IV REUNIÃO INTERMEDIÁRIA TRABALHO E SINDICALISMO (ANPOCS)

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "IV REUNIÃO INTERMEDIÁRIA TRABALHO E SINDICALISMO (ANPOCS)"

Transcrição

1 IV REUNIÃO INTERMEDIÁRIA TRABALHO E SINDICALISMO (ANPOCS) 1 O Trabalho e as novas dinâmicas local-global 1 Local: Universidade Federal de Campina Grande UFCG Campina Grande Paraíba - Brasil Data: 26 a 28 de maio de contato e inscrição: Promoção: GT Trabalho e Sindicato na Sociedade Contemporânea da ANPOCS Convênio PROCAD de Cooperação entre o PPGCS/UFCG e o PPGSA/UFRJ Associação Brasileira de Estudos do Trabalho ABET Fundação Joaquin Nabuco FUNDAJ

2 Coordenação: Roberto Véras de Oliveira (UFCG) Marco Aurélio Santana (UFRJ) Ângela Araújo (UNICAMP) Comissão Científica de Seleção de Trabalhos: Roberto Véras de Oliveira (UFCG) Eliana Monteiro Moreira (UFPB) Darcilene Gomes (FUNDAJ) Sérgio Pereira (UFMA) 2 OBJETIVOS 1. Analisar as novas configurações do trabalho sob um contexto mundial de flexibilização, precarização e informalização das relações de trabalho, com ênfase particular nos seus impactos na realidade brasileira e no Nordeste do país; 2. Abordar os desafios atuais à ação sindical, assim como as experiências sindicais nesse novo contexto, em âmbitos regional, nacional e internacional; 3. Discutir as novas tendências das políticas públicas referidas às novas configurações do trabalho, em um contexto mundial de desregulamentação de direitos sociais e trabalhistas, dando destaque ao que vem ocorrendo no caso brasileiro a partir dos anos 1980 e suas reverberações na realidade nordestina. EMENTA A proposta deste seminário é discutir este processo sob duas perspectivas. Por um lado, analisar as novas configurações do trabalho em uma situação social marcada por processos de flexibilização, precarização e informalização do trabalho, assim por como pelas diversas formas de resistência a esses. Por outro lado, pretende discutir as dificuldades e estratégias dos sindicatos e de outras formas de ação coletiva, nesse novo contexto, dando ênfase às experiências desenvolvidas a partir do questionamento ao corporativismo, da preocupação com os desempregados e com os trabalhadores em situações precárias, bem como do empenho na busca de novas orientações e formas de atuação, como por exemplo, a (re)organização das centrais e dos

3 organismos internacionais, a incorporação crescente das temáticas de gênero, raça/etnia e da juventude, a participação em projetos de políticas públicas e sociais. Em terceiro lugar, objetiva discutir as novas tendências das políticas públicas referidas às novas configurações do trabalho, em um contexto mundial de crise da referência do Estado Social e de desregulamentação de direitos sociais e trabalhistas, dando destaque ao que vem ocorrendo no caso brasileiro a partir dos anos 1980, tendo como marcos principais a Constituição de 1988, as Privatizações e Reformas Constitucionais da década de 1990 e as novas situações trazidas com a eleição de Lula para Presidente. JUSTIFICATIVA As transformações sócio-econômicas das últimas décadas, associadas a um intenso processo de globalização, vêm impondo importantes mudanças às relações de trabalho, às estratégias e formas de 3 organização dos trabalhadores e às políticas públicas referidas a trabalho, emprego, renda e cidadania. A reestruturação das empresas para enfrentar o aumento da competição no mercado nacional e global inaugurou um novo tempo de instabilidades. O mundo do trabalho, principalmente nos países desenvolvidos, modificou-se rapidamente, colocando em xeque o consenso protetor do Estado de Bem Estar Social, que foi substituído pelas políticas do Estado mínimo. O silogismo brazilianização passou a ser descritivo dos processos de precarização das relações de trabalho e de crescente informalização desencadeados a partir dos países mais desenvolvidos. Não tardou para que essa experiência transbordasse para os países periféricos, agravando mais ainda a já histórica precariedade a que estão submetidos, nesses casos, os trabalhadores e trabalhadoras. O processo de reestruturação capitalista expresso, principalmente, nas transformações na organização do trabalho e na introdução de novas tecnologias de base microeletrônica, bem como na busca da melhoria de qualidade de bens e serviços e no incremento da produtividade, trouxe dificuldades inauditas para os trabalhadores e para a ação de suas organizações. A bibliografia sobre o tema, discutindo tanto as experiências dos países de capitalismo maduro quanto dos países em desenvolvimento, mostra a ampla repercussão para a sociedade das mudanças que se desenvolveram no âmbito produtivo e nas relações capital/trabalho. O assalariamento, que de certa forma caracterizou a relação capital/trabalho durante largo período, criou as condições de agregação de direitos sociais aos contratos de trabalho. Já a flexibilidade, propiciada pela revolução tecnológica e pelos novos métodos de gestão da produção e do trabalho, ao mesmo tempo em que desterritorializou a produção e o trabalho, internacionalizando os mercados, promoveu um intenso processo de precarização e informalização do trabalho, através da terceirização e da redução ou alteração de direitos

4 trabalhistas. Desse modo, a flexibilização das relações de emprego e das condições de trabalho desorganizou identidades coletivas fundadas no local, no regional e no nacional. As empresas, por vezes, atuam globalmente, acima dos Estados nacionais. De outra parte, tentam adequar suas políticas na atração de investimentos e procuram se inserir no processo de internacionalização, percebido como inexorável. A noção de desenvolvimento nacional vinculado à industrialização é superada pela necessidade de inserção produtiva a redes globais. Ser competitivo significa ter menores custos e acompanhar as inovações tecnológicas. Menores custos representam o corte de trabalho vivo, buscando-o onde é mais barato. É possível dizer que, em alguma medida, as mudanças que estão em curso no mundo do trabalho torna a vida dos trabalhadores umbilicalmente ligada às vicissitudes da empresa, o que estaria levando a uma mudança radical das relações trabalhistas e da ação sindical no mundo contemporâneo. 4 A ação sindical viveu, a partir dos anos de 1950, momentos de fundamental importância quando a instituição trabalhista foi amplamente reconhecida e seu poder se consolidou enormemente Nos anos recentes, no entanto, as grandes organizações sindicais que, em alguma medida, representavam a força do trabalho organizado foram ficando, paulatinamente, obsoletas. Competição global, recessão e incertezas econômicas crescentes, em alguma medida, colocaram em crise o sindicalismo e as bases institucionais nas quais ele se desenvolveu. Essas mudanças têm trazido enormes desafios para o sindicalismo. Em linhas gerais, pode-se dizer que os obstáculos à ação sindical se colocam, principalmente, em decorrência de que, historicamente, as ações trabalhistas sempre se pautaram pela demanda de acesso a bens e/ou poder públicos e privados para o trabalhador nacional. Por isso, os sindicatos têm encontrado muitas dificuldades para enfrentar as conseqüências da chamada reestruturação do capital e o fenômeno da globalização. Além disso, nos últimos anos, as alterações no mundo do trabalho têm como um dos seus principais resultados o crescimento de uma legião de desempregados, empregados precários, parciais, temporários, trabalhadores informais etc. Nesse início do século XXI, esse é um obstáculo adicional ao trabalho organizado. Assim, o trabalho assumiu novos formatos e os atores sociais parecem não mais se identificar nos marcos genéricos da classe e de seus correlatos organismos de representação de interesses, como partidos e sindicatos. A segurança do pleno emprego foi substituída pelo desemprego de tom perene, cuja extensão no corpo social e duração no tempo, têm levado mesmo a uma re-significação do termo. Formas de contratação flexíveis, antes consideradas atípicas, passaram a ser a regra, trazendo para o vocabulário cotidiano termos como subcontratação, terceirização, contrato temporário, trabalho em tempo parcial, contratos pessoa jurídica, trabalhadores autônomos, trabalho associado em cooperativas de trabalho. Aprofundou-se, igualmente, a dualização do assalariamento, a fragmentação do mercado de trabalho e as desigualdades de gênero, de raça e de geração. Dentre os segmentos mais vulneráveis, estão

5 predominantemente as mulheres, os/as negros/as, os/as jovens e os/as trabalhadores/as com mais de 45 anos. A formalização de contratos e relações de trabalho passou a ser vista como obstáculo, ao qual só a informalização radical seria o antídoto. As políticas de proteção social ao indivíduo, dentro e fora do trabalho, foram sendo substituídas por políticas de aumento da competitividade. O trabalhador passou a ser responsável por sua própria empregabilidade. Tais mudanças tiveram repercussão tanto no processo organizativo dos trabalhadores, como na relação capital/trabalho. Ganhos sociais resultantes de lutas de um século foram perdidos em nome da competitividade global. Os organismos sindicais, um dos pólos mais ativos no espectro de ações coletivas dos trabalhadores na defesa de seus interesses, passaram a ter muita dificuldade em dar conta do novo cenário, que lhes reduziu grandemente os espaços de manobra, colocando em risco as formas de ação e conquistas 5 desenvolvidas ao longo do século XX. Os novos tempos parecem trazer um tipo de sociabilidade que se contrapõe, sobrepujando, quaisquer possibilidades de participação mais efetiva nos âmbitos coletivo e público. A classe, enquanto ator coletivo, perdeu importância na mudança social, por sua fragmentação, dispersão geográfica e crescente vulnerabilidade social. As utopias perderam força. Assim, novos desafios foram colocados à ação coletiva exigindo um repensar do trabalho em suas novas-velhas formas e em sua complexidade. No caso brasileiro, que não fugiu à regra em termos das transformações, é importante discutir tanto as novas configurações do trabalho, quanto a lógica das ações sindicais no novo contexto da realidade do trabalho e sobre como vem se comportando as políticas públicas relacionadas à nova questão social e do trabalho. Em resumo, o cenário que se constrói propõe algumas questões: qual o lugar do trabalho na sociedade do século XXI, comparando-se com a realidade do século XX? É possível pensar um desenvolvimento de corte mais social que, escapando de preocupações meramente econômicas, garanta proteção à sociedade e aos trabalhadores para além de seus vínculos de trabalho? Estariam os trabalhadores e sindicatos preparados para enfrentar os marcos trazidos pela flexibilização, agora possivelmente chancelada em termos legais? Qual o papel do governo no que se refere à proteção aos trabalhadores e à concessão de benefícios diretos (e indiretos) não mais vinculados somente à formalização do mundo do trabalho, que lhes dê mais segurança em um quadro de crescente instabilidade e precarização? Como avaliar os resultados concretos das políticas governamentais de geração de trabalho e renda? Quais os limites e as possibilidades das práticas empresariais em um cenário em que a empresa assume papel de destaque não só em termos produtivos e competitivos, mas também em termos de preocupações sociais? Como vem se desenvolvendo a relação entre sindicatos e Estado no contexto de um governo oriundo do movimento sindical? Essas são algumas das muitas questões colocadas na ordem do dia, que exigem um debate sociológico mais profundo, o qual pretendemos continuar discutindo a partir de estudos que estão sendo desenvolvidos por pesquisadores da área.

6 A proposta deste GT é, por um lado, analisar as novas configurações do trabalho em uma situação social marcada pela reestruturação das atividades produtivas e sua articulação em rede além de seus desdobramentos em termos de flexibilização, precarização e informalização do emprego. Por outro lado, pretende discutir as dificuldades e estratégias dos sindicatos nesse novo contexto, dando ênfase aos mecanismos de ação coletiva acionados a partir do questionamento ao corporativismo, da preocupação com os desempregados e com os trabalhadores em situações precárias, bem como do empenho na busca de novas orientações e formas de atuação, como por exemplo, a (re)organização das centrais e dos organismos internacionais, a incorporação crescente das temáticas de gênero, raça/etnia e da juventude, a participação em projetos de políticas públicas e sociais. Em terceiro lugar, objetiva discutir as novas tendências das políticas públicas referidas às novas configurações do trabalho, em um contexto mundial de crise da referência do Estado Social e de desregulamentação de direitos sociais e trabalhistas, dando destaque ao que vem 6 ocorrendo no caso brasileiro a partir dos anos 1980, tendo como marcos principais a Constituição de 1988, as Privatizações e Reformas Constitucionais da década de 1990 e as novas situações trazidas com a eleição de Lula para Presidente. A presente proposta de Seminário Intermediário é um desdobramento do GT - Trabalho e Sindicato na Sociedade Contemporânea, da ANPOCS, o qual tem apresentado resultados de pesquisas voltados para a análise do trabalho e do movimento sindical contemporâneo no Brasil e em outros países principais tendências, relações com o sistema político, movimento trabalhista, movimento sindical, análise da estrutura sindical e da organização interna dos sindicatos, trabalhos teórico-metodológicos que discutem, de uma perspectiva crítica, os fundamentos da crise da sociedade do trabalho, bem como estudos históricos que, reconstruindo a formação de atores coletivos, têm apontado para a diversidade de trajetórias da ação coletiva em nível regional em nosso país. Além disso, a partir da segunda metade dos anos 1990, têm sido relevantes os estudos no interior do referido GT da ANPOCS que focalizam o processo de globalização e seus impactos no mundo do trabalho, em particular a questão da reestruturação industrial e suas repercussões sobre os atores sociais envolvidos. A partir do ano 2000, o GT passa a ser o único a discutir a questão do trabalho no âmbito da ANPOCS ampliando sua reflexão com temáticas relacionadas à nova questão social, aos desafios do desenvolvimento, tanto no âmbito local e/ou regional quanto nacional e o papel que os trabalhadores e a instituição sindical podem desempenhar nestes novos espaços de atuação. O GT se transformou em um espaço fundamental à reflexão, ao debate e ao intercâmbio de idéias no que tange a pesquisas que discutem os temas do trabalho, da ação sindical e das políticas públicas de emprego e renda. Isso se expressa, por exemplo, pela quantidade de eventos que organizou, além das sessões e mesas na ANPOCS, de publicações de seus participantes na forma de livros e artigos em revistas acadêmicas no Brasil e no exterior (exemplos: O Sindicalismo brasileiro nos anos 80, São Paulo, Paz e Terra, 1991, organizado por Armando Boito Júnioe; O Novo Sindicalismo: vinte anos depois, organizado por Iram Jácome Rodrigues e publicado pela Editora Vozes, em 1999; Além da Fábrica: trabalhadores, sindicatos e a nova questão social, São Paulo, Boitempo, 2003,

7 organizado por Marco Aurélio Santana e José Ricardo Ramalho; O sindicalismo equilibrista; entre o continuísmo e as novas práticas, Curitiba, UFPR, 2006, organizado por Silvia Maria de Araújo, Maria Aparecida Bridi e Marcos Ferraz). Faz nove anos que o referido GT edita o Boletim Eletrônico Sindicalismo e Política. Esses aspectos evidenciam um amadurecimento do GT, que se apóia em um núcleo de pesquisadores - das mais variadas regiões do País com pesquisas e publicações conjuntas e que tem ajudado na formação e desenvolvimento de novos estudiosos dos temas ligados à problemática em questão. Os pesquisadores do GT têm participado como organizadores de grupos de trabalho na SBS, LASA, ALAST, ISA, CISO, entre outros eventos. PROGRAMAÇÃO Dia 26/ :30 horas Mesa de Abertura Ângela Araújo GT Trabalho e Sindicato na Sociedade Contemporânea da ANPOCS Marco Aurélio Santana PPGSA/UFRJ Rodrigo Grünewald PPGCS/UFCG Ivan Targino ABET Darcilene Gomes - FUNDAJ Roberto Véras de Oliveira Coordenador 19:30 horas Mesa A Crise Global e suas Implicações sobre o Trabalho Ivan Targino (UFPB) Dari Krein (UNICAMP) Sadi Dal Rosso (UNB) Luis Campos (FUNDAJ) Debatedor José Ricardo Ramalho (UFRJ) Coordenador Darcilene Gomes (FUNDAJ) Dia 27 08:30 horas Mesa As Novas Configurações do Trabalho: Desafios ao Pensamento Sociológico Márcia Costa (UFPB) Ângela Araújo (UNICAMP) Graça Druck (UFBA) Alexandre Barbosa (USP)

8 Debatedor Marco Aurélio Santana (UFRJ) Coordenador Eliana Moreira (UFPB) 14:30 horas Sessão de Apresentação de Trabalhos Apresentação de 8 trabalhos e 2 painéis Debatedor Maria Rosilene Alvim (UFRJ) Coordenador Waltimar Batista Rodrigues Lula (UEPB) Dia 28/05 08:30 horas Mesa As Práticas Sindicais Reinventadas Sérgio Pereira (UFMA) Elina Pessanha (UFRJ) Roberto Véras de Oliveira (UFCG) Jair Batista da Silva (UFPB) 8 Debatedor José Ricardo Ramalho (UFRJ) Coordenador Marilda Menezes (UFCG) 14:30 horas Sessão de Apresentação de Trabalhos Apresentação de 6 trabalhos e 2 painéis Debatedor Ângela Araújo (UNICAMP) Coordenador Fernando Souto (UNIVASF)

9 Chamada De Trabalhos I. Observações iniciais: Este edital define as regras para recebimento e seleção de comunicações ao Seminário Intermediário do GT da ANPOCS Trabalho e Sindicato na Sociedade Contemporânea O Trabalho e as Novas Dinâmicas Local- Global, que será realizado em Campina Grande, no Campus da Universidade Federal de Campina Grande UFCG, de 26 a 28 de maio de O evento é uma promoção: do GT da ANPOCS Trabalho e Sindicato na Sociedade Contemporânea; da Associação Brasileira de Estudos do Trabalho ABET; do PROCAD-Capes PPGCS/UFCG e PPGSA/UFRJ; e da Fundação Joaquin Nabuco FUNDAJ. A Comissão Científica de Seleção de Trabalhos será responsável pela análise e decisão quanto à aceitação das comunicações serem apresentadas nas Sessões de Apresentação de Trabalhos. A decisão será final e não caberá recursos. 9 As propostas de comunicação deverão ser enviadas através do oficial do evento: Não serão aceitas propostas enviadas por correio convencional ou entregues diretamente aos membros da Comissão Científica. Quaisquer comunicações com a organização do Evento deverão ser feitas por meio do referido . II. Principais Prazos para Composição da Programação Científica: 12/03/2010 a 28/04/2010: Período para o envio de propostas de comunicação. 07/05/2010: Divulgação dos trabalhos selecionados (comunicações e painéis). 20/05/2010: Prazo final para envio dos textos integrais (comunicações e painéis). III. Regras para apresentação de propostas de comunicação: As propostas de comunicação devem ser apresentadas na forma de Resumos Expandidos. Os resumos expandidos deverão incluir os seguintes itens: Título do trabalho; Autor(es); Instituição do(s) autor(es); Titulação do(s) autor(es); Resumo; Palavras-Chave. Os resumos expandidos devem ter seguir as seguintes especificações: 1,5 a 2 laudas, fonte Times New Roman, espaço 1,5. Serão contemplados 14 trabalhos para comunicação, mais 4 trabalhos para apresentação sob a forma de painéis (com tempo de apresentação mais reduzido). Os painéis devem ser preparados conforme as seguintes especificações:

10 1. TÍTULO DO TRABALHO (em letras maiúsculas); 2. AUTOR e TITULAÇÃO; 3. INSTITUIÇÃO DO AUTOR; 4. APOIOS INSTITUCIONAIS RECEBIDOS PARA A PESQUISA (se houver); 5. OBJETO E OBJETIVOS: Visão geral sobre a pesquisa com definição clara do objeto e dos objetivos; 6. METODOLOGIA: Apresentar sinteticamente a metodologia ou forma de abordagem da pesquisa e suas fontes; 7. RESULTADOS E CONCLUSÕES: Indicar os principais resultados e conclusões obtidos, de acordo com os objetivos propostos; 8. REFERÊNCIAS BIBLIOGRÁFICAS. IV. Financiamento: As despesas dos participantes deverão ser custeadas por cada um. Todos os pesquisadores selecionados para apresentação que se inscreverem receberão uma pasta e um CD com os Resumos Expandidos e o Textos Integrais. 10 VI. Inscrição: As inscrições serão feitas no próprio evento.

Minuta do Capítulo 10 do PDI: Relações Externas

Minuta do Capítulo 10 do PDI: Relações Externas Minuta do Capítulo 10 do PDI: Relações Externas Elaborada pela Diretoria de Extensão e pela Pró-Reitoria de Pesquisa, Pós-Graduação e Inovação 1 1 Esta minuta será apreciada pelo Colegiado de Ensino, Pesquisa

Leia mais

Resenha. De forma sintética e competente, faz uma reconstituição histórica desde os processos de colonização que marcaram as sociedades latino-

Resenha. De forma sintética e competente, faz uma reconstituição histórica desde os processos de colonização que marcaram as sociedades latino- Revista Latino-americana de Estudos do Trabalho, Ano 17, nº 28, 2012, 229-233 Resenha O Continente do Labor, de Ricardo Antunes (São Paulo, Boitempo, 2011) Graça Druck A iniciativa de Ricardo Antunes de

Leia mais

OS PROCESSOS DE TRABALHO DO SERVIÇO SOCIAL EM UM DESENHO CONTEMPORÂNEO

OS PROCESSOS DE TRABALHO DO SERVIÇO SOCIAL EM UM DESENHO CONTEMPORÂNEO OS PROCESSOS DE TRABALHO DO SERVIÇO SOCIAL EM UM DESENHO CONTEMPORÂNEO Karen Ramos Camargo 1 Resumo O presente artigo visa suscitar a discussão acerca dos processos de trabalho do Serviço Social, relacionados

Leia mais

TEXTO BASE PARA UM POLÍTICA NACIONAL NO ÂMBITO DA EDUCAÇÃO PATRIMONIAL

TEXTO BASE PARA UM POLÍTICA NACIONAL NO ÂMBITO DA EDUCAÇÃO PATRIMONIAL TEXTO BASE PARA UM POLÍTICA NACIONAL NO ÂMBITO DA EDUCAÇÃO PATRIMONIAL Eixos Temáticos, Diretrizes e Ações Documento final do II Encontro Nacional de Educação Patrimonial (Ouro Preto - MG, 17 a 21 de julho

Leia mais

Carta da Indústria 2014 (PDF 389) (http://arquivos.portaldaindustria.com.br/app/conteudo_18/2013/06/06/481/cartadaindstria_2.pdf)

Carta da Indústria 2014 (PDF 389) (http://arquivos.portaldaindustria.com.br/app/conteudo_18/2013/06/06/481/cartadaindstria_2.pdf) www.cni.org.br http://www.portaldaindustria.com.br/cni/iniciativas/eventos/enai/2013/06/1,2374/memoria-enai.html Memória Enai O Encontro Nacional da Indústria ENAI é realizado anualmente pela CNI desde

Leia mais

PLANO DE ENSINO. I. Dados Identificadores

PLANO DE ENSINO. I. Dados Identificadores PLANO DE ENSINO I. Dados Identificadores Curso ADMINISTRAÇÃO Disciplina Mercados Internacionais Código Semestre 6º semestre Carga Horária Semestral: 80 Semanal: 4 II. Objetivos 1. Objetivo Geral: Familiarizar

Leia mais

Escola de Políticas Públicas

Escola de Políticas Públicas Escola de Políticas Públicas Política pública na prática A construção de políticas públicas tem desafios em todas as suas etapas. Para resolver essas situações do dia a dia, é necessário ter conhecimentos

Leia mais

SERVIÇO PÚBLICO FEDERAL UNIVERSIDADE FEDERAL DA PARAÍBA CONSELHO SUPERIOR DE ENSINO, PESQUISA E EXTENSÃO

SERVIÇO PÚBLICO FEDERAL UNIVERSIDADE FEDERAL DA PARAÍBA CONSELHO SUPERIOR DE ENSINO, PESQUISA E EXTENSÃO SERVIÇO PÚBLICO FEDERAL UNIVERSIDADE FEDERAL DA PARAÍBA CONSELHO SUPERIOR DE ENSINO, PESQUISA E EXTENSÃO Resolução n 69/ 2011 Aprova o Projeto Pedagógico do Curso de Graduação em, Bacharelado, do Centro

Leia mais

ESTRATÉGIAS NA EDUCAÇÃO DE JOVENS E ADULTOS NA PERSPECTIVA DAS NOVAS TECNOLOGIAS

ESTRATÉGIAS NA EDUCAÇÃO DE JOVENS E ADULTOS NA PERSPECTIVA DAS NOVAS TECNOLOGIAS 1 ESTRATÉGIAS NA EDUCAÇÃO DE JOVENS E ADULTOS NA PERSPECTIVA DAS NOVAS TECNOLOGIAS INTRODUÇÃO Marilda Coelho da Silva marildagabriela@yahoo.com.br Mestrado Profissional Formação de Professores UEPB As

Leia mais

EDITAL 001-2015 CHAMADA PARA TRABALHOS CIENTIFICOS CONGRESSO JURÍDICO DA REDE DE ENSINO DOCTUM

EDITAL 001-2015 CHAMADA PARA TRABALHOS CIENTIFICOS CONGRESSO JURÍDICO DA REDE DE ENSINO DOCTUM EDITAL 001-2015 CHAMADA PARA TRABALHOS CIENTIFICOS CONGRESSO JURÍDICO DA REDE DE ENSINO DOCTUM Diretoria de Pesquisa e Pós Graduação Dra. Maria Renata Prado O Congresso Jurídico da Rede de Ensino Doctum,

Leia mais

Os interesses da ação cooperada e não cooperada na economia do artesanato.

Os interesses da ação cooperada e não cooperada na economia do artesanato. Os interesses da ação cooperada e não cooperada na economia do artesanato. Luciany Fusco Sereno** Introdução O trabalho tem por objetivo apresentar um estudo de caso realizado na cidade de Barreirinhas-MA

Leia mais

EDITAL. Ciência Política UFPE

EDITAL. Ciência Política UFPE VII Seminário de Pós-Graduação em Ciência Política e Relações Internacionais da e II Seminário de Graduação em Ciência Política e Relações Internacionais da Local:, CFCH e NIATE CFCH-CCSA Datas: 21 a 25

Leia mais

I ENCONTRO DE ENSINO DE HISTÓRIA DA MATA NORTE

I ENCONTRO DE ENSINO DE HISTÓRIA DA MATA NORTE I ENCONTRO DE ENSINO DE HISTÓRIA DA MATA NORTE HISTÓRIA E CULTURA AFRO-BRASILEIRA E O ENSINO DE HISTÓRIA Universidade de Pernambuco Campus Mata Norte Curso de Licenciatura em História Pró-Reitoria de Graduação

Leia mais

CONVITE E CHAMADA DE TRABALHOS E PROPOSTAS DE SESSÕES E MINICURSOS

CONVITE E CHAMADA DE TRABALHOS E PROPOSTAS DE SESSÕES E MINICURSOS CONVITE E CHAMADA DE TRABALHOS E PROPOSTAS DE SESSÕES E MINICURSOS A Rede Brasileira de Monitoramento e Avaliação (RBMA) convida os interessados a participarem do seu VII Seminário, que acontecerá nos

Leia mais

PRODUÇÃO CIENTIFICA SOBRE A SAÚDE DO TRABALHADOR: UMA PESQUISA BIBLIOGRÁFICA

PRODUÇÃO CIENTIFICA SOBRE A SAÚDE DO TRABALHADOR: UMA PESQUISA BIBLIOGRÁFICA PRODUÇÃO CIENTIFICA SOBRE A SAÚDE DO TRABALHADOR: UMA PESQUISA BIBLIOGRÁFICA Neide Tiemi Murofuse 1 Rejane Rodrigues da Silva 2 INTRODUÇÃO: A área da Saúde do Trabalhador surge no contexto do Movimento

Leia mais

Rede de Áreas Protegidas, Turismo e Inclusão Social: de uma perspectiva da América do Sul para uma perspectiva global

Rede de Áreas Protegidas, Turismo e Inclusão Social: de uma perspectiva da América do Sul para uma perspectiva global Rede de Áreas Protegidas, Turismo e Inclusão Social: de uma perspectiva da América do Sul para uma perspectiva global (texto extraído da publicação IRVING, M.A.; BOTELHO, E.S.; SANCHO, A.; MORAES, E &

Leia mais

PROGRAMAS DE INSERÇÃO SÓCIO-PROFISSIONAL DE JOVENS NA REGIÃO METROPOLITANA DE BELO HORIZONTE MG Geraldo Magela Pereira Leão (UFMG)

PROGRAMAS DE INSERÇÃO SÓCIO-PROFISSIONAL DE JOVENS NA REGIÃO METROPOLITANA DE BELO HORIZONTE MG Geraldo Magela Pereira Leão (UFMG) PROGRAMAS DE INSERÇÃO SÓCIO-PROFISSIONAL DE JOVENS NA REGIÃO METROPOLITANA DE BELO HORIZONTE MG Geraldo Magela Pereira Leão (UFMG) 1 - INTRODUÇÃO Este trabalho apresenta dados e informações que fundamentam

Leia mais

Gestão 2013-2017. Plano de Trabalho. Colaboração, Renovação e Integração. Eduardo Simões de Albuquerque Diretor

Gestão 2013-2017. Plano de Trabalho. Colaboração, Renovação e Integração. Eduardo Simões de Albuquerque Diretor Gestão 2013-2017 Plano de Trabalho Colaboração, Renovação e Integração Eduardo Simões de Albuquerque Diretor Goiânia, maio de 2013 Introdução Este documento tem por finalidade apresentar o Plano de Trabalho

Leia mais

Grupos de Trabalho XIII Encontro Nacional da ABET UFPR Curitiba-PR 28 a 31 de outubro de 2013. Ementas dos GTs do Encontro Nacional da ABET 2013

Grupos de Trabalho XIII Encontro Nacional da ABET UFPR Curitiba-PR 28 a 31 de outubro de 2013. Ementas dos GTs do Encontro Nacional da ABET 2013 Grupos de Trabalho XIII Encontro Nacional da ABET UFPR Curitiba-PR 28 a 31 de outubro de 2013 Ementas dos GTs do Encontro Nacional da ABET 2013 1. Desenvolvimento, crises e implicações sobre o mundo trabalho

Leia mais

Por que Projetos Sociais?

Por que Projetos Sociais? PROJETOS SOCIAIS Por que Projetos Sociais? Projetos são resultado de uma nova relação entre Estado e Sociedade Civil; Mudanças no que se relaciona à implantação de políticas sociais; Projetos se constroem

Leia mais

EDITAL DE CHAMADA PARA COMUNICAÇÃO DE RESUMOS EXPANDIDOS

EDITAL DE CHAMADA PARA COMUNICAÇÃO DE RESUMOS EXPANDIDOS IX CICLO DE PALESTRAS DE SERVIÇO SOCIAL DA FAFIC ASSISTENTE SOCIAL: PROFISSIONAL DE LUTA, PROFISSIONAL PRESENTE! PELAS POLÍTICAS PÚBLICAS, PELOS DIREITOS HUMANOS EDITAL DE CHAMADA PARA COMUNICAÇÃO DE RESUMOS

Leia mais

JORNADA DAS MARGARIDAS 2013

JORNADA DAS MARGARIDAS 2013 JORNADA DAS MARGARIDAS 2013 PAUTA INTERNA 1 - ORGANIZAÇÃO E PARTICIPAÇÃO SINDICAL 1 Assegurar condições de igualdade para homens e mulheres exercerem com autonomia o trabalho sindical nas diversas secretarias

Leia mais

PRECARIZAÇÃO DO TRABALHO DOCENTE NA UNIVERSIDADE PÚBLICA BRASILEIRA

PRECARIZAÇÃO DO TRABALHO DOCENTE NA UNIVERSIDADE PÚBLICA BRASILEIRA PRECARIZAÇÃO DO TRABALHO DOCENTE NA UNIVERSIDADE PÚBLICA BRASILEIRA Carlos Eduardo Queiroz Pessoa Bacharel em Filosofia e Direito; Mestrando em Ciências Sociais pela Universidade Federal de Campina Grande

Leia mais

PÓS-GRADUAÇÃO EM POLÍTICA E RELAÇÕES GOVERNAMENTAIS

PÓS-GRADUAÇÃO EM POLÍTICA E RELAÇÕES GOVERNAMENTAIS PÓS-GRADUAÇÃO EM POLÍTICA E RELAÇÕES GOVERNAMENTAIS Parceria: Ingresso Agosto 2015 Informações: (51) 3218-1400 - www.espm.br/mba Pós-Graduação em Política e Relações Governamentais O programa objetiva

Leia mais

GRUPO DE TRABALHO 2: TERAPIA OCUPACIONAL EM CONTEXTOS HOSPITALARES. - Retrospectiva - II Seminário Nacional de Pesquisa em Terapia Ocupacional / 2012

GRUPO DE TRABALHO 2: TERAPIA OCUPACIONAL EM CONTEXTOS HOSPITALARES. - Retrospectiva - II Seminário Nacional de Pesquisa em Terapia Ocupacional / 2012 GRUPO DE TRABALHO 2: TERAPIA OCUPACIONAL EM CONTEXTOS HOSPITALARES Autores: Profa Dra. Marysia Mara Rodrigues do Prado De Carlo Profa Dra. Sandra Maria Galheigo - Retrospectiva - II Seminário Nacional

Leia mais

CURSOS TECNOLÓGICOS EMERGÊNCIA DE UMA NOVA REGULAÇÃO

CURSOS TECNOLÓGICOS EMERGÊNCIA DE UMA NOVA REGULAÇÃO CURSOS TECNOLÓGICOS EMERGÊNCIA DE UMA NOVA REGULAÇÃO ACIOLI, Maria de Fátima da Costa Lippo - UFBA GT: Trabalho e Educação/n. 09 Agência Financiadora: não contou com financiamento 1 - Tempos e Movimentos

Leia mais

Pólos da Paz e Praças da Paz SulAmérica

Pólos da Paz e Praças da Paz SulAmérica A iniciativa O projeto Praças é uma iniciativa do Instituto Sou da Paz, em parceria com a SulAmérica, que promove a revitalização de praças públicas da periferia de São Paulo com a participação da comunidade

Leia mais

Carta de Campinas 1) QUANTO AO PROBLEMA DO MANEJO DAS CRISES E REGULAÇÃO DA PORTA DE INTERNAÇÃO E URGÊNCIA E EMERGÊNCIA,

Carta de Campinas 1) QUANTO AO PROBLEMA DO MANEJO DAS CRISES E REGULAÇÃO DA PORTA DE INTERNAÇÃO E URGÊNCIA E EMERGÊNCIA, Carta de Campinas Nos dias 17 e 18 de junho de 2008, na cidade de Campinas (SP), gestores de saúde mental dos 22 maiores municípios do Brasil, e dos Estados-sede desses municípios, além de profissionais

Leia mais

Documento referencial: uma contribuição para o debate

Documento referencial: uma contribuição para o debate Documento referencial: uma contribuição para o debate desenvolvimento integração sustentável participação fronteiriça cidadã 1. Propósito do documento O presente documento busca estabelecer as bases para

Leia mais

DIREITOS HUMANOS, JUVENTUDE E SEGURANÇA HUMANA

DIREITOS HUMANOS, JUVENTUDE E SEGURANÇA HUMANA DIREITOS HUMANOS, JUVENTUDE E SEGURANÇA HUMANA FARIAS, Maria Lígia Malta ¹ SOUSA, Valéria Nicolau de ² TANNUSS, Rebecka Wanderley ³ Núcleo De Cidadania e Direitos Humanos/ PROEXT RESUMO O Projeto de Extensão

Leia mais

CAPTAÇÃO DE RECURSOS ATRAVÉS DE PROJETOS SOCIAIS. Luis Stephanou Fundação Luterana de Diaconia fld@fld.com.br

CAPTAÇÃO DE RECURSOS ATRAVÉS DE PROJETOS SOCIAIS. Luis Stephanou Fundação Luterana de Diaconia fld@fld.com.br CAPTAÇÃO DE RECURSOS ATRAVÉS DE PROJETOS SOCIAIS Luis Stephanou Fundação Luterana de Diaconia fld@fld.com.br Apresentação preparada para: I Congresso de Captação de Recursos e Sustentabilidade. Promovido

Leia mais

PROGRAMA INSTITUCIONAL DE RESPONSABILIDADE SOCIAL

PROGRAMA INSTITUCIONAL DE RESPONSABILIDADE SOCIAL CENTRO DE ENSINO ATENAS MARANHENSE FACULDADE ATENAS MARANHESE DIRETORIA ACADÊMICA NÚCLEO DE ASSESSORAMENTO E DE DESENVOLVIMENTO PEDAGÓGICO - NADEP PROGRAMA INSTITUCIONAL DE RESPONSABILIDADE SOCIAL SÃO

Leia mais

Lei N X.XXX de XX de XXXXX de XXX

Lei N X.XXX de XX de XXXXX de XXX Lei N X.XXX de XX de XXXXX de XXX Dispõe sobre a Educação Ambiental, institui a Política Estadual de Educação Ambiental e dá outras providências. A GOVERNADORA DO ESTADO DO RIO GRANDE DO NORTE: FAÇO SABER

Leia mais

UNIVERSITAS & DIREITO 2013: Direito e Cidades EDITAL CHAMADA PARA TRABALHOS DA SEGUNDA EDIÇÃO

UNIVERSITAS & DIREITO 2013: Direito e Cidades EDITAL CHAMADA PARA TRABALHOS DA SEGUNDA EDIÇÃO UNIVERSITAS & DIREITO 2013: Direito e Cidades II CONGRESSO INTERNACIONAL DE DIREITO, DEMOCRACIA E INCLUSÃO II CONGRESSO INTERNACIONAL DE DIREITO ECONÔMICO, SOCIOAMBIENTAL E DEMOCRACIA: NOVAS TENDÊNCIAS

Leia mais

Laboratório da Nokia: a Finlândia é um exemplo de articulação entre universidade e empresa

Laboratório da Nokia: a Finlândia é um exemplo de articulação entre universidade e empresa Política de C & T Competitividade Lições dos inovadores Estudo mapeia estratégias de sete países que produzem pesquisa de classe mundial e faz recomendações para o Brasil Fabrício Marques Edição Impressa

Leia mais

ORIENTAÇÕES PARA ELABORAÇÃO DE PROJETO DE ABERTURA DE TURMA PROGRAMA ESPECIAL DE FORMAÇÃO PEDAGÓGICA PROFOP DA UTFPR

ORIENTAÇÕES PARA ELABORAÇÃO DE PROJETO DE ABERTURA DE TURMA PROGRAMA ESPECIAL DE FORMAÇÃO PEDAGÓGICA PROFOP DA UTFPR Ministério da Educação Universidade Tecnológica Federal do Paraná Diretoria de Graduação e Educação Profissional - DIRGRAD Departamento de Educação Campus XXXXXXX ORIENTAÇÕES PARA ELABORAÇÃO DE PROJETO

Leia mais

A Mobilização Empresarial pela Inovação: 25/05/2011

A Mobilização Empresarial pela Inovação: 25/05/2011 A Mobilização Empresarial pela Inovação: Desafios da Inovação no Brasil Rafael Lucchesi Rafael Lucchesi 25/05/2011 CNI e vários líderes empresariais fizeram um balanço crítico da agenda empresarial em

Leia mais

GOVERNO DE SERGIPE SECRETARIA DE ESTADO DO DESENVOLVIMENTO URBANO SEDURB DIRETORIA DE RELAÇÕES INSTITUCIONAIS

GOVERNO DE SERGIPE SECRETARIA DE ESTADO DO DESENVOLVIMENTO URBANO SEDURB DIRETORIA DE RELAÇÕES INSTITUCIONAIS GOVERNO DE SERGIPE SECRETARIA DE ESTADO DO DESENVOLVIMENTO URBANO SEDURB DIRETORIA DE RELAÇÕES INSTITUCIONAIS Seminário Internacional Planejamento Urbano em Região Metropolitana - O caso de Aracaju Aracaju,

Leia mais

III SEMINÁRIO NACIONAL METRÓPOLE: GOVERNO, SOCIEDADE E TERRITÓRIO II COLÓQUIO INTERNACIONAL METRÓPOLES EM PERSPECTIVAS

III SEMINÁRIO NACIONAL METRÓPOLE: GOVERNO, SOCIEDADE E TERRITÓRIO II COLÓQUIO INTERNACIONAL METRÓPOLES EM PERSPECTIVAS III SEMINÁRIO NACIONAL METRÓPOLE: GOVERNO, SOCIEDADE E TERRITÓRIO II COLÓQUIO INTERNACIONAL METRÓPOLES EM PERSPECTIVAS TERRITÓRIO USADO E CARTOGRAFIA DA AÇÃO: NOVOS ELEMENTOS PARA A GESTÃO METROPOLITANA

Leia mais

GRUPO DE TRABALHO CONTECC - CONGRESSO TÉCNICO-CIENTÍFICO DA ENGENHARIA E DA AGRONOMIA DO CONFEA

GRUPO DE TRABALHO CONTECC - CONGRESSO TÉCNICO-CIENTÍFICO DA ENGENHARIA E DA AGRONOMIA DO CONFEA ANEXO DE DECISÃO PL0261/ GRUPO DE TRABALHO CONTECC - CONGRESSO TÉCNICO-CIENTÍFICO DA ENGENHARIA E DA AGRONOMIA DO Inovação: Indispensável para a Geração de Riqueza e Desenvolvimento Nacional PLANO DE TRABALHO

Leia mais

Violência contra crianças e adolescentes: uma análise descritiva do fenômeno

Violência contra crianças e adolescentes: uma análise descritiva do fenômeno A crise de representação e o espaço da mídia na política RESENHA Violência contra crianças e adolescentes: uma análise descritiva do fenômeno Rogéria Martins Socióloga e Professora do Departamento de Educação/UESC

Leia mais

ENSINO DE GEOGRAFIA, CULTURA POPULAR E TEMAS TRANSVERSAIS: uma proposta de transversalidade a partir dos Parâmetros Curriculares Nacionais (PCN s)

ENSINO DE GEOGRAFIA, CULTURA POPULAR E TEMAS TRANSVERSAIS: uma proposta de transversalidade a partir dos Parâmetros Curriculares Nacionais (PCN s) ENSINO DE GEOGRAFIA, CULTURA POPULAR E TEMAS TRANSVERSAIS: uma proposta de transversalidade a partir dos Parâmetros Curriculares Nacionais (PCN s) Kálita Tavares da SILVA 1 ; Estevane de Paula Pontes MENDES

Leia mais

ESTRUTURA CURRICULAR

ESTRUTURA CURRICULAR ESTRUTURA CURRICULAR Referência: 2015 Curso: Bacharelado em Relações Internacionais DURAÇÃO IDEAL: 08 SEMESTRES 1 o semestre Aula Trabalho Semestral Anual DFD0125 Instituições de Direito EAE0110 Fundamentos

Leia mais

Marcha Global contra o Trabalho Infantil Conferência Internacional sobre Trabalho Infantil na Agricultura Washington DC, EUA 28-30 julho, 2012

Marcha Global contra o Trabalho Infantil Conferência Internacional sobre Trabalho Infantil na Agricultura Washington DC, EUA 28-30 julho, 2012 Marcha Global contra o Trabalho Infantil Conferência Internacional sobre Trabalho Infantil na Agricultura Washington DC, EUA 28-30 julho, 2012 MARCO DE AÇÃO A Conferência Internacional sobre Trabalho Infantil

Leia mais

EDITAL (01/2015) (VER-SUS/Litoral Piauiense) PROCESSO DE SELEÇÃO DO PROJETO VIVÊNCIAS E ESTÁGIOS NA REALIDADE DO SISTEMA ÚNICO DE SAÚDE DO BRASIL

EDITAL (01/2015) (VER-SUS/Litoral Piauiense) PROCESSO DE SELEÇÃO DO PROJETO VIVÊNCIAS E ESTÁGIOS NA REALIDADE DO SISTEMA ÚNICO DE SAÚDE DO BRASIL EDITAL (01/2015) (VER-SUS/Litoral Piauiense) PROCESSO DE SELEÇÃO DO PROJETO VIVÊNCIAS E ESTÁGIOS NA REALIDADE DO SISTEMA ÚNICO DE SAÚDE DO BRASIL O Coletivo VER-SUS Parnaíba, através da Rede Unida e em

Leia mais

Thaiz Braga, Francisco Vidal, Xaumar Neves (orgs.) TRABALHO EM QUESTÃO

Thaiz Braga, Francisco Vidal, Xaumar Neves (orgs.) TRABALHO EM QUESTÃO > / Thaiz Braga, Francisco Vidal, Xaumar Neves (orgs.) TRABALHO EM QUESTÃO SUMÁRIO 9 APRESENTAÇÃO 11 rtrabalho EM QUESTÃO NESTE INÍCIO DE SÉCULO XXI Mareio Pochmann 12 TRAJETÓRIA RECENTE DO MERCADO DE

Leia mais

DIRETRIZES DE FUNCIONAMENTO DO MOVIMENTO NACIONAL PELA CIDADANIA E SOLIDARIEDADE/ NÓS PODEMOS

DIRETRIZES DE FUNCIONAMENTO DO MOVIMENTO NACIONAL PELA CIDADANIA E SOLIDARIEDADE/ NÓS PODEMOS 1 DIRETRIZES DE FUNCIONAMENTO DO MOVIMENTO NACIONAL PELA CIDADANIA E SOLIDARIEDADE/ NÓS PODEMOS DISPOSIÇÕES PRELIMINARES E OBJETIVO DO MOVIMENTO 2 Artigo 1º O Movimento Nacional pela Cidadania e Solidariedade/Nós

Leia mais

Programa de Pós-Graduação em Educação (PPGE) RUMO AO V SEMINÁRIO INTERNACIONAL DA REDE ASTE OS SINDICATOS, ASSOCIAÇÕES E SUAS PROPOSTAS EDUCACIONAIS.

Programa de Pós-Graduação em Educação (PPGE) RUMO AO V SEMINÁRIO INTERNACIONAL DA REDE ASTE OS SINDICATOS, ASSOCIAÇÕES E SUAS PROPOSTAS EDUCACIONAIS. Programa de Pós-Graduação em Educação (PPGE) RUMO AO V SEMINÁRIO INTERNACIONAL DA REDE ASTE OS SINDICATOS, ASSOCIAÇÕES E SUAS PROPOSTAS EDUCACIONAIS. 4 a 6 de junho de 2014 Local das Atividades: Mesas

Leia mais

Ciências Humanas. Relatoria. Grupo de Trabalho (GT1) I Seminário de Avaliação da Pós- Graduação da Universidade Brasília

Ciências Humanas. Relatoria. Grupo de Trabalho (GT1) I Seminário de Avaliação da Pós- Graduação da Universidade Brasília I Seminário de Avaliação da Pós- Graduação da Universidade Brasília Relatoria Grupo de Trabalho (GT1) Realização Decanato de Pesquisa e Pós-Graduação (DPP) da Universidade de Brasília Brasília DF, 6 a

Leia mais

Historia. Linha do Tempo 2014-2015. Década 80. Cadernos Metrópole. A Questão urbanometropolitana

Historia. Linha do Tempo 2014-2015. Década 80. Cadernos Metrópole. A Questão urbanometropolitana Historia Linha do Tempo Avaliação dos impactos metropolitanos no Rio de Janeiro do ajuste macroeconômico da reestruturação produtiva 1996 Cadernos Metrópole 1999 Institutos Nacionais de Ciência e Tecnologia

Leia mais

Judiciário e Políticas Públicas ESCOLA DE DIREITO DE SÃO PAULO DA FUNDAÇÃO GETULIO VARGAS 2º SEMESTRE DE 2013

Judiciário e Políticas Públicas ESCOLA DE DIREITO DE SÃO PAULO DA FUNDAÇÃO GETULIO VARGAS 2º SEMESTRE DE 2013 Judiciário e Políticas Públicas ESCOLA DE DIREITO DE SÃO PAULO DA FUNDAÇÃO GETULIO VARGAS 2º SEMESTRE DE 2013 FUNDAÇÃO GETULIO VARGAS A Fundação Getulio Vargas (FGV) deu início a suas atividades em 1944

Leia mais

O PRESIDENTE DA REPÚBLICA Faço saber que o Congresso Nacional decreta e eu sanciono a seguinte Lei: CAPÍTULO I DA EDUCAÇÃO AMBIENTAL

O PRESIDENTE DA REPÚBLICA Faço saber que o Congresso Nacional decreta e eu sanciono a seguinte Lei: CAPÍTULO I DA EDUCAÇÃO AMBIENTAL Lei n o 9.795, de 27 de Abril de 1999. Dispõe sobre a educação ambiental, institui a Política Nacional de Educação Ambiental e dá outras providências. O PRESIDENTE DA REPÚBLICA Faço saber que o Congresso

Leia mais

Reforma do Estado. Pressões para Reforma do Estado: internas (forças conservadoras) e externas (organismos multilaterais).

Reforma do Estado. Pressões para Reforma do Estado: internas (forças conservadoras) e externas (organismos multilaterais). Reforma do Estado Pressões para Reforma do Estado: internas (forças conservadoras) e externas (organismos multilaterais). Redefinição da natureza, do alcance e dos limites à intervenção estatal. Preocupação

Leia mais

POLÍTICA DE INOVAÇÃO TECNOLÓGICA

POLÍTICA DE INOVAÇÃO TECNOLÓGICA POLÍTICA DE INOVAÇÃO TECNOLÓGICA ESTEVÃO FREIRE estevao@eq.ufrj.br DEPARTAMENTO DE PROCESSOS ORGÂNICOS ESCOLA DE QUÍMICA - UFRJ Tópicos: Ciência, tecnologia e inovação; Transferência de tecnologia; Sistemas

Leia mais

Incubadoras Sociais: O Assistente Social contribuído na viabilização de uma nova economia.

Incubadoras Sociais: O Assistente Social contribuído na viabilização de uma nova economia. Incubadoras Sociais: O Assistente Social contribuído na viabilização de uma nova economia. Autores: Ana Claudia Carlos 1 Raquel Aparecida Celso 1 Autores e Orientadores: Caroline Goerck 2 Fabio Jardel

Leia mais

O teatro de hoje e seu tempo

O teatro de hoje e seu tempo VIII Jornada Latino-Americana de Estudos Teatrais 10 e 11 de Julho de 2015 Campus I da FURB / Teatro Carlos Gomes / Blumenau O teatro de hoje e seu tempo Promoção Universidade de Blumenau FURB Programa

Leia mais

FUNDAÇÃO JOÃO MANGABEIRA

FUNDAÇÃO JOÃO MANGABEIRA FUNDAÇÃO JOÃO MANGABEIRA ESCOLA MIGUEL ARRAES A Fundação João Mangabeira é organizada em vários setores como História Viva para abrigar e documentar a vida do PSB, o setor de promoção de eventos e seminários,

Leia mais

EDITAL Nº 010 /2015 APOIO A PROJETOS DE EXTENSÃO

EDITAL Nº 010 /2015 APOIO A PROJETOS DE EXTENSÃO EDITAL Nº 010 /2015 APOIO A PROJETOS DE EXTENSÃO A DA FACAPE, com base na deliberação do Conselho de Ensino Pesquisa e Extensão - CEPE, no uso de suas atribuições previstas no Decreto Lei 085/2009, torna

Leia mais

O PLANEJAMENTO ECONÔMICO E A ARTICULAÇÃO REGIONAL *

O PLANEJAMENTO ECONÔMICO E A ARTICULAÇÃO REGIONAL * O PLANEJAMENTO ECONÔMICO E A ARTICULAÇÃO REGIONAL * Lúcio Alcântara ** Durante o dia de hoje estaremos dando continuidade aos debates que vêm sendo realizados desde o início do governo Lula sobre a reestruturação

Leia mais

Prof. Fabiano Geremia

Prof. Fabiano Geremia PLANEJAMENTO ESTRÁTEGICO PARA ARRANJOS PRODUTIVOS CURSO INTERMEDIÁRIO PARA FORMULADORES DE POLÍTICAS Prof. Fabiano Geremia Planejamento Estratégico ementa da disciplina Planejamento estratégico e seus

Leia mais

UNIVERSIDADE ESTADUAL DA PARAÍBA UEPB PRÓ-REITORIA DE EXTENSÃO PROEX PROGRAMA DE APOIO A PROJETOS DE EXTENSÃO PROAPEX.

UNIVERSIDADE ESTADUAL DA PARAÍBA UEPB PRÓ-REITORIA DE EXTENSÃO PROEX PROGRAMA DE APOIO A PROJETOS DE EXTENSÃO PROAPEX. UNIVERSIDADE ESTADUAL DA PARAÍBA UEPB PRÓ-REITORIA DE EXTENSÃO PROEX PROGRAMA DE APOIO A PROJETOS DE EXTENSÃO PROAPEX. EDITAL Nº 005/2015/UEPB/PROEX/PROAPEX PROCESSO SELETIVO DO PROAPEX COTA 2015-2016

Leia mais

EDITAL DE SELEÇÃO DE EMPREENDIMENTOS ECONOMICOS SOLIDÁRIOS (EES) CANDIDATOS A HABILITAÇÃO AO SISTEMA NACIONAL DE COMÉRCIO JUSTO E SOLIDÁRIO - SNCJS

EDITAL DE SELEÇÃO DE EMPREENDIMENTOS ECONOMICOS SOLIDÁRIOS (EES) CANDIDATOS A HABILITAÇÃO AO SISTEMA NACIONAL DE COMÉRCIO JUSTO E SOLIDÁRIO - SNCJS 1. Apresentação União Brasileira de Educação e Ensino UBEE EDITAL DE SELEÇÃO DE EMPREENDIMENTOS ECONOMICOS SOLIDÁRIOS (EES) CANDIDATOS A HABILITAÇÃO AO SISTEMA NACIONAL DE COMÉRCIO JUSTO E SOLIDÁRIO -

Leia mais

Em defesa de uma Secretaria Nacional de Igualdade de Oportunidades

Em defesa de uma Secretaria Nacional de Igualdade de Oportunidades 1 Em defesa de uma Secretaria Nacional de Igualdade de Oportunidades A Comissão Nacional da Questão da Mulher Trabalhadora da CUT existe desde 1986. Neste período houve muitos avanços na organização das

Leia mais

Soluções Simples www.designsimples.com.br solucoes@designsimples.com.br

Soluções Simples www.designsimples.com.br solucoes@designsimples.com.br Soluções Simples www.designsimples.com.br solucoes@designsimples.com.br C1 Introdução Este guia traz noções essenciais sobre inovação e foi baseado no Manual de Oslo, editado pela Organização para a Cooperação

Leia mais

FÓRUM MUNDIAL DE DIREITOS HUMANOS. Data: 10 a 13 de Dezembro de 2013 Local: Brasília

FÓRUM MUNDIAL DE DIREITOS HUMANOS. Data: 10 a 13 de Dezembro de 2013 Local: Brasília FÓRUM MUNDIAL DE DIREITOS HUMANOS Data: 10 a 13 de Dezembro de 2013 Local: Brasília Nome do Evento: Fórum Mundial de Direitos Humanos Tema central: Diálogo e Respeito às Diferenças Objetivo: Promover um

Leia mais

UNIVERSIDADE CANDIDO MENDES CENTRO DE PÓS-GRADUAÇÃO. Sumário I) OBJETIVO 02. 1) Público alvo 02. 2) Metodologia 02. 3) Monografia / Trabalho final 02

UNIVERSIDADE CANDIDO MENDES CENTRO DE PÓS-GRADUAÇÃO. Sumário I) OBJETIVO 02. 1) Público alvo 02. 2) Metodologia 02. 3) Monografia / Trabalho final 02 Sumário Pág. I) OBJETIVO 02 II) ESTRUTURA DO CURSO 1) Público alvo 02 2) Metodologia 02 3) Monografia / Trabalho final 02 4) Avaliação da aprendizagem 03 5) Dias e horários de aula 03 6) Distribuição de

Leia mais

MATERIAL DE DIVULGAÇÃO DA EDITORA MODERNA

MATERIAL DE DIVULGAÇÃO DA EDITORA MODERNA MATERIAL DE DIVULGAÇÃO DA EDITORA MODERNA Professor, nós, da Editora Moderna, temos como propósito uma educação de qualidade, que respeita as particularidades de todo o país. Desta maneira, o apoio ao

Leia mais

Responsabilidade Social na Educação: Brasil e Portugal na Divisão Internacional do Trabalho Camila Azevedo Souza

Responsabilidade Social na Educação: Brasil e Portugal na Divisão Internacional do Trabalho Camila Azevedo Souza Responsabilidade Social na Educação: Brasil e Portugal na Divisão Internacional do Trabalho Camila Azevedo Souza Seminário do Grupo de Pesquisa Políticas de Educação de Jovens e Adultos Trabalhadores Organização

Leia mais

PROTEÇÃO INTEGRAL EM REDES SOCIAIS

PROTEÇÃO INTEGRAL EM REDES SOCIAIS PROTEÇÃO INTEGRAL EM REDES SOCIAIS ENCONTRO DE GRUPOS REGIONAIS DE ARTICULAÇÃO- ABRIGOS - SÃO PAULO O QUE É UMA REDE DE PROTEÇÃO SOCIAL? sistemas organizacionais capazes de reunir indivíduos e instituições,

Leia mais

V Encontro das Agências no Brasil 18 e 19 de março de 2001. Mudanças na Cultura de Gestão

V Encontro das Agências no Brasil 18 e 19 de março de 2001. Mudanças na Cultura de Gestão 1 V Encontro das Agências no Brasil 18 e 19 de março de 2001. Painel: Desenvolvimento Institucional Mudanças na Cultura de Gestão Roteiro: 1. Perfil das organizações do PAD. 2. Desenvolvimento Institucional:

Leia mais

ANÁLISE DOS OBJETIVOS DE DESENVOLVIMENTO DO MILÊNIO NO BRASIL CHAMADA PÚBLICA REGULAMENTO

ANÁLISE DOS OBJETIVOS DE DESENVOLVIMENTO DO MILÊNIO NO BRASIL CHAMADA PÚBLICA REGULAMENTO ANÁLISE DOS OBJETIVOS DE DESENVOLVIMENTO DO MILÊNIO NO BRASIL CHAMADA PÚBLICA REGULAMENTO O PROGRAMA DAS NAÇÕES UNIDAS PARA O DESENVOLVIMENTO (PNUD), EM PARCERIA COM A SECRETARIA-GERAL DA PRESIDÊNCIA DA

Leia mais

TERMO DE REFERENCIA. Programa Pernambuco: Trabalho e Empreendedorismo da Mulher

TERMO DE REFERENCIA. Programa Pernambuco: Trabalho e Empreendedorismo da Mulher TERMO DE REFERENCIA Programa Pernambuco: Trabalho e Empreendedorismo da Mulher Supervisão Geral No âmbito do Programa Pernambuco: Trabalho e Empreendedorismo da Mulher, conveniado com a Secretaria Especial

Leia mais

O PROGRAMA ASSISTÊNCIA SÓCIO-JURÍDICA E OS DIREITOS DO IDOSO

O PROGRAMA ASSISTÊNCIA SÓCIO-JURÍDICA E OS DIREITOS DO IDOSO O PROGRAMA ASSISTÊNCIA SÓCIO-JURÍDICA E OS DIREITOS DO IDOSO Maria Salete da Silva Josiane dos Santos O Programa Assistência Sócio-Jurídica, extensão do Departamento de Serviço Social, funciona no Núcleo

Leia mais

FÓRUM DE PESQUISA CIES 2009. Olhares sociológicos sobre o emprego: relações laborais, empresas e profissões 18 de Dezembro de 2009

FÓRUM DE PESQUISA CIES 2009. Olhares sociológicos sobre o emprego: relações laborais, empresas e profissões 18 de Dezembro de 2009 FÓRUM DE PESQUISA CIES 2009 Olhares sociológicos sobre o emprego: relações laborais, empresas e profissões 18 de Dezembro de 2009 EMPRESAS E INOVAÇÃO Luísa Oliveira luisa.oliveira@iscte.pt Luísa Veloso

Leia mais

MATERIAL DE DIVULGAÇÃO DA EDITORA MODERNA

MATERIAL DE DIVULGAÇÃO DA EDITORA MODERNA MATERIAL DE DIVULGAÇÃO DA EDITORA MODERNA Professor, nós, da Editora Moderna, temos como propósito uma educação de qualidade, que respeita as particularidades de todo o país. Desta maneira, o apoio ao

Leia mais

Redes de Pesquisa: a experiência nacional do Observatório das Metrópoles

Redes de Pesquisa: a experiência nacional do Observatório das Metrópoles Redes de Pesquisa: a experiência nacional do Observatório das Metrópoles Profª. Drª. Maria do Livramento Miranda Clementino (Coordenadora do Núcleo RMNatal - Observatório das Metrópoles - UFRN) Apresentação

Leia mais

DIRETRIZES DO FUNCIONAMENTO DO MOVIMENTO NACIONAL PELA CIDADANIA E SOLIDARIEDADE/NÓS PODEMOS. (aprovada em 2010 e 1ª revisão em agosto de 2012)

DIRETRIZES DO FUNCIONAMENTO DO MOVIMENTO NACIONAL PELA CIDADANIA E SOLIDARIEDADE/NÓS PODEMOS. (aprovada em 2010 e 1ª revisão em agosto de 2012) DIRETRIZES DO FUNCIONAMENTO DO MOVIMENTO NACIONAL PELA CIDADANIA E SOLIDARIEDADE/NÓS PODEMOS (aprovada em 2010 e 1ª revisão em agosto de 2012) Artigo 1º O Movimento Nacional pela Cidadania e Solidariedade/Nós

Leia mais

ESTRUTURA DO MESTRADO PROFISSIONAL EM ADMINISTRAÇÃO PÚBLICA (PROFIAP)

ESTRUTURA DO MESTRADO PROFISSIONAL EM ADMINISTRAÇÃO PÚBLICA (PROFIAP) ESTRUTURA DO MESTRADO PROFISSIONAL EM ADMINISTRAÇÃO PÚBLICA (PROFIAP) OBRIGATÓRIAS (6 disciplinas de 60 h cada = 360 h) Estado, Sociedade e Administração Pública O Estado, elementos constitutivos, características

Leia mais

UNICEF BRASIL Edital de Licitação RH/2012/032

UNICEF BRASIL Edital de Licitação RH/2012/032 UNICEF BRASIL Edital de Licitação RH/2012/032 O UNICEF, Fundo das Nações Unidas para a Infância, a Organização mundial pioneira na defesa dos direitos das crianças e adolescentes, convida empresas e consultores

Leia mais

RESOLUÇÃO N.º 36, DE 04 DE ABRIL DE 2005. Dispõe sobre alterações à Resolução CONSEPE n. 57, de 14 de maio de 2001. R E S O L V E: I DA CONCEITUAÇÃO

RESOLUÇÃO N.º 36, DE 04 DE ABRIL DE 2005. Dispõe sobre alterações à Resolução CONSEPE n. 57, de 14 de maio de 2001. R E S O L V E: I DA CONCEITUAÇÃO RESOLUÇÃO N.º 36, DE 04 DE ABRIL DE 2005. Dispõe sobre alterações à Resolução CONSEPE n. 57, de 14 de maio de 2001. O CONSELHO DE ENSINO, PESQUISA E EXTENSÃO DA UNIVERSIDADE FEDERAL DE MATO GROSSO, no

Leia mais

II JORNADA DO CONHECIMENTO Faculdade Católica Paulista. II JORNADA DO CONHECIMENTO DA FACULDADE CATÓLICA PAULISTA Edital 02/2015

II JORNADA DO CONHECIMENTO Faculdade Católica Paulista. II JORNADA DO CONHECIMENTO DA FACULDADE CATÓLICA PAULISTA Edital 02/2015 II JORNADA DO CONHECIMENTO DA FACULDADE CATÓLICA PAULISTA Edital 02/2015 A Diretoria Acadêmica da, no uso de suas atribuições, torna pública a alteração do período de realização da II Jornada do Conhecimento,

Leia mais

SOMOS TOD@S UFRB. Síntese da Proposta de Trabalho

SOMOS TOD@S UFRB. Síntese da Proposta de Trabalho SOMOS TOD@S UFRB Síntese da Proposta de Trabalho Chapa SOMOS TOD@S UFRB Reitor: Silvio Soglia Vice-Reitora: Georgina Gonçalves "Aquele que quer aprender a voar um dia precisa primeiro aprender a ficar

Leia mais

ENCRESPANDO 2015: I Seminário Internacional, Refletindo a Década Internacional dos Afrodescendentes (ONU) 2015-2024

ENCRESPANDO 2015: I Seminário Internacional, Refletindo a Década Internacional dos Afrodescendentes (ONU) 2015-2024 EDITAL Nº 001/2015 O Coletivo das MENINAS BLACK POWER e o Departamento de Direito da PUC-Rio tornam público o presente edital de seleção de trabalhos para o ENCRESPANDO 2015: I Seminário Internacional,

Leia mais

VI Seminário da Rede Brasileira de Monitoramento e Avaliação CONVITE E CHAMADA DE TRABALHOS

VI Seminário da Rede Brasileira de Monitoramento e Avaliação CONVITE E CHAMADA DE TRABALHOS VI Seminário da Rede Brasileira de Monitoramento e Avaliação CONVITE E CHAMADA DE TRABALHOS A Rede Brasileira de Monitoramento e Avaliação (RBMA) convida os interessados a participarem do seu VI Seminário,

Leia mais

DISCIPLINA: INTRODUÇÃO AO ESTUDO DAS RELAÇÕES INTERNACIONAIS

DISCIPLINA: INTRODUÇÃO AO ESTUDO DAS RELAÇÕES INTERNACIONAIS 7.PROJETO PEDAGÓGICO 1º SEMESTRE DISCIPLINA: INTRODUÇÃO À ECONOMIA EMENTA: Conceitos Fundamentais; Principais Escolas do Pensamento; Sistema Econômico; Noções de Microeconomia; Noções de Macroeconomia;

Leia mais

PLANO DE ENSINO. Disciplina: NEGOCIAÇÃO COLETIVA E SINDICALISMO 099

PLANO DE ENSINO. Disciplina: NEGOCIAÇÃO COLETIVA E SINDICALISMO 099 PLANO DE ENSINO Disciplina: NEGOCIAÇÃO COLETIVA E SINDICALISMO 099 Código: DV Pré-requisito: Carga horária: 30 (trinta) horas aula Créditos: 2 (dois) Natureza: semestral Docente: EMENTA História do sindicalismo.

Leia mais

A ARTE NA FORMAÇÃO CONTÍNUA DE PROFESSORES DO ENSINO FUNDAMENTAL: EM BUSCA DE UMA PRAXE TRANSFORMADORA

A ARTE NA FORMAÇÃO CONTÍNUA DE PROFESSORES DO ENSINO FUNDAMENTAL: EM BUSCA DE UMA PRAXE TRANSFORMADORA A ARTE NA FORMAÇÃO CONTÍNUA DE PROFESSORES DO ENSINO FUNDAMENTAL: EM BUSCA DE UMA PRAXE TRANSFORMADORA Sumaya Mattar Moraes Mestranda na Área de Linguagem e Educação da FEUSP Esta pesquisa coloca em pauta

Leia mais

No entanto, a efetividade desses dispositivos constitucionais está longe de alcançar sua plenitude.

No entanto, a efetividade desses dispositivos constitucionais está longe de alcançar sua plenitude. A MULHER NA ATIVIDADE AGRÍCOLA A Constituição Federal brasileira estabelece no caput do art. 5º, I, que homens e mulheres são iguais em direitos e obrigações e reconhece no dispositivo 7º a igualdade de

Leia mais

II JORNADA DO CONHECIMENTO Faculdade Católica Paulista. II JORNADA DO CONHECIMENTO DA FACULDADE CATÓLICA PAULISTA Edital 01/2015

II JORNADA DO CONHECIMENTO Faculdade Católica Paulista. II JORNADA DO CONHECIMENTO DA FACULDADE CATÓLICA PAULISTA Edital 01/2015 II JORNADA DO CONHECIMENTO DA FACULDADE CATÓLICA PAULISTA Edital 01/2015 A Diretoria Acadêmica da, no uso de suas atribuições, torna pública a abertura de inscrições para participação na II Jornada do

Leia mais

POLÍTICAS DE EXTENSÃO E ASSUNTOS COMUNITÁRIOS APRESENTAÇÃO

POLÍTICAS DE EXTENSÃO E ASSUNTOS COMUNITÁRIOS APRESENTAÇÃO POLÍTICAS DE EXTENSÃO E ASSUNTOS COMUNITÁRIOS APRESENTAÇÃO A universidade vivencia, em seu cotidiano, situações de alto grau de complexidade que descortinam possibilidades, mas também limitações para suas

Leia mais

PROJETO CIDADÃO EM REDE: DE CONSUMIDOR A PRODUTOR DE INFORMAÇÃO SOBRE O TERRITÓRIO PLANO DE TRABALHO

PROJETO CIDADÃO EM REDE: DE CONSUMIDOR A PRODUTOR DE INFORMAÇÃO SOBRE O TERRITÓRIO PLANO DE TRABALHO PROJETO CIDADÃO EM REDE: DE CONSUMIDOR A PRODUTOR DE INFORMAÇÃO SOBRE O TERRITÓRIO PLANO DE TRABALHO CONVÊNIO DE COOPERAÇÃO TECNOLÓGICA PRODEB-UFBA PRODEB/DSS Diretoria de Sistemas e Serviços UFBA/LCAD

Leia mais

Sucinta retrospectiva histórica do Comitê Estadual de Educação em Direitos Humanos de Goiás (CEEDH-GO)

Sucinta retrospectiva histórica do Comitê Estadual de Educação em Direitos Humanos de Goiás (CEEDH-GO) Goiânia, 23 de março de 2010. Sucinta retrospectiva histórica do Comitê Estadual de Educação em Direitos Humanos de Goiás (CEEDH-GO) Apesar da luta pela promoção e efetivação dos Direitos Humanos em nosso

Leia mais

e Inovação Contemporâneas

e Inovação Contemporâneas DOCUMENTO RESULTANTE DO Simpósio Ciências Humanas e Sociais nas Políticas de Ciência, Tecnologia e Inovação Contemporâneas Realizado pelo Fórum de Ciências Humanas, Ciências Sociais e Ciências Sociais

Leia mais

PROGRAMA DE PÓS GRADUAÇÃO STRICTO SENSU EM POLÍTICAS PÚBLICAS, ESTRATÉGIAS E DESENVOLVIMENTO

PROGRAMA DE PÓS GRADUAÇÃO STRICTO SENSU EM POLÍTICAS PÚBLICAS, ESTRATÉGIAS E DESENVOLVIMENTO PROGRAMA DE PÓS GRADUAÇÃO STRICTO SENSU EM POLÍTICAS PÚBLICAS, ESTRATÉGIAS E DESENVOLVIMENTO LINHA DE PESQUISA: POLÍTICAS PÚBLICAS DE CULTURA JUSTIFICATIVA O campo de pesquisa em Políticas Públicas de

Leia mais

A EXTENSÃO RURAL E OS DESAFIOS DA PERSPECTIVA AGROECOLÓGICA

A EXTENSÃO RURAL E OS DESAFIOS DA PERSPECTIVA AGROECOLÓGICA A EXTENSÃO RURAL E OS DESAFIOS DA PERSPECTIVA AGROECOLÓGICA Ivar J. Kreutz; Sergio L. G. Pinheiro. 1 PALAVRAS CHAVE Extensão rural, Abordagem pedagógica, Agroecologia, Participação social. INTRODUÇÃO No

Leia mais

EDITAL DE PROJETOS DA CESE

EDITAL DE PROJETOS DA CESE Igreja Católica Apostólica Romana Igreja Episcopal Anglicana do Brasil Igreja Evangélica de Confissão Luterana no Brasil Igreja Presbiteriana Independente do Brasil Igreja Presbiteriana Unida do Brasil

Leia mais

Seminário RMC e os desafios para o século XXI OBSERVATÓRIO DAS METRÓPOLES/UFPR

Seminário RMC e os desafios para o século XXI OBSERVATÓRIO DAS METRÓPOLES/UFPR Seminário RMC e os desafios para o século XXI OBSERVATÓRIO DAS METRÓPOLES/UFPR : mudanças na estrutura produtiva e no mercado de trabalho no período 1991/2010 Paulo Delgado Liana Carleial Curitiba, 17

Leia mais

RESGATE DOS ENCONTROS ANTERIORES

RESGATE DOS ENCONTROS ANTERIORES RESGATE DOS ENCONTROS ANTERIORES I ENCONTRO NACIONAL DE FORMAÇÃO ENAFOR, 24 a 28 de outubro de 2005 160 participantes da CONTAG e de 26 Federações (incluindo FETADFE) Mote: Construindo uma Política Nacional

Leia mais

V Encontro de Administração Política 30 de julho a 01 de agosto de 2014 Arapiraca Alagoas Brasil Universidade Federal de Alagoas UFAL Arapiraca

V Encontro de Administração Política 30 de julho a 01 de agosto de 2014 Arapiraca Alagoas Brasil Universidade Federal de Alagoas UFAL Arapiraca V Encontro de Administração Política 30 de julho a 01 de agosto de 2014 Arapiraca Alagoas Brasil Universidade Federal de Alagoas UFAL Arapiraca CHAMADA DE TRABALHOS Submissões (Resumo Expandido) até 01

Leia mais

PLANO DE ENSINO 2009

PLANO DE ENSINO 2009 PLANO DE ENSINO 2009 Fundamental I ( ) Fundamental II ( ) Médio ( ) Médio Profissionalizante ( ) Profissionalizante ( ) Graduação ( X ) Pós-graduação ( ) I. Dados Identificadores Curso ADMINISTRAÇÃO Disciplina

Leia mais