UMA PROFESSORA MUITO MALUQUINHA: A ARTE DE ENSINAR

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "UMA PROFESSORA MUITO MALUQUINHA: A ARTE DE ENSINAR"

Transcrição

1 Projeto Produções Literárias: divulgação no site de produções dos alunos, ex-alunos e professores do curso de Letras da Unisa. Publicação deste material: março/2010. UMA PROFESSORA MUITO MALUQUINHA: A ARTE DE ENSINAR Aline Ribeiro Rodrigues Gilsa Dorneles de Andrade Orientadora: Profª Drª Nery Reiner Resumo Uma professora muito maluquinha (PM) de Ziraldo Alves Pinto é uma obra de Literatura Infanto Juvenil, sendo assim, o autor utiliza uma linguagem simples. O foco principal desse artigo é traçar comentários acerca dos métodos da jovem professora para despertar o gosto pela leitura em seus alunos e sua prática pedagógica, baseados em Howard Gardner, Jussara Hoffmann, Pedro Demo e Rubem Alves. Abstract The title A Very little Crazy Teacher (Uma professora muito maluquinha PM - in Portuguese) from Ziraldo Alves Pinto is a book of Children and Youth Literature, and so the author uses simple language. The main focus of this paper is to draw comments on the methods of the young teacher to awaken a taste for reading in their students and Graduanda em Letras Licenciatura Português/Inglês. R.A Graduanda em Letras licenciatura Português/Inglês. R.A

2 her teaching, based on Howard Gardner, Jussara Hoffmann, Pedro Demo and Rubem Alves. Palavras-Chave: Professora Maluquinha; Ziraldo; Prática Pedagógica; Leitura. Key words: Crazy Teacher; Ziraldo; Pedagogic Practice; Reading. Considerações iniciais Ao ler a obra Uma professora muito maluquinha (PM), percebe-se que por trás da história o autor aborda o tema do prazer e o incentivo à leitura. Na 4ª capa do livro (2ª edição, março de 2010), Ziraldo afirma que estudar é muito importante, mas que já viveu o bastante para afirmar que ler é muito mais importante que estudar, deixando claro que esse é um dos temas abordados na obra. Com um olhar mais profundo, de educador, nota-se a intenção do autor em trabalhar a prática pedagógica. A Professora Maluquinha incentiva seus alunos à leitura. Para despertar o gosto pela mesma, utiliza vários métodos. No decorrer da leitura observa-se que os dois temas estão interligados. A leitura desta obra é muito prazerosa, tanto do ponto de vista infanto-juvenil, quanto do educador e até mesmo para os adultos. 1. Biografia do autor Ziraldo Alves Pinto é um cartunista, chargista, pintor, dramaturgo, escritor, cronista, desenhista e jornalista brasileiro. É criador de personagens famosos, como O Menino Maluquinho, e, atualmente, um dos mais conhecidos e aclamados escritores infantis do Brasil. Nasceu no ano de 1932, em Caratinga, Minas Gerais. Em 1960 publicou seu primeiro livro infantil: Flicts, que relata a história de uma cor que não encontrava seu lugar no mundo. Nesse livro, usou o máximo de cores e o mínimo de palavras. 2

3 A partir de 1979, passou a dedicar mais tempo à sua antiga paixão: escrever histórias para crianças. Nesse ano, publicou O Planeta Lilás, um poema de amor ao livro, em que mostra que ele é maior que o Universo, pois cabe inteirinho dentro de suas páginas. Em 1980, na Bienal do Livro de São Paulo, recebeu sua maior consagração como autor infantil, com o lançamento de O Menino Maluquinho. Esse livro se transformou no maior sucesso editorial da feira e ganhou o Prêmio Jabuti da Câmara Brasileira do Livro, em São Paulo. O Menino Maluquinho virou um verdadeiro símbolo do menino nacional. Sua arte faz parte do nosso cotidiano e pode ser identificada em logotipos famosos, ilustrações de livros e revistas, caixinhas de fósforos, que viraram itens de colecionadores, cartazes da Feira da Providência (no Rio) e do Ministério da Educação, centenas de camisetas e símbolos de campanhas públicas ou privadas. Ele está sempre envolvido em novos projetos. Ziraldo está inserido no Movimento Pós-Modernista que vai de 1945 até hoje. Em 1945, terminou a Segunda Guerra Mundial e foi o início da Era Atômica. Mais tarde, foi publicada a Declaração dos Direitos do Homem. Logo depois, teve inicio a Guerra Fria. No Brasil, ocorre o fim da ditadura de Getúlio Vargas e inicia-se a redemocratização brasileira. Convocam-se eleições gerais, os candidatos apresentam-se, os partidos são legalizados, sem exceção. Logo depois, começa um tempo de perseguições políticas, ilegalidades e exílios. Na literatura brasileira surgem características que se diferem do Modernismo após a década de 50. Os escritores que apareceram após a fase dinâmica do Modernismo são chamados, de alguns anos para cá, de Geração de 45. As principais características desse estilo são: intensificação do ludismo na criação literária, utilização deliberada da intertextualidade, ecletismo estilístico, exercício da metalinguagem, fragmentarismo textual, na narrativa há uma autoconsciência e autoreflexão, radicalização de posições antirracionalistas e antiburguesas. Algumas características do movimento presentes na obra são: o ludismo, linguagem simples e com desvios da norma culta: Ele já era mesmo muito velhinho, 3

4 tadinho... (PM, 2010: 90). Ao invés de escrever coitadinho, escreveu tadinho, como falamos no dia a dia. Também há intertextualidade, na p. 113 (PM, 2010), onde o autor inseriu uma citação de Tom Jobim: É impossível ser feliz sozinho. Outra característica é a história ser narrada por cinco personagens. 2. A obra 2.1 Visão Geral A obra Uma professora muito maluquinha (PM) foi publicada em 1995 pela Editora Melhoramentos, quando Ziraldo comemorava o 15º ano de convivência com a mesma. A ideia de escrever o livro surgiu quando professoras pediram para que o autor transformasse em livros suas ideias sobre a arte de ler e escrever e sobre as lembranças de uma professora que abriu seus olhos para o mundo. Segundo Ziraldo (PM, 2010: 119) o livro já estava pronto em sua cabeça e gavetas fazia bastante tempo, só faltava a forma, o jeito de escrever a história. Em abril de 1995 ele estava em Maputo, capital de Moçambique quando no meio da noite veio a resposta. Escreveu o livro todo naquela noite, mas só chegou ao texto definitivo em maio, já no Brasil. Faltando um pouco mais de um mês da data prevista para o lançamento do livro o autor entrou em pânico porque ele não sabe desenhar moça bonita, somente homens narigudos e mulheres boazudas 1, já que é um caricaturista. Pensou: não vai ter livro. Já estava em desespero quando a campainha tocou e entrou a Tereza de Paula Penna, irmã do Alceu Penna 2. Vinha com o sobrinho e trazia mais de cem ilustrações de seu irmão, além de vários álbuns encadernados com suas páginas de 1 Termo utilizado por Ziraldo para definir mulheres bonitas fisicamente (corpo escultural). 2 Um dos maiores ilustradores da imprensa brasileira. Ilustrou a revista O Cruzeiro ( ). 4

5 O Cruzeiro. Quando Ziraldo abriu a primeira página de um dos álbuns, a professora estava lá. O autor aprecia tanto as obras do Alceu Penna, que segundo ele sua Professora Maluquinha, é uma Garota do Alceu, pois ninguém pintou mulheres mais bonitas e parecidas com a mulher que nós sonhamos que as brasileiras são. A obra apresenta uma história narrada por cinco personagens: Athos, Porthos, Aramis, Dartagnan e Ana Maria Barcellos Pereira, alunos da Professora Maluquinha. Eles narram episódios que vivenciaram com a jovem. Ziraldo busca aproximar sua obra a um conto de fadas, convidando o leitor a entrar no seu mundo imaginário, como no inicio da história: Era uma vez uma professora maluquinha (PM, 2010:5). No desenrolar do texto, ele vai alimentando esta fantasia e para reforçar as virtudes da protagonista utiliza um recurso muito convincente: as imagens. O recurso das imagens é explorado a cada página, misturandose imagens e letras para que um complemente o outro, como por exemplo, no trecho: Ela era uma professora inimaginável (PM, 2010:11). Depois do texto há um desenho da Professora Maluquinha e a palavra imagina. Outro exemplo: os narradores contam como foi a primeira chamada e o autor ilustra esse momento (PM: 2010:23). A distribuição da escrita e das imagens apresenta a intencionalidade do autor, pois o texto localiza-se posicionado no rodapé ou na parte superior da página, enquanto as imagens estão no centro, dando a possibilidade de uma leitura mais emocionante com o olhar passando pela página, permitindo que o leitor leia e visualize as imagens, e assim tenha uma ideia mais real da história. Todas as personagens do livro são ilustradas: o Padre Velho, o Padreco, os cinco narradores, os trinta e três alunos, enfim, a obra é toda ilustrada, desde as personagens até os locais da cidade. Há a descrição em texto e em imagem: A cidade onde a professorinha vivia era assim: tinha a pracinha, a matriz e o cemitério no alto do morro; tinha o Padre Velho (que era tio dela) e o Padreco (que foi um menino que o Padre Velho criou); tinha as beatas e as solteironas (que davam notícias da cidade inteira). (...) tinha o cinema e o velho dono do cinema sentado na porta lendo seu jornal; tinha o colégio das irmãs (onde ela havia estudado para professora) e o ginásio municipal. (PM, 2010: 14) 5

6 Após a descrição em texto, há a ilustração de todo o cenário, inclusive, o velho dono do cinema sentado na porta lendo seu jornal (PM, 2010: 15). No decorrer da obra, ao descrever a Professora Maluquinha, o autor diz: em nossa imaginação... Na verdade é na imaginação dos narradores, pois com as imagens contidas no livro o leitor fica impedido de imaginar outra figura, já que lhe é apresentada uma forma para a personagem. Quando ele diz que a professora tinha estrelas no lugar do olhar (PM, 2010: 7) e apresenta-nos uma jovem com estrelas nos olhos, afirma que é assim que ela era, não permitindo outra interpretação ou imagem dela. Conforme o autor (PM, 2010), ela é assim na imaginação dos seus alunos (narradores da história) e já está construída na obra, desde os penteados, os gestos, o sorriso, os olhares, com pedaços de desenhos do Alceu Penna. Nas pgs. 8 e 9 (PM, 2010) têm uma descrição da Professora Maluquinha, mas claro que é na imaginação de quem narra: Tinha voz e jeito de sereia e vento o tempo todo nos cabelos (na nossa imaginação). Se não houvesse imagens o leitor poderia imaginar uma professora loira ou negra, baixa ou alta, magra ou gorda. Cada leitor imaginaria o seu modelo ideal de professora. As ilustrações que retratam a Professora Maluquinha são desenhos do Alceu Penna. As carinhas dos alunos, das pgs. 16 e 17 (PM, 2010) foram tiradas de ilustrações e anúncios de revistas da década de 1940, como O Tico-Tico, O Gibi, Era uma vez, Eu Sei Tudo, etc. A capa da Careta (PM, 2010: 28) é uma ilustração do José Carlos de Brito 3 e o desenho da p. 57 (PM, 2010) é do Millôr Fernandes 4. Ziraldo utilizou desenhos de pessoas que admirava para ilustrar o livro. Existe uma relação entre a obra e a vida do autor. A história se passa em meados da década de 1940 em uma cidade do interior, cujo nome não é citado, mas pelas características apresentadas, supõe-se que seja a cidade de Caratinga em Minas Gerais, onde concluiu o Científico (atual Ensino Médio). As palavras utilizadas no Jogo da Forca (PM, 2010: 27), são as mesmas que ele brincava na época do grupo escolar e garante que enforcou muito coleguinha e hoje não pegaria mais ninguém com pterodáctilo, porque os dinossauros estão na moda. Mas, diz que pegaria muita gente 3 Caricaturista, ilustrador e editor brasileiro ( ). 4 Desenhista, humorista, dramaturgo, escritor e tradutor brasileiro (1924). 6

7 com istmo. Outra passagem do livro relacionada com sua vida é o código alfabético utilizado pela Professora Maluquinha (PM, 2010: 111). O alfabeto existiu, foi inventado pela sua mãe. Observa-se mais uma vez a subjetividade do autor na obra A prática pedagógica da Professora Maluquinha Segundo Rubem Alves (1995) um professor é como um pinheiro: ele nasce em qualquer lugar e em grandes quantidades, porém ao ser cortado não deixa marca nenhuma... No entanto, um educador é como um carvalho, leva muito tempo para ficar pronto e mesmo que seja cortado, suas raízes são tão profundas que jamais será substituído. A Professora Maluquinha é uma educadora que deixou raízes tão profundas, que seus alunos resolveram contar sua história e no final do livro agradecem à vida pela professora inesquecível que tiveram, o que para eles foi um privilégio. Ziraldo transportou o tempo e o espaço didático pedagógico, pois levou o Construtivismo para a sala de aula na década de 40, período pós Segunda Guerra Mundial. Demonstrou conhecimento pedagógico, mesmo não sendo da área da educação, e fica explícito que ele vê o educador como um mediador do conhecimento. No livro, a professorinha é mediadora do conhecimento: não é que ela soubesse tudo, não sabia (PM, 2010: 60). Ela não sabia tudo, mas com suas aulas dinâmicas lançava o desafio e auxiliava os alunos na busca dos resultados. A jovem professora conseguiu responsabilizar os alunos pela disciplina na sala de aula através de um tribunal. Juntos, eles criaram as regras de convivência coletiva e quando alguém as desrespeitava, convocava-se um aluno para acusação, outro para defesa, um para juiz e os demais para júri, e assim decidiam se o acusado era culpado ou inocente. Com este procedimento, ela ensinava os alunos a exercitarem a cidadania na elaboração de regras de convivência coletiva, trabalhava a comunicação oral, produção de texto na defesa escrita, relacionamento interpessoal e responsabilidade. Como diz o ditado: qualquer semelhança é mera coincidência. Em Portugal, existe a Escola da Ponte que utilizava o tribunal como forma de manter a disciplina dos alunos em sala de aula, muito parecido com o tribunal citado na obra. Rubem Alves apaixonou-se por essa escola, devido às metodologias utilizadas na mesma: 7

8 Eu me encontrava num estado de perplexidade. Como explicar aquilo que eu via acontecendo? Ninguém falando alto, nenhuma professora pedindo silêncio, todos trabalhando, a música clássica. (...) Perguntei à menina: Mas vocês não tem alunos agressivos, indisciplinados, que gritam e perturbam a ordem? Temos. Mas para isso temos o tribunal de alunos. Quando um menino ou menina se comporta de maneira a perturbar a ordem nos termos que nós mesmos estabelecemos, o tribunal entra em ação e providências disciplinares são tomadas. (...) Uma escola onde os professores não são responsáveis pela disciplina. E nem o diretor é a instância punitiva última, para onde são enviados os desordeiros. É a comunidade das crianças que cuida disso. (ALVES, 2005: 52) Em 2001, Rubem Alves voltou à Escola da Ponte e o tribunal não existia mais. Fora abolido pela assembléia. Percebeu-se que ele era uma instância de punição e não de recuperação. Hoje, há uma comissão de ajuda. Quando algum aluno começa a apresentar problemas de comportamento, essa comissão se adianta e nomeia colegas para ajudá-lo com a missão de estar sempre por perto do aluno. E, quando se percebe que ele vai fazer algo inadequado, os colegas entram em ação para tentar dissuadi-lo. Com esse fato, conclui-se que um educador deve ser criativo e avaliar a sua própria prática pedagógica, porque muitas vezes, determinados procedimentos dão com uma turma e com outra não, portanto eles devem ser aperfeiçoados ou até mesmo abolidos. A tecnologia já estava presente nas aulas da Professora Maluquinha, quando ela faz uso da máquina com as poesias, demonstrando o conhecimento que possui e da necessidade de aproximar sua prática pedagógica a realidade dos alunos, e ensiná-los a fazer bom uso dessa tecnologia. Pedro Demo diz: Temos com a tecnologia uma relação sui generis. Mesmo sendo meio e criatura nossa, ela acaba se impondo como fator decisivo de mudança, por ser ao mesmo tempo, resultado e promotor de mudança. (...) Não se trata de simplesmente aplaudir tais transformações. Ao contrário, do ponto de vista educacional, há sempre que sopesar do que se 8

9 trata ao final. Crescentemente, processos de aprendizagem se envolvem com novas tecnologias, obrigando as instituições educacionais e a pedagogia a se reverem radicalmente. (DEMO, 2009: 5 e 6) Ou seja, a tecnologia está presente na realidade dos alunos, mas não basta apenas usá-la, tem que conhecê-la para fazer um bom uso. A escola e seus professores não podem comparecer neste cenário (novas tecnologias) como mera resistência, tanto porque é inútil (computador e internet vieram para ficar), quanto porque se perde oportunidade decisiva. Não cabe o determinismo tecnológico, porque sociedade e tecnologia se condicionam reciprocamente. Mas é preciso perceber o andar dos tempos. Como educação insiste em afirmar que está à frente dos tempos, seria de se esperar que não se esconda em velharias, como é o atual instrucionismo vigente. Papel decisivo detém o professor: a qualidade de sua aprendizagem é condição decisiva da qualidade da aprendizagem do aluno. Ele precisa, mas que de críticas, de oportunidade tecnológica. (DEMO, 2010: Disponível em: <http://pedrodemo.sites.uol.com.br/textos/td10.html>). Na obra, não é retratado o uso de computadores, IPods, MP3, entre outras tecnologias, porque na década de 40 essas tecnologias ainda não estavam tão presentes no Brasil, mas a Professora Maluquinha lançava mão do que dispunha na época e usava da melhor forma possível. Uma passagem do livro conta que apesar dos filmes demorarem anos para chegarem até a cidadezinha, um dia chegou Cleópatra, a Rainha do Nilo. A jovem levou os alunos ao cinema para o assistirem e durante semanas só falaram nele, e os próprios alunos afirmaram que estavam conhecendo mais História Universal do que todas as coisas escritas no livro adotado pela escola. Utilizando das tecnologias ela conseguiu que os alunos lessem e gostassem de poesia e que aprendessem um pouco sobre História Universal. Há uma preocupação didática, onde o autor apresenta a aula adequada e a postura ideal de uma professora que consegue agradar e ensinar, porque ela tem uma habilidade necessária para o ofício do professor: a arte de despertar o interesse e prender a atenção dos alunos, que com muita facilidade absorvem o conteúdo e adquirem o conhecimento. Desenvolver o prazer pela leitura era possível graças à diversidade de gêneros textuais que os alunos da professorinha tinham contato: É que a gente ficava vendo nossas revistinhas, nossos Ticos-Ticos e gibis. Já tinha menino lendo até Tarzan ou 9

10 Espírito, além de outras revistas que ela mesma trazia de casa para nos emprestar (PM, 2010: 44). Eles liam diversos textos sem nenhuma cobrança ou teste após a leitura. Conteúdos desconectados da realidade do aluno e sem significados são desinteressantes e difíceis de assimilar. A professora da obra ensinava História e Geografia contextualizando com a vida, assim ficava mais fácil de aprender: (...) ninguém pode ir aos lugares dos seus sonhos sem saber onde eles ficam e a história que tem (PM, 2010: 60). Ao organizar a excursão ao ginásio para o Padre Velho falar sobre História para os alunos (PM, 2010: 61), mais uma vez ela valorizou a diversidade, demonstrando respeito pelo idoso, imputando-lhe sabedoria adquirida nos seus muitos anos de vida. A Professora Maluquinha não aplicava prova para os alunos, pois acreditava que todos tinham condições de passar de ano: Antes que o ano terminasse, ela procurou a diretora e falou com segurança: Com as minhas crianças não vai ser preciso fazer provas. Todas têm condições de passar de ano. (PM, 2010: 92). Ela não fazia uma prova conteudista, avaliava continuamente. Essa avaliação está de acordo com Jussara Hoffmann (2006). Em seu livro Avaliação Mediadora, no qual ela cita uma experiência feita por professores de uma Escola Municipal de Porto Alegre, onde eles aboliram a prática de realização de provas pelas crianças com dias marcados, realizando, ao invés disso, várias tarefas menores e sucessivas para serem analisadas pelo professores, sem a preocupação de atribuir notas ou conceitos a essas tarefas, analisando o desenvolvimento dos alunos ao longo do processo. Esse procedimento está no dia a dia da Professora Maluquinha. Ela incentiva seus alunos a lerem, utilizando vários métodos e no dia em que a Ana Maria diz: Professora onde a gente pode ler mais sobre isso? (PM, 2010: 66), ela fica tão feliz e diz que isso era tudo que ela queria ouvir. Não foi através de provas, que ela conseguiu o progresso de seus alunos. Acompanhou o processo de aprendizagem e por esse motivo o resultado foi tão satisfatório. Para Jussara Hoffmann (2006) uma prática mediadora em construção pressupõe: Oportunizar aos alunos muitos momentos de expressar suas ideias; Oportunizar discussão entre os alunos a partir de situações desencadeadoras; 10

11 Realizar várias tarefas individuais, menores e sucessivas, investigando teoricamente, procurando entender razões para as respostas apresentadas pelos estudantes; Ao invés do certo/errado e da atribuição de pontos, fazer comentários sobre as tarefas dos alunos, auxiliando-os a localizar as dificuldades, oferecendo-lhes oportunidades de descobrirem melhores soluções; Transformar os registros de avaliação em anotações significativas sobre o acompanhamento dos alunos em seu processo de construção de conhecimento. Nas entrelinhas da obra, observa-se que a professorinha praticava muitas das propostas avaliativas sugeridas pela estudiosa citada acima. Por exemplo, para observar a especificidade de cada criança, provavelmente utilizou do recurso de registros e análise, para a partir disto, replanejar suas aulas A questão da subjetividade nas tarefas avaliativas está explícita na prática da Professora Maluquinha, conforme Hoffmann (2006). Cada atividade apresentada revela uma intenção pedagógica da discente, sejam atividades orais ou escritas. Observa-se uma relação entre professor e aluno. Suas aulas mostram o domínio que possui do assunto tratado e das possibilidades dos alunos realizarem. Como nas aulas de Geografia, que os leva a sonhar com lugares que gostariam de visitar e a partir do conhecimento prévio que tem do lugar, parte para as atividades propriamente ditas. O exemplo citado acima, também está de acordo com Rubem Alves: Há muita sabedoria pedagógica nos ditos populares. Como naquele que diz: É fácil levar a égua no meio do ribeirão. O difícil é convencer ela a beber a água... De fato: se a égua não estiver com sede, ela não beberá a água por mais que se dono a surre...mas, se estiver com sede, ela, por vontade própria, tomará a iniciativa de ir até ao ribeirão. Aplicado à educação: é fácil obrigar o aluno a ir à escola. O difícil é convencê-lo a aprender aquilo que ele não quer aprender. (ALVES, 2005: 10) Segundo Gardner (2007), os indivíduos possuem diferentes potencialidades individuais e diversos estilos cognitivos e isso traz implicações educacionais. A identificação destas potencialidades e dificuldades num ponto inicial é imprescindível, 11

12 pois para elaborar o planejamento é preciso considerar essas diferenças. A oferta de um currículo uniforme para todos é duvidoso com alunos com tantas diferenças. A professorinha valoriza a individualidade de cada um. Com um olhar sensível percebe e valoriza o potencial de cada aluno, assim, propõe situações didáticas nas quais todos possam ser premiados por suas habilidades e competências: (...) Então, passou a ter concurso todas as semanas. Os mais estranhos junto com os mais normais: a melhor redação, a voz mais grossa, o melhor desenhista, a melhor mão para plantar flor, o melhor cantor, o mais engraçado, o que tinha a melhor memória... Só agora percebemos que, primeiro, ela descobria uma qualidade destacável em um de nós e aí, então, inventava o concurso, segura de quem seria o vencedor. No fim do ano, todo mundo tinha ganhado uma medalha. (PM, 2010: 82 e 83) O autor crítica o ensino tradicional por meio das personagens carrancudas e sérias: a diretora e professoras. Não há passagem de indisciplina e a questão do limite também não aparece na história. O limite é visto como a ideia de conquistar o que não está no alcance das crianças, superação de dificuldades e deixa de lado o que é ou não permitido fazer sobre o ponto de vista do adulto. Dessa forma, a Professora Maluquinha atingiu a perfeição tão almejada por muitos educadores Sugestões de como trabalhar a obra em sala de aula É possível utilizar a obra em sala de aula. Uma sugestão de atividade é usar o livro com intuito de que o aluno desperte o prazer pela leitura, já que este é um dos temas principais da obra. Nessa atividade, pode-se avaliar de acordo com a Jussara Hoffmann (2006), sem provas com datas marcadas, com questões ditas de interpretação de texto, mas na realidade são decorebas do livro, e sim, com um debate em sala de aula sobre a leitura feita, onde o educador tentará estimular os alunos a exporem sua opinião e a aprender a respeitar as dos demais parceiros. Outra sugestão é explorar primeiro o texto sem as imagens em situações de leitura, interpretação do texto e peça teatral. 12

13 Após a leitura do texto sem as imagens, pode-se solicitar que os alunos produzam textos e até imagens de como seria na imaginação deles as personagens e cenário da história. Cada produção deverá ser socializada com a sala, para que todos possam perceber como um mesmo tema tem significados diferentes para cada um. Mais uma alternativa é solicitar que os alunos produzam um texto no qual descrevam qual o tipo de escola e professora eles consideram ideal e comparem a escola em que estudam com a da obra de Ziraldo. Enfim, há diversas maneiras de utilizar a obra em sala de aula, basta o educador ter criatividade e força de vontade. Considerações finais Por meio da obra Uma professora Muito Maluquinha, do escritor Ziraldo, observa-se a importância de se ter um olhar mais profundo no processo ensinoaprendizagem ressaltando o incentivo á leitura e o bom relacionamento aluno-professor, que terão um desafio de comprometimento mútuo. Ao ler esta obra logo se vê que o autor chama a atenção para o comprometimento do educador em relação à metodologia e a postura com a realidade educacional, que poderá ser melhorada através de suas ações. Portanto, vê-se um ideal de leitores, através da inovação do professor, sobretudo no Brasil, em que o educador tem que lecionar quase que gratuitamente por amor a profissão, assim como na obra de Ziraldo, a professora maluquinha teve que dar aulas em casa oferecendo bolsas gratuitas para aqueles que não tinham condições de pagar pelas aulas particulares e ainda ofertar lanche a garotada. Sendo assim, o livro em questão é muito importante no incentivo à leitura, visto que faz uso de uma linguagem simples, porém, reflexiva e metafórica para proferir acerca da figura do professor, dos métodos arcaicos e novos, e consequentemente, da função do educador, sobretudo em um país periférico que não tem o hábito da leitura. 13

14 Faz-se necessário a consciência da responsabilidade por parte do gestor, tendo a clareza da dificuldade de organizar uma sala de aula, a partir de um trabalho pautado na parceria, o que é algo muito difícil. Somente através de um comprometimento de todos os envolvidos que estão na área, haverá o surgimento de um novo projeto pedagógico principalmente em relação á leitura, e assim o fortalecimento que resultará em soluções para o problema da educação nas instituições. Outra questão fundamental na obra Uma Professora Muito Maluquinha (Ziraldo, 2010), foi a questão do relacionamento interpessoal dela e todos que a rodeavam, não havia um trabalho isolado e nem centralizado o que havia era participação e democracia. Desse modo podemos notar que o relacionamento pautado na unidade e igualdade tem uma maior possibilidade de inserir valores nas escolas, principalmente a pública valorizando a participação coletiva diante de uma sociedade que anseia mudanças e melhorias de forma igualitária. Ao nos reportarmos á obra em si percebemos principalmente em relação a visão do autor de que o individuo precisa do outro para melhorar.a cumplicidade é muito relevante no processo de aprendizagem, professor-aluno compartilhando juntos as mesmas idéias, desejos e derrotas, crescendo e aprendendo em conjunto. Essas realizações somente serão concretizadas de fato se houver um compromisso do educador e aluno e através da comunhão de idéias, comunicação aberta e o abandono do tradicionalismo e o desejo pelo novo. Referências Bibliografias: ALVES, Rubem. Estórias de quem gosta de ensinar. São Paulo: Ars Poética, ALVES, Rubem. O desenho de ensinar e a arte de aprender. 2 Ed.Campinas, São Paulo: Educar Dpaschoal, p. 14

15 DEMO, Pedro. Educação hoje: "Novas" tecnologias, pressões e oportunidades. São Paulo: Atlas, p. GARDNER, Howard. Inteligências Múltiplas: A teoria na prática. Porto Alegre: Artmed, p. HOFFMANN, Jussara. Avaliação mediadora: Uma prática em construção da préescola à universidade. 25. Ed. Porto Alegre: Mediação, p. PINTO, Ziraldo Alves. Uma Professora Muito Maluquinha. 2. Ed. São Paulo: Melhoramentos, p. TERRA, Ernani; NICOLA, José de. Português: De olho no mundo do trabalho. 2 Ed. São Paulo: Scipione, p. Sites: DEMO, Pedro. Textos discutíveis - Tecnologia em educação. Disponível em: <http://pedrodemo.sites.uol.com.br/textos/td10.html>. Acesso em: 29 maio EDUCACIONAL, Portal (Org.). Biografia detalhada: Ziraldo Alves Pinto. Disponível em: <www.educacional.com.br/ziraldo/biografia/detalhada.asp>. Acesso em: 25 ago LITERATURA, Site de (Org.). Pós-Modernismo. Disponível em: <www.sitedeliteratura.com/litbras/pos_modernismo.htm>. Acesso em: 24 out PINTO, Ziraldo Alves. Biografia: Ziraldo Alves Pinto. Disponível em: <www.ziraldo.com.br>. Acesso em: 29 ago UOL (Org.). Pós-Modernismo no Brasil. Disponível em: <http://recantodasletras.uol.com.br/teorialiteraria/502710>. Acesso em: 24 out

Sistema de Ensino CNEC. 1 o ano Ensino Fundamental Data: / / Nome:

Sistema de Ensino CNEC. 1 o ano Ensino Fundamental Data: / / Nome: 1 o ano Ensino Fundamental Data: / / Nome: -06a-34s-at-04 Língua Portuguesa Produção e Interpretação Leia um trecho do livro Uma professora muito maluquinha, de Ziraldo. Era uma vez uma professora maluquinha.

Leia mais

PROPOSTA PEDAGÓGICA. Elaborada por Ana Carolina Carvalho

PROPOSTA PEDAGÓGICA. Elaborada por Ana Carolina Carvalho PROPOSTA PEDAGÓGICA Elaborada por Ana Carolina Carvalho PROPOSTA PEDAGÓGICA Crianças do Brasil Suas histórias, seus brinquedos, seus sonhos elaborada por ANA CAROLINA CARVALHO livro de JOSÉ SANTOS ilustrações

Leia mais

Cara Professora, Caro Professor,

Cara Professora, Caro Professor, A olhinhos menina de rasgados Cara Professora, Caro Professor, Estamos oferecendo a você e a seus alunos um belo livro de narrativa A menina de olhinhos rasgados, do premiado autor mineiro Vanderlei Timóteo.

Leia mais

Uma narrativa, uma história e um imaginário. Fernanda Cielo* 1

Uma narrativa, uma história e um imaginário. Fernanda Cielo* 1 Uma narrativa, uma história e um imaginário. Fernanda Cielo* 1 Meu nome é Maria Bonita, sou mulher de Vírgulino Ferreira- vulgo Lampiãofaço parte do bando de cangaceiros liderados por meu companheiro.

Leia mais

As 11 dúvidas mais frequentes

As 11 dúvidas mais frequentes As 11 dúvidas mais frequentes Deyse Campos Assessora de Educação Infantil dcampos@positivo.com.br Frequentemente recebemos solicitações de professores de escolas que estão utilizando o Sistema Positivo

Leia mais

Letramento: Um ano de histórias

Letramento: Um ano de histórias 1 Letramento: Um ano de histórias Joyce Morais Pianchão 1 RESUMO Ensinar a ler e escrever é a meta principal da escola. E para que todos exerçam seus direitos, exercendo com dignidade a sua cidadania na

Leia mais

Na sala de aula com as crianças

Na sala de aula com as crianças O CD Rubem Alves Novas Estórias, volume 3, abre novas janelas de oportunidade para quem gosta da literatura. Através do audiolivro podemos apreciar encantadoras histórias e deixar fluir a imaginação. Rubem

Leia mais

Disponível em: http://www.portacurtas.com.br/filme.asp?cod=2844

Disponível em: http://www.portacurtas.com.br/filme.asp?cod=2844 Filme: Juro que vi: O Curupira Gênero: Animação Diretor: Humberto Avelar Ano: 2003 Duração: 11 min Cor: Colorido Bitola: 35mm País: Brasil Disponível em: http://www.portacurtas.com.br/filme.asp?cod=2844

Leia mais

Xixi na Cama. Cara Professora, Caro Professor,

Xixi na Cama. Cara Professora, Caro Professor, Xixi na Cama Cara Professora, Caro Professor, Estamos oferecendo a você e a seus alunos mais um livro da coleção Revoluções: Xixi na Cama, do autor mineiro Drummond Amorim. Junto com a obra, estamos também

Leia mais

Projeto Conto de Fadas

Projeto Conto de Fadas Projeto Conto de Fadas 1. Título: Tudo ao contrário 2. Dados de identificação: Nome da Escola: Escola Municipal Santo Antônio Diretora: Ceriana Dall Mollin Tesch Coordenadora do Projeto: Mônica Sirtoli

Leia mais

A CONTRIBUIÇÃO DO PIBID PARA INOVAR AS PRÁTICAS DE LEITURA E ESCRITA NO ENSINO MÉDIO. PALAVRAS CHAVE: PIBID, Interação, Construção, Leitura, Projeto.

A CONTRIBUIÇÃO DO PIBID PARA INOVAR AS PRÁTICAS DE LEITURA E ESCRITA NO ENSINO MÉDIO. PALAVRAS CHAVE: PIBID, Interação, Construção, Leitura, Projeto. A CONTRIBUIÇÃO DO PIBID PARA INOVAR AS PRÁTICAS DE LEITURA E ESCRITA NO ENSINO MÉDIO Fabiana Maria da Silva Nascimento 1 Fabiana Pereira de Oliveira 2 Prof.Esp.Gleison Carlos Souza de Morais 3 Prof. Ma.

Leia mais

Projeto Pedagógico 1

Projeto Pedagógico 1 Projeto Pedagógico 1 16/08/13 09:17 Projeto Pedagógico Por Beatriz Tavares de Souza* Roseana Murray Apresentação O livro narra a história sobre um velho casarão cobiçado pela família, por causa do valor

Leia mais

Projeto Lendo desde Pequeninos : Uma Biblioteca na Escola de Educação Infantil

Projeto Lendo desde Pequeninos : Uma Biblioteca na Escola de Educação Infantil Projeto Lendo desde Pequeninos : Uma Biblioteca na Escola de Educação Infantil - Justificativa: O projeto Lendo desde Pequeninos : Uma Biblioteca na Escola de Educação Infantil iniciou no segundo semestre

Leia mais

Palavras-chave: LEITURA E ESCRITA, CIDADANIA, PROTAGONISMO SOCIAL. OFICINA PALAVRA MAGICA DE LEITURA E ESCRITA

Palavras-chave: LEITURA E ESCRITA, CIDADANIA, PROTAGONISMO SOCIAL. OFICINA PALAVRA MAGICA DE LEITURA E ESCRITA OFICINA PALAVRA MAGICA DE LEITURA E ESCRITA ELAINE CRISTINA TOMAZ SILVA (FUNDAÇÃO PALAVRA MÁGICA). Resumo A Oficina Palavra Mágica de Leitura e Escrita, desenvolvida pela Fundação Palavra Mágica, é um

Leia mais

Feira do livro: acesso ao livro, descoberta da leitura.

Feira do livro: acesso ao livro, descoberta da leitura. Feira do livro: acesso ao livro, descoberta da leitura. Helgair Kretschmer Aguirre (Graduanda em Licenciatura em Letras/Unipampa Bagé) Sheyla de Jesus Meireles Teixeira (Graduanda em Licenciatura em Letras/Unipampa

Leia mais

O PAPEL DOS OS ESPAÇOS PEDAGÓGICOS ESCOLARES NO DESENOLVIMENTO SUSTENTÁVEL DAS PRÁTICAS DE LEITURA

O PAPEL DOS OS ESPAÇOS PEDAGÓGICOS ESCOLARES NO DESENOLVIMENTO SUSTENTÁVEL DAS PRÁTICAS DE LEITURA O PAPEL DOS OS ESPAÇOS PEDAGÓGICOS ESCOLARES NO DESENOLVIMENTO SUSTENTÁVEL DAS PRÁTICAS DE LEITURA Resumo SAMPAIO, Wany Bernardete de Araujo 1 - UNIR Grupo de Trabalho Práticas e Estágios nas Licenciaturas

Leia mais

SECRETARIA DE EDUCAÇÃO A DISTÂNCIA SEED/MEC UNIVERSIDADE FEDERAL DO RIO GRANDE PROGRAMA DE FORMAÇÃO CONTINUADA MÍDIAS NA EDUCAÇÃO.

SECRETARIA DE EDUCAÇÃO A DISTÂNCIA SEED/MEC UNIVERSIDADE FEDERAL DO RIO GRANDE PROGRAMA DE FORMAÇÃO CONTINUADA MÍDIAS NA EDUCAÇÃO. SECRETARIA DE EDUCAÇÃO A DISTÂNCIA SEED/MEC UNIVERSIDADE FEDERAL DO RIO GRANDE PROGRAMA DE FORMAÇÃO CONTINUADA MÍDIAS NA EDUCAÇÃO Ieda Maria Alves de Souza Laura Jane Pereira Fernandes Lia Jussara Leães

Leia mais

Projetos. Outubro 2012

Projetos. Outubro 2012 Projetos Outubro 2012 Assunto de gente grande para gente pequena. No mês de outubro os brasileiros foram às urnas para eleger prefeitos e vereadores e a Turma da Lagoa não poderia ficar fora deste grande

Leia mais

UNIVERSIDADE ESTADUAL DO RIO GRANDE DO SUL CURSO: PEDAGOGIA PROJETO DE INTERVENÇÃO PEDAGÓGICA

UNIVERSIDADE ESTADUAL DO RIO GRANDE DO SUL CURSO: PEDAGOGIA PROJETO DE INTERVENÇÃO PEDAGÓGICA UNIVERSIDADE ESTADUAL DO RIO GRANDE DO SUL CURSO: PEDAGOGIA PROJETO DE INTERVENÇÃO PEDAGÓGICA I. Dados de Identificação: Escola:Escola Estadual Arthur Damé Professor (a): Professora supervisora do Pibid:

Leia mais

3º Ano. O amor é paciente. I Coríntios 13:4. Roteiro Semanal de Atividades de Casa (15 a 19 de abril de 2013)

3º Ano. O amor é paciente. I Coríntios 13:4. Roteiro Semanal de Atividades de Casa (15 a 19 de abril de 2013) 3º Ano O amor é paciente. I Coríntios 13:4 Roteiro Semanal de Atividades de Casa (15 a 19 de abril de 2013) 18 de Abril - Dia Nacional do Livro Infantil conhecimento. Nos livros aprendemos sobre nós mesmos

Leia mais

A IMPORTÂNCIA DAS ATIVIDADES LÚDICAS NO PPROCESSO DE ALFABETIZAÇÃO NOS ANOS INICIAIS DO ENSINO FUNDAMENTAL

A IMPORTÂNCIA DAS ATIVIDADES LÚDICAS NO PPROCESSO DE ALFABETIZAÇÃO NOS ANOS INICIAIS DO ENSINO FUNDAMENTAL A IMPORTÂNCIA DAS ATIVIDADES LÚDICAS NO PPROCESSO DE Resumo ALFABETIZAÇÃO NOS ANOS INICIAIS DO ENSINO FUNDAMENTAL NICOLITTO, Mayara Cristina UEPG maycris_nic@hotmail.com CAMPOS, Graziela Vaneza de UEPG

Leia mais

TÍTULO: A EDUCAÇÃO SOB O OLHAR DE RUBEM ALVES CATEGORIA: EM ANDAMENTO ÁREA: CIÊNCIAS HUMANAS E SOCIAIS SUBÁREA: PEDAGOGIA

TÍTULO: A EDUCAÇÃO SOB O OLHAR DE RUBEM ALVES CATEGORIA: EM ANDAMENTO ÁREA: CIÊNCIAS HUMANAS E SOCIAIS SUBÁREA: PEDAGOGIA TÍTULO: A EDUCAÇÃO SOB O OLHAR DE RUBEM ALVES CATEGORIA: EM ANDAMENTO ÁREA: CIÊNCIAS HUMANAS E SOCIAIS SUBÁREA: PEDAGOGIA INSTITUIÇÃO: UNIÃO DAS FACULDADES DOS GRANDES LAGOS AUTOR(ES): ALINE MILANE DE

Leia mais

CONCEPÇÕES MATEMÁTICA APRESENTADAS POR PROFESSORES DO CURSO DE ESPECIALIZAÇÃO EM PSICOPEDAGOGIA

CONCEPÇÕES MATEMÁTICA APRESENTADAS POR PROFESSORES DO CURSO DE ESPECIALIZAÇÃO EM PSICOPEDAGOGIA CONCEPÇÕES MATEMÁTICA APRESENTADAS POR PROFESSORES DO CURSO DE ESPECIALIZAÇÃO EM PSICOPEDAGOGIA Jacqueline Oliveira de Melo Gomes Faculdade de Formação de Professores da Mata Sul / FAMASUL-PE jacomgomes@yahoo.com.br

Leia mais

LEITURA E LITERATURA NA FORMAÇÃO DA CRIANÇA

LEITURA E LITERATURA NA FORMAÇÃO DA CRIANÇA LEITURA E LITERATURA NA FORMAÇÃO DA CRIANÇA Suellen Lopes 1 Graduação Universidade Estadual de Londrina su.ellen23@hotmail.com Rovilson José da Silva 2 Universidade Estadual de Londrina rovilson@uel.br

Leia mais

SECRETARIA DE EDUCAÇÃO, CULTURA E DES PORTO

SECRETARIA DE EDUCAÇÃO, CULTURA E DES PORTO CONCURSO: 2013 QUALIDADE EM GESTÃO E QUALIDADE NA PRÁTICA DA DOCÊNCIA GREICIANE KRUMM QUALIDADE NA PRÁTICA DOCÊNCIA PRESIDENTE GETÚLIO 2013 GREICIANE KRUMM Experiência apresentada para Associação dos Municípios

Leia mais

BIBLIOTECA VIVA: PLANTANDO LEITURA, COLHENDO CIDADÃOS

BIBLIOTECA VIVA: PLANTANDO LEITURA, COLHENDO CIDADÃOS BIBLIOTECA VIVA: PLANTANDO LEITURA, COLHENDO CIDADÃOS Justificativa O Projeto de Extensão Biblioteca Viva: plantando leitura, colhendo cidadãos, aprovado no Edital Interno de Financiamento de Projetos

Leia mais

APRENDENDO PORTUGUÊS COM AS MÍDIAS. Competência Leitora na 5ª série

APRENDENDO PORTUGUÊS COM AS MÍDIAS. Competência Leitora na 5ª série APRENDENDO PORTUGUÊS COM AS MÍDIAS Competência Leitora na 5ª série O QUE É AVALIAÇÃO EM PROCESSO? Ação fundamentada no Currículo Oficial da SEE, que propõe acompanhamento coletivo e individualizado dos

Leia mais

Circuito de Oficinas: Mediação de Leitura em Bibliotecas Públicas

Circuito de Oficinas: Mediação de Leitura em Bibliotecas Públicas Circuito de Oficinas: Mediação de Leitura em Bibliotecas Públicas outubro/novembro de 2012 A leitura mediada na formação do leitor. Professora Marta Maria Pinto Ferraz martampf@uol.com.br A leitura deve

Leia mais

ALFABETIZAÇÃO INTERDISCIPLINAR COM A LENDA DO BOTO RESUMO

ALFABETIZAÇÃO INTERDISCIPLINAR COM A LENDA DO BOTO RESUMO ALFABETIZAÇÃO INTERDISCIPLINAR COM A LENDA DO BOTO RESUMO Cristina Maria da Silva Lima cris86lima@yahoo.com.br Diana Gonçalves dos Santos dianasantos07@gmail.com (IEMCI/UFPA) Este estudo apresenta um relato

Leia mais

DIFICULDADES DE LEITURA E ESCRITA: REFLEXÕES A PARTIR DA EXPERIÊNCIA DO PIBID

DIFICULDADES DE LEITURA E ESCRITA: REFLEXÕES A PARTIR DA EXPERIÊNCIA DO PIBID DIFICULDADES DE LEITURA E ESCRITA: REFLEXÕES A PARTIR DA EXPERIÊNCIA DO PIBID BARROS, Raquel Pirangi. SANTOS, Ana Maria Felipe. SOUZA, Edilene Marinho de. MATA, Luana da Mata.. VALE, Elisabete Carlos do.

Leia mais

PRÁTICAS ALTERNATIVAS DE AVALIAÇÃO NA EDUCAÇÃO INFANTIL: O PORTFÓLIO EM DESTAQUE

PRÁTICAS ALTERNATIVAS DE AVALIAÇÃO NA EDUCAÇÃO INFANTIL: O PORTFÓLIO EM DESTAQUE UNIVERSIDADE FEDERAL DE UBERLÂNDIA 4ª Semana do Servidor e 5ª Semana Acadêmica 2008 UFU 30 anos PRÁTICAS ALTERNATIVAS DE AVALIAÇÃO NA EDUCAÇÃO INFANTIL: O PORTFÓLIO EM DESTAQUE Fernanda Duarte Araújo Silva

Leia mais

GUIA PARA OS PAIS. Ensino fundamental 1º ANO

GUIA PARA OS PAIS. Ensino fundamental 1º ANO GUIA PARA OS PAIS Ensino fundamental 2015 Apresentação O Colégio Itamarati foi fundado em 1988 e desenvolve um trabalho centrado na capacidade de aprendizagem do aluno, em sintonia com as formulações mais

Leia mais

RELENDO A HISTÓRIA AO LER HISTÓRIAS

RELENDO A HISTÓRIA AO LER HISTÓRIAS RELENDO A HISTÓRIA AO LER HISTÓRIAS BRASÍLIA ECHARDT VIEIRA (CENTRO DE ATIVIDADES COMUNITÁRIAS DE SÃO JOÃO DE MERITI - CAC). Resumo Na Baixada Fluminense, uma professora que não está atuando no magistério,

Leia mais

Como é a criança de 4 a 6 anos

Como é a criança de 4 a 6 anos de 4 a 6 anos Como é a criança Brinque: lendo histórias, cantando e desenhando. A criança se comunica usando frases completas para dizer o que deseja e sente, dar opiniões, escolher o que quer. A criança

Leia mais

PROJETO ANIMAIS. 1. Tema: O mundo dos animais. Área de abrangência: 2. Duração: 01/06 a 30/06. 3. Apresentação do projeto:

PROJETO ANIMAIS. 1. Tema: O mundo dos animais. Área de abrangência: 2. Duração: 01/06 a 30/06. 3. Apresentação do projeto: PROJETO ANIMAIS 1. Tema: O mundo dos animais Área de abrangência: (x) Movimento (x) Musicalização (x) Artes Visuais (x) Linguagem Oral e Escrita (x) Natureza e Sociedade (x) Matemática 2. Duração: 01/06

Leia mais

Alfabetização e Letramento

Alfabetização e Letramento Alfabetização e Letramento Material Teórico A Escrita no Processo de Alfabetização Responsável pelo Conteúdo e Revisor Textual: Profª. Ms Denise Jarcovis Pianheri Unidade A Escrita no Processo de Alfabetização

Leia mais

DICA PEDAGÓGICA EDUCAÇÃO INFANTIL

DICA PEDAGÓGICA EDUCAÇÃO INFANTIL DICA PEDAGÓGICA EDUCAÇÃO INFANTIL 1 TÍTULO DO PROGRAMA Balinha e Dentinho. 2 EPISÓDIO TRABALHADO Conhecendo o Rosquinha. 3 SINOPSE DO EPISÓDIO ESPECÍFICO Balinha e Dentinho encontram um cachorro perdido

Leia mais

MIRIAM PORTELA. Onde andará Alegria?

MIRIAM PORTELA. Onde andará Alegria? Leitor iniciante Leitor em processo Leitor fluente MIRIAM PORTELA Onde andará Alegria? ILUSTRAÇÕES: GRAÇA LIMA PROJETO DE LEITURA Maria José Nóbrega Rosane Pamplona De Leitores e Asas MARIA JOSÉ NÓBREGA

Leia mais

Eixo Temático Practica Pedagogicas e Inovaciones. Projeto Escrevendo Cartas de verdade!

Eixo Temático Practica Pedagogicas e Inovaciones. Projeto Escrevendo Cartas de verdade! Eixo Temático Practica Pedagogicas e Inovaciones Projeto Escrevendo Cartas de verdade! Maria Augusta H. W. Ribeiro 1 Luciane Parente Gramasco 2 Resumo: Neste trabalho, relatamos a minha experiência como

Leia mais

DICA PEDAGÓGICA EDUCAÇÃO INFANTIL

DICA PEDAGÓGICA EDUCAÇÃO INFANTIL DICA PEDAGÓGICA EDUCAÇÃO INFANTIL 1. TÍTULO DO PROGRAMA Connie, a Vaquinha 2. EPISÓDIO(S) TRABALHADO(S): A Ponte 3. SINOPSE DO(S) EPISÓDIO(S) ESPECÍFICO(S) O episódio A Ponte faz parte da série Connie,

Leia mais

"A felicidade consiste em preparar o futuro, pensando no presente e esquecendo o passado se foi triste"

A felicidade consiste em preparar o futuro, pensando no presente e esquecendo o passado se foi triste "A felicidade consiste em preparar o futuro, pensando no presente e esquecendo o passado se foi triste" John Ruskin "O Instituto WCF-Brasil trabalha para promover e defender os direitos das crianças e

Leia mais

Duração: Aproximadamente um mês. O tempo é flexível diante do perfil de cada turma.

Duração: Aproximadamente um mês. O tempo é flexível diante do perfil de cada turma. Projeto Nome Próprio http://pixabay.com/pt/cubo-de-madeira-letras-abc-cubo-491720/ Público alvo: Educação Infantil 2 e 3 anos Disciplina: Linguagem oral e escrita Duração: Aproximadamente um mês. O tempo

Leia mais

OS DOZE TRABALHOS DE HÉRCULES

OS DOZE TRABALHOS DE HÉRCULES OS DOZE TRABALHOS DE HÉRCULES Introdução ao tema A importância da mitologia grega para a civilização ocidental é tão grande que, mesmo depois de séculos, ela continua presente no nosso imaginário. Muitas

Leia mais

COMO AVALIAR O TEXTO LITERÁRIO CRITÉRIOS DE ANÁLISE

COMO AVALIAR O TEXTO LITERÁRIO CRITÉRIOS DE ANÁLISE COMO AVALIAR O TEXTO LITERÁRIO CRITÉRIOS DE ANÁLISE Literatura Infantil aspectos a serem desenvolvidos A natureza da Literatura Infanto-Juvenil está na Literatura e esta é uma manifestação artística. Assim,

Leia mais

JOGOS NO ENSINO DA MATEMÁTICA: UMA EXPERIÊNCIA NA FORMAÇÃO INICIAL COM A DISCIPLINA OFICINA DE MATEMÁTICA EM PARCERIA COM O PIBID

JOGOS NO ENSINO DA MATEMÁTICA: UMA EXPERIÊNCIA NA FORMAÇÃO INICIAL COM A DISCIPLINA OFICINA DE MATEMÁTICA EM PARCERIA COM O PIBID JOGOS NO ENSINO DA MATEMÁTICA: UMA EXPERIÊNCIA NA FORMAÇÃO INICIAL COM A DISCIPLINA OFICINA DE MATEMÁTICA EM PARCERIA COM O PIBID Cléia Ferreira da Costa da Matta Universidade Federal do Acre - UFAC libriana34@hotmail.com

Leia mais

BASE NACIONAL COMUM CURRICULAR DA EDUCAÇÃO INFANTIL

BASE NACIONAL COMUM CURRICULAR DA EDUCAÇÃO INFANTIL BASE NACIONAL COMUM CURRICULAR DA EDUCAÇÃO INFANTIL 1988 CONSTITUIÇÃO FEDERAL ANTECEDENTES Art. 210. Serão fixados conteúdos mínimos para o ensino fundamental, de maneira a assegurar formação básica comum

Leia mais

COMPREENSÃO DA ESCRITA ENTRE CRIANÇAS PEQUENAS. Texto na íntegra

COMPREENSÃO DA ESCRITA ENTRE CRIANÇAS PEQUENAS. Texto na íntegra COMPREENSÃO DA ESCRITA ENTRE CRIANÇAS PEQUENAS TOLEDO, Daniela Maria de (Mestranda) RODRIGUES, Maria Alice de Campos (Orientadora); UNESP FCLAr Programa de Pós-Graduação em Educação Escolar CAPES Texto

Leia mais

Uma Biblioteca e a vontade de formar leitores.

Uma Biblioteca e a vontade de formar leitores. Uma Biblioteca e a vontade de formar leitores. Prof. Ms. Deisily de Quadros (FARESC) deisily@uol.com.br Graduando Mark da Silva Floriano (FARESC) markfloriano@hotmail.com Resumo: Este artigo apresenta

Leia mais

PROPORCIONANDO UMA APRENDIZAGEM DINÂMICA E CONTEXTUALIZADA A PARTIR DO GÊNERO TEXTUAL MÚSICA

PROPORCIONANDO UMA APRENDIZAGEM DINÂMICA E CONTEXTUALIZADA A PARTIR DO GÊNERO TEXTUAL MÚSICA PROPORCIONANDO UMA APRENDIZAGEM DINÂMICA E CONTEXTUALIZADA A PARTIR DO GÊNERO TEXTUAL MÚSICA RAVENA FLÁVIA MEDEIROS DE FREITAS, POLIANA SALDANHA DE SOUSA, PATRICIA FERREIRA DOS SANTOS, AIVONEIDE DE OLIVEIRA

Leia mais

A IMPORTÂNCIA DO LÚDICO NA APRENDIZAGEM DOS ALUNOS NOS ANOS INICIAIS RESUMO

A IMPORTÂNCIA DO LÚDICO NA APRENDIZAGEM DOS ALUNOS NOS ANOS INICIAIS RESUMO A IMPORTÂNCIA DO LÚDICO NA APRENDIZAGEM DOS ALUNOS NOS ANOS INICIAIS RESUMO Marcelo Moura 1 Líbia Serpa Aquino 2 Este artigo tem por objetivo abordar a importância das atividades lúdicas como verdadeiras

Leia mais

A ESCOLA E O LIVRO INFANTIL NA FORMAÇÃO DO GOSTO LITERÁRIO

A ESCOLA E O LIVRO INFANTIL NA FORMAÇÃO DO GOSTO LITERÁRIO A ESCOLA E O LIVRO INFANTIL NA FORMAÇÃO DO GOSTO LITERÁRIO Sílvia Cristina Fernandes Paiva 1 Ana Arlinda Oliveira 2 A leitura literária na escola Podemos afirmar que a leitura é fundamental para construção

Leia mais

PROGRAMA DE METODOLOGIA DO ENSINO DE LÍNGUA PORTUGUESA 11ª Classe

PROGRAMA DE METODOLOGIA DO ENSINO DE LÍNGUA PORTUGUESA 11ª Classe PROGRAMA DE METODOLOGIA DO ENSINO DE LÍNGUA PORTUGUESA 11ª Classe Formação de Professores para o Pré-Escolar e para o Ensino Primário Opção: Ensino Primário Ficha Técnica Título Programa de Metodologia

Leia mais

Descobrindo o que a criança sabe na atividade inicial Regina Scarpa 1

Descobrindo o que a criança sabe na atividade inicial Regina Scarpa 1 1 Revista Avisa lá, nº 2 Ed. Janeiro/2000 Coluna: Conhecendo a Criança Descobrindo o que a criança sabe na atividade inicial Regina Scarpa 1 O professor deve sempre observar as crianças para conhecê-las

Leia mais

PROJETOS CULTURAIS ELEIÇÕES. 5 0 a O - fu dame tal. Votar é uma forma de lutar pelos nossos direitos. Justificativa

PROJETOS CULTURAIS ELEIÇÕES. 5 0 a O - fu dame tal. Votar é uma forma de lutar pelos nossos direitos. Justificativa ELEIÇÕES ELEIÇÕES 5 0 a O - fu dame tal Votar é uma forma de lutar pelos nossos direitos. Justificativa PROJETOS CULTURAIS Estamos em época de eleições, em tempo de discutir ideias para fazer a melhor

Leia mais

A criança preocupada. Claudia Mascarenhas Fernandes

A criança preocupada. Claudia Mascarenhas Fernandes A criança preocupada Claudia Mascarenhas Fernandes Em sua época Freud se perguntou o que queria uma mulher, devido ao enigma que essa posição subjetiva suscitava. Outras perguntas sempre fizeram da psicanálise

Leia mais

SECRETARIA ESTADUAL DE EDUCAÇÃO DE MATO GROSSO SEDUC CENTRO DE FORMAÇÃO E APERFEIÇOAMENTO DE PROFESSORES CEFAPRO ESCOLA ESTADUAL DE EDUCAÇÃO BÁSICA

SECRETARIA ESTADUAL DE EDUCAÇÃO DE MATO GROSSO SEDUC CENTRO DE FORMAÇÃO E APERFEIÇOAMENTO DE PROFESSORES CEFAPRO ESCOLA ESTADUAL DE EDUCAÇÃO BÁSICA SECRETARIA ESTADUAL DE EDUCAÇÃO DE MATO GROSSO SEDUC CENTRO DE FORMAÇÃO E APERFEIÇOAMENTO DE PROFESSORES CEFAPRO ESCOLA ESTADUAL DE EDUCAÇÃO BÁSICA ANDRÉ ANTÔNIO MAGGI SACOLA MÁGICA E LATA LITERÁRIA Claudia

Leia mais

PROJETO DE LEITURA PRÉ-LEITURA

PROJETO DE LEITURA PRÉ-LEITURA PROJETO DE LEITURA PRÉ-LEITURA ATIVIDADES ANTERIORES À LEITURA INTENÇÃO: LEVANTAR HIPÓTESES SOBRE A AUTORA, SOBRE O LIVRO, INSTIGAR A CURIOSIDADE E AMPLIAR O REPERTÓRIO DO ALUNO Para o professor Ou isto

Leia mais

PRÁTICAS DE LEITURA E ESCRITA POR MEIO DE TEMA GERADOR NAS SERIES INICIAIS DO ENSINO FUNDAMENTAL

PRÁTICAS DE LEITURA E ESCRITA POR MEIO DE TEMA GERADOR NAS SERIES INICIAIS DO ENSINO FUNDAMENTAL PRÁTICAS DE LEITURA E ESCRITA POR MEIO DE TEMA GERADOR NAS SERIES INICIAIS DO ENSINO FUNDAMENTAL Kecia Karine Santos de Oliveira Mestranda (UFS) INTRODUÇÃO O artigo aqui proposto tem o objetivo de abordar

Leia mais

A RELAÇÃO DO CUIDAR-EDUCAR NA EDUCAÇÃO INFANTIL Carla Ariana Passamani Telles 1 Franciele Clair Moreira Leal 2 Zelma Santos Borges 3.

A RELAÇÃO DO CUIDAR-EDUCAR NA EDUCAÇÃO INFANTIL Carla Ariana Passamani Telles 1 Franciele Clair Moreira Leal 2 Zelma Santos Borges 3. Resumo A RELAÇÃO DO CUIDAR-EDUCAR NA EDUCAÇÃO INFANTIL Carla Ariana Passamani Telles 1 Franciele Clair Moreira Leal 2 Zelma Santos Borges 3 O trabalho apresentado é um relato de experiência que foi desenvolvida

Leia mais

Formação de PROFESSOR EU ME DECLARO CRIANÇA

Formação de PROFESSOR EU ME DECLARO CRIANÇA Formação de PROFESSOR EU ME DECLARO CRIANÇA 1 Especial Formação de Professor Por Beatriz Tavares de Souza* Apresentação O livro apresenta os princípios da Declaração Universal dos Direitos da Criança.

Leia mais

IFA MIRIM PROJETO: LEIA PARA MIM!

IFA MIRIM PROJETO: LEIA PARA MIM! IFA MIRIM PROJETO: LEIA PARA MIM! Meus filhos terão computadores, sim, mas antes terão livros. Sem livros, sem leitura, os nossos filhos serão incapazes de escrever - inclusive a sua própria história.

Leia mais

Autor (a): Januária Alves

Autor (a): Januária Alves Nome do livro: Crescer não é perigoso Editora: Gaivota Autor (a): Januária Alves Ilustrações: Nireuda Maria Joana COMEÇO DO LIVRO Sempre no fim da tarde ela ouvia no volume máximo uma musica, pois queria

Leia mais

Afetividade: Caminho pada a aprendizagem

Afetividade: Caminho pada a aprendizagem PEREIRA, Maria José de Araújo 1 GOLÇALVES, Renata 2 Afetividade: Caminho pada a aprendizagem 12 RESUMO Este artigo tem como objetivo investigar a importância da afetividade na aprendizagem, identificando

Leia mais

LINGUAGEM ESCRITA NA EDUCAÇÃO INFANTIL: FORMAS DE CONHECER O MUNDO

LINGUAGEM ESCRITA NA EDUCAÇÃO INFANTIL: FORMAS DE CONHECER O MUNDO LINGUAGEM ESCRITA NA EDUCAÇÃO INFANTIL: FORMAS DE CONHECER O MUNDO SILVA, Hayana Crislayne Benevides da. Graduanda Pedagogia - UEPB/Campus I hayana_benevides@yahoo.com.br SILVA, Alzira Maria Lima da. Graduanda

Leia mais

ampliação dos significados. conhecedor fruidor decodificador da obra de arte

ampliação dos significados. conhecedor fruidor decodificador da obra de arte Comunicação O ENSINO DAS ARTES VISUAIS NO CONTEXTO INTERDISCIPLINAR DA ESCOLA ALMEIDA, Maria Angélica Durães Mendes de VASONE, Tania Abrahão SARMENTO, Colégio Hugo Palavras-chave: Artes visuais Interdisciplinaridade

Leia mais

AS CRIANÇAS E SUAS NARRATIVAS AUDIOVISUAIS: UMA PESQUISA EM PROCESSO Renata Gazé UNIRIO

AS CRIANÇAS E SUAS NARRATIVAS AUDIOVISUAIS: UMA PESQUISA EM PROCESSO Renata Gazé UNIRIO AS CRIANÇAS E SUAS NARRATIVAS AUDIOVISUAIS: UMA PESQUISA EM PROCESSO Renata Gazé UNIRIO Resumo Hoje muitas crianças convivem com narrativas audiovisuais na tv, no cinema e na Internet. Como se relacionam

Leia mais

LEITURA E ESCRITA: O LÚDICO NO ESPAÇO ESCOLAR

LEITURA E ESCRITA: O LÚDICO NO ESPAÇO ESCOLAR LEITURA E ESCRITA: O LÚDICO NO ESPAÇO ESCOLAR Katia Maria de Oliveira CUSTODIO, Ketulem Cristina Vieira ARANTES, Ducéria TARTUCI, Maria Marta Lopes FLORES. Ângela Aparecida DIAS Departamento de Educação,UFG

Leia mais

O BRINCAR, A BRINCADEIRA, O JOGO, A ATIVIDADE LÚDICA E A PROPOSTA PEDAGÓGICA PARA A EDUCAÇÃO INFANTIL

O BRINCAR, A BRINCADEIRA, O JOGO, A ATIVIDADE LÚDICA E A PROPOSTA PEDAGÓGICA PARA A EDUCAÇÃO INFANTIL O BRINCAR, A BRINCADEIRA, O JOGO, A ATIVIDADE LÚDICA E A PROPOSTA PEDAGÓGICA PARA A EDUCAÇÃO INFANTIL Josiane Lima Zanata (Seduc) josianezanata@hotmail.com Ivani Souza Mello (UFMT) ivanimello1@hotmail.com

Leia mais

ESCOLA, LEITURA E A INTERPRETAÇÃO TEXTUAL- PIBID: LETRAS - PORTUGUÊS

ESCOLA, LEITURA E A INTERPRETAÇÃO TEXTUAL- PIBID: LETRAS - PORTUGUÊS ESCOLA, LEITURA E A INTERPRETAÇÃO TEXTUAL- PIBID: LETRAS - PORTUGUÊS RESUMO Juliana Candido QUEROZ (Bolsista) 1 ; Natália SILVA (Bolsista) 2, Leila BRUNO (Supervisora) 3 ; Sinval Martins S. FILHO (Coordenador)

Leia mais

Cadernos do CNLF, Vol. XVII, Nº 04. Rio de Janeiro: CiFEFiL, 2013.

Cadernos do CNLF, Vol. XVII, Nº 04. Rio de Janeiro: CiFEFiL, 2013. 122 Círculo Fluminense de Estudos Filológicos e Linguísticos LER, ESCREVER E REESCREVER NO ENSINO MÉDIO POR MEIO DOS CLÁSSICOS DA LITERATURA BRASILEIRA José Enildo Elias Bezerra (IFAP) enildoelias@yahoo.com.br

Leia mais

LER E ESCREVER: APRENDER COM O LÚDICO

LER E ESCREVER: APRENDER COM O LÚDICO LER E ESCREVER: APRENDER COM O LÚDICO Inês Aparecida Costa QUINTANILHA; Lívia Matos FOLHA; Dulcéria. TARTUCI; Maria Marta Lopes FLORES. Reila Terezinha da Silva LUZ; Departamento de Educação, UFG-Campus

Leia mais

Palavras chave: Teatro Criatividade Espontaneidade - Imaginação

Palavras chave: Teatro Criatividade Espontaneidade - Imaginação INOVAÇÃO E CRIATIVIDADE NA ESCOLA: O MÉTODO DRAMÁTICO E IMAGINAÇÃO CRIATIVA NA ESCOLA Nayara Lopes Botelho Acadêmica de Artes Cênicas do IFTO Campus Gurupi nayara_lb@hotmail.com Resumo. Edna Maria Cruz

Leia mais

Leya Leituras Projeto de Leitura

Leya Leituras Projeto de Leitura Leya Leituras Projeto de Leitura Nome do livro: JAPĨĨ E JAKÃMĨ Uma história de amizade Autor: Yaguarê Yamã Nacionalidade do autor: Brasileira Currículo do autor: Escritor, professor e artista plástico

Leia mais

A RELAÇÃO ENTRE A TEORIA E A PRÁTICA NO ENSINO DE ARTE NA ESCOLA

A RELAÇÃO ENTRE A TEORIA E A PRÁTICA NO ENSINO DE ARTE NA ESCOLA A RELAÇÃO ENTRE A TEORIA E A PRÁTICA NO ENSINO DE ARTE NA ESCOLA Rivaldo Bevenuto de Oliveira Neto Departamento de Artes UFRN RESUMO O ensino de Arte é a educação que oportuniza ao aluno o acesso à Arte

Leia mais

Projeto EI São José do Rio Preto Assessoria: Debora Rana e Silvana Augusto 2 o encontro: 09 de abril de 2014 *Anotações do Grupo de CPs da manhã

Projeto EI São José do Rio Preto Assessoria: Debora Rana e Silvana Augusto 2 o encontro: 09 de abril de 2014 *Anotações do Grupo de CPs da manhã Projeto EI São José do Rio Preto Assessoria: Debora Rana e Silvana Augusto 2 o encontro: 09 de abril de 2014 *Anotações do Grupo de CPs da manhã Pauta de encontro Olá coordenadoras, mais uma vez estaremos

Leia mais

LITERATURA INFANTIL E JUVENIL E A FORMAÇÃO DE LEITORES NA BIBLIOTECA ESCOLAR. Lília Santos

LITERATURA INFANTIL E JUVENIL E A FORMAÇÃO DE LEITORES NA BIBLIOTECA ESCOLAR. Lília Santos LITERATURA INFANTIL E JUVENIL E A FORMAÇÃO DE LEITORES NA BIBLIOTECA ESCOLAR Lília Santos NA BIBLIOTECA ESCOLAR, a MEDIAÇÃO com crianças e jovens acontece o tempo todo. É preciso ter atenção com os conteúdos

Leia mais

ESTÁGIO SUPERVISIONADO EM EDUCAÇÃO INFANTIL: RELATOS DE EXPERIÊNCIAS DA PRÁTICA DOCENTE

ESTÁGIO SUPERVISIONADO EM EDUCAÇÃO INFANTIL: RELATOS DE EXPERIÊNCIAS DA PRÁTICA DOCENTE 1 ESTÁGIO SUPERVISIONADO EM EDUCAÇÃO INFANTIL: RELATOS DE EXPERIÊNCIAS DA PRÁTICA DOCENTE Natália Maria G. Dantas de Santana- UAE/CFP/UFCG Mayrla Marla Lima Sarmento-UAE/CFP/UFCG Maria Thaís de Oliveira

Leia mais

PROJETO DE LEITURA CESTA LITERÁRIA

PROJETO DE LEITURA CESTA LITERÁRIA Escola de Ensino Médio João Barbosa Lima PROJETO DE LEITURA CESTA LITERÁRIA DESPERTANDO O GOSTO PELA LEITURA E A ARTE DE ESCREVER Projeto na Sala de PCA da Área de Linguagens e Códigos PROEMI -Programa

Leia mais

A vez e a voz das crianças

A vez e a voz das crianças 119 outubro de 2010-ESPECIAL CRIANÇA PARA LER NO AR A vez e a voz das crianças Às vésperas de 12 de outubro, Dia das Crianças, eu convido você, ouvinte, a refletir sobre os direitos das meninas e meninos

Leia mais

Valores Educacionais. Aula 4 Respeito pelos Outros

Valores Educacionais. Aula 4 Respeito pelos Outros Valores Educacionais Aula 4 Respeito pelos Outros Objetivos 1 Apresentar o valor Respeito pelos Outros. 2 Indicar possibilidades de aplicação pedagógica do valor Respeito pelos Outros. Introdução Esta

Leia mais

Histórico do livro Menino brinca de boneca?

Histórico do livro Menino brinca de boneca? Histórico do livro Menino brinca de boneca? Menino brinca de boneca? foi lançado em 1990, com grande aceitação de público e crítica, e vem sendo referência de trabalho para profissionais, universidades,

Leia mais

Para pensar o. livro de imagens. Para pensar o Livro de imagens

Para pensar o. livro de imagens. Para pensar o Livro de imagens Para pensar o livro de imagens ROTEIROS PARA LEITURA LITERÁRIA Ligia Cademartori Para pensar o Livro de imagens 1 1 Texto visual Há livros compostos predominantemente por imagens que, postas em relação,

Leia mais

Apropriação da Leitura e da Escrita. Elvira Souza Lima. (transcrição)

Apropriação da Leitura e da Escrita. Elvira Souza Lima. (transcrição) Apropriação da Leitura e da Escrita Elvira Souza Lima (transcrição) Nós estamos num momento de estatísticas não muito boas sobre a alfabetização no Brasil. Mas nós temos que pensar historicamente. Um fato

Leia mais

CONSTRUÇÃO DA DOCÊNCIA NA EDUCAÇÃO INFANTIL OU NOS ANOS INICIAIS DO EF / EJA

CONSTRUÇÃO DA DOCÊNCIA NA EDUCAÇÃO INFANTIL OU NOS ANOS INICIAIS DO EF / EJA 1 FACULDADE DE EDUCAÇÃO, CIÊNCIAS E LETRAS CURSO DE PEDAGOGIA TRABALHO ACADÊMICO INTERDISCIPLINAR VII: CONSTRUÇÃO DA DOCÊNCIA NA EDUCAÇÃO INFANTIL OU NOS ANOS INICIAIS DO EF / EJA Autor: Rejane Beatriz

Leia mais

O guarda-chuva do guarda

O guarda-chuva do guarda Leitor iniciante Leitor em processo Leitor fluente BARTOLOMEU CAMPOS DE QUEIRÓS O guarda-chuva do guarda ILUSTRAÇÕES: ELISABETH TEIXEIRA PROJETO DE LEITURA Luísa Nóbrega Maria José Nóbrega O guarda-chuva

Leia mais

LITERATURA PARA TODOS: UMA EXPERIÊNCIA DE OFICINAS DE LEITURA NA AMAZÔNIA

LITERATURA PARA TODOS: UMA EXPERIÊNCIA DE OFICINAS DE LEITURA NA AMAZÔNIA 1 LITERATURA PARA TODOS: UMA EXPERIÊNCIA DE OFICINAS DE LEITURA NA AMAZÔNIA Maria de Nazaré da Silva Correa Jediã F. Lima Maria do Carmo S. Pacheco Maria do P. Socorro R. de Lima Maria Rita Brasil Raiolanda

Leia mais

A LEITURA E ESCRITA NO ENSINO DE LÍNGUA PORTUGUESA. Palavras Chave: Leitura; Escrita; Ensino de Língua Portuguesa.

A LEITURA E ESCRITA NO ENSINO DE LÍNGUA PORTUGUESA. Palavras Chave: Leitura; Escrita; Ensino de Língua Portuguesa. 1 A LEITURA E ESCRITA NO ENSINO DE LÍNGUA PORTUGUESA Darlan Machado DORNELES 1 Universidade Federal do Acre (UFAC) darlan.ufac@yahoo.com.br Resumo: A partir de observações assistemáticas feitas durante

Leia mais

IV EDIPE Encontro Estadual de Didática e Prática de Ensino 2011 A IMPORTÂNCIA DAS ARTES NA FORMAÇÃO DAS CRIANÇAS DA EDUCAÇÃO INFANTIL

IV EDIPE Encontro Estadual de Didática e Prática de Ensino 2011 A IMPORTÂNCIA DAS ARTES NA FORMAÇÃO DAS CRIANÇAS DA EDUCAÇÃO INFANTIL A IMPORTÂNCIA DAS ARTES NA FORMAÇÃO DAS CRIANÇAS DA EDUCAÇÃO INFANTIL Marília Darc Cardoso Cabral e Silva 1 Tatiane Pereira da Silva 2 RESUMO Sendo a arte uma forma do ser humano expressar seus sentimentos,

Leia mais

GT 10 - EXPERIENCIAS DE LEITURAS EM ESPAÇOS ESCOLARES E NÃO ESCOLARES

GT 10 - EXPERIENCIAS DE LEITURAS EM ESPAÇOS ESCOLARES E NÃO ESCOLARES GT 10 - EXPERIENCIAS DE LEITURAS EM ESPAÇOS ESCOLARES E NÃO ESCOLARES A CONTAÇÃO DE HISTÓRIAS PARA A INSERÇÃO NO MUNDO LEITOR: PROPOSTA DE ATIVIDADE PARA CRIANÇAS DE 4 E 6 ANOS. Janaina Dantas dos Santos

Leia mais

PROJETO PEDAGÓGICO 1

PROJETO PEDAGÓGICO 1 PROJETO PEDAGÓGICO 1 Projeto Pedagógico Por Beatriz Tavares de Souza* Título: Maricota ri e chora Autor: Mariza Lima Gonçalves Ilustrações: Andréia Resende Formato: 20,5 cm x 22 cm Número de páginas: 32

Leia mais

Pedro Bandeira. Leitor em processo 2 o e 3 o anos do Ensino Fundamental

Pedro Bandeira. Leitor em processo 2 o e 3 o anos do Ensino Fundamental Pedro Bandeira Pequeno pode tudo Leitor em processo 2 o e 3 o anos do Ensino Fundamental PROJETO DE LEITURA Coordenação: Maria José Nóbrega Elaboração: Rosane Pamplona De Leitores e Asas MARIA JOSÉ NÓBREGA

Leia mais

REPRESENTAÇÕES DE ESTUDANTES E FAMÍLIAS SOBRE UMA ESCOLA POR CICLOS

REPRESENTAÇÕES DE ESTUDANTES E FAMÍLIAS SOBRE UMA ESCOLA POR CICLOS REPRESENTAÇÕES DE ESTUDANTES E FAMÍLIAS SOBRE UMA ESCOLA POR CICLOS FORTES, Gilse Helena Magalhães PUCRS GT: Educação Fundamental /n.13 Agência Financiadora: não contou com financiamento A escola por ciclos,

Leia mais

ALFABETIZAR NA EDUCAÇÃO INFANTIL

ALFABETIZAR NA EDUCAÇÃO INFANTIL ALFABETIZAR NA EDUCAÇÃO INFANTIL Rozangela Alves de Oliveira 1 Jamily Charão Vargas 2 RESUMO Esta pesquisa realiza uma reflexão sobre a criança que ingressa na escola e o seu processo de alfabetização.

Leia mais

LUDICIDADE E EDUCAÇÃO: O ENCANTAMENTO DE APRENDER BRINCANDO

LUDICIDADE E EDUCAÇÃO: O ENCANTAMENTO DE APRENDER BRINCANDO LUDICIDADE E EDUCAÇÃO: O ENCANTAMENTO DE APRENDER BRINCANDO Tatiane Testa Ferrari e-mail: tatitferrari@ig.com.br Ticiane Testa Ferrari e-mail: ticiferrari@ig.com.br Araceli Simão Gimenes Russo e-mail:

Leia mais

EXPLICAÇÕES SOBRE A ELABORAÇÃO DO RELATÓRIO FINAL DE ESTÁGIO

EXPLICAÇÕES SOBRE A ELABORAÇÃO DO RELATÓRIO FINAL DE ESTÁGIO EXPLICAÇÕES SOBRE A ELABORAÇÃO DO RELATÓRIO FINAL DE ESTÁGIO Elementos Textuais: INTRODUÇÃO: Introduzir significa apresentar. Descrever o trabalho baseando-se nas seguintes colocações: o quê fez, por que

Leia mais

COMO ESCREVER UM LIVRO INFANTIL. Emanuel Carvalho

COMO ESCREVER UM LIVRO INFANTIL. Emanuel Carvalho COMO ESCREVER UM LIVRO INFANTIL Emanuel Carvalho 2 Prefácio * Edivan Silva Recebi o convite para prefaciar uma obra singular, cujo título despertou e muita minha atenção: Como escrever um livro infantil,

Leia mais

Apresentação. Situações de Aprendizagem Língua Portuguesa. Atuação 1 Matando a charada. Recomendada para 5a/6a EF. Tempo previsto: 4 aulas

Apresentação. Situações de Aprendizagem Língua Portuguesa. Atuação 1 Matando a charada. Recomendada para 5a/6a EF. Tempo previsto: 4 aulas Situações de Aprendizagem Língua Portuguesa Atuação 1 Matando a charada Recomendada para 5a/6a EF Tempo previsto: 4 aulas Elaboração: Equipe Técnica da CENP Apresentação Decifrar uma charada significa

Leia mais

ENSINO E PESQUISA, UMA PRÁTICA INDISSOCIÁVEL NO ENSINO DE GEOGRAFIA NA ESCOLA SANTA CLARA DE ASSIS, ARAPIRACA-AL

ENSINO E PESQUISA, UMA PRÁTICA INDISSOCIÁVEL NO ENSINO DE GEOGRAFIA NA ESCOLA SANTA CLARA DE ASSIS, ARAPIRACA-AL ENSINO E PESQUISA, UMA PRÁTICA INDISSOCIÁVEL NO ENSINO DE GEOGRAFIA NA ESCOLA SANTA CLARA DE ASSIS, ARAPIRACA-AL Rafael Vieira da Silva 1 Universidade Estadual de Alagoas - UNEAL rafaelgeouneal@hotmail.com

Leia mais

O MUNDO ENCANTADO DA LITERATURA INFANTIL: PRÁTICAS PEDAGÓGICAS PARA FORMAÇÃO DE LEITORES

O MUNDO ENCANTADO DA LITERATURA INFANTIL: PRÁTICAS PEDAGÓGICAS PARA FORMAÇÃO DE LEITORES 1 O MUNDO ENCANTADO DA LITERATURA INFANTIL: PRÁTICAS PEDAGÓGICAS PARA FORMAÇÃO DE LEITORES Priscila Dantas Fernandes (UFS) INTRODUÇÃO Hoje, sabe-se o valor exercido pela leitura no dia-a-dia de uma pessoa,

Leia mais