Programa de Revitalização da Bacia do Arroio Dilúvio: um futuro possível

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "Programa de Revitalização da Bacia do Arroio Dilúvio: um futuro possível"

Transcrição

1 Programa de Revitalização da Bacia do Arroio Dilúvio: um futuro possível

2 Porto Alegre, novembro de As universidades (PUCRS) e (UFRGS) disponibilizam a comunidade o Marco Conceitual que versa sobre a revitalização da Bacia do Arroio Dilúvio. O Marco reúne itens, eixos e visões que a equipe, formada por técnicos das universidades e das Prefeituras de Porto Alegre e de Viamão, apontou com a intenção de oferecer as condições de contorno iniciais, em torno das quais um programa de revitalização da Bacia do Arroio Dilúvio poderá ser baseado. Também apresenta cenários diversos dos problemas associados à Bacia e indica, ainda que de forma bastante geral, alguns encaminhamentos compreensivos para a solução dos mesmos. Baseado neste Marco, o desenvolvimento do Programa de Revitalização da Bacia do Arroio Dilúvio: um futuro possível deverá ser desenvolvido em colaboração entre a PUCRS e UFRGS e as Prefeituras de Porto Alegre e de Viamão, entre outros parceiros a serem identificados. Atenciosamente, João E. Schmidt Pró-Reitor de Pesquisa UFRGS Betina Blochtein Diretora do Instituto do Meio Ambiente PUCRS Coordenadores acadêmicos do Programa de Revitalização da Bacia do Arroio Dilúvio: um futuro possível 8

3 MARCO CONCEITUAL O Programa de Revitalização da Bacia do Arroio Dilúvio: um futuro possível deverá ser estruturado em torno de um movimento cívico, que abordará de forma integrada e ampla este espaço misto, urbano-natureza, denominado Bacia do Arroio Dilúvio, tão desvalorizado pela Sociedade. Nesta primeira parte do trabalho de montagem do Programa de Revitalização da Bacia do Arroio Dilúvio, é apresentada uma estrutura básica do ponto de vista conceitual, a título de inspiração, para as atividades que devem se seguir durante a construção do mesmo. Ao longo das próximas páginas, serão apresentados os aspectos que motivam esta iniciativa e suas repercussões sócio-econômico-ambientais, especialmente para as comunidades que habitam o entorno do Arroio Dilúvio, com significativa melhoria de qualidade da vida de portoalegrenses e viamonenses. Ênfase também é dada para a parceria entre as Prefeituras de Porto Alegre e Viamão e as maiores universidades do estado, a Universidade Federal do Rio Grande do Sul e a. Porto Alegre, novembro de

4 INSTITUIÇÕES PARCEIRAS PREFEITURA DO MUNICÍPIO DE PORTO ALEGRE José Fortunati Prefeito PREFEITURA DO MUNICÍPIO DE VIAMÃO Alex Sander Alves Boscaini Prefeito UNIVERSIDADE FEDERAL DO RIO GRANDE DO SUL Carlos Alexandre Netto Reitor PONTIFÍCIA UNIVERSIDADE CATÓLICA DO RIO GRANDE DO SUL Joaquim Clotet Reitor 10

5 SECRETARIAS, DEPARTAMENTOS e EMPRESAS MUNICIPAIS PARCEIRAS PORTO ALEGRE Secretaria Municipal do Meio Ambiente Secretaria Municipal de Planejamento Secretaria Municipal de Gestão e Acompanhamento Estratégico Departamento Municipal de Esgotos Pluviais Departamento Municipal de Águas e Esgotos Departamento Municipal de Limpeza Urbana Procempa Secretário: Luiz Fernando Zacchia Secretário: Márcio Bins Ely Secretário: Urbano Schmitt Diretor Geral: Ernesto da Cruz Teixeira Diretor Geral: Flávio Ferreira Presser Diretor Geral: Mário Fernando dos Santos Moncks Diretor Presidente: André Imar Kulczynski VIAMÃO Secretaria de Desenvolvimento Econômico Departamento de Projetos e Planejamento Urbano Coordenador do Departamento: Ruy Atílio Rostirolla 11

6 GRUPO GESTOR DO PROGRAMA Para a montagem deste Programa, as prefeituras de Porto Alegre e de Viamão, juntamente com a Universidade Federal do Rio Grande do Sul (UFRGS) e a (PUCRS) estabeleceram um grupo de trabalho formado por: COORDENAÇÃO Prefeitura Municipal de Porto Alegre Fernando Zacchia Secretario do Meio Ambiente Ruy Atílio Rostirolla Coordenador do Departamento de Projetos e Planejamento Urbano Bacia do Arroio Dilúvio João Edgar Schmidt Pró-Reitor de Pesquisa Betina Blochtein Diretora do Instituto do Meio Ambiente e dos Recursos Naturais 12

7 EQUIPES DE TRABALHO INSTITUCIONAIS: Pontifícia Universidade Católica do Rio Grande do Sul Município de Porto Alegre Município de Viamão Prof. Dr. André Luiz Lopes da Silveira Diretor do Instituto de Pesquisas Hidráulicas Profa. Dra. Denise Carpena Coitinho Dal Molin Diretora da Escola de Engenharia Profa. Dra. Maria Cristina Dias Lay Diretora da Faculdade de Arquitetura Prof. Dr. Carlos Eduardo Pereira Vice-Diretor da Escola de Engenharia Prof. Dr. Carlos André Bulhões Mendes Instituto de Pesquisas Hidráulicas Profa. Dra. Teresinha Guerra Instituto de Biociências Depto. de Ecologia Diretora do Comitê Gestor do Lago Guaíba Profa. Dra. Livia Salomão Piccinini Faculdade de Arquitetura Depto. de Urbanismo Profa. Dra. Nina Simone Vilaverde Moura Instituto de Geociências Prof. Dr. Luis Alberto Basso Instituto de Geociências Prof. Dr. Jorge Nicolas Audy Pró-Reitor de Pesquisa e Pós-Graduação Profa. Dra. Carla Denise Bonan Coordenadora de Pesquisa da Pró-reitoria de Pesquisa e Pós-Graduação Prof. Dr. Luis Humberto de Mello Villwock Coordenador do Laboratório de Criatividade Prof. Dra. Rosane Souza da Silva Coordenadora do Comitê de Gestão Ambiental da PUCRS Instituto do Meio Ambiente e dos Recursos Naturais Prof. Dr. Cláudio Augusto Mondin Instituto do Meio Ambiente e dos Recursos Naturais Prof. Dr. Gustavo Inácio de Moraes Escola de Negócios da Faculdade de Administração, Contabilidade e Economia Prof. Dr. Claudio Frankenberg Faculdade de Engenharia Prof. Dr. Paulo Horn Regal Diretor da Faculdade de Arquitetura e Urbanismo Prof. Dr. Jorge Alberto Villwock Instituto do Meio Ambiente e dos Recursos Naturais Profa. Msc. Leticia Hoppe Instituto de Meio Ambiente e dos Recursos Naturais Eng. Químico Mauro Gomes de Moura Supervisor de Praças, Parques e Jardins Secretaria do Meio Ambiente Biólogo Rodrigo da Cunha Gerente do Parque Marinha do Brasil Secretaria do Meio Ambiente Eng. Civil Arceu Bandeira Rodrigues Departamento de Limpeza Urbana Biólogo Evandro R.C. Colares Assistente Técnico da Divisão de Pesquisa Departamento Municipal de Águas e Esgotos Arq. Marcelo Allet Secretaria do Planejamento Márcio Alex Marques Cardoso Chefe da Equipe de Apoio e Comunicação da Coordenação de Defesa Civil -Codec Rejane Maria Sebben Mello Supervisora da Divisão Comercial PROCEMPA Sergio Renato da Rosa Mendes Gerente do Departamento de Marketing e Comercial - PROCEMPA Roni Marques Correia Secretaria de Gestão Eng. Civil Daniela Bemfica Divisão de Obras e Projetos Departamento de Esgotos Pluviais Michele de Souza Barros Departamento do Meio Ambiente Miriam Recuero Acosta Departamento do Meio Ambiente Vinícius Eduardo Bestetti de Vasconcellos Departamento do Meio Ambiente Maria Isabel Brenner da Rosa Presidente do Conselho da Cidade de Viamão Prof. Nelson Ferreira Fontoura Faculdade de Biociências Paula Horn Assessoria de Gabinete Gabinete do Prefeito Profa. Dra. Ana Rosa Sulzbach Ce Faculdade de Arquitetura e Urbanismo 13

8 CONTEXTO GEOGRÁFICO E A SAÚDE AMBIENTAL GEOGRAFIA DA BACIA DO ARROIO DILÚVIO A cidade de Porto Alegre, capital do Estado do Rio Grande do Sul, Brasil, situa-se na margem leste do Lago Guaíba, no Delta do Jacuí, onde quatro rios convergem para formar a Lagoa dos Patos, maior laguna do Brasil e segunda maior da América Latina.s Patos. Com cerca de mil habitantes ocupando uma área de 497 km², com 72 km de linha de costa fluvial, a cidade é constituída por vales, morros e encostas urbanizadas e uma parcela significativa de área rural. A cidade de Viamão tem seu limite geográfico determinado pela Lagoa dos Patos, ao sul, com 50 km de linha de costa lacustre, com o município de Porto Alegre a oeste e o Rio Gravataí ao norte, e detêm grande parte das nascentes d água que desembocam nas bacias do Rio Gravataí e do Arroio Dilúvio. Com cerca de 240 mil habitantes, Viamão é uma importante cidade da região metropolitana e em franco crescimento econômico. No sentido nordeste/sudeste, o município é contornado por morros, abrangendo os distritos do Espigão, Passo da Areia e Itapuã. No mesmo sentido, aparecem planícies e várzeas, conhecidas como Campos de Viamão. O município é constituído por relevo colinoso. Bacia do Arroio Dilúvio mapa antigo 14

9 As regiões de Porto Alegre e Viamão possuem várias bacias hidrográficas que contribuem para o Lago Guaíba. Uma destas é a do Arroio do Dilúvio. Percorrendo uma extensão de 17,6 km, o Dilúvio integra uma das bacias hidrográficas mais importantes na composição do Lago Guaíba. Com uma área total de 83 km 2, na qual habitam 450 mil pessoas, a Bacia do Arroio Dilúvio abrange 36 bairros de Porto Alegre, além de parte da cidade de Viamão, na qual se encontra 20% da sua área. As nascentes do Dilúvio estão localizadas nos entornos das represas Lomba do Sabão e Mãe D água, ambas em Viamão. A represa da Lomba do Sabão resulta, ainda, da confluência de outros cinco arroios menores. Ao longo de sua descida até o Lago Guaíba, o Arroio Dilúvio, recebe outros afluentes. Bacia do Arroio Dilúvio e suas sub-bacias SAÚDE AMBIENTAL Desde as nascentes, a poluição marca as represas e a Bacia do Arroio. Cerca de 50 mil metros cúbicos de terra e resíduos sólidos são despejados anualmente nas águas do Dilúvio. Esses números, por si só, já seriam expressivos, mas além deles existe outro motivo que afeta diretamente a qualidade das águas do Arroio e que tem a contribuição da população: as ligações irregulares das redes de esgoto, que fazem com que o esgoto doméstico e mesmo hospitalar sejam lançados diretamente no Dilúvio. Os domicílios da Capital possuem duas redes: a pluvial, que recebe as águas da chuva, e a cloacal, onde é lançado o esgoto doméstico. O que se vê em muitas casas é uma troca nas conexões, sendo a rede cloacal ligada à rede pluvial. Isso resulta em um grande problema, pois a rede pluvial é um canal de drenagem subterrânea que desemboca no Arroio Dilúvio, e, desta maneira, o esgoto escoa para os arroios e barragens sem nenhum tratamento. Por esse motivo, a obstrução dos canais pela gordura e pelos resíduos onera significativamente a conservação, além de provocar inundações em vários pontos da cidade trazendo enorme desconforto e mesmo trazendo riscos para a população. Zoneamento ambiental: extraído do Atlas Ambiental de Porto Alegre A necessidade de lidar com tais situações oferece uma oportunidade única para que seja repensada a questão da sustentabilidade em seu tripé social, econômico e ambiental. A crescente incerteza sobre as mudanças de tendência de eventos climáticos requer a adoção de abordagens flexíveis, em que a distribuição de riscos e a capacidade de adaptação do ambiente físico estruturem práticas 15

10 de planejamento estratégico. Tais práticas tornam-se cada vez mais urgentes em áreas extremamente vulneráveis devido aos altos índices de densidade urbana, incluindo-se parcelas da população de baixa renda. Uma abordagem de planejamento integrado que favoreça o desenvolvimento urbano, a mitigação de riscos naturais, bem como aspectos socioeconômicos, é vital para um futuro sustentável. Ao lado, seções do Arroio Dilúvio (extraído do Atlas Ambiental de Porto Alegre) 16

11 A VISÃO E VALORES DA REVITALIZAÇÃO PREMISSAS INICIAIS Na medida em que é importante haver amplo envolvimento da comunidade durante o processo de elaboração do Programa e da sua execução, a visão deve representar o imaginário da população e o que ela deseja ver executado no âmbito da Bacia que possa ser traduzido em qualidade de vida a todos. A canalização e a retificação do Arroio Dilúvio proporcionou que Porto Alegre se expandisse em direção à zona sul, permitindo que a população se instalasse ao longo do Arroio e nas encostas da sua Bacia, estabelecendo moradias e negócios, pois além de drenar os baixios, permitiu reduzir drasticamente as constantes enchentes que ocorriam antes desta intervenção. Muitas grandes cidades são consideradas lugares atrativos para viver porque oferecem condições favoráveis para o estabelecimento de negócios, cultura e lazer. Uma grande cidade também deve ser um lugar sem vulnerabilidades ambientais e que possa oferecer um estilo de vida saudável. Neste contexto, cabe ao Poder Público prover infraestruturas que deem conta dos aspectos sanitários, mas também é necessário viabilizar espaços lúdicos como parques, praças, espaços verdes, públicos urbanizados e de recreação. Agora, seis décadas após a ocupação, estabelece-se a oportunidade para a comunidade que ali se instalou trabalhar em prol do resgate da Bacia para si e para as gerações futuras. Este Programa, com a amplitude transformadora que almeja, deve estar incorporado na mente das pessoas daqui em diante, pois sua implantação e o seu legado irão requerer dedicação constante. Este programa deverá incluir visões audaciosas e de longo termo, incluindo também uma série de etapas de execução de curto prazo, e que deverá fazer com que a Bacia e o entorno do Arroio Dilúvio se tornem lugares melhores para se viver. 17

12 VISÃO PARA REVITALIZAÇÃO SISTÊMICA DA BACIA O Programa de Revitalização da Bacia do Arroio Dilúvio é uma oportunidade à disposição da sociedade para abordar os temas pertinentes à renovação da qualidade ambiental, que poderá ter consequências positivas nas comunidades do entorno da Bacia. Em médio e longo prazo, a ecologia da Bacia e o funcionamento hidrológico poderão ser recriados, mas adaptados à realidade urbana, estabelecendo uma ambiência que permita inserir fortes características naturais, especialmente nas nascentes, nos córregos e arroios e nas represas da Lomba do Sabão e da Mãe D água. Para tanto, pensar audaciosamente e com boas ideias é o caminho que levará a bom termo esta visão de futuro. Neste processo de restabelecer a função ecológica da Bacia, a revitalização deve incluir considerações sobre a melhoria da qualidade da água e sobre a segurança e habitabilidade das populações nas encostas e nos baixios da área a ser recuperada, especialmente quando consideradas as questões hidrológicas, pois a Bacia deve também servir como meio de condução e armazenamento dos fluxos pluviais intensos para mitigar risco de desastres. As mudanças a serem implantadas devem viabilizar a criação de espaços verdes e de lazer à disposição das comunidades, seja nas encostas, ao longo do Arroio Dilúvio e mesmo na foz do Lago Guaíba, aproveitando a melhor qualidade da água que deverá fluir nestes ambientes. Fotos da degradação do Arroio Dilúvio 18

13 UM EXEMPLO TRANSFORMADOR O Arroio não é acessível visual ou fisicamente para os habitantes locais. É bem conhecida a aversão que as pessoas sentem pelo Arroio Dilúvio, entendido por todos como um canal de esgoto. A população vira as costas a esta importante via fluvial, pois entendem, corretamente, que ela é insalubre. O que o Programa pode vislumbrar é a transformação do Arroio e toda a sua Bacia em um lugar seguro, acessível, saudável, verde e voltado à celebração e não à negação, tal que ele possa passar a ser o foco das atividades humanas e servir como referência para o orgulho cívico. Por exemplo, que possa servir como motivação para que iniciativas de melhorias em ambientes de trabalho e de convivência nos espaços no seu entorno sejam adotadas, com consequentes benefícios para a qualidade de vida e elevação de renda. Note-se que, no processo de construção deste tipo de visão, também é necessário o envolvimento dos residentes dentro de um processo de planejamento comunitário deste Programa, encorajando a participação e criando a sensação de pertencimento e posse sobre o Arroio. Quiçá um novo Dilúvio sirva de exemplo transformador para a sociedade. CRIANDO VALORES Visões do futuro Ao melhorar a qualidade do Arroio e da Bacia, com reflexos socioambientais positivos, valores estarão sendo criados. Valorização da vida, das atividades socioeconômicas e dos princípios da sustentabilidade. Além disso, será possível criar uma ambiência voltada para o design urbano sustentável e sensível ao meio ambiente, tais como a que estimula as construções verdes e gestão das águas em parques, ruas e avenidas. Novas oportunidades de trabalho e salários, mais compensadores, podem ser considerados valores que devam emanar da revitalização da Bacia e do Arroio, bem como, a melhoria das condições habitacionais nas encostas, novas oportunidades de 19

14 negócios, tais como lojas de serviços, galerias, restaurantes e cafés. Em especial, o programa deverá dar atenção e valor às comunidades com menores condições financeiras, para garantir iguais oportunidades em relação à moradia, empregabilidade e acessibilidade para áreas onde estas benesses não estão ainda disponíveis. A revitalização da Bacia e do Arroio pode introduzir uma ampla gama de benefícios que irá ampliar a qualidade de vida de portoalegrenses e viamonenses e resultar em prosperidade econômica para todos. BENEFÍCIOS DE UM REINVESTIMENTO Os custos de implantação das infraestruturas de saneamento e de escoamento pluvial da Bacia por parte dos municípios de Porto Alegre e Viamão são inexoráveis e mandatórios seja em curto, médio ou longo prazo. Este ainda é um investimento no bem estar da população que deve ser feito e não pode esperar por mais muito tempo. E o Programa de Revitalização da Bacia do Arroio Dilúvio será mais uma via pela qual os poderes públicos envolvidos possam encontrar apoio para captar recursos financeiros e acelerar a implantação destas infraestruturas. Além disto, será possível investir nas comunidades da Bacia onde ainda não houve significativa ação pública, construindo espaços, praças, e outras benfeitorias que ofereçam oportunidades de lazer e bem estar aos cidadãos. Mas deve se salientar que poderá haver grandes benefícios para a Cidade de Porto Alegre e mesmo para Viamão se houver uma decisão de reinvestir no próprio Arroio Dilúvio pelas razões ambientais, sociais e econômicas apontadas acima. Vale lembrar que nos anos 1950 houve um grande investimento no Arroio por conta da sua canalização e retificação que enormes benefícios trouxeram às duas cidades. O Arroio Dilúvio hoje (esquerda) e como poderia ser (direita) Como já mencionado, para Porto Alegre esta grande obra permitiu o crescimento de toda a área sul da cidade, o que por si só já justificou todo investimento realizado na época. 20

15 Para Viamão os benefícios foram colaterais, mas importantes, tendo em vista o crescimento de Porto Alegre em direção àquela cidade. Viamão tornou-se alternativa para a instalação de habitações e setores econômicos que não encontram mais espaço em Porto Alegre. Dois exemplos marcantes desta tendência são as instalações da nova área do TECNOPUC e a instalação do Parque Científico e Tecnológico da UFRGS, cujos parceiros buscam espaço físico naquele município para estabelecer os seus negócios, apenas para citar as duas instituições acadêmicas envolvidas neste programa. Assim, um corredor-parque verde, como poderia ser o Arroio Dilúvio, contribuiria em alavancar ainda mais esta tendência. Portanto, um reinvestimento no Arroio Dilúvio, tornando-o agora um parque linear, deve trazer mais uma vez grandes benefícios para a região e toda sua população. E a natureza agradecerá. Projeto de planejamento da região de potencial tecnológico (REPOT) ao longo do Arroio Dilúvio 21

16 VALORES QUE DEVEM ESTAR PRESENTES NA CONSTRUÇÃO DO PROGRAMA O Programa deve refletir as contribuições que a comunidade determinar, devendo estar nele presentes, principalmente quando decididas em plenárias públicas nas quais ele deverá ser apresentado e discutido. Valores-chave a serem trabalhados: Uma abordagem ampla e sustentável dos problemas da Bacia: o Saliente-se que este programa deverá complementar e reforçar iniciativas anteriores ou em curso para melhorar as condições ambientais da Bacia, e que por si só, não será capaz de resolver todos os problemas da mesma. O foco é a Bacia no que dirá respeito às possíveis soluções que envolvem questões ambientais e fará recomendações quando ligações próximas existirem com outros planos de gestão em áreas complementares. Por exemplo, com os planos da área de transportes, de habitação e outros. Há que se ter sempre em mente que todas as ações humanas podem determinar alterações do ambiente. Responsabilidade ambiental: o Resgatar sistemas naturais; o Organizar os ambientes humanos. Equidade: o As oportunidades devem ser baseadas de forma que contemplem equidade, garantindo que áreas com populações de menor poder aquisitivo recebam oportunidades compatíveis com suas necessidades. Envolvimento e apoio da comunidade: o A revitalização não ocorrerá sem apoio comunitário amplo; o Programa elaborado por e para a comunidade de maneira participativa, em parceria com o poder público e as academias; o Apoio através de plenárias públicas; o Participação no formato e destinação de espaços compatíveis com cada vizinhança. Economia Sustentável: Recursos para: A manutenção da qualidade da água; A restauração do ecossistema; Acessibilidade; Espaços para recreação. Envolvendo: Investimento público e privado; Padrões de design que estejam em sintonia com a economia sustentável; Reinvestimento com preocupação ambiental e sustentável. 22

17 EXEMPLOS DE REVITALIZAÇÃO ARROIO CHEONG GYE CHEON, SEUL, CORÉIA DO SUL O exemplo de revitalização do arroio Cheong Gye Cheon de Seul, na Coréia do Sul, é apenas o mais recente, arrojado e bem sucedido projeto de resgate de uma área degradada associada a um curso d água. Cheong Gye Cheon, Coréia ANTES < da revitalização> DEPOIS ANTES < da revitalização> DEPOIS 23

18 SAN ANTONIO RIVERWALK, NO TEXAS, EUA Um dos exemplos menos conhecidos, mas muito bem elaborado, é o caso do San Antonio Riverwalk, no Texas, EUA, onde um canal alternativo ao do fluxo principal do curso d água foi criado e no qual o nível da água se mantém constante através de um sistema de comportas, o que possibilita a ocupação das margens com bares, restaurantes, passeios e muita vegetação. 24

19 NOSSA SENHORA DA PIEDADE EM BELO HORIZONTE, MG Arroio Nossa Senhora da Piedade, BH Antes da Revitalização Um exemplo brasileiro pode ser encontrado em Belo Horizonte, onde o Arroio Nossa Senhora da Piedade foi recuperado e entregue à comunidade saneado, contando com uma estrutura de lazer que alterou completamente o entorno do mesmo. Depois da Revitalização 25

20 RIO LOS ANGELES, EM LOS ANGELES, EUA O projeto de revitalização do Rio Los Angeles, na Califórnia, EUA, é um que está em vias de execução. Antes Depois 26

21 O PROGRAMA O Programa, a ser construído a partir do trabalho de parceria entre a Universidade Federal do Rio Grande do Sul, a e os Municípios de Porto Alegre e Viamão, pretende oferecer recomendações com uma visão de longo prazo que sirvam como guia de implantação da revitalização de toda a Bacia do Arroio Dilúvio. O Programa deverá ser uma referência geral para a implantação de soluções amplas e pertinentes às questões envolvidas na revitalização da Bacia, priorizando a contribuição das comunidades e vizinhanças por ela afetada. Ponte dos Açorianos, sobre o leito original do Arroio Dilúvio

22 GERÊNCIA DO PROGRAMA Fotos antigas do Dilúvio A existência de várias esferas dotadas de poder em um Estado Federativo favorece a aproximação entre governantes e governados. Por outro lado, pode, em razão da possibilidade do exercício inadequado da autonomia, causar entre os entes federativos conflitos políticos e jurídicos. A associação dos entes federativos, visando alcançar fins de interesse comum, ideia central do federalismo cooperativo, mediante ações e estratégias que envolvam esses entes na execução de atividades públicas, mostra-se como uma alternativa a ser considerada por estas esferas de poder. No entanto, o instituto da cooperação institucional, em que pese a previsão constitucional (Art. 241) e a legislação na área dos recursos hídricos (Art. 4 o da Lei 9433/1997), possui utilização aquém das possibilidades disponíveis no ordenamento jurídico. Em razão do uso ainda incipiente desses mecanismos de cooperação, busca-se nesse Programa analisar a possibilidade de adoção de instrumentos de cooperação institucional entre os municípios de Porto Alegre e Viamão, com apoio da UFRGS e PUC-RS, no controle da poluição hídrica, recuperação ambiental e urbanização na bacia hidrográfica do Arroio Dilúvio. Além do desenvolvimento de mecanismos institucionais, propõe-se neste Programa atuar em um novo paradigma de planejamento que integre medidas para gestão de águas e dos riscos ambientais através do projeto de infraestruturas flexíveis, que ofereçam capacidade de adaptação e resiliência urbana, além da promoção da paisagem. Estas medidas incluem o desenho de sistemas técnicos e naturais para a gestão de águas pluviais, a ecologização do espaço urbano através do acréscimo de áreas verdes, prestando serviços ambientais e concepção de edificações que sejam menos sensíveis aos impactos causados por eventos climáticos. Este conjunto de estratégias é capaz de reduzir os riscos e a vulnerabilidade urbana através da gestão do escoamento superficial na fonte e do melhor desempenho do ambiente construído. Como consequência, iniciam-se processos de renovação e reconfiguração do tecido urbano. 28

23 Como diferencial frente a outras propostas voltadas à implantação de programas de impacto sócio-ambiental-econômico, o Programa propõe uma estrutura gerencial que pretende tenha respaldo simultâneo dos poderes públicos, das academias e da Sociedade. Isto é recomendado porque existem múltiplas entidades públicas (Secretarias, Departamentos, e outros) que têm jurisdição sobre vários aspectos da Bacia e do Arroio Dilúvio, tal que a gestão deve ser abrangente e flexível o suficiente para permitir que elas trabalhem em colaboração, mas que possam também agir independentemente quando necessário. Portanto, entende-se que através da união de esforços das Gestões Municipais de Porto Alegre e Viamão, aliadas às competências acadêmicas da UFRGS e da PUCRS, bem como à participação ativa da sociedade nesta iniciativa, seja possível promover as mudanças almejadas pela coletividade para a necessária melhoria de nossa cidade. Dilúvio sendo canalizado-retificado O processo no qual este novo paradigma se dará através da coordenação das atividades das várias partes interessadas em diversos aspectos urbanos e naturais do processo de revitalização, identificando vínculos entre projetos e comunidades, recomendando mudanças de políticas e criando regras para a revitalização da Bacia. É claro que as questões hidrológicas e de saneamento são o pano de fundo de quaisquer propostas que possam remeter às questões da revitalização voltadas à melhoria da qualidade de vida das populações, incluindo a identificação de oportunidades para a instalação de parques, ciclovias, caminhos para pedestres, recreação, natureza, identidades e desenvolvimento das comunidades, empregos, turismo, orgulho cívico, qualidade da água e recuperação de espaços urbanos negligenciados, alimentando a sensação de pertencimento na Bacia e ao longo do Arroio Dilúvio e subliminarmente para a totalidade dos cidadãos das duas cidades envolvidas. Uma atividade permanente a ser desenvolvida neste programa e que concorre diretamente para o seu sucesso deverá ser a da Educação Ambiental. Há necessidade de inserir a cultura do respeito a estes bens públicos que são os córregos, arroios, represas e o Lago Guaíba. Todos eles são afetados pelo falta de conscientização da sociedade em relação aos possíveis danos causados pelas pessoas ao não terem o devido cuidado com as questões relacionadas a agentes poluentes de toda sorte, tais como resíduos sólidos e contaminantes da água diversos, ao fazer uso incorreto de sistemas de saneamento disponibilizados e, ademais, ao promover e depredação de equipamentos urbanos públicos instalados para o seu benefício. 29

24 No contexto da UFRGS, estes esforços serão conduzidos pela Pró-Reitoria de Pesquisas PROPESQ e, na PUCRS, pelo Instituto de Meio Ambiente e dos Recursos Naturais IMA. Nas universidades, grupos gestores internos serão criados para coordenar os trabalhos de montagem do Programa, que deverá ser multidisciplinar, nos quais serão envolvidas as comunidades de cada uma delas. Pelo lado das prefeituras, a atuação se dará através de Secretarias, Departamentos e órgãos de apoio, sendo a coordenação do Programa no contexto da Prefeitura de Porto Alegre atribuída à Secretaria do Meio Ambiente e, da Prefeitura de Viamão, através do Departamento de Projetos e Planejamento Urbano DEPP. 30

25 PRINCÍPIOS NORTEADORES O objetivo geral deste programa é a recuperação ambiental da Bacia do Arroio Dilúvio através da implantação de sistemas técnicos e naturais de saneamento ambiental para a gestão de águas, da ecologização do espaço urbano com acréscimo de áreas verdes, da retomada da funcionalidade da Bacia próxima à original e da concepção de construções que sejam menos sensíveis aos impactos causados por eventos climáticos e condicionalidades da realidade local. Como consequência, iniciam-se processos de renovação e reconfiguração do tecido urbano e a reintegração deste corpo d água à população dos municípios de Porto Alegre e Viamão, RS, Brasil. Dentro desta perspectiva, vislumbra-se que é necessário adotar princípios que considerem os seguintes aspectos: A Bacia Hidrográfica deve ser o domínio físico de avaliação dos impactos resultantes de novos empreendimentos, visto que a água não respeita limites políticos logo, ações articuladas entre as Prefeituras de Porto Alegre e Viamão devem existir; Deve-se priorizar a recuperação da infiltração natural da Bacia, visando a redução dos impactos ambientais; O aumento de vazão devido à urbanização não deve ser transferido para jusante; O horizonte de avaliação deve contemplar futuras ocupações urbanas (Plano Diretor); As medidas de controle devem ser preferencialmente não estruturais; Deve-se integrar medidas para gestão de águas e dos riscos de inundação na paisagem através de projetos de infraestruturas flexíveis, que ofereçam capacidade de adaptação e resiliência urbana; Fortalecimento da Governança Municipal (especificamente Porto Alegre e Viamão) aperfeiçoando a administração das políticas públicas com uma visão de planejamento fundamentada nos princípios da integração, articulação institucional e espacial de ações, aprimorando os serviços prestados à comunidade. 31

26 EIXOS DE ATUAÇÃO Os eixos de atuação selecionados para este programa correspondem aos pontos críticos para a realização plena da recuperação do Arroio Dilúvio, identificados como: Saneamento, Erosão e Assoreamento, Recuperação-Preservação Ambiental, Habitação e Paisagismo, Mobilidade Urbana e Desenvolvimento Econômico integrados e interdependentes e, ainda, permeados por um eixo transversal sobre Educação Ambiental. Na figura 1 são demonstradas as principais relações entre os pontos-chave deste Programa: 32

Gestão de águas urbanas: conquistas, desafios e oportunidades

Gestão de águas urbanas: conquistas, desafios e oportunidades Associação Brasileira de Recursos Hídricos Gestão de águas urbanas: conquistas, desafios e oportunidades Vladimir Caramori CTEC/UFAL Fortaleza, novembro de 2010 Gestão das águas urbanas Tema complexo reconhecido

Leia mais

Programa Urbano Ambiental Macambira Anicuns Informações Gerais

Programa Urbano Ambiental Macambira Anicuns Informações Gerais Programa Urbano Ambiental Macambira Anicuns Informações Gerais O Programa Urbano Ambiental Macambira Anicuns corresponde a um conjunto de ações a serem desenvolvidas pela Prefeitura Municipal de Goiânia,

Leia mais

Rio Urbanos, Bacias Urbanas: Projetos Integradores outubro 2013

Rio Urbanos, Bacias Urbanas: Projetos Integradores outubro 2013 Rio Urbanos, Bacias Urbanas: Projetos Integradores outubro 2013 Segurança hídrica - Declaração Ministerial do 2o Fórum Mundial da Água, 2001 Acesso físico e econômico à água em quantidade e qualidade suficiente

Leia mais

BOA GOVERNANÇA PARA GESTÃO SUSTENTÁVEL DAS ÁGUAS URBANAS PROGRAMA DRENURBS

BOA GOVERNANÇA PARA GESTÃO SUSTENTÁVEL DAS ÁGUAS URBANAS PROGRAMA DRENURBS BOA GOVERNANÇA PARA GESTÃO SUSTENTÁVEL DAS ÁGUAS URBANAS PROGRAMA DRENURBS Um programa para integrar objetivos ambientais e sociais na gestão das águas Superintendência de Desenvolvimento da Capital -

Leia mais

DECRETO Nº 050, DE 11 DE MARÇO DE 2010

DECRETO Nº 050, DE 11 DE MARÇO DE 2010 DECRETO Nº 050, DE 11 DE MARÇO DE 2010 Define o Modelo Localizado de Gestão Urbana para o Projeto Parque Linear do Rio Ressaca. O Prefeito Municipal de São José dos Pinhais, Estado do Paraná, no uso de

Leia mais

Gestão Integrada de Águas Urbanas

Gestão Integrada de Águas Urbanas Gestão Integrada de Águas Urbanas Prof. Carlos E. M. Tucci Consultor do Banco Mundial São Paulo 4 a 6 de dezembro de 2012 1 Impactos Aumento da magnitude das vazões e da frequência de inundações; Aumento

Leia mais

EDUCAÇÃO AMBIENTAL COMO INSTRUMENTO DE PRESERVAÇÃO DA BACIA HIDROGRÁFICA DO RIO MACHADO

EDUCAÇÃO AMBIENTAL COMO INSTRUMENTO DE PRESERVAÇÃO DA BACIA HIDROGRÁFICA DO RIO MACHADO EDUCAÇÃO AMBIENTAL COMO INSTRUMENTO DE PRESERVAÇÃO DA BACIA HIDROGRÁFICA DO RIO MACHADO FÁBIO VIEIRA MARTINS Pós-graduando em Educação Ambiental e Recursos Hídricos CRHEA/USP fabio.vieirageo@hotmail.com

Leia mais

Gestão Integrada de Águas Urbanas

Gestão Integrada de Águas Urbanas Recursos Hídricos na Região Sudeste: Segurança Hídrica, Riscos, Impactos e Soluções São Paulo, 20-21 de novembro de 2014 Gestão Integrada de Águas Urbanas Prof. Carlos E. M. Tucci Rhama Consultoria Ambiental

Leia mais

Nota técnica Março/2014

Nota técnica Março/2014 Nota técnica Março/2014 Sistemas de Saneamento no Brasil - Desafios do Século XXI João Sergio Cordeiro O Brasil, no final do ano de 2013, possuía população de mais de 200 milhões de habitantes distribuídos

Leia mais

EDITAL DE MANIFESTAÇÃO DE INTERESSE PARQUE AMBIENTAL: JANELAS PARA O RIO

EDITAL DE MANIFESTAÇÃO DE INTERESSE PARQUE AMBIENTAL: JANELAS PARA O RIO EDITAL DE MANIFESTAÇÃO DE INTERESSE PARQUE AMBIENTAL: JANELAS PARA O RIO A AGÊNCIA PERNAMBUCANA DE ÁGUAS E CLIMA APAC, de acordo com o Plano Hidroambiental da Bacia do Rio Capibaribe, está recebendo manifestações

Leia mais

READEQUAÇÃO DO SISTEMA DE DRENAGEM PLUVIAL DO ATERRO SANITÁRIO DE SÃO GIÁCOMO

READEQUAÇÃO DO SISTEMA DE DRENAGEM PLUVIAL DO ATERRO SANITÁRIO DE SÃO GIÁCOMO READEQUAÇÃO DO SISTEMA DE DRENAGEM PLUVIAL DO ATERRO SANITÁRIO DE SÃO GIÁCOMO Autores Rafael Rivoire Godoi Navajas, Engenheiro Civil graduado pela UFRGS (Universisade Federal do Rio Grande do Sul) 1998.

Leia mais

Curso de Gestão de Águas Pluviais

Curso de Gestão de Águas Pluviais Curso de Gestão de Águas Pluviais Capítulo 5 Prof. Carlos E. M. Tucci Prof. Dr. Carlos E. M. Tucci Ministério das Cidades 1 Cap5 Plano Diretor de Águas Pluviais A gestão das águas pluviais dentro do município

Leia mais

Porto Alegre, Rio Grande do Sul, Brasil

Porto Alegre, Rio Grande do Sul, Brasil Kit de Treinamento SWITCH 1 Porto Alegre, Rio Grande do Sul, Brasil O Plano Diretor de Drenagem Urbana da Cidade de Porto Alegre Assim como muitas cidades brasileiras, Porto Alegre enfrenta problemas relacionados

Leia mais

Curso de Gestão de Águas Pluviais

Curso de Gestão de Águas Pluviais Curso de Gestão de Águas Pluviais Capítulo 4 Prof. Carlos E. M. Tucci Prof. Dr. Carlos E. M. Tucci Ministério das Cidades 1 Capítulo 4 Gestão Integrada Conceito Marcos Mundiais, Tendência e Estágio Institucional

Leia mais

Fontes de Financiamento para o segmento de Saneamento junto à Caixa Econômica Federal

Fontes de Financiamento para o segmento de Saneamento junto à Caixa Econômica Federal Fontes de Financiamento para o segmento de Saneamento junto à Caixa Econômica Federal Piracicaba, 07 de Agosto de 2013 Atuação da CAIXA Missão: Atuar na promoção da cidadania e do desenvolvimento sustentável

Leia mais

os projetos de urbanização de favelas 221

os projetos de urbanização de favelas 221 5.15 Favela Jardim Floresta. Vielas e padrão de construção existente. 5.16 Favela Jardim Floresta. Plano geral de urbanização e paisagismo. 5.17 Favela Jardim Floresta. Seção transversal. 5.18 Favela Jardim

Leia mais

SÍNTESE DA COMPATIBILIZAÇÃO E ARTICULAÇÃO

SÍNTESE DA COMPATIBILIZAÇÃO E ARTICULAÇÃO SÍNTESE DA COMPATIBILIZAÇÃO E ARTICULAÇÃO Esta síntese objetiva apresentar de forma resumida o que foi produzido na fase B do plano de bacia, permitindo uma rápida leitura das principais informações sobre

Leia mais

Introdução. Porto Alegre Bacia do Arroio Areia

Introdução. Porto Alegre Bacia do Arroio Areia Manejo integrado de bacias urbanas e planos diretores de drenagem urbana: Porto Alegre e Caxias do Sul - RS - Brasil Adolfo O. N. Villanueva, Ruth Tassi e Daniel G. Allasia Instituto de Pesquisas Hidráulicas

Leia mais

Especialização em Direito Ambiental. 3. As principais funções das matas ciliares são:

Especialização em Direito Ambiental. 3. As principais funções das matas ciliares são: Pedro da Cunha Barbosa. Especialização em Direito Ambiental. Área do conhecimento jurídico que estuda as relações entre o homem e a natureza, é um ramo do direito diferenciado em suas especificidades e,

Leia mais

PLANO DIRET O DIRET R O DE MACR MA ODRENA CR GEM ODRENA DA BACIA DO ALTO TIETÊ

PLANO DIRET O DIRET R O DE MACR MA ODRENA CR GEM ODRENA DA BACIA DO ALTO TIETÊ PLANO DIRETOR DE MACRODRENAGEM DA PLANO DIRETOR DE MACRODRENAGEM DA BACIA DO ALTO TIETÊ MAPA DE LOCALIZAÇÃO A ANÁLISE E O ENCAMINHAMENTO DE SOLUÇÕES PARA AS QUESTÕES DE DRENAGEM URBANA TÊM SIDO UM DOS

Leia mais

SISTEMAS DE TRATAMENTO DE ESGOTOS SANITÁRIOS PROJETO, IMPLANTAÇÃO E OPERAÇÃO DA ETE - ROTEIRO DO ESTUDO

SISTEMAS DE TRATAMENTO DE ESGOTOS SANITÁRIOS PROJETO, IMPLANTAÇÃO E OPERAÇÃO DA ETE - ROTEIRO DO ESTUDO SISTEMAS DE TRATAMENTO DE ESGOTOS SANITÁRIOS PROJETO, IMPLANTAÇÃO E OPERAÇÃO DA ETE - ROTEIRO DO ESTUDO Projetos de interceptor, emissário por gravidade, estação elevatória de esgoto e linha de recalque,

Leia mais

CONTRATO DE EMPRÉSTIMO Nº. 2268/OC-BR PROGRAMA DE DESENVOLVIMENTO URBANO INTEGRADO DO MUNICÍPIO DE CATANDUVA RELATÓRIO INICIAL EXERCÍCIO 2011

CONTRATO DE EMPRÉSTIMO Nº. 2268/OC-BR PROGRAMA DE DESENVOLVIMENTO URBANO INTEGRADO DO MUNICÍPIO DE CATANDUVA RELATÓRIO INICIAL EXERCÍCIO 2011 CONTRATO DE EMPRÉSTIMO Nº. 2268/OC-BR PROGRAMA DE DESENVOLVIMENTO URBANO INTEGRADO DO MUNICÍPIO DE CATANDUVA RELATÓRIO INICIAL EXERCÍCIO 2011 1 ÍNDICE 1. RESUMO EXECUTIVO...3 2. O PROGRAMA... 4 2.1 Objetivos...

Leia mais

Gestão das Águas urbanas e a Drenagem

Gestão das Águas urbanas e a Drenagem Gestão das Águas urbanas e a Drenagem Carlos E. M. Tucci Instituto de Pesquisas Hidráulicas UFRGS Porto Alegre-RS Brasil Conteúdo Desenvolvimento urbano e a fonte de impacto na gestão das águas As fases

Leia mais

A CHEIA DO RIO NEGRO EM MANAUS E SEUS IMPACTOS NO CENTRO E NA PONTA NEGRA EM 2009

A CHEIA DO RIO NEGRO EM MANAUS E SEUS IMPACTOS NO CENTRO E NA PONTA NEGRA EM 2009 A CHEIA DO RIO NEGRO EM MANAUS E SEUS IMPACTOS NO CENTRO E NA PONTA NEGRA EM 2009 1. INTRODUÇÃO Diego Lopes Morais 1 1 Graduando em Geografia / Universidade do Estado do Amazonas - UEA Instituto Nacional

Leia mais

As áreas verdes, a permeabilidade do solo e a recarga de aqüíferos

As áreas verdes, a permeabilidade do solo e a recarga de aqüíferos As áreas verdes, a permeabilidade do solo e a recarga de aqüíferos Gestão de Águas Pluviais na RMBH Workshop SME Nilo Nascimento Belo Horizonte, 6 de março de 2012 As áreas verdes, a permeabilidade dos

Leia mais

PLANO DIRETOR DE DRENAGEM URBANA

PLANO DIRETOR DE DRENAGEM URBANA II Seminário Estadual de Saneamento Ambiental PLANO DIRETOR DE DRENAGEM URBANA Prof. Dr. Eng. Civil Adilson Pinheiro Programa de Pós-Graduação em Engenharia Ambiental Departamento de Engenharia Civil UNIVERSIDADE

Leia mais

O que é saneamento básico?

O que é saneamento básico? O que é saneamento básico? Primeiramente, começaremos entendendo o real significado de saneamento. A palavra saneamento deriva do verbo sanear, que significa higienizar, limpar e tornar habitável. Portanto,

Leia mais

APP s Urbanas e o Plano Diretor de Curitiba

APP s Urbanas e o Plano Diretor de Curitiba FRENTE MOBILIZA CURITIBA 1ª Oficina Meio Ambiente e Plano Diretor APP s Urbanas e o Plano Diretor de Curitiba Incidência e Regularização Fundiária de APP s Urbanas na Lei 12.651/12 Prof. Dr. José Gustavo

Leia mais

Proposta para a gestão integrada das áreas de preservação permanente em margens de rios inseridos em áreas urbanas.

Proposta para a gestão integrada das áreas de preservação permanente em margens de rios inseridos em áreas urbanas. Proposta para a gestão integrada das áreas de preservação permanente em margens de rios inseridos em áreas urbanas. Cláudia Regina dos Santos Gerente de Projetos da Secretaria Nacional de Programas Urbanos

Leia mais

cüxyx àâüt `âç v ÑtÄ wx Tvtâû c\

cüxyx àâüt `âç v ÑtÄ wx Tvtâû c\ ATO DE SANÇÃO N.º 003/2010. O PREFEITO DO MUNICÍPIO DE ACAUÃ, ESTADO DO PIAUÍ, no uso de suas atribuições legais, sanciona por meio do presente, o Projeto de Lei do Executivo de N.º 002/2010, Ementa: Dispõe

Leia mais

RECURSOS HÍDRICOS URBANOS - PROPOSTA DE UM MODELO DE PLANEJAMENTO E GESTÃO INTEGRADA E PARTICIPATIVA NO MUNICÍPIO DE MANAUS - AM.

RECURSOS HÍDRICOS URBANOS - PROPOSTA DE UM MODELO DE PLANEJAMENTO E GESTÃO INTEGRADA E PARTICIPATIVA NO MUNICÍPIO DE MANAUS - AM. RECURSOS HÍDRICOS URBANOS - PROPOSTA DE UM MODELO DE PLANEJAMENTO E GESTÃO INTEGRADA E PARTICIPATIVA NO MUNICÍPIO DE MANAUS - AM. Andréa Viviana Waichman* João Tito Borges** INTRODUÇÃO Nas últimas décadas

Leia mais

3.1. Prolongamento da Avenida Jornalista Roberto Marinho via túnel

3.1. Prolongamento da Avenida Jornalista Roberto Marinho via túnel 3. CARACTERIZAÇÃO DOS EMPREENDIMENTOS Este capítulo apresenta as principais características das obras propostas para o prolongamento da Avenida Roberto Marinho via túnel e o Parque Linear com vias locais,

Leia mais

TEXTO PROPOSTO - PLANO DIRETOR DO MUNICÍPIO DE SÃO LUÍS (Lei n.º 4.669/06)

TEXTO PROPOSTO - PLANO DIRETOR DO MUNICÍPIO DE SÃO LUÍS (Lei n.º 4.669/06) TEXTO PROPOSTO - PLANO DIRETOR DO MUNICÍPIO DE SÃO LUÍS (Lei n.º 4.669/06) Título IV DO USO DO SOLO URBANO E RURAL... CAPÍTULO III Do Macrozoneamento... Seção II Do Macrozoneamento Ambiental Art. 26. (Antigo

Leia mais

O sistema ora descrito apresenta as seguintes unidades operacionais:

O sistema ora descrito apresenta as seguintes unidades operacionais: A elevatória apresenta três conjuntos moto-bombas (Foto 3), dos quais dois operam em paralelo, ficando um de reserva, cada um associado a um motor elétrico de 150 cv de potência e recalcando uma vazão

Leia mais

Igarapés de Manaus uma oportunidade de ação intra-urbana Fernanda Magalhaes e Eduardo Rojas

Igarapés de Manaus uma oportunidade de ação intra-urbana Fernanda Magalhaes e Eduardo Rojas Igarapés de Manaus uma oportunidade de ação intra-urbana Fernanda Magalhaes e Eduardo Rojas Resumo Este trabalho toma como base para reflexão uma intervenção na área dos Igarapés de Manaus desenvolvido

Leia mais

Apartamentos, Casas e Terrenos.

Apartamentos, Casas e Terrenos. A Urbanização que de planejamento e sustentabilidade. A Riviera de São Lourenço é uma referência mundial em desenvolvimento urbano sustentável. Seu Sistema de Gestão Ambiental, certificado pela norma ISO

Leia mais

ASSEMBLEIA LEGISLATIVA PROJETO DE LEI Nº 051/2012

ASSEMBLEIA LEGISLATIVA PROJETO DE LEI Nº 051/2012 PROJETO DE LEI Nº 051/2012 Torna obrigatória a adoção de pavimentação ecológica nas áreas que menciona e dá outras providências. A ASSEMBLEIA LEGISLATIVA DO ESTADO DO ESPÍRITO SANTO DECRETA: Artigo 1º

Leia mais

PARQUE LINEAR EM BATAGUASSU/MS COMO PAISAGEM, PLANEJAMENTO E CONTROLE URBANOS

PARQUE LINEAR EM BATAGUASSU/MS COMO PAISAGEM, PLANEJAMENTO E CONTROLE URBANOS 493 PARQUE LINEAR EM BATAGUASSU/MS COMO PAISAGEM, PLANEJAMENTO E CONTROLE URBANOS Brysa Yanara de Mendonça Thomazini 1, Sibila Corral de Arêa Leão Honda 2 1 Discente do curso de Arquitetura e Urbanismo

Leia mais

III - disciplinar a implantação adequada e o funcionamento dos sistemas de coleta, tratamento e disposição de esgotos sanitários;

III - disciplinar a implantação adequada e o funcionamento dos sistemas de coleta, tratamento e disposição de esgotos sanitários; PROJETO DE: EMENDA À LEI ORGÂNICA LEI COMPLEMENTAR LEI ORDINÁRIA RESOLUÇÃO NORMATIVA DECRETO LEGISLATIVO ( X ) Nº /2013 AUTOR/SIGNATÁRIO: Ver. GILBERTO PAIXÃO EMENTA: Dispõe sobre os serviços e obras para

Leia mais

Belo Horizonte, Estado de Minas Gerais, Brasil

Belo Horizonte, Estado de Minas Gerais, Brasil Kit de Treinamento SWITCH 1 Belo Horizonte, Estado de Minas Gerais, Brasil Gestão Integrada das Águas Urbanas: o caso de Belo Horizonte Belo Horizonte é uma das maiores metrópoles do Brasil. Uma grande

Leia mais

Plano Regional Estratégico da Subprefeitura São Miguel - MP

Plano Regional Estratégico da Subprefeitura São Miguel - MP Plano Regional Estratégico da Subprefeitura São Miguel - MP RETORNAR Sumário Título I Das Políticas Públicas Regionais. Capítulo I Da Política de Desenvolvimento Urbano e Ambiental da Região. Capítulo

Leia mais

PARQUE VÁRZEAS TIETÊ

PARQUE VÁRZEAS TIETÊ INTRODUÇÃO PARQUE VÁRZEAS TIETÊ O Programa Parque Várzeas do Tietê (PVT), visa a recuperação da capacidade de contenção de cheias que ocorrem nas várzeas do rio Tietê desde a barragem da Penha até o município

Leia mais

AVALIAÇÃO DE DRENAGEM NA BACIA DO RIO VERRUGA EM VITÓRIA DA CONQUISTA

AVALIAÇÃO DE DRENAGEM NA BACIA DO RIO VERRUGA EM VITÓRIA DA CONQUISTA Porto Alegre/RS 23 a 26/11/2015 AVALIAÇÃO DE DRENAGEM NA BACIA DO RIO VERRUGA EM VITÓRIA DA CONQUISTA UERITON DA COSTA FIGUEIREDO FILHO (*), ORLEANE SOUZA DE BRITO 2, LEONARDO GOMES MARTINS 3, ENDEL DE

Leia mais

Lei nº 10200 DE 08/01/2015

Lei nº 10200 DE 08/01/2015 Lei nº 10200 DE 08/01/2015 Norma Estadual - Maranhão Publicado no DOE em 12 jan 2015 Dispõe sobre a Política Estadual de Gestão e Manejo Integrado de Águas Urbanas e dá outras providências. O Governador

Leia mais

CARTA DAS ÁGUAS DO ACRE 2015

CARTA DAS ÁGUAS DO ACRE 2015 CARTA DAS ÁGUAS DO ACRE 2015 A Carta das Águas do Acre 2015 é o documento resultado do Seminário Água e Desenvolvimento Sustentável realizado pelo Governo do Estado do Acre, através da Secretaria de Estado

Leia mais

Plano de Bairro de Canabrava

Plano de Bairro de Canabrava Plano de Bairro de Canabrava PROGRAMA CATA AÇÃO Coordenador Geral: Antonio Bunchaft Coordenador Local: Moises Leão Gil PLANO DE BAIRRO DE CANABRAVA Equipe Técnica: Ronaldo Silveira Lyrio - Coordenação

Leia mais

ESTADO DO RIO GRANDE DO SUL BRASIL PREFEITURA DE ESTRELA Rua Julio de Castilhos, 380 Centro Estrela/RS Fone: 39811000

ESTADO DO RIO GRANDE DO SUL BRASIL PREFEITURA DE ESTRELA Rua Julio de Castilhos, 380 Centro Estrela/RS Fone: 39811000 PROJETO DE LEI Nº 044-02/2014 Acrescenta dispositivos à Lei Municipal nº 1.621, de 28 de dezembro de 1979, que dispõe sobre os loteamentos e dá outras providências. Art. 1º Além dos dispositivos constantes

Leia mais

BREVES NOTAS SOBRE O PLANEJAMENTO FÍSICO-TERRITORIAL. Prof. Leandro Cardoso Trabalho Integralizador Multidisciplinar 1 (TIM-1) Engenharia Civil

BREVES NOTAS SOBRE O PLANEJAMENTO FÍSICO-TERRITORIAL. Prof. Leandro Cardoso Trabalho Integralizador Multidisciplinar 1 (TIM-1) Engenharia Civil BREVES NOTAS SOBRE O PLANEJAMENTO FÍSICO-TERRITORIAL Prof. Leandro Cardoso Trabalho Integralizador Multidisciplinar 1 (TIM-1) Engenharia Civil PLANEJAMENTO URBANO O planejamento urbano é o processo de

Leia mais

18º Encontro Nacional da ANAMMA

18º Encontro Nacional da ANAMMA 18º Encontro Nacional da ANAMMA Os efeitos do PL de parcelamento do solo no meio ambiente e a gestão de APPs urbanas Cynthia Cardoso Goiânia, agosto/2008 Planejamento? Na perspectiva de planejamento qual

Leia mais

BALNEABILIDADE DA PRAIA DO LAMI (PORTO ALEGRE - RS) NO PERÍODO DE 1990-1996: AVALIAÇÃO DA RECUPERAÇÃO DA QUALIDADE DA ÁGUA

BALNEABILIDADE DA PRAIA DO LAMI (PORTO ALEGRE - RS) NO PERÍODO DE 1990-1996: AVALIAÇÃO DA RECUPERAÇÃO DA QUALIDADE DA ÁGUA BALNEABILIDADE DA PRAIA DO LAMI (PORTO ALEGRE - RS) NO PERÍODO DE 1990-1996: AVALIAÇÃO DA RECUPERAÇÃO DA QUALIDADE DA ÁGUA Maria Mercedes de Almeida Bendati (1) Bióloga, com especialização em Biogeografia

Leia mais

Cidades e Biodiversidade

Cidades e Biodiversidade Cidades e Biodiversidade Curitiba, 26 a 28 de março Ronaldo Vasconcellos Vice-Prefeito de Belo Horizonte Belo Horizonte, capital de Minas Gerais, é uma das maiores cidade do Brasil. BH Fica a 585 Km de

Leia mais

O AGENTE DA MOBILIDADE URBANA NO SISTEMA MUNICIPAL DE DEFESA CIVIL

O AGENTE DA MOBILIDADE URBANA NO SISTEMA MUNICIPAL DE DEFESA CIVIL O AGENTE DA MOBILIDADE URBANA NO SISTEMA MUNICIPAL DE DEFESA CIVIL Autores: Carlos Aparecido de Lima - carlosaparecido@emdec.com.br José Eduardo Vasconcellos - eduardovasconcellos@emdec.com.br Carlos Roberto

Leia mais

VIII EXPOSIÇÃO DE EXPERIÊNCIAS MUNICIPAIS EM SANEAMENTO

VIII EXPOSIÇÃO DE EXPERIÊNCIAS MUNICIPAIS EM SANEAMENTO ASSEMAE VIII EXPOSIÇÃO DE EXPERIÊNCIAS MUNICIPAIS EM SANEAMENTO Título do trabalho O SEMASA E O TRATAMENTO DE ESGOTO NA CIDADE DE SANTO ANDRÉ Nome do Autor ISABEL CRISTINA ALEIXO DIAS CURRÍCULO DO AUTOR

Leia mais

Concepção de instalações para o abastecimento de água

Concepção de instalações para o abastecimento de água Universidade Federal de Ouro Preto Escola de Minas Departamento de Engenharia Civil CIV 640 Saneamento Urbano Concepção de instalações para o abastecimento de água Prof. Aníbal da Fonseca Santiago Universidade

Leia mais

SANEAMENTO EM PORTO ALEGRE

SANEAMENTO EM PORTO ALEGRE SANEAMENTO EM PORTO ALEGRE Julho/2015 Antônio Elisandro de Oliveira Diretor-Geral do Dmae PORTO ALEGRE -RS População (2014): 1.472.482 habitantes PIB Brasil (2014): R$ 5,52 trilhões PIB Brasil (2012) per

Leia mais

Orientações Básicas. feam - FUNDAÇÃO ESTADUAL DO MEIO AMBIENTE

Orientações Básicas. feam - FUNDAÇÃO ESTADUAL DO MEIO AMBIENTE Orientações Básicas P A R A D R E N A G E M U R B A N A Secretaria de Estado de Meio Ambiente e Desenvolvimento Sustentável Fundação Estadual do Meio Ambiente Diretoria de Licenciamento de Infra-Estrutura

Leia mais

IX-078- CONTROLE DE CHEIAS EM VILA FRATERNIDADE (DUQUE DE CAXIAS/RJ) SIMULAÇÃO MATEMÁTICA DE CENÁRIOS DE PROJETO

IX-078- CONTROLE DE CHEIAS EM VILA FRATERNIDADE (DUQUE DE CAXIAS/RJ) SIMULAÇÃO MATEMÁTICA DE CENÁRIOS DE PROJETO IX-078- CONTROLE DE CHEIAS EM VILA FRATERNIDADE (DUQUE DE CAXIAS/RJ) SIMULAÇÃO MATEMÁTICA DE CENÁRIOS DE PROJETO Aline Pires Veról (1) Engenheira Civil pela Escola Politécnica da UFRJ. Mestre em Ciências

Leia mais

baía de guanabara Despoluição e potencialidade como agente integrador da rmrj

baía de guanabara Despoluição e potencialidade como agente integrador da rmrj baía de guanabara Despoluição e potencialidade como agente integrador da rmrj índice Histórico recente dos projetos Vetores de degradação e seus impactos econômicos e sociais Diagnóstico da situação atual

Leia mais

Planejamento na Drenagem Urbana: o caso de Porto Alegre RS

Planejamento na Drenagem Urbana: o caso de Porto Alegre RS Planejamento na Drenagem Urbana: o caso de Porto Alegre RS Prefeitura Municipal de Porto Alegre - PMPA Departamento de Esgotos Pluviais - DEP Dados Gerais do Município de Porto Alegre ~1,4 milhões de habitantes

Leia mais

RELATÓRIO. Tragédia na Região Serrana do Rio de Janeiro após decorridos 6 meses

RELATÓRIO. Tragédia na Região Serrana do Rio de Janeiro após decorridos 6 meses RELATÓRIO Tragédia na Região Serrana do Rio de Janeiro após decorridos 6 meses 1 TRAGÉDIA ANUNCIADA! Após 6 meses decorridos da tragédia na Região Serrana em janeiro/2011, onde morreram mais de 900 pessoas,

Leia mais

A ELABORAÇÃO DO PLANO MUNICIPAL DE SANEAMENTO BÁSICO DE BOMBINHAS ETAPA 2

A ELABORAÇÃO DO PLANO MUNICIPAL DE SANEAMENTO BÁSICO DE BOMBINHAS ETAPA 2 A ELABORAÇÃO DO PLANO MUNICIPAL DE SANEAMENTO BÁSICO DE BOMBINHAS ETAPA 2 SISTEMA DE ABASTECIMENTO DE ÁGUA PROBLEMÁTICA POSSÍVEIS SOLUÇÕES ETAPAS OPORTUNIDADES - Ampliação do atendimento (75% de cobertura);

Leia mais

Plano de Saneamento Básico

Plano de Saneamento Básico Plano de Saneamento Básico Marcelo de Paula Neves Lelis Rio de Janeiro, 09/06/2011 Saneamento Básico A Lei 11.445/07, em seu Art. 3 º, define Saneamento Básico como sendo o conjunto de serviços, infra-estruturas

Leia mais

A INFLUÊNCIA DA PRECIPITAÇÃO NO TRANSPORTE DE SÓLIDOS EM CURSOS D ÁGUA URBANOS: O CASO DO ARROIO DILÚVIO, PORTO ALEGRE (RS), BRASIL*

A INFLUÊNCIA DA PRECIPITAÇÃO NO TRANSPORTE DE SÓLIDOS EM CURSOS D ÁGUA URBANOS: O CASO DO ARROIO DILÚVIO, PORTO ALEGRE (RS), BRASIL* A INFLUÊNCIA DA PRECIPITAÇÃO NO TRANSPORTE DE SÓLIDOS EM CURSOS D ÁGUA URBANOS: O CASO DO ARROIO DILÚVIO, PORTO ALEGRE (RS), BRASIL* Resumo Luiza Gehrke Ryff Moreira 1 A bacia hidrográfica do Arroio Dilúvio

Leia mais

A Construção de um Programa de Revitalização na Bacia do rio São Francisco

A Construção de um Programa de Revitalização na Bacia do rio São Francisco A Construção de um Programa de Revitalização na Bacia do rio São Francisco Antônio Thomaz Gonzaga da Matta Machado Projeto Manuelzão/UFMG Conceito de Revitalização Caráter técnico-científico Legislação

Leia mais

LICENCIAMENTO MATADOUROS

LICENCIAMENTO MATADOUROS LICENÇA PRÉVIA (LP): LICENCIAMENTO MATADOUROS 1. Requerimento; 2. Publicações no diário oficial e jornal de grande circulação; 3. Comprovante de pagamento da taxa de licenciamento; 4. Cadastro do empreendimento

Leia mais

ESTADO DA PARAÍBA PREFEITURA MUNICIPAL DE SANTO ANDRE

ESTADO DA PARAÍBA PREFEITURA MUNICIPAL DE SANTO ANDRE LEI Nº 354/2014 Dispõe sobre a Política Municipal de Saneamento Básico, cria o Conselho Municipal de Saneamento Básico e o Fundo Municipal de Saneamento de Básico, e dá outras providências. A Prefeita

Leia mais

Apresentação da Metodologia da Conferência

Apresentação da Metodologia da Conferência Apresentação da Metodologia da Conferência Objetivos das Conferências? são espaços de diálogo entre o governo e a população Instrumentos de participação popular na construção e acompanhamento de políticas

Leia mais

Tabela 1. Tema Dado Atributo Fonte

Tabela 1. Tema Dado Atributo Fonte Tabela 1 Tema Dado Atributo Fonte 1. Base Cartográfica Básica a. Limites municipais b. Limites Distritais c. Localidades d. Rodovias e Ferrovias d. Rodovias e Ferrovias e. Linhas de Transmissão f. Estações

Leia mais

Riscos de deslizamentos de encostas em áreas urbanas

Riscos de deslizamentos de encostas em áreas urbanas Riscos de deslizamentos de encostas em áreas urbanas Thiago Galvão Geógrafo Desenvolvimento Urbano MINISTÉRIO DAS CIDADES Celso Carvalho Frederico Seabra Leonardo Ferreira Thiago Galvão A resposta necessária

Leia mais

Esgotamento Sanitário

Esgotamento Sanitário CAPÍTULO 14 Esgotamento Sanitário Impacto socioambiental das práticas de esgotamento sanitário 14. 1 Soluções de esgotamento sanitário 14. 2 Modelo de gestão para o saneamento integrado 14. 3 245 14. 1

Leia mais

CURSO DE ESPECIALIZAÇÃO EM GESTÃO AMBIENTAL

CURSO DE ESPECIALIZAÇÃO EM GESTÃO AMBIENTAL CURSO DE ESPECIALIZAÇÃO EM GESTÃO AMBIENTAL Conteúdo Programático 1) Gestão Ambiental e Desenvolvimento Sustentável: Conceitos Básicos (12 h) - Principais questões ambientais no Brasil e no mundo. - Conceitos

Leia mais

USO RACIONAL DA ÁGUA NA AGRICULTURA

USO RACIONAL DA ÁGUA NA AGRICULTURA ASGAM Assessoria de Gestão Ambiental Companhia de Gestão dos Recursos Hídricos COGERH USO RACIONAL DA ÁGUA NA AGRICULTURA Marcos Dantas Gestão Ambiental Pós-graduando em Biodiversidade e Sustentabilidade

Leia mais

PROJETO DE LEI Nº, DE 2014

PROJETO DE LEI Nº, DE 2014 PROJETO DE LEI Nº, DE 2014 (Do Sr. Geraldo Resende) Estabelece a Política Nacional de Captação, Armazenamento e Aproveitamento de Águas Pluviais e define normas gerais para sua promoção. O Congresso Nacional

Leia mais

EDUCAÇÃO AMBIENTAL E GESTÃO DOS RECURSOS HÍDRICOS

EDUCAÇÃO AMBIENTAL E GESTÃO DOS RECURSOS HÍDRICOS EDUCAÇÃO AMBIENTAL E GESTÃO DOS RECURSOS HÍDRICOS EDUCANDO PARA UM AMBIENTE MELHOR Apresentação A Secretaria de Estado do Meio Ambiente e dos Recursos Hídricos do Rio Grande do Norte SEMARH produziu esta

Leia mais

DRENAGEM URBANA SUSTENTÁVEL

DRENAGEM URBANA SUSTENTÁVEL Fabiana Y. Kobayashi 3695130 Flávio H. M. Faggion 4912391 Lara M. Del Bosco 4913019 Maria Letícia B. Chirinéa 4912241 Marília Fernandes 4912683 DRENAGEM URBANA SUSTENTÁVEL escola politécnica - USP Novembro

Leia mais

CAF: Um banco de desenvolvimento ao serviço da água na América Latina

CAF: Um banco de desenvolvimento ao serviço da água na América Latina CAF: Um banco de desenvolvimento ao serviço da água na América Latina Apoio financeiro e técnico no setor água O CAF apoia os esforços que os países da região realizam para garantir que toda a população

Leia mais

INSTITUTO BRASILEIRO DE GEOGRAFIA E ESTATÍSTICA - IBGE

INSTITUTO BRASILEIRO DE GEOGRAFIA E ESTATÍSTICA - IBGE Atlas de saneamento Presidente da República Luiz Inácio Lula da Silva Ministro do Planejamento, Orçamento e Gestão Guido Mantega INSTITUTO BRASILEIRO DE GEOGRAFIA E ESTATÍSTICA - IBGE Presidente Eduardo

Leia mais

Porque é assim que a vida deve ser.

Porque é assim que a vida deve ser. A Urbanização que de planejamento e sustentabilidade. A Riviera de São Lourenço é uma referência mundial em desenvolvimento urbano sustentável. Seu Sistema de Gestão Ambiental, certificado pela norma ISO

Leia mais

III Conferência Municipal de Política Urbana ESTUDOS URBANOS Transformações recentes na estrutura urbana

III Conferência Municipal de Política Urbana ESTUDOS URBANOS Transformações recentes na estrutura urbana III Conferência Municipal de Política Urbana ESTUDOS URBANOS Transformações recentes na estrutura urbana PBH/SMURBE Núcleo de Planejamento Urbano da Secretaria Municipal de Políticas Urbanas de Belo Horizonte

Leia mais

IMPLANTAÇÃO DE AÇÕES PREVISTAS PELO PLANO DIRETOR DE DRENAGEM URBANA DE PORTO ALEGRE

IMPLANTAÇÃO DE AÇÕES PREVISTAS PELO PLANO DIRETOR DE DRENAGEM URBANA DE PORTO ALEGRE IMPLANTAÇÃO DE AÇÕES PREVISTAS PELO PLANO DIRETOR DE DRENAGEM URBANA DE PORTO ALEGRE 1) INTRODUÇÃO A cidade de Porto Alegre, capital do estado do Rio Grande do Sul, tem aproximadamente 1.300.000 habitantes

Leia mais

CONSTRUINDO CONHECIMENTO EM BUSCA DA CONVIVÊNCIA PACÍFICA E CONSCIENTE ENTRE A POPULAÇÃO E O ARROIO PASSO FUNDO, MUNICÍPIO DE GUAÍBA, RS

CONSTRUINDO CONHECIMENTO EM BUSCA DA CONVIVÊNCIA PACÍFICA E CONSCIENTE ENTRE A POPULAÇÃO E O ARROIO PASSO FUNDO, MUNICÍPIO DE GUAÍBA, RS CONSTRUINDO CONHECIMENTO EM BUSCA DA CONVIVÊNCIA PACÍFICA E CONSCIENTE ENTRE A POPULAÇÃO E O ARROIO PASSO FUNDO, MUNICÍPIO DE GUAÍBA, RS Jarbas Teixeira Cruz 1 & Teresinha Guerra 2 1 Escola Estadual de

Leia mais

SANEAMENTO - DESAFIOS ÀREAS: RURAL e URBANA

SANEAMENTO - DESAFIOS ÀREAS: RURAL e URBANA SANEAMENTO - DESAFIOS ÀREAS: RURAL e URBANA Caxias do Sul Rio Grande do Sul 96 km POA região nordeste, altitude média 760 m População: 404.187 hab.ibge 2010 território: 165.731,00 ha; urbano: 13.344,00

Leia mais

AVALIAÇÃO DE RISCO DE ALAGAMENTO NO SETOR HABITACIONAL VICENTE PIRES.

AVALIAÇÃO DE RISCO DE ALAGAMENTO NO SETOR HABITACIONAL VICENTE PIRES. AVALIAÇÃO DE RISCO DE ALAGAMENTO NO SETOR HABITACIONAL VICENTE PIRES. Taynara Messias Pereira da Cunha Universidade Católica de Brasília, graduanda em Engenharia Ambiental. Com experiência em resíduos

Leia mais

Carta Regional dos Municípios de Itaguaí, Mangaratiba, Seropédica e Rio de Janeiro.

Carta Regional dos Municípios de Itaguaí, Mangaratiba, Seropédica e Rio de Janeiro. Carta Regional dos Municípios de Itaguaí, Mangaratiba, Seropédica e Rio de Janeiro. Nós, membros do poder público, usuários e sociedade civil organizada, estudantes e profissionais da educação, reunidos

Leia mais

REVITALIZAÇÃO DO RIO SÃO FRANCISCO METAS E RESULTADOS

REVITALIZAÇÃO DO RIO SÃO FRANCISCO METAS E RESULTADOS REVITALIZAÇÃO DO RIO SÃO FRANCISCO METAS E RESULTADOS Localização da Bacia do Rio São Francisco 13 milhões de habitantes 8% da população do País 8% 503 municípios 7 Unidades da Federação: Bahia (48,0%

Leia mais

PERGUNTAS E RESPOSTAS SANEAMENTO

PERGUNTAS E RESPOSTAS SANEAMENTO MINISTÉRIO DAS CIDADES SECRETARIA NACIONAL DE SANEAMENTO AMBIENTAL PROGRAMA DE ACELERAÇÃO DO CRESCIMENTO PAC 2 SELEÇÃO 2013 ABASTECIMENTO DE ÁGUA E ESGOTAMENTO SANITÁRIO PERGUNTAS E RESPOSTAS SANEAMENTO

Leia mais

Gestão das Águas Pluviais no Meio Urbano

Gestão das Águas Pluviais no Meio Urbano Gestão das Águas Pluviais no Meio Urbano PROF. DR. JOSÉ RODOLFO SCARATI MARTINS ESCOLA POLITÉCNICA UNIVERSIDADE DE SÃO PAULO A CIDADE É O GRANDE VILÃO AMBIENTAL Grandes demandas concentradas sobre uma

Leia mais

Erosão e Voçorocas. Curso: Arquitetura e Urbanismo Disciplina: Estudos Ambientais Professor: João Paulo Nardin Tavares

Erosão e Voçorocas. Curso: Arquitetura e Urbanismo Disciplina: Estudos Ambientais Professor: João Paulo Nardin Tavares Erosão e Voçorocas Curso: Arquitetura e Urbanismo Disciplina: Estudos Ambientais Professor: João Paulo Nardin Tavares O que é erosão? A erosão caracteriza-se pela abertura de enormes buracos no chão pela

Leia mais

recuperação ambiental de áreas rurais e periurbanas - Projeto Piloto da Câmara Técnica de Comunidades

recuperação ambiental de áreas rurais e periurbanas - Projeto Piloto da Câmara Técnica de Comunidades Uso de efluentes de tratamento de esgotos para a recuperação ambiental de áreas rurais e periurbanas - Projeto Piloto da Câmara Técnica de Comunidades Isoladas VI SEMINÁRIO NACIONAL DE SANEAMENTO RURAL

Leia mais

3º Congresso Científico do Projeto SWITCH. Belo Horizonte, MG, Brasil 30 de novembro a 04 de dezembro

3º Congresso Científico do Projeto SWITCH. Belo Horizonte, MG, Brasil 30 de novembro a 04 de dezembro 3º Congresso Científico do Projeto SWITCH Belo Horizonte, MG, Brasil 30 de novembro a 04 de dezembro Gestão Integrada de Águas Urbanas em Diferentes Escalas Territoriais: a Cidade e a Bacia Hidrográfica

Leia mais

DECRETO Nº 1.752, DE 06 DE MAIO DE 1996.. O GOVERNADOR DO ESTADO DO PARANÁ, no uso de suas atribuições legais e

DECRETO Nº 1.752, DE 06 DE MAIO DE 1996.. O GOVERNADOR DO ESTADO DO PARANÁ, no uso de suas atribuições legais e DECRETO Nº 1.752, DE 06 DE MAIO DE 1996. Súmula: Instituída a Área de Proteção Ambiental na área de manancial da bacia hidrográfica do rio Pequeno, denominada APA Estadual do Pequeno.. O GOVERNADOR DO

Leia mais

INOVAÇÕES TECNOLÓGICAS NA SENSIBILIZAÇÃO DE MORADORES, UMA PROPOSTA A SER APLICADA PARA A PRESERVAÇÃO DO CÓRREGO CAQUENTE, OURO PRETO- MINAS GERAIS

INOVAÇÕES TECNOLÓGICAS NA SENSIBILIZAÇÃO DE MORADORES, UMA PROPOSTA A SER APLICADA PARA A PRESERVAÇÃO DO CÓRREGO CAQUENTE, OURO PRETO- MINAS GERAIS INOVAÇÕES TECNOLÓGICAS NA SENSIBILIZAÇÃO DE MORADORES, UMA PROPOSTA A SER APLICADA PARA A PRESERVAÇÃO DO CÓRREGO CAQUENTE, OURO PRETO- MINAS GERAIS ALVES, Kerley dos Santos Alves 1 SOUZA, Maria Aparecida

Leia mais

CAPÍTULO III Do Meio Ambiente. Seção I Da Política Ambiental

CAPÍTULO III Do Meio Ambiente. Seção I Da Política Ambiental CAPÍTULO III Do Meio Ambiente Seção I Da Política Ambiental Art. 1º - São objetivos das políticas públicas para o Meio Ambiente: I - implementar as diretrizes contidas na Política Nacional do Meio Ambiente,

Leia mais

O TRATAMENTO DOS ESGOTOS DOMÉSTICOS E A ATUAÇÃO DO MINISTÉRIO PÚBLICO: Ana Maria Moreira Marchesan, Promotora de Justiça.

O TRATAMENTO DOS ESGOTOS DOMÉSTICOS E A ATUAÇÃO DO MINISTÉRIO PÚBLICO: Ana Maria Moreira Marchesan, Promotora de Justiça. O TRATAMENTO DOS ESGOTOS DOMÉSTICOS E A ATUAÇÃO DO MINISTÉRIO PÚBLICO: Ana Maria Moreira Marchesan, Promotora de Justiça. Águas e Escassez a crise planetária A quantidade total de água na terra é de 1.386

Leia mais

TEXTOS PARA DISCUSSÃO CEPAL IPEA

TEXTOS PARA DISCUSSÃO CEPAL IPEA TEXTOS PARA DISCUSSÃO CEPAL IPEA 48 Gestão da Drenagem Urbana Carlos E. M. Tucci TEXTOS PARA DISCUSSÃO CEPAL IPEA LC/BRS/R.274 48 Gestão da drenagem urbana Carlos E. M. Tucci Comissão Econômica para a

Leia mais

MEIO AMBIENTE CARTA AMBIENTAL DE GOIÂNIA

MEIO AMBIENTE CARTA AMBIENTAL DE GOIÂNIA CARTA AMBIENTAL DE GOIÂNIA Documento referendado pela plenária da I Conferência Municipal de Meio Ambiente de Goiânia. O momento mais importante de qualquer reflexão sobre os problemas de uma cidade é

Leia mais

UNIVERSIDADE FEDERAL DE PELOTAS - UFPEL CENTRO DE ENGENHARIAS - CENG DISCIPLINA: SISTEMAS URBANOS DE ÁGUA E ESGOTO

UNIVERSIDADE FEDERAL DE PELOTAS - UFPEL CENTRO DE ENGENHARIAS - CENG DISCIPLINA: SISTEMAS URBANOS DE ÁGUA E ESGOTO UNIVERSIDADE FEDERAL DE PELOTAS - UFPEL CENTRO DE ENGENHARIAS - CENG DISCIPLINA: SISTEMAS URBANOS DE ÁGUA E ESGOTO SISTEMAS DE ESGOTO SANITÁRIO Prof. Hugo Alexandre Soares Guedes E-mail: hugo.guedes@ufpel.edu.br

Leia mais

4. TIPOLOGIAS DE INFRAESTRUTURA VERDE PARA A ESCALA LOCAL

4. TIPOLOGIAS DE INFRAESTRUTURA VERDE PARA A ESCALA LOCAL 141 4. TIPOLOGIAS DE INFRAESTRUTURA VERDE PARA A ESCALA LOCAL Este capítulo se destina a apresentação de algumas tipologias multifuncionais de infraestrutura verde que podem ser aplicadas à área de estudo

Leia mais

Arborização no contexto do planejamento urbano

Arborização no contexto do planejamento urbano Arborização no contexto do planejamento urbano Eng. Florestal Edinilson dos Santos Prefeitura de Belo Horizonte Dr. Edinilson dos Santos Araçuaí - MG, 20 de maio de 2015 Prefeitura Municipal de Belo Horizonte

Leia mais

Gráfico 1 Gráfico indicador GRMD ISP13 fonte: RG disponíveis no site do PNQS

Gráfico 1 Gráfico indicador GRMD ISP13 fonte: RG disponíveis no site do PNQS ORGANOGRAMA A. A OPORTUNIDADE A.1 Qual foi a oportunidade de melhoria de gestão (problema, desafio, dificuldade), solucionada pela prática de gestão implementada? Desde 1999, a OC utiliza o Modelo de Excelência

Leia mais