Application Notes: Monitoramento SNMP. Monitoramento SNMP com Cacti

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "Application Notes: Monitoramento SNMP. Monitoramento SNMP com Cacti"

Transcrição

1 Application Notes: Monitoramento SNMP Monitoramento SNMP com Cacti

2 Application Notes: Monitoramento SNMP Monitoramento SNMP com Cacti. Data 30/04/2010, Revisão 1.1 Introdução Desenvolvimento Introdução A melhor e mais rápida forma de monitorar equipamentos é utilizando o software de gerência da Datacom, chamado DmView. No entanto, algumas redes pequenas podem ser monitoradas com alguma outra ferramenta do mercado, que podem ser gratuitas, como é o caso do Cacti. Este documento visa mostrar alguns exemplos de monitoramento de switches da Datacom, assim como apresentadar as configurações necessárias para o correto funcionamento deste software. Também serão apresentados alguns OID s especiais presentes na MIB da linha DmSwitch, que são interessantes serem monitorados. Desenvolvimento Configuração do protocolo SNMP no Switch DATACOM SNMP Versão 2 configure ip snmp-server ip snmp-server community DTCMetro ro ip snmp-server contact Suporte - DATACOM telefone (xx)xxxx-xxxx ip snmp-server location NOC DATACOM SNMP Versão 3 configure ip snmp-server ip snmp-server community DTCMetro ro ip snmp-server contact Suporte - DATACOM telefone (xx)xxxx-xxxx ip snmp-server location NOC DATACOM ip snmp-server user userdtc ro sha datacommetro aes chavedeprivacidade Recomendações de segurança no uso do protocolo SNMP Não utilizar as comunidades padrões public ou private. Permitir somente hosts ou redes autorizadas a consultar SNMP. DATACOM 1

3 Host Rede configure management snmp-client XX.XX.XX.XX/32 configure management snmp-client XX.XX.XX.XX/24 Utilizar SNMP Versão 3, pois possui autenticação criptografada e possibilidade de criptografar informações importantes do pacote SNMP. Utilizar protocolos de autenticação mais robustos como SHA para autenticação e AES para criptografia do pacote SNMP. A autenticação do protocolo SNMP versão 3, utiliza algoritmos de HASH unidirecional, nestes algoritmos não é possível decifrar e retornar ao texto de origem, o método de verificação da autenticação é feito pelo HASH do cliente com o(s) HASH(s) da base de dados do servidor, a escolha entre MD5 ou SHA-1 se deve ao tamanho da chave de cada protocolo, o MD5 possui 128 Bits e o SHA Bits. A criptografia do protoco SNMP versão 3, utiliza algoritmos de chave simétrica, o Triple Data Encryption Standard 3-DES ou Advanced Encryption Standard AES, neste tipo de criptografia tanto o emissor quanto o receptor possuem a mesma chave, ou seja, a mesma chave é utilizada na codificação e decodificação. O DES foi criado pela IBM em 1977, na época era um protoco proprietário, utiliza criptografia de 56 bits, o que corresponde a cerca de 72 quadrilhões de chaves diferentes. Apesar de ser um valor bastante alto, foi quebrado em 1997 por ataque força bruta (tentativa e erro), em um desafio feito na Internet. O 3-DES que é utilizado no SNMP V3 é o DES com o processo interno feito três vezes, que gera uma chave de 168 Bits. O AES é o sucessor do DES, é um protocolo aberto, foi adotado como padrão de criptografia pelo governo dos Estados Unidos, sendo esta escolha feita através de um concurso, sua chave tem 192 Bits, apesar de ter a chave maior em relação ao 3-DES, ele é mais rápido e requer menos memória que o 3-DES. criar usuário com autenticação criptografada ip snmp-server user userdtc ro sha datacommetro criar usuário com autenticação e informações importantes do pacote SNMP criptografados ip snmp-server user userdtc ro sha datacommetro aes chavedeprivacidade Adicionar um equipamento no Cacti Management Devices SNMP Versão 2 DATACOM 2

4 SNMP Versão 3 DATACOM 3

5 Configuração para monitoramento das interfaces 1ª - Criar um arquivo XML que será utilizado para consultar as informações das interfaces do switch Mib IF-MIB, colocar ele no diretório aonde ficam as queries do Cacti, no sistema operacional Ubuntu o caminho é: "/usr/share/cacti/resource/snmp_queries/". <interface> <name>get SNMP Interfaces</name> <description>queries a host for a list of monitorable interfaces</description> <oid_index> </oid_index> <oid_num_indexes> </oid_num_indexes> <index_order>ifdescr:ifname:ifhwr:ifindex</index_order> <index_order_type>numeric</index_order_type> <index_title_format> chosen_order_field </index_title_format> <fields> <ifindex> <name>index</name> <direction>input</direction> <oid> </oid> </ifindex> <ifdescr> <name>description</name> <direction>input</direction> <oid> </oid> </ifdescr> DATACOM 4

6 <iftype> <name>type</name> <direction>input</direction> <oid> </oid> </iftype> <ifspeed> <name>speed</name> <direction>input</direction> <oid> </oid> </ifspeed> <ifhwr> <name>hardware ress</name> <direction>input</direction> <oid> </oid> </ifhwr> <ifoperstatus> <name>status</name> <direction>input</direction> <oid> </oid> </ifoperstatus> <ifinbroadcastpkts> <name>broadcast Packets In</name> <direction>output</direction> <oid> </oid> </ifinbroadcastpkts> <ifinmulticastpkts> <name>multicast Packets In</name> <direction>output</direction> <oid> </oid> </ifinmulticastpkts> <ifoutbroadcastpkts> <name>broadcast Packets Out</name> <direction>output</direction> <oid> </oid> </ifoutbroadcastpkts> <ifoutmulticastpkts> <name>multicast Packets Out</name> <direction>output</direction> <oid> </oid> </ifoutmulticastpkts> <ifname> <name>name (IF-MIB)</name> <direction>input</direction> <oid> </oid> </ifname> <ifalias> <name>alias (IF-MIB)</name> <direction>input</direction> <oid> </oid> </ifalias> <ifip> <name>ip ress</name> <source>oid/regexp:.*\.([0-9]{1,3}\.[0-9]{1,3}\.[0-9]{1,3}\.[0-9]{1,3})$</source> DATACOM 5

7 <direction>input</direction> <oid> </oid> </ifip> <!-- 64 bits--> <ifhcinbroadcastpkts> <name>broadcast In - 64-bit Counters</name> <direction>output</direction> <oid> </oid> </ifhcinbroadcastpkts> <ifhcinmulticastpkts> <name>multicast In - 64-bit Counters</name> <direction>output</direction> <oid> </oid> </ifhcinmulticastpkts> <ifhcoutbroadcastpkts> <name>broadcast Out - 64-bit Counters</name> <direction>output</direction> <oid> </oid> </ifhcoutbroadcastpkts> <ifhcoutmulticastpkts> <name>multicast Out - 64-bit Counters</name> <direction>output</direction> <oid> </oid> </ifhcoutmulticastpkts> </fields> </interface> 2º - Adicionar no Cacti o arquivo XML criado no item anterior Collection Methods Data Queries Name -> DATACOM - IF-MIB Modified Description -> DATACOM XML Path -> <path_cacti>/resource/snmp_queries/interface.xml.datacom Data Input Method -> Get SNMP DATA (Indexed) 3ª - Data Templates No Cacti existem alguns data templates que já vem predefinidos no software e que são interessantes para gerência das interfaces como: errors/discards, unicast, traffic in/out, mas para monitorarmos Broadcast e Multicast será necesário criarmos os data templates. Broadcast Criar um novo template Templates Data Templates DATACOM 6

8 Configurar os data sources DATACOM 7

9 Multicast Para criarmos o Data Template para tráfego Multicast podemos utilizar como base as imagens anteriores de tráfego Broadcast, porém trocando os parâmetros a seguir: Data Templates - Name -> Interface - Multicast Packets Data Source - Name -> host_description - Multicast Packets Data Source Item - Internal Data Source Name -> multicast_in Data Source Item - Internal Data Source Name -> multicast_out 4ª - Graph Templates Templates Graph Templates Criar um template do gráfico DATACOM 8

10 Adicionar itens ao gráfico Item1 - Gráfico Tráfego Entrada DATACOM 9

11 Item2 - Legenda Tráfego Atual Item3 - Legenda Tráfego Médio DATACOM 10

12 Item4 - Legenda Tráfego Máximo Item5 - Gráfico Tráfego Saída DATACOM 11

13 Item6 - Legenda Tráfego Atual Item7 - Legenda Tráfego Médio DATACOM 12

14 Item8 - Legenda Tráfego Máximo Configuração para monitoramento de CPU e memória 1ª - Data templates CPU Templates Data Templates Criando um novo template DATACOM 13

15 Configurando o Custom Data DATACOM 14

16 Memória Para criarmos o Data Template para consulta de memória podemos utilizar como base as imagens anteriores de consulta a CPU, porém trocando os parâmetros a seguir: Data Templates - Name -> DATACOM - 5 Minute Memory Data Source - Name -> host_description - 5 Minute Memory Data Source Item - Internal Data Source Name -> datacom_memory Data Source Item - Maximum Value 100 Custom Data - OID -> Outros OIDs Linha 3000 ou 4000 Utilização do processador CPU swcpuusage Utilização de memória swmemusage Número total de MACs switchmacrusagetable Versão do hardware swhardwarever Versão do Firmware DATACOM 15

17 swfirmwarever Data de versão do Firmware swfirmwarereleasedate Versão do Bootloader swbootloaderver Números de portas no Switch swportnumber Número de série do equipamento swserialnumber Modelo do equipamento swprodmodelid Identificação do produto switchproductid Tabela de Vlans vlantable Hora atual do equipamento syscurrenttime Broadcast Storm Control por interface (Status "ativo=1 e inativo=1" e pacotes por segundo) bcaststormtable Endereço IP do Default Gateway ipdefaultgateway Status Procolo HTTP (ativo=1 e inativo=0) iphttpstate Status Protocolo HTTPS (ativo=1 e inativo=0) iphttpsstate Endereço DNS Server primário (senão estiver configurado, retornará ) DATACOM 16

18 ipprimarydnsserver Endereço DNS Server secundário (senão estiver configurado, retornará ) ipsecondarydnsserver Linha 4000 Número de slots que o equipamento possui swslotnumber Informações sobre as MPU(s)(Index, Versão do Boot Loader, MPU Ativa=1 Standby=2, Número Serial e Identificação do modelo) switchmputable ª Graph Management O Switch DATACOM retorna o counter de processamento em 1000% e não 100%, para os gráficos ficarem de acordo com o mais usual que seria 100%, devemos criar uma definição customizada "CDEF" para dividir os dados coletados por 100. Management Graph Management ---CDEFs Name -> CPU CDEF Items -> Item 1 Special Data Source Current Graph Item Data Source Item 2 Custom String 100 Item 3 Operator / 3ª Graph templates Templates Graph Templates DATACOM 17

19 Criar um template do gráfico DATACOM 18

20 Adicionar itens ao gráfico Item 1 - Gráfico Processamento CPU DATACOM 19

21 Item 2 - Legenda Processamento Atual Item 3 - Legenda Processamento Médio DATACOM 20

22 Item 4 - Legenda Processamento Máximo Para criarmos o Graph Template para consulta de memória podemos utilizar como base as imagens anteriores do gráfico de processamento, porém trocando os parâmetros a seguir: Graph Template Template -> DATACOM - Memory Usage Graph Template - Title -> host_description - Memory Usage Graph Template - Upper Limit -> 100 Itens do Gráfico Data Source -> DATACOM 5 Minute Memory - (datacom_memory) CDEF Function -> None Associar os templates dos gráficos de Broadcast e Multicast ao Data Queries. Collection Methods Data Queries DATACOM 21

23 Clicar em IF-MIB Modified Name -> Broadcast Graph Template -> Interface - Broadcast Packets Name -> Multicast Graph Template -> Interface - Multicast Packets DATACOM 22

24 Configurar para gerar gráficos por média,máximo Por default os Round Robin Archives RRA no Cacti são configurados para manter a média e a máxima dos pontos coletados, mas a área do gráfico é gerados pela média dos pontos coletados, para trocarmos a área do gráfico para máxima dos pontos coletados, temos que alterar o item do gráfico. É importante ressaltar que a média ou máxima dos gráficos se aplicam somente a gráficos semanais,mensais ou anuais e não para gráficos diários. Templates Graph Templates Interface - Traffic (bits/sec) Item 1 Consolidation Function -> MAX DATACOM 23

25 Associar e adicionar gráficos nos dispositivos Management Devices Associated Graph Templates DATACOM - Cpu Usage DATACOM - Memory Usage Associated Data Queries IF-MIB Modified SNMP - Interface Statistics Criar os gráficos para o Host Create Graphs for this Host Selecionar os gráficos desejados, após clicar em create. Adicionar o Host na árvore de gráficos do Cacti Management Graph Trees DATACOM 24

26 Visualização dos Gráficos Legenda M Mega k Mil Traffic In/Out Unicast DATACOM 25

27 Broadcast Multicast DATACOM 26

28 Errors/Discards Processamento DATACOM 27

29 Memória DATACOM 28

Application Notes: SNMP. Configuração do protocolo SNMP

Application Notes: SNMP. Configuração do protocolo SNMP Application Notes: SNMP Configuração do protocolo SNMP Application Notes: SNMP Configuração do protocolo SNMP. Data 10/05/2010, Revisão 1.1 Introdução Desenvolvimento Configurando o Protocolo SNMP Traps

Leia mais

LABORATÓRIO 3 (parte 1)

LABORATÓRIO 3 (parte 1) FACULDADE PITÁGORAS Tecnólogo em Redes de Computadores Desempenho de Redes Prof. Ulisses Cotta Cavalca LABORATÓRIO 3 (parte 1) OBJETIVOS Verificar e manipular ferramentas de desempenho

Leia mais

III WTR do POP-BA III Workshop de Tecnologias de Redes Ponto de Presença da RNP na Bahia Instrutor: Italo Valcy Monitor: Marcio Bouças

III WTR do POP-BA III Workshop de Tecnologias de Redes Ponto de Presença da RNP na Bahia Instrutor: Italo Valcy Monitor: Marcio Bouças III WTR do POP-BA III Workshop de Tecnologias de Redes Ponto de Presença da RNP na Bahia Instrutor: Italo Valcy Monitor: Marcio Bouças Cenário: A máquina curso-monitoramento possui os softwares de gerencia

Leia mais

LABORATÓRIO 3 (parte 2)

LABORATÓRIO 3 (parte 2) FACULDADE PITÁGORAS Tecnólogo em Redes de Computadores Desempenho de Redes Prof. Ulisses Cotta Cavalca LABORATÓRIO 3 (parte 2) OBJETIVOS Verificar e manipular ferramentas de desempenho

Leia mais

Cacti 4 de fevereiro de 2010

Cacti 4 de fevereiro de 2010 4 de fevereiro de 2010 Sumário 1 Introdução 2 2 Pré-requisitos 2 3 Instalação 2 3.1 Instalando os pacotes necessários................ 3 4 Configuração 3 4.1 Configurando o MySQL..................... 3

Leia mais

Action.NET. SNMP Manager Communication Protocol. Manual de Referência

Action.NET. SNMP Manager Communication Protocol. Manual de Referência SCLN212, Bloco D, Sala 101 Brasília DF CEP: 70.865-540 +55 61 3340-8486 contato@spinengenharia.com.br www.spinegenhria.com.br Action.NET SNMP Manager Communication Protocol Versão1.0.1 Manual de Referência

Leia mais

AGENTE PROFISSIONAL - ANALISTA DE REDES

AGENTE PROFISSIONAL - ANALISTA DE REDES Página 1 CONHECIMENTO ESPECÍFICO 01. Suponha um usuário acessando a Internet por meio de um enlace de 256K bps. O tempo mínimo necessário para transferir um arquivo de 1M byte é da ordem de A) 4 segundos.

Leia mais

Capítulo 8. Segurança de redes

Capítulo 8. Segurança de redes Capítulo 8 Segurança de redes slide 1 2011 Pearson Prentice Hall. Todos os direitos reservados. Computer Networks, Fifth Edition by Andrew Tanenbaum and David Wetherall, Pearson Education-Prentice Hall,

Leia mais

Laboratório Configuração do SNMP

Laboratório Configuração do SNMP Topologia Tabela de Endereçamento Objetivos Dispositivo Interface Endereço IP Máscara de Sub-Rede Gateway padrão R1 G0/1 192.168.1.1 255.255.255.0 N/A S0/0/0 192.168.2.1 255.255.255.252 N/A R2 S0/0/0 192.168.2.2

Leia mais

Lista 3 Exercícios de Gestão de Redes

Lista 3 Exercícios de Gestão de Redes 1. Quais os fatores que contribuem para o sucesso de uma operação de gerenciamento? O sucesso de uma operação de Gerenciamento depende dos seguintes fatores: O sistema de gerenciamento invocador deve ter

Leia mais

Nesta sessão introduziremos os conceitos básicos do Cacti, e como fazer para instalá-lo em seu computador.

Nesta sessão introduziremos os conceitos básicos do Cacti, e como fazer para instalá-lo em seu computador. Cacti é uma ferramenta gráfica de gerenciamento de dados de rede que disponibiliza a seus usuários uma interface intuitiva e bem agradável de se usar, sendo acessível a qualquer tipo de usuários. Este

Leia mais

ANEXO I ESPECIFICAÇÃO TÉCNICA 1. HARDWARE DO APPLIANCE

ANEXO I ESPECIFICAÇÃO TÉCNICA 1. HARDWARE DO APPLIANCE Aquisição de Solução de Criptografia para Backbone da Rede da Dataprev ANEXO I ESPECIFICAÇÃO TÉCNICA 1. HARDWARE DO APPLIANCE 1.1 Cada appliance deverá ser instalado em rack de 19 (dezenove) polegadas

Leia mais

Faculdade de Tecnologia SENAC Goiás. Disciplina: Gerenciamento de Rede de Computadores. Goiânia, 16 de novembro de 2014.

Faculdade de Tecnologia SENAC Goiás. Disciplina: Gerenciamento de Rede de Computadores. Goiânia, 16 de novembro de 2014. Faculdade de Tecnologia SENAC Goiás Disciplina: Gerenciamento de Rede de Computadores : Goiânia, 16 de novembro de 2014. Faculdade de Tecnologia SENAC Goiás Professor: Marissol Martins Alunos: Edy Laus,

Leia mais

Ataque Distribuído de Negação de Serviço por Reflexão Amplificada usando Simple Network Management Protocol

Ataque Distribuído de Negação de Serviço por Reflexão Amplificada usando Simple Network Management Protocol Ataque Distribuído de Negação de Serviço por Reflexão Amplificada usando Simple Network Management Protocol Tiago Fonseca João Gondim Departamento de Ciência da Computação Universidade de Brasília Agenda

Leia mais

Gerência de Redes de Computadores. 05 Gerência de Hospedeiros (Hosts)

Gerência de Redes de Computadores. 05 Gerência de Hospedeiros (Hosts) Gerência de Redes de Computadores 05 Gerência de Hospedeiros (Hosts) UFCG / DSC / JPS * 05 GERÊNCIA DE HOSPEDEIROS 1 TIPOS DE HOSPEDEIROS DOIS TIPOS DE HOSPEDEIROS o Servidores o Estações Clientes HÁ GRANDE

Leia mais

UTILIZAÇÃO DO SOFTWARE LIVRE CACTI PARA GERENCIAMENTO DE REDES LOCAIS DE COMPUTADORES

UTILIZAÇÃO DO SOFTWARE LIVRE CACTI PARA GERENCIAMENTO DE REDES LOCAIS DE COMPUTADORES UTILIZAÇÃO DO SOFTWARE LIVRE CACTI PARA GERENCIAMENTO DE REDES LOCAIS DE COMPUTADORES Filipe Herbert da Silva 1, Marco Aurélio G. de Almeida 1, Jonhson de Tarso Silva 1, Karina Buttignon 1 1 Fatec Guaratinguetá,

Leia mais

Descritivo Técnico. SLAView - Descritivo Técnico Build 5.0 release 4 16/02/2011 Página 1

Descritivo Técnico. SLAView - Descritivo Técnico Build 5.0 release 4 16/02/2011 Página 1 Descritivo Técnico 16/02/2011 Página 1 1. OBJETIVO O SLAview é um sistema de análise de desempenho de redes IP por meio da monitoração de parâmetros de SLA (Service Level Agreement, ou Acordo de Nível

Leia mais

Application Notes: Proteção da CPU e Gerência do DmSwitch. Uso das proteções para evitar alto consumo de CPU e memória, bem como acessos à gerência

Application Notes: Proteção da CPU e Gerência do DmSwitch. Uso das proteções para evitar alto consumo de CPU e memória, bem como acessos à gerência Application Notes: Proteção da CPU e Gerência do DmSwitch Uso das proteções para evitar alto consumo de CPU e memória, bem como acessos à gerência Application Notes: Proteção da CPU e Gerência do DmSwitch

Leia mais

Manual de Configuração de Ipsec

Manual de Configuração de Ipsec Manual de Configuração de Ipsec Versão 0 BRA-POR Definições de observações Utilizamos o ícone a seguir ao longo deste Manual do Usuário: Os ícones de ensinam como agir em determinada situação ou fornecem

Leia mais

Switch>: User mode Limitado a comandos básicos de monitoramento.

Switch>: User mode Limitado a comandos básicos de monitoramento. Faculdade de Tecnologia Senac Pelotas Curso Superior de Tecnologia em Redes de Computadores Laboratório de Redes I Professor Eduardo Maroñas Monks Resumo de Comandos Cisco IOS (Switch 2960) versão 1b Modos

Leia mais

Gerência de Redes e Serviços de Comunicação Multimídia

Gerência de Redes e Serviços de Comunicação Multimídia UNISUL 2013 / 1 Universidade do Sul de Santa Catarina Engenharia Elétrica - Telemática 1 Gerência de Redes e Serviços de Comunicação Multimídia Aula 3 Gerenciamento de Redes Cenário exemplo Detecção de

Leia mais

Redes de Computadores

Redes de Computadores Redes de Computadores Gestão de redes. Protocolo SNMP. Maio de 2010 1 Gestão de redes Gestão de redes refere-se neste contexto às actividades relacionadas com a manutenção do bom funcionamento de um conjunto

Leia mais

Professor(es): Fernando Pirkel. Descrição da(s) atividade(s):

Professor(es): Fernando Pirkel. Descrição da(s) atividade(s): Professor(es): Fernando Pirkel Descrição da(s) atividade(s): Definir as tecnologias de redes necessárias e adequadas para conexão e compartilhamento dos dados que fazem parte da automatização dos procedimentos

Leia mais

M3D4 - Certificados Digitais Aula 2 Certificado Digital e suas aplicações

M3D4 - Certificados Digitais Aula 2 Certificado Digital e suas aplicações M3D4 - Certificados Digitais Aula 2 Certificado Digital e suas aplicações Prof. Fernando Augusto Teixeira 1 2 Agenda da Disciplina Certificado Digital e suas aplicações Segurança Criptografia Simétrica

Leia mais

Segurança de Rede Prof. João Bosco M. Sobral 1

Segurança de Rede Prof. João Bosco M. Sobral 1 1 Sinopse do capítulo Problemas de segurança para o campus. Soluções de segurança. Protegendo os dispositivos físicos. Protegendo a interface administrativa. Protegendo a comunicação entre roteadores.

Leia mais

Conceitos de Segurança em Sistemas Distribuídos

Conceitos de Segurança em Sistemas Distribuídos Conceitos de Segurança em Sistemas Distribuídos Francisco José da Silva e Silva Laboratório de Sistemas Distribuídos (LSD) Departamento de Informática / UFMA http://www.lsd.ufma.br 30 de novembro de 2011

Leia mais

PRTG Uma ferramenta de apoio ao Administrador de Redes

PRTG Uma ferramenta de apoio ao Administrador de Redes PRTG Uma ferramenta de apoio ao Administrador de Redes Éverton Perleberg 1, André Moraes 1 1 Curso Superior de Tecnologia em Redes de Computadores Faculdade de Tecnologia Senac Pelotas (FATECPEL) Rua Gonçalves

Leia mais

Avaliação da aplicação Cisco Prime LMS. Resumo

Avaliação da aplicação Cisco Prime LMS. Resumo Avaliação da aplicação Cisco Prime LMS Marcelo Andrey Scottini Curso de Especialização em Redes e Segurança de Sistemas Pontifícia Universidade Católica do Paraná Curitiba, Fevereiro de 2013 Resumo O presente

Leia mais

Switch de Acesso Fast Ethernet Modelo de Referência - Cisco SRW224G4

Switch de Acesso Fast Ethernet Modelo de Referência - Cisco SRW224G4 Switch de Acesso Fast Ethernet Modelo de Referência - Cisco SRW224G4 Switch Fast Ethernet com as seguintes configurações mínimas: capacidade de operação em camada 2 do modelo OSI; 24 (vinte e quatro) portas

Leia mais

MANUAL DE INSTRUÇÕES

MANUAL DE INSTRUÇÕES MANUAL DE INSTRUÇÕES 1 Conteúdo 1. LogWeb... 3 2. Instalação... 4 3. Início... 6 3.1 Painel Geral... 6 3.2 Salvar e Restaurar... 7 3.3 Manuais... 8 3.4 Sobre... 8 4. Monitoração... 9 4.1 Painel Sinóptico...

Leia mais

Software EMS Manual do usuário. CTS2780

Software EMS Manual do usuário. CTS2780 Software EMS Manual do usuário. CTS2780 V2-11/07/2014 1 SUMÁRIO APRESENTAÇÃO... 4 GERENCIAMENTO DO OLT CTS2780... 4 1. ADICIONANDO A OLT NO EMS... 4 2. GERENCIAMENTO DO CHASSI... 7 2.1. Device Information...

Leia mais

Application Notes: DHCP Relay. Funcionamento do DHCP Relay

Application Notes: DHCP Relay. Funcionamento do DHCP Relay Application Notes: DHCP Relay Funcionamento do DHCP Relay Application Notes: DHCP Relay Funcionamento do DHCP Relay. Data 29/10/2009 Parecer Introdução Desenvolvimento Funcionamento do DHCP Funcionamento

Leia mais

Especificação Técnica

Especificação Técnica Especificação Técnica Última atualização em 31 de março de 2010 Plataformas Suportadas Agente: Windows XP e superiores. Customização de pacotes de instalação (endereços de rede e dados de autenticação).

Leia mais

Gerência de Segurança

Gerência de Segurança Gerência de segurança envolve a proteção de dados sensíveis dos dispositivos de rede através do controle de acesso aos pontos onde tais informações se localizam Benefícios do processo de gerência de segurança

Leia mais

Implantação do Zabbix para monitoramento de infraestrutura

Implantação do Zabbix para monitoramento de infraestrutura Implantação do Zabbix para monitoramento de infraestrutura Raphael Celuppi Curso de Especialização em Redes e Segurança de Sistemas Pontifícia Universidade Católica do Paraná Curitiba, Setembro 2009 Sumário

Leia mais

Gerenciamento e Interoperabilidade de Redes

Gerenciamento e Interoperabilidade de Redes EN-3610 Gerenciamento e Interoperabilidade de Redes Ferramentas de Gerenciamento de Redes Prof. João Henrique Kleinschmidt Gerenciamento baseado na Web Web browser Acesso ubíquo Interface Web vs Gerenciamento

Leia mais

Roteador de Perímetro DMZ Hosts de Segurança Gateway de Aplicativo

Roteador de Perímetro DMZ Hosts de Segurança Gateway de Aplicativo Roteador de Perímetro DMZ Hosts de Segurança Gateway de Aplicativo Conectando-se à Internet com Segurança Soluções mais simples. Sistemas de Segurança de Perímetro Zona Desmilitarizada (DMZ) Roteador de

Leia mais

Segurança da Informação

Segurança da Informação Segurança da Informação (Extraído da apostila de Segurança da Informação do Professor Carlos C. Mello) 1. Conceito A Segurança da Informação busca reduzir os riscos de vazamentos, fraudes, erros, uso indevido,

Leia mais

Gerenciamento de Redes - Evolução. Gerenciamento de Rede. Gerenciamento de Rede NOC NOC

Gerenciamento de Redes - Evolução. Gerenciamento de Rede. Gerenciamento de Rede NOC NOC s - Evolução 1970s 1970s 1980s 1980s Dispositivos 1990s 1990s Browser A Web Server Mainframe Estação Gerenciadora Browser C Browser B NOC (Network( Operation Center) Conjunto de atividades para manter

Leia mais

Application Notes: VRRP. Aplicabilidade do Virtual Router Redundancy Protocol no DmSwitch

Application Notes: VRRP. Aplicabilidade do Virtual Router Redundancy Protocol no DmSwitch Application Notes: VRRP Aplicabilidade do Virtual Router Redundancy Protocol no DmSwitch Parecer Introdução Desenvolvimento inicial Setup básico Setup com roteamento dinâmico Explorando possibilidades

Leia mais

SWITCH DE BORDA CAMADA 2 24 PORTAS GIGABIT RJ-45 SEM POE E 2 PORTAS 10 GIGABITS PARA FIBRA. Subitem Característica Especificação Exigência

SWITCH DE BORDA CAMADA 2 24 PORTAS GIGABIT RJ-45 SEM POE E 2 PORTAS 10 GIGABITS PARA FIBRA. Subitem Característica Especificação Exigência SWITCH DE BORDA CAMADA 2 24 PORTAS GIGABIT RJ-45 SEM POE E 2 PORTAS 10 GIGABITS PARA FIBRA Subitem Característica Especificação Exigência CONEXÕES DESEMPENHO 1.1 Portas RJ-45 1.2 Portas GBIC 1.3 Autoconfiguraçã

Leia mais

Redes de Computadores. Prof. André Y. Kusumoto andrekusumoto.unip@gmail.com

Redes de Computadores. Prof. André Y. Kusumoto andrekusumoto.unip@gmail.com Redes de Computadores Prof. André Y. Kusumoto andrekusumoto.unip@gmail.com Nível de Aplicação Responsável por interagir com os níveis inferiores de uma arquitetura de protocolos de forma a disponibilizar

Leia mais

Redes de Computadores II INF-3A

Redes de Computadores II INF-3A Redes de Computadores II INF-3A 1 ROTEAMENTO 2 Papel do roteador em uma rede de computadores O Roteador é o responsável por encontrar um caminho entre a rede onde está o computador que enviou os dados

Leia mais

Execícios de Revisão Redes de Computadores Edgard Jamhour. Filtros de Pacotes Criptografia SSL

Execícios de Revisão Redes de Computadores Edgard Jamhour. Filtros de Pacotes Criptografia SSL Execícios de Revisão Redes de Computadores Edgard Jamhour Filtros de Pacotes Criptografia SSL Exercício 1 Configure as regras do filtro de pacotes "E" para permitir que os computadores da rede interna

Leia mais

Curso de extensão em Administração de Redes

Curso de extensão em Administração de Redes Curso de extensão em Administração de Redes Italo Valcy da Silva Brito1,2 1 Gestores da Rede Acadêmica de Computação Departamento de Ciência da Computação Universidade Federal da Bahia 2 Ponto de Presença

Leia mais

Segurança da Informação. Prof. Gleison Batista de Sousa

Segurança da Informação. Prof. Gleison Batista de Sousa Segurança da Informação Prof. Gleison Batista de Sousa Ao longo do tempo e com a evolução tecnologia surgiram uma quantidade enorme de problemas desafiadores relacionados a segurança da informação. Quais

Leia mais

Uma Ferramenta Baseada na Web Para Gerenciamento De Redes

Uma Ferramenta Baseada na Web Para Gerenciamento De Redes Uma Ferramenta Baseada na Web Para Gerenciamento De Redes Rogério Turchetti 1 1 Centro de Tecnologia Universidade Federal de Santa Maria (UFSM) 97.105-900 Santa Maria RS Brazil turchetti@brturbo.com Abstract.

Leia mais

Utilizando o Cricket para monitoração de Servidores. Sérgio A. Meyenberg Jr. Especialização em Redes e Segurança de Sistemas

Utilizando o Cricket para monitoração de Servidores. Sérgio A. Meyenberg Jr. Especialização em Redes e Segurança de Sistemas Utilizando o Cricket para monitoração de Servidores Sérgio A. Meyenberg Jr Especialização em Redes e Segurança de Sistemas Curitiba, outubro de 2010 Resumo O objetivo deste Artigo é demonstrar as funcionalidades

Leia mais

www.sysdevsolutions.com Notas Técnicas: Configurar Comunicações Versão 1.0 de 06-09-2011 Português

www.sysdevsolutions.com Notas Técnicas: Configurar Comunicações Versão 1.0 de 06-09-2011 Português Versão 1.0 de 06-09-2011 uguês Índice Introdução... 3 1. USB... 4 2. Wifi... 5 3. Bluetooth... 6 4. GPRS/3G... 7 2 Introdução Para comunicar com qualquer computador, o necessita do. Então, como configurar

Leia mais

Redes. Pablo Rodriguez de Almeida Gross

Redes. Pablo Rodriguez de Almeida Gross Redes Pablo Rodriguez de Almeida Gross Conceitos A seguir serão vistos conceitos básicos relacionados a redes de computadores. O que é uma rede? Uma rede é um conjunto de computadores interligados permitindo

Leia mais

Estudo da Ferramenta Cacti, para análise de desempenho de rede

Estudo da Ferramenta Cacti, para análise de desempenho de rede Estudo da Ferramenta Cacti, para análise de desempenho de rede Eduardo Perez Pereira 1, Rodrigo Costa de Moura 1 1 Centro Politécnico Universidade Católica de Pelotas (UCPel) Félix da Cunha, 412 - Pelotas

Leia mais

Configurando o DDNS Management System

Configurando o DDNS Management System Configurando o DDNS Management System Solução 1: Com o desenvolvimento de sistemas de vigilância, cada vez mais usuários querem usar a conexão ADSL para realizar vigilância de vídeo através da rede. Porém

Leia mais

Redes de Computadores LFG TI

Redes de Computadores LFG TI Redes de Computadores LFG TI Prof. Bruno Guilhen Camada de Aplicação Fundamentos Fundamentos Trata os detalhes específicos de cada tipo de aplicação. Mensagens trocadas por cada tipo de aplicação definem

Leia mais

Endereço de Rede. Comumente conhecido como endereço IP Composto de 32 bits comumente divididos em 4 bytes e exibidos em formato decimal

Endereço de Rede. Comumente conhecido como endereço IP Composto de 32 bits comumente divididos em 4 bytes e exibidos em formato decimal IP e DNS O protocolo IP Definir um endereço de rede e um formato de pacote Transferir dados entre a camada de rede e a camada de enlace Identificar a rota entre hosts remotos Não garante entrega confiável

Leia mais

EXPERIMENTO EM REDE LOCAL

EXPERIMENTO EM REDE LOCAL EXPERIMENTOS A realização de experimentos é essencial a qualquer plano de implementação de uma tecnologia. Para a implementação da tecnologia IP multicast foram realizados vários experimentos que abordaram

Leia mais

ETI/Domo. Português. www.bpt.it. ETI-Domo Config 24810180 PT 29-07-14

ETI/Domo. Português. www.bpt.it. ETI-Domo Config 24810180 PT 29-07-14 ETI/Domo 24810180 www.bpt.it PT Português ETI-Domo Config 24810180 PT 29-07-14 Configuração do PC Antes de realizar a configuração de todo o sistema, é necessário configurar o PC para que esteja pronto

Leia mais

MANUAL DE INSTALAÇÃO E PROGRAMAÇÃO CONVERSOR - IP / USB / SERIAL - 317 RV1

MANUAL DE INSTALAÇÃO E PROGRAMAÇÃO CONVERSOR - IP / USB / SERIAL - 317 RV1 MANUAL DE INSTALAÇÃO E PROGRAMAÇÃO CONVERSOR - IP / USB / SERIAL - 317 RV1 SÃO CAETANO DO SUL 06/06/2014 SUMÁRIO Descrição do Produto... 3 Características... 3 Configuração USB... 4 Configuração... 5 Página

Leia mais

Wireshark. Captura de Protocolos da camada de aplicação. Maicon de Vargas Pereira

Wireshark. Captura de Protocolos da camada de aplicação. Maicon de Vargas Pereira Wireshark Captura de Protocolos da camada de aplicação Maicon de Vargas Pereira Camada de Aplicação Introdução HTTP (Hypertext Transfer Protocol) 2 Introdução Camada de Aplicação Suporta os protocolos

Leia mais

Auditoria e Segurança da Informação GSI536. Prof. Rodrigo Sanches Miani FACOM/UFU

Auditoria e Segurança da Informação GSI536. Prof. Rodrigo Sanches Miani FACOM/UFU Auditoria e Segurança da Informação GSI536 Prof. Rodrigo Sanches Miani FACOM/UFU Revisão Criptografia de chave simétrica; Criptografia de chave pública; Modelo híbrido de criptografia. Criptografia Definições

Leia mais

SISTEMAS DISTRIBUIDOS. Prof. Marcelo de Sá Barbosa

SISTEMAS DISTRIBUIDOS. Prof. Marcelo de Sá Barbosa Prof. Marcelo de Sá Barbosa Introdução Visão geral das técnicas de segurança Algoritmos de criptografia Assinaturas digitais Criptografia na prática Introdução A necessidade de proteger a integridade e

Leia mais

Criptografia. 1. Introdução. 2. Conceitos e Terminologias. 2.1. Criptografia. 2.2. Criptoanálise e Criptologia. 2.3. Cifragem, Decifragem e Algoritmo

Criptografia. 1. Introdução. 2. Conceitos e Terminologias. 2.1. Criptografia. 2.2. Criptoanálise e Criptologia. 2.3. Cifragem, Decifragem e Algoritmo 1. Introdução O envio e o recebimento de informações são uma necessidade antiga, proveniente de centenas de anos. Nos últimos tempos, o surgimento da Internet e de tantas outras tecnologias trouxe muitas

Leia mais

CERTIFICAÇÃO DIGITAL

CERTIFICAÇÃO DIGITAL Autenticidade Digital CERTIFICAÇÃO DIGITAL Certificação Digital 1 Políticas de Segurança Regras que baseiam toda a confiança em um determinado sistema; Dizem o que precisamos e o que não precisamos proteger;

Leia mais

Criptografia de chaves públicas

Criptografia de chaves públicas Marcelo Augusto Rauh Schmitt Maio de 2001 RNP/REF/0236 Criptografia 2001 RNP de chaves públicas Criptografia Introdução Conceito É a transformação de um texto original em um texto ininteligível (texto

Leia mais

RMON Remote Network Monitoring

RMON Remote Network Monitoring RMON Remote Network Monitoring!"#$%&'(() $&*+, -. / /01 / 2 34 São dispositivos usados para estudar o trafego na rede como um todo, Produzem informação de sumário, incluindo estatísticas de erro, estatísticas

Leia mais

Redes de Dados e Comunicações. Prof.: Fernando Ascani

Redes de Dados e Comunicações. Prof.: Fernando Ascani Redes de Dados e Comunicações Prof.: Fernando Ascani Camada de Aplicação A camada de Aplicação é a que fornece os serviços Reais para os usuários: E-mail, Acesso a Internet, troca de arquivos, etc. Portas

Leia mais

Capítulo 8 - Aplicações em Redes

Capítulo 8 - Aplicações em Redes Capítulo 8 - Aplicações em Redes Prof. Othon Marcelo Nunes Batista Mestre em Informática 1 de 31 Roteiro Sistemas Operacionais em Rede Modelo Cliente-Servidor Modelo P2P (Peer-To-Peer) Aplicações e Protocolos

Leia mais

Redes de Computadores Camada de Aplicação. Prof. MSc. Hugo Souza

Redes de Computadores Camada de Aplicação. Prof. MSc. Hugo Souza Redes de Computadores Camada de Aplicação Prof. MSc. Hugo Souza É a camada que dispõe a programação para as aplicações de rede através dos protocolos de aplicação; Provém a implantação da arquitetura de

Leia mais

Gerenciamento da rede ATM. Prof. José Marcos C. Brito

Gerenciamento da rede ATM. Prof. José Marcos C. Brito Gerenciamento da rede ATM Prof. José Marcos C. Brito 1 Princípios Gerais O SNMP (Simple Network Management Protocol) é o protocolo mais utilizado. Se o dispositivo ATM é gerenciado de uma estação de gerenciamento

Leia mais

Monitoramento Open source com Zabbix Giovanni Oliveira Renato Resende

Monitoramento Open source com Zabbix Giovanni Oliveira Renato Resende Monitoramento Open source com Zabbix Giovanni Oliveira Renato Resende Apresentação dos palestrantes Tópicos Gerenciamento de redes O que é Zabbix Porque escolher o Zabbix Principais recursos Dicas de instalação

Leia mais

SMTP, POP, IMAP, DHCP e SNMP. Professor Leonardo Larback

SMTP, POP, IMAP, DHCP e SNMP. Professor Leonardo Larback SMTP, POP, IMAP, DHCP e SNMP Professor Leonardo Larback Protocolo SMTP O SMTP (Simple Mail Transfer Protocol) é utilizado no sistema de correio eletrônico da Internet. Utiliza o protocolo TCP na camada

Leia mais

Ferramentas Livres para Monitoração de Servidores

Ferramentas Livres para Monitoração de Servidores Ferramentas Livres para Monitoração de Servidores Arlindo Follador Neto 1, Joaquim Quinteiro Uchôa 2 1 Centro de Pesquisa e Desenvolvimento em Engenharia Elétrica Universidade Federal de Minas Gerais (UFMG)

Leia mais

Prof. Roberto Franciscatto 4º Semestre - TSI - CAFW. Free Powerpoint Templates Page 1

Prof. Roberto Franciscatto 4º Semestre - TSI - CAFW. Free Powerpoint Templates Page 1 Segurança na Web Cap. 4: Protocolos de Segurança Prof. Roberto Franciscatto 4º Semestre - TSI - CAFW Page 1 é definido como um procedimento seguro para se regular a transmissão de dados entre computadores

Leia mais

Técnicas de Gerencia de Redes

Técnicas de Gerencia de Redes Técnicas de Gerencia de Redes Revisão AV3 Parte 1: Conceitos e Melhores Práticas Parte 2: SNMP Parte 3: Mibs HR e HcDavis Parte 4: Zabbix Parte 5: Ferramentas de Rede 1 Parte 1: Conceitos e Melhores Práticas

Leia mais

HYPERTEXT TRANSFER PROTOCOL

HYPERTEXT TRANSFER PROTOCOL REDES DE COMPUTADORES Prof. Esp. Fabiano Taguchi http://fabianotaguchi.wordpress.com fabianotaguchi@gmail.com HYPERTEXT TRANSFER PROTOCOL 1 HTTP Uma página WWW é composta de objetos e endereçado por uma

Leia mais

CÓDIGO DA VAGA: TP08 QUESTÕES DE MÚLTIPLAS ESCOLHAS

CÓDIGO DA VAGA: TP08 QUESTÕES DE MÚLTIPLAS ESCOLHAS QUESTÕES DE MÚLTIPLAS ESCOLHAS 1) Em relação à manutenção corretiva pode- se afirmar que : a) Constitui a forma mais barata de manutenção do ponto de vista total do sistema. b) Aumenta a vida útil dos

Leia mais

3. ( ) Para evitar a contaminação de um arquivo por vírus, é suficiente salvá-lo com a opção de compactação.

3. ( ) Para evitar a contaminação de um arquivo por vírus, é suficiente salvá-lo com a opção de compactação. 1. Com relação a segurança da informação, assinale a opção correta. a) O princípio da privacidade diz respeito à garantia de que um agente não consiga negar falsamente um ato ou documento de sua autoria.

Leia mais

M3 Redes de computadores avançado (36 horas - 48 TL)

M3 Redes de computadores avançado (36 horas - 48 TL) M3 Redes de computadores avançado (36 horas - 48 TL) Redes de Comunicação Ano lectivo 2013/2014 Camada de rede do modelo OSI Routers e portos de interface de routers (I) 2 Nesta camada imperam os routers.

Leia mais

Redes de Computadores

Redes de Computadores Redes de Computadores Prof. Macêdo Firmino Princípios de Gerência de Redes Macêdo Firmino (IFRN) Redes de Computadores Maio de 2011 1 / 13 Introdução Foi mostrado que uma rede de computadores consiste

Leia mais

Interpretar as questões faz parte da avaliação; portanto, não adianta pedir esclarecimentos aos Fiscais.

Interpretar as questões faz parte da avaliação; portanto, não adianta pedir esclarecimentos aos Fiscais. Leia estas instruções: 1 2 3 Confira se os dados contidos na parte inferior desta capa estão corretos e, em seguida, assine no espaço reservado para isso. Caso se identifique em qualquer outro local deste

Leia mais

Gerência de Redes. Arquitetura de Gerenciamento. filipe.raulino@ifrn.edu.br

Gerência de Redes. Arquitetura de Gerenciamento. filipe.raulino@ifrn.edu.br Gerência de Redes Arquitetura de Gerenciamento filipe.raulino@ifrn.edu.br Sistema de Gerência Conjunto de ferramentas integradas para o monitoramento e controle. Possui uma interface única e que traz informações

Leia mais

Sugestão acatada. A redação do item 2.43 será alterada para Implementar

Sugestão acatada. A redação do item 2.43 será alterada para Implementar DEFINIÇÕES E RESPOSTAS AS SUGESTÕES APRESENTADAS PELO REPRESENTANTE GLOBALRED, VIA E-MAIL, DATADO DE 18/03/2011, RELATIVAS À CONSULTA PÚBLICA, REALIZADA NO DIA 16/03/2010, VISANDO DISCUSSÃO DAS ESPECIFICAÇÕES

Leia mais

Para funcionamento do Netz, alguns programas devem ser instalados e alguns procedimentos devem ser seguidos. São eles:

Para funcionamento do Netz, alguns programas devem ser instalados e alguns procedimentos devem ser seguidos. São eles: Instalação do Netz Para funcionamento do Netz, alguns programas devem ser instalados e alguns procedimentos devem ser seguidos. São eles: Instalação do Java SE 6, que pode ser instalado através da JDK.

Leia mais

TUTORIAL DE INSTALAÇÃO DO PFSENSE E UMA REDE INTERNA NO VIRTUALBOX

TUTORIAL DE INSTALAÇÃO DO PFSENSE E UMA REDE INTERNA NO VIRTUALBOX TUTORIAL DE INSTALAÇÃO DO PFSENSE E UMA REDE INTERNA NO VIRTUALBOX Abrir o Virtualbox e criar a máquina virtual. Digitar o nome da VM, tipo BSD e versão FreeBSD. O pfsense precisa de no mínimo 128MB de

Leia mais

Há dois tipos de configurações bidirecionais usados na comunicação em uma rede Ethernet:

Há dois tipos de configurações bidirecionais usados na comunicação em uma rede Ethernet: Comunicação em uma rede Ethernet A comunicação em uma rede local comutada ocorre de três formas: unicast, broadcast e multicast: -Unicast: Comunicação na qual um quadro é enviado de um host e endereçado

Leia mais

Roteadores de Serviços Integrados CISCO ISR G2

Roteadores de Serviços Integrados CISCO ISR G2 Roteadores de Serviços Integrados CISCO ISR G2 Visão geral sobre Desempenho Descrição do Conteúdo Os roteadores de serviços integrados de nova geração (ISR G2) proporcionam uma plataforma para serviços

Leia mais

Redes de Computadores. Trabalho de Laboratório Nº7

Redes de Computadores. Trabalho de Laboratório Nº7 Redes de Computadores Curso de Eng. Informática Curso de Eng. de Electrónica e Computadores Trabalho de Laboratório Nº7 Análise do tráfego na rede Protocolos TCP e UDP Objectivo Usar o Ethereal para visualizar

Leia mais

Aula 03 Regras de Segmentação e Switches

Aula 03 Regras de Segmentação e Switches Disciplina: Dispositivos de Rede II Professor: Jéferson Mendonça de Limas 4º Semestre Aula 03 Regras de Segmentação e Switches 2014/1 19/08/14 1 2de 38 Domínio de Colisão Os domínios de colisão são os

Leia mais

Redes de Computadores II

Redes de Computadores II Redes de Computadores II Prof. Celio Trois portal.redes.ufsm.br/~trois/redes2 Criptografia, Certificados Digitais SSL Criptografia Baseada em Chaves CRIPTOGRAFA Texto Aberto (PlainText) Texto Fechado (Ciphertext)

Leia mais

Capítulo 2: Introdução às redes comutadas (configuração switch)

Capítulo 2: Introdução às redes comutadas (configuração switch) Unisul Sistemas de Informação Redes de Computadores Capítulo 2: Introdução às redes comutadas (configuração switch) Roteamento e Switching Academia Local Cisco UNISUL Instrutora Ana Lúcia Rodrigues Wiggers

Leia mais

1 TCI/IP... 3 1.1 MODELO TCP/IP... 3 1.1.1 Camada de Aplicação... 4

1 TCI/IP... 3 1.1 MODELO TCP/IP... 3 1.1.1 Camada de Aplicação... 4 TCP/IP Brito INDICE 1 TCI/IP... 3 1.1 MODELO TCP/IP... 3 1.1.1 Camada de Aplicação... 4 1.1.1.1 Camada de Transporte... 4 1.1.1.2 TCP (Transmission Control Protocol)... 4 1.1.1.3 UDP (User Datagram Protocol)...

Leia mais

STCPSigner. Versão 4.0.0

STCPSigner. Versão 4.0.0 Versão 4.0.0 Conteúdo O que é o STCPSigner? 3 Arquitetura 4 Características Gerais 5 Fluxo de Assinatura 5 Fluxo da Validação 5 Fluxo de Criptografia 6 Fluxo de Decriptografia 7 Requisitos de software

Leia mais

Capítulo 5 Métodos de Defesa

Capítulo 5 Métodos de Defesa Capítulo 5 Métodos de Defesa Ricardo Antunes Vieira 29/05/2012 Neste trabalho serão apresentadas técnicas que podem proporcionar uma maior segurança em redes Wi-Fi. O concentrador se trata de um ponto

Leia mais

Aditamento nº 01 Pregão Eletrônico nº 15/01526 Objeto: CELESC DISTRIBUIÇÃO S/A - Aquisição de Ativos de Rede. Data: 04/05/2015

Aditamento nº 01 Pregão Eletrônico nº 15/01526 Objeto: CELESC DISTRIBUIÇÃO S/A - Aquisição de Ativos de Rede. Data: 04/05/2015 Aditamento nº 01 Pregão Eletrônico nº 15/01526 Objeto: CELESC DISTRIBUIÇÃO S/A - Aquisição de Ativos de Rede. Data: 04/05/2015 1. Por meio deste aditamento, inserimos o Anexo I Especificações Técnicas.

Leia mais

Empresa Brasileira de Pesquisa Agropecuária. Embrapa Informática Agropecuária. Ministério da Agricultura, Pecuária e Abastecimento.

Empresa Brasileira de Pesquisa Agropecuária. Embrapa Informática Agropecuária. Ministério da Agricultura, Pecuária e Abastecimento. ISSN 1677-9274 Dezembro, 2010 Empresa Brasileira de Pesquisa Agropecuária Embrapa Informática Agropecuária Ministério da Agricultura, Pecuária e Abastecimento Documentos 105 Gerenciamento de Redes de Computadores

Leia mais

Mensagens de SYSLOG. Linha DmSwitch. Descrição simplificada das mensagens disponíveis

Mensagens de SYSLOG. Linha DmSwitch. Descrição simplificada das mensagens disponíveis Mensagens de SYSLOG Linha DmSwitch Descrição simplificada das mensagens disponíveis Informações adicionais podem ser obtidas através do setor de Suporte DATACOM (suporte@datacom.ind.br ou telefone 51 3358

Leia mais

Redes de Computadores

Redes de Computadores Redes de Computadores Gerenciamento de Redes Prof. Thiago Dutra Agenda n Introdução n O que Gerenciar? n Definição n Modelo de Gerenciamento n Infraestrutura de Gerenciamento

Leia mais

The Dude O Cara. Mini Curso. MUM Brasil Novembro de 2009 Eng. Wardner Maia

The Dude O Cara. Mini Curso. MUM Brasil Novembro de 2009 Eng. Wardner Maia The Dude O Cara Mini Curso MUM Brasil Novembro de 2009 Eng. Wardner Maia Introdução Nome: Wardner Maia Engenheiro Eletricista modalidade Eletrotécnica/Eletrônica/Telecomunicações Provedor de Internet desde

Leia mais

TCP é um protocolo de TRANSMISSÃO, responsável pela confiabilidade da entrega da informação.

TCP é um protocolo de TRANSMISSÃO, responsável pela confiabilidade da entrega da informação. Protocolo TCP/IP PROTOCOLO é um padrão que especifica o formato de dados e as regras a serem seguidas para uma comunicação a língua comum a ser utilizada na comunicação. TCP é um protocolo de TRANSMISSÃO,

Leia mais

Gerenciamento de Equipamentos Usando o Protocolo SNMP

Gerenciamento de Equipamentos Usando o Protocolo SNMP Gerenciamento de Equipamentos Usando o Protocolo SNMP Diego Fraga Contessa, Everton Rafael Polina Departamento de Pesquisa e Desenvolvimento - CP Eletrônica S.A. Rua da Várzea 379 - CEP 91040-600 - Porto

Leia mais