Banco de Dados Distribuídos

Save this PDF as:
 WORD  PNG  TXT  JPG

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "Banco de Dados Distribuídos"

Transcrição

1 Banco de Dados Distribuídos Emmanuel Filho¹, Maria Cristina C. Rodrigues¹ Nayguron Henrique de S. Barreto¹, Wilton de Serpa Monteiro¹ ¹ Tecnologia em Análise e Desenvolvimento de Sistemas do Instituto Federal de Educação Tecnológica do Pará (IFPA) RESUMO Com o crescente aumento dos dados a serem armazenados, o gerenciamento centralizado desses dados pode se tornar uma tarefa muito trabalhosa, assim, com as novas tecnologias para comunicação de dados, é possível trabalhar com bancos de dados não mais centralizados em um único servidor, mas sim distribuídos em vários servidores que podem estar na mesma rede, ou até mesmo em países diferentes, e estão interligados logicamente, compartilhando informações de uma maneira transparente para os usuários. 1. INTRODUÇÃO Há tempos atrás as informações de empresas e de governos eram armazenadas em salas de arquivos com uma imensa quantidade de papeis que iam envelhecendo com o tempo, alguns desses documentos deveriam ser guardados durante anos, ocupando espaços que nem sempre estavam disponíveis nas empresas (Reis, 2006). Com o advento da informática o arquivamento de informações mudou, informações viraram dados e salas de arquivo transformaram-se em bancos. O banco de dados é o desejo de integrar os dados operacionais de um empreendimento e proporcionar acesso controlado a esses dados (Melo & Fornari, 2004). Porém com o aumento constante de informações, a necessidade de gerenciamento de grandes volumes de dados tornou-se um desafio para a comunidade de ciência da computação, tornando-se mais problemática com o advento da internet (Dorneles & Galante, 2008).

2 Surge então o sistema de Banco de Dados Distribuído, que é uma coleção de vários bancos de dados logicamente inter-relacionados, distribuídos por uma rede de computadores (Wikipédia). 2. CONCEITO Consta em Özsu(2001, p.1), que: A tecnologia de sistemas de bancos de dados distribuídos (SBDDs) é a união daquilo que consideramos duas abordagens diametralmente opostas para processamento de dados: as tecnologias de sistemas de banco de dados e rede de computadores. Com os bancos de dados tem-se a centralização dos dados e com a rede de computadores pode-se fazer a integração. A tecnologia dos SBDDs busca a integração sem a centralização. Özsu (2001, p.5) definindo bancos de dados distribuídos como uma coleção de vários bancos de dados logicamente inter-relacionados, distribuídos por uma rede de computadores. Além disso, cada banco é independente, ou seja, possui sua própria função de Database Administrator (DBA), um servidor próprio para armazenar os dados e tornar os relacionamentos entre os bancos invisíveis para o usuário. 3. VANTAGENS Conforme ÖZSU, KORTH e CASANOVA existem diversas vantagens para se implantar um sistema de gerenciamento de bancos de dados distribuídos (SGBDD), das quais pode - se destacar: Gerenciamento transparente de dados distribuídos. Um sistema de bancos de dados distribuídos transparente, esconde dos usuários os detalhes de implementação. Autonomia Local: Os sistemas podem ser relativamente independentes uns dos outros, é possível ter acesso a dados situados em sites próximos e ao mesmo tempo, compartilhar dados armazenados em outros sites mais distantes. Integridade e Disponibilidade: Os SGBDDs são planejados para melhorar a confiabilidade, pois têm componentes replicados e, portanto, eliminam pontos únicos de falha.

3 Economia com hardware: O custo com comunicação de dados diminui, uma vez que os dados estão mais próximos dos usuários. Os gastos com compra de servidores também podem ser reduzidos, pelo fato de que computadores de menores valores e portes podem ser utilizados. Melhoramentos de desempenho: Um SBDD pode apresentar melhor desempenho que um sistema centralizado através da distribuição da carga de trabalho. Expansibilidade: Ao utilizar um SBDD, os custos associados ao aumento no número de sites são menores, quando comparados com os custos associados à expansão de um banco de dados centralizados. Compartilhamento: Em diversos sites geograficamente distribuídos e muito distantes entre si, a distribuição de dados se faz necessária já que mantê-los centralizados pode envolver um alto custo para uma empresa. 4. DESVANTAGENS Conforme ÖZSU, KORTH e CASANOVA, existem algumas desvantagens também para se implantar um sistema de gerenciamento de bancos de dados distribuídos das quais pode-se citar: Complexidade: Os bancos de dados nos SBDD são mais complexos que os bancos de dados centralizados, pois além de existirem os problemas encontrados em um ambiente de bancos de dados centralizados, terá vários problemas não resolvidos (aspectos de modelagem, processamento, consultas, concorrência, sistema operacionais, entre outros). Custo com treinamento e aplicativos: Existe um crescimento no custo ligado a treinamento, administração do ambiente operacional (ferramentas, técnicas, e pessoal) e desenvolvimento de aplicativos. Distribuição de controle: Mesmo sendo considerado como vantagem dos SBDDs anteriormente, a distribuição gera problemas de sincronização e coordenação. Portanto, o controle distribuído exige mais responsabilidade e cuidados já que pode se tornar facilmente uma obrigação. Segurança: Um dos mais importantes benefícios dos bancos de dados centralizados é a fiscalização sobre os acessos aos dados. Em um

4 sistema de bancos de dados distribuídos existe uma rede para a comunicação entre os sites, e esta rede tem seus próprios requisitos de segurança. Falta de Experiência: Os bancos de dados distribuídos já estão sendo muito utilizados. Porém, existe uma ausência de especialistas nas unidades responsáveis pelo gerenciamento de tecnologia de informação. 5. TRANSPARÊNCIA O objetivo principal dos sistemas de BDD é fornecer a transparência de localização. Esta transparência significa que os usuários e suas aplicações não precisam saber qual a localização de qualquer item particular de dados. Ao invés disso, todas essas informações de localização devem ser mantidas pelo próprio sistema como parte de seu catálogo, e todas as solicitações de dados, por usuários, deveriam ser interpretadas pelo sistema de acordo com estas informações contidas nele. Uma solicitação para operar uma peça de dados não-local poderá fazer com que: 1. Esses dados sejam deslocados para o nodo local, para processamento local 2. O processamento deve ocorrer no nodo remoto e os resultados movimentados para o local 3. A combinação de a e b, mais comumente usados As vantagens de tal transparência são óbvias: simplifica a lógica dos programas de aplicação, e permite que os dados sejam deslocados de um nodo para outro à medida que os padrões de utilização mudar, sem necessitar de qualquer reprogramação. 6. TIPOS DE SGBDDS Existem dois tipos de banco de dados distribuídos: Os homogêneos são compostos pelos mesmos bancos de dados Os Heterogêneos são aqueles que são compostos por mais de um tipo de banco de dados. a) SGBDD Homogêneo

5 Oferecem interfaces idênticas ou, pelo menos, da mesma família; Fornecem os mesmos serviços aos usuários em diferentes nós. b) SGBDD Heterogêneo Pode não oferecer interfaces idênticas ou, pelo menos, da mesma família; Pode não oferecer os mesmos serviços aos usuários em diferentes nós. a) Homogêneo sobre as Interfaces Como em um SGBDD homogêneo todos os SGBDs locais oferecem interfaces idênticas, estes últimos usam, então, o mesmo modelo de dados, a mesma LDD e as mesmas LMDs. Logo, uma vez fixadas às interfaces locais, é natural que o SGBD global também ofereça estas mesmas interfaces. Assim, qualquer usuário, local ou global, poderá acessar tanto dados locais quanto dados remotos através da mesma LMD. b) Heterogêneo sobre as Interfaces Em sistemas heterogêneos, os SGBDs locais potencialmente usam modelos de dados e LMDs diferentes. Uma opção seria o SGBD global oferecer ao usuário global, residente em um dado nó, uma visão do banco de dados distribuído no mesmo modelo de dados que o banco local, e permitir que este usuário acesse dados definidos nesta visão através da própria LMD local. Esta opção é interessante, pois não é necessário ensinar uma nova LMD aos usuários residentes em um determinado nó para que possam acessar dados remotos. Nesta opção, o SGBD global possui, na verdade, uma interface diferente para cada nó. 7. ADMINISTRAÇÃO DE BANCO DE DADOS DISTRIBUÍDO Abordamos os problemas, as tarefas e a organização da equipe de administração de um banco de dados distribuído. a) Organização e Tarefas da Equipe de Administração

6 A organização da equipe de administração, no caso distribuído, deve acompanhar a própria estratégia de descentralização. Uma organização plausível seria criar uma equipe local para cada nó onde o banco reside com autoridade para propor e implementar mudanças em detalhe no banco local e nos esquemas externos locais. Haveria ainda uma equipe central com autoridade para coordenar e vetar, se necessário, mudanças no sistema (a serem implementadas pelas equipes locais). As tarefas tradicionais da equipe de administração de um banco de dados (centralizado) incluem o projeto lógico e físico do banco e sua documentação, definição dos vários esquemas externos em consulta com os analistas de aplicação, definição dos critérios de autorização, criação de rotinas de recuperação do banco, monitoração da utilização do banco e reestruturação do banco. Três facetas da administração de um BDD merecem especial atenção: documentação do banco, administração dos recursos locais de cada sistema e monitoração do sistema. A documentação do BDD deve esclarecer a todos os usuários o significado dos itens de dados armazenados pelo banco. Isto requer regras para sistematizar a nomenclatura e a descrição informal dos itens de dados, definição dos tipos de cada item de dados e regras para traduzir um tipo utilizado em uma máquina para o tipo equivalente de outra. A administração da carga imposta a cada sistema que compõe o BDD exige, antes de qualquer coisa, a definição de critérios de medição. Feito isto, é necessário criar regras que assegurem a usuários remotos acesso a recursos locais e que atinjam um balanceamento entre a carga local e a imposta por acessos remotos. Administração da carga inclui, também, definir como será cobrada aos usuários locais e remotos a utilização do sistema. Finalmente, uma vez estabelecidas regras para administração do banco, a equipe deverá auditar periodicamente o sistema para assegurar a aderência a tais regras. A carga, tempo de resposta e utilização do sistema deverá ser constantemente monitorada, prevendo-se reestruturação do banco ou mudanças nas regras de administração para corrigir desequilíbrios. b) Problemas que Afetam a Administração

7 Os problemas a serem enfrentados pela equipe de administração para atingir os seus objetivos podem ser compreendidos considerando-se três cenários básicos para um banco de dados distribuído. Se o BDD resultou da interligação de sistemas existentes então certamente aparecerão problemas devidos a: heterogeneidade do sistema global, introdução de padrões globais sem que seja comprometida a autonomia local, critérios de alocação de custos tendo em vista acessos locais e remotos, além do balanceamento do tempo de resposta de acessos locais e remotos. Se o cenário admite a criação de novos bancos locais de forma semiautônoma, aparecerão problemas relativos à: definição de regras e responsabilidades locais, descrição da semântica dos dados definidos localmente, grau de cooperação entre os núcleos locais, principalmente no que se refere à alocação de recursos para processamento de acessos remotos. Finalmente, em um cenário onde o BDD foi criado pela distribuição em nós homogêneos de um sistema centralizado, haverá o problema fundamental de definir uma estratégia de distribuição que otimize o tempo de resposta global, sem penalizar demasiadamente grupos de usuários. 8. PROJETO DE BANCO DE DADOS DISTRIBUÍDO Princípio Fundamental: Para o usuário, um sistema distribuído deve parecer exatamente como um sistema não distribuído. A afirmação anterior nos conduz a certas regras ou objetivos secundários, que passaremos a listá-los: a) Autonomia Local todas as operações em determinado site são controlados por este site; nenhum site X deve depender de outro site Y para uma operação bem-sucedida; b) Não dependência de um site central todos os sites devem ser tratados como iguais; c) Operação Contínua garantir o funcionamento ininterrupto do sistema (paradas não planejadas x paradas planejadas); d) Independência de Localização transparência de localização física; e) Independência de Fragmentação fragmentos de uma determinada relação, estão armazenados em sites diferentes;

8 f) Independência de Replicação determinado fragmento, pode ser representada por muitas cópias ou réplicas distintas, armazenadas em sites distintos; g) Processamento de Consultas Distribuído banco relacional x não relacional; h) Gerenciamento de Transações Distribuído recuperação (transação atômica) e concorrência (bloqueio); i) Independência do Hardware executar o mesmo SGBD em diferentes plataformas de hardware, tendo todas como parceiras em um sistema distribuído; j) Independência do Sistema Operacional tipos e versões de SO participando do mesmo sistema distribuído; k) Independência da Rede diversas redes de comunicações distintas; l) Independência do SGBD É necessário apenas que as instâncias do SGBD em sites diferentes admitam todas a mesma interface 9. APLICAÇÂO Objetivo: Instalar alguns sistemas de gerenciamento de banco de dados distribuídos (SGBDD) e configurar a distribuição de dados através deles, além disso, foi implementado um sistema utilizando Banco de dados Distribuídos (BDD) que pudesse suprir as necessidades de uma rede de farmácias, tal como a procura por um determinado produto em todas as unidades dispersas pela cidade Vantagens consideradas para esta aplicação a) Um SGBD distribuído fragmenta o banco de dados, permitindo que os dados fiquem armazenados próximos aos seus pontos de utilização, reduzindo o atraso de acesso remoto, além disso, cada site manipula apenas uma parte do banco de dados, tornando a administração deste mais simples. b) A possibilidade de autonomia local é possível devido ao fato de que os dados são replicados em vários nós, assim quando uma transação que necessitar de um particular item de dado poderá encontrá-lo em qualquer outro

9 nós. Com isso, a falha de um nó não necessariamente implica na parada de funcionamento de um sistema, aumentando a confiabilidade e disponibilidade do sistema Implementação do sistema O sistema desenvolvido permite ao usuário cadastrar produtos, fabricantes, estoque, classificação dos produtos, realizar vendas, atualizar os dados do estoque local ou até mesmo os de outras filiais, e realizar um busca por determinados produtos apenas no estoque local da filial ou também em outras filiais. Para a implementação do sistema foi utilizado banco de dados distribuídos, assim, cada filial de uma rede de farmácia controla um banco de dados local e, além disso, os bancos de dados de todas as filiais estão interligados logicamente, que permite que uma filial tenha acesso a todos os dados das demais filiais. Como cada filial controla seu banco de dados, consultas e atualizações se tornam mais rápidas, pois diferentemente de um sistema centralizado não é preciso acessar remotamente o banco de dados para realizar as operações necessárias Implementação do sistema banco de dados distribuído Para implementar os sistemas de replicação foram utilizados dois computadores, o COP-LC39 e o COP-LC40 do Departamento de Computação da Universidade Estadual de Londrina, cada um contendo dois bancos de dados, em um total de quatro bancos de dados, sendo que cada um deles representavam uma unidade de uma rede de farmácia: Matriz, FilialA, FilialB e FilialC. Os bancos de dados que representavam a Matriz e a FilialA estavam localizados no servidor COP-LC39 e no COP-LC40 estavam os que representavam a FilialB e a FilialC. 10. CONCLUSÃO Um banco de dados distribuído é um software que gerência os mecanismos de acesso com uma coleção de múltiplas bases de dados inter-

10 relacionadas através de uma rede de comunicação, com a preocupação de tornar todo seu processamento transparente para o usuário, ele oferece maior agilidade, maior capacidade de processamento e menor possibilidade de erros já que seus nós são independentes, solucionando dificuldades já atribuídas aos tempos modernos, onde a quantidade de informações para ser armazenada cresce expressivamente a necessidade de processamento de dados é cada vez maior. Trabalhos estão sendo feitos para que haja um melhoramento da qualidade e segurança deste serviço e o mesmo vem sendo aperfeiçoado diariamente. 9. BIBLIOGRAFIA CASANOVA, Marco Antônio ; MOURA, Arnaldo Vieira, Princípios de Sistemas de Gerência de Banco de Dados Distribuídos, Rio de Janeiro : Campus, DATE, C. J., Introdução a Sistemas de Bancos de Dados, Rio de Janeiro: Elsevier, KORTH, Henry F., Sistema de Banco de Dados, tradução [da 2ª ed. ver] Maurício Heihachiro Galvan Abe. São Paulo : Makron Books, MELO, Rene Eduardo Mesquita; FORNARI, Miguel Rodrigues. Desenvolvimento de Sistema de Distribuição de Bases de Dados Heterogêneas. IV Congresso Brasileiro de Computação CBComp ÖZSU, M. Tamer, VALDURIEZ, Patrick. Princípios de Sistemas de Banco de Dados Distribuídos. Tradução da 2ª ed., Rio de Janeiro:Campus, REIS, Luis. O Arquivo e Arquivística Evolução Histórica. Portugal, SHIBAYAMA, Eric Teruo. Aplicações em Banco de dados distribuídos. Londrina, WIKIPEDIA.ORG. %C3%ADdos. Acessado em 08 de dezembro de 2009.

BANCO DE DADOS DISTRIBUÍDOS e DATAWAREHOUSING

BANCO DE DADOS DISTRIBUÍDOS e DATAWAREHOUSING BANCO DE DADOS DISTRIBUÍDOS e DATAWAREHOUSING http://www.uniriotec.br/~tanaka/tin0036 tanaka@uniriotec.br Bancos de Dados Distribuídos Conceitos e Arquitetura Vantagens das Arquiteturas C/S (em relação

Leia mais

Bancos de dados distribuídos Prof. Tiago Eugenio de Melo tiagodemelo@gmail.com. http://www.tiagodemelo.info

Bancos de dados distribuídos Prof. Tiago Eugenio de Melo tiagodemelo@gmail.com. http://www.tiagodemelo.info Bancos de dados distribuídos Prof. Tiago Eugenio de Melo tiagodemelo@gmail.com Última atualização: 20.03.2013 Conceitos Banco de dados distribuídos pode ser entendido como uma coleção de múltiplos bds

Leia mais

CAPÍTULO 2. BANCOS DE DADOS DISTRIBUÍDOS

CAPÍTULO 2. BANCOS DE DADOS DISTRIBUÍDOS CAPÍTULO 2. BANCOS DE DADOS DISTRIBUÍDOS Este capítulo inicia com uma proposta para estruturação da descrição de bancos de dados distribuídos, que estende aquela sugerida pela ANSI/SPARC os centralizados.

Leia mais

Banco de Dados. Introdução. João Eduardo Ferreira Osvaldo Kotaro Takai. jef@ime.usp.br DCC-IME-USP

Banco de Dados. Introdução. João Eduardo Ferreira Osvaldo Kotaro Takai. jef@ime.usp.br DCC-IME-USP Banco de Dados Introdução João Eduardo Ferreira Osvaldo Kotaro Takai jef@ime.usp.br DCC-IME-USP Importância dos Bancos de Dados A competitividade das empresas depende de dados precisos e atualizados. Conforme

Leia mais

Introdução. Conceitos Básicos. Conceitos Básicos. Conceitos Básicos

Introdução. Conceitos Básicos. Conceitos Básicos. Conceitos Básicos Conceitos Básicos Introdução Banco de Dados I Prof. Guilherme Tavares de Assis Universidade Federal de Ouro Preto UFOP Instituto de Ciências Exatas e Biológicas ICEB Departamento de Computação DECOM Dados

Leia mais

Banco de Dados I. Apresentação (mini-currículo) Conceitos. Disciplina Banco de Dados. Cont... Cont... Edson Thizon (edson@esucri.com.

Banco de Dados I. Apresentação (mini-currículo) Conceitos. Disciplina Banco de Dados. Cont... Cont... Edson Thizon (edson@esucri.com. Sistemas da Informação Banco de Dados I Edson Thizon (edson@esucri.com.br) 2008 Apresentação (mini-currículo) Formação Acadêmica Mestrando em Ciência da Computação (UFSC/ ) Créditos Concluídos. Bacharel

Leia mais

SISTEMA DE BANCO DE DADOS. Banco e Modelagem de dados

SISTEMA DE BANCO DE DADOS. Banco e Modelagem de dados SISTEMA DE BANCO DE DADOS Banco e Modelagem de dados Sumário Conceitos/Autores chave... 3 1. Introdução... 4 2. Arquiteturas de um Sistema Gerenciador... 5 3. Componentes de um Sistema... 8 4. Vantagens

Leia mais

Para construção dos modelos físicos, será estudado o modelo Relacional como originalmente proposto por Codd.

Para construção dos modelos físicos, será estudado o modelo Relacional como originalmente proposto por Codd. Apresentação Este curso tem como objetivo, oferecer uma noção geral sobre a construção de sistemas de banco de dados. Para isto, é necessário estudar modelos para a construção de projetos lógicos de bancos

Leia mais

Disciplina de Banco de Dados Introdução

Disciplina de Banco de Dados Introdução Disciplina de Banco de Dados Introdução Prof. Elisa Maria Pivetta CAFW - UFSM Banco de Dados: Conceitos A empresa JJ. Gomes tem uma lista com mais ou menos 4.000 nomes de clientes bem como seus dados pessoais.

Leia mais

Roteiro. BCC321 - Banco de Dados I. Conceitos Básicos. Conceitos Básicos. O que é um banco de dados (BD)?

Roteiro. BCC321 - Banco de Dados I. Conceitos Básicos. Conceitos Básicos. O que é um banco de dados (BD)? Roteiro BCC321 - Banco de Dados I Luiz Henrique de Campos Merschmann Departamento de Computação Universidade Federal de Ouro Preto luizhenrique@iceb.ufop.br www.decom.ufop.br/luiz Conceitos Básicos Banco

Leia mais

Fundamentos de Banco de Dados

Fundamentos de Banco de Dados Fundamentos de Banco de Dados SISTEMAS BASEADOS NO PROCESSAMENTO DE ARQUIVOS Sistema A Funcionário Pagamento Cargo Sistema B Funcionário Projeto SISTEMAS GERENCIADORES DE BANCO DE DADOS (SGBD) Sistema

Leia mais

Arquitetura de Sistemas Distribuídos. Introdução a Sistemas Distribuídos

Arquitetura de Sistemas Distribuídos. Introdução a Sistemas Distribuídos Introdução a Sistemas Distribuídos Definição: "Um sistema distribuído é uma coleção de computadores autônomos conectados por uma rede e equipados com um sistema de software distribuído." "Um sistema distribuído

Leia mais

Banco de Dados Orientado a Objetos

Banco de Dados Orientado a Objetos Banco de Dados Orientado a Objetos MODELAGEM, ANÁLISE, PROJETO e CLASSIFICAÇÃO Interação combinando lógica, através de objetos que contém os dados. Estes divididos conforme seus tipos e métodos (classe),

Leia mais

Projeto de Banco de Dados Distribuído Proj o e j to t o de d B a B nc n o o d e d Da D do d s o D i D str t ibu b í u do d s

Projeto de Banco de Dados Distribuído Proj o e j to t o de d B a B nc n o o d e d Da D do d s o D i D str t ibu b í u do d s Projeto de Alcides Pamplona alcides.pamplona@gmail.com Conteúdo Revisão de Conceitos Arquitetura Distribuída Fragmentação Horizontal Fragmentação Vertical 1 Definição de Banco de Dados Distribuído Um Banco

Leia mais

04/08/2012 MODELAGEM DE DADOS. PROF. RAFAEL DIAS RIBEIRO, M.Sc. @ribeirord MODELAGEM DE DADOS. Aula 1. Prof. Rafael Dias Ribeiro. M.Sc.

04/08/2012 MODELAGEM DE DADOS. PROF. RAFAEL DIAS RIBEIRO, M.Sc. @ribeirord MODELAGEM DE DADOS. Aula 1. Prof. Rafael Dias Ribeiro. M.Sc. MODELAGEM DE DADOS PROF. RAFAEL DIAS RIBEIRO, M.Sc. @ribeirord MODELAGEM DE DADOS Aula 1 Prof. Rafael Dias Ribeiro. M.Sc. @ribeirord 1 Objetivos: Apresenta a diferença entre dado e informação e a importância

Leia mais

Hoje é inegável que a sobrevivência das organizações depende de dados precisos e atualizados.

Hoje é inegável que a sobrevivência das organizações depende de dados precisos e atualizados. BANCO DE DADOS Universidade do Estado de Santa Catarina Centro de Ciências Tecnológicas Departamento de Ciência da Computação Prof. Alexandre Veloso de Matos alexandre.matos@udesc.br INTRODUÇÃO Hoje é

Leia mais

SISTEMA GERENCIADOR DE BANCO DE DADOS

SISTEMA GERENCIADOR DE BANCO DE DADOS BANCO DE DADOS Universidade do Estado de Santa Catarina Centro de Ciências Tecnológicas Departamento de Ciência da Computação Prof. Alexandre Veloso de Matos alexandre.matos@udesc.br SISTEMA GERENCIADOR

Leia mais

Gerenciamento de Dados em Banco de Dados Distribuídos

Gerenciamento de Dados em Banco de Dados Distribuídos CENTRO UNIVERSITÁRIO DO TRIÂNGULO INSTITUTO DE CIÊNCIAS EXATAS E TECNOLÓGICAS CURSO DE CIÊNCIA DA COMPUTAÇÃO Gerenciamento de Dados em Banco de Dados Distribuídos Samuel Lázaro de Oliveira Cunha Uberlândia,

Leia mais

Programação com acesso a BD. Prof.: Clayton Maciel Costa clayton.maciel@ifrn.edu.br

Programação com acesso a BD. Prof.: Clayton Maciel Costa clayton.maciel@ifrn.edu.br Programação com acesso a BD Prof.: Clayton Maciel Costa clayton.maciel@ifrn.edu.br 1 Introdução BD desempenha papel crítico em todas as áreas em que computadores são utilizados: Banco: Depositar ou retirar

Leia mais

FACULDADE INTEGRADAS DE PARANAÍBA ADMINISTRAÇÃO DE EMPRESAS. Bancos de Dados Conceitos Fundamentais

FACULDADE INTEGRADAS DE PARANAÍBA ADMINISTRAÇÃO DE EMPRESAS. Bancos de Dados Conceitos Fundamentais FACULDADE INTEGRADAS DE PARANAÍBA ADMINISTRAÇÃO DE EMPRESAS Bancos de Dados Conceitos Fundamentais Tópicos Conceitos Básicos Bancos de Dados Sistemas de Bancos de Dados Sistemas de Gerenciamento de Bancos

Leia mais

Evolução. Tópicos. Bancos de Dados - Introdução. Melissa Lemos. Evolução dos Sistemas de Informação Esquemas Modelos. Características de SGBDs

Evolução. Tópicos. Bancos de Dados - Introdução. Melissa Lemos. Evolução dos Sistemas de Informação Esquemas Modelos. Características de SGBDs 1 Bancos de Dados - Introdução Melissa Lemos melissa@inf.puc-rio.br Tópicos Evolução dos Sistemas de Informação Esquemas Modelos Conceitual Lógico Características de SGBDs 2 Evolução tempo Programas e

Leia mais

MÓDULO 8 ARQUITETURA DOS SISTEMAS DE BANCO DE DADOS

MÓDULO 8 ARQUITETURA DOS SISTEMAS DE BANCO DE DADOS MÓDULO 8 ARQUITETURA DOS SISTEMAS DE BANCO DE DADOS Quando falamos em arquitetura, normalmente utilizamos esse termo para referenciar a forma como os aplicativos computacionais são estruturados e os hardwares

Leia mais

Plano de Ensino. Apresentação da Unidade Curricular

Plano de Ensino. Apresentação da Unidade Curricular Plano de Ensino Plano de Ensino Apresentação da Unidade Curricular o Funcionamento, arquitetura e conceitos fundamentais dos bancos de dados relacionais e objeto relacionais. Utilização de linguagem DDL

Leia mais

BANCO DE DADOS AULA 02 INTRODUÇÃO AOS BANCOS DE DADOS PROF. FELIPE TÚLIO DE CASTRO 2015

BANCO DE DADOS AULA 02 INTRODUÇÃO AOS BANCOS DE DADOS PROF. FELIPE TÚLIO DE CASTRO 2015 BANCO DE DADOS AULA 02 INTRODUÇÃO AOS BANCOS DE DADOS PROF. FELIPE TÚLIO DE CASTRO 2015 NA AULA PASSADA... 1. Apresentamos a proposta de ementa para a disciplina; 2. Discutimos quais as ferramentas computacionais

Leia mais

Roteiro 2 Conceitos Gerais

Roteiro 2 Conceitos Gerais Roteiro 2 Conceitos Gerais Objetivos: UC Projeto de Banco de Dados Explorar conceitos gerais de bancos de dados; o Arquitetura de bancos de dados: esquemas, categorias de modelos de dados, linguagens e

Leia mais

Banco de Dados I. 1. Conceitos de Banco de Dados

Banco de Dados I. 1. Conceitos de Banco de Dados Banco de Dados I 1. Conceitos de Banco de Dados 1.1. Características de um Banco de Dados. 1.2. Vantagens na utilização de um BD. 1.3. Quando usar e não usar um Banco de Dados. 1.4. Modelos, Esquemas e

Leia mais

Dado: Fatos conhecidos que podem ser registrados e têm um significado implícito. Banco de Dados:

Dado: Fatos conhecidos que podem ser registrados e têm um significado implícito. Banco de Dados: MC536 Introdução Sumário Conceitos preliminares Funcionalidades Características principais Usuários Vantagens do uso de BDs Tendências mais recentes em SGBDs Algumas desvantagens Modelos de dados Classificação

Leia mais

Banco de Dados Aula 1 Introdução a Banco de Dados Introdução Sistema Gerenciador de Banco de Dados

Banco de Dados Aula 1 Introdução a Banco de Dados Introdução Sistema Gerenciador de Banco de Dados Banco de Dados Aula 1 Introdução a Banco de Dados Introdução Um Sistema Gerenciador de Banco de Dados (SGBD) é constituído por um conjunto de dados associados a um conjunto de programas para acesso a esses

Leia mais

Arquitetura dos Sistemas de Informação Distribuídos

Arquitetura dos Sistemas de Informação Distribuídos Arquitetura dos Sistemas de Informação Distribuídos Quando se projeta um sistema cuja utilização é destinada a ser feita em ambientes do mundo real, projeções devem ser feitas para que o sistema possa

Leia mais

Introdução à Banco de Dados. Definição

Introdução à Banco de Dados. Definição Universidade Federal da Bahia Departamento de Ciência da Computação (DCC) Disciplina: Banco de Dados Profª. Daniela Barreiro Claro Introdução à Banco de Dados Definição Um banco de dados é uma coleção

Leia mais

Metas de um Sistema Distribuído

Metas de um Sistema Distribuído Metas de um Sistema Distribuído Sistemas Distribuídos Mauro Lopes Carvalho Silva Professor EBTT DAI Departamento de Informática Campus Monte Castelo Instituto Federal de Educação Ciência e Tecnologia do

Leia mais

CAPITULO 4 A ARQUITETURA LÓGICA PARA O AMBIENTE

CAPITULO 4 A ARQUITETURA LÓGICA PARA O AMBIENTE CAPITULO 4 A ARQUITETURA LÓGICA PARA O AMBIENTE A proposta para o ambiente apresentada neste trabalho é baseada no conjunto de requisitos levantados no capítulo anterior. Este levantamento, sugere uma

Leia mais

Prof.: Clayton Maciel Costa clayton.maciel@ifrn.edu.br

Prof.: Clayton Maciel Costa clayton.maciel@ifrn.edu.br Programação com acesso a BD Prof.: Clayton Maciel Costa clayton.maciel@ifrn.edu.br 1 Modelos de Dados, Esquemas e Instâncias 2 Modelos de Dados, Esquemas e Instâncias Modelo de dados: Conjunto de conceitos

Leia mais

FATEC SP FACULDADE DE TECNOLOGIA DE SÃO PAULO CURSO EM PROCESSAMENTO DE DADOS CESAR APOLO NUMATA BANCO DE DADOS DISTRIBUÍDOS

FATEC SP FACULDADE DE TECNOLOGIA DE SÃO PAULO CURSO EM PROCESSAMENTO DE DADOS CESAR APOLO NUMATA BANCO DE DADOS DISTRIBUÍDOS FATEC SP FACULDADE DE TECNOLOGIA DE SÃO PAULO CURSO EM PROCESSAMENTO DE DADOS CESAR APOLO NUMATA BANCO DE DADOS DISTRIBUÍDOS SÃO PAULO SP 2012 CESAR APOLO NUMATA BANCO DE DADOS DISTRIBUÍDOS Monografia

Leia mais

Universidade Federal de Santa Maria Curso de Arquivologia. Disciplina de Banco de Dados Aplicados à Arquivística. Versao 1.

Universidade Federal de Santa Maria Curso de Arquivologia. Disciplina de Banco de Dados Aplicados à Arquivística. Versao 1. Universidade Federal de Santa Maria Curso de Arquivologia Disciplina de Banco de Dados Aplicados à Arquivística Prof. Andre Zanki Cordenonsi Versao 1.0 Março de 2008 Tópicos Abordados Conceitos sobre Banco

Leia mais

http://www.cin.ufpe.br/~sd/disciplinas/sd/grad Características Carlos Ferraz cagf@cin.ufpe.br

http://www.cin.ufpe.br/~sd/disciplinas/sd/grad Características Carlos Ferraz cagf@cin.ufpe.br http://www.cin.ufpe.br/~sd/disciplinas/sd/grad Características Carlos Ferraz cagf@cin.ufpe.br Características O que são os Sistemas Distribuídos? Benefícios : Não são consequências automáticas da distribuição;

Leia mais

CEFET.PHB - PI. Plano de Ensino. Banco de Dados. Plano de Ensino. Plano de Ensino. Plano de Ensino - Conteúdo. Plano de Ensino - Conteúdo

CEFET.PHB - PI. Plano de Ensino. Banco de Dados. Plano de Ensino. Plano de Ensino. Plano de Ensino - Conteúdo. Plano de Ensino - Conteúdo CEFET.PHB - PI Plano de Ensino Banco de Dados Prof. Jefferson Silva Sistema de Banco de Dados Objetivos Vantagens e Desvantagens Conceitos básicos de BD e de SGBD Abstração de Dados Linguagem de Definição

Leia mais

PEER DATA MANAGEMENT SYSTEM

PEER DATA MANAGEMENT SYSTEM PEER DATA MANAGEMENT SYSTEM INTRODUÇÃO, INFRA-ESTRUTURA E MAPEAMENTO DE ESQUEMAS AGENDA Data Management System Peer Data Management System P2P Infra-estrutura Funcionamento do PDMS Mapeamento de Esquemas

Leia mais

Hardware (Nível 0) Organização. Interface de Máquina (IM) Interface Interna de Microprogramação (IIMP)

Hardware (Nível 0) Organização. Interface de Máquina (IM) Interface Interna de Microprogramação (IIMP) Hardware (Nível 0) Organização O AS/400 isola os usuários das características do hardware através de uma arquitetura de camadas. Vários modelos da família AS/400 de computadores de médio porte estão disponíveis,

Leia mais

GERENCIAMENTO CENTRALIZADO DELL POWERVAULT DL 2000 BASEADO EM TECNOLOGIA SYMANTEC

GERENCIAMENTO CENTRALIZADO DELL POWERVAULT DL 2000 BASEADO EM TECNOLOGIA SYMANTEC GERENCIAMENTO CENTRALIZADO DELL POWERVAULT DL 2000 BASEADO EM TECNOLOGIA SYMANTEC RESUMO EXECUTIVO O PowerVault DL2000, baseado na tecnologia Symantec Backup Exec, oferece a única solução de backup em

Leia mais

SISTEMAS DISTRIBUÍDOS

SISTEMAS DISTRIBUÍDOS SISTEMAS DISTRIBUÍDOS Cluster, Grid e computação em nuvem Slide 8 Nielsen C. Damasceno Introdução Inicialmente, os ambientes distribuídos eram formados através de um cluster. Com o avanço das tecnologias

Leia mais

Banco de Dados. Uma coleção de dados relacionados [ELMASRI/NAVATHE]

Banco de Dados. Uma coleção de dados relacionados [ELMASRI/NAVATHE] 1/6 Banco de Dados O que é um Banco de Dados? Uma coleção de dados relacionados [ELMASRI/NAVATHE] Conjunto de dados integrados que tem por objetivo atender a uma comunidade específica [HEUSER] Um conjunto

Leia mais

CAPÍTULO 1. CONCEITOS BÁSICOS

CAPÍTULO 1. CONCEITOS BÁSICOS CAPÍTULO 1. CONCEITOS BÁSICOS Este capítulo apresenta os conceitos básicos e discute as principais funções de um sistema de gerência de bancos de dados distribuídos. Desenvolve ainda argumentos indicando

Leia mais

Introdução ao Modelos de Duas Camadas Cliente Servidor

Introdução ao Modelos de Duas Camadas Cliente Servidor Introdução ao Modelos de Duas Camadas Cliente Servidor Desenvolvimento de Sistemas Cliente Servidor Prof. Esp. MBA Heuber G. F. Lima Aula 1 Ciclo de Vida Clássico Aonde estamos? Page 2 Análise O que fizemos

Leia mais

Curso Superior de Tecnologia em BD Curso Superior de Tecnologia em DAI

Curso Superior de Tecnologia em BD Curso Superior de Tecnologia em DAI Curso Superior de Tecnologia em BD Curso Superior de Tecnologia em DAI Fundamentos de Banco de Dados Aula 01 Introdução aos Sistemas de Bancos de Dados Introdução aos Sistemas de BD Objetivo Apresentar

Leia mais

INTRODUÇÃO E CONCEITOS BÁSICOS. Prof. Ronaldo R. Goldschmidt

INTRODUÇÃO E CONCEITOS BÁSICOS. Prof. Ronaldo R. Goldschmidt INTRODUÇÃO E CONCEITOS BÁSICOS Prof. Ronaldo R. Goldschmidt Hierarquia Dado - Informação - Conhecimento: Dados são fatos com significado implícito. Podem ser armazenados. Dados Processamento Informação

Leia mais

Software. Bem vindo ao mundo do GED e Tecnologias Digitais. Gerenciamento Eletrônico de Documentos, Softwares, e muito mais...

Software. Bem vindo ao mundo do GED e Tecnologias Digitais. Gerenciamento Eletrônico de Documentos, Softwares, e muito mais... Software www.imagecomnet.com.br Bem vindo ao mundo do GED e Tecnologias Digitais Gerenciamento Eletrônico de Documentos, Softwares, e muito mais... A Empresa A Imagecom, uma empresa conceituada no ramo

Leia mais

Arquitetura de BDs Distribuídos. Victor Amorim - vhca Pedro Melo pam2

Arquitetura de BDs Distribuídos. Victor Amorim - vhca Pedro Melo pam2 Victor Amorim - vhca Pedro Melo pam2 Arquitetura de BDs Distribuídos Sistemas de bds distribuídos permitem que aplicações acessem dados de bds locais ou remotos. Podem ser Homogêneos ou Heterogêneos: Homogêneos

Leia mais

Controles gerais iguais aos de pacotes de softwares: Instalação, Configuração, Manutenção, Utilitários.

Controles gerais iguais aos de pacotes de softwares: Instalação, Configuração, Manutenção, Utilitários. $XWDUTXLD(GXFDFLRQDOGR9DOHGR6mR)UDQFLVFR± $(96) )DFXOGDGHGH&LrQFLDV6RFLDLVH$SOLFDGDVGH3HWUROLQD± )$&$3( &XUVRGH&LrQFLDVGD&RPSXWDomR $8',725,$'$7(&12/2*,$'$,1)250$d 2 &RQWUROHVVREUHEDQFRGHGDGRVH PLFURFRPSXWDGRUHV

Leia mais

Notas da Aula 17 - Fundamentos de Sistemas Operacionais

Notas da Aula 17 - Fundamentos de Sistemas Operacionais Notas da Aula 17 - Fundamentos de Sistemas Operacionais 1. Gerenciamento de Memória: Introdução O gerenciamento de memória é provavelmente a tarefa mais complexa de um sistema operacional multiprogramado.

Leia mais

Bancos de Dados. Conceitos F undamentais em S is temas de B ancos de Dados e s uas Aplicações

Bancos de Dados. Conceitos F undamentais em S is temas de B ancos de Dados e s uas Aplicações Conceitos F undamentais em S is temas de B ancos de Dados e s uas Aplicações Tópicos Conceitos Básicos Bancos de Dados Sistemas de Bancos de Dados Sistemas de Gerenciamento de Bancos de Dados Abstração

Leia mais

Sistemas Cliente-Servidor

Sistemas Cliente-Servidor Sistemas Cliente-Servidor Disciplina Bancos de Dados II (INE 5616 2006-1) Curso de Sistemas de Informação Prof. Renato Fileto INE/CTC/UFSC 1 1 Cliente - Servidor Arquitetura cliente/servidor: Os servidores

Leia mais

SAM GERENCIAMENTO DE ATIVOS DE SOFTWARE

SAM GERENCIAMENTO DE ATIVOS DE SOFTWARE SAM GERENCIAMENTO DE ATIVOS DE SOFTWARE Modelo de Otimização de SAM Controle, otimize, cresça Em um mercado internacional em constante mudança, as empresas buscam oportunidades de ganhar vantagem competitiva

Leia mais

Seminário: Google File System (GFS)

Seminário: Google File System (GFS) UNIVERSIDADE FEDERAL DE SANTA CATARINA UFSC Disciplina: Sistemas Operacionais I INE5355 Alunos: Armando Fracalossi 06132008 Maurílio Tiago Brüning Schmitt 06132033 Ricardo Vieira Fritsche 06132044 Seminário:

Leia mais

Sistemas Distribuídos

Sistemas Distribuídos Sistemas Distribuídos Modelo Cliente-Servidor: Introdução aos tipos de servidores e clientes Prof. MSc. Hugo Souza Iniciando o módulo 03 da primeira unidade, iremos abordar sobre o Modelo Cliente-Servidor

Leia mais

VISÃO GERAL DE BANCO DE DADOS

VISÃO GERAL DE BANCO DE DADOS Banco de Dados BD_A007 Visão Geral de Banco de Dados 02 de março de 2005 VISÃO GERAL DE BANCO DE DADOS Relação de siglas utilizadas neste trabalho: ABD: Administrador de Banco de Dados. BD: Banco de Dados.

Leia mais

SISTEMA DE GESTÃO DE PESSOAS SEBRAE/TO UNIDADE: GESTÃO ESTRATÉGICA PROCESSO: TECNOLOGIA DA INFORMAÇÃO

SISTEMA DE GESTÃO DE PESSOAS SEBRAE/TO UNIDADE: GESTÃO ESTRATÉGICA PROCESSO: TECNOLOGIA DA INFORMAÇÃO SISTEMA DE GESTÃO DE PESSOAS SEBRAE/TO UNIDADE: GESTÃO ESTRATÉGICA PROCESSO: TECNOLOGIA DA INFORMAÇÃO Competências Analista 1. Administração de recursos de infra-estrutura de tecnologia da informação 2.

Leia mais

Banco de Dados I. Introdução. Fabricio Breve

Banco de Dados I. Introdução. Fabricio Breve Banco de Dados I Introdução Fabricio Breve Introdução SGBD (Sistema Gerenciador de Banco de Dados): coleção de dados interrelacionados e um conjunto de programas para acessar esses dados Coleção de dados

Leia mais

ADMINISTRAÇÃO DE ATIVOS DE TI GERENCIAMENTO DE LIBERAÇÃO

ADMINISTRAÇÃO DE ATIVOS DE TI GERENCIAMENTO DE LIBERAÇÃO 1 ADMINISTRAÇÃO DE ATIVOS DE TI GERENCIAMENTO DE LIBERAÇÃO 2 INTRODUÇÃO A cada dia que passa, cresce a pressão pela liberação para uso de novas tecnologias disponibilizadas pela área de TI, sob o argumento

Leia mais

Bancos de Dados Móveis

Bancos de Dados Móveis Agenda Bancos de Dados Móveis Acadêmicas: Anete Terezinha Trasel Denise Veronez Introdução Banco de Dados Móveis (BDM) Projetos de BDM SGBD Móveis Conclusão Referências Bibliográficas Introdução Avanços

Leia mais

Banco de Dados. CursoTécnico em Informática Modalidade Integrado. Professora Michelle Nery. Instituto Federal do Sul de Minas, câmpus Pouso Alegre

Banco de Dados. CursoTécnico em Informática Modalidade Integrado. Professora Michelle Nery. Instituto Federal do Sul de Minas, câmpus Pouso Alegre Banco de Dados CursoTécnico em Informática Modalidade Integrado Instituto Federal do Sul de Minas, câmpus PousoAlegre Professora Michelle Nery Conteúdo Programático Introdução O que é Banco de Dados O

Leia mais

Prof. Antonio Almeida de Barros Jr. Prof. Antonio Almeida de Barros Junior

Prof. Antonio Almeida de Barros Jr. Prof. Antonio Almeida de Barros Junior Prof. Antonio Almeida de Barros Jr. Introdução Dados Informações Banco de Dados Conceitos Básicos em Bancos de Dados Definição BD - Banco de Dados SGBD - Sistema de Gerenciamento de BD Programa de Aplicação

Leia mais

Introdução Banco de Dados

Introdução Banco de Dados Introdução Banco de Dados Vitor Valerio de Souza Campos Adaptado de Vania Bogorny Por que estudar BD? Os Bancos de Dados fazem parte do nosso dia-a-dia: operação bancária reserva de hotel matrícula em

Leia mais

Conceitos de Banco de Dados

Conceitos de Banco de Dados Conceitos de Banco de Dados Autor: Luiz Antonio Junior 1 INTRODUÇÃO Objetivos Introduzir conceitos básicos de Modelo de dados Introduzir conceitos básicos de Banco de dados Capacitar o aluno a construir

Leia mais

Arquitetura de SGBD. Prof. Antonio Almeida de Barros Junior

Arquitetura de SGBD. Prof. Antonio Almeida de Barros Junior Arquitetura de SGBD Prof. Antonio Almeida de Barros Junior Agenda Caracterização de SGBDs SGBDs Centralizados SGBDs Cliente-Servidor SGBDs Distribuídos Homogêneos Multi-SGBDs Heterogêneos SGBDs Paralelos

Leia mais

Importância do GED. Implantação de um Sistema de GED

Importância do GED. Implantação de um Sistema de GED Implantação de um Sistema de GED Gerenciamento Eletrônico de Documentos Importância do GED O GED tem uma importante contribuição na tarefa da gestão eficiente da informação; É a chave para a melhoria da

Leia mais

Sistemas Distribuídos. Professora: Ana Paula Couto DCC 064

Sistemas Distribuídos. Professora: Ana Paula Couto DCC 064 Sistemas Distribuídos Professora: Ana Paula Couto DCC 064 Processos- Clientes, Servidores, Migração Capítulo 3 Agenda Clientes Interfaces de usuário em rede Sistema X Window Software do lado cliente para

Leia mais

Etapas da evolução rumo a tomada de decisão: Aplicações Isoladas: dados duplicados, dados inconsistentes, processos duplicados.

Etapas da evolução rumo a tomada de decisão: Aplicações Isoladas: dados duplicados, dados inconsistentes, processos duplicados. Histórico Etapas da evolução rumo a tomada de decisão: Aplicações Isoladas: dados duplicados, dados inconsistentes, processos duplicados. Sistemas Integrados: racionalização de processos, manutenção dos

Leia mais

Sistemas Distribuídos

Sistemas Distribuídos Sistemas Distribuídos LICENCIATURA EM COMPUTAÇÃO Prof. Adriano Avelar Site: www.adrianoavelar.com Email: eam.avelar@gmail.com O que veremos hoje... Evolução Histórica Motivação Conceitos Características

Leia mais

UNIPAC - UNIVERSIDADE PRESIDENTE ANTÔNIO CARLOS FACULDADE DE CIÊNCIA DA COMPUTAÇÃO E COMUNICAÇÃO SOCIAL CURSO DE CIÊNCIA COMPUTAÇÃO

UNIPAC - UNIVERSIDADE PRESIDENTE ANTÔNIO CARLOS FACULDADE DE CIÊNCIA DA COMPUTAÇÃO E COMUNICAÇÃO SOCIAL CURSO DE CIÊNCIA COMPUTAÇÃO UNIPAC - UNIVERSIDADE PRESIDENTE ANTÔNIO CARLOS FACULDADE DE CIÊNCIA DA COMPUTAÇÃO E COMUNICAÇÃO SOCIAL CURSO DE CIÊNCIA COMPUTAÇÃO Cynthia Pereira Silva BANCO DE DADOS DISTRIBUÍDOS BARBACENA DEZEMBRO

Leia mais

BANCO DE DADOS. Introdução a Banco de Dados. Conceitos BásicosB. Engenharia da Computação UNIVASF. Aula 1. Breve Histórico

BANCO DE DADOS. Introdução a Banco de Dados. Conceitos BásicosB. Engenharia da Computação UNIVASF. Aula 1. Breve Histórico Banco de Dados // 1 Banco de Dados // 2 Conceitos BásicosB Engenharia da Computação UNIVASF BANCO DE DADOS Aula 1 Introdução a Banco de Dados Campo representação informatizada de um dado real / menor unidade

Leia mais

Sistema de Bancos de Dados. Conceitos Gerais Sistema Gerenciador de Bancos de Dados

Sistema de Bancos de Dados. Conceitos Gerais Sistema Gerenciador de Bancos de Dados Sistema de Bancos de Dados Conceitos Gerais Sistema Gerenciador de Bancos de Dados # Definições # Motivação # Arquitetura Típica # Vantagens # Desvantagens # Evolução # Classes de Usuários 1 Nível 1 Dados

Leia mais

Intranets. FERNANDO ALBUQUERQUE Departamento de Ciência da Computação Universidade de Brasília 1.INTRODUÇÃO

Intranets. FERNANDO ALBUQUERQUE Departamento de Ciência da Computação Universidade de Brasília 1.INTRODUÇÃO Intranets FERNANDO ALBUQUERQUE Departamento de Ciência da Computação Universidade de Brasília 1.INTRODUÇÃO As intranets são redes internas às organizações que usam as tecnologias utilizadas na rede mundial

Leia mais

Bancos de Dados Paralelos. Alunos: ALLAN ROGER BELLO WILLIAN DIAS TAMAGI

Bancos de Dados Paralelos. Alunos: ALLAN ROGER BELLO WILLIAN DIAS TAMAGI Bancos de Dados Paralelos Alunos: ALLAN ROGER BELLO WILLIAN DIAS TAMAGI INTRODUÇÃO (SGBD) Sistema Gerenciador de Banco de Dados é um software que permite criar, manter e manipular bancos de dados para

Leia mais

Tipos de Sistemas Distribuídos

Tipos de Sistemas Distribuídos (Sistemas de Informação Distribuída e Pervasivos) Sistemas Distribuídos Mauro Lopes Carvalho Silva Professor EBTT DAI Departamento de Informática Campus Monte Castelo Instituto Federal de Educação Ciência

Leia mais

AGILE ROLAP - UMA METODOLOGIA ÁGIL PARA IMPLEMENTAÇÃO DE AMBIENTES DE NEGÓCIOS BASEADO EM SERVIDORES OLAP.

AGILE ROLAP - UMA METODOLOGIA ÁGIL PARA IMPLEMENTAÇÃO DE AMBIENTES DE NEGÓCIOS BASEADO EM SERVIDORES OLAP. AGILE ROLAP - UMA METODOLOGIA ÁGIL PARA IMPLEMENTAÇÃO DE AMBIENTES DE NEGÓCIOS BASEADO EM SERVIDORES OLAP. Luan de Souza Melo (Fundação Araucária), André Luís Andrade Menolli (Orientador), Ricardo G. Coelho

Leia mais

Arquitetura de Banco de Dados

Arquitetura de Banco de Dados Arquitetura de Banco de Dados Daniela Barreiro Claro MAT A60 DCC/IM/UFBA Arquitetura de Banco de dados Final de 1972, ANSI/X3/SPARC estabeleceram o relatório final do STUDY GROUP Objetivos do Study Group

Leia mais

Paradigma Cliente/Servidor

Paradigma Cliente/Servidor Paradigma Cliente/Servidor Mário Meireles Teixeira UFMA Departamento de Informática Dezembro, 2012 Comunicação em Sistemas Distribuídos! Os processos em um SD estão lógica e fisicamente separados. Precisam

Leia mais

Metodologia de Desenvolvimento de Sistemas

Metodologia de Desenvolvimento de Sistemas Metodologia de Desenvolvimento de Sistemas Aula 1 Ementa Fases do Ciclo de Vida do Desenvolvimento de Software, apresentando como os métodos, ferramentas e procedimentos da engenharia de software, podem

Leia mais

Módulo 4: Gerenciamento de Dados

Módulo 4: Gerenciamento de Dados Módulo 4: Gerenciamento de Dados 1 1. CONCEITOS Os dados são um recurso organizacional decisivo que precisa ser administrado como outros importantes ativos das empresas. A maioria das organizações não

Leia mais

WSUS. Windows Server Update Services

WSUS. Windows Server Update Services WSUS Windows Server Update Services WSUS Permite gerenciar de forma centralizada, ou distribuída as atualizações de software Atualizações de software automáticas oferecidas pelo windows update são importantes

Leia mais

CONSULTORIA E SERVIÇOS DE INFORMÁTICA

CONSULTORIA E SERVIÇOS DE INFORMÁTICA CONSULTORIA E SERVIÇOS DE INFORMÁTICA Quem Somos A Vital T.I surgiu com apenas um propósito: atender com dedicação nossos clientes. Para nós, cada cliente é especial e procuramos entender toda a dinâmica

Leia mais

Projeto de Arquitetura

Projeto de Arquitetura Projeto de Arquitetura Ian Sommerville 2006 Engenharia de Software, 8ª. edição. Capítulo 11 Slide 1 Objetivos Apresentar projeto de arquitetura e discutir sua importância Explicar as decisões de projeto

Leia mais

Consolidação inteligente de servidores com o System Center

Consolidação inteligente de servidores com o System Center Consolidação de servidores por meio da virtualização Determinação do local dos sistemas convidados: a necessidade de determinar o melhor host de virtualização que possa lidar com os requisitos do sistema

Leia mais

Engª de Produção Prof.: Jesiel Brito. Sistemas Integrados de Produção ERP. Enterprise Resources Planning

Engª de Produção Prof.: Jesiel Brito. Sistemas Integrados de Produção ERP. Enterprise Resources Planning ERP Enterprise Resources Planning A Era da Informação - TI GRI Information Resource Management -Informação Modo organizado do conhecimento para ser usado na gestão das empresas. - Sistemas de informação

Leia mais

FACULDADE DE TECNOLOGIA SENAC GOIÁS GESTÃO DA TECNOLOGIA DA INFORMAÇÃO EDUARDO ROCHA BRUNO CATTANY FERNANDO BAPTISTA

FACULDADE DE TECNOLOGIA SENAC GOIÁS GESTÃO DA TECNOLOGIA DA INFORMAÇÃO EDUARDO ROCHA BRUNO CATTANY FERNANDO BAPTISTA FACULDADE DE TECNOLOGIA SENAC GOIÁS GESTÃO DA TECNOLOGIA DA INFORMAÇÃO EDUARDO ROCHA BRUNO CATTANY FERNANDO BAPTISTA Descrição da(s) atividade(s): Indicar qual software integrado de gestão e/ou ferramenta

Leia mais

Capítulo 1 - Introdução 14

Capítulo 1 - Introdução 14 1 Introdução Em seu livro Pressman [22] define processo de software como um arcabouço para as tarefas que são necessárias para construir software de alta qualidade. Assim, é-se levado a inferir que o sucesso

Leia mais

Sistemas Distribuídos: Conceitos e Projeto Caracterização de Sistemas Distribuídos

Sistemas Distribuídos: Conceitos e Projeto Caracterização de Sistemas Distribuídos Sistemas Distribuídos: Conceitos e Projeto Caracterização de Sistemas Distribuídos Francisco José da Silva e Silva Laboratório de Sistemas Distribuídos (LSD) Departamento de Informática / UFMA http://www.lsd.deinf.ufma.br

Leia mais

Desenvolvimento de um software de gerenciamento de projetos para utilização na Web

Desenvolvimento de um software de gerenciamento de projetos para utilização na Web Resumo. Desenvolvimento de um software de gerenciamento de projetos para utilização na Web Autor: Danilo Humberto Dias Santos Orientador: Walteno Martins Parreira Júnior Bacharelado em Engenharia da Computação

Leia mais

Bancos de Dados Distribuídos

Bancos de Dados Distribuídos Bancos de Dados Distribuídos Visão geral de BDD Fernanda Baião baiao@cos.ufrj.br Departamento de Informática Aplicada UNIRIO 2006.2 Bibliografia Utilizada Conteúdo Özsu, M.T. Valduriez, P. "Principles

Leia mais

Banco de Dados Distribuídos

Banco de Dados Distribuídos Banco de Dados Distribuídos Brasília-DF, 2011. Elaboração: Ednewton de Vasconcelos Produção: Equipe Técnica de Avaliação, Revisão Linguística e Editoração Banco de Dados Distribuídos 2 Sumário Apresentação...

Leia mais

Tipos de Sistemas Distribuídos (Cluster e Grid)

Tipos de Sistemas Distribuídos (Cluster e Grid) Tipos de Sistemas Distribuídos (Cluster e Grid) Sistemas Distribuídos Mauro Lopes Carvalho Silva Professor EBTT DAI Departamento de Informática Campus Monte Castelo Instituto Federal de Educação Ciência

Leia mais

PROJETO DE REDES www.projetoderedes.com.br

PROJETO DE REDES www.projetoderedes.com.br PROJETO DE REDES www.projetoderedes.com.br Disciplina: Curso de Tecnologia em Redes de Computadores Auditoria e Análise de Segurança da Informação - 4º período Professor: José Maurício S. Pinheiro AULA

Leia mais

Virtualização de Sistemas Operacionais

Virtualização de Sistemas Operacionais Virtualização de Sistemas Operacionais Felipe Antonio de Sousa 1, Júlio César Pereira 1 1 Universidade Paranaense (Unipar) Paranavaí PR Brasil felipeantoniodesousa@gmail.com, juliocesarp@unipar.br Resumo.

Leia mais