Contribuição Previdenciária sobre a Receita Bruta (CPRB) / Desoneração da Folha

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "Contribuição Previdenciária sobre a Receita Bruta (CPRB) / Desoneração da Folha"

Transcrição

1 10/11/2013 Contribuição Previdenciária sobre a Receita Bruta (CPRB) / Desoneração da Folha Atualizado até: 08/11/2013 Expositor: Édison Remi Pinzon 1

2 10/11/2013 Tipos jurídicos sujeitos à Contribuição Previdenciária sobre a Receita Bruta -Sociedade empresária (sociedade por ações e por quotas de responsabilidade limitada), registrada na Junta Comercial; -Sociedade simples (pura ou por quotas de responsabilidade limitada), registrada no RCPJ; -Empresa individual de responsabilidade limitada EIRELI, registrada ou em Junta Comercial ou no RCPJ; -Empresário individual, registrada na Junta Comercial. Lei /2011 artigo 9 Inciso VII Tipos jurídicos sujeitos à Contribuição Previdenciária sobre a Receita Bruta - Sociedades cooperativas, somente em relação às atividades abrangidas pelos códigos referidos no Anexo I (INDÚSTRIA). Lei /2011 artigos 9 Incisos VII (modificado) e VIII (incluído) pela Lei /2013 2

3 10/11/2013 Tipos jurídicos sujeitos à Contribuição Previdenciária sobre a Receita Bruta - Consórcios NÃO APLICABILIDADE Conforme Nota Cosit-E 343/2013, em resposta ao questionamento 5.12 do Ofício CAR 065/2013 da CBIC Câmara Brasileira da Indústria da Construção, com base no dispositivo legal já mencionado nos slides anteriores, não se aplica a CPRB para os Consórcios constituídos na forma dos artigos 278 e 279 da Lei nº 6.404/76. Contribuições substituídas pela incidência sobre a Receita Art. 22 Incisos I e III da Lei 8.212/91: - Contribuição Previdenciária Patronal (CPP) 20% sobre a folha de salários; - CPP 20% sobre pagamentos a contribuintes individuais (autônomos, profissionais liberais e pró-labore de dirigentes) Lei /2011 artigos 7 e 8 e Decreto 7.828/2012 artigos 2 e 3 3

4 10/11/2013 Contribuições que continuam apuradas sobre a Folha de Pagamento, mesmo se sujeitas ao novo regime Art. 22 Incisos II e IV da Lei 8.212/91: - RAT (Risco Ambiental do Trabalho) apurado às alíquotas de 1%, 2% ou 3% ajustadas pelo FAP Fator Acidentário de Prevenção; - CPP 15% sobre serviços tomados de cooperativas de trabalho. - Contribuição retida dos empregados e contribuintes individuais; - Salário educação e Sistema S (Terceiros). Contribuições que continuam apuradas sobre a Folha de Pagamento, mesmo se sujeitas ao novo regime Base de cálculo reduzida para aplicação da CPP 15% sobre cooperativas: Cooperativas de serviços de transporte (táxi, por exemplo) base de 20% (IN RFB 971/2009 artigo 218); Cooperativas de serviços de saúde (Unimed / Uniodonto) base de 30% ou de 60% (IN RFB 971/2009 artigo 219 inciso I). 4

5 10/11/2013 Prazo de vigência da desoneração da folha de pagamento Até 31 de dezembro de Forma de recolhimento e vencimento Forma de recolhimento: DARF centralizado no CNPJ da Matriz Vencimento: idem ao da GPS, ou seja, dia 20 do mês subseqüente ao da competência, ou anterior, se recair em dia não útil Códigos de recolhimento: 2985 Serviços sujeitos à alíquota de 2% - Art. 7º 2991 Produtos, mercadorias e serviços sujeitos à alíquota de 1% - Art. 8º (Ato Declaratório Executivo Codac 33/2013) É admitido recolher mais de um DARF por competência mensal e código de recolhimento, para fins de controle financeiro e/ou gerencial (por filial, por exemplo), porém, o CNPJ a constar deverá ser SEMPRE o da Matriz. 5

6 10/11/2013 Obrigações acessórias da Contribuição Previdenciária sobre a Receita Bruta (CPRB) DCTF (IN RFB 1.258/2012) EFD-Contribuições (Bloco P ) (IN RFB 1.252/2012, alterada pela IN RFB 1.305/2012) GFIP Mensal 6

7 10/11/2013 7

8 10/11/2013 Definição de Receita Bruta O Parecer Normativo n 03, de 21/11/2012, ratificou a definição conceituada no artigo 279 do RIR, mediante vínculo com a definição advinda da Lei n 9.718/98, que rege quanto ao PIS e COFINS Cumulativos. A Solução de Consulta n 42 de 02/04/2013 vide Anexos esclarece em detalhes a respeito da inaplicabilidade do conceito de receita bruta em relação às receitas financeiras de ordem geral, exceto em relação às decorrentes de juros inclusos nas vendas a prazo, e que são registrados a título de Ajuste a Valor Presente de Ativos. Definição de Receita Bruta Art. 279 do Decreto 3000/99 (RIR): A receita bruta das vendas e serviços compreende (1) o produto da venda de bens nas operações de conta própria, (2) o preço dos serviços prestados e (3) o resultado auferido nas operações de conta alheia. (1) Venda de produtos fabricados (indústria) e revenda de mercadorias (comércio) (3) Comissões de agenciamento ou representação comercial A redação deste artigo do RIR remete à sua versão original de Deve-se incluir no conceito de receita bruta também as receitas de aluguéis / locações, quando esta constituir atividadefim da PJ. 8

9 10/11/2013 Definição de Receita Bruta Para definir quais as receitas da empresa estão inclusas no conceito de Receita Bruta, deve-se analisar o objeto da empresa, conforme Contrato Social ou Estatuto. Estas receitas estão registradas nas primeiras linhas da Demonstração de Resultado do Exercício. Receitas extraordinárias e eventuais, que não estejam relacionadas ao objeto social da empresa, NÃO fazem parte do conceito de Receita Bruta, tais como as receitas financeiras, venda de ativo imobilizado, sucatas e sobras, dentre outros. Regime de Competência ou de Caixa? Conforme a Solução de Consulta 52 de 25/07/2013, é extendida à CPRB o regime adotado durante o ano-calendário para os tributos PIS e COFINS, CAIXA ou COMPETÊNCIA, se optante do LUCRO PRESUMIDO. Já para as empresas do LUCRO REAL, conforme a Solução de Consulta 105 de 02/10/2012, a apuração da CPRB deve ocorrer atendendo-se ao regime de competência, salvo em relação aos contratos de longo prazo (Vide Solução de Consulta 174 de 04/12/2012 próximo slide). Não existe também até o momento posicionamento por parte da RFB quanto ao diferimento em relação às transações com órgãos públicos, tal como ocorre para o PIS e a COFINS (Lei n 9.718/98 Art. 7 ). Passível de Consulta (item 5.3 da Nota Cosit-E 343). 9

10 10/11/2013 Receita de Contratos de Longo Prazo Solução de Consulta COSIT Nº 174 DE 04/12/2012 Data D.O.: 25/02/2013 CONTRIBUIÇÃO PREVIDENCIÁRIA SOBRE A RECEITA BRUTA (ART. 8º DA LEI Nº , DE 2011). BASE DE CÁLCULO. ASSUNTO: Contribuições Sociais Previdenciárias EMENTA: CONTRIBUIÇÃO PREVIDENCIÁRIA SOBRE A RECEITA BRUTA (ART. 8º DA LEI Nº , DE 2011). BASE DE CÁLCULO. No caso de contratos com prazo de execução superior a um ano, de fornecimento, a preço predeterminado, de bens de que trata o caput do art. 8º da Lei nº , de 2011, a contribuição previdenciária substitutiva será calculada sobre a receita bruta, determinada mediante a aplicação, sobre o preço total, da percentagem do contrato ou da produção executada em cada mês, de acordo com os critérios estabelecidos pela legislação do imposto de renda, previstos para a espécie de operação (art. 407 do Regulamento do Imposto de Renda - Decreto nº 3.000, de 1999)(...) Exclusões da Receita Bruta - Vendas canceladas e os descontos incondicionais concedidos; - IPI; - ICMS Substituição Tributária. Lei /2011 artigo 9º

11 10/11/2013 Devoluções de Vendas A Solução de Consulta nº 121 de 26/06/2012 DOU de 13/09/2012 da 10ª Região Fiscal estendeu a redação da exclusão denominada Vendas Canceladas, incluindo as Devoluções de Vendas. Somente as devoluções de vendas relativas às receitas que foram objeto de cálculo da CPRB (desoneração) é que poderão ser excluídas da receita bruta, para fins de apuração. Exclusão da Receita de Exportações SOMENTE para fins de cálculo da CPRB Exclui-se da incidência da CPRB a receita de exportações - mercadorias e serviços e de transporte internacional de carga Lei /2011 art. 9º Inciso II e Solução de Consulta 105 de 02/10/

12 10/11/2013 Exclusão da Receita de Exportações SOMENTE para fins de cálculo da CPRB Solução de Consulta COSIT Nº 174 DE 04/12/2012 Data D.O.: 25/02/2013 CONTRIBUIÇÃO PREVIDENCIÁRIA SOBRE A RECEITA BRUTA (ART. 8º DA LEI Nº , DE 2011). PERCENTUAL DE REDUÇÃO DA CONTRIBUIÇÃO SOBRE A FOLHA DE SALÁRIOS. ASSUNTO: Contribuições Sociais Previdenciárias EMENTA: CONTRIBUIÇÃO PREVIDENCIÁRIA SOBRE A RECEITA BRUTA (ART. 8º DA LEI Nº , DE 2011). BASE DE CÁLCULO. (...) O valor da receita bruta decorrente de exportações deve ser computado no cálculo do percentual de redução da contribuição sobre a folha de salários (inciso II do 1º do art. 9º da Lei nº , de 2011), tanto na receita bruta das atividades não relacionadas à fabricação dos produtos de que trata o caput do art. 8º da Lei nº , de 2011, quanto na receita bruta total. * Vide também Solução de Consulta 103 de 31/05/2013 Exportações Indiretas / Trading s Assunto controverso e polêmico, já desde 2005 por conta da IN SRP 03/2005 atual IN RFB 971/2009 e que introduziu dispositivo à Agroindústria no sentido de admitir o benefício da não-incidência das contribuições sociais sobre a receita somente para as exportações DIRETAS, em contraponto ao entendimento a partir da Emenda Constitucional 33/2001, e que foi estendido ao PIS e a COFINS. Através da Solução de Consulta 37 de 08/03/2013, a RFB manifestou-se em igual sentido de incidência, para fins da CPRB: 12

13 10/11/2013 Exportações Indiretas / Trading s SOLUÇÃO DE CONSULTA Nº 37, DE 8 DE MARÇO DE 2013 DOU 04/04/2013 As vendas a empresas comerciais exportadoras (tradings ou não) não são excluídas da base de cálculo da contribuição previdenciária devida pelas empresas de que tratam os arts. 7º a 9º da Lei nº /2011 (incidência sobre a receita bruta, em substituição às contribuições previstas nos incisos I e III do caput do art. 22 da Lei nº 8.212/1991). Vendas para Zona Franca de Manaus (ZFM) O Decreto-Lei 288/67 art. 4 equipara como exportações as vendas para consumo ou industrialização destinadas à Zona Franca de Manaus (ZFM). Em relação ao PIS e a COFINS, existem decisões a nível de STJ confirmando a isenção das contribuições incidentes sobre o faturamento (receita) Vide Recurso Especial nº /AM de 16/02/2012. Perante o Fisco, as contribuições acima citadas estão sujeitas à Alíquota Zero, conforme Decreto 5.310/2004, desde 16/12/2004. Passível de questionamento na esfera judicial, com grande possibilidade de êxito. 13

14 10/11/2013 Ajuste a Valor Presente de Ativos (AVP) A Receita Bruta deve ser considerada sem o ajuste de que trata o inciso VIII do art. 183 da Lei n 6.404/76 (Ajuste a Valor Presente de Ativos). O Ajuste a Valor Presente de Ativos é calculado e aplicável para vendas cujo prazo exceda a 90 dias, e deve ser computado e registrado na contabilidade da empresa, independente de não haver sido destacado montante a título de juros na transação. De acordo com a legislação societária vigente, este valor é deduzido da receita bruta de vendas e serviços, revertendo-se gradativamente em receita financeira. Porém, tal ajuste não interfere para fins dos cálculos relativos à desoneração, mantendo-se assim o valor bruto praticado na transação (valor de face da nota fiscal).. Lei /2011 art. 9º Inciso I e Decreto art. 5º Inciso I EMPRESA em Atividade Pré-Operacional De acordo com as Soluções de Consulta números 244 de 12/12/2012 E 74 de 12/07/2013, ocorre a impossibilidade de aplicação da apuração pelo novo critério, mesmo que as atividades relacionadas no objeto social da empresa estejam previstas nos artigos 7 e 8 da Lei n /2011, devendo manter durante o período de atividade pré-operacional o recolhimento da quota patronal incidente à alíquota de 20% sobre a folha de pagamento. 14

15 10/11/2013 Situações possíveis para análise da CPRB a) Incidência por serviço e/ou produto (Grupo 1) + receitas demais atividades (Fora CPRB) b) Incidência por empresa e CNAE-Fiscal (Grupo 2) + receitas demais atividades (Fora CPRB) c) Incidência por serviço e/ou produto (Grupo 1) + Incidência por empresa e CNAE-Fiscal, com ou sem receitas demais atividades: Prevalece Regra Grupo 1 Nas situações ( a ) e ( c ), havendo base de cálculo da CPRB sujeitas às alíquotas de 1% e 2%, deve haver a segregação destas bases. Grupo 1 Incidência relacionada ao serviço e/ou produto faturado 15

16 10/11/2013 Receita de Serviços prestados sujeitos à alíquota de 2% TI e TIC (*) desde 12/2011 (exclusivamente) e 04/2012 (mistas) Itens (I) a (VIII): Lei Complementar 116/2003 Lista anexa Grupo 1 Serviços de Informática e congêneres I análise e desenvolvimento de sistemas; II programação; III processamento de dados e congêneres; IV elaboração de programas de computadores, inclusive de jogos eletrônicos; V licenciamento ou cessão de direito de uso de programas de computação; VI assessoria e consultoria em informática; VII suporte técnico em informática, inclusive instalação, configuração e manutenção de programas de computação e bancos de dados, bem como serviços de suporte técnico em equipamentos de informática em geral (**); VIII planejamento, confecção, manutenção e atualização de páginas eletrônicas; IX call center; X concepção, desenvolvimento ou projeto de circuitos integrados. (*) de 12/2011 a 07/2012 a alíquota vigente era de 2,5% (**) MP 601/2012 vigência de 01/04/2013 a 03/06/2013 e Lei /2013 vigência a partir de 11/2013 (obrigatória) ou retroativa a 04/06/2013 (opcional) Receita de Serviços prestados sujeitos à alíquota de 2% TI e TIC (*) desde 12/2011 (exclusivamente) e 04/2012 (mistas) CNAE s relacionados aos serviços elencados somente para apoio: /00 Desenvolvimento de Programas de Computador sob Encomenda /00 Desenvolvimento e Licenciamento de Programas de Computador Customizáveis /00 Desenvolvimento e Licenciamento de Programas de Computador Não- Customizáveis /00 Consultoria em Informática /00 Suporte Técnico, Manutenção e Outros Serviços em Tecnologia da Informação /00 Tratamento de Dados, Provedores de Serviços de Aplicação e Serviços de Hospedagem na Internet /00 Serviços de Teleatendimento /00 Reparação e Manutenção de Computadores e Periféricos 16

17 10/11/2013 Receita de Venda de Produtos Industrializados sujeitos à alíquota de 1% Códigos de NCM da TIPI/2012 referidos no Anexo I da Lei /2011 e modificações posteriores Estão inclusos no referido Anexo a indústria têxtil, de plásticos, de material elétrico, fabricantes de ônibus, de autopeças, naval, aérea, móveis, setor de bens de capital, de chips, couro e calçados, confecções, aves, suínos e derivados; pescado, pães e massas, fármacos e medicamentos, equipamentos médicos e odontológicos, bicicletas, pneus e câmaras de ar, papel e celulose, vidros, fogões, refrigeradores e lavadoras, cerâmicas, pedras e rochas ornamentais, tintas e vernizes, construção metálica, equipamento ferroviário, ferramentas, forjados de aço, parafusos, porcas e trefilados, e instrumentos óticos; brinquedos; suportes para camas; absorventes e fraldas; armas e munições, sucos e extratos, embalagens de aerosóis, aparelhos e modelos para demonstração, vassouras, pincéis, rolos, rodos, dentre outros (a partir de 01/2014). (*) de 12/2011 a 07/2012, para os setores até então beneficiados, a alíquota vigente era de 1,5% Receita de Venda de Produtos Industrializados sujeitos à alíquota de 1% Códigos de NCM da TIPI/2012 referidos no Anexo I da Lei /2011 e modificações posteriores Conforme a Solução de Consulta 38 de 21/05/2012, inclui-se na base de cálculo da CPRB (desoneração) a receita auferida pelas filiais da empresa que tenha anteriormente industrializado os produtos de NCM relacionados no Anexo I da Lei /2011, INDEPENDENTE das filiais possuírem atribuição exclusiva de COMÉRCIO. Observar esta condição no período abrangido de Junho a Outubro/2013, onde o Varejo voltou a contribuir com base na folha de pagamento (regra geral). 17

18 10/11/2013 Receita de Venda de Produtos Industrializados sujeitos à alíquota de 1% Códigos de NCM da TIPI/2012 referidos no Anexo I da Lei /2011 e modificações posteriores SOLUÇÃO DE CONSULTA No 163, DE 6 DE NOVEMBRO DE 2012 ASSUNTO: Contribuições Sociais Previdenciárias EMENTA: CONTRIBUIÇÃO PREVIDENCIÁRIA SOBRE A RECEITA BRUTA PREVISTA NO ART. 8º DA LEI Nº , DE INDUSTRIALIZAÇÃO POR ENCOMENDA. ENCOMENDANTE. A empresa que encomenda a terceiros TODA operação de industrialização do produto classificado nos códigos da Tipi referidos no Anexo da Lei nº , de 2011, posteriormente por ela comercializado, não se enquadra no art. 8º desta Lei, devendo recolher as contribuições previdenciárias previstas no art. 22, incisos I e III, da Lei nº 8.212, de Receita de Venda de Produtos Industrializados sujeitos à alíquota de 1% Códigos de NCM da TIPI/2012 referidos no Anexo I da Lei /2011 e modificações posteriores SOLUÇÃO DE CONSULTA N 245, DE 12 de Dezembro de 2012 ASSUNTO: CONTRIBUIÇÕES SOCIAIS PREVIDENCIÁRIAS CONTRIBUIÇÃO PREVIDENCIÁRIA SOBRE A RECEITA BRUTA (CPRB). IMPORTAÇÃO. REVENDA. A mera importação e revenda não são consideradas fabricação para fins do disposto no art. 8º da Lei nº , de

19 10/11/2013 Receita de Serviços prestados sujeitos à alíquota de 1% Desde 01/ manutenção e reparação de aeronaves, motores, componentes e equipamentos correlatos; - transporte aéreo de carga; - transporte aéreo de passageiros regular; - transporte marítimo de carga na navegação de cabotagem; - transporte marítimo de passageiros na navegação de cabotagem; - transporte marítimo de carga na navegação de longo curso; - transporte marítimo de passageiros na navegação de longo curso; - transporte por navegação interior de carga; - transporte por navegação interior de passageiros em linhas regulares; - navegação de apoio marítimo e de apoio portuário. Lei /2011 art incisos I a X inserido pela Lei /2012 Receita de Serviços prestados sujeitos à alíquota de 1% Desde 04/2013 (*) de 01/04/2013 a 03/06/2013 (**) a partir de 01/11/ manutenção e reparação de embarcações. Lei /2011 art. 8 3 Inc. XI (*) incluído pela MP 601/2012 revogado por cancelamento da MP conforme Ato nº 36 do Congresso Nacional de 03/06/2013 (**) reincluido pela Lei /2013 (obrigatória) ou retroativa a 04/06/2013 (opcional) 19

20 10/11/2013 Receita de Serviços prestados sujeitos à alíquota de 1% Transporte aéreo e marítimo de cargas ou passageiros, manutenção de aeronaves, embarcações, motores e correlatos Estruturas da CNAE relacionadas aos serviços elencados para consulta de apoio: Grupo 501 Transporte Marítimo de Cabotagem e Longo Curso Grupo 502 Transporte por Navegação Interior Grupo 503 Navegação de Apoio Classe Transporte Aéreo de Passageiros - Regular Grupo 512 Transporte Aéreo de Carga Classe Manutenção e Reparação de Aeronaves Classe Manutenção e Reparação de Embarcações Resumo Geral: Grupo 1 Atividades passíveis de incidência concomitante sobre a Receita Bruta e Folha de Pagamento - T.I. - Indústria (NCM Anexo I) - Transportes aéreo de cargas e de passageiros (regular), marítimo, por navegação interior (fluvial ou lacustre) e manutenção de aeronaves e embarcações 20

21 10/11/2013 Grupo 2 Incidência vinculada à empresa e enquadramento CNAE da receita principal auferida Receita de Serviços prestados sujeitos à alíquota de 2% Hotéis e pousadas (CNAE /01) desde 08/2012 Transporte rodoviário coletivo de passageiros, com itinerário fixo (Classes da CNAE e ) desde 01/

22 10/11/2013 Receita de Serviços prestados sujeitos à alíquota de 2% A partir de 01/2014: -Transporte ferroviário subclasses /01 e /02 e metroviário subclasse /03 da CNAE de passageiros; Lei /2011 art. 7º incisos V e VI inseridos pela Lei /2013 Receita de Serviços prestados sujeitos à alíquota de 2% A partir de 01/2014: Construção de obras de infraestrutura Grupo CNAE 421 Construção de rodovias, ferrovias, obras urbanas e obras-de-arte especiais (inclui a construção e recuperação de pontes, viadutos, elevadas, túneis, trincheiras e passarelas para pedestres, vias urbanas, locais de estacionamento, praças, parques e calçadas e pavimentação) Grupo CNAE 422 Obras de infra-estrutura para energia elétrica, telecomunicações, água, esgoto e transporte por dutos (inclui tanto a CONSTRUÇÃO quanto a MANUTENÇÃO das redes; obras de irrigação; oleodutos e gasodutos) 22

23 10/11/2013 Receita de Serviços prestados sujeitos à alíquota de 2% A partir de 01/2014: Construção de obras de infraestrutura Grupo CNAE 429 Construção de outras obras de infraestrutura (inclui obras portuárias, marítimas e fluviais; montagem de estruturas metálicas e obras de montagem industrial, tais como refinarias e plantas de indústrias químicas; construção de instalações esportivas e recreativas exceto estádios e quadras cobertas; obras de contenção e muros de arrimo) Receita de Serviços prestados sujeitos à alíquota de 2% A partir de 01/2014: Construção de obras de infraestrutura Grupo CNAE 431 Serviços especializados para construção demolição e preparação do terreno (inclui o desmonte e demolição de estruturas, preparação do canteiro de obras e limpeza do terreno; perfurações e sondagens; obras de terraplenagem, inclusive aluguel de equipamento com operador; drenagem e remoção de refugos) Lei /2011 art. 7º inciso VII inseridos pela Lei /

24 10/11/2013 Receita de Serviços prestados sujeitos à alíquota de 1% A partir de 01/2014 -Carga, descarga e armazenagem de contâineres em portos organizados Classes e da CNAE; -Transporte rodoviário de cargas Classe da CNAE; -Transporte ferroviário de cargas Classe da CNAE; -Jornais, rádio e TV enquadradas nas classes , , , , , , , e Lei /2011 art. 8º 3º incisos XIII a XVI inseridos pela Lei /2013 Receita de Serviços prestados sujeitos à alíquota de 2% Construção Civil (*) De 01/04/2013 a 03/06/2013 (**) A partir de 01/11/2013 Grupo CNAE 412 Construção de Edifícios Grupo CNAE 432 Instalações Elétricas, Hidráulicas e Outras Instalações em Construções (inclui telefonia, comunicação, antenas, TV a cabo, alarme, automação, aquecimento, ar condicionado e de gás) Grupo CNAE 433 Obras de Acabamento (inclui impermeabilização, pintura, gesso, revestimento, colocação de esquadrias e pisos, dentre outros) (*) inserido pela MP 601/2012 revogado por cancelamento da MP conforme Ato nº 36 do Congresso Nacional de 03/06/2013 (**) reincluido pela Lei /2013 (obrigatória) ou retroativa a 04/06/2013 (opcional) 24

25 10/11/2013 Receita de Serviços prestados sujeitos à alíquota de 2% Construção Civil (*) De 01/04/2013 a 03/06/2013 (**) A partir de 01/11/2013 Grupo CNAE 439 Outros Serviços Especializados para Construção (inclui fundações, estaqueamento, administração/gerenciamento de execução de obras, montagem e desmontagem de andaimes, alvenaria chapisco e reboco, aluguel de equipamentos com operador, limpeza final de fachada) Receita de Serviços prestados sujeitos à alíquota de 2% Construção Civil (*) De 01/04/2013 a 03/06/2013 (**) A partir de 01/11/2013 Às empresas de construção civil optantes pelo regime do Simples Nacional, conforme Art C Inc. I construção de imóveis e obras de engenharia em geral, sujeitas à Tabela do Anexo IV, onde não consta inclusa alíquota correspondente à CPP- Folha, relacionadas aos códigos CNAE enumerados na alteração inserida pela MP 601/2012, também estão sujeitas ao novo regime de cálculo, substituindo a quota patronal de 20% da folha sobre 2% da receita bruta da empresa - Solução de Consulta n 35/2013-6ª Região Fiscal DOU 01/04/2013. Com a inclusão do Art. 133-A à LC 123/2006, ficou determinado que a RFB poderá determinar o recolhimento da CPRB através do PGDAS, sem regulamentação por parte do CGSN até o atual momento. 25

26 10/11/2013 Receita de Serviços prestados sujeitos à alíquota de 2% SOLUÇÃO DE CONSULTA RFB Nº 35, DE 25 DE MARÇO DE 2013 (6ª Região Fiscal) - D.O.U.: ASSUNTO: Contribuições Sociais Previdenciárias EMENTA: CONTRIBUIÇÃO SUBSTITUTIVA. EMPRESAS OPTANTES PELO SIMPLES NACIONAL. ANEXOS I E III. NÃO CABIMENTO. 1. Às empresas optantes pelo Simples Nacional tributadas na forma dos Anexos I e III da Lei Complementar nº 123, de 2006, não se aplica a contribuição previdenciária substitutiva incidente sobre a receita bruta prevista na Lei nº , de Essa contribuição, porém, é devida pelas microempresas e empresas de pequeno porte optantes pelo Simples Nacional que recolhem com fundamento no 5º-C do art. 18 da Lei Complementar nº 123, de 2006 (Anexo IV), desde que a atividade exercida esteja inserida entre aquelas alcançadas pela contribuição substitutiva e sejam atendidos os limites e as condições impostos pela Lei nº , de 2011, para sua incidência. Reforma da Solução de Consulta SRRF06/Disit nº 70/2012. Atividade de Incorporação Imobiliária A atividade de incorporação imobiliária (Grupo de CNAE 411) NÃO se submete à contribuição previdenciária incidente sobre a receita bruta (CPRB). A incorporação imobiliária caracteriza-se pela alienação de frações ideais do terreno correspondentes a unidades autônomas em edificação a ser construída ou em construção sob regime condominial, não se caracterizando como tal a construção de imóvel para venda futura após concluída a edificação. Solução de Consulta n 24 de 21/02/2013 DOU 25/02/2013 (6ª Região Fiscal) 26

27 10/11/2013 Receita de Venda de Mercadorias Comércio Varejista - sujeitos à alíquota de 1% Anexo II da Lei /2011 versão vigente introduzida pela Lei / relacionados às atividades listadas de acordo com o CNAE-Fiscal De 01/04/2013 a 03/06/2013 e a partir de 01/11/2013 lojas de departamentos ou magazines e comércio varejista de: materiais de construção; equipamentos de informática, telefonia e comunicação; suprimentos de informática; eletrodomésticos, áudio e vídeo; móveis; artigos de cama, mesa e banho; livros, jornais, revistas e papelaria; CD s, DVD s, fitas e discos; brinquedos, artigos recreativos e esportivos; vestuário e calçados; produtos de limpeza; e artigos fotográficos e de filmagem; De 01/04/2013 a 03/06/2013 comércio varejista de: medicamentos e perfumaria. Receita de Venda de Mercadorias Comércio Varejista - sujeitos à alíquota de 1% A incidência da CPRB não se aplica: ( 11º do Artigo 8º da Lei /2011, incluído pela Lei /2013 VIGÊNCIA DESDE 25/10/2013) I - às empresas de varejo dedicadas exclusivamente ao comércio fora de lojas físicas, realizado via internet, telefone, catálogo ou outro meio similar; e II - às lojas ou rede de lojas com características similares a supermercados, que comercializam brinquedos, vestuário e outros produtos, além de produtos alimentícios cuja participação, no ano calendário anterior, seja superior a 10% (dez por cento) da receita total. 27

28 10/11/2013 Hora de exercitar! Exercício 1 Incidência relacionada ao serviço ou produto faturado Empresas A e B - Questões ( a ) a ( e ) ( a )Total bruto das receitas (faturamento) da empresa, conforme seu objeto social - desprezar as demais receitas auferidas, MENOS as seguintes exclusões: Vendas Canceladas, Descontos Incondicionais, IPI e ICMS ST. O valor aqui obtido será o denominador da razão para cálculo do fator de compensação a ser informado na SEFIP, para as empresas mistas ; ( b )Idem (a), mas somente das linhas da receita bruta auferida dos produtos e/ou serviços SUJEITOS à desoneração, INDEPENDENTE do seu destino (Mercado Interno ou Exportação). O valor aqui obtido será o numerador da razão para cálculo do fator de compensação a ser informado na SEFIP, para as empresas mistas ; ( c )Considerar o somatório da receita bruta que esteja sujeita à CPRB, já deduzidas de TODAS as exclusões, INCLUSIVE as decorrentes de EXPORTAÇÕES; Será a base de cálculo para apuração do DARF. ( d )Total da questão ( b ) dividido pelo total da questão ( a ) é o fator de compensação a ser utilizado na SEFIP. Apuração, Recolhimento e Demonstração na SEFIP Incidência relacionada ao serviço ou produto faturado (Grupo 1) 1) Empresa que auferiu no mês receita bruta de serviços e produtos industrializados sujeitos à CPRB em montante IGUAL ou SUPERIOR a 95% do total da receita ( 5 do artigo 9 da Lei /2011): Recolherá em GPS as parcelas relativas ao: (1) desconto dos segurados, (2) RAT, (3) Cooperativas e (4) Terceiros (Entidades). Anulará na SEFIP no Comprovante de Declaração das Contribuições a Recolher à Previdência Social o cálculo efetuado equivalente à Contribuição Previdenciária Patronal 20% sobre a folha de pagamento e contribuintes individuais - TOTAL, destacada no título Empresa nas linhas Empregados/Avulsos e Contribuintes Individuais informando (ou adicionando) à linha Compensação. 28

29 10/11/2013 Apuração, Recolhimento e Demonstração na SEFIP Incidência relacionada ao serviço ou produto faturado (Grupo 1) 2) Empresa que auferiu no mês receitas sujeitas e nãosujeitas à CPRB, sendo que: (a) em relação aos serviços e/ou atividades de serviços previstas no art. 7 - alíquota de 2%, quando as receitas não-sujeitas à CPRB representarem MAIS de 5% do total da receita bruta no mês; e (b) em relação às atividades sujeitas à alíquota de 1%, ou a exceção prevista no 2 do artigo 7, em relação às atividades de T.I. sujeitas à alíquota de 2%, quando as receitas nãosujeitas à CPRB representarem MAIS de 5% e MENOS de 95% do total da receita bruta no mês ( 1 Inc. II ( a ) do artigo 8 da Lei /2011). Apuração, Recolhimento e Demonstração na SEFIP Incidência relacionada ao serviço ou produto faturado (Grupo 1) Recolherá em GPS as parcelas relativas ao: (1) desconto dos segurados, (2) RAT, (3) Cooperativas e (4) Terceiros (Entidades). Anulará na SEFIP no Comprovante de Declaração das Contribuições a Recolher à Previdência Social o cálculo efetuado equivalente à Contribuição Previdenciária Patronal 20% sobre a folha de pagamento e contribuintes individuais PARCIAL, proporcional à incidência que recaiu sobre a receita bruta sujeita à CPRB, destacada no título Empresa nas linhas Empregados/Avulsos e Contribuintes Individuais informando (ou adicionando) à linha Compensação. 29

30 10/11/2013 Apuração, Recolhimento e Demonstração na SEFIP Incidência relacionada ao serviço ou produto faturado (Grupo 1) FATOR DE COMPENSAÇÃO - SEFIP (em %) Proporção da Receita Desonerada sobre a Receita Total Só GPS "Mista" - Parte GPS e DARF Só DARF de 0 de 5 a 94, de 95 a 100 a 4, Fator de Compensaçã o = 0 Fator de compensação = 100% SOMENTE Art. 8 Alíquota de 1% Apuração, Recolhimento e Demonstração na SEFIP Incidência relacionada ao serviço ou produto faturado (Grupo 1) Situação Total da Receita do Mês Receita Desonerada (CPRB) Receita Não-Desonerada (CPP-Folha) Valor (R$) % Total Valor (R$) % Total , ,00 95,8% 4.200,00 4,2% , ,00 3,9% ,00 96,1% , ,00 70,0% ,00 30,0% Situação 1: CPP-Folha (GPS) não se aplica, mesmo sobre a a Receita não sujeita a desoneração - neste caso, R$ por esta representar MENOS de 5% da Receita Total do Mês. Haverá somente o recolhimento de DARF. Esta situação vale para os artigos 7 e 8 da Lei n /2011. Situação 2: CPRB (DARF) não se aplica para a produção de bens e serviços do artigo 8 da Lei / alíquota de 1% ou exceção do 2 do artigo 7, por que a receita bruta sujeita à desoneração representa MENOS de 5% da Receita Total do Mês. Situação 3: Se a Receita Desonerada representar de 5% a 94,9999% da Receita Total do Mês, será apurada a CPRB sobre a Receita Desonerada e recolhida em DARF centralizada no CNPJ da Matriz. Para apuração da CPP-Folha será necessário realizar compensação parcial, mediante cálculo prévio do "Fator de Compensação", neste exemplo, igual a 70%. 30

DESONERAÇÃO DA FOLHA - CPRB - ATIVIDADES DO ART. 7º DA LEI Nº 12.546/11, ALTERADA PELA MEDIDA PROVISÓRIA Nº 601/12

DESONERAÇÃO DA FOLHA - CPRB - ATIVIDADES DO ART. 7º DA LEI Nº 12.546/11, ALTERADA PELA MEDIDA PROVISÓRIA Nº 601/12 DESONERAÇÃO DA FOLHA - CPRB - ATIVIDADES DO ART. 7º DA LEI Nº 12.546/11, ALTERADA PELA MEDIDA PROVISÓRIA Nº 601/12 Matéria elaborada com base na legislação vigente em: 16/01/2013. Sumário: 1 - Introdução

Leia mais

Desoneração da Folha de Pagamento / INSS sobre Receita Bruta (CPRB) Apostila

Desoneração da Folha de Pagamento / INSS sobre Receita Bruta (CPRB) Apostila Desoneração da Folha de Pagamento / INSS sobre Receita Bruta (CPRB) Apostila Contribuições substituídas pela incidência sobre a Receita Art. 22 Incisos I e III da Lei 8.212/91: - Contribuição Previdenciária

Leia mais

DESONERAÇÃO DA FOLHA DE PAGAMENTO. Fevereiro de 2013

DESONERAÇÃO DA FOLHA DE PAGAMENTO. Fevereiro de 2013 DESONERAÇÃO DA FOLHA DE PAGAMENTO Fevereiro de 2013 DAS CONTRIBUIÇÕES SOCIAIS SOBRE A FOLHA DE PAGTO - Contribuição dos Empregados (art. 20, Lei 8.212/91); - Contribuição Patronal (art. 22, I e III, Lei

Leia mais

Desoneração da Folha de Pagamentos

Desoneração da Folha de Pagamentos Desoneração da Folha de Pagamentos janeiro/2013 Vicente Sevilha Junior Forma de tributação do INSS Tradicional: No modelo tradicional de tributação do INSS, as empresas (exceto SIMPLES) recolhem 20% do

Leia mais

O QUE É A DESONERAÇÃO DA FOLHA DE PAGAMENTO?

O QUE É A DESONERAÇÃO DA FOLHA DE PAGAMENTO? O QUE É A DESONERAÇÃO DA FOLHA DE PAGAMENTO? É a substituição da contribuição previdenciária patronal de 20% sobre o salário de contribuição dos empregados, trabalhadores avulsos e contribuintes individuais.

Leia mais

Plano Brasil Maior e a Desoneração da Folha de Pagamento 18.12.2012

Plano Brasil Maior e a Desoneração da Folha de Pagamento 18.12.2012 Plano Brasil Maior e a Desoneração da Folha de Pagamento 18.12.2012 Esta palestra encontra-se disponível para download em nosso site: www.doccontabilidade.com.br 18.12.2012 Legislação de Referência MP

Leia mais

VERITAE CURSO DESONERAÇÃO DA FOLHA DE PAGAMENTO E A CPRB-CONTRIBUIÇÃO PREVIDENCIÁRIA SOBRE A RECEITA BRUTA. Contribuição, Segmentos, Obrigações

VERITAE CURSO DESONERAÇÃO DA FOLHA DE PAGAMENTO E A CPRB-CONTRIBUIÇÃO PREVIDENCIÁRIA SOBRE A RECEITA BRUTA. Contribuição, Segmentos, Obrigações VERITAE Cursos/RJ/Novembro/2013 CURSO DESONERAÇÃO DA FOLHA DE PAGAMENTO E A CPRB-CONTRIBUIÇÃO PREVIDENCIÁRIA SOBRE A RECEITA BRUTA Contribuição, Segmentos, Obrigações No Rio de Janeiro, dia 11/11/2013

Leia mais

VERITAE CURSO DESONERAÇÃO DA FOLHA DE PAGAMENTO E A CPRB-CONTRIBUIÇÃO PREVIDENCIÁRIA SOBRE A RECEITA BRUTA. Contribuição, Segmentos, Obrigações

VERITAE CURSO DESONERAÇÃO DA FOLHA DE PAGAMENTO E A CPRB-CONTRIBUIÇÃO PREVIDENCIÁRIA SOBRE A RECEITA BRUTA. Contribuição, Segmentos, Obrigações VERITAE Cursos/RJ/Dezembro/2013 CURSO DESONERAÇÃO DA FOLHA DE PAGAMENTO E A CPRB-CONTRIBUIÇÃO PREVIDENCIÁRIA SOBRE A RECEITA BRUTA Contribuição, Segmentos, Obrigações Foco na Indústria e Construção Civil;

Leia mais

Instrutor: Rodrigo Napier

Instrutor: Rodrigo Napier DESONERAÇÃO DA FOLHA DE PAGAMENTO DIVERSOS SETORES... (Lei 12.546/2011 /2012 - Lei 12.715/2012, MP 612/2013, 601/2012 e Lei 12.844/2013 Decreto 7.828 e 7.877/2012 Regime Especial de Reintegração de Valores

Leia mais

Memorando Construção Civil e Instalações

Memorando Construção Civil e Instalações Memorando Construção Civil e Instalações Desoneração da Folha de Pagamento Setembro de 2013 Publicada em 19 de julho, a nova Lei nº 12.844, alterando a Lei nº 12.546, ampliou de forma definitiva o rol

Leia mais

Desta forma, não há prazo específico para a vigência dos dispositivos da Lei nº 12.546/11, que tratam da desoneração da folha de pagamento.

Desta forma, não há prazo específico para a vigência dos dispositivos da Lei nº 12.546/11, que tratam da desoneração da folha de pagamento. Desoneração da Folha de Pagamento Procedimentos Atenção: Por meio da Medida Provisória nº 651/14, o Governo retira o prazo inicialmente estabelecido pela Lei 12.546/11, que determinou que a contribuição

Leia mais

Desoneração da Folha de Pagamentos

Desoneração da Folha de Pagamentos Desoneração da Folha de Pagamentos Legislação Constituição Federal Art. 195, 12 e 13 Lei nº 8.212, de 24 de julho de 1991 Art. 22, inciso I e III Lei nº 12.546, de 14 de dezembro de 2011 Como isso funciona

Leia mais

A DESONERAÇÃO DA FOLHA DE PAGAMENTOS ( INSS PATRONAL ) 1. O CONTEXTO LEGISLATIVO

A DESONERAÇÃO DA FOLHA DE PAGAMENTOS ( INSS PATRONAL ) 1. O CONTEXTO LEGISLATIVO A DESONERAÇÃO DA FOLHA DE PAGAMENTOS ( INSS PATRONAL ) Fonte: elaboração própria abril de 2013 EMENTA: CONTEXTO LEGISLATIVO. OS PRINCIPAIS SETORES. CONTRIBUIÇÕES PREVIDENCIÁRIAS SUBSTITUÍDAS. CRITÉRIO

Leia mais

27 A Desoneração da Folha de Pagamento

27 A Desoneração da Folha de Pagamento Caros alunos, disponibilizo para vocês o capítulo do meu livro Curso Prático de Direito Previdenciário, Editora JusPodivm, sobre a desoneração da folha de pagamento.. Bons estudos! Ivan Kertzman 27 A Desoneração

Leia mais

DESONERAÇÃO DA FOLHA - CPRB - ATIVIDADES DO ART. 7º DA LEI Nº 12.546/2011, ALTERADA PELA LEI Nº 12.844/2013

DESONERAÇÃO DA FOLHA - CPRB - ATIVIDADES DO ART. 7º DA LEI Nº 12.546/2011, ALTERADA PELA LEI Nº 12.844/2013 DESONERAÇÃO DA FOLHA - CPRB - ATIVIDADES DO ART. 7º DA LEI Nº 12.546/2011, ALTERADA PELA LEI Nº 12.844/2013 Matéria elaborada com base na legislação vigente em: 07/08/2013. Sumário: 1 - Introdução 2 -

Leia mais

DESONERAÇÃO DA FOLHA DE PAGAMENTO

DESONERAÇÃO DA FOLHA DE PAGAMENTO DESONERAÇÃO DA FOLHA DE PAGAMENTO RESPOSTA DA RECEITA FEDERAL AO QUESTIONAMENTO DA CBIC Carla Soares Gerente Jurídica do Sinduscon-Rio juridico@sinduscon-rio.com.br LEI 12.546/2011 ART. 7 Art. 7 o Até

Leia mais

Exercício 1. Movimento no Mês. Descrição. b) Qual o Valor da Receita Bruta Desonerada, para fins de determinação do fator de compensação na SEFIP?

Exercício 1. Movimento no Mês. Descrição. b) Qual o Valor da Receita Bruta Desonerada, para fins de determinação do fator de compensação na SEFIP? Exercício 1 Objeto Social da Empresa "A": Elaboração de programas de computador (softwares), consultoria em tecnologia da informação, representação comercial de softwares de terceiros prontos para uso,

Leia mais

Desoneração de folha de pagamento

Desoneração de folha de pagamento Desoneração de folha de pagamento Outubro/2012 1 Contexto Visando uma maior competitividade em alguns setores da economia foi instituído o Plano Brasil Maior. * - Medida Provisória 540/2011 Plano Brasil

Leia mais

DESONERAÇÃO DA FOLHA DE PAGAMENTOS

DESONERAÇÃO DA FOLHA DE PAGAMENTOS DESONERAÇÃO DA FOLHA DE PAGAMENTOS Outubro de 2013 1 Financiamento da Seguridade Social Constituição de 1988 garantiu modelo de financiamento para seguridade social baseado na folha de salários, faturamento

Leia mais

Desoneração Folha Pagamento

Desoneração Folha Pagamento CONFIRA NOSSA AGENDA DE CURSOS!! www.cinatcursos.com.br 65.3023.3400 Desoneração Folha Pagamento Fundamentação Legal: - Lei 8.212/91 Plano de Custeio da Previdência Social; -Lei 12.546/11 -Atualizada pela

Leia mais

DESONERAÇÃO DA FOLHA. Eliane Valcam

DESONERAÇÃO DA FOLHA. Eliane Valcam DESONERAÇÃO DA FOLHA Eliane Valcam DESONERAÇÃO DA FOLHA DE PAGAMENTO O que é a desoneração da folha de pagamento? É a substituição da contribuição patronal previdenciária (20% sobre a folha de pagamento

Leia mais

ANO XXVI - 2015-3ª SEMANA DE SETEMBRO DE 2015 BOLETIM INFORMARE Nº 38/2015

ANO XXVI - 2015-3ª SEMANA DE SETEMBRO DE 2015 BOLETIM INFORMARE Nº 38/2015 ANO XXVI - 2015-3ª SEMANA DE SETEMBRO DE 2015 BOLETIM INFORMARE Nº 38/2015 ASSUNTOS PREVIDENCIÁRIOS DESONERAÇÃO DA FOLHA DE PAGAMENTO - ATUALIZAÇÃO LEI Nº 13.161/2015 - PROCEDIMENTOS PREVIDENCIÁRIOS...

Leia mais

REONERAÇÃO PREVIDENCIÁRIA ASPÉCTOS JURÍDICOS

REONERAÇÃO PREVIDENCIÁRIA ASPÉCTOS JURÍDICOS INTRODUÇÃO NORMAS LEI N. 12.546, DE 14 DE DEZEMBRO DE 2011, alterada pela Lei 12.715/2013 MEDIDA PROVISÓRIA N. 601, DE 28 DE DEZEMBRO DE 2012 (vigência encerrada no dia 3 de junho de 2013) MEDIDA PROVISÓRIA

Leia mais

PATRIMÔNIO DE AFETAÇÃO REGIME ESPECIAL DE TRIBUTAÇÃO (RET)

PATRIMÔNIO DE AFETAÇÃO REGIME ESPECIAL DE TRIBUTAÇÃO (RET) WORK SHOP PATRIMÔNIO DE AFETAÇÃO REGIME ESPECIAL DE TRIBUTAÇÃO (RET) Base Legal Lei 4.591/1964 Lei 10.931/2004 IN 474/2004 Lei 11.196/2005 Lei 11.977/2009 Lei 12.024/2009 Lei 12.844/2013 Como Fazer? Ficam

Leia mais

DESONERAÇÃO DA FOLHA

DESONERAÇÃO DA FOLHA CONSELHO REGIONAL DE CONTABILIDADE DO RIO GRANDE DO SUL MINÁRIO DE ASSUNTOS CONTÁBEIS DE PORTO ALEGRE SEMINÁ RIO ASSUNTOS CONTÁBEIS DE PORTO ALEGRE SEMINÁRIO DE ASSUNTOÁBEIS DE PORTO ALEGRESEMINÁRIO PALESTRA

Leia mais

VERITAE CURSO DESONERAÇÃO DA FOLHA DE PAGAMENTO E A CONTRIBUIÇÃO PREVIDENCIÁRIA SOBRE RECEITA BRUTA-CPRB

VERITAE CURSO DESONERAÇÃO DA FOLHA DE PAGAMENTO E A CONTRIBUIÇÃO PREVIDENCIÁRIA SOBRE RECEITA BRUTA-CPRB VERITAE CURSO Cursos/RJ/Maio/2013 DESONERAÇÃO DA FOLHA DE PAGAMENTO E A CONTRIBUIÇÃO PREVIDENCIÁRIA SOBRE RECEITA BRUTA-CPRB No Rio de Janeiro, dia 10 de maio de 2013 (Nova Turma) PÚBLICO ALVO Colaboradores

Leia mais

Parecer Consultoria Tributária Segmentos Desoneração da Folha - Call Center - Atividade Concomitante

Parecer Consultoria Tributária Segmentos Desoneração da Folha - Call Center - Atividade Concomitante Desoneração da Folha - Call Center - Atividade 17/12/2013 Sumário Título do documento 1. Questão... 3 2. Normas apresentadas pelo cliente... 3 3. Análise da Legislação... 5 3.1 Empresas que exercem atividades

Leia mais

CONTRIBUIÇÕES PREVIDENCIÁRIAS SOBRE O FATURAMENTO E A FOLHA. MP nº 540, de 02.08.2011. Lei nº 12.546, de 14.12.2011. MP nº 563, de 03.04.

CONTRIBUIÇÕES PREVIDENCIÁRIAS SOBRE O FATURAMENTO E A FOLHA. MP nº 540, de 02.08.2011. Lei nº 12.546, de 14.12.2011. MP nº 563, de 03.04. CONTRIBUIÇÕES PREVIDENCIÁRIAS SOBRE O FATURAMENTO E A FOLHA MP nº 540, de 02.08.2011 Plano Brasil Maior Lei nº 12.546, de 14.12.2011 Conversão da MP nº 540 MP nº 563, de 03.04.2012 Ampliação do benefício

Leia mais

CÓPIA. Coordenação Geral de Tributação. Solução de Consulta Interna nº 28 Cosit Data 8 de outubro de 2013 Origem

CÓPIA. Coordenação Geral de Tributação. Solução de Consulta Interna nº 28 Cosit Data 8 de outubro de 2013 Origem Fl. 29 Fls. 1 Coordenação Geral de Tributação Solução de Consulta Interna nº 28 Data 8 de outubro de 2013 Origem DIVISÃO DE TRIBUTAÇÃO DA SUPERINTENDÊNCIA REGIONAL DA RECEITA FEDERAL DO BRASIL DA 3ª REGIÃO

Leia mais

MEI MICROEMPREENDEDOR INDIVIDUAL

MEI MICROEMPREENDEDOR INDIVIDUAL MEI MICROEMPREENDEDOR INDIVIDUAL Conheça as condições para recolhimento do Simples Nacional em valores fixos mensais Visando retirar da informalidade os trabalhadores autônomos caracterizados como pequenos

Leia mais

DESONERAÇÃO DA FOLHA SALARIAL

DESONERAÇÃO DA FOLHA SALARIAL DESONERAÇÃO DA FOLHA SALARIAL DESONERAÇÃO DA FOLHA SALARIAL PLANO BRASIL MAIOR Lei nº 12.546, de 14.12.2011 (Conversão da MP nº 540) Lei nº 12.715, de 17.09.2012 (Conversão da MP nº 563) Lei nº 12.794,

Leia mais

Soluções de Consulta TAX

Soluções de Consulta TAX SOLUÇÃO DE CONSULTA Nº 174 de 04 de Dezembro de 2012 ASSUNTO: Contribuições Sociais Previdenciárias EMENTA: CONTRIBUIÇÃO PREVIDENCIÁRIA SOBRE A RECEITA BRUTA (ART. 8º DA LEI Nº 12.546, DE 2011). BASE DE

Leia mais

ALGUNS ESCLARECIMENTOS SOBRE A DESONERAÇÃO DA FOLHA DE PAGAMENTO (LEI 12.546/2011)

ALGUNS ESCLARECIMENTOS SOBRE A DESONERAÇÃO DA FOLHA DE PAGAMENTO (LEI 12.546/2011) ALGUNS ESCLARECIMENTOS SOBRE A DESONERAÇÃO DA FOLHA DE PAGAMENTO (LEI 12.546/2011) A DESONERAÇÃO DA FOLHA DE PAGAMENTO consiste na substituição, total ou parcial, do cálculo da contribuição previdenciária

Leia mais

DESONERAÇÃO DA FOLHA DE PAGAMENTO

DESONERAÇÃO DA FOLHA DE PAGAMENTO CONSELHO REGIONAL DE CONTABILIDADE DO RIO GRANDE DO SUL MINÁRIO DE ASSUNTOS CONTÁBEIS DE PORTO ALEGRE SEMINÁRIO ASSUNTOS CONTÁBEIS DE PORTO ALEGRE SEMINÁRIO DE ASSUNTOÁBEIS DE PORTO ALEGRESEMINÁRIO PALESTRA

Leia mais

VERITAE CURSO DESONERAÇÃO DA FOLHA DE PAGAMENTO E A CONTRIBUIÇÃO PREVIDENCIÁRIA SOBRE RECEITA BRUTA-CPRB. No Rio de Janeiro, dia 12/03/2013

VERITAE CURSO DESONERAÇÃO DA FOLHA DE PAGAMENTO E A CONTRIBUIÇÃO PREVIDENCIÁRIA SOBRE RECEITA BRUTA-CPRB. No Rio de Janeiro, dia 12/03/2013 VERITAE Cursos/RJ/Março/2013 CURSO DESONERAÇÃO DA FOLHA DE PAGAMENTO E A CONTRIBUIÇÃO PREVIDENCIÁRIA SOBRE RECEITA BRUTA-CPRB No Rio de Janeiro, dia 12/03/2013 PÚBLICO ALVO Colaboradores das áreas de departamento

Leia mais

DESONERAÇÃO DA FOLHA DE PAGAMENTO

DESONERAÇÃO DA FOLHA DE PAGAMENTO DESONERAÇÃO DA FOLHA DE PAGAMENTO A T U A L I Z A Ç Õ E S DA MP 6 5 1 / 2 0 1 4 QUE T O R N A A D E S O N E R A Ç Ã O D E F I N I T I V A P A R A O S E T O R E L E I 12. 9 9 5 / 2 0 1 4 C O M N O V A R

Leia mais

ALERTA GERENCIAL. Alterações na Legislação Federal

ALERTA GERENCIAL. Alterações na Legislação Federal Edição nº 140 02 de março de 2015. ALERTA GERENCIAL Alterações na Legislação Federal A Medida Provisória nº 669, publicada no D.O.U. DE 27/02/2014, promoveu diversas alterações na legislação tributária

Leia mais

TABELA DAS ATIVIDADES SUJEITA A DESONERAÇÃO (Antes da MP 612/2013) - Elaborada por Daniel Pinheiro

TABELA DAS ATIVIDADES SUJEITA A DESONERAÇÃO (Antes da MP 612/2013) - Elaborada por Daniel Pinheiro TABELA DAS ATIVIDADES SUJEITA A DESONERAÇÃO (Antes da MP 612/2013) - Elaborada por Daniel Pinheiro Prestação de Serviços e Comércio varejista Início Atividade de indústria Início TI e TIC exclusivamente:

Leia mais

Desoneração da Folha de Pagamento na Construção Civil. (Leis nº 12.546/11 e 12.844/13; Decreto nº 7.828/12; INs RFB nº 971/09 e 1.

Desoneração da Folha de Pagamento na Construção Civil. (Leis nº 12.546/11 e 12.844/13; Decreto nº 7.828/12; INs RFB nº 971/09 e 1. Desoneração da Folha de Pagamento na Construção Civil (Leis nº 12.546/11 e 12.844/13; Decreto nº 7.828/12; INs RFB nº 971/09 e 1.300/12) 1 Sumário 1. Como consultar os entendimentos da RFB? 2. Breve histórico

Leia mais

DESONERAÇÃO DA FOLHA DE PAGAMENTO

DESONERAÇÃO DA FOLHA DE PAGAMENTO DESONERAÇÃO DA FOLHA DE PAGAMENTO O que é Desoneração da Folha de Pagamento? A Desoneração da Folha de Pagamento é a substituição da Contribuição Previdenciária Patronal, de 20% (vinte por cento) sobre

Leia mais

Coordenação-Geral de Tributação

Coordenação-Geral de Tributação Fls. 2 1 Coordenação-Geral de Tributação Solução de Consulta nº 19 - Data 16 de janeiro de 2014 Processo Interessado CNPJ/CPF ASSUNTO: CONTRIBUIÇÕES SOCIAIS PREVIDENCIÁRIAS CONTRIBUIÇÃO SUBSTITUTIVA. ATIVIDADES

Leia mais

A Desoneração tributária na Construção Civil

A Desoneração tributária na Construção Civil CONFEDERAÇÃO NACIONAL DOS TRABALHADORES NAS INDÚSTRIAS DA CONSTRUÇÃO E DO MOBILIÁRIO RECONHECIDA NOS TERMOS DA LEGISLAÇÃO VIGENTE EM 16 DE SETEMBRO DE 2010 Estudo técnico Edição nº 06 abril de 2014 Organização:

Leia mais

Matéria atualizada com base na legislação vigente em: 11/04/2011. 1 - INTRODUÇÃO. nº 123/2006, com a redação dada pela Lei Complementar nº 128/2008.

Matéria atualizada com base na legislação vigente em: 11/04/2011. 1 - INTRODUÇÃO. nº 123/2006, com a redação dada pela Lei Complementar nº 128/2008. Trabalhistas MICROEMPREENDEDOR - Alterações INDIVIDUAL - MEI - Aspectos Previdenciários e Matéria atualizada com base na legislação vigente em: 11/04/2011. Sumário: 12 Conceito Introdução 3.1 - Tributação

Leia mais

Desoneração da Folha AC Pessoal

Desoneração da Folha AC Pessoal Desoneração da Folha AC Pessoal É uma medida governamental voltada para o crescimento da produção: o governo está eliminando a atual contribuição previdenciária sobre a folha e adotando uma nova contribuição

Leia mais

Elaborado e apresentado por:

Elaborado e apresentado por: A CONSTRUÇÃO CIVIL E AS REGRAS INTERNACIONAIS DE CONTABILIDADE - ALTERAÇÕES CONTÁBEIS E TRIBUTÁRIAS: LEIS 11.638/2007, 11.941/2009 e 12.973/2014 UMA VISÃO CONTÁBIL E TRIBUTÁRIA Elaborado e apresentado

Leia mais

PLANO BRASIL MAIOR E AS RECENTES ALTERAÇÕES PELA

PLANO BRASIL MAIOR E AS RECENTES ALTERAÇÕES PELA PLANO BRASIL MAIOR E AS RECENTES ALTERAÇÕES PELA Lei 12.715/12 COMITÊ DA CADEIA PRODUTIVA DA INDÚSTRIA TÊXTIL, CONFECÇÃO E VESTUÁRIO 1 Plano Brasil Maior - Evolução Legislativa MP 540/11 Lei nº. 12.546/11

Leia mais

Desoneração da Folha de Pagamento Inclusão dos Setores

Desoneração da Folha de Pagamento Inclusão dos Setores Atenção: A Medida Provisória nº 601/2013 perdeu a eficácia a partir de 03/06/2013. SUMÁRIO 1. Introdução 1.1. Não aplicação 1.2. Desoneração da folha de pagamento - Empresas optantes pelo SIMPLES Nacional

Leia mais

PLANO BRASIL MAIOR. (informações atualizadas até 25.10.2012) Desoneração da Folha de Pagamento

PLANO BRASIL MAIOR. (informações atualizadas até 25.10.2012) Desoneração da Folha de Pagamento PLANO BRASIL MAIOR (informações atualizadas até 25.10.2012) Desoneração da Folha de Pagamento PLANO BRASIL MAIOR Desoneração da Folha de Pagamento SUMÁRIO pág. Introdução 1) No que consiste o Plano Brasil

Leia mais

CÓPIA. Coordenação Geral de Tributação. Relatório RJ RIO DE JANEIRO SRRF07

CÓPIA. Coordenação Geral de Tributação. Relatório RJ RIO DE JANEIRO SRRF07 Fl. 15 Fls. 1 0 Coordenação Geral de Tributação Solução de Consulta nº 40 Data 2 de dezembro de 2013 Processo Interessado CNPJ/CPF ASSUNTO: CONTRIBUIÇÕES SOCIAIS PREVIDENCIÁRIAS CONTRIBUIÇÃO SUBSTITUTIVA.

Leia mais

MANUAL Processo Simples Nacional

MANUAL Processo Simples Nacional 1. VISÃO GERAL 1.1 OBJETIVOS: Conforme combinação com a Equipe Teorema Joinville teríamos que criar uma tabela de Receitas, uma tabela com as alíquotas por faturamento com data inicial final de validade,

Leia mais

Osvaldo Angelim Consultoria & Treinamento Rio de Janeiro RJ www.osvaldoangelim.com angelim@osvaldoangelim.com osvaldo.angelim@gmail.

Osvaldo Angelim Consultoria & Treinamento Rio de Janeiro RJ www.osvaldoangelim.com angelim@osvaldoangelim.com osvaldo.angelim@gmail. Osvaldo Angelim Consultoria & Treinamento Rio de Janeiro RJ angelim@osvaldoangelim.com osvaldo.angelim@gmail.com Este material foi elaborado e cedido pelo Professor Osvaldo Nunes Angelim. Todos os direitos

Leia mais

Coordenação-Geral de Tributação

Coordenação-Geral de Tributação Fls. 1 Coordenação-Geral de Tributação Solução de Consulta nº 38 - Data 2 de dezembro de 2013 Processo Interessado CNPJ/CPF Assunto: Contribuições Sociais Previdenciárias Ementa: CONTRIBUIÇÃO PREVIDENCIÁRIA

Leia mais

ÍNDICE. Autora. O que é desoneração da Folha de Pagamento? Quais os objetivos da desoneração? Quais são as legislações sobre o tema?

ÍNDICE. Autora. O que é desoneração da Folha de Pagamento? Quais os objetivos da desoneração? Quais são as legislações sobre o tema? Autora Sueny Almeida de Medeiros ADVOCACIA TRIBUTÁRIA Nascida em Brasília/DF, formada em Direito pelo Centro Universitário UNIEURO, Pós-graduada em Direito pela Escola da Magistratura do Distrito Federal,

Leia mais

Simples Nacional. Seminário de Direito Tributário. Assunto: PGDAS. Palestrante: Adalgisa G. M. Sabino

Simples Nacional. Seminário de Direito Tributário. Assunto: PGDAS. Palestrante: Adalgisa G. M. Sabino Simples Nacional Seminário de Direito Tributário Assunto: PGDAS Palestrante: Adalgisa G. M. Sabino 1 CÁLCULO E PGDAS Conceitos Básicos para Cálculo Regime de Tributação: Competência e Caixa Segregação

Leia mais

AGENDA DAS OBRIGAÇÕES FEDERAIS PARA AGOSTO DE 2014. c) multa ou qualquer vantagem por rescisão de contratos.

AGENDA DAS OBRIGAÇÕES FEDERAIS PARA AGOSTO DE 2014. c) multa ou qualquer vantagem por rescisão de contratos. Até dia Obrigação AGENDA DAS OBRIGAÇÕES FEDERAIS PARA AGOSTO DE 2014 Histórico ocorridos no período de 21 a 31.07.2014, incidente sobre rendimentos de (art. 70, I, letra "b", da Lei nº 11.196/2005 ): 5

Leia mais

Desoneração da Folha Aplicada à Construção Civil

Desoneração da Folha Aplicada à Construção Civil Contribuições Sociais Desoneração da Folha Aplicada à Construção Civil 1 ANEXO VII IN971/2009 DISCRIMINAÇÃO DE OBRAS E SERVIÇOS DE CONSTRUÇÃO CIVIL Conforme Classificação Nacional de Atividades Econômicas

Leia mais

PLANO BRASIL MAIOR. (Informações atualizadas até 12.06.2013) Desoneração da Folha de Pagamento

PLANO BRASIL MAIOR. (Informações atualizadas até 12.06.2013) Desoneração da Folha de Pagamento PLANO BRASIL MAIOR (Informações atualizadas até 12.06.2013) Desoneração da Folha de Pagamento PLANO BRASIL MAIOR Desoneração da Folha de Pagamento Importante Por meio de Ato CN nº 36/2013, do Presidente

Leia mais

Retenção de Impostos e Contribuições

Retenção de Impostos e Contribuições Retenção de Impostos e Contribuições COMO A FONTE PAGADORA DEVE DESCONTAR: IR PIS/PASEP COFINS CSLL ISS INSS Resumo do conteúdo: IR Fonte Assalariados / Pro Labore IR Fonte Terceiros e Não Assalariados

Leia mais

Departamento de Desenvolvimento Profissional. Desoneração da Folha de Pagamento. Valério Lopes Toledo. valeriotoledo@hotmail.com

Departamento de Desenvolvimento Profissional. Desoneração da Folha de Pagamento. Valério Lopes Toledo. valeriotoledo@hotmail.com Departamento de Desenvolvimento Profissional Desoneração da Folha de Pagamento Valério Lopes Toledo valeriotoledo@hotmail.com Rio de Janeiro 03/2015 Rua 1º de Março, 33 Centro Rio de Janeiro/RJ Cep: 20.010-000

Leia mais

CONTRIBUIÇÃO PREVIDENCIÁRIA SOBRE A RECEITA

CONTRIBUIÇÃO PREVIDENCIÁRIA SOBRE A RECEITA CONTRIBUIÇÃO PREVIDENCIÁRIA SOBRE A RECEITA SRRF 6ª REGIÃO FISCAL Divisão de Tributação Elaboração: Marcelo Almeida SUPERINTENDÊNCIA DA RECEITA FEDERAL EM MINAS GERAIS ABORDAGEM DO TEMA - Aspectos constitucionais

Leia mais

DESONERAÇÃO DA FOLHA DE PAGAMENTO

DESONERAÇÃO DA FOLHA DE PAGAMENTO 1 DESONERAÇÃO DA FOLHA DE PAGAMENTO Objetivo: Atender a Lei 12.546/2011 (Confira as principais alterações legais no fim deste tutorial). Benefícios: Conceder benefícios adicionais para as empresas de setores

Leia mais

Coordenação Geral de Tributação

Coordenação Geral de Tributação Fls. 1 0 Coordenação Geral de Tributação Solução de Consulta nº 78 Data 28 de março de 2014 Processo Interessado CNPJ/CPF ASSUNTO: CONTRIBUIÇÕES SOCIAIS PREVIDENCIÁRIAS CONTRIBUIÇÃO PREVIDENCIÁRIA INCIDENTE

Leia mais

BIBLIOTECA ARTIGO Nº 49

BIBLIOTECA ARTIGO Nº 49 BIBLIOTECA ARTIGO Nº 49 NOVIDADES DA INSTRUÇÃO NORMATIVA N. 1.436 NO CONTEXTO DA DESONERAÇÃO DA FOLHA DE PAGAMENTOS Autora - Camila Spósito A desoneração da folha de pagamentos é um esforço do governo

Leia mais

LIBERAÇÃO DE ATUALIZAÇÃO CORDILHEIRA

LIBERAÇÃO DE ATUALIZAÇÃO CORDILHEIRA LIBERAÇÃO DE ATUALIZAÇÃO CORDILHEIRA (Orientamos aos clientes que utilizam banco de dados SQL, para efetuarem a atualização preferencialmente após o encerramento das atividades do dia, acessando o sistema

Leia mais

DA CONTRIBUIÇÃO PARA O PIS/PASEP E COFINS

DA CONTRIBUIÇÃO PARA O PIS/PASEP E COFINS O PRESIDENTE DA REPÚBLICA, LEI Nº 9.718, DE 27 DE NOVEMBRO DE 1998. Altera a Legislação Tributária Federal. Faço saber que o Congresso Nacional decreta e eu sanciono a seguinte Lei: Art. 1º Esta Lei aplica-se

Leia mais

Desoneração da Folha de Pagamento Tributação sobre Receita

Desoneração da Folha de Pagamento Tributação sobre Receita Conselho Regional de Contabilidade do Estado de São Paulo Tel. (11) 3824-5400, 3824-5433 (teleatendimento), fax (11) 3824-5487 Email: desenvolvimento@crcsp.org.br web: www.crcsp.org.br Rua Rosa e Silva,

Leia mais

Autor: Alexandre Marques Andrade Lemos

Autor: Alexandre Marques Andrade Lemos TABELA PRÁTICA DE RETENÇÃO DE INSS DOS OPTANTES DO SIMPLES NACIONAL NAS ATIVIDADES DE CONSTRUÇÃO CIVIL Autor: Alexandre Marques Andrade Lemos Atualizada até 20 de outubro de 2014 (É proibida a reprodução

Leia mais

Parecer Consultoria Tributária Segmentos Tributos Microempreendedor Individual (MEI)

Parecer Consultoria Tributária Segmentos Tributos Microempreendedor Individual (MEI) 04/09/2014 Sumário Título do documento 1. Questão... 3 2. Normas apresentadas pelo cliente... 3 3. Análise da Legislação... 4 3.1 Contratação de Empregado... 7 3.2 Cessão ou Locação de Mão-de-Obra... 7

Leia mais

OBRIGAÇÕES FISCAIS FEDERAIS JULHO/12

OBRIGAÇÕES FISCAIS FEDERAIS JULHO/12 CIRCULAR 37/12 Novo Hamburgo, 02 de julho de 2012. OBRIGAÇÕES FISCAIS FEDERAIS JULHO/12 DIA 04 IR-FONTE Pessoas obrigadas: pessoas jurídicas que efetuaram retenção na fonte nos pagamentos ou créditos decorrentes

Leia mais

CONTRIBUIÇÕES PREVIDENCIÁRIAS SOBRE A RECEITA BRUTA

CONTRIBUIÇÕES PREVIDENCIÁRIAS SOBRE A RECEITA BRUTA CONTRIBUIÇÕES PREVIDENCIÁRIAS SOBRE A RECEITA BRUTA Exclusões da base de cálculo Lei nº 12.546/ e Instrução Normativa RFB nº 1.436/14 Set/2015 CPRB Visão panorâmica A desoneração da folha de pagamento

Leia mais

Receita Federal do Brasil. Lei Complementar 128. Alterações na Legislação Previdenciária

Receita Federal do Brasil. Lei Complementar 128. Alterações na Legislação Previdenciária Lei Complementar 128 Alterações na Legislação Previdenciária Microempreendedor Individual MEI Conceito: É o empresário individual, referido no art. 966 do Novo Código Civil, que tenha auferido receita

Leia mais

Coordenação-Geral de Tributação

Coordenação-Geral de Tributação Fls. 40 39 Coordenação-Geral de Tributação Solução de Consulta nº 20 - Data 4 de novembro de 2013 Processo Interessado CNPJ/CPF ASSUNTO: CONTRIBUIÇÕES SOCIAIS PREVIDENCIÁRIAS CONTRIBUIÇÃO PREVIDENCIÁRIA

Leia mais

Contribuição Previdenciária sobre a Receita Bruta RPRB

Contribuição Previdenciária sobre a Receita Bruta RPRB Contribuição Previdenciária sobre a Receita Bruta RPRB Lei nº 12.546/2011 (alterada pela Lei nº 12.844/2013) São Paulo, SP Av. Nove de Julho, 5.109 3º Andar +55 11 3254 0050 www.porto.adv.br A CONTRIBUIÇÃO

Leia mais

Câmara de Com. Ind. Japonesa do Brasil. Contribuição Previdenciária sobre a Receita Bruta - CPRB: Principais Aspectos da IN RFB 1.

Câmara de Com. Ind. Japonesa do Brasil. Contribuição Previdenciária sobre a Receita Bruta - CPRB: Principais Aspectos da IN RFB 1. Câmara de Com. Ind. Japonesa do Brasil Contribuição Previdenciária sobre a Receita Bruta - CPRB: Principais Aspectos da IN RFB 1.436/13 Reunião Mensal de 23 de janeiro de 2014 Programa: 1. Introdução;

Leia mais

INSS Contribuição Previdenciária Transporte Rodoviário de Carga 01/2014

INSS Contribuição Previdenciária Transporte Rodoviário de Carga 01/2014 INSS Contribuição Previdenciária Transporte Rodoviário de Carga 01/2014 Áreas comprometidas Área Fiscal: Fará a apuração da receita bruta, com todas as particularidades de exclusões, CFOP, etc. Além disso,

Leia mais

CAPÍTULO V COFINS CONTRIBUIÇÃO PARA FINANCIAMENTO DA SEGURIDADE SOCIAL

CAPÍTULO V COFINS CONTRIBUIÇÃO PARA FINANCIAMENTO DA SEGURIDADE SOCIAL CAPÍTULO V COFINS CONTRIBUIÇÃO PARA FINANCIAMENTO DA SEGURIDADE SOCIAL Criada pela Lei Complementar nº 70/91, esta contribuição sofreu importantes alterações a partir da competência fevereiro de 1999,

Leia mais

VARGAS CONTABILIDADE atendimento@vargascontabilidaders.com.br ORIENTAÇÃO

VARGAS CONTABILIDADE atendimento@vargascontabilidaders.com.br ORIENTAÇÃO VARGAS CONTABILIDADE atendimento@vargascontabilidaders.com.br ORIENTAÇÃO PREVIDÊNCIA SOCIAL Décimo Terceiro Salário Nesta orientação, vamos apresentar como deve ser preenchida a declaração do SEFIP Sistema

Leia mais

CÓPIA. Relatório. 27 Cosit SRRF06/DISIT

CÓPIA. Relatório. 27 Cosit SRRF06/DISIT Fl. 11 Fls. 1 nfls txtfls Solução de Consulta Interna nº MINISTÉRIO DA FAZENDA SECRETARIA DA RECEITA FEDERAL DO BRASIL COORDENAÇÃO GERAL DE TRIBUTAÇÃO 27 Data 13 de setembro de 2013 Origem SRRF06/DISIT

Leia mais

CONTABILIDADE E PLANEJAMENTO TRIBUTÁRIO

CONTABILIDADE E PLANEJAMENTO TRIBUTÁRIO Prof. Cássio Marques da Silva 2015 SIMPLES NACIONAL LC 123, 14 de Dezembro de 2006 Alterada pela LC 127, 14 de Agosto de 2007 Alterada pela LC 128, 19 de Dezembro de 2008 Alterada pela LC 133, 28 de Dezembro

Leia mais

CARGA TRIBUTÁRIA ANO 2012

CARGA TRIBUTÁRIA ANO 2012 CARGA TRIBUTÁRIA ANO 2012 Orientações Básicas INFORMAÇÕES GERAIS PESSOA JURÍDICA 1) DCTF : (Declaração de Débitos e Créditos Tributários Federais) ATENÇÃO! Apresentação MENSAL obrigatória pelas Pessoas

Leia mais

Receitas excluídas do regime de incidência não-cumulativa

Receitas excluídas do regime de incidência não-cumulativa Receitas excluídas do regime de incidência não-cumulativa Ainda que a pessoa jurídica esteja submetida ao regime de incidência não-cumulativa, as receitas constantes do art. 8º da Lei nº 10.637, de 2002,

Leia mais

IMPOSTO DE RENDA PESSOA JURÍDICA

IMPOSTO DE RENDA PESSOA JURÍDICA IMPOSTO DE RENDA PESSOA JURÍDICA FORMAS DE TRIBUTAÇÃO DAS PESSOAS JURÍDICAS - Lucro Real - Lucro Presumido - Lucro Arbitrado - Simples Nacional 1 LUCRO REAL É o resultado (lucro ou prejuízo) do período

Leia mais

Agenda de Obrigações Trabalhistas e Previdenciárias Janeiro de 2015

Agenda de Obrigações Trabalhistas e Previdenciárias Janeiro de 2015 Agenda de Obrigações Trabalhistas e Previdenciárias Janeiro de 2015 Dia: 07/01/2015 Pagamento de Salários Pagamento mensal de salários até o 5º dia útil. Fundamento: 1º do art. 459 e art. 465, ambos da

Leia mais

SOLUÇÕES DE CONSULTA DA RFB DE INTERESSE DA CONSTRUÇÃO CIVIL

SOLUÇÕES DE CONSULTA DA RFB DE INTERESSE DA CONSTRUÇÃO CIVIL SOLUÇÕES DE CONSULTA DA RFB DE INTERESSE DA CONSTRUÇÃO CIVIL SOLUÇÃO DE CONSULTA Nº 38, DE 2 DE DEZEMBRO DE 2013 ASSUNTO: CONTRIBUIÇÕES SOCIAIS PREVIDENCIÁRIAS EMENTA: CONTRIBUIÇÃO PREVIDENCIÁRIA SOBRE

Leia mais

CARGA TRIBUTÁRIA ANO 2011

CARGA TRIBUTÁRIA ANO 2011 CARGA TRIBUTÁRIA ANO 2011 Orientações Básicas INFORMAÇÕES GERAIS PESSOA JURÍDICA 1) DCTF : (Declaração de Débitos e Créditos Tributários Federais) ATENÇÃO! Apresentação MENSAL obrigatória pelas Pessoas

Leia mais

Coordenação-Geral de Tributação

Coordenação-Geral de Tributação Fls. 2 1 Coordenação-Geral de Tributação Solução de Consulta nº 255 - Data 15 de setembro de 2014 Processo Interessado CNPJ/CPF ASSUNTO: SIMPLES NACIONAL CONTRIBUIÇÃO PREVIDENCIÁRIA SUBSTITUTIVA. EMPRESAS

Leia mais

ELABORAÇÃO DE GFIP OBRA DE CONSTRUÇÃO CIVIL PESSOA JURÍDICA

ELABORAÇÃO DE GFIP OBRA DE CONSTRUÇÃO CIVIL PESSOA JURÍDICA ELABORAÇÃO DE GFIP OBRA DE CONSTRUÇÃO CIVIL PESSOA JURÍDICA LEGISLAÇÃO Lei 8.212 de 24/07/91, com alterações estabelecidas pelas Leis 9.528/97 e 11.941/2009 Dispõe sobre a exigência de entrega de GFIP

Leia mais

Imunidade O PIS e a Cofins não incidem sobre as receitas decorrentes de exportação (CF, art. 149, 2º, I).

Imunidade O PIS e a Cofins não incidem sobre as receitas decorrentes de exportação (CF, art. 149, 2º, I). Comentários à nova legislação do P IS/ Cofins Ricardo J. Ferreira w w w.editoraferreira.com.br O PIS e a Cofins talvez tenham sido os tributos que mais sofreram modificações legislativas nos últimos 5

Leia mais

RETENÇÃO DE INSS SOBRE FATURAS. Formas de retorno e garantia de direito

RETENÇÃO DE INSS SOBRE FATURAS. Formas de retorno e garantia de direito RETENÇÃO DE INSS SOBRE FATURAS Formas de retorno e garantia de direito Orientações sobre retenção http://www.mpas.gov.br A Lei nº 9.711 de 20 de novembro de 1998, que passou a vigorar a partir de fevereiro

Leia mais

MICROEMPREENDEDOR INDIVIDUAL - MEI - Aspectos Previdenciários e Trabalhistas - Alterações

MICROEMPREENDEDOR INDIVIDUAL - MEI - Aspectos Previdenciários e Trabalhistas - Alterações MICROEMPREENDEDOR INDIVIDUAL - MEI - Aspectos Previdenciários e Trabalhistas - Alterações Matéria atualizada com base na legislação vigente em: 20/08/2014. Sumário: 1 - Introdução 2 - Conceito 3 - Opção

Leia mais

DOU: nº 66, de 7 de abril de 2014, Seção 1, pag. 17. Ementa: REEMBOLSO DE ANUIDADE DEVIDA A CONSELHO PROFISSIONAL.

DOU: nº 66, de 7 de abril de 2014, Seção 1, pag. 17. Ementa: REEMBOLSO DE ANUIDADE DEVIDA A CONSELHO PROFISSIONAL. INFORME DRF/REC, em 22/04/2014 Tratando-se de empresa optante pelo Simples Nacional, a contribuição e prevista no art. 7º da Lei nº 12.546, de 2011, incide somente sobre a receita bruta decorrente de atividade

Leia mais

Cape contabilidade LUCRO REAL

Cape contabilidade LUCRO REAL 1. CONCEITO LUCRO REAL No regime do lucro real o Imposto de Renda devido pela pessoa jurídica é calculado sobre o valor do lucro líquido contábil ajustado pelas adições, exclusões e compensações prescritas

Leia mais

Parecer Consultoria Tributária Segmentos Desoneração da Folha de Pagamento Cálculo do fator de redução para atividades concomitantes

Parecer Consultoria Tributária Segmentos Desoneração da Folha de Pagamento Cálculo do fator de redução para atividades concomitantes Desoneração da Folha de Pagamento Cálculo do fator de redução para atividades concomitantes 07/03/2014 Sumário Título do documento 1. Questão... 3 2. Normas apresentadas pelo cliente... 3 3. Análise da

Leia mais

IRPJ. Lucro Presumido

IRPJ. Lucro Presumido IRPJ Lucro Presumido 1 Características Forma simplificada; Antecipação de Receita; PJ não está obrigada ao lucro real; Opção: pagamento da primeira cota ou cota única trimestral; Trimestral; Nada impede

Leia mais

COMITÊ GESTOR PROROGA PRAZO DA COMPETÊNCIA 12/2008 E REGULAMENTA DISPOSITIVOS DA LEI COMPLEMENTAR Nº 128/2008

COMITÊ GESTOR PROROGA PRAZO DA COMPETÊNCIA 12/2008 E REGULAMENTA DISPOSITIVOS DA LEI COMPLEMENTAR Nº 128/2008 COMITÊ GESTOR PROROGA PRAZO DA COMPETÊNCIA 12/2008 E REGULAMENTA DISPOSITIVOS DA LEI COMPLEMENTAR Nº 128/2008 O Comitê Gestor do Simples Nacional (CGSN) publicou resoluções que prorrogam o prazo da competência

Leia mais

Coordenação Geral de Tributação

Coordenação Geral de Tributação Fls. 2 1 Coordenação Geral de Tributação Solução de Consulta nº 40 Data 19 de fevereiro de 2014 Processo Interessado CNPJ/CPF ASSUNTO: CONTRIBUIÇÕES SOCIAIS PREVIDENCIÁRIAS CONTRIBUIÇÃO PREVIDENCIÁRIA

Leia mais

ASSESPRO/NACIONAL DESONERAÇÃO DA FOLHA DE PAGAMENTO - PROJETO DE LEI DE CONVERSÃO DA MP 540/2001

ASSESPRO/NACIONAL DESONERAÇÃO DA FOLHA DE PAGAMENTO - PROJETO DE LEI DE CONVERSÃO DA MP 540/2001 ASSESPRO/NACIONAL DESONERAÇÃO DA FOLHA DE PAGAMENTO - PROJETO DE LEI DE CONVERSÃO DA MP 540/2001 A Medida Provisória N o 540/2011 instituiu alguns benefícios fiscais e contemplou nesta o Setor de T.I.

Leia mais

Parecer Consultoria Tributária de Segmentos Adoção Inicial a Lei nº 12.973/2014 contabilização mantida em subcontas

Parecer Consultoria Tributária de Segmentos Adoção Inicial a Lei nº 12.973/2014 contabilização mantida em subcontas Adoção Inicial a Lei nº 12.973/2014 contabilização mantida em subcontas 24/09/2014 Sumário Título do documento 1. Questão... 3 2. Normas apresentadas pelo cliente... 3 3. Análise da Legislação... 4 3.1

Leia mais

FACULDADE CIDADE VERDE CURSO DE ESPECIALIZAÇÃO EM CONTABILIDADE E CONTROLADORIA TURMA 2009

FACULDADE CIDADE VERDE CURSO DE ESPECIALIZAÇÃO EM CONTABILIDADE E CONTROLADORIA TURMA 2009 FACULDADE CIDADE VERDE CURSO DE ESPECIALIZAÇÃO EM CONTABILIDADE E CONTROLADORIA TURMA 2009 RELATÓRIO DE PLANEJAMENTO TRIBUTÁRIO: UM ESTUDO DE CASO EM EMPRESA QUE ATUA NO RAMO DE SITUADA NO MUNICÍPIO DE

Leia mais

Rogério Gandra Martins

Rogério Gandra Martins LUCRO PRESUMIDO. ATIVIDADES DIVERSIFICADAS. ALÍQUOTAS FIXADAS DE ACORDO COM A ATIVIDADE EXPLORADA E NÃO CONFORME O FATURAMENTO OU CLASSIFICAÇÃO DE CADA UMA. DESONERAÇÃO DA FOLHA DE PAGAMENTO. LEI Nº 13.043/2014

Leia mais