Coordenação Nacional

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "Coordenação Nacional"

Transcrição

1 REDE DE AVALIAÇÃO E CAPACITAÇÃO PARA A IMPLEMENTAÇÃ DOS PLANOS DIRETORES PARTICIPATIVOS Coordenação Nacional Prof. Dr. Orlando dos Santos Júnior Universidade Federal do Rio de Janeiro Instituto de Pesquisa e Planejamento Urbano e Regional Observatório das Metrópoles Coordenação Regional Estado de Goiás Avaliação dos Planos Diretores Participativos dos Municipais do Estado de Goiás Nome do pesquisador responsável (Coordenador) Prof. Dr. Aristides Moysés Pontifica Universidade Católica de Goiás Avaliação dos Planos Diretores Participativos dos Municipais do Estado de Goiás Avaliação do Plano Diretor Participativo do Município de Jaraguá Pesquisador Educador Social José Vanin Martins Observatório das Metrópoles 1

2 Setembro de 2008 REDE DE AVALIAÇÃO E CAPACITAÇÃO PARA A IMPLEMENTAÇÃO DOS PLANOS DIRETORES PARTICIPATIVOS Avaliação do Plano Diretor Democrático e Participativo de JARAGUÁ - GO IDENTIFICAÇÃO: Nome do pesquisador: JOSÉ VANIN MARTINS Síntese curricular: Filosofia. Seminário Coração Eucarístico de Jesus de Belo Horizonte Teologia. Seminário Imaculada Conceição Ipiranga São Paulo e telefone de contato: FONE: (62) Município: JARAGUÁ Número da lei: LEI COMPLEMENTAR Nº. 001/15 de fevereiro/2007 Data da aprovação do Plano Diretor: 15 DE FEVEREIRO DE 2007 Estado: GOIÁS Pesquisador: José Vanin Martins Fone JARAGUÁ GO LEI COMPLEMENTAR 997 2

3 04 DE DEZEMBRO DE GOIÁS A) INFORMAÇÕES GERAIS DO MUNICÍPIO 1. Caracterização sócio demográfica e econômica do município. a) POPULAÇÃO URBANA E RURAL (Contagem IBGE) e sua evolução. POPULAÇÃO RESIDENTE POR SITUAÇÃO DE DOMICILIO TAXA DE CRESCIMENTO GEOMÉTRICO ANUAL A ANO TOTAL CIDADE RURAL TOTAL CIDADE RURAL ,2 2,9 4, *** Os dados precisam de averiguação: (teria havido um decrescimento entre e e retomado depois o crescimento? Podemos perceber que o município teve um pequeno crescimento populacional de apenas 6.589%. Na parte urbana, porém o crescimento populacional foi de %. muito mais, fruto do êxodo rural, que teve uma perda de 68,636%. Segundo a classificação do Ministério das Cidades, Jaraguá está colocada no Grupo G Centros urbanos em espaços rurais consolidadados, com algum grau de dinamismo. O dinamismo, podemos atribuir por ter se tornado um pólo da indústria de confecções de Goiás, sendo a maioria pequenas confecções artesanais, privilegia se de não ter problemas com mão de obra. Examinando o nível salarial, pode se perceber, a exploração da mão de obra. SALARIOS JARAGUA TOTAL ATÉ 1/8 89 MAIS DE 1/8 A 1/4 504 MAIS DE 1/4 A 1/ MAIS DE 1/2 A 3/ MAIS E 3/4 A MAIS DE 1 A 1.1/

4 MAIS DE 1/1.4 A MAIS DE 1.2 A MAIS DE 2 A MAIS DE 3 A MAIS DE 5 A MAIS DE SEM RENDIMENTO 295 Um fato a destacar, que em relação a outros municípios, classificados no mesmo Grupo G, Jaraguá apresenta um menor índice de pessoas sem rendimento e também o menor índice de pessoas ganhando mais de 10 salários mínimos. Estaria a industrialização ajudando na distribuição de renda? Todos encontram trabalho. No Plano Diretor, quando trata das ações estratégicas de desenvolvimento econômico, no Art.14 XI propõe: implantação do Centro Tecnológico da Moda, para pesquisa de novos materiais, laboratório de tendências e qualificação da mão de obra. Seria o suficiente para a melhoria do rendimento do trabalhador? O PLANO DIRETOR era inexistente e só por exigência da Lei é que foi criado. Um município que se industrializa na área da confecção trazendo consigo o progresso de novos loteamentos e construções, dá a seus governantes o bônus das concessões, o que não garante o ônus da responsabilidade pelo crescimento para que não seja exploratório humano, ambiental e social. Jaraguá está de parabéns. Tem um Plano Diretor que responde às aspirações legais. Agora falta ao povo de Jaraguá, que não é exceção, a consciência cidadã de como cobrar seus direitos de uma cidade, ecologicamente correta, socialmente mais justa oferecendo a todos os cidadãos a certeza que vive num município onde pode participar e desfrutar de todos os bens sociais que a cidade comporta, especialmente, moradia, saúde, educação e lazer, já que o trabalho lhe está sendo assegurado. A linguagem usada é compreensível à nível da escolaridade brasileira, embora não tenha tido o cuidado de explicar os termos técnicos, supondo como se fosse do conhecimento de todos; exemplos: zona de proteção integral; zona de uso sustentável; zona de amortecimento Na elaboração do PLANO DIRETOR a única relação com o ORÇAMENTO MUNICIPAL diz ser uma das funções do SISTEMA DE PLANEJAMENTO E GESTÃO: controlar a aplicação dos instrumentos da política urbana previstos no Plano Diretor; (Art. 82 III) que é algo bastante vago. Sem vontade e decisão política nada acontece. 4

5 2. Localização do município Jaraguá, situada, no Vale São Patrício, na Micro região de Anápolis a 139 km de Goiânia, é considerada hoje a capital das confecções. Com habitantes (senso de 2.004) é uma cidade de médio porte. Está bem servida de rodovias asfaltas: BR153: Belém Brasília; BR070: Brasília a Itaberai; GO427: Jaraguá à Itaguaru e GO080: Jaraguá à GO237 (Niquelândia). 3. Apresentação do Plano Diretor No cumprimento da Constituição Federal, a Prefeitura de Jaraguá elaborou seu PLANO DIRETOR. Para esta elaboração criou o Grupo de Trabalho Comunitário GTC (capacitado pela Secretaria das Cidades), formado por diversos representantes da comunidade. O município foi dividido em dezoito micro regiões, sendo nove urbanas e nove rurais, onde realizamos oficinas de capacitação de agentes comunitários; realizamos trabalhos nas escolas municipais, com grupos de empresários e validados os produtos em audências públicas com participação popular significante. Tendo boa assessoria, nota se que não foi difícil criar um PLANO que responda às exigências da Lei. O PLANO DIRETOR DE JARAGUÁ foi criado pela LEI COMPLEMENTAR Nº 001 DE 15 de fevereiro de para entrar em vigor 180 (cento e oitenta) dias após sua publicações. Portanto, só agora em 15 de agosto de entrará em vigor. 4. Avaliação do Plano Diretor Por não estar ainda em vigor e na própria lei estabelecer que muitas ações e decisões dependeriam de outros decretos, regulamentações, leis e estatutos posteriores torna se difícil uma avaliação qualitativa do plano. O ideário do plano diretor de Jaraguá foi espelhado na Lei , chamada de ESTATUTO DA CIDADE. (i) a estratégia econômica/sócio territoria para o desenvolvimento do município Foi eleger os 10 temas prioritários, estabelecendo diretrizes e estratégias para concretizá los: (1. Ordenamento territorial; 2. ambiental e de saneamento; 3. mobilidade urbana; 4. desenvolvimento econômico; 5. serviço social; 6. moradia; 7. cultura e turismo; 8 tributário; 9. institucional, de planejamento e de gestão e 10. desenvolvimento da área rural). (ii) O acesso democrático ao Plano Diretor 5

6 Este acesso parece ficar num desejo infinitivo: assegurar a participação popular na formuilação, acompanhamento e fiscalização do PlanoDiretor e das diretrizes da política urbana (Art. 80, IV) e bastante reduzido ao se resumir na criação de um Conselho Municipal de Desenvolvimento e de Política Urbana com uma composição e estruturação bastante frágil (Art. 83 a 87). (iii) A relação do Plano Diretor com o Orçamento Municipal. Esta relação está também num desejo infinitivo, sob a responsabilidade do Sistema de Planejamento e Gestão: integrar a política urbana visando assegurar a compatibilidade entre a programação orçamentária, expressa no Plano Plurianual, na Lei de Diretrizes Orçamentárias e no Orçamento Anual, e as diretrizes constantes no Plano Diretor (Art. 80, III). Esta relação depende de atos do Poder Executivo que tem um prazo de 6 (seis) meses a 1 (hum) ano a partir da vigência desta lei. (iv) A relação entre o Plano Diretor e grandes investimentos. Nada previsto. B) ACESSO À TERRA URBANIZADA 1. A Função Social da Propriedade no Plano Diretor. Fica bem expressa esta função social no Art Controle do Uso e Ocupação do Solo. Reafirma no Art. 7 a função social e propõe as diretrizes: I a correção de distorções e orientação controlada da expansão urbana; II a promoção do redisciplinamento do uso do solo, adequando o às condições físicas e bióticas do meio; III a macro estruturação do território, em respeito aos condicionantes ambientais, sócio econômicos, físicos e institucionais; IV a promoção da sustentabilidade sócio espacial no agenciamento do solo urbano pelas classes de renda; V o planejamento, articulação e democratização do acesso do solo urbano e rural; VI a otimização dos investimentos públicos, priorizando os que promovam justiça social. Para que estas diretrizes se concretizem propõe no Art. 8 as seguintes ações esratégicas I expansão urbana prioritária a norte e sul do território; 6

7 II intensificação planejada da ocupação do solo urbano, com um melhor aproveitamento dos investimentos públicos; III priorização das densidades nas áreas regularmente parceladas e infra estruturas; IV subdivisão do território municipal em macrozonas; V redução do atual perímetro urbano do município; VI ocupação prioritária dos vazios urbanos na malha urbana consolidada e em ação posterior a produção de moradias nas áreas destinadas à ZEIS; VII compatibilização do uso do solo x estrutura viária; VIII adoção do modelo de densificação de atividades econômicas ao longo da rede viária principal; IX concentração de atividades econômicas de maior porte ao longo da rede viária principal; X condicionamento do parcelamento do solo à dotação de infra estrutura, exceção às iniciativas públicas; XI garantia nos novos parcelamentos da disponibilização de áreas para equipamentos públicos e comunitários, a hierarquização e articulação do sistema viário. 3. Perímetro Urbano e Parcelamento do Solo No Art. 27 define o perímetro urbano do município, compreendendo a Área Urbana e de Expansão Urbana com seus respectivos limites e estabelece no Art. 64 que na revisão da lei de parcelamento do solo existente observará às seguintes diretrizes: I instituir novos parâmetros para a definição do percentual mínimo de áreas públicas na aprovação de novos parcelamentos, considerando a densidade de ocupação e o interesse público na criação de um banco de lotes; II estabelecer que as áreas públicas serão divididas em áreas institucionais, destinadas à saúde, educação, creche, lazer, cultura, segurança pública, dentre outras; as áreas verdes, destinadas às praças, parques, áreas verdes contemplativas, áreas esportivas e as áreas destinadas à política habitacional de baixa renda; 7

8 III prever a obrigatoriedade de incluir no projeto a designação do uso de cada uma das áreas públicas previstas, de acordo com as novas diretrizes municipais, com clara especificação das áreas públicas municipais, discriminadas na planta urbanística e memorial descritivo; IV prever a exigência de áreas institucionais acima do dimensionamento padrão, em função da análise da demanda habitacional; V prever a definição pelo poder público da localização das áreas públicas, por ocasião do fornecimento de diretrizes para os loteamentos; VI prever a doação mínima de 20% (vinte por cento) do total da gleba a ser parcelada ao poder público municipal, sendo 10% (dez por cento) destinados a equipamentos públicos e áreas verdes e 10% (dez por cento) na forma de gleba, estes podendo ser localizados internamente ou externamente ao parcelamento e para onde será desenvolvido projeto de loteamento pela Prefeitura, destinado ao banco de lotes, com o mínimo de infra estrutura, qual seja: rua aberta, lote demarcado e água tratada, implantados às expensas do loteador; VII prever a articulação viária com os parcelamentos do entorno; VIII regulamentar as categorias viárias, suas funções e caixas mínimas; IX vincular a aprovação de novos loteamentos à prévia atualização cadastral, em meio digital, de toda área objeto de parcelamento do solo, a ser fornecida pelo interessado; X condicionar a aprovação de novos loteamentos, inclusive chácaras, ao prévio licenciamento ambiental junto ao órgão municipal competente, ao abastecimento de água potável e ao tratamento do seu esgoto e às demais infra estruturas, como: asfalto, meio fio, rede de drenagem e rede de energia elétrica; XI prever a figura de loteamentos fechados e condomínios horizontais e instituir regras urbanas específicas. 4. Coeficientes e Macrozonas a. Zonas/ macrozonas definidas no Plano. Dentro do território urbano o Plano cria 11 (onze) macrozonas (Art.34) estabelecendo seus respectivos limites, demonstráveis nos mapas anexos. 8

9 b. Coeficientes de aproveitamento básico e Maximo definidos no Plano O plano não cita estes coeficientes. c. Zoneamento específico para áreas de proteção ambiental. Ambiental: O plano estabelece as seguintes áreas como composição da Macrozona de Proteção Compõem a Macrozona de Proteção Ambiental a área total do Parque Estadual da Serra de Jaraguá e as faixas de no mínimo 30,00 metros de ambos os lados dos córregos e de 50,00 metros de ambos os lados do Rio das Almas, Rio Pari, Rio do Peixe, Rio Sucuri, Rio dos Patos e Rio Saraiva; os raios de 50,00 metros das nascentes, inclusive do Rio Vermelho; e, especificamente no perímetro urbano, o raio de 30,00 metros da nascente do Córrego da Chapada, e as faixas mínimas de 30,00 metros de ambos os lados do Córrego da Chapada, no Setor Jardim Ana Edith; as matas do Residencial Quinta do Riantes, mata localizada no Setor Aeroporto III, mata localizada nas proximidades do Setor Morada Nova (Mata do Guilherme), assim como as áreas de amortecimento contíguas àquelas aqui descritas, exceção feita às áreas ocupadas e/ou consolidadas. (Art. 35) A Macrozona de Proteção Ambiental será composta pelas seguintes zonas: I Zona de Proteção Integral; 2. Zona de Uso Sustentável; 3. Zona de Amortecimento. Para cada uma destas zonas serão utilizados, prioritariamente, os instrumentos: direito de preempção, transferência do direito de construir e/ou termo de compromisso ambiental. ambiental: Estabelece igualmente como área para a composição da Macrozona de Recuperação o leito e nascente do Córrego Monjolinho, leito do Córrego da Chapada, Leito do Rio da Prata, Leito do Rio Vermelho, do Córrego do Galvão e Acuri e a área verde entre o Setor Morada Nova III e BR 153. (Art. 36) 5. Zonas especiais de interesso social (Zeis). 9

10 Cria a Zona Especial de Interesse Social ZEIS, (Art. 34 IX) identificada no Mapa 10, do Anexo 3, desta lei, compreendendo as áreas já parceladas e ocupadas, sem a necessária dotação com equipamentos e infra estrutura públicos, privilegiando se ações destinadas a regularização fundiária e de dotação de infra estrutura urbana e de equipamentos públicos nos assentamentos urbanos precários, a serem enquadrados como macrozona primária para Investimento Público. 6. Avaliação geral do zoneamento a O zoneamento e o acesso à terra urbanizada. Por usa localização, na periferia da cidade, já se percebe a exclusão social. b. Características quantitativas e qualitativas do zoneamento. construídas. No plano não se refere ao déficit habitacional e nem à qualidade de residências a serem 7. Instrumentos de Política Fundiária No Art. 74 diz: O Chefe do Executivo deverá reconhecer os assentamentos precários, posse urbana e loteamentos irregulares, visando sua regularização urbanística e fundiária, mediante a utilização de instrumentos urbanísticos próprios: I as Zonas Especiais de Interesse Social, criadas nesta lei e que serão regulamentadas por ato próprio do Chefe do Poder Executivo; II a concessão de uso especial para fins de moradia; III o usucapião especial de imóvel urbano; IV o direito de preempção; V a assistência técnica urbanística, jurídica e social, gratuita. Só que esta regularização urbanística e fundiária no município dar se á na forma da legislação específica. (Art. 75). 8. Avaliação dos Instrumento de Política Fundiária. 10

11 Os instrumentos são todos os previstos no Estatuto da Cidade e Constituição Federal, mas dependem de uma legislação municipal aplicável. 11

12 C ACESSO AOS EQUIPAMENTOS URBANOS COMÊNFASE À HABITAÇÃO, AO SANEMAENTO AMBIENTAL, AO TRANSPORTE E MOBILIDADE. II O Plano Diretor de a Política da Habitação Diagnóstico da situação habitacional. Desconhecido Diretrizes para a política de habitação, objetivos e metas Constituem diretrizes estratégicas de moradia (Art. 17) as que visam o atendimento prioritário da demanda habitacional e à oferta de moradia digna à parcela deficitária da população, proporcionando a posse ou o domínio dessa moradia digna, como condição básica para o exercício da cidadania: I garantia de moradia digna à população que não tem acesso ao mercado urbano de terras; II inversão da lógica sócio espacial de agenciamento do solo urbano pelas classes de renda; III regularização urbanística e fundiária das ocupações ilegais; IV priorização dos investimentos públicos direcionados às áreas ocupadas por população de baixa renda; V articulação com as demais esferas de governo na busca de recursos orçamentários e financeiros para a execução da política habitacional de baixa renda; VI criação do Conselho e do Fundo Municipal de Habitação. Tudo, porém desacompanhado de metas. 3. Estratégia de aumento da oferta de moradia As diretrizes estratégicas de Moradia serão implementadas mediante a orientação das ações públicas e privadas e segundo as seguintes ações programadas (Art. 18).. I instituição da Zona Especial de Interesse Social ZEIS, integrada ao tecido urbano consolidado; II promoção de um cadastro das famílias que compõem o déficit por habitação; 12

13 III promoção da regularização urbanística e fundiária dos setores: Conjunto Cesário da Mata; Vila Goiás Rural, São Sebastião e das posses urbanas na Vila São José; IV promoção de um programa de dotação de serviços públicos e de infra estrutura urbana preferencialmente nas áreas instituídas como ZEIS; V dotação de infra estrutura e benfeitorias nas regiões menos estruturadas da cidade; VI intensificação do programa de assistência técnica à autoconstrução, associado ao programa de treinamento e qualificação de mão de obra; VII fornecimento de planta popular gratuita à população carente, com área de até 70m² (setenta metros quadrados); VIII articulação com o meio acadêmico para acompanhamento dos programas federais de difusão de tecnologia para habitação de baixo custo; IX admissão do modelo de ocupação com fins habitacionais com fechamento; X instituição de um banco de lotes municipal destinado à população de baixa renda, visando minimizar o déficit habitacional. 4. Programas específicos Não cita. 5. Os instrumentos da política habitacional. Não cita quais. 6. O plano municipal de habitação. Ainda será elaborado. 7. Ação articulada com os níveis do governo estadual e federal. Está citada esta articulação no Art. 17 em vista do financiamento.. 8. O financiamento da Política de Habitação. Articulação com as demais esferas de governo na busca de recursos orçamentarios e financeiros (Art. 17 V) 9. Políticas afirmativas. Não há. 13

14 10. Os mecanismos de realização da política habitacional. São os que foram citados no item 3 (estratégia de aumento da oferta de moradias). 11. Controle social e política de habitação Será a criação do Conselho e do Fundo Municipal de Habitação sem data prevista. 12. Avaliação geral da política de habitação. Como tudo ainda está para ser feito, não dá para ser avaliado. III O Plano Diretor e a Política de Saneamento Ambiental. 1 Diagnóstico da situação do município na área do saneamento ambiental. Será elaborado um diagnóstico ambiental detalhado do município...sem data prevista (Art. 10 VI) 2iretrizes para a política de saneamento ambiental, objetivos e metas. Foram elaboradas as seguintes diretrizes (Art; 9º): I promoção do planejamento e gestão ambiental permanentes; III promoção da proteção e recuperação ambiental; IV incentivo ao desenvolvimento de uma consciência ambiental plena; Instrumentos da política de saneamento ambiental Foram criados os seguintes instrumentos: Prévio licenciamento municipal, para localização, construção, instalação, ampliação e operação de empreendimentos e atividades utilizadores de recursos ambientais considerados potencialmente poluidores ou atividades capazes, sob qualquer forma, de causar significativa degradação ambiental. (Art. 71) Fica instituído o Termo de Compromisso Ambiental TCA, nos casos de autorização prévia para supressão de espécies arbóreas (Art. 72) 3. Os instrumentos previstos no Estatuto da Cidade como o Termo de Compromisso Ambiental TCA, Termo de Compromisso de Ajustamento de Conduta Ambiental TAC, o Estudo de Impacto Ambiental e o Relatório de Impacto Ambiental, Plano de Gestão Ambiental, o Licenciamento ambiental, a Avaliação dos impactos ambientais, a Certificação Ambiental, o Relatório de Qualidade do Meio Ambiente serão determinantes para a implantação de atividades consideradas como fonte potencial poluidora, visando compatibilizá los com os padrões ambientais e reduzir seus impactos 14

15 negativos no ambiente para obter licenças ou autorizações de construção, ampliação ou funcionamento dessas atividades. O Plano municipal de saneamento ambiental Tudo estava para ser elaborado. A ação articulada com os níveis de governo estadual e federal Cita o desenvolvimento de parcerias público privada e entre organismos governamentais (Art. 9º V).. O financiamento da política de saneamento ambiental Não faz citação. Os mecanismos de realização da política de saneamento ambiental Garantia do desenvolvimento urbano em bases sustentáveis (Art. 9º II)...mas não cita como. A extensão da rede de serviços de saneamento ambiental e a expansão urbana. Está para ser planejado Políticas afirmativas Controle social e política de saneamento ambiental Não há nada específico sobre este controle. Avaliação geral da política de saneamento ambiental. A ser planejado sobressaem: a. O plano de recuperação de nascentes e fundos de vale dos Córregos Chapada, Galvão, Rio Vermelho, Rio Prata, Monjolinho e Acuri; b. Elaboração da Agenda 21 c. Incentivo a relocação das lavanderias instaladas em áreas de fragilidade ambiental e a reutilização da água servida para uso das lavanderias; d. Exploração turística, articulado com Estado e União do Parque Estadual da Serra de Jaraguá, instituído pela LeiEstadual nº13.247/98 IV O Plano Diretor e a Política de Mobilidade e Transporte 1 O diagnóstico da situação do município na área da mobilidade e transporte Não cita qualquer diagnóstico. 15

16 2 Diretrizes para a política de mobilidade e transporte, objetivos e metas. As diretrizes (Art. 11) são: I promoção da acessibilidade universal; II promoção da mobilidade urbana sustentável, entendida como a capacidade de atendimento das demandas de deslocamento das pessoas, bens e serviços; III priorização do transporte coletivo sobre o individual; IV estímulo aos meios de transporte não motorizados, valorizando se a bicicleta; V consolidação dos deslocamentos a pé, respeitando se os diferentes graus de mobilidade do ser humano; VI instituição de uma malha viária articulada; VII promoção da educação para o trânsito. 3 Instrumentos da política de mobilidade e transporte Não. 4 O Plano municipal de mobilidade e/ou de plano viário da cidade Só existe as ações estratégicas de mobilidade urbana. 5 A ação articulada com os níveis de governo estadual e federal Cita no Art 12, III, visando a melhoria da qualidade da rede viária inter regional de escoamento da produção de acesso de matéria prima e produtos; 6 O financiamento da política de mobilidade e transporte Não cita 7 Os mecanismos de realização da política de mobilidade e transporte Desconhecidos. 8 A extensão da rede de serviços de transporte público e a expansão urbana. Nada se refere 9 Políticas afirmativas Não existe 16

17 10 Controle social e política de transporte e mobilidade Não existe. 11 Avaliação geral da política de Mobilidade e Transporte. O que há de novo é: a Instituição de uma malha de ciclovias, a ser implantada nos parques públicos, áreas verdes, assim como ao longo de parte da rede viária principal, articulada e integrada aos corredores de transporte coletivo e com acesso aos principais pontos de interesse urbano; b Criação de pontos estratégicos para bicicletários públicos e privados; V O Plano Diretor e a Política do Meio Ambiente 1 O diagnóstico da situação do município na área da meio ambiente Não cita qualquer diagnóstico. 2 Diretrizes para a política de meio ambiente e metas concretas. A única diretriz é a do Art. 71 que diz que A localização, construção, instalação, ampliação, modificação e operação de empreendimentos e atividades utilizadores de recursos ambientais considerados potencialmente poluidores, bem como empreendimentos e atividades capazes, sob qualquer forma, de causar significativa degradação ambiental, dependerão de prévio licenciamento do órgão municipal competente, nos termos desta Lei. 3 Os Instrumentos da política de Meio Ambiente Os instrumentos da política de Meio Ambiente estão nos Art. 72 e 73: Fica instituído o Termo de Compromisso Ambiental TCA, documento a ser firmado entre o Poder Público e pessoas físicas ou jurídicas, resultante da negociação de contrapartidas nos casos de autorização prévia para supressão de espécies arbóreas (Art. 72). Os instrumentos previstos no Estatuto da Cidade como o Termo de Compromisso Ambiental TCA, Termo de Compromisso de Ajustamento de Conduta Ambiental TAC, o Estudo de Impacto 17

18 Ambiental e o Relatório de Impacto Ambiental, Plano de Gestão Ambiental, o Licenciamento ambiental, a Avaliação dos impactos ambientais, a Certificação Ambiental, o Relatório de Qualidade do Meio Ambiente serão determinantes para a implantação de atividades consideradas como fonte potencial poluidora, visando compatibilizá los com os padrões ambientais e reduzir seus impactos negativos no ambiente para obter licenças ou autorizações de construção, ampliação ou funcionamento dessas atividades (Art.73).. 4 Compatibilização do planejamento territorial com o diagnóstico ambiental. Nada fala.. 5 O Plano municipal de Meio Ambiente Além das ações Estratégicas Ambientas e de Saneamento, nada mais cita. 6 A ação articulada com os níveis de governo estaduais e federal Não cita 7 O financiamento da política de Meio Ambiente Desconhecidos. 8 Os mecanismos de realização da política de Meio Ambiente Nada se refere 9 Políticas afirmativas Não existe 10 Controle social e política de Meio Ambiente Não existe. 11 Avaliação geral da política de Meio Ambiente. Saber que os instrumentos previstos no Estatuto da Cidade serão determinantes para a implantação de atiovidades consideradas como fonte potencial poluidora já é um grande avanço, desde que sejam aplicados. D SISTEMA DE GESTÃO E PARTICIPAÇÃO DEMOCRÁTICA 1. Garantias de participação social no planejamento e gestão da cidade. 18

19 Logo no Art. 1º VI afirma que A Política Urbana do Município é orientada pelo processo de planejamento participativo, o que é reafirmado: a manutenção permanente do processo de planejamento municipal, mediante a articulação e a integração institucional e setorial; a garantia de participação da sociedade nos processos de planejamento e gestão urbana e territorial no Art 2º VIII e IX). 2. A Prefeitura: estrutura da gestão, condições de planejamento e monitoramento. A Prefeitura no Art. 23 constitui diretrizes estratégicas que visam o acompanhamento e monitoramento constante da execução da política urbana no município, onde a associação de esforços coletivos deve ser a força motriz para assegurar seu desenvolvimento na perspectiva da sustentabilidade universal: I instauração do processo de planejamento de forma contínua e participativa; II promoção da articulação político institucional com a União, Estado e os Municípios vizinhos, na busca de soluções e ações conjuntas de interesse comum; III promoção da articulação técnica e acadêmica com os municípios vizinhos e entidades de ensino superior, visando a conjugação de esforços, assistência técnica, desenvolvimento da ciência e tecnologia e o intercâmbio de informações na consecução de objetivos comuns para o desenvolvimento do município; IV articulação entre todos os órgãos e entidades promotoras do desenvolvimento do município; V compatibilização entre as diretrizes do Plano Diretor com os demais instrumentos que compõem o planejamento governamental, a saber: o Plano Plurianual, a Lei de Diretrizes Orçamentárias, o Orçamento Anual, a política tributária municipal e os planos setoriais; VI complementação e atualização da legislação urbanística do município, compatibilizadas às diretrizes estabelecidas pelo Plano Diretor; VII busca do aperfeiçoamento dos serviços e da modernização administrativa da Prefeitura, com vistas a sua maior eficácia na execução da política urbana; VIII instituição de parcerias público/privadas na promoção do desenvolvimento do município. 19

20 Ainda institui o ASISTEMA DE PLANEJAMENTO E GESTÃO que ao lado dos demais conselhos:conselho MUNICIPAL DE DESENVOLVIMENTO E POLÍTICA URBANA, Conselho da Cultura, Conselho da Habitação, Conselho Municipal de Defesa Civail, Conselho de Desenvolvimento Econômico e Conselho Municipal de Educação, terão a responsabilidade de implementar as diretrizes estratégicas Inastitucionais de Planejamento e de Gestão (Art.24). 3. A participação democrática e o processo orçamentário Fica definido no Art. 79 ao instituir o SISTEMA DE PLANEJAMENTO E GESTÃO URBANA DO MUNICÍPIO com o objetivo de: I definir os instrumentos de gestão democrática, assegurando a participação popular na formulação, acompanhamento e fiscalização do Plano Diretor e legislação complementar; II garantir maior eficácia e eficiência às ações do Município, no que se refere a execução e controle dos planos, programas e projetos; III promover um intercâmbio entre a administração municipal, estadual e federal referente as questões urbanas. 1. Entende se por Sistema de Planejamento e Gestão o conjunto de órgãos, normas, recursos humanos e técnicos, visando a coordenação das ações dos setores público e privado e da sociedade em geral, a integração entre os diversos programas setoriais, a dinamização e a modernização da ação governamental. 2º O Sistema de Planejamento e Gestão deverá funcionar de modo permanente, viabilizando e garantindo a todos o acesso às informações e a participação dos cidadãos e de entidades representativas. 4. Avaliação geral do Sistema de Gestão de Participação Democrática. Com todos os mecanismos criados, o Sistema de Planejamento e da gestão democrática e participativa, ainda continua sob o controle direto do Poder Executivo que nomeia os participantes e dá as ordens que precisam serem executadas. 20

AULA 3. Aspectos Técnicos da Regularização Fundiária.

AULA 3. Aspectos Técnicos da Regularização Fundiária. Regularização Fundiária de Assentamentos Informais em Áreas Urbanas Disciplina: Regularização Fundiária e Plano Diretor Unidade 03 Professor(a): Laura Bueno e Pedro Monteiro AULA 3. Aspectos Técnicos da

Leia mais

RELATÓRIO DA 5ª CONFERÊNCIA ETAPA MUNICIPAL APARECIDA DE GOIÂNIA-GO 24 E 25 DE MAIO DE 2013

RELATÓRIO DA 5ª CONFERÊNCIA ETAPA MUNICIPAL APARECIDA DE GOIÂNIA-GO 24 E 25 DE MAIO DE 2013 RELATÓRIO DA 5ª CONFERÊNCIA ETAPA MUNICIPAL 1. Dados Iniciais Estado: Goiás Município: Aparecida de Goiânia APARECIDA DE GOIÂNIA-GO 24 E 25 DE MAIO DE 2013 2. Dados da pessoa responsável pelo preenchimento

Leia mais

Flávio Ahmed CAU-RJ 15.05.2014

Flávio Ahmed CAU-RJ 15.05.2014 Flávio Ahmed CAU-RJ 15.05.2014 O espaço urbano como bem ambiental. Aspectos ambientais do Estatuto da cidade garantia da qualidade de vida. Meio ambiente natural; Meio ambiente cultural; Meio ambiente

Leia mais

O Quadro de Desigualdades Habitacionais e o Saneamento no Rio de Janeiro

O Quadro de Desigualdades Habitacionais e o Saneamento no Rio de Janeiro OBSERVATÓRIO DAS METRÓPOLES, AÇÃO URBANA E FUNDAÇÃO BENTO RUBIÃO PROGRAMA DE FORMAÇÃO: POLÍTICAS PÚBLICAS E O DIREITO À CIDADE O Quadro de Desigualdades Habitacionais e o Saneamento no Rio de Janeiro Ana

Leia mais

RECOMENDAÇÃO GT/HIS Nº 02, de 26 de novembro de 2014

RECOMENDAÇÃO GT/HIS Nº 02, de 26 de novembro de 2014 RECOMENDAÇÃO GT/HIS Nº 02, de 26 de novembro de 2014 Inquérito Civil Público nº 1.22.000.002106/2010-13 O MINISTÉRIO PÚBLICO FEDERAL, por intermédio do Grupo de Trabalho Intercameral Habitação de Interesse,

Leia mais

Ministério das Cidades Secretaria Nacional de Habitação

Ministério das Cidades Secretaria Nacional de Habitação Ministério das Cidades SEMINÁRIO INTERNACIONAL SOBRE MEJORAMIENTO DE BARRIOS México - 29 e 30 novembro/2004 Programa Habitar Brasil/BID Governo Federal Processo de Urbanização Brasileiro Crescimento da

Leia mais

BREVES NOTAS SOBRE O PLANEJAMENTO FÍSICO-TERRITORIAL. Prof. Leandro Cardoso Trabalho Integralizador Multidisciplinar 1 (TIM-1) Engenharia Civil

BREVES NOTAS SOBRE O PLANEJAMENTO FÍSICO-TERRITORIAL. Prof. Leandro Cardoso Trabalho Integralizador Multidisciplinar 1 (TIM-1) Engenharia Civil BREVES NOTAS SOBRE O PLANEJAMENTO FÍSICO-TERRITORIAL Prof. Leandro Cardoso Trabalho Integralizador Multidisciplinar 1 (TIM-1) Engenharia Civil PLANEJAMENTO URBANO O planejamento urbano é o processo de

Leia mais

18º Encontro Nacional da ANAMMA

18º Encontro Nacional da ANAMMA 18º Encontro Nacional da ANAMMA Os efeitos do PL de parcelamento do solo no meio ambiente e a gestão de APPs urbanas Cynthia Cardoso Goiânia, agosto/2008 Planejamento? Na perspectiva de planejamento qual

Leia mais

LEI MUNICIPAL Nº 2.750/12 - DE 14 DE DEZEMBRO DE 2012

LEI MUNICIPAL Nº 2.750/12 - DE 14 DE DEZEMBRO DE 2012 LEI MUNICIPAL Nº 2.750/12 - DE 14 DE DEZEMBRO DE 2012 Institui o Plano Municipal de Habitação de Interesse Social - PMHIS, e dá outras providências A CÂMARA MANICIPAL DE GOIATUBA, Estado de Goiás, APROVOU

Leia mais

Gestão Participativa em BH. Belo Horizonte, 01 de dezembro 2010

Gestão Participativa em BH. Belo Horizonte, 01 de dezembro 2010 Gestão Participativa em BH Belo Horizonte, 01 de dezembro 2010 1 Gestão Participativa em BH Belo Horizonte tem um longo histórico de gestão democrático-popular; Existe forte determinação política para:

Leia mais

LEI MUNICIPAL N. 1.031/06, DE 11 DE OUTUBRO DE 2006. DISPÕE SOBRE O ORDENAMENTO TERRITORIAL DO MUNICÍPIO DE BENEVIDES, E DÁ OUTRAS PROVIDÊNCIAS.

LEI MUNICIPAL N. 1.031/06, DE 11 DE OUTUBRO DE 2006. DISPÕE SOBRE O ORDENAMENTO TERRITORIAL DO MUNICÍPIO DE BENEVIDES, E DÁ OUTRAS PROVIDÊNCIAS. LEI MUNICIPAL N. 1.031/06, DE 11 DE OUTUBRO DE 2006. DISPÕE SOBRE O ORDENAMENTO TERRITORIAL DO MUNICÍPIO DE BENEVIDES, E DÁ OUTRAS PROVIDÊNCIAS. O PREFEITO MUNICIPAL DE BENEVIDES; Faço saber que a Câmara

Leia mais

Seminário Rio Metrópole Moradia: Assunto de Interessa Metropolitano

Seminário Rio Metrópole Moradia: Assunto de Interessa Metropolitano Realização Seminário Rio Metrópole Moradia: Assunto de Interessa Metropolitano Henry Cherkezian Rio, 18 de maio de 2011 A questão Habitacional Aspectos a serem abordados Breve Diagnóstico Um exemplo da

Leia mais

Planejamento Urbano Governança Fundiária

Planejamento Urbano Governança Fundiária Planejamento Urbano Governança Fundiária Instrumentos de Gestão, Conflitos Possibilidades de Inclusão Socioespacial Alexandre Pedrozo agosto. 2014 mobiliza Curitiba...... de antes de ontem...... de ontem......

Leia mais

Etapas do PLHIS PROPOSTAS

Etapas do PLHIS PROPOSTAS Plano Local de Habitação de Interesse Social de Boituva Seminário de Homologação do PLHIS de Boituva 25 de Fevereiro de 2010 Etapas do PLHIS etapa 1 etapa 2 etapa 3 METODOLOGIA DIAGNÓSTICO PROPOSTAS Princípios

Leia mais

LEI Nº 5138 DE 28 DE DEZEMBRO DE 1992

LEI Nº 5138 DE 28 DE DEZEMBRO DE 1992 LEI Nº 5138 DE 28 DE DEZEMBRO DE 1992 DR. ANTONIO FIGUEIREDO DE OLIVEIRA, Prefeito Municipal de São José do Rio Preto, Estado de São Paulo, usando das atribuições que me são conferidas por lei. FAÇO SABER

Leia mais

Presidência da República Casa Civil Subchefia para Assuntos Jurídicos

Presidência da República Casa Civil Subchefia para Assuntos Jurídicos Presidência da República Casa Civil Subchefia para Assuntos Jurídicos LEI Nº 11.124, DE 16 DE JUNHO DE 2005. Mensagem de veto Dispõe sobre o Sistema Nacional de Habitação de Interesse Social SNHIS, cria

Leia mais

Compromissos com o Meio Ambiente e a Qualidade de Vida Agenda Socioambiental para o Desenvolvimento Sustentável do Amapá

Compromissos com o Meio Ambiente e a Qualidade de Vida Agenda Socioambiental para o Desenvolvimento Sustentável do Amapá Compromissos com o Meio Ambiente e a Qualidade de Vida Agenda Socioambiental para o Desenvolvimento Sustentável do Amapá Eu, ( ) (sigla do partido) me comprometo a promover os itens selecionados abaixo

Leia mais

REGULARIZAÇÃO FUNDIÁRIA - COMO IMPLEMENTAR - ASPÉCTOS TÉCNICOS

REGULARIZAÇÃO FUNDIÁRIA - COMO IMPLEMENTAR - ASPÉCTOS TÉCNICOS REGULARIZAÇÃO FUNDIÁRIA - - ASPÉCTOS TÉCNICOS Luciano Saldanha Varela Engenheiro Civil ETAPAS DA REGULARIZAÇÃO FUNDIÁRIA 1) TOPOGRAFIA PARA AUTO DE DEMARCAÇÃO URBANÍSTICA E PARA INSTITUIÇÃO DE ZEIS (PERÍMETRO

Leia mais

LEI DOS INSTRUMENTOS

LEI DOS INSTRUMENTOS LEI DOS INSTRUMENTOS LEI Nº 2.333 DE 06 DE OUTUBRO DE 2006 Dispõe sobre os Instrumentos de Política Urbana no Município de Itápolis. MAJOR AVIADOR MOACYR ZITELLI, Prefeito do Município de Itápolis, Estado

Leia mais

APP s Urbanas e o Plano Diretor de Curitiba

APP s Urbanas e o Plano Diretor de Curitiba FRENTE MOBILIZA CURITIBA 1ª Oficina Meio Ambiente e Plano Diretor APP s Urbanas e o Plano Diretor de Curitiba Incidência e Regularização Fundiária de APP s Urbanas na Lei 12.651/12 Prof. Dr. José Gustavo

Leia mais

PROGRAMA PARAISÓPOLIS Regularização Fundiária

PROGRAMA PARAISÓPOLIS Regularização Fundiária PROGRAMA PARAISÓPOLIS Regularização Fundiária POLÍTICA HABITACIONAL DA CIDADE DE SÃO PAULO Plano Diretor Estratégico do Município (Lei 13.430/02, art. 79): Moradia digna é aquela que garante ao morador

Leia mais

A CÂMARA MUNICIPAL DE GOIÂNIA APROVA E EU SANCIONO A SEGUINTE LEI:

A CÂMARA MUNICIPAL DE GOIÂNIA APROVA E EU SANCIONO A SEGUINTE LEI: GABINETE DO PREFEITO LEI Nº 8487, DE 06 DE DEZEMBRO DE 2006 Dispõe sobre a criação do Fundo Municipal de Habitação de Interesse Social FMHIS, revoga as Leis nºs 7.273, de 12 de janeiro de 1994, e 7.600,

Leia mais

Cidade de São Paulo. 3ª CLÍNICA INTEGRADA ENTRE USO DO SOLO E TRANSPORTES Rio, out/2011

Cidade de São Paulo. 3ª CLÍNICA INTEGRADA ENTRE USO DO SOLO E TRANSPORTES Rio, out/2011 Cidade de São Paulo 3ª CLÍNICA INTEGRADA ENTRE USO DO SOLO E TRANSPORTES Rio, out/2011 LOCALIZAÇÃO POPULAÇÃO (Censo 2010) RMSP...19.683.975 habitantes Município de São Paulo...11.253.563 habitantes Estatuto

Leia mais

Ministério das Cidades MCidades

Ministério das Cidades MCidades Ministério das Cidades MCidades Objetivos de Desenvolvimento Sustentável ODS São Paulo, 02 de junho de 2014 Roteiro 1. O processo de urbanização no Brasil: histórico. 2. Avanços institucionais na promoção

Leia mais

Programa de Reabilitação de Áreas Urbanas Centrais. Secretaria Nacional de Programas Urbanos

Programa de Reabilitação de Áreas Urbanas Centrais. Secretaria Nacional de Programas Urbanos Programa de Reabilitação de Áreas Urbanas Centrais Secretaria Nacional de Programas Urbanos CONCEITOS Área Urbana Central Bairro ou um conjunto de bairros consolidados com significativo acervo edificado

Leia mais

LEI ORGÂNICA. Dispõe sobre a Lei Orgânica do Município de Sorocaba - SP. ... TÍTULO V DA ORDEM ECONÔMICA E SOCIAL CAPÍTULO I DA SAÚDE

LEI ORGÂNICA. Dispõe sobre a Lei Orgânica do Município de Sorocaba - SP. ... TÍTULO V DA ORDEM ECONÔMICA E SOCIAL CAPÍTULO I DA SAÚDE LEI ORGÂNICA Dispõe sobre a Lei Orgânica do Município de Sorocaba - SP. TÍTULO V DA ORDEM ECONÔMICA E SOCIAL CAPÍTULO I DA SAÚDE Art. 129 - A saúde é direito de todos os munícipes e dever do Poder Público,

Leia mais

PORTARIA Nº 139, DE 13 DE ABRIL DE 2009 (DOU DE 13.04.2009 - EDIÇÃO EXTRA)

PORTARIA Nº 139, DE 13 DE ABRIL DE 2009 (DOU DE 13.04.2009 - EDIÇÃO EXTRA) PORTARIA Nº 139, DE 13 DE ABRIL DE 2009 (DOU DE 13.04.2009 - EDIÇÃO EXTRA) Dispõe sobre a aquisição e alienação de imóveis sem prévio arrendamento no âmbito do Programa de Arrendamento Residencial - PAR,

Leia mais

LEI Nº 2.422, DE 08 DE ABRIL DE 2008 CERTIDÃO Certifico e dou fé que esta Lei foi publicada no placard do Município no dia- / /

LEI Nº 2.422, DE 08 DE ABRIL DE 2008 CERTIDÃO Certifico e dou fé que esta Lei foi publicada no placard do Município no dia- / / LEI Nº 2.422, DE 08 DE ABRIL DE 2008 CERTIDÃO Certifico e dou fé que esta Lei foi publicada no placard do Município no dia- / / JANE APARECIDA FERREIRA =Responsável pelo placard= Dispõe sobre a composição,

Leia mais

AGÊNCIA NACIONAL DE ENERGIA ELÉTRICA ANEEL RESOLUÇÃO NORMATIVA Nº 82, DE 13 DE SETEMBRO DE 2004

AGÊNCIA NACIONAL DE ENERGIA ELÉTRICA ANEEL RESOLUÇÃO NORMATIVA Nº 82, DE 13 DE SETEMBRO DE 2004 AGÊNCIA NACIONAL DE ENERGIA ELÉTRICA ANEEL RESOLUÇÃO NORMATIVA Nº 82, DE 13 DE SETEMBRO DE 2004 Estabelece as condições para atendimento com redes de energia elétrica nos lotes situados em loteamentos

Leia mais

kleber.matos@planalto.gov.br, gerson.almeida@planalto.gov.br e joao.filho@planalto.gov.br

kleber.matos@planalto.gov.br, gerson.almeida@planalto.gov.br e joao.filho@planalto.gov.br À SECRETARIA ESPECIAL DE DIREITOS HUMANOS Ministro Paulo de Tarso Vannuchi E-mail: paulo.vannuchi@sedh.gov.br e valeria.silva@sedh.gov.br AO MINISTÉRIO DAS CIDADES Ministro Márcio Fortes de Almeida E-mail:

Leia mais

OBJETIVOS DO EVENTO APRESENTAÇÃO DO PROGRAMA MINHA CASA MINHA VIDA II

OBJETIVOS DO EVENTO APRESENTAÇÃO DO PROGRAMA MINHA CASA MINHA VIDA II OBJETIVOS DO EVENTO APRESENTAÇÃO DO PROGRAMA MINHA CASA MINHA VIDA II NIVELAMENTO DAS INFORMAÇÕES DIRIMIR DÚVIDAS COLHER SUGESTÕES MINHA CASA, MINHA VIDA Ampliação das oportunidades de acesso das famílias

Leia mais

REDE DE AVALIAÇÃO E CAPACITAÇÃO PARA A IMPLEMENTAÇÃO DOS PLANOS DIRETORES PARTICIPATIVOS Avaliação dos Planos Diretores do Rio Grande do Norte

REDE DE AVALIAÇÃO E CAPACITAÇÃO PARA A IMPLEMENTAÇÃO DOS PLANOS DIRETORES PARTICIPATIVOS Avaliação dos Planos Diretores do Rio Grande do Norte REDE DE AVALIAÇÃO E CAPACITAÇÃO PARA A IMPLEMENTAÇÃO DOS PLANOS DIRETORES PARTICIPATIVOS Avaliação dos Planos Diretores do Rio Grande do Norte Nome dos Pesquisadores/contatos: Maria Dulce P. Bentes Sobrinha

Leia mais

OBJETIVOS DO EVENTO APRESENTAÇÃO DO PROGRAMA MINHA CASA MINHA VIDA II NIVELAMENTO DAS INFORMAÇÕES DIRIMIR DÚVIDAS COLHER SUGESTÕES

OBJETIVOS DO EVENTO APRESENTAÇÃO DO PROGRAMA MINHA CASA MINHA VIDA II NIVELAMENTO DAS INFORMAÇÕES DIRIMIR DÚVIDAS COLHER SUGESTÕES OBJETIVOS DO EVENTO APRESENTAÇÃO DO PROGRAMA MINHA CASA MINHA VIDA II NIVELAMENTO DAS INFORMAÇÕES DIRIMIR DÚVIDAS COLHER SUGESTÕES MINHA CASA, MINHA VIDA Ampliação das oportunidades de acesso das famílias

Leia mais

CURSO REGULARIZAÇÃO FUNDIÁRIA. Tratamento Constitucional da Política Urbana: Estatuto da Cidade; Regularização Fundiária e o Papel do Plano Diretor.

CURSO REGULARIZAÇÃO FUNDIÁRIA. Tratamento Constitucional da Política Urbana: Estatuto da Cidade; Regularização Fundiária e o Papel do Plano Diretor. CURSO REGULARIZAÇÃO FUNDIÁRIA Tratamento Constitucional da Política Urbana: Estatuto da Cidade; Regularização Fundiária e o Papel do Plano Diretor. INSTITUTO PÓLIS 2009 Heliópolis São Paulo Estatuto da

Leia mais

ESTADO DE SANTA CATARINA PREFEITURA MUNICIPAL DE GAROPABA

ESTADO DE SANTA CATARINA PREFEITURA MUNICIPAL DE GAROPABA LEI COMPLEMENTAR N.º 1.463, DE 29 DE OUTUBRO DE 2010. INSTITUI O PLANO DIRETOR MUNICIPAL, ESTABELECE OBJETIVOS, DIRETRIZES E INSTRUMENTOS PARA AS AÇÕES DE PLANEJAMENTO NO MUNICÍPIO DE GAROPABA E DÁ OUTRAS

Leia mais

ANEXO IX - DEMONSTRATIVO VII METAS E PRIORIDADES - COMPATIBILIZAÇÃO DA LEI DE DIRETRIZES ORÇAMENTÁRIAS COM O PLANO PLURIANUAL

ANEXO IX - DEMONSTRATIVO VII METAS E PRIORIDADES - COMPATIBILIZAÇÃO DA LEI DE DIRETRIZES ORÇAMENTÁRIAS COM O PLANO PLURIANUAL METAS E PRIORIDADES - COMPATIBILIZ DA LEI DE DIRETRIZES ORÇAMENTÁRIAS COM O PLANO PLURIANUAL TÍTULO PRODUTO TIPO DE META 2013 2001 Administração Legislativa Serviços Realizados ORÇAMENTÁRIA 95% 0001 GESTÃO

Leia mais

Fundo Nacional de Habitação de Interesse Social FNHIS - Ação: Apoio à Elaboração de Planos Habitacionais de Interesse Social

Fundo Nacional de Habitação de Interesse Social FNHIS - Ação: Apoio à Elaboração de Planos Habitacionais de Interesse Social MINISTÉRIO DAS CIDADES Secretaria Nacional de Habitação Fundo Nacional de Habitação de Interesse Social FNHIS - Programa: Habitação de Interesse Social Ação: Apoio à Elaboração de Planos Habitacionais

Leia mais

CÓDIGO FLORESTAL e ÁREAS URBANAS

CÓDIGO FLORESTAL e ÁREAS URBANAS CÓDIGO FLORESTAL e ÁREAS URBANAS Brasília 30 de agosto de 2011 Celso Santos Carvalho Diretor de Assuntos Fundiários Urbanos O processo de urbanização brasileiro não considerou a necessidade de prover habitação

Leia mais

CONSTRUINDO CIDADES E CIDADANIA

CONSTRUINDO CIDADES E CIDADANIA UCLG Congress Parallel Session: CONSTRUINDO CIDADES E CIDADANIA Inês da Silva Magalhães Secretária Nacional de Habitação - Brasil Cidade do México 18 de novembro de 2010 PRINCIPAIS MARCOS INSTITUCIONAIS

Leia mais

O Estado de São Paulo dispõe do Programa Estadual de Regularização de Núcleos Habitacionais - Cidade Legal, doravante denominado de Cidade Legal.

O Estado de São Paulo dispõe do Programa Estadual de Regularização de Núcleos Habitacionais - Cidade Legal, doravante denominado de Cidade Legal. O Estado de São Paulo dispõe do Programa Estadual de Regularização de Núcleos Habitacionais - Cidade Legal, doravante denominado de Cidade Legal. Em resumo, o programa fornece, mediante convênio de cooperação

Leia mais

PLANO DIRETOR DE TRANSPORTE E MOBILIDADE DE BAURU - PLANMOB

PLANO DIRETOR DE TRANSPORTE E MOBILIDADE DE BAURU - PLANMOB PLANO DIRETOR DE TRANSPORTE E MOBILIDADE DE BAURU - PLANMOB O QUE É O Plano Diretor de Transporte e da Mobilidade é um instrumento da política de desenvolvimento urbano, integrado ao Plano Diretor do município,

Leia mais

PROGRAMA COMPROMISSO META INICIATIVA

PROGRAMA COMPROMISSO META INICIATIVA Secretaria de 1 Produtivo 1. Ampliar a oferta de infraestrutura adequada para promover a segurança no consumo de gêneros alimentícios em mercados municipais 1. Oferecer espaços adequados para comercialização

Leia mais

PROGRAMA ESTADUAL DE REGULARIZAÇÃO FUNDIÁRIA LAR LEGAL

PROGRAMA ESTADUAL DE REGULARIZAÇÃO FUNDIÁRIA LAR LEGAL Governo de Santa Catarina Secretaria de Estado da Assistência Social, Trabalho e Habitação PROGRAMA ESTADUAL DE REGULARIZAÇÃO FUNDIÁRIA LAR LEGAL Florianópolis REGULARIZAÇÃO FUNDIÁRIA DE ASSENTAMENTOS

Leia mais

A QUESTÃO FEDERATIVA NA DEFINIÇÃO DA POLITICA PÚBLICAS URBANAS NO BRASIL

A QUESTÃO FEDERATIVA NA DEFINIÇÃO DA POLITICA PÚBLICAS URBANAS NO BRASIL A QUESTÃO FEDERATIVA NA DEFINIÇÃO DA POLITICA PÚBLICAS URBANAS NO BRASIL 1 O PACTO FEDERATIVO E A QUESTÃO FISCAL As dificuldades oriundas do federalismo brasileiro vêm ganhando cada vez mais espaço na

Leia mais

UM PANORAMA DOS PROGRAMAS HABITACIONAIS NO MUNICÍPIO DE JUIZ DE FORA

UM PANORAMA DOS PROGRAMAS HABITACIONAIS NO MUNICÍPIO DE JUIZ DE FORA UM PANORAMA DOS PROGRAMAS HABITACIONAIS NO MUNICÍPIO DE JUIZ DE FORA Autora: Cláudia V. Cesar 1 Universidade Federal de Juiz de Fora Resumo: Este artigo apresenta um breve panorama dos programas habitacionais

Leia mais

E CONFLITOS. Painel: Habitação Popular e Mercados Informais (Regularização Fundiária) / Outros Temas de Interesse Geral

E CONFLITOS. Painel: Habitação Popular e Mercados Informais (Regularização Fundiária) / Outros Temas de Interesse Geral REGULARIZAÇÃO FUNDIÁRIA NA CIDADE DE PIRACICABA - SP: AÇÕES A E CONFLITOS Painel: Habitação Popular e Mercados Informais (Regularização Fundiária) / Outros Temas de Interesse Geral Engª Civil Silvia Maria

Leia mais

OPERAÇÕES URBANAS CONSORCIADAS Instrumentos de viabilização de projetos urbanos integrados

OPERAÇÕES URBANAS CONSORCIADAS Instrumentos de viabilização de projetos urbanos integrados OPERAÇÕES URBANAS CONSORCIADAS Instrumentos de viabilização de projetos urbanos integrados DEAP/SNAPU/MCIDADES Maio/2015 Contexto brasileiro Necessidade de obras públicas para requalificação e reabilitação

Leia mais

Prefeitura Municipal de Registro

Prefeitura Municipal de Registro Prefeitura Municipal de Registro Departamento Municipal de Administração Rua José Antônio de Campos, nº 250 Centro CEP: 11.900-000 Registro SP Fone: (13) 3828-1000 Fax: (13) 3821-2565 e-mail prefeitura@registro.sp.gov.br

Leia mais

PLANO DIRETOR PARTICIPATIVO NÚCLEODE EXECUÇÃOMUNIIPAL NEM NÚCLEO GESTOR LOCAL NGL MÃE DO RIO LEI Nº.468/06 GAB-PMMR de, 27 de setembro de 2006

PLANO DIRETOR PARTICIPATIVO NÚCLEODE EXECUÇÃOMUNIIPAL NEM NÚCLEO GESTOR LOCAL NGL MÃE DO RIO LEI Nº.468/06 GAB-PMMR de, 27 de setembro de 2006 LEI Nº.468/06 GAB-PMMR de, 27 de setembro de 2006 Dispõe sobre o plano diretor do Município de Mãe do Rio e dá outras providências. O Prefeito Municipal de Mãe do Rio, no uso de suas atribuições legais

Leia mais

Programa de Regularização Fundiária de Interesse Social

Programa de Regularização Fundiária de Interesse Social Programa de Regularização Fundiária de Interesse Social CASA LEGAL Programa Estadual de Regularização Fundiária Programa Casa Legal Devido a Lei Estadual nº 16.269, de 29 de maio de 2008, dispor em seu

Leia mais

PLANEJAMENTO URBANO: IMPORTANCIA DO ZONEMAMENTO

PLANEJAMENTO URBANO: IMPORTANCIA DO ZONEMAMENTO PLANEJAMENTO URBANO: IMPORTANCIA DO ZONEMAMENTO Maria José Pimentel da Paixão (*), Carla Patricia Marrafon Aiala. * Instituto Federal de Educação, Ciência e Tecnologia do Pará, IFPA, e-mail: ambiental.paixao@hotmail.com.

Leia mais

PROJETO DE LEI CAPÍTULO I DO PLANEJAMENTO GOVERNAMENTAL E DO PLANO PLURIANUAL

PROJETO DE LEI CAPÍTULO I DO PLANEJAMENTO GOVERNAMENTAL E DO PLANO PLURIANUAL PROJETO DE LEI Institui o Plano Plurianual da União para o período 2012-2015. O CONGRESSO NACIONAL decreta: CAPÍTULO I DO PLANEJAMENTO GOVERNAMENTAL E DO PLANO PLURIANUAL Art.1 o Esta lei institui o Plano

Leia mais

REPARTIÇÃO DE COMPETÊNCIAS E NORMAS GERAIS DE DIREITO URBANÍSTICO

REPARTIÇÃO DE COMPETÊNCIAS E NORMAS GERAIS DE DIREITO URBANÍSTICO REPARTIÇÃO DE COMPETÊNCIAS E NORMAS GERAIS DE DIREITO URBANÍSTICO O Desenvolvimento Urbano e a Constituição Federal AS COMPETÊNCIAS DA UNIÃO Art. 21. Compete à União: XX - instituir diretrizes para o desenvolvimento

Leia mais

CONSELHO MUNICIPAL DE HABITAÇÃO DE LONDRINA

CONSELHO MUNICIPAL DE HABITAÇÃO DE LONDRINA 3ª Conferência Municipal da Habitação de Londrina Morar na cidade que me reconhece Enfrentar o déficit habitacional não se resume à oferta de moradias. Ações devem ser articuladas para garantir direitos

Leia mais

ESTUDO DIRIGIDO DA DISCIPLINA PLANEJAMENTO URBANO. CURSO: CST GESTÃO PÚBLICA REFERÊNCIA: Planejamento Urbano 1ª Edição 2012 (Intersaberes)

ESTUDO DIRIGIDO DA DISCIPLINA PLANEJAMENTO URBANO. CURSO: CST GESTÃO PÚBLICA REFERÊNCIA: Planejamento Urbano 1ª Edição 2012 (Intersaberes) ESTUDO DIRIGIDO DA DISCIPLINA PLANEJAMENTO URBANO CURSO: CST GESTÃO PÚBLICA REFERÊNCIA: Planejamento Urbano 1ª Edição 2012 (Intersaberes) MÓDULO A 2015 FASE II Nesta Rota de Aprendizagem destacamos a importância

Leia mais

Curso de Formação para a Elaboração, Monitoramento e Acompanhamento do PLHIS

Curso de Formação para a Elaboração, Monitoramento e Acompanhamento do PLHIS Curso de Formação para a Elaboração, Monitoramento e Acompanhamento do PLHIS Módulo IV Política Habitacional e as políticas urbanas Política Habitacional: o papel dos estados e municípios Regina Fátima

Leia mais

TRANSFERÊNCIA DO POTENCIAL CONSTRUTIVO

TRANSFERÊNCIA DO POTENCIAL CONSTRUTIVO ESTADO DA PARAÍBA PREFEITURA MUNICIPAL DE JOÃO PESSOA Assessoria Técnica SEPLAM Sobre a Lei nº. 12.145 de 08 de Setembro de 2011, que regulamentou o Instrumento: TRANSFERÊNCIA DO POTENCIAL CONSTRUTIVO

Leia mais

Presidência da República Casa Civil Subchefia para Assuntos Jurídicos

Presidência da República Casa Civil Subchefia para Assuntos Jurídicos Página 1 de 7 Presidência da República Casa Civil Subchefia para Assuntos Jurídicos LEI Nº 13.089, DE 12 DE JANEIRO DE 2015. Mensagem de veto Institui o Estatuto da Metrópole, altera a Lei n o 10.257,

Leia mais

UNIVERSIDADE FEDERAL DO PARANÁ LABORATÓRIO DE ARQUITETURA E URBANISMO LAURB GRUPO DE PESQUISA CIDADE, MEIO AMBIENTE E POLÍTICAS PÚBLICAS

UNIVERSIDADE FEDERAL DO PARANÁ LABORATÓRIO DE ARQUITETURA E URBANISMO LAURB GRUPO DE PESQUISA CIDADE, MEIO AMBIENTE E POLÍTICAS PÚBLICAS 1 UNIVERSIDADE FEDERAL DO PARANÁ LABORATÓRIO DE ARQUITETURA E URBANISMO GRUPO DE PESQUISA CIDADE, MEIO AMBIENTE E POLÍTICAS PÚBLICAS Série Textos de reconhecimento do objeto de pesquisa 1 Título: CARACTERIZAÇÃO

Leia mais

Planejamento e gestão da expansão urbana

Planejamento e gestão da expansão urbana CURSO GESTÃO DA VALORIZAÇÃO IMOBILIÁRIA: Contribuição de Melhoria, Reajuste de Terrenos e Redesenvolvimento Belo Horizonte, 24 a 26 de outubro de 2012 Planejamento e gestão da expansão urbana Daniel Todtmann

Leia mais

DIRETRIZES URBANÍSTICAS EXPANSÃO DO PARANOÁ

DIRETRIZES URBANÍSTICAS EXPANSÃO DO PARANOÁ 1 DIRETRIZES URBANÍSTICAS EXPANSÃO DO PARANOÁ Brasília, 29 de novembro de 2012 DIRETRIZES URBANÍSTICAS Marco Legal 2 Lei nº 6.766/79: Art. 6 - Antes da elaboração do projeto de loteamento, o interessado

Leia mais

CidadesDigitais. A construção de um ecossistema de cooperação e inovação

CidadesDigitais. A construção de um ecossistema de cooperação e inovação CidadesDigitais A construção de um ecossistema de cooperação e inovação CidadesDigitais PRINCÍPIOs 1. A inclusão digital deve proporcionar o exercício da cidadania, abrindo possibilidades de promoção cultural,

Leia mais

PREFEITURA MUNICIPAL DE PRESIDENTE KUBITSCHEK Estado de Minas Gerais MENSAGEM Nº

PREFEITURA MUNICIPAL DE PRESIDENTE KUBITSCHEK Estado de Minas Gerais MENSAGEM Nº MENSAGEM Nº Senhores membros da Câmara Municipal, Submeto à elevada deliberação de V. Exªs. o texto do projeto de lei que institui o Plano Plurianual para o período de 2002 a 2005. Este projeto foi elaborado

Leia mais

REGISTRO DE LOTEAMENTO / DESMEMBRAMENTO

REGISTRO DE LOTEAMENTO / DESMEMBRAMENTO REGISTRO DE LOTEAMENTO / DESMEMBRAMENTO (Lei 6.766/79 alterada pela Lei 9.785/99 e Lei Estadual 7.943/2004) Lei 6.766/1979 - Art. 2º.: 1º - Considera-se loteamento a subdivisão de gleba em lotes destinados

Leia mais

Arquivos públicos municipais. Mais transparência pública, mais informação, mais memória e mais cidadania

Arquivos públicos municipais. Mais transparência pública, mais informação, mais memória e mais cidadania Arquivos públicos municipais Mais transparência pública, mais informação, mais memória e mais cidadania APRESENTAÇÃO Este documento tem como objetivo principal informar e sensibilizar as autoridades públicas

Leia mais

CONSELHO DE ARQUITETURA E URBANISMO DO PARANÁ CÂMARA TÉCNICA DE ARQUITETURA E URBANISMO HABITAÇÃO DE INTERESSE SOCIAL

CONSELHO DE ARQUITETURA E URBANISMO DO PARANÁ CÂMARA TÉCNICA DE ARQUITETURA E URBANISMO HABITAÇÃO DE INTERESSE SOCIAL CONSELHO DE ARQUITETURA E URBANISMO DO PARANÁ CÂMARA TÉCNICA DE ARQUITETURA E URBANISMO HABITAÇÃO DE INTERESSE SOCIAL LEI ASSISTÊNCIA TÉCNICA PÚBLICA E GRATUITA LEI 11.888/2008 Assistência Técnica Pública

Leia mais

ESPECIFICAÇÃO PARA ELABORAÇÃO DO PROJETO DE URBANIZAÇÃO SUMÁRIO 1.0 - OBJETIVO 2 0 - DOCUMENTOS DE REFERÊNCIA 3.0 - ESCOPO 3.1 - PROCEDIMENTOS FORMAIS

ESPECIFICAÇÃO PARA ELABORAÇÃO DO PROJETO DE URBANIZAÇÃO SUMÁRIO 1.0 - OBJETIVO 2 0 - DOCUMENTOS DE REFERÊNCIA 3.0 - ESCOPO 3.1 - PROCEDIMENTOS FORMAIS ESPECIFICAÇÃO PARA ELABORAÇÃO DO PROJETO DE URBANIZAÇÃO SUMÁRIO 1.0 - OBJETIVO 2 0 - DOCUMENTOS DE REFERÊNCIA 3.0 - ESCOPO 3.1 - PROCEDIMENTOS FORMAIS 3.2 - COMPONENTES ESPECÍFICOS 3.2.1 - Plano de Intervenção

Leia mais

INSTRUMENTO DA OPERAÇÃO URBANA ÁGUA BRANCA

INSTRUMENTO DA OPERAÇÃO URBANA ÁGUA BRANCA INSTRUMENTO DA OPERAÇÃO URBANA ÁGUA BRANCA LOCALIZAÇÃO E CONTEXTO Jundiaí Campinas Rio de Janeiro Sorocaba Guarulhos OUC AB Congonhas CPTM E METRÔ: REDE EXISTENTE E PLANEJADA OUC AB SISTEMA VIÁRIO ESTRUTURAL

Leia mais

SISTEMA ESTADUAL DE HABITAÇÃO DE INTERESSE SOCIAL - SEHIS

SISTEMA ESTADUAL DE HABITAÇÃO DE INTERESSE SOCIAL - SEHIS SISTEMA ESTADUAL DE HABITAÇÃO DE INTERESSE SOCIAL - SEHIS A Lei Estadual 8.320 de 03/09/2007, instituiu o Sistema Estadual de Habitação de Interesse Social SEHIS, o Conselho Estadual de Habitação de Interesse

Leia mais

LEI Nº 562/93 - DE, 22 DE NOVEMBRO 1.993. MÁRCIO CASSIANO DA SILVA, Prefeito Municipal de Jaciara, no uso de suas atribuições legais,

LEI Nº 562/93 - DE, 22 DE NOVEMBRO 1.993. MÁRCIO CASSIANO DA SILVA, Prefeito Municipal de Jaciara, no uso de suas atribuições legais, LEI Nº 562/93 - DE, 22 DE NOVEMBRO 1.993. DISPÕE SOBRE A CONSTITUIÇÃO DO CONSELHO MUNICIPAL DO BEM ESTAR SOCIAL E CRIAÇÃO DO FUNDO MUNICIPAL A ELE VINCULADO E DÁ OUTRAS PROVIDÊNCIAS. MÁRCIO CASSIANO DA

Leia mais

III Conferência Municipal de Política Urbana ESTUDOS URBANOS Transformações recentes na estrutura urbana

III Conferência Municipal de Política Urbana ESTUDOS URBANOS Transformações recentes na estrutura urbana III Conferência Municipal de Política Urbana ESTUDOS URBANOS Transformações recentes na estrutura urbana PBH/SMURBE Núcleo de Planejamento Urbano da Secretaria Municipal de Políticas Urbanas de Belo Horizonte

Leia mais

MUNICÍPIO DE JACAREZINHO

MUNICÍPIO DE JACAREZINHO LEI COMPLEMENTAR Nº. 51/2013 de 22 de julho de 2013. Institui o Plano Diretor Municipal (PDM) de Jacarezinho. A Câmara Municipal de Jacarezinho,, aprovou, e eu, Prefeito Municipal, sanciono a seguinte

Leia mais

LEI Nº 13.558, de 17 de novembro de 2005. Dispõe sobre a Política Estadual de Educação Ambiental - PEEA - e adota outras providências.

LEI Nº 13.558, de 17 de novembro de 2005. Dispõe sobre a Política Estadual de Educação Ambiental - PEEA - e adota outras providências. LEI Nº 13.558, de 17 de novembro de 2005 Procedência: Governamental Natureza: PL. 332/05 DO. 17.762 de 17/11/05 Fonte: ALESC/Div. Documentação Dispõe sobre a Política Estadual de Educação Ambiental - PEEA

Leia mais

Prevenção e mediação de conflitos fundiários urbanos

Prevenção e mediação de conflitos fundiários urbanos Prevenção e mediação de conflitos fundiários urbanos 1 Fatores geradores dos conflitos fundiários urbanos Reintegração de posse de imóveis públicos e privados, em que o processo tenha ocorrido em desconformidade

Leia mais

LEI COMPLEMENTAR Nº 003, DE 09 DE OUTUBRO DE 2006 TÍTULO I DISPOSIÇÃO PRELIMINAR

LEI COMPLEMENTAR Nº 003, DE 09 DE OUTUBRO DE 2006 TÍTULO I DISPOSIÇÃO PRELIMINAR LEI COMPLEMENTAR Nº 003, DE 09 DE OUTUBRO DE 2006 Promove a revisão do Plano Diretor do Município de Campina Grande. TÍTULO I DISPOSIÇÃO PRELIMINAR Art. 1º Em atendimento ao disposto no art 182, 1º, da

Leia mais

Regularização Fundiária. Rosane Tierno 02 julho -2011

Regularização Fundiária. Rosane Tierno 02 julho -2011 Regularização Fundiária Rosane Tierno 02 julho -2011 Parte I - Informalidade fundiária Imagem interna de um cortiço Regularização Fundiária Por que?? INFORMALIDADE FUNDIÁRIA URBANA MUNICÍPIOS POR FAIXA

Leia mais

DIAGNÓSTICO SOCIOAMBIENTAL E ESTRUTURAL DO BAIRRO SHOPPING PARK, MUNICÍPIO DE UBERLÂNDIA MG

DIAGNÓSTICO SOCIOAMBIENTAL E ESTRUTURAL DO BAIRRO SHOPPING PARK, MUNICÍPIO DE UBERLÂNDIA MG DIAGNÓSTICO SOCIOAMBIENTAL E ESTRUTURAL DO BAIRRO SHOPPING PARK, MUNICÍPIO DE UBERLÂNDIA MG Vinícius Borges Moreira Graduando em Geografia Universidade Federal de Uberlândia vinicius_sammet@hotmail.com

Leia mais

4º CONFERENCIA ESTADUAL DAS CIDADES 07 a 09 abril 2010 Foz do Iguaçu PR

4º CONFERENCIA ESTADUAL DAS CIDADES 07 a 09 abril 2010 Foz do Iguaçu PR 4º CONFERENCIA ESTADUAL DAS CIDADES 07 a 09 abril 2010 Foz do Iguaçu PR CIDADE PARA TODOS E TODAS COM GESTÃO DEMOCRÁTICA, PARTICIPATIVA E CONTROLE SOCIAL Avanços, Dificuldades e Deságios na Implementação

Leia mais

TÍTULO I DA POLÍTICA TERRITORIAL

TÍTULO I DA POLÍTICA TERRITORIAL 1 aaaaa Alterado aaaaa Incluído aaaaa Revogado Texto atualizado apenas para consulta. LEI COMPLEMENTAR Nº 803, DE 25 DE ABRIL DE 2009 (Autoria do Projeto: Poder Executivo) Aprova a revisão do Plano Diretor

Leia mais

A política urbana de Diadema: AEIS e Plano Diretor

A política urbana de Diadema: AEIS e Plano Diretor A política urbana de Diadema: AEIS e Plano Diretor DÉCADA DE 90 1990 - Criação do FUMAPIS Fundo Municipal de Apoio a Habitacão de Interesse Social que exerce, na prática, o papel de Conselho Municipal

Leia mais

01. Câmara Municipal. 02. Secretaria Municipal de Governo. 03. Gabinete do Vice-Prefeito. 04. Procuradoria Geral do Município

01. Câmara Municipal. 02. Secretaria Municipal de Governo. 03. Gabinete do Vice-Prefeito. 04. Procuradoria Geral do Município Estrutura Administrativa e Principais 01. Câmara Municipal - Lei Orgânica do Município de Teresina, de 05 de abril de 1991. - Votar o Orçamento Anual e o Plano Plurianual, bem como autorizar abertura de

Leia mais

PREFEITURA MUNICIPAL DE CURITIBA INSTITUTO DE PESQUISA E PLANEJAMENTO URBANO DE CURITIBA

PREFEITURA MUNICIPAL DE CURITIBA INSTITUTO DE PESQUISA E PLANEJAMENTO URBANO DE CURITIBA PREFEITURA MUNICIPAL DE CURITIBA INSTITUTO DE PESQUISA E PLANEJAMENTO URBANO DE CURITIBA OFICINA DE CAPACITAÇÃO PARA O PLANO DIRETOR: REGIONAL BOQUEIRÃO 18/03/2014 CURITIBA MARÇO/2014 Realizações no dia

Leia mais

CRESCIMENTO DAS CIDADES MÉDIAS

CRESCIMENTO DAS CIDADES MÉDIAS CRESCIMENTO DAS CIDADES MÉDIAS Diana Motta* Daniel da Mata** 1 ANTECEDENTES As cidades médias desempenham o papel de núcleo estratégico da rede urbana do Brasil, constituindo elos dos espaços urbano e

Leia mais

LEI COMPLEMENTAR Nº 717, DE 20 DE AGOSTO DE 2013.

LEI COMPLEMENTAR Nº 717, DE 20 DE AGOSTO DE 2013. LEI COMPLEMENTAR Nº 717, DE 20 DE AGOSTO DE 2013. Institui Área Especial de Interesse Ambiental sobre área do Morro Santa Teresa, com identificação de Área de Proteção do Ambiente Natural, de Área de Interesse

Leia mais

Comissão de Direito Imobiliário e Urbanístico da OAB/SP. Loteamentos Fechados Temas Polêmicos e Atuais

Comissão de Direito Imobiliário e Urbanístico da OAB/SP. Loteamentos Fechados Temas Polêmicos e Atuais Comissão de Direito Imobiliário e Urbanístico da OAB/SP Loteamentos Fechados Temas Polêmicos e Atuais Painel I Parcelamento do Solo Conceitos e Aspectos Legais 20 de junho de 2006 1 Loteamento art. 2º,

Leia mais

PREFEITURA DE SÃO LUIS SECRETARIA MUNICIPAL DE URBANISMO E HABITAÇÃO SEMURH

PREFEITURA DE SÃO LUIS SECRETARIA MUNICIPAL DE URBANISMO E HABITAÇÃO SEMURH Projeto de Lei nº, de de de Institui o primeiro plano municipal de incentivo à construção civil, e dá outras providências. O PREFEITO DE SÃO LUÍS, Capital do Estado do Maranhão Faço saber a todos os seus

Leia mais

CÂMARA TÉCNICA DE ARQUITETURA E URBANISMO HABITAÇÃO DE INTERESSE SOCIAL LEI ASSISTÊNCIA TÉCNICA PÚBLICA E GRATUITA

CÂMARA TÉCNICA DE ARQUITETURA E URBANISMO HABITAÇÃO DE INTERESSE SOCIAL LEI ASSISTÊNCIA TÉCNICA PÚBLICA E GRATUITA CÂMARA TÉCNICA DE ARQUITETURA E URBANISMO HABITAÇÃO DE INTERESSE SOCIAL LEI ASSISTÊNCIA TÉCNICA PÚBLICA E GRATUITA 2015 PROGRAMA Com base na car,lha elaborado em MG. 1. Contextualização 2. Legislação 3.

Leia mais

Documento de Referência do Projeto de Cidades Digitais Secretaria de Inclusão Digital Ministério das Comunicações

Documento de Referência do Projeto de Cidades Digitais Secretaria de Inclusão Digital Ministério das Comunicações Documento de Referência do Projeto de Cidades Digitais Secretaria de Inclusão Digital Ministério das Comunicações CIDADES DIGITAIS CONSTRUINDO UM ECOSSISTEMA DE COOPERAÇÃO E INOVAÇÃO Cidades Digitais Princípios

Leia mais

PLANO HABITACIONAL FRANCA PLHIS PLANO LOCAL DE HABITAÇÃO DE INTERESSE SOCIAL

PLANO HABITACIONAL FRANCA PLHIS PLANO LOCAL DE HABITAÇÃO DE INTERESSE SOCIAL PLANO HABITACIONAL FRANCA PLHIS PLANO LOCAL DE HABITAÇÃO DE INTERESSE SOCIAL HABITAÇÃO: COMO NECESSIDADE HUMANA ABRIGO As pessoas precisam de proteção para si e suas famílias contra as intempéries da natureza.

Leia mais

ANEXO II - DESCRIÇÃO DOS PERÍMETROS

ANEXO II - DESCRIÇÃO DOS PERÍMETROS SUMÁRIO TÍTULO I - DAS DISPOSIÇÕES INICIAIS TÍTULO II - DA POLÍTICA DE DESENVOLVIMENTO DO MUNICÍPIO DE CAMPO GRANDE Capítulo I - Finalidades e Diretrizes Capítulo II - Objetivos Capítulo III - Meio Ambiente

Leia mais

EXPOSIÇÃO DE MOTIVOS

EXPOSIÇÃO DE MOTIVOS EXPOSIÇÃO DE MOTIVOS Considerando a ratificação do Pacto Internacional de Direitos Econômicos, Sociais e Culturais, que reconhece o direito de todos a um adequado nível de vida, incluindo alimentação adequada,

Leia mais

Política Nacional de Meio Ambiente

Política Nacional de Meio Ambiente Política Nacional de Meio Ambiente O Brasil, maior país da América Latina e quinto do mundo em área territorial, compreendendo 8.511.996 km 2, com zonas climáticas variando do trópico úmido a áreas temperadas

Leia mais

2 Apresentação No dia 24 de dezembro de 2008 foi sancionada, pelo presidente Luiz Inácio Lula da Silva, a Lei nº 11.888, que assegura às famílias de baixa renda assistência técnica pública e gratuita para

Leia mais

Como serão feitas as desapropriações para ser implantado o grande eixo de mobilidade? Toda e qualquer desapropriação obedece legislação federal específica, e para ser efetivada depende da delimitação da

Leia mais

MINISTÉRIO DAS CIDADES CONSELHO DAS CIDADES RESOLUÇÃO RECOMENDADA N 75, DE 02 DE JULHO DE 2009

MINISTÉRIO DAS CIDADES CONSELHO DAS CIDADES RESOLUÇÃO RECOMENDADA N 75, DE 02 DE JULHO DE 2009 DOU de 05/10/09 seção 01 nº 190 pág. 51 MINISTÉRIO DAS CIDADES CONSELHO DAS CIDADES RESOLUÇÃO RECOMENDADA N 75, DE 02 DE JULHO DE 2009 Estabelece orientações relativas à Política de Saneamento Básico e

Leia mais

O que é o PLHIS? Quais são os beneficiários do PLHIS? Quais são as exigências do PLHIS?

O que é o PLHIS? Quais são os beneficiários do PLHIS? Quais são as exigências do PLHIS? O que é o PLHIS? Quais são os beneficiários do PLHIS? Quais são as exigências do PLHIS? Planejamento Planejamento é uma das condições para a prática profissional dos Assistente Social (BARBOSA, 1991).

Leia mais

DECRETO Nº. III - criação de estrutura de financiamento pública e transparente para a extensão universitária;

DECRETO Nº. III - criação de estrutura de financiamento pública e transparente para a extensão universitária; DECRETO Nº. Institui o Plano Nacional de Extensão Universitária PNExt Art. 1º Fica instituído o Plano Nacional de Extensão Universitária PNExt constante deste Decreto, com o objetivo de promover a política

Leia mais

Incentivar a instalação de usos não residenciais em regiões dormitório com a intenção de diminuir a necessidade de deslocamentos na cidade.

Incentivar a instalação de usos não residenciais em regiões dormitório com a intenção de diminuir a necessidade de deslocamentos na cidade. OUTORGA ONEROSA DO DIREITO DE CONSTRUIR O interessado em construir além da área do seu terreno adquire do Poder Público o direito de construção da área excedente. O preço pago por este direito servirá

Leia mais

Fundo Nacional de Habitação de Interesse Social - FNHIS -

Fundo Nacional de Habitação de Interesse Social - FNHIS - MINISTÉRIO DAS CIDADES Secretaria Nacional de Habitação Fundo Nacional de Habitação de Interesse Social - FNHIS - Programa: Habitação de Interesse Social Ação: Apoio à elaboração de Planos Habitacionais

Leia mais

LIMITES E POSSIBILIDADES DO PLANO DIRETOR DO RIO DE JANEIRO PARA O ACESSO À MORADIA E A TERRA URBANIZADA

LIMITES E POSSIBILIDADES DO PLANO DIRETOR DO RIO DE JANEIRO PARA O ACESSO À MORADIA E A TERRA URBANIZADA Curso de Capacitação e formação de agentes sociais, lideranças comunitárias e conselheiros(as) municipais de habitação para a elaboração, monitoramento e acompanhamento do PLHIS LIMITES E POSSIBILIDADES

Leia mais