3. REQUISITOS PARA AS PROPOSTAS DE PROJETO

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "3. REQUISITOS PARA AS PROPOSTAS DE PROJETO"

Transcrição

1 TRACTEBEL ENERGIA PROGRAMA DE PESQUISA E DESENVOLVIMENTO CHAMADA 2015 Em conformidade com a Lei n o de 24 de julho de 2000, a Tractebel Energia investe anualmente em projetos de Pesquisa e Desenvolvimento (P&D) executados em parceria com Instituições de Ensino e Pesquisa e Empresas. 1. 0BOBJETIVO O objetivo deste documento é divulgar os requisitos mínimos e apresentar instruções para nortear a elaboração de propostas de projetos de P&D a serem submetidas à Tractebel Energia em 2015, dentro das condições estabelecidas pela Agência Nacional de Energia Elétrica (ANEEL) no Manual do Programa de Pesquisa e Desenvolvimento Tecnológico do Setor Elétrico edição 2012 de 4 de outubro de 2012, disponível no site da ANEEL (http://www.aneel.gov.br). Ressalta-se que o conteúdo desta Chamada e o Manual de P&D da ANEEL 2012 são complementares, de modo que as propostas de projeto devem ser elaboradas de acordo com as diretrizes contidas nestes dois documentos. 2. 1BINSTITUIÇÕES APTAS A PARTICIPAR Segundo o Manual de P&D da ANEEL, os projetos de P&D podem ser desenvolvidos: - Pelas próprias Empresas do Setor Elétrico - Cooperativamente entre duas ou mais Empresas do Setor Elétrico - Com instituições públicas ou privadas de ensino e/ou de pesquisa - Com empresas de consultoria - Com empresas fabricantes de materiais e equipamentos Em conformidade com a Lei n o 9.991/2000, a participação de instituições públicas ou privadas de ensino ou de pesquisa é limitada àquelas nacionais, reconhecidas pelo Ministério da Ciência e Tecnologia (MCT) e/ou credenciadas pelo Ministério da Educação (MEC). Empresas de consultoria, fabricantes de materiais e equipamentos poderão participar como Entidades Executoras desde que sejam empresas nacionais, assim, no caso de empresas originariamente estrangeiras, estas necessariamente deverão estar estabelecidas também no Brasil. 3. REQUISITOS PARA AS PROPOSTAS DE PROJETO 3.1 ÁREAS DE INTERESSE - Os temas e subtemas de interesse para o desenvolvimento de projetos de P&D no Setor de Energia Elétrica estão disponíveis no site da ANEEL através do seguinte link: 1

2 - Ressalta-se que os temas e subtemas indicados não são exaustivos. É possível, portanto, a existência de projetos que envolvam mais de um tema ou que apresentem temas transversais, hipótese em que se deve optar, no enquadramento da proposta de projeto, pelo tema predominante. - Destaca-se que a Tractebel Energia é uma empresa de geração de energia e, portanto, projetos com aplicação em distribuidoras e transmissoras não são aplicáveis no Programa de P&D da Companhia. 3.2 ITENS FINANCIÁVEIS As despesas permitidas no âmbito dos programas anuais de P&D da ANEEL são aquelas relacionadas com a execução dos projetos, as quais são classificadas em rubricas descritas a seguir. a) Recursos Humanos (RH): Pessoal da equipe necessário para execução dos trabalhos de modo alcançar os objetivos e resultados esperados do projeto. Deverão sempre ser previstos os valores brutos de cada membro de equipe, os quais deverão, no caso de CLT, contemplar todos os encargos trabalhistas, seguros, entre outros. As horas alocadas para cada membro da equipe estão limitadas ao tempo comprovadamente dedicado ao projeto, não devendo exceder 176 h/mês. b) Serviços de Terceiros (ST): Serviços prestados por pessoas físicas ou jurídicas contratadas para realizar parte dos objetivos de um projeto, tais como a construção e testes de protótipos e plantas piloto, a fabricação de cabeças de série e de lote pioneiro e estudos de mercado e a instalação e/ou manutenção de laboratórios. Os serviços de terceiros deverão ser detalhados quanto a sua especificação e necessidade. c) Materiais de Consumo (MC): Materiais de consumo para a execução do projeto, tais como material gráfico e de processamento de dados, material para fotografia, material para instalação elétrica e de telecomunicações, material químico e outros bens perecíveis. Os materiais de consumo deverão ser detalhados quanto a sua especificação e necessidade. d) Materiais Permanentes e Equipamentos (MP): Materiais permanentes e equipamentos para a execução do projeto, tais como computador, software, impressora, scanner, material bibliográfico, ferramentas e utensílios de laboratório e oficinas, dispositivos e/ou equipamentos eletroeletrônicos e de informática. Os materiais permanentes e equipamentos deverão ser detalhados quanto a sua especificação e utilização. e) Viagens e Diárias (VD): Viagens e diárias vinculadas às atividades do projeto, tais como passagens, taxas de embarque, locação ou uso de veículos, taxis e diárias (hospedagem e refeições). As viagens e diárias deverão ser detalhadas quanto a sua especificação e necessidade, e somente serão consideradas como gastos do projeto de P&D se realizadas por membros da equipe do projeto. 2

3 f) Outros (OU): Serviços de registro de patentes, comunicação, impressão, encadernação, fretes, locação de equipamentos, produção de vídeo técnico. Taxas de inscrição para participação de membros da equipe técnica do projeto em eventos (congressos, simpósios, conferências, etc.) e custeio de cursos de pós-graduação, relacionados ao tema do projeto. Taxas para administração do projeto e taxa de mobilização da infraestrutura existente da executora. 3.3 ITENS NÃO FINANCIÁVEIS São apresentados abaixo, a título de exemplo, itens que estão excluídos da cobertura pelos recursos de P&D, ficando a critério da Coordenação de P&D da Tractebel Energia avaliar os casos omissos: a) Custos relativos ao pagamento de profissionais em níveis não compatíveis com o mercado. b) Viagens sem justificativas e sem retorno técnico para o projeto ou de pessoas que não fazem parte da equipe de projeto. c) Obras civis na entidade de pesquisa que não sejam pertinentes / relacionadas diretamente com as necessidades técnicas do projeto de P&D. d) Móveis, tais como mesas, cadeiras, armários, aparelhos de ar condicionado, etc. e) Cobrança de aluguel pelo uso do espaço físico da entidade de pesquisa. f) Pagamento de secretárias, serventes, etc. ou de qualquer outro profissional que não tenha participação direta na pesquisa. g) Pagamento de contas de água, luz ou telefone. h) Toda e qualquer despesa de ordem pessoal ou coletiva não prevista e que não contribua para os resultados do projeto. i) Taxa de administração para Entidades Executoras que não sejam centros de pesquisa e fundações ligadas às instituições de ensino e/ou pesquisa. j) Demais despesas não previstas no projeto. 3.4 DIRETRIZES GERAIS EQUIPE Todos os participantes da equipe do projeto de P&D, seja Gerente de Projeto, Coordenador de Projeto ou demais componentes do corpo de pesquisadores e de especialistas, bem como técnicos administrativos da equipe designada para um projeto, deverão ter seu currículo cadastrado no Sistema Eletrônico de Currículos da Plataforma Lattes do CNPq, que pode ser acessado no endereço eletrônico: Além de ser uma exigência da ANEEL, o currículo Lattes possibilitará a análise curricular por meio eletrônico, sendo dispensado o envio de currículos impressos ou eletronicamente. A inexistência de cadastramento de currículos na Plataforma Lattes impossibilita a avaliação da qualificação técnica da equipe e consequentemente a aprovação do projeto. É limitado a 2 (dois) projetos a participação simultânea de pesquisadores das Entidades Executoras nos projetos da Tractebel Energia visando manter a qualidade técnica e um ritmo adequado das atividades. Cada projeto deverá ter um Gerente de Projeto que, obrigatoriamente, deve ser um empregado da Tractebel Energia. Ele será responsável pelo gerenciamento do projeto junto à(s) Entidade(s) Executora(s). 3

4 Sempre que possível, deve-se prever a participação de outros empregados da Tractebel Energia no projeto, além do Gerente de Projeto. Este item não deve ser considerado de menor importância, visto que para a ANEEL, é o indicativo de que a empresa está comprometida com o desenvolvimento do projeto e que haverá transferência intelectual a vários empregados da empresa de energia elétrica. A participação de pesquisadores estrangeiros, caso ocorra, deverá ser por meio de contratação direta pelas Entidades Executoras nacionais, sendo obrigatória a realização das atividades do projeto no Brasil. Não serão aceitos projetos com a contratação de Entidades Executoras que sejam empresas estrangeiras que não estejam estabelecidas no Brasil e de pesquisadores que não residam no país. Quando o produto final ou ferramenta significativa do desenvolvimento for um software, o projeto deve prever a participação (e anuência) de pelo menos um funcionário do Departamento de Informática (DSI) da Tractebel Energia. Recomenda-se que os custos de RH das Entidades Executoras não ultrapassem 40% do custo total do projeto pertinente às Entidades Executoras (ou seja, excluindo-se os custos da Tractebel Energia e empresas Cooperadas). Os valores previstos para homem/hora e dedicação mensal serão avaliados caso a caso conforme valores de mercado. Deve-se atentar quanto à titulação correta a ser informada na proposta de projeto: - Doutor: doutorado concluído - Mestre: mestrado concluído ou doutorando - Especialista: pós-graduação concluída - Superior: graduação concluída ou mestrando - Técnico: curso técnico concluído ou graduação em andamento QUALIFICAÇÃO E TREINAMENTOS Deve-se prever na proposta de projeto o pagamento de ART (CREA), licenças ou similares. No caso de acesso a áreas de espaço energizado e confinado, prever o recurso para treinamento na NR33 - Segurança e Saúde nos Trabalhos em Espaço Confinado, sendo indispensável o certificado de comprovação de capacitação dos envolvidos na atividade, conforme estabelece a referida Norma Regulamentadora. No caso de serviços em instalações elétricas e serviços com eletricidade, prever o recurso para treinamento na NR10 - Segurança em Instalações e Serviços em Eletricidade, sendo indispensável o certificado de comprovação de capacitação dos envolvidos na atividade, conforme estabelece a referida Norma Regulamentadora. Os custos destinados à realização de cursos de pós-graduação, exclusivos aos empregados da Tractebel Energia, serão reconhecidos como despesas de projeto de P&D, desde que a monografia, dissertação ou tese esteja vinculada ao projeto. O custeio será limitado ao período de execução do projeto. 4

5 3.4.3 PREVISÃO DE ITENS DE RECURSO Cada projeto deverá discriminar os custos relativos à Taxa de Administração e Taxa de Mobilização de Infraestrutura Existente considerando os limites máximos permitidos pelo Manual da ANEEL conforme abaixo indicado: Taxa de Administração (fundação): Até 5% do recurso do projeto destinado à Entidade Executora Taxa de Mobilização da Infraestrutura Existente: Até 5% do recurso do projeto destinado à Entidade Executora Cabe destacar que no caso de Entidades Executoras que sejam entidades com fins lucrativos, a Taxa de Administração do projeto não está autorizada e a Taxa de Mobilização da Infraestrutura Existente poderá ser prevista somente quando comprovada a existência de infraestrutura mínima e adequada que justifique o pagamento da taxa. Será obrigatória a emissão de nota fiscal para comprovação de despesas. Dessa maneira, deverão ser avaliados/ considerados os impostos incidentes relativos aos valores recebidos pelas Entidades Executoras. Todas as propostas devem prever verba para a elaboração de um vídeo técnico de até 5 min ao final do projeto, apresentando a identificação do projeto (título, número ANEEL, equipe), motivos da pesquisa, metodologia e resultados alcançados. O vídeo deve ter caráter técnico e não de divulgação institucional ou comercial e deve ser elaborado pela Entidade Executora. Caso a Entidade Executora opte por subcontratar o serviço, este recurso deve ser alocado na rubrica Outros. Será obrigatório o pagamento de seguro de vida aos pesquisadores da Entidade Executora quando estes não o possuírem. Deverão ser previstos seguros contra danos e riscos aos quais possam estar sujeitos os recursos e as instalações do projeto. Caso o produto a ser desenvolvido no projeto, independente da categoria de fase dentro da cadeia de inovação (ver capítulo 6 Conceitos desta Chamada), tenha possibilidade de exploração comercial, poderão ser previstas despesas voltadas para a realização de estudos de mercado, com vistas à produção industrial ou à comercialização. Cabe ressaltar que custos destinados à promoção e marketing não serão aceitos como despesas de projetos de P&D, exceto quando o projeto se enquadrar na fase Inserção no Mercado. Os recursos destinados à participação de membros da equipe em eventos internacionais realizados no exterior (taxa de inscrição, passagens e diárias) serão exclusivos para o apresentador do trabalho e desde que o trabalho / artigo seja resultado do projeto. A autorização para submissão e apresentação dos trabalhos deverá, obrigatoriamente, ser feita pelo Gerente de Projeto. Os custos correspondentes devem constar nos itens de recursos da Tractebel Energia, a qual emitirá os bilhetes aéreos, ao invés da Entidade Executora. Recursos com custo unitário igual ou superior a R$ ,00 devem estar obrigatoriamente acompanhados do orçamento básico e especificação técnica como anexo da proposta de projeto. A não apresentação destes documentos no 5

6 momento da submissão inviabiliza a análise de razoabilidade técnica e econômica dos recursos e, portanto, impossibilita a avaliação e aprovação da proposta. No caso de Entidades Executoras que não possam usufruir dos benefícios da Lei nº 8.010, de 29 de março de 1990 (tais como empresas e fabricantes de equipamentos), os custos de máquinas, equipamentos, aparelhos e instrumentos importados devem ser previstos sempre considerando a incidência de impostos conforme legislação PROPRIEDADE INTELECTUAL De acordo com o Manual de P&D da ANEEL edição 2012, os direitos de Propriedade Intelectual resultantes dos projetos de P&D deverão ser divididos proporcionalmente ao investimento proveniente do Programa de P&D da ANEEL. Dessa forma, a propriedade intelectual (PI) será negociada caso a caso, tendo como base a seguinte equação: Onde: PI: propriedade intelectual (%) F: recurso financeiro aportado (%) C: valor agregado do conhecimento (%) n: de 1 até o número de entidades participantes no projeto (Empresa Proponente, Empresas Cooperadas e Entidades Executoras) No caso da(s) Empresa(s) Cooperada(s) e no caso da Entidade Executora que compreender uma entidade com fins lucrativos, estas deverão necessariamente fornecer uma contrapartida financeira, seja na forma de Recursos Humanos, Materiais Permanentes e Equipamentos ou Materiais de Consumo necessários à execução do projeto, a qual justifique o compartilhamento da propriedade intelectual. Quando do aporte financeiro, também será considerado o conhecimento na negociação dos direitos de PI. A ausência desta contrapartida financeira implica o não direito a nenhuma parcela da propriedade intelectual, não podendo ser considerado apenas o valor agregado do conhecimento já existente quando do início da parceria. No caso da Entidade Executora compreender uma instituição de ensino e/ou pesquisa sem fins lucrativos, não será exigido o aporte de recurso financeiro e também será considerado o conhecimento na negociação dos direitos de propriedade intelectual. Caso o projeto de P&D abranja a possibilidade de geração de um produto de escala comercial, o pagamento de royalties deverá ser negociado caso a caso entre as partes antes da aprovação do projeto. A proposta de projeto com possibilidade de geração de patente industrial terá prioridade na escolha, e os custos com o pedido de depósito da mesma poderão ser previstos na proposta de projeto na rubrica Outros da aba da Tractebel Energia (ver item 3.2 Itens Financiáveis). No caso de intenção / expectativa de depósito de uma patente a partir dos resultados esperados para o projeto, é necessária a realização de busca de 6

7 anterioridade no INPI e outras bases preferencialmente antes da submissão, apresentando o resultado da busca no campo Pesquisa Correlata da proposta de projeto GERAL Todos os projetos devem conter um estudo de viabilidade econômica, no qual se evidencie o retorno dos investimentos para a Tractebel Energia, com base no custo total do projeto, e o tempo esperado de retorno do investimento. Quando não for possível mensurar tais benefícios, deve-se justificar de forma consistente a razoabilidade do investimento previsto para a execução do projeto. Este estudo deve ser pautado com fins de estimar ganhos para a empresa advindos da implantação dos resultados do projeto, impacto na tarifa ou nas atividades desenvolvidas pelos consumidores, redução de custos inerentes aos serviços prestados pela empresa, aumento da qualidade de vida dos consumidores na área de atuação da empresa, entre outros. Não é permitida a inclusão de etapas no projeto que consistam de atividades intrínsecas a um projeto de pesquisa e desenvolvimento, tais como elaboração dos relatórios quadrimestrais e finais, gestão do projeto, dentre outros. Deve-se prever na proposta do projeto uma etapa denominada Transferência de Resultados, ressaltando a transferência de tecnologia e mostrando de que forma esta transferência será feita (realização de reuniões, palestras e treinamento; elaboração de manuais; produção de vídeos, entre outros). Deve-se atentar para o número máximo de submissões de uma mesma proposta de projeto. Ela poderá ser submetida no máximo em 2 (duas) chamadas de projetos. Caso haja uma terceira submissão, a proposta de projeto estará automaticamente reprovada. Projetos não caracterizados como P&D: projetos técnicos ou de engenharia, cujas atividades estejam associadas ao dia-a-dia das empresas, consultorias e fabricantes de equipamentos; tais como estudos de viabilidade econômica, levantamento de dados, aquisição de sistemas e equipamentos (desvinculada de projetos de P&D), adaptação de software ou implementação de pesquisas e desenvolvimentos já realizados. Igualmente, a formação e capacitação de recursos humanos próprios e de terceiros, desvinculadas de projeto específico, não serão aceitos como investimentos em projetos de P&D. Também a implantação de projetos de P&D já realizados ou em execução, excluídos os casos de cabeça-de-série, lote pioneiro e inserção no mercado; projetos de gestão empresarial consistindo no desenvolvimento de técnicas de gestão, avaliação e conjunto de ferramentas concebidas para otimizar a gestão administrativa. Os equipamentos adquiridos com recursos de P&D por Entidade Executora pública ou privada, desde que sem fins lucrativos, por meio de recursos repassados pela Tractebel Energia, cujas notas fiscais de compras forem emitidas em nome da(s) Entidade(s) Executora(s), comporão seu patrimônio sem necessidade de anuência da ANEEL e da Tractebel Energia. No caso de empresas do Setor Elétrico participantes do projeto (Cooperadas) ou Entidades Executoras que compreendam instituições com fins lucrativos, a doação de equipamentos adquiridos pelas mesmas com recursos de P&D é definida pela ANEEL após solicitação encaminhada ao final do projeto. Cabe destacar que neste caso a Tractebel Energia se reserva o direto do não encaminhamento do 7

8 pedido de doação caso ela entenda que a doação à Entidade Executora em questão não é a destinação mais adequada. 4. CRONOGRAMA PREVISTO As datas abaixo (*) se referem ao prazo limite para a submissão das propostas de projeto previamente negociadas e cadastradas no Portal PeD Recebimento de novas propostas pelo Portal WEB de P&D Cancelada 2016 Recebimento de novas propostas pelo Portal WEB de P&D Até 02 de Maio (*) A TRACTEBEL ENERGIA RESERVA-SE O DIREITO DE ALTERAR O CRONOGRAMA PREVISTO SEM AVISO PRÉVIO. 5. PROCEDIMENTOS 5.1 APRESENTAÇÃO DE RESUMO PRELIMINAR E SUBMISSÃO DAS PROPOSTAS - O primeiro passo é realizar um contato preliminar com a Coordenação do Programa de P&D da Tractebel Energia através do para encaminhar um resumo da proposta de projeto para pré-avaliação. Os resumos de propostas de projeto podem ser apresentados à Tractebel Energia em qualquer época do ano. - Cabe destacar que o procedimento de envio de resumo preliminar se aplica também aos pesquisadores das Entidades Executoras que já possuam login de acesso ao Portal WEB de P&D, não devendo estes cadastrar as propostas diretamente no sistema sem que tenha ocorrido esse contato prévio. Propostas que eventualmente tenham sido cadastradas no Portal PeD sem o envio prévio do resumo preliminar para pré-avaliação não serão consideradas no processo de seleção. - O resumo preliminar da proposta de projeto deverá ter de 2 a 3 páginas e conter de forma clara e objetiva os seguintes aspectos: em que consiste o projeto, ou seja, qual é o produto final a ser entregue; qual é a originalidade / inovação tecnológica (critério eliminatório da ANEEL) e quais são a aplicabilidade e benefícios diretos dos resultados técnicos do projeto para a Tractebel Energia. - Tão logo a Entidade Executora receba um parecer favorável para a avaliação preliminar do resumo da proposta de projeto e a indicação de um Gerente de Projeto por parte da Tractebel Energia, poderá ser iniciado o processo de estruturação, detalhamento e negociação da proposta de projeto entre o Coordenador e o Gerente de Projeto, bem como cadastro da proposta no Portal WEB de P&D. - Caberá ao Coordenador de Projeto solicitar o login de acesso ao Portal WEB de P&D (http://ped.tractebelenergia.com.br/) para cadastro da proposta conjuntamente com o Gerente de Projeto. Cabe destacar que este login de acesso será concedido somente após o resumo ter sido avaliado positivamente e será destinado ao Coordenador de Projeto. - Caberá ao Coordenador de Projeto providenciar o preenchimento do Questionário Avaliação Entidades e Projetos disponível no site da Tractebel Energia. Cada 8

9 Entidade Executora envolvida no projeto deverá preencher seu respectivo formulário separadamente. Este formulário constitui documento obrigatório a ser anexado na aba Conclusão da proposta de projeto no Portal WEB de P&D. A submissão de propostas de projeto sem o(s) formulário(s) implicará a sua desclassificação automática. - A Entidade Executora deve dedicar tempo suficiente na elaboração da proposta de projeto de modo que ela seja tecnicamente consistente, bem como na sua negociação com a Tractebel Energia de modo que ela esteja alinhada com os interesses da Companhia e possa ser adequadamente compreendida, aumentando suas chances de aprovação. A submissão precipitada de proposta de projeto não bem estruturada e consolidada invariavelmente resultará na sua reprovação e pode comprometer avaliações futuras de projetos da mesma equipe. - As propostas de projeto deverão ser submetidas conforme cronograma de submissão. Todos os projetos submetidos após a data estipulada no cronograma serão automaticamente incorporados na Chamada de P&D seguinte. 5.2 SELEÇÃO E JULGAMENTO DAS PROPOSTAS DE PROJETO O julgamento e seleção das propostas de projeto serão realizados em duas etapas: Pré-qualificação e Avaliação de Mérito. O não atendimento a quaisquer das exigências especificadas nesta Chamada implicará a desclassificação automática da proposta PRÉ-QUALIFICAÇÃO Esta etapa é eliminatória e consistirá no exame formal da proposta frente aos requisitos da Chamada de P&D e segundo os critérios abaixo, cabendo à Tractebel Energia a sua realização: a) Submissão da proposta de projeto até a data limite indicada no cronograma. b) Adequação do preenchimento da proposta de projeto no Portal WEB de P&D, inclusive com a correta alocação de rubricas dos recursos a adquirir. c) Currículo Lattes preenchido e atualizado de todos os integrantes da equipe, inclusive dos empregados da Tractebel Energia. d) Avaliação da equipe: formação e/ou experiência profissional compatível com o projeto proposto, pesquisadores sem pendências junto ao Programa de P&D da Tractebel Energia, número adequado de integrantes e salários/bolsas compatíveis com o mercado, bem como inexistência de pesquisadores em mais de 2 projetos ativos. e) Elegibilidade das instituições participantes, ou seja, ser uma entidade com capacitação técnica e administrativa para o projeto que está sendo proposto e cujo estatuto ou contrato permita a realização de atividades de pesquisa. f) Originalidade: O critério originalidade é eliminatório e tem por objetivo avaliar o enquadramento da proposta como atividade de P&D no que diz respeito à inovação tecnológica AVALIAÇÃO DE MÉRITO Esta etapa, de caráter classificatório, consiste na avaliação técnica das propostas de projeto selecionadas na etapa de pré-qualificação pelo Comitê de P&D e pela Coordenação Geral do Programa de P&D da Tractebel Energia. As propostas de projeto serão avaliadas quanto a sua aplicabilidade na empresa, relevância, razoabilidade de custos e viabilidade econômica. Também será avaliado o tipo de produto que será entregue como resultado, conforme listagem abaixo por ordem de prioridade: 9

10 1. Máquina ou Equipamento 2. Componente ou Dispositivo 3. Material ou Substância 4. Sistema 5. Software 6. Conceito ou Metodologia Outros aspectos somarão pontos na avaliação de mérito, tais como: Participação de empresa de base tecnológica com interesse na comercialização do produto objeto do projeto e co-financiadora do projeto. Comprovada possibilidade de geração de patentes industriais. Participação de uma equipe da Tractebel Energia consistente e com vários colaboradores. Capacitação técnica de empregados da Tractebel Energia com o desenvolvimento do projeto. Instalação/uso de protótipos/produtos na Tractebel Energia (resultados não restritos à entidade de pesquisa). Projetos sustentáveis, com benefícios econômicos, sociais e ambientais DOCUMENTAÇÃO COMPLEMENTAR Os seguintes documentos complementares obrigatórios serão solicitados ao Gerente de Projeto após a submissão da proposta, ao longo do processo de seleção e aprovação da proposta de projeto: - Questionário interno da Tractebel Energia preenchido pelo Gerente de Projeto dando sua ciência e de sua chefia quanto ao projeto. - Apresentação da proposta de projeto em Power Point para defesa junto à Diretoria da Companhia APROVAÇÃO FINAL As propostas de projeto recomendadas na forma do capítulo e que tenham atendido a entrega de documentação complementar apresentada no capítulo serão submetidas à apreciação da Diretoria da Tractebel Energia para decisão final, considerando as prioridades de alocação dos recursos previstos no Programa Anual de P&D. 5.3 CONTRATAÇÃO E LIBERAÇÃO DOS RECURSOS DO PROJETO - Os recursos para a execução dos projetos selecionados serão comprometidos através de contratos a serem celebrados entre a Tractebel Energia e a(s) Entidade(s) Executora(s) do projeto. - Não é permitida nenhuma forma de reajuste de preços ao longo de todo o projeto. 5.4 GESTÃO DOS PROJETOS APROVADOS O acompanhamento técnico e financeiro dos projetos aprovados será feito em consonância com as determinações do Manual de P&D da ANEEL e normas da Tractebel Energia, e de acordo com a legislação vigente, podendo ser complementado com reuniões técnicas ou outros mecanismos de avaliação a critério da Tractebel Energia. 10

11 6. CONCEITOS Para orientar a concepção e formulação de projetos para o Programa Anual de P&D Tecnológico da Tractebel Energia, deverão ser consideradas as seguintes definições básicas na elaboração das propostas de projeto: - Programas de Pesquisa e Desenvolvimento (P&D): Projetos destinados à capacitação tecnológica da empresa de energia elétrica, visando à geração de novos processos, sistemas ou produtos, ou o aprimoramento de suas características. Podem ser próprios ou em parceria com instituições de pesquisa e desenvolvimento. Devem ser gerenciados pela empresa de energia elétrica, por meio de uma estrutura permanente de gestão tecnológica. - Foco dos Programas: Os programas de P&D devem estar pautados na busca de inovações para fazer frente aos desafios tecnológicos e de mercado das empresas do Setor Elétrico. - Instituição Proponente: Também chamada de Empresa Proponente, é a empresa do Setor Elétrico que irá propor o projeto para a ANEEL, ou seja, é sempre a Tractebel Energia. - Instituição Executora: Também chamada de Entidade Executora, é a entidade que desenvolverá o projeto em parceria com a Tractebel Energia, podendo ser mais de uma. - Instituição Cooperada: Também chamada de Empresa Cooperada, corresponde à(s) outra(s) empresa(s) do Setor Elétrico que participar(em) do projeto. - Coordenador de Projeto: É o representante da Entidade Executora principal (líder) que desenvolverá o projeto. Ele será responsável pela coordenação dos trabalhos da equipe e prestará contas do progresso dos trabalhos ao Gerente de Projeto. Independentemente de um projeto ter a participação de várias Entidades Executoras, existe um único Coordenador de Projeto para todas elas. - Gerente de Projeto: Cada projeto deverá ter um empregado da Tractebel Energia como Gerente de Projeto. Ele será responsável pelo gerenciamento do projeto como um todo. - Fases ou Atividades de P&D: Atividades de natureza criativa ou empreendedora, desenvolvidas sistematicamente, com vistas à geração de novos conhecimentos ou aplicação inovadora de conhecimento existente, inclusive para investigação de novas aplicações. As fases ou atividades de P&D podem ser agrupadas em seis categorias, conceituadas detalhadamente no Manual de P&D da ANEEL: a) Pesquisa Básica Dirigida b) Pesquisa Aplicada c) Desenvolvimento Experimental d) Cabeça-de-série e) Lote Pioneiro f) Inserção no Mercado - Transferência de Tecnologia: É a transmissão de conhecimentos para fabricação de um produto, aplicação de um processo ou prestação de um serviço. A forma como esta transferência será feita (reuniões, palestras, treinamento, manuais, entre outros) deve constar na proposta do projeto. 11

12 - Relatório Quadrimestral: Relatório de acompanhamento do projeto apresentando o progresso dos trabalhos realizados na execução do projeto, o qual deve ser enviado quadrimestralmente pelo Coordenador de Projeto para o Gerente de Projeto. - Relatório Final: Relatório de finalização do projeto descrevendo o desenvolvimento, os resultados previstos e alcançados, o cronograma proposto e executado, bem como os orçamentos previstos e realizados. Deve ser enviado pelo Coordenador de Projeto para o Gerente de Projeto ao fim do projeto. 7. 8Considerações Finais Esclarecimentos adicionais sobre o conteúdo desta Chamada poderão ser obtidos através do endereço eletrônico geral da Coordenação do Programa de P&D: Florianópolis, 06 de janeiro de

CHAMADA PÚBLICA PARA PROJETOS DE P&D DA CELG DISTRIBUIÇÃO PARA O PROGRAMA 2014/2015

CHAMADA PÚBLICA PARA PROJETOS DE P&D DA CELG DISTRIBUIÇÃO PARA O PROGRAMA 2014/2015 CHAMADA PÚBLICA PARA PROJETOS DE P&D DA CELG DISTRIBUIÇÃO PARA O PROGRAMA 2014/2015 DEPARTAMENTO DE TECNOLOGIA E PESQUISA DP-DPTN DIRETORIA DE PLANEJAMENTO E EXPANSÃO DP Goiânia, GO Janeiro/2014 CHAMADA

Leia mais

CHAMADA PÚBLICA PARA PROJETOS DE P&D DA CELG DISTRIBUIÇÃO PARA O PROGRAMA 2015/2016

CHAMADA PÚBLICA PARA PROJETOS DE P&D DA CELG DISTRIBUIÇÃO PARA O PROGRAMA 2015/2016 CHAMADA PÚBLICA PARA PROJETOS DE P&D DA CELG DISTRIBUIÇÃO PARA O PROGRAMA 2015/2016 DEPARTAMENTO DE TECNOLOGIA E PESQUISA DP-DPTN DIRETORIA TÉCNICA DT Goiânia, GO Junho/2015 CHAMADA PARA PROJETOS DE P&D

Leia mais

2.1.1 Preenchimento do formulário de inscrição. Deve ser preenchido de forma a contemplar as etapas a seguir:

2.1.1 Preenchimento do formulário de inscrição. Deve ser preenchido de forma a contemplar as etapas a seguir: EDITAL PIBITI Nº 041/2013 Goiânia, 26 de dezembro de 2013. A Universidade Federal de Goiás por intermédio da Pró-Reitoria de Pesquisa e Pós- Graduação torna público o presente edital e convida os interessados

Leia mais

CHAMADA PÚBLICA PARA CREDENCIAMENTO NO SISTEMA EMBRAPII

CHAMADA PÚBLICA PARA CREDENCIAMENTO NO SISTEMA EMBRAPII CHAMADA PÚBLICA PARA CREDENCIAMENTO NO SISTEMA EMBRAPII A Associação Brasileira de Pesquisa e Inovação Industrial EMBRAPII torna público o processo de seleção para credenciamento de Unidades EMBRAPII (UE)

Leia mais

SERVIÇO PÚBLICO FEDERAL MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO UNIVERSIDADE FEDERAL FLUMINENSE M I N UT A EDITAL FOPIN 2015

SERVIÇO PÚBLICO FEDERAL MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO UNIVERSIDADE FEDERAL FLUMINENSE M I N UT A EDITAL FOPIN 2015 SERVIÇO PÚBLICO FEDERAL MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO UNIVERSIDADE FEDERAL FLUMINENSE M I N UT A INSTRUÇÃO DE SERVIÇO PROPPI N o 06 de 09 de Julho de 2015 EDITAL FOPIN 2015 PROGRAMA DE FOMENTO À PESQUISA DAS

Leia mais

MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO Instituto Federal de Educação, Ciência e Tecnologia de Brasília EDITAL Nº 007/RIFB, DE 28 DE ABRIL DE 2015.

MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO Instituto Federal de Educação, Ciência e Tecnologia de Brasília EDITAL Nº 007/RIFB, DE 28 DE ABRIL DE 2015. EDITAL Nº 007/RIFB, DE 28 DE ABRIL DE 2015. SELEÇÃO DE PROJETOS DE PESQUISA PARA CONCESSÃO DE BOLSAS DO PROGRAMA INSTITUCIONAL DE BOLSAS E VOLUNTARIADO EM INICIAÇÃO CIENTÍFICA NAS AÇÕES AFIRMATIVAS (ENSINO

Leia mais

EDITAL FAPEMIG 13/2013 PROGRAMA DE APOIO À INOVAÇÃO TECNOLÓGICA EM MICROEMPRESAS E EMPRESAS DE PEQUENO PORTE TECNOVA MINAS GERAIS

EDITAL FAPEMIG 13/2013 PROGRAMA DE APOIO À INOVAÇÃO TECNOLÓGICA EM MICROEMPRESAS E EMPRESAS DE PEQUENO PORTE TECNOVA MINAS GERAIS EDITAL FAPEMIG 13/2013 PROGRAMA DE APOIO À INOVAÇÃO TECNOLÓGICA EM MICROEMPRESAS E EMPRESAS DE PEQUENO PORTE TECNOVA MINAS GERAIS Objetivos da apresentação Exposição dos principais detalhes do edital,

Leia mais

FACULDADE DE SAÚDE, CIÊNCIAS HUMANAS E TECNOLÓGICAS DO PIAUÍ - NOVAFAPI COORDENAÇÃO DE PESQUISA E PÓS-GRADUAÇÃO

FACULDADE DE SAÚDE, CIÊNCIAS HUMANAS E TECNOLÓGICAS DO PIAUÍ - NOVAFAPI COORDENAÇÃO DE PESQUISA E PÓS-GRADUAÇÃO R FACULDADE DE SAÚDE, CIÊNCIAS HUMANAS E TECNOLÓGICAS DO PIAUÍ - NOVAFAPI COORDENAÇÃO DE PESQUISA E PÓS-GRADUAÇÃO EDITAL DE PESQUISA CPPG/NOVAFAPI Nº 001/2008 Seleção de projetos de pesquisa e desenvolvimento

Leia mais

CT-ENERG/Empresas: FINEP 02/2002 CARTA CONVITE ÀS EMPRESAS DA CADEIA PRODUTIVA VINCULADA AO SETOR DE ENERGIA ELÉTRICA

CT-ENERG/Empresas: FINEP 02/2002 CARTA CONVITE ÀS EMPRESAS DA CADEIA PRODUTIVA VINCULADA AO SETOR DE ENERGIA ELÉTRICA CT-ENERG/Empresas: FINEP 02/2002 CARTA CONVITE ÀS EMPRESAS DA CADEIA PRODUTIVA VINCULADA AO SETOR DE ENERGIA ELÉTRICA O MINISTÉRIO DA CIÊNCIA E TECNOLOGIA - MCT, em cumprimento à recomendação do Comitê

Leia mais

ORIENTAÇÕES GERAIS PARA UTILIZAÇÃO DE RECURSOS DO PROEX (2015)

ORIENTAÇÕES GERAIS PARA UTILIZAÇÃO DE RECURSOS DO PROEX (2015) UNIVERSIDADE DO ESTADO DO RIO DE JANEIRO Instituto de Medicina Social Rua São Francisco Xavier, 524 / 7º andar / Bloco D - Maracanã CEP: 20550-013 - Rio de Janeiro - BRASIL TEL: 55-021- 2334-0235 FAX:

Leia mais

EDITAL PI IPCIT - Nº001/2012 - PRPPGI/IFAM PROGRAMA INSTITUCIONAL DE INCENTIVO À PESQUISA CIENTÍFICA E INOVAÇÃO TECNOLÓGICA PI-IPCIT

EDITAL PI IPCIT - Nº001/2012 - PRPPGI/IFAM PROGRAMA INSTITUCIONAL DE INCENTIVO À PESQUISA CIENTÍFICA E INOVAÇÃO TECNOLÓGICA PI-IPCIT EDITAL PI IPCIT - Nº001/2012 - PRPPGI/IFAM PROGRAMA INSTITUCIONAL DE INCENTIVO À PESQUISA CIENTÍFICA E INOVAÇÃO TECNOLÓGICA PI-IPCIT PROJETOS DE PESQUISA CIENTÍFICA E INOVAÇÃO TECNOLÓGICA DO IFAM Maio

Leia mais

RESUMO DA CHAMADA MCTI/CNPq/ANA Nº 23/2015 Pesquisa em Mudança do Clima

RESUMO DA CHAMADA MCTI/CNPq/ANA Nº 23/2015 Pesquisa em Mudança do Clima RESUMO DA CHAMADA MCTI/CNPq/ANA Nº 23/2015 Pesquisa em Mudança do Clima Salvador Nov/2015 I - CHAMADA A referida chamada tem por objetivo selecionar propostas para apoio financeiro a projetos de desenvolvimento

Leia mais

CHAMADA DE PROJETOS 001/2013- APOIO PARA SOLUÇÕES DE INOVAÇÃO JUNTO AS MPE S de Uberaba

CHAMADA DE PROJETOS 001/2013- APOIO PARA SOLUÇÕES DE INOVAÇÃO JUNTO AS MPE S de Uberaba CHAMADA DE PROJETOS 001/2013- APOIO PARA SOLUÇÕES DE INOVAÇÃO JUNTO AS MPE S de Uberaba 1 OBJETIVO 1.1 Realizar, em 2013, apoio financeiro para viabilizar a execução de serviços em inovação e tecnologia

Leia mais

PRÓ-REITORIA DE PESQUISA E PÓS-GRADUAÇÃO

PRÓ-REITORIA DE PESQUISA E PÓS-GRADUAÇÃO Considerando a necessidade de padronização da metodologia de análise, dos critérios de avaliação e do fluxo de encaminhamento da proposta institucional submetida à Chamada Pública MCTI/FINEP/CT-INFRA PROINFRA

Leia mais

APOIO A PARTICIPAÇÃO EM EVENTOS CIENTÍFICOS EDITAL Nº001/2015 - APEC

APOIO A PARTICIPAÇÃO EM EVENTOS CIENTÍFICOS EDITAL Nº001/2015 - APEC APOIO A PARTICIPAÇÃO EM EVENTOS CIENTÍFICOS EDITAL Nº001/2015 - APEC O Governo do Estado do Maranhão e a Secretaria de Estado da Ciência, Tecnologia e Inovação (SECTEC), por meio da Fundação de Amparo

Leia mais

CARTA-CONVITE A EMPRESAS USUÁRIAS DOS RECURSOS HÍDRICOS E A FABRICANTES DE INSUMOS E EQUIPAMENTOS VINCULADOS À ÁREA DE RECURSOS HÍDRICOS

CARTA-CONVITE A EMPRESAS USUÁRIAS DOS RECURSOS HÍDRICOS E A FABRICANTES DE INSUMOS E EQUIPAMENTOS VINCULADOS À ÁREA DE RECURSOS HÍDRICOS MINISTÉRIO DA CIÊNCIA E TECNOLOGIA CARTA-CONVITE A EMPRESAS USUÁRIAS DOS RECURSOS HÍDRICOS E A FABRICANTES DE INSUMOS E EQUIPAMENTOS VINCULADOS À ÁREA DE RECURSOS HÍDRICOS O MINISTÉRIO DA CIÊNCIA E TECNOLOGIA

Leia mais

Formulário de Apresentação de Proposta - TECNOVA PB

Formulário de Apresentação de Proposta - TECNOVA PB Formulário de Apresentação de Proposta - TECNOVA PB Secretaria de Recursos Hídricos, Meio Ambiente, Ciência e Tecnologia - SERHMACT Fundação de Apoio à Pesquisa - FAPESQ Setembro/Outubro de 2013 TECNOVA

Leia mais

Chamada MCTI/CNPq Nº 09/2015 - Auxílio Promoção de Eventos Científicos, Tecnológicos e/ou de Inovação - ARC. Perguntas Mais Frequentes

Chamada MCTI/CNPq Nº 09/2015 - Auxílio Promoção de Eventos Científicos, Tecnológicos e/ou de Inovação - ARC. Perguntas Mais Frequentes Chamada MCTI/CNPq Nº 09/2015 - Auxílio Promoção de Eventos Científicos, Tecnológicos e/ou de Inovação - ARC Perguntas Mais Frequentes 1) Onde encontro o Formulário Online de Propostas? O formulário Online

Leia mais

EDITAL 05/2015 PROPESP/FADESP PROGRAMA DE APOIO À COOPERAÇÃO INTERINSTITUCIONAL PACI SUBPROGRAMA COOPERAÇÃO INTERNACIONAL

EDITAL 05/2015 PROPESP/FADESP PROGRAMA DE APOIO À COOPERAÇÃO INTERINSTITUCIONAL PACI SUBPROGRAMA COOPERAÇÃO INTERNACIONAL EDITAL 05/2015 PROPESP/FADESP PROGRAMA DE APOIO À COOPERAÇÃO INTERINSTITUCIONAL PACI SUBPROGRAMA COOPERAÇÃO INTERNACIONAL A Pró- Reitoria de Pesquisa e Pós- Graduação (PROPESP) e a Fundação de Amparo e

Leia mais

Sociedade para a Promoção da Excelência do Software Brasileiro - SOFTEX

Sociedade para a Promoção da Excelência do Software Brasileiro - SOFTEX Sociedade para a Promoção da Excelência do Software Brasileiro - SOFTEX QUALIFICACAO DE PROFISSIONAIS NO MODELO SEI/CMMI CHAMADA PÚBLICA SOFTEX No. CPS/01/2004 PARA SELEÇÃO DE PROPOSTA PARA IMPLANTACAO

Leia mais

EDITAL PRPGI Nº 057, de 11 de Junho de 2015

EDITAL PRPGI Nº 057, de 11 de Junho de 2015 INSTITUTO FEDERAL DE EDUCAÇÃO, CIÊNCIA E TECNOLOGIA DO MARANHÃO PRÓ-REITORIA DE PESQUISA, PÓS-GRADUAÇÃO E INOVAÇÃO DIRETORIA DE PESQUISA NÚCLEO DE FOMENTO E APOIO FINANCEIRO EDITAL PRPGI Nº 057, de 11

Leia mais

Programa Centros Associados para o Fortalecimento da Pós-Graduação Brasil/Argentina - (CAFP/BA) Edital CGCI n. 028 /2007

Programa Centros Associados para o Fortalecimento da Pós-Graduação Brasil/Argentina - (CAFP/BA) Edital CGCI n. 028 /2007 Programa Centros Associados para o Fortalecimento da Pós-Graduação Brasil/Argentina - (CAFP/BA) Edital CGCI n. 028 /2007 1 Do programa e objetivo 1.1 O Programa CAFP/BA (Centros Associados para o Fortalecimento

Leia mais

3.2. Os projetos de pesquisa e de extensão deverão, necessariamente, referir-se ao Poder Legislativo e ser vinculados às seguintes linhas temáticas:

3.2. Os projetos de pesquisa e de extensão deverão, necessariamente, referir-se ao Poder Legislativo e ser vinculados às seguintes linhas temáticas: CÂMARA DOS DEPUTADOS DIRETORIA-GERAL DIRETORIA DE RECURSOS HUMANOS CENTRO DE FORMAÇÃO, TREINAMENTO E APERFEIÇOAMENTO FORMAÇÃO DOS GRUPOS DE PESQUISA E EXTENSÃO DO PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO EDITAL Nº 14,

Leia mais

EDITAL 004/2015 PARA PROGRAMA DE DEMANDA DE FINANCIAMENTO DE PROJETO UNIVERSAL DA FACULDADE INDEPENDENTE DO NORDESTE - FAINOR

EDITAL 004/2015 PARA PROGRAMA DE DEMANDA DE FINANCIAMENTO DE PROJETO UNIVERSAL DA FACULDADE INDEPENDENTE DO NORDESTE - FAINOR EDITAL 004/2015 PARA PROGRAMA DE DEMANDA DE FINANCIAMENTO DE PROJETO UNIVERSAL DA FACULDADE INDEPENDENTE DO NORDESTE - FAINOR A Faculdade Independente do Nordeste FAINOR, atendendo ao compromisso de incentivar

Leia mais

FACULDADES INTEGRADAS DO NORTE DE MINAS FUNORTE DIRETORIA DE PESQUISA E PÓS-GRADUÇÃO COORDENAÇÃO DE PESQUISA CAMPUS SÃO NORBERTO

FACULDADES INTEGRADAS DO NORTE DE MINAS FUNORTE DIRETORIA DE PESQUISA E PÓS-GRADUÇÃO COORDENAÇÃO DE PESQUISA CAMPUS SÃO NORBERTO FACULDADES INTEGRADAS DO NORTE DE MINAS FUNORTE DIRETORIA DE PESQUISA E PÓS-GRADUÇÃO COORDENAÇÃO DE PESQUISA CAMPUS SÃO NORBERTO EDITAL UNIVERSAL DE PESQUISA 1º /2010 AS FACULDADES INTEGRADAS DO NORTE

Leia mais

1. Objetivos. 1.1 Objetivo Geral

1. Objetivos. 1.1 Objetivo Geral MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO INSTITUTO FEDERAL DE EDUCAÇÃO, CIÊNCIA E TECNOLOGIA DE BRASÍLIA PRÓ-REITORIA DE PESQUISA E INOVAÇÃO EDITAL DE CONVOCAÇÃO N 35/2011CDIT/PRPI/PREX/PREN de 06 de maio de 2011 PROGRAMA

Leia mais

EDITAL CAPES N 004/2012/ CAPES. Seleção pública de propostas de projetos de eventos voltados ao Programa de Apoio a Eventos no País - PAEP

EDITAL CAPES N 004/2012/ CAPES. Seleção pública de propostas de projetos de eventos voltados ao Programa de Apoio a Eventos no País - PAEP PAEP Programa de Apoio a Eventos no País EDITAL CAPES N 004/2012/ CAPES Seleção pública de propostas de projetos de eventos voltados ao Programa de Apoio a Eventos no País - PAEP A Fundação Coordenação

Leia mais

APOIO A REALIZAÇÃO DE EVENTOS CIENTÍFICOS, TECNOLÓGICOS E DE INOVAÇÃO EDITAL Nº 002/2015 - AREC

APOIO A REALIZAÇÃO DE EVENTOS CIENTÍFICOS, TECNOLÓGICOS E DE INOVAÇÃO EDITAL Nº 002/2015 - AREC APOIO A REALIZAÇÃO DE EVENTOS CIENTÍFICOS, TECNOLÓGICOS E DE INOVAÇÃO EDITAL Nº 002/2015 - AREC O Governo do Estado do Maranhão e a Secretaria de Estado da Ciência, Tecnologia e Inovação - SECTEC, por

Leia mais

Tutorial: Lei da Informática (Leis 8.248, 10.176 e 11.077)

Tutorial: Lei da Informática (Leis 8.248, 10.176 e 11.077) Tutorial: Lei da Informática (Leis 8.248, 10.176 e 11.077) Sobre a autora Eng. Adelice Leite de Godoy Obteve sua graduação em Engenharia Química pela Unicamp em 1992, completando sua formação com o Curso

Leia mais

Nota Técnica de GTI Orientações para prestação de contas dos projetos de P&D contratados pela Eletronorte

Nota Técnica de GTI Orientações para prestação de contas dos projetos de P&D contratados pela Eletronorte Local/Data: Brasília, 20 de setembro de 2013 GTI-003/2013 Fl. 1/7 Nota Técnica de GTI Orientações para prestação de contas dos projetos de P&D contratados pela Eletronorte 1. INTRODUÇÃO: A presente Nota

Leia mais

1. REQUISITOS DO SOLICITANTE

1. REQUISITOS DO SOLICITANTE MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO UNIVERSIDADE FEDERAL DE SANTA MARIA PRÓ-REITORIA DE PÓS-GRADUAÇÃO E PESQUISA EDITAL Nº 023/PRPGP/UFSM, DE 29 DE ABRIL DE 2015 Programa Especial de Incentivo às Revistas Científicas

Leia mais

1. OBJETIVO 2. DADOS FINANCEIROS E ORÇAMENTÁRIOS

1. OBJETIVO 2. DADOS FINANCEIROS E ORÇAMENTÁRIOS 1. OBJETIVO O referido Edital tem por objetivo apoiar o desenvolvimento da pesquisa científica e/ou tecnológica no estado, através da presença, nas instituições baianas, de pesquisadores estrangeiros renomados

Leia mais

CHAMADA PARA PROJETOS DE P&D DAS EMPRESAS DE DISTRIBUIÇÃO DA ELETROBRAS PARA O PROGRAMA 2014/2015

CHAMADA PARA PROJETOS DE P&D DAS EMPRESAS DE DISTRIBUIÇÃO DA ELETROBRAS PARA O PROGRAMA 2014/2015 CHAMADA PARA PROJETOS DE P&D DAS EMPRESAS DE DISTRIBUIÇÃO DA ELETROBRAS PARA O PROGRAMA 2014/2015 As Empresas de Distribuição da Eletrobras, visando à implementação dos seus Programas de Pesquisa Científica

Leia mais

REITORIA EDITAL Nº 27/2015

REITORIA EDITAL Nº 27/2015 REITORIA EDITAL Nº 27/2015 O Reitor da Universidade Vila Velha UVV torna público a todos os interessados que estão abertas, de 29 de setembro até 10 de outubro de 2015, as inscrições de propostas provenientes

Leia mais

PROGRAMA DE PESQUISA E DESENVOLVIMENTO PARA O SETOR ELÉTRICO BAESA/ENERCAN INSTRUÇÕES PARA ELABORAÇÃO DE PROPOSTAS DE PROJETOS P&D

PROGRAMA DE PESQUISA E DESENVOLVIMENTO PARA O SETOR ELÉTRICO BAESA/ENERCAN INSTRUÇÕES PARA ELABORAÇÃO DE PROPOSTAS DE PROJETOS P&D PROGRAMA DE PESQUISA E DESENVOLVIMENTO PARA O SETOR ELÉTRICO BAESA/ENERCAN INSTRUÇÕES PARA ELABORAÇÃO DE PROPOSTAS DE PROJETOS P&D Conforme a Lei 9.991/2000, as concessionárias de geração de energia elétrica

Leia mais

R E G U L A M E N T O

R E G U L A M E N T O Premiação para associações comunitárias, empreendedores sociais, institutos de pesquisa, micro e pequenas empresas, ONGs e universidades sobre Iniciativas Inovadoras em Sustentabilidade R E G U L A M E

Leia mais

Não serão apoiados por esta chamada: Materiais de Informática, Mobiliário para Escritório e Materiais Elétricos.

Não serão apoiados por esta chamada: Materiais de Informática, Mobiliário para Escritório e Materiais Elétricos. Edital interno do PROINFRA -02/2014 UFPR CAPITULO I a) OBJETIVO Selecionar propostas para apoio financeiro à: I- Aquisição de novos equipamentos multiusuários de médio e de grande porte; II- Manutenção

Leia mais

Edital Nº 04/2015 DEPE DISPÕE SOBRE A SELEÇÃO DE PROPOSTAS PARA APOIO A PROJETOS DE PESQUISA NA SANTA CASA DE MISERICÓRDIA DE SOBRAL.

Edital Nº 04/2015 DEPE DISPÕE SOBRE A SELEÇÃO DE PROPOSTAS PARA APOIO A PROJETOS DE PESQUISA NA SANTA CASA DE MISERICÓRDIA DE SOBRAL. Edital Nº 04/2015 DEPE DISPÕE SOBRE A SELEÇÃO DE PROPOSTAS PARA APOIO A PROJETOS DE PESQUISA NA SANTA CASA DE MISERICÓRDIA DE SOBRAL. Período 2015/2016 O Diretor da Santa Casa de Misericórdia de Sobral,

Leia mais

PROGRAMA OPERACIONAL DE CO-FINANCIAMENTO (COFOP) ACORDO DE COOPERAÇÃO Finep Research Council of Norway

PROGRAMA OPERACIONAL DE CO-FINANCIAMENTO (COFOP) ACORDO DE COOPERAÇÃO Finep Research Council of Norway PROGRAMA OPERACIONAL DE CO-FINANCIAMENTO (COFOP) ACORDO DE COOPERAÇÃO Finep Research Council of Norway Com o objetivo de implementar o Acordo de Cooperação assinado entre a FINEP e o Research Council of

Leia mais

Edital 1/2014. Chamada contínua para incubação de empresas e projetos de base tecnológica

Edital 1/2014. Chamada contínua para incubação de empresas e projetos de base tecnológica Edital 1/2014 Chamada contínua para incubação de empresas e projetos de base tecnológica A (PoloSul.org) torna pública a presente chamada e convida os interessados para apresentar propostas de incubação

Leia mais

Modelo de Plano de Negócios

Modelo de Plano de Negócios EDITAL DE SELEÇÃO PÚBLICA CONJUNTA BNDES/FINEP/MS DE APOIO À INOVAÇÃO TECNOLÓGICA NO SETOR DE EQUIPAMENTOS MÉDICOS E TECNOLOGIAS PARA A SAÚDE INOVA SAÚDE EQUIPAMENTOS MÉDICOS - 02/2013 Modelo de Plano

Leia mais

NORMAS PARA SOLICITAÇÃO, USO E PRESTAÇÃO DE CONTAS DE RECURSOS ORÇAMENTÁRIOS DO FUNDECITRUS

NORMAS PARA SOLICITAÇÃO, USO E PRESTAÇÃO DE CONTAS DE RECURSOS ORÇAMENTÁRIOS DO FUNDECITRUS 1 NORMAS PARA SOLICITAÇÃO, USO E PRESTAÇÃO DE CONTAS DE RECURSOS ORÇAMENTÁRIOS DO FUNDECITRUS Todas as normas devem ser lidas atentamente antes da submissão da proposta de pesquisa, bem como antes da realização

Leia mais

EDITAL Nº 02/2013 APOIO A PROJETOS SOCIAIS NA ÁREA DO ESPORTE E LAZER

EDITAL Nº 02/2013 APOIO A PROJETOS SOCIAIS NA ÁREA DO ESPORTE E LAZER EDITAL Nº 02/2013 APOIO A PROJETOS SOCIAIS NA ÁREA DO ESPORTE E LAZER 1) INTRODUÇÃO O presente Edital abre oportunidade para que as Instituições Públicas e as Privadas, desde que sem fins lucrativos e

Leia mais

Edital para Pleito a Bolsa de Iniciação Científica da Fundação de Amparo a Pesquisa do Estado de Minas Gerais PIBIC / FAPEMIG - 2015

Edital para Pleito a Bolsa de Iniciação Científica da Fundação de Amparo a Pesquisa do Estado de Minas Gerais PIBIC / FAPEMIG - 2015 Edital para Pleito a Bolsa de Iniciação Científica da Fundação de Amparo a Pesquisa do Estado de Minas Gerais PIBIC / FAPEMIG - 2015 1. Descrição Este programa procura desenvolver nos estudantes de graduação

Leia mais

PROGRAMA NACIONAL DE PÓS-DOUTORADO - 2011: CONCESSÃO INSTITUCIONAL ÀS IFES. Diretrizes para Elaboração do Projeto Institucional

PROGRAMA NACIONAL DE PÓS-DOUTORADO - 2011: CONCESSÃO INSTITUCIONAL ÀS IFES. Diretrizes para Elaboração do Projeto Institucional PROGRAMA NACIONAL DE PÓS-DOUTORADO - 2011: CONCESSÃO INSTITUCIONAL ÀS IFES Diretrizes para Elaboração do Projeto Institucional 1 Objetivos O Programa Nacional de Pós-doutorado da CAPES PNPD/2011: Concessão

Leia mais

NORMAS PARA PROGRAMAS DE CONCESSÃO DE BOLSAS DE FORMAÇÃO, DE PESQUISA E TECNOLÓGICA - FAPEG-I

NORMAS PARA PROGRAMAS DE CONCESSÃO DE BOLSAS DE FORMAÇÃO, DE PESQUISA E TECNOLÓGICA - FAPEG-I RESOLUÇÃO N. 001/2007 ANEXO NORMAS PARA PROGRAMAS DE CONCESSÃO DE BOLSAS DE FORMAÇÃO, DE PESQUISA E TECNOLÓGICA - FAPEG-I 1. Conceituação As normas relativas à concessão de Bolsas de Formação, de Pesquisa

Leia mais

EDITAL SENAI SESI DE INOVAÇÃO. 2) Qual é a vantagem para a indústria participar do Edital de Inovação?

EDITAL SENAI SESI DE INOVAÇÃO. 2) Qual é a vantagem para a indústria participar do Edital de Inovação? 1) O que é o Edital SENAI e SESI de Inovação? 2) Qual é a vantagem para a indústria participar do Edital de Inovação? 3) Qual é a vantagem para um Departamento Regional participar do Edital de Inovação?

Leia mais

EDITAL FAPESB/SECTI/SEBRAE/IEL Apoio à Implantação de Cursos de Empreendedorismo 002/2006

EDITAL FAPESB/SECTI/SEBRAE/IEL Apoio à Implantação de Cursos de Empreendedorismo 002/2006 EDITAL FAPESB/SECTI/SEBRAE/IEL Apoio à Implantação de Cursos de Empreendedorismo 002/2006 SELEÇÃO PÚBLICA DE PROPOSTAS PARA O PROGRAMA BAHIA INOVAÇÃO REDE DE EMPREENDEDORISMO A Fundação de Amparo à Pesquisa

Leia mais

CHAMADA PARA PROJETOS DE P&D DAS EMPRESAS DE DISTRIBUIÇÃO DA ELETROBRAS PARA O PROGRAMA 2012/2013

CHAMADA PARA PROJETOS DE P&D DAS EMPRESAS DE DISTRIBUIÇÃO DA ELETROBRAS PARA O PROGRAMA 2012/2013 CHAMADA PARA PROJETOS DE P&D DAS EMPRESAS DE DISTRIBUIÇÃO DA ELETROBRAS PARA O PROGRAMA 2012/2013 As Empresas de Distribuição da Eletrobras, visando a implementação dos seus Programas de Pesquisa Científica

Leia mais

Inova Pequena Empresa RS

Inova Pequena Empresa RS Inova Pequena Empresa RS 1 Bloco: : Conceituando Inovação; 2 Bloco: : Programa Inova Pequena Empresa RS / Chamada Pública P Nº N 01/2009; 3 Bloco: : Estruturação do projeto no Sistema de Gestão de Projetos

Leia mais

PROGRAMA INOVACRED /FINEP. Empresas com receita bruta anual ou anualizada de até R$ 90 milhões, divididas nos seguintes portes:

PROGRAMA INOVACRED /FINEP. Empresas com receita bruta anual ou anualizada de até R$ 90 milhões, divididas nos seguintes portes: PROGRAMA INOVACRED /FINEP Classificação do porte das empresas Empresas com receita bruta anual ou anualizada de até R$ 90 milhões, divididas nos seguintes portes: Porte I empresas com receita operacional

Leia mais

III Edital para Seleção de Projetos. Associação Fundo Patrimonial Amigos da Poli

III Edital para Seleção de Projetos. Associação Fundo Patrimonial Amigos da Poli III Edital para Seleção de Projetos Associação Fundo Patrimonial Amigos da Poli A Associação Fundo Patrimonial Amigos da Poli ( Amigos da Poli ), com o apoio da Escola Politécnica da USP ( EPUSP ), torna

Leia mais

FUNDO DE APOIO AO DESENVOLVIMENTO DAS FEDERADAS E NÚCLEOS ASSOCIATIVOS DA ABP FADEF/ABP

FUNDO DE APOIO AO DESENVOLVIMENTO DAS FEDERADAS E NÚCLEOS ASSOCIATIVOS DA ABP FADEF/ABP EDITAL 004/2015/FADEF FUNDO DE APOIO AO DESENVOLVIMENTO DAS FEDERADAS E NÚCLEOS ASSOCIATIVOS DA ABP FADEF/ABP A Associação Brasileira de Psiquiatria ABP torna público e convoca os interessados a apresentarem

Leia mais

Vice-Presidência de Pesquisa e Laboratórios de Referência EDITAL novas ou de renovação de Iniciação Científica todas 1. Objetivos do Programa

Vice-Presidência de Pesquisa e Laboratórios de Referência EDITAL novas ou de renovação de Iniciação Científica todas 1. Objetivos do Programa EDITAL O Vice-Presidente de Pesquisa da Fundação Oswaldo Cruz (VPPLR- FIOCRUZ), responsável pelas cotas do Programa Institucional de Bolsas de Iniciação Científica do Conselho Nacional de Desenvolvimento

Leia mais

CASULO Incubadora de Empresas do UniCEUB

CASULO Incubadora de Empresas do UniCEUB CASULO Incubadora de Empresas do UniCEUB TERMO ADITIVO AO EDITAL nº 02/2013 PROCESSO DE SELEÇÃO DE EMPRESAS ALTERAÇÃO DE DATAS E FORMA DE APRESENTAÇÃO DE PROJETOS Apoio: Brasília, 28 de agosto de 2013.

Leia mais

Programa Institucional de Iniciação em Desenvolvimento Tecnológico e Inovação (PIBITI/INTA/CNPq) EDITAL 2014-2015

Programa Institucional de Iniciação em Desenvolvimento Tecnológico e Inovação (PIBITI/INTA/CNPq) EDITAL 2014-2015 PRÓ-DIRETORIA DE PESQUISA E PÓS-GRADUAÇÃO STRICTO SENSU Programa Institucional de Iniciação em Desenvolvimento Tecnológico e Inovação (PIBITI/INTA/CNPq) EDITAL 2014-2015 A Pró-Diretoria de Pesquisa e Pós-Graduação

Leia mais

Inscrição para o PROGRAMA DE INOVAÇÃO TECNOLÓGICA EM PEQUENAS EMPRESAS

Inscrição para o PROGRAMA DE INOVAÇÃO TECNOLÓGICA EM PEQUENAS EMPRESAS 4 13 Proc: PROTOCOLO Inscrição para o PROGRAMA DE INOVAÇÃO TECNOLÓGICA EM PEQUENAS EMPRESAS FASE I FASE II SOLICITANTE (Pesquisador responsável ou Coordenador da Equipe - não omita nem abrevie nomes) CÓDIGO

Leia mais

3. DOS ITENS FINANCIÁVEIS

3. DOS ITENS FINANCIÁVEIS EDITAL PROPPI Nº 011/2015 EDITAL DO INVENTOR: DESENVOLVIMENTO DE PROJETOS INOVADORES COM GERAÇÃO DE PATENTES O Pró-Reitor de Pesquisa, Pós-Graduação e Inovação do Instituto Federal de Educação, Ciência

Leia mais

ANEXO II. Título <>

ANEXO II. Título <<que resuma o objetivo geral do subprojeto (Texto limitado a 150 caracteres)>> Título Sigla da Proposta Área Geográfica de Execução

Leia mais

CAIXA ECONÔMICA FEDERAL PROGRAMA CAIXA DE APOIO AO ARTESANATO BRASILEIRO PATROCÍNIO 2012 REGULAMENTO

CAIXA ECONÔMICA FEDERAL PROGRAMA CAIXA DE APOIO AO ARTESANATO BRASILEIRO PATROCÍNIO 2012 REGULAMENTO CAIXA ECONÔMICA FEDERAL PROGRAMA CAIXA DE APOIO AO ARTESANATO BRASILEIRO PATROCÍNIO 2012 REGULAMENTO 1. OBJETO 1.1. A CAIXA receberá, de 16 de maio a 17 de junho de 2011 projetos a serem realizados ao

Leia mais

Edital CNPq/CT-Petro nº 01/2003

Edital CNPq/CT-Petro nº 01/2003 Edital CNPq/CT-Petro nº 01/2003 O Ministério da Ciência e Tecnologia, por intermédio do Conselho Nacional de Desenvolvimento Científico e Tecnológico - CNPq, torna público o presente edital e convoca os

Leia mais

Programa de Fluxo Contínuo para Apoio a Projetos Especiais

Programa de Fluxo Contínuo para Apoio a Projetos Especiais Chamada Pública nº 03/2012 Programa de Fluxo Contínuo para Apoio a Projetos Especiais A FUNDAÇÃO ARAUCÁRIA de Apoio ao Desenvolvimento Científico e Tecnológico do Paraná, em conformidade com suas finalidades,

Leia mais

Resolução 089/Reitoria/Univates Lajeado, 26 de julho de 2012

Resolução 089/Reitoria/Univates Lajeado, 26 de julho de 2012 Resolução 089/Reitoria/Univates Lajeado, 26 de julho de 2012 Aprova o Edital Propex 01/2012 Pesquisa para pesquisadores dos Programas de Pós-Graduação em implantação O Reitor do Centro Universitário UNIVATES,

Leia mais

Programa CAPES-PVE CAPES. Processo Seletivo 2010 Edital nº 049/2010/CAPES/DRI

Programa CAPES-PVE CAPES. Processo Seletivo 2010 Edital nº 049/2010/CAPES/DRI Programa CAPES- Processo Seletivo 2010 Edital nº 049/2010/CAPES/DRI A Coordenação de Aperfeiçoamento de Pessoal de Nível Superior-CAPES, Fundação Pública, criada pela Lei nº. 8.405, de 09 de janeiro de

Leia mais

EDITAL FAPEMIG 16/2011

EDITAL FAPEMIG 16/2011 EDITAL FAPEMIG 16/2011 PROGRAMA ESTRUTURADOR REDE DE INOVAÇÃO TECNOLÓGICA INOVAÇÃO TECNOLÓGICA MESTRES E DOUTORES A Fundação de Amparo à Pesquisa do Estado de Minas Gerais FAPEMIG, atendendo à orientação

Leia mais

UNIVERSIDADE ESTADUAL DA PARAÍBA UEPB PRÓ-REITORIA DE EXTENSÃO PROEX PROGRAMA DE APOIO A PROJETOS DE EXTENSÃO PROAPEX.

UNIVERSIDADE ESTADUAL DA PARAÍBA UEPB PRÓ-REITORIA DE EXTENSÃO PROEX PROGRAMA DE APOIO A PROJETOS DE EXTENSÃO PROAPEX. UNIVERSIDADE ESTADUAL DA PARAÍBA UEPB PRÓ-REITORIA DE EXTENSÃO PROEX PROGRAMA DE APOIO A PROJETOS DE EXTENSÃO PROAPEX. EDITAL Nº 005/2015/UEPB/PROEX/PROAPEX PROCESSO SELETIVO DO PROAPEX COTA 2015-2016

Leia mais

PROGRAMA DE BOLSAS DE INICIAÇÃO CIENTÍFICA DA UEMA PIBIC-CNPq/UEMA/FAPEMA EDITAL UEMA/PPG Nº 03/2015

PROGRAMA DE BOLSAS DE INICIAÇÃO CIENTÍFICA DA UEMA PIBIC-CNPq/UEMA/FAPEMA EDITAL UEMA/PPG Nº 03/2015 PROGRAMA DE BOLSAS DE INICIAÇÃO CIENTÍFICA DA UEMA PIBIC-CNPq/UEMA/FAPEMA EDITAL UEMA/PPG Nº 03/2015 A Pró-Reitoria de Pesquisa e Pós-Graduação da Universidade Estadual do Maranhão - PPG UEMA em conjunto

Leia mais

CHAMADA INTERNA PRPGP/UFSM PARA ATENDIMENTO AO EDITAL CAPES / 2013 - PRÓ-EQUIPAMENTOS

CHAMADA INTERNA PRPGP/UFSM PARA ATENDIMENTO AO EDITAL CAPES / 2013 - PRÓ-EQUIPAMENTOS MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO UNIVERSIDADE FEDERAL DE SANTA MARIA PRÓ-REITORIA DE PÓS-GRADUAÇÃO E PESQUISA CHAMADA INTERNA PRPGP/UFSM PARA ATENDIMENTO AO EDITAL CAPES / 2013 - PRÓ-EQUIPAMENTOS A PRPGP-UFSM estará

Leia mais

PERGUNTAS E RESPOSTAS EDITAL 05/2014

PERGUNTAS E RESPOSTAS EDITAL 05/2014 PERGUNTAS E RESPOSTAS EDITAL 05/2014 Atualizado em 10/11/2014 Esta nota tem o objetivo de esclarecer as instituições que pretendam apresentar propostas de projetos ao Edital 05/2014. 1. No que se refere

Leia mais

Etapa de Plano de Negócios

Etapa de Plano de Negócios Etapa de Plano de Negócios Agenda Fluxo Direto de Projetos Novidade!!! Plano de Negócios: Orientações para a Elaboração 2 Fluxo Direto de Projetos Objetivo: acelerar a tramitação de projetos reembolsáveis

Leia mais

2. CONSIDERAÇÕES INICIAIS

2. CONSIDERAÇÕES INICIAIS MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO UNIVERSIDADE FEDERAL DE MATO GROSSO PRÓ-REITORIA DE PESQUISA CHAMADA INTERNA DA PRÓ-REITORIA DE PESQUISA 001/2015 A Pró-Reitoria de Pesquisa da Universidade Federal de Mato Grosso

Leia mais

EDITAL Nº 07/2015 APOIO A PROJETOS SOCIAIS NA ÁREA DO ESPORTE E LAZER

EDITAL Nº 07/2015 APOIO A PROJETOS SOCIAIS NA ÁREA DO ESPORTE E LAZER EDITAL Nº 07/2015 APOIO A PROJETOS SOCIAIS NA ÁREA DO ESPORTE E LAZER 1) INTRODUÇÃO Considerando que para ter-se uma comunidade com qualidade de vida, deve-se compreender que tal qualidade está diretamente

Leia mais

FAQ Edital SENAI SESI de inovação 2010 21 Edital SENAI SESI de inovação 2010

FAQ Edital SENAI SESI de inovação 2010 21 Edital SENAI SESI de inovação 2010 FAQ 21 Edital SENAI SESI de inovação 2010 1. Edital SENAI e SESI 1.1 O que é o Edital SENAI e SESI de Inovação? O Edital é uma iniciativa do SENAI e do SESI que visa despertar a cultura da inovação na

Leia mais

EDITAL PARA ADMISSÃO DE EMPREENDIMENTOS INCUBADOS. Apoio:

EDITAL PARA ADMISSÃO DE EMPREENDIMENTOS INCUBADOS. Apoio: EDITAL PARA ADMISSÃO DE EMPREENDIMENTOS INCUBADOS Apoio: Recife, 2015 Sumário 1. APRESENTAÇÃO... 3 2. OBJETIVOS... 3 3. PUBLICO ALVO... 3 4. ATORES... 3 5. ESPAÇO FÍSICO... 4 6. SERVIÇOS OFERECIDOS...

Leia mais

EDITAL DE CHAMADA DE PROJETOS SOCIAIS Nº. 01/2010 APOIO A PROJETOS DE PESQUISA E CAPACITAÇÃO CIENTÍFICA 2010-2012

EDITAL DE CHAMADA DE PROJETOS SOCIAIS Nº. 01/2010 APOIO A PROJETOS DE PESQUISA E CAPACITAÇÃO CIENTÍFICA 2010-2012 EDITAL DE CHAMADA DE PROJETOS SOCIAIS Nº. 01/2010 APOIO A PROJETOS DE PESQUISA E CAPACITAÇÃO CIENTÍFICA 2010-2012 A Pontifícia Universidade Católica do Paraná - PUCPR, entidade sem fins lucrativos, com

Leia mais

EDITAL Nº 73/2013. Público-alvo: alunos de cursos de graduação, exceto aqueles matriculados no último semestre do curso.

EDITAL Nº 73/2013. Público-alvo: alunos de cursos de graduação, exceto aqueles matriculados no último semestre do curso. EDITAL Nº 73/2013 Programa Institucional de Iniciação Científica em Desenvolvimento Tecnológico e Inovação (Proiti) Bolsas de Iniciação Científica Proiti/CNPq/UNISANTOS A Universidade Católica de Santos

Leia mais

EDITAL N. 001/2015 PROJETO DE PESQUISA PIBIC/PIBITI/CNPQ/UNISALESIANO 2015/2016

EDITAL N. 001/2015 PROJETO DE PESQUISA PIBIC/PIBITI/CNPQ/UNISALESIANO 2015/2016 EDITAL N. 001/2015 PROJETO DE PESQUISA PIBIC/PIBITI/CNPQ/UNISALESIANO 2015/2016 A Pró-Reitoria de Pesquisa, Extensão e Ação Comunitária, no uso de suas atribuições legais, torna público o presente edital

Leia mais

SERVIÇO PÚBLICO FEDERAL Ministério da Educação Secretária de Educação Profissional e Tecnológica Pró-Reitoria de Pesquisa e Inovação

SERVIÇO PÚBLICO FEDERAL Ministério da Educação Secretária de Educação Profissional e Tecnológica Pró-Reitoria de Pesquisa e Inovação SERVIÇO PÚBLICO FEDERAL Ministério da Educação Secretária de Educação Profissional e Tecnológica Pró-Reitoria de Pesquisa e Inovação PROGRAMA INSTITUCIONAL DE BOLSAS DE INICIAÇÃO EM DESENVOLVIMENTO TECNOLOGICO

Leia mais

1.3 Público Alvo / Instituições Elegíveis Instituições Públicas de Ensino Superior que possuam Programas de Pós-Graduação recomendados pela Capes.

1.3 Público Alvo / Instituições Elegíveis Instituições Públicas de Ensino Superior que possuam Programas de Pós-Graduação recomendados pela Capes. DIRETORIA DE PROGRAMAS E BOLSAS NO PAÍS Coordenação-Geral de Programas Estratégicos Coordenação de Programas Especiais EDITAL N 0 27/2010 - PRÓ-EQUIPAMENTOS INSTITUCIONAL A Fundação Coordenação de Aperfeiçoamento

Leia mais

Questionamentos Chamada Pública de P&D Programa 2012

Questionamentos Chamada Pública de P&D Programa 2012 Questionamentos Chamada Pública de P&D Programa 2012 1. Para onde devo encaminhar as propostas de projetos? As propostas devem ser enviadas para o email ped@ceee.com.br 2. Onde buscar maiores informações

Leia mais

EDITAL PARA SELEÇÃO DE PROJETOS SOCIAIS 2015

EDITAL PARA SELEÇÃO DE PROJETOS SOCIAIS 2015 EDITAL PARA SELEÇÃO DE PROJETOS SOCIAIS 2015 1. DO OBJETO 1.1. O presente edital tem por objeto realizar uma chamada pública nacional para seleção de projetos que contribuam para o empoderamento das mulheres

Leia mais

UNIVERSIDADE DA REGIÃO DA CAMPANHA URCAMP PRÓ-REITORIA DE PÓS-GRADUAÇÃO, PESQUISA E EXTENSÃO EDITAL Nº 02/2014

UNIVERSIDADE DA REGIÃO DA CAMPANHA URCAMP PRÓ-REITORIA DE PÓS-GRADUAÇÃO, PESQUISA E EXTENSÃO EDITAL Nº 02/2014 UNIVERSIDADE DA REGIÃO DA CAMPANHA URCAMP PRÓ-REITORIA DE PÓS-GRADUAÇÃO, PESQUISA E EXTENSÃO EDITAL Nº 02/2014 A Pró-Reitoria de Pós-Graduação, Pesquisa e Extensão da Universidade da Região de Campanha

Leia mais

Parâmetros para avaliação de mestrado profissional*

Parâmetros para avaliação de mestrado profissional* Parâmetros para avaliação de mestrado profissional* 1. Natureza do mestrado profissional A pós-graduação brasileira é constituída, atualmente, por dois eixos claramente distintos: o eixo acadêmico, representado

Leia mais

CONVOCATÓRIA PARA APRESENTAÇÃO DE PROJETOS PROGRAMA CRIANÇA ESPERANÇA PROCESSO SELETIVO 2014

CONVOCATÓRIA PARA APRESENTAÇÃO DE PROJETOS PROGRAMA CRIANÇA ESPERANÇA PROCESSO SELETIVO 2014 CONVOCATÓRIA PARA APRESENTAÇÃO DE PROJETOS PROGRAMA CRIANÇA ESPERANÇA PROCESSO SELETIVO 2014 Maio/2014 SUMÁRIO APRESENTAÇÃO... 3 1. DAS ORGANIZAÇÕES ELEGÍVEIS PARA APOIO... 6 2. DOS TIPOS DE PROJETO QUE

Leia mais

SENAI e SESI, parceiros da Indústria na Inovação

SENAI e SESI, parceiros da Indústria na Inovação SENAI e SESI, parceiros da Indústria na Inovação Março 2009 I DENOMINAÇÃO E FINALIDADE Art. 1º - Art. 2º - Denominação. SENAI/SESI Inovação 2009. É uma ação de abrangência nacional voltada para os Departamentos

Leia mais

MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO UNIVERSIDADE FEDERAL DE SANTA MARIA PRÓ-REITORIA DE PÓS-GRADUAÇÃO E PESQUISA

MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO UNIVERSIDADE FEDERAL DE SANTA MARIA PRÓ-REITORIA DE PÓS-GRADUAÇÃO E PESQUISA MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO UNIVERSIDADE FEDERAL DE SANTA MARIA PRÓ-REITORIA DE PÓS-GRADUAÇÃO E PESQUISA EDITAL 009 /2014 PRPGP/UFSM Programa Especial de Incentivo à Pesquisa para o Servidor Mestre (PEIPSM)

Leia mais

Regulamento do 20º Concurso Inovação na Gestão Pública Federal

Regulamento do 20º Concurso Inovação na Gestão Pública Federal Regulamento do 20º Concurso Inovação na Gestão Pública Federal A Fundação Escola Nacional de Administração Pública (Enap) torna público o regulamento do 20º Concurso Inovação na Gestão Pública Federal.

Leia mais

Portal dos Convênios - SICONV. Inclusão e Envio de Proposta. Manual do Usuário

Portal dos Convênios - SICONV. Inclusão e Envio de Proposta. Manual do Usuário MINISTÉRIO DO PLANEJAMENTO ORÇAMENTO E GESTÃO SECRETARIA DE LOGÍSTICA E TECNOLOGIA DA INFORMAÇÃO DEPARTAMENTO DE LOGÍSTICA E SERVIÇOS GERAIS Portal dos Convênios - SICONV Inclusão e Envio de Proposta Manual

Leia mais

GOVERNO DO ESTADO DO CEARÁ SECRETARIA DA CIÊNCIA E TECNOLOGIA E EDUCAÇÃO SUPERIOR

GOVERNO DO ESTADO DO CEARÁ SECRETARIA DA CIÊNCIA E TECNOLOGIA E EDUCAÇÃO SUPERIOR PROGRAMA DE DESENVOLVIMENTO CIENTÍFICO E TECNOLÓGICO REGIONAL DCR/CEARÁ EDITAL FUNCAP/CNPq Nº 02/2012 DCR A FUNCAP, vinculada à Secretaria da Ciência, Tecnologia e Educação Superior SECITECE, em parceria

Leia mais

Programa de Apoio a Eventos no País PAEP

Programa de Apoio a Eventos no País PAEP Programa de Apoio a Eventos no País PAEP C A P E S EDITAL CAPES 004/2010/DPB/CAPES Seleção pública de propostas de projetos de eventos voltados ao Programa de Apoio a Eventos no País - PAEP A Fundação

Leia mais

BOLSAS DE APOIO À INOVAÇÃO DESENVOLVIMENTO DE PROTÓTIPOS OU PRODUTOS INOVADORES FEIRA DE INOVAÇÃO TECNOLÓGICA DO IFPR - IFTECH EDITAL N

BOLSAS DE APOIO À INOVAÇÃO DESENVOLVIMENTO DE PROTÓTIPOS OU PRODUTOS INOVADORES FEIRA DE INOVAÇÃO TECNOLÓGICA DO IFPR - IFTECH EDITAL N BOLSAS DE APOIO À INOVAÇÃO DESENVOLVIMENTO DE PROTÓTIPOS OU PRODUTOS INOVADORES FEIRA DE INOVAÇÃO TECNOLÓGICA DO IFPR - IFTECH EDITAL N.º 024/2014 PROEPI/IFPR A Pró-Reitoria de Extensão, Pesquisa e Inovação

Leia mais

MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO UNIVERSIDADE FEDERAL DE SANTA MARIA PRÓ-REITORIA DE PÓS-GRADUAÇÃO E PESQUISA

MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO UNIVERSIDADE FEDERAL DE SANTA MARIA PRÓ-REITORIA DE PÓS-GRADUAÇÃO E PESQUISA MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO UNIVERSIDADE FEDERAL DE SANTA MARIA PRÓ-REITORIA DE PÓS-GRADUAÇÃO E PESQUISA EDITAL 024/2015 PRPGP/UFSM Programa PROIC-HUSM Programa de Bolsas de Iniciação Científica ou Auxílio

Leia mais

CHAMADA PARA O PROCESSO DE INSCRIÇÃO 2014/2016 DO PROGRAMA INSTITUCIONAL DE BOLSAS DE INICIAÇÃO EM DESENVOLVIMENTO TECNOLÓGICO E INOVAÇÃO PIBITI

CHAMADA PARA O PROCESSO DE INSCRIÇÃO 2014/2016 DO PROGRAMA INSTITUCIONAL DE BOLSAS DE INICIAÇÃO EM DESENVOLVIMENTO TECNOLÓGICO E INOVAÇÃO PIBITI CHAMADA PARA O PROCESSO DE INSCRIÇÃO 2014/2016 DO PROGRAMA INSTITUCIONAL DE BOLSAS DE INICIAÇÃO EM DESENVOLVIMENTO TECNOLÓGICO E INOVAÇÃO PIBITI DETALHAMENTO GERAL 1. INTRODUÇÃO O Conselho Nacional de

Leia mais

Elaboração de Projetos

Elaboração de Projetos DE E DE Elaboração de Projetos PROGRAMAÇÃO DA AULA Estrutura de projetos de inovação Avaliação de projetos de inovação DE E DE Características dos Projetos de P&D DE E DE OPORTUNIDADES Parceiros Recursos

Leia mais

CHAMADA PÚBLICA MCT/FINEP/FNDCT PROMOVE Laboratórios de Inovação 06/2006 SELEÇÃO PÚBLICA DE PROPOSTAS PARA APOIO A LABORATÓRIOS DE INOVAÇÃO

CHAMADA PÚBLICA MCT/FINEP/FNDCT PROMOVE Laboratórios de Inovação 06/2006 SELEÇÃO PÚBLICA DE PROPOSTAS PARA APOIO A LABORATÓRIOS DE INOVAÇÃO CHAMADA PÚBLICA MCT/FINEP/FNDCT PROMOVE Laboratórios de Inovação 06/2006 SELEÇÃO PÚBLICA DE PROPOSTAS PARA APOIO A LABORATÓRIOS DE INOVAÇÃO 1. OBJETIVO O MINISTÉRIO DA CIÊNCIA E TECNOLOGIA MCT, por intermédio

Leia mais

Edital do Programa Institucional de Bolsas de Iniciação Tecnológica e Inovação BIT/UFRGS - 2015/2016

Edital do Programa Institucional de Bolsas de Iniciação Tecnológica e Inovação BIT/UFRGS - 2015/2016 Edital do Programa Institucional de Bolsas de Iniciação Tecnológica e Inovação BIT/UFRGS - 2015/2016 A Universidade Federal do Rio Grande do Sul, por intermédio da Secretaria de Desenvolvimento Tecnológico

Leia mais

Edital 011 VV - 2015 Programa de Iniciação Científica - PIC Faculdade Estácio Vila Velha

Edital 011 VV - 2015 Programa de Iniciação Científica - PIC Faculdade Estácio Vila Velha Edital 011 VV - 2015 Programa de Iniciação Científica - PIC Faculdade Estácio Vila Velha Artigo 1º - O Programa de Iniciação Científica - PIC tem por finalidade despertar o interesse e incentivar vocações

Leia mais

CHAMADA PÚBLICA 2015

CHAMADA PÚBLICA 2015 EDITAL N º 10/PROPPI/2015 Retificado CHAMADA PÚBLICA 2015 PROGRAMA DE APOIO AO DESENVOLVIMENTO DE PROJETOS TÉCNICOS COM FINALIDADE DIDÁTICO-PEDAGÓGICA EM CURSOS REGULARES NO Câmpus SÃO MIGUEL DO OESTE

Leia mais

ANEXO I DA RESOLUÇÃO CONSU Nº. 1.091/2014

ANEXO I DA RESOLUÇÃO CONSU Nº. 1.091/2014 1 REGULAMENTO DO PROGRAMA INTERNO DE AUXÍLIO FINANCEIRO AOS PROGRAMAS DE PÓS-GRADUAÇÃO STRICTO SENSU (AUXPPG) CAPÍTULO I Das Disposições Preliminares Art. 1º. O Programa Interno de Auxílio Financeiro aos

Leia mais