Combustíveis, Lubrificantes & Lojas de Conveniência 2014

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "Combustíveis, Lubrificantes & Lojas de Conveniência 2014"

Transcrição

1 Combustíveis, Lubrificantes & Lojas de Conveniência 2014

2

3 ARTWORK FILE - 22 APRIL 2013 PETRONAS LOGO FLAT CMYK COLOUR VERSION C100 M000 Y050 K000 C000 M000 Y000 K090 Conselho Consultivo Presidente do Conselho Conselheiros José Lima de Andrade Neto Petrobras Distribuidora Leocádio de Almeida Antunes Filho Ipiranga Leonardo Gadotti Filho Raízen Marcelo Henrique Ribeiro Alecrim AleSat Antonio Ennes Pires de Lima Chevron Nelson Roseira Gomes Cosan Presidente Executivo Diretor Executivo Diretor de Planejamento Estratégico Diretor de Meio Ambiente Diretor Jurídico Diretor de Abastecimento e Regulamentação Diretor de Lubrificantes Diretor de Mercado e Comunicação Diretor de Tributação Alisio J. M. Vaz Jorge Luiz Oliveira Helvio Rebeschini Raízen Darci Kolling Petrobras Distribuidora Guido Silveira Ipiranga Luciano Libório Raízen Nelson Gomes Cosan Cesar Guimarães Antônio Rodrigues

4

5 SUMÁRIO Apresentação pág. 7 Entrevista pág. 9 Ponto de Vista pág. 13 Capítulo Especial pág. 17 Combustíveis pág. 31 Lubrificantes pág. 77 Conveniência pág. 99 Pesquisa pág. 155 Eventos pág. 165 Índice de gráficos e tabelas pág. 171 Associadas pág. 174 Comitê Editorial pág. 175 Créditos pág. 176

6

7 apresentação T odos os dias visando a segurança e o conforto do consumidor brasileiro uma gigantesca estrutura se move para garantir o abastecimento de combustíveis nos mais longínquos pontos do País. Só no ano passado, as associadas ao Sindicom distribuíram, com êxito e sem gargalos, mais de 98 bilhões de litros. Para que toda essa logística possa ser entendida, o capítulo Especial deste Anuário aborda o tema de forma completa e didática, mostrando, ainda, o papel dos lubrificantes e da conveniência dentro desse complexo esquema. Em 2013, a retomada das vendas de etanol hidratado foi o grande destaque da distribuição de combustíveis entre as associadas ao Sindicom. Devido a fatores, como preço favorável, desoneração do PIS e da Cofins e aumento da oferta, a comercialização do combustível cresceu 22,1%. No capítulo Combustíveis, as análises do desempenho desse e de outros produtos, que resultaram, mais uma vez, no crescimento do setor acima do Produto Interno Bruto (PIB). Crescimento considerável teve, também, o segmento de lubrificantes (6,9%), que no ano que passou lançou uma iniciativa pioneira: o Programa de Comunicação Qualidade dos Lubrificantes. O novo canal enfatiza a importância da qualidade num mercado com mais de 300 empresas e expressivo nível de não conformidades. Conheça mais sobre essa iniciativa no capítulo Lubrificantes. entre 2006 e 2012, encomendou à consultoria Enfoque e Pesquisa de Marketing um estudo para análise do perfil e das preferências das mulheres que visitam as lojas. Confira os resultados ao final dessa publicação e as análises das principais categorias do canal, em 2013, no capítulo Conveniência. E o que esperar para 2014? Quais os assuntos em pauta no momento? Na entrevista do presidente executivo do Sindicom, Alisio Vaz, é possível obter uma radiografia do setor e conhecer os principais desafios e expectativas daqui pra frente. Desafios também estão presentes no artigo de Milton Seligman, ex-vice-presidente da AmBev, que em sua valiosa contribuição a essa publicação aborda a interferência econômica do Estado no setor privado, que coloca em risco a livre concorrência, vital para o equilíbrio do mercado quanto à oferta e à procura e para permitir que o cidadão tenha o direito de escolher qual produto ou serviço deseja consumir. O encerramento deste Anuário, como nas edições anteriores, se dá com o capítulo Eventos, onde estão relacionadas as parcerias do Sindicom para a divulgação dos temas de relevância no setor de distribuição em todo o país. A participação das mulheres na conveniência é o tema do capítulo Pesquisa. O Sindicom, motivado pelo aumento do público feminino no canal, que passou de 28% para 35% 7

8 COMBUSTÍVEIS, LUBRIFICANTES E LOJAS DE CONVENIÊNCIA

9 entrevista pelo avanço do consumo das famílias, graças ao aumento da renda disponível. Fato altamente relevante foi a retomada do etanol, que sustentou preços atrativos em estados de grande consumo e voltou a ser uma opção para os veículos bicombustíveis. No segmento do diesel, no qual o transporte rodoviário tem grande peso, o mercado foi favorecido pela expansão do agronegócio, que gerou impacto positivo no consumo de diesel e contrabalançou o tímido desempenho da indústria. O que favoreceu a reconquista de competitividade do etanol hidratado? O setor sucroalcooleiro tem apontado vários fatores para essa recuperação, como condições climáticas, ganhos de produtividade nos canaviais e moagem recorde de cana-de-açúcar. Outro fator foi a desoneração das contribuições do PIS/Cofins, que equivaliam a R$ 0,12 por litro, para os produtores e distribuidoras. Paralelamente, a demanda internacional por açúcar e etanol recuou, liberando matéria-prima para a produção do combustível destinada ao mercado interno. Isso perentrevista ALISIO VAZ Presidente Executivo do Sindicom conservando a curva de cres- O cimento iniciada na década passada. consumo de combustíveis seguiu em alta no ano de 2013, Embora o desempenho do Produto Interno Bruto (PIB) tenha ficado em 2,5%, as vendas registraram aumento de 5,7% nas filiadas ao Sindicom, que respondem por cerca de 80% do mercado distribuidor no país. Fato marcante foi a retomada da demanda por etanol hidratado, que subiu 22,1% nas associadas, em função da volta do preço vantajoso em São Paulo e em outros estados. Em 2013, a oferta de combustíveis avançou em sintonia com a procura. A segurança do abastecimento foi garantida pela ação coordenada das associadas, da Petrobras e da Agência Nacional do Petróleo, Gás Natural e Biocombustíveis (ANP). Ao mesmo tempo, as associadas investiram R$ 1 bilhão em sua estrutura logística, incluindo a construção e a ampliação de bases de distribuição. Fatos positivos no ano foram, também, a boa acolhida dos consumidores ao diesel de baixo teor de enxofre e, em vários estados, o fechamento de diversas distribuidoras inadimplentes, que violavam a ética concorrencial. Outras conquistas: a expansão do programa Jogue Limpo, de logística reversa de embalagens de lubrificantes segmento que elevou as vendas em 6,9%, e o avanço do diálogo em torno da nova Lei dos Portos, embora continuem em aberto muitas questões relacionadas ao uso de bases portuárias pelas distribuidoras. A expectativa do Sindicom é de que o mercado de combustíveis continue em crescimento. O balanço de 2013 e as perspectivas do setor são abordados nesta entrevista pelo presidente executivo do Sindicom, Alisio Vaz. O que influenciou os bons resultados do setor em 2013? A demanda permaneceu aquecida, mantendo a tendência de ascensão, e ficou à frente da evolução da economia pelo quarto ano consecutivo. No caso da gasolina e do etanol hidratado, usados pela frota de passeio, o setor continuou sendo beneficiado 9

10 COMBUSTÍVEIS, LUBRIFICANTES E LOJAS DE CONVENIÊNCIA A desoneração, concedida pelo governo na intenção de incentivar o etanol, elevou a competitividade das distribuidoras que atuam na legalidade. mitiu o aumento da oferta tanto do etanol hidratado quanto do anidro, que teve elevado seu percentual de mistura à gasolina em Que impacto teve a desoneração do PIS/Cofins nas operações das distribuidoras? A desoneração, concedida pelo governo na intenção de incentivar o etanol, elevou a competitividade das distribuidoras que atuam na legalidade. Isso ocorreu porque a medida eliminou a vantagem ilícita que era auferida antes por concorrentes que sonegavam os dois tributos. O aumento das vendas das associadas também foi estimulado pelo combate dos estados à sonegação do ICMS e pelas ações de fiscalização da ANP. Várias ações desenvolvidas nos estados demonstraram que é cada vez maior o grau de sensibilização das autoridades em relação aos efeitos danosos da inadimplência contumaz, que desfalca a arrecadação pública e desequilibra a concorrência. Na Bahia, São Paulo, Paraná, Rio de Janeiro e Maranhão, mais de 20 distribuidoras tiveram cassadas suas inscrições, devido ao não recolhimento sistemático do ICMS. Obtivemos também uma importante vitória no Judiciário, em Pernambuco, onde um empresário foi condenado por sonegação de tributos. Outro avanço foi o estreitamento da cooperação entre as várias esferas de governo no combate aos sonegadores, com iniciativas como a formação de forças-tarefa e a deflagração de operações policiais focalizada na adulteração de combustíveis, como ocorreu no Rio de Janeiro. Que fatores impulsionaram o crescimento das vendas de lubrificantes? O desempenho foi um dos melhores na atual fase de expansão desse segmento, iniciada em A comercialização por parte das nossas nove filiadas que operam com lubrificantes aumentou em decorrência de fatores, como a ampliação da frota automotiva nos últimos anos. A demanda automobilística é o carro-chefe do segmento, respondendo por 70% das vendas. Outros indicadores foram os bons resultados da agropecuária, o consequente aquecimento das vendas de máquinas e equipamentos e a recuperação de alguns setores da indústria. A infraestrutura logística das distribuidoras e do país respondeu satisfatoriamente à expansão da demanda por combustíveis? As associadas ao Sindicom deram seguimento à ampliação de sua infraestrutura logística, efetuando investimentos superiores a R$ 1 bilhão em Esses aportes foram feitos em várias frentes: construção de novas bases, aumento da capacidade de tancagem e das instalações de carregamento nas existentes e aquisição de vagões ferroviários e caminhões tanque. Todas as associadas que operam com combustíveis ativaram novas bases em Outra linha de investimento foi a criação de alternativas rodoviárias de suprimento em bases abastecidas por dutos ou cabotagem, numa iniciativa voltada à segurança do abastecimento. As filiadas também reforçaram a infraestrutura própria, com a utilização de terminais portuários destinados originalmente a outros produtos. Além disso, a ação articulada das filiadas ao Sindicom, da Petrobras e da ANP também teve influência decisiva para a segurança do abastecimento nacional. Houve avanços na implantação do novo marco regulatório das atividades portuárias? Avançamos, mas ainda há muito a dialogar com as autoridades da Agência Nacional de Transportes Aquaviários (Antaq) e da Secretaria Especial dos Portos. Em 2013, conseguimos consolidar o entendimento de que os terminais portuários são instalações peculiares para a distribuição, pois integram a cadeia logística do setor nas regiões Norte e Nordeste, que recebem combustíveis via navegação de cabotagem. Esses terminais não estão relacionados a atividades fim, mas a atividades meio. Por isso, devem ter tratamento diferente do dispensado às instalações controladas pelos operadores dos portos. Já há consenso quanto a isso, mas várias questões 10

11 entrevista O varejo de conveniência manteve-se em expansão, fechando o ano com aproximadamente 7 mil lojas e demonstrando sua importância como agregador de valor aos negócios da distribuição e da revenda. do modelo de licitação dessas áreas ainda precisam ser solucionadas, para que não haja riscos ao abastecimento. Os benefícios ambientais da logística reversa de embalagens de lubrificantes, feita por meio do programa Jogue Limpo, também evoluíram? O programa continuou sua expansão, avançando no interior de São Paulo e em Minas Gerais, Distrito Federal e Espírito Santo. Encerramos o ano com o sistema operando em oito unidades da federação. Também intensificamos as ações de educação ambiental voltadas para a juventude de vários estados, inspiradas nos princípios do acordo setorial celebrado com o Ministério do Meio Ambiente pelo segmento de lubrificantes, como prevê a Política Nacional de Resíduos Sólidos. Diante do crescimento do Jogue Limpo, que completou oito anos, preparamos a passagem da gestão do programa a um instituto independente, que desempenhará a missão de ampliar o sistema e buscar novas parcerias. Em 2014, o programa está chegando a sete estados do Nordeste. No mercado das lojas de conveniência, 2013 foi mais um ano de crescimento? O varejo de conveniência manteve-se em expansão, fechando o ano com aproximadamente 7 mil lojas e demonstrando sua importância como agregador de valor aos negócios da distribuição e da revenda. Uma das características desse momento especial vivido pelo segmento é a frequência crescente das mulheres nas lojas, o que vem influenciando as tendências e os rumos desse mercado. Outro aspecto de relevância é a procura por produtos do food service, categoria que tem se revelado de grande potencial para o desenvolvimento desse varejo no Brasil. Todos esses temas foram abordados e muito debatidos na 11ª Feira e Fórum Internacional de Postos de Serviço, Equipamentos, Lojas de Conveniência e Food Service (ExpoPostos), da qual o Sindicom é um dos realizadores. Sinal da fase promissora da conveniência foi o volume de negócios encaminhados nos três dias do evento, no valor estimado de R$ 150 milhões. O que o setor de distribuição espera de 2014? Acreditamos que o mercado seguirá em expansão. Os primeiros seis meses do ano de 2014 apresentam um aumento de 6% nas vendas das associadas. Esse crescimento continuará, porém, demandando muita atenção à melhoria da eficiência logística. O desenvolvimento da infraestrutura da distribuição nos mantém preocupados com a aplicação da nova Lei dos Portos, sobretudo no que se refere às condições de licitação das áreas portuárias para bases de combustíveis. Outra expectativa é a de readequação das bases das associadas em virtude da recente medida adotada pelo governo por meio da MP 0647/2014. Com ela, o teor de biodiesel no diesel passa de 5% para 6%, a partir de julho, e para 7%, em novembro. Esperamos, também, com a revisão da Portaria 202 da ANP, mais rigor nas exigências para a abertura de distribuidoras, a fim de evitar a ação dos oportunistas no mercado de combustíveis. Contamos ainda chegar a uma solução para o desafio em que se transformou, nas distribuidoras, a coleta obrigatória de amostra-testemunha a cada carregamento nos caminhões-tanques dos revendedores. Entendemos que o objetivo dessa normativa da ANP pode ser alcançado através de uma metodologia alternativa, mais simples. É o que vamos propor à agência reguladora. 11

12 12 COMBUSTÍVEIS, LUBRIFICANTES E LOJAS DE CONVENIÊNCIA

13 ponto de vista PONTO DE VISTA Tutela do Estado: Isto é Bom? Milton Seligman Empresário, foi VP de Relações Corporativas da Ambev, empresa a qual segue ligado, foi Ministro Interino da Justiça, Secretário Executivo do Ministério do Desenvolvimento, Indústria e Comércio Exterior e Presidente do Instituto Nacional de Colonização e Reforma Agrária (Incra) no Governo Fernando Henrique A muito atual. Diante de sociedades discussão sobre o papel que o Estado deve ter na vida das pessoas é antigo, mas sempre tão distintas, não chegamos, ainda, e provavelmente nunca chegaremos, a uma fórmula perfeita e definitiva, e sabemos bem que o debate costuma ser dominado por visões ideológicas e circunstanciais. Com certo grau de certeza, no entanto, duas afirmações podem ser feitas. A primeira delas é que já descartamos empiricamente os extremos. A presença sufocante do Estado não nos interessa, assim como sua total ausência nos leva a um caos intolerável. Como consequência disso, chegamos à segunda constatação: o Estado precisa existir em grau e dimensão adequados, cumprindo as funções de regular, criando regras a fim de garantir um convívio pacífico, respeitoso e justo nas oportunidades oferecidas a todos. Entre esses dois lados, no entanto, existe um mar cinzento sobre o qual precisamos sempre refletir a respeito e navegar com cautela. Entretanto, a grande questão, para a qual buscamos sempre uma resposta é identificar até onde vai, afinal, a prerrogativa estatal de regulamentar e, em última instância, limitar a liberdade das pessoas e empresas na esfera social e econômica? Se os governos estão aí para criar regras de condutas e convívio, existem obviamente para criar limites. Isso é natural e totalmente compreensível. Minha liberdade termina onde começa a dos outros, como observa o dito popular. Mas quais são esses limites? Pode, o Estado, querer regulamentar tudo? Já sabemos que não. Os constantes debates em torno da indústria da cerveja caem como uma luva para exemplificar essa questão. Existem limites claros em torno do tema, apoiados inclusive por nós, que fazemos parte desta indústria. Nós defendemos um consumo responsável de nossos produtos, pois sabemos que, quando indevido, não é saudável, muito menos sustentável em longo prazo. Dedicamos tempo e recursos para criar campanhas educativas, desenvolver pesquisas, apoiar iniciativas da sociedade civil organizada, sempre com o objetivo final de garantir ao nosso consumidor a melhor relação possível com nosso produto, que é, por sinal, apreciado há muito mais tempo do que o debate em torno do papel do Estado nas sociedades. Por existir a possibilidade de um consumo abusivo, o álcool está sempre no olho do furacão. Sabemos da importância de sua regulamentação equilibrada, que nunca pode ultrapassar a barreira do razoável. Concordamos, por exemplo, que é correta a opção do 13

14 COMBUSTÍVEIS, LUBRIFICANTES E LOJAS DE CONVENIÊNCIA legislador nacional de proibir a junção entre álcool e direção. Não só apoiamos, como ativamente procuramos modificar atitudes e criar alternativas para garantir que aqueles que dirijam não bebam e aqueles que bebem não se sintam aptos a sentar no banco do motorista. Também são corretas as legislações que proíbem e punem os que vendem bebidas alcoólicas para menores de idade. Esta norma, que existe desde 1941, sempre teve o total apoio da indústria, que do mesmo modo faz constantes campanhas e pesquisas, além de apoiar iniciativas para que seja respeitada. Compreendemos, no entanto, que o papel do Estado como regulador se encerra por aí. Sua análise objetiva já está posta e o limite imposto. No caso de álcool e direção, por exemplo, a legislação atual inviabiliza qualquer consumo alcóolico por quem dirige um automóvel. Mais do que isso, entende como criminoso aquele que passa de um limite mínimo, o menor em todo o planeta! Há quem critique esse rigor. Tanto por falta de razoabilidade, como por impossibilitar, na prática, a punição dos motoristas. Afinal de contas, ao estipular uma quantidade mínima e numérica, o Brasil se viu diante de uma série de decisões judiciais, nos mais diversos Tribunais de Justiça do país, que reconheceram o direito de cidadãos de recusarem a realização do teste do bafômetro como forma de não gerar provas contra si mesmos. Mas, independente disso, trata-se de uma prerrogativa do Estado estabelecer tais limites, e isso é completamente aceitável. Por mais equivocada que possa ser uma política pública, ela não pode ser condenada pelo simples fato de existir. O problema é outro. Grave é quando o Poder Público passa a tentar ir além, agindo como uma verdadeira babá da sociedade. Muito preocupante é quando esse Estado, seja ele o Executivo, Legislativo ou Judiciário, não confia, a priori, no bom senso social e passa a tentar regulamentar condutas, levando em conta argumentos que não se aplicam à maioria da população, interferindo diretamente em princípios constitucionais que afetam a liberdade de escolha e a economia nacional. Chegamos, então, no ponto principal. O limite do Estado é exatamente Grave é quando o Poder Público passa a tentar ir além, agindo como uma verdadeira babá da sociedade. a fronteira entre a regulamentação objetiva, calcada em regras que visam coibir condutas generalizadas daquela subjetiva, cujo resultado afetará certos setores, mas que não conseguirá enfrentar o problema de frente. Falamos aqui de normas ineficazes, que não enfrentam o problema real, afetam a atividade econômica, diminuem a oferta de empregos, atrapalham o desenvolvimento econômico, simplesmente porque alguém acha que a medida é boa, sem estudos com base em fatos e dados. Ao proibir que um motorista beba, ou que o menor consuma bebidas alcoólicas, o Estado cumpre uma função de evitar uma conduta abusiva, o que é o seu papel. É diferente, no entanto, de não permitir a venda de bebidas alcóolicas em certos estabelecimentos em detrimento de outros. Surgem atualmente propostas para proibir a venda de bebidas em postos de gasolina. À primeira vista, pode parecer uma proposta sensata. Para o senso comum, poderá fazer todo o sentido, afinal de contas, quem vai ao posto de gasolina está de carro e não pode beber. Se não pode beber, não pode comprar bebida com álcool. Nada mais falso e desprovido de qualquer estudo elaborado com base técnica. Será que é só no posto de gasolina que se vai de carro comprar bebida? Quer dizer que ir ao supermercado, à padaria, ao bar, à festa, ao restaurante, à casa do amigo, sempre de carro e comprar bebida alcóolica pode, mas ir ao posto de gasolina, não. Fora questões alheias a discussões teóricas, 14

15 ponto de vista O que não se percebe é alguma evidência que não seja a de que a proibição da compra inibe o ato comercial, mas não chega nem perto de tocar na questão do consumo indevido. como o fato de existirem muitas cidades brasileiras cujo comércio, muitas vezes, se resume a uma loja de conveniência de um posto de gasolina. Mas será mesmo que o efeito que se obtém disso é a redução do consumo de álcool indevido de bebidas alcoólicas, seja aquele ligado à direção ou ao consumo por menores de idade? O que não se percebe é alguma evidência que não seja a de que a proibição da compra inibe o ato comercial, mas não chega nem perto de tocar na questão do consumo indevido. Se a ideia é proibir a compra e a venda de álcool, então, será necessário mudar o paradigma mundial atual e proibir a comercialização do produto em todos os estabelecimentos. Acredito que a ideia não é essa e nem teria apoio dos legisladores dos países ocidentais. Como não é, não faz sentido, portanto, proibir a venda de bebidas em postos de gasolina ou qualquer outro lugar. O Estado tem, sim, outro papel, previsto em nossa Constituição, que é o de exercer o monopólio da força para reprimir e desestimular condutas ilegais na sociedade. A sociedade civil e os empresários, particularmente, têm atuado no sentido de fortalecer este importante capítulo das funções que cabem ao Estado. A indústria de bebidas e a de combustíveis, por exemplo, são pródigas em propor e levar adiante parcerias com organismos do setor público. Desde a fiscalização para evitar o descumprimento das regras de funcionamento dos setores até o trabalho árduo para evitar a sonegação e a elisão fiscal. Mas o Estado tem cumprido suas funções de garantir o cumprimento das leis? Pouco e de maneira errática. Em geral, quando surge um episódio que comove a opinião pública, os governos, parlamentares e os próprios formadores de opinião pedem uma maior atuação das autoridades. Essas tendem a reagir redigindo mais normas, que igualmente serão pouco fiscalizadas e cumpridas. Forma-se um círculo vicioso, cujo grande prejuízo recai sobre a sociedade que pagará preços distribuídos a vários atores sociais e, muitas vezes, sem resolver o problema real. O Estado moderno, criado com o advento do capitalismo e em contraposição ao regime feudal e absolutista, tem um papel crescente e cada vez mais relevante. Nossas sociedades são complexas e as oportunidades, mesmo quando justamente distribuídas, não são aproveitadas equanimente. As normas sociais e os regulamentos são difíceis de serem feitos e igualmente complexos de serem fiscalizados e cumpridos. Por esta razão a sociedade, nós mesmos, temos que ser muito vigilantes para que deste processo não surjam forças que tenham o condão de desestimular as iniciativas de uma sociedade que quer e precisa se desenvolver. Se não ficarmos atentos e vigilantes, abrindo mão do dever de enfrentar iniciativas de nítida intervenção inadequada do estado no espaço da sociedade e da iniciativa empresarial, estaremos deixando de ajudar o Brasil a seguir em frente. 15

16 16 COMBUSTÍVEIS, LUBRIFICANTES E LOJAS DE CONVENIÊNCIA

17 Capítulo Especial CAPÍTULO ESPECIAL 17

18 18

19 capítulo especial Um desafio do tamanho do Brasil C ombustíveis, lubrificantes e uma infinidade de itens comestíveis, bebidas, utilidades nas lojas de conveniência. Para oferecer produtos automotivos e soluções práticas de consumo aos motoristas e demais clientes, os postos de serviço têm na retaguarda uma complexa logística de distribuição, estruturada de forma desbravadora, ao longo do século XX, pelas filiadas ao Sindicom. Responsáveis por quase 80% do mercado brasileiro, incluídos a indústria e o agronegócio, as companhias vencem todos os dias o desafio de abastecer uma nação de dimensões continentais, sem abrir mão da qualidade, segurança e proteção ambiental. Com 8,5 milhões de quilômetros quadrados, o Brasil é um dos maiores países do mundo. Frente à vastidão territorial, as distribuidoras construíram sua logística à custa da superação de inúmeros obstáculos, como as grandes distâncias entre centros urbanos, as carências de infraestrutura e as peculiaridades regionais de transporte, num cenário socioeconômico que só recentemente é de estímulo ao consumo. Apesar das adversidades, o setor montou a maior e mais capilarizada malha de distribuição de produtos a granel do país, para garantia do atendimento aos consumidores nos pontos de venda de norte a sul. O mercado brasileiro encerrou o ano de 2013 com 39,3 mil postos de revenda nas 27 unidades da federação. Esse parque instalado, que vem agregando em velocidade crescente à oferta de combustíveis e lubrificantes o varejo de conveniência, abrange desde concorridos postos em grandes cidades do Sudeste e do Sul, a pontos, de pequeno movimento em locais remotos da Amazônia, Nordeste e Centro-Oeste. Em comum, porém, todos desempenham o mesmo papel para o abastecimento nacional, na linha de frente sustentada pela operação firme e ininterrupta da logística da distribuição. Por caminhões, trens, dutos, navios e balsas, a movimentação de produtos no mercado brasileiro de combustíveis atesta como a logística exerce função capital para o suporte energético ao desenvolvimento econômico e social do Brasil. Neste território de proporções gigantescas, rico em recursos minerais e hídricos, pródigo em terras agrocultiváveis, dotado de indústria em expansão e de força de trabalho cada vez mais qualificada, a vitória sobre o formidável desafio da logística é requisito fundamental para o êxito dos grandes empreendimentos uma conquista de que se orgulham as distribuidoras associadas ao Sindicom. 19

20 combustíveis Anos de pioneirismo Do suprimento do mercado distribuidor à entrega final aos revendedores e grandes consumidores, a logística dos combustíveis tem mais de um século de experiência acumulada no Brasil. O marco dessa longa trajetória foi fincado em 1912, com a chegada da primeira distribuidora, mas o país consumia gasolina desde o fim do século XIX, importada em latas, como o querosene iluminante, derivado de petróleo que era o produto mais consumido. De portos como o do Rio de Janeiro, a gasolina seguia para depósitos de atacadistas para abastecer armazéns das grandes cidades e do interior, levada em caminhões e carroças. A instalação das primeiras companhias distribuidoras, nos anos 1910 e 1920, deu eficiência antes desconhecida ao fornecimento de gasolina e querosene enlatados em vários pontos do território brasileiro. A distribuição a granel só teria início no país em 1919, com o transbordo da carga do primeiro navio a atracar com gasolina no Brasil, num terminal marítimo com tanques para derivados, recém-construído na carioca Ilha do Governador, na Baía de Guanabara. Um ano depois, a descarga de navios com o combustível passou a ser feita também no porto do Recife. As operações a granel, que foram substituindo pouco a pouco as vendas em latas, possibilitaram o surgimento, ainda nos anos 1920, das primeiras bombas de rua, que vertiam gasolina à força de manivelas. Na época, as distribuidoras lançaram-se à construção de terminais e depósitos em áreas portuárias e, para interiorizar a oferta da gasolina, intensificaram o uso de caminhões e vagões-tanques. A frota de veículos automotores importados ou montados no Brasil aumentava e a abertura de estradas entrava na ordem do dia. Em 1925, só o Modelo T, da Ford, teve 24 mil unidades vendidas no país, que contava com 1,3 mil quilômetros de rodovias. Na segunda metade dos anos 1920, o apoio logístico das distribuidoras foi imprescindível para o boom rodoviarista deflagrado pelo presidente Washington Luís, que passaria à história associado ao lema Governar é abrir estradas. Durante o seu governo, de 1926 a 1930, o pais ganhou importantes rodovias, como a Rio-São Paulo e a Rio-Petrópolis. A distribuição de combustíveis participou, com seus caminhões-tanque, do avanço de cada frente de obras, garantindo o abastecimento das máquinas e veículos nos comboios dessa empreitada desbravadora. Ao mesmo tempo, nas grandes cidades, surgiam os postos de gasolina, abertos pelas distribuidoras na sequência da difusão das bombas de rua pelo Brasil. O advento dos postos foi um marco na constituição do mercado revendedor, que passaria a dispor de instalações dedicadas exclusivamente ao abastecimento, à lubrificação de motores e à prestação de serviços aos motoristas. Embora não mais operem postos de serviço no país, as companhias tiveram papel fundamental na formação da rede da revenda brasileira. Dos portos às refinarias A malha logística da distribuição possuía traços bem definidos no começo dos anos 1930, tendo como pontos de partida os portos, como os do Rio, Santos e Recife. Dos terminais e bases de armazenamento à beira-mar, os derivados recebidos do exterior percorriam uma teia de ramificações majoritariamente rodoviárias, com pouca utilização dos trens até os nascentes postos de serviço e outros pontos de venda. Esse quadro só começaria a mudar, em escala reduzida, com o início do refino em nível comercial. Em 1934, a primeira unidade de refino REFINARIAS nacional, aberta em Uru- 20

Mercado Irregular de Combustíveis Evolução Recente

Mercado Irregular de Combustíveis Evolução Recente Fórum Nacional de Secretários rios de Estado para Assuntos de Energia Mercado Irregular de Combustíveis Evolução Recente Alisio Vaz Vice-Presidente Executivo Rio de Janeiro 29 de outubro de 2009 SINDICOM

Leia mais

XIII CONGRESSO DOS REVENDEDORES DE COMBUSTÍVEIS DE MINAS GERAIS. ANP - Regulação no setor de combustíveis

XIII CONGRESSO DOS REVENDEDORES DE COMBUSTÍVEIS DE MINAS GERAIS. ANP - Regulação no setor de combustíveis XIII CONGRESSO DOS REVENDEDORES DE COMBUSTÍVEIS DE MINAS GERAIS ANP - Regulação no setor de combustíveis Aurélio Amaral Superintendência de Abastecimento Abril de 2013 O que é a ANP A Agência Nacional

Leia mais

MERCADO BRASILEIRO DE ÓLEO LUBRIFICANTE POLÍTICA PÚBLICA APLICADA AO SETOR PRODUÇÃO - DISTRIBUIÇÃO & DESTINAÇÃO DO LUBRIFICANTE USADO OU CONTAMINADO

MERCADO BRASILEIRO DE ÓLEO LUBRIFICANTE POLÍTICA PÚBLICA APLICADA AO SETOR PRODUÇÃO - DISTRIBUIÇÃO & DESTINAÇÃO DO LUBRIFICANTE USADO OU CONTAMINADO MERCADO BRASILEIRO DE ÓLEO LUBRIFICANTE POLÍTICA PÚBLICA APLICADA AO SETOR PRODUÇÃO - DISTRIBUIÇÃO & DESTINAÇÃO DO LUBRIFICANTE USADO OU CONTAMINADO FORTALEZA 01-08-2013 1 LEI DO PETRÓLEO LEI Nº 9.478

Leia mais

Edição 44 (Abril/2014)

Edição 44 (Abril/2014) Edição 44 (Abril/2014) Cenário Econômico: Prévia da inflação tem maior alta desde janeiro de 2013 O Índice Nacional de Preços ao Consumidor Amplo-15 (IPCA-15), considerado a prévia da inflação oficial,

Leia mais

$ $ À espera da competitividade

$ $ À espera da competitividade etanol À espera da competitividade foi mais um ano de sufoco para o setor sucroalcooleiro, que ainda sente os reflexos da crise de 2008, que deixou as usinas sem crédito, justamente quando haviam assumido

Leia mais

3. O Sistema Petrobras

3. O Sistema Petrobras 3. O Sistema Petrobras O Sistema Petrobras possui 56 bases de distribuição por todo o país, que são responsáveis por fornecer produtos para as distribuidoras, para que estas possam entregá-los no mercado.

Leia mais

Novo Marco Regulatório do Etanol Combustível no Brasil. Rita Capra Vieira Superintendência de Biocombustíveis e Qualidade de Produtos - ANP

Novo Marco Regulatório do Etanol Combustível no Brasil. Rita Capra Vieira Superintendência de Biocombustíveis e Qualidade de Produtos - ANP Novo Marco Regulatório do Etanol Combustível no Brasil Rita Capra Vieira Superintendência de Biocombustíveis e Qualidade de Produtos - ANP Novembro de 2011 Evolução dos Biocombustíveis no Brasil 1973 Primeira

Leia mais

Medida Provisória 532/2011

Medida Provisória 532/2011 Ciclo de palestras e debates Agricultura em Debate Medida Provisória 532/2011 Manoel Polycarpo de Castro Neto Assessor da Diretoria da ANP Chefe da URF/DF Maio,2011 Agência Nacional do Petróleo, Gás Natural

Leia mais

As atuais condições da infraestrutura de transporte e logística do Brasil têm

As atuais condições da infraestrutura de transporte e logística do Brasil têm ESTUDO DA CNT APONTA QUE INFRAESTRUTURA RUIM AUMENTA CUSTO DO TRANSPORTE DE SOJA E MILHO As atuais condições da infraestrutura de transporte e logística do Brasil têm impacto significativo na movimentação

Leia mais

PROGRAMA DE MONITORAMENTO DA QUALIDADE DOS COMBUSTÍVEIS PMQC

PROGRAMA DE MONITORAMENTO DA QUALIDADE DOS COMBUSTÍVEIS PMQC PROGRAMA DE MONITORAMENTO DA QUALIDADE DOS COMBUSTÍVEIS PMQC SUPERINTEDÊNCIA DE BIOCOMBUSTÍVEIS E DE QUALIDADE DE PRODUTOS SBQ Alexandre de Souza Lima Salvador Junho/2008 AGENTES DO ABASTECIMENTO Posição

Leia mais

Plano de Abastecimento do Novo Diesel S50 e S10

Plano de Abastecimento do Novo Diesel S50 e S10 Plano de Abastecimento do Novo Diesel S50 e S10 ALLAN KARDEC DUAILIBE Diretor Anfavea 30 de Maio, 2011 Sistema Nacional de Abastecimento de Combustíveis Produtor de Biodiesel e Etanol Produtor de GNV,

Leia mais

. Reafirmar a importância do etanol como tema estratégico para a economia, o meio-ambiente, a geração de empregos e o futuro do País

. Reafirmar a importância do etanol como tema estratégico para a economia, o meio-ambiente, a geração de empregos e o futuro do País o que é O QUE É. Lançado em Brasília em dezembro de 2011, o Movimento Mais Etanol visa detalhar e disseminar políticas públicas e privadas indispensáveis para: w O restabelecimento da competitividade do

Leia mais

DISTRIBUIDORES DE COMBUSTÍVEIS E POSTOS

DISTRIBUIDORES DE COMBUSTÍVEIS E POSTOS DEPEC Departamento de Pesquisas e Estudos Econômicos DISTRIBUIDORES DE COMBUSTÍVEIS E POSTOS OUTUBRO DE 2015 PRODUTOS Vendas, pelas distribuidoras, dos derivados combustíveis de petróleo por produto -

Leia mais

A LOGÍSTICA ATUAL DE TRANSPORTE DAS DISTRIBUIDORAS E A INFRA-ESTRUTURA PARA A EXPORTAÇÃO DE ÁLCOOL

A LOGÍSTICA ATUAL DE TRANSPORTE DAS DISTRIBUIDORAS E A INFRA-ESTRUTURA PARA A EXPORTAÇÃO DE ÁLCOOL A LOGÍSTICA ATUAL DE TRANSPORTE DAS DISTRIBUIDORAS E A INFRA-ESTRUTURA PARA A EXPORTAÇÃO DE ÁLCOOL Fernando Cunha Diretor de Operações e Logística Petrobras Distribuidora Agosto de 2003 INTRODUÇÃO A BR

Leia mais

5.662. postos de serviços. A Ipiranga manteve em 2010 sua trajetória de crescimento sólido de resultados.

5.662. postos de serviços. A Ipiranga manteve em 2010 sua trajetória de crescimento sólido de resultados. ipiranga 35 A Ipiranga manteve em 2010 sua trajetória de crescimento sólido de resultados. 5.662 postos de serviços Este crescimento é fruto dos benefícios da expansão do mercado de combustíveis, dos investimentos

Leia mais

Copersucar completa 50 anos de liderança em açúcar e etanol com planos para aumentar ainda mais sua atuação global

Copersucar completa 50 anos de liderança em açúcar e etanol com planos para aumentar ainda mais sua atuação global Copersucar completa 50 anos de liderança em açúcar e etanol com planos para aumentar ainda mais sua atuação global Exportações de açúcar da empresa devem aumentar 86% na safra 2009/2010 A Copersucar completa

Leia mais

EBDQUIM 2014. Abastecimento de Derivados e Biocombustíveis. Distribuição Missão e Valores. Aurélio Amaral Superintendência de Abastecimento

EBDQUIM 2014. Abastecimento de Derivados e Biocombustíveis. Distribuição Missão e Valores. Aurélio Amaral Superintendência de Abastecimento EBDQUIM 2014 Abastecimento de Derivados e Biocombustíveis Distribuição Missão e Valores Aurélio Amaral Superintendência de Abastecimento 19 de Março de 2014 Atividades da ANP Números do Setor de Petróleo

Leia mais

BIODIESEL. O NOVO COMBUSTÍVEL DO BRASIL.

BIODIESEL. O NOVO COMBUSTÍVEL DO BRASIL. Folder final 12/4/04 2:45 AM Page 1 BIODIESEL. O NOVO COMBUSTÍVEL DO BRASIL. PROGRAMA NACIONAL DE PRODUÇÃO E USO DO BIODIESEL Folder final 12/4/04 2:45 AM Page 2 BIODIESEL. A ENERGIA PARA O DESENVOLVIMENTO

Leia mais

LOGÍSTICA & BRASIL Artigo

LOGÍSTICA & BRASIL Artigo O artigo aborda relações entre logística, formação profissional e infra-estrutura do país. São debatidas questões sobre a evolução da logística no Brasil, a preparação educacional do profissional de logística

Leia mais

A FORMAÇÃO DOS PREÇOS DO ETANOL HIDRATADO NO MERCADO BRASILEIRO DE COMBUSTÍVEIS

A FORMAÇÃO DOS PREÇOS DO ETANOL HIDRATADO NO MERCADO BRASILEIRO DE COMBUSTÍVEIS A FORMAÇÃO DOS PREÇOS DO ETANOL HIDRATADO NO MERCADO BRASILEIRO DE COMBUSTÍVEIS Prof. Drº Nilton Cesar Lima Faculdade de Economia, Administração e Contabilidade Universidade Federal de Alagoas AGENDA Objetivos

Leia mais

$ $ Sem folga à vista

$ $ Sem folga à vista gasolina Sem folga à vista Nunca se consumiu tanta gasolina no Brasil. Somente em, a demanda cresceu 12%, totalizando 39,7 milhões de metros cúbicos. Um patamar recorde, especialmente se levarmos em conta

Leia mais

$ $ Alto consumo. Nova fase: S10

$ $ Alto consumo. Nova fase: S10 diesel Alto consumo Em 2013, o cenário do mercado de diesel no país prosseguiu trajetória ascendente, assim como em anos anteriores. Impulsionado pela forte demanda pelo combustível, o faturamento do segmento

Leia mais

$ $ $ $ $ $ $ $ $ Um novo mercado

$ $ $ $ $ $ $ $ $ Um novo mercado diesel Um novo mercado Por mais um ano, as vendas de diesel superaram o desempenho do PIB, encerrando com expansão de 5,2% no volume e respondendo por quase 50% da matriz veicular brasileira. Foram quase

Leia mais

ESTUDO SOBRE A CARGA TRIBUTÁRIA DOS COMBUSTÍVEIS

ESTUDO SOBRE A CARGA TRIBUTÁRIA DOS COMBUSTÍVEIS UNIVERSIDADE DE SÃO PAULO FACULDADE ECONOMIA, ADMINISTRAÇÃO E CONTABILIDADE DE RIBEIRÃO PRETO NÚCLEO DE ESTUDOS EM CONTROLADORIA E CONTABILIDADE TRIBUTÁRIA ESTUDO SOBRE A CARGA TRIBUTÁRIA DOS COMBUSTÍVEIS

Leia mais

PRODUÇÃO E COMERCIALIZAÇÃO DE BIOCOMBUSTÍVEIS POR PEQUENOS PRODUTORES

PRODUÇÃO E COMERCIALIZAÇÃO DE BIOCOMBUSTÍVEIS POR PEQUENOS PRODUTORES PRODUÇÃO E COMERCIALIZAÇÃO DE BIOCOMBUSTÍVEIS POR PEQUENOS PRODUTORES PAULO CÉSAR RIBEIRO LIMA Consultor Legislativo da Área XII Recursos Minerais, Hídricos e Energéticos NOVEMBRO/2004 Paulo César Ribeiro

Leia mais

CUSTOS LOGÍSTICOS NO BRASIL 2014. Logística, Supply Chain e Infraestrutura. Núcleo de Logística, Supply Chain e Infraestrutura

CUSTOS LOGÍSTICOS NO BRASIL 2014. Logística, Supply Chain e Infraestrutura. Núcleo de Logística, Supply Chain e Infraestrutura CUSTOS LOGÍSTICOS NO BRASIL 2014 Logística, Supply Chain e Infraestrutura Núcleo de Logística, Supply Chain e Infraestrutura Paulo Tarso Vilela de Resende Paulo Renato de Sousa Bolsistas Fapemig Gustavo

Leia mais

Visão dos armadores sobre potencial, investimentos e obstáculos no corredor Centro Norte SINDARPA

Visão dos armadores sobre potencial, investimentos e obstáculos no corredor Centro Norte SINDARPA Visão dos armadores sobre potencial, investimentos e obstáculos no corredor Centro Norte SINDARPA SINDARPA INSTITUCIONAL O Sindicato das Empresas de Navegação Fluvial e Lacustre e das Agências de Navegação

Leia mais

Introdução da fase P7 para veículos pesados no Brasil. - Desafios do mercado de diesel -

Introdução da fase P7 para veículos pesados no Brasil. - Desafios do mercado de diesel - Introdução da fase P7 para veículos pesados no Brasil - Desafios do mercado de diesel - Nos últimos anos, os limites de poluentes tem sofrido redução através da legislação de emissões Evolução dos padrões

Leia mais

Ministério da Agricultura, Pecuária e Abastecimento Secretaria de Produção e Agroenergia AÇÚCAR E ÁLCOOL NO BRASIL

Ministério da Agricultura, Pecuária e Abastecimento Secretaria de Produção e Agroenergia AÇÚCAR E ÁLCOOL NO BRASIL Ministério da Agricultura, Pecuária e Abastecimento Secretaria de Produção e Agroenergia AÇÚCAR E ÁLCOOL NO BRASIL Departamento da Cana-de-açúcar e Agroenergia MARÇO 2007 www.agricultura.gov.br daa@agricultura.gov.br

Leia mais

Desafio Logístico 2013

Desafio Logístico 2013 1 Desafio Logístico 2013 Índice Introdução 3 A situação O desafio 5 5 Regras gerais 6 2 Introdução O desenvolvimento econômico do Brasil enfrenta inúmeros desafios sendo que um dos mais complexos está

Leia mais

5.500 postos de serviço

5.500 postos de serviço 5.500 postos de serviço Em 2009, a Ipiranga manteve sua trajetória de expansão acelerada da escala, com a aquisição das operações da rede de distribuição de combustíveis da Texaco no Brasil e investimentos

Leia mais

3 O Cimento no Brasil. 10 Características da Indústria Cimenteira. 12 O Cimento no Custo da Construção. 13 Carga Tributária. 15 Panorama Internacional

3 O Cimento no Brasil. 10 Características da Indústria Cimenteira. 12 O Cimento no Custo da Construção. 13 Carga Tributária. 15 Panorama Internacional 3 O Cimento no Brasil 3 Processo produtivo 4 Histórico 5 Indústria 6 Produção 7 Consumo 8 Produção e consumo aparente regional 9 Vendas internas e exportação 10 Características da Indústria Cimenteira

Leia mais

Aimplementação da estratégia Caminhos da Bahia fundamenta-se no aporte de infraestrutura

Aimplementação da estratégia Caminhos da Bahia fundamenta-se no aporte de infraestrutura PPA 2004-2007 Caminhos da Bahia: Infra-estrutura e Logística Aimplementação da estratégia Caminhos da Bahia fundamenta-se no aporte de infraestrutura nas áreas de transportes e energia, com o objetivo

Leia mais

Luz no fim do túnel. de combustíveis foram responsáveis por US$ 501 bilhões

Luz no fim do túnel. de combustíveis foram responsáveis por US$ 501 bilhões Estados unidos Luz no fim do túnel Os Estados Unidos ainda não se recuperaram totalmente da última crise financeira, que fez estrago nos dos dois lados do Atlântico, mas vêm ensaiando uma recuperação e,

Leia mais

OS CARROS FLEX FUEL NO BRASIL

OS CARROS FLEX FUEL NO BRASIL OS CARROS FLEX FUEL NO BRASIL PAULO CÉSAR RIBEIRO LIMA Consultor Legislativo da Área XII Recursos Minerais, Hídricos e Energéticos MARÇO/2009 Paulo César Ribeiro Lima 2 SUMÁRIO 1. Introdução...3 2. Histórico...3

Leia mais

TRANSPORTE RODOVIÁRIO DE CARGAS

TRANSPORTE RODOVIÁRIO DE CARGAS DEPEC Departamento de Pesquisas e Estudos Econômicos TRANSPORTE RODOVIÁRIO DE CARGAS SETEMBRO DE 2015 1 2 PRODUTOS PARTICIPAÇÃO NO PIB 2013 Outros Serviços 33,7% Administração, saúde e educação públicas

Leia mais

ESTUDO DA CRIAÇÃO DE UMA PLATAFORMA MULTIMODAL Prof. Ph.D. Cláudio Farias Rossoni Área delimitada onde em um mesmo local se encontram disponibilizados: DUTOVIAS HIDROVIAS RODOVIAS AEROVIAS FERROVIAS Área

Leia mais

Rodoviário. O Modal. Logística. Brasil é um país voltado para

Rodoviário. O Modal. Logística. Brasil é um país voltado para O Modal Rodoviário Logística por José Luiz Portela Gómez O Brasil é um país voltado para o uso do modal rodoviário. Esse fato se deve às poucas restrições para a operação do crescimento da indústria automobilística

Leia mais

A navegação de cabotagem no Brasil

A navegação de cabotagem no Brasil A navegação de cabotagem no Brasil Um imenso potencial com grandes desafios e barreiras João Guilherme Araujo Diretor de Desenvolvimento de Negócios ILOS - Instituto de Logística e Supply Chain Ultimamente

Leia mais

Cana de açúcar para indústria: o quanto vai precisar crescer

Cana de açúcar para indústria: o quanto vai precisar crescer Cana de açúcar para indústria: o quanto vai precisar crescer A demanda crescente nos mercados interno e externo por combustíveis renováveis, especialmente o álcool, atrai novos investimentos para a formação

Leia mais

. CONSUMO DE ÓLEO DIESEL

. CONSUMO DE ÓLEO DIESEL TRANSPORTES Os transportes têm como finalidade o deslocamento e a circulação de mercadorias e de pessoas de um lugar para outro. Nos países subdesenvolvidos, cuja economia sempre foi dependente dos mercados

Leia mais

TERMINAIS DE CONTÊINERES O que fazem pelo Brasil. Investimentos: US$ 615,4 milhões. Resultado: Eficiência, Competitividade e Confiabilidade

TERMINAIS DE CONTÊINERES O que fazem pelo Brasil. Investimentos: US$ 615,4 milhões. Resultado: Eficiência, Competitividade e Confiabilidade TERMINAIS DE CONTÊINERES O que fazem pelo Brasil. Investimentos: US$ 615,4 milhões. Resultado: Eficiência, Competitividade e Confiabilidade O Cenário O contêiner passou a ser o principal meio de transporte

Leia mais

RELOP III Reunião Anual Rio de Janeiro, 04 de novembro de 2010

RELOP III Reunião Anual Rio de Janeiro, 04 de novembro de 2010 Os Biocombustíveis no Brasil RELOP III Reunião Anual Rio de Janeiro, 04 de novembro de 2010 SUMÁRIO 1. Alguns dados d sobre o Brasil e a ANP 2. Os biocombustíveis no Brasil 3. O etanol 4. O biodiesel PANORAMA

Leia mais

IMPOSTOS SOBRE VENDAS! ICMS, PIS/COFINS, ISS e IPI! O que fazer com a CPMF?! As alterações da legislação tributária no cálculo da COFINS ASSOCIADOS

IMPOSTOS SOBRE VENDAS! ICMS, PIS/COFINS, ISS e IPI! O que fazer com a CPMF?! As alterações da legislação tributária no cálculo da COFINS ASSOCIADOS UP-TO-DATE. ANO I. NÚMERO 46 IMPOSTOS SOBRE VENDAS! ICMS, PIS/COFINS, ISS e IPI! O que fazer com a CPMF?! As alterações da legislação tributária no cálculo da COFINS Dr. João Inácio Correia (advcor@mandic.com.br)

Leia mais

Papel dos biocombustíveis na matriz energética brasileira

Papel dos biocombustíveis na matriz energética brasileira Papel dos biocombustíveis na matriz energética brasileira Agenda Arcabouço Legal Panorama Brasil o Matriz Energética Brasileira o Biodiesel o Etanol o Novos Biocombustíveis Comentários Finais Arcabouço

Leia mais

Navegação de Cabotagem no Brasil. João Guilherme Araujo. Novembro/2013

Navegação de Cabotagem no Brasil. João Guilherme Araujo. Novembro/2013 Navegação de Cabotagem no Brasil João Guilherme Araujo Novembro/2013 Agenda Porque falar de Cabotagem? Cabotagem no Brasil Pontos Favoráveis e Desfavoráveis Números da Cabotagem no Brasil Cabotagem de

Leia mais

Conferência biodieselbr 2010

Conferência biodieselbr 2010 Conferência biodieselbr 2010 Construindo o caminho para o B10 Rubens Cerqueira FREITAS, M.Sc. Superintendente Adjunto de Abastecimento Superintendência de Abastecimento - SAB Sistema Nacional de Abastecimento

Leia mais

LOGÍSTICA. O Sistema de Transporte

LOGÍSTICA. O Sistema de Transporte LOGÍSTICA O Sistema de Transporte O TRANSPORTE 1. Representa o elemento mais importante do custo logístico; MODALIDADE (UM MEIO DE TRANSPORTE) MULTIMODALIDADE (UTILIZAÇÃO INTEGRADA DE MODAIS) Tipos de

Leia mais

Biocombustíveis e a perspectiva de certificação no Brasil 1

Biocombustíveis e a perspectiva de certificação no Brasil 1 Biocombustíveis e a perspectiva de certificação no Brasil 1 Francisco Nelson Castro Neves 2 Apresentação Institucional A Agência Nacional do Petróleo, Gás Natural e Biocombustíveis (ANP) surgiu, em 1998,

Leia mais

Não abasteça combustível adulterado

Não abasteça combustível adulterado Não abasteça combustível adulterado A maioria das pessoas acha que uma vez que o posto de gasolina tem bandeira (BR, Shell, Texaco, Esso, Ipiranga, etc) a qualidade do combustível está garantida. Não é

Leia mais

Tributos incidentes sobre os combustíveis

Tributos incidentes sobre os combustíveis Tributos incidentes sobre os combustíveis MARCELO SOBREIRO MACIEL Consultor Legislativo da Área III Tributação e Direito Tributário DEZEMBRO/2011 MARCELO SOBREIRO MACIEL 2 2011 Câmara dos Deputados. Todos

Leia mais

Unidade I GERENCIAMENTO DE. Prof. Altair da Silva

Unidade I GERENCIAMENTO DE. Prof. Altair da Silva Unidade I GERENCIAMENTO DE TRANSPORTES Prof. Altair da Silva Introdução O transporte é a essência das atividades logísticas visto como estratégica para que as empresas possam ser cada vez mais competitivas.

Leia mais

Armazenagem, Controle e Distribuição. Aula 6. Contextualização. Modais de Transporte. Instrumentalização. Modais de Transporte

Armazenagem, Controle e Distribuição. Aula 6. Contextualização. Modais de Transporte. Instrumentalização. Modais de Transporte Armazenagem, Controle e Distribuição Aula 6 Contextualização Prof. Walmar Rodrigues da Silva Modais de Transporte Característica Comparações Utilização Instrumentalização Multimodalidade e intermodalidade

Leia mais

Evolução Recente da Desconcentração dos Mercados de Distribuição de Gasolina e Diesel no Brasil

Evolução Recente da Desconcentração dos Mercados de Distribuição de Gasolina e Diesel no Brasil Evolução Recente da Desconcentração dos Mercados de Distribuição de Gasolina e Diesel no Brasil Resumo Lúcia Maria Navegantes de Oliveira Bicalho 1 Maria Mendes da Fonseca Gomes 2 O processo de desregulamentação

Leia mais

Importância da Logística. O lugar da Logística nas Empresas. Custos Logísticos são significativos

Importância da Logística. O lugar da Logística nas Empresas. Custos Logísticos são significativos IMPORTÂNCIA DA LOGÍSTICA Importância da Logística O lugar da Logística nas Empresas A logística diz respeito à criação de valor; O valor em logística é expresso em termos de tempo e lugar. Produtos e serviços

Leia mais

QUESTÕES FUNDAMENTAIS DA LOGÍSTICA NO BRASIL. Agosto de 2013

QUESTÕES FUNDAMENTAIS DA LOGÍSTICA NO BRASIL. Agosto de 2013 QUESTÕES FUNDAMENTAIS DA LOGÍSTICA NO BRASIL Agosto de 2013 PRINCIPAIS CADEIAS PRODUTIVAS Soja, milho e bovinos AGROPECUÁRIA AÇÚCAR E ÁLCOOL Soja, milho e bovinos Cana de açúcar MINERAÇÃO E SIDERURGIA

Leia mais

OS BIOCOMBUSTÍVEIS E A

OS BIOCOMBUSTÍVEIS E A OS BIOCOMBUSTÍVEIS E A INDÚSTRIA DO PETRÓLEO Ricardo de Gusmão Dornelles Diretor do Departamento de Combustíveis Renováveis Jun/2009 MATRIZ ENERGÉTICA MUNDIAL E NACIONAL - 2008 54,9 45,1 Brasil (2008)

Leia mais

6 A cadeia de suprimentos da soja no Mato Grosso sob o ponto de vista dos atores da cadeia

6 A cadeia de suprimentos da soja no Mato Grosso sob o ponto de vista dos atores da cadeia 6 A cadeia de suprimentos da soja no Mato Grosso sob o ponto de vista dos atores da cadeia Complementando o que foi exposto sobre a gerência da cadeia de suprimentos analisada no Capítulo 3, através de

Leia mais

Visão geral das operações

Visão geral das operações Visão geral das operações Visão geral das operações Ipiranga O forte posicionamento no mercado e a sua agilidade comercial permitiram à Ipiranga se beneficiar do bom desempenho do setor automobilístico

Leia mais

Biocombustíveis no Brasil: Comercialização e Logística

Biocombustíveis no Brasil: Comercialização e Logística Biocombustíveis no Brasil comercialização e logística Ildo Sauer 1 Os combustíveis verdes já chegaram. E, com eles, toda uma nova dinâmica de comercialização e logística precisou ser estabelecida e colocada

Leia mais

Navegação de Cabotagem

Navegação de Cabotagem Reunião Conjunta Câmaras Setoriais da Cadeia Produtiva de Milho e Sorgo e da Cadeia Produtiva de Aves e Suínos Identificação das formas de movimentação dos excedentes de milho no Brasil Navegação de Cabotagem

Leia mais

A Atividade Regulatória da ANP e sua Interação com o Processo de Licenciamento Ambiental.

A Atividade Regulatória da ANP e sua Interação com o Processo de Licenciamento Ambiental. 18 Encontro da ANAMMA Interpretação da Res. CONAMA nº 362/05 A Atividade Regulatória da ANP e sua Interação com o Processo de Licenciamento Ambiental. 12 de Agosto de 2008 Eduardo Carmo Agência Nacional

Leia mais

Suprimento de Combustíveis Base de Macapá. Brasília-DF 07.11.12

Suprimento de Combustíveis Base de Macapá. Brasília-DF 07.11.12 Suprimento de Combustíveis Base de Macapá Brasília-DF 07.11.12 Informações sobre a Base de Macapá Inaugurada em 1968, a base de distribuição de combustíveis de Macapá é responsável pelo suprimento de todo

Leia mais

OBRAS DE INFRAESTRUTURA NO BRASIL

OBRAS DE INFRAESTRUTURA NO BRASIL OBRAS DE INFRAESTRUTURA NO BRASIL Estudo realizado com 259 empresas; Faturamento das empresas pesquisadas representando mais de 30% do PIB brasileiro; O objetivo principal é mapear e avaliar a importância

Leia mais

EIXO INFRAESTRUTURA LOGÍSTICA

EIXO INFRAESTRUTURA LOGÍSTICA EIXO INFRAESTRUTURA LOGÍSTICA EIXO INFRAESTRUTURA LOGÍSTICA O eixo de infraestrutura logística do PAC tem como objetivo ampliar a qualidade dos serviços de transporte, para aumentar a competitividade da

Leia mais

EIXO 4 PLANEJAMENTO E GESTÃO ORÇAMENTÁRIA E FINANCEIRA. D 4.7 Monitoramento e Avaliação de Políticas Públicas (20h) (Aula 3: Monitoramento do PAC)

EIXO 4 PLANEJAMENTO E GESTÃO ORÇAMENTÁRIA E FINANCEIRA. D 4.7 Monitoramento e Avaliação de Políticas Públicas (20h) (Aula 3: Monitoramento do PAC) EIXO 4 PLANEJAMENTO E GESTÃO ORÇAMENTÁRIA E FINANCEIRA D 4.7 Monitoramento e Avaliação de Políticas Públicas (20h) (Aula 3: Monitoramento do PAC) Professor: Pedro Antônio Bertone Ataíde 23 a 27 de março

Leia mais

TRANQUILIDADE. Logística que supera desafios. Escolha o melhor suporte do Mercosul. Mais que movimentar materiais com agilidade,

TRANQUILIDADE. Logística que supera desafios. Escolha o melhor suporte do Mercosul. Mais que movimentar materiais com agilidade, Logística que supera desafios. Mais que movimentar materiais com agilidade, segurança e eficiência, a Transpes oferece um pacote de soluções completas para vários tipos de operações logísticas. Conte com

Leia mais

Programa de Aceleração do Crescimento (PAC) Notas sobre o balanço de um ano do PAC

Programa de Aceleração do Crescimento (PAC) Notas sobre o balanço de um ano do PAC Programa de Aceleração do Crescimento (PAC) Notas sobre o balanço de um ano do PAC Brasília, 22 de janeiro de 2008 NOTAS SOBRE O BALANÇO DE UM ANO DO PAC AVALIAÇÃO GERAL Pontos positivos e destaques: 1)

Leia mais

Índice da apresentação

Índice da apresentação Cenário da reparação de veículos 2013 Índice da apresentação 1. Indicadores 2. Ameaças e oportunidades 3. Cenário futuro Indicadores Total 5.565 Municípios NORTE 449 Amazonas 62 Pará 143 Rondônia 52 Acre

Leia mais

QUESTÕES FUNDAMENTAIS DA LOGÍSTICA NO BRASIL. 31 de julho de 2013

QUESTÕES FUNDAMENTAIS DA LOGÍSTICA NO BRASIL. 31 de julho de 2013 QUESTÕES FUNDAMENTAIS DA LOGÍSTICA NO BRASIL 31 de julho de 2013 PRINCIPAIS CADEIAS PRODUTIVAS Soja, milho e bovinos AGROPECUÁRIA AÇÚCAR E ÁLCOOL Soja, milho e bovinos Cana de açúcar MINERAÇÃO E SIDERURGIA

Leia mais

Fundo Constitucional de Financiamento do Centro-Oeste

Fundo Constitucional de Financiamento do Centro-Oeste Fundo Constitucional de Financiamento do Centro-Oeste O que é FCO? O Fundo de Financiamento do Centro-Oeste (FCO) é um fundo de crédito criado pela Constituição Federal de 1988 com o objetivo de promover

Leia mais

As pressões da produção do pré-sal. brasileiro sobre o setor de refino nacional

As pressões da produção do pré-sal. brasileiro sobre o setor de refino nacional As pressões da produção do pré-sal brasileiro sobre o setor de refino nacional Yabiko R¹ Chicata F² Bone R³ Resumo: O artigo tem como objetivo analisar a capacidade produtiva atual do parque de refino

Leia mais

REGULAMENTAÇÃO Importação, Exportação e Transporte de Petróleo e seus Derivados

REGULAMENTAÇÃO Importação, Exportação e Transporte de Petróleo e seus Derivados REGULAMENTAÇÃO Importação, Exportação e Transporte de Petróleo e seus Derivados Carlos Valois Maciel Braga Superintendência de Comercialização e Movimentação de Petróleo e seus Derivados Agência Nacional

Leia mais

Maior parte da extensão de rodovias avaliadas tem problema

Maior parte da extensão de rodovias avaliadas tem problema Mais de 100 mil km percorridos Maior parte da extensão de rodovias avaliadas tem problema Estudo da CNT mostra que 57,3% têm alguma deficiência no estado geral; 86,5% dos trechos são de pista simples e

Leia mais

LOGÍSTICA. Curso: Gestão Comercial Prof. Daniel Rossi 1.0 UMA FUNÇÃO ESSENCIAL NA EMPRESA

LOGÍSTICA. Curso: Gestão Comercial Prof. Daniel Rossi 1.0 UMA FUNÇÃO ESSENCIAL NA EMPRESA Curso: Gestão Comercial Prof. Daniel Rossi LOGÍSTICA 1.0 UMA FUNÇÃO ESSENCIAL NA EMPRESA O conceito de Logística sempre envolve um fluxo de materiais de uma origem ou destino e, no outro sentido, um fluxo

Leia mais

O impacto da expansão do setor de mineração, metalurgia e de materiais no Espírito Santo na Academia

O impacto da expansão do setor de mineração, metalurgia e de materiais no Espírito Santo na Academia 1 O impacto da expansão do setor de mineração, metalurgia e de materiais no Espírito Santo na Academia Eng. Maristela Gomes da Silva, Dr. 1 Os objetivos desta primeira intervenção são apresentar a situação

Leia mais

Implantação da Refinaria Premium II: desafios e oportunidades

Implantação da Refinaria Premium II: desafios e oportunidades Implantação da Refinaria Premium II: desafios e oportunidades RAIMUNDO LUTIF Gerente Estruturação Negócio Fortaleza Ceará Fortaleza, 13 / setembro/ 2011. 1 AVISO Estas apresentações podem conter previsões

Leia mais

Logística e Gerenciamento da Cadeia de Suprimentos. Profª Caroline Pauletto Spanhol

Logística e Gerenciamento da Cadeia de Suprimentos. Profª Caroline Pauletto Spanhol Logística e Gerenciamento da Cadeia de Suprimentos Profª Caroline Pauletto Spanhol Cadeia de Abastecimento Conceitos e Definições Elementos Principais Entendendo a Cadeia de Abastecimento Integrada Importância

Leia mais

4. Acidentes Recentes em Dutos da Petrobras

4. Acidentes Recentes em Dutos da Petrobras 51 4. Acidentes Recentes em Dutos da Petrobras Neste capítulo serão apresentados os acidentes que ocorreram recentemente nos dutos da Petrobras e abalaram a imagem da empresa, o cenário nacional no momento

Leia mais

Estado da motorização individual no Brasil Relatório 2015. Coordenação: Juciano Martins Rodrigues. Observatório das Metrópoles

Estado da motorização individual no Brasil Relatório 2015. Coordenação: Juciano Martins Rodrigues. Observatório das Metrópoles Estado da motorização individual no Brasil Relatório 2015 Estado da motorização individual no Brasil Relatório 2015 Coordenação: Juciano Martins Rodrigues Observatório das Metrópoles Luiz Cesar de Queiroz

Leia mais

Situação da Armazenagem no Brasil 2006

Situação da Armazenagem no Brasil 2006 Situação da Armazenagem no Brasil 2006 1. Estática de Armazenagem A capacidade estática das estruturas armazenadoras existentes no Brasil, registrada em dezembro de 2006 é de até o mês de novembro de 2006

Leia mais

ASPECTOS LOGÍSTICOS DO ESCOAMENTO DO AÇÚCAR PAULISTA: TRECHO USINA PORTO DE SANTOS

ASPECTOS LOGÍSTICOS DO ESCOAMENTO DO AÇÚCAR PAULISTA: TRECHO USINA PORTO DE SANTOS ASPECTOS LOGÍSTICOS DO ESCOAMENTO DO AÇÚCAR PAULISTA: TRECHO USINA PORTO DE SANTOS Maria Rita Pontes Assumpção Mestrado em Gestão de Negócios Universidade Católica de Santos Resenha da Dissertação de Bruno

Leia mais

Syndarma e ANP discutem o uso do biodiesel nos motores marítimos

Syndarma e ANP discutem o uso do biodiesel nos motores marítimos Syndarma e ANP discutem o uso do biodiesel nos motores marítimos O Sindicato Nacional das Empresas de Navegação Marítima - Syndarma, como representante de uma significativa parcela das empresas de navegação

Leia mais

O QUE É A DESONERAÇÃO DA FOLHA DE PAGAMENTO?

O QUE É A DESONERAÇÃO DA FOLHA DE PAGAMENTO? O QUE É A DESONERAÇÃO DA FOLHA DE PAGAMENTO? É a substituição da contribuição previdenciária patronal de 20% sobre o salário de contribuição dos empregados, trabalhadores avulsos e contribuintes individuais.

Leia mais

A REALIDADE LOGÍSTICA

A REALIDADE LOGÍSTICA A REALIDADE LOGÍSTICA Logística NO BRASIL Por Marco Aurélio O Brasil teve, até o ano de 2010, 1,76 milhão de quilômetros de vias rodoviárias. Desse total, somente 212.000 quilômetros estavam pavimentados.

Leia mais

PROJETO DE LEI N.º 409, DE 2015 (Do Sr. Luis Carlos Heinze)

PROJETO DE LEI N.º 409, DE 2015 (Do Sr. Luis Carlos Heinze) *C0051416A* C0051416A CÂMARA DOS DEPUTADOS PROJETO DE LEI N.º 409, DE 2015 (Do Sr. Luis Carlos Heinze) Institui isenção da contribuição para o PIS/PASEP, COFINS e CIDE- Combustíveis incidente sobre o óleo

Leia mais

PAC Programa de Aceleração do Crescimento. Retomada do planejamento no país. Marcel Olivi

PAC Programa de Aceleração do Crescimento. Retomada do planejamento no país. Marcel Olivi PAC Programa de Aceleração do Crescimento Retomada do planejamento no país Marcel Olivi PAC PROGRAMA DE ACELERAÇÃO DO CRESCIMENTO Lançado em 22/01/2007 o programa é constituído por Medidas de estímulo

Leia mais

TRANSPORTADOR REVENDEDOR RETALHISTA DE COMBUSTÍVEIS - TRR

TRANSPORTADOR REVENDEDOR RETALHISTA DE COMBUSTÍVEIS - TRR TRANSPORTADOR REVENDEDOR RETALHISTA DE COMBUSTÍVEIS - TRR ASSUNTO: Operações interestaduais. De início, ressalte-se que, para efeito deste trabalho, toda alusão genérica feita a Estado é extensiva ao Distrito

Leia mais

REDES DE PEQUENAS EMPRESAS

REDES DE PEQUENAS EMPRESAS REDES DE PEQUENAS EMPRESAS As micro, pequenas e médias empresas, em decorrência da globalização e suas imposições,vêm buscando alcançar vantagem competitiva para sua sobrevivência no mercado. CONTEXTO

Leia mais

O faturamento das respondentes equivale a cerca de 17% do PIB brasileiro.

O faturamento das respondentes equivale a cerca de 17% do PIB brasileiro. Autores Paulo Tarso Vilela de Resende Paulo Renato de Sousa Bolsistas Fapemig Gustavo Alves Caetano André Felipe Dutra Martins Rocha Elias João Henrique Dutra Bueno Estudo realizado com 111 empresas. O

Leia mais

COMÉRCIO E DISTRIBUIÇÃO DE ALIMENTOS.

COMÉRCIO E DISTRIBUIÇÃO DE ALIMENTOS. COMÉRCIO E DISTRIBUIÇÃO DE ALIMENTOS. A Rio Quality existe com o objetivo de proporcionar a total satisfação dos clientes e contribuir para o sucesso de todos. Essa integração se dá através do investimento

Leia mais

INDICADORES CORK SERVICES ABRIL 2014

INDICADORES CORK SERVICES ABRIL 2014 Página1 1. APRESENTAÇÃO INDICADORES CORK SERVICES ABRIL 2014 Os indicadores Cork Services contemplam os principais números de referência para a gestão de frotas, incluindo índices de inflação e variação

Leia mais

Atlas Digital de MINAS GERAIS 1 de 18

Atlas Digital de MINAS GERAIS 1 de 18 Atlas Digital de MINAS GERAIS 1 de 18 Características Agropecuárias A sociedade brasileira viveu no século XX uma transformação socioeconômica e cultural passando de uma sociedade agrária para uma sociedade

Leia mais

Força de greves pode diminuir com evolução de canais de serviços on-line

Força de greves pode diminuir com evolução de canais de serviços on-line Boletim 853/2015 Ano VII 15/10/2015 Força de greves pode diminuir com evolução de canais de serviços on-line O impacto das novas plataformas deve ser maior no médio e longo prazo, principalmente com a

Leia mais

Multimodalidade e as Hidrovias no Brasil. (Marcos Machado Soares Sec. Executivo da FENAVEGA)

Multimodalidade e as Hidrovias no Brasil. (Marcos Machado Soares Sec. Executivo da FENAVEGA) Multimodalidade e as Hidrovias no Brasil (Marcos Machado Soares Sec. Executivo da FENAVEGA) O QUE É A FENAVEGA A FENAVEGA é uma Entidade de Classe de grau superior, constituída em conformidade com o disposto

Leia mais

Etanol Brasileiro Evolução da Legislação e Marco Regulatório

Etanol Brasileiro Evolução da Legislação e Marco Regulatório Etanol Brasileiro Evolução da Legislação e Marco Regulatório 14 de abril de 2007 Senado Federal Produção Sucroalcooleira: Introdução Agroindústrias: processam um produto agrícola Cana-de-açúcar: Origem

Leia mais

Infraestrutura Logística para Movimentação de Petróleo, Derivados e Biocombustíveis: Necessidade e Oportunidades

Infraestrutura Logística para Movimentação de Petróleo, Derivados e Biocombustíveis: Necessidade e Oportunidades APIMEC-RIO Seminário sobre Logística e Infraestrutura 30 de maio de 2012 Infraestrutura Logística para Movimentação de Petróleo, Derivados e Biocombustíveis: Necessidade e Oportunidades Carlos Felipe Guimarães

Leia mais

COMISSÃO DE MEIO AMBIENTE E DESENVOLVIMENTO SUSTENTÁVEL

COMISSÃO DE MEIO AMBIENTE E DESENVOLVIMENTO SUSTENTÁVEL COMISSÃO DE MEIO AMBIENTE E DESENVOLVIMENTO SUSTENTÁVEL PROJETO DE LEI N o 1.013, DE 2011 Dispõe sobre a fabricação e venda, em território nacional, de veículos utilitários movidos a óleo diesel, e dá

Leia mais

UMA SOLUÇÃO PARA O ETANOL BRASILEIRO

UMA SOLUÇÃO PARA O ETANOL BRASILEIRO UMA SOLUÇÃO PARA O ETANOL BRASILEIRO O Brasil tem o programa mais bem sucedido de substituição de combustível fóssil por combustível renovável no mundo. Esse resultado só foi possível pela resposta do

Leia mais

A Infra-estrutura e os Desafios Logísticos das Exportações Brasileiras

A Infra-estrutura e os Desafios Logísticos das Exportações Brasileiras A Infra-estrutura e os Desafios Logísticos das Exportações Brasileiras P. Fernando Fleury Um dos principais efeitos do processo de globalização que vem afetando a grande maioria das nações, é o aumento

Leia mais