PROTÓTIPO DE DATA MINING APLICADO AO PROCESSO DA GESTÃO DO CONHECIMENTO NA UNOCHAPECÓ. Rafael Leite

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "PROTÓTIPO DE DATA MINING APLICADO AO PROCESSO DA GESTÃO DO CONHECIMENTO NA UNOCHAPECÓ. Rafael Leite rafa@classico.com.br"

Transcrição

1 PROTÓTIPO DE DATA MINING APLICADO AO PROCESSO DA GESTÃO DO CONHECIMENTO NA UNOCHAPECÓ Aline Sonza José Alexandre De Toni Rafael Leite Universidade Comunitária Regional de Chapecó UNOCHAPECÓ Caixa Postal 747, Chapecó SC RESUMO O presente artigo tem por objetivo a implementação de um protótipo baseado em um modelo de Gestão do Conhecimento utilizando a tecnologia Data Mining (DM), aplicando o modelo á UNOCHAPECÓ. A grande importância da Gestão do Conhecimento para a sociedade está aliada ao processo de interpretação do conhecimento, para a melhoria do processo de tomada de decisões, onde os Sistemas de Informações (SI) e os Sistemas de Apoio à Decisões (SADs) auxiliam neste processo de interpretação e disseminação de informações úteis. Esses recursos são aliados à tecnologia de DM, pois realiza a busca por informações em massas de dados. Desta forma, das técnicas estudadas utilizou-se para o desenvolvimento do protótipo a técnica de árvore de decisão, para a busca de informações contidas nos s e sistemas de informações tradicionais da Universidade. Para a implementação do protótipo foi utilizada a Linguagem de Programação Delphi 5 associada ao banco de dados Interbase que tem como objetivo, auxiliar o gestor na tomada de decisões através da busca de informações adicionais. Palavras-chave: Gestão do Conhecimento, Data Mining, documentos. ABSTRACT The objetive in this word is the implementation of a prototype based in a model in Knowledge Management making use the technology Data Mining (DM), putting into practice the models to UNOCHAPECÓ. The biggest importance in Knowledge Management to the society is enter into a process of knowledge s interpretation, to the improvement the take decision s process, where the Information s Systems (SI) and the Help Decision s Systems (SAD s) help in this Interpretation s process and Information s dissemination usuful. This recourses are allied technology DM, because they realized the search of informations. In this way, the techines studied was made use to the development prototype was the techine in decision s tree, to the search of informations contained in s anda Traditional Informations Systems from University. To the implementation the prototype was made use the Programation s Language Delphi 5 associate with Data Bases Interbase that it has like objetive, the conduct in take decisions through the search additional informations. Keywords: Knowledge Management, Data Mining, documents.

2 1. INTRODUÇÃO A Universidade passou a ser inserida no mundo globalizado através da expansão do ensino superior, concretizando seu grau de complexidade obrigando seus administradores a buscarem a melhor maneira de gestão para organizar e acelerar seu desenvolvimento. No mundo globalizado o fator mais relevante é o conhecimento humano, onde passa a ser um grande diferencial. Para o gestor universitário deve-se agregar a informação aos processos de decisões, tendo como grandes soluções para tais o conhecimento. A aliança da informação e do conhecimento gera inúmeros questionamentos quanto sua importância e maneira de implantação. Assim, o termo Gestão do Conhecimento surge para concretizar tal aliança sendo um método de auxílio as decisões por parte dos gestores. A caracterização da Gestão do Conhecimento está relacionada com as grandes exigências do mercado no que diz respeito a agilidade e a exploração de novos conhecimentos para assim dissemina-los, e adquirir o significado desejado. O termo Gestão do Conhecimento refere-se a forma como organizar a informação, ou seja, caracteriza-se como uma ferramenta gerencial nas organizações para agregar valor a informação e distribui-la. A Tecnologia da Informação (TI) tem a capacidade de gerir informação através de sua técnica de implementação do então conhecimento sendo, um auxílio para a realização de todas as etapas do processo de Gestão do Conhecimento. Algumas tecnologias já trabalham com a transformação do conhecimento em informações úteis, como é o caso do Data Mining (DM), que tem por função a busca por informações em grande massas de dados para extrair informações estratégicas. Para objetivar tal relação entre Gestão do Conhecimento e o DM, o presente artigo trata de uma proposta de implementação de um protótipo baseado em um modelo de Gestão do Conhecimento que auxilie o gestor universitário na tomada de decisões, através da mineração de informações contidas em uma Kbase. Como a implementação baseia-se na Universidade tal estudo foi realizado na Universidade Comunitária de Chapecó UNOCHAPECÓ, para a busca das informações. O presente artigo está dividido nos principais assuntos abordados, sendo no Título 2 uma abordagem sucinta sobre as Universidades em geral, ou seja, seus modelos, estruturas e divisões. Já no Título 3, é descrito um breve estudo sobre Gestão do Conhecimento e DM, o auxílio do conhecimento para as tomadas de decisões. No Título 4, é descrito o estudo de caso na UNOCHAPECÓ. Para a concretização de tal proposta no Título 5 é realizado a Validação do protótipo aplicado a Gestão do Conhecimento e para finalizar no Título 6 as conclusões que chegou-se com a implementação de tal modelo. 2. EVOLUÇÃO DAS UNIVERSIDADES O surgimento das Universidades data do século XI, tendo como princípios a prática do ensino nos mosteiros, para após serem desvinculadas da Igreja Católica. Segundo [TUB 97], os primeiros indícios de ensino, que poderiam ser caracterizados como superiores, segundo Waiden, são chamadas Universidades Gregas, que na verdade eram centros de estudos. A Universidade buscou desde o início de sua criação a autonomia suficiente para as práticas de ensino superior. Essa autonomia foi marcada por grandes lutas de liberdade de expressão e pluralidade ideológica. Segundo [PEN 98], se a autonomia 2

3 como uma conquista possibilita a universidade governa-se a si próprio do direito público interno, cabe-lhe estabelecer a democratização em todos os seus níveis de gestão com fruto de participação. Nos últimos anos tanto as organizações como as universidades, evoluíram de maneira a buscar novas teorias que regem sua administração. Essas teorias aliadas ao avanço da tecnologia, tornando-se cada dia mais competitivas e exigentes. Na administração das Universidades tem-se a divisão por modelos de governança universitária, sendo eles: Modelo Burocrático: tem como princípios a burocracia para atender suas expectativas, encarada como sinônimo da organização; Modelo Colegiado: de estrutura democrática com responsabilidades compartilhadas; Modelo Político: exerce o poder da autoridade e da distribuição de exercícios para execução do poder; Anarquia Organizada: conhecida como lata do lixo, onde diz respeito a grande falta de organização inserida nos processo. Como nas Universidades além da organização baseada em modelos, também é vista tal organização baseada em suas estruturas, que divididas em grupo onde cada um apresenta aspectos similares e complementares. As estruturas organizacionais podem ser: Estruturas Tradicionais: são divididas em quatro grupos, sendo eles: a) Estrutura Linear: ligação com a autoridade maior; b) Estrutura Funcional: tem como função a especialização das funções; c) Estrutura Linha-Staff: divididos em objetivos e assessoramento; d) Estrutura tipo comissão ou colegiado: decisões são tomadas em conjunto; Estruturas Divisionais: surgiram para amenizar os problemas com as estruturas tradicionais, sendo divididas em: a) Estruturas por produtos ou serviços: tarefas são alocadas em um único departamento; b) Estrutura por base territorial: divisão das tarefas conforme a localidade do trabalho; c) Estrutura com base na clientela: o cliente torna-se a peça chave para a melhor organização; d) Estrutura por processo: caracterizada pela divisão de tarefas dentre da organização para a produção em larga escala; Estruturas temporárias: dividida em estruturas flexíveis, como: a) Estrutura com base em projetos: para resolver problemas específicos com um objetivo a ser alcançado; b) Estrutura matricial: atende as mudanças ambientais em condições flexíveis. 3. GESTÃO DO CONHECIMENTO E DATA MINING O conhecimento tornou-se um grande recurso para as organizações, sendo um auxílio para as tomadas de decisões, realizando assim, a busca constante do mesmo. A transformação do conhecimento em uma técnica de gerenciamento, trouxe ao mercado de trabalho um tema que passou a ser discutido em grandes organizações, sendo ele a Gestão do Conhecimento. Segundo [GRO 01], toma-se a gestão do conhecimento como sendo um processo de promover e administrar a geração, o compartilhamento, o 3

4 armazenamento, a utilização e a mensuração de conhecimentos, experiências e especializações nas organizações, refletindo esses diferentes caminhos que as organizações estão adotando. Para compreender a busca por tal conhecimento, o mesmo passa por algumas etapas, para chegar-se até sua devida interpretação. Através da Figura 1 é possível compreender a passagem dos três fatores: Operações lógicas Interpretação Dados Informação Conhecimento FIGURA - 1 NÍVEL DE TRANSFERÊNCIA DADOS X INFORMAÇÃO X CONHECIMENTO [IAT??] Esse ciclo inicia-se com os chamados dados que são os primeiros reflexos do saber que transformados em informação válida, ou seja, é um conjunto de dados codificados. Após essas etapas chega-se até a interpretação dos dados coletados desde o início que transformados em conhecimento, para auxiliar nas decisões e ao crescimento organizacional. O conhecimento pode ser classificado em explícito e tácito, onde o conhecimento explícito é o tipo de conhecimento que diz respeito aos procedimentos, as informações que podem ser transmitidas através do som, da escrita, imagens a até mesmo em banco de dados. Já em relação ao conhecimento tácito, são as informações que ficam armazenadas no cérebro, como espera para tornar-se explícito. Isso implica na capacidade individual de cada pessoa em compreender o conhecimento. 3.1 O processo de Gestão do Conhecimento Ao processo de Gestão do Conhecimento entende-se como a caracterização do modismo, ou seja, as atuais exigências do mercado em relação a agilidade e competência em seus processos, demonstram que o gerenciamento do conhecimento não é uma moda passageira. Através da Figura 2 pode-se visualizar as fases desse processo: Criação e aquisição de conhecimento Questões socio-culturais Distribuição de conhecimento Tecnologia Organização e armazenamento de conhecimento Extração e aplicação do conhecimento FIGURA - 2 PROCESSO DE GESTÃO DO CONHECIMENTO [GOU 02] 4

5 Esse processo inicia-se com a criação do conhecimento que passa por sua distribuição através de questões socio-culturais. Para a organização e extração do conhecimento tem-se o auxílio da tecnologia com suas ferramentas de suporte para a aplicação do mesmo. Para seguir a interpretação desse processo passam por ele questões que se relacionam com a memória organizacional e a inteligência competitiva que são fatores importantes para a utilização da Gestão do Conhecimento nas organizações. Segundo [SIM 01] a memória organizacional é uma ferramenta da organização para o gerenciamento de seus ativos intelectuais. Com o grande avanço da tecnologia, o número de documentos armazenados via física ou magnética cresce a cada instante, assim a memória organizacional juntamente com a Gestão do Conhecimento buscam encontrar soluções para o fácil armazenamento de todos esses dados. Além de todas essas etapas da Gestão do Conhecimento, a Inteligência Competitiva busca formas de aplicação para a melhor tomada de decisão, isso aliada á coleta de informações externas para tornar-se um diferencial á organização. Considerando a importância de todo esse processo para a sua implantação, em uma organização deve-se procurar conhecer e avaliar todas suas informações, para que essas possam agregar valor, buscando um determinado significado. Sendo a tecnologia uma grande influência para o desenvolvimento de tal processo, aliada a suas ferramentas de busca, armazenamento e gerenciamento de informações, como Data Warehouse e Data Mining Data Mining A cada ano, cresce o número de informações que fazem parte de uma organização, e com a exigência do mercado externo essas informações só tem a crescer. Assim, com as diferentes técnicas de gerenciamento de banco de dados é possível capturá-las através da mineração de dados, ou seja, DM. Segundo [CAR 01] define-se DM como o uso de técnicas automáticas de exploração de grandes quantidades de dados de forma a descobrir novos padrões e relações que, devido ao volume de dados não seriam facilmente descobertos a olho nu pelo ser humano. Assim o DM busca além de uma informação, um conhecimento útil que está escondido em grande banco de dados, entende-se então, como uma forma de descobrimento do conhecimento sobre esses bancos de dados Knowledge Discovery in DataBase KDD (Descoberta de Conhecimento em Bases de Dados). O KDD pode ser visto como o processo da descoberta de novas correlações, padrões e tendências significativas por meio da análise minunciosa de grandes conjuntos de dados estocados [QUO 01]. O DM é uma das etapas do processo do KDD, para a busca do completo conhecimento, onde realiza a mineração ou garimpagem de dados. O grande objetivo da mineração de dados é o auxílio para os tomadores de decisão na escolha de informação útil, pois essa tecnologia utiliza-se de ferramentas que interagem diretamente na mineração dessas informações. Para os gestores, o uso das técnicas do DM, significa ampliar as comparações que são feitas pelo conhecimento humano até o infinito, sendo o objetivo do DM, ou seja, é a utilização de técnicas estatísticas para que ocorra essa ampliação e que possa ser visível a olho nu. As atividades de extrair informações tornam-se cada vez mais complexas, utilizando-se de métodos no apoio a mineração dos dados. Alguns desses métodos são utilizados no descobrimento do conhecimento através da aplicação da técnica de DM, geralmente na tarefa de estabelecer novos padrões de conhecimento. Na Figura 6 é visualizado o esquema do DM. 5

6 Informação em Estado Bruto Data Mining Padrões de Informações ocultos FIGURA - 3 ESQUEMA DO DATA MINING [QUO 01] Todas essas informações transformadas em novos conhecimentos, podem responder a várias questões de negócios, que normalmente consomem muito tempo para encontrar suas soluções. Assim as técnicas de DM proporcionam grandes facilidades na busca por informações corretas e relevantes. As técnicas de DM começaram a surgir em meados dos anos 90, sendo que somente agora essas técnicas são utilizadas nos sistemas de banco de dados. Entre as principais destacam-se: clusterização, visualização, classificação, associação e árvore de decisão. Para o desenvolvimento do protótipo utilizou-se a técnica de árvore de decisão por ser um modelo bem explicável, que trabalha com regras explícitas identificadas através de árvore. Segundo [DWB 00] as árvores de decisão são meios de representar resultados de DM na forma de árvores, e que lembram um gráfico organizacional horizontal. A árvore de decisão é utilizada em conjunto com a tecnologia de Indução de Regras, pois é realizada através do encontro da regra mais importante que é chamada de primeiro nó e as regras menores de subsequentes. A facilidade que o usuário tem em identificar e avaliar seus resultados, torna a árvore de decisão uma grande ferramenta expressa em declarações lógicas, interpretadas em algumas linguagens como SQL, para ser aplicados diretamente a novos registros de dados. A partir de tais vantagens, utilizou-se da árvore de decisão para criar o modelo de implementação do protótipo baseado na mineração de informações na UNOCHAPECÓ, contidas em um base de dados chamada Kbase, onde através da Figura 4 pode-se observar a descrição da árvore de decisão aplicada ao protótipo. Tomar decisões? Deseja minerar informações Por assunto? Fim Fim Um ou mais assuntos? Por carga horária? OK OK Visualizar conteúdo? A carga horária é X horas? Assunto/ Carga horária? Fim Disseminar informação? Informações Fim Minerar Fim obtidas Informação? Fim Fim Informações obtidas Fim Fim FIGURA - 4 ÁRVORE DE DECISÃO APLICADA AO PROTÓTIPO OK Fim 6

7 A aplicação da técnica de DM, árvore de decisão representa o princípio do desenvolvimento da aplicação. Essa aplicação deu-se com o estudo de caso na UNOCHAPECÓ mais especificamente aos oito Centros da Universidade. 4. ESTUDO DE CASO: UNOCHAPECÓ O desenvolvimento do protótipo baseou-se no estudo realizado na UNOCHAPECÓ, que tem com objetivo a descoberta de novas informações que fazem parte do sistema tradicional da Universidade, envolvendo também os s. A UNOCHAPECÓ, é uma universidade de caráter comunitário de articulações próprias, sendo uma Instituição de Ensino Superior com sede na cidade de Chapecó, criada pela Resolução nº AS/002/2002 de 11 março de 2002, mantida pela Fundação Universitária do Desenvolvimento do Oeste FUNDESTE, de direito privado, declarada de utilidade pública municipal, estadual e federal, filantrópica sem fins lucrativos [FUN 01]. Esta estrutura segundo o Estatuto e Regimento Geral da UNOCHAPECÓ apresenta os seguintes órgãos: Órgãos de natureza consultiva e deliberativa: a) Conselho Universitário b) Conselho Gestor c) Conselhos de Centros d) Colegiados de Cursos Órgãos de natureza deliberativa e executiva a) Reitoria b) Centros c) Órgãos Suplementares Com essa estrutura a Universidade delibera sobre questões acadêmicas, administrativas e executivas, sendo que a tomada de decisão reflete em todos órgãos mediante a maneira com são decididas. Assim o modelo da tomada de decisões na Universidade baseia-se na busca por informações adicionais para garantir as melhores decisões segundo a Figura 5 a seguir: Recebimento Buscar informações adicionais Tomar Decisões Ler e analisar Encaminhar Recusar FIGURA - 5 DIAGRAMA DO ESQUEMA PARA TOMADA DE DECISÕES 7

8 Com base na Figura 5, pode-se entender que as tomadas de decisões também podem ser realizadas via , sendo que o modelo atual para acontecer é necessário a busca por informações adicionais, que são adquiridas até o momento no Setor de Recursos Humanos, na procura por informações como carga horária, horas disponíveis, etc. Diante disso, foram observadas algumas necessidades em relação ao assunto, que possibilitam a aplicação do estudo de DM, para atender a tais, como a seguir: mineração de dados para tomada de decisões; disseminação de informações na Universidade; recebimento/envio de informações relevantes; descoberta de informações que caracterizadas como ocultas para a tomada de decisões; busca por informações realizadas internamente; utilização de tecnologia para mineração de informações. Através das necessidades apontadas, a Universidade deve buscar o conhecimento de novas formas de tomada de decisões baseado no estudo de princípios adotados pela mesma aliados as tendências da tecnologia da informação. O DM é uma tecnologia que oferece subsídios ou oportunidades através de suas técnicas para a busca pela melhor tomada de decisões intermediado pelos métodos de mineração de informações. A Universidade possui a vantagem de otimizar essa idéia através da utilização dessa tecnologia. 5. VALIDAÇÃO DO PROTÓTIPO A utilização das técnicas de DM aplicadas no contexto da Gestão do Conhecimento, faz com que possamos minerar informações a partir de uma base de dados pré-formatada, assim o objetivo do presente capítulo é demonstrar os passos e objetivos alcançados com a implementação de tal protótipo. Após o estudo realizado na UNOCHAPECÓ em relação a importância do envio e recebimento de informações via e também da possível mineração de dados contidas em uma base Kbase realizou-se a descrição da implementação do protótipo baseando-se sempre na busca por informações relevantes. Para o desenvolvimento da aplicação as seguintes etapas foram cumpridas: a interpretação de uma base de dados pré-formatada; inclusão de dados simulados na referida base; acesso ao banco de dados através do InterBase; definição dos campos para a geração das tabelas; utilização da ferramenta Delphi para o desenvolvimento da aplicação; uso da técnica de árvore de decisão para o escopo do protótipo. Para atingir a esses objetivos, o desenvolvimento da implementação do protótipo contou com o auxílio das seguintes ferramentas: linguagem de Programação Delphi 5: para o desenvolvimento do protótipo; utilização de Banco de Dados InterBase: para a criação do banco de dados e tabela. Com o intuito de demostrar tal disseminação de informações, foram realizados alguns testes em dados simulados que pudessem apresentar a mineração de informações contidas na base pré-formatada Kbase. Sendo que, esses os dados simulados foram inclusos através do banco de dados gerado com o auxílio da ferramenta Delphi e o 8

9 Interbase, onde foram cadastrados alguns registros para a realização dos testes para a busca dos objetivos. Assim desenvolveu-se uma aplicação baseada na técnica de árvore de decisão, para minerar informações a partir dos seguintes aspectos: Mineração por assunto: onde o usuário tem a opção da escolha de um assunto de interesse que está contido no conteúdo do ; Mineração por carga horária: após o conhecimento do assunto que tem-se interesse, o usuário tem a opção de buscar pelo de pessoas interessadas em receber ou enviar tais informações. Essa identificação baseia-se na carga horária disponível a cada docente dos centros da universidade; Mineração por assunto e carga horária: essa opção trata da junção das minerações anteriores, onde faz-se o uso da técnica de árvore de decisão para aplicar tais resultados em uma única mineração. Com as três opções para mineração pode-se obter resultados precisos em relação a busca por informações precisas, sendo que, algumas delas podem ser visualizadas a seguir. Na Figura 6 pode-se identificar a tela resultado da mineração por assunto. FIGURA - 6 TELA DO CONTEÚDO DO Para chegar-se até determinado resultado, busca-se por um assunto na base de dados, onde traz o número de incidência de tal assunto, juntamente com os endereços de correspondentes assim, pode-se visualizar o conteúdo do de cada endereço correspondente para a busca de informações. Diante disso, o conhecimento encontrado em tal endereço de , está visível ao gestor para que o mesmo possa realizar a análise frente a determinado conteúdo de e- mail. Sendo que, o grande objetivo para tal é disseminá-lo somente aos possíveis 9

10 interessados. Essa disseminação realiza-se com a mineração de determinada carga horária que possibilite ao gestor estar realizando tal palestra, assunto do . A Figura 7 mostra a mineração realizada através de determinada carga horária, onde pode-se visualizar informações referente a mineração anterior: FIGURA - 7 TELA DE INFORMAÇÕES MINERADAS A representação de tal tela, diz respeito a todas as informações encontradas referente a mineração por determinada carga horária, onde obteve-se o retorno das informações que dizem respeito com os dados de cada endereço de , como função e nome do curso. O objetivo para tal identificação é visualizar a quantidade de informações que podem ser disseminadas por determinado assunto, podendo assim realizar o envio do conteúdo do para esses endereços encontrados, sendo essa questão tratada como trabalho futuro. Na Figura 8, pode-se visualizar o resultado da mineração por assunto e carga horária. 10

11 FIGURA - 8 TELA DE RESULTADOS DA MINERAÇÃO Pode-se observar que através da mineração realizada nos registros dos dados simulados, encontrou-se 17 endereços de que tratam de tal assunto juntamente com a carga horária destinada. Na técnica de DM utilizada, árvore de decisão, é possível ao gestor praticar a alteração de determinados resultados, ou seja, pode-se realizar diferentes análises para se tomar decisões. Essa tomada de decisão diz respeito, a relevância das informações em determinado momento, sendo o exemplo citado a busca por informações sobre determinado assunto, que pudesse ser disseminado para outros setores da universidade. 6. CONCLUSÃO Nos últimos anos, a sociedade que antigamente caracterizada como industrial, transformou-se em uma sociedade do conhecimento, onde o capital humano tornou-se seu grande valor. E para transmitir essa tal conhecimento, as universidades tem a missão hoje de alimentar essa sociedade do conhecimento. Para a transformação dessa sociedade, busca-se novas formas de descobrir esse tal significado. Contudo, verificou-se que a Gestão do Conhecimento trata-se de uma forma de armazenamento, organização e compartilhamento do conhecimento. Assim o grande objetivo foi demonstrar a aplicação da técnica de Gestão do Conhecimento na UNOCHAPECÓ, como maneira de minerar informações, que a princípio são julgadas sem interesse para agregar valor a elas e transforma-las em conhecimento disseminado. Com o desenvolvimento do protótipo, observou-se a grande importância da disseminação de informações, principalmente em uma Universidade, onde seu maior propósito é o conhecimento. Como a quantidade de informações armazenadas em banco de dados cresce a cada instante, descobre-se a necessidade da utilização de novas técnicas ou ferramentas que possam auxiliar o gestor universitário na busca por 11

12 informações úteis, para se tomar decisões mais precisas. A tecnologia de DM, mostrou ser uma grande aliada no processo da Gestão do Conhecimento, unindo suas técnicas de implementação para a descoberta de novos conhecimentos propiciando ao gestor a qualidade em suas decisões. Na realização de um modelo de Gestão do Conhecimento, acredita-se que o mesmo poderá suprir várias das necessidades que hoje estão presentes na Universidade em termos de conhecimento e informações disseminadas. Assim o grande objetivo é poder realizar a busca por informações úteis contidas em grande massas de dados, ou até mesmo em sistemas tradicionais, para que possam ao mesmo tempo estar auxiliando na tomada de decisões institucionais. Outras idéias podem ser descritas na continuidade ao mesmo, como a utilização de diferentes técnicas de DM para a exploração de uma Kbase, ou seja, uma base de dados, que envolva não somente os centros da universidade, mas também a todas as chefias, setores e coordenações. A mineração por sinônimo seria uma grande aplicação, visto que, possibilitaria ao gestor mais opções para á tomada de decisões. Todas essas, poderão ser realizadas com o intuito de demostrar a grande importância da disseminação do conhecimento para as atividades tanto acadêmicas como administrativas. REFERÊNCIAS BIBLIOGRAFICAS [CAR 01] CARVALHO, Luiz Alfredo Vidal de. DM- a mineração de dados no marketing, medicina, economia, engenharia e administração. Erica: São Paulo, [DBW 00] Data Warehouse. Disponível por WWW em Acesso em (26/04/02). [FUN 01] [GOU 02] [GRO 01] [IAT??] [PEN 98] [QUO 01] FUNDAÇÃO UNIVERSITÁRIA DO DESENVOLVIMENTO DO OESTE. Projeto de Universidade. v 21, Fundeste: Chapecó, GOUVEIA, Luis Manuel Borges. Gestão do Conhecimento - Introdução e Conceitos. Disponível por WWW Acesso em (07/02) GROTTO, Daniela. Um olhar sobre a gestão do conhecimento. Revista de Ciência da Administração, UFSC: Florianópolis, v.3, n.6, p.37, set IATROS, Estatística e Pesquisa Científica para Profissionais de Saúde. Dados, Informação e Conhecimento. Disponível por WWW em Acesso em (19/04/02). PENTEADO, Silvia Teixeira. Identidade e poder na Universidade. Cortez: São Paulo, QUONIAM, Luc. et all. Inteligência obtida pela aplicação de DM em base de teses francesas sobre o Brasil. Disponível por WWW em Acesso em (02/07/02). 12

13 [SIM 01] SIMÃO. Hugo Eduardo. Memória Organizacional. Disponível por WWW [TUB 97] TUBINO, Manoel José Gomes. Universidade, Qualidade e Avaliação. Dunya: Rio de Janeiro,

srbo@ufpa.br www.ufpa.br/srbo

srbo@ufpa.br www.ufpa.br/srbo CBSI Curso de Bacharelado em Sistemas de Informação BI Prof. Dr. Sandro Ronaldo Bezerra Oliveira srbo@ufpa.br www.ufpa.br/srbo Tópicos Especiais em Sistemas de Informação Faculdade de Computação Instituto

Leia mais

Construção de um Sistema de Informações Estratégicas, Integrando Conhecimento, Inteligência e Estratégia.

Construção de um Sistema de Informações Estratégicas, Integrando Conhecimento, Inteligência e Estratégia. Construção de um Sistema de Informações Estratégicas, Integrando Conhecimento, Inteligência e Estratégia. Introdução Sávio Marcos Garbin Considerando-se que no contexto atual a turbulência é a normalidade,

Leia mais

Planejamento Estratégico de TI. Prof.: Fernando Ascani

Planejamento Estratégico de TI. Prof.: Fernando Ascani Planejamento Estratégico de TI Prof.: Fernando Ascani Data Warehouse - Conceitos Hoje em dia uma organização precisa utilizar toda informação disponível para criar e manter vantagem competitiva. Sai na

Leia mais

GESTÃO DE TI NAS ORGANIZAÇÕES CONTEMPORÂNEAS

GESTÃO DE TI NAS ORGANIZAÇÕES CONTEMPORÂNEAS GESTÃO DE TI NAS ORGANIZAÇÕES CONTEMPORÂNEAS WALLACE BORGES CRISTO 1 JOÃO CARLOS PEIXOTO FERREIRA 2 João Paulo Coelho Furtado 3 RESUMO A Tecnologia da Informação (TI) está presente em todas as áreas de

Leia mais

Aula 15. Tópicos Especiais I Sistemas de Informação. Prof. Dr. Dilermando Piva Jr.

Aula 15. Tópicos Especiais I Sistemas de Informação. Prof. Dr. Dilermando Piva Jr. 15 Aula 15 Tópicos Especiais I Sistemas de Informação Prof. Dr. Dilermando Piva Jr. Site Disciplina: http://fundti.blogspot.com.br/ Conceitos básicos sobre Sistemas de Informação Conceitos sobre Sistemas

Leia mais

Professor: Disciplina:

Professor: Disciplina: Professor: Curso: Esp. Marcos Morais de Sousa marcosmoraisdesousa@gmail.com Sistemas de informação Disciplina: Introdução a SI Noções de sistemas de informação Turma: 01º semestre Prof. Esp. Marcos Morais

Leia mais

Programa do Curso de Pós-Graduação Lato Sensu MBA em Business Intelligence (BI)

Programa do Curso de Pós-Graduação Lato Sensu MBA em Business Intelligence (BI) Programa do Curso de Pós-Graduação Lato Sensu MBA em Business Intelligence (BI) Apresentação O programa de Pós-graduação Lato Sensu em Business Intelligence Inteligência Competitiva tem por fornecer conhecimento

Leia mais

FUNDAMENTOS DE SISTEMAS DE INFORMAÇÃO

FUNDAMENTOS DE SISTEMAS DE INFORMAÇÃO @ribeirord FUNDAMENTOS DE SISTEMAS DE INFORMAÇÃO Rafael D. Ribeiro, M.Sc,PMP. rafaeldiasribeiro@gmail.com http://www.rafaeldiasribeiro.com.br Lembrando... Aula 4 1 Lembrando... Aula 4 Sistemas de apoio

Leia mais

Instituto de Educação Tecnológica Pós-graduação Gestão e Tecnologia da Informação - Turma 25 20/03/2015. Big Data Analytics:

Instituto de Educação Tecnológica Pós-graduação Gestão e Tecnologia da Informação - Turma 25 20/03/2015. Big Data Analytics: Instituto de Educação Tecnológica Pós-graduação Gestão e Tecnologia da Informação - Turma 25 20/03/2015 Big Data Analytics: Como melhorar a experiência do seu cliente Anderson Adriano de Freitas RESUMO

Leia mais

Síntese do plano de atuação da CPA- ciclo avaliativo 2008/2010

Síntese do plano de atuação da CPA- ciclo avaliativo 2008/2010 Síntese do plano de atuação da CPA- ciclo avaliativo 2008/2010 O trabalho da CPA/PUCSP de avaliação institucional está regulamentado pela Lei federal nº 10.861/04 (que institui o SINAES), artigo 11 e pelo

Leia mais

APLICAÇÃO DE MINERAÇÃO DE DADOS PARA O LEVANTAMENTO DE PERFIS: ESTUDO DE CASO EM UMA INSTITUIÇÃO DE ENSINO SUPERIOR PRIVADA

APLICAÇÃO DE MINERAÇÃO DE DADOS PARA O LEVANTAMENTO DE PERFIS: ESTUDO DE CASO EM UMA INSTITUIÇÃO DE ENSINO SUPERIOR PRIVADA APLICAÇÃO DE MINERAÇÃO DE DADOS PARA O LEVANTAMENTO DE PERFIS: ESTUDO DE CASO EM UMA INSTITUIÇÃO DE ENSINO SUPERIOR PRIVADA Lizianne Priscila Marques SOUTO 1 1 Faculdade de Ciências Sociais e Aplicadas

Leia mais

CURSO DE PÓS-GRADUAÇÃO MBA ADMINISTRAÇÃO EM SAÚDE PROGRAMA GERAL. Módulo I Sociologia da saúde 30 h. Módulo IV Epidemiologia e Estatística vital 30 h

CURSO DE PÓS-GRADUAÇÃO MBA ADMINISTRAÇÃO EM SAÚDE PROGRAMA GERAL. Módulo I Sociologia da saúde 30 h. Módulo IV Epidemiologia e Estatística vital 30 h CURSO DE PÓS-GRADUAÇÃO MBA ADMINISTRAÇÃO EM SAÚDE PROGRAMA GERAL Módulos Disciplinas Carga Horária Módulo I Sociologia da saúde 30 h Módulo II Economia da saúde 30 h Módulo III Legislação em saúde 30 h

Leia mais

A evolução da tecnologia da informação nos últimos 45 anos

A evolução da tecnologia da informação nos últimos 45 anos A evolução da tecnologia da informação nos últimos 45 anos Denis Alcides Rezende Do processamento de dados a TI Na década de 1960, o tema tecnológico que rondava as organizações era o processamento de

Leia mais

SOFTWARE DE GERENCIAMENTO DOCUMENTAL PARA EMPRESAS DE PEQUENO E MÉDIO PORTE

SOFTWARE DE GERENCIAMENTO DOCUMENTAL PARA EMPRESAS DE PEQUENO E MÉDIO PORTE Encontro Internacional de Produção Científica Cesumar 23 a 26 de outubro de 2007 SOFTWARE DE GERENCIAMENTO DOCUMENTAL PARA EMPRESAS DE PEQUENO E MÉDIO PORTE Cláudio Leones Bazzi 1 ; Juliano Rodrigo Lamb

Leia mais

INSTITUTO DE PÓS GRADUAÇÃO ICPG GESTÃO DA TECNOLOGIA DA INFORMAÇÃO

INSTITUTO DE PÓS GRADUAÇÃO ICPG GESTÃO DA TECNOLOGIA DA INFORMAÇÃO INSTITUTO DE PÓS GRADUAÇÃO ICPG GESTÃO DA TECNOLOGIA DA INFORMAÇÃO Prof. Msc. Saulo Popov Zambiasi (saulopz@gmail.com) 11/07/08 10:25 Informação - ICPG - Criciuma - SC 1 Informação - ICPG - Criciuma -

Leia mais

Microsoft Innovation Center

Microsoft Innovation Center Microsoft Innovation Center Mineração de Dados (Data Mining) André Montevecchi andre@montevecchi.com.br Introdução Objetivo BI e Mineração de Dados Aplicações Exemplos e Cases Algoritmos para Mineração

Leia mais

RESOLUÇÃO - TCU Nº 247, de 7 de dezembro de 2011

RESOLUÇÃO - TCU Nº 247, de 7 de dezembro de 2011 RESOLUÇÃO - TCU Nº 247, de 7 de dezembro de 2011 Dispõe sobre a Política de Governança de Tecnologia da Informação do Tribunal de Contas da União (PGTI/TCU). O TRIBUNAL DE CONTAS DA UNIÃO, no uso de suas

Leia mais

Sistema. Atividades. Sistema de informações. Tipos de sistemas de informação. Everson Santos Araujo everson@everson.com.br

Sistema. Atividades. Sistema de informações. Tipos de sistemas de informação. Everson Santos Araujo everson@everson.com.br Sistema Tipos de sistemas de informação Everson Santos Araujo everson@everson.com.br Um sistema pode ser definido como um complexo de elementos em interação (Ludwig Von Bertalanffy) sistema é um conjunto

Leia mais

Laudon & Laudon Essentials of MIS, 5th Edition. Pg. 1.1

Laudon & Laudon Essentials of MIS, 5th Edition. Pg. 1.1 Laudon & Laudon Essentials of MIS, 5th Edition. Pg. 1.1 SISTEMA DE APOIO À DECISÃO Grupo: Denilson Neves Diego Antônio Nelson Santiago Sabrina Dantas CONCEITO É UM SISTEMA QUE AUXILIA O PROCESSO DE DECISÃO

Leia mais

SISTEMA DE INFORMAÇÃO GERENCIAL

SISTEMA DE INFORMAÇÃO GERENCIAL COLÉGIO ESTADUAL DE CAMPO MOURÃO EFMP PROF: Edson Marcos da Silva CURSO: Técnico em Administração Subsequente TURMAS: 1º Ano APOSTILA: nº 1 SISTEMA DE INFORMAÇÃO GERENCIAL Sistemas de Informação Campo

Leia mais

Palavras-Chaves: estoque, modelagem, requisitos, UML, vendas.

Palavras-Chaves: estoque, modelagem, requisitos, UML, vendas. UTILIZAÇÃO DA UML NO DESENVOLVIMENTO DE SISTEMA DE CONTROLE DE VENDAS E ESTOQUE GILBERTO FRANCISCO PACHECO DOS SANTOS Discente da AEMS Faculdades Integradas de Três Lagoas JACKSON LUIZ ARROSTI Discente

Leia mais

A COORDENAÇÃO E A GESTÃO DE CURSO DE SISTEMAS DE INFORMAÇÃO: Um estudo de caso em faculdade privada RESUMO

A COORDENAÇÃO E A GESTÃO DE CURSO DE SISTEMAS DE INFORMAÇÃO: Um estudo de caso em faculdade privada RESUMO A COORDENAÇÃO E A GESTÃO DE CURSO DE SISTEMAS DE INFORMAÇÃO: Um estudo de caso em faculdade privada Wesley Antônio Gonçalves 1 RESUMO O MEC, ao apontar padrões de qualidade da função de coordenador de

Leia mais

RELATÓRIOS GERENCIAIS

RELATÓRIOS GERENCIAIS RELATÓRIOS GERENCIAIS Com base na estrutura organizacional de uma entidade, a parte gerencial é o processo administrativo, onde se traça toda a estrutura fundamental para elaboração do planejamento da

Leia mais

TECNOLOGIA DA INFORMAÇÃO E GESTÃO DO CONHECIMENTO EM BIBLIOTECAS UNIVERSITÁRIAS BRASILEIRAS E PORTUGUESAS

TECNOLOGIA DA INFORMAÇÃO E GESTÃO DO CONHECIMENTO EM BIBLIOTECAS UNIVERSITÁRIAS BRASILEIRAS E PORTUGUESAS 1 TECNOLOGIA DA INFORMAÇÃO E GESTÃO DO CONHECIMENTO EM BIBLIOTECAS UNIVERSITÁRIAS BRASILEIRAS E PORTUGUESAS São Carlos SP Abril 2011 Euro Marques Júnior USP eurojr@uol.com.br Educação Universitária Serviços

Leia mais

GERENCIAMENTO DE PORTFÓLIO DE PROGRAMAS DE EXTENSÃO UNIVERSITÁRIA: UMA PERSPECTIVA PARA A IMPLANTAÇÃO DO ESCRITÓRIO DE PROJETOS

GERENCIAMENTO DE PORTFÓLIO DE PROGRAMAS DE EXTENSÃO UNIVERSITÁRIA: UMA PERSPECTIVA PARA A IMPLANTAÇÃO DO ESCRITÓRIO DE PROJETOS GERENCIAMENTO DE PORTFÓLIO DE PROGRAMAS DE EXTENSÃO UNIVERSITÁRIA: UMA PERSPECTIVA PARA A IMPLANTAÇÃO DO ESCRITÓRIO DE PROJETOS Luis Fernando Vitorino 1, Moacir José dos Santos 2, Monica Franchi Carniello

Leia mais

Gerenciamento de Dados e Gestão do Conhecimento

Gerenciamento de Dados e Gestão do Conhecimento ELC1075 Introdução a Sistemas de Informação Gerenciamento de Dados e Gestão do Conhecimento Raul Ceretta Nunes CSI/UFSM Introdução Gerenciando dados A abordagem de banco de dados Sistemas de gerenciamento

Leia mais

MATERIAL DIDÁTICO: APLICAÇÕES EMPRESARIAIS SISTEMA DE APOIO À DECISÃO (SAD)

MATERIAL DIDÁTICO: APLICAÇÕES EMPRESARIAIS SISTEMA DE APOIO À DECISÃO (SAD) AULA 07 MATERIAL DIDÁTICO: APLICAÇÕES EMPRESARIAIS SISTEMA DE APOIO À DECISÃO (SAD) JAMES A. O BRIEN MÓDULO 01 Páginas 286 à 294 1 AULA 07 SISTEMAS DE APOIO ÀS DECISÕES 2 Sistemas de Apoio à Decisão (SAD)

Leia mais

Capital Intelectual. O Grande Desafio das Organizações. José Renato Sátiro Santiago Jr. José Renato Sátiro Santiago. Novatec

Capital Intelectual. O Grande Desafio das Organizações. José Renato Sátiro Santiago Jr. José Renato Sátiro Santiago. Novatec Capital Intelectual O Grande Desafio das Organizações José Renato Sátiro Santiago Jr. José Renato Sátiro Santiago Novatec 1 Tudo começa com o conhecimento A gestão do conhecimento é um assunto multidisciplinar

Leia mais

Planejamento Estratégico de TI. Prof.: Fernando Ascani

Planejamento Estratégico de TI. Prof.: Fernando Ascani Planejamento Estratégico de TI Prof.: Fernando Ascani BI Business Intelligence A inteligência Empresarial, ou Business Intelligence, é um termo do Gartner Group. O conceito surgiu na década de 80 e descreve

Leia mais

Apresentação, xix Prefácio à 8a edição, xxi Prefácio à 1a edição, xxiii. Parte I - Empresa e Sistemas, 1

Apresentação, xix Prefácio à 8a edição, xxi Prefácio à 1a edição, xxiii. Parte I - Empresa e Sistemas, 1 Apresentação, xix Prefácio à 8a edição, xxi Prefácio à 1a edição, xxiii Parte I - Empresa e Sistemas, 1 1 SISTEMA EMPRESA, 3 1.1 Teoria geral de sistemas, 3 1.1.1 Introdução e pressupostos, 3 1.1.2 Premissas

Leia mais

A Grande Importância da Mineração de Dados nas Organizações

A Grande Importância da Mineração de Dados nas Organizações A Grande Importância da Mineração de Dados nas Organizações Amarildo Aparecido Ferreira Junior¹, Késsia Rita da Costa Marchi¹, Jaime Willian Dias¹ ¹Universidade Paranaense (Unipar) Paranavaí PR Brasil

Leia mais

Sistemas de Informação I

Sistemas de Informação I + Sistemas de Informação I Tipos de SI Ricardo de Sousa Britto rbritto@ufpi.edu.br + Introdução 2 n As organizações modernas competem entre si para satisfazer as necessidades dos seus clientes de um modo

Leia mais

Apresentação da FAMA

Apresentação da FAMA Pós-Graduação Lato Sensu CURSO DE ESPECIIALIIZAÇÃO 444 horras/aulla 1 Apresentação da FAMA A FAMA nasceu como conseqüência do espírito inovador e criador que há mais de 5 anos aflorou numa família de empreendedores

Leia mais

Planejamento de sistemas de informação.

Planejamento de sistemas de informação. Planejamento de sistemas de informação. O planejamento de sistemas de informação e da tecnologia da informação é o processo de identificação das aplicações baseadas em computadores para apoiar a organização

Leia mais

Estratégia De Diferenciação Competitiva Através Do Marketing De Relacionamento. Profa. Dra. Maria Isabel Franco Barretto

Estratégia De Diferenciação Competitiva Através Do Marketing De Relacionamento. Profa. Dra. Maria Isabel Franco Barretto Estratégia De Diferenciação Competitiva Através Do Marketing De Relacionamento Profa. Dra. Maria Isabel Franco Barretto CURRÍCULO DO PROFESSOR Administradora com mestrado e doutorado em engenharia de produção

Leia mais

www.jrsantiago.com.br

www.jrsantiago.com.br www.jrsantiago.com.br Gestão do Conhecimento em Projetos José Renato Santiago Cenário Corporativo Muitas empresas gastam parte significativa de seu tempo no planejamento e desenvolvimento de atividades,

Leia mais

Cadeira de Tecnologias de Informação. Conceitos fundamentais de sistemas e tecnologias de informação e de gestão do conhecimento.

Cadeira de Tecnologias de Informação. Conceitos fundamentais de sistemas e tecnologias de informação e de gestão do conhecimento. Cadeira de Tecnologias de Informação Ano lectivo 2007/08 Conceitos fundamentais de sistemas e tecnologias de informação e de gestão do conhecimento. Prof. Mário Caldeira Profª Ana Lucas Dr. Fernando Naves

Leia mais

DATA WAREHOUSE NO APOIO À TOMADA DE DECISÕES

DATA WAREHOUSE NO APOIO À TOMADA DE DECISÕES DATA WAREHOUSE NO APOIO À TOMADA DE DECISÕES Janaína Schwarzrock jana_100ideia@hotmail.com Prof. Leonardo W. Sommariva RESUMO: Este artigo trata da importância da informação na hora da tomada de decisão,

Leia mais

Modelagem de Sistemas de Informação

Modelagem de Sistemas de Informação Modelagem de Sistemas de Informação Professora conteudista: Gislaine Stachissini Sumário Modelagem de Sistemas de Informação Unidade I 1 SISTEMAS DE INFORMAÇÃO...1 1.1 Conceitos...2 1.2 Objetivo...3 1.3

Leia mais

Universidade de Brasília Departamento de Ciência da Informação e Documentação Profa.:Lillian Alvares

Universidade de Brasília Departamento de Ciência da Informação e Documentação Profa.:Lillian Alvares Universidade de Brasília Departamento de Ciência da Informação e Documentação Profa.:Lillian Alvares Comunidades de Prática Grupos informais e interdisciplinares de pessoas unidas em torno de um interesse

Leia mais

Extração de Conhecimento a partir dos Sistemas de Informação

Extração de Conhecimento a partir dos Sistemas de Informação Extração de Conhecimento a partir dos Sistemas de Informação Gisele Faffe Pellegrini & Katia Collazos Grupo de Pesquisa em Eng. Biomédica Universidade Federal de Santa Catarina Jorge Muniz Barreto Prof.

Leia mais

SG FOOD (SISTEMA GERÊNCIAL DE LANCHONETES EM GERAL) JUNIOR, M. P.A.; MODESTO, L.R. Resumo

SG FOOD (SISTEMA GERÊNCIAL DE LANCHONETES EM GERAL) JUNIOR, M. P.A.; MODESTO, L.R. Resumo SG FOOD (SISTEMA GERÊNCIAL DE LANCHONETES EM GERAL) JUNIOR, M. P.A.; MODESTO, L.R. Resumo A Tecnologia da Informação (TI) faz parte do cotidiano da sociedade moderna, mesmo as pessoas que não têm acesso

Leia mais

Administração de dados - Conceitos, técnicas, ferramentas e aplicações de Data Mining para gerar conhecimento a partir de bases de dados

Administração de dados - Conceitos, técnicas, ferramentas e aplicações de Data Mining para gerar conhecimento a partir de bases de dados Universidade Federal de Pernambuco Graduação em Ciência da Computação Centro de Informática 2006.2 Administração de dados - Conceitos, técnicas, ferramentas e aplicações de Data Mining para gerar conhecimento

Leia mais

ORGANIZAR O PRIMEIRO PASSO PARA O CONTROLE EMPRESARIAL

ORGANIZAR O PRIMEIRO PASSO PARA O CONTROLE EMPRESARIAL 1 ORGANIZAR O PRIMEIRO PASSO PARA O CONTROLE EMPRESARIAL ORGANIZATION THE FIRST STEP TO BUSINESS CONTROL Adriane C. Lopes * Elisiane Godoy* Emanuel O. Batista* Sheila C. M. Guilherme* Aparecida Vani Frasson

Leia mais

CobiT 4.01 OBJETIVOS DE CONTROLE PARA INFORMAÇÃO E TECNOLOGIAS RELACIONADAS

CobiT 4.01 OBJETIVOS DE CONTROLE PARA INFORMAÇÃO E TECNOLOGIAS RELACIONADAS CobiT 4.01 OBJETIVOS DE CONTROLE PARA INFORMAÇÃO E TECNOLOGIAS RELACIONADAS METODOLOGIA DE AUDITORIA PARA AVALIAÇÃO DE CONTROLES E CUMPRIMENTO DE PROCESSOS DE TI NARDON, NASI AUDITORES E CONSULTORES CobiT

Leia mais

Tecnologias da Informação e da Comunicação Aula 01

Tecnologias da Informação e da Comunicação Aula 01 Tecnologias da Informação e da Comunicação Aula 01 Douglas Farias Cordeiro Universidade Federal de Goiás 31 de julho de 2015 Mini-currículo Professor do curso Gestão da Informação Professor do curso ESAMI

Leia mais

R E S O L U Ç Ã O. Artigo 2º - O Currículo, ora alterado, será implantado no início do ano 2000, para os matriculados no 1º semestre.

R E S O L U Ç Ã O. Artigo 2º - O Currículo, ora alterado, será implantado no início do ano 2000, para os matriculados no 1º semestre. RESOLUÇÃO CONSEPE 30/99 ALTERA O PLANO CURRICULAR E O REGIME DO CURSO DE ADMINISTRAÇÃO, DO CÂMPUS DE BRAGANÇA PAULISTA. O Presidente do Conselho de Ensino, Pesquisa e Extensão - CONSEPE, no uso da atribuição

Leia mais

Gestão do conhecimento Wikipédia, a enciclopédia livre

Gestão do conhecimento Wikipédia, a enciclopédia livre Página 1 de 5 Gestão do conhecimento Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre. A Gestão do Conhecimento, do inglês KM - Knowledge Management, é uma disciplina que tem suscitado cada vez mais atenção nas

Leia mais

A Construção de Categorias e Indicadores para Avaliação Institucional de Cursos, Projetos e Atividades de Extensão Universitária

A Construção de Categorias e Indicadores para Avaliação Institucional de Cursos, Projetos e Atividades de Extensão Universitária Anais do 2º Congresso Brasileiro de Extensão Universitária Belo Horizonte 12 a 15 de setembro de 2004 A Construção de Categorias e Indicadores para Avaliação Institucional de Cursos, Projetos e Atividades

Leia mais

CAPÍTULO 1 - CONTABILIDADE E GESTÃO EMPRESARIAL A CONTROLADORIA

CAPÍTULO 1 - CONTABILIDADE E GESTÃO EMPRESARIAL A CONTROLADORIA CAPÍTULO 1 - CONTABILIDADE E GESTÃO EMPRESARIAL A CONTROLADORIA Constata-se que o novo arranjo da economia mundial provocado pelo processo de globalização tem afetado as empresas a fim de disponibilizar

Leia mais

Gerenciamento de Redes

Gerenciamento de Redes Gerenciamento de Redes As redes de computadores atuais são compostas por uma grande variedade de dispositivos que devem se comunicar e compartilhar recursos. Na maioria dos casos, a eficiência dos serviços

Leia mais

ROBSON FUMIO FUJII GOVERNANÇA DE TIC: UM ESTUDO SOBRE OS FRAMEWORKS ITIL E COBIT

ROBSON FUMIO FUJII GOVERNANÇA DE TIC: UM ESTUDO SOBRE OS FRAMEWORKS ITIL E COBIT ROBSON FUMIO FUJII GOVERNANÇA DE TIC: UM ESTUDO SOBRE OS FRAMEWORKS ITIL E COBIT LONDRINA - PR 2015 ROBSON FUMIO FUJII GOVERNANÇA DE TIC: UM ESTUDO SOBRE OS FRAMEWORKS ITIL E COBIT Trabalho de Conclusão

Leia mais

BUSINESS INTELLIGENCE OPERACIONALIZANDO O PROGRAMA DE ANTICOAGULAÇÃO DO HU

BUSINESS INTELLIGENCE OPERACIONALIZANDO O PROGRAMA DE ANTICOAGULAÇÃO DO HU BUSINESS INTELLIGENCE OPERACIONALIZANDO O PROGRAMA DE ANTICOAGULAÇÃO DO HU Stanley Galvão 1, Cláudia Miranda 2, Cristiano Souza 3 e Liz Yoshihara 4 1 Departamento de Informática do HU, São Paulo, Brasil

Leia mais

GERENCIAMENTO DE PROJETOS EM UM ESCRITÓRIO DE ARQUITETURA: VISÃO TRADICIONAL X NEGÓCIOS BASEADOS EM PROJETOS

GERENCIAMENTO DE PROJETOS EM UM ESCRITÓRIO DE ARQUITETURA: VISÃO TRADICIONAL X NEGÓCIOS BASEADOS EM PROJETOS GERENCIAMENTO DE PROJETOS EM UM ESCRITÓRIO DE ARQUITETURA: VISÃO TRADICIONAL X NEGÓCIOS BASEADOS EM PROJETOS Ana Carolina Freitas Teixeira¹ RESUMO O gerenciamento de projetos continua crescendo e cada

Leia mais

Desenvolvimento de um Sistema de Apoio à Decisão. Thiago Rafael Zimmermann. Prof. Dr. Oscar Dalfovo

Desenvolvimento de um Sistema de Apoio à Decisão. Thiago Rafael Zimmermann. Prof. Dr. Oscar Dalfovo Desenvolvimento de um Sistema de Apoio à Decisão Acadêmico Thiago Rafael Zimmermann Orientador Prof. Dr. Oscar Dalfovo Roteiro da apresentação Introdução Objetivos Fundamentação Teórica Informação Sistemas

Leia mais

3. Estratégia e Planejamento

3. Estratégia e Planejamento 3. Estratégia e Planejamento Conteúdo 1. Conceito de Estratégia 2. Vantagem Competitiva 3 Estratégias Competitivas 4. Planejamento 1 Bibliografia Recomenda Livro Texto: Administração de Pequenas Empresas

Leia mais

1. COORDENAÇÃO ACADÊMICA. Prof. ANDRÉ BITTENCOURT DO VALLE Doutor 2. OBJETIVOS

1. COORDENAÇÃO ACADÊMICA. Prof. ANDRÉ BITTENCOURT DO VALLE Doutor 2. OBJETIVOS SIGA: PMBAGAP*10/00 1. COORDENAÇÃO ACADÊMICA Prof. ANDRÉ BITTENCOURT DO VALLE Doutor 2. OBJETIVOS O Pós-MBA em Gerenciamento Avançado de Projetos é uma iniciativa cujo propósito é aprofundar e estender

Leia mais

A IMPORTÂNCIA DE SISTEMAS ERP NAS EMPRESAS DE MÉDIO E PEQUENO PORTE

A IMPORTÂNCIA DE SISTEMAS ERP NAS EMPRESAS DE MÉDIO E PEQUENO PORTE REVISTA CIENTÍFICA ELETRÔNICA DE SISTEMAS DE INFORMAÇÃO - ISSN 1807-1872 P UBLICAÇÃO C IENTÍFICA DA F ACULDADE DE C IÊNCIAS J URÍDICAS E G ERENCIAIS DE G ARÇA/FAEG A NO II, NÚMERO, 03, AGOSTO DE 2005.

Leia mais

SISTEMAS DE APOIO À DECISÃO SAD

SISTEMAS DE APOIO À DECISÃO SAD SISTEMAS DE APOIO À DECISÃO SAD Conceitos introdutórios Decisão Escolha feita entre duas ou mais alternativas. Tomada de decisão típica em organizações: Solução de problemas Exploração de oportunidades

Leia mais

1. COORDENAÇÃO ACADÊMICA. Prof. RONALDO RANGEL Doutor - UNICAMP Mestre PUC 2. APRESENTAÇÃO DO PROGRAMA PÓS-MBA

1. COORDENAÇÃO ACADÊMICA. Prof. RONALDO RANGEL Doutor - UNICAMP Mestre PUC 2. APRESENTAÇÃO DO PROGRAMA PÓS-MBA 1. COORDENAÇÃO ACADÊMICA SIGA: PMBAIE*08/00 Prof. RONALDO RANGEL Doutor - UNICAMP Mestre PUC 2. APRESENTAÇÃO DO PROGRAMA PÓS-MBA As grandes questões emergentes que permeiam o cenário organizacional exigem

Leia mais

GESTÃO DO CONHECIMENTO EM UM PROCESSO DE DESENVOLVIMENTO DE SOFTWARE

GESTÃO DO CONHECIMENTO EM UM PROCESSO DE DESENVOLVIMENTO DE SOFTWARE GESTÃO DO CONHECIMENTO EM UM PROCESSO DE DESENVOLVIMENTO DE SOFTWARE RESUMO Carlos Eduardo Spolavori Martins 1 Anderson Yanzer Cabral 2 Este artigo tem o objetivo de apresentar o andamento de uma pesquisa

Leia mais

Mineração de Dados: Introdução e Aplicações

Mineração de Dados: Introdução e Aplicações Mineração de Dados: Introdução e Aplicações Luiz Henrique de Campos Merschmann Departamento de Computação Universidade Federal de Ouro Preto luizhenrique@iceb.ufop.br Apresentação Luiz Merschmann Engenheiro

Leia mais

Utilização de ferramentas de colaboração para Gestão do Conhecimento

Utilização de ferramentas de colaboração para Gestão do Conhecimento Utilização de ferramentas de colaboração para Gestão do Conhecimento Carlos Roberto de Souza Tavares 1 Carlos Mário Dal Col Zeve 2 RESUMO Um dos maiores problemas que as empresas atuais enfrentam refere-se

Leia mais

:: Portfólio OBJETIVO

:: Portfólio OBJETIVO Disciplina Portfólio N 03 Engenharia de Software Sistema de Informações OBJETIVO :: Portfólio Levar o aluno a conhecer as principais características de um Sistema de Informação e quais os critérios de

Leia mais

UMA ANÁLISE QUALITATIVA SOBRE A IMPORTÂNCIA DA ATUAÇÃO CONJUNTO ENTRE A TECNOLOGIA DA INFORMAÇÃO E A CONTROLADORIA NO AMBIENTE ORGANIZACIONAL

UMA ANÁLISE QUALITATIVA SOBRE A IMPORTÂNCIA DA ATUAÇÃO CONJUNTO ENTRE A TECNOLOGIA DA INFORMAÇÃO E A CONTROLADORIA NO AMBIENTE ORGANIZACIONAL UMA ANÁLISE QUALITATIVA SOBRE A IMPORTÂNCIA DA ATUAÇÃO CONJUNTO ENTRE A TECNOLOGIA DA INFORMAÇÃO E A CONTROLADORIA NO AMBIENTE ORGANIZACIONAL ANDRADE, Luís¹ Filipe Veri de VEGGIAN, Viviane¹ Amaro SCARPINELLI,

Leia mais

PÓS-GRADUAÇÃO Lato Sensu. Gestão e Tecnologia da Informação

PÓS-GRADUAÇÃO Lato Sensu. Gestão e Tecnologia da Informação IETEC - INSTITUTO DE EDUCAÇÃO TECNOLÓGICA PÓS-GRADUAÇÃO Lato Sensu Gestão e Tecnologia da Informação BAM: Analisando Negócios e Serviços em Tempo Real Daniel Leôncio Domingos Fernando Silva Guimarães Resumo

Leia mais

Florianópolis SC - maio 2012. Categoria: C. Setor Educacional: 3. Classificação das Áreas de Pesquisa em EaD Macro: A / Meso: L / Micro: N

Florianópolis SC - maio 2012. Categoria: C. Setor Educacional: 3. Classificação das Áreas de Pesquisa em EaD Macro: A / Meso: L / Micro: N LABORATÓRIO DE EDUCAÇÃO INCLUSIVA: UM ESPAÇO DE DESENVOLVIMENTO TECNOLÓGICO E AMPLIAÇÃO DE CONHECIMENTOS REFERENTES À INCLUSÃO DE PESSOAS COM DEFICIÊNCIA Florianópolis SC - maio 2012 Categoria: C Setor

Leia mais

O que é a ciência de dados (data science). Discussão do conceito. Luís Borges Gouveia Universidade Fernando Pessoa Versão 1.

O que é a ciência de dados (data science). Discussão do conceito. Luís Borges Gouveia Universidade Fernando Pessoa Versão 1. O que é a ciência de dados (data science). Discussão do conceito Luís Borges Gouveia Universidade Fernando Pessoa Versão 1.3, Outubro, 2015 Nota prévia Esta apresentação tem por objetivo, proporcionar

Leia mais

Redes sociais no Terceiro Setor

Redes sociais no Terceiro Setor Redes sociais no Terceiro Setor Prof. Reginaldo Braga Lucas 2º semestre de 2010 Constituição de redes organizacionais Transformações organizacionais Desenvolvimento das organizações articuladas em redes

Leia mais

Resumo dos principais conceitos. Resumo dos principais conceitos. Business Intelligence. Business Intelligence

Resumo dos principais conceitos. Resumo dos principais conceitos. Business Intelligence. Business Intelligence É um conjunto de conceitos e metodologias que, fazem uso de acontecimentos e sistemas e apoiam a tomada de decisões. Utilização de várias fontes de informação para se definir estratégias de competividade

Leia mais

JOGOS EMPRESARIAIS Conceitos e Fundamentos

JOGOS EMPRESARIAIS Conceitos e Fundamentos UNIVERSIDADE FEDERAL DE MATO GROSSO DO SUL (UFMS) CAMPUS DE BONITO/MS, CURSO DE ADMINISTRAÇÃO JOGOS EMPRESARIAIS Conceitos e Fundamentos Prof. Ana Cristina Trevelin Conceitos Simulação Jogos de Empresa

Leia mais

INOVANDO UM PROCESSO DE SERVIÇOS DE TI COM AS BOAS PRÁTICAS DO ITIL E USO DE BPMS

INOVANDO UM PROCESSO DE SERVIÇOS DE TI COM AS BOAS PRÁTICAS DO ITIL E USO DE BPMS INOVANDO UM PROCESSO DE SERVIÇOS DE TI COM AS BOAS PRÁTICAS DO ITIL E USO DE BPMS Cilene Loisa Assmann (UNISC) cilenea@unisc.br Este estudo de caso tem como objetivo trazer a experiência de implantação

Leia mais

Com as mudanças tecnológicas e acirramento da competitivadade, Advanced Analytics tornou-se uma prioridade para as áreas de negócio

Com as mudanças tecnológicas e acirramento da competitivadade, Advanced Analytics tornou-se uma prioridade para as áreas de negócio Agenda Contexto Advanced Analytics Qlik Portfolio e Advanced Analytics Teradata + Qlik + Keyrus Business Case Qlik Sense Arquitetura Técnica Qlik Sense Integração Qlik Sense & Teradata Aster Com as mudanças

Leia mais

ITIL V3 GUIA DE MELHORES PRÁTICAS EM GERENCIAMENTO DE SERVIÇOS

ITIL V3 GUIA DE MELHORES PRÁTICAS EM GERENCIAMENTO DE SERVIÇOS ITIL V3 GUIA DE MELHORES PRÁTICAS EM GERENCIAMENTO DE SERVIÇOS CAPÍTULO 1 INTRODUÇÃO ITIL V3 1.1. Introdução ao gerenciamento de serviços. Devemos ressaltar que nos últimos anos, muitos profissionais da

Leia mais

DATA WAREHOUSE. Introdução

DATA WAREHOUSE. Introdução DATA WAREHOUSE Introdução O grande crescimento do ambiente de negócios, médias e grandes empresas armazenam também um alto volume de informações, onde que juntamente com a tecnologia da informação, a correta

Leia mais

Introdução. Gestão do Conhecimento GC

Introdução. Gestão do Conhecimento GC Introdução A tecnologia da informação tem um aspecto muito peculiar quanto aos seus resultados, uma vez que a simples disponibilização dos recursos computacionais (banco de dados, sistemas de ERP, CRM,

Leia mais

LEVANTAMENTO DE REQUISITOS SEGUNDO O MÉTODO VOLERE

LEVANTAMENTO DE REQUISITOS SEGUNDO O MÉTODO VOLERE LEVANTAMENTO DE REQUISITOS SEGUNDO O MÉTODO VOLERE RESUMO Fazer um bom levantamento e especificação de requisitos é algo primordial para quem trabalha com desenvolvimento de sistemas. Esse levantamento

Leia mais

P á g i n a 3 INTRODUÇÃO

P á g i n a 3 INTRODUÇÃO P á g i n a 3 INTRODUÇÃO A Administração de Materiais compreende as decisões e o controle sobre o planejamento, programação, compra, armazenamento e distribuição dos materiais indispensáveis à produção

Leia mais

Padronização de Processos: BI e KDD

Padronização de Processos: BI e KDD 47 Padronização de Processos: BI e KDD Nara Martini Bigolin Departamento da Tecnologia da Informação -Universidade Federal de Santa Maria 98400-000 Frederico Westphalen RS Brazil nara.bigolin@ufsm.br Abstract:

Leia mais

INTRODUÇÃO À GESTÃO DE TECNOLOGIA DA INFORMAÇÃO. Adriana Beal, Eng. MBA Maio de 2001

INTRODUÇÃO À GESTÃO DE TECNOLOGIA DA INFORMAÇÃO. Adriana Beal, Eng. MBA Maio de 2001 INTRODUÇÃO À GESTÃO DE TECNOLOGIA DA INFORMAÇÃO, Eng. MBA Maio de 2001 Apresentação Existe um consenso entre especialistas das mais diversas áreas de que as organizações bem-sucedidas no século XXI serão

Leia mais

Sistemas de Informação Gerencial SUPPLY CHAIN MANAGEMENT

Sistemas de Informação Gerencial SUPPLY CHAIN MANAGEMENT CIÊNCIAS CONTÁBEIS e ADMINISTRAÇÃO Sistemas de Informação Gerencial SUPPLY CHAIN MANAGEMENT maio/2014 APRESENTAÇÃO Em um ambiente onde a mudança é a única certeza e o número de informações geradas é desmedido,

Leia mais

Programa do Curso de Pós-Graduação Lato Sensu MBA em Engenharia de Software Orientada a Serviços (SOA)

Programa do Curso de Pós-Graduação Lato Sensu MBA em Engenharia de Software Orientada a Serviços (SOA) Programa do Curso de Pós-Graduação Lato Sensu MBA em Engenharia de Software Orientada a Serviços (SOA) Apresentação O programa de Pós-graduação Lato Sensu em Engenharia de Software Orientada a Serviços

Leia mais

Profa. Gislaine Stachissini. Unidade II GOVERNANÇA DE TI

Profa. Gislaine Stachissini. Unidade II GOVERNANÇA DE TI Profa. Gislaine Stachissini Unidade II GOVERNANÇA DE TI Estratégia e governança em TI Estratégia empresarial A palavra estratégia vem do grego strategus = "o general superior ou "generalíssimo. Strategia

Leia mais

Data Warehousing Visão Geral do Processo

Data Warehousing Visão Geral do Processo Data Warehousing Visão Geral do Processo Organizações continuamente coletam dados, informações e conhecimento em níveis cada vez maiores,, e os armazenam em sistemas informatizados O número de usuários

Leia mais

RESOLUÇÃO Nº 506, DE 28 DE JUNHO DE 2013

RESOLUÇÃO Nº 506, DE 28 DE JUNHO DE 2013 Publicada no DJE/STF, n. 127, p. 1-3 em 3/7/2013. RESOLUÇÃO Nº 506, DE 28 DE JUNHO DE 2013 Dispõe sobre a Governança Corporativa de Tecnologia da Informação no âmbito do Supremo Tribunal Federal e dá outras

Leia mais

Sistemas de Informações Gerenciais

Sistemas de Informações Gerenciais Sistemas de Informações Gerenciais Aula 4 Sistema de Informação SI baseado em computadores Organização, administração e estratégia Professora: Cintia Caetano INTRODUÇÃO Sistemas de Informação são parte

Leia mais

Sistemas de Apoio à Decisão. Ciências Contábeis Informática Aplicada

Sistemas de Apoio à Decisão. Ciências Contábeis Informática Aplicada Sistemas de Apoio à Decisão Ciências Contábeis Informática Aplicada Sistemas de Apoio à Decisão Segundo LAUDON (2004) apud SANTOS () afirma que um SAD tem por objetivo auxiliar o processo de decisão gerencial,

Leia mais

MINISTÉRIO DA INTEGRAÇÃO NACIONAL SECRETARIA EXECUTIVA DEPARTAMENTO DE GESTÃO ESTRATÉGICA COORDENAÇÃO-GERAL DE TECNOLOGIA DA INFORMAÇÃO ENCARTE R

MINISTÉRIO DA INTEGRAÇÃO NACIONAL SECRETARIA EXECUTIVA DEPARTAMENTO DE GESTÃO ESTRATÉGICA COORDENAÇÃO-GERAL DE TECNOLOGIA DA INFORMAÇÃO ENCARTE R ENCARTE R Estimativa de de Software Estimativa de de Software: Contratação de Serviços de Fábrica de Software Página 1 de 10 SUMÁRIO 1 REFERÊNCIAS... 3 1 INTRODUÇÃO... 3 3.1 ESTIMATIVA PRELIMINAR... 4

Leia mais

XIII Encontro de Iniciação Científica IX Mostra de Pós-graduação 06 a 11 de outubro de 2008 BIODIVERSIDADE TECNOLOGIA DESENVOLVIMENTO

XIII Encontro de Iniciação Científica IX Mostra de Pós-graduação 06 a 11 de outubro de 2008 BIODIVERSIDADE TECNOLOGIA DESENVOLVIMENTO XIII Encontro de Iniciação Científica IX Mostra de Pós-graduação 06 a 11 de outubro de 2008 BIODIVERSIDADE TECNOLOGIA DESENVOLVIMENTO EPE0147 UTILIZAÇÃO DA MINERAÇÃO DE DADOS EM UMA AVALIAÇÃO INSTITUCIONAL

Leia mais

José Benedito Lopes Junior ¹, Marcello Erick Bonfim 2

José Benedito Lopes Junior ¹, Marcello Erick Bonfim 2 ISBN 978-85-61091-05-7 Encontro Internacional de Produção Científica Cesumar 27 a 30 de outubro de 2009 Definição de uma tecnologia de implementação e do repositório de dados para a criação da ferramenta

Leia mais

Módulo 4: Gerenciamento de Dados

Módulo 4: Gerenciamento de Dados Módulo 4: Gerenciamento de Dados 1 1. CONCEITOS Os dados são um recurso organizacional decisivo que precisa ser administrado como outros importantes ativos das empresas. A maioria das organizações não

Leia mais

ITIL (INFORMATION TECHNOLOGY INFRASTRUCTURE LIBRARY)

ITIL (INFORMATION TECHNOLOGY INFRASTRUCTURE LIBRARY) Universidade Federal de Santa Catarina Departamento de Informática e Estatística INE Curso: Sistemas de Informação Disciplina: Projetos I Professor: Renato Cislaghi Aluno: Fausto Vetter Orientadora: Maria

Leia mais

Introdução à Estrutura Organizacional nas Empresas

Introdução à Estrutura Organizacional nas Empresas Conceitos Fundamentais de Engenharia 1 Ano Profª Fernanda Cristina Vianna Introdução à Estrutura Organizacional nas Empresas 1. O Que é Estrutura Organizacional? É a estrutura formal na qual ocorrem as

Leia mais

MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO INSTITUTO NACIONAL DE ESTUDOS E PESQUISAS EDUCACIONAIS ANÍSIO TEIXEIRA PORTARIA Nº 141, DE 24 DE JUNHO DE 2009

MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO INSTITUTO NACIONAL DE ESTUDOS E PESQUISAS EDUCACIONAIS ANÍSIO TEIXEIRA PORTARIA Nº 141, DE 24 DE JUNHO DE 2009 MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO INSTITUTO NACIONAL DE ESTUDOS E PESQUISAS EDUCACIONAIS ANÍSIO TEIXEIRA PORTARIA Nº 141, DE 24 DE JUNHO DE 2009 O Presidente do Instituto Nacional de Estudos e Pesquisas Educacionais

Leia mais

METODOLOGIA DE GERENCIAMENTO DE PROJETO DE SOFTWARE ORIENTADO A OBJETO COM PMBOK

METODOLOGIA DE GERENCIAMENTO DE PROJETO DE SOFTWARE ORIENTADO A OBJETO COM PMBOK V EPCC Encontro Internacional de Produção Científica Cesumar 23 a 26 de outubro de 2007 METODOLOGIA DE GERENCIAMENTO DE PROJETO DE SOFTWARE ORIENTADO A OBJETO COM PMBOK Cleber Lecheta Franchini 1 Resumo:

Leia mais

Requisitos de Software. Teresa Maciel DEINFO/UFRPE

Requisitos de Software. Teresa Maciel DEINFO/UFRPE Requisitos de Software Teresa Maciel DEINFO/UFRPE 1 Requisito de Software Características que o produto de software deverá apresentar para atender às necessidades e expectativas do cliente. 2 Requisito

Leia mais

Apresentação da disciplina e proposta didática Prof. MSc Hugo Vieira L. Souza

Apresentação da disciplina e proposta didática Prof. MSc Hugo Vieira L. Souza Apresentação da disciplina e proposta didática Prof. MSc Hugo Vieira L. Souza Este documento está sujeito a copyright. Todos os direitos estão reservados para o todo ou quaisquer partes do documento, em

Leia mais

Unidade IV ESTRATÉGIA COMPETITIVA. Profa. Lérida Malagueta

Unidade IV ESTRATÉGIA COMPETITIVA. Profa. Lérida Malagueta Unidade IV ESTRATÉGIA COMPETITIVA Profa. Lérida Malagueta Estratégia competitiva Já conhecemos os conceitos sobre a teoria da decisão estratégica e de como competem e cooperam: Os decisores As empresas

Leia mais

IF685 Gerenciamento de Dados e Informação - Prof. Robson Fidalgo 1

IF685 Gerenciamento de Dados e Informação - Prof. Robson Fidalgo 1 IF685 Gerenciamento de Dados e Informação - Prof. Robson Fidalgo 1 Banco de Dados Introdução Por: Robson do Nascimento Fidalgo rdnf@cin.ufpe.br IF685 Gerenciamento de Dados e Informação - Prof. Robson

Leia mais

FUNDAMENTOS DE SISTEMAS DE INFORMAÇÃO

FUNDAMENTOS DE SISTEMAS DE INFORMAÇÃO @ribeirord FUNDAMENTOS DE SISTEMAS DE INFORMAÇÃO Rafael D. Ribeiro, M.Sc,PMP. rafaeldiasribeiro@gmail.com http://www.rafaeldiasribeiro.com.br Sistemas de Informação Sistemas de Apoio às Operações Sistemas

Leia mais