Workshop de Valoração de Tecnologias e Startups Parte I - Introdução. Belo Horizonte, 10 de Setembro de 2009

Save this PDF as:
 WORD  PNG  TXT  JPG

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "Workshop de Valoração de Tecnologias e Startups Parte I - Introdução. Belo Horizonte, 10 de Setembro de 2009"

Transcrição

1 Workshop de Valoração de Tecnologias e Startups Parte I - Introdução Belo Horizonte, 10 de Setembro de 2009

2 Daniel Teixeira Eloi Santos Qualificações Gerais Graduação (2005) e Mestrado (2009) em Engenharia de Produção na UFMG Pesquisador do LADEC (Laboratório de apoio à decisão e confiabilidade) da UFMG Sócio-fundador da Pris Tecnologia, especializada em análises financeiras sob incerteza (p. ex., valoração de tecnologias) Experiência com consultorias de gestão e T.I. (McKinsey e Accenture) e no mercado financeiro (Unibanco) Membro da equipe vencedora do Desafio Sebrae 2002 e participante do Movimento Empresa Jr. 2

3 Daniel Teixeira Eloi Santos Experiência com valoração sob incerteza (1/2) Liderou valoração de uma tecnologia do setor bicombustível para uma multinacional brasileira do setor Liderou a valoração da flexibilidade gerencial de uma empresa do setor de mineração Colaborou no projeto de èlaboração de software desenvolvido pelo LADEC para a Petrobras para auxílio matemático na valoração de tecnologias 3

4 Daniel Teixeira Eloi Santos Experiência com valoração sob incerteza (2/2) Escreveu os artigos Avaliar x Valorar e Métodos de Valoração de Tecnologias com o prof. Leonardo Santiago da UFMG (ver site do Instituto Inovação ou da PRIS) 4

5 Principais Tópicos do mini-curso. Contextualização: Principais aplicações da Valoração de Tecnologia Técnicas de Valoração: Exposição das técnicas mais utilizadas Discussão sobre vantagens e limitações das abordagens Discussão sobre utilização da técnica de Opções Reais na valoração de tecnologias Metodologia Indicada e caso ilustrativo Apresentação de metodologia recomendada e já aplicada com sucesso 5

6 Questões para reflexão Por que é difícil valorar tecnologias? É possível comparar projetos de P&D com outros de outra natureza? Como proceder? Como definir o valor de uma patente? Como a incerteza impacta o valor de um ativo? É possível a incerteza ter um valor benéfico? É possível definir uma regra geral de valoração de tecnologias? 6

7 Agenda Parte I Contextualização Técnicas de Valoração 7

8 Aplicações Interesse de aquisição ou venda de uma tecnologia Interesse em licenciar uma tecnologia Decisão de investimento em projeto de P&D (decisão inicial ou em gates de decisão) Priorização de projetos em um portfólio de alternativas 8

9 Com o conceito de inovação em voga, situações que envolvem a valoração de ativos sob incerteza tornam-se cada vez mais freqüentes. Visão geral das Aplicações Auxílio na Negociação Fornece informações quantitativas embasadas para a definição do valor justo de uma tecnologia ou startup Auxilia a definição da estratégia de negociação (valores mínimo e máximo aceitáveis) Licenciamento de tecnologias Decisão de Investimento em P&D Levantamento de Informações importantes para a valoração de patentes O valor do licenciamento está diretamente ligado à aplicação da tecnologia Investimento em P&D podem ter seus riscos explicitados por uma análise de valoração Definição de gates em marcos estratégicos de investimento Priorização de Investimentos (Portfólio) Fornece subsídio para a análise de investimento em vários projetos simultaneamente Auxilia a priorização de projetos de desenvolvimento de produtos 9

10 Valorar novas tecnologias representa um desafio devido ao alto grau de incertezas que leva ao dilema oportunidades vs. risco. Incerteza x Oportunidade INCERTEZA OPORTUNIDADE / RISCO Dificuldade de se prever o ambiente externo. Quando se sabe tirar proveito, é possível transformar em oportunidade de negócio. Kulatilaka e Amram (1999) Desafios ao lidar com resultados e eventos diferentes dos esperados (previstos) Incerteza Endógena: -Técnica (desenvolvimento de produto) -Mercado consumidor (micro-econômico) Incerteza Exógena: -Mercado financeiro (macro-econômico) 10

11 A incerteza técnica endógena está diretamente relacionada à capacidade de investimento e desenvolvimento, e nível de conhecimento da empresa. Incerteza Técnica Definição Incerteza relacionada à capacidade técnica de desenvolvimento/ melhoria da tecnologia Idéia Pesquisa Prova de Conceito Startup Expansão Fontes de Incerteza Nível de domínio da tecnologia Capacitação da empresa Gargalos tecnológicos Influência da Equipe Gestora O nível técnico da equipe tende a reduzir: Risco de fracasso no desenvolvimento Necessidade de investimento Faseamento de investimentos / desenvolvimento pode reduzir riscos tecnológicos Geração de Idéias Revisão Revisão Revisão Investigação Projeto & Desenv. do Produto Prod Larga Escala & Comerc. 111

12 A incerteza endógena de mercado relaciona fatores microeconômicos à capacidade de tomada de decisões estratégicas de uma empresa. Incerteza de Mercado Consumidor Definição Incerteza que relaciona variáveis de mercado ao potencial de valor gerado pela empresa ou tecnologia Payoff Máximo Fontes de Incerteza Contexto microeconômico, p.ex.: decisões de preço/propaganda reação de concorrentes, aceitação do produto pelos consumidores p 1 - p Influência da Equipe Gestora O bom desempenho da equipe gestora pode fazer com que payoffs mais altos e menos prováveis sejam atingidos Pontos de Decisão Incerteza do Valor do Projeto 112

13 A incerteza exógena de mercado relaciona fatores macroeconômicos à capacidade de tomada de decisões estratégicas de uma empresa. Incerteza de Mercado Financeiro Definição Incerteza que relaciona variáveis exógenas de mercado ao potencial de geração de valor do produto/tecnologia Série histórica / projeções futuras do preço de ativos Fontes de Incerteza Contexto macroeconômico (p.ex., preço de commodities, crescimento do PIB) Contexto político / legislação Influência da Equipe Gestora A análise de dados históricos de preços de alguns ativos pode auxiliar a previsão de desempenhos futuros A empresa deve estar preparada para reagir a acontecimentos que estejam fora de seu controle 13

14 Agenda Parte I Contextualização Técnicas de Valoração 14

15 Quatro abordagens são as mais conhecidas na literatura para a valoração de ativos: Contábil, FCD, Múltiplos e Opções Reais. Abordagens de Valoração Descrição Valor Contábil Fluxo de Caixa Descontado (FCD) Método baseado nas demonstrações financeiras em que o valor do ativo é dado pelo próprio valor contábil do patrimônio líquido Possui uma variação que considera o valor de mercado do patrimônio e outra que considera o valor dos investimentos já feitos no desenvolvimento (sunk cost) Valor de um ativo reflete o valor presente dos fluxos de caixa futuros gerados pelo mesmo descontados por uma taxa que reflita o risco do ativo Valoração por Múltiplos Valor de um ativo é estimado baseado no preço de ativos comparáveis no que diz respeito a tipo de negócio, lucros, geração de caixa, valor contábil, vendas, entre outros Teoria de Opções Reais Método de valoração que utiliza adaptações dos modelos de precificação de opções financeiras para valorar ativos que possuam opções gerenciais (com flexibilidade) 15

16 A análise do valor contábil faz sentido apenas para empresas já constituídas, sendo contra-indicada no caso de tecnologias. Valoração Contábil Limitações Descrição Reflete o valor contábil do ativo considerando: Valores históricos Valores de mercado Investimentos/custos passados com o ativo (sunk cost) Considera apenas o que pode ser medido contabilmente Desconsidera diversos fatores, destacando: Potencial de geração do valor do ativo (Geração futura de caixa) Risco do ativo Valor do dinheiro no tempo Utilização Ponto de partida para valorações de ativos utilizando outros métodos Decisões Jurídicas a cerca de valor de ativos muitas vezes são baseadas nessa valoração 16

17 O FCD possui uma base teórica simples e seu cálculo é direto uma vez estimados o fluxo de caixa futuro e a taxa de desconto. Fluxo de Caixa Descontado O que é Base Filosófica Informações básicas necessárias Aplicações Valor do ativo é dado pelo valor presente do fluxo de caixa futuro esperado descontado a uma taxa de desconto Todo ativo possui um valor intrínseco que pode ser dado pelos seus fluxos de caixa futuros, sua taxa de crescimento e seu risco Estimativas: da vida do ativo (ou da empresa) dos investimentos necessários dos fluxos de caixa futuros da taxa de desconto Avaliação da performance de um negócio Compras ou fusões de ativos Otimização da estrutura financeira da empresa Intuição Projeta-se o futuro e o traz para o presente de forma a comparar valores em instantes de tempo distintos refletindo o risco do negócio 17

18 O FCD é amplamente utilizado por sua simplicidade, entretanto possui algumas limitações em ambientes dinâmicos como valoração de novas tecnologias. Fluxo de Caixa Descontado Pontos favoráveis Facilidade de Utilização Método intuitivo e amplamente conhecido Resultados precisos para empresas com fluxos de caixa constantes Boa métrica para geração de valor Largamente utilizada por firmas de consultoria Pontos desfavoráveis Considera um ambiente estático (fluxo de caixa é determinístico) Avalia sob a ótica agora ou nunca Considera o capital investido completamente comprometido A flexibilidade gerencial não é avaliada Dificuldade para se determinar uma taxa de desconto adequada 18

19 O conceito básico da valoração por múltiplos está em comparar o valor de um ativo ao valor de ativos similares/comparáveis no mercado. Valoração pelo método dos Múltiplos O que é Base Filosófica Informações básicas necessárias Valoração com base em indicadores de ativos comparáveis Ativos possuem similaridades que, padronizadas, podem ser usadas como múltiplos para valoração Múltiplo com relevância Preços praticados no mercado Fórmula Básica Indicador absoluto A Índice AB = Padronizador B Aplicações Aquisições e fusões Cross-check de avaliações FCD ou por Opções Reais Valor = Índice AB X Indicador Empresa Exemplos Preço/Lucro Preço / EBITDA Preço / Vendas Específicos (p.ex., acessos a um site) 19

20 Exemplo simplificado: Qual o valor da Empresa Y cujo EBTIDA foi $800 no último ano? Valoração por múltiplos de empresas similares utilizando o múltiplo de EBITDA Empresa EBITDA no momento da venda Preço de venda Múltiplo Preço/EBITDA A $1.500 $ ,06 B $1.200 $ ,75 C $500 $ ,40 Análise Com base nas informações de mercado, um múltiplo justo seria em torno de 4 Um valor justo de negociação da Empresa Y seria em torno de $

21 Apesar da sua popularidade no mercado financeiro a valoração por múltiplos possui limitações no contexto de valoração de novas tecnologias. Valoração pelo método dos Múltiplos Pontos favoráveis Facilidade de utilização Baseada em poucas premissas Facilidade de entendimento por parte de tomadores de decisão Reflete melhor a situação (aquecimento) do mercado que a avaliação por FCD Amplamente utilizado no mercado financeiro Pontos desfavoráveis Análises podem desconsiderar riscos e potencialidades do ativo Possibilidade de super(sub)estimativas de valor graças à situação do mercado (ex. da bolha da internet) É passível de manipulação por analistas tendenciosos Depende da liquidez do mercado 21

22 A valoração de ativos com base na Teoria de Opções Reais tem como grande diferencial a valoração da flexibilidade gerencial, fundamental em ambientes de incerteza. Valoração por Opções Reais O que é Base Filosófica Informações básicas necessárias Valor do ativo é dado pela expectativa dos fluxos de caixa futuros considerando a incerteza e ação gerencial ao longo do tempo Flexibilidade gerencial tem valor e deve ser considerada na avaliação de um ativo quando existe incerteza Opções Gerenciais existentes Expectativas de payoff Necessidade de investimento Incertezas Idéia Básica Valor OR = Valor FCD + Valor flex Valor da empresa usando OR é o valor da empresa pelo FCD mais o valor da flexibilidade gerencial Se não existem opções gerenciais, os valores utilizando OR e FCD se equivalem Aplicações Ambientes de incerteza (p.ex.,projetos de P&D, patentes, novas tecnologias, startups) Minas/reservas petrolíferas 22

23 Segundo uma análise baseada na Teoria de Opções Reais, uma empresa cria valor ao se reposicionar no futuro com a redução da incerteza. Valoração por Opções Reais Principais Conceitos Opção Real Enfoque de Opções Reais É o direito, mas não a obrigação, de se empreender uma ação gerencial no futuro Possui: Custo definido (preço de exercício) Período preestabelecido (vida da opção) Ação gerencial Ação tomada pela gestão ao longo do tempo com a redução da incerteza O pressuposto básico é a racionalidade do tomador de decisão: ele escolherá a melhor alternativa (opção) gerencial com a redução da incerteza Incerteza A incerteza aumenta a dispersão dos possíveis valores de um ativo Com a tomada de decisão contingencial, a empresa consegue limitar os retornos negativos, mantendo o potencial de geração de valor dos retornos positivos 23

24 Existem diversos tipos de opções gerenciais, as quais devem ser mapeadas durante a análise do valor de um ativo. Valoração por Opções Reais Tipos de Opção (Não exaustivo) Exemplo Ilustrativo Opções de abandono Exercida em caso de piora do cenário Empresa farmacêutica pode abandonar, a qualquer momento, um projeto de P&D caso a cura da doença pesquisada seja descoberta por uma concorrente Opção de adiar o investimento Ocorre caso haja perspectiva de melhora do cenário Adiar a construção de uma refinaria aguardando que eventos-chave, como um anúncio do governo, ocorram Opção de expansão Empresa se prepara para possíveis expansões que ocorrerão de acordo com a situação do mercado Construção de planta com espaço físico disponível para expansão Em caso de aumento de demanda, há a compra de equipamentos e contratação de funcionários para o aumento da produção 24

25 A equipe de gestão pode maximizar o valor do projeto ao escolher as melhores alternativas ao longo do tempo Valoração por Opções Reais Exemplo simplificado $ em Milhões VENDA ESCALA PILOTO Investir $200 FCD Tradicional = 150 Boa perspectivas (p= 50%) Perspectiva Ruim (p=50%) EXPANDIR PLANTA Investir $600 ABANDONAR PROJETO Valor obtido pela TOR = 100 Bom payoff Valor Presente = 1,200 Payoff ruim Valor Presente = 100 EXEMPLO SIMPLIFICADO No exemplo apresentado, a empresa pode aguardar o resultado de um teste de vendas-piloto antes de instalar uma nova planta de $600MM Essa flexibilidade tem o valor de 250MM (diferença entre valores obtidos pelo FCD e TOR) VPL = x 1, x 100 TOR = x max(1, , 0) +0.5 x max( , 0) 25

26 Quadro comparativo FCD x OR Métodos tradicionais (FCD e correlatos) Estimativa dos fluxos de caixa esperados Método baseado em Opções Reais (TOR) Fluxos de caixa probabilísticos Incertezas / Fluxos de Caixa Nível de incerteza determinístico e constante ao longo do tempo Fluxos de caixa seguem cenários rígidos (geralmente são usados cenários moderado, pessimista e otimista) Projeto com único caminho gerencial possível Considera-se a redução das incertezas ao longo do tempo Fluxos de caixa dependem das incertezas técnicas e de mercado Projeto dependente das opções gerenciais Decisões gerenciais Análise considera que o projeto não será reajustado com o surgimento de novas informações e a redução da incerteza OU Projeto é analisado considerando os pontos de decisão existentes OU 26

27 A T. Opções Reais (TOR) reflete melhor a realidade do processo decisório em avaliações econômicas considerando ambientes de incerteza, porém sua aplicação é mais complexa. Métodos tradicionais (FCD e correlatos) Método baseado em Opções Reais (TOR) Características da avaliação Considera investimentos de capital completamente comprometidos Avaliação sob a ótica agora ou nunca (flexibilidade gerencial desconsiderada) Ambiente estático Dificuldade de estimar taxa de desconto Considera investimentos de capital parcialmente comprometido, ocorrendo de acordo com a tomada de decisão Opções gerenciais (e.g., abandonar) consideradas Cenários analisados de acordo com probabilidades Operacionalização Simplicidade e rapidez de operacionalização Metodologia amplamente conhecida nas empresas Operacionalização demanda análise mais aprofundada e modelos mais complexos Dificuldade para estimar payoff, probabilidades dos cenários e opções gerenciais 27

28 Apesar de sua maior complexidade, a TOR opções reais é mais adequada à análise de ativos em ambientes de incerteza, como novas tecnologias. Valoração por Opções Reais Pontos favoráveis Considera opções gerenciais (p.ex., abandonar, expandir, adiar) Considera capital investido parcialmente comprometido Considera vários cenários de acordo com probabilidades Auxilia a tomada de decisão por parte da gestão (muda a forma de pensar e esclarece alternativas gerenciais) Pontos desfavoráveis Análise mais complexa e demorada que as demais metodologias Desafios em relação ao levantamento de alguns inputs: probabilidades, retorno, dentre outros Desafios em se fazer compreender o racional da análise (ainda pouco conhecida/utilizada por tomadores de decisão) 28

29 Visão geral das metodologias Métodos Benefícios Limitações Aplicável? Contábil Não necessita de premissas ou estimativas Desconsidera o valor futuro do negócio NÃO Múltiplos Valora de forma direta Ideal para valorar alguns ativos comparáveis (p.ex., Imóveis) Dificuldade de se encontrar ativos similares para novas tecnologias Com limitações de disponibilidade de informações FCD Método tradicional e conhecido Relativa facilidade de aplicação e adequação Despreza a flexibilidade Utiliza a taxa de desconto para representar o risco Com limitações técnicas quando há grande incerteza Opções Reais Considera a flexibilidade gerencial Considera a incerteza diretamente Maior complexidade e esforço de análise Desconhecido por alguns tomadores de decisão SIM (há a limitação de esforço requerido) 29

30 Workshop de Valoração de Tecnologias e Startups Parte II Metodologia Sugerida Belo Horizonte, 10 de Setembro de 2009

31 Agenda Parte II Metodologia Proposta Conclusões 31

32 A Valoração de uma tecnologia é parte de um processo... Visão geral Avaliação Valoração Atividades-fim Tecnologias Análise dos aspectos técnicos Detalhamento dos aspectos técnicos Análise dos aspectos de negócio Análise do Valor (Valoração) Auxílio à Negociação Análise de riscos de Investimentos Priorização de Iniciativas (Portfólio) 32

33 A avaliação funciona como um filtro que indica projetos mais propícios para serem valorados, além de ser ponto de partida para a valoração. Avaliação de Tecnologias Objetivos Selecionar projetos com real necessidade de valoração (projetos com maior potencial, maior nível de incerteza ou volume de investimento envolvidos) Recomendar continuação ou redirecionamento da pesquisa (do ponto de vista prioritariamente técnico) Fornecer informações técnicas preliminares para a Valoração Escopo Caracterização da Tecnologia (Estágio de desenvolvimento, Aplicações, Comparativo com Similares) Análise dos principais riscos tecnológicos existentes (potenciais gargalos) Primeira análise do potencial de mercado Levantamento dos modelo de negócio potenciais 33

34 A valoração é composta por 3 fases, sendo as duas primeiras baseadas em aspectos predominantemente qualitativos e a etapa final baseada em aspectos quantitativos. Visão geral da abordagem de valoração Detalhamento dos aspectos técnicos Análise dos aspectos de negócio Valoração Análise do Valor (Valoração) Objetivo Analisar estágio de desenvolvimento e potenciais gargalos da tecnologia Validar modelo de negócio Validar necessidade de investimento Definir valor da tecnologia / startup Fornecer racional, e valores-base para negociação (comercialização) Escopo Detalhamento dos riscos tecnológicos e de mercado Detalhamento do modelo de negócio Detalhamento do investimento necessário para negócio e desenvolvimento da tecnologia Definição do valor da tecnologia com base em informações levantadas na Avaliação e validadas na etapa de Valoração 34

35 O foco da análise dos aspectos técnicos é detalhar o estágio de desenvolvimento tecnológico e seu desempenho em face às tecnologias concorrentes. Análise dos aspectos técnicos Principais atividades Descrever tecnologia e benefícios potenciais Levantar potenciais mercados consumidores Análise dos aspectos técnicos Analisar interesse do mercado Apontar estágio do desenvolvimento da tecnologia Levantar existência de proteção/propriedade intelectual da tecnologia Levantar competidores e tecnologias concorrentes e analisar comparativamente Levantar barreiras à entrada no mercado 35

36 O foco dessa etapa é definir o conceito do negócio avaliado, identificar a necessidade de investimento para a geração do negócio e a projetar a geração de caixa. Análise dos aspectos do negócio Principais atividades Identificar/Validar conceito do negócio Validar produto(s) e/ou serviço(s) Analisar margem do negócio Analisar capital operacional Analisar investimentos necessários Análise dos aspectos de negócio Analisar projeção de geração de caixa Analisar time-to-market Analisar proximidade da falha 36

37 Análise do Valor da Tecnologia Motivação da utilização de Opções Reais Fato: Em um ambiente de incerteza, flexibilidade agrega valor Pergunta natural: Como considerar flexibilidade estratégica e operacional na avaliação de investimentos? 37

38 A valoração da empresa/tecnologia se dá pela análise de duas dimensões básicas (payoff e investimento) e uma terceira dimensão probabilística que reflete a incerteza desse tipo de ativo Modelo PRIS - Valoração Atividades Payoff (Retorno) Valor da tecnologia Probabilidades /Incertezas Investimento Definir retorno esperado com a tecnologia ao longo do seu ciclo de vida Estimar os investimentos necessários para o desenvolvimento do negócio ao longo do processo de comercialização Estimar as probabilidades relativas à incerteza endógena e exógena relacionada ao projeto e a tomada de decisão dos gestores em face às incertezas Calcular o valor esperado da tecnologia utilizando a Teoria de Opções Reais 38

39 Uma abordagem utilizada para lidar com o desafio de se estimar as vendas de uma nova tecnologia é o modelo de difusão da inovação, que retrata o ciclo de vida de produtos. Exemplo de estimativa de payoff (retorno) Abordagem baseada no modelo de difusão da inovação Vendas Acumuladas Tempo Crescimento Inicial Decolagem Cresc. Sustentado Substituição Modelo bastante aceito para bens de consumo duráveis Dinâmica das vendas acumuladas seguem curva S Problema de solução baseada em estimativas e análises históricas Além de aplicado à valoração, é útil para diversas decisões gerenciais: Planejamento de capacidade ao longo do ciclo de vida do produto (bens duráveis) Política de preços e propaganda ao longo do tempo (considerando competição) Tempo de substituição de família de produtos (lançamento de nova linha) 39

40 O levantamento das informações necessárias para estimativas de investimento ocorre nas fases anteriores à valoração, baseado em pesquisas e entrevistas com especialistas. Estimativa de Investimento Opções de Investimento x Valor do investimento EXEMPLO ILUSTRATIVO Expandir Continuar Contrair Adiar Abandonar p 1 - p $0 $0 Pontos de Decisão Problema de solução baseada: No levantamento das opções de investimento da empresa Nas estimativas desses valores Análises da tecnologia e negócio têm a função de auxiliar: A identificação das opções gerenciais existentes A estimativa dos valores relacionados a cada uma das opções de desenvolvimento tecnológico e de modelagem de negócio Incertezas endógena e exógena influenciam os níveis de investimento necessário Mau desempenho tecnológico aumenta o investimento necessário no desenvolvimento, p. ex. 40

41 Há abordagens distintas para se lidar com a incerteza... Probabilidades/ Incertezas Probabilidades/ Incertezas: Descrição de algumas abordagens Cenários Discretos Equipe gerencial e especialistas levantam possíveis cenários e definem, baseados em premissas bem fundamentadas, a probabilidade de ocorrerem Simulação / Cenários Contínuos Com base nas informações disponíveis, modelos de simulação de Monte Carlo são construídos e, como saída, fornecem o valor esperado e indicadores relevantes (e.g., distribuições de valores, níveis min e max) Scorecard Avaliações qualitativas realizadas por especialistas e equipe gerencial são as entradas do Scorecard. Esses dados são então tratados e propiciam a definição de cenários 41

42 42... mas nenhuma pode ser considerada universal. A escolha, que pode ser por uma abordagem ou uma combinação dessas, depende das particularidades do projeto analisado. Probabilidades/ Incertezas Incerteza de Mercado Incerteza Técnica Ex. Aplicação Cenários Discretos Definido por entrevistas com especialistas e futuros usuários Definido por entrevistas com especialistas da empresa (pesquisadores) Cenários de desenvolvimento tecnológico Simulação / Cenários Contínuos Utilizado caso seja necessário estimar o preço de um ativo largamente negociado (p.ex. commodities) Utilizado apenas nos casos em que há disponibilidade de informações históricas de processos de desenvolvimento de produtos Tecnologias relacionadas a combustíveis Scorecard Definido pelo preenchimento de scorecards por parte de especialistas Definido pelo preenchimento de scorecards por parte de especialistas da empresa Plataformas tecnológicas Utilizado quando há várias fontes de incerteza

43 Agenda Parte II Metodologia Proposta Conclusões 43

44 A Valoração de uma tecnologia é parte de um processo... Visão geral Avaliação Valoração Atividades-fim Tecnologias Análise dos aspectos técnicos Revisão de aspectos técnicos Análise dos aspectos de negócio Análise do Valor (Valoração) Auxílio à Negociação Análise de riscos de Investimentos Priorização de Iniciativas (Portfólio) 44

45 4 5 Revisão das questões para reflexão Por que é difícil valorar tecnologias? É possível comparar projetos de P&D com outros de outra natureza? Como proceder? Como definir o valor de uma patente? Como a incerteza impacta o valor de um ativo? É possível a incerteza ter um valor benéfico? É possível definir uma regra geral de valoração de tecnologias?

46 Perguntas e contato Daniel Eloi 46

PRIS Apresentação Institucional. Alfenas, Novembro de 2011

PRIS Apresentação Institucional. Alfenas, Novembro de 2011 PRIS Apresentação Institucional Alfenas, Novembro de 2011 Agenda A Empresa Valoração de Tecnologias Oportunidades com a RMPI Contato A PRIS consegue levar ao mercado conhecimentos inovadores desenvolvidos

Leia mais

1. INTRODUÇÃO... 3 2. AVALIAÇÃO DE TECNOLOGIAS... 3. 2.1. Objetivos... 3. 2.2. Escopo... 4 3. VALORAÇÃO DE TECNOLOGIAS... 5. 3.1. Objetivo...

1. INTRODUÇÃO... 3 2. AVALIAÇÃO DE TECNOLOGIAS... 3. 2.1. Objetivos... 3. 2.2. Escopo... 4 3. VALORAÇÃO DE TECNOLOGIAS... 5. 3.1. Objetivo... 1 ÍNDICE ANALÍTICO 1. INTRODUÇÃO... 3 2. AVALIAÇÃO DE TECNOLOGIAS... 3 2.1. Objetivos... 3 2.2. Escopo... 4 3. VALORAÇÃO DE TECNOLOGIAS... 5 3.1. Objetivo... 5 3.1.1. Negociação para comercialização e

Leia mais

2.1. VALORAÇÃO BASEADA NO CUSTO DE DESENVOLVIMENTO --------------------------------------------------- 4 2.4. TEORIA DE OPÇÕES REAIS

2.1. VALORAÇÃO BASEADA NO CUSTO DE DESENVOLVIMENTO --------------------------------------------------- 4 2.4. TEORIA DE OPÇÕES REAIS 1. INTRODUÇÃO ------------------------------------------------------------------------------------------ 3 2. METODOS DE VALORAÇÃO ---------------------------------------------------------------------------

Leia mais

Ementários. Disciplina: Gestão Estratégica

Ementários. Disciplina: Gestão Estratégica Ementários Disciplina: Gestão Estratégica Ementa: Os níveis e tipos de estratégias e sua formulação. O planejamento estratégico e a competitividade empresarial. Métodos de análise estratégica do ambiente

Leia mais

Gestão da Inovação no Contexto Brasileiro. Hugo Tadeu e Hérica Righi 2014

Gestão da Inovação no Contexto Brasileiro. Hugo Tadeu e Hérica Righi 2014 Gestão da Inovação no Contexto Brasileiro Hugo Tadeu e Hérica Righi 2014 INTRODUÇÃO Sobre o Relatório O relatório anual é uma avaliação do Núcleo de Inovação e Empreendedorismo da FDC sobre as práticas

Leia mais

3 Metodologia de Gerenciamento de Riscos

3 Metodologia de Gerenciamento de Riscos 3 Metodologia de Gerenciamento de Riscos Este capítulo tem como objetivo a apresentação das principais ferramentas e metodologias de gerenciamento de riscos em projetos, as etapas do projeto onde o processo

Leia mais

PROCESSOS PODEROSOS DE NEGÓCIO. ideiaconsultoria.com.br 43 3322 2110 comercial@ideiaconsultoria.com.br

PROCESSOS PODEROSOS DE NEGÓCIO. ideiaconsultoria.com.br 43 3322 2110 comercial@ideiaconsultoria.com.br PROCESSOS PODEROSOS DE NEGÓCIO ideiaconsultoria.com.br 43 3322 2110 comercial@ideiaconsultoria.com.br POR QUE ESCREVEMOS ESTE E-BOOK? Nosso objetivo com este e-book é mostrar como a Gestão de Processos

Leia mais

FACULDADE DE ADMINISTRAÇÃO E NEGÓCIOS - FAN CEUNSP SALTO /SP CURSO DE TECNOLOGIA EM GESTÃO COMERCIAL TRABALHO INTERDISCIPLINAR

FACULDADE DE ADMINISTRAÇÃO E NEGÓCIOS - FAN CEUNSP SALTO /SP CURSO DE TECNOLOGIA EM GESTÃO COMERCIAL TRABALHO INTERDISCIPLINAR APRESENTAÇÃO DO TI O Trabalho Interdisciplinar é um projeto desenvolvido ao longo dos dois primeiros bimestres do curso. Os alunos tem a oportunidade de visualizar a unidade da estrutura curricular do

Leia mais

Perfil Caliper de Especialistas The Inner Potential Report

Perfil Caliper de Especialistas The Inner Potential Report Perfil Caliper de Especialistas The Inner Potential Report Avaliação de: Sr. Antônio Modelo Preparada por: Consultor Caliper exemplo@caliper.com.br Data: Página 1 Perfil Caliper de Especialistas The Inner

Leia mais

Página 1 de 19 Data 04/03/2014 Hora 09:11:49 Modelo Cerne 1.1 Sensibilização e Prospecção Envolve a manutenção de um processo sistematizado e contínuo para a sensibilização da comunidade quanto ao empreendedorismo

Leia mais

Unidade III FINANÇAS EM PROJETO DE TI. Prof. Fernando Rodrigues

Unidade III FINANÇAS EM PROJETO DE TI. Prof. Fernando Rodrigues Unidade III FINANÇAS EM PROJETO DE TI Prof. Fernando Rodrigues Quando se trabalha com projetos, é necessária a utilização de técnicas e ferramentas que nos auxiliem a estudálos, entendê-los e controlá-los.

Leia mais

ELABORAÇÃO DE UM ORÇAMENTO DE CAPITAL

ELABORAÇÃO DE UM ORÇAMENTO DE CAPITAL ELABORAÇÃO DE UM ORÇAMENTO DE CAPITAL 1. Introdução Uma empresa é administrada para satisfazer os interesses e objetivos de seus proprietários. Em particular, a organização de atividades econômicas em

Leia mais

FACULDADE DE ADMINISTRAÇÃO E NEGÓCIOS - FAN CEUNSP SALTO /SP CURSO DE TECNOLOGIA EM MARKETING TRABALHO INTERDISCIPLINAR

FACULDADE DE ADMINISTRAÇÃO E NEGÓCIOS - FAN CEUNSP SALTO /SP CURSO DE TECNOLOGIA EM MARKETING TRABALHO INTERDISCIPLINAR APRESENTAÇÃO DO TI O Trabalho Interdisciplinar é um projeto desenvolvido ao longo dos dois primeiros bimestres do curso. Os alunos tem a oportunidade de visualizar a unidade da estrutura curricular do

Leia mais

PRIMAVERA RISK ANALYSIS

PRIMAVERA RISK ANALYSIS PRIMAVERA RISK ANALYSIS PRINCIPAIS RECURSOS Guia de análise de risco Verificação de programação Risco rápido em modelo Assistente de registro de riscos Registro de riscos Análise de riscos PRINCIPAIS BENEFÍCIOS

Leia mais

SAD orientado a MODELO

SAD orientado a MODELO Universidade do Contestado Campus Concórdia Curso de Sistemas de Informação Prof.: Maico Petry SAD orientado a MODELO DISCIPLINA: Sistemas de Apoio a Decisão SAD Orientado a Modelo De acordo com ALTER

Leia mais

GESTÃO DE PROJETOS PARA A INOVAÇÃO

GESTÃO DE PROJETOS PARA A INOVAÇÃO GESTÃO DE PROJETOS PARA A INOVAÇÃO Indicadores e Diagnóstico para a Inovação Primeiro passo para implantar um sistema de gestão nas empresas é fazer um diagnóstico da organização; Diagnóstico mapa n-dimensional

Leia mais

DISCIPLINAS OBRIGATÓRIAS:

DISCIPLINAS OBRIGATÓRIAS: DISCIPLINAS OBRIGATÓRIAS: Contabilidade de Custos e Gerencial CIC 816 Carga Horária: 60 Créditos: 04 Coordenador: Prof. Poueri do Carmo Mário Teoria de Custos (abordagem econômica e contábil). Métodos

Leia mais

EMENTAS DAS DISCIPLINAS

EMENTAS DAS DISCIPLINAS EMENTAS DAS DISCIPLINAS CURSO DE GRADUAÇÃO DE ADMINISTRAÇÃO Evolução de Pensamento Administrativo I Estudo da administração, suas áreas e funções, o trabalho do administrador e sua atuação; a evolução

Leia mais

COMO ENTENDER O VALOR EMPRESARIAL DOS SISTEMAS E COMO GERENCIAR A MUDANÇA

COMO ENTENDER O VALOR EMPRESARIAL DOS SISTEMAS E COMO GERENCIAR A MUDANÇA COMO ENTENDER O VALOR EMPRESARIAL DOS SISTEMAS E COMO GERENCIAR A MUDANÇA 1 OBJETIVOS 1. Como nossa empresa pode medir os benefícios de nossos sistemas de informação? Quais modelos deveríamos usar para

Leia mais

EMENTAS - MATRIZ CURRICULAR - 2016

EMENTAS - MATRIZ CURRICULAR - 2016 EMENTAS - MATRIZ CURRICULAR - 2016 901491 - EVOLUÇÃO DO PENSAMENTO ADMINISTRATIVO I Estudo da administração, suas áreas e funções, o trabalho do administrador e sua atuação; a evolução da teoria organizacional

Leia mais

O Valor da TI. Introduzindo os conceitos do Val IT para mensuração do valor de Tecnologia da Informação. Conhecimento em Tecnologia da Informação

O Valor da TI. Introduzindo os conceitos do Val IT para mensuração do valor de Tecnologia da Informação. Conhecimento em Tecnologia da Informação Conhecimento em Tecnologia da Informação Conhecimento em Tecnologia da Informação O Valor da TI Introduzindo os conceitos do Val IT para mensuração do valor de Tecnologia da Informação 2010 Bridge Consulting

Leia mais

EMENTAS DAS DISCIPLINAS

EMENTAS DAS DISCIPLINAS EMENTAS DAS DISCIPLINAS CURSO DE GRADUAÇÃO DE ADMINISTRAÇÃO Nome da disciplina Evolução do Pensamento Administrativo I Estudo da administração, suas áreas e funções, o trabalho do administrador e sua atuação;

Leia mais

Project Value Due Diligence: Minimizando os riscos de grandes projetos. Fábio Zaffalon

Project Value Due Diligence: Minimizando os riscos de grandes projetos. Fábio Zaffalon Project Value Due Diligence: Minimizando os riscos de grandes projetos Fábio Zaffalon 2 Promon Intelligens Promon Intelligens 2013 Sumário Executivo Para muitos dos nossos clientes, grandes projetos de

Leia mais

Direcionando o Planejamento Estratégico com Modelo de Previsão Um artigo técnico da Oracle Junho de 2007

Direcionando o Planejamento Estratégico com Modelo de Previsão Um artigo técnico da Oracle Junho de 2007 Direcionando o Planejamento Estratégico com Modelo de Previsão Um artigo técnico da Oracle Junho de 2007 Direcionando o Planejamento Estratégico com Modelo de Previsão Com um processo funcional de planejamento

Leia mais

Aula 1 Introdução à Avaliação Econômica de Projetos Sociais

Aula 1 Introdução à Avaliação Econômica de Projetos Sociais Aula 1 Introdução à Avaliação Econômica de Projetos Sociais Avaliar é... Emitir juízo de valor sobre algo. Avaliação Econômica é... Quantificar o impacto e o retorno econômico de um projeto, com base em

Leia mais

Gerenciamento de Projeto: Criando o Termo de Abertura II. Prof. Msc Ricardo Britto DIE-UFPI rbritto@ufpi.edu.br

Gerenciamento de Projeto: Criando o Termo de Abertura II. Prof. Msc Ricardo Britto DIE-UFPI rbritto@ufpi.edu.br Gerenciamento de Projeto: Criando o Termo de Abertura II Prof. Msc Ricardo Britto DIE-UFPI rbritto@ufpi.edu.br Sumário Priorizando Projetos. Métodos Matemáticos. Métodos de análise de benefícios. Selecionando

Leia mais

Palestrante Paulo Gerhardt Inspira, Motiva e Sensibiliza para Resultados Superiores

Palestrante Paulo Gerhardt Inspira, Motiva e Sensibiliza para Resultados Superiores Palestrante Paulo Gerhardt Inspira, Motiva e Sensibiliza para Resultados Superiores Com uma abordagem inovadora e lúdica, o professor Paulo Gerhardt tem conquistado plateias em todo o Brasil. Seu profundo

Leia mais

Recursos Próprios. Amigos e Familiares

Recursos Próprios. Amigos e Familiares Recursos Próprios Chamado de booststrapping, geralmente é a primeira fonte de capital utilizada pelos empreendedores. São recursos sem custos financeiros. O empreendedor tem total autonomia na tomada de

Leia mais

Ementário do Curso de Administração Grade 2008-1 1 Administração da Produção I Fase: Carga Horária: Créditos: Ementa:

Ementário do Curso de Administração Grade 2008-1 1 Administração da Produção I Fase: Carga Horária: Créditos: Ementa: 1 da Produção I Ementário do Curso de Introdução à administração da produção; estratégias para definição do sistema de produção; estratégias para o planejamento do arranjo físico; técnicas de organização,

Leia mais

ÊNFASE EM GESTÃO ECONÔMICO-FINANCEIRA

ÊNFASE EM GESTÃO ECONÔMICO-FINANCEIRA MBA DESENVOLVIMENTO AVANÇADO DE EXECUTIVOS ÊNFASE EM GESTÃO ECONÔMICO-FINANCEIRA O MBA Desenvolvimento Avançado de Executivos possui como característica atender a um mercado altamente dinâmico e competitivo

Leia mais

Processo de Negociação. Quem somos. Nossos Serviços. Clientes e Parceiros

Processo de Negociação. Quem somos. Nossos Serviços. Clientes e Parceiros Quem somos Nossos Serviços Processo de Negociação Clientes e Parceiros O NOSSO NEGÓCIO É AJUDAR EMPRESAS A RESOLVEREM PROBLEMAS DE GESTÃO Consultoria empresarial a menor custo Aumento da qualidade e da

Leia mais

INSTITUTO DE EDUCAÇÃO TECNOLÓGICA

INSTITUTO DE EDUCAÇÃO TECNOLÓGICA INSTITUTO DE EDUCAÇÃO TECNOLÓGICA Autor: Jeferson Correia dos Santos ARTIGO TÉCNICO INOVAÇÃO NA GESTÃO DE PÓS-VENDAS: SETOR AUTOMOTIVO RESUMO A palavra inovação tem sido atualmente umas das mais mencionadas

Leia mais

Implementação rápida do modelo Balanced Scorecard (BSC) nas empresas de seguros

Implementação rápida do modelo Balanced Scorecard (BSC) nas empresas de seguros Implementação rápida do modelo Balanced Scorecard (BSC) nas empresas de seguros Uma evolução nos sistemas de controle gerencial e de planejamento estratégico Francisco Galiza Roteiro Básico 1 SUMÁRIO:

Leia mais

Unidade II GERENCIAMENTO DE SISTEMAS. Prof. Roberto Marcello

Unidade II GERENCIAMENTO DE SISTEMAS. Prof. Roberto Marcello Unidade II GERENCIAMENTO DE SISTEMAS DE INFORMAÇÃO Prof. Roberto Marcello SI Sistemas de gestão A Gestão dos Sistemas Integrados é uma forma organizada e sistemática de buscar a melhoria de resultados.

Leia mais

A Descrição do Produto ou Serviço e a Análise do Mercado e dos Competidores Fabiano Marques

A Descrição do Produto ou Serviço e a Análise do Mercado e dos Competidores Fabiano Marques A Descrição do Produto ou Serviço e a Análise do Mercado e dos Competidores Fabiano Marques "O plano de negócios é o cartão de visitas do empreendedor em busca de financiamento". (DORNELAS, 2005) A partir

Leia mais

Estratégias de Pesquisa

Estratégias de Pesquisa Estratégias de Pesquisa Ricardo de Almeida Falbo Metodologia de Pesquisa Departamento de Informática Universidade Federal do Espírito Santo Agenda Survey Design e Criação Estudo de Caso Pesquisa Ação Experimento

Leia mais

GESTÃO DO CRÉDITO: AVALIAÇÃO DO RISCO, E ANÁLISE PARA TOMADA DE DECISÃO DE CRÉDITO

GESTÃO DO CRÉDITO: AVALIAÇÃO DO RISCO, E ANÁLISE PARA TOMADA DE DECISÃO DE CRÉDITO Encontro de Ensino, Pesquisa e Extensão, Presidente Prudente, 22 a 25 de outubro, 2012 109 GESTÃO DO CRÉDITO: AVALIAÇÃO DO RISCO, E ANÁLISE PARA TOMADA DE DECISÃO DE CRÉDITO Claudinei Higino da Silva,

Leia mais

GUIA DE ELABORAÇÃO DE PLANO DE NEGÓCIOS

GUIA DE ELABORAÇÃO DE PLANO DE NEGÓCIOS GUIA DE ELABORAÇÃO DE PLANO DE NEGÓCIOS Sumário 1. APRESENTAÇÃO... 2 2. PLANO DE NEGÓCIOS:... 2 2.1 RESUMO EXECUTIVO... 3 2.2 O PRODUTO/SERVIÇO... 3 2.3 O MERCADO... 3 2.4 CAPACIDADE EMPRESARIAL... 4 2.5

Leia mais

ROTEIRO PARA ELABORAÇÃO DO PLANO DE NEGÓCIOS

ROTEIRO PARA ELABORAÇÃO DO PLANO DE NEGÓCIOS ROTEIRO PARA ELABORAÇÃO DO PLANO DE NEGÓCIOS O plano de negócios deverá conter: 1. Resumo Executivo 2. O Produto/Serviço 3. O Mercado 4. Capacidade Empresarial 5. Estratégia de Negócio 6. Plano de marketing

Leia mais

ESTRUTURA DE GERENCIAMENTO DE RISCOS

ESTRUTURA DE GERENCIAMENTO DE RISCOS Conselho de Administração Diretoria Geral Gerenciamento de Capital Diretoria de Controladoria, Operações, Jurídico, Ouvidoria e Cobrança Diretoria de Tesouraria, Produtos e Novos Negócios Operações Bancárias

Leia mais

COMO ENTENDER O VALOR EMPRESARIAL DOS SISTEMAS E COMO GERENCIAR A MUDANÇA

COMO ENTENDER O VALOR EMPRESARIAL DOS SISTEMAS E COMO GERENCIAR A MUDANÇA Capítulo 13 COMO ENTENDER O VALOR EMPRESARIAL DOS SISTEMAS E COMO GERENCIAR A MUDANÇA 13.1 2003 by Prentice Hall OBJETIVOS Como nossa empresa pode medir os benefícios de nossos sistemas de informação?

Leia mais

MBA em Gestão de Negócios (Sexta e Sábado)

MBA em Gestão de Negócios (Sexta e Sábado) MBA em Gestão de Negócios (Sexta e Sábado) Apresentação CAMPUS STIEP Inscrições Abertas Turma 14 (Nova) -->Início Confirmado:05/07/2013 Mercados dinâmicos têm imposto desafios crescentes para as empresas:

Leia mais

MASTER IN PROJECT MANAGEMENT

MASTER IN PROJECT MANAGEMENT MASTER IN PROJECT MANAGEMENT PROJETOS E COMUNICAÇÃO PROF. RICARDO SCHWACH MBA, PMP, COBIT, ITIL Atividade 1 Que modelos em gestão de projetos estão sendo adotados como referência nas organizações? Como

Leia mais

GESTÃO E OTIMIZAÇÃO DE PROCESSOS. Vanice Ferreira

GESTÃO E OTIMIZAÇÃO DE PROCESSOS. Vanice Ferreira GESTÃO E OTIMIZAÇÃO DE PROCESSOS Vanice Ferreira 12 de junho de 2012 GESTÃO E OTIMIZAÇÃO DE PROCESSOS: conceitos iniciais DE QUE PROCESSOS ESTAMOS FALANDO? GESTÃO E OTIMIZAÇÃO DE PROCESSOS: conceitos iniciais

Leia mais

2.1 - Proponente. Grupo Econômico CNAE principal Faturamento / Rec. Oper. Bruta de 2014. Endereço Telefone Geral Endereço Eletrônico Institucional

2.1 - Proponente. Grupo Econômico CNAE principal Faturamento / Rec. Oper. Bruta de 2014. Endereço Telefone Geral Endereço Eletrônico Institucional SUMÁRIO EXECUTIVO Linha Temática PN solicita Recursos Não - Reembolsáveis 1 1 - Título do Plano de Negócio 2 - Cadastramento: 2.1 - Proponente Razão Social CNPJ Grupo Econômico CNAE principal Faturamento

Leia mais

Gerenciamento de Projetos

Gerenciamento de Projetos Gerenciamento de Projetos PMI, PMP e PMBOK PMI (Project Management Institute) Estabelecido em 1969 e sediado na Filadélfia, Pensilvânia EUA, o PMI é a principal associação mundial, sem fins lucrativos,

Leia mais

CURSO DE PÓS-GRADUAÇÃO LATO SENSU ESPECIALIZAÇÃO MBA em Gestão Estratégica de Esportes

CURSO DE PÓS-GRADUAÇÃO LATO SENSU ESPECIALIZAÇÃO MBA em Gestão Estratégica de Esportes CURSO DE PÓS-GRADUAÇÃO LATO SENSU ESPECIALIZAÇÃO MBA em Gestão Estratégica de Esportes Coordenação Acadêmica: Ana Ligia Nunes Finamor CÓDIGO: 1 OBJETIVO Desenvolver visão estratégica, possibilitando ao

Leia mais

Terceirização de Serviços de TI

Terceirização de Serviços de TI Terceirização de Serviços de TI A visão do Cliente PACS Quality Informática Ltda. 1 Agenda Terceirização: Perspectivas históricas A Terceirização como ferramenta estratégica Terceirização: O caso específico

Leia mais

CAPÍTULO 9 RISCO E INCERTEZA

CAPÍTULO 9 RISCO E INCERTEZA CAPÍTULO 9 9 RISCO E INCERTEZA 9.1 Conceito de Risco Um fator que pode complicar bastante a solução de um problema de pesquisa operacional é a incerteza. Grande parte das decisões são tomadas baseando-se

Leia mais

Felipe Pedroso Castelo Branco Cassemiro Martins BALANCED SCORECARD FACULDADE BELO HORIZONTE

Felipe Pedroso Castelo Branco Cassemiro Martins BALANCED SCORECARD FACULDADE BELO HORIZONTE Felipe Pedroso Castelo Branco Cassemiro Martins BALANCED SCORECARD FACULDADE BELO HORIZONTE Belo Horizonte 2011 Felipe Pedroso Castelo Branco Cassemiro Martins BALANCED SCORECARD FACULDADE BELO HORIZONTE

Leia mais

GERENCIAMENTO DE PORTFÓLIO

GERENCIAMENTO DE PORTFÓLIO PMI PULSO DA PROFISSÃO RELATÓRIO DETALHADO GERENCIAMENTO DE PORTFÓLIO Destaques do Estudo As organizações mais bem-sucedidas serão aquelas que encontrarão formas de se diferenciar. As organizações estão

Leia mais

Política de Gestão de Riscos

Política de Gestão de Riscos Política de Gestão de Riscos 1 OBJETIVO Fornecer as diretrizes para a Gestão de Riscos da Fibria, assim como conceituar, detalhar e documentar as atividades a ela relacionadas. 2 ABRANGÊNCIA Abrange todas

Leia mais

Ementário do Curso de Administração Grade 2010-2 1 Administração da Produção I Fase: Carga Horária: Créditos: Ementa:

Ementário do Curso de Administração Grade 2010-2 1 Administração da Produção I Fase: Carga Horária: Créditos: Ementa: 1 da Produção I Ementário do Curso de Introdução à administração da produção; estratégias para definição do sistema de produção; estratégias para o planejamento do arranjo físico; técnicas de organização,

Leia mais

6 Construção de Cenários

6 Construção de Cenários 6 Construção de Cenários Neste capítulo será mostrada a metodologia utilizada para mensuração dos parâmetros estocásticos (ou incertos) e construção dos cenários com respectivas probabilidades de ocorrência.

Leia mais

1º SEMESTRE 2º SEMESTRE

1º SEMESTRE 2º SEMESTRE 1º SEMESTRE 7ECO003 ECONOMIA DE EMPRESAS I Organização econômica e problemas econômicos. Demanda, oferta e elasticidade. Teoria do consumidor. Teoria da produção e da firma, estruturas e regulamento de

Leia mais

DEFINIÇÃO DO PROBLEMA DE PESQUISA DE MARKETING

DEFINIÇÃO DO PROBLEMA DE PESQUISA DE MARKETING TAREFAS ENVOLVIDAS - DISCUSSÕES COM O TOMADOR DE DECISÕES São estruturadas em torno da AUDITORIA DO PROBLEMA, que é uma investigação completa do problema de marketing, com o propósito de entender sua natureza.

Leia mais

Programa do Curso de Pós-Graduação Lato Sensu MBA em Gestão de Pessoas

Programa do Curso de Pós-Graduação Lato Sensu MBA em Gestão de Pessoas Programa do Curso de Pós-Graduação Lato Sensu MBA em Gestão de Pessoas Apresentação O programa de Pós-graduação Lato Sensu em Gestão de Pessoas tem por objetivo o fornecimento de instrumental que possibilite

Leia mais

O Plano Financeiro no Plano de Negócios Fabiano Marques

O Plano Financeiro no Plano de Negócios Fabiano Marques O Plano Financeiro no Plano de Negócios Fabiano Marques Seguindo a estrutura proposta em Dornelas (2005), apresentada a seguir, podemos montar um plano de negócios de forma eficaz. É importante frisar

Leia mais

Capítulo 3 Projeções contábeis e financeiras 63

Capítulo 3 Projeções contábeis e financeiras 63 Sumário Capítulo 1 Conceitos de matemática financeira 1 1.1 Introdução 1 1.2 Taxa de juro nominal e taxa de juro real 3 1.2.1 Fórmula 3 1.3 Capitalização simples 4 1.3.1 Fórmulas 4 1.4 Capitalização composta

Leia mais

MBA Gestão de Mercados ementas 2015/2

MBA Gestão de Mercados ementas 2015/2 MBA Gestão de Mercados ementas 2015/2 Análise de Tendências e Inovação Estratégica Levar o aluno a compreender os conceitos e as ferramentas de inteligência preditiva e inovação estratégica. Analisar dentro

Leia mais

Estudo do mercado brasileiro de reposição automotivo

Estudo do mercado brasileiro de reposição automotivo Estudo do mercado brasileiro de reposição automotivo Novo estudo da Roland Berger São Paulo, março de 2015 O mercado de reposição oferece grande potencial, mas empresários do setor precisam de suporte

Leia mais

METODOLOGIA HSM Centrada nos participantes com professores com experiência executiva, materiais especialmente desenvolvidos e infraestrutura tecnológica privilegiada. O conteúdo exclusivo dos especialistas

Leia mais

UNIMEP MBA em Gestão e Negócios

UNIMEP MBA em Gestão e Negócios UNIMEP MBA em Gestão e Negócios Módulo: Sistemas de Informações Gerenciais Aula 4 TI com foco nos Negócios: Áreas envolvidas (Parte II) Flávio I. Callegari www.flaviocallegari.pro.br O perfil do profissional

Leia mais

A FUNÇÃO CONTROLE. Orientação do controle

A FUNÇÃO CONTROLE. Orientação do controle A FUNÇÃO CONTROLE O controle é a ultima função da administração a ser analisadas e diz respeito aos esforços exercidos para gerar e usar informações relativas a execução das atividades nas organizações

Leia mais

Project and Portfolio Management [PPM] Sustainable value creation.

Project and Portfolio Management [PPM] Sustainable value creation. Project and Portfolio Management [PPM] Sustainable value creation. O SoftExpert PPM Suite é a solução mais robusta, funcional e fácil para priorizar, planejar, gerenciar e executar projetos, portfólios

Leia mais

Fundamentos de Teste de Software

Fundamentos de Teste de Software Núcleo de Excelência em Testes de Sistemas Fundamentos de Teste de Software Módulo 2- Teste Estático e Teste Dinâmico Aula 3 Teste Estático SUMÁRIO INTRODUÇÃO... 3 1. Definição... 3 2. Custo Versus Benefício...

Leia mais

Alinhamento entre Estratégia e Processos

Alinhamento entre Estratégia e Processos Fabíola Azevedo Grijó Superintendente Estratégia e Governança São Paulo, 05/06/13 Alinhamento entre Estratégia e Processos Agenda Seguros Unimed Modelo de Gestão Integrada Kaplan & Norton Sistema de Gestão

Leia mais

COMPETÊNCIAS FUNCIONAIS. Finanças

COMPETÊNCIAS FUNCIONAIS. Finanças COMPETÊNCIAS FUNCIONAIS Finanças DESCRIÇÕES DOS NÍVEIS APRENDIZ Aprende para adquirir conhecimento básico. É capaz de pôr este conhecimento em prática sob circunstâncias normais, buscando assistência

Leia mais

OIT DESENVOLVIMENTO DE EMPRESA SOCIAL: UMA LISTA DE FERRAMENTAS E RECURSOS

OIT DESENVOLVIMENTO DE EMPRESA SOCIAL: UMA LISTA DE FERRAMENTAS E RECURSOS OIT DESENVOLVIMENTO DE EMPRESA SOCIAL: UMA LISTA DE FERRAMENTAS E RECURSOS FERRAMENTA A QUEM É DESTINADA? O QUE É O QUE FAZ OBJETIVOS Guia de finanças para as empresas sociais na África do Sul Guia Jurídico

Leia mais

Projeto gestão de demanda http://www.administradores.com.br/artigos/marketing/projeto-gestao-de-demanda/62517/

Projeto gestão de demanda http://www.administradores.com.br/artigos/marketing/projeto-gestao-de-demanda/62517/ Projeto gestão de demanda http://www.administradores.com.br/artigos/marketing/projeto-gestao-de-demanda/62517/ Muitas empresas se deparam com situações nas tarefas de previsões de vendas e tem como origem

Leia mais

SERVIÇO DE ANÁLISE DE REDES DE TELECOMUNICAÇÕES APLICABILIDADE PARA CALL-CENTERS VISÃO DA EMPRESA

SERVIÇO DE ANÁLISE DE REDES DE TELECOMUNICAÇÕES APLICABILIDADE PARA CALL-CENTERS VISÃO DA EMPRESA SERVIÇO DE ANÁLISE DE REDES DE TELECOMUNICAÇÕES APLICABILIDADE PARA CALL-CENTERS VISÃO DA EMPRESA Muitas organizações terceirizam o transporte das chamadas em seus call-centers, dependendo inteiramente

Leia mais

Quem precisa de metas afinal? Por que ter metas?

Quem precisa de metas afinal? Por que ter metas? Metas e Objetivos Muito se confunde a respeito destes dois conceitos quando se faz um planejamento estratégico do negócio. A diferença entre Meta e Objetivo, no entanto, é bastante clara como será apresentada

Leia mais

II SIMPÓSIO DE PESQUISA E DE PRÁTICAS PEDAGÓGICAS 2014 ANAIS

II SIMPÓSIO DE PESQUISA E DE PRÁTICAS PEDAGÓGICAS 2014 ANAIS BUSINESS GAME UGB VERSÃO 2 Luís Cláudio Duarte Graduação em Administração de Empresas APRESENTAÇÃO (DADOS DE IDENTIFICAÇÃO) O Business Game do Centro Universitário Geraldo Di Biase (BG_UGB) é um jogo virtual

Leia mais

www.pwc.com AMCHAM Visão integrada das áreas de Marketing e Finanças Abril de 2013

www.pwc.com AMCHAM Visão integrada das áreas de Marketing e Finanças Abril de 2013 www.pwc.com Visão integrada das áreas de Marketing e Finanças Agenda Introdução Como abordar o problema Discussões Conclusão PwC 2 Introdução PwC 3 Introdução Visões do Marketing Marketing tem que fazer

Leia mais

MDIC, Endeavor e McKinsey lançaram em 2013 o programa InovAtiva para apoiar o empreendedorismo de alto impacto no Brasil

MDIC, Endeavor e McKinsey lançaram em 2013 o programa InovAtiva para apoiar o empreendedorismo de alto impacto no Brasil 0 MDIC, Endeavor e McKinsey lançaram em 2013 o programa InovAtiva para apoiar o empreendedorismo de alto impacto no Brasil Capacitação Preparação para investidores Cursos e atividades para apoiar o desenvolvimento

Leia mais

CURSO DE GRADUAÇÃO PRESENCIAL SISTEMAS DE INFORMAÇÃO

CURSO DE GRADUAÇÃO PRESENCIAL SISTEMAS DE INFORMAÇÃO FUNDAÇÃO UNIVERSIDADE DO TOCANTINS CURSO DE GRADUAÇÃO PRESENCIAL SISTEMAS DE INFORMAÇÃO Identificação do Curso Nome do Curso: Sistemas de Informação Titulação: Bacharelado Modalidade de ensino: Presencial

Leia mais

Gerenciamento de Riscos do Projeto Eventos Adversos

Gerenciamento de Riscos do Projeto Eventos Adversos Gerenciamento de Riscos do Projeto Eventos Adversos 11. Gerenciamento de riscos do projeto PMBOK 2000 PMBOK 2004 11.1 Planejamento de gerenciamento de riscos 11.1 Planejamento de gerenciamento de riscos

Leia mais

Programa de Excelência em Atendimento aos Clientes

Programa de Excelência em Atendimento aos Clientes Programa de Excelência em Atendimento aos Clientes PROPOSTA TÉCNICA COMERCIAL Versão 2.0 Setembro de 2014 Agosto de 2008 Índice ÍNDICE...2 1. CONTEXTO...3 2. VISÃO, ESCOPO E ATIVIDADES DESTE PROJETO...5

Leia mais

As ações de formação ação no âmbito do presente Aviso têm, obrigatoriamente, de ser desenvolvidas com a estrutura a seguir indicada.

As ações de formação ação no âmbito do presente Aviso têm, obrigatoriamente, de ser desenvolvidas com a estrutura a seguir indicada. Anexo A Estrutura de intervenção As ações de formação ação no âmbito do presente Aviso têm, obrigatoriamente, de ser desenvolvidas com a estrutura a seguir indicada. 1. Plano de ação para o período 2016

Leia mais

GESTÃO EM PRODUÇÃO E SERVIÇOS

GESTÃO EM PRODUÇÃO E SERVIÇOS UNIVERSIDADE FEDERAL DO RIO DE JANEIRO ESCOLA POLITÉCNICA DEPARTAMENTO DE ENGENHARIA INDUSTRIAL MBA GESTÃO EM PRODUÇÃO E SERVIÇOS DISCIPLINAS E EMENTAS SINTONIZANDO PERCEPÇÕES E UNIFORMIZANDO A LINGUAGEM

Leia mais

Prof. Dr. José Dornelas www.josedornelas.com. Manual do Professor

Prof. Dr. José Dornelas www.josedornelas.com. Manual do Professor Prof. Dr. José Dornelas www.josedornelas.com Manual do Professor Manual do professor Este manual deve ser usado em conjunto com o vídeo do autor disponível no site da editora: www.campus.com.br Maiores

Leia mais

CURSO DE ADMINISTRAÇÃO

CURSO DE ADMINISTRAÇÃO 1 CURSO DE EMENTÁRIO DAS DISCIPLINAS 2010.2 A BRUSQUE (SC) 2014 2 SUMÁRIO 1ª FASE... 4 01 INFORMÁTICA APLICADA À... 4 02 MATEMÁTICA APLICADA À I... 4 03 METODOLOGIA CIENTÍFICA... 4 04 PSICOLOGIA... 5 05

Leia mais

VALORAÇÃO DE TECNOLOGIA

VALORAÇÃO DE TECNOLOGIA XII Encontro da Rede Mineira de Propriedade Intelectual VALORAÇÃO DE TECNOLOGIA Engª LOURENÇA F. DA SILVA Belo Horizonte - 05/11/2010 Lourença F. Silva - 05-11-2010 1 VALORAÇÃO DA TECNOLOGIA PARA VALORAR

Leia mais

Roteiro para elaboração de laudo de avaliação de empresa

Roteiro para elaboração de laudo de avaliação de empresa Roteiro de Laudo de Avaliação A elaboração de um Laudo de Avaliação de qualquer companhia é realizada em no mínimo 5 etapas, descritas sumariamente a seguir: 1ª. Etapa - Conhecimento inicial do negócio

Leia mais

Aula 1 - Montagem de Fluxo de Caixa de Projetos

Aula 1 - Montagem de Fluxo de Caixa de Projetos Avaliação da Viabilidade Econômico- Financeira em Projetos Aula 1 - Montagem de Fluxo de Caixa de Projetos Elias Pereira Apresentação Professor Alunos Horário 19:00h às 23:00 h com 15 min. Faltas Avaliação

Leia mais

Planejar Soluções em TI e Serviços para Agronegócio. Software de Gestão Rural ADM Rural 4G

Planejar Soluções em TI e Serviços para Agronegócio. Software de Gestão Rural ADM Rural 4G Planejar Soluções em TI e Serviços para Agronegócio Software de Gestão Rural ADM Rural 4G 2011 ADM Rural 4G Agenda de Apresentação E Empresa Planejar O Software ADM Rural 4G Diferenciais Benefícios em

Leia mais

RHIND Group. Rhind Group. Nossa Equipe. Nosso objetivo

RHIND Group. Rhind Group. Nossa Equipe. Nosso objetivo Rhind Group É uma empresa estruturada para prover soluções em consultoria e assessoria empresarial aos seus clientes e parceiros de negócios. Com larga experiência no mercado, a Rhind Group tem uma trajetória

Leia mais

GESTÃO DAS POLÍTICAS DE RECURSOS HUMANOS NOS GOVERNOS ESTADUAIS BRASILEIROS

GESTÃO DAS POLÍTICAS DE RECURSOS HUMANOS NOS GOVERNOS ESTADUAIS BRASILEIROS Inter-American Development Bank Banco Interamericano de Desarrollo Banco Interamericano de desenvolvimento Banque interámericaine de développment BR-P1051 Departamento de Países do Cone Sul (CSC) Rascunho

Leia mais

DEPARTAMENTO DE EDUCAÇÃO E ADMINISTRAÇÃO CURSO DE ADMINISTRAÇÃO INDUSTRIAL

DEPARTAMENTO DE EDUCAÇÃO E ADMINISTRAÇÃO CURSO DE ADMINISTRAÇÃO INDUSTRIAL DEPARTAMENTO DE EDUCAÇÃO E ADMINISTRAÇÃO CURSO DE ADMINISTRAÇÃO INDUSTRIAL EMENTA DAS DISCIPLINAS 1º Período GADM 7712-TGA - TEORIA GERAL DA ADMINISTRAÇÃO (4.0.0) 4 Introdução; Antecedentes Históricos;

Leia mais

Seminário GVcev Franchising: Tendências e Desafios. Seleção e Recrutamento de Franqueados Filomena Garcia

Seminário GVcev Franchising: Tendências e Desafios. Seleção e Recrutamento de Franqueados Filomena Garcia Seminário GVcev Franchising: Tendências e Desafios Seleção e Recrutamento de Franqueados Filomena Garcia Filomena Garcia Sócia-Diretora do Grupo Cherto: Comercial, Expansão de Franquias e Rede de Negócios

Leia mais

Private Equity ADVISORY

Private Equity ADVISORY Private Equity ADVISORY Private Equity Excelentes profissionais que trabalham em equipe, transformando conhecimento em valor, em benefício de nossos clientes. Private Equity 1 Qualidade e integridade são

Leia mais

Risco. Conceitos Básicos

Risco. Conceitos Básicos Risco Conceitos Básicos Risco: definições 1 Mercado Financeiro Risco A análise deste conceito é um desafio no processo de tomada de decisão, realizado segundo três conjuntos de condições: certeza, análise

Leia mais

2.3. ORGANIZAÇÕES E GESTÃO DOS SISTEMAS DE INFORMAÇÃO

2.3. ORGANIZAÇÕES E GESTÃO DOS SISTEMAS DE INFORMAÇÃO 2.3. ORGANIZAÇÕES E GESTÃO DOS SISTEMAS DE INFORMAÇÃO As Empresas e os Sistemas Problemas locais - impacto no sistema total. Empresas como subsistemas de um sistema maior. Uma empresa excede a soma de

Leia mais

Perfil Caliper SUPER de Vendas The Inner Seller Report

Perfil Caliper SUPER de Vendas The Inner Seller Report Perfil Caliper SUPER de Vendas The Inner Seller Report Avaliação de: Sr. João Vendedor Preparada por: Consultor Caliper exemplo@caliper.com.br Data: Copyright 2012 Caliper & Tekoare. Todos os direitos

Leia mais

Pesquisa de Marketing

Pesquisa de Marketing Pesquisa de Marketing A Evolução do seu Marketing Slide 1 Pesquisa de Marketing no SMG Obrigado por seu interesse na área de Pesquisa de Marketing do SMG! Este material detalha a abordagem que o SMG utiliza

Leia mais

gerenciando o desempenho de serviços em uma empresa conectada na nuvem CA Business Service Insight Julho de 2011

gerenciando o desempenho de serviços em uma empresa conectada na nuvem CA Business Service Insight Julho de 2011 gerenciando o desempenho de serviços em uma empresa conectada na nuvem CA Business Service Insight Julho de 2011 a computação na nuvem está presente em todos os lugares e está crescendo 72% das empresas

Leia mais

VII ENAENCO Avaliação de Impactos Sócio- ambientais na Implantação de novos Empreendimentos pela Engenharia da PETROBRAS

VII ENAENCO Avaliação de Impactos Sócio- ambientais na Implantação de novos Empreendimentos pela Engenharia da PETROBRAS VII ENAENCO Avaliação de Impactos Sócio- ambientais na Implantação de novos Empreendimentos pela Engenharia da PETROBRAS FERNANDO ALMEIDA BIATO Gerente Geral de Implementação de Empreendimentos para Abastecimento

Leia mais

Sistemas de Apoio à Decisão. Profa. Jiani Cardoso Disciplina: Sistemas de Informação Aula de 13/set/2005

Sistemas de Apoio à Decisão. Profa. Jiani Cardoso Disciplina: Sistemas de Informação Aula de 13/set/2005 Sistemas de Apoio à Decisão Profa. Jiani Cardoso Disciplina: Sistemas de Informação Aula de 13/set/2005 Sistemas de Suporte Gerencial SIG (sistema de Informação Gerencial) SAD (Sistema de Apoio à Decisão)

Leia mais