Planejamento Estratégico: Muito Criticado e Muito Usado. Por Quais Razões?

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "Planejamento Estratégico: Muito Criticado e Muito Usado. Por Quais Razões?"

Transcrição

1 Planejamento Estratégico: Muito Criticado e Muito Usado. Por Quais Razões? Autoria: Rodrigo Hubner Mendes, Marcelo Pereira Binder, Sérvio Túlio Prado Júnior Resumo Já não se pode mais qualificar a reação crítica ao Planejamento Estratégico como um fenômeno recente. Desde de os anos 80 são recorrentes os ataques oriundos tanto do meio acadêmico, como dos próprios praticantes, executivos que até então se constituíam em difusores entusiasmados desta ferramenta gerencial. Tais questionamentos surgiram do acúmulo de evidências acerca de frustrações resultantes de estratégias e/ou de implementações ineficientes, alimentando o interesse de pesquisadores em debates que perduram até hoje, ainda que associadas a temáticas e questões teóricas mais atualizados. Entretanto, apesar de tudo isso, o termo Planejamento Estratégico continua a nomear uma série de práticas gerencias correntes e este artigo tem como objetivo identificar fatores que expliquem a continuidade do seu uso e da importância a ele conferida. Para isto, foi realizada uma pesquisa exploratória baseada em estudo de caso múltiplo. Como resultado, foram apontados três fatores que ajudam a explicar o fenômeno: (a) a variedade de definições do termo planejamento estratégico ; (b) a estratégia como prática; (c) aspectos neoinstitucionais. Introdução Dentre os diversos temas que compõem o campo de estudos de estratégia empresarial, "Planejamento Estratégico" tem sido um dos que chamam a atenção pelo volume de discussões dos quais foi objeto ao longo dos anos. Apesar da popularidade conquistada nos círculos de alta gestão desde o seu surgimento na década de 60, a partir dos anos 80, o planejamento estratégico começou a ser questionado por algumas empresas que enfrentaram dificuldades na implementação das estratégias traçadas pelos planejadores (MINTZBERG, 1998). Como um exemplo disso, pode ser citada a edição de 17 de setembro de 1984 da revista "Business Week", cuja matéria de capa dizia: "Depois de mais de uma década de controle quase ditatorial sobre o futuro das corporações americanas, o reinado do planejamento estratégico pode estar no fim" (Business Week, 1984). Uma outra ilustração de que as idéias associadas ao planejamento vinham perdendo credibilidade já no início dos anos 80 pode ser o caso da General Electric, empresa que talvez melhor tenha simbolizado o sucesso da adoção da ferramenta, mas teve sua estrutura de planejamento estratégico desmantelada por seu CEO, Jack Welch. A GE foi uma das pioneiras do planejamento corporativo durante a década de 60 e início da década de 70. Sob a liderança do executivo Fred Borsh, a GE sentiu a necessidade de uma nova abordagem para gerenciar o grande conglomerado diversificado formado ao longo de década. Para isto, a GE colaborou com a consultoria Mckinsey para desenvolver a matriz de força de atratividade do negócio no setor (GE Screen), com o Boston Consulting Group, para trabalhar a curva de experiência, e com a Harvard Business School para sistema PIMS. No início da década de 70, essas abordagens foram implementadas e coordenadas por um grande departamento de planejamento corporativo central, o protótipo daqueles que se disseminaram por todas as empresas ocidentais durante a década. Na gestão do sucessor de Borsh, Reginald Jones, o planejamento central cresceu muito e chegou a contar com mais de 200 executivos e começou a ser criticado por outras áreas da empresa como uma área que tinha uma finalidade em si mesma. Neste período o sistema de planejamento apresentava vários problemas, o que pode 1

2 ser exemplificado no tamanho de seus relatórios de controle que chegavam a ter mais de 3 metros de comprimento. Por outro lado, a GE não tinha resolvido seus problemas de lento crescimento e foi duramente atingida pelo início da recessão dos anos 80. Um novo chefe executivo, Jack Welch, realizou um forte processo de racionalização em toda a organização aplicando uma forte redução do quadro de pessoal. Uma de suas principais vítimas neste processo foi o sistema de planejamento, considerado elaborado demais (WHITTINGTON, 2002). Henry Mintzberg, um dos principais representantes do conjunto de pesquisadores que desde a segunda metade dos anos 70 produziu estudos voltados à crítica do modelo, arremata essa vertente do seu trabalho com a publicação do livro "The Rise and Fall of Strategic Planning", publicado em Nesse trabalho, ele sintetiza a argumentação que foi capaz de desenvolver ao longo de toda uma série de trabalhos empíricos realizados nas duas décadas anteriores (MINTBERG, 1978; MINTZBERG & McHUGH, 1985; MINTZBERG & WATERS, 1985) para explicar a inconsistências e fragilidades das práticas comumente adotadas sob a rubrica do Planejamento Estratégico. Segundo MILLER e CARDINAL (1994), muitos pesquisadores consideravam o Planejamento Estratégico disfuncional e irrelevante devido à rigidez que impunha às organizações, defendendo a idéia de que sua inflexibilidade prejudicava o pensamento criativo e o surgimento de inovações. O planejamento formal começou a ser sinônimo de formalismo, burocracia e engessamento. No entanto, apesar de tão recorrentes questionamentos, o planejamento estratégico permanece sendo amplamente empregado por praticantes e estudado por pesquisadores. Uma evidência disso pode ser identificada, por exemplo, numa pesquisa realizada pela consultoria de gestão Bain&Company em 2001 indicando que o planejamento estratégico ainda era, até aquele momento, uma das ferramentas de gestão mais utilizadas por empresas ao redor de todo o mundo, inclusive no Brasil. Sob uma perspectiva mais acadêmica, um levantamento realizado sobre a produção acadêmica brasileira de estratégia empresarial realizado por BERTERO ET AL (2003) aponta o planejamento estratégico como a terceira linha temática com maior concentração de artigos publicados na área (12,3 % da produção científica), estando, inclusive, à frente dos artigos publicados sobre Recursos e Competências (9,6% da produção acadêmica de estratégia empresarial). Este trabalho tem como objetivo identificar fatores que expliquem a continuidade do uso do planejamento estratégico, apesar das duras críticas manifestadas pela área acadêmica e pelas próprias empresas. Quanto à estrutura, o artigo inicia fazendo um breve resgate das origens do planejamento estratégico e das principais críticas sustentadas por especialistas da área. Em seguida, o texto comenta a metodologia de investigação adotada, seus resultados e, por fim, as conclusões do estudo. As Origens do Planejamento Estratégico A grande popularidade atingida pelo livro "Corporate Strategy", de Igor Ansoff, publicado em 1965, é um grande sinalizador do impulso tomado pelos temas associados ao planejamento estratégico ao longo da segunda metade da década de 60. Foi entre o final dessa década e o início dos anos 70 que tiveram lugar iniciativas como o College on Planning, dentro do Institute of Management Science, e o Planning Executives Institute (PEI) que, em conjugação com a North American Society of Corporate Planners formaria posteriromente Planning Forum. (RUMELT, 1994). É desta mesma época o início da publicação dos periódicos Long Range Planning, ainda hoje em circulação e The Planning Review que, desde de 1996 vem sendo publicada com o nome de Strategy & Leadership. Sendo assim, no decorrer dos anos 70, o planejamento estratégico passou a ser visto como um componente indispensável a qualquer corporação que almejasse alcançar desempenhos de 2

3 destaque, o que resultou em uma enorme influência sobre a prática da administração e sobre os processos de formação de estratégia. Muitas empresas chegaram a criar departamentos exclusivamente destinados à elaboração e ao monitoramento da implantação do planejamento, como no exemplo já citado da General Electric. Outro elemento que confirma a importância que esse assunto representou, não só para o meio empresarial, mas também para o meio acadêmico, foi o alto número de pesquisadores que dedicaram atenção à análise da relação entre desempenho e planejamento formal, sendo que mais de 40 pesquisas sobre este assunto foram publicados desde essa época (POWELL, 1992). Para BERTERO et al. (2003) o ambiente da década de 70 é marcado pelo aumento do tamanho das empresas, tanto multinacionais como nacionais e estatais, e pelo agravamento dos problemas de controle e coordenação destas organizações. Nesta perspectiva, o trabalho já citado de ANSOFF (1965), Corporate Strategy, ganha espaço entre acadêmicos e gestores por atender às necessidades da maioria das empresas da época, ou seja, ao mesmo tempo em que colaborava para desenvolver uma atitude de análise das variáveis estratégicas da firma, o planejamento estratégico fornecia os elementos para a racionalização de processos e ganhos de eficiência. Este caráter analítico e racionalizador fica patente na caracterização que Ansoff faz do que seriam as decisões estratégicas tomadas na empresa, diferenciando-as daquelas de caráter administrativo e das de caráter operacional (p. 3 6). Para ele, as decisões estratégicas estariam primordialmente relacionadas com os problemas externos da firma e, mais especificamente, com a seleção do mix de produtos adotado e dos mercados onde ele é vendido definições de produto - mercado. Já as decisões operacionais, que absorveriam a maior parte de toda a energia e atenção da empresa, teriam como objetivo principal a maximização da eficiência do processo de conversão de recursos necessário à consecução dos objetivos definidos pela estratégia selecionada. Nesse contexto, as decisões administrativas limitariam - se à ao processo de estruturação dos recursos da firma de modo a produzir um máximo potencial de performance. Ansoff é explícito ao limitar o interesse de seu livro aos participantes da alta gestão (p.ix). Admite abertamente priorizar a visão dos economistas sobre uma perspectiva mais gerencial nas questões que trabalha em seu livro (p.39). Suas incursões sobre as questões organizacionais versam preponderantemente sobre a avaliação de competências internas e /ou de sinergias necessárias a uma atuação frente oportunidades ambientais. É preciso ressaltar que o autor não só compartilha da visão de CHANDLER de que a estrutura se amolda à estratégia, como qualifica este processo como sendo algo eminentemente administrativo (p.7-11). Para ANSOFF, novas definições de produto - mercado levariam à novas necessidades operacionais que, por sua vez, determinariam estrutura de autoridade, responsabilidade, fluxos de trabalho e de informação necessárias para tornar a empresa capaz de responder ao seu ambiente de atuação. Nesta visão fica clara a distinção entre o que seriam mudanças estratégicas associadas eminentemente aos processos de expansão, diversificação ou desinvestimento daquelas que seriam as mudanças administrativas realizadas com o intuito de suportar um novo arranjo de operações demandado por uma dada estratégia escolhida. É preciso ressaltar que assim o autor nada mais faz do que se manter em estrita coerência com o que definiu como sendo o significado do termo estratégico em seu texto, ou seja, pertaining to the relation between the firm and its environment (p.5). É exatamente neste contexto o de segregar de forma tão precisa a dimensão estratégica de todas as demais dimensões da empresa - que ANSOFF irá defender abertamente a função de planejamento e a designação de uma área organizacional específica para a sua execução (p.127). A sua concepção sobre o que pertence ou não ao domínio da Estratégia, e a forma esquemática com que ele apresenta tais elementos, faz com que este seu trabalho seja 3

4 identificado por MINTZBERG como o modelo inicial para toda a escola de planejamento estratégico (MINTZBERG, 1994, p. 43). O objetivo declarado de ANSOFF é o de sintetizar e unificar tudo o que já havia sido escrito nos dez anos que antecederam a publicação de seu livro em termos daquilo que ele qualifica como sendo partial analytical insights into strategic business problems (p. viii). Propõe-se então a construir uma abordagem analítica geral capaz de abordar o problema estratégico da empresa em sua totalidade. Esta abordagem, por sua vez, deve vir a constituir-se num método prático para a tomada de decisões em empresas. O autor dedica então a maior parte de seu trabalho ao detalhamento exaustivo daquilo que seria o fluxo de decisões necessário às adequações de produto/mercado consideradas como oportunas e factíveis pelo critério da lucratividade a longo prazo. Conforme descrito por MINTZBERG (1998), o planejamento estratégico possui um caráter prescritivo incluindo algumas etapas pré-definidas como: (a) estágio de fixação de objetivos; (b) estágio da auditoria externa, (c) estágio da auditoria interna, (d) estágio da avaliação estratégica; (e) estágio da operacionalização estratégica; (f) estágio de programação de todo o processo. Quanto a suas premissas, em primeiro lugar, a formação da estratégia deve ser um processo deliberado de pensamento consciente, sendo a ação sustentada pela razão e o pensamento controlado. Segundo, as estratégias devem resultar de um processo controlado e consciente de planejamento formal, decomposto em etapas distintas, cada uma delineada por checklists e apoiada por técnicas. Terceiro, a responsabilidade por todo o processo está, em princípio, com um o executivo principal; na prática, a responsabilidade pela execução está com os planejadores. Quarta, o processo de desenho é concluído quando as estratégias estão plenamente formuladas e suas etapas são vistas como momentos estanque, impedindo que a formulação continue durante e depois da implementação. Quinta, as estratégias surgem prontas deste processo, devendo ser explicitadas para que possam ser implementadas; detalhamento orientado por objetivos, orçamentos, programas e planos operacionais de vários tipos. Sexta, a implementação deve iniciar somente após a formulação, resultando num processo em que o diagnóstico é seguido por prescrição e ação, havendo separação clara entre pensamento e ação. A Queda do Planejamento Mintzberg, o Grande Crítico e o Conceito de Estratégias Emergentes Em 1990, MINTZBERG (1990) elabora críticas ao que ele denomina a escola de Design e como a maioria das premissas dessa escola é também adotada pela denominada por Mintzberg de Escola do Planejamento (MINTZBERG, 1998). Podemos resumir estas críticas em quatro pontos principais (a) como ter certeza da validade das análises de pontos fortes e fracos antes de testá-los; (b) Como ignorar a relação entre o passado (estrutura e ambiente) e a estratégia criada? A estrutura deveria ser uma conseqüência da estratégia; no entanto, ela acaba sendo a base de referência da formação da estratégia, gerando, portanto, uma contradição; (c) Como enfrentar um ambiente em constante mudança se a empresa já definiu suas estratégias? Ao comunicá-las explicitamente a toda empresa, a estratégia intencionada é absorvida pelas pessoas, tornando-as resistentes a mudanças e (d) ao separar pensamento e ação, pressupõe-se que o estrategista possa analisar e formular sem conhecer de perto produtos, fábricas e clientes da empresa (MINTZBERG, 1990). Ao longo do artigo, o autor sugere algumas alternativas para que tais "insuficiências" sejam superadas. Na sua opinião, o formulador deve ser também o implementador da estratégia, participando, portanto, das ações subseqüentes à etapa de elaboração. Por outro lado, os demais implementadores, normalmente situados em níveis mais operacionais, devem participar da formulação, tornando a elaboração um processo coletivo. 4

5 Quatro anos mais tarde, MINTZBERG (1994) escreve um livro no qual declara a "morte" do Planejamento Estratégico, tal qual vinha sendo concebido desde sua origem, ou seja, de forma burocratizante, inflexível e formal. Alguns meses depois, o autor publica na Harvard Business Review um artigo, derivado de tal livro, intitulado "The Fall and Rise of Strategic Planning". Nesse texto, Mintzberg resume suas críticas e propostas de mudança aos planejadores. Segundo ele, o Planejamento Estratégico embutia de algumas falácias, descritas como (a) a falácia da predeterminação, suposição de que a empresa é capaz de prever o curso futuro do ambiente ou de que há estabilidade; (b) a falácia do desligamento, suposição de que os executivos devem se desligar dos detalhes operacionais (delegados aos níveis mais baixos, responsáveis pela implantação do plano) e se concentrar no "pensamento", (c) a falácia da formalização, suposição de que o processo estruturado e formalizado desta escola é a melhor maneira de se criar estratégias, quando na verdade, para que seja eficiente, o processo requer criatividade, insights e síntese e (d) a grande falácia, onde a expressão "Planejamento Estratégico" mostrou ser uma contradição pois, na melhor das hipóteses, a análise pode preceder a síntese (criação da estratégia), provendo certos insumos importantes e reaparecer posteriormente à síntese, decompondo e formalizando as decisões tomadas; no entanto, a análise não pode em hipótese alguma substituir a síntese. Com base nesses argumentos, Mintzberg propõe que a expressão "Planejamento Estratégico" seja substituída por "Programação Estratégica", simbolizando assim, seu caráter mecanicista e analítico. A alternativa já havia sido proposta por MINTZBERG (1978) e MINTZBERG e WATERS (1985), as estratégias não seriam apenas deliberadas (tal como seria o prescrito pelas escolas do design e do planejamento), elas seriam também emergentes. Os processos de formulação e de implementação estratégica deveriam ser percebidos como um processo contínuo de aprendizagem, através do qual surgiriam, de fato, ações mais criativas. Os gerentes se situariam permanentemente entre um passado de capacidades empresariais e um futuro de oportunidades de mercado. A estratégia faria então a conexão entre pensamento e ação, e assim como um escultor, o gerente moldaria a estratégia com a mente funcionando em sincronia com as mãos. As ações passariam a se configurar como em padrões, emergindo daí como estratégias. Todo este conjunto de questionamentos acabou fomentando um caloroso debate entre críticos e defensores do Planejamento Estratégico, onde se destaca o confronto entre Henry Mintzberg e Igor Ansoff. Em artigo "Critique of Henry Mintzberg's The Design School: Reconsiering the Basic Premises of Strategic Planning", ANSOFF (1991) rebate duramente as críticas feitas por Mintzberg apontando que toda a argumentação do texto inicial de Mintzberg sofre de uma profunda inconsistência metodológica diante do fato de que as provas usadas para a sustentação de tais críticas são falhas e imprecisas sob diversos aspectos, tais como: o desconhecimento de Mintzberg na prática da gestão estratégica no business sector leva-o a afirmações que estão em direta contradição com a realidade; a insistência na aplicabilidade universal do modelo por ele defendido (formação de estratégias como um processo de aprendizagem, gerador de estratégias emergentes), leva-o a afirmações que contradizem a realidade observável. Ansoff aproveita para atacar as propostas de Mintzberg, caracterizandoas como inaplicáveis. É importante frisar, contudo, que para Mintzberg as estratégias não seriam deliberadas ou emergentes, elas seriam deliberadas e emergentes Uma estratégia puramente deliberada bloquearia por completo toda aprendizagem na medida que já estaria, a priori, completamente formulada. Por outro lado uma formulação estratégica totalmente emergente estaria associada a uma completa falta de controle. Deste modo, tanto a formulação deliberada da estratégia como a estratégia emergente quando levadas ao limite não acabariam não fazendo muito sentido (MINTZBERG, 1987). 5

6 Além do próprio Mintzberg, outros autores e idéias podem ser, com relativa facilidade, associados ao conceito de estratégias emergentes, conforme se pode perceber pela articulação de conceitos apresentada abaixo (MARIOTTO, 2000; PRADO JÚNIOR, 2003): a) As estratégias emergentes se formariam a partir de padrões de atuação que seriam incrementalmente produzidos pela dinâmica interna da organização e da sua interação com o ambiente (LINDBLOM, 1959; QUINN, 1980 e MINTZBERG, 1978) - Estes padrões se organizariam de forma coerente a partir de dois processos distintos, mas não mutuamente excludentes: (1) mecanismos de ajuste e controle mútuos, como no caso das agências públicas e das adhocracias (LINDBLOM,1959; MINTZBERG e McHUGH, 1985); (2) mecanismos organizacionais de seleção de iniciativas e priorização de projetos, onde estratégias emergiriam do relacionamento entre a gerência média e a alta gestão, como no caso de configurações burocráticas mais convencionais (BOWER, 1970; BURGELMAN, 1983). b) Estratégias emergentes e estratégias deliberadas coexistiriam permanentemente, em maior ou menor grau, no processo geral de formação de estratégias de qualquer organização. (MINTZBERG,1978; BURGELMAN, 1983; MINTZBERG e WATERS, 1985; MINTZBERG e McHUGH, 1985; MINTZBERG, 1994) - O que definiria o quanto estratégias seriam deliberadas ou o quanto elas são emergentes será: (1) a pré-existência de intenções estratégicas explícitas ou o grau com que essas intenções teriam sido explicitadas para todos os envolvidos; (2) nível de controle centralizado sobre a organização; (3) nível de previsibilidade, e conseqüente controle, do ambiente externo (MINTZBERG e WATERS, 1985). c) Padrões emergiriam a partir de um processo de aprendizagem estratégica (MINTZBERG 1998). Essa aprendizagem ocorreria em diversas instâncias: - Otimização do uso da informação disponível pelos diversos atores envolvidos com a estratégia (LINDBLOM, 1959; QUINN, 1980; MINTZBERG, 1994) - Identificação de objetivos a posteriori (MARCH, 1976) - Construção de sentido retrospectiva (WEICK, 1995 e MINTZBERG, 1998) d) Padrões emergiriam a partir de um processo político, onde interagiriam grupos de interesse e agendas pessoais (LINDBLOM, 1959; BOWER, 1970; BURGELMAN, 1983). Conforme se pode perceber pela análise das proposições acima, a idéias passíveis de serem associadas ao conceito de estratégia emergente não excluem, de modo, a possibilidade de serem combinadas - em um menor ou maior grau, dependendo das circunstâncias - a práticas mais deliberadas de planejamento. Como (MINTZBERG, 1994) mesmo coloca ao assumir um tom excessivamente crítico com relação ao processo de planejamento, ele buscava trazer o debate da época para um campo médio, onde o Planejamento Estratégico deixasse de ser visto como capaz de tudo fazer e começasse a ser percebido como uma das partes de um processo maior, o processo da Estratégia. Ao final de seu livro, o autor assume um tom mais conciliatório, indicando quais seriam, de fato, os papéis a serem desempenhados no processo da estratégia pelo planejamento, pelos planos e pelos planejadores. A função que MINTZBERG vê para a função de planejamento é a de programação estratégica. Ele afirma que organizações realmente efetivas só incorreriam em processos de planejamento quando querem formalizar para toda a organização estratégias já previamente 6

7 definidas - estratégias pretendidas, portanto. É salientado pelo autor que, neste caso, a estratégia não seria o produto do processo de planejamento, mas sim exatamente o contrário. Uma vez definida a estratégia, iniciaria se o planejamento da sua implementação, tanto em relação à organização, quanto em relação ao ambiente externo. Uma vez que esse seria o papel do planejamento, os planos deveriam funcionar como instrumentos tanto para comunicar e descrever para toda a organização todos os detalhes da estratégia pretendida, quanto para a controlar a execução ou implementação da mesma. Esse controle deve ser feito em termos da avaliação de como a estratégia pretendida efetivamente se realiza e, ao se realizar, em termos da ponderação do real impacto disso para a performance geral da organização. Aos planejadores, por sua vez, caberiam três papéis básicos: os de identificadores de estratégia, os de analistas e os de catalisadores. Os planejadores seriam aqueles que melhor informados estariam sobre a implementação de estratégias pretendidas, portanto ele seria também quem melhor capacitado estaria para identificar padrões emergentes, surgidos independentemente dos esforços programados. Como analista, caberia ao planejador detalhar ao máximo as possíveis conseqüências e desdobramentos de alternativas estratégicas disponíveis, antes que uma delas seja escolhida como estratégia pretendida pela organização. Como catalisador, o planejador deveria promover situações onde os diversos atores envolvidos com a estratégia pudessem refinar suas percepções sobre a mesma, avaliando decisões tomadas, aprimorando ou modificando comportamentos e identificando possíveis oportunidades. O Planejamento e a Performance Outro importante segmento de discussões da literatura sobre Planejamento Estratégico diz respeito à relação entre planejamento e desempenho financeiro. Desde a década de 70, dezenas estudos foram realizados buscando responder a uma das perguntas mais relevantes para quem se propõe a questionar a utilidade e eficiência das práticas gerenciais comumente associadas ao Planejamento Estratégico, ou seja - sua adoção colabora de fato para a o resultado financeiro das empresas? Na maioria das vezes, tais estudos basearam-se em análises comparando a evolução histórica da performance de empresas que adotavam o Planejamento Estratégico com os resultados gerados por companhias que optaram por fugir à regra, utilizando outras formas de construção e implementação de suas estratégias (POWELL,1992). REID (1989), realiza um estudo orientado para a comparação entre a realidade observada e a teoria pregada sobre Planejamento Estratégico. De acordo com suas conclusões, os benefícios obtidos através da adoção da ferramenta podem ser nulos, caso o processo de elaboração e implementação das estratégias não esteja totalmente integrado ao "organizational way of life". Em outras palavras, os resultados do estudo levam a crer que os frutos que esperamos colher do Planejamento Estratégico dependem de uma total integração entre planejadores e implementadores. De acordo com amostra pesquisada (94 diretores, 30 focus group compostos por executivos), poucos foram os casos em que essa integração foi observada. A explicação dada pelo autor ao fato é composta por dois argumentos. Primeiramente, existiria uma carência de energia, paciência e comprometimento da alta gestão para a construção dos elos necessários entre os diversos níveis da empresa. Por outro lado, gerentes responsáveis pela comunicação com os níveis mais operacionais duvidariam da real genuinidade dos dirigentes criadores das estratégias. É interessante notar que essa conclusão vai de encontro a uma das críticas de Mintzberg retratada anteriormente. Outro importante estudo empírico realizado por POWELL (1992) procura avaliar os efeitos da adoção do Planejamento Estratégico segundo a ótica da Teoria de Recursos. De acordo 7

8 com esta teoria, uma ferramenta gerencial pode ser encarada como uma vantagem competitiva sustentável somente quando é valiosa, rara e imperfeitamente imitável (BARNEY, 1991). Os resultado do estudo apontaram que planejamento e performances são altamente correlacionados em indústrias com desequilíbrio de planejamento, ou seja, em segmentos em que a ferramenta não seja ainda amplamente disseminada a ponto de ser considerada uma commoditie. Em contrapartida, tal correlação tende a zero em indústrias com "planning equilibrium", onde todas as empresas compartilham do know-how de utilização do planejamento, eliminando, portanto, seu aspecto de vantagem. MILLER e CARDINAL (1994) abordam os resultados de uma pesquisa que adotava como ponto de partida o fato de estudos sobre planejamento e performances desenvolvidos desde a década de 70 terem apresentado conclusões incompatíveis (alguns sugerindo uma correlação positiva entre planejamento e performance, e outros uma correlação negativa). Desta maneira, esta pesquisa buscou analisar conjuntamente os dados fornecidos por 26 estudos anteriores sobre a relação planejamento e performance. Seus resultados sugerem que o Planejamento Estratégico influencia positivamente a performance das firmas, argumentando que pesquisas anteriores mostrando resultados contrários sofreram de inconsistência metodológica. Segundo MILLER e CARDINAL (1994), muitos pesquisadores consideravam o Planejamento Estratégico disfuncional e irrelevante devido à rigidez que impunha às organizações, defendendo a idéia de que sua inflexibilidade prejudicava o pensamento criativo e o surgimento de inovações. O planejamento formal começou a ser sinônimo de formalismo, burocracia e engessamento. Apesar de dois dos artigos expostos acima apresentarem condicionantes à eventual correlação positiva entre planejamento e performance, no primeiro artigo (Reid, 1989), a condicionante como sendo integração entre planejadores e implementadores; no segundo caso (Powell, 1992), a condicionante como sendo a assimetria de conhecimento da ferramenta na indústria), é importante ressaltar que os três estudos admitem a possibilidade da adoção do planejamento como sendo um componente "colaborador" do desempenho de empresas. A pesquisa - Metodologia e Panorama do Estudo Diante da intenção de se compreender melhor o fenômeno da continuidade da utilização do planejamento estratégico por empresas no Brasil, optou-se pela realização de um estudo de caráter exploratório. Neste sentido, a metodologia desta pesquisa foi qualitativa, baseada em estudo de caso múltiplo realizado por meio de várias fontes de evidências. Visando facilitar a sistematização e a análise dos dados, o estudo foi beneficiado por um desenvolvimento prévio de proposições teóricas, conforme sugerido por YIN (2001). Além disso, foram utilizadas duas fontes para a coleta de dados, a saber, documentações e entrevistas em profundidade. Segundo MINTZBERG, (1998) e RUMELT (1994), a criação e, principalmente, o desenvolvimento das metodologias de elaboração do planejamento estratégico sempre estiveram intimamente ligados à atuação de firmas de consultoria voltadas para a alta gestão. Desta maneira, optou-se por consultar fontes primárias de três importantes representantes deste segmento de consultorias com o objetivo de mapear seus portfólios de serviços e, mais especificamente, identificar quais abordagens têm adotado quanto à gestão estratégica empresarial. Neste sentido, foram analisados documentos internos e externos destas empresas relativos a planejamento estratégico. A pesquisa também adotou como fonte de informação quatro empresas nacionais de grande porte que realizam o planejamento estratégico anualmente. O objetivo foi avaliar a percepção dos altos executivos destas organizações quanto às razões que explicam a atual utilização do planejamento estratégico. Para isso, foram realizadas entrevistas em profundidade com 8

9 profissionais que vivenciaram ao longo de sua carreira a elaboração e a implementação de planejamentos estratégicos. A pesquisa Desenvolvimento e Resultados Foram consultadas fontes primárias e secundárias de três consultorias de estratégia reconhecidas pelo mercado como dotadas de vasta experiência em consultoria para grandes empresas e com atuação internacional: Bain & Company, BCG (Boston Consulting Group) e McKinsey & Company. Na análise destes documentos observarmos dois importantes aspectos sobre o modelo de negócios no qual tais empresas hoje estão estruturadas. Primeiro, ao contrário do que poderia se esperar de uma consultoria deste segmento, a área de "Strategy", especificamente, não é apresentada como foco exclusivo de seus serviços; é divulgada como parte de um leque bastante diversificado de práticas e competências. Segundo, apesar dessa diversificação, o Planejamento Estratégico é o único item comum ao portfólio de serviços de estratégia das três firmas. Considerando ainda os dados coletados nesta etapa do trabalho, cabe ressaltar alguns detalhes revelados pelo relatório final de uma pesquisa desenvolvida pela Bain & Company, intitulada "Management Tools 2001-Global". Trata-se da última edição de um estudo que vem sendo desenvolvido ao longo dos últimos oito anos e que tem como objetivo oferecer a gestores informações necessárias para selecionar, implementar e integrar ferramentas desenhadas para melhorar o desempenho financeiro das empresas. Este estudo envolveu empresas de diferentes tamanhos, pertencentes a diferentes indústrias e com atuação em mais de 20 países, situados em 5 continentes (América do Norte, América do Sul, Europa, África e Ásia). Na edição de 2001, a pesquisa teve como foco de análise as 25 técnicas e ferramentas consideradas mais populares no meio empresarial. A pesquisa tinha como principais critérios de análise o grau de utilização, a satisfação e a taxa de imperfeição dessas ferramentas. De acordo com seus resultados, as ferramentas mais utilizadas são: "Strategic Planning" (76%), "Mission and Vision Statements" (70%) e "Benchmarking" (69%). Quanto ao critério "taxa de imperfeição", as ferramentas com menor pontuação foram: "Strategic Planning" (4%), "Outsourcing" (5%) e "Customer Segmentation" (6%). Por fim, os três vencedores quanto a "satisfação" foram: "Pay-for-Performance", "Strategic Planning" e "Customer Segmentation". Esta pesquisa avaliava a eficiência das 25 ferramentas em função das dimensões: resultados financeiros, capacidade de performance de longo prazo, valor para o consumidor, posicionamento competitivo e integração organizacional. A maioria das ferramentas atingiu pontuações altas em apenas uma ou duas dessas dimensões. A única exceção foi o planejamento estratégico, cujas marcas foram elevadas em todas as categorias. Apesar de a Bain & Company ser uma empresa notoriamente conhecida como sendo uma consultoria sólida e de credibilidade e de seu estudo apresentar aspectos estatísticos significativos (450 empresas, de diferentes indústrias, atuantes em mais de 20 países, responderam aos questionários), não se pode desconsiderar possíveis distorções. Tratam-se de dados secundários sobre os quais não se tem, sob a perspectiva do pesquisador, controle. Porém, mesmo não tendo controle sobre a metodologia desta pesquisa, ela sugere fortes indícios que o planejamento estratégico é, de fato, a ferramenta mais utilizada e com um alto grau de satisfação. As entrevistas realizadas com executivos resultaram também em importante fonte de informação. Em primeiro lugar, eles apontaram ser ineficiente a contratação de consultorias especializadas em planejamento estratégico pois, apesar de oferecerem métodos interessantes e bem desenhados, expressam uma baixa sensibilidade quanto à factibilidade de suas propostas, havendo, portanto, um "exagero nas idéias". Entretanto, alguns executivos 9

10 apontaram que poderiam contratar eventualmente uma consultoria especialmente para absorver seus métodos. No entanto, não contratariam a execução do planejamento. Os executivos, em sua maioria, reforçaram sua crença no sucesso da adoção do planejamento estratégico somente quando a alta gestão da empresa permite a participação de representantes de todos os níveis hierárquicos na elaboração das idéias que traduzem um planejamento. Com relação à eficiência do planejamento estratégico como ferramenta de gestão, de modo geral, os executivos mostraram-se conscientes das principais questões que normalmente rodeiam o tema, criticando a separação entre pensamento e execução. De acordo com suas experiências, a alta gestão é incapaz de comunicar com clareza aquilo que foi planejado para o restante da empresa, tendo em vista o baixo envolvimento daqueles que não participaram da etapa de elaboração. Outro importante aspecto comumente apontado pelos entrevistados foi o da incompatibilidade entre aquilo que é planejado e a dinâmica do ambiente. Em outras palavras, é muito comum ocorrer mudanças drásticas no contexto mercadológico logo após a conclusão do planejamento, tornando muitas de suas propostas obsoletas. O plano acaba não virando realidade. No entanto, quando questionados sobre a continuidade da adoção do planejamento estratégico, os entrevistados afirmaram que, apesar de estarem cientes das limitações da ferramenta como, por exemplo, o fato de ser uma prática "comoditizada" no mercado (toda empresa conhece e usa) e não representar diferencial, continuarão a realizar o planejamento. A análise do planejamento estratégico dos últimos oito anos de uma das empresas analisadas apresentou um dado interessante: apenas 25% do que se estabeleceu como meta foi efetivamente implementado. Uma das metas mais discrepantes era a atuação internacional. No planejamento de 1997 era apontado que 25% das receitas deveriam ser obtidas com operações no exterior e a área de atuação da companhia deveria expandir-se para além da América do Sul. Em 2002, no entanto, apenas 5% das receitas eram provenientes de operações no exterior, seguindo o histórico registrado pela empresa em anos anteriores. Quanto à expansão, a empresa não superou a atuação além da América do Sul. No entanto, a atuação internacional continuou a ser apontada no planejamento estratégico como a responsável por boa parte das receitas nos cinco anos contemplados pelo documento. Apesar de a empresa atingir somente 25% de suas metas do planejamento, esta apresentou crescimento médio de 6,5% anual e ROI médio de 14%. Seus executivos consideram o planejamento como elemento importante para o sucesso da empresa, porque segundo eles, é no desenvolvimento do planejamento que os executivos se alinham, as responsabilidades ficam mais claras e gera-se comprometimento entre as partes. Por isto, o planejamento ocupa um lugar importante na agenda da organização. Fato importante é que a avaliação destes executivos é realizada em função da rentabilidade da empresa e não por comprimento da metas do planejamento. Há um descolamento entre metas e desempenho. Em outra empresa, ficou implícito através dos relatos dos entrevistados que o planejamento era realizado para reportar aos acionistas as decisões tomadas pelos executivos no decorrer do ano. As decisões já haviam sido tomadas e estavam sendo implementadas mas os acionistas e controladores necessitavam de uma formalização do que ocorria na prática. Para uma outra empresa avaliada, o planejamento estratégico era utilizado para colher idéias dos gestores sobre novos projetos Para isto, a área de planejamento estratégico ganhou uma configuração interessante: um diretor de planejamento estratégico, um gerente do ciclo de planejamento para realizar o processo de colheita de idéias, um gerente de análise de investimento com perfil de banco de investimento responsável por analisar risco, retorno e, assim, alocar verbas e evitar que a empresa carregasse muito risco em um curto espaço de tempo e, por fim, um 10

11 terceiro gerente responsável pela avaliação do desempenho do projeto. Segundo o diretor desta área, seu maior benefício estaria na integração dos esforços que, devido ao tamanho da empresa, representava um fator de redução de custo e agilidade. Cabe aqui ressaltar que esta foi a única empresa onde a área de planejamento estratégico possuía a mesma posição organizacional de autoridade que outras áreas da empresa, ou seja, não constava como em assessoria. Foi também identificado em uma das empresas que o planejamento estratégico estava sendo formalizado para auxiliar a empresa a captar recursos no mercado que eram fundamentais para sua operação e crescimento. Segundo um dos executivos, os acionistas (donos) queriam se sentir seguros no caminho que estavam tomando e os financiadores, especialmente seus executivos, queriam se proteger de algum imprevisto negativo. Discussão A defesa irrestrita dos processos comumente associados ao Planejamento Estratégico parece ser, de fato, difícil, dadas as críticas conceituais feitas pelos acadêmicos, as evidências empíricas contraditórias apresentadas pelos pesquisadores e das opiniões coletadas dos praticantes. Com relação a estes últimos, merece destaque a percepção sobre a falta de flexibilidade e de poder de reação enfrentados por empresas que insistem em desenvolver planejamentos muito burocratizados, sem que haja a premissa da constante necessidade de correções no direcionamento inicialmente traçado, na medida em que a organização percebe mudanças nos ambientes interno e externo. Isto se torna ainda mais crítico ao se considerar o elevado grau de competitividade, dinamismo e turbulência com o qual as organizações têm lidado nos últimos anos. Além disso, ao se lembrar que a existência do planejamento estratégico está completando três décadas e que o universo da gestão empresarial tem sido continuamente inundado por pacotes de novos "toolkits" e metodologias, muitas vezes disseminadas por modismo, é cabível supor que muitas das práticas gerencias associadas ao Planejamento Estratégico poderiam estar obsoletas para os dias de hoje e que, conseqüentemente, seu grau de utilização estaria passando por um processo de progressiva redução. É interessante também notar que o conhecido descolamento entre o pensamento teórico acadêmico e a prática gerencial do mercado, mostrou ser aparentemente inexistente nesse caso, segundo mostram os resultados apresentados. Especialmente, os resultados das entrevistas com os executivos revelaram não só um senso crítico quanto aos benefícios e imperfeições do planejamento como também, um grande alinhamento com as críticas apresentadas ao longo do artigo. Por outro lado, apesar de alinhados às críticas acadêmicas, os entrevistados mostraram-se favoráveis à realização do planejamento estratégico, desde que adotada uma postura mais participativa durante a elaboração do plano. Em resumo, percebemos que, apesar da consistência das críticas feitas ao planejamento estratégico e suas conseqüências, tanto pelo meio acadêmico, como pelo mercado, a pesquisa apresenta indícios de que essa ferramenta continua sendo extensivamente utilizada pelo universo empresarial. Desta maneira, resta-nos buscar explicações do "por quê" deste paradoxo. Neste sentido, o trabalho propõe três fatores que podem ajudar no entendimento do fenômeno. Primeiramente, o termo planejamento estratégico dá sentido às mais diversas interpretações, não existindo por parte da empresas uma definição comum. Diferentemente do mundo acadêmico, que trata planejamento no sentido proposto por ANSOFF (1965, 1970), as empresas referem-se a ele como um esforço para pensar o futuro e estabelecer metas, para formalizar suas ações perante seus acionistas ou financiadores. Ou seja, parece que o planejamento estratégico na realidade empresarial possui diversas formas de ser interpretado, inclusive englobando outros modelos estratégicos definidos por outros autores da academia. 11

12 Em segundo lugar, o planejamento estratégico parece ser um importante momento de diálogo e articulações dentro da organização, algo consistente com as colocações feitas pelo próprio MINTZBERG (1994) e já apresentadas neste trabalho sobre qual seria a real função do planejamento, dos planos e dos planejadores identificadores, analistas e catalisadores. Neste sentido também podemos encarar a aplicação do planejamento estratégico dentro da linha de estratégia como prática proposta por WHITTINGTON (1996, 2002). A perspectiva de estratégia como prática é absolutamente consistente com tudo que já foi dito acerca da coexistência de aspectos deliberados e emergentes no processo de formação e execução de estratégias. Segundo esta visão, estratégia é algo que as pessoas fazem no dia-a-dia, algo que elas desempenham, algo que envolve seus colegas de trabalho e é parte do seu trabalho. Nesta perspectiva, o planejamento interessa não no sentido tradicional, mas no sentido de como ele influi na prática estratégica do dia-a-dia. Os gestores investem muito tempo e dinheiro em planejamento e, uma vez que ele acontece, deve-se entender como ele influencia nas ações dos no desempenho de suas tarefas para melhorar a prática estratégica das empresas. As empresas utilizam-no para uma finalidade prática específica e o importante é a relação entre os executivos e ferramentas, muito mais que os resultados formais esperados. Grande parte do trabalho dos executivos na realização do planejamento estratégico está ligado a tarefas rotineiras como preparação de planilhas, apresentações em reuniões operacionais e registro de dados, muito mais do que o glamuroso trabalho de decidir o futuro da organização. Por fim, o planejamento pode ser explicado pelo argumento neo-institucional (MEYER e ROWAM, 1977). O ambiente institucionalizado pressiona as organizações a adotarem ou desenvolverem estruturas formais que as legitimem perante os participantes internos, tomadores externos, acionistas, o público e o Estado. Nas sociedades modernas, a estrutura formal da organização cresce em um contexto altamente institucionalizado que traz em si regras e formulações tomadas pelos participantes como o correto, criando assim uma zona de conforto onde as ações são aceitas e legitimas por cooptarem a mesma simbologia. Assim sendo, as organizações são dirigidas a incorporar práticas e procedimentos tidos como racionais, buscando aumentar sua legitimidade. Neste sentido, o planejamento pode ser descrito como um elemento legitimador, conforme os resultados das entrevistas apontaram. Para MEYER e ROWAN (1977), o ambiente institucionalizado gera produtos, serviços, técnicas, políticas e programas institucionalizados que se transformam em poderosos mitos, ou seja, são soluções aceitas como capazes de revolver problemas organizacionais. Esta capacidade de solução surge do fato dos mitos serem aceitos como legítimos, racionais e eficientes por todos os participantes. A organização, então, acaba por adotar os mitos em sua estrutura visando sua legitimidade. Mas a realidade acaba por mostrar que estes mitos na prática, muitas vezes, não geram os benefícios e nem resolvem os problemas da organização. A estrutura formal de muitas organizações na sociedade acaba por refletir os mitos de seu ambiente institucionalizado e não as demandas de suas atividades de trabalho. Porém, se a organização abandonar ou negligenciar os mitos irá perder legitimidade. Diante desta problemática a organização acaba por adotá-los. Como resultado o isomorfismo institucional promove o sucesso e a sobrevivência da organização, pois incorporando uma estrutura formal legitimada externamente. Aumenta-se o comprometimento dos participantes internos e constituintes externos. Assim, temos uma forte explicação de por quê todos os executivos entrevistados apontam as críticas ao planejamento como válidas mas, ao mesmo tempo, não descartam sua adesão. Este fato parece ser ainda confirmado ao analisarmos os planos estratégicos de uma das empresas que, num período de cinco anos, teve apenas 25% do que foi planejado realmente executado. Mesmo assim, o plano continuou a ser feito todos os anos. Conclusão 12

13 Nosso estudo buscou resgatar a discussão ocorrida no campo da estratégia empresarial em torno do planejamento estratégico durante os últimos vinte e cinco anos e, ao mesmo tempo, realizar um estudo exploratório qualitativo com empresas nacionais que realizam o processo de planejamento estratégico. O objetivo foi entender como esta discussão se relaciona com a prática empresarial e entender as razões que levam as empresas a continuarem adotando o planejamento estratégico. Os resultados da pesquisa apontaram que, de maneira geral, as criticas tradicionalmente feitas ao planejamento estratégico são aceitas e estão de acordo com a visão dos gestores envolvidos no planejamento. Porém, estes mesmos gestores que aceitam as críticas argumentam que o planejamento deve ser utilizado, apesar de suas imperfeições. Contudo, as razões apresentadas para continuar realizando o planejamento são particulares de cada empresa, estando, no entanto, relacionados a três fatores. O primeiro é a falta de definição de planejamento estratégico, ou seja, qualquer assunto relativo a qualquer elemento estratégico é classificado como planejamento estratégico. O segundo fator é a adequação à chamada estratégia como prática (WHITTINGTON, 1996, 2002), onde o planejamento estratégico funciona como um espaço estratégico para interação e desenvolvimento do trabalho estratégico dentro da organização. O terceiro está ligado ao neo-institucionalismo (MEYER e ROWAN, 1977). Segundo esta teoria, o planejamento serve como legitimador das ações de seus executivos perante os stakeholders. Cremos que, por ser este um estudo exploratório e não confirmatório, os resultados nos fornecem importantes indícios sobre a utilização do planejamento estratégico e nos abrem importantes perspectivas para outros estudos. Como sugestões para futuras pesquisas, temos a realização de um estudo para definir o que na prática as empresas chamam de planejamento estratégico, levando em conta a abrangência do termo. Outra linha específica de pesquisa que pode surgir deste estudo é a realização de uma pesquisa de campo orientada para a adoção do planejamento estratégico dentro da perspectiva de estratégia como prática e da perspectiva neo-institucional, em uma amostra estatisticamente significante de empresas, que levem em consideração diferenças entre os setores da economia e diferentes graus de competição. Acreditamos, com este trabalho, termos dado os primeiros passos neste sentido. Referências Bibliográficas ANSOFF, H. I. Corporate strategy. Harmondsworth : Penguin, ANSOFF, H. I. Toward a strategic theory of the firm. In: Ansoff, H. I. (Org.). Business strategy. London : Penguin, ANSOFF, I. Critique of Henry Mintzberg's The Design School: Reconsiering the Basic Premises of Strategic Planning. Strategic Management Journal, 12: , BAIN & Company. Management Tools 2001-Global, Bain & Company Website, 2001 BARNEY, Jay B. Firm Resources and Sustained Competitive Advantage. Journal of Management, v.17, n. 1, p , BERTERO, C. O.; VASCONCELOS, F. C. ; BINDER, M. P. Uma Década de Estratégia no Brasil: O Que se Produziu entre 1991 e RAE Revista de Administração de Empresas, vol. 43, n 4, BOWER, Joseph L. Managing the resource allocation process: a study of corporate planning and investment. Boston: division of research, Harvard Business School, BURGELMAN, Robert A. A model of the interaction of strategic behavior, corporate context, and the concept of Strategy. Academy of Management Review, v. 8, n. 1, p ,

14 EISENHARDT, Kathleen M. Building theories from case study research. The Academy of Management Review, v. 14, n.4, p , Oct., LINDBLOM, Charles E. The science of muddling through Public Administration Review, v. 19, n. 2, p , MARCH, J. G. The technology of foolishness. In MARCH, J. G.; OLSEN, J. P. Ambiguity and Choice in Organizations. Bergen: Universitetsforlaget, Cap. 5, p MARIOTTO, Fabio L. Mobilizing emergent strategies. Relatório n. 10/2000. Núcleo de Pesquisas e Publicações ( NPP), Escola de Administração de Empresas de São Paulo, Fundação Getúlio Vargas ( EAESP FGV), MEYER. J. W. e ROWAN, B. Institutionalized Organization: formal structure as myth and ceremony. American Journal of Sociology, 83 (2), MILLER, C. C. CARDINAL, B. C. Strategic Planning and Firm Performance: A Synthesis of More than Two Decades of Research". Academy of Management Journal, 6: , MINTZBERG, H. Patterns in strategy formation (in strategy formulation). Management Science, v. 24, n. 9, p , MINTZBERG, Henry; McHUGH, Alexandra Strategy formation in an Adhocracy. Administrative Science Quarterly, v. 30, p , MINTZBERG, Henry; WATERS, James A. Of strategies, deliberate and emergent Strategic Management Journal, v. 6, p , MINTZBERG, Henry. Crafting Strategy. Harvard Business Review, Boston. July-August MINTZBERG, H. The Design School: Reconsiering the Basic Premises of Strategic Planning. Strategic Management Journal, 11: , MINTZBERG, H. The Fall and Rise of Strategic Planning. Harvard Business Review, (January-February): , MINTZBERG, H. The rise and fall of strategic planning: reconceiving roles for planning, plans, planners. New York /Toronto : Free Press /Maxwell Macmillan Canada, MINTZBERG, H. Safari de Estratégia, Porto Alegre: Bookman, POWELL, T. C. Strategic Planning as Competitive Advantage. Strategic Management Journal, 13: , PRADO JÚNIOR, S. T. Estratégias Emergentes: uma proposta de síntese conceitual. In: I Encontro de Estudos em Estratégia - 3 e s, 2003, Curitiba. Anais - I Encontro de Estudos em Estratégia (CD ROM), artigo no. 36, QUINN, James Brian Strategies for change. Homewood: Richard D. Irwin, REID, D. M.. Operationalizing Strategic Planning. Strategic Management Journal, 10: , RUMELT, Richard P. et al., Fundamental issues in Strategy. In RUMELT, Richard P.; SCHENDEL, Dan E.; TEECE, David J. Fundamental issues in Strategy: a research agenda. Boston: Harvard Business School Press, Cap. 1, p STAKE, R. E. Case Studies. Hanbook of qualitative research. Thousand Oaks: Sage, ,

15 WEICK, Karl E. Sensemaking in Organizations. Thousand Oaks: Sage Publications, Inc., WHITTINGTON, R. Strategy as practice. Long Range Planning, Vol. 29 Issue 5, p731, Oct WHITTINGTON, R. O que é estratégia. São Paulo: Pioneira Thonsom Learning, YIN, Robert K. Estudo de caso: planejamento e métodos. 2.ed. Porto Alegre: Bookman,

O que é Balanced Scorecard?

O que é Balanced Scorecard? O que é Balanced Scorecard? A evolução do BSC de um sistema de indicadores para um modelo de gestão estratégica Fábio Fontanela Moreira Luiz Gustavo M. Sedrani Roberto de Campos Lima O que é Balanced Scorecard?

Leia mais

Gestão Estratégica no Serviço Público

Gestão Estratégica no Serviço Público Projeto Maricá Coordenador: José Geraldo Abunhaman Gestão Estratégica no Serviço Público Prof. Joel de Lima Pereira Castro Junior, PhD joelpcastro@uol.com.br Por que planejar? O processo de liberdade do

Leia mais

1 Introdu ç ão. 1.1. A questão de pesquisa

1 Introdu ç ão. 1.1. A questão de pesquisa 1 Introdu ç ão 1.1. A questão de pesquisa A temática estratégia é muito debatida no meio acadêmico e também possui destacado espaço nas discussões no meio empresarial. Organizações buscam continuamente

Leia mais

O Valor estratégico da sustentabilidade: resultados do Relatório Global da McKinsey

O Valor estratégico da sustentabilidade: resultados do Relatório Global da McKinsey O Valor estratégico da sustentabilidade: resultados do Relatório Global da McKinsey Executivos em todos os níveis consideram que a sustentabilidade tem um papel comercial importante. Porém, quando se trata

Leia mais

SCRUM. Desafios e benefícios trazidos pela implementação do método ágil SCRUM. Conhecimento em Tecnologia da Informação

SCRUM. Desafios e benefícios trazidos pela implementação do método ágil SCRUM. Conhecimento em Tecnologia da Informação Conhecimento em Tecnologia da Informação SCRUM Desafios e benefícios trazidos pela implementação do método ágil SCRUM 2011 Bridge Consulting Apresentação Há muitos anos, empresas e equipes de desenvolvimento

Leia mais

Gestão da Inovação no Contexto Brasileiro. Hugo Tadeu e Hérica Righi 2014

Gestão da Inovação no Contexto Brasileiro. Hugo Tadeu e Hérica Righi 2014 Gestão da Inovação no Contexto Brasileiro Hugo Tadeu e Hérica Righi 2014 INTRODUÇÃO Sobre o Relatório O relatório anual é uma avaliação do Núcleo de Inovação e Empreendedorismo da FDC sobre as práticas

Leia mais

O Valor da TI. Introduzindo os conceitos do Val IT para mensuração do valor de Tecnologia da Informação. Conhecimento em Tecnologia da Informação

O Valor da TI. Introduzindo os conceitos do Val IT para mensuração do valor de Tecnologia da Informação. Conhecimento em Tecnologia da Informação Conhecimento em Tecnologia da Informação Conhecimento em Tecnologia da Informação O Valor da TI Introduzindo os conceitos do Val IT para mensuração do valor de Tecnologia da Informação 2010 Bridge Consulting

Leia mais

www.dehterakm.com beatriz@dehtearkm.com

www.dehterakm.com beatriz@dehtearkm.com www.dehterakm.com beatriz@dehtearkm.com Quem somos? A BEATRIZ DEHTEAR KM apresenta a seus clientes uma proposta totalmente inovadora para implementar a Gestão do Conhecimento Organizacional. Nosso objetivo

Leia mais

Janeiro 2009. ELO Group www.elogroup.com.br Página 2

Janeiro 2009. ELO Group www.elogroup.com.br Página 2 de um Escritório - O Escritório como mecanismo para gerar excelência operacional, aumentar a visibilidade gerencial e fomentar a inovação - Introdução...2 Visão Geral dos Papéis Estratégicos... 3 Papel

Leia mais

COMPETÊNCIAS FUNCIONAIS QUALIDADE

COMPETÊNCIAS FUNCIONAIS QUALIDADE COMPETÊNCIAS FUNCIONAIS QUALIDADE DESCRIÇÕES DOS NÍVEIS APRENDIZ SABER Aprende para adquirir conhecimento básico. É capaz de pôr este conhecimento em prática sob circunstâncias normais, buscando assistência

Leia mais

Gerenciamento Estratégico e EHS Uma parceria que dá certo

Gerenciamento Estratégico e EHS Uma parceria que dá certo Gerenciamento Estratégico e EHS Uma parceria que dá certo INTRODUÇÃO O Balanced Scorecard (BSC) é uma metodologia desenvolvida para traduzir, em termos operacionais, a Visão e a Estratégia das organizações

Leia mais

GERENCIAMENTO DE PORTFÓLIO

GERENCIAMENTO DE PORTFÓLIO PMI PULSO DA PROFISSÃO RELATÓRIO DETALHADO GERENCIAMENTO DE PORTFÓLIO Destaques do Estudo As organizações mais bem-sucedidas serão aquelas que encontrarão formas de se diferenciar. As organizações estão

Leia mais

Palavra chave: Capital Humano, Gestão de Pessoas, Recursos Humanos, Vantagem Competitiva.

Palavra chave: Capital Humano, Gestão de Pessoas, Recursos Humanos, Vantagem Competitiva. COMPREENDENDO A GESTÃO DE PESSOAS Karina Fernandes de Miranda Helenir Celme Fernandes de Miranda RESUMO: Este artigo apresenta as principais diferenças e semelhanças entre gestão de pessoas e recursos

Leia mais

A Importância do CRM nas Grandes Organizações Brasileiras

A Importância do CRM nas Grandes Organizações Brasileiras A Importância do CRM nas Grandes Organizações Brasileiras Por Marcelo Bandeira Leite Santos 13/07/2009 Resumo: Este artigo tem como tema o Customer Relationship Management (CRM) e sua importância como

Leia mais

Modelos, Métodos e Técnicas de Planejamento

Modelos, Métodos e Técnicas de Planejamento UNIVERSIDADE ESTADUAL PAULISTA Faculdade de Filosofia e Ciências Câmpus de Marília Departamento de Ciência da Informação Modelos, Métodos e Técnicas de Planejamento Profa. Marta Valentim Marília 2014 Modelos,

Leia mais

ANALISANDO UM ESTUDO DE CASO

ANALISANDO UM ESTUDO DE CASO ANALISANDO UM ESTUDO DE CASO (Extraído e traduzido do livro de HILL, Charles; JONES, Gareth. Strategic Management: an integrated approach, Apêndice A3. Boston: Houghton Mifflin Company, 1998.) O propósito

Leia mais

Desenvolvimento Humano

Desenvolvimento Humano ASSESSORIA EM GESTÃO DE RECURSOS HUMANOS Desenvolvimento Humano ADVISORY Os desafios transformam-se em fatores motivacionais quando os profissionais se sentem bem preparados para enfrentá-los. E uma equipe

Leia mais

A estratégia por 10 caminhos por Lauro Jorge Prado

A estratégia por 10 caminhos por Lauro Jorge Prado A estratégia por 10 caminhos por Lauro Jorge Prado Qual é a fundamentação teórica que sua empresa usa na hora de estabelecer o planejamento estratégico? Você sabe? Eis aqui um boa pergunta para ver a estratégia

Leia mais

Pessoas e Negócios em Evolução

Pessoas e Negócios em Evolução Empresa: Atuamos desde 2001 nos diversos segmentos de Gestão de Pessoas, desenvolvendo serviços diferenciados para empresas privadas, associações e cooperativas. Prestamos serviços em mais de 40 cidades

Leia mais

PRÁTICA O ESCRITÓRIO DE PROJETOS DA SUPERINTENDÊNCIA CENTRAL DE PLANEJAMENTO COMO INSTRUMENTO DE GESTÃO ESTRATÉGICA DOS PROJETOS PRIORITÁRIOS DO PAI

PRÁTICA O ESCRITÓRIO DE PROJETOS DA SUPERINTENDÊNCIA CENTRAL DE PLANEJAMENTO COMO INSTRUMENTO DE GESTÃO ESTRATÉGICA DOS PROJETOS PRIORITÁRIOS DO PAI PRÁTICA O ESCRITÓRIO DE PROJETOS DA SUPERINTENDÊNCIA CENTRAL DE PLANEJAMENTO COMO INSTRUMENTO DE GESTÃO ESTRATÉGICA DOS PROJETOS PRIORITÁRIOS DO PAI Secretaria/Órgão: Secretaria de Estado de Gestão e Planejamento

Leia mais

Estrutura do Curso. Planejamento Estratégico

Estrutura do Curso. Planejamento Estratégico Estrutura do Curso (Prof. Mauricio Neves) INTRODUÇÃO À ESTRATÉGIA EMPRESARIAL (Unidade I) MODELO PORTER: TÉCNICAS ANALÍTICAS (Unidade II) ESTRATÉGIA BASEADA EM RECURSOS, (Unidade IV) Planejamento Estratégico

Leia mais

Implementação rápida do modelo Balanced Scorecard (BSC) nas empresas de seguros

Implementação rápida do modelo Balanced Scorecard (BSC) nas empresas de seguros Implementação rápida do modelo Balanced Scorecard (BSC) nas empresas de seguros Uma evolução nos sistemas de controle gerencial e de planejamento estratégico Francisco Galiza Roteiro Básico 1 SUMÁRIO:

Leia mais

Executive Business Process Management

Executive Business Process Management Executive Business Process Management Executive Business Consulting 1 Executive Business Process Management (EBPM) O aumento da competitividade das organizações passa pela melhoria dos processos, principalmente

Leia mais

O Balanced Scorecard BSC e a gestão do desempenho estratégico nas organizações do terceiro setor.

O Balanced Scorecard BSC e a gestão do desempenho estratégico nas organizações do terceiro setor. 1 São Paulo, 06 de junho do 2003 O Balanced Scorecard BSC e a gestão do desempenho estratégico nas organizações do terceiro setor. Peter Drucker (2001 p.67), fez a seguinte afirmação ao se referir ao terceiro

Leia mais

Módulo 15 Resumo. Módulo I Cultura da Informação

Módulo 15 Resumo. Módulo I Cultura da Informação Módulo 15 Resumo Neste módulo vamos dar uma explanação geral sobre os pontos que foram trabalhados ao longo desta disciplina. Os pontos abordados nesta disciplina foram: Fundamentos teóricos de sistemas

Leia mais

FACULDADE REDENTOR NUCLEO DE APOIO EMPRESARIAL CURSO DE ADMINISTRAÇÃO

FACULDADE REDENTOR NUCLEO DE APOIO EMPRESARIAL CURSO DE ADMINISTRAÇÃO FACULDADE REDENTOR NUCLEO DE APOIO EMPRESARIAL CURSO DE ADMINISTRAÇÃO Justificativa: As transformações ocorridas nos últimos anos têm obrigado as organizações a se modificarem constantemente e de forma

Leia mais

3 METODOLOGIA DA PESQUISA

3 METODOLOGIA DA PESQUISA 3 METODOLOGIA DA PESQUISA O objetivo principal deste estudo, conforme mencionado anteriormente, é identificar, por meio da percepção de consultores, os fatores críticos de sucesso para a implementação

Leia mais

Construção de um Sistema de Informações Estratégicas, Integrando Conhecimento, Inteligência e Estratégia.

Construção de um Sistema de Informações Estratégicas, Integrando Conhecimento, Inteligência e Estratégia. Construção de um Sistema de Informações Estratégicas, Integrando Conhecimento, Inteligência e Estratégia. Introdução Sávio Marcos Garbin Considerando-se que no contexto atual a turbulência é a normalidade,

Leia mais

Qual o seu plano para dar vida à sua estratégia?

Qual o seu plano para dar vida à sua estratégia? www.pwc.com.br Qual o seu plano para dar vida à sua estratégia? Alinhamento de Performance Alinhamento do desempenho organizacional Conectando a estratégia à execução A necessidade de alinhar pessoas,

Leia mais

Metodologia de Gestão de Riscos nos Projetos Estratégicos

Metodologia de Gestão de Riscos nos Projetos Estratégicos Metodologia de Gestão de Riscos nos Projetos Estratégicos Fevereiro/2014 AGENDA Gestão de Riscos Metodologia de Gestão de Riscos nos Projetos Estratégicos AGENDA Gestão de Riscos Metodologia de Gestão

Leia mais

Position Paper. As Melhores Práticas Globais no Desenvolvimento de Trainees e Jovens Talentos. Edição Nº1. www.ipledu.com +55 11 2364 9355

Position Paper. As Melhores Práticas Globais no Desenvolvimento de Trainees e Jovens Talentos. Edição Nº1. www.ipledu.com +55 11 2364 9355 Position Paper Edição Nº As Melhores Práticas Globais no Desenvolvimento de Trainees e Jovens Talentos www.ipledu.com +55 64 955 O ipl Institute of Performance and Leadership é uma empresa especializada

Leia mais

Análise de Processos do PMBOK em uma Fábrica de Software Um Estudo de Caso

Análise de Processos do PMBOK em uma Fábrica de Software Um Estudo de Caso Análise de Processos do PMBOK em uma Fábrica de Software Um Estudo de Caso Carlos Alberto Rovedder, Gustavo Zanini Kantorski Curso de Sistemas de Informação Universidade Luterana do Brasil (ULBRA) Campus

Leia mais

GESTÃO POR COMPETÊNCIAS

GESTÃO POR COMPETÊNCIAS GESTÃO POR COMPETÊNCIAS STM ANALISTA/2010 ( C ) Conforme legislação específica aplicada à administração pública federal, gestão por competência e gestão da capacitação são equivalentes. Lei 5.707/2006

Leia mais

UNIVERSIDADE DE SÃO PAULO FACULDADE DE ECONOMIA, ADMINISTRAÇÃO E CONTABILIDADE

UNIVERSIDADE DE SÃO PAULO FACULDADE DE ECONOMIA, ADMINISTRAÇÃO E CONTABILIDADE UNIVERSIDADE DE SÃO PAULO FACULDADE DE ECONOMIA, ADMINISTRAÇÃO E CONTABILIDADE. DEPARTAMENTO DE CONTABILIDADE E ATUÁRIA PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO EM CONTABILIDADE E CONTROLADORIA Projeto de Tese Influência

Leia mais

O Administrador e a Magnitude de sua Contribuição para a Sociedade. O Administrador na Gestão de Pessoas

O Administrador e a Magnitude de sua Contribuição para a Sociedade. O Administrador na Gestão de Pessoas O Administrador e a Magnitude de sua Contribuição para a Sociedade Eficácia e Liderança de Performance O Administrador na Gestão de Pessoas Grupo de Estudos em Administração de Pessoas - GEAPE 27 de novembro

Leia mais

Gestão estratégica em finanças

Gestão estratégica em finanças Gestão estratégica em finanças Resulta Consultoria Empresarial Gestão de custos e maximização de resultados A nova realidade do mercado tem feito com que as empresas contratem serviços especializados pelo

Leia mais

Mídias sociais nas empresas O relacionamento online com o mercado

Mídias sociais nas empresas O relacionamento online com o mercado Mídias sociais nas empresas O relacionamento online com o mercado Maio de 2010 Conteúdo Introdução...4 Principais conclusões...5 Dados adicionais da pesquisa...14 Nossas ofertas de serviços em mídias sociais...21

Leia mais

Diagnostico Organizacional Compreendendo o sistema de definição de objetivos. Missão. As principais forças. Visão. O sonho que nos move.

Diagnostico Organizacional Compreendendo o sistema de definição de objetivos. Missão. As principais forças. Visão. O sonho que nos move. VALORES Qualificação / Valorização Disponibilização / Visibilidade. Diagnostico Organizacional Compreendendo o sistema de definição de objetivos Missão As principais forças Visão O sonho que nos move Princípios

Leia mais

PROCESSOS PODEROSOS DE NEGÓCIO. ideiaconsultoria.com.br 43 3322 2110 comercial@ideiaconsultoria.com.br

PROCESSOS PODEROSOS DE NEGÓCIO. ideiaconsultoria.com.br 43 3322 2110 comercial@ideiaconsultoria.com.br PROCESSOS PODEROSOS DE NEGÓCIO ideiaconsultoria.com.br 43 3322 2110 comercial@ideiaconsultoria.com.br POR QUE ESCREVEMOS ESTE E-BOOK? Nosso objetivo com este e-book é mostrar como a Gestão de Processos

Leia mais

Gestão Estratégica de Marketing

Gestão Estratégica de Marketing Gestão Estratégica de Marketing A Evolução do seu Marketing Slide 1 O Marketing como Vantagem Competitiva Atualmente, uma das principais dificuldades das empresas é construir vantagens competitivas sustentáveis;

Leia mais

High Potentials, Talentos e Sucessão no Brasil

High Potentials, Talentos e Sucessão no Brasil High Potentials, Talentos e Sucessão no Brasil P e s q u i s a d a F u n d a ç ã o G e t u l i o V a r g a s I n s t i t u t o d e D e s e n v o l v i m e n t o E d u c a c i o n a l Conteúdo 1. Propósito

Leia mais

Martina Rillo Otero A importância do processo de avaliação. Existem muitas definições para avaliação, não existe uma única.

Martina Rillo Otero A importância do processo de avaliação. Existem muitas definições para avaliação, não existe uma única. Grupo de Estudos de Voluntariado Empresarial Avaliação, Monitoramento e Impacto no Programa de Voluntariado Empresarial: Teoria e Prática 25/11/14 Martina Rillo Otero A importância do processo de avaliação

Leia mais

GESTÃO DE PROJETOS PARA A INOVAÇÃO

GESTÃO DE PROJETOS PARA A INOVAÇÃO GESTÃO DE PROJETOS PARA A INOVAÇÃO Indicadores e Diagnóstico para a Inovação Primeiro passo para implantar um sistema de gestão nas empresas é fazer um diagnóstico da organização; Diagnóstico mapa n-dimensional

Leia mais

Planejamento Estratégico para Escritórios de Advocacia ESCOLA DE DIREITO DE SÃO PAULO DA FUNDAÇÃO GETULIO VARGAS 1º SEMESTRE DE 2012

Planejamento Estratégico para Escritórios de Advocacia ESCOLA DE DIREITO DE SÃO PAULO DA FUNDAÇÃO GETULIO VARGAS 1º SEMESTRE DE 2012 Planejamento Estratégico para Escritórios de Advocacia ESCOLA DE DIREITO DE SÃO PAULO DA FUNDAÇÃO GETULIO VARGAS 1º SEMESTRE DE 2012 FUNDAÇÃO GETULIO VARGAS A Fundação Getulio Vargas (FGV) deu início a

Leia mais

CURSO DE ADMINISTRAÇÃO. Concepção do Curso de Administração

CURSO DE ADMINISTRAÇÃO. Concepção do Curso de Administração CURSO DE ADMINISTRAÇÃO Concepção do Curso de Administração A organização curricular do curso oferece respostas às exigências impostas pela profissão do administrador, exigindo daqueles que integram a instituição

Leia mais

Resultados da Pesquisa

Resultados da Pesquisa Resultados da Pesquisa 1. Estratégia de Mensuração 01 As organizações devem ter uma estratégia de mensuração formal e garantir que a mesma esteja alinhada com os objetivos da empresa. Assim, as iniciativas

Leia mais

Capital Intelectual. O Grande Desafio das Organizações. José Renato Sátiro Santiago Jr. José Renato Sátiro Santiago. Novatec

Capital Intelectual. O Grande Desafio das Organizações. José Renato Sátiro Santiago Jr. José Renato Sátiro Santiago. Novatec Capital Intelectual O Grande Desafio das Organizações José Renato Sátiro Santiago Jr. José Renato Sátiro Santiago Novatec 1 Tudo começa com o conhecimento A gestão do conhecimento é um assunto multidisciplinar

Leia mais

2.3. ORGANIZAÇÕES E GESTÃO DOS SISTEMAS DE INFORMAÇÃO

2.3. ORGANIZAÇÕES E GESTÃO DOS SISTEMAS DE INFORMAÇÃO 2.3. ORGANIZAÇÕES E GESTÃO DOS SISTEMAS DE INFORMAÇÃO As Empresas e os Sistemas Problemas locais - impacto no sistema total. Empresas como subsistemas de um sistema maior. Uma empresa excede a soma de

Leia mais

Título do Case: Departamento Comercial com foco nas expectativas do cliente Categoria: Projeto Interno

Título do Case: Departamento Comercial com foco nas expectativas do cliente Categoria: Projeto Interno Título do Case: Departamento Comercial com foco nas expectativas do cliente Categoria: Projeto Interno Resumo O presente case mostra como ocorreu o processo de implantação do Departamento Comercial em

Leia mais

Módulo 07 Gestão de Conhecimento

Módulo 07 Gestão de Conhecimento Módulo 07 Gestão de Conhecimento Por ser uma disciplina considerada nova dentro do campo da administração, a gestão de conhecimento ainda hoje tem várias definições e percepções, como mostro a seguir:

Leia mais

Pesquisa FGV-EAESP de Comércio Eletrônico no Mercado Brasileiro 16 a Edição 2014

Pesquisa FGV-EAESP de Comércio Eletrônico no Mercado Brasileiro 16 a Edição 2014 Resumo Introdução O Comércio Eletrônico é um dos aspectos relevantes no ambiente empresarial atual e tem recebido atenção especial das empresas nos últimos anos, primeiro por ser considerado como uma grande

Leia mais

CURSO DE PÓS-GRADUAÇÃO LATO SENSU ESPECIALIZAÇÃO. MBA em Gestão de Pessoas com Ênfase em Estratégias

CURSO DE PÓS-GRADUAÇÃO LATO SENSU ESPECIALIZAÇÃO. MBA em Gestão de Pessoas com Ênfase em Estratégias CURSO DE PÓS-GRADUAÇÃO LATO SENSU ESPECIALIZAÇÃO MBA em Gestão de Pessoas com Ênfase em Estratégias Coordenação Acadêmica: Maria Elizabeth Pupe Johann 1 OBJETIVOS: Objetivo Geral: - Promover o desenvolvimento

Leia mais

Administração de Pessoas por COMPETÊNCIAS

Administração de Pessoas por COMPETÊNCIAS Administração de Pessoas por COMPETÊNCIAS Adm.Walter Lerner 1.Gestão,Competência e Liderança 1.1.Competências de Gestão Competências Humanas e Empresariais são Essenciais Todas as pessoas estão, indistintamente,

Leia mais

APÊNDICE A QUESTIONÁRIO APLICADO AOS GESTORES

APÊNDICE A QUESTIONÁRIO APLICADO AOS GESTORES 202 INSTRUÇÕES DE PREENCHIMENTO ALGUNS COMENTÁRIOS ANTES DE INICIAR O PREENCHIMENTO DO QUESTIONÁRIO: a) Os blocos a seguir visam obter as impressões do ENTREVISTADO quanto aos processos de gestão da Policarbonatos,

Leia mais

METAS E INDICADORES COMO DEFINIR OS INDICADORES?

METAS E INDICADORES COMO DEFINIR OS INDICADORES? METAS E INDICADORES COMO DEFINIR OS INDICADORES? Os indicadores permitem avaliação do desempenho da instituição, segundo três aspectos relevantes: controle, comunicação e melhoria. (MARTINS & MARINI, 2010,

Leia mais

5 Conclusões 5.1. Conclusões e implicações

5 Conclusões 5.1. Conclusões e implicações 5 Conclusões 5.1. Conclusões e implicações O presente trabalho tem caráter descritivo-exploratório e portanto não tem o intuito de se chegar a conclusões definitivas, sendo sua principal contribuição a

Leia mais

INSTITUTO DE EDUCAÇÃO TECNOLÓGICA

INSTITUTO DE EDUCAÇÃO TECNOLÓGICA INSTITUTO DE EDUCAÇÃO TECNOLÓGICA Autor: Jeferson Correia dos Santos ARTIGO TÉCNICO INOVAÇÃO NA GESTÃO DE PÓS-VENDAS: SETOR AUTOMOTIVO RESUMO A palavra inovação tem sido atualmente umas das mais mencionadas

Leia mais

Profa. Gislaine Stachissini. Unidade II GOVERNANÇA DE TI

Profa. Gislaine Stachissini. Unidade II GOVERNANÇA DE TI Profa. Gislaine Stachissini Unidade II GOVERNANÇA DE TI Estratégia e governança em TI Estratégia empresarial A palavra estratégia vem do grego strategus = "o general superior ou "generalíssimo. Strategia

Leia mais

De Boas Ideias para Uma Gestão Baseada em Processos

De Boas Ideias para Uma Gestão Baseada em Processos De Boas Ideias para Uma Gestão Baseada em Processos O que você vai mudar em sua forma de atuação a partir do que viu hoje? Como Transformar o Conteúdo Aprendido Neste Seminário em Ação! O que debatemos

Leia mais

APRESENTAÇÃO DA PRÁTICA GESTÃO DE PORTFÓLIOS DE PROJETOS. RELATOR Ana Cristina Wollmann Zornig Jayme

APRESENTAÇÃO DA PRÁTICA GESTÃO DE PORTFÓLIOS DE PROJETOS. RELATOR Ana Cristina Wollmann Zornig Jayme APRESENTAÇÃO DA PRÁTICA GESTÃO DE PORTFÓLIOS DE PROJETOS RELATOR Ana Cristina Wollmann Zornig Jayme RESPONSÁVEIS Ana Cristina Wollmann Zornig Jayme - 3350-8628 - ajayme@pmc.curitiba.pr.gov.br - SEPLAN

Leia mais

Prezado(a) Sr.(a.) Atenciosamente, Sárgom Ceranto Marketing e Soluções Corporativas. comercial@trecsson.com.br

Prezado(a) Sr.(a.) Atenciosamente, Sárgom Ceranto Marketing e Soluções Corporativas. comercial@trecsson.com.br Prezado(a) Sr.(a.) Agradecemos seu interesse em nossos programa de ensino e lhe cumprimentamos pela iniciativa de buscar o seu aperfeiçoamento profissional. Você está recebendo o programa do curso de Pós-MBA

Leia mais

NAGI PG. Capacitação em Gestão da Inovação para o Setor de Petróleo e Gás. Polo: Petrobras

NAGI PG. Capacitação em Gestão da Inovação para o Setor de Petróleo e Gás. Polo: Petrobras NAGI PG NÚCLEO DE APOIO À GESTÃO DA INOVAÇÃO NA CADEIA DE PETRÓLEO E GÁS Capacitação em Gestão da Inovação para o Setor de Petróleo e Gás Polo: Petrobras Programa do Módulo I Módulo I: Planejamento Estratégico

Leia mais

Fusões e aquisições no Brasil

Fusões e aquisições no Brasil GESTÃO Fusões e aquisições no Brasil Fusões e aquisições estão entre as mais relevantes e dramáticas formas de mudança organizacional. Entretanto, os mecanismos estratégicos e organizacionais que contribuem

Leia mais

A. Conceito de Trade Marketing, responsabilidades, atividades, amplitude de atuação e limites

A. Conceito de Trade Marketing, responsabilidades, atividades, amplitude de atuação e limites 5 Conclusão Trade Marketing é um termo conhecido por grande parte dos profissionais das áreas comercial e de marketing, principalmente entre as indústrias de bens de consumo. Muitas empresas já incluíram

Leia mais

Sárgom Ceranto Marketing e Soluções Corporativas comercial@trecsson.com.br

Sárgom Ceranto Marketing e Soluções Corporativas comercial@trecsson.com.br PREZADO (A) SENHOR (A) Agradecemos seu interesse em nossos programas de ensino e lhe cumprimentamos pela iniciativa de buscar o seu aperfeiçoamento profissional. Você está recebendo o programa do curso

Leia mais

Brasil em Ação (Investimentos Básicos para o Desenvolvimento)

Brasil em Ação (Investimentos Básicos para o Desenvolvimento) Brasil em Ação (Investimentos Básicos para o Desenvolvimento) Nos dois últimos anos, vimos construindo as bases de um crescimento sustentável e socialmente benéfico para a grande maioria dos brasileiros.

Leia mais

PORTIFÓLIO DE CONSULTORIA E ASSESSORIA

PORTIFÓLIO DE CONSULTORIA E ASSESSORIA PORTIFÓLIO DE CONSULTORIA E ASSESSORIA SUMÁRIO DE PROJETOS WORKFLOW... 03 ALINHAMENTO ESTRATÉGICO... 04 IDENTIDADE CORPORATIVA... 04 GESTÃO DE COMPETÊNCIAS... 05 TREINAMENTO E DESENVOLVIMENTO... 05 REMUNERAÇÃO...

Leia mais

MBA em Gestão de Pessoas

MBA em Gestão de Pessoas REFERÊNCIA EM EDUCAÇÃO EXECUTIVA MBA em Gestão de Pessoas Coordenação Acadêmica: Profª. Dra. Ana Ligia Nunes Finamor A Escola de Negócios de Alagoas. A FAN Faculdade de Administração e Negócios foi fundada

Leia mais

Já pesquisou alguma coisa sobre a Geração Y? Pois então corra, pois eles já vasculharam tudo para você.

Já pesquisou alguma coisa sobre a Geração Y? Pois então corra, pois eles já vasculharam tudo para você. Já pesquisou alguma coisa sobre a Geração Y? Pois então corra, pois eles já vasculharam tudo para você. A HR Academy e a NextView realizaram uma pesquisa focada em geração y, com executivos de RH das principais

Leia mais

Questão em foco: O ROI do Gerenciamento de Portfólio de Produto. O Guia para prever o retorno do investimento do PPM

Questão em foco: O ROI do Gerenciamento de Portfólio de Produto. O Guia para prever o retorno do investimento do PPM Questão em foco: O ROI do Gerenciamento de Portfólio de Produto O Guia para prever o retorno do investimento do PPM Tech-Clarity, Inc. 2008 Sumário Introdução à questão... 3 Cálculo dos benefícios do Gerenciamento

Leia mais

ISO 9001 Relatórios. A importância do risco em gestao da qualidade. Abordando a mudança. ISO Revisions. ISO Revisions

ISO 9001 Relatórios. A importância do risco em gestao da qualidade. Abordando a mudança. ISO Revisions. ISO Revisions ISO 9001 Relatórios A importância do risco em gestao da qualidade Abordando a mudança BSI Group BSI/UK/532/SC/1114/en/BLD Contexto e resumo da revisão da ISO 9001:2015 Como uma Norma internacional, a ISO

Leia mais

Ribeirão Preto, Franca, São Carlos e Araraquara GESTÃO DE PESSOAS. COORDENAÇÃO: Profª Drª Ana Ligia Nunes Finamor

Ribeirão Preto, Franca, São Carlos e Araraquara GESTÃO DE PESSOAS. COORDENAÇÃO: Profª Drª Ana Ligia Nunes Finamor Ribeirão Preto, Franca, São Carlos e Araraquara GESTÃO DE PESSOAS COORDENAÇÃO: Profª Drª Ana Ligia Nunes Finamor OBJETIVO: A Gestão de Pessoas vem passando por inúmeras transformações nestes últimos anos.

Leia mais

Marketing Visão 360º. O nosso objetivo é ter uma visão ampla dos temas de Marketing, abordando os seguintes tópicos.

Marketing Visão 360º. O nosso objetivo é ter uma visão ampla dos temas de Marketing, abordando os seguintes tópicos. Marketing Visão 360º O Mundo do Marketing em parceria com a TNS Research International está realizando pesquisas mensais com profissionais da área de marketing para investigar temas relacionados ao dia-a-dia

Leia mais

Inteligência Organizacional, Inteligência Empresarial, Inteligência Competitiva, Infra-estrutura de BI mas qual é a diferença?

Inteligência Organizacional, Inteligência Empresarial, Inteligência Competitiva, Infra-estrutura de BI mas qual é a diferença? Inteligência Organizacional, Inteligência Empresarial, Inteligência Competitiva, Infra-estrutura de BI mas qual é a diferença? * Daniela Ramos Teixeira A Inteligência vem ganhando seguidores cada vez mais

Leia mais

GESTÃO DE TI NAS ORGANIZAÇÕES CONTEMPORÂNEAS

GESTÃO DE TI NAS ORGANIZAÇÕES CONTEMPORÂNEAS GESTÃO DE TI NAS ORGANIZAÇÕES CONTEMPORÂNEAS WALLACE BORGES CRISTO 1 JOÃO CARLOS PEIXOTO FERREIRA 2 João Paulo Coelho Furtado 3 RESUMO A Tecnologia da Informação (TI) está presente em todas as áreas de

Leia mais

ERP & BI ENTENTENDO A BUSCA CONSTANTE DAS EMPRESAS POR UM SISTEMA QUE FORNEÇA INFORMAÇÕES CONFIÁVEIS PARA TOMADA DE DECISÃO*

ERP & BI ENTENTENDO A BUSCA CONSTANTE DAS EMPRESAS POR UM SISTEMA QUE FORNEÇA INFORMAÇÕES CONFIÁVEIS PARA TOMADA DE DECISÃO* ERP & BI ENTENTENDO A BUSCA CONSTANTE DAS EMPRESAS POR UM SISTEMA QUE FORNEÇA INFORMAÇÕES CONFIÁVEIS PARA TOMADA DE DECISÃO* RESUMO Marilia Costa Machado - UEMG - Unidade Carangola Graciano Leal dos Santos

Leia mais

Política de Gestão de Riscos

Política de Gestão de Riscos Política de Gestão de Riscos 1 OBJETIVO Fornecer as diretrizes para a Gestão de Riscos da Fibria, assim como conceituar, detalhar e documentar as atividades a ela relacionadas. 2 ABRANGÊNCIA Abrange todas

Leia mais

GOVERNO DO ESTADO DE MINAS GERAIS Secretaria de Estado de Meio Ambiente e Desenvolvimento Sustentável ANEXO III ORIENTAÇÃO PARA ELABORAÇÃO DE PROJETOS

GOVERNO DO ESTADO DE MINAS GERAIS Secretaria de Estado de Meio Ambiente e Desenvolvimento Sustentável ANEXO III ORIENTAÇÃO PARA ELABORAÇÃO DE PROJETOS ANEXO III ORIENTAÇÃO PARA ELABORAÇÃO DE PROJETOS O QUE É UM PROJETO? É um documento que organiza idéias para se realizar um empreendimento, explicitando o motivo de realizá-lo, as etapas de trabalho, as

Leia mais

FINANÇAS EM PROJETOS DE TI

FINANÇAS EM PROJETOS DE TI FINANÇAS EM PROJETOS DE TI 2012 Material 1 Prof. Luiz Carlos Valeretto Jr. 1 E-mail valeretto@yahoo.com.br Objetivo Objetivos desta disciplina são: reconhecer as bases da administração financeira das empresas,

Leia mais

Alinhamento Estratégico. A importância do alinhamento entre a TI e o Negócio e o método proposto pelo framework do CobiT 4.1

Alinhamento Estratégico. A importância do alinhamento entre a TI e o Negócio e o método proposto pelo framework do CobiT 4.1 Conhecimento em Tecnologia da Informação Alinhamento Estratégico A importância do alinhamento entre a TI e o Negócio e o método proposto pelo framework do CobiT 4.1 2010 Bridge Consulting Apresentação

Leia mais

Política de Sustentabilidade

Política de Sustentabilidade Seu futuro é o nosso compromisso. O presente documento visa trazer em seu conteúdo o posicionamento do INFRAPREV frente aos desafios propostos e impostos pelo desenvolvimento sustentável. Para formular

Leia mais

o planejamento, como instrumento de ação permanente; a organização do trabalho, como produto efetivo do planejamento;

o planejamento, como instrumento de ação permanente; a organização do trabalho, como produto efetivo do planejamento; FRANCISCO BITTENCOURT Consultor Sênior do MVC VISÃO, AÇÃO, RESULTADOS Visão sem ação é um sonho, sonho sem visão é um passatempo. Fred Polak INTRODUÇÃO No conhecido diálogo entre Alice e o gato Ceeshire,

Leia mais

Ementários. Disciplina: Gestão Estratégica

Ementários. Disciplina: Gestão Estratégica Ementários Disciplina: Gestão Estratégica Ementa: Os níveis e tipos de estratégias e sua formulação. O planejamento estratégico e a competitividade empresarial. Métodos de análise estratégica do ambiente

Leia mais

Administração Judiciária

Administração Judiciária Administração Judiciária Planejamento e Gestão Estratégica Claudio Oliveira Assessor de Planejamento e Gestão Estratégica Conselho Superior da Justiça do Trabalho Gestão Estratégica Comunicação da Estratégia

Leia mais

Inteligência Competitiva

Inteligência Competitiva Inteligência Competitiva Prof. Patricia Silva psilva@univercidade.br Aula 6 Objetivos da aula 6 n Análise SWOT n Bibliografia: Estratégia de Marketing O C. Ferrell Cap. 4 Strenghts (forças), Weaknesses

Leia mais

Planejamento Organização Direção Controle. Termos chaves Planejamento processo de determinar os objetivos e metas organizacionais e como realiza-los.

Planejamento Organização Direção Controle. Termos chaves Planejamento processo de determinar os objetivos e metas organizacionais e como realiza-los. Decorrência da Teoria Neoclássica Processo Administrativo. A Teoria Neoclássica é também denominada Escola Operacional ou Escola do Processo Administrativo, pela sua concepção da Administração como um

Leia mais

Como tudo começou...

Como tudo começou... Gestão Estratégica 7 Implementação da Estratégica - BSC Prof. Dr. Marco Antonio Pereira pereira@marco.eng.br Como tudo começou... 1982 In Search of Excellence (Vencendo a Crise) vendeu 1.000.000 de livros

Leia mais

PROJETO DE INOVAÇÃO E MELHORIA

PROJETO DE INOVAÇÃO E MELHORIA PROJETO DE INOVAÇÃO E MELHORIA 1. Introdução A apresentação dos Projetos de Inovação e Melhoria - PIM pelos Escalões/Divisões possui os seguintes objetivos: a. Estimular os Escalões e Divisões do Cmdo

Leia mais

CURSO DE PÓS-GRADUAÇÃO LATO SENSU (ESPECIALIZAÇÃO) MBA em Gestão de Pessoas Coordenação Acadêmica: Drª. Ana Maria Viegas Reis

CURSO DE PÓS-GRADUAÇÃO LATO SENSU (ESPECIALIZAÇÃO) MBA em Gestão de Pessoas Coordenação Acadêmica: Drª. Ana Maria Viegas Reis CURSO DE PÓS-GRADUAÇÃO LATO SENSU (ESPECIALIZAÇÃO) MBA em Gestão de Pessoas Coordenação Acadêmica: Drª. Ana Maria Viegas Reis APRESENTAÇÃO A FGV é uma instituição privada sem fins lucrativos, fundada em

Leia mais

www.jrsantiago.com.br

www.jrsantiago.com.br www.jrsantiago.com.br Gestão do Conhecimento em Projetos José Renato Santiago Cenário Corporativo Muitas empresas gastam parte significativa de seu tempo no planejamento e desenvolvimento de atividades,

Leia mais

Conteúdo. 1. Origens e Surgimento. Origens e Surgimento

Conteúdo. 1. Origens e Surgimento. Origens e Surgimento 1 2 Planejamento Estratégico: conceitos e evolução; administração e pensamento estratégico Profª Ms Simone Carvalho simonecarvalho@usp.br Profa. Ms. Simone Carvalho Conteúdo 3 1. Origens e Surgimento 4

Leia mais

MBA em Marketing Estratégico

MBA em Marketing Estratégico MBA em Marketing Estratégico Início em 28 de setembro de 2015 Aulas as segundas e quartas, das 19h às 22h Valor do curso: R$ 21.600,00 À vista com desconto: R$ 20.520,00 Consultar planos de parcelamento.

Leia mais

Quanto aos meios, trata-se de uma pesquisa bibliográfica, documental, telematizada e pesquisa de campo, conforme descrito abaixo:

Quanto aos meios, trata-se de uma pesquisa bibliográfica, documental, telematizada e pesquisa de campo, conforme descrito abaixo: 3 METODOLOGIA Apresenta-se a seguir a descrição da metodologia utilizada neste trabalho com o objetivo de expor os caminhos que foram percorridos não só no levantamento dos dados do estudo como também

Leia mais

Professora Débora Dado. Prof.ª Débora Dado

Professora Débora Dado. Prof.ª Débora Dado Professora Débora Dado Prof.ª Débora Dado Planejamento das aulas 7 Encontros 19/05 Contextualizando o Séc. XXI: Equipes e Competências 26/05 Competências e Processo de Comunicação 02/06 Processo de Comunicação

Leia mais

As ações de formação ação no âmbito do presente Aviso têm, obrigatoriamente, de ser desenvolvidas com a estrutura a seguir indicada.

As ações de formação ação no âmbito do presente Aviso têm, obrigatoriamente, de ser desenvolvidas com a estrutura a seguir indicada. Anexo A Estrutura de intervenção As ações de formação ação no âmbito do presente Aviso têm, obrigatoriamente, de ser desenvolvidas com a estrutura a seguir indicada. 1. Plano de ação para o período 2016

Leia mais

Ram Charan. Escritor e consultor de negócios. 1967 - Harvard Business School. Outros livros do autor: Execução. Pipeline de Liderança

Ram Charan. Escritor e consultor de negócios. 1967 - Harvard Business School. Outros livros do autor: Execução. Pipeline de Liderança Ram Charan Nascimento: Ocupação: Doutorado: 1939 Índia Escritor e consultor de negócios 1967 - Harvard Business School Outros livros do autor: Execução Pipeline de Liderança A Arte de Cultivar Líderes

Leia mais

A Comunicação no Modelo de Excelência da Gestão (MEG) 1

A Comunicação no Modelo de Excelência da Gestão (MEG) 1 A Comunicação no Modelo de Excelência da Gestão (MEG) 1 Narjara Bárbara Xavier Silva 2 Patrícia Morais da Silva 3 Resumo O presente trabalho é resultado do Projeto de Extensão da Universidade Federal da

Leia mais

Governança, risco e. compliance Chega de redundâncias. 24 KPMG Business Magazine

Governança, risco e. compliance Chega de redundâncias. 24 KPMG Business Magazine Governança, risco e compliance Chega de redundâncias 24 KPMG Business Magazine Programa Risk University transmite aos executivos uma visão abrangente dos negócios A crise financeira de 2008 ensinou algumas

Leia mais

1 Introdução. 1.1. A motivação e o problema da pesquisa

1 Introdução. 1.1. A motivação e o problema da pesquisa 1 Introdução O objetivo desse capítulo é propiciar uma visão abrangente do estudo aqui desenvolvido. Dessa forma, ele foi estruturado com as seguintes seções: A motivação e o problema da pesquisa: baseada

Leia mais

Outubro 2009. Carlos Eduardo Bizzotto Gisa Melo Bassalo Marcos Suassuna Sheila Pires Tony Chierighini

Outubro 2009. Carlos Eduardo Bizzotto Gisa Melo Bassalo Marcos Suassuna Sheila Pires Tony Chierighini Outubro 2009 Carlos Eduardo Bizzotto Gisa Melo Bassalo Marcos Suassuna Sheila Pires Tony Chierighini Sustentabilidade Articulação Ampliação dos limites Sistematização Elementos do Novo Modelo Incubação

Leia mais