ESTUDO E ELABORAÇÃO DE UM SISTEMA AUTOMÁTICO PARA O MONITORAMENTO DA QUALIDADE DA ÁGUA

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "ESTUDO E ELABORAÇÃO DE UM SISTEMA AUTOMÁTICO PARA O MONITORAMENTO DA QUALIDADE DA ÁGUA"

Transcrição

1 Universidade Presbiteriana Mackenzie ESTUDO E ELABORAÇÃO DE UM SISTEMA AUTOMÁTICO PARA O MONITORAMENTO DA QUALIDADE DA ÁGUA Patricia Di Sessa Soares (IC) e Silmara Vicente (Orientadora) Apoio: PIBIC Mackenzie/MackPesquisa Resumo O meio ambiente tem sido alvo de grande preocupação devido o esgotamento de recursos naturais. Como nosso bem maior, a água, é um dos recursos mais importantes que temos na Natureza e tem sido, mundialmente, tema de discussão. Sabe-se que o crescimento populacional tem aumentado e com ele a demanda por água. Porém esse recurso tão importante é considerado finito e vulnerável e um grande desafio para nós habitantes desse planeta se dá em evitar a falta da água. As principais causas de deterioração da água são: poluição e contaminação por poluentes e esgotos. Alguns problemas gerados pela poluição das águas e sedimentos são diversas doenças que matam milhões de seres humanos por ano devido à falta de água de boa qualidade para sua sobrevivência. Muitas soluções estão sendo pesquisadas e discutidas para que consigamos cuidar da qualidade da água conscientemente e que em alguns anos esse recurso não venha faltar. Nesse contexto este trabalho pretende ser uma pequena contribuição no sentido de se iniciar um estudo para que se possa desenvolver um sistema automático de monitoramento que pretende classificar a qualidade da água através de determinados parâmetros que a identificam. Palavras-chave: monitoramento automático, qualidade da água, redes neurais PNN Abstract The environment has been a source of great anxiety due to depletion of natural resources. As our most valued good, water is one of the most important resources we find in nature and lately has been the topic of world discussions. It is know that, as the world population grows, so does the demand for water. Except, this important resource is finite and vulnerable. Therefore, it is a great challenge for us, inhabitants of this planet, to avoid the scarceness of water. The main causes of deterioration of water are: water contamination due to pollutants and sewage. One of the problems caused by such pollution of both sediments and water is the number of deceases that kill millions of human beings every year due to the lack of available water with decent qualities. Many solutions are being studied and discussed so that we can both treat the quality of water consciously and avoid its depletion. In this context, this research intends to be a small contribution so that the study of an automatic monitoring system designed to classify the quality of water by previously determined parameters can begin. Key-words: automatic monitoring, water quality, neural networks PNN 1

2 VII Jornada de Iniciação Científica Introdução A água deve se manter em boas condições, pois é fundamental na vida de todos os seres vivos e utilizada para diversas atividades, devido a isso é submetida a um monitoramento, em que há coletas de amostras que serão avaliadas para verificar se não existem efluentes ou poluição que comprometem a sua qualidade e para a classificação da desta. Monitorar a qualidade da água é um processo muito importante para o ambiente, pois a água é um recurso natural fundamental para a sobrevivência de qualquer ser vivo. Monitorála é acompanhar se houve ou não mudanças nos parâmetros e nos aspectos qualitativos da água. Tem como objetivo identificar poluentes e fontes de poluição, diagnosticar riscos de impacto na qualidade da água, obter informações a fim de passar às pessoas e principalmente identificar se a água está de acordo com as condições necessárias para o bom uso. Há índices que auxiliam o entendimento da classificação da qualidade das águas em diferentes aspectos. Os principais são: IQA - Índice de Qualidade das Águas e IET Índice do Estado Trófico. O IQA é um índice de abastecimento publico (IAP) que fornecem informações sobre a água, classificando-a em: Ótima (79 < IQA < 100), Boa (51 < IQA < 79), Regular (36 < IQA < 51), Ruim (19 < IQA < 36) ou Péssima (IQA < 19). Pode ser calculado através do produtório da qualidade da água relacionada aos parâmetros (tais como: cor, turbidez, dissolução do oxigênio, temperatura e condutividade). O IET é um índice de proteção da vida aquática que analisa a qualidade da água pelo enriquecimento por nutrientes, crescimento de algas e aumento da infestação de plantas aquáticas. As variáveis utilizadas para calcular o índice são: Clorofila e Fósforo Total. O cálculo é feito pela média aritmética das variáveis citadas. A água pode ser caracterizada em: Ultraoligotrófico (IET < 47), Oligotrófico (47 < IET < 52), Mesotrófico (52 < IET < 59), Eutrófico (59 < IET < 63), Supereutrófico (63 < IET < 67) ou Hipereutrófico (IET > 67). Visando a importância da água para o mundo, pretende-se criar um sistema automático de monitoramento da qualidade da água, no qual utilizaremos um software que possibilitará, através da entrada de dados, a classificação da mesma. A escolha por um sistema automático se deve ao fato do mesmo ter agilidade para detectar alterações e fazer análises contínuas, sendo possível a tomada de providências necessárias, para alterar uma situação de risco. As vantagens desses sistemas consistem em não possuir uma freqüência pré-estabelecida, podendo realizar medições em intervalos de tempo mais curtos e detectar, com mais facilidade, dados anormais. Apesar de analisar números limitados de parâmetros, ele nos fornece os resultados em tempo real. 2

3 Universidade Presbiteriana Mackenzie OBJETIVO Este trabalho teve como objetivo estudar ferramentas para o desenvolvimento de um sistema automático de monitoramento contínuo da água para procurar garantir a qualidade da mesma em uma determinada região Referencial Teórico Devido à crescente preocupação com o meio ambiente, nos tempos de hoje, a água se tornou um dos fatores mais visados em termos de conservação. A partir desse fato, as mais influentes empresas no setor de água e os pesquisadores mais conceituados já começaram a fazer projetos de monitoramento e qualidade de tratamento. FLORES e SORRINI (2001) estudaram sobre o monitoramento em tempo real da água e analisaram dados da Companhia de Saneamento Básico do Estado de São Paulo (SABESP). Observaram que a SABESP implantou nos reservatórios de abastecimento da RMSP (região metropolitana de São Paulo) um sistema de monitoramento para controlar a qualidade da água, detectando oscilações diurnas. O sistema é composto por estações remotas e unidades de recepção de dados, em que duas vezes por semana são coletadas amostras dos mananciais, e uma vez por mês é coletada uma amostra mais completa. Entre os lugares monitorados, podemos citar a Represa de Guarapiranga e a Billings. Pelas amostras coletadas, foram observadas variações de oxigênio dissolvido e de incremento provocado pela fotossíntese das algas. Esse projeto tem como real objetivo fornecer as variações que forem significantes. COMPANHIA DE TECNOLOGIA DE SANEAMENTO AMBIENTAL (CETESB) desenvolveu um sistema no Rio Tietê em que foram colocadas doze estações de monitoramento automático de qualidade da água. As informações são disponibilizadas on-line e qualquer mudança for detectada ainda é possível tomar uma medida para reverter à situação. ROSOLEN (2009) fez um estudo do monitoramento dos sedimentos coletados pelo IGAM (Instituto Mineiro de Gestão das Águas) no rio Uberabinha, em Minas Gerais, com a finalidade de detectar os resíduos tóxicos presentes nestes. Amostras foram coletadas em dois pontos, e os primeiros resultados obtidos excederam os valores mínimos de qualidade estabelecidos pelo CONAMA, detectando altas concentrações de coliformes fecais, de fósforo e de contaminação por elementos tóxicos, provenientes de esgotos domésticos e 1 Esse projeto é complementar ao projeto de monitoramento da qualidade dos sedimentos, eles serão desenvolvidos em conjunto. 3

4 VII Jornada de Iniciação Científica industriais. Foi concluído que a urbanização e agricultura influenciam no acúmulo de substâncias tóxicas encontradas nos sedimentos do rio Uberabinha. FURLAN (2007) estudou a qualidade dos sedimentos e da água do rio Jacupiranga, através de variáveis como: concentração de nutrientes (nitrogênio e fósforo), ph e oxigênio dissolvido. O sedimento, por se acumular fácil, é um dos mais importantes tópicos para se analisar a qualidade da água. Escolheram-se onze pontos de coletas, em que foram analisados os parâmetros e perceberam que não ocorreu variação homogenia de nutrientes ao longo das estações de coletas e que a concentração de oxigênio dissolvido e de ph influenciam o acúmulo de nutrientes. FREITAS e COSTA (2003) avaliaram a qualidade de serviços utilizando o modelo Electre Tri para classificar o desempenho dos serviços. O método visa determinar as variáveis de decisões e atribuir valores a elas, para que se possam estabelecer índices de comparação, e assim, criar categorias para classificar os serviços. REDAÇÃO 360 GRAUS (2009), publicou a instalação de um Sistema Automático de Monitoramento Aquático (Sima) na Região do Amazonas. O monitoramento é via satélite, porém foi colocada uma plataforma no Lago Mamirauá que flutuará sobre ele. Com esse sistema, haverá uma coleta de dados que nos fornecerá informações sobre o lago, como a distribuição dos peixes. Sensores também foram colocados no lago, eles irão medir parâmetros do lago (turbidez, ph, entre outros) como parâmetros ambientais (radiação solar, temperatura do ar, intensidade do vento, entre outros). O Sima visa prever e melhorar estratégias para o manejo de recurso na Reserva de Mamirauá, que também poderá servir para outros lugares, enviando de hora em hora atualizações dos dados, em que podem ter mudanças inesperadas devido às variações climáticas ou até mesmo pelo tempo. COSTA et al. (2002) estudaram uma metodologia alternativa para transporte de material combustível com base na análise de multicritério. Os critérios para análise em cada uma das distribuidoras foram escolhidos, e a cada um foi atribuído um peso de importância e um limite de preferência e de indiferença. Foi executado um algorítmo de classificação do software Electre Tri e, a partir disso, foram analisados os resultados obtidos, assim podendo ser escolhido a melhor alternativa para transporte. CAI (2006) estudou Programas de Monitoramento da Água na China, concluiu que os Programas analisam o nível da água, fluxo, sedimentos, precipitação, evaporação, umidade do solo, temperatura da água, qualidade da água, entre outros. Esses Programas têm como foco: informar sobre seca, monitorar a qualidade da água, monitorar recursos hídricos e água subterrânea e avisar caso haja inundações. Há 250 postos de monitoramento que são responsáveis por analisar e controlar os parâmetros da qualidade, de acordo com os 4

5 Universidade Presbiteriana Mackenzie padrões nacionais da China. A classificação é dividida em cinco níveis, em que o nível 1 é o de melhor qualidade e o 5 é o de pior. SUPERINTENDÊNCIA DE DESENVOLVIMENTO DE RECURSOS HÍDRICOS E SANEAMENTO AMBIENTAL (SUDERHSA) pesquisou o Monitoramento da Qualidade da Água no Estado do Paraná, observaram que esse contêm 16 bacias hidrográficas e a rede de monitoramento é formada por 164 estações. Duas informações são enviadas para o Sistema De Informações Hidrológicas (SIH), são eles: os parâmetros de qualidade da água e os Índices de Qualidade da Água (IQA). Operar uma rede de monitoramento da qualidade das águas gera uma enorme quantidade de dados a serem analisados, e é através desses parâmetros e índices que os laboratoristas avaliam o devido uso da água e a classificam. CLEAN ENVIRONMENT BRASIL desenvolveu, para a Companhia de Saneamento Básico do Estado de São Paulo (SABESP), um sistema que monitora em tempo real a qualidade da água em reservatórios que abastecem regiões metropolitanas. Esse sistema monitora, ao mesmo tempo, parâmetros que ajudam a classificar a qualidade das águas em represas, lagos ou rios, exemplo desses parâmetros: temperatura, turbidez, oxigênio dissolvido, ph, entre outros. O monitoramento instantâneo com o sistema desenvolvido reduziu problemas à saúde ambiental e humana, que eram ocasionadas de acidentes do meio ambiente, através das informações em tempo real da qualidade da água, o que se tornou eficaz nos sistemas de segurança da água. Relatórios são feitos após a central coletar e receber, a cada quinze minutos, informações sobre as águas. Logo que surgem novas informações para novos relatórios, os antigos ficam disponíveis na internet para o publico. HERNANDES e AMORIM estudaram o aproveitamento das águas pluviais captados pelas edificações. Foi determinado a quantidade do volume total de água potável e água não potável captadas e o quanto de água foi infiltrada no solo; já a qualidade foi analisada em laboratórios pelo Departamento de Água e Esgoto de Ribeirão Preto (DAERP). A cada quinze dias, amostras eram retiradas e sua qualidade avaliada pelos seguintes parâmetros: Odor, Cor, Turbidez, Total de sólidos dissolvidos, Coliformes totais, Coliformes termotolerantes, entre outros. Devido à água captada não se destinar ao consumo humano e sim às descargas sanitárias, lavagens de pisos, irrigação de jardins, compararam-se os parâmetros e esses foram usados para classificar o grau de balneabilidade. Já a analise da quantidade de água utilizada é feita por um hidrômetro, instalado na tubulação, que monitora a entrada e saída das águas. 5

6 VII Jornada de Iniciação Científica Metodologia A metodologia utilizada nesse trabalho foi uma metodologia quantitativa. Essa consiste em uma pesquisa descritiva que procura estudar a correlação dos parâmetros que indicam a qualidade da água e classificar esses dados através de um sistema de monitoramento automático da qualidade da água. Para alcançarmos o objetivo desse trabalho, foi necessário realizar uma revisão literária mais apurada quanto a sistemas de monitoramento automático da água e estudar os parâmetros e índices que identificam a qualidade da mesma. Os dados utilizados nesse trabalho estão disponíveis no site da CETESB e foram tratados com a finalidade de serem normalizados. Após esse estudo, desenvolvemos um programa utilizando o software Matlab para fazer simulações do sistema e a validação do mesmo com esses dados utilizados, buscando o monitoramento da qualidade para os parâmetros considerados. 4. Redes Neurais Uma rede neural é um processador paralelamente distribuído feito de unidades de processamento, que têm a tendência a armazenar conhecimento experimental e disponibilizá-lo para o uso. As redes neurais possuem nós (unidades de processamento) que enviam e recebem sinais de outras unidades, sendo que cada uma possui uma memória local. O processo de aprendizagem é chamado de algoritmo de aprendizagem, e tem como função modificar os sinápticos da rede de forma a alcançar o objetivo desejado [21]. Ela oferece os principais benefícios e propriedades: - Generalização: a rede neural possibilita a criação de saídas pertinentes para entradas que não estavam presentes durante o processo de aprendizagem. - Mapeamento de Entrada-Saída: durante um treinamento há a modificação (para diminuir a diferença entre a resposta desejada e a resposta real da rede) dos pesos sinápticos até a rede atingir um estado estável, em que não haja modificações significativas. Com a utilização dos exemplos em diversos treinamentos e diferentes ordens, a rede aprende então, através desses exemplos, a mapear todas as entradas e saídas. O treinamento pode ser realizado de 2 maneiras: Supervisionado: que necessita de um professor durante a fase de aprendizagem. 6

7 Universidade Presbiteriana Mackenzie Não-supervisionado: é direcionado por relações existentes entre os dados de entradas. - Adaptabilidade: uma rede neural treinada para trabalhar em certo ambiente especifico pode ser facilmente treinada novamente para conseguir trabalhar perante à pequenas modificações. Além disso, se ela está trabalhando em um ambiente que as estatísticas mudam com o tempo, ela pode ser projetada para modificar seus pesos sinápticos em tempo real. - Tolerância a falhas: como as informações são distribuídas ao longo dos neurônios, a falha tem que ser muito grave e abranger diversos fatores para causar um estrago na resposta global. A rede pode possuir uma ou múltiplas camadas e são compostas por neurônios. As redes de uma única camada são as mais simples, uma vez que as de múltiplas camadas podem ser classificadas em três grupos: - Camada de entradas: recebe os padrões apresentados à rede, ela possui uma unidade especial chamada de bias que aumenta o grau de liberdade, se adaptando melhor ao conhecimento fornecido. - Camada intermediaria: é executado o processamento e a extração de características. - Camada de saída: apresenta o resultado final [19]. O número de camadas define a capacidade de representação das relações entre o espaço de entrada e o de saída. As redes neurais Diagrama 1: Demonstração de Redes Neurais [19]. 7

8 VII Jornada de Iniciação Científica probabilísticas têm esse nome devido suas raízes se basearem na Teoria das Probabilidades, e elas são inspiradas nos Classificadores Bayesianos*. São utilizadas com sucesso em vários problemas de classificação, possuindo três camadas (a camada de entrada, a de bases radiais e a competitiva). A organização do fluxo em camadas permite que o algoritmo possa ser utilizado para funcionar como uma rede Feedforward com função de ativação exponencial. Elas possuem um treinamento incremental, pois a saída indica o grau de evidência sobre o qual se baseia a sua decisão e assim como a Backpropagation possuem mapeamento não linear, o tratamento de dados ruidosos e paralelismo e um modelo grandemente especializado, sem muita aplicabilidade, diferente dos modelos de Hopfield e Backpropagation. Sua grande vantagem é ter quase nenhum tempo de treinamento e um rápido aprendizado, e como desvantagem tem que são necessários grandes conjuntos de treinamento, grandes espaços de memória e uma execução em menor velocidade se comparada a outras redes [16]. * O teorema de Bayes consiste em um método para classificações ótimas, dado uma quantidade de dados, o teorema mostra como classificar um novo exemplo com a máxima probabilidade, e mesmo com esse grande potencial ele é simples e intuitivo [17]. Backpropagation é um algoritmo supervisionado sendo que a rede produz sua própria saída comparando com a saída desejada, se houver diferença os pesos são modificados. Esse modelo baseia-se na propagação dos erros da saída para os níveis anteriores da rede (retropropagação). Para isso acontecer, primeiramente tem que ser realizado o cálculo do erro para cada neurônio da camada de saída, então deve ser feito o cálculo da sensibilidade de cada variável de entrada e o da contribuição percentual de cada uma das variáveis de entrada com relação à variável de saída [18]. A aprendizagem tem duas fases, o treinamento da rede e a validação do treinamento, onde são reconhecidos os padrões treinados. Essas fases podem ser divididas também em fase Forward, onde a entrada é apresentada a primeira camada e vai passando para as outras camadas, sendo que a saída é produzida pela ultima camada e a fase Backward, que a partir da camada final até a camada de entrada, em que a camada atual se ajusta como peso para reduzir seus erros. É um algoritmo fácil de implementar e de simples utilização. Como na maioria, a camada de entrada aceita o padrão de entrada e redistribuí para a camada intermediária. A camada de saída recebe estímulos da camada intermediaria para definir o padrão de saída [20]. Esse método tem como vantagem a eliminação das variáveis de entrada desnecessárias e a possibilidade de estabelecer a importância de cada uma dessas entradas com relação a 8

9 Universidade Presbiteriana Mackenzie uma variável de saída. Como desvantagem possui limitações que são: não ser possível gravar o estado dos pesos, quando o programa sai, ele esquece o treinamento, e todas as conexões serem criadas automaticamente para todos os neurônios da camada sucessiva. Diagrama 2: Demonstração de uma Rede Backpropagation [24]. Redes Feedforward são redes acíclicas propagando sinal somente da entrada para a saída da rede. Depois de pronta, são capazes de associar valores, colocados na sua entrada, a uma saída, podendo encontrar também respostas adequadas mesmo quando os dados da entrada estão incompletos ou danificados. O treinamento também é supervisionado, sendo que a regra mais utilizada é o Error Backpropagation (retropropagação de erros). Essa rede é representada por uma notação e-o1,-o2,-...,-on-s, onde e é o número de neurônios nas camadas de entrada, o1,o2..é o número de neurônios em camadas ocultas e s é o número de neurônios na camada de saída [22]. As Redes de Função de Base Radial (RBFN) tem três camadas, a camada de entrada, padrão (ou escondida) e a camada de saída. Ela é completamente conectada e é uma rede Feedforward, com todas as conexões entre suas unidades de processamento previstas com seus pesos. A unidade de padrão individual computa sua ativação usando a função de base radial que caracteriza a distância dos centros de funções de base radial, dado um vetor de entrada. A ativação é rapidamente diminuída com a distância dos centros da função. O uso da ativação das bases radiais precisa da escolha cuidadosa do número de unidades padrões a ser 9

10 VII Jornada de Iniciação Científica usada a uma especifica aplicação, especialmente quando uma boa generalização é necessária. O treinamento de um RBFN difere substancialmente do treinamento de uma Backpropagation. Ela consiste em dois estágios separados: durante o primeiro, os parâmetros das funções de bases radiais são fixados usando um treinamento não supervisionado, já no segundo estágio os pesos nas conexões entre as unidades padrões e as unidades de saída são determinados usando o treinamento supervisionado (como a rede Backpropagation), baseado na soma de erros quadrados dos valores de saída sobre os pares de vetores entrada saída. A Rede Neural de Regressão Generalizada também é uma rede Feedforward consistindo em quatro camadas: a camada de entrada, a padrão, a de soma e a camada de saída. Ela pode aproximar qualquer mapeamento arbitrário entre vetores de entrada e saída. Enquanto os neurônios nas três primeiras camadas são completamente conectados, cada neurônio de saída é conectado só a algumas unidades de processamento na camada de soma. A função das camadas de entrada e padrão é a mesma de uma Rede de Função de Base Radial. A camada de soma tem dois tipos diferentes de unidades de processamento: as unidades de soma e as unidades de divisão única. O número de unidades de soma é sempre o mesmo número de unidades de saída da rede, sua função é essencialmente a mesma função das unidades de saída da Rede de Função de Base Radial (RBFN - Radial Basis Funcional Network). As unidades de divisão, somente ponderam os pesos de ativação das unidades padrões, sem usar qualquer função de ativação. As camadas de soma e de saída, juntas, realizam a normalização do vetor de saída. Isso faz com que a Rede Neural de Regressão Generalizada (GRNN - Generalized Regression Neural Network) seja muito menos sensível que a RBFN para a escolha adequada do numero de unidades padrões. O treinamento de uma GRNN é um pouco diferente do usado para a RBFN, ele é completado após a apresentação de cada par de vetores entrada saída, do conjunto de treinamento da camada de entrada. Ou seja, ambos os centros de RBFR de unidades padrões e os pesos das conexões das unidades padrões e de processamento das camadas de soma, são atribuídos simultaneamente. O treinamento não é supervisionado, mas emprega um agrupamento algoritmo especial que torna desnecessário definir o número de unidades padrões com antecedência. Em vez disso, o raio dos agrupamentos precisa ser definido antes do treinamento começar. 10

11 Universidade Presbiteriana Mackenzie O próximo vetor de entrada é comparado com esse centro e é atribuído à mesma unidade padrão se a distancia desse centro for menor que o raio pré-estabelecido. Da mesma maneira todos os outros vetores de entrada são comparados um por um com todas as unidades padrões e toda a camada padrão é gradualmente construída. Durante esse treinamento os valores determinados dos elementos individuais dos vetores são diretamente atribuídos aos pesos das conexões entre as unidades de entrada e as unidades padrões correspondentes. Simultaneamente com a construção da camada padrão, os valores dos pesos das conexões entre os neurônios contidos nela e na camada de soma também são definidos, usando treinamento supervisionado. O peso na conexão entre cada unidade padrão e cada unidade de soma individual é diretamente atribuído a valores idênticos aos do vetor de saída, correspondente no conjunto de treinamento do vetor de entrada, este que por sua vez forma o centro da função de base radial de cada unidade padrão [32]. Diagrama 3: Demonstração de uma GRNN [23]. 5. A Coleta dos Dados Foram levantados dados sobre os parâmetros que influenciavam diretamente sobre a qualidade da água, através de pesquisas e trabalhos já existentes relacionados ao tema. Após essa etapa, foi identificado no site da CETESB os que eram mais influentes. 11

12 VII Jornada de Iniciação Científica Quadro 1: Levantamento de parâmetros utilizados em pesquisas já existentes. Variáveis Qtdade Aparecem no site da CETESB? Alumínio Bário Cádmio Chumbo Cloreto Clorofila-a/Feoftina-a Cobre Coliformes Totais Coloração da Água Concentração de Nutrientes 1 Condutividade Específica Cromo Total Demanda Bioquímica de Oxigênio (DBO) 2 Sim Demanda Química de Oxigênio (DQO) Fenóis Ferro Total 1 Fósforo Total Manganês Mercurio Microtox 1 Níquel Odor Ortofosfato Solúvel Oxigênio Dissolvido ph Série de Nitrogênio (Amonical, Nitrato,Nitrito e Orgânico) Resíduo Não Filtravel 1 Resíduo Total 1 Temperatura da Água Temperatura do Ar 1 Teste de Toxicidade Crônica Turbidez Zinco 3 Sim 4 Sim 2 Sim 2 Sim 4 Sim 12

13 Universidade Presbiteriana Mackenzie Foram levantados 33 parâmetros que alteram a qualidade da água (vide Quadro 1), porém seis entre eles são os mais utilizados para a análise, pois compõem o Índice de Qualidade da Água (IQA), que são: Coloração da água, Oxigênio Dissolvido (O.D.), ph, Temperatura da água, Toxidade e Turbidez [25]. A seguir descreverei os principais parâmetros: - Coloração da água: A cor na água, normalmente, é decorrente de decomposição vegetal ou de material mineral, assim não representam riscos à saúde humana. A cor é muito sensível ao ph, quanto maior o ph mais intensa é a cor da água. Há dois tipos de cores que são reconhecidas na água, a cor Verdadeira (resulta de substâncias orgânicas ou coloidais presentes na água) e a cor Aparente (possui turbidez adicional, é causada por materiais em suspensão) [26]. Nível de Qualidade Faixa de variação do IQA Cor de referência Excelente 90 < IQA Azul Bom 70 < IQA 90 Verde Médio 50 < IQA 70 Amarelo Ruim 25 < IQA 50 Marrom Muito Ruim 50 < IQA 0 Vermelho Quadro 2: Cor de referência para a qualidade da água [27]. - Oxigênio Dissolvido (O.D.): O oxigênio dissolvido é um fator muito importante para analisar as condições naturais da água e assim perceber se ocorreram impactos ambientais, como eutrofização (fenômeno provocado pelo excesso de nutrientes, causando um grande aumento de algas, que leva a uma diminuição do oxigênio dissolvido, provocando a morte e decomposição de organismos, diminuindo a qualidade da água), poluição orgânica, retirada de areia do fundo (sedimentos) e despejo de esgotos. [30] Vale ressaltar que a maioria das espécies não resistem às concentrações de O.D. na água inferiores a 4,0 mg/l [29]. Há dois fatores que influenciam a dissolução do oxigênio na água, a temperatura da água, quanto maior a temperatura, menor é a dissolução, e a pressão atmosférica, quanto maior a pressão, maior a dissolução de oxigênio. A determinação do oxigênio dissolvido na água pode ser feita através do método "Winkler" ou eletrométrico, ou pela porcentagem de saturação do oxigênio (porcentagem de gás que existe na água) que pode ser calculada pela fórmula abaixo. 13

14 VII Jornada de Iniciação Científica Equação 1: Determinação da porcentagem de OD [30]. - ph: O ph (potencial hidrogeniônico) possui uma escala com números que variam de 0 à 14, que medem, classificam, o nível de acidez ou alcalinidade. A variação é feita a partir do valor 7, do valor 7 se aproximando de zero, indica o aumento de acidez, e do valor 7 se aproximando de 14 indica o aumento de basicidade. Os valores do ph são de grande importância, pois fornecem informações sobre a qualidade da água. Pode nos fornecer, por exemplo, o tipo de solo em que a água passa, devido a presença de carbonatos e bicarbonatos que deixam a água alcalina, possuindo um ph entre 4 e 9. Quando um ph é muito acido ou muito alcalino, está associado à presença de despejos industriais. A quantidade de matéria morta a ser decomposta interfere no ph, uma vez que para que ocorra a decomposição do material, são produzidos muitos ácidos, então pode-se dizer que quanto maior for a quantidade de matéria a ser decomposta, menor é o ph. Ele também pode ser influenciado pelo espaço e tempo [28]. - Temperatura: Esse parâmetro é de fundamental importância, pois influencia em outras propriedades que qualificam a água, tais como: solubilidade de gases (principalmente o oxigênio dissolvido), reações dos organismos aquáticos, aceleração de reações químicas, etc. A maioria dos organismos aquáticos regula sua temperatura através do meio externo, o que faz com que a velocidade de suas reações dependa da temperatura da água. O aumento da temperatura provoca muitas reações nos organismos, acelerando a respiração, nutrição, reprodução e movimentação dos mesmos, o que pode haver a desnaturação das proteínas, eutrofização e poluição orgânica. Assim, pode-se dizer que, com a diminuição das temperaturas o efeito é o contrário [28]. 14

15 Universidade Presbiteriana Mackenzie - Toxidade Crônica: Analisar a toxidade de águas industriais despejadas em rios e lagos é fundamental para que não haja a contaminação do meio e não ocorram prejuízos aos organismos vivos ao meio em que o efluente foi despejado. - Turbidez: É importante analisar a turbidez da água, pois ela interfere a ação dos agentes que desinfetam a água, protegendo microorganismos da ação deles. Ela, além disso, reduz a passagem de luz solar através da água, prejudicando a fotossíntese de algas e plantas aquáticas. A turbidez pode ser causada por diversos materiais sólidos em suspensão (partículas insolúveis de argila, areia fina, colóides), matéria orgânica e inorgânica, descarga de esgoto doméstico ou industrial, e dá à água uma aparência nebulosa [31]. 6. Criação do Modelo no Programa MatLab Foram coletados no site da CETESB os dados para que fosse possível um futuro treinamento e simulação da Rede Neural. Os dados coletados referem-se a todos os parâmetros descritos anteriormente, em três regiões distintas (Pardo, Baixada Santista e Portal do Paranapanema), em 5 anos diferentes (2004, 2005, 2006, 2007 e 2008), assim, foi obtido cerca de 800 dados. Entre os parâmetros definidos anteriormente, escolhi a Turbidez para ser testada na rede. Seu limite máximo era de 100 (Unidade de Turbidez UNT), e os valores bons (abaixo do limite) foram classificados como 1 e os ruins (a cima de 100 UNT) como 2. A programação testada foi bem sucedida, permitindo a realização da classificação da água com um parâmetro. 7. Conclusão A partir desse trabalho, em parceria com o projeto de qualidade da água através do sedimento, foi possível perceber que as Redes Neurais são um tipo de sistema inteligente capaz de treinar e classificar a qualidade da água a partir da entrada de parâmetros da mesma e de seus sedimentos, retornando-nos uma saída de 100% correta. Com esse projeto teremos uma possibilidade de monitoramento completo da qualidade da água, através da rapidez e eficiência que seus parâmetros são classificados, o que permite uma melhor tomada de decisão em relação aos resultados obtidos. 15

16 VII Jornada de Iniciação Científica Um próximo passo à esse trabalho, para ampliar e continuar o estudo, seria a possibilidade de classificação de parâmetros combinados, o que requer uma análise biológica profunda de um especialista no assunto. 8. Referências [1] <http://www.cetesb.sp.gov.br/institucional/agua.asp> Acesso em: 13 out.2009 às 20h43min. [2] <http://www.feema.rj.gov.br/qualidade-agua.asp?cat=75> Acesso em: 20 set.2009 às 16h25min. [3] <http://www.cetesb.sp.gov.br/agua/rios/indice_iva_iet.asp> Acesso em: 01 out.2009 às 20h35min. [4] FLORES, A.P. e SORRINI, E. (2001) Monitoramento em tempo real da qualidade da água dos mananciais da Região Metropolitana de São Paulo RMSP Disponível em: <http://www.cepis.ops-oms.org/bvsacg/e/cd-cagua/ref/text/40.pdf> Acesso em: 13 out.2009 às 11h04min. [5] FURLAN, Natalia (2007) Qualidade da Água e do sedimento avaliada a partir da concentração de nutrientes totais Disponível em: <http://fipai.org.br/minerva%2006(01)%2011.pdf> Acesso em: 13 out.2009 às 14h52min. [6] ROSOLEN et al (2009) Qualidade dos sedimentos no rio Uberabinha (Uberlândia, MG) e implicações ambientais Disponível em: <http://ojs.c3sl.ufpr.br/ojs2/index.php/rbg/article/viewfile/11484/10328> Acesso em: 13 out.2009 às 14h19min. [7] FREITAS, A.L.P. e COSTA, H.G. (2003) Uma análise multicritério para a classificação da qualidade de serviços utilizando o método ELECTRE TRI disponível em: <http://www.abepro.org.br/biblioteca/enegep2003_tr0207_0796.pdf> Acesso em: 18 out.2009 às 12h41min. [8] REDAÇÃO 360 GRAUS. Sistema Automático de monitoramento aquático é instalado na Amazônia. 360 Graus, São Paulo, 5 agosto Disponível em: <http://360graus.terra.com.br/ecologia/default.asp?did=28871&action=news> Acesso em 18 out.2009 às 18h08min. [9] COSTA et al. (2002) Avaliação de transportadoras de materiais perigosos utilizando o método Electre Tri Disponível em: <http://www.scielo.br/pdf/gp/v11n2/a08v11n2.pdf> Acesso em: 18 out.2009 às 18h13min. 16

17 Universidade Presbiteriana Mackenzie [10] OLIVEIRA, Silvio Luiz. Tratado de metodologia científica: Projetos de Pesquisas, TGI, TCC, Monografias, Dissertações e Teses. 2. ed. São Paulo:Pioneira, p. [11] Acesso em: 01 out.2009 às 21h19min. [12] CAI (2006) - Monitoramento e serviço de informação de água na china - Disponível em: <http://www.ana.gov.br/bibliotecavirtual/arquivos/china%20- %20Monitoramento%20e%20servi%C3%A7o%20de%20informa%C3%A7%C3%A3o.pdf> Acesso em: 07 mar.2010 às 11h22min. [13] SUDERHSA - Proposta de Implantação de Consórcios Intermunicipais de Aterros Sanitários - Disponível <http://www.abespr.org.br/040707%20proposta%20implanta%e7%e3o%20de%20cons%f3rcios%20intermu nicipais%20suderhsa%20-%20jorge%20augusto%20afonso.pdf> Acesso em: 07 mar.2010 às 12h07min. [14] CLEAN ENVIRONMENT BRASIL - Sistema de Monitoramento Hidrológico Clean - Disponível em: <http://www.clean.com.br/portal/sistema-de-monitoramento-hidrologicosmh/smh> Acesso em: 07 mar.2010 às 13h58min. [15] HERNANDES E AMORIN - O Sistema Predial de Água Pluvial como instrumento de Preservação Ambiental - Disponível em <http://www.ppgciv.ufscar.br/arquivos/file/simar_artigos/simar5.pdf> Acesso em: 07 mar.2010 às 14h54min. [16] ALMEIDA, Manoel Aplicação de técnicas de Redes Neurais Artificiais na previsão de curtíssimo prazo na vissibilidade e teto para o aeroporto de Guarulhos Disponível em: <http://www.coc.ufrj.br/index.php?option=com_docman&task=doc_download&gid=2346> Acesso em: 31 maio.2010 às 15h13min. [17] Algorítimos de Aprendizado Disponível em: <http://www.ica.ele.pucrio.br/downloads/45/parte-18-pnn.pdf> Acesso em: 31 maio.2010 às 15h44min. [18] VALENÇA, Mêuser J.S. e LUDEMIR, Teresa B. - Explicando a relação entre as variáveis de uma rede neural Iluminando a caixa Preta - Dísponivel em: <http://www.abrh.org.br/novo/xvii_simp_bras_rec_hidric_sao_paulo_051.pdf> Acesso em: 31 maio.2010 às 16h12min. [19] MENDES FILHO, Elson Uma introdução à Redes Neurais Artificiais Disponível em: <http://elson_mendes.sites.uol.com.br/rn/rn_carac.html> Acesso em: 31 maio.2010 às 17h03min. 17

18 VII Jornada de Iniciação Científica [20] ITO, Sérgio et al. Uma aplicação de Redes Neurais Artificiais Disponível em: <http://www.inf.ufrgs.br/gppd/disc/cmp135/trabs/sergio/trab2/geo.html> Acesso em 31 maio.2010 às 17h45min. [21] NEGRI, Lucas et al. Simulador de Redes Neurais Multiplataformas - Disponível em: <http://periodicos.unesc.net/index.php/sulcomp/article/viewfile/277/285> Acesso em: 31 maio.2010 às 18h04min. [22] Redes Neurais na Previsão de Séries Temporais - Disponível em: <http://inf.unisul.br/~ines/workcomp/cd/pdfs/2878.pdf> Acesso em: 31 maio.2010 às 20h37min. [23] Disponível em: <http://user.chollian.net/~mose/msgrnn.htm > Acesso em: 31 maio.2010 às 22h17min. [24] MENDES FILHO, Elson O Algorítmo de Aprendizado Backpropagation Disponível em: <http://elson_mendes.sites.uol.com.br/rn/rn_backp.html> Acesso em: 31 maio.2010 às 17h13min. [25] Qualidade das Águas Disponível em: <http://www.uniagua.org.br/public_html/website/default.asp?tp=3&pag=qualidade.htm> Acesso em 07 abril.2010 às 10h45min. [26] Disponivel em:< Acesso em: 08 abril.2010 às 12h20min. [27] Disponível em: <http://www.ufv.br/dea/lqa/qualidade.htm> Acesso em: 08 abril.2010 às 12h47min. [28] Disponível em: <http://educar.sc.usp.br/biologia/prociencias/qagua.htm> Acesso em: 08 abril.2010 às 19h13min. [29] Disponível em: <http://www.mundoquimico.hpg.ig.com.br/oxigenio_dissolvido.htm> Acesso em 08 abril.2010 às 19h56min. [30] Disponível em: <http://educar.sc.usp.br/biologia/textos/m_a_txt9.html#od> Acesso em 08 abril.2010 às 20h15min. [31] Disponível em: <http://www.ufrrj.br/institutos/it/de/acidentes/turb.htm> Acesso em: 08 abril.2010 às 19h31min. [32] MASTERS, Timothy. Advanced Algorithms for Neural Networks: A C++ sourcebook. John Wiley & Sons, Inc., páginas. Contato: e 18

Aplicação da hidrologia para prevenção de desastres naturais, com ênfase em mapeamento

Aplicação da hidrologia para prevenção de desastres naturais, com ênfase em mapeamento Jaraguá do Sul, 27 e 28 de agosto de 2012 Curso de Capacitação Aplicação da hidrologia para prevenção de desastres naturais, com ênfase em mapeamento Gean P. Michel (UFSC) Masato Kobiyama (UFSC) Roberto

Leia mais

VI-004 MONITORAMENTO EM TEMPO REAL DA QUALIDADE DA ÁGUA DOS MANANCIAIS DA REGIÃO METROPOLITANA DE SÃO PAULO - RMSP

VI-004 MONITORAMENTO EM TEMPO REAL DA QUALIDADE DA ÁGUA DOS MANANCIAIS DA REGIÃO METROPOLITANA DE SÃO PAULO - RMSP VI-004 MONITORAMENTO EM TEMPO REAL DA QUALIDADE DA ÁGUA DOS MANANCIAIS DA REGIÃO METROPOLITANA DE SÃO PAULO - RMSP Armando Perez Flores (1) Bacharel em Química pela Faculdade de Filosofia Ciências e Letras

Leia mais

Parâmetros de qualidade da água. Variáveis Físicas Variáveis Químicas Variáveis Microbiológicas Variáveis Hidrobiológicas Variáveis Ecotoxicológicas

Parâmetros de qualidade da água. Variáveis Físicas Variáveis Químicas Variáveis Microbiológicas Variáveis Hidrobiológicas Variáveis Ecotoxicológicas Parâmetros de qualidade da água Variáveis Físicas Variáveis Químicas Variáveis Microbiológicas Variáveis Hidrobiológicas Variáveis Ecotoxicológicas Coloração - COR Variáveis Físicas associada à presença

Leia mais

Química das Águas - parte 2

Química das Águas - parte 2 QUÍMICA AMBIENTAL Química das Águas - parte 2 - Parâmetros de qualidade das águas Definições Importância Métodos analíticos Prof. Rafael Sousa Departamento de Química UFJF 1º período de 2015 Recapitulando...

Leia mais

PROTEÇÃO AMBIENTAL. Professor André Pereira Rosa

PROTEÇÃO AMBIENTAL. Professor André Pereira Rosa PROTEÇÃO AMBIENTAL Professor André Pereira Rosa ALTERAÇÃO DA QUALIDADE DAS ÁGUAS CARACTERÍSTICAS DAS IMPUREZAS 99,9 % 0,1 % Esgotos Sólidos Poluição tratamento Impurezas justificam a instalação de ETE

Leia mais

ÍNDICE DE ESTADO TRÓFICO DA ÁGUA DO AÇUDE GAVIÃO - CE

ÍNDICE DE ESTADO TRÓFICO DA ÁGUA DO AÇUDE GAVIÃO - CE (1) ÍNDICE DE ESTADO TRÓFICO DA ÁGUA DO AÇUDE GAVIÃO - CE Oliveira, M.S. (1) ; Leite, J.S. (1) ; Lima, V.A. (2) ; Carvalho, A.C. (2) ; Oliveira, T.G.A. (2) ; Pinheiro, J. P.S. (1) ; Leite, L.V. (1) ; Nunes,

Leia mais

ÁGUA. Água conhecida como elemento vital. primitivas. evoluídas. História da humanidade relação simples e intrínseca: Homem/Água.

ÁGUA. Água conhecida como elemento vital. primitivas. evoluídas. História da humanidade relação simples e intrínseca: Homem/Água. ÁGUA Água conhecida como elemento vital Comunidades primitivas evoluídas Água Sobrevivência História da humanidade relação simples e intrínseca: Homem/Água. Civilizações mais primitivas comunidades nômades

Leia mais

Gerenciamento e Tratamento de Águas Residuárias - GTAR

Gerenciamento e Tratamento de Águas Residuárias - GTAR Gerenciamento e Tratamento de Águas Residuárias - GTAR Segunda 15 às 17h IC III sala 16 Turma: 2015/1 Profª. Larissa Bertoldi larabertoldi@gmail.com Aula de hoje.. Impacto do lançamento de efluentes nos

Leia mais

AVALIAÇÃO DA QUALIDADE DAS LAGOAS DO PARQUE NATURAL MUNICIPAL TANCREDO NEVES (PASSA CINCO). MUNICÍPIO DE PONTE NOVA - MG

AVALIAÇÃO DA QUALIDADE DAS LAGOAS DO PARQUE NATURAL MUNICIPAL TANCREDO NEVES (PASSA CINCO). MUNICÍPIO DE PONTE NOVA - MG Belo Horizonte/MG 24 a 27/11/2014 AVALIAÇÃO DA QUALIDADE DAS LAGOAS DO PARQUE NATURAL MUNICIPAL TANCREDO NEVES (PASSA CINCO). MUNICÍPIO DE PONTE NOVA - MG Lucas Mattos Martins (*), Guilherme Resende Tavares,

Leia mais

VAZÃO E MONITORAMENTO DA QUALIDADE DAS ÁGUAS URBANAS DA REGIÃO METROPOLITANA DE SALVADOR

VAZÃO E MONITORAMENTO DA QUALIDADE DAS ÁGUAS URBANAS DA REGIÃO METROPOLITANA DE SALVADOR VAZÃO E MONITORAMENTO DA QUALIDADE DAS ÁGUAS URBANAS DA REGIÃO METROPOLITANA DE JULHO - 2010 Rosane Ferreira de Aquino Carlos Romay Pinto da Silva Cláudia Espírito Santo Jorge Reis Lustosa Eduardo Atahyde

Leia mais

MONITORAMENTO DA QUALIDADE DA ÁGUA BRUTA DO SISTEMA CANTAREIRA

MONITORAMENTO DA QUALIDADE DA ÁGUA BRUTA DO SISTEMA CANTAREIRA MONITORAMENTO DA QUALIDADE DA ÁGUA BRUTA DO SISTEMA CANTAREIRA Fábio Netto Moreno 1, Beatriz Durazzo Ruiz 2, Carmen Lúcia V. Midaglia 3, Nelson Menegón Jr. 4 1 Setor de águas Interiores, CETESB, São Paulo,

Leia mais

RESOLUÇÃO CRH Nº 10 /09, DE 03 DE DEZEMBRO DE 2009.

RESOLUÇÃO CRH Nº 10 /09, DE 03 DE DEZEMBRO DE 2009. RESOLUÇÃO CRH Nº 10 /09, DE 03 DE DEZEMBRO DE 2009. Dispõe sobre a obrigatoriedade de realização de Análises Físico-químicas e Bacteriológicas com parâmetros físico-químicos e bacteriológicos específicos,

Leia mais

Poluição Poluição da água

Poluição Poluição da água POLUIÇÃO DA ÁGUA Poluição e contaminação da água Definição Introdução de resíduos na forma de matéria ou energia, de modo a torná-la prejudicial ao homem e a outras formas de vida, ou imprópria para um

Leia mais

Professor Antônio Ruas. 1. Créditos: 60 2. Carga horária semanal: 4 3. Semestre: 2 4. Introdução ao estudo dos esgotos.

Professor Antônio Ruas. 1. Créditos: 60 2. Carga horária semanal: 4 3. Semestre: 2 4. Introdução ao estudo dos esgotos. Universidade Estadual do Rio Grande do Sul Curso Superior de Tecnologia em Gestão Ambiental Componente curricular: Saneamento Básico e Saúde Pública Aula 7 Professor Antônio Ruas 1. Créditos: 60 2. Carga

Leia mais

Anexo IX. Ref. Pregão nº. 052/2011 DMED. ET Análises de Água e Efluentes

Anexo IX. Ref. Pregão nº. 052/2011 DMED. ET Análises de Água e Efluentes Anexo I Ref. Pregão nº. 052/2011 DMED ET Análises de Água e Efluentes Página 1 de 8 Especificações Técnicas / Termos de Referências nº 219/11 e 317/11 A) DESCRIÇÃO DOS SERVIÇOS Os serviços a serem executados

Leia mais

SISTEMA DE CÁLCULO DA QUALIDADE DA ÁGUA (SCQA) Estabelecimento das Equações do índice de Qualidade das Águas (IQA)

SISTEMA DE CÁLCULO DA QUALIDADE DA ÁGUA (SCQA) Estabelecimento das Equações do índice de Qualidade das Águas (IQA) MINISTÉRIO DO MEIO AMBIENTE SECRETARIA DE ESTADO DO MEIO AMBIENTE E DESENVOLVIMENTO SUSTENTÁVEL DE MINAS GERAIS - SEMAD Unidade de Coordenação Estadual - UCEMG / PNMA II PROGRAMA NACIONAL DO MEIO AMBIENTE

Leia mais

Evolução na qualidade da água no Rio Paraíba do Sul

Evolução na qualidade da água no Rio Paraíba do Sul Evolução na qualidade da água no Rio Paraíba do Sul Beatriz Durazzo Ruiz CETESB bruiz@sp.gov.br Fábio Netto Moreno CETESB eqai_cetesb@sp.gov.br Nelson Menegon Jr CESTESB eqa_cetesb@sp.gov.br Resumo O monitoramento

Leia mais

3.2.3 IGARASSU. Municípios: Igarassu.

3.2.3 IGARASSU. Municípios: Igarassu. 3.2.3 IGARASSU Agência Estadual de Meio Ambiente 27 Municípios: Igarassu. Constituintes principais: Recebe como principais afluentes pela margem esquerda, o riacho do Paulo, rio Conga e o rio Tabatinga

Leia mais

Complemento II Noções Introdutória em Redes Neurais

Complemento II Noções Introdutória em Redes Neurais Complemento II Noções Introdutória em Redes Neurais Esse documento é parte integrante do material fornecido pela WEB para a 2ª edição do livro Data Mining: Conceitos, técnicas, algoritmos, orientações

Leia mais

MONITORAMENTO DA QUALIDADE DAS ÁGUAS DO CÓRREGO QUARTA-FEIRA, CUIABÁ-MT

MONITORAMENTO DA QUALIDADE DAS ÁGUAS DO CÓRREGO QUARTA-FEIRA, CUIABÁ-MT MONITORAMENTO DA QUALIDADE DAS ÁGUAS DO CÓRREGO QUARTA-FEIRA, CUIABÁ-MT ALBUQUERQUE, T. S., FINGER, A., SILVA, A. R. B. C., BATTAINI, B., FONTES, C. C. C., SILVA, F. R., MASSAD, H. A. B., MÊNITHEN, L.,

Leia mais

3 Metodologia de Previsão de Padrões de Falha

3 Metodologia de Previsão de Padrões de Falha 3 Metodologia de Previsão de Padrões de Falha Antes da ocorrência de uma falha em um equipamento, ele entra em um regime de operação diferente do regime nominal, como descrito em [8-11]. Para detectar

Leia mais

Poluição da Água Poluição da água é qualquer alteração de suas propriedades físicas, químicas e biológicas, que possa implicar

Poluição da Água Poluição da água é qualquer alteração de suas propriedades físicas, químicas e biológicas, que possa implicar Poluição da Água Poluição da água é qualquer alteração de suas propriedades físicas, químicas e biológicas, que possa implicar em prejuízo à saúde, à segurança e ao bem estar das populações, causar danos

Leia mais

Box 1. Doce < 0,5 Salobra 1,0 a 4,0 salgada > 5,0. Tratamento simplificado Tratamento convencional

Box 1. Doce < 0,5 Salobra 1,0 a 4,0 salgada > 5,0. Tratamento simplificado Tratamento convencional QUALIDADE DAS ÁGUAS Box 1 O conselho nacional do meio ambiente, CONAMA, baixou a Resolução n 20, de 5 de junho de 1986, que classifica as águas doces, salobras e salinas do Brasil, Tabela 1, estabelecendo

Leia mais

CET 303 Química Aplicada. Relatório: Visita técnica Estação de tratamento de água ETA 3 Capim Fino, em Piracicaba. Data da visita: 02.04.

CET 303 Química Aplicada. Relatório: Visita técnica Estação de tratamento de água ETA 3 Capim Fino, em Piracicaba. Data da visita: 02.04. Universidade Estadual de Campinas Faculdade de Tecnologia - FT Curso de Especialização em Meio Ambiente e Desenvolvimento Sustentável CET 303 Química Aplicada Relatório: Visita técnica Estação de tratamento

Leia mais

QUESTÕES DE CARACTERIZAÇÃO E ANÁLISE AMBIENTAL. O 2(g) O 2(aq)

QUESTÕES DE CARACTERIZAÇÃO E ANÁLISE AMBIENTAL. O 2(g) O 2(aq) QUESTÕES DE CARACTERIZAÇÃO E ANÁLISE AMBIENTAL Questão 01 O agente oxidante mais importante em águas naturais é, sem a menor dúvida, o oxigênio molecular dissolvido, O 2. O equilíbrio entre o oxigênio

Leia mais

LAGOAS DE ESTABILIZAÇÃO COMO ALTERNATIVA PARA TRATAMENTO DE EFLUENTES EM UM LATICÍNIO DO MUNICÍPIO DE MISSAL/PR

LAGOAS DE ESTABILIZAÇÃO COMO ALTERNATIVA PARA TRATAMENTO DE EFLUENTES EM UM LATICÍNIO DO MUNICÍPIO DE MISSAL/PR LAGOAS DE ESTABILIZAÇÃO COMO ALTERNATIVA PARA TRATAMENTO DE EFLUENTES EM UM LATICÍNIO DO MUNICÍPIO DE MISSAL/PR Kelly Mayara Poersch (IC) 1, Anelize Queiroz do Amaral (PQ) 2, Renan Pies (IC) 3, Adrieli

Leia mais

Aula 2 RNA Arquiteturas e Treinamento

Aula 2 RNA Arquiteturas e Treinamento 2COP229 Aula 2 RNA Arquiteturas e Treinamento 2COP229 Sumário 1- Arquiteturas de Redes Neurais Artificiais; 2- Processos de Treinamento; 2COP229 1- Arquiteturas de Redes Neurais Artificiais -Arquitetura:

Leia mais

ESCOPO DA ACREDITAÇÃO ABNT NBR ISO/IEC 17025 ENSAIO

ESCOPO DA ACREDITAÇÃO ABNT NBR ISO/IEC 17025 ENSAIO ESCOPO DA ACREDITAÇÃO ABNT NBR ISO/IEC 17025 ENSAIO Norma de Origem: NIT-DICLA-016 Folha: 1 Total de Folhas: 7 RAZÃO SOCIAL/DESIGNAÇÃO DO LABORATÓRIO CETESB - Companhia Ambiental do Estado de São Paulo

Leia mais

O CONTRÔLE DA QUALIDADE DA ÁGUA NA SABESP

O CONTRÔLE DA QUALIDADE DA ÁGUA NA SABESP O CONTRÔLE DA QUALIDADE DA ÁGUA NA SABESP Coppini Blum José Roberto SABESP - Companhia de Saneamento Básico do Estado de São Paulo RESUMO As características específicas do serviço de abastecimento público

Leia mais

Reunião Técnica Plano de Segurança da Água. 23 de novembro de 2010 - OPAS

Reunião Técnica Plano de Segurança da Água. 23 de novembro de 2010 - OPAS Reunião Técnica Plano de Segurança da Água 23 de novembro de 2010 - OPAS Introdução Qualidade da água e saneamento inadequados provocam 1,8 milhão de mortes infantis a cada ano no mundo (OMS, 2004), o

Leia mais

Sistema de Informações Geográficas Avaliação da Qualidade de Água por meio do IQA utilizando um Sistema de Informação Geográfica (SIG)

Sistema de Informações Geográficas Avaliação da Qualidade de Água por meio do IQA utilizando um Sistema de Informação Geográfica (SIG) Universidade Federal do Espírito Santo Programa de Pós-graduação em Engenharia Ambiental Sistema de Informações Geográficas Aplicado à Recursos Hídricos Sistema de Informações Geográficas Avaliação da

Leia mais

VI-006 - PERFIS DE OXIGÊNIO DISSOLVIDO NOS LAGOS BOLONHA E ÁGUA PRETA, UTINGA. BELÉM-PA

VI-006 - PERFIS DE OXIGÊNIO DISSOLVIDO NOS LAGOS BOLONHA E ÁGUA PRETA, UTINGA. BELÉM-PA VI- - PERFIS DE OXIGÊNIO DISSOLVIDO NOS LAGOS BOLONHA E ÁGUA PRETA, UTINGA. BELÉM-PA Lúcia Beckmann de Castro Menezes () Professora Adjunto IV do Departamento de Engenharia Química da Universidade Federal

Leia mais

Tratamento de Efluentes

Tratamento de Efluentes Tratamento de Efluentes A IMPORTÂNCIA DO TRATAMENTO DE EFLUENTES E A REGULAMENTAÇÃO DO SETOR INTRODUÇÃO Conservar a qualidade da água é fundamental, uma vez que apenas 4% de toda água disponível no mundo

Leia mais

-- De São Paulo a Santos -- Colégio Santa Clara Prof. Marcos

-- De São Paulo a Santos -- Colégio Santa Clara Prof. Marcos -- De São Paulo a Santos -- Colégio Santa Clara Prof. Marcos São Paulo tem déficit de água Região Metropolitana de São Paulo População: aprox. 20 milhões Consumo médio de água: 73 mil litros por segundo

Leia mais

WETLANDS CONSTRUÍDOS PARA O TRATAMENTO DE ÁGUA CINZA

WETLANDS CONSTRUÍDOS PARA O TRATAMENTO DE ÁGUA CINZA WETLANDS CONSTRUÍDOS PARA O TRATAMENTO DE ÁGUA CINZA Danielle Martins Cassiano de Oliveira (*), Ricardo Nagamine Costanzi * Universidade Tecnológica Federal do Paraná, danielle.martins.cassiano@gmail.com

Leia mais

TABELA ANEXA AO DECRETO Nº.14.824 1 - PREÇOS REFERENTES AOS SERVIÇOS DE ÁGUA

TABELA ANEXA AO DECRETO Nº.14.824 1 - PREÇOS REFERENTES AOS SERVIÇOS DE ÁGUA TABELA ANEXA AO DECRETO Nº14824 1 - PREÇOS REFERENTES AOS SERVIÇOS DE ÁGUA 11 Para execução de ligação de água em tubos de plásticos, com reenchimento da escavação e repavimentação da faixa de rolamento

Leia mais

Monitoramento por Indicadores Ambientais e de Percepção do Projeto Tietê

Monitoramento por Indicadores Ambientais e de Percepção do Projeto Tietê Monitoramento por Indicadores Ambientais e de Percepção do Projeto Tietê Manifesto SOS Mata Atlântica Quem somos e o que fazemos Acreditamos Que a humanidade só garantirá a qualidade de vida quando souber

Leia mais

CAPÍTULO 6 QUALIDADE DAS ÁGUAS

CAPÍTULO 6 QUALIDADE DAS ÁGUAS CAPÍTULO 6 QUALIDADE DAS ÁGUAS A análise de qualidade da água é baseada na comparação de suas características físicoquímicas com padrões estabelecidos para os diversos tipos de usos previstos, tais como

Leia mais

Relatório de Laboratórios Certificados pela FATMA até 11/2013

Relatório de Laboratórios Certificados pela FATMA até 11/2013 Relatório de Laboratórios Certificados pela FATMA até 11/2013 Nome do Laboratório No da Certidão Validade Credenciador Matriz Descrição do Parâmetro Acquaplant Quimica do Brasil Ltda. 3/2013 20-12-2014

Leia mais

COMPARAÇÃO DOS ASPECTOS FÍSICOS CARACTERÍSTICOS DA QUALIDADE DA ÁGUA DA REPRESA SAMAMBAIA, GOIÂNIA GO, NOS PERÍODOS DE SECA E CHUVA

COMPARAÇÃO DOS ASPECTOS FÍSICOS CARACTERÍSTICOS DA QUALIDADE DA ÁGUA DA REPRESA SAMAMBAIA, GOIÂNIA GO, NOS PERÍODOS DE SECA E CHUVA COMPARAÇÃO DOS ASPECTOS FÍSICOS CARACTERÍSTICOS DA QUALIDADE DA ÁGUA DA REPRESA SAMAMBAIA, GOIÂNIA GO, NOS PERÍODOS DE SECA E CHUVA Michelle Mesquita de Medeiros 1, Orlene Silva da Costa 2, Eduardo Queija

Leia mais

ÍNDICE DE QUALIDADE DE ÁGUA IQA DE BACIAS HIDROGRÁFICAS DO MUNICÍPIO DE SÃO FRANCISCO DO SUL - SC

ÍNDICE DE QUALIDADE DE ÁGUA IQA DE BACIAS HIDROGRÁFICAS DO MUNICÍPIO DE SÃO FRANCISCO DO SUL - SC ÍNDICE DE QUALIDADE DE ÁGUA IQA DE BACIAS HIDROGRÁFICAS DO MUNICÍPIO DE SÃO FRANCISCO DO SUL - SC Brayam Luiz Batista Perini (1) Engenheiro Químico (PUC-PR), Mestrando em Engenharia de Processos (UNIVILLE),

Leia mais

ÍNDICE 1. APRESENTAÇÃO 1. 2. PNMA II- Subcomponente Monitoramento da Qualidade da Água: O projeto do Estado de Pernambuco 2 3. ÍNDICES SELECIONADOS 5

ÍNDICE 1. APRESENTAÇÃO 1. 2. PNMA II- Subcomponente Monitoramento da Qualidade da Água: O projeto do Estado de Pernambuco 2 3. ÍNDICES SELECIONADOS 5 ÍNDICE 1. APRESENTAÇÃO 1 2. PNMA II- Subcomponente Monitoramento da Qualidade da Água: O projeto do Estado de Pernambuco 2 3. ÍNDICES SELECIONADOS 5 4. CÁLCULO DOS ÍNDICES SELECIONADOS 4.1. IQA- CETESB

Leia mais

O SOLO E A ÁGUA NOS AMBIENTES RURAIS E URBANOS. Profa. Nerilde Favaretto UFPR-DSEA nfavaretto@ufpr.br

O SOLO E A ÁGUA NOS AMBIENTES RURAIS E URBANOS. Profa. Nerilde Favaretto UFPR-DSEA nfavaretto@ufpr.br O SOLO E A ÁGUA NOS AMBIENTES RURAIS E URBANOS Profa. Nerilde Favaretto UFPR-DSEA nfavaretto@ufpr.br O SOLO É ESSENCIAL PARA A VIDA NA TERRA serve de fundação a todos os ecossistemas SERVE DE FUNDAMENTAL

Leia mais

GLOSSÁRIO MICROBIOLÓGICOS FÍSICO-QUÍMICOS PARÂMETROS PARÂMETROS

GLOSSÁRIO MICROBIOLÓGICOS FÍSICO-QUÍMICOS PARÂMETROS PARÂMETROS PARÂMETROS MICROBIOLÓGICOS Coliformes Fecais (E.Coli), Enterococos, Clostrídios Perfringens Os organismos pertencentes a este grupo estão presentes nas matérias fecais de todos os animais de sangue quente.

Leia mais

Tratamento de água para indústria de refrigerantes

Tratamento de água para indústria de refrigerantes Tratamento de água para indústria de refrigerantes Dra. Sonia Maria Costa Celestino Engenheira Química - Pesquisadora em Ciência e Tecnologia de Alimentos Embrapa Cerrados Tel.: (61) 3388-9957 email: sonia.costa@cpac.embrapa.br

Leia mais

PROJETO CÓRREGO LIMPO AVALIAÇÃO DA QUALIDADE DA ÁGUA DOS CÓRREGOS SITUADOS EM CAMPO GRANDE - MS

PROJETO CÓRREGO LIMPO AVALIAÇÃO DA QUALIDADE DA ÁGUA DOS CÓRREGOS SITUADOS EM CAMPO GRANDE - MS PROJETO CÓRREGO LIMPO AVALIAÇÃO DA QUALIDADE DA ÁGUA DOS CÓRREGOS SITUADOS EM CAMPO GRANDE - MS Área Temática Saneamento Ambiental Responsável pelo Trabalho Roberta Steffany Stangl Galharte - Endereço:Rua

Leia mais

MLP (Multi Layer Perceptron)

MLP (Multi Layer Perceptron) MLP (Multi Layer Perceptron) André Tavares da Silva andre.silva@udesc.br Roteiro Rede neural com mais de uma camada Codificação de entradas e saídas Decorar x generalizar Perceptron Multi-Camada (MLP -

Leia mais

Gestão Ambiental 19/3/2012. MÓDULO Gerenciamento e Controle de Poluição da Água. Tema: DISPONIBILIDADE HÍDRICA: as Águas do Planeta

Gestão Ambiental 19/3/2012. MÓDULO Gerenciamento e Controle de Poluição da Água. Tema: DISPONIBILIDADE HÍDRICA: as Águas do Planeta Gestão Ambiental Profª Denise A. F. Neves MÓDULO Gerenciamento e Controle de Poluição da Água Tema: DISPONIBILIDADE HÍDRICA: as Águas do Planeta Objetivos: Entender a distribuição da água no Planeta. Reconhecer

Leia mais

Importância das águas subterrâneas: fontes de contaminação, qualidade e saúde humana

Importância das águas subterrâneas: fontes de contaminação, qualidade e saúde humana INSTITUTO GEOLÓGICO Secretaria do Meio Ambiente do Estado de São Paulo Instituto Geologico Importância das águas subterrâneas: fontes de contaminação, qualidade e saúde humana Claudia Varnier claudia.varnier@igeologico.sp.gov.br

Leia mais

INFLUÊNCIA DO LANÇAMENTO DE ESGOTO ORGÂNICO NAS CARACTERÍSTICAS LIMNOLÓGICAS DE CÓRREGOS AFLUENTES DO RIO CAMANDOCAIA, AMPARO/SP ETAPA II

INFLUÊNCIA DO LANÇAMENTO DE ESGOTO ORGÂNICO NAS CARACTERÍSTICAS LIMNOLÓGICAS DE CÓRREGOS AFLUENTES DO RIO CAMANDOCAIA, AMPARO/SP ETAPA II INFLUÊNCIA DO LANÇAMENTO DE ESGOTO ORGÂNICO NAS CARACTERÍSTICAS LIMNOLÓGICAS DE CÓRREGOS AFLUENTES DO RIO CAMANDOCAIA, AMPARO/SP ETAPA II CAMILA FAIONATO FRANCO¹, EMÍLIO CARLOS NARDINI², BASÍLIO GOMES

Leia mais

Gestão Integrada de Águas Urbanas

Gestão Integrada de Águas Urbanas Gestão Integrada de Águas Urbanas Prof. Carlos E. M. Tucci Consultor do Banco Mundial São Paulo 4 a 6 de dezembro de 2012 1 Impactos Aumento da magnitude das vazões e da frequência de inundações; Aumento

Leia mais

TÍTULO: Avaliação da Qualidade da Água de Poços Artesianos na Sede do Município de Itapipoca

TÍTULO: Avaliação da Qualidade da Água de Poços Artesianos na Sede do Município de Itapipoca TÍTULO: Avaliação da Qualidade da Água de Poços Artesianos na Sede do Município de Itapipoca Autores: OLIVEIRA, Bruno Peixoto de ; MESQUITA, Charles Jefferson Ferreira; SOUZA, Petronio Augusto Simão. Curso

Leia mais

AVALIAÇÃO DA FILTRAÇÃO LENTA NA ESTAÇÃO DE TRATAMENTO DE ÁGUA CAMPUS- SISTEMA SAMAMBAIA

AVALIAÇÃO DA FILTRAÇÃO LENTA NA ESTAÇÃO DE TRATAMENTO DE ÁGUA CAMPUS- SISTEMA SAMAMBAIA AVALIAÇÃO DA FILTRAÇÃO LENTA NA ESTAÇÃO DE TRATAMENTO DE ÁGUA CAMPUS- SISTEMA SAMAMBAIA MACHADO*, Luciana de Souza Melo; SCALIZE, Paulo Sérgio. Escola de Engenharia Civil - Programa de Pós-Graduação em

Leia mais

O Enquadramento em nível nacional

O Enquadramento em nível nacional 1º Seminário Estadual sobre Enquadramento dos Corpos d água O Enquadramento em nível nacional Marcelo Pires da Costa Gerente Superintendência de Planejamento de Recursos Hídricos Agência Nacional de Águas

Leia mais

SANEAMENTO BÁSICO RURAL NO BRASIL: Uma análise de impacto e da proposta da fossa séptica biodigestora

SANEAMENTO BÁSICO RURAL NO BRASIL: Uma análise de impacto e da proposta da fossa séptica biodigestora SANEAMENTO BÁSICO RURAL NO BRASIL: Uma análise de impacto e da proposta da fossa séptica biodigestora Apresentação: Cinthia Cabral da Costa Trabalho realizado em parceria com o Prof. Joaquim Guilhoto da

Leia mais

NORMA TÉCNICA INSTRUÇÕES PARA APRESENTAÇÃO DE PROJETO DE SISTEMAS DE TRATAMENTO DE EFLUENTES LÍQUIDOS CPRH N 2.005

NORMA TÉCNICA INSTRUÇÕES PARA APRESENTAÇÃO DE PROJETO DE SISTEMAS DE TRATAMENTO DE EFLUENTES LÍQUIDOS CPRH N 2.005 NORMA TÉCNICA INSTRUÇÕES PARA APRESENTAÇÃO DE PROJETO DE SISTEMAS DE TRATAMENTO DE EFLUENTES LÍQUIDOS CPRH N 2.005 SUMÁRIO 1. OBJETIVO 2. DOCUMENTOS DE REFERÊNCIA 3. DEFINIÇÕES 4. CONDIÇÕES GERAIS 5. INFORMAÇÕES

Leia mais

PARÂMETROS QUALITATIVOS DA ÁGUA EM CORPO HÍDRICO LOCALIZADO NA ZONA URBANA DE SANTA MARIA RS 1

PARÂMETROS QUALITATIVOS DA ÁGUA EM CORPO HÍDRICO LOCALIZADO NA ZONA URBANA DE SANTA MARIA RS 1 PARÂMETROS QUALITATIVOS DA ÁGUA EM CORPO HÍDRICO LOCALIZADO NA ZONA URBANA DE SANTA MARIA RS 1 TATSCH, R. O. C 2, AQUINO, J. P. N 3 ; SWAROWSKY, A 4 1 Trabalho de Pesquisa _UNIFRA 2 Curso de Engenharia:

Leia mais

Reúso de Águas Residuais e Água Regenerada

Reúso de Águas Residuais e Água Regenerada Worshop Inovação e Tecnologias Globais em Saneamento. Reúso de Águas Residuais e Água Regenerada 29/07/2014 Eng.º Américo de Oliveira Sampaio Superintendente Pesquisa, Desenvolvimento Tecnológico e Inovação

Leia mais

Agência Estadual de Meio Ambiente Diretoria de Gestão Territorial e Recursos Hídricos Unidade de Gestão de Recursos Hídricos

Agência Estadual de Meio Ambiente Diretoria de Gestão Territorial e Recursos Hídricos Unidade de Gestão de Recursos Hídricos 6 1. INTRODUÇÃO O presente relatório disponibiliza o resultado do monitoramento da qualidade das águas nas Bacias Hidrográficas Litorâneas e das captações para abastecimento, realizado pela Agência Estadual

Leia mais

MESA 4 ALERTA. Mario Thadeu Leme de Barros

MESA 4 ALERTA. Mario Thadeu Leme de Barros MESA 4 MONITORAMENTO E SISTEMA DE ALERTA Mario Thadeu Leme de Barros 1 A QUESTÃO DO CONTROLE DE CHEIAS URBANAS Medidas Estruturais versus Medidas Não Estruturais 2 Medidas não estruturais que se destacam:

Leia mais

A crise hídrica e a disponibilidade de água para as necessidades humanas

A crise hídrica e a disponibilidade de água para as necessidades humanas Capa A crise hídrica e a disponibilidade de água para as necessidades humanas A água é um recurso natural, dotado de valor econômico e de vital importância para os seres vivos, mas cuja disponibilidade

Leia mais

ANÁLISE DE SENSIBILIDADE DOS PARÂMETROS DO ÍNDICE DE QUALIDADE DE ÁGUA (IQA)

ANÁLISE DE SENSIBILIDADE DOS PARÂMETROS DO ÍNDICE DE QUALIDADE DE ÁGUA (IQA) ANÁLISE DE SENSIBILIDADE DOS PARÂMETROS DO ÍNDICE DE QUALIDADE DE ÁGUA (IQA) Rejane Felix Pereira 1 ; Alexandra de Vasconcelos Feitosa 2 ; Antônio Idivan Vieira Nunes 3 ; Marco Aurélio Holanda de Castro

Leia mais

Gestão Integrada de Águas Urbanas

Gestão Integrada de Águas Urbanas Recursos Hídricos na Região Sudeste: Segurança Hídrica, Riscos, Impactos e Soluções São Paulo, 20-21 de novembro de 2014 Gestão Integrada de Águas Urbanas Prof. Carlos E. M. Tucci Rhama Consultoria Ambiental

Leia mais

ESCOPO DA ACREDITAÇÃO ABNT NBR ISO/IEC 17025 ENSAIO

ESCOPO DA ACREDITAÇÃO ABNT NBR ISO/IEC 17025 ENSAIO Norma de Origem: NIT-DICLA-013 Folha: 1 / 07 RAZÃO SOCIAL/DESIGNAÇÃO DO LABORATÓRIO LABORATÓRIO DE ANÁLISES AMBIENTAIS TECLAB LTDA HUMANO S QUÍMICOS Dureza Total Alcalinidade Cloretos LQ:0,5 mg/l NORMA

Leia mais

RESULTADOS PARCIAIS DO EMPREGO DE METODOLOGIA PARA INTEGRAR SISTEMAS DE TRATAMENTO DE EFLUENTES AGROINDUSTRIAIS NO IFTRIÂNGULO UBERABA MG

RESULTADOS PARCIAIS DO EMPREGO DE METODOLOGIA PARA INTEGRAR SISTEMAS DE TRATAMENTO DE EFLUENTES AGROINDUSTRIAIS NO IFTRIÂNGULO UBERABA MG RESULTADOS PARCIAIS DO EMPREGO DE METODOLOGIA PARA INTEGRAR SISTEMAS DE TRATAMENTO DE EFLUENTES AGROINDUSTRIAIS NO IFTRIÂNGULO UBERABA MG ANTONELLO, P.M. 1 ; BARRETO, A.C 2 ; SOUZA, A.D. 3 ; 1 Bolsista

Leia mais

ESTAÇÃO DE TRATAMENTO DE ESGOTO

ESTAÇÃO DE TRATAMENTO DE ESGOTO SERVIÇO AUTÔNOMO DE ÁGUA E ESGOTO BANDEIRANTES (PR) Av. Com. Luiz Meneghel, 992 - fone/fax (043) 542-4566 e.mail - saaeban@ffalm.br - CGCMF 75624478/0001-91 ESTAÇÃO DE TRATAMENTO DE ESGOTO Elaborado por:

Leia mais

Matlab - Neural Networw Toolbox. Ana Lívia Soares Silva de Almeida

Matlab - Neural Networw Toolbox. Ana Lívia Soares Silva de Almeida 27 de maio de 2014 O que é a Neural Networw Toolbox? A Neural Network Toolbox fornece funções e aplicativos para a modelagem de sistemas não-lineares complexos que não são facilmente modelados com uma

Leia mais

OS PADRÕES BRASILEIROS DE QUALIDADE DAS ÁGUAS E OS CRITÉRIOS PARA PROTEÇÃO DA VIDA AQUÁTICA, SAÚDE HUMANA E ANIMAL

OS PADRÕES BRASILEIROS DE QUALIDADE DAS ÁGUAS E OS CRITÉRIOS PARA PROTEÇÃO DA VIDA AQUÁTICA, SAÚDE HUMANA E ANIMAL OS PADRÕES BRASILEIROS DE QUALIDADE DAS ÁGUAS E OS CRITÉRIOS PARA PROTEÇÃO DA VIDA AQUÁTICA, SAÚDE HUMANA E ANIMAL Luciana Vaz do Nascimento Marcos von Sperling (*) (*) Departamento de Engenharia Sanitária

Leia mais

UTILIZAÇÃO DA PLANTA VETIVERIA ZIZANIOIDES NO TRATAMENTO DE ESGOTO SANITÁRIO

UTILIZAÇÃO DA PLANTA VETIVERIA ZIZANIOIDES NO TRATAMENTO DE ESGOTO SANITÁRIO UTILIZAÇÃO DA PLANTA VETIVERIA ZIZANIOIDES NO TRATAMENTO DE ESGOTO SANITÁRIO Fernando Ernesto UCKER; Rogério de Araújo ALMEIDA Universidade Federal de Goiás UFG E-mail: ferucker@gmail.com Palavras-chave:

Leia mais

VII SIMPÓSIO SIO INTERNACIONAL DE QUALIDADE AMBIENTAL

VII SIMPÓSIO SIO INTERNACIONAL DE QUALIDADE AMBIENTAL VII SIMPÓSIO SIO INTERNACIONAL DE QUALIDADE AMBIENTAL GESTÃO DE RECURSOS HÍDRICOSH NA RMSP - SABESP MAIO DE 2010 Gestão de Recursos Hídricos PANORAMA GLOBAL Aumento da população mundial: 1950 2,52 bilhões

Leia mais

MONITORAMENTO DE CHORUME NO ANTIGO LIXÃO DO ROGER EM JOÃO PESSOA PARAÍBA - BRASIL

MONITORAMENTO DE CHORUME NO ANTIGO LIXÃO DO ROGER EM JOÃO PESSOA PARAÍBA - BRASIL Castellón, 23-24 de julio de 28. MONITORAMENTO DE CHORUME NO ANTIGO LIXÃO DO ROGER EM JOÃO PESSOA PARAÍBA - BRASIL Resumo Nóbrega, C. C. * ; Ferreira, J. W. O.; Athayde Jr., G. B.; Gadelha, C. L.; Costa,

Leia mais

XII SIMPÓSIO DE RECURSOS HIDRÍCOS DO NORDESTE

XII SIMPÓSIO DE RECURSOS HIDRÍCOS DO NORDESTE SIMULAÇÃO DA CAPACIDADE DE AUTODEPURAÇÃO EM DIFERENTES CENÁRIOS DE VAZÃO DE UM TRECHO DO RIO CACHOEIRA, SUL DA BAHIA. José Wildes Barbosa dos Santos; Neylor Alves Calasans Rêgo INTRODUÇÃO O forte crescimento

Leia mais

Produção de Alimentos e Sustentabilidade

Produção de Alimentos e Sustentabilidade I SEMINÁRIO ESTADUAL DA REDE SANS Desafios e estratégias para a promoção da alimentação saudável adequada e solidária no Estado de São Paulo Produção de Alimentos e Sustentabilidade Profa. Dra. Tamara

Leia mais

Processos Hidrológicos CST 318 / SER 456. Tema 1 Introdução ANO 2015

Processos Hidrológicos CST 318 / SER 456. Tema 1 Introdução ANO 2015 Processos Hidrológicos CST 318 / SER 456 Tema 1 Introdução ANO 2015 Camilo Daleles Rennó Laura De Simone Borma http://www.dpi.inpe.br/~camilo/prochidr/ Aulas 1 Introdução - Camilo 2 Precipitação/Interceptação

Leia mais

Uma visão sistêmica para conservação de água no ambiente construído

Uma visão sistêmica para conservação de água no ambiente construído Uma visão sistêmica para conservação de água no ambiente construído Profa. Dra. Marina S. de Oliveira Ilha FEC/UNICAMP Marina Ilha SBCS08 1 Distribuição da água doce superficial MUNDO CONT. AMERICANO Nordeste

Leia mais

Tecnologia em Água de Reuso e potencial de aplicação em processos industriais.

Tecnologia em Água de Reuso e potencial de aplicação em processos industriais. Tecnologia em Água de Reuso e potencial de aplicação em processos industriais. ESTAÇÃO DE TRATAMENTO DE ESGOTOS ETE JESUS NETTO ETE JESUS NETTO BACIA DE ESGOTAMENTO HISTÓRICO Estação Experimental de Tratamento

Leia mais

Dataloggers Diver e software para de águas subterrâneas confiáveis e precisos. Diver-Suite

Dataloggers Diver e software para de águas subterrâneas confiáveis e precisos. Diver-Suite Dataloggers Diver e software para de águas subterrâneas confiáveis e precisos Diver-Suite TECNOLOGIA DE MONITORAMENTO INTELIGENTE O Diver-Suite* da Schlumberger Water Services oferece aos especialistas

Leia mais

Rede de Monitoramento da Qualidade das Águas Interiores no Estado de São Paulo CETESB

Rede de Monitoramento da Qualidade das Águas Interiores no Estado de São Paulo CETESB Rede de Monitoramento da Qualidade das Águas Interiores no Estado de São Paulo CETESB Beatriz D. Ruiz Técnica Ambiental Setor de Águas Interiores EQAI bruiz@sp.gov.br Monitoramento da Qualidade da Água

Leia mais

Resultados e Discussões... 5. Fósforo... 9. Considerações Finais... 15 Referências... 16

Resultados e Discussões... 5. Fósforo... 9. Considerações Finais... 15 Referências... 16 SUMÁRIO Introdução... 1 Objetivo... 3 Geral... 3 Específicos... 3 Justificativa... 3 Metodologia... 3 Área de Estudo... 3 Resultados e Discussões... 5 Análise dos Parâmetros Físico-Químicos... 5 Demanda

Leia mais

DA CIDADE DO RIO DE JANEIRO

DA CIDADE DO RIO DE JANEIRO PREFEITURA DA CIDADE DO RIO DE JANEIRO SECRETARIA MUNICIPAL DE EDUCAÇÃO SUBSECRETARIA DE ENSINO COORDENADORIA DE EDUCAÇÃO Provas 2º Bimestre 2012 CIÊNCIAS DESCRITORES DESCRITORES DO 2º BIMESTRE DE 2012

Leia mais

CORRELAÇÃO ENTRE OS VALORES DE DBO E DQO NO AFLUENTE E EFLUENTE DE DUAS ETEs DA CIDADE DE ARARAQUARA

CORRELAÇÃO ENTRE OS VALORES DE DBO E DQO NO AFLUENTE E EFLUENTE DE DUAS ETEs DA CIDADE DE ARARAQUARA CORRELAÇÃO ENTRE OS VALORES DE DBO E DQO NO AFLUENTE E EFLUENTE DE DUAS ETEs DA CIDADE DE ARARAQUARA Paulo Sergio Scalize (1) Biomédico formado pela Faculdade Barão de Mauá. Graduando em Engenharia Civil

Leia mais

Saneamento Ambiental no Japão: contextualização, experiências e reflexões em relação ao panorama brasileiro.

Saneamento Ambiental no Japão: contextualização, experiências e reflexões em relação ao panorama brasileiro. Saneamento Ambiental no Japão: contextualização, experiências e reflexões em relação ao panorama brasileiro. Palestrante: Me. Marcos Paulo Lallo Sartori São Paulo, 10 de novembro de 2015. Governo e administração

Leia mais

PROTÓTIPO DE SOFTWARE PARA APRENDIZAGEM DE REDES NEURAIS ARTIFICIAIS

PROTÓTIPO DE SOFTWARE PARA APRENDIZAGEM DE REDES NEURAIS ARTIFICIAIS Anais do XXXIV COBENGE. Passo Fundo: Ed. Universidade de Passo Fundo, Setembro de 2006. ISBN 85-7515-371-4 PROTÓTIPO DE SOFTWARE PARA APRENDIZAGEM DE REDES NEURAIS ARTIFICIAIS Rejane de Barros Araújo rdebarros_2000@yahoo.com.br

Leia mais

DECRETO N 18.328, DE 8 DE JUNHO DE 1997 TÍTULO VI DO LANÇAMENTO DE EFLUENTES LÍQUIDOS NA REDE COLETORA DE ESGOTOS DEC 18.328 DE 18.06.

DECRETO N 18.328, DE 8 DE JUNHO DE 1997 TÍTULO VI DO LANÇAMENTO DE EFLUENTES LÍQUIDOS NA REDE COLETORA DE ESGOTOS DEC 18.328 DE 18.06. DECRETO N 18.328, DE 8 DE JUNHO DE 1997 TÍTULO VI DO LANÇAMENTO DE EFLUENTES LÍQUIDOS NA REDE COLETORA DE ESGOTOS DEC 18.328 DE 18.06.97 SEÇÃO I DOS PADRÕES DE EMISSÃO EM COLETORES PÚBLICOS OBJETIVO Art.

Leia mais

Global Conference Building a Sustainable World. Conferência Global Construindo o Mundo Sustentável. e Eventos Preparatórios e Simultâneos

Global Conference Building a Sustainable World. Conferência Global Construindo o Mundo Sustentável. e Eventos Preparatórios e Simultâneos Global Conference Building a Sustainable World Conferência Global Construindo o Mundo Sustentável e Eventos Preparatórios e Simultâneos Pavilhão Vermelho do Expo Center Norte Rua João Bernardo Pinto, 333

Leia mais

Radar de Penetração no Solo e Meio- Ambiente

Radar de Penetração no Solo e Meio- Ambiente UNIVERSIDADE DE SÃO PAULO INSTITUTO DE ASTRONOMIA, GEOFÍSICA E CIÊNCIAS ATMOSFÉRICAS DEPARTAMENTO DE GEOFÍSICA Curso 3ª Idade Radar de Penetração no Solo e Meio- Ambiente Vinicius Rafael Neris dos Santos

Leia mais

FONTES/NASCENTES. Departamento de Recursos Hídricos DRH Divisão de Outorga e Fiscalização

FONTES/NASCENTES. Departamento de Recursos Hídricos DRH Divisão de Outorga e Fiscalização FONTES/NASCENTES Departamento de Recursos Hídricos DRH Divisão de Outorga e Fiscalização O que é uma nascente? Nascentes, fontes ou olhos de água são os locais onde se verifica o aparecimento de água por

Leia mais

Cadeia alimentar 3º ano

Cadeia alimentar 3º ano Cadeia alimentar 3º ano O equilíbrio ecológico depende diretamente da interação, das trocas e das relações que os seres vivos estabelecem entre si e com o ambiente. Os seres respiram, vivem sobre o solo

Leia mais

[415] 11. INSTRUMENTOS DE AVALIAÇÃO E MONITORAMENTO

[415] 11. INSTRUMENTOS DE AVALIAÇÃO E MONITORAMENTO [415] 11. INSTRUMENTOS DE AVALIAÇÃO E MONITORAMENTO [416] Com o intuito de definir uma base de referência para avaliação futura da evolução da situação do sistema de saneamento no município, recomenda-se

Leia mais

Qualidade da água da Bacia Hidrográfica do bairro da Gávea / RJ

Qualidade da água da Bacia Hidrográfica do bairro da Gávea / RJ Qualidade da água da Bacia Hidrográfica do bairro da Gávea / RJ Mariana de Faria Gardingo (PUC Rio) mariana_gardingo@yahoo.com.br Maíra Leão Silveira (PUC Rio) mleaosilveira@hotmail.com Fernanda Figueiredo

Leia mais

TRATAMENTO DA ÁGUA. Professora: Raquel Malta Química 3ª série - Ensino Médio

TRATAMENTO DA ÁGUA. Professora: Raquel Malta Química 3ª série - Ensino Médio TRATAMENTO DA ÁGUA Professora: Raquel Malta Química 3ª série - Ensino Médio Água poluída: água inadequada para beber ou para fazer nossa higiene. Diversas substâncias naturalmente presentes na água são

Leia mais

Caracterização geomecânica do maciço de resíduos, dos taludes e dos cortes PROPOSTA COMERCIAL Nº 065/2014. Revisão 00 Página 2 de 5

Caracterização geomecânica do maciço de resíduos, dos taludes e dos cortes PROPOSTA COMERCIAL Nº 065/2014. Revisão 00 Página 2 de 5 Página 1 de 5 DADOS DO CONTRATANTE Cliente: Contato: Prefeitura Municipal de Jerônimo Monteiro Daniela Fosse Valbão Venancio Endereço: Avenida Lourival Lougon Moulin Nº 300 Bairro: Centro Cidade: Jerônimo

Leia mais

22º Congresso Brasileiro de Engenharia Sanitária e Ambiental. VI-047- R IO GRAVATAÍ RS. Qualidade atual x Enquadramento

22º Congresso Brasileiro de Engenharia Sanitária e Ambiental. VI-047- R IO GRAVATAÍ RS. Qualidade atual x Enquadramento 22º Congresso Brasileiro de Engenharia Sanitária e Ambiental 14 a 19 de Setembro 2003 - Joinville - Santa Catarina VI-047- R IO GRAVATAÍ RS. Qualidade atual x Enquadramento Enio Henriques Leite (1) Engº

Leia mais

Poluição do rio Tietê

Poluição do rio Tietê Poluição do rio Tietê Eixo(s) temático(s) Vida e ambiente / Terra e Universo Tema Água e vida; uso dos recursos naturais / a ocupação do espaço e suas consequências / desequilíbrio ambiental / desenvolvimento

Leia mais

Desenvolvimento socioeconômico e conflitos territoriais. Pôster Digital

Desenvolvimento socioeconômico e conflitos territoriais. Pôster Digital 1 2º SIMPÓSIO BRASILEIRO DE SAÚDE E MEIO AMBIENTE Desenvolvimento, e conflitos territoriais e saúde: ciência e movimentos sociais para a justiça ambiental nas políticas públicas. Desenvolvimento socioeconômico

Leia mais

RESOLUÇÃO ARSAE-MG 015, de 24 de janeiro de 2012.

RESOLUÇÃO ARSAE-MG 015, de 24 de janeiro de 2012. RESOLUÇÃO 015, de 24 de janeiro de 2012. Homologa a Norma Técnica T.187/4 Lançamento de Efluentes não Domésticos no Sistema de Esgotamento Sanitário da Companhia de Saneamento de Minas Gerais COPASA MG.

Leia mais

V-036 - QUALIDADE DA ÁGUA EM CACHOEIRAS TURÍSTICAS DA REGIÃO DE BOTUCATU - SP: AVALIAÇÃO PRELIMINAR

V-036 - QUALIDADE DA ÁGUA EM CACHOEIRAS TURÍSTICAS DA REGIÃO DE BOTUCATU - SP: AVALIAÇÃO PRELIMINAR V-036 - QUALIDADE DA ÁGUA EM CACHOEIRAS TURÍSTICAS DA REGIÃO DE BOTUCATU - SP: AVALIAÇÃO PRELIMINAR Maria de Lourdes Conte (1) Geógrafa. Doutora em Agronomia pela FCA/UNESP Botucatu. Prof a Colaboradora

Leia mais

Eixo Temático ET-08-001 - Recursos Hídricos

Eixo Temático ET-08-001 - Recursos Hídricos 383 Eixo Temático ET-08-001 - Recursos Hídricos MONITORAMENTO DA QUALIDADE DA ÁGUA DO RIO PARANÁ NA GESTÃO AMBIENTAL DA CONSTRUÇÃO DA PONTE RODOVIÁRIA - BR- 262/SP/MS Jhonatan Tilio Zonta¹,* ; Eduardo

Leia mais

Redes Neurais. Profa. Flavia Cristina Bernardini

Redes Neurais. Profa. Flavia Cristina Bernardini Redes Neurais Profa. Flavia Cristina Bernardini Introdução Cérebro & Computador Modelos Cognitivos Diferentes Cérebro Computador Seqüência de Comandos Reconhecimento de Padrão Lento Rápido Rápido Lento

Leia mais

Relatório de uma Aplicação de Redes Neurais

Relatório de uma Aplicação de Redes Neurais UNIVERSIDADE ESTADUAL DE MONTES CLAROS CENTRO DE CIÊNCIAS EXATAS E TECNOLÓGICAS DEPARTAMENTO DE CIÊNCIAS DA COMPUTACAÇÃO ESPECIALIZAÇÃO EM ENGENHARIA DE SISTEMAS DISCIPLINA: REDES NEURAIS PROFESSOR: MARCOS

Leia mais