mais

Manual de Instruções. Crossover 4 Vias HD-X4W. Especificações Técnicas (Crossover 4 Vias) Nível máximo de entrada

Manual de Instruções. Crossover 4 Vias HD-X4W. Especificações Técnicas (Crossover 4 Vias) Nível máximo de entrada Especificações Técnicas (Crossover 4 Vias) Nível máximo de entrada 9V RMS Tweeter CH Crossover /octave 2K, 4K, 6K, 8K Mid CH Crossover /octave Low: 0, 0, 0Hz em Flat High:,, 1,Hz Mid Bass Crossover /octave

Leia mais

RUÍDO. Higiene e Segurança no Trabalho B 2005/2006 Professora Isabel Lopes Nunes

RUÍDO. Higiene e Segurança no Trabalho B 2005/2006 Professora Isabel Lopes Nunes RUÍDO Trabalho Elaborado por: Bruno Pereira nº 13791 Engenharia Mecânica Fábio Oliveira nº 15434 Engenharia Química Filipe Ataíde nº 15909 Engenharia Química Higiene e Segurança no Trabalho B 2005/2006

Leia mais

Experimentos com o Microfone de Tablets e Smartphones. Leonardo Pereira Vieira & Carlos Eduardo Aguiar

Experimentos com o Microfone de Tablets e Smartphones. Leonardo Pereira Vieira & Carlos Eduardo Aguiar UNIVERSIDADE FEDERAL DO RIO DE JANEIRO Instituto de Física Programa de Pós-Graduação em Ensino de Física Mestrado Prossional em Ensino de Física Experimentos com o Microfone de Tablets e Smartphones Leonardo

Leia mais

MANUAL PRÁTICO DE AVALIAÇÃO E CONTROLE DO RUÍDO PPRA

MANUAL PRÁTICO DE AVALIAÇÃO E CONTROLE DO RUÍDO PPRA MANUAL PRÁTICO DE AVALIAÇÃO E CONTROLE DO RUÍDO PPRA 1ª edição 2000 2ª edição 2001 3ª edição 2004 4ª edição 2008 5ª edição 2009 6ª edição 2011 7ª edição 2013 TUFFI MESSIAS SALIBA Engenheiro Mecânico; Engenheiro

Leia mais

AZUR 851 SERIES FLAGSHIP DIGITAL AUDIO AZUR 851N UPSAMPLING NETWORK MUSIC PLAYER

AZUR 851 SERIES FLAGSHIP DIGITAL AUDIO AZUR 851N UPSAMPLING NETWORK MUSIC PLAYER AZUR 851 SERIES FLAGSHIP DIGITAL AUDIO AZUR 851N UPSAMPLING NETWORK MUSIC PLAYER AZUR 851N UPSAMPLING NETWORK MUSIC PLAYER O PONTO CULMINANTE DO DESEMPENHO DIGITAL E DE STREAMING O Azur 851N é um player

Leia mais

Formatos de Áudio e Vídeo Digital Introdução ao Áudio Digital

Formatos de Áudio e Vídeo Digital Introdução ao Áudio Digital Redes Multimídia 2016.2 Formatos de Áudio e Vídeo Digital Curso Superior de Tecnologia em Sistemas para Internet Turma: TEC.SIS.4T Redes Multimídia Conteúdo Programático :: 1 a Unidade 1. Aplicações multimídia

Leia mais

Qualificação dos Profissionais da Administração Pública Local RISCOS FÍSICOS RUÍDO. Formadora - Magda Sousa

Qualificação dos Profissionais da Administração Pública Local RISCOS FÍSICOS RUÍDO. Formadora - Magda Sousa Qualificação dos Profissionais da Administração Pública Local RISCOS FÍSICOS RUÍDO Formadora - Magda Sousa O Ruído no Meio Ambiente O problema do Ruído no meio ambiente tem-se tornado, cada vez mais, numa

Leia mais

Os estudantes dos cursos técnicos

Os estudantes dos cursos técnicos Marisa Almeida Cavalcante*, Renata Peçanha e Vinicius Freitas Leite Departamento de Física, Pontifícia Universidade Católica de São Paulo, São Paulo, SP, Brasil *E-mail: marisac@pucsp.br Este trabalho

Leia mais

Os estudantes dos cursos técnicos

Os estudantes dos cursos técnicos Marisa Almeida Cavalcante * Renata Peçanha e Vinicius Freitas Leite Grupo de Pesquisa em Ensino de Física Departamento de Física Pontifícia Universidade Católica de São Paulo São Paulo SP Brasil * E-mail:

Leia mais

Guia prático para aplicações de Som e Vibração. André Oliveira Engenheiro de Vendas Fernando Cassão Engenheiro de Vendas

Guia prático para aplicações de Som e Vibração. André Oliveira Engenheiro de Vendas Fernando Cassão Engenheiro de Vendas Guia prático para aplicações de Som e Vibração André Oliveira Engenheiro de Vendas Fernando Cassão Engenheiro de Vendas Agenda Introdução: Por que medir Som e Vibração? Parte 1: Sensores - Som e Vibração

Leia mais

Freqüência dos sons audíveis: entre 20Hz (infra-sônica) e 20.000Hz (ultra-sônica, audíveis para muitos animais).

Freqüência dos sons audíveis: entre 20Hz (infra-sônica) e 20.000Hz (ultra-sônica, audíveis para muitos animais). Ondas Sonoras: - São ondas longitudinais de pressão, que se propagam no ar ou em outros meios. - Têm origem mecânica, pois são produzidas por deformação em um meio elástico. - As ondas sonoras não se propagam

Leia mais

Ruído. Acção de Formação. Associação de Municípios do Oeste. Outubro de 2008

Ruído. Acção de Formação. Associação de Municípios do Oeste. Outubro de 2008 Ruído Acção de Formação Associação de Municípios do Oeste Outubro de 2008 Objectivos Impacte do Ruído no Ser Humano; Introdução à Acústica; Quantificação do Ruído; Legislação Aplicável (D.L. n.º 9/2007

Leia mais

Curso de Capacitação Básica em Ultrassonografia haroldomillet.com

Curso de Capacitação Básica em Ultrassonografia haroldomillet.com Curso de Capacitação Básica em Ultrassonografia haroldomillet.com PRINCÍPIOS FÍSICOS DO ULTRASSOM O ultrassom é uma onda mecânica, longitudinal produzida pelo movimento oscilatório das partículas de um

Leia mais

COMUNICAÇÕES A LONGAS DISTÂNCIAS

COMUNICAÇÕES A LONGAS DISTÂNCIAS Física 11º Ano COMUNICAÇÕES A LONGAS DISTÂNCIAS MARÍLIA PERES TRANSMISSÃO DE INFORMAÇÃO Produziu p pela p primeira vez ondas eletromagnéticas em laboratório (1887) utilizando um circuito para produzir

Leia mais

Filtros de sinais. Conhecendo os filtros de sinais.

Filtros de sinais. Conhecendo os filtros de sinais. Filtros de sinais Nas aulas anteriores estudamos alguns conceitos importantes sobre a produção e propagação das ondas eletromagnéticas, além de analisarmos a constituição de um sistema básico de comunicações.

Leia mais