USO DO INGLÊS POR PROFISSIONAIS TÉCNICOS NAS INDÚSTRIAS DE VESPASIANO: A IMPORTÂNCIA DA LÍNGUA ESTRANGEIRA NO CURRÍCULO TÉCNICO

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "USO DO INGLÊS POR PROFISSIONAIS TÉCNICOS NAS INDÚSTRIAS DE VESPASIANO: A IMPORTÂNCIA DA LÍNGUA ESTRANGEIRA NO CURRÍCULO TÉCNICO"

Transcrição

1 1 USO DO INGLÊS POR PROFISSIONAIS TÉCNICOS NAS INDÚSTRIAS DE VESPASIANO: A IMPORTÂNCIA DA LÍNGUA ESTRANGEIRA NO CURRÍCULO TÉCNICO Amilcar Figueiroa Peres Figueiroa Liliane Késsia Marques Pablo Roger Campos Fialho 1 INTRODUÇÃO Este trabalho procurou criar elementos para auxiliar o desenvolvimento curricular da língua inglesa, direcionados para a prática de tradução de termos técnicos e produção de textos que são cobranças feitas à mão-de-obra técnica de qualidade apresentando uma alternativa direcionada para atender a demanda da indústria de Vespasiano e, ao mesmo tempo, à formação dos alunos do CEFET-MG e do CT Vespasiano. Como o foco principal deste trabalho é o processo de tradução de termos técnicos da indústria principalmente de Vespasiano seu desenvolvimento começou com uma revisão da literatura que estuda tradução de termos técnicos e estudo dos manuais mais usados nas empresas municipais. De acordo com Catford (1917) a tradução pode definir-se como a substituição de material textual numa língua por um equivalente material em outra língua. Entretanto pra se chegar a tal equivalente a todo um processo, no qual chamamos processo tradutório e que é aqui exposto através de um modelo didático do teórico alemão Frank Königs. Para se traduzir termos ou textos técnicos o dilema diário do tradutor, fidelidade versus estética, desequilibra-se, tendendo para o lado onde a estabilidade do sentido original do texto seja conservado íntegro. A fidelidade em detrimento à estética é o ponto central de uma tradução técnica. Traduções belas, não são fiéis, e vice-versa. Aqui também, há a necessidade de se priorizar, nesse caso, temos como prioridade a fidelidade na tradução de um texto técnico, já que o mesmo está diretamente ligado a produção e funcionamento de empresas, instituições e organizações onde a comunicação correta e precisa é a base para a sua manutenção e seu avanço.

2 2 2 REFERENCIAL TEÓRICO O Ensino Médio costuma ter em sua grade curricular aulas de Língua Estrangeira Moderna (LEM), geralmente restrita o ensino de espanhol e, principalmente, de inglês. Diante dessa realidade, há diversas teorias a respeito do Currículo que poderiam ser abordadas para justificar a escolha destas duas línguas estrangeiras, mas para este trabalho a opção foi direcionar olhar para o a teoria do Currículo Oculto, de Apple, porque ele expressa uma operação fundamental da análise sociológica, que consiste em descrever os processos sociais que moldam nossa subjetividade como que por detrás de nossas costas, sem nosso conhecimento (SILVA, 2007 pág 80). A partir do desvelar dos interesses principalmente econômicos, que pautam a escolha das LEM que configuram o Currículo, fica evidente que as aulas de inglês estão muitas vezes ligadas à transmissão de valores socioculturais, principalmente os valores estadunidenses - conforme fica claro em uma simples observação dos materiais para ensino de LEM inglesa, disponíveis nas escolas regulares. Esta análise observação mostra que desta forma o american way of life se difunde e tem no Currículo um instrumento para esta ação, uma vez que os estudos mostram que Com as teorias críticas aprendemos que o currículo é, definitivamente, um espaço de poder. O conhecimento corporificado no currículo carrega as marcas indeléveis das relações sociais de poder (SILVA, 2007 pág. 147). Então, pelo menos os objetivos do ensino de inglês podem ser revistos e se tornarem uma opção mais direcionada à necessidade da formação técnica não como uma atividade natural que todos cumprem, mas com a percepção crítica de que, uma vez que a maioria dos manuais são escritos em língua inglesa e precisam de uma tradução mais adequada ao seu devido uso, conhecer e dominar o inglês técnico deixa de ser uma simples repetição e passa a ser um fator de crescimento pessoal, que permite ao técnico recém formado uma visão mais crítica, participativa e diferenciada nas atividades profissionais. Como ou outro viés deste trabalho são as teorias da tradução, o estudo foi pautado pelos estudos de PAGANO, A, PAIVA, VLMO, e de BARBOSA, HG. Em relação a tradução dos termos técnicos pesquisados e coletados, tivemos como base diagrama didático na sua forma resumida apresentando todo o processo tradutório, produzido pelo teórico alemão

3 3 Frank Königs. Nesse modelo as atividades de tradução são agrupadas em dois grandes blocos: o Bloco Automático (BA), em que está presente a utilização da memória a curto prazo (MCP), onde o tradutor processa a tradução baseado numa equivalência pré-estabelecida por ele. E o bloco reflexivo (BR) que se utiliza da memória a longo prazo (MLP). Nesse caso o autor é auxiliado por subsídios externos e internos para poder, assim tomar uma decisão de tradução. Segundo Pagano (2000) para se traduzir de maneira adequada cabe ao tradutor aumentar o seu nível de reflexão sobre a natureza e os aspectos cognitivos da tradução, conforme o diagrama abaixo: Bloco automático Texto de partida UT Texto de chegada provisório REFINAMENTO Texto de chegada Bloco reflexivo Para o uso adequado e prático do modelo apresentado acima, o tradutor primeiramente deve escolher uma determinada Unidade de Tradução (UT). UNIDADE DE TRADUÇÃO é um segmento do texto de partida, independente de tamanho e forma específicos, para o qual, em um dado momento, se dirige o foco de atenção do tradutor. Trata-se de um segmento em constante transformação que se modifica segundo as necessidades cognitivas e processuais do tradutor. A UNIDADE DE TRADUÇÃO pode ser considerada como a base cognitiva e o ponto de partida para todo o trabalho processual do tradutor. Suas características individuais de delimitação e sua extrema mutabilidade contribuem fundamentalmente para que os textos de chegada tenham forma individualizadas e diferenciadas. O foco de atenção e consciência é o fator direcionador e delimitador da UNIDADE DE TRADUÇÃO e é através dele que ela se torna momentaneamente perceptível. (PAGANO, 2000). Como corpus de nosso estudo definimos como nossa unidade de tradução cada termo técnico levantado no trabalho de campo, dirigindo-nos, portanto, a atenção necessária a cada um, atendendo, com isso, ao modelo de diagrama didático a que recorremos para o nosso processo tradutório. Após a escolha da UT devemos analisar em qual dos dois blocos

4 4 apresentados encontra-se a mesma. Se caso estiver dentro do BA o tradutor pode, mesmo inconscientemente acessar a sua MCP e outras correspondências previamente estabelecidas. Caso a UT esteja no BR é necessário a união de estratégias diversas capazes de possibilitar ao tradutor uma base adequada para uma tomada de decisão no processo da tradução. Segundo Pagano 2000, Tais agentes externos (dicionários, enciclopéidias, artigos, etc) e internos (MLP), são os principais meios que auxiliam a fase tradutória dentro do BR. 3 OBJETIVOS As atividades desenvolvidas por esta pesquisa tiveram como eixo norteador a detecção da origem dos termos técnicos que pertencem à língua inglesa e que são mais usados nas indústrias de Vespasiano. O mais importante foi perceber como o processo de adequação do uso dos termos é necessário para o seu entendimento e o seu uso nas atividades profissionais, porque é esse domínio que garante melhor desempenho do técnico e maior visão crítica dos processos. Além disso, tal atividade pode efetuar alguma contribuição para a elaboração de atividades didáticas que permitam aos alunos do ensino médio profissional interações significativas com os termos que são utilizados com maior freqüência no mercado de trabalho, principalmente nas indústrias vespasianenses. 4 METODOLOGIA Para execução do trabalho de campo foi feita a opção por empresas de médio e grande porte do município de Vespasiano e delas foram destacadas seis, que receberam um contato inicial por telefone e, em seguida, a aplicação de um questionário, elaborado e revisado pelo grupo de pesquisa. Perguntas fechadas e objetivas nos proporcionaram resultados satisfatórios. O contato inicial antes da aplicação do questionário permitiu que diversas observações fossem feitas pelos entrevistados o que contribui muito para o projeto. Para o desenvolvimento desta pesquisa foi utilizada uma abordagem quantitativa e qualitativa. Houve predominância na abordagem qualitativa, porque a avaliação dos termos

5 5 usados nas indústrias e quais os sentidos e finalidades deles foram fundamentais para se averiguar quais podem ser os rumos e as estratégias pedagógicas no ensino mais eficaz da LI para alunos dos cursos técnicos. Se por um lado, a pesquisa qualitativa possibilita a compreensão e interpretação de dados, visando maior riqueza de detalhes a respeito dos entrevistados, por outro, a pesquisa quantitativa é um instrumento que procura uma análise dos dados encontrados nas abordagens feitas, buscando uma representação numérico-estatística das observações. Quanto ao instrumento usado para coleta dos dados, houve elaboração de questionários, que foram aplicados nas indústrias, bem como, recebimento de material escrito, como manuais. Desta forma, tanto as empresas visitadas, quanto os funcionários entrevistados, puderam contribui para execução deste trabalho. A aplicação dos questionários se deu em empresas previamente selecionadas, alternando entre perguntas fechadas e de múltipla escolha. As perguntas fechadas, embora restrinja a liberdade das respostas, facilita o trabalho do pesquisador e também a tabulação, pois as respostas são mais objetivas (Sanchez 2009). Foram aplicados seis questionários, sendo estes respondidos em sua totalidade por diretores técnicos que lidam diretamente com o maquinário e manuais diversos da empresa. 5 RESULTADOS E DISCUSSÃO As empresas visitadas durante o trabalho de campo foram: BELGO MINEIRA, PREMO, MDE, W.F, SANDVICK, STEPAN. Os contatos foram estabelecidos diretamente com alguém responsável pela parte operacional, que também foi entrevistado e aceitou prontamente responder o questionário. O questionário alternou entre perguntas abertas, fechadas e de múltipla escolha. As perguntas fechadas, embora restrinjam a liberdade das respostas, facilitam o trabalho do pesquisador e também a tabulação, pois as respostas são mais objetivas (Sanchez 2009). As empresas BMB- BELGO MINEIRA e SANDVICK foram as que se destacaram com relação às outras no que diz respeito ao interesse pelo projeto e à receptividade demonstrada, porque atenderam com mais atenção e empenho a visita do pesquisador, bem como mostraram total disponibilidade e atenção.

6 6 As empresas PREMO, MDE, STEPAN e W.F demonstraram uma disponibilidade menor com relação à aplicação do questionário. O interesse no projeto também deixou a desejar se comparadas a BELGO e SANDVICK, já que estas reconhecem a necessidade de um investimento em material humano com vistas o crescimento coletivo da empresa e individual do funcionário. Para essas duas empresas o pagamento de cursos em inglês ou qualquer outro incentivo ao aprendizado da língua inglesa é prioritário e algo essencial em uma indústria técnica de grande porte que busca crescimento. O resultado da percepção do pesquisador em relação à visita e ao interesse das empresas, durante o trabalho de campo está reproduzido abaixo: Empresa Receptividade Interesse Interesse na Presença de um no admissão de jovens tradutor full-time na projeto técnicos empresa BMB Excelente Excelente Excelente Não Belgo SANDVICK Excelente Excelente Excelente Não PREMO Boa Bom Regular Não MDE Muito boa Bom Bom Não STEPAN Boa Bom Regular Não W.F Boa Regular Regular Não 5.1 AS EMPRESAS VISITADAS Empresa Premo Fundada em 1959, a Premo surgiu com o propósito de inovar os processos construtivos convencionais, acumulando experiências, passando por um processo de crescimento e investindo em equipamentos, na ampliação de fábrica e, principalmente, em material humano. Em seus projetos utiliza o AutoCad e a maioria dos termos citados durante a entrevista eram comandos desse software. Com relação às máquinas da empresa e sua manutenção,

7 7 algumas duram décadas, fazendo com que seus manuais sejam adaptados para o português por parte de diretores técnicos e perdurem por um longo tempo. Ao longo da visita o entrevistado afirmou que: o inglês técnico só é bem traduzido quando o profissional de tradução entende da área, por isso optamos pela não contratação de um profissional full-time para o cargo. Diante desses motivos, a empresa considera que a demanda é pequena e não há necessidade de um tradutor profissional na empresa. Empresa Sandvick A Sandvick é uma multinacional sueca que existe em 130 países e por isso, não só na área técnica operacional, mas também a administrativa utiliza o inglês como língua oficial, principalmente porque seu ramo de trabalho é a construção de máquinas para extração e transporte de minério, além de suportes para as correias transportadoras de minério. Ela trabalha também com tecnologia dos materiais e a produção das lâminas de corte, como a do torno mecânico. Sua área de atuação é muito abrangente na entrevista foi dito que há poucos competidores no mercado que a superem. A importância e a utilização do inglês na empresa ocorrem desde programas de computador até em reuniões com chefes estrangeiros, por isso há uma exigência do conhecimento do inglês na admissão e, em alguns casos, ocorre o pagamento de um curso pela Sandvick. Esse fato nos permite comprovar o estímulo que a empresa dá para seus funcionários, com relação ao aprendizado da língua inglesa, e também há o English Day, que é o dia em que todos falam apenas em inglês, visando um aperfeiçoamento da compreensão da língua. Esses dois fatos configuram um incentivo e um investimento em material humano. Vale ressaltar que em níveis de trabalho abaixo do técnico o inglês não é tão fundamental, por isso os trabalhadores criam uma memória fotográfica dos comandos e até mesmo uma familiaridade com os mesmos e diante de qualquer dúvida chama-se um superior. Empresa W.F Engenharia A WF Engenharia Ltda presta serviços de engenharia atuando em todas as etapas de desenvolvimento dos empreendimentos industriais, com estudos preliminares de viabilização técnica, etapas de estudo, suprimentos, construção, fabricações e montagem. A empresa possui muitos termos e manuais completos traduzidos para o inglês, mas a prática mais comum continua sendo a tradução dos manuais pelos superiores da empresa, que são passados

8 8 de forma enxuta e prática. Um dado importante é que não houve e nem há em vigor na empresa um projeto que estimulasse o aprendizado da língua inglesa por parte dos funcionários que atuam diretamente na operação das máquinas. Empresa BMB Arcelor Mital A ArcelorMittal, constituída em 2006 pela fusão da Mittal Steel e da Arcelor, é a maior Empresa siderúrgica do mundo, atuando nos setores de aços planos, longos e inoxidáveis. Durante o trabalho de campo, houve um bom resultado na aplicação do questionário devido às condições de infraestrutura da empresa, que inclui a presença de maquinário e de material humano estrangeiros. Assim, a utilização de termos em inglês é clara e constante, devido, principalmente à sua grande expressividade e atuação no mercado internacional. Entretanto, a maioria dos manuais não possui tradução, porque esta função fica a cargo de pessoas com um alto nível de inglês. É importante destacar que já existiu na empresa um programa que estimulasse o aprendizado da língua inglesa pelos trabalhadores de nível mais operacional, por meio do pagamento de um curso de inglês. Entretanto, houve desinteresse por parte dos próprios trabalhadores beneficiados com a bolsa integral, fazendo com que a empresa extinguisse esse tipo de projeto. Empresa MDE Ltda. A MDE tem como atividade principal o cálculo, fabricação e montagem eletromecânica de componentes e equipamentos para o transporte de materiais a granel, além de projetos e obras de sistemas complexos, atuando especialmente nas áreas de Cimento, Papel e Celulose, Siderurgia, e Portos. Nela a utilização de termos em inglês é constante em todos os setores da empresa, tanto na área da produção como na área de comércio exterior. Não só a exportação, mas também a importação de máquinas diversas evidenciam a forte presença de termos ingleses na indústria, já que semestralmente há a troca de máquinas na empresa. Mesmo com tantas importações (cerca de 3 ou 4 máquinas por semestre), os manuais não possuem tradução, por isso pessoas com alto nível de instrução exercem a função de tradutor dentro da empresa. Assim, pessoas que atuam na área administrativa são os tradutores da empresa. Não houve nenhum projeto que estimulasse o aprendizado do inglês por parte do funcionário que não possui um grau de instrução adequado, porque para a empresa a criação

9 9 de palestras que apresente o inglês no contexto do trabalhador seria a melhor forma do aprendizado, com exemplos práticos e explicativos que fossem voltados para o cotidiano dos funcionários do setor operacional. Assim, o setor de produção não tem acesso aos manuais e data-book s, já que para operação das máquinas o inglês básico é suficiente. Além disso, muitos trabalhadores operam as máquinas por meio da memória fotográfica dos comandos assim como ocorre na empresa Sandvick: Empresa Stepan Stepan Company é membro da American Chemistry Council (ACC), um dos membros fundadores do Responsible Care e uma fabricante global de produtos químicos especiais, principalmente de ingredientes para os fabricantes de detergentes, xampus, loções, cremes dentais e cosméticos, que dependem de surfactantes para alcançar a formação de espuma e limpeza. Outras aplicações incluem ingredientes lubrificantes e emulsionantes para a difusão de produtos agrícolas, além de emulsionantes e solubilizantes utilizados na indústria alimentar e farmacêutica. Por se tratar de uma empresa norte americana o inglês é o idioma principal da empresa, por isso todas as instalações da empresa são adaptadas para o inglês, uma vez que a companhia acolhe vários profissionais vindos dos EUA, onde fica a sede global dessa multinacional. Então, muitos estadunidenses veem para Vespasiano frequentemente e esse intercâmbio acaba sendo o incentivo principal para que os funcionários aprendam inglês. Para a empresa, o constrangimento criado pela dificuldade de compreensão da língua inglesa falada pelos superiores atuantes nos EUA, gera em cada funcionário a busca pelo aprendizado e/ou o aperfeiçoamento da língua inglesa. Como as máquinas da empresa possuem um alto valor agregado e são de longa duração, a demanda de importação de máquinas varia de acordo com os projetos e a necessidade da empresa, por isso muitos manuais não possuem tradução. Entretanto, há outros que veem acompanhados de tradução, mas, independentemente de haver ou não tradução para os manuais técnicos, a empresa tem por opção a elaboração de apostilas mais específicas e direcionadas para o treinamento dos operadores das máquinas, e as dúvidas que surgem, são sanadas pelo superiores que são os mesmos que traduzem os originais e produzem tais apostilas. É importante destacar que já houve na empresa um programa de estímulo para que o funcionário tivesse algum aprendizado da língua inglesa, por meio de pagamento de cursos, entretanto isso ocorria de acordo com a necessidade e o interesse da empresa no investimento

10 10 em determinado funcionário para a melhoria e avanço de um setor. Atualmente o estímulo presente na empresa se dá de forma indireta, através da intensa presença de estrangeiros vindos dos EUA à empresa que na maioria das vezes dialoga com os trabalhadores por meio de interpretes, gerando um desconforto no funcionário e motivando-o a aprender a língua. 6 CONCLUSÕES Os modelos de uso ou incentivo interno da compreensão do inglês está associado à alienação, como o processo de memorização fotográfica dos comandos, por isso este trabalho propões uma análise mais reflexiva e uma compreensão mais ampla e crítica dos usos dos termos técnicos, de forma a tornar o trabalhador, principalmente de nível operacional, mais habilitado e exercer sua função e a usar a língua estrangeira como uma ferramenta para as mais diversas ocasiões. Com relação aos termos técnicos coletados, bem como ao modelo e aos artifícios de tradução para que os mesmos fossem explorados, as empresas confirmaram a o uso do que chamamos de processo de tradução técnica. Entretanto, para se entender tal processo faz-se necessário conhecer o contexto em que cada um desses termos estão inseridos. Abaixo vem exposto todas as empresas visitadas, bem como suas atuações, produtos e tabulações qualitativas dos questionários aplicados nas mesmas. Visando expor o cumprimento de nossos objetivos de pesquisa elaboramos abaixo uma tabela esquemática com os principais termos pesquisados e que aqui são destacados devido a significante discrepância entre tradução dicionarizada e tradução industrializada. Analisaremos genericamente tais termos através do diagrama didático de Franks Königs (1987).

11 11 Termo Tradução Tradução dicionarizada industrial As built De construção Como construído última versão de um projeto Critical goals Objetivos essenciais Objetivos críticos Market share Quota de mercado Fatia de mercado Policy Implantação de política Desdobramento das políticas deployment Die Morrer Fieira Costumer Costume Cliente Hose Filamento para reforço de mangueira reinforcement wire Ploter Mapa, plano Impressora As built De construção Como construído última versão de um projeto Insert Inserir Dispositivo de fixação em geral metálico deixado nas peças de concreto Hold Segurar Trecho aguardando disposição- em espera. Model space Espaço de modo Ambiente de modelagem no programa Auto Cad. Soft-stater Condição maleável Partida suave, dispositivo utilizado para partida de motores elétricos Drive Dirigir Inversor de frequência Observações De acordo com o modela didático de Frank Königs (1987) o processo tradutório se dá de maneira reflexiva e cautelosa. Para Pagano (2000) deve-se atentar para o fato de que uma boa tradução não é uma tradução rápida (p.115), daí a necessidade da utilização de um bloco reflexivo (BR) para o aperfeiçoamento e futuramente o refinamento da UT em questão. Antes de qualquer coisa, quando tratamos de tradução é pertinente citar dois termos utilizados no processo tradutório, que no caso da tradução técnica tem papel fundamental: adaptação e intraduzibilidade. Bastin (1990) diz que a adaptação nada mais é do que a adequação de obras de acordo com a necessidade, é uma questão de reexpressão. E para ele a intraduzibilidade é um dos itens que nos leva a recorrer a adaptação. Para Bastin (1993) há quatro condições que levariam o tradutor a recorrer a adaptação: a) a ineficácia da tradução que caracterizaria a intraduzibilidade de jogos de palavras, idiomatismos e ambiguidades intencionais(p.475); b) a inadequação das situações lançaria ao tradutor o desafio de trabalhar com realidades-fonte inexistentes ou que adquirem um valor diferente em uma cultura-meta (p.475); c) a mudança de gênero seria uma condição segundo aqual o tradutor empreende uma modificação global do texto, ao passo que, nas duas primeiras o tradutor lida com questões de natureza pontual e mais ou menos frequentes no texto (ibidem);

12 12 d) a ruptura do equilíbrio comunicacional: o teórico concebe a tradução como um ato de fala que, para ser pertinente, deve promover o equilíbrio comunicativo entre os interlocutores (p. 476). Para Amorim (2005), na tradução há fidelidade na forma e no conteúdo, enquanto na adaptação ocorre fidelidade apenas no conteúdo. No caso da intraduzibilidade podemos definir como o fenômeno em que a palavra em questão é de dificil ou impossível tradução, para os quais o idioma de chegada não dispõe de equivalentes econômicos e significativos. Na área técnica dois dos quatro itens citados por Bastin (1993) são mais frequentes: a intraduzibilidade ou ineficácia da tradução e a inadequação das situações. A simultaneadade dessse dois itens em um mesmo texto, faz com que a atuação de atividades ou modelos didáticos como Königs sejam uma das soluções disponiveis, nesse caso imediata e a curto prazo para a continuidade do processo tradutório. Termos como die, drive e ploter, por exemplo passados pelo BA são rapidamente traduzidos como morrer,dirigir e mapa, respectivamente. Entretanto é nessa fase que o tradutor pode cometer um erro e por não mais refletir sobre sua tradução não a modifica mais (Konigs, 1987). Dái a necessidade de se iniciar o trabalho com o BR (bloco reflexivo). Através da utilização de subsídios externos que para Pagano (2000) pode ser enciclopédias, dicionários bilingues e multilingues, textos traduzidos, entre outros. Entretanto no caso de uma tradução técnica o subsídio mais importante é a tradução interna da empresa. Subsídio este que recorremos por meio do requerimento da tradução ou adaptação dos termos citados por cada entrevistado, bem como observações relevantes em se tratando de sua utilização dentro da empresa. Foi com tal subsídio que conseguimos determinar a relevante diferença entre tradução dicionarizada e tradução industrializada, objeto central de nosso estudo. Podemos a partir disso traduzir die, como fieira; drive, como inversor de frequência; e, ploter, como impressora. Esses três exemplos foram, sem dúvida alguma, aqueles que mais se destacaram e foram capazes de exemplificar com fidelidade o objetivo principal da pesquisa. Enfim, o escopo pesquisa é local, mas este trabalho é um ponto de partida para auxiliar remodelações no currículo da LEM inglesa, permitindo que haja uma preparação maior do técnico, bem como refletindo a respeito do uso da língua nas atividades práticas e alienantes que ocorrem nas empresas, principalmente nas indústrias multinacionais. 7 FONTES CONSULTADAS:

13 Documentos em pdf: (Metodologia cientifica) (O tradutor como autor transformação e sobrevida do original) (A tradução e o intraduzível na área da informática do empréstimo ao transbordamento de línguas) (o compromisso da fidelidade assumido pelo tradutor: contradições entre o declarar e o descrever nos prefácios das edições bílingues). (tecnicas de traduçao) (Algumas técnicas para resolver problemas de tradução do inglês para o português). 7.1 Sites em geral: Textos e fontes bibliográficas

14 14 CASTRO, Cláudio Moura. A prática da pesquisa. São Paulo: McGraw-Hill do Brasil, DEMO, P. Pesquisa, princípio cientifico e educativo, São Paulo DENCHER, Ada de FREITAS Maneti. VIÁ, Sarah Chucid da. Pesquisa Empirica em Ciências Humanas (com ênfase em comunincação). São Paulo, 2001 DICIONÁRIO de termos técnicos inglês/português. Suporte Cargo. DICIONÁRIO técnico de informática. MORIMOTO, Carlos E. 3ªedição DICTIONARY Portable Michaelis Escolar Inglês 3.0 NOGUEIRA, Vera e Danilo. Algumas técnicas para resolver problemas de tradução do inglês para o português, TAYLOR, James. Dicionário metalúrgico: inglês-português, português-inglês. 2ªedição, São Paulo,2000.

Plano de Trabalho Docente 2012. Ensino Técnico

Plano de Trabalho Docente 2012. Ensino Técnico Plano de Trabalho Docente 2012 Ensino Técnico ETEC Monsenhor Antonio Magliano Código: 088 Município: Garça Eixo Tecnológico: Informação e Comunicação Habilitação Profissional: Técnica de Nível Médio de

Leia mais

Texto base para discussão na Jornada Pedagógica julho/2009 O PLANO DE ENSINO: PONTE ENTRE O IDEAL E O REAL 1

Texto base para discussão na Jornada Pedagógica julho/2009 O PLANO DE ENSINO: PONTE ENTRE O IDEAL E O REAL 1 Texto base para discussão na Jornada Pedagógica julho/2009 O PLANO DE ENSINO: PONTE ENTRE O IDEAL E O REAL 1 É comum hoje entre os educadores o desejo de, através da ação docente, contribuir para a construção

Leia mais

2º RELATÓRIO PARCIAL DE AUTOAVALIAÇÃO INSTITUCIONAL

2º RELATÓRIO PARCIAL DE AUTOAVALIAÇÃO INSTITUCIONAL 2º RELATÓRIO PARCIAL DE AUTOAVALIAÇÃO INSTITUCIONAL COMISSÃO PRÓPRIA DE AVALIAÇÃO INSTITUCIONAL - CPA Mantenedora: Fundação Presidente Antônio Carlos Mantida: Faculdade Presidente Antônio Carlos de Araguari

Leia mais

Administração Central Unidade de Ensino Médio e Técnico - Cetec. Ensino Técnico

Administração Central Unidade de Ensino Médio e Técnico - Cetec. Ensino Técnico Plano de Trabalho Docente 2013 Ensino Técnico Etec Massuyuki Kawano Código: 136 Município: Tupã Eixo Tecnológico: Ambiente e Segurança Habilitação Profissional: Técnica de Nível Médio de Técnico em Farmácia

Leia mais

Plano de Trabalho Docente 2010. Habilitação Profissional: Técnica de Nível Médio de TÉCNICO EM SECRETARIADO

Plano de Trabalho Docente 2010. Habilitação Profissional: Técnica de Nível Médio de TÉCNICO EM SECRETARIADO Plano de Trabalho Docente 2010 Ensino Técnico ETEC DE SUZANO Código: Município: SUZANO Área Profissional: Secretariado Habilitação Profissional: Técnica de Nível Médio de TÉCNICO EM SECRETARIADO Qualificação:

Leia mais

Padrões de Competências para o Cargo de Coordenador Pedagógico

Padrões de Competências para o Cargo de Coordenador Pedagógico Padrões de Competências para o Cargo de Coordenador Pedagógico O Coordenador Pedagógico é o profissional que, na Escola, possui o importante papel de desenvolver e articular ações pedagógicas que viabilizem

Leia mais

Desigualdade e desempenho: uma introdução à sociologia da escola brasileira

Desigualdade e desempenho: uma introdução à sociologia da escola brasileira Desigualdade e desempenho: uma introdução à sociologia da escola brasileira Maria Lígia de Oliveira Barbosa Belo Horizonte, MG: Argvmentvm, 2009, 272 p. Maria Lígia de Oliveira Barbosa, que há algum tempo

Leia mais

Plano de Trabalho Docente 2014. Ensino Técnico

Plano de Trabalho Docente 2014. Ensino Técnico Plano de Trabalho Docente 2014 Ensino Técnico Etec Etec: Etec Massuyuki Kawano Código: 136 Município: Tupã Área de conhecimento: Ambiente, Saúde e Segurança Componente Curricular: Inglês Instrumental Série:

Leia mais

A INFLUENCIA DO ESTÁGIO VOLUNTÁRIO NA FORMAÇÃO PROFISSIONAL DO ENFERMEIRO

A INFLUENCIA DO ESTÁGIO VOLUNTÁRIO NA FORMAÇÃO PROFISSIONAL DO ENFERMEIRO A INFLUENCIA DO ESTÁGIO VOLUNTÁRIO NA FORMAÇÃO PROFISSIONAL DO ENFERMEIRO Elizabeth Braz Fabiana Gonçalves de Oliveira Azevedo Matos Vanessa Barros Santi Annelise de Oliveira Rodrigues Priscila Conde Bogo

Leia mais

5. Conclusões e recomendações

5. Conclusões e recomendações 5. Conclusões e recomendações Para melhor compreensão das conclusões e recomendações que serão apresentadas neste Capítulo, é necessário rever o contexto do problema e seus objetivos conforme descritos

Leia mais

POLÍTICA DE DESENVOLVIMENTO DE COLEÇÕES

POLÍTICA DE DESENVOLVIMENTO DE COLEÇÕES POLÍTICA DE DESENVOLVIMENTO DE COLEÇÕES A Biblioteca da Faculdade do Guarujá tem por objetivos: - Colaborar em pesquisas e projetos desenvolvidos pelo corpo docente e discente da Faculdade do Guarujá;

Leia mais

Plano de Trabalho Docente 2015. Ensino Técnico

Plano de Trabalho Docente 2015. Ensino Técnico Plano de Trabalho Docente 2015 Ensino Técnico ETEC Monsenhor Antônio Magliano Código: 088 Município:Garça Eixo Tecnológico: Mecatrônica Habilitação Profissional: Técnico em Mecatrônica Qualificação: Técnico

Leia mais

UMA ANÁLISE DO FORMATO DO ESTÁGIO NAS LICENCIATURAS A DISTÂNCIA DA UFRN. Natal/RN, 05/2009.

UMA ANÁLISE DO FORMATO DO ESTÁGIO NAS LICENCIATURAS A DISTÂNCIA DA UFRN. Natal/RN, 05/2009. 1 UMA ANÁLISE DO FORMATO DO ESTÁGIO NAS LICENCIATURAS A DISTÂNCIA DA UFRN Natal/RN, 05/2009. Auta Stella de Medeiros Germano - SEDIS-UFRN - autastella@yahoo.com.br Categoria (Gerenciamento e Logística)

Leia mais

UNIDADE 2 Empreendedorismo

UNIDADE 2 Empreendedorismo UNIDADE 2 Empreendedorismo O mundo tem sofrido inúmeras transformações em períodos de tempo cada vez mais curtos. Alguns conceitos relativos à administração predominaram em determinados momentos do século

Leia mais

INTERDISCIPLINARIDADE NO ENSINO DE QUÍMICA: UMA PROPOSTA DE AÇÃO INTEGRADA ENVOLVENDO ESTUDOS SOBRE ALIMENTOS

INTERDISCIPLINARIDADE NO ENSINO DE QUÍMICA: UMA PROPOSTA DE AÇÃO INTEGRADA ENVOLVENDO ESTUDOS SOBRE ALIMENTOS INTERDISCIPLINARIDADE NO ENSINO DE QUÍMICA: UMA PROPOSTA DE AÇÃO INTEGRADA ENVOLVENDO ESTUDOS SOBRE ALIMENTOS Kelly Karina Cardoso (kkimica@hotmail.com) Eniz Conceição de Oliveira (eniz@univates.br) Marlise

Leia mais

Deivid Oliveira Analista Ambiental

Deivid Oliveira Analista Ambiental Deivid Oliveira Analista Ambiental Gestão da água e efluentes e alternativas de reuso Escassez Hídrica - Impacto na indústria O impacto sobre o setor possui uma abrangência ampla considerando o porte,

Leia mais

ACEF/1112/02397 Relatório preliminar da CAE

ACEF/1112/02397 Relatório preliminar da CAE ACEF/1112/02397 Relatório preliminar da CAE Caracterização do ciclo de estudos Perguntas A.1 a A.10 A.1. Instituição de ensino superior / Entidade instituidora: Universidade Do Minho A.1.a. Identificação

Leia mais

MAPEAMENTO DOS CONHECIMENTOS ESSENCIAIS REQUERIDOS PARA RESULTADOS NOS PROCESSOS ORGANIZACIONAIS DA CODEVASF. fevereiro 2006

MAPEAMENTO DOS CONHECIMENTOS ESSENCIAIS REQUERIDOS PARA RESULTADOS NOS PROCESSOS ORGANIZACIONAIS DA CODEVASF. fevereiro 2006 MAPEAMENTO DOS CONHECIMENTOS ESSENCIAIS REQUERIDOS PARA RESULTADOS NOS PROCESSOS ORGANIZACIONAIS DA CODEVASF fevereiro 2006 ESPAÇO OCUPACIONAL NA ORGANIZAÇÃO Necessidades da Organização Competências Individuais

Leia mais

Novas Tecnologias Aplicadas à Educação Visão Geral da Tecnologia da Informação I. Prof. Hugo Souza

Novas Tecnologias Aplicadas à Educação Visão Geral da Tecnologia da Informação I. Prof. Hugo Souza Novas Tecnologias Aplicadas à Educação Visão Geral da Tecnologia da Informação I Prof. Hugo Souza Voltando alguns [vários] anos atrás, teremos uma breve revisão sobre a história e a contextualização do

Leia mais

Design Manual do curso

Design Manual do curso Design Manual do curso Informações gerais INFORMAÇÕES GERAIS Nome: curso de Design, bacharelado Código do currículo: 2130 Nível: curso superior de graduação Início: o curso de Design com habilitação em

Leia mais

PLANO DE TRABALHO DOCENTE 2º Semestre/2014. Ensino Técnico. Professor: ELZA CEDRO DE ANDRADE

PLANO DE TRABALHO DOCENTE 2º Semestre/2014. Ensino Técnico. Professor: ELZA CEDRO DE ANDRADE PLANO DE TRABALHO DOCENTE º Semestre/04 Ensino Técnico Código: 06 ETEC ANHANQUERA Município: Santana de Parnaíba Componente Curricular: Inglês Instrumental Eixo Tecnológico: Ambiente, saúde e segurança

Leia mais

Administração Central Unidade de Ensino Médio e Técnico - CETEC. Plano de Trabalho Docente 2013. Ensino Técnico

Administração Central Unidade de Ensino Médio e Técnico - CETEC. Plano de Trabalho Docente 2013. Ensino Técnico Plano de Trabalho Docente 2013 Ensino Técnico ETEC Professor Massuyuki Kawano Extensão E.E Índia Vanuíre Código: 136 Município: TUPÃ Eixo Tecnológico: Informação e Comunicação Habilitação Profissional:

Leia mais

Relatório de Atividades em Inovação e Meio Ambiente 2010

Relatório de Atividades em Inovação e Meio Ambiente 2010 MINISTÉRIO DO DESENVOLVIMENTO, INDÚSTRIA E COMÉRCIO EXTERIOR SECRETARIA DE INOVAÇÃO Relatório de Atividades em Inovação e Meio Ambiente 2010 Tecnologia, comércio e desenvolvimento sustentável A criação

Leia mais

PROJETO VITRINE. Raquel Carvalho Gravina Universidade Federal de Juiz de Fora - NIDEEM/UFJF raquelcgravina@hotmail.com

PROJETO VITRINE. Raquel Carvalho Gravina Universidade Federal de Juiz de Fora - NIDEEM/UFJF raquelcgravina@hotmail.com PROJETO VITRINE Raquel Carvalho Gravina Universidade Federal de Juiz de Fora - NIDEEM/UFJF raquelcgravina@hotmail.com Amarildo Melchiades da Silva Universidade Federal de Juiz de Fora - UFJF xamcoelho@terra.com.br

Leia mais

2.2.5. Questionário a ser Respondido Pelos Estudantes em EaD.

2.2.5. Questionário a ser Respondido Pelos Estudantes em EaD. 2.2.5. Questionário a ser Respondido Pelos Estudantes em EaD. Este questionário é um instrumento de coleta de informações para a realização da auto avaliação da UFG que tem como objetivo conhecer a opinião

Leia mais

O USO DA MÚSICA NO ENSINO DE LÍNGUA ESTRANGEIRA Alessandra Ferreira Rosin, Bruno César Barbosa Tinoco Licenciandos de Letras Português-Alemão - UFRJ

O USO DA MÚSICA NO ENSINO DE LÍNGUA ESTRANGEIRA Alessandra Ferreira Rosin, Bruno César Barbosa Tinoco Licenciandos de Letras Português-Alemão - UFRJ O USO DA MÚSICA NO ENSINO DE LÍNGUA ESTRANGEIRA Alessandra Ferreira Rosin, Bruno César Barbosa Tinoco Licenciandos de Letras Português-Alemão - UFRJ Introdução Com o grande avanço no ensino de língua nos

Leia mais

A EDUCAÇÃO DO CAMPO E AS PRÁTICAS PEDAGÓGICAS NAS ESCOLAS DO ASSENTAMENTO SÃO FRANCISCO III.SOLÂNEA/PB.

A EDUCAÇÃO DO CAMPO E AS PRÁTICAS PEDAGÓGICAS NAS ESCOLAS DO ASSENTAMENTO SÃO FRANCISCO III.SOLÂNEA/PB. A EDUCAÇÃO DO CAMPO E AS PRÁTICAS PEDAGÓGICAS NAS ESCOLAS DO ASSENTAMENTO SÃO FRANCISCO III.SOLÂNEA/PB. Otaciana da Silva Romão (Aluna do curso de especialização em Fundamentos da Educação UEPB), Leandro

Leia mais

SABERES ADQUIRIDOS NO PIBID (PROGRAMA INSTUCIONAL DE BOLSA INICIAÇÃO À DOCÊNCIA) PARA O SUCESSO PROFISSIONAL.

SABERES ADQUIRIDOS NO PIBID (PROGRAMA INSTUCIONAL DE BOLSA INICIAÇÃO À DOCÊNCIA) PARA O SUCESSO PROFISSIONAL. SABERES ADQUIRIDOS NO PIBID (PROGRAMA INSTUCIONAL DE BOLSA INICIAÇÃO À DOCÊNCIA) PARA O SUCESSO PROFISSIONAL. TayaraCrystina P. Benigno, UERN; tayara_bbg@hotmail.com Emerson Carlos da Silva, UERN; emersoncarlos90@hotmail.com

Leia mais

Transformando o presente, construindo o amanhã.

Transformando o presente, construindo o amanhã. Transformando o presente, construindo o amanhã. Primeira sede em 1988 História No dia 23 de novembro de 1988, a Fundação Belgo-Mineira foi oficialmente constituída, a fim de promover ações de marketing

Leia mais

Apresentação das pesquisas

Apresentação das pesquisas 1 A EDUCAÇÃO DE ADOLESCENTES, JOVENS E ADULTOS NA REDE MUNICIPAL DE EDUCAÇÃO DE GOIÂNIA - A PROPOSTA: A ESCOLA, O PROFESSOR E O ALUNO GOMES, Dinorá de Castro UCG gomes.diza@gmail.com COSTA, Cláudia Borges

Leia mais

PROJETO PEDAGÓGICO DO ENSINO FUNDAMENTAL E MÉDIO

PROJETO PEDAGÓGICO DO ENSINO FUNDAMENTAL E MÉDIO PROJETO PEDAGÓGICO DO ENSINO FUNDAMENTAL E MÉDIO APRESENTAÇÃO O Projeto Político Pedagógico da Escola foi elaborado com a participação da comunidade escolar, professores e funcionários, voltada para a

Leia mais

FACULDADE SETE LAGOAS - FACSETE COMISSÃO PRÓPRIA DE AVALIAÇÃO / CPA RELATÓRIO DAS ATIVIDADES DA CPA NO ANO DE 2013

FACULDADE SETE LAGOAS - FACSETE COMISSÃO PRÓPRIA DE AVALIAÇÃO / CPA RELATÓRIO DAS ATIVIDADES DA CPA NO ANO DE 2013 FACULDADE SETE LAGOAS - FACSETE COMISSÃO PRÓPRIA DE AVALIAÇÃO / CPA RELATÓRIO DAS ATIVIDADES DA CPA NO ANO DE 2013 Sete Lagoas Março de 2014 Sumário 1. DADOS DA INSTITUIÇÃO... 4 1.1. Composição da Comissão

Leia mais

MODA. HABILITAÇÃO: Bacharelado em Moda - habilitação em modelagem e desenvolvimento de produto. PRAZO PARA CONCLUSÃO: Mínimo = 4 anos

MODA. HABILITAÇÃO: Bacharelado em Moda - habilitação em modelagem e desenvolvimento de produto. PRAZO PARA CONCLUSÃO: Mínimo = 4 anos MODA 1. TURNO: Noturno HABILITAÇÃO: Bacharelado em Moda - habilitação em modelagem e desenvolvimento de produto GRAU ACADÊMICO: Bacharel em Moda PRAZO PARA CONCLUSÃO: Mínimo = 4 anos Máximo = 7 anos 2.

Leia mais

Eixo 1 - Ensino. As questões respondidas pelos discentes sobre a temática do ensino somam oito interrogações, as quais seguem em análise:

Eixo 1 - Ensino. As questões respondidas pelos discentes sobre a temática do ensino somam oito interrogações, as quais seguem em análise: Relatório de análise de dados O presente relatório trata da análise dos resultados provenientes de informações obtidas por meio dos questionários da autoavaliação referentes ao curso de graduação em Dança

Leia mais

AS NOVAS DIRETRIZES PARA O ENSINO MÉDIO E SUA RELAÇÃO COM O CURRÍCULO E COM O ENEM

AS NOVAS DIRETRIZES PARA O ENSINO MÉDIO E SUA RELAÇÃO COM O CURRÍCULO E COM O ENEM AS NOVAS DIRETRIZES PARA O ENSINO MÉDIO E SUA RELAÇÃO COM O CURRÍCULO E COM O ENEM MARÇO/ABRIL/2012 Considerações sobre as Novas Diretrizes Curriculares Nacionais para o Ensino Médio Resolução CNE/CEB

Leia mais

OLIVEIRA, Luciano Amaral. Coisas que todo professor de português precisa saber: a teoria na prática. São Paulo: 184 Parábola Editorial, 2010.

OLIVEIRA, Luciano Amaral. Coisas que todo professor de português precisa saber: a teoria na prática. São Paulo: 184 Parábola Editorial, 2010. Resenha OLIVEIRA, Luciano Amaral. Coisas que todo professor de português precisa saber: a teoria na prática. São Paulo: 184 Parábola Editorial, 2010. Leticia Macedo Kaeser * leletrasufjf@gmail.com * Aluna

Leia mais

Capítulo 8. Questionário- Pesquisa. Relatório-Síntese 2000 ANEXO Engenharia Mecânica

Capítulo 8. Questionário- Pesquisa. Relatório-Síntese 2000 ANEXO Engenharia Mecânica Capítulo 8 Questionário- Pesquisa Relatório-Síntese 2000 ANEXO Engenharia Mecânica 121 Relatório- Síntese 2000 ANEXO Engenharia Mecânica 122 EXAME NACIONAL DE CURSOS Esta pesquisa é parte integrante do

Leia mais

AS ATIVIDADES PRÁTICAS NO ENSINO DE BIOLOGIA EM ESCOLAS ESTADUAIS DE SÃO PAULO/SP. José Luan de Carvalho (Universidade Cruzeiro do Sul) Resumo

AS ATIVIDADES PRÁTICAS NO ENSINO DE BIOLOGIA EM ESCOLAS ESTADUAIS DE SÃO PAULO/SP. José Luan de Carvalho (Universidade Cruzeiro do Sul) Resumo AS ATIVIDADES PRÁTICAS NO ENSINO DE BIOLOGIA EM ESCOLAS ESTADUAIS DE SÃO PAULO/SP. José Luan de Carvalho (Universidade Cruzeiro do Sul) Resumo No que diz respeito ao ensino de biologia vale ressaltar que

Leia mais

CONTROLE ESTRATÉGICO

CONTROLE ESTRATÉGICO CONTROLE ESTRATÉGICO RESUMO Em organizações controlar significa monitorar, avaliar e melhorar as diversas atividades que ocorrem dentro de uma organização. Controle é fazer com que algo aconteça como foi

Leia mais

O Curso de Engenharia Elétrica da Faculdade de Engenharia /Unesp/Bauru

O Curso de Engenharia Elétrica da Faculdade de Engenharia /Unesp/Bauru O Curso de Engenharia Elétrica da Faculdade de Engenharia /Unesp/Bauru Projeto Pedagógico e Estrutura Curricular Missão do Curso de Engenharia Elétrica da FE/Unesp/Bauru A formação continuada de Engenheiros

Leia mais

Parecer de Autorização de Funcionamento: CEED nº 650/2014.

Parecer de Autorização de Funcionamento: CEED nº 650/2014. CURSO TÉCNICO EM ELETROTÉCNICA O Curso Técnico de Nível Médio em Eletrotécnica, Eixo Tecnológico Controle e Processos Industriais são organizados em 3 módulos de 400 horas. Ao final do curso, 400 horas

Leia mais

APRESENTAÇÃO... 03. 1 Conceitos... 05. 1.1. Avaliação... 05. 1.2. Competência... 05. 1.3. Habilidades... 06. 1.4. Competência leitora...

APRESENTAÇÃO... 03. 1 Conceitos... 05. 1.1. Avaliação... 05. 1.2. Competência... 05. 1.3. Habilidades... 06. 1.4. Competência leitora... S U M Á R I O APRESENTAÇÃO... 03 1 Conceitos... 05 1.1. Avaliação... 05 1.2. Competência... 05 1.3. Habilidades... 06 1.4. Competência leitora... 06 1.5. Competência matemática...07 1.6. Competência científica...07

Leia mais

EDUCAÇÃO EXECUTIVA PARA O MERCADO FINANCEIRO MAIO / 2005 108-TC-B4

EDUCAÇÃO EXECUTIVA PARA O MERCADO FINANCEIRO MAIO / 2005 108-TC-B4 1 EDUCAÇÃO EXECUTIVA PARA O MERCADO FINANCEIRO MAIO / 2005 108-TC-B4 NADINE WASSMER TREINA E-LEARNING treina@treina.com.br ROSANA GOMES CONTEÚDOS E HABILIDADES EDUCAÇÃO CORPORATIVA DESCRIÇÃO DE PROJETO

Leia mais

Pré-Vestibular Social LETRAS

Pré-Vestibular Social LETRAS Pré-Vestibular Social Grupo SOA Suporte à Orientação Acadêmica LETRAS Quando chegamos ao momento de escolher uma faculdade, começam a pintar diversas dúvidas, por exemplo, se vamos nos sair bem na carreira

Leia mais

PROPAV COCENAI RELATÓRIO CURSO DE ADMINISTRAÇÃO

PROPAV COCENAI RELATÓRIO CURSO DE ADMINISTRAÇÃO PROPAV COCENAI RELATÓRIO CURSO DE ADMINISTRAÇÃO Introdução O PROPAV foi instituído para permitir à Universidade uma revisão geral de seus cursos e métodos de ensino, buscando a opinião dos docentes e discentes

Leia mais

FORMAÇÃO CONTINUADA DE EDUCADORES NA REGIÃO OESTE DO PARANÁ: AS CONTRIBUIÇÕES NA ÁREA DE MATEMÁTICA

FORMAÇÃO CONTINUADA DE EDUCADORES NA REGIÃO OESTE DO PARANÁ: AS CONTRIBUIÇÕES NA ÁREA DE MATEMÁTICA FORMAÇÃO CONTINUADA DE EDUCADORES NA REGIÃO OESTE DO PARANÁ: AS CONTRIBUIÇÕES NA ÁREA DE MATEMÁTICA Emma Gnoatto AMOP emmagnoatto2009@hotmail.com Heliane Mariza Grzybowski Ripplinger SEED liaripp@hotmail.com

Leia mais

EDITAL 02/2008 - PROJETO 914BRA1109 SELECIONA

EDITAL 02/2008 - PROJETO 914BRA1109 SELECIONA Organização das Nações Unidas para a Educação, a Ciência e a Cultura EDITAL 02/2008 - PROJETO 914BRA1109 SELECIONA Consultor por Produto para Projeto da Organização das Nações Unidas para a Educação, a

Leia mais

11 de maio de 2011. Análise do uso dos Resultados _ Proposta Técnica

11 de maio de 2011. Análise do uso dos Resultados _ Proposta Técnica 11 de maio de 2011 Análise do uso dos Resultados _ Proposta Técnica 1 ANÁLISE DOS RESULTADOS DO SPAECE-ALFA E DAS AVALIAÇÕES DO PRÊMIO ESCOLA NOTA DEZ _ 2ª Etapa 1. INTRODUÇÃO Em 1990, o Sistema de Avaliação

Leia mais

BLOCO 8. Por que o PROFESSOR DEVE ESCREVER pelos alunos?

BLOCO 8. Por que o PROFESSOR DEVE ESCREVER pelos alunos? BLOCO 8 Por que o PROFESSOR DEVE ESCREVER pelos alunos? Texto 23: Práticas de escrita orientações didáticas Fonte: Referencial Curricular Nacional para a Educação Infantil - Volume 3 / Conhecimento do

Leia mais

INGLÊS INSTRUMENTAL: PRÉ-REQUISITO INDISPENSÁVEL À FORMAÇÃO DO ENGENHEIRO QUÍMICO

INGLÊS INSTRUMENTAL: PRÉ-REQUISITO INDISPENSÁVEL À FORMAÇÃO DO ENGENHEIRO QUÍMICO INGLÊS INSTRUMENTAL: PRÉ-REQUISITO INDISPENSÁVEL À FORMAÇÃO DO ENGENHEIRO QUÍMICO Adriana Recla Pós-graduada em Língua Inglesa e Língua Portuguesa Professora da Faculdade de Aracruz - UNIARACRUZ Professora

Leia mais

FACULDADE INTEGRADA BRASIL AMAZÔNIA BRUNA TOSCANO GIBSON RESENHA

FACULDADE INTEGRADA BRASIL AMAZÔNIA BRUNA TOSCANO GIBSON RESENHA FACULDADE INTEGRADA BRASIL AMAZÔNIA BRUNA TOSCANO GIBSON RESENHA BELÉM 2010 FACULDADE INTEGRADA BRASIL AMAZÔNIA BRUNA TOSCANO GIBSON RESENHA Trabalho apresentado à disciplina Teoria e Técnica da Tradução

Leia mais

Planejamento Anual - 2014

Planejamento Anual - 2014 Planejamento Anual - 2014 Tutor Email SILVANA SOUZA SILVEIRA silvana.silveira@pucrs.br Informações do Planejamento Planejamento quanto à participação/contribuição do (a) tutor (a) nas atividades e na formação

Leia mais

Encontro de Ensino, Pesquisa e Extensão, Presidente Prudente, 17 a 20 de outubro, 2011 944 RESUMOS SIMPLES...945 RESUMOS DE PROJETOS...

Encontro de Ensino, Pesquisa e Extensão, Presidente Prudente, 17 a 20 de outubro, 2011 944 RESUMOS SIMPLES...945 RESUMOS DE PROJETOS... Encontro de Ensino, Pesquisa e Extensão, Presidente Prudente, 17 a 20 de outubro, 2011 944 RESUMOS SIMPLES...945 RESUMOS DE PROJETOS...947 Encontro de Ensino, Pesquisa e Extensão, Presidente Prudente,

Leia mais

Formulário de Avaliação de Desempenho

Formulário de Avaliação de Desempenho Formulário de Avaliação de Desempenho Objetivos da Avaliação de Desempenho: A avaliação de desempenho será um processo anual e sistemático que, enquanto processo de aferição individual do mérito do funcionário

Leia mais

GLOSSÁRIO BILÍNGUE DE COLOCAÇÕES DA HOTELARIA: UM MODELO À LUZ DA LINGUÍSTICA DE CORPUS

GLOSSÁRIO BILÍNGUE DE COLOCAÇÕES DA HOTELARIA: UM MODELO À LUZ DA LINGUÍSTICA DE CORPUS GLOSSÁRIO BILÍNGUE DE COLOCAÇÕES DA HOTELARIA: UM MODELO À LUZ DA LINGUÍSTICA DE CORPUS O turismo é um setor de bastante expressão no cenário econômico e cultural do mundo. Fomentado em grande parte pelas

Leia mais

O GRUPO DOM BOSCO ENSINO FUNDAMENTAL DOM BOSCO

O GRUPO DOM BOSCO ENSINO FUNDAMENTAL DOM BOSCO ENSINO FUNDAMENTAL DOM BOSCO O GRUPO DOM BOSCO Este é o momento de dar espaço à curiosidade, de fazer novas descobertas e formar suas próprias ideias. SEDE HORTO - Berçário - Educação Infantil - 1º Ano

Leia mais

A MODELAÇÃO DO CURRÍCULO DE HISTÓRIA PARA O ENSINO MÉDIO DA EDUCAÇÃO DE JOVENS E ADULTOS

A MODELAÇÃO DO CURRÍCULO DE HISTÓRIA PARA O ENSINO MÉDIO DA EDUCAÇÃO DE JOVENS E ADULTOS A MODELAÇÃO DO CURRÍCULO DE HISTÓRIA PARA O ENSINO MÉDIO DA EDUCAÇÃO DE JOVENS E ADULTOS FURTADO, Claudia Mendes de Abreu Graduada em História pela UFPE, Especialista em Educação de Jovens e Adultos pela

Leia mais

ASSESSORIA PEDAGÓGICA PORTFÓLIO DE PALESTRAS E OFICINAS

ASSESSORIA PEDAGÓGICA PORTFÓLIO DE PALESTRAS E OFICINAS Dificuldades de Palestra EF e EM Todas Conscientizar sobre as dificuldades de aprendizagem aprendizagem que podem ser manifestadas pelos alunos numa sala de aula e sugerir ações de encaminhamento, conforme

Leia mais

Plano de Trabalho Docente 2015

Plano de Trabalho Docente 2015 Plano de Trabalho Docente 2015 Ensino Técnico ETEC MONSENHOR ANTONIO MAGLIANO Código: 088 Município: GARÇA / SP Eixo tecnológico: Industria Habilitação Profissional: Técnica de Nível Médio de Técnico em

Leia mais

RESOLUÇÃO Nº 039/2004-COU/UNICENTRO

RESOLUÇÃO Nº 039/2004-COU/UNICENTRO RESOLUÇÃO Nº 039/2004-COU/UNICENTRO REVOGADA PELA RESOLUÇÃO Nº 128/2014- COU/UNICENTRO. DISPOSITIVOS DO PROJETO PEDAGÓGICO APROVADO POR ESTA RESOLUÇÃO, ESTÃO ALTERADOS PELA RESOLUÇÃO Nº 26/2009-COU/UNICENTRO.

Leia mais

(IM)PACTOS DA/COM A LEITURA LITERÁRIA NA FORMAÇÃO CONTINUADA DE PROFESSORES ALFABETIZADORES Fernanda de Araújo Frambach UFRJ

(IM)PACTOS DA/COM A LEITURA LITERÁRIA NA FORMAÇÃO CONTINUADA DE PROFESSORES ALFABETIZADORES Fernanda de Araújo Frambach UFRJ (IM)PACTOS DA/COM A LEITURA LITERÁRIA NA FORMAÇÃO CONTINUADA DE PROFESSORES ALFABETIZADORES Fernanda de Araújo Frambach UFRJ Resumo O presente trabalho objetiva apresentar uma pesquisa em andamento que

Leia mais

Manutenção Centrada em Confiabilidade MCC

Manutenção Centrada em Confiabilidade MCC ANEXO IV A Manutenção Centrada em Confiabilidade MCC Diante desta nova regulamentação no setor de Transmissão de Energia Elétrica, os agentes de transmissão devem buscar estratégias para evitar as penalizações

Leia mais

Formação continuada: a educação municipal de Bauru/SP

Formação continuada: a educação municipal de Bauru/SP Formação continuada: a educação municipal de Bauru/SP Prof.ª Dra. Vera Mariza Regino Casério e-mail: veracaserio@bauru.sp.gov.br Prof.ª Esp. Fernanda Carneiro Bechara Fantin e-mail: fernandafantin@bauru.sp.gov.br

Leia mais

CRENÇAS DISCENTES SOBRE A FORMAÇÃO EM LETRAS E A DOCÊNCIA EM LÍNGUA INGLESA

CRENÇAS DISCENTES SOBRE A FORMAÇÃO EM LETRAS E A DOCÊNCIA EM LÍNGUA INGLESA Encontro de Ensino, Pesquisa e Extensão, Presidente Prudente, 22 a 25 de outubro, 2012 761 CRENÇAS DISCENTES SOBRE A FORMAÇÃO EM LETRAS E A DOCÊNCIA EM LÍNGUA INGLESA Fabiana Gonçalves Monti 1, Sérgio

Leia mais

Michele M. Granzotto ** Valdir Pretto ***

Michele M. Granzotto ** Valdir Pretto *** A IMPORTÂNCIA DO ENSINO DE FILOSOFIA NA FORMAÇÃO ACADÊMICA DO CURSO DE PEDAGOGIA * Michele M. Granzotto ** Valdir Pretto *** Resumo: Este estudo foi construído a partir de uma pesquisa realizada na própria

Leia mais

LEVANTAMENTO DE REQUISITOS DE FORMA ENXUTA

LEVANTAMENTO DE REQUISITOS DE FORMA ENXUTA LEVANTAMENTO DE REQUISITOS DE FORMA ENXUTA Kleber Lopes Petry Éder Moretto Garcia Rodrigo Clemente Thom de Souza Proposta de processo para levantamento de requisitos para desenvolvimento de produtos de

Leia mais

48 Os professores optaram por estudar a urbanização, partindo dos espaços conhecidos pelos alunos no entorno da escola. Buscavam, nesse projeto, refletir sobre as características das moradias existentes,

Leia mais

Ensino Vocacional, Técnico e Tecnológico no Reino Unido

Ensino Vocacional, Técnico e Tecnológico no Reino Unido Ensino Vocacional, Técnico e Tecnológico no Reino Unido Apoiar a empregabilidade pela melhora da qualidade do ensino profissionalizante UK Skills Seminar Series 2014 15 British Council UK Skills Seminar

Leia mais

INTERDISCIPLINARIDADE NO CONTEXTO EDUCACIONAL

INTERDISCIPLINARIDADE NO CONTEXTO EDUCACIONAL INTERDISCIPLINARIDADE NO CONTEXTO EDUCACIONAL Jair Bevenute Gardas Isabel Corrêa da Mota Silva RESUMO A presente pesquisa objetiva um conhecimento amplo sobre a temática interdisciplinaridade, idealizando

Leia mais

PROPAV COCENAI RELATÓRIO CURSO DE COMUNICAÇÃO SOCIAL: GESTÃO DA COMUNICAÇÃO INTEGRADA. (Habilitações: Jornalismo e Publicidade e Propaganda )

PROPAV COCENAI RELATÓRIO CURSO DE COMUNICAÇÃO SOCIAL: GESTÃO DA COMUNICAÇÃO INTEGRADA. (Habilitações: Jornalismo e Publicidade e Propaganda ) PROPAV COCENAI RELATÓRIO CURSO DE COMUNICAÇÃO SOCIAL: GESTÃO DA COMUNICAÇÃO INTEGRADA. (Habilitações: Jornalismo e Publicidade e Propaganda ) Introdução O PROPAV foi instituído para permitir à Universidade

Leia mais

AUTORAS ROSANGELA SOUZA

AUTORAS ROSANGELA SOUZA AUTORAS ROSANGELA SOUZA Especialista em Gestão Empresarial com MBA pela FGV e Professora de Estratégia na Pós-Graduação da FGV. Desenvolveu projetos acadêmicos sobre segmento de idiomas, planejamento estratégico

Leia mais

SISTEMA DE AVALIAÇÃO DO PROGRAMA ENSINO MÉDIO COM INTERMEDIAÇÃO TECNOLÓGICA (EMITEC): POSSIBILIDADES EFETIVAS NA CONSTRUÇÃO DO CONHECIMENTO

SISTEMA DE AVALIAÇÃO DO PROGRAMA ENSINO MÉDIO COM INTERMEDIAÇÃO TECNOLÓGICA (EMITEC): POSSIBILIDADES EFETIVAS NA CONSTRUÇÃO DO CONHECIMENTO 1 SISTEMA DE AVALIAÇÃO DO PROGRAMA ENSINO MÉDIO COM INTERMEDIAÇÃO TECNOLÓGICA (EMITEC): POSSIBILIDADES EFETIVAS NA CONSTRUÇÃO DO CONHECIMENTO Salvador BA Maio de 2012 Letícia Machado dos Santos Secretaria

Leia mais

Aprovação do curso e Autorização da oferta. PROJETO PEDAGÓGICO DE CURSO FIC em Espanhol Básico. Parte 1 (solicitante)

Aprovação do curso e Autorização da oferta. PROJETO PEDAGÓGICO DE CURSO FIC em Espanhol Básico. Parte 1 (solicitante) MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO SECRETARIA DE EDUCAÇÃO PROFISSIONAL E TECNOLÓGICA INSTITUTO FEDERAL DE EDUCAÇÃO, CIÊNCIA E TECNOLOGIA DE SANTA CATARINA Aprovação do curso e Autorização da oferta PROJETO PEDAGÓGICO

Leia mais

Etec Monsenhor Antonio Magliano

Etec Monsenhor Antonio Magliano Etec Monsenhor Antonio Magliano Administração Central Unidade de Ensino Médio e Técnico - CETEC Grupo de Supervisão Educacional GSE / Gestão Pedagógica GEPED Plano de Trabalho Docente 2012 Ensino Técnico

Leia mais

Plano de Trabalho Docente 2014. Ensino Técnico

Plano de Trabalho Docente 2014. Ensino Técnico Plano de Trabalho Docente 2014 Ensino Técnico Etec: ETEC PROF. MASSUYUKI KAWANO Código: 136 Município: TUPÃ Eixo Tecnológico: INFORMAÇÃO E COMUNICAÇÃO Habilitação Profissional: PROFISSIONAL TÉCNICA DE

Leia mais

TECNOLOGIAS DA INFORMAÇÃO E COMUNICAÇÃO: APRENDIZAGEM POR PROJETOS INTERDISCIPLINARES

TECNOLOGIAS DA INFORMAÇÃO E COMUNICAÇÃO: APRENDIZAGEM POR PROJETOS INTERDISCIPLINARES 1 TECNOLOGIAS DA INFORMAÇÃO E COMUNICAÇÃO: APRENDIZAGEM POR PROJETOS INTERDISCIPLINARES Eliana Rela 1 Karla Marques da Rocha 2 Marceli Behm Goulart 3 Marie Jane Soares Carvalho 4 RESUMO: É inadiável tentar

Leia mais

sua terceira versão, o PNDH-3 lançado em 2009 governo do ex-presidente Lula (2003-2010).

sua terceira versão, o PNDH-3 lançado em 2009 governo do ex-presidente Lula (2003-2010). FORMAÇÃO CONTINUADA NA LIDA DO POLICIAL CIVIL: estudo sobre as estratégias de formação continuada de policiais civis para o atendimento aos grupos vulneráveis Bárbara Aragão Teodoro Silva UFMG Este pôster

Leia mais

Aprovação do curso e Autorização da oferta. PROJETO PEDAGÓGICO DE CURSO FIC Português para fins acadêmicos

Aprovação do curso e Autorização da oferta. PROJETO PEDAGÓGICO DE CURSO FIC Português para fins acadêmicos MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO SECRETARIA DE EDUCAÇÃO PROFISSIONAL E TECNOLÓGICA INSTITUTO FEDERAL DE EDUCAÇÃO, CIÊNCIA E TECNOLOGIA DE SANTA CATARINA CAMPUS GAROPABA Aprovação do curso e Autorização da oferta

Leia mais

Métodos e técnicas de pesquisa. Alessandra Martins Coelho

Métodos e técnicas de pesquisa. Alessandra Martins Coelho Métodos e técnicas de pesquisa Alessandra Martins Coelho Método de Pesquisa Metodologia é o estudo dos métodos. O método consiste na seqüência de passos necessários para demonstrar que o objetivo proposto

Leia mais

Questionário para Estudantes de Pós- Graduação na modalidade a distância

Questionário para Estudantes de Pós- Graduação na modalidade a distância Questionário para Estudantes de Pós- Graduação na modalidade a distância Este questionário é um instrumento de coleta de informações para a realização da auto-avaliação da UFG que tem como objetivo conhecer

Leia mais

EDIFICAÇÕES. Há poucas atividades extracurriculares. Sugere-se reduzir a burocracia da instituição.

EDIFICAÇÕES. Há poucas atividades extracurriculares. Sugere-se reduzir a burocracia da instituição. EDIFICAÇÕES Há poucas atividades extracurriculares. Sugere-se reduzir a burocracia da instituição. Faltam disciplinas práticas e deveria haver mais aulas nos laboratórios. Deveriam ser realizadas mais

Leia mais

A construção participativa da Base Nacional Comum Curricular

A construção participativa da Base Nacional Comum Curricular Ministério da Educação Secretaria de Educação Básica A construção participativa da Base Nacional Comum Curricular Direitos e Objetivos de Aprendizagem e Desenvolvimento Diretrizes Curriculares Nacionais

Leia mais

Formação de professores para o uso das TIC: um estudo de caso sobre os cursos presenciais de Letras no Vale do Paraíba

Formação de professores para o uso das TIC: um estudo de caso sobre os cursos presenciais de Letras no Vale do Paraíba 1 Formação de professores para o uso das TIC: um estudo de caso sobre os cursos presenciais de Letras no Vale do Paraíba Sílvia Helena Santos Vasconcellos 1 Resumo O presente artigo apresenta os resultados

Leia mais

REFLEXÕES ACERCA DO PAPEL DO PEDAGOGO NA EDUCAÇÃO PROFISSIONAL: ARTICULANDO OS SABERES DO DOCENTE E DO PEDAGOGO

REFLEXÕES ACERCA DO PAPEL DO PEDAGOGO NA EDUCAÇÃO PROFISSIONAL: ARTICULANDO OS SABERES DO DOCENTE E DO PEDAGOGO REFLEXÕES ACERCA DO PAPEL DO PEDAGOGO NA EDUCAÇÃO PROFISSIONAL: ARTICULANDO OS SABERES DO DOCENTE E DO PEDAGOGO BACHETI, Luciane Serrate Pacheco, FERNANDES, Márcia Alessandra de Souza, SILVA, Maria Izabel

Leia mais

POLÍTICA DE FORMAÇÃO E DESENVOLVIMENTO DE COLEÇÕES DA BIBLIOTECA PROFESSOR PINTO FERREIRA 1

POLÍTICA DE FORMAÇÃO E DESENVOLVIMENTO DE COLEÇÕES DA BIBLIOTECA PROFESSOR PINTO FERREIRA 1 POLÍTICA DE FORMAÇÃO E DESENVOLVIMENTO DE COLEÇÕES DA BIBLIOTECA PROFESSOR PINTO FERREIRA 1 25 de outubro de 2006. 1 Segundo Vergueiro (1989), a política de desenvolvimento de coleções é um instrumento

Leia mais

Cidade de Nagoya. Plano de Promoção de Coexistência Multicultural. da Cidade de Nagoya. Construção de 3 vínculos. Linguagem Vida Comunidade

Cidade de Nagoya. Plano de Promoção de Coexistência Multicultural. da Cidade de Nagoya. Construção de 3 vínculos. Linguagem Vida Comunidade Plano de Promoção de Coexistência Multicultural da Cidade de Nagoya Linguagem Vida Comunidade ~guia voltado para a construção de 3 vínculos~ Construção de 3 vínculos -Vínculo com a linguagem

Leia mais

Formulário de Aprovação de Curso e Autorização da Oferta PROJETO PEDAGÓGICO DE CURSO. Parte 1 (solicitante)

Formulário de Aprovação de Curso e Autorização da Oferta PROJETO PEDAGÓGICO DE CURSO. Parte 1 (solicitante) MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO SECRETARIA DE EDUCAÇÃO PROFISSIONAL E TECNOLÓGICA INSTITUTO FEDERAL DE EDUCAÇÃO, CIÊNCIA E TECNOLOGIA DE SANTA CATARINA Formulário de Aprovação de Curso e Autorização da Oferta PROJETO

Leia mais

Consultoria para desenvolvimento de estratégias de treinamento on-line

Consultoria para desenvolvimento de estratégias de treinamento on-line 1 2 A HIPOCAMPUS é uma empresa de consultoria em comunicação e ensino digital com foco nos profissionais de saúde. Estamos prontos a auxiliar empresas dos diferentes segmentos da área de saúde a estabelecer

Leia mais

do município de Fuji (Versão sumarizada)

do município de Fuji (Versão sumarizada) Plano de promoção de internacionalização do município de Fuji (Versão sumarizada) Para a realização da "Fuji, a cidade de convivência multicultural, com entendimento cordial mútuo" Março / 2011 Sala de

Leia mais

MODELAGEM MATEMÁTICA & TECNOLOGIA: POSSIBILIDADES E DESAFIOS. BIEMBENGUT, Maria Salett- Universidade Regional de Blumenau - salett@furb.

MODELAGEM MATEMÁTICA & TECNOLOGIA: POSSIBILIDADES E DESAFIOS. BIEMBENGUT, Maria Salett- Universidade Regional de Blumenau - salett@furb. MODELAGEM MATEMÁTICA & TECNOLOGIA: POSSIBILIDADES E DESAFIOS BIEMBENGUT, Maria Salett- Universidade Regional de Blumenau - salett@furb.br SANTOS, Selma dos Universidade Regional de Blumenau - selmasantos@senai-sc.ind.br

Leia mais

UNIVERSIDADE FEDERAL DO RIO GRANDE DO SUL FACULDADE DE EDUCAÇÃO CURSO DE PEDAGOGIA - LICENCIATURA. Lia Gonçalves Gurgel. Projeto de pesquisa

UNIVERSIDADE FEDERAL DO RIO GRANDE DO SUL FACULDADE DE EDUCAÇÃO CURSO DE PEDAGOGIA - LICENCIATURA. Lia Gonçalves Gurgel. Projeto de pesquisa 1 UNIVERSIDADE FEDERAL DO RIO GRANDE DO SUL FACULDADE DE EDUCAÇÃO CURSO DE PEDAGOGIA - LICENCIATURA Lia Gonçalves Gurgel Projeto de pesquisa AQUISIÇÃO DA LÍNGUA DE SINAIS A PARTIR DE UMA PERSPECTIVA BILÍNGÜE

Leia mais

Modelo de Questionário de Desligamento

Modelo de Questionário de Desligamento RECRUTAMENTO E SELEÇÃO Planejamento Recrutamento Seleção Integração 1ª Etapa Surgimento de uma vaga - Dispensas do empregador (demissões); - Pedidos de demissão (saídas voluntárias demissionários); - Mortes;

Leia mais

Orientações para avaliação

Orientações para avaliação AVALIAÇÃO A concepção de avaliação dos Parâmetros Curriculares Nacionais vai além da visão tradicional, que focaliza o controle externo do aluno mediante notas ou conceitos, para ser compreendida como

Leia mais

1 Introdução. 1.1 Apresentação do tema

1 Introdução. 1.1 Apresentação do tema 1 Introdução 1.1 Apresentação do tema Segundo Basílio (1987), as principais funções do léxico são a representação conceitual e o fornecimento de unidades básicas para a construção dos enunciados. Para

Leia mais

O CONTEÚDO PROGRAMÁTICO E OS PROCEDIMENTOS TEÓRICO-METODOLÓGICOS DA SOCIOLOGIA E A CIDADANIA NA REDE ESTADUAL DE ENSINO

O CONTEÚDO PROGRAMÁTICO E OS PROCEDIMENTOS TEÓRICO-METODOLÓGICOS DA SOCIOLOGIA E A CIDADANIA NA REDE ESTADUAL DE ENSINO O CONTEÚDO PROGRAMÁTICO E OS PROCEDIMENTOS TEÓRICO-METODOLÓGICOS DA SOCIOLOGIA E A CIDADANIA NA REDE ESTADUAL DE ENSINO Gabriela Paulino do Nascimento 1 RESUMO: Este trabalho se propõe a investigar como

Leia mais

DESENVOLVIMENTO DA PROFICIÊNCIA EM LÍNGUA INGLESA DOS ACADÊMICOS DE LETRAS DA UNIFRA: UM PARALELO ENTRE A MOTIVAÇÃO E A AUTONOMIA DOS MESMOS 1

DESENVOLVIMENTO DA PROFICIÊNCIA EM LÍNGUA INGLESA DOS ACADÊMICOS DE LETRAS DA UNIFRA: UM PARALELO ENTRE A MOTIVAÇÃO E A AUTONOMIA DOS MESMOS 1 DESENVOLVIMENTO DA PROFICIÊNCIA EM LÍNGUA INGLESA DOS ACADÊMICOS DE LETRAS DA UNIFRA: UM PARALELO ENTRE A MOTIVAÇÃO E A AUTONOMIA DOS MESMOS 1 OLIVEIRA, Vinícius. O. 2 MACIEL, Adriana. M. N. RESUMO: O

Leia mais

Ensino Técnico Integrado ao Médio FORMAÇÃO PROFISSIONAL. Plano de Trabalho Docente 2015

Ensino Técnico Integrado ao Médio FORMAÇÃO PROFISSIONAL. Plano de Trabalho Docente 2015 Ensino Técnico Integrado ao Médio FORMAÇÃO PROFISSIONAL Plano de Trabalho Docente 2015 Etec Monsenhor Antônio Magliano Código: 088 Município: Garça EE: Eixo Tecnológico: Informação e Comunicação Habilitação

Leia mais

TRATAMENTO DA INFORMAÇÃO NOS ANOS INICIAIS DO ENSINO FUNDAMENTAL: ENTRE CONCEPÇÕES E PRÁTICAS

TRATAMENTO DA INFORMAÇÃO NOS ANOS INICIAIS DO ENSINO FUNDAMENTAL: ENTRE CONCEPÇÕES E PRÁTICAS TRATAMENTO DA INFORMAÇÃO NOS ANOS INICIAIS DO ENSINO FUNDAMENTAL: ENTRE CONCEPÇÕES E PRÁTICAS Debora Laranjeira Colodel 1 Mary Ângela Teixeira Brandalise 2 Resumo A pesquisa teve como objetivo investigar

Leia mais

A FORMAÇÃO INCLUSIVA DE PROFESSORES NO CURSO DE LETRAS A DISTÂNCIA

A FORMAÇÃO INCLUSIVA DE PROFESSORES NO CURSO DE LETRAS A DISTÂNCIA A FORMAÇÃO INCLUSIVA DE PROFESSORES NO CURSO DE LETRAS A DISTÂNCIA Autor - Juliana ALVES - IFTM 1 Coautor - Andriza ASSUNÇÃO IFTM 2 Coautor - Aparecida Maria VALLE IFTM 3 Coautor - Carla Alessandra NASCIMENTO

Leia mais

QUESTIONÁRIO-PESQUISA ENGENHARIA MECÂNICA

QUESTIONÁRIO-PESQUISA ENGENHARIA MECÂNICA QUESTIONÁRIO-PESQUISA ENGENHARIA MECÂNICA Esta pesquisa é parte integrante do Exame Nacional de Cursos o Provão e tem por objetivo não só levantar informações que permitam traçar o perfil do conjunto de

Leia mais