Artigo 19 Aplicação de Data Mining à Segurança do Trabalho Ferroviário

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "Artigo 19 Aplicação de Data Mining à Segurança do Trabalho Ferroviário"

Transcrição

1 Artigo 19 Aplicação de Data Mining à Segurança do Trabalho Ferroviário Paulo Henriques dos Marques 1, Vasco de Jesus 2, Valter Vairinhos 3, Serafín de Abajo Olea 4, Celeste Jacinto 5 1 ISLA de Santarém; CP - Comboios de Portugal, EPE 2 ISEGI - Universidade Nova de Lisboa 3 ISLA de Santarém 4 Departamento de Ciencias Biomédicas - Universidad de León 5 FCT - Universidade Nova de Lisboa; CENTEC-IST - Univ. Técnica de Lisboa Abstract Although the aim of reducing occupational accidents is frequently cited to justify preventive drug and alcohol testing at work, there is little statistically significant evidence of the assumed causality and negative correlation between exposure to testing and subsequent accidents. Data mining of tests and accidents involving employees of a Portuguese national wide railway transportation company, during recent years, is now beginning in search of relations between these and other biographical variables. Key Words: drug and alcohol testing, prevention, occupational accidents, data mining. Síntese Embora o objectivo de redução de acidentes laborais seja frequentemente invocado para justificar uma aplicação preventiva de testes de álcool e drogas no trabalho, há poucas evidências estatisticamente relevantes das pressupostas causalidade e correlação negativa entre a sujeição aos testes e os posteriores acidentes. Os dados de testes e dos acidentes ocorridos com os colaboradores de uma transportadora ferroviária portuguesa de âmbito nacional, durante anos recentes, começam agora a ser explorados, em busca de relações entre estas e outras variáveis biográficas. Palavras-Chave: testes de álcool e drogas, prevenção, acidentes de trabalho, estatística. 1. Introdução Teórica O abuso do álcool e as drogas ilícitas provocam riscos de acidentes. A Organização Internacional do Trabalho (OIT, 2003a) reconhece que existem certas ocupações e empregos em que o abuso de álcool e drogas pode aumentar os riscos para a saúde e segurança não apenas do trabalhador em questão e dos seus colegas, mas também para o público como é o caso dos transportes ferroviários. Neste caso particular, quando desempenhando actividades de condução, controlo, supervisão e as demais relacionados com segurança da circulação ferroviária, os erros derivados de álcool ou drogas, não afectam apenas o empregado consumidor, mas também apesar de todas as regras de segurança aplicáveis e sistemas técnicos destinados a manter seguras as operações fazem perigar a saúde e a vida de terceiros, bem como a mobilidade da população e o transporte de mercadorias (ambos essenciais à economia) e ainda avultados bens materiais. Assim sendo, é pressuposto que nem a transportadora nem os utentes do transporte ferroviário consideram aceitável o risco de algum colaborador, sob o efeito de álcool ou drogas, causar ou não evitar um desastre ferroviário. Historicamente, é sabido que a prevenção eficaz dos acidentes muito graves implica também medidas de controlo de risco de quaisquer acidentes, independentemente da gravidade associada. A base conceptual para a implementação de testes de drogas e álcool no trabalho é a prevenção nomeadamente, como estas substâncias causam disfunções na prestação e acções inseguras que resultam em acidentes, se o Empregador conseguir manter o local de trabalho livre de abuso de álcool e drogas, reduz os riscos de acidente, aumenta a segurança colectiva e, indirectamente, aumenta a produtividade. Um meio promissor para identificar os abusadores de álcool e drogas é o teste obrigatório. Apesar do já significativo recurso aos testes no local de trabalho por empregadores privados e públicos e da aparente tendência crescente de apoio pelas Autoridades, pela legislação e pela jurisprudência, mantém-se a controvérsia em torno da eficácia preventiva destes testes, porque a evidência científica dos efeitos de redução dos índices de sinistralidade e de redução das lesões profissionais ainda é limitada e pouco clara. 77

2 No século passado, a evidência quantificada da alteração da sinistralidade laboral pelos testes resumiu-se a alguns estudos a que faltava detalhe científico. Esta conclusão foi obtida por Jess Kraus, numa revisão sistemática de 740 publicações sobre testes de álcool ou drogas no trabalho, das quais apenas seis quantificavam os seus efeitos na sinistralidade e as demais abordavam aspectos de cariz filosófico, social, moral, legal, de gestão e de protocolos dos testes (Kraus, 2001). Kraus considerou não poder refutar nem apoiar que a introdução ou o continuado uso de testes no local de trabalho causasse a redução de acidentes, devido a insuficiências metodológicas várias. Pelo mesmo tipo de razões, o autor considerou que a evidência de que os testes aleatórios e não anunciados fossem mais preventivos de acidentes que os não aleatórios, era limitada e passível de dúvidas. Para suprir a necessidade de elaborar normas internacionais para os testes de álcool e drogas nos locais de trabalho, a OIT (2003b) recomendou que se encetassem investigações para avaliar a relação entre o consumo de álcool e drogas e a segurança e produtividade no trabalho e custos e benefícios dos programas de testes de despistagem. Volvida quase uma década sobre a revisão de Kraus, uma equipa multinacional de investigadores liderada por Clodagh Cashman, levou a cabo a maior revisão jamais feita com o objectivo de determinar o efeito dos testes de álcool e drogas na prevenção das lesões por acidente de trabalho, em condutores profissionais de veículos motorizados (Cashman et al., 2009). Foram pesquisados artigos e outras publicações sobre este tema, dos quais 19 mereceram estudo, tendo sido finalmente apurados apenas dois com dados e qualidade para o objectivo pretendido. Ambos consistiram de séries temporais ensaiadas nos EUA. Quanto à introdução dos testes de álcool, determinaram que teve um efeito significativo de redução da sinistralidade no curto prazo, mas não afectou significativamente a tendência de melhoria de longo prazo já existente. Quanto à introdução dos testes de droga, determinaram que teve um efeito significativo de redução da sinistralidade no curto prazo, no primeiro estudo, mas que não o teve, no segundo estudo, e que, no longo prazo, em ambos os estudos se verificou efeito significativo de redução da sinistralidade. Concluíram haver evidência limitada e insuficiente para considerar que os testes fossem eficazmente preventivos, por si só, no longo prazo e salientaram a necessidade de mais estudos de avaliação. Em particular, a evidência empírica de uma eventual frequência de testes de despistagem que seja dissuasora quanto baste para minimizar as consequências laborais do abuso de álcool e drogas é uma questão que permanece sem resposta. Embora com interesse, as frequências raramente referidas na literatura 2 e 3 testes por ano têm como limitação ser médias obtidas de pessoas diferentes que foram testadas desde zero até várias vezes por ano. 2. Questões e Hipóteses para Investigação Questão 1: O aumento da sujeição a testes para despistagem de álcool/drogas, resulta numa redução de acidentes posteriores aos testes? Hipótese 1: Em grupos homogéneos, a frequência de testes para despistagem de álcool/drogas (expressa em testes por ano, por trabalhador), está correlacionada negativamente com a incidência de acidentes posteriores aos testes. Questão 2: Verificando-se a hipótese 1, existe alguma frequência de testes acima da qual não se verifique redução de acidentes que justifique o investimento em aumento de testes? Hipótese 2: existe um ponto óptimo de frequência de testes e incidência de acidentes posteriores, além do qual a frequência de testes não está associada a diferenças significativas da incidência de acidentes posteriores. 3. O Estudo Ao abrigo do Regulamento da prevenção e controlo do trabalho sob efeito do álcool ou de substâncias estupefacientes ou psicotrópicas, a empresa em estudo mantém um programa de medidas de prevenção, controlo e recuperação do abuso de álcool e drogas. Destas, salientam-se os testes não anunciados realizados no local de trabalho, feitos sistematicamente em toda a empresa, para controlo de alcoolémia (desde 1984) e de drogas (desde 2003). A aplicação dos testes não anunciados no local de trabalho foi um processo aleatório de que resultaram diferentes frequências individuais de sujeição a testes, de modo imprevisível e não intencional. Assim, aconteceu que determinados trabalhadores não chegaram a ser sujeitos a testes de álcool nem de drogas e outros foram sujeitos com diferentes intensidades e combinações foram testados uma ou mais vezes por ano, só a álcool, ou então a álcool e drogas. 78

3 Ao longo do tempo, foram registados, no cadastro de cada trabalhador, os dados sobre os testes realizados e os acidentes de trabalho ocorridos, assim como dados profissionais, pessoais e familiares, totalizando mais que 30 variáveis. Sobre esses dados disponíveis é agora feito um estudo observacional sobre a ausência de testes versus testes aleatórios. O critério de inclusão de casos na amostra foi o de considerar apenas os casos relativos a trabalhadores que estiveram na empresa durante todo o período para o qual existem dados. 4. Os Dados Resultantes A justificação do critério de inclusão adoptado é apresentada seguidamente. Por limitações informáticas, o presente estudo versa exclusivamente sobre os dados informatizados a partir de Outubro de 2003 (inclusive), existentes no cadastro individual dos trabalhadores, em sistema GESVEN. O estudo abrange cinco anos e meio até Março de 2009, inclusive não sendo prolongando até à actualidade, devido a alterações relevantes ocorridas, como a cisão da empresa e saída da parte do transporte de mercadorias, a ausência actual de testes de drogas e a alteração do sistema informático de cadastro para SAP Environment Health and Safety. A extracção de dados resultou em registos de acidentes, de testes ou de ausências duns e doutros, referentes a um universo de colaboradores presentes em parte ou todo o tempo desde 01/10/2003 a 31/03/2009 desde os que estiveram um só dia até aos que estiveram todo o período. Para reduzir variáveis não controladas e garantir uma exposição harmonizada de todos os colaboradores estudados às variáveis não controladas remanescentes, foram excluídos os colaboradores que não permaneceram na empresa durante todo o período em estudo ficando uma amostra representativa para estudo constituída por registos de acidentes, de testes ou de ausências duns e doutros, referentes a 3.801colaboradores sempre presentes desde 01/10/2003 a 31/03/2009. Pretendendo-se estudar o efeito preventivo dos testes de álcool e drogas relativamente aos acidentes de trabalho, procura-se explorar os dados de forma a comparar grupos homogéneos, que só difiram significativamente entre si pelo estímulo experimental de entre os trabalhadores expostos ao mesmo padrão de riscos profissionais, o grupo de controlo é o que nunca foi testado e os restantes grupos diferem pela frequência com que foram sujeitos a testes. Visto haver mais que cinco dezenas de profissões na empresa, com diversos tipos e níveis de risco profissional, foi necessário criar uma variável categórica que agrupasse as profissões por padrões de risco genérico em comum e uma outra variável que especificasse, de entre profissões com o mesmo risco genérico, as que têm riscos específicos em comum. Com base num estudo realizado anteriormente sobre a gestão da segurança ocupacional nos comboios de Portugal (Marques, 2009), foram distribuídos os colaboradores da amostra, pelos grupos e sub-grupos de risco, conforme explicitado na tabela I. 79

4 Grupos de Categorias de Risco Sub-Grupos de Categorias de Risco Específico Frequência Absoluta Frequência Relativa (%) Percentagem válida Percentagem Cumulativa 1a Condução ,0 29,0 29,0 1 - Trabalho circulante nos comboios 1b Apoio à Condução 162 4,3 4,3 33,3 1c Revisão ,4 15,4 48,7 1d Chefias de Condução 50 1,3 1,3 50,0 2 - Trabalho 2a Manobras 155 4,1 4,1 54,1 junto dos comboios 2b Material 163 4,3 4,3 58,4 3 - Trabalho afastado dos comboios 3a Estação ,9 15,9 74,3 3b Escritório ,0 14,0 88,3 3c Outros, sem riscos em comum ,7 11,7 100,0 Total ,0 100,0 Tabela I. Distribuição dos colaboradores sempre presentes desde 01/10/2003 a 31/03/2009, por grupos e sub-grupos de categorias profissionais com padrões de risco em comum 5. Análise Preliminar de Dados Os dados dos testes e dos acidentes ocorridos com os colaboradores da empresa, começam agora a ser explorados, em busca de relações entre estas e outras variáveis biográficas. Este é um trabalho exploratório, de natureza multidisciplinar, que recorre às competências de um médico do trabalho, dois estatísticos e dois engenheiros de segurança. Em primeiro lugar, foi necessário transformar os dados brutos de modo a obter, a partir dos registos da base de dados, tabelas que indicassem, para cada um dos casos considerados segundo o critério de inclusão, os valores das variáveis relevantes o que implicou realizar um programa (em DELPHI) que permitisse construir as tabelas em formato analisável pelo SPSS. Uma primeira análise considera, para cada caso incluído no estudo, o número de acidentes e testes nesse período, sem cuidar de contar o número de testes antes de cada acidente. Para cada caso incluído registam-se também valores de variáveis como: categoria e subcategoria de risco no ano inicial do estudo (2003); o género; nível de habilitações; unidade de gestão a que pertence cada trabalhador no ano inicial do estudo (2003); tipo de trabalho (com ou sem turnos/escalas); idade, classificada em três grupos etários 1 (até os 40 anos), 2 (mais de 40 até 50 anos) e 3 (mais de 50 anos); intensidade de testagem uma variável secundária criada a partir da variável número de testes, que expressa a frequência de sujeição a testes, em testes por dia. As figuras seguintes apresentam duas árvores de classificação obtidas com SPSS (Regression Tree, método CHAID). Na figura a consideram-se as categorias de risco e na figura b as suas subcategorias constantes na tabela I. Na figura a, verifica-se que, das variáveis incluídas no estudo, os melhores preditores para a distribuição do número de acidentes são a categoria de risco e o grupo etário. Já quanto à intensidade de testagem, aparece como relacionada com a distribuição do número de acidentes, mas em sentidos aparentemente contraditórios: por um lado, para os trabalhadores da categoria de risco 3 os que trabalham afastados dos comboios os que mais intensamente testados tendem a ter menos acidentes; 80

5 por outro lado, de entre os trabalhadores da categoria de risco 1 que laboram circulando nos comboios no grupo etário mais jovem, verifica-se que os mais intensamente testados tendem a ter ligeiramente mais acidentes. Tendo em conta a particularidade dos trabalhadores envolvidos num acidente de tráfego ferroviário, por procedimento de segurança da empresa em estudo, serem alvo preferencial de testes após esse acidente circunstância que ocorre em alguns acidentes com trabalhadores da categoria de risco 1, mas nunca ocorre com os da categoria de risco 3 e tendo também em conta que o estudo feito até agora não distingue se os testes são realizados antes ou depois de acidentes, é possível que determinados trabalhadores mais testados sejam também mais acidentados, sem que daí se possa concluir algum valor explicativo desses testes sobre esses acidentes. Considerando agora a árvore de regressão da figura b em que a única diferença foi a consideração de subcategorias de risco (ver tabela I) verifica-se que parece existir, do ponto de vista da explicação da distribuição do número de acidentes, grande afinidade entre as subcategorias: 1a, 2b, 1b respectivamente pessoal de Condução, Material e Apoio à Condução; 3b, 3c, 1d, 3a respectivamente pessoal de Escritório, Outros, Chefias de Condução e Estação; Ficando as subcategorias 1c (pessoal de Revisão) e 2a (pessoal de Manobras) isoladas. Estes agrupamentos fazem sentido e sugerem um estudo da reclassificação das categorias e subcategorias de risco. O número de testes ocorre como preditor da distribuição do número de acidentes para o agrupamento dos trabalhadores que laboram afastados dos comboios e as Chefias de Condução verificando-se que os trabalhadores que realizam testes tendem a ter menos acidentes. 81

6 Figura a. Árvore de decisão CHAID descrevendo as relações entre a variável de resposta número de acidentes e o conjunto de variáveis explicativas formado por categorias de risco, grupo etário e intensidade de testagem 82

7 Figura b. Árvore de decisão CHAID descrevendo as relações entre a variável de resposta número de acidentes e o conjunto de variáveis explicativas formado por sub-grupos de categorias de risco, unidades de gestão e número de testes 6. Potencial da Análise de Dados para Futuros Desenvolvimentos O sentido da correlação entre testes e acidentes será objecto de melhor esclarecimento em desenvolvimentos deste estudo nomeadamente estudando a dependência dos acidentes relativamente aos testes que os precederam. O pensamento produzido não terá apenas utilidade imediata para os comboios de Portugal pois interessará para a tomada de decisão em inúmeras Organizações que investem preventivamente em testes de despistagem e ainda para elevar a qualidade do conhecimento transferido àquelas Organizações por quem comercializa os dispositivos de teste. 83

8 Bibliografía Cashman, C.M., Ruotsalainen, J.H., Greiner, B.A., Beirne, P.V., Verbeek, J.H. (2009). Alcohol and drug screening of occupational drivers for preventing injury. Cochrane Database of Systematic Reviews 2009, Issue 2. Art. No.: CD DOI: / CD pub2. Kraus, J.F. (2001): The effects of certain drug-testing programs on injury reduction in the workplace: an evidence-based review. International Journal of Occupational and Environmental Health, Vol. 7(2) pp Marques, P.H. (2009): Gestão da Segurança Ocupacional nos Comboios de Portugal, com enfoque no controlo de riscos do comportamento humano. Riscos Industriais e Emergentes, Soares, C.G., Jacinto, C., Teixeira e A.P., Antão, P. (Eds.), Edições Salamandra, Lisboa, Vol. 2, pp OIT (2003a): Um problema dos locais de trabalho. Problemas Ligados ao Álcool e a Drogas no Local de Trabalho uma evolução para a prevenção, Organização Internacional do Trabalho, traduzido do original e publicado em 2008 pela Autoridade das Condições de Trabalho, Lisboa, pp OIT (2003b): Testes de despistagem do consumo de álcool e drogas. Problemas Ligados ao Álcool e a Drogas no Local de Trabalho uma evolução para a prevenção, Organização Internacional do Trabalho, traduzido do original e publicado em 2008 pela Autoridade das Condições de Trabalho, Lisboa, pp

V Fórum de SHST. Tema central desta apresentação. acidentes de trabalho: tema velho, mas sempre presente na agenda.

V Fórum de SHST. Tema central desta apresentação. acidentes de trabalho: tema velho, mas sempre presente na agenda. O contributo dos acidentes para o processo de aprendizagem Celeste Jacinto, C. Guedes Soares, Tiago Fialho, Sílvia A. Silva V Fórum de SHST Município de Vila Nova de Gaia, 18 Novembro 2009 Apresentado

Leia mais

6$Ó'(2&83$&,21$/ 4XHUHOHYkQFLD"

6$Ó'(2&83$&,21$/ 4XHUHOHYkQFLD 6$Ó'(2&83$&,21$/ 4XHUHOHYkQFLD" 5LFDUGR3DLV Kofi Annan, Secretário Geral O.N.U.: " Saúde e Segurança dos trabalhadores é parte integrante da segurança humana. Como agência líder das Nações Unidas pela

Leia mais

PROPOSTA DE CARREIRA PARA OS TÉCNICOS SUPERIORES DA ÁREA DA SAÚDE EM REGIME DE CIT. Capítulo I Objecto e Âmbito Artigo 1.º Objecto

PROPOSTA DE CARREIRA PARA OS TÉCNICOS SUPERIORES DA ÁREA DA SAÚDE EM REGIME DE CIT. Capítulo I Objecto e Âmbito Artigo 1.º Objecto PROPOSTA DE CARREIRA PARA OS TÉCNICOS SUPERIORES DA ÁREA DA SAÚDE EM REGIME DE CIT Capítulo I Objecto e Âmbito Artigo 1.º Objecto 1 - O presente Decreto-Lei estabelece o regime jurídico da carreira dos

Leia mais

A NORMA PORTUGUESA NP 4427 SISTEMA DE GESTÃO DE RECURSOS HUMANOS REQUISITOS M. Teles Fernandes

A NORMA PORTUGUESA NP 4427 SISTEMA DE GESTÃO DE RECURSOS HUMANOS REQUISITOS M. Teles Fernandes A NORMA PORTUGUESA NP 4427 SISTEMA DE GESTÃO DE RECURSOS HUMANOS REQUISITOS M. Teles Fernandes A satisfação e o desempenho dos recursos humanos em qualquer organização estão directamente relacionados entre

Leia mais

S I A T (SISTEMA DE INQUÉRITOS DA AUTORIDADE TRIBUTÁRIA E ADUANEIRA) AVALIAÇÃO DA SATISFAÇÃO DOS UTILIZADORES 2011 (canal internet)

S I A T (SISTEMA DE INQUÉRITOS DA AUTORIDADE TRIBUTÁRIA E ADUANEIRA) AVALIAÇÃO DA SATISFAÇÃO DOS UTILIZADORES 2011 (canal internet) S I A T (SISTEMA DE INQUÉRITOS DA AUTORIDADE TRIBUTÁRIA E ADUANEIRA) AVALIAÇÃO DA SATISFAÇÃO DOS UTILIZADORES (canal internet) Março 2012 Índice 1 ENQUADRAMENTO...5 2 INTRODUÇÃO... 6 3 IDENTIFICAÇÃO E

Leia mais

Direcção-Geral da Saúde Programa Nacional de Saúde Ocupacional

Direcção-Geral da Saúde Programa Nacional de Saúde Ocupacional Programa Nacional de Saúde Ocupacional Assunto: Intervenção dos Serviços de Saúde do Trabalho no âmbito da prevenção do consumo de substâncias psicoativas em meio laboral DATA: 13.05.2013 Para: Médicos

Leia mais

CO-FINANCIADAS PELOS FUNDOS ESTRUTURAIS E PELO FUNDO DE COESÃO EM CASO DE INCUMPRIMENTO DAS REGRAS EM MATÉRIA DE CONTRATOS PÚBLICOS

CO-FINANCIADAS PELOS FUNDOS ESTRUTURAIS E PELO FUNDO DE COESÃO EM CASO DE INCUMPRIMENTO DAS REGRAS EM MATÉRIA DE CONTRATOS PÚBLICOS Versão final de 29/11/2007 COCOF 07/0037/03-PT COMISSÃO EUROPEIA ORIENTAÇÕES PARA A DETERMINAÇÃO DAS CORRECÇÕES FINANCEIRAS A APLICAR ÀS DESPESAS CO-FINANCIADAS PELOS FUNDOS ESTRUTURAIS E PELO FUNDO DE

Leia mais

NOÇÃO DE ACIDENTE E INCIDENTE

NOÇÃO DE ACIDENTE E INCIDENTE FICHA TÉCNICA NOÇÃO DE ACIDENTE E INCIDENTE Níveis GDE Temas Transversais Síntese informativa Nível 1 Nível Atitudinal Tema 1 - Conhecimento de si próprio como Condutor; Tema 2 - Atitudes e Comportamentos

Leia mais

NFPA-APSEI Prevenção e Segurança Gestão da Segurança e Saúde no Trabalho no Grupo EDP. Outubro 2014

NFPA-APSEI Prevenção e Segurança Gestão da Segurança e Saúde no Trabalho no Grupo EDP. Outubro 2014 NFPA-APSEI Prevenção e Segurança Gestão da Segurança e Saúde no Trabalho no Grupo EDP Outubro 2014 EDP Valor Direção de Segurança e Saúde Outubro de 2014 Agenda 1. O Grupo EDP 2. O Sistema de Gestão da

Leia mais

O engenheiro na equipa de saúde ocupacional: a visão da medicina do trabalho

O engenheiro na equipa de saúde ocupacional: a visão da medicina do trabalho O engenheiro na equipa de saúde ocupacional: a visão da medicina do trabalho Carlos Silva Santos Programa Nacional de Saúde Ocupacional DSAO/DGS 2014 Segurança, Higiene e Saúde do trabalho Organização

Leia mais

Política da Nestlé sobre Saúde e Segurança no Trabalho

Política da Nestlé sobre Saúde e Segurança no Trabalho Política da Nestlé sobre Saúde e Segurança no Trabalho A Segurança não é negociável Na Nestlé, acreditamos que o sucesso sustentável apenas poderá ser alcançado através dos seus Colaboradores. Nenhum

Leia mais

OO13 - Modelo de Financiamento da Segurança Rodoviária e atribuição de Recursos

OO13 - Modelo de Financiamento da Segurança Rodoviária e atribuição de Recursos Jorge Jacob OO13 - Modelo de Financiamento da Segurança Rodoviária e atribuição de Recursos 13.1 1. ESTRATÉGIA NACIONAL DE SEGURANÇA RODOVIÁRIA (ENSR) (4) 2. PLANOS DE AÇÃO E A CONDUÇÃO SOB EFEITO DO ÁLCOOL

Leia mais

T R A N S M E L O REGULAMENTO INTERNO PREVENÇÃO E CONTROLO DO ALCOOLISMO

T R A N S M E L O REGULAMENTO INTERNO PREVENÇÃO E CONTROLO DO ALCOOLISMO T R A N S M E L O REGULAMENTO INTERNO PREVENÇÃO E CONTROLO DO ALCOOLISMO Março de 2006 T R A N S M E L O Regulamento de Prevenção e Controlo do Alcoolismo 2 Regulamento Interno para a Prevenção e Controlo

Leia mais

ANEXO DA CARTA DE COMPROMISSO DO FORUM NACIONAL SOBRE ÁLCOOL E SAÚDE

ANEXO DA CARTA DE COMPROMISSO DO FORUM NACIONAL SOBRE ÁLCOOL E SAÚDE ANEXO DA CARTA DE COMPROMISSO DO FORUM NACIONAL SOBRE ÁLCOOL E SAÚDE Compromisso de Monitorização O Compromisso de Monitorização dos projectos pretende sistematizar orientações aos membros do Fórum, no

Leia mais

Álcool e Drogas em Meio Laboral Clausulado Negociação Coletiva

Álcool e Drogas em Meio Laboral Clausulado Negociação Coletiva Álcool e Drogas em Meio Laboral Clausulado Negociação Coletiva Departamento de Segurança e Saúde no Trabalho Índice I Nota Introdutória. 3 II Metodologia..5 III Enquadramento da Problemática do Álcool

Leia mais

Dário Afonso Fernanda Piçarra Luisa Ferreira Rosa Felisberto Módulo: 3786, Controlo de Riscos

Dário Afonso Fernanda Piçarra Luisa Ferreira Rosa Felisberto Módulo: 3786, Controlo de Riscos Medidas de Prevenção e Protecção Dário Afonso Fernanda Piçarra Luisa Ferreira Rosa Felisberto Módulo: 3786, Controlo de Riscos 30 - Novembro, 2010 ÍNDICE Introdução - Medidas de Prevenção e Protecção pág.

Leia mais

Uma rede que nos une

Uma rede que nos une Uma rede que nos une Uma rede que nos une O IMTT - Instituto da Mobilidade e dos Transportes Terrestres, I.P. é um organismo da Administração Central, dotado de autonomia administrativa e financeira,

Leia mais

ACIDENTE E INCIDENTE INVESTIGAÇÃO

ACIDENTE E INCIDENTE INVESTIGAÇÃO ACIDENTE E INCIDENTE INVESTIGAÇÃO OBJETIVOS Para definir as razões para a investigação de acidentes e incidentes. Para explicar o processo de forma eficaz a investigação de acidentes e incidentes. Para

Leia mais

REPÚBLICA DEMOCRÁTICA DE TIMOR LESTE GOVERNO. DECRETO LEI N.º 8/2003, de 18 de Junho 2003 REGULAMENTO DE ATRIBUI ÇÃO E USO DOS VEÍCULOS DO ESTADO

REPÚBLICA DEMOCRÁTICA DE TIMOR LESTE GOVERNO. DECRETO LEI N.º 8/2003, de 18 de Junho 2003 REGULAMENTO DE ATRIBUI ÇÃO E USO DOS VEÍCULOS DO ESTADO REPÚBLICA DEMOCRÁTICA DE TIMOR LESTE GOVERNO DECRETO LEI N.º 8/2003, de 18 de Junho 2003 REGULAMENTO DE ATRIBUI ÇÃO E USO DOS VEÍCULOS DO ESTADO O Governo decreta, nos termos da alínea d) do artigo 116.º

Leia mais

CTT Correios de Portugal Frota Postal e Prevenção Rodoviária José Guilherme

CTT Correios de Portugal Frota Postal e Prevenção Rodoviária José Guilherme CTT Correios de Portugal Frota Postal e Prevenção Rodoviária José Guilherme IV Congresso Rodoviário Português Estoril, 5 a 7 de Abril de 2006 Apresentação 6 Novembro 1520 Carta Régia D. Manuel I (Ofício

Leia mais

Internacional de. Ensino da Saúde. Segurança e Saúde Ocupacional. www.estescoimbra.pt WWW.ESTESCOIMBRA.PT

Internacional de. Ensino da Saúde. Segurança e Saúde Ocupacional. www.estescoimbra.pt WWW.ESTESCOIMBRA.PT WWW.ESTESCOIMBRA.PT Certificado A Excelência no Internacional de Ensino da Saúde Segurança e Saúde Ocupacional 2 Coimbra Health School - Certificação NEBOSH O que é a ESTeSC - Coimbra Health School? Somos

Leia mais

Os Custos de Prevenção e Segurança e a sua Recuperação no Tempo COMUNICAÇÃO DE MANUEL MENDES DA CRUZ

Os Custos de Prevenção e Segurança e a sua Recuperação no Tempo COMUNICAÇÃO DE MANUEL MENDES DA CRUZ Os Custos de Prevenção e Segurança e a sua Recuperação no Tempo COMUNICAÇÃO DE MANUEL MENDES DA CRUZ INTRODUÇÃO O inesperado é o dia a dia das empresas... Pelo que os gestores têm também de prever o inesperado...

Leia mais

LEVANTAMENTO DE CLAUSULADO SOBRE ÁLCOOL E DROGAS NO TRABALHO

LEVANTAMENTO DE CLAUSULADO SOBRE ÁLCOOL E DROGAS NO TRABALHO LEVANTAMENTO DE CLAUSULADO SOBRE ÁLCOOL E DROGAS NO TRABALHO Negociação Coletiva Ano de 2012 Departamento de Segurança e Saúde no Trabalho Com o apoio I - Considerações Prévias O presente documento surge

Leia mais

A Suécia A Suécia é o país mais seguro da Europa no âmbito da rodovia, mas nem por isso deixa efectuar um debate permanente sobre os problemas do

A Suécia A Suécia é o país mais seguro da Europa no âmbito da rodovia, mas nem por isso deixa efectuar um debate permanente sobre os problemas do RELATÓRIO Resumo das afirmações mais pertinentes efectuadas durante a Conferencia Parlamentar dos Presidentes de Comissão na EU-25, realizada nos dias 10 e 11 de Maio de 2004 no Parlamento Sueco em Estocolmo,

Leia mais

Psicossociologia Do Trabalho

Psicossociologia Do Trabalho Relação de dados biográficos com factores de avaliação do trabalho. Psicossociologia Do Trabalho Resumo Relação de dados biográficos com factores de avaliação do trabalho. Importância de dados biográficos

Leia mais

Road Show Nacional e Prémio Nacional de Segurança Rodoviária. 24 de Setembro a 23 de Dezembro 2003

Road Show Nacional e Prémio Nacional de Segurança Rodoviária. 24 de Setembro a 23 de Dezembro 2003 Road Show Nacional e Prémio Nacional de Segurança Rodoviária 24 de Setembro a 23 de Dezembro 2003 1. Cidadania Empresarial A previsão do aumento de 40% no tráfego rodoviário nos próximos dez anos, exige

Leia mais

PUBLICAÇÕES:TECNOMETAL n.º 139 (Março/Abril de 2002) KÉRAMICA n.º 249 (Julho/Agosto de 2002)

PUBLICAÇÕES:TECNOMETAL n.º 139 (Março/Abril de 2002) KÉRAMICA n.º 249 (Julho/Agosto de 2002) TÍTULO: Sistemas de Gestão da Segurança e Saúde do Trabalho AUTORIA: Paula Mendes PUBLICAÇÕES:TECNOMETAL n.º 139 (Março/Abril de 2002) KÉRAMICA n.º 249 (Julho/Agosto de 2002) FUNDAMENTOS A nível dos países

Leia mais

PROCEDIMENTO GERAL. Gestão de Anomalia

PROCEDIMENTO GERAL. Gestão de Anomalia PÁG. 1/12 1. OBJETIVO Estabelecer a sistemática para gestão de anomalias na BAHIAGÁS, determinando os critérios para seu registro, comunicação, investigação e a metodologia para definição e implantação

Leia mais

OHSAS-18001:2007 Tradução livre

OHSAS-18001:2007 Tradução livre SISTEMAS DE GESTÃO DE SAÚDE E SEGURANÇA OCUPACIONAL - REQUISITOS (OCCUPATIONAL HEALTH AND SAFETY MANAGEMENT SYSTEMS - REQUIREMENTS) OHSAS 18001:2007 Diretrizes para o uso desta tradução Este documento

Leia mais

Estudo sobre Comportamentos de Risco

Estudo sobre Comportamentos de Risco quadernsquadernsanimacio.netnº10;julhode2009animacio.netnº10;julhode2009 quadernsanimacio.net nº11;janeirode2010 EstudosobreComportamentosdeRisco ResultadosdeInquéritonumaPerspectiva depromoçãodasaúde

Leia mais

Quando falamos de prevenção no âmbito da Segurança, Higiene e Saúde no. Trabalho, estamos a falar de um conjunto de actividades que têm como objectivo

Quando falamos de prevenção no âmbito da Segurança, Higiene e Saúde no. Trabalho, estamos a falar de um conjunto de actividades que têm como objectivo 1 - Em que consiste a prevenção? Quando falamos de prevenção no âmbito da Segurança, Higiene e Saúde no Trabalho, estamos a falar de um conjunto de actividades que têm como objectivo eliminar ou reduzir

Leia mais

BREVE REFERÊNCIA À LEI N.º 32/2007, DE 13 DE AGOSTO E AOS ESTATUTOS DA CONSULENTE

BREVE REFERÊNCIA À LEI N.º 32/2007, DE 13 DE AGOSTO E AOS ESTATUTOS DA CONSULENTE FICHA DOUTRINÁRIA Diploma: Artigo: Assunto: CIVA 9º Entidade sem fins lucrativos e de utilidade pública Processo: nº 2155, despacho do SDG dos Impostos, substituto legal do Director - Geral, em 2011-06-28.

Leia mais

NCE/12/00706 Relatório final da CAE - Novo ciclo de estudos

NCE/12/00706 Relatório final da CAE - Novo ciclo de estudos NCE/12/00706 Relatório final da CAE - Novo ciclo de estudos Caracterização do pedido Perguntas A.1 a A.10 A.1. Instituição de Ensino Superior / Entidade Instituidora: Ensilis - Educação E Formação Sa A.1.a.

Leia mais

Vertentes e Desafios da Segurança 2013

Vertentes e Desafios da Segurança 2013 Estudo das associações significativas e fortes dos acidentes de trabalho com o efetivo laboral e com as horas trabalhadas Study of significant and strong associations between occupational accidents and

Leia mais

Maria Segurado Fátima, 25 de Fevereiro de 2008

Maria Segurado Fátima, 25 de Fevereiro de 2008 Alterações da norma OHSAS 18001:2007 Ricardo Teixeira Gestor de Cliente Coordenador Revisão da norma Objectivos da revisão danorma: Esclarecimento da 1.ª edição; Alinhamento com a ISO 14001; Melhoria da

Leia mais

REGULAMENTO MUNICIPAL DE SEGURANÇA, HIGIENE E SAÚDE NO TRABALHO

REGULAMENTO MUNICIPAL DE SEGURANÇA, HIGIENE E SAÚDE NO TRABALHO REGULAMENTO MUNICIPAL DE SEGURANÇA, HIGIENE E SAÚDE NO TRABALHO (Aprovado na 8ª Reunião Extraordinária de Câmara Municipal realizada em 17 de Dezembro de 1999 e na 1ª Reunião Extraordinária de Assembleia

Leia mais

Data de adopção. Referência Título / Campo de Aplicação Emissor. Observações

Data de adopção. Referência Título / Campo de Aplicação Emissor. Observações NP ISO 10001:2008 Gestão da qualidade. Satisfação do cliente. Linhas de orientação relativas aos códigos de conduta das organizações CT 80 2008 NP ISO 10002:2007 Gestão da qualidade. Satisfação dos clientes.

Leia mais

Segurança e Higiene do Trabalho

Segurança e Higiene do Trabalho Guia Técnico Segurança e Higiene do Trabalho Volume XXVIII Prevenção de acidentes com veículos na Construção Civil Parte 1 um Guia Técnico de Copyright, todos os direitos reservados. Este Guia Técnico

Leia mais

protec ligeiros INFORMAÇÕES PRÉ-CONTRATUAIS (nos termos do Decreto-Lei n.º 72/2008, de 16 de Abril)

protec ligeiros INFORMAÇÕES PRÉ-CONTRATUAIS (nos termos do Decreto-Lei n.º 72/2008, de 16 de Abril) protec ligeiros INFORMAÇÕES PRÉ-CONTRATUAIS (nos termos do Decreto-Lei n.º 72/2008, de 16 de Abril) Entidade de Supervisão Autoridade de Supervisão de Seguros e Fundos de Pensões, com sede na Av. da República,

Leia mais

Segurança e Higiene do Trabalho. Volume XIX Gestão da Prevenção. Guia Técnico. um Guia Técnico de O Portal da Construção. www.oportaldaconstrucao.

Segurança e Higiene do Trabalho. Volume XIX Gestão da Prevenção. Guia Técnico. um Guia Técnico de O Portal da Construção. www.oportaldaconstrucao. Guia Técnico Segurança e Higiene do Trabalho Volume XIX Gestão da Prevenção um Guia Técnico de Copyright, todos os direitos reservados. Este Guia Técnico não pode ser reproduzido ou distribuído sem a expressa

Leia mais

Segurança e Higiene do Trabalho

Segurança e Higiene do Trabalho Guia Técnico Segurança e Higiene do Trabalho Volume XXI Acidentes de Trabalho um Guia Técnico de Copyright, todos os direitos reservados. Este Guia Técnico não pode ser reproduzido ou distribuído sem a

Leia mais

Qualidade e Gestão do Risco em Saúde Ocupacional: Auditorias

Qualidade e Gestão do Risco em Saúde Ocupacional: Auditorias XIII Simpósio do ISMAI em Segurança, Higiene e Saúde no Trabalho Qualidade e Gestão do Risco em Saúde Ocupacional: Auditorias Mestre Mariana Neto, DGS, 2008 De acordo com os conceitos mais actuais, a abordagem

Leia mais

Prevenção de riscos e doenças. Reabilitação. Nathalia C Andrada

Prevenção de riscos e doenças. Reabilitação. Nathalia C Andrada Promoção de saúde Prevenção de riscos e doenças Reabilitação Nathalia C Andrada Programa Diretrizes diretrizes@amb.org.br Cenário atual www.projetodiretrizes.org.br Cenário atual Cenário atual TRAJETÓRIA

Leia mais

A Apreciação Geral. Sem esta abordagem torna se incontornável um impasse no desenvolvimento do processo negocial.

A Apreciação Geral. Sem esta abordagem torna se incontornável um impasse no desenvolvimento do processo negocial. A Apreciação Geral Relativamente às anteriores propostas negociais enviadas a 20/2/2009 e objecto de discussão na reunião realizada a 3/3/2009, verificamos a evolução para a apresentação de um único documento

Leia mais

A contabilidade de custos surgiu em meados do século XVIII, período em que ocorreu em Inglaterra, a revolução industrial.

A contabilidade de custos surgiu em meados do século XVIII, período em que ocorreu em Inglaterra, a revolução industrial. Método das Secções Homogéneas versus ABC Custeio Baseado em Actividades Activity-Based Costing ABM Gestão Baseado em Actividades Activity Activity-based management Novas Tendências da Contabilidade de

Leia mais

CÓDIGO DE CONDUTA DE RESPONSABILIDADE SOCIAL ENTRE O GRUPO PORTUGAL TELECOM, A UNI (UNION NETWORK INTERNATIONAL), SINTTAV, STPT E SINDETELCO

CÓDIGO DE CONDUTA DE RESPONSABILIDADE SOCIAL ENTRE O GRUPO PORTUGAL TELECOM, A UNI (UNION NETWORK INTERNATIONAL), SINTTAV, STPT E SINDETELCO CÓDIGO DE CONDUTA DE RESPONSABILIDADE SOCIAL ENTRE O GRUPO PORTUGAL TELECOM, A UNI (UNION NETWORK INTERNATIONAL), SINTTAV, STPT E SINDETELCO PREÂMBULO O presente Acordo concretiza os objectivos das conversações

Leia mais

Decreto-Lei n.º 36/1992 de 28/03 - Série I-A nº74

Decreto-Lei n.º 36/1992 de 28/03 - Série I-A nº74 Alterado pelo DL 36/92 28/03 Estabelece o regime da consolidação de contas de algumas instituições financeiras A Directiva do Conselho n.º 86/635/CEE, de 8 de Dezembro de 1986, procedeu à harmonização

Leia mais

Mod 10-381 rev 0. Manual de Boas Práticas Ambientais. Prestadores de Serviços de Manutenção de Elevadores e Escadas Rolantes

Mod 10-381 rev 0. Manual de Boas Práticas Ambientais. Prestadores de Serviços de Manutenção de Elevadores e Escadas Rolantes Mod 10-381 rev 0 Manual de Boas Práticas Ambientais Prestadores de Serviços de Manutenção de Elevadores e Escadas Rolantes Mensagem do Conselho de Administração Mensagem do Conselho de Administração A

Leia mais

Portaria n.º 605/99, de 5 de Agosto Regulamento do Sistema Nacional de Farmacovigilância (Revogado pela Decreto-Lei n.º 242/2002, de 5 de Novembro)

Portaria n.º 605/99, de 5 de Agosto Regulamento do Sistema Nacional de Farmacovigilância (Revogado pela Decreto-Lei n.º 242/2002, de 5 de Novembro) Regulamento do Sistema Nacional de Farmacovigilância (Revogado pela Decreto-Lei n.º 242/2002, de 5 de Novembro) O sistema de avaliação e autorização de introdução no mercado de medicamentos, que tem vindo

Leia mais

1. Contextualização da segurança, higiene e saúde do trabalho no regime jurídico

1. Contextualização da segurança, higiene e saúde do trabalho no regime jurídico 1. Contextualização da segurança, higiene e saúde do trabalho no regime jurídico O documento legislativo que estabelece o regime jurídico de enquadramento da segurança, higiene e saúde no trabalho é determinado

Leia mais

CONTRA-ORDENAÇÕES RODOVIÁRIAS

CONTRA-ORDENAÇÕES RODOVIÁRIAS FICHA TÉCNICA CONTRA-ORDENAÇÕES RODOVIÁRIAS Níveis GDE Temas Transversais Síntese informativa Nível 1 Nível Atitudinal Tema 1 Conhecimento de si próprio como Condutor; Tema 2 Atitudes e Comportamentos;

Leia mais

21 Os Acidentes Rodoviários:

21 Os Acidentes Rodoviários: Página 218 21 Os Acidentes Rodoviários: Um Problema de Saúde Pública nos Jovens Azevedo, V. (1) Ferreira, A.S. (1) Oliveira, D. (1) Maia, A. (1) (1) Universidade do Minho. Página 219 Objectivos No início

Leia mais

PROTOCOLO. 1. A Fidelidade Mundial é uma entidade legalmente autorizada a desenvolver a actividade seguradora em Portugal;

PROTOCOLO. 1. A Fidelidade Mundial é uma entidade legalmente autorizada a desenvolver a actividade seguradora em Portugal; PROTOCOLO Entre Sindicato dos Educadores e Professores Licenciados pelas Escolas Superiores de Educação e Universidades, pessoa colectiva número 503 902233, com sede em Lisboa, na Avenida de Paris, nº

Leia mais

Manual do Revisor Oficial de Contas. Directriz de Revisão/Auditoria 835

Manual do Revisor Oficial de Contas. Directriz de Revisão/Auditoria 835 Directriz de Revisão/Auditoria 835 Abril de 2006 Certificação do Relatório Anual sobre os Instrumentos de Captação de Aforro Estruturados (ICAE) no Âmbito da Actividade Seguradora Índice INTRODUÇÃO 1 4

Leia mais

Segurança e Higiene no Trabalho. Volume I - Princípios Gerais. Guia Técnico. um Guia Técnico de O Portal da Construção. www.oportaldaconstrucao.

Segurança e Higiene no Trabalho. Volume I - Princípios Gerais. Guia Técnico. um Guia Técnico de O Portal da Construção. www.oportaldaconstrucao. Guia Técnico Segurança e Higiene no Trabalho Volume I - Princípios Gerais um Guia Técnico de Copyright, todos os direitos reservados. Este Guia Técnico não pode ser reproduzido ou distribuído sem a expressa

Leia mais

ESCOLA DE CONDUÇÃO INVICTA (Responsabilidade pelas Infracções)

ESCOLA DE CONDUÇÃO INVICTA (Responsabilidade pelas Infracções) Responsabilidade pelas infracções São responsáveis pelas infracções: o agente sobre o qual recai o facto constitutivo dessa infracção. as pessoas colectivas ou equiparadas. o condutor do veículo quando

Leia mais

Segurança, Higiene e Saúde no Trabalho SHST

Segurança, Higiene e Saúde no Trabalho SHST Segurança, Higiene e Saúde no Trabalho SHST O QUE DIZ A LEI OBSERVAÇÕES Todos os trabalhadores têm direito à prestação de trabalho em condições de segurança, higiene e saúde, competindo ao empregador assegurar

Leia mais

Competição entre soluções de transporte: Corredor Lisboa - Madrid Álvaro Barreira Rosário Macário Vasco Reis. Airdev Lisboa, 20 de Outubro de 2011

Competição entre soluções de transporte: Corredor Lisboa - Madrid Álvaro Barreira Rosário Macário Vasco Reis. Airdev Lisboa, 20 de Outubro de 2011 Competição entre soluções de transporte: Corredor Lisboa - Madrid Álvaro Barreira Rosário Macário Vasco Reis Airdev Lisboa, 20 de Outubro de 2011 1 Conteúdos Motivação Objectivos Metodologia Caso de estudo

Leia mais

Tendo em conta objectivos de sistematização dos relatórios de controlo interno, em base individual e consolidada;

Tendo em conta objectivos de sistematização dos relatórios de controlo interno, em base individual e consolidada; Avisos do Banco de Portugal Aviso nº 3/2006 Considerando que todas as instituições de crédito e sociedades financeiras, bem como os grupos financeiros, devem possuir um sistema de controlo interno adaptado

Leia mais

"Strategies for dealing with Missing data in clinical trials: From design to Analysis

Strategies for dealing with Missing data in clinical trials: From design to Analysis "Strategies for dealing with Missing data in clinical trials: From design to Analysis Dziura JD et al. Yale J Biol Med. 2013 September 86 (3): 343-358. Apresentação: Biól. Andréia Rocha INTRODUÇÃO Ciência

Leia mais

PÓS-AVALIAÇÃO EM AIA

PÓS-AVALIAÇÃO EM AIA Engenharia Civil: 5º ano / 10º semestre Engenharia do Territorio: 4º ano / 8º semestre PÓS-AVALIAÇÃO EM AIA Articulação da AIA com outros regimes de licenciamento IMPACTES AMBIENTAIS 9 ª aula Prof. Doutora

Leia mais

DOCUMENTAÇÃO. Acção de Formação Fiscalidade

DOCUMENTAÇÃO. Acção de Formação Fiscalidade DOCUMENTAÇÃO Acção de Formação Fiscalidade Painel Fiscalidade ENQUADRAMENTO FISCAL IRS IVA EBF IRC INCIDÊNCIA BASE DO IMPOSTO RENDIMENTOS ISENTOS DETERMINAÇÃO DA MATÉRIA COLECTÁVEL DETERMINAÇÃO DO RENDIMENTO

Leia mais

NORMAS REGULAMENTARES DOS MESTRADOS DO ISEG

NORMAS REGULAMENTARES DOS MESTRADOS DO ISEG NORMAS REGULAMENTARES DOS MESTRADOS DO ISEG Nos termos do artigo 26.º do Decreto-Lei n.º 74/2006 de 24 de Março e do Regulamento de Mestrados da Universidade Técnica de Lisboa (Deliberação do Senado da

Leia mais

Autoridade Bancária e de Pagamentos de Timor-Leste

Autoridade Bancária e de Pagamentos de Timor-Leste Autoridade Bancária e de Pagamentos de Timor-Leste Banking and Payments Authority of Timor-Leste Av a Bispo Medeiros, PO Box 59, Dili, Timor-Leste Tel. (670) 3 313 718, Fax. (670) 3 313 716 RESOLUÇÃO DO

Leia mais

PARECER N.º 43/CITE/2010

PARECER N.º 43/CITE/2010 PARECER N.º 43/CITE/2010 Assunto: Parecer prévio nos termos do n.º 1 e da alínea c) do n.º 3 do artigo 63.º do Código do Trabalho, aprovado pela Lei n.º 7/2009, de 12 de Fevereiro Despedimento de trabalhadora

Leia mais

Certificação de Sistemas de Gestão. ACIB Associação Comercial e Industrial de Barcelos Barcelos, 29 de Novembro de 2010

Certificação de Sistemas de Gestão. ACIB Associação Comercial e Industrial de Barcelos Barcelos, 29 de Novembro de 2010 Certificação de Sistemas de Gestão ACIB Associação Comercial e Industrial de Barcelos Barcelos, 29 de Novembro de 2010 Sumário 1. Certificação de Sistemas de Gestão Qualidade (ISO 9001:2008); 2. Certificação

Leia mais

PROGRAMA DE PREVENÇÃO NA EMPRESA: DA IMPLANTAÇÃO À TESTAGEM TOXICOLÓGICA

PROGRAMA DE PREVENÇÃO NA EMPRESA: DA IMPLANTAÇÃO À TESTAGEM TOXICOLÓGICA UNIVERSIDADE DE SÃO PAULO Faculdade de Ciências Farmacêuticas Departamento de Análises Clínicas e Toxicológicas Laboratório de Análises Toxicológicas PROGRAMA DE PREVENÇÃO NA EMPRESA: DA IMPLANTAÇÃO À

Leia mais

RESUMO. Eficácia da formação em TIC factores associados à transferência da aprendizagem para o contexto de trabalho. 1

RESUMO. Eficácia da formação em TIC factores associados à transferência da aprendizagem para o contexto de trabalho. 1 RESUMO Eficácia da formação em TIC factores associados à transferência da aprendizagem para o contexto de trabalho. 1 Produção apoiada pelo Programa Operacional de Emprego, Formação e Desenvolvimento Social

Leia mais

Análise Social, vol. XX (84), 1984-5.º, 701-706

Análise Social, vol. XX (84), 1984-5.º, 701-706 Edgar Rocha Análise Social, vol. XX (84), 1984-5.º, 71-76 Nota sobre a população activa agrícola do sexo feminino, segundo o Recenseamento e segundo o Inquérito Permanente ao Emprego : em busca de 3 mulheres

Leia mais

SInASE <> Carla Gonçalves Pereira Fernando Rodrigues

SInASE <<TITULO APRESENTAÇÃO>> Carla Gonçalves Pereira Fernando Rodrigues Lisboa 28 28 de Junho 2011 Museu do Oriente Qualidade Risco em Saúde Carla Gonçalves Pereira Fernando Rodrigues 1º Estudo Nacional 11,1% admissões

Leia mais

Segurança e saúde no trabalho

Segurança e saúde no trabalho Segurança e saúde no trabalho A empresa tem a responsabilidade legal de assegurar que os trabalhadores prestam trabalho em condições que respeitem a sua segurança e a sua saúde. A empresa está obrigada

Leia mais

Federação Portuguesa de Judo

Federação Portuguesa de Judo Regulamento de Prevenção e Controlo da Violência 1ª Revisão Com as alterações decorrentes da entrada em vigor da Lei n.º 39/2009 de 30 de Julho Aprovado pela Direcção em 9 de Dezembro de 2010 2 ÍNDICE:

Leia mais

Pensamento crítico 20011/12. Aula 9, 9 e 11-11-11

Pensamento crítico 20011/12. Aula 9, 9 e 11-11-11 Pensamento crítico 20011/12 Aula 9, 9 e 11-11-11 Resumo Análise de modelos (revisão) Modelo de causalidade (revisão) Análise de hipóteses causais Tipos de experiência Erros, erro cognitivo Ciência e correcção

Leia mais

Mod 10-381 rev 0. Manual de Boas Práticas Ambientais. Prestadores de Serviços de Manutenção de Ar Condicionado

Mod 10-381 rev 0. Manual de Boas Práticas Ambientais. Prestadores de Serviços de Manutenção de Ar Condicionado Mod 10-381 rev 0 Manual de Boas Práticas Ambientais Prestadores de Serviços de Manutenção de Ar Condicionado Mensagem do Conselho de Administração Mensagem do Conselho de Administração A implementação

Leia mais

protec 2 rodas INFORMAÇÕES PRÉ-CONTRATUAIS (nos termos do Decreto-Lei n.º 72/2008, de 16 de Abril)

protec 2 rodas INFORMAÇÕES PRÉ-CONTRATUAIS (nos termos do Decreto-Lei n.º 72/2008, de 16 de Abril) protec 2 rodas INFORMAÇÕES PRÉ-CONTRATUAIS (nos termos do Decreto-Lei n.º 72/2008, de 16 de Abril) Entidade de Supervisão Autoridade de Supervisão de Seguros e Fundos de Pensões, com sede na Av. da República,

Leia mais

Escola de Condução Colinas do Cruzeiro

Escola de Condução Colinas do Cruzeiro Escola de Condução Colinas do Cruzeiro MANUAL DA QUALIDADE Índice 1. Índice 1. Índice 2 2. Promulgação do Manual da Qualidade 3 3. Apresentação da Empresa 4 3.1 Identificação da Empresa 4 3.2 Descrição

Leia mais

d) Licença ambiental de operação documento

d) Licença ambiental de operação documento I SÉRIE N.º 84 DE 13 DE JULHO DE 2007 1283 Decreto n.º 59/07 de 13 de Julho Considerando que a Lei n.º 5/98, de 19 de Junho, Lei de Bases do Ambiente, estabelece a obrigatoriedade de licenciamento das

Leia mais

SECÇÃO III Serviços de segurança, higiene e saúde no trabalho SUBSECÇÃO I Disposições gerais

SECÇÃO III Serviços de segurança, higiene e saúde no trabalho SUBSECÇÃO I Disposições gerais A Lei n.º 7/2009, de 12 de Fevereiro, revê o Código do Trabalho, mas mantém em vigor disposições assinaladas do anterior Código do Trabalho de 2003, e da sua regulamentação, até que seja publicado diploma

Leia mais

Impresso em 26/08/2015 10:52:49 (Sem título)

Impresso em 26/08/2015 10:52:49 (Sem título) Aprovado ' Elaborado por Cintia Kikuchi/BRA/VERITAS em 08/01/2015 Verificado por Neidiane Silva em 09/01/2015 Aprovado por Americo Venturini/BRA/VERITAS em 12/01/2015 ÁREA QHSE Tipo Procedimento Regional

Leia mais

PROJECTO DE NORMA REGULAMENTAR

PROJECTO DE NORMA REGULAMENTAR PROJECTO DE NORMA REGULAMENTAR OBTENÇÃO E ELABORAÇÃO DOS DADOS ACTUARIAIS E ESTATÍSTICOS DE BASE NO CASO DE EVENTUAIS DIFERENCIAÇÕES EM RAZÃO DO SEXO NOS PRÉMIOS E PRESTAÇÕES INDIVIDUAIS DE SEGUROS E DE

Leia mais

OBSERVATÓRIO DO PERCURSO PROFISSIONAL DOS DIPLOMADOS DA UTAD

OBSERVATÓRIO DO PERCURSO PROFISSIONAL DOS DIPLOMADOS DA UTAD OBSERVATÓRIO DO PERCURSO PROFISSIONAL DOS DIPLOMADOS DA UTAD UTAD 2011 OBSERVATÓRIO DO PERCURSO PROFISSIONAL DOS DIPLOMADOS DA UTAD (2003-2007) O. Enquadramento As políticas públicas de ensino superior

Leia mais

Discurso do IGT na conferência da EDP

Discurso do IGT na conferência da EDP Discurso do IGT na conferência da EDP 1. A Segurança e Saúde no Trabalho é, hoje, uma matéria fundamental no desenvolvimento duma política de prevenção de riscos profissionais, favorecendo o aumento da

Leia mais

Sistema de Incentivos à Inovação e I&DT (Sector Automóvel) Quadro de Referência Estratégico Nacional [QREN]

Sistema de Incentivos à Inovação e I&DT (Sector Automóvel) Quadro de Referência Estratégico Nacional [QREN] Sistema de Incentivos à Inovação e I&DT (Sector Automóvel) Quadro de Referência Estratégico Nacional [QREN] Frederico Mendes & Associados Sociedade de Consultores Lda. Frederico Mendes & Associados é uma

Leia mais

PARECER DA UGT SOBRE A INTERDIÇÃO DE ESTÁGIOS EXTRACURRICULARES NÃO REMUNERADOS

PARECER DA UGT SOBRE A INTERDIÇÃO DE ESTÁGIOS EXTRACURRICULARES NÃO REMUNERADOS PARECER DA UGT SOBRE A INTERDIÇÃO DE ESTÁGIOS EXTRACURRICULARES NÃO REMUNERADOS A UGT sempre valorizou o Programa Nacional de Estágios e a necessidade do aumento do número destes, independentemente de

Leia mais

RESOLUÇÃO CFP N.º 25/2001

RESOLUÇÃO CFP N.º 25/2001 RESOLUÇÃO CFP N.º 25/2001 Define teste psicológico como método de avaliação privativo do psicólogo e regulamenta sua elaboração, comercialização e uso. O CONSELHO FEDERAL DE PSICOLOGIA, no uso das atribuições

Leia mais

Norma ISO 9000. Norma ISO 9001. Norma ISO 9004 SISTEMA DE GESTÃO DA QUALIDADE REQUISITOS FUNDAMENTOS E VOCABULÁRIO

Norma ISO 9000. Norma ISO 9001. Norma ISO 9004 SISTEMA DE GESTÃO DA QUALIDADE REQUISITOS FUNDAMENTOS E VOCABULÁRIO SISTEMA DE GESTÃO DA QUALDADE SISTEMA DE GESTÃO DA QUALIDADE Norma ISO 9000 Norma ISO 9001 Norma ISO 9004 FUNDAMENTOS E VOCABULÁRIO REQUISITOS LINHAS DE ORIENTAÇÃO PARA MELHORIA DE DESEMPENHO 1. CAMPO

Leia mais

Artigo 1.º Pessoas visadas

Artigo 1.º Pessoas visadas Resolução da Assembleia da República n.º 39/95 Convenção e o Protocolo entre a República Portuguesa e os Estados Unidos da América para Evitar a Dupla Tributação e Prevenir a Evasão Fiscal em Matéria de

Leia mais

DESTAQUE. Novembro 2014 I. INTRODUÇÃO

DESTAQUE. Novembro 2014 I. INTRODUÇÃO DESTAQUE Novembro 2014 MERCADO DE CAPITAIS PRINCIPAIS NOVIDADES REGULATÓRIAS EM MATÉRIA DE MERCADO DE INSTRUMENTOS FINANCEIROS, LIQUIDAÇÃO DE TRANSACÇÕES E CENTRAIS DE VALORES MOBILIÁRIOS I. INTRODUÇÃO

Leia mais

Engenharia de Segurança 2/12

Engenharia de Segurança 2/12 Especialização em Engenharia de Segurança Um Contributo da Ordem dos Engenheiros para a Prevenção de Riscos A. Sérgio Miguel & Pedro Arezes Lisboa, Auditório da OE 27Abril2011 Engenharia de Segurança 2/12

Leia mais

O âmbito geográfico deste estudo é Portugal continental e as regiões autónomas da Madeira e dos Açores. Saidas. Entradas. Mudanças de emprego

O âmbito geográfico deste estudo é Portugal continental e as regiões autónomas da Madeira e dos Açores. Saidas. Entradas. Mudanças de emprego Mobilidade dos Trabalhadores ESTATÍSTICAS STICAS em síntese O presente estudo baseia-se nas informações que integram a base do Sistema de Informação Longitudinal de Empresas, Estabelecimentos e Trabalhadores

Leia mais

Regulamento de Inventário e Cadastro do Património Municipal

Regulamento de Inventário e Cadastro do Património Municipal Regulamento de Inventário e Cadastro do Património Municipal Preâmbulo Para cumprimento do disposto na alínea c) do nº1 e nas alíneas f), h) e i) do nº 2, todos do artigo 68º da Lei nº 169/99 de 18 de

Leia mais

ISEL REGULAMENTO DO GABINETE DE AUDITORIA INTERNA DO INSTITUTO SUPERIOR DE ENGENHARIA DE LISBOA. Aprovado pelo Presidente do ISEL em LISBOA

ISEL REGULAMENTO DO GABINETE DE AUDITORIA INTERNA DO INSTITUTO SUPERIOR DE ENGENHARIA DE LISBOA. Aprovado pelo Presidente do ISEL em LISBOA REGULAMENTO DO DO INSTITUTO SUPERIOR DE ENGENHARIA DE LISBOA Aprovado pelo Presidente do ISEL em INTRODUÇÃO No âmbito da gestão pública a Auditoria Interna é uma alavanca de modernização e um instrumento

Leia mais

BASES GERAIS DO REGIME JURÍDICO DA PREVENÇÃO, HABILITAÇÃO, REABILITAÇÃO E PARTICIPAÇÃO DA PESSOA COM DEFICIÊNCIA. Lei n.º 38/2004, de 18 de Agosto

BASES GERAIS DO REGIME JURÍDICO DA PREVENÇÃO, HABILITAÇÃO, REABILITAÇÃO E PARTICIPAÇÃO DA PESSOA COM DEFICIÊNCIA. Lei n.º 38/2004, de 18 de Agosto BASES GERAIS DO REGIME JURÍDICO DA PREVENÇÃO, HABILITAÇÃO, REABILITAÇÃO E PARTICIPAÇÃO DA PESSOA COM DEFICIÊNCIA Lei n.º 38/2004, de 18 de Agosto Define as bases gerais do regime jurídico da prevenção,

Leia mais

Consequências económicas da exploração da RAV 2. Impacto no PIB da criação de tráfego

Consequências económicas da exploração da RAV 2. Impacto no PIB da criação de tráfego UNIVERSIDADE CATÓLICA PORTUGUESA Centro de Estudos Aplicados Consequências económicas da exploração da RAV 2. Impacto no PIB da criação de tráfego Versão Final Manuel Leite Monteiro Lisboa 2006 Universidade

Leia mais

Prevenção: A Perspectiva da Medicina do Trabalho. Jorge Barroso Dias, Médico do Trabalho

Prevenção: A Perspectiva da Medicina do Trabalho. Jorge Barroso Dias, Médico do Trabalho Prevenção: A Perspectiva da Medicina do Trabalho, Médico do Trabalho Conceitos Básicos sobre o consumo de substâncias psicoativas em meio laboral Objectivos da Prevenção Primária Causas relacionadas com

Leia mais

Estrutura da Norma. 0 Introdução 0.1 Generalidades. ISO 9001:2001 Sistemas de Gestão da Qualidade Requisitos. Gestão da Qualidade 2005

Estrutura da Norma. 0 Introdução 0.1 Generalidades. ISO 9001:2001 Sistemas de Gestão da Qualidade Requisitos. Gestão da Qualidade 2005 ISO 9001:2001 Sistemas de Gestão da Qualidade Requisitos Gestão da Qualidade 2005 Estrutura da Norma 0. Introdução 1. Campo de Aplicação 2. Referência Normativa 3. Termos e Definições 4. Sistema de Gestão

Leia mais

Mestrado em Sistemas Integrados de Gestão (Qualidade, Ambiente e Segurança)

Mestrado em Sistemas Integrados de Gestão (Qualidade, Ambiente e Segurança) Mestrado em Sistemas Integrados de Gestão (Qualidade, Ambiente e Segurança) 1 - Apresentação Grau Académico: Mestre Duração do curso: : 2 anos lectivos/ 4 semestres Número de créditos, segundo o Sistema

Leia mais

MANUAL TÉCNICO F.P. AIKIDO

MANUAL TÉCNICO F.P. AIKIDO MANUAL TÉCNICO F.P. AIKIDO (Versão 1.2015) Modalidade: Tomador de Seguro: Acidentes Pessoais Grupo Federação Portuguesa de Aikido Apólice: 29019875 Companhia: Açoreana Seguros S.A Contactos: Av. Duque

Leia mais

Ensaios clínicos Ajudar os pacientes a lutar contra o cancro

Ensaios clínicos Ajudar os pacientes a lutar contra o cancro Ensaios clínicos Ajudar os pacientes a lutar contra o cancro Os ensaios clínicos são estudos de investigação realizados em voluntários humanos para responder a questões científicas específicas. Especialmente

Leia mais

NOTA TÉCNICA SEJUR nº 078/2014 (Aprovada em Reunião de Diretoria em 04/11/2014)

NOTA TÉCNICA SEJUR nº 078/2014 (Aprovada em Reunião de Diretoria em 04/11/2014) NOTA TÉCNICA SEJUR nº 078/2014 (Aprovada em Reunião de Diretoria em 04/11/2014) Referência: Expediente n.º 3896/2014 Origem: Câmaras Técnicas EMENTA: RESOLUÇÃO CONTRAN Nº 460/13. EXAME TOXICOLÓGICO DE

Leia mais