Programa de Inclusão com Mérito no Ensino Superior Público Paulista - PIMESP

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "Programa de Inclusão com Mérito no Ensino Superior Público Paulista - PIMESP"

Transcrição

1 1 Programa de Inclusão com Mérito no Ensino Superior Público Paulista - PIMESP Alguns dados 1) No Brasil: a) 1,9 milhão de pessoas concluíram o Ensino Médio em 2005, equivalendo a 28,8% dos 6,6 milhões de alunos ingressantes na 1ª série do Ensino Fundamental em b) 870 mil concluíram o Ensino Superior em 2011, equivalendo a 13,1% dos 6,6 milhões de alunos ingressantes na 1ª série do Ensino Fundamental em ) No Estado de São Paulo: a) Os concluintes do Ensino Médio em 2005 foram 59% dos ingressantes no Ensino Básico em b) Os concluintes do Ensino Superior em 2011 foram 32% dos ingressantes no Ensino Básico em ) No Brasil, apenas 11% dos concluintes do Ensino Médio têm proficiência em Matemática. 4) No Brasil, a renda familiar é fator mais determinante do que a cor para o acesso ao Ensino Superior. a) Entre os 20% mais pobres da sociedade o acesso para brancos é 2,5 vezes maior do que para PPIs enquanto nos 20% mais ricos o acesso para brancos é 1,3 vezes maior do que para PPIs. b) Considerando-se o critério de renda: i) O acesso ao ES para brancos dos dois quintis mais altos é 13 vezes maior do que para brancos dos dois quintis de renda mais baixa. ii) O acesso ao ES para PPIs dos dois quintis mais altos é 25 vezes maior do que para PPIs dos dos dois quintis de renda mais baixa 5) No Estado de São Paulo, para os 20% mais ricos há quase um equilíbrio entre brancos e PPIs quanto à relação entre sua participação étnica na população e os matriculados no ES. Nos 20% mais pobres há 50% mais brancos matriculados que seu percentual de participação na população e apenas metade de PPIs em relação à sua participação na população.

2 2 6) No Estado de São Paulo 76% dos matriculados no Ensino Superior Público são brancos, mas apenas 9% destes pertencem aos 20% mais pobres. Também há 21% de matriculados que são autodeclarados PPIs, mas apenas 13% destes pertencem aos 20% mais pobres da população. 7) Identifica-se que, efetivamente, também no Estado de São Paulo há necessidade de promoção de ações afirmativas para incentivo ao acesso ao Ensino Superior de parte da população menos privilegiada financeiramente, em especial aos autodeclarados como PPIs. 8) Um dos mitos mais recorrentes no debate sobre ensino superior no Brasil é que os ricos estudariam nas instituições públicas e os pobres nas instituições privadas. Os dois quintis de renda inferior (Q1 e Q2) respondem por 22% dos matriculados no Ensino Superior Público e por 16% dos matriculados no Ensino Superior Privado. No quintil de menor renda (Q1) o percentual de estudantes nos ES Público é quase o dobro dos 6% matriculados no ES Privado. 2 Proposta do CRUESP 2.1 Metas para matriculados oriundos da escola pública e, dentre estes, pretos, pardos e índigenas Estabelecimento de regime de metas para promover o equilíbrio entre os percentuais de participação sócio-étnica na população do Estado e as matrículas no Ensino Superior nas universidades públicas e no Centro Paula Souza. As metas são: a) Ter ao menos 50% das matrículas em cada curso e em cada turno com alunos que cursaram Ensino Médiointegralmente em escolas públicas b) Dentro desta meta de 50% dos matriculados, no mínimo, oriundos da escola pública, o percentual de pretos pardos e indígenas deverá ser, também no mínimo, aquele verificado pelo IBGE no Censo Demográfico de 2010 (35%). c) As metas acima deverão ser atingidas ao longo dos próximos quatro anos. A Tabela 1 mostra os dados de 2012 para a quantidade de inscritos nos exames de seleção, paraa quantidade de matriculados, e para o diferencial de matriculados oriundos de Escola Pública (EP) e de Escola Pública autodeclarados como Pretos, Pardos e Indígenas (PPI). Para se atingirem as metas aqui especificadas para cada curso e cada turno será preciso encontrar mais estudantes de Escola Pública qualificados, sendo desses, oriundos de EP e, ao mesmo tempo, classificados como PPIs.

3 3 Tabela 1. Dados de 2012 para a quantidade de inscritos nos exames de seleção, paraa quantidade de matriculados, e para o diferencial de matriculados oriundos de Escola Pública (EP) e de Escola Pública autodeclarados como Pretos, pardos e indígenas (PPI). Candidatos em 2012 Matriculados em % EP; 35% PPI Vagas Total PPI EP PPI+EP Total PPI EP PPI+EP EP PPI+EP USP UNESP UNICAMP FAMEMA FAMERP FATEC-CPS Total EP: estimado considerando-se 50% de egressos de EP em cada curso oferecido PPI: estimado considerando-se 35% de PPI sobre os 50% de EP em cada curso oferecido Dados UNESP incluem as vagas de início e as do meio do ano A Tabela 2 mostra o escalonamento da aplicação das metas de forma que em três anos se chegue ao estado estacionário. Tabela 2. Escalonamento para o cumprimento das metas em 3 anos. Escalonamento EP Escalonamento EP+PPI 35% 43% 50% 50% 35% 43% 50% 50% Ano 1 Ano 2 Ano 3 Ano 4 Ano 1 Ano 2 Ano 3 Ano 4 USP UNESP UNICAMP FAMEMA FAMERP FATEC-CPS Total Os meios para se atingirem as metas Instituto Comunitário de Ensino Superior - ICES Para contribuir para o cumprimento das metas, implantar, em parceria com a UNIVESP, o Instituto Comunitário de Ensino Superior - ICES para criar uma estrutura de cursos superiores sequenciais, do tipo de Colleges, que promovam: a) O estabelecimento de formação sociocultural superior para exercício de cidadania na sociedade moderna (Conhecimento como Bem Público) b) O equilíbrio sócio-étnico no Ensino Superior do Estado c) O aumento da permanência de alunos no Ensino Superior d) A ampliação dos percentuais de concluintes do ES no Estado.

4 4 O curso oferecido pelo ICES terá duração de dois anos. Os estudantes do ICES que concluírem com aproveitamento superior a 70% terão ingresso garantido em cursos das universidades estaduais e FATECs. Para isso o número de admitidos no ICES deverá ser igual a 40% do total necessário para o atingimento da meta anual do sistema de inclusão com mérito no ensino superior público paulista, iniciando-se este procedimento após no terceiro ano de implantação do ICES, quando a primeira turma terá concluído o curso. Serão portanto: a) estudantes de Escola Pública; b) sendo destes da categoria PPI. Deve ser notado que já no final do 1º ano de funcionamento do ICES os estudantes cm aproveitamento superior a 70% que o desejarem poderão optar pelo ingresso em FATECs, conforme normatização que será estabelecida pelo Centro Paula Souza e pela Univesp Plano Institucional de Recrutamento de estudantes capacitados e participantes dos grupos sociais no regime de metas Criação em cada Universidade de um Plano Institucional de Recrutamento de estudantes capacitados e participantes dos grupos sociais no regime de metas. As instituições de ensino superior estaduais deverão cumprir por meio deste procedimento: a) 100% da meta do Ano 1 (2.158 estudantes oriundos de EP, sendo PPIs). b) 100% da meta do Ano 2 (3.272 estudantes oriundos de EP, sendo PPIs) c) 60% da meta do Ano 3 e subsequentes (pois 40% da meta será cumprido com estudantes concluintes do CCES). Serão estudantes oriundos de EP, sendo PPIs Fundo Especial para Apoio à Inclusão Social Criação pelo Governo Estadual e pelas Universidades de um Fundo Especial para Apoio à Inclusão Social destinado a financiar a permanência de estudantes no Programa Paulista de Inclusão Social no Ensino Superior, incluindo-se o Programa Instituto Comunitário de Ensino Superior - ICES e a permanência nas Universidades. A permanência dos estudantes selecionados conforme a Tabela 2 deve ser apoiada com um programa de Bolsas Assistenciais de Permanência. A estimativa para o custo do pagamento de uma bolsa de meio S.M. (R$ 311) a cada aluno selecionado é mostrada na Tabela 3, onde se considerou uma perda por desistência de 20% dos alunos em cada um dos dois primeiros anos. O efeito acumulado ao longo de oito anos de permanência dos estudantes leva o custo total a R$ 62,7 milhões por ano.

5 5 Tabela 3. Estimativa do custo do pagamento de bolsas de 50% de S.M (R$ 311) aos estudantes admitidos no PIMESP (Valores em R$ milhões). Custos para as bolsas nas universidades, em milhões de Reais anuais R$ milhões Ano 1 Ano 2 Ano 3 Ano 4 Ano 5 Ano 6 Ano 7 Ano 8 USP 4,135 9,683 16,656 22,764 28,467 31,523 33,146 33,146 UNESP 2,337 5,300 8,846 11,981 14,928 16,380 17,132 17,132 UNICAMP 1,197 2,778 4,753 6,486 8,105 8,958 9,413 9,413 FAMEMA 0,153 0,309 0,475 0,627 0,773 0,821 0,847 0,847 FAMERP 0,072 0,157 0,258 0,348 0,433 0,472 0,493 0,493 FATEC-CPS 0,160 0,425 0,803 1,126 1,422 1,616 1,721 1,721 Total 8,053 18,652 31,791 43,332 54,128 59,770 62,751 62,751 A estimativa dos custos em Bolsas Assistenciais de Permanência e operação para o ICES é mostrada na Tabela 4. Tabela 4. Estimativa de custos para o ICES. CCES Ano 1 Ano 2 Ano 3 e seg. Núm.de alunos Produção 3,000 0,000 0,000 Operação 8,500 17,000 17,000 Bolsa 7,464 14,928 14,928 Custo Anual 18,964 31,928 31,928 Valores monetários em R$ milhões Os custos totais em Bolsas Assistenciais de Permanência para o Programa de Inclusão com Mérito no Ensino Superior Público Paulista (PIMESP) são mostrados na Tabela 5. Tabela 5. Demonstrativo dos custos em Bolsas Assistenciais de Permanência do PIMESP. (Valores em R$ milhões) Ano 1 Ano 2 Ano 3 Ano 4 Ano 5 Ano 6 Ano 7 Ano 8 Bolsas Assistenciais de Permanência no ICES 7,464 14,928 14,928 14,928 14,928 14,928 14,928 14,928 Bolsas Assistenciais de Permanência nas IES 8,053 18,652 31,791 43,332 54,128 59,770 62,751 62,751 Total Permanência 15,517 33,580 46,719 58,260 69,056 74,698 77,679 77,679 O custo total annual para o PIMESP resulta da soma do custo das Bolsas Assistenciais de Permanência comos custos operacionais do Instituto Comunitário de Ensino Superior (ICES), e é mostrado na Tabela 6. Tabela 6. Custo total anual do PIMESP. (Valores em R$ milhões) Ano 1 Ano 2 Ano 3 Ano 4 Ano 5 Ano 6 Ano 7 Ano 8 Bolsas Assistenciais de Permanência 15,517 33,580 46,719 58,260 69,056 74,698 77,679 77,679 Outros custos ICES 11,500 17,000 17,000 17,000 17,000 17,000 17,000 17,000 Custo total do PIMESP 27,017 50,580 63,719 75,260 86,056 91,698 94,679 94,679

6 6 A.1 Instituto Comunitário de Ensino Superior ICES Detalhamento O Instituto Comunitário de Ensino Superior (ICES) é um programa que tem como objetivo aumentar a inclusão social no acesso ao ensino superior no Estado de São Paulo. Para isso o ICES oferecerá Curso Superior Seqüencial e contará com um sistema de Bolsas Assistenciais de Permanência. Os alunos do ICES com aproveitamento superior a 70% poderão ingressar nas universidades estaduais paulistas (USP, Unesp e Unicamp), em faculdades estaduais paulistas isoladas (FAMEMA e FAMERP) e nas Faculdades de Tecnologia (FATECs) do Centro Paula Souza. A.1.1 Promoção do aumento da inclusão social no acesso ao Ensino Superior Público Paulista A UNIVESP, em parceria com as universidades e o Centro Paula Souza, oferece, no Instituto Comunitário de Ensino Superior (ICES), Curso Superior Sequencial (similar a College) com propósito de: a) Aumento de horizonte intelectual nos campos das humanidades e ciências promovendo a preparação para o mundo do trabalho b) Formação sociocultural superior para exercício da cidadania na sociedade moderna c) Aumentar o grau de competitividade de alunos provenientes do ensino médio público quanto aos processos seletivos das universidades paulistas d) Aumentar a participação de categorias sócio-étnicas No Instituto Comunitário de Ensino Superior (ICES) a UNIVESP oferecerá 2 mil vagas anuais do Curso Superior Seqüencial para alunos que cursaram ensino médio em escolas públicas, sendo que: a) vagas são destinadas a PPIs classificados meritoriamente através do ENEM b) Aos alunos concluintes do curso sequencial, considerado o desempenho de cada um, serão ofertadas vagas nas universidades paulistas e no Centro Paula Souza, de acordo com as características: b.i) Aprovação integral em um ano de curso sequencial com características de formação nas áreas tecnológicas permite acesso aos cursos do Centro Paula Souza b.ii) Aprovação integral com rendimento no curso superior a 70% no segundo ano de curso sequencial permite acesso aos cursos das universidades e faculdades estaduais. c) As escolhas de vagas nas instituições ocorrem de respeitando o mérito acadêmico e de acordo com as ofertas apresentadas anualmente pelas universidades, faculdades isoladas e Centro Paula Souza.

7 7 A.1.2 Promoção da permanência dos alunos no Ensino Superior a) Criação de bolsa-manutenção de meio salário mínimo destinada a alunos do PIMESP com renda mensal familiar igual ou inferior a 1,5 SM com: a.i) Propósito de suprir necessidades fundamentais de transporte e alimentação a.ii) Avaliação mensal da participação dos contemplados nas atividades escolares b) Criação de bolsa-manutenção de meio salário mínimo destinada a alunos oriundos do Programa Profissão, e do Programa de Busca de Candidatos a ser instituído nas universidades e faculdades estaduais, matriculados nas universidades, faculdades isoladas e Centro Paula Souza que tenham renda mensal familiar igual ou inferior a 1,5 SM com os mesmos propósitos e avaliação do item (a). A.1.3 Disciplinas oferecidas para formação humanista e científica A Tabela 7 mostra a grade de disciplinas proposta para o curso do ICES, e a Tabela 8 mostra a distribuição das disciplinas nos dois anos do curso, com total de horas de aula.

8 8 Tabela 7. Disciplinas do Instituto Comunitário de Ensino Superior -ICES - áreas e horas. Área Horas Disciplinas Linguagens 80 Leitura e Produção de Texto I 80 Leitura e Produção de Texto II 80 Leitura e Produção de Texto III 80 Leitura e Produção de Texto IV 40 Inglês I 40 Inglês II 40 Inglês III 40 Inglês IV 40 Textos Fundamentais de Literatura I 40 Textos Fundamentais de Literatura II Ciências humanas 40 Sociedade, Ética e Cidadania 40 Gerenciamento de Projetos 40 Serviços e Administração do tempo 40 Princípios de Economia 40 Liderança e Trabalho em Equipe 40 Profissionalização, Inovação e Empreendedorismo I 40 Profissionalização, Inovação e Empreendedorismo II Matemática 40 Matemática 40 Álgebra 40 Introdução ao Cálculo 40 Cálculo, Séries e Equações Diferenciais 40 Matemática Financeira 40 Princípios de Estatística Ciências Exatas e Tecnologia 40 Tecnologia da Informação I 40 Tecnologia da Informação II 40 Tecnologia da Informação III 40 Tecnologia da Informação IV 40 Ciências Físicas - Mecânica 40 Ciências Físicas - Eletricidade 40 Química Inorgânica 40 Química Orgânica Ciências biológicas e da saúde 40 Vida e Meio Ambiente I 40 Vida e Meio Ambiente II 40 Atividade Física, Saúde e Qualidade de Vida Iniciação científica 40 Introdução à prática de ciências e artes I 40 Introdução à prática de ciências e artes II 1600 TOTAIS

9 9 Tabela 8. Disciplinas do Instituto Comunitário de Ensino Superior ICES- distribuição por semestres. Semestres Disciplinas 1º 2º 3º 4º CH Leitura e Produção de Texto I x 80 Inglês I x 40 Sociedade, Ética e Cidadania x 40 Serviços e Administração do tempo x 40 Matemática x 40 Ciências Físicas - Mecânica x 40 Tecnologia da Informação I x 40 Química Inorgânica x 40 1ª Saída Vida e Meio Ambiente I x 40 acesso ao Leitura e Produção de Texto II x 80 CPS Inglês II x 40 Gerenciameno de Projetos x 40 Álgebra x 40 Tecnologia da Informação II Ciências Físicas - Eletricidade x x Química Orgânica x 40 Vida e Meio Ambiente II x 40 Atividade Física, Saúde e Qualidade de Vida x 40 Leitura e Produção de Texto III x 80 Inglês III x 40 Textos Fundamentais da Literatura x 40 Princípios de Economia x 40 Liderança e Trabalho em Equipe x 40 Introdução ao Cálculo x 40 Tecnologia da Informação III x 40 Introdução à prática de Ciências e Artes I x 40 2ª Saída Profissionalização, Inovação e Empreendedorismo x 40 acesso ao CPS Leitura e Produção de Texto IV x 80 e Inglês IV x 40 Textos Fundamentais da Literatura x 40 universidades Cálculo, Séries e Equações Diferenciais x 40 Princípios de Estatística x 40 Matemática Financeira x 40 Tecnologia da Informação IV x 40 Introdução à prática de Ciências e Artes II x 40 Profissionalização, Inovação e Empreendedorismo x 40 A.1.4 Estimativa de custos para o ICES A simulação considera uma oferta de 2 mil vagas anuais na operação do programa (10% a mais que as vagas estimadas para cumprimento da meta através do ICES, ou seja, 40% da meta total).

10 10 A.1.5 Avaliação Tabela 9. Estimativa de custos para o ICES. CCES Ano 1 Ano 2 Ano 3 e seg. Núm.de alunos Produção 3,000 0,000 0,000 Operação 8,500 17,000 17,000 Bolsa 7,464 14,928 14,928 Custo Anual 18,964 31,928 31,928 Valores monetários em R$ milhões Sugere-se que após o terceiro ano de operação do Programa se faça uma ampla avaliação de seus resultados. Um bom indicador a ser avaliado seria o percentual de pretos, pardos, índios e pobres ingressantes em cursos públicos de graduação e, se possível qual o percentual destes que participaram do Programa. Para a continuidade do Programa seriam propostas correções aos pontos que assim o requeiram, bem como seriam propostos incentivos a seus pontos fortes. PDF to Word

Universidade Virtual do Estado de São Paulo: breve histórico e perspectivas futuras

Universidade Virtual do Estado de São Paulo: breve histórico e perspectivas futuras Documentos DOI: 10.5212/MuitasVozes.v.2i1.0006 Universidade Virtual do Estado de São Paulo: breve histórico e perspectivas futuras Carlos Vogt * Programa Univesp O Programa Universidade Virtual do Estado

Leia mais

M a n u a l d o P r o U n i 2014 P á g i n a 1

M a n u a l d o P r o U n i 2014 P á g i n a 1 M a n u a l d o P r o U n i 2014 P á g i n a 1 O Programa Universidade para Todos (Prouni) foi criado pelo Governo Federal em 2004 e tem como finalidade a concessão de bolsas de estudo integrais e parciais

Leia mais

Artigo. nos últimos 15 anos Acesso ao ensino superior no Brasil: equidade e desigualdade social

Artigo. nos últimos 15 anos Acesso ao ensino superior no Brasil: equidade e desigualdade social Artigo nos últimos 15 anos Acesso ao ensino superior no Brasil: equidade e desigualdade social Por Cibele Yahn de Andrade Pesquisadora do Núcleo de Estudos de Políticas Públicas (NEPP) da Unicamp. Doutoranda

Leia mais

PROUNI. Desde 2007, o Prouni - e sua articulação com o FIES - é uma das ações integrantes do Plano de Desenvolvimento da Educação PDE.

PROUNI. Desde 2007, o Prouni - e sua articulação com o FIES - é uma das ações integrantes do Plano de Desenvolvimento da Educação PDE. PROUNI O Programa O Prouni - Programa Universidade para Todos tem como finalidade a concessão de bolsas de estudo integrais e parciais em cursos de graduação e sequenciais de formação específica, em instituições

Leia mais

QUADRO RESUMO. Figura: Fonte UOL. Segundo o IBGE, a soma do percentual de pretos, pardos e indígenas no estado de Minas Gerais é de 53,6%.

QUADRO RESUMO. Figura: Fonte UOL. Segundo o IBGE, a soma do percentual de pretos, pardos e indígenas no estado de Minas Gerais é de 53,6%. O IFMG E A LEI DAS COTAS Atendendo a Lei nº 12.711 de 29/08/2012, o Decreto nº 7.284 de 11/10/2012 e a Portaria Normativa nº 18 MEC de 11/10/2012 o IFMG reservará, no Vestibular e Exame de Seleção 2013/2,

Leia mais

Ministério da Educação Censo da Educação Superior 2012

Ministério da Educação Censo da Educação Superior 2012 Ministério da Educação Censo da Educação Superior 2012 Aloizio Mercadante Ministro de Estado da Educação Quadro Resumo- Estatísticas Gerais da Educação Superior por Categoria Administrativa - - 2012 Categoria

Leia mais

UNIVERSIDADE FEDERAL DO ESPÍRITO SANTO CONSELHO UNIVERSITÁRIO

UNIVERSIDADE FEDERAL DO ESPÍRITO SANTO CONSELHO UNIVERSITÁRIO RESOLUÇÃO Nº. 35/2012 Estabelece sistema de reserva de vagas no Processo Seletivo da UFES para ingresso nos cursos de graduação. O CONSELHO DE ENSINO, PESQUISA E EXTENSÃO DA UNIVERSIDADE FEDERAL DO ESPÍRITO

Leia mais

Art. 1º As instituições federais de educação superior vinculadas ao Ministério da Educação reservarão em cada concurso seletivo para ingresso nos

Art. 1º As instituições federais de educação superior vinculadas ao Ministério da Educação reservarão em cada concurso seletivo para ingresso nos Art. 1º As instituições federais de educação superior vinculadas ao Ministério da Educação reservarão em cada concurso seletivo para ingresso nos cursos de graduação, por curso e turno, no mínimo 50% (cinqüenta

Leia mais

Ministério da Educação Instituto Nacional de Estudos e Pesquisas Educacionais Anísio Teixeira. Censo da Educação Superior 2013

Ministério da Educação Instituto Nacional de Estudos e Pesquisas Educacionais Anísio Teixeira. Censo da Educação Superior 2013 Ministério da Educação Instituto Nacional de Estudos e Pesquisas Educacionais Anísio Teixeira Censo da Educação Superior 2013 Quadro Resumo- Estatísticas gerais da Educação Superior, por Categoria Administrativa-

Leia mais

O que é o PIMESP? Carlos Vogt. O Programa de Inclusão com Mérito no Ensino Superior Público Paulista PIMESP tem como metas:

O que é o PIMESP? Carlos Vogt. O Programa de Inclusão com Mérito no Ensino Superior Público Paulista PIMESP tem como metas: O que é o PIMESP? Carlos Vogt O Programa de Inclusão com Mérito no Ensino Superior Público Paulista PIMESP tem como metas: 1. Ter pelo menos 50% das vagas, para cada curso e turno, das instituições de

Leia mais

Associação Brasileira de Mantenedoras de Ensino Superior

Associação Brasileira de Mantenedoras de Ensino Superior MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO SECRETARIA DE EDUCAÇÃO PROFISSIONAL E TECNOLÓGICA EDITAL Nº 5, DE 25 DE JUNHO DE 2015 SISTEMA DE SELEÇÃO UNIFICADA DA EDUCAÇÃO PROFISSIONAL E TECNOLÓGICA - SISUTEC INSCRIÇÕES PARA

Leia mais

INCLUSP: situação atual, desafios e novas perspectivas

INCLUSP: situação atual, desafios e novas perspectivas INCLUSP: situação atual, desafios e novas perspectivas INCLUSP (criado em 2006) Público-alvo:» Alunos que tenham cursado o EM em escola pública brasileira Objetivos» Integrar a USP com escolas públicas.»

Leia mais

Novas mídias e o Ensino Superior

Novas mídias e o Ensino Superior Novas mídias e o Ensino Superior Especial Universidade virtual A Univesp e as tecnologias para a educação: conhecimento como bem público TENDÊNCIA GERAL É QUE EM CURTO PRAZO NÃO SE DIFERENCIE MAIS O QUE

Leia mais

Art. 4º As instituições de que trata o art. 1º terão o prazo de duzentos e quarenta dias para se adaptarem ao disposto nesta Lei.

Art. 4º As instituições de que trata o art. 1º terão o prazo de duzentos e quarenta dias para se adaptarem ao disposto nesta Lei. Reserva de Vagas PROJETO DE LEI 3627-2004 Institui Sistema Especial de Reserva de Vagas para estudantes egressos de escolas públicas, em especial negros e indígenas, nas instituições públicas federais

Leia mais

SERVIÇO PÚBLICO FEDERAL MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO UNIVERSIDADE FEDERAL DA BAHIA EDITAL PROCESSO SELETIVO PARA ACESSO AOS CURSOS DE GRADUAÇÃO 2015

SERVIÇO PÚBLICO FEDERAL MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO UNIVERSIDADE FEDERAL DA BAHIA EDITAL PROCESSO SELETIVO PARA ACESSO AOS CURSOS DE GRADUAÇÃO 2015 SERVIÇO PÚBLICO FEDERAL MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO UNIVERSIDADE FEDERAL DA BAHIA EDITAL PROCESSO SELETIVO PARA ACESSO AOS CURSOS DE GRADUAÇÃO 2015 O Reitor da Universidade Federal da Bahia, no uso das suas

Leia mais

UNICAMP: 26 ANOS DE AUTONOMIA COM VINCULAÇÃO

UNICAMP: 26 ANOS DE AUTONOMIA COM VINCULAÇÃO UNICAMP: 26 ANOS DE AUTONOMIA COM VINCULAÇÃO ORÇAMENTÁRIA JOSÉ TADEU JORGE REITOR UNICAMP 26/08/2015 - ALESP 1 PRIMEIROS ANOS -CAMPUS CAMPINAS 2 MARÇO 2014 -CAMPUS CAMPINAS 3 HOJE -CAMPUS CAMPINAS UNIVERSIDADE

Leia mais

Educação no Brasil. Aloizio Mercadante. São Paulo, 30 de novembro de 2012

Educação no Brasil. Aloizio Mercadante. São Paulo, 30 de novembro de 2012 Educação no Brasil Aloizio Mercadante Ministro de Estado da Educação São Paulo, 30 de novembro de 2012 Educação Infantil Taxas de atendimento Creches 36,3 23,6 9,4 12,2 Brasil Carinhoso: 2,8 milhões de

Leia mais

Projeto Gerando Futuro. Petrobras Diretoria de Gás e Energia

Projeto Gerando Futuro. Petrobras Diretoria de Gás e Energia Projeto Gerando Futuro Petrobras Diretoria de Gás e Energia Agenda Contexto do Projeto Descrição do Projeto Resultados Alcançados Contexto do Projeto O desafio da produtividade brasileira passa, dentre

Leia mais

SERVIÇO PÚBLICO FEDERAL UNIVERSIDADE FEDERAL DE CAMPINA GRANDE PRÓ-REITORIA DE ENSINO COMISSÃO DE PROCESSOS VESTIBULARES COMPROV

SERVIÇO PÚBLICO FEDERAL UNIVERSIDADE FEDERAL DE CAMPINA GRANDE PRÓ-REITORIA DE ENSINO COMISSÃO DE PROCESSOS VESTIBULARES COMPROV SERVIÇO PÚBLICO FEDERAL UNIVERSIDADE FEDERAL DE CAMPINA GRANDE PRÓ-REITORIA DE ENSINO COMISSÃO DE PROCESSOS VESTIBULARES COMPROV EDITAL PRE Nº 021/2015 Processo Seletivo SiSU 2015.2 A Universidade Federal

Leia mais

Programa para a Inclusão dos Melhores Alunos da Escola Pública na Universidade

Programa para a Inclusão dos Melhores Alunos da Escola Pública na Universidade Programa para a Inclusão dos Melhores Alunos da Escola Pública na Universidade Vestibular 2014 NÚMEROS DA UNESP Cidades: 24 Unidades: 34 Unidades Complementares: 7 Colégios Técnicos: 3 Carreiras: 69 CURSOS

Leia mais

Programas de Bolsa de Estudos ENEM PROUNI FIES - SISU

Programas de Bolsa de Estudos ENEM PROUNI FIES - SISU Programas de Bolsa de Estudos ENEM PROUNI FIES - SISU O ENEM Criado em 1998, o Exame Nacional do Ensino Médio (Enem) tem o objetivo de avaliar o desempenho do estudante ao fim da escolaridade básica. Podem

Leia mais

ENEM, o que é, o que objetiva?

ENEM, o que é, o que objetiva? ENEM, o que é, o que objetiva? Enem Exame Nacional do Ensino Médio Criado em 1998 com o objetivo de diagnosticar a qualidade do ensino médio no país. Em 2009, o exame ganhou uma nova função: selecionar

Leia mais

CALENDÁRIO 2º SEMESTRE 2011 3º ANO DO ENSINO MÉDIO

CALENDÁRIO 2º SEMESTRE 2011 3º ANO DO ENSINO MÉDIO CALENDÁRIO 2º SEMESTRE 2011 3º ANO DO ENSINO MÉDIO DATA ATIVIDADE AGOSTO 01 Início das aulas-2º Semestre 1/8 à 15/9 Inscrições no ITA 8/8 à 12/8 Início da Apostila 01 13/8 à 15/10 A Hora do Vestibular-Biblioteca

Leia mais

Luiz Roberto Liza Curi Conselheiro Conselho Nacional de Educação - CNE incolarum@hotmail.com

Luiz Roberto Liza Curi Conselheiro Conselho Nacional de Educação - CNE incolarum@hotmail.com Luiz Roberto Liza Curi Conselheiro Conselho Nacional de Educação - CNE incolarum@hotmail.com 1 Instâncias de Avaliação MEC CNE CONAES SERES INEP CTAA 2 Desafios da educação superior brasileira 1. Como

Leia mais

EDITAL PARA SELEÇÃO DO CURSO PRÉ-ENEM COMUNITÁRIO TO NA UFAC 2015 RIO BRANCO URBANO TURMA II

EDITAL PARA SELEÇÃO DO CURSO PRÉ-ENEM COMUNITÁRIO TO NA UFAC 2015 RIO BRANCO URBANO TURMA II GRUPO DE PESQUISA EM EDUCAÇÃO GERAÇÃO XXI DIRETÓRIO CENTRAL DOS ESTUDANTES EDITAL PARA SELEÇÃO DO CURSO PRÉ-ENEM COMUNITÁRIO TO NA UFAC 2015 RIO BRANCO URBANO TURMA II EDITAL 08/2015 O Curso Pré-Enem Comunitário

Leia mais

FIES + P ROUNI. 5. Qual o percentual de bolsas complementares para os cursos de Belo Horizonte e para os cursos de Contagem?

FIES + P ROUNI. 5. Qual o percentual de bolsas complementares para os cursos de Belo Horizonte e para os cursos de Contagem? FIES + P ROUNI A UNA, uma Instituição que faz diferença no tempo e no espaço que está inserida, que participa da comunidade e sabe da sua importância na formação de profissionais e de cidadãos, oferece

Leia mais

ENEM - EXAME NACIONAL DO ENSINO MÉDIO

ENEM - EXAME NACIONAL DO ENSINO MÉDIO ENEM - EXAME NACIONAL DO ENSINO MÉDIO INSCRIÇÕES DE 23 DE MAIO A 10 DE JUNHO EXCLUSIVAMENTE NO SITE: http://sistemasenem2.inep.gov.br/inscricao PROVAS 22 E 23 DE OUTUBRO; INÍCIO DAS PROVAS 13h00 DURAÇÃO:

Leia mais

A medida da lei de cotas para o ensino superior

A medida da lei de cotas para o ensino superior Versão 2, 1/12/2008 A medida da lei de cotas para o ensino superior Simon Schwartzman Qual o verdadeiro alcance da lei de cotas para o ensino superior aprovada pelo Congresso Nacional no Dia da Consciência

Leia mais

CURSO DISCIPLINAS VAGAS

CURSO DISCIPLINAS VAGAS EDITAL Nº 14 de 23 DE FEVEREIRO DE 2015 Processo seletivo para o Programa de Monitoria no Período 2015/01 dos Cursos de Engenharia Civil e Engenharia Elétrica. A Diretoria Geral e Diretoria Acadêmica através

Leia mais

C R U E S P Conselho de Reitores das Universidades Estaduais Paulistas. São Paulo, 29 de julho de 2005. Of. CRUESP n 22/2005

C R U E S P Conselho de Reitores das Universidades Estaduais Paulistas. São Paulo, 29 de julho de 2005. Of. CRUESP n 22/2005 C R U E S P Conselho de Reitores das Universidades Estaduais Paulistas Of. CRUESP n 22/2005 São Paulo, 29 de julho de 2005. A Sua Excelência o Senhor Governador GERALDO ALCKMIN Digníssimo Governador do

Leia mais

As Formas de Ingresso em Universidades Públicas e Privadas através do ENEM

As Formas de Ingresso em Universidades Públicas e Privadas através do ENEM As Formas de Ingresso em Universidades Públicas e Privadas através do ENEM Prof. Ph. D. João Benedito dos Santos Jr. Prof. M. Sc. Will Ricardo dos Santos Machado Curso de Bacharelado em Ciência da Computação

Leia mais

Resumo Executivo Projeto Gerando Futuro

Resumo Executivo Projeto Gerando Futuro Resumo Executivo Projeto Gerando Futuro Contexto O PROMINP (Programa de Mobilização da Indústria Nacional do Petróleo e Gás), concebido e coordenado no âmbito do Ministério de Minas e Energia (MME), criado

Leia mais

CÓD. 5129 - CURSO DE ENGENHARIA QUÍMICA MANHÃ E TARDE MATRIZ CURRICULAR - Currículo nº 01

CÓD. 5129 - CURSO DE ENGENHARIA QUÍMICA MANHÃ E TARDE MATRIZ CURRICULAR - Currículo nº 01 Aprovado no CONGRAD 25.08.2015 Vigência: retroativa aos ingressantes de 2014/2 5129 - CURSO DE ENGENHARIA QUÍMICA MANHÃ E TARDE MATRIZ CURRICULAR - Currículo nº 01 I NÚCLEO DE CONTEÚDOS BÁSICOS Matemática

Leia mais

EDITAL DE PROCESSO SELETIVO NUFAC SÃO PAULO/SP 2014

EDITAL DE PROCESSO SELETIVO NUFAC SÃO PAULO/SP 2014 EDITAL DE PROCESSO SELETIVO NUFAC SÃO PAULO/SP 2014 1) SOBRE O NUFAC O Núcleo de Formação de Agentes de Cultura da Juventude Negra resulta da parceria entre Fundação Cultural Palmares, órgão vinculado

Leia mais

Pacto Nacional pelo Fortalecimento do Ensino Médio

Pacto Nacional pelo Fortalecimento do Ensino Médio MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO Pacto Nacional pelo Fortalecimento do Ensino Médio Aloizio Mercadante Ministro de Estado da Educação Contexto do Ensino Médio Ensino Médio Evolução das matrículas, 1991-2012 1991

Leia mais

EDITAL Nº 007/2015 SELEÇÃO DE CANDIDATOS PARA O PROGRAMA DE CURSINHO POPULAR DO IFSP - CAMPUS CAPIVARI: SEMEANDO O FUTURO

EDITAL Nº 007/2015 SELEÇÃO DE CANDIDATOS PARA O PROGRAMA DE CURSINHO POPULAR DO IFSP - CAMPUS CAPIVARI: SEMEANDO O FUTURO EDITAL Nº 007/2015 SELEÇÃO DE CANDIDATOS PARA O PROGRAMA DE CURSINHO POPULAR DO IFSP - : SEMEANDO O FUTURO O Diretor do Campus Capivari do Instituto Federal de Educação, Ciência e Tecnologia de São Paulo

Leia mais

REFORMA UNIVERSITÁRIA

REFORMA UNIVERSITÁRIA Comentários da Profa. Dra. MARIA BEATRIZ LUCE (Coord. Núcleo Política Gestão Educação - UFRGS e membro CNE/ Brasil) Conferência DESAFIOS DA REFORMA DA EDUCAÇÃO SUPERIOR NO BRASIL: ACESSO, EXPANSÃO E RELAÇÕES

Leia mais

Ministério da Educação Secretaria de Educação Superior Diretoria de Políticas e Programas de Graduação. Sistema de Seleção Unificada - SISU

Ministério da Educação Secretaria de Educação Superior Diretoria de Políticas e Programas de Graduação. Sistema de Seleção Unificada - SISU Perguntas Frequentes Ministério da Educação Secretaria de Educação Superior Diretoria de Políticas e Programas de Graduação Sistema de Seleção Unificada - SISU 1 - O que é o Sistema de Seleção Unificada

Leia mais

MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO FUNDAÇÃO UNIVERSIDADE FEDERAL DE MATO GROSSO REITORIA. EDITAL N.º 001/2015 de 07/01/2015 PROCESSO SELETIVO 2015

MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO FUNDAÇÃO UNIVERSIDADE FEDERAL DE MATO GROSSO REITORIA. EDITAL N.º 001/2015 de 07/01/2015 PROCESSO SELETIVO 2015 MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO FUNDAÇÃO UNIVERSIDADE FEDERAL DE MATO GROSSO REITORIA EDITAL N.º 001/2015 de 07/01/2015 PROCESSO SELETIVO 2015 O reitor em exercício da reitoria da Universidade Federal de Mato Grosso

Leia mais

PROJETO DE LEI N.º 73, DE 1.999 (DA SRA. NICE LOBÃO)

PROJETO DE LEI N.º 73, DE 1.999 (DA SRA. NICE LOBÃO) PROJETO DE LEI N.º 73, DE 1.999 (DA SRA. NICE LOBÃO) Autor: DEPUTADA NICE LOBÃO Relator:DEPUTADO CARLOS ABICALIL Dispõe dobre o ingresso nas universidades federais e dá outras providências. RELATÓRIO Dispõe

Leia mais

O impacto do INCLUSP no ingresso de estudantes da escola pública na USP

O impacto do INCLUSP no ingresso de estudantes da escola pública na USP VERSÃO: 03-04-2008 2 O impacto do INCLUSP no ingresso de estudantes da escola pública na USP 1. Apresentação do Programa O Programa de Inclusão Social da USP (INCLUSP) foi concebido a partir da preocupação

Leia mais

SERVIÇO PÚBLICO FEDERAL MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO UNIVERSIDADE FEDERAL DA BAHIA EDITAL PROCESSO SELETIVO PARA ACESSO AOS CURSOS DE GRADUAÇÃO 2016

SERVIÇO PÚBLICO FEDERAL MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO UNIVERSIDADE FEDERAL DA BAHIA EDITAL PROCESSO SELETIVO PARA ACESSO AOS CURSOS DE GRADUAÇÃO 2016 SERVIÇO PÚBLICO FEDERAL MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO UNIVERSIDADE FEDERAL DA BAHIA EDITAL PROCESSO SELETIVO PARA ACESSO AOS CURSOS DE GRADUAÇÃO 2016 O Reitor da Universidade Federal da Bahia, no uso das suas

Leia mais

Projeto Pedagógico do Curso

Projeto Pedagógico do Curso Projeto Pedagógico do Curso Fundamentação Diretrizes curriculares do MEC Diretrizes curriculares da SBC Carta de Princípios da UNICAP Projeto Pedagógico Institucional da UNICAP Diretrizes Curriculares

Leia mais

REGULAMENTO PARA PARTICIPAÇÃO NO CURSO DE FORMAÇÃO E CERTIFICAÇÃO EM GERENCIAMENTO DE PROJETOS

REGULAMENTO PARA PARTICIPAÇÃO NO CURSO DE FORMAÇÃO E CERTIFICAÇÃO EM GERENCIAMENTO DE PROJETOS REGULAMENTO PARA PARTICIPAÇÃO NO CURSO DE FORMAÇÃO E CERTIFICAÇÃO EM GERENCIAMENTO DE PROJETOS 1. APRESENTAÇÃO Este regulamento apresenta as regras e os critérios estabelecidos pelo Núcleo de Gestão do

Leia mais

REGULAMENTO PARA PARTICIPAÇÃO NO CURSO DE FORMAÇÃO E CERTIFICAÇÃO EM GERENCIAMENTO DE PROJETOS

REGULAMENTO PARA PARTICIPAÇÃO NO CURSO DE FORMAÇÃO E CERTIFICAÇÃO EM GERENCIAMENTO DE PROJETOS REGULAMENTO PARA PARTICIPAÇÃO NO CURSO DE FORMAÇÃO E CERTIFICAÇÃO EM GERENCIAMENTO DE PROJETOS 1. APRESENTAÇÃO Este regulamento apresenta as regras e os critérios estabelecidos pelo Núcleo de Gestão do

Leia mais

Qual a principal diferença entre o Enem tradicional e o novo Enem?

Qual a principal diferença entre o Enem tradicional e o novo Enem? SAIBA TUDO SOBRE O ENEM 2009 Qual a principal diferença entre o Enem tradicional e o novo Enem? Até 2008, o Enem era uma prova clássica com 63 questões interdisciplinares, sem articulação direta com os

Leia mais

Vestibular Nacional 2006

Vestibular Nacional 2006 Programa de Ação Afirmativa e Inclusão Social PAAIS Vestibular Nacional 2006 O Programa de Ação Afirmativa e Inclusão Social da Unicamp PAAIS foi instituído em maio de 2004, por deliberação do Conselho

Leia mais

Programa de Iniciação Científica da Faculdade de Tecnologia de São Vicente (PIC-FATEF)

Programa de Iniciação Científica da Faculdade de Tecnologia de São Vicente (PIC-FATEF) FACULDADE DE TECNOLOGIA DE SÃO VICENTE Programa de Iniciação Científica da Faculdade de Tecnologia de São Vicente (PIC-FATEF) Introdução O Programa de Iniciação Científica da Faculdade de Tecnologia de

Leia mais

CÓD. 483 - CURSO DE ENGENHARIA DE PRODUÇÃO. MATRIZ CURRICULAR Currículo nº 03 I- NÚCLEO DOS CONTEÚDOS BÁSICOS

CÓD. 483 - CURSO DE ENGENHARIA DE PRODUÇÃO. MATRIZ CURRICULAR Currículo nº 03 I- NÚCLEO DOS CONTEÚDOS BÁSICOS Aprovado no CONGRAD de: 24.09.2013 Retificado no CONGRAD de: 13.05.2014 Vigência: retroativa aos ingressantes de 2014/1 CÓD. 483 - CURSO DE ENGENHARIA DE PRODUÇÃO MATRIZ CURRICULAR Currículo nº 03 CÓD.

Leia mais

AÇÃO AFIRMATIVA NA EDUCAÇÃO SUPERIOR: PASSADO E FUTURO

AÇÃO AFIRMATIVA NA EDUCAÇÃO SUPERIOR: PASSADO E FUTURO Grupo de Estudos Multidisciplinares da Ação Afirmativa AÇÃO AFIRMATIVA NA EDUCAÇÃO SUPERIOR: PASSADO E FUTURO João Feres Júnior IESP-UERJ Veronica Toste Daflon IESP-UERJ Passado A distribuição nacional

Leia mais

EDITAL DE SELEÇÃO DE BOLSISTA DE EXTENSÃO Nº 003/2015

EDITAL DE SELEÇÃO DE BOLSISTA DE EXTENSÃO Nº 003/2015 Universidade Federal de Juiz de Fora Diretoria de Gerenciamento de Projetos EDITAL DE SELEÇÃO DE BOLSISTA DE EXTENSÃO Nº 003/2015 PROJETO DE EXTENSÃO: Gerenciamento de Projetos Desenvolvimento Sustentável

Leia mais

PROGRAMA FACULDADE PARA TODOS INFORMES URGENTES REGRAS PARA INSRIÇÃO FIES PARA OS CANDIDATOS 2015.2

PROGRAMA FACULDADE PARA TODOS INFORMES URGENTES REGRAS PARA INSRIÇÃO FIES PARA OS CANDIDATOS 2015.2 INFORMES URGENTES REGRAS PARA INSRIÇÃO FIES PARA OS CANDIDATOS 2015.2 Art. 7º As propostas do número de vagas a serem ofertadas no âmbito do processo seletivo do Fies referente ao segundo semestre de 2015,

Leia mais

M a n u a l E n e m 2 0 1 5 P á g i n a 1. Manual do Enem 2015

M a n u a l E n e m 2 0 1 5 P á g i n a 1. Manual do Enem 2015 M a n u a l E n e m 2 0 1 5 P á g i n a 1 Manual do Enem 2015 Criado em 1998, o Exame Nacional do Ensino Médio (ENEM), segundo o INEP, tinha o objetivo de avaliar o desempenho do aluno ao término da escolaridade

Leia mais

ESTADO DO RIO GRANDE DO SUL

ESTADO DO RIO GRANDE DO SUL ESTADO DO RIO GRANDE DO SUL SECRETARIA DA CIÊNCIA, INOVAÇÃO E DESENVOLVIMENTO TECNOLÓGICO PROGRAMA UNIVERSIDADE PARA TODOS NO RIO GRANDE DO SUL PROUNI RS RESOLUÇÃO DO CONSELHO GESTOR DO PROUNI/RS Nº 03/2012

Leia mais

Universidade Estadual de Campinas. Faculdade de Tecnologia

Universidade Estadual de Campinas. Faculdade de Tecnologia Universidade Estadual de Campinas Faculdade de Tecnologia EDITAL DE ABERTURA DO PROCESSO SELETIVO PARA O CURSO DE DOUTORADO EM TECNOLOGIA 1 o SEMESTRE/2016 Implementado em 2009, o Programa de Pós-graduação

Leia mais

TECNOLOGIA EM PROCESSOS GERENCIAIS

TECNOLOGIA EM PROCESSOS GERENCIAIS CONVOCADOS - LISTA DE ESPERA TECNOLOGIA EM PROCESSOS GERENCIAIS Inscrição ENEM CPF MODALIDADE CONCORRENCIA NOTA CLASSIFICAÇÃO 141014028321 03407635079 Ampla Concorrência 674.79 1 141052430727 02044049082

Leia mais

POLÍTICA DE BENEFÍCIOS E CONVÊNIOS PARA A UNIDADE UNESC SERRA ES VIGÊNCIA A PARTIR DE 2015/1

POLÍTICA DE BENEFÍCIOS E CONVÊNIOS PARA A UNIDADE UNESC SERRA ES VIGÊNCIA A PARTIR DE 2015/1 POLÍTICA DE BENEFÍCIOS E CONVÊNIOS PARA A UNIDADE UNESC SERRA ES VIGÊNCIA A PARTIR DE 2015/1 1. FIES O Fundo de Financiamento Estudantil (FIES) é um programa do Ministério da Educação destinado a financiar

Leia mais

Secretaria de Desenvolvimento Econômico, Ciência, Tecnologia e Inovação do Estado de São Paulo

Secretaria de Desenvolvimento Econômico, Ciência, Tecnologia e Inovação do Estado de São Paulo Secretaria de Desenvolvimento Econômico, Ciência, Tecnologia e Inovação do Estado de São Paulo Subsecretaria de Empreendedorismo e da micro e pequena empresa Ciência, Tecnologia e Inovação Desenvolvimento

Leia mais

Documento Base do Plano Estadual de Educação do Ceará. Eixo Temático Educação Superior

Documento Base do Plano Estadual de Educação do Ceará. Eixo Temático Educação Superior Documento Base do Plano Estadual de Educação do Ceará Eixo Temático Educação Superior Ceará, 2015 1 Socioeconômico Diagnóstico Para compreender a situação da educação no estado do Ceará é necessário também

Leia mais

DECRETO Nº, de de de 2010.

DECRETO Nº, de de de 2010. DECRETO Nº, de de de 2010. Regulamenta a concessão de bolsas de estudo para estudantes carentes, prevista no Art. 4º da Lei Complementar nº 633/09 de 29 de dezembro de 2009, que altera o art. 21 da Lei

Leia mais

Foz do Iguaçu PR Novembro de 2013. Willians Kaizer dos Santos Maciel Coordenador de Indicadores e Controle de Qualidade da Educação Superior Inep/MEC

Foz do Iguaçu PR Novembro de 2013. Willians Kaizer dos Santos Maciel Coordenador de Indicadores e Controle de Qualidade da Educação Superior Inep/MEC Foz do Iguaçu PR Novembro de 2013 Willians Kaizer dos Santos Maciel Coordenador de Indicadores e Controle de Qualidade da Educação Superior Inep/MEC Renan Carlos Dourado Técnico em Informações Educacionais

Leia mais

Prouni Histórico i e perspectivas

Prouni Histórico i e perspectivas Secretaria de Educação Superior Diretoria de Políticas e Programas de Graduação Ministério da Educação Secretaria de Educação Superior Diretoria i de Políticas e Programas de Graduação Prouni Histórico

Leia mais

Avanços da Educação no Brasil. Brasília, 29 de janeiro

Avanços da Educação no Brasil. Brasília, 29 de janeiro Avanços da Educação no Brasil Brasília, 29 de janeiro Objetivos Objetivo 1 - Cuidados na primeira infância e educação; Objetivo 2 - Educação primária universal (EPU); Objetivo 3 - Habilidades para jovens

Leia mais

Política Nacional de Educação Infantil. Secretaria de Educação Básica Ministério da Educação

Política Nacional de Educação Infantil. Secretaria de Educação Básica Ministério da Educação Política Nacional de Educação Infantil Secretaria de Educação Básica Ministério da Educação Principais Marcos Normativos Constituição Federal - 1988 Lei de Diretrizes e Bases (LDB) - 1996 Estatuto da Criança

Leia mais

UnB adota SiSU como forma de ingresso

UnB adota SiSU como forma de ingresso UnB adota SiSU como forma de ingresso No total, 88 cursos de graduação foram ofertados. Medicina foi o mais concorrido do País Neste ano, a Universidade de Brasília (UnB) adotou, pela primeira vez, ao

Leia mais

Ensino Superior e novas tecnologias: caminhos e desafios

Ensino Superior e novas tecnologias: caminhos e desafios Ensino Superior e novas tecnologias: caminhos e desafios Henrique Paim Ministro de Estado da Educação Maceió, abril de 2014 Plano Nacional de Educação PNE balizador de todas as ações do MEC. Desafios:

Leia mais

V - promover a cooperação internacional na área de ciência, tecnologia e inovação;

V - promover a cooperação internacional na área de ciência, tecnologia e inovação; DECRETO Nº 7.642, DE 13 DE DEZEMBRO DE 2011 * Programa Ciência sem Fronteiras. * Institui o Programa Ciência sem Fronteiras. A Presidenta da República, no uso das atribuições que lhe confere o art. 84,

Leia mais

Colégio Dom Bosco Ensino Médio Integral e Curso LTDA CNPJ 14.055.114/0001-43 Quadra ACSU SE 20, Avenida NS B. Conjunto 2, Lote 5 - Estado do Tocantins

Colégio Dom Bosco Ensino Médio Integral e Curso LTDA CNPJ 14.055.114/0001-43 Quadra ACSU SE 20, Avenida NS B. Conjunto 2, Lote 5 - Estado do Tocantins Colégio Dom Bosco Ensino Médio Integral e Curso LTDA CNPJ 14.055.114/0001-43 Quadra ACSU SE 20, Avenida NS B. Conjunto 2, Lote 5 - Estado do Tocantins EDITAL N.º 01/2015 PROCESSO SELETIVO PARA COLÉGIO

Leia mais

Regulamento do Programa de Bolsas de Estudos da Faculdade de Tecnologia Bandeirantes

Regulamento do Programa de Bolsas de Estudos da Faculdade de Tecnologia Bandeirantes Regulamento do Programa de Bolsas de Estudos da Faculdade de Tecnologia Bandeirantes Art.1º. O presente regulamento disciplina o processo de inscrição e seleção de candidatos para o Programa de Bolsa de

Leia mais

BRASILEIROS VÃO INVESTIR 13,5% A MAIS COM EDUCAÇÃO EM 2012

BRASILEIROS VÃO INVESTIR 13,5% A MAIS COM EDUCAÇÃO EM 2012 1 BRASILEIROS VÃO INVESTIR 13,5% A MAIS COM EDUCAÇÃO EM 2012 Antônio Eugênio Cunha* O brasileiro vai investir 13,5% a mais com educação em 2012 relativo ao ano anterior. Este é o levantamento divulgado

Leia mais

redação apenas dos candidatos considerados pré-classificados. Os demais candidatos serão considerados

redação apenas dos candidatos considerados pré-classificados. Os demais candidatos serão considerados EDITAL Nº 016 DE 2015 DO 1º VESTIBULAR DE 2015 PARA OS CURSOS SUPERIORES DO INSTITUTO FEDERAL DE EDUCAÇÃO, CIÊNCIA E TECNOLOGIA DE MINAS GERAIS - IFMG O Reitor do Instituto Federal de Educação, Ciência

Leia mais

FACULDADE CASTANHAL-FCAT COORDENAÇÃO DE PÓS-GRADUAÇÃO E PESQUISA REGULAMENTO DAS ATIVIDADES DE INICIAÇÃO CIENTÍFICA DA FCAT

FACULDADE CASTANHAL-FCAT COORDENAÇÃO DE PÓS-GRADUAÇÃO E PESQUISA REGULAMENTO DAS ATIVIDADES DE INICIAÇÃO CIENTÍFICA DA FCAT 1 FACULDADE CASTANHAL-FCAT COORDENAÇÃO DE PÓS-GRADUAÇÃO E PESQUISA REGULAMENTO DAS ATIVIDADES DE INICIAÇÃO CIENTÍFICA DA FCAT Dispõe sobre a estruturação e operacionalização do Programa de Iniciação Científica

Leia mais

Cenário mercadológico brasileiro da graduação privada - EaD APE 50-09OUT14 - SALA 11 14:00/14:25

Cenário mercadológico brasileiro da graduação privada - EaD APE 50-09OUT14 - SALA 11 14:00/14:25 Cenário mercadológico brasileiro da graduação privada - EaD APE 50-09OUT14 - SALA 11 14:00/14:25 Mercado EaD Brasil - Sumário 1. Descrição do atual cenário mercadológico da educação superior privada. 2.

Leia mais

EDITAL Nº27/2012 PROE/UEMS, DE 20 DE NOVEMBRO DE 2012.

EDITAL Nº27/2012 PROE/UEMS, DE 20 DE NOVEMBRO DE 2012. EDITAL Nº27/2012 PROE/UEMS, DE 20 DE NOVEMBRO DE 2012. EDITAL DE INSCRIÇÃO, SELEÇÃO E OCUPAÇÃO DAS VAGAS DOS CURSOS DE GRADUAÇÃO DA UEMS PELO SISTEMA DE SELEÇÃO UNIFICADA (SiSU) PARA INGRESSO EM 2013 A

Leia mais

O MULTICULTURALISMO E OS DIREITOS DE COTAS NA EDUCAÇÃO.

O MULTICULTURALISMO E OS DIREITOS DE COTAS NA EDUCAÇÃO. O MULTICULTURALISMO E OS DIREITOS DE COTAS NA EDUCAÇÃO. SANTOS, Gustavo Abrahão Dos 1 A diversidade cultural entre os discentes nas escolas brasileiras é repleta de características sócio econômicas, aos

Leia mais

Edital de Seleção de Alunos 2º/ 2014

Edital de Seleção de Alunos 2º/ 2014 Edital de Seleção de Alunos 2º/ 2014 1 PREÂMBULO 1.1A Diretoria de Ensino (DE) do Vestibular Cidadão (VC), no uso de suas atribuições, torna pública e estabelece as normas e as condições de habilitação

Leia mais

EDITAL DE SELEÇÃO PARA BOLSISTAS

EDITAL DE SELEÇÃO PARA BOLSISTAS PONTIFÍCIA UNIVERSIDADE CATÓLICA DO RIO GRANDE DO SUL PRÓ-REITORIA DE GRADUAÇÃO FACULDADE DE PSICOLOGIA PROGRAMA DE EDUCAÇÃO TUTORIAL EDITAL DE SELEÇÃO PARA BOLSISTAS O Programa de Educação Tutorial (PET)

Leia mais

Aprova o Regulamento do Programa de Pós-graduação em Relações Internacionais, Cursos de Mestrado Acadêmico e Doutorado, da Unesp, Unicamp e PUC/SP.

Aprova o Regulamento do Programa de Pós-graduação em Relações Internacionais, Cursos de Mestrado Acadêmico e Doutorado, da Unesp, Unicamp e PUC/SP. Resolução UNESP nº 46 de 26/03/2012 Aprova o Regulamento do Programa de Pós-graduação em Relações Internacionais, Cursos de Mestrado Acadêmico e Doutorado, da Unesp, Unicamp e PUC/SP. TÍTULO I Do Programa

Leia mais

FACULDADE DE CIÊNCIAS BIOMÉDICAS DE CACOAL

FACULDADE DE CIÊNCIAS BIOMÉDICAS DE CACOAL FACULDADE DE CIÊNCIAS BIOMÉDICAS DE CACOAL PROGRAMA INSTITUCIONAL DE INCLUSÃO SOCIAL VESTIBULAR 2009/2 CACOAL/RO 2009 INTRODUÇÃO Sabendo de seu compromisso social, a Facimed criou o Programa de Inclusão

Leia mais

Prepare-se para Faculdade. Leticia Bechara Pedagoga e Coordenadora Trevisan Escola de Negócios

Prepare-se para Faculdade. Leticia Bechara Pedagoga e Coordenadora Trevisan Escola de Negócios Prepare-se para Faculdade Leticia Bechara Pedagoga e Coordenadora Trevisan Escola de Negócios Sucesso $$$ sonho habilidade Passos para Faculdade 1- Conhecer você mesmo. 2- Características da faculdade.

Leia mais

CURSO DE GRADUAÇÃO TECNOLÓGICA EM ANÁLISE E DESENVOLVIMENTO DE SISTEMAS. RECONHECIDO conforme PORTARIA nº 295, de 25 de Junho de 2008.

CURSO DE GRADUAÇÃO TECNOLÓGICA EM ANÁLISE E DESENVOLVIMENTO DE SISTEMAS. RECONHECIDO conforme PORTARIA nº 295, de 25 de Junho de 2008. CURSO DE GRADUAÇÃO TECNOLÓGICA EM ANÁLISE E DESENVOLVIMENTO DE SISTEMAS RECONHECIDO conforme PORTARIA nº 295, de 25 de Junho de 2008. Título: Tecnólogo em Análise e Desenvolvimento de Sistemas Turno: Noturno

Leia mais

Cursos e Vagas PUC-SP

Cursos e Vagas PUC-SP s e PUC-SP Administração - PUC-SP - Ipiranga 50 4 ½ Administração - PUC-SP - Monte Alegre Arte: História, Crítica e Curadoria PUC-SP Marques de Paranaguá (Consolação) Ciências Atuariais - PUC-SP - Monte

Leia mais

SELEÇÃO DE ALUNOS PARA O CURSO POPULAR PREPARATÓRIO ENEM 2011

SELEÇÃO DE ALUNOS PARA O CURSO POPULAR PREPARATÓRIO ENEM 2011 EDITAL Nº 01/2011 SELEÇÃO DE ALUNOS PARA O CURSO POPULAR PREPARATÓRIO ENEM 2011 A Universidade Federal de Itajubá Campus Itabira torna público o edital que regulamenta a seleção de alunos para ingresso

Leia mais

UNIVERSIDADE FEDERAL DE LAVRAS PRÓ-REITORIA DE GRADUAÇÃO DIRETORIA DE PROCESSOS SELETIVOS. EDITAL Nº 203 - DIPS/UFLA, de 19 de maio de 2015

UNIVERSIDADE FEDERAL DE LAVRAS PRÓ-REITORIA DE GRADUAÇÃO DIRETORIA DE PROCESSOS SELETIVOS. EDITAL Nº 203 - DIPS/UFLA, de 19 de maio de 2015 UNIVERSIDADE FEDERAL DE LAVRAS PRÓ-REITORIA DE GRADUAÇÃO DIRETORIA DE PROCESSOS SELETIVOS EDITAL Nº 203 - DIPS/UFLA, de 19 de maio de 2015 SISTEMA DE SELEÇÃO UNIFICADA - SISU VERSÃO 2015/2 A Pró-Reitoria

Leia mais

Art. 18º. Cabe ao Aluno Beneficiado:

Art. 18º. Cabe ao Aluno Beneficiado: SISTEMA DE INCLUSÃO EDUCACIONAL ESTUDE JÁ BRASIL REGULAMENTO I DO SISTEMA Art. 1. - O ESTUDE JÁ BRASIL é um sistema de INCLUSÃO EDUCACIONAL e tem por objetivos: I incentivar o cadastramento de cidadãos

Leia mais

M a n u a l E n e m 2 0 1 4 P á g i n a 1

M a n u a l E n e m 2 0 1 4 P á g i n a 1 M a n u a l E n e m 2 0 1 4 P á g i n a 1 Criado em 1998, o Exame Nacional do Ensino Médio (ENEM), segundo o próprio INEP, tinha o objetivo de avaliar o desempenho do aluno ao término da escolaridade básica,

Leia mais

EDITAL Nº 04/2014 EDITAL DE ABERTURA DO VESTIBULAR 2014/2

EDITAL Nº 04/2014 EDITAL DE ABERTURA DO VESTIBULAR 2014/2 EDITAL Nº 04/2014 EDITAL DE ABERTURA DO VESTIBULAR 2014/2 A Comissão Coordenadora do Processo Seletivo das Faculdades Integradas de Vitória FDV, para conhecimento de todos os interessados, torna público

Leia mais

O Plano nacional de Educação e a Expansão da Educação Superior

O Plano nacional de Educação e a Expansão da Educação Superior O Plano nacional de Educação e a Expansão da Educação Superior Luiz Cláudio Costa Brasília - novembro 2012 Contexto Indicadores de acompanhamento: taxa líquida: percentual da população de 18-24 anos na

Leia mais

INSTRUÇÕES GERAIS PARA CANDIDATURA A BOLSAS DO PROGRAMA DE CAPACITAÇÃO INSTITUCIONAL (PCI) - CETEM

INSTRUÇÕES GERAIS PARA CANDIDATURA A BOLSAS DO PROGRAMA DE CAPACITAÇÃO INSTITUCIONAL (PCI) - CETEM INSTRUÇÕES GERAIS PARA CANDIDATURA A BOLSAS DO PROGRAMA DE CAPACITAÇÃO INSTITUCIONAL (PCI) - CETEM Projeto: INOVAÇÃO PARA A COMPETITIVIDADE DA INDÚSTRIA MINERAL 2015 (outubro) 2017 (setembro) Processo

Leia mais

Regulamentação da Lei nº 12.711/2012

Regulamentação da Lei nº 12.711/2012 Regulamentação da Lei nº 12.711/2012 Reservas de nas Instituições Federais de Ensino Decreto nº 7.824, de 11 de outubro de 2012 Portaria Normativa nº 18, de 11 de outubro de 2012 Ministério da Educação

Leia mais

1. Objetivo. 2. Elegíveis

1. Objetivo. 2. Elegíveis 1. Objetivo Estabelecer diretrizes, critérios e condições para a concessão de bolsa de estudo para os candidatos participantes da Campanha Mérito ENEM 2016.1 dos cursos de Graduação Presencial (Graduação

Leia mais

Processo Seletivo 2º semestre/2015 Graduação Presencial Regulamento de Bolsas de Estudos e Campanhas

Processo Seletivo 2º semestre/2015 Graduação Presencial Regulamento de Bolsas de Estudos e Campanhas Processo Seletivo 2º semestre/2015 Graduação Presencial Regulamento de Bolsas de Estudos e Campanhas A Cruzeiro do Sul Educacional S.A, entidade mantenedora da Universidade Cruzeiro do Sul, e controladora

Leia mais

Cotas Socioeconômicas sim, Étnicas não

Cotas Socioeconômicas sim, Étnicas não Este é um tema atual de debate na sociedade brasileira, motivado principalmente pela discussão das cotas étnicas e, a partir do Projeto de Lei nº 3627/04, com ênfase nas socioeconômicas (origem dos alunos

Leia mais

Censo Demográfico - 2000 : Educação: Resultados da Amostra

Censo Demográfico - 2000 : Educação: Resultados da Amostra Comunicação Social 02 de dezembro de 2003 Censo Demográfico - 2000 : Educação: Resultados da Em 2000, 5,8 milhões de brasileiros de 25 anos ou mais de idade tinham o curso superior concluído e proporção

Leia mais

PROGRAMA UNIVERSIDADE PARA TODOS PROUNI EDITAL DE INSCRIÇÃO PARA TRANSFERÊNCIAS DE CURSO COM BOLSA PROUNI 2015/2

PROGRAMA UNIVERSIDADE PARA TODOS PROUNI EDITAL DE INSCRIÇÃO PARA TRANSFERÊNCIAS DE CURSO COM BOLSA PROUNI 2015/2 PROGRAMA UNIVERSIDADE PARA TODOS PROUNI EDITAL DE INSCRIÇÃO PARA TRANSFERÊNCIAS DE CURSO COM BOLSA PROUNI 2015/2 1. Abertura O Coordenador do PROUNI, da Universidade do Vale do Rio dos Sinos UNISINOS,

Leia mais

A QUESTÃO RACIAL NO ACESSO AO ENSINO SUPERIOR: POLÍTICAS AFIRMATIVAS E EQUIDADE

A QUESTÃO RACIAL NO ACESSO AO ENSINO SUPERIOR: POLÍTICAS AFIRMATIVAS E EQUIDADE A QUESTÃO RACIAL NO ACESSO AO ENSINO SUPERIOR: POLÍTICAS AFIRMATIVAS E EQUIDADE Bruno Morche 1 Clarissa Eckert Baeta Neves 2 A educação superior possui grande destaque no rol de discussões na sociedade

Leia mais

Processo Seletivo para Monitoria. Edital n o 10/2014

Processo Seletivo para Monitoria. Edital n o 10/2014 Processo Seletivo para Monitoria Edital n o 10/2014 A Direção da FACULDADE DE CASTANHAL - FCAT, mantida pelas Faculdades Integradas de Castanhal Ltda., no uso de suas atribuições, de acordo com seu regimento

Leia mais

REGULAMENTO DO PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO STRICTO SENSU EM ZOOTECNIA

REGULAMENTO DO PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO STRICTO SENSU EM ZOOTECNIA REGULAMENTO DO PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO STRICTO SENSU EM ZOOTECNIA 2012 COLEGIADO DO PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO STRICTO SENSU EM ZOOTECNIA ❶ Coordenador Prof. Márcio Machado Ladeira ❷ Coordenador Adjunto

Leia mais

PROGRAMA UNIVERSIDADE PARA TODOS PROUNI EDITAL DE INSCRIÇÃO PARA TRANSFERÊNCIAS DE CURSO COM BOLSA PROUNI 2015/1

PROGRAMA UNIVERSIDADE PARA TODOS PROUNI EDITAL DE INSCRIÇÃO PARA TRANSFERÊNCIAS DE CURSO COM BOLSA PROUNI 2015/1 PROGRAMA UNIVERSIDADE PARA TODOS PROUNI EDITAL DE INSCRIÇÃO PARA TRANSFERÊNCIAS DE CURSO COM BOLSA PROUNI 2015/1 1. Abertura O Coordenador do PROUNI, da Universidade do Vale do Rio dos Sinos UNISINOS,

Leia mais

Simon Schwartzman. A evolução da educação superior no Brasil diferenças de nível, gênero e idade.

Simon Schwartzman. A evolução da educação superior no Brasil diferenças de nível, gênero e idade. A educação de nível superior superior no Censo de 2010 Simon Schwartzman (julho de 2012) A evolução da educação superior no Brasil diferenças de nível, gênero e idade. Segundo os dados mais recentes, o

Leia mais