SABEMOS MUITO POUCO DE CAMÕES

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "SABEMOS MUITO POUCO DE CAMÕES"

Transcrição

1 SABEMOS MUITO POUCO DE CAMÕES Sabemos muito pouco de Camões, Mal sabemos quem foram os seus pais, Quanto ao seu nascimento há discussões, Dos seus estudos não se sabe mais. Passou dezassete anos aos baldões Na Índia e em paragens orientais. Fazia belos versos muitas vezes. N Os Lusíadas canta os Portugueses. Quando voltou a Portugal, saiu O seu livro. Camões era tão pobre Que não se sabe como o conseguiu. Talvez tivesse a ajuda de algum nobre E ajuda com certeza ele pediu. Enfim, o livro sai e se descobre Que aquele altivo português de gema Pusera a nossa História num poema. 11

2 Esse poema chama-se epopeia Que era uma forma usada antigamente Em que um herói levando a vida cheia De combates terríveis segue em frente E acaba vencedor, porque guerreia Em nome do seu povo e é tão valente Que em coragem e força é sobre-humano. O povo aqui é o peito lusitano. Para o fazer, Camões usou a oitava Que é feita de oito versos a rimar. Até ao sexto as rimas alternava, Nos dois finais a rima vai a par. Com oitavas assim, organizava Essa história que tinha de contar Em cantos que são dez e a nós, ao lê-los, Espanta como pôde ele escrevê-los. A Dom Sebastião, que assim se chama O jovem rei de Portugal, oferece O seu poema e lhe promete a fama Que a nossa terra junto ao mar merece. Diz como navegou Vasco da Gama Mas conta a nossa História, não se esquece Do que antes sucedeu, nem dos perigos Que o mar nos fez correr, mais que aos antigos. 12

3 O inimigo às vezes é Castela, Que nem bons ventos traz, nem casamentos; Outras vezes são Mouros, na querela Com os Cristãos em todos os momentos, E depois, pelo mundo, ao ir à vela, São Muçulmanos sempre e aos seus intentos Camões dá nomes feios e cruéis, De que o menos cruel é «infiéis». E assim vai n Os Lusíadas contando Como é que Portugal se originou E teve reis que o foram aumentando, E depois como é que navegou Até chegar à Índia, mas quando Lá foi parar, na Índia não parou, E foi mais longe ainda, coisa rara!, E se mais mundo houvera, lá chegara. Também é importante ter presente Que há deuses e deusas em conflito, Coisa que enche de espanto toda a gente Porque pintam o bom e o bonito Fazendo andar a história para a frente, O que para o leitor é esquisito, Pois Camões é cristão, muito cristão, Mas quanto à fantasia é bem pagão. 13

4 O que ele aqui nos conta tem três planos: O dos deuses de outrora, céu além, O dos homens, na terra e oceanos, E no fundo do mar, deuses também. Façam o que fizerem, os humanos Vão encontrar os deuses e convém Lembrar essa maneira de fazer Uns belos versos para a gente ler. Às vezes é difícil a leitura Dos nomes que esses deuses pagãos tinham: Apolo ou Febo para o Sol na altura E Marte para a Guerra. Outros alinham: Baco, que é contra nós nessa aventura, E Vénus, deusa amada, a quem convinham Os feitos portugueses e que é filha Do pai Júpiter que acima deles brilha. Neptuno é o deus dos mares, o dos ventos, Eolo, também faz aparições, E há vários outros deuses turbulentos, Velhos mitos e grandes invenções: Ulisses e Eneias são portentos De manha e luta, ardis, complicações, E há deusas, como Tétis ou Diana, Muito formosas na aparência humana. 14

5 E há muitos outros mitos que se agitam E as Ninfas, criaturas que nos rios, Montes, vales, floresta e mar habitam E aparecem em vários desafios. São como raparigas que espevitam Nos poetas rasgados elogios. N Os Lusíadas bem se fala delas E são sempre, mas sempre, muito belas. Parece hoje uma banda desenhada E afinal a gente não estranha Que o Super-Homem voe, e nos agrada O Senhor dos Anéis, o Homem-Aranha, E tantos divertindo a criançada Com repentina e mágica façanha, Usando seus poderes sensacionais, Batman, Harry Potter, muitos mais No poema, Camões introduziu Muitos termos tirados do latim: Pôs «lenho» em vez de «nau», substituiu «Véu» por «cendal» e mais coisas assim, E do mundo de outrora repetiu Antigos nomes e o fez tim-tim Por tim-tim, logo a começar então Por Taprobana, a ilha de Ceilão. 15

6 E à nossa língua deu um brilho novo E uma moderna musicalidade, Com palavras que são de todo o povo E algumas mais difíceis, é verdade. Só de ver como o faz eu me comovo, Como ele exprime a nossa identidade, Dizendo o que se pensa, sabe e sente, De uma maneira muito cá da gente. Dos chamados clássicos, Camões Muita coisa aprendeu e imitou. Um clássico só dá boas lições: É um modelo antigo que ensinou Gerações, gerações e gerações E que a nossa cultura assim marcou. Ora Camões os clássicos leu bem E os soube usar melhor do que ninguém. De Homero, da Ilíada e Odisseia, De Virgílio e da Eneida e seus heróis, Tinha Camões sempre a memória cheia E muito o inspiraram esses dois: «Canto as armas e o homem» é a ideia Do começo da Eneida, o que depois A sua voz imita em altos brados: «As armas e os Barões assinalados»... 16

7 E assim ele começa anunciando O que é que vai cantar, homens e feitos Que os portugueses foram praticando Com esforço e valor de heróicos peitos, A triunfar na guerra e dominando Mares que a Neptuno eram sujeitos. Há nesse começar um grande estilo, E, acreditem, vale a pena ouvi-lo: 17

8

9 CANTO PRIMEIRO As armas e os Barões assinalados Que da Ocidental praia Lusitana Por mares nunca de antes navegados Passaram ainda além da Taprobana, Em perigos e guerras esforçados Mais do que prometia a força humana, E entre gente remota edificaram Novo Reino, que tanto sublimaram; E também as memórias gloriosas Daqueles Reis que foram dilatando A Fé, o Império, e as terras viciosas De África e de Ásia andaram devastando, E aqueles que por obras valerosas Se vão da lei da Morte libertando, Cantando espalharei por toda parte, Se a tanto me ajudar o engenho e arte. 19

10 De grego Ulisses, de Eneias troiano, Cessem as grandes rotas que fizeram; Cale-se de Alexandre e de Trajano A fama das vitórias que tiveram; Que eu canto o peito ilustre Lusitano, A quem Neptuno e Marte obedeceram. Cesse tudo o que a Musa antiga canta, Que outro valor mais alto se alevanta. Se na proposição Camões coloca O que nos quer contar, logo a seguir As suas musas, Tágides, invoca, Ninfas do Tejo às quais passa a pedir Dêem ao seu engenho ardente, em troca Da flauta amável que fazia ouvir, Aquela força retumbante e cheia De um instrumento próprio da epopeia. E vós, Tágides minhas, pois criado Tendes em mi um novo engenho ardente, Se sempre em verso humilde celebrado Foi de mim vosso rio alegremente, Dai-me agora um som alto e sublimado, Um estilo grandíloco e corrente, Por que de vosso Tejo já se diga Que às Musas não inveja a fonte antiga 20

11 Dai-me uma fúria grande e sonorosa, E não de agreste avena ou frauta ruda, Mas de tuba canora e belicosa, Que o peito acende e a cor ao gesto muda. Segue a dedicatória e é bem vistosa: Nela Camões o jovem rei saúda, Porque ao nascer nos trouxe a evidência De Portugal manter a independência. E vós, ó bem nascida segurança Da Lusitana antiga liberdade, E não menos certíssima esperança De aumento da pequena Cristandade; Vós, ó novo temor da Maura lança, Maravilha fatal da nossa idade, Dada ao mundo por Deus, que todo o mande, Para do mundo a Deus dar parte grande. Vereis amor da pátria, não movido De prémio vil, mas alto e quase eterno; Que não é prémio vil ser conhecido Por um pregão do ninho meu paterno. Ouvi: vereis o nome engrandecido Daqueles de quem sois senhor superno, E julgareis qual é mais excelente, Se ser do mundo Rei, se de tal gente. 21

12 Ouvi, que não vereis com vãs façanhas, Fantásticas, fingidas, mentirosas, Louvar os vossos, nem com as patranhas De antigas musas: só com gloriosas Acções de portugueses e tamanhas, E verdadeiras, mais que fabulosas. Ouvi meu canto então, ó jovem rei, Que em vez de fantasias vos darei: Egas Moniz, Fuas Roupinho, Nuno, Os doze de Inglaterra e o seu Magriço, O Gama que no mar venceu Neptuno, Um Pacheco fortíssimo e com isso Mais reis e mais heróis, e lhes reúno Almeidas que morreram em serviço, Albuquerque terríbil, Castro forte, E outros em quem poder não teve a morte. Pouco depois, começa-se a narrar A viagem dos nossos marinheiros. Lá vai Vasco da Gama a navegar, E vão com ele muitos companheiros. Querem chegar à Índia pelo mar E são nessa viagem pioneiros. No momento em que os vemos assim ir, É que os deuses resolvem reunir. 22

13 Já no largo Oceano navegavam, As inquietas ondas apartando; Os ventos brandamente respiravam, Das naus as velas côncavas inchando; Da branca escuma os mares se mostravam Cobertos, onde as proas vão cortando As marítimas águas consagradas, Que de animais marinhos são cortadas, Quando os Deuses no Olimpo luminoso, Onde o governo está da humana gente, Se ajuntam em consílio glorioso, Sobre as cousas futuras do Oriente. Preocupa-os o nome já famoso Que os Portugueses têm claramente E também esta nova expedição: Uns são a favor dela e outros não. E Júpiter dizia: «Têm passados Na viagem tão ásperos perigos, Tantos climas e céus experimentados, Tanto furor de ventos inimigos, Que sejam, determino, agasalhados Nesta costa Africana como amigos; E, tendo guarnecido a lassa frota, Tornarão a seguir sua longa rota.» 23

14 Mas Baco não podia estar de acordo Porque tinha ficado convencido De que esta gente que ia agora a bordo O faria nas Índias esquecido. Ele era o deus do vinho e era gordo E, aqui pra nós, bastante presumido. Porém Vénus mostrava-se a favor, Por ter aos Portugueses grande amor. É por isso que vemos Vénus bela, Afeiçoada à gente Lusitana, Nas qualidades a lembrar-lhe aquela Gente que ela tanto ama e que é a romana, E em toda a valentia que revela A sua audácia em terra mauritana, E na língua, na qual quando imagina, Com pouca corrupção crê que é a Latina. Marte, que amava Vénus, decidiu Apoiar tudo quanto ela dizia E com ar furioso repetiu Que dar ajuda aos nossos se devia. E a Júpiter seu pai então pediu Que desse apoio a tanta valentia. Júpiter concordou, baixando a face, Que o bom caminho ao Gama se mostrasse. 24

15 As naus já navegavam entretanto Perto de Moçambique e não sabiam Que terra fosse aquela nem, portanto, Que gentes afinal ali viviam E que ao verem a armada, com espanto Em seus pequenos barcos acorriam E um grita, outro exclama, um outro aponta, É isso o que Camões aqui nos conta: Vasco da Gama, o forte Capitão, Que a tamanhas empresas se oferece, De soberbo e de altivo coração, A quem Fortuna sempre favorece, Para se aqui deter não vê razão, Que inabitada a terra lhe parece. Por diante passar determinava, Mas não lhe sucedeu como cuidava. Eis aparecem logo em companhia Uns pequenos batéis, que vêm daquela Que mais chegada à terra parecia, Cortando o longo mar com larga vela. A gente se alvoroça e, de alegria, Não sabe mais que olhar a causa dela. «Que gente será esta?» (em si diziam) «Que costumes, que Lei, que Rei teriam?» 25

16 Procuraram então os navegantes Alguém que traduzisse e ali disseram Nessa conversa, a um dos visitantes Donde vinham, onde iam e quem eram, E recebendo bem os habitantes Foi com muita alegria que lhes deram De comer e beber e acrescentavam Que agora de um piloto precisavam. O homem prometeu que se acharia Piloto que os guiasse e regressou A terra, e sendo já o fim do dia, Toda a gente dormiu e descansou. Porém Vasco da Gama não sabia Que uma traição ali se preparou Com Baco a dar conselhos aos nativos, E por pouco não iam ficar vivos. E na manhã seguinte, o Regedor Daquelas terras veio visitá-lo. O Gama deu-lhe prendas de valor E, para dar-lhe ainda mais regalo, Vinho e comida ali lhe mandou pôr. E tal como Camões veio a contá-lo, Tudo o Mouro contente bem recebe, E muito mais contente come e bebe. 26

17 O Gama disse ao Regedor então Que eram cristãos da Europa e deu-lhe a ver As armas que traziam no porão E o outro teve medo e a valer: Encheu-se-lhe de raiva o coração E logo ali tratou de resolver Que haviam de cair numa cilada Que em breve ele teria preparada. Porque disto que o Mouro aqui notou, E de tudo o que viu com olho atento, Um ódio certo na alma lhe ficou, Uma vontade má de pensamento; Nas mostras e no gesto o não mostrou, Mas, com risonho e ledo fingimento, Tratá-los brandamente determina, Até que mostrar possa o que imagina. Pilotos lhe pedia o Capitão, Por quem pudesse à Índia ser levado; Diz-lhe que o largo prémio levarão Do trabalho que nisso for tomado. Promete-lhos o Mouro, com tenção De peito venenoso e tão danado Que a morte, se pudesse, neste dia, Em lugar de pilotos lhe daria. 27

18 Baco, que então já tinha resolvido Perder os Portugueses, disfarçou-se De velho mouro ali bem conhecido E disse ao Regedor que logo fosse Contra os tais Portugueses prevenido, Pelas más novidades que lhe trouxe. E assentaram numa solução Que era a de apanhá-los à traição. E Baco acrescentou: «Eu entendido Tenho destes Cristãos sanguinolentos, Que quase todo o mar têm destruído Com roubos, com incêndios violentos; E trazem já de longe engano urdido Contra nós; e que todos seus intentos São para nos matarem e roubarem, E mulheres e filhos cativarem. E também sei que tem determinado De vir por água a terra, muito cedo, O Capitão, dos seus acompanhado, Que da tenção danada nasce o medo. Tu deves de ir também c os teus armado Esperá-lo em cilada, oculto e quedo; Porque, saindo a gente descuidada, Cairão facilmente na cilada. 28

19 E se inda não ficarem deste jeito Destruídos ou mortos totalmente, Eu tenho imaginada no conceito Outra manha e ardil que te contente: Manda-lhe dar piloto que de jeito Seja astuto no engano, e tão prudente Que os leve aonde sejam destruídos, Desbaratados, mortos ou perdidos.» E assim se fez. E quando os nossos passam Aos seus batéis para alcançarem terra, Vêem muitos na praia que ameaçam E lhes fazem sinais de estar em guerra. Mas respondem com força e os rechaçam A ver qual foge mais e qual mais berra. O Regedor fingiu-se arrependido E deu-lhes o piloto prometido. E este falso piloto os enganou, Dizendo que a cristãos os levaria E à ilha de Quíloa os guiou. Mas Vénus muito atenta as naus seguia E fez soprar o vento e as desviou Da ilha a que o piloto as conduzia. Assim salvou as naus e assim é-nos Mostrada a intervenção da deusa Vénus. 29

20 Depois, quando o piloto quis seguir Dizendo de Mombaça que era boa, A vemos outra vez a impedir Que para lá as naus cheguem a proa. Era artimanha só para fingir Que havia cristãos lá, Baco inspirou-a Ao rei da terra, a quem tinha avisado; E ao Gama o rei mandou falso recado. O recado que trazem é de amigos, Mas debaixo o veneno vem coberto, Que os pensamentos eram de inimigos, Segundo foi o engano descoberto. Ó grandes e gravíssimos perigos, Ó caminho de vida nunca certo, Que aonde a gente põe sua esperança Tenha a vida tão pouca segurança! No mar tanta tormenta e tanto dano, Tantas vezes a morte apercebida! Na terra tanta guerra, tanto engano, Tanta necessidade avorrecida! Onde pode acolher-se um fraco humano, Onde terá segura a curta vida, Que não se arme e se indigne o Céu sereno Contra um bicho da terra tão pequeno? 30

PLATAFORMA LEITURA TÍTULO TÍTULO. As armas e os Barões assinalados Que da Ocident 50 al praia Lusitana Por mares nunca de antes nav 100

PLATAFORMA LEITURA TÍTULO TÍTULO. As armas e os Barões assinalados Que da Ocident 50 al praia Lusitana Por mares nunca de antes nav 100 PLATAFORMA LEITURA As armas e os Barões assinalados al praia Lusitana Por mares nunca de antes nav 100 TÍTULO As armas e os Barões assinalados TÍTULO As armas e os Barões assinalados 1 2 EDITORIAL ARTE

Leia mais

CANTO I 1. 1 As armas e os barões 2 assinalados. 2 E também as memórias gloriosas

CANTO I 1. 1 As armas e os barões 2 assinalados. 2 E também as memórias gloriosas CANTO I 1 1 As armas e os barões 2 assinalados Que, da Ocidental praia Lusitana, Por mares nunca de antes navegados Passaram ainda além da Taprobana 3, Em perigos e guerras esforçados, 4 Mais do que prometia

Leia mais

MELHORES MOMENTOS. Expressão de Louvor Paulo Cezar

MELHORES MOMENTOS. Expressão de Louvor Paulo Cezar MELHORES MOMENTOS Expressão de Louvor Acordar bem cedo e ver o dia a nascer e o mato, molhado, anunciando o cuidado. Sob o brilho intenso como espelho a reluzir. Desvendando o mais profundo abismo, minha

Leia mais

(...) 3 Cessem do sábio Grego e do Troiano As navegações grandes que fizeram;

(...) 3 Cessem do sábio Grego e do Troiano As navegações grandes que fizeram; Anotação de aula LUSÍADAS Canto I - PROPOSIÇÃO 1. As armas e os barões assinalados, Que da ocidental praia Lusitana, Por mares nunca dantes navegados, Passaram ainda além da Taprobana,* Em perigos e guerras

Leia mais

Resumo de Os Lusíadas

Resumo de Os Lusíadas Biografia Luís de Camões Resumo de Os Lusíadas A biografia de Camões permanece repleta de incertezas. Tudo parece indicar que nasceu em Lisboa, por volta de 1525, mas muito jovem partiu para Coimbra, onde

Leia mais

Mosteiro dos Jerónimos

Mosteiro dos Jerónimos Mosteiro dos Jerónimos Guia de visita dos 6 aos 12 anos Serviço Educativo do Mosteiro dos Jerónimos/ Torre de Belém Bem-vindo ao Mosteiro dos Jerónimos A tua visita de estudo começa logo no Exterior do

Leia mais

PROVA DE LITERATURA 2 o BIMESTRE DE 2012 PROF. BANDINI

PROVA DE LITERATURA 2 o BIMESTRE DE 2012 PROF. BANDINI PROVA DE LITERATURA 2 o BIMESTRE DE 2012 PROF. BANDINI Boa Prova NOME N o 1 a SÉRIE A compreensão do enunciado faz parte da questão. Não faça perguntas ao examinador. A prova deve ser feita com caneta

Leia mais

World Wide Web. Sérgio Nunes. Comunicações Digitais e Internet Ciências da Comunicação, U.Porto 2012/13

World Wide Web. Sérgio Nunes. Comunicações Digitais e Internet Ciências da Comunicação, U.Porto 2012/13 World Wide Web Sérgio Nunes Comunicações Digitais e Internet Ciências da Comunicação, U.Porto 2012/13 1 Objetivos Definir e descrever o que é a World Wide Web. Conhecer as origens e as tecnologias base

Leia mais

Tenho um filho. Já tive um marido. Tenho agora um filho

Tenho um filho. Já tive um marido. Tenho agora um filho o príncipe lá de casa Tenho um filho. Já tive um marido. Tenho agora um filho e talvez queira outra vez um marido. Mas quando se tem um filho e já se teve um marido, um homem não nos serve exatamente para

Leia mais

Leia o poema abaixo de João Ruiz de Castelo-Branco, composto do século XVI, para responder às questões 1, 2 e 3.

Leia o poema abaixo de João Ruiz de Castelo-Branco, composto do século XVI, para responder às questões 1, 2 e 3. Leia o poema abaixo de João Ruiz de Castelo-Branco, composto do século XVI, para responder às questões 1, 2 e 3. Senhora, partem tão tristes meus olhos por vós, meu bem, que nunca tão tristes vistes outros

Leia mais

Disciples of Christ Church Ministerio vida com vida Israel Costa 1

Disciples of Christ Church Ministerio vida com vida Israel Costa 1 Disciples of Christ Church Ministerio vida com vida Israel Costa 1 Refletindo Sua glória, em meio a ventos contrários. Entretanto, o barco já estava longe, a muitos estádios da terra, açoitado pelas ondas;

Leia mais

ESCOLA BÍBLICA I. E. S.O.S JESUS

ESCOLA BÍBLICA I. E. S.O.S JESUS Data: 03/03/08 COMO A MORTE ENTROU NO MUNDO PECADO Significa errar o alvo, rebelião, desobediência. etc. HERMENEUTICA A arte de interpretar o sentido das palavras em leis, textos, Romanos, 5 : 12 12 Portanto,

Leia mais

Hinário SOIS BALIZA De Germano Guilherme

Hinário SOIS BALIZA De Germano Guilherme Hinário SOIS BALIZA De Germano Guilherme Edição oficial do CICLUMIG Flor do Céu De acordo com revisão feita pelo Sr. Luiz Mendes do Nascimento, zelador do hinário. www.mestreirineu.org 1 01 - DIVINO PAI

Leia mais

ECBR PROFESSORA PRISCILA BARROS

ECBR PROFESSORA PRISCILA BARROS CANTATA DE NATAL 2015 ECBR PROFESSORA PRISCILA BARROS 1. O PRIMEIRO NATAL AH UM ANJO PROCLAMOU O PRIMEIRO NATAL A UNS POBRES PASTORES DA VILA EM BELÉM LÁ NOS CAMPOS A GUARDAR OS REBANHOS DO MAL NUMA NOITE

Leia mais

Catequese e adoração das crianças ao Santíssimo Sacramento

Catequese e adoração das crianças ao Santíssimo Sacramento Catequese e adoração das crianças ao Santíssimo Sacramento Paróquia de Calheiros, 1 e 2 de Março de 2008 Orientadas por: Luís Baeta CÂNTICOS E ORAÇÕES CÂNTICOS CRISTO VIVE EM MIM Cristo vive em mim, que

Leia mais

HINÁRIO. Chico Corrente O SIGNO DO TEU ESTUDO. Tema 2012: Flora Brasileira Esponjinha (Stifftia fruticosa)

HINÁRIO. Chico Corrente O SIGNO DO TEU ESTUDO. Tema 2012: Flora Brasileira Esponjinha (Stifftia fruticosa) HINÁRIO O SIGNO DO TEU ESTUDO Tema 2012: Flora Brasileira Esponjinha (Stifftia fruticosa) Chico Corrente 1 www.hinarios.org 2 01 O SIGNO DO TEU ESTUDO Marcha O signo do teu estudo Estou aqui para te dizer

Leia mais

HINÁRIO O APURO. Francisco Grangeiro Filho. www.hinarios.org 01 PRECISA SE TRABALHAR 02 JESUS CRISTO REDENTOR

HINÁRIO O APURO. Francisco Grangeiro Filho. www.hinarios.org 01 PRECISA SE TRABALHAR 02 JESUS CRISTO REDENTOR HINÁRIO O APURO Tema 2012: Flora Brasileira Araucária Francisco Grangeiro Filho 1 www.hinarios.org 2 01 PRECISA SE TRABALHAR 02 JESUS CRISTO REDENTOR Precisa se trabalhar Para todos aprender A virgem mãe

Leia mais

HINÁRIO O APURO. Francisco Grangeiro Filho. Tema 2012: Flora Brasileira Araucária

HINÁRIO O APURO. Francisco Grangeiro Filho. Tema 2012: Flora Brasileira Araucária HINÁRIO O APURO Tema 2012: Flora Brasileira Araucária Francisco Grangeiro Filho 1 www.hinarios.org 2 01 PRECISA SE TRABALHAR Marcha Precisa se trabalhar Para todos aprender A virgem mãe me disse Que é

Leia mais

Discurso do Comandante da Marinha na abertura do III Simpósio das Marinhas CPLP

Discurso do Comandante da Marinha na abertura do III Simpósio das Marinhas CPLP Discurso do Comandante da Marinha na abertura do III Simpósio das Marinhas CPLP PALAVRAS DO CM NA ABERTURA NO III SIMPÓSIO DAS MARINHAS DA COMUNIDADE DOS PAÍSES DE LÍNGUA PORTUGUESA (CPLP) Inicialmente,

Leia mais

00.035.096/0001-23 242 - - - SP

00.035.096/0001-23 242 - - - SP PAGINA 1 O CARÁTER CRISTÃO 7. O CRISTÃO DEVE TER UMA FÉ OPERANTE (Hebreus 11.1-3) Um leitor menos avisado, ao ler o texto pode chegar à conclusão de que a fé cria coisas pelas quais esperamos. A fé não

Leia mais

OLIMPVS.NET BIBLIOTECAS. DURAÇÃO PREVISTA DA SESSÃO EM SALA DE AULA OU BIBLIOTECA: 50 +15 minutos opcionais

OLIMPVS.NET BIBLIOTECAS. DURAÇÃO PREVISTA DA SESSÃO EM SALA DE AULA OU BIBLIOTECA: 50 +15 minutos opcionais OLIMPVS.NET BIBLIOTECAS VOLUME 4 O ENIGMA DE ULISSES GUIÃO DESTINATÁRIOS: dos 9 aos 14 anos NÚMERO MÁXIMO DE PARTICIPANTES: 26 DURAÇÃO PREVISTA DA SESSÃO EM SALA DE AULA OU BIBLIOTECA: 50 +15 minutos opcionais

Leia mais

NOVENA COM AS CRIANÇAS NOSSA SENHORA APARECIDA 2015

NOVENA COM AS CRIANÇAS NOSSA SENHORA APARECIDA 2015 1 2 COM MARIA, EM JESUS, CHEGAMOS À GLÓRIA! 5º Dia (Dia 07/10 Quarta-feira) CRIANÇA: BELEZA DA TERNURA DIVINA! Na festa de Maria, unidos neste Santuário, damos graças a Deus, por meio de Maria, pela vida

Leia mais

O CIÚME DE SAUL Lição 57

O CIÚME DE SAUL Lição 57 CIÚME DE SAUL Lição 57 1 1. bjetivos: Ensinar sobre os perigos de ciúmes. 2. Lição Bíblica: 1 Samuel 18 a 20 (Base bíblica para a história o professor) Versículo para decorar: 1 Samuel 18.14 Davi lograva

Leia mais

Era uma vez um menino muito pobre chamado João, que vivia com o papai e a

Era uma vez um menino muito pobre chamado João, que vivia com o papai e a João do Medo Era uma vez um menino muito pobre chamado João, que vivia com o papai e a mamãe dele. Um dia, esse menino teve um sonho ruim com um monstro bem feio e, quando ele acordou, não encontrou mais

Leia mais

Este testemunho é muito importante para os Jovens.

Este testemunho é muito importante para os Jovens. Este testemunho é muito importante para os Jovens. Eu sempre digo que me converti na 1ª viagem missionária que fiz, porque eu tinha 14 anos e fui com os meus pais. E nós não tínhamos opção, como é o pai

Leia mais

O Baptismo Bíblico (Mateus 3:13-17)

O Baptismo Bíblico (Mateus 3:13-17) O Baptismo Bíblico (Mateus 3:13-17) Tivemos esta manhã a alegria de testemunhar vários baptismos bíblicos. Existem outras coisas e outras cerimónias às quais se dá o nome de baptismo. Existe até uma seita,

Leia mais

MANUAL. Esperança. Casa de I G R E J A. Esperança I G R E J A. Esperança. Uma benção pra você! Uma benção pra você!

MANUAL. Esperança. Casa de I G R E J A. Esperança I G R E J A. Esperança. Uma benção pra você! Uma benção pra você! MANUAL Esperança Casa de I G R E J A Esperança Uma benção pra você! I G R E J A Esperança Uma benção pra você! 1O que é pecado Sem entender o que é pecado, será impossível compreender a salvação através

Leia mais

As Grandes navegações: a conquista da América e do Brasil. Descobrimento ou Conquista?

As Grandes navegações: a conquista da América e do Brasil. Descobrimento ou Conquista? As Grandes navegações: a conquista da América e do Brasil. Descobrimento ou Conquista? Navegar era preciso, era Navegar era preciso navegar... Por quê? O que motivou o expansionismo marítimo no século

Leia mais

ORAÇÃO. Hinário. Pad.Sebastião. www.hinosdosantodaime.com.br 11/2013 1.0 Pág. 1

ORAÇÃO. Hinário. Pad.Sebastião. www.hinosdosantodaime.com.br 11/2013 1.0 Pág. 1 ORAÇÃO Hinário Pad.Sebastião www.hinosdosantodaime.com.br 11/2013 1.0 Pág. 1 Abertura dos Trabalhos - Pai Nosso - Ave Maria - Chave de Harmonia - Despacho do SANTO DAIME - ORAÇÃO - Padrinho Sebastião -

Leia mais

A Palavra de Deus. - É na Palavra de Deus que o homem encontra o conhecimento a respeito da Vida, de onde viemos e onde vamos viver a eternidade.

A Palavra de Deus. - É na Palavra de Deus que o homem encontra o conhecimento a respeito da Vida, de onde viemos e onde vamos viver a eternidade. A Palavra de Deus 2 Timóteo 3:16-17 Pois toda a Escritura Sagrada é inspirada por Deus e é útil para ensinar a verdade, condenar o erro, corrigir as faltas e ensinar a maneira certa de viver. 17 E isso

Leia mais

2011 ano Profético das Portas Abertas

2011 ano Profético das Portas Abertas 2011 ano Profético das Portas Abertas Porta Aberta da Oportunidade I Samuel 17:26 - Davi falou com alguns outros que estavam ali, para confirmar se era verdade o que diziam. "O que ganhará o homem que

Leia mais

Hino Nacional. Hino Nacional Hino à Bandeira Hino da Independência Hino da Proclamação da República

Hino Nacional. Hino Nacional Hino à Bandeira Hino da Independência Hino da Proclamação da República Hino Nacional Hino à Bandeira Hino da Independência Hino da Proclamação da República Hino Nacional Música: Francisco Manuel da Silva (1795/1865) Letra: Joaquim Osório Duque Estrada (1870/1927) Ouviram

Leia mais

RECADO AOS PROFESSORES

RECADO AOS PROFESSORES RECADO AOS PROFESSORES Caro professor, As aulas deste caderno não têm ano definido. Cabe a você decidir qual ano pode assimilar cada aula. Elas são fáceis, simples e às vezes os assuntos podem ser banais

Leia mais

EVANGELHO DE JOÃO, Cap. 3. Evangelho de João Cap. 3. 1 Havia, entre os fariseus, um homem chamado Nicodemos, um dos principais dos judeus.

EVANGELHO DE JOÃO, Cap. 3. Evangelho de João Cap. 3. 1 Havia, entre os fariseus, um homem chamado Nicodemos, um dos principais dos judeus. EVANGELHO DE JOÃO, Cap. 3 LEMBRETE IMPORTANTE: As palavras da bíblia, são somente as frases em preto Alguns comentários explicativos são colocados entre os versículos, em vermelho. Mas é apenas com o intuito

Leia mais

Catequese nº 13 (4º Catecismo) Jesus presente no irmão. Jorge Esteves

Catequese nº 13 (4º Catecismo) Jesus presente no irmão. Jorge Esteves Catequese nº 13 (4º Catecismo) Jesus presente no irmão Jorge Esteves Objectivos 1. Reconhecer que Jesus se identifica com os irmãos, sobretudo com os mais necessitados (interpretação e embora menos no

Leia mais

Meta. Objetivos. aula FORMA ESPECIAL: EPOPEIA. Conhecer a forma lírica narrativa epopeia. Ao final desta aula, você deverá:

Meta. Objetivos. aula FORMA ESPECIAL: EPOPEIA. Conhecer a forma lírica narrativa epopeia. Ao final desta aula, você deverá: 7 aula FORMA ESPECIAL: EPOPEIA Meta Conhecer a forma lírica narrativa epopeia. Objetivos Ao final desta aula, você deverá: z ter uma noção básica da história da epopeia; z reconhecer as principais características

Leia mais

AS GRANDE NAVEGAÇÕES. Professora de História Maria José

AS GRANDE NAVEGAÇÕES. Professora de História Maria José AS GRANDE NAVEGAÇÕES Professora de História Maria José O desconhecido dá medo:os navegantes temiam ser devorados por monstros marinhos MAR TENEBROSO O COMÉRCIO COM O ORIENTE No século XV, os comerciantes

Leia mais

O LIVRO SOLIDÁRIO. Texto: Letícia Soares Ilustração: Hildegardis Bunda Turma 9º A

O LIVRO SOLIDÁRIO. Texto: Letícia Soares Ilustração: Hildegardis Bunda Turma 9º A O LIVRO SOLIDÁRIO Texto: Letícia Soares Ilustração: Hildegardis Bunda Turma 9º A 1 Era uma vez um rapaz que se chamava Mau-Duar, que vivia com os pais numa aldeia isolada no Distrito de Viqueque, que fica

Leia mais

É POSSÍVEL CONVIVER COM UM LOBO? Pr. Bullón. www.sisac.org.br

É POSSÍVEL CONVIVER COM UM LOBO? Pr. Bullón. www.sisac.org.br É POSSÍVEL CONVIVER COM UM LOBO? Pr. Bullón www.sisac.org.br "No capítulo 7 da epístola aos Romanos, encontramos o grito desesperado de um homem que não conseguia viver à altura dos princípios que conhecia.

Leia mais

Lausperene. Senhor Jesus, Eu creio que estais presente no pão da Eucaristia. Senhor, eu creio em Vós.

Lausperene. Senhor Jesus, Eu creio que estais presente no pão da Eucaristia. Senhor, eu creio em Vós. Lausperene Cântico: Dá-nos um coração Refrão: Dá-nos um coração, grande para amar, Dá-nos um coração, forte para lutar. 1. Homens novos, criadores da história, construtores da nova humanidade; homens novos

Leia mais

Evangelhos. www.paroquiadecascais.org

Evangelhos. www.paroquiadecascais.org Evangelhos 1. Evangelho de Nosso Senhor Jesus Cristo segundo São Mateus (Mt 5, 1-12a) ao ver a multidão, Jesus subiu ao monte e sentou-se. Rodearam-n O os discípulos e Ele começou a ensiná-los, dizendo:

Leia mais

Curso de Discipulado

Curso de Discipulado cidadevoadora.com INTRODUÇÃO 2 Este curso é formado por duas partes sendo as quatro primeiras baseadas no evangelho de João e as quatro últimas em toda a bíblia, com assuntos específicos e muito relevantes

Leia mais

Vinho Novo Viver de Verdade

Vinho Novo Viver de Verdade Vinho Novo Viver de Verdade 1 - FILHOS DE DEUS - BR-LR5-11-00023 LUIZ CARLOS CARDOSO QUERO SUBIR AO MONTE DO SENHOR QUERO PERMANECER NO SANTO LUGAR QUERO LEVAR A ARCA DA ADORAÇÃO QUERO HABITAR NA CASA

Leia mais

1915-2015 SUBSÍDIOS E HORA SANTA. Por ocasião dos 100 anos do MEJ MEJ BRASIL. 1º ROTEIRO PAZ Dom e compromisso para viver melhor!

1915-2015 SUBSÍDIOS E HORA SANTA. Por ocasião dos 100 anos do MEJ MEJ BRASIL. 1º ROTEIRO PAZ Dom e compromisso para viver melhor! 1º ROTEIRO PAZ Dom e compromisso para viver melhor! 2º ROTEIRO EUCARISTIA Mistério Pascal celebrado na comunidade de fé! 3º ENCONTRO EVANGELHO Amor para anunciar e transformar o mundo! 1915-2015 SUBSÍDIOS

Leia mais

- Fernão, mentes? - Minto!

- Fernão, mentes? - Minto! Na etapa 3, leste um excerto do primeiro capítulo da Peregrinação de Fernão Mendes Pinto, numa adaptação de Aquilino Ribeiro. Nesta etapa, vais ler um excerto do último capítulo do original, Peregrinação,

Leia mais

Consagração do Aposento. Hinos de DESPACHO Hinos de CONCENTRAÇÃO Hinário CRUZEIRINHO Mestre Irineu Hinos de ENCERRAMENTO

Consagração do Aposento. Hinos de DESPACHO Hinos de CONCENTRAÇÃO Hinário CRUZEIRINHO Mestre Irineu Hinos de ENCERRAMENTO Oração Pai Nosso Ave Maria Chave Harmonia Hinos da ORAÇÃO Consagração do Aposento Hinos de DESPACHO Hinos de CONCENTRAÇÃO Hinário CRUZEIRINHO Mestre Irineu Hinos de ENCERRAMENTO Pai Nosso - Ave Maria Prece

Leia mais

O pequeno aventureiro

O pequeno aventureiro O pequeno aventureiro a a Guilherme Carey era um menino muito ativo. Morava em Paulerspury, uma pequena vila na Inglaterra. Todos os dias, Guilherme ia para a escola, onde seus colegas o apelidaram de

Leia mais

E alegre se fez triste

E alegre se fez triste Manuel Alegre Manuel Alegre nasceu em 1936 e estudou na Faculdade de Direito de Coimbra, onde participou activamente nas lutas académicas. Cumpriu o serviço militar na guerra colonial em Angola. Nessa

Leia mais

Jonas, o Missionário Improvável

Jonas, o Missionário Improvável Jonas, o Missionário Improvável Este mês é o mês que dedicamos às missões aqui na nossa igreja. Eu costumo dizer que as missões são o bater do coração de Deus. Se este é um assunto que é importante para

Leia mais

Como levar alguém a Jesus Cristo usando o Cubo Evangelístico (Use as setas do cubo para ajudá-lo a abrir as figuras)

Como levar alguém a Jesus Cristo usando o Cubo Evangelístico (Use as setas do cubo para ajudá-lo a abrir as figuras) Como levar alguém a Jesus Cristo usando o Cubo Evangelístico (Use as setas do cubo para ajudá-lo a abrir as figuras) Mostre o "Homem em Pecado" separado de Deus Esta luz (aponte para o lado direito) representa

Leia mais

TUDO POR AMOR. Tudo por amor, divinal, infinita graça, salvou a todos nós! Jesus cumpriu o plano de amor, seu sangue, seu sofrer Foi tudo por amor!

TUDO POR AMOR. Tudo por amor, divinal, infinita graça, salvou a todos nós! Jesus cumpriu o plano de amor, seu sangue, seu sofrer Foi tudo por amor! TUDO POR AMOR A dor, o espinho vil, as lágrimas, o seu sofrer, o meu Senhor na cruz está. Não posso suportar! O que o fez se entregar, pagar o preço lá na cruz? Como um cordeiro foi morrer pra vir me resgatar!

Leia mais

"porque sem mim nada podereis fazer". (João 15:5b)

porque sem mim nada podereis fazer. (João 15:5b) Disciples of Christ Church Ministerio vida com vida Pr Joaquim Costa Junior 1 "porque sem mim nada podereis fazer". (João 15:5b) Introdução: Deus deseja que seu povo viva juntamente com Cristo nos lugares

Leia mais

Era uma vez um príncipe que morava num castelo bem bonito e adorava

Era uma vez um príncipe que morava num castelo bem bonito e adorava O Príncipe das Histórias Era uma vez um príncipe que morava num castelo bem bonito e adorava histórias. Ele gostava de histórias de todos os tipos. Ele lia todos os livros, as revistas, os jornais, os

Leia mais

Disciples of Christ Church Ministerio vida com vida Israel Costa 1

Disciples of Christ Church Ministerio vida com vida Israel Costa 1 Disciples of Christ Church Ministerio vida com vida Israel Costa 1 MANTO QUE TRAZ DE VOLTA O QUE FOI PERDIDO. Orou Eliseu e disse: Jeová, abre os seus olhos, para que veja. Abriu Jeová os olhos do moço,

Leia mais

Caros ouvintes vos peço. Atenção uma vez mais. Para fazer uma análise. Creio interessa demais. O tema é muito importante. Me escutem por um instante

Caros ouvintes vos peço. Atenção uma vez mais. Para fazer uma análise. Creio interessa demais. O tema é muito importante. Me escutem por um instante A POLÍTICA E A POLITICAGEM Literatura de cordel Autor: PAULO TARCISO Caros ouvintes vos peço Atenção uma vez mais Para fazer uma análise Creio interessa demais O tema é muito importante Me escutem por

Leia mais

Igreja Pentecostal da Bíblia

Igreja Pentecostal da Bíblia Igreja Pentecostal da Bíblia 2014 O Ano de Josué ** Prosperidade Josué cap. 21 Pastoreio # 013 Direção Nacional Retorno: Antes do pastoreio #013 é hora de ouvir: Motive os envolvidos no pastoreio a relatar

Leia mais

CAMINHOS. Caminhos (Prov. 14:12) Paulo Cezar e Jayro T. Gonçalves

CAMINHOS. Caminhos (Prov. 14:12) Paulo Cezar e Jayro T. Gonçalves CAMINHOS Caminhos (Prov. 14:12) Paulo Cezar e Jayro T. Gonçalves Posso pensar nos meus planos Pros dias e anos que, enfim, Tenho que, neste mundo, Minha vida envolver Mas plenas paz não posso alcançar.

Leia mais

«Tesouro Escondido» Já sei que estás para chegar Espero por ti na ponta do cais O teu navio vem devagar A espera é longa demais

«Tesouro Escondido» Já sei que estás para chegar Espero por ti na ponta do cais O teu navio vem devagar A espera é longa demais Letras Álbum Amanhecer João da Ilha (2011) «Tesouro Escondido» Já sei que estás para chegar Espero por ti na ponta do cais O teu navio vem devagar A espera é longa demais Já sei que és buliçoso Trazes

Leia mais

Conceitos Básicos. Profetizou em Israel, durante o reinado de Jeroboão II (Século VIII a.c.), cumpre seu ministério por 30 anos

Conceitos Básicos. Profetizou em Israel, durante o reinado de Jeroboão II (Século VIII a.c.), cumpre seu ministério por 30 anos Oséias Salvação Conceitos Básicos Oséias, o profeta, era filho de Beeri. Profetizou em Israel, durante o reinado de Jeroboão II (Século VIII a.c.), cumpre seu ministério por 30 anos O nome Oséias era comum

Leia mais

A FAMILIA DE DEUS TEM UM NOME

A FAMILIA DE DEUS TEM UM NOME A FAMILIA DE DEUS TEM UM NOME Toda família tem um nome, este nome é o identificador de que família pertence esta pessoa, o qual nos aqui no Brasil chamamos de Sobrenome. Então este nome além de identificar

Leia mais

Jesus revela-nos que Deus é. Pai. Conselho Inter-paroquial de Catequese Esporões, 24 de Janeiro de 2008

Jesus revela-nos que Deus é. Pai. Conselho Inter-paroquial de Catequese Esporões, 24 de Janeiro de 2008 Jesus revela-nos que Deus é Pai Conselho Inter-paroquial de Catequese Esporões, 24 de Janeiro de 2008 Quem inventou Deus? Desde sempre que os homens acreditaram na existência de forças muito poderosas

Leia mais

HINÁRIO Transformação

HINÁRIO Transformação HINÁRIO Transformação Tema 2012: Flora Brasileira Pau-de-rosas (Physocalymma scaberrimum) www.hinarios.org Apolo 2 1 ORAÇÃO DA TRANSFORMAÇÃO Oh! Meu pai, livrai-me da autocomiseração e da preguiça. Dême

Leia mais

CAPÍTULO 2. O Propósito Eterno de Deus

CAPÍTULO 2. O Propósito Eterno de Deus CAPÍTULO 2 O Propósito Eterno de Deus Já falamos em novo nascimento e uma vida com Cristo. Mas, a menos que vejamos o objetivo que Deus tem em vista, nunca entenderemos claramente o porque de tudo isso.

Leia mais

12:00 Palestra: Jesus confia nos Jovens -Por isso entrega sua mãe - Telmo

12:00 Palestra: Jesus confia nos Jovens -Por isso entrega sua mãe - Telmo 2:00 Palestra: Jesus confia nos Jovens -Por isso entrega sua mãe - Telmo Amados de Deus, a paz de Jesus... Orei e pensei muito para que Jesus me usasse para poder neste dia iniciar esta pregação com a

Leia mais

JESUS É A LUZ DO MUNDO João 8.12 Pr. Vlademir Silveira IBME 24/03/13

JESUS É A LUZ DO MUNDO João 8.12 Pr. Vlademir Silveira IBME 24/03/13 JESUS É A LUZ DO MUNDO João 8.12 Pr. Vlademir Silveira IBME 24/03/13 INTRODUÇÃO O Evangelho de João registra 7 afirmações notáveis de Jesus Cristo. Todas começam com Eu sou. Jesus disse: Eu sou o pão vivo

Leia mais

Cântico: Dá-nos um coração

Cântico: Dá-nos um coração Cântico: Dá-nos um coração Refrão: Dá-nos um coração, grande para amar, Dá-nos um coração, forte para lutar. 1. Homens novos, criadores da história, construtores da nova humanidade; homens novos que vivem

Leia mais

Ensino Português no Estrangeiro Nível A2 Prova B (13A2BA) 70 minutos

Ensino Português no Estrangeiro Nível A2 Prova B (13A2BA) 70 minutos Ensino Português no Estrangeiro Nível A2 Prova B (13A2BA) 70 minutos Prova de certificação de nível de proficiência linguística no âmbito do Quadro de Referência para o Ensino Português no Estrangeiro,

Leia mais

Catequese da Adolescência 7º Catecismo Documentos de Apoio CATEQUESE 1 - SOMOS UM GRUPO COM JESUS. Documento I

Catequese da Adolescência 7º Catecismo Documentos de Apoio CATEQUESE 1 - SOMOS UM GRUPO COM JESUS. Documento I CATEQUESE 1 - SOMOS UM GRUPO COM JESUS Documento I CATEQUESE 1 - SOMOS UM GRUPO COM JESUS Documento 2 CATEQUESE 1 - SOMOS UM GRUPO COM JESUS Documento 3 CATEQUESE 2 - QUEM SOU EU? Documento 1 CATEQUESE

Leia mais

Vai ao encontro! de quem mais precisa!

Vai ao encontro! de quem mais precisa! Vai ao encontro! 2ª feira, 05 de outubro: Dos mais pobres Bom dia meus amigos Este mês vamos tentar perceber como podemos ajudar os outros. Vocês já ouviram falar das muitas pessoas que estão a fugir dos

Leia mais

A palavra APOCALIPSE vem do grego e significa REVELAÇÃO. O livro não revela o fim do mundo, mas trata-se de um livro sobre as revelações de Jesus

A palavra APOCALIPSE vem do grego e significa REVELAÇÃO. O livro não revela o fim do mundo, mas trata-se de um livro sobre as revelações de Jesus - Oi, dona Jurema, como vai? - Tudo bem, e o senhor? - Dona Jurema, a senhora que lê a Bíblia, do que mais gosta? - Ah! Gosto do Apocalipse. O meu entendimento é fraco, mas, esse livro me traz conforto

Leia mais

DATAS COMEMORATIVAS. DIA NACIONAL DA CONSCIÊNCIA NEGRA 20 de novembro

DATAS COMEMORATIVAS. DIA NACIONAL DA CONSCIÊNCIA NEGRA 20 de novembro DIA NACIONAL DA CONSCIÊNCIA NEGRA 20 de novembro Cartaz do Dia da Consciência Negra. Uma das poucas maneiras que os negros tinham para se livrar da escravidão era fugir das fazendas e formar quilombos.

Leia mais

2015 O ANO DE COLHER MAIO - 1 COMO SERÁ A CIDADE?

2015 O ANO DE COLHER MAIO - 1 COMO SERÁ A CIDADE? MAIO - 1 COMO SERÁ A CIDADE? Texto: Apocalipse 21:1-2 Então vi um novo céu e uma nova terra, pois o primeiro céu e a primeira terra tinham passado; e o mar já não existia. Vi a cidade santa, a nova Jerusalém,

Leia mais

A primeira razão pela qual Jesus chamou os discípulos foi para que estivessem consigo para que tivesses comunhão com Ele.

A primeira razão pela qual Jesus chamou os discípulos foi para que estivessem consigo para que tivesses comunhão com Ele. 1 Marcos 3:13 «E (Jesus) subiu ao Monte e chamou para si os que ele quis; e vieram a ele. E nomeou doze para que estivessem com ele e os mandasse a pregar, e para que tivessem o poder de curar as enfermidades

Leia mais

Recomendação Inicial

Recomendação Inicial Recomendação Inicial Este estudo tem a ver com a primeira família da Terra, e que lições nós podemos tirar disto. Todos nós temos uma relação familiar, e todos pertencemos a uma família. E isto é o ponto

Leia mais

Era uma vez, numa cidade muito distante, um plantador chamado Pedro. Ele

Era uma vez, numa cidade muito distante, um plantador chamado Pedro. Ele O Plantador e as Sementes Era uma vez, numa cidade muito distante, um plantador chamado Pedro. Ele sabia plantar de tudo: plantava árvores frutíferas, plantava flores, plantava legumes... ele plantava

Leia mais

Teste. Português ARLA MARQUES INÊS SILVA PORTUGUÊS. 9.º ANO Letras & Companhia 9

Teste. Português ARLA MARQUES INÊS SILVA PORTUGUÊS. 9.º ANO Letras & Companhia 9 Teste Português CARLA MARQUES C ARLA MARQUES INÊS SILVA PORTUGUÊS 9.º ANO Letras & Companhia 9 Escola: Ano letivo: Nome: Turma: Data: 1 Lê o texto seguinte. GRUPO I PARTE A 5 10 15 20 25 Continuamos esmagados

Leia mais

DEPARTAMENTO NACIONAL DE ESCOLA DOMINICAL

DEPARTAMENTO NACIONAL DE ESCOLA DOMINICAL SUGESTÃO DE CELEBRAÇÃO DE NATAL 2013 ADORAÇÃO Prelúdio HE 21 Dirigente: Naqueles dias, dispondo-se Maria, foi apressadamente à região montanhosa, a uma cidade de Judá, entrou na casa de Zacarias e saudou

Leia mais

Desde sempre presente na nossa literatura, cantado por trovadores e poetas, é com Camões que o Amor é celebrado em todo o seu esplendor.

Desde sempre presente na nossa literatura, cantado por trovadores e poetas, é com Camões que o Amor é celebrado em todo o seu esplendor. Desde sempre presente na nossa literatura, cantado por trovadores e poetas, é com Camões que o Amor é celebrado em todo o seu esplendor. O Poeta canta o amor platónico, a saudade, o destino e a beleza

Leia mais

OS DESAFIOS DA JORNADA DA FÉ

OS DESAFIOS DA JORNADA DA FÉ 1 OS DESAFIOS DA JORNADA DA FÉ Mc 6 30/12/2012 INTRODUÇÃO 1. Esta semana estava pensando a respeito do ano de 2012 que estamos concluindo. 2. Que ano! Ele foi repleto de contrastes. 3. De momentos em que

Leia mais

Sete Trombetas (Lauriete)

Sete Trombetas (Lauriete) Sete Trombetas (Lauriete) Uma mistura de sangue com fogo A terça parte deste mundo queimará Eu quero estar distante, quero estar no céu Quando o anjo a primeira trombeta tocar Um grande meteoro vai cair

Leia mais

O PLANO CONTRA LÁZARO

O PLANO CONTRA LÁZARO João 12 Nesta Lição Estudará... Jesus em Betânia O Plano Contra Lázaro Jesus Entra em Jerusalém Alguns Gregos Vão Ver Jesus Anuncia a Sua Morte Os Judeus Não Crêem As Palavras de Jesus Como Juiz JESUS

Leia mais

A Terra do Inesquecimento

A Terra do Inesquecimento A Terra do Inesquecimento Olá! O meu nome é Otávio. Eu vivo numa terra muito pequenina, chamada Terrra do Inesquecimento. Chama-se assim, porque aqui ninguém se esquece de nada. Estou farto de viver nesta

Leia mais

L I Ç Ã O 1 2 T E M A : OS FRUTOS DO ESPÍRITO SANTO. TEXTO: Gálatas 5:22

L I Ç Ã O 1 2 T E M A : OS FRUTOS DO ESPÍRITO SANTO. TEXTO: Gálatas 5:22 L I Ç Ã O 1 2 T E M A : OS FRUTOS DO ESPÍRITO SANTO. TEXTO: Gálatas 5:22 INTRODUÇÃO. Este é o texto bíblico que nos fala de um único fruto do Espírito Santo, mas que se manifesta em cada vida de nove formas

Leia mais

CANTOS DO FOLHETO O DOMINGO

CANTOS DO FOLHETO O DOMINGO CANTOS DO FOLHETO O DOMINGO 1. UM POUCO ALÉM DO PRESENTE (10º DOMINGO) 1. Um pouco além do presente, Alegre, o futuro anuncia A fuga das sombras da noite, A luz de um bem novo dia. REFRÃO: Venha teu reino,

Leia mais

Enquanto dormimos. É inútil que madrugueis, que tarde Salmos 127:2

Enquanto dormimos. É inútil que madrugueis, que tarde Salmos 127:2 Disciples of Christ Church Ministerio vida com vida Joaquim Costa Jr 1 Enquanto dormimos. É inútil que madrugueis, que tarde 2 repouseis, Que comais o pão de dores: Aos seus amados ele o dá enquanto dormem.

Leia mais

Projetos. Outubro 2012

Projetos. Outubro 2012 Projetos Outubro 2012 Assunto de gente grande para gente pequena. No mês de outubro os brasileiros foram às urnas para eleger prefeitos e vereadores e a Turma da Lagoa não poderia ficar fora deste grande

Leia mais

Lição 9 Completar com Alegria

Lição 9 Completar com Alegria Lição 9 Completar com Alegria A igreja estava cheia. Era a época da colheita. Todos tinham trazido algo das suas hortas, para repartir com os outros. Havia muita alegria enquanto as pessoas cantavam louvores

Leia mais

Meditação Crianças de 10 a 11 anos NOME: DATA: 17/03/2013 A QUEDA. Versículos para Decorar (Estamos usando a Bíblia na Nova Versão Internacional NVI)

Meditação Crianças de 10 a 11 anos NOME: DATA: 17/03/2013 A QUEDA. Versículos para Decorar (Estamos usando a Bíblia na Nova Versão Internacional NVI) Meditação Crianças de 10 a 11 anos NOME: DATA: 17/03/2013 A QUEDA Versículos para Decorar (Estamos usando a Bíblia na Nova Versão Internacional NVI) 1 - Sei que sou pecador desde que nasci, sim, desde

Leia mais

Parte 1: Compreensão e interpretação do texto. As cruéis sereias. Aluno(a): Professor(a): Turma: n o : Data:

Parte 1: Compreensão e interpretação do texto. As cruéis sereias. Aluno(a): Professor(a): Turma: n o : Data: Aluno(a): Professor(a): Turma: n o : Data: Leia o texto a seguir com atenção. Trata-se de um trecho da epopeia Odisseia, atribuída ao poeta grego Homero. Originariamente narrada em versos, ela narra as

Leia mais

Unidade 2: A família de Deus cresce José perdoa

Unidade 2: A família de Deus cresce José perdoa Olhando as peças Histórias de Deus:Gênesis-Apocalipse 3 a 6 anos Unidade 2: A família de Deus cresce José perdoa História Bíblica: Gênesis 41-47:12 A história de José continua com ele saindo da prisão

Leia mais

Duração da Prova: 120 minutos. Tolerância: 30 minutos. Utilize apenas caneta ou esferográfica de tinta indelével, azul ou preta.

Duração da Prova: 120 minutos. Tolerância: 30 minutos. Utilize apenas caneta ou esferográfica de tinta indelével, azul ou preta. EXAME NACIONAL DO ENSINO SECUNDÁRIO Decreto-Lei n.º 139/2012, de 5 de julho Prova Escrita de Português 12.º Ano de Escolaridade Prova 639/2.ª Fase 8 Páginas Duração da Prova: 120 minutos. Tolerância: 30

Leia mais

UMA VIDA DE PAZ, PACIÊNCIA E AMABILIDADE EM UM MUNDO HOSTIL.

UMA VIDA DE PAZ, PACIÊNCIA E AMABILIDADE EM UM MUNDO HOSTIL. UMA VIDA DE PAZ, PACIÊNCIA E AMABILIDADE EM UM MUNDO HOSTIL. Como sabemos o crescimento espiritual não acontece automaticamente, depende das escolhas certas e na cooperação com Deus no desenvolvimento

Leia mais

JESUS, MOISÉS E ELIAS Lição 30. 1. Objetivos: Mostrar que Jesus está sobre todas as pessoas porque é o filho de Deus..

JESUS, MOISÉS E ELIAS Lição 30. 1. Objetivos: Mostrar que Jesus está sobre todas as pessoas porque é o filho de Deus.. JESUS, MOISÉS E ELIAS Lição 30 1 1. Objetivos: Mostrar que Jesus está sobre todas as pessoas porque é o filho de Deus.. 2. Lição Bíblica: Mateus 17.1-13; Marcos 2.1-13; Lucas 9.28-36 (Leitura bíblica para

Leia mais

Tema: Quatro Pecados Contaminantes

Tema: Quatro Pecados Contaminantes Tema: Quatro Pecados Contaminantes Data: 01.11.14 Culto: Sábado Pr. Leandro Hoje o mundo está à mercê do vírus ebola que é um vírus extremamente contaminante, porém há algo mais contaminante que este vírus

Leia mais

PRIMEIRO ATO ARGUMENTO

PRIMEIRO ATO ARGUMENTO PRIMEIRO ATO ARGUMENTO Entrando numa horta, procurando um falcão de sua propriedade, Calisto encontra Melibéia. Empolgado de amor por ela, põe-se a falar. Rechaçado por ela volta para casa angustiado.

Leia mais

DANIEL EM BABILÔNIA Lição 69. 1. Objetivos: Ensinar que devemos cuidar de nossos corpos e recusar coisas que podem prejudicar nossos corpos

DANIEL EM BABILÔNIA Lição 69. 1. Objetivos: Ensinar que devemos cuidar de nossos corpos e recusar coisas que podem prejudicar nossos corpos DANIEL EM BABILÔNIA Lição 69 1 1. Objetivos: Ensinar que devemos cuidar de nossos corpos e recusar coisas que podem prejudicar nossos corpos 2. Lição Bíblica: Daniel 1-2 (Base bíblica para a história e

Leia mais

Ser ou não ser, eis a questão.

Ser ou não ser, eis a questão. Decisões Ser ou não ser, eis a questão. Será mais nobre sofrer na alma Pedradas e flechadas do destino feroz Ou pegar em armas contra o mar de angústias E, combatendo-o, dar-lhe fim? Hamlet de William

Leia mais

A Identidade da Igreja do Senhor Jesus

A Identidade da Igreja do Senhor Jesus A Identidade da Igreja do Senhor Jesus Atos 20:19-27 (Ap. Paulo) Fiz o meu trabalho como Servo do Senhor, com toda a humildade e com lágrimas. E isso apesar dos tempos difíceis que tive, por causa dos

Leia mais

Reflexões e atividades sobre Ação Social para culto infantil

Reflexões e atividades sobre Ação Social para culto infantil Reflexões e atividades sobre Ação Social para culto infantil Apresentaremos 4 lições, que mostram algum personagem Bíblico, onde as ações praticadas ao longo de sua trajetória abençoaram a vida de muitas

Leia mais

Acólitos. São João da Madeira. Cancioneiro

Acólitos. São João da Madeira. Cancioneiro Acólitos São João da Madeira Cancioneiro Índice Guiado pela mão...5 Vede Senhor...5 Se crês em Deus...5 Maria a boa mãe...5 Quanto esperei por este momento...6 Pois eu queria saber porquê?!...6 Dá-nos

Leia mais