LUBRIFICANTE SUSTENTÁVEL CASO IPIRANGA F1 MASTER PERFORMANCE VERDE

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "LUBRIFICANTE SUSTENTÁVEL CASO IPIRANGA F1 MASTER PERFORMANCE VERDE"

Transcrição

1 LUBRIFICANTE SUSTENTÁVEL CASO IPIRANGA F1 MASTER PERFORMANCE VERDE Fernanda R. da Silva 1, Roberta M. Teixeira 1, Sergio L. C. Viscardi 1, Marcelo G. Araújo 2, Thiago L. Trecenti 3 1 Ipiranga Produtos de Petróleo S.A., 2 Lubrizol do Brasil Aditivos Ltda., 3 Lwart Lubrificantes Ltda. Resumo A filosofia do desenvolvimento sustentável do Ultra se manifesta por meio das mais diversas ações em todas as empresas do grupo, o que não seria diferente com a Ipiranga que trabalha continuamente no desenvolvimento de produtos menos poluentes e de menor agressão ao meio ambiente. E foi a partir dessa filosofia que surgiu o lubrificante Ipiranga F1 Master Performance Verde, produto pioneiro em seu segmento desenvolvido sob o conceito de sustentabilidade, que cada vez mais tem sido incorporado pela Ipiranga na condução equilibrada das suas ações de desenvolvimento de produtos sustentáveis aliados à qualidade e a performance superior. Para isso foram convidados dois parceiros essenciais para o desenvolvimento do projeto: a Lwart Lubrificantes, empresa do ramo de rerrefino de óleo básico, responsável pelo desenvolvimento de uma nova geração de óleo básico diferenciado e único no mercado brasileiro óleo básico rerrefinado Grupo II, e a Lubrizol Corporation, através da sua subsidiaria no Brasil, fornecedora do aditivo de alta tecnologia presente na formulação do lubrificante que permite entregar ao consumidor final benefícios como redução no consumo de combustível e um menor nível de emissão de poluentes. À Ipiranga coube o desenvolvimento do conceito do produto verde aliando a ele uma embalagem inovadora composta por exclusiva matéria-prima de origem vegetal. Para chancelar toda a tecnologia envolvida, o lubrificante ganhou a certificação da American Petroleum Institute além da incorporação da tecnologia Nano ARMOR TM presente na linha de lubrificantes Ipiranga F1 Master. Aplicabilidade Lubrificante automotivo para motores de veículos a gasolina, etanol, flex e gás natural veicular de alta tecnologia. 1

2 Objetivo Desenvolver um lubrificante de alta tecnologia e sustentável que estivesse aliado à necessidade do consumidor final em buscar opções de produtos mais amigáveis ao meio ambiente. 1. Desenvolvimento do tema A Ipiranga sempre foi conhecida por ser uma empresa pioneira no seu segmento, com propostas inovadoras que agregassem conveniência e serviço junto aos seus consumidores finais. Em 2013 a Ipiranga formalizou a sua adesão como signatária do Pacto Global, uma iniciativa da Organização das Nações Unidas que reúne empresas, instituições e a sociedade civil para promover o crescimento sustentável e consciência cívica. Como resultado a Ipiranga lançou para a sua rede de franqueados o projeto do Posto Ecoeficiente. Esse projeto foi a base de todo o desenvolvimento sustentável que hoje permeia o dia a dia da empresa e de seus colaboradores, através da adoção de uma postura de preservação ambiental de forma economicamente viável utilizando os recursos naturais disponíveis de maneira mais consciente e eficiente. Pensando em agregar cada vez mais serviços ao posto e atender a crescente demanda do consumidor, ávido por produtos cada vez mais ecológicos, é que surgiu o projeto do lubrificante Ipiranga F1 Master Performance Verde. A concepção do produto começou com a busca por tecnologias disponíveis que conferissem ao lubrificante o aspecto verde e pudessem entregar ao consumidor final benefícios, sejam eles ambientais ou de desempenho. Ao mesmo tempo em que a concepção do produto começava a despontar em nosso escritório, uma parceria entre a Ipiranga e a Lwart Lubrificantes, maior rerrefinadora de óleo básico do país, estava tomando forma: a coleta de óleo usado em nossos postos de serviços e em nossa rede de varejo. Por que então não transformar esse resíduo em um novo produto? Afinal, nada seria mais sustentável do que devolver a nossa cadeia de distribuição um resíduo perigoso que seria descartado no meio ambiente. 2

3 Enquanto a área de Qualidade da Lwart e Pesquisa & Inovação da Ipiranga trabalhavam para buscar um óleo básico que pudesse atender a demanda tecnológica do novo produto, as áreas de Marketing e de Mercado buscavam conhecer melhor o consumidor de produtos verdes. Pesquisa realizada no ano de 2011 pela Landor Associates, líder global em consulta de marca e design, sobre o mercado de marcas verdes em todo mundo com consumidores em oito diferentes países, incluindo o Brasil, revelou que os consumidores estão cada vez mais preocupados com as questões ambientais. No Brasil, o estudo mostrou dados interessantes que comprovam essa crescente demanda: 74% dos brasileiros entrevistados disseram que ambientalmente responsável é um importante atributo para um produto e 77% estariam dispostos a pagar mais por um produto verde. Entretanto atributos como confiança e produtos/serviços de alta qualidade ainda possuem peso importante no processo de escolha do consumidor. Matérias, como a publicada na Revista Época, ajudaram a pautar o trabalho de concepção do nosso lubrificante demonstrando a crescente demanda por produtos verdes, porém ressaltando que é necessária uma comunicação mais eficaz focada na entrega de benefícios ao consumidor de uma forma mais próxima e na importância do reconhecimento dos atributos que se deseja comunicar, principalmente através de certificadoras independentes que aumentem a credibilidade do produto. Com isso partimos para mais uma etapa do desenvolvimento que foi a busca de uma formulação que contribuísse com a sustentabilidade do produto, mas que também pudesse resultar em um ganho para o consumidor final e que pudesse receber a chancela de algum órgão certificador. A partir desse momento o projeto teve a adesão do segundo parceiro com a entrada da Lubrizol, responsável pelo desenvolvimento da tecnologia do aditivo presente no lubrificante. Conjuntamente com as demais equipes já envolvidas, buscou-se por uma opção de aditivação que também pudesse incorporar ao lubrificante o atributo de economia de combustível. O toque final ficou por conta do novo conceito de embalagem verde com a utilização de uma nova matéria prima derivada de cana-de-açúcar, e chancelas especiais que corroboraram em agregar ainda mais valor ao lubrificante. 3

4 1.1. Sustentabilidade As práticas de coleta e rerrefino de óleo lubrificante usado ou contaminado são percebidas hoje como um processo sustentável e cada vez mais importante no cenário mundial, por ser uma forma de preservar os recursos não renováveis como o petróleo e, devolver a utilidade ao produto, tornando-o nobre novamente. O rerrefino é um processo industrial que extrai a parte degradada do óleo lubrificante usado ou contaminado. Desta forma, resgata a base mineral original do produto e o deixa pronto para ser formulado e voltar ao mercado como produto acabado. Figura 1 Cadeia de rerrefino do produto Alguns fatores têm contribuído para tornar o rerrefino mais conhecido e para conscientizar o mercado de que o óleo mineral básico, resultante deste processo, é um produto de alta qualidade e com todas as características necessárias para a formulação da maior parte dos óleos lubrificantes acabados. Novas tecnologias são desenvolvidas e adicionadas à cadeia elevando ainda mais a qualidade do óleo básico rerrefinado, como é o caso do hidro-tratamento demonstrado na figura 1. Outra reflexão sobre o benefício do reaproveitamento do óleo lubrificante usado ou contaminado no Brasil é que o rerrefino representa uma excelente alternativa ao fato do país não ser autossuficiente na produção de óleo básico a partir de petróleo. Atualmente, o volume de óleo rerrefinado é necessário ao país para complementar a demanda total. Desta maneira, este processo permite a redução de custos em razão da diminuição do volume a ser importado. 4

5 Cada vez mais, observamos que atitudes ecologicamente corretas e produtos que, de alguma forma tenham este apelo, ganham a confiança dos consumidores e mudam a maneira das empresas fazerem negócios para garantir uma cadeia produtiva sustentável. O retorno dos bens de pós-venda e pós-consumo ao ciclo produtivo agrega valor à marca e o grande desafio atual para as empresas é desenvolver processos e produtos baseados na gestão sustentável. A tecnologia investida pela Lwart Lubrificantes iniciou uma nova etapa para a indústria nacional de lubrificantes sendo a primeira empresa a produzir óleos básicos do Grupo II no Brasil, usando como matéria prima o óleo lubrificante usado, um resíduo perigoso. Em tempos em que a consciência ambiental está tão forte e destacada, é muito gratificante colocar no mercado um produto de excelente qualidade oriundo de um resíduo que, se não for destinado corretamente, pode trazer danos irreparáveis ao meio ambiente. Os óleos básicos GII da Lwart Lubrificantes enquadram-se na classificação internacional API, conforme figura 2, apresentado alto teor de saturados, baixo teor de enxofre, o que lhe confere características como excelente estabilidade à temperatura, estabilidade à oxidação e baixo ponto de fluidez. Essa evolução na qualidade dos óleos básicos produzidos contribui para a evolução dos lubrificantes e dar maior flexibilidade às formulações. Classificação dos Óleos Básicos (API) Categoria Teor de Saturados Teor de Enxofre Índice de Óleo Básico (% peso) (% peso) Viscosidade Grupo I <= 90 >= 0,03 80 a 119 Grupo II >90 <0,03 80 a 119 Grupo III >90 <0,03 >= 120 Grupo IV Grupo V PAOs (Polialfaolefinas) ésteres sintéticos / óleo naftênicos / outros Figura 2 Classificação de óleo básico O processo de rerrefino utilizado para produção do GII é muito amigável ao meio ambiente, uma vez que não há geração de resíduos. Após a recuperação da fração de óleo básico mineral (aproximadamente 70%), todos os contaminantes removidos geram subprodutos que são utilizados em etapas do próprio processo (ex. frações leves que são utilizadas como combustível no aquecimento da unidade) ou em outros processos industriais (ex. asfalto que é utilizado na 5

6 indústria de pavimentação e impermeabilização). Toda água utilizada é tratada em estação de tratamento de efluentes antes de ser reutilizada ou devolvida a um corpo hídrico dentro dos padrões estabelecidos pelos órgãos reguladores. O desenvolvimento do produto Ipiranga F1 Master Performance Verde certificou que é possível fechar o ciclo de vida do produto. Transformar um resíduo perigoso em um produto nobre, devolver ao mercado um produto tão bom quanto o originalmente utilizado e ser utilizado na formulação de um produto de alto desempenho, mostra que é possível fechar o ciclo de vida do produto com chave de ouro Benefícios ao consumidor Proteção Ambiental A tecnologia desenvolvida pela Lubrizol Corporation e utilizada no Ipiranga F1 Master Performance Verde foi projetada visando adequar o balanço entre elevada proteção, ser ambientalmente correto e agregar benefícios ao consumidor final. Um componente largamente utilizado no segmento de lubrificação automotiva é o zinco dialquilditiofosfato, ou ZDDP como é conhecido. É uma das moléculas mais eficazes em proteção antidesgaste, porém, o fósforo presente em sua composição, compromete o catalisador de emissões veiculares. O papel desse catalisador é crucial para possibilitar uma combustão menos prejudicial ao meio ambiente com subprodutos de menor ou, dependendo do caso, zero impacto ambiental. Figura 3 Volatilização e depósito de fósforo no catalisador 6

7 A engenharia aplicada para o desenvolvimento da tecnologia considera 40% menos fósforo no catalisador quando comparado aos ZDDPs convencionais, figura 3, conferindo ao lubrificante uma ação ecologicamente superior ao reduzir a quantidade de agentes de envenenamento, o que garante que o catalisador trabalhe de maneira eficiente Economia de Recursos Ambientais Além da redução no impacto ambiental, o Ipiranga F1 Master Performance Verde garante outro benefício igualmente importante: economia de combustível. Através de uma nova tecnologia de modificadores de atrito (friction modifier), que maximiza a economia de combustível e reduz a dependência sobre os combustíveis fósseis, outros ganhos são adicionados como a redução da emissão de CO 2 proveniente da queima do combustível. O atributo de redução no consumo de combustível, comprovado pelo teste Sequência VID, resultou em uma nova classificação credenciada pela American Petroleum Institute, a ILSAC GF-5, que utiliza o selo de Conservação de Recursos ou Resource Conserving como evidência de que o lubrificante está adequado ao mais alto nível de requerimento técnico em lubrificante automotivo, como demonstrado pelo gráfico aranha da figura 4. Figura 4 Especificação de economia de combustível ILSAC GF-5 7

8 1.3. Desenvolvimento do produto final A sustentabilidade ainda é algo distante do que vivemos, e no mercado de derivados de petróleo esse abismo é ainda maior. A estratégia de comunicação e lançamento do produto pela Ipiranga teve o intuito de diminuir essa distância. Para que o consumidor final tivesse conhecimento do produto e ao mesmo tempo associá-lo a imagem de sustentabilidade, optou-se por trabalhar com um frasco que fosse de fácil identificação e agregasse se mais valor a cadeia de sustentabilidade. Na composição da sua embalagem foi utilizado um novo desenvolvimento de polietileno verde I m green TM, fruto da combinação de inovação, tecnologia e sustentabilidade. Essa nova tecnologia, de propriedade da Braskem, é um polímero produzido através de uma matéria prima renovável (cana-de-açúcar), diferente dos polímeros convencionais que utilizam tradicionalmente o petróleo como fonte primária. A presença em 30% deste novo polímero verde na embalagem do produto não alterou as propriedades, desempenho e versatilidade em comparação a uma embalagem com 100% do plástico original, o que permite que passe dentro da mesma cadeia de reciclagem, figura 5. Figura 5 Cadeia do polímero verde 8

9 Como forma de agregar mais valor ao lubrificante buscamos selos e chancelas que pudessem contribuir com a imagem de alta tecnologia que queríamos transmitir ao produto. A American Petroleum Institute é uma das organizações mais antigas existentes no mercado de petróleo, onde seus membros são, em grande parte, fabricantes de óleos e fornecedores de aditivos. Junto com outras organizações do mercado de lubrificante, lançou em 1993 um programa de licenciamento e certificação de óleo independente: o EOLCS Engine Oil Licensing and Certification System, o programa mais reconhecido no mercado e que certifica em todo o mundo (está presente em mais de 50 países) óleos lubrificantes que atendam aos requisitos especificados nos diversos testes de desempenho estabelecidos pelos fabricantes de veículos e organizações mundiais como ASTM e SAE. Os símbolos que atestam a qualidade do óleo lubrificante, figura 6, hoje podem ser encontrados em mais de produtos por todo o mundo e o Ipiranga F1 Master Performance Verde é um deles. Figura 6 Starburst e Donut API Mas não é só dessa certificação que é feito o nosso lubrificante verde. Com a exclusiva tecnologia Nano ARMOR TM, que cria uma armadura de proteção extra para o motor utilizando os preceitos da nanotecnologia para proporcionar ao lubrificante máxima proteção contra o atrito e o desgaste. Seu conceito está fundamentado na interação dos diversos constituintes da tecnologia Ipiranga com os componentes a serem protegidos, onde, suas pequenas moléculas modificadas atuam sobre as peças metálicas que compõem o motor aderindo à sua superfície formando uma cobertura sem interrupção minimizando assim o desgaste entre as peças. 9

10 Além da proteção, os aditivos presentes no Nano ARMOR TM também exercem outras funções importantes para o motor: remoção das sujeiras e depósitos formados, neutralização dos ácidos nocivos e quebra dos radicais livres. O balanço entre as diversas tecnologias empregadas no desenvolvimento do Ipiranga F1 Master Performance Verde representa o diferencial de inovação da Ipiranga, permitindo o surgimento de uma nova geração de produto: o lubrificante verde, figuras 7 e 8. Figura 7 Rótulo do produto Ipiranga F1 Master Performance Verde Figura 8 Conceito final do produto 10

11 Conclusão A consciência ambiental entre os brasileiros nos últimos anos e a aplicação da lei do Conselho Nacional do Meio Ambiente (Resolução Nº362/CONAMA), que determina que o rerrefino seja a única destinação correta para o óleo lubrificante usado, vem aumentando a cada dia. No ano de 2013 foram comercializados 1,5 bilhão de litros de óleo lubrificante em todo território nacional, volume 10% superior ao comercializado em 2012 (segundo relatório da ANP). Durante o seu uso, parte desse óleo é queimado ou incorporado ao produto final (óleo de processo), restando 1,2 bilhões de litros, onde apenas 38% ou 473 milhões de litros, possuem uma correta política de descarte que minimiza os possíveis danos irreparáveis que esse tipo de produto pode provocar ao meio ambiente. Hoje em dia, não se fabrica um produto sem considerar seu descarte e possíveis formas de reaproveitá-lo. Nesse sentido, a introdução no mercado de um produto que utiliza em grande parte da sua formulação um óleo básico rerrefinado, é umas das melhores formas de minimizar a degradação ambiental causada por esse tipo de resíduo sólido. Ao mesmo tempo, é necessário que o produto seja de qualidade e entregue benefícios, estabelecendo uma comunicação de ambientalmente responsável com o consumidor final. Referências [1] LANDOR ASSOCIATES. Green Brands, Global Insights Disponível em: Acesso em 09 de Setembro de [2] RIBEIRO, Aline. Falta combinar com o consumidor. Disponível em: FALTA+COMBINAR+COM+O+CONSUMIDOR.html. Acesso em 25 de Setembro de [3] BARBOSA, Vanessa. Por que o marketing verde não convence. Disponível em: Acesso em 25 de Setembro de [4] AMERICAN PETROLEUM INSTITUTE. API th Edition, Anexo E. Disponível em: pdf?la=en. Acesso em: 13 de Abril de [5] BARDASZ, Ewa; SCHIFERL, Elizabeth; NAHUMCK, William; KELLY, Jack; WILLIAMS, Lewis; HUBBARD, Carolyn; THANASIU, Eva; JAGNER, Mark; O NEILL, Ann; UY, Dairene. Low Volatility ZDDP Technology: Part 2 Exhaust Catalysts Performance in Field Applications. SAE Technical Paper Series, USA, Novembro [6] BRASKEM. PE Verde. Disponível em Verde-Produtos-e-Inovacao. Acesso em 30 de Março de

12 [7] AGÊNCIA NACIONAL DO PETRÓLEO, GÁS NATURAL E BIOCOMBUSTÍVEIS. Reaproveitamento do óleo lubrificante usado. Disponível em Acesso em 01 de Abril de

Guia de sustentabilidade para plásticos

Guia de sustentabilidade para plásticos Guia de sustentabilidade para plásticos Maio 2014 1 2 3 4 5 6 7 8 Introdução... 4 Contextualização dos plásticos... 6 Composição dos móveis e utensílios de plásticos...7 Requerimentos para materiais que

Leia mais

Resoluções RESOLUÇÃO Nº 9, DE 31 DE AGOSTO DE 1993

Resoluções RESOLUÇÃO Nº 9, DE 31 DE AGOSTO DE 1993 Resoluções RESOLUÇÃO Nº 9, DE 31 DE AGOSTO DE 1993 Resolução CONAMA Nº 009/1993 - "Estabelece definições e torna obrigatório o recolhimento e destinação adequada de todo o óleo lubrificante usado ou contaminado".

Leia mais

Aditivos para Redução de Atrito em Lubrificantes Industriais e Automotivos

Aditivos para Redução de Atrito em Lubrificantes Industriais e Automotivos Aditivos para Redução de Atrito em Lubrificantes Industriais e Automotivos Conteúdo Agente de Lubricidade Polimérico para Óleos Integrais de Usinagem Agente de Lubricidade Não-Polimérico para Fluidos Hidráulicos

Leia mais

*Fonte: Fenabrave & Shell LubeMatch

*Fonte: Fenabrave & Shell LubeMatch LUBRIFICANTES E OFICINAS Ao procurar uma oficina para trocar o óleo de seu carro, o dono do veículo se sente mais seguro ao realizar esse serviço junto ao seu profissional de confiança. Com isso, aumenta

Leia mais

Dê ao Óleo Usado o destino previsto em lei LOGÍSTICA REVERSA DOS ÓLEOS LUBRIFICANTES E O RERREFINO.

Dê ao Óleo Usado o destino previsto em lei LOGÍSTICA REVERSA DOS ÓLEOS LUBRIFICANTES E O RERREFINO. LOGÍSTICA REVERSA DOS ÓLEOS LUBRIFICANTES E O RERREFINO. Como se formam os Lubrificantes 90,0 % Óleo básico de Petróleo: Neutro Leve Médio ou Pesado. Especificados pela ANP (*) 10,0 % Aditivos Diversos

Leia mais

LOGÍSTICA REVERSA ACITSIGOL ASREVER

LOGÍSTICA REVERSA ACITSIGOL ASREVER Conceito LOGÍSTICA REVERSA ACITSIGOL ASREVER É uma área da logística que atua de forma a gerenciar e operacionalizar o retorno de bens e materiais, após sua venda e consumo, às suas origens, agregando

Leia mais

Logística Reversa Meio-ambiente e Produtividade

Logística Reversa Meio-ambiente e Produtividade 1. Introdução O ciclo dos produtos na cadeia comercial não termina quando, após serem usados pelos consumidores, são descartados. Há muito se fala em reciclagem e reaproveitamento dos materiais utilizados.

Leia mais

Logística Reversa Meio-ambiente e Produtividade

Logística Reversa Meio-ambiente e Produtividade Logística Reversa Meio-ambiente e Produtividade Carla Fernanda Mueller, carla@deps.ufsc.br 1. Introdução O ciclo dos produtos na cadeia comercial não termina quando, após serem usados pelos consumidores,

Leia mais

Create PDF with GO2PDF for free, if you wish to remove this line, click here to buy Virtual PDF Printer

Create PDF with GO2PDF for free, if you wish to remove this line, click here to buy Virtual PDF Printer A DIFERENÇA ENTRE GASOLINA E DIESEL HISTÓRICO Gasolina e diesel são produtos do refino de petróleo cru, achado no seu estado natural no subsolo em várias partes do mundo. Já o petróleo cru é um fluído

Leia mais

Gestão do uso de óleo de cozinha para produção de biodiesel

Gestão do uso de óleo de cozinha para produção de biodiesel Gestão do uso de óleo de cozinha para produção de biodiesel Estudo de Caso MCDonald s Autores: Alexandre Formigoni Enio Fernandes Rodrigues Viviane Alves Belo Tatiane Neves Lopes Marcelo Rabelo Henrique

Leia mais

Medida Provisória 532/2011

Medida Provisória 532/2011 Ciclo de palestras e debates Agricultura em Debate Medida Provisória 532/2011 Manoel Polycarpo de Castro Neto Assessor da Diretoria da ANP Chefe da URF/DF Maio,2011 Agência Nacional do Petróleo, Gás Natural

Leia mais

QUÍMICA SUSTENTÁVEL Carlos Fadigas 24/08/2011

QUÍMICA SUSTENTÁVEL Carlos Fadigas 24/08/2011 QUÍMICA SUSTENTÁVEL Carlos Fadigas 24/08/2011 AGENDA BRASKEM DESENVOLVIMENTO SUSTENTÁVEL QUÍMICA SUSTENTÁVEL PILARES BRASKEM FUTURO VISÃO E ESTRATÉGIA AGENDA BRASKEM DESENVOLVIMENTO SUSTENTÁVEL QUÍMICA

Leia mais

Fração. Página 2 de 6

Fração. Página 2 de 6 1. (Fgv 2014) De acordo com dados da Agência Internacional de Energia (AIE), aproximadamente 87% de todo o combustível consumido no mundo são de origem fóssil. Essas substâncias são encontradas em diversas

Leia mais

PETRONAS TROCA SOB MEDIDA TECNOLOGIA A SERVIÇO DA SUSTENTABILIDADE

PETRONAS TROCA SOB MEDIDA TECNOLOGIA A SERVIÇO DA SUSTENTABILIDADE PETRONAS TROCA SOB MEDIDA TECNOLOGIA A SERVIÇO DA SUSTENTABILIDADE presente no mundo. no brasil. na sua vida. Toda a qualidade e tecnologia dos lubrificantes PETRONAS na medida exata da sua necessidade,

Leia mais

O Sistema Legal de Gestão dos Óleos Lubrificantes Usados ou Contaminados

O Sistema Legal de Gestão dos Óleos Lubrificantes Usados ou Contaminados O Sistema Legal de Gestão dos Óleos Lubrificantes Usados ou Contaminados Proteção e Participação da Sociedade Março/2015 Lubrificante deterioração contaminação Óleo Lubrificante Usado ou Contaminado OLUC

Leia mais

Não abasteça combustível adulterado

Não abasteça combustível adulterado Não abasteça combustível adulterado A maioria das pessoas acha que uma vez que o posto de gasolina tem bandeira (BR, Shell, Texaco, Esso, Ipiranga, etc) a qualidade do combustível está garantida. Não é

Leia mais

PROGRAMA DE MONITORAMENTO DA QUALIDADE DOS COMBUSTÍVEIS PMQC

PROGRAMA DE MONITORAMENTO DA QUALIDADE DOS COMBUSTÍVEIS PMQC PROGRAMA DE MONITORAMENTO DA QUALIDADE DOS COMBUSTÍVEIS PMQC SUPERINTEDÊNCIA DE BIOCOMBUSTÍVEIS E DE QUALIDADE DE PRODUTOS SBQ Alexandre de Souza Lima Salvador Junho/2008 AGENTES DO ABASTECIMENTO Posição

Leia mais

CARACTERIZAÇÃO DE RESÍDUOS PRODUZIDOS EM USINA DE RE-REFINO DE ÓLEO LUBRIFICANTE USADO VISANDO SEU APROVEITAMENTO

CARACTERIZAÇÃO DE RESÍDUOS PRODUZIDOS EM USINA DE RE-REFINO DE ÓLEO LUBRIFICANTE USADO VISANDO SEU APROVEITAMENTO CARACTERIZAÇÃO DE RESÍDUOS PRODUZIDOS EM USINA DE RE-REFINO DE ÓLEO LUBRIFICANTE USADO VISANDO SEU APROVEITAMENTO Silvio Rainho Teixeira (*) Universidade Estadual Paulista - UNESP, Faculdade de Ciências

Leia mais

PROPOSTA DE TRATAMENTO DE EFLUENTES EM EMPRESA ESPECIALIZADA EM RETÍFICA DE MOTORES

PROPOSTA DE TRATAMENTO DE EFLUENTES EM EMPRESA ESPECIALIZADA EM RETÍFICA DE MOTORES PROPOSTA DE TRATAMENTO DE EFLUENTES EM EMPRESA ESPECIALIZADA EM RETÍFICA DE MOTORES Felipe de Lima Instituto Federal de Educação Ciência e Tecnologia do Rio grande do Sul Campus Sertão, Acadêmico do Curso

Leia mais

Sustentabilidade. Ricardo Fógos Departamento Comercial de Encomendas

Sustentabilidade. Ricardo Fógos Departamento Comercial de Encomendas Sustentabilidade Oportunidades e Tendências Ricardo Fógos Departamento Comercial de Encomendas Correios 85% do tráfego postal da América Latina Maior ao empregador do Brasil 109 mil empregados Presente

Leia mais

Biocombustíveis da Amazônia. Primeira Iniciativa Comercial na Produção de Biodiesel no Estado do Amazonas

Biocombustíveis da Amazônia. Primeira Iniciativa Comercial na Produção de Biodiesel no Estado do Amazonas Biocombustíveis da Amazônia Primeira Iniciativa Comercial na Produção de Biodiesel no Estado do Amazonas Biocombustíveis da Amazônia Ltda Capacidade inicial de 15 milhões de litros/ano Expansão em 2011

Leia mais

Desvio de Óleos Lubrificantes Usados ou Contaminados

Desvio de Óleos Lubrificantes Usados ou Contaminados Desvio de Óleos Lubrificantes Usados ou Contaminados Aspectos Ambientais e Sociais Nov/2006 Óleos Lubrificantes Usados ou Contaminados (OLUC's) são... Resíduo inevitável do indispensável uso de lubrificantes

Leia mais

RESOLUÇÃO SEMA Nº 028/2010

RESOLUÇÃO SEMA Nº 028/2010 RESOLUÇÃO SEMA Nº 028/2010 Dispõe sobre a coleta, armazenamento e destinação de embalagens plásticas de óleo lubrificante pós-consumo no Estado do Paraná. O SECRETÁRIO DE ESTADO DO MEIO AMBIENTE E RECURSOS

Leia mais

Química Verde e Petroquímica Impactos na Distribuição Décio Oddone Vice-presidente responsável pela quantiq

Química Verde e Petroquímica Impactos na Distribuição Décio Oddone Vice-presidente responsável pela quantiq Química Verde e Petroquímica Impactos na Distribuição Décio Oddone Vice-presidente responsável pela quantiq AGENDA BRASKEM DESENVOLVIMENTO QUÍMICA PILARES FUTURO FUTURO DA DISTRIBUIÇÃO AGENDA BRASKEM DESENVOLVIMENTO

Leia mais

COMBUSTÍVEIS BIOCOMBUSTÍVEIS: EVOLUÇÃO ENERGÉTICA, COMPOSIÇÃO E IMPACTOS AMBIENTAIS.

COMBUSTÍVEIS BIOCOMBUSTÍVEIS: EVOLUÇÃO ENERGÉTICA, COMPOSIÇÃO E IMPACTOS AMBIENTAIS. COMBUSTÍVEIS BIOCOMBUSTÍVEIS: EVOLUÇÃO ENERGÉTICA, COMPOSIÇÃO E IMPACTOS AMBIENTAIS. Ana L. B. Silva 1 (analuciasilva36@hotmail.com); Aquila B. do Rosario² (aquilabueno@gmail.com); Hevelyn L. Avila³ (hevelyn-avila@hotmail.com);carine

Leia mais

Papel dos biocombustíveis na matriz energética brasileira

Papel dos biocombustíveis na matriz energética brasileira Papel dos biocombustíveis na matriz energética brasileira Agenda Arcabouço Legal Panorama Brasil o Matriz Energética Brasileira o Biodiesel o Etanol o Novos Biocombustíveis Comentários Finais Arcabouço

Leia mais

Identificando os tipos de fontes energéticas

Identificando os tipos de fontes energéticas Identificando os tipos de fontes energéticas Observe a figura abaixo. Nela estão contidos vários tipos de fontes de energia. Você conhece alguma delas? As fontes de energia podem ser renováveis ou não-renováveis,

Leia mais

O poder. proteger. para. mundo. o seu. 3M Cuidado Institucional. Sorbents

O poder. proteger. para. mundo. o seu. 3M Cuidado Institucional. Sorbents 3M Cuidado Institucional Sorbents O poder para proteger o seu mundo A 3M é pioneira no conceito de microfibra e polipropileno, com mais de 25 anos de experiência na fabricação de respiradores descartáveis.

Leia mais

Informações Úteis Dúvidas Frequentes

Informações Úteis Dúvidas Frequentes Página 0 2013 Informações Úteis Dúvidas Frequentes Organização Rezende Acesse o site: www.organizacaorezende.com.br 19/04/2013 Página 1 DÚVIDAS FREQUENTES: GASOLINAS PETROBRAS 1 - Como são obtidas as gasolinas?

Leia mais

VISÃO: Ser reconhecida pela participação e trabalhos realizados nos processos que possibilitam economia de óleos e preservação ambiental.

VISÃO: Ser reconhecida pela participação e trabalhos realizados nos processos que possibilitam economia de óleos e preservação ambiental. APRESENTAÇÃO 1. QUEM SOMOS A CTF do Brasil é uma empresa com sólidos conhecimentos em tecnologia de microfiltragem de óleos industriais, cujo portfólio de serviços tem respaldo na experiência de sua diretoria,

Leia mais

Biocombustível 100% Renovável Produção Pela Usina

Biocombustível 100% Renovável Produção Pela Usina Biocombustível 100% Renovável Produção Pela Usina 1. Quem somos 2. O que é o Ethabiodiesel 2.1. Diferencial competitivo 2.2. Certificações/Autorizações 3. Transportes com Ethabiodiesel Quem somos Vinna

Leia mais

USO DE ÓLEO BRUTO DE GIRASSOL EM MOTOR DIESEL

USO DE ÓLEO BRUTO DE GIRASSOL EM MOTOR DIESEL USO DE ÓLEO BRUTO DE GIRASSOL EM MOTOR DIESEL José Valdemar Gonzalez Maziero; Ila Maria Corrêa Centro APTA de Engenharia e Automação A retomada de estudos sobre o uso de óleos vegetais como combustível,

Leia mais

Considerando que o descarte de óleo lubrificante usado ou contaminado para o solo ou cursos de água gera graves danos ambientais;

Considerando que o descarte de óleo lubrificante usado ou contaminado para o solo ou cursos de água gera graves danos ambientais; RESOLUÇÃO CONAMA N 362, DE 23 DE JUNHO DE 2005.. Alterada pela Resolução CONAMA 450/12 O CONSELHO NACIONAL DO MEIO AMBIENTE-CONAMA, no uso das competências que lhe são conferidas pela Lei 6.938, de 31

Leia mais

Copyright Proibida Reprodução. Prof. Éder Clementino dos Santos

Copyright Proibida Reprodução. Prof. Éder Clementino dos Santos NORMAS ISO 14000 CONCEITOS A preocupação com a estabilidade das linhas tênues de amarração dos ecossistemas conduz os estudiosos a analisar os fatores que podem gerar a ruptura desses sistemas. GESTORES

Leia mais

Avaliação de Ciclo de Vida. Buscando as alternativas mais sustentáveis para o mercado de tintas

Avaliação de Ciclo de Vida. Buscando as alternativas mais sustentáveis para o mercado de tintas Avaliação de Ciclo de Vida Buscando as alternativas mais sustentáveis para o mercado de tintas Todo produto tem uma história Cada produto que chega às nossas mãos passa por diversos processos diferentes

Leia mais

Políticas Públicas Resíduos e Reciclagem. Sérgio Henrique Forini

Políticas Públicas Resíduos e Reciclagem. Sérgio Henrique Forini Políticas Públicas Resíduos e Reciclagem. Sérgio Henrique Forini O lixo é conhecido como os restos das atividades humanas considerados inúteis, indesejáveis e descartáveis. No entanto, separado nos seus

Leia mais

Logística e Sustentabilidade. Valter Luís de Souza Diretor Presidente Tora Transportes Industriais Ltda

Logística e Sustentabilidade. Valter Luís de Souza Diretor Presidente Tora Transportes Industriais Ltda Logística e Sustentabilidade Valter Luís de Souza Diretor Presidente Tora Transportes Industriais Ltda Roteiro: Introdução; Situação atual; Iniciativas do Governo; As iniciativas da Tora voltadas a sustentabilidade;

Leia mais

Tecnologia e Sustentabilidade

Tecnologia e Sustentabilidade Painel 2 Tecnologia e Sustentabilidade Robério Fernandes Alves de Oliveira 1 Painel 2 Tecnologia e Sustentabilidade As dimensões da sustentabilidade Econômica Social AMBIENTAL 2 Painel 2 Tecnologia e Sustentabilidade

Leia mais

RESOLUÇÃO N o 362, DE 23 DE JUNHO DE 2005

RESOLUÇÃO N o 362, DE 23 DE JUNHO DE 2005 Resoluções Publicado no DOU em 27/06/2005, Seção 01, páginas 128, 129 e 130, Edição Número 121 Ministério do Meio Ambiente Conselho Nacional do Meio Ambiente - CONAMA RESOLUÇÃO N o 362, DE 23 DE JUNHO

Leia mais

ENXOFRE: UM POLUENTE EM POTENCIAL NA COMPOSIÇÃO DO ÓLEO DIESEL BRASILEIRO.

ENXOFRE: UM POLUENTE EM POTENCIAL NA COMPOSIÇÃO DO ÓLEO DIESEL BRASILEIRO. Salvador/BA 25 a 28/11/2013 ENXOFRE: UM POLUENTE EM POTENCIAL NA COMPOSIÇÃO DO ÓLEO DIESEL BRASILEIRO. Thiago Emanoel Pereira da Silva (*), David Oliveira de Carvalho, Michelle Juliana Pereira da Silva,

Leia mais

LICENÇA DE OPERAÇÃO Regularização

LICENÇA DE OPERAÇÃO Regularização LO N : 0001/2013. A Secretaria Municipal de Agricultura e Meio Ambiente, criada pela Lei Municipal n 368 de 20/05/77, no uso das atribuições que lhe confere a Lei n 6.938, de 31/08/81, que dispõe sobre

Leia mais

PROCEDIMENTOS PARA FISCALIZAÇÃO DE ÓLEOS LUBRIFICANTES USADOS OU CONTAMINADOS ( OLUCs

PROCEDIMENTOS PARA FISCALIZAÇÃO DE ÓLEOS LUBRIFICANTES USADOS OU CONTAMINADOS ( OLUCs Óleos lubrificantes Usados e o Meio Ambiente Resolução CONAMA Nº 362/2005 PROCEDIMENTOS PARA FISCALIZAÇÃO DE ÓLEOS LUBRIFICANTES USADOS OU CONTAMINADOS ( OLUCs OLUCs ) APOIO: SINDIRREFINO SÃO PAULO NOVEMBRO/2006

Leia mais

UTILIZAÇÃO DO SISTEMA HÍBRIDO HIDRÁULICO NOS VEÍCULOS COMERCIAIS RESUMO

UTILIZAÇÃO DO SISTEMA HÍBRIDO HIDRÁULICO NOS VEÍCULOS COMERCIAIS RESUMO UTILIZAÇÃO DO SISTEMA HÍBRIDO HIDRÁULICO NOS VEÍCULOS COMERCIAIS Luis Eduardo Machado¹ Renata Sampaio Gomes ² Vanessa F. Balieiro ³ RESUMO Todos sabemos que não é possível haver regressão nas tecnologias

Leia mais

Garrafas PET: Um lixo que Virou Moda nas Coleções Malwee

Garrafas PET: Um lixo que Virou Moda nas Coleções Malwee Malwee Malhas LTDA. Jaraguá do Sul (SC) Garrafas PET: Um lixo que Virou Moda nas Coleções Malwee Categoria Tecnologias Socioambientais 1. Sobre a organização participante: Razão social: - Malwee Malhas

Leia mais

BIODIESEL ENERGIA MÓVEL GARANTIDA 100% ECOLOGICA PARA COPA E PARA O MUNDO

BIODIESEL ENERGIA MÓVEL GARANTIDA 100% ECOLOGICA PARA COPA E PARA O MUNDO BIODIESEL ENERGIA MÓVEL GARANTIDA 100% ECOLOGICA PARA COPA E PARA O MUNDO O que é BIODIESEL BIODIESEL é um combustível produzido a partir de óleos vegetais ou gordura animal, que pode ser utilizado em

Leia mais

ENCONTRO TÉCNICO SOBRE LOGÍSTICA REVERSA DE ÓLEOS LUBRIFICANTES Lei Federal 12.305/2010 PNRS e Resolução Conama 362/2005 DIRETRIZES PARA O LICENCIAMENTO AMBIENTAL DAS ATIVIDADES LIGADAS AOS OLUCs 13 de

Leia mais

Instrução Geral de Preenchimento

Instrução Geral de Preenchimento 1) Significado dos campos de operação abaixo: Instrução Geral de Preenchimento Anexo II da RANP 10/2007 ANEXO II REGISTRO DE PRODUTOS ÓLEO LUBRIFICANTE Operação [ ] Registro Novo [ ] Revalidação [ ] Inclusão

Leia mais

Perguntas mais Frequentes

Perguntas mais Frequentes Perguntas mais Frequentes 1. O que significa PROCONVE fases P7 e L6? PROCONVE é o Programa de Controle da Poluição do Ar por Veículos Automotores, criado pelo conselho Nacional de Meio Ambiente - CONAMA.

Leia mais

Performance ecológica

Performance ecológica Performance ecológica Por Miriam Mazzi 14 LUBGRAX Edição 20 2012 Antioxidantes - 20.indd 14 27/11/2012 19:12:55 Em busca de alternativas eficazes para brecar ou reduzir o complexo processo de degradação

Leia mais

SUGESTÃO PARA REDUÇÃO GLOBAL DA EMISSÃO DE POLUENTES DOS AUTOMOVEIS José Góes de Araujo Prof. Aposentado Abstract Comments about the reduction possibility of CO² on the atmosphere by the limitation of

Leia mais

Guia de tendas sustentáveis

Guia de tendas sustentáveis Guia de tendas sustentáveis JUNHO 2014 1 2 3 4 5 6 Introdução... 4 Contextualização das tendas... 6 Composição da tenda... 8 3.1 Material estrutural... 8 3.1.1 Material estrutural convencional... 8 3.1.2

Leia mais

GESTÃO DE RESÍDUOS E PRODUTOS PERIGOSOS Tratamento... RESOLUÇÃO CONAMA nº 362 de 2005

GESTÃO DE RESÍDUOS E PRODUTOS PERIGOSOS Tratamento... RESOLUÇÃO CONAMA nº 362 de 2005 RESOLUÇÃO CONAMA nº 362, de 23 de junho de 2005 Publicada no DOU n o 121, de 27 de junho de 2005, Seção 1, páginas 128-130 Correlações: Revoga a Resolução n o 9/93 Dispõe sobre o recolhimento, coleta e

Leia mais

Índice 1 INTRODUÇÂO 2 A INDÚSTRIA DO CIMENTO NO CENÁRIO DAS MUDANÇAS CLIMÁTICAS 3 REFERÊNCIAS INTERNACIONAIS

Índice 1 INTRODUÇÂO 2 A INDÚSTRIA DO CIMENTO NO CENÁRIO DAS MUDANÇAS CLIMÁTICAS 3 REFERÊNCIAS INTERNACIONAIS Índice 1 INTRODUÇÂO 2 A INDÚSTRIA DO CIMENTO NO CENÁRIO DAS MUDANÇAS CLIMÁTICAS 3 REFERÊNCIAS INTERNACIONAIS 4 2º INVENTÁRIO BRASILEIRO DE EMISSÕES DE GASES DE EFEITO ESTUFA 5 PERSPECTIVAS E DESAFIOS 6

Leia mais

Panorama da empresa e do negócio. Posto Ecoeficiente Iluminação artificial Iluminação natural

Panorama da empresa e do negócio. Posto Ecoeficiente Iluminação artificial Iluminação natural Panorama da empresa e do negócio Posto Ecoeficiente Iluminação artificial Iluminação natural Segundo maior distribuidor de combustíveis no Brasil Fuel distribution 70% Líder no mercado de distribuição

Leia mais

Rua Adelino Teste, 30 - Olhos D Água. BH. MG. CEP: 30390.070. Tel.: 31. 2125.2501. Fax: 31. 2125.2500 www.almaqsantanna.com.br

Rua Adelino Teste, 30 - Olhos D Água. BH. MG. CEP: 30390.070. Tel.: 31. 2125.2501. Fax: 31. 2125.2500 www.almaqsantanna.com.br ExpressoAlmaq Sant'anna nº 19 Lubrificação Importante ítem de manutenção preventiva e produtividade Editorial No primeiro Expresso Almaq Sant Anna de 2002, vamos começar do começo com o treinamento para

Leia mais

Sustentabilidade aplicada aos negócios: um estudo de caso da empresa Natura S.A.

Sustentabilidade aplicada aos negócios: um estudo de caso da empresa Natura S.A. Sustentabilidade aplicada aos negócios: um estudo de caso da empresa Natura S.A. Autoria: Silas Dias Mendes Costa 1 e Antônio Oscar Santos Góes 2 1 UESC, E-mail: silas.mendes@hotmail.com 2 UESC, E-mail:

Leia mais

Syndarma e ANP discutem o uso do biodiesel nos motores marítimos

Syndarma e ANP discutem o uso do biodiesel nos motores marítimos Syndarma e ANP discutem o uso do biodiesel nos motores marítimos O Sindicato Nacional das Empresas de Navegação Marítima - Syndarma, como representante de uma significativa parcela das empresas de navegação

Leia mais

Estado da Técnica Gravação binaural dos eventos;

Estado da Técnica Gravação binaural dos eventos; Nosso Olhar sem Fronteiras, com Sustentabilidade e Inovação V+2RS (Verde, Reconhecido e com Responsabilidade Social) Estado da Técnica Gravação binaural dos eventos; Radio com inserções do som 3D com VJ

Leia mais

Resíduos Sólidos Redução de Embalagens

Resíduos Sólidos Redução de Embalagens Resíduos Sólidos Redução de Embalagens GUILHERME SCHULZ Ecólogo e Biólogo Mestre em Engenharia Bioma Pampa Ecologia guilherme@biomapampa.com.br www.biomapampa.com.br Gestão Ambiental Considerações: Prevenção

Leia mais

Motores Térmicos. 9º Semestre 5º ano

Motores Térmicos. 9º Semestre 5º ano Motores Térmicos 9º Semestre 5º ano Aula 20. Sistema de Lubrificação Introdução Tipos de Sistemas de Lubrificação O percurso do óleo lubrificante Componentes do Sistema de lubrificação Óleo lubrificante

Leia mais

2. (Ifsc 2014) A reação abaixo representa este processo: CO 3H H COH H O ΔH 12 kcal/mol

2. (Ifsc 2014) A reação abaixo representa este processo: CO 3H H COH H O ΔH 12 kcal/mol 1. (Uel 2014) A gasolina é uma mistura de vários compostos. Sua qualidade é medida em octanas, que definem sua capacidade de ser comprimida com o ar, sem detonar, apenas em contato com uma faísca elétrica

Leia mais

Produção e consumo sustentáveis

Produção e consumo sustentáveis Produção e consumo sustentáveis Fernanda Capdeville Departamento de Produção e Consumo Sustentáveis DPCS Secretaria de Articulação Institucional e Cidadania Ambiental - SAIC 14 Plenária do Fórum Governamental

Leia mais

Novas Tecnologias para Ônibus 12/12/2012

Novas Tecnologias para Ônibus 12/12/2012 Novas Tecnologias para Ônibus 12/12/2012 FETRANSPOR Sindicatos filiados: 10 Empresas de ônibus: 208 Frota: 20.300 Passageiros/mês: 240 milhões Viagens/mês: 4,5 milhões Empregos diretos: 100.000 Idade média:

Leia mais

BIODIESEL. O NOVO COMBUSTÍVEL DO BRASIL.

BIODIESEL. O NOVO COMBUSTÍVEL DO BRASIL. Folder final 12/4/04 2:45 AM Page 1 BIODIESEL. O NOVO COMBUSTÍVEL DO BRASIL. PROGRAMA NACIONAL DE PRODUÇÃO E USO DO BIODIESEL Folder final 12/4/04 2:45 AM Page 2 BIODIESEL. A ENERGIA PARA O DESENVOLVIMENTO

Leia mais

Engenharia Florestal. Desenvolvimento Rural

Engenharia Florestal. Desenvolvimento Rural Engenharia Florestal Desenvolvimento Rural 2/05/2010 Trabalho realizado por : Ruben Araújo Samuel Reis José Rocha Diogo Silva 1 Índice Introdução 3 Biomassa 4 Neutralidade do carbono da biomassa 8 Biomassa

Leia mais

Petroquímica Básica Instrutor André Costa

Petroquímica Básica Instrutor André Costa Petroquímica Básica Instrutor André Costa Como é explotado da jazida não possui valor agregado para o homem. É uma mistura complexa de compostos orgânicos e inorgânicos, em que predominam carbono e hidrogênio.

Leia mais

Problemas Ambientais Urbanos

Problemas Ambientais Urbanos Problemas Ambientais Urbanos INVERSÃO TÉRMICA É comum nos invernos, principalmente no final da madrugada e início da manhã; O ar frio, mais denso, é responsável por impedir a dispersão de poluentes (CO,

Leia mais

Unindo forças por um mesmo objetivo

Unindo forças por um mesmo objetivo Unindo forças por um mesmo objetivo Seguindo o conceito do programa em fomentar iniciativas de coleta e reciclagem, a parceria vai ampliar a atuação do Programa de Reciclagem do Óleo de Fritura (PROL),

Leia mais

Lixo. A vida é repleta de Química, Física, História e todas outras ciências que estudamos. Da mesma maneira, o ENEM, aborda os conteúdos que

Lixo. A vida é repleta de Química, Física, História e todas outras ciências que estudamos. Da mesma maneira, o ENEM, aborda os conteúdos que Lixo 1 A vida é repleta de Química, Física, História e todas outras ciências que estudamos. Da mesma maneira, o ENEM, aborda os conteúdos que estudamos em temáticas que rementem ao nosso cotidiano. Dessa

Leia mais

Balanço Sustentável. Balanço Sustentável

Balanço Sustentável. Balanço Sustentável Balanço Sustentável ÍNDICE SUSTENTABILIDADE PARA A SONDA IT...03 PRÁTICAS SUSTENTÁVEIS...05 CONHEÇA AS AÇÕES SUSTENTÁVEIS DA SEDE DA SONDA IT...06 DATA CENTER PRÓPRIO...13 ASPECTOS AMBIENTAIS...15 Sustentabilidade

Leia mais

ALTERNATIVAS DE DESTINAÇÃO DE RESÍDUOS INDUSTRIAIS. Apresentação: Ana Rosa Freneda Data: 17/10/2014

ALTERNATIVAS DE DESTINAÇÃO DE RESÍDUOS INDUSTRIAIS. Apresentação: Ana Rosa Freneda Data: 17/10/2014 ALTERNATIVAS DE DESTINAÇÃO DE RESÍDUOS INDUSTRIAIS Apresentação: Ana Rosa Freneda Data: 17/10/2014 3 Elos Soluções Ambientais Alternativa para otimizar a destinação de resíduos: Crescente necessidade das

Leia mais

1.1 Poluentes atmosféricos. 1.2 Principais Poluentes Atmosféricos

1.1 Poluentes atmosféricos. 1.2 Principais Poluentes Atmosféricos 18 1. Introdução Nos últimos anos, o crescimento econômico dos países desenvolvidos provocou o aumento da demanda mundial por energia. Com esta também veio um forte aumento da dependência do petróleo e

Leia mais

FÁBRICA CONCEITO em automação e capacidade produtiva: Capacidade de Estocagem A Granel 450 m³, capacidade de ampliação de até 1.

FÁBRICA CONCEITO em automação e capacidade produtiva: Capacidade de Estocagem A Granel 450 m³, capacidade de ampliação de até 1. Fundação A Menzoil Indústria de Lubrificantes LTDA, fundada há 5 anos com sua base familiar em todo seu corpo Diretivo Comercial, Industrial e Financeiro. Fazendo parte de um grupo de empresas tendo como

Leia mais

. Reafirmar a importância do etanol como tema estratégico para a economia, o meio-ambiente, a geração de empregos e o futuro do País

. Reafirmar a importância do etanol como tema estratégico para a economia, o meio-ambiente, a geração de empregos e o futuro do País o que é O QUE É. Lançado em Brasília em dezembro de 2011, o Movimento Mais Etanol visa detalhar e disseminar políticas públicas e privadas indispensáveis para: w O restabelecimento da competitividade do

Leia mais

Mudanças Tecnológicas para o setor de transporte t Novo perfil das frotas

Mudanças Tecnológicas para o setor de transporte t Novo perfil das frotas Mudanças Tecnológicas para o setor de transporte t Novo perfil das frotas Eduardo Boukai, 10 de novembro de 2011 Petrobras Distribuidora S.A - Marketing de transportes PROCONVE: HISTÓRICO Programa de Controle

Leia mais

Assinale a alternativa que preenche corretamente os parênteses, de cima para baixo.

Assinale a alternativa que preenche corretamente os parênteses, de cima para baixo. CNHECIMENTS GERAIS 01 Analise a veracidade (V) ou falsidade (F) das proposições abaixo, quanto aos efeitos negativos da utilização de combustíveis fósseis sobre o ambiente. ( ) A combustão de gasolina

Leia mais

Sistema de Partida a Frio Eletrônico Auto-Controlável para Veículos Flex

Sistema de Partida a Frio Eletrônico Auto-Controlável para Veículos Flex Prêmio AEA 2015 - Projetos de Meio Ambiente Sistema de Partida a Frio Eletrônico Auto-Controlável para Veículos Flex Tadeu Amaral, Fábio Moreira, Fernando Yoshino, Heitor Cavalhieri, Roberta Cruz Centro

Leia mais

Os sistemas de despoeiramento, presentes em todas as usinas do Grupo Gerdau, captam e filtram gases e partículas sólidas gerados na produção

Os sistemas de despoeiramento, presentes em todas as usinas do Grupo Gerdau, captam e filtram gases e partículas sólidas gerados na produção Os sistemas de despoeiramento, presentes em todas as usinas do Grupo Gerdau, captam e filtram gases e partículas sólidas gerados na produção siderúrgica. Ontário Canadá GESTÃO AMBIENTAL Sistema de gestão

Leia mais

Tratamento de Efluentes

Tratamento de Efluentes Tratamento de Efluentes A IMPORTÂNCIA DO TRATAMENTO DE EFLUENTES E A REGULAMENTAÇÃO DO SETOR INTRODUÇÃO Conservar a qualidade da água é fundamental, uma vez que apenas 4% de toda água disponível no mundo

Leia mais

Óleo Vinte dúvidas que você tinha sobre o assunto (e não tinha para quem perguntar) Eduardo Hiroshi Fotos João Mantovani e divulgação

Óleo Vinte dúvidas que você tinha sobre o assunto (e não tinha para quem perguntar) Eduardo Hiroshi Fotos João Mantovani e divulgação Óleo Vinte dúvidas que você tinha sobre o assunto (e não tinha para quem perguntar) Eduardo Hiroshi Fotos João Mantovani e divulgação Vamos dar uma olhada no óleo, doutor?" Antes de deixar o frentista

Leia mais

Anexo III da Resolução n 1 da CIMGC

Anexo III da Resolução n 1 da CIMGC Anexo III da Resolução n 1 da CIMGC Projeto Nobrecel de Troca de Combustível na Caldeira de Licor Negro (Nobrecel fuel switch in black liquor boiler Project) Introdução: O objetivo deste relatório é o

Leia mais

Motor Diesel Vantagens na utilização do Biodiesel Vantagens do Eco Óleo Dúvidas mais freqüentes Óleos Vegetais Biodiesel Características do Biodiesel

Motor Diesel Vantagens na utilização do Biodiesel Vantagens do Eco Óleo Dúvidas mais freqüentes Óleos Vegetais Biodiesel Características do Biodiesel Motor Diesel p02 Vantagens na utilização do Biodiesel p04 Vantagens do Eco Óleo p05 Dúvidas mais freqüentes p08 Óleos Vegetais Biodiesel p11 Características do Biodiesel p13 Meio Ambiente: Responsabilidade

Leia mais

Centro de Inovação e Tecnologia SENAI FIEMG - Campus CETEC

Centro de Inovação e Tecnologia SENAI FIEMG - Campus CETEC Centro de Inovação e Tecnologia SENAI FIEMG Campus CETEC O Centro de Inovação e Tecnologia SENAI FIEMG Campus CETEC, compõe-se por um conjunto de institutos de inovação e institutos de tecnologia capazes

Leia mais

Sustentabilidade. Vanda Nunes - SGS

Sustentabilidade. Vanda Nunes - SGS Novas Tendências de Certificação de Sustentabilidade Vanda Nunes - SGS A HISTÓRIA DA SGS Maior empresa do mundo na área de testes, auditorias, inspeções e certificações. Fundada em 1878, na cidade de Rouen,

Leia mais

POLÍTICA NACIONAL DE RESÍDUOS SÓLIDOS : A RESPONSABILIDADE DE CADA SETOR

POLÍTICA NACIONAL DE RESÍDUOS SÓLIDOS : A RESPONSABILIDADE DE CADA SETOR POLÍTICA NACIONAL DE RESÍDUOS SÓLIDOS : A RESPONSABILIDADE DE CADA SETOR Política Nacional de Resíduos Sólidos BASE LEGAL : Lei Federal nº 12305, de 02.08.2010 Decreto Federal nº 7404, de 23.12.2010 Princípio

Leia mais

BIOCOMBUSTÍVEIS: UMA DISCUSSÃO A RESPEITO DAS VANTAGENS E DESVANTAGENS RESUMO

BIOCOMBUSTÍVEIS: UMA DISCUSSÃO A RESPEITO DAS VANTAGENS E DESVANTAGENS RESUMO BIOCOMBUSTÍVEIS: UMA DISCUSSÃO A RESPEITO DAS VANTAGENS E DESVANTAGENS Juliana da Cruz Ferreira 1 ; Leila Cristina Konradt-Moraes 2 UEMS Caixa Postal 351, 79804-970 Dourados MS, E-mail: julianacruz_gnr@hotmail.com

Leia mais

TECNOLOGIAS E PRODUTOS SUSTENTÁVEIS

TECNOLOGIAS E PRODUTOS SUSTENTÁVEIS TECNOLOGIAS E PRODUTOS SUSTENTÁVEIS ENGº. MARCOS CASADO Gerente Técnico LEED Tópicos a serem abordados: Objetivos Conceitos: ECOPRODUTOS - Produtos recomendados - Produtos corretos - Produtos aceitáveis

Leia mais

Projeto: ECOÁCIDO (Processo Ecológico de Reciclagem de Solução Eletrolítica de Baterias)

Projeto: ECOÁCIDO (Processo Ecológico de Reciclagem de Solução Eletrolítica de Baterias) 1. Descrição do projeto: breve relação das ações implantadas, e/ou tecnologias utilizadas, investimentos (custos das ações) e demais informações que julgar necessário. Projeto: ECOÁCIDO (Processo Ecológico

Leia mais

Linha LATINGALVA, Cartagena, Colômbia, setembro de 2010.

Linha LATINGALVA, Cartagena, Colômbia, setembro de 2010. Linha LATINGALVA, Cartagena, Colômbia, setembro de 2010. Sustentabilidade da galvanização aplicada à administração interna de resíduos de cinzas e escória na galvanização geral por imersão a quente e da

Leia mais

Projecto de Lei nº /X

Projecto de Lei nº /X Grupo Parlamentar Projecto de Lei nº /X ESTABELECE O REGIME APLICÁVEL À GESTÃO DE ÓLEOS ALIMENTARES USADOS Exposição de motivos: Os óleos alimentares usados são um resíduo não perigoso que carece de legislação

Leia mais

EXPOSIÇÃO DE MOTIVOS

EXPOSIÇÃO DE MOTIVOS EXPOSIÇÃO DE MOTIVOS O mundo inteiro discute, nos dias de hoje, a adoção de medidas globais e locais com o objetivo de diminuir ou, quem sabe, reverter o avanço dos efeitos do aquecimento global. Ações

Leia mais

CURSO DE DESIGN DE EMBALAGENS. São Paulo/2013 Assunta Camilo

CURSO DE DESIGN DE EMBALAGENS. São Paulo/2013 Assunta Camilo CURSO DE DESIGN DE EMBALAGENS São Paulo/2013 Assunta Camilo Sustentabilidade Preocupação real com o final Conceito dos R s (reduzir, reutilizar, reciclar, reaproveitar, recusar, retornar, refilar, recuperar,

Leia mais

Sistemas construtivos à base de cimento. Uma contribuição efetiva para a. sustentabilidade da construção civil

Sistemas construtivos à base de cimento. Uma contribuição efetiva para a. sustentabilidade da construção civil Sistemas construtivos à base de cimento. Uma contribuição efetiva para a sustentabilidade da construção civil A CONSCIÊNCIA AMBIENTAL É TEMA DESTE SÉCULO, E PORQUE NÃO DIZER DESTE MILÊNIO REDUZA REUTILIZE

Leia mais

Prof. Paulo Medeiros

Prof. Paulo Medeiros Prof. Paulo Medeiros Em 2010 entrou em vigor no Brasil a lei dos Resíduos Sólidos. Seu objetivo principal é diminuir a destinação incorreta de resíduos ao meio ambiente. Ela define que todas as indústrias,

Leia mais

Indicadores de Sustentabilidade Ambiental. Roberta Bruno S. Carneiro Monsanto Mariana R. Sigrist - BASF

Indicadores de Sustentabilidade Ambiental. Roberta Bruno S. Carneiro Monsanto Mariana R. Sigrist - BASF Indicadores de Sustentabilidade Ambiental Roberta Bruno S. Carneiro Monsanto Mariana R. Sigrist - BASF Indicadores de Sustentabilidade Ambiental Grupo de Trabalho: Fernanda - Solvay Lorena Oxiteno Luis

Leia mais

Reciclagem Energética. Alternativa para destinação de Resíduos Sólidos Urbanos

Reciclagem Energética. Alternativa para destinação de Resíduos Sólidos Urbanos Reciclagem Energética Alternativa para destinação de Resíduos Sólidos Urbanos Claudio Marcondes Engenheiro de Materiais com especialização em Polímeros pela Universidade Federal de São Carlos. Pós graduado

Leia mais

Proposta do SINDILUB de Logística Reversa das Embalagens de Óleos Lubrificantes para Revenda Atacadista

Proposta do SINDILUB de Logística Reversa das Embalagens de Óleos Lubrificantes para Revenda Atacadista Proposta do SINDILUB de Logística Reversa das Embalagens de Óleos Lubrificantes para Revenda Atacadista 1 Única entidade sindical reconhecida pelo Governo Federal que representa a categoria econômica dos

Leia mais

ESTUDO DO IMPACTO DA ADIÇÃO DO BIODIESEL DE MAMONA AO ÓLEO DIESEL MINERAL SOBRE A PROPRIEDADE VISCOSIDADE CINEMÁTICA

ESTUDO DO IMPACTO DA ADIÇÃO DO BIODIESEL DE MAMONA AO ÓLEO DIESEL MINERAL SOBRE A PROPRIEDADE VISCOSIDADE CINEMÁTICA ESTUDO DO IMPACTO DA ADIÇÃO DO BIODIESEL DE MAMONA AO ÓLEO DIESEL MINERAL SOBRE A PROPRIEDADE VISCOSIDADE CINEMÁTICA Ana Carolina de Sousa Maia 1 ; Jonathan da Cunha Teixeira 2 ; Suzana Moreira de Lima

Leia mais