USO DO INGLÊS POR PROFISSIONAIS TÉCNICOS NAS INDÚSTRIAS DE VESPASIANO: A IMPORTÂNCIA DA LÍNGUA ESTRANGEIRA NO CURRÍCULO TÉCNICO

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "USO DO INGLÊS POR PROFISSIONAIS TÉCNICOS NAS INDÚSTRIAS DE VESPASIANO: A IMPORTÂNCIA DA LÍNGUA ESTRANGEIRA NO CURRÍCULO TÉCNICO"

Transcrição

1 1 USO DO INGLÊS POR PROFISSIONAIS TÉCNICOS NAS INDÚSTRIAS DE VESPASIANO: A IMPORTÂNCIA DA LÍNGUA ESTRANGEIRA NO CURRÍCULO TÉCNICO Amilcar Figueiroa Peres Figueiroa Liliane Késsia Marques Pablo Roger Campos Fialho 1 INTRODUÇÃO Este trabalho procurou criar elementos para auxiliar o desenvolvimento curricular da língua inglesa, direcionados para a prática de tradução de termos técnicos e produção de textos que são cobranças feitas à mão-de-obra técnica de qualidade apresentando uma alternativa direcionada para atender a demanda da indústria de Vespasiano e, ao mesmo tempo, à formação dos alunos do CEFET-MG e do CT Vespasiano. Como o foco principal deste trabalho é o processo de tradução de termos técnicos da indústria principalmente de Vespasiano seu desenvolvimento começou com uma revisão da literatura que estuda tradução de termos técnicos e estudo dos manuais mais usados nas empresas municipais. De acordo com Catford (1917) a tradução pode definir-se como a substituição de material textual numa língua por um equivalente material em outra língua. Entretanto pra se chegar a tal equivalente a todo um processo, no qual chamamos processo tradutório e que é aqui exposto através de um modelo didático do teórico alemão Frank Königs. Para se traduzir termos ou textos técnicos o dilema diário do tradutor, fidelidade versus estética, desequilibra-se, tendendo para o lado onde a estabilidade do sentido original do texto seja conservado íntegro. A fidelidade em detrimento à estética é o ponto central de uma tradução técnica. Traduções belas, não são fiéis, e vice-versa. Aqui também, há a necessidade de se priorizar, nesse caso, temos como prioridade a fidelidade na tradução de um texto técnico, já que o mesmo está diretamente ligado a produção e funcionamento de empresas, instituições e organizações onde a comunicação correta e precisa é a base para a sua manutenção e seu avanço.

2 2 2 REFERENCIAL TEÓRICO O Ensino Médio costuma ter em sua grade curricular aulas de Língua Estrangeira Moderna (LEM), geralmente restrita o ensino de espanhol e, principalmente, de inglês. Diante dessa realidade, há diversas teorias a respeito do Currículo que poderiam ser abordadas para justificar a escolha destas duas línguas estrangeiras, mas para este trabalho a opção foi direcionar olhar para o a teoria do Currículo Oculto, de Apple, porque ele expressa uma operação fundamental da análise sociológica, que consiste em descrever os processos sociais que moldam nossa subjetividade como que por detrás de nossas costas, sem nosso conhecimento (SILVA, 2007 pág 80). A partir do desvelar dos interesses principalmente econômicos, que pautam a escolha das LEM que configuram o Currículo, fica evidente que as aulas de inglês estão muitas vezes ligadas à transmissão de valores socioculturais, principalmente os valores estadunidenses - conforme fica claro em uma simples observação dos materiais para ensino de LEM inglesa, disponíveis nas escolas regulares. Esta análise observação mostra que desta forma o american way of life se difunde e tem no Currículo um instrumento para esta ação, uma vez que os estudos mostram que Com as teorias críticas aprendemos que o currículo é, definitivamente, um espaço de poder. O conhecimento corporificado no currículo carrega as marcas indeléveis das relações sociais de poder (SILVA, 2007 pág. 147). Então, pelo menos os objetivos do ensino de inglês podem ser revistos e se tornarem uma opção mais direcionada à necessidade da formação técnica não como uma atividade natural que todos cumprem, mas com a percepção crítica de que, uma vez que a maioria dos manuais são escritos em língua inglesa e precisam de uma tradução mais adequada ao seu devido uso, conhecer e dominar o inglês técnico deixa de ser uma simples repetição e passa a ser um fator de crescimento pessoal, que permite ao técnico recém formado uma visão mais crítica, participativa e diferenciada nas atividades profissionais. Como ou outro viés deste trabalho são as teorias da tradução, o estudo foi pautado pelos estudos de PAGANO, A, PAIVA, VLMO, e de BARBOSA, HG. Em relação a tradução dos termos técnicos pesquisados e coletados, tivemos como base diagrama didático na sua forma resumida apresentando todo o processo tradutório, produzido pelo teórico alemão

3 3 Frank Königs. Nesse modelo as atividades de tradução são agrupadas em dois grandes blocos: o Bloco Automático (BA), em que está presente a utilização da memória a curto prazo (MCP), onde o tradutor processa a tradução baseado numa equivalência pré-estabelecida por ele. E o bloco reflexivo (BR) que se utiliza da memória a longo prazo (MLP). Nesse caso o autor é auxiliado por subsídios externos e internos para poder, assim tomar uma decisão de tradução. Segundo Pagano (2000) para se traduzir de maneira adequada cabe ao tradutor aumentar o seu nível de reflexão sobre a natureza e os aspectos cognitivos da tradução, conforme o diagrama abaixo: Bloco automático Texto de partida UT Texto de chegada provisório REFINAMENTO Texto de chegada Bloco reflexivo Para o uso adequado e prático do modelo apresentado acima, o tradutor primeiramente deve escolher uma determinada Unidade de Tradução (UT). UNIDADE DE TRADUÇÃO é um segmento do texto de partida, independente de tamanho e forma específicos, para o qual, em um dado momento, se dirige o foco de atenção do tradutor. Trata-se de um segmento em constante transformação que se modifica segundo as necessidades cognitivas e processuais do tradutor. A UNIDADE DE TRADUÇÃO pode ser considerada como a base cognitiva e o ponto de partida para todo o trabalho processual do tradutor. Suas características individuais de delimitação e sua extrema mutabilidade contribuem fundamentalmente para que os textos de chegada tenham forma individualizadas e diferenciadas. O foco de atenção e consciência é o fator direcionador e delimitador da UNIDADE DE TRADUÇÃO e é através dele que ela se torna momentaneamente perceptível. (PAGANO, 2000). Como corpus de nosso estudo definimos como nossa unidade de tradução cada termo técnico levantado no trabalho de campo, dirigindo-nos, portanto, a atenção necessária a cada um, atendendo, com isso, ao modelo de diagrama didático a que recorremos para o nosso processo tradutório. Após a escolha da UT devemos analisar em qual dos dois blocos

4 4 apresentados encontra-se a mesma. Se caso estiver dentro do BA o tradutor pode, mesmo inconscientemente acessar a sua MCP e outras correspondências previamente estabelecidas. Caso a UT esteja no BR é necessário a união de estratégias diversas capazes de possibilitar ao tradutor uma base adequada para uma tomada de decisão no processo da tradução. Segundo Pagano 2000, Tais agentes externos (dicionários, enciclopéidias, artigos, etc) e internos (MLP), são os principais meios que auxiliam a fase tradutória dentro do BR. 3 OBJETIVOS As atividades desenvolvidas por esta pesquisa tiveram como eixo norteador a detecção da origem dos termos técnicos que pertencem à língua inglesa e que são mais usados nas indústrias de Vespasiano. O mais importante foi perceber como o processo de adequação do uso dos termos é necessário para o seu entendimento e o seu uso nas atividades profissionais, porque é esse domínio que garante melhor desempenho do técnico e maior visão crítica dos processos. Além disso, tal atividade pode efetuar alguma contribuição para a elaboração de atividades didáticas que permitam aos alunos do ensino médio profissional interações significativas com os termos que são utilizados com maior freqüência no mercado de trabalho, principalmente nas indústrias vespasianenses. 4 METODOLOGIA Para execução do trabalho de campo foi feita a opção por empresas de médio e grande porte do município de Vespasiano e delas foram destacadas seis, que receberam um contato inicial por telefone e, em seguida, a aplicação de um questionário, elaborado e revisado pelo grupo de pesquisa. Perguntas fechadas e objetivas nos proporcionaram resultados satisfatórios. O contato inicial antes da aplicação do questionário permitiu que diversas observações fossem feitas pelos entrevistados o que contribui muito para o projeto. Para o desenvolvimento desta pesquisa foi utilizada uma abordagem quantitativa e qualitativa. Houve predominância na abordagem qualitativa, porque a avaliação dos termos

5 5 usados nas indústrias e quais os sentidos e finalidades deles foram fundamentais para se averiguar quais podem ser os rumos e as estratégias pedagógicas no ensino mais eficaz da LI para alunos dos cursos técnicos. Se por um lado, a pesquisa qualitativa possibilita a compreensão e interpretação de dados, visando maior riqueza de detalhes a respeito dos entrevistados, por outro, a pesquisa quantitativa é um instrumento que procura uma análise dos dados encontrados nas abordagens feitas, buscando uma representação numérico-estatística das observações. Quanto ao instrumento usado para coleta dos dados, houve elaboração de questionários, que foram aplicados nas indústrias, bem como, recebimento de material escrito, como manuais. Desta forma, tanto as empresas visitadas, quanto os funcionários entrevistados, puderam contribui para execução deste trabalho. A aplicação dos questionários se deu em empresas previamente selecionadas, alternando entre perguntas fechadas e de múltipla escolha. As perguntas fechadas, embora restrinja a liberdade das respostas, facilita o trabalho do pesquisador e também a tabulação, pois as respostas são mais objetivas (Sanchez 2009). Foram aplicados seis questionários, sendo estes respondidos em sua totalidade por diretores técnicos que lidam diretamente com o maquinário e manuais diversos da empresa. 5 RESULTADOS E DISCUSSÃO As empresas visitadas durante o trabalho de campo foram: BELGO MINEIRA, PREMO, MDE, W.F, SANDVICK, STEPAN. Os contatos foram estabelecidos diretamente com alguém responsável pela parte operacional, que também foi entrevistado e aceitou prontamente responder o questionário. O questionário alternou entre perguntas abertas, fechadas e de múltipla escolha. As perguntas fechadas, embora restrinjam a liberdade das respostas, facilitam o trabalho do pesquisador e também a tabulação, pois as respostas são mais objetivas (Sanchez 2009). As empresas BMB- BELGO MINEIRA e SANDVICK foram as que se destacaram com relação às outras no que diz respeito ao interesse pelo projeto e à receptividade demonstrada, porque atenderam com mais atenção e empenho a visita do pesquisador, bem como mostraram total disponibilidade e atenção.

6 6 As empresas PREMO, MDE, STEPAN e W.F demonstraram uma disponibilidade menor com relação à aplicação do questionário. O interesse no projeto também deixou a desejar se comparadas a BELGO e SANDVICK, já que estas reconhecem a necessidade de um investimento em material humano com vistas o crescimento coletivo da empresa e individual do funcionário. Para essas duas empresas o pagamento de cursos em inglês ou qualquer outro incentivo ao aprendizado da língua inglesa é prioritário e algo essencial em uma indústria técnica de grande porte que busca crescimento. O resultado da percepção do pesquisador em relação à visita e ao interesse das empresas, durante o trabalho de campo está reproduzido abaixo: Empresa Receptividade Interesse Interesse na Presença de um no admissão de jovens tradutor full-time na projeto técnicos empresa BMB Excelente Excelente Excelente Não Belgo SANDVICK Excelente Excelente Excelente Não PREMO Boa Bom Regular Não MDE Muito boa Bom Bom Não STEPAN Boa Bom Regular Não W.F Boa Regular Regular Não 5.1 AS EMPRESAS VISITADAS Empresa Premo Fundada em 1959, a Premo surgiu com o propósito de inovar os processos construtivos convencionais, acumulando experiências, passando por um processo de crescimento e investindo em equipamentos, na ampliação de fábrica e, principalmente, em material humano. Em seus projetos utiliza o AutoCad e a maioria dos termos citados durante a entrevista eram comandos desse software. Com relação às máquinas da empresa e sua manutenção,

7 7 algumas duram décadas, fazendo com que seus manuais sejam adaptados para o português por parte de diretores técnicos e perdurem por um longo tempo. Ao longo da visita o entrevistado afirmou que: o inglês técnico só é bem traduzido quando o profissional de tradução entende da área, por isso optamos pela não contratação de um profissional full-time para o cargo. Diante desses motivos, a empresa considera que a demanda é pequena e não há necessidade de um tradutor profissional na empresa. Empresa Sandvick A Sandvick é uma multinacional sueca que existe em 130 países e por isso, não só na área técnica operacional, mas também a administrativa utiliza o inglês como língua oficial, principalmente porque seu ramo de trabalho é a construção de máquinas para extração e transporte de minério, além de suportes para as correias transportadoras de minério. Ela trabalha também com tecnologia dos materiais e a produção das lâminas de corte, como a do torno mecânico. Sua área de atuação é muito abrangente na entrevista foi dito que há poucos competidores no mercado que a superem. A importância e a utilização do inglês na empresa ocorrem desde programas de computador até em reuniões com chefes estrangeiros, por isso há uma exigência do conhecimento do inglês na admissão e, em alguns casos, ocorre o pagamento de um curso pela Sandvick. Esse fato nos permite comprovar o estímulo que a empresa dá para seus funcionários, com relação ao aprendizado da língua inglesa, e também há o English Day, que é o dia em que todos falam apenas em inglês, visando um aperfeiçoamento da compreensão da língua. Esses dois fatos configuram um incentivo e um investimento em material humano. Vale ressaltar que em níveis de trabalho abaixo do técnico o inglês não é tão fundamental, por isso os trabalhadores criam uma memória fotográfica dos comandos e até mesmo uma familiaridade com os mesmos e diante de qualquer dúvida chama-se um superior. Empresa W.F Engenharia A WF Engenharia Ltda presta serviços de engenharia atuando em todas as etapas de desenvolvimento dos empreendimentos industriais, com estudos preliminares de viabilização técnica, etapas de estudo, suprimentos, construção, fabricações e montagem. A empresa possui muitos termos e manuais completos traduzidos para o inglês, mas a prática mais comum continua sendo a tradução dos manuais pelos superiores da empresa, que são passados

8 8 de forma enxuta e prática. Um dado importante é que não houve e nem há em vigor na empresa um projeto que estimulasse o aprendizado da língua inglesa por parte dos funcionários que atuam diretamente na operação das máquinas. Empresa BMB Arcelor Mital A ArcelorMittal, constituída em 2006 pela fusão da Mittal Steel e da Arcelor, é a maior Empresa siderúrgica do mundo, atuando nos setores de aços planos, longos e inoxidáveis. Durante o trabalho de campo, houve um bom resultado na aplicação do questionário devido às condições de infraestrutura da empresa, que inclui a presença de maquinário e de material humano estrangeiros. Assim, a utilização de termos em inglês é clara e constante, devido, principalmente à sua grande expressividade e atuação no mercado internacional. Entretanto, a maioria dos manuais não possui tradução, porque esta função fica a cargo de pessoas com um alto nível de inglês. É importante destacar que já existiu na empresa um programa que estimulasse o aprendizado da língua inglesa pelos trabalhadores de nível mais operacional, por meio do pagamento de um curso de inglês. Entretanto, houve desinteresse por parte dos próprios trabalhadores beneficiados com a bolsa integral, fazendo com que a empresa extinguisse esse tipo de projeto. Empresa MDE Ltda. A MDE tem como atividade principal o cálculo, fabricação e montagem eletromecânica de componentes e equipamentos para o transporte de materiais a granel, além de projetos e obras de sistemas complexos, atuando especialmente nas áreas de Cimento, Papel e Celulose, Siderurgia, e Portos. Nela a utilização de termos em inglês é constante em todos os setores da empresa, tanto na área da produção como na área de comércio exterior. Não só a exportação, mas também a importação de máquinas diversas evidenciam a forte presença de termos ingleses na indústria, já que semestralmente há a troca de máquinas na empresa. Mesmo com tantas importações (cerca de 3 ou 4 máquinas por semestre), os manuais não possuem tradução, por isso pessoas com alto nível de instrução exercem a função de tradutor dentro da empresa. Assim, pessoas que atuam na área administrativa são os tradutores da empresa. Não houve nenhum projeto que estimulasse o aprendizado do inglês por parte do funcionário que não possui um grau de instrução adequado, porque para a empresa a criação

9 9 de palestras que apresente o inglês no contexto do trabalhador seria a melhor forma do aprendizado, com exemplos práticos e explicativos que fossem voltados para o cotidiano dos funcionários do setor operacional. Assim, o setor de produção não tem acesso aos manuais e data-book s, já que para operação das máquinas o inglês básico é suficiente. Além disso, muitos trabalhadores operam as máquinas por meio da memória fotográfica dos comandos assim como ocorre na empresa Sandvick: Empresa Stepan Stepan Company é membro da American Chemistry Council (ACC), um dos membros fundadores do Responsible Care e uma fabricante global de produtos químicos especiais, principalmente de ingredientes para os fabricantes de detergentes, xampus, loções, cremes dentais e cosméticos, que dependem de surfactantes para alcançar a formação de espuma e limpeza. Outras aplicações incluem ingredientes lubrificantes e emulsionantes para a difusão de produtos agrícolas, além de emulsionantes e solubilizantes utilizados na indústria alimentar e farmacêutica. Por se tratar de uma empresa norte americana o inglês é o idioma principal da empresa, por isso todas as instalações da empresa são adaptadas para o inglês, uma vez que a companhia acolhe vários profissionais vindos dos EUA, onde fica a sede global dessa multinacional. Então, muitos estadunidenses veem para Vespasiano frequentemente e esse intercâmbio acaba sendo o incentivo principal para que os funcionários aprendam inglês. Para a empresa, o constrangimento criado pela dificuldade de compreensão da língua inglesa falada pelos superiores atuantes nos EUA, gera em cada funcionário a busca pelo aprendizado e/ou o aperfeiçoamento da língua inglesa. Como as máquinas da empresa possuem um alto valor agregado e são de longa duração, a demanda de importação de máquinas varia de acordo com os projetos e a necessidade da empresa, por isso muitos manuais não possuem tradução. Entretanto, há outros que veem acompanhados de tradução, mas, independentemente de haver ou não tradução para os manuais técnicos, a empresa tem por opção a elaboração de apostilas mais específicas e direcionadas para o treinamento dos operadores das máquinas, e as dúvidas que surgem, são sanadas pelo superiores que são os mesmos que traduzem os originais e produzem tais apostilas. É importante destacar que já houve na empresa um programa de estímulo para que o funcionário tivesse algum aprendizado da língua inglesa, por meio de pagamento de cursos, entretanto isso ocorria de acordo com a necessidade e o interesse da empresa no investimento

10 10 em determinado funcionário para a melhoria e avanço de um setor. Atualmente o estímulo presente na empresa se dá de forma indireta, através da intensa presença de estrangeiros vindos dos EUA à empresa que na maioria das vezes dialoga com os trabalhadores por meio de interpretes, gerando um desconforto no funcionário e motivando-o a aprender a língua. 6 CONCLUSÕES Os modelos de uso ou incentivo interno da compreensão do inglês está associado à alienação, como o processo de memorização fotográfica dos comandos, por isso este trabalho propões uma análise mais reflexiva e uma compreensão mais ampla e crítica dos usos dos termos técnicos, de forma a tornar o trabalhador, principalmente de nível operacional, mais habilitado e exercer sua função e a usar a língua estrangeira como uma ferramenta para as mais diversas ocasiões. Com relação aos termos técnicos coletados, bem como ao modelo e aos artifícios de tradução para que os mesmos fossem explorados, as empresas confirmaram a o uso do que chamamos de processo de tradução técnica. Entretanto, para se entender tal processo faz-se necessário conhecer o contexto em que cada um desses termos estão inseridos. Abaixo vem exposto todas as empresas visitadas, bem como suas atuações, produtos e tabulações qualitativas dos questionários aplicados nas mesmas. Visando expor o cumprimento de nossos objetivos de pesquisa elaboramos abaixo uma tabela esquemática com os principais termos pesquisados e que aqui são destacados devido a significante discrepância entre tradução dicionarizada e tradução industrializada. Analisaremos genericamente tais termos através do diagrama didático de Franks Königs (1987).

11 11 Termo Tradução Tradução dicionarizada industrial As built De construção Como construído última versão de um projeto Critical goals Objetivos essenciais Objetivos críticos Market share Quota de mercado Fatia de mercado Policy Implantação de política Desdobramento das políticas deployment Die Morrer Fieira Costumer Costume Cliente Hose Filamento para reforço de mangueira reinforcement wire Ploter Mapa, plano Impressora As built De construção Como construído última versão de um projeto Insert Inserir Dispositivo de fixação em geral metálico deixado nas peças de concreto Hold Segurar Trecho aguardando disposição- em espera. Model space Espaço de modo Ambiente de modelagem no programa Auto Cad. Soft-stater Condição maleável Partida suave, dispositivo utilizado para partida de motores elétricos Drive Dirigir Inversor de frequência Observações De acordo com o modela didático de Frank Königs (1987) o processo tradutório se dá de maneira reflexiva e cautelosa. Para Pagano (2000) deve-se atentar para o fato de que uma boa tradução não é uma tradução rápida (p.115), daí a necessidade da utilização de um bloco reflexivo (BR) para o aperfeiçoamento e futuramente o refinamento da UT em questão. Antes de qualquer coisa, quando tratamos de tradução é pertinente citar dois termos utilizados no processo tradutório, que no caso da tradução técnica tem papel fundamental: adaptação e intraduzibilidade. Bastin (1990) diz que a adaptação nada mais é do que a adequação de obras de acordo com a necessidade, é uma questão de reexpressão. E para ele a intraduzibilidade é um dos itens que nos leva a recorrer a adaptação. Para Bastin (1993) há quatro condições que levariam o tradutor a recorrer a adaptação: a) a ineficácia da tradução que caracterizaria a intraduzibilidade de jogos de palavras, idiomatismos e ambiguidades intencionais(p.475); b) a inadequação das situações lançaria ao tradutor o desafio de trabalhar com realidades-fonte inexistentes ou que adquirem um valor diferente em uma cultura-meta (p.475); c) a mudança de gênero seria uma condição segundo aqual o tradutor empreende uma modificação global do texto, ao passo que, nas duas primeiras o tradutor lida com questões de natureza pontual e mais ou menos frequentes no texto (ibidem);

12 12 d) a ruptura do equilíbrio comunicacional: o teórico concebe a tradução como um ato de fala que, para ser pertinente, deve promover o equilíbrio comunicativo entre os interlocutores (p. 476). Para Amorim (2005), na tradução há fidelidade na forma e no conteúdo, enquanto na adaptação ocorre fidelidade apenas no conteúdo. No caso da intraduzibilidade podemos definir como o fenômeno em que a palavra em questão é de dificil ou impossível tradução, para os quais o idioma de chegada não dispõe de equivalentes econômicos e significativos. Na área técnica dois dos quatro itens citados por Bastin (1993) são mais frequentes: a intraduzibilidade ou ineficácia da tradução e a inadequação das situações. A simultaneadade dessse dois itens em um mesmo texto, faz com que a atuação de atividades ou modelos didáticos como Königs sejam uma das soluções disponiveis, nesse caso imediata e a curto prazo para a continuidade do processo tradutório. Termos como die, drive e ploter, por exemplo passados pelo BA são rapidamente traduzidos como morrer,dirigir e mapa, respectivamente. Entretanto é nessa fase que o tradutor pode cometer um erro e por não mais refletir sobre sua tradução não a modifica mais (Konigs, 1987). Dái a necessidade de se iniciar o trabalho com o BR (bloco reflexivo). Através da utilização de subsídios externos que para Pagano (2000) pode ser enciclopédias, dicionários bilingues e multilingues, textos traduzidos, entre outros. Entretanto no caso de uma tradução técnica o subsídio mais importante é a tradução interna da empresa. Subsídio este que recorremos por meio do requerimento da tradução ou adaptação dos termos citados por cada entrevistado, bem como observações relevantes em se tratando de sua utilização dentro da empresa. Foi com tal subsídio que conseguimos determinar a relevante diferença entre tradução dicionarizada e tradução industrializada, objeto central de nosso estudo. Podemos a partir disso traduzir die, como fieira; drive, como inversor de frequência; e, ploter, como impressora. Esses três exemplos foram, sem dúvida alguma, aqueles que mais se destacaram e foram capazes de exemplificar com fidelidade o objetivo principal da pesquisa. Enfim, o escopo pesquisa é local, mas este trabalho é um ponto de partida para auxiliar remodelações no currículo da LEM inglesa, permitindo que haja uma preparação maior do técnico, bem como refletindo a respeito do uso da língua nas atividades práticas e alienantes que ocorrem nas empresas, principalmente nas indústrias multinacionais. 7 FONTES CONSULTADAS:

13 Documentos em pdf: (Metodologia cientifica) (O tradutor como autor transformação e sobrevida do original) (A tradução e o intraduzível na área da informática do empréstimo ao transbordamento de línguas) (o compromisso da fidelidade assumido pelo tradutor: contradições entre o declarar e o descrever nos prefácios das edições bílingues). (tecnicas de traduçao) (Algumas técnicas para resolver problemas de tradução do inglês para o português). 7.1 Sites em geral: Textos e fontes bibliográficas

14 14 CASTRO, Cláudio Moura. A prática da pesquisa. São Paulo: McGraw-Hill do Brasil, DEMO, P. Pesquisa, princípio cientifico e educativo, São Paulo DENCHER, Ada de FREITAS Maneti. VIÁ, Sarah Chucid da. Pesquisa Empirica em Ciências Humanas (com ênfase em comunincação). São Paulo, 2001 DICIONÁRIO de termos técnicos inglês/português. Suporte Cargo. DICIONÁRIO técnico de informática. MORIMOTO, Carlos E. 3ªedição DICTIONARY Portable Michaelis Escolar Inglês 3.0 NOGUEIRA, Vera e Danilo. Algumas técnicas para resolver problemas de tradução do inglês para o português, TAYLOR, James. Dicionário metalúrgico: inglês-português, português-inglês. 2ªedição, São Paulo,2000.

Critérios de seleção e utilização do livro didático de inglês na rede estadual de ensino de Goiás

Critérios de seleção e utilização do livro didático de inglês na rede estadual de ensino de Goiás Critérios de seleção e utilização do livro didático de inglês na rede estadual de ensino de Goiás COSTA, Bianca Ribeiro Morais OLIVEIRA, Eliane Carolina de Universidade Federal de Goiás- UFG Programa de

Leia mais

ORIENTAÇÕES PARA TRABALHOS DE PESQUISA NO ENSINO FUNDAMENTAL

ORIENTAÇÕES PARA TRABALHOS DE PESQUISA NO ENSINO FUNDAMENTAL JÚNIOR/2013 Mostra de Trabalhos do Ensino Fundamental ORIENTAÇÕES PARA TRABALHOS DE PESQUISA NO ENSINO FUNDAMENTAL Novo Hamburgo, abril de 2013. 1 APRESENTAÇÃO Estas orientações foram elaboradas baseadas

Leia mais

7 CONCLUSÕES A presente dissertação teve como objetivo identificar e compreender o processo de concepção, implantação e a dinâmica de funcionamento do trabalho em grupos na produção, utilizando, para isso,

Leia mais

apresentação oral sobre temas concernentes às especificidades do curso de Redes de Computadores;

apresentação oral sobre temas concernentes às especificidades do curso de Redes de Computadores; CENTRO DE ENSINO SUPERIOR FABRA MANTENEDOR DA ESCOLA DE ENSINO SUPERIOR FABRA Cred. Pela Portaria Ministerial nº 2787 de 12/12/2001 D.O.U. 17/12/2001 Rua Pouso Alegre, nº 49 Barcelona Serra/ES CEP 29166-160

Leia mais

3.2 MATERIAL DIDÁTICO

3.2 MATERIAL DIDÁTICO A comparação do presencial e do virtual: um estudo de diferentes metodologias e suas implicações na EAD André Garcia Corrêa andregcorrea@gmail.com Universidade Federal de São Carlos Resumo. O presente

Leia mais

O Valor estratégico da sustentabilidade: resultados do Relatório Global da McKinsey

O Valor estratégico da sustentabilidade: resultados do Relatório Global da McKinsey O Valor estratégico da sustentabilidade: resultados do Relatório Global da McKinsey Executivos em todos os níveis consideram que a sustentabilidade tem um papel comercial importante. Porém, quando se trata

Leia mais

Ensino Vocacional, Técnico e Tecnológico no Reino Unido

Ensino Vocacional, Técnico e Tecnológico no Reino Unido Ensino Vocacional, Técnico e Tecnológico no Reino Unido Apoiar a empregabilidade pela melhora da qualidade do ensino profissionalizante UK Skills Seminar Series 2014 15 British Council UK Skills Seminar

Leia mais

TEMA: O LÚDICO NA APRENDIZAGEM DA LEITURA E DA ESCRITA

TEMA: O LÚDICO NA APRENDIZAGEM DA LEITURA E DA ESCRITA TEMA: O LÚDICO NA APRENDIZAGEM DA LEITURA E DA ESCRITA RESUMO Os educadores têm se utilizado de uma metodologia Linear, que traz uma característica conteudista; É possível notar que o Lúdico não se limita

Leia mais

Eixo 1 - Ensino. As questões respondidas pelos discentes sobre a temática do ensino somam oito interrogações, as quais seguem em análise:

Eixo 1 - Ensino. As questões respondidas pelos discentes sobre a temática do ensino somam oito interrogações, as quais seguem em análise: Relatório de análise de dados O presente relatório trata da análise dos resultados provenientes de informações obtidas por meio dos questionários da autoavaliação referentes ao curso de graduação em Dança

Leia mais

GUIA DE CURSO. Tecnologia em Sistemas de Informação. Tecnologia em Desenvolvimento Web. Tecnologia em Análise e Desenvolvimento de Sistemas

GUIA DE CURSO. Tecnologia em Sistemas de Informação. Tecnologia em Desenvolvimento Web. Tecnologia em Análise e Desenvolvimento de Sistemas PIM PROGRAMA DE INTEGRAÇÃO COM O MERCADO GUIA DE CURSO Tecnologia em Sistemas de Informação Tecnologia em Desenvolvimento Web Tecnologia em Análise e Desenvolvimento de Sistemas Tecnologia em Sistemas

Leia mais

Implementação rápida do modelo Balanced Scorecard (BSC) nas empresas de seguros

Implementação rápida do modelo Balanced Scorecard (BSC) nas empresas de seguros Implementação rápida do modelo Balanced Scorecard (BSC) nas empresas de seguros Uma evolução nos sistemas de controle gerencial e de planejamento estratégico Francisco Galiza Roteiro Básico 1 SUMÁRIO:

Leia mais

11 de maio de 2011. Análise do uso dos Resultados _ Proposta Técnica

11 de maio de 2011. Análise do uso dos Resultados _ Proposta Técnica 11 de maio de 2011 Análise do uso dos Resultados _ Proposta Técnica 1 ANÁLISE DOS RESULTADOS DO SPAECE-ALFA E DAS AVALIAÇÕES DO PRÊMIO ESCOLA NOTA DEZ _ 2ª Etapa 1. INTRODUÇÃO Em 1990, o Sistema de Avaliação

Leia mais

PROJETO Pró-INFRA/CAMPUS

PROJETO Pró-INFRA/CAMPUS INSTITUTO FEDERAL DE EDUCAÇÃO, CIÊNCIA E TECNOLOGIA CAMPUS AVANÇADO DE ARACATI PROJETO Pró-INFRA/CAMPUS IMPLEMENTAÇÃO DE SOLUÇÃO PARA AUTOMATIZAR O DESENVOLVIMENTO DE SOFTWARE UTILIZANDO A LINGUAGEM C#.NET

Leia mais

PLANEJAMENTO DA MANUFATURA

PLANEJAMENTO DA MANUFATURA 58 FUNDIÇÃO e SERVIÇOS NOV. 2012 PLANEJAMENTO DA MANUFATURA Otimizando o planejamento de fundidos em uma linha de montagem de motores (II) O texto dá continuidade à análise do uso da simulação na otimização

Leia mais

COMUNICADO n o 001/2012 ÁREA DE ENSINO ORIENTAÇÕES PARA NOVOS APCNS 2012 Brasília, 22 de maio de 2012

COMUNICADO n o 001/2012 ÁREA DE ENSINO ORIENTAÇÕES PARA NOVOS APCNS 2012 Brasília, 22 de maio de 2012 COMUNICADO n o 001/2012 ÁREA DE ENSINO ORIENTAÇÕES PARA NOVOS APCNS 2012 Brasília, 22 de maio de 2012 IDENTIFICAÇÃO ÁREA DE AVALIAÇÃO: Ensino PERÍODO DE AVALIAÇÃO: 2012 ANO DE PUBLICAÇÃO DESTE DOCUMENTO:

Leia mais

ATUAÇÃO DO TRADUTOR E INTÉRPRETE DE LÍNGUA DE SINAIS/ LÍNGUA PORTUGUESA NO IES 1

ATUAÇÃO DO TRADUTOR E INTÉRPRETE DE LÍNGUA DE SINAIS/ LÍNGUA PORTUGUESA NO IES 1 ATUAÇÃO DO TRADUTOR E INTÉRPRETE DE LÍNGUA DE SINAIS/ LÍNGUA PORTUGUESA NO IES 1 FILIETAZ, Marta R. Proença, martafilietaz@hotmail.com Face à emergência da obrigatoriedade legal da presença do intérprete

Leia mais

Marcos Antonio Lima de Oliveira, MSc Quality Engineer ASQ/USA Diretor da ISOQUALITAS www.qualitas.eng.br qualitas@qualitas.eng.

Marcos Antonio Lima de Oliveira, MSc Quality Engineer ASQ/USA Diretor da ISOQUALITAS www.qualitas.eng.br qualitas@qualitas.eng. 01. O QUE SIGNIFICA A SIGLA ISO? É a federação mundial dos organismos de normalização, fundada em 1947 e contanto atualmente com 156 países membros. A ABNT é representante oficial da ISO no Brasil e participou

Leia mais

Portaria Inep nº 249, de 02 de junho de 2014. Publicada no Diário Oficial da União em 04 de junho de 2014.

Portaria Inep nº 249, de 02 de junho de 2014. Publicada no Diário Oficial da União em 04 de junho de 2014. Portaria Inep nº 249, de 02 de junho de 2014. Publicada no Diário Oficial da União em 04 de junho de 2014. O Presidente do Instituto Nacional de Estudos e Pesquisas Educacionais Anísio Teixeira (Inep),

Leia mais

CENTRO UNIVERSITÁRIO UNIVATES

CENTRO UNIVERSITÁRIO UNIVATES CENTRO UNIVERSITÁRIO UNIVATES REGULAMENTO DE ESTÁGIO CURRICULAR NÃO OBRIGATÓRIO CURSO SUPERIOR DE TECNOLOGIA EM LOGÍSTICA REGULAMENTO DO ESTÁGIO SUPERVISIONADO NÃO OBRIGATÓRIO Das Disposições Gerais O

Leia mais

Parecer de Autorização de Funcionamento: CEED nº 650/2014.

Parecer de Autorização de Funcionamento: CEED nº 650/2014. CURSO TÉCNICO EM ELETROTÉCNICA O Curso Técnico de Nível Médio em Eletrotécnica, Eixo Tecnológico Controle e Processos Industriais são organizados em 3 módulos de 400 horas. Ao final do curso, 400 horas

Leia mais

2.2.5. Questionário a ser Respondido Pelos Estudantes em EaD.

2.2.5. Questionário a ser Respondido Pelos Estudantes em EaD. 2.2.5. Questionário a ser Respondido Pelos Estudantes em EaD. Este questionário é um instrumento de coleta de informações para a realização da auto avaliação da UFG que tem como objetivo conhecer a opinião

Leia mais

Gestão do Conhecimento A Chave para o Sucesso Empresarial. José Renato Sátiro Santiago Jr.

Gestão do Conhecimento A Chave para o Sucesso Empresarial. José Renato Sátiro Santiago Jr. A Chave para o Sucesso Empresarial José Renato Sátiro Santiago Jr. Capítulo 1 O Novo Cenário Corporativo O cenário organizacional, sem dúvida alguma, sofreu muitas alterações nos últimos anos. Estas mudanças

Leia mais

Engenharia de Software II: Criando a Declaração de Escopo. Prof. Msc Ricardo Britto DIE-UFPI rbritto@ufpi.edu.br

Engenharia de Software II: Criando a Declaração de Escopo. Prof. Msc Ricardo Britto DIE-UFPI rbritto@ufpi.edu.br Engenharia de Software II: Criando a Declaração de Escopo Prof. Msc Ricardo Britto DIE-UFPI rbritto@ufpi.edu.br Sumário Desenvolvendo o Plano de Gerenciamento do Projeto. Coletando Requisitos. Declarando

Leia mais

EDITAL SENAI SESI DE INOVAÇÃO. Caráter inovador projeto cujo escopo ainda não possui. Complexidade das tecnologias critério de avaliação que

EDITAL SENAI SESI DE INOVAÇÃO. Caráter inovador projeto cujo escopo ainda não possui. Complexidade das tecnologias critério de avaliação que ANEXO II Caráter inovador projeto cujo escopo ainda não possui registro em base de patentes brasileira. Também serão considerados caráter inovador para este Edital os registros de patente de domínio público

Leia mais

DISPOSITIVOS MÓVEIS NA ESCOLA: POSSIBILIDADES NA SALA DE AULA

DISPOSITIVOS MÓVEIS NA ESCOLA: POSSIBILIDADES NA SALA DE AULA DISPOSITIVOS MÓVEIS NA ESCOLA: POSSIBILIDADES NA SALA DE AULA Jessica Kelly Sousa Ferreira PPGFP-UEPB jessicaferreiraprofe@gmail.com INTRODUÇÃO A presente pesquisa embasa-se nos pressupostos de que o uso

Leia mais

Etapas para a elaboração de um Pré- Projeto de Pesquisa

Etapas para a elaboração de um Pré- Projeto de Pesquisa Etapas para a elaboração de um Pré- Projeto de Pesquisa Estrutura de um projeto de pesquisa: 1. TEMA E TÍTULO DO PROJETO 2. DELIMITAÇÃO DO PROBLEMA 3. INTRODUÇÃO 4. RELEVÂNCIA E JUSTIFICATIVA 5. OBJETIVOS

Leia mais

RESUMOS DE PROJETOS... 1202 RELATOS DE EXPERIÊNCIA... 1205 ARTIGOS COMPLETOS (RESUMOS)... 1207

RESUMOS DE PROJETOS... 1202 RELATOS DE EXPERIÊNCIA... 1205 ARTIGOS COMPLETOS (RESUMOS)... 1207 1201 RESUMOS DE PROJETOS... 1202 RELATOS DE EXPERIÊNCIA... 1205 ARTIGOS COMPLETOS (RESUMOS)... 1207 1202 RESUMOS DE PROJETOS ENSINO, APRENDIZAGEM E FORMAÇÃO DE PROFESSORES EM LETRAS: IDENTIDADES E CRENÇAS

Leia mais

Responda as questões. (Passe as respostas para o gabarito. Total de pontos no caso de

Responda as questões. (Passe as respostas para o gabarito. Total de pontos no caso de Campus Marquês - SP Atividades para NP2 Curso: Semestre: Turma: Disciplina: Tec. Aplicada a Segurança Professor: Fragoso Aluno (a): RA: GABARITO - 1 2 3 4 5 6 7 8 9 10 11 12 13 14 15 16 17 18 19 20 Responda

Leia mais

CENTRO UNIVERSITÁRIO UNIVATES

CENTRO UNIVERSITÁRIO UNIVATES CENTRO UNIVERSITÁRIO UNIVATES REGULAMENTO DE ESTÁGIO CURRICULAR NÃO OBRIGATÓRIO CURSO TÉCNICO EM TELECOMUNICAÇÕES REGULAMENTO DE ESTÁGIO CURRICULAR NÃO OBRIGATÓRIO CURSO TÉCNICO EM TELECOMUNICAÇÕES Das

Leia mais

RELATÓRIO DE ESTÁGIO CURRICULAR OBRIGATÓRIO

RELATÓRIO DE ESTÁGIO CURRICULAR OBRIGATÓRIO UNIVERSIDADE TECNOLÓGICA FEDERAL DO PARANÁ COORDENAÇÃO DE ENGENHARIA CIVIL CAMPUS CAMPO MOURÃO ENGENHARIA CIVIL CARLOS HENRIQUE FELIPE POÇAS RELATÓRIO DE ESTÁGIO CURRICULAR OBRIGATÓRIO Relatório de Estágio

Leia mais

INSTITUTO LONG TAO METODOLOGIA CIENTÍFICA

INSTITUTO LONG TAO METODOLOGIA CIENTÍFICA INSTITUTO LONG TAO METODOLOGIA CIENTÍFICA Profa. Ms. Rose Romano Caveiro CONCEITO E DEFINIÇÃO É um conjunto de abordagens, técnicas e processos utilizados pela ciência para formular e resolver problemas

Leia mais

No modo de produção escravista os trabalhadores recebiam salários muito baixos.

No modo de produção escravista os trabalhadores recebiam salários muito baixos. Atividade extra Fascículo 2 Sociologia Unidade 3 Questão 1 Leia com atenção o texto de Paul Lovejoy sobre escravidão: Enquanto propriedade, os escravos eram bens móveis: o que significa dizer que eles

Leia mais

CENTRO UNIVERSITÁRIO ESTÁCIO RADIAL DE SÃO PAULO SÍNTESE DO PROJETO PEDAGÓGICO DE CURSO 1

CENTRO UNIVERSITÁRIO ESTÁCIO RADIAL DE SÃO PAULO SÍNTESE DO PROJETO PEDAGÓGICO DE CURSO 1 SÍNTESE DO PROJETO PEDAGÓGICO DE CURSO 1 CURSO: ANÁLISE E DESENVOLVIMENTO DE SISTEMAS MISSÃO DO CURSO A concepção do curso de Análise e Desenvolvimento de Sistemas está alinhada a essas novas demandas

Leia mais

MANUAL DE GESTÃO DA QUALIDADE

MANUAL DE GESTÃO DA QUALIDADE Revisão: 07 Data: 05.03.09 Página 1 de 7 Copia controlada MANUAL DE GESTÃO DA QUALIDADE José G. Cardoso Diretor Executivo As informações contidas neste Manual são de propriedade da Abadiaço Ind. e Com.

Leia mais

ALEXANDRE WILLIAM BARBOSA DUARTE

ALEXANDRE WILLIAM BARBOSA DUARTE SURVEY Método de pesquisa amplamente utilizado em pesquisas de opinião pública, de mercado e, atualmente, em pesquisas sociais que, objetivamente, visam descrever, explicar e/ou explorar características

Leia mais

REGULAMENTO PARA PARTICIPAÇÃO NA SEGUNDA FASE DO CURSO DE FORMAÇÃO PARA CERTIFICAÇÃO DE CAPITAL HUMANO EM LÍNGUA INGLESA

REGULAMENTO PARA PARTICIPAÇÃO NA SEGUNDA FASE DO CURSO DE FORMAÇÃO PARA CERTIFICAÇÃO DE CAPITAL HUMANO EM LÍNGUA INGLESA REGULAMENTO PARA PARTICIPAÇÃO NA SEGUNDA FASE DO CURSO DE FORMAÇÃO PARA CERTIFICAÇÃO DE CAPITAL HUMANO EM LÍNGUA INGLESA 1. APRESENTAÇÃO Este regulamento apresenta as regras e os critérios estabelecidos

Leia mais

DESENVOLVIMENTO DE INTERFACE WEB MULTIUSUÁRIO PARA SISTEMA DE GERAÇÃO AUTOMÁTICA DE QUADROS DE HORÁRIOS ESCOLARES. Trabalho de Graduação

DESENVOLVIMENTO DE INTERFACE WEB MULTIUSUÁRIO PARA SISTEMA DE GERAÇÃO AUTOMÁTICA DE QUADROS DE HORÁRIOS ESCOLARES. Trabalho de Graduação DESENVOLVIMENTO DE INTERFACE WEB MULTIUSUÁRIO PARA SISTEMA DE GERAÇÃO AUTOMÁTICA DE QUADROS DE HORÁRIOS ESCOLARES Trabalho de Graduação Orientando: Vinicius Stein Dani vsdani@inf.ufsm.br Orientadora: Giliane

Leia mais

Requisitos de Software

Requisitos de Software Requisitos de Software Prof. José Honorato F.N. Prof. José Honorato F.N. honoratonunes@gmail.com Requisitos de Software Software é o conjunto dos programas e dos meios não materiais que possibilitam o

Leia mais

GRADUAÇÃO INOVADORA NA UNESP

GRADUAÇÃO INOVADORA NA UNESP PROGRAMA GRADUAÇÃO INOVADORA NA UNESP 2014 PROGRAMA GRADUAÇÃO INOVADORA NA UNESP INTRODUÇÃO A Pró-reitoria de graduação (PROGRAD), a Câmara Central de Graduação (CCG), o Núcleo de Educação à Distância

Leia mais

AS SALAS DE TECNOLOGIAS EDUCACIONAIS E A PRATICA DOCENTE.

AS SALAS DE TECNOLOGIAS EDUCACIONAIS E A PRATICA DOCENTE. AS SALAS DE TECNOLOGIAS EDUCACIONAIS E A PRATICA DOCENTE. Introdução Carlos Roberto das Virgens Sirlene de Souza Benedito das Virgens Antonio Sales Universidade Estadual do Mato Grosso do Sul Não faz muito

Leia mais

Prêmio Vivaleitura. Dicas para se inscrever no. e outros projetos...

Prêmio Vivaleitura. Dicas para se inscrever no. e outros projetos... Dicas para se inscrever no Prêmio Vivaleitura e outros projetos... 2011 Vaga Lume R. Aspicuelta, 678 Vila Madalena São Paulo SP 05433-011 (11) 3032-6032 www.vagalume.org.br falecom@vagalume.org.br 1) Apresentação

Leia mais

Alinhamento Estratégico. A importância do alinhamento entre a TI e o Negócio e o método proposto pelo framework do CobiT 4.1

Alinhamento Estratégico. A importância do alinhamento entre a TI e o Negócio e o método proposto pelo framework do CobiT 4.1 Conhecimento em Tecnologia da Informação Alinhamento Estratégico A importância do alinhamento entre a TI e o Negócio e o método proposto pelo framework do CobiT 4.1 2010 Bridge Consulting Apresentação

Leia mais

Universidade Estadual de Londrina CENTRO DE CIÊNCIAS AGRÁRIAS DEPARTAMENTO DE ZOOTECNIA

Universidade Estadual de Londrina CENTRO DE CIÊNCIAS AGRÁRIAS DEPARTAMENTO DE ZOOTECNIA PROPOSTA 1 Curso Nome(s) do(s) Curso(s) ZOOTECNIA Código e-mec 56129 Conceito ENADE 4 Coordenador da Proposta (Tutor do Grupo) ANA MARIA BRIDI 2 Caracterização da Proposta 2.1Área de Conhecimento (código

Leia mais

Melhores Empresas para Estagiar 2008

Melhores Empresas para Estagiar 2008 Melhores Empresas para Estagiar Realização: CIEE / IBOPE Inteligência / ABRH-SP Outubro/ Metodologia As empresas interessadas inscrevem-se no prêmio através do site O cadastro é validado pelo IBOPE a partir

Leia mais

FORMAÇÃO DE PROFESSORES QUE ENSINAM MATEMÁTICA

FORMAÇÃO DE PROFESSORES QUE ENSINAM MATEMÁTICA FORMAÇÃO DE PROFESSORES QUE ENSINAM MATEMÁTICA Fabiana de Jesus Oliveira União de Ensino do Sudoeste do Paraná fabiana@unisep.edu.br Diversas são as pesquisas que têm mostrado que o ensino encontra-se

Leia mais

Princípios de pesquisa na área de educação: análise de dados.

Princípios de pesquisa na área de educação: análise de dados. www..botanicaonline.com.br Site organizado pela Profa. Dra. Suzana Ursi Depto. de Botânica, Instituto de Biociências, USP Princípios de pesquisa na área de educação: análise de dados. Autor: João Rodrigo

Leia mais

INSTITUTO INTERAMERICANO DE COOPERAÇÃO PARA A AGRICULTURA

INSTITUTO INTERAMERICANO DE COOPERAÇÃO PARA A AGRICULTURA INSTITUTO INTERAMERICANO DE COOPERAÇÃO PARA A AGRICULTURA AGÊNCIA BRASILEIRA DE COOPERAÇÃO - ABC INSTITUTO INTERAMERICANO DE COOPERAÇÃO PARA A AGRICULTURA - IICA INSTITUTO BRASILEIRO DO MEIO AMBIENTE E

Leia mais

Métodos e técnicas de pesquisa. Alessandra Martins Coelho

Métodos e técnicas de pesquisa. Alessandra Martins Coelho Métodos e técnicas de pesquisa Alessandra Martins Coelho Método de Pesquisa Metodologia é o estudo dos métodos. O método consiste na seqüência de passos necessários para demonstrar que o objetivo proposto

Leia mais

UNG CIC Tópicos Especiais de TI. Aula 13

UNG CIC Tópicos Especiais de TI. Aula 13 Aula 13 1. Data Warehouse Armazém de Dados (Continuação) 1 Erros na implantação de um Data Warehouse Segundo o Data Warehousing Institute existem dez erros mais comuns na implantação de um Data Warehouse

Leia mais

ANÁLISE E DESENVOLVIMENTO DE SISTEMAS TURMA 2008 4º PERÍODO - 7º MÓDULO AVALIAÇÃO A4 DATA 22/10/2009 ENGENHARIA DE USABILIDADE

ANÁLISE E DESENVOLVIMENTO DE SISTEMAS TURMA 2008 4º PERÍODO - 7º MÓDULO AVALIAÇÃO A4 DATA 22/10/2009 ENGENHARIA DE USABILIDADE ANÁLISE E DESENVOLVIMENTO DE SISTEMAS TURMA 2008 4º PERÍODO - 7º MÓDULO AVALIAÇÃO A4 DATA 22/10/2009 ENGENHARIA DE USABILIDADE 2009/2 GABARITO COMENTADO QUESTÃO 1: Quando nos referimos à qualidade da interação

Leia mais

IESG - INSTITUTO DE ENSINO SUPERIOR DE GARÇA LTDA. Rua América, 281 Garça/SP CEP 17400-000 (14) 3407-2505 www.uniesp.edu.br/garca

IESG - INSTITUTO DE ENSINO SUPERIOR DE GARÇA LTDA. Rua América, 281 Garça/SP CEP 17400-000 (14) 3407-2505 www.uniesp.edu.br/garca IESG - INSTITUTO DE ENSINO SUPERIOR DE GARÇA LTDA. Rua América, 281 Garça/SP CEP 17400-000 (14) 3407-2505 www.uniesp.edu.br/garca PROGRAMA DE ACOMPANHAMENTO DOS EGRESSOS O Instituto de Ensino de Garça,

Leia mais

O Projeto de Pesquisa

O Projeto de Pesquisa O Projeto de Pesquisa CLÁUDIA BARBOSA O objetivo desta unidade é ensinar ao aluno sobre a definição e elaboração de um Projeto de Pesquisa. Ao final desta aula o aluno deverá apresentar seu projeto de

Leia mais

Analisando a construção e a interpretação de gráficos e tabelas por estudantes do Ensino Médio Regular e EJA

Analisando a construção e a interpretação de gráficos e tabelas por estudantes do Ensino Médio Regular e EJA Analisando a construção e a interpretação de gráficos e tabelas por estudantes do Ensino Fabiano Fialho Lôbo Universidade Federal de Pernambuco fabiano_lobo@yahoo.com.br Luciana Rufino de Alcântara Universidade

Leia mais

ALESSANDRO PEREIRA DOS REIS PAULO CESAR CASTRO DE ALMEIDA ENGENHARIA DE SOFTWARE - CAPABILITY MATURITY MODEL INTEGRATION (CMMI)

ALESSANDRO PEREIRA DOS REIS PAULO CESAR CASTRO DE ALMEIDA ENGENHARIA DE SOFTWARE - CAPABILITY MATURITY MODEL INTEGRATION (CMMI) ALESSANDRO PEREIRA DOS REIS PAULO CESAR CASTRO DE ALMEIDA ENGENHARIA DE SOFTWARE - CAPABILITY MATURITY MODEL INTEGRATION (CMMI) APARECIDA DE GOIÂNIA 2014 LISTA DE TABELAS Tabela 1 Áreas de processo por

Leia mais

CRIAÇÃO DA DISCIPLINA SISTEMA DE GESTÃO AMBIENTAL NO CURSO DE ENGENHARIA CIVIL

CRIAÇÃO DA DISCIPLINA SISTEMA DE GESTÃO AMBIENTAL NO CURSO DE ENGENHARIA CIVIL CRIAÇÃO DA DISCIPLINA SISTEMA DE GESTÃO AMBIENTAL NO CURSO DE ENGENHARIA CIVIL Elias S. Assayag eassayag@internext.com.br Universidade do Amazonas, Departamento de Hidráulica e Saneamento da Faculdade

Leia mais

GÊNEROS TEXTUAIS E ENSINO DE LÍNGUA INGLESA: UM BREVE ESTUDO

GÊNEROS TEXTUAIS E ENSINO DE LÍNGUA INGLESA: UM BREVE ESTUDO GÊNEROS TEXTUAIS E ENSINO DE LÍNGUA INGLESA: UM BREVE ESTUDO Analine Bueno Scarcela Cuva Faculdade da Alta Paulista, Tupã/SP e-mail: analine.bueno@gmail.com Pôster Pesquisa Concluída Introdução Toda disciplina

Leia mais

PLANO DE AÇÃO FÓRUM DO MUNICÍPIO QUE EDUCA

PLANO DE AÇÃO FÓRUM DO MUNICÍPIO QUE EDUCA PLANO DE AÇÃO FÓRUM DO MUNICÍPIO QUE EDUCA PROPOSTA DE AÇÃO Criar um fórum permanente onde representantes dos vários segmentos do poder público e da sociedade civil atuem juntos em busca de uma educação

Leia mais

Uso de Equipamentos de Informática e Telecomunicações

Uso de Equipamentos de Informática e Telecomunicações O SETOR SERVIÇOS DO ESTADO DO ACRE Estrutura Características Setoriais e Regionais A Paer pesquisou as unidades locais, com mais de 20 pessoas ocupadas, do setor serviços do, constatando a presença de

Leia mais

EDUCAÇÃO EXECUTIVA PARA O MERCADO FINANCEIRO MAIO / 2005 108-TC-B4

EDUCAÇÃO EXECUTIVA PARA O MERCADO FINANCEIRO MAIO / 2005 108-TC-B4 1 EDUCAÇÃO EXECUTIVA PARA O MERCADO FINANCEIRO MAIO / 2005 108-TC-B4 NADINE WASSMER TREINA E-LEARNING treina@treina.com.br ROSANA GOMES CONTEÚDOS E HABILIDADES EDUCAÇÃO CORPORATIVA DESCRIÇÃO DE PROJETO

Leia mais

ANÁLISE DOS OBJETIVOS PRESENTES NOS TRABALHOS DE EDUCAÇÃO AMBIENTAL APRESENTADOS NO IX EPEA-PR

ANÁLISE DOS OBJETIVOS PRESENTES NOS TRABALHOS DE EDUCAÇÃO AMBIENTAL APRESENTADOS NO IX EPEA-PR ANÁLISE DOS OBJETIVOS PRESENTES NOS TRABALHOS DE EDUCAÇÃO AMBIENTAL APRESENTADOS NO IX EPEA-PR Resumo FRANZÃO, Thiago Albieri UEPG/GEPEA thiagofranzao@hotmail.com RAMOS, Cinthia Borges de UEPG/GEPEA cinthiaramos88@yahoo.com.br

Leia mais

5 Conclusão e Considerações Finais

5 Conclusão e Considerações Finais 5 Conclusão e Considerações Finais Neste capítulo são apresentadas a conclusão e as considerações finais do estudo, bem como, um breve resumo do que foi apresentado e discutido nos capítulos anteriores,

Leia mais

A UTILIZAÇÃO DE MATERIAIS ALTERNATIVOS EM EXPERIMENTOS PRÁTICOS DE QUÍMICA E SUA RELAÇÃO COM O COTIDIANO.

A UTILIZAÇÃO DE MATERIAIS ALTERNATIVOS EM EXPERIMENTOS PRÁTICOS DE QUÍMICA E SUA RELAÇÃO COM O COTIDIANO. A UTILIZAÇÃO DE MATERIAIS ALTERNATIVOS EM EXPERIMENTOS PRÁTICOS DE QUÍMICA E SUA RELAÇÃO COM O COTIDIANO. Alessandra Ramos Barbosa Joseane Ataíde de Jesus RESUMO Reconstruir o aprender requer mudanças

Leia mais

REGULAMENTO DO PROGRAMA DE FORMAÇÃO PARA CAPACITAÇÃO DE CAPITAL HUMANO EM LÍNGUA INGLESA DO PORTO DIGITAL

REGULAMENTO DO PROGRAMA DE FORMAÇÃO PARA CAPACITAÇÃO DE CAPITAL HUMANO EM LÍNGUA INGLESA DO PORTO DIGITAL REGULAMENTO DO PROGRAMA DE FORMAÇÃO PARA CAPACITAÇÃO DE CAPITAL HUMANO EM LÍNGUA INGLESA DO PORTO DIGITAL 1. APRESENTAÇÃO Este regulamento apresenta as regras e os critérios estabelecidos pelo Núcleo de

Leia mais

2.2.4. Questionário a ser Respondido Pelos Estudantes de Pós Graduação

2.2.4. Questionário a ser Respondido Pelos Estudantes de Pós Graduação 2.2.4. Questionário a ser Respondido Pelos Estudantes de Pós Graduação Este questionário é um instrumento de coleta de informações para a realização da auto avaliação da UFG que tem como objetivo conhecer

Leia mais

Critérios para certificação de Sites SciELO: critérios, política e procedimentos para a classificação e certificação dos sites da Rede SciELO

Critérios para certificação de Sites SciELO: critérios, política e procedimentos para a classificação e certificação dos sites da Rede SciELO Critérios para certificação de Sites SciELO: critérios, política e procedimentos para a classificação e certificação dos sites da Rede SciELO Versão Março 2008 1 Introdução Este documento tem por objetivo

Leia mais

15 Computador, projeto e manufatura

15 Computador, projeto e manufatura A U A UL LA Computador, projeto e manufatura Um problema Depois de pronto o desenho de uma peça ou objeto, de que maneira ele é utilizado na fabricação? Parte da resposta está na Aula 2, que aborda as

Leia mais

REGULAMENTO PROGRAMA DE APOIO AO DISCENTE - PADI DA FACULDADE DE CIÊNCIAS SOCIAIS DE GUARANTÂ DO NORTE

REGULAMENTO PROGRAMA DE APOIO AO DISCENTE - PADI DA FACULDADE DE CIÊNCIAS SOCIAIS DE GUARANTÂ DO NORTE REGULAMENTO PROGRAMA DE APOIO AO DISCENTE - PADI DA FACULDADE DE CIÊNCIAS SOCIAIS DE GUARANTÂ DO NORTE 2013 REGULAMENTO DO PROGRAMA DE APOIO AO DISCENTE PADI DA FACULDADE DE DE CIÊNCIAS SOCIAIS DE GUARANTÃDO

Leia mais

AS NOVAS DIRETRIZES PARA O ENSINO MÉDIO E SUA RELAÇÃO COM O CURRÍCULO E COM O ENEM

AS NOVAS DIRETRIZES PARA O ENSINO MÉDIO E SUA RELAÇÃO COM O CURRÍCULO E COM O ENEM AS NOVAS DIRETRIZES PARA O ENSINO MÉDIO E SUA RELAÇÃO COM O CURRÍCULO E COM O ENEM MARÇO/ABRIL/2012 Considerações sobre as Novas Diretrizes Curriculares Nacionais para o Ensino Médio Resolução CNE/CEB

Leia mais

SIGNIFICADOS ATRIBUÍDOS ÀS AÇÕES DE FORMAÇÃO CONTINUADA DA REDE MUNICIPAL DE ENSINO DO RECIFE/PE

SIGNIFICADOS ATRIBUÍDOS ÀS AÇÕES DE FORMAÇÃO CONTINUADA DA REDE MUNICIPAL DE ENSINO DO RECIFE/PE SIGNIFICADOS ATRIBUÍDOS ÀS AÇÕES DE FORMAÇÃO CONTINUADA DA REDE MUNICIPAL DE ENSINO DO RECIFE/PE Adriele Albertina da Silva Universidade Federal de Pernambuco, adrielealbertina18@gmail.com Nathali Gomes

Leia mais

1. INTRODUÇÃO... 3 2. AVALIAÇÃO DE TECNOLOGIAS... 3. 2.1. Objetivos... 3. 2.2. Escopo... 4 3. VALORAÇÃO DE TECNOLOGIAS... 5. 3.1. Objetivo...

1. INTRODUÇÃO... 3 2. AVALIAÇÃO DE TECNOLOGIAS... 3. 2.1. Objetivos... 3. 2.2. Escopo... 4 3. VALORAÇÃO DE TECNOLOGIAS... 5. 3.1. Objetivo... 1 ÍNDICE ANALÍTICO 1. INTRODUÇÃO... 3 2. AVALIAÇÃO DE TECNOLOGIAS... 3 2.1. Objetivos... 3 2.2. Escopo... 4 3. VALORAÇÃO DE TECNOLOGIAS... 5 3.1. Objetivo... 5 3.1.1. Negociação para comercialização e

Leia mais

PROJETO DE INTERVENÇÃO PEDAGÓGICA NA ESCOLA

PROJETO DE INTERVENÇÃO PEDAGÓGICA NA ESCOLA PROJETO DE INTERVENÇÃO PEDAGÓGICA NA ESCOLA O que é o Projeto de Intervenção Pedagógica? O significado de projeto encontrado comumente nos dicionários da Língua Portuguesa está associado a plano de realizar,

Leia mais

MANUAL PARA APRESENTAÇÃO DE PROJETOS SOCIAIS. Junho, 2006 Anglo American Brasil

MANUAL PARA APRESENTAÇÃO DE PROJETOS SOCIAIS. Junho, 2006 Anglo American Brasil MANUAL PARA APRESENTAÇÃO DE PROJETOS SOCIAIS Junho, 2006 Anglo American Brasil 1. Responsabilidade Social na Anglo American Brasil e objetivos deste Manual Já em 1917, o Sr. Ernest Oppenheimer, fundador

Leia mais

Formulário de Aprovação de Curso e Autorização da Oferta PROJETO PEDAGÓGICO DE CURSO. Parte 1 (solicitante)

Formulário de Aprovação de Curso e Autorização da Oferta PROJETO PEDAGÓGICO DE CURSO. Parte 1 (solicitante) MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO SECRETARIA DE EDUCAÇÃO PROFISSIONAL E TECNOLÓGICA INSTITUTO FEDERAL DE EDUCAÇÃO, CIÊNCIA E TECNOLOGIA DE SANTA CATARINA Formulário de Aprovação de Curso e Autorização da Oferta PROJETO

Leia mais

A realidade dos alunos trazida para a sala de aula. Ao ser perguntado Que possibilidade(s) de escrita(s) os seus alunos

A realidade dos alunos trazida para a sala de aula. Ao ser perguntado Que possibilidade(s) de escrita(s) os seus alunos INTERAÇÕES EM SALA DE AULA Autor: CARDON, Felipe Raskin Felipe Raskin Cardon 1 Resumo: Neste Estudo Piloto, relacionar-se-ão algumas citações do artigo A construção social da linguagem escrita na criança,

Leia mais

A APRENDIZAGEM SIGNIFICATIVA NA EDUCAÇÃO BIOLÓGICA: UMA REVISÃO BIBLIOGRÁFICA

A APRENDIZAGEM SIGNIFICATIVA NA EDUCAÇÃO BIOLÓGICA: UMA REVISÃO BIBLIOGRÁFICA A APRENDIZAGEM SIGNIFICATIVA NA EDUCAÇÃO BIOLÓGICA: UMA REVISÃO BIBLIOGRÁFICA Maria José Rodrigues de Farias Universidade Estadual da Paraíba lyarodriguesbio@gmail.com Introdução Atualmente os modelos

Leia mais

Sistemas de Informação I

Sistemas de Informação I + Sistemas de Informação I Dimensões de análise dos SI Ricardo de Sousa Britto rbritto@ufpi.edu.br + Introdução n Os sistemas de informação são combinações das formas de trabalho, informações, pessoas

Leia mais

componente de avaliação de desempenho para sistemas de informação em recursos humanos do SUS

componente de avaliação de desempenho para sistemas de informação em recursos humanos do SUS Informação como suporte à gestão: desenvolvimento de componente de avaliação de desempenho para sistemas de Esta atividade buscou desenvolver instrumentos e ferramentas gerenciais para subsidiar a qualificação

Leia mais

COMÉRCIO EXTERIOR. Causas da dívida Empréstimos internacionais para projetar e manter grandes obras. Aquisição de tecnologia e maquinário moderno.

COMÉRCIO EXTERIOR. Causas da dívida Empréstimos internacionais para projetar e manter grandes obras. Aquisição de tecnologia e maquinário moderno. 1. ASPECTOS GERAIS Comércio é um conceito que possui como significado prático, trocas, venda e compra de determinado produto. No início do desenvolvimento econômico, o comércio era efetuado através da

Leia mais

A EXTENSÃO EM MATEMÁTICA: UMA PRÁTICA DESENVOLVIDA NA COMUNIDADE ESCOLAR. GT 05 Educação Matemática: tecnologias informáticas e educação à distância

A EXTENSÃO EM MATEMÁTICA: UMA PRÁTICA DESENVOLVIDA NA COMUNIDADE ESCOLAR. GT 05 Educação Matemática: tecnologias informáticas e educação à distância A EXTENSÃO EM MATEMÁTICA: UMA PRÁTICA DESENVOLVIDA NA COMUNIDADE ESCOLAR GT 05 Educação Matemática: tecnologias informáticas e educação à distância Nilce Fátima Scheffer - URI-Campus de Erechim/RS - snilce@uri.com.br

Leia mais

Licenciatura em Educação Física

Licenciatura em Educação Física Licenciatura em Educação Física Estágio Curricular O Estágio Curricular talvez seja um dos primeiros grandes desafios do acadêmico que optou pelo Curso de licenciatura em Educação Física. As situações

Leia mais

OS CONHECIMENTOS DE ACADÊMICOS DE EDUCAÇÃO FÍSICA E SUA IMPLICAÇÃO PARA A PRÁTICA DOCENTE

OS CONHECIMENTOS DE ACADÊMICOS DE EDUCAÇÃO FÍSICA E SUA IMPLICAÇÃO PARA A PRÁTICA DOCENTE OS CONHECIMENTOS DE ACADÊMICOS DE EDUCAÇÃO FÍSICA E SUA IMPLICAÇÃO PARA A PRÁTICA DOCENTE Maria Cristina Kogut - PUCPR RESUMO Há uma preocupação por parte da sociedade com a atuação da escola e do professor,

Leia mais

Ricardo Scheurer Sonda Supermercado

Ricardo Scheurer Sonda Supermercado Tema: Apresentador: Plano Diretor de Tecnologia da Informação Ricardo Scheurer Sonda Supermercado Objetivo desta palestra será resolver as seguintes questões: Porque fazer um PDTI? Quais os benefícios

Leia mais

MAPEAMENTO DOS CONHECIMENTOS ESSENCIAIS REQUERIDOS PARA RESULTADOS NOS PROCESSOS ORGANIZACIONAIS DA CODEVASF. fevereiro 2006

MAPEAMENTO DOS CONHECIMENTOS ESSENCIAIS REQUERIDOS PARA RESULTADOS NOS PROCESSOS ORGANIZACIONAIS DA CODEVASF. fevereiro 2006 MAPEAMENTO DOS CONHECIMENTOS ESSENCIAIS REQUERIDOS PARA RESULTADOS NOS PROCESSOS ORGANIZACIONAIS DA CODEVASF fevereiro 2006 ESPAÇO OCUPACIONAL NA ORGANIZAÇÃO Necessidades da Organização Competências Individuais

Leia mais

POLÍTICA DE FORMAÇÃO E DESENVOLVIMENTO DE COLEÇÕES DA BIBLIOTECA PROFESSOR PINTO FERREIRA 1

POLÍTICA DE FORMAÇÃO E DESENVOLVIMENTO DE COLEÇÕES DA BIBLIOTECA PROFESSOR PINTO FERREIRA 1 POLÍTICA DE FORMAÇÃO E DESENVOLVIMENTO DE COLEÇÕES DA BIBLIOTECA PROFESSOR PINTO FERREIRA 1 25 de outubro de 2006. 1 Segundo Vergueiro (1989), a política de desenvolvimento de coleções é um instrumento

Leia mais

NR 35 - GESTÃO DA SEGURANÇA E SAÚDE NO TRABALHO (PROPOSTA DE TEXTO)

NR 35 - GESTÃO DA SEGURANÇA E SAÚDE NO TRABALHO (PROPOSTA DE TEXTO) NR 35 - GESTÃO DA SEGURANÇA E SAÚDE NO TRABALHO (PROPOSTA DE TEXTO) Objeto, princípios e campo de aplicação 35.1 Esta Norma Regulamentadora - NR estabelece princípios e requisitos para gestão da segurança

Leia mais

PROJETO INTERDISCIPLINAR DO MÓDULO DE AGÊNCIAS DE VIAGENS E TRANSPORTES ( PIMAT ): ESTUDO DE CASO TURISMO E HOTELARIA / SÃO JOSÉ

PROJETO INTERDISCIPLINAR DO MÓDULO DE AGÊNCIAS DE VIAGENS E TRANSPORTES ( PIMAT ): ESTUDO DE CASO TURISMO E HOTELARIA / SÃO JOSÉ PROJETO INTERDISCIPLINAR DO MÓDULO DE AGÊNCIAS DE VIAGENS E TRANSPORTES ( PIMAT ): ESTUDO DE CASO TURISMO E HOTELARIA / SÃO JOSÉ Fabiano Ceretta 1 Resumo: O projeto interdisciplinar do módulo de Agências

Leia mais

Projeto de Redesenho Curricular

Projeto de Redesenho Curricular AÇÕES DAS ESCOLAS PARTICIPANTES DO ProEMI COM TI Equipamentos midiáticos e tecnológicos adquiridos pelo PROEMI EE DONA ELISA DE COMPOS LIMA NOVELLI - DER ITARARÉ Objetivos Projeto de Redesenho Curricular

Leia mais

Tema: As vantagens de implantar uma rede estruturada em ambiente corporativo.

Tema: As vantagens de implantar uma rede estruturada em ambiente corporativo. 1 TEMA Assunto: Redes de computadores. Tema: As vantagens de implantar uma rede estruturada em ambiente corporativo. 2 PROBLEMA Problema: Qual a importância de criar uma rede estruturada em instituições

Leia mais

LETRAMENTO MATEMÁTICO DE ALUNOS COM BAIXO DESEMPENHO POR MEIO DE REFORÇO ESCOLAR. Palavras-chave: Letramento Matemático; Reforço Escolar; SAERJINHO.

LETRAMENTO MATEMÁTICO DE ALUNOS COM BAIXO DESEMPENHO POR MEIO DE REFORÇO ESCOLAR. Palavras-chave: Letramento Matemático; Reforço Escolar; SAERJINHO. LETRAMENTO MATEMÁTICO DE ALUNOS COM BAIXO DESEMPENHO POR MEIO DE REFORÇO ESCOLAR Agnaldo da Conceição Esquincalha PUC-SP/PUC-Rio/Fundação CECIERJ aesquincalha@gmail.com Resumo: Neste texto elenca-se um

Leia mais

Parâmetros para avaliação de mestrado profissional*

Parâmetros para avaliação de mestrado profissional* Parâmetros para avaliação de mestrado profissional* 1. Natureza do mestrado profissional A pós-graduação brasileira é constituída, atualmente, por dois eixos claramente distintos: o eixo acadêmico, representado

Leia mais

Participação de pequenas empresas nos parques tecnológicos

Participação de pequenas empresas nos parques tecnológicos Participação de pequenas empresas nos parques tecnológicos Autor: Katia Melissa Bonilla Alves 1 Co-autores: Ricardo Wargas 2 e Tomas Stroke 3 1 Mestre em Economia pela Universidade do Estado do Rio de

Leia mais

ORIENTAÇÕES SOBRE O CONTEÚDO DO PROJETO

ORIENTAÇÕES SOBRE O CONTEÚDO DO PROJETO ORIENTAÇÕES SOBRE O CONTEÚDO DO PROJETO ESCOLHA DO TEMA - Seja cauteloso na escolha do tema a ser investigado. Opte por um tema inserido no conteúdo programático da disciplina pela qual teve a maior aptidão

Leia mais

Curso de Formação Pedagógica para Docentes da FEI. Coordenação Prof. Dr. Marcos T. Masetto

Curso de Formação Pedagógica para Docentes da FEI. Coordenação Prof. Dr. Marcos T. Masetto Curso de Formação Pedagógica para Docentes da FEI Coordenação Prof. Dr. Marcos T. Masetto 1 Curso de Formação Pedagógica para Docentes da FEI Professor Doutor Marcos T. Masetto Objetivos Desenvolver competências

Leia mais

MANUAL DO ESTÁGIO SUPERVISIONADO. Técnico em Informática

MANUAL DO ESTÁGIO SUPERVISIONADO. Técnico em Informática INSTITUTO FEDERAL DE EDUCAÇÃO, CIÊNCIA E TECNOLOGIA DO SUDESTE DE MINAS GERAIS - CAMPUS AVANÇADO SÃO JOÃO DEL-REI MANUAL DO ESTÁGIO SUPERVISIONADO Técnico em Informática APRESENTAÇÃO O objetivo do presente

Leia mais

1. Quem somos nós? A AGI Soluções nasceu em Belo Horizonte (BH), com a simples missão de entregar serviços de TI de forma rápida e com alta qualidade.

1. Quem somos nós? A AGI Soluções nasceu em Belo Horizonte (BH), com a simples missão de entregar serviços de TI de forma rápida e com alta qualidade. 1. Quem somos nós? A AGI Soluções nasceu em Belo Horizonte (BH), com a simples missão de entregar serviços de TI de forma rápida e com alta qualidade. Todos nós da AGI Soluções trabalhamos durante anos

Leia mais

14 --------- Como redigir o projeto de pesquisa? 14. 1.2 Identificação

14 --------- Como redigir o projeto de pesquisa? 14. 1.2 Identificação 14 --------- Como redigir o projeto de pesquisa? 14. 1.2 Identificação Nesta primeira parte são apresentados os dados essenciais à identificação do projeto, quais sejam: a) título e subtítulo (se houver);

Leia mais

Projeto Político-Pedagógico Estudo técnico de seus pressupostos, paradigma e propostas

Projeto Político-Pedagógico Estudo técnico de seus pressupostos, paradigma e propostas Projeto Político-Pedagógico Estudo técnico de seus pressupostos, paradigma e propostas Introdução A Lei de Diretrizes e Bases da Educação Nacional afirma que cabe aos estabelecimentos de ensino definir

Leia mais

Políticas de Segurança da Informação. Aécio Costa

Políticas de Segurança da Informação. Aécio Costa Aécio Costa A segurança da informação é obtida a partir da implementação de um conjunto de controles adequados, incluindo políticas, processos, procedimentos, estruturas organizacionais e funções de software

Leia mais

Orientações Gerais para as Disciplinas de Trabalho de Conclusão do Cursos de Sistemas para Internet IFRS - Câmpus Porto Alegre

Orientações Gerais para as Disciplinas de Trabalho de Conclusão do Cursos de Sistemas para Internet IFRS - Câmpus Porto Alegre Orientações Gerais para as Disciplinas de Trabalho de Conclusão do Cursos de Sistemas para Internet IFRS - Câmpus Porto Alegre Instituto Federal de Educação, Ciência e Tecnologia do Rio Grande do Sul -

Leia mais

OLIVEIRA, Luciano Amaral. Coisas que todo professor de português precisa saber: a teoria na prática. São Paulo: 184 Parábola Editorial, 2010.

OLIVEIRA, Luciano Amaral. Coisas que todo professor de português precisa saber: a teoria na prática. São Paulo: 184 Parábola Editorial, 2010. Resenha OLIVEIRA, Luciano Amaral. Coisas que todo professor de português precisa saber: a teoria na prática. São Paulo: 184 Parábola Editorial, 2010. Leticia Macedo Kaeser * leletrasufjf@gmail.com * Aluna

Leia mais