APRESENTAÇÃO. grande porte

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "APRESENTAÇÃO. grande porte"

Transcrição

1 APRESENTAÇÃO. A Serra é considerada pela classificação da Política Nacional de Assistência Social um Município de grande porte e está na Gestão Plena da Assistência Social, o que significa a sua responsabilidade na oferta de serviços em todos os níveis de proteção. Para viabilizar a operacionalização da Política é criado a Norma Operacional Básica/ Sistema Único de Assistência Social NOB/SUAS. O SUAS é um Sistema Público não Contributivo, Descentralizado e Participativo que tem por função a gestão do conteúdo específico da Assistência Social no campo da Proteção Social Brasileira. Rege-se por Norma Operacional Básica, que estabelece padrões de desempenho, de qualidade e referencial técnico-operacional - NOB/SUAS. Assim, a Secretaria de Promoção Social SEPROM através do Sistema Único da Assistência Social SUAS, reorganiza os Programas, Projetos Serviços e benefícios de acordo com as funções que desempenham, o universo de pessoas que deles necessitam e sua complexidade. Dessa forma, são estabelecidos dois níveis de Proteção: Proteção Social Básica e Proteção Social Especial de Média e Alta Complexidade. 5

2 1. PROTEÇÃO SOCIAL BÁSICA. Tem como objetivo prevenir situações de risco através potencialidades, e o fortalecimento de vínculos familiares desenvolvimento de programas, projetos e serviços convivência e socialização das famílias e indivíduos, vulnerabilidade apresentada. do desenvolvimento de e comunitários. Prevê o locais de acolhimento, conforme situação de O Serviço de PSB tem por princípios a matricialidade sociofamiliar, territorialização, proteção próativa, integração à seguridade social, integração às políticas sociais e econômicas. Estes serviços são executados pelos Centros de Referência de Assistência Social CRAS, que constitui a porta de entrada do Sistema. 2. PROTEÇÃO SOCIAL ESPECIAL. Tem como objetivo o atendimento assistencial destinado a famílias e indivíduos que se encontram em situação de risco pessoal e social, por ocorrência de abandono, maus tratos físicos, e ou, psíquicos, abuso sexual, uso de substâncias psicoativas, cumprimento de medida socioeducativa, situação de rua, situação de trabalho infantil, dentre outras, que tiveram seus direitos violados, e ou, ameaçados. Subdividindo-se em Média e Alta Complexidade. Média complexidade: Atendimento a famílias e, ou indivíduos com seus direitos violados, mas cujos vínculos familiares e comunitários não foram rompidos. São serviços de orientação e apoio sócio-familiar, plantão social, abordagem de rua, habilitação e reabilitação de pessoas com deficiência, medidas socioeducativas em meio aberto, entre outros. Alta complexidade: Atendimento a indivíduos cuja convivência com a família de origem seja prejudicial à sua proteção e ao seu desenvolvimento. Consiste na proteção integral em serviços de casas lares, casas de passagem, famílias substitutas, medidas socioeducativas restritivas e privativas de liberdade, entre outros. Diante desse contexto, a Secretaria de Promoção Social elabora este documento com o objetivo de publicitar os Programas, Projetos e Serviços executados por esta Secretaria. 6

3 SERVIÇOS OFERECIDOS. 1. PROTEÇÃO SOCIAL BÁSICA Serviço de Proteção e Atendimento Integral à Família PAIF / Centro de Referência da Assistência Social CRAS. O Programa de Atenção Integral a Família (PAIF) é o principal programa desenvolvido no CRAS. O objetivo do Programa é realizar atendimento e acompanhamento ao grupo familiar e, ou indivíduos que encontram-se em situação de vulnerabilidade social, ou com dificuldade de prover a proteção básica e a socialização de seus membros, constitui-se como referência moral, de vínculos afetivos e sociais, de identidade grupal, além de ser mediadora de relações dos seus membros. A equipe do CRAS deve prestar informação e orientação para população de sua área de abrangência, bem como articular-se com a rede de proteção social local no que se refere aos direitos de cidadania, mantendo ativo um serviço de vigilância da exclusão social na produção, sistematização e divulgação de indicadores em conexão com outros territórios. Entidade Executora: Fundação Educacional Monte Belo. Público: Famílias em situação de vulnerabilidade pessoal e social localizadas nos territórios dos CRAS. Atividades desenvolvidas: :: Realiza o mapeamento e a organização da rede socioassistencial no território; :: Promove a inserção das famílias nos serviços de Assistência Social local; :: Encaminha a população local para as demais Políticas Públicas Sociais, além de realizar cursos para geração de renda e inserção produtiva, oficinas socioeducativas, palestras, atualização do cadastro do Programa Bolsa Família, grupo de adolescente, atendimento psicossocial e outras. Critério de Atendimento: Famílias do território, com prioridade as que se encontram em situação de vulnerabilidade social, principalmente aos beneficiários do Programa Bolsa Família e Benefício de Prestação Continuada. Horário de atendimento: 08 às 18 horas. Telefone da coordenação: (27)

4 RELAÇÃO DOS TERRITÓRIOS ONDE JÁ FORAM INSTALADOS CRAS NO MUNICÍPIO. Território / CRAS Área de abrangência Endereço / telefone / horário de atendimento Avenida Planalto, Nº 166, Bloco A, Planalto Serrano Planalto Serrano, Vista da Serra, Avenida Principal Planalto Serrano. Campinho da Serra I e II. Jardim Carapina Jacaraípe Novo Horizonte Vila Nova dos Colares Laranjeiras Telefone: (27) Atendimento: 08 às 17 horas. Jardim Carapina, Boa Vista. Rua Juiz de Fora, nº 10, Jardim Carapina. Telefone: (27) Atendimento: 08 às 17 horas. Castelândia, Portal de Jacaraípe, São Patrício, Jardim Atlântico, Bairro das Laranjeiras, Costa Dourada, Enseada de Jacaraípe, Capuba, Costa Bela, São Francisco, Residencial Jacaraípe, Parque Residencial Jacaraípe, Curva da Baleia, Estância Monazilítica, São Pedro, Conjunto Jacaraípe, Lagoa de Jacaraípe. Rua São Paulo, nº. 03, Bairro das Laranjeiras, Jacaraípe. Telefone: (27) Atendimento: 08 às 17 horas. Rua Tié, s/n, Praça de Novo Horizonte, São Diogo, Cidade Horizonte. Continental, São Geraldo, Telefone: (27) Carapebus (Balneário e Praia). Atendimento: 08 às 17 horas. Novo Avenida Ainhanguera, nº 543, Vila Vila Nova de Colares, Feu Rosa, Nova de Colares. Alterosas, Manguinhos e Nova Telefone: (27) Zelândia. Atendimento: 08 às 17 horas. Barcelona, Taquara I e II, CIVIT II, Colina de Laranjeiras, Valparaíso, Avenida Norte Sul, s/n, Laranjeiras. Santa Luzia, Parque Residencial Telefone: (27) / Laranjeiras, Guaraciaba, Chácara Parreiral, Câmara e Morada de Atendimento: 08 às 17 horas. Laranjeiras. Jardim Tropical Jardim Tropical, José de Anchieta I,II e III, Cantinho do Céu, Solar de Anchieta e Laranjeiras Velha e Planalto de Carapina. Avenida Coronel Manoel Nunes, 36 esquina com a Avenida Dido Fontes. Telefone: (27) Atendimento: 08 às 17 horas. Serra Dourada II Serra Dourada I, II e III, Tubarão, Porto Canoa, Mata da Serra, Planície da Serra, Maringá e Eldourado. Rua das Acácias, s/nº - Serra Dourada II. Telefone: (27) Atendimento: 08 às 17 horas. 8

5 1.2. Serviços de Convivência e Fortalecimento de Vínculos: Projeto Escola de Famílias: conversando sobre os filhos. Objetiva desenvolver ações que promovam a valorização da família, na sua função protetora e responsável pelos filhos (como unidade de referência), buscando fortalecer seus vínculos de afetividade, bem como a elevação da auto-estima e o respeito entre os seus membros. Público: Pais ou responsável de crianças de zero a seis anos de idade que estejam matriculados nos Centros Municipais de Educação Infantil da Serra - CMEI s, localizados nos territórios dos Centros de Referência de Assistência Social CRAS. Atividades desenvolvidas: Oficinas socioeducativas com os temas: O papel da família; repensando práticas educacionais; o valor do brincar; projeto de vida. Endereço administrativo: Avenida Norte Sul, s/n, Laranjeiras, Serra, ES. Telefone da coordenação: (27) Jornadas Ampliadas. Objetiva oferecer às crianças e aos adolescentes em situação de risco social, com idade entre 7 a 16 anos, oportunidade de se desenvolverem cognitiva, afetiva e intelectualmente, enquanto sujeito cidadãos, através da execução de atividades socioeducativas que privilegiam a arte, a música, o esporte como instrumentos poderosos na construção de uma vivência coletiva digna e saudável. Público: Crianças e adolescentes com idade entre 07 a 16 anos de ambos os sexos em situação de vulnerabilidade social. Atividades desenvolvidas: Atividades socioeducativas que privilegiam a arte, a música e o esporte, dentre outras. Critérios de atendimento: Idade entre 07 a 16 anos, residir no bairro onde está instalada a Jornada Ampliada e estar freqüentando a rede de ensino formal. 9

6 Horário de atendimento: 07h às 17h. Telefone da coordenação geral: (27) Informações e ou outros critérios: Nas próprias jornadas. Relação das Jornadas Ampliadas instaladas no Município. :: Lar Semente do Amor. Entidade Executora: Associação Lar Semente do Amor. Endereço: Av. Central, 22, Balneário de Carapebus, Serra, ES. Horário de atendimento: 07h30m às 17h. Telefone: (27) :: Projeto Legal. Entidade Executora : Cáritas Arquidiocesana de Vitória. Endereço: Rua Distrito Federal, 213, Central Carapina, Serra, ES. Horário de atendimento: 07h30m às 17h. Telefone: (27) / :: Projeto Cidadão. Entidade Executora: Cáritas Arquidiocesana de Vitória. Endereço: Rua J, nº. 144, Novo Horizonte, Serra, ES. Horário de atendimento: 07h30m às 17h. Telefone: (27) :: Meninos e Meninas do Mestre. Entidade Executora: Cáritas Arquidiocesana de Vitória. Endereço: Rua Fundão, s/nº, Bloco A, Planalto Serrano, Serra, ES. Horário de atendimento: 07h30m às 17h. Telefone: (27) :: Projeto Semente. Entidade Executora: Cáritas Arquidiocesana de Vitória. Endereço: Jacaraípe, Serra, ES. Horário de atendimento: 07h30m às 17h. Telefone: (27)

7 :: Projeto Vida. Entidade Executora: Sociedade Civil Casas de Educação Pe. Gailac. Endereço: Rua: Espírito Santo, s/nº, Jardim Carapina, Serra, ES. Horário de atendimento: 07h30m às 17h. Telefone: (27) :: Projeto Cidade do Garoto. Entidade Executora: Sociedade Brasileira de Cultura Popular Cidade do Garoto. Endereço: Estrada Água Funda, s/nº, Santo Antônio, Serra, ES. Horário de atendimento: 07h30m às 17h. Telefone: (27) :: Projeto Construindo Relações e Ampliando Saberes. Entidade Executora: Associação Cultural Girassol. Endereço: Av. Brasília, Bloco B, Planalto Serrano, Serra, ES. Horário de atendimento: 07h30m às 17h. Telefone: (27) :: Projeto Gaivota. Entidade Executora: Centro Social. Endereço: Antiga Creche, Centro Social de Nova Almeida, Serra, ES. Horário de atendimento: 07h30m às 17h. Telefone: (27) :: Projeto Mãos à Terra I. Entidade Executora: Fundação Fé e Alegria do Brasil. Endereço: Rua Elias Correa Tomaz, s/nº, Boa Vista, Serra, ES. Horário de atendimento: 07h30m às 17h. Telefone: (27) :: Projeto Mãos à Terra II. Entidade Executora: Fundação Fé e Alegria do Brasil. Endereço: Av. Brasil, s/nº, Novo Horizonte, Serra, ES. Horário de atendimento: 07h30m às 17h. Telefone: (27) :: Projeto Esporte Cidadão. Entidade Executora: Fundação Fé e Alegria do Brasil. Endereço: Rua Pamplona, s/nº, Vila Nova de Colares, Serra, ES. Horário de atendimento: 07h30m às 17h. Telefone: (27) :: Projeto Curumim. Entidade Executora: Cáritas Arquidiocesana de Vitória. Endereço: Rua Águas Marinhas, nº 23, José de Anchieta, Serra, ES. Horário atendimento: 7h às 17h. Telefone: (27)

8 Programa de Capacitação Profissional Socioeducativo PROCAP. Tem por objetivo proporcionar ao adolescente residente no município da Serra condições de iniciação ao trabalho, através de estágio e de capacitação profissional, com atividades pedagógicas que prevaleçam sobre as produtivas, proporcionando o pleno desenvolvimento de suas potencialidades. Público: Adolescentes na faixa etária entre 15 a 16 anos, de ambos os sexos, residentes no município da Serra; Critérios: Adolescentes com famílias em situação de vulnerabilidade social moradores do município da Serra; Renda familiar de até dois salários mínimos; Estudantes da rede formal de ensino público. Endereço: Avenida Norte Sul, s/n, Laranjeiras, Serra, ES. Horário de atendimento: 8h às 18h. Telefone da coordenação: (27) Projovem Adolescente. O ProJovem Adolescente tem como objetivo complementar a Proteção Social Básica à família, estabelecendo mecanismos para garantir a convivência familiar e comunitária, além de criar condições para inserção, reintegração e permanência do jovem no sistema educacional. Entidade Executora: Fundação Educacional Monte Belo. Público: Adolescentes cujas famílias são beneficiárias do Programa Bolsa Família. 12

9 Atividades desenvolvidas: Ações socioeducativas: Oficinas de esporte, dança, música, teatro, datas comemorativas, entre outras; Oficinas temáticas: Juventude e cidadania e direitos socioassistenciais, juventude e meio ambiente, juventude e saúde, juventude e cultura, lazer e trabalho e outras. Critérios de atendimento: Idade: Adolescentes na faixa etária entre 15 a 18 anos incompletos, cujas famílias são beneficiárias do Programa Bolsa Família ou vinculados/egressos de Programas e Serviços de Proteção Social Especial (Serviço de Enfrentamento ao Abuso e Exploração Sexual à Criança e ao Adolescente, Programa de Erradicação do Trabalho Infantil PETI e Abordagem de Rua) ou ainda jovens sob medida de proteção ou socioeducativas previstas no Estatuto da Criança e do Adolescente (Liberdade Assistida e Prestação de Serviço Comunitário); Freqüência mínima de 70% no projeto; Freqüência escolar de 85% para jovens de 15 anos e 75% para jovens de 16 a 18 anos incompletos, monitorada pelo sistema educacional em conformidade com as condicionalidades do Programa Bolsa Família para concessão de benefícios básicos e variáveis. Horário de atendimento: 08 às 17 horas. Telefone da coordenação geral: (27) / Territórios onde estão instalados os coletivos do programa. PLANALTO SERRANO. Área de abrangência: Planalto Serrano, Vista da Serra I e II, Campinho da Serra I e II. Endereço: Avenida Cachoeiro de Itapemirim, Nº 73, Bloco A, Planalto Serrano / Serra, ES, CEP Telefone: (27) JARDIM CARAPINA. Área de abrangência: Jardim Carapina, Boa Vista, Hélio Ferraz. Endereço: Rua Santa Inês, Nº 320, Jardim Carapina, Serra, ES, CEP Telefone: (27)

10 VILA NOVA DE COLARES. Área de abrangência: Vila Nova de Colares, Feu Rosa, Alterosas, Manguinhos e N. Zelândia. Endereço: Avenida Colares Junior, Nº. 200, Vila Nova de Colares, Serra, ES. Telefone: (27) NOVO HORIZONTE. Área de abrangência: Novo Horizonte, São Diogo, Cidade Continental, São Geraldo, Carapebus (Balneário e Praia). Endereço: Rua D, s/n, Novo Horizonte Serra/ ES. Telefone: Em processo de instalação. JACARAÍPE. Área de abrangência: Castelândia, Portal de Jacaraípe, São Patrício, Jardim Atlântico, Bairro das Laranjeiras, Costa Dourada, Enseada de Jacaraípe, Capuba, Costa Bela, São Francisco, Residencial Jacaraípe, Parque Residencial Jacaraípe, Curva da Baleia, Estância Monazilítica, São Pedro, Conjunto Jacaraípe, Lagoa de Jacaraípe. Endereço: Rua Maranhão, n 430, Parque Monazítico (Grande Jacaraípe), Serra, ES. Telefone: Em processo de instalação, informações pelo (27) Serviços de Atenção a Pessoa Idosa. O Serviço de Atenção a Pessoa Idosa busca assegurar melhoria na qualidade de vida dos mesmos, proporcionando à inclusão em atividades que valorizem suas potencialidades físicas, artísticas, educativas, intelectuais, favorecendo a convivência familiar e comunitária assegurando a garantia de direitos enquanto cidadãos Centro de Convivência para Pessoa Idosa / Programa Vitalidade. Contribuir para melhoria da qualidade de vida dos idosos, desenvolvendo ações que levem a uma maior sensibilização do papel da pessoa idosa no contexto social, garantindo as condições necessárias à sua participação ativa na família e na sociedade. Entidade Executora: Fundação Educacional Monte Belo. Público: Pessoas com idade igual ou superior a 60 anos e pessoas com idade entre 53 a 59 anos quando apresentarem questões de ordem biopsicossocial. 14

11 Critérios de atendimento: Residir no Município e apresentar documento de identidade. Territórios onde estão instalados os Centros de Convivência Programa Vitalidade. CENTRO DE CONVIVÊNCIA SERRA SEDE. Atividades oferecidas: Yoga, hidroginástica, alfabetização, oficinas de artesanato, aulas de música, atendimento social e psicológico, oficina de memória, fisioterapia, informática, atendimento nutricional e gerontológico, grupos de convivência (4ª e 6ª feira 13:30 horas). Atividades extras: Forró, passeios, festivais, exposições artesanais e culturais, palestras educativas e outras. Critérios de atendimento: Idade igual ou superior a 60 anos, comprovar residência no Município e apresentar documentos de identidade. Documentos/critérios complementares por atividade:. Hidroginástica: Laudo médico do cardiologista e dermatologista.. Yoga: Laudo médico clínico e/ou de outro especialista.. Informática: Possuir o ensino fundamental.. Fisioterapia: Encaminhamento médico.. Oficina de memória: Ser alfabetizado. Endereço: Rua Maestro Manoel Xavier, s/nº Caçaroca, Serra, ES. Horário de atendimento: 08h às 18h Telefone: (27) / CENTRO DE CONVIVÊNCIA HÉLIO FERRAZ. Atividades oferecidas: oficinas de artesanato, aulas de música, atendimento social e psicológico, fisioterapia, atendimento nutricional e gerontológico e educação física. Atividades extras: Forró, passeios, festivais, exposições artesanais e culturais, palestras educativas e outras. Critérios de atendimento: Idade igual ou superior a 60 anos, comprovar residência no Município e apresentar documentos de identidade. Documentos/critérios complementares por atividade: Fisioterapia: Encaminhamento médico. Endereço: Rua Rio Negro, S/N, Hélio Ferraz. Horário de atendimento: 08h às 17h Telefone: (27)

12 CENTRO DE CONVIVÊNCIA BARCELONA. Atividades oferecidas: oficinas de artesanato, aulas de música, atendimento social e psicológico, fisioterapia, atendimento nutricional e gerontológico, educação física e um grupo de convivência. Atividades extras: Forró, passeios, festivais, exposições artesanais e culturais, palestras educativas e outras. Critérios de atendimento: Idade igual ou superior a 60 anos, comprovar residência no Município e apresentar documentos de identidade. Documentos/critérios complementares por atividade: Fisioterapia: Encaminhamento médico. Endereço: Avenida Região Sudeste, s/n, Barcelona. Horário de atendimento: 08h às 17h. Telefone: (27) CENTRO DE CONVIVÊNCIA NOVA ALMEIDA. Atividades oferecidas: oficinas de artesanato, aulas de música, atendimento social e psicológico, fisioterapia, atendimento nutricional e gerontológico e educação física. Atividades extras: Forró, passeios, festivais, exposições artesanais e culturais, palestras educativas e outras. Critérios de atendimento: Idade igual ou superior a 60 anos, comprovar residência no Município e apresentar documentos de identidade. Documentos/critérios complementares por atividade: Fisioterapia: Encaminhamento médico. Endereço: Rua Edvald Lima, s/n, Nova Almeida. Horário de atendimento: 08h às 17h. Telefone: (27) PROJETO CONVIVER / GRUPOS DE CONVIVÊNCIA PARA PESSOAS IDOSAS. Objetiva proporcionar à pessoa idosa, através da participação grupal, o desenvolvimento e o aprimoramento das potencialidades físicas, intelectuais, criativas e sociais promovendo autonomia, integração e participação efetiva na sociedade. Público: Pessoas com 60 anos ou mais de ambos os sexos, residentes no município da Serra ou aquelas que por questões biopsicossociais encontram-se em processo precoce de envelhecimento. 16

13 Atividades oferecidas: Atividades físicas, aulas de artesanato e atendimento social. Eventos comemorativos: festa das mães, festa junina, concurso miss e mister 3ª idade, olimpíadas da 3ª idade, forrós, palestras educativas, comemoração natalina, e outros. Critérios de atendimento/documentos: Idade igual ou superior a 60 anos, comprovar residência no Município e apresentar documentos de identidade. Horário de atendimento: Grupos: 13h às 17h / Administrativo: 08h às 18h. Telefone da coordenação: / Grupos de Convivência Instalados no Município. BAIRROS FUNCIONAMENTO Central Carapina Grupo União 2ª feira 13h às 17h Manoel Plaza Grupo Arte de Viver 2ª feira 13h às 17h Eurico Salles 2ª feira 13h às 17h Serra Dourada III José de Anchieta 2ª feira 8h às 11h 3ª feira 13h às 17h Nova Carapina Grupo Estrela Guia 3ª feira 13h às 17h Jacaraípe 3ª feira 13h às 17h Eldorado 3ª e 5ª feira Unidos Venceremos 13h às 17h ENDEREÇO Salão anexo a Igreja Católica Divino Espírito Santo. Telefone: Centro Comunitário, próximo ao Terminal de Carapina, Rua L, quadra 48, s/nº. Telefone: Centro de Atividades Integradas de Eurico Salles, Rua dos Colibris, s/nº. Telefone: Centro de Vivência de Serra Dourada III. Telefone: Centro Comunitário do bairro, Rua Topázio. Telefone: Rua Teófilo Otoni, 386, Salão do Grupo de Mulheres. Telefone: / Centro de Treinamento da Paróquia São Pedro, Rua Goiás, nº 10. Telefone: Avenida Rio Doce, s/n, antiga creche do bairro. 17

14 Telefone: Nova Almeida 3ª feira 7h às 10h 5ª feira 7h às 10h Serra Dourada I Grupo das Hortências 4ª feira 13h às 17h Vila Nova de Colares 4ª e 6ª feira Clube da 3ª Idade 13h às 17h Antiga Unidade de Saúde. Telefone: / Avenida Belo Horizonte, s/n, antiga Unidade de Saúde. Telefone: Rua Moreira César, s/n, Clube da Terceira Idade Unidos de Vila Nova de Colares. Telefone: Centro Comunitário, Rua dos Periquitos, 41. Telefone: Porto Canoa Viver Bem 4ª feira 13h às 17h Novo Horizonte 5ª feira 13h às 17h Centro Comunitário, Rua Maritaca, 14. Telefone: Carapina Grande 5ª feira 13h às 17h 6ª feira 8h às 11h Cidade Continental 5ª feira 13h às 17h Planalto Serrano 6ª feira 13h às 17h Antiga Unidade de Saúde, Rua Ipiranga, s/n. Telefone: Centro de Vivência, Avenida dos Índios, s/n, Setor América. Telefone: Centro de Referência de Assistência Social CRAS Telefone: Cep , bloco A, Av. Planalto, nº 166. Telefone: Boa Vista 6ª feira 13h às 17h Centro de Vivência, Rua Antônio Gervásio, s/n. Telefone: Jardim Carapina 6ª feira 13h às 17h Avenida Vitória, 43, antiga Pizzaria da Tia Olga. Telefone:

15 1.3. Programas de Transferência de Renda: Cadastro Único CADÚNICO. O CADÚNICO, instituído pelo Decreto Nº 3.877, de 24 de Julho de 2001, é um instrumento de coleta de dados e informações que tem como objetivo identificar todas as famílias de baixa renda existentes no País. Devem ser cadastradas as famílias com renda mensal de até meio salário mínimo por pessoa ou três salários mínimos no total. O CADÚNICO constitui uma base de informações que pode ser usada pelos governos municipais, estaduais e federal para obter o diagnóstico sócio-econômico das famílias cadastradas, possibilitando a análise das suas principais necessidades. O cadastramento das famílias é executado pelos Municípios por meio da coleta de dados das famílias de baixa renda, em formulário específico para esse fim. Os cadastros são processados pelo agente Operador do Cadastro Único CAIXA, que é órgão responsável por atribuir a cada pessoa da família cadastrada o número de identificação social NIS. Por meio do NIS os operadores do Cadastro Único poderão localizar as pessoas cadastradas, atualizar dados do cadastro, verificar a situação do benefício, caso exista, e realizar as ações de gestão de benefícios. Se a família se encaixa numa das faixas de renda definidas pelos Programas abaixo, deve procurar o setor responsável pelo CADÚNICO - Programa Bolsa Família no município munido de documentos necessários para se cadastrar no Cadastro Único para Programas Sociais do Governo Federal (Cad Único). Documentos Necessários CAD ÚNICO. Os documentos necessários para realizar Cadastro Único, que poderá atender aos seguintes programas: 1- Programa Bolsa Família; 2- Programa de Erradicação ao Trabalho Infantil PETI; 3- Programa de Habitação de Casas Populares, ou de regularização fundiária; 4- Viagens interestaduais gratuitas para idosos; 5- Programa de Tarifa Social de Energia; 6- Isenção em concursos públicos, são: Carteira de trabalho de todos os maiores de 18 anos, que residam no domicílio, (mesmo que não esteja assinada); Comprovante de renda de todos os moradores do domicílio do mês atual, (Contra Cheque, Extrato de INSS/ Pensão/BPC, e estágio conta como renda); Declaração escolar Validade de 30 dias; Comprovante de Residência do mês atual; Declaração de residência, para quem não possui comprovante de residência no nome do morador (procurar a liderança comunitária ou o proprietário da casa), esta deverá constar nº de documento ou carimbo da associação de moradores. (validade de 30 dias); 19

16 CPF, Identidade, Título de Eleitor ORIGINAL. Certidão de nascimento, ORIGINAL, de todos os menores de 18 anos que residam no domicílio. Certidão de casamento (Para quem for casado no cartório) ORIGINAL. Certidão de óbito, casa seja necessário excluir algum falecido do cadastro. Endereço: Avenida Norte Sul, s/n, Parque Residência Laranjeiras CRAS / atrás do Terminal de Laranjeiras. Horário de Atendimento: 08 às 17 horas. Telefone da coordenação geral: / Programa Bolsa Família. O Programa Bolsa Família (PBF) é um programa de transferência direta de renda com condicionalidades, que beneficia famílias em situação de pobreza e extrema pobreza, de acordo com a Lei , de 09 de janeiro de 2004 e o Decreto nº 5.209, de 17 de setembro de O PBF integra a estratégia FOME ZERO, que tem o objetivo de assegurar o direito humano à alimentação adequada, promovendo a segurança alimentar e nutricional e contribuindo para a erradicação da extrema pobreza e para a conquista da cidadania pela parcela da população mais vulnerável à fome. O Programa pauta-se na articulação de três dimensões essenciais à superação da fome e da pobreza: Promoção do alívio imediato da pobreza, por meio da transferência direta de renda à família; Reforço ao exercício de direitos sociais básicos nas áreas de Saúde e Educação, por meio do cumprimentos das condicionalidades, o que contribui para que as famílias consigam romper o ciclo da pobreza entre gerações; Coordenação de programas complementares, que têm por objetivo o desenvolvimento das famílias, de modo que os beneficiários do Bolsa Família consigam superar a situação de vulnerabilidade e pobreza. São exemplos de programas complementares: programas de geração de trabalho e renda, de alfabetização de adultos, de fornecimento de registro civil e demais documentos. 20

17 Beneficiários do Programa Bolsa Família. Critérios de Inclusão: Podem fazer parte do Programa Bolsa Família as famílias com renda mensal de até R$ 140 (cento e quarenta reais) por pessoa devidamente cadastradas no Cadastro Único para Programas Sociais (CADÚnico). A renda da família é calculada a partir da soma do dinheiro que todas as pessoas da casa ganham por mês (como salários e aposentadorias). Esse valor deve ser dividido pelo número de pessoas que vivem na casa, obtendo assim a renda per capita da família. As famílias que possuem renda mensal entre R$ 70,01 e R$ 140,00, só ingressam no Programa se possuírem crianças ou adolescentes de 0 a 17 anos. Já as famílias com renda mensal de até R$ 70,00 por pessoa, podem participar do Bolsa Família qualquer que seja a idade dos membros da família. Observação: A atualização cadastral do Programa Bolsa Família deve ser realizada no CRAS de seu Território. Os territórios que ainda não possuem CRAS o agendamento das famílias para atualização é realizado através do telefone / CRAS de Laranjeiras O cadastramento não implica a entrada imediata dessas famílias no Programa e o recebimento do benefício. Com base nas informações inseridas no CADÚNICO, o Ministério seleciona, de forma automatizada, as famílias que serão incluídas no Programa a cada mês. O critério principal é a renda per capita da família Beneficiários do Programa de Erradicação ao Trabalho Infantil PETI. Atende famílias cujas crianças e adolescentes com idade inferior a 16 anos se encontrem em situação de trabalho infantil. Público: Crianças e adolescentes com idade até 15 anos e onze meses Famílias do Programa de Habitação, Regularização Fundiária. Para esse programa, os critérios podem variar de acordo com cada projeto, ou o município poderá criar as regras, (moradores de determinados bairros ou região) Carteira do Idoso, para viagens interestaduais gratuitas. Com os seguintes critérios: :: Idosos que possuir idade igual ou superior a 60 anos; :: O idoso deverá ter renda individual mensal igual ou inferior a dois salários mínimos; 21

18 :: O idoso não pode possuir nenhum dos comprovantes de renda definidos nos itens I, II, III e IV do Decreto n 5.934, de 18 de outubro de Segue abaixo: I- Carteira de Trabalho e Previdência Social com anotações atualizadas; II- contracheque de pagamento ou documento expedido pelo empregador; III- carnê de contribuição para o Instituto Nacional do Seguro Social (INSS); IV- extrato de pagamento de benefício ou declaração fornecida pelo INSS ou outro regime de previdência social público ou privado; e V- documento ou carteira emitida pelas Secretarias Estaduais ou Municipais de Assistência Social ou congêneres Programa de Tarifa Social de Energia. Famílias com renda per capita de ½ salário mínimo Isenção em Concursos Públicos. Famílias com renda per capita de ½ salário mínimo ou familiar de até 03 (três) salários mínimo Benefício de Prestação Continuada BPC. O referido benefício integra a Política de Assistência Social e está previsto na Constituição Federal, sendo regulamentado pela Lei Orgânica da Assistência Social LOAS Lei nº 8.742/93 e Estatuto do idoso Lei nº /03. Consiste no pagamento de 01 salário mínimo mensal às pessoas idosas maiores de 65 anos e pessoas com deficiência, incapacitados para o trabalho, cuja renda familiar seja inferior a ¼ do salário mínimo. Esse serviço realiza a avaliação social, orientações e encaminhamentos para o requerimento do benefício junto à agência do INSS na Serra. Para ter acesso ao serviço o munícipe deve procurar os CRAS do território para agendamento prévio. Nos demais bairros não pertencentes aos territórios dos CRAS, o munícipe deve procurar o Departamento de Assistência Social - Plantão Social. No dia marcado, o idoso ou a pessoa com deficiência deve comparecer ao local de atendimento apresentando os seguintes documentos (cópia simples). Público: Pessoas idosas com 65 anos ou mais e pessoas com deficiência. Documentação: Pessoa idosa: Ser morador do município (comprovante de residência atualizado com CEP completo da rua); Carteira de Trabalho própria e do cônjuge ou companheiro; Comprovante de renda; Carteira de Identidade; CPF. 22

Curso I Introdução ao provimento de serviços e benefícios socioassistenciais do SUAS

Curso I Introdução ao provimento de serviços e benefícios socioassistenciais do SUAS Curso I Introdução ao provimento de serviços e benefícios socioassistenciais do SUAS Módulo II - O provimento dos serviços socioassistenciais Proteção Social Especial Recife, fevereiro/2014 Conteúdo Programático

Leia mais

O Suas Sistema Único da Assistência Social em perspectiva Valéria Cabral Carvalho, CRESS nº 0897 Luiza Maria Lorenzini Gerber, CRESS nº 0968

O Suas Sistema Único da Assistência Social em perspectiva Valéria Cabral Carvalho, CRESS nº 0897 Luiza Maria Lorenzini Gerber, CRESS nº 0968 O Suas Sistema Único da Assistência Social em perspectiva Valéria Cabral Carvalho, CRESS nº 0897 Luiza Maria Lorenzini Gerber, CRESS nº 0968 Com a Constituição Federal de 1988, a Assistência Social passa

Leia mais

PENSANDO NA PRÁTICA: AS AÇÕES E ATIVIDADES EXECUTADAS NOS CRAS/CREAS FACILITADORA: INÊS DE MOURA TENÓRIO

PENSANDO NA PRÁTICA: AS AÇÕES E ATIVIDADES EXECUTADAS NOS CRAS/CREAS FACILITADORA: INÊS DE MOURA TENÓRIO a Área da Assistência Social PENSANDO NA PRÁTICA: AS AÇÕES E ATIVIDADES EXECUTADAS NOS CRAS/CREAS FACILITADORA: INÊS DE MOURA TENÓRIO Assistência Social na PNAS Situada como proteção social não contributiva;

Leia mais

A GESTÃO DO CREAS E AS MUDANÇAS COM A TIPIFICAÇÃO E O PROTOCOLO DE GESTÃO

A GESTÃO DO CREAS E AS MUDANÇAS COM A TIPIFICAÇÃO E O PROTOCOLO DE GESTÃO A GESTÃO DO CREAS E AS MUDANÇAS COM A TIPIFICAÇÃO E O PROTOCOLO DE GESTÃO A Assistência Social como política de proteção social configura uma nova situação para o Brasil: garantir proteção a todos, que

Leia mais

SERVIÇOS DE CONVIVÊNCIA E FORTALECIMENTO DE VÍNCULOS SCFV

SERVIÇOS DE CONVIVÊNCIA E FORTALECIMENTO DE VÍNCULOS SCFV SERVIÇOS DE CONVIVÊNCIA E FORTALECIMENTO DE VÍNCULOS SCFV SOCIOASSISTENCIAL X SOCIOEDUCATIVO SOCIOASSISTENCIAL apoio efetivo prestado a família, através da inclusão em programas de transferência de renda

Leia mais

Sistema Único de Assistência Social SUAS

Sistema Único de Assistência Social SUAS 34 A Assistência Social, a partir da Constituição Federal de 1988, passou a integrar o Sistema de Seguridade Social, como política pública não contributiva. Portanto, é direito do cidadão e dever do Estado.

Leia mais

NOME DO SERVIÇO: SERVIÇO DE CONVIVÊNCIA E FORTALECIMENTO DE VÍNCULOS.

NOME DO SERVIÇO: SERVIÇO DE CONVIVÊNCIA E FORTALECIMENTO DE VÍNCULOS. NOME DO SERVIÇO: SERVIÇO DE CONVIVÊNCIA E FORTALECIMENTO DE VÍNCULOS. DESCRIÇÃO GERAL: Serviço realizado em grupos, organizado a partir de percursos, de modo a garantir aquisições progressivas aos seus

Leia mais

Câmara Municipal de Volta Redonda RJ PROGRAMA Nº - 132

Câmara Municipal de Volta Redonda RJ PROGRAMA Nº - 132 PROGRAMA Nº - 132 Benefícios Eventuais SUB-FUNÇÃO: 244 ASSISTÊNCIA COMUNITÁRIA Implantar e implementar serviços de Benefícios Eventuais. Operacionalização para concessão dos Benefícios Eventuais - Art.

Leia mais

SECRETARIA NACIONAL DE ASSISTÊNCIA SOCIAL COMISSÃO INTERGESTORES TRIPARTITE RESOLUÇÃO Nº 4, DE 24 DE MAIO DE 2011

SECRETARIA NACIONAL DE ASSISTÊNCIA SOCIAL COMISSÃO INTERGESTORES TRIPARTITE RESOLUÇÃO Nº 4, DE 24 DE MAIO DE 2011 SECRETARIA NACIONAL DE ASSISTÊNCIA SOCIAL COMISSÃO INTERGESTORES TRIPARTITE RESOLUÇÃO Nº 4, DE 24 DE MAIO DE 2011 Institui parâmetros nacionais para o registro das informações relativas aos serviços ofertados

Leia mais

AUDIÊNCIA PÚBLICA DE PRESTAÇÃO DE CONTAS DO FUNDO ESTADUAL DE ASSISTÊNCIA SOCIAL - FEAS 2014

AUDIÊNCIA PÚBLICA DE PRESTAÇÃO DE CONTAS DO FUNDO ESTADUAL DE ASSISTÊNCIA SOCIAL - FEAS 2014 AUDIÊNCIA PÚBLICA DE PRESTAÇÃO DE CONTAS DO FUNDO ESTADUAL DE ASSISTÊNCIA SOCIAL - FEAS 2014 AÇÕES E SERVIÇOS DA SECRETARIA MUNICIPAL DE ASSISTÊNCIA SOCIAL E REDE SOCIOASSISTENCIAL. Proteção Social Básica

Leia mais

Assistência Social da benesse ao Direito A experiência de Campinas

Assistência Social da benesse ao Direito A experiência de Campinas Assistência Social da benesse ao Direito A experiência de Campinas Arnaldo Rezende Setembro/2010. Um pouco da origem... 1543 Implantação da 1ª. Santa Casa de Misericórdia. 1549 - Chegada dos Jesuítas no

Leia mais

VI - reconhecer as especificidades, iniquidades e desigualdades regionais e municipais no planejamento e execução das ações;

VI - reconhecer as especificidades, iniquidades e desigualdades regionais e municipais no planejamento e execução das ações; O Sistema Único de Assistência Social A seguridade social compreende um conjunto integrado de ações de iniciativa dos poderes públicos e da sociedade destinada a assegurar os direitos relativos à saúde,

Leia mais

POLÍTICA NACIONAL DE ASSISTÊNCIA SOCIAL, SUAS e legislações pertinentes. Profa. Ma. Izabel Scheidt Pires

POLÍTICA NACIONAL DE ASSISTÊNCIA SOCIAL, SUAS e legislações pertinentes. Profa. Ma. Izabel Scheidt Pires POLÍTICA NACIONAL DE ASSISTÊNCIA SOCIAL, SUAS e legislações pertinentes Profa. Ma. Izabel Scheidt Pires REFERÊNCIAS LEGAIS CF 88 LOAS PNAS/04 - SUAS LOAS A partir da Constituição Federal de 1988, regulamentada

Leia mais

SISTEMA ÚNICO DA ASSISTÊNCIA SOCIAL A NOVA HISTÓRIA DA ASSISTÊNCIA SOCIAL

SISTEMA ÚNICO DA ASSISTÊNCIA SOCIAL A NOVA HISTÓRIA DA ASSISTÊNCIA SOCIAL SISTEMA ÚNICO DA ASSISTÊNCIA SOCIAL A NOVA HISTÓRIA DA ASSISTÊNCIA SOCIAL DAS Norte Campinas/SP ASSISTÊNCIA SOCIAL Constituição de 1988 e LOAS Assistência Social inserida como política da Seguridade Social

Leia mais

POLÍTICA DE ASSISTÊNCIA SOCIAL BRASILEIRA. Sistema Único. de Assistência Social- SUAS

POLÍTICA DE ASSISTÊNCIA SOCIAL BRASILEIRA. Sistema Único. de Assistência Social- SUAS POLÍTICA DE ASSISTÊNCIA SOCIAL BRASILEIRA Sistema Único de Assistência Social- SUAS Política de Assistência Social Caracterização: - Definida constitucionalmente (CF/1988): - política pública: direito

Leia mais

Programas vinculados ao Cadastro Único

Programas vinculados ao Cadastro Único Programas vinculados ao Cadastro Único O Cadastro Único para Programas Sociais do Governo Federal ( Cadastro Único) é um instrumento que identifica e caracteriza as famílias de baixa renda, entendidas

Leia mais

A Política Nacional de Assistência Social na Perspectiva do Sistema Único - SUAS

A Política Nacional de Assistência Social na Perspectiva do Sistema Único - SUAS A Política Nacional de Assistência Social na Perspectiva do Sistema Único - SUAS Deliberação da IV Conferência Nacional; Garantia de acesso aos direitos socioassistenciais; Modelo democrático e descentralizado

Leia mais

PREFEITURA MUNICIPAL DE PORTO ALEGRE FUNDAÇÃO ASSISTÊNCIA SOCIAL E CIDADANIA

PREFEITURA MUNICIPAL DE PORTO ALEGRE FUNDAÇÃO ASSISTÊNCIA SOCIAL E CIDADANIA PREFEITURA MUNICIPAL DE PORTO ALEGRE FUNDAÇÃO ASSISTÊNCIA SOCIAL E CIDADANIA 1 DADOS DE IDENTIFICAÇÃO PROJETO TÉCNICO: ACESSUAS TRABALHO / PRONATEC EQUIPE RESPONSÁVEL: Proteção Social Básica PERÍODO: Setembro

Leia mais

Políticas Setoriais Secretarias Municipais: Saúde, Assistência Social, Educação, Direitos Humanos(quando houver). Participações Desejáveis

Políticas Setoriais Secretarias Municipais: Saúde, Assistência Social, Educação, Direitos Humanos(quando houver). Participações Desejáveis PARÂMETROS PARA A CONSTITUIÇÃO DAS COMISSÕES INTERSETORIAIS DE ACOMPANHAMENTO DO PLANO NACIONAL DE PROMOÇÃO, PROTEÇÃO E DEFESA DO DIREITO DE CRIANÇAS E ADOLESCENTES À CONVIVÊNCIA FAMILIAR E COMUNITÁRIA

Leia mais

Experiência no Atendimento Domiciliar ao Paciente Serviço Social

Experiência no Atendimento Domiciliar ao Paciente Serviço Social Experiência no Atendimento Domiciliar ao Paciente Serviço Social Flávia J.Rodrigues de Sá Pinheiro de Melo Assistente Social Especialista em Saúde Mental e Moléstias Infecciosas - Unicamp Serviço Atenção

Leia mais

LEI Nº 3.612, DE 13/09/2012.

LEI Nº 3.612, DE 13/09/2012. LEI Nº 3.612, DE 13/09/2012. DISPÕE SOBRE A CRIAÇÃO DO PROGRAMA FAMÍLIA ACOLHEDORA E DÁ OUTRAS PROVIDÊNCIAS. O PREFEITO MUNICIPAL DE ARACRUZ, ESTADO DO ESPÍRITO SANTO, NO USO DE SUAS ATRIBUIÇÕES LEGAIS,

Leia mais

INSTRUÇÃO NORMATIVA SBE Nº. 001

INSTRUÇÃO NORMATIVA SBE Nº. 001 INSTRUÇÃO NORMATIVA SBE Nº. 001 UCCI - Unidade Central de Controle Interno SBE Sistema de Bem-Estar Social Versão: 1.0 Aprovada em: 30/12/2011 Unidade Responsável: Secretaria Municipal de Ação Social I

Leia mais

Secretaria Nacional de Assistência Social

Secretaria Nacional de Assistência Social POLÍTICA NACIONAL DE ASSISTÊNCIA SOCIAL SISTEMA ÚNICO DE ASSISTÊNCIA SOCIAL SUAS Secretaria Nacional de Assistência Social MARCOS NORMATIVOS E REGULATÓRIOS Constituição Federal 1988 LOAS 1993 PNAS 2004

Leia mais

ANEXO II DIRETRIZES DOS SERVIÇOS DAS LINHAS DE AÇÃO DO EDITAL 001/SEMFAS/FMAS/2015

ANEXO II DIRETRIZES DOS SERVIÇOS DAS LINHAS DE AÇÃO DO EDITAL 001/SEMFAS/FMAS/2015 ANEXO II DIRETRIZES DOS SERVIÇOS DAS LINHAS DE AÇÃO DO EDITAL 001/SEMFAS/FMAS/2015 LINHA DE AÇÃO I: SERVIÇO DE PROTEÇÃO SOCIAL BÁSICA DE SERVIÇO DE CONVIVÊNCIA E FORTALECIMENTO DE VÍNCULOS PARA CRIANÇAS

Leia mais

Palestra: Política Nacional de Assistência Social e Sistema Único da Assistência Social SUAS

Palestra: Política Nacional de Assistência Social e Sistema Único da Assistência Social SUAS Palestra: Política Nacional de Assistência Social e Sistema Único da Assistência Social SUAS Professores: Leonardo Martins Prudente e Adailton Amaral Barbosa Leite Brasília, Agosto de 2013 Política Nacional

Leia mais

Excelentíssimo Senhor Presidente da Câmara de Vereadores e demais Edis.

Excelentíssimo Senhor Presidente da Câmara de Vereadores e demais Edis. MENSAGEM Nº. 02/2013 Excelentíssimo Senhor Presidente da Câmara de Vereadores e demais Edis. Com nossos cordiais cumprimentos encaminhamos a V. Exa. e digníssimos Pares dessa R. Casa Legislativa, o Projeto

Leia mais

Ministério do Desenvolvimento Social e Combate à Fome POLÍTICA DE ATENDIMENTO AO IDOSO NO ÂMBITO DA ASSISTÊNCIA SOCIAL - S U A S

Ministério do Desenvolvimento Social e Combate à Fome POLÍTICA DE ATENDIMENTO AO IDOSO NO ÂMBITO DA ASSISTÊNCIA SOCIAL - S U A S POLÍTICA DE ATENDIMENTO AO IDOSO NO ÂMBITO DA ASSISTÊNCIA SOCIAL - S U A S MINISTÉRIO DO DESENVOLVIMENTO SOCIAL E COMBATE À FOME Data de Criação: 23 de janeiro de 2004. Objetivo: aumentar a intersetorialidade

Leia mais

PAIF. Programa de Atenção Integral à Família - PAIF CRAS

PAIF. Programa de Atenção Integral à Família - PAIF CRAS Ministério do Desenvolvimento Social e Combate à Fome Secretaria Nacional de Assistência Social Programa de Atenção Integral à Família - PAIF CRAS PAIF IMPORTANTE INTERRELAÇÃO ENTRE PAIF E CRAS CRAS O

Leia mais

TIPIFICAÇÃO NACIONAL DOS SERVIÇOS SOCIOASSISTENCIAIS

TIPIFICAÇÃO NACIONAL DOS SERVIÇOS SOCIOASSISTENCIAIS Curso de capacitação para o provimento de serviços e benefícios socioassistenciais do SUAS e implementação de ações do plano Brasil sem Miséria Maria Luiza João Pessoa - PB TIPIFICAÇÃO NACIONAL DOS SERVIÇOS

Leia mais

ANEXO I PROGRAMA ESTADUAL DE PROTEÇÃO SOCIAL BÁSICA E ESPECIAL, DA REDE SOCIAL SÃO PAULO

ANEXO I PROGRAMA ESTADUAL DE PROTEÇÃO SOCIAL BÁSICA E ESPECIAL, DA REDE SOCIAL SÃO PAULO ANEXO I PROGRAMA ESTADUAL DE PROTEÇÃO SOCIAL BÁSICA E ESPECIAL, DA REDE SOCIAL SÃO PAULO I- DA PROTEÇÃO SOCIAL BÁSICA. II- DA PROTEÇÃO SOCIAL ESPECIAL. III- DO CO-FINANCIAMENTO E DOS REQUISITOS, PARA O

Leia mais

Gestão e Operacionalização do Sistema Único de Assistência Social- SUAS

Gestão e Operacionalização do Sistema Único de Assistência Social- SUAS 1988 Constituição Federal Política Pública MARCO LEGAL Novos atores 1993 Lei Orgânica da Assistência Social- Novas estratégias Novas práticas LOAS 2004 Política Nacional de Assistência Social- PNAS Reordenamento

Leia mais

Proteção Social Básica para Juventude

Proteção Social Básica para Juventude Proteção Social Básica para Juventude Orientação para a implantação do Projeto Agente Jovem de Desenvolvimento Social e Humano Tem esta orientação para implantação do projeto Agente Jovem de Desenvolvimento

Leia mais

Cadastro Único: um cadastro, vários programas sociais.

Cadastro Único: um cadastro, vários programas sociais. Cadastro Único: um cadastro, vários programas sociais. Secretaria de Estado da Assistência e Desenvolvimento Social. O CADASTRO ÚNICO é a porta de entrada para os Programas Sociais do Governo Federal e

Leia mais

Ações Socioeducativas

Ações Socioeducativas AÇÕES SOCIOEDUCATIVAS NA POLÍTICA DE ASSISTÊNCIA SOCIAL Assistência Social Ações Socioeducativas Garantia dos direitos Inclusão social Desenvolvimento do protagonismo Desenvolvimento da autonomia individual

Leia mais

CENTRO DE REFERÊNCIA DE ASSISTÊNCIA SOCIAL - CRAS

CENTRO DE REFERÊNCIA DE ASSISTÊNCIA SOCIAL - CRAS CENTRO DE REFERÊNCIA DE ASSISTÊNCIA SOCIAL - CRAS Porta de entrada dos munícipes que necessitam das ações de assistência social que potencializam a família, a comunidade de referência, fortalecendo seus

Leia mais

Sistema Único de Assistência Social. Bases políticas e institucionais para o reordenamento da Assistência Social

Sistema Único de Assistência Social. Bases políticas e institucionais para o reordenamento da Assistência Social Sistema Único de Assistência Social Bases políticas e institucionais para o reordenamento da Assistência Social SUAS SISTEMA ÚNICO DE ASSISTÊNCIA SOCIAL O QUE É: O SUAS é uma ferramenta de gestão da Política

Leia mais

TEMA AS EQUIPES DE REFERÊNCIAS POR SERVIÇOS DE PROGRAMAS

TEMA AS EQUIPES DE REFERÊNCIAS POR SERVIÇOS DE PROGRAMAS TEMA AS EQUIPES DE REFERÊNCIAS POR SERVIÇOS DE PROGRAMAS Programação Primeiro Dia: I Seção Discutindo Papéis 1-8h30 às 12h30 Abertura e Boas-vindas Dinâmica de Apresentação Acordos de Convivência Trabalho

Leia mais

SECRETARIA MUNICIPAL ADJUNTA DE ASSISTÊNCIA SOCIAL SISTEMA ÚNICO DE ASSISTÊNCIA SOCIAL-SUAS TRABALHANDO EM REDE

SECRETARIA MUNICIPAL ADJUNTA DE ASSISTÊNCIA SOCIAL SISTEMA ÚNICO DE ASSISTÊNCIA SOCIAL-SUAS TRABALHANDO EM REDE SECRETARIA MUNICIPAL ADJUNTA DE ASSISTÊNCIA SOCIAL SISTEMA ÚNICO DE ASSISTÊNCIA SOCIAL-SUAS TRABALHANDO EM REDE CONCEITO DE REDE Para as Ciências Sociais: conjunto de relações sociais entre um conjunto

Leia mais

Desvelando o SUAS por meio dos conceitos de Proteção Social Básica e Especial

Desvelando o SUAS por meio dos conceitos de Proteção Social Básica e Especial Desvelando o SUAS por meio dos conceitos de Proteção Social Básica e Especial MINISTÉRIO DE DESENVOLVIMENTO SOCIAL E COMBATE À FOME Secretaria Nacional de Assistência Social Departamento de Gestão do SUAS

Leia mais

www.desenvolvimentosocial.sp.gov.br

www.desenvolvimentosocial.sp.gov.br www.desenvolvimentosocial.sp.gov.br 5.485.424 idosos - 2014 9.316.614 idosos - 2030 Fonte: Fundação SEADE Novas Demandas e Desafios Poder Público Sociedade Famílias Garantia de Direitos Proteção Social

Leia mais

Proteção Social Básica

Proteção Social Básica Proteção Social Básica Proteção Social Básica A Proteção Social Básica (PSB) atua na prevenção dos riscos por meio do desenvolvimento de potencialidades e do fortalecimento de vínculos familiares e comunitários

Leia mais

O SISTEMA ÚNICO DE ASSISTÊNCIA SOCIAL E A CENTRALIDADE NA FAMÍLIA

O SISTEMA ÚNICO DE ASSISTÊNCIA SOCIAL E A CENTRALIDADE NA FAMÍLIA O SISTEMA ÚNICO DE ASSISTÊNCIA SOCIAL E A CENTRALIDADE NA FAMÍLIA Antonia Alves Vanzetto RESUMO A Assistência Social reconhecida como Política Pública na Constituição Federal/1988, através dos artigos

Leia mais

DE ASSISTÊNCIA SOCIAL

DE ASSISTÊNCIA SOCIAL A Cartilha BENEFÍCIO BENEF ÍCIO DE PRESTAÇÃO CONTINUADA NOVA CARTILHA BPC.indd 1 B 16/11/2009 11:43:41 NOVA CARTILHA BPC.indd 2 16/11/2009 11:43:41 O QUE É O BPC O BPC, assegurado pela Constituição Federal

Leia mais

Ministério do Desenvolvimento Social e Combate à Fome Secretaria Nacional de Assistência Social

Ministério do Desenvolvimento Social e Combate à Fome Secretaria Nacional de Assistência Social Ministério do Desenvolvimento Social e Combate à Fome Secretaria Nacional de Assistência Social Instrução Operacional nº 01 SNAS/MDS. Brasília, 05 de agosto de 2014. Assunto: Orienta Estados, Municípios

Leia mais

POLÍTICAS PÚBLICAS Aula 11. Prof. a Dr. a Maria das Graças Rua

POLÍTICAS PÚBLICAS Aula 11. Prof. a Dr. a Maria das Graças Rua POLÍTICAS PÚBLICAS Aula 11 Prof. a Dr. a Maria das Graças Rua POLÍTICA NACIONAL DE ASSISTÊNCIA SOCIAL (2004) O SUAS materializa o conteúdo da LOAS, cumprindo no tempo histórico dessa Política as exigências

Leia mais

Departamento da Rede SocioassistencialPrivada do

Departamento da Rede SocioassistencialPrivada do Departamento da Rede SocioassistencialPrivada do SUAS Dados Gerais: Pesquisa das Entidades de Assistência Social Privadas sem Fins Lucrativos PEAS realizada em 2006,pormeiodeparceriaentreoMDSeoIBGE. Objeto

Leia mais

LEI Nº. 1917 LEI. Art. 2º. O Programa será vinculado ao Departamento Municipal de Ação Social e tem por objetivos:

LEI Nº. 1917 LEI. Art. 2º. O Programa será vinculado ao Departamento Municipal de Ação Social e tem por objetivos: LEI Nº. 1917 SÚMULA: Institui o Programa de Guarda Subsidiada de Crianças e Adolescentes, denominado "Programa Família Acolhedora e dá outras providências. A Câmara Municipal de Palmas, Estado do Paraná,

Leia mais

Serviços públicos destinados à pessoa idosa em Minas Gerais

Serviços públicos destinados à pessoa idosa em Minas Gerais Serviços públicos destinados à pessoa idosa em Minas Gerais Serviços instituídos pelo poder público, organizados de acordo com a parte do Estatuto do Idoso à qual estão relacionados. Serviços relacionados

Leia mais

Expediente. Produção Técnica: Esta é uma publicação técnica da Secretaria de Desenvolvimento Social e Cidadania do Município de Parnaíba.

Expediente. Produção Técnica: Esta é uma publicação técnica da Secretaria de Desenvolvimento Social e Cidadania do Município de Parnaíba. CARTILHA do CRAS PREFEITURA MUNICIPAL DE PARNAÍBA PROTEÇÃO SOCIAL BÁSICA - PSB SISTEMA ÚNICO DA ASSISTÊNCIA SOCIAL - SUAS SECRETARIA DE DESENVOLVIMENTO SOCIAL E CIDADANIA Prefeitura Municipal de Parnaíba

Leia mais

O Protocolo de Gestão Integrada e o Acompanhamento das Famílias PBF no Sicon. Encontro Regional do Congemas Região Nordeste

O Protocolo de Gestão Integrada e o Acompanhamento das Famílias PBF no Sicon. Encontro Regional do Congemas Região Nordeste O Protocolo de Gestão Integrada e o Acompanhamento das Famílias PBF no Sicon Encontro Regional do Congemas Região Nordeste Camaçari, 31 de outubro de 2012 Programa Bolsa Família Transferência de renda

Leia mais

Horário de Atendimento de segunda a sexta-feira das 8h às 12h e das 13h30 às 17h

Horário de Atendimento de segunda a sexta-feira das 8h às 12h e das 13h30 às 17h Programa e Projetos Secretaria Municipal de Assistência Social Rua José Teodoro Ramos, nº 16 - Fones (18) 3341-1412 - 3341-4681 Horário de Atendimento de segunda a sexta-feira das 8h às 12h e das 13h30

Leia mais

RESOLUÇÃO CONJUNTA CNAS/CONANDA Nº 001 DE 09 DE JUNHO DE 2010

RESOLUÇÃO CONJUNTA CNAS/CONANDA Nº 001 DE 09 DE JUNHO DE 2010 RESOLUÇÃO CONJUNTA CNAS/CONANDA Nº 001 DE 09 DE JUNHO DE 2010 Estabelece parâmetros para orientar a constituição, no âmbito dos Estados, Municípios e Distrito Federal, de Comissões Intersetoriais de Convivência

Leia mais

Sistema Único de Assistência Social

Sistema Único de Assistência Social Sistema Único de Assistência Social É a gestão da Assistência social de forma descentralizada e participativa,constituindo-se na regulação e organização em todo o território nacional das ações socioassistenciais.

Leia mais

RESOLUÇÃO Nº 109, DE 11 DE NOVEMBRO DE 2009

RESOLUÇÃO Nº 109, DE 11 DE NOVEMBRO DE 2009 RESOLUÇÃO Nº 109, DE 11 DE NOVEMBRO DE 2009 Aprova a Tipificação Nacional de Serviços Socioassistenciais. O CONSELHO NACIONAL DE ASSISTÊNCIA SOCIAL - CNAS, em reunião ordinária realizada nos dias 11 e

Leia mais

Apresentação... 3. Instruções detalhadas para preenchimento do Formulário 1... 8

Apresentação... 3. Instruções detalhadas para preenchimento do Formulário 1... 8 MINISTÉRIO DO DESENVOLVIMENTO SOCIAL E COMBATE À FOME SECRETARIA NACIONAL DE ASSISTÊNCIA SOCIAL DEPARTAMENTO DE GESTÃO DO SISTEMA ÚNICO DE ASSISTÊNCIA SOCIAL COORDENAÇÃO GERAL DE VIGILÂNCIA SOCIOASSISTENCIAL

Leia mais

Maria Tertuliana de Souza Oliveira Secretária Municipal

Maria Tertuliana de Souza Oliveira Secretária Municipal Maria Tertuliana de Souza Oliveira Secretária Municipal Assistência Social Contexto Histórico Perde o caráter Assistencialista e passa ser Direito de acordo com critérios estabelecidos por Lei ( LOAS no

Leia mais

CAPACITAÇÃO PARA CREAS E LIBERDADE CIDADÃ

CAPACITAÇÃO PARA CREAS E LIBERDADE CIDADÃ CAPACITAÇÃO PARA CREAS E LIBERDADE CIDADÃ Serviços de Proteção Social Especial de Média Complexidade: introdução e metodologias de ação do Serviço de Proteção e Atendimento Especializado a Famílias e Indivíduos

Leia mais

ESTADO DO RIO GRANDE DO SUL MUNICÍPIO DE CANOAS SECRETARIA MUNICIPAL DE DESENVOLVIMENTO SOCIAL

ESTADO DO RIO GRANDE DO SUL MUNICÍPIO DE CANOAS SECRETARIA MUNICIPAL DE DESENVOLVIMENTO SOCIAL EDITAL DE CONVOCAÇÃO Nº 01/2011 - SMDS O Município de Canoas, por meio da Secretaria Municipal de Desenvolvimento Social, torna público o presente e convida os interessados e as interessadas a apresentar

Leia mais

Faço saber que a Câmara Municipal de Queimados, APROVOU e eu SANCIONO a seguinte Lei:

Faço saber que a Câmara Municipal de Queimados, APROVOU e eu SANCIONO a seguinte Lei: LEI N.º 1135/13, DE 01 DE ABRIL DE 2013. Dispõe sobre o Sistema Municipal de Assistência Social de Queimados e dá outras providências. Faço saber que a Câmara Municipal de Queimados, APROVOU e eu SANCIONO

Leia mais

PROTEÇÃO SOCIAL BÁSICA DO SUAS

PROTEÇÃO SOCIAL BÁSICA DO SUAS PROTEÇÃO SOCIAL BÁSICA DO SUAS CRAS Centro de Referência de Assistência Social PÚBLICO-ALVO: A PROTEÇÃO SOCIAL BÁSICA B DO SUAS Famílias, seus membros e indivíduos em situação de vulnerabilidade social

Leia mais

QUESTIONÁRIO DO PROGRAMA BOLSA FAMÍLIA MUNICÍPIO: ESTADO: DATA: / / PROGRAMA BOLSA FAMÍLIA

QUESTIONÁRIO DO PROGRAMA BOLSA FAMÍLIA MUNICÍPIO: ESTADO: DATA: / / PROGRAMA BOLSA FAMÍLIA QUESTIONÁRIO DO PROGRAMA BOLSA FAMÍLIA Este questionário tem por objetivo fazer com que a sociedade participe da gestão pública, exercendo controle sobre as despesas efetuadas e orientando aos órgãos do

Leia mais

1 livro Tipificação Nacional.indd 1 19/1/2010 15:30:48

1 livro Tipificação Nacional.indd 1 19/1/2010 15:30:48 1 RESOLUÇÃO Nº 109, DE 11 DE NOVEMBRO DE 2009 Aprova a Tipificação Nacional de Serviços Socioassistenciais. O Conselho Nacional de Assistência Social (CNAS), em reunião ordinária realizada nos dias 11

Leia mais

INSTITUCIONAL PARA CRIANÇAS E ADOLESCENTES

INSTITUCIONAL PARA CRIANÇAS E ADOLESCENTES ANEXO I ROTEIRO PARA INSPEÇÃO PERÍODICA 1 DOS SERVIÇOS DE ACOLHIMENTO Data: / / INSTITUCIONAL PARA CRIANÇAS E ADOLESCENTES Modalidade: ( ) Acolhimento Institucional ( ) Casa Lar 1 - DADOS GERAIS 1.1. Nome

Leia mais

PORTARIA NORMATIVA INTERMINISTERIAL Nº- 17, DE 24 DE ABRIL DE 2007

PORTARIA NORMATIVA INTERMINISTERIAL Nº- 17, DE 24 DE ABRIL DE 2007 PORTARIA NORMATIVA INTERMINISTERIAL Nº- 17, DE 24 DE ABRIL DE 2007 Institui o Programa Mais Educação, que visa fomentar a educação integral de crianças, adolescentes e jovens, por meio do apoio a atividades

Leia mais

Secretaria de Desenvolvimento Social e Direitos Humanos Secretaria Executiva de Desenvolvimento e Assistência Social Gerência de Planejamento,

Secretaria de Desenvolvimento Social e Direitos Humanos Secretaria Executiva de Desenvolvimento e Assistência Social Gerência de Planejamento, Secretaria de Desenvolvimento Social e Direitos Humanos Secretaria Executiva de Desenvolvimento e Assistência Social Gerência de Planejamento, Projetos e Capacitação Ministério do Desenvolvimento Social

Leia mais

Tipificação Nacional de Serviços Socioassistenciais

Tipificação Nacional de Serviços Socioassistenciais 1 Ministério do Desenvolvimento Social e Combate à Fome Secretaria Nacional de Assistência Social Tipificação Nacional de Serviços Socioassistenciais Documento Base Fichas de Serviços Brasília Junho de

Leia mais

Guias e Manuais. Exercendo o. Controle Social. do Programa Bolsa Família. Programa Bolsa Família

Guias e Manuais. Exercendo o. Controle Social. do Programa Bolsa Família. Programa Bolsa Família Guias e Manuais 2010 Exercendo o Controle Social do Programa Bolsa Família Programa Bolsa Família Ministério do Desenvolvimento Social e Combate à Fome (MDS) Exercendo o Controle Social do Programa Bolsa

Leia mais

ESTA PALESTRA NÃO PODERÁ SER REPRODUZIDA SEM A

ESTA PALESTRA NÃO PODERÁ SER REPRODUZIDA SEM A ESTA PALESTRA NÃO PODERÁ SER REPRODUZIDA SEM A REFERÊNCIA DO AUTOR Irma Martins Moroni da Silveira FALAR DA CONTEMPORANEIDADE É REFLETIR SOBRE O TEMPO PRESENTE Falar do hoje da Assistência Social; Como

Leia mais

Serviços de Proteção Social Básica Dados sobre os serviços de Proteção Social Básica

Serviços de Proteção Social Básica Dados sobre os serviços de Proteção Social Básica SECRETARIA MUNICIPAL DE POLITICAS SOCIAIS SECRETARIA MUNICIPAL ADJUNTA DE ASSISTÊNCIA SOCIAL Belo Horizonte, 05 de fevereiro de 2010. Prezado Senhor, A Secretaria Municipal Adjunta de Assistência Social,

Leia mais

Conselho Municipal de Assistência Social Americana - São Paulo

Conselho Municipal de Assistência Social Americana - São Paulo 1 ORGANIZAÇÕES NÃO GOVERNAMENTAIS INSCRITAS NO CMAS (2011) 1. ATENDIMENTO SERVIÇOS DE PROTEÇÃO SOCIAL (Conforme Tipificação Nacional de Serviços Socioassistenciais) 1.1. PROTEÇÃO SOCIAL BÁSICA SERVIÇO

Leia mais

VIII Jornada de Estágio de Serviço Social: instrumentais técnico-operativos no Serviço Social. CRAS CONSULESA HELENA VAN DEN BERG - CASTRO/ PARANÁ

VIII Jornada de Estágio de Serviço Social: instrumentais técnico-operativos no Serviço Social. CRAS CONSULESA HELENA VAN DEN BERG - CASTRO/ PARANÁ VIII Jornada de Estágio de Serviço Social: instrumentais técnico-operativos no Serviço Social. CRAS CONSULESA HELENA VAN DEN BERG - CASTRO/ PARANÁ DUCHEIKO, Angelina do Rocio 1 RODRIGUES, Camila Moreira

Leia mais

Art. 2 O Sistema Municipal de Assistência Social de Mangueirinha SUAS é regido pelos seguintes princípios:

Art. 2 O Sistema Municipal de Assistência Social de Mangueirinha SUAS é regido pelos seguintes princípios: LEI Nº 1720/2012 Dispõe sobre o Sistema Municipal de Assistência Social de Mangueirinha SUAS (Sistema Único de Assistência Social). Faço saber, que a Câmara Municipal de Mangueirinha, Estado do Paraná

Leia mais

As entidades e organizações da Assistência Social no Sistema Único de Assistência Social

As entidades e organizações da Assistência Social no Sistema Único de Assistência Social Ministério do Desenvolvimento Social e Combate à Fome Secretaria Nacional de Assistencia Social Departamento da Rede Socioassistencial Privada do SUAS As entidades e organizações da Assistência Social

Leia mais

Presidência da República Casa Civil Subchefia para Assuntos Jurídicos

Presidência da República Casa Civil Subchefia para Assuntos Jurídicos Conversão da MPv nº 411-07 Presidência da Dispõe sobre o Programa Nacional de Inclusão de Jovens - Projovem, instituído pela Lei n o 11.129, de 30 de junho de 2005; altera a Lei n o 10.836, de 9 de janeiro

Leia mais

Departamento de Assistência Social DAS Unidade Brasília

Departamento de Assistência Social DAS Unidade Brasília Departamento de Assistência Social DAS Unidade Brasília Programas e Serviços de Atenção à População em Situação de Vulnerabilidade Social, Econômica e Pessoal Brasília, Maio de 2013. Apresentação A Federação

Leia mais

UNIDADES E MODALIDADES DO PROJETO ESPORTE PELA PAZ

UNIDADES E MODALIDADES DO PROJETO ESPORTE PELA PAZ UNIDADES E MODALIDADES DO PROJETO ESPORTE PELA PAZ MODALIDADE: BODYBOARD COLABORADOR: Centro de Treinamento de Bodyboard - Instituto Maylla Venturin ENDEREÇO: Rua Terezina, nº85 BAIRRO: Jacaraípe COLABORADOR:

Leia mais

FAS. O jeito Curitiba de tecer o futuro.

FAS. O jeito Curitiba de tecer o futuro. FAS. O jeito Curitiba de tecer o futuro. FAS 01 FAS 02 PALAVRA DA PRESIDENTE Em 2005, diante da tarefa de implantar o Sistema Único de Assistência Social em Curitiba junto com toda a equipe da FAS, definimos

Leia mais

ESPECIAL O LUGAR DO ATENDIMENTO ESPECIALIZADO NO SUAS

ESPECIAL O LUGAR DO ATENDIMENTO ESPECIALIZADO NO SUAS PROTEÇÃO SOCIAL ESPECIAL O LUGAR DO ATENDIMENTO ESPECIALIZADO NO SUAS Departamento de Proteção Social Especial Secretaria Nacional de Assistência Social Ministério do Desenvolvimento Social e Combate à

Leia mais

APROXIMAÇÕES À POLÍTICA PÚBLICA DE ASSISTÊNCIA SOCIAL

APROXIMAÇÕES À POLÍTICA PÚBLICA DE ASSISTÊNCIA SOCIAL Defensoria Pública do Estado de São Paulo APROXIMAÇÕES À POLÍTICA PÚBLICA DE ASSISTÊNCIA SOCIAL Daiane S. Rennó (org.) de Infância e Juventude São Paulo 2010 A Assistência Social enquanto dever do Estado

Leia mais

Núcleo de Pós-Graduação Pitágoras. Escola Satélite. Professora: Roberta Sant André. Curso de Especialização

Núcleo de Pós-Graduação Pitágoras. Escola Satélite. Professora: Roberta Sant André. Curso de Especialização Núcleo de Pós-Graduação Pitágoras Núcleo de Escola Satélite Pós-Graduação Pitágoras Curso de Especialização Escola Satélite em Política de Assistência Social e Gestão Suas Professora: Roberta Sant André

Leia mais

Nota Técnica. Conceitos da Vigilância Socioassistencial Nº 01. Curitiba, PR. Junho de 2014. Coordenação da Gestão do SUAS

Nota Técnica. Conceitos da Vigilância Socioassistencial Nº 01. Curitiba, PR. Junho de 2014. Coordenação da Gestão do SUAS Nota Técnica Conceitos da Vigilância Socioassistencial Nº 01 Curitiba, PR. Junho de 2014 Coordenação da Gestão do SUAS Conceitos da Vigilância Socioassistencial Finalidade: Considerando a importância da

Leia mais

CADERNO DE PROVA FUNÇÃO: COORDENADOR PROCESSO SELETIVO SIMPLIFICADO EDITAL 01/2014 PREFEITURA MUNICIPAL DE BARÃO DE COCAIS/MG INSTRUÇÕES:

CADERNO DE PROVA FUNÇÃO: COORDENADOR PROCESSO SELETIVO SIMPLIFICADO EDITAL 01/2014 PREFEITURA MUNICIPAL DE BARÃO DE COCAIS/MG INSTRUÇÕES: PROCESSO SELETIVO SIMPLIFICADO EDITAL 01/2014 PREFEITURA MUNICIPAL DE BARÃO DE COCAIS/MG CADERNO DE PROVA FUNÇÃO: COORDENADOR NOME: DATA: / / INSCRIÇÃO Nº: CPF ou RG: INSTRUÇÕES: 1. Você recebeu sua folha

Leia mais

III- DADOS DO PRESIDENTE

III- DADOS DO PRESIDENTE PLANO DE AÇÃO 2014 I- IDENTIFICAÇÃO Nome: Associação dos Deficientes Físicos de Lençóis Paulista - ADEFILP Endereço: Pernambuco, 333, Jardim Cruzeiro Lençóis Paulista SP CEP 18680470 Telefone: (014) 3264-9700

Leia mais

TIPIFICAÇÃO NACIONAL DOS SERVIÇOS SOCIOASSISTENCIAIS

TIPIFICAÇÃO NACIONAL DOS SERVIÇOS SOCIOASSISTENCIAIS TIPIFICAÇÃO NACIONAL DOS SERVIÇOS SOCIOASSISTENCIAIS Condicionantes históricos da construção da tipificação Trajetória histórica da política de assistência social no Brasil; Cultura política baseada no

Leia mais

SAS P R E F E I T U R A M U N I C I PA L S E C R E T A R I A M U N I C I PA L D E P O L Í T I C A S E A Ç Õ E S S O C I A I S E C I D A D A N I A

SAS P R E F E I T U R A M U N I C I PA L S E C R E T A R I A M U N I C I PA L D E P O L Í T I C A S E A Ç Õ E S S O C I A I S E C I D A D A N I A SAS S E C R E T A R I A M U N I C I PA L D E P O L Í T I C A S E A Ç Õ E S S O C I A I S E C I D A D A N I A CCI Vovó Zizá P R E F E I T U R A M U N I C I PA L DE CAMPO GRANDE SAS S E C R E TA R I A M

Leia mais

SBE-01 H- ATENDIMENTO CRAS (CENTRO DE REFERÊNCIA SOCIAL) 04 UNIDADE RESPONSÁVEL INÍCIO DA VIGÊNCIA

SBE-01 H- ATENDIMENTO CRAS (CENTRO DE REFERÊNCIA SOCIAL) 04 UNIDADE RESPONSÁVEL INÍCIO DA VIGÊNCIA INSTRUÇÃO NORMATIVA Nº SBE-01-H/2014 Data: 20/09/2014 Versão: Original 01 SISTEMA ADMINISTRATIVO SBE SISTEMA DE BEM ESTAR SOCIAL 02 ASSUNTO SBE-01 H- ATENDIMENTO CRAS (CENTRO DE REFERÊNCIA SOCIAL) 03 SETORES

Leia mais

Ministério do Desenvolvimento Social e Combate à Fome PETI. Programa de Erradicação do Trabalho Infantil

Ministério do Desenvolvimento Social e Combate à Fome PETI. Programa de Erradicação do Trabalho Infantil Ministério do Desenvolvimento Social e Combate à Fome PETI Programa de Erradicação do Trabalho Infantil Brasil livre do trabalho infantil, todos juntos nesse desafio! O Governo Federal e a sociedade brasileira

Leia mais

Prefeitura Municipal de Valente-BA PODER EXECUTIVO

Prefeitura Municipal de Valente-BA PODER EXECUTIVO ANO. 2013 DO MUNICÍPIO DE VALENTE - BAHIA 1 A Prefeitura Municipal de Valente, Estado Da Bahia, Visando a Transparência dos Seus Atos Vem PUBLICAR. LEI N.º 606/13, DE 12 DE DEZEMBRO DE 2013 Regulamenta

Leia mais

GOVERNO DO ESTADO DA BAHIA SECRETARIA DE DESENVOLVIMENTO SOCIAL E COMBATE À POBREZA SEDES SUPERINTENDÊNCIA DE ASSISTÊNCIA SOCIAL SAS NOTA TÉCNICA

GOVERNO DO ESTADO DA BAHIA SECRETARIA DE DESENVOLVIMENTO SOCIAL E COMBATE À POBREZA SEDES SUPERINTENDÊNCIA DE ASSISTÊNCIA SOCIAL SAS NOTA TÉCNICA GOVERNO DO ESTADO DA BAHIA SECRETARIA DE DESENVOLVIMENTO SOCIAL E COMBATE À POBREZA SEDES SUPERINTENDÊNCIA DE ASSISTÊNCIA SOCIAL SAS NOTA TÉCNICA COFINANCIAMENTO DO SUAS O Sistema Único de Assistência

Leia mais

Financiamento no Sistema Único de Assistência Social

Financiamento no Sistema Único de Assistência Social Financiamento no Sistema Único de Assistência Social Fundo Nacional de Assistência Social SUAS- FNAS SUAS MÉDIA COMPLEXIDADE ALTA COMPLEXIDADE BÁSICO abrigos albergues Cuidado no domicílio CENTRAIS DE

Leia mais

Aplicações da Metodologia de Atendimento Sistêmico já realizadas por profissionais/alunos, nos cursos ministrados pela EquipSIS

Aplicações da Metodologia de Atendimento Sistêmico já realizadas por profissionais/alunos, nos cursos ministrados pela EquipSIS Aplicações da Metodologia de Atendimento Sistêmico já realizadas por profissionais/alunos, nos cursos ministrados pela EquipSIS Sônia Vieira Coelho Em todos os cursos de ASFRS ministrados pela EquipSIS,

Leia mais

CENTRO DE APOIO OPERACIONAL DAS PROMOTORIAS DE JUSTIÇA DE DEFESA DOS DIREITOS HUMANOS

CENTRO DE APOIO OPERACIONAL DAS PROMOTORIAS DE JUSTIÇA DE DEFESA DOS DIREITOS HUMANOS CENTRO DE APOIO OPERACIONAL DAS PROMOTORIAS DE JUSTIÇA DE DEFESA DOS DIREITOS HUMANOS Rua Dias Adorno, 367, 6 andar, Bairro Santo Agostinho, CAPITAL CEP: 30 190 100 Telefax: 31 3330 8394 e-mail: caodh@mp.mg.gov.br

Leia mais

PRESTAÇÃO DE CONTAS PÚBLICAS PREFEITURA MUNICIPAL DE BAIÃO

PRESTAÇÃO DE CONTAS PÚBLICAS PREFEITURA MUNICIPAL DE BAIÃO PRESTAÇÃO DE CONTAS PÚBLICAS PREFEITURA MUNICIPAL DE BAIÃO SECRETARIA MUNICIPAL DE ASSISTENCIA SOCIAL DE BAIÃO-PA. Secretária Eliana do Couto da Rocha JANEIRO - 2015 ASSISTÊNCIA SOCIAL ASSISTÊNCIA SOCIAL

Leia mais

Guia de Serviços de Assistência Social de Itapetininga

Guia de Serviços de Assistência Social de Itapetininga versão 2 Guia de Serviços de Assistência Social de Itapetininga SECRETARIA DE PROMOÇÃO SOCIAL PREFEITURA DE ITAPETININGA w w w. i t a p e t i n i n g a. s p. g o v. b r (15) 3376.9600 Praça dos Três Poderes,

Leia mais

A PEDAGOGIA NO COMBATE AO TRABALHO INFANTIL NO MUNICÍPIO DE BOA VISTA

A PEDAGOGIA NO COMBATE AO TRABALHO INFANTIL NO MUNICÍPIO DE BOA VISTA A PEDAGOGIA NO COMBATE AO TRABALHO INFANTIL NO MUNICÍPIO DE BOA VISTA Lysne Nôzenir Camelo de Lima Universidade de Alcalá de Henares-Espanha lysne.lima@gmail.com Resumo: O trabalho infantil expõe as crianças

Leia mais

RELAÇÃO DE BAIRROS PARA ENTREGA

RELAÇÃO DE BAIRROS PARA ENTREGA RELAÇÃO DE S PARA ENTREGA 01/08 Alagoano Alecrim Alterosas Alto Lage Alvorada Andorinhas André Carloni Antonio Honório Araças Argolas Aribiri Ataíde Atalaia Barcelona Bairro de Fátima Barro Branco Barro

Leia mais

IDENTIFICAÇÃO. Espírita. ENDEREÇO: Rua Joaquim Pires de Miranda SN Vila Grimpas Hidrolândia-GO. CEP: 75340-000.

IDENTIFICAÇÃO. Espírita. ENDEREÇO: Rua Joaquim Pires de Miranda SN Vila Grimpas Hidrolândia-GO. CEP: 75340-000. IDENTIFICAÇÃO INSTITUIÇÃO PROPONENTE: PROJETO CRESCER CHICO XAVIER - Obra Social do Centro Espírita Eurípedes Barsanulfo CNPJ: 26 943 563/0001-07 ENDEREÇO: Rua Joaquim Pires de Miranda SN Vila Grimpas

Leia mais

PREFEITURA DE MONTES CLAROS SECRETARIA MUNCIPAL DE PLANEJAMENTO E GESTÃO

PREFEITURA DE MONTES CLAROS SECRETARIA MUNCIPAL DE PLANEJAMENTO E GESTÃO 1ª RETIFICAÇÃO DO EDITAL Nº 004/2014 PROCESSO SELETIVO SIMPLIFICADO PARA CONTRATAÇÃO TEMPORÁRIA DE PESSOAL PARA ATENDER A RECENSEAMENTO DO PROGRAMA BOLSA FAMÍLIA E A DIVERSOS OUTROS PROGRAMAS E SERVIÇOS

Leia mais

Prezada, NOTA TÉCNICA 001/2012 1 _ Recursos da Assistência Social_ Atualizada com a Resolução Nº 32/2011 do CNAS e com o Decreto 7.636/2011.

Prezada, NOTA TÉCNICA 001/2012 1 _ Recursos da Assistência Social_ Atualizada com a Resolução Nº 32/2011 do CNAS e com o Decreto 7.636/2011. Prezada, NOTA TÉCNICA 001/2012 1 _ Recursos da Assistência Social_ Atualizada com a Resolução Nº 32/2011 do CNAS e com o Decreto 7.636/2011. Florianópolis, 22 de fevereiro de 2012. Interessados: Setores

Leia mais

Aprova o Regimento Interno do Centro de Referência de Assistência Social - CRAS. D E C R E T A:

Aprova o Regimento Interno do Centro de Referência de Assistência Social - CRAS. D E C R E T A: DECRETO N 1.289, DE 28 DE AGOSTO DE 2014. Aprova o Regimento Interno do Centro de Referência de Assistência Social - CRAS. O PREFEITO MUNICIPAL DE DOURADOS, Estado de Mato Grosso do Sul, no uso das atribuições

Leia mais