Análise Comparativa entre Sistemas Operacionais Virtualizados

Save this PDF as:
 WORD  PNG  TXT  JPG

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "Análise Comparativa entre Sistemas Operacionais Virtualizados"

Transcrição

1 FACULDADE CAMPO LIMPO PAULISTA BACHARELADO EM CIÊNCIA DA COMPUTAÇÃO Trabalho de Diplomação Felipe Machado da Costa de Andrade Andre Marcos Silva (Orientador) Trabalho de Diplomação Análise Comparativa entre Sistemas Operacionais Virtualizados Felipe Machado da Costa de Andrade 1

2 FACULDADE CAMPO LIMPO PAULISTA BACHARELADO EM CIÊNCIA DA COMPUTAÇÃO Análise Comparativa entre Sistemas Operacionais Virtualizados Trabalho submetido à Coordenação de Ciência da Computação da Faculdade Campo Limpo Paulista como requisito parcial para obtenção do título de Bacharel em Ciência da Computação. Campo Limpo Pta. (SP), 2 de junho de Banca examinadora Prof. M.Sc. Andre Marcos Silva (Orientador) Prof. Dr. Luis Mariano del Val Cura Prof. Dr. Osvaldo Luís de Oliveira (Suplente) 2

3 FACULDADE CAMPO LIMPO PAULISTA BACHARELADO EM CIÊNCIA DA COMPUTAÇÃO Análise Comparativa entre Sistemas Operacionais Virtualizados Agradecimentos Agradeço a Deus acima de tudo, à minha família que em todo tempo me deu apoio nas horas difíceis, aos meus pais que sempre acreditaram e investiram em meus estudos, ao meu orientador Mestre André Marcos Silva pelo tempo disponibilizado entre as suas atividades, e a todos que me ajudaram nesta difícil caminhada. 3

4 FACULDADE CAMPO LIMPO PAULISTA BACHARELADO EM CIÊNCIA DA COMPUTAÇÃO Análise Comparativa entre Sistemas Operacionais Virtualizados RESUMO Este trabalho busca demonstrar e explorar a virtualização em um ambiente próprio. Considerando essa proposta, será realizado um estudo da tecnologia e apresentado os resultados comparativos entre duas das principais soluções de mercado disponíveis. Para isto, serão necessários testes em sistemas com e sem virtualização, o que possibilitará a análise de desempenho de escrita e leitura em disco, processamento e utilização de memória. Assim, estes testes, determinarão se a tecnologia de virtualização realmente é vantajosa ou não quando aplicada a um domínio específico. 4

5 FACULDADE CAMPO LIMPO PAULISTA BACHARELADO EM CIÊNCIA DA COMPUTAÇÃO Análise Comparativa entre Sistemas Operacionais Virtualizados SUMÁRIO 1. INTRODUÇÃO PROBLEMA OBJETIVO METODOLOGIA APLICADA REFERÊNCIAL TEÓRICO... 8 Virtualização... 8 Máquina Virtual... 8 Monitor de máquina virtual... 9 Tipos de Virtualização Máquinas virtuais Tipo I Máquinas virtuais Tipo II Formas de Virtualização Aplicado ao Hardware Aplicado em Sistemas Operacional Aplicado em linguagem de programação Modelos de Técnica de Virtualização Virtualização Total Paravirtualização Recompilação Dinâmica Vantagens e desvantagens da Virtualização Vantagens Desvantagens DESENVOLVIMENTO DO TRABALHO Preparação do Ambiente não Virtualizado Apresentação do Ambiente com virtualização VMware WorkStation Apresentação do Ambiente com virtualização VMware Server Ferramentas de Apoio Utilizadas VMWare Workstation VMWare Server RESULTADOS OBTIDOS Resultados de Processamento Resultados de Memória Resultados de Gravação em Disco CONCLUSÃO REFERÊNCIAS BIBLIOGRÁFICAS

6 1. INTRODUÇÃO Com o objetivo de reduzir os custos de administração, manutenção e centralizar o trabalho em um ambiente, as empresas estão retomando a utilização de sistemas virtualizados. A virtualização é um sistema computacional no qual, vários sistemas operacionais são executados em um único equipamento. Assim, tem-se um único computador com várias máquinas virtuais. Cada máquina virtual é um ambiente operacional completo que se comporta como se fosse um computador independente (Liess, 2008). Este conceito não é novo no meio computacional. Ele surgiu na década de 60 e foi implantado nos mainframes. Nesta época, os computadores eram muito grandes, caros e muitas vezes compartilhados para vários usuários. A virtualização foi criada a fim de possibilitar o melhor aproveitamento de todo o equipamento. Com a tecnologia de sistemas virtuais, era possível executar diferentes sistemas operacionais no mesmo mainframe o que acarretava na melhor exploração de todos os recursos disponíveis (Liess, 2008). A motivação da utilização desta tecnologia naquela época era proporcionar uma utilização eficiente de todos os equipamentos, visto que eles eram de alto custo. Atualmente, o custo e a capacidade dos computadores não impactam tanto á área de informática quanto naquela época, porém os aplicativos estão mais complexos e os custos de administração estão cada vez mais altos. Apesar da tecnologia de virtualização existir a mais de cinqüenta anos, o contexto atual é totalmente diferente daquele da década de 60, a dos mainframes. No decorrer da história foram criadas diversas técnicas de virtualização, o que acaba dificultando muito a escolha da mais adequada para atender às necessidades específicas de determinado problema computacional. Tendo em vista o cenário exposto, este trabalho busca explorar a virtualização em conjunto com sistemas operacionais. Com objetivo de realizar um estudo da tecnologia e apresentar os resultados comparativos entre as soluções disponíveis no mercado. Proporcionando determinar a usabilidade da solução. 2. PROBLEMA A escolha de um sistema operacional pode influenciar e muito nos resultados de um projeto, considerando a perda de benefícios, como produtividade e desempenho. Um agravante para este problema é encontrado ao deparar com sistemas operacionais disponíveis para aplicar a virtualização. 6

7 3. OBJETIVO Como objetivo principal, será realizado um estudo da tecnologia de virtualização através de análises comparativas quanto ao apoio a sistemas operacionais. Desta forma, pretende-se: Explorar a tecnologia de virtualização. A análise comparativa entre os sistemas operacionais. Avaliação de ferramenta e ambientes. 4. METODOLOGIA APLICADA Para realização dos testes serão desenvolvidas três aplicações com o objetivo de gerar dados para análise de desempenho do ambiente virtualizado e sem virtualização. Com intuito de executar as rotinas de testes serão criados dois diferentes ambientes: um ambiente sem virtualização, e outro com virtualização do tipo II aplicada. A virtualização do tipo II consiste em um sistema hospedeiro que gerencia o sistema de virtualização sobre o hardware, isso também a diferencia da virtualização de tipo I, onde não é utilizado o hospedeiro e o sistema de virtualização opera diretamente sobre o hardware. Para facilitar o estudo comparativo, todos os ambientes utilizarão o mesmo equipamento de infraestrutura. Para os testes, serão utilizados os sistemas operacionais Microsoft Windows Server (Microsoft Windows, 2011) e Linux Ubuntu (Ubuntu Linux, 2011), tornando possível a verificação de qual obtém melhor desempenho quando utilizado em ambientes com e sem virtualização. Nos testes com a plataforma Microsoft será utilizada o Windows Server 2003 R2 (Microsoft Windows, 2011). Para testes com Linux, a distribuição Ubuntu (Ubuntu Linux, 2011) será utilizada. Para testes com virtualização serão utilizados como monitor de máquina virtual o VMware WorkStation 7.1 (VMWare, 2011) e VMware Server (VMWare, 2011). 7

8 5. REFERÊNCIAL TEÓRICO Virtualização Máquina Virtual Uma VM (Virtual Machine) termo utilizado quando se trabalha com sistemas virtualizados, tem por definição um espaço dedicado com acesso ao hardware onde funciona um sistema virtual. Pode também ser entendida como uma cópia do sistema físico que pode ser manipulada de forma isolada (Laureano, 2006). Então, as máquinas virtuais simulam um ou mais ambientes de hardware para que sistemas operacionais possam ser instalados em um único hardware físico compartilhado. Os sistemas instalados nestas máquinas virtuais têm a percepção de que estão instalados diretamente no hardware real, e desta maneira podem operar da forma convencional. A Figura 1 exemplifica um ambiente que era muito utilizado, no qual a técnica de virtualização veio para mudar. Ele é composto por um hardware para cada tipo de serviço em uma determinada rede. Então, nota-se que é necessário: um grande espaço físico para alocar estes equipamentos; gerenciamento individual de cada máquina; grande área a ser refrigerada; e alto consumo de energia. Figura 1 Rede Local sem Virtualização (Adaptado de Fonte: A Figura 2 mostra o mesmo ambiente, porém com virtualização aplicada. Nele existe um único hardware para prover todos os serviços. Neste ambiente computacional virtual existem dois tipos de sistemas operacionais: o hospedeiro e o convidado. O hospedeiro é aquele que é executado diretamente sobre o hardware físico. O 8

9 convidado é aquele que é executado sobre o sistema operacional hospedeiro como uma máquina virtual. Ao contrário dos sistemas hospedeiros tradicionais, é possível manter simultaneamente vários sistemas convidados operando. Assim, sobre um único hardware é instalado um sistema operacional hospedeiro e vários sistemas operacionais convidados, onde cada um provê um serviço diferente. A quantidade de sistemas convidados é limitada pela quantidade de memória e disco disponíveis e capacidade de processamento do equipamento (Laureano, 2006). Figura 2 Rede Local com Virtualização (Adaptado de Fonte: Monitor de máquina virtual Uma máquina virtual é um ambiente criado e gerenciado por um monitor de máquina virtual (VMM Virtual Machine Monitor). O VMM é também conhecido como, sistema operacional para sistemas operacionais ou hypervisor. Um VMM (Virtual Machine Monitor) pode criar uma ou mais máquinas virtuais em uma única máquina real. Cada máquina virtual, que recebe uma cópia da máquina real, pode fornecer facilidades e recursos a uma aplicação ou mesmo a um sistema operacional 9

10 convidado. O sistema operacional convidado que é instalado na máquina virtual acredita estar sendo executado em um ambiente convencional com acesso direto ao hardware. Tipos de Virtualização Segundo Laureano (2006), as máquinas virtuais podem ser divididas em dois tipos: Tipo I: O VMM é implementado entre os sistemas convidados e o hardware. Tipo II: O VMM é implementado entre o sistema hospedeiro e o convidado. Máquinas virtuais Tipo I Nas máquinas virtuais do tipo I, o VMM (Virtual Machine Monitor) tem total controle do hardware e cria um ambiente de máquinas virtuais onde cada uma se comporta como se fosse uma máquina física que pode executar o seu próprio sistema operacional. Este tipo de virtualização gera a possibilidade de diversos sistemas operacionais serem instalados no mesmo hardware e também executados simultaneamente. A Figura 3 apresenta o modelo de máquinas virtuais do tipo I. Figura 3 Máquina virtual do Tipo I (Laureano, 2006). Máquinas virtuais Tipo II Nas máquinas virtuais do tipo II, o VMM (Virtual Machine Monitor) é executado no sistema hospedeiro como um processo. Este funciona de forma muito parecida ao monitor de máquina virtual do tipo I, sendo que sua principal diferença é a existência de um sistema hospedeiro abaixo dele. Neste modelo, o monitor de máquina virtual 10

11 simula todas as operações que o sistema hospedeiro controlaria. A Figura 4 apresenta o modelo de máquinas virtuais do tipo II. Figura 4 Máquina virtual do Tipo II (Laureano, 2006). De acordo com Laureano (2006), os modelos conceituais de máquina virtual apresentado nas Figuras 3 e 4 são utilizados como base para o desenvolvimento das ferramentas de virtualização. Nas máquinas virtuais, um dos pontos cruciais são as operações de E/S (entrada e saída), desta forma os desenvolvedores estão constantemente buscando otimizações para aplicar nos modelos de máquinas virtuais existentes. Um exemplo de otimização para VMM s do tipo I é o sistema convidado acessar diretamente o hardware. Este acesso se dá pela implementação de modificações do no núcleo do sistema convidado e no VMM. A Figura 5 apresenta um exemplo de otimização para máquinas do tipo I. Figura 5 Modelo Híbrido para máquinas de tipo I (Laureano, 2006). 11

12 Em VMM s do tipo II, existem três otimizações disponíveis. O sistema convidado acessa diretamente o hardware. O sistema convidado acessa diretamente o sistema hospedeiro. O VMM acessa diretamente o hardware. Formas de Virtualização Conforme apresentado anteriormente, a virtualização é a capacidade de fazer com que os recursos de um computador possam ser divididos em múltiplos ambientes de execução. Os VMM s (Virtual Machine Monitor) são utilizados para fazer a separação dos recursos, o isolamento destes e, por fim, a criação do ambiente final para que a aplicação possa rodar de forma transparente, imaginando ser ela a detentora dos recursos de hardware. Existem três formas diferentes de virtualização: a virtualização do hardware, a virtualização do sistema operacional e por fim a virtualização das linguagens de programação, todas podendo ser aplicadas tanto para máquinas virtuais do tipo I quando do tipo II. Aplicado ao Hardware Segundo Laureano (2006), a virtualização exporta o sistema físico como uma abstração do hardware. Neste modelo, qualquer software escrito para a arquitetura x86 irá funcionar. Na figura 6 o exemplo da virtualização do hardware é apresentado. Figura 6 Exemplo de virtualização do hardware (Laureano, 2006). 12

13 O sistema de virtualização cria uma nova camada de hardware entre o sistema operacional convidado e ele. Desta forma o sistema operacional tem a impressão de que está instalado diretamente no hardware sem a interferência de outro sistema. Aplicado em Sistemas Operacional Segundo Laureano (2006), a virtualização exporta um sistema operacional como abstração de um sistema específico. A máquina virtual executa aplicações de um sistema operacional específico. Na Figura 7 o exemplo da virtualização do sistema operacional é apresentado. Figura 7 Exemplo de virtualização do sistema operacional (Laureano, 2006). Este modelo de virtualização é mais conhecido em utilizações em computadores pessoais e consolidação de servidores. Nesta aplicação o sistema de virtualização fica diretamente entre o sistema operacional hospedeiro e o sistema operacional da máquina virtual. Aplicado em linguagem de programação Neste último modelo, a máquina virtual fica entre a aplicação e o sistema operacional. Não existe necessidade de simulação de hardware, nem tampouco de múltiplos sistemas operacionais. A camada de virtualização cria uma aplicação no topo do sistema operacional. Máquinas virtuais desta categoria são desenvolvidas para máquinas fictícias projetadas para uma finalidade específica. Um exemplo de linguagem de programação virtualizada é o Java. O computador fictício, neste caso, é a JVM (Java Virtual Machine) instalada na máquina real para que a aplicação seja executada. Na Figura 8 é demonstrado um exemplo de virtualização de linguagem de programação. 13

14 Figura 8 Exemplo virtualização da linguagem de programação (Laureano, 2006). O sistema de virtualização exporta uma abstração para a execução dos programas escritos para determinada aplicação. Modelos de Técnica de Virtualização Atualmente existe uma série de técnicas desenvolvidas para a virtualização. Dentre as existentes, podem ser destacadas, são elas: paravirtualização (paravirtualization), virtualização total (total virtualization) e a recompilação dinâmica (dynamic recompilation). Estas técnicas podem ser utilizadas tanto para máquinas virtuais do tipo I quando do tipo II. Virtualização Total Segundo Laureano (2006), na virtualização total, uma estrutura completa de hardware é virtualizada fazendo com que o sistema convidado não precise sofrer algum tipo de alteração. A vantagem da virtualização total encontra-se exatamente no fato de que o sistema convidado não sofrerá algum tipo de alteração. Por outro lado, o sistema virtualizado é executado de forma mais lenta e o VMM precisa implementar alternativas para que as operações privilegiadas possam ser executadas em processadores que não suportem virtualização nativamente (Laureano, 2006). Desenvolvedores como Intel e AMD estão trabalhando arduamente em busca de aprimorar suas tecnologias existentes e criar novos modelos que atendam as exigências. Atualmente existem linhas em que os processadores estão preparados para utilização de máquinas virtuais. Na Figura 9 é apresentado um modelo de máquina virtual que utiliza a virtualização total. 14

15 Figura 9 Máquina executando Virtualização Total (Adaptada de Laureano, 2006). Como pode ser visto na figura 10, para o sistema operacional convidado não existe a necessidade de sua estrutura ser modificada, pois a tecnologia de virtualização apresenta ao sistema uma interface de hardware como se fosse a própria máquina real. A virtualização total exige do VMM um trabalho adicional para o gerenciamento de memória e disco. Para o sistema convidado, ele está utilizando o inicio da memória, uma vez que o VMM passa esta impressão para ele. Segundo Laureano (2006), uma máquina real possui endereçamento de memória iniciando de 0000 e indo até FFFF. O VMM reserva espaço compreendido entre 000F e 00FF, mas o sistema convidado enxerga esse espaço como sua memória total e, portanto iniciando em 0000 e finalizando em 000F. Sempre que o sistema convidado faz algum tipo de operação envolvendo endereçamento de memória, o VMM é obrigado a traduzir estes endereços para endereços reais na memória e vice e versa. Esta tradução simultânea acaba degradando o desempenho da máquina convidada. O mesmo exemplo citado pode ser aplicado na questão do gerenciamento do disco. Sempre que o sistema convidado gera uma chamada de sistema para acesso a disco o VMM deve capturar esta chamada e traduzi-la para que seja executada. 15

16 Paravirtualização De acordo com Laureano (2006), na paravirtualização, o sistema a ser virtualizado sofre modificações para que a interação com o VMM seja mais eficiente. A paravirtualização permite que o sistema convidado consiga acessar recursos do hardware diretamente. Este acesso é monitorado pelo VMM, que por sua vez oferece ao sistema convidado os limites do sistema, tais como endereços de memória que podem ser utilizados e endereçamento em disco. A principal razão para se utilizar esta técnica de virtualização é o desempenho obtido, uma vez que o acesso ao hardware diretamente elimina a necessidade da interação com o VMM como no caso dos sistemas que utilizam a virtualização total. Na paravirtualização o VMM separa uma parte do disco e da memória e informa para o sistema convidado seus limites, o próprio sistema convidado é que trabalha com estes espaços definidos, lendo, gravando ou apagando dados na memória ou nos discos da máquina. Na Figura 10 é apresentado o m odelo de uma máquina virtual que utiliza a paravirtualização. Figura 10 Máquina executando Paravirtualização (Adaptada de Laureano, 2006). Recompilação Dinâmica Na técnica de recompilação dinâmica, partes do código de uma aplicação são recompilados em tempo de utilização. Com esta compilação durante a execução, o 16

17 sistema pode adequar o código gerado de forma a refletir o ambiente original do programa, explorando informações que normalmente não estão disponíveis para um compilador estático tradicional (Laureano, 2006). Um exemplo seria a otimização adaptável para executar uma representação portátil de um programa, como bytecodes de Java. Bytecode é uma espécie de codificação que traduz tudo o que foi escrito no programa para um formato que a máquina virtual do Java (JVM) entenda e seja capaz de executar. Assim, se for feito um programa em Java no Linux, ele será capaz de rodar no Windows ou em qualquer outro sistema operacional que possua a JVM instalada. Vantagens e desvantagens da Virtualização Para Laureano (2006), a virtualização possui características positivas e negativas, abaixo se encontra a lista respectivamente detalhada. Vantagens Isolamento: Essa propriedade garante que um software em execução em uma máquina virtual não acesse nem modifique outro software em execução no monitor ou em outra máquina virtual, ou seja, permite que um software seja executado na máquina virtual, em uma máquina real, ou em outras máquinas virtuais, sem que um interfira na execução do outro. Esta propriedade é muito usada para que erros de software, problemas causados por hackers ou de outra origem sejam contidos na máquina afetada, sem causar problemas para as demais máquinas. Desempenho: Adicionar uma camada de software a um sistema pode afetar o desempenho do software que funciona na máquina virtual, mas os benefícios proporcionados pelo uso de sistemas virtuais compensam a perda de desempenho. Hardwares virtualizáveis, como as máquinas mainframe da IBM, têm uma propriedade chamada execução direta que permite que essas máquinas virtuais trabalhem com o mesmo desempenho de um sistema sendo executado diretamente em um hardware. Testes: As máquinas virtuais facilitam o aperfeiçoamento e testes de novos sistemas operacionais. Testes podem ser feitos sem que um possível travamento venha a atrapalhar os demais sistemas ou possíveis usuários que utilizem recursos oferecidos pelas máquinas virtuais. Ensino: A utilização das máquinas virtuais também auxilia muito no cenário de treinamentos e práticas para o ensino de sistemas operacionais e programação. 17

18 Multiplataforma: A tecnologia de virtualização oferece a capacidade de rodar múltiplos sistemas operacionais em uma determinada máquina simultaneamente. Simulação: Podem-se utilizar as máquinas virtuais para simular configuração e situações diferentes do mundo real, como, por exemplo, acréscimo de memória ou outros dispositivos de E/S antes de aplicar as modificações nos hardwares de produção. Custo: Com a virtualização acredita-se que possa diminuir consideravelmente o custo com a aquisição de hardwares para atender às necessidades das empresas. Ela possibilita o uso da consolidação de servidores e desta maneira é possível rodar diversos serviços diferentes em múltiplos sistemas que por sua vez utilizam diferentes máquinas virtuais dentro de uma máquina real. Este estudo prova se tecnicamente este recurso é viável. Administração: Com a tecnologia de virtualização, os sistemas podem ser mais facilmente gerenciados e administrados uma vez que estão confinados em um único local. Outra facilidade existente é a questão de restauração de uma máquina em caso de desastre. Pode-se fazer backup de uma determinada máquina virtual inteira e caso ela venha a ser danificada, basta, em poucos minutos, restaurar a imagem no VMM e voltar a trabalhar como se nada houvesse acontecido. Desvantagens Diversidade de equipamentos: Como existe uma grande quantidade de equipamentos disponíveis, torna-se praticamente impossível aos programadores desenvolverem aplicações capazes de gerenciar todos os tipos de hardwares existentes, pois, isto exigiria um esforço sobrehumano. Preexistência de softwares: Ao contrário dos mainframes, os desktops e laptops geralmente já vêm com o sistema operacional instalado e préconfigurado na estação. Neste tipo de ambiente é de extrema importância que o usuário possa utilizar as máquinas virtuais, e sem perder a capacidade de trabalhar com seu sistema hospedeiro sem diferenças significativas. Custo de processo: Há informações de que em um sistema que hospeda máquinas virtuais, o custo do processo pode ser elevadíssimo podendo chegar a até 50% a mais do que em plataformas sem a virtualização aplicada. 18

19 6. DESENVOLVIMENTO DO TRABALHO Preparação do Ambiente não Virtualizado No primeiro ambiente a virtualização não está presente. O equipamento foi formatado e nele instalado o Windows Server 2003 R2 (Microsoft Windows, 2011). Os testes de desempenho de processador, alocação de memória e gravação em disco foram aplicados e os resultados adquiridos, armazenados para análise. Depois de finalizado o teste com a plataforma Windows, o equipamento foi formatado e nele instalado o sistema Ubuntu (Ubuntu Linux, 2011). Para o ambiente Linux os mesmos aplicativos já mencionados foram utilizados para execução dos testes. Os resultados foram armazenados para análise. Apresentação do Ambiente com virtualização VMware WorkStation Na segunda bateria de testes, o equipamento foi formatado e nele instalado o sistema operacional Windows Server 2003 R2 (Microsoft Windows, 2011). Nesta fase, este sistema foi utilizado como hospedeiro para a virtualização do tipo II na ferramenta VMware WorkStation (VMWare, 2011). Depois de configurado o VMM (Virtual Machine Monitor) no hospedeiro, duas máquinas virtuais foram criadas. Uma hospedando um segundo sistema operacional Windows Server 2003 R2 (Microsoft Windows, 2011) e outra o sistema Ubuntu (Ubuntu Linux, 2011). Os testes já mencionados anteriormente foram aplicados nas máquinas virtuais existentes. Com os testes finalizados no Windows Server como hospedeiro o equipamento foi formatado e nele instalado o Ubuntu (Ubuntu Linux, 2011), para que a segunda bateria de testes fosse aplicada nele, como hospedeiro. Da mesma forma que no Windows, foi realizado no Ubuntu a criação de duas máquinas virtuais, uma com Windows Server 2003 R2 (Microsoft Windows, 2011) e a outra com Ubuntu (Ubuntu Linux, 2011). Todos os dados resultantes dos testes foram armazenados para análise. Apresentação do Ambiente com virtualização VMware Server A terceira bateria de testes envolve a mesma rotina de virtualização da seção anterior, mas agora utilizando a ferramenta VMware Server (VMWare, 2011) como VMM (Virtual Machine Monitor). O equipamento foi formatado e nele instalado o sistema operacional Windows Server 2003 R2 (Microsoft Windows, 2011). Depois de configurado o VMM (Virtual Machine Monitor) no hospedeiro, duas máquinas virtuais foram criadas. Uma 19

20 hospedando um segundo sistema operacional Windows Server 2003 R2 (Microsoft Windows, 2011) e outra o sistema Ubuntu (Ubuntu Linux, 2011). Os testes já mencionados anteriormente foram aplicados nas máquinas virtuais existentes. Com os testes finalizados no Windows como hospedeiro o equipamento foi formatado e nele instalado o Ubuntu (Ubuntu Linux, 2011) para que a segunda bateria de testes fosse aplicada nele, como hospedeiro. Da mesma forma que no Windows, no Ubuntu foram criadas duas máquinas virtuais, uma com Windows Server 2003 R2 (Microsoft Windows, 2011) e a outra com um segundo Ubuntu (Ubuntu Linux, 2011). Todos os dados resultantes dos testes foram armazenados para análise. A Figura 11 apresenta graficamente os ambientes de testes descritos: Figura 11 Ambiente de Teste 20

21 Nos testes com sistema operacional Windows Server 2003 R2 (Microsoft Windows, 2011) foram utilizados os recursos, de logs e alertas de desempenho, ambos nativos do próprio sistema operacional. Para testes na plataforma Linux foi utilizado o Multi Router Traffic Grapher (MRTG). Também analises comparativa de execução versus tempo em que foi executado. Com propósito de auxiliar na coleta de dados de desempenho entre os ambientes. Ferramentas de Apoio Utilizadas O computador disponível para efetuar testes foi um AMD Atlhon 64 Processor (2.20Ghz), 2,00GB RAM; 160 GB de espaço em disco. Nos testes onde foi utilizado o recurso de virtualização, o equipamento passou a ter a quantidade de memória RAM alterada, tendo 512MB e disponível em disco 20GB cada máquina virtual devido à necessidade das máquinas virtuais instaladas sobre os VMM s terem a mesma configuração e características de hardware em todos os testes, facilitando a comparação e análise dos dados. VMWare Workstation 7.1 Segundo Craig Liess (2008), administrador de servidores da empresa VMWare, o VMware Workstation é um software padrão ouro em virtualização para computadores desktops e laptops. Ele permite que usuários executem diversos sistemas operacionais em um simples computador pessoal. Com a ferramenta, os usuários podem facilmente trocar de um ambiente de computação para outro sem a necessidade de reiniciar seus sistemas, efetuar a troca de discos rígidos nem tampouco paralisar suas tarefas em andamento. A ferramenta é capaz de oferecer a redução dos custos com investimento de hardware, tempo com a formatação e reinstalação dos sistemas, maximizar a utilização dos recursos de hardware e reduzir o risco de paralisação dos sistemas em caso de erros causados por atualizações de hardware e softwares não testados previamente, etc. De acordo com Craig Liess (2008), o software de virtualização VMWare Workstation mapeia recursos físicos de hardware para recursos de máquinas virtuais, desta forma cada máquina virtual é equipada com sua própria CPU, memória, discos e dispositivos de rede. As máquinas virtuais são uma réplica exata de uma máquina x86 e são capazes de executar muitos dos sistemas Windows, Linux e Novell tanto para servidores quanto para desktops. 21

22 VMWare Server Para Craig Liess (2008), o VMWare Server permite o particionamento de um servidor em múltiplas máquinas virtuais. O VMWare Server é um sistema robusto e ao mesmo tempo fácil de ser utilizado por novos usuários da tecnologia. Dentre os diversos benefícios que a ferramenta possui, Craig Liess (2008) destaca a adição de novos servidores em minutos sem a necessidade de aquisição de novos hardwares, considerando a execução de sistemas Windows, Linux, Solaris e Netware em um mesmo servidor físico; melhora na utilização do processador; gerenciamento centralizado dos sistemas instalados, etc. Segundo Craig Liess (2008), o VMWare Server é instalado e executado como uma aplicação sobre um sistema hospedeiro, podendo este ser um sistema Windows ou Linux. O sistema de virtualização particiona o hardware em camadas, criando a possibilidade de múltiplas máquinas virtuais serem instaladas e executadas simultaneamente em um único servidor físico. O VMWare Server isola cada uma das máquinas do seu hospedeiro e das demais máquinas virtuais, fazendo com que as máquinas com problemas não afetem as demais instaladas sobre o monitor de máquina virtual. 7. RESULTADOS OBTIDOS Resultados de Processamento Para apresentar os resultados realizados sobre o processamento, foi criada uma tabela para facilitar a visualização dos dados: Tabela 1 Análise de Tempo de Processador x Ambiente de Teste A Tabela 1 apresenta os resultados obtidos quando os diversos ambientes foram submetidos ao teste de processamento. Como pode ser verificado, quando utilizada a tecnologia de Virtualização VMWare Workstation (VMWare, 2011) sobre um hospedeiro Windows Server 2003 R2 22

23 (Microsoft Windows, 2011), e sobre este ambiente uma máquina virtual com sistema operacional Ubuntu (Ubuntu Linux, 2011), o melhor tempo de processamento é atingido. Encontramos este melhor tempo também quando realizado o teste sobre o sistema operacional hospedeiro Ubuntu (Ubuntu Linux, 2011) sem virtualização aplicada. Note que a velocidade de processamento foi à mesma obtida com o teste aplicado diretamente no sistema operacional hospedeiro. Encontra-se evidência que não houve maior eficiência do sistema de virtualização em questão as requisições de processamento. Neste cenário obtido, pode-se constatar que não se torna viável a utilização da tecnologia de virtualização, lembrando que o que está sendo considerado e avaliado é o melhor (menor) tempo encontrado. Há apenas uma observação que se faz necessária, é importante notar que múltiplos ambientes devem ser testados antes da escolha da plataforma. A tabela apresenta ambientes aonde o tempo de processamento chegou a ser o dobro do que o menor tempo obtido em um ambiente virtualizado como exemplo no VMWare Server (VMWare, 2011). O Gráfico 1 apresenta os dados da Tabela 1 facilitando sua visualização. Gráfico 1 Análise de Tempo de Processador x Ambiente de Teste 23

24 Resultados de Memória Para apresentar os resultados da analise realizada sobre alocação de memória, foi criada uma tabela para facilitar a visualização dos dados. Tabela 2 Análise de Alocação de Memória x Ambiente de Teste A Tabela 2 apresenta os resultados obtidos quando os diversos ambientes foram submetidos ao teste de alocação de memória. Quando utilizada a tecnologia de virtualização VMWare Workstation (VMWare, 2011) e VMWare Server (VMWare, 2011) sobre um hospedeiro Windows Server 2003 R2 (Microsoft Windows, 2011), e sobre este ambiente uma máquina virtual com sistema operacional Ubuntu (Ubuntu Linux, 2011), o melhor tempo de alocação de memória é atingido. Note que o tempo de alocação foi inferior ao tempo obtido com o teste aplicado diretamente no sistema operacional hospedeiro. Isto indica que as modificações que o sistema de virtualização efetua, fazem com que o sistema convidado gerencie com maior eficiência a alocação e gerenciamento de memória. Pode-se constatar que é viável a utilização da tecnologia de virtualização. Como no caso do ambiente de teste de processamento, há apenas uma observação, é importante notar que múltiplos ambientes devem ser testados antes da escolha da plataforma. A tabela apresenta ambientes aonde o tempo de alocação de memória chegou a ser consideravelmente maior do que o menor tempo obtido com um ambiente sem virtualização. 24

25 O Gráfico 2 apresenta os dados da tabela 2 facilitando sua visualização Gráfico 2 Análise de Alocação de Memória x Ambiente de Teste Resultados de Gravação em Disco Para apresentar os resultados da analise realizada sobre a gravação em disco, foi criada uma tabela para facilitar a visualização dos dados. Tabela 3 Análise de Gravação em Disco x Ambiente de Teste A Tabela 3 apresenta os resultados obtidos quando os diversos ambientes foram submetidos ao teste de gravação em disco. Apenas para reforçar, quando a máquina que estava sendo submetida aos testes possuía o sistema Ubuntu (Ubuntu Linux, 2011) instalado, a partição para gravação do arquivo de teste era EXT3, quando o sistema Windows Server 2003 R2 (Microsoft Windows, 2011) estava sendo testado, a partição era NTFS. Isto para que 25

26 os sistemas operacionais não precisassem utilizar nenhum artifício para ler e escrever na partição não nativa do sistema. Como pode ser verificado, quando utilizada a tecnologia de virtualização VMWare Workstation (VMWare, 2011) e VMWare Server (VMWare, 2011), sobre um hospedeiro Windows Server 2003 R2 (Microsoft Windows, 2011), e sobre este ambiente uma máquina virtual com sistema operacional Windows Server 2003 R2 (Microsoft Windows, 2011), foi possível igualar o tempo mais baixo de gravação em disco. Neste cenário obtido, pode-se constatar que é viável a utilização da tecnologia de virtualização. Como no caso dos dois primeiros ambientes de teste já apresentados, há apenas uma observação que se faz necessária, é importante notar que múltiplos ambientes devem ser testados antes da escolha da plataforma. A tabela apresenta ambientes onde o tempo de gravação em disco chegou a ser consideravelmente maior do que o menor tempo obtido com um ambiente virtualizado porém com outro sistema operacional como hospedeiro. Um ponto importante e que merece destaque é que, em todos os casos (tempo de processamento, alocação de memória e gravação em disco) a escolha equivocada do ambiente pode trazer consequências que influenciam ao ambiente de produção que utiliza a tecnologia de virtualização. O Gráfico 3 apresenta os dados da tabela 3 facilitando sua visualização. Gráfico 3 Análise de Gravação em Disco x Ambiente de Teste 26

27 8. CONCLUSÃO Antes de serem apresentadas as conclusões obtidas através dos resultados dos ambientes de testes deste trabalho, é preciso relembrar e reafirmar alguns pontos que foram apresentados no decorrer deste tema. Em primeiro lugar, vale salientar que este trabalho procurou se assemelhar no máximo possível aos ambientes de trabalho no uso cotidiano da ferramenta de virtualização. As comparações envolveram ambiente onde o sistema operacional trabalhava diretamente sobre o hardware, efetuando suas operações de E/S e requisições de processador sem a intervenção de nenhuma ferramenta intermediária; e ambientes onde máquinas virtuais, com seus componentes de hardware e sistema operacional, foram criadas sobre um hospedeiro. Em relação à tecnologia de virtualização escolhida, o trabalho utilizou duas diferentes ferramentas do fabricante VMware, sendo a primeira VMWare WorkStation 7.1 (VMWare, 2011) e a segunda VMWare Server (VMWare, 2011). Um dos principais objetivos deste trabalho será responder se compensa ou não utilizar a tecnologia de virtualização, e graças aos testes, foi possível chegar a uma conclusão satisfatória. Para apresentá-la, alguns pontos são importantes e merecem destaque. Neste trabalho foram apresentadas algumas vantagens e desvantagens existentes em relação à utilização da tecnologia de virtualização, nem todas serão reapresentadas, apenas as de maior relevância. Abaixo são apresentadas algumas das vantagens mencionadas neste trabalho e inseridas novas informações. Isolamento - Realmente, no desenvolvimento deste trabalho, foi possível constatar que a questão de isolamento entre as máquinas virtuais é uma grande vantagem da tecnologia. Quando são criadas as máquinas virtuais, é necessário destinar fatias de recursos de hardware para que estas máquinas possam executar suas tarefas. Quando estes recursos são destinados, uma determinada máquina virtual não consegue enxergar os recursos das demais. Um exemplo que pode ser apresentado foi no caso de uma das máquinas virtuais, no decorrer dos testes, precisar ser formatada devido a um problema no sistema operacional. Apenas a máquina com o erro foi afetada, as demais permaneceram trabalhando de forma inalterada. O bom desempenho Nos testes executados houve uma grande variação de desempenho dependendo do ambiente em que se aplicavam os testes. Porém, de modo geral, o desempenho das máquinas virtuais não é inferior aos sistemas 27

28 executados diretamente sobre o hardware, em alguns casos a tecnologia consegue até superar a capacidade de processamento. Multiplataforma Realmente a facilidade de executar diferentes sistemas operacionais sobre um hospedeiro está presente nas tecnologias de virtualização. Nos testes aplicados foi utilizada a plataforma Linux sobre Windows e vice versa, mostrando assim que não há incompatibilidade. Em contrapartida, pode-se notar que determinados sistemas trabalham melhor como hospedeiros e outros como clientes, e é neste ponto que se devem concentrar os testes para a boa montagem do ambiente de produção. Custo processo No desenvolvimento deste trabalho foi possível notar que algumas implementações que são feitas pela tecnologia de virtualização, acabam melhorando a capacidade de o processador executar suas tarefas. Pode-se ver em alguns campos das tabelas apresentadas que algumas vezes a capacidade de processamento da máquina virtual foi superior ao processamento do sistema operacional executado diretamente sobre o hardware. Sendo assim, pode-se dizer que esta desvantagem está diretamente associada ao tipo de ambiente criado. Concluindo, o ambiente de virtualização realmente voltou para ficar. Com ambientes bem montados, com testes bem definidos e aplicados é possível alcançar cenários onde o processamento, alocação de memória e gravação em disco se aproxima de um ambiente onde o sistema opera diretamente sobre o hardware, sendo que em alguns destes quesitos, pode-se obter melhor resultado no ambiente virtualizado. Se um hardware for bem desenhado, este pode perfeitamente atender múltiplas máquinas virtuais. Com isso o máximo do equipamento será extraído, haverá redução no custo de energia elétrica, administração do ambiente, infraestrutura de rede, mão de obra especializada, espaço físico necessário, etc. Com base empírica, em relação à questão: A virtualização está sendo adotada por ser realmente vantajosa ou apenas porque todos a estão utilizando. A resposta é afirmar que a virtualização é realmente vantajosa, a base para esta resposta foi conquistada durante a elaboração e desenvolvimento deste trabalho. 9. REFERÊNCIAS BIBLIOGRÁFICAS CARISSIMI, A. (2009). Virtualização: Princípios Básicos e Aplicações. ERAD, SBC, FIGUEIREDO, et al. (2005). Resource Virtualization Renaissance. IEEE. 2005, p LAUREANO, M. (2006). Máquinas Virtuais e Emuladores: Conceitos, Técnicas e aplicações. 1ed. São Paulo: Novatec,

29 LAUREANO, M. (2011). Sistemas Operacionais. [on-line]. Disponível em Acessado em Março de LIESS, C. (2008). VMware Workstation The Leading Desktop Virtualization Software. VMware Inc, LIESS, C. (2008). VMware Server Free Virtualization for Windows and Linux Servers. VMware Inc, MAZIERO, C. (2012). Máquinas Virtuais de Processo. [on-line]. Disponível em Acessado em Março de Microsoft Windows, (2011). Página de Download Center da Microsoft. [on-line]. Disponível em Acessado em Junho de NICHOLS, S. (2002). New Approach to Virtualization Is a Lightweight. USENIX Annual Technical Conference ROSENBLUM, et al. (2005). Virtual machine monitors: current technology and future trends. IEEE Computer Magazine 2005, v. 38, n. 5, p SMITH, J. NAIR, R. (2005). The Architecture of Virtual Machines. IEEE. 2005, p SEETHARAMAN, S. MURTHY, K. (2006). Test Optimization Using Software Virtualization. IEEE. 2006, v. 23, p TANENBAUM, A. (2003). Sistemas Operacionais Modernos. São Paulo: Prentice Hall do Brasil, 2003, 2.ed. Ubuntu Linux, (2011). Página de Download do Ubuntu. [on-line]. Disponível em Acessado em Junho de VMWare, (2011). Página de Suporte e Download do VMware. [on-line]. Disponível em Acessado em Junho de VMWARE, INC. (2012). VMware Documentation. [on-line]. Disponível em Acessado em Fevereiro de

SISTEMAS OPERACIONAIS. Maquinas Virtuais e Emuladores

SISTEMAS OPERACIONAIS. Maquinas Virtuais e Emuladores SISTEMAS OPERACIONAIS Maquinas Virtuais e Emuladores Plano de Aula Máquinas virtuais Emuladores Propriedades Benefícios Futuro Sistemas de Computadores Os sistemas de computadores são projetados com basicamente

Leia mais

Sistemas Operacionais. Roteiro. Sistemas de Computadores. Os sistemas de computadores são projetados com basicamente 3 componentes: Marcos Laureano

Sistemas Operacionais. Roteiro. Sistemas de Computadores. Os sistemas de computadores são projetados com basicamente 3 componentes: Marcos Laureano Sistemas Operacionais Marcos Laureano 1/66 Roteiro Máquinas virtuais Emuladores Propriedades Benefícios Futuro 2/66 Sistemas de Computadores Os sistemas de computadores são projetados com basicamente 3

Leia mais

Sistemas Operacionais 1/66

Sistemas Operacionais 1/66 Sistemas Operacionais 1/66 Roteiro Máquinas virtuais Emuladores Propriedades Benefícios Futuro 2/66 Sistemas de Computadores Os sistemas de computadores são projetados com basicamente 3 componentes: hardware

Leia mais

Aplicações. Sistema Operacional Hardware. Os sistemas de computadores são projetados com basicamente 3 componentes: Máquinas Virtuais e Emuladores

Aplicações. Sistema Operacional Hardware. Os sistemas de computadores são projetados com basicamente 3 componentes: Máquinas Virtuais e Emuladores Máquinas Virtuais e Emuladores Marcos Aurelio Pchek Laureano Sistemas de Computadores Os sistemas de computadores são projetados com basicamente 3 componentes: hardware sistema operacional aplicações Sistemas

Leia mais

ETEC RAPOSO TAVARES GESTÃO DE SISTEMAS OPERACIONAIS I. Máquina Virtual. Instalação de S.O. em dual boot. 1º Semestre 2010 PROF.

ETEC RAPOSO TAVARES GESTÃO DE SISTEMAS OPERACIONAIS I. Máquina Virtual. Instalação de S.O. em dual boot. 1º Semestre 2010 PROF. ETEC RAPOSO TAVARES GESTÃO DE SISTEMAS OPERACIONAIS I Máquina Virtual Instalação de S.O. em dual boot 1º Semestre 2010 PROF. AMARAL Na ciência da computação, máquina virtual é o nome dado a uma máquina,

Leia mais

Curso Tecnológico de Redes de Computadores 5º período Disciplina: Tecnologia WEB Professor: José Maurício S. Pinheiro V. 2009-2

Curso Tecnológico de Redes de Computadores 5º período Disciplina: Tecnologia WEB Professor: José Maurício S. Pinheiro V. 2009-2 Curso Tecnológico de Redes de Computadores 5º período Disciplina: Tecnologia WEB Professor: José Maurício S. Pinheiro V. 2009-2 Aula 3 Virtualização de Sistemas 1. Conceito Virtualização pode ser definida

Leia mais

Virtualização Gerencia de Redes Redes de Computadores II

Virtualização Gerencia de Redes Redes de Computadores II Virtualização Gerencia de Redes Redes de Computadores II *Créditos: baseado no material do Prof. Eduardo Zagari Virtualização - Introdução Introduzido nos anos 60 em Mainframes Em 1980 os microcomputadores

Leia mais

Introdução. Sistemas Operacionais. Introdução. Roteiro (1 / 2) Por que Máquinas Virtuais Existem? Roteiro (2 / 2)

Introdução. Sistemas Operacionais. Introdução. Roteiro (1 / 2) Por que Máquinas Virtuais Existem? Roteiro (2 / 2) Sistemas Operacionais O termo máquina virtual foi descrito na década de 60 como uma abstração de software que enxerga um sistema físico. Aula 7 Máquinas Virtuais Prof. Othon Marcelo Nunes Batista Mestre

Leia mais

ATIVIDADE 1 MÁQUINAS VIRTUAIS. 1.1 Arquiteturas não virtualizadas

ATIVIDADE 1 MÁQUINAS VIRTUAIS. 1.1 Arquiteturas não virtualizadas ATIVIDADE 1 MÁQUINAS VIRTUAIS Existem hoje diversas tecnologias e produtos para virtualização de computadores e ambientes de execução, o que pode gerar uma certa confusão de conceitos. Apesar disso, cada

Leia mais

4 Estrutura do Sistema Operacional. 4.1 - Kernel

4 Estrutura do Sistema Operacional. 4.1 - Kernel 1 4 Estrutura do Sistema Operacional 4.1 - Kernel O kernel é o núcleo do sistema operacional, sendo responsável direto por controlar tudo ao seu redor. Desde os dispositivos usuais, como unidades de disco,

Leia mais

Virtualização. O conceito de VIRTUALIZAÇÃO

Virtualização. O conceito de VIRTUALIZAÇÃO Virtualização A virtualização está presente tanto no desktop de um entusiasta pelo assunto quanto no ambiente de TI de uma infinidade de empresas das mais variadas áreas. Não se trata de "moda" ou mero

Leia mais

Professor Esp.: Douglas Diego de Paiva douglas.ddp@gmail.com

Professor Esp.: Douglas Diego de Paiva douglas.ddp@gmail.com VIRTUALIZAÇÃO Professor Esp.: Douglas Diego de Paiva douglas.ddp@gmail.com Virtualização o que é? É uma forma de esconder as características físicas de uma plataforma computacional dos usuários, emulando

Leia mais

Agenda. Histórico Máquinas virtuais X Emuladores Vantagens & Desvantagens Vmware Quemu Xen UML Comparação entre VM's Conclusão

Agenda. Histórico Máquinas virtuais X Emuladores Vantagens & Desvantagens Vmware Quemu Xen UML Comparação entre VM's Conclusão Máquinas Virtuais Agenda Histórico Máquinas virtuais X Emuladores Vantagens & Desvantagens Vmware Quemu Xen UML Comparação entre VM's Conclusão Histórico Mainframe É um computador de grande porte, dedicado

Leia mais

Gabriel Oliveira do Nascimento Rogério Libarino Aguilar. UFF - Universidade Federal Fluminense

Gabriel Oliveira do Nascimento Rogério Libarino Aguilar. UFF - Universidade Federal Fluminense Gabriel Oliveira do Nascimento Rogério Libarino Aguilar 1 Introdução Mododelo: Hardware -> Sistema Operacional -> Aplicações Aplicação desenvolvida para um SO. Capacidade de processamento aumentando bastante

Leia mais

A SALA DE AULA é meu paraíso. Nela me realizo, nela exercito minha cidadania e nela me sinto útil.

A SALA DE AULA é meu paraíso. Nela me realizo, nela exercito minha cidadania e nela me sinto útil. Virtualização Meu nome: Nome de guerra: Meu e-mail: Marcos Vinicios Bueno Marques Professor Cidão marcos@cidao.com.br Quem sou? Professor e coordenador de cursos de TI do Senac Informática em Porto Alegre,

Leia mais

Virtualização de Sistemas Operacionais

Virtualização de Sistemas Operacionais Virtualização de Sistemas Operacionais Felipe Antonio de Sousa 1, Júlio César Pereira 1 1 Universidade Paranaense (Unipar) Paranavaí PR Brasil felipeantoniodesousa@gmail.com, juliocesarp@unipar.br Resumo.

Leia mais

Unidade III FUNDAMENTOS DE SISTEMAS. Prof. Victor Halla

Unidade III FUNDAMENTOS DE SISTEMAS. Prof. Victor Halla Unidade III FUNDAMENTOS DE SISTEMAS OPERACIONAIS Prof. Victor Halla Conteúdo Arquitetura de Processadores: Modo Operacional; Velocidade; Cache; Barramento; Etc. Virtualização: Maquinas virtuais; Gerenciamento

Leia mais

ANDRE KUSUMOTO VIRTUALIZAÇÃO

ANDRE KUSUMOTO VIRTUALIZAÇÃO ANDRE KUSUMOTO VIRTUALIZAÇÃO OBJETIVO Objetivo do deste trabalho é o autoaprendizado e a disseminação do conhecimento empregado no conceito de virtualização. Assim como a demostração de seu uso em conjunto

Leia mais

Virtualização: VMWare e Xen

Virtualização: VMWare e Xen Virtualização: VMWare e Xen Diogo Menezes Ferrazani Mattos Professor: Otto Carlos Disciplina: Redes I Universidade Federal do Rio de Janeiro POLI/COPPE 1 Introdução Virtualização Divisão da máquina física

Leia mais

Introdução a Virtualização. Sergio Roberto Charpinel Junior Profa. Roberta Lima Gomes

Introdução a Virtualização. Sergio Roberto Charpinel Junior Profa. Roberta Lima Gomes Introdução a Virtualização Sergio Roberto Charpinel Junior Profa. Roberta Lima Gomes Por que virtualizar? Descentralização de recursos computacionais Cloud computing Plena utilização de recursos físicos

Leia mais

Prof. José Maurício S. Pinheiro UniFOA 2009-2

Prof. José Maurício S. Pinheiro UniFOA 2009-2 Tecnologias WEB Virtualização de Sistemas Prof. José Maurício S. Pinheiro UniFOA 2009-2 Conceitos Virtualização pode ser definida como técnica que combina ou divide recursos computacionais para prover

Leia mais

ANÁLISE DE DESEMPENHO ENTRE SOFTWARES VIRTUALIZADORES

ANÁLISE DE DESEMPENHO ENTRE SOFTWARES VIRTUALIZADORES ANÁLISE DE DESEMPENHO ENTRE SOFTWARES VIRTUALIZADORES Vitor Rodrigues Tanamachi 1, Weber Poli de Oliveira 1, Alexandre Galvani 1. 1 Departamento de Informática Faculdade de Tecnologia de Bauru (FATEC)

Leia mais

BOLETIM TÉCNICO NComputing Brasil - #110502 Instalando o Oracle Virtualbox 4.0.2 e Criando uma VM Windows Server 2008 no Virtualbox O que é virtualbox? O virtualbox é um aplicativo de virtualização multi-plataforma

Leia mais

FAT32 ou NTFS, qual o melhor?

FAT32 ou NTFS, qual o melhor? FAT32 ou NTFS, qual o melhor? Entenda quais as principais diferenças entre eles e qual a melhor escolha O que é um sistema de arquivos? O conceito mais importante sobre este assunto, sem sombra de dúvidas,

Leia mais

UNIVERSIDADE FEDERAL DE SANTA CATARINA UFSC DEPARTAMENTO DE INFORMÁTICA E ESTATÍSTICA INE BACHARELADO EM CIÊNCIAS DA COMPUTAÇÃO.

UNIVERSIDADE FEDERAL DE SANTA CATARINA UFSC DEPARTAMENTO DE INFORMÁTICA E ESTATÍSTICA INE BACHARELADO EM CIÊNCIAS DA COMPUTAÇÃO. UNIVERSIDADE FEDERAL DE SANTA CATARINA UFSC DEPARTAMENTO DE INFORMÁTICA E ESTATÍSTICA INE BACHARELADO EM CIÊNCIAS DA COMPUTAÇÃO Xen Hypervisor Glauco Neves 07132022 Guilherme Pacheco 07232063 INE 5412-0432

Leia mais

Prof. Marcos Ribeiro Quinet de Andrade Universidade Federal Fluminense - UFF Pólo Universitário de Rio das Ostras - PURO

Prof. Marcos Ribeiro Quinet de Andrade Universidade Federal Fluminense - UFF Pólo Universitário de Rio das Ostras - PURO Conceitos básicos e serviços do Sistema Operacional Prof. Marcos Ribeiro Quinet de Andrade Universidade Federal Fluminense - UFF Pólo Universitário de Rio das Ostras - PURO Tipos de serviço do S.O. O S.O.

Leia mais

Virtualização - VMWare e Xen

Virtualização - VMWare e Xen Virtualização - VMWare e Xen A virtualização consiste na emulação de ambientes isolados, capazes de rodar diferentes sistemas operacionais dentro de uma mesma máquina, aproveitando ao máximo a capacidade

Leia mais

Sistemas Operacionais. Prof. M.Sc. Sérgio Teixeira. Aula 05 Estrutura e arquitetura do SO Parte 2. Cursos de Computação

Sistemas Operacionais. Prof. M.Sc. Sérgio Teixeira. Aula 05 Estrutura e arquitetura do SO Parte 2. Cursos de Computação Cursos de Computação Sistemas Operacionais Prof. M.Sc. Sérgio Teixeira Aula 05 Estrutura e arquitetura do SO Parte 2 Referência: MACHADO, F.B. ; MAIA, L.P. Arquitetura de Sistemas Operacionais. 4.ed. LTC,

Leia mais

Prof. Ms. José Eduardo Santarem Segundo santarem@univem.edu.br. Demonstrar o impacto que o tema virtualização tem representado no mercado

Prof. Ms. José Eduardo Santarem Segundo santarem@univem.edu.br. Demonstrar o impacto que o tema virtualização tem representado no mercado Prof. Ms. José Eduardo Santarem Segundo santarem@univem.edu.br Demonstrar o impacto que o tema virtualização tem representado no mercado de TI. Apresentar alguns conceitos e técnicas sobre a tecnologia

Leia mais

Sistemas Operacionais

Sistemas Operacionais UNIVERSIDADE BANDEIRANTE DE SÃO PAULO INSTITUTO POLITÉCNICO CURSO DE SISTEMAS DE INFORMAÇÃO Sistemas Operacionais Notas de Aulas: Tópico 33 e 34 Virtualização São Paulo 2009 Virtualização Ao falar em virtualização,

Leia mais

Foz do Iguaçu PR Brasil luiz.baltazar@gmail.com, joao@barbosa.net.br, jorgeaikes@gmail.com

Foz do Iguaçu PR Brasil luiz.baltazar@gmail.com, joao@barbosa.net.br, jorgeaikes@gmail.com Análise de Desempenho e Viabilidade do Raspberry Pi como um Thin Client utilizando o Protocolo SPICE Luiz Alberto Alves Baltazar 1, João Paulo de Lima Barbosa 1, Jorge Aikes Junior 1 1 Curso de Ciência

Leia mais

Virtualização. Prof. Emiliano Monteiro

Virtualização. Prof. Emiliano Monteiro Virtualização Prof. Emiliano Monteiro Conceitos Virtualização significa criar uma versão virtual de um dispositivo ou recurso, como um servidor, dispositivo de armazenamento, rede ou até mesmo um sistema

Leia mais

Virtualização de Sistemas Operacionais

Virtualização de Sistemas Operacionais Virtualização de Sistemas Operacionais Leandro Brito 1, Linsmar Pinheiro 1, Roberto Carlos Santana 1, Thiago Vasconcelos 1, Vanessa Ferraz 1 1 Curso de Sistemas de Informação na Faculdade Integrada da

Leia mais

Virtualização e Criação de uma rede Virtual utilizando Virtual Box Professor: João Paulo de Brito Gonçalves

Virtualização e Criação de uma rede Virtual utilizando Virtual Box Professor: João Paulo de Brito Gonçalves Virtualização e Criação de uma rede Virtual utilizando Virtual Box Professor: João Paulo de Brito Gonçalves Anatomia de uma máquina virtual Cada máquina virtual é um sistema completo encapsulado em um

Leia mais

Hardware (Nível 0) Organização. Interface de Máquina (IM) Interface Interna de Microprogramação (IIMP)

Hardware (Nível 0) Organização. Interface de Máquina (IM) Interface Interna de Microprogramação (IIMP) Hardware (Nível 0) Organização O AS/400 isola os usuários das características do hardware através de uma arquitetura de camadas. Vários modelos da família AS/400 de computadores de médio porte estão disponíveis,

Leia mais

CONCEITOS E APLICAÇÕES DA COMPUTAÇÃO EM NUVEM

CONCEITOS E APLICAÇÕES DA COMPUTAÇÃO EM NUVEM CONCEITOS E APLICAÇÕES DA COMPUTAÇÃO EM NUVEM Rogério Schueroff Vandresen¹, Willian Barbosa Magalhães¹ ¹Universidade Paranaense(UNIPAR) Paranavaí-PR-Brasil rogeriovandresen@gmail.com, wmagalhaes@unipar.br

Leia mais

VIRTUALIZAÇÃO EM SERVIDORES DE BANCO DE DADOS. Resumo: A estratégia de virtualização de servidores de banco de dados é uma tendência

VIRTUALIZAÇÃO EM SERVIDORES DE BANCO DE DADOS. Resumo: A estratégia de virtualização de servidores de banco de dados é uma tendência VIRTUALIZAÇÃO EM SERVIDORES DE BANCO DE DADOS Igor Lucas Coelho Santos 1 Iremar Nunes de Lima 2 Resumo: A estratégia de virtualização de servidores de banco de dados é uma tendência recente em Tecnologia

Leia mais

A Academia Brasileira de Letras diz que este verbete não existe.

A Academia Brasileira de Letras diz que este verbete não existe. Virtualização Virtualização? A Academia Brasileira de Letras diz que este verbete não existe. Virtual: Segundo o Dicionário da Língua Portuguesa, significa: adj (lat virtuale) 1- Que não existe como realidade,

Leia mais

Virtualização de Software

Virtualização de Software UNIVERSIDADE FEDERAL DE SANTA CATARINA DEPARTAMENTO DE INFORMÁTICA E ESTATÍSTICA CURSO DE BACHARELADO DE SISTEMAS DE INFORMAÇÃO Virtualização de Software Luana Sandrini Saft Trabalho de conclusão de curso

Leia mais

FTIN Formação Técnica em Informática. Sistema Operacional Proprietário Windows Prof. Walter Travassos

FTIN Formação Técnica em Informática. Sistema Operacional Proprietário Windows Prof. Walter Travassos FTIN Formação Técnica em Informática Sistema Operacional Proprietário Windows Prof. Walter Travassos Aula 01 SISTEMA OPERACIONAL PROPRIETÁRIO WINDOWS Competências do Módulo Instalação e configuração do

Leia mais

Máquinas Virtuais E eu com isso???

Máquinas Virtuais E eu com isso??? E eu com isso??? IV Ciclo de Palestras sobre Software Livre Daniel Antonio Fenrnandes Bojczuk Slide 1 de 27 Virtual: Existente apenas em potência ou como faculdade, não como realidade ou com efeito real

Leia mais

Avaliação do Uso de Xen em Ambientes de Computação de Alto Desempenho

Avaliação do Uso de Xen em Ambientes de Computação de Alto Desempenho Avaliação do Uso de Xen em Ambientes de Computação de Alto Desempenho Márcio Parise Boufleur Guilherme Piegas Koslovski Andrea Schwertner Charão LSC - Laboratório de Sistemas de Computação UFSM - Universidade

Leia mais

Introdução a Informática - 1º semestre AULA 02 Prof. André Moraes

Introdução a Informática - 1º semestre AULA 02 Prof. André Moraes Introdução a Informática - 1º semestre AULA 02 Prof. André Moraes 3 MÁQUINAS VIRTUAIS Em nossa aula anterior, fizemos uma breve introdução com uso de máquinas virtuais para emularmos um computador novo

Leia mais

Virtualização. Presente e futuro

Virtualização. Presente e futuro Virtualização Presente e futuro O que é virtualização? Virtualização é o processo de executar vários sistemas operacionais em uma única máquina. Cada máquina virtual é um ambiente completo e com todos

Leia mais

BRAlarmExpert. Software para Gerenciamento de Alarmes. BENEFÍCIOS obtidos com a utilização do BRAlarmExpert:

BRAlarmExpert. Software para Gerenciamento de Alarmes. BENEFÍCIOS obtidos com a utilização do BRAlarmExpert: BRAlarmExpert Software para Gerenciamento de Alarmes A TriSolutions conta com um produto diferenciado para gerenciamento de alarmes que é totalmente flexível e amigável. O software BRAlarmExpert é uma

Leia mais

Sistemas Operacionais

Sistemas Operacionais Sistemas Operacionais Aula 6 Estrutura de Sistemas Operacionais Prof.: Edilberto M. Silva http://www.edilms.eti.br Baseado no material disponibilizado por: SO - Prof. Edilberto Silva Prof. José Juan Espantoso

Leia mais

Consolidação inteligente de servidores com o System Center

Consolidação inteligente de servidores com o System Center Consolidação de servidores por meio da virtualização Determinação do local dos sistemas convidados: a necessidade de determinar o melhor host de virtualização que possa lidar com os requisitos do sistema

Leia mais

Tecnólogo em Análise e Desenvolvimento de Sistemas

Tecnólogo em Análise e Desenvolvimento de Sistemas Tecnólogo em Análise e Desenvolvimento de Sistemas O conteúdo deste documento tem como objetivos geral introduzir conceitos mínimos sobre sistemas operacionais e máquinas virtuais para posteriormente utilizar

Leia mais

11/3/2009. Software. Sistemas de Informação. Software. Software. A Construção de um programa de computador. A Construção de um programa de computador

11/3/2009. Software. Sistemas de Informação. Software. Software. A Construção de um programa de computador. A Construção de um programa de computador Sistemas de Informação Prof. Anderson D. Moura Um programa de computador é composto por uma seqüência de instruções, que é interpretada e executada por um processador ou por uma máquina virtual. Em um

Leia mais

Departamento de Tecnologia da Informação

Departamento de Tecnologia da Informação Xen - O case de virtualização da Alergs XIII Enial - Brasília Novembro/2010 DTI Superintendência Administrativa e Financeira Assembleia Legislativa do RS Tópicos abordados: A infraestrutura de TI Alergs

Leia mais

Organização e Arquitetura de Computadores I. de Computadores

Organização e Arquitetura de Computadores I. de Computadores Universidade Federal de Campina Grande Unidade Acadêmica de Sistemas e Computação Curso de Bacharelado em Ciência da Computação Organização e Arquitetura de Computadores I Organização Básica B de Computadores

Leia mais

Sistemas Operacionais

Sistemas Operacionais UNIVERSIDADE BANDEIRANTE DE SÃO PAULO INSTITUTO POLITÉCNICO CURSO DE SISTEMAS DE INFORMAÇÃO Sistemas Operacionais Notas de Aulas: Tópicos 7 e 8 Estrutura do Sistema Operacional São Paulo 2009 1 Sumário

Leia mais

A Evolução dos Sistemas Operacionais

A Evolução dos Sistemas Operacionais Capítulo 3 A Evolução dos Sistemas Operacionais Neste capítulo, continuaremos a tratar dos conceitos básicos com a intensão de construirmos, agora em um nível mais elevado de abstração, o entendimento

Leia mais

Sistemas Operacionais. Conceitos de um Sistema Operacional

Sistemas Operacionais. Conceitos de um Sistema Operacional Sistemas Operacionais Conceitos de um Sistema Operacional Modo usuário e Modo Kernel Como já vimos são ambientes de execução diferentes no processador Há um conjunto de funções privilegiadas acessadas

Leia mais

Máquinas Virtuais. Virtualização Tornar virtual. Exemplo comum de Virtualização PORTABILIDADE

Máquinas Virtuais. Virtualização Tornar virtual. Exemplo comum de Virtualização PORTABILIDADE Virtual: Existente apenas em potência ou como faculdade, não como realidade ou com efeito real Dicionário Houaiss Virtualização Tornar virtual Exemplo comum de Virtualização PORTABILIDADE Java Virtual

Leia mais

Virtualização. Hardware Virtual? Máquina Virtual? Software ou Hardware? Profº André Luiz andreluizsp@gmail.com

Virtualização. Hardware Virtual? Máquina Virtual? Software ou Hardware? Profº André Luiz andreluizsp@gmail.com Virtualização Hardware Virtual? Máquina Virtual? Software ou Hardware? Profº André Luiz andreluizsp@gmail.com O problema...... os departamentos de TI passaram a ter consciência de que os recursos como

Leia mais

Sistemas Operacionais 2014 Introdução. Alexandre Augusto Giron alexandre.a.giron@gmail.com

Sistemas Operacionais 2014 Introdução. Alexandre Augusto Giron alexandre.a.giron@gmail.com Sistemas Operacionais 2014 Introdução Alexandre Augusto Giron alexandre.a.giron@gmail.com Roteiro Sistemas Operacionais Histórico Estrutura de SO Principais Funções do SO Interrupções Chamadas de Sistema

Leia mais

Virtualização. P r e s e n t e e f u t u r o Andréa Garcia Trindade 2º. sem/2010. Virtualização Presente e Futuro

Virtualização. P r e s e n t e e f u t u r o Andréa Garcia Trindade 2º. sem/2010. Virtualização Presente e Futuro Virtualização P r e s e n t e e f u t u r o Andréa Garcia Trindade 2º. sem/2010 Virtualização Presente e Futuro 1 O que é virtualização? Virtualização é o processo de executar vários sistemas operacionais

Leia mais

ESTUDO DE CASO WINDOWS VISTA

ESTUDO DE CASO WINDOWS VISTA ESTUDO DE CASO WINDOWS VISTA História Os sistemas operacionais da Microsoft para PCs desktop e portáteis e para servidores podem ser divididos em 3 famílias: MS-DOS Windows baseado em MS-DOS Windows baseado

Leia mais

Sistemas Distribuídos. Professora: Ana Paula Couto DCC 064

Sistemas Distribuídos. Professora: Ana Paula Couto DCC 064 Sistemas Distribuídos Professora: Ana Paula Couto DCC 064 Questões Em uma rede de sobreposição (overlay), mensagens são roteadas de acordo com a topologia da sobreposição. Qual uma importante desvantagem

Leia mais

SISTEMAS OPERACIONAIS. Apostila 03 Estrutura do Sistema Operacional UNIBAN

SISTEMAS OPERACIONAIS. Apostila 03 Estrutura do Sistema Operacional UNIBAN SISTEMAS OPERACIONAIS Apostila 03 Estrutura do Sistema Operacional UNIBAN 1.0 O Sistema Operacional como uma Máquina Virtual A arquitetura (conjunto de instruções, organização de memória, E/S e estrutura

Leia mais

Arquitetura de Computadores. Introdução aos Sistemas Operacionais

Arquitetura de Computadores. Introdução aos Sistemas Operacionais Arquitetura de Computadores Introdução aos Sistemas Operacionais O que é um Sistema Operacional? Programa que atua como um intermediário entre um usuário do computador ou um programa e o hardware. Os 4

Leia mais

Sistema Operacional Unidade 4.2 - Instalando o Ubuntu Virtualizado

Sistema Operacional Unidade 4.2 - Instalando o Ubuntu Virtualizado Sistema Operacional Unidade 4.2 - Instalando o Ubuntu Virtualizado Curso Técnico em Informática SUMÁRIO INTRODUÇÃO... 3 CRIAÇÃO DA MÁQUINA VIRTUAL... 3 Mas o que é virtualização?... 3 Instalando o VirtualBox...

Leia mais

Sistemas Operacionais

Sistemas Operacionais Sistemas Operacionais SISTEMAS DE ARQUIVOS MACHADO/MAIA: CAPÍTULO 11 Prof. Pedro Luís Antonelli Anhanguera Educacional SISTEMAS DE ARQUIVOS - INTRODUÇÃO O armazenamento e a recuperação de informações é

Leia mais

INE651600 Sistemas Operacionais I

INE651600 Sistemas Operacionais I INE651600 Sistemas Operacionais I Thiago Machado Seminário sobre Virtualização de Sistemas Operacionais Virtualização Definição: Permite abstrair os recursos de hardware que uma máquina possui. Criando

Leia mais

SISTEMAS DISTRIBUÍDOS

SISTEMAS DISTRIBUÍDOS SISTEMAS DISTRIBUÍDOS Cluster, Grid e computação em nuvem Slide 8 Nielsen C. Damasceno Introdução Inicialmente, os ambientes distribuídos eram formados através de um cluster. Com o avanço das tecnologias

Leia mais

Máquinas Virtuais: Windows 2008 Server

Máquinas Virtuais: Windows 2008 Server Máquinas Virtuais: Windows 2008 Server André Luiz Silva de Moraes chameandre@gmail.com Faculdade Senac http://www.senacrs.com.br Feira das Oportunidades 04 de Maio de 2011 1 / 11 1 Conceitos Básicos Definições

Leia mais

Consolidação de Servidores com VMware

Consolidação de Servidores com VMware Herles da Silva Rangel Curso de Especialização em Redes e Segurança Pontifica Universidade Católica do Paraná (PUC-PR) Curitiba, Maio de 2009 Resumo O presente trabalho trata da implementação de uma proposta

Leia mais

Sistemas Distribuídos

Sistemas Distribuídos Sistemas Distribuídos Processos I: Threads, virtualização e comunicação via protocolos Prof. MSc. Hugo Souza Nesta primeira parte sobre os Processos Distribuídos iremos abordar: Processos e a comunicação

Leia mais

Admistração de Redes de Computadores (ARC)

Admistração de Redes de Computadores (ARC) Admistração de Redes de Computadores (ARC) Instituto Federal de Educação, Ciência e Tecnologia de Santa Catarina - Campus São José Prof. Glauco Cardozo glauco.cardozo@ifsc.edu.br RAID é a sigla para Redundant

Leia mais

Virtualização: Conceitos e Aplicações em

Virtualização: Conceitos e Aplicações em Virtualização: Conceitos e Aplicações em Segurança Marcos Laureano e Carlos Maziero Centro Universitário Franciscano Unifae Pontíficia Universidade Católica do Paraná Programa de Pós-Graduação em Informática

Leia mais

Visão do Sistema Operacional

Visão do Sistema Operacional Visão do Sistema Operacional programadores e analistas usuários programas, sistemas e aplicativos Usuários Sistema Operacional memória discos Hardware UCP fitas impressoras monitores O que é um Sistema

Leia mais

VIRTUALIZAÇÃO CONVENCIONAL

VIRTUALIZAÇÃO CONVENCIONAL VIRTUALIZAÇÃO CONVENCIONAL Sera usado o VirtualBox 5.0.8 a versão mais atual e estável da aplicação, para virtualização de um sistema Linux sobre a plataforma Windows. Para esse modelo pratico de virtualização

Leia mais

COORDENAÇÃO DE TECNOLOGIA (COTEC) ABRIL/2011

COORDENAÇÃO DE TECNOLOGIA (COTEC) ABRIL/2011 SERVIÇOS BÁSICOS DE TECNOLOGIA DA INFORMAÇÃO E COMUNICAÇÃO COORDENAÇÃO DE TECNOLOGIA (COTEC) ABRIL/2011 Rua do Rouxinol, N 115 / Salvador Bahia CEP: 41.720-052 Telefone: (71) 3186-0001. Email: cotec@ifbaiano.edu.br

Leia mais

Marcos Vinicios Marques Professor Cidão. Professor Marcelo Neves

Marcos Vinicios Marques Professor Cidão. Professor Marcelo Neves Virtualização Marcos Vinicios Marques Professor Cidão Professor Marcelo Neves Virtualizar??? Executar várias instâncias de um sistema operacional, ou vários sistemas operacionais em instâncias distintas,

Leia mais

O que é RAID? Tipos de RAID:

O que é RAID? Tipos de RAID: O que é RAID? RAID é a sigla para Redundant Array of Independent Disks. É um conjunto de HD's que funcionam como se fosse um só, isso quer dizer que permite uma tolerância alta contra falhas, pois se um

Leia mais

Virtualização e Consolidação de Centro de Dados O Caso da UTAD António Costa - acosta@utad.pt

Virtualização e Consolidação de Centro de Dados O Caso da UTAD António Costa - acosta@utad.pt Universidade de Trás-os-Montes e Alto Douro Virtualização e Consolidação de Centro de Dados O Caso da UTAD António Costa - acosta@utad.pt Agenda A UTAD Virtualização Uma definição Introdução e abrangência

Leia mais

ESCOLA SUPERIOR ABERTA DO BRASIL ESAB CURSO DE REDES DE COMPUTADORES MÁRCIO DA SILVA KLAUCK

ESCOLA SUPERIOR ABERTA DO BRASIL ESAB CURSO DE REDES DE COMPUTADORES MÁRCIO DA SILVA KLAUCK ESCOLA SUPERIOR ABERTA DO BRASIL ESAB CURSO DE REDES DE COMPUTADORES MÁRCIO DA SILVA KLAUCK VIRTUALIZAÇÃO DE SISTEMAS: Implementação com o VMware no Ambiente Servidor do Frigorífico Excelência VILA VELHA

Leia mais

Organização de Computadores 1

Organização de Computadores 1 Organização de Computadores 1 4 SUPORTE AO SISTEMA OPERACIONAL Prof. Luiz Gustavo A. Martins Sistema Operacional (S.O.) Programa responsável por: Gerenciar os recursos do computador. Controlar a execução

Leia mais

Desenvolvimento de um Simulador de Gerenciamento de Memória

Desenvolvimento de um Simulador de Gerenciamento de Memória Desenvolvimento de um Simulador de Gerenciamento de Memória Ricardo Mendes do Nascimento. Ciência da Computação Universidade Regional Integrada do Alto Uruguai e das Missões (URI) Santo Ângelo RS Brasil

Leia mais

Uso do Netkit no Ensino de Roteamento Estático

Uso do Netkit no Ensino de Roteamento Estático Uso do Netkit no Ensino de Roteamento Estático Nyl Marcos Soares Barbosa, Moisés Lima dos Anjos, Madianita Bogo Curso de Sistemas de Informação Centro universitário Luterano de Palmas (CEULP/ULBRA) Teotônio

Leia mais

Prevayler. Perola. André Luís Sales de Moraes Juliana Keiko Yamaguchi Tatiana Yuka Takaki

Prevayler. Perola. André Luís Sales de Moraes Juliana Keiko Yamaguchi Tatiana Yuka Takaki Prevayler Perola André Luís Sales de Moraes Juliana Keiko Yamaguchi Tatiana Yuka Takaki Prevayler Prevayler é a implementação em Java do conceito de Prevalência. É um framework que prega uma JVM invulnerável

Leia mais

Virtualização. Roberto de Beauclair Seixas rbs@impa.br

Virtualização. Roberto de Beauclair Seixas rbs@impa.br Virtualização Roberto de Beauclair Seixas rbs@impa.br News De acordo com a IDC, ela está a caminho de se tornar uma prática padrão entre as mil maiores empresas do mundo, listadas no ranking Fortune 1000.

Leia mais

Executando o Modo Windows XP com Windows Virtual PC

Executando o Modo Windows XP com Windows Virtual PC Executando o Modo Windows XP com Windows Virtual PC Um guia para pequenas empresas Conteúdo Seção 1: Introdução ao Modo Windows XP para Windows 7 2 Seção 2: Introdução ao Modo Windows XP 4 Seção 3: Usando

Leia mais

Softwares de Sistemas e de Aplicação

Softwares de Sistemas e de Aplicação Fundamentos dos Sistemas de Informação Softwares de Sistemas e de Aplicação Profª. Esp. Milena Resende - milenaresende@fimes.edu.br Visão Geral de Software O que é um software? Qual a função do software?

Leia mais

CST em Redes de Computadores

CST em Redes de Computadores CST em Redes de Computadores Serviços de Rede Aula 02 Virtualização e Instalação de Servidores Linux Prof: Jéferson Mendonça de Limas Introdução O que é Virtualização? Recurso que permite utilizar diversos

Leia mais

Servidores Virtuais. Um servidor à medida da sua empresa, sem investimento nem custos de manutenção.

Servidores Virtuais. Um servidor à medida da sua empresa, sem investimento nem custos de manutenção. es Virtuais Um servidor à medida da sua empresa, sem investimento nem custos de manutenção. O que são os es Virtuais? Virtual é um produto destinado a empresas que necessitam de um servidor dedicado ligado

Leia mais

COORDENAÇÃO DE TECNOLOGIA (COTEC) ABRIL/2011

COORDENAÇÃO DE TECNOLOGIA (COTEC) ABRIL/2011 SERVIÇOS ESPECIALIZADOS DE TECNOLOGIA DA INFORMAÇÃO E COMUNICAÇÃO COORDENAÇÃO DE TECNOLOGIA (COTEC) ABRIL/2011 Rua do Rouxinol, N 115 / Salvador Bahia CEP: 41.720-052 Telefone: (71) 3186-0001. Email: cotec@ifbaiano.edu.br

Leia mais

Guia de instalação UEG Linux 14.04 LTS

Guia de instalação UEG Linux 14.04 LTS 1. Apresentação O UEG Linux 14.04 LTS é um sistema operacional baseado em Linux e derivado do Ubuntu, customizado pela Gerência de Núcleo de Inovação Tecnológica da Universidade Estadual de Goiás para

Leia mais

Arquitetura de Sistemas Operacionais Machado/Maia. Arquitetura de Sistemas

Arquitetura de Sistemas Operacionais Machado/Maia. Arquitetura de Sistemas Arquitetura de Sistemas Operacionais Capítulo 4 Estrutura do Sistema Operacional Cap. 4 Estrutura do Sistema 1 Sistemas Operacionais Pitágoras Fadom Divinópolis Material Utilizado na disciplina Sistemas

Leia mais

MÁQUINAS VIRTUAIS: AVENTURE-SE SEM MEDO NO UNIVERSO GNU/LINUX *

MÁQUINAS VIRTUAIS: AVENTURE-SE SEM MEDO NO UNIVERSO GNU/LINUX * MÁQUINAS VIRTUAIS: AVENTURE-SE SEM MEDO NO UNIVERSO GNU/LINUX * Rodrigo Sacramento de Britto Almeida Instituto Federal de Educação, Ciência e Tecnologia Baiano RESUMO: Assim como os demais softwares livres,

Leia mais

Gerência de Memória RAM em Computadores com Mais de 4GB O sistema Windows x86 (32bits) não tem capacidade de reconhecer, fisicamente, mais que 3,X GB de RAM, a não ser que seja ativado, manualmente, o

Leia mais

Introdução a Computação

Introdução a Computação Sistemas Operacionais: Software Oculto Introdução a Computação Sistemas Operacionais Serve como um intermediário entre o hardware e os softwares aplicativos. Sistema Operacional Software de sistemas Kernel

Leia mais

Máquinas Virtuais com o VirtualBox

Máquinas Virtuais com o VirtualBox Máquinas Virtuais com o VirtualBox Marcos Elias Picão www.explorando.com.br No exemplo: Windows XP dentro do Windows 7 Você pode compartilhar livremente sem interesses comerciais, desde que não modifique.

Leia mais

Figura 01 Kernel de um Sistema Operacional

Figura 01 Kernel de um Sistema Operacional 01 INTRODUÇÃO 1.5 ESTRUTURA DOS SISTEMAS OPERACIONAIS O Sistema Operacional é formado por um Conjunto de rotinas (denominado de núcleo do sistema ou kernel) que oferece serviços aos usuários e suas aplicações

Leia mais

Hypervisor. Diego Souza Gomes 3 de maio de 2007

Hypervisor. Diego Souza Gomes 3 de maio de 2007 Hypervisor Diego Souza Gomes 3 de maio de 2007 Resumo As máquinas virtuais envolvem a criação de um sistema de computador totalmente em software. Usando-as, é possível hospedar vários computadores virtuais

Leia mais

Introdução aos Sistemas da InformaçãoAula 4 p. 1

Introdução aos Sistemas da InformaçãoAula 4 p. 1 Introdução aos Sistemas da Informação Aula 4 Ivan da Silva Sendin ivansendin@yahoo.com FACOM - Universidade Federal de Uberlândia Introdução aos Sistemas da InformaçãoAula 4 p. 1 Software O que é software?

Leia mais

OBJETIVOS DA APRESENTAÇÃO

OBJETIVOS DA APRESENTAÇÃO Institucional OBJETIVOS DA APRESENTAÇÃO Apresentar as vantagens de se trabalhar com Thin Clients Apresentar como funciona a tecnologia Server Based Computing, Virtualização de Desktop e Aplicativos EVOLUÇÃO

Leia mais