PLANO DE CONTINGÊNCIA COM FOCO NA PROTEÇÃO DE CRIANÇAS E ADOLESCENTES EM SITUAÇÃO DE EMERGÊNCIA SÃO JOSÉ (PRIMEIRA VERSÃO)

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "PLANO DE CONTINGÊNCIA COM FOCO NA PROTEÇÃO DE CRIANÇAS E ADOLESCENTES EM SITUAÇÃO DE EMERGÊNCIA SÃO JOSÉ (PRIMEIRA VERSÃO)"

Transcrição

1 ESTADO DE SANTA CATARINA PREFEITURA MUNICPAL DE SÃO JOSÉ SECRETARIA MUNICIPAL DE ASSISTÊNCIA SOCIAL PLANO DE CONTINGÊNCIA COM FOCO NA PROTEÇÃO DE CRIANÇAS E ADOLESCENTES EM SITUAÇÃO DE EMERGÊNCIA SÃO JOSÉ (PRIMEIRA VERSÃO) NOVEMBRO DE IDENTIFICAÇÃO Prefeitura Municipal de São José DJALMA VANDO BERGER 1

2 Secretária Municipal da Assistência Social LURIAN CORDEIRO LULA DA SILVA Secretária Adjunta Municipal da Assistência Social VALÉRIA CABRAL CARVALHO Diretoria de Planejamento Monitoramento e Avaliação LUCIANA PEREIRA DA SILVA Secretário de Segurança, Defesa Social e Trânsito CEL. PM EDSON SOUZA Diretor da Defesa Civil Municipal JOSÉ DEOMIR CORRÊA DA SILVA Instituições Envolvidas na Elaboração do Plano Secretaria Municipal da Assistência Social Secretaria de Segurança, Defesa Social e Trânsito Equipe técnica responsável pela elaboração do Plano KELI REGINA DAL PRÁ LUCIANA PEREIRA DA SILVA Endereço Marginal BR 101, km 202, n Serraria São José SC CEP: Telefone (48) (48) MARCO INSTITUCIONAL Base normativa O marco regulatório da Política Municipal de Assistência Social, orientador da Secretaria Municipal de Assistência Social no desenvolvimento de seus programas, projetos, serviços e benefícios da área é a Política Nacional de Assistência Social (PNAS). A 2

3 implementação do Sistema Único de Assistência Social (SUAS) e sua organização por níveis de proteção em Proteção Social Básica e Proteção Social Especial (Média e Alta Complexidade) deve prover proteção à vida, reduzir danos, monitorar populações de risco e prevenir a incidência de agravos à vida face às situações de vulnerabilidade, ocupando-se das vitimizações, fragilidades, contingências e riscos que o cidadão e sua família enfrentam no percurso da vida, decorrentes de imposições sociais, econômicas, políticas e de ofensas à dignidade humana. As ações de assistência social que promoverão o atendimento destas situações estão regulamentadas pela Tipificação Nacional de Serviços Socioassistenciais. Dentre os Serviços tipificados pelo documento elaborado pelo Ministério do Desenvolvimento Social e Combate a Fome (MDS) está o Serviço de Proteção em Situações de Calamidades Públicas e de Emergências, desenvolvido no âmbito da Proteção Social Especial de Alta Complexidade. O Serviço promoverá apoio e proteção à população atingida por situações de emergência e calamidade pública, com a oferta de alojamentos provisórios, atenções e provisões materiais, conforme as necessidades detectadas. Assegura a realização de articulações e a participação em ações conjuntas de caráter intersetorial para a minimização dos danos ocasionados e o provimento das necessidades verificadas (MDS, 2009). A Lei Orgânica da Assistência Social (LOAS, 1993), no Art. 22 dispõe sobre a concessão de benefícios eventuais dentre os quais aqueles necessários para o atendimento de vulnerabilidades temporárias, com prioridade para criança, família, idoso, pessoa portadora de deficiência, gestante, nutriz e nos casos de calamidade pública. Também os serviços assistenciais, em sua organização priorizam o atendimento a infância e à adolescência em situações de risco pessoal e social. O Estatuto da Criança e do Adolescente (Lei n /1990) garante, à criança e ao adolescente primazia de receber proteção e socorro em quaisquer circunstâncias, procedência de atendimento nos serviços públicos ou de relevância pública, preferência na formulação e na execução das políticas sociais públicas e destinação privilegiada de recursos públicos nas áreas relacionadas com a proteção à infância e à juventude Mecanismos de Coordenação Secretaria Municipal de Assistência Social Diretoria de Proteção Social Especial de Alta Complexidade Diretoria de Planejamento, Monitoramento e Avaliação Secretário de Segurança, Defesa Social e Trânsito Diretoria da Defesa Civil Municipal Tendo em vista que o município de São José se encontra em fase inicial de elaboração do plano de contingência com foco em criança e adolescente em situação de emergência e tendo em vista mudanças na organização dos serviços da política municipal 3

4 de assistência social, os contatos com as outras secretarias que envolvem outras políticas sociais de atendimento ao segmento criança e adolescente serão contatas na continuidade do processo. Inseriu-se nesta versão do Plano algumas das possibilidades de ações na área da educação, da saúde, da habitação, transportes e obras (secretaria de infra-estrutura), conselhos tutelares e conselhos de direito, mas estes pontos serão retomados quando da articulação desta rede de atendimento. Neste momento estão mobilizados a Secretaria Municipal de Assistência Social e a Secretaria de Segurança, Defesa Social e Trânsito, por meio da Diretoria da Defesa Civil. 3 - AVALIAÇÃO DE RISCOS E VULNERABILIDADES Resumo das principais ameaças e tipo de desastres prováveis a partir da informação da Defesa Civil: O município de São José foi atingido por desastres naturais no ano de 2008, nos meses de janeiro e novembro. Os dados utilizados para a descrição das principais ameaças e desastres tomaram como base o ocorrido nestes dois últimos eventos. O município de São José registra como desastres naturais a ocorrência de três fenômenos climáticos sendo: alagamentos, enxurradas ou inundações bruscas e deslizamentos. Desastres como ciclones são eventos mais incomuns, mas que já atingiram o município conforme registros de As enxurradas foram caracterizadas, segundo o Documento de Avaliação de Danos da Defesa Civil Municipal datado de 22/11/2008, por chuvas intensas e localizadas cuja precipitação pluviométrica atingiu o total acumulado de 214 mm, causando o transbordamento dos Rios Três Henriques, Forquilhas, Imaruim, Carolina, Araújo, Büchler ocasionando inundações e deslizamentos de terra em muitos bairros do município. As regiões do município que foram atingidas nos eventos de janeiro e novembro pelas chuvas foram: Alagamentos Região da grande Forquilhas, Loteamento Benjamim, Bairro Flor de Nápoles, Loteamento Jardim Pinheiros; Alagamentos e deslizamentos Vila Formosa; Alagamentos e enxurradas Bairro Fazenda Santo Antônio, Loteamento Ciniro Martins, Bairro Colônia Santana, Loteamento Morar Bem, Bairro Bela Vista, Loteamento Nossa Senhora do Rosário, Bairros Areias, Picadas do Sul e Serraria; Deslizamentos Bairro Ponta de Baixo, Rua Sebastião Luz, Bairro São Luiz, Rua Docilício Luz, Loteamento Santos Saraiva; Loteamento Jardim Solemar e Jardim Cidade de Florianópolis, Bairro Pedregal, Ipiranga e Real Parque na Rua Joaquim Vieira Padilha, área rural do Sertão do Maruim, Bairro Colônia Santana; Vila Formosa, Loteamentos 4

5 Dona Zenaide e Terra Firme, Bairro Potecas nos Loteamentos Sagrado Coração e Eva Cots. Muitas das regiões atingidas estão localizadas nas proximidades dos rios que transbordaram, seja pela intensidade das chuvas como pelo assoreamento do leito. Outras regiões, principalmente aquelas atingidas por deslizamentos encontram-se nas proximidades de encostas sem trabalho de contenção e em áreas de risco habitacional e de moradias irregulares. Assim, as principais características das áreas atingidas são regiões ribeirinhas, encostas de morros, e segundo o Relatório Técnico e Analítico Contextualizado da Situação de Emergência do Município geografia que contempla morarias à montantes e planícies quartenárias à jusante, tem o Rio Maruí como seu principal escoadouro de águas e com seu leito inferior recebe também as águas de grande porte do município de Palhoça, pois faz divisa entre os dois territórios. De maneira geral estes eventos perduraram por alguns dias, as situações de alagamento, por exemplo, tem as águas baixadas mais rapidamente. As famílias das áreas atingidas retornam para as casas somente após a previsão de estabilidade do tempo. Já as residências afetadas por deslizamentos em que as famílias tiveram que ser removidas, somente são retomadas após trabalho de recuperação do local, com contenção de encostas ou limpeza da terra da área de moradia. O retorno da família ocorre somente em caso de segurança Avaliação das vulnerabilidades das crianças e adolescentes das comunidades em risco/atingidas: A Tabela 1 apresenta o número de pessoas atingidas conforme a faixa etária e o tipo de dano sofrido. Número de Pessoas Atingidas Desalojadas 0 a 14 anos 15 a 64 anos Acima de 65 anos Gestantes Total Desabrigadas Deslocadas Desaparecidas Levemente Feridas Gravemente Feridas

6 Enfermas Mortas Afetadas Fonte: AVADAN Defesa Civil Municipal de São José (2008) Estes dados constam no Documento de Avaliação de Danos elaborado pela Defesa Civil municipal de São José, tendo em vista o desastre de 22 de novembro de Neste levantamento não foi possível identificar o número de crianças e adolescentes por comunidade de residência, mas chama a atenção o elevado número de crianças e adolescentes que foram vítimas do desastre e por conseqüência ficaram desalojadas, desabrigadas e feridas. O evento de novembro de 2008 não deixou nenhuma vítima fatal. O Quadro 1 apresenta os danos materiais que atingiram o município de São José. Danos Materiais em Edificações Danificadas Destruídas Total Mil R$ Mil R$ Mil R$ Quantidade Quantidade Residenciais Populares Residenciais - Outras Públicas de Saúde Públicas de Ensino Infra-Estrutura Pública Obras de Arte Estradas (Km) 33, Pavimentação de Vias Urbanas (Mil m 2 ) Outras Comunitárias Particulares de Saúde Particulares de Ensino Rurais

7 Industriais Comerciais Fonte: AVADAN Defesa Civil Municipal de São José (2008) Neste quadro observa-se a quantidade de danos residenciais em casas populares e em estabelecimentos escolares públicos. Em relação às residenciais o município identificou três casas que foram destruídas totalmente, sendo o restante com danos parciais. A Defesa Civil Municipal realizará o atendimento das famílias que tiveram danos materiais residenciais. Serão reconstruídas duas casas e recuperadas outras quarenta e oito casas com danos parciais, num total de cinqüenta famílias beneficiadas. O Quadro 2 demonstra os prejuízos sociais que o município teve com o desastre. Prejuízos Sociais Serviços Essenciais Quantidade Valor Abastecimento d Água Mil R$ Rede de Distribuição M 24 Estação de Tratamento (ETA) - Unid - Manancial - m 3 - Energia Elétrica Mil R$ Rede de Distribuição - M - Consumidor sem energia consumidor 220 Transporte Mil R$ Vias 8 Km 23 Terminais - Unid - Meios - Unid - Comunicações Mil R$ Rede de Comunicação - Km - Estação Retransmissora - Unid - Esgoto Mil R$ Rede Coletora 300 M 85 Estação de Tratamento (ETE) - Unid - Gás Mil R$ Geração - m 3 - Distribuição - m 3 - Lixo Mil R$ Coleta 50 T 16 Tratamento - T - Saúde Mil R$ Assistência Médica 30 p.dia 3,0 Prevenção 840 p.dia 2,20 Educação Mil R$ Alunos sem dia de aula - Aluno/dap - Mil R$ Alimentos Básicos Estabelecimentos - T - armazenadores Estabelecimentos comerciais - estabelec. - Fonte: AVADAN Defesa Civil Municipal de São José (2008) 7

8 Em relação a descrição dos prejuízos sociais tem-se: Abastecimento de água: metros de tubulação de abastecimento de água foram destruídos devido à força das águas, ocasionado por danos na adutora; Energia Elétrica: consumidores ficaram sem energia elétrica por um período de 8 horas, devido à queda de postes, rompimentos de cabos e danos nos transformadores, bem com pela prevenção de acidentes; Transporte: Deixou de fazer o trecho de 8 km, devido à queda de barreiras e áreas alagadas; Esgoto: 300 metros da rede coletora foram destruídos, pela força das águas e deslizamentos; Lixo: 50 toneladas de lixo deixaram de ser coletadas devido ao alagamento e dificuldade de acesso das ruas; Saúde: 30 pessoas receberam atendimento médico devido a pequenos ferimentos e pessoas receberam vacinas para a prevenção de doenças. Tendo em vista os danos materiais e humanos ocasionados o desastre teve impactos significativos de grande porte para o município de São José. A possibilidade de novas ocorrências de desastres naturais deve introduzir na rede de atendimento municipal, nas diversas políticas sociais e econômicas que respondem no momento de eventos como estes ações de prevenção de desastres como prioritárias para evitar novos danos à população. As ações de prevenção, seja com a população adulta ou com foco em crianças e adolescentes, devem ser acompanhadas de ações de infra-estrutura como contenção das encostas, limpeza do leito dos rios, retaludamento, fiscalização em áreas de risco para evitar invasões de moradias e conscientização da população para casos de emergência. 4. CAPACIDADE LOCAL Em relação a capacidade local informa-se que serão estabelecidos contatos com os outros setores afim de realizar o mapeamento desta rede de atendimento. 5) OBJETIVO Organizar e gerir resposta oportuna, constante e coordenada para minimizar as conseqüências dos desastres na sobrevivência e no desenvolvimento de crianças, adolescentes e suas famílias, do município de São José. 6) PLANIFICAÇÃO E ORGANIZAÇÃO DA INTERVENÇÃO DE RESPOSTA Medidas/Âmbitos de atuação na resposta Atores Funções e responsabilidades Vínculos com outros setores 8

9 Estado de Atenção Instituto Nacional de Pesquisas (INPE) Envio de mensagem de alerta EPAGRI Centro de Informações de recursos Ambientais e de Hidrometereologia (CIRAN) Alerta do desastre Defesa Civil Nacional e Estadual Secretaria de Segurança, Defesa Social e Trânsito Envio de mensagem de alerta para todos os setores Avaliação rápida da situação do desastre: atualização dos dados sobre aos danos materiais, regiões e/ou famílias atingidas no município Presidente da Comissão Municipal de Defesa Civil (COMDEC) Defesa Civil Levantamento e registros numéricos sobre locais e famílias afetadas; Participação de organizações e associações comunitárias; escolas das áreas afetadas, creches, ONGs locais; Decretação de situação de emergência Avaliação rápida da situação do desastre para as crianças, os adolescentes e suas famílias; Defesa Civil Secretaria Municipal de Assistência Social Defesa Civil (coordenação) Encaminhamento do NUPRED Levantamento de como estão sendo afetadas as crianças, os adolescentes e suas famílias; Evacuação das famílias Participação de organizações e associações comunitárias; escolas das áreas afetadas, creches, ONGs locais e mobilização dos técnicos; Evacuação das famílias das áreas afetadas (situações de risco das moradias e dos entornos) Bombeiros Bombeiros Voluntários Secretarias Municipais Polícia Militar Exército Aeronáutica 9

10 Secretaria de Assistência Social Conselhos Tutelares Acompanhamento das ações de evacuação realizadas sob a coordenação da Defesa Civil de forma a garantir a não separação das crianças e adolescentes de suas famílias. Defesa Civil Atendimento psicossocial em casos de crianças e adolescentes estar separados de seus responsáveis (Ex: situações de hospitalizações) Abertura de abrigos temporários Secretaria de Educação (coordenação) Garantir o vínculo das crianças e adolescentes com seus pais ou responsáveis Abertura dos abrigos temporários em escolas 1 coordenação do espaço Garantir a abertura de abrigos em localidades próximas às comunidades atingidas Defesa Civil Guarda Municipal Secretaria de Assistência Social Abrigos alternativos em ginásios, centros comunitários e salões de igrejas 1 As escolas são os espaços escolhidos para serem abrigos tendo em vista as condições das instalações físicas (banheiros coletivos, cozinhas e salas), da possibilidade de abrigarem grande número de pessoas, da localização geográfica junto às comunidades atingidas, mas principalmente pelo fato de que no município de São José os desastres não tiveram longa duração, sendo possível a desocupação destes espaços em aproximadamente uma ou duas semanas até a situação de normalidade tornar possível o retorno às aulas e o retorno das famílias às suas casas. 10

11 Segurança nos abrigos Comandante da Guarda Municipal (patrimônio) Polícia Militar (segurança) Zelar pela segurança dos abrigos e pelo monitoramento de entrada e saída de pessoas nos abrigos Observar as condições físicas dos espaços utilizados para abrigos sem riscos para as crianças Gerenciamento dos alojamentos Secretaria de Assistência Social Gerenciamento da assistência no abrigo em parceria com outras secretarias (dinâmica de funcionamento, das ações, das equipes de profissionais que desenvolverão atividades no local); Identificar, encaminhar e acompanhar casos de maustratos, abuso ou exploração sexual de crianças e adolescentes e de crianças/adolescentes em situação de abandono (Acionar dos órgãos e mecanismos legais de proteção) Secretaria de Educação Secretaria da Saúde Defesa Civil Guarda Municipal Atividades de sensibilização de pais e mães para prevenção da violência contra crianças e adolescentes nos abrigos; Prevenção do trabalho infantil: prever situações de aumento de trabalho infantil Documentação - garantir a emissão de documentos pessoais de crianças, adolescentes e suas famílias que perderam ou tiveram 11

12 Atenção das necessidades básicas Atenção/Recuperação Psicossocial crianças e famílias Secretaria Municipal de Assistência social Secretaria de Educação Secretaria da Saúde Defesa Civil Secretaria Municipal de Assistência Social Secretaria de Saúde Secretaria de Educação seus documentos danificados ou perdidos em decorrência do desastre Garantir qualidade e segurança na alimentação (manipulação e conservação dos alimentos e da água), considerando as necessidades das diferentes idades da infância Garantir utensílios para a nutrição das famílias, especialmente de crianças. Garantir vestuário e utensílios para higiene especialmente infantis; Garantir locais para realização da higiene pessoal das famílias e crianças Desenvolver, junto aos pais ou responsáveis pelas crianças, normas e responsabilidades para serem respeitadas e assumidas por eles durante o período de abrigamento; Garantir cuidados de saúde às famílias e crianças abrigadas; Garantir o desenvolvimento de atividades educativas, lúdicas e de lazer para crianças e adolescentes; Apoiar crianças e adolescentes na superação da experiência do desastre através de: 1 - atividades lúdicas e recreativas com crianças e adolescentes abordando a situação de emergência/desastre; 12

13 2 - atividades de educação em direitos das crianças e adolescentes e estímulo à participação através da assunção de papéis e responsabilidades nos abrigos/comunidades, desenvolvendo capacidades de prevenção e preparação para futuros desastres, 3 - Orientar e apoiar as famílias desenvolvendo com elas capacidades de prevenção e preparação para futuros desastres 4 - Identificar sintomas psicológicos e iniciar intervenções quando necessário Educação Secretaria de Educação Abertura e coordenação dos espaços dos abrigos Defesa Civil Conselhos de Segurança Comunitária (CONSEG) Recursos financeiros Fundo da Infância e Adolescência (FIA) Fundo da Defesa Civil (em criação) Fundo Municipal de Assistência Social (FMAS) Recursos municipais de reserva de contingência Núcleos de Defesa Civil na Comunidade (NUDEC) 13

14 ANEXOS MAPAS DE ÁREAS ATINGIDAS 14

15 Legenda: Traços amarelos Deslizamentos Traços vermelhos Alagamentos Classificação: Defesa Civil Municipal de São José 15

16 16

17 17

18 18

19 19

20 20

21 21

22 ANEXOS FOTOS DOS LOCAIS ATINGIDOS 22

23 23

24 24

25 25

26 26

27 27

Modelo básico para Plano Diretor de Defesa Civil CASA MILITAR COORDENADORIA ESTADUAL DE DEFESA CIVIL

Modelo básico para Plano Diretor de Defesa Civil CASA MILITAR COORDENADORIA ESTADUAL DE DEFESA CIVIL Modelo básico para Plano Diretor de Defesa Civil CASA MILITAR COORDENADORIA ESTADUAL DE DEFESA CIVIL TERMO DE REFERÊNCIA PARA ELABORAÇÃO DO PLANO DIRETOR DE DEFESA CIVIL INTRODUÇÃO 1. O presente Termo

Leia mais

COORDENADORIA ESTADUAL DE DEFESA CIVIL

COORDENADORIA ESTADUAL DE DEFESA CIVIL COORDENADORIA ESTADUAL DE DEFESA CIVIL Roteiro para montagem de um Plano Preventivo de Defesa Civil Apresentamos o presente roteiro com conteúdo mínimo de um Plano Preventivo de Defesa Civil ou Plano de

Leia mais

AVALIAÇÃO DE DANOS S I S T E M A N A C I O N A L D E D E F E S A C I V I L S I N D E C. Descrição da Área Afetada. Toda área RURAL do município.

AVALIAÇÃO DE DANOS S I S T E M A N A C I O N A L D E D E F E S A C I V I L S I N D E C. Descrição da Área Afetada. Toda área RURAL do município. S I S T E M A N A C I O N A L D E D E F E S A C I V I L S I N D E C AVALIAÇÃO DE DANOS 1 Tipificação: Código Denominação 2- Data de Ocorrência Dia Mês Ano Horário NE.SES 12.401 Estiagem 08 04 2009 09:00

Leia mais

Riscos de deslizamentos de encostas em áreas urbanas

Riscos de deslizamentos de encostas em áreas urbanas Riscos de deslizamentos de encostas em áreas urbanas Thiago Galvão Geógrafo Desenvolvimento Urbano MINISTÉRIO DAS CIDADES Celso Carvalho Frederico Seabra Leonardo Ferreira Thiago Galvão A resposta necessária

Leia mais

Governo do Estado de Santa Catarina Grupo Reação SANTA CATARINA. O maior desastre de sua história

Governo do Estado de Santa Catarina Grupo Reação SANTA CATARINA. O maior desastre de sua história SANTA CATARINA O maior desastre de sua história As adversidades climáticas têm afetado significativamente o Estado de Santa Catarina ao longo de sua história. Essas adversidades, que podem ocasionar desastres

Leia mais

Secretaria de Estado da Defesa Civil

Secretaria de Estado da Defesa Civil HISTÓRICO DOS DESASTRES EM SANTA CATARINA E AÇÕES DA SECRETARIA DE ESTADO DA DEFESA CIVIL Aldo Baptista Neto Major Bombeiro Militar Diretor de Resposta a Desastres Histórico dos Desastres no Estado 1974

Leia mais

LEI N. 707 DE 25 DE ABRIL DE 2011.

LEI N. 707 DE 25 DE ABRIL DE 2011. LEI N. 707 DE 25 DE ABRIL DE 2011. Dispõe sobre os critérios da concessão de benefícios eventuais de Auxílio Natalidade, Funeral, situações de Calamidade Pública e situações de Vulnerabilidade Temporária

Leia mais

Secretaria Nacional de Assistência Social

Secretaria Nacional de Assistência Social POLÍTICA NACIONAL DE ASSISTÊNCIA SOCIAL SISTEMA ÚNICO DE ASSISTÊNCIA SOCIAL SUAS Secretaria Nacional de Assistência Social MARCOS NORMATIVOS E REGULATÓRIOS Constituição Federal 1988 LOAS 1993 PNAS 2004

Leia mais

Prefeitura Municipal de Valente-BA PODER EXECUTIVO

Prefeitura Municipal de Valente-BA PODER EXECUTIVO ANO. 2013 DO MUNICÍPIO DE VALENTE - BAHIA 1 A Prefeitura Municipal de Valente, Estado Da Bahia, Visando a Transparência dos Seus Atos Vem PUBLICAR. LEI N.º 606/13, DE 12 DE DEZEMBRO DE 2013 Regulamenta

Leia mais

Sistema Único de Assistência Social

Sistema Único de Assistência Social Sistema Único de Assistência Social Secretaria Nacional de Assistência Social Departamento de Proteção Social Especial Brasília-DF Dezembro de 2011 O Sistema Único de Assistência Social (Suas) é um sistema

Leia mais

Ministério do Desenvolvimento Social e Combate à Fome POLÍTICA DE ATENDIMENTO AO IDOSO NO ÂMBITO DA ASSISTÊNCIA SOCIAL - S U A S

Ministério do Desenvolvimento Social e Combate à Fome POLÍTICA DE ATENDIMENTO AO IDOSO NO ÂMBITO DA ASSISTÊNCIA SOCIAL - S U A S POLÍTICA DE ATENDIMENTO AO IDOSO NO ÂMBITO DA ASSISTÊNCIA SOCIAL - S U A S MINISTÉRIO DO DESENVOLVIMENTO SOCIAL E COMBATE À FOME Data de Criação: 23 de janeiro de 2004. Objetivo: aumentar a intersetorialidade

Leia mais

O SERVIÇO SOCIAL E A PRÁTICA PROFISSIONAL NA CASA DA ACOLHIDA

O SERVIÇO SOCIAL E A PRÁTICA PROFISSIONAL NA CASA DA ACOLHIDA O SERVIÇO SOCIAL E A PRÁTICA PROFISSIONAL NA CASA DA ACOLHIDA LEMOS, Josiane (estágio I), e-mail: lemosjosi@hotmail.com SANTOS, Lourdes de Fátima dos (estágio I). e-mail: lurdesfsantos84@hotmail.com SCHEMIGUEL,

Leia mais

Coordenação-Geral de Regulação da Gestão do SUAS do Departamento de Gestão do SUAS

Coordenação-Geral de Regulação da Gestão do SUAS do Departamento de Gestão do SUAS Coordenação-Geral de Regulação da Gestão do SUAS do Departamento de Gestão do SUAS SUAS E SISAN MARCO LEGAL - Art. 6º da CF/88 : São direitos sociais a educação, a saúde, a alimentação, o trabalho, a moradia,

Leia mais

LEI Nº 4.653, DE 3 DE SETEMBRO DE 2015

LEI Nº 4.653, DE 3 DE SETEMBRO DE 2015 LEI Nº 4.653, DE 3 DE SETEMBRO DE 2015 Regulamenta a provisão de Benefícios Eventuais no âmbito da Política Pública de Assistência Social, no Município de Pato Branco, Estado do Paraná. A Câmara Municipal

Leia mais

Proteção Social Básica

Proteção Social Básica Proteção Social Básica Proteção Social Básica A Proteção Social Básica (PSB) atua na prevenção dos riscos por meio do desenvolvimento de potencialidades e do fortalecimento de vínculos familiares e comunitários

Leia mais

PLANO DE CONTINGÊNCIA PARA O ATENDIMENTO DA POPULAÇÃO DO MUNICIPIO DE ILHOTA/SC Versão 001/2009

PLANO DE CONTINGÊNCIA PARA O ATENDIMENTO DA POPULAÇÃO DO MUNICIPIO DE ILHOTA/SC Versão 001/2009 PLANO DE CONTINGÊNCIA PARA O ATENDIMENTO DA POPULAÇÃO DO MUNICIPIO DE ILHOTA/SC Versão 001/2009 Sumário 1. Introdução 2. Diagnóstico/Justificativa 3. Área de atuação e Público Alvo 4. Objetivos 5. Ações

Leia mais

POLÍTICA NACIONAL DE ASSISTÊNCIA SOCIAL, SUAS e legislações pertinentes. Profa. Ma. Izabel Scheidt Pires

POLÍTICA NACIONAL DE ASSISTÊNCIA SOCIAL, SUAS e legislações pertinentes. Profa. Ma. Izabel Scheidt Pires POLÍTICA NACIONAL DE ASSISTÊNCIA SOCIAL, SUAS e legislações pertinentes Profa. Ma. Izabel Scheidt Pires REFERÊNCIAS LEGAIS CF 88 LOAS PNAS/04 - SUAS LOAS A partir da Constituição Federal de 1988, regulamentada

Leia mais

Políticas Setoriais Secretarias Municipais: Saúde, Assistência Social, Educação, Direitos Humanos(quando houver). Participações Desejáveis

Políticas Setoriais Secretarias Municipais: Saúde, Assistência Social, Educação, Direitos Humanos(quando houver). Participações Desejáveis PARÂMETROS PARA A CONSTITUIÇÃO DAS COMISSÕES INTERSETORIAIS DE ACOMPANHAMENTO DO PLANO NACIONAL DE PROMOÇÃO, PROTEÇÃO E DEFESA DO DIREITO DE CRIANÇAS E ADOLESCENTES À CONVIVÊNCIA FAMILIAR E COMUNITÁRIA

Leia mais

Elaboração de um Banco de Dados para Eventos Severos

Elaboração de um Banco de Dados para Eventos Severos Elaboração de um Banco de Dados para Eventos Severos G. J. Pellegrina 1, M. A. Oliveira 1 e A. S. Peixoto 2 1 Instituto de Pesquisas Meteorológicas (UNESP), Bauru S.P., Brasil 2 Departamento de Engenharia

Leia mais

Ações técnicas e governamentais no contexto de enchentes em Campos dos Goytacazes/RJ

Ações técnicas e governamentais no contexto de enchentes em Campos dos Goytacazes/RJ Ações técnicas e governamentais no contexto de enchentes em Campos dos Goytacazes/RJ Edison Pessanha Campos dos Goytacazes, que já enfrentou grandes enchentes, como as de 2007, com o rio Paraíba atingindo

Leia mais

NÚCLEO TÉCNICO FEDERAL

NÚCLEO TÉCNICO FEDERAL NÚCLEO TÉCNICO FEDERAL Programa de Proteção a Crianças e Adolescentes Ameaçados de Morte PPCAAM Secretaria Nacional de Promoção dos Direitos da Criança e do Adolescente Secretaria de Direitos Humanos Presidência

Leia mais

UNIVERSIDADE FEDERAL DE PELOTAS LABORATÓRIO DE ANÁLISE AMBIENTAL E GEOESPACIAL

UNIVERSIDADE FEDERAL DE PELOTAS LABORATÓRIO DE ANÁLISE AMBIENTAL E GEOESPACIAL UNIVERSIDADE FEDERAL DE PELOTAS LABORATÓRIO DE ANÁLISE AMBIENTAL E GEOESPACIAL PLANO DE CONTINGÊNCIA DE PROTEÇÃO E DEFESA CIVIL Dezembro/2014 Sumário 1. INTRODUÇÃO... 3 2. OBJETIVO... 4 3. ESTRUTURA...

Leia mais

ANEXO NOTIFICAÇÃO DE EMERGÊNCIA AMBIENTAL SOLICITAÇÃO DE ASSISTÊNCIA INTERNACIONAL

ANEXO NOTIFICAÇÃO DE EMERGÊNCIA AMBIENTAL SOLICITAÇÃO DE ASSISTÊNCIA INTERNACIONAL ANEXO NOTIFICAÇÃO DE EMERGÊNCIA AMBIENTAL SOLICITAÇÃO DE ASSISTÊNCIA INTERNACIONAL A: Tel:( ) Em caso de emergência somente: ( ) Fax: ( )...ou (...)... Correio eletrônico: Internet: http://www. De: Nome:

Leia mais

POLÍTICAS PÚBLICAS Aula 11. Prof. a Dr. a Maria das Graças Rua

POLÍTICAS PÚBLICAS Aula 11. Prof. a Dr. a Maria das Graças Rua POLÍTICAS PÚBLICAS Aula 11 Prof. a Dr. a Maria das Graças Rua POLÍTICA NACIONAL DE ASSISTÊNCIA SOCIAL (2004) O SUAS materializa o conteúdo da LOAS, cumprindo no tempo histórico dessa Política as exigências

Leia mais

ESCORREGAMENTOS DE ENCOSTAS formas de intervenção e redução de riscos

ESCORREGAMENTOS DE ENCOSTAS formas de intervenção e redução de riscos ESCORREGAMENTOS DE ENCOSTAS formas de intervenção e redução de riscos Luiz A. Bressani, PhD Departamento de Engenharia Civil UFRGS bressani@ufrgs.br 18 de março de 2010 Palestra proferida a convite da

Leia mais

Mostra de Projetos 2011. Projeto de Implantação da Rede de Proteção Social de Araucária

Mostra de Projetos 2011. Projeto de Implantação da Rede de Proteção Social de Araucária Mostra de Projetos 2011 Projeto de Implantação da Rede de Proteção Social de Araucária Mostra Local de: Araucária. Categoria do projeto: I - Projetos em implantação, com resultados parciais. Nome da Instituição/Empresa:

Leia mais

Atenção à Saúde e Saúde Mental em Situações de Desastres

Atenção à Saúde e Saúde Mental em Situações de Desastres Atenção à Saúde e Saúde Mental em Situações de Desastres Desastre: interrupção grave do funcionamento normal de uma comunidade que supera sua capacidade de resposta e recuperação. Principais causas de

Leia mais

SECRETARIA MUNICIPAL ADJUNTA DE ASSISTÊNCIA SOCIAL SISTEMA ÚNICO DE ASSISTÊNCIA SOCIAL-SUAS TRABALHANDO EM REDE

SECRETARIA MUNICIPAL ADJUNTA DE ASSISTÊNCIA SOCIAL SISTEMA ÚNICO DE ASSISTÊNCIA SOCIAL-SUAS TRABALHANDO EM REDE SECRETARIA MUNICIPAL ADJUNTA DE ASSISTÊNCIA SOCIAL SISTEMA ÚNICO DE ASSISTÊNCIA SOCIAL-SUAS TRABALHANDO EM REDE CONCEITO DE REDE Para as Ciências Sociais: conjunto de relações sociais entre um conjunto

Leia mais

Programa Cisternas MDS Ministério do Desenvolvimento Social e Combate à Fome Secretaria Nacional de Segurança Alimentar e Nutricional

Programa Cisternas MDS Ministério do Desenvolvimento Social e Combate à Fome Secretaria Nacional de Segurança Alimentar e Nutricional Programa Cisternas MDS Ministério do Desenvolvimento Social e Combate à Fome Secretaria Nacional de Segurança Alimentar e Nutricional Coordenação Geral de Acesso à Água Carolina Bernardes Água e Segurança

Leia mais

3º RELATÓRIO CONSOLIDADO DE ANDAMENTO DO PBA E DO ATENDIMENTO DE CONDICIONANTES

3º RELATÓRIO CONSOLIDADO DE ANDAMENTO DO PBA E DO ATENDIMENTO DE CONDICIONANTES 3º RELATÓRIO CONSOLIDADO DE ANDAMENTO DO PBA E DO ATENDIMENTO DE CONDICIONANTES 4.6.2 PROJETO DE ATENDIMENTO SOCIAL E PSICOLÓGICO DA POPULAÇÃO ATINGIDA Anexo 4.6.2-1 - Proposta de uso do Índice de Desenvolvimento

Leia mais

CONFEA 21 a 25 de fevereiro de 2011

CONFEA 21 a 25 de fevereiro de 2011 CONFEA 21 a 25 de fevereiro de 2011 Prevenção de Catástrofes...da previsão ao controle Margareth Alheiros UFPE 22/02/2011 O que a sociedade sabe sobre Desastres? O que circula na imprensa: imagens com

Leia mais

Programa de Capacitação e Treinamento em Defesa Civil e Políticas de Segurança

Programa de Capacitação e Treinamento em Defesa Civil e Políticas de Segurança PREFEITURA DUQUE DE CAXIAS Programa de Capacitação e Treinamento em Defesa Civil e Políticas de Segurança Uma Estratégia de Ação para Capacitar e Treinar Servidores, Líderes Comunitários e Voluntários

Leia mais

Proponente/Agente Promotor: Prefeitura Municipal de Salto do Jacuí - RS. 1.000.000,00 Contrapartida

Proponente/Agente Promotor: Prefeitura Municipal de Salto do Jacuí - RS. 1.000.000,00 Contrapartida TE-SER Social Consultoria e Assessoria de Projetos Ltda. Rua Upamaroti, 1129/121 Bairro Cristal Porto Alegre/RS CEP: 90.820-140 CNPJ: 08.798.484/0001-78 Inscrição Municipal: 510.834.26 Análise de Projeto

Leia mais

A Política Nacional de Assistência Social na Perspectiva do Sistema Único - SUAS

A Política Nacional de Assistência Social na Perspectiva do Sistema Único - SUAS A Política Nacional de Assistência Social na Perspectiva do Sistema Único - SUAS Deliberação da IV Conferência Nacional; Garantia de acesso aos direitos socioassistenciais; Modelo democrático e descentralizado

Leia mais

Mostra de Projetos 2011. Projovem em Ação

Mostra de Projetos 2011. Projovem em Ação Mostra de Projetos 2011 Projovem em Ação Mostra Local de: Londrina. Categoria do projeto: Projetos em implantação, com resultados parciais. Nome da Instituição/Empresa: Prefeitura Municipal Santa Cecilia

Leia mais

SBE-01-B- SERVIÇO DE PROTEÇÃO SOCIAL ESPECIAL PARA PESSOAS COM DEFICIÊNCIA, IDOSAS E SUAS FAMÍLIAS

SBE-01-B- SERVIÇO DE PROTEÇÃO SOCIAL ESPECIAL PARA PESSOAS COM DEFICIÊNCIA, IDOSAS E SUAS FAMÍLIAS INSTRUÇÃO NORMATIVA Nº SBE-01-B/2014 Data: 20/09/2014 Versão: Original 01 SISTEMA ADMINISTRATIVO SBE SISTEMA DE BEM ESTAR SOCIAL 02 ASSUNTO SBE-01-B- SERVIÇO DE PROTEÇÃO SOCIAL ESPECIAL PARA PESSOAS COM

Leia mais

Palestra: Política Nacional de Assistência Social e Sistema Único da Assistência Social SUAS

Palestra: Política Nacional de Assistência Social e Sistema Único da Assistência Social SUAS Palestra: Política Nacional de Assistência Social e Sistema Único da Assistência Social SUAS Professores: Leonardo Martins Prudente e Adailton Amaral Barbosa Leite Brasília, Agosto de 2013 Política Nacional

Leia mais

Análise de Projeto Técnico Social APT MUNICÍPIO DE TURUÇU/ RS UF: RS

Análise de Projeto Técnico Social APT MUNICÍPIO DE TURUÇU/ RS UF: RS TE-SER Social Consultoria e Assessoria de Projetos Ltda. Rua Upamaroti, 1129/121 Bairro Cristal Porto Alegre/RS CEP: 90.820-140 CNPJ: 08.798.484/0001-78 Inscrição Municipal: 510.834.26 Análise de Projeto

Leia mais

Lions Clube Centro-São José dos Campos

Lions Clube Centro-São José dos Campos Lions Clube Centro-São José dos Campos Projeto Transformação BRASIL Transformação é um projeto que visa ampliar as oportunidades educativas, investindo no desenvolvimento do potencial de cada criança e

Leia mais

SÃO JOSÉ Plano Diretor Participativo

SÃO JOSÉ Plano Diretor Participativo O que é a 1ª Rodada de? A 1ª Rodada de Eventos Comunitários foi o primeiro contato estabelecido com a população no Processo do Novo Plano Diretor. Teve como objetivo coletar percepções das comunidades

Leia mais

DANOS OCASIONADOS POR DESASTRES NATURAIS NO MUNICÍPIO DE GUARAPUAVA/PR ENTRE 1991 E 2014

DANOS OCASIONADOS POR DESASTRES NATURAIS NO MUNICÍPIO DE GUARAPUAVA/PR ENTRE 1991 E 2014 DANOS OCASIONADOS POR DESASTRES NATURAIS NO MUNICÍPIO DE GUARAPUAVA/PR ENTRE 1991 E 2014 Deivana Eloisa Ferreira de ALMEIDA Universidade Estadual do Centro-Oeste UNICENTRO, Guarapuava-PR Leandro Redin

Leia mais

II COLÓQUIO - GESTÃO DO RISCO E CULTURA DE SEGURANÇA 30/11/2015 II COLÓQUIO - GESTÃO DO RISCO E CULTURA DE SEGURANÇA - MADEIRA TECNOPOLO FUNCHAL 1

II COLÓQUIO - GESTÃO DO RISCO E CULTURA DE SEGURANÇA 30/11/2015 II COLÓQUIO - GESTÃO DO RISCO E CULTURA DE SEGURANÇA - MADEIRA TECNOPOLO FUNCHAL 1 II COLÓQUIO - GESTÃO DO RISCO E CULTURA DE SEGURANÇA 30/11/2015 II COLÓQUIO - GESTÃO DO RISCO E CULTURA DE SEGURANÇA - MADEIRA TECNOPOLO FUNCHAL 1 30/11/2015 II COLÓQUIO - GESTÃO DO RISCO E CULTURA DE

Leia mais

AUTÓGRAFO DE LEI Nº 086/2015

AUTÓGRAFO DE LEI Nº 086/2015 AUTÓGRAFO DE LEI Nº 086/2015 Define, Normatiza e Regulamenta a concessão de Benefícios Eventuais da Política da Assistência Social, no Âmbito do Município de Cachoeira Dourada-GO e dá Outras Providências.

Leia mais

A GESTÃO DO CREAS E AS MUDANÇAS COM A TIPIFICAÇÃO E O PROTOCOLO DE GESTÃO

A GESTÃO DO CREAS E AS MUDANÇAS COM A TIPIFICAÇÃO E O PROTOCOLO DE GESTÃO A GESTÃO DO CREAS E AS MUDANÇAS COM A TIPIFICAÇÃO E O PROTOCOLO DE GESTÃO A Assistência Social como política de proteção social configura uma nova situação para o Brasil: garantir proteção a todos, que

Leia mais

Gestão Participativa em BH. Belo Horizonte, 01 de dezembro 2010

Gestão Participativa em BH. Belo Horizonte, 01 de dezembro 2010 Gestão Participativa em BH Belo Horizonte, 01 de dezembro 2010 1 Gestão Participativa em BH Belo Horizonte tem um longo histórico de gestão democrático-popular; Existe forte determinação política para:

Leia mais

PREFEITURA DE BELO HORIZONTE

PREFEITURA DE BELO HORIZONTE PREFEITURA DE BELO HORIZONTE DADOS DA CIDADE Data de fundação: 12 de dezembro de 1897 Área: 331 km 2 Latitude y Longitude 19 55'S, 43 56'W Minas Gerais BH INDICADORES DEMOGRÁFICOS População: 2.375.151

Leia mais

Rosimeire Ap. Mantovan rosimantovan@uol.com.br. Escola de Governo Novembro/15

Rosimeire Ap. Mantovan rosimantovan@uol.com.br. Escola de Governo Novembro/15 Rosimeire Ap. Mantovan rosimantovan@uol.com.br Escola de Governo Novembro/15 AÇÃO SOCIAL COM FORTE ATUAÇÃO DA IGREJA ENVOLVIMENTO DA SOCIEDADE CIVIL AUSÊNCIA DO ESTADO AÇÕES FOCALIZADAS E FRAGMENTADAS

Leia mais

Nota Técnica. Conceitos da Vigilância Socioassistencial Nº 01. Curitiba, PR. Junho de 2014. Coordenação da Gestão do SUAS

Nota Técnica. Conceitos da Vigilância Socioassistencial Nº 01. Curitiba, PR. Junho de 2014. Coordenação da Gestão do SUAS Nota Técnica Conceitos da Vigilância Socioassistencial Nº 01 Curitiba, PR. Junho de 2014 Coordenação da Gestão do SUAS Conceitos da Vigilância Socioassistencial Finalidade: Considerando a importância da

Leia mais

PRÊMIO SELO MÉRITO 2012 PROJETO AMBIENTAL E SOCIALMENTE RESPONSÁVEL

PRÊMIO SELO MÉRITO 2012 PROJETO AMBIENTAL E SOCIALMENTE RESPONSÁVEL PRÊMIO SELO MÉRITO 2012 PROJETO AMBIENTAL E SOCIALMENTE RESPONSÁVEL Nossa responsabilidade vai além da diminuição do déficit habitacional do Estado de Goiás. A prioridade é fomentar ambientes sustentáveis,

Leia mais

Plano Decenal dos Direitos Humanos de Crianças e Adolescentes

Plano Decenal dos Direitos Humanos de Crianças e Adolescentes Plano Decenal dos Direitos Humanos de Crianças e Adolescentes EIXO 1 PROMOÇÃO DOS DIREITOS DE CRIANÇAS E ADOLESCENTES Diretriz 01 - Promoção da cultura do respeito e da garantia dos direitos humanos de

Leia mais

BOA GOVERNANÇA PARA GESTÃO SUSTENTÁVEL DAS ÁGUAS URBANAS PROGRAMA DRENURBS

BOA GOVERNANÇA PARA GESTÃO SUSTENTÁVEL DAS ÁGUAS URBANAS PROGRAMA DRENURBS BOA GOVERNANÇA PARA GESTÃO SUSTENTÁVEL DAS ÁGUAS URBANAS PROGRAMA DRENURBS Um programa para integrar objetivos ambientais e sociais na gestão das águas Superintendência de Desenvolvimento da Capital -

Leia mais

experiência inovadora como contribuição da sociedade civil: Reintegração Familiar de Crianças e Adolescentes em Situação de Rua.

experiência inovadora como contribuição da sociedade civil: Reintegração Familiar de Crianças e Adolescentes em Situação de Rua. Título da experiência: Políticas públicas de apoio à população de rua Uma experiência inovadora como contribuição da sociedade civil: Reintegração Familiar de Crianças e Adolescentes em Situação de Rua.

Leia mais

Análise de Projeto Técnico Social APT MUNICÍPIO DE VICENTE DUTRA/RS

Análise de Projeto Técnico Social APT MUNICÍPIO DE VICENTE DUTRA/RS TE-SER Social Consultoria e Assessoria de Projetos Ltda. Rua Upamaroti, 1129/121 Bairro Cristal Porto Alegre/RS CEP: 90.820-140 CNPJ: 08.798.484/0001-78 Inscrição Municipal: 510.834.26 Análise de Projeto

Leia mais

NORMAS DE SEGURANÇA CONTRA INCÊNDIOS INSTRUÇÃO NORMATIVA (IN 031/DAT/CBMSC) PLANO DE EMERGÊNCIA

NORMAS DE SEGURANÇA CONTRA INCÊNDIOS INSTRUÇÃO NORMATIVA (IN 031/DAT/CBMSC) PLANO DE EMERGÊNCIA ESTADO DE SANTA CATARINA SECRETARIA DE ESTADO DA SEGURANÇA PÚBLICA CORPO DE BOMBEIROS MILITAR DIRETORIA DE ATIVIDADES TÉCNICAS - DAT NORMAS DE SEGURANÇA CONTRA INCÊNDIOS INSTRUÇÃO NORMATIVA (IN 031/DAT/CBMSC)

Leia mais

PREFEITURA MUNICIPAL DE CURITIBA INSTITUTO DE PESQUISA E PLANEJAMENTO URBANO DE CURITIBA

PREFEITURA MUNICIPAL DE CURITIBA INSTITUTO DE PESQUISA E PLANEJAMENTO URBANO DE CURITIBA PREFEITURA MUNICIPAL DE CURITIBA INSTITUTO DE PESQUISA E PLANEJAMENTO URBANO DE CURITIBA OFICINA DE CAPACITAÇÃO PARA O PLANO DIRETOR: REGIONAL BOQUEIRÃO 18/03/2014 CURITIBA MARÇO/2014 Realizações no dia

Leia mais

ESTA PALESTRA NÃO PODERÁ SER REPRODUZIDA SEM A

ESTA PALESTRA NÃO PODERÁ SER REPRODUZIDA SEM A ESTA PALESTRA NÃO PODERÁ SER REPRODUZIDA SEM A REFERÊNCIA DO AUTOR Irma Martins Moroni da Silveira FALAR DA CONTEMPORANEIDADE É REFLETIR SOBRE O TEMPO PRESENTE Falar do hoje da Assistência Social; Como

Leia mais

O PETI e o Trabalho em Rede. Maria de Fátima Nassif Equipe Proteção Social Especial Coordenadoria de Ação Social Secretaria de Desenvolvimento Social

O PETI e o Trabalho em Rede. Maria de Fátima Nassif Equipe Proteção Social Especial Coordenadoria de Ação Social Secretaria de Desenvolvimento Social O PETI e o Trabalho em Rede Maria de Fátima Nassif Equipe Proteção Social Especial Coordenadoria de Ação Social Secretaria de Desenvolvimento Social Articulação da rede de serviços socioassistenciais Proteção

Leia mais

Resposta Hospitalar à Catástrofe Externa e Emergência Interna. Abílio Casaleiro

Resposta Hospitalar à Catástrofe Externa e Emergência Interna. Abílio Casaleiro Resposta Hospitalar à Catástrofe Externa e Emergência Interna 27.02.2015 Apresentação do Hospital de Cascais Plano de Catástrofe Externa Plano de Emergência Interna Hospital de Cascais - Caracterização

Leia mais

IX JORNADA DE ESTÁGIO: FORMAÇÃO E PRÁTICA PROFISSIONAL DO SERVIÇO SOCIAL.

IX JORNADA DE ESTÁGIO: FORMAÇÃO E PRÁTICA PROFISSIONAL DO SERVIÇO SOCIAL. IX JORNADA DE ESTÁGIO: FORMAÇÃO E PRÁTICA PROFISSIONAL DO SERVIÇO SOCIAL. A PRÁTICA DO SERVIÇO SOCIAL NA COMUNIDADE TERAPEUTICA MARCOS FERNANDES PINHEIRO SILVA, Pollyane Ditoza (estagio II), CORREIA, Valeria

Leia mais

LEI Nº 3.612, DE 13/09/2012.

LEI Nº 3.612, DE 13/09/2012. LEI Nº 3.612, DE 13/09/2012. DISPÕE SOBRE A CRIAÇÃO DO PROGRAMA FAMÍLIA ACOLHEDORA E DÁ OUTRAS PROVIDÊNCIAS. O PREFEITO MUNICIPAL DE ARACRUZ, ESTADO DO ESPÍRITO SANTO, NO USO DE SUAS ATRIBUIÇÕES LEGAIS,

Leia mais

Carta Aberta aos candidatos e candidatas às prefeituras e Câmaras Municipais

Carta Aberta aos candidatos e candidatas às prefeituras e Câmaras Municipais Carta Aberta aos candidatos e candidatas às prefeituras e Câmaras Municipais Estatuto da Criança e do Adolescente: 18 anos, 18 Compromissos A criança e o adolescente no centro da gestão municipal O Estatuto

Leia mais

PREFEITURA MUNICIPAL DE CURITIBA INSTITUTO DE PESQUISA E PLANEJAMENTO URBANO DE CURITIBA

PREFEITURA MUNICIPAL DE CURITIBA INSTITUTO DE PESQUISA E PLANEJAMENTO URBANO DE CURITIBA PREFEITURA MUNICIPAL DE CURITIBA INSTITUTO DE PESQUISA E PLANEJAMENTO URBANO DE CURITIBA OFICINA DE CAPACITAÇÃO PARA O PLANO DIRETOR: REGIONAL PORTÃO 25/03/2014 CURITIBA MARÇO/2014 Propostas do dia 25

Leia mais

Programa Nacional de Enfrentamento da Violência Sexual contra Crianças e Adolescentes

Programa Nacional de Enfrentamento da Violência Sexual contra Crianças e Adolescentes Programa Nacional de Enfrentamento da Violência Sexual contra Crianças e Adolescentes Mostrando que a proteção de nossas crianças e adolescentes também está em fase de crescimento Subsecretaria de Promoção

Leia mais

Análise de Projeto Técnico Social APT MUNICÍPIO DE SÃO SEPÉ

Análise de Projeto Técnico Social APT MUNICÍPIO DE SÃO SEPÉ TE-SER Social Consultoria e Assessoria de Projetos Ltda. Rua Upamaroti, 1129/121 Bairro Cristal Porto Alegre/RS CEP: 90.820-140 CNPJ: 08.798.484/0001-78 Inscrição Municipal: 510.834.26 Análise de Projeto

Leia mais

Gestão de Risco de Desastres Naturais

Gestão de Risco de Desastres Naturais Gestão de Risco de Desastres Naturais (ENSP/FIOCRUZ) Centro de Estudos e Pesquisas em Emergências e Desastres em Saúde (CEPEDES FIOCRUZ) GESTÃO Conjunto de decisões administrativas, de organização e de

Leia mais

LEI Nº 310/2009, DE 15 DE JUNHO DE 2009.

LEI Nº 310/2009, DE 15 DE JUNHO DE 2009. LEI Nº 310/2009, DE 15 DE JUNHO DE 2009. DISPÕE SOBRE A REESTRUTURAÇÃO DO DEPARTAMENTO MUNICIPAL DE SAÚDE, CRIAÇÃO DO DEPARTAMENTO DE ASSISTÊNCIA E DESENVOLVIMENTO SOCIAL, DA DIVISÃO DE MEIO-AMBIENTE E

Leia mais

MUNICÍPIO DE CRUZEIRO DO SUL - ACRE GABINETE DO PREFEITO. ANEXO I (Lei n 513, de 22/10/2009 - Diretrizes Orçamentárias 2010)

MUNICÍPIO DE CRUZEIRO DO SUL - ACRE GABINETE DO PREFEITO. ANEXO I (Lei n 513, de 22/10/2009 - Diretrizes Orçamentárias 2010) Pág. 1 de 7 ANEXO I (Lei n 513, de 22/10/2009 - Diretrizes Orçamentárias 2010) PRIORIDADES E METAS PARA 2010 PODER LEGISLATIVO AÇÃO LEGISLATIVA - Dar apoio administrativo e garantir a manutenção das ações,

Leia mais

PROJETO DE LEI N 505/2013 CAPÍTULO I DOS BENEFÍCIOS E SEUS OBJETIVOS

PROJETO DE LEI N 505/2013 CAPÍTULO I DOS BENEFÍCIOS E SEUS OBJETIVOS PROJETO DE LEI N 505/2013 REGULAMENTA OS BENEFÍCIOS EVENTUAIS PREVISTOS NA LEI FEDERAL N.º 8.472/93 E DÁ OUTRAS PROVIDÊNCIAS. O Povo do Município de Nepomuceno, Minas Gerais, por seus representantes legais

Leia mais

Prefeitura Municipal de Itanhangá Gestão 2005/2008

Prefeitura Municipal de Itanhangá Gestão 2005/2008 LEI Nº 019/2005 DATA: 10 DE MARÇO DE 2005. SÚMULA: CRIA O CONSELHO MUNICIPAL DE ASSISTENCIA SOCIAL DA OUTRAS PROVIDÊNCIS. O Sr. VALDIR CAMPAGNOLO, Prefeito Municipal de Itanhangá, Estado de Mato Grosso,

Leia mais

RESOLUÇÃO CONJUNTA CNAS/CONANDA Nº 001 DE 09 DE JUNHO DE 2010

RESOLUÇÃO CONJUNTA CNAS/CONANDA Nº 001 DE 09 DE JUNHO DE 2010 RESOLUÇÃO CONJUNTA CNAS/CONANDA Nº 001 DE 09 DE JUNHO DE 2010 Estabelece parâmetros para orientar a constituição, no âmbito dos Estados, Municípios e Distrito Federal, de Comissões Intersetoriais de Convivência

Leia mais

LEI Nº 4.791 DE 2 DE ABRIL DE

LEI Nº 4.791 DE 2 DE ABRIL DE Lei nº 4791/2008 Data da Lei 02/04/2008 O Presidente da Câmara Municipal do Rio de Janeiro nos termos do art. 79, 7º, da Lei Orgânica do Município do Rio de Janeiro, de 5 de abril de 1990, não exercida

Leia mais

ORINDIÚVA OBRAS E AÇÕES - GESTÃO 2011-2014

ORINDIÚVA OBRAS E AÇÕES - GESTÃO 2011-2014 ORINDIÚVA OBRAS E AÇÕES - GESTÃO 2011-2014 CULTURA: Pólo do Projeto Guri: O Projeto Guri tem como objetivo resgatar a auto-estima dos adolescentes, utilizando a música como agente transformador. Pólo Rua

Leia mais

ESTADO DO PARÁ PREFEITURA MUNICIPAL DE TAILANDIA GABINETE DO PREFEITO

ESTADO DO PARÁ PREFEITURA MUNICIPAL DE TAILANDIA GABINETE DO PREFEITO LEI Nº 239/2009, DE 30 DE OUTUBRO DE 2009. Dispõe sobre a regulamentação dos benefícios eventuais no âmbito das política públicas de Assistência Social no município de Tailândia e dá outras providências.

Leia mais

O Protocolo de Gestão Integrada e o Acompanhamento das Famílias PBF no Sicon. Encontro Regional do Congemas Região Nordeste

O Protocolo de Gestão Integrada e o Acompanhamento das Famílias PBF no Sicon. Encontro Regional do Congemas Região Nordeste O Protocolo de Gestão Integrada e o Acompanhamento das Famílias PBF no Sicon Encontro Regional do Congemas Região Nordeste Camaçari, 31 de outubro de 2012 Programa Bolsa Família Transferência de renda

Leia mais

PROJETO Construção da sede do Conselho Tutelar de Cachoeira Alta Proponente: Prefeitura Municipal de Cachoeira de Alta Fevereiro 2015

PROJETO Construção da sede do Conselho Tutelar de Cachoeira Alta Proponente: Prefeitura Municipal de Cachoeira de Alta Fevereiro 2015 PROJETO Construção da sede do Conselho Tutelar de Cachoeira Alta Proponente: Prefeitura Municipal de Cachoeira de Alta Fevereiro 2015 Página 1 de 11 SUMÁRIO 1. Resumo do projeto... 3 2. Em que realidade

Leia mais

Sustentabilidade Ambiental na Cidade de Belo Horizonte

Sustentabilidade Ambiental na Cidade de Belo Horizonte Sustentabilidade Ambiental na Cidade de Belo Horizonte Vasco de Oliveira Araujo Secretário Municipal Adjunto de Meio Ambiente Prefeitura de Belo Horizonte Abril 2013 A Construção de uma Cidade Sustentável

Leia mais

Vulnerabilidade x Resiliência em Cidades Brasileiras

Vulnerabilidade x Resiliência em Cidades Brasileiras Fundação Nacional de Saúde IV Seminário Internacional de Engenharia de Saúde Pública Vulnerabilidade x Resiliência em Cidades Brasileiras Dr. Neison Cabral Freire Fundação Joaquim Nabuco, Recife/PE Belo

Leia mais

Núcleo de Pós-Graduação Pitágoras. Escola Satélite. Professora: Roberta Sant André. Curso de Especialização

Núcleo de Pós-Graduação Pitágoras. Escola Satélite. Professora: Roberta Sant André. Curso de Especialização Núcleo de Pós-Graduação Pitágoras Núcleo de Escola Satélite Pós-Graduação Pitágoras Curso de Especialização Escola Satélite em Política de Assistência Social e Gestão Suas Professora: Roberta Sant André

Leia mais

PREFEITURA MUNICIPAL DE CRUZEIRO DO SUL PPA 2010/2013 CLASSIFICAÇÃO DOS PROGRAMAS E AÇÕES POR FUNÇÃO E SUBFUNÇÃO SUBFUNÇÃO PROGRAMA AÇÃO

PREFEITURA MUNICIPAL DE CRUZEIRO DO SUL PPA 2010/2013 CLASSIFICAÇÃO DOS PROGRAMAS E AÇÕES POR FUNÇÃO E SUBFUNÇÃO SUBFUNÇÃO PROGRAMA AÇÃO FUNÇÃO: 01 - LEGISLATIVA 31 Ação Legislativa 0001- Execução da Ação Legislativa 2001 - Manutenção das Atividades Legislativas da Câmara Municipal FUNÇÃO: 02 - JUDICIÁRIA 122 Administração Geral 0006- Defesa

Leia mais

Câmara Municipal de Uberaba A Comunidade em Ação LEI Nº 7.904

Câmara Municipal de Uberaba A Comunidade em Ação LEI Nº 7.904 A Comunidade em Ação LEI Nº 7.904 Disciplina a Política Municipal de Enfrentamento à Violência Sexual e dá outras providências. O Povo do Município de Uberaba, Estado de Minas Gerais, por seus representantes

Leia mais

Faço saber, que a Câmara Municipal de Mangueirinha, Estado do Paraná aprovou e eu, ALBARI GUIMORVAM FONSECA DOS SANTOS, sanciono a seguinte lei:

Faço saber, que a Câmara Municipal de Mangueirinha, Estado do Paraná aprovou e eu, ALBARI GUIMORVAM FONSECA DOS SANTOS, sanciono a seguinte lei: LEI Nº 1.627/2011 Propõe critério orientadores para a regulamentação da provisão de benefícios eventuais no âmbito da política pública de Assistência Social. Faço saber, que a Câmara Municipal de Mangueirinha,

Leia mais

ESTADO DO ACRE MUNICÍPIO DE MÂNCIO LIMA GABINETE DO PREFEITO LEI Nº 316/2013 MÂNCIO LIMA ACRE, 03 DE SETEMBRO DE 2013.

ESTADO DO ACRE MUNICÍPIO DE MÂNCIO LIMA GABINETE DO PREFEITO LEI Nº 316/2013 MÂNCIO LIMA ACRE, 03 DE SETEMBRO DE 2013. LEI Nº 316/2013 MÂNCIO LIMA ACRE, 03 DE SETEMBRO DE 2013. DISPÕE SOBRE OS CRITÉRIOS DA CONCESSÃO DE BENEFÍCIOS EVENTUAIS DE AUXÍLIO NATALIDADE, FUNERAL, SITUAÇÕES DE CALAMIDADE PÚBLICA E DE VULNERABILIDADE

Leia mais

Conselho Municipal dos Direitos da Criança e do Adolescente de Juruti 2012-2014

Conselho Municipal dos Direitos da Criança e do Adolescente de Juruti 2012-2014 Plano de Ação Conselho Municipal dos Direitos da Criança e do Adolescente de Juruti 2012-2014 APRESENTAÇÃO Nosso O Conselho dos Direitos da Criança e do Adolescente do município de Juruti apresenta, no

Leia mais

Vulnerabilidade em área de Risco: O que fazer? - CBCS 08/03/2010. CBCS - Vulnerabilidade em área de risco: O que fazer?

Vulnerabilidade em área de Risco: O que fazer? - CBCS 08/03/2010. CBCS - Vulnerabilidade em área de risco: O que fazer? CBCS - Vulnerabilidade em área de risco: O que fazer? PREFEITO GILBERTO KASSAB SECRETARIA DAS SUBPREFEITURAS 11.500 funcionários zelando pela cidade 31 subprefeituras ATUAÇÃO: Uso e ocupação do solo Obras

Leia mais

CAPACITAÇÃO PARA CREAS E LIBERDADE CIDADÃ

CAPACITAÇÃO PARA CREAS E LIBERDADE CIDADÃ CAPACITAÇÃO PARA CREAS E LIBERDADE CIDADÃ Serviços de Proteção Social Especial de Média Complexidade: introdução e metodologias de ação do Serviço de Proteção e Atendimento Especializado a Famílias e Indivíduos

Leia mais

Maria Tertuliana de Souza Oliveira Secretária Municipal

Maria Tertuliana de Souza Oliveira Secretária Municipal Maria Tertuliana de Souza Oliveira Secretária Municipal Assistência Social Contexto Histórico Perde o caráter Assistencialista e passa ser Direito de acordo com critérios estabelecidos por Lei ( LOAS no

Leia mais

GABINETE DO PREFEITO

GABINETE DO PREFEITO 1 Proc. nº 27.401/2008 LEI COMPLEMENTAR Nº 674 de 25 de novembro de 2013 Altera a Lei Complementar nº 582, de 19 de dezembro de 2008, alterada pela Lei Complementar nº 644, de 05 de abril de 2012, no que

Leia mais

World Disaster Reduction Campaign 2010-2011 Making Cities Resilient: Amadora is Getting Ready!

World Disaster Reduction Campaign 2010-2011 Making Cities Resilient: Amadora is Getting Ready! Parceiros: Câmara Municipal da Amadora Serviço Municipal de Protecção Civil Tel. +351 21 434 90 15 Tel. +351 21 494 86 38 Telm. +351 96 834 04 68 Fax. +351 21 494 64 51 www.cm-amadora.pt www.facebook.com/amadora.resiliente

Leia mais

Serviço Social. DISCURSIVA Residência Saúde 2012 C COORDENADORIA DE DESENVOLVIMENTO ACADÊMICO D A. wwww.cepuerj.uerj.br ATIVIDADE DATA LOCAL

Serviço Social. DISCURSIVA Residência Saúde 2012 C COORDENADORIA DE DESENVOLVIMENTO ACADÊMICO D A. wwww.cepuerj.uerj.br ATIVIDADE DATA LOCAL HOSPITAL UNIVERSITÁRIO PEDRO ERNESTO C COORDENADORIA DE DESENVOLVIMENTO ACADÊMICO D A Serviço Social DISCURSIVA Residência Saúde 2012 ATIVIDADE DATA LOCAL Divulgação do gabarito - Prova Objetiva (PO) 31/10/2011

Leia mais

Faço saber que a Câmara Municipal de Queimados, APROVOU e eu SANCIONO a seguinte Lei:

Faço saber que a Câmara Municipal de Queimados, APROVOU e eu SANCIONO a seguinte Lei: LEI N.º 1135/13, DE 01 DE ABRIL DE 2013. Dispõe sobre o Sistema Municipal de Assistência Social de Queimados e dá outras providências. Faço saber que a Câmara Municipal de Queimados, APROVOU e eu SANCIONO

Leia mais

Prefeitura Municipal de Ipiranga do Norte

Prefeitura Municipal de Ipiranga do Norte Lei nº 396, de 25 de fevereiro de 2013. Dispõe sobre a criação da Coordenadoria Municipal de Defesa Civil e do Fundo Municipal de Defesa Civil e dá outras providências. PEDRO FERRONATO, Prefeito Municipal

Leia mais

ANÁLISE DE PROJETO TÉCNICO SOCIAL APT MUNICÍPIO SANTANA DA BOA VISTA

ANÁLISE DE PROJETO TÉCNICO SOCIAL APT MUNICÍPIO SANTANA DA BOA VISTA TE-SER Social Consultoria e Assessoria de Projetos Ltda. Rua Upamaroti, 1129/121 Bairro Cristal Porto Alegre/RS CEP: 90.820-140 CNPJ: 08.798.484/0001-78 Inscrição Municipal: 510.834.26 ANÁLISE DE PROJETO

Leia mais

I Fórum Municipal sobre Autismo Acessibilidade e Mobilidade Territorial

I Fórum Municipal sobre Autismo Acessibilidade e Mobilidade Territorial I Fórum Municipal sobre Autismo Acessibilidade e Mobilidade Territorial SECRETARIA MUNICIPAL DE ASSISTÊNCIA E DESENVOLVIMENTO SOCIAL Coordenadoria de Proteção Social Especial Março/2014 CONSTITUIÇÃO FEDERAL

Leia mais

TERRA ROXA. OBRAS E AÇÕES Gestão 2007-2010 2010 R$ 6.020.000,00

TERRA ROXA. OBRAS E AÇÕES Gestão 2007-2010 2010 R$ 6.020.000,00 TERRA ROXA OBRAS E AÇÕES Gestão 2007-2010 2010 R$ 6.020.000,00 AGRICULTURA: Distribuição de leite: distribuídos 37.474 litros de leite, no período de Jan/2007 a Jul/2009 Custo: R$ 47 mil, beneficiando

Leia mais

PREFEITURA MUNICIPAL DE CRUZEIRO DO SUL PPA 2010/2013 CLASSIFICAÇÃO DOS PROGRAMAS E AÇÕES POR FUNÇÃO E SUBFUNÇÃO SUBFUNÇÃO PROGRAMA AÇÃO

PREFEITURA MUNICIPAL DE CRUZEIRO DO SUL PPA 2010/2013 CLASSIFICAÇÃO DOS PROGRAMAS E AÇÕES POR FUNÇÃO E SUBFUNÇÃO SUBFUNÇÃO PROGRAMA AÇÃO FUNÇÃO: 01 - LEGISLATIVA 031 Ação Legislativa 0001 - Execução da Ação Legislativa Manutenção das Atividades Legislativas FUNÇÃO: 02 - JUDICIÁRIA 122 Administração Geral 0006 - Defesa Jurídica do Município

Leia mais

Serviço Geológico do Brasil CPRM

Serviço Geológico do Brasil CPRM Serviço Geológico do Brasil CPRM Avaliação dos desastres naturais em Minas Gerais Dezembro 2013 Janeiro 2014 Objetivo O presente relatório tem por finalidade avaliar os desastres naturais ocorridos no

Leia mais

SERVIÇO DE CONVIVENCIA E FORTALECIMENTO DE VINCULOS PARA CRIANÇAS E ADOLESCENTES. PRINCIPIOS FUNDAMENTAIS & Algumas reflexões

SERVIÇO DE CONVIVENCIA E FORTALECIMENTO DE VINCULOS PARA CRIANÇAS E ADOLESCENTES. PRINCIPIOS FUNDAMENTAIS & Algumas reflexões SERVIÇO DE CONVIVENCIA E FORTALECIMENTO DE VINCULOS PARA CRIANÇAS E ADOLESCENTES. PRINCIPIOS FUNDAMENTAIS & Algumas reflexões ASSISTÊNCIA SOCIAL ASSISTENTE SOCIAL CARIDADE? FAVOR? O QUE OS VEREADORES FAZEM?

Leia mais

RELATÓRIO. Tragédia na Região Serrana do Rio de Janeiro após decorridos 6 meses

RELATÓRIO. Tragédia na Região Serrana do Rio de Janeiro após decorridos 6 meses RELATÓRIO Tragédia na Região Serrana do Rio de Janeiro após decorridos 6 meses 1 TRAGÉDIA ANUNCIADA! Após 6 meses decorridos da tragédia na Região Serrana em janeiro/2011, onde morreram mais de 900 pessoas,

Leia mais

Etapas do Manual de Operações de Segurança

Etapas do Manual de Operações de Segurança OPERAÇÕES www.proteccaocivil.pt DE SEGURANÇA CARACTERIZAÇÃO DO ESPAÇO IDENTIFICAÇÃO DE RISCOS ETAPAS LEVANTAMENTO DE MEIOS E RECURSOS ESTRUTURA INTERNA DE SEGURANÇA PLANO DE EVACUAÇÃO PLANO DE INTERVENÇÃO

Leia mais